Você está na página 1de 3

Um capítulo de

Machado de Assis
João Alexandre Barbosa

Está no Dom Casmurro, de Machado vida, mas a batalha ficava ganha. Também
de Assis, capítulo LV: quando, passando me ocorreu aceitar a batalha, no sentido
pela experiência do Seminário, numa noite natural, e fazer dela a luta pela pátria, por
de insônia, Bentinho procura compor um exemplo; nesse caso a flor do céu seria a
soneto. Tem o primeiro e o último verso, liberdade. Esta acepção, porém, sendo o
mas o soneto não sai: faltam-lhe os doze poeta um seminarista, podia não caber
versos do meio. tanto como a primeira, e gastei alguns
O primeiro, certamente pensado em minutos em escolher uma ou outra. Achei
relação a Capitu, como o próprio Bentinho melhor a justiça, mas afinal aceitei
o reconhece, embora deixasse margem à definitivamente uma idéia nova, a ca-
ambigüidade, dizia assim: Oh! Flor do céu! ridade…”.
Oh! flor cândida e pura! (“Quem era a flor? Deste modo, embora o narrador asso-
Capitu, naturalmente; mas podia ser a cie a anedota do soneto à leitura que faz de
virtude, a poesia, a religião, qualquer outro uma obra de colega do seminário, o
conceito a que coubesse a metáfora da flor, Panegírico de Santa Mônica, ela é antes fruto
e flor do céu”). da solidão experimentada por Bentinho
O último, pensado como chave de que, obedecendo aos preceitos românticos, O escritor Machado de Assis
ouro, “considerando que o verso final, vincula a saudade de Capitu ao lirismo
saindo cronologicamente dos treze an- amoroso, de tal modo que, segundo o
teriores, com dificuldade traria a per- próprio Bentinho, o primeiro verso lhe alinhar ao grupo de poetas do tempo,
feição louvada”, seria: Perde-se a vida, surgira “como uma exclamação solta”, dentre os quais Bentinho faz sobressair o
ganha-se a batalha! Com este último verso, ainda que uma exclamação decassilábica cantor das torturas do claustro, Junqueira
entretanto, modifica-se a intenção do e, por isso, merecedora de uma con- Freire, que por então estreava:
primeiro: tinuação em forma de poema ou, melhor “Ia ser poeta, ia competir com aquele
“A idéia agora, à vista do último verso, ainda, de soneto, conforme as preferências monge da Bahia, pouco antes revelado, e
pareceu-me melhor não ser Capitu; seria da época. então na moda; eu, seminarista, diria em
a justiça. Era mais próprio dizer que, na Não bastava ser seminarista, ainda que verso as minhas tristezas, como ele dissera
pugna pela justiça, perder-se-ia acaso a relutante: era preciso ser poeta e, por aí, se as suas no claustro.”

26 CULT - setembro/98
As hesitações poéticas da

Xilogravura de João Leite


personagem Bentinho estão em
homologia com a estrutura
narrativa do romance Dom
Casmurro, ecoando os desastres
de suas interpretações pessoais
que culminam na ambigüidade
de seu amor por Capitu

Ao surgir, entretanto, o último verso, a isto o fato de que ele próprio expressa o os versos esquivos, com os seus consoantes
aquele que deveria ser a chave de ouro do descompasso entre ritmo e idéia. e sentidos próprios?”
soneto, quebra-se a linha central da ins- “Para me dar um banho de inspiração, De fato, a metáfora muito viva que
piração inicial e ocorre um desvio funda- evoquei alguns sonetos célebres, e notei ocorre ao narrador para intensificar a
mental, passando-se da expressão das tris- que os mais deles eram facílimos; os ver- impossibilidade de criação de Bentinho –
tezas para uma afirmação de valores mais sos saíam uns dos outros, com a idéia em rimas das estrelas –, fazendo-lhe cada vez
abstratos, tais a justiça, a liberdade ou a si, tão naturalmente, que se não acabava mais distante a apreensão do objeto poético,
caridade. de crer se ela é que os fizera, se eles é que não é do seminarista mas do escritor em
A diferença é apontada mesmo pelo a suscitavam.” que ele, com o passar do tempo e das
próprio poeta-seminarista ao recitar para Entre verso, quer dizer, a linguagem experiências, se transformou e que, apesar
si os dois versos, em que a languidez de própria da poesia, e a idéia, quer dizer, tudo de casmurro, encontrava ainda os termos
um contrasta com o ritmo forte do outro. aquilo que o verso é capaz de fazer chegar com que figurar toda a dramaticidade
Mas entre a languidez do primeiro verso ao leitor como pensamento ou sentimento, daquela fase juvenil que se debatia com a
e o brio do segundo, cava-se um fosso e Bentinho percebe e registra um des- angustiosa incapacidade de expressão.
nem mesmo a inversão de sentido a que compasso fatal em sua elucubração, ainda Por isso, por ser assim uma reflexão
submete o segundo, Ganha-se a vida, mais acentuado se estão presentes os posterior acerca da criação poética, que
perde-se a batalha!, é capaz de realizar o modelos de poesia de que a sua memória é existe por entre trechos de uma memória
milagre da retomada da inspiração capaz de evocar. Aquele “banho de ins- de formação, de que todo o Dom Casmurro
inicial. piração”, a que ele recorre no trecho ante- é expressão, o capítulo machadiano fisga
Mas este fosso tem uma razão mais rior, sendo o recurso de quem conhece e as tensões existentes não apenas no próprio
recôndita: é que, ao passar da expressão convive com os clássicos, é tão inútil ato de criação poética, mas nas relações
de sentimentos, tal como está no primeiro quanto o apelo à natureza que ele fantasia entre poéticas conflitantes que, no entanto,
verso, para a afirmação de idéias, como em seguida: conviviam nos momentos daquela for-
está no segundo, embora seja conservado “Não tinha janela; se tivesse, é possível mação, isto é, por um lado, os traços
vagamente o ritmo decassilábico, a cons- que fosse pedir uma idéia à noite. E quem românticos da adolescência de Bentinho,
ciência de Bentinho funciona como in- sabe se os vaga-lumes, luzindo cá embaixo, e, por outro, a presença de elementos
terrupção do encantamento que dera não seriam para mim como rimas das realistas traduzidos pela escrita do nar-
origem ao primeiro verso, acrescendo-se estrelas, e esta viva metáfora não me daria rador casmurro.

setembro/98 - CULT 27
Mas aquilo que dá consistência às concêntricos, envolvendo mais do que A composição de Machado
tensões de convivência entre as diferenças uma simples narração de juvenil angústia de Assis atua em círculos
é a consciência crítica do narrador com de criação: ela termina apontando para um concêntricos e, mais do que
relação ao próprio processo de criação certo modo de recepção da obra poética
poética, o que explica, por outro lado, que no momento e meio em que se situava o
a narração de uma angústia
o capítulo que encerra a anedota do soneto escritor, em que a seriedade do com- juvenil de criação, termina
seja a continuação daquele em que propõe portamento social incluía o escrever em apontando para um modo de
uma reflexão sobre o hábito, ou “sarna de prosa e pensando-se a poesia como pro- recepção da obra poética no
escrever”, segundo suas palavras, e que, duto de acidentes e acasos de realização. momento e meio em que se
naquele momento, é referido ao próprio As frases finais do capítulo sobre o situava o escritor
narrador casmurro. soneto confirmam esta concepção:
“Esta sarna de escrever, quando pega “Trabalhei em vão, busquei, catei,
aos cinqüenta anos, não despega mais. Na esperei, não vieram os versos. Pelo tempo
mocidade é possível curar-se um homem adiante escrevi algumas páginas em prosa,
dela; e, sem ir mais longe, aqui mesmo no e agora estou compondo esta narração, não Clóvis Ferreira/AE

seminário tive um companheiro que achando maior dificuldade que escrever,


compôs versos, à maneira dos de Junqueira bem ou mal. Pois, senhores, nada me
Freire, cujo livro de frade-poeta era consola daquele soneto que não fiz. Mas,
recente. Ordenou-se; anos depois, en- como eu creio que os sonetos existem
contrei-o no coro de São Pedro e pedi-lhe feitos, como as odes e os dramas, e as
que me mostrasse os versos novos. demais obras de arte, por uma razão de
– Que versos? Perguntou meio es- ordem metafísica, dou esses dois versos
pantado. ao primeiro desocupado que os quiser. Ao
– Os seus. Pois não se lembra que no domingo, ou se estiver chovendo, ou na
seminário… roça, em qualquer ocasião de lazer, pode João Alexandre Barbosa é um dos
– Ah! Sorriu ele. tentar ver se o soneto sai. Tudo é dar-lhe maiores críticos literários do país,
Sorriu, e continuando a procurar num uma idéia e encher o centro que falta”. autor de A metáfora crítica, As
livro aberto a hora em que tinha de cantar É notável como Machado de Assis, de ilusões da modernidade (pela
no dia seguinte, confessou-me que não modo coerente, faz o seu Dom Casmurro Perspectiva), A imitação da forma,
fizera mais versos depois de ordenado. expressar uma concepção da poesia que, Opus 60 (Livraria Duas Cidades) e
Foram cócegas da mocidade: coçou-se, não se sabendo resolver por entre o A leitura do intervalo (Iluminuras).
passou, estava bom. E falou-me em prosa romantismo de sua formação e o realismo- Professor titular de teoria literária
de uma infinidade de coisas do dia, a vida parnasianismo de sua maturidade, ecoa os e literatura comparada, foi diretor
cara, um sermão do padre X… uma desastres de suas interpretações pessoais da Faculdade de Filosofia, Letras
vigairaria mineira…” que culminam na ambigüidade narrativa e Ciências Humanas da USP,
Da mesma maneira, assim como a de seus amores com Capitu. presidente da Edusp e Pró-reitor de
execução do Panegírico de Santa Mônica, Mais ainda: o primeiro e o último ver- Cultura da mesma universidade.
que provoca a lembrança do soneto sos do soneto constroem, de modo preciso, João Alexandre assina mensal-
frustrado de Bentinho, a criação poética é a figura do vazio que responde aos doze mente esta seção da CULT, cujo
vista pelo amadurecido Casmurro como outros não criados e àquilo que ficou en- nome foi inspirado no título de seu
acidente da mocidade, coceira, ou sarna, tre as duas pontas da vida, a que se refere o mais recente livro, A biblioteca
passageira, à espera da rotina permanente narrador no segundo capítulo da obra. imaginária (Ateliê Editorial). Ainda
da prosa. Uma homologia mágica, que somente a este ano, o crítico lançará a
Neste sentido, a composição de consciência crítica de Machado de Assis coletânea de ensaios Entre livros,
Machado de Assis atua em círculos foi capaz de operar. também pela Ateliê.

28 CULT - setembro/98

Você também pode gostar