Você está na página 1de 23

AGENTES

EXTINTORES

PROF. VERA LÚCIA


AGENTES EXTINTORES
Introdução

 São os produtos utilizados na prevenção e extinção de incêndios.

 São utilizados através de equipamentos especializados ou


instalações adequadas.

 São destinados a possibilitar o lançamento sobre as chamas ou


sobre o líquido derramado, com o objetivo de evitar o início da
combustão.
AGENTES EXTINTORES
Objetivo

 Equipamentos e instalações:

– proteção do operador, mantendo-o à distância das


chamas;

– alcance das chamas;

– facilitar a distribuição gradativa e de forma homogênea


do agente extintor;

– promover a interação do agente extintor com as


chamas.
AGENTES EXTINTORES
Armazenamento

 São utilizados através de extintores:


– portáteis;
– carretas.

 São utilizados através de instalações fixas:


– automáticas;
– sob comando.

 São armazenados e utilizados nos estados:


– líquido;
– sólido;
– gasoso.
AGENTES EXTINTORES
Tipos

 Agentes extintores de uso mais comum:

– água;

– espuma mecânica;

– Dióxido de Carbono;

– pó químico.
AGENTES EXTINTORES
Água

 Agente extintor mais antigo e mais utilizado.

 Age principalmente por:


– resfriamento e
– Abafamento;

 Dependendo das características do combustível, pode agir por:


– emulsificação e
– diluição.
AGENTES EXTINTORES
Água

 Estados:
→ jato pleno (compacto)
– Líquido → pulverizado
→ neblina

– Gasoso → vapor
AGENTES EXTINTORES
Água

 A extinção somente é obtida quando o efeito do agente extintor alcança o ponto no


qual a combustão ocorre.

 Água na forma de jato pleno:


– antigamente:
• principal método de extinção era limitado a essa forma.
– atualmente:
• ainda é utilizado para extinção de incêndios da Classe A;
• para alcance de instalação/edificação à distância.

 Água na forma de jato pleno e neblina:


– esguichos combinados;
– melhor eficiência da água.
AGENTES EXTINTORES
Água

 Extinção por Resfriamento:


– para extinção das chamas - a temperatura do material
deve diminuir abaixo daquela que libera vapores, em
quantidade suficiente para manter a combustão.

– Não é eficiente para extinção de incêndios em:


• gases;
• líquidos inflamáveis com ponto de combustão
abaixo da temperatura da água aplicada.
AGENTES EXTINTORES
Água

 Umidificação:

– método de prevenção bastante empregado em áreas


não atingidas pelo fogo.

– o material combustível absorve a umidade e retarda sua


ignição.
AGENTES EXTINTORES
Água

 Extinção por Abafamento:


– relacionada a mudança de estado físico da água – líquido →
gasoso (vapor).

– na forma de neblina, a superfície de contato é muito maior.

– vapor gerado em quantidade suficiente, há redução gradativa


do oxigênio.

– Líquidos inflamáveis apresentam combustão apenas em


superfície, assim, o abafamento por meio de vapor d'água é
mais eficiente quando ocorre em locais fechados.
AGENTES EXTINTORES
Água

 Extinção por Emulsificação:


– ocorre quando a água, na forma de jato, é lançada sob
pressão na superfície de um líquido não miscível;

– o líquido deve ter baixa pressão de vapor, como é o


caso de óleos lubrificantes;

– é pouco eficiente em líquidos com alta pressão de


vapor;

– deve-se ter cuidado com transbordamentos.


AGENTES EXTINTORES
Água

 Extinção por Diluição:


– incêndios com líquidos solúveis em água;

– deve-se ter o cuidado com transbordamentos.


AGENTES EXTINTORES
Água

 Risco de choque elétrico:


– Não deve ser usada em incêndios da Classe C.
AGENTES EXTINTORES
Espuma Mecânica

 Formada pela mistura:


– ÁGUA + LÍQUIDO GERADOR DE ESPUMA (LGE) + AR

– Deve possuir baixa densidade para que flutue sobre os


líquidos inflamáveis.

– A solução Água/LGE deve incorporar grande


quantidade de ar, expandindo a solução em, pelo
menos cinco vezes.

– Deve possibilitar a formação de um “colchão” sobre a


superfície do líquido.
AGENTES EXTINTORES
Espuma Mecânica

 Extinção por Abafamento:


– quando o “colchão” é formado.

 Extinção por Diluição:


– com a liberação da água;
– a liberação deve ser lenta para não destruir o “colchão”;
– para que isso ocorra é importante:
• expansão;
• tempo de drenagem da água.
– a dosagem de LGE varia conforme os produtos.
AGENTES EXTINTORES
Espuma Mecânica

 Não é apropriada para incêndios em gases.

 Para incêndios da Classe A, apresenta relativa eficiência, sendo


superior a do pó químico, porém inferior à água.

 Não deve ser usada em incêndios da Classe C.


AGENTES EXTINTORES
Dióxido de Carbono

 O CO2 é um gás mais pesado que o ar, na temperatura e pressão normais.


 É inerte
 Não possui cheiro.
 Não possui cor.
 Não é condutor de eletricidade.
 Não é corrosivo.
 Não produz danos.
 Não deixa resíduos.
 Fornece sua própria pressão para funcionamento dos extintores.
 Penetra e se espalha em todo o recinto.
 Não é tóxico, embora possa causar inconsciência e morte, quando presente em
concentrações necessárias para extinção de incêndios.
AGENTES EXTINTORES
Dióxido de Carbono

 Extinção por Abafamento:


– Redução da concentração de oxigênio.
AGENTES EXTINTORES
Dióxido de Carbono

 Extinção de incêndios:
– líquidos inflamáveis;

– equipamentos elétricos energizados;

– utilizado com menos frequência em incêndios de


materiais combustíveis ordinários – papéis, tecidos;

– deve ser usado onde é exigido um agente extintor não


condutor de eletricidade, que não deixa resíduos.
AGENTES EXTINTORES
Pó Químico

 É composto por finíssimas partículas de Bicarbonato de Sódio +


aditivos específicos.

 É submetido a tratamentos adequados para dar resistência:


– A vibração;
– A absorção de água.

 Eficiência é função do tamanho das partículas.

 Por ser corrosivo, restrições a equipamentos delicados.


AGENTES EXTINTORES
Pó Químico

 Atua na cadeia da reação de combustão. A ação secundária é o


abafamento.

 Elevada eficiência na extinção de incêndios em gases e líquidos


inflamáveis.

 Pode ser usado em incêndios da Classe C, pois não é condutor


de eletricidade.

 Pode ser usado nos incêndios da Classe A, mas, por não atuar
em profundidade, deve ser utilizada água para complementar.
AGENTES EXTINTORES
Pó Químico

 Fatores que influenciam na perda de qualidade:

– umidade – leva ao empedramento e à compactação do


pó;

– temperatura – o pó volta a sua condição original –


Carbonato de Sódio – diminuição da eficiência;

– perda de partículas menores – resulta na diminuição do


poder de extinção, devido à menor reatividade.