Você está na página 1de 31

Migração do RPPS Para o RPC

Prós e Contras

Elaboração: Diretoria de Estudos Técnicos

Brasília-DF, junho de 2018


Diretoria Executiva Nacional Diretor-Suplente
Leonardo Picanço Cruz
Presidente
Cláudio Márcio Oliveira Damasceno
a
1 Vice-Presidente Conselho Fiscal
Maria Cândida Capozzoli de Carvalho
2º Vice-Presidente Membros Titulares
Luiz Henrique Behrens Franca João Luiz dos Santos
Secretário-Geral Armando Domingos Barcelos Sampaio
Rogério Said Calil Elias Carneiro Júnior
Diretor-Secretário
Pedro Egídio Alves de Oliveira
Diretor de Administração e Finanças Membros Suplentes
Albino Dalla Vecchia Marchezan Albuquerque Taveira
1º Diretor-Adjunto de Administração e Pérsio Rômel Macedo Ferreira
Finanças Roney Sandro Freire Correa
César Araújo Ramos
2º Diretor-Adjunto de Administração e DIRETORIA DE ESTUDOS TÉCNICOS
Finanças
Cloves Francisco Braga Wagner Teixeira Vaz
Diretor de Assuntos Jurídicos Diretor de Estudos Técnicos
Sebastião Braz da Cunha dos Reis Edison de Souza Vieira
1º Diretor-Adjunto de Assuntos Jurídicos Diretor-Adjunto de Estudos Técnicos
Carlos Rafael da Silva
2º Diretor-Adjunto de Assuntos Jurídicos Equipe Técnica:
Sérgio Santiago da Rosa Álvaro Luchiezi Júnior
Diretor de Defesa Profissional Economista, Gerente de Estudos Técnicos
Dagoberto da Silva Lemos Alexandre Rodriguez Alves Coelho
Diretor-Adjunto de Defesa Profissional Economista, Assessor de Diretoria III
Genidalto da Silva Paiva
Diretor de Estudos Técnicos
Wagner Teixeira Vaz
Diretor-Adjunto de Estudos Técnicos
Edison de Souza Vieira
Diretora de Comunicação Social
Pedro Delarue Tolentino Filho
Diretor-Adjunto de Comunicação Social
Mário Luiz de Andrade Sindicato Nacional dos Auditores Fiscais da
Diretora de Assuntos de Aposentadoria, Receita Federal do Brasil
Proventos e Pensões SDS - Conjunto Baracat - 1º andar - salas 1 a 11
Nélia Cruvinel Resende Brasília/DF - CEP 70392-900
Diretor-Adjunto de Assuntos de Fone (61) 3218 5200 - Fax (61) 3218 5201
Aposentadoria, Proventos e Pensões www.sindifisconacional.org.br
José Castelo Branco Bessa Filho e-mail: estudostecnicos@sindifisconacional.org.br
Diretor do Plano de Saúde
Roberto Machado Bueno É permitida a reprodução deste texto e dos
Diretor-Adjunto do Plano de Saúde dados nele contidos, desde que citada a fonte
Agnaldo Neri
Diretor de Assuntos Parlamentares
José Devanir de Oliveira
Diretor-Adjunto de Assuntos Parlamentares
Maíra Giannico
Diretor de Relações Internacionais e
Intersindicais
Luiz Gonçalves Bomtempo
Diretor de Defesa da Justiça Fiscal e da
Seguridade Social
Assunta di Dea Bergamasco
Migração do RPPS Para o RPC
Prós e Contras

1. O Regime de Previdência Complementar e a Funpresp

Os ocupantes de cargos de provimento da União, suas autarquias e fundações,


pertencentes ao Regime Próprio de Previdência Social (RPPS) poderão, prévia e
expressamente, optar pelo Regime de Previdência Complementar (RPC), até 29 de
julho de 20181.
No RPC, o valor dos proventos e pensões não terá por base de cálculo dos
benefícios a remuneração do servidor e ficará limitado ao teto do Regime Geral de
Previdência Social – RGPS – (R$ 5.645,80 em 2018), mediante contribuição
compulsória de até 11% deste limite. Esta regra valerá, obrigatória e
irrevogavelmente, para todos aqueles que ingressarem no serviço público após
03/02/2013, sendo facultativa aos que ingressaram até esta data.

O RPC é uma modalidade de previdência integrante do Sistema Brasileiro de


Previdência nos quais estão inseridas diversas entidades de previdência
complementar, fechadas e abertas, autorizadas e responsáveis por operar o plano de
benefícios da previdência complementar.

A Fundação de Previdência Complementar do Servidor Público Federal do


Poder Executivo (Funpresp-Exe), é responsável pela gestão do plano de previdência
complementar ExecPrev, o qual presta cobertura previdenciária ao servidor do Poder
Executivo que desejar complementar proventos (ou pensões) acima do teto do RGPS,
com participação contributiva paritária da União, sob a forma de patrocinador. 2

As regras do RPC não são mutualmente excludentes daquelas de outras


modalidades de regime previdenciário como o RGPS e o RPPS. Decorre disto, por
exemplo, que os servidores públicos titulares de cargo efetivo da União, cuja
remuneração supera o limite do teto do RGPS e que já estão sob as regras do novo
regime previdenciário, são, concomitantemente, beneficiários do RPPS da União,
administrado diretamente por esta, e participante do RPC, administrado pela
Funpresp-Exe. Em outras palavras, a adesão às novas regras disciplinadas do RPC
não acarretam na suspensão ou exclusão da cobertura previdenciária da União
1 o
Conforme o art. 92 da Lei n 13.328/16
2
Está prevista em lei a Funpresp – Leg. Atualmente, o plano de previdência complementar do
Legislativo (LegisPrev) também é administrado pelo Funpresp-Exe. A Fundação de Previdência
Complementar do Servidor Público Federal do Poder Judiciário (Funpresp-Jud), é responsável pelo
plano de previdência complementar do servidor público do Poder Judiciário Federal, o Funpresp-Jud.
3
fazendo com que o servidor esteja vinculado a dois regimes previdenciários. No
entanto, esse benefício da União do qual o servidor fara jus ficará limitado ao teto do
INSS.

Os servidores que ingressaram até 03 de fevereiro de 2013 são


automaticamente contribuintes do RPPS, e têm a opção de migrar para o RPC. Eles
poderão ou não aderir à Funpresp-Exe. Esta adesão é facultativa. Existe, portanto, a
previsão de se associar ao novo regime sem utilizar nenhuma entidade de previdência
complementar. Neste caso, o contribuinte contaria em seu benefício de aposentadoria
com as parcelas do limite do RGPS e com o Benefício Especial. Não faria a sua
contribuição individual mas também não contaria com a parte da contribuição paritária
do patrocinador. E este seria o maior desestímulo para não aderir à Funpresp-Exe,
salvo em caso de alguma aplicação de curto e médio prazo ultravantajosa.

Já os servidores que ingressaram no serviço público entre 04 de fevereiro de


2013, data de vigência do RPC, até 03 de novembro de 2015, com remuneração
superior ao limite do RGPS, estão automaticamente inscritos no respectivo plano de
previdência complementar desde a data de entrada em exercício. A eles é
assegurado o direito de requerer o cancelamento da sua inscrição, em qualquer
momento. Caso o façam em até 90 dias da data da inscrição, têm assegurada a
restituição integral das contribuições, corrigidas monetariamente3.

Para ter complementação acima do teto, o servidor poderá contribuir com os


seguintes percentuais, a título de Contribuição Básica: i) 8,5%; ou ii) 8,0%; ou iii)
7,5%. Caso o filiado deseje contribuir com mais de 8,5% ele pode fazê-lo, desde que
na forma de Contribuição Facultativa. O patrocinador só contribuirá paritariamente, ou
seja, aportará o mesmo montante que o participante, em até 8,5%. Por exemplo, se o
servidor contribuir com 7,5%, o patrocinador também contribuirá com 7,5%. Se
contribuir com 8,5%, a contrapartida do patrocinador será 8,5%. Mas se desejar
contribuir com alíquota maior que 8,5%, o patrocinador somente contribuirá com
8,5%.
Se o servidor optar por outra entidade de previdência complementar que não o
Funpresp-Exe, não contará com a contrapartida do patrocinador. Esta condição é de

3 o o
Cf. art. 4 da Lei N 13.183, de 04 de novembro de 2015, que alterou o art. 1º da Lei nº 12.618, de
o o
30 de abril de 2012, § § 2 a 6 .
4
tal forma vantajosa para o servidor que decidir migrar para o RPC que, em termos
práticos, sua única opção é o ExecPrev4.
O servidor que aderir ao RPC/Funpresp-Exe será denominado Participante
Ativo Normal.5 No ato de sua aposentadoria ele perceberá um benefício constituído
de até três partes, a saber:
a) a primeira, parcela básica fixa, correspondente ao teto do RGPS, a ser paga
pela União;

b) a segunda, variável, equivalente ao montante das contribuições individuais


com as contribuições paritárias do patrocinador, acrescida da rentabilidade das
aplicações financeiras realizadas pelo administrador do fundo de pensão; e

c) a terceira corresponde ao Benefício Especial, instituído no §1º do art. 3 da


Lei 12.618/2016, devido apenas ao servidor que migrar para o RPC. Esta
parcela é paga pelo RPPS da União, calculada com base nas contribuições já
realizadas para o Regime Próprio e pelo tempo de contribuição.

O Sindifisco Nacional, ciente das repercussões e implicações da permanência


no RPPS ou da adesão ao RPC/ FUNPRESP-EXE para o Auditor Fiscal, elabora a
presente nota com o intuito de fazer algumas ponderações, na forma de “prós e
contras”, sobre diversos aspectos envolvendo essa decisão.

A opção pelo RPC/ FUNPRESP-EXE será, essencialmente, uma decisão


pessoal. Questões relativas à vida privada de cada Auditor Fiscal são exclusivas a
cada um, individualmente. Da mesma forma o são suas expectativas futuras quanto
ao padrão de vida que espera obter e ao comportamento de suas finanças pessoais
(gastos pessoais e familiares; capacidade de poupança e investimento; administração
patrimonial; rentabilidade esperada ou necessária de suas aplicações financeiras;
etc.), como também avaliações sobre o desempenho das variáveis macroeconômicas
que influem em suas expectativas. Em suma, toda decisão tem riscos que lhe são
inerentes. E ambos, decisão e risco, somente podem ser assumidos individualmente.

2. Simulações de Migração do RPPS ao RPC com Adesão à Funpresp

A fim de ilustrar situações de migração entre os dois regimes (RPPS e


RPC/Funpresp-Exe), apresentamos a seguir três exemplos, com base na
4
Por esta razão, no presente texto, toda vez que nos referirmos à opção por migrar para o RPC,
supomos também que haverá opção pelo Funpresp-Exe e seu plano de benefícios, o ExecPrev.
Textualmente, grafaremos RPC/Funpresp-Exe.
5
Submetido ao teto do RGPS e base de contribuição maior que o referido teto.
5
remuneração de Auditores Fiscais, com data de entrada em exercício do cargo efetivo
em diferentes momentos do tempo: uma antiga; uma recente, próxima da data limite
para permanecer no RPPS; e uma situação intermediária.

As simulações foram feitas no “Simulador de Migração” disponibilizado na


página da internet da Funpresp-Exe6 e estão disponíveis no anexo desta nota.

Com base nas regras previdenciárias vigentes, o simulador calcula e compara


o valor dos benefícios líquidos7 equivalentes à “remuneração representativa” de cada
uma das três situações, tanto no caso de permanência no RPPS, como no de
migração ao RPC/Funpresp. A opção que apresentar maior benefício líquido é
considerada a melhor.

Para tanto, é necessário que sejam preenchidas as seguintes informações


cadastrais, variáveis de entrada da simulação:

a) data de nascimento;
b) sexo;
c) data de ingresso no serviço público federal;
d) data de ingresso no cargo da união;
e) histórico de remunerações;
f) percentual de crescimento salarial real;
g) taxa de rentabilidade esperada da Funpresp.

Os itens de “a” a “d” são fundamentais para estimar a data de elegibilidade


para receber os benefícios previdenciários e, por conseguinte, o tempo de
contribuição decorrente até a aposentadoria. Estas informações também são
necessárias para que se calcule o valor esperado do benefício especial (BE)8.

Os itens “e” e “f” determinam o montante dos benefícios mensais de


aposentadoria pelo RPPS. E os itens “e” e “g” determinam o montante dos benefícios
mensais pelo RPC.

Para a realização do cálculo, o simulador adota algumas premissas,


inalteráveis, destacadas a seguir:

6
Disponível em <https://www.funpresp.com.br/fique-por-dentro/noticias/2017/julho/11969>. Acesso em
20 jun. 2018.
7
Após incidência tributária (contribuição previdenciária e imposto de renda).
8
O BE equivale à diferença entre a média de 80% das maiores remunerações, base para cálculo dos
benefícios e das contribuições ao RPPS, durante o período contributivo anterior à mudança do regime,
o o o
atualizado pelo IPCA, e o teto do RGPS, multiplicado por um fator de conversão (§ 2 , art. 2 , Lei N
12.618/12).
6
 A idade para a elegibilidade do benefício corresponde a 60 anos nas três
simulações deste texto. Esta é a regra geral de aposentadoria prevista na
alínea a), inciso III, art. 40 da Constituição Federal. Aplica-se, também,
conforme a regra do inc. I, art. 6o, E.C. 41, a todos os casos de ingressados no
serviço público a partir de 17 de dezembro de 1998. Até esta data, o inc. I, art.
3o da E.C. 47 prevê uma regra9 que, dependendo da data de nascimento do
servidor, poderá resultar em idade inferior a 60 anos, como seria o caso do
exemplo adotado na Simulação 1. Entretanto, o simulador não está adaptado a
esta regra, e mesmo para casos como o da Simulação 1, ele indica a data de
elegibilidade ao benefício no RPPS como sendo aquela em que o servidor
completaria 60 anos;
 O valor do benefício líquido percebido no RPC/ FUNPRESP-EXE é bastante
sensível à taxa de rentabilidade esperada da Funpresp. A taxa de rentabilidade
média real das aplicações da Funpresp neste simulador fica restrita à faixa
entre 3% a 6% ao ano, fato que limita os cálculos. O simulador deveria permitir
uma taxa de rentabilidade inferior ou superior a esse intervalo de modo a
viabilizar outros cenários;
 Supõe-se que os resultados da simulação referem-se ao valor presente
líquido. Assim, por exemplo, se o simulador indicar que o beneficiário se
aposentará em 2035 e o valor do benefício for R$ 20.000,00, isso significa que
o beneficio equivalerá à R$ 20.000,00 a preços de 01/01/2018;
 O simulador pressupõe que a tabela progressiva do imposto de renda e o
teto do RGPS serão corrigidos de acordo com a inflação. Esse pressuposto é
razoável para o teto do RGPS, pois a regra atual prevê seu reajuste pelo INPC.
Porém tal assertiva não se aplica à tabela progressiva do imposto de renda,
para a qual não há uma política de correção definida.

Um pressuposto da simulação é que toda a carreira do beneficiário ocorreu


exclusivamente no cargo público de Auditor Fiscal, não havendo tempo de serviço
anterior em outra função ou cargo público ou privado.

Considera-se, em termos gerais, como servidor representativo o Auditor Fiscal


da Receita Federal do Brasil que antes de ingressar nesse cargo público, nunca
exerceu outra atividade remunerada.

A base de dados aplicada no simulador foi extraída do histórico da Tabela


Remuneratória dos Auditores Fiscais desde 1995. O valor considerado foi o subsídio
ou vencimento básico sem considerar adicionais pecuniários. Ademais, estão
consideradas as regras de promoção e progressão definidas na regra vigente,
regulamentada no Decreto nº 84.669/1980. Além disso, assumiu-se o seguinte:

 Projeção de crescimento salarial real médio para os anos futuros de 0,35%


a.a. Esse valor usa como parâmetro os ganhos reais auferidos pelo Auditor
Fiscal durante o período entre Jan/2008 e Dez/2017;

9
A soma do tempo de contribuição e da idade deve resultar em 95 para homens e 85 para mulheres.
Caso isso não ocorra o servidor deverá cumprir um “pedágio” até que se complete o prazo.
7
 Projeção de rentabilidade média real (acima da inflação) dos investimentos
da Funpresp-Exe nos anos futuros de 3% ao ano. Este percentual é inferior ao
desempenho da Funpresp-Exe nos primeiros cinco anos de suas atividades
(Tabela 1).
 Optou-se pelo regime regressivo do imposto de renda, pois, no que tange a
poupanças previdenciárias, de longo prazo, os descontos sobre os benefícios
são menores que no regime progressivo e, portanto, mais vantajoso;
 O ingresso no serviço público ocorre com 20 anos de idade e é considerado
o primeiro emprego;
 O beneficiário é do sexo masculino, cujo tempo de contribuição corresponde
a 35 anos.
Tabela 1
Rentabilidade Bruta dos Investimentos da Funpresp ExecPrev Em %
Ano 2013 2014 2015 2016 2017 Acumulado Média
Taxa
Taxa Nominal 6,92 11,41 14,40 15,28 10,82 74,09
IPCA 5,91 6,4 10,67 6,28 2,94 36,44
Taxa Real 0,95 4,71 3,37 8,47 7,65 27,60 4,99
Elaboração: Departamento de Estudos Técnicos do Sindifisco Nacional
Fonte: Relatórios Anuais de Informações Funpresp 2013 a 2017

2.1. Resultados das Simulações com taxa de rendimento real anual de 3%

2.1.1. Simulação 1

I. Pressupostos
 Idade atual: 43 anos e 5 meses
 Data de ingresso no serviço público: Janeiro de 1995 (há 23 anos e 5 meses)
 Vencimento básico atual: R$ 26.127,87
 Data de aposentadoria 01/01/2035, ao completar 60 anos.

II. Valores Calculados


a) Valor Presente Líquido dos proventos de aposentadoria pelo RPPS:
 R$ 19.210,3210

b) Valor Presente Líquido do benefício de aposentadoria pelo RPC/Funpresp:


 R$ 17.673,7511

2.1.2. Simulação 2

I. Pressupostos
 Idade atual: 33 anos e 2 meses
 Data de ingresso no serviço público: Janeiro de 2005 (há 13 anos e 4 meses)
 Vencimento básico atual: R$ 26.127,87

10
Descontados a contribuição previdenciária de aposentado e o imposto de renda.
11
Descontados a taxa de carregamento e o imposto de renda. O valor bruto total é R$ 22.120,43,
assim decomposto: Benefício de aposentadoria: R$ 4.383,69; Benefício Especial (BE): R$ 12.091,34;
Benefício teto RPPS: R$ 5.645,80.
8
 Data de aposentadoria: 01/01/2045, ao completar 60 anos.

II. Valores Calculados


a) Valor Presente Líquido dos proventos de aposentadoria pelo RPPS:
 R$ 18.357,1512

b) Valor Presente Líquido do benefício de aposentadoria pelo RPC/Funpresp:


 R$ 17.403,2313

2.1.3. Simulação 3

I. Pressupostos
 Idade atual: 25 anos e 2 meses
 Data de ingresso no serviço público: Janeiro de 2013 (há 5 anos e 4 meses)
 Vencimento básico atual: R$ 21.355,26
 Data de aposentadoria 01/01/2053, ao completar 60 anos.

II. Valores Calculados


a) Valor Presente Líquido dos proventos de aposentadoria pelo RPPS
 R$ 16.028,2314

b) Valor Presente Líquido do benefício de aposentadoria pelo RPC/Funpresp:


 R$ 15.040,8815

As três simulações realizadas apontam que, se mantidas as condições


previdenciárias vigentes, a solução mais vantajosa é que o servidor se mantenha no
RPPS. Entretanto, conforme já ressalvado, os resultados produzidos estão
sensivelmente relacionados com os valores previstos para o crescimento real da
remuneração e para a taxa de rentabilidade média real esperada da Funpresp-Exe.

Se, por exemplo, a taxa de rentabilidade média da Funpresp-Exe for majorada


para 5%, o valor da rentabilidade média dos cinco primeiros anos de operação da
Funpresp conforme a Tabela 1, e todas as outras variáveis mantidas constantes, os
resultados apontarão ser mais vantajosa a adesão à Funpresp, para os beneficiários
das simulações 2 e 3, aqueles com menor tempo de exercício efetivo do cargo, como
demonstrado a seguir.

12
Descontados a contribuição previdenciária de aposentado e o imposto de renda.
13
Descontados a taxa de carregamento e o imposto de renda. O valor bruto total é R$ 20.808,5, assim
decomposto: Benefício de aposentadoria: R$ 6.917,33; Benefício Especial (BE): R$ 6.890,10; Benefício
teto RPPS: R$ 5.645,80.
14
Descontados a contribuição previdenciária de aposentado e o imposto de renda.
15
Descontados a taxa de carregamento e o imposto de renda. O valor bruto total é R$ 17.254,29, assim
decomposto: Benefício de aposentadoria: R$ 7,942,35; Benefício Especial (BE): R$ 2,109,93; Benefício
teto RPPS: R$ 5.645,80.
9
2.2. Resultados das Simulações com taxa de rendimento real anual de 5%

2.2.1. Simulação 1

I. Valores Calculados
a) Proventos do servidor que se manter no RPPS após descontada a contribuição
previdenciária do aposentado e o IR (Valor presente líquido):
 R$ 19.210,32

b) Valor Presente Líquido do benefício de aposentadoria pelo RPC/Funpresp:


 R$ 18.426,19

2.2.2. Simulação 2

I. Valores Calculados
a) Valor Presente Líquido dos proventos de aposentadoria pelo RPPS:
 R$ 18.357,15

b) Valor Presente Líquido do benefício de aposentadoria pelo RPC/Funpresp:


 R$ 19.951,96

2.2.3. Simulação 3
I. Valores Calculados

a) Valor Presente Líquido dos proventos de aposentadoria pelo RPPS


 R$ 16.028,90

b) Valor Presente Líquido do benefício de aposentadoria pelo RPC/Funpresp:


 R$ 19.209,04

O simulador colocado à disposição pela própria Funpresp-Exe auxilia os


servidores públicos, produzindo informações úteis para a tomada de decisão.
Contudo, os resultados ali apontados são apenas projeções baseadas em
expectativas do comportamento de importantes indicadores macroeconômicos
(rentabilidade e remuneração reais, além de outros que os norteiam: inflação;
crescimento econômico; taxa de juros efetiva etc.). Os cenários econômico e político
são, via de regra, afetados por circunstâncias das quais não se tem controle.

De forma alguma os resultados implicam qualquer tipo de garantia quanto ao


valor a ser recebido futuramente em ambos os regimes.

As simulações também não consideram possíveis reformas previdenciárias,


tanto a que poderá ocorrer talvez nos próximos quatro anos, quanto outras futuras

10
que poderão lhe suceder. Quaisquer alterações nas regras previdenciárias podem
mudar completamente o panorama previsto.

Por exemplo, estudo encomendado pela ANAFE - Associação Nacional dos


Advogados Públicos Federais16, que realizou simulações similares às nossas, aquelas
que envolviam alterações nas regras previdenciárias, com aumento da contribuição
previdenciária do servidor para 14%, apontaram que a opção mais vantajosa é aderir
à Funpresp. Alterações como essa são apenas uma expectativa colocada pelo
Governo Federal sob diversas formas17.

Além desses fatores, essencialmente governados pelas expectativas e


imprevisíveis por natureza, é preciso também levar em conta outros que, dependendo
do perfil de investidor18 do futuro beneficiário, podem ser relevantes para a sua
tomada de decisão. A seção a seguir discorre sobre estes fatores.

3. Considerações sobre a Adesão ao RPC/Funpresp-Exe

3.1. Imprevisibilidade

No RPPS o servidor já tem conhecimento prévio de quanto receberá de


proventos da aposentadoria ou pensão. Além disso, na hipótese de ocorrerem
eventuais insuficiências de caixa para o pagamento de benefícios que o assistido fará
jus, o Tesouro Nacional dá cobertura.

No RPC/FUNPRESP-EXE não é possível calcular previamente o valor do


benefício que o participante receberá, pois este valor dependerá de variáveis que não
controla, como o desempenho da economia e a rentabilidade dos títulos em que suas
contribuições estarão aplicadas.

No ato da filiação, conforme a cláusula 29 do requerimento de inscrição, o


servidor deverá declarar expressamente que está ciente dos riscos de mercado aos
quais investimentos e aplicações financeiras estão normalmente expostos, bem como

16
SANTOS BEVILAQUA ADVOGADOS, fev. 2018.
17
Quando da divulgação da Programação Fiscal 2017-2018, em 15 de agosto de 2017, previu alterar
as alíquotas da contribuição previdenciária progressivamente até 14% sobre o salário de contribuição
que exceder o teto do RGPS, sem especificar quais seriam as faixas e quais a alíquotas
correspondentes. Já a PEC 423/2018 prevê incluir nas Disposições Constitucionais Transitórias o art.
115, cujo inciso f) prevê “contribuição previdenciária suplementar de três pontos percentuais, por doze
meses, dos servidores ativos, aposentados e pensionistas (...) e dos militares ativos e inativos (...)”,
“sempre que apurado que, no exercício financeiro anterior, as operações de crédito realizadas
excederam o montante das despesas de capital”, até que entre em vigor lei que regulamente art. 167,
inciso III, da Constituição, o qual trata dessa matéria.
18
Conservador, moderado ou agressivo, conforme maior, menor ou nenhuma aversão ao risco.
11
de que a rentabilidade obtida no passado não representa garantia de resultados
futuros.

Desta forma, todos os riscos decorrentes da previdência complementar recaem


sobre o servidor público. Ao mesmo tempo, a União se exime da responsabilidade de
cobrir financeiramente a Fundação caso ela não seja bem sucedida nas aplicações
das contribuições no mercado de capitais.

3.2. Gestão e Desempenho da Funpresp-Exe

Apesar das medidas previstas estatutariamente para que a gestão do Fundo


garanta a proteção do patrimônio do servidor19, não é possível definir garantias em
relação aos possíveis conflitos de entendimento sobre a gestão da Fundação, que
poderá colocar em risco os benefícios futuros dos participantes.

A estrutura de gestão adotada na Funpresp-Exe também se repete em outros


fundos de pensão brasileiros que, porém, não preveniram a ocorrência de ilícitos na
gestão administrativa e financeira cometidos por seus dirigentes e que repercutem
negativamente no patrimônio dos participantes. A este respeito, destaque-se o que
afirma o estudo encomendado pela ANAFE20:
Embora todos os fundos de pensão tenham essa mesma estrutura, tem se
observado, inclusive nas maiores EFPC do país, casos de crimes e outros
malfeitos praticados, ensejando a ocorrência de déficits em algumas
entidades, a exigir dos participantes e assistidos que realizem contribuições
adicionais para sanear a situação deficitária.

3.3. Redução de 20% dos Benefícios no Caso de “Sobrevivência do Assistido”

Supondo que a reserva acumulada ao longo da contribuição do participante e


do patrocinador, em um cenário extremamente favorável, permita que o servidor
receba, juntamente com a parcela do RPPS e o Benefício Especial, o montante
equivalente à sua última remuneração enquanto ativo, ainda assim não teria a
integralidade vitalícia.

Ocorre que as coberturas programadas oferecidas aos assistidos pelo plano de


previdência complementar – aposentadoria normal, por invalidez e pensão por morte21

19
Conselhos Deliberativo e Fiscal paritários (União e servidores, aqueles indicados e estes eleitos)
com voto qualitativo da União no Conselho Deliberativo e dos membros eleitos no Conselho Fiscal.
SANTOS BEVILAQUA ADVOGADOS, fev. 2018.
20
SANTOS BEVILAQUA ADVOGADOS, fev. 2018, p.22
21
Aposentadoria Normal, Aposentadoria por Invalidez, Pensão por Morte do Participante Ativo Normal
e do Participante Autopatrocinado, ou Pensão por Morte do Participante Assistido.
12
– são temporárias, correspondendo a uma renda pelo prazo, em meses, de acordo
com a expectativa de sobrevida do Participante Ativo Normal22.

Após o fim do prazo estabelecido, os assistidos que sobreviverem ao prazo de


pagamento da Aposentadoria Normal e outras modalidades, receberão o “Benefício
por Sobrevivência do Assistido”, uma renda vitalícia, garantida pelo Fundo Coletivo de
Benefícios Extraordinários (FCBE), com valor inicial equivalente a 80% da última
prestação mensal percebida pelo assistido relativa ao respectivo benefício” 23. Ou seja,
além da incerteza das parcelas a serem recebidas a partir da aposentadoria do
beneficiário, a qual dificilmente será equivalente à última remuneração enquanto ativo,
esse valor sofrerá redução de 20% se o servidor ultrapassar a expectativa de
sobrevida.

3.4. Disciplina Financeira

O participante do RPC/ FUNPRESP-EXE deve ter maior disciplina financeira do


que teria caso se mantivesse no RPPS.

Inicialmente, terá que fazer uma previsão de quanto deseja receber de renda a
partir da aposentadoria e ajustar a sua taxa de contribuição a este objetivo. A seguir,
e periodicamente, deve acompanhar o desempenho financeiro de suas aplicações no
RPC/FUNPRESP-EXE para saber se os resultados presentes permitem concretizar
suas expectativas futuras. Em caso negativo, e a fim de manter suas expectativas,
deverá fazer ajustes na sua programação, aumentando sua poupança por meio de
outros investimentos.

3.5. A cada R$ 100,00 de Contribuição, apenas R$ 71,47 Integram a Reserva

No plano de previdência complementar, os benefícios concedidos estão


relacionados diretamente à reserva formada pelas contribuições. Portanto, quaisquer
medidas que alterem as regras de formação da reserva causarão impactos no
momento em que do servidor receber seus benefícios.

O servidor que optar pela previdência complementar deverá entender que da


totalidade de sua contribuição bruta, que é a soma da sua Contribuição Básica, de
responsabilidade do participante, somada à contribuição paritária do patrocinador, 7%
serão descontados para o custeio das despesas administrativas via cobrança de uma

22
Com base na tábua de sobrevida do IBGE
23
Regulamento do Plano de Benefícios da Previdência Complementar do Poder Executivo Federal –
Funpresp-Exe
13
Taxa de Carregamento. Além disso, 21,53% serão destinados para a constituição do
Fundo de Cobertura de Benefícios Extraordinários (FCBE), que é coletivo, cobre os
eventos não programados e, portanto, não integra a reserva individual acumulada do
participante.24

Ou seja, quem participa da Funpresp-Exe deve estar ciente de que a cada R$


100,00 de contribuição ao plano, independentemente da alíquota de incidência sobre
o salário de participação escolhida, apenas R$ 71,47 integrará sua reserva individual.

Ressalte-se que não há impedimento nenhum que ocorra um posterior


aumento da taxa de carregamento e/ou do FBCE em virtude de um aumento da
manutenção de custeio da entidade. É possível também que a taxa de administração,
prevista no regulamento do plano, atualmente não cobrada, venha a incidir no futuro.
Esta taxa é o percentual calculado sobre o patrimônio, de modo a reduzir a
contribuição efetiva para a poupança previdenciária do filiado.

3.6. Portabilidade ou Resgate

Portabilidade é o direito do servidor, na condição de Participante Ativo Normal,


de transferir os recursos financeiros correspondentes à sua reserva individual,
incluindo os aportes do patrocinador, para outro plano de benefícios de caráter
previdenciário, aberto ou fechado. Esta reserva individual equivale ao montante
capitalizado das contribuições líquidas mensais – calculada após as deduções de
Taxa de Carregamento e Fundo de Cobertura de Benefícios – e deverá observar um
prazo de carência.

Na Funpresp-Exe, a reserva do participante é individualizada e capitalizada e


pode ser resgatada ou portada desde que sejam preenchidos os requisitos
necessários previstos. Destes, destaca-se a perda de vínculo funcional com o órgão
patrocinador.

Em outras palavras, é permitido que:

a) o participante do plano requisite o cancelamento do plano administrado pela


entidade fechada de previdência complementar e, por conseguinte, estar
assegurado receber o valor decorrente do seu desligamento (resgate) ou;
b) transfira os recursos financeiros correspondentes à sua reserva individual,
incluindo os aportes do patrocinador, para outro plano de benefícios de caráter
previdenciário, aberto ou fechado.

24
Responsável por Aportes Extraordinários e Benefício de Sobrevivência do Assistido.
14
No entanto, estes direitos estão previstos somente nos casos em que ocorra
exoneração, demissão, posse de outro cargo inacumulável e falecimento25. A despeito
da aposentadoria voluntária ou compulsória ser definida como cessação do vínculo
funcional com o patrocinador, é vedado o resgate ou portabilidade no momento da
aposentadoria.

A portabilidade, contudo, tem um prazo de carência de até 36 meses 26,


contados a partir da data de filiação no plano de benefícios.

Portanto, a opção pela previdência complementar poderá ser favorável àqueles


servidores que pretendem sair do serviço público, já que poderão portar ou resgatar o
que acumularam no fundo de pensão. No RPPS, as contribuições realizadas são
irrecuperáveis.

O Quadro 1, abaixo, faz uma síntese das diferenças entre as opções pelo
RPPS e pelo RPC com e sem adesão à Funpresp-Exe.
Quadro 1
Comparativo RPPS e RPC com e sem Adesão ao Funpresp
Descrição RPPS Sem Opção pelo RPC RPC Sem Adesão à Funpresp-Exe RPC com Adesão à Funpresp-Exe
1) 11% sobre o teto do RGPS (R$ 5.645,80
) para o RPPS;
Contribuição Mensal do 11% sobre o teto do RGPS (R$
11% sobre o Salário Bruto 2) Contribuição para o Funpresp limitada a
Servidor Ativo 5.645,80 ) para o RPPS
8,5% sobre a diferença que restar do valor
do RGPS para o salário bruto.
11% sobre o valor do benefício
Contribuição mensal do
de aposentadoria que exceder o Não há Não há
aposentado
teto do RGPS
Regime financeiro Repartição simples Repartição simples Regime de Capitalização
Regime progressivo tanto para o Benefício
Regime progressivo tanto para o Especial, como para a aposentadoria
Benefício Especial, como para a limitada ao teto to RGPS (R$ 5.645,80).
Imposto de Renda Regime Progressivo
aposentadoria limitada ao teto to Para o benefício complementar da
RGPS (R$ 5.645,80 ) Funpresp, poderá ser progressivo ou
regressivo.
Aposentadoria do RPPS, limitado ao Resgate permitido no desligamento do
Não há reserva, portanto, não teto do RGPS recebido serviço público. Parte do patrocinador a ser
Resgate
há resgate exclusivamente como benefício resgatado dependerá do tempo que o
mensal participante se mantiver no programa
Sim ( aposentadoria limitada ao teto
Benefício Vitalicio Sim Participante Ativo Normal - Sim
do RGPS)
Fonte: Funpresp
Elaboração: Departamento de Estudos Técnicos do Sindifisco Nacional

4. Diferenças entre as Contribuições para o RPPS e para o RPC/Funpresp-Exe

A Tabela 2, a seguir, mostra o cálculo para a contribuição do Auditor Fiscal que


adere ao RPC/Funpresp-Exe. A contribuição total, na última coluna desta tabela, foi
transposta para a Tabela 3 a fim de permitir uma comparação com as contribuições
ao RPPS.

25
Neste caso o resgate é realizado por um dos beneficiários do participante.
26
36 meses é o prazo para a portabilidade em entidades abertas de previdência complementar. Para
outras entidades o prazo é menor, podendo chegar a carência zero, dependendo da entidade.
15
Tabela 2
Contribuição Previdenciária do Auditor Fiscal que adere ao RPC e ao Funpresp
Salário de Contribuição Contr. s/ Teto
Vencimento Teto do Participação
Classe / individual RGPS Contr. Total
Básico RGPS p /Funpresp
Padrão Funpresp (D) + (E)
(A) (B)
(C) = (A) - (B) (D)= C*8,5% (E) = (B)*11%
Especial III 26.127,87 5.645,80 20.482,07 1.740,98 621,04 2.362,01
Especial II 25.401,98 5.645,80 19.756,18 1.679,28 621,04 2.300,31
Especial I 24.952,83 5.645,80 19.307,03 1.641,10 621,04 2.262,14
Primeira III 23.568,86 5.645,80 17.923,06 1.523,46 621,04 2.144,50
Primeira II 23.106,74 5.645,80 17.460,94 1.484,18 621,04 2.105,22
Primeira I 22.209,47 5.645,80 16.563,67 1.407,91 621,04 2.028,95
Segunda III 21.355,26 5.645,80 15.709,46 1.335,30 621,04 1.956,34
Segunda II 20.936,53 5.645,80 15.290,73 1.299,71 621,04 1.920,75
Segunda I 20.123,53 5.645,80 14.477,73 1.230,61 621,04 1.851,65
Fonte: Lei nº 13.464, de 10 de julho de 2017.
Elaboração: Departamento de Estudos Técnicos do Sindifisco Nacional

Tabela 3
Comparação das Contribuições Individuais do Auditor Fiscal ao RPPS
e ao RPC/Funpresp
Vencimento Contribuição Contribuição
Classe / ao RPPS Diferença
Básico ao RPC
Padrão (3) - (2)
(1) (2) = (1)*0,11 (3)
Especial III 26.127,87 2.874,07 2.362,01 -512,05
Especial II 25.401,98 2.794,22 2.300,31 -493,90
Especial I 24.952,83 2.744,81 2.262,14 -482,68
Primeira III 23.568,86 2.592,57 2.144,50 -448,08
Primeira II 23.106,74 2.541,74 2.105,22 -436,52
Primeira I 22.209,47 2.443,04 2.028,95 -414,09
Segunda III 21.355,26 2.349,08 1.956,34 -392,74
Segunda II 20.936,53 2.303,02 1.920,75 -382,27
Segunda I 20.123,53 2.213,59 1.851,65 -361,94
Média -445,29
Fonte: Lei nº 13.464, de 10 de julho de 2017.
Elaboração: Departamento de Estudos Técnicos do Sindifisco Nacional

O Auditor Fiscal que optar pelo RPC/Funpresp, mantidas as condições


vigentes, com opção de contribuição individual de 8,5%, desembolsará, em média, R$
445,29 a menos do que contribuindo para o RPPS.

Financeiramente, no curto prazo, há vantagem na mudança de regime


previdenciário. Este resultado, entretanto, deve ser comparado com os benefícios de
aposentadoria, de longo prazo. No caso da simulação 1 (Seção 2.1.1), que reflete a
remuneração de um Auditor Fiscal da classe/padrão Especial III, a vantagem em
termos de benefícios de aposentadoria é, em valores absolutos, de R$ 1.236,57, valor
este superior em R$ 724,52 à vantagem que obtida na contribuição ao RPC/Funpresp
da Tabela 3.
16
Em relação à remuneração total recebida após o desconto previdenciário, tal
mudança de regime resulta em uma diferença de apenas 2,2%, para o Auditor Fiscal
que já atingiu o topo da carreira, conforme mostra a Tabela 4.

Tabela 4
Tabela Remuneratória do Auditor Fiscal com a Contribuições
Individuais ao RPPS ou ao RPC
Vencimento Vencimento
Classe / Básico após Básico após
Diferença %
Padrão Contribuição ao Contribuição ao
RPPS RPC
Especial III 23.253,80 23.765,86 2,20%
Especial II 22.607,76 23.101,67 2,18%
Especial I 22.208,02 22.690,69 2,17%
Primeira III 20.976,29 21.424,36 2,14%
Primeira II 20.565,00 21.001,52 2,12%
Primeira I 19.766,43 20.180,52 2,09%
Segunda III 19.006,18 19.398,92 2,07%
Segunda II 18.633,51 19.015,78 2,05%
Segunda I 17.909,94 18.271,88 2,02%
Fonte: Lei nº 13.464, de 10 de julho de 2017.
Elaboração: Departamento de Estudos Técnicos do Sindifisco Nacional

Os cálculos das simulações bem como os das tabelas acima pressupõem uma
contribuição de 8,5% do salário de participação. Se a contribuição for superior a este
percentual, por decisão exclusiva e individual do participante, os resultados aqui
apontados poderão indicar, no curto prazo, contribuição ao RPC/Funpresp-Exe maior
do que ao RPPS e benefícios de aposentadoria futuros do RPC/Funpresp-Exe
maiores do que os do RPPS.

5. Benefício Especial: Considerações Jurídicas

O Benefício Especial é considerado, em pareceres jurídicos 27 como tendo


natureza jurídica compensatória, não se constituindo em benefício previdenciário.
Segundo essas fontes, ele é assim definido pois tem objetivo de “recompor o
patrimônio do servidor público (bem jurídico tutelado) em função de contribuições
realizadas em patamar superior ao necessário28”.

Acrescentam os referidos pareceres que a opção de adesão ao RPC/ExecPrev,


devidamente homologada pela União, é um ato jurídico perfeito posto que “celebrado
em conformidade com os termos e condições previstos em lei.”29

27
FUNPRESP-EXE, 2018; BRASIL, 29 mai 2018.
28
FUNPRESP-EXE, 2018, p. 13
29
BRASIL, 29 mai. 2018, p. 5
17
Decorre daí um direito adquirido ao pagamento do Benefício Especial e, por
esta razão, em observância ao art. 5º, inc. XXXVI da Constituição Federal, não é
passível de quaisquer modificações legais ulteriores.

Estando presentes no ato de adesão, tais institutos conferir-lhe-iam a


necessária segurança jurídica.

Note-se, entretanto, que o art. 4º, § 1º da Lei 10.887, de 18 de junho de 2004,


que prevê os casos de exclusão da base de contribuição da CPSS, não apresenta,
em seus 24 incisos, nenhum que se assemelhe ao Benefício Especial.

Um corolário da natureza jurídica do Benefício Especial seria a não incidência


de Imposto de Renda sobre esta parcela do futuro benefício de aposentadoria,
aumentando a renda disponível depois da tributação.

O art. 43, inc. I e II do Código Tributário Nacional, abaixo citado, regulamenta a


incidência do Imposto de Renda.

Art. 43. O imposto, de competência da União, sobre a renda e proventos de


qualquer natureza tem como fato gerador a aquisição da disponibilidade
econômica ou jurídica:
I - de renda, assim entendido o produto do capital, do trabalho ou da
combinação de ambos;
II - de proventos de qualquer natureza, assim entendidos os acréscimos
patrimoniais não compreendidos no inciso anterior.
O Imposto de Renda tem como fato gerador, rendas (produto do capital, do
trabalho ou da combinação de ambos) e proventos (acréscimos patrimoniais não
compreendidos no inciso anterior) de qualquer natureza.

Verbas de natureza compensatória não se caracterizam como rendimentos do


trabalho e/ou do capital, nem se convertem, por definição, em acréscimos
patrimoniais. Elas objetivam recompor o patrimônio não acrescido em função do gasto
que ela pretende ressarcir, indenizar ou compensar.

Veja-se a este respeito a elucidativa redação do parecer do Min. Teori Zavascki


no REsp: 992813 SP 2007/0102517-230:

TRIBUTÁRIO. IMPOSTO DE RENDA. PAGAMENTO A EMPREGADO, POR


OCASIÃO DA RESCISÃO DO CONTRATO. TERÇO CONSTITUCIONAL.
PARTICIPAÇÃO NOS LUCROS. NATUREZA. REGIME TRIBUTÁRIO DAS
INDENIZAÇÕES. DISTINÇÃO ENTRE INDENIZAÇÃO POR DANOS AO
PATRIMÔNIO MATERIAL E AO PATRIMÔNIO IMATERIAL. PRECEDENTES
(RESP 674.392-SC E RESP 637.623-PR). REPETIÇÃO DOS VALORES
MEDIANTE RESTITUIÇÃO, VIA PRECATÓRIO. POSSIBILIDADE. 1. O
imposto sobre renda e proventos de qualquer natureza tem como fato
gerador, nos termos do art. 43 e seus parágrafos do CTN, os "acréscimos

30
BRASIL, 2008.
18
patrimoniais", assim entendidos os acréscimos ao patrimônio material do
contribuinte. 2. Indenização é a prestação destinada a reparar ou
recompensar o dano causado a um bem jurídico. Os bens jurídicos lesados
podem ser (a) de natureza patrimonial (= integrantes do patrimônio material)
ou (b) de natureza não-patrimonial (= integrantes do patrimônio imaterial ou
moral), e, em qualquer das hipóteses, quando não recompostos in natura,
obrigam o causador do dano a uma prestação substitutiva em dinheiro. 3. O
pagamento de indenização pode ou não acarretar acréscimo patrimonial,
dependendo da natureza do bem jurídico a que se refere. Quando se
indeniza dano efetivamente verificado no patrimônio material (= dano
emergente), o pagamento em dinheiro simplesmente reconstitui a perda
patrimonial ocorrida em virtude da lesão, e, portanto, não acarreta
qualquer aumento no patrimônio. Todavia, ocorre acréscimo patrimonial
quando a indenização (a) ultrapassar o valor do dano material verificado (=
dano emergente), ou (b) se destinar a compensar o ganho que deixou de ser
auferido (= lucro cessante), ou (c) se referir a dano causado a bem do
patrimônio imaterial (= dano que não importou redução do patrimônio
material). (grifo nosso)
Entretanto, embora o art. 39 do Regulamento do Imposto de Renda –
rendimentos que não entram no cômputo do rendimento bruto – preveja, no rol dos
67 rendimentos ali elencados, alguns rendimentos relacionados a benefícios
previdenciários31, não lista nenhum semelhante ao Benefício Especial.

Em sendo este o caso, é de se esperar que questionamentos jurídicos sobre


esse tipo de incidência tributária sejam levados aos nossos tribunais. Como
demonstra uma pesquisa realizada junto às súmulas editadas pelo Superior Tribunal
de Justiça32, esse tipo de jurisprudência, que pacifica o assunto, ocorre por espécies
de verbas indenizatórias. É o caso das seguintes súmulas do STJ:

a) Súmula 125 - O pagamento de férias não gozadas por necessidade do


serviço não está sujeito à incidência do Imposto de Renda
b) Súmula 136 - O pagamento de licença-prêmio não gozada por necessidade
do serviço não está sujeito ao imposto de renda. Referência

c) Súmula 386 - São isentas de imposto de renda as indenizações de férias


proporcionais e o respectivo adicional.

d) Súmula 215 – a indenização recebida por adesão a Programa de


Demissão Voluntária - PDV não está sujeita a incidência do IR

e) Súmula 556 - É indevida a incidência de imposto de renda sobre o valor da


complementação de aposentadoria pago por entidade de previdência privada e
em relação ao resgate de contribuições recolhidas para referidas entidades

31
Seguros de Previdência Privada; Resgate de Contribuições de Previdência Privada; Proventos de
Aposentadoria por Doença Grave; Proventos e Pensões de Maiores de 65 Anos; Proventos e Pensões
da FEB; Resgate de Contribuições de Previdência Privada.
32
BRASIL, jun. 2018
19
patrocinadoras no período de 1º/1/1989 a 31/12/1995, em razão da isenção
concedida pelo art. 6º, VII, b, da Lei n. 7.713/1988, na redação anterior à que
lhe foi dada pela Lei n. 9.250/1995.

Dessa forma, é de se esperar que decorra um razoável período de tempo


desde a tramitação inicial até que a jurisprudência brasileira reconheça, de forma
terminativa, a caracterização do Benefício Especial como de natureza jurídica
compensatória, tal como advogam os supracitados pareceres e, por conseguinte, não
sujeito à incidência do imposto de renda e mesmo da contribuição previdenciária. Ou,
contrariamente à opinio juris dos pareceres, entenda de forma diversa...

Por fim, acrescente-se que, apesar dos pareceres e do seu corolário,


supracitados, quanto à não incidência tributária do Imposto de Renda, o simulador
disponibilizado pela Funpresp e utilizado para os cálculos aqui referidos (Vide Anexo)
trabalham com a incidência do imposto de renda sobre o Benefício Especial.

6. Considerações Finais

As análises e os resultados apresentados no presente estudo ilustram


situações hipotéticas, sendo de se destacar que são múltiplas as variáveis que
podem, conforme restou diversas vezes mencionado, alterar os cenários e as
conclusões. Portanto, o presente estudo pode, no máximo, servir de complementar
apoio para uma tomada de decisão.

Entretanto, nenhuma das simulações ou interpretações da legislação aqui


mencionadas poderá dar a garantia necessária para embasar uma decisão. Isso
porque a legislação brasileira é plena de incertezas. E as decisões judiciais as
repetem em coro. Ao invés de se aterem ao traçado da lei – dúbia em muitos casos –
transitam pelo inconstante caminho do “embasamento político”.

É assim quando o Poder Judiciário, em seus julgados, desconsidera o instituto


da expectativa de direito como um dos pilares do direito subjetivo, ao sequer prever
indenização à parte prejudicada quando a outra o suprime. Tome-se, como exemplo,
o caso da a licença-prêmio, prevista no art. 87 da Lei no 8.112 de 11 de dezembro de
1990 e suprimida do ordenamento jurídico a partir da Lei n o 9.527, de 10 de dezembro
de 1997. Ao servidor público que, com o advento da Lei no 9.527/97, tivesse reunido

20
um período inferior a cinco anos para o gozo da licença, não foi concedida nenhuma
indenização por possuir expectativa de direito a ela.

O RPPS também já sofreu alterações radicais nos últimos vinte anos. A EC 41,
em 19 de dezembro de 2003, onerou o servidor, sem contrapartida, criando a idade
mínima, não existente até então no serviço público, fazendo com que muitos
servidores cumpram tempo de trabalho além dos 35 anos de contribuição para
homens e 30 para mulheres. Tão grave quanto isso, ela também introduziu a perda da
paridade como regra geral. E na sequência, ocorre o fim da integralidade, a partir de
20 de fevereiro de 2004, com a entrada em vigor da MP 167, convertida na Lei no
10.887 de 18 de junho de 2004. Aqueles que ingressaram a partir dessa data não têm
mais direito nem à integralidade, nem à paridade. A partir de então o serviço público
brasileiro deixou de receber em seus quadros muitos profissionais altamente
qualificados para os quais institutos como a paridade e a integralidade representavam
estímulos suficientes para a escolha entre a função pública e a privada.

E também neste caso, nenhuma manifestação do nosso judiciário quanto à


indenização pela quebra da expectativa de direito.

É como se, havendo um contrato entre duas partes, uma delas (a União)
pudesse livremente alterar as suas cláusulas e prejudicar a outra parte (os servidores)
sem que isso seja ilícito. É como se a desonestidade não existisse para a União. A fim
de legitimar exatamente essa prática, diz-se que “a teoria do contrato no serviço
público é superada...”.

Aliás, no que diz respeito ao RPPS, em que pesem as vantagens da


integralidade e da paridade para quem já as adquiriu, é possível que regras futuras
alterem estes institutos.

Assim, e apesar dos cálculos aqui apresentados e das fundamentações


jurídicas acerca do Benefício Especial, eles representam apenas conjecturas diante
das incertezas emanadas dos julgamentos do nosso Poder Judiciário, onde questões
como a incidência tributária sobre o Benefício Especial irão parar.

É possível que o optante do RPC/Funpresp-Exe se beneficie, futuramente, da


isenção da contribuição previdenciária, e talvez também do Imposto de Renda, sobre
o Benefício Especial. Entretanto, o que temos hoje, a este respeito, é a não previsão
legal, como demonstrado neste estudo, e o silêncio oficial da RFB e do Poder
Judiciário. Pareceres jurídicos, por melhor fundamentados que sejam, não
21
representam nenhuma garantia, assim como não o são as decisões de primeira e
segunda instâncias que podem ser reformuladas em tribunais superiores por decisões
politicamente orientadas, tais como as que abandonam argumentos jurídicos em prol
dos que asseveram, de início: “grave risco à economia...” ou “grave risco às contas
públicas”..

Este texto teve a pretensão de apresentar ao Auditor Fiscal algumas


considerações que poderão se constituir em orientações adicionais acerca da
mudança de regime previdenciário. Procuramos nos esforçar para apresentar “prós e
contras”. Contudo, aquilo que hoje se apresenta como favorável, futuramente pode
ser desfavorável e vice-versa. E isso não apenas pelo risco inerente a decisões
guiadas pelo comportamento de variáveis macroeconômicas, mas também, e
principalmente, pela incerteza jurídica que permeia a questão, a qual estará
certamente nas mãos das decisões, também incertas, do nosso Poder Judiciário.

22
Referências

BRASIL, Superior Tribunal de Justiça. STJ - Súmulas do STJ. Brasília-DF: jun. 2018.
Disponível em: <http://www.stj.jus.br/docs_internet/VerbetesSTJ.pdf>. Acesso em: 27
jun. 2018.
BRASIL, Superior Tribunal de Justiça. STJ - Súmula 125. Conteúdo Jurídico,
Brasília-DF: 16 ago. 2007. Disponível em:
<http://www.conteudojuridico.com.br/?artigos&ver=237.2501&seo=1>. Acesso em: 27
jun. 2018.
BRASIL. Advocacia Geral da União. Consultoria Geral da União. Consultoria Jurídica
Junto ao Ministério do Planejamento, Desenvolvimento e Gestão. Coordenação-Geral
Jurídica de Assuntos Orçamentários, Econômicos e Internacionais. Parecer no
00601/2018/GCG/CGJOE/CONJUR-MP/CGU/AGU. Brasília-DF: AGU, CGU, GCG,
CGJOE, CONJUR-MP, 29 mai. 2018.
BRASIL. Lei No Lei 10.887, de 18 de junho de 2004. Diário Oficial [da] República
Federativa do Brasil, Poder Executivo, Brasília, DF, 21 jun. 2004. Disponível em:
< http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2004-2006/2004/lei/l10.887.htm>. Acesso
em 20 jun. 2018.
BRASIL. Decreto No 3.000, de 26 de março de 1999. Diário Oficial [da] República
Federativa do Brasil, Poder Executivo, Brasília, DF, 26 mar. 1999. Disponível em:
< http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/decreto/d3000.htm>. Acesso em 27 jun. 2018.
BRASIL. Lei No 13.183, de 04 de novembro de 2015. Diário Oficial [da] República
Federativa do Brasil, Poder Executivo, Brasília, DF, 05 nov. 2015. Disponível em:
<http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2015-2018/2015/lei/l13183.htm>. Acesso em
20 jun. 2018.
BRASIL. Lei No 7.713, de 22 de dezembro de 1988. Diário Oficial [da] República
Federativa do Brasil, Poder Executivo, Brasília, DF, 23 dez. 1988. Disponível em:
< http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Leis/L7713.htm>. Acesso em 20 jun. 2018.
BRASIL. Lei No 9.250, de 26 de dezembro de 1995. Diário Oficial [da] República
Federativa do Brasil, Poder Executivo, Brasília, DF, 27 dez. 1995. Disponível em:
< http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Leis/L9250.htm>. Acesso em 20 jun. 2018.
BRASIL. Lei nº 13.464, de 10 de julho de 2017. Diário Oficial [da] República
Federativa do Brasil, Poder Executivo, Brasília, DF, 11 jul. 2017. Disponível em:
<http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2015-2018/2017/lei/L13464.htm>. Acesso
em 20 jun. 2018.
BRASIL. Lei nº. 12.618, de 30 de abr. de 2012. Diário Oficial [da] República
Federativa do Brasil, Poder Executivo, Brasília, DF, 02 mai. 2012. Disponível em:
<http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2011-2014/2012/lei/l12618.htm>. Acesso em
20 jun. 2018.
BRASIL. Lei nº. 13.328, de 29 de jul. de 2016. Diário Oficial [da] República
Federativa do Brasil, Poder Executivo, Brasília, DF, 29 jul. 2016. Disponível em:
<http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2015-2018/2016/lei/L13328.htm>. Acesso
em 20 jun. 2018.
BRASIL. Supremo Tribunal Federal. REsp: 992813 SP 2007/0102517-2, Relator:
Ministro Teori Albino Zavascki, T1, Primeira Turma, Diário da Justiça, 10 mar 2008, p.
1. Jusbrasil: Jurisprudência do STJ. Disponível em: <

23
https://stj.jusbrasil.com.br/jurisprudencia/51760/recurso-especial-resp-795494-pr-
2005-0184262-1> Acesso em 26 jun. 2018.
FUNPRESP-EXE. Parecer Jurídico No 30/2018/Gejur/ Funpresp-Exe. Processo No
00182/2017. Aspectos Jurídicos relacionados ao Benefício Especial previsto na Lei No
12.618/2012. Brasília-DF: Gerência Jurídica da Funpresp-Exe, 30 abr. 2018, 50 p.
SANTOS BEVILAQUA ADVOGADOS. Estudo Sobre a Opção de Migração de
Regime Previdenciário Aplicável aos Servidores Públicos Federais Empossado
antes de 4 de Fevereiro de 2013. Brasília: Anafe, fev. 2018. Disponível em: <
http://anafenacional.org.br/wp-content/uploads/2018/02/ANAFE-ESTUDO-PREV-
SERV-P%C3%9ABLICO-Funpresp.pdf> Acesso em 23 jun 2018.

24
ANEXO
SIMULAÇÕES DE MIGRAÇÃO DO RPPS
PARA O RGPS

25
RENTABILIDADE REAL ESPERADA DE 3%
Informações Cadastrais
Data de Nascimento: 01/01/1975 43 anos e 5 meses completos.

Sexo: M

Data de Ingresso no Serviço Público Federal: 01/01/1995 23 anos e 5 meses completos.

Data de Ingresso no Cargo Na União: 01/01/1995 23 anos e 5 meses completos.

Professor do Ensino Fundamental ou Médio? NÃO

Possui tempo anterior no RPPS, fora da União? NÃO 1 Anos e 6 Meses

Possui tempo anterior no RGPS/INSS? NÃO 18 Anos e 11 Meses

Remuneração atual: R$ 26.127,87

Percentual de Crescimento Salarial Real: 0,35% a.a.

Resultado da Simulação
Data de elegibilidade ao benefício no RPPS: 01/01/2035 60 anos e 0 meses completos.

Manutenção no Regime RPPS Regra Atual


Benefício RPPS R$ 27.726,78
(-) Contribuição s obre o benefício (11%) -R$ 2.428,91
Benefício Líquido após contribuição R$ 25.297,87
(-) Im pos to de Renda - tabela progres s iva -R$ 6.087,55
Benefício Líquido após IR R$ 19.210,32

Migração para o Regime RPC


Benefício RPPS R$ 5.645,80
Benefício Especial RPPS R$ 12.091,34
(-) Contribuição s obre o benefício (11%) R$ -
Benefício Líquido após contribuição R$ 17.737,14
(-) Im pos to de Renda - tabela progres s iva -R$ 4.008,35
Benefício Líquido após IR R$ 13.728,79

Memória de cálculo do Benefício Especial RPPS


Tc (quantidade de contribuições mensais efetuadas para o regime de
= 304
previdência da União até a data da opção) (1)(2)

Tt (455, 390 ou 325 de acordo com o §3º do art.3º da Lei12.618) = 455

I) FC (Fator de conversão) = Tc/Tt = 0,668

II) Média aritmética simples das maiores remunerações anteriores à data


de mudança do regime, atualizadas pelo IPCA, correspondentes a 80% = R$ 23.743,03
de todo o período contributivo de competência posterior a julho de 1994

III) Teto do INSS = R$ 5.645,80

Benefício Especial RPPS (II-III)*I = R$ 12.091,34


(1) Foram consideradas contribuições relativas às gratif icações natalinas;
(2) Foi considerado todo o período de contribuição do servidor ao regime de previdência da União, dos Estados, do Distrito Federal
ou dos Municípios.
IMPORTANTE: A Simulação é executada com base em parámetros variáveis, motivo pelo qual, o resultado não
implica na garantia do valor do benefício.
O Be ne fício Es pe cial é de re s pons abilidade da União. Data da s im ulação: 29/06/2018

Simulação de Migração do Regime RPPS para o Regime RPC e Adesão à Funpresp


A migração de regime previdenciário é uma decisão individual do servidor público, sendo irrevogável e irretratável.
Deseja realizar a simulação de adesão à Funpresp? SIM

Premissas para a Simulação do Benefício Funpresp


Rentabilidade Real esperada 3,00% a.a.
Informações de Adesão à Funpresp
Situação na adesão à Funpresp: Participante Ativo Normal
Salário de Participação Atual: R$ 20.482,07

Percentual da Contribuição Básica: 8,50% Valor equivale a R$1740,98.

Escolha o Regime de Tributação: Tabela Regressiva


Valor de Portabilidade transferido à Funpresp: R$ -

Contribuição Facultativa* R$ 512,05


*O valor da Contribuição Facultativa equivale a 2,5% sobre o Salário de Participação, calculado considerando a diferença
entre a contribuição total que o servidor realiza no RPPS e o percentual da contribuição básica obrigatória à Funpresp.

Elegibilidade à aposentadoria
Data de elegibilidade ao benefício na Funpresp: 01/01/2035 60 anos e 0 meses completos.

Deseja postergar a data de aposentadoria? NÃO


70
Saldo acumulado na data de aposentadoria: R$ 904.984,49
Resultado da simulação Funpresp Resultado do Benefício Total
Benefício de Aposentadoria Normal R$ 3.665,19 Benefício de Aposentadoria Normal R$ 3.665,19
Benefício Suplementar R$ 718,10 Benefício Suplementar R$ 718,10
Benefício Total R$ 4.383,29 Benefício RPPS R$ 5.645,80
(-) Cus teio Adm inis trativo R$ - Benefício RPPS Espcial R$ 12.091,34
Benefício Líquido de Custeio Adm. R$ 4.383,29 Benefício Total R$ 22.120,43
(-) Im pos to de Renda - tabela regres s iva -R$ 438,33 (-) Total de Im pos tos e Cus teio Adm . -R$ 4.446,68
Benefício Funpresp Líquido após IR R$ 3.944,96 Benefício Total Líquido R$ 17.673,75

26
Informações Cadastrais
Data de Nascimento: 23/01/1985 33 anos e 5 meses completos.

Sexo: M

Data de Ingresso no Serviço Público Federal: 25/01/2005 13 anos e 5 meses completos.

Data de Ingresso no Cargo Na União: 25/01/2005 13 anos e 5 meses completos.

Professor do Ensino Fundamental ou Médio? NÃO

Possui tempo anterior no RPPS, fora da União? NÃO 1 Anos e 6 Meses

Possui tempo anterior no RGPS/INSS? NÃO 18 Anos e 11 Meses

Remuneração atual: R$ 26.127,87

Percentual de Crescimento Salarial Real: 0,35% a.a.

Resultado da Simulação
Data de elegibilidade ao benefício no RPPS: 23/01/2045 60 anos e 0 meses completos.

Manutenção no Regime RPPS Regra Atual


Benefício RPPS R$ 26.404,56
(-) Contribuição s obre o benefício (11%) -R$ 2.283,46
Benefício Líquido após contribuição R$ 24.121,09
(-) Im pos to de Renda - tabela progres s iva -R$ 5.763,94
Benefício Líquido após IR R$ 18.357,15

Migração para o Regime RPC


Benefício RPPS R$ 5.645,80
Benefício Especial RPPS R$ 6.890,10
(-) Contribuição s obre o benefício (11%) R$ -
Benefício Líquido após contribuição R$ 12.535,90
(-) Im pos to de Renda - tabela progres s iva -R$ 2.578,01
Benefício Líquido após IR R$ 9.957,89

Memória de cálculo do Benefício Especial RPPS


Tc (quantidade de contribuições mensais efetuadas para o regime de
= 174
previdência da União até a data da opção) (1)(2)

Tt (455, 390 ou 325 de acordo com o §3º do art.3º da Lei12.618) = 455

I) FC (Fator de conversão) = Tc/Tt = 0,382

II) Média aritmética simples das maiores remunerações anteriores à data


de mudança do regime, atualizadas pelo IPCA, correspondentes a 80% = R$ 23.663,01
de todo o período contributivo de competência posterior a julho de 1994

III) Teto do INSS = R$ 5.645,80

Benefício Especial RPPS (II-III)*I = R$ 6.890,10


(1) Foram consideradas contribuições relativas às gratif icações natalinas;
(2) Foi considerado todo o período de contribuição do servidor ao regime de previdência da União, dos Estados, do Distrito Federal
ou dos Municípios.
IMPORTANTE: A Simulação é executada com base em parámetros variáveis, motivo pelo qual, o resultado não
implica na garantia do valor do benefício.
O Be ne fício Es pe cial é de r e s pons abilidade da União. Data da s im ulação: 29/06/2018

Simulação de Migração do Regime RPPS para o Regime RPC e Adesão à Funpresp


A migração de regime previdenciário é uma decisão individual do servidor público, sendo irrevogável e irretratável.
Deseja realizar a simulação de adesão à Funpresp? SIM

Premissas para a Simulação do Benefício Funpresp


Rentabilidade Real esperada 3,00% a.a.
Informações de Adesão à Funpresp
Situação na adesão à Funpresp: Participante Ativo Normal
Salário de Participação Atual: R$ 20.482,07

Percentual da Contribuição Básica: 8,50% Valor equivale a R$1740,98.

Escolha o Regime de Tributação: Tabela Regressiva


Valor de Portabilidade transferido à Funpresp: R$ -

Contribuição Facultativa* R$ 512,05


*O valor da Contribuição Facultativa equivale a 2,5% sobre o Salário de Participação, calculado considerando a diferença
entre a contribuição total que o servidor realiza no RPPS e o percentual da contribuição básica obrigatória à Funpresp.

Elegibilidade à aposentadoria
Data de elegibilidade ao benefício na Funpresp: 23/01/2045 60 anos e 0 meses completos.

Deseja postergar a data de aposentadoria? NÃO


75
Saldo acumulado na data de aposentadoria: R$ 1.734.598,51
Resultado da simulação Funpresp Resultado do Benefício Total
Benefício de Aposentadoria Normal R$ 6.917,33 Benefício de Aposentadoria Normal R$ 6.917,33
Benefício Suplementar R$ 1.355,28 Benefício Suplementar R$ 1.355,28
Benefício Total R$ 8.272,60 Benefício RPPS R$ 5.645,80
(-) Cus teio Adm inis trativo R$ - Benefício RPPS Espcial R$ 6.890,10
Benefício Líquido de Custeio Adm. R$ 8.272,60 Benefício Total R$ 20.808,50
(-) Im pos to de Renda - tabela regres s iva -R$ 827,26 (-) Total de Im pos tos e Cus teio Adm . -R$ 3.405,27
Benefício Funpresp Líquido após IR R$ 7.445,34 Benefício Total Líquido R$ 17.403,23

27
A migração de regime previdenciário é uma decisão individual do servidor público, sendo irrevogável e irretratável.
Informações Cadastrais
Data de Nascimento: 23/01/1993 25 anos e 5 meses completos.

Sexo: M

Data de Ingresso no Serviço Público Federal: 25/01/2013 5 anos e 5 meses completos.

Data de Ingresso no Cargo Na União: 25/01/2013 5 anos e 5 meses completos.

Professor do Ensino Fundamental ou Médio? NÃO

Possui tempo anterior no RPPS, fora da União? NÃO 1 Anos e 6 Meses

Possui tempo anterior no RGPS/INSS? NÃO 18 Anos e 11 Meses

Remuneração atual: R$ 21.355,26

Percentual de Crescimento Salarial Real: 0,35% a.a.

Resultado da Simulação
Data de elegibilidade ao benefício no RPPS: 23/01/2053 60 anos e 0 meses completos.

Manutenção no Regime RPPS Regra Atual


Benefício RPPS R$ 22.796,26
(-) Contribuição s obre o benefício (11%) -R$ 1.886,55
Benefício Líquido após contribuição R$ 20.909,71
(-) Im pos to de Renda - tabela progres s iva -R$ 4.880,81
Benefício Líquido após IR R$ 16.028,90

Migração para o Regime RPC


Benefício RPPS R$ 5.645,80
Benefício Especial RPPS R$ 2.109,93
(-) Contribuição s obre o benefício (11%) R$ -
Benefício Líquido após contribuição R$ 7.755,73
(-) Im pos to de Renda - tabela progres s iva -R$ 1.263,47
Benefício Líquido após IR R$ 6.492,26

Memória de cálculo do Benefício Especial RPPS


Tc (quantidade de contribuições mensais efetuadas para o regime de
= 70
previdência da União até a data da opção) (1)(2)

Tt (455, 390 ou 325 de acordo com o §3º do art.3º da Lei12.618) = 455

I) FC (Fator de conversão) = Tc/Tt = 0,154

II) Média aritmética simples das maiores remunerações anteriores à data


de mudança do regime, atualizadas pelo IPCA, correspondentes a 80% = R$ 19.360,34
de todo o período contributivo de competência posterior a julho de 1994

III) Teto do INSS = R$ 5.645,80

Benefício Especial RPPS (II-III)*I = R$ 2.109,93


(1) Foram consideradas contribuições relativas às gratif icações natalinas;
(2) Foi considerado todo o período de contribuição do servidor ao regime de previdência da União, dos Estados, do Distrito Federal
ou dos Municípios.
IMPORTANTE: A Simulação é executada com base em parámetros variáveis, motivo pelo qual, o resultado não
implica na garantia do valor do benefício.
O Be ne fício Es pe cial é de r e s pons abilidade da União. Data da s im ulação: 29/06/2018

Simulação de Migração do Regime RPPS para o Regime RPC e Adesão à Funpresp


A migração de regime previdenciário é uma decisão individual do servidor público, sendo irrevogável e irretratável.
Deseja realizar a simulação de adesão à Funpresp? SIM

Premissas para a Simulação do Benefício Funpresp


Rentabilidade Real esperada 3,00% a.a.
Informações de Adesão à Funpresp
Situação na adesão à Funpresp: Participante Ativo Normal
Salário de Participação Atual: R$ 15.709,46

Percentual da Contribuição Básica: 8,50% Valor equivale a R$1335,30.

Escolha o Regime de Tributação: Tabela Regressiva


Valor de Portabilidade transferido à Funpresp: R$ -

Contribuição Facultativa* R$ 392,74


*O valor da Contribuição Facultativa equivale a 2,5% sobre o Salário de Participação, calculado considerando a diferença
entre a contribuição total que o servidor realiza no RPPS e o percentual da contribuição básica obrigatória à Funpresp.

Elegibilidade à aposentadoria
Data de elegibilidade ao benefício na Funpresp: 23/01/2053 60 anos e 0 meses completos.

Deseja postergar a data de aposentadoria? NÃO


75
Saldo acumulado na data de aposentadoria: R$ 2.014.344,81
Resultado da simulação Funpresp Resultado do Benefício Total
Benefício de Aposentadoria Normal R$ 7.942,35 Benefício de Aposentadoria Normal R$ 7.942,35
Benefício Suplementar R$ 1.556,10 Benefício Suplementar R$ 1.556,10
Benefício Total R$ 9.498,46 Benefício RPPS R$ 5.645,80
(-) Cus teio Adm inis trativo R$ - Benefício RPPS Espcial R$ 2.109,93
Benefício Líquido de Custeio Adm. R$ 9.498,46 Benefício Total R$ 17.254,19
(-) Im pos to de Renda - tabela regres s iva -R$ 949,85 (-) Total de Im pos tos e Cus teio Adm . -R$ 2.213,31
Benefício Funpresp Líquido após IR R$ 8.548,61 Benefício Total Líquido R$ 15.040,88
Quadro Comparativo da Reposição do Salário x Benefícios

28
RENTABILIDADE REAL ESPERADA DE 5%
Informações Cadastrais
Data de Nascimento: 01/01/1975 43 anos e 5 meses completos.

Sexo: M

Data de Ingresso no Serviço Público Federal: 01/01/1995 23 anos e 5 meses completos.

Data de Ingresso no Cargo Na União: 01/01/1995 23 anos e 5 meses completos.

Professor do Ensino Fundamental ou Médio? NÃO

Possui tempo anterior no RPPS, fora da União? NÃO 1 Anos e 6 Meses

Possui tempo anterior no RGPS/INSS? NÃO 18 Anos e 11 Meses

Remuneração atual: R$ 26.127,87

Percentual de Crescimento Salarial Real: 0,35% a.a.

Resultado da Simulação
Data de elegibilidade ao benefício no RPPS: 01/01/2035 60 anos e 0 meses completos.

Manutenção no Regime RPPS Regra Atual


Benefício RPPS R$ 27.726,78
(-) Contribuição s obre o benefício (11%) -R$ 2.428,91
Benefício Líquido após contribuição R$ 25.297,87
(-) Im pos to de Renda - tabela progres s iva -R$ 6.087,55
Benefício Líquido após IR R$ 19.210,32

Migração para o Regime RPC


Benefício RPPS R$ 5.645,80
Benefício Especial RPPS R$ 12.091,34
(-) Contribuição s obre o benefício (11%) R$ -
Benefício Líquido após contribuição R$ 17.737,14
(-) Im pos to de Renda - tabela progres s iva -R$ 4.008,35
Benefício Líquido após IR R$ 13.728,79

Memória de cálculo do Benefício Especial RPPS


Tc (quantidade de contribuições mensais efetuadas para o regime de
= 304
previdência da União até a data da opção) (1)(2)

Tt (455, 390 ou 325 de acordo com o §3º do art.3º da Lei12.618) = 455

I) FC (Fator de conversão) = Tc/Tt = 0,668

II) Média aritmética simples das maiores remunerações anteriores à data


de mudança do regime, atualizadas pelo IPCA, correspondentes a 80% = R$ 23.743,03
de todo o período contributivo de competência posterior a julho de 1994

III) Teto do INSS = R$ 5.645,80

Benefício Especial RPPS (II-III)*I = R$ 12.091,34


(1) Foram consideradas contribuições relativas às gratif icações natalinas;
(2) Foi considerado todo o período de contribuição do servidor ao regime de previdência da União, dos Estados, do Distrito Federal
ou dos Municípios.
IMPORTANTE: A Simulação é executada com base em parámetros variáveis, motivo pelo qual, o resultado não
implica na garantia do valor do benefício.
O Be ne fício Es pe cial é de r e s pons abilidade da União. Data da s im ulação: 29/06/2018

Simulação de Migração do Regime RPPS para o Regime RPC e Adesão à Funpresp


A migração de regime previdenciário é uma decisão individual do servidor público, sendo irrevogável e irretratável.
Deseja realizar a simulação de adesão à Funpresp? SIM

Premissas para a Simulação do Benefício Funpresp


Rentabilidade Real esperada 5,00% a.a.
Informações de Adesão à Funpresp
Situação na adesão à Funpresp: Participante Ativo Normal
Salário de Participação Atual: R$ 20.482,07

Percentual da Contribuição Básica: 8,50% Valor equivale a R$1740,98.

Escolha o Regime de Tributação: Tabela Regressiva


Valor de Portabilidade transferido à Funpresp: R$ -

Contribuição Facultativa* R$ 512,05


*O valor da Contribuição Facultativa equivale a 2,5% sobre o Salário de Participação, calculado considerando a diferença
entre a contribuição total que o servidor realiza no RPPS e o percentual da contribuição básica obrigatória à Funpresp.

Elegibilidade à aposentadoria
Data de elegibilidade ao benefício na Funpresp: 01/01/2035 60 anos e 0 meses completos.

Deseja postergar a data de aposentadoria? NÃO


70
Saldo acumulado na data de aposentadoria: R$ 1.077.595,08
Resultado da simulação Funpresp Resultado do Benefício Total
Benefício de Aposentadoria Normal R$ 4.364,27 Benefício de Aposentadoria Normal R$ 4.364,27
Benefício Suplementar R$ 855,07 Benefício Suplementar R$ 855,07
Benefício Total R$ 5.219,33 Benefício RPPS R$ 5.645,80
(-) Cus teio Adm inis trativo R$ - Benefício RPPS Espcial R$ 12.091,34
Benefício Líquido de Custeio Adm. R$ 5.219,33 Benefício Total R$ 22.956,47
(-) Im pos to de Renda - tabela regres s iva -R$ 521,93 (-) Total de Im pos tos e Cus teio Adm . -R$ 4.530,29
Benefício Funpresp Líquido após IR R$ 4.697,40 Benefício Total Líquido R$ 18.426,19

29
Informações Cadastrais
Data de Nascimento: 23/01/1985 33 anos e 5 meses completos.

Sexo: M

Data de Ingresso no Serviço Público Federal: 25/01/2005 13 anos e 5 meses completos.

Data de Ingresso no Cargo Na União: 25/01/2005 13 anos e 5 meses completos.

Professor do Ensino Fundamental ou Médio? NÃO

Possui tempo anterior no RPPS, fora da União? NÃO 1 Anos e 6 Meses

Possui tempo anterior no RGPS/INSS? NÃO 18 Anos e 11 Meses

Remuneração atual: R$ 26.127,87

Percentual de Crescimento Salarial Real: 0,35% a.a.

Resultado da Simulação
Data de elegibilidade ao benefício no RPPS: 23/01/2045 60 anos e 0 meses completos.

Manutenção no Regime RPPS Regra Atual


Benefício RPPS R$ 26.404,56
(-) Contribuição s obre o benefício (11%) -R$ 2.283,46
Benefício Líquido após contribuição R$ 24.121,09
(-) Im pos to de Renda - tabela progres s iva -R$ 5.763,94
Benefício Líquido após IR R$ 18.357,15

Migração para o Regime RPC


Benefício RPPS R$ 5.645,80
Benefício Especial RPPS R$ 6.890,10
(-) Contribuição s obre o benefício (11%) R$ -
Benefício Líquido após contribuição R$ 12.535,90
(-) Im pos to de Renda - tabela progres s iva -R$ 2.578,01
Benefício Líquido após IR R$ 9.957,89

Memória de cálculo do Benefício Especial RPPS


Tc (quantidade de contribuições mensais efetuadas para o regime de
= 174
previdência da União até a data da opção) (1)(2)

Tt (455, 390 ou 325 de acordo com o §3º do art.3º da Lei12.618) = 455

I) FC (Fator de conversão) = Tc/Tt = 0,382

II) Média aritmética simples das maiores remunerações anteriores à data


de mudança do regime, atualizadas pelo IPCA, correspondentes a 80% = R$ 23.663,01
de todo o período contributivo de competência posterior a julho de 1994

III) Teto do INSS = R$ 5.645,80

Benefício Especial RPPS (II-III)*I = R$ 6.890,10


(1) Foram consideradas contribuições relativas às gratif icações natalinas;
(2) Foi considerado todo o período de contribuição do servidor ao regime de previdência da União, dos Estados, do Distrito Federal
ou dos Municípios.
IMPORTANTE: A Simulação é executada com base em parámetros variáveis, motivo pelo qual, o resultado não
implica na garantia do valor do benefício.
O Be ne fício Es pe cial é de r e s pons abilidade da União. Data da s im ulação: 29/06/2018

Simulação de Migração do Regime RPPS para o Regime RPC e Adesão à Funpresp


A migração de regime previdenciário é uma decisão individual do servidor público, sendo irrevogável e irretratável.
Deseja realizar a simulação de adesão à Funpresp? SIM

Premissas para a Simulação do Benefício Funpresp


Rentabilidade Real esperada 5,00% a.a.
Informações de Adesão à Funpresp
Situação na adesão à Funpresp: Participante Ativo Normal
Salário de Participação Atual: R$ 20.482,07

Percentual da Contribuição Básica: 8,50% Valor equivale a R$1740,98.

Escolha o Regime de Tributação: Tabela Regressiva


Valor de Portabilidade transferido à Funpresp: R$ -

Contribuição Facultativa* R$ 512,05


*O valor da Contribuição Facultativa equivale a 2,5% sobre o Salário de Participação, calculado considerando a diferença
entre a contribuição total que o servidor realiza no RPPS e o percentual da contribuição básica obrigatória à Funpresp.

Elegibilidade à aposentadoria
Data de elegibilidade ao benefício na Funpresp: 23/01/2045 60 anos e 0 meses completos.

Deseja postergar a data de aposentadoria? NÃO


75
Saldo acumulado na data de aposentadoria: R$ 2.328.395,61
Resultado da simulação Funpresp Resultado do Benefício Total
Benefício de Aposentadoria Normal R$ 9.285,30 Benefício de Aposentadoria Normal R$ 9.285,30
Benefício Suplementar R$ 1.819,22 Benefício Suplementar R$ 1.819,22
Benefício Total R$ 11.104,53 Benefício RPPS R$ 5.645,80
(-) Cus teio Adm inis trativo R$ - Benefício RPPS Espcial R$ 6.890,10
Benefício Líquido de Custeio Adm. R$ 11.104,53 Benefício Total R$ 23.640,42
(-) Im pos to de Renda - tabela regres s iva -R$ 1.110,45 (-) Total de Im pos tos e Cus teio Adm . -R$ 3.688,46
Benefício Funpresp Líquido após IR R$ 9.994,07 Benefício Total Líquido R$ 19.951,96

30
Informações Cadastrais
Data de Nascimento: 23/01/1993 25 anos e 5 meses completos.

Sexo: M

Data de Ingresso no Serviço Público Federal: 25/01/2013 5 anos e 5 meses completos.

Data de Ingresso no Cargo Na União: 25/01/2013 5 anos e 5 meses completos.

Professor do Ensino Fundamental ou Médio? NÃO

Possui tempo anterior no RPPS, fora da União? NÃO 1 Anos e 6 Meses

Possui tempo anterior no RGPS/INSS? NÃO 18 Anos e 11 Meses

Remuneração atual: R$ 21.355,26

Percentual de Crescimento Salarial Real: 0,35% a.a.

Resultado da Simulação
Data de elegibilidade ao benefício no RPPS: 23/01/2053 60 anos e 0 meses completos.

Manutenção no Regime RPPS Regra Atual


Benefício RPPS R$ 22.796,26
(-) Contribuição s obre o benefício (11%) -R$ 1.886,55
Benefício Líquido após contribuição R$ 20.909,71
(-) Im pos to de Renda - tabela progres s iva -R$ 4.880,81
Benefício Líquido após IR R$ 16.028,90

Migração para o Regime RPC


Benefício RPPS R$ 5.645,80
Benefício Especial RPPS R$ 2.109,93
(-) Contribuição s obre o benefício (11%) R$ -
Benefício Líquido após contribuição R$ 7.755,73
(-) Im pos to de Renda - tabela progres s iva -R$ 1.263,47
Benefício Líquido após IR R$ 6.492,26

Memória de cálculo do Benefício Especial RPPS


Tc (quantidade de contribuições mensais efetuadas para o regime de
= 70
previdência da União até a data da opção) (1)(2)

Tt (455, 390 ou 325 de acordo com o §3º do art.3º da Lei12.618) = 455

I) FC (Fator de conversão) = Tc/Tt = 0,154

II) Média aritmética simples das maiores remunerações anteriores à data


de mudança do regime, atualizadas pelo IPCA, correspondentes a 80% = R$ 19.360,34
de todo o período contributivo de competência posterior a julho de 1994

III) Teto do INSS = R$ 5.645,80

Benefício Especial RPPS (II-III)*I = R$ 2.109,93


(1) Foram consideradas contribuições relativas às gratif icações natalinas;
(2) Foi considerado todo o período de contribuição do servidor ao regime de previdência da União, dos Estados, do Distrito Federal
ou dos Municípios.
IMPORTANTE: A Simulação é executada com base em parámetros variáveis, motivo pelo qual, o resultado não
implica na garantia do valor do benefício.
O Be ne fício Es pe cial é de r e s pons abilidade da União. Data da s im ulação: 29/06/2018

Simulação de Migração do Regime RPPS para o Regime RPC e Adesão à Funpresp


A migração de regime previdenciário é uma decisão individual do servidor público, sendo irrevogável e irretratável.
Deseja realizar a simulação de adesão à Funpresp? SIM

Premissas para a Simulação do Benefício Funpresp


Rentabilidade Real esperada 5,00% a.a.
Informações de Adesão à Funpresp
Situação na adesão à Funpresp: Participante Ativo Normal
Salário de Participação Atual: R$ 15.709,46

Percentual da Contribuição Básica: 8,50% Valor equivale a R$1335,30.

Escolha o Regime de Tributação: Tabela Regressiva


Valor de Portabilidade transferido à Funpresp: R$ -

Contribuição Facultativa* R$ 392,74


*O valor da Contribuição Facultativa equivale a 2,5% sobre o Salário de Participação, calculado considerando a diferença
entre a contribuição total que o servidor realiza no RPPS e o percentual da contribuição básica obrigatória à Funpresp.

Elegibilidade à aposentadoria
Data de elegibilidade ao benefício na Funpresp: 23/01/2053 60 anos e 0 meses completos.

Deseja postergar a data de aposentadoria? NÃO


75
Saldo acumulado na data de aposentadoria: R$ 2.996.503,60
Resultado da simulação Funpresp Resultado do Benefício Total
Benefício de Aposentadoria Normal R$ 11.814,90 Benefício de Aposentadoria Normal R$ 11.814,90
Benefício Suplementar R$ 2.314,83 Benefício Suplementar R$ 2.314,83
Benefício Total R$ 14.129,74 Benefício RPPS R$ 5.645,80
(-) Cus teio Adm inis trativo R$ - Benefício RPPS Espcial R$ 2.109,93
Benefício Líquido de Custeio Adm. R$ 14.129,74 Benefício Total R$ 21.885,47
(-) Im pos to de Renda - tabela regres s iva -R$ 1.412,97 (-) Total de Im pos tos e Cus teio Adm . -R$ 2.676,44
Benefício Funpresp Líquido após IR R$ 12.716,76 Benefício Total Líquido R$ 19.209,03

31