Você está na página 1de 87

PORTFÓLIO DE

HISTOLOGIA
E EMBRIOLOGIA
• UNIVERSIDADE DO ESTADO DA
BAHIA

• DISCENTE: Ian Silva de Vasconcellos


• DOCENTE: Lídia Ribeiro
DISCIPLINA: Histologia Prática
CURSO: Nutrição
HISTOTÉCNICA
PROCESSOS HISTÓLOGICOS
• 1. Colheita do material
• 2. Fixação - tratamento da peça histológica para observar ao microscópio os componentes
teciduais com a morfologia e a composição química semelhantes às existentes no ser vivo.
• 3. Desidratação - remoção da água dos tecidos, para permitir a impregnação da peça com
parafina.
• 4. Diafanização - impregnação da peça com um solvente de parafina (xilol).
• 5. Impregnação em parafina fundida - a parafina penetra nos tecidos em estado líquido.
• 6. Inclusão - “bloco de parafina”
• 7. Microtomia - é a etapa em que se obtém delgadas fatias de peças incluídas na parafina, através de
um aparelho chamado micrótomo. A espessura dos cortes geralmente varia de 5 a 10 μm
(micrômetros). (1 μm = 0,001 mm).
• 8. Extensão - os cortes provenientes da microtomia estão “enrugados”, desta forma, são esticados
num banho de água a 58°C e “pescados” com uma lamina de vidro. As laminas são levadas em seguida
para a estufa a 37°C, para que se dê a adesão do corte à lâmina.
• 9. Coloração - tem a finalidade de dar contraste aos componentes dos tecidos, tornando-os visíveis ao
microscópio. Para coloração do corte é necessária uma bateria de banhos: banhos sucessivos de xilol
para eliminação da parafina; banhos sucessivos em álcoois em concentrações decrescentes e hidratação.
Os corantes são compostos químicos com determinados radicais ácidos ou básicos que possuem cor e
apresentam afinidade de combinação com estruturas básicas ou ácidas dos tecidos. Rotineiramente,
utilizase a hematoxilina, corante básico que se liga aos radicais ácidos dos tecidos, e eosina, corante
ácido que tem afinidade por radicais básicos dos tecidos. Os componentes que se combinam com
corantes ácidos são chamados de acidófilos e os componentes que se combinam com corantes básicos
são chamados basófilos.
• 10. Desidratação – nessa etapa a água precisa ser removida do corte para permitir uma perfeita
visualização dos tecidos, porque a água possui índice de refração diferente do vidro. Para isso, utiliza-se
banhos em álcoois de concentrações crescente.
• 11. Diafanização - a diafanização é feita com xilol.
• 12. Montagem - esta etapa final consiste na montagem da lamínula sobre o corte, com bálsamo do
Canadá, que é solúvel em xilol e insolúvel em água.
EQUIPAMENTOS UTILIZADOS
NOS PROCESSOS
HISTÓLOGICOS

• BANHO MARIA

• Fonte: Laboratório,
UNEB.
CAPELA

Fonte:
Laboratório,
UNEB.
ESTUFA DE
SECAGEM

• Fonte: Laboratório, UNEB.


MICROTÓMO

• Fonte: Laboratório,
UNEB.
CRIO-
MICRÓTOMO

• Fonte: Laboratório,
UNEB.
CUBAS PARA
CORAR LÂMINAS

• Fonte: Laboratório,
UNEB.
LÂMINAS

• Fonte:
Laboratório,
UNEB.
MICROSCÓPIO ÓPTICO

• O microscópio é um instrumento óptico com capacidade de ampliar imagens de objetos muito


pequenos graças ao seu poder de resolução. Este pode ser composto ou simples: microscópio
composto tem duas ou mais lentes associadas; microscópio simples é constituído por apenas uma lente
células.
• OCULARES: Dois sistemas de lentes (em microscópios mais
simples há apenas
• um). As oculares geralmente tem poder de aumento de 10X e é
por meio delas que observamos a imagem ampliada.
• Tubo: Suporte das oculares. Também chamado de canhão.
• REVÓLVER: Peça giratória que comporta as objetivas. Para
trocar de objetiva, sempre manuseie o revólver, nunca force as
objetivas.
• Objetivas: Geralmente três ou quatro, são lentes de maior poder
de ampliação.
• PLATINA: Também chamada de mesa, é o suporte onde será
colocada a lâmina. A platina pode ser levantada ou baixada para
regular o foco, utilizando-se os parafusos macro e micrométrico.
• CONDENSADOR: Concentra os raios luminosos que incidem sobre a lâmina.
• FONTE DE LUZ: Nos microscópios modernos é uma lâmpada, mas em microscópios
• mais antigos era um espelho que refletia a luz.
• LIGA/DESLIGA: Botão para ligar e desligar a lâmpada.
• MACROMÉTRICO: Parafuso que permite regular a altura da platina. Faz
• movimentos amplos para um ajuste grosso.
• MICROMÉTRICO: Parafuso que permite regular a altura da platina. Permite um
• ajuste fino do foco.
• BRAÇO: Também chamado de coluna, é fixo na base do microscópio e serve de
• suporte para as demais partes.
• CHARRIOT: Peça que permite movimentar a lâmina sobre a platina. Não aparece na
• figura pois geralmente localiza-se na lateral direita.
MICROSCÓPIO
ÓPTICO,
LABORATORIO UNEB

• FOTO 1: VISÃO FRONTAL


• FOTO 2: VISÃO LATERAL

FOTO 1 FOTO 2
SISTEMA REPRODUTOR FEMININO
AULA N° 1 - ÚTERO

• O útero é um órgão do sistema


reprodutor feminino,
responsável pela menstruação,
gravidez e parto.
• O útero é um órgão musculoso,
oco e em formato de pera
invertida. É no útero que o
embrião instala-se e desenvolve-
se até a hora do nascimento.
CAVIDADE
GLÂNDULAS
ENDOMETRIO

Lâmina: Útero
(Fase
Proliferativa)
MIOMETRIO

VASOS SANGUÍNEOS

Objetiva de 4x
Coloração: HE
Data: 22/08/2018
COMENTÁRIOS
• Endometrio, que forra toda a cavidade uterina e sua espessura varia ao longo do ciclo menstrual como
resposta aos hormônios estrogênio e progesterona na corrente sanguínea. Este é o local onde o
embrião se instala após a fecundação, dando início a gravidez, mas para que isso aconteça ele precisa
ter a espessura ideal e estar saudável. A sua camada basal é aquela que se encontra em contato com o
miométrio do útero, essa camada permanece íntegra durante a descamação do endométrio; ela é
responsável pela regeneração da parte funcional do endométrio no período pós-menstrual. Está
camada é muito vascularizada, e por isso acontece o sangramento durante a menstruação, este é devido
ao rompimento destes vasos sanguíneos. E o Miométrio que é formado por uma espessa camada de
fibras musculares lisas que se distribuem, da periferia para a profundidade, em 3 planos: longitudinal,
plexiforme e circular.
COMENTÁRIOS
• A fase folicular (proliferativa) dura cerca de 10 dias, se inicia ao final da menstruação e dura até a
ovulação. Essa fase é caracterizada pela reepitelialização da superfície desnuda, reconstruindo a
espessura do endométrio e de suas artérias espiraladas, além da restauração das glândulas, de modo que
a camada funcional é reconstruída até alcanças uma espessura de 2 a 3 mm. Por volva da ovulação, as
glândulas, apesar de não espiraladas, começam acumular glicogênio em suas células. As artérias
espiraladas estão começando a se contorcer em uma espiral apertada e alcançam cerca de dois terços
do trajeto para a camada funcional. Pouco antes da ovulação, os níveis sanguíneos de FSH, LH e
estrogênio atingiu seu pico.
Lâmina: Útero (Fase
Secretora)

ENDOMETRIO GLÂNDULAS
COM SECREÇÃO

Objetiva de 10x
Coloração: HE
Data: 22/08/2018
COMENTÁRIOS
• As glândulas do endométrio se tornam altamente espiraladas, os vasos espiralados completam todo o
trajeto até a superfície epitelial da camada funcional, que atingiu cerca de 5mm de espessura, e a luz das
glândulas endometriais está preenchida com seu produto secretor. Por volta do 20° dia do ciclo
menstrual, o nível de progesterona no sangue alcançou seu pico e o nível de estrogênio também está
bastante alto, embora não tão alto como durante a fase proliferativa. As artérias espiraladas se tornam
envoltas por células do estroma que aumentam e se transformam em células deciduais que armazenam
glicogênio e lipídeos, antecedendo a implantação do embrião.
SISTEMA REPRODUTOR FEMININO
AULA N°2 - OVÁRIO
Os ovários são estruturas muito importantes para o corpo
da mulher. Eles apresentam funções essenciais para o
desenvolvimento do corpo e para a reprodução, tais como
a produção de hormônios e o desenvolvimento de células
reprodutivas.
Os ovários produzem dois importantes hormônios
sexuais, o estrógeno e a progesterona, os quais estão
relacionados com a reprodução. O estrógeno é um
hormônio que garante o crescimento, desenvolvimento e
manutenção dos órgãos reprodutivos. É ele também que
garante a regeneração do endométrio após a menstruação.
Já a progesterona está mais relacionada com a preparação
do útero para receber o bebê e com o desenvolvimento de
células secretoras de leite durante a gestação. A diminuição
dos níveis desse último hormônio leva ao aborto.
FASES DO FOLÍCULO
FOLÍCULO
PRIMORDIAL

FOLÍCULO
PRIMORDIAL
Objetiva de 10x
Corante: HE

Data: 29/08/2018
COMENTÁRIOS

O folículo ovariano consiste em um ovócito envolvido por uma ou mais camadas


foliculares, também chamadas de células da granulosa. A maioria desses folículos está “em
repouso” – são folículos primordiais formados durante a vida fetal e que nunca sofreram
nenhuma transformação. Os folículos primordiais são formados por um ovócito primário
envolvido por uma única camada de células foliculares achatadas.
FOLÍCULO
PRIMÁRIO
UNILAMINA
FOLÍCULO PRIMÁRIO R
UNILAMINAR
Objetiva de 40x
Corante: HE

Data: 29/08/2018
COMENTÁRIOS
As células foliculares aumentam de volume e se dividem por mitose, formando uma camada
única de células cuboides, neste momento o folículo é chamado de folículo primário
unilaminar.
FOLÍCULO
PRIMÁRIO
MULTILAMIN
AR
Objetiva de 10x
FOLÍCULO PRIMÁRIO Corante: HE
MULTILAMINAR

Data: 29/08/2018
COMENTÁRIOS

As células foliculares continuam proliferando e originam um epitélio


estratificado também chamado de camada granulosa, cujas células (células da granulosa)
frequentemente se comunicam por junções comunicantes. O folículo é então chamado
folículo primário multilaminar, uma espessa camada amorfa, chamada zona pelúcida,
composta de várias glicoproteínas, é secretada e envolve todo o ovócito.
FOLÍCULO
SECUNDÁ
ZONA
PELÚCIDA
RIO
FOLÍCULO
SECUNDÁRIO Objetiva de 10x
Corante: HE

ANTRO
TECAS Data: 29/08/2018
COMENTÁRIOS

O Folículo secundário é a penúltima fase de maturação do folículo, tal desenvolvimento ocorre por conta do
FSH. Nesta fase já pode-se notar a presença do Antro, espaços em branco que caracterizam a evolução do
ovócito.
´FOLÍCULO
MADURO FOLÍCULO
MADURO
OVÓCITO

CORONA RADIATA
Objetiva de 40x
ANTRO Corante: HE

Data: 29/08/2018
COMENTÁRIOS
O folículo maduro é tão grande que provoca saliência na superfície do ovário e pode ser
detectado por ultrassom. Como resultado do acúmulo de líquido, a cavidade folicular
aumenta de tamanho e a camada de células da granulosa da parede do folículo torna-se mais
delgada, pois essas células não se multiplicam na mesma proporção que o crescimento do
folículo. Esses folículos têm suas tecas muito espessas. A ovulação consiste na ruptura de
parte da parede do folículo maduro e a consequente liberação do ovócito, que será capturado
pela extremidade dilatada da tuba uterina.
A corona radiata envolve o ovócito e é liberada com essa célula no momento da ovulação.
Essa importante camada produz sinais químicos que atraem os espermatozoides, ou seja,
contribui para um processo conhecido como quimiotaxia.
O folículo maduro tem uma teca externa e uma teca interna. A cavidade folicular começa a
ser preenchida por líquido. À medida que a cavidade vai ficando hipertensa, os espaços
antrais vão se juntar para formar uma grande cavidade.
SISTEMA REPRODUTOR FEMININO
AULA N°3 – TUBA UTERINA
Tuba Uterina é um tubo par que se implanta de cada lado no
respectivo ângulo latero-superior do útero, e se projeta
lateralmente representando os ramos horizontais do tubo.
Esse tubo é irregular quanto ao calibre, apresentando
aproximadamente 10 cm de comprimento.
Ele vai se dilatando á medida que se afasta do útero, abrindo-se
distalmente por um verdadeiro funil de borda franjada.
A tuba uterina divide-se em 4 regiões, que no sentido médio-
lateral são: Parte Uterina, Istmo, Ampola e Infundíbulo.
A Tuba Uterina possui duas funções, a de transportar o óvulo do
ovário ao útero e de ser o local onde ocorre a fertilização do óvulo
pelo espermatozoide
Pregas da Mucosa

Musculatura
Células
Parede da Tuba Epiteliais

Objetiva de 4x

TUBA UTERINA
Corante: HE

Data: 05/09/2018
COMENTÁRIOS
A mucosa possui muitas dobras dispostas no sentido longitudinal que são muito numerosas dentro da
ampola. Em seções transversais o lúmen da ampola se assemelha a um labirinto. Estas dobras ficam
menores nos segmentos da tuba mais próximos ao útero. Na região intramural as dobras são reduzidas a
pequenas protuberâncias e a superfície interna da mucosa é quase lisa.

No momento da ovulação, a tuba uterina exerce um movimento ativo e a sua extremidade afunilada se
aproxima da superfície do ovário, favorecendo assim a captação do ovócito que foi ovulado. A secreção
possui funções nutritivas e protetoras com relação ao ovócito, além de promover também a capacitação dos
espermatozóides
TROMPA
Células
Secretoras
UTERINA
Objetiva de 10x
Corante: HE

Células Ciliadas Data: 05/09/2018


COMENTÁRIOS
A mucosa é formada por um epitélio colunar simples e de uma lâmina própria de tecido conjuntivo frouxo.
O epitélio é composto por dois tipos celulares, um é ciliado e o outro é secretor. Os cílios batem em direção
ao útero, movimentando nessa direção uma película de muco que cobre sua superfície. Este líquido é
constituído principalmente por produtos das células secretoras, que encontram-se interpostas entre as células
ciliadas.
SISTEMA REPRODUTOR
MASCULINO AULA N°3 –
TESTÍCULO
Os testículos são as gônadas sexuais masculinas dos animais sexuados,
que possui dupla função: produzir as células sexuais masculinas
(espermatozóides) e sintetizar hormônios.
Células de Luz
Leydig (Espermatozóides)
Células
Germinativas
TESTÍCULO

Objetiva de 10x
Corante: HE
Túbulos Seminíferos

Data: 05/09/2018
COMENTÁRIOS
Normalmente, os indivíduos do sexo masculino possuem dois testículos. Cada um apresenta-se envolto por
uma grossa cápsula de tecido conjuntivo denso, denominada túnica albugínea. Esta última é espessada na
superfície dorsal dos testículos para dar origem ao mediastino do testículo, do qual partem septos fibrosos.
Estes, por sua vez, penetram no parênquima testicular dividindo-o em compartimentos piramidais,
conhecidos como lóbulos do testículo.
Os espermatozoides são produzidos nos túbulos seminíferos. Cada testículo tem 250 a
1.000 túbulos seminíferos, que são formados por uma parede formada por um epitélio
germinativo, que é envolvida a lâmina basal e por uma bainha de tecido conjuntivo.
TESTÍCULO
(CÉLULAS
DE LEYDIG)
Vasos Objetiva de 40x
Corante: HE

Data: 05/09/2018

Células de Leydig
COMENTÁRIOS

As Células de Leydig (também designadas por Células Intersticiais) são células secretoras localizadas no
tecido do testículo que rodeia os tubos seminíferos e que segregam testosterona.
que segregam testosterona.
As células de Leydig libertam uma classe de hormonas denominadas de androgénios. Fazem secreção de
testosterona, androstediona e dehidroepiandrosterona (DHEA), quando são estimuladas pela hormona
luteinizante (LH). A LH aumenta a atividade da desmolase de colesterol (enzima associada à conversão de
colesterol em pregnenolona).
O hormônio folículo-estimulante (FSH) aumenta e resposta das células de Leydig à LH, ao aumentando o
número de receptores de LH expressas na células.
TESTÍCULO
Espermatogônia
Espermatogênes
Espermatócito e
Espermatide

Objetiva de 10x
Corante: HE

Data: 05/09/2018
COMENTÁRIOS
→ Etapas da espermatogênese
A espermatogênese, processo de formação dos espermatozoides, ocorre em três etapas principais: o período
de multiplicação, o período de crescimento e o período de maturação
→ Período de multiplicação: As células precursoras denominadas de espermatogônias (2n) multiplicam-
se por mitose. A multiplicação, que acontece na parede dos túbulos seminíferos, é relativamente lenta até a
puberdade e, após esse período, torna-se intensa. Essa fase da espermatogênese pode ocorrer por toda a vida
do homem.
→ Período de crescimento: As espermatogônias aumentam de tamanho e passam a ser chamadas
de espermatócitos primários ou espermatócitos I (2n).
→ Período de maturação: No período de maturação, ocorre o processo de meiose. Primeiramente os
espermatócitos primários passam pela primeira divisão meiótica e dão origem a dois espermatócitos
secundários ou espermatócitos II (n). Inicia-se, então, a segunda divisão meiótica, que origina
duas espermátides (n).
TESTÍCULO
(CÉLULAS
DE
SERTOLI)
Células de Sertoli Objetiva de 10x
Corante: HE

Data: 05/09/2018
COMENTÁRIOS
As células de Sertoli são elementos essenciais para a realização das funções testiculares. Possuem formato
piramidal e envolvem parcialmente as células da linhagem espermatogênica. As bases das células de Sertoli
aderem à lâmina basal dos túbulos, e suas extremidades apicais encontram-se no lúmen dos túbulos
seminíferos.
As funções desempenhadas pelas células de Sertoli são diversas. Dentre elas, auxiliam na troca de
nutrientes e metabólitos dos espermatócitos, espermátides e espermatozóides. A barreira formada pelas
células de Sertoli também protege os espermatozóides em desenvolvimento de ataque imunológico. Outra
função desempenhada pelas células em questão é a fagocitose de excessos de fragmentos
de citoplasma liberados durante a espermiogênese.
SISTEMA REPRODUTOR
MASCULINO AULA N°4 -
EPIDÍDIMO

O epidídimo consiste em um delgado ducto, com aproximadamente 4 a 6 m de comprimento, altamente contorcido,


dobrado em um espaço de somente 7 cm de comprimento, responsável pela coleta e armazenamento dos
espermatozóides produzidos nos testículos.
Situa-se posteriormente ao testículo, no interior do saco escrotal. Quando os gametas masculinos saem da rede testicular,
através de 10 a 20 túbulos curtos, conhecidos como ductos deferentes, estes acabam fundindo-se com o epidídimo.
EPIDÍDIMO
Vasos sanguíneos Objetiva de 10x
Células de
Corante: HE
Leydig

Data: 16/09/2018
EPIDÍDIMO
Parede do
Conduto
(Condutos)
Vasos

Objetiva de 10x
Corante: HE
Espermatozóides Luz

Data: 16/09/2018
COMENTÁRIOS

O conduto é marcado pela presença dos espermatozoides no seu interior. Ademais, na intersecção entre
os condutos há a presença de vasos sanguíneos e da musculatura lisa responsável pelo movimento dos
espermatozoides no Epidídimo.
Estereocílios EPIDÍDIMO
Epitélio
pseudoestratificado
(Conduto
aproximado)
Objetiva de 10x
Corante: HE

Data: 16/09/2018
COMENTÁRIOS
Os estereocílios são microvilosidades especializadas cuja estrutura, citoesqueleto de preenchimento e ancoragem são
idênticos ao de uma microvilosidade comum, no entanto, podem ainda revelar algumas características distintas. Seu
comprimento e calibre podem assemelhar-se aos cílios móveis, ou mostrarem ramificações. Por causa das eventuais
semelhanças com os cílios, mas sem realizarem os movimentos ritmados destes, foram então denominados “falsos cílios” ou
estereocílios.

Essas projeções têm ocorrência em epitélios absortivos e secretores, como o do epidídimo e canal deferente no sistema
reprodutor masculino, mas podem assumir função sensorial, como nas células pilosas integrantes do epitélio dos canais
semicirculares e da cóclea no ouvido interno, onde podem se mostrar em associação com os cílios sensoriais (quinocílios).
O Epitélio pseudoestratificado apresenta essa configuração por se parecer com o Epitélio estratificado. Este se localiza em
órgãos do sistema respiratório como a Traquéia e também no Epidídimo do Sistema Reprodutor Masculino.
TECIDO CARTILAGINOSO,
ÓSSEO E SANGUINEO AULA
N° 5
TECIDO CARTILAGINOSO
(CARTILAGEM HIALINA)
Traqueia
TECIDO CARTILAGINOSO
• O tecido cartilaginoso é uma forma especializada de tecido conjuntivo rígido que dá
sustentação aos tecidos moles adjacentes, reveste as superfícies articulares favorecendo o
deslizamento das articulações e absorve choques mecânicos. Ele é essencial para a formação
e crescimento dos ossos.
Lâmina:
Traqueia
Condrócitos
(cartilagem)

Objetiva de 40x
Corante: HE.
Grupo Isogêno

Pericôndrio Data: 09/11/2018

Condroblastos
COMENTÁRIOS
• Os condroblastos são as células jovens de origem mesenquimais que se
diferenciaram recentemente e que produzem a maioria dos elementos da matriz
(fibras de colágeno tipo II (colágeno com fibras mais finas) e nas cartilagens
elásticas é produzido também fibras elásticas).Esses elementos da matriz ficaram
„aprisionadas‟ em cavidades denominadas lacunas formando grupos isogênicos que
posteriormente podem dar origem em até oito células de condrócitos que são
células já maduras com um metabolismo menos ativo. Os condrócitos participam
do crescimento intersticial da cartilagem, onde divisões mitóticas das células e
secreção da matriz entre as células filhas proporcionam está expansão da cartilagem.
TECIDO ÓSSEO
(PATA DE ANIMAL)
OSSO TRABECULADO
TECIDO ÓSSEO
• O tecido ósseo é o principal constituinte do esqueleto e tem como função
proteger e sustentar os órgãos, alojar e proteger a medula óssea e apoiar os
músculos possibilitando um sistema de alavancas que potencializam o
movimento e as forças geradas durante a contração muscular. Além das
funções de proteção e sustentação e movimentação, o tecido ósseo também é
um depósito de cálcio, fosfato e outros íons utilizados no metabolismo e
bom funcionamento do organismo. Assim como o tecido
cartilaginoso, também é um tecido conjuntivo especializado formado por
células e matriz extracelular calcificada chama de matriz óssea.
TECIDO ÓSSEO
Osteócitos

Objetiva de 40x
Corante: HE.
Matriz

Data: 09/11/2018
Osteoblastos
COMENTÁRIOS
• Osteoblastos apresentam longas projeções citoplasmáticas, que tocam os
osteoblastos vizinhos. Ao secretarem a matriz intercelular ao seu redor, os
osteoblastos ficam presos dentro de pequenas câmeras, das quais partem
canais que contêm as projeções citoplasmáticas. Quando a célula óssea se
torna madura, transforma-se em osteócito e seus prolongamentos
citoplasmáticos se retraem, de forma que ela passa a ocupar apenas a lacuna
central. Os canalículos onde ficavam os prolongamentos servem de
comunicação entre uma lacuna e outra, e é através deles que as substâncias
nutritivas e o gás oxigênio provenientes do sangue até as células ósseas.
TECIDO ÓSSEO

Osteoclastos

Objetiva de 40x
Osteóide Corante: HE.

Data: 09/11/2018
COMENTÁRIOS
• O osteoclasto é uma célula que compõe a matriz óssea, bastante grande em
comparação à outras células, multinucleada, e que está envolvida na
reabsorção e remodelagem do tecido ósseo.
• Osteóide porção orgânica de matriz não mineralizada do tecido ósseo
durante o processo de ossificação endocondral.
Medula óssea
Hematogênica TECIDO ÓSSEO

Capilares Megacariócitos

Objetiva de 10x
Corante: HE.

Data: 09/11/2018
COMENTÁRIOS
• Os megacariócitos, células que dão origem às plaquetas, apresentam
características morfológicas únicas, destacando-se por seu grande tamanho e
por aspectos particulares do citoplasma e do núcleo
ESFREGAÇO
SANGUÍNEO
ESFREGAÇO SANGUÍNEO
• As células sanguíneas são produzidas constantemente através de um processo
denominado hematopoiese, especialmente na medula óssea, e são removidas
depois de cumprida sua vida util. As células que compõem este tecido são as
hemácias (ou eritrócitos), os leucócitos (granulócitos: neutrófilos, eosinófilos,
basófilos e os agranulócitos: monócitos e linfócitos T e B) e (3), as plaquetas
(ou trombócitos), que podem ser reconhecidos no esfregaço sanguíneo ou
em cortes da medula óssea
ESFREGAÇO
SANGUÍNEO

Neutrófilos Objetiva de 40x


Corante: Rosenfeld.

Data: 09/11/2018
COMENTÁRIOS
• Os Neutrófilos Por possuírem capacidade de fagocitose eles acabam sendo
os principais responsáveis na defesa primária contra bactérias e fungos,
constituindo cerca de 60 a 70% dos leucócitos circulantes. Os neutrófilos
possuem vida média de 6 a 7 horas, podendo viver até 4 dias no tecido
conjuntivo, onde, após desempenharem sua função de defesa, morrem por
um processo chamado apoptose.
ESFREGAÇO
SANGUÍNEO

Monocitos
Objetiva de 40x
Corante: Rosenfeld.

Data: 09/11/2018
Linfócitos
COMENTÁRIOS
• Os linfócitos são um tipo de leucócito presente no sangue e possuem um importante papel
na defesa do corpo. Eles reconhecem moléculas de organismos e/ou partículas estranhas em
agentes infecciosos e combatem-nas através da resposta citotóxica mediada por células ou
por resposta humoral produzindo imunoglobulinas (anticorpos). O percentual de linfócitos
encontrado no sangue de pessoas saudáveis é em torno de 20 e 30% dos leucócitos totais,
porém, este número varia de acordo com a saúde do paciente.
• Os monócitos são células do sangue que fazem parte do sistema imunológico que têm
como função defender o organismo de corpos estranhos tais como bactérias ou vírus, além
de remover partículas estranhas e destruir células tumorais. São células de tamanho grande,
com apenas um núcleo e ausência de grânulos em seu citoplasma.
ESFREGAÇO
Eosinófilos
SANGUÍNEO

Objetiva de 40x
Corante: Rosenfeld.

Data: 09/11/2018
COMENTÁRIOS
• Os Eosinófilos são células do sistema imunológico responsáveis pela ação
contra parasitas multicelulares e certas infecções nos vertebrados. Eles
constituem uma pequena porcentagem (1-3%) dos leucócitos granulócitos
circulantes de indivíduos normais sendo que em um adulto são encontrados
entre 0 e 400 eosinófilos por milímetro cúbico de sangue. Tanto em
parasitoses e casos de alergia há um aumento no número de eosinófilos,
também chamado de eosinofilia.
TECIDO MUSCULAR E
NERVOSO AULA N° 6
TECIDO MUSCULAR

• O tecido muscular é constituído células altamente especialidadas em


realizar contrações. Suas células são alongadas, multinucleadas ou não,
contendo em seu citoplasma grandes quantidades de filamentos
de proteína contrátil, dentre eles os principais: actina e miosina. É um
tecido altamente vascularizado e inervado, grande consumidor de energia e
produtor de calor.
TECIDO
MUSCULAR

Objetiva de 10x
Corante: HE. Perímisio

Data: 23/11/2018

Feixe de Fibras
COMENTÁRIOS
• Perimísio é uma bainha de tecido conjuntivo que agrupa conjuntos de dez a
cem fibras musculares individuais em fascículos
TECIDO
MUSCULAR

Objetiva de 40x
Corante: HE.
Endomisio
Data: 23/11/2018
COMENTÁRIOS
• Endomísio é uma camada de tecido conjuntivo que encobre uma fibra
muscular e é composta principalmente de fibras reticulares. Também contém
capilares, nervos e vasos linfáticos.
TECIDO NERVOSO
TECIDO NERVOSO
• O tecido nervoso é o responsável pela troca de informações rápidas nos
animais. É um tecido bastante importante, pois sem ele não seria possível
comandar as diversas partes do organismo de forma rápida e eficiente.
SUBSTÂNCIA
BRANCA
TECIDO
NERVOSO
CAMADA DE
PURKINJE
Objetiva de 4x
Corante: HE CAMADA MOLECULAR

Data: 23/11/2018
GRANULOSA
COMENTÁRIOS
• A substância branca é um dos dois principais componentes do sistema
nervoso central. Ela se localiza acima da substância cinzenta e é composta
quase que exclusivamente por axônios. Os axônios são revestidos pela bainha
de mielina, dando ao tecido uma coloração esbranquiçada, recebendo o
nome de substância branca
• As células de Purkinje são neurônios altamente diferenciados, presentes
apenas no cerebelo.
TECIDO
NERVOSO CORPO
CELULAR
(SUBSTÂNCIA
CINZENTA)

Objetiva de 40x
Corante: Prata
SUBSTÂNCIA BRANCA
Data: 23/11/2018
REFERÊNCIAS
• Junqueira,L. C. / Carneiro,José. “Histologia Básica” - 13a Ed. 2017. Guanabara Koogan.
• TÉCNICAS HISTOLÓGICAS - UMA ABORDAGEM PRÁTICA. Direção de Fiocruz. Realização de Instituto
Oswaldo Cruz. S.l: Laboratório de Patologia e Serviço e Produção e Tratamento de Imagem, 2012. Son., color.

Você também pode gostar