Você está na página 1de 21

Universidade Federal de Ouro Preto

Instituto de Ciências Exatas e Aplicadas – ICEA


Campus João Monlevade

Projeto de um Autotransformador

Trabalho apresentado ao professor


Juan Carlos como parte das
exigências da disciplina Máquinas
Elétricas I, apresentado pelos dicentes
Julio Cesar Evaristo e Lucas Piero.
Universidade Federal de Ouro Preto
Instituto de Ciências Exatas e Aplicadas – ICEA
Campus João Monlevade

Índice
Introdução.............................................................................................................................. 4
Objetivos................................................................................................................................ 4
Conceitos para Projeto .......................................................................................................... 4
Autotransformador.............................................................................................................. 4
Carretel .............................................................................................................................. 5
Núcleo ................................................................................................................................ 5
Metodologia ........................................................................................................................... 7
Projeto................................................................................................................................ 7
Cálculo do Diâmetro dos Condutores ............................................................................... 13
Execução do projeto:........................................................................................................ 14
Ensaios Realizados .......................................................................................................... 18
Teste com Carga .............................................................................................................. 20
Conclusão............................................................................................................................ 21
Referências ......................................................................................................................... 22
Universidade Federal de Ouro Preto
Instituto de Ciências Exatas e Aplicadas – ICEA
Campus João Monlevade

Introdução

Os transformadores são um dos principais componentes dos sistemas elétricos de


potência, portanto é requerido a todo profissional que trabalhe com eletricidade
conhecimentos sólidos sobre suas características e seu funcionamento. Neste
contexto, os autotransformadores merecem destaque, pois além de serem bastante
utilizados, eles possuem características especiais que os diferem de um
transformador comum.

Neste será apresentado um método para projeto de um autotransformador, aspectos


práticos de montagem e ensaios, de modo que este conhecimento adquirido além de
possibilitar realizar o projeto de um autotransformado, possa também reforçar os
conhecimentos sobre suas características e seu funcionamento.

Objetivos

 Apresentar uma metodologia para projeto de um autotransformador;


 Realizar uma montagem tendo como base o projeto calculado;
 Submeter o autotransformador a ensaios de curto-circuito e a vazio;
 Determinar a regulação do autotransformador;

Conceitos para Projeto

Autotransformador

Um autotransformador é um tipo de transformador que tem um tipo de conexão


especial, seus enrolamentos primário e secundário são conectados entre si. Este
tipo de transformador possui essencialmente o mesmo efeito de transformação
sobre tensões, correntes e impedâncias, no entanto, estes transformadores
possuem outras características que podem ser muito em determinadas situações,
principalmente quando a relação entre as tensões não é muito diferente da razão de
Universidade Federal de Ouro Preto
Instituto de Ciências Exatas e Aplicadas – ICEA
Campus João Monlevade

1:1. Algumas das vantagens do uso de autotransformadores nestas situações estão


descritas abaixo:

 Reatâncias de dispersão menores;


 Perdas mais baixas;
 Menores correntes de excitação;
 Menor custo em relação a um transformador de dois enrolamentos para a
mesma potência;

Componentes de um Transformador de Baixa Potência

Carretel

O carretel é a estrutura sobre a qual as bobinas são enroladas, é constituído de


material isolante e deve ser resistente a elevações de temperatura e a esforços
mecânicos, pois ele deve resistir a deformação no momento em que as bobinas
forem enroladas, além de ser de tamanho compatível com a janela do núcleo.

Núcleo

O núcleo de transformadores geralmente é composto pro lâminas, afim de se reduzir


perdas por correntes parasitas. O material do qual elas são feitas varia conforme a
aplicação, sendo o mais utilizado o aço silício, entretanto quando o uso se destina a
altas frequências, o material utilizado é o ferrite.

Em geral, as lâminas que constituem o núcleo são fabricadas com tamanhos


padronizados nos formato “E” e “I”, devido a seu formato característico. Neste
formato, o fluxo magnético divide-se igualmente entre duas colunas laterais e
superior/inferior, por isso estas colunas possuem metade da largura da coluna
central.
Universidade Federal de Ouro Preto
Instituto de Ciências Exatas e Aplicadas – ICEA
Campus João Monlevade

Figura 1 - Formatos Padronizados das Lâminas do Núcleo

Todas as dimensões das lâminas são feitas em função do tronco central, conforme
indica a figura acima. A grandeza característica do autotransformador é área da
janela, pois ela limitará a quantidade de espiras e a seção dos condutores.

As lâminas mais comuns do núcleo são classificadas de 0 a 6, conforme indica a


tabela:

Lâminas Padronizadas
a Área da Janela Peso do Núcleo

(cm) (mm²) (Kg/cm)
0 1,5 168 0,095
1 2 300 0,17
2 2,5 468 0,273
3 3 675 0,38
4 3,5 900 0,516
5 4 1200 0,674
6 5 1880 1,053

Tabela 1- Tamanho de Laminas Padronizados

A principal característica do núcleo é a permeabilidade magnética do material do


qual ele é feito, sendo que dela depende a curva de magnetização do material. Os
transformadores são projetados para trabalharem longe do ponto de saturação
magnética, pois se o núcleo chegar ao ponto de saturação, o transformador terá sua
eficiência reduzida e distorcerá a forma de onda da tensão/corrente. Entretanto é
importante ressaltar que os transformadores são projetados não trabalhar muito
Universidade Federal de Ouro Preto
Instituto de Ciências Exatas e Aplicadas – ICEA
Campus João Monlevade

distantes do ponto de saturação, pois é necessário que os custos e o material


tenham seu uso otimizado.

Metodologia

O trabalho foi realizado em duas etapas: projeto execução. Na parte de projeto,


utilizamos os conhecimentos adquiridos durantes as aulas da disciplina Máquinas
Elétricas 1 e outras fontes que foram pesquisadas ao longo da fase de projeto. É
importante ressaltar que algumas delas tinham caráter muito prático e pouco
conceitual, sendo que para o uso destas referências, tivemos que desenvolver as
deduções afim de chegar às formulas utilizadas.

Na parte de execução, contamos com a ajuda e experiência de profissionais


experientes, que nos orientaram e cederam a estrutura para que pudéssemos
executar o projeto.

Projeto

Segundo CHAPMAN (2005 – p.112), a vantagem que um autotransformador


apresenta de proporcionar maior potência com uma mesma estrutura física de um
transformador comum reside no fato de nem toda potência consumida pela carga
necessita ser transmita por meio do acoplamento magnético entre os enrolamentos.
Por isso, é necessário antes saber qual a potência efetiva que será acoplada pelos
enrolamentos do autotransformador.

Em nosso projeto, consideramos as seguintes características inicias para o projeto:

Características Iniciais
Potência 600 VA
Tensão Primária 127V
Tap 1 132V
Tap 2 176V
Tap 3 220V

Tabela 2 - Especificações Iniciais Para o Pojeto


Universidade Federal de Ouro Preto
Instituto de Ciências Exatas e Aplicadas – ICEA
Campus João Monlevade

Considerando inicialmente apenas o Tap com valor de tensão de 220V, teríamos


uma potências efetivamente acoplada pelo circuito magnético de:

Figura 2 - Transformação 127:220V

Sendo as corrente no primário e secundário:

A potência efetivamente acoplada pelo núcleo do transformador será:

( )

Os demais cálculos do autotransformador terão como base o valor acima. De


acordo com FITZGERALD (p.40), a tensão eficaz induzida em um enrolamento de N
espiras será:

√ ( )

Onde:

é a frequência da tensão aplicada;

é o número de espiras do enrolamento;


Universidade Federal de Ouro Preto
Instituto de Ciências Exatas e Aplicadas – ICEA
Campus João Monlevade

é a área da seção reta;

é a densidade de fluxo máxima;

Sendo esta fórmula definida para unidades de medida no SI, multiplicamos pela
constante para usar o valor de área em cm² e o valor de densidade de fluxo
em gauss( 1 gauss = tesla).

A área de cobre efetiva do primário pode ser expressa por:

Onde S representa a seção do cabo do enrolamento primário e J a densidade de


corrente. Neste sentido, a área de cobre efetivo da janela tem que ser igual à soma
das áreas de cobre dos enrolamentos primário e secundário:

Onde representa o valor do fator de empilhamento dos enrolamentos na


janela.

Como usualmente é utilizada a mesma densidade de corrente no primário e no


secundário, é possível simplificar a expressão acima:

Então fazemos:

Se multiplicarmos em (1) ambos os lados da igualdade por e substituirmos no lado


direito a expressão obtida acima, teremos que:

√ ( )

Simplificando, obtermos:
Universidade Federal de Ouro Preto
Instituto de Ciências Exatas e Aplicadas – ICEA
Campus João Monlevade

Considerando que o núcleo é formado por lâminas, devemos incorporar na fórmula


um fator de empilhamento, , que geralmente é utilizado como 0,9 para compensar
os espaços entre as lâminas.

Sendo o fator de empilhamento dos fios de cobre igual a 0,34 e convertendo a área
da janela para cm², multiplicando por 100, teremos:

Quando utilizamos lâminas padronizadas, podemos usar a expressão:

Fazendo a substituição:

Deixando em evidência a área do núcleo:

√ √

Segundo informações de fabricantes, o valor usual para densidade de fluxo máxima


para o aço silício é 11300 gauss. Utilizamos um valor de densidade de corrente de
3ª/mm²:


Universidade Federal de Ouro Preto
Instituto de Ciências Exatas e Aplicadas – ICEA
Campus João Monlevade

Desta forma, com todas as simplificações consideradas e observadas no


desenvolvimento, o cálculo da chamada seção magnética, ainda guarda relação com
o volume do núcleo, mas de uma forma mais simplificada, ela relaciona a seção
magnética do núcleo com a potência e a frequência, dados mais acessíveis a quem
deseja projetar um transformador. É importante observar que, se não utilizarmos
lâminas padronizadas, não será possível utilizar as relações descritas.

Tomando a potência calculada anteriormente, teremos, com as lâminas


padronizadas, uma seção magnética de núcleo com o valor de:

Com já havíamos conseguido um núcleo com lâminas padronizadas tamanho 6, com


uma área de núcleo de 25 cm², decidimos utilizar todas as lâminas disponíveis, isto
não acarreta em nenhum problema, pois o transformador terá um regime de
operação distante do ponto de saturação do material, o que fará com ele tenha um
melhor desempenho, principalmente no que se refere a perdas em vazio.

Cálculo do Número de Espiras

De acordo com FITZGERALD (p.39), é possível utilizar a expressão abaixo que


relaciona a tensão eficaz de um enrolamento com a frequência, número de espiras,
seção magnética do núcleo e com a densidade de fluxo máxima.

Por esta fórmula, sendo conhecidos os demais valores, é possível determinar o


número de espiras. Abaixo encontra-se a expressão para cálculo do número de
espiras, com as conversões já realizadas para se usar valores no sistema “cgs” e a
densidade de fluxo em Gauss (que é uma unidade mais antiga, porém ainda muito
utilizada na prática).

Tendo já determinado os seguintes valores:

 ;
Universidade Federal de Ouro Preto
Instituto de Ciências Exatas e Aplicadas – ICEA
Campus João Monlevade

 ;
 ;
 ;

O número de espiras do enrolamento primário será:

A quantidade de espiras dos demais enrolamentos devem ser calculadas da mesma


forma que as espiras do primário.

Cálculo da Corrente dos Condutores

Considerando o fator de potência igual a 1, termos nos condutores as seguintes


correntes:

Enrolamento Primário:

Enrolamento Secundário (1):

Enrolamento Secundário (2):

Enrolamento Secundário (3):


Universidade Federal de Ouro Preto
Instituto de Ciências Exatas e Aplicadas – ICEA
Campus João Monlevade

Cálculo do Diâmetro dos Condutores

Para o cálculo do diâmetro dos condutores, tem de se levar em consideração a


densidade de corrente admitida no condutor, entretanto estes valores variam muito
na literatura técnica. Para este projeto foi utilizado o valor de 5A/mm².

Diâmetro dos Condutores do Primário:

Diâmetro dos Condutores do Secundário (1):

Diâmetro dos Condutores do Secundário (2):

Diâmetro dos Condutores do Secundário (3):

Cálculo da Seção Geométrica do Núcleo

A seção geométrica possui um valor maior que a seção magnética anteriormente


calculada, pois nesta, devemos considerar um fator de empilhamento para as
lâminas. Por isso, a seção magnética será:

Para o núcleo composto por lâminas padronizadas, o valor de área do tronco central
será considerado quadrático, então termos o valor de profundidade:

Portanto, foi utilizado um núcleo com 5 cm.

Cálculo da Seção de Cobre Enrolado


Universidade Federal de Ouro Preto
Instituto de Ciências Exatas e Aplicadas – ICEA
Campus João Monlevade

É de grande importância verificar antes da montagem definitiva se o equipamento


em questão possui área de janela igual ou superior à área dos fios de cobre.

Características do Transformador Projetado

Caracteristicas do Transformador
Potência Valor Unidade
Tensão Primária 127 V
Tesão Secundária (1) 132 V
Tesão Secundária (2) 176 V
Tesão Secundária (3) 220 V
Corrente Primária 4,72 A
Corrente Secundária (1) 4,54 A
Corrente Secundária (2) 0,682 A
Corrente Secundária (3) 0,544 A
Número de Espiras do Primário 167 -
Número de Espiras do Secundário (1) 12 -
Número de espiras do Secundário (2) 98 -
Número de espiras do Secundário (3) 98 -
Diâmetro dos Condutores do Primário 16 AWG
Diâmetro dos Condutores do Secundário (1) 16 AWG
Diâmetro dos Condutores do Secundário (2) 16 AWG
Diâmetro dos Condutores do Secundário (3) 16 AWG

Tabela 3 – Características Técnicas do Transformador

Execução do projeto:

1. Escolha do Núcleo:

O primeiro passo foi escolher um transformador cujas características fossem


compatíveis com as projetadas. O transformador escolhido para ser desmontado e
remontado como autotransformador foi cedido por uma empresa da cidade de Itabira
que se interessou pelo nosso projeto.
Universidade Federal de Ouro Preto
Instituto de Ciências Exatas e Aplicadas – ICEA
Campus João Monlevade

Figura 3 - Transformador Escolhido Antes de Ser Desmontado

2. Desmontagem do Transformador:

Esta foi uma das atividades mais difíceis do trabalho, devido ao trabalho
empreendido para remoção das laminas que se encontravam coladas pelo verniz
utilizado no transformador, uma importante lição aprendida foi o uso de uma lamina
para remoção das laminas.

Figura 4 - Peças do transformador Desmontado


Universidade Federal de Ouro Preto
Instituto de Ciências Exatas e Aplicadas – ICEA
Campus João Monlevade

Montagem do Transformador

Para montagem do transformado, uma empresa da cidade nos deu um grande


auxílio, cedendo espaço físico e equipamentos para o enrolamento.

Para tanto, a bobina foi montada separadamente em seu carretel, para serem
inseridas as lâminas.

Figura 5 - Fase de Enrolamento do Transformador

Devido a imperfeições do método de enrolamento manual, foi necessário o uso de


fita crepe para melhorar a acomodação das espiras nas camadas.
Universidade Federal de Ouro Preto
Instituto de Ciências Exatas e Aplicadas – ICEA
Campus João Monlevade

Figura 6 - Alunos montando Auto Transformador

Após a conclusão do enrolamento, foi feito o fechamento do núcleo e foi dado um


banho de verniz para diminuir a vibração o ruído acústico.

Terminada a montagem do transformador, ele foi colocado sobre uma placa de


madeira suspensa para evitar contato dos terminais com qualquer superfície para
evitar acidentes.

Figura 7 - Autotransformador Montado


Universidade Federal de Ouro Preto
Instituto de Ciências Exatas e Aplicadas – ICEA
Campus João Monlevade

Ensaios Realizados

Os ensaios dos transformadores foram realizados no laboratório de máquinas


elétricas da UFOP. Estes procedimentos tem por objetivo determinar importantes
características das máquinas.

Ensaio a Vazio

O ensaio a vazio tem por objetivo determinar as perdas a vazio e a corrente de


magnetização do transformador. A seguir encontram-se os resultados para os
ensaios feitos.

Ensaio a Vazio
Descrição Valor Unidade
Tesnão Aplicada (V) 127 V
Corrente Drenada 63,6 mA
Potência Ativa 0,38 mW
Potência Reativa 0,416 mVar
Potência Aparente 0,563432338 VA
Retância de Dispersão 1996,85 Ω
Resistência de Dispersão 42444736,84 Ω
Impedância de Dispersão 1996,85 Ω

Tabela 4 - Resultados Obtidos no Ensaio A Vazio

Ensaio de Curto-Circuito

O ensaio de curtocircuito tem por objetivo determinar os valores de impedância de


dispersão.
Universidade Federal de Ouro Preto
Instituto de Ciências Exatas e Aplicadas – ICEA
Campus João Monlevade

Ensaio de Curto-Circuito - Sec (1)


Descrição Valor Unidade
Tesnão Aplicada (V) 729 mV
Corrente Drenada 4,72 A
Potência Ativa 2,32 mW
Potência Reativa 1,1 mVar
Potência Aparente 2,65 mVA
Retância de Dispersão 0,67 Ω
Resistência de Dispersão 0,64 mΩ
Impedância de Dispersão 0,2 Ω

Tabela 5 - Resultados Obtidos no Ensaio de Curto Circuito Sec.(1)

Ensaio de Curto-Circuito - Se. (2)


Descrição Valor Unidade
Tesnão Aplicada (V) 1.44 V
Corrente Drenada 3,55 A
Potência Ativa 4,67 W
Potência Reativa 2,1 Var
Potência Aparente 5,11 VA
Retância de Dispersão 0,15 Ω
Resistência de Dispersão 0,37 Ω
Impedância de Dispersão 0,4 Ω

Tabela 6 - Resultados Obtidos no Ensaio de Curto Circuito Sec.(2)

Ensaio de Curto-Circuito - Se. (3)


Descrição Valor Unidade
Tesnão Aplicada (V) 1,91 V
Corrente Drenada 3,46 A
Potência Ativa 6,03 W
Potência Reativa 6,6 Var
Potência Aparente 2,68 VA
Retância de Dispersão 0,23 Ω
Resistência de Dispersão 0,5 Ω
Impedância de Dispersão 0,55 Ω

Tabela 7 - Resultados Obtidos no Ensaio de Curto Circuito Sec.(3)


Universidade Federal de Ouro Preto
Instituto de Ciências Exatas e Aplicadas – ICEA
Campus João Monlevade

Teste com Carga

No teste com carga, foram realizados ensaios com valores de resistência referentes
a potência de 500W.

Para o Secundário (1): Ω

A tensão a plena carga assumiu o valor de 110V. Com esses dados, a regulação do
transformador:

Para o secundário (2): L = Ω

Para o secundário (3): L= Ω

Materiais Utilizados

Materiais Utilizados
Descrição Valor
Fio Esmaltado para enrolamentos de máquinas R$ 30,00
Bornes R$ 20,00
Suporte para Base R$ 30,00
Parafuso R$ 2,00
Total R$ 82,00

Tabela 8 - Materiais Utilizados


Universidade Federal de Ouro Preto
Instituto de Ciências Exatas e Aplicadas – ICEA
Campus João Monlevade

Conclusão

Por meio do trabalho realizado, foi possível fixar diversos conhecimentos adquiridos
durante as aulas teóricas e práticas da disciplina Máquinas Elétricas I.

Um grande desafio que tivemos durante este trabalho, foi o de conciliar e entender
aspectos práticos de projeto com os conceitos teóricos aprendidos. Muitas
referências que encontramos em livros e materiais na internet abordam o projeto de
forma superficial e muito direcionada, criando um grande distância entre o ensino
acadêmico e a prática, mas mesmo assim tivemos o cuidado de antes de aplicar
saber a origem das fórmulas e relacioná-las com nosso aprendizado.

O funcionamento do transformador ocorreu dentro do esperado/projetado,


confirmando a metodologia usada tanto para cálculo quanto para montagem.

De forma geral, com este trabalho, conseguimos ter uma visão mais clara e firme
sobre o funcionamento e projeto de transformadores elétricos.
Universidade Federal de Ouro Preto
Instituto de Ciências Exatas e Aplicadas – ICEA
Campus João Monlevade

Referências

CHAPMAN, S. J.Eletric Machinery Fundamental. New York: Mc Graw Hill, 2004.

FITZGERALD, A. E.; JR, C. K.; UMANS, S. D.Máquinas Elétricas: Com Introdução


a Eletrônica de Potência. São Paulo: Bookman.

MATIGONI; A. Transformadores. São Paulo: Globo, 19991.

Você também pode gostar