Você está na página 1de 90

Trabalhando com seu desktop

Ubuntu Documentation Project <ubuntu-doc@lists.ubuntu.com>


Trabalhando com seu desktop
por Ubuntu Documentation Project <ubuntu-doc@lists.ubuntu.com>
Copyright © 2004, 2005, 2006 Canonical Ltd. and members of the Ubuntu Documentation Project

Resumo

Um guia detalhado para usar o Ubuntu em um ambiente desktop.

Créditos e Licença
Mantenedores da Equipe de Documentação do Ubuntu:
• Brian Burger
• Matthew East

Contribuidores:
• Contribuidores da Documentação no Wiki de Documentação do Ubuntu [https://help.ubuntu.com/community/]
• Naaman Campbell
• Milo Casagrande
• Robert Stoffers
• Matthew Paul Thomas

Este guia é baseado no trabalho original de:


• Chua Wen Kiat
• Tomas Zijdemans
• Abdullah Ramazanoglu
• Christoph Haas
• Alexander Poslavsky
• Enrico Zini
• Johnathon Hornbeck
• Nick Loeve
• Kevin Muligan
• Niel Tallim
• Matt Galvin
• Sean Wheller

Este documento é feito disponível sob uma estratégia dupla de licença que inclue a Licença Livre de Documentação GNU (GFDL) e a
Licença Criativa Comum ShareAlike 2.0 (CC-BY-SA).

Você está livre para modificar, estender, e melhorar o código de fonte da documentação do Ubuntu sob os termos destas licenças. Todos os
trabalhos derivados devem ser liberados sob qualquer uma ou ambos estas licenças.

Esta documentação é distribuída na esperança que será útil, mas SEM NENHUMA GARANTIA; sem mesmo a garantia implicada de
MERCABILIDADE do ou a APTIDÃO PARA UMA FINALIDADE PARTICULAR COMO DESCRITA NO DISCLAIMER.

As cópias destas licenças encontram-se disponíveis na seção de apêndices. Veja também as versões online:
• GNU Free Documentation License [http://www.gnu.org/copyleft/fdl.html]
• Attribution-ShareAlike 2.0 [http://creativecommons.org/licenses/by-sa/2.0/]

Disclaimer
Every effort has been made to ensure that the information compiled in this publication is accurate and correct. However, this does not
guarantee complete accuracy. Neither Canonical Ltd., the authors, nor translators shall be held liable for possible errors or the consequences
thereof.
Some of the software and hardware descriptions cited in this publication may be registered trademarks and may thus fall under copyright
restrictions and trade protection laws. In no way do the authors make claim to any such names.

THIS DOCUMENTATION IS PROVIDED BY THE AUTHORS "AS IS" AND ANY EXPRESS OR IMPLIED WARRANTIES,
INCLUDING, BUT NOT LIMITED TO, THE IMPLIED WARRANTIES OF MERCHANTABILITY AND FITNESS FOR A
PARTICULAR PURPOSE ARE DISCLAIMED. IN NO EVENT SHALL THE AUTHORS BE LIABLE FOR ANY DIRECT,
INDIRECT, INCIDENTAL, SPECIAL, EXEMPLARY, OR CONSEQUENTIAL DAMAGES (INCLUDING, BUT NOT LIMITED TO,
PROCUREMENT OF SUBSTITUTE GOODS OR SERVICES; LOSS OF USE, DATA, OR PROFITS; OR BUSINESS INTERRUPTION)
HOWEVER CAUSED AND ON ANY THEORY OF LIABILITY, WHETHER IN CONTRACT, STRICT LIABILITY, OR TORT
(INCLUDING NEGLIGENCE OR OTHERWISE) ARISING IN ANY WAY OUT OF THE USE OF THIS SOFTWARE, EVEN IF
ADVISED OF THE POSSIBILITY OF SUCH DAMAGE.
Índice
1. Linux Básico .................................................................................................................. 1
1. Sistemas de Arquivo e Diretórios ............................................................................ 2
2. Permissões ............................................................................................................. 3
3. Terminais ............................................................................................................... 4
4. Editando Texto ....................................................................................................... 6
5. Usuários e Grupos .................................................................................................. 7
2. Tarefas Administrativas .................................................................................................. 8
3. Adicionar, Remover e Atualizar Aplicações ..................................................................... 9
1. O que é um gerenciador de pacotes? ....................................................................... 10
2. Adicionar/Remover Programas ................................................................................ 11
3. Gerenciador de Pacotes Synaptic ............................................................................. 12
4. Gerenciamento de Pacotes pela Linha de Comando com o APT ................................. 13
5. Instalar um Arquivo Simples de Pacote ................................................................... 14
6. Repositórios de Softwares ....................................................................................... 16
7. Atualizações ........................................................................................................... 18
4. Música e Vídeo .............................................................................................................. 19
1. Reproduzindo e Organizando Arquivos de Música ................................................... 20
2. Reproduzindo e Extraindo CDs de Áudio ................................................................ 21
3. Gravando CDs ....................................................................................................... 22
4. Reprodução de vídeo .............................................................................................. 23
5. Codecs de Multimídia ............................................................................................ 24
6. Usando um iPod .................................................................................................... 25
7. Editando Arquivos de Áudio ................................................................................... 26
8. Reprodutor de DVD ............................................................................................... 27
9. Backup de DVDs ................................................................................................... 28
10. RealPlayer ............................................................................................................ 29
11. Edição de Vídeo ................................................................................................... 30
5. Internet .......................................................................................................................... 31
1. Connecting to the Internet ....................................................................................... 32
2. Navegando na Internet ............................................................................................ 37
3. E-mail ................................................................................................................... 39
4. Mensageiro Instantâneo .......................................................................................... 40
5. Ponto à Ponto ........................................................................................................ 41
6. Leitores de Notícias ............................................................................................... 42
7. Rede ...................................................................................................................... 43
6. Escritório ....................................................................................................................... 44
1. OpenOffice.org ...................................................................................................... 45
2. GNOME Office ...................................................................................................... 46
3. Aplicação de Finanças GnuCash ............................................................................. 47
4. Aplicação Scribus de Desktop Publishing ................................................................ 48

iv
Trabalhando com seu desktop

7. Gráficos & Fotos ........................................................................................................... 49


1. Câmeras Digitais .................................................................................................... 50
2. Placas de Vídeo 3d ................................................................................................ 51
3. Visualizador de Imagens gThumb ........................................................................... 53
4. O GIMP (Gnu Image Manipulation Program) .......................................................... 54
5. Editor de Vetores Gráficos Inkscape ........................................................................ 55
6. Modelador 3D Blender ........................................................................................... 56
8. Jogos ............................................................................................................................. 57
1. Frozen-Bubble ........................................................................................................ 58
2. PlanetPenguin Racer ............................................................................................... 59
3. Scorched3D ........................................................................................................... 60
4. Jogos do Windows ................................................................................................. 61
9. Desenvolvimento ............................................................................................................ 62
1. Compiladores Básicos ............................................................................................ 63
2. Java Runtime Environment (1.5) ............................................................................. 64
3. Ferramentas de Desenvolvimento ............................................................................ 65
4. Aprendendo como Programar .................................................................................. 66
10. Partições e Boot ........................................................................................................... 67
1. Editor Gráfico de Partições ..................................................................................... 68
2. Tornar as partições Windows disponíveis a partir do Ubuntu ..................................... 69
3. Tornar as partições Windows disponíveis automaticamente ....................................... 70
4. Execute um comando de sistema automaticamente ao iniciar ..................................... 71
5. Mudar o sistema operacional padrão no boot ........................................................... 72
6. Configure os serviços de inicialização ..................................................................... 73
7. Outras Dicas .......................................................................................................... 74
11. Impressoras .................................................................................................................. 75
12. Configuração Avançada do Desktop .............................................................................. 76
1. Entrar automaticamente quando o computador iniciar ............................................... 77
2. Abre arquivos com privilégios administrativos a partir do gerenciador de arquivos ...... 78
3. Instalar Fontes Extras ............................................................................................. 79
4. Arquivo RAR ......................................................................................................... 80
5. Applets de Desktop Avançados ............................................................................... 81
6. Ocultar Documentos Recentes no menu Locais ........................................................ 82
7. Mostrar os ícones Meu Computador, Pasta Home e a Lixeira no GNOME .................. 83
8. Reiniciar o GNOME sem rebootar o computar ......................................................... 84
9. Prevenindo as teclas de atalho Ctrl-Alt-Backspace de reinicar o X ............................. 85

v
Capítulo 1. Linux Básico
Linux é inspirado pelo sistema operacional Unix, o qual apareceu em 1969, e continua em uso e
desenvolvimento contínuo desde então. Muitas das convenções de desenho por trás do Unix também
existem no Linux e são primordiais ao entender a base do sistema.

Unix foi primeiramente orientado ao uso de uma interface de linha de comandos, e este histórico é
continuado pelo Linux. Portanto, a interface de usuário gráfica com suas janelas, ícones e menus são
construídas sobre uma interface de linha de comandos básica. Ou seja, isso significa que o sistema de
arquivos do Linux é estruturado para ser gerenciado facilmente e ser acessível pela linha de comando

1
Linux Básico

1. Sistemas de Arquivo e Diretórios


O sistema de arquivos do Linux e Unix é organizado em um formato hierárquico, com uma estrutura
no estilo árvore. O nível mais alto do sistema de arquivos é o / ou diretório root. Na filosofia de
desenho do Unix e Linux, tudo é considerado como um arquivo - incluindo discos rígidos, partições,
e mídia removível. Isto significa que todos os outros arquivos e diretórios (incluindo outros discos e
partições) existem sob o diretório root.

Por exemplo, /home/jebediah/queijos.odt mostra o caminho completo correto para o arquivo


queijos.odt que existem no diretório jebediah, o qual está sob o diretório home, que por sua vez está
sob o diretório root (/).

Sob o diretório root (/), existe um grupo importante de diretórios de sistema que são comuns entre
a maioria das distribuições Linux que são usadas. A seguinte lista contém os nomes de diretórios
comuns que estão diretamente sob o diretório root (/):
• /bin - importante aplicativos binários
• /boot - arquivos que são necessários para iniciar.
• /dev - os arquivos do dispositivo
• /etc - arquivos de configuração, scripts de inicialização, etc...
• /home - diretórios home do usuário local
• /lib - bibliotecas do sistema
• /lost+found - fornece um sistema perdido+achado para arquivos que existem sob o diretório root
(/).
• /media - mídia removível montada (carregada) tal como CDs, câmeras digitais, etc...
• /mnt - sistemas montados
• /opt - fornece um local para aplicativos opcionais serem instalados.
• /proc - diretório especial dinâmico que mantem informação sobre o estado do sistema, incluindo os
processos atualmente executados.
• /root - diretório home do usuário root, pronunciado 'eslash-ruut'
• /sbin - binários de sistema importantes.
• /sys - contém informações sobre o sistema
• /tmp - arquivos temporários
• /usr - aplicativos e arquivos que são na maioria das vezes disponíveis ao acesso de todos usuários.
• /var - arquivos variáveis tal como logs e bancos de dados.

2
Linux Básico

2. Permissões
Todo arquivo em um sistema do Linux tem permissões que permitem ou impedem outros de vê-lo,
modificá-lo ou executá-lo. O super usuário "root" tem a habilidade de acessar qualquer arquivo no
sistema. Cada arquivo contém restrições de acesso, restrições de usuário e tem uma associação de
dono/grupo.

Todo arquivo é protegido pelos seguintes grupos de permissão, em ordem de importância:


• usuário

aplica-se para o usuário que é o dono do arquivo.


• grupo

aplica-se ao grupo que está associado ao arquivo.


• outro

aplicar para todos os outros usuários

Dentro de cada um dos três grupos das permissões são as permissons reais. As permissões, junto com
a maneira aplicam-se diferentemente às limas e os diretórios, são esboçados abaixo:
• leitura

arquivos podem ser exibidos/abertos

conteúdo de diretórios podem ser exibidos


• escrita

arquivos podem ser editados ou apagados

conteúdo de diretórios podem ser modificados


• execução

arquivos executáveis podem ser executados como um programa

diretórios podem ser acessados

Para visualizar e editar as permissões de arquivos e diretórios, abra Places → Home Folder e clique
com o botão direito em um arquivo ou diretório. Selecione Propriedades. As permissões estão na
aba Permissões onde você pode alterar todos os níveis de permissão, desde que você seja o dono do
arquivo.

Para aprender mais sobre as permissões de arquivos no Linux, leia a página de permissões de
arquivos [https://help.ubuntu.com/community/FilePermissions] no Wiki do Ubuntu.

3
Linux Básico

3. Terminais
Trabalhar na linha de comando não é uma tarefa tão assustadora como você imagina. Não há nenhum
conhecimento especial necessário para saber usar a linha de comando. É um programa como qualquer
outro. A maioria de coisas em Linux podem ser feitas usando a linha de comando, embora existem
ferramentas gráficas para a maioria dos programas, às vezes elas não são o bastante. É aí que a linha
de comando é útil.

O terminal é frequentemente chamado de linha de comando ou shell. Antigamente, esta era a maneira
que o usuário interagia com seu computador, porém os usuários de Linux decidiram que o uso do
shell pode ser mais rápido do que um método gráfico e ainda merece mérito hoje em dia. Aqui você
aprenderá como usar o terminal.

O uso original do terminal era como um navegador de arquivos e certamente ainda é usado navegador
de arquivos, no evento de falha gráfica do ambiente. Você pode usar o terminal como um navegador
de arquivos para navegar seus arquivos e desfazer modificações que tenham sido feitas.

3.1. Iniciando o Terminal

Para iniciar o Terminal, selecione Applications → Accessories → Terminal .

3.2. Comandos Comuns


Visualizar Diretórios - ls
O ls (LiSt) lista arquivos em diferentes cores com todo texto formatado.
Criar Diretórios - mkdir (nome do diretório)
O comando mkdir (MaKeDIRectory) criará um diretório.
Mudar de Diretório - cd (/diretório/localização)
O comando cd (ChangeDirectory) alternará do seu diretório atual para algum diretório
especificado.
Copiar Arquivos/Diretórios - cp (nome do arquivo ou diretório) (para disretório ou nome do arquivo)
O comando cp (CoPy) copiará aquivos que você especificar. O comando cp -r copiará diretórios
especificados por você.
Remover Arquivos/Diretórios - rm (nome do arquivo ou diretório)
O comando rm (ReMove) apagará qualquer arquivo que você especificar. O comando rm -rf
apagará qualquer diretório que você especificar.
Renomear Arquivos/Diretórios - mv (arquivo ou nome de diretório)
O comando mv (MoVe) irá renomear/mover qualquer arquivo ou diretório que você especificar.
Encontrar Arquivos/Diretórios - locate (arquivo ou nome de diretório)
O comando locate procura em seu computador por qualquer arquivo que você especificar. Ele
usa um índice dos arquivos em seu sistema para operar de forma mais rápida: para atualizar estes
índices, execute o comando updatedb. Este comando é executado todo dia se você deixa o seu

4
Linux Básico

computador ligado. É necessário executá-lo com permissão administrativa (veja Capítulo 2,


Tarefas Administrativas [8] ).

Você pode também usar coringas para combinar com um ou mais arquivos, tal como "*" (para todos
arquivos) ou "?" (para combinar um caractere).

Para uma introdução mais completa à linha de comando no Linux, por favor leia a introdução à linha
de comando [https://help.ubuntu.com/community/BasicCommands] no Wiki do Ubuntu.

3.3. Alternar para o modo Console

O método normal de acesso à linha de comando no Ubuntu é iniciar um terminal (ver Seção 3.1,
“Iniciando o Terminal” [4] acima), porem às vezes é útil mudar para o console de verdade:
1. Use as teclas de atalho Ctrl-Alt-F1 para alternar para a primeira console.
2. Para alternar de volta ao modo Desktop, use as teclas de atalho Ctrl-Alt-F7.

Existem seis consoles disponíveis. Cada uma é acessada com as teclas de atalho Ctrl-Alt-F1
até Ctrl-Alt-F6.

3.4. Desabiltar o som beep no modo Terminal


1. Inicie uma sessão de Terminal, selecione: Applications → Accessories → Terminal do sistema
de menus do desktop.
2. Editar → Perfil Atual... . Selecione a aba Geral. Desmarque a opção Som do terminal.

5
Linux Básico

4. Editando Texto
Todas as configurações e definições do Linux são salvas em arquivos de texto. Mesmo que você
frequentemente edite as configurações através de uma interface gráfica, você pode ocasionalmente ter
que editá-las à mão. O Gedit é o editor de texto padrão do Ubuntu, que você pode executar clicando
em Applications → Accessories → Text Editor no sistema de menus do desktop.

Algumas vezes nesse guia, o Gedit é executado apartir da linha de comando usando o gksudo, o qual
executa o Gedit com privilégios administrativos, de forma a modificar arquivos de configuração.

Se você precisar usar um editor de texto apartir da linha de comando, você pode usar o nano, que
é um editor de textos simples de usar. Quando executando o mesmo apartir da linha de comando,
sempre use o seguinte comando, assegurando que o editor não irá inserir quebras de linha:

nano -w

Para mais informações sobre como usar o nano, dirija-se ao guia no wiki
[https://help.ubuntu.com/community/NanoHowto].

Também existem vários outros editores baseados em terminal disponíveis no Ubuntu, dentre os
mais populares estão o VIM e o Emacs (os prós e contras de cada um são motivo de muitos debates
amigáveis dentro da comunidade do Linux). Eles também são mais complexos de se utilizar que o
nano, mas também são mais poderosos.

6
Linux Básico

5. Usuários e Grupos
Para adicionar usuários ou grupos ao seu sistema, você pode utilizar o aplicativo Usuários E Grupos
localizado em System → Administration → Users and Groups .

Lembre-se de fechar a sessão e inicia-la novamente para que as mudanças produzam efeito.

Para adicionar um novo usuário, clique em Adicionar usuário, preencha os campos de dados e então
clique em OK. Para editar as propriedades de cada usuário, clique no botão Propriedades localizado
na janela principal Usuários.

Para adicionar um novo grupo, selecione a aba Grupos e clique em Adicionar grupo. Escolha o nome
para o novo grupo e, se você desejar, modifique o valor padrão para o ID do Grupo. Se você tentar
alocar um ID de Grupo que já está em uso o sistema irá lhe avisar.

Você pode adicionar usuários no grupo recém criado selecionando um usuário apartir do menu
esquerdo e clicando no botão Adicionar. Remover um usuário é tão simples quanto adicionar um:
selecione um usuário apartir do menu direito e então clique em Remove. Quando você estiver pronto
clique em OK e o novo grupo com os seus usuários, se inseridos, será criado.

Para editar as propriedades de um grupo, apartir da janela principal Grupos, escolha o nome do grupo
e clique no botão Propriedades.

Para remover um usuário ou um grupo do sistema, selecione o usuário ou o grupo que você quer
apagar e clique em Apagar.

7
Capítulo 2. Tarefas Administrativas
No Ubuntu, por razões de segurança, tarefas administrativas são restritas a usuários com privilégios
especiais. Acesso administrativo é dado para determinados usuários, que podem usar o comando
sudo para realizar tarefas administrativas. A primeira conta que você criou neste sistema durante a
instalação terá, por padrão, acesso ao sudo. Você pode restringir e habilitar acesso ao sudo para os
usuários com o aplicativo Usuários e Grupos. (veja Seção 5, “Usuários e Grupos” [7] para maiores
informações).

Quando você executa uma aplicação que requere privilégios do root, o sudo pedirá que você digite sua
senha normal de usuário. Isto assegura que aplicações suspeitas não possam danificar seu sistema, e
serve como um lembrete que você está a ponto de executar ações administrativas que requerem muita
cautela!

Para usar o sudo quando usando a linha de comando, simplesmente digite "sudo" antes do comando
que você deseja executar. Sudo irá então alertá-lo para pôr sua senha.

O sudo lembrará sua senha por um certo tempo, que por padrão é 15 minutos, mas pode ser alterado.
Esse recurso foi criado para permitir que os usuários executem várias tarefas administrativas sem que
seja solicitada uma senha a cada comando.

Tome cuidado quando estiver fazendo tarefas administrativas; você pode danificar seu
sistema!

Algumas outras dicas relativas ao uso do sudo:


• Para usar o terminal como "root", digite "sudo -i" na linha de comando.
• Todas as ferramentas de configuração gráfica padrão do Ubuntu já usam sudo, então elas irão te
pedir sua senha se for necessário.
• Para maiores informações sobre o programa sudo e a ausência de um usuário root no Ubuntu, leia a
página sudo [https://help.ubuntu.com/community/RootSudo] no wiki do Ubuntu.

8
Capítulo 3. Adicionar, Remover e
Atualizar Aplicações

9
Adicionar, Remover e Atualizar Aplicações

1. O que é um gerenciador de pacotes?


Para adicionar ou remover programas no Ubuntu, você precisará usar um gerenciador de pacotes.
Este é o programa que instala e remove softwares, e também busca todos as peças e componentes que
este software precisa.

Existem três principais gerenciadores de pacotes que você pode usar no Ubuntu:
• Adicinar/Remover... - A maneira mais fácil de instalar e remover programas.
• Synaptic - Controle avançado de softwares e outros componentes do sistema.
• Apt - Para se você preferir usar o terminal.

Se você abrir mais de um destes programas ao mesmo tempo, eles não funcionarão. Feche todos eles e
abra somente um.

Você precisa de acesso administrativo para usar alguns destes programas.


• Capítulo 2, Tarefas Administrativas [8]

10
Adicionar, Remover e Atualizar Aplicações

2. Adicionar/Remover Programas
Com o item Adicionar/Remover… do menu Aplicações, você pode instalar programas para fazer
coisas novas com o Ubuntu. Você também pode remover os programas que você não quer. Você
precisa ter acesso administrativo para usar o Adicionar/Remover Programas.
• Capítulo 2, Tarefas Administrativas [8]

Se você souber o nome de um programa que você quer instalar, digite-o no campo Busca. Se não,
comece escolhendo uma categoria de software à esquerda.

Os programas que já estão instalados começam com uma marca de verificação próxima ao seu nome.
Se você quiser removê–lo do seu computador, desmarque o programa.

Quando você clicar em Aplicar ou em OK, todo o software novo será baixado da internet e o Ubuntu
fará as mudanças que você selecionou. Se você não ativou o repositório de pacotes online, pode ser
pedido que você introduza o CD-ROM do Ubuntu para instalar alguns pacotes.

Alguns programas não podem ser instalados ou removidos utilizando Adicionar/Remover Programas.
Se você não consegue encontrar o pacote pelo qual procura, clique em Avançado para abrir o
Synaptic.

11
Adicionar, Remover e Atualizar Aplicações

3. Gerenciador de Pacotes Synaptic


Synaptic é um aplicativo de gerenciamento avançado de pacotes que pode instalar e remover qualquer
pacote disponível para o seu sistema. A interface é gráfica como Adicionar/Remover Programas, mas
apresenta muito mais informações e te dá controle completo sobre o software em seu computador

Para iniciar o Synaptic, a partir do menu Sistema, escolha Administração → Gerenciador de Pacotes
Synaptic. Você precisa de acesso administrativo para usar o Synaptic.
• Capítulo 2, Tarefas Administrativas [8]

Se você souber o nome do pacote que você quer instalar ou remover, clique no botão Procurar e
digite o nome do pacote ou um termo curto para pesquisa. Você pode também procurar os pacotes
pela descrição (por exemplo, você pode encontrar todos os pacotes mencionando “arcade” ou
“mathematics”).

Use as categorias à esquerda para filtrar a lista de pacotes. Para retornar à lista de categorias após
realizar uma pesquisa, clique em Seções.

Para instalar um pacote, clique na caixa próxima a ele e escolha Marcar para Instalação. Se você
mudar de idéia, escolha Desmarcar. Para remover um pacote que já está instalado, escolha Marcar
para Reemoção.

Quando terminar, clique em Aplicar e o Ubuntu fará as mudanças que você selecionou. Se você não
quiser realizar nenhuma mudança, simplesmente feche a janela.

12
Adicionar, Remover e Atualizar Aplicações

4. Gerenciamento de Pacotes pela Linha de Comando com o


APT
Se você está habituado com a utilização do Terminal, você pode utilizar o apt (Advanced Packaging
Tool) na instalação ou remoção de software. Será preciso acesso administrativo para a utilização do
apt.
• Capítulo 2, Tarefas Administrativas [8]

Para atualizar a lista local de pacotes, digite no Terminal:

sudo apt-get update

Para instalar todas as atualizações disponíveis:

sudo apt-get upgrade

Para instalar um pacote:

sudo apt-get install pacote

Para remover um pacote:

sudo apt-get remove pacote

Para listar outros comandos e opções do apt:

apt-get help

Para maiores informações, veja Manual do apt do Debian


[http://www.debian.org/doc/user-manuals#apt-howto].

13
Adicionar, Remover e Atualizar Aplicações

5. Instalar um Arquivo Simples de Pacote


Os métodos preferidos para a instalação de programas é utilizando os gerenciadores de pacotes
descritos neste capítulo. Contudo, apesar dos pacotes dos repositórios do Ubuntu serem vastos, é
possível que você queira instalar um pacote que não esteja disponível nos repositórios do Ubuntu. Se
isso acontecer, você pode copiar e instalar arquivos a partir de sites da web.

É importante que você assegure que qualquer arquivo que você abaixar da internet provêm
de uma fonte segura, antes de instalá-lo.

Existem muitos tipos diferentes de arquivos de pacotes para o Linux. A maioria destes estão
associados com um gerenciador de pacotes específico de cada distribuição Linux. São exemplos:
Pacotes Debian (arquivos .deb), Gerenciador de Pacotes RPM (arquivos .rpm) e os Tarballs
(arquivos .tar).

Esta seção lida com a instalação destes arquivos únicos.

Não é garantido que estes arquivos sejam compatíveis com o seu sistema e não receberão
quaisquer atualizações de segurança se você instalá-los. Por estas razões, se você deseja
instalar um programa, use sempre um pacote nativo Ubuntu disponível através do
gerenciador de pacotes, se o mesmo estiver disponível.

5.1. Instalar/Desinstalar arquivos .deb

Estes arquivos são pacotes Debian. Os arquivos de pacotes associados com o Ubuntu têm o sufixo
.deb por causa das relações do Ubuntu com a distribuição Debian GNU/Linux. Você necessitará de
privilégios administrativos para instalar um arquivo .deb (veja Capítulo 2, Tarefas Administrativas
[8]).

Para instalar um arquivo .deb, dê um clique duplo nele. Se você preferir usar um Terminal, digite:

sudo dpkg -i nome_do_pacote.deb

Para desinstalar um arquivo .deb, desmarque-o em seu gerenciador de pacotes ou a partir de um


Terminal, digite:

sudo dpkg -r nome_do_pacote

5.2. Converter arquivos .rpm para arquivos .deb

Outro tipo de arquivos de pacotes são os arquivos Red Hat Package Manager que têm o sufixo .rpm.
Não é recomendável instalá-los em um sistema Ubuntu. Na maioria dos casos, um pacote nativo
Ubuntu .deb está disponível. Contudo, se for absolutamente necessário, um arquivo .rpm pode ser
convertido para um pacote .deb utilizando o programa alien.

Em um terminal, digite

14
Adicionar, Remover e Atualizar Aplicações

sudo alien package_file.rpm

Se você receber um erro “comando não encontrado” ou similar, instale o alien antes de tentar
novamente:

sudo apt-get install alien

5.3. Instale tarballs

Arquivos com sufixo .tar.gz ou .tar.bz2 são arquivos de pacotes conhecidos como tarballs, que s

Se não existe nenhum pacote nativo Ubuntu disponível em qualquer dos repositórios Ubuntu, você
pode utilizar a linha de comandos para instalar e remover o arquivo Tarball seguindo as instruções
que vêm com o pacote.

Tarballs contêm frequentemente o código fonte do programa, que para ser utilizado tem de ser
compilado. Para isso, geralmente será necessário software adicional (veja Seção 1, “Compiladores
Básicos” [63] ).

15
Adicionar, Remover e Atualizar Aplicações

6. Repositórios de Softwares

6.1. O que são Repositórios?

Existem milhares de programas disponíveis para instalação em Ubuntu. Estes programas são
armazenados em arquivos ou (repositórios) de software e estão disponibilizados para instalação
livremente através da Internet. Isto torna muito fácil a instalação de programas novos em Linux, e
também é muito seguro, porque cada programa que você instale foi desenvolvido especialmente para
o Ubuntu e é verificado antes de ser instalado. Para organizar o software, os repositórios Ubuntu estão
categorizados em quatro grupos: Main, Restricted, Universe e Multiverse.

A lógica que determina a categorização dos softwares é baseada em dois factores:


• O nível de suporte que as equipas de desenvolvimento de software fornecem para um programa.
• O nível de conformidade que o programa tem com a Filosofia de Software Livre
[http://www.ubuntu.com/ubuntu/philosophy].

Você pode encontrar maiores informações sobre repositórios disponíveis no site do Ubuntu
[http://www.ubuntu.com/ubuntu/components].

O CD de instalação normal do Ubuntu contém software das categorias Main e Restricted. Depois
do seu sistema tomar conhecimento das localizações na internet destes repositórios, muitos mais
programas ficarão disponíveis para instalação. Utilizando as ferramentas de gerenciamento de pacotes
já instaladas no seu sistema, você pode procurar, instalar e atualizar qualquer peça de software
directamente através da internet, sem necessidade do CD.

6.2. Adicionando Repositórios Extras

Para instalar softwares dos repositórios “Universe” ou “Multiverse”:


1. Abrir System → Administration → Software Properties .
2. Selecione Adicionar
3. Para usar o repositório “Universe”, ative Mantido pela Comunidade (Universe).

Adicionando este repositório significa que a maioria do Software Livre do repositório


Universe estará disponível para instalação no seu sistema. Este software é suportado
por um grupo de voluntários cuidadosamente selecionado dentro da Comunidade
Ubuntu, mas não é suportado pela equipa núcleo de Desenvolvimento Ubuntu e poderá
não incluir atualizações de segurança.
4. Para usar o repositório “Multiverse”, ative Não-livre (Multiverse).

A adição deste repositório significará que software que foi classificado como não-livre
estará disponível para instalação no seu sistema. Este software poderá não ser permitido
em algumas jurisdições. Ao instalar cada pacote deste repositório, verifique se as leis

16
Adicionar, Remover e Atualizar Aplicações

do seu país permitem usá-lo. Mais uma vez, este software pode não incluir atualizações
de segurança.
5. Clique Fechar para salvar suas alterações e sair.

17
Adicionar, Remover e Atualizar Aplicações

7. Atualizações
As vezes os desenvolvidores do Ubuntu lançam atualizações de recursos e segurança para aplicações
e pacotes do sistema Ubuntu.

Quando estas atualizações estiverem disponíveis, Ubuntu informará você com um pop-up e um ícone
vermelho na sua área de notificação. Para atualizar seu sistema, clique no botão vermelho, digite sua
senha e clique OK.

O Gerenciador de Atualizações listará as atualizações disponíveis: para fazer o download e instalar


esses atualizações clique Instalar Atualizações. Então o Ubuntu fará o download e instalará as
atualizações disponíveis da internet.

Quando o Gerenciador de Atualizações terminar de atualizar o seu sistema, feche a janela pop-up com
o botão Fechar, e depois feche Gerenciador de Atualizações.

Depois de instalar algumas atualizações importantes, pode ser necessário reiniciar o


computador. Se for preciso, o Ubuntu informará você com um popup e um ícone na área de
notificação.

18
Capítulo 4. Música e Vídeo
Esta seção descreve os reprodutores de música e vídeo disponíveis para uso no Ubuntu e como
configurará-los para reproduzir diferentes tipos de arquivos multimídia.

19
Música e Vídeo

1. Reproduzindo e Organizando Arquivos de Música


Para reproduzir e organizar suas músicas, o Ubuntu vem com o Reprodutor de Músicas Rhythmbox,
que se assemelha ao iTunes. Quando iniciado pela primeira vez o Rhythmbox, irá procurar em sua
pasta pessoal qualquer arquivo de música suportado, adicionando-os à base de dados. Para iniciar o
Rhythmbox, escolha Applications → Sound & Video → Rhythmbox Music Player .

O Ubuntu não suporta diretamente o formato MP3, porque é restrito por patentes e direitos
proprietários. Em vez disso, o Ubuntu suporta o formato Ogg Vorbis nativamente, um formato
completamente livre, aberto e não patenteado. Arquivos Ogg Vorbis também possuem um som
melhor do que os arquivos MP3 do mesmo tamanho e são suportados por muitos reprodutores de
música portáteis.
• Tocadores que funcionam com o Vorbis [http://wiki.xiph.org/index.php/PortablePlayers]

Você pode ainda reproduzir seus arquivos de MP3 instalando o suporte para MP3 (veja Seção 5,
“Codecs de Multimídia” [24] ). Instruções para outros formatos, tais como o Windows Media
Áudio (wma/wmv) e outros formatos patenteados podem ser encontradas no Wiki do Ubuntu
[http://wiki.ubuntu.com/RestrictedFormats].

O Cowbell editor de marcadores ID3 pode editar o meta-dado em seu mp3 e outros arquivos de
música. Para usar o Cowbell:
1. Instale o pacote cowbell do repositório “Universe” (veja Capítulo 3, Adicionar, Remover e
Atualizar Aplicações [9]);
2. Para executar o Cowbell, selecione Aplicações → Som & Vídeo → Cowbell Música
Organizador.

20
Música e Vídeo

2. Reproduzindo e Extraindo CDs de Áudio


Quando você insere um CD de áudio, o reprodutor de CDs e ripper Sound Juicer abre
automaticamente. Para reproduzir o CD, clique no botão Reproduzir ou pressione Ctrl-P. Para
reproduzir uma faixa em particular, clique duas vezes na faixa ou selecione-a e clique Reproduzir.

Para extrair (rip) um CD de áudio, certifique-se que as faixas que você pretende extrair estão
selecionadas, e depois clique no botão Extrair ou pressione Ctrl-Enter.

Se você estiver conectado à Internet, o Sound Juicer irá buscar os dados de artista, título e
faixas do CD no MusicBrainz.org [http://musicbrainz.org], uma base de dados de mais de
360.000 álbuns mantida pela comunidade.

Para iniciar manualmente o Sound Juicer, selecione Aplicações → Som & Vídeo → Extrator de CDs
Sound Juicer.

Você pode usar a janela de preferências para controlar onde os arquivos de áudio extraídos serão
gravados no seu computador, o nome dos arquivos de áudio extraídos, o formato do arquivo e o codec
utilizado nos arquivos. Na janela principal, escolha Editar → Preferências.

Sound Juicer pode extrair arquivos de áudio desses formatos:


• Ogg Vorbis - Um formato de compressão de áudio livre de patentes, que normalmente confere
maior qualidade e melhor compressão do que o MP3.
• Maiores informações sobre Vorbis em vorbis.com [http://vorbis.com/faq/]
• FLAC - O codec de áudio livre e sem perdas. Permite compactar arquivos de áudio em até 50%
sem remover informações do áudio stream.
• Web-site do FLAC [http://flac.sourceforge.net/]
• WAV - Usado tipicamente para gravações de voz. Sound Juicer usa este formato para gravações
em baixa qualidade.

Você pode também extrair músicas de CDs para o formato proprietário não-livre MP3. Instruções de
como extrair para MP3 encontram-se na ajuda do Sound Juicer. Vá em Ajuda → Conteúdo e navegue
até a seção Preferências.

21
Música e Vídeo

3. Gravando CDs
Quando você introduz um CD em branco no drive o Ubuntu irá lhe perguntar se deseja criar um
CD de áudio ou de dados. Clicando em Criar um CD de Áudio lança a aplicação Serpentine. Para
adicionar música ao seu CD de áudio, ou arrastando música do Gerenciador de Arquivos ou use o
botão Adicionar. É também necessário selecionar o tamanho do seu CD (21, 74, 80 ou 90 minutos).
Serpentine o alertará caso exceder o limite.

Para criar um CD de fotos ou dados, clique em Criar CD de Dados. O Ubuntu abrirá uma janela do
Criador de CD/DVD. O criador de CD está embutido no Gerenciador de Arquivos, e lhe permite
adicionar qualquer pasta ou arquivo que você tenha permissão de acesso. Quando estiver pronto para
gravar no CD, clique em Gravar no Disco. O Ubuntu pedirá então para selecionar o drive que contém
o CD virgem, e dará a oportunidade de dar um nome ao CD e selecionar a velocidade de escrita.
Finalmente, clique em Gravar para criar o novo CD de fotos ou dados.

22
Música e Vídeo

4. Reprodução de vídeo
Para reproduzir vídeos, Ubuntu vem com Reprodutor de filmes Totem, que possui funções similares
ao Windows Media Player. Características do Totem incluem listas de reprodução personalizadas
e reprodução de DVD. Você pode iniciar o Totem em: Applications → Sound & Video → Movie
Player do menu do computador.

Para ler arquivos de vídeo, o Totem utiliza a framework Gstreamer. Para reproduzir alguns formatos
de vídeo, você pode precisar de adicionar suporte para alguns codec (veja Seção 5, “Codecs de
Multimídia” [24] ).

Existem também outras aplicações de multimídia disponíveis. Exemplos incluem Mplayer, Xine e
Totem-xine (que usam a estrutura Xine, ao invés da estrutura Gstreamer). Você pode se beneficiar ao
usar estes reprodutores de vídeo alternativos.

23
Música e Vídeo

5. Codecs de Multimídia
Muitas aplicações no Ubuntu usam o framework multimídia de código aberto GStreamer. Os
codecs para o GStreamer são organizados em diferentes pacotes dependendo da licença aplicada
aos vários codecs. Você pode ver quais codecs contém em qual plugin na página do GStreamer
[http://gstreamer.freedesktop.org/documentation/plugins.html].

Outras aplicações, como o Mplayer e Xine, não usam o framework Gstreamer. Devido
a restrições de patentes e copyright, os codecs para estes programas não são totalmente
incluídos no Ubuntu. Para mais informações sobre isso, leia a página wiki Formatos Restritos
[https://help.ubuntu.com/community/RestrictedFormats].

Para instalar codecs extras para o Gstreamer:


• Instale os seguintes pacotes dos repositórios “Universe” e “Multiverse” (veja Capítulo 3,
Adicionar, Remover e Atualizar Aplicações [9]):

gstreamer0.10-plugins-ugly
gstreamer0.10-plugins-ugly-multiverse
gstreamer0.10-plugins-bad
gstreamer0.10-plugins-bad-multiverse
gstreamer0.10-ffmpeg

Você precisará usar o Gerenciador de Pacotes Synaptic para instalar esses pacotes.

Alguns desses pacotes podem não ser permitidos em alguns países: você deve verificar
se você tem permissão para usar eles antes de instala-los.

24
Música e Vídeo

6. Usando um iPod
Você pode reproduzir músicas diretamente do seu IPOD com o Reprodutor de Música Rhythmbox.
Conecte seu iPod ao computador e abra o Rhythmbox.

Para transferir arquivos de música para e de um iPod, você pode utilizar o gtkpod:
1. Instale o pacote gtkpod do repositório “Universe” (veja Capítulo 3, Adicionar, Remover e
Atualizar Aplicações [9]).
2. Para executar o gtkpod, escolha Aplicações → Som & Vídeo → gtkpod.

25
Música e Vídeo

7. Editando Arquivos de Áudio


O Audacity é um software de código fonte aberto e gratuito para gravação e edição de sons. Para
utilizar o Audacity:
1. Instale o pacote audacity do repositório “Universe” (veja Capítulo 3, Adicionar, Remover e
Atualizar Aplicações [9]).
2. Para executar o Audacity, selecione Aplicações → Som & Vídeo → Audacity.
3. Para ajuda adicional, use o menu de Ajuda do Audacity.

26
Música e Vídeo

8. Reprodutor de DVD
Os reprodutores de filmes fornecidos com o Ubuntu são capaz de ler DVDs que não estão encriptados.
Contudo, a maioria dos DVDs comerciais estão encriptados com CSS (Content Scrambling System)
e por razões legais atualmente não é possível incluir suporte para estes DVDs no Ubuntu. Contudo é
possível activar este suporte da seguinte forma:

A legalidade desta biblioteca não é totalmente clara. Em alguns países é possível que o uso
desta biblioteca para reproduzir ou copiar DVDs não seja permitida por lei. Verifique que
você tem direitos legais para a utilizar.

1. Instale o pacote libdvdread3 (veja Capítulo 3, Adicionar, Remover e Atualizar Aplicações [9]).

Será necessário usar o Gerenciador de Pacotes Synaptic para instalar este pacote

2. Para ativar a decodificação de DVD, digite a seguinte linha em um terminal:

sudo /usr/share/doc/libdvdread3/install-css.sh

3. Para reproduzir DVDs com o Totem, é necessário instalar alguns codecs adicionais (veja
Seção 5, “Codecs de Multimídia” [24]).
4. Contudo, o framework Gstreamer (usado pelo Totem) não suporta menus ou legendas na
reprodução de DVD. Por esta razão, você pode instalar um reprodutor de DVD separado, Xine,
que tem este suporte. Para instalar o Xine, instale o pacote gxine do repositório “Universe” (veja
Capítulo 3, Adicionar, Remover e Atualizar Aplicações [9]).
5. Você pode abrir o gxine do menu Áudio V

27
Música e Vídeo

9. Backup de DVDs
Você pode fazer backup dos seus DVDs para arquivos ou para discos DVD+/- com o DVD::RIP. Para
instalar o DVD::RIP:

Antes de efectuar o backup do DVD, assegure-se que lhe é permitido em termos legais
efectuar cópias do mesmo.

1. Instale os Codecs de Multimídia (veja Seção 5, “Codecs de Multimídia” [24]).


2. Habilitar a reprodução de DVD (veja Seção 8, “Reprodutor de DVD” [27]).
3. Instale dvdrip e transcode do repositório “Multiverse” (veja Capítulo 3, Adicionar, Remover e
Atualizar Aplicações [9]).
4. Você pode executar o programa usando o comando application>dvdrip
5. Para iniciar dvd::rip, vá em Aplicações → Som e Vídeo → dvd::rip.

28
Música e Vídeo

10. RealPlayer
1. Instale o pacote realplay do repositório Commercial (veja Capítulo 3, Adicionar, Remover e
Atualizar Aplicações [9]).
2. Para executar o RealPlayer, vá em Aplicações → Som e Vídeo → RealPlayer 10.

29
Música e Vídeo

11. Edição de Vídeo


Kino é um avançado editor de vídeo. Ele tem excelentes recursos integrados com o IEEE-1394 para
captura, controle VTR e gravação para a câmera. Ele captura vídeo para o disco nos formatos Raw
DV e AVI, em ambos os tipo-1 DV e tipo-2 DV (audio separado) encodings. Para mais informação,
veja página do Kino [http://www.kinodv.org/article/static/2]. Para usá-lo:
1. Instale o pacote kino (veja Capítulo 3, Adicionar, Remover e Atualizar Aplicações [9]).
2. Para executar o Kino, escolha Aplicações → Som & Vídeo → Editor de Vídeo Kino.

Você também pode tentar o editor de vídeo PiTiVi instalando o pacote pitivi do repositório (veja
Capítulo 3, Adicionar, Remover e Atualizar Aplicações [9]). O PiTiVi é um editor de vídeo para o
desktop GNOME. Ele ainda tem pouco tempo de desenvolvimento, mas vale uma tentativa.

30
Capítulo 5. Internet
This section describes a number of tasks related to the internet, including how to connect to the
internet, configuring and using an internet browser, and using other types of internet programs.

31
Internet

1. Connecting to the Internet

1.1. Basic Procedure

This section describes the basic procedure for connecting to the internet.

If you have a wireless connection, or connect to the internet through a modem (including
an ADSL modem), and this section does not work, you should read Seção 1.2, “Wireless
Cards” [32] or Seção 1.3, “ADSL Connections” [34] .

To connect to the internet:

1. Open System → Administration → Networking.

2. Select the connection you wish to use, then click Properties.

3. Ensure Enable this connection is turned on.

4. If your ISP or network administrator has given you an IP address, set Configuration to Static IP
address, then enter the address in the IP address field and click OK. Otherwise, set Configuration
to DHCP and click OK.

5. To activate or deactivate network connections, select your connection, then click


Activate/Deactivate.

1.2. Wireless Cards

Many wireless cards are automatically detected by Ubuntu during installation. To see if your
card is supported, open System → Administration → Networking. If your wireless card is listed,
you can follow Seção 1.1, “Basic Procedure” [32] to connect to the internet. A complete
listing of wireless cards which work with Ubuntu can be found online at the Ubuntu Wiki
[https://help.ubuntu.com/community/WifiDocs/WirelessCardsSupported]. Please add your wireless
card to the list if it works with Ubuntu.

Some cards may not work automatically with Ubuntu. If this is the case, please look at the Wireless
Troubleshooting Guide [https://wiki.ubuntu.com/WirelessTroubleshootingGuide] on the Ubuntu Wiki
which is an excellent resource for troubleshooting wireless cards.

If your wireless card does not work with Ubuntu, you may have to do some research in order to
activate it. A good way of getting a wireless card to work is to use the ndiswrapper tool which allows
Ubuntu to use the Microsoft Windows driver for the wireless card. To do this, follow the instructions
below in Seção 1.2.1, “Windows Wireless Drivers” [33] .

All other information regarding wireless networking on Ubuntu is collected at Wireless Networking
Central [https://help.ubuntu.com/community/WifiDocs] on the Ubuntu Wiki.

32
Internet

1.2.1. Windows Wireless Drivers

Even if your wireless network card does not have a native Linux driver, you may still be able to get it
working with ndiswrapper. Ndiswrapper is a Linux module which allows Ubuntu to use the Windows
driver for wireless cards (in most cases).

These instructions apply only to the x86 and AMD64 versions of Ubuntu, and not to Ubuntu
for Power PC (PPC).

If you have access to the internet, you can see if your wireless cards is
in the list of cards supported by ndiswrapper on the ndiswrapper website
[http://ndiswrapper.sourceforge.net/mediawiki/index.php/List].

To install ndiswrapper, install the package ndiswrapper-utils (see Capítulo 3, Adicionar, Remover
e Atualizar Aplicações [9]). This package is provided on the Ubuntu CD. If you have access to the
internet, you can also optionally install a graphical tool, ndisgtk from the Universe repository (see
ghelp:add-applications#extra-repositories).

In order to set up ndiswrapper, it is necessary to obtain the Windows driver for your wireless card.
Generally, the best way to do this is from the CD supplied with your wireless card. You should
copy two files to the same place on your computer, one ending in .SYS and one ending in .INF. If
you find any files which end in .BIN, also copy those. If you are not able to find the right files, and
have alternative access to the internet, you may be able to obtain help from the ndiswrapper website
[http://ndiswrapper.sourceforge.net/mediawiki/index.php/list].

If you have installed the graphical tool ndisgtk, to set up ndiswrapper, simply select System →
Administration → Windows Wireless Drivers from the menu, and follow the instructions given.

If you have not installed the graphical tool, use this procedure:
1. Open Applications → Accessories → Terminal and type:

sudo ndiswrapper -i ~/Desktop/drivername.inf

The above command assumes that your .INF file is named drivername.inf and was
copied to your Desktop. Replace these values if necessary.
2. To check if it is working correctly, type:

ndiswrapper -l

If it is working correctly, you should see:

Installed ndis drivers:


{name of driver} driver present, hardware present

3. For ndiswrapper to function, you need to load a module. To do this, type:

33
Internet

sudo depmod -a
sudo modprobe ndiswrapper

4. To ensure that the module is loaded each time you boot the computer, type:

sudo ndiswrapper -m

You should now be able to connect to the internet by following the instructions at Seção 1.1, “Basic
Procedure” [32
] .

1.3. ADSL Connections

All PPPOE and router-style ADSL modems that use an Ethernet connection are supported by Ubuntu,
and some USB ADSL modems are supported too.

For a router-style ADSL modem, simply follow Seção 1.1, “Basic Procedure” [32]

For information on setting up a PPPOE ADSL modem see Seção 1.3.1, “PPPoE Modems” [34] .

For information on setting up a USB ADSL modem see Seção 1.3.2, “Modems ADSL USB” [35] .

1.3.1. PPPoE Modems

This section is about setting up an ADSL Internet connection using an ethernet PPPoE modem.

You will need to have subscribed to an Internet Service Provider, and your Internet connection
must be installed and functional. A "DSL" light on your modem usually shows that the line is
synchronized.

You will need your username and password for the account. You must also have an ethernet card
connected to your PPPoE modem with the correct type of cable.

Finally, you need the PPPoE package to be installed in order for the following command to work.
This package is installed by default, but can be missing if the configuration has been changed. If the
following command does not work, you will need to install this package, which can be found on the
Ubuntu CD.

To set up the modem:


1. Open Applications → Accessories → Terminal
2. In the terminal type:

sudo pppoeconf

3. A text-based menu program will guide you through the next steps, which are:
1. Confirm that your Ethernet card is detected.
2. Enter your username.
3. Enter your password.

34
Internet

4. If you already have a PPPoE Connection configured, you will be asked if it may be modified.
5. Popular options: you are asked if you want the 'noauth' and 'defaultroute' options and to
remove 'nodetach' - choose "Yes".
6. Use peer DNS - choose "Yes".
7. Limited MSS problem - choose "Yes".
8. When you are asked if you want to connect at start up, you will probably want to say yes.
9. Finally you are asked if you want to establish the connection immediately.
4. Once you have finished these steps, your connection should be working.

To start your ADSL connection on demand, in a terminal type:

sudo pon dsl-provider

To stop your ADSL connection, in a terminal type:

sudo poff dsl-provider

1.3.2. Modems ADSL USB

Às vezes, partes dos drivers dos modens ADSL USB são proprietários, softwares de código fechado
e com licença restritiva, e então estes drivers não podem vir com o Ubuntu. Para fazer um modem
funcionar com estes drivers, você terá que baixar os arquivos da Internet a partir de um computador
com conexão, então transferir os arquivos baixados para sua instalação do Ubuntu.

USB está longe de ser o meio ideal para acesso à internet, se você possuir um modem que
pode conectar tanto via USB quanto via rede, você deve escolher usar o método via rede ao
invéz de USB.

Como a instalação de qualquer Modem USB requer acesso a Internet para download dos driver
proprietários, assim como configuração extensiva que está além do escopo deste guia, tudo que
podemos fazer aqui é listar os modelos de Modems USB que são conhecidos por funcionarem com
Ubuntu e listar aqui links para instruções de instalação relevantes no site de ajuda da comunidade
Ubuntu.

O procedimento de instalação de modems USB depende da marca e modelo do seu modem. Para
identificar o modelo de seu modem, anote o nome e o número na frente. Ocasionalmente você pode
ter que procurar por uma etiqueta para saber o modelo exato. Consulte a lista abaixo para ver qual
driver seu modem requer, e anote o link.

Quando você conectar-se à Internet para baixar os drivers necessários, você pode acessar os links para
baixar o driver correspondente a partir da página com as instruções de instalação relevantes para esse
modelo de modem USB.
1. Modems Speedtouch:

https://help.ubuntu.com/community/UsbAdslModem/SpeedTouch

35
Internet

2. Modems usando os chipsets eagle-usb I, II ou III da Analog Devices Inc. (tais como Sagem Fast
800, Comtrend ct 350, etc.):

https://help.ubuntu.com/community/UsbAdslModem/ueagle-atm

https://help.ubuntu.com/community/UsbAdslModem/EagleUsb
3. Modems baseados no Connexant AccessRunner:

https://help.ubuntu.com/community/UsbAdslModem/EciAdsl

https://help.ubuntu.com/community/UsbAdslModem/AccessRunner

https://help.ubuntu.com/community/UsbAdslModem/e-techV2

1.4. Modems Dialup

A maioria dos modems dialup não são suportados pelo Ubuntu, mas podem ser encontrados drivers
que permitirão o uso desses modems. Primeiramente, você precisa identificar qual o chipset seu
modem dialup está usando:

wget -c http://linmodems.technion.ac.il/packages/scanModem.gz
gunzip -c scanModem.gz > scanModem
chmod +x scanModem
sudo ./scanModem
gedit Modem/ModemData.txt

Leia este arquivo, ele deve listar qual o chipset que o seu modem utiliza. Uma vez conhecido
o chipset usado, veja http://www.linmodems.org/ e siga as instruções para o seu modem. Mais
informação pode ser encontrada em SettingUpModems [https://wiki.ubuntu.com/SettingUpModems]
no Wiki do Ubuntu.

36
Internet

2. Navegando na Internet
O poderoso e seguro navegador web Mozilla Firefox é incluído no Ubuntu. O Firefox inclui
navegação por abas, bloqueio de popup, mecanismos de busca embutido, favoritos e muito mais.
Também são suportados os plugins populares tais como Java, Macromedia Flash e Real Player. O
Firefox pode ser iniciado clicando em Applications → Internet → Firefox .

2.1. Visualizando Áudio e Vídeo Online no Firefox


Para visualizar streams de áudio e vídeo online no Firefox, pode ser necessário instalar alguns plugins.
Qual plugin você deve escolher para instalar dependerá do reprodutor de multimídia que você prefere
(veja Seção 4, “Reprodução de vídeo” [23]).
1. Para o plugin Totem Gstreamer (o reprodutor de multimídia padrão do Ubuntu), instale o pacote
totem-gstreamer-firefox-plugin do repositório “Universe” (veja Capítulo 3, Adicionar, Remover
e Atualizar Aplicações [9]).
2. Para o plugin Totem Xine, instale o pacote totem-xine-firefox-plugin do repositório “Universe”
(veja Capítulo 3, Adicionar, Remover e Atualizar Aplicações [9]).
3. Para o plugin Mplayer, instale o pacote mozilla-mplayer do repositório “Multiverse” (veja
Capítulo 3, Adicionar, Remover e Atualizar Aplicações [9]).
4. As alterações terão efeito quando você fechar e abrir o Firefox.

Esses passos instalarão o plugin para o Firefox. Entretanto, para tocar alguns formatos, você
pode precisar adicionar alguns codecs extras (see Seção 5, “Codecs de Multimídia” [24]).

2.2. Macromedia Flash para o Firefox


Para visualizar gráficos em flash no navegador Mozilla Firefox:
1. Instale o pacote flashplugin-nonfree do repositório “Multiverse” (veja Capítulo 3, Adicionar,
Remover e Atualizar Aplicações [9]).
2. O plugin estará disponível na próxima vez que você iniciar o Firefox.

Instalando o pacote como descrito acima, baixará e instalará o plugin. Você precisa de uma
conexão de internet para isto funcionar. Se, após ter instalado a aplicação, você precisar
baixar e instalar o plugin mais tarde, digite o seguinte comando em um terminal:

sudo update-flashplugin

2.3. Plugin Java para o Mozilla Firefox


Alguns sites requerem o plugin Java para o Mozilla Firefox. A maneira mais fácil de visualizar os
applets Java é instalar o pacote j2re1.4-mozilla-plugin do repositório “Multiverse”.

Para uma instalação mais completa do Java, veja Seção 2, “Java Runtime Environment (1.5)”
[64] .

37
Internet

2.4. NVU Sistema de Edição de Páginas Web

NVU é uma aplicação de web design gráfica WYSIWYG (What You See Is What You Get, ou, O Que
Você Vê É O Que Você Tem), similar ao Dreamweaver.
1. Instale o pacote nvu do repositório “Universe” (veja Capítulo 3, Adicionar, Remover e Atualizar
Aplicações [9]).
2. Para iniciar o Nvu, selecione Applications → Office → Nvu .

2.5. Estúdio de Desenvolvimento Web Bluefish

Bluefish é um poderoso editor para webdesigners e programadores. Bluefish suporta muitas


linguagens de programação e de marcação, e inclui muitas utilidades para designers e programadores.
1. Instale o pacote bluefish do repositório “Universe” (veja Capítulo 3, Adicionar, Remover e
Atualizar Aplicações [9]).
2. Para iniciar o Bluefish, escolha Aplicações → Programação → Editor Bluefish

38
Internet

3. E-mail

3.1. Correio do Evolution

A suíte Evolution consegue lidar todo o seu e-mail, listas de contato, tarefas e calendário. Pode
também servir como newsreader e também se integra com o relógio do painel Gnome, dando-lhe
acesso com um clique à sua lista de tarefas.

Evolution pode ser iniciado clicando em Aplicações → Internet → Correio do Evolution do sistema
de menu do desktop.

Se você tiver o Evolution instalado, você pode encontrar um guia para usá-lo na seção de Internet
[x-yelp-toc:#ApplicationsInternet] desta ajuda.

3.2. Clientes de E-mails Alternativos

Você pode também usar para e-mail o Mozilla Thunderbird. Para instalá-lo, instale o pacote
mozilla-thunderbird (veja Capítulo 3, Adicionar, Remover e Atualizar Aplicações [9]).

Para iniciar o Thunderbird, selecione Aplicações → Internet → Cliente de E-mail Thunderbird.

Para mudar o seu cliente de e-mail preferido para o Mozilla Thunderbird:


1. Selecione System → Preferences → Preferred Applications
2. Clique na aba Leitor de E-Mail, e escolha a opção Personalizado.
3. Na caixa de textoComando, digite mozilla-thunderbird %s, e então feche o diálogo.

39
Internet

4. Mensageiro Instantâneo

4.1. Gaim

Gaim é o cliente mensageiro padrão no Ubuntu. Com Gaim você pode conversar com pessoas que
usam AIM/ICQ, Gadu-Gadu, GroupWise, IRC, Jabber, MSN, Napster e Yahoo, e lista todos os seus
contatos em uma única janela.

Para iniciar o Gaim, selecione Applications → Internet → Gaim Internet Messenger .

4.2. XChat-GNOME

XChat-GNOME é um avançado, gráfico, cliente de Internet Relay Chat (IRC) multi-plataforma. Suas
características incluem um avançado suporte a script (perl e python) e uma interface limpa e fácil de
usar.
1. Instale o pacote xchat-gnome do repositório main (veja Capítulo 3, Adicionar, Remover e
Atualizar Aplicações [9]).
2. Para iniciar o XChat-GNOME, selecione Applications → Internet → Xchat-GNOME IRC Chat .

4.2.1. Entrando no #ubuntu-br com o XChat-Gnome

Uma excelente maneira de conseguir ajuda com o Ubuntu ou se introduzir no IRC é entrar no canal
oficial de suporte do Ubuntu na Freenode
1. Inicie o XChat-Gnome como acima.
2. Quando você iniciar o XChat-Gnome pela primeira vez, ele lhe pergutará seu apelido no IRC &
seu nome real. Digite alguma coisa que você quiser em seu nick (inicialmente seu primeiro nome
& seu sobrenome, por exemplo, ou seja mais criativo), coloque seu nome real ou parte dele, e
pressione OK.
3. Na Janela de Servidores que abrirá em seguida, selecione Ubuntu Servers, e clique em
Connectar.

40
Internet

5. Ponto à Ponto

5.1. BitTorrent

A pontencialidade do BitTorrent é incluída por padrão no Ubuntu. Encontre um arquivo .torrent,


clique nele no Firefox, e o cliente Gnome BitTorrent deve iniciar automaticamente.

Para reiniciar um download de um arquivo .torrent que já está em seu computador, clique duas
vezes nele.

5.2. Cliente de Compartilhamento de Arquivos aMule


1. Instale o pacote amule do repositório “Universe” (veja Capítulo 3, Adicionar, Remover e
Atualizar Aplicações [9]).
2. Para abrir o aMule, selecione Applications → Internet → aMule .

41
Internet

6. Leitores de Notícias

6.1. Leitor de Notícias Pan


1. Instale o pacote pan (veja Capítulo 3, Adicionar, Remover e Atualizar Aplicações [9]).
2. Para abrir o Leitor de Notícias Pan, escolha Aplicações → Internet → Leitor de Notícias Pan.

6.2. Leitor de Notícia Liferea


1. Instale o pacote liferea do repositório “Universe” (veja Capítulo 3, Adicionar, Remover e
Atualizar Aplicações [9]).
2. Para abrir o Liferea Feed Reader, selecione Aplicações → Internet → Liferea Feed Reader.

42
Internet

7. Rede
7.1. Mudar o Nome do Computador
1. Abra System → Administration → Networking .
2. Clique em Gerall e insira o nome do computador no campo Nome do computador.

Reinicie o computador para que as mudanças tenham efeito.

7.2. Utilitários de Rede


7.2.1. Firewall Firestarter

Um firewall protege um computador de acessos não autorizados. Não é normalmente necessário


instalar um firewall em um sistema Ubuntu, porque o acesso ao sistema é fechado por padrão.
Entretanto, se você executar qualquer serviço que permita que outros computadores acessem o seu
(por exemplo, o servidor web Apache), é aconselhável instalar um firewall. Firestarter é um programa
que lhe permite controlar um firewall através de uma interface gráfica.
1. Instale o pacote Firestarter do repositório “Universe” (veja Capítulo 3, Adicionar, Remover e
Atualizar Aplicações [9]).
2. Depois de instalado, execute Applications → System Tools → Firestarter para configurar seu
firewall. O firewall agora iniciará em background quando seu computador iniciar.

7.2.2. Monitor Gráfico da Rede

Etherape mostra atividades da rede entre diferentes máquinas usando ciclos de tamanhos variados.
1. Instale o pacote etherape do repositório “Universe” (veja Capítulo 3, Adicionar, Remover e
Atualizar Aplicações [9]).
2. Selecione: Aplicações → Internet → Etherape

7.2.3. Analisador do Tráfego de Rede

Ethereal é um analisador de tráfico de rede/sniffer que captura os pacotes da rede em tempo real e
mostra seu conteúdo.
1. Instale o pacote ethereal do repositório “Universe” (veja Capítulo 3, Adicionar, Remover e
Atualizar Aplicações [9]).
2. Selecione: Aplicações → Internet → Ethereal

7.3. Navegue Rede de Computadores

Para visualizar os computadores na rede, abra: Locais → Servidores de Rede.

Você pode precisar digitar um nome de usuário, uma senha e um domínio. Você deve obter estas
informações com o administrador de rede.

43
Capítulo 6. Escritório
Ubuntu vem com uma variedade de aplicações para desempenhar tarefas de escritório — processador
de texto, planilhas e apresentações.

44
Escritório

1. OpenOffice.org
Ubuntu vem com OpenOffice.org, uma suíte de escritório que inclui um poderoso processador de
textos, planilha eletrônica, criador de apresentações e um gerenciador de banco de dados. Esta suíte
tem excelente compatibilidade com outras suítes mais conhecidas, como Microsoft Office.
• Site do OpenOffice.org [http://www.openoffice.org/]

45
Escritório

2. GNOME Office
O ambiente de trabalho GNOME contém um grupo de aplicações de escritório separada. Estas
aplicações são em geral mais rápidas e leves do que as do OpenOffice.org, contudo têm menos
funcionalidades. Mas isto pode ser exatamente o que você precisa. Estas aplicações têm uma
compatibilidade excelente com outras aplicações de produtividade, tais como as do Microsoft Office.

O Grupo de Aplicações de Produtividade GNOME contém os seguintes softwares:


• Um processador de texto (Abiword);
• Uma planilha eletrônica (Gnumeric);
• Um programa gerenciador de banco de dados (GNOME-DB);
• Um editor de diagramas (Dia);
• Duas aplicações gráficas (Inkscape e o GIMP); e
• Uma aplicação de gerenciamento de projectos (Planner).

Cada uma destas aplicações também pode ser instalada separadamente.

Para instalar o conjunto de aplicações de produtividade GNOME:


1. Instale o pacote gnome-office do repositório “Universe” (veja Capítulo 3, Adicionar, Remover e
Atualizar Aplicações [9]).
2. As aplicações de escritório podem ser encontradas no menu em Aplicações → Escritório, e
aplicações gráficas em Aplicações → Gráficos.

46
Escritório

3. Aplicação de Finanças GnuCash


GnuCash é um programa para gerenciar suas finanças pessoais ou empresariais. GnuCash permite
você acompanhar suas contas bancárias, estoques, rendas e despesas. Tão rápido e intuitivo quanto
um livro de registros, é baseado em princípios de contabilidade profissional para assegurar livros
equilibrados e relatórios exatos.
• Site do GnuCash [http://gnucash.org/]

Para usar o GnuCash:


1. Instale o pacote gnucash do repositório “Universe” (veja Capítulo 3, Adicionar, Remover e
Atualizar Aplicações [9]).
2. Você pode abrir o GnuCash, executando o comando gnucash (veja o manual de execução de
aplicação [ghelp:user-guide#tools-run-app] para ajuda sobre como executar uma aplicação
sem usar o menu). Se você desejar, você pode adicionar uma entrada no menu para o programa
gnucash (veja o manual de edição do menu [ghelp:user-guide#menu-editor] para ajuda sobre
como adicionar entradas no menu).

47
Escritório

4. Aplicação Scribus de Desktop Publishing


Scribus é um programa profissional de desktop publishing. Para mais informação veja o site do
Scribus [http://www.scribus.org.uk/].
1. Instale o pacote scribus (veja Capítulo 3, Adicionar, Remover e Atualizar Aplicações [9]).
2. Para instalar modelos adicionais, instale o pacote scribus-template do repositório “Universe”
(veja em Capítulo 3, Adicionar, Remover e Atualizar Aplicações [9]).

Será necessário usar o Gerenciador de Pacotes Synaptic para instalar este pacote

3. Para iniciar o Scribus, escolha Applications → Office → Scribus .

48
Capítulo 7. Gráficos & Fotos
Esta seção descreve o gerenciamento de fotos e aplicações de design gráfico disponvíveis para se usar
no Ubuntu, e descreve como configurar dispositivos 3d.

49
Gráficos & Fotos

1. Câmeras Digitais
O Ubuntu detecta automaticamente a maioria das câmeras digitais USB. Conecte e ligue sua câmera
e o Ubuntu irá perguntar se você gostaria de copiar as fotos contidas nela. Clicando sobre Importar,
o Ubuntu irá mostrar uma visualização das fotos. Escolha um local para salvar as fotos e então clique
em Importar e o Ubuntu salvará as suas fotos no disco.

Se o Ubuntu não lhe perguntar se pode importar as fotos:


1. Abra o Applications → Graphics → gThumb Image Viewer .
2. Escolha Arquivo → Importar Fotos....

Veja Seção 3, “Visualizador de Imagens gThumb” [53] para mais informações sobre o gThumb.

50
Gráficos & Fotos

2. Placas de Vídeo 3d

2.1. Introdução a Aceleração de Vídeo 3D

A maioria das placas de vídeo funcionam automaticamente no Ubuntu. Alguns tipos de placas de
vídeo, a aceleração 3D (que é necessária em alguns jogos) não é suportada automaticamente, mas
você mesmo pode ativar isto.

Verifique se a aceleração 3D está funcionando, digite em um terminal:

glxinfo | grep rendering

Se a aceleração 3D está funcionando, o resultado será:

direct rendering: Yes

. Se não, siga essas instruções para ativar a aceleração 3D.

2.2. Driver da Placa de Vídeo NVidia 3D

Nenhuma placa de vídeo da Nvidia tem a aceleração 3D ativada no Ubuntu, porque o fabricante não
fornece drivers open source. Entretanto, você pode ativar a aceleração 3D. O processo depende do
tipo de placa de vídeo que você possui.
• Se você tem uma placa antiga TNT, TNT2, TNT Ultra, GeForce1 or GeForce2, instale os pacotes
nvidia-glx-legacy e nvidia-settings do repositório “Restricted” (veja Capítulo 3, Adicionar,
Remover e Atualizar Aplicações [9]).
• Se você tem uma placa nova, instale o pacote nvidia-glx do repositório “Restricted” (veja
Capítulo 3, Adicionar, Remover e Atualizar Aplicações [9]).

Para configurar o novo drive, digite em um terminal:

sudo nvidia-glx-config enable

Você pode ajustar as configurações dos novos drivers executando nvidia-settings (veja o manual
de execução da aplicação [ghelp:user-guide#tools-run-app] para ajuda sobre como executar uma
aplicação sem usar o menu). Se você desejar, adicione uma entrada de menu para este programa
(veja o manual de edição do menu [ghelp:user-guide#menu-editor] para ajuda sobre como adicionar
entradas no menu).

2.3. Driver da Placa de Vídeo ATI 3D

Muitas placas gráficas ATI funcionam no Ubuntu automaticamente. Para verificar se a aceleração 3D
funciona com a sua placa, veja Seção 2.1, “Introdução a Aceleração de Vídeo 3D” [51] .

Se isto não funcionar:

51
Gráficos & Fotos

1. Instale o pacote xorg-driver-fglrx do repositório “Restricted” (veja Capítulo 3, Adicionar,


Remover e Atualizar Aplicações [9]).
2. Para configurar o novo drive, digite em um terminal:

sudo dpkg-reconfigure xserver-xorg

Quando questionado, concorde com a detecção automática do seu vídeo e escolha o driver fglrx.

Reinicie seu computador para que as alterações tenham efeito.

52
Gráficos & Fotos

3. Visualizador de Imagens gThumb


O gThumb é um visualizador e navegador avançado de imagens. Tem muitas funcionalidades úteis,
tais como navegação pelo sistema de arquivos, apresentação em slides, catálogos de imagens, criação
de álbuns web, importação de imagens de uma câmara, gravação de imagens em CD, operações em
modo batch, e recursos de edição rápida de imagens como transformações e manipulação de cor.

O gThumb é incluído no Ubuntu por padrão. Para iniciá-lo, selecione Applications → Graphics →
gThumb Image Viewer .

Para ajuda com o gThumb, use os itens deste menu de Ajuda.

Para edição avançada de foto & imagem, veja O GIMP.

53
Gráficos & Fotos

4. O GIMP (Gnu Image Manipulation Program)


O GIMP lhe possibilita desenhar, pintar, editar imagens, e muito mais. O GIMP inclui a
funcionalidade e plug-ins de outros famosos programas editores de imagens.

O GIMP é instalado por padrão no Ubuntu e pode ser iniciado, escolhendo Applications → Graphics
→ GIMP Image Editor .
• Site do GIMP [http://gimp.org/]

54
Gráficos & Fotos

5. Editor de Vetores Gráficos Inkscape


O Inkscape é um editor poderosos para trabalhar com o formato SVG (Scalable Vector Graphics).
1. Instale o pacote inkscape (veja Capítulo 3, Adicionar, Remover e Atualizar Aplicações [9]).
2. Para iniciar o Inkscape, selecione Applications → Graphics → Inkscape SVG Vector Illustrator .

55
Gráficos & Fotos

6. Modelador 3D Blender
O Blender é um suíte 3D integrado para modelagem, animação, renderização, pós-produção, criação
interativa e reprodução.
1. Instale o pacote blender (veja Capítulo 3, Adicionar, Remover e Atualizar Aplicações [9]).
2. Para iniciar o Blender, selecione Applications → Graphics → Blender 3d modeller.

56
Capítulo 8. Jogos
O Ubuntu contém 16 jogos por padrão, incluindo o Solitário Aisleriot, o Gnometris e o Minas.

Explore o menu de Jogos do Ubuntu em Applications → Games .

57
Jogos

1. Frozen-Bubble
No Frozen-Bubble você tenta atirar bolhas em grupos da mesma cor para que elas caiam.
1. Instale o pacote frozen-bubble do repositório “Universe” (veja Capítulo 3, Adicionar, Remover e
Atualizar Aplicações [9]).
2. Para iniciar o Frozen-Bubble, escolha Aplicações → Games → Frozen-Bubble.

58
Jogos

2. PlanetPenguin Racer
Race Tux, o mascote do Linux, desce uma montanha coberta de gelo e neve o mais rápido possível,
desviando de árvores e rochas que podem diminuir a velocidade de sua descida.

Assegure que você tem os drivers de aceleração 3D instalados para sua placa de vídeo. Para
mais informações, veja Seção 2, “Placas de Vídeo 3d” [51].

1. Instale o pacote planetpenguin-racer do repositório “Universe” (veja Capítulo 3, Adicionar,


Remover e Atualizar Aplicações [9]).
2. Para iniciar o PlanetPenguin Racer, escolha Aplicações → Games → PlanetPenguin-Racer.

59
Jogos

3. Scorched3D
Scorched3D é um reedição em 3d do Scorched Earth, um jogo de duelo de artilharia.

Assegure que você tem os drivers de aceleração 3D instalados para sua placa de vídeo. Para
mais informações, veja Seção 2, “Placas de Vídeo 3d” [51].

1. Instale o pacote scorched3d do repositório “Universe” (veja Capítulo 3, Adicionar, Remover e


Atualizar Aplicações [9]).
2. Para iniciar o Scorched3D, escolha Aplicações → Games → scorched 3d.

60
Jogos

4. Jogos do Windows
Muitos jogos que são disponíveis para o Windows podem ser rodados no Linux através de
emuladores. Exemplo desses emuladores são o Wine e o Cedega
1. Para mais informações sobre o Wine, veja o wiki do Ubuntu
[https://help.ubuntu.com/community/Wine].
2. Para mais informações sobre o Cedega, veja o wiki do Ubuntu
[https://help.ubuntu.com/community/Cedega]

61
Capítulo 9. Desenvolvimento
Esta seção contém algumas informações básicas para aqueles que desejam usar o Ubuntu para
escrever e executar seus próprios programas.

62
Desenvolvimento

1. Compiladores Básicos
Compilar programas requer alguns pacotes que não são instalados por padrão. Você pode instalar
todos de uma vez usando o pacote build-essential (veja Capítulo 3, Adicionar, Remover e Atualizar
Aplicações [9]).

63
Desenvolvimento

2. Java Runtime Environment (1.5)


Estas instruções são somente para computadores i386 e amd64. Para
computadores PowerPC, veja a Documentação Online do Ubuntu
[https://help.ubuntu.com/community/Java].

Quando este documento foi escrito o J2SE estava na versão 5.0 Atualização 6, e portanto
está sujeito a alterações. Se você não encontrar esta versão no site da Sun, faça o download
da versão mais recente apresentada.

1. Vá para http://java.sun.com/j2se/1.5.0/download.jsp e clique em “Download JRE 5.0 Update 6”.


Não escolha o link com o pacote NetBeans.
2. Você deve primeiro aceitar a licença, e então clique em “Linux self-extracting file” e faça o
download do jre-1_5_0_06-linux-i586.bin para seu disco rígido.

Se você usa um computador amd64, por favor substitua jre-1_5_0_06-linux-i586.bin


por jre-1_5_0_06-linux-amd64.bin.
3. Instale o pacote java-package do repositório “Multiverse” (veja Capítulo 3, Adicionar, Remover
e Atualizar Aplicações [9]).
4. Torne o arquivo, o qual você fez o download, executável. Na linha de comando, mude para o
diretório onde o arquivo foi gravado, e digite

chmod +x jre-1_5_0_06-linux-i586.bin

5. Para instalar o JRE, primeiro construa um pacote Ubuntu. Digite

fakeroot make-jpkg jre-1_5_0_06-linux-i586.bin

6. Então instale o pacote que você construiu:

sudo dpkg -i sun-j2re1.5_1.5.0+update06_i386.deb

7. Para fazer com que seu sistema use o Java da Sun ao invés do GIJ em código-aberto (mas menos
funcional) o qual é instalado como padrão, execute:

sudo update-alternatives --config java

e escolha a opção j2re1.5-sun.

64
Desenvolvimento

3. Ferramentas de Desenvolvimento
Estes são alguns dos Ambientes de Desenvolvimento Integrados (IDEs), editores e outras ferramentas
de desenvolvimento disponíveis para o Ubuntu.
• Anjuta [http://anjuta.sourceforge.net/] é um Ambiente de Desenvolvimente Integrado (IDE) para C
e C++.
• Bazaar-NG [http://www.bazaar-ng.org/] é um sistema de controle de versão descentralizado usado
para o desenvolvimento do Ubuntu.
• Bluefish [http://bluefish.openoffice.nl/index.html] é um editor poderoso para web designers
experientes e programadores.
• Eclipse [http://www.eclipse.org/] é um IDE para Java e outras linguagens de programação.
• Eric [http://www.die-offenbachs.de/detlev/eric3.html] é um IDE completa para Python e Ruby.
• Glade [http://glade.gnome.org/] é um criador de Interfaces de Usuários para construir aplicações
GNOME.
• IDLE [http://www.python.org/idle/] é um IDE Python construída com o kit de ferramentas Tkinter
GUI.
• KDevelop [http://www.kdevelop.org/] é um IDE para KDE que suporta várias linguagens de
programação.
• MonoDevelop [http://www.monodevelop.com/Main_Page] é um IDE para escrever aplicações
mono/.net em C# e outras linguagens.
• NetBeans [http://www.netbeans.org/index.html] é um IDE para Java que inclui suporte para CVS e
um construtor de formulários.

65
Desenvolvimento

4. Aprendendo como Programar

4.1. Dive Into Python

Dive Into Python é um livro para o aprendizado de como programar em Python, dirigido a
programadores com alguma experiência prévia.
• Leia Dive Into Python [file:///usr/share/doc/diveintopython/html/toc/index.html]

4.2. Tutorial PyGTK

O tutorial PyGTK é um tutorial de desenvolvimento com o estojo de ferramentas gráficas usado


habitualmente para desenvolver aplicações para o Ubuntu. Assume que você já tenha conhecimento
de Python mas não necessariamente de GTK.
1. Instale o pacote python-gtk2-tutorial (veja Capítulo 3, Adicionar, Remover e Atualizar
Aplicações [9]).

Será necessário usar o Gerenciador de Pacotes Synaptic para instalar este pacote

2. Para acessar a documentação, visite python-gtk-tutorial


[file:///usr/share/doc/python-gtk2-tutorial/html/index.html].

4.3. Devhelp

Devhelp é um programa para ler e procurar toda a documentação que você instalou.
1. Instale o pacote devhelp (veja Capítulo 3, Adicionar, Remover e Atualizar Aplicações [9]).
2. Selecione Aplicações → Programação → Devhelp.

66
Capítulo 10. Partições e Boot
Esta seção contém informações sobre como alterar a maneira que seu computador se comporta
quando você o liga, como acessar outros sistemas operacionais e partições a partir do Ubuntu.

67
Partições e Boot

1. Editor Gráfico de Partições


Gparted é uma ferramenta gráfica para editar partições de disco.
1. Instalar o pacote gparted (veja Capítulo 3, Adicionar, Remover e Atualizar Aplicações [9]).
2. Você pode executar a aplicação com o System → Administration → Gnome Partition Editor .

68
Partições e Boot

2. Tornar as partições Windows disponíveis a partir do Ubuntu


As partições Windows devem estar automaticamente disponíveis em qualquer sistema Ubuntu. Se elas
não estiverem, você pode torná-las disponíveis usando o Gerenciador de Discos.
1. Abrir System → Administration → Disks .
2. Selecione o disco rígido correto, e clique em Partições.
3. Selecione a partição mais relevante, e clique em Habilitar.
4. Para desmontar uma partição, clique em Desabilitar.

69
Partições e Boot

3. Tornar as partições Windows disponíveis automaticamente


As partições Windows devem estar automaticamente disponíveis no Ubuntu. Se elas não estiverem, o
seguinte procedimento fará com que sejam automaticamente disponíveis:
1. Leia Seção 7.1, “Verifique o espaço de disco usado e veja a tabela de partição” [74]
2. Primeiro crie um diretório onde sua partição será disponível ("montada")

sudo mkdir /media/windows

3. A seguir, crie uma cópia de backup do seu arquivo de configuração do disco e abra o arquivo
num editor de textos com privilégios de administrador:

sudo cp /etc/fstab /etc/fstab_backup


sudo gedit /etc/fstab

4. Adicione a seguinte linha no final do arquivo:

/dev/hda1 /media/windows ntfs umask=0222 0 0

Substitua /dev/hda1 pelo nome correto do dispositivo para sua partição.

Se sua partição Windows usa FAT32, substitua ntfs por vfat no comando acima.

Se você tem um sistema de arquivos FAT32, também é seguro permitir acesso de


leitura e escrita. Para fazer isso, mude o valor de umask para 0000.
5. Salve o arquivo editado (um exemplo [sample/fstab_automountntfs]).
6. As alterações terão efeito quando o computador for reiniciado.

70
Partições e Boot

4. Execute um comando de sistema automaticamente ao iniciar


Às vezes pode ser útil executar um comando personalizado assim que o computador é ligado. Para
fazer isso:
1. Edite o crontab com privilégios administrativos (veja Capítulo 2, Tarefas Administrativas [8]):

sudo crontab -e

2. Adicione a seguinte linha:

@reboot /home/user/command

Substitua /home/user/command pelo endereço completo para seu comando.

3. Salve o arquivo e saia.

71
Partições e Boot

5. Mudar o sistema operacional padrão no boot


Para mudar o sistema operacional que inicia por padrão quando o computador é ligado, edite o
arquivo de configuração do grub.
1. Faça um backup do arquivo de configuração e abra-o em um editor de texto:

sudo cp /boot/grub/menu.lst /boot/grub/menu.lst_backup


sudo gedit /boot/grub/menu.lst

2. Procure esta linha:

...
default 0
...

3. Substituia pela seguinte linha:

default X

Você deve substituir X por um número, de acordo com a ordem na qual seus sistemas
operacionais aparecem no arquivo de configuração. Você deve começar a contar do
0. Por exemplo, se você quiser que o seu sistema operacional padrão seja o primeiro
da lista, substitua X por 0; se você quiser que o seu sistema operacional padrão seja o
segundo da lista, substitua X por 1 e assim sucessivamente.
4. Salve o arquivo editado (um exemplo [sample/menu.list_changedefaultosgrub])

72
Partições e Boot

6. Configure os serviços de inicialização


Isto requer privilégios administrativos (veja Capítulo 2, Tarefas Administrativas [8]).
1. Execute Configuração de Serviços: Sistema → Administração → Serviços.
2. Digite sua senha.
3. Marque os serviços que deseja executar, então clique em OK quando pronto.
4. Para um melhor controle sobre os serviços de inicialização, instale bum do repositório
“Universe” (veja Capítulo 3, Adicionar, Remover e Atualizar Aplicações [9]), e execute-o:
Sistema → Administração → Gerenciador de inicialização.

73
Partições e Boot

7. Outras Dicas

7.1. Verifique o espaço de disco usado e veja a tabela de partição


1. Abrir System → Administration → Disks .
2. Selecione o Disco Rígido, depois a aba Partições
3. Cada partição será listada em Lista de Partições, com o espaço em disco e o ponto de montagem.

7.2. Listar dispositivos

Para listar os dispositivos montados, digite em um terminal:

mount

A listagem mostra o dispositivo (tal como uma partição do disco rígido), o ponto de montagem (onde
você acessa os arquivos), o tipo de sistema de arquivos e as opções de montagem.

Este exemplo mostra a partição do disco rigido hda2 montada como '/', com o sistema de arquivo tipo
ext3. A partição é montada com duas opções, uma para permitir que o dispositivo seja de leitura e
gravação e a outra para remontar o dispositivo como somente leitura no evento de alguns erros.

/dev/hda2 on / type ext3 (rw,errors=remount-ro)

Para listar os dispositivos PCI:

lspci

Para listar os dispositivos USB:

lsusb

7.3. Montar/desmontar CD/DVD-ROMs manualmente, e mostrar todos os


arquivos/pastas associados e ocultos.

Assumindo que /media/cdrom0/ é a localização do CD/DVD-ROM

Para montar um CD/DVD-ROM:

sudo mount /media/cdrom0/ -o unhide

Para desmontar um CD/DVD-ROM:

sudo umount /media/cdrom0/

74
Capítulo 11. Impressoras
Algumas impressoras são detectadas automaticamente pelo Ubuntu; para aquelas que não são,
selecione System → Administration → Printing , então selecione Impressora → Adicionar
Impressora.

Algumas impressoras necessitam de configurações. Procure-as no banco de dados do


LinuxPrinting.org [http://www.linuxprinting.org/] ou verifique a página de impressoras do Ubuntu
wiki [https://wiki.ubuntu.com/HardwareSupportComponentsPrinters] para possíveis informações
sobre sua impressora.

75
Capítulo 12. Configuração Avançada do
Desktop
Essa seção detalha algumas dicas sobre a utilização e personalização do ambiente de desktop do
Ubuntu (chamado GNOME), e do gerenciador de arquivos (chamado Nautilus).

76
Configuração Avançada do Desktop

1. Entrar automaticamente quando o computador iniciar


Para entrar automaticamente quando o computador iniciar:
1. Escolha System → Administration → Login Window .
2. Selecione Segurança e ative a opção Ativar Ínicio Automático de Sessão.
3. Escolha a conta com a qual você quer entrar.

Isto não é recomendado para a maioria dos computadores, pois não é seguro e outras pessoas podem
ter acesso aos seus dados.

77
Configuração Avançada do Desktop

2. Abre arquivos com privilégios administrativos a partir do


gerenciador de arquivos
Para abrir arquivos com privilégios administrativos a partir do gerenciador de arquivos, você precisa
adicionar um script para o Nautilus.

Abrir arquivos com privilégios administrativos é um risco de segurança. Esteja sempre certo
de que você conhece o arquivo que está abrindo.

1. Abre um novo arquivo para editar no diretorio relevante:

gedit $HOME/.gnome2/nautilus-scripts/Open\ as\ Administrator

2. Digite estas linhas no arquivo novo:

for uri in $NAUTILUS_SCRIPT_SELECTED_URIS; do


gksudo "gnome-open $uri" &
done

3. Salve o arquivo editado (um exemplo [sample/nautilus_open_as_administrator])


4. Faça com que o arquivo editado se torne executável:

chmod +x $HOME/.gnome2/nautilus-scripts/Open\ as\ Administrator

Você agora pode abrir um arquivo como um administrador, clicando com o botão direito sobre o
arquivo e escolhendo Scripts → Abrir como Administrador.

78
Configuração Avançada do Desktop

3. Instalar Fontes Extras


Esta seção descreve como instalar fontes adicionais a partir dos repositórios do Ubuntu.

Para fontes internacionais, instale estes pacotes a partir do repositório “Universe” (veja Capítulo 3,
Adicionar, Remover e Atualizar Aplicações [9]):
• xfonts-intl-arabic
• xfonts-intl-asian
• xfonts-intl-chinese
• xfonts-intl-chinese-big
• xfonts-intl-european
• xfonts-intl-japanese
• xfonts-intl-japanese-big
• xfonts-intl-phonetic

Para fontes Microsoft TrueType, instale o pacote msttcorefonts do repositório “Multiverse” (veja
Capítulo 3, Adicionar, Remover e Atualizar Aplicações [9]).

Para fontes Ghostscript , instale o pacote gsfonts-x11 (veja Capítulo 3, Adicionar, Remover e
Atualizar Aplicações [9]).

Depois de instalar qualquer fonte nova, recarrege o arquivo de informações de fonte digitando o
seguinte comando em um Terminal:

sudo fc-cache -f -v

Se você preferir baixar as fontes individualmente, você pode instalá-las de forma simples e fácil
abrindo um gerenciador de arquivos e digitando fonts:/// na barra de localização (veja o manual do
gerenciador de arquivos [ghelp:user-guide#nautilus-location-bar] para saber como usar a barra de
localização). Então você pode simplesmente arrastar a fonte baixada para o grupo de fontes existentes.

79
Configuração Avançada do Desktop

4. Arquivo RAR
1. Instale o pacote rar do repositório “Multiverse” (veja Capítulo 3, Adicionar, Remover e Atualizar
Aplicações [9]).
2. Execute:

sudo ln -fs /usr/bin/rar /usr/bin/unrar

3. Para abrir um arquivo rar, dê um duplo-clique nele.

80
Configuração Avançada do Desktop

5. Applets de Desktop Avançados


gDesklets é um sistema que traz mini programas (desklets), tais como previsões de tempo, painéis de
notícias, mostradores de informações do sistema ou controles de reprodutores de música, trazendo
beleza e utilidade para o seu desktop.
1. Instale os pacotes gdesklets e gdesklets-data do repositório “Universe” (veja Capítulo 3,
Adicionar, Remover e Atualizar Aplicações [9]).
2. Selecione: Aplicações → Acessórios → gDesklets
3. Para maiores informações, visite o site do gDesklets [http://www.gdesklets.org/]

81
Configuração Avançada do Desktop

6. Ocultar Documentos Recentes no menu Locais


Para ocultar Documentos Recentes do menu Locais abra uma janele do terminal e digite o comando:

chmod 400 ~/.recently-used

Para exibir o menu novamente, execute o comando:

chmod 600 ~/.recently-used

82
Configuração Avançada do Desktop

7. Mostrar os ícones Meu Computador, Pasta Home e a Lixeira


no GNOME
1. Abra o Editor de Configurações, executando o programa gconf-editor (veja o manual para
executar aplicação [ghelp:user-guide#tools-run-app] para ajuda sobre como executar uma
aplicação sem usar o menu).
2. Selecione: apps → nautilus → desktop.
3. Ative computer_icon_visible, home_icon_visible e trash_icon_visible. As mudanças são
efetuadas imediatamente.

83
Configuração Avançada do Desktop

8. Reiniciar o GNOME sem rebootar o computar


1. Salvar e fechar todas as aplicações abertas.
2. Use as teclas de atalho Ctrl-Alt-Backspace para reiniciar o GNOME.
3. Se estiver desabilitado Ctrl-Alt-Backspace, digite

sudo /etc/init.d/gdm restart

(Veja Seção 9, “Prevenindo as teclas de atalho Ctrl-Alt-Backspace de reinicar o X” [85]


para desabilitar Ctrl-Alt-Backspace.)

84
Configuração Avançada do Desktop

9. Prevenindo as teclas de atalho Ctrl-Alt-Backspace de reinicar


oX
1. Faça um backup do arquivo existente /etc/X11/xorg.conf

sudo cp /etc/X11/xorg.conf /etc/X11/xorg.conf_backup

2. Abra o /etc/X11/xorg.conf para edição:

sudo gedit /etc/X11/xorg.conf

3. Adicione as seguintes linhas ao final do arquivo:

Section "ServerFlags"
Option "DontZap" "yes"
EndSection

4. Salve o arquivo editado (um exemplo [sample/xorg.conf_disablectrlaltbackspacegnome]).


5. A alteração terá efeito na próxima vez que você logar no GNOME. Se você quiser que a
alteração tenha efeito imediatamente, reinicie o GNOME manualmente. (Veja Seção 8,
“Reiniciar o GNOME sem rebootar o computar” [84].)

85

Interesses relacionados