Você está na página 1de 8

A atenção na prática deliberada em performance musical

Eduardo de Carvalho Torres

eduardotorres@ufrj.br

Universidade Federal do Rio de Janeiro

Resumo: Neste artigo discuto o exercício da atenção enquanto elemento indispensável para a
realização da prática deliberada, no âmbito da performance musical, demonstrando a função
substancial desempenhada pela memória, bem como a influência da motivação nesse processo. É
crescente, em pesquisas acadêmicas da área de música no Brasil, o interesse pelos temas aqui
relacionados, possivelmente pelas claras contribuições que estes conhecimentos podem oferecer,
sobretudo para o músico de performance. No entanto, durante o trabalho de revisão sobre a
literatura relacionada às pesquisas acadêmicas das áreas de prática deliberada e performance
musical verifiquei a necessidade de abordar a questão da atenção com maior profundidade. Neste
artigo pretendo discutir as origens psicológico-cognitivas da atenção e sua relevância para o bom
desempenho em prática deliberada, de modo a oferecer uma contribuição teórica para pesquisas
neste campo. Para a realização deste trabalho, realizei uma revisão de literatura cotejando teorias
da música, da psicologia, da educação e das ciências da mente, em geral, visando à fundamentação
de uma teoria da atenção na prática deliberada em performance musical. Como resultado,
apresento uma hipotética estrutura que fundamenta o papel da atenção na prática deliberada.

Palavras-Chave: Atenção na prática deliberada, Memória e Motivação na Performance musical,


Prática deliberada.

The attention in deliberate practice in musical performance.

Abstract: In this article I discuss the exercise of attention as an indispensable element of


deliberate practice, in the field of musical performance, demonstrating the strong function
developed by memory, as well as the influence of motivation in this process. In the Brazilian
academic research of music area, it is growing the interest by the topics pointed out here, possibly
because of the clear contributions that this knowledge could offer, especially for perform
musicians. However, during the work of revision about the related literature of deliberate practice
and music performance academic research I verified the necessity to approach the question of
attention deeply. In this paper, I intend to discuss the psychological-cognitive origins of attention
and its relevance to good performance in deliberate practice, to offer a theoretical contribution to
searchers in this field. To carry out this work, I realized a literature review, comparing theories of
music, psychology, education and sciences of mind, in general, looking for substantiating of a
theory of attention in deliberate practice in musical performance. As a result, I present a theoretical
framework that justifies the role of attention in deliberate practice.

Keywords: Attention in deliberate practice, Memory and Motivation in Musical Performance,


Deliberate practice.

Introdução
O conceito de prática deliberada introduzido por Ericsson, Krampe e Tesch-Römer
(1993), desde a sua assimilação vem adquirindo projeção em diversos domínios do
conhecimento. Particularmente no campo das pesquisas acadêmicas da área de música esse
conceito tem sido objeto de análise presente em pesquisas estrangeiras (Ruthsatz et al, 2007;
Krampe & Ericsson, 1996; Kenny & Gellrich, 2002) e nacionais (Alves & Freire, 2014;
Galvão, 2006; Souza, 2014; Quintério & Gloeden, 2016; Santiago, 2006; Zorzal, 2015; e
outros) dedicadas aos mais variados assuntos, como por exemplo para conhecimento e
apreciação da assim chamada performance expert, no contexto da performance musical, e
outros temas afins. Nota-se que os trabalhos que abordam a prática deliberada em particular
invariavelmente têm assinalado que atenção e/ou concentração mental são fatores
determinantes para a qualidade desta prática, sem se aprofundar, no entanto, no conhecimento
científico relativo a estes temas, nem tampouco discutir os meios para sua obtenção.
Em primeiro lugar, é necessário que se esclareça a distinção entre atenção e
concentração mental. De acordo com Castle e Buckler (2009) a atenção pode ser dividida em
“seletiva” e “dividida”. O primeiro caso estaria relacionado à “atenção focada”, ou em outras
palavras, a concentração sobre determinado objeto. No segundo, quando “dividida” e
desfocada ou desconcentrada, portanto, os autores entendem ser possível a um indivíduo
atender a determinada demanda, ainda que desconcentrado. Partindo desse pressuposto, o
presente estudo aborda o conceito de atenção, termo abrangente e difícil de delimitar,
conforme Styles (2006), e o papel desta função cognitiva para o bom desempenho do
indivíduo na prática deliberada.
A atenção vem sendo estudada por especialistas ao menos desde o final do século XIX,
tendo em William James (1890) um de seus pioneiros. Desde então, diversos autores
buscaram definir este conceito — grosso modo entendido como uma habilidade do indivíduo
de selecionar, atender e/ou responder a determinados estímulos e ignorar, voluntariamente (ou
não), outros (Styles, 2006; Broadbent, 1958; Pashler, 1998; Eysenck & Keane, 2010; Lima,
2005; Castle & Buckler, 2009) —, bem como compreender suas estruturas, limitações e
soluções para viabilizar seu melhor desempenho.
Alguns pesquisadores têm discutido a íntima relação que a atenção guarda com o
funcionamento da memória (Helene & Xavier, 2003; Cowan, 1997; Styles, 2005; Underwood,
1979), fato que ainda tem sido relativamente pouco debatido, muito embora a memória seja
indiscutivelmente imprescindível para a realização de quaisquer funções cognitivas
elementares, conforme ilustra Baddeley (1999) — este afirma que a melhor forma de entender
a importância da memória é imaginar como seria a vida sem memória. No âmbito das
pesquisas acadêmicas de música, a memória, particularmente, tem sido estudada com um
pouco mais de profundidade, ainda que não abordando a questão da atenção, por exemplo, em
trabalhos como os de Snyder (2001), Gerber (2012) ou Chaffin, Logan & Begosh (2012),
dentre outros.
Nas seções seguintes, primeiramente esclarecerei as questões referentes à prática
deliberada. Então, discutirei as origens da atenção e sua relevância para o bom desempenho
em prática deliberada. No terceiro e último tópico, destaco a importância da motivação para a
obtenção e a manutenção da atenção, além das consequentes influências sobre todo o
processo.

Prática deliberada
Definida por Ericsson, Krampe e Tesch-Römer (1993), esta prática foi inicialmente
caracterizada por um conjunto de atividades práticas orientadas através do intermédio de
alguém — um professor, treinador, orientador — cuja finalidade é aperfeiçoar o desempenho
de habilidades específicas. Os autores afirmam ainda que esta atividade “requer esforço e não
é inerentemente agradável” e que “os indivíduos são motivados a praticar, porque a prática
melhora a performance”(p. 368), revelando, portanto, a importância da motivação para o
estudo deliberado e, consequentemente, para a performance musical.
Em relação ao uso do termo performance, é definida por Goldberg (1979/2006) como
uma forma de manifestação artística caracterizada pela “realização em ação”, quando o
performer se apropria de quaisquer recursos artísticos e suportes, numa relação direta com o
público. Assumindo-se esta compreensão, notória para o músico, entende-se que a música,
por sua natureza, é uma arte de performance.
Quanto à qualificação desta realização, alega-se haver um padrão de performance
caracterizado pela excelência, denominada performance expert. Por definição, a expertise
refere-se a um “desempenho superior consistente sobre um conjunto específico de tarefas
representativas para um domínio” (Ericsson & Lehman, 1996, p. 277). Alguns exemplos de
pesquisas da área de música (ou relacionados a ela) que têm abordado a expertise musical
com interesse podem ser conhecidos nos trabalhos de Krampe e Ericsson (1996), onde os
autores investigam a prática deliberada na manutenção de habilidades cognitivo-motoras em
pianistas experts e em pianistas amadores; em Santiago (2006), discute-se a integração entre
prática deliberada e o aprendizado informal da música; em Galvão (2006), que trata das
consequências da atividade musical para o desenvolvimento cognitivo e emocional das
pessoas, também em Alves e Freire (2014), interessados em discutir a performance expert de
clarinetistas, e ainda em Zorzal (2015), que propõe uma reflexão sobre a prática musical e os
aspectos práticos da preparação da performance musical, enfocando a autonomia do estudante
de instrumento—dentre outros trabalhos.
O cerne do presente trabalho encontra-se na frase sustentada pelo consagrado trabalho
de Ericsson e colegas (1993, p. 370): “é necessário manter total atenção durante o período da
prática deliberada”1, argumento presente também nos trabalhos de Souza (2014), Alves e
Freire (2014) e Galvão (2006). O que chama atenção para a centralidade do tema da atenção
na prática deliberada é, conforme observei inicialmente, a singularidade do trabalho seminal
de Ericsson e colegas, referência e denominador comum nos trabalhos que abordam, com
algum destaque, a prática deliberada. Isso revela a consistência dessa concepção, mas que, no
entanto, não aborda de forma mais substancial as origens e a manutenção da atenção, como
também, as formas como este recurso cognitivo pode ser viabilizado.

Implicações no funcionamento da atenção: Memória


Não é novidade que a literatura dedicada aos temas de atenção e memória tenha
buscado, de algum modo, enfatizar a relação de causalidade entre estas duas funções
cognitivas humanas. Ainda que o volume de conhecimento produzido sobre esses temas seja
relativamente pequeno (Helene & Xavier, 2003), é possível encontrar obras inteiras dedicadas
ao tema, como em Cowan (1997), Styles (2005) e Underwood (1979). Mas a grande porção
encontra-se em forma de capítulos ou seções de livros e artigos, tal como em Pashler (1998),
Cohen (2014), Eysenck e Keane (2010), Fougnie (2008), Bjork e Bjork (1996), e outros. No
campo da música, pesquisas que envolvam atenção, memória e prática deliberada, por
exemplo, ou quaisquer outras temáticas que envolvam as funções cognitivas destacadas neste
trabalho, no entanto, ainda carecem de maior aprofundamento.
Helene e Xavier (2003), em um trabalho que busca aproximar atenção de memória,
observaram que “diversos fenômenos atencionais parecem ser manifestações diretas do
funcionamento dos sistemas de memória” (p.13). Estes autores notaram que o acumulo de
registros de experiências passadas da vida de um indivíduo, possibilitam que seu sistema de
memórias faça “previsões probabilísticas sobre o ambiente” e que essa capacidade de
antecipar e “selecionar as informações que serão processadas”, consequentemente
desenvolvem uma intencionalidade (p. 12). Em outras palavras, os autores consideram que
graças a esta capacidade de prever resultados com base em experiências passadas, o sistema
nervoso humano é capaz de promover ações que conduzam uma determinada ação a um

1
Tradução de: “Is necessary to maintain full attention during the entire period of deliberate practice”.
resultado pretendido e possibilitem ao indivíduo direcionar sua atenção, selecionando as
informações que serão processadas. Essa posição representa um pensamento revolucionário e
fundamental para o estudo deliberado, pois admite a possibilidade de prever a atenção, tal
como observá-la de forma consciente (meta-atenção2). Helene e Xavier defendem que
“processos controlados” ou “processos voluntários de direcionamento da atenção” (p. 16), em
oposição a processos automatizados de captação atencional, por serem processos conscientes
são utilizados em casos excepcionais de tarefas complexas, que envolvem planejamento e
demandam tempo para sua execução por grau de complexidade e/ou desafio. Por fim,
sugerem que através de um processo de automatização de tarefas complexas, como os
desafios impostos à prática deliberada — fazendo um paralelo —, poderiam aliviar a carga
atencional, melhorando a qualidade do desempenho da atividade proposta, e, por conseguinte,
da performance.

O papel da motivação
A motivação caracteriza-se como um elemento psicológico que proporciona ao
indivíduo energia para realizar determinada ação (Reeve, 2006; Ryan & Deci, 2000). Araújo
(2015) considera a motivação “fundamental para quem vivencia a experiência musical e (...) o
elemento que garante a qualidade do envolvimento no processo” e, ainda, que “o que nos leva
a agir (...) são motivos gerados no contexto da nossa vida cotidiana, (...) sejam de ordem
subjetiva ou objetiva” (p. 45). Alves e Freire (2014) defendem que é a motivação o elemento
que garante o foco atencional durante a prática deliberada, sem a qual seria improvável a
realização e a sustentação desta atividade. Para esses autores, “a prática requer muita
concentração, e a manutenção do foco no estudo é uma atividade considerada como não
prazerosa, por isso a motivação é elemento fundamental para manter o foco e sustentar os
esforços que a prática musical exige a longo prazo” (p. 79) — argumento corroborado por
outros autores (Ericsson et al., 1993; Feltovich, Prietula & Ericsson, 2006; Gomes, 2008).
De acordo com Csikszentmihaly (1997), quanto mais distante as afinidades
motivacionais e emotivas de uma pessoa para com uma situação ou objeto, mais difícil é a
capacidade de concentrar a atenção do indivíduo. Ao contrário, quando alguém gosta da
atividade que desempenha e é motivada para superar suas dificuldades, mais fluentemente a
concentração ocorre. Para esse autor, controlar a atenção significa “controlar a experiência”;
“a informação atinge a consciência somente quando atendemos a ela” e o “estresse que

2
Sobre meta-atenção, ver Loper, A. & Hallahan, D. (1982). Meta-attention: The development pf awareness of
the attentional process. The journal of general psychology, 106, p. 27-33.
experimentamos depende mais do quão bem controlamos nossa atenção, do que o que
acontece conosco” (p. 128). Csikszentmihaly consagrou-se por ter desenvolvido uma teoria
motivacional denominada “Teoria do fluxo”, segundo a qual, quando sob condições onde as
habilidades do indivíduo e os desafios impostos a este se encontram em equilíbrio, o
indivíduo atingiria um “estado de fluxo”, quando então seria possível experimentar um
intenso estado de prazer e concentração. Ele sustenta que “o fluxo é uma fonte de energia
psíquica que foca a atenção e motiva a ação” (p. 140).

Considerações finais
A prática deliberada é caracterizada pela composição de vários fatores, dentre os quais
se atribui à atenção uma importante função nesse processo, de acordo com os argumentos
evidenciados neste trabalho. É natural, portanto, que se conclua que o estudo deliberado é um
processo significativo para a construção da performance musical, e indispensável quando se
trata da performance expert.
Uma revisão de literatura em torno dos conceitos acima discutidos possibilita-nos
estruturar a fundamentação do papel da atenção na prática deliberada da seguinte forma: a
prática deliberada envolve o exercício da atenção de forma decisiva; é inconcebível entender
prática deliberada sem atenção; o processo atencional, por sua vez, está condicionado pelo da
memória, que em maior ou menor proporção determina o grau de direcionamento da atenção e
o desenvolvimento de intencionalidades na seleção de informações; a atenção, no entanto, é
apoiada pela motivação, processo que garante a manutenção e a continuidade do exercício da
ação a qual o indivíduo é submetido, revelando o complexo ciclo de ação direta da motivação
sobre a atenção, esta, sobre a prática deliberada, e, consequentemente, sobre a performance.

Referências

Alves, A. & Freire, R. (2014). Processos de construção da expertise na clarineta: Investigação


das trajetórias de clarinetistas brasileiros. Percepta, 2(1), 61-84.
Araújo, R. C. de. (2015). Motivação para prática e aprendizagem da música. In: Araújo, R.;
Ramos, D. (Orgs.), Estudos sobre motivação e emoção em cognição musical. Curitiba: UFPR.
Baddeley, A. (1999). Essentials of human memory: Psychology Press.
Bjork, E. L., & Bjork, R. A. (1996). Memory. Volume 10, E. C. Carterette, & M. P. Friedman
(Eds.), Handbook of Perception and Cognition (2nd ed.). New York: Academic Press.
Broadbent, D.E. (1958). Perception and communication. London: Pergamon Press.
Castle, P. & Buckler, S. (2009). What I was saying? Concentration and attention. In: Castle,
Paul & Buckler, Scott. How to be a successful teacher: Strategies for personal and
professional development. Sage Publications.
Chaffin, R., Logan, T. & Begosh, K. (2012). A memória e a execução musical. Em pauta,
Porto Alegre, 20 (34/35), 223-244.
Cohen, R. (2014). The neuropsychology of attention (2nd ed.). New York: Springer.
Cowan, N. (1997). Attention and memory: An integrated framework: Oxford University Press.
Csikszentmihaly, M. (1997). Finding flow: The psychology of engagement with everyday life.
Basic Books.
Ericsson, K., Krampe, R. & Tesch-Römer, C. (1993). The role of deliberate practice in the
acquisition of expert performance. Psychological review, 100 (3), 363-406.
Ericsson, K. & Lehman, A. (1996). Expert and exceptional performance: Evidence of
maximal adaptation to task constraints. Annual Review of Psychology, 47, 273-305.
Eysenck, M & Keane, M. (2010). Cognitive psychology: A student’s handbook (6th ed.).
Psychology Press.
Feltovich, P., Prietula, M. & Ericsson, K. (2006). Studies of expertise from psychological
perspectives. In: Ericsson, K., Charness, N., Feltovich, P. & Hoffman (Eds.). The cambriedge
handbook of expertise and expert performance. Cambriedge University Press.
Fougnie, D. (2008). The relationship between attention and working memory. In: Johansen,
N. (Ed.). New research on short-term memory. Nova Science Publishers.
Galvão, A. (2006). Cognição, emoção e expertise musical. Psicologia: Teoria e pesquisa, 2
(22), 169-174.
Gerber, D. T. (2012). A memorização musical através dos guias de execução: Um estudo de
estratégias deliberadas. 2012. Dissertação de Mestrado. Programa de Pós-Graduação em
Música, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, RS, Brasil.
Goldberg, R. (2006). A arte da performance: Do futurismo ao presente. São Paulo: Martins
Fontes.
Gomes, A. C. A. (2008). A relação entre sujeito expert e objeto de conhecimento de expertise.
2008. Dissertação de Mestrado. Pró-Reitoria de Pós-Graduação Strictu Sensu em Psicologia.
Universidade Católica de Brasília, Brasília, DF, Brasil.
Helene, A. & Xavier, G. (2003). A construção da atenção a partir da memória. Revista
Brasileira de Psiquiatria, 25 (Supl II), 12-20.
Kenny, B. & Gellrich, M. (2002). Improvisation. In: Parncutt, R. & McPherson, G. (Eds.).
The science and psychology of music performance: Creative strategies for teaching and
learning. Oxford University Press.
Krampe, R. e Ericsson, K. (1996). Maintaining excellence: Deliberate practice and elite
performance in young and older pianists. Journal of Experimental Psychology: General, 125
(4), 331-339.
Lima, R. (2005). Compreendendo os mecanismos atencionais. Ciências & Cognição, 6, 113-
122.
Loper, A. & Hallahan, D. (1982). Meta-attention: The development pf awareness of the
attentional process. The journal of general psychology, 106, p. 27-33.
Quintério, L. & Gloeden, E. (2016). A prática individual do músico e a autorregulação da
aprendizagem. Congresso da Associação Nacional de Pesquisa e Pós-Graduação em Música,
Belo Horizonte, 26.
Pashler, H. (1998). The psychology of attention. MIT Press.
Reeve, J. (2006). Motivação e emoção (4th ed.). Livros Técnicos e Científicos.
Ruthsatz, J., Detterman, D., Griscom, W. & Cirullo, B. (2007). Becoming an expert in the
musical domain: It takes more than just practice. Intelligence, 36, 330-338.
Ryan, R. & Deci, E. (2000). Intrinsic and extrinsic motivations: Classic definitions and new
directions. Contemporary Educational Psychology, 25. 54-67.
Santiago, P. (2006). A integração da prática deliberada e da prática informal no aprendizado
da música instrumental. Per Musi, 13, 52-62.
Snyder, B. (2001). Music and memory: An introduction. MIT Press.
Souza, B.C. (2014). A prática deliberada e a preparação técnico-interpretativa dos alunos do
curso de bacharelado em música da UFJF. Congresso da Associação Brasileira de
Performance Musical, Vitória, 2, 21-28.
Styles, E. (2005). Attention, perception and memory: An integrated introduction. Psychology
Press.
Styles, E. (2006). The psychology of attention. (2nd ed.). Psychology Press.
Underwood, G. (1979). Attention and memory. Pergamon Press.
James, W. (1890). The principles of psychology. (Vols. 1-2). New York: Henry Holt and Co.
Zorzal, R. (2015). Prática musical e planejamento da performance: contribuições teórico-
conceituais para o desenvolvimento da autonomia do estudante de instrumento musical. Opus,
21(3), 83-110.