Você está na página 1de 2

Por que a Administração Pública se divide em direta e indireta?

A Administração Pública em sentido amplo abrange os três órgãos governamentais: Poder


Executivo, Poder Legislativo e Poder Judiciário.
A Administração Pública em sentido estrito abrange os órgãos administrativos e as atividades
por eles exercidas.
A divisão da Administração Pública ocorre em função da necessidade de descentralização do
exercício da função administrativa.
Assim, a Administração Pública direta ou centralizada é aquela exercida apenas pelos órgãos do
Estado. Já a Administração Pública indireta ou descentralizada é aquela exercida por entes
públicos dotados de personalidade jurídica própria e que são criados pelo Estado para prestarem
serviços públicos ou de interesse público delegáveis.

Como posso conceituar a Administração pública?

Analisando sob a ótica restrita e partindo do pressuposto que a administração pública detém a
função de administrar a sociedade, executando todos os atos inerentes a esta função, pode-se
conceituar a administração pública como o conjunto de órgãos e entidades que detenham a
função de administrar a sociedade na prestação de serviços públicos e de segurança.

O que devo entender por Administração pública, analisada em sentido amplo?

Pode-se dizer que a administração pública pode ser analisada sob duas óticas diferentes, ora no
sentido amplo, ora no sentido restrito.

A administração pública analisada no sentido amplo é o próprio Estado.

A administração pública analisada sob uma ótica ampla é composta pelos três poderes, ou seja,
Legislativo, o Executivo e o Judiciário.

O poder Executivo tem como função principal a de administrar a administração pública,


desenvolvendo todos os atos inerentes a esta função.

Entretanto, tal como ocorre nos outros poderes, detém também, funções de editar leis, como no
caso das Medidas Provisórias e julgar processos, como no caso das decisões proferidas em
seus processos administrativos.

O poder Legislativo, por sua vez, tem como função principal a edição de Leis.

Todavia, exerce também a função de administrar, em se tratando da administração de seu


pessoal, por exemplo; e a função de julgar, como no caso do crime de responsabilidade.

Por fim, o poder Judiciário tem como função principal a de julgar, exercendo a função
jurisdicional em todo o âmbito da administração.

Também no poder Judiciário, pode se verificar a função administrativa e a função legislativa.

Na admissão, demissão e promoção de seu pessoal pode ser verificada a ocorrência da função
administrativa.

A função legislativa ocorre no poder Judiciário, por exemplo, na edição de suas normas internas,
ou seja, os Regimentos internos e as Instruções normativas.

Os Regimentos internos e as Instruções normativas irão servir de base para todos os atos e
procedimentos inerentes ao poder Judiciário.

Como se pode observar, cada poder da administração desenvolve uma função específica e
principal, ou seja, o Executivo administra, o Legislativo edita leis e o Judiciário julga.

Entretanto, também são dotados das outras funções, que dependendo do caso, deverão ser
utilizadas.

O que devo entender por Administração pública, analisada em sentido restrito?

A administração analisada utilizando-se uma ótica mais restrita compõe-se somente do poder
Executivo, ou seja, é a “máquina” do poder executivo exercendo suas atividades.

Desta forma, analisando a administração pública sob uma ótica mais restrita, recebe o nome de
administração pública todos os órgãos e entidades que integram o poder Executivo.

Neste caso, a administração pública será subdividida em Administração direita e indireta.

A administração direita é composta pelos órgãos Estatais propriamente ditos, como as


prefeituras, os governos dos Estados e a presidência da República.

Já a administração indireta é composta pelas autarquias, as sociedades de economia mista,


empresa pública e as fundações públicas.

Na realidade, na maioria das vezes, quando alguém se refere à Administração Pública, esta se
referindo à sua análise restrita, ou seja, aos órgãos do poder executivo.