Você está na página 1de 66

Salve salve minha gente querida esse mar que alegria está aqui

novamente com vocês e como estão os estudos me contem fluindo


da melhor forma possível Maravilha na aula de hoje nós vamos fechar
o mandado de injunção e começar a analisar o nosso último remédio
com sua nau que é o mandado de segurança bem quero saber se
esse caderno está aí do lado direito ou se você ganhou o caderno
está do lado esquerdo Sem problema quero saber também se a
legislação está presente se o sorriso está enfeitando esse rosto
bonito Tudo Certo Maravilha na aula anterior eu pedi que vocês
fizessem os cinco passos da peça do vigésimo segundo exame de
ordem fizeram a gente vai conferir tá nós vamos fazer juntos os cinco
passos depois vamos redigir se mandado de injunção E tem também
um segundo o Caso de Emily para o nosso treinamento e agora
vamos vamos juntos essa prova é Nossa e ela será escreva isso aí
no caderno a prova da aprovação eu tenho certeza vem comigo
minha gente olha só mandado de injunção cobrado no vigésimo
segundo exame de ordem uma edição recente não é da prova da
OAB vamos lá lendo o caso Servidores Públicos do Estado Beta que
trabalham no período da noite procuram o sindicato ao qual são
filiados inconformados por não receberem adicional noturno do
estado que se recusa a pagar o referido benefício em razão da
inexistência de lei estadual que regulamenta as normas
constitucionais que asseguram o seu paga Bento vamos nós o
sindicato resolve Então contratar escritório de advocacia para
ingressar com adequado remédio com jornal A fim de viabilizar o
exercício em concreto por seus filiados da supramencionada
prerrogativa constitucional sabendo que a previsão do valor de 20%
a título de adicional noturno no artigo 73 da CLT considerando os
dados acima na condição de advogado contratado pelo sindicato
utilizando o instrumento constitucional adequado Elabore a medida
judicial cabível E aí as observações a peça deve abranger todos os
fundamentos de direito que possam ser utilizados para dar respaldo
a pretensão e a simples menção outro inscrição do dispositivo legal
não confere a pontuação bem prestem bastante atenção aqui nós
estamos diante de uma situação envolvendo servidores públicos que
têm direito ao adicional noturno e o estado não paga por falta de lei
estadual que regulamente as normas da constituição do estado que
asseguram o seu pagamento bem do mesmo modo que existe o
mandado de injunção no plano Federal também é perfeitamente
possível o m e os demais remédios condicionais no âmbito Estadual
então nós temos aqui um sindicato que vai entrar com ação para
pleitear a regulamentação do direito ao adicional noturno visto na
Constituição mas ainda pendente de regulamentação Então vamos
nós vamos fazer aqui o nosso primeiro passo Olha só sindicato passa
um resumo do caso sindicato pretende ingressar com uma ação
visando regulamentar direito ao adicional noturno previsto na
constituição estadual cenário todo é de uma constituição estadual
pendente de regulamentação bem vamos lá passo 2 O que que a
banca diz sobre o sindicato ela só diz sindicato ao qual são filiados
Então queria colocar sindicato ou Sindicato dos Servidores Públicos
do Estado Beta ambas as alternativas estariam corretas sindicato ou
Sindicato dos Servidores Públicos do Estado beta 3 polo passivo o
que que eu ensinei a vocês sobre o polo passivo do mandado de
injunção primeiro nós verificamos se há alguma previsão de iniciativa
reservada alguma autoridade assim prevista na Constituição se não
tivermos uma matéria de iniciativa reservada em regra teremos no
polo passivo o poder legislativo não é competente respectivo porque
compete ao legislador lege já disse a vocês que primeiro a gente
analisa o artigo 61 parágrafo 1º da Constituição lembram disso e esse
artigo 61 parágrafo primeiro ele é de observância obrigatória no
âmbito dos Estados Então se no plano Federal a matéria é de
iniciativa reservada do Presidente da República no âmbito Estadual
será do governador de estado e aí turma encontramos no artigo 61
parágrafo 1º inciso 2 alínea a da competência do Presidente da
República a criação de cargos funções ou empregos públicos na
administração direta e autárquica ou aumento de sua remuneração
adicional noturno gera aumento da remuneração dos Servidores
Então se esse é um projeto no plano Federal de iniciativa do
presidente no âmbito Estadual será do governador do Estado então
vem aqui comigo Olha só no nosso passo 3 nosso passo 3 teremos
o governador do Estado e a banco informa o nome desse estado não
é estado Beta então governador do Estado Beta muito bem agora o
passo 3 é a análise da peça processual Eu tenho um sindicato que
vai defender em juízo a regulamentação do direito ao adicional
noturno que é um direito fundamental previsto na Constituição e
também destinado aos servidores públicos Vejam Só nos auxilia
quanto a esse tema o Artigo 39 parágrafo 3º que diz o seguinte
aplica-se aos servidores ocupantes 39 parágrafo 3º da Constituição
aplica-se aos servidores ocupantes de cargo público o disposto no
artigo 7º e os seus incisos i o adicional noturno Está no artigo 7º Olha
só artigo sétimo inciso 9º remuneração do trabalho noturno superior
ao diurno então artigo 7º inciso 9º da nossa da nossa Constituição
Então os servidores públicos têm direito ao adicional noturno não é
da combinação do 39 parágrafo terceiro com o sétimo inciso 9º E aí
a banca ainda diz que esse direito está previsto na Constituição do
Estado mas pendente de regulamentação Então vamos lá primeira
dica para verificarmos que estamos diante de uma Dad em junção o
processo que será criado aqui pelo sindicato é um processo objetivo
ou subjetivo segundo a alternativa ele vai ser não é criado para
resolver um conflito real servidores públicos querem exercer seu
direito fundamental e não podem por ausência de norma
regulamentadora então quanto à natureza jurídica aqui a gente não
tinha como confundir com a d o porque estamos diante de uma ação
que vai ser ajuizada para resolver um conflito real e tem uma parte
da peça em que a banca de justamente isso olha só o sindicato Então
resolve contratar escritório de advocacia para ingressar com
adequado o remédio com jornal a fim de viabilizar o exercício em
concreto Olha aí o exercício em concreto por seus filiados da
supramencionada prerrogativa constitucional então quanto ao
primeiro aspecto já temos aqui a natureza jurídica dessa ação é de
uma ação que vai resolver um conflito real um conflito concreto vai
viabilizar o exercício em concreto dos filiados deste sindicato bem
segundo aspecto importante que também não nos permitiria que a
confusão com a de turma na Esfera sindical somente a Confederação
sindical é que pode ser autora da do Sindicato não pode ser autor de
ação direta de inconst alidade então assim muita atenção primeiro a
natureza jurídica desse processo é de um processo subjetivo um
processo que vai viabilizar em concreto não é a possibilidade de
usufruir do direito e a Deus cuida das omissões em abstrato e quanto
à legitimidade ativa o sindicato ele pode ser autor dormir mas o
sindicato não pode ser autor da ação direta de inconst dá de
Promissão Tá certo bem vamos nós vamos organizando aqui o
raciocínio tão nosso passo 4 é a peça é o mandado de injunção
coletivo sindicato vai impetrar mandado de injunção coletivo ou Flávia
eu teria que colocar o coletivo já no bojo da qualificação sim entendo
que sim o coletivo ele deveria coletivo deveria vir aqui justamente
Justamente na qualificação amasse se eu não colocar se não tem
problema você não zerar a peça porque o nome iuris da peça é
mandado de injunção coletivo né é a modalidade tá certo mas o ideal
é que no mandado de injunção coletivo no mandado de segurança
coletivo a gente já coloca essa informação no nome iuris da peça vem
aqui comigo passo 5 passo 5 descobriu o que e isso o órgão
competente para julgamento na lei do mandado de injunção vocês
iluminaram as competências constitucionais não é olha só na lei
13300 a gente iluminou a competência do supremo que está no artigo
102 inciso 1 alinea é a linha que não é compete ao Supremo
processar e julgar o m quando ela boração for atribuição de uma série
de autoridades federais não é o caso aqui o polo passivo do m é
composto pelo governador do Estado depois a gente vai Aos 105
artigo 105 inciso 1 alinea H Aqui nós temos mandado de injunção de
competência do STJ quando ela boração da norma regulamentadora
atribuição de uma série de órgãos aqui mas nós não encontramos o
governador do Estado Nós também registramos na lei 13300 o artigo
125 parágrafo 1º o artigo 125 parágrafo 1º da Constituição traz uma
regra de simetria que os estados devem respeitar por isso eu disse a
vocês que no mandado de injunção nós aplicar íamos a regra do GPS
mas mesa da Assembleia Legislativa Então se no polo passivo do
remédio encontrássemos governador de estado prefeito de Capital
mesa de Assembleia Legislativa secretário de estado a competência
seria do TJ não me acompanha pela regra do GPS + mesa da
Assembleia Legislativa extraído do artigo 125 parágrafo 1º da
Constituição e se mandado de injunção será julgado pelo TJ e pelo
TJ que no caso é do estado Beta não é pelo tribunal de justiça do
Estado Beta vamos nós vamos aqui fazer a nossa primeira petição
de mandado de injunção ao longo da aula ou antes de assistir a
próxima aula tá certo vamos nós lá em cima Excelentíssimo Senhor
Desembargador presidente do Tribunal de Justiça do estado Beta
então lá em cima Norma de competência órgão ação de competência
originária do tribunal será julgada pelo presidente do Ceará
interessado não é pelo presidente ao presidente do Tribunal pelo
Excelentíssimo Senhor Desembargador presidente do Tribunal de
Justiça do estado Beta pulamos as nossas cinco linhas aqui eu já dei
o espaço Zinho damos outro espaço Zinho abrimos o artigo 319 do
CPC que nos ajuda na construção da qualificação e já temos
qualificado antes o sindicato não é Vem aqui e comigo sindicato três
pontinhos não teria problema de colocar que é o sindicato Olha só
dos Servidores Públicos do Estado Beta tá tão tanto tanto Vale
sindicato quanto Sindicato dos Servidores Públicos pessoa jurídica
de direito privado inscrita no CNPJ sob o número três pontinhos
concede três pontinhos por seu advogado infra-assinado conforme
procuração anexa com escritório três pontinhos endereço que indica
para os fins do artigo 77 inciso 5º do CPC com fundamento no artigo
quinto inciso 71 da CF barra 88 e na lei 13300/2016 vem impetrar
porque se o verbo que a gente utiliza não é então vem impetrar
mandado de injunção Ivo foi que eu disse a vocês que quando se
tratar de uma ação coletiva A gente faz essa menção mandado de
injunção coletivo em face de ato omissivo do governador do Estado
Beta que poderá ser encontrado na sede funcional três pontinhos e
do Estado Beta isso porque a lei 13300 faz essa exigência nós
devemos indicar a autoridade omissa e a pessoa jurídica não é a ela
relacionada diretamente relacionada bem pulamos uma linha e aí
vamos lá seguindo em frente primeiro tópico síntese dos fatos vamos
lá os associados do impetrante Servidores Públicos do Estado Beta
que laboram no período da noite desejam ter o exercício de seu
direito ao adicional noturno previsto no artigo 7º inciso 9º e no Artigo
39 parágrafo 3º ambos da crfb assegurada eu sei aqui como base a
Constituição da República agora não é vamos nós é importante
ressaltar que os referidos trabalhadores portanto não podem exercer
o direito com sono ao referido adicional noturno em razão da falta da
lei que a regulamenta não pode exercer o direito condicional referido
adicional noturno em razão da falta da lei que regulamente o que
enseja a propositura do mandado de injunção ora apresentado
pulamos uma linha aí vamos lá fundamentação jurídica na forma do
artigo quinto inciso 71 da CF barra 88 o mandado de injunção é o
remédio Consul anal responsável pela defesa em juízo de direito
fundamental previsto na Constituição ainda pendente de
regulamentação Aí trouxa que a base infraconstitucional e até uma
transcrição direta de acordo com o artigo 2º da Lei 13300 conceder-
se-á mandado de injunção sempre que a falta Total ou parcial de
norma regulamentadora torne inviável o exercício dos direitos e
liberdades consonantais e das prerrogativas inerentes à
nacionalidade à soberania e à cidadania parágrafo único considera-
se parcial a regulamentação Quando forem insuficientes as normas
editadas pelo órgão legislador competente bem é o direito ao
benefício de adicional noturno é concedido aos servidores públicos
que exercem atividade laboral noturna sendo garantida em razão da
previsão condicional contida no artigo 7º inciso 9º e no 39 parágrafo
3º ambos da Constituição trata-se portanto de um direito fundamental
ainda pendente de regulamentação Olha só o remédio ora em análise
foi impetrado em face de ato omissivo do governador do Estado Beta
e do Estado Beta tendo em vista que são partes legítimas para
integrar o polo passivo da presente ação com jornal deixou só
complementar aqui na forma do artigo mencionando sempre a letra
da Lei na forma do artigo 4º da lei 13000 e 300 de 2016 é a lei que
faz essa essa menção à necessidade de indicação tanto do da
autoridade omissa não é quanto também do da pessoa jurídica a qual
ela está relacionada a pessoa jurídica que ele ou ela integra então na
forma do artigo 4º da Lei 13300/2016 no processo legislativo Estadual
Olha o governador é quem detém competência privativa para iniciar
o processo legislativo no presente caso vez que as regras
constitucionais Estaduais de competência devem observar por
simetria O que determina a Constituição Federal no caso artigo 61
parágrafo 1º inciso 2 alínea a Cuidado para não ser que votar Na
remissão ao inciso alínea porque tudo isso gera um decréscimo na
nota vamos nós ademais compete ao Tribunal de Justiça do estado
Beta processar e julgar originariamente o mandado de injunção
quando a elaboração da norma regulamentadora por atribuição do
governador do Estado podendo A competência da ação ser definida
que está sobrando se é definida pelas constituições Estaduais de
acordo com o artigo 125 parágrafo 1º da CF barra 88 observando-se
o princípio da simetria entre os entes federativos aqui pessoal de
injunção coletivo e também queria colocar um tópico para falar da
legitimidade ativa a gente usaria o artigo 12 da Lei 13300 para isso
seria um argumento não é que faria sentido colocarmos
separadamente Tanto faz antes dos fatos ou depois dos fatos ou na
fundamentação jurídica tá certo mas aqui também valeria a pena
mencionar esse artigo 12 da Lei 13300 de 2016 que é o que trata da
ação na sua versão coletiva bem eu coloco tanto na no mandado de
injunção quanto na de referências sobre a jurisprudência do supremo
a respeito dessas duas ações e aí abrir um tópico específico mas
também seria possível colocá-los na parte da fundamentação jurídica
olha só até 2007 o STF adotava a posição não concretista geral e de
acordo com esse entendimento em nome da harmonia e separação
entre os poderes artigo segundo da CF barra 88 O Poder Judiciário
não poderia suprir a omissão da Norma faltante tampouco fixar prazo
para O legislador elaborar lei restando a sentença produzindo efeito
apenas para declarar mora Legislativa desde 2007 entretanto o
tribunal vem mudando de entendimento e tem adotado posições
concretistas aplicando por analogia leis já existentes para suprir a
omissão normativa hora atribuindo efeitos subjetivos erga omnes e
Inter partes têm aqui uma referência a ausência da lei complementar
no Ceará pelo 40 para O que é opcional Tá certo no que tange a
ausência da lei complementar no chiado pelo 14 pelo 40 Parágrafo
4º não é a cor que tem aplicado a lei 8213 barra 91 só que é opcional
Tá certo só que é opcional é um exemplo é um exemplo sobre a
aplicação mais prática não é do mandado de injunção bem apesar de
todo o avanço jurisprudencial a lei 13300 no artigo 8º adotou uma
posição mais conservadora não é que é aplicação a determinação de
fixação de prazo para O legislador legislar sobre a decisão do Mc não
vejamos artigo 8º reconhecido o estado de mora Legislativa será
deferida a injunção para um determinar prazo razoável para que o
impetrado promova a edição da norma regulamentadora 2
estabelecer as condições em que se dará o exercício dos direitos e
das liberdades ou das prerrogativas reclamaram ou se for o caso as
condições em que poderá o interessado a promover ação própria
visando a exercê-la caso não seja cumprida a Mora Legislativa no
prazo determinado E aí o parágrafo único será dispensada a
determinação a que se refere o inciso 1º do caput quando
comprovado que impetra deixou de atender em mandado de injunção
anterior ao prazo estabelecido para a edição da Norma antes de
analisarmos os pedidos muita atenção aqui com esse mandado de
injunção e se mandado de injunção coletivo ele Visa suprir uma
omissão normativa quanto à constituição estadual o cenário do dudc
me passa no âmbito do Estado um ponto importante aqui na
fundamentação jurídica ou em tópicos separado ser importante é
fazer menção ao artigo 12 da Lei 13300 então tanto faz colocar na
fundamentação jurídica quanto em um ponto apartado um tópico
apartado que pode vir antes ou depois dos fatos esse último tópico
que nós colocamos a omissão inconstitucional poderia entrar na
fundamentação jurídica perfeitamente ou em tópico específico Tá
certo como Eu mencionei e vocês podem usar essa análise
jurisprudencial a respeito do e me dado tanto na minha individual
quanto no coletivo Também nada só argumentos interessantes Por
que conta um pouco a história não é da inefetividade dos dois
remédios aí durante muitos anos bem sobre os pedidos vamos lá já
fizemos as marcações não é sobre os pedidos ante todo o exposto
requer-se a a notificação da autoridade omissa no endereço
fornecido na inicial para que querendo preste as informações que
entender pertinentes do Carlos b a ciência ao órgão de
representação judicial da pessoa jurídica que é outro pedido que
consta não é da Lei 13300 a intimação do representante do Ministério
Público é pedido também iluminado não é na lei 13300 condenação
do impetrado em custas processuais eu disse a vocês que nós não
usamos a condenação em honorários advocatícios porque essa é
uma previsão até da lei do mandado de segurança qual aplicamos
subsidiariamente mas tem condenação em custas processuais muito
bem a Bank and co como pedidos específicos de servir o seguinte
que seja reconhecida a omissão e o estado de mora Legislativa a fim
de que seja concedida a ordem de injunção coletiva que seja
determinado Olha aí artigo 8º inciso 1º que seja determinado prazo
razoável para que o governador promove a edição da norma
regulamentadora e como a banca indicou que a existência de uma lei
federal estabelecendo o percentual ela também trouxe essa
necessidade de aplicar analógica do artigo 73 da CLT foi um caso
específico que Ela mencionou que existe é uma Norma
regulamentando o tema eu vou falar sobre esse pedido e muita coisa
sobre o mandado de injunção no próximo bloco vocês não sai daí
não Salve salve minha gente quer ir disse Mas vamos aqui para parte
dos pedidos desse mandado de injunção no m coletivo cobrado no
vigésimo segundo exame a banca indicou a existência de uma
Norma que no caso deveria ser aplicada por analogia então por isso
além da declaração da Mora do poder público além do prazo razoável
para elaboração da lei que são pedidos na expressos da 13300 a
banca também indicou vem aqui comigo olha só que seja suprida a
omissão normativa garantindo-se a efetividade do direito à percepção
do adicional noturno no percentual de 20% conforme disposições
contidas no artigo 73 da CLT e a que fica uma lição sobre os pedidos
do M Nós temos dois pedidos extraídos diretamente da Lei 13310
artigo 8º caput inciso Primeiro vamos lá o primeiro deles que seja
reconhecida a omissão e o estado de mora Legislativa a fim de que
seja concedida a ordem de junção tudo bem o segundo pedido está
lá também no artigo 8º inciso 1º que seja determinado prazo razoável
para que o governador promove a edição da norma regulamentadora
se cair no exame de vocês mais um mandado de injunção São esses
os dois pedidos clássicos não é o reconhecimento da Mora
Legislativa e a fixação de prazo razoável para autoridade
regulamentar Mas se a banca fizer menção expressa como saque no
vigésimo segundo exame sobre a existência de uma Norma que
poderia ser perfeitamente aplicada por analogia que que a gente vai
fazer nós vamos pedir aplicação analógica também dessa lei visando
dar efeitos mais concretos ao m Daí vem esse pedido específico da
linha G que seja suprida a omissão normativa garantindo-se a
efetividade do direito à percepção do adicional noturno no percentual
de 20% conforme disposições contidas no artigo 73 da CLT então
atenção esse pedido específico mais uma vez a gente só vai fazer se
a banca indicar expressamente uma Norma existente que pode ser
aplicada por analogia não existindo essa Norma mencionada no caso
nós paramos né No segundo pedido então pedimos a declaração de
mora e a fixação de prazo para autoridade legislar esse pedido de
aplicação de uma lei só vai surgir se a banca mencionar que lei é
essa a gente não pode inventar essa informação vamos nós depois
tem a juntada de documentos o m é uma peça de prova pré-
constituída então a juntada de documentos também é um pedido né
Que deve ser feito E aí sim uma das três possibilidades dá-se a causa
o valor de r$ 1000 para efeitos procedimentais o valor da causa de
acordo com artigo 291 do CPC ou o valor da causa de acordo com
artigo 319 do Código de Processo Civil termos em que pede
deferimento local e data advogado OAB número três pontinhos turma
Eu trouxe um segundo caso de mandado de injunção para que vocês
façam e cinco passos construa uma peça processual E aí sim depois
verifique na área do aluno é o material de apoio da aula anterior
verifique um caso de Poliana Mas vamos fazer a leitura aqui né para
iniciarmos a análise sobre o tema Me acompanhe Olha só Poliana sa
é deficiente auditiva em razão da perda total da audição causada por
má formação ética nas estruturas que compõem o aparelho auditivo
contornando as dificuldades e utilizando-se dos meios tecnológicos
disponíveis na medicina Poliana sempre teve uma vida normal sendo
realizada profissionalmente pelo trabalhado durante 32 anos como
servidora pública da Advocacia Geral da União em consulta a um
advogado constitucionalista Poliana descobriu que poderia requerer
aposentadoria especial com base no artigo 40 Parágrafo 4º inciso 1º
da Constituição de 1988 vamos nós após tentativa administrativa o
seu pedido foi negado pelo poder público sob alegação da falta de lei
complementar regulamentando a referida aposentadoria especial em
face dessa situação hipotética na qualidade de advogado contratado
por Poliana redija A petição inicial da ação cabível para defesa dos
interesses de sua cliente atentando necessariamente para alguns
critérios aqui a competência do órgão julgador a legitimidade ativa e
passiva os argumentos de mérito os requisitos formais da peça
judicial proposta bem pessoal é a Poliana ela tem o direito
fundamental à aposentadoria especial previsto na Constituição pelo
artigo 40 Parágrafo 4º inciso 1º esse direito não pode ser usufruído
em razão da falta de regulamentação Então vamos caprichar nos
cinco passos e na elaboração da peça processual em defesa dos
interesses da Poliana tá bom e agora nós vamos começar analisar o
nosso último remédio condicional não é a última peça não temos mais
de 20 tá certo mas é o último dos remédios constitucionais que é o
mandado de segurança e que até hoje foi a petição inicial mais
cobrada na segunda fase de constitucional primeiro porque eu
sempre ensino mandado de segurança como a última peça dos
Remédios com jornais Por uma questão muito simples o ms é um
remédio residual só será possível utilizar o mandado de segurança
se não couber nenhum outro
O mais específico e não é só isso para que seja cabível o ms é
preciso que os requisitos para a propositura da ação também sejam
verificados muito bem turma até agora nós vimos a ação de habeas
data que tem três propósitos muito específicos conhecer retificar ou
complementar dados pessoais da própria pessoa titular dos dados
analisamos a ação popular Que ação que vai defender o bem comum
os direitos difusos Associados a moralidade administrativa patrimônio
público histórico e cultural Vimos a ação de habeas corpus que é o
remédio que vai defender a liberdade de ir e vir que esteja ameaçado
que já tenha sofrido lesão acabamos de estudar o mandado de
injunção que também é uma ação 8 especifica o m vai defender
direito fundamental previsto na Constituição dependente de
regulamentação então se for cabível o HC o HDMI ação popular não
cabe mandado de segurança Esse é um remédio residual eu quero
que vocês escrevam isso no caderno da prova da aprovação se
couber algum remédio constitucional mais específico não cabe
mandado de segurança Tá certo Por que essa é uma ação residual
a Flávia e quais são as possibilidades de utilização do MS são
inúmeras Nós Vamos citar muitas em sala de aula mas eu quero que
vocês partam dessa visão que se couber um remédio mais específico
não cabe o ms Venham comigo olha só artigo quinto inciso 69 da
Constituição conceder-se-á mandado de segurança para proteger
direito líquido e certo não amparado por habeas corpus ou habeas
data quando o responsável pela ilegalidade ou abuso de poder for
autoridade pública ou agente de pessoa jurídica no exercício de
atribuições do poder público o artigo quinto inciso 70 cuida da
modalidade coletiva da ação o ms coletivo pode ser impetrado por
vamos lá partido político com representação no Congresso Nacional
organização sindical entidade de classe ou Associação legalmente
constituída e em funcionamento há pelo menos um ano em defesa
dos interesses de seus membros ou Associados turma o ms
individual o ms individual nasceu em 1934 foi excluído da carta de 37
e voltou a fazer parte da história condicional brasileira com a
Constituição de 1946 alguns autores Dizem que o ms buscou
inspiração no recurso de Amparo mexicano da Constituição de 1917
ação coletiva Entretanto é mais recente Olha só o ms coletivo ele
surgiu e 1988 então MSC surgiu em 1988 Qual é a natureza jurídica
do mandado de segurança seja ele o ms individual seja ele o ms
coletivo vamos nós prestem bastante atenção mandado de
segurança e ação constitucional e no plano infraconstitucional é uma
ação civil de procedimento especial com atenção o ms é uma ação
constitucional E por que está prevista na Constituição e no plano
infraconstitucional são Civil de procedimento especial nós extraímos
o procedimento especial do mandado de segurança do artigo 20 do
artigo 20 da lei 12.016 Vejam Só o artigo ele diz o seguinte os
processos de mandado de segurança e os respectivos recursos terão
prioridade sobre todos os atos judiciais salvo habeas corpus então
turma muita atenção aqui o mandado de segurança ele tem
preferência de julgamento é uma ação que só não disputa com
habeas corpus que é o remédio mais célere mas o rito o
procedimento do MS É também um procedimento rápido e as ações
de procedimento especial elas não comportam a dilação probatória é
preciso comprovar tudo que se tem para não é ingressar com ação
na comprovar todo o alegado no momento de propositura da ação e
aí turma Qual é aquela prova que já está pronta para ser utilizado
Qual é a prova do qual é a prova pré-constituída por Excelência isso
mesmo é a prova documental então no mandado de segurança é
indispensável que a gente tem a documentação Para comprovar o
que você está dizendo seja a cópia do Diário Oficial de um processo
administrativo de uma notificação recebida de um telegrama oficial
Ou seja é preciso comprovar não é é preciso comprovar a prova
quando da propositura comprovar o alegado não é retificando aqui
comprovar o alegado quando da propositura da ação se a banca
indicar que não há provas suficientes que há necessidade de dilação
probatória que é preciso perícia que precisa oitiva de Testemunhas
estamos fora do mandado de seguran nossa porque essa é uma peça
de prova pré-constituída não se permite no mandado de segurança
a dilação probatória lembrei disso essa é uma peça de prova pré-
constituída não se admite a dilação probatória muito bem turma o ms
ele vai combater atos comissivos ou omissivos do poder público ou
de Agentes Delegados que violem o ameaça de violar os direitos
fundamentais dos mais variados direitos vem aqui comigo Olha só
um conceito simples não é de mandado de segurança aqui na parte
da da finalidade e João B O M S ele Visa combater o mandado de
segurança Visa combater atos comissivos ou omissivos do poder
público que ameacem ou violem dereitos fundamentais que violem
direitos fundamentais ameaça também pode ser combatida via MS
porque ação com porta também uma modalidade preventiva tão Visa
combater atos comissivos ou omissivos do poder público que
ameacem ou violem direitos fundamentais atenção aqui alguns
exemplos Tá certo depois a gente organiza melhor mas só para dar
um pouco mais não é de realidade é o nosso MS Imaginem o
candidato a uma vaga de concurso público tira segundo lugar no
concurso e a banca dá essa informação administração publica no
Diário Oficial Mas dia seguinte pública convocação do terceiro
colocado no lugar do segundo uma patente violação ao princípio do
concurso público consagrado pelo artigo 37 incisos 1 e 2 da
Constituição pessoa que foi preterida não é aquele que ficou em
segundo lugar que foi preterido pelo terceiro provavelmente vai
impetrar um mandado de segurança para garantir a ordem de
classificação é da posse no concurso bem ou então o indivíduo quer
fazer concurso público tem um edital proibindo que quem tenha
qualquer tatuagem possa realizar a inscrição aquele interessado que
tem algumas tatuagens pode fazer o quê impetrar um mandado de
segurança para garantir que ele possa se inscrever no concurso ou
então turma o ms é o remédio para permitir o acesso a medicamentos
a cirurgia Há vagas nas escolas públicas é o remédio que vai
defender o direito de reunião o direito de obtenção de certidões o
direito de associação são inúmeras as hipóteses de cabimento do
MS agora desde que os requisitos necessários à propositura da ação
sejam respeitados a gente vai trabalhar não é minuciosamente com
os requisitos para propositura do MS Porque não basta excluirmos
né as demais ações específicas não necessariamente não sendo
caso de habeas corpus habeas data ação popular e mandado de
injunção será efetivamente hipótese de MS E por que eu digo isso
porque o mandado de segurança tem o que seus requisitos
específicos para propositura então ponto de partida realmente é
verificar se não é hipótese de nenhuma das ações mais específicas
não sendo a gente liga o alerta porque é possível ser cabível MS
desde que os requisitos para a propositura da ação sejam
respeitados turma Nós temos duas modalidades de mandado de
segurança vem aqui comigo nós temos o ms individual e no MS
individual quem é que vai ingressar com ação o impetrante é o titular
de direito líquido e certo com por exemplo a pessoa natural os órgãos
públicos como vamos colocar aqui secretarias Ministérios então
secretarias Ministérios eles não tem personalidade jurídica própria
não é tão aqui Ministérios Ministério da Justiça Ministério da Saúde
etc as secretarias inúmeras a podem impetrar o mandado de
segurança individual ainda que não tenham personalidade jurídica
própria as universalidade de bens que não interessam tanto para
nossa segunda fase não é o espólio a massa falida o condomínio não
é a que são institutos mais civilista sou a massa falida Empresarial
não é mas também podem ser autores do mandado de segurança
temos ainda as pessoas jurídicas nacionais ou estrangeiras
domiciliados no Brasil ou no exterior então o ms individual esperar
não é como autor qualquer pessoa natural ou jurídica nacional ou
estrangeira órgãos públicos que são entes sem personalidade
própria universalidade de bens tais como espólio a massa falida o
condomínio Não há necessidade se cair na prova descrevermos
mandado de segurança individual não precisa colocar palavra
individual no nome iuris da peça mas se caiu mandado de segurança
coletivo que inclusive foi a peça cobrada no 24º Exame de Ordem Eu
recomendo que vocês coloquem mandado de segurança coletivo a
Flávia se eu deixar de colocar o zero não porque o nome da peça é
mandado de segurança coletivo e a modalidade de qualquer sorte
sugiro que coloque tá bom vem aqui comigo olha só MS coletivo Ele
está ele está previsto no artigo 5º inciso 70 da Constituição e também
no artigo 21 da lei 12.016 o artigo quinto inciso 70 Dias RMS coletivo
pode ser impetrado por partido político com representação no
Congresso Nacional ainda que o partido esteja representado em
apenas uma das casas legislativas Portanto o partido ele pode ser
autor do mandado de segurança coletivo desde que tenha
representação né em uma das casas do congresso nacional Não há
necessidade de ter em ambas têm mais organizações sindicais né
entidades de classe e associações legalmente constituída e em
funcionamento há pelo menos um ano em defesa dos interesses de
seus membros ou Associados atenção porque à Semelhança do que
eu expliquei na aula de mandado de injunção coletivo esse requisito
de um ano e funcionamento ele vale apenas para as associações
então mais uma vez partido político sindicato e entidade de classe
não tem necessidade de comprovar que está em funcionamento há
pelo menos um ano agora as associações precisam dessa
comprovação por exigências do próprio artigo quinto inciso 70 da
Constituição e o artigo 21 da Lei 12.016 Olha só o requisito de um
ano em funcionamento hoje só é exigido para as associações com
intuito de evitar que sejam criadas apenas para impetração do
remédio ademais segundo jurisprudência consolidada como se trata
de substituição processo Não há necessidade de autorização
expressa de cada um dos Associados atenção aqui pessoal atenção
não há necessidade de autorização expressa por que isso
inviabilizaria tutela coletiva se partido e sindicatos entidades de
classe associações precisassem de autorização dos seus membros
seria muito difícil ingressar com essas ações então toma foi o mesmo
que explicamos na aula de mandado de injunção coletivo também
não há necessidade de autorização expressa dos membros ou
Associados tem mais algumas informações importantes Olha só o
artigo 21 da lei 12.016 que a lei do MS né o ms tem base
constitucional e infraconstitucional diz o seguinte acrescentando aqui
que esses legitimados ativos eles podem ingressar com mandado de
segurança em juízo em defesa dos direitos líquidos e certos da
totalidade ou de parte dos seus membros ou Associados então em
defesa de direitos de todos os membros ou ainda de parte dos seus
membros ou Associados a que a lei também diz né Que É dispensada
a autorização especial não é autorização expressa dos membros
para fins de propositura da ação e aí turma atenção aqui eu disse a
vocês na aula de mandado de injunção coletivo que o partido político
ele poderia estar em juízo na defesa dos seus filiados ou na defesa
da sua finalidade partidária Olha que se repete artigo 21 da lei 12.016
o mandado de segurança coletivo pode ser impetrado por partido
político com representação no Congresso Nacional na defesa de
seus interesses legítimos relativos a seus integrantes não é a
finalidade partidária então mais uma vez a explicação que eu já dei
na aula de m coletivo quando partido político ele está em juízo na
defesa de seus interesses legítimos relativos a seus integrantes ele
precisa comprovar a pertinência temática Ou seja a relação de
Harmonia entre o objeto da ação e o interesse dos membros não é
daquele determinado partido então Atenção atenção quando o
partido político não é quando o partido político ele está em juízo na
defesa dos interesses legítimos relativos a seus integrantes ele vale
lutar peso dos interesses dos dos membros do partido a pertinência
temática é a relação que existe entre o ato que está sendo
impugnado e os interesses daquela categoria agora de acordo com
o artigo 17 da Constituição os partidos políticos são defensores dos
direitos fundamentais em geral Então os partidos não precisão estar
necessariamente em juízo apenas a para defender interesses dos
seus membros eles podem estar em defesa de coletividades distintas
vem aqui comigo Olha só quando a lei fala não é que os partidos
podem defender ainda a sua finalidade partidária finalidade partidária
extraído do artigo 17 da Constituição e a defesa dos direitos
fundamentais E aí turma a atenção nessa situação os partidos não
precisam comprovar a pertinência temática não há pertinência
temática eles podem defender interesses não é dos mais variados
grupos ou Flávia se caiu mandado de segurança coletivo novamente
é possível que é possível não é nós não temos bola de cristal e não
existe nenhuma regra no edital que diga que depois de dois
mandados de segurança seguidos não pode vir o terceiro Então não
é nada disso Pode vir sim o terceiro mandado segurança CVA
estaremos preparadíssimos para a sua elaboração então turma
atenção aqui caindo MS coletivo acho interessante que vocês Abrão
tópico né para tratar dessa legitimidade ativa Tá certo você põe MS
individual tem necessidade ou Flávia em vez de abrir um tópico sobre
a legitimidade ativa eu posso fazer menção a legitimidade ativa na
fundamentação da peça pode com certeza meus queridos no
próximo bloco nós vamos falar mais um pouquinho sobre a
modalidade não é coletiva do mandado de segurança e temos muito
mais pela frente não é para tratar dessa importantíssima são até hoje
o remédio preferido no exame de ordem não é de constitucional eu
aguardo vocês não saia daí não Muito bem minha gente quer ir de
cima voltando aqui ao MS de natureza coletiva eu disse a vocês até
o instante que o partido político ele precisa ter representação em pelo
menos uma das casas do congresso nacional para que possa ser
autor do mandado de segurança coletivo basta ter um deputado
federal ou Senador Não há necessidade de representação das duas
casas Além disso o partido político pode estar em juízo para defender
interesses dos seus filiados ou para defender interesses de
coletividades distintas né direitos coletivos de vários grupos quando
o partido está em juízo para defender interesses dos seus filiados é
preciso comprovar a pertinência temática indicar que o objeto da
ação está indicando não é o ameaçando de prejudicar os direitos
daquelas pessoas não é filiado ao partido quando o partido estiver
em nome de cola atividades distintas essa pertinência temática não
precisa ser comprovado sindicatos e entidades de classe e
associações só podem estar em juízo na defesa dos interesses dos
seus membros Tá certo a pertinência temática ela é obrigatória
qualificamos é todos esses legitimados na aula de mandado de
injunção coletivo Mas vamos lá reverence isso Ficou bem claro Qual
é a qualificação do partido político vamos lá partido político pessoa
jurídica de direito privado com CNPJ inscrição no TSE exigência lá
do artigo 17 7 da Constituição e a sede funcional sindicatos entidades
de classe e associações são pessoas jurídicas de direito privado tem
o CNPJ e a sede funcional atenção ainda Quanto é o destaque
relacionado a associação ela precisa comprovar que está pelo menos
um ano em funcionamento e esse requisito de está a um ano em
funcionamento e ele só é exigido da associação partidos políticos
entidades de classe Sindicato não preciso preciso comprovar que
estão há pelo menos um ano em funcionamento em MS coletivo vai
defender Que tipo de direito gente olha só o parágrafo único do artigo
21 ele disse isso os direitos protegidos pelo dado de segurança
coletivo podem ser um coletivos assim entendidos para efeitos desta
lei os transindividuais de natureza indivisível de que seja titular grupo
ou categoria de pessoas ligadas entre si ou com a parte contrária por
uma relação jurídica básica estamos falando aqui de interesses de
uma categoria específica de uma categoria Econômica de uma
categoria Profissional ou seja grupos de músicos de administradores
de servidores públicos de arquitetos economistas grupos de
coletividades determinadas o inciso 2 diz que o ms coletivo também
pode defender os interesses individuais homogêneos decorrentes de
origem comum e da atividade ou situações busca da totalidade ou de
parte dos Associados ou membros do impetrante um exemplo típico
de direitos individuais homogêneos são os direitos do consumidor
direitos coletivos e direitos individuais homogêneos tem uma
característica comum São Direitos que envolvem coletividades
determinadas ou passíveis de determinação na lei 12.016 não há
previsão de que o ms coletivo defendem juízo direitos difusos direitos
difusos até o momento só podem ser protegidos pela ação popular
que vai ver que ação civil pública também tutela dos direitos difusos
mas até o momento Nós estudamos a ação popular como apta a
defesa dos direitos difusos direitos difusos são aqueles que não tem
coletividade de passiva de determinação São Direitos que pertencem
a pessoas indistintamente consideradas pessoas não é que são
titulares em sentido amplo do meio ambiente do patrimônio público
histórico e cultural da moralidade administrativa então atenção o ms
coletivo vai defender direitos coletivos ou direitos individuais
homogêneos direitos relacionados a grupos determinados ou
passíveis de determinação MS coletivo não protege os direitos
difusos direitos de coletividade indeterminada inclusive vem aqui
comigo é viciado 101 do STF diz que o mandado de segurança não
substitui ação popular NS não substitui ação popular justamente é
porque nós temos interesses distintos ação popular só pode ser
proposta não é pelo cidadão como vimos e ela Visa a Tutelar os
direitos difusos o mandado de segurança coletivo tem por legitimados
aqueles do artigo 21 da Lei 12.016 e a proteção do MS coletivo é
para a coletividade determinada sou passíveis de determinação
segundo a lei 12.016 não é não a MS coletivo para a defesa de
direitos difusos muito bem alguns enunciados do supremo reforçam
o que está na lei olha só a súmula 629 diz que é impetração de
mandado de segurança coletivo por entidade de classe em favor dos
associados independe da autorização destes sim pessoal porque
eles funcionam como substitutos processuais e já estão autorizados
pela constituição e pela lei 12.016 para a propositura da ação então
não há necessidade de autorização expressa dos membros ou
Associados porque isso fragiliza Aria a tutela coletiva vem aqui
comigo a súmula 630 do supremo diz a entidade de classe têm
legitimação para o mandado de segurança ainda quando a pretensão
veiculada interesse apenas a uma parte da respectiva categoria na
ação coletiva as organizações coletivas podem ingressar com ms
coletivo quando ele der ele o ato impugnado violar interesses de todo
o grupo ou apenas de parte daquela determinada categoria B na
prova caiu mandado de segurança ainda que seja Pela terceira vez
seguida não tem problema saberemos fazer aliás Estamos
estudando para isso se caiu MS coletivo a gente escreve no nome
Ulisses de plano mandado de segurança coletivo se for cobrado MS
individual não precisa colocar a expressão individual agora eu trouxe
aqui para vocês as duas espécies de mandado de segurança o ms
preventivo e repressivo não há necessidade pessoal de colocar no
nome iuris da peça seu MS preventivo Sião MS repressivo Tá mas
vem aqui comigo para estabelecermos as diferenças no MS
preventivo a série A ameaça de lesão a direito líquido e certo não é
no MS preventivo a lesão ainda não ocorreu Mas é uma ameaça de
lesão por exemplo vamos pegar aqui a súmula 266 do STJ para criar
uma situação em que seria cabível MS preventivo a súmula diz assim
o diploma ou habilitação legal para o exercício do cargo deve ser
exigido na posse e não na inscrição para o concurso público vamos
nós imaginamos que fulano de tal quer fazer um determinado
concurso e o edital que é um ato do poder público o edital ele
estabelece a exigência de comprovação no ato de inscrição no
concurso de conclusão de um curso de terceiro grau conclusão da
faculdade fulano de tal está no último período da faculdade ele sabe
pelo prazo do concurso que se ele passar no concurso não é no ato
da Posse ele terá o diploma em mãos mas ele não tem o diploma
ainda Para comprovar Na inscrição do concurso Já temos um edital
o edital ameaça o direito dele não é de se inscrever no concurso
Direito constitucionalmente previsto lá no Artigo 37 da Constituição E
aí fulano de tal pode fazer o quê impetrar um mandado de segurança
preventivo para afastar não é esse é de tal e garantir a inscrição no
concurso Então vamos lá situação número um fulano de tal que é se
inscrever no concurso mas a exigência obrigando a esentação do
diploma de conclusão do curso da faculdade dele no ato da inscrição
Enem Mec ao tentar se inscrever tem até negado o pedido por força
dessa regra do edital ele pode fazer o que é impetrar um mandado
de segurança preventivo para afastar essa regra do edital e garantir
a sua inscrição Porque que o ms nesse caso ele é preventivo porque
não há lesão ao direito dele ele não teve denegada inscrição ainda
mas ao que é uma ameaça de lesão porque já existe um ato do poder
público ameaçando o direito dele de se inscrever no concurso muito
bem temos ainda o MS repressivo olha só no MS repressivo a lesão
já ocorreu Olha só no MS repressivo a lesão já ocorreu e aqui a gente
tem prazo para sodea dencial de 120 dias contados da ciência pelo
interessado do ato que se deseja impugnar Veja só o prazo para
impetração de MS repressivo é bem execução 120 dias boa parte da
doutrina sustenta que esse prazo decadencial é um prazo sui generis
Como assim fim do prazo não quer dizer que não seja possível mais
defender aquele direito é possível se fazer essa defesa por exemplo
para uma ação de procedimento comum o que não é mais permitida
é impetração do mandado de segurança tem muita atenção turma o
ms tem um prazo bem curto para a sua apresentação na modalidade
repressiva é um prazo de 120 dias contados da ciência pelo
interessado do ato que se deseja impugnar atenção pessoal muita
atenção aqui ato que se deseja impugnar a contagem do prazo se dá
a partir do conhecimento desse ato a partir da publicação no diário
oficial a partir do recebimento de um telegrama a partir do
recebimento de uma notificação em um processo administrativo por
exemplo ou seja o prazo de 120 dias atenção que não é de 4 meses
são 120 dias esse prazo ele é contado da ciência pelo interessado
do ato que ele vai que ele vai impugnar em juízo usando esse mesmo
enunciado do STJ que usei para construir um exemplo de MS
preventivo em aqui comigo olha só a súmula 266 do STJ que diz que
o diploma ou habilitação legal para o exercício do cargo deve ser
exigido na posse e não na inscrição para o concurso atenção pessoal
essa súmula 266 pode ser usada também para um exemplo de uma
MS repressivo vamos imaginar o seguinte existe essa regra do edital
exigindo exigindo a inscrição inscrição apresentação do diploma
falando de tal tenta se inscrever mesmo sem o diploma consegue se
inscrever passa pela primeira fase do certame tá na prova específica
no meio das provas específicas ele é excluído do concurso por falta
de apresentação do diploma fulano de tal agora teve violado o direito
fundamental de participar do concurso então aqui já estamos diante
da modalidade repressiva ele pode fazer o quê impetrar um mandado
de segurança na sua modalidade repressiva para né ser reintegrado
ou processo do concurso não é ter afastado essa ilegalidade e ser
reintegrado ao concurso então atenção o ms pode ser preventivo
quando a ameaça de lesão ao direito ou o ms também pode ser
repressivo quando a lesão já ocorreu bem agora eu quero assim toda
a atenção de vocês é não sei se vocês estão assistindo essa aula na
parte da manhã na hora do almoço a tarde à noite ou se estão
fazendo parte aí do corujão da madrugada não me interessa o
momento é a hora do dia e que vocês estão assistindo exatamente
essa aula esse ponto da aula mas eu quero vou pedir algumas vezes
a tensão máxima porque porque o que nós vamos explicar agora a
respeito das condições específicas para cabimento do MS é o que
fará diferença na prova seja para optar pelo mandado de segurança
como peça ou até mesmo para excluir o mandado de segurança
como peça então eu quero Atenção redobrada se você está com
sono agora hora Olha só dei uma pausa e vá tomar um cafezinho se
você precisa dormir um pouquinho Vá dormir um pouquinho se você
precisa dar uma volta no quarteirão para buscar energia não sei o
que você vai fazer se for de madrugada não vai não não sei o que
você vai fazer mas só Assista esse momento da aula com atenção
assim máxima por que porque aqui mora o ponto principal do
mandado de segurança e como é a peça mais cobradas no exame
de ordem de condicional até o momento peça inclusive dos dois
últimos não é certames eu quero que você se entregue Está certa a
frase eu tô sempre presente eu sei mas eu também sei que às vezes
a gente tá mais presente né do que outras vezes na verdade Ainda
mais quando tá escutando alguma coisa que já ouviu antes alguma
coisa que acha simples pois bem simples ou não eu quero toda
atenção agora ora ao que eu vou explicar posso contar com você e
fazer Beleza tô vendo aqui todo mundo prestando atenção minha
gente Observe existem três condições específicas para a gente
deduzir que estamos diante de um mandado de segurança seja ela
individual ou coletivo na prova então a três requisitos indispensáveis
para a propositura do MS E aí em consequência se um ou mais
requisitos não estiverem presentes não cabe o mandado de
segurança não é Vem aqui comigo Olha só condições específicas
para a impetração dessa grande ação constitucional B é preciso que
a gente esteja diante de um direito thule líquido e certo comprovado
por prova pré-constituída bem aqui a gente já vai analisar depois é
preciso que haja um ato coator seja ele comissivo ou comissivo e
para que ficou feio só que comissivo ou omissivo não é a ser
combatido E além disso Além disso comissivo ou omissivo ação ou
omissão Além disso é preciso no caso do mandado de segurança
repressivo que a gente ainda esteja no prazo para a impetração da
ação que é um prazo de 120 dias vamos nós analisando cada uma
dessas condições bem atenção aqui turma a expressão direito líquido
e certo na realidade está ligada aos fatos Nos quais se ampara a
pretensão e não ao direito invocado propriamente dito quer dizer que
o pedido deve estar parado em fatos demonstrados de plano através
de prova pré-constituída que é a prova documental alguns autores
sustentam que na verdade direito líquido e certo Tá previsto no
ordenamento jurídico você não precisa comprovar que a saúde é um
direito líquido e certo ela está lá nos artigos 6º e 196 você não precisa
comprovar que a educação é um direito líquido e certo ela está lá no
artigo 205 da Constituição você não precisa comprovar que o devido
processo legal ampla defesa e contraditório São Direitos líquidos e
certos eles estão espalhados no artigo quinto inciso 54 e 55 da Lei
maior o que nós precisamos comprovar para fins de impetração do
mandado de segurança é que os fatos os fatos eles tem provas
suficientes para serem comprovados Ou seja é preciso que os fatos
sejam líquidos e certos Para comprovar que saúde é um direito
fundamental você precisa comprovar que não é está doente que
tentou acesso ao medicamento no posto de saúde que não consegui
Ou seja você tentou adquirir aquele medicamento não conseguiu
você vai ingressar com ação judicial ou então você vai comprovar
Poxa aqui não tem vaga na escola pública e seu filho precisa estudar
e daí por diante é preciso no mandado de segurança comprovar os
fatos são líquidos e certos para merecer a proteção do referido direito
e de que modo nós comprovamos que os fatos são líquidos e certos
por meio de documentos a prova documental é uma prova
indispensável para fins do mandado de segurança olha só é requisito
específico de cabimento a apresentação não é da da prova
documental porque o rito do mandado de segurança o rito do
mandado de segurança não comporta dilação probatória não existe
turma fase de provas no MS controvérsias Olha aí sobre fatos em
mandado de segurança implicam na extinção do feito sem
julgamento de mérito então controvérsias sobre fatos implicam na
extinção do MS sem julgamento de mérito prestem bastante atenção
aqui o artigo 6º da lei 12.016 diz justamente o seguinte a petição
inicial que deverá preencher os requisitos estabelecidos pela lei
processual ser apresentado em duas vias Olha aí com os
documentos que instruíram a primeira reproduzidos na segunda
então turma muita atenção Aqui não cabe mandado de segurança se
não há prova pré-constituída Para comprovar que os fatos são
líquidos e certos e que merecem a proteção aquele direito é o laudo
indicando que a pessoa está doente que ela precisa daquele
medicamento um requerimento delegado em uma escola pública que
informa que não há vagas não é para novos estudantes é preciso é
preciso comprovar via documento que há fatos líquidos e certos e
que merecem a proteção aquele determinado direito então se a
banca disser que não há não há prova pré-constituída Para
comprovar o alegado você é bom que informar que aquele
documento está em posse de Na verdade ele precisa ser
apresentado daqui a 2 anos daqui a seis meses que o documento
não está pronto ou então que é preciso escutar testemunhas ouvir
Testemunhos ao realizar a prova pericial quando a banca indicar que
a prova documental existente não é suficiente para comprovar o
alegado a banca está excluindo o mandado de segurança por que
essa é uma peça de prova pré-constituída e a prova pré-constituída
é a prova documental por Excelência fez sentido minha gente estou
isso é fundamental uma observação do artigo 6º que interessante
mencionarmos também olha só parágrafo 1º do artigo 6º no caso em
que o documento necessário a prova do alegado se acha em
repartição o estabelecimento público ou em poder de al unidade que
se recusa a fornecer certidão de terceiro o juiz ordenará
preliminarmente por ofício São desse documento original ou cópia
autenticada prestem bastante atenção nada no exame de ordem é
adivinhação se a banca informar que não há provas Para comprovar
o alegado você não vai pensar nesse parágrafo 1º do artigo 6º a vai
que essa prova está nas mãos não da autoridade não não não não a
gente só vai usar o parágrafo 1º do artigo 6º se a banca realmente
disse que aquele documento importante Para comprovar o alegado
Ele está ele está em posse da autoridade se a banca não disser isso
a gente não vai adivinhar Tá certo então vamos nós existe a
possibilidade de impetração do mandado de segurança ainda sem o
documento sim nessa situação vejam bem do artigo sexto par ágrafo
1º da Lei 12.016 no caso em que o documento necessário para
comprovar o alegado se acha em repartição ou estabelecimento
público ou em poder de autoridade que se recusa a fornecer Então
vamos lá se a banca mencionar expressamente que aquele
documento necessário a comprovação do alegado está nas mãos
não é da autoridade de um órgão a gente pode impetrar um MS ao
final na parte dos pedidos a gente pede o juiz que determine não é
apresentação dos documentos Mas se a banca Não fez menção
nenhuma a esse parágrafo 1º do artigo sexto e não há documentos
pelo contrário é diz que não há documentos necessários para
comprovar o alegado que a necessidade perícia de oitiva de
Testemunhas enfim aí pessoal não cabe o mandado de segurança tá
bom recapturado o ms é uma peça de prova pré-constituída e a prova
pré-constituída por Excelência a prova documental então se a banca
informar que a documentos para comprovar o alegado e os
documentos mais variados né cópias de processo administrativo de
notificações de publicações no Diário Oficial telegram é enfim se a
documento Para comprovar o alegado se os demais requisitos foram
satisfeitos MS se a banca indicar que não há documentos para
comprovar o alegado não estamos diante do MS a não ser que ela
menciona expressamente essa situação do parágrafo 1º do artigo 6º
o que a gente não pode na prova da OAB é adivinhar Essa não é
uma prova de adivinhação não é uma prova de subjetivismo essa é
uma prova de regras Claras e informações Claras e expostas na
narrativa da peça tá certo Outro ponto importante sobre esse primeiro
requisito Olha só vem aqui comigo nós temos uma súmula do STF
que até já foi cobrada na segunda fase em uma questão discursiva
que diz o seguinte controvérsia sobre matéria de direito não impede
a concessão do ms de fato não impede o que impede a concessão
do INSS é a controvérsia sobre fatos O que impede a concessão do
MS é a controvérsia sobre fatos não sobre o direito Flávia não entendi
bem essa controvérsia sobre o direito é possível turma que a gente
encontre o mandado de segurança em face de um ato do poder
público uma portaria um auto de infração uma notificação a decisão
da administração no edital E que esse ato administrativo ele se
embasou em uma lei que é inconstitucional a gente pode discutir no
bojo da fundamentação jurídica a incondicionalidade da referida lei
impetramos o ms em face do ato do poder público e discutimos a
qualidade da Lei no bojo da petição isso pode ser perfeitamente feito
tanto que controvérsia sobre matéria de direito não impede a
concessão do INSS O que impede a concessão do MS a controvérsia
sobre fatos porque os fatos devem ser comprovados de início com
os documentos necessários para fins de propositura do mandado de
segurança e atenção esses três requisitos falamos desse primeiro
agora mas esses três é que são indispensáveis para impetração do
MS seja ela individual seja ele coletivo meus queridos e minhas
queridas preciso dar atenção de vocês ainda no próximo bloco já
retorna Muito bem minha gente quer ir de cima voltando aqui aos
requisitos para propositura do mandado de segurança seja ele
individual coletiva o primeiro requisito é a necessidade de
comprovação do que se está alegando na petição inicial por meio de
prova documental então atenção os fatos precisão ser líquidos e
certos é preciso comprovar todo o alegado da melhor forma possível
a peça de mandado de segurança é uma Peça documental por
Excelência então é preciso comprovar o alegado por meio da
documentação necessária se a banca e informar que não há
documentos para comprovar o alegado o que esses documentos não
são suficientes O que é necessidade de produzir prova documental
testemunhal a necessidade de depoimento de uma das partes não
estamos diante do MS Tá certo porque o mandado de segurança não
comporta dilação probatória é uma peça de prova pré-constituída e a
prova pré-constituída por Excelência é a prova documental é preciso
ter um ato de autoridade a ser combatido por meio do MS autoridade
não necessariamente da administração pública direta é possível que
tenhamos agentes Delegados no polo passivo concessionárias
permissionárias de serviços públicos e o ato coator ele pode ser uma
ação ou o missão Flávio é um exemplo de ato omissivo que poderia
ser questionado via mandado de segurança nós temos o direito de
petição não é artigo quinto inciso 34 da Constituição podemos nos
comunicar Não é com a as autoridades por meio de petições escritas
que não precisam de advogado não tem pagamento de taxa Então
por meio do exercício do direito de petição artigo quinto inciso 34
perguntamos a um secretário de estado Por exemplo quando será
encerrada a obra de despoluição de uma lagoa que fica naquela
cidade o secretário não respondo nós temos o direito de perguntar
mais o direito de resposta não está consagrado dessa forma tão
Clara E aí minha gente temos o direito de perguntar mas e aí se a
autoridade não nos responder o que faremos podemos impetrar um
mandado de segurança né temos o direito de petição e claro não é
que apesar de não estar expressamente o prazo para essa resposta
é preciso para o administrador não é de uma satisfação ao
administrado ele não respondeu cabe o mandado de segurança em
face desse ato omissivo uma omissão sobre o direito de informação
sobre um dado público vem aqui comigo Olha só letra B segundo
requisito ato coator o Ato coator é ato ou omissão de autoridade
pública ato praticado omitido por pessoa investida de parcela de
poder público levado de ilegalidade ou abuso de poder abuso de
poder gente é espécie né de ilegalidade o poder existe para ser
realizado de forma compatível não é com com a lei Então se
autoridade abuso de poder Esse ato ele é ilegal bem aqui o que que
eu coloquei com relação a esse ato coator prestem bastante atenção
o Ato coator é o ato de autoridade que pode ser do Presidente da
República do presidente de uma das casas do congresso
Governador Prefeito Ministro de estado secretário de estado
secretário de município né são as mais variadas autoridades vem
aqui comigo olha só a que eu coloquei os elementos do ato
administrativo devem ser todos respeitados sobre pena de
ilegalidade ou abuso de é um ato legal não é pode ser em razão do
vício de competência não é o do desvio de finalidade então aqui só
para reforçar que o abuso de poder é ilegal bem aqui eu coloquei a
súmula 266 do STF para lembrar todos os seguintes o mandado de
segurança ele não é impetrado em Face da lei o ms impetrado em
face do ato seja o ato comissivo ou omissivo do poder público mas
em face do ato e não da Lei nós podemos impetrar MS em face do
ato e discutir no bojo da petição a qualidade da Lei Então vamos Nós
entramos o ms em face do ato do poder público a uma decisão
administrativa uma portaria um auto de infração enfim entramos
contra o ato e discutimos no bojo da petição se assim for necessário
até a qualidade da Lei na qual o ato se embasou para ser produzido
então não cabe Mandado de Segurança contra lei em tese não cabe
impetrar o ms contra a lei em se nós podemos discutir a lei no bojo
do mandado de segurança mas não impetrar MS contra a lei dá certo
bem outro ponto importante aqui se o ato coator for praticado por
pessoa jurídica ou por pessoa física na pessoa natural no exercício
de atribuições do poder público é exatamente essa pessoa física ou
jurídica que ser autoridade coatora e não ente da Federação que
delegou os poderes Sim nós estamos diante de uma ilegalidade
prática cada por um presidente de uma autarquia Federal autoridade
ou presidente da autarquia Federal se Estamos diante de uma
ilegalidade praticada pelo presidente da Caixa Econômica Federal
Essa será a autoridade no polo passivo da ação se é uma
concessionária de serviço de luz gás energia energia já falei luz gás
se é uma concessionária de transporte público é o responsável por
aquela concessionária que vai estar no polo passivo da demanda e
não a união estado município diz o enunciado 510 do Supremo
Tribunal Federal Não é justamente nesse sentido praticado o ato por
autoridade no exercício de competência delegada contra essa
autoridade cabe o mandado de segurança ou a medida judicial então
atenção praticado o ato por autoridade no exercício de competência
delegada contra essa autoridade será cabível o ms ou a medida
judicial então é a gente sempre deve diretamente contra a autoridade
e aqui atenção autoridade É aquele a gente com poder de decisão
dentro da esfera administrativa autoridade é aquele com poder de
decisão o parágrafo 3º do artigo 6º da lei 12.016 diz considera-se
autoridade coatora aquela que tenha praticado o ato impugnado ou
da Qual é mano a ordem para a sua prática autoridade coatora é
aquele com poder de decisão dentro daquela esfera administrativa é
o governador e o secretário de estado ou Ministro de estado Prefeito
é o Presidente da República é o presidente da Câmara é o presidente
do senado o presidente do Tribunal de Contas autoridade aquele com
poder de decisão dentro daquela esfera administrativa bem aqui olha
só mais uma informação importante os atos das pessoas de direito
privado tipicamente administrativos né aqui tipicamente
administrativos tipicamente faltou os atos de pessoas de direito
privado tipicamente administrativas também podem ser questionadas
por mandado de segurança Vejam Só várias várias regras de direito
público se aplicam às pessoas jurídicas de direito privado que fazem
parte da administração artigo 37 vezes por exemplo contratar por
meio de concursos públicos comprar contratar por meio do
procedimento de licitação então turma esses atos não é esses atos
de poder público eles são questionados via mandado de segurança
Caso haja alguma violação à constituição olha só o que que eu
coloquei aqui exemplo ato de licitação praticado por uma sociedade
de economia mista ou empresa pública quando a Petrobras ou Caixa
Econômica fazem licitação por imposição com jornal os atos da
licitação na usados que tenham violado ordenamento jurídico podem
ser perfeitamente impugnados por meio do mandado de segurança
é o que prevê não é inclusive o que prevê Inclusive a súmula 333 do
STJ Olha só súmula 333 do STJ minha gente cabe Mandado de
Segurança contra ato praticado em licitação promovida por
sociedade de economia mista ou empresa pública bem atenção aqui
essa mesma súmula 333 do STJ ela pode ser aplicada Olha aí por
analogia aos concursos públicos sem concurso público também é
uma determinação e que deve ser cumprida pela administração
pública indireta inclusive pessoas jurídicas de direito privado que
pertencem a essa administrar são então em resumo cabe Mandado
de Segurança contra ato praticado em licitação promovida por
sociedade de economia mista ou empresa pública e cabe mandado
de segurança também contra ato praticado em concursos públicos
promovidos por sociedades de economia mista ou empresa pública
bem minha gente olha só outra informação importante aqui também
é comum mandado de segurança em face de dirigentes de
estabelecimento de ensino como reitores diretores desde que a
matéria questionada tenha relação Direta com atribuição delegada
não é sim prestem bastante atenção educação é um direito
fundamental um direito social nas escolas nas universidades
funcionam por autorização do poder público já que a educação é um
direito fundamental que é prestado pelo poder público e também não
é permitido que se preste pela iniciativa privada mas há regras que
devem ser cumpridas Então se um diretor um retorno é uma escola
ou de uma universidade particular violar o direito à educação cabe
mandado de segurança chicabanda de segurança Olha só se a
matéria questionada ela tiver relação Direta com atribuição que é
delegada não é como atividade de ensino cabe mandado de
segurança aqui eu coloquei para vocês alguns exemplos Olha é
negativa de certificado de conclusão de curso ou negativa de
matrícula não é então turma atenção atos relacionados diretamente
com o direito à educação eles podem ser né geradores de impetração
de mandado de segurança agora atenção né atos de gestão atos de
gestão das pessoas jurídicas de direito privado não são passíveis de
mandado de segurança atos de gestão são regidos pelo direito
privado e não pelo direito público atos de gestão não são
questionadas por meio de mandado de segurança tem até uma regra
no artigo 1º artigo 1º parágrafo 2º da Lei 12.016 Olha só já vai
Esclarecer aqui esses atos de gestão o artigo 1º parágrafo 2º diz não
cabe da Lei 12.016 não cabe Mandado de Segurança contra os atos
de gestão comercial aplicados pelos administradores de empresas
públicas e sociedades de economia mista e de concessionárias de
públicos atos de gestão são atos regidos pelo direito privado e não
pelo Direito Público então eu coloquei aqui olha só por exemplo
algum questionamento relacionado a fixação de calendário de
calendário letivo gente observa em imagina em que a faculdade
seguir direitinho o que o MEC já terminou com outra Agora é com
relação desculpa encontra não com relação à carga horária que deve
ser ministrada durante aquele semestre mas na distribuição da carga
horária um determinado diretor de uma faculdade e estabelecer uma
semana de atividades complementares para defender a leitura Então
a semana do livro cabe é um sujeito não gosta de ler impetrar um
mandado de segurança contra o ato do diretor que criou essa
semana do livro não esse é um ato de gestão comercial um rato
regido pelo direito privado a livre iniciativa permite que as escolas
também tem a liberdade de organizar o seu calendário escolar então
não cabe esse tipo de discussão e mandado segurança questões
referentes a mensalidade b não cabe MS para discutir o valor da
mensalidade por exemplo por que isso depende de uma dilação
probatória questões contratuais índice de aumento de mensalidade
nada disso é discutido vms porque porque depende de dilação
probatória e são atos também em sua maioria regidos pelo direito
privado o valor exato da mensalidade não é normalmente o lato
regido pelo direito tu privado pelo Direito Civil por normas contratuais
então turma cabe Mandado de Segurança contra o ato que violou
diretamente o direito à educação que impede o indivíduo de estudar
que está impedindo a sua matrícula um ato que está impedindo a
emissão do seu certificado de conclusão do curso do seu diploma
mas os atos do dia a dia da escola particular os atos de gestão
comercial de escolas particulares que a legislação permite não é que
sejam adotadas pelas escolas e isso não pode ser questionado vms
aqui é só a cópia do artigo 1º parágrafo 2º não é da lei 12.016 não
cabe Mandado de Segurança contra os atos de gestão comercial
praticados pelos administradores de empresas públicas de
sociedade de economia mista e de concessionárias as de serviços
públicos muito bem turma antes de falarmos da tempestividade
atenção primeiro requisito é o direito líquido e certo comprovado por
prova documental a prova documental é a prova essencial para a
propositura do MS eu preciso ter do outro lado uma autoridade
coatora uma autoridade que tenha praticado um ato ilegal o ato
abusivo na que não deixa de ser ilegal via de regra banco indica que
autoridade é essa o agente com poder de decisão dentro daquela
esfera administrativa Lembrando que o ato coator ele pode ser
comissivo ou omissivo não é verdade muito bem temos ainda a
tempestividade não é no mandado de segurança no mandado de
segurança repressivo não é nós temos o prazo de 120 dias para a
sua propositura prazo não faz muito sentido em caso não é de MS
preventivo nem no caso de ato omissivo Por que a gente não tem
como não é verificar esse prazo olha só o que que eu coloquei aqui
me acompanha tempestividade o direito de requerer mandado de
segurança extinguir-se-á decorridos 120 dias contados da ciência
pelo interessado do ato impugnado Eu já havia falado da
tempestividade como requisito essencial que a gente está destruindo
a tensão é esse prazo não é de 120 dias já Foi questionado perante
o Supremo Tribunal Federal por que porque a então ela não prevê
prazo de 120 dias para propositura do MS a lei não é a lei antiga e
atual é que estabelecem esse prazo e aí turma o Supremo pacificou
entendimento ao dizer não é na criação da súmula 632 que é
plenamente constitucional lei que fixa o prazo de decadência para a
impetração de mandado de segurança atenção com essa súmula
também se posicionou ao STF quanto a natureza do prazo que
entende ser decadencial e não prescricional não é processual prazo
decadencial cuidado que se trata de decadência sui generis que que
eu quero dizer com isso aqui já falei fim do prazo não quer dizer que
o direito acabou quer dizer que acabou o direito de impetrar o
mandado de segurança fim do prazo de 120 dias e a banca informar
que entre o conhecimento do ato e a propositura da ação já se
passaram 180 dias você não vai fazer o uso de mandado de
segurança provavelmente estaremos diante de uma ação de
procedimento comum se a banca informar que não aprova também
Para comprovar o alegado provavelmente estaremos diante de uma
ação de procedimento comum Tá certo então atenção o direito e se
ele não acaba não é depois não é de esgotado lotados os 120 dias
acaba o direito de impetrar mandado de segurança a luta não é se
dará por meio de outra ação Olha só o termo Inicial é a data na
consertando aqui é a data em que o prejudicado tomou ciência do
ato então lembrei disso o termo Inicial é a data em que o prejudicado
tomou ciência do ato seja por meio do recebimento recebimento de
uma decisão de cópia de um processo administrativo de uma
publicação no diário oficial de um telegrama Enfim no caso de
omissão não há que se falar em prazo decadencial porque a omissão
se perpetua no tempo é a vendo aí é lesão enquanto mantida a
omissão Então esse prazo não é de 120 dias para a propositura da
ação ele está associado atos comissivos e também não é ao
mandado de segurança repressivo bem turma atenção ainda com
relação ao mandado de segurança Vejam só vimos até agora é que
o ms é o remédio que vai combater né o ms o remédio que vai
combater as ilegalidades do poder público seja por meio de ameaça
ou de lesão E aí antes de analisarmos as hipóteses de cabimento e
os demais requisitos e os demais pontos da matéria atenção voltando
aqui recapitular para a propositura do MS eu preciso ter prova
documental Para comprovar o alegado é preciso ter uma autoridade
coatora uma agente do poder público ou um agente dela gado cuja
atuação não viola a ameaça de violar um direito no MS repressivo eu
preciso também é lembrar do prazo de 120 dias pessoal muita
atenção são inúmeras as hipóteses de cabimento do MS não é olha
só nós podemos mencionar aqui para que nós podemos mencionar
sobre essas hipóteses de cabimento algumas situações a saúde é
um direito fundamental previsto nos artigos 6º e 196 da Constituição
São vários mas aqui citando 6º e 196 bem se a banca e informar que
é preciso transferir uma uma uma pessoa de um hospital para outro
hospital porque que ele primeiro o hospital onde ela está internada
não há condições não é de realização da cirurgia necessária da da
da operação necessária do procedimento para que a pessoa possa
viver você é muito informar que fulano de tal tentou acessar o
medicamento não é no posto de saúde mas ele está em falta a
necessidade de realização de um raio X que a pessoa precisa de
fraldas geriátricas que a pessoa precisa de uma dentadura que a
pessoa precisa a realizar um exame Laboratorial não tem recursos
para tanto não é exemplos cabe o mandado de segurança desde que
haja prova documental é desde que a gente tem autoridade coatora
desde que estejamos no prazo na Seara da educação Olha só na
Seara da educação a educação é direito fundamental previsto no
artigo 205 vários outros dispositivos também se a banca informar que
o indivíduo quer se inscrever na escola pública não tem vaga que ele
foi não é excluído da escola pública que não a merenda escolar que
não há material não é para não é o estudo das Crianças cabe
eventualmente tio mandado de segurança vamos lá na Seara dos
concursos públicos não é o concurso público está lá no artigo 37
incisos 1 e 2 da Constituição não é na Seara do concurso público
pessoal também É cabível mandado de segurança para garantir o
direito à posse não é o direito à nomeação dentro do prazo do
concurso para garantir o direito a correta observação da classificação
no concurso para garantir o direito a se inscrever no concurso quando
houver uma regra é absurda no edital uma regra por exemplo que
permite que o indivíduo com tatuagem possa se inscrever no
concurso não é tão são inúmeras as hipóteses ou ainda quanto ao
procedimento licitatório Vejam Só uma empresa foi excluída
indevidamente do procedimento de licitação cabe mandado de
segurança para reintegrar ao procedimento não é quando Houve
alguma ilegalidade no procedimento licitatório empresa vai lutar não
é pelo seu direito por meio pode ser não é de um mandado de
segurança desde que os requisitos estejam satisfeitos dentro do
Artigo 5º a gente pode sentar aqui a proteção ao direito de reunião
não é por meio de mandado de segurança porque o direito de reunião
Visa defender o que a liberdade de manifestação de expressão
coletiva então quando esse direito for a forma com o lado for não é
violado cabe mandado de segurança cabe mandado de segurança
em defesa do direito de associação não é que é outro direito de
expressão coletiva extremamente importante inserido dentro do ar
artigo quinto cabe mandado de segurança para defender o devido
processo legal inciso 54 55 da Constituição ampla defesa
contraditório cabe mandado de segurança para defender a liberdade
profissional do artigo quinto inciso 13 da Constituição turma são
inúmeras as hipóteses de cabimento do MS nosso primeiro passo na
prova após a terceira leitura é excluir habeas corpus habeas data
mandado de injunção e ação popular para a gente começar a pensar
no mandado segurança juiz deve analisar as outras ações que são
bem específicas depois não é caso de habeas corpus habeas data
mandado injunção nem ação popular e aí e aí você vai verificar se os
requisitos para a propositura do MS estão todos né satisfeitos ali e
se a banca excluiu requisitos né aí Provavelmente nós não
estaremos diante do MS E aí talvez a peça a ser uma ação de
procedimento comum que a gente vai trabalhar em sala bem cabe
MS também no curso do processo legislativo não é já vimos isso é
um mandado de segurança Ele É cabível no curso do processo
legislativo inconstitucional então é possível que o parlamentar
alegando direito líquido e certo que somente participar do processo
legislativo compatível com a constituição faça uso não é dor é
mandado de segurança o ms ele será impetrado contra ato do
presidente da casa Legislativa Onde Está tramitando Aquele projeto
de lei ou aquela proposta de emenda então é outra hipótese de
cabimento do Nossa são inúmeras as situações meus queridos e
minhas queridas na próxima aula nós vamos falar do polo passivo do
MS da sua tutela de urgência e muito mais qual é o dever de casa
para o próximo encontro além do mandado de injunção redigiu M que
nós fizemos em sala produzir um outro mandado de injunção eu
quero que vocês Releia um caderno sobre mandado de segurança
Tá certo então Releia o caderno e na próxima aula a gente recomeça
a partir do polo passivo fica com Deus um grande abraço e até o
próximo encontro Salve salve minha gente a queridíssima que alegria
está aqui novamente com vocês copiaram a peça de mandado de
injunção que a gente fez em sala de aula redigiram a peça de mim
devido ao conferiram a peça completa na área do aluno e deu tempo
para revisar o que Já estudamos sobre o mandado de segurança
tudo certo não faltou alguma coisa não tem problema você ainda
pode fazer isso aqui em frente tá certo enquanto há vida há
esperança eu quero saber se o caderno está aí do lado direito para
tomar notas se a legislação está presente se os celulares estão fora
do nosso campo de visão e seu sorriso está enfeitando aí esse rosto
bonito atraindo as boas vibrações para a prova da aprovação Tudo
Certo Maravilha hoje nós vamos dar seguimento análise do mandado
de segurança essa peça tão especial para nossa segunda fase
Nossa Flávia mais cobrado já tanto cms inclusive as peças dos dois
últimos certame será que pode vir um novo mandado de segurança
Eu não tenho bola de cristal meu mestrado não é em advinhação
então a gente precisa é seguir em frente estar preparado para todos
os cenários por quê né se a gente se confrontar com o novo mandado
segurança mas tá joia Vamos saber elaborar se for outra Peça
também então vamos em frente estudando aí no caminho para a
prova da aprovação bem hipóteses de cabimento do mandado de
segurança nos falamos na aula passada sobre algumas das
hipóteses de cabimento do MS não é conversamos sobre o ms na
área da saúde o ms na área da Educação na Seara dos concursos
públicos do procedimento licitatório Em algumas situações
envolvendo artigo quinto da o mandado de segurança é o remédio
que vai defender inúmeros direitos O Rol de direitos que poderiam
sugerir mandado de segurança explicado na aula passada é um rol
meramente exemplificativo porque são inúmeras as hipóteses de MS
nosso caminho para identificar o mandado de segurança na prova
passa por algumas algumas etapas Não é a primeira delas vamos
verificar se realmente não é hipótese de habeas corpus habeas data
mandado de injunção ação popular Groupon e avaliar realmente se
não estamos diante de um remédio mais específico por que se
couber habeas corpus habeas data ação popular é mandado
injunção não cabe mandado de segurança segundo passo é não
cabe nenhum dos Remédios mais específicos nós podemos começar
a pensar no MS não definimos de plano que eu mandado segurança
por que Porque precisamos dos três requisitos necessários para
definirmos corretamente o ms Como peça da prova e aí falamos o
direito deve ser comprovado por meio de prova pré-constituída que é
por Excelência a prova documental aquela que já está pronta para
ser apresentada o o m s vai combater um ato coator né um ato de
autoridade de uma agente delegado do poder público um ato que
viole o direito seja em razão de uma ação ou de uma omissão depois
tem a questão da tempestividade para o mandado de segurança
repressivo nós temos o prazo de 120 dias para impetração da ação
bem também disse a vocês que nós temos um mandado de
segurança no curso do processo legislativo com M S pode ser
impetrado pelo parlamentar para garantir o direito líquido e certo de
sua mente participar de um processo legislativo compatível com a
constituição atenção porque SMS ele é privativo do deputado do
senador nós não podemos fazer o uso desse mandado de segurança
os partidos por e não podem essa é uma ação privativa no caso não
é do questionamento sobre o processo legislativo ela é privativa do
parlamentar Por que foi o parlamentar que foi eleito para participar
de um processo compatível com a constituição Contra quem o
mandado de segurança seja ele individual coletivo será impetrado
quem estará no polo passivo da ação vem comigo olha só a minha
companhia aqui o polo passivo do MS ele é extraído do artigo 6º da
lei 12016/2009 Vejam Só o artigo 6º caput da lei diz o seguinte a
petição inicial que deverá preencher os requisitos estabelecidos pela
lei processual ser apresentada em duas vias e vai indicar além da
autoridade coatora a pessoa jurídica que esta integra ou seja nós
vamos entrar o ms em Face da autoridade seja o Presidente da
República seja o governador e o prefeito Ministro de estado
secretário de estado secretário de município seja o presidente do
Tribunal de Contas seja o presidente da câmara do Senado nós
vamos impetrar ação em Face da autoridade e indicar a pessoa a
jurídica qual ela está diretamente relacionada veio aqui comigo
alguns exemplos com base nesse artigo 6º da Lei 12.016 se a ação
for apresentada contra o Presidente da República a gente vai indicar
o presidente que autoridade e a união se a ação for proposta contra
o governador o governador e o estado se por acaso é um presidente
da autarquia o presidente da autarquia estará no polo passivo e
autarquia também se é um presidente de empresa pública
indicaremos o presidente autoridade e também a empresa pública
então indicamos a autoridade coatora ou agente delegado no
Exercício da função pública e também a entidade estatal a qual esse
agente está diretamente relacionado muito bem turma então polo
passivo ele contém a autoridade e a pessoa jurídica a qual ela está
diretamente relacionada a tutela de urgência ela pode ser pleiteada
em sede de MS sim com certeza ela tem segundo boa parte da
doutrina natureza cautelar ou liminar vem aqui comigo olha só a tutela
de urgência no MS tem natureza cautelar ou liminar e é extraída do
artigo 7º inciso 3 da Lei 12.016 Olha só o artigo sétimo dia ao
despachar a inicial o juiz ordenará inciso que se suspenda o ato que
deu motivo ao pedido quando houver fundamento relevante e do ato
impugnado puder resultar em eficácia da medida outra coisa
importante aqui o parágrafo segundo do artigo 7º diz que não será
concedida medida liminar que tenha por objeto a compensação de
créditos tributários aquela matéria que não diz respeito muito a nossa
disciplina mas de qualquer forma tem essas vedações não é
compensação de crédito tributário entrega de mercadorias bens
provenientes do exterior é uma exceção aqui com relação à
concessão da medida de urgência a nós vamos pedir a tutela de
urgência no MS quando a banca mencionar expressamente a
necessidade de urgência de suspensão não é do ato por exemplo ou
quando da análise feita sobre o caso essa urgência não é Também
se mostrou muito clara Tá certo então a gente vai pedir a tutela de
urgência se a banca mencionar expressamente a concessão da
tutela de urgência para suspender não é aquela ilegalidade ou
quando da leitura do caso a nossa compreensão foi nesse sentido de
que há uma urgência não é para a suspensão do ato a suspensão
Não é daquela daquela ilegalidade Então vamos pedir se
expressamente a banca mencionar ou se da Leitura tivermos essa
compreensão Tá bom vamos lá a lei prevê algumas hipóteses de não
cabimento do mandado de segurança só que para uma questão
discursiva É bem interessante vem aqui comigo Olha só hipóteses de
não cabimento do MS na lei 12000 e 16 de 2009 esse artigo primeiro
parágrafo segundo nós já conversamos né Mas vamos lá diz a
legislação que é que olha só diz a legislação que não cabe Mandado
de Segurança contra os atos de gestão comercial praticados pelos
administradores de empresas públicas de sociedade de economia
mista e de concessionárias de serviço público eu já disse a vocês
que atos de gestão comercial São atos regidos pelo direito privado
não é São atos regidos pelo direito privado e aí é muita atenção Eu
mencionei na aula passada alguns atos de gestão comercial que não
poderiam ser impugnados vms no que tange a escolas particulares
lembro eu disse vocês olha não cabe mandado de segurança para
discutir o calendário escolar se o reitor de uma universidade decidiu
respeitando não é as normas do MEC decidiu estabelecer uma
semana para leitura não é em defesa do livro não cabe mandado de
segurança para esse tipo de questionamento alguém não concorda
com a semana do livro e vai ingressar com ação Não esse não é
possível esse ato de gestão comercial é regido pelo direito privado
me lembro de ter lido uma decisão do STJ também dizendo que não
seria acabe véu Mandado de Segurança contra o ato por exemplo da
Caixa Econômica Federal que determinou a inscrição do nome do
devedor em cadastro de inadimplentes isso é permitido não é pela
legislação do Consumidor legislação privada então não há Maxim
questionar havia mandado de segurança a inscrição da vida no
cadastro de inadimplente não é no caso do devedor então turma não
cabe MS para discutir atos regidos pelo direito privado atos da
iniciativa privada porque o ms ele vai combater atos não é do poder
público atos administrativos não é do poder público ou de Agentes
Delegados no Exercício da função pública agora atos tipicamente
privado ficam fora da tutela do mandado de segurança lei 12.016 Nós
extraímos também outras vedações vem aqui comigo diz o artigo
quinto da Lei 12.016 não se concederá mandado de segurança
quando se tratar de ato do qual caiba recurso administrativo com
efeito suspensivo independentemente de caução prestem bastante
atenção o recurso administrativo com efeito suspensivo ele vai fazer
o que ele vai suspender a lesão vou dar um exemplo Imagine que o
seu cliente está fazendo parte de um processo administrativo
disciplinar é réu no processo administrativo disciplinar E aí a
autoridade não é que comanda o processo estabelece a seu cliente
uma pena de suspensão das funções por 15 dias só que nesse
processo não se garantiu a ampla defesa e o contraditório E aí cliente
ele interponho recurso administrativo e esse recurso administrativo
ele tem efeito suspensivo que que significa isso que aquela
determinação da sanção de suspensão das funções por 15 ela não
vai produzir efeito ela está suspenso então turma a discussão ali se
dará no processo administrativo não cabe em ingressar com
mandado de segurança já que o recurso administrativo ele
suspendeu aquela lesão então o que que a parte pode fazer ou vai
continuar na Via administrativa ou vai abandonar na Via
administrativa engraçado com ação judicial agora não cabe Mandado
de Segurança contra ato do qual caiba recurso administrativo com
efeito suspensivo porque porque o efeito suspensivo desculpa Ele
suspende a lesão ele suspende aquela ilegalidade então eu não
tenho que arguir e mandado de segurança jacquey legalidade está
ainda que temporariamente suspensa bem Aqui nós temos um
enunciado do supremo que merece a nossa consideração também
olha só é a sumula um segundinho deixa eu chegar nela é a sumula
429 deixa eu anotar aqui que o anunciado que merece a nossa
consideração sobre esse ponto súmula 429 do STF Vejam só diz o
enunciado a existência de recurso administrativo com efeito
suspensivo não impede o uso do Mandado de Segurança contra
omissão da autoridade reflita nós estamos falando aqui de ato
omissivo a existência de recurso administrativo com efeito
suspensivo não não vai gerar nenhuma repercussão porque não há
ato a ser suspenso então mesmo existindo recurso administrativo
com efeito suspensivo em se tratando de ato omissivo do poder
público isso não impede a impetração do mandado de segurança
porque esse efeito suspensivo vai suspender o que já que não há
manifestação do poder público já que o que está combatendo aqui é
a omissão vou dar um exemplo o administrado entrar com uma
petição pedindo para ter acesso a uma determinada a um
determinado o planejamento de uma obra do metrô um exemplo E aí
pessoal autoridade não responde ainda que exista dentro daquela
esfera estatal um recurso administrativo com efeito suspensivo ele
vai suspender o que nós estamos falando de uma omissão do estado
na prestação de uma informação então turma a existência de recurso
administrativo com efeito suspensivo não impede o uso de MS contra
omissão da autoridade porque não vai se suspender algo que não foi
feito não é o recurso administrativo com efeito suspensivo e fácil de
uma omissão estatal não gera efeito algum vamos nós olha só depois
não se concederá mandado de segurança quando se tratar 2 de
decisão judicial da qual caiba recurso com efeito suspensivo prestem
bastante atenção aqui há muita discussão no âmbito processual
sobre o mandado de segurança em face de decisões judiciais e essas
discussões elas são muito aprofundada no Direito Processual que
não é cobrado com tanta força na segunda fase de Conchal não fora
que há muitas divergências então o entendimento é o seguinte você
na prova cai uma situação envolvendo não é a possibilidade Clara de
interposição de um recurso nós não vamos utilizar o mandado de
segurança no lugar do recurso Então vamos nós se a banca trouxe
uma narrativa que pode gerar a interposição de um recurso que a
gente ainda vai estudar tudo isso vai ser clareado né Vamos
esclarecido esclarecido em sala de aula mas lembrem disso clareado
não esclarecida está a Radial lembre disso se couber da situação
apresentada um recurso é nós vamos interpor recurso e não
mandado segurança para nossa prova se couber um recurso judicial
nós não vamos Inter é outra peça senão um recurso mesmo tá
mandado de segurança não é sucedâneo recursal na nossa prova da
OAB me acompanha também né também não se concederá MS não
se considerar MS de decisão judicial transitada em julgado sim existe
o mecanismo não é processual para combater a coisa julgada que é
ação rescisória então a gente não vai fazer o uso também do MS
para combater Para Contrariar a decisão judicial transitada em
julgado recapitulando aqui as informações não cabe MS quando o
recurso administrativo Suspendeu a ilegalidade eu não tenho
interesse em quantas e legalidade está suspensa na impetração do
MS mas não impede a não impede a impetração do mandado de
segurança a existência de recurso administrativo com efeito
suspensivo em caso de ato omissivo porque mas suspendeu o que
nós estamos questionando a falta do ato depois não cabe mandado
de segurança como sucedâneo recursal Tá certo na peça proposta
na narrativa se estivermos diante de uma situação Clara de um
recurso é o recurso que deve ser utilizado como eu disse nós vamos
estudar os recursos mas na frente depois decisão judicial transitada
em julgado não combatemos não como temos a coisa julgada por
meio do mandado de segurança existe um instrumento que não está
nem previsto expressamente no nosso edital que é ação rescisória
própria para combater a coisa julgada então MS também Não se
Empresta a essa finalidade bem turma já vimos quem pode ser autor
do Mandado de Segurança contra quem ação é utilizada não é contra
a autoridade coatora e a gente indica também a pessoa jurídica a
qual ela está relacionada já vimos algumas das hipóteses de
cabimento do MS vimos os requisitos indispensáveis para a
propositura da ação agora vamos dar uma olhadinha na competência
vem aqui comigo o órgão que será responsável pelo julgamento do
MS a competência do mandado de segurança será fixada de acordo
com autoridade coatora turma essa é uma peça de prerrogativa de
foro funcional com atenção o ms ele tem prerrogativa de foro
funcional então em razão em razão do cargo ocupado pela
autoridade o ms será julgado pelo Supremo pelo STJ pelo TRF pelo
TJ e a justiça de primeiro grau e sempre residual atenção no polo
passivo do mandado de segurança e indicamos a autoridade e a
pessoa jurídica a qual ela está diretamente relacionada perfeito mas
o que irá fixar competência para julgar mento do MS não é a pessoa
jurídica e a autoridade coatora aquela que praticou uma ação ou uma
omissão que acionada por meio do MS essa é uma ação de
prerrogativa de foro funcional então em razão do cargo ocupado pela
autoridade coatora o ms será julgado hora pelo Supremo pelo STJ
pelo TRF pelo TJ e aqui eu tenho uma informação muito importante
para vocês as mesmas regras de fixação de competência do habeas
data são seguidas no mandado de segurança lembram do artigo 20
da lei 9507/97 que traz todas as regras de fixação de competência
do HD autoridade coatora órgão é esse autoridad Y órgão é esse
bem nós vamos aplicar o artigo 20 também da lei 9.507 para uma
insegurança isso mesmo Vem aqui comigo Olha só diz o artigo 20 a
lei ficou até Escondidinho aqui diz o artigo 20 da Lei 9507 de 97 o
seguinte ao julgamento do habeas data compete originariamente
Olha aí onde a gente lei habeas data nós vamos ler agora na
explicação mandado de segurança porque as regras são as mesmas
tá a gente vai conferir na Constituição daqui a pouquinho então artigo
20 da 9507 compete originariamente ao STF julgar MS contra ato do
presidente da república das mesas da câmara do Senado do Tribunal
de Contas da União do procurador-geral da República e do próprio
Supremo compete ao STJ processar e julgar habeas data contra ato
de Ministro de Estado ou do próprio tribunal lembrando Ministro de
Estado da Saúde da defesa da Justiça da economia enfim depois
vamos nós compete ao Tribunal Regional Federal processar e julgar
o ms contra ato do próprio tribunal Olha aí ou de juiz federal compete
ao juiz federal julgar MS contra ato de autoridade Federal essa todos
os casos de competência dos tribunais federais Essa Aline é nos
remete ao 125 ao 125 parágrafo 1º e a norma de simetria lembram
da regra do GPS + mesa da Assembleia Legislativa do Estado nós
falamos sobre essa regra na aula de mandado de injunção e habeas
data e aqui também falarei sobre o mandado de segurança se no polo
passivo da demanda encontrarmos venho aqui comigo senão polo
passivo da demanda o passe encontrarmos o governador do Estado
o prefeito de Capital o secretário de estado ou a mesa da Assembleia
Legislativa o nosso MS será julgado pelo tribunal de justiça Então se
no polo passivo e encontrarmos governador do Estado prefeito de
Capital secretário de estado ou não é presidente da mesa da
Assembleia Legislativa nós teremos não é como órgão competente
para julgamento o Tribunal de Justiça o Flávia Mas se for um prefeito
do interior um secretário de município eu faço o quê justiça estadual
de primeiro grau e a gente pode levar para a vara cível porque o ms
no plano infraconstitucional não é de natureza civil Então pessoal
vamos lá mais uma vez que que eu disse aqui que as regras de
competência para julgamento do HD se aplicam na íntegra para o
julgamento do MS nós podemos usar como dica esse artigo 20 da
Lei 9507 até porque embaixo de cada uma dessas alíneas do artigo
20 nos encontramos a referência constitucional da competência e lá
estará aqui esse é o órgão competente para julgar o HD e o ms
também envolvendo as autoridades aqui indicadas então é uma dica
interessante que organiza melhor nosso tempo na hora de fixar a
competência do mandado de segurança seguimos é literalmente o
que dispõe o artigo 20 da Lei 9507 de 97 os órgãos estão aí STF STJ
TRF juiz federal TJ justiça estadual de primeiro grau na sua
competência residual meus queridos e minhas queridas ainda
falando sobre a competência para o julgamento do mandado de
segurança não sai daí não Salve salve minha gente eu quero e disse
o mar que alegria está aqui novamente com vocês quero saber se
copiaram os mandados de segurança da aula passada sim a e quero
saber também se fizeram a peça do 23º Exame de Ordem c
conferiram na área do aluno a pensão completa tudo certinho estão
felizes animados animadíssima porque eu estou sentindo que essa
prova é Nossa essa é a prova da aprovação mas nós temos muito
trabalho pela frente hoje nós vamos fechar o mandado de segurança
estabelecer as diferenças entre o ms ação de procedimento comum
e seguir em frente o caderno está aí do lado direito ou se você é
Canhoto caderno está do lado esquerdo Cadê a compilação
Legislativa está aí a Maravilha quero saber do sorriso a vamos sorrir
pelo menos um pouquinho né para atrair as boas vibrações para mais
uma aula no caminho da prova da aprovação celulares fora do nosso
campo de visão também não é porque o celular prejudica o nosso
estudo turma querida eu deixei para tratar da peça do 24º Exame de
Ordem na aula de hoje nós vamos fazer a leitura dessa peça vamos
redigir os cinco passos e elaborar mais um mandado de segurança
veio aqui comigo Olha só peça do 24º exame última prova após anos
de defasagem salarial milhares de trabalhadores que integravam o
mesmo segmento profissional reuniram-se na sede do sindicato w
legalmente constituída e em funcionamento há 20 anos que
representavam os interesses da categoria em assembleia-geral
convocada especialmente para deliberar a respeito das medidas a
serem adotadas pelos sindicalizados ao fim de ampla discussão
decidiram que em vez da greve que causaria grande prejuízo à
população e a economia do país e não se encontrar nas praças da
capital do Estado Alfa com o objetivo de debater publicamente os
interesses da categoria de forma organizada e ordeira e ainda fariam
passeata e semanais pelas principais ruas da capital e situações
dessa natureza a lei dispõe que seria necessária a prévia
comunicação ao comandante da Polícia Militar no mesmo dia em que
recebeu a comunicação ação dos encontros e das passeatas
semanas que teria o início em 10 dias o comandante da Polícia Militar
em decisão formalmente comunicado ao sindicato w decidiu
indeferido sob o argumento de que atrapalhariam o direito ao lazer
nas praças e a tranquilidade das pessoas os quais são protegidos
pela ordem jurídica inconformado com a decisão do comandante da
Polícia Militar o sindicato w procurou um advogado e solicitou o
manejo da ação judicial cabível que dispensasse instrução probatória
considerando a farta prova documental existente para que os
trabalhadores pudessem Cumprir o que foi deliberado na Assembleia
da categoria no prazo inicialmente fixado sobre pena de esvaziar tu
da força do movimento vamos nós a peça deve abranger todos os
fundamentos de direito que possam ser utilizados para dar respaldo
a pretensão e a simples menção ou transcrição do dispositivo legal
não confere pontuação meus queridos vamos lá o passo 1 indica o
que o resumo do caso Qual é o resumo do caso aqui os membros
não é do sindicato w querem exercer o direito de reunião que foi
denegado por uma decisão do comandante da Polícia Militar Olha só
o comandante da Polícia Militar em decisão formalmente comunicado
ao sindicato indeferiu né é a realização do direito de reunião tem o
direito de expressão coletiva previsto expressamente na Constituição
Então vamos nós Olha só resumo do caso os membros do sindicato
w os membros do sindicato w querem realizar o direito de reunião
denegado pelo Comandante da Polícia Militar então a defesa que a
do direito de reunião né o direito de expressão coletiva previsto no
artigo 5º inciso 16 também protegido pelo quinto Inciso 4 que trata da
Liberdade não é de manifestação muito bem turma nosso passo 2
Olha só o passo 2 é o polo ativo quem está no polo ativo dessa
demanda é o sindicato w sede do sindicato w e ao sindicato que vai
ingressar com ação inconformado com a decisão sindicato procura
um advogado bem então vamos nós é o sindicato w que está no polo
ativo dessa ação passo 3 polo passivo quem é autoridade aqui é o
comandante da PM não é o comandante da Polícia Militar E aí como
Nós aprendemos vamos indicar no polo passivo autoridade e a
pessoa jurídica cobre pertence então comandante da Polícia Militar
mais atenção a polícia militar turma é uma polícia Estadual né então
comandante da Polícia Militar + Estado passo 4 a definição sobre a
peça processual bem nossa primeira análise Qual é é uma hipótese
envolvendo ação popular habeas data habeas corpus e me dão o
direito de reunião ele não é um direito de liberdade de ir Vir é um
direito de manifestação de expressão coletiva então não caberia
habeas corpus aqui porque o que está em jogo não é a liberdade de
ir e vir é a liberdade de manifestação de expressão coletiva então HC
fica de fora HD não aqui não não tem por objetivo conhecer retificar
o complementar dados pessoais a ação popular é uma ação proposta
pelo cidadão a que o autor já é o sindicato então a gente nem Analisa
mas profundamente mandado de injunção e o remédio que vai
defender o que direito fundamental previsto na Constituição
dependente de regulamentação não é o caso aqui então nós
começamos a pensar no mandado de segurança agora para
definirmos corretamente que se trata de um MS precisamos Verificar
se os requisitos foram preenchidos o primeiro requisito direito líquido
e certo comprovado por prova pré-constituída que em regra é a
documental o direito líquido e certo está aqui é o direito de reunião
de liberdade de manifestação de expressão coletiva artigo quinto
inciso 16 e a farta documentação está presente em uma passagem
da peça que a banca de explorar a mente Olha só considerando a
farta prova documental existente pronto meu primeiro requisito está
aqui meu segundo requisito eu tenho autoridade coatora indicada
tenho Olha aí o Ato coator é a decisão do comandante da Polícia
Militar e a autoridade coatora é o comandante da Polícia Militar pronto
e com relação ao prazo bem vamos nós prestem bastante atenção
no mesmo o dia em que recebeu a comunicação dos encontros das
passeatas que teve o início em 10 dias o comandante Polícia Militar
indeferir o direito de reunião apresentando aí seus argumentos que
não são argumentos que sustentam e vamos lá sindicato procura um
advogado e solicita o manejo da ação a que dispensa Olha a
instrução probatória mais uma dica de que se trata do INSS solicita
o manejo de uma ação judicial cabível que dispensasse instrução
probatória para que os trabalhadores pudessem Cumprir o que foi
deliberado na Assembleia no prazo inicialmente fixado daqui a 10
dias não é isso exatamente que teve o início em 10 dias então ainda
estamos diante gente do prazo de 120 dias pronto mas tamos
perfeitamente diante do prazo de 120 dias com isso os três requisitos
para impetração do mandado de segurança foram xidos bem esse é
o MS coletivo né então caberia colocar Olha só mandado de
segurança coletivo e aí atenção para que os trabalhadores pudessem
comprei o que foi deliberado na assembleia geral da categoria no
prazo inicialmente fixados apenas vazamento da força do movimento
eu vejo ainda aqui a necessidade de tutela de urgência se não é o
judiciário não conceder de plano essa liminar haverá esvaziamento
do movimento b e quanto ao passo 5 ao órgão competente Qual é a
dica pessoal a leitura do artigo 20 da Lei 9507 não é lá vocês vão ver
que não há previsão de julgamento perante o STF STJ TRF Justiça
Federal até porque a autoridade aqui é Estadual não aplicamos a
regra do GPS mas mesa da Assembleia Legislativa E aí caímos o
quê na competência da justiça estadual de primeiro grau eu ensinei
a vocês que caso não tivéssemos uma competência expressa no
artigo 20 a gente conclui pela competência da justiça estadual de
primeiro 1° e na Vara Cível Por que no âmbito infraconstitucional da
segurança é uma ação de natureza civil então turma e acompanha
aqui passo 5 Justiça estadual de 1º grau na Vara Cível agora vamos
colocar tudo isso aqui na nossa petição bem lá em cima
Excelentíssimo Senhor Doutor Juiz de Direito da três pontinhos Vara
Cível da Comarca três pontinhos damos o espaço Zinho pulamos as
5 linhas mais o espaço se no início do parágrafo E aí vamos lá
sindicato w pessoa jurídica de direito privado inscrita no CNPJ sob o
número três pontinhos com sede funcional três pontinhos por seu
advogado infra-assinado conforme procuração anexa com escritório
três pontinhos endereço que indica para os fins do artigo 77 inciso 5º
do CPC com fundamento nos termos do artigo quinto inciso 69 e 70
não é porque é um MS coletivo não é então a colocamos o 69 que é
a base Geraldo mandado de segurança e os 70% MS coletivo e da
Lei Nº 12016/2009 impetrar mandado de segurança coletivo em face
do comandante da Polícia Militar e do Estado vamos nós pulamos
uma linha e aí vamos lá lembram do que eu falei como no mandado
de segurança a questão da tempestividade da prova pré-constituída
é importante acha interessante colocarmos em tópicos separados
Flávia mas se eu colocar tudo isso na fundamentação jurídica tem
problema nenhum tem problema é deixar de colocar Tá bom vamos
nós tópico tempestividade redações Claras sempre fundamento Pela
lei pela súmulas se houver vamos lá a presente ação é tempestiva
tendo em vista que o prazo entre a decisão formal do comandante da
Polícia Militar que indeferiu os encontros nas praças e passeatas e a
impetração da presente ação é inferior a 120 dias olha e satisfazendo
assim o requisito exigido pelo artigo 23 da lei 12016/2009 vamos lá 2
da prova pré-constituída o direito líquido e certo do impetrante é
comprovado mediante os documentos que seguem anexos
cumprindo requisito da prova pré-constituída exigido pelo artigo 6º
caput da Lei 12016/2009 sempre fazendo referência a lei vamos lá
dá legitimidade ativa foi que eu disse a vocês acho interessante que
no mandado de injunção coletivo e do mandado de segurança
coletivo a gente abra tópico específico para falar da legitimidade ativa
ou mencione a questão especial da legitimidade ativa na
fundamentação vamos nós Olha só o passo 3 né Aliás o tópico 3 da
peça da legitimidade ativa o sindicato w organização sindical
legalmente constituída e em funcionamento há mais de um ano de
acordo com artigo quinto inciso 70 da crfb e artigo 21 da lei 12.016 é
legitimado ativo para a propositura da presente ação pois pretende
defender direitos líquidos e certos dos seus membros sendo Tais
direitos pertinentes às suas finalidades turma não é uma exigência
da Lei Tá certo a que o sindicato esteja funcionamento há mais de
um ano não é esse funcionamento há mais de um ano ele é exigido
das associações está certo mas como a banca colocou aqui vejam
como a banca indicou não é que o sindicato estava legalmente
constituída e na verdade de funcionamento há mais de 20 anos né
mas de 20 a mais de 1 eu coloquei ali mas não é indispensável tá
voltando aqui para pés então quanto à legitimidade ativa já foi vamos
lá síntese dos fatos em razão de anos de defasagem nos salários o
sindicato w representando milhares de trabalhadores do mesmo
ramo profissional decidiu em Assembleia da categoria por promover
encontros nas praças públicas da capital do Estado alfa objetivando
o debate público dos interesses da categoria O que seria feito
observando a ordem organização e também se deliberou pela
realização de passeatas semanais pelas ruas principais da capital já
que a greve outra opção causaria grande prejuízo à economia do país
e a população em se formalizar a necessária comunicação ao
comandante da Polícia Militar exigida por lei em razão dos atos
pretendidos que se iniciaram em 10 dias o sindicato se deparou com
indeferimento mento por aquele que sustentou que tais atos
atrapalhariam direito ao lazer nas praças e a tranquilidade das
pessoas protegidos pela ordem pública em razão da decisão exarada
pelo comandante da PM impedindo a realização das reuniões das
passeatas o que viola líquido direito líquido e certo dos trabalhadores
sindicalizados faz-se necessária a propositura da presente ação
vamos nós tutela de urgência atenção a tutela de urgência que é clara
porque se não for concedida mais vazia ao movimento mas ficou bem
claro na narrativa da peça aí vamos nós tutela de urgência primeiro
parágrafo a previsão para a concessão da tutela de urgência no
mandado de segurança está presente no artigo 7º inciso 3 da Lei
12016/2009 e tem natureza de medida cautelar aqui também poderia
ter colocado liminar a banca vem compreendendo que as duas
expressões são admitidas não é tanta cautelar contra liminar eu
coloquei aqui em latim mas a gente piado os requisitos não é do
artigo 300 do CPC não vamos nós o fumus Boni iuris reside nos
argumentos de fato e de direito apresentados na presente
comprovados mediante a documentação anexa o periculum in mora
também se encontra demonstrado já que os trabalhadores devem
poder cumprir o que foi deliberado na Assembleia da categoria no
prazo fixado para que não haja o esvaziamento da força do
movimento muito bem e aí vamos seguindo fundamentação jurídica
base condicional barzinho para condicional na forma do artigo quinto
inciso 69 da crfb Barra 88 o mandado de segurança será concedido
para proteger direito líquido e certo não amparado por habeas corpus
ou habeas data quando o responsável pela ilegalidade ou abuso de
poder for autoridade pública ou agente de pessoa jurídica no
exercício de atribuições do poder público em sua modalidade coletiva
pode ser impetrado por partido político partido político com
representação no Congresso sindicato entidade de classe ou
Associação legalmente constituída e em funcionamento há pelo
menos um ano em defesa dos interesses de seus membros ou
Associados de acordo com o artigo quinto inciso 70 alíneas A e B da
CF barra 88 o mandado de segurança também está regulamentado
pela lei 12.016 de 2009 que no artigo 1º reforça a natureza residual
do Instituto agora o direito envolvido aqui gente olha só eu coloquei
o Inciso 4 do artigo quinto inciso 9º e lógico inciso 16 se não a
situação começa o velho espaço na na na fundamentação você usa
um parágrafo para cada argumento tá vamos nós a constituição
ampara os direitos fundamentais à livre manifestação do pensamento
estabelecido no Artigo 5º inciso 4 a liberdade de expressão pelo
quinto inciso 9º a reunião pacífica não é previsto no artigo quinto
inciso 16 caberia até destrinchar os requisitos da reunião e aí vamos
nós no que tange as reuniões pacíficas a comunicação ao
comandante da Polícia Militar visava apenas evitar frustração de
reunião anteriormente convocada para o mesmo local e com uma
reunião e depende de autorização o indeferimento violou direito
líquido e certo de parte dos Associados porque turma o artigo quinto
inciso 16 ele diz que não há necessidade de autorização da
autoridade autorização já é dada pela constituição O que é
indispensável a comunicação não é autoridade a comuni ação mas
não há necessidade de autorização da parte dos pedidos nenhum
comigo Olha só ante todo o exposto requer-se a a concessão da
medida liminar para que a autoridade coatora se abstenha de adotar
qualquer medida que impeça a realização das reuniões e das
passeatas b a notificação da autoridade coatora o comandante da
Polícia Militar para que presta as informações que entender
pertinentes do caso se reproduzir os pedidos que a gente iluminou
na lei 12.016 que seja dada ciência do feito ao órgão de
representação judicial da pessoa jurídica interessada de a intimação
do representante do Ministério Público é a condenação do impetrado
em custas processuais a juntada dos documentos anexos que ao
final seja julgado procedente o pedido com a confirmação da
concessão da ordem atribuindo-se caráter definitiva a tutela tudo com
outras palavras não é que seja garantido o direito de reunião do
impetrante poderíamos ter colocado com outras palavras porque
aquilo é exatamente o que a banca não é na rua na no espelho de
correção mas daria no mesmo ponto variamos da mesma forma bem
o encerramento da Comporta uma dessas dessas três não é desses
três exemplos da se a causa o valor de r$ 1000 para efeitos
procedimentais o valor da causa de acordo com artigo 291 do CPC o
valor da causa de acordo com artigo 319 do CPC E aí termos em que
pede deferimento local e data advogado OAB número três pontinhos
meus queridos Foi uma boa peça não foi essa do 24º exame pois eu
não tenho a menor dúvida essa prova de vocês também vai ser um
sucesso mas agora eu preciso de muita atenção bem primeiro dever
de casa copiar esse mandado de segurança Tá certo maravilha se
você não fez o dever de casa da aula anterior ainda dá tempo porque
enquanto há vida há esperança agora eu preciso de muita atenção
quando a banca narrar um caso concreto que você verifique não ser
hipótese de habeas corpus habeas data mandado de injunção ação
popular e a gente começa a pensar no mandado de segurança se a
banca afastar um dos requisitos do mandado de segurança
provavelmente estaremos diante de uma ação de procedimento
comum
Se não houver uma peça mais específica para solucionar Aquele
caso normalmente a solução se dará por uma ação de procedimento
comum na verdade procedimento comum é não é o nome da ação é
o procedimento não é tem um procedimento especial procedimento
comum mas para facilitar a gente vai usar essa expressão ação de
procedimento comum e na parte dos pedidos nós vamos indicar qual
é o objetivo da ação anular o ato administrativo é determinar que o
estado faça alguma coisa uma obrigação de dar uma obrigação de
fazer uma indenização veio aqui comigo eu coloquei para vocês as
principais diferenças entre o mandado de segurança e ação de
procedimento comum que no código anterior era chamada de ação
ordinária vamos nós olha só ação não é de procedimento comum ela
pode ser de indenização de cobrança ou ação anulatória de ato
administrativo ação de obrigação de fazer a qualificação a
qualificação é muito simples mas nós vamos seguir exatamente o
roteiro do 319 do CPC e colocar ação de procedimento comum na
parte dos pedidos e que a gente indica o propósito da ação então
colocamos ação de procedimento comum e nós pedimos nos pedidos
não é indicamos qual é a referida ação e aí pessoal prestem bastante
atenção aqui enquanto o ms tem um prazo exíguo de 120 dias
contados do conhecimento do ato para a sua impetração ação de
procedimento comum ela não enfrenta não é um prazo específico
para o seu ajuizamento é uma das Diferenças Olha só ação de
procedimento comum não enfrenta a prazo específico para o seu
ajuizamento permite a dilação probatória não depende de autoridade
coatora admite a cobrança então prestem bastante atenção aqui
vamos começar MS ação de procedimento comum vamos falar aqui
do prazo para impetração do MS nós temos aí o prazo de 120 dias
para o ajuizamento da ação de procedimento comum nós não temos
um prazo específico na legislação não prazo comum então já que já
é diferente né o prazo do MS é um prazo muito específico e o prazo
para apresentar ação da ação de procedimento comum não está
estabelecido não é de forma genérica no ordenamento jurídico no
próximo bloco A gente vai continuar aqui tratando das diferenças
entre essas duas ações e nós vamos ver a estrutura da petição inicial
da ação de procedimento comum e dois casos em que a banca
cobrou ação de procedimento comum e acabou abrindo também o
segundo gabarito para o ms Mas a gente não vai contar com o
segundo gabarito Já volto não sai daí não Muito bem pessoal então
como estava falando se tudo se encaminhar para o mandado de
segurança e a banca excluir um dos requisitos do mandado de
segurança provavelmente estaremos diante de uma ação de
procedimento comum a nossa peça Coringa aqui é utilizada quando
não houver uma peça mais específica para defender o direito do
nosso cliente eu comecei aqui colocando a primeira diferença entre
o ms e ação de procedimento comum que diz respeito ao prazo não
é de ajuizamento da ação vem aqui comigo olha só aqui com espaço
um pouquinho maior MS ação de procedimento comum o ms tem um
prazo exíguo não é um prazo de 120 dias para impetração da ação
enquanto que a ação de procedimento comum ela tem ela não tem
referência genérica de apresentação na legislação processual tão
essa é uma diferença é importantíssima entre as duas ações a outra
é a seguinte o ms é uma ação de procedimento especial que não
admite a delação probatória bem no MS como vimos é preciso termos
a prova documental para apresentação justamente porque não há
dilação probatória no mandado de segurança é uma Peça
documental então se a banca informar que a necessidade de
produção de prova pericial testemunhal depoimento pessoal de
alguém bem estaremos fora do mandado de segurança e ação de
procedimento comum como o nome já diz é um procedimento comum
admite a dilação probatória a fase de instrução processual na ação
de procedimento comum é uma fase bem mais longa é possível a
apresentação futura de documento as testemunhas prova pericial
então venho aqui comigo ação de procedimento comum como nome
já em forma tem um procedimento comum e admite a dilação
probatória então a ação de procedimento comum como o nome já
indica não é o procedimento está no nome Ures da peça ela comporta
a dilação probatória outro ponto importante no mandado de
segurança nós temos via de regra a autoridade coatora que não é
indispensável na ação de procedimento comum autoridade coatora
Pode não estar presente à autoridade coatora Pode não estar
presente é perfeitamente possível que se ajuíza uma ação de
procedimento comum em Face da União em Face do Estado em face
do município sem envolver não é uma autoridade coatora específica
no mandado de segurança autoridade coatora o agente do Estado o
agente delegado está normalmente presente Outro ponto importante
vem aqui comigo Olha só no mandado de segurança para fins de
fixação de competência para julgamento da ação prerrogativa de foro
funcional e o seu já são pode começar a tramitar no Supremo no STJ
no TRE fino TJ dependendo da autoridade envolvido na ação de
procedimento comum não há prerrogativa de foro funcional e aqui
gente vai mesma regra da ação popular que também tem
procedimento comum nós vamos ajuizar ação perante a justiça de
primeiro grau Federal ou Estadual conforme o caso apresentar Tá
certo então no MS tem prerrogativa de foro funcional na ação de
procedimento comum não tem prerrogativa de foro funcional ação
começa a tramitar perante a justiça de primeiro grau seja Federal ou
Estadual conforme o caso indicar outra diferença entre essas duas
ações que no mandado de segurança a tutela de urgência nela tem
natureza cautelar ou liminar e normalmente na ação de procedimento
comum a gente tem a tutela antecipada mas isso vai depender do
caso apresentado as duas grandes inferências entre essas duas
ações mas as que eu acho que são assim mais claras dizem respeito
ao prazo e a própria natureza jurídica da ação prazo de 120 dias para
impetração de MS não tem um prazo específico geral para
apresentação da ação de procedimento comum e a natureza jurídica
o ms é uma ação de procedimento especial que não comporta dilação
probatória em razão disso é uma peça de prova pré-constituída e a
prova pré-constituída por Excelência é a prova documental ação de
procedimento comum com o nome Yuri já indica tem um
procedimento comum que comporta dilação probatória a produção
futura de provas pode ser até que a gente tem um documento Para
comprovar o alegado né Pode ser que haja provas documentais sim
mas é perfeitamente possível que se pleiteia a produção de novas
provas Tá certo então essa é uma diferença importante também com
relação ao mandado de segurança e aí mais uma vez olha só
colocando aqui ação de procedimento comum ação de procedimento
comum não enfrenta prazo específico para o seu ajuizamento
permite a dilação probatória não depende de autoridade coatora
indicada admite a cobrança admite o pedido de indenização por
danos materiais por danos morais afinal de contas pessoal pedido de
indenização envolve naturalmente uma instrução processual mas
não é dilatada é preciso verificar o quanto da indenização as provas
não é para se fixar o valor correto Então não é compatível com o rito
do mandado de segurança o pedido de indenização por danos morais
por danos materiais mas é compatível com o rito procedimento da
ação de procedimento comum idade esclarecendo nós não temos
uma lei específica para cuidar da ação de procedimento comum ela
é extraído a gente do Código de Processo Civil tô na verdade a base
processual da ação de procedimento comum é artigo 319 E 320 do
CPC Poxa Flávia quer dizer que eu não tenho uma Norma
infraconstitucional porque essa é uma petição inicial comum tá certo
o CPC ele diz que é o procedimento comum aplica-se
subsidiariamente aos procedimentos especiais artigo 318 quando a
gente não tiver um procedimento especial uma uma ação prevista em
um procedimento especial nós vamos aplicar o procedimento comum
Então na verdade ação de procedimento comum ela é de
indenização ela é de cobrança ela é de obrigação de fazer de
obrigação de dar de anulação de ato administrativo mas para facilitar
e a banca aceita né Essa essa dica nossa ela já mostrou isso na
segunda fase de funcional em outras também não é segundo as
etapas Então pessoal gente vai colocar no nome iuris da peça ação
de procedimento comum em estabelecer o tipo não é de ação de
procedimento comum na parte dos pedidos então a fundamentação
processual ES agora a base material não faz muito sentido que a
gente em frente uma ação de procedimento comum na prova da OAB
que não gira em torno não é por exemplo de direitos fundamentais
que não gira em torno de situações envolvendo um indivíduo e estado
porque estamos diante de uma disciplina de direito público então
Lógico que o nosso universo não é de direito material ele gira em
torno da Constituição ação ela tem a formatação prevista no CPC
mas o recheio dessa ação será com certeza conteúdo constitucional
as duas ações de procedimento comum que a banca cobrou até
agora uma girou em torno do direito à educação e a outra em torno
do direito à saúde lógico a banca não pode fugir do escopo
constitucional porque eu coloquei aqui vejam bem a fundamentação
jurídica processual da ação de procedimento comum ela é extraída
dos artigos 319 E 320 do CPC e a sua base material lógico ela tem
como referência constituição então pode ser uma ação na área da
saúde pode ser uma ação na área da Educação pode ser uma ação
envolvendo concursos públicos pode ser uma ação envolvendo a
licitação o Flávia mais e ação de indenização não é de
responsabilidade contra o estado a união e o estrago a
fundamentação jurídica de onde se a gente abrir o artigo 37 olha só
parágrafo sexto vai encontrar o seguinte as pessoas jurídicas de
direito público e as de direito privado prestadoras de serviços
públicos responderão pelos danos que seus agentes nessa
qualidade causarem a terceiros assegurado o direito de regresso
contra o responsável nos casos de dolo ou culpa esse dispositivo é
a base da responsabilidade objetiva Então se a gente tiver que entrar
com ação de indenização por danos morais por danos materiais
contra a união os estados o Distrito Federal e os municípios a gente
vai usar esse artigo 37 parágrafo 6º que fala da responsabilidade dos
entes estatais uma responsabilidade objetiva bem me acompanha se
houver a indicação de uma situação de urgência nós vamos usar o
artigo 300 do CPC e ao tipo de tutela de urgência da ação de
procedimento comum é normalmente a tutela antecipada então em
caso de urgência é perfeitamente possível utilizarmos o artigo 300 do
CPC E também o 303 é o 303 é o que fala do tipo de tutela não é no
caso aqui da ação de procedimento comum a gente usa a tutela
antecipada Então vou colocar aqui artigo 300 e também 303 ambos
do CPC vamos lá como Eu mencionei na ação de procedimento
comum não há prerrogativa de foro funcional então ação ela vai ser
proposta perante o juiz de primeiro grau seja ele Estadual Federal
conforme o caso e aqui nós usamos a regra da ação popular Com
base no artigo 109 inciso 1º da Constituição se no polo passivo da
ação de procedimento comum a gente encontrar a união autarquia a
empresa pública federal fundação pública federal Nossa ação será
proposta perante a justiça federal de primeiro grau entretanto
encontrarmos estados municípios suas autarquias empresas
públicas e Fundações públicas ser a justiça estadual de primeiro grau
na vara de linda pública nas demais hipóteses será Justiça estadual
de 1º grau na vara civil prestem bastante atenção na ação de
procedimento comum não há prerrogativa de foro funcional nós
vamos indicar no polo passivo da ação quem a banca informar no
caso narrado ação pode ser apresentada contra a união os estados
os municípios dependendo da situação a banca pode se apresentar
ao perdão a peça pode ser apresentada em Face da união e de um
particular o que vai Norte ao polo passivo da ação é o caso concreto
então de acordo com o caso concreto a gente vai indicar
corretamente quem estará no polo passivo da ação quem a banca
mencionar expressamente ou que deu causa não é aquela aquela
lesão aquela violação a direito se no polo passivo nós encontrarmos
a união Malta guia Federal empresa pública federal uma fundação
pública federal ação será proposta perante a justiça federal de
primeiro grau com base no artigo 109 inciso primeiro se não tivermos
nenhum agente estatal aí pessoal engraçados com ação em Face
dos aí Provavelmente na verdade se tiver algum ente estatal que não
seja Federal foi o que eu quis dizer estados municípios autarquias
estaduais empresas públicas estaduais aí ação será proposta
perante a justiça estadual de primeiro grau na Vara de Fazenda E aí
sim se não tivermos nenhum dos entes estatais aqui indicados a
competência residual será da justiça estadual de primeiro grau na
Vara Cível o Flávia um exemplo de uma ação de procedimento
comum na área da saúde bem fulano de tal recebe o medicamento
todo mês no posto de saúde e o medicamento está em falta plano de
tal não tem laudo médico Para comprovar que recebi o referido
documento ou o referido medicamento ele precisa produzir provas
Qual ação vamos agilizar para que fulano de tal tem acesso ao
medicamento com ação de procedimento comum com tutela
antecipada para que lhe Garanta logo o acesso ao medicamento ou
então fulano de tal quer se matricular numa escola pública mas teve
de negado o pedido é preciso para garantir essa matrícula a
produção futura de provas a produção não é de provas testemunhal
e prova pericial estamos fora também do mandado de segurança ou
então fulano de tal fez um concurso público ficou em segundo lugar
mas administração convocou o terceiro colocado em seu lugar entre
a publicação do ato da nomeação do terceiro colocado e o
ajuizamento da ação já decorreram mais de 200 dias nós não
podemos mais impetrar o mandado segurança agora é ação de
procedimento comum vocês primeiro vão verificar se realmente os
requisitos para a propositura do MS não foram satisfeitos depois se
não há nenhuma outra ação com jornal mais específica para
defender aquele direito se não for caso realmente DMS ou de
nenhuma outra ação constitucional mais específica caímos na nossa
petição inicial da ação de procedimento comum a que eu coloquei 2
endereçamentos não é mais comuns na ação e acompanhe Olha só
em caso não é de competência da justiça estadual de primeiro grau
é celentissimo Senhor Doutor Juiz de Direito da três pontinhos pode
ser a vara de fazenda pública ou não é a Vara Cível da Comarca três
pontinhos ou ainda é celentissimo senhor doutor juiz federal da 3
pontinhos Vara Federal da seção judiciária do Estado três pontinhos
Thomas temos em regra uma das duas situações a qualificação
turma é a mesma que está no código de processo civil artigo 319
nome nacionalidade estado civil profissão não é com fundamento nos
termos do artigo 319 do CPC Essa é a base não é legal CPC uma
Norma infraconstitucional vem ajuizar a gente não usa aqui impetrar
tá nós usamos ajuizar ajuizar ou propor impetrar é para habias corpus
habeas data mandado de segurança e mandado de injunção ação
popular que também tem um procedimento comum apropriação de
procedimento comum utilizar a gente usa não ajuíza em face de como
eu disse a vocês em Face daquele ente estatal indicado das
autoridades envolvidas a banca vai Norte ao polo passivo da ação
nós vamos indicar todos aqueles que fizeram parte da lesão se
beneficiaram com o ato nós vamos indicar exatamente no polo
passivo quem é a banca afirmou no caso narrado que merece estar
aqui que vai responder a ação Poxa Flávia ação popular e ação de
procedimento comum então tem o mesmo que tu não é eu não vou
confundir não não não vai confundir porque a ação de procedimento
comum ela só vai ser utilizada quando não houver uma ação mais
específica não é para defender os nossos direitos Tá certo então
lógico se for uma hipótese Clara de ação popular você vai ajuizar
uma ação popular e não ação de procedimento comum então toda
ação mais específica acaba afastando ação de procedimento comum
eu posso ter no polo ativo da ação a pessoa jurídica também claro
você vai qualificar com CNPJ sede funcional como fizemos nos
demais casos a estrutura dela é bem simples né fatos fatos tutela de
urgência se couber fundamentação jurídica e os pedidos os pedidos
eles são extraídos dos artigos 319 E 320 do CPC E aí pessoal
atenção vamos abrir aqui a legislação processual olha só no artigo
319 a gente tem aqui o inciso 6 que fala do pedido de produção de
provas o inciso 7 que fala sobre a opção não é de realização de
audiência de conciliação de mediação o artigo 320 ele fala com ele
fala sobre os documentos indispensáveis à propositura da ação
então a juntada de documentos nós extraímos daqui bem eu queria
que vocês iluminassem não precisa ser com cor de pedido não te
ilumine escolha uma cor ilumine 319-320 no 319 eu coloquei como
referência saque no nosso código Artigo 85 que traz a condenação
nos ônus sucumbenciais vocês podem iluminar com essa cor o artigo
178 que fala sobre a intimação do MP Olha só o artigo 178 ele diz
que o ministério público será intimado para no prazo de 30 dias
intervir como fiscal como fiscal da ordem jurídica nas hipóteses
previstas em lei ou na Constituição e nos processos que envolvam
interesse público e interesse de incapaz litígios coletivos Então se
ação de procedimento comum ela versar sobre algum aspecto aqui
é referenciado a gente também vai pedir a intimação do
representante do MP então ilumine no 319 entre o caput e inciso 1º
Artigo 85 do CPC para lembrar de pedir na ação de procedimento
comum a condenação em honorários e custas o artigo 178 quando
couber no caso não é intimação do representante do MP ilumine
ilumine aliás escreva e ilumine artigo 238 do CPC que não está aqui
artigo 238 do CPC que fala da citação do réu para integrar a relação
processual do artigo 238 do que a gente iluminou nós temos aqui
pedido de Condenação em honorários a intimação do representante
do MP Como foram quando for o caso a citação dos réus o pedido de
produção de provas a juntada de documentos temos aqui ainda o
tópico da opção do autor pela realização ou não de audiência de
conciliação de mediação que é uma opção que precisa ser feita nas
ações de procedimento comum então a base processual está toda
aqui artigo 319/320 agora é a base da fundamentação jurídica maior
a gente vai encontrar na Constituição seja a saúde seja educação
seja o concurso vem aqui comigo Olha só nos pedidos a gente vai
usar a legislação processual e a que eu coloquei de forma mais
Ampla Por que não é um caso é um caso concreto são apenas
Nezinho Plus mais genéricos a citação do réu pedido de produção de
provas juntada de documentos a procedência do pedido seja com a
fixação não é da indenização a anulação do ato e vai depender a
condenação em custas e honorários advocatícios deixou só colocar
aqui se for uma das hipóteses do artigo 178 do CPC também vamos
pedir a intimação do representante do ministério público e se a banca
mencionar também a necessidade de urgência a gente vai usar os
artigos 300 e 303 do CPC e fazer o pedido da tutela antecipada 300
e 303 Faremos o pedido da tutela antecipada então que eu coloquei
aqui em asterisco vai depender do caso narrado Tá certo e aí aquela
redação não é do artigo 319 e inciso 7 do CPC em cumprimento ao
artigo 309 inciso 7 o autor opta pela realização da audiência de
conciliação ou de mediação e o valor da causa turma atenção o valor
da causa pode estar narrado no caso concreto a banca pode dizer
que o autor quer contra o réu ao pagamento de indenização de um
milhão de reais ou prejuízo que ele teve é de r$ 50000 a banca pode
mencionar esse valor da causa específico E se ela menciona a gente
reproduz aqui se não mencionar nós vamos fechar não é de uma
dessas formas como já vimos desde o início da se a causa o valor de
r$ 1000 para efeitos procedimentais o valor da causa de acordo com
291 do CPC valor da causa de acordo com 319 do CPC E aí termos
em que pede deferimento local e data advogado OAB número três
pontinhos eu fiz essa análise genérica Mas nós vamos trabalhar com
duas peças específicas tá aqui para mostrar a vocês que é uma
petição inicial simples é uma petição de certo modo parecida com a
ação popular não é quanto ao número de pedidos vejam os pedidos
de uma ação de procedimento comum são maior número se a gente
comparar com os pedidos das ações de procedimento especial o
recheio da ação de procedimento comum precisa ser lógico recheio
constitucional estamos na segunda fase de constitucional não é
então Lógico que não vai aparecer aqui acredito eu um litígio não é
privado porque nós temos outras disciplinas para resolver esses
conflitos estão os nossos conflitos normalmente envolvem alguma
agente estatal não é alguma autoridade algum ente da Federação da
administração pública direta ou indireta meus amores meus queridos
meus constitucionalistas no próximo bloco antes de analisarmos os
dois casos concretos eu vou voltar a falar um pouco mais da ação de
procedimento comum e das suas diferenças com o mandado de
segurança Tá certo então a gente rever esse ponto e depois segue
em frente até já
muito bem minha gente quer ir de cima vamos lá deixa em as canetas
de lado e prestem atenção aqui no que eu vou falar depois de fazer
a terceira leitura por que a gente deve ler no mínimo três vezes o
caso prático da peça e percebemos que não se trata de habeas
corpus habeas data mandado de injunção ação popular e
verificarmos que tudo se encaminha para o mandado de segurança
mas a banca afastou o mandado de segurança por conta do prazo
ou por que pediu que você está de giz em uma peça com dilação
probatória Por que não há provas suficientes Para comprovar o
alegado Muito provavelmente estaremos diante da ação de
procedimento comum é a petição inicial Coringa é a peça que nós
vamos utilizar na prova quando não houver uma petição mais
específica para defender o direito do nosso cliente e aí eu coloquei
para vocês um quadro comparativo entre as principais distinções das
duas ações o ms tem o prazo de 120 dias ação de procedimento
comum ela não tem um prazo genérico para sua apresentação no
mandado de segurança o rito é especial é uma ação de procedimento
célere que não admite a dilação probatória é uma peça de prova pré-
constituída então é preciso ter documentos para comprovar o
alegado na ação de procedimento comum eu posso até ter
documentos mas eu vou precisar produzir outras provas é uma ação
que comporta dilação probatória mais extensa Então a gente tem a
possibilidade de pedir a prova pericial a prova é testemunha ao
depoimento pessoal de uma das partes Ou seja é um burrito é um
rito mais prolongado como é o caso da ação popular no mandado de
segurança eu tenho normalmente foi assim que aconteceu até agora
do exame de ordem uma autoridade coatora indicada na ação de
procedimento comum não necessariamente eu tenho aquela
autoridade é possível engrossar com ação em face do próprio Estado
da União do município de alguma entidade estatal pode até ter uma
autoridade envolvida mas ela não é Indispensável na ação de
mandado de segurança a gente tem a tutela de urgência se for o caso
de natureza cautelar ou liminar na ação de procedimento comum a
tutela de urgência é normalmente antecipada mandado de segurança
tem prerrogativa de foro funcional então em razão da autoridade
envolvida ação será proposta para julgamento do supremo do STJ
do TRF do TJ na ação de procedimento comum não há prorrogação
de foro funcional então a ação será proposta perante o juízo de
primeiro grau seja ele Federal ou Estadual conforme o caso tá bom
até aí tudo funcionando Poxa Flávia não vai ter remissões não as
remissões nós já fizemos artigos 300 e 19 320 eu acrescentei o
85178 e o 203 38 não foi entre o caput e inciso 1º do artigo 319 o
recheio da ação de procedimento comum ser a constituição mas seja
o direito à saúde o direito à educação o direito à cultura o direito à
liberdade a gente vai ter com certeza algum direito previsto em nossa
Constituição porque estamos na segunda fase de Direito
Constitucional não é então Lógico que essa é a base principal da
nossa ação do procedimento comum Bem eu trouxe aqui dois casos
deixa eu explicar direitinho para vocês a peça do nono Exame de
Ordem e a peça do quinto Exame de Ordem anunciaram a banca
anunciou melhor explicando que se tratava de ação de procedimento
comum a época CPC falava em ação ordinária não é hoje ação de
procedimento comum mas o caso do nono exame e do quinto ouvir
a reivindicação para que se abrisse o gabarito para o mandado de
segurança também e nesses dois exames a banca abriu duplo
gabarito não é comum na segunda fase de constitucional a banca
tem trazido um caso com uma peça para sua solução e a gente
precisa pensar dessa forma eu tenho uma peça processual Qual é a
peça que eu vou ajuizar Qual é a peça proposta a gente não vai ficar
pensando em duas três possibilidades a gente vai de forma Certeira
escolher a peça indicada as peças indicadas nessas duas não é
nessas duas adições do exame de ordem foram Como eu disse
ações de procedimento comum mas a banca não é por motivos
distintos Abril para o andar insegurança também não no mesmo dia
não é em que o espelho de correção foi divulgado mas depois de um
tempo eu vou trabalhar com vocês nessas duas peças como se
fossem realmente ações de procedimento comum porque a gente
não pode contar com uma abertura de gabarito agente precisa
pensar na estrutura de peça que a banca pensou ao fazer a prova tá
certo porque porque o gabarito para o ms podia ter saído ou não
então a gente vai trabalhar com uma ação de procedimento comum
e eu vou explicar o porquê de a banca é ter afastado o NS quando
lançou o espelho de correção tá ainda que tenha flexibilizado depois
vem aqui comigo vamos lá todos juntinhos peça processual do nono
exame de ordem vamos lá José brasileiro desempregado domiciliado
no município ABC capital do Estado x Chegou a um hospital
municipal que não possui Centro de Tratamento Intensivo CTI
sentindo fortes dores de cabeça José aguardo o atendimento na fila
da emergência pelo período de 12 horas durante o qual foi Tratado
de forma áspera e vexatória pelos servidores do hospital que entre
outros comportamentos aviltantes debocharam do fato de José está
de pé até esperando atendimento que tristeza após tamanho espera
e sofrimento o quadro de saúde de José agravou-se e ele entrou em
estado de incapacidade absoluta sem poder locomover-se E sem
auto determinação momento no qual enfim um médico do hospital
veio atendê-lo Adamastor também desempregado Padre José revela
que segundo laudo do médico responsável seu filho necessita
urgentemente ser removido para um hospital que possua CTI por
José corre risco de sofrer danos irreversíveis a sua saúde e Inclusive
o de morrer informa ainda que o médico mencionou a existência de
hospitais municipais estaduais e federais nas proximidades de onde
o José se encontra internado todos os possuidores de CTI ocorre que
José e Adamastor são economicamente hipossuficientes de modo
que não possuem condições financeiras de arcar com a remoção
para outro hospital público nem de custear a internação em hospital
particular sem prejuízo do sustento próprio ou da família ou da família
nem de curti a internação Hospital particular indignado com todo o
ocorrido e ansioso para preservar a saúde de seu filho Adamastor o
procura para na qualidade de advogado identificar e me notar a
medida judicial adequada a tutela dos direitos de José e fácil de todos
os entes que possuem hospitais próximos ao local onde José se
encontra e que seja levado em consideração o tratamento hostil por
ele recebido no hospital municipal vamos lá estamos diante de uma
situação envolvendo o direito fundamental à saúde não tem relação
com habeas data com o habeas corpus com mandado de injunção
tampouco com ação popular porque nós estamos diante de uma
situação que interessa a vida de José não é não estamos aqui em
defesa dos direitos transindividuais tudo levaria a crer que se trata de
um mandado de segurança tem até prova pré-constituída se a gente
analisar direitinho olha só tem um laudo médico aqui o Adamastor
não é revela que segundo laudo médico e laudo do médico
responsável seu filho necessita urgentemente ser removido para o
hospital que possua CTI nós temos até prova pré-constituída mas o
que fez a banca nessa situação aqui apresentada afastar pelo menos
de início o mandado de segurança vem aqui comigo a parte final e
que seja levado em consideração o tratamento hostil que foi não é
recebido no hospital por José gente essa é uma ação que vai pleitear
indenização por danos morais indenização por danos morais foi isso
que a banca quis né ao afastar que o mandado de segurança Com
base no artigo 37 parágrafo 6º não bastava não bastava aqui não
bastava aqui pessoal a transferência ao hospital que tivesse o CTI
não era preciso também a indenização contra o município não é pelo
tratamento vexatório que foi recebido por José no hospital municipal
Rocha Flávia um detalhe não é é exatamente e a gente precisa
prestar atenção a todos os detalhes ação aqui ela precisava transferir
José a um hospital que tivesse para que Ele pudesse ter condições
de viver mas que ao mesmo tempo também garantisse a Ele o pedido
de indenização contra o município não é porque ele foi Tratado de
forma vergonhosa no hospital municipal aí a gente começa o
subjetivismo Ah mas ele podia ter procurado essa indenização
pleiteada sem indenização no outro momento Ah mas o ideal seria
que ter adotado um procedimento mais célere Vejam Só nós
precisamos nos ater ao que a banca informou com muito cuidado
confesso a vocês que não acho que essa foi a melhor peça da história
da segunda fase com sua não não eu acho que a informação da
indenização poderia ter vindo mais clara né na situação problema é
de fato a banca melhorou muito Aliás a gente tem excelentes peças
vamos dar uma olhadinha nas Olha já olhamos muitas nós vamos
continuar vamos vendo várias peças cobradas mais recentemente e
a banca realmente tem trazido aí o caso com mais clareza sem
dubiedades mas esse foi um exame em que ela queria ação de
procedimento comum e acabou abrindo o gabarito não é tempo
depois para mandar de segurança bem se afastou o mandado de
segurança por essa parte final porque a gente não ingressa com ação
de MS para pedir a indenização diante do fato de que o pedido de
indenização ele envolve uma instrução processual mas prolongada
não condizente com o rito do MS muito bem gente ação aqui ela vai
ser proposta por quem quem é o autor da ação é Jose Jose isto
entrou em situação de incapacidade absoluta então Venham comigo
olha só José é o autor mas em razão de ter entrado nesse estado de
incapacidade absoluta ele está nessa ação representado por seu pai
Adamastor a gente vai ver como é que fica na qualificação Tá certo
então o passo um né é o pedido para transferência a um hospital que
contém a CTI pedido de indenização contra o município passo 2 o
autor José representado por seu pai Adamastor passo 3 o polo
passivo a banco informa o polo passivo olha só informa ainda que o
médico mencionou a existência de hospitais municipais e estaduais
e federais mas a banca fala até de forma mais específica São
segundinho olha aqui Adamastor procura para na qualidade de
advogado identificar e me notar a medida judicial adequada tutela
dos direitos de José em face de todos os entes que possuem
hospitais próximos ao local então no nosso polo passivo nós vamos
ter a união o estado e o próprio município passo 4 bem essa é uma
ação de procedimento comum a banca afastou inicialmente mandado
de segurança pelo pedido de indenização não compatível com o rito
do MS Lógico que é uma ação de procedimento comum com tutela
antecipada visando a transferência imediata de José há um hospital
que tenha a c t o c t i bem passo 5 a competência a gente sempre
olha o polo passivo da ação na ação de procedimento comum para
verificar qual será o órgão competente se eu tenho União no Polo no
polo passivo eu só posso ter não é a minha ação dirigida a justiça
federal de primeiro grau e deixa eu ver se tem o nome do estado aqui
tem o nome do município ABC e o estado x Então na verdade é
celentissimo senhor doutor juiz federal da seção judiciária do Estado
x né então seção judiciária do Estado x muito bem a minha dial aqui
é o direito à saúde lógico artigo sexto artigo 196 e o pedido de
indenização tem como base o artigo 37 parágrafo 6º vamos olhadinha
como é que ficaria Nossa petição me acompanha aqui olha só lá no
endereçamento Excelentíssimo Senhor Doutor Juiz Federal da 3
pontinhos Vara Federal da seção judiciária do Estado x pulamos as
5 linhas em caso de representação como foi a que hipótese né Nós
vamos indicar o nome do autor e vamos qualificar o representante
em caso de assistência a gente pode qualificar tanto ao autor quanto
o assistente está certo então pessoal mais uma vez em caso de
representação a gente qualifica o representante em caso de
assistência o assistido e o assistente vem comigo olha só José ou
José representado por seu pai Adamastor E aí eu qualifico
Adamastor nacionalidade estado civil a existência de união estável
profissão portador do RG e do CPF endereço eletrônico residente e
domiciliado nesta cidade por seu advogado infra-assinado conforme
procuração anexa com escritório três pontinhos endereço que indica
para os fins do artigo 77 inciso 5º do CPC com fundamento no artigo
319 do CPC ajuizar ação de procedimento comum e como a própria
banca indicou não é no polo passivo eu tenho município ABC o
estado x e a própria União bem neste caso tem uma peculiaridade eu
tenho pedido de gratuidade de Justiça banca mencionou
expressamente que José e Adamastor não tem condições de arcar
com as custas processuais em caso de gratuidade de justiça a gente
coloca antes dos fatos poxa se eu me esquecer coloca em algum
momento da peça tá certo mas em uma situação de hipossuficiência
clara como essa a gente não deve esquecer não é o pedido de
gratuidade de Justiça mesmo comigo então topcon do pedido de
gratuidade Justiça não é fazendo espaçozinho com base no artigo 99
parágrafo 3º do CPC o autor requer a vossa excelência a concessão
do benefício da gratuidade de Justiça tendo em vista que está
desempregado e sem condições de arcar com as custas processuais
sem prejuízo do sustento próprio e de sua família uma redação
simples parecida com essa a gente não precisa usar exatamente as
palavras não é que eu uso em sala mas algo parecido que tenha o
mesmo contexto né Vamos lá síntese dos fatos o autor chegou um
hospital municipal que não possui Centro de Tratamento Intensivo
sentindo fortes dores de cabeça e aguardou atendimento na fila de
emergência pelo período de 12 horas durante o qual foi Tratado de
forma áspera e vexatória pelos servidores do hospital que entre
outros comportamentos aviltantes debocharam dele estar de pé a
tanto tempo esperando atendimento após tamanho espero e
sofrimento o quadro de saúde de José agravou-se e ele entrou em
estado de incapacidade absoluta sem poder locomover-se E sem
auto determinação momento no qual enfim o médico do hospital veio
atendê-lo Adamastor também desempregado pai de José revela que
segundo laudo do médico responsável seu filho necessita
urgentemente ser removido para o hospital que possua CTI por José
corre risco de sofrer danos irreversíveis a sua saúde Inclusive o de
morrer daí a necessidade mento da presente ação a pedido de tutela
de urgência e tutela de urgência na ação Só corrigindo aqui de
procedimento comum ou Flávia está errado colocar ação ordinária
não entendo o que é errado não porque o comum é o ordinário mas
eu prefiro que vocês adotam exatamente caso caia na prova uma
ação de procedimento comum a expressão que o CPC adota Olha aí
em cima do artigo 318 não é no topo do procedimento comum caso
caia na prova eu prefiro que vocês usam essa expressão porque
Tecnicamente Hoje é a indicada pela pela legislação processual Tá
bom então vamos nós a tutela de urgência na ação de procedimento
comum é extraída do artigo 300 a que eu coloquei também o 303 as
bastariam 300 extraídas do artigo 300 do CPC e possui natureza de
tutela antecipada aí turma vamos nós segundo parágrafo a
probabilidade do direito é extraída dos Fatos e provas que
acompanham a presente ação que acompanham a presente ação já
o risco ao rezar o perigo de dano já o perigo de dano ou o risco ao
resultado útil do processo é vidente pois o autor corre risco de vida
caso a tutela de urgência não seja concedida caso a tutela de
urgência não seja concedida muito bem a gente não precisa abrir um
tópico na ação de procedimento comum para cuidar dos artigos 319
E 320 se cair na prova ação de procedimento comum eu prefiro que
vocês se debruça sobre o direito material de forma destrinchada tá
Venham comigo olha só a que eu coloquei na fundamentação jurídica
que a saúde é um direito fundamental de acordo com os artigos 6º e
196 da Constituição caberia não é destrinchar o artigo sexto depois
o artigo 196 para ganhar e força não é nessa nessa fundamentação
jurídica coloquei também aqui a a responsabilidade pelo direito à
saúde não é que é uma responsabilidade solidária entre os entes
então a responsabilidade pelo cuidado da Saúde assistência pública
da proteção e garantia das pessoas portadoras de deficiência é
cumulativa entre a união os estados os municípios e o Distrito Federal
na forma do artigo 23 inciso 2 da crfb E aí vamos lá diante do
tratamento vexatório sofrido por José no hospital o direito à
Reparação por danos morais em face do município é respaldado pelo
artigo 37 parágrafo 6º que aduz E aí eu copiei as pessoas jurídicas
de direito público e as de direito privado preço de serviços públicos
responderão pelos danos que seus agentes nessa qualidade
causarem a terceiros assegurado o direito de regresso contra o
responsável nos casos de dolo ou culpa é o esclarecimento
importante aqui nem toda ação de procedimento comum envolvendo
a saúde será proposta necessariamente em face de todos os entes
federativos a constituição prevê de fato uma solidariedade entre os
entes lá no artigo 23 inciso 2 Mas a gente pode ingressar com ação
em face de todos eles como foi a que eu caso ou é apenas um deles
como é que eu vou saber de nesse caso aqui a banca pediu que às
vezes achamos ação em face de todos os entes federativos com
hospitais próximos né Então pessoal aqui não houve nenhuma
nenhuma faculdade agente agiu de acordo com que a banco
informou se a banca tivesse dito que a ação deveria ser utilizada
apenas em face do estado ou não é da União a gente seguiria
exatamente essa informação então atenção o fato de saúde ser um
direito fundamental cuja competência é comum é compartilhado entre
todos os entes da Federação não quer dizer que todas as ações
envolvendo a saúde necessariamente devem ser apresentadas em
face de todos está certo aqui nesse caso foi porque porque a banca
pediu que agente ingressasse com ação em face de todos os entes
federativos bem nós vamos ver no próximo bloco os pedidos Não é
dessa dessa ação de procedimento comum e vamos seguir para a
peça processual do quinto Exame de Ordem também tá que foi
cobrada uma ação de procedimento comum aguardo vocês já já não
saiam daí não

Muito Bem pessoal vamos fechar que os pedidos né desse caso


importante envolvendo a vida de José me acompanha então diante
de todo o exposto requer-se a a concessão da tutela de urgência para
determinar a imediata transferência de José ao CTI mais próximo de
que seja julgado procedente o pedido para condenar os Réus a
internação de José no referido CTI depois a citação do município do
estado e da União para integrar o feito o que é como determina o
artigo 238 do CPC é a condenação do município ABC a reparação
dos danos morais sofridos pelo autor é a condenação dos réus em
custas e honorários advocatícios a produção de todos os meios de
prova em direito admitidas a juntada de documentos e aí aquela
redação que a gente deve usar nas ações de procedimento comum
em cumprimento ao artigo 319 inciso 7 do CPC o autor optar pela
realização da audiência de conciliação ou de mediação E aí turma
atenção um ponto importante aqui uma vez um aluno me perguntou
Flávia eu poderia ter colocado um valor qualquer a título de
indenização pelo os danos morais de modo algum se a banca tivesse
informado o valor da indenização a gente reproduzir e aqui né
reproduzir íamos aqui na parte final a mais inventar um valor está fora
de cogitação por que isso poderia gerar a identificação da peça Então
a gente vai fechar da forma que temos feito na em boa parte das
expedições olha só dá-se a causa o valor de r$ 1000 para efeitos
procedimentais o valor da causa de acordo com artigo 291 do CPC o
Flávio se 2015 eu preciso colocar Não não precisa colocar não tá
tanto faz colocar o 2015 ou não valor da causa de acordo com o 319
do CPC termos em que pede deferimento local e data advogado OAB
número três pontinhos muito bem turma agora vamos dar uma olhada
na primeira inclusive peça processual de ação de procedimento
comum cobrada na segunda fase de condicional foi um caso
envolvendo o direito à educação e vocês vão ver que nessa hipótese
a banca foi muito mais clara sobre a exclusão do mandado de
segurança vamos fazer a leitura me acompanha aqui olha só médio
brasileiro solteiro estudante universitário domiciliado na capital do
Estado w requereu o seu ingresso em programa de bolsas financiado
pelo Governo Federal estando matriculado em universidade
particular após apresentar documentação exigida é surpreendido
com a negativa do órgão federal competente que aduz o não
preenchimento de requisitos legais entre eles está a exigência de
pertencer à determinada etnia uma vez que o programa é exclusivo
de inclusão social para integrantes de grupo étnico descrito no edital
podendo ao árbitro da administração ou corrente agressão de outras
pessoas caso ocorra sal do nascimento do programa informa ainda
que existe saldo financeiro e que por isso o seu requerimento ficará
no aguardo do prazo estabelecido em regulamento o referido prazo
não consta da lei que institui o programa e o ato normativo também
não especificou a limitação do financiamento grupos étnicos com
base na negativa da administração Federal a matrícula na
universidade particular ficou suspensa prejudicando a continuação
do curso superior o valor da mensalidade por ano corresponde a
20000 sendo o curso de 4 anos de duração O estudante pretende
produzir provas de toda a espécie receoso de que somente a prova
documental não seja suficiente para o deslinde da causa Opa vamos
lá isso foi feito em atendimento a consulta respondida pelo seu
advogado tício especialista em Direito Público que indicou a
possibilidade de prova pericial complexa bem como depoimento
Mentos de pessoas Para comprovar a sua necessidade financeira e
outros depoimentos para indicar possíveis beneficiários não incluídos
no grupo étnico referido pela administração olha só a dois ainda que
o pleito deve restringir-se no reconhecimento do seu direito com
jornal e que eventuais Perdas e Danos deveriam ser buscadas em
outro momento Bem pessoal vamos lá prestem bastante atenção até
mais aqui a urgência diante da proximidade do início do semestre
letivo não é e na qualidade de advogado contratado por mévio
Elabore a peça cabível ao tema observando a competência a
legitimidade ativa e passiva os fundamentos de mérito funcionais e
legais vinculados os requisitos formais da peça inaugural prestem
bastante atenção aqui depois de três leituras né depois de três
leituras nós concluímos Com certeza que não se trata de uma ação
de habeas corpus Por que o que está em jogo aqui não é a liberdade
de locomoção e o direito à educação Nós concluímos também que
não diz respeito a uma ação popular porque o direito à educação está
sendo analisado aqui né no caso de Neve mas ela está lutando por
um direito próprio mas não direitos difusos depois não cabe habeas
data porque Messi não quer acessar da do pessoal retificada do
pessoal complementada do pessoal E também não está em jogo aqui
direito fundamental previsto na Constituição dependente de
regulamentação então com três leituras a gente excluiria habeas
corpus habeas data ação popular mandado de injunção é o direito à
educação que está em jogo então Nós provavelmente iremos
começar a pensar no mandado de segurança ele quer estudar a
matrícula dele foi SUS pensa pela Universidade e pela universidade
particular uma vez que ele não conseguiu aí não é a bolsa Olha só a
bolsa para continuar estudando na referida Universidade a matrícula
foi suspensa por falta da bolsa diante da negativa da união de forma
que a prova pré-constituída olha só tem momento em que ela diz
vamos voltar aqui tem um momento em que ela diz que o mev
apresenta a documentação e que foi surpreendido com a negativa do
órgão federal competente é poderíamos até pensar poxa será que
essa negativa não foi escrita Mas aí tem uma parte importante que a
banca disse claramente que o médio pretende aduzir várias provas
Olha só vem aqui comigo O estudante pretende produzir provas de
toda espécie receoso de que somente a prova documental não seja
o suficiente para o deslinde da causa e ainda tem mais a banca disse
isso foi feito em atendimento a consulta responde folgado two que
indicou a possibilidade de prova pericial complexa bem como
depoimentos de pessoas Para comprovar necessidade financeira e
outros depoimentos para indicar possíveis beneficiários não incluídos
no último no grupo étnico referido pela administração a Flávia mas
eu poderia ter desconsiderado é sua opinião não é eu poderia ter
dado a minha própria opinião com relação ao tema não se a banca
mencionar atenção meus queridos e minhas queridas se a banca e
se a banca indicar no caso narrado a opinião de um especialista em
Direito Público a opinião de um advogado parecerista a opinião de
um advogado Sênior Júnior que apareceu no caso e deu uma opinião
relevante para o deslinde da causa a gente não pode simplesmente
é afastar essa opinião foi o que a banca fez aqui ela levou em
consideração o advogado disse que não havia prova suficiente para
comprovar o alegado então ainda que a gente esteja diante do direito
à educação direito de continuar estudando não seria cabível
mandado de segurança porque porque o ms não é compatível com a
dilação probatória necessária nesse caso concreto por isso foi uma
ação de procedimento comum e não o ms era só realmente era só
se preocupar com as dicas que a banca deu ela fala claramente olha
só que o estudante pretende produzir provas de toda espécie
receoso de que somente a prova documental não seja suficiente para
o deslinde da causa e aí ela complementa Olha só na sua opinião do
Estudante não isso foi feito em atendimento a consulta respondida
pelo seu advogado tício especialista em Direito Público que indicou
Olha aí a possibilidade de prova pericial complexa bem como
depoimentos de pessoas Para comprovar a sua necessidade
financeira e outros depoimentos para indicar possíveis beneficiários
não incluídos no grupo étnico referido pela administração Então
nesse ponto a gente afastaria o ms grassar ia com ação de
procedimento como uma petição inicial simples bem o autor da ação
é o médio né brasileiro solteiro estudante universitário domiciliado na
capital do Estado w do outro lado quem foi mencionado aqui a união
e universidade particular a união não é que negou a bolsa em razão
dessa negativa matrícula dele foi suspensa pela universidade
particular então no polo passivo eu voltei aqui a união e a própria
universidade particular ação de procedimento comum ela tem tutela
de urgência porque a banca fala o final que a urgência diante da
iminência do início do semestre letivo aqui olha só a urgência diante
da proximidade do início do semestre letivo muito bem turma vamos
lá tendência agora é da Justiça Federal de primeiro grau porque eu
tenho a união no polo passivo da ação e o nome do estado é estado
w confirmando aqui seção judiciária do Estado w um minuto sim é o
estado é o estado w inclusive mévio reside na capital do Estado w
vamos organizar Aqui o nosso raciocínio a nossa peça processual
vem aqui comigo olha só essa lentíssimo senhor doutor juiz federal
da 3 pontinhos Vara Federal da seção judiciária do Estado w 5 linhas
médio brasileiro solteiro estudante une Mário portador do RG número
três pontinhos CPF número três pontinhos endereço eletrônico
residente e domiciliado nesta cidade há por seu advogado infra-
assinado conforme procuração anexa com escritório três pontinhos
endereço que indica para os fins do artigo 77 inciso 5º do CPC com
fundamento no artigo 319 Flávia eu posso colocar 309320 pode mas
o 319 já é suficiente tá ajuizar ação de procedimento comum em Face
da união e da universidade particular vamos lá pulamos uma linha
vamos para São segundo a síntese dos fatos o Flávio mas ele é um
estudante eu não tinha que pedir assistência e a gratuidade de
Justiça não entendo que não a banca não destacou explicitamente
essa sua hipossuficiência acredito que se tivessem colocado não
teria problema mas não apareceu no espelho de correção Tá certo
então a gente vai pedir gratuidade de Justiça quando a banca
mencionar expressamente a hipossuficiência o que não existiu no
caso vamos nós síntese dos fatos o autor estudante universitário foi
surpreendido com a negativa do seu pedido de ingresso em
programa governamental de bolsas estudantes apesar de estar
matriculado em faculdade particular e de ter apresentado todos os
documentos nessa e sais vamos nós o órgão federal competente
após analisar o requerimento de mévio sustentou que não foram
preenchidos requisitos previstos em lei dentre eles o pertencimento
a certa etnia importante ressaltar que a previsão de integração de
pessoas no programa que não pertencem ao grupo étnico apontado
na edital desde que haja saldo no respectivo orçamento entretanto
apesar de sustentarem a existência de saldo financeiro foi afirmado
que o requerimento do autor deveria aguardar um prazo estabelecido
em regulamento mas tá o prazo sequer consta na lei instituidora do
programa governamental da mesma forma que nela não há qualquer
limitação relacionada a aplicação do financiamento exclusivamente
para determinado grupo étnico aqui eu completaria tendo em vista o
acima narrado o autor ingressou com tendo em vista o acima narrado
o autor ingressou com a presente ação com a presente ação para
defender o direito fundamental a educação pronto aí vamos nós
pulamos uma linha tutela de urgência e tutela de urgência na ação
de procedimento comum é extraída do artigo 300 do CPC e possui
natureza de tutela antecipada aí turma vamos lá nosso primeiro
parágrafo aqui da tutela de urgência foi feito artigo 300 CPC a
informação de que se trata de uma tutela antecipada segundo
parágrafo a probabilidade Olha que a probabilidade segundo
parágrafo a probabilidade do direito é comprovada pelos Fatos e
provas que acompanham apresente ação e aí vamos nós já o perigo
de dano terceiro parágrafo já o perigo de dano ou o risco AL resultado
útil do processo é evidente a banca menciona olha só só minutinho a
banca menciona aqui no caso narrado voltando aqui ao caso diante
da proximidade do início do semestre letivo para a gente vai colocar
exatamente essa situação de urgência já o perigo de dano ou risco
ao resultado útil do processo É vidente diante da proximidade de
início do ano letivo só organizando aqui Gente esse é o nosso
primeiro parágrafo já tá aqui o segundo parágrafo fala sobre a
probabilidade do direito e o terceiro está aqui embaixo já o perigo de
dano ou o risco ao resultado útil do processo É vidente diante da
proximidade de início do ano letivo volte ao caso quantas vezes forem
necessárias Tá certo a gente não pode deduzir nada da nossa
cabeça a gente vai ao caso relé agora sempre com aquela estrutura
dos cinco passos já elaborado o primeiro a fazer isso leu três vezes
o caso já estrutura aqueles pontos principais o passo 1 2 3 4 e 5
vamos nós Olha só agora na fundamentação jurídica que é
majoritariamente do direito material não é então houve Ofensa ao
princípio da isonomia pois esse tipo de financiamento não pode
beneficiar somente determinado grupo tendo sido violado o disposto
no artigo 5º caput não é do direito à igualdade e o inciso 1º da
constituição que também trata da igualdade também foi violado o
princípio da legalidade que deveria ser observado por toda
administração pública vez que a confronto entre o regulamento e o
texto o que afronta o artigo 37 caput da Constituição turma atenção
aqui toda vez que a gente mencionar a violação ao princípio da
legalidade fica a dica nós colocamos o 37 caput também o artigo
quinto inciso 2 tá é outro argumento pode abrir um novo parágrafo
sobre o tema então Me acompanhe Olha só toda vez né que houver
menção a violação ao princípio da legalidade nós temos também
além da ofensa ao 37 caput nós podemos mencionar a violação ao
quinto inciso 2 da Constituição ademais olha direito constitucional
educação ademais o direito condicional educação deve ser
respeitado pois de acordo com artigo 205 a educação direito de todos
e dever do Estado e da família e devendo ser promovida e
incentivada com a colaboração da sociedade visando ao pleno
desenvolvimento da pessoa seu preparo para o exercício da
Cidadania e sua qualificação para o trabalho vamos nós diante dos
fatos expostos na de tudo que foi narrado que que a gente vai
PlayTech a a concessão da tutela de urgência para determinar a
imediata e inclusão do programa de bolsas não é o que a gente quer
é a título de urgência que seja julgado procedente o pedido para
condenar os Réus em incluir o autor em definitivo no programa de
bolsas do governo a citação da união e da universidade para integral
feito a condenação dos réus em custas de uma advocatícios a
produção de todos os meios de provas em direito admitidas a juntada
de documentos e aí lembrei desse artigo 319 inciso 7 do CPC o autor
optou pela realização da audiência de conciliação ou de mediação e
se 319 inciso 7 deve fazer parte não é deve fazer parte de todas as
petições que envolvem o procedimento comum até agora nos
falamos na ação popular aqui na ação de procedimento comum e é
o que eu vou falar na aula de ação civil pública bem porque que a
gente tem aqui Um Valor específico atribuir a causa porque a banca
mencionou ela disse que era 20.000 Porã e são 4 anos de faculdade
então da c&a causa Olha só o valor de r$ 80000 para efeitos
procedimentais Tá certo então r$ 80000 para efeitos procedimentais
20 vezes 42 mil por ano em 4 anos da 80000 termos em que pede
deferimento local e data advogado três pontinhos ou Flávia é a gente
não pede aqui em ti Mação do representante do MP vejam bem no
caso de José e Adamastor o estado de incapacidade ele era muito
Claro não é Então entendo nada que a gente deveria ter intimado o
Ministério Público sim mas a banca não colocou nos pedidos da
intimação do MP no caso de José Adamastor nessa segunda
hipótese ver se a gente fizer uma análise mais Ampla do artigo 178
poderíamos também ter colocado a intimação do representante do
MP mas a banca não colocou em nenhum dos dois casos Poxa Flávia
Mas na minha opinião tem interesse social segundo caso No primeiro
caso nós temos aqui em capacidade Clara do autor eu colocaria nas
duas hipóteses isso me Tiraria algum décimo de modo algum a gente
não tem décimos né diminuídos da nossa nota caso apontemos
alguma argumentação é importante que por acaso não está no
espelho de correção então caindo uma ação de procedimento
comum Caso vocês vislumbrem uma das situações do artigo 178 do
CPC podem colocar sim a intimação o pedido de intimação do
representante do MP que isso não vai causar nenhum dano da na
nota tá mas eu não coloquei aqui nas peças porque no espelho de
correção do quinto do nono exame a banca não indicou Flávia Poxa
gerou uma certa complicação nesses dois casos não é porque a
banca de um gabarito depois abriu para um segundo gabarito ela não
disse desfez do primeiro não ela abriu para um segundo é verdade
mas lembrem que como eu disse não tem sido comum nenhum tipo
de confusão na segunda fase de condicional no 17º exame a banca
Abril Adorador e gabaritos mais sem vocês vão ver em sala sem
nenhum problema ela entendeu que a redação da vem seja duas
peças e abriu nesses dois casos quinto e nono exame e são exames
né já antigos houve confusão se a banca abrir o segundo gabarito
mas as confusões não tem acontecido tecido desculpem e não irão
acontecer na prova de você tá certo o que eu quero que vocês fiquem
na peça específica quero que vocês sejam Os Herdeiros o porquê de
excluirmos o ms nesse segundo caso de ação de procedimento
comum porque a banca mencionou expressamente que havia
necessidade de produção futura de provas o que não é condizente
com NS aquela primeira hipótese de José confesso que também não
achei a melhor redação mas fazer na interpretação da necessidade
de indenização a gente também afastaria o mandado de segurança
pessoal para a próxima aula eu quero que vocês Copie prometo que
eu vou diminuir o ritmo dessas cópias tá prometo mas para a próxima
aula copinha peça do 24º E essas duas ações de procedimento
comum que nós acaba fazer E aí eu vou diminuindo fiquem tranquilo
já tem gente preocupada com a mão tá doendo demais não vai doer
demais não a gente vai diminuir o ritmo dessas cópias mas é
interessante e importante que até mais ou menos não é a metade do
curso da parte de peças vocês passar essas anotações depois como
a gente já vai ter mais prática eu posso diminuir o ritmo Tá bom meus
queridos outro dever de casa proveitando nenhuma parte dos direitos
metaindividuais e eu começo falando desse ponto da matéria da
nossa próxima aula um abraço muito carinhoso e até breve

Você também pode gostar