Você está na página 1de 235

Gematria: O Jogo das Letras Sagradas e Números

Elder Gideon
Administrador do site

Jogos de Palavras dentro de 'Imagem' e 'Semelhança'



# 1 Post Fri 30/06/2017 15:52 pm
Shalom!

Então Deus disse: 'Façamos a humanidade à nossa imagem, segundo a nossa semelhança(Gênesis 1:26).

Então o Senhor Deus formou o homem do pó da terra e soprou em suas narinas o fôlego da vida; e o
homem se tornou um ser vivo (Gênesis 2: 7).

Eu sou levado por uma série muito surreal de idéias que são compactadas em dois relatos da criação de
Adam. O jogo da imagem (tzelem-‫ )צֶ לֶם‬e a semelhança (d'moot- ‫ ְּ)דמּות‬de Gênesis 1 juntam-se a algo com a
descrição do solo do qual Adão é feito em Gênesis 2. Dentro da imagem tzelemé tzel, que significa
"sombra". De alguma forma, a imagem, pelo menos poeticamente, é composta por sua sombra, talvez
mantendo a luz que a molda. A semelhança tem ainda mais palavras: barragem , significando 'sangue'
e irrelevante , significando 'morrer'; semelhança conota uma temporalidade que eu não apreciei antes. O
princípio de semelhança entre Gênesis 1 e Gênesis 2 mais me fascina.

Nós exploramos em outro post como Adam é tirado do chão , (adamah ‫)אֲדָ מָ ה‬. Quando vi uma versão
diferente da palavra "pó da terra", em Daniel, reconheci uma relação profunda com a mesma palavra
para semelhança :

Muitos dos que dormem no pó da terra devem despertar, alguns para a vida eterna, e alguns para
vergonha e desprezo eterno (Daniel 12: 2).

O pó da terra (admat ‫ )אַ ְּדמַ ת‬contém virtualmente a mesma palavra para semelhança(d'moot-‫)דמּות‬.
ְּ Ele
contém a palavra completa para a morte (moot ‫ )מּות‬e a palavra verdade (emet ‫)אֱמֶ ת‬.

Essa exploração vai e vai por mim. O solo em Daniel é o fundamento da semelhança do humano. Para
sobrepor estas duas palavras para a terra-terra de Gênesis 2 e Daniel, há outra dimensão encantadora:

adamah ‫אֲדמָ ה‬ ָ
admat ‫אַ ְּדמַ ת‬

A diferença entre estes é a letra final. Tau compartilhou um mistério maravilhoso com relação a essa
distinção: o chão-adamah terminando com Heh é aberto, em movimento, mudando; o ground-admat
terminando com o Tau é fechado, fixo, feito, realizado.

Ao considerarmos os ensinamentos de Tau sobre a Imagem e a Semelhança , essa peça interna dentro das
palavras coloca a dimensionalidade em camadas para um mistério já fascinante e imediato.

Que a verdade do solo dê origem à imagem da nossa semelhança.

Elder Gideon
T
o
p
o
Élder Sarah
Administrador do site

Re: Word Plays dentro de 'Imagem' e 'Likeness'



# 2 Post Dom Jul 09, 2017 9:07 AM
Shabat Shalom,

Louvado seja o Santo por esta revelação! Obrigado Élder Gideon por desvendar esse mistério, é um que
tem girado nos recentes ensinamentos da Unidade e do Caminho Reto. Estou especialmente interessado
em sua conexão com Tzalem e a palavra "sombra". Em Nefesh HaTzimtzum , Nefesh HaChaim , do rabino
Chaim Volozhin, o rabino discute a idéia de "sombra" ligada ao Salmo 121: 5: " O Senhor é o seu guardião;
o Senhor é a sua sombra à sua direita ". O rabino aqui fala: " Deus, por assim dizer, conecte-se para dirigir
os mundos de acordo com os movimentos e direção das ações humanas no mundo [físico] mais
baixo."Neste contexto, a exploração está detalhando a sombra em termos de uma sombra replicando toda
a imagem que a sombra está criando. O rabino continua:" Assim como com a sua sombra, se você brincar
com ela, ela brinca com você. Se você chora, chora "

Isso é intrigante para mim e gira um belo mistério sobre Tzalem. Por um lado, o que foi citado acima fala
de sombra em uma luz positiva, sombra semelhante, por outro lado, temos falado de sombra no passado,
como aquilo que oculta a verdade da Luz. A mesma palavra para sombra aparece em Jeremias 6: 4, onde
ouço algo do aspecto ocultante da sombra: " Preparar-se era contra ela; para cima, e vamos atacar ao
meio-dia! "" Ai de nós, para o dia declina, as sombras da noite se alongam! ". Eu estou curioso nisso, como
esta palavra pode estar tanto falando do aspecto assemelhado da sombra / sombra quanto do aspecto
ocultante da sombra / sombra?

Que muitos deste dia cheguem à sua semelhança O Santo do Ser!

Shalom,
Elder Sarah
T
o
p
o
Elder Gideon
Administrador do site
Sombras

# 3 Post Fri Ago 04, 2017 4:33 am
Shalom Elder Sarah:

Essa dualidade que você cria é perspicaz. Há a sombra da Presença conosco em todos nós fazemos versos
uma sombra de ignorância e vulnerabilidade. Eu ouvi uma companheira contar algo sobre esse mesmo
mistério em uma experiência de prática espiritual à noite: onde deveria ter havido apenas uma sombra
projetada por seu corpo à luz da lua, outra apareceu. Esta é uma consciência arrepiante de que a energia é
real, positiva ou negativa. Que tenhamos medo somente do Um e seja forte!

Tau recentemente nos lembrou em nossos estudos que nossa imagem pode seguir uma variedade de
direções em nossa experiência. Estou me movendo com a imagem de mim mesmo em nefesh behamit ou
nefesh elokit? Com ruach externo ou interno? Ele ensinou algo que ainda estou contemplando de perto: a
imagem e semelhança de Elohim inerente a cada um de nós é a natureza de nossa alma:

Aqui podemos falar em um segredo aberto. 'Imagem de Elohim' implica o poder de Elohim, e
verdadeiramente nada existe separado do poder de Elohim, mais ainda, implica as essências espirituais das
coisas, e implica a existência, realidade, das coisas, criaturas, como elas são em Deus. e o Continuum de
Luz, o reino eterno; "semelhança" corresponde às coisas, criaturas, no céu e na terra como elas são em si
mesmas, e mais ainda na medida em que se assemelham, ou realizam e incorporam sua imagem celestial
(tzelem), a imagem de Elohim nelas. Nisto você pode entender que algo da imagem de Deus está dentro e
por trás de todos os seres humanos, mas semelhança, semelhança, similitude, é algo que devemos gerar,
algo que devemos realizar, realizar e incorporar. Quando a semelhança é gerada, atualizada e realizada,.

Nisto eu ouço que os tipos duais de sombra que você está tirando parecem
expressar semelhança . Por semelhança eu sou semelhante ou diferente da minha imagem , perto ou longe
da minha imagem : a minha sombra é O único comigo ou o "outro", Deus me livre.

Ontem à noite nós aprendemos que a imagem de alguémou brilha através de nefesh elokit ou é bloqueado
por nefesh behamit de acordo com a mente com a qual se "come". Enquanto a discussão parece ser sobre
comida, a verdade é mais profunda. O que eu entendo, com o que me identifico, que eu me torno. Ao se
abster da carne e do leite de Nabucodonosor, Daniel e seus amigos mantiveram a proximidade de sua
imagem, vencendo leões e fogo. Sua semelhança era a sombra do Um com eles. Mas quando
Nabucodonosor ficou louco e viveu como e entre os animais selvagens, sua sombra era o "outro".

Algo ainda mais rico em relação a como Tau se uniu à nossa imagem com o poder de tecer nossa
narrativa. Quando nossa história de vida começa e permanece com o Um, nossa sombra é uma
companheira luminosa. Se minha narrativa é a de uma vítima de circunstâncias fora do meu controle,
minha história começa e continua no 'outro': sua sombra me espreita. Que poderoso. Minha semelhança é
uma sombra lançada pela minha imagem no Um ou eclipsada pelo 'outro'.

Que possamos deixar nossa luz brilhar!

Elder Gideon
T
o
p
o
Tau Malaquias
Administrador do site

Re: Word Plays dentro de 'Imagem' e 'Likeness'



# 4 Post Fri 17 nov 2017 12:39 pm
Graça e paz para você na Santa Luz do Messias!

Esta é uma contemplação maravilhosa que você compartilhou, com insights deliciosos. Isso desperta meu
coração e mente, e a alma dentro de mim, e provoca uma contemplação e ensino.

Que a palavra para "imagem" contém a palavra "sombra" sugere muitas coisas. Talvez você se lembre do
que este mundo é chamado e do que o Mundo-Para-Viver é chamado nos evangelhos esotéricos, ou nos
evangelhos "gnósticos". O Evangelho de São Filipe, por exemplo, proclama este mundo 'inverno' e o verão
do mundo a vir ', e isso implica que este mundo é um reino de trevas e morte, ou uma' terra sombria ', e
que o Mundo-Para-Vem é um reino de luz e vida, ou uma "terra de luz". Como aqueles que
experimentaram algo da transmissão de luz podem testemunhar, e mais ainda aqueles que
experimentaram ascensões místicas da alma nos céus e no reino eterno, e aqueles que tiveram
experiências profundas de quase morte, este mundo é literalmente um mundo de sombras e sombras,
enquanto o Mundo-Que-Está-Vindo é um mundo de auto-brilho,

Nos céus e no Mundo-Para-Vem, as almas existem em um corpo de luz e são auto-radiantes, e brilham
com a glória dos atributos divinos e ações divinas que se manifestaram em suas encarnações, e as
realização espiritual ou celestial que eles incorporaram em suas vidas; há uma "imagem" radiante deles
nos céus e em Abide Supernal, de acordo com a "semelhança" que eles criaram através do pensamento
correto, da linguagem correta e da ação correta em suas vidas. Todos os espíritos e almas viventes têm o
potencial desta imagem celestial e celestial "acima", mas essa imagem deve ser atualizada e realizada
"abaixo" neste mundo, e então ela se torna percebida e manifesta "acima" no Mundo-Que-É -Chegando.

Há uma imagem acima, e uma imagem abaixo, a imagem acima é uma imagem auto-luminosa, auto-
radiante - uma imagem de luz e glória superior, e em comparação a imagem abaixo é como uma sombra
ou sombra diante daquela imagem celestial, e embora possa haver luz dentro dela, a luz é virtualmente
completamente oculta pelas trevas da matéria, material, corpo físico e existência. Assim, há uma
"imagem" e uma "imagem", uma imagem de luz e vida, e uma imagem de sombra e morte - escuridão e
destruição. Se, no entanto, uma "semelhança" dessa imagem de santidade e beleza acima for moldada
abaixo, se algo daquela retidão e verdade, que luz e vida são encenadas e assim incorporadas - percebidas,
então a imagem abaixo, a "sombra" pode ser transformado, traduzido, em luz e tornar-se radiante de
glória ou luz e fogo celestiais.

De fato, precisamos apenas considerar nossas experiências com tsadikim vivos em movimentos de
transmissão de luz, revelações de seu Corpo de Manifestação e Corpo de Glória - momentos parecidos com
a transfiguração de Adonai Yeshua diante de seus discípulos próximos na montanha sagrada. Nesses
momentos, contemplamos a luz sagrada que está acima de todos os lugares abaixo, e contemplamos
alguém que está cheio e rodeado de presença de luz e poder de luz, e contemplamos tudo radiante de luz
e glória, a luz que está oculta, oculta , sendo revelado e nos foi dado a conhecer. Verdadeiramente, como
vimos e sabemos, é uma mudança literal de “sombras e sombras” para luzes e glórias, e pode ser tão
radical, e tão chocante, que às vezes pode nos dominar completamente e podemos cair. inconsciente,

Como sabemos, a Santa Cabalá nos ensina que as almas de toda a humanidade estão contidas em Adão
Elyon, o "homem celestial", Adam Ha-Rishon, "primeiro humano", e todas elas emanam daquela Alma
Una; o corpo de Adão Elyon era espiritual e celestial, formado de luz celestial e sublime, imagem do Ser
Humano de Luz. Assim como nossa alma emana de Adam Elyon, a Alma Una, também temos o potencial de
um corpo espiritual e supernal, todas as almas têm um zelem supernal, "imagem", e quando percebidas e
incorporadas, quando um corpo de luz é gerado abaixo, as almas são capazes de ascender através dos sete
céus para a Morada Suprema, e elas "aparecem" no Mundo-Que-Está-Vindo. Assim, o que foi revelado na
transfiguração do Messias Yeshua, e o que é revelado em momentos de transmissão da luz com os
tsadikim vivos, é a verdade, a realidade,

Embora, às vezes, possamos falar do pecado e da queda de Adão e Havva, como se a “queda”, a involução
das almas, não fosse predestinada no início da criação, na verdade a involução das almas nos gilgulim, Os
ciclos de transmigração e materialidade foram destinados desde o início e são necessários para a
realização das almas e sua "imagem" e "semelhança", sua plena individuação e realização da união
consciente com o Santo. Tudo em um grande e supremo mistério é esta “queda”, esta descida e involução
de almas em encarnação, que traz a realização do Messias - plena incorporação da Presença Divina do
Super Celeste, e assim uma glorificação maior do Um Supernal.

Isto é sugerido na inclusão da palavra para 'sombra' dentro da palavra para 'imagem', a realização da
imagem espiritual e sublime através da involução, encarnação, na materialidade - a 'sombra daquela
imagem', ou a 'sombra'. imagem.' Neste processo, entretanto, naturalmente há este jogo de pecado e
morte - escuridão e destruição, como as almas passam através de incontáveis encarnações nos ciclos de
sua evolução e realização, mas há também misericórdia e graça, e arrependimento, e existe a intervenção
e revelação do Divino e o Caminho do Retorno - o Grande Êxodo, a Grande Ascensão; Portanto, há
redenção, salvação, na entrega da Santa Torá e revelação do Santo Evangelho, a vinda do Messias - a
unção com a Luz e Espírito Santo, ou Luz de Transmissão. Tudo é como ordenado em El Elyon,

Esta é uma contemplação, um ensinamento, a interconexão de 'imagem' e 'sombra' aponta para, mas há
outro ensinamento a respeito da 'imagem' e 'sombra' do Santo para o qual ele aponta, e especificamente
com relação a Shaddai, o todo-poderoso. Essa é outra contemplação, ensino, no entanto, e o que foi
compartilhado é provável o suficiente para um dia. Se Deus quiser, talvez possamos assumir essa outra
contemplação em outro momento. Que Deus nos abençoe para fazer isso!

Que a Santa Shekinah, Espírito Santo, revele a você sua imagem celestial, que você seja abençoado para
contemplar a imagem e semelhança do Deus Eterno (Yahweh Elohim) no Trono da Glória, que aparece
como a imagem e semelhança do Ser Humano. de luz! Um homem.

Shalom Aleichem!
Tau Malachi
Sophia Comunhão
Ecclesia Pistis Sophia
T
o
p
o
Tau Malaquias
Administrador do site

Re: Word Plays dentro de 'Imagem' e 'Likeness'



# 5 Postagem Sábado, 18 de novembro de 2017, 12:04 pm
Saudações e bênçãos em Hayyah Yeshua, o Messias ressuscitado!

Como compartilhei em minha escrita anterior, há outro ensinamento que é central para a contemplação da
"imagem" e da "sombra" interconectadas, que de fato se encaixa com o ensinamento que já foi muito bem
compartilhado.

É extraído do primeiro verso do Salmo 91, que diz: “Vocês que vivem no abrigo do Altíssimo (Elyon), que
habitam na sombra do Todo-Poderoso (Shaddai) ...”

Aqui a palavra sombra conota abrigo, santuário, como a sombra de uma grande árvore num dia quente de
verão que abriga do calor escaldante e da luz do sol abrasador, tal é a 'sombra de Shaddai', uma filtragem,
por assim dizer, de a Luz Infinita de Elyon e o ruhaniyot e shefa das Sefirot - influxos dos Atributos Divinos,
uma alma protegida do influxo direto das Supernais, filtrando, restringindo, medindo a intensidade da Luz
Sagrada e do Espírito para que as almas possam recebê-la. e seja abençoado e não seja
dominado. Shaddai, como é conhecido, é Yesod que recebe todos os influxos das Sefirot superiores e os
transmite a Malkut, a Santa Shekinah, que por sua vez os transporta para os inúmeros reinos, mundos e
universos da criação; Shaddai determinando a manifestação da Shekinah, a Divina Presença e Poder.

Existem relativamente poucas almas que podem suportar o influxo direto das Supernais, ou que podem
ficar no interior de Shekinah, alcançando Binah, e não ficarem completamente sobrecarregadas. Portanto,
através de uma série de inúmeras gradações, a Luz e o Espírito Santo são filtrados, restritos, medidos, até
que fluam através de Yesod, Shaddai, e manifestando-se como o exterior Shekinah, Malkut, Adonai. Adonai
é a 'sombra de Shaddai', o exterior Shekinah, 'a Santa Shekinah como revelada e manifesta neste mundo, e
todos os mundos da criação.

Entenda, o exterior Shekinah é a Divina Presença e Poder neste mundo e o interior Shekinah é Presença
Divina e Poder no Mundo-Para-Vem. Contemple isso bem e entenda!

Aqui podemos dizer que em relação com o Infinito (Ain Sof), qualquer imagem contemplada em sonho,
visão ou revelação é, de fato, como uma 'sombra', como nada, independentemente de quão radiante com
a beleza e santidade, glória e poder, e todos os outros Atributos Divinos. Assim, verdadeiramente, em
relação ao Infinito e Eterno, qualquer imagem é uma "sombra", e se o ser humano é criado à imagem e
semelhança do Deus Eterno (Yahweh Elohim), de modo que imagem e semelhança é uma "sombra". 'do
Infinito, o Supremo, cuja' imagem não é imagem '- Ain. Criada à imagem e semelhança do Deus Eterno,
porém, algo disso também desempenha nosso papel na alma humana, pois a imagem celestial, zelem,
contém imagens correspondentes a incontáveis encarnações, e a toda essa imagem sagrada e sublime
estas imagens individuais são como uma 'sombra'

Neste, talvez, você pode entender que qualquer imagem contemplada em sonho, visão ou revelação do
Super Celeste é como um 'abrigo de Elyon' e 'sombra de Shaddai', sendo o Supernao sempre além do que é
revelado, ou o que é visto e ouvido e conhecido; daí, o Infinito, inominável, incognoscível, transcendental -
Ain.

Agora há algo mais a ser compartilhado. Como é sabido, Yesod, Shaddai, é chamado de Santo
Tzaddik. Entenda o que isso significa! O Tzaddik Sagrado, esta é a presença e poder de todos os tsadikim,
todos os profetas e apóstolos, ao longo de todo o tempo, passado, presente e futuro. Isto é o que se
entende por Yesod chamado 'Santo Tzaddik, e em que a Santa Luz do Messias - a Unção, é a luz de todos os
tsadikim, todos verdadeiros profetas e apóstolos, então o Tzaddik Sagrado é o Messias. Como é ensinado
na Santa Cabala, quando e onde uma mulher ou homem santo se ilumina, entrando em realização celestial
e união consciente com o Santo, a presença e o poder de todos os tsadikim do passado, presente e futuro
simultâneos tornam-se manifestos naquele lugar, e esse mesmo lugar é a Terra Santa; daqui, o Tzaddik
Sagrado se torna manifesto naquele lugar,

No momento da realização celestial, há um influxo direto das Supernais que toca e é incorporado -
plenitude da Santa Luz do Messias; e como Yesod, Shaddai, recebendo a plenitude do Influxo Supremo, a
Transmissão de Luz, para que possam transmitir várias gradações de Transmissão de Luz, ou bênçãos e
capacitações, ensinamentos e revelações, filtrando, restringindo, medindo, por assim dizer, a Luz e o
Espírito Santo para que algo possa ser recebido por muitos e muitos pode ser elevado em retorno ao Deus
Eterno, a Luz Verdadeira.

O surgimento de um tsadic vivo - "sombra do sagrado Tzaddik" - esta é a plena geração e encarnação da
imagem e semelhança do céu e do Santo, Yahweh Elohim; tais são estes santos e iluminados, e como tal, a
Santa Shekinah habita neles e os cerca por todos os lados, e se torna manifesta como eles, tudo como
ordenado por El Elyon, o Deus Supremo.

Este, é claro, é o desejo do Santo para todos nós, que venhamos a ser como um ser vivo, um tzaddik
sagrado - um justo.

Vocês trouxeram a palavra "verdade" e a palavra "morte", e aqui podemos dizer que até que a verdade
seja realizada e incorporada, permaneceremos em escravidão ao pecado e à morte - a ignorância, a ilusão
da separação. Há algo a ser dito sobre a palavra para a verdade em hebraico, Amet. Este é um cognome de
Keter, Elyon, mas também é um cognome de Tiferet, Yahweh. É interessante, Amet é igual a 441, o que é
igual a 9 através do processo de redução; daí, o número de Yesod, o sagrado Tzaddik.

Há verdade correspondente a Keter-Ain, e há verdade correspondente a Tiferet, Yahweh, Yeshua. Isso


corresponde a dois aspectos da realização, a iluminação. Como é sabido, há aqueles tsadikim, ou santos e
iluminados, que retêm algo de sua alma da cessação final, ou reintegração completa com a Luz Infinita,
para que eles continuem a emanar e encarnar para trabalhar pela iluminação e liberação de todos. Isso
corresponde ao Amet como cognome de Tiferet - Rehamim, Compassion. Então há aqueles tzaddikim
sagrados que passam à cessação final, ou reintegração completa com a Luz Infinita, abrindo o caminho
para outros seguirem e emitirem algo de Graça Superna, Misericórdia Abundante. Isso corresponde ao
Amet como cognome de Keter.

Aqueles com conhecimento, talvez, podem vislumbrar insights sobre o Corpo da Verdade e a geração do
Corpo Tríplice do Tzaddik Sagrado a partir disso, e da mesma forma, talvez eles possam vislumbrar uma
visão penetrante da Graça Superna no momento em que um santo e um iluminado passa para a cessação
final, ou reintegração completa com a Luz do Infinito.

Aqui é dado que eu fique em silêncio e permaneça, aguardando a Santa Shekinah, o Espírito Santo.

Que o rosto de Yahweh brilhe sobre você neste dia e que Yeshua te abençoe! Um homem.

Yeshua Shalom!
Tau Malachi

Sophia Comunhão

Ecclesia Pistis Sophia


T
o
p
o
Mark Daniel

Re: Word Plays dentro de 'Imagem' e 'Likeness'



# 6 Post Ter 21 de novembro de 2017 às 15:52
Shalom queridos Anciãos e Tau,

Muito obrigado por esta revelação e instrução em curso!

O salmista escreve: “Vocês que vivem (yashab) no abrigo do Altíssimo (Elyon), que habitam (luwn) na
sombra do Todo-Poderoso (Shaddai)…”

Há algo interessante acontecendo no contraste das palavras hebraicas para “viver” (yashab-yod-shin-bet) e
para “abide” (luwn-lamed-vav-nun). Yashab tem associações com moradia a longo prazo, colonização e até
casamento, enquanto “Luwn”, em contraste, é mais associado a hospedagem, parada ou “passar uma
noite” em um lugar.

Então, enquanto ambos são formas de abrigos, um é mais temporário, enquanto o outro é mais
permanente. Essa escolha de palavras enfatiza muito o ensinamento que acabamos de dar sobre a
integração parcial e absoluta - onde apenas o último, se bem entendi, está além da escravidão aos ciclos da
vida e da morte. Lembro-me aqui que Yeshua nos ensina a "ser passantes" e "construir nossa casa na
rocha". Isso ainda está fermentando meu coração, mas estou me perguntando se esses ensinamentos do
Evangelho podem ser entendidos como falar a esses diferentes graus de integração e estabelecimento?

Eu também acho curioso que o salmista primeiro fale de viver no abrigo de El Elyon, e então fala de
permanecer na sombra de Shaddai. Não esperamos o oposto - primeiro encontrar a manifestação velada e,
depois, mais direta. Mas aqui eu tenho um forte senso de que esta linha pode ser tomada para significar
que, para aqueles que já vivem no abrigo de El Elyon, que já têm sua imagem estabelecida no Pleroma de
Luz, elessão capazes de permanecer (passar a noite) na sombra de Shaddai - neste reino de ilusão. Se estou
no caminho certo aqui, isso muito mais chama a nossa atenção para o ensinamento poderoso que acaba
de ser dado por Tau sobre os tsadikim que retêm algo de suas almas da cessação final a fim de
continuarem trabalhando neste reino. Aqueles Tzaddikim que promovem um retorno consciente para o
bem dos outros, já conhecendo seu lar em Deus Altíssimo, estão abrigados (e de fato são abrigos) nesta
noite sombria e passageira. Eles são, como Tau descreve frequentemente, como sonhadores lúcidos em
um sonho instável - ainda há um sonho, mas conhecê-lo como tal fornece um abrigo para a noite.

Meu amor e minha tremenda gratidão a todos vocês,

Shalom shalom,

Mark Daniel-
T
o
p
o
Tau Malaquias
Administrador do site

Re: Word Plays dentro de 'Imagem' e 'Likeness'



# 7 Post Dom Nov 26, 2017 11:01 am
Graça e paz para você em Hayyah Yeshua!

É verdade que as almas que estão perdidas em vagar sem destino nos gilgulim, potencialmente
intermináveis ciclos de nascimento, vida, envelhecimento, doença e morte, são como se estivessem presas
em "sonhos estranhos e incertos", todos inconscientemente compelidos por seu contínuo cármico,
padrões habituais de auto-estima, desejo e medo. As almas dos grandes tsadikim, ou os santos e
iluminados, estão despertos no Santo, e não estão ligados a sonhos estranhos e intermitentes, nem um
pouco; mesmo com compaixão, se pode parecer que eles entram em tais sonhos, o klippot que domina
este mundo e o coletivo da humanidade nele, eles são lúcidos, eles permanecem na Presença Divina,
inseparáveis disto, e eles mantêm outro sonho, visão no meio desta escuridão, o sonho, a visão do reino
dos céus, e esse é o 'corpo de visão' que eles 'vestem' - caminhando com Deus, então eles caminham
fundidos com a Presença Divina, caminhando em beleza e santidade, agrupados em todos os Atributos
Divinos, mantendo o poder de todas as Ações Divinas. Assim, então, tendo uma completa semelhança com
o Messias e o Santo, então eles incorporam uma emanação de seu zelem superior, imagem, e assim
também a Shekinah do Messias - a Unção; assim como a escuridão não é escura para o Santo, assim a sua
sombra não é sombra! Contemple isso bem e entenda! e assim também a Shekinah do Messias - a
Unção; assim como a escuridão não é escura para o Santo, assim a sua sombra não é sombra! Contemple
isso bem e entenda! e assim também a Shekinah do Messias - a Unção; assim como a escuridão não é
escura para o Santo, assim a sua sombra não é sombra! Contemple isso bem e entenda!

O que você compartilhou de 'abrigo' e 'viver' e 'sombra' e 'permanecer' é lindo meu irmão.

Talvez você possa relembrar termos para as almas que estão estabelecidas no "mundo a vir", como "seres
vivos", "imortais", "seres brilhantes"; “Vocês que vivem no abrigo do Altíssimo [Elyon]”, isto corresponde
ao Mundo-Para-Vem, almas que são estabelecidas no Mundo-Para-Vem, e “Que habitam na sombra do
Todo-Poderoso [Shaddai ], Isso corresponde às almas dos justos, fiéis e espirituais neste mundo. A própria
natureza do Mundo-Para-Viver é eterna, "permanente", e a natureza deste mundo, como sabemos, é um
fenómeno temporal, passageiro, "impermanente"; daí 'viver' e 'permanecer' como você
compartilhou. Aqui está este mundo que somos, na verdade, viajantes passando, e aqui e agora é o lugar e
tempo de trabalho, para trabalhar pela nossa realização espiritual e celestial, mas nossa verdadeira origem
e morada, e nosso lugar de descanso, repouso,

Há também outra atribuição de 'abrigo do Altíssimo', inseparável da correspondência do Mundo-Para-


Vem. De acordo com os mestres da tradição, este é um título de Da'at de Atzilut e corresponde ao
conhecimento de Deus na realização superna, ou Consciência Messiânica. Este, é claro, é o conhecimento
de Deus no Mundo-de-Vem, conhecimento em unificação, unicidade, mas como é conhecido há almas que
incorporam algo deste conhecimento de Deus neste mundo, correspondendo com o princípio do Espírito
Santo. Tzaddik e os tzaddikim ungidos, ou santos apóstolos. Verdadeiramente, um homem santo ou
mulher que incorpora tal conhecimento de Deus é estabelecido no Mundo-Que-Está-Vindo e pode
vislumbrar e provar essa Morada Superna enquanto ainda neste mundo, correndo e retornando em
ascensões místicas da alma através dos céus para a Morada Superna, e assim eles 'vivem no abrigo do
Altíssimo' e 'permanecem na Sombra do Todo-Poderoso', e a ordem na qual isso é escrito é perfeitamente
correto: "abrigo do Altíssimo", "sombra do Todo-Poderoso", pois eles "derrubam" e personificam o
conhecimento mais sagrado - aquele Mochin Gadlut, a iluminação. De fato, se você contemplar o Salmo
91, e a manifestação da Santa Shekinah, a Divina Presença, com estes homens e mulheres de Deus,
claramente é a Presença Divina como se manifesta com os profetas e apóstolos - tsadikim, e mais ainda o
Messias, a Santa Luz do Messias sendo a luz e a vida de todos os profetas e apóstolos de Deus, todos os
sagrados tsadikim. e assim eles 'vivem no abrigo do Altíssimo' e 'permanecem na Sombra do Todo-
Poderoso', e a ordem na qual isso é escrito está perfeitamente correta: 'abrigo do Altíssimo', 'sombra do
Todo-Poderoso, 'para eles' derrubar 'e incorporar esse conhecimento mais sagrado - que Mochin Gadlut,
iluminação. De fato, se você contemplar o Salmo 91, e a manifestação da Santa Shekinah, a Divina
Presença, com estes homens e mulheres de Deus, claramente é a Presença Divina como se manifesta com
os profetas e apóstolos - tsadikim, e mais ainda o Messias, a Santa Luz do Messias sendo a luz e a vida de
todos os profetas e apóstolos de Deus, todos os sagrados tsadikim. e assim eles 'vivem no abrigo do
Altíssimo' e 'permanecem na Sombra do Todo-Poderoso', e a ordem na qual isso é escrito está
perfeitamente correta: 'abrigo do Altíssimo', 'sombra do Todo-Poderoso, 'para eles' derrubar 'e incorporar
esse conhecimento mais sagrado - que Mochin Gadlut, iluminação. De fato, se você contemplar o Salmo
91, e a manifestação da Santa Shekinah, a Divina Presença, com estes homens e mulheres de Deus,
claramente é a Presença Divina como se manifesta com os profetas e apóstolos - tsadikim, e mais ainda o
Messias, a Santa Luz do Messias sendo a luz e a vida de todos os profetas e apóstolos de Deus, todos os
sagrados tsadikim. 'para eles' derrubar 'e incorporar esse conhecimento mais sagrado - que Mochin Gadlut,
iluminação. De fato, se você contemplar o Salmo 91, e a manifestação da Santa Shekinah, a Divina
Presença, com estes homens e mulheres de Deus, claramente é a Presença Divina como se manifesta com
os profetas e apóstolos - tsadikim, e mais ainda o Messias, a Santa Luz do Messias sendo a luz e a vida de
todos os profetas e apóstolos de Deus, todos os sagrados tsadikim. 'para eles' derrubar 'e incorporar esse
conhecimento mais sagrado - que Mochin Gadlut, iluminação. De fato, se você contemplar o Salmo 91, e a
manifestação da Santa Shekinah, a Divina Presença, com estes homens e mulheres de Deus, claramente é a
Presença Divina como se manifesta com os profetas e apóstolos - tsadikim, e mais ainda o Messias, a Santa
Luz do Messias sendo a luz e a vida de todos os profetas e apóstolos de Deus, todos os sagrados tsadikim.

Há algo para entender. Além de falar desta realização celestial na ordem que é dada, 'acima' e depois
'abaixo', uma realização que surge de uma auto-anulação completa e completa, e que corresponde com o
influxo total da Graça Superior, e verdadeiramente um 'renascimento' ou 'pura emanação' de cima, da
Suprema Morada, também é verdade que a origem de todas as almas está em Atzilut e na Suprema
Morada - o Continuum de Luz; apesar de estarem ligados à ignorância, às trevas, todos emanam de "lá" e
todos acabarão "voltando" à sua fonte de emissão, seja entrando em uma união consciente de cair na
união inconsciente. Isso está na palavra teshuvá - arrependimento, que significa literalmente
"retorno". Entenda, você só pode "voltar" para onde você veio, onde você já esteve, onde está sua
'raiz', onde está a sua 'casa' e então 'abrigo do Altíssimo' primeiro e 'sombra do Altíssimo' em segundo
lugar; mas saiba que a "sombra do Todo-Poderoso" corresponde ao poder da união consciente com o
Santo, plena realização celestial. Assim, em Apocalipse, falando sobre a Segunda Vinda, ou o Fim-de-Dias e
revelação do Mundo-Que-É-Vindo, o Nome de Deus que está escrito neste livro sagrado é Yahweh Elohim,
Shaddai-Shaddai a realização do poder de Deus no Messias, conforme predito neste Salmo 91.

Agora há uma imagem acima e uma imagem abaixo, e a imagem abaixo deve ser feita à semelhança da
imagem acima; se e quando a imagem abaixo for manifestada à semelhança daquela imagem acima - a
imagem sublime celestial, então há uma emanação daquela imagem acima na imagem abaixo, e algo
daquela imagem sagrada acima se junta a ela, algo da imagem imagem acima tornando-se incorporada, e
com ela os aspectos correspondentes da alma, a sagrada neshamá e os interiores de neshamá, fianá e
yechidá. Esta imagem sublime celestial é a aparição da alma no Mundo-Para-Vem, a Morada Suprema, e a
santa neshamá, a alma celestial, celestial e os interiores de neshamá, fênix, poder de luz e yechidá,
centelha divina. são os aspectos da alma enraizados no Mundo-Para-Vem. Assim, no Messias, a unção,

Nisto, é claro, estamos falando da geração de um corpo espiritual, um corpo de luz, como discutido em
grande detalhe em outros lugares; a geração completa do corpo de luz corresponde com a semelhança
completa da "imagem abaixo" com a "imagem acima", e o surgimento do Corpo Trino em realização
supernal corresponde a uma emanação pura da "imagem celestial acima" em encarnação ; daí as
revelações do Corpo de Glória e do Corpo de Emanação com os tsadikim ungidos, ou verdadeiros apóstolos
santos no Messias.

Em ambos os ensinamentos de Adonai Yeshua que você menciona, querido irmão, o significado é o mesmo
- vivendo orientado não mais para este mundo, mas para o reino dos céus, o Mundo-Para-Vem, o Supremo
Abide; daí o ensinamento do apóstolo, 'embora neste mundo, não mais deste mundo'. Isso é ser um
"transeunte" e isso é "construir uma casa em pedra" em vez de "areia". Eles falam do mesmo mistério.

Estes são alguns pensamentos que me é dado compartilhar esta manhã; agora devo fazer uma pausa para
cuidar do discurso do Shabat e falar de outros mistérios secretos em assembléia.

Neste Dia Santo do Shabat, você pode vislumbrar e saborear o Mundo-Para-Viver e ser incendiado com
paixão por ele! Um homem.

Shabat Shalom!
Tau Malachi

Sophia Comunhão

Ecclesia Pistis Sophia


T
o
p
o
Mark Daniel

Re: Word Plays dentro de 'Imagem' e 'Likeness'



# 8 Post seg Dez 11, 2017 5:47 am
Shalom dearest teachers,

Alguns outros insights que espero podem levar esta conversa um pouco mais longe.

Tau escreve acima,

“… no meio desta escuridão, o sonho, a visão do reino dos céus, e esse é o 'corpo de visão' que eles
'vestem' - andando com Deus, para que eles andem fundidos com a Presença Divina. , andando em beleza
e santidade, dispostos em todos os Atributos Divinos, mantendo o poder de todas as Ações Divinas. Assim,
então, tendo uma completa semelhança com o Messias e o Santo, então eles incorporam uma emanação
de seu zelem superior, imagem, e assim também a Shekinah do Messias - a Unção; assim como a escuridão
não é escura para o Santo, assim a sua sombra não é sombra! Contemple isso bem e entenda!

Então, se eu estou ouvindo este direito, quando se trata de "incorporar uma emanação de seu zelem
supremo", então o que uma vez pareceu ser sombra também se torna luz. Em outras palavras, ao se tornar
uma imagem da Luz, o mundo também se torna Luz. Que maravilha! Certamente o oposto também é
verdade, que o grau em que estamos confusos, então o mundo parece confuso. Eu sinto que esta é talvez a
mais importante contemplação para nós que estamos aqui neste mundo.

Notei que as mesmas letras que soletram ZALEM (tzaddi-lamed-mem) também soletram, em ordem
inversa, a palavra “MALATS”, que significa “doce”. Como em: “Quão doces (MALATS) são as tuas palavras
ao meu gosto, mais doces do que o mel à minha boca!” (Salmo 119: 103). Esta é uma linda concordância -
nosso despertar, nossa encarnação deste Santo Zalem, é a doçura em si, e é talvez o que nos permite
provar a doçura da Palavra de Deus?

Com essa relação entre Zalem e Malats em mente, estive considerando a visão do rabino Chiya no Zohar,
“Quem dentre vós transforma a escuridão em Luz e os sabores amargos e doces antes mesmo de ele vir
para cá, isto é, enquanto ainda vive no outro mundo? Quem dentre vocês espera e espera cada dia pela
Luz que brilha quando o Senhor se distancia, quando Sua grandeza cresce e Ele é chamado o Rei de todos
os reis do mundo? Pois quem não espera por isto todos os dias enquanto vive neste mundo, também não
tem lugar no outro mundo ”.

Esta passagem parece conter muito do mesmo mistério que temos discutido acima. Mais uma vez ouvimos
que “viver no outro mundo” é o que permite que a pessoa se torne escura em Light e tenha um sabor
amargo como doce. E talvez possamos até encontrar nesta passagem uma divisão similar entre dois graus -
de viver naquele outro mundo, e de esperar e esperar pela Luz? Interessante.

O que eu ouço neste dia de hoje é que aquele que se lembra de seu verdadeiro lar no Santo, que é para
incorporar seu Santo Zelem, é capaz de extrair a Luz de dentro das trevas, e até mesmo neste reino de
confusão prova a amargura de sofrimento, confusão e morte como nada além de doçura - mais doce que o
mel são todas as Palavras do Senhor.

Essa adição da visão de Malats e Rabi Chiya acenderá algo mais que possa ser compartilhado sobre a
geração do Zelem e nossa habilidade de extrair a Luz da escuridão, ou de como nosso despertar para o
nosso Ser Verdadeiro faz cada amargura ter um sabor doce?

Que mistério maravilhoso e tremendamente importante.

Com tal gratidão e fé,

Mark Daniel
T
o
p
o
Tau Malaquias
Administrador do site

Re: Word Plays dentro de 'Imagem' e 'Likeness'



# 9 Post seg 18 dez. 2017 10:42
Graça e paz para você em Hayyah Yeshua, o Messias Ressuscitado e Ascensionado!

Esta passagem do Zohar é um ensinamento sobre a prática espiritual de "suavizar o juízo com
misericórdia", um assunto que escrevi em outros lugares com algum detalhe. Aqui, no entanto, podemos
considerar essa passagem na visão do mekubalim cristão, entendendo que se pode entender que o
ensinamento do rabino fala da vinda do Messias, olhando para aquele dia com profundo anelo e esforço
para apressar a vinda do Messias, talvez para ajudar a trazê-lo em sua própria vida. Este é um tema
constante na Cabala Judaica e na vida espiritual dos místicos judeus, e também na Cabala Cristã entre
místicos cristãos, pois nós olhamos para a Segunda Vinda e trabalhamos para apressar a Segunda
Vinda. Essa esperança e trabalho, seja de uma perspectiva judaica ou cristã, é fundamentalmente a
mesma.

Há um ensinamento comum dado aos seguidores do Caminho pelos apóstolos no Novo Testamento sobre
a vida espiritual e a prática daqueles que receberam o Messias, a Unção. Eles ensinaram que a "vinda do
Senhor" ou "retorno do Senhor" estava próxima, e eles chamaram seus discípulos, seus companheiros,
para estarem preparados para a vinda do Senhor a qualquer dia, todos os dias, entendendo que o Senhor
poderia vir a qualquer hora, em qualquer lugar. Assim, eles ensinaram os seguidores do Caminho a viver
cada dia como se fosse o Dia do Senhor - o Dia do Juízo.

O que a igreja exterior e não espiritual ensina sobre o retorno do Senhor, ou a Segunda Vinda, trai a falta
de compreensão dos ensinamentos espirituais mais profundos do Evangelho dado pelos santos apóstolos
originais, pois claramente aqueles que são santos e iluminados falam do Segunda Vinda estando perto, e
ensinando seus seguidores a viver como no tempo da Segunda Vinda, o fim dos dias, eles estavam falando
de algo concernente à vida interior, não tanto à vida exterior; de fato, por dois mil anos depois, o fim dos
dias não veio para o mundo e para a humanidade na vida exterior, embora talvez nestes tempos, nas
gerações atuais, esteja se aproximando. Na verdade, porém, de acordo com o nosso evangelho, os
apóstolos originais estavam falando de algo mais espiritual e profundo, pois a Segunda Vinda não é o
retorno de “Jesus” da maneira que o cristianismo tradicional predispõe, mas corresponde à plena
incorporação do Espírito de Deus e da Consciência Messiânica, ou Consciência Divina, em uma porção
maior do coletivo humano; portanto, a Segunda Vinda corresponde a muitas almas que entram na mesma
realização espiritual e celestial que foi incorporada em Adonai Yeshua e os santos apóstolos depois dele. A
Primeira Vinda foi e está em Yeshua e, como tal, ele é de fato o Filho primogênito de Deus - o Messias; a
Segunda Vinda está em nós, em você e em mim, e em todos que estão dispostos e são capazes de receber
o Messias, a Unção, e incorporar aquela Luz e Espírito Santo; portanto, todos que voltam a ser um. antes
corresponde à plena corporificação do Espírito de Deus e da Consciência Messiânica, ou Consciência de
Deus, em uma porção maior do coletivo humano; portanto, a Segunda Vinda corresponde a muitas almas
que entram na mesma realização espiritual e celestial que foi incorporada em Adonai Yeshua e os santos
apóstolos depois dele. A Primeira Vinda foi e está em Yeshua e, como tal, ele é de fato o Filho primogênito
de Deus - o Messias; a Segunda Vinda está em nós, em você e em mim, e em todos que estão dispostos e
são capazes de receber o Messias, a Unção, e incorporar aquela Luz e Espírito Santo; portanto, todos que
voltam a ser um. antes corresponde à plena corporificação do Espírito de Deus e da Consciência
Messiânica, ou Consciência de Deus, em uma porção maior do coletivo humano; portanto, a Segunda
Vinda corresponde a muitas almas que entram na mesma realização espiritual e celestial que foi
incorporada em Adonai Yeshua e os santos apóstolos depois dele. A Primeira Vinda foi e está em Yeshua e,
como tal, ele é de fato o Filho primogênito de Deus - o Messias; a Segunda Vinda está em nós, em você e
em mim, e em todos que estão dispostos e são capazes de receber o Messias, a Unção, e incorporar aquela
Luz e Espírito Santo; portanto, todos que voltam a ser um. a Segunda Vinda corresponde com muitas almas
entrando na mesma realização espiritual e celestial que foi incorporada em Adonai Yeshua e os santos
apóstolos depois dele. A Primeira Vinda foi e está em Yeshua e, como tal, ele é de fato o Filho primogênito
de Deus - o Messias; a Segunda Vinda está em nós, em você e em mim, e em todos que estão dispostos e
são capazes de receber o Messias, a Unção, e incorporar aquela Luz e Espírito Santo; portanto, todos que
voltam a ser um. a Segunda Vinda corresponde com muitas almas entrando na mesma realização espiritual
e celestial que foi incorporada em Adonai Yeshua e os santos apóstolos depois dele. A Primeira Vinda foi e
está em Yeshua e, como tal, ele é de fato o Filho primogênito de Deus - o Messias; a Segunda Vinda está
em nós, em você e em mim, e em todos que estão dispostos e são capazes de receber o Messias, a Unção,
e incorporar aquela Luz e Espírito Santo; portanto, todos que voltam a ser um.

Nós dissemos que onde e quando uma alma é iluminada, entrando em realização celestial, naquele lugar e
tempo há a manifestação do Tzaddik Sagrado correspondente a Yesod de Atzilut, a presença e poder de
todos os tsadikim do passado, presente simultâneo e futuro. Se, de fato, há realização celestial, a plenitude
da Shekinah do Messias está naquele lugar, e o esplendor da Coroa Celestial brilha daquele lugar - é a
verdadeira Terra Santa. Na realização celestial, é visto e conhecido que a Luz Sagrada que está acima está
em toda parte abaixo, e é visto e conhecido que a Luz Superna é o centro secreto de cada partícula da
matéria, e neste, a escuridão da matéria não é escuridão. tudo é radiante com "glória", ou auto-
luminosidade esplendorosa e brilhante, mas então, mesmo em alguns momentos da transmissão da luz
com os tsadikim ungidos, nós vislumbramos essa verdade, essa realidade, bem antes da realização real,
pois de repente estamos conscientes da luz dentro e ao redor de nós, todo o ambiente de nossa
experiência se tornando radiante. É um gosto, um vislumbre de algo da imagem celestial e do mundo a vir
neste mundo, uma sugestão da realidade da Grande Ressurreição e Ascensão.

Há este jogo de transmissão de luz neste mundo todos os dias, e aqui e ali estão aqueles que
experimentam algo da Consciência Superna, Consciência Messiânica, e neste dia a "vinda do Senhor".

O Senhor veio, e o Senhor está chegando, e o Senhor está para vir, a fruição da vinda do Messias estando
no Fim-de-Dias.

Um momento de transmissão de luz, recebendo o influxo da Luz Sagrada e do Espírito, é muito


"doce". Louve o Senhor!

Quando recebemos a transmissão da luz, nossa unção, entre os movimentos de transmissão de luz com
nosso tsadic e comunidade, e em oração e meditação, assim vivemos de acordo com nossa fé e
conhecimento, o que vimos, ouvimos e sentimos, e sabemos , lembrando-se da revelação da Santa Luz e
Espírito, e do Mundo-Que-Está-Vindo. Dentro e por trás de tudo o que acontece, dentro e por trás do jogo
de aparentes situações 'auspiciosas' e 'não auspiciosas', circunstâncias e eventos, estamos cônscios do
Continuum de Luz, e estamos cientes da nossa transcendência, e neste mesmo amargo 'torna-se' doce '

Aqui podemos dizer que, se de fato houver uma percepção da consciência além do corpo, e plena
capacidade para a transferência da consciência do corpo material para um corpo espiritual - um corpo de
luz, então nossa perspectiva de vida e deste mundo mudar radicalmente, e até mesmo a 'morte' será
transformada, não mais amargura no fim da vida, fim dos dias, mas doçura como a alma passa deste
mundo para o mundo-a-vir, luz sobre luz e vida eterno, ou seja, ser nascido no Infinito.

Estes são alguns pensamentos que eu estava inclinado a compartilhar.

Ó Santo, tendo recebido sua Luz e Espírito Supernos, assim poderemos ser elevados na Grande
Ressurreição e Ascensão, e poderemos ser capacitados para elevar muitos espíritos e almas em nossa
ascensão! Um homem.

Shalom Aleichem!
Cartas da Bênção Sacerdotal

# 1 Post Sex 03 Nov, 2017 09:55
Banquete Dia Shalom:

Que YHVH te abençoe e proteja.


Que o rosto de YHVH brilhe sobre você e seja gentil com você.
Que YHVH levante o seu rosto para você e lhe conceda a paz (Números 6: 24-26).

Em Zohar 2: 130b, o Rabino Sh'mon elabora muito profundamente sobre a merkavah, o misticismo de
viajar através dos céus e mundos, alcançando até mesmo o Supernal. Ao citar textos de prova das
escrituras, nos é dada uma visão muito profunda da natureza da mente, consciência ou alma que pode ser
negligenciada:

"Se, pelo mistério dessas cartas, se conhece o mistério do Santo Nome de Quarenta e Duas Cartas e as
invoca apropriadamente com fervor, verá-se à luz do antepassado no céu seis Yods, três à direita e três
para o lado esquerdo e três Vavs subindo e descendo, cintilando no céu - estas são as letras da bênção
sacerdotal ".

Dentro de seu contexto do Quarenta e Dois Nomes Com Letras, ele cita a bênção sacerdotal de Números 6.
Há uma fórmula nestes três versos que eu nunca teria conhecido, se ele não tivesse ensinado algo tão
espetacular de uma bênção tanto para os vivos, moribundos, e morto. Cada linha contém um padrão de
Yod-Yod-Vav.

‫ יְּבָ ֶרכְּ ָך יְּהוָה ְּוי ְִּש ְּמ ֶ ֶֽרָך‬Que YHVH te abençoe e te proteja
‫ יָאֵ ר יְּהוָה ִ ֶֽויחֻ ֶנֶֶּֽֽ ָך‬Que o rosto de YHVH brilhe sobre ti e tenha misericórdia de ti
‫ִשא יְּהוָה ְּוי ֵָשם‬ ָ ‫ י‬Que YHVH levante o seu rosto até ti e te conceda a paz

Quando comparei estes versículos completamente escritos em Números, descobri que esta bênção
sacerdotal Rabbi Sh'mon cites é intencionalmente abreviado para enfatizar o padrão Yod-Yod-Vav. Eu não
sabia que palavras redutoras para fórmulas contemplativas aconteciam ou poderiam ser
feitas. Certamente, a soma de vinte e seis padrões deste padrão também é significativa.

O que importa é essa maravilhosa fórmula da letra Yod-Yod-Vav. Eu consultei os 144 Nomes de Deus e
encontrei muitos padrões de Yod-Yod, mas nenhum com Vav. Ainda assim, a presença continuou incitando
a permanecer com isso e a permanecer. Só depois de deixar a Roda da Luz ontem pela manhã, o clique
veio: Yod-Yod-Vav são as letras agregadas que fazem o Alef. Louve a Deus!

A elegância disso vai e vem. É bastante normal ver Alef como composto por um Yod acima e um Yod abaixo
unido por um Vav. Visto dessa maneira, toda dualidade ou polaridade concebível é mantida por Alef. Eu
também ouço dentro e fora de um Vav. Que este mistério venha a mim em nosso atual ciclo da Festa Solar
de São Lázaro, ensina-me o poder de memorizar essa bênção como uma oração pelos vivos, moribundos e
mortos, segurando no coração.

‫ א‬Que YHVH te abençoe e te proteja.


‫ א‬Que o rosto de YHVH brilhe sobre você e seja gentil com você.
‫ א‬Que YHVH levante o seu rosto para você e lhe conceda a paz.

Elder Gideon
T
o
p
o
Linda B

Re: Cartas da Bênção Sacerdotal



# 2 Post Qua 08 de Novembro de 2017 20:17
Shalom,

Este post mexeu meu coração ao ponto em que fui atraído para contemplar isso ainda mais. A referência
ao "brilho do antebraço no céu" me surpreendeu e me lembrou que a estrela da manhã aka Venus brilha
no céu naquela época também criando um brilho. Quando a palavra estrela é usada como um verbo
(lamed-30, kaph-20, kaph-20, Beth-2), a gematria é 72 apontando para os 72 Nomes Divinos e sua
permutação. Os 72 Nomes Divinos interagem com o nome de 42 letras de Deus em relação à criação de
cada novo dia? Se sim, como isso acontece?

Vênus como a estrela da manhã também está associada à letra dalet e ao caminho entre Binah (Imma) e
Hokmah (Abba). Aqui está a peça da dança entre a Mãe Superna e o Pai Superno, bem como a do Filho e
da Noiva - como acima, abaixo e abaixo. Já que a oração da manhã é misericórdia, a Bênção Sacerdotal
ajuda a derrubar o Influxo Supernal para o Filho e a Noiva?

Finalmente, a Igreja de Tiatira está ligada à Sephirah Netzach e ao planeta Vênus. Em Apocalipse 2:28,
falando à Igreja de Tiatira, o Messias diz: "Eu lhe darei a estrela da manhã". Poderia este ser o
conhecimento e o poder dos 72 Nomes Divinos ou talvez uma referência para se tornar um Iluminado na
Ressurreição e Ascensão?

Que mais do mistério da estrela da manhã pode ser extraído?

Louve o Santo de quem todas as Bênçãos fluem.

Linda
T
o
p
o
Sheryl
Administrador do site
Re: Cartas da Bênção Sacerdotal

# 3 Post Dom Nov 19, 2017 9:53 AM
Shabat Shalom, queridos amigos!

Estou cheio de gratidão por esta postagem, pois os mistérios da aurora, ou manhã, têm estado em
contemplações de vez em quando por muitos anos.

Ao considerar tais mistérios neste dia, como você, Élder Gideon e Irmã Linda, se afastaram, em relação ao
42 Divertido Nome Divino (na Torá, as letras hebraicas começando com a primeira letra, Aposta e
terminando com a aposta de bohu, ou caos e os 72 Nomes Divinos, os ensinamentos que o 42 Divertido
Nome Divino contém o potencial de toda a criação e o entendimento adquirido de que neste mundo, as
inteligências dos 72 Nomes Divinos resultam em cura: é pensado que o amanhecer, na criação , é o influxo
dos poderes que curam, que pode trazer tudo o que surge a cada dia em alinhamento com a vontade e o
potencial Divino, com Ratzon Elyon, ou o 42 Lettered Name.

É curioso que o nome de 42 letras termina com a primeira letra de bohu e tohu, caos e vazio, indicando
que este potencial, embora contido no caos e vazio, não é caos e vazio: este potencial está contido dentro
de tudo o que surge. O poder dos 72 Nomes Divinos parece ser o influxo do poder de curar o caos e
esvaziar, de modo que a criação poderia surgir nessa perfeição.

E Ruach Elohim moveu-se sobre a face das águas.

É ensinado em outras partes do fórum que a gematria de Ruach (214) e Elohim (86) é igual a Shin
(300). Incorporação. Talvez possamos dizer que quando os 72 Nomes Divinos foram incorporados, o que
era caos e vazio agora surge na perfeição?

É esperançoso considerar cada dia como tendo este potencial, visto que cada dia pode ser uma nova
encarnação. À medida que nos levantamos, todas as manhãs, do sono sem sonhos, os poderes dos 72
nomes nos saúdam (como a irmã Linda tirou), de modo que cada dia tem a possibilidade de perfeição, de
surgir em alinhamento com o Divino Lettered. Hallelu-Yah! Louve a Deus!

Muita gratidão ao Santo e aos companheiros por esta contemplação neste Dia do Shabat.

Sheryl
T
o
p
o
Elder Gideon
Administrador do site

Essências de Bênção

# 4 Post Dom Nov 26, 2017 8:31 pm
Irmãs Shalom!

Eu oro para que a Rainha do Shabat abençoe grandemente o povo e a terra hoje através da nossa reunião
e adoração!

Para tornar mais clara a essência desta bênção sacerdotal, ocorreu-me em oração que há uma essência
muito mais simples a se desdobrar do simples e triplo kavannot. Ouvi para minha surpresa encantada
como as camadas aqui falam algo novo ao meu conhecimento do ensino das Três Raízes!

Que YHVH te abençoe e proteja: Lembre-se de que Deus está com você.
Que o rosto de YHVH brilhe sobre você e seja gentil com você: coloque sua mente nas coisas que estão
acima.
Que YHVH levante Seu rosto para você e lhe conceda paz: Lembre-se de sua transcendência.

Ao compartilhar isso com Tau, ele forneceu outra linha de kavvanot de como essa bênção se integra com a
sefirot!

Que YHVH (Tiferet) te abençoe (Hesed) e te proteja (Gevurah).


Que o rosto de YHVH (Tiferet) brilhe sobre você (Netzach) e seja gentil com você (Hod).
Que YHVH (Tiferet) levante o seu rosto para você (Yesod) e lhe conceda a paz (Malkut).

Começando com a forma como as bênçãos são geradas e atraídas para esse plano, acessamos uma riqueza
maior para dar e receber com os outros. Essa simplicidade agitou meu coração e abriu um caminho para
aplicar isso aos outros em oração. Memorizar isso é em si uma bênção. Falar para os outros é maior.

Elder Gideon
T
o
p
o
Sheryl
Administrador do site

Re: Cartas da Bênção Sacerdotal



# 5 Post Ter 28 de novembro de 2017 20:21
Shalom Elder Gideon e Irmã Linda!

Quão delicioso é esse compartilhamento. A simplicidade das orações oferecidas pelo bem dos outros me
surpreende.

Isso é algo que podemos fazer. É um empoderamento revelando o que simples intenções podem invocar
neste mundo. Elogie El!

Dado nesta ordem, este ensinamento de Tau parece ser uma abertura através da qual a tríade moral
poderia ser invocada na tríade de ação - como você compartilhou, o Élder Gideon, acessando uma riqueza
maior para dar aos outros.

Que sejamos purificados em nosso trabalho e nos tornemos um veículo de bênção para o mundo. Um
homem.

Sheryl

Elder Gideon
Administrador do site

Início e fim

# 1 Postado sábado, 16 de setembro de 2017 09:50
Os discípulos disseram a Jesus: "Diga-nos, como chegará o nosso fim?" Jesus disse: "Você encontrou o
começo, então, que você está procurando o fim? Veja, o fim será onde o começo está. Parabéns para
aquele que está no começo: aquele saberá o fim e será não gosto da morte ".

Nós vimos e citamos este versículo muitas vezes em nossa linhagem por todos os seus tremendos
significados da Cabalá. O que é novo para mim recentemente, oculto à vista, é a palavra Beginning - Reshit
- que contém as três últimas letras do alfabeto hebraico: ‫אשית‬
ִ ‫ר‬.ֵ Espaçando estas três letras estão Alef e
Yud, que enumeram 1 e 10. O mistério que estou sentindo mais imediatamente é como a visão do Messias
declara: Eu sou o começo e o fim, o Alef e o Tav .

Eu tenho que ter cuidado com isso e não pular tão conceitualmente para o que isso significa. Os rabinos
dizem que não podemos investigar o Princípio. O máximo que podemos inquirir é sobre Compreensão, mas
não devemos esperar resposta. Isto é paralelo com Hokmah e Binah. Em Binah está a memória, a Lei, a
revelação e os meios de retornar conscientemente ou teshuvá. Como retornamos mais
rapidamente? Através do estudo e contemplação das escrituras, partes do que é uma outra palavra que vi
que coincide com as três últimas letras soletração parashat: ‫פרשת‬.

Se formos investigar o reshit , só pode ser através do parashat.

Louvado seja Nosso Mãe pela tradição pela qual nos purificamos e retornamos ao começo.

Elder Gideon
T
o
p
o
Tau Malaquias
Administrador do site
Re: início e fim

# 2 Post Wed Nov 22, 2017 12:08 pm
Saudações e bênçãos na Santa Luz do Messias!

É realmente intrigante notar as letras finais da Alef-Bet dentro da palavra reshit, "começo", e da mesma
forma a interconexão com a palavra parashat, uma "porção" ou "passagem" da Sagrada Escritura. Ele mexe
com camadas de contemplação e se aventura nas profundezas de mistérios, segredos, que somente o
Espírito Santo pode revelar; mas aqui talvez possamos investigar alguns mistérios e insinuar alguns
segredos, e através da misericórdia de Deus, talvez aqueles com conhecimento possam colher novas
percepções e compreensão.

De acordo com o Sefer Yetzirah Hokmah e Binah são a "Profundidade de Início" e "Profundidade de Fim",
respectivamente, e o Zohar ensina que Hokmah é chamado de Reshit, "o ponto do começo". Aí nos é dito
que Hokmah é chamado de Reshit porque é "o ponto além do qual não há nada de conhecível", e da
mesma forma, como você citou, nos é dito que é uma profundidade de mistério na qual não podemos
investigar. Dizem-nos, no entanto, que podemos investigar Binah, mas que não devemos esperar
resposta. No entanto, os grandes tzaddikim têm muito a dizer e ensinar sobre Hokmah e Binah e, como
sabemos, os grandes profetas e apóstolos conseguiram chegar a Binah e unir suas almas a Binah, e assim
puderam contemplar Hokmah e Atzilut, mais ou menos. Portanto,

Se você considerar, indagar ou não inquirir implica separação entre "eu" e "outro", ou um estado de
dualidade, dualidade. Portanto, podemos dizer que não podemos sondar ou penetrar os mistérios das
Supernais em separação, em um estado de duas coisas, mas sim que o conhecimento das Supernais, e do
Supernal, só pode ser adquirido através da união consciente, um estado de unidade. ; e isto é
completamente verdade, pois as Supernais correspondem a uma Unidade Sagrada insondável e
inexprimível - Yichud, e para ter verdadeiro conhecimento das Supernais, e a Superna, uma alma deve ser
unificada com o Santo e Shekinah, eles devem 'retornar para ser um.' É neste estado de união consciente
que o Santo revela os segredos mais íntimos e o segredo dos segredos - aquilo que somente o Santo pode
revelar.

Se você considera parashat, ou revelações do Infinito e Eterno - a Santa Torá e Evangelho, a Sagrada
Escritura; isso corresponde a revelações de como podemos purificar e nos consagrar ao Santo, e como
podemos nos unir ao Santo e Shekinah, e voltar a ser Um, ou realizar unificação consciente com o Eterno. É
verdade, através do estudo e contemplação do significado secreto das Sagradas Escrituras, e através da
oração e meditação, podemos contemplar profundos mistérios e adquirir muito conhecimento e
compreensão, mas o maior conhecimento, compreensão e sabedoria vem através da experiência de
proximidade. e a unidade com o Santo e Shekinah que as Sagradas Escrituras nos ensinam a alcançar.

Há algo a ser dito de Hokmah como Reshit e a contemplação e representação da sabedoria do parashat,
algo que é muito profundo.

Hokmah é a "Profundidade de Partida" e, como sabemos, há Trinta e Dois Caminhos da Sabedoria,


Hokmah, correspondente a todo o conjunto das Sefirot e Netivot, bem como os Otiyot correspondentes ao
Netivot; assim, as essências espirituais de toda a estrutura, ou matriz de emanação, criação, formação e
ação, estão contidas dentro de Hokmah, e o potencial divino de tudo que surgirá, aparecerá e transpirará
através do tempo está dentro de Hokmah, tudo como "previsto" em Ratzon Elyon, a vontade do Supernal,
o Altíssimo. Como a Sagrada Escritura nos ensina: 'O Senhor fundou o mundo sobre sabedoria', e como os
sábios da sabedoria ensinam: 'O mundo é fundado sobre a Santa Torá' ou 'Santo Evangelho'. Dizem que a
Torá, o Evangelho - a Palavra, existiu com o Eterno e no Eterno antes da criação, e que a emanação e
tecelagem de toda a matriz da Árvore da Vida é a expressão da Santa Torá, Evangelho, primordial e
superno. Então há a Torá revelada, o Evangelho, no mundo, na criação, Escrita e Oral, e esta é a expressão
da lei de acordo com a matriz da Árvore da Vida, e assim é chamada 'Árvore da Vida; Como sabemos, a
revelação da Santa Torá, o Evangelho - a Palavra, está em andamento, e o que é revelado tem suas raízes
na Torá primordial e superior, o Evangelho. Tudo isso está contido em Hokmah, Reshit, o "começo que não
é principiante" está enraizado em Ain, Keter. e esta é a expressão da lei de acordo com a matriz da Árvore
da Vida, e assim é chamada 'Árvore da Vida; Como sabemos, a revelação da Santa Torá, o Evangelho - a
Palavra, está em andamento, e o que é revelado tem suas raízes na Torá primordial e superior, o
Evangelho. Tudo isso está contido em Hokmah, Reshit, o "começo que não é principiante" está enraizado
em Ain, Keter. e esta é a expressão da lei de acordo com a matriz da Árvore da Vida, e assim é chamada
'Árvore da Vida; Como sabemos, a revelação da Santa Torá, o Evangelho - a Palavra, está em andamento, e
o que é revelado tem suas raízes na Torá primordial e superior, o Evangelho. Tudo isso está contido em
Hokmah, Reshit, o "começo que não é principiante" está enraizado em Ain, Keter.

É através das Sefirot Sagradas, ou Atributos Divinos, Ações Divinas, que o Infinito (Ain Sof) é revelado, e da
mesma forma é através delas que as almas são capazes de experimentar proximidade e unidade -
unificação com o Infinito e Eterno. Como é sabido, as Sagradas Escrituras - parashat, guardam a secreta
sabedoria de Sefirot e Netivot; contemplando-os, sondando as profundezas para seu significado interno e
secreto, ou sabedoria, usando essa sabedoria e a realizando, ou realizando, realizando e incorporando,
para que algo do potencial imensurável de Hokmah seja realizado, e chegando até Binah pode haver um
vislumbre ou olhando em Hokmah. Assim, através da contemplação profunda, meditação, sobre 'parashat'
o Espírito Santo pode revelar algo de Reshit-Hokmah.

Há algo que precisa ser dito, por uma questão de compreensão. Na essência interior e nas luzes das Sefirot
Sagradas de Atzilut não pode haver alcance, muito menos nas suas raízes primordiais em Adam
Kadmon; em suas infinitas profundezas, inseparáveis do Infinito, são belimah, "sem essência", o que quer
dizer que sua essência, natureza, é incompreensível e indizível. Isto é verdade para todas as Sefirot
Sagradas de Atzilut, mas para as Supernais quanto mais do que as sete Sefirot da
Construção? Imensamente assim! Quando atingir as Sefirot de Atzilut com mais freqüência é alcançar
através das Sefirot de Beriyah, mas na percepção celestial há aquelas almas santas e iluminadas que
alcançam os exteriores das Sefirot de Atzilut, os 'vasos' e suas luzes exteriores. e poderes.

Assim, a essência e as luzes interiores das almas humanas de Sefirot de Atzilut não podem alcançar, e
certamente não as Supernais de Atzilut, mas os exteriores das Sefirot, seus vasos e luzes exteriores e
poderes, as almas dos justos são capazes de alcançar, e através do Santo Shekinah, o Espírito Santo, é
capaz de se unir com eles.

É dado que eu possa compartilhar um mistério secreto na Cabala Messiânica a respeito de reshit e
parashat, que pode provocar uma profunda contemplação do Trabalho de Salvação - Ma'aseh Yeshua.
A Cabala Sagrada ensina que todas as almas têm sua essência íntima e raiz em Adam Kadmon, o Ser
Humano Primordial, e também ensina que as almas de toda a humanidade estão contidas em Adam Elyon,
o Ser Humano Supernal. Como é sabido, diz-se que 'Adam kadmon está adormecido e sonhando, e está em
processo de despertar', de certa forma, e que a grande matriz da criação é como o 'sonho de Adam
Kadmon no processo de despertar.' Nisto podemos entender que cada um de nós, e todos nós, somos
Adam Kadmon dormindo e sonhando, e despertando, Adam Elyon em individuação no processo de auto-
realização, ou a realização da união consciente com o Eterno. Como tal, o que está registrado nas Sagradas
Escrituras é como o sonho de Adão, o Humano, no processo de despertar, e assim também é nosso sonho,
visão,

A perfeição deste despertar está na Profundidade de Partida, essa intenção do Superno (Ratzon Elyon) é
desde o começo - reshit. Olhe e veja! Resh soletrado significa "rosto", e Shin-Tau são as letras que soletram
o nome de Seth - "Filho do Humano"; assim, dentro da palavra reshit, podemos ler "face do Filho do Ser
Humano - o 'Grande Seth", que é um cognome do Messias.

A palavra parashat contém o mesmo mistério fundamental, mas com Peh, que significa "boca", que implica
o despertar do Filho do Ser Humano, o "falar do Filho do Ser Humano - a realização da Palavra Viva, a
Divina Expressão. .

No momento, não direi mais nada, mas deixarei você contemplar esse mistério secreto unido ao que foi
compartilhado acima; e assim, aqui podemos esperar pelo Espírito Santo e permanecer no abrigo do
Altíssimo. Um homem.

Ó Santo, nós que nos falta sabedoria, concede-nos a vossa sabedoria, ilumina as nossas almas com a
vossa Divina Presença! Um homem.

Shalom Aleichem!

Elder Gideon
Administrador do site

Mensageiros Reais

# 1 Post Sat Jul 22, 2017, 11:07 pm
Shabbat Eve Shalom, Tau Malachi:

Como eu estive explorando sua palavra para a nossa assembléia em um recente fortalecimento de que
somos mensageiros com uma mensagem para pregar, eu olhei para isso no nível lingüístico e elogiei o Um
pelo que eu descobri.

Um mensageiro, mal'akh ‫ מַ לְּ אָ ְך‬é inseparável de sua mensagem, mal'akhut ‫מַ לְּ אָ כּות‬.

Veja como essas palavras se relacionam com todas as associações de realeza.

O Reino - Soberania - é malkhut ‫מַ לְּ כּות‬. A única diferença entre 'Soberania' e 'mensagem' mal'akhut ‫מַ לְּ אָ כּות‬
é um Alef!

Quando a palavra para um rei ou rainha malakh ‫ מָ לְַך‬é comparada com a palavra para um mensageiro
mal'akh ‫מַ לְּ אָ ְך‬, a única diferença novamente é um Alef. Essa diferença se dissolve na palavra mais específica
para uma rainha, malkhah ‫מַ לְּ ָכא‬, que possui todas as mesmas letras que um mensageiro mal'akh ‫מַ לְּ אָ ְך‬. Esta
é uma grande contemplação de Nossa Senhora Mirya, a Rainha do Shabat! Louvado seja ela!

O que isto implica para mim, um como um no Caminho, é tremendo. Se escolhermos, há uma conotação
real paralela a ser um mensageiro com uma mensagem. O que nos torna únicos e vivem e se movem e que
estar no Um é verdadeiramente real, maior que a mais poderosa família na terra.

O Um é o soberano que me envia, como a criança do "Hino da Pérola" gnóstico. Esquecer-me no Egito é
esquecer de onde eu venho. Vir para mim é o lar de Land of Dawn com meu pai real, o Rei dos Reis e
minha mãe, a Rainha do Oriente. Eu sou sua mensagem e seu mensageiro, correndo e retornando entre o
Pleroma e este mundo.

Ao nos aproximarmos da Festa da Sucessão Apostólica, estou mantendo no coração por meus
companheiros que a plenitude de nossa origem vem através de nosso chamado.

Somos nobres nascidos da alma real.

Elder Gideon
T
o
p
o
Tau Malaquias
Administrador do site

Re: Mensageiros Reais



# 2 Post seg 13 nov 2017 10:00
Saudações e bênçãos na Santa Luz do Messias!

As palavras em hebraico para mensageiro e mensagem, de fato, confirmam este ensinamento: "Você é um
mensageiro e você é a mensagem". A conexão íntima das palavras para "rei" e "reino" serve para
esclarecer o significado mais profundo de isto ensina, para você como você é em você mesmo não é um
mensageiro nem mensagem do céu, mas você como você é no Santo você é um mensageiro e mensagem
do céu; daí, um enviado pelo Santo Rei do reino dos céus, aquele que é ungido em um sacerdócio real e
sagrado - a Ordem de Melquisedeque.

"Você é um mensageiro e você é a mensagem"este é um ensinamento do Caminho Reto e o alcance,


realização da unidade através de Adonai, Yahweh e Eheieh; em unidade com o Santo, você é o mensageiro,
veículo da Palavra Viva, e você é a expressão da Palavra Viva, e esta é uma expressão, falando, do Santo,
do Santo, ao Santo, para o Santo - tudo em um.
Isto, naturalmente, pressupõe que uma alma recebeu o Messias, a Unção com a Luz Perfeita e Espírito, e
assim 'nasceu de cima', do céu; e assume a limpeza e mudança de si mesmo, a incorporação de aspectos
internos de sua alma, o cultivo das qualidades, atributos, do Messias e do Santo, e a unificação de sua
alma, e sua pessoa e vida, com o Espírito Santo. Como você observou, as palavras para mensageiro e
mensagem têm um alef nelas, e como é sabido, isso corresponde ao Espírito Santo, Ruach Ha-Kodesh,
através do qual transpira a profecia e a expressão divina; por isso, os mensageiros do céu estão cheios do
Espírito Santo, no fogo com o Espírito Santo, e o Espírito fala a Palavra Viva com, através deles e através
deles, colocando a palavra do Senhor em seu coração e boca.

Há aqueles iniciados que têm uma unção especial como profetas ou apóstolos, dons especiais do Espírito
Santo para orientar o Caminho, mas no Messias, nesta unção com a Luz e Espírito Santo, todos os iniciados
são mensageiros do Espírito Santo. Evangelho, e vivendo o Evangelho, eles são a mensagem, e todos são
ordenados em um sacerdócio real e sagrado - todos são escolhidos pelo Espírito de Deus, Ruach Elohim.

Aqui podemos nos lembrar de que os profetas e apóstolos 'usam o corpo de visão' que recebem, e que
junto com a palavra ou visão eles carregam a autoridade divina e o poder correspondente do céu e do
Santo, e assim são capazes de direcionar essa espiritualidade. poder para as pessoas, coisas e lugares neste
mundo. Assim, há algo mais do que uma palavra ou visão que eles carregam, há poder espiritual, o
testemunho do Espírito Santo; portanto, as bênçãos e capacitações que eles podem trazer. Algo similar é
verdade na 'pregação do Evangelho' enquanto vivemos o Evangelho, 'usando o corpo de visão,' há poder
espiritual, a comunicação de algo da Luz Sagrada e Espírito encarnado, uma 'pregação enérgica', se você
vai.

Agora, contemplando este paralelo de mensageiro e rei, e mensagem e reino, lembre-se que Tiferet é
chamado de 'Rei Sagrado' e Malkut é o 'Reino', o Santo e Shekinah. Este é o Senhor e Adonai,
respectivamente, e implica o alcance, realização, de proximidade, unicidade, com Adonai e com Javé, e
aponta para a maior unificação da alma com o Santo que corresponde com Eheieh; portanto, o mensageiro
do céu que é o messias indica a incorporação da Presença e Poder Divinos do Pilar do Meio, que é o
Messias, a Unção.

Há este jogo de gradações de proximidade e unidade, e quanto maior o alcance e a realização da


proximidade e da unidade, maior será a manifestação da Presença Divina com aquela pessoa fiel e
espiritual, e no pleno alcance e realização da unidade, como é conhecido , a Presença Divina pode tornar-
se manifesta como aquela pessoa santa, a plenitude do Espírito Santo sendo incorporada neles. Louve a
Deus!

Estes são alguns pensamentos que posso compartilhar com você neste momento.

Que o rosto de Yahweh brilhe sobre você neste dia e que Adonai esteja com você em tudo o que você
faz! Um homem.

Shalom Aleichem!
Tau Malaquias
Administrador do site
Ratzon e Ha-Shem: 346

# 1 Postado sábado, 23 de setembro de 2017 09:32
Ratzon & Ha-Shem: 346

ratzon e HA-Shem, a 'vontade de Deus' e 'O Nome', ambos iguais 346 com a adição de Alef para Ha-Shem
indicando a unidade do Santo eo nome; como tal, Ratzon e Ha-Shem estão intimamente interconectados e
podem ser entendidos como representando a mesma força espiritual do Infinito (Ain Sof), sendo o Nome a
manifestação direta da força da Vontade do Infinito. Há camadas de mistérios secretos revelados nisto e
com a ajuda de Deus talvez eu possa iluminá-lo em relação a eles.

Entenda que Ratzon é um cognome de Keter, indicando Keter e implicando o poder espiritual da essência
de Keter, que é Eheieh. Ha-Shem é um cognome de Tiferet, indicando Tiferet e o Grande Nome, Yahweh,
que é a essência de Tiferet. Como é sabido, Eheieh é a mais íntima essência de Yahweh, e Keter e Tiferet,
ou Eheieh e Yahweh, são o poder espiritual do Middle Pillar. Assim, Ratzon e Ha-Shem igualando 346 indica
a manifestação da presença e poder do Pilar do Meio, o Pilar da Compaixão, e esta é a própria essência e
coração da criação, céu e terra, a vontade do Altíssimo (Ratzon Elyon) manifesta na compaixão (Rehamim-
Tiferet). Como também sabemos, Keter, Eheieh, detém o potencial de todas as Sefirot Sagradas - todas
estão em Keter, Eheieh, e todas são a revelação daquele Oculto e Superno; do mesmo modo, todos os
Nomes do Santo, e todos os Cognomens e cognomens de cognomens - todos os poderes espirituais das
Sefirot, emanam de O Nome, Yahweh, e são poderes do Nome. Assim, Ratzon e Ha-Shem é o poder do
Pilar do Meio, mas também toda a matriz da Árvore da Vida, todos os três Pilares Sagrados, união de
Misericórdia e Julgamento. Entenda, toda a matriz da Árvore Sagrada é a expressão e manifestação de
Ratzon, o desejo, a vontade do Infinito e Eterno, e todas as constelações das Santas Sefirot e Partzufim são
ordenadas, organizadas, de acordo com Ratzon, e a manifestação de Ratzon ordenando, organizando,
todas essas constelações e todas as coisas na criação, é Ha-Shem. e cognomens de cognomens - todos os
poderes espirituais das Sefirot, emanam de O Nome, Yahweh, e são poderes do Nome. Assim, Ratzon e Ha-
Shem é o poder do Pilar do Meio, mas também toda a matriz da Árvore da Vida, todos os três Pilares
Sagrados, união de Misericórdia e Julgamento. Entenda, toda a matriz da Árvore Sagrada é a expressão e
manifestação de Ratzon, o desejo, a vontade do Infinito e Eterno, e todas as constelações das Santas
Sefirot e Partzufim são ordenadas, organizadas, de acordo com Ratzon, e a manifestação de Ratzon
ordenando, organizando, todas essas constelações e todas as coisas na criação, é Ha-Shem. e cognomens
de cognomens - todos os poderes espirituais das Sefirot, emanam de O Nome, Yahweh, e são poderes do
Nome. Assim, Ratzon e Ha-Shem é o poder do Pilar do Meio, mas também toda a matriz da Árvore da Vida,
todos os três Pilares Sagrados, união de Misericórdia e Julgamento. Entenda, toda a matriz da Árvore
Sagrada é a expressão e manifestação de Ratzon, o desejo, a vontade do Infinito e Eterno, e todas as
constelações das Santas Sefirot e Partzufim são ordenadas, organizadas, de acordo com Ratzon, e a
manifestação de Ratzon ordenando, organizando, todas essas constelações e todas as coisas na criação, é
Ha-Shem. união de misericórdia e julgamento. Entenda, toda a matriz da Árvore Sagrada é a expressão e
manifestação de Ratzon, o desejo, a vontade do Infinito e Eterno, e todas as constelações das Santas
Sefirot e Partzufim são ordenadas, organizadas, de acordo com Ratzon, e a manifestação de Ratzon
ordenando, organizando, todas essas constelações e todas as coisas na criação, é Ha-Shem. união de
misericórdia e julgamento. Entenda, toda a matriz da Árvore Sagrada é a expressão e manifestação de
Ratzon, o desejo, a vontade do Infinito e Eterno, e todas as constelações das Santas Sefirot e Partzufim são
ordenadas, organizadas, de acordo com Ratzon, e a manifestação de Ratzon ordenando, organizando,
todas essas constelações e todas as coisas na criação, é Ha-Shem.

Ha-Shem, Yahweh, e há o Santo Vaso, Santo Habitante, de Ha-Shem, Adonai, correspondendo com o que é
revelado e realizado de Eheieh e Yahweh; daí o Ratzon do Supernal que é cumprido, completo. Assim,
Ratzon e Ha-Shem igualando 346 por extensão Adonai está implícito, e alguns mestres da tradição
ensinaram que a Alef adicionada a Ha-Shem indica Adonai, o "escudo" do Grande Nome, Yahweh. Nisto há
todo o Pilar do Meio, e como sabemos, este é o 'Pilar do Messias' que é a 'Árvore da Vida'.

O Nome, como é conhecido, é a luz da vida de toda a criação, em todos os tempos e alcançando o reino
eterno e, portanto, a criação, todos os seres e almas vivos - seres sencientes, são inseparáveis do Nome,
são emanações e manifestações de O Nome e, como tal, o desejo, a vontade do Altíssimo é entremeado
neles, é tecido em toda a criação e, portanto, em última instância, será cumprido. Se você considerar isso e
entender o que isso significa, então você entenderá que, verdadeiramente, 'salvação', iluminação e
libertação, é universal - eventualmente, finalmente, todos os espíritos e almas serão 'salvos', todos
retornarão para ser Um, este é o Ratzon do Infinito e Eterno! Hallelu Yah! Louve o Senhor!

A própria revelação de Ha-Shem, Yahweh, para a humanidade mantém essa intenção do Altíssimo, pois
“Ele e Seu Nome são Um” e, portanto, através do Nome os seres humanos são capacitados a unificar-se
com o Santo e Shekinah e perceber unicidade, união consciente, com o Ser Eterno - ser sem nascer, ou
"vida eterna".

Aqui está o mistério secreto para o qual Ratzon e Ha-Shem apontam; contemple bem isso e entenda!

Santo, que seja feita a tua vontade na terra hoje como no céu; Que o Messias volte rapidamente! Um
homem.

Javé Shalom!
Tau Malachi
Sophia Comunhão
Ecclesia Pistis Sophia
T
o
p
o
Tau Malaquias
Administrador do site

Re: Ratzon & Ha-Shem: 346



# 2 Post Wed Qua 11, 2017 1:38 pm
Para esta contemplação, há algo mais que podemos adicionar. Além de Ha-Shem, "O Nome", com a adição
da letra Alef, ou Shemo, "Seu Nome", igual a 346, o mesmo que Ratzon, "desejará", há também uma
conexão direta desse número com O nome. Se Yod-Hey é multiplicado por Yod-Hey e Vau-Hey é
multiplicado por Vau-Hey e suas somas são adicionadas, elas são iguais a 346. Isto pode provar ser uma
contemplação deliciosa para aqueles com entendimento!
Shalom Aleichem!
Tau Malachi

Sophia Comunhão

Ecclesia Pistis Sophia


T
o
p
o
Marion

Re: Ratzon & Ha-Shem: 346



# 3 Post Fri Out 13, 2017 11:32 am
Shalom Tau Malachi!

Estive contemplando esse ensinamento e, na contemplação, comecei a me perguntar sobre o papel de


Deus na criação. Nós falamos da vontade do Santo - Ratzon como uma inefável unidade, e há gradações
deste Ratzon, em maior e maior separação, representadas pelas Sefirot da Árvore da Vida. Existem
Arcanjos, Ordens de anjos, inteligências planetárias, forças arquônicas e aqueles ainda mais
sombrios. Podemos olhar para o mundo de Asiyah e ver que são dois terços de escuridão e um terço de
luz. Começou a haver a contemplação de como conciliar o escuro com a luz. Como, quando olhamos para
fora e vemos a grandeza de Deus na criação, isso se reconcilia com quando olhamos para fora e vemos a
escuridão na criação, quando ela pensa que está separada de Deus?

Eu estou querendo saber se esta contemplação de Ha Shem e Ratzon elucida algo deste mistério. Nesta
contemplação, todo o pilar do meio está implícito, Keter para Malkut, da mais íntima sefira para a mais
externa. Haum Shem e Ratzon, ambos iguais a 346, indicam que são da mesma fonte e, por extensão,
Adonai, como o escudo de Yahweh. Isso trouxe a contemplação de perspectivas. Do ponto de vista do
mundo em twoness, Ha Shem parece muito distante, porque a realidade do ser olhado através das lentes
do twoness. Da perspectiva de Ratzon, não há separação, nem contradição entre a luz e as trevas, porque a
realidade está sendo observada através da lente da unidade. Eu estava pensando nisso como um oceano
de escuridão - separação, abaixo de um céu claro. Porque o oceano da separação está olhando através de
si mesmo para tentar ver o céu, ele sempre parecerá sombrio. Porque o céu é claro, ele pode ver o oceano
como inseparável de si mesmo, curiosamente, até psiquicamente a água é um terço de oxigênio!

Então houve uma contemplação do imenso amor que Deus tem pela criação; para poder descer às
profundezas em prol da libertação. Deus vê a si mesmo em todas as partes da criação, e parece que o
único desejo do Santo é que a criação perceba sua inseparabilidade de Deus. Isso tem tudo a ver com o
Messias. Até mesmo o nome do Messias neste mundo - Yeshua significa "Salvação". Yeshua diz: “Eu tenho
um mandamento para você, que você ame um ao outro como eu amei você.” Este é o amor do Santo
através de Yeshua; porque Yeshua sabia sua inseparabilidade do Santo. Então, na verdade, ele está
dizendo: Amem uns aos outros como Deus os ama, o que é infinito, inominável e infinito.
Curiosamente, o número 3 + 4 + 6 = 13, e há duas outras palavras em hebraico que também são iguais a
13, Ahavah - Love, ‫ אַ חֲ וָה‬e Achad - Unity, ‫ ;אָ חַ ד‬que maravilha!

Que a bênção do Santo esteja sempre na criação, Amém!

Marion
T
o
p
o
Tau Malaquias
Administrador do site

Re: Ratzon & Ha-Shem: 346



# 4 Post seg 16 out, 2017 10:07
Saudações e bênçãos para você na Santa Luz do Messias!

Nós podemos levar esta contemplação um pouco mais longe, lembrando que todos os Nomes Sagrados,
seus poderes espirituais, estão em Ha-Shem e todos eles dependem de Ha-Shem como 'os ramos de uma
árvore dependem do tronco'. Entendendo isso, Ha-Shem abrange não apenas o Pilar do Meio, mas toda a
Árvore da Vida, todos os três Pilares Sagrados; daí, toda a matriz das Santas Sefirot através dos cinco
Olamot-Universes. Tudo isso emana de Ain Sof, o Infinito, através de Ratzon Elyon, a Suprema Vontade. Se
considerarmos o Nome Essencial correspondente a Ratzon Elyon, Eheieh, a essência dessa vontade é
revelada: "Eu serei". Assim, através da emanação, criação, formação e criação - a grande matriz da criação,
a vontade do Infinito é revelada, o ser do Infinito é revelado e realizado, encarnado, embora de fato, o
Infinito e o Eterno permanece transcendente, sempre além das Sagradas Sefirot e matriz da criação. Que a
essência de Ratzon Elyon é Eheieh, "eu serei", insinua o grande segredo que os místicos sabem, que toda a
criação é como nada antes do Superno, que na verdade toda a existência depende do Santo e do Nome, e
que nada existe separado do Santo e do Nome e, em última análise, que não há nada além do Santo do Ser
e do Santo só.

Através das Ações Divinas, o Infinito e Eterno é revelado e conhecido, através da criação, o Supernal é
reconhecido e realizado, e corporificado - esta intenção do Supernal sendo realizada no Messias, a
humanidade ungida.

Entendendo que Ha-Shem contém todos os Nomes Sagrados - todos Sefirot como eles se manifestam
através de todos os Olamot, lembre-se que isso também inclui a manifestação impura de Sefirot no Outro
Lado, o klippot, e apesar de impuro, até mesmo mal, sua íntima essência é em Ha-Shem e sua existência,
seu ser, depende do Santo do Ser. Tudo num grande e supremo mistério, todo este conjunto de forças
espirituais, de luz e trevas, bem e mal e mistura, traz o cumprimento de Ratzon Elyon.

Aqui podemos lembrar o que é dito de Elyon, o Supremo, no Evangelho da Verdade, que o Eterno
contempla todas as coisas, todas as almas, em sua perfeição inata; Outra maneira de expressar essa
verdade é dizer que Deus contempla Deus em todas as coisas, e concernente à vontade de Deus na
criação, é dar a si mesmo a todos os seres, ou é a realização e corporificação de Deus em todos os seres.

Este é Ratzon Elyon.

Há algo mais, no entanto, em que todos os espíritos e almas viventes emanam do Único e Único Nome,
então cada um é único e individual, e é dado que cada um percebe e manifesta sua singularidade e
individualidade, e como um único realizado. o indivíduo atinge a união consciente com o Santo Uno. Assim,
a realização da vontade de Deus é ser quem e o que você mais verdadeiramente é; daí o alcance, a
realização de Eheieh, 'eu serei' ou 'eu sou'.

Aqui podemos lembrar que o ser humano é criado à imagem e semelhança de Yahweh Elohim, e que nas
letras de Ha-Shem, na verdade, é a imagem de um ser humano, o humano à imagem de Ha-Shem; é nos
seres humanos, em última análise, que Ratzon Elyon se realiza, seres humanos santos e iluminados - o
Messias.

Estes foram alguns pensamentos que surgiram com base no que você compartilhou.

Que o Infinito e Ha-Shem seja Um na terra neste dia! Um homem.

Shalom Aleichem!
Tau Malaquias
Administrador do site

Torá: 611

# 1 Postagem Sábado Set 23, 2017 1:21 pm
Torá: 611

A palavra 'Torá' é igual a 611 e isso é interessante, pois, como sabemos, há 613 mandamentos, mas a Torá
é 611. Isso provoca a pergunta: por que 611 e não 613?

Há uma resposta a ser encontrada na Santa Torá:

"Moisés nos ordenou a Torá" (Deuteronômio 33: 4).

Isto pode ser lido: 'Moisés nos ordenou o 611'; Portanto, através de Moisés, todos os mandamentos foram
falados a Israel, exceto por dois - 611 mandamentos, mas dois foram falados a Israel pelo Santo, e assim há
613 mandamentos. Que o Santo falou dois dos mandamentos diretamente para a Comunidade de Israel é
indicado no Livro dos Salmos:

"Uma coisa Elohim falou, duas coisas que ouvi" (62:12).

Naturalmente surge a pergunta, quais dois mandamentos foram falados pelo Santo? De acordo com os
mestres da tradição, o Primeiro Mandamento e o Segundo Mandamento foram falados a Israel pelo Santo,
sendo "ouvido" por todos diretamente da "boca" do Santo, e tudo o que se seguiu foi proferido pelo
profeta Moisés. "Eu sou Yahweh Elohenu ... Você não deve ter nenhum outro elohim antes de mim", e com
isso o mandamento contra a criação de ídolos e adoração de ídolos. Estes dois são falados pelo Santo, não
pelo profeta, pois são o anúncio da Sagrada Unidade do Santo, a revelação do Deus Único e a verdade da
unidade; se falado por Moisés, então haveria a implicação de dois, dois, não unicidade, e não seria
entendido que todas as almas da humanidade espiritual, a 'Comunidade de Israel,

Do ponto de vista da Cabalá Cristã, no entanto, há algo mais nisso, pois o Santo falando esses dois
mandamentos é uma profecia da vinda do Messias, o Ungido que fala como o Superno (Eheieh),
envolvendo enunciados de o Divino Eu Sou, que transcende a profecia e os profetas, pois de certa forma, o
Santo "desce" e fala como o Messias, o Deus se tornando um ser humano para que os seres humanos
possam se tornar Deus - Elohim. Isto corresponde ao Portão do Quinquagésimo da Compreensão (Binah)
que Moisés não foi capaz de abrir, mas que é aberto pelo Messias; na medida em que Moisés não podia
abrir todos os Portões do Entendimento, ele não poderia entrar no interior de Binah, embora ele
conseguisse atingir intimamente aquele Santo Vaso, o exterior de Binah.

Agora tudo em um grande e santo mistério é delicioso, pois a essência de todos os mandamentos é falada
pelo Santo incorporado no Messias, Um Mandamento Sagrado que engloba e cumpre todos eles em
perfeição: “Amem uns aos outros como eu os amei ”, E com isto uma compreensão do amor como
completa auto-oferta, auto-negação, no Santo, tornando-se Um. Há, no entanto, esta verdade, de um
mandamento tornando-se dois, o amor do Santo e o amor de um próximo, compreendendo o Santo em
todos e todos no Santo; assim, verdadeiramente, “uma coisa que Elohim falou, duas coisas que ouvi”.

Esse duplo amor, que de fato é um Amor, corresponde ao Primeiro e Segundo Mandamentos; contemple
isso e entenda!

Para encerrar, há outro mistério que podemos compartilhar. Há outra palavra significativa na Santa Torá
que é igual a 611, Edom (Alef-Dalet-Vau-Mem). Neste podemos entender que a entrega da Santa Torá é o
empoderamento espiritual para a superação dos reis de Edom - klippot, o outro lado; e como sabemos
através do amor incondicional e completa auto-oferta, esta vitória é alcançada no Messias Yeshua. Hallelu
Yah! Louve o Senhor!

Que o Santo te ilumine sobre os mistérios secretos sugeridos, e aqueles que adquirem entendimento,
que eles também sejam abençoados com sabedoria - a iluminação do Messias, o Ungido! Um homem.

Yeshua Shalom!
Elder Gideon
Administrador do site

Partzufim - Elohim

# 1 Post seg 02 jan, 2017 8:21 pm
Shalom Tau Malachi!

Bênçãos e Graça! Com a ajuda de Ma, talvez ela desdobre um profundo mistério!
Há muito gosto da contemplação do partzufim simbolizado pelas letras do Tetragramaton YHVH

‫ י‬A ponta do Yod corresponde a Adam Kadmon; o corpo do Yod para Abba, o pai.
‫ ה‬O primeiro Heh corresponde a Imma, a mãe.
‫ ו‬O Vav corresponde a Ben, o Filho.
‫ ה‬O final Heh corresponde a Nukva, a fêmea.

Para estas quatro letras hebraicas no Grande Nome também correspondem respectivamente a elementos
Supernos como espaço, fogo, água, ar e terra, e os universos olamot Adam Kadmon, Atzilut, Beriyah,
Yetzirah e Asiyah.

Embora eu tenha sido exposto há muitos anos a um mistério paralelo do partzufim simbolizado pelas letras
do Divino Nome Elohim, é hora de empurrar isso e abri-lo para discussão. Os mistérios dessas letras não
são exatamente o mesmo que eles sustentam, pois os mistérios de seus correspondentes participantes
sugerem outros significados vitais para uma dimensionalidade mais profunda de sua Cabalá.

‫ א‬Arik Anpin
‫ ל‬Abba
‫ ה‬Eu sou
Zer Anpin
‫ ם‬Kallah

Arik Anpin, o Grande Rosto, também é chamado de O Grande-Temperado. Este partzuf está além de
qualquer metáfora de gênero pela qual se tenta descrever a dinâmica da Superna Pai-Mãe. Eu ouvi uma
analogia com essa dimensão de Keter personificada por Arik Anpin como a visão do Divino de todo este
ciclo cósmico como um único agora. Verdadeiramente Grande é este Espírito, simbolizado por Alef,
soletrando Ain Sof , além de todas as concepções.

Abba, Reshit - o começo - é o ponto que a Kabbalah diz que não podemos investigar. Inseparáveis de Keter,
todo o potencial e o que vocês chamam de "Essências Vivas" do Pai são uma fonte inesgotável que
explode. Não há como conter essa força para o que causa viver e crescer. A vida não pode ser
destruída. Você descreveu essa dimensão de Lamed simbolizando Abba como não estimulando ou
incitando, mas inata, embutida em tudo que é. Ele é a graça.

Imma novamente é o mistério do que se abre como uma janela - ‫ה‬. Recebendo toda a força desse
potencial, ela começa a delinear, sequenciar e estruturar os processos de todos os contextos pelos quais
todos os fenômenos interdependentes realmente se desenvolvem, mudam, evoluem e se manifestam. Ela
é a lei. Os rabinos dizem que podemos perguntar a ela, mas não devemos esperar uma resposta. É
elegante que esta seja a única letra que espelha Imma em ambos os mistérios dos partzufim como YHVH e
Elohim.

Zer Anpin assume outra dimensão como Yod, pois ele também é chamado de Curto-moderado. Dada a
extensão de sefirot de Hesed a Yesod que são suas extremidades, pode-se ver quão mais próximo em
nossa experiência as faces rapidamente mutáveis de Misericórdia, Julgamento, Compaixão, Domínio,
Submissão e Reciprocidade realmente existem em todo o mundo em qualquer momento. Yod é um
símbolo intensamente concentrado do manifesto do Messias, pois esta carta mais essencial implica todas
as faces de todas as sefirot da Árvore da Vida.

Kallah é mais que Nukva, pois Ela é toda essa plenitude realizada e incorporada no Messias: a
Noiva. Lembraremos que Mem é água primordial, até a própria consciência. Antes da vinda do Messias,
Mem estava aberta, por assim dizer, em ansiosa saudade: Kaleh Quando alguém encontra e vive de acordo
com a verdade de seus desejos, nada mais se compara: Eles são selados, completos , Kalah, como Mem-
final, o símbolo do mundo vindouro. Mas quando a consciência se volta contra a verdade, dá seu poder de
luz aos arcontes e até aos demônios, a pessoa é como a Mente aberta que entra na destruição doFim dos
Dias, Kalah.

Este é apenas o começo de outros detalhes dentro dessas letras hebraicas particulares, simbolizando os
partzufim como Elohim. Espero sinceramente que abra novos territórios para nós como uma comunidade
de praticantes e companheiros. Há muito mais aqui para aprender!

Elder Gideon
T
o
p
o
Elder Gideon
Administrador do site

Alef de Elohim: Arik Anpin



# 2 Post Qui, 23 fev. 2017 às 10:45
Shalom Tau Malachi:

Dentro das letras, Elohim é uma sub-carta que Mekubalim também contempla para maior detalhe e
complexidade. Aqui, vamos considerar Alef para as sílabas-letras que ele soletra: Alef-Lamed-Peh final.

Lembraremos que Alef de Elohim corresponde a: Arik Anpin: a Grande Face: o Infinito e o Eterno: o de
Temor Longo que não vê nem passado nem futuro, mas apenas agora.

Alef é também uma carta composta feita de um Yod, um Vav e outro Yod, pelo qual Mekubalim interpreta
uma união mantida entre os dois Yods pelo Vav. Neste Alef é a união dos mundos superior e inferior. Indo
além neste contexto de Alef soletrando Elohim, onde Alef é um sinal para Arik Anpin, o Yod Inferior de Alef
sugere Arik Anpin e por Vav se une ao Yod Superior, seu partzuf mais íntimo: o Ancião dos Dias - Atik
Yomin. Desta forma, a letra partzuf Alef no nome Elohim tem uma potencial dupla contemplação da
Grande Face e do Ancião dos Dias, mediada por Vav, tudo dentro de Alef.

Alef é a letra hebraica mais essencial. Neste contexto, você falou de Alef como a força dentro de tudo que
conduz à realização do Eterno. As letras soletrando ALef - Alef-Lamed-Peh - narram esse mesmo
mistério. Você ensinou que Lamed é a força para a evolução, estimulando tudo em direção ao Eterno. Alef
e Lamed juntos formam o Nome Divino EL e a essência da misericórdia libertadora manifesta como todos
os movimentos personificados pelos Poderes arcanjos cujos nomes terminam com El. A última carta de
ALéF, Peh, boca, descreve os meios pelos quais essa força ofensiva se torna inteligível através da fala; Peh-
final é entendido por mekubalim como uma boca que fala. Peh é também uma carta composta feita por
um Kaf e um Yod, cujo significado parece prefigurar o alcance de outros partzufim, como Abba, Imma e Zer
Anpin,

Para resumir: Alef de Elohim como um sinal de partícula de Arik Anpin mantém dentro de si uma
contemplação interna de um Yod superior como as dez sefirot de Atik Yomin unidas por um Vav a um Yod
inferior como as dez sefirot de Arik Anpin. Com Alef é o poder oculto de EL, que fala.

Embora eu reconheça que os partzufim não são separados de forma alguma, que Mekubalim estão
meramente enfatizando algo específico do Ser Divino através dessas personificações, eu sou fascinado pela
ênfase em relação a Arik Anpin em Alef de Elohim, comparado com a ênfase em direção a Adam Kadmon
no ponta do Yod de YHVH. Esses dois nomes divinos, YHVH e Elohim, estão dizendo algo sobre os partzufim
mais íntimos que eu não apreciei antes.

Que as almas descansem na visão do long-temperado.

Elder Gideon
T
o
p
o
Elder Gideon
Administrador do site

Lamped de Elohim: Abba



# 3 Post Qui 23 fev 2017 11:02 am
Shalom Tau Malachi:

Lembraremos que no centro de ALeF está Lamed, formando uma transição muito suave, em seguida, para
a próxima partzuf-letter em Elohim. Indo mais além com as letras que representam os partzufim dos
Elohim, consideremos Lamed como a sílaba das letras que escreveu: Lamed-Mem-Dalet

Lamed também é uma letra composta, feita de um Kaf com um Vav no topo. O Vav no topo sugere a carta
de partzuf para o Filho de YHVH, porém oculta em tudo o que o Pai mantém como Kaf. À luz de Lamed
como uma carta partzuf representando o Pai, Abba, eu ouço como Alef e Lamed trabalham
respectivamente juntos como a intenção e instrução da revelação para trazer as almas de volta a uma
união consciente com o Eterno.

Você fala frequentemente das essências vivasdo pai. Eu entendi que isso é algo que você disse sobre "a
pureza inata surgindo desde o princípio dentro dos seres". É por essa pureza, esta natureza Divina
escondida dentro dos seres pelos quais o Pai Todo-Misericordioso compele as almas e as atrai de volta a si
mesmo. Esse atrativo está embutido em nós, é nossa essência mais íntima, nossa essência viva pela qual
nós conscientemente retornamos. Laminado como um sinal para o Abba, é inevitável o desejo de retornar.

A grafia de LaMeD - Lamed-Mem-Dalet - contribui com outros insights e transições, nos quais os partzufs
chegam como Imma e Kallah. O que Lamed instiga e direciona é Mem — consciência — em direção ao
Dalet — a porta. Como Lamed, Mem é um composto de Kav e Vav e enumera 26, conduzindo a força de
YHVH. Como Vav acima do Kaf que compõe Lamed, Mem está oculto na grafia de LaMeD; ela assumirá sua
forma fechada como Kallah, a carta partzuf final de Elohim. Dalet, a porta, antecipa o alcance de outros
partzufim como Imma e Zer Anpin, que podemos explorar mais abaixo.

Que possamos despertar para nossa bondade inata como o caminho de nosso retorno ao Pai.

Elder Gideon
T
o
p
o
Elder Gideon
Administrador do site

Ele de Elohim: Imma



# 4 Post Qui Fev 23, 2017 11:12 am
Shalom Tau Malachi:

Tendo sugerido Alef e Lamed de Elohim, que são eles mesmos o Nome Divino EL dentro de Elohim, é
necessário considerar o espaço da janela através do qual o conhecimento verdadeiro nasce: Heh: Mãe
Imma.

Arriscar-se em cartas dentro de cartas é para os pontos que logo se seguem, todos tecidos por Imma; aqui
é onde muitas camadas das letras e grafias das letras de partícula Alef e Lamed começam a se cruzar de
formas muito dinâmicas e surpreendentes. Heh é composto das letras Dalet e Yod e é soletrado
diferentemente como Heh-Yod, Heh-Heh ou Heh-Alef, todos com suas próprias contemplações
discretas. Sendo a mesma carta de partzuf para Imma e Nukva em YHVH, o que vem à nova vida de Heh
exclusivamente enquanto a carta de partzuf em Elohim é aberta pelas letras compostas e ortografia de
Heh.

Sinta, por exemplo, a sobreposição agora do significado da carta partzuf para o Abba como LaMeD em sua
última carta Dalet. Imma pode certamente ser contemplada como a porta, o dalet, para o qual Sua
intenção e instrução estão incitando e guiando almas. Dalet e Yod são as letras compostas de Heh. Dalet -
escrito Dalet-Lamed-Tav - é muito paralelo à grafia de Lamed, pois compartilha as mesmas duas letras. A
última carta de Dalet lembra a quem a alma encontra na porta de Imma - Yod - que é o alcance de Imma
como a próxima carta partidária de Elohim.

As várias grafias de Heh-He-Yod, He-Heh ou He-Alef sugerem uma miríade de ensinamentos desse partzuf
Imma. Heh Yod é a reversão do Nome Divino Yod-Heh do partzuf-sefirah Hokmah: Abba. Heh-Heh sugere a
inseparabilidade da Shekinah Superior e Inferior como cartas partidárias de YHVH. Heh-Alef descreve o
Vento de Deus meditando sobre a matriz, o Espírito do Messias prestes a falar o Primeiro Discurso, Haja
- Yehi - Luz!

Que nos lembremos de que somos tecidos de tudo o que não somos.

Elder Gideon
T
o
p
o
Elder Gideon
Administrador do site

Yod de Elohim: Zer Anpin



# 5 Post Qui Fev 23, 2017 11:28 am
Shalom Tau Malachi:

O que os nascimentos de Heoh de Elohim podemos conhecer como Yod - Zer Anpin - que é o Rosto
Pequeno: o de Curto-Tempere que cintila em misericórdia, severidade, compaixão.

Yod é composto de si mesmo e é escrito Yod-Vav-Dalet. Sendo a carta de partzuf para o Pai em YHVH, Yod
é a carta de partzuf para Zer Anpin em Elohim. Não sendo incomodado por outras letras, sua essência
relembra tudo o que foi dito dos dois Yod na carta partzuf Alef para Arik Anpin e Sua Coroa Atik Yomin,
bem como a essência da Lei, o único mandamento de Amar o Senhor nosso Deus com todos nosso
coração, alma, mente e força. Isso é manifesto em nosso amor por outro.

Adonai Yeshua é o primeiro a lembrar e guardar todos os mandamentos. Através de seu cumprimento da
Lei, sua essência como o Evangelho poderia ser derramada. Tome dentro disto a narrativa contada pelas
letras soletrando Yod: Yod-Vav-Dalet. Array eles verticalmente e veja a revelação de Zer Anpin em uma
maneira nova: Yod é a revelação dos Supernals; Vav the Six; Dalet a soberania. Sinta a alusão ao que o
Dalet de Yod se torna como o Kallah. Como Imma é o porta-dalet da carta de partzuf para o pai em Lamed,
e a carta composta com Yod que soletra Heh como Imma, assim é Kallah a porta-dalet da carta partzuf
para o filho em Yod. Entre o Alto e o Baixo Shekinah como Vav de YHVH, a sobreposição entre o final de
Dalet de Lamed e Yod de Elohim, ou o mais subtilmente implícito entre Mem e Mem-final de Elohim, o
Filho medeia.

Nem a morte, nem a vida, nem os anjos, nem os governantes, nem as coisas presentes, nem as coisas
futuras, nem os poderes, nem a altura, nem a profundidade, nem qualquer outra coisa em toda a
criação, serão capazes de nos separar do amor de Deus em Cristo. Jesus nosso Senhor (Romanos 8: 38-
39).

Elder Gideon
T
o
p
o
Elder Gideon
Administrador do site

Mem-final de Elohim: Kallah



# 6 Post Qui 23 fev, 2017 11:42 am
Mem final: Kallah

Chegando à última carta Mem of Elohim faz mais perguntas que respostas. Isto é apropriado para o partzuf
desta carta: Kallah. Ela é nossa experiência em libertação ou destruição.

Mem é composto de um Kaf e um Vav e é soletrado como Mem-Mem final. A forma aberta que você
compartilhou comigo descreve o mundo à parte do Messias, antes do advento do Messias; Sua forma
fechada é o mundo no Messias, por causa do Messias.

Como a letra LaMeD for Abba, Mem é composta de um Kaf e Vav, equivalente ao Grande Nome YHVH. Ao
contrário do Lamed, feito de um Vav no topo de Kaf, Mem é Vav à esquerda do Kaf. Mem como a Carta
Mãe da água sugere consciência, o veículo fluido do sangue, soro ou pigmento e condutividade. Que esta
carta se move com a força total de YHVH traz um mistério primoroso à luz do que se torna desta força de
YHVH para almas e matrizes que escolhem ou recusam intenção e instrução do Pai-Mãe.

Todas as almas - a comunidade - são tradicionalmente personificadas por Kallah. A fonte oculta de Kallah é
Imma. Ela é filha da mãe dela. Como Shekinah Inferior, ela é o espelho da Shekinah Superior. A distinção de
suas dimensões está nas letras soletrando Mem: Mem-Mem final. O primeiro está aberto enquanto o
segundo está fechado, selado, como no verbo hebraico para selar, chatam- ַ ‫םתַ ם‬. Esses dois mistérios de
Mem abertos e fechados, como as várias grafias de Heh, contêm uma miríade de ensinamentos. Mais
relevante ultimamente tem sido sua ênfase para nós que não nos preocupamos com os ímpios chegando a
um poder maior e a loucura desta geração de Noé, mas que “nós lixamos a madeira de gofer [da Arca]”, diz
o Continuum, segure-se na fé e sirva a Luz de todas as formas que pudermos. Isto deve ser selado, como
Mem final, a carta partzuf de Elohim que nos une como Sua ninhada sob Suas asas. Este é o mundo a vir.

Um jardim trancado é minha irmã, minha noiva,


um jardim trancado, uma fonte selada (Cântico dos Cânticos 4: 2).

Elder Gideon
Tau Malaquias
Administrador do site

Habad e os mandamentos: resplendor da coroa suprema



# 1 Post Sex Dec 23, 2016 1:41 pm
Habad e os mandamentos: resplendor da coroa suprema

Como é sabido, a palavra Keter é igual a 620, mas também as palavras Hokmah (73), Binah (67) mais ve-
Da'at (480); Assim, Habad é o esplendor da Coroa Celestial (Keter), a manifestação direta da Luz Infinita. Se
considerarmos a elocução do primeiro dia da criação, correspondendo à Hesed-Misericórdia que emana de
Habad, “Haja luz”, e nos lembramos do que os mestres da tradição disseram desta luz sagrada, que é a
“luz”. guardado para os justos ”, e que é a“ coroa dos justos ”, para que possamos entender essa luz como
Habad, a sabedoria, compreensão e conhecimento que vem através da presença da consciência, pura
consciência radiante, e nesse Da 'significa' conhecimento ', mas também' união ', então esta luz
armazenada para os justos implica a experiência da união consciente com o Infinito e Eterno,

Há também outro segredo aberto a ser compartilhado e considerado. Os Dez Mandamentos são
compostos por 620 letras e isto conota que os Mandamentos são o esplendor da Coroa Celestial, e que
através deles, lembrando e mantendo-os, somos capazes de atrair essa Luz Sagrada, unificar nossa alma e
nossa mente, coração e corpo, com essa Luz Sagrada, e entrar em união consciente com o Eterno
(Yahweh). De fato, através da execução dos mandamentos com kavvanah (intenção consciente) e devekut
(clivagem) na fé e no amor, podemos literalmente tocar a Santa Luz da Coroa Celestial e experimentar a
comunhão íntima com o Santo do Ser.

Contemplando isso, podemos também considerar um lindo verso de Provérbios:

“Elohim fundou a terra com Hokmah; Ele estabeleceu os céus com Binah; e com Da'at Ele dividiu as
profundezas ” (3: 19-20).

Isso nos ensina que o esplendor da Coroa Celestial está oculto em tudo, na terra, nos céus e no “profundo
dividido” - o bem e o mal, e que através da promulgação dos Mandamentos, lembrando e mantendo a
aliança, contínuo, estamos habilitados. para extrair o brilho da Coroa Celestial de dentro das coisas, e
capaz de atrair as essências espirituais das coisas para elas, tudo conforme ordenado por El Elyon, o
Supremo.

Esta Luz Sagrada está escondida em tudo, e está sendo revelada através de tudo para aqueles que têm
olhos para ver isto; de fato, como Adonai Yeshua ensina, “o reino dos céus está espalhado sobre a terra,
mas poucos têm olhos para vê-lo”- Esplendor da Coroa Celeste, Luz do Infinito!

Há ainda outro mistério secreto que me é dado compartilhar esta tarde. Como é sabido, Atik Yomin, o
Ancião dos Dias, é igual a 616. Se entendermos Atik Yomin como a essência mais íntima do Tzaddik
Sagrado, o Quinto Elemento, acrescentando os outros quatro elementos primordiais da consciência que
surgem do Quinto Elemento, ar, fogo, água e terra surgindo do espaço espiritual, então temos 620,
implicando a Grande Visão de Melquisedeque correspondendo com o Habad primordial e celestial, no mais
radiante da Coroa Celestial. Como sabemos, é da Atik Yomin que a alma do Messias emana de acordo com
o profeta Daniel, e é através da experiência da Grande Visão que as almas são iluminadas e liberadas.

Esta é uma semente de sabedoria esotérica que o Espírito me inclinou a plantar neste dia sagrado, estamos
celebrando a Festa da Mãe e do Filho, o nascimento do Messias; que essa semente leve dê frutos
abundantes para aqueles que trabalham para entender! Um homem.
Imma Shalom!
Tau Malachi
Sophia Comunhão
Ecclesia Pistis Sophia
T
o
p
o
Elder Gideon
Administrador do site

Filho único

# 2 Post Ter Dez 27, 2016 2:33 pm
Shalom Tau Malachi:

Ninguém jamais viu Deus. É Deus o único Filho, que está perto do coração do Pai, que o fez conhecido (João
1:19).

Louvado seja ela! Que semente de luz! Imenso!

Relacionar a essência de Atik Yomin como a essência mais íntima dos mandamentos traz nova luz para a
alma do Messias oculta como este Partzuf. Embora eu não pretenda entender esse grau de sublimidade,
eu aprecio o que ele ensina sobre a singularidade, o "único" primeiro encarnado como Yeshua, o único que
foi coroado pela primeira vez com a autoridade de falar Eu Sou .

A singularidade - ser quem e o que realmente é - descreve a unificação mais diretamente. A palavra para
nossa singularidade é sinônimo de nossa parte mais íntima da alma: yechidah. O significado desta palavra é
simples. Sua raiz, yachad , deve ser unida. A partir disso, yachid é aplicado em toda a Bíblia para os
primeiros ou únicos filhos, como Isaque foi para Abraão e Sara, ou a única filha para Jefté. Yachid é
simplesmente um filho único. Mas quanto ao aspecto mais profundo da alma, yechidá conota uma solidão
tão exclusiva que nem os anjos supernais podem comungar com essa essência, mas somente Deus. Tudo o
que não podemos dizer de Keter é igualmente tudo o que não podemos dizer desta parte da alma.

Eu contribuo com esta dimensão de mistérios cabalísticos da mais íntima singularidade para uma discussão
de Atik Yomin como a essência dos Mandamentos, porque São João fez os mesmos atributos de Yeshua,
contrastando-o com Moisés: A lei foi realmente dada através de Moisés; graça e verdade vieram através de
Jesus Cristo (v 17). Graça e verdade estão sendo personificadas por Yeshua, implicando o maior e mais
imensurável partzufim alinhado nele, até mesmo a Atik Yomin.

Quando o Perfeito Mestre proclamou: Não pense que eu vim abolir a lei ou os profetas; Eu vim não para
abolir, mas para cumprir. Pois em verdade vos digo que, até que o céu e a terra passem, nem uma só letra,
nem um só golpe de letra, passará da lei até que tudo seja cumprido.(Mateus 5: 17-18), eu ouço uma
nuance que eu não pude antes de seu ensino do profundo relacionamento entre Atik Yomin, os
Mandamentos, Habad e a Alma do Messias.

A matriz aqui conectando todos esses mistérios é extraordinária. Os princípios metafísicos dos
mandamentos são meios de retornar ao Eterno. De onde emanam os Mandamentos - a Coroa - é para
onde as almas estão destinadas a retornar. A Coroa é a sede da singularidade de uma alma além deste ciclo
cósmico. A coroa é sinônimo e revelada por Habad. Ouvir que do Ancião dos Dias emana a alma que o
Messias me inclina a perguntar: O que está acontecendo então no Eu Sou?declarações tão únicas para
Yeshua? Quem é esse falando-lhes? Melhor, à luz de Atik Yomin como a fonte da alma do Messias, o que é
que está falando com eles?

Com gratidão,

Elder Gideon
T
o
p
o
Tau Malaquias
Administrador do site

Re: Habad e os Mandamentos: Radiance of the Supernal Crown



# 3 Post seg Jan 02, 2017 11:46 am
Graça e paz para você em Hayyah Yeshua!

As Supernais, e especificamente a Coroa Supernal (Keter), estão associadas à Misericórdia


Abundante. Como sabemos, Abundante Misericórdia é a manifestação da misericórdia quando 'Deus ora a
Deus', e isso corresponde às orações do Messias, o Filho orando ao Pai, Deus revelado e conhecido orando
a Deus oculto e desconhecido. Ora, essas orações não são orações da maneira que normalmente
concebemos da oração, pois, como aprendemos com o que Adonai Yeshua orou diante do povo, quando
ressuscitou São Lázaro dentre os mortos, permanecendo na mais íntima comunhão, ou união consciente
com a oração. Eterno (Yahweh), ele não precisava de pensamentos ou palavras de oração, mas sim todas
as ações divinas, todas as maravilhas, transpiravam através de simples intenção consciente, simplesmente
por desejar, pois a vontade do Filho é unificada com o Pai, a vontade do Messias é unificada com o Infinito
e Eterno e, portanto, como o "Filho Unigênito", o Messias quis, então o Infinito e Eterno
quiseram; qualquer que seja o Santo quer que venha a acontecer; é apenas nesse mesmo instante! Um
homem!

Como sabemos, Ratzon, desejará, corresponde à Coroa Celeste, e unificada com o Eterno, a vontade do
Altíssimo (Ratzon Elyon) se manifestou no Messias Yeshua; a essência mais íntima dessa incomensurável e
insondável força de vontade corresponde a Atik Yomin, o Ancião dos Dias.

Na emanação do Messias neste mundo, ou em qualquer um dos inúmeros mundos da criação, cada
emanação é única e individual, e assim a manifestação de Ratzon é única e individual, e o Messias traz as
correspondentes ações divinas, maravilhas e revelações, tudo para o despertar das almas e sua salvação,
sua iluminação e libertação, ou retornar a Deus. Entenda, o Messias é inseparável do Infinito e Eterno, e é
Um, correspondendo com o Nome de Javé, e ainda existem incontáveis e únicas emanações individuais do
Messias nos incontáveis mundos da criação, então o Messias é Um e Muitos, correspondendo com o nome
de Elohim.

Existe uma verdade semelhante em relação a todas as almas dos seres humanos como a imagem e
semelhança de Yahweh Elohim, e como sabemos, em sua essência e natureza mais profundas, as almas são
inseparáveis do Messias - o Ungido de Deus (El, Elohim). Assim, enquanto em geral as orações dos
tsadikim, e os eleitos fiéis e espirituais, invocam a Simples Misericórdia, na Realização Suprema - unificação
consciente com o Messias, habitando e além, grande tsadikim ungido pode invocar abundante
Misericórdia, Deus realizou dentro de si orando a Deus sempre além deles.

Neste ponto, há um indício de “quem” ou “o que” pronuncia as declarações Eu Sou e, como sabemos, há
dez delas, correspondentes aos Dez Mandamentos. Quem ou o que os pronuncia? Quem pode dizer? Na
verdade, não há como falar esse mistério secreto, mas, tendo conhecimento disso, só se pode sugerir ou
apontar para ele, pois não há nada que possa ser dito a respeito, não pode ser explicado por nenhum anjo,
muito menos qualquer mortal! Entenda, Eu Sou, Eu serei (Eheieh), corresponde com Keter, e Keter é
chamado Ain, “Sem Coisa”, No Sagrado Zohar é ensinado que Hokmah é Reshit, o “ponto do começo”, e é
ensinado que não há “nada de conhecível além desse ponto”. Sendo isso verdade, a declaração das
declarações Eu Sou surge de Ain, mas quem ou o que é isso? Quem pode dizer? Ain é não-coisa, um vazio
grávido, tal como não pode ser concebido por anjo ou mortal, ou qualquer criatura que seja no céu ou na
terra; é uma verdade, uma realidade, conhecida apenas pelo Santo e pelo Santo.

Embora não possamos dizer quem ou o que profere as declarações Eu Sou, considere isso. Na sarça
ardente, quem ou o que proferiu o Nome Santíssimo e Essencial do Infinito, Eheieh Asher Eheieh ? A
verdade é que nem sequer é uma pergunta, o Santo fez; ou melhor, a Shekinah do Santo, o Infinito e
Eterno; dizendo isso, porém, nada dissemos sobre a fonte do enunciado, e não damos resposta alguma,
nem explicação alguma. Se alguma coisa é sabida disso, Eu sou, é somente através da experiência direta do
Eu Sou, é somente através de uma revelação do Santo, Aquele Que Ufa-A-Palavra.

Dito isto, há também Anoki-Eu Sou e, como sabemos, isso corresponde a Malkut-Kingdom, e como se sabe,
o Messias é inseparável do reino dos céus - o Messias é o reino dos céus. Como já dissemos, toda
emanação do Messias neste mundo, ou nos mundos da criação, é única e individual e, portanto, com cada
emanação do Messias há enunciados únicos, ações divinas únicas, maravilhas, revelações e assim por
diante; isso corresponde a Anoki, o Eu Sou revelado, corporificado.

Considere isto. Há Eheieh e há Anoki, e há Ain e Ani - eles estão interconectados; ninguém pode falar de
Eheieh ou Ain, mas podemos falar de Anoki e Ani, mas a essência mais íntima de Anoki é Eheieh e a
essência mais íntima de Ani é Ain, portanto, embora possamos falar de Anoki e Ani, eles continuam sendo
um grande e mistério insondável, muito mesmo!

A mais íntima essência e ser de todas as coisas é um grande e supremo mistério, pois é no Santo do Ser, no
Infinito e Eterno - inominável e conhecível.

Tudo em um mistério, através do Espírito de Deus (Ruach Elohim), encenando os mandamentos, é possível
para uma alma alcançar, mas não alcançar, a Coroa Celestial (Arik Anpin), e até mesmo em Atik Yomin,
pois, como sabemos O Profeta Daniel tocou em Atik Yomin em uma visão e adquiriu consciência,
conhecimento, da fonte de emissão da Alma do Messias. Se Daniel foi capaz de alcançar e não atingir dessa
maneira, também outros, como Moisés e Elias, eram de grau superior a Daniel. Se entre os profetas,
através do Espírito Santo (Ruach ha-Kodesh) e através da promulgação dos mandamentos, havia aqueles
que poderiam alcançar e não alcançar a Coroa Celestial, e até tocar em Atik Yomin, quanto mais tzaddikim
ungido em o Messias, aquele que falou como o Eu Sou (Eheieh, Anoki)?

Entenda, porém, que alcançar interiores tão elevados não existe, e embora, de fato, através do Espírito
Santo, o Habad da Coroa Superna possa ser adquirido, dotado, tal Habad é secreto e não pode ser falado,
só pode ser comunicado, dado, através do Espírito Santo, nenhum anjo pode falar isso, muito menos
qualquer mortal. A esse respeito, considere o que São Paulo falou de alguém capturado no terceiro céu,
Shehakim, um dos céus exteriores mais baixos, no universo astral distante dos espaços mais internos do
universo superno, Atzilut, que ele “ouviu coisas que não é para ser dito, que nenhum mortal é permitido
repetir ”(2 Coríntios 12: 4). Se isso é verdade para um dos céus exteriores mais externos, então qual é o
brilho mais íntimo da Coroa Celestial, da qual nem mesmo os príncipes supernais e anciãos celestiais
podem falar?

Através do Espírito Santo, entretanto, alcançar e não atingir é possível, no Espírito tudo é possível; e
alcançando no Espírito alguém pode adquirir daat, conhecimento, mas será secreto, pois não pode ser
falado.

Que o Senhor te abençoe com esse conhecimento! Um homem.

Shalom Aleichem!
Tau Malachi

Sophia Comunhão

Ecclesia Pistis Sophia


T
o
p
o
Tau Malaquias
Administrador do site

Mistério de nove câmaras: plenitude de Habad



# 4 Post seg 02 jan, 2017 14:04
Bênçãos para você do palácio celestial do Messias e da grande assembléia luminosa na presença de
Yahweh Elohim, Shaddai!

Tendo escrito o segredo aberto de Keter e Habad como sendo 620, Habad sendo a radiância e
manifestação de Keter, podemos compartilhar algo a respeito do mistério das Nove Câmaras (Hekalot) da
Coroa Superna.

Ouça e ouça e entenda! Como é sabido, todas as Sefirot contêm as dez Sefirot e, portanto, há Habad
dentro de Hokmah, Binah e Da'at, três vezes três, e então “Nove Câmaras de Keter”, a Coroa
Superna. Hokmah, Binah e Da'at são mochin, inteligências, e assim os Habad de Habad, Habad de Hokmah,
Binah e Da'at, são nove inteligências supernas, e estas se expandem para formar Nove Câmaras de
conhecimento e poder celestes, alcançando Adão. Kadmon, o universo primordial, ser iluminado
primordial; estas são as câmaras mais íntimas do palácio do Messias, Habad do Messias, e dentro e por trás
delas está Eheieh, Eu Sou, Eu Serei, o potencial da revelação e conhecimento infinitos do Santo do Ser, o
Infinito e o Eterno 1.

Se alguém aprende a contenção apropriada (Katar), exercitando seu intelecto e fé, e unindo-os, pode
alcançar a Coroa Celestial (Keter) correspondente a seu nível ou grau, e ascender de série a série, com a
perfeição de auto-restrição. , auto-anulação, autotranscendência, pode-se alcançar os mais altos níveis
mais altos de Mochin Gadlut - iluminação; portanto, as Nove Câmaras da Coroa Celestial, plenitude de
Habad de Habad, Habad de Hokmah, Binah e Da'at.

Entenda que todos esses aspectos de Habad interagem e se inter-relacionam, e formam a Unidade de
Habad - o Supremo Habad, e isto corresponde a uma décima Santa Câmara, santa dos santos, e nela está a
Expressão de Eheieh, Eu Sou; aqui podemos dizer, esta é a própria Coroa Celeste, inseparável do Infinito
(Ain Sof). Se você é capaz, contemple bem isto e entenda no Espírito! Um homem.

Como é sabido, ascender de nível para nível de mochin, de Asiyah para Atzilut, requer uma crescente
kavvanah (concentração) e devekut (clivagem), e assim, para os níveis mais internos, as Nove Câmaras, a
perfeição de kavvanah e devekut, a perfeição. de hitbodedut (auto-isolamento, meditação). Há algo mais,
porém, pois a chave mais essencial para entrar nas nove câmaras é a paixão divina, e mais a alegria, o
cultivo da plenitude da alegria, regozijando-se no exterior e no interior de Shekinah de Yahweh Elohim,
Shaddai; é através do amor, embora alegria, que as almas entrem nos espaços mais fundos do palácio do
Messias, o palácio de Yahweh Elohim, Shaddai.

Para encerrar, podemos lembrar que o desejo mais profundo de neshamah, nossa alma celestial ou
celestial, é o Habad do Santo - o conhecimento de Deus, e, portanto, tal é a verdadeira alegria de cada
alma, retornando a Deus, o Santo de Ser. Habad de Habad, isto é o cumprimento de todos (Kol), a
libertação de todos! Louve a Deus!

Que aqueles que buscam o Habade do Messias sejam abençoados para recebê-lo! Um homem.

Shalom Aleichem!
Elder Gideon
Administrador do site

Eheieh e Ahava

# 1 Post Ter 20 de novembro de 2012 13:17
Shalom!

Em um estudo das letras formando Eheieh ,

‫א‬
‫ה‬
‫י‬
‫ה‬

fiquei encantado em descobrir como é a mesma palavra trocando Yud com Bet, soletrando Ahava : Amor:

‫א‬
‫ה‬
‫ב‬
‫ה‬

E mais, o valor do Nome Divino para Misericórdia ou Amor-Bondade, El, é 31, enquanto o valor de Ahava é
13.

Isto fala muito lindamente para o relacionamento entre Keter, sendo o mais íntimo Ratzon (Desejo ou
Vontade) do Ser Divino, como Amor; aproximar-se de nossa essência mais íntima e única será a expressão
de amor, caridade e auto-oferecimento.

Pois estou convencido de que nem a morte, nem a vida, nem os anjos, nem os governantes, nem as
coisas presentes, nem as coisas futuras, nem os poderes, nem a altura, nem a profundidade, nem
qualquer outra coisa em toda a criação, serão capazes de nos separar. amor de Deus em Cristo Jesus
nosso Senhor (Romanos 8: 38-39).

Amém e Amém!

Elder Gideon
T
o
p
o
Tau Malaquias
Administrador do site

Re: Eheieh e Ahava



# 2 Postado em Sábado 03 de setembro de 2016 07:43
Graça e paz para você em Adonai Messias!

O paralelo que você desenhou entre Eheieh e Ahava é adorável, e provoca algumas contemplações muito
ricas, sugerindo que o sinal da realização e incorporação do Eu Sou é amor; e nisto não podemos deixar de
lembrar o único mandamento do Messias Yeshua: "Amem-se uns aos outros como eu os amei", que
podemos ler: "Amar como o Eu Sou".

Olhe e veja, e entenda! O Yod de Eheieh torna-se Bet em Ahava; Como sabemos, Bet muitas vezes
corresponde à criação e à corporificação - “casa” ou morada da Shekinah e, portanto, considerando essas
duas palavras juntas, podemos dizer que através do amor, e através da misericórdia e do perdão, o Eu Sou
é realizado e corporificada. De fato, para o conhecimento do Eu Sou é a consciência da Unidade Sagrada
(Yichud, Achad) subjacente à matriz da criação, a interconexão de todas as coisas, todas as criaturas, e
quando há realização do Eu em nós, também existe a a consciência do Eu Sou dentro de todas as coisas,
todas as criaturas, e esta consciência é naturalmente expressa como amor e compaixão, ou uma
comunhão mais íntima.

Na realização do Eu Sou, é claro, há também a consciência de nossa unidade inata com a reintegração
Infinita e Eterna e consciente com a Luz do Infinito; portanto, a fruição do amor, união com o Santo e união
com a matriz da criação, todas as criaturas no céu e na terra - o amor do Messias.

Em um certo nível podemos dizer, Ahava é o Santo Nome de Deus encarnado, Deus se tornando humano
para que os humanos possam vir a existir como Deus, experimentando a unificação consciente com Deus, a
Luz Verdadeira.

Agora, esta conexão profunda entre Eheieh e Ahava aponta para o mistério de Keter-Crown como Supernal
Grace, Supernal Love, e podemos dizer que Ahava é um cognome Keter. Quando há uma “casa” (Bet), uma
embarcação, capaz de receber a plenitude da Graça Superna, o Amor Supernal, então há um influxo
Supernal completo, influxo do poder de Yod. Isso corresponde à manifestação da Shekinah do Messias - a
Unção com a Luz e o Espírito Supernos. Nisto podemos nos lembrar de João 3:16: “Porque Deus amou o
mundo de tal maneira que deu o seu Filho uno , para que todo aquele que nele crê não pereça, mas tenha a
vida eterna” - a realização do ser sem nascido, o Eu Sou.

Neste, talvez, você pode intuir que Eheieh Ahava é um canto sagrado invocando a Graça Supernal, e é um
canto sagrado dando louvor e gratidão em adoração pelo derramamento da Graça Superior, Amor Superno
através da pessoa de Yeshua Messias, o Filho (Ben ); indo para dentro, abrindo-se para a Santa Luz de cima
com intenção consciente, tendo o desejo de que o Espírito de Deus encha seu coração de luz e amor,
aderindo ao Sol Espiritual dentro de você, assuma este canto sagrado e você será abençoado. Louve o
Senhor!

Ó Santo, encha nossos corações com seu amor e ilumine nossas mentes com sua luz! Um homem.

Shalom Aleichem!

Três Caminhos do Zodíaco



# 1 Post Fri 05 de agosto de 2016 15:15
Shalom todos!
Eu queria compartilhar uma contemplação das letras hebraicas em relação aos signos do zodíaco
. Sabemos que cada signo do zodíaco está associado a uma letra hebraica - um caminho que conecta duas
Sefirot. Muito insight pode ser extraído através desta contemplação. Mas a contemplação pode ser
estendida. É um contínuo maravilhoso que é realmente bastante simples, que envolve estudo e
contemplação, de três Cartas, a cada mês, correspondendo ao signo atual do Zodíaco: a letra do signo em
si, seu planeta governante (tradicional) e elemento (carta mãe). ). Assim, no ciclo do ano, com o estudo das
três Cartas hebraicas por sinal a cada mês, de todas as 22 Cartas Sagradas serão incluídas.

ARIES - HEH
Mars - PEH - planeta governante
FIRE - SHIN - elemento

TAURUS - VAV
Vênus - DALET - planeta governante
Terra - TAU - elemento

GEMINI - ZAYIN
Mercúrio - BET - planeta governante "
Ar - ALEPH - elemento

CANCER - HET
Lua - GIMEL - planeta governante
Água - MEM - elemento

LEO - TET
O Sol- RESH - planeta governante
FOGO - SHIN - elemento

VIRGO - YOD
Mercúrio - BET - planeta governante
Terra - TAV - elemento

LIBRA - LAMED
Vênus - DALET - planeta governante
Ar - ALEPH - elemento

ESCORPIÃO - NUN
Marte - PEH - planeta governante
Água - MEM - elemento

SAGITÁRIO - SAMEKH
Júpiter - KAF - planeta governante
Fogo - SHIN - elemento

CAPRICÓRNIO - AYIN
Saturno - TAU - planeta regente
Terra - TAU - elemento
AQUARIO - TZADI Saturno - TAU - planeta
governante
Ar - ALEPH - elemento

PEIXES - QUOPH
Júpiter - KAF - planeta regente
Água - MEM - elemento

Espero que esta seja uma inspiração para os outros , como tem sido para mim, e essa percepção será
extraída e compartilhada.

Com Shalom e bênçãos,


Cathy
T
o
p
o
Elder Gideon
Administrador do site

Re: Três Caminhos do Zodíaco



# 2 Post seg 08 de agosto de 2016 6:43 am
Shalom Sister!

Obrigado por este trabalho detalhado! É outra dimensão das letras hebraicas que certamente amplificará
muito mais linhas de contemplação! Maravilhoso ter e referência aqui no nosso fórum!

Elder Gideon
T
o
p
o
Yonah

Re: Três Caminhos do Zodíaco



# 3 Post seg Ago 08, 2016 8:28 am
Obrigado!

Eu não sei muito sobre Astrologia ou as correspondências, então isso é fascinante.

Shalom, Yonah
Shalom,
Yonah
EPS Coleta de Recolhimento
T
o
p
o
Martina

Re: Três Caminhos do Zodíaco



# 4 Post Dom 14 de agosto de 2016 5h47
Shalom Cathy!

Obrigado por compartilhar essas correspondências! Isso ajuda muito na expansão de nossas recentes
contemplações.

Bênçãos,
Martina

Tau Malaquias
Administrador do site

Sabedoria de Mah: "What"



# 1 Post Qua 25 de novembro de 2015 13:12
Sabedoria de Mah: “O que”

Mah (Mem-He) significa “o que”. É igual a quarenta e cinco e é um cognome de Malkut, ou o exterior de
Shekinah. Mem é quarenta e corresponde ao influxo completo de toda a Árvore da Vida que flui através de
Malkut, e Ele é cinco, a plenitude da Santa Shekinah que se manifesta quando as almas se apegam ao
Santo e Shekinah, e elas oram e contemplam os mistérios da criação e do Infinito.

Mah, “o que”, esta é a verdadeira substância da criação e o verdadeiro propósito da criação, a


manifestação da Santa Shekinah em todo o seu poder e glória, e a incorporação da Santa Shekinah abaixo
como acima.

Adam (Alef-Mem-Dalet), o Humano, também é igual a quarenta e cinco, e isso indica que a plenitude de
Malkut, a Santa Shekinah, se manifesta com, através e através da humanidade, através dos fiéis e
espirituais eleitos que partem e que oram, invocando a manifestação do reino dos céus na terra, como
acima abaixo.

Agora você deve entender o poder do pensamento: um pensamento se apoderou de uma vida própria, e
se torna um poder manifesto da realidade de sua experiência. Quando seus pensamentos são ociosos e
vão, ou pior, quando eles caem em real negatividade, forças do Outro Lado são invocadas e atraídas por
você; Inversamente, no entanto, quando seus pensamentos são justos e santos, e você coloca sua mente
naquelas coisas que estão acima, então as forças das Sefirot Sagradas são invocadas e os anjos do céu são
atraídos para você. Entenda, você tem o poder de direcionar seus pensamentos, junto com sua fala e
ações, este é o poder dado ao Humano. Assim, se e quando você encontrar seus pensamentos indo onde
você não deseja que eles vão, e onde você não deseja estar, lembre-se que o Santo está com você, se
apegue a Mah, o Shekinah, e coloque sua mente nas Sefirot superiores, manifestando o poder e a glória da
Santa Shekinah como sua companheira. Todos nós temos o poder de fazer isso, se desejarmos!

Se e quando você fizer isso, tikkunim de sua alma são realizados, e há tikkune do mundo, os céus e o Nome
- o Mundo das Santas Sefirot. A cada dia você pode trazer tikkune dessa maneira, e você dará substância à
sua pessoa e à sua vida, e você não estará mais preso à ignorância, ou à “vaidade e futilidade sob o sol”.
torna isso seu hábito e experimentará sua alma levada pelos céus ao Trono da Glória, e aquele que se
tornar realizado nisso alcançará o estado do Humano no Trono Sagrado. A esse respeito, considere os
anciãos na visão de Yohanan, os Amados que são entronizados e coroados com grande glória, a imagem do
Tzaddikim Perfeito no Messias.

Como sabemos, com exceção do segundo dia da criação, a respeito de tudo na criação, o Santo proclama:
“É bom (Ki Tov)! “Isto” indica Mah, “o que”, e esta é a bondade da criação, a manifestação da Santa
Shekinah em toda a sua glória e poder; quando nos apegamos a Mah dessa forma, aperfeiçoamos e
completamos a criação, percebendo o verdadeiro bem que está nela - a Luz Verdadeira.

Aqui podemos falar em um segredo aberto. A própria essência e substância da criação é a Luz Verdadeira -
o Santo do Ser, quando nos apegamos a Mah, como ensinado acima, invocamos influxos desta Luz Superna
e extraímos a Luz Sagrada que está em toda parte abaixo; assim, há luz sobre luz, glória sobre glória, e o
Santo, o Criador, é glorificado e exaltado dessa maneira.

A perfeição disto corresponde ao Santo Nome de Yahweh Elohim, Shaddai, como ensinado no livro do
Apocalipse; daí a manifestação de Mah de Atzilut. Louve o Senhor!

Lembre-se de Mah! Um homem.

Shalom Aleichem!
Tau Malachi
Sophia Comunhão
Ecclesia Pistis Sophia
T
o
p
o
Elder Gideon
Administrador do site

B'limah-sem o que

# 2 Postado Sábado, 28 de novembro de 2015, 09:32
Shalom Tau Malachi:

Entender, Limpar a União da Luz ou Limpar a Dissolução da Luz, corresponde a uma total auto-negação, ou
completa auto-oferta; assim, o autocontrole, a autonegação, é a chave essencial, pois com esse apego e
aversão são trazidos à cessação e somos restaurados à nossa pureza e perfeição inatas - a Grande
Perfeição Natural (de Moisés na Fenda da Rocha ). .

Estou gostando muito desse ensinamento de What , Mah, como cognome do exterior Shekinah. Isto está
falando ao mesmo tempo que Mah é Malkut! Dada a gemmatria compartilhada de mah-what e Adam (=
45), um princípio paralelo lembra a poeira, adamah, compondo Adam. Eu não podia ignorar, enquanto lia
este mistério de Mah como o exterior Shekinah, uma relação óbvia de B'limah como o interior Shekinah.

O Rabino Kaplan, em seu comentário surpreendente sobre o Sefer Yetzirah, fala dessa B'limah como
significando "fechado, abstrato, absoluto ou inefável" (25). Ele também observa que a única ocorrência
desta palavra é de Jó: Ele estende o norte sobre o lugar vazio e pendura a terra sobre o nada (26: 7). Outro
significado desta palavra é freio,como ocorre em um salmo: Não seja como um cavalo ou mula, que não
entende, cuja boca deve ser refreada com mordida e rédea (32: 9). O rabino Kaplan vê esse senso de freio
repetido em outra parte doSefer Yetzirah 1: 8: "Bridle sua boca de falar deles [o sefirot]." Ele também cita
uma descoberta maravilhosa de um rabino do século XIII chamado Issac de Acco, que ligou a gemmatria de
B'limah (= 87) com Binah (= 86), sugerindo que "b'limah representa o estágio imediatamente após o puro
essência do Divino "(26).

Estou enamorado com essa relação do que , como a terra, está pendurada sem o quê. O que mais podemos
extrair do relacionamento entre o que do exterior Shekinah e o sem-odo interior Shekinah?

Com gratidão,

Elder Gideon
T
o
p
o
Tau Malaquias
Administrador do site

Re: Sabedoria de Mah: "What"



# 3 Post seg 30 nov 2015 10:15
Graça e paz para você de Yahweh Elohim, Shaddai e do Santo Cordeiro!

A raiz de tudo está em Ain Sof, o Infinito, e a natureza de tudo o que aparece é Ain, No-Thingness; as
Sagradas Sefirot são inseparáveis de Ain Sof, e elas mesmas são infinitas, e sua natureza é Ain. Como tal,
dizem que são Belimah, “sem o quê”, emanações radiantes de Ain Sof, o Um-Sem-Fim. Na verdade, quem
pode compreendê-los e falar deles? São todos mistérios que emanam do Grande Mistério, Ain, Ain Sof, Ain
Sof Ou; suas essências e luzes interiores iludem nossa capacidade de conhecer e compreender, e embora
possamos adquirir conhecimento e compreensão de suas luzes exteriores, e seus poderes espirituais e
manifestação na criação, sempre as Sefirot Sagradas permanecem mistérios profundos insondáveis, assim
como Ain Sof continua sendo um Grande e Supremo Mistério.

Agora, o exterior Shekinah - Malkut, é chamado Mah, embora a essência interna do exterior Shekinah seja
Belimah; tudo em um grande mistério, Mah é gerado a partir de Belimah através do exterior Shekinah,
Malkut. Em que a essência interna do exterior Shekinah, Malkut, é inseparável do interior Shekinah, Binah,
de fato, Binah é Belimah enquanto Malkut é Mah.

Entenda, o interior Shekinah, Binah, inicia o influxo e movimento dos Supernais que emanam as sete
Sefirot de Construção, o ponto culminante de qual é o exterior Shekinah, Malkut; esta é a geração de algo
do nada, ou a emanação de Mah de Belimah, e é do exterior Shekinah, Malkut, o Mah vem a ser, e ela se
torna Mah-materializada.

Binah é chamada Mi, “quem”, e Malkut é chamado Mah, “o que”, e sendo Mi, gera Mah, a exibição
radiante da força da consciência, superna, espiritual, astral e material; compreendendo a realidade de
nossa experiência em todos os níveis como a exibição radiante da consciência-força do ser, tudo num
grande mistério a “substância” da criação, formação e criação se manifesta, e dos universos metafísicos o
universo físico, material entra em cena. sendo, todos suspensos em nada, vazio, vazio.

A verdade é que o eu e tudo o que aparece é belimah, “sem o quê”, pois a natureza de todos, incluindo a
realidade física ou material, é Ain; e ainda assim, relativamente, experiencialmente, há "o quê", substância,
assim como estamos vivenciando neste exato momento. Que incrível! Que maravilha! Que
maravilha! Quem não está sobrecarregado de admiração sagrada e se admira contemplar esse mistério de
belimah no universo material e físico, quanto mais nos universos astral, espiritual e
superno? Contemplando com olhos de espanto e admiração, ousando abraçar o Grande Mistério dentro e
por trás de tudo o que aparece, só podemos nos alegrar no mistério da existência senciente e proclamar
Hallelu Yah! Louve o Senhor!

Contemplando esse “o quê”, vendo e não vendo, ouvindo e não ouvindo, sabendo e não sabendo, nesse
inconsciente, na presença deste Grande Mistério, aquele que vê, ouve e sabe temerá Javé, e através desse
temor sagrado surgirá o desejo de aproximar-se e a compreensão de como se apegar e unificar nossa alma
com Ain Sof através do Messias e das Sefirot Sagradas; portanto, através de uma auto-oferta completa,
auto-negação, fundindo-se e descansando em nossa verdadeira natureza, Belimah, Ain, sem-o-quê-não-
coisa.

Enquanto o Santo deseja e deseja que vivamos neste mundo, e habitamos este invólucro mortal, correndo
e retornando, ascendendo e descendo, sempre devemos reter algo de nossa alma da fusão ou reintegração
com o Infinito, pois se há uma fusão ou reintegração completa, uma alma não pode permanecer neste
mundo entre os mortais. Assim, o Senhor ensinou Moisés, dizendo: "Ninguém pode ver o meu rosto e
permanecer entre os mortais".

Nesta luz, considere Yeshua Messias, pois em sua ascensão final, ele olhou para o rosto de Yahweh, e
tornou-se completamente unificado com Yahweh, e quando isso aconteceu, ele ascendeu, não aparecendo
mais neste mundo como antes. Há, de fato, emanações de Hayyah Yeshua no sonho e visão, mesmo em
algo do Corpo de Manifestação, mas não como na ressurreição que precede a ascensão final e final.

Tudo em um grande e supremo mistério o Messias continua a aparecer para aqueles que têm fé verdadeira
e que se apegam, mas Yeshua não é mais contado entre os mortais; ele é imortal, o Senhor e Salvador dos
seres vivos na Morada Suprema, o Mundo-Que-Está-Vindo. Embora, de fato, o Messias esteja retornando,
e retornará na Segunda Vinda, não será como na Primeira Vinda, pois em sua ascensão final ele se fundiu
com Yahweh Elohim, Shaddai, reintegrando-se completamente às Sefirot Sagradas e ao Infinito. .

Entenda, Malkut, o reino do Santo, é a fruição de emanação, criação, formação e criação, e Malkut é
chamado Mah, "o que", para isso, em última análise, é a intenção do Santo desde o início da criação, ou é
"o que" o Santo pretendia criar. Que Mah e Adão são iguais a quarenta e cinco indica que a humanidade é
o agente ou veículo consciente por meio do qual essa intenção original é cumprida, e o reino dos céus se
manifesta nos universos e mundos supernos, espirituais, astrais e materiais; portanto, a realização da
Consciência Superna ou Messiânica - a vinda do Messias dentro dos reinos e mundos da criação.

Através de Mah, “o quê”, Mi, “quem”, se torna atualizado, realizado e corporificado; portanto, há a
realização do nosso Verdadeiro Ser, inseparável do Santo, do Infinito - tudo como a emanação de Ain Sof e
das Sefirot Sagradas, a natureza de tudo ser Belimah, Ain, sem-o-quê-não-coisa.

O conhecimento desta verdade vos libertará! Portanto, busque o reconhecimento e a realização dessa
verdade, e busque lembrar a origem da sua alma na Luz do Infinito, ou Ain Sof! Um homem.

Para encerrar, diga-se que, na verdade, não há eu nem o que, tudo é Belimah, tudo é Ain em essência e
natureza; esta é a verdade do eu e tudo o que aparece - tudo é um vazio radiante, que ao mesmo tempo é
plenitude gloriosa. Contemple isso bem e entenda.

Nada existe além do Santo do Ser, o Infinito. Lembre-se disso!

Javé Shalom!
Tau Malachi

Sophia Comunhão

Ecclesia Pistis Sophia


T
o
p
o
Elder Gideon
Administrador do site

HokMah

# 4 Post Dom Dez 06, 2015 10:26
Shabat Shalom, Tau Malachi:

Eu sinto profunda gratidão pelo que você tem essencial de Binah e Malkut, Belimah e Mah. É infinitamente
rico considerar a ironia de que um é que e um é o que são experimentalmente revertida por Mi e
Mah. Quem sou é sem o quê .

Este mistério de Mah, como se passa de Binah para Malkut, é muito mais maravilhoso em seu exemplo do
Yeshua Ascensionado:

Nesta luz, considere Yeshua Messias, pois em sua ascensão final, ele olhou para o rosto de Yahweh, e
tornou-se completamente unificado com Yahweh, e quando isso aconteceu, ele ascendeu, não aparecendo
mais neste mundo como antes. Há, de fato, emanações de Hayyah Yeshua no sonho e visão, mesmo em
algo do Corpo de Manifestação, mas não como na ressurreição que precede a ascensão final e final.

Tudo em um grande e supremo mistério o Messias continua a aparecer para aqueles que têm fé verdadeira
e que se apegam, mas Yeshua não é mais contado entre os mortais; ele é imortal, o Senhor e Salvador dos
seres vivos na Morada Suprema, o Mundo-Que-Está-Vindo. Embora, de fato, o Messias esteja retornando,
e retornará na Segunda Vinda, não será como na Primeira Vinda, pois em sua ascensão final ele se fundiu
com Yahweh Elohim, Shaddai, reintegrando-se completamente às Sefirot Sagradas e ao Infinito. .

O que ele diz a Nossa Senhora no túmulo vazio é notável à luz desse espectro de Mah: ainda não subi ao
Pai (João 20:17). Antes e depois deste evento, ele descreve o Pai como uma espécie de lugar de onde ele
veio e para o qual ele está voltando.

Eu trago isto, pois o Pai na Cabala é Hokmah, uma palavra hebraica que significa Sabedoria , contendo
Mah: ‫חכמה‬. Há duas palavras fascinantes das quais se pode derivar ‫ חכ‬em frente ao ‫מה‬. Adicionando um
heh, tem-se um chacha ,‫ה‬, (Strong's 2442) que significa esperar, demorar, muito tempo . Invertendo as
letras, acho que k (Strong's 3581) pode literalmente significar força , riqueza , fecundidade , virilidade e
figurativamente como a força em todos os sentidos da palavra que se move através do bem e do mal.

Acrescente ambos (ou ambos) desses princípios a Mah e temos muitas outras dimensões para explorar o
Pai dentro e ao redor da Mãe. Talvez eles te inspirem a compartilhar como Hokmah pode elaborar mais
sobre Mah.

Com gratidão,

Elder Gideon
T
o
p
o
Tau Malaquias
Administrador do site
Re: Sabedoria de Mah: "What"

# 5 Post Ter Dez 15, 2015 9:48 am
Graça e paz para você de Yeshua Messiah, nosso Adonai!

Malkut, Mah, é a culminação da Árvore da Vida ou do Universo das Sefirot, e como tal podemos dizer que
toda a matriz das Sefirot Sagradas surge por causa da manifestação de Malkut, Mah. Isso é refletido em
Mah dentro da palavra Hokmah, culminação da palavra para sabedoria em Mah, e portanto esta é a
intenção de Hokmah na criação, a intenção no começo (Reshit).

A intenção de Hokmah, é claro, corresponde a Keter-Ain, ou Ratzon Elyon, o desejo ou vontade do


Supremo, e é através de Malkut, Mah, que esse desejo ou desejo mais profundo é realizado e
realizado. Mah, ou “o que”, corresponde à “substância”, ou materialização, e é através disso que as coisas
passam a existir e as almas são capazes de individualizar, despertar e realizar uma união consciente com a
sua fonte, o Santo do Ser.

Malkut, Mah, é a culminação do Universo das Sefirot (Atributos Divinos), mas nesse Mah e Adão igual a 45,
isso indica que o propósito último de Malkut, Mah, é a geração de Adão - a geração da verdadeira
humanidade, a fruição dos quais é o Messias, seres humanos divinos e supernos. Em “Adão”, a vida
autoconsciente e inteligente, a capacidade de incorporar as Sefirot Sagradas e reconhecer e perceber a
fonte de tudo, o Santo, vem a ser, e com essa unificação consciente com o Santo torna-se
possível; portanto, iluminação e libertação - verdadeira sabedoria, Hokmah.

Este é Ratzon Elyon, o desejo ou vontade do Altíssimo, de que espíritos e almas realizem sua origem e
"retorno", ou realizem sua unidade inata com o Infinito.

Agora, essas palavras que você compartilhou e que podem estar associadas a Hokmah, ou implícitas por
Hokmah, apontam para mistérios profundos de Sabedoria Superna (Hokmah de Atzilut) e a manifestação
de Hokmah em Beriyah, Yetzirah e Asiyah. De fato, para hayyah, força vital ou poder de luz, é mantido
dentro de Hokmah, a força da vida de todas as coisas, todos os seres vivos visíveis e invisíveis, e nesta força
vital há inteligência divina, uma inteligência flamejante. que impulsiona a evolução da vida e da
consciência, um impulso e orientação para a realização do Mais Elevado da Vida, o Messias, o Humano da
Luz - ser iluminado. Esse impulso, esse impulso, está imbuído em toda a vida, em todos os espíritos e almas
viventes, e essa inteligência está destinada a despertar e emergir de dentro de todos os seres
vivos; conseqüentemente,

Yeshua uma vez repreendeu algumas das autoridades religiosas de seu tempo, proclamando que as pedras
se tornariam “filhas de Abraão” antes de entrarem no reino dos céus, ou entrarem na experiência de
iluminação. Embora talvez o sarcasmo, neste dizer que ele falou verdade, para a vida evolui, espíritos e
almas evoluem, através da encarnação nos reinos mineral, vegetal, animal e humano - todas
manifestações de Malkut, Mah, e eventualmente se tornam mais que humanas, realizando divina e
superna sendo como sua verdadeira natureza. Essa inteligência de fogo, esse impulso de evolução, está
mesmo dentro de minerais, rochas ou o que parece “inanimado”. Na realidade, tudo o que se manifesta é
“animado”, vivo, pois tudo o que aparece é a emanação do Ser Único-Consciência. -Força; a totalidade da
criação e tudo nela é uma demonstração radiante de consciência,
Isso está bem refletido no poder de fazer maravilhas que encontramos com os santos e iluminados - os
verdadeiros tsadikim, pois, conforme desejem e desejem, e falem e visualizem uma transformação do fluxo
da realidade e da manifestação das coisas interiormente, em sua própria consciência, eles servem para
trazer essa mudança para fora; Assim, através de uma mudança em sua consciência, seu coração e mente,
há uma mudança correspondente na exibição radiante da consciência exteriormente, uma transformação
do fluxo da realidade e da manifestação. No meio do jogo de prodígios, eles nos revelam a verdadeira
natureza de nosso ser e realidade, a verdade de nossa inata unidade com o Santo e a realidade de nossa
experiência como uma exibição radiante de consciência, ou pura emanação do Espírito Santo. 1.

Como sabemos, potencial e atual são inseparáveis em Hokmah, de modo que tudo é visto e conhecido em
sua perfeição e conclusão, sua realização e realização - a visão da eternidade eterna; e, no entanto, com
efeito, podemos dizer que Hokmah, Abba, permanece e aguarda o cumprimento de Ratzon Elyon na
criação, no jogo do eterno devir. Esta “espera” corresponde a Binah, Imma, emanando de Hokmah, Abba,
entendendo que as Supernais são inseparáveis uma da outra, e essa “espera” se estende através das sete
Sefirot da Construção até Malkut, Mah, que se manifesta como a Natureza saboreando lentamente sua
evolução ao Mais Elevado da Vida, a Natureza tornando-se consciente de si mesma à medida que as
gerações da humanidade emergem, despertam e reintegram com sua fonte, entrando em união consciente
com o Santo do Ser.

Entenda, Malkut, a exterior Shekinah, manifesta-se como a Natureza, e sua manifestação inicial como
Natureza é chamada Nukva, Filha; como a Natureza desperta e é elevada, e é reintegrada com o Santo
através da geração da humanidade divina e celestial, ela é chamada Kallah, a Noiva Sagrada. Quando o
Messias aparece em um mundo, quando a humanidade celestial emerge, Malkut, o exterior Shekinah, se
funde com Binah, o interior Shekinah, e ela "dá à luz", tornando-se Imma, Mãe dos Seres Vivos, Mãe da
Iluminação.

Tudo isso está contido em Hokmah, e transpira em Hokmah, e tudo em um grande e supremo mistério, é
tudo “dito e feito”, e assim acontecerá: Vehayah! Um homem.

No fechamento, podemos falar em segredo aberto. A natureza do Mah, na verdade, é Belimah - a natureza
de tudo é Ain, No-Thingness; a sabedoria da iluminação, portanto, é a Sabedoria de Ain (Hokmah Ha-Ain).

Possamos nós reconhecer e perceber a Natureza Ain de tudo que aparece e nosso próprio ser, e assim
realizar nossa liberdade no Senhor, Yahweh, Yeshua! Um homem.

Yeshua Shalom!
Tau Malaquias
Administrador do site

Superando o amargor: Mar & Ram (240)



# 1 Post Fri 23 de outubro de 2015 às 9:47
Superar a amargura: Mar e Ram A
amargura é uma terrível klippah para o desenvolvimento espiritual, e devemos ter cuidado para não
cairmos nela, pois a amargura envenena o bem da vida e leva à autodestruição. Em hebraico, Mar significa
“amargo”, “triste”, “selvagem” e “violento”, e se você inverter as letras Mem-Resh, elas soletram Ram,
“engrandecidas”. Isso nos ensina que a amargura e a depressão surgem da auto-absorção. e, portanto,
para superar a amargura, há uma necessidade de auto-anulação, ou autotranscendência, e geração de
consciência dos outros e preocupação com os outros, não mais permanecendo tão auto-envolvidos.

É importante entender isso porque amargura, cinismo e pessimismo são um klippah muito comum em
nossa cultura moderna, e quando enfrentamos circunstâncias difíceis na vida, especialmente quando se
prolongam por um tempo prolongado, é muito fácil ficarmos amargurados e deprimidos, e nisto perdemos
a fé e a esperança, assim como o amor. Assim, quando a amargura está surgindo, ou a depressão está se
instalando, precisamos nos engajar em uma resposta consciente, mudando de auto-absorção, gerando
consciência dos outros e nos voltando para Deus; e com isso precisamos olhar e ver as bênçãos que estão
presentes, e ver e ver o que é bom na vida, e trabalhar para elevar nossa energia, cultivando a
alegria. Assim, precisamos fazer tudo o que pudermos para conter a amargura e não nos permitirmos cair
em um estado desesperado, deprimido, e como fazemos tudo o que podemos para conter a amargura,
precisamos orar a Deus para nos libertar. Se fizermos isso, seremos libertados do amargor e associados ao
klippot.

Agora Mar e Ram são iguais a 240, e também Kanannim - cananeus. Estes eram os habitantes da Terra
Santa antes que os filhos de Israel entrassem na Terra e habitassem nela; portanto, eles correspondem a
forças obstrutivas para a realização da Terra Prometida, ou Reino dos Céus. Nisto podemos entender que a
amargura e o auto-engrandecimento abrem o caminho para a incursão de todas as forças, ou forças
espirituais do Outro Lado, forças que se opõem à iluminação e libertação das almas; Portanto, entendemos
que a amargura pode dar lugar a um grande mal e que é uma klippah muito perigosa.

Que Deus nos ajude a vir! Um homem.

Shalom Aleichem!
Tau Malachi
Sophia Comunhão
Ecclesia Pistis Sophia
T
o
p
o
brilho

Re: Superando Amargura: Mar & Ram (240)



# 2 Post Fri 23 de outubro de 2015 às 15:14
Obrigado Tau me lembrou de uma realização recente ...

Um coração aberto é mais poderoso que um exército de mentes.


bênçãos,
brilho
T
o
p
o
Marion

Re: Superando Amargura: Mar & Ram (240)



# 3 Post Sun 01 de novembro de 2015 às 10:54
Shabat Shalom!

Obrigado Tau por esta linda contemplação!


Você disse: "Isso nos ensina que a amargura e a depressão surgem da auto-absorção e, portanto, para
superar a amargura, há uma necessidade de auto-anulação ou autotranscendência, e geração de
consciência dos outros e preocupação com os outros, não mais permanecendo tão auto-envolvido ".

Essa amargura vem da auto-absorção, e a cura desse klippot é auto-anulação, fiquei curioso se
pudéssemos ver esses dois estados nas letras Mem e Resh? Em auto-absorção, meu rosto - resh é voltado
para si mesmo. Eu não posso ver ou ouvir ou conhecer outra pessoa, sou cortado de todos, isolado da
minha alma e separado da fonte do Ser - Deus. Se eu tomo esse mesmo rosto e o volto para o rosto de
Deus e o uno com o Rosto do Santo, então isso é a cura da amargura? É assim que as águas amargas são
feitas doces?

Eu estava contemplando como a letra Mem começa a palavra mayim, mem-yod-mem, que significa "água"
e também ma'achal, mem-aleph-kaph-lamed, que significa "alimento", ambos são necessários para a vida
neste mundo. Portanto, eu queria saber se poderíamos entender essa amargura como o que envenenaria a
vida ou envenenaria bem? Porque, se a água se torna amarga, já não serve para beber, se a pessoa bebe,
pode causar doenças e até a morte. Nisso, eu estava contemplando a porção de Êxodo logo após o milagre
da separação do Mar Vermelho:

"Então Moisés guiou Israel do Mar Vermelho e eles foram para o deserto de Sur. Durante três dias eles
viajaram pelo deserto sem encontrar água. Quando chegaram a Mara, eles não podiam beber a água
porque ela era amarga." porque o lugar é chamado Mara.) Então o povo resmungou contra Moisés,
dizendo: “O que devemos beber?” Então Moisés clamou ao Senhor, e o Senhor mostrou-lhe um pedaço de
madeira. Ele jogou-o na água, e a água tornou-se apta para beber. Lá o Senhor emitiu uma decisão e
instrução para eles e os colocou à prova. Ele disse: “Se você ouvir atentamente o Senhor seu Deus e fizer o
que é certo aos seus olhos, se você pagar atentando para os seus mandamentos e guardando todos os seus
decretos, não trarei sobre você nenhuma das doenças que causei aos egípcios, pois eu sou o Senhor que os
cura. ”Então eles chegaram a Elim,onde havia doze fontes e setenta palmeiras, e eles acamparam perto da
água. "Êxodo 15: 22-27

Este milagre foi uma situação impossível em que os filhos de Israel estavam presos entre os egípcios que
queriam matá-los e ao mar. Porque havia esperança, fé e amor, Deus transformou o impossível ao possível
e os filhos de Israel sobreviveram. Recentemente, tem havido ensinamentos dos outros cinco vezes
quando as águas se dividem: a primeira é na história da criação, onde Deus separa as águas das águas no
segundo dia, a segunda de quando Moisés separa o Mar Vermelho, a terceira é quando Josué dividiu as
águas do rio Jordão, o quarto é quando Elias divide as águas das águas do Jordão bem antes de ele ser
levado para cima e o quinto é quando imediatamente depois que Elias é levado, Eliseu também separa o
Jordão. Disseram-nos que esta divisão das águas do Jordão representa a serpente de fogo, indo para
dentro e para cima em vez de para baixo e para fora. Porque ao contrário de um mar, a separação do
Jordão representa uma mudança completa na direção em que a água está indo.

Eu queria saber se podemos dizer a mesma coisa sobre transformar as águas amargas em doces? Isto é,
quando voltamos nossa face para Deus e nosso rosto brilha à imagem e semelhança da face de Deus,
podemos dizer que isso é uma mudança na direção do rio?

Eu também estava curioso sobre este rio, pois há quatro rios que saem do Jardim do Éden. Há algum
tempo em que esses quatro rios fluem para o Éden? É este o momento em que há uma integração
completa com o Santo? Poderíamos dizer que isso está relacionado a Malkut não ter luz própria, mas
quando ela é capaz de receber o influxo total da sefirot de Yesod, ela é capaz de devolver mais do que foi
recebido?

Bênçãos e Shalom,
Marion
T
o
p
o
Tau Malaquias
Administrador do site

Re: Superando Amargura: Mar & Ram (240)



# 4 Post seg 02 nov 2015 9:45 am
Saudações e bênçãos na Santa Luz do Messias!

Não sei se os rios que saem do Éden se revertem, pois correspondem ao fluxo de força nas quatro direções
que sustentam o mundo; sua cessação corresponderia ao fim de toda a vida no mundo, algo como o fim
dos dias. Esse é um assunto diferente.

Ao escrever sobre as quatro direções da Ordem de Uriel, escrevi o que posso compartilhar dos quatro
rios. Por favor, veja o ensinamento lá.

Considerando agora Mara, o lugar das águas amargas, a amargura corresponde à falta de fé, e quando há
amargura e a correspondente depressão, a Santa Shekinah não pode repousar sobre uma pessoa. Em Mara
houve um vacilar de fé entre o povo, e então um milagre foi promulgado restaurando a fé, mas a fé
dependente de milagres é fraca e freqüentemente não pode suportar tempos difíceis; a fé deve crescer
além da dependência de milagres e sinais de Deus e tornar-se madura, duradoura, independentemente
das circunstâncias externas. A fé dependente de milagres procura o seu próprio caminho e está
contaminada com a vontade própria e interesses egoístas, sempre querendo o seu próprio caminho, não
buscando sinceramente a vontade de Deus, e verdadeiramente, isso não é fé, mas desejo vital que é não
purificado e elevado.

No entanto, a Mara em misericórdia Deus concedeu um milagre e instruiu Moisés sobre o que fazer e as
águas foram adoçadas, e houve uma cura da fé nas pessoas que se queixavam naquele tempo. Entre as
pessoas, porém, estavam almas de graus mais elevados e maior fé que não reclamavam, e mantinham
espaço para seus irmãos mais novos para que um milagre pudesse acontecer. Concedendo um milagre,
curando a fé dos fracos de espírito, Deus deu um ensinamento sobre o amadurecimento da fé, uma fé que
não é mais egoísta, mas que serve ao Senhor e considera os outros.

Através da misericórdia e compaixão de Deus a fé é curado, a amargura é dissipada, eo Santo Shekinah foi
capaz de descansar sobre o povo novamente, e eles cam para Elim (árvores) - um lugar de doze fontes e
setenta palmeiras. Primeiro entenda, Elim, esta é uma ordem especial de anjos associados com a Santa
Shekinah, ou Asherah; daí a boa companhia da Shekinah. Doze nascentes, doze tribos de Israel,
representando o potencial dos doze poderes de doze salvadores, e setenta palmeiras, o pleno influxo das
sete Sefirot da Construção, cada uma contendo todas as dez Santo Sefirot; isso corresponde à plenitude da
Santa Shekinah, Asherah, manifesta quando a Comunidade de Israel se une ao Santo em fé e encena com a
vontade do Altíssimo (Ratzon Elyon).

A Santa Shekinah repousa sobre nós quando abrimos nosso coração e mente, elevamos nossa energia e
nos apegamos ao Santo em fé, e recebemos o influxo total das Santas Sefirot quando nos unimos ao desejo
de receber com o desejo de dar, e, em vez do desejo de receber sozinhos, desejamos receber para que
possamos dar; através do dar, através da auto-oferta, a plenitude da Santa Shekinah é manifestada
conosco, e nisso há vida abundante, e verdadeira cura e salvação.

Entenda, a amargura surge na auto-absorção, no desejo de receber para si mesmo e na aparente


incapacidade de conseguir o que se deseja - nisso nos tornamos amargos e deprimidos; mudando disto,
tendo amor pelos outros e o desejo de doar, a amargura é dissipada e há alegria - o Espírito de Deus pode
então tomar nossa pessoa e vida.

A amargura e a depressão são grandes inimigos, e é sábio não cedê-las.

Shalom Aleichem!
Tau Malaquias
Administrador do site

Fé e Filhos (Emunah e Banim = 102)



# 1 Postagem Sáb Out. 03, 2015 11:41 am
Fé e Filhos

A palavra para fé, emunah e a palavra para filhos, banim , ambos enumeram 102 e, como tais, estão
conectados.
Na superfície, o ensinamento extraído disso é que “a fé traz filhos” e, inversamente, que a falta de fé
impede o cumprimento do desejo pelos filhos. É claro, no entanto, que pessoas sem fé têm filhos, e até
mesmo os malfeitores têm filhos, assim como pessoas de fé. Isso provoca uma pergunta sobre esse
ensinamento. O que significa que a fé traz filhos?

Primeiro, neste ensinamento, podemos supor que, quando se diz que a fé traz às crianças, o que isso
significa é a encarnação de almas luminosas, ou almas de graus superiores. Se um homem e uma mulher se
abraçam em fé e amor, apegando-se ao Shekinah e ao Santo, e se apegando um ao outro, então uma alma
luminosa, ou uma alma de grau superior, pode ser atraída por eles, pelo Santo Shekinah. repousa sobre
eles e o Espírito de Deus move-se entre eles. Da mesma forma, se um homem e uma mulher se abraçam
com fé e amor, e eles têm conhecimento das Sefirot, e sabem unir suas almas com as Sefirot, eles podem
até mesmo ser capazes de invocar uma alma com uma raiz da alma que eles acreditam ser necessário em
sua família.

Segundo, quando pessoas de fé criam filhos, criam filhos de acordo com sua fé e instruem seus filhos em
sua fé, trabalhando para criar seres humanos fiéis e compassivos - indivíduos espirituais. Assim, os fiéis
geram almas luminosas - almas que cultivam as qualidades de um verdadeiro ser humano, os Atributos
Divinos; assim, a fé traz filhos - a humanidade fiel e espiritual.

Isso não quer dizer, evidentemente, que almas de grau superior não possam entrar em circunstâncias
familiares diferentes, ou que almas luminosas não possam emergir de famílias disfuncionais. Eles podem e
fazem, tudo como há necessidade e Deus quer. Pelo contrário, isso é falar do poder da fé na concepção e
criação de filhos, e o potencial para a geração de almas maiores entre nós capazes de encenar obras
maiores, bem maior.

Assim, se e quando um casal deseja conceber uma criança, os sábios da sabedoria ensinam que eles são
sábios para fortalecer sua fé, promulgar devoções mais profundas e aumentar sua clivagem interior para
com o Santo eo Shekinah, pois ao fazê-lo eles atrairão uma criança. alma luminosa, uma alma de grau
superior, para ser seu filho. Da mesma forma, desejando filhos, eles são sábios para se comprometerem a
criar filhos que tenham fé e compaixão, filhos que servirão para elevar a humanidade, ou servir o reino dos
céus e retornar ao Santo. Ao fazê-lo, a Santa Shekinah repousará sobre eles e o Espírito de Deus (Ruach
Elohim) se moverá com eles, satisfazendo o desejo do coração deles.

Aqui podemos dizer que existe um grande poder de luz ou mérito gerado na criação de filhos fiéis e
compassivos, e nele há uma manifestação de esperança para o futuro.

Há outro ensinamento que podemos extrair da conexão numérica de fé e filhos, pois, como sabemos, as
crianças estão inclinadas para uma fé e crença natural em milagres, e Adonai Yeshua nos encoraja a
sermos como criancinhas. Assim, se tivermos fé, devemos ser como criancinhas, acreditando no bem e nos
milagres, e através dessa fé, realizaremos os milagres do bem e da experiência; Portanto, vamos
experimentar a presença e o poder do Santo em nossas vidas, a Shekinah e o Espírito Santo. Em um nível
podemos entender as crianças como vida, e ter essa fé é a vida - a Vida Divina através da qual percebemos
a vida eterna, o ser sem nascer, a iluminação do Mundo-Para-Vem.

Agora há outra palavra que também enumera 102, Vilon(“Véu”), o nome do primeiro céu correspondente
à terra paradisíaca, Tibel. Se uma pessoa permanece na fé, mesmo a mais simples fé cega, e eles vivem de
acordo com sua fé, promulga ganhar a vida na fé e criar sua família na fé, eles serão estabelecidos no
primeiro céu, que corresponde à fé. Quanto maior a fé de uma pessoa, maiores são as obras de sua fé e
seu amor pelo Santo, maior é a ascensão de suas almas nos céus. Assim, simplesmente através da fé, e
vivendo de acordo com a fé, as almas são estabelecidas nos céus e são capazes de ascender, retornando ao
Santo.

Ó Adonai, por favor, abençoe-nos com uma fé cada vez maior, para que possamos continuar nosso
retorno a Ti, partindo para que possamos ser reunidos em Ti (Atoh)! Um homem.

Shalom Aleichem!
Tau Malachi
Sophia Comunhão
Ecclesia Pistis Sophia
T
o
p
o
Bevan

Re: Fé e Crianças (Emunah e Banim = 102)



# 2 Post Dom Out 04, 2015 7:51 pm
Comunidade Shalom!

Obrigado Tau Malachi por este maravilhoso ensinamento esotérico e prático que achei
encorajador. Aprecio como isso nos une aos da igreja exterior e também me conecta com minha
compreensão inicial da fé. Isso me faz sentir agradecido por meus pais cuja fiel adesão a Yeshua me trouxe
ao mundo e à crença. Eu também fico maravilhado, considerando meu profundo desejo por meus próprios
filhos terem fé.

Eu me lembro de quando fiquei perturbado em meus simples entendimentos e comecei a questionar


minha antiga interpretação de Yeshua quando ele disse:

"... Não te maravilhes de que te disse: 'Você deve nascer de novo'. O vento sopra onde quer, e você ouve
seu som, mas não sabe de onde vem ou para onde vai. Assim é com todo aquele que é nascido do Espírito.
”João 3: 7,8

Este verso me separou dos outros. Eu nasci de novo, eles não eram. Um dia, deixei esse verso de lado sem
saber o que fazer com ele.

Tendo viajado alguns, vejo agora a igreja institucional, a religião da nova era e a crença científica como um
dom de Deus porque nutrem a "fé". Contudo, essas instituições pedem que eu me submeta a elas como
autoridades externas, que se opõem à autoridade interna do meu Cristo Pessoal. Eu preciso me aprofundar
mais para ser "nascido do Espírito". Poderíamos dizer que a fé institucional gera filhos espirituais? Yeshua
poderia neste versículo estar dizendo que “a fé traz filhos”?
Que todos os filhos de Deus reivindiquem a vida oculta que é deles no Santo,

Bevan.
T
o
p
o
Tau Malaquias
Administrador do site

Re: Fé e Crianças (Emunah e Banim = 102)



# 3 Post seg 05 de outubro de 2015 11:02
Graça e paz para você no Messias Yeshua, nosso Adonai!

É um pouco irônico dizer que o Evangelho de São Filipe nos ensina que “é o Espírito Santo que conduz as
almas para o caminho errado”. Isto, é claro, está falando sobre aqueles chamados ao Caminho Gnóstico,
ou aqueles em quem o a inclinação mística despertou, que emergem das principais igrejas buscando a
experiência espiritual e mística de Cristo; portanto, cristãos espirituais, ou "cristãos gnósticos". Do ponto
de vista do cristianismo ortodoxo, tais almas foram "conduzidas ao erro", mas na verdade elas foram
trazidas para uma fé mais profunda e apaixonada, buscando uma maior comunhão, maior proximidade e
unificação com Cristo e Deus.

Aqui podemos lembrar que Adonai Yeshua ensina que precisamos nascer de“Água e o Espírito”, e que o
renascimento da água corresponde à igreja exterior exterior e o renascimento do Espírito corresponde à
igreja interior. Muitos recebem o renascimento da água, poucos recebem o renascimento do Espírito, pois
poucos estão dispostos a “ser como o vento” ou serem levados para onde o Espírito de Deus os levasse. Eu
me lembro de um homem que diz a Yeshua: “Eu creio, Senhor, por favor, ajude-me com a minha
incredulidade.” É como se tendo recebido o batismo e tendo chegado à fé, ele está invocando o
renascimento completo, a unção do Santo. Espírito, que é a fruição da nossa fé inicial em Cristo e Deus, e é
a nossa verdadeira recepção no Corpo de Cristo.

De acordo com o Evangelho de São Filipe, existem três graus de almas humanas, e dentro destes três graus
há muitas gradações. Há humanidade bestial ou material, e há humanidade fiel, e há humanidade
espiritual, e é dentro da humanidade espiritual que os gnósticos emergem, aqueles que têm experiência
espiritual e mística direta de Cristo e Deus, e que adquiriram sabedoria, compreensão e conhecimento
através de sua experiência gnóstica.

Entendam que isso não significa oferecer uma visão elitista, como se fôssemos separados dos outros, ou
melhor do que outros, mas é falar de desenvolvimento e evolução de almas através de vários graus ou
estágios à medida que surgirem e procurar volte para Deus, ou busque a iluminação. Da mesma forma,
indica capacidades diferentes nos seres humanos, que, em vez de encorajar o orgulho e a arrogância,
encorajam a compaixão, entendendo que talvez não seja possível a todos chegarem à fé nesta vida, quanto
mais adquirir a gnose ou a iluminação. Há uma jornada através de muitas vidas que as almas devem fazer,
e há um processo de evolução da alma, e até que as condições estejam presentes na evolução de uma
alma, o faiscar da fé e o despertar da alma não podem acontecer; isso acontece apenas na época certa,
tudo como ordenado pelo Supremo.

Isso reflete outra compreensão esotérica da conexão entre fé e filhos, pois quando a fé é despertada em
nós pelo Espírito e nascemos da água, passamos da humanidade bestial ou material para a humanidade
fiel, e quando nossa fé amadurece e nossa alma desperta, e nós entramos na experiência espiritual e
mística direta de Cristo e Deus, então emergimos da humanidade fiel para a humanidade espiritual, e nisso
podemos adquirir a verdadeira gnose - iluminação.

Assim, podemos dizer: “a fé traz filhos”, a geração de seres humanos espirituais que podem experimentar
a iluminação e a liberação - Consciência Crística ou Consciência Divina.

Não seríamos rápidos em dispensar a religião exotérica, embora seja uma klippah ou uma casca de
espiritualidade, pois através dela a humanidade fiel e espiritual é gerada, e é como um útero dando origem
a místicos, ou gnósticos.

Se você considera crianças, você pode ver que primeiro somos bestiais, e então, à medida que crescemos e
amadurecemos, podemos nos tornar fiéis, e então, entre os fiéis, há aqueles que se tornam espirituais,
aqueles que são despertados pelo Espírito e nascem o espírito; Portanto, se uma alma emergiu na
humanidade espiritual nesta vida, eles começaram na humanidade bestial ou material, e a humanidade
bestial e fiel é parte deles - estamos todos interconectados.

Dado o que foi compartilhado, ao educar os filhos com fé, os pais estão procurando ajudar seus filhos a
atingir seu potencial máximo, entendendo que as almas de seus filhos podem ser de diferentes graus, e às
vezes até de graus mais altos que os deles. Tendo fé e a experiência que a fé traz, sabemos que cultivar a fé
nas crianças é uma chave essencial para a realização de seu maior potencial na vida como seres humanos,
e sabemos que ela as guiará e as elevará em tudo o que fizerem em suas vidas. vive, levando-os em
retorno a Deus.

Aqui é necessário dizer que nutrir a fé nas crianças é dupla, nutrir a fé em si mesmas e no bem da
humanidade, nutrir a fé em Deus ou a iluminação, porque a fé em Deus é interdependente da fé em si
mesmo como filho de Deus. .

Existem estas três gradações na evolução das almas, mas há muitos graus dentro destes três, e há
gradações além das quais as almas se tornam mais que humanas, elas se tornam divinas e supernas como
vemos com Yeshua e Mirya.

A humanidade material ou bestial corresponde a Malkut, a humanidade fiel ou psíquica corresponde a


Yesod, Hod e Netzach, e a humanidade espiritual corresponde a Tiferet, Gevurah e Hesed; então há
humanidade celestial, correspondendo com Da'at, Binah e Hokmah. Como sabemos, dentro de cada Sefira
há todas as dez Sefirot e, portanto, podemos falar de uma centena de classes de almas que passam pela
onda da vida humana em uma evolução além da humanidade presente em Cristo - a Humanidade
Superior .

Agora existe outro modo de compreendermos a fé e os filhos, pois quando uma pessoa é ungida com o
Espírito e passa a existir como um santo tzaddik, uma assembléia se forma ao redor deles e, na verdade,
sua assembléia é uma família iluminada; enquanto eles se engajam na transmissão de luz, e comunicam
seus réus e daat aos seus companheiros, para que eles concebam, gerenciem, gerem e criem filhos do céu,
filhos de Deus. Isso transparece através de uma fé apaixonada e clivagem, e através da sabedoria,
compreensão e conhecimento (Habad) que vem através da fé, e seu objetivo é elevar as almas de seus
companheiros para o seu grau e além; portanto, para transmitir o poder de sua fé e conhecimento na
totalidade, completando o chamado e a missão de sua alma.

Esse tsadikim pode servir para elevar as almas ao seu próprio grau, e mesmo além, vemos com Yohanan o
Batista e Yeshua, pois Yeshua, o discípulo ou companheiro de Yohanan, ascende a um grau além de seu
tsadic se tornando o Messias, incorporando o Espírito de Yeshua. Deus na totalidade.

Um bom pai entenderá isso, pois um bom pai deseja que seus filhos alcancem coisas ainda maiores que
alcançaram - maior sucesso na vida; assim é com os tsadikim em seus trabalhos espirituais, eles desejam
que seus companheiros tenham mais realizações, maiores sucessos, depois os seus.

Yeshua diz isso a seus discípulos: “Você fará coisas maiores do que me viu”.

Tenhamos fé em suas palavras e nos esforcemos para cumpri-las; que o Santo nos capacite para realizar
isso! Um homem.

Shalom Aleichem!
Tau Malachi

Sophia Comunhão

Ecclesia Pistis Sophia


Bevan

Re: Fé e Crianças (Emunah e Banim = 102)



# 4 Post Dom Out 11, 2015 10h39
Shalom Tau Malachi,

estou admirado com o Caminho da Ascensão, ilustrado pela Árvore da Vida, e a igualdade dos filhos
nascidos neste caminho da Grande Obra. Aprecio muito a experiência de como os pais espirituais
(especialmente a Sagrada Tzaddik e a família iluminada) desejam uma “centelha de fé e despertar da alma”
e que isso “acontece apenas no devido tempo, tudo ordenado pelo Supremo”. Boas notícias da
graça. Deixe o Doer ficar em silêncio.

Possamos nós “ser como o vento”, levados para onde o Espírito de Deus nos levará, e que os filhos se
tornem pais espirituais.

Bevan.
Tau Malaquias
Administrador do site

Gematria de Achad: A Unidade de Deus e Criação



# 1 Post Wed 15 de abril de 2015, às 15h19
Considere isto:

Achad, Alef-Het-Dalet.

Alef = One: o Deus Único, único e individual, a fonte de tudo.

Het = Oito: A Presença Viva que permeia e abrange os oito céus e todos os anjos e almas dentro deles.

Dalet = Quatro: A Presença Viva que permeia a terra, as quatro direções do Círculo Sagrado, e todos os
espíritos e almas vivos acima, sobre e dentro da Terra em todas as direções.

Da próxima vez que você intuser o Shema ao concluir com Achad e prolongar a entonação de Achad, que
este seja seu kavvanah, sua intenção e foco, e enquanto você intenciona, pretenda a unificação consciente
de toda a criação com o Santo; Portanto, pretenda a iluminação e libertação de todos.

Um homem.
Tau Malachi
Sophia Comunhão
Ecclesia Pistis Sophia
T
o
p
o
Yonah

Re: Gematria de Achad: A Unidade de Deus e Criação



# 2 Mensagem Seg 20 Abr, 2015 12:51
Saudações!
Obrigado por esta linda mensagem e prática dentro do Shemá.

É fascinante que Achad - One tenha letras que significam um, oito e quatro. É lindo porque diz que o Um
está em todo lugar que há luz! Um Deus - em todo lugar!

Shalom, Yonah
Shalom,
Yonah
EPS Coleta de Recolhimento
T
o
p
o
Elder Gideon
Administrador do site

Primeira e única

# 3 Post Dom 26 de abril de 2015 09h58
Shabat Shalom, Tau Malachi:

Essa contemplação que você oferece é tão dinâmica. Eu sou muito grato.

Vendo a palavra achad em toda a escritura maravilhosa: o primeiro dia da criação é chamado yom
achad . Relacionado a isso está um outro significado para um que está no sentido do que é singular e única,
a partir de um único filho amado, yachid , ‫י ִָחיד‬. Aparece raramente em casos de filhos únicos, bem como
com conotações em salmos daquilo que é mais precioso da alma. Essa busca finalmente me introduziu com
a raiz da parte mais íntima de nossa alma, yechidah , como aparece com um heh final.

Para a unidade, o achad, pronunciamos no Sh'ma, como podemos reconciliar essa unidade, essa
singularidade, com a infinita singularidade de todo e qualquer ser vivo fluindo de sua centelha mais íntima,
a yechidá ?

Com gratidão,

Elder Gideon
T
o
p
o
Tau Malaquias
Administrador do site

Re: Gematria de Achad: A Unidade de Deus e Criação



# 4 Post Ter 28 de abril de 2015 11:16
Graça e paz para você de Yahweh Elohim, Shaddai! Um homem.

Sim, Achad no Shema indica o primeiro e único deus, ou o único. De fato, “quem é semelhante a Deus”, o
Infinito (Ain Sof)?

Ouça e ouça e entenda! Como sabemos, o Messias é chamado de “Filho Unigênito de Deus” (Yechid Ben
ha-El), e isso é verdade do Messias Interno dentro de nós todos, pois há apenas uma Unção da Luz Perfeita
e do Espírito Santo que desperta almas, e o Messias, a Unção, é o mesmo em todos e cada um de nós,
embora ao mesmo tempo o Messias em cada um de nós seja uma emanação e manifestação única, como
nenhuma outra.
Isso, é claro, também é verdade no aspecto mais íntimo de nossa alma, yechidah, a centelha divina ou
essência única, que é, de fato, inseparável do Messias; esta Luz do Infinito, ou Único, é a mesma em
essência e natureza dentro de todos os espíritos e almas viventes, e ainda em cada espírito ou alma há
uma única emanação e manifestação, individual.

Neste jogo de incontáveis emanações e manifestações do One-Achad, embora o Único se torne inumerável
em indivíduos únicos, o Uno é indiviso e permanece Um - todos são Um, universal.

O indivíduo e o universal são inseparáveis uns dos outros e são inseparáveis do Santo do Ser, do Infinito e
do Eterno.

Isto é no que foi dito sobre o kavvanah de Achad:o Um, os céus e a terra - todo o Um .

Há algo de um segredo aberto sobre uma consciência inata deste supremo mistério que todos nós
temos. Está em nossa experiência de solidão. Todos nós, todos os seres sencientes, experimentamos a
solidão. É universal. Mesmo em uma grande multidão, sempre nos sentimos individuais e sozinhos. De
fato, é verdade. Veja, se existe apenas o Uno e não há outro, então tudo é Aquele, cada um de nós, e
existe apenas o Uno (All-One). Entendendo isto, não afaste ou evite os sentimentos de isolamento, mas
abraçar a experiência da solidão, pois nela você pode experimentar a unidade com o Infinito.

Para perceber essa unidade, devemos ir para dentro e devemos aprender a ter consciência da
interioridade de nós mesmos e de todas as coisas; portanto, tornando-se consciente do Messias, o Santo,
dentro de todas as coisas. Quando estamos conscientes da interioridade de todas as coisas, também nos
tornaremos conscientes da bondade inata, da santidade e da singularidade de cada uma e de todas as
coisas; é uma visão das coisas como elas são em Deus - uma visão da Grande Beleza ou da Grande
Perfeição Natural .

Para encerrar, vamos entender que aos olhos de Deus cada um de nós é o único filho gerado,
completamente único.

Isso sugere o amor incomensurável que Deus tem por nós. Contemple isso bem e entenda!

Shalom Aleichem!
Tau Malachi

Sophia Comunhão

Ecclesia Pistis Sophia


T
o
p
o
Elder Gideon
Administrador do site
Yechidah Cornerstone

# 5 Post sex 01 de maio de 2015 12:46 pm
Shalom Tau Malachi:

O que você está compartilhando de solidão é muito afirmativa, até estimulante. Uma crise espiritual para
mim, o que equivalia a um trabalho virtual da meia-idade, enquanto lamentava a morte de meus pais aos
vinte anos, era esse confronto mais essencial com a solidão como inevitável e santo. Não há fim para a
estrutura da solidão, mas sinto uma nova fundação sob a casa da minha vida, abraçando e desfrutando do
estado que o Yeshua Vivo chama de solitário : No dia em que você era um, você se tornou dois. Mas
quando você se torna dois, o que você vai fazer (Thomas, 11)?

Paralelamente com achad , um é o que é primeiro, acima de tudo, chefe e cabeça: Rosh. Adam ha-Rishon é
o primeiro Adão. Reshitestá começando. Rosh ha-Shannah é a cabeça do ano. Esses e muitos outros
exemplos compartilham a expressão, o efeito ou o movimento do que é um: inaudível, invisível e inefável.

Talvez seja onde estou em minha jornada enquanto observo com que cuidado devo contemplar o mistério
da mente sem confundir isso com um número conceitual. Minhas experiências da realidade de achad como
uma são metafóricas, não numéricas. À medida que encontrei outros prematuramente reivindicando
grandes influxos de luz espiritual, estou ciente de quão rapidamente um e a unidade se transformam em
truísmos descrevendo experiências transcendentais. Seja qual for a gradação em que se aborda uma
consciência gnóstica não-dual, a unidade parece mais simples e diretamente descrita como o que é. Não
posso chamá-lo de especial ou extraordinário, pois é o motivo por trás e por baixo de tudo que é tão
comum que o descarto.

Eu também certamente desconsidero o segredo aberto da singularidade - a mais íntima alma - que
mekubalim diz ser tão sagrada que nem os maiores arcanjos podem entrar. O locus mais íntimo da alma, a
yechidá de um ser vivo, é uma centelha do corpo do Adão Primordial, Adam Kadmon. Esta faísca é
expressa por hayyah, força vital primordial. Yechidá e hayyah não estão presentes nem no tempo nem no
espaço de uma alma, ainda que misteriosamente são a raiz de como uma alma atua no tempo e no espaço
por meio de neshamah, uma imagem energizante de tzelem dando forma a esta vida e faísca de luz clara
(yechidah) Como as marés astrológicas embaralham as configurações de ruach e nefesh fragmentam ou
integram o alinhamento e a lembrança nas camadas mais profundas de uma alma para uma maior fé e
experiência da unidade que envolve a alma.

Neste momento, reconhecer tudo isso é tão simples quanto você disse: Aos olhos de Deus, cada um de nós
é o único filho gerado, completamente único. Perceber isso, no entanto, vem dolorosamente como em
contrações cada vez maiores de nascimento quando a coroa da cabeça aparece pela primeira vez neste
mundo. Eu não sei quem eu sou sem ir mais fundo. Fazer contato com algo além do meu nome e forma
exigirá que eu deseje e viva disso. Na medida em que eu consistentemente oriente deste ponto de
referência sobre todos os outros é o mesmo pelo qual minha singularidade se manifesta.

Esta mesma jornada derramando o que não sou para revelar quem eu sou se concentra como eu sou
único. Acessar o que é gerado é acessar minha natureza divina. Nós lemos isso nos Evangelhos, onde no
Batismo e Transfiguração, o Pai anuncia:Você é meu filho, o amado; com você eu estou bem satisfeito. O
que o Pai está anunciando, mas a realização dessa essência mais íntima e única? Esta é uma promessa
surpreendente para todos nós, uma promessa que celebramos na festa de Lady Maria Madalena: Ela gira
da entrada de Yeshua em quem e o que dele é unigênito para quem e o que é unigênito em si mesma.

De seu reconhecimento e realização de como ela também é unigênita, todos nós temos acesso a como
somos cada um unigênito, dado uma pedra branca, e na pedra branca está escrito um novo nome que
ninguém conhece exceto aquele que recebe (Apocalipse 2:17). Este novo nome em uma pedra branca eu
não posso separar da pedra angular que os construtores rejeitaram (Salmos 118: 22), que hebraico
traduzRosh Pinah , cabeça da esquina. Toda a jornada de uma alma está encontrando e incorporando a
pedra angular do nosso ser, o que parece ser sinônimo de singularidade.

Parece irônico que a singularidade primordial exista no contexto de um nada-nada. Se eu posso perguntar,
o que mais pode ser dito sobre como nossa linhagem relaciona a iluminação com a singularidade?

Com gratidão,

Elder Gideon
T
o
p
o
Tau Malaquias
Administrador do site

Re: Gematria de Achad: A Unidade de Deus e Criação



# 6 Post sex 08 de maio de 2015 8:57 am
Graça e paz para você em Hayyah Yeshua!

Se você deseja retornar a Deus, primeiro você deve retornar para si mesmo, você deve ser e se tornar
quem você é em Deus, o Único. Ao fazê-lo, naturalmente, você incorporará os aspectos internos da sua
alma e o Eu Sou, que é a sua singularidade. Entenda, a iluminação não está se tornando como todos os
outros, mas é um processo de auto-conhecimento e auto-realização, ser e tornar-se quem e o que
realmente somos, um indivíduo único que está desperto e consciente de sua unidade inata com o universal
e a fonte de tudo, o Infinito.

Se considerarmos as histórias dos grandes santos e iluminados que andaram entre nós, aqueles que
revelaram e ensinaram as tradições de sabedoria do mundo, cada um era um indivíduo único e, embora
esclarecido, eles eram pessoas muito diferentes de um para outro. e, no entanto, eles incorporaram algo
do Ser Divino ou Iluminado - o Infinito. Se considerarmos isso, então entenderemos que a personificação
da iluminação é única a cada vez; a iluminação encarnada é a mesma em essência e natureza, mas
individual e única em manifestação.

É claro que, se olharmos para a criação e a natureza, descobriremos que isso é verdade em todas as
coisas. Este princípio de singularidade está presente em todos. Toda e qualquer coisa que aparece na
criação é única e individual, mesmo que seja a mesma em essência e natureza com toda a sua
espécie. Nisto podemos nos lembrar do que aprendemos sobre os flocos de neve, que cada um deles é
único em sua formação e que todos os flocos de neve que já caíram não foram exatamente iguais.

Este princípio de singularidade manifesta em todas as coisas é a expressão direta da singularidade da fonte
de tudo, o Santo do Ser.

Shalom Aleichem!
Tau Malachi

Sophia Comunhão

Ecclesia Pistis Sophia


T
o
p
o
Marca

Re: Gematria de Achad: A Unidade de Deus e Criação



# 7 Post Wed Jul 29, 2015 12:59 pm
Da próxima vez que você intuser o Shema ao concluir com Achad e prolongar a entonação de Achad, que
este seja seu kavvanah, sua intenção e foco, e enquanto você intenciona, pretenda a unificação consciente
de toda a criação com o Santo; Portanto, pretenda a iluminação e libertação de todos.

Shalom Tau Malachi,


eu nasci em uma família judia, mas nunca fui realmente capaz de me relacionar com a língua hebraica e
não tinha conhecimento de qualquer possível misticismo dentro dela. Eu sempre ouvi que o Shema era o
mais sagrado dos cantos, mas na verdade não senti a santidade até que comecei a praticar a entonação de
Achad como você sugere. É uma cura se reconectar com minhas raízes de uma maneira significativa.
Que cada passo do nosso tikkune interno contribua para o tikkune de todos.
Shalom,
Mark
T
o
p
o
Tau Malaquias
Administrador do site

Re: Gematria de Achad: A Unidade de Deus e Criação



# 8 Post Wed 5 de ago de 2015 8:47 am
Shalom,
fico feliz em saber que os kavvanot trouxeram vida à entonação do Shema para você. Louvado seja Ha-
Shem! Infelizmente, em grande parte do judaísmo, a tradição mística foi deixada de lado, semelhante ao
que vemos em grande parte do cristianismo, embora em muitos lugares haja esforços para restaurar a
espiritualidade mística à fé judaica. Isso é bom de ver.

Bênçãos para você!


Tau Malachi

Sophia Comunhão

Ecclesia Pistis Sophia


T
o
p
o
Marca

Re: Gematria de Achad: A Unidade de Deus e Criação



# 9 Postado Sáb 15 de agosto de 2015 8:48 am
Shalom Tau Malachi,
Louvado seja Deus pelas comunicações de graça que fluem através de você, que apóiam nossos
despertares. Quando entoa Achad, a vibração é sentida dentro, assim como o espaço ao redor. Mesmo que
isso pareça uma prática completa sem necessariamente acrescentar algo a mais, eu estou querendo saber
se haveria também alguma recomendação em relação à direção que alguém enfrentaria enquanto cantava,
qualquer uma das Sefirot que seria benéfico focar, e qualquer cura aprimorada para a consciência da
unidade convidando a sagrada unidade de Yeshua e Madalena às energias da experiência. Sou grato pela
oração que tocou meu coração, oferecida pelo Élder Sarah algumas semanas atrás, durante o bate-papo da
noite de terça-feira: "Que Deus e a criação de Deus se tornem um só na face desta grande Terra".
Shalom com gratidão,
Mark
T
o
p
o
Tau Malaquias
Administrador do site

Re: Gematria de Achad: A Unidade de Deus e Criação



# 10 Post Wed Ago 19, 2015 2:23 pm
Shalom,

Quando nós intonamos o Shema normalmente nós enfrentamos o leste, o "lugar da ressurreição" ou
"amanhecer do Sol Espiritual".
Ao intuir, o Shema visualiza o mundo inteiro como uma grande demonstração radiante e se imagina em
um corpo de brilho ou glória.

Quando você diz "Shema Israel", se apegue a Malkut, quando você diz que Adonai Elohenu se apega a
Yesod, e quando você diz que Adonai Achad se apega a Tiferet; desta maneira você vai elevar e abençoar
tudo junto consigo mesmo

Juntando-se a isso, se você desejar, ao intuir Yahweh Elohenu e se unir a Yesod, visualize o mundo como
uma exibição radiante dissolvendo-se e fundindo-se a você no corpo de luz, e enquanto adona Adonai
Achad e se apega a Tiferet, imagina que você está no corpo de luz dissolve e funde o brilho de Ain - Luz
Clara, como um arco-íris se dissolvendo no céu; que tudo seja oferecido e reintegrado com o Continuum de
Luz (Yahweh) dessa maneira.

Primeiro, trabalhe com a clivagem para as Sefirot correspondentes, depois adicione a visualização e a
dissolução quando a clivagem interna for estabelecida.

Estes são os kavvanot essenciais para o Shema, o mais tardar, naturalmente, correspondendo a uma
oração pelo divino arrebatamento.

Bênçãos!

Letras e Formas

# 1 Post Dom Jun 01, 2014 5:26 am
Saudações e Bênçãos à Luz do Messias!

Na contemplação, a natureza fluida e fluente das Cartas Sagradas se destacou para mim. A letra Resh está
associada à inclinação do mal. Lawrence Kushner em “The Book of Letters” explica que a carta Ele pode ser
vista como composta por um Dalet e um Yod. Um Resh e um Yod, como no décimo quinto nome de
Gevurot, He-Resh-Yod, tem quase a mesma forma. Isso poderia ser visto como uma elevação da inclinação
do mal pela mão de Deus, ou o Espírito Santo na forma de uma pomba (Yona), através de nosso
arrependimento e pela graça de Deus (implícito na letra Ele), tudo isso levando a a consciência do Divino
em tudo? Deste modo, as letras expressariam até mesmo em suas formas a elevação do poder da serpente
pela graça de Nossa Mãe, em cooperação com nosso próprio trabalho de retornar à fonte.

Tau Malachi compartilhou sobre o nome He-Resh-Yod:“Este é um Santo Nome que pode recorrer para
olhar e ver além das aparências superficiais para a realidade espiritual dentro e por trás -. Um Nome de
Deus invocando discernimento espiritual através da Ruach Ha-Kodesh” ? Viewtopic.php f = 35 & t =
1,364 Ele É ensinado em nossa tradição que o universo de Adam Kadmon consiste nas Cartas Sagradas. Em
suas formas abstratas, eles parecem um símbolo muito bom para estar tão perto de Ain Sof, nada, sendo
quase nada, e eles também parecem ter uma qualidade mais fluida, fluida e dinâmica, simbolizando o
processo de evolução em criação em oposição a uma visão fixa e estática. Nisso eles parecem muito mais
com grandes portais ou dimensões, a partir dos quais tudo é formado. Isso parece ressoar com meditações
nas cartas que foram compartilhadas na tradição.
Sou grato por quaisquer correções a essas contemplações.

Shabat Shalom & Gratidão,


Martina
Martina
T
o
p
o
Sheryl
Administrador do site

Re: letras e formas



# 2 Post Dom Jun 01, 2014 8:36 pm
Shabat Shalom, querida irmã!

Obrigado por esta contemplação deliciosa.

Enquanto lia sobre o Décimo Quinto Nome, Ele Resh Yod, uma associação entre o Neshamah e Yod, ou a
mão de Deus, veio à mente, de modo que com influxos do Neshamah, ou sendo tocado pela mão de Deus,
o que é falso simplesmente desaparece.

Talvez isso acrescente à nossa contemplação.

Grata,

Sheryl
T
o
p
o
Tau Malaquias
Administrador do site

Re: letras e formas



# 3 Postado em Sábado 07 de junho de 2014 13:05
Graça e paz para você em Hayyah Yeshua!

Fora do fórum dos 144 Nomes eu não estou inclinado a discursar em muitos detalhes sobre os Nomes, mas
a respeito das letras, suas formas e valores numéricos, se olharmos para as letras, muitos são compostos
de outras letras, e se nós olhe dentro dos valores numéricos, encontraremos vários relacionamentos
"secretos" entre as letras. Por exemplo, Alef é composto de dois Yod e um Vau, ou três Yod, entendendo
que Vau é composto de um Yod e uma linha, e da mesma forma, Alef (1), Yod (10) e Koof (100) têm uma
relação secreta. . Assim, a forma das letras e seu valor numérico revelam mistérios profundos.

Em Adam Kadmon, diz-se que as primitivas Sefirot existem em uma única linha em vez de três linhas ou
pilares, e existe uma misteriosa singularidade primordial; por causa disso, as Sefirot não são capazes de se
inter-relacionar e, portanto, não têm capacidade para tikkune, retificação ou conserto. Se você considerar
essa matriz de Adam Kadmon, o Netivot, correspondente às Otiyot (letras), é um potencial indiferenciado
que existe em uma realidade “sem forma e vazia”. Como sabemos, estas primitivas Sefirot quebram sob a
força de um grande afluxo de Or Ain Sof, a Luz do Infinito, e esta realidade sem forma e vazia de potencial
infinito dá lugar à realidade de Atzilut, que é o tikkune de Adam Kadmon. - "Corpo de Adão Kadmon". Isso
indica o mistério de uma alma adquirindo um corpo e através de um corpo tornando-se completo acima e
abaixo,

Atzilut é a realidade dos Nomes de Deus e Partzufim, e em Atzilut as Sefirot são dispostas em três linhas ou
pilares, e o Netivot conectando as Sefirot surge, sendo o Otiyot diferenciado, assumindo sua forma e
“substância”. o Netivot, e compõem os nomes de Deus e dão estrutura aos Partzufim - eles se tornam um
princípio ordenador; daí a criação fundada sobre as letras da Santa Torá, ou Palavra de Deus. Netivot,
Caminhos, estes são canais (portais ou portões) de Or Ain Sof, como são as Sefirot, e assim são os Otiyot,
as letras sagradas.

Os nomes de Deus são compostos das letras, e as letras são emanações distintas de Or Ain Sof e canais
distintos de Or Ain Sof, e considerando-as, contemplando-as, assim adquirimos conhecimento de mistérios
profundos dos Nomes, e com isso kavvanah e os devotos são fortalecidos e somos capazes de unificar
nossa alma e nosso coração, mente e vida, com os Nomes de Deus, e invocar e incorporar seus maiores
poderes espirituais; nós nos tornamos canais ou portões de Or Ain Sof desta maneira, veículos da Presença
Divina e Poder dos Nomes, ou vários aspectos da Shekinah.

O conhecimento e poder dos Nomes, e sua ação divina, estão nas cartas que os compõem, em sua ordem e
combinações; mas então, isso é verdade de todas as coisas na criação. Nisto considere o poder do ser
humano (Adão) como o “falante” que nomeia todas as coisas, chamando o conhecimento, poder e ação de
todas as coisas no céu e na terra; portanto, realizando e realizando o Potencial Divino do Infinito na
criação.

Esse processo de nomear, falar, invocar o conhecimento, o poder e as ações das coisas continua - Adam,
Humanidade, nomeando as coisas continuam; quando contemplamos e meditamos sobre as letras dos
Nomes de Deus e várias palavras, coisas e as proferimos, assim estamos realizando e percebendo a
presença e o poder correspondentes do Infinito, ou da Luz do Infinito.

Como sabemos e entendemos a partir do prólogo do Evangelho de São João, no princípio o Verbo estava
com Deus e era inseparável de Deus, e todas as coisas vieram através da Palavra, e nada existe separado
da Palavra. Os Otiyot são os canais, veículos, da Palavra e Sabedoria de Deus que emanam, criando,
formando e fazendo tudo, e através da contemplação deles, e expressão deles, assim nós atraímos, ou
ativamos, influxos de Atzilut através de Beriyah, Yetzirah e Asiyah - realizamos e realizamos a Palavra Viva
de Deus.

Este é um poder sagrado e impressionante dentro de nós, e a compreensão deste St. James nos ensina a
necessidade de dominar nossa língua, nossa boca ou fala, junto com nosso pensamento e desejo. Isto
requer que nossa inteligência, ruach, dirija e ilumine nossa fala, nefesh, e que através de nossa inteligência
nossa fala esteja unida e expresse nossa natureza divina, neshamah e o Messias. Com nossa inteligência
podemos gerar kavvanah e devekut, podemos nos concentrar e nos apegar, e podemos nos fundir com os
Nomes de Deus e Sefirot, e através deles unificar nossa alma com Ain Sof, nos tornando um canal, veículo,
de Or Ain Sof. Isso pressupõe, porém, que nossa fala seja purificada e santificada, e dirigida por nossa
inteligência, em alinhamento com nossa natureza divina e a vontade do Santo; discurso impuro, vida,

Se vamos invocar o Nome (Ha-Shem) em qualquer de suas formas, é sábio estarmos cientes disso, pois se e
quando nossa inteligência não direcionar e iluminar nosso discurso, e nosso discurso não estiver alinhado
com nosso divino natureza e a vontade do Altíssimo (Ratzon Elyon), então tomamos o Nome do Senhor em
vão, ou fazemos uso errado dele, quebrando o terceiro mandamento. O terrível julgamento
correspondente a este mandamento é simples, se não os poderes espirituais do Nome ou as Sagradas
Sefirot, nós invocamos os poderes espirituais do Outro Lado, e isso se torna a realidade de nossa
experiência. Este é o julgamento de fazer uso indevido do Nome em qualquer de suas formas.

Nisto podemos pensar no ocultista, o feiticeiro, que invoca nomes de Deus para conhecimento e poder na
ambição egoísta e para auto-glorificação, que não se apega a Deus, ou serve a Deus, ou deseja executar a
vontade de Deus; quando isto é feito, ao invés de Ruach Elohim, invoca-se o Ruach Leviathan, o "espírito
de destruição", o espírito do Outro Lado, Deus me livre!

Assim, somos sábios para invocar o Nome em fé e amor, apegando-nos ao Santo, procurando servir e
glorificar o Santo; quando o fazemos, Ruach Elohim se move com, através de nós e se torna manifesto, e a
emanação correspondente da Shekinah repousa sobre nós e nos habita. Louve a Deus!

Para encerrar, podemos lembrar: "Ele e Seu Nome são Um"em todas as suas formas; assim, há um poder
inimaginável no Nome em todas as suas formas - o poder, a força do Infinito e do Eterno. Contemple isso
bem e entenda!

Que possamos invocar Ha-Shem com Pachad (admiração) e Ahava (amor), apegando-se a Yahweh Elohim
Shaddai através do Messias e Sefirot, e assim incorporar e decretar o que é bom e verdadeiro! Um
homem.

Shalom Aleichem, Shaddai Shalom!


Tau Malachi
Sophia Comunhão
Ecclesia Pistis Sophia
T
o
p
o
Martina
Re: letras e formas

# 4 Post Dom Jun 08, 2014 5:20 am
Saudações e Bênçãos à Luz do Messias!

Obrigado, Tau Malachi e a irmã Sheryl por essas lindas contemplações! O que foi dito para mim lança nova
luz sobre Gênesis 2: 19-20:

“Agora, do solo, o Senhor Deus formou todos os animais do campo e todas as aves do céu e os trouxe ao
homem para ver o que ele faria. chame-os. E o que quer que o homem chamasse todo ser vivente, esse era
o seu nome. O homem deu nomes a todos os rebanhos e às aves do céu e a todos os animais do campo ”.

Neste momento Adam Ha-Rishon ainda é macho e fêmea em uma forma e em inconsciente união com o
Santo em um corpo de luz. Parece que nesse estado Adão conhece e fala os verdadeiros nomes de todos
os seres. Depois de comer da árvore do bem e do mal, esse poder se corrompe. No recente discurso do
Shabat sobre o glifo da Árvore da Vida, foi falado sobre o klippot como lentes ou mentalidades que
distorcem nossa visão da verdade. Somente no processo do despertar das almas e da vinda do Messias (em
muitas tradições espirituais diferentes) esse poder é recuperado. A história de Adam nomeando criaturas
parece implicar que os nomes verdadeiros já são conhecidos por nosso ruach interno, nós apenas temos
que nos lembrar deles.

Assim, o caminho, a comunidade espiritual e tudo o que fazemos vindo dos níveis internos de nossa alma,
é tudo sobre como lembrar e falar os verdadeiros nomes de tudo na criação.

“Esse processo de nomear, falar, exaltar o conhecimento, o poder e as ações das coisas continua - Adam,
Humanidade, nomeando as coisas continuam; quando contemplamos e meditar sobre as letras do nome
de Deus e várias palavras, coisas, e nós pronunciá-las, por isso estamos atualizando e percebendo a
presença correspondente e poder do Infinito, ou a Luz do Infinito.”

No evolução da humanidade como falar os verdadeiros nomes da ciência e arte sacra vêm à mente,
quando eles estão enraizados nesses níveis internos da alma. Isso parece um processo que nunca termina.

Que possamos ser capacitados para falar verdadeiramente!

Shabat Shalom e gratidão,


Martina
Martina
T
o
p
o
Tau Malaquias
Administrador do site
Re: letras e formas

# 5 Post Dom Jun 08, 2014 10:03 am
Graça e paz para você do Messias Yeshua!

Se considerarmos Adam Ha-Rishon como homem e mulher unidos como um só, e em união com o
Continuum de Luz, falando os nomes de criaturas e poderes espirituais, isto corresponde com nossa
neshamah, nossa natureza divina, ou alma celestial e suprema, e a aspectos internos que estão dentro
dele, yechidá, nossa centelha divina e fena, nossa força de luz ou força de vida. Assim, é neshamah que
detém esse conhecimento e poder, e quando ruach e nefesh estão unidos à nossa neshamah, e expressam
e incorporam neshamá, também este conhecimento e poder estão em ruach e nefesh, nossa inteligência e
alma vital.

Na hora de nomear Adam Ha-Rishon foi capaz de ver de um extremo da criação e do céu para outro, e
manteve essa consciência do conhecimento e poder de todas as coisas na criação, acima e abaixo, no céu e
na terra. Essa consciência, essa sabedoria, compreensão e conhecimento (Habad), está dentro de nossa
neshamá e, quando nossa alma é percebida, temos acesso a ela. Se considerarmos momentos de
Transmissão de Luz, nossa unção com a Luz Sagrada e o Espírito do Infinito, há uma centelha desta
lembrança, essa sabedoria, compreensão e conhecimento em nossa alma. Assim, o empoderamento de
“nomear” está na Luz Superna e Ruach Elohim, o Espírito do Messias.

O poder total de falar o conhecimento e o poder das coisas no céu e na terra corresponde à consciência ou
conhecimento de Deus dentro de tudo e de tudo dentro de Deus; daí, a Consciência Messiânica, ou
Consciência Divina.

Toda a humanidade está participando disto, embora de uma maneira inconsciente ou semi-consciente, na
condição impura ou não iluminada, e como tal a maioria dos influxos invocados são do Outro Lado, o
klippot, não as Sefirot Sagradas ou Nomes de Deus. No entanto, nos momentos em que as almas humanas
estão no seu melhor e mais brilhantes, e inspirações e iluminações acontecem de dentro e além, em várias
áreas do esforço humano, algo dessa nomeação, fala ou chamando o conhecimento e poder das coisas
está acontecendo. Isto corresponde à consciência e nomeação do conhecimento e poder das coisas na
terra, não no céu, porém, e muitas vezes desprovidas da capacidade de atrair o poder espiritual das coisas
para elas; o poder de conhecer e compreender o reino dos céus e dos anjos ("aves do ar"), e para atrair o
poder espiritual das coisas para eles, requer fé e amor, e a recepção da unção, a Santa Luz e o Espírito do
Messias. Quanto maior nossa unção, ou melhor, sua integração, maior esse conhecimento e poder está
dentro de nós; portanto, o verdadeiro poder de iniciar e abençoar e capacitar os outros, bem como lugares
e objetos.

Consciente ou inconsciente, algo disto está acontecendo através de todos nós, no entanto, e dependendo
do que estamos clivando no momento, estão os influxos e influências que invocamos e manifestamos
neste mundo, sejam as das Sefirot Sagradas ou as de o outro lado, o klippot. Como você pode imaginar,
quando inconscientes, nossas invocações vêm do continuum kármico da alma, e não da sabedoria de
neshamá, e correspondem à visão cármica da alma - a visão da ignorância; portanto, tendo todo tipo de
distorções e impurezas de auto-apego e vontade própria, e desejo e medo. À medida que a alma desperta
e se realiza, aproximando-se de Deus e entrando em unificação com Deus, e é capaz de ouvir e ouvir a
Palavra Viva, e ver e enxergar a Realidade como Ela é, e Deus como Deus, essas distorções

Aqui podemos dizer que, recebendo nossa unção, somos ordenados no sagrado sacerdócio, sejam ou não
chamados a servir exteriormente como um santo apóstolo em comunidade, e, portanto, somos ordenados
a olhar, ver e chamar a realidade das coisas. como estão no céu e em Deus, invocando o poder espiritual
em tudo o que está ao nosso redor, tirando a luz e a verdade de todas as coisas, e elevando-as ao serviço
do reino dos céus e de Deus; portanto, edificando e redimindo tudo que nos é apresentado para elevar em
retorno a Deus.

Se nós assumirmos os Seis Princípios e Três Raízes com fé e devoção passional, ou amor, isso é exatamente
o que acontecerá quando invocarmos o Nome em suas várias formas, e orarmos e meditarmos, e
adorarmos a Deus, e nos empenharmos em boas obras, compaixão ativa e amor. A Shekinah do Messias
estará conosco, e o Messias e o Espírito Santo em nós tomarão e realizarão essas ações divinas de
redenção, a conclusão e perfeição da criação, Tikkune Gadol, a Grande Recompensa - a salvação de todos.

Entenda, as coisas como elas são em si mesmas, na terra, são parciais e incompletas, e na verdade são
cascata ou cascas impuras separadas daquilo que são no céu e em Deus; quando se unem ao que são no
céu e em Deus, no entanto, sua essência e poder espiritual penetram neles e são realizados e realizados no
céu e na terra, completos abaixo e acima, nos mundos material e espiritual. Este, exatamente, é o
propósito da Divina Encarnação do Messias, e a incorporação constante do Espírito do Messias em Ungido
Tzaddikim e Comunidade Ungida; daí, a manifestação do Continuum of Light Transmission, a iluminação
com a qual Adão Supernal percebeu a plenitude da criação e a Morada Suprema em todas as direções, ao
longo de todo o tempo, passado, presente e futuro.

Aqui vou compartilhar um segredo aberto. Como sabemos, o Universo das Sefirot Sagradas é Atzilut e,
como tal, as Sefirot de Beriyah, Yetzirah e Asiyah são klippot para as Sefirot de Atzilut. A menos que os
influxos das Sefirot de Atzilut sejam invocados e atraídos pelas Sefirot de Beriyah, Yetzirah e Asiyah, e
incorporados, esses poderes espirituais de Perud são manifestos no Outro Lado, o domínio dos klippot que
governam sobre eles, Deus nos livre.

Entenda, O Nome em suas várias formas corresponde aos influxos das Sefirot Supernas e Netivot (Otiyot),
e quando invocamos as formas do Nome correspondentes às coisas no céu e na terra, assim atraímos esses
influxos para eles e os elevamos em volte para Deus, unindo-os com O Nome, Ha-Shem. Como sabemos,
existem os nomes principais de Deus e os Cognomens (apelidos, títulos), e há os 144 Nomes, e há
permutações dos Nomes, ou Nomes “secretos”; portanto, muitas formas do Nome correspondem a várias
matrizes ou configurações das Sefirot e Netivot de Atzilut - a realidade espiritual e celestial das criaturas,
coisas no céu e na terra, ou na criação.

Quanto mais profunda ou íntima nossa comunhão com o Espírito de Deus e os anjos, é claro, maior será
nosso ruach, inteligência e daat, conhecimento do Nome e suas muitas formas, e maior nosso poder de
agir como um consciente co-criador e co-redentor com El Elyon e o Messias, o Supremo e o
Ungido. Podemos receber uma introdução aos Nomes de Deus e da Cabala Sagrada a partir de um tsadic
vivo, e eles podem nos iniciar, abençoar e capacitar através de uma comunicação da Luz Sagrada e do
Espírito do Infinito, e através da transmissão de algo de seu ruach e da'at, mas o verdadeiro Habad de O
Nome, o domínio do Nome, vem através do Espírito de Deus (Ruach Elohim), e invoca o Nome em oração e
adoração, estudo e contemplação, e em nossa vida diária; portanto, através da unificação da alma e da
mente, coração e corpo,

Ninguém, a não ser o Espírito de Deus, pode revelar e transmitir o pleno Habade do Nome, Ha-Shem.

Como talvez você possa imaginar, os Seis Dias de Trabalho elevados através da lembrança e da
manutenção do Santo Shabat são essenciais para este trabalho espiritual de redenção; portanto, o Mestre
ensinou que, se não mantivermos o Shabat como Shabat, não nos daremos conta e entraremos no
verdadeiro reino dos céus, ou experimentaremos a plena realização de Eheieh, o Eu Sou (unificação
consciente com Deus).

Neste Santo Dia do Shabat, o Espírito de Deus me inclina a buscar meu descanso e a permanecer no abraço
místico da Rainha do Shabat e do Senhor do Shabat; Que todos nós possamos ser abençoados para provar
ou vislumbrar este mistério da Câmara Nupcial neste dia! Um homem.

Shabat Shalom!
Tau Malaquias
Administrador do site

O nome que é igual a 32



# 1 Post Fri 12 de dezembro de 2003 5:53 pm
Há algo de um segredo em aberto na união dos Nomes Eheieh (Keter) e Yahweh (Hokmah) que eu pensei
que poderia compartilhar para exploração e discussão. Como você deve saber, as duas últimas letras do
Nome Divino Eheieh (Aleph-He-Yod-He) e as mesmas duas primeiras letras do Grande Nome Yahweh (Yod-
He-Vau-He). Assim, estes dois Nomes são freqüentemente unidos nas duas cartas que eles compartilham
Yod e Ele para formar outro Nome de seis letras AHIHVH - Ahyahuah. Este nome é igual a 32 e implica os
manifestos da Força do Consciência do Ser como os 32 Caminhos da Sabedoria Netivot (Hokmah). Isto
implica que a união do Nome Essencial e do Grande Nome flui como toda a Árvore da Vida - Sefirot
(Emanações) e Netivot (Caminhos).

Isso alude a um segredo da Palavra que estava com Deus e a Palavra que era Deus, da qual todas as coisas
vêm à existência.

Eu pensei que você poderia achar isso uma interessante contemplação ... o que isso evoca?

Bênçãos e shalom!
Última edição por Tau Malachi em Qua Dez 22, 2010 9:41 am, editado 1 vez no total.
Tau Malachi
Sophia Comunhão
Ecclesia Pistis Sophia
T
o
p
o
Élder Sarah
Administrador do site


# 2 Postagem Sáb Dez 13, 2003 9:19 pm
Saudações Malaquias,

Esta é definitivamente uma contemplação interessante. O que vem à mente


é como parece que algo de Keter e Hokmah (sementes de luz) compõem a essência das Emanações e do
Netivot. Esta essência parece ser a Palavra, mas a Palavra só pode ser levada por meio da
Sabedoria. Parece que a Sabedoria age como um vaso para carregar a Palavra, ambos são a mesma
substância. Os logotipos precisam que Sophia seja transmitida e Sophia precisa de um Logos para formar
um navio. Eu me lembro de um útero e aquilo que impregna. Parece Eheieh, o nome essencial é apenas
isso, a essência das Emanações e do Netivot. O nome Yahwah ainda é algo da essência, mas também
começa a formar o vaso. Yahweh Elohim (Binah) parece completar o recipiente (pelo menos nas
Supernais). Aparece como pensamento, então, com a Tríade Moral, o processo recomeça apenas
encenado, e assim por diante, na Árvore da Vida. Toda a Árvore sendo formada por algo da Palavra e, ao
mesmo tempo, formando os vasos que podem transportá-la, e, portanto, a encenação enquanto alguém
desce pela Árvore. Isso também aparece em como o Tetragrama, esse nome Yahweh, abrange toda a
árvore, mas ao mesmo tempo é o nome Divino para Hokmah e depois aparece em Tipharet também. Uma
pergunta vem no meio desta contemplação, qual é a diferença entre as Emanações e o Netivot? De
qualquer forma, essas são algumas das idéias que estou apresentando. Obrigado pela contemplação! mas
ao mesmo tempo é o nome divino para Hokmah e depois aparece em Tipharet também. Uma pergunta
vem no meio desta contemplação, qual é a diferença entre as Emanações e o Netivot? De qualquer forma,
essas são algumas das idéias que estou apresentando. Obrigado pela contemplação! mas ao mesmo tempo
é o nome divino para Hokmah e depois aparece em Tipharet também. Uma pergunta vem no meio desta
contemplação, qual é a diferença entre as Emanações e o Netivot? De qualquer forma, essas são algumas
das idéias que estou apresentando. Obrigado pela contemplação!

Shalom, ensolarado
T
o
p
o
Tau Malaquias
Administrador do site

Os caminhos da sabedoria

# 3 Post Seg 15 Dez, 2003 3:53 pm
Saudações ensolaradas!

A distinção entre Sefirot e Netivot é sutil e sublime, e é difícil colocar em palavras. É um desses assuntos
em que tudo o que dizemos é, na melhor das hipóteses, uma verdade parcial, porque estamos falando o
que não pode ser falado. No entanto, podemos tentar apontar a verdade na esperança e um vislumbre
intuitivo dela.
Primeiro, nos Trinta e Dois Caminhos da Sabedoria, que freqüentemente são dados como parte do Sepher
Yetzirah, nenhuma distinção é feita entre as Sefirot e Netivot - todos eles são chamados de Netivot
(Caminhos). A única distinção sutil é que as dez Sefirot vêm em primeiro lugar, e o Netivot apropriado vem
em seguida. Nesse sentido, pode-se dizer que as Sefirot representam a Verdade do Objeto e o Netivot
representa a Verdade Subjetiva.

O que isso significa é difícil de expressar, mas podemos sugerir isso da seguinte maneira. Os atributos das
Sefirot e suas posições na Árvore da Vida nunca mudam, independentemente da escola da Cabalá que se
segue. Mas os atributos das letras para o Netivot mudam de um sistema para outro - existem várias escolas
de pensamento válidas que têm diferentes correspondências das letras para os Caminhos. Pelo atributo
das cartas para as escolas Netivot são capazes de colocar ênfase em certos ensinamentos e visões
metafísicas e criar veículos adequados para a prática espiritual como ensinado em suas respectivas
tradições; todavia, todos visam a experiência da Verdade Objetiva representada pelas Sefirot e Olamot.

Netivot representa as Inteligências de Energia de conexão entre as Sefirot, e as Sefirot são Emanações de
Ou Ain Sof - Graus de Emanação Divina. Essas Emanações são Matrizes de Inteligências de Energia
representadas pelas letras sagradas, e estão ligadas por estas Inteligências de Energia. Em um certo
aspecto, de acordo com a Cabala Cristã, podemos dizer que as Sefirot são manifestações de Sophia e as
Netivot (especificamente as Cartas) são manifestações do Logos; Christos é a união de Logos e Sophia, e
são, de fato, inseparáveis.

No Universo de Adam Kadmon, as Sefirot e Netivot são completamente inseparáveis - é possível fazer
distinção entre elas. No nível de Atzilut existe uma distinção mais sutil e sublime, embora exatamente o
que a distinção é não possa ser expressa em termos do ser mental. No nível de Beriyah, Assunto e Objeto
emergem, o que se torna mais distinto em Yetzirah e mais distinto no nível de Asiyah.

Agora, com relação a esses dois nomes divinos e o que eles podem revelar sobre isso, Eheieh é muito
interessante. Seu número é 21, o que exclui Alfefe é o Aleph-Bet inteiro, e é o número de cartas que se
apresentam diante de Deus no Midrash que fala de Deus escolhendo a letra com a qual começar a
criação; daí a letra Beth. É claro que isso aponta para Aleph como a Essência de todas as Inteligências de
Energia, como se o potencial de todas as 21 letras que se seguem, da mesma maneira que Eheieh, seja o
Nome Divino Essencial.

Quanto ao Senhor, há um método pelo qual todas as letras hebraicas podem ser extraídas desta palavra,
como demonstrado no livro Gerações de Adão., por Isaiah Horowitz. Assim, o potencial de Eheieh, que é
em essência Aleph, é ativado através de Yahweh. Pode-se contemplar as Sefirot como representadas por
Eheieh, e o Netivot como representado por Yahweh; portanto, "eu sou" ou "eu serei" e "aquilo que foi e é
e para sempre será".

Através da contemplação e da meditação sobre essas dicas, talvez um vislumbre intuitivo possa vir - eu oro
assim!

Bênçãos e shalom!
Última edição por Tau Malachi em Qua Dez 22, 2010 9:42 am, editado 1 vez no total.
Tau Malachi

Sophia Comunhão

Ecclesia Pistis Sophia


T
o
p
o
Irmão Christopher
Administrador do site


# 4 Post Seg Dez 15, 2003 4:05 pm
Muito Interessante .... * Em resposta ao post original *

Interessante como o número 32 em hebraico é Lamed Bet que soletra Lev (Heart) e como isso pode se
conectar ...

Também como o Sefer Yetzirah continua explicando os 32 caminhos de sabedoria paralela no sistema
nervoso humano ... e como esses caminhos podem se ligar a DEUS ... é interessante que o 'Netivot' de
acordo com o Sefer Yetzirah são considerados estradas privadas (caminhos) em comparação com o 'Derekh
'que são estradas públicas ... parece que quando se explora a Cabala, elas criam ligações com essas
estradas privadas que permitem que uma transmissão ocorra dentro desses caminhos ... Daí esta Palavra
Viva que cria novas conexões neurais dentro da Mente. (Verdadeiramente dando e recebendo) ....
T
o
p
o
Tau Malaquias
Administrador do site

"Relacionamento Pessoal com o Salvador"



# 5 Post Seg Dez 15, 2003 4:41 pm
Olá Christopher!

Bem falado, este post seu e apontando para coisas profundas.

Privado, pessoal ou individual, de fato; enquanto podemos ensinar e iniciar os outros na Presença da Luz e
no Continuum da Luz, verdadeiramente cada alma deve ir olhar e ver, ouvir ouvir, por si mesma e, nesse
sentido, só podemos orientar por meio de apontar. A experiência de um não será a experiência de outro, e
ainda assim há uma Verdade Objetiva a ser realizada dentro e além de toda experiência subjetiva - e é o
conhecimento desta Verdade que é chamada de Verdadeira Gnose.
Parece que tudo isso está ligado a Lev, ao Coração e à Inteligência Divina que está ali sentada; este lugar
onde o Yeshua Vivo é conhecido.

É interessante que na igreja não espiritual muitos irão perguntar: "Você tem uma relação pessoal com
Jesus?" Agora, muitas vezes, essas palavras não têm sentido, expressando apenas uma crença mental; e o
uso ignorante feito deles os baralha e profana. No entanto, semelhante ao mistério da palavra netivot,
como você mencionou, e ao Coração, como você fala, há uma verdade esotérica para essa questão - uma
completamente gnóstica. Pois o gnóstico de fato tem um relacionamento pessoal com o Salvador
ressuscitado, isto é, a experiência direta da Presença da Luz e do Continuum da Luz. Tal contato gera
naturalmente o Corpo de Luz através do qual estamos unidos à Luz-Presença e Luz-Continuum; ou a estas
Emanações-Luz nós chamamos a Árvore da Vida.

Se dentro e por trás do corpo material e de todas as suas partes há um corpo sutil, então é o sistema
nervoso do corpo sutil que está sendo indicado - embora mudanças no corpo físico ocorram quando este
corpo sutil é transformado em um Corpo. de Luz - "o Corpo Solar da Ressurreição". É este corpo sutil que é
um veículo do Shefa e Ruhaniyut das Sefirot e Netivot, e através do qual estamos conectados a eles.

Isso se reflete na experiência da forma superior do mestre, que é a experiência do Yeshua Vivo. Em
essência, na Cabalá Cristã, a Árvore da Vida representa o Corpo Místico do Yeshua Vivo e o Corpo de Luz
que experimentamos na fruição da Grande Obra.

A experiência gnóstica é verdadeiramente um relacionamento muito íntimo e pessoal - mais do que se


tornar cristão, está se tornando Cristo. Não há mais um relacionamento pessoal ou íntimo do que isso!

Caminhos Particulares, de fato! Cada visitante deve viajar por si mesmo para adquirir essa gnose.

Bênçãos e shalom!
Última edição por Tau Malachi em Qua Dez 22, 2010 9:42 am, editado 1 vez no total.
Tau Malachi

Sophia Comunhão

Ecclesia Pistis Sophia


T
o
p
o
Dennis

32

# 6 Post Ter 21 de dezembro de 2010 19:05
Saudações,

alguns insights maravilhosos nestes comentários! Fiquei particularmente intrigado com a explicação das
diferenças entre os caminhos e as Sephiroth.

O comentário "as Sefirot são manifestações de Sophia e do Netivot (especificamente as Cartas) são
manifestações do Logos; Christos é a união de Logos e Sophia, e são, de fato, inseparáveis." ... uau, isso é
incrível!

Contemplando o número 32 lembramos que 2 é Chokmah e 3 é Binah. Os dois nomes Divinos em discussão
representam Kether e Chokmah, então vejo que, necessariamente, Binah deve aparecer assim que Kether
e Chokmah estiverem presentes.

32 é 2x2x2x2x2, (isso é incrível de se olhar!), O que poderia ser interpretado como uma expressão
aritmética dos aspectos projetivo e receptivo dos 5 mundos.

3 + 2 é 5, o número de meditação (entre 1 e 9) e o nome Ahyahuah parece ter algo de uma energia ou
qualidade mediadora.

AHYH, 21 e YHVH, 26 adicionam a 47, então a diferença entre isso e 32 é 15, o valor de Yah, [YH] o nome
divino para Chokmah, 2. Portanto, alude aos 32 Caminhos da Sabedoria.

É certo que isso é tudo bastante abstrato, mas é isso que me veio à mente.

Shalom,
Dennis
T
o
p
o
+ David

Neviot e sistema nervoso



# 7 Post sex Jan 04, 2013 11:31 am
Queridos,

Suas contemplações são os Caminhos da Árvore e o sistema nervoso no Corpo Sutil, me fez recordar um
ensinamento que poderia ser pertinente.

Como a Árvore pode ser desenhada em qualquer tamanho (desde que as proporções sejam mantidas), os
sábios denominaram uma única unidade de medida na Árvore um "Alef". Eles tiraram isso do 11º Caminho
(o 1º do Neviot) que une Keter e Hokmah. Então (se bem me lembro), o 13º Caminho de Gimel mede
quatro 'Alefs'. e assim por diante. Alef é '1', mas o 'grande Alef' é 1.000.

Várias tradições orientais falam de 72.000 nadis - canais sutis no Corpo Sutil. 72 grandes Alefs. E desde
então, alguns disseram que todas as letras são realmente Alef, isso me faz pensar sobre uma possível
dança teúrgica:
Que o raio de Ratzon Elyon flua através de nós, para que possamos nos tornar em chamas com Deus,
T
o
p
o
Tau Malaquias
Administrador do site

Metatron, 72 Nomes de Deus e geração do Corpo de Gl



# 8 Post Sun 06 de janeiro de 2013 10h40
Saudações e bênçãos na Santa Luz do Messias!

Esse é um ensinamento adorável, querido irmão, e combina muito bem com um ensinamento na tradição
oral sobre várias emanações, ou aparições do Arcanjo Metatron. Em um dos ensinamentos, diz-se que
Metatron tem 72 asas, e em outro se diz que tem 1000 asas e 72 braços; “Asas” de anjos na tradição
correspondem com seus conhecimentos e poderes, e armas com suas ações divinas, ou modos de
operação que seu conhecimento e poder assumem. Se entendermos as implicações mais profundas de
Enoque traduzidas em Arcanjo Metatron, o Príncipe da Face, ou Pequeno Yahweh (IAO), então as imagens
de Metatron na Cabala Cristã correspondem aos ensinamentos sobre a geração do Corpo de Luz, ou
especificamente o Corpo. de glória. Portanto,

Há também ensinamentos na Cabala Cristã referentes a 72 canais no corpo sutil, e o movimento de ventos,
luz e o poder da serpente através deles, e assim na menção de 72 com Metatron esses ensinamentos são
apontados, o fluxo livre de As energias através destes canais são parte integral da geração do Corpo de Luz,
Corpo de Glória, ou o “Corpo Solar da Ressurreição”. Por um lado, podemos falar da permutação do
Grande Nome, Yahweh, que é igual a 72 como um Nome de Deus para a abertura destes canais, assim
como é usado para invocar o influxo total das Sefirot e Netivot da Árvore da Vida; Nisto podemos entender
uma unificação do microcosmo e macrocosmo, entendendo que os poderes espirituais da Árvore da Vida
também estão em nosso corpo e alma sutis. Há, no entanto,

Quando se diz que Metatron tem 72 asas, ou 1000 asas com 72 braços, o 72 é entendido como o
conhecimento e poder destes Santos Nomes, e suas Ações Divinas, os 72 Gevurot e 72 Hassidim, razão pela
qual Metatron também é dito. aparecem com 144 asas às vezes; portanto, o conhecimento e o poder
desses Nomes Sagrados estão em Metatron, e se e quando o Corpo Triplo de Melquisedeque for gerado
por um santo tsadic ou apóstolo no Messias, o conhecimento e o poder desses Nomes Sagrados estarão
nesse Corpo de Luz.

Se e quando invocado com esta intenção teúrgica, a entonação dos 72 Nomes de Gevurot corresponde à
purificação e abertura dos canais, e a entonação dos 72 Nomes de Hassidim corresponde à sua
consagração e santificação, e ao livre fluxo de energias. por eles. Assim, as práticas ensinadas em outros
lugares para a invocação da Santa Shekinah em plena glória e poder através do canto sagrado de todos
esses Nomes Sagrados são também uma invocação para a plena geração do Corpo de Luz, seja no nível da
luz espiritual. , ou a Luz Superna, tudo dependendo da nossa unção e realização espiritual.
Os 72 Nomes, ou 144 Nomes, são um grande presente para nós de Yahweh Elohim, e seu pleno
conhecimento e poder são depositados em nós através do Espírito do Messias, sendo seu pleno poder
realizado em Yeshua Messias; Neles está o conhecimento e poder do espectro total da Transmissão de Luz,
a plenitude da Shekinah do Messias. Assim, o estudo e a contemplação deles é central para os anciãos,
detentores de linhagens, de nossa tradição; portanto, o corpo de escrita gerado neles em outro lugar, que
representa uma introdução, ou um começo da contemplação e invocação desses Nomes Sagrados.

Esses Poderes Divinos estão dentro de nós e estão além de nós, e quando o que está dentro de nós é
unificado com o que está além de nós, também há um grande influxo dos Poderes Divinos e grandes
maravilhas podem transparecer, tudo através da Graça Divina.

Aqui eu posso compartilhar um segredo aberto Tau Elijah falou muitos anos atrás em um discurso de
Shabat perto do fim de sua vida. Os 72 Nomes de Gevurot correspondem aos poderes de Ruach Elohim e
os 72 Nomes de Hassidim correspondem aos poderes de Ruach Yahweh; daí o poder total do Espírito do
Messias, no qual Yahweh e Elohim, ou Misericórdia e Julgamento, são unificados.

De acordo com os mestres da tradição, a revelação completa dos 72 Nomes de Hassidim transparece na
Segunda Vinda de Cristo em Glória, e assim é neste tempo que o Espírito Santo inspirou sua revelação
aberta e ensinamentos sobre eles a serem dados.

Ó El Shaddai, louvamos e abençoamos o Seu Santo Nome, e oramos, que Yahweh e Elohim sejam unidos
em nós, e que a Santa Luz do Messias brilhe dentro de nós, abençoando e iluminando o mundo. Um
homem.

Shabat Shalom!
Tau Malachi

Sophia Comunhão

Ecclesia Pistis Sophia


T
o
p
o
+ David


# 9 Post seg Jan 07, 2013 5:16 am
Obrigado Élder Brother

Fico sempre espantado com a forma como as disciplinas aparentemente "separadas" da tradição -
gematria, teurgia, meditação, etc. - todas se juntam para nos permitir experimentar realizações. Para
trazer nosso ser fraturado em direção à Totalidade, em direção à Santidade.

Agradeço a Deus por essas graças e por seus apóstolos que as transmitem.
em gratidão e louvor,
T
o
p
o
Elder Gideon
Administrador do site

Os Cem Quarenta e Quatro Mil



# 10 Post seg Jan 07, 2013 7:00 am
Shalom!

Meus ouvidos de repente se animaram ouvindo um novo atributo para as asas do Arcanjo Metatron e dos
Cem e Quarenta e Quatro Nomes de Deus. Se eu puder investigar os ensinamentos paralelos da nossa
linhagem de setenta e dois canais do corpo sutil, eu creio que o Apocalipse está dizendo algo muito mais
interno, metadimensional, do que qualquer coisa externa ou literal, do corpo maior do Messias redimido
pelo Cordeiro:

Vi outro anjo ascendendo desde o nascente do sol, tendo o selo do Deus vivo, e ele clamou com alta voz aos
quatro anjos que haviam recebido o poder de danificar a terra e o mar, dizendo: 'Não danifiquem a terra ou
o mar ou as árvores, até que tenhamos marcado os servos (ou escravos) do nosso Deus com um selo nas
suas testas. '

E ouvi o número daqueles que foram selados, cento e quarenta e quatro mil, selados de toda tribo do povo
de Israel: da tribo de Judá doze mil selados, da tribo de Rúben doze mil, da tribo de Gand doze mil, da tribo
de Aser, doze mil; da tribo de Naftali, doze mil; da tribo de Manassés, doze mil; da tribo de Simeão, doze
mil; da tribo de Levi, doze mil, da tribo de Issacar; doze mil, da tribo de Zebulão, doze mil; da tribo de José,
doze mil; da tribo de Benjamim, doze mil selados. (7: 1-8)

Então olhei, e lá estava o Cordeiro, em pé no Monte Sião! E com ele foram cento e quarenta e quatro mil
que tiveram seu nome e o nome de seu pai escrito em suas testas. E ouvi uma voz do céu como o som de
muitas águas e como o som do trovão alto; a voz que ouvi foi como o som de harpistas tocando em suas
harpas, e eles cantam uma nova canção diante do trono e diante dos quatro seres viventes e antes dos
anciãos. Ninguém poderia aprender essa música, exceto os cento e quarenta e quatro mil que foram
redimidos da terra. (14: 1-3)
Como todo esse post começou em relação ao valor de Eheieh e YHVH - EHEYHVH - que soma trinta e dois,
que são também todos os caminhos da sabedoria que estruturam a Árvore da Vida. O coração, lev , Lamed
Bet, tem trinta e dois anos, assim como os principais nervos do corpo. Se unidades de tal medida são
contadas como Alefs e existem ensinamentos paralelos em nossa linhagem de setenta e dois Alefs
estruturando nosso corpo de energia, então eu estou ouvindo que os Setenta e Dois Nomes de Gevurot e
os Setenta e Dois Nomes de Hasidim somando um Cem Quarenta e Quatro referem-se a um Quantum total
do Humano, que se manifesta em inumeráveis quanta.

Cento e quarenta e quatro derivam de doze tribos, que são inteiramente zodiacais, cada tribo tem seis
nomes de Gevurot e seis nomes de hassídicos. Esses Cento e Quarenta e Quatro Nomes de Deus são
ambos zodiacais e, como minha Cabeça do Ano explorou, também planetários, pois as doze energias
zodiacais também são regidas por sete energias planetárias específicas da Kabbalah arcaica. Tudo isto para
dizer, existe uma relação discreta entre o hexagrama de sete inteligências planetárias governando as doze
energias zodiacais.

Minha pergunta é a seguinte: em vez de cento e quarenta e quatro mil pessoas individualmente
escolhidas, o que é rapidamente mal entendido no egoísmo interpretativo, o que acontece quando
contemplamos isso como um todo quântico do Humano, como os canais do Corpo macrocósmico de
Cristo?

Grato,

Elder Gideon +
T
o
p
o
Tau Malaquias
Administrador do site

Tikkune de Adam Kadmon



# 11 Post Wed Jan 23, 2013 11:30
Saudações e bênçãos na Santa Luz do Messias!

Existem duas energias principais que se movem através dos caminhos do canal, o poder ardente da
serpente e as respirações radiantes ou "ventos", e embora falemos de cinco respirações essenciais,
também é ensinado que existem 72 respirações ou ventos; 72 manifestações de Alef, “ar”, “vento”,
“respiração” ou “espírito”. Dessas respirações ou ventos, é dito que eles “alimentam” ou “alimentam” a
serpente de fogo e são parte integrante do despertar. e edificante deste poder serpente.

Os 144.000, na verdade, representam os eleitos espirituais que compõem o Corpo Vivo, assim como a
visão da Nova Jerusalém; daí, a nova humanidade no Messias, superna e divina. Como sabemos, as tribos
de Israel correspondem aos signos zodiacais, ou doze expressões arquetípicas do Ser Humano, e estes
144.000 representam almas que percebem e incorporam os doze poderes dos doze salvadores, o que
significa dizer que eles personificam o Cristo. Espírito na singularidade de seu signo zodiacal e raiz da alma,
e, ao fazê-lo, tornar-se co-salvadores ou co-redentores. Como sabemos, uma alma nem sempre nasce com
o mesmo signo zodiacal, então a idéia dos signos zodiacais aponta para as raízes da alma e a essência única
(yechidá) que está dentro de cada alma, e ainda mais, porque os signos zodiacais correspondem Hokmah, e
assim também faz hayyah, nosso ser vivo,

Podemos dizer isto, no entanto, que correspondendo à essência única da alma, encarnações dentro de
uma certa “tribo” ou signo zodiacal podem ter uma ressonância maior com a raiz da alma e, portanto,
representam encarnações mais auspiciosas para a realização espiritual da alma. ou cumprimento do
propósito da alma.

Como sabemos, as raízes da alma derivam de várias partes do corpo de Adam Kadmon, de várias
configurações de Sefirot. Como você observou, os signos zodiacais também indicam várias influências
planetárias, planetas reinantes e planetas exaltados dos signos, e assim, ao falar de corpos celestes, isso
aponta para várias configurações de Sefirot. A implicação de 144.000 é a realização de almas entre todas
as várias raízes da alma, e neste é o tikkune, ou despertar e realização, de Adam Kadmon, o Único Humano
Primordial - a iluminação primordial.

Agora, o número 144.000 associado às almas da Comunidade de Israel é completamente simbólico, e ainda
assim aponta para uma verdade maior. Na onda de vida humana na terra, ou em qualquer sistema
mundial, existem almas de várias gradações de desenvolvimento e evolução, e existem, de fato, “três
raças”, a humanidade material ou bestial, a humanidade fiel ou psíquica. e os eleitos espirituais
correspondentes ao “povo de Israel”. Neste mundo, ou em qualquer sistema mundial, em geral, todas as
almas não entram na Grande Ressurreição e Ascensão, nem todas se tornam plenamente realizadas ou
iluminadas, nem mesmo entre os eleitos espirituais. Assim, se e quando um mundo chega ao fim dos dias,
passando à destruição, muitas almas continuam no gilgulim; alguns entram na Grande Ascensão, a Grande
Libertação, mas muitos não. Isso, claro, fala da inestimável oportunidade que temos nesta vida, tendo
encontrado uma linhagem de Transmissão de Luz, e a inestimável oportunidade que temos enquanto
estamos conectados à onda de vida humana neste mundo, e este mundo permanece; a oportunidade não
apenas para nossa própria iluminação e libertação, mas para servir como co-redentores, trabalhando pela
iluminação e liberação de outros espíritos e almas viventes.

Há uma grande necessidade e o tempo é curto - mesmo se tivéssemos mais dez mil anos, ou cem mil anos,
o tempo é curto!

Há uma grande ignorância na religião e na espiritualidade moderna. Na religião, a ignorância que segue um
certo conjunto de crenças, ou doutrina, assegura a salvação da alma à parte de uma auto-realização ou
iluminação real, e na espiritualidade moderna, o pensamento de que todas as almas estão "indo para a luz"
ou todos serão salvos, e falta de zelo pela vida espiritual e prática através da qual as almas são realizadas
ou iluminadas. O ensino dos 144.000 dentre os eleitos espirituais, Comunidade de Israel, diz o
contrário. Não é crença em uma doutrina que reintegra as almas com o Continuum de Luz, nem acontece
automaticamente, mas é através da realização da alma e do cumprimento de seu propósito, ou o que pode
ser chamado de evolução para o Messias, o Cristo.

Se eu sou um membro do Corpo Vivo de Cristo, então eu permaneço em um Santuário de Graça, mas isto
assume um trabalho espiritual ativo para progredir no Evangelho, buscando incorporar o Espírito-Cristo em
plenitude, e buscando uma auto-suficiência completa. realização em Cristo - Verdadeira Gnose. Se eu for
um membro do Corpo Vivo, então eu trabalharei para incorporar o Espírito de Cristo no nível espiritual,
psíquico e físico, trabalhando pela reintegração de todos os aspectos do meu ser e consciência com a Luz
Sagrada. Em outras palavras, é preciso haver um trabalho colaborativo ativo com a Graça Divina para a
salvação ou a iluminação da alma em Cristo, assim como São Tiago nos ensina.

Integral a isto está a recepção da Transmissão de Luz, o Espírito Cristão, e a cura e pleno despertar de
nosso ser energético; Daí a recepção da Santa Luz de cima, o despertar e a elevação do poder da serpente,
a abertura das estrelas interiores e a geração do corpo de luz - o “Corpo Solar da Ressurreição”. Como o
Evangelho de São Filipe ensina: "Você não aparece diante do rei nu!"

Aqui podemos falar em um segredo aberto. Quanto maior a cura e o despertar de nosso ser energético, e
quanto maior nossa fé e amor, maior o poder dos nomes de Deus quando os invocamos, e maior nossa
presença e voz no céu entre os anjos de Deus; naturalmente assim, pois é nosso ser energético, nossa
alma, que é o veículo da Shekinah e do Espírito Santo, e quanto maior a geração do Corpo de Luz, maior o
movimento da Presença Viva e do Poder conosco.

Isso se reflete na Santa Cabala, que diz que mais do que as palavras de um ensinamento dado por um
tsadic, ou ser realizado, é a transmissão de energia dentro e por trás do ensinamento que é mais
importante, pois é através disso que nossa energia o ser é curado e despertado. Se e quando pudermos
estar na presença de um tsadic vivo dando ensinamentos, se prestarmos atenção rapidamente
descobriremos isso, pois, independentemente do que possamos, ou não, entendermos dos ensinamentos
dados, descobriremos que são energizados e elevados depois, assumindo que estivéssemos presentes com
fé e amor. Antes de mais nada, é esta transmissão energética, ou Transmissão de Luz, tzaddikim na
intenção do Messias, entendendo que através dela as almas podem entrar em uma comunhão mais
profunda e experiência direta, e assim adquirir o conhecimento,

Nisto, podemos entender por que os gnósticos da Segunda Vinda focalizam a dimensão energética dentro
e por trás do que está transpirando mais do que qualquer outra coisa; pois a verdadeira ressurreição e
ascensão é toda sobre a geração de inteligência energética, ou poder da luz.

Estes foram alguns pensamentos que eu estava inclinado a compartilhar hoje.

O Adonai, nós oramos, que a sua Santa Luz derrame sobre todos e cada um neste dia, e que todos sejam
abençoados e elevados. Um homem.

Que a paz esteja com você!

Elder Gideon
Administrador do site

O amor do pai tornado conhecido pela mãe



# 1 Post Sun Dec 23, 2012 11:15 am
Shabat Shalom!

Como é o segundo dia em direção ao Chefe do Ano, fiquei muito feliz em encontrar a palavra Ab , Pai,
dentro da palavra para Ahava , Amor.

‫א‬
‫ה‬
‫ב‬
‫ה‬

Como o Grande Nome YHVH, Ahava é flanqueado por dois Heh's, letras hebraicas que indicam atributos
Femininos de Deus, acima transcendentes e imanentes. O que os dois Heh flanqueando Alef e Bet sugerem
é que o Ahava do Pai é dado a conhecer pela Mãe.

Yah _______________ Ab
‫א ___________ י‬
‫ב __________ ה‬

O Nome Divino Yah é o atributo Hokmah, a emanação de Deus que é personificado como Pai, Ab . Assim
como Yah é pai-mãe, Ab é pai-mãe. Yod é para Yah o que Alef é para Ab ; Yod e Alef, a este respeito, são
energias masculinas. Heh é para Yah o que Bet é para Ab ; Heh e Bet nesse aspecto são energias
femininas. O que é maravilhoso, é que a essência dessas cartas femininas finais está revelando o que é
masculino das letras iniciais masculinas.

É igualmente maravilhoso considerar a primeira palavra em qualquer léxico hebraico do Antigo


Testamento: Ab. O fato de essa palavra começar com um dicionário bíblico não é uma coincidência na
revelação da palavra de Deus como todas as boas criaturas, sempre além dessa Criação.

Nós que vimos você, Salvador ressuscitado, nos regozijamos em nosso Pai.
Que toda busca cansativa por Você termine em você.

Elder Gideon +
T
o
p
o
Tau Malaquias
Administrador do site

Ahava, Eheieh e Yahweh



# 2 Post seg 24 de dezembro de 2012 14:11
Saudações e bênçãos na Santa Luz do Adonai Messias!

É verdade, Ab-Pai, está na palavra Ahava, embora em Ahava Bet esteja só entre os dois Ele, e isto é
paralelo ao Vau no Grande Nome de Yahweh, que também é flanqueado por dois Ele, representando o
Alto e Lower Shekinah, ou Imma Shekinah e Kallah Shekinah (Mãe e Noiva).

Se desejamos falar de gematria, a interconexão e interação de palavras de acordo com seus valores
numéricos, concernente a Yahweh e Ahava o que se destaca é isto: Yahweh é igual a 26, Ahava é igual a 13,
como tal podemos dizer que Yahweh é duplo Ahava, duplo amor, amor no Mundo Superior, amor no
Mundo Inferior ou amor no céu e amor na terra - amor que permeia toda a criação.

Naquele Achad, unidade, um também é igual a 13, então podemos também falar de uma dupla unidade no
céu e na terra da mesma maneira, Yahweh, a Unidade Sagrada subjacente a todos (Kol); por isso, uma
unidade inata do céu e da terra no Senhor, o Senhor.

Com Achad, contemplado com Yahweh, é claro, há também outro grande mistério de Deus, o Santo do Ser,
como Dois em Um; Deus o Pai e Deus a Mãe acima, Um Deus, e Deus o Filho e Deus a Filha abaixo, Um
Deus, e Deus acima, além, e Deus abaixo, dentro de todas as emanações de Um Deus, o Santo do Ser.

A natureza dessa unidade é entendida em Ahava, amor!

Olhe e veja! Com Ahava podemos também contemplar Eheieh (Alef-He-Yod-He), Bet permanecendo no
lugar de Yod; Eheieh é o Nome Essencial de Deus, e é o Nome correspondente a Keter, e com a plena
unificação com Deus encarnada no Messias, e essa completa unificação é a fruição, plenitude de Ahava,
amor. Aqui podemos dizer que Ahava, amor, é a luz de Eheieh, a Coroa Santa, o esplendor de Ratzon Elyon,
Vontade ou Desejo do Altíssimo; e como sabemos e entendemos este amor perfeito de Deus é a Coroa do
Messias, o Cordeiro de Deus.

Achad, 13, Ahava, 13, o Messias e doze Santos Apóstolos, o sol e doze signos zodiacais; plenitude do Ser
Humano de Luz, plenitude da Verdadeira Humanidade - através da realização de Eheieh, o Divino Eu Sou,
esta plenitude (Pleroma de Luz) torna-se encarnada.

Há outro mistério a ser falado.

Olhe e veja, e entenda! Yahweh, Ahava, Yod (10) torna-se Alef (1) e Vau (6) torna-se Bet (2); dez se
tornando um, todos sendo elevados pelo Amor de Deus no Messias, e seis se tornam dois, de um lado,
Mãe e Filho, e de outro lado, Noivo e Noiva - esses “dois amores” através dos quais tudo é edificado!

Yod se torna Alef, o que quer dizer que Deus é Espírito Puro, e Vau se torna Bet, uma Casa do Espírito de
Deus (Ruach Elohim); Vau corresponde ao Filho, o Messias, que é o verdadeiro Templo Sagrado, ou Casa do
Senhor (Yahweh), e assim também com a Verdadeira Humanidade, que é o Templo Vivo, imagem e
semelhança de Yahweh Elohim.

Através de Ahava, o amor, Yahweh e Elohim, Misericórdia e Julgamento, são unificados, Achad - Um; este é
o tikkune do nome, Yahweh.
Aqui podemos dizer que a perfeição desta unificação corresponde a Yah, a realização do Fim dos Dias e do
Mundo-Para-Vem que estava “no princípio”.

Há ainda outro mistério esotérico a ser falado.

“No princípio ...”, Bereshit, “Bet-Reshit”, Reshit é Hokmah-Abba, Bet é Binah-Imma, e no princípio o Pai
concebe na Mãe, e tudo está contido nela, e ela dá à luz; quando ela dá à luz, ela dá à luz a si mesma, o que
ela nasceu é ela mesma, a própria substância de seu ser e a realização de seu ser.

Olhe e veja! Ele-Bet-Ele, primeiro Ele Imma Shekinah, segundo Ele Nukva Shekinah, com Bet entre, seu
Filho sendo sua substância, a emanação de si mesma, e assim também a Filha sendo sua substância, sua
imagem e semelhança; Alef, o Grande e Invisível Espírito, o Espírito sem Nascimento, tornado visível,
revelado, atualizado, realizado e conhecido - tudo em Ahava, tudo em Amor.

Ahava é Achad, tudo em Unidade Sagrada - Um Deus, o Santo do Ser.

He-Bet-He, interior Shekinah e Shekinah exterior, e Aposto a unificação dos dois aparentes como um em
Adonai Messiah; Mãe e Filha se juntaram em uma casa.

Ahava: um nome de Deus ou iluminação.

Primeiro Ele, Ruach Yahweh, segundo Ele, Ruach Elohim, Aposta no meio, este duplo Espírito do Messias,
plenitude da Santa Shekinah e Espírito Santo.

Agora considere o nome de Ab (e Abba); Alef (1), Pai, Grande Espírito e Bet (2), Mãe e Filha. E considere o
Filho (Ben) que une Mãe e Filha, e que é a imagem e semelhança do Pai (Ab, Abba).

Para encerrar, podemos dizer, como o Senhor Shalom é um Nome de Deus e uma grande bênção, assim
também o Senhor Ahava, e também Eheieh Ahava.

Yahweh Shalom, Yahweh Ahava! Um homem.


Elder Gideon
Administrador do site

Ano e ano, dia e dia



# 1 Post Fri 30 de novembro de 2012 20:14
Shalom!

Enquanto contemplava a palavra rosa, shashaná ,

‫שושנה‬

e sua relação mística com a palavra ano, shanah ,


‫ָשנָה‬

e Cabeça do Ano, Rosh Ha Shashaná ,

‫ראש השנה‬

a diferença entre rosa e Cabeça do Ano sendo um movimento de Vav para Heh e uma adição de Resh e
Alef; Rosh , escrito por Resh, Alef, Shin, significa cabeça , e forma a palavra para Princípio ou Gênesis:
Bereshit.

‫אשית‬
ִ ‫ְּב ֵר‬

Fiquei também impressionado com a simples diferença entre

mar, inhame e um

‫םם‬

dia, yom , por uma simples inserção de Vav.

‫יום‬

É de se admirar que estas palavras no Alto e Baixo Shekinah correspondentes com Binah e Malkut
respectivamente relacionam com a nossa experiência de tempo?

O Filho, o Vav, deve ter muito a ver com esses mistérios unindo Mãe e Filha no Tempo e nas
Estações. Como os Mestres da Tradição trabalharam com o impressionante paralelo entre essas palavras
que muitas vezes têm tanto a ver com a Mãe e a Filha?

Com gratidão, o

Élder Gideon +

Elder Gideon
Administrador do site

YHVH Elohim YHVH Elohenu



# 1 Postagem Sáb 03 Nov 2012 12:19 pm
Shalom!

Aqui, ó Israel! O senhor seu deus! O Senhor é Um! (Deuteronômio 6: 4)


Em uma recente investigação sobre o nome divino Elohenu, 'seu Deus', encontrei duas grafias diferentes:
‫ אֱ ֹלהֵ ינּו‬e ‫אֱֹלהֶ יָך‬. O primeiro, terminando em Yud-Nun-Vau, é provavelmente o mais comum. O número da
Concordância de Strong para isso é 430, que é Elohim , expondo uma simplificação filológica euro-
americana da nuance deste nome divino específico, pois na Cabala, Elohim e Elohenu são sobrepostos, mas
distintos, mistérios. Por que estou tão fascinado é pela segunda grafia ‫אֱֹלהֶ יך‬, que espelha perfeitamente a
grafia de ‫אֱֹלהים‬. ִ Ambos compartilham as mesmas cartas, mas todas para a final: Elohimtermina em Mem
final (600) e uma variante de Elohenu de Levítico 2:13 termina em Nun-final (700).

Quando nos baseamos nos mistérios de Elohenu introduzidos na Gnose do Cristo Cósmico de Tau Malachi ,
aprendemos: "O Senhor indica o aspecto transcendental de Deus. Ele também indica o mistério de dois
aspectos do divino em nossa experiência - o impessoal e pessoal ". (196) Ele continua a compará-lo ao
nosso relacionamento com os maggidim; para alguns são seres e para outros, são forças. Como isso é
verdade para os maggidim, isso é verdade para o que chamamos de Deus como pessoal e impessoal. "Ao
invés de um ou outro, ou Deus é e / ambos. Este é um nível do significado de YHVH Elohenu."

Esse mistério me cativa ainda mais quando outras palavras, como tikkunim e tikkunin, são contrastadas
pela diferença em suas letras finais. De tikkunin, que significa 'arranjos, restaurações', Tau Malaquias fez
um atributo aos céus, nossa perfeição inata, nós mesmos como somos em Deus. De tikkunim, que significa
"remendos e curas", ele fez um atributo para a terra, nosso trabalho para o reconhecimento e realização
de Deus escondido em nós mesmos como somos em nós mesmos.

Em Elohim e Elohenu , eu desejo que Ma possa revelar como estes interagem com nossos tikkunim e
tikkunin.

Com gratidão, o

Élder Gideon +
T
o
p
o
Tau Malaquias
Administrador do site

Elohim e Elohenu

# 2 Postagem Sábado, 17 de novembro de 2012, 12: 48h
Graça e paz para você em Hayyah Yeshua!

Se olharmos para Elohenu sem o Vau, como ocorre em Levítico, descobrimos que ele está sozinho como
um Nome de Deus e não está unido ao Grande Nome, Yahweh; Essa grafia de Elohenu é interessante, pois,
como você disse, ela é composta das mesmas letras que Elohim, só que há uma freira no lugar de Mem.

Elohi traduz como "meu Deus", e Elohenu traduz como "seu Deus", e esses nomes de Deus indicam um
relacionamento pessoal com Deus, uma experiência direta de proximidade com Deus, e o que é revelado e
conhecido de Deus para mim, você e nos. Há algo disso em Elohim, pois, como sabemos, Elohim é o
aspecto imanente e revelado de Deus na criação, e é o Nome usado trinta e duas vezes na história da
criação, mas em relação a Elohi e Elohenu, Elohim é o Deus de todos, o tudo-em-tudo; Elohim é o Deus de
toda a criação, tudo o que é revelado por Deus através do espaço e do tempo, e é a presença e poder de
Deus manifesto como tudo. Assim, Elohim é um substantivo feminino com um plural masculino, indicando
Deus como Mãe e Pai, englobando e gerando tudo.

Há outro Nome de Deus que está ligado, Eloah, que, se muitas vezes traduzido como "Deus", como Elohim,
e podemos ponderar a distinção entre eles. Como Elohi e Elohenu, Eloah indica aspectos revelados de
Deus, e enquanto Elohim indica aspectos revelados de Deus, Elohim também indica aspectos ocultos ou
ocultos de Deus, ou a interação de Deus e Deus, Deus revelado, imanente e conhecido por nós, e Deus
como conhecido apenas a Deus, oculto, transcendente. Isto também é indicado pela combinação do
feminino e masculino em Elohim, a Mãe representando Deus revelada, imanente, e o Pai representando
Deus oculto, transcendente.

Como sabemos, a raiz de Elohim corresponde a Binah e se estende a Gevurah e Hod; da mesma forma,
como sabemos, às vezes Adonai, Malkut, é chamado Elohim. Binah como Elohim é Deus nos céus e na
Suprema Morada, e Malkut como Elohim é Deus revelado na terra e no universo material.

Outro Nome de Deus que devemos mencionar é El, que também se traduz como “Deus”, e corresponde à
Hesed-Misericórdia; este Nome, como nos foi ensinado, indica a Misericórdia e o Amor de Deus, mas mais
ainda, Deus como o Infinito e Eterno, Deus além da condição ou medida.

El corresponde a Hesed-Mercy, Elohim corresponde a Julgamento-Gevurah e Elohi, Eloah e Elohenu


correspondem a Tiferet-Beauty, ou Rehamim-Compassion; portanto, toda a Tríade Moral se estende de El
até Elohim e se torna manifesta como Elohi, Eloah ou Elohenu. Tiferet é a Sefirah do Messias e, portanto,
para Christian Mekubalim Elohi, Eloah e Elohenu todos indicam o Messias, ou a revelação de Deus através
do Messias, e como sabemos e entendemos, o Espírito do Messias é Ruach Elohim. Muito especificamente
em nossa Kabbalah Elohenu com e sem o Vau, indicam Melekh Messiah. Como você observou, quando
Elohenu termina com Nun, sem o Vau, Nun é igual a 700 e, como sabemos, o Nome Secreto do Messias
ressuscitado como o “Filho do Ser Humano”Seth (Shin-Tau), é igual a 700; assim, Nun final é tomado para
se referir ao Messias, Deus veio para viver e andar entre nós, para falar e interagir diretamente conosco, e
para nos elevar em Deus (El, Elohim). Vau também indica o Messias, pois, como sabemos, o Messias é o
poder de Vau, o Seis, e une o céu e a terra, e Deus e o ser humano; então, de qualquer forma, Elohenu é
levado a indicar o mistério do Messias, ou a revelação e salvação de Deus que vem através do Messias.

Aqui devemos falar um segredo aberto para maior conhecimento e compreensão. Elohenu com um Vau
indica algo mais, pois Vau é o Seis, e Elohenu é um Nome de Deus correspondente ao Lev Ha-Vau, o
"Coração dos Seis", e os Seis correspondem com Zer Anpin, o "Rosto Pequeno". ”Que é a fonte do mundo
dos anjos. Assim, Elohenu indica o Messias e os anjos de Deus, e é assim que Deus é revelado e interage
com os seres humanos, através do Espírito de Deus e dos anjos, e através deles Deus se torna uma pessoa,
e nós somos capazes de tenha um relacionamento íntimo e pessoal com Deus e conheça nosso Deus
(Eloah).

Sob esta luz, podemos contemplar o Nome de Deus, Yahweh Elohenu, pois é o Nome de Yahweh revelado
através da Santa Shekinah e, especificamente, através do Messias, tzaddikim ("santos") e maggidim
("anjos"); e isso nos dá uma visão do Abençoado Nome do Messias, Yeshua, o Nome de Yahweh com a
adição da letra Shin.

Yahweh Elohim corresponde a Da'at e corresponde à “coroa do Messias”, o conhecimento de Deus no


Messias, e Yahweh Elohenu corresponde ao “coração do Messias”, que é o conhecimento e amor de Deus.
o Messias revela e comunica.

Aqui é dado pelo Espírito Santo que podemos falar um mistério secreto. O Nome de Deus e o Nome do
Messias, no Apocalipse, Apocalipse, é Yahweh Elohim, Shaddai; na fruição da Segunda Vinda do Messias,
no Fim dos Dias e no Mundo-Para-Vem, então Adonai, Malkut, é chamado Elohim, todos sendo elaborados
na Grande Ressurreição e Ascensão.

Como sabemos, Yeshua Messiah fala no Santo Nome de Eheieh ("Eu Sou") e, portanto, todos os Nomes do
Pilar do Meio estão no Messias, ou podemos dizer que todos os poderes desses Nomes de Deus estão em
o nome abençoado de Yeshua Messias. Tal é o grande poder de Deus no Abençoado Nome, e isso é
indicado pelo Nome, Yahweh Elohenu.

Ouça e ouça e entenda! Em outro lugar em nossa discussão sobre Ma'on como o “reino de ensino”,
falamos do Nome de Yahweh Eloah Ve-Da'at e Yahweh Elohenu, e lá eu ensinei um mistério sobre a
primeira parte do Primeiro Mandamento, Anoki Yahweh Elohenu, “Eu sou o Senhor, o seu Deus”. Ensinei
que é um mandamento positivo conhecer o Senhor, nosso Deus, ou buscar conhecimento (daat) de
Deus. Como dissemos, Yahweh Elohenu é a revelação e conhecimento de Deus através do Messias e dos
anjos, e como tal isso é entendido como um mandamento para receber o Messias, e ter fé no Messias, e se
unir ao Messias que vem com o Messias. todo o poder e glória da Santa Shekinah e anjos de Deus - anjos
supernais.

O primeiro mandamento completo diz:“Eu sou o Senhor teu Deus, que te tirei da terra do Egito, da casa da
escravidão; não terás outros deuses diante de mim ” (Êxodo 20: 2-3). Na Cabala Cristã, enquanto este é um
dos Dez Mandamentos da Vida Divina, ela é entendida como uma profecia do Grande Êxodo que acontece
através do Ressuscitado Messias, que manifesta o verdadeiro reino dos céus na terra e que abre o caminho
da Grande Ascensão, a verdadeira libertação da escravidão, a verdadeira salvação.

O evangelho esotérico intitulado “Pistis Sophia” indica isso diretamente, falando de Deus, a Verdadeira
Luz, como o “Primeiro Mandamento”, e Cristo como a emanação do Primeiro Mandamento; daí, como a
emanação de Anoki Yahweh Elohenu.

Se entendermos esta frase no Primeiro Mandamento como um mandamento para buscar conhecimento
de Deus, ou Da'at de Yahweh, e entendermos que esse conhecimento é adquirido através da Consciência
Superna ou Messiânica, então este é um mandamento para buscar incorporar o Espírito. do Messias, e
buscar o alvorecer da Consciência Messiânica, uma auto-realização real no Messias; é essa iluminação
(Mochin Gadlut) que é a verdadeira salvação, a Grande Libertação. Como gnósticos da segunda vinda, é
exatamente assim que lemos o primeiro mandamento.

Agora, sobre tikkunin e tikkunim, realmente esta é a mesma ação de duas perspectivas diferentes. Por um
lado, há tikkunin, que indica uma disposição, ordem ou configuração de emanação, criação, formação e
formação, como é no Santo, de acordo com a Divina Intenção (Ratzon Elyon); daí tikkunin indica a
realização da perfeição inata de nossa alma e toda a criação como é no Santo do Ser. Por outro lado, há
tikkunim, que indica o processo de retificação, conserto ou cura de vasos e almas fraturados e destruídos,
ou um reordenamento de coisas em desordem, desordem ou desfiguração. Em outras palavras, é o jogo de
tikkune da perspectiva de quem somos em Deus e quem somos em nós mesmos; um e o mesmo tikkune,
no céu e na terra, ou o reino eterno e o espaço-tempo,

Esses dois aspectos correspondem a ser e tornar-se, Yichud e Perud, e são inseparáveis uns dos
outros; ambos os aspectos estão no Messias.

Olhe e veja, e entenda! No Ressuscitado Messias, contemplamos nossa perfeição e completude inatas
como estamos em Deus, a Verdadeira Luz, e nossa salvação, nossa iluminação e libertação, são
realizadas; todavia, ao receber o Espírito do Messias, nós cooperamos por uma plena incorporação do
Espírito do Messias e da Consciência Messiânica, nós nos esforçamos para a fruição de nossa salvação no
Messias - nós vivemos a Vida Divina. Por um lado, o nosso tikkune é realizado no Messias ressuscitado,
mas, por outro lado, trabalhamos em conjunto com o Espírito do Messias pelo tikkune de toda a criação e
de nós. Tikkunin indica o conhecimento ou a consciência do arrayal adequado, a Ordem Divina, e tikkunim
indica a restauração ou a realização desse arrayal, a Ordem Divina, baseada naquele conhecimento ou
consciência.

O estado de criação caído, e na necessidade de tikkune, corresponde à ordem natural de geração, o estado
de criação redimido, ou o tikkune da criação sendo realizado, corresponde à Ordem de Regeneração no
Messias ressuscitado; A Ordem da Regeneração é o novo céu, nova terra e nova humanidade estabelecida
de acordo com a Ordem Divina, a Intenção Divina, em correta configuração correta.

Assim como tikkunin e tikkunim são aspectos de um e mesmo tikkune, Elohim e Elohenu são aspectos do
Deus Único; existe um Deus, a Luz Verdadeira, com muitos Atributos Divinos, ou Emanações.

Com relação às Sefirot, as Emanações Divinas, tikkunin é o seu arrayal adequado como elas são em El
Elyon, e tikkunim é o processo de arraigá-las dessa maneira, de acordo com Ratzon Elyon.

Esse conhecimento e ação correspondem a Yahweh Elohenu e a Yahweh Eloah Ve-Da'at; e nosso
empoderamento para este tikkune está no Nome Abençoado do Adonai Yeshua Messiah.

Aqui estou inclinado a pausar, permanecendo, esperando no Espírito do Senhor.

O Adonai, oramos, abra o Caminho diante de nós e nos guie no Caminho, e nos capacite a atrair outros
conosco na Grande Ascensão, o Grande Êxodo; nós oramos pela salvação de todos, todos ordenados e
ordenados em Você (Atoh). Um homem.

Deus te abençoe e Deus te mantenha!


Tau Malachi
Sophia Comunhão
Ecclesia Pistis Sophia
T
o
p
o
Elder Gideon
Administrador do site

Pioneer Perfector

# 3 Post Dom Nov 18, 2012 4:42 pm
Shabat Shalom Tau Malachi!

Louvado seja Ela por este mistério de YHVH Elohenu revelando o coração do Messias! Eu sou tomado por
isso no mesmo sentido dos ensinamentos do "Coração do Rei" no fórum Mistérios da Bíblia e Escritura
Gnóstica deste verão:

Aqui podemos compartilhar que existem três aspectos da criação que são imensuráveis. O primeiro são os
sistemas mundiais da criação, que são incontáveis e, portanto, incomensuráveis, e o segundo são os céus
correspondentes aos sistemas mundiais da criação, que também são incontáveis e, portanto,
incomensuráveis; o terceiro é o coração do sagrado sacerdote-rei, que detém o conhecimento de todos os
mundos e céus, e contém todos eles, embora aparentemente o coração pareça ser um espaço tão
pequeno. O coração de um verdadeiro sacerdote-rei, ou de um tsadic ou apóstolo vivo no Messias, no
entanto, não é pequeno, mas é uma consciência radiante infinita, imensurável e espaçosa, que engloba e
permeia tudo (Kol)!

Testemunhamos a completa e perfeita realização disso em Hayyah Yeshua, e também em viver tsadikim ou
apóstolos no Messias ressuscitado, cada um de acordo com sua própria classe e essência raiz, e a missão
para a qual eles vieram. Muito literalmente, em um nível espiritual e energético, eles mantêm o céu e a
terra em seus corações, e assim eles são a união do céu e da terra.

Como existem tantas direções para explorar dentro do que você está compartilhando, eu estava esperando
para enxertar algo marcante da Carta aos Hebreus , onde algo muito misterioso é dito pelo Tzaddik sem
nome escrito para esta comunidade de judeus messiânicos:

Por isso, desde estamos cercados por tão grande nuvem de testemunhas, deixemos também de lado todo
peso e o pecado que se apega tão de perto, e corramos com perseverança a corrida que está diante de nós,
olhando para Jesus o pioneiro e aperfeiçoador de nossa fé que, por causa da alegria que foi colocada diante
dele, suportou a cruz, desconsiderando sua vergonha, e tomou seu lugar à direita do trono de
Deus. (Hebreus 12: 1-2)

'Pioneer' e 'perfector' são as respectivas palavras gregas Arhegas e Teleiōtēs escolhidas do NRSV. Há outras
palavras para Arhegas: Pioneiro, autor, líder principal, príncipe, chefe, fundador. Este último, Teleiōtēs, é
como uma outra palavra desta mesma epístola, Forerunner, sendo completamente única em todo o Novo
Testamento. Essas palavras, Perfector e Forerunner, ocorrem apenas nesta carta.

O que me impressiona nesses atributos do Messias é precisamente o motivo pelo qual YHVH Elohenu me
fascina, pois você disse que esse Nome de Deus de Tiferet indica "O coração do Messias", que é o
conhecimento e o amor de Deus. Messias revela e comunica ". A coroa do Messias, YHVH Elohim, você
atribuiu ao "conhecimento de Deus no Messias".

Por causa de nossa Cabala Cristã, estou ouvindo vários mistérios implicados pelo Apóstolo em sua Carta
aos Hebreus . O contexto da perfeição da fé é a auto-oferta de Yeshua, culminando no grande ensinamento
da "Nuvem de Testemunhas" em Hebreus 11, onde o Apóstolo narra todas as grandes mulheres e homens
de Deus que viveram pela fé, antecipando o Messias. Yeshua é chamado de pioneiro ou autor de nossa
fé. A fé flui de Binah-Elohim, a quem o Sefer Yetzirah chama de "Pai da Fé". A plenitude, a realização,
o Perfeccionador da nossa fé é o coração de Tiferet recebido e manifestado na sua totalidade como
Malkut-Elohim.

e aperfeiçoador da nossa fé à luz destes mistérios de YHVH Elohim e YHVH Elohenu ser desdobrado para
edificar e aperfeiçoar a nossa fé!

Com gratidão, o

Élder Gideon +
T
o
p
o
Tau Malaquias
Administrador do site

Um olhar mais profundo ...



# 4 Post Wed 21 de novembro de 2012 12:54
Saudações e bênçãos na Santa Luz do Messias!

Na verdade, há mais que pode ser dito sobre Elohim e Elohenu.

Como a Cabalá ensina, as cinco letras de Elohim correspondem aos cinco princípios Partzufim, Arik Anpin,
Abba, Ima, Zer Anpin e Nukva; assim, as cinco letras de Elohenu, quando soletradas sem o Vau, também
podem ser vistas dessa maneira, e podemos contemplar a distinção entre Mem e Nun em relação ao Santo
Partzufim.

Mem final é 600, e Freira final é 700. Samek quando soletrado é igual a 600, e 600 é a perfeição de Vau (6)
e Samek (60). Assim, 600 indica Zer Anpin manifesta em plena glória e poder, mas não em unificação com
Nukva. 700, porém, implica a manifestação da plena glória e poder de Zer Anpin em união com Nukva, e
como sabemos, através desta união Nukva se torna Kallah, e em vez de Adonai, Malkut é chamado
Elohim. Esta é a manifestação das sete Sefirot da Construção em plenitude, conclusão, o tikkune de todos
os Olamot e O Nome, e Yahweh Elohenu é o veículo deste tikkune, porque, como sabemos, a plena
manifestação do poder de Yahweh Elohenu é no Messias.

Aqui podemos nos lembrar que melekhim, "reis", também é igual a 700, e aqui por "reis" nós queremos
dizer que os santos reis-sacerdotes da Ordem de Melquisedeque, vivendo tsadikim ou apóstolos no
Messias. O poder total de Yahweh Elohenu é manifestado por Yeshua Messiah, e os tsadikim no
Messias; portanto, o Senhor que vem em “nuvens de testemunhas” e a quem encontramos no “ar”, ou
“céu”, o Espírito Santo. Essas nuvens de testemunhas, naturalmente, não são apenas tsadikim, mas
também maggidim, anjos no Messias, toda a companhia da Santa Shekinah, a Grande Assembléia
Luminosa, na terra e nos céus.

Elohim corresponde com todo o Santo Partzufim acima, dentro, escondido, e Elohenu corresponde com
todo o Santo Partzufim abaixo, sem, revelado; Elohim é tudo Partzufim no Continuum de Luz, Yahweh e
Elohenu é o que nos é revelado do Partzufim na Transmissão de Luz, Yeshua.

Ouça e ouça e entenda! Elohi, "meu Deus", e Eloah, "nosso Deus", e Elohenu, "seu Deus", isso é o que nos
é revelado de Yahweh Elohim e do Santo Partzufim, e o veículo dessa revelação são os Nomes de Deus e
Partzufim, arcanjos e ordens de anjos, junto com tsadikim, Deus se tornando uma pessoa em nossa
experiência para interagir e se inter-relacionar conosco, para que possamos conhecer Deus, e sermos
capazes de falar de “meu Deus”, “seu Deus”. e “nosso Deus”, que é o conhecimento, entendimento e
sabedoria de Deus que adquirimos através do Ruach Elohim. Como sabemos, a plenitude desta revelação
dos Nomes de Deus, Partzufim, arcanjos e anjos está em Hayyah Yeshua, é na Transmissão de Luz que flui
do Ressuscitado Messias, e que flui através da Sucessão Apostólica Gnóstica. De fato, Sabemos disso em
nossa experiência de viver tsadikim transmitindo Transmissão de Luz, revelando o Corpo de Glória e
Emanação do Messias ressuscitado e sua alma desperta no Messias, pois quando olhamos para a Presença
Viva, a Presença de Luz, assim contemplamos todos os modos. de zelemot, imagens, do Santo Partzufim, e
dos espíritos dos tsadikim, navim e maggidim; Os Santos Partzufim acima e abaixo são revelados e nos são
conhecidos, e nós adquirimos conhecimento, entendimento e sabedoria de Deus, o Habad de Yahweh
Elohim.

No Corpo de Glória e no Corpo de Emanação de Hayyah Yeshua, o Messias ressuscitado, todos os Partzufim
Sagrados são revelados e completados, e nessa encarnação e revelação, Adonai é chamado Elohim.

Quando primeiro chegamos à fé, não tendo visto, ouvido e conhecido, isso é uma coisa, mas quando
recebemos a Transmissão de Luz, recebendo o Espírito Santo, e vemos, ouvimos e sabemos, então nossa fé
é perfeita e completa, e não pode ser tão facilmente quebrado, é forte e duradouro, um grande e
duradouro poder. É esta fé, unida ao conhecimento, que é a fé com o poder de “mover montanhas”; até
que haja tal conhecimento, da'at, a fé não tem esse poder, mas é fraca e facilmente desafiada. Nisto,
talvez, possamos saber e entender por que os mestres da tradição leram Anoki Yahweh Elohenu no
Primeiro Mandamento como um mandamento para buscar conhecimento de Deus, conhecimento do
Messias, pois somente com conhecimento é fé perfeita e completa, um verdadeiro poder de Deus
conosco, Emanuel.

Nisto podemos entender o que o santo apóstolo escrevendo para os hebreus significa quando ele chama o
Messias de quem é o “autor” de nossa fé, e aquele que “aperfeiçoa nossa fé”, pois através do Messias nós
recebemos a Luz de Transmissão, o Espírito Santo, e nós adquirimos experiência direta e conhecimento do
Senhor Deus, Yahweh Elohim. Ele é, de fato, o Grande Forerunner, primogênito dentre os mortos, o
Primeiro Salvador e o Revelador Gnóstico; pois todos os que incorporam a Presença da Luz e o Poder da
Luz, e que transmitem a Transmissão da Luz Superna, receberam a Luz Sagrada, o Espírito Santo, através
dele, o sumo sacerdote da nossa Ordem Divina.

Aqui, talvez, possamos nos lembrar de que há Partzufim acima, transcendente e Partzufim abaixo,
imanente, corporificado; portanto, homens e mulheres santos que se tornam carros dos Partzufim,
revelando-os. Esta capacidade de unificação e incorporação vem através do Espírito do Messias e da
incorporação da Alma do Messias em Adonai Yeshua, que mostra o modo como um ser humano pode se
unir a Deus em uma comunhão mais íntima que nunca foi conhecida na Comunidade de Jesus. Israel
antes. Se e quando uma pessoa, uma alma, encarna o Espírito do Messias por inteiro, na verdade eles são
Partzuf, uma personificação do Divino, uma corporificação do Divino.

Sob esta luz podemos contemplar uma compreensão mais esotérica do Shema na Cabala Cristã: Shema
Israel, Yahweh Elohenu, Yahweh Achad, “Ouve, ó Israel, o Senhor é o teu Deus, o Senhor é Um.” Primeiro,
dado o que nós compartilhei, para um cristão Mekubalim isto é uma invocação da Transmissão de Luz e a
lembrança da Transmissão de Luz recebida. Shema Israel corresponde ao tzaddik e comunidade, que é o
veículo da Transmissão de Luz, e Yahweh Elohenu corresponde ao Messias e Transmissão de Luz, e Yahweh
Achad corresponde à unidade de todos no Ressuscitado Messias, a Luz Sagrada, ou Luz Continuum - daí,
uma presença de luz e poder de luz com muitas faces, muitas emanações. Podemos também entender isso
para proclamar que, embora existam muitos Nomes e Partzufim através dos quais Deus é revelado e
tornado conhecido,

Se olharmos para os mistérios do Shema um pouco mais a fundo, Shema Israel corresponde à Shekinah e à
Comunidade de Israel (Malkut), e à corporificação do Espírito do Messias; É assim que ouvimos o Santo
Evangelho, a Palavra viva de Deus. Yahweh Elohenu corresponde à unificação do Corpo Vivo com o
Messias, e o que é revelado e conhecido de Deus, a unificação de Malkut e Tiferet. Yahweh Achad
corresponde à unificação de Yahweh Elohim que transpira através disso, e corresponde ao Habad de
Atzilut realizado no Mundo-Que-Está-Vindo, o conhecimento pleno de Deus, sabendo como fomos
conhecidos.

Entendendo isto, o Shema é uma invocação da plena reintegração da alma com o Continuum de Luz,
Yahweh, Yeshua, e portanto, como sabemos, há uma prática de entoar o Shema com fé e intenção
consciente na hora da morte, e uma simples visualização correspondente de uma transferência de
consciência, semelhante à kavvanot ensinada para o Shema em nossa tradição.

Se contemplarmos o kavvanot ensinado para o Shema na tradição, eles correspondem a Adonai, El Shaddai
e Yahweh Elohenu, ou Yeshua Messiah.

Aqui é dado que podemos falar um mistério secreto. Como sabemos, é através de Yesod que Tiferet e
Malkut estão unidos e, como tal, os Nomes de Deus correspondentes a Yesod estão intimamente
interligados com Yahweh Elohenu. Em nossa contemplação da revelação do Santo Partzufim através de
Yahweh Elohenu, também com os Nomes de El Shaddai, Shaddai e Shaddai El Hai, podemos entender os
Partzufim revelados em emanações pacíficas, iradas e abençoadas, respectivamente; daí, da Misericórdia,
Julgamento ou Compaixão. Isso, por sua vez, determina a manifestação da Santa Shekinah, Adonai ou
Elohim.

No livro do Apocalipse, é usado o nome de Yahweh Elohim, Shaddai, que para os não iniciados pode ler
como um Nome do Julgamento; no entanto, para o mekubalim lê-se outro caminho, muito pelo contrário,
pois quando Yahweh e Elohim estão unidos, tudo está estabelecido em Abundante Misericórdia, e como
tal, o simples Nome de Shaddai indica a Misericórdia Suprema, que é a verdade do Fim. Of-Days para os
fiéis e eleitos, a comunidade espiritual de Israel.

Isso nos leva a outra contemplação de Yahweh Elohenu, pois, como temos discutido, Elohenu é soletrado
com e sem um Vau. Em um nível, quando soletrado sem um Vau, e não unido a Yahweh, Elohenu indica o
fim-de-dias que aparece às almas como o julgamento estrito, mas quando soletrado com um Vau, e juntou
a Yahweh, Elohenu indica o fim-de- Dias que aparecem como pura misericórdia. Freira é entendida como o
Messias aparecendo no Juízo, e Vau como o Messias aparecendo na Misericórdia, e esse conhecimento do
Messias aparecendo no Juízo Final ou Misericórdia no Fim-de-Dias é o conhecimento mantido no sexto
céu, Makom.

Aqui podemos nos lembrar de que Makom, "Lugar", é um Nome de Deus e Nome do Messias, indicando o
Messias como a morada dos vivos, dos iluminados, dos imortais - partzufim.

O céu que leva este nome não é esta iluminação, embora unido ao sétimo céu (Arabot), é o limiar desta
iluminação, Realização Superna. Curiosamente, no entanto, Makom, como um nome divino do Messias e
Yahweh Elohim, é um nome da iluminação encarnada no Messias, indicando a mente, consciência ou alma
preenchida com o Espírito do Messias e, portanto, o Habad de Yahweh Elohim Shaddai

Yahweh Elohenu, e Yahweh Eloah Ve-Da'at, corresponde com o conhecimento através do qual esta
iluminação e liberação de almas ocorre, o conhecimento do Sol de Deus, o Pleroma de Luz.

Entendendo isso, podemos falar em um segredo aberto. Se amamos a Yahweh, e se nosso único desejo é a
reintegração com o Continuum de Luz, Yahweh, e estamos dispostos a desaparecer e fundir
completamente com Yahweh Elohim, então para nós o Fim-de-Dias é um êxtase divino, puro êxtase - tal é
a experiência de almas sendo levadas para ficar entre os vivos, os imortais, no Mundo-de-Vem.

Isto corresponde com o ditado do Mestre no Evangelho de São Tomás, que se entendermos seus
ensinamentos secretos, nós “não experimentaremos a morte”. Esse conhecimento e compreensão
correspondem a Elohenu soletrado com um Vau e unidos a Yahweh.

Considere o nome abençoado de Yeshua, "Yahweh entrega" , nesta luz!

Nós oramos a Ti, nosso Senhor e Salvador, para que Tu nos abençoe e nos receba, e tome nossa alma em
Seu Divino Arrebatamento. Um homem.

A paz esteja com você e que Deus te abençoe!


staroath
AGLA heróico

# 1 Post Fri 16 de novembro de 2012 7:19
Quão profundamente humilde e sublime é este Santo Nome do Messias - AGLA ... pois o poder de cura e
proteção está neste nome divino.

Atoh Givor Leolam Adonai "Você é heróico para o mundo, ó Senhor"

Este é o Santo Nome do Messias crucificado e ressuscitado, e contém o poder do Ressuscitado Messias, o
poder da Luz Transmissão manifesta neste mundo.

Contemplando o Messias passando pela Crucificação e Ressurreição, vemos o verdadeiro significado do


HERÓICO neste dito dentro de nossa linhagem. Pois aqui está uma alma elevada que era o "Salvador"
encarnado neste mundo para resgatar e redimir todos os seres, até mesmo as almas viajantes e edificantes
dos 7 céus, 7 terras e 7 infernos!

Outra interessante contemplação para mim é que a gematria de AGLA (ALEF-GIMEL-LAMED-ALEF) é 35.
Acho isso fascinante, já que o número de pedras no raio sagrado é 35. Como Tau Malachi disse:

"Há também um círculo muito sagrado de pedras que é frequentemente criado na tradição e colocado na
terra - é composto de trinta e cinco pedras e representa todo o universo e corpo do humano, a totalidade
e o pleroma como uma unidade sagrada. Há uma pedra central, cercada por seis pedras, e há um círculo de
doze pedras, e há uma linha de quatro pedras que se estendem em cada uma das quatro direções, desde
as pedras centrais até as pedras circulares, formando uma cruz sagrada. ..... "

Talvez outros possam adicionar e iluminar ainda mais essa contemplação?

Grata,
Star
T
o
p
o
Tau Malaquias
Administrador do site

Potência do AGLA e da Roda Leve



# 2 Post Fri 16 de novembro de 2012 12:09
Graça e paz para você em Hayyah Yeshua!

Ah, vejo que você descobriu um segredo aberto sobre a Roda da Luz. Como delicioso! Esta forma de
círculos sagrados corresponde, de fato, ao nome AGLA, um nome de Deus frequentemente atribuído à
direção norte. Este nome de Deus é extraído de uma frase nas Sagradas Escrituras, "Você é poderoso para
sempre, ó Senhor", que também podemos traduzir como "Você é heróico para o mundo, ó Senhor", sendo
este último a tradução mais comum na nossa cabala cristã.

Além de ter um atributo para o norte no círculo sagrado, também este Nome de Deus corresponde a
Malkut. Atoh é um cognomen de Malkut, Givor indica Gevurah, e na Kabbalah Malkut é governada por
Gevurah, Leolam é também um cognome de Malkut e, como sabemos, Adonai é o nome mais comum de
Deus correspondente a Malkut. Este Nome de Deus é atribuído ao Messias, como você disse, e é um Nome
de Deus correspondente a Malkut, ou a Santa Shekinah, e isso expressa a verdade de que o Messias e o
Reino de Deus, ou Shekinah de Yahweh, são inseparáveis umas das outras; Adonai Messiah é o verdadeiro
reino dos céus. Assim, com a aparição do Messias, Yohanan, o Batista e Yeshua proclamam: "Arrependam-
se, porque o reino dos céus está próximo", que se destina a dizer:"O Messias chegou!" Hallelu Yah!

Assim, aqui temos um Nome do Messias e Nome da Santa Shekinah, o Messias e o Reino dos Céus, e este
Nome frequentemente atribuído à direção norte, a direção da manifestação, corporificação e terra, e
ainda, misteriosamente , a vida após a morte e os reinos celestes. A implicação esotérica é que este é um
Nome de Deus correspondente à manifestação ou encarnação do Reino de Deus, ou Reino dos Céus, na
terra, a Soberania de Deus manifestada neste Mundo; e assim é, e foi e será com a vinda do Messias, que é
"heróico para o mundo", engajando-se em uma completa auto-oferta pela salvação de todos. Esta forma
do círculo sagrado corresponde às orações e invocações da Segunda Vinda do Messias e do Apocalipse
(Apocalipse) do Fim dos Dias e do Mundo-Para-Vem; conseqüentemente,

Tau Miriam, abençoada seja seu nome e memória, concebeu esta forma de círculo sagrado após sua
entrada na Consciência Superna ou Messiânica. Uma vez que ela experimenta a aurora da Consciência
Superna, ela se tornou bastante capturada pelo sinal da Mulher da Luz e seu Filho Sagrado no capítulo
doze do Livro do Apocalipse. Por um lado, para ela isso representava a “Nova e Maior Consciência” que
estava destinada a transpirar, e que havia acontecido em sua experiência, por outro lado, ela viu nesta
imagem a Segunda Vinda de Cristo em Glória, e com ela experiência de Consciência Supernal ela pregou o
Evangelho da Segunda Vinda, uma Santa Cabala fundada sobre a realização da Consciência Messiânica. Nos
olhos dela, a Mulher de Luz havia aparecido e estava dando à luz, e sua aparição começou em algum
período antes da época de Tau Miriam.

AGLA, como um Nome da Santa Shekinah e do Messias, corresponde assim à imagem da Virgem da Luz e
do Cristo Ascensionado na Cabalá de Tau Miriam; se estudarmos e contemplarmos o que acontece depois
desse “presságio nos céus”, assim ouviremos: “Tu és para sempre, ó Senhor!”

Da mesma forma que o Evangelho da Segunda Vinda de Cristo em Glória está dentro da forma revelada de
invocar o círculo sagrado que eu ensinei neste verão passado, assim é o Evangelho da Segunda Vinda nesta
forma de círculo sagrado e, de fato, isso revelou a invocação unida à Roda da Luz perfeitamente, e é uma
prática muito poderosa de se incorporar nela. Como uma contemplação, você pode alinhar os Nomes
entoados às quatro direções nesta invocação revelada com as letras que compõem o Nome da AGLA, e ao
fazê-lo você descobrirá que certos mistérios são revelados.

Como sabemos, o Nome da AGLA indica a Ação Divina da crucificação, que abre o caminho para a
ressurreição e ascensão, a revelação do Cristo ressuscitado. Quando entramos na Roda da Luz para orar,
meditar ou realizar cerimônias sagradas, então estamos tomando algo desta Ação Divina, estendendo a Luz
Sagrada do Cristo Ascenso ao povo e à terra, e bem distintamente, como fazemos, estamos contemplando
a caminhada na Virgem da Luz e sendo a manifestação da Virgem da Luz, que é o Corpo Vivo de Cristo
(AGLA) na Segunda Vinda.

Para encerrar, há algo mais que podemos compartilhar sobre a palavra “heróico” ou “poderoso” e obras
espirituais na Roda da Luz. Nós não banimos ou encenamos ritos de purificação dentro da Roda da Luz,
embora possamos fazê-lo fora da Roda da Luz, e há uma razão profunda para isso, apontando para o
guerreiro espiritual como um guerreiro pacífico, um guerreiro de oração. Como sabemos, não somos nós
que combatemos as forças do klippot, mas sim, a Santa Shekinah e as hostes celestiais “vão à nossa frente”
envolvendo as forças do klippot. Nós invocamos e seguramos a Luz Sagrada, descansando, por assim dizer,
no Senhor, Adonai, e os Poderes Divinos assumem sua Ação Divina, tudo no Nome Abençoado, tudo como
El Elyon ordena. Este é o poder do Nome de AGLA, o Anjo da Santa Shekinah e do Messias que nos precede
e alcança a vitória sobre os reis de Edom.

Este mistério está no número 35, que é Lamed-He, indicando o poder de libertação ou libertação na Santa
Shekinah quando manifesta em toda a sua glória e poder.

Obrigado por compartilhar sua visão querida irmã. Estes foram alguns pensamentos que eu estava
inclinado a compartilhar em troca hoje.

Ó AGLA, que a Tua Presença e Poder esteja conosco hoje e que a Tua Luz e Verdade seja revelada a todos
os que a procuram. Um homem.

Deus te abençoê!
Tau Malachi

Misticismo do Yod

# 1 Postado Sáb 11 de Junho de 2011 09:48do Élder Gideon »
Saudações e Shalom!

‫י‬
Yod: Mão aberta, uma semente de luz, e o número 10.

Quando chegamos à primeira letra hebraica que traz dois dígitos, 1 e 0, temos finalmente a oportunidade
de discutir algo muito óbvio e surpreendente: os dez primeiros as letras podem corresponder às dez sefirot
da Árvore da Vida. Esse glifo é em si um post inteiro de discussões.

__________________________ Keter

____________ Aleph
‫________ ב _______ ג‬

‫________ ד _______ ה‬
‫____________ ו‬
‫________ ז _______ ח‬

‫____________ ט‬

‫י ____________ י‬

_________________________ Malkut

Concentrando-se aqui na inteligência energética de Yod, que é dez, dá-nos profundas e novas percepções
sobre por que o Sefer Yetzirah diz que as emanações são "dez não nove, dez não onze". As razões para isso
são muitas. Vamos começar com 1 e 10; 1 sendo o potencial indivisível e 10 sendo seu indivisível
real. Considere o nome Divino ARARITA , que é um acrônimo de declaração Hebraica de louvor da unidade
sagrada no Supremo e rituais Menor do Hexagrama:

A Chad R eshitoh: Uma é o começo


A Chad R esh Y echidatoh: Um deles é o Permutation
T emuratoh A chad: O Santo é Um

De Malkut, Ararita é proclamado, a Soberania Divina manifestando a Árvore da Vida. Como Keter é a raiz,
Malkut é o fruto; o fruto é a intenção manifesta da árvore que gerou o fruto, tudo em segredo, escondido
nas raízes. As raízes são reveladas por seus frutos, tendo sementes em frutos de outras árvores que dão
sementes em frutos de outras árvores, sem fim. Uma miríade de pomares de árvores frutíferas, milênios
passados, existe em uma semente simples do presente momento; miríades de pomares de árvores
frutíferas, milênios futuros, existem na mesma semente simples do presente momento.

Desci até o pomar de noz,


para ver as flores do vale,
para ver se as videiras brotaram,
se as romãs estavam desabrochando.
Antes que eu soubesse, minha fantasia me deixou
em uma carruagem ao lado do meu príncipe. (Cantares de Salomão 6: 11-12)

Nesse sentido, somos lembrados de que Malkut é a experiência deste exato momento. Antes deste
momento, um infinito; além deste momento, um infinito. Este momento é o que é real de tudo o que
sempre foi e é o potencial de tudo que será. Este momento é o 10 do 1, a revelação do oculto, o real do
potencial: a Filha de Deus que se torna a Noiva Sagrada.

Ironicamente, ‫ י‬simutaneously nos aponta para a personificação divina do Pai, como no Grande
Nome ‫ יהוה‬. O universo Atsilut, Proximidade , é simbolizado por este ‫ י‬, e a sua ponta é o universo de Adam
Kadmon, primordial Uma Humano. O mistério para o qual tudo isto aponta é aquele que mudou para
sempre nossa onda de vida na Terra, intuído por místicos antigos, visionários e os maiores mestres do
mundo: o que move a maior força está oculto no que é o mais ínfimo de todos. O que é inconcebivelmente
grande é fundado sobre o infinitamente pequeno.
'Com o que podemos comparar [Malkut], ou que parábola vamos usar para isso? É como uma semente de
mostarda que, quando semeada no solo, é a menor de todas as sementes da terra; mas quando é semeado,
cresce e se torna o maior de todos os arbustos, e produz grandes ramos, de modo que os pássaros do ar
podem fazer ninhos em sua sombra. (Marcos 4: 30-32)

Não penses que vim abolir a lei ou os profetas; Eu vim não para abolir, mas para cumprir. Pois em verdade
vos digo que, até que o céu e a terra passem, nem uma letra, nem um golpe de letra, passará da lei até que
tudo seja cumprido. (Mateus 5: 17-18)

O que é convincente, então e agora, sobre esses dois versos, é como a grandeza, seja de uma árvore de
mostarda ou de toda a própria Criação, se desdobrou da mais ínfima semente, como da mais ínfima das
letras hebraicas Yod. Quando Yeshua diz, "não uma letra, nem um golpe de uma letra", nós entendemos
tanto no Yod hebraico quanto no Iota grego uma relação literal de ser simplesmente um traço, mas até
mesmo dessas minúsculas cartas tudo se desdobra. Nosso próprio sol é a luz e o calor que emanam de uma
reação em cadeia incessante de átomos em divisão. Um momento desse mesmo poder que geramos na
Terra em bombas nucleares. Nossa jornada contínua dentro dos núcleos atômicos é a base da física
quântica, que revela leis inteiramente novas sob o físico. Unidades ainda menores além do quanta,
chamadas "cordas", cativam os pesquisadores

O ponto, trocadilho intencional, é que quanto mais fundo afundarmos no infinitamente pequeno, mais
intensa será a força encontrada. Mesmo o nosso ciclo cósmico, ainda em expansão, cerca de treze e meio
bilhões de anos está continuamente batendo de um ponto infinitamente pequeno, inconcebivelmente
grande. Para encontrar este mistério em nossa vida e jornada espiritual, precisamos considerar apenas as
menores decisões nos momentos aparentemente mais insignificantes, que continuamente nos levam à
experiência deste mesmo instante. Como se nós realmente conhecer as pessoas que mudaram para
sempre a nossa vida? Qual pequeno instante marca nossa maior mudança de carreira, criatividade ou
direção da vida? Rastrear para trás, para trás e para trás revelará como as maiores mudanças em nossa
vida dependem das menores escolhas feitas no momento mais simples e comum.

Extrair Yod ainda será bem-elogiado por qualquer coisa na terra (ou no céu) que se entende pela mão de
Deus .

Eu sou a Luz que está acima de tudo.


Eu sou o todo.
De mim tudo alcança e
para mim tudo retorna.
Dividir um pedaço e eu estou lá.
Levante uma pedra e você me encontrará lá. (Thomas, 77 anos)

Elder Gideon +
Última edição por Elder Gideon em Mon Jul 16, 2012 8:31 am, editado 1 vez no total.
T
o
p
o
Damiean
Mensagens: 24
Ingressou: quinta-feira 12 de julho de 2007 13:47

A mão que dá

# 2 Post Thu Jun 23, 2011 10:55 pmpor Damiean »
Cumprimentos a todos!

Aqui, nesta maravilhosa carta, Yod, junto com a próxima carta do Aleph-Bet, Kaf; Há um incrível
movimento de dar e receber, involução e evolução.

Pois, ao contemplar Yod, existe a idéia de que Yod, contém, contém, cerca tudo o que o Santo do Ser nos
oferece, na Graça. Vemos isso claramente na escritura de Deuteronômio

Deuteronômio 30.19: "Eu chamo céu e terra para testemunhar contra você hoje que eu coloquei diante de
você vida e morte, bênçãos e maldições. Escolha a vida para que você e seus descendentes possam viver".

Como será explorado mais tarde em posts sobre Kaf, esta próxima carta é tudo o que tiramos da Mão do
Santo. As escolhas que fizemos e seus resultados. Aqui dentro desta carta vemos, o momento do potencial,
pré-escolha se você quiser. O momento em que estamos à porta da escolha, vendo, decidindo, escolhendo
o que desejamos. Como o Élder Gideon + declarou tão bem, desde a menor escolha, muitas coisas
aconteceram e aconteceram. Todos os fluxos, refluxos, movimentos e correntes, chamamos vida, são o
resultado de uma escolha. Ou feito nesta vida, ou mesmo em um anterior.

Então, vemos aqui em Yod um profundo movimento de livre-arbítrio. É aqui que o Humano, com esta
carta, decide sua próxima experiência nesta vida e pode até estar colocando em movimento os eventos a
serem desdobrados no próximo. Que incrível! Como sabemos também, a letra Yod começa o Grande
Nome. YHVH Então, enquanto nos movemos e escolhemos e vivemos, e fazemos escolhas, estamos
sempre recorrendo a esse nome. Com cada pensamento, palavra e ação, estamos extraindo algo da
energia desse nome, seja em bênção ou maldição. Eu acho isso fascinante. E isso me dá uma pausa. Fala-
me que é bom que sempre façamos o nosso melhor para procurar estar conscientes do que pensamos,
dizemos e fazemos em qualquer momento, da melhor maneira possível. Para que possamos honrar o
mandamento: "Não tomarás o nome do Senhor, teu Deus em vão". De fato!

Então, quando contemplamos este Grande e Santo Nome, lembremo-nos de que somos a própria
expressão disso. Que estamos vivendo expressões deste Poder de Vida, expressas através de nossos
pensamentos, palavras e ações. Que este Nome não é tão removido de nós, mas é a própria essência de
nós, e nossas experiências aqui, escolhidas através do incrível dom do livre-arbítrio.

Que honremos o Nome do Santo com o melhor de nossa capacidade e nos lembremos de nossa vida em
Cristo e procuremos viver essa vida ao máximo de nossas habilidades. Para que possamos ser abrigados
em misericórdia, compaixão e bênçãos, sob a mão amorosa do Altíssimo. Amém e Amém!
Shalom,
Damiean
T
o
p
o
Anna
Mensagens: 526
Ingressou: Sabado 18/06/2011 14:00
Local: Fredericksburg, VA


# 3 Post Dom Dez 04, 2011 10:47 ampor Anna »
Saudações à luz do Messias!
Esta pequena "semente" lembra a correspondência da ponta do Yod com vontade ou desejo. Eu estou
impressionado com as possibilidades de manifestação através do desejo e o quanto pode ser realizado em
colaboração com o Espírito Materno com o desejo correto e devidamente focado. Muitas vezes nos
perguntamos por que nossas vidas se revezam maiores ou menores do que esperávamos ou
esperávamos. Parece que, olhando para o foco ou a falta de foco em nossos desejos, ou mesmo quanta
energia colocamos em nossos medos, podemos encontrar as pistas de como as coisas se manifestaram
para nós. É uma boa maneira de realizar revisões de vida, também, diariamente ou semanalmente, como
Tau Malachi sugere em seus posts no hitbodedut. Na verdade, suspeito que, se decretássemos uma revisão
de vida tão frequente, o Santo nos ajudaria a ver como direcionamos nossa energia de desejo, esse
maravilhoso presente de livre arbítrio,
Que todos os seres encontrem a satisfação de seus desejos no Santo do Ser!
Shalom!
Anna
T
o
p
o
Martina
Mensagens: 629
Ingressou: Mon Jun 12, 2006 9:46 am
Localização: Alemanha
Contato:
Entre em contato com Martina


# 4 Post Dom Dez 04, 2011 12:38 pmpor Martina »
Saudações e Bênçãos à Luz do Messias!

Muito obrigada por este post delicioso, irmã Anna. Isso lembra o quanto esta época do ano anterior à festa
da Mãe e do Filho é uma época de grande agitação de nossa energia de desejo. Muita energia de desejo
nas pessoas e na terra à qual estamos diretamente conectados é focalizada para baixo e para fora,
especialmente agora. Como é fácil se distrair.

Você escreveu: "É uma boa maneira de realizar revisões de vida, também, diariamente ou semanalmente,
como Tau Malachi sugere em seus posts sobre o hitbodedut." Na verdade, eu suspeito que, se
decretássemos uma revisão de vida tão frequente, alguém poderia nos ajudar a ver como nós dirigimos
nossa energia desejo, este presente maravilhoso do livre arbítrio, o que poderia dar origem a um maior
foco deste poder não só para nós mas também para as pessoas ea terra!"

Amém, irmã.

como oportuna que Tau Malaquias tem se concentrado no poder da serpente nos últimos dois Discursos
do Shabat. Elogie Nossa Mãe por prover o que é especialmente necessário em um momento pelo nosso
Tzaddik!

Shabat Shalom,
Martina

Elder Gideon
Administrador do site

Hosanna!

# 1 Postagem em 10 de julho de 2012 10:58
Shalom!

Uma pergunta sobre o hebraico de Hosana recentemente surgiu em nossa comunidade e fiquei intrigado
ao encontrar as seguintes contemplações nesta única palavra uma oração por ajuda e libertação.

Eu te imploro __ YHVH, _ salve-nos agora! (Salmo 118: 25)

‫הֹושיעָ ה _ יְּהוָה ___ אָ נָא‬


ִ

‫הֹושיעָ ה‬
ִ é pronunciado HoshEEoh.

O Dicionário Teológico do Novo Testamento diz que esta linha do Salmo 118: 25 foi usada liturgicamente
no judaísmo pós-bíblico, "no qual os Salmos 113-118 são cantados nos altos dias das festas da Páscoa e dos
Tabernáculos". Um estudioso chamado Lohse continua contextualizando esse grito da palavra Hosheoha
partir de seu uso específico no sétimo dia dos Tabernáculos, quando os sacerdotes, "pegaram ramos de
salgueiro em seus braços, foram em procissão solene ao redor do altar do holocausto, [sete vezes] e
clamaram repetidamente, 'Ó Senhor, salva-nos agora! "... para expressar o pedido urgente de chuva. As
orações que foram proferidas durante a procissão dos Tabernáculos receberam o nome de Hosheoh na
sinagoga e o sétimo dia da festa foi chamado Hosheoh. [...] O uso comum de Hosheoh mostra que se
tornou uma fórmula litúrgica ". (9: 682)

Fiquei espantado ao saber mais tarde que essa palavra acumulou expectativa messiânica. A ortografia
grega desta palavra hebraica ocorre no Novo Testamento somente no contexto da entrada triunfal de
Yeshua em Jerusalém. Evangelistas diferem na ênfase do evento. Em Marcos 11: 9 (e João 12:13),
multidões de peregrinos saudaram Yeshua com gritos de júbilo que começaram e terminaram com
hosanas. “Ao adotar o hosana familiar a todo judeu, o evangelista quer enfatizar que todas as expectativas
messiânicas agora se realizaram.” Lucas 19:38 deixa Hosana fora de sua conta da entrada triunfal, como
seu público helenístico não foi orientado por festas judaicas e rituais de onde esta palavra se
originou. Mateus 21: 9 faz mudanças, trazendo ênfase ao Filho de Davi atribuído a Yeshua, o cumprimento
da promessa a Israel.

Estudiosos debatem a intenção dos gritos das multidões. Uma perspectiva postula uma comunidade
confessando a divindade de Yeshua como Messias; outros sugerem o que todos os peregrinos da Galileia
gritariam nesta festa, esperando que Yeshua realizasse um ato de resistência davídico aos opressores
romanos. É digno de nota, independentemente de considerar como em Mateus 21:15 as crianças pegam o
canto de Hosana, mesmo para o protesto dos principais sacerdotes e escribas, a quem Yeshua responde:
“Você nunca leu: 'Da boca de crianças? e amamentar bebês que você preparou para si mesmo? '”Desde
então, as comunidades cristãs mais antigas são registradas usando Hosana, baseado na tradição litúrgica,“
que veio da comunidade cristã do judaísmo ”.

Uma simples contemplação da narrativa dentro das letras pode parecer como isso:

Terra natal _____ ‫ה‬


unindo Filho __________ e
transfigurando _________ ‫ש‬
iniciando Pai _______ ‫י‬
percebendo ___________ ‫ע‬
manifestando Filha __ ‫ה‬

As letras soletrando Hosana são praticamente sinônimas do nome hebraico para Josué, ַ‫יְּהֹושּוע‬, com vav em
seu nome substituindo um heh. Eu também sou fascinado. Hosana detém todas as letras do Nome
Abençoado Yeheshua com a adição de um ‫ע‬, que contém mistérios de visão, visão e percepção. Numa
permutação diferente, todo o princípio Partzufim e seus respectivos mundos estão presentes em Hosana,
com o acréscimo de ‫ע‬, que é mais fascinante quando nos lembramos da sev, setenta interpretação ou
caminhos da Torá, enraizados nos mistérios de Hokmah, pretendendo misericórdia e libertação. para todos
os povos em todos os seus caminhos.

'Hosanna!
Bendito é aquele que vem em nome do Senhor!
Abençoada é a soberania vindoura da Santa Noiva!
Hosana no mais alto dos céus!

Amém e amém!

Elder Gideon +

MeganDon

Beit e Torre de Babel



# 1 Post quarta 09 de maio de 2012 10:36
Shalom Friends,

Uma interessante contemplação surge ao se olhar as letras de Babel - Beit-Beit-Lamed e Heart como
Lamed-Beit-Beit (quando se fala de duplo coração sendo boa inclinação e má inclinação).

Na história da Torre de Babel, lemos onde o mundo inteiro falava a mesma língua e eles decidiram
construir uma cidade e uma torre que alcançariam os céus para que eles fizessem um nome para si
mesmos e não se dispersassem.
Não era uma aspiração celestial ou piedosa que os estava dirigindo para o céu, mas sim de arrogância, isto
é, fazendo um nome para si mesmos, procurando ser conhecidos. O medo de serem perdidos e dispersos
surgiu como o reverso da insegurança, isto é, a arrogância. Claramente, embora houvesse um grande
poder que as pessoas estavam batendo enquanto Yahweh via o perigo do que estava acontecendo e de
fato as espalhava, com muitas línguas, por todo o mundo (um medo auto-realizável interessante foi
percebido aqui).

Muitos tópicos a serem extraídos aqui. Primeiramente, seria natural que um Alef fosse incorporado no
nome Babel (como termina com El), no entanto, claramente isto não poderia ser assim como as pessoas
não estavam preocupadas com o Santo, mas apenas com elas mesmas, e portanto tendo um coração
dividido (o coração indiviso é Lamed-Beit).

Também parece haver inferências para a Segunda Vinda e a necessidade do fruto amadurecido. Essas
pessoas eram frutos não amadurecidos - ainda não prontos para empregar o poder de Yahweh para o bem
de todos.
É interessante notar Gen: 10 (o capítulo anterior da Torre de Babel Gen: 11), onde é descrito o
povoamento da terra e como cada um dos descendentes de Noé foi para diferentes lugares da terra ",
cada um com sua própria língua, por clã e nação ". Mas então lemos no capítulo 11 como o mundo inteiro
falava uma língua.
Estou lendo essa mudança contínua da Unidade para os Muitos e de volta à Unidade e assim por diante, e
ainda assim o tempo ainda não é para todos se unirem como Um e, portanto, eles se tornam dispersos?

Talvez uma semente indo ainda mais para trás é quando Caim é punido pela morte de Abel e é
amaldiçoado para se tornar um andarilho inquieto na terra.
Uma analogia contemporânea seria o andarilho espiritual em nossa terra hoje, indo de um ensinamento
para outro e, no processo, nunca realmente entrando na verdadeira presença do Santo. E, no entanto, foi
o Santo que fez a dispersão inicial, por isso deve ter um papel a desempenhar na nossa criação em
evolução.

Outra semente da Segunda Vinda seria o Pentecostes onde Ruach-Ha-Kodesh repousa sobre a Noiva e os
Apóstolos (e como a Irmã Sarah falou nela reside uma correspondência entre a dispersão das pessoas /
línguas em Babel e as línguas do Espírito que vem sobre os Apóstolos).
Novamente vemos o movimento da Unidade ou Continuum vindo através da única pessoa de Yeshua,
então se espalhando para os Muitos através da Noiva e dos Apóstolos ... e através de nós hoje.
Como Tau Malachi falou, ainda não é hora de todas as tradições se tornarem Um - nós ainda somos frutos
não amadurecidos, por assim dizer.

Eu também me volto para Gimmel nesta contemplação e citando Lawrence Kushner, "E um dia todas as
almas fazendo atos de bondade amorosa, Gilmulut Hasidim, se elevarão em uma grande onda de anseio
que alcançará os céus e encherá o mundo com Geulah. Redenção " Não é esta a segunda vinda e o coração
indiviso do povo?

Olhando individualmente para as letras de cima - Lamed está acima de todas as outras letras, podendo
assim alcançar os céus, e também vê adiante e o que está por vir. Lamed é o começo das palavras para
Heart and Flame. E claro, é a casa ou a casa de Deus. Portanto, estes parecem diretamente relacionados
com a Segunda Vinda em que somos capazes de ver adiante, mas somente quando nossos corações estão
em chamas com amor pelo Santo, podemos alcançar e nos tornar o Céu na Terra, e somente quando o
tempo estiver maduro.

E isso eu sei é meramente uma contemplação inicial.


Eu louvo o Santo por contemplações e mistérios e planto a semente do Fim no Princípio.
Meghan
T
o
p
o
Tau Malaquias
Administrador do site

Indo além e além e além ...



# 2 Post Qui 10 de maio de 2012 10:38
Saudações e bênçãos à luz do Messias!

Eu amo a contemplação da torre de Babel e o "coração dividido", desde que você mencionou no outro dia
eu me vejo retornando a ela de novo e de novo.

Lev é igual a trinta e dois e, como sabemos, a Árvore da Vida é composta de trinta e dois caminhos de
sabedoria (Lev Netivot ha-Hokmah); Se Lev corresponde à Árvore da Vida, o Levv corresponde à Árvore do
Conhecimento do Bem e do Mal, ou a Árvore da Morte. Como sabemos, uma árvore deve amadurecer
antes que seu fruto possa ser comido de acordo com a lei, e da mesma forma, como sabemos, o pecado
original não era sexo, mas sim tomar e comer o fruto da Árvore do Conhecimento
prematuramente; portanto, estava comendo o fruto proibido.

Se olharmos para as primeiras histórias da Torá, de novo e de novo, há um acesso ao conhecimento e


poder na imaturidade. A história de Caim e Abel, que não são a imagem e semelhança total do Ser Humano
(Adão), resulta de uma união imatura e impura de Adão e Eva, somente após a morte de Abel e o exílio de
Caim, isto é curado. com a concepção e nascimento de Seth. Depois, há os filhos de Deus (Beni Elohim), os
Caídos, que consorciam com as filhas da humanidade gerando os Nephilim, "gigantes" ou "homens de
renome", e que trazem todo tipo de conhecimento para a humanidade prematuramente. A construção da
torre de Babel corresponde a outro influxo de conhecimento e poder em imaturidade, impureza e implica
outra influência de forças klippotic, cascas de escuridão.

Se olharmos para a revelação da lei no Monte Sinai, a peregrinação dos filhos de Israel, os escolhidos, no
deserto, e todas as lutas dos filhos de Israel para gerar a verdadeira e espiritual Comunidade de Israel,
novamente e mais uma vez testemunhamos uma luta pela integração de conhecimento e poder.

Isso novamente aconteceu com a Primeira Vinda do Messias, pois por causa de uma luta pelo
conhecimento e poder no domínio, e relutância em ceder a Deus, o Messias foi rejeitado e morto; mas
como sabemos, através da Graça Divina, Deus operou grandes maravilhas e trouxe a salvação através desta
ignorância, elevando o Messias Yeshua dos mortos como o primogênito de uma nova humanidade, a
realização do Grande Seth (ou Segundo Adão).

Mais uma vez, agora em nossos tempos, testemunhamos essa grande luta para integrar conhecimento e
poder - maior conhecimento e poder do que a humanidade jamais alcançou antes, e neste tempo da
Segunda Vinda há um influxo supernal crescente, e uma aceleração crescente de consciência; é a época do
Apocalipse, Revelação. Há uma luta para integrar grande conhecimento e poder espiritual, grande
conhecimento e poder psíquico, e grande conhecimento e poder físico, material, e com o crescente
conhecimento do poder na humanidade é uma espécie de crise evolucionária, e se uma grande regressão
será vem ou uma progressão maior continua a ser visto. É muito provável que haja uma regressão antes
que a maior progressão possa acontecer.

Este é o caminho da evolução criativa, no entanto, move-se num movimento ondulatório (gilgulim) através
do progresso e do regresso, e as regressões são parte integrante do próximo progresso. Este, exatamente,
é o movimento de Elohim com a torre de Babel, a dispersão dos povos e confusão de línguas, línguas. Por
um lado, é uma regressão severa, embora não tão severa quanto o dilúvio, e, ainda assim, prepara o
terreno para uma grande progressão, pois através dessa ação há um desenvolvimento e uma evolução
maior e mais forte do humano, e uma maior revelação de Deus, ou Iluminação, múltiplos ramos da árvore
da vida humana, múltiplas revelações, todos trabalhando para produzir uma verdadeira humanidade, o Ser
Humano Superno e Divino, o Messias Ressuscitado.

Existe uma Inteligência Divina, Fiery - o Espírito de Deus (Ruach Elohim), trabalhando dentro e por trás de
tudo isso, as regressões e progressões, sempre buscando o desenvolvimento e evolução da vida para uma
maior consciência e inteligência, a realização de uma maior iluminação. Uma vez atingido o limiar do
"maior" ou "mais alto" esclarecimento possível, naturalmente o que se alcança é um novo horizonte, cheio
de novas possibilidades, e há uma maior iluminação percebida e uma necessidade de outro avanço, outra
evolução além da realização anterior.

A jornada, a progressão, no Evangelho entre a Primeira Vinda e a Segunda Vinda deixa isso muito claro,
pois em imaturidade muitos levaram Jesus, Yeshua, para ser Deus, ao invés do Espírito do Messias, o
Espírito Cristo, e embora pudessem recebê-lo como Salvador, eles não poderiam recebê-lo como revelador
gnóstico; como sabemos, a maioria ficou ligada à cruz de madeira e não pôde receber a Cruz de Luz
(iluminação em Cristo). Todo este jogo da ignorância, no entanto, teve que acontecer para facilitar o
desenvolvimento e evolução da consciência humana para uma maior revelação e realização do Espírito de
Cristo, e uma adoração do Espírito de Cristo em verdade, ao invés do culto de Cristo. as formas, as pessoas,
através das quais o Espírito de Cristo é corporificado e revelado.

Curiosamente, no entanto, assim como muitos judeus bons e piedosos rejeitaram a Primeira Vinda do
Messias porque era diferente de seu entendimento, ou de seus preconceitos, precondições e expectativas
concernentes ao Messias, muitos cristãos bons e piedosos rejeitarão a Segunda Vinda do Messias. o
Messias, pois vai além de seu entendimento e não corresponde a seus preconceitos, pré-condições e
expectativas de Cristo e de Deus. Infelizmente, muitos acreditam em Jesus, mas não conhecem e
acreditam em Cristo; mas não é Jesus quem retorna, é o Espírito de Cristo.

Isso revela algo sobre Levv, o “coração dividido”, ou melhor, o coração incircunciso, pois corresponde à
visão cármica, uma visão de ignorância, que obstrui e impede uma maior auto-realização ou
iluminação; não é necessariamente o mal absoluto, mas é a mistura de verdade e falsidade na imaturidade,
e é a apreensão de conceitos, condições e expectativas geradas no passado, que impede a revelação viva
no presente e uma maior iluminação no futuro. A torre de Babel nos ensina isso, pois, tanto quanto um
produto de arrogância, é o produto de uma visão muito limitada do Divino, ou Iluminação; reflete
estruturas, construções, que obstruem a maior revelação e realização do Ser Divino, o Ser
Iluminado. Assim sendo, a fim de abrir o caminho para uma maior revelação e compreensão, essas
estruturas, essas construções, devem ser destruídas e removidas. Isso é expresso pela dispersão das
pessoas e confusão de línguas, pois, se não espalhadas, e se não houvesse uma mistura de linguagem,
como elas poderiam ir além de seus conceitos e condicionamentos que impediam uma nova e maior
iluminação?

Aqui devemos dizer, embora possamos circuncidar nosso coração, gerando Lev, o princípio de Levv, o
coração incircunciso, pode retornar de novo e de novo se compreendermos nosso atual conhecimento,
compreensão e sabedoria, ou nossa iluminação atual, como se houvesse não um maior conhecimento,
compreensão e sabedoria, ou uma maior iluminação. Isto é muito importante no que diz respeito ao
Evangelho da Segunda Aparição de Cristo, pois é um Evangelho de evolução, de progressão contínua, uma
revelação contínua de Cristo e de Deus, uma percepção sempre crescente de Cristo. Há constantemente
uma nova revelação e realização de Cristo e deste Santo Evangelho entre nós, e precisamos estar abertos a
novas revelações, novas iluminações, enraizadas nos fundamentos de Habad que foram postos,

Aqui podemos dizer que o uno, ou unidade, está quebrado e há uma dispersão, de modo que alguns
possam ir além de uma iluminação maior, recebendo uma revelação maior.
Sob esta luz, vamos considerar o que aconteceu com o cristianismo. Havia uma torre de Babel, o Vaticano,
e havia uma "linguagem", os dogmas e doutrinas católicos ou ortodoxos; para que a Segunda Vinda
transpirasse aquela torre, aquele domínio, tinha que ser quebrado, e o povo dispersado e a linguagem
confusa, permitindo novas correntes de desenvolvimento e evolução, novas revelações, trabalhando para
a recepção do Espírito de Cristo em A segunda vinda. Como em qualquer questão de evolução,
naturalmente isso gerou muitas anomalias e aberrações, algumas muito estranhas e ignorantes; mas
também está gerando muitas correntes luminosas e poderosas de iluminação em Cristo, e está abrindo o
caminho para uma revelação e realização muito maiores do Cristo Cósmico no futuro.

Graças a Deus pela destruição da torre de Babel nos tempos modernos! Hallelu Yah! Hallelu Yeshua! Louve
o Senhor! O Senhor entrega!

Agora há aqueles que roubam, ou que emprestam, o Nome de Cristo e Cristão, e há aqueles que o
recebem como um Dom; o coração roubando, ou pedindo emprestado, é Levv, enquanto o coração que
recebe como um presente é Lev. Em vez de se apegarem a credos e doutrinas dogmáticas, ritos e rituais
mortos, os cristãos precisam investigar o amor de Cristo e a iluminação do Espírito de Cristo. Eles precisam
estudar o Verdadeiro Evangelho, não apenas os evangelhos escritos em livros que estão milhares de anos
desatualizados; portanto, precisamos estudar e contemplar o Evangelho que foi colocado em nossos
corações e que está sendo revelado em nossos corações - um Evangelho Vivo do Cristo Vivo e Deus Vivo.

Além do Evangelho da Verdade (Amor) que está em nosso coração, ou o Espírito de Cristo iluminando
nosso coração e mente, não há leitura e entendimento de qualquer evangelho externo, por mais inspirado
que seja pela Palavra de Deus que o evangelho possa ser, pois há nenhuma experiência direta e
conhecimento da Palavra e Sabedoria de Deus, o Cristo (Logos e Sophia).

Assim, é necessário que os cristãos voltem a buscar uma experiência direta do Cristo ressuscitado, o Cristo
vivo, e busquem a plena recepção do Espírito Santo, e tenham o testemunho do Espírito Santo - o
testemunho do poder de Cristo. Deus com eles. É bom que nós celebramos uma festa de pão e vinho, mas
é a experiência direta do Cristo Vivo que é a verdadeira Comunhão Sagrada; Afora isso, seja pão e vinho,
ou qualquer outro rito exterior, nada mais é do que uma concha vazia, klippot. Se e quando, no entanto,
houver experiência direta do Cristo Vivo e do Espírito Santo, então tudo o que é feito exteriormente é vivo
e vibrante, e se torna um veículo para a revelação ou comunicação do Espírito de Cristo - então tem
propósito e significado, valor real.

Há uma maneira simples, cheia do Espírito, desta Santa Comunhão. É o apego ao Cristo ressuscitado, o
Cristo Eterno, e é apego ao sagrado tsadic e comunidade, o Corpo Vivo de Cristo, e está em oração,
meditação e oração isoladas, e em culto carismático, culto generoso; é isto, unido a boas obras, ou atos de
amor-bondade, plena incorporação do amor e fé de Cristo, ou do Espírito de Cristo. Isso, é claro, é todo
fundado sobre um coração circuncidado, Lev, pois somente um coração circuncidado pode se apegar e
amar na plenitude da fé e da devoção.

Há muito mais que pode ser dito sobre Levv e Babel, mas talvez o que foi dito avance um pouco a nossa
contemplação, e no momento é suficiente.

Ó YAOHUH ULHIM, que todas as falsas torres e ídolos sejam destruídos e destroçados, todos os klippot
dissipados, para que possamos ser livres para te adorar em Espírito e Verdade, e assim receber Sua
Palavra e Sabedoria em sua totalidade. Um homem.

Que a paz esteja com você!


Tau Malachi
Sophia Comunhão
Ecclesia Pistis Sophia
T
o
p
o
MeganDon

Poder e auto-estima espiritual / humildade espiritual



# 3 Post Fri 11 de maio de 2012 14:55
Shalom,
E muito obrigado por esta resposta maravilhosa explorando este grande mistério que brilha através do
nosso mundo e evolução espiritual.

Como é verdade que, para não nos sentirmos espiritualmente perdidos, ou espalhados, criamos todo tipo
de definições e imagens do Santo, e então nos apegamos a elas. Até que eles sejam quebrados ...

O que surgiu da sua contemplação foi a parceria, se você quiser, de poder e auto-estima espiritual e
humildade espiritual.
De novo volto a Caim, onde Abel oferece a sua oferta ao Senhor, e o Senhor a vê favoravelmente, mas com
a oferta de Caim, o Senhor não a olhou com benevolência. Caim fica irritado e abatido. E Yahweh diz a ele
se você está certo, você pode seguramente manter sua cabeça erguida, mas se você não está fazendo o
certo, então o pecado está agachado à sua porta.
Talvez possamos falar aqui do motivo de Caim vindo da ordem geradora (isto é, sua natureza
inferior). Como uma analogia contemporânea, estou lendo essa passagem no caminho da auto-estima
espiritual. Ou seja, em nossa natureza gerativa, buscamos constantemente a aprovação, por meio do pai,
da mãe e dos irmãos. Nós então tomamos essa necessidade de aprovação para o mundo do trabalho,
amigos, etc. Mesmo quando nos movemos para a comunidade espiritual, podemos depositar essa mesma
expectativa nos membros da comunidade e no Tzaddik. No entanto, Yahweh dá a Caim o mesmo caminho
do poder, isto é, conhecendo as próprias ações, os motivos interiores, como vindo da natureza
regenerativa (a natureza espiritual voltada para Deus), então podemos manter a cabeça erguida, não
necessitando aprovação de outros. E vindo da natureza regenerativa nós também nos curvamos em
humildade espiritual,
Caim infelizmente não foi capaz de ignorar sua raiva e, da mesma forma, quando não podemos matar
nossos irmãos e irmãs com nossos julgamentos, nossas palavras e, às vezes, nossas ações
(metaforicamente).

Moisés também nos traz um exemplo de não entrar no poder que Deus ordena para nós. Ele estava ligado
à crença cultural da época em que aquele que exibe uma mancha de qualquer tipo não pode servir ao
Santo. Aqui Yahweh estava quebrando essa crença como Moisés teve um grave impedimento de fala,
ainda Moisés não podia levantar-se para aceitar o presente de Yahweh. Sua insegurança em si mesmo
protegia o poder disponível para ele. Quantas vezes nos tornamos vítimas de nossas inseguranças, detendo
o poder revelador de Deus que entra e passa por nós?

Madalena nós também vemos como dizendo a Adonai Yeshua que ela não poderia ser sua esposa e
consorte por causa de seu passado. No entanto, aqui temos uma mudança distinta, como muito
rapidamente ela é curada dessa falsidade e entra no poder que revela seu verdadeiro ser. Por isso, ela é
um grande protótipo para nós hoje também em entrar em tal lugar que foi preparado para nós.
Como Tau Malachi falou, o poder evolucionário espiritual em que estamos agora é muito maior que nossa
história passada.

O que eu também acho interessante é que as tentações de Yeshua estão todas ligadas ao poder. Primeiro
ele foi solicitado a provar seu próprio poder, depois para provar o poder de Deus e, finalmente, tentando
ser seduzido pelo poder mundano.
Parece que essas tentações foram para nós, a fim de podermos entrar em um relacionamento correto com
poder e conhecimento e com o Santo, mais uma vez apressando a capacidade da humanidade de integrar
e tornar-se este poder e conhecimento, juntamente com a humildade espiritual.

Outra coisa curiosa para mim é que a segunda vinda em si não é um termo que encontramos nas
Escrituras, mas o livro do Apocalipse fala da segunda morte. Você fala em seu post que o apocalipse e a
Segunda Vinda estão acontecendo agora. A segunda morte e o ponto culminante da Segunda Vinda são
sinônimos?

Que todos os seres sejam libertados em e através do amor de Adonai Yeshua Messiah
Meghan
T
o
p
o
Tau Malaquias
Administrador do site

Segunda vinda e segunda morte, outros mistérios ...



# 4 Postado Sáb 12 de maio de 2012 11:03
Saudações e bênçãos à luz do Messias!

Sim, de fato, o termo “segunda vinda” não é usado no Novo Testamento, mas está implícito. No livro de
Atos, há uma história sobre a ascensão do Messias Yeshua após a ressurreição e o ciclo de aparição e
ensino na ressurreição; ele é levado para o céu em nuvens, e de acordo com a tradição eles são "nuvens de
glória". Enquanto os discípulos estão testemunhando a ascensão, olhando para o céu, dois anjos aparecem
ao lado deles e perguntam por que ainda estão olhando para o céu. ou os céus e os anjos proclamam que
Yeshua, o Salvador, retornará da mesma maneira que eles o viram partir. Nisto está implícita uma segunda
vinda, outra aparição do Messias após a primeira vinda, outra revelação de Cristo (Apocalipse). Embora o
nome de Yeshua, ou Jesus, seja usado, o nome de Yeshua significa literalmente “Yahweh deliver”, ou
“Salvador”, e como tal, de acordo com o nosso evangelho, não é a pessoa de “Jesus” que retorna, mas sim
é o Espírito de Cristo, o Espírito do Salvador, e o retorno é o Espírito de Cristo tomando o Corpo dos
Crentes, o Corpo de Cristo; daí, uma maior incorporação de Cristo em muitos, assim como Cristo foi
incorporado na pessoa de Yeshua.

Um dos maiores truques do adversário, Satanás, ou o Espírito anti-Cristo, é a proclamação do homem


como Divindade e Deidade de tal maneira que não podemos imitá-lo em ação e caráter, ou não acreditar
ou perceber que nós devem incorporar o Espírito de Cristo da mesma maneira que ele fez; ao fazer isso, o
adversário rouba a Transmissão de Luz da corrente Cristã e obstrui a verdadeira salvação, a iluminação real
e a liberação de almas em Cristo. Com efeito, a confusão do objeto de adoração, a pessoa do homem Jesus
no lugar do Cristo, ou Espírito de Cristo, é uma nova “torre de Babel”, e impede a maior ascensão de almas
no verdadeiro reino dos céus. .

Essa decepção do adversário, essa ignorância, captura muito do cristianismo, e muitos pregadores
"cristãos" pregam esse evangelho do anti-cristo, esse falso evangelho! De fato, é uma crença tão comum
que a maioria dos bons e fiéis cristãos não pode receber o Evangelho da Segunda Vinda de Cristo em
Glória, ou não pode receber o Espírito de Cristo por completo, o cumprimento de sua salvação! Que a
misericórdia de Deus os livre do enganador, que a Graça Divina os ilumine!

É por isso que em nossa "teologia", ou melhor, nossa teosofia, ensinamos que Yeshua não nasceu como o
Messias, mas que ele se torna o Messias no batismo quando recebe a unção do Espírito do Messias, o
Espírito de Deus. Nisto entendemos que a unção não é isolada a ele, mas que também devemos ser
ungidos, renascer do Espírito Materno, assim como ele foi ungido, renascido do Espírito Materno, e é por
isso que o Messias chegou, tomando a pessoa de Yeshua para que também pudéssemos ser ungidos e
levados com ele; e nisso compreendemos a Segunda Vinda, que é o maior derramamento dessa unção, o
Espírito de Cristo, ou a Luz e a Verdade Supernas.

É verdade que o termo Segunda Vinda não é usado no Novo Testamento, mas sim a frase “dia do Senhor”é
usado, e em todas as epístolas somos ensinados a estar prontos para a "vinda do Senhor"como se o dia do
Senhor fosse hoje mesmo; e, no entanto, na Segunda Tessalonicenses há um ensinamento de que o dia do
Senhor não pode vir até que o espírito do anticristo assuma o controle da Tradição Cristã - essa profecia, é
claro, aconteceu com a ascensão do domínio católico e ortodoxo. e com a afirmação de um “infalível
papa”. Com essa ortodoxia, um falso evangelho foi colocado no lugar do Evangelho da Verdade, e credos e
doutrinas dogmáticos, ritos e rituais, foram colocados no lugar da experiência direta do Cristo Vivo. e
Espírito Santo; com efeito, o adversário roubou a alma do Corpo de Cristo. Através da boa graça de Cristo
ressuscitado, entretanto, aquela “alma”, a recepção do Espírito de Cristo, ou Luz de Transmissão, foi
restaurada, e mais do que restaurada, ela foi progredida, pois há um maior derramamento do Espírito de
Cristo, uma revelação maior do Cristo; daí a gnose do Cristo Cósmico e Primordial.

Aqueles que se apegam à falsidade das coisas colocadas no lugar da experiência espiritual e mística direta
de Cristo e do Espírito Santo, ou que seguem o “cego guiando os cegos”,estão ligados a Levi e,
inadvertidamente, seu coração é endurecido ao Cristo Espírito, a Palavra Viva e Sabedoria de Deus. Se e
quando, porém, o amor de Cristo se aprofunda, e a fé cresce e amadurece, pode acontecer que alguns
sejam desviados pelo Espírito Santo, abrindo-se para a verdadeira unção do Espírito de Cristo, e através da
Divina Graça Lev será restaurado para eles - o coração aberto que é o verdadeiro Santo Graal.
O termo "desviar do Espírito Santo"é um trocadilho no Evangelho de São Filipe do termo ortodoxia usado,
e usa, para o que aconteceu àqueles que eles chamariam de "hereges", mas literalmente, como este
evangelho ensina, receber o Espírito de Cristo em plena alma deve ser conduzido para fora da escravidão
ao falso evangelho da ortodoxia, o engano do adversário, e ser restaurado para a experiência direta do
Cristo Vivo, a Palavra Viva (Logos) e a Sabedoria (Sophia) de Deus.

Há algo a ser dito de Madalena como o Santo Graal, pois ela é nós e nós somos ela; porque ela também
pode incorporar o Espírito de Cristo como Yeshua fez, e trabalhar como co-pregador e co-redentor com
ele, nós também podemos. Como seu discípulo mais íntimo e consorte espiritual, ela revela a verdade
maior da Encarnação Divina como uma incorporação que deve ocorrer em cada um de nós, cada um de
acordo com nossa capacidade e vontade de Deus.

Na Madalena, é claro, temos a mesma história que a queda e a redenção de Pistis Sophia; a história de seu
exílio na Babilônia, e seu retorno do exílio e da recepção como a Noiva Sagrada, implica uma descida em
prol de uma maior ascensão, uma evolução na revelação do Divino. Se olharmos para isso, é muito
parecido com o movimento da torre de Babel, uma aparente regressão levando a uma maior progressão; e
é uma história de Levv se tornando Lev através da Graça Divina.

Sua história é a história do Corpo dos Crentes, o Corpo Vivo de Cristo, pois todos nós descemos à
“Babilônia”, o caminho do mundo, e todos nós ascendemos em Cristo Ressuscitado, o caminho do céu,
recebendo nossa vida. salvação através da recepção do Espírito de Cristo.

Agora, com relação à segunda morte e segunda vinda, não, eu não diria que a segunda morte é o
cumprimento da Segunda Vinda; mas os mestres da tradição têm muito a dizer sobre a segunda morte. No
Evangelho da Primeira Vinda há um ensinamento da ressurreição dos mortos no fim dos dias, as almas dos
justos e os ímpios sendo ressuscitados no julgamento, os justos para a vida eterna no reino dos céus e os
ímpios para a destruição, e é a destruição dos ímpios, a destruição do mal, que é chamada de "segunda
morte". Há um maior conhecimento e compreensão da segunda morte no Evangelho da Segunda Vinda, no
entanto, uma que não é tão preto e branco, ou tão linear e plano. De um modo geral, enquanto é possível
que um sistema mundial inteiro entre na Grande Transformação, e todas as almas vivas sejam tomadas na
Grande Ascensão, na maioria dos sistemas do mundo que não é o que acontece - na maioria dos sistemas
mundiais passará para a destruição, ou o fim dos dias chegará, antes que a Grande Transformação possa
acontecer. Assim, de um modo geral, de qualquer sistema-mundo dado, algumas almas são capazes de
entrar na Grande Ascensão, ou são capazes de realizar uma plena iluminação em Cristo, mas existem
muitas que não amadurecem no tempo, e assim não são elaboradas. na grande ascensão. Entre aquelas
almas que não podem ascender, muitos são atraídos para outros sistemas do mundo e que são capazes de
continuar seu desenvolvimento e evolução dessa maneira, até que sejam capazes de receber o Espírito de
Cristo por completo, e experimentar a sua realização ou iluminação em Cristo (Ser Divino e Superno). Há
algumas almas, entretanto, que são incapazes ou não querem passar para outros sistemas do mundo e,
conseqüentemente, com a passagem do mundo para a destruição, apegadas a esse mundo, elas também
passam à destruição; daí, experimentando a segunda morte.

Basicamente falando, os sistemas do mundo são impermanentes e só existem por um período de tempo
limitado e, portanto, há um período de tempo limitado para as almas serem realizadas através de
encarnações naquele mundo. Assim, alguns espíritos e almas viventes tornar-se-ão realizados, ascenderão
e outros não, e entre aqueles que não se apercebem a essa altura, alguns passarão para outros sistemas-
mundo, e outros não. Este mesmo princípio de reflexão em toda a natureza, pois toda a vida que emerge
não prospera e sobrevive, ou não se concretiza em vida, mas a vida de muitas boas criaturas é
interrompida e, embora pareça muito dura observá-la, Realidade como é.

Da mesma forma que há um fim de dias para todos os sistemas do mundo, isso também é verdade para os
grandes ciclos cósmicos de criação, ou o universo inteiro. Em algum ponto, eventualmente, todo o
universo passará à destruição, e da mesma forma, naquele "tempo", os espíritos e almas que não se
realizaram ou ascenderão passarão à destruição; daí, experimentando a segunda morte.

Por mais severo ou severo que isso possa parecer, é, na verdade, um grande esquecimento inconsciente,
ou algo como um grande sono primordial; não é uma tortuosa “condenação eterna”, mas, de fato, é
misericordiosa e libertadora. A inteligência energética, ou a luz das almas, não é destruída, mas espalhada
em incontáveis faíscas, e essas incontáveis fagulhas acabarão surgindo como incontáveis espíritos e almas
viventes em outro grande ciclo cósmico, ou outro universo, a inteligência energética. , ou poder da luz,
continuando sua jornada até que todas essas faíscas sejam elevadas e redimidas, realizadas naquilo que
chamamos de Cristo e Deus, a Luz Verdadeira.

A conclusão natural da Segunda Vinda, ou “Dia do Senhor”, é o fim dos dias; para muitos, é o alvorecer do
Eterno Shabat, o Mundo-a-Vir, e para muitos é uma passagem para outros sistemas-mundo, sejam mundos
mais evoluídos ou mais primitivos, e para muitos é a experiência da segunda morte. - o que é, de certo
modo, depende do contínuo cármico das almas, ou do desenvolvimento e evolução das almas naquele
ponto no espaço-tempo. Neste sentido, tem sido justamente chamado de Dia do Juízo, mas toda vez que
uma alma parte deste mundo e esta vida é, na verdade, o “Dia do Juízo”, pois existem muitas, muitas
possibilidades para a alma no Dia do Julgamento. vida após a morte, e passando pelo portão nós
chamamos de "morte" cada vez que há oportunidades para a reintegração completa com o Continuum de
Luz (Yahweh), e a experiência da Grande Ascensão. Assim, no primeiro ditado do Evangelho de São Tomás,
Adonai Yeshua nos diz que, se entendermos o significado mais profundo de seus ensinamentos, não
experimentaremos a morte quando nossa alma passar do corpo. De fato, se derramarmos o corpo físico
como uma vestimenta desgastada, nos poremos em um corpo espiritual, um corpo de luz, tendo gerado o
corpo de luz através da incorporação do Espírito de Cristo, e nós, através da Graça Divina, a Mãe Espírito,
passe para o Pleroma da Luz, o verdadeiro reino dos céus.

Há algo a ser dito sobre essa auto-realização em Cristo, no entanto, o que é refletido no voto que a
Madalena fala, pois embora as almas entrem na Grande Ascensão, amor e compaixão, ou o desejo pela
salvação de todos, atraí-los de volta para as encarnações, e assim ascendendo, eles descem, enviando
emanações para os céus e mundos, trabalhando em amor e compaixão para a colheita de almas. Assim, de
alguém que recebe esta santa unção do Espírito de Cristo, é dito: “Você é um sacerdote para sempre”, o
que significa dizer um salvador, redentor!

Aqui podemos falar um segredo aberto da Cabala Cristã, ou o Santo Evangelho que recebemos. Não
apenas devemos encarnar o Espírito de Cristo aqui, neste mundo, assim como Yeshua e Mirya fizeram, mas
também devemos nos tornar o Cristo para outros sistemas do mundo, os primeiros a personificar e revelar
Cristo em outros sistemas do mundo. assim como Yeshua e Mirya fizeram neste mundo. Essa é a própria
natureza do amor e da compaixão que existe em Cristo - não se trata de “salvação pessoal”, mas da
salvação de todos; e compreendendo a incomensurável tristeza e sofrimento da escravidão aos gilgulim, e
consciente da realidade da segunda morte, que no amor incondicional, compaixão ilimitada, desejaria que
qualquer alma solteira fosse deixada para trás ou não fosse salva, percebida? Quem não faria nada e tudo
o mais possível para a salvação de todos,

Nisto vemos outro grande truque do adversário, ou Satanás, que nos separaria uns dos outros, ou
inspiraria uma oração ou desejo pela destruição dos “infiéis”, enquanto sentados confiantemente em
nossa própria salvação. Isto, como a idolatria da pessoa de Jesus, e a proclamação de uma coleção de livros
como “A Palavra Absoluta de Deus”, é um grande engano do “pai da mentira!” Jogemos fora essa falsidade
que impede a compreensão de a plenitude do amor que está em Cristo, e isso impede nossa plena ação
nesse Amor Divino!

Agora, há algo mais a ser dito sobre a frase, o “dia do Senhor”. Podemos ler “Senhor” como Adonai, e
como sabemos, Adonai é um Nome da Santa Shekinah, e corresponde com a verdadeira Comunidade de
Israel, o Corpo Vivo de Cristo; e Adonai corresponde a Malkut de Atzilut, o verdadeiro Reino de Deus. Na
Primeira Vinda, foi ensinado: “Arrependa-se, porque o reino dos céus chegou perto” e, como sabemos, foi
incorporado em Adonai Yeshua e a Madalena, e nos Santos Apóstolos depois deles. Na Segunda Vinda, o
dia do Senhor (Adonai), todo o Corpo de Crentes, o Corpo Vivo de Cristo, é a manifestação do Reino de
Deus, Reino dos Céus, não apenas um nível espiritual e psíquico, mas um nível físico, material. Assim, o
Reino de Deus não é apenas uma manifestação no mundo vindouro, mas é manifesto neste mundo,

A Shekinah do Messias é chamada Adonai, mas como sabemos, a Shekinah do Messias também é chamada
Asherah, e, portanto, podemos também ler o dia do Senhor como o “dia de Asherah”, Adonai-Asherah,
YAOHUH-Asherah!

A Segunda Vinda é a revelação de Deus, a Mãe, e é a plena recepção da Noiva Sagrada, e assim é a
revelação da plenitude do Ser Humano da Luz (Cristo) como homem e mulher, nos homens e nas mulheres.
Adonai-Asherah, ou Asher-Asherah. Isto é iniciado no primeiro Noivo e Noiva, Yeshua e Mirya, a primeira
aparição do Segundo Adão e Segunda Eva de uma nova humanidade - a ordem da regeneração; mas deve
ser feito completo em nós, os homens e mulheres que compõem o Corpo Vivo de Cristo, manifestando
esta Presença Viva e Poder no mundo.

Aqui podemos dizer que, na Segunda Vinda, homens e mulheres estão unidos em Um Corpo de Luz, Uma
Presença de Luz (Cristo) e Um Poder de Luz (Espírito Santo); e da mesma forma, a Santa Mãe e a Santa
Noiva estão unidas como Uma, Asherah.

Podemos contemplar esta unidade de Pai e Filho, e Mãe e Filha, e homem e mulher, como a maior verdade
de Lev, o Sagrado Coração, ou o "Coração Não-dividido", que é a plena revelação e realização da Árvore da
Vida. e a elevação de todos na Grande Ressurreição e Ascensão.

Sabemos que Bet tem uma profunda correspondência com a Mãe e a Noiva, Shekinah superior e inferior, e
de alguma forma Levv indica um estado de divisão ou separação entre a Mãe e a Noiva, mas Lev indica sua
união, o cumprimento da Intenção Divina. na evolução criativa.
A realização do Feminino Divino e Sagrado é parte integrante da plena realização do Masculino Divino e
Sagrado - não pode haver a plena realização de um sem o outro; Nisto podemos contemplar a frase, o “dia
do Senhor” como a plena realização do Masculino Divino e Sagrado através da realização do Feminino
Divino e Sagrado.

Isso aponta para outro grande truque do adversário, a rejeição de Deus como Mãe e a rejeição da Noiva
Sagrada, que impede a plena realização do Divino e do Ser Humano da Luz (Cristo, ou Ser Iluminado). No
entanto, através da Graça Divina, a revelação de Deus, a Mãe, veio entre nós, e a plena recepção da Noiva
Sagrada vem a acontecer entre nós, e está aqui agora, neste mesmo dia! Hallelu Imma! Hallelu
Kallah! Elogie a Santa Mãe-Noiva, Shekinah do Messias, Asherah!

Se quisermos investigar a verdadeira Casa ou Templo do Deus Vivo, nossa Mãe-Pai, não é uma torre, um
templo externo, uma montanha sagrada ou uma “terra santa” externa, ou qualquer coisa semelhante; a
casa, templo, do deus vivo é um corpo vivo, é a humanidade cristalizada. Louve a Deus!

O Espírito Materno me traz à quietude e ao silêncio no momento, então aqui vou parar e ficar com ela.

Ó Pai-Mãe, nós oramos para que você aperfeiçoe a Sua Imagem e Semelhança em nós, e oramos pela
Sua revelação contínua entre nós; então nós oramos pela iluminação e libertação de todos os espíritos e
almas viventes em Você (Atoh). Um homem.

Que a paz esteja com você!


Tau Malachi

Sophia Comunhão

Ecclesia Pistis Sophia


T
o
p
o
Élder Sarah
Administrador do site

Boca e Coração

# 5 Post Sun 13 de maio de 2012 9:07
Shabat Shalom!

Louvado seja o Santo Shekinah por esta dança de tais mistérios!

Neste contexto, entre a Torre de Babel e Lev, Heart, que por sinal é uma conexão escandalosa! Um
versículo em Mateus (12:34) surge:

“Porque da abundância do coração a boca fala”


É muito intrigante que seja especificamente “linguagem” que se espalhe na história da Torre de Babel. Isso
seria uma dispersão da capacidade de se comunicar, a capacidade de se unir. Se o klippot em torno do
coração é de onde estamos vindo, a comunicação direta e pura é impossível, portanto a Transmissão de
Luz é impossível. Porém, se o coração é “abundante”, a comunicação pode fluir, a boca pode falar em
pureza.

Estou muito intrigado com a relação entre boca e coração e como é "coração" em hebraico é Lev, que
enumera 32. Podemos dizer se o coração não é puro, ou está surgindo como Levv, de alguma forma os 32
caminhos estão surgindo em separação? Por separação entende-se que não há consciência da
interconectividade dessa vasta gama de inteligências energéticas. Se contemplarmos o Netivot como
“Halls” de consciência, parece que os “Halls” têm paredes e sem consciência da interconexão desses
“Halls” de consciência, então há uma ligação em cada “Hall” e uma incapacidade de mudar e dançar
livremente neste vasto conjunto dos vários modos de consciência. Estes parece o aprisionamento de
muitas línguas versos “uma” linguagem, a ignorância da “Palavra”.

De alguma forma, isso está ligado à idéia da Segunda Vinda sendo a da realização do Espírito de Cristo em
um Corpo de Crentes. Na Primeira Vinda, a mensagem é arrependimento, que parece ser uma mensagem
de mudança para reconhecer o modo de consciência com o qual se está se movendo. Na Segunda Vinda, a
mensagem parece ser a de chegar a um reconhecimento da liberdade de mudar de modos, daí todo o
Corpo unido como Um. Nós vemos isso na contemplação da Noiva se tornando Mãe. Se contemplarmos a
Noiva como a exibição da realidade unida à “consciência” que é o Filho, então a Mãe seria algo parecido
com uma mudança completa na exibição da realidade. Isso remonta ao versículo em Mateus, pois, como
sabemos, "Boca" corresponde a "Malkut", e se Malkut flui para fora da "abundância do coração",

Há outro mistério e questão em destaque aqui. Tau fala maravilhosamente da mudança da Primeira Vinda
para a Segunda Vinda como a mudança do Espírito Cristo encarnado em Um, para o Espírito de Cristo
sendo incorporado no Corpo dos Crentes. A pergunta vem, podemos dizer que o Corpo de Ressurreição de
Yeshua Messias é algo deste Corpo de Crentes? E que, embora Madalena testemunhe este Corpo, levou
tempo e espaço para que a plenitude desse Corpo seja recebida e, de certo modo, isso tem a ver com o
porquê ela diz que o voto retornará geração após geração. De alguma forma, é preciso geração após
geração para que a plenitude do Corpo de Ressurreição seja recebida, a fim de que essa matriz seja
estabelecida. Ao longo desta linha de contemplação, é interessante como em João 15:19 Yeshua fala,

“Daqui a pouco o mundo não mais me verá, mas você me verá; porque eu vivo, você também viverá. ”

Curioso o“ mundo ”não verá este“ Um ”que apareceu, embora este“ Um ”seja visto por muitos.

Vemos esse mistério em como Yeshua diz: "Antes que Abraão existisse, eu sou". Ele basicamente diz que o
Messias está dentro e através de todo o espaço-tempo, no entanto, o Messias não pode ser totalmente
recebido até que haja uma matriz para receber. É por isso que Enoque não foi recebido e até Moisés. Não
havia "Corpo" para receber a "Alma" do Messias. Este é um grande mistério!

Que Todos os Membros deste Grande Corpo cheguem a plena lembrança do Espírito de Cristo movendo-se
dentro e através!
Muito obrigado por esses lindos ensinamentos!

Shalom,
Elder Sarah +
T
o
p
o
Tau Malaquias
Administrador do site

Torre do rebanho, corpo da ressurreição



# 6 Post Ter 15 de maio de 2012 12:54
Saudações e bênçãos à luz do Messias!

Belas contemplações e insights querida irmã; eles são muito lindos e são profundos.

Primeiro, como sabemos, Yeshua nos ensina: “Bem-aventurados os puros de coração (lev), porque eles
verão a Deus”, eles verão a Deus, o bem, neste mundo e no mundo vindouro; mas no nível existe a ilusão
da separação, e há visão cármica, a visão da ignorância, e isso se torna a realidade de uma pessoa na
condição impura, a condição não iluminada. Então, Deus, o Bem, não é visto, nem ouvido e conhecido, mas
há grande tristeza e sofrimento em uma errância sem objetivo.

É uma visão de tristeza olhar e ver quantos estão ligados à ilusão da separação e da visão cármica,
especialmente quando sabemos e entendemos que ela continua na vida após a morte, almas que muitas
vezes continuam em tristeza e sofrimento, e em cativeiro o gilgulim que surge de impurezas na
consciência, ou uma compulsão inconsciente. Essa visão de tristeza, porém, unida à geração do Sagrado
Coração, torna-se nossa motivação, nosso desejo apaixonado, de ser benéfica para os outros, trabalhando
pela libertação dos outros da escravidão e do sofrimento. Assim, vendo isso, não ficamos desanimados,
mas somos colocados em movimento pelo Espírito de Cristo, Cristo e o Espírito Santo manifestando-se
como nós pela elevação e redenção de muitos outros.

Este jogo de visão cármica não é isolado a este mundo, ou à consciência ordinária, mas também pode
acontecer em sonhos e visões, e em experiências espirituais e místicas, ou estados alterados de
consciência. Assim, ouvimos falar de falsos profetas e falsas profecias, e junto com tradições de sabedoria
autênticas, há muitos ensinamentos estranhos e falsos, ou "religiões" estranhas. Toda visão ou inspiração,
todo ponto de vista, não é necessariamente verdadeira, mas freqüentemente há é uma grande mistura de
falsidade, impureza, ignorância. Este é o produto de klippah nogah, aquele "brilho" ou "falsa luz", que é
uma mistura do bem e do mal, distorcendo e corrompendo as revelações do Verdadeiro Divino; e da
mesma forma, com klippah nogah, a influência do klippot, as cascas das trevas, as emanações impuras
entram em jogo. Por causa disso, ouvimos sobre o nebuloso e nítido espelho da profecia, de modo que
mesmo com profecias verdadeiras e verdadeiros profetas, sonhos e visões do Divino podem ser distorcidos
ou corrompidos, mais ou menos, pela visão cármica do profeta. Se olharmos para os profetas do Antigo
Testamento, versus os ensinos de Cristo e do Evangelho, isso fica muito claro, pois sabemos que coisas
como genocídio e escravidão não são de Deus, a Luz Verdadeira, e ainda profetas do antigo Israel. e as
religiões primitivas defendiam tais coisas no Nome de Deus. De fato, até mesmo os santos apóstolos da
igreja primitiva que se seguiu à Primeira Vinda apegaram-se a certas falsidades, ignorância, como
escravidão, desigualdade de homens e mulheres e tais corrupções que na Segunda Vinda devem ser
purificadas, ou devem ser curadas. de modo que, mesmo com profecias verdadeiras e verdadeiros
profetas, os sonhos e visões do Divino podem ser distorcidos ou corrompidos, mais ou menos, pela visão
cármica do profeta. Se olharmos para os profetas do Antigo Testamento, versus os ensinos de Cristo e do
Evangelho, isso fica muito claro, pois sabemos que coisas como genocídio e escravidão não são de Deus, a
Luz Verdadeira, e ainda profetas do antigo Israel. e as religiões primitivas defendiam tais coisas no Nome
de Deus. De fato, até mesmo os santos apóstolos da igreja primitiva que se seguiu à Primeira Vinda
apegaram-se a certas falsidades, ignorância, como escravidão, desigualdade de homens e mulheres e tais
corrupções que na Segunda Vinda devem ser purificadas, ou devem ser curadas. de modo que, mesmo
com profecias verdadeiras e verdadeiros profetas, os sonhos e visões do Divino podem ser distorcidos ou
corrompidos, mais ou menos, pela visão cármica do profeta. Se olharmos para os profetas do Antigo
Testamento, versus os ensinos de Cristo e do Evangelho, isso fica muito claro, pois sabemos que coisas
como genocídio e escravidão não são de Deus, a Luz Verdadeira, e ainda profetas do antigo Israel. e as
religiões primitivas defendiam tais coisas no Nome de Deus. De fato, até mesmo os santos apóstolos da
igreja primitiva que se seguiu à Primeira Vinda apegaram-se a certas falsidades, ignorância, como
escravidão, desigualdade de homens e mulheres e tais corrupções que na Segunda Vinda devem ser
purificadas, ou devem ser curadas. pela visão cármica do profeta. Se olharmos para os profetas do Antigo
Testamento, versus os ensinos de Cristo e do Evangelho, isso fica muito claro, pois sabemos que coisas
como genocídio e escravidão não são de Deus, a Luz Verdadeira, e ainda profetas do antigo Israel. e as
religiões primitivas defendiam tais coisas no Nome de Deus. De fato, até mesmo os santos apóstolos da
igreja primitiva que se seguiu à Primeira Vinda apegaram-se a certas falsidades, ignorância, como
escravidão, desigualdade de homens e mulheres e tais corrupções que na Segunda Vinda devem ser
purificadas, ou devem ser curadas. pela visão cármica do profeta. Se olharmos para os profetas do Antigo
Testamento, versus os ensinos de Cristo e do Evangelho, isso fica muito claro, pois sabemos que coisas
como genocídio e escravidão não são de Deus, a Luz Verdadeira, e ainda profetas do antigo Israel. e as
religiões primitivas defendiam tais coisas no Nome de Deus. De fato, até mesmo os santos apóstolos da
igreja primitiva que se seguiu à Primeira Vinda apegaram-se a certas falsidades, ignorância, como
escravidão, desigualdade de homens e mulheres e tais corrupções que na Segunda Vinda devem ser
purificadas, ou devem ser curadas. e ainda profetas do antigo Israel e religiões primitivas defenderam tais
coisas no Nome de Deus. De fato, até mesmo os santos apóstolos da igreja primitiva que se seguiu à
Primeira Vinda apegaram-se a certas falsidades, ignorância, como escravidão, desigualdade de homens e
mulheres e tais corrupções que na Segunda Vinda devem ser purificadas, ou devem ser curadas. e ainda
profetas do antigo Israel e religiões primitivas defenderam tais coisas no Nome de Deus. De fato, até
mesmo os santos apóstolos da igreja primitiva que se seguiu à Primeira Vinda apegaram-se a certas
falsidades, ignorância, como escravidão, desigualdade de homens e mulheres e tais corrupções que na
Segunda Vinda devem ser purificadas, ou devem ser curadas.

Agora há algo de um segredo aberto que deve ser falado, pois a Árvore da Vida e a Árvore do
Conhecimento são uma e a mesma Árvore Sagrada, mas aquela Árvore Sagrada aparece como a Árvore do
Conhecimento do Bem e do Mal na visão da ignorância, ou visão impura; portanto, em sonhos e visões, e
em estados alterados de consciência, a aparência da Árvore da Vida torna-se distorcida e corrompida pela
mistura da falsidade e do irreal. Um excelente exemplo disso, correspondendo perfeitamente à torre de
Babel, é a “Cabala” ensinada por muitos ocultistas; por causa do conhecimento e poder oculto, além de
qualquer auto-realização ou iluminação real, todos os tipos de ensinamentos estranhos e falsos foram
adicionados à Cabala, e o que é ensinado como “Cabala” é freqüentemente fundado em equívocos, ou
falta de conhecimento e compreensão da Sagrada Cabala. A mesma Árvore da Vida, Sefirot, Netivot e
Olamot são mencionados, mas em vez da Árvore da Vida, a Árvore do Conhecimento do Bem e do Mal é
percebida e ensinada; em vez do Espírito do Messias, ou do Espírito Santo, outras influências e espíritos
entram nos aspirantes, enganando os espíritos do klippot.

Nesta época da Segunda Vinda, é claro, isso não é isolado da Sagrada Cabala, mas está transpirando
virtualmente com todas as tradições místicas autênticas, de modo que com virtualmente todas as
correntes de Transmissão de Luz também há manifestações de luzes falsas, distorções e distorções.
corrupções por aqueles que tentam adquirir conhecimento espiritual e poder para ambições egoístas,
egoístas, ou tentando "tomar as portas do céu pela tempestade." Se e quando há um maior influxo de Luz
Sagrada neste mundo, também há uma maior manifestação de sombras e sombras, a Escuridão, e isso é
verdade nos níveis espiritual, psíquico e material; mas de alguma forma, tudo em um mistério, há uma
necessidade para esta peça, esta dança de Luz e Escuridão, ou esta aparência de Luz Verdadeira e luzes
falsas,

Deve ser dito que com um grande derramamento do Espírito de Deus, a Inteligência Flamejante, há
naturalmente uma aceleração de toda consciência, pura e impura, e assim há uma amplificação do bem e
do mal, retidão e maldade; literalmente, o Espírito está sendo derramado sobre “toda carne”, exatamente
como os profetas previram. Se estudarmos e contemplarmos o Livro do Apocalipse, ou Apocalipse, vemos
isso claramente; No meio de uma Influência Superna maior, algumas almas experimentam uma Iluminação
de Trovão, mas muitas almas se fraturam e estilhaçam, incapazes de integrar e manter, incorporar, a Luz
Sagrada em sua totalidade.

Este é o Julgamento, não que a Luz Sagrada, ou Cristo e Deus, julgue, mas sim o julgamento está em
espíritos vivos e almas, e se eles estão dispostos e aptos a entrar na Luz Sagrada, e receber, integrar e
encarna a Santa Luz; tudo é uma questão do contínuo kármico dos seres, ou o desenvolvimento e evolução
das almas.

Nas Sagradas Escrituras, sempre que há uma aparição de Julgamento (Gevurah), como com a torre de
Babel, ou no Monte Sinai, há, com efeito, um influxo de Maior Luz, Maior Inteligência e Poder, e a
destruição, ou dispersão é o resultado de vasos, almas, indispostos ou incapazes de receber e integrar a
Luz Maior.

Aqui podemos falar outro segredo aberto. O mistério da crucificação é este: Yeshua, Jesus, tomou a
destruição, ou espalhando sobre si mesmo, de modo que através da Graça Divina, quando ele é
ressuscitado da morte para a vida, e é reunido em Deus, a Verdadeira Luz, também são nós elevamos,
curamos e empoderamos para receber o maior influxo supernal. Na Primeira Vinda, na compaixão, este
Influxo Supernal é medido, mas tendo sido recebido em medida, tem havido uma evolução na consciência,
um movimento em direção a uma maior perfeição e plenitude, e esse Influxo Supernal está aumentando e
se expandindo, e lá é um Influente Supernal ainda maior transpirando entre nós hoje na Segunda Vinda de
Cristo.
A verdade é, por conta própria, além da “remissão do pecado”e o Santuário da Graça manifestado no
Messias Yeshua, nosso Irmão Mais Velho, nós não seríamos capazes de receber a Influência Superna e não
ficarmos completamente sobrecarregados e destruídos, mas através da Divina Graça se manifestar como
Hayyah Yeshua, o Messias ressuscitado, e a Madalena, somos capazes de receber, integrar e incorporar a
Luz Superna por completo.

Olhe e veja, e entenda! Ela é chamada de Madalena, “Torre do Rebanho”, a Torre Sagrada que não quebra
ou quebra, o Sagrado Coração e a Língua que é indivisa, e que não se espalha; ela está na cruz, e ela está
no túmulo vazio no alvorecer do terceiro dia, e ela é a primeira a receber o pleno derramamento da Luz
Superna, o Espírito do Messias, de Hayyah Yeshua, o Messias Ressuscitado. Como Yeshua Messiah é nosso
irmão mais velho, o primogênito dentre os mortos entre nós, assim é Kallah Messiah, a Madalena, nossa
irmã mais velha, a primogênita entre os despertos, ou almas iluminadas em Cristo ressuscitado; e porque
ela foi capaz de receber na totalidade, assim também somos capazes de receber na íntegra - a sua
recepção é a nossa recepção! Hallelu Yah!

O Messias ressuscitado, o Cristo Eterno, transcende o espaço e o tempo e, portanto, emana ao longo de
todo o espaço e tempo, através dos céus e da terra, passado, presente e futuro; e a Madalena, que é a
Noiva Sagrada, não é apenas a Senhora Mirya, mais do que o Cristo Eterno é apenas o Senhor Yeshua, mas
a Madalena é o Corpo Vivo de Cristo, o Corpo dos Crentes, ou melhor, o Corpo dos Conhecedores (
Gnósticos). O Cristo Eterno é a Cabeça, Superna ou Consciência Messiânica, e o Corpo Vivo de Cristo é a
recepção e encarnação contínuas daquela Inteligência Flamejante, aquela Luz Superna. Assim,
verdadeiramente, nós somos o Corpo de Emanação do Messias ressuscitado, o Cristo Eterno, e através de
nós, e todos que recebem, integram e incorporam esta Luz Sagrada, a revelação de Hayyah Yeshua está em
andamento,

Da mesma maneira que Madalena é a co-pregadora e co-redentora com o Messias Yeshua, nós também
somos; recebendo e transmitindo esta Luz de Transmissão do Messias ressuscitado, assim o Messias
ressuscitado é manifesto no mundo como nós, a Santa Luz, o Espírito Santo, movendo-se com, em e
através de nós em nossa geração, através da Graça Divina. Como irmãos e irmãs mais jovens, estamos
destinados a crescer e amadurecer na plena corporificação do Espírito do Messias, assim como nossa Irmã
Mais Velha e Irmão - somos todos irmãos da Santa Luz, filhas e filhos de Deus. O próprio Adonai Yeshua
nos ensina isso, dizendo-nos: "Você não sabe que todos são filhos de Deus", e da mesma forma, dizendo-
nos: "Você fará coisas maiores do que você me viu fazer." Ele também falou do O Messias nele,
dizendo:“Eu sou a luz do mundo”, e ele nos disse: “Você é a luz do mundo” ; se somos a luz do mundo,
então o Messias, o Cristo, está incorporado em nós como foi em Yeshua, e também somos salvadores,
redentores, com ele, emanações do Cristo Eterno.

Isso é exatamente o que é ensinado no evangelho gnóstico intitulado “Pistis Sophia”, pois nessa Sagrada
Escritura o Cristo ressuscitado ensina a seus discípulos que o conhecimento espiritual e o poder dos “doze
salvadores” estão incorporados neles; daí, que eles também são emanações do Salvador, Cristo, o Humano
da Luz.

Há algo do mistério do levev versus lev, aqui, pois antes da Primeira Aparição de Cristo ressuscitado, o céu
e a terra estavam, de fato, divididos, como se separados um do outro - daí o levv, duas “casas”; mas com a
primeira aparição de Cristo ressuscitado e a segunda aparição de Cristo ressuscitado em nós, o céu e a
terra estão unidos, unidos - eis lev, uma “casa” ou “morada”. O Corpo Vivo de Cristo é a manifestação de
Cristo. o reino dos céus, o reino de Deus na terra; e este Corpo Vivo é o Corpo da Ressurreição, o Corpo de
uma Nova Ordem, a Ordem da Regeneração (Ressurreição).

Com Yohanan, o Batista e Yeshua Messias, continuaremos a proclamar: "Arrependa-se, porque o reino dos
céus chegou perto", mas também diremos:“Veja e veja, está em seu meio e manifesto entre vocês, entre e
entre no reino dos céus hoje!” Quando dizemos “arrependa-se”, de fato, não estamos falando de olhar para
o passado, mas sim afastando-se do passado e libertando-se do passado, permanecendo no presente dia, o
presente momento, olhando para o futuro, pois a Presença Viva, o Reino Santo, está no presente, e o que
contemplamos no Ressuscitado Cristo é nossa realidade presente e nosso futuro; quando dizemos
“arrependam-se”, estamos reintegrando com a Luz Sagrada, recebamos e incorporamos a Luz Sagrada -
permaneçamos agora e sempre nesta Presença Viva de Cristo e Deus, a Verdadeira Luz.

Levv é a situação da religião ligada ao passado, mas lev é o deleite de uma espiritualidade pura de
experiência direta, vivendo no presente onde está a Presença Viva e o Poder de Deus, e olhando para o
futuro, que é onde o Espírito Vivo de Deus nos carrega. E aqui podemos falar outro segredo aberto, pois
quando permanecemos na Presença Viva, incorporando o Espírito do Cristo Eterno, olhando para o futuro
e para o futuro, o passado é transformado, edificado e redimido. Se nos fixarmos no passado, ele
permanecerá não-redimido e, como diz o ditado, “a História se repete” e permanecemos presos ao
pecado, karma; mas quando olhamos para o futuro, permanecendo no presente, onde estamos e onde
Deus está, então estamos livres da escravidão do pecado, do carma, e estamos estabelecidos na Grande
Ressurreição e Ascensão.

Outro grande truque do adversário, o "diabo", é nos levar a fixar no passado, nos nossos pecados, o nosso
carma negativo, e assim ligar a nossa alma à ignorância, às trevas e impedir-nos de entrar no Santo.
Leve. Se olharmos e vemos a Igreja de Edom (Roma) sob o domínio do Espírito anticristo, essa fixação no
pecado e na indignidade, e no sofrimento, é exatamente o que foi, e é, ensinado, e esse ensino é falso, um
engano do pai da mentira! Se olharmos para os ensinamentos do Yeshua Messias, na verdade ele não fala
sobre o pecado ou sobre o carma negativo, mas, antes, ensina os caminhos da justiça e da verdade, e nos
chama a sermos perfeitos como nosso Pai Celestial. é perfeito ” ; e como ele prega isso, ele também
ensina"Os teus pecados estão perdoados, vai e não peques mais." Este Santo Evangelho do Espírito de
Cristo é muito diferente do evangelho do espírito anti-Cristo; o Evangelho de Cristo é uma boa notícia,
muito doce, mas o espírito do anti-Cristo é azedo e veneno, trazendo notícias amargas. Oremos para que
mais e mais pessoas fiéis parem de beber o veneno, mas que venham beber a Água Viva, a Palavra Viva e a
Sabedoria de Deus!

O Cristo Vivo, a Palavra Viva (Logos) e Sabedoria (Sophia) estão clamando o dia de hoje, “Eu estou aqui,
venha olhar e ver, venha ouvir e escutar, e entrar no reino dos céus!”

No fechamento pudermos digamos, o Cristo ressuscitado é a árvore da vida.

Oremos para que muitos ouçam o Evangelho da Verdade e entrem no reino dos céus, e que, sendo
recebidos, muitos recebam e doem, deixando sua luz brilhar para iluminar o mundo inteiro! Ó Santo,
que isso aconteça! Um homem.
Que a paz esteja com você!
Tau Malachi

Sophia Comunhão

Ecclesia Pistis Sophia


T
o
p
o
Irmão Brian


# 7 Post Ter 15 de maio de 2012, às 15:18
Obrigado Espírito Santo, Ma, Maggidim, Tzaddikim, Luminious Assembly, Companheiros para estas
maravilhosas revelações da Segunda Vinda. De fato, é tão excitante ver essas revelações se desdobrando e
também experimentando a integração desses Santos Mistérios sendo revelados em nosso ser como os
recebemos e somos eles.

Nós somos tão abençoados! Que momento maravilhoso estar na vigília da presença de Deus durante esta
idade abençoada que estamos experimentando agora! Obrigado Santo para o derramamento do Espírito
Santo! Louvado seja Ma!
T
o
p
o
Elder Gideon
Administrador do site

De cada tribo, nação e idioma



# 8 Postado Sáb 19 de maio de 2012 18:57
Quando o dia de Pentecostes chegou, eles estavam todos juntos em um só lugar. E de repente veio do céu
um som como a agitação de um vento violento, e encheu toda a casa onde eles estavam sentados. Línguas
divididas, como de fogo, apareceram entre elas, e uma língua descansou em cada uma delas. Todos eles
ficaram cheios do Espírito Santo e começaram a falar em outras línguas, como o Espírito lhes dava
capacidade. (Atos 2: 1-4)

Nossa tradição oral postula que este raio fora do Espírito Santo estava centrado em Nossa Senhora Maria:
Como o eixo de uma roda de fogo, através de quem todos os presentes na sala estavam ligados, todos os
presentes estavam unidos como raios de línguas divididas de fogo sobre seus coroas. A evidência dessa
Transmissão de Luz foi sentida até mesmo por pessoas de fora, ouvindo atos de poder do Santo em sua
própria língua. Quem poderia andar, ouvindo algo tão edificante no que deve ter sido tão precisamente
falado em sua língua tão longe de casa? Aqueles que não descartaram os fenômenos da embriaguez do
vinho novo foram irreversivelmente desenhados o que estava acontecendo. O que muitos desses gentios
foram atraídos foi a Segunda Vinda, o “derramamento do Espírito Santo sobre toda a carne”.

O momento de pregação para pessoas não-judias já havia começado perto do fim do ministério terrestre
de Yeshua, mas nunca antes de Pentecostes os gentios tinham sido chamados às maravilhas de Deus em
sua própria língua. A carreira de São Paulo foi o alcance dos gentios. A base de evangelização dos discípulos
para os gentios estabelecida pela parte posterior do ministério terrestre de Yeshua, forjada no Pentecostes
e ampliada por São Paulo, culmina no Apocalipse, onde em muitos versos, a reunião de todas as “tribos,
povos e línguas no Cordeiro é prometido:

Depois disso eu olhei, e havia uma grande multidão que ninguém podia contar, de todas as nações, de
todas as tribos e povos e línguas, de pé diante do trono e diante do Cordeiro, vestido de branco, com ramos
de palmeira nas mãos.(Revelações 7: 9)

A inclusão do povo não-judeu de acordo com sua língua materna é significativa e mais complexa do que o
trabalho missionário católico e protestante que extorquiu os povos indígenas. A consciência
contemporânea não pode participar de nenhuma dessas formas de domínio sócio-político em nome do
Messias Yeshua. A Segunda Vinda não é em última instância cristã, mas é mais. Assim como o Messias é
mais do que Yeshua, a Segunda Vinda é mais do que cristã.

Metafisicamente, o que é mais do que cristão pode ser a visão mais completa e abrangente da reunião de
“todas as tribos, povos e línguas diante do trono e diante do Cordeiro”. O que “mais” pode ser é o mais
completo mistério do Segunda Vinda, um ensinamento com o qual eu apreciaria muito alguma ajuda, de
modo a não simplificar nem subestimar a profecia ainda se desdobrando desde o Pentecostes: Como é a
Santa Noiva, a Torre do Rebanho, o veículo do tikkune da Torre de Babel?

Com gratidão, o

Élder Gideon +
T
o
p
o
Tau Malaquias
Administrador do site

A iluminação de Madalena, a torre do rebanho



# 9 Post Thu May 24, 2012 11:21 am
Saudações e bênçãos à luz do Messias!

Há muito a ser dito sobre a Torre de Babel e a cura que vem através da Torre do rebanho e do Pentecostes,
ainda mais através da Nova Jerusalém.

São João escreve da Nova Jerusalém em Apocalipse, dizendo: “Então vi um novo céu e uma nova terra, pois
o primeiro céu e a primeira terra haviam passado, e o mar já não existia. E vi a cidade santa, a nova
Jerusalém, descendo do céu de Deus, preparada como uma noiva adornada por seu marido ” (21: 1-2). Ele
também escreve: “Bem-aventurados os que lavarem as suas vestes, para que tenham direito à arvore da
vida e possam entrar pelas portas da cidade” (22:14).

Segundo o profeta, a árvore da vida é para o“Cura das nações”, e tributo será dado ao Cordeiro e Nova
Jerusalém por todas as nações, e a comunidade espiritual de Israel, os eleitos espirituais, serão reunidos
dentre todas as nações; isso, na verdade, supera uma segunda vinda isolada a "cristãos", falando de uma
maior realização espiritual ou iluminação, a gnose do Cristo Cósmico e Primordial.

Ouça e ouça e entenda! A torre de Babel foi construída por seres humanos, em auto-glorificação e vontade
própria, buscando tomar as portas do céu pela força; foi fundada sobre a terra e a ignorância aqui, olhando
para o céu na ilusão da separação, ou ilusão de falta - completamente oposta à Nova Jerusalém! Nova
Jerusalém desce do céu, é fundada sobre o céu, e o conhecimento do céu, e é dado por Deus, Divina Graça,
e é a glorificação de Deus e o cumprimento da vontade de Deus - e podemos dizer que há é uma língua
sagrada, a linguagem de Deus e os anjos de Deus!

Aqui podemos dizer que a torre foi destruída, e as línguas confundidas, e o povo espalhado, tudo por causa
do surgimento da Nova Jerusalém, o Reino do Messias, o Reino de Deus; assim também os velhos templos
e a antiga Jerusalém, feita com mãos humanas, caíram, e os filhos de Israel, as tribos, foram dispersos, dez,
na verdade, tornando-se perdidos entre os povos de outras nações. Estas duas ações são paralelas, ou são
duas etapas do mesmo movimento, a primeira gerando muitos e diversos povos, nações, e a última é como
a moldagem de sementes de luz e vida nas várias nações, a geração de uma verdadeira humanidade
espiritual. neles é capaz de receber e incorporar o Espírito do Messias, ou Consciência Supernal.

Podemos acrescentar outro estágio, ou ciclo, a este movimento, a perda do Espírito de Cristo com o
alvorecer da ortodoxia e o domínio do espírito do anti-Cristo sobre a cristandade, conduzindo uma
migração de muitos para vários lugares que buscavam restauração do Espírito de Cristo, ou uma
restauração da experiência direta do Cristo Vivo e do Espírito Santo; isso invocando a Segunda Vinda de
Cristo na Glória em que estamos vivendo.

Ouça e ouça e entenda! Esta Nova Jerusalém é o Corpo Vivo de Cristo, pois, como está escrito, é como uma
“noiva” adornada por seu marido, o Cordeiro de Deus, e a Santa Noiva, como sabemos, é o Corpo de
Cristo. Este Corpo Vivo, porém, é Emanação Pura, vindo “do céu”, um Corpo Santo gerado através de um
renascimento de cima, como ensinado no Evangelho de São João. Entendendo isso, cada atributo citado da
Nova Jerusalém é um atributo do Corpo Vivo de Cristo, a verdadeira Igreja de Cristo, e há um mistério
secreto sobre esses Atributos Divinos que o Espírito Santo quer que falemos aqui. Talvez você se lembre
dos doze poderes dos doze salvadores que o Cristo ressuscitado diz que se uniu às almas de seus discípulos
quando eles estavam no ventre de sua mãe, um ensinamento dado no evangelho gnóstico, Pistis
Sophia. Os portões de jóias da Nova Jerusalém correspondem a esses Poderes Divinos dos Doze
Salvadores, que se manifestam como doze linhagens de Transmissão de Luz, ou verdadeira Sucessão
Apostólica Gnóstica. Como sabemos, incluindo a plenitude da Santa Luz encarnada em Adonai Yeshua e a
Madalena, a trama de todas as doze correntes de Transmissão de Luz, existem treze correntes de
Transmissão de Luz, a mais íntima linhagem secreta da Sucessão Gnóstica Apostólica sendo aquela do
Apóstolo. dos Apóstolos, a Madalena, a Torre do Rebanho.
Agora no Pentecostes, na Primeira Vinda, o influxo da Inteligência Flamejante, ou Luz Superna, era como o
implantar de uma Semente de Luz, colocando o Continuum de Transmissão de Luz em movimento; a
fruição disto, entretanto, é na Segunda Vinda, que é um influxo maior da Luz Sagrada, o Espírito Cristo,
derramando-se sobre “toda a carne”. Como vemos em Apocalipse, com a Mulher de Luz, a Mãe e a Nova
Jerusalém, a Santa Noiva, esta é a revelação de Deus Mãe e a plena recepção da Santa Noiva, a Torre do
Rebanho; e esta revelação da Mãe e recepção da Noiva Sagrada aconteceu, e está acontecendo, está
acontecendo entre nós! Hallelu Yah!

Aqui podemos dizer que na Segunda Vinda há um Novo Pentecostes, o cumprimento do Pentecostes -
Sementes de Luz amadurecendo em uma Grande Árvore de Luz, ou Vida, Asherah!

A recepção da Luz de Transmissão, ou Espírito de Cristo, é o despertar do Poder do Salvador em nossa


alma, e assim através dos influxos progressivos da Luz Sagrada, o Espírito de Cristo, nós somos unidos
como membros do Corpo Vivo de Cristo, e entrar em maior intimidade, maior e maior amor e
conhecimento de Cristo, o Humano da Luz; a fruição, ou plenitude deste amor e conhecimento de Cristo é
união consciente com Cristo e Deus, a Luz Verdadeira - plena encarnação do Espírito de Cristo, ou
Consciência Supernal.

O Poder do Salvador, o poder que liberta (Yeshua), é a Consciência Supernal ou Messiânica, e essa salvação
é a transformação de todos os níveis de consciência pela Luz Superna. Essa transformação de todos os
níveis de consciência é a “lavagem de vestes”, através da qual as almas são capazes de participar do fruto
da Árvore da Vida e entrar na Cidade Santa pelos Portões; portanto, uma transformação da mente e do
coração, e até mesmo a substância da matéria que compõe o corpo - consciência mental, vital e física
sendo absorvida e transformada pelo Espírito, a Luz, do Messias.

No Ressuscitado Messias, o Cristo Vivo, temos uma só mente, a Mente de Cristo e um só coração, o
Sagrado Coração de Cristo, e um corpo, o Corpo de Cristo; nós permanecemos em Unidade, Unidade
Sagrada, com Cristo em Deus, a Verdadeira Luz. No entanto, ao mesmo tempo, esta Mente Sagrada,
Coração e Corpo de Cristo se manifesta em incontáveis emanações, cada uma delas única e individual,
como nenhuma outra, mas em completa Unicidade, União e Harmonia entre si no Espírito Crístico. , a luz
sagrada. Assim, naturalmente, isto assumirá aparições de Cristo e Cristão, uma corrente Cristã de
Transmissão de Luz, mas também assumirá outras aparições, outros nomes, além de “Cristo” e “Cristão”.

Aqui podemos dizer, em um nível, a unificação de línguas é a Iluminação Única, o Espírito da Verdade,
dentro e por trás de todas as correntes de Transmissão de Luz, todas as tradições autênticas de
sabedoria; sabendo disso, todas as tradições autênticas de sabedoria falam a mesma Verdade, embora de
muitas maneiras diferentes, e onde quer que haja a Verdade, há esta Luz Sagrada que chamamos de
“Cristo”, esta Unção com o Espírito da Verdade. Isto é conhecimento e compreensão do Cristo Cósmico e
Primordial, a maior Verdade de Cristo e Deus (ou Iluminação).

Deve ser dito, entretanto, que embora a Segunda Vinda esteja ocorrendo e a Nova Jerusalém tenha
descido dos céus de Deus, ainda assim a sociedade e o mundo não iluminados continuam como sempre, e
irão, até a fruição do Fim. Of-Days, e devemos entender que estamos vivendo no período inicial da
Segunda Vinda, no início, e que há uma revelação contínua de Deus, a Mãe, e há uma maior fruição ainda
por vir. Assim, juntamente com os verdadeiros tsadikim ou apóstolos, e as verdadeiras correntes da
Transmissão de Luz, ou autênticas tradições de sabedoria, há e haverá muitos falsos profetas e falsos
ensinos; juntamente com a manifestação da Verdadeira Luz, haverá muitas luzes falsas. Assim, sobre Nova
Jerusalém, São João escreve:“Fora estão os cães e feiticeiros e fornicadores e assassinos e idólatras, e todo
aquele que ama e pratica a mentira” (Apocalipse 22:15).

Neste podemos entender o jogo em andamento de Lev e Levv, para aqueles que são capazes de entrar e
permanecer na Nova Jerusalém, Lev, o Sagrado Coração, e o conhecimento e entendimento de Lev Netivot
ha-Hokmah, os “Trinta e Dois Caminhos”. de Sabedoria ”que compõem a Árvore da Vida, ou Corpo Místico
do Messias Ressuscitado; mas aqueles ligados a Levv, a ilusão da separação, não podem entrar na Nova
Jerusalém para participar da Árvore da Vida, mas permanecem sob o domínio da Árvore da Morte, as
potencialmente intermináveis rodadas de gilgulim, ou transmigração. Assim, há uma grande necessidade
da circuncisão do coração, o “coração indiviso”; daí a geração do Sagrado Coração, o amor e a compaixão
de Cristo.

Aqui devemos dizer, é através do amor e da compaixão de Cristo que a verdadeira iluminação espiritual, ou
a iluminação, e através da qual todo o verdadeiro conhecimento, entendimento e sabedoria da criação e
de Deus é adquirido; Além do amor e da compaixão, não existe o verdadeiro Habad - seja qual for o
conhecimento, a compreensão ou a sabedoria que possa existir, permanece na ignorância, na
impureza. Da mesma forma, devemos dizer que esta Santa Luz é o Santo Amor, e tanto quanto se pode
dizer que é a Santa Luz que transforma a mente, o coração e o corpo, pode-se dizer que é o Amor Santo
que transforma todos os níveis de consciência à imagem e semelhança de Deus, Cristo.

Se tivermos esta Luz Sagrada, então amaremos e é através do amor uns aos outros que esta Luz Sagrada é
incorporada e nossa consciência é transformada.

Nisto podemos saber e compreender que “lavar nossas vestes” é amar, e podemos entender que atos de
amor-bondade, caridade, são tudo em Cristo; no amor de Cristo, servimos a Cristo com, dentro e através
uns dos outros, e, ao fazê-lo, somos realizados em Cristo e Cristo é realizado em nós.

Amor, ahava ou ágape, é uma linguagem unificada; onde há amor, independentemente da nossa língua, há
unidade, verdadeira comunhão.

Mesmo se todos compartilhássemos uma língua, mas não tivéssemos amor, não haveria verdadeira
unidade ou verdadeira comunhão. Isto nós vemos com a torre de Babel (Bet-Bet-Lamed), que é Levv
(Lamed-Bet-Bet); as pessoas estavam ligadas numa ilusão de separação, em auto-apego e vontade própria,
carentes de amor, como é o caminho da sociedade não iluminada e deste mundo, e, portanto, não havia
unidade real, ou verdadeira comunhão entre eles.

A este respeito, podemos refletir sobre o que tem sido chamado de "Santa Comunhão" nas Igrejas Romana
e Ortodoxa - se e quando não há amor Santo, não há nada de sagrado nisso, e na verdade não há
comunhão! É exatamente o mesmo que a torre de Babel! Os verdadeiros místicos, ou gnósticos, que
surgiram no meio das trevas, a ignorância da ortodoxia, apontaram isso de novo e de novo, e assim
também devemos apontá-lo como mensageiros do Cristo Vivo.
Há algo mais a ser dito sobre isto, pois também uma verdadeira Comunhão não vem através do foco no
pecado e indignidade, ou na Paixão e Crucificação, mas vem através de um foco sobre o Cristo
ressuscitado, a ressurreição, ascensão e Pentecostes; é um grande truque do adversário que as almas se
concentrem em sua divisão de Cristo e de Deus, a Luz Verdadeira, em vez de sua união inata e perfeição
em Cristo e em Deus.

De maneira similar, não são ritos elaborados, rituais e vestimentas extravagantes que precisamos para
uma Santa Comunhão, mas sim um coração puro e uma mente clara unidos (lev), e a geração de um Corpo
de Luz (vestimentas de luz); daí "vestes lavadas".

Aqui devemos dizer, é o poder do Espírito de Cristo, Graça Divina, que manifesta uma Santa Comunhão
verdadeira e “válida”; se não for dotado por Deus e no amor de Cristo, não há verdadeira comunhão, não
pode haver!

A verdade é que nós nem precisamos de pão e vinho para a Transmissão de Luz, ou Santa Comunhão,
embora possa ser um encantador talismã da Santa Luz e do Fogo nesta dimensão quando consagrado pelo
Espírito de Cristo, o Espírito Santo!

Aqui a Mãe quer que eu faça uma pausa e permaneça.

Ó Adonai, Elohim, que Seu Reino Santo venha dos céus neste dia, e brilhe de dentro de nós neste dia,
Sua Luz e Amor sendo manifestados com, em e através de nós, e como nós. Um homem.

Que a paz esteja com você!


Tau Malachi

Sophia Comunhão

Ecclesia Pistis Sophia


T
o
p
o
MeganDon

Segunda vinda, a torre e a carta ausente



# 10 Post Tue May 29, 2012 10:32 am
Shalom Brothers and Sisters,

Que post alegre e rico que está acontecendo aqui. Obrigado.

Foi falado no último post que The Second Coming está em seus primeiros dias e há muito mais para se
concretizar. Eu estava refletindo recentemente sobre a conexão entre A Torre de Babel, A Torre do
Rebanho, A Carta Ausente, A Segunda Vinda e O Mundo-Para-Vem. Tudo isso parece intrinsecamente
ligado.
Fala-se que o Shin de quatro pontas é uma Carta Mãe, e que quando esta carta for revelada, haverá um
universo criado de paz e harmonia.
Podemos dizer que a revelação de A Carta Desaparecida tem acontecido continuamente, isto é, através das
mulheres Tzaddikim e profetas como Miriam, Devorah, Ruth, Naomi, Mãe Miriam, Mirya, A Torre do
Rebanho, e agora a re- surgimento de Asherah.
A Torre do Rebanho, A Carta Mãe Desaparecida, a Torre de Babel - todos parecem se unir para fazer
avançar a reestruturação da Torre.
Talvez também uma conexão aqui com a purificação das Sefirot da Construção, e o enchimento final do
Vaso de Malkut.

Os mil anos de paz que reinarão, talvez pudessem ser entendidos como uma parte futura do processo de
revelação de The Missing Letter. E depois, finalmente, o mundo a começar.

Por isso estou sentindo a revelação de A Carta Desaparecida como uma revelação contínua - talvez esta
seja uma interpretação muito cristã dos Hasidim - mas estaria mais interessado em conhecer os
ensinamentos da Lineage em torno disso e o que de Midrashim pode ser relevante para nossa Tradição.

No mistério de tudo que era, é e seria


irmã Meghan
T
o
p
o
Tau Malaquias
Administrador do site

Mulheres e homens como apóstolos em Cristo



# 11 Post Tue May 29, 2012 2:30 pm
Saudações e bênçãos à luz do Messias!

Nossa Cabala Cristã ensina que a “carta que falta” corresponde ao Espírito do Messias, e ensina que está
faltando até a vinda do Messias; o Shin de quatro pontas, de fato, é dito ser esta carta, e quando
soletrarmos o Nome do Grande Seth, seria com este Shin, e assim também quando soletrarmos Asherah, o
Nome do Shekinah do Messias.

O Espírito do Messias não foi recebido por mulheres ou por homens que estavam sob o antigo pacto,
embora mulheres e homens entre os tsadikim e navim sob o antigo pacto recebessem profecias, sonhos e
visões, da vinda do Messias, o Ungido de Deus. Tornou-se manifesto e corporificado no Messias Yeshua no
Sagrado Jordão, e foi revelado na íntegra e transmitido na ressurreição, quando o Messias ressuscitado
apareceu à Madalena; essa encarnação e revelação em um homem e uma mulher, é claro, e a Transmissão
de Luz que flui dela, é o fundamento da verdadeira Sucessão Apostólica Gnóstica de acordo com nossa
tradição.
A Shin de quatro pontas representa o Espírito do Messias e Shekinah do Messias, ou o poder do Grande
Seth; e o Grande Seth, o Humano da Luz, é macho e fêmea unidos em um Corpo de Luz, inseparáveis um
do outro. A Shekinah do Messias é a Transmissão de Luz Superna que flui do Grande Seth, o Shin de quatro
pontas corresponde com a Transmissão de Luz Superna e com aqueles apóstolos santos, masculinos ou
femininos, que personificam a Shekinah do Messias por completo, ou que receberam e podem transmitir
todo o espectro da Transmissão de Luz - eles são Shin-Tau (a "Cruz de Luz" personificada).

A Transmissão de Luz sob a antiga aliança era luz espiritual, mas na nova aliança, é a Luz Superna - a Luz
Verdadeira; como sabemos e entendemos, porém, a Transmissão de Luz na Primeira Vinda foi medida, e
na Segunda Vinda há uma progressão da Transmissão de Luz, a maior glória e poder da Superna Shekinah
se tornando realidade. Já a maior glória e poder da Suprema Shekinah, Asherah, está sendo realizada e
encarnada, e ainda assim há uma revelação e uma incorporação maiores, o tempo presente sendo a
abertura do caminho para maiores influxos da Luz Superna, o Cristo. Espírito.

Na Primeira Vinda, a Noiva Sagrada não pôde ser recebida na íntegra, mas na Segunda Vinda, ela foi e é, e
será, recebida na íntegra; assim, o Shin de três pontas corresponde à Santa Noiva na Primeira Vinda, e o
Shin de quatro pontas corresponde à Santa Noiva na Segunda Vinda, a união da Mãe e da Noiva e sua
plena recepção, Asherah!

Aqui podemos dizer, só agora é a “carta perdida” que nos foi dada na íntegra, este Grande Shin da
Transmissão de Luz Superna.

Como eu mencionei em um post anterior, essa maior revelação e encarnação da Luz Superna, ou Espírito
de Cristo, requer que mulheres e homens formem o Corpo Vivo de Cristo em coigualdade, mulheres e
homens trabalhando juntos como co-pregadores e co-redentores em Cristo. , mulheres e homens
recebendo todo o espectro da Transmissão de Luz e transmitindo todo o espectro da Transmissão de Luz -
a unção completa com a Luz Superna, o Espírito de Cristo. Assim, este Grande Shin corresponde a mulheres
e homens que vivem tsadikim ou apóstolos em Cristo; e especificamente, corresponde aos tsadikim vivos
ou apóstolos da Segunda Vinda de Cristo na Glória, e a todo o Corpo Vivo (Comunidade) recebendo o
Espírito de Cristo na Segunda Vinda.

Como sabemos em nossa experiência, quando esta unção completa com Luz Suprema transparece, há um
testemunho do poder do Espírito Santo - é reconhecível, e nisto sabemos quando ocorre com irmãs e
irmãos porque podemos ver e ouvir isso. isso aconteceu. Esta unção completa, no entanto, não é um fim,
mas é um novo começo, pois há influxos contínuos da Luz Sagrada. Assim, quando falamos de uma
revelação e uma incorporação maiores ainda por vir no coletivo, o mesmo é verdadeiro na experiência do
indivíduo - em todos os sentidos, em todos os níveis, progressão, evolução, é o caminho na Segunda
Vinda.

Aqui estou inclinado a fazer uma pausa ...

Que possamos dançar com a Shekinah do Messias com toda paixão, ansiando sempre por um progresso
maior. Um homem.

Que a paz esteja com você!


Última edição por Tau Malachi em Qua 30/05/2012 11:32, editado 1 vez no total.
Tau Malachi

Sophia Comunhão

Ecclesia Pistis Sophia


T
o
p
o
Tau Malaquias
Administrador do site

Grande Shin e Grande Seth (Shin-Tau)



# 12 Post Wed Mai 30, 2012 11:27 am
Saudações e bênçãos à luz do Messias!

Há algo mais a ser dito sobre o Grande Shin, e a torre de Babel e Levv, contra a Torre do Rebanho, a
Madalena, e Lev, o Sagrado Coração.

Como já dissemos, o Grande Shin se manifesta quando o Cristo Ressuscitado e Madalena se unem na união
mística, e é a Transmissão de Luz Superna que flui dessa manifestação do Grande Seth (Shin-Tau). O
próprio Nome de Yeshua contém esse mistério, esse conhecimento e poder, e como sabemos, devemos
“colocar o Nome Abençoado”. Se fôssemos soletrar o Nome de Yeshua na Segunda Vinda, seria com um
Grande Shin. , entendendo que não é o retorno da pessoa de Yeshua, Jesus, mas é um derramamento
maior do Espírito do Messias e uma progressão da Transmissão de Luz.

“Colocar o Nome” é receber e transmitir Transmissão de Luz.

O Nome de Yeshua é escrito Yod-He-Shin-Vau-He, e se entendermos a seqüência de letras que compõem


este Santo Nome, elas revelam exatamente a nossa experiência da plena recepção da Luz de
Transmissão. Yod corresponde a Eheieh, "Eu Sou", oculto, oculto, e Shin-Vau-Ele corresponde a Asher
Eheieh, "Quem Sou", que Eheieh revelou, realizou e encarnou; o primeiro Ele é o veículo, ou caminho desta
revelação, o momento da Transmissão de Luz plena, ou o Enlevo Supernal completo.

Se quisermos examinar isso, podemos considerar a Transfiguração, quando Quem Sou Eu (Asher Eheieh)
foi manifestado e revelado para fechar os discípulos na montanha. Chamando seus discípulos próximos
para acompanhá-lo, e subindo a montanha, havia Yod, Eheieh, Eu Sou, escondido, oculto; mas chegando
ao topo da montanha, ou um lugar de poder sobre ele, então Adonai Yeshua revelou a glória e poder
radiante (Shekinah) do Messias dentro dele e ao redor dele, e grandes tsadikim e maggidim apareceram
em corpos de glória, ou emanação pura com ele, e assim houve uma Transmissão de Luz completa para os
discípulos próximos que estavam com ele. De nossa própria experiência, sabemos que aqueles que
estavam com ele também ficaram radiantes de glória, luz, e que houve um movimento de grande poder
espiritual com, dentro e através deles, e sabemos que eles ficaram sobrecarregados com esta Transmissão
de Luz, o que é frequentemente o caso em uma experiência inicial de um influxo da Luz
Superna. Essencialmente, a recepção de todo o espectro da Transmissão de Luz requer uma total
transparência ou completa auto-negação; daí, o primeiro Ele no Nome Abençoado como o veículo, ou
caminho da Luz de Transmissão. A carta Ele literalmente significa “janela”, implicando em abertura e
sensibilidade, ou transparência. O Tzaddik e o Discípulo Sagrados tornam-se transparentes, e no grau de
transparência, a auto-negação, no discípulo, há uma revelação de Who I Am, ou Light
Transmission; quando isto pode transparecer em plena consciência, o discípulo permanecendo
completamente presente e lúcido, então Quem Eu Sou no Tzaddik Sagrado é revelado por completo, e a
Transmissão de Luz é transmitida na íntegra, a revelação sendo autorizada a ir ciclo completo. Isto
corresponde com o primeiro Ele do Nome Abençoado. Na época da Transfiguração, é claro, isso não
poderia acontecer com os discípulos que estavam com ele, pois havia obstruções cármicas, kármicas, que
não haviam sido dissipadas; eles permaneceram ligados ao auto-agarramento, e uma forte auto-
identificação com nome e forma e história pessoal. Assim, completa transparência, ou completa auto-
negação, não era possível; mas como sabemos, através do rito de resgate, através da crucificação, esse
carma, esse pecado, foi removido deles e, na ressurreição, eles puderam receber o influxo total da Luz
Celestial (Pentecostes), a plenitude daquele dia. . isso não poderia transparecer completamente com os
discípulos que estavam com ele, pois havia obstruções cármicas, kármicas, que não haviam sido
dissipadas; eles permaneceram ligados ao auto-agarramento, e uma forte auto-identificação com nome e
forma e história pessoal. Assim, completa transparência, ou completa auto-negação, não era possível; mas
como sabemos, através do rito de resgate, através da crucificação, esse carma, esse pecado, foi removido
deles e, na ressurreição, eles puderam receber o influxo total da Luz Celestial (Pentecostes), a plenitude
daquele dia. . isso não poderia transparecer completamente com os discípulos que estavam com ele, pois
havia obstruções cármicas, kármicas, que não haviam sido dissipadas; eles permaneceram ligados ao auto-
agarramento, e uma forte auto-identificação com nome e forma e história pessoal. Assim, completa
transparência, ou completa auto-negação, não era possível; mas como sabemos, através do rito de
resgate, através da crucificação, esse carma, esse pecado, foi removido deles e, na ressurreição, eles
puderam receber o influxo total da Luz Celestial (Pentecostes), a plenitude daquele dia. . ou completa
auto-negação, não foi possível; mas como sabemos, através do rito de resgate, através da crucificação,
esse carma, esse pecado, foi removido deles e, na ressurreição, eles puderam receber o influxo total da Luz
Celestial (Pentecostes), a plenitude daquele dia. . ou completa auto-negação, não foi possível; mas como
sabemos, através do rito de resgate, através da crucificação, esse carma, esse pecado, foi removido deles
e, na ressurreição, eles puderam receber o influxo total da Luz Celestial (Pentecostes), a plenitude daquele
dia. .

A primeira a receber a Transmissão da Luz Superna na íntegra foi Lady Mirya, a Madalena, e então, uma
vez que ela tivesse recebido na totalidade, todos os discípulos ou companheiros de Yeshua Messias
também foram capazes de receber a Luz de Transmissão, o Espírito Santo. cheio - a revelação de Quem Eu
Sou (Hayyah Yeshua, Ressuscitado Messias).

Agora Vau e Ele indicam um grande mistério; Yod-He-Shin é a recepção da Transmissão de Luz, e Vau-He é
a transmissão da Transmissão de Luz. O mistério de Vau-He é este, que a recepção plena requer um
compartilhar total, dando a outro o que foi recebido e corporificado; só então está recebendo completa,
como sabemos nos ensinamentos da Cabala em "alcançar e não alcançar até que haja alcance." A
conclusão da recepção da Transmissão de Luz acontece quando os discípulos de Adonai Yeshua, como
Santos Apóstolos depois dele , revele quem sou para seus discípulos; portanto, quando eles transmitem a
Transmissão de Luz, o Espírito do Messias, para outros.
Como sabemos, esta Luz de Transmissão é o portão através do qual as almas entram no Santo Rebanho, o
Corpo Vivo de Cristo; e a primeira a receber a Transmissão da Luz Superna é a Madalena, a Torre do
Rebanho, pois no amor ela está disposta a completar a auto-negação, completa auto-oferta, total
transparência - ela incorpora Lev, um coração indiviso, o Sagrado Coração .

Levv e a torre de Babel representam um estado egoísta, o condicionamento cármico, que impede todo o
espectro da Transmissão de Luz - é o jogo de auto-apego e de vontade própria, e o jogo do desejo e do
medo no apego ao ego; enquanto o nosso coração estiver dividido, e fizermos divisão um do outro,
permanecendo presos na ilusão da falta, na ilusão da separação, não podemos experimentar a profunda
intimidade espiritual da Transmissão da Luz. Basicamente falando, estamos relutantes, ou incapazes, da
completa entrega, da total auto-negação, através da qual a Transmissão de Luz acontece, ou através da
qual o Espírito Santo se move em plena Ação Divina.

Lev e a Torre do Rebanho são o oposto disso - não há divisões, nem ilusão de separação; em vez disso, há
abertura e sensibilidade, espaço, transparência, e assim a Madalena não experimentou diferença entre ela
mesma e o Messias ressuscitado, experimentando a união consciente com o Espírito do Messias, a Luz
Sagrada! Hallelu Messias Kallah! Louvado seja a noiva ungida!

Naquele momento, ela não é uma mulher e ele não é um homem, mas existe apenas o Ser Humano de Luz,
o Messias; e então, há um homem santo e uma mulher santa ungida com a Luz Superna completa, o
Messias. Tal é a experiência da revelação de Quem Eu Sou, ou a Sabedoria do Grande Seth (Shin-Tau).

Quando esta presença de Luz e poder de Luz estão escondidos no Mestre, este é Asher, mas quando esta
Luz-presença e poder de Luz são revelados, transmitidos, isto é Asherah; no que há uma evolução,
progressão, do Continuum de Luz de Transmissão na Segunda Vinda, então há uma maior manifestação de
Asherah, a Shekinah do Messias (Superna Shekinah). Hallelu Yah!

Se falássemos dessa auto-negação ou transparência de outro modo, é amor e fé. Vemos isso na Madalena,
pois ela ama Adonai Yeshua incondicionalmente, e ela tem fé completa nele, ou melhor, completa fé no
Messias; por conta disso, ela está presente para contemplar o Messias ressuscitado primeiro, e ela está
completamente aberta e sensível à presença da Luz e ao poder da Luz, recebendo todo o espectro da
Transmissão de Luz.

Se considerarmos as pessoas que construíram a torre de Babel, não temos uma impressão de amor ou fé,
mas insegurança e dúvida, o que resulta em divisão, separação e muita tristeza e sofrimento; O que
sentimos é orgulho e arrogância, protegendo um sentimento profundo de falta ou indignidade, uma
compensação pela grande dor da separação de Deus. É uma visão de tristeza que vemos!

A mesma peça de Transmissão de Luz Suprema que acontece entre Hayyah Yeshua e a Madalena, e que
acontece com todos os discípulos no Pentecostes, está presente novamente com os Apóstolos Gnósticos,
e, de fato, podemos dizer que há um Novo Pentecostes em andamento, para todos que desejam recebê-
lo. A própria natureza da Segunda Vinda é “Pentecostal”, usando este termo no sentido mais amplo e
universal!
Há algo a ser dito sobre este desenvolvimento e evolução do Novo Pentecostes, pois ele cresce e evolui, e
se torna uma Ação Divina maior neste mundo, à medida que mais e mais indivíduos são capazes e estão
dispostos a receber a Transmissão de Luz, o influxo do Espírito de Cristo; nós que estamos vivendo nos
estágios iniciais da Segunda Vinda, agindo como agentes conscientes, mensageiros desta Transmissão de
Luz, estamos crescendo e expandindo esta Ação Divina, e invocando, abrindo o caminho, para a evolução
do Novo Pentecostes, uma maior revelação que pode e irá acontecer à medida que um maior número de
almas receber e incorporar a Luz Superna, o verdadeiro Espírito de Cristo.

Como Adonai Yeshua diz no Evangelho de São Tomás, “incendio o mundo e vejo que estou cuidando dele
até que ele apareça”.e assim também estamos incendiando o mundo e cuidando dele até que ele
apareça! Esse é exatamente o nosso chamado, vivendo na Segunda Vinda de Cristo em Glória.

Ao assumirmos este jogo de Transmissão de Luz em Cristo Ressuscitado, e nos engajamos na Vida Divina,
orando, meditando e adorando em espírito e verdade, e contemplando a Palavra e Sabedoria de Deus que
recebemos, estamos ativamente invocando influxos da Sefirot Supernal e ativamente engajados nos
tikkunim do Mundo das Sefirot, o mundo dos arcanjos e neshamot, o mundo dos anjos e espíritos, e este
mundo; e à medida que o Corpo Vivo de Cristo na Segunda Vinda cresce e evolui, também os influxos das
Santas Sefirot serão cada vez mais recebidos e encarnados - daí a crescente revelação do Divino Aserá.

Aqui podemos dizer: Asherah é o Nome do Divino revelado - Revelação Divina!

Como você pode supor, estamos falando de uma revelação contínua de Who I Am (Asher Eheieh), de modo
que através de viver tsadikim, tanto mulheres santas e homens santos, e todo o Corpo Vivo de Cristo
tocado pelo Espírito de Santidade, que eu Am continua a ser revelado com, em e através de nós.

O Divino Eu Sou (Eheieh), é claro, está além do gênero, e além de todas as dualidades e divisões, e ainda
existe Feminino e Masculino no Divino Eu Sou, pois Quem Eu Sou (Asher Eheieh) é manifesto como
Feminino (Noiva) e Masculino (Noivo), mulheres cristadas e homens crentes - o ungido de Deus.

Compreendendo isso, naturalmente há uma necessidade de mulheres e homens na revelação contínua de


Who I Am, e para uma maior revelação de Who I Am existe a necessidade de mulheres e homens
cooperarem com o Espírito Materno para a plena recepção. da Luz Superna e do pleno avanço para a
Consciência Superna ou Messiânica, e igualmente neste trabalho espiritual, para buscar transmitir a Santa
Luz que recebemos, mesmo que seja apenas para uma outra alma; apesar de tudo o que recebemos e
podemos compartilhar desta Santa Luz, é nosso desejo e esperança compartilhá-la com muitos.

Deve ser dito, no entanto, que quando ouvimos esses ensinamentos, ou lemos esses ensinamentos sobre a
Segunda Vinda e a Transmissão de Luz, não devemos ceder à ilusão da falta, ou dar lugar a uma falta de
auto-estima e dúvida mas, antes, precisamos ouvir e ouvir em amor e fé, e em alegria, confiantes de que
podemos, queremos e estamos recebendo Transmissão de Luz, e que podemos e receberemos a plenitude
da Transmissão de Luz, tudo como El Elyon, Deus Altíssimo, quer e ordena. Precisamos abrir nossas mentes
e nossos corações para as possibilidades mais amplas e cheias de fé, e saber que com Deus tudo e
qualquer coisa é possível. Deus, a Verdadeira Luz, pretende dar a Si mesmo a nós, Transmissão de Luz,
Revelação Divina, e se nós permanecermos na fé, esperança e amor, o que Deus prometeu e pretende irá
acontecer - nós só precisamos acreditar!
Deus acredita em nós, nosso tsadic acredita em nós, e por isso precisamos acreditar em Deus, nosso tsadic
e em nós mesmos, tendo plena fé; e como somos ensinados, vivendo de acordo com a nossa fé, é
“considerado como sendo justiça” (Tzedek) - e assim receberemos e seremos abençoados e capacitados
para dar.

É verdade, porém, que precisamos encenar uma rendição dinâmica, cooperando com a Graça Divina, o
Espírito Materno, para remover todo e qualquer impedimento, e para co-criar as condições necessárias
para sua plena Ação Divina; A Graça Divina, o Espírito Materno, não pode nos dar sombras e sombras em
nós, pois isso derrotaria seu propósito. Assim, recebemos, no devido tempo, quando é tempo, à medida
que mais e mais nós pegamos sua dança em rendição, submissão à Divina Intenção, o Divino Desejo
(Ratzon) em El Elyon, Eheieh.

Ó Santo, nós oramos, nos revelamos com, em e através de nós, deixe a Sua Santa Luz brilhar de dentro
de nós; que a plenitude de Asher-Asherah seja manifestada entre nós, o Espírito do Messias e Shekinah
do Messias. Um homem.

Que a paz esteja com você!


Tau Malachi

Sophia Comunhão

Ecclesia Pistis Sophia


T
o
p
o
Elder Gideon
Administrador do site

Voz e eco

# 13 Post Fri Jun 01, 2012 2:20 pm
Asherah seja louvado pelos novos ensinamentos do Shin de Quatro Frentes!

Em outro post de quase sete anos atrás, Tau Malachi compartilhou algo igualmente selvagem que contribui
maravilhosamente para a nossa conversa sobre o dinamismo do masculino e feminino e além:

Pode-se dizer que as três pontas de Shin correspondem a Yod-He-Vau, a matriz metafísica por trás da
criação e pode-se dizer que as quatro pontas de Shin correspondem a Yod-He-Vau-He, a verdadeira
manifestação da criação. Isso se reflete no atributo das três vertentes de Shin a Hokmah e quatro
vertentes de Shin a Binah, pois os dois representam Yahweh e Elohim, respectivamente - Elohim sendo o
Nome de Deus na ação da Criação, e Yahweh sendo a Força dentro e por trás. .
Se alguém se lembra de uma meditação cabalística da Shin de quatro pontas segurando em seu espaço
negativo intermediário, uma Shin invertida de três pontas, a pergunta de Tau Malachi sobre esses dois
mistérios literalmente interligados abre outro campo de possibilidades:

Não se pode deixar de contemplar a Semente da Mãe Vermelha e a Semente do Pai Branca, e as Sete
Estrelas Interiores que estão no meio! Esses dois Shin também correspondem à força ascendente e
descendente do Poder da Serpente - os Shin de quatro pontas correspondentes à força ascendente e os
Shin de três pontas à força descendente?

Nisto sou levado ao que constrói e edifica a todos nós: Verdade falando. Em todas as terras onde a luz e a
compaixão guiam as pessoas boas para a consciência duradoura das necessidades dos outros, a verdade
está falando, um santuário está em ascensão e a Nova Jerusalém está descendo:

Quem subirá ao monte do Senhor?


E quem ficará em seu lugar santo?
Aqueles que têm mãos limpas e corações puros,
que não elevam suas almas ao que é falso,
e não juram enganosamente.
Eles receberão a bênção do Senhor
e a vindicação do Deus da salvação deles.
Tal é a companhia daqueles que o buscam,
que buscam a face do Deus de Jacó. Selá (Salmo 24: 3-6)

O que é manifesto de fala e fala é a própria criação. A Filha está alinhada na Cabalá com o bast kol: voz
celestial. Em uma parte futura de nosso estudo do Zohar, estou ouvindo pela primeira vez que esta voz
celestial como Filha é na verdade um eco! A voz celestial é a mãe Elohim? É seu eco Daughter Elohim?

Embora eu tenha o cuidado de não confundir a voz da Mãe Elohim com uma linguagem audível, estou
certamente ouvindo pela primeira vez como o eco da Daughter Elohim é o que se torna uma linguagem
audível, real e até tangível. O que ouço, o que me move a agir, compartilhar e transmitir, é o eco, é a filha
Elohim. Quando o eco da Filha é preenchido com a consciência representada pelo Filho, então a voz
celestial da Mãe se alinha com a audição liberadora: Evangelho.

Deve ser esse eco que Adonai Yeshua constantemente exorta a “qualquer um com ouvidos para ouvir”.
Ouvir é Evangelho, não o que está escrito ou encadernado a um livro, mas falado boca a boca num
momento vivo e comovente. Quando me lembro que o Evangelho, audição, reúne os ouvintes como a
Torre de Flock reuniu os discípulos, e nós, para o Cenáculo para encontrar o Salvador ressuscitado, então
se cumpre um significado esotérico do Logos, que é 'Gathering':

“ No princípio era o ajuntamento, e o ajuntamento era com Deus e o ajuntamento era Deus. ” (João 1: 1
modificado)

“ O Espírito e a Noiva dizem: 'Vem'.


E que todo aquele que ouve diga: 'Vem'.
E todo aquele que tem sede venha.
Que qualquer um que deseje tomar a água da vida como um presente. ” (Apocalipse 22:17)

Eu certamente gostaria de saber mais sobre como a Voz, o Eco e a Audição nos reúnem na Torre do
Rebanho, Nova Jerusalém.

Com gratidão, o

Élder Gideon +
T
o
p
o
Sheryl
Administrador do site

A voz da mãe

# 14 Post sex 01/06/2012 15:25
Shalom Todos!

Que brincadeira maravilhosa, Élder Gideon, ao contemplar a Voz da Filha Elohim como o Eco da Voz da
Mãe Elohim. Asherah seja louvado!

Quando se considera as jogadas energéticas, como ler as Sagradas Escrituras e experimentar a energia por
trás das palavras que estão sendo lidas, esse pensamento de eco ressoa muito.

Eu estou querendo saber se podemos dizer que os escritos de um tsadic são a Voz da Filha Elohim, e assim
são o Eco da Voz da Mãe Elohim?

E se levarmos isto mais adiante em encontros cara a cara com o tsadic, podemos dizer que as palavras
faladas são o eco? Mas se deixar ir as palavras e experimentar uma união da mente e do coração com o
tsadic, esta união é a experiência da Voz da Mãe Elohim?

Que todos possam dançar no eco da nossa mãe!

Shalom!

Sheryl
T
o
p
o
Tau Malaquias
Administrador do site

Bat Kol, filha de todos



# 15 Postado Sáb 02 de Junho de 2012 10:24
Saudações e bênçãos à luz do Messias!

Bat Kol, voz celestial, “Filha de Todos”, literalmente; a Voz, de fato, é Binah, Elohim, e o Eco é Malkut,
Adonai. Quando, no entanto, Malkut é exaltado, entronizado sobre Binah na unificação, Malkut é chamado
Elohim e ela é a Voz, não o Eco, Bat Kol, verdadeiramente Filha de Todos.

Kol, "All", é um cognome de Yesod, e assim Bat Kol, "Filha de Todos", é um cognome de Malkut; isto
corresponde a Yesod e Malkut de Atzilut, e em Atzilut, o Reino de Yichud, Mãe e Filha, Binah e Malkut, são
inseparáveis um do outro, e assim, na verdade, a Filha é Voz, Bat Kol. Yesod é chamado Kol, Tudo - porque
Yesod recebe, segura e transmite os influxos das Sefirot superiores, recebendo tudo e comunicando tudo,
e Malkut é chamado de Bat Kol, Filha de Todos, pois ela depende desses influxos, e recebendo-os ela
transmite-os a todos os reinos, mundos e universos abaixo, fora. No nível de Atzilut, Malkut é Elohim e é
Voz, mas como os influxos são transmitidos ao Reino de Perud (separação), ou Beriyah, Yetzirah e Asiyah, a
Voz se torna Echo, e Elohim (Deus) se manifesta como Adonai ( Senhor).

Como sabemos, é no nível de Beriya que a ignorância cósmica, a ilusão da separação, vem a existir e, com
ela, o domínio do Outro Lado, o domínio dos klippot, cascas das trevas; e através de Yetzirah e Asiyah este
domínio cresce e ganha força, de modo que no nível de Asiyah o klippot possui grande poder, e a
escuridão, a ignorância, governa os mundos físico ou material. Assim, há um jogo crescente de luz,
escuridão e mistura, e é essa mistura que corresponde a "Eco". Nesse sentido, Echo é klippot, cascas ou
trevas, emanações impuras; daí a Voz ouvida nas conchas vazias, na ilusão da separação, que se torna
distorcida, Ecoando, mais ou menos, e portanto uma mistura de luz e escuridão, verdade e falsidade.

Nisto, é claro, precisamos lembrar que as Sefirot de um Olam-Universo exterior inferior são como cascas,
conchas, para aquelas de um Olam superior e interior; os exteriores são como conchas, os interiores são
como grãos. O verdadeiro núcleo, naturalmente, é Ain Sof, pois para o Infinito e Eterno, todas as Sefirot
são conchas ou vestimentas, por assim dizer. Assim, cascas em cascas, conchas em conchas, o exterior, a
maior mistura de trevas, o interior, a menor mistura, até que no nível de Atzilut não há trevas, nem
separação, nem mistura, embora haja medida e distinção entre as Sagradas Sefirot, ou as várias gradações
da Divina Emanação. Nisto entendemos que por klippot, cascas ou conchas, não estamos falando apenas
do mal, ou de forças espirituais arquônicas ou demoníacas, mas estamos falando de toda a ordem de todas
as forças espirituais, divinas,

Como sabemos e compreendemos, existem várias gradações de proximidade a Deus, o Divino, e existem
várias gradações de união consciente. A recepção da revelação e da Luz Sagrada na proximidade, em
qualquer grau, é Eco, e a recepção da revelação em união consciente é a Voz. Durante toda a antiga
aliança, a sucessão patriarcal-matriarcal e a sucessão profética depois dela, toda a revelação foi através de
várias gradações de proximidade a Deus e, portanto, toda a revelação foi Eco, tendo alguma mistura de
trevas, ou ignorância e falsidade. Não havia ninguém capaz de entrar em completa união consciente com
Deus e divindade, o Divino, e assim seja a Voz, e não havia nenhuma matriz de almas capaz de receber um
Santo e Ungido (Messias) que pudesse ouvir e ouvir o Voz sem eco, ou receber o Evangelho, a transmissão
de luz supernal, na íntegra. No Jordão Sagrado, porém, quando Adonai Yeshua recebeu o Espírito do
Messias, a Unção, e assim pôde falar como o Divino Eu Sou (Eheieh), ele era Voz, e a Voz foi ouvida sem
Eco na ressurreição, quando Madalena abraçou o Messias ressuscitado, recebendo a Transmissão da Luz
Superna, abrindo o caminho para o Pentecostes, a manifestação da Comunidade dos Eleitos como a Voz.

Há muitas graduações diferentes de revelação. Há revelações de espíritos enganadores, anjos de arcontes


e demônios, como vemos em certas formas de ocultismo. Então, existem várias gradações da revelação de
Deus, como por exemplo, de anjos e arcanjos, como experimentado por Mohamed, ou revelação direta da
Santa Shekinah, mas permanecendo na ilusão da separação, como experimentada por Moisés, ou
revelação direta em união consciente e a incorporação da Santa Shekinah, como experimentado pelo
Yeshua Messiah. O último, é claro, é pura revelação, pura emanação, enquanto todos os outros são várias
gradações de revelação impura, emanação impura, mais ou menos.

Nisto, talvez, possamos compreender a necessidade da Encarnação Divina em prol da verdadeira salvação,
verdadeira iluminação e libertação, pois somente quando a união consciente é realizada e encarnada é a
Voz Celestial falando e ouvindo na humanidade sem distorção, ou sem eco; só então a completa e
completa revelação de Deus, o Divino, é possível. No entanto, como sabemos, mesmo quando a Voz
Celestial é percebida e encarnada, ainda pode haver gradações de Eco, pois ouvir e ouvir por completo
implica uma experiência de união consciente de quem está falando e de quem está ouvindo. Cristo e Deus,
a verdadeira luz; Daí a transmissão da mente para a mente e do coração para o coração, o mais íntimo grau
da Transmissão da Luz Superna.

Aqui podemos dizer, as gradações externas da Transmissão de Luz na proximidade, ou separação, são a
Voz e a audição com Eco, e as gradações interiores da Transmissão de Luz em união são Voz e audição sem
Eco. Se olharmos para o cristianismo ortodoxo e mainstream, há muito eco; mas onde quer que haja um
jogo da verdadeira Transmissão de Luz, a comunicação do Espírito de Cristo, existe a Voz, e existe a
possibilidade de ouvir sem Eco.

Se a Palavra Viva de Deus é entendida como sendo apenas derivada de Escritos Sagrados escritos milhares
de anos atrás, este é um grande Eco e há muita ignorância; mas, se a Palavra Viva é conhecida por ser
encarnada e falada, e é ouvida, e não somente de fora, mas de dentro, então há uma grande Voz Celestial
e há iluminação, muito conhecimento, compreensão e sabedoria (Habad) .

À medida que recebemos o Evangelho, a Transmissão de Luz, com os tsadikim vivos ou apóstolos, existe,
de fato, este jogo de Voz e Eco, mais ou menos, todos baseados em gradações de desenvolvimento,
clivagem ou proximidade e unificação. Um momento de mente para mente e transmissão de coração para
coração em união é Voz sem Eco, mas a partir daí há várias graduações de audição na separação sutil, ou
não tão sutil, na proximidade, na audição da Voz com o eco - daí a subjetividade. interpretações de coisas
vistas e ouvidas com base na visão cármica, a visão da ignorância.
Como sabemos, ao nos aproximarmos de um tsadic ou apóstolo vivo, começamos em uma visão de
ignorância, ainda que um tanto despertada pelo Espírito, e é através das lentes dessa visão cármica que
interpretamos os ensinamentos e nossa experiência com nosso tsadic, mais ou menos. Assim,
naturalmente, no início há muito eco, nossos preconceitos, pré-condições e expectativas contaminando
tudo o que recebemos; o que pensamos que sabemos, quem pensamos que somos e quem ou o que
pensamos que Deus e a Realidade sejam se misturam com o que é revelado. Há uma necessidade de
aprender a ouvir e ouvir, e ver e ver, sem essa grande mistura, uma necessidade de auto-purificação para
que possamos ouvir e ver em amor e fé, maior proximidade e, por fim, em união.

As gradações mais profundas de Transmissão de Luz, mente a mente e de coração a coração em pessoa,
são Voz sem Eco; então, há as mesmas gradações que podem ocorrer através das dimensões internas,
embora haja uma maior probabilidade de algum eco nelas. Depois disso, há ensinamentos de audição e
recebimento de transmissões energéticas em pessoa, em várias gradações de proximidade, amizade
sagrada; então, há ensinamentos de audição e recebimento de transmissões energéticas em visão e sonho
em várias gradações de proximidade. Receber, ouvir, por telefone, é outra gradação, e também gravações
e escritas de áudio; estes são seguidos por ouvir e ouvir de alguém que tenha ouvido pessoalmente, depois
de alguém que ouviu por telefone e, em seguida, alguém que tenha ouvido um áudio ou lido uma
escrita. Naturalmente,

Deve ser dito, porém, que amor e fé podem superar barreiras, e que se e quando houver plena fé em si
mesmo, em um tsadic e em Deus, e apego completo ou amor, qualquer distância que pareça existir na
física pode ser superado; movimentos muito poderosos de Transmissão de Luz, ou a comunicação do
Espírito de Cristo, são possíveis à distância. Geralmente, porém, quando isso acontece e elas são
verdadeiras, seremos guiados para consumar proximidade ou união em pessoa, e seremos abençoados
com uma mudança na vida, ou o jogo do destino e fortuna, para encontrar e encontrar nosso tsadic em
este mundo e ouvir a "Voz" em pessoa. Naturalmente, pois enquanto o nosso é um trabalho para a Grande
Ascensão, a Grande Libertação, o veículo disso é a incorporação neste mundo; a incorporação do Espírito
de Cristo, e Luz e Amor,

Se quisermos entender a Voz, é a manifestação do Corpo Triplo de Melquisedeque, o Corpo Solar da


Ressurreição; e podemos dizer que Audiência Perfeita, “Libertação Através da Audição”, é o
reconhecimento e a realização do Corpo da Verdade (Amet).

Esta jornada através de gradações de proximidade em união, é claro, é a evolução progressiva de Levv em
Lev, o coração que é indiviso, espaçoso, amoroso sem reservas ou condição.

Talvez aqui possamos nos lembrar da primeira Ação Divina do Messias Yeshua com a Madalena; ele
exorcizou “sete demônios” daqui, abrindo o caminho para o batismo, unção e união, e a eventual recepção
completa da Transmissão da Luz Superna. Esta é a purificação da mente, coração e corpo, ou as sete
estrelas interiores, que são a manifestação das Sete Sefirot da Construção em nós. Quando a Santa Luz de
cima é recebida e trazida para baixo, encarnada, e o Fogo Sagrado vindo de baixo é elevado e trazido à
cessação na estrela da coroa, a plenitude do Influxo Superno transparece, a Torre do Rebanho aparece
naquele lugar, Shekinah. do Messias encarnado! Hallelu Yah!

Esse mesmo movimento de autogeração através do Espírito Santo ocorrerá com todos nós; é a promessa
de Deus, a Verdadeira Luz, em Hayyah Yeshua, o Messias ressuscitado! Hallelu Yah!

Há, é claro, um trabalho coletivo que devemos assumir, uma entrega ativa e dinâmica à Graça Divina, o
Espírito Materno; há uma auto-oferta que precisamos fazer, dando-nos à dança da Shekinah do Messias, a
Santa Mãe-Noiva. Assim, seja qual for a revelação da Verdade e da Luz em nossa experiência, nós
trabalhamos e nos esforçamos para viver de acordo com ela, e desta forma ela se torna atualizada e
realizada, incorporada em nós, e progredimos no Evangelho, evoluindo no Espírito Crístico. .

Nós levamos essa contemplação de maneiras, talvez aqui seja bom pausar e refletir.

Ó Adonai Elohim, que sejamos abençoados ao ouvir a Voz Celestial em união, e assim, ouvindo,
podemos ter o poder de falar em união. Um homem.

Que a paz esteja com você!


winStrength3

Shadonai?

# 1 Post Wed 09 de maio de 2012 13:27
Em um momento de inspiração enquanto meditava em Adonai, as cartas em si viram Shin descer e
iluminar todas as outras letras. Então, no meio do meu terceiro olho, vi Shin Aleph Dalet Nun Yod. A canga
morava atrás da minha cabeça e no meio dela vi Nossa Senhora!

Ela imprimiu (eu não conheço nenhuma outra palavra para a experiência) sobre mim que ela era o espírito
do mundo, e na verdade sua Gematria é igual a 365. Quando eu olhei mais profundamente nisto eu não
encontrei nada sobre esta palavra. É imaginação ou não? Verdadeiramente eu não sei. As únicas outras
palavras que conheço são as mesmas que as más, contidas nos Salmos 109: 6 e a palavra para expiação:
Yod Kaph Peh Resh Nun He, Provérbios 16:14.

Quaisquer pensamentos sobre isso seria apreciado.


T
o
p
o
Tau Malaquias
Administrador do site

Shin-Adonai; Sha-Ah-Da-Na-Yah

# 2 Post Wed 09 de maio de 2012 15:08
Saudações e bênçãos à luz do Messias!

É bom receber tais experiências como bênçãos irmão; e enquanto não estamos inclinados a compreender
experiências como essas, no entanto, damos louvor e gratidão pelas bênçãos que recebemos, por todos os
movimentos do Espírito Materno que acontecem em oração, meditação e adoração. Há, na verdade, todo
tipo de bênçãos e poderes que podemos receber da Shekinah e do Espírito Santo, e naturalmente
desejamos estar abertos a eles e honrá-los em nossa vida e prática espirituais.

Adonai é o Nome Divino de Malkut e Malkut é o Santo Shekinah; portanto, em um nível, Adonai é um
Nome do Shekinah. Shin é uma carta principal da Shekinah, junto com Ele, e em si mesma Shin é usada
para representar a Santa Shekinah. Shin se juntou a Adonai e apontou para o mistério de Adonai como a
Shekinah de Yahweh; portanto, isso pode ser entendido como uma bênção da Shekinah, especificamente a
Shekinah como Kallah, a Noiva.

365 é o número de anos que Enoque viveu antes de seu arrebatamento, e é o número de dias no ano solar
- é um número associado com a plenitude do Sol Espiritual, ou o Humano da Luz (Messias). Da mesma
forma, o nome de uma das sete terras é 365, Nishiah, que significa literalmente "esquecimento".

Eu prefiro apreciar a palavra para “expiação” correspondente. Eu me lembro dos ensinamentos de


Yohanan e Yeshua no Evangelho de São Mateus: “Arrependa-se, pois o reino dos céus chegou perto!”

Aqui está um canto que você pode gostar: Sha-Ah-Da-Na-Yah

At vezes Shin ou Ele são adicionados aos Nomes de Deus para formar cânticos enérgicos invocando
aspectos correspondentes da Santa Shekinah, a Shekinah daquele Nome de Deus.

Que a paz esteja com você!


Elder Gideon
Administrador do site

YHVH Eloah Ve-Da'at



# 1 Post Ter Dez 27, 2011 1:01 am
Shalom!

De uma investigação recente, sou fascinado pelas distinções dentro do nome Divino YHVH Eloah Ve-Da'at,
que se traduz literalmente de acordo com a página 196 da Gnose do Cristo Cósmico como "Senhor Deus e
Conhecimento" ou o "Senhor Deus como Deus é conhecido ". A grafia deste Eloah em si é intrigante:

ַ‫אֱלֹוה‬

Este é um composto de El, ‫ אֱל‬e Oah, ַ‫ֹוה‬, as duas últimas letras que são as mesmas que as do Grande Nome
YHVH.

A Ordem de São Rafael é fundada sobre o conhecimento sagrado, o sagrado Da'at. Neste nome divino,
parece haver um segredo desse poder de cura de El, Rafael, sobre o qual tudo é aparentemente fundado: a
união do Esposo e da Noiva Sagrada.

Relacionado com isso é Elohim, um nome Divino que eu estou finalmente entendendo de forma diferente
em sua forma 'singular':
‫אֱ ֹלהֵ י‬

Que experiência imensa! Onde tornei isso complicado e confuso foi recentemente esclarecido por uma
palavra do Espírito. Quando eu perguntei diretamente em oração e estudo: "Por que o ‫ אֱֹלהֵ י‬como em Deus
dos Exércitos sempre lê Elohim Tzavaot?" Eu pareço estar ouvindo Elohim Tzavaot, Deus dos Exércitos, de
uma maneira emocionante: ‫ אֱלֹוה‬Elohe é simplesmente a forma singular do mesmo nome Divino para
Deus, Elohim, que é plural e é singular, tudo de uma vez.

A grafia de Eloah é quase contraditória à nossa experiência de YHVH Eloah Ve-Da'at . Eloáé El, terminando
com um Vav-Heh; Elohe também é El com um Yah invertido, significando Heh Yod.

Estou intrigado ao ver que Elohe é o nome predominante do Divino no livro de Jó, que usa Elohe com mais
frequência para o nome de Deus.

Suponho que estou mais intrigado com um nome divino assim atribuído a Tiferet por sua alusão ao Da'at,
conhecimento esclarecido. Como os Mestres da Tradição comentaram sobre "YHVH Eloah Ve-Da'at" me
fascinam, Tau Malachi, sendo um nome Divino revelando como Tiferet o que está escondido de Keter.

Que o Da'at do Santo encha a terra.

Com gratidão, o

Élder Gideon +
T
o
p
o
Tau Malaquias
Administrador do site

O Senhor Deus que ilumina



# 2 Post Ter Dez 27, 2011 12:37 pm
Saudações e bênçãos à luz do Messias!

Na Cabala Cristã, a palavra para “gnosis” é daat. Se entendermos gnosis, daat, conhecimento espiritual,
como uma experiência de iluminação espiritual ou iluminação, então Yahweh Eloah Ve-Da'at, o "Senhor
Deus do Conhecimento", também pode ser traduzido como o "Senhor Deus da Iluminação". "-" Yahweh
Eloah que ilumina. "

Eloah significa o" Um Deus ", um e só; e especificamente significa o único Deus como o único Deus que nos
é revelado, experimentado por nós, conhecido por nós.

Elohi significa “meu Deus” e indica o Deus Único como revelado a mim como um indivíduo, como foi
experimentado por mim e conhecido por mim - o conhecimento, a compreensão e a sabedoria únicos do
Único Deus mantido em meu coração e alma.

Elohenu significa “seu Deus” e indica o Único Deus que foi revelado a você, aos outros e experimentado
pelos outros e conhecido pelos outros - o conhecimento, a compreensão e a sabedoria únicos do Único
Deus mantido nos corações e mentes dos outros. .

Entendendo isto, Eloah abrange Elohi e Elohenu, pois não há uma multiplicidade de deuses em revelação,
mas há um Deus revelado e conhecido por todos que desejam receber conhecimento de Deus - Eloah
indica o Deus Único revelado a mim e a você e outros, para todos que buscam conhecimento de Deus,
conhecimento da verdade (Amet).

Elohim em relação a Eloah, Elohi e Elohenu, indicando o Um que emana como muitos, engloba tudo isso e
indica a completa e completa transcendência do Deus Único - Elohim é Deus na criação, imanente, mas
como o infinito universal, com incontáveis Basicamente falando, Eloah, Elohi e Elohenu são o que é
conhecido de Elohim através de revelações e experiências, enquanto Elohim é aquilo que é conhecido, mas
também o que é desconhecido, indicando o conhecimento infinito. , presença e poder do único Deus
sempre além de nossa compreensão.

Podemos dizer que Eloah é o Único Deus como o único Deus é conhecido por nós, entendendo Eloah como
o conhecimento acumulado de Deus como revelado a todos nós, enquanto Elohim é o único Deus
conhecido por Deus.

Agora, se olharmos para o Santo Nome de Eloah, como você indica, querido irmão, é o Nome de El unido a
Vau-He, Alef-Lamed tomando o lugar de Yod-He no Grande Nome de Yahweh. Assim, Alef ocupa o lugar de
Yod, e embora seja uma carta sagrada de unidade, em sua forma há a sugestão de separação, individuação
e movimento, evolução; e unido a isto, Lamed mantém o lugar do primeiro Ele, e implica o Shekinah
Superior posto em movimento - assim, o potencial infinito representado por Yah está sendo revelado,
atualizado, realizado como El.

Como sabemos, Yah corresponde a Hokmah (ou Hokmah-Binah), e El corresponde a Hesed; a revelação de
Deus, o conhecimento de Deus, é a expressão da misericórdia de Deus - em misericórdia, em benevolência,
Deus revela a Si mesmo e se entrega a nós.

Vau-He de Eloah indica o principal veículo da revelação de Deus, ou conhecimento de Deus, pois, como
sabemos, Vau corresponde ao mundo dos anjos, os mensageiros de Deus, e é através dos santos anjos que
Deus interage com as criaturas. e criação em compaixão; portanto, emanações restritas da presença e do
poder de Deus que as criaturas finitas são capazes de receber. Da mesma forma, Ele final é a Shekinah
inferior, que indica todas as nossas experiências, todas as circunstâncias, situações e eventos que
compõem a jornada da nossa alma como uma comunicação contínua de Deus com a nossa alma, ou
revelação de Deus à nossa alma.

Há, é claro, uma revelação maior do que essa - como sabemos e entendemos, Vau também corresponde
ao Messias, e Ele final com a Santa Shekinah do Messias, uma revelação do Deus Único muito além dos
anjos de Deus. , uma revelação através do Filho de Deus. A este respeito, podemos entender que Eloá
assume um novo significado para Christian Mekubalim, pois indica a revelação do Deus Único que
recebemos através do Adonai Yeshua Messiah; portanto, nossa salvação, ou iluminação e libertação.

Se Eloah assume um novo significado, então também Elohi e Elohenu adquirem um novo significado para
nós, pois cada um de nós tem uma experiência única e conhecimento de Hayyah Yeshua, o Messias
ressuscitado, e o Messias que habita em nós é uma emanação individual e única. do Messias Adonai.

Agora, se quisermos contemplar os nomes de Deus, Elohim Tzavaot e Eloah Tzavaot, podemos dizer que
Elohim Tzavaot corresponde ao conhecimento e experiência do Deus Único entre as hostes de Deus, os
santos anjos de Deus, e Eloá Tzavaot. com o conhecimento e experiência do Deus Único nas revelações do
Deus Único a nós pelas hostes, os santos anjos. Como tal, Elohim Tzavaot corresponde à revelação do Deus
Único no Mundo Futuro, e Eloah Tzavaot corresponde à revelação do Deus Único neste mundo.

De um modo geral, Deus como Deus é conhecido pelos anjos, e Deus como Deus é conhecido pelos seres
humanos, é muito diferente, naturalmente assim; Há, no entanto, grandes tsadikim e navim que têm
conhecimento de Deus semelhante ao dos santos anjos, e aqueles que podem até ter maior conhecimento
de Deus do que os anjos - isso era verdade, por exemplo, em Moshenu, e ainda mais de Adonai Yeshua e
apóstolos estabelecidos na iluminação do Messias.

Há algo mais a ser dito, no entanto, concernente a Elohim Tzavaot e Eloah Tzavaot, pois eles indicam o
alcance e o não-alcance da alma no conhecimento de Deus, e o jogo de makifin e p'nimi, “conhecimento
em torno” e “conhecimento”. Elohim Tzavaot pode corresponder ao conhecimento que podemos ter
durante o pico do estado de consciência, ou durante experiências espirituais e místicas diretas, ou em
experiências de consciência além do corpo, enquanto Eloah Tzavaot pode corresponder àquele aspecto do
conhecimento que adquirimos que pode ser internalizado e comunicado de nossa realização.

Há um jogo similar entre Elohi e Eloah de acordo com o grande mekubalim, Elohi indicando conhecimento
que não podemos compartilhar, conhecimento que é oculto, Eloah indicando conhecimento que podemos
compartilhar, conhecimento revelado.

A esse respeito, não é de surpreender que os profetas usem freqüentemente o Nome Divino de Eloah
Tzavaot em vez de Elohim Tzavaot, tanto em termos do conhecimento do Deus Único entre os anjos
revelados e ocultos, quanto do conhecimento dos profetas revelados e ocultos.

Esse jogo de conhecimento revelado e oculto, claro, seja dos tzaddikim ou maggidim, corresponde a Tiferet
e Da'at, respectivamente; Tiferet é o que pode ser revelado, Da'at é o que está oculto.

Há muito mais que pode ser discutido, mas parece-me que isso é suficiente para o momento - esperar no
Espírito Santo parece sábio.

Ó Eloah, que possamos receber Sua revelação na íntegra, e que possamos ser capacitados a compartilhar
toda a Sua Palavra e Sabedoria que pudermos; Que possamos ser abençoados para glorificar você
(Atoh). Um homem.

Que a paz esteja com você!


The Rose Cross

# 1 Post by sheryl » Qua 21 de dezembro de 2011 9:01
Shalom Caros Amigos!

Que este dia traga Luz a todos os que estão perdidos na escuridão.

No bate-papo do Skype da semana passada, o Élder Gideon compartilhou conosco algumas imagens
maravilhosas para contemplação, uma delas sendo a Rosa Cruz.

Em nossa conversa posterior, o irmão Karl perguntou se a cruz no centro representava de alguma forma a
carta que faltava, ou a canela de quatro pontas, enviando-nos a uma discussão e contemplação
maravilhosas. Diz-se que a canela de quatro pontas é composta de brilho branco sobre radiância escura,
em vez de radiância escura sobre brilho branco como a canela de três pinos, e todo o alef-beit conhecido é
compreendido.

Acredita-se que a cruz no centro da Rosa Cruz também seja composta de Brilho Branco e também
composta de quatro pontas ou pernas.

Estamos vendo uma correspondência verdadeira? E se sim, mais poderia ser dito para alimentar nossas
contemplações esta semana?

Que os pensamentos de nossas mentes e palavras de nossa boca sejam agradáveis a você, oh YHVH.

Sheryl
T
o
p
o
Tau Malaquias
Administrador do site
Mensagens: 5623
Registou-se: Wed Out 22, 2003 4:20 pm
Localização: Grass Valley, Ca.

Auto-realização no Messias

# 2 Post by Tau Malachi » Ter Dez 27, 2011 10:10
Saudações e bênçãos à luz do Messias!

Se contemplarmos a Rosa Cruz e contemplarmos sua forma e simbolismo, nela veremos a representação
do grande palácio das luzes, e ainda mais, o mistério do surgimento de toda a realidade como a exibição
radiosa da Mente Divina, a manifestação da Palavra e Sabedoria de Deus. A Grande Cruz, é claro,
representa o Macrocosmo (universal), enquanto a Santa Cruz no centro representa o Microcosmo
(individual), especificamente o Humano que personifica a Consciência de Deus, ou a realização da união
inata com a Mente Divina, a unificação. do individual e universal.

Neste estado, como testemunhamos com Adonai Yeshua, o Tzaddik Perfeito, todos os Poderes Divinos,
todas as forças espirituais, movem-se em harmonia com o homem ou mulher iluminada, o homem ou
mulher iluminada movendo-se em harmonia com a Vontade do Altíssimo, Ratzon. Elyon; daí a imagem da
Cruz de Ouro no centro da Rosa de Letras e da Grande Cruz.

A Rosa Rubi nesta Cruz de Ouro representa a companhia da Santa Shekinah do Messias, que repousa sobre
um tsadic no Messias, enquanto Ruach Ha-Kodesh se move com, dentro e através deles, e pode até se
manifestar como eles, assim como com o Santo Mestre

Agora, a Shin de quatro pontas representa a Santa Shekinah do Mundo Futuro, e essa auto-realização de
que estamos falando corresponde com o Malkut de Atzilut e o Mundo Futuro; mas a manifestação maior
desta realização espiritual no Messias manifesta-se quando a alma se despoja da fisicalidade, surgindo em
um corpo de puro espírito, pura luz - manifesta-se em plenitude apenas no Mundo Futuro, o Fim dos
Dias. Assim, de fato, nesta Santa Cruz dentro da Grande Cruz podemos falar do Santo Shin com quatro
pontas, simbólicas do mundo vindouro.

Ó Adonai, que a Luz Sagrada da Verdadeira Cruz, o Grande Seth, brilhe sobre todos os seres neste dia, e
que todos possam ser elevados na Grande Ressurreição e Ascensão. Um homem.

Que a paz esteja com você!

Céus, Terras e Infernos



# 1 Post by Trevyn » Dom 25 de setembro de 2011 16:48
Shalom

Recentemente, eu estava considerando ensinamentos sobre sete céus, sete terras e sete infernos, o que
faz 21 reinos da experiência humana.

Existe uma correspondência entre isso e as letras Bet - Tau, com Aleph sendo transcendente?
T
o
p
o
Tau Malaquias
Administrador do site
Mensagens: 5623
Registou-se: Wed Out 22, 2003 4:20 pm
Localização: Grass Valley, Ca.

O número vinte e um

# 2 Post by Tau Malachi » Sáb 01 de outubro de 2011 13:29
Saudações e bênçãos à luz do Messias!

Se quisermos considerar o jogo da gematria, notando que sete céus, sete terras e sete infernos equivalem
a vinte e um reinos, então devemos considerar o que mais poderia ser igual a vinte e um, e talvez também
o que é igual a sete.

Sete é Zain, a "espada", e, portanto, esses conjuntos de sete estão ligados a Zain, e como a espada, que
tem duas bordas, há um aspecto duplo de tudo isso, escravidão ou liberação, e em que a espada como um
símbolo representa "o Espírito, que é a palavra de Deus", todos esses reinos são manifestos pelo poder da
palavra de Deus, ou o Espírito de Deus (Ruach Elohim). Assim, se um céu, um inferno ou uma terra, todos
são expressões do Espírito de Deus, ou a palavra de Deus.

Vinte e um são Kaf-Alef, e isso é muito interessante. Kaf corresponde a Tzedek-Jupiter e, portanto, a
Hesed. É a carta de bênçãos abundantes, vida abundante, boa fortuna e vida longa, e corresponde à boa
inclinação, ao desejo de doar. Alef, claro, é a respiração, espírito ou essência de todos e a transcendência
de todos. A sugestão de Kaf-Alef é que todos esses reinos são a manifestação da misericórdia de Deus,
tudo em prol da educação e realização das almas, e que, em última análise, todos os espíritos e almas
viventes serão realizados em suas jornadas através destes vários reinos - a própria natureza da criação,
incluindo os infernos, é evolutiva e conduz à libertação.

O Nome Essencial de Deus, Eheieh, é igual a vinte e um, e isso anda de mãos dadas com Kaf-Alef, pois
sugere essa transcendência dentro e por trás do surgimento de todas as realidades, e sugere que tudo é
para a realização de esta transcendência, o Divino Eu Sou (ou Eu serei); essa percepção, é claro, é a
personificação da transcendência, o advento do Messias aparecendo na terra, nos infernos e nos céus.

Kaf-Alef e Eheieh podem ser contemplados em conexão com os vinte e um reinos muito mais longe, mas
isso, sem dúvida, é um começo.

Que a paz esteja com você!

Porta de São Mateus



# 1 Post by Darrel » Qui 31 de março de 2011 10:13
O Evangelho de São Mateus é o primeiro e mais abrangente dos evangelhos sinóticos. Sendo o primeiro
livro do Novo Testamento, ele tem fortes laços com a primeira sephirah Kether, “Divine Will”. Através de
Yeshua D'us faz sua vontade conhecida para nós pelo Novo Testamento que significa Nova Aliança ou Nova
Lei.

O primeiro capítulo do Evangelho de São Mateus abrange a genealogia de Yeshua do Patriarca Abraão,
confirmando-o como o Messias profetizado na Antiga Aliança. O primeiro capítulo do Evangelho de São
Mateus está mais uma vez ligado a Kether. O primeiro capítulo do primeiro livro é igual a dois (1 + 1 =
2). Isto dá laços com a segunda sephirah Hokmah “Sabedoria”. D'us confirma através do primeiro capítulo
do primeiro livro que é através de Yeshua que sua vontade e sabedoria são passadas para os humanos.

Para confirmar ainda mais Yeshua como o Messias profetizado na Antiga Aliança, Mateus 1:17 declara:
“Todas as gerações desde Abraão até Davi são catorze gerações, desde Davi ao cativeiro na Babilônia são
quatorze gerações, e desde o cativeiro na Babilônia. até que o Cristo seja catorze gerações ”.

Os números catorze e três desempenham um papel significativo neste versículo. O décimo quarto caminho
dos trinta e dois caminhos é Daleth "Porta", seu valor numérico é quatro, que o liga à Sephirah Hesed
"Misericórdia, Amor e Expansão". O número três tem ligações com o “Entendimento” da Sephirah
Binah. Binah também tem fortes laços com o Espírito Santo.

Se nós catorze por três é quarenta e dois que reduz a seis. A Sephirah de Tiphareth "Beleza e Harmonia", o
Sol Espiritual. Vav é a sexta letra do alfabeto hebraico, que é o Filho do Tetragrama. O Filho de D'us e o
Filho do Homem Como acima, abaixo. Então abaixo, como acima. O Cristo cósmico e o Cristo que habita
em nós.

Eu não tentei preencher todas as lacunas. Estou deixando tudo em aberto para que todos possam
contemplar minhas idéias e chegar à conclusão delas. Eu realmente gostaria de ouvir as idéias de todos
também. Desta forma, estamos ajudando uns aos outros a crescer.

Shalom e bênçãos,
Darrel
T
o
p
o
Tau Malaquias
Administrador do site
Mensagens: 5623
Registou-se: Wed Out 22, 2003 4:20 pm
Localização: Grass Valley, Ca.

Algumas associações de números ...



# 2 Post by Tau Malachi » Qui 31 de março de 2011 13:04
Saudações e bênçãos à luz do Messias!

Não posso dizer que estou inclinado a atribuir o Evangelho de São Mateus a Keter, a primeira Sefirá,
porque é o primeiro livro do Novo Testamento, nem atribuir o primeiro capítulo do evangelho a Keter
porque é o primeiro capítulo. Há muitos mais de dez livros no Novo Testamento e muitos mais de dez
capítulos no evangelho. Pode-se dizer, no entanto, que todos os evangelhos são uma revelação de Keter,
em que Keter é o potencial não manifesto de toda a criação, e toda revelação, e é Amet, a "Verdade" que
está sendo revelada, realizada através da criação.

Este verso a respeito de três ciclos de genealogia que precedem o advento do Messias realmente chama a
atenção, pois há muitos mistérios esotéricos profundos nele.

Primeiro, sou atingido pelas gerações de Abraão a Davi, pois de acordo com o Zohar, os patriarcas,
juntamente com Moisés, Aarão e Davi correspondem às sete Sefirot da Construção de Hesed a Malkut -
esses sete podem ser entendidos como catorze se nós contamos juntos as Sefirot e seus correspondentes,
sua aparição na Árvore do Conhecimento do lado do bem e do lado do mal.

É muito interessante que o nome de Davi seja igual a catorze, que, como rei de Israel, representa Malkut, a
Sefirá chamada “Shekinah”.

Estes três ciclos de gerações que antecederam o advento do Messias Adonai representam um jogo das
Sefirot da Construção através de Beriyah, Yetzirah e Asiyah de acordo com um ensinamento da Cabala
Cristã. De certo modo, há algo de degradação à medida que as gerações passam, e este é um jogo
necessário da involução em prol da evolução - e embora possamos falar de uma “degradação”, também há
um processo de desenvolvimento. e evolução na consciência que deve acontecer para a recepção do
Messias, e esses ciclos representam esse processo de evolução.

Quando os filhos de Israel se exilam, a Shekinah vai para o exílio com eles, ou assim os mestres da tradição
nos ensinaram. Portanto, o ciclo de gerações desde o Rei Davi até o exílio na Babilônia fala de Malkut no
nível de Yetzirah, e de uma mudança na Shekinah que vem através do mundo dos anjos, ou melhor,
através de um conflito entre forças espirituais, divinas, arquônicas. e demoníaco.

Quando os filhos de Israel retornam do exílio, ou melhor, duas tribos deles retornam, a Shekinah retorna
junto com eles, embora gravemente comprometida até a vinda do Messias de El Elyon. Este estado
diminuído de Malkut, ou o Shekinah, é Malkut ao nível de Asiyah, a manifestação mais misturada de
Malkut.

Trata-se, basicamente, de um jogo da “queda”, que serve para invocar a redenção.

Se considerarmos a doutrina do Ari de Sefed no alcance e não alcance das Sefirot até que se alcance,
encontramos algo dele aqui. De acordo com este ensinamento, uma Sefira “alcança”, emanando a próxima
Sefirah, mas até que a Sefirah emana também, gerando outra, há um estado de “não-alcance”, pois o
influxo total da antiga Sefirá não pode acontecer até a Sefirá que gera também emana, dando-se a outro
vaso sagrado. Isso acontece de Keter a Malkut, mas então Malkut não tem nenhum vaso sagrado para se
doar, e assim o jogo de emanação, criação, formação e fabricação permanece incompleto até o advento do
Messias, o vaso sagrado no qual Malkut, a Shekinah, pode se derramar em. Seu alcance se torna completo,
é claro,

Se contemplarmos os números que surgem e considerarmos o jogo da gematria, isso se torna muito
interessante.

Bem como o décimo quarto Netivah (Caminho) entre Hokmah e Binah, ou Abba (Pai) e Imma (Mãe),
catorze também é o número de ossos em face do humano, e o número de falanges na mão do homem.
humana, assim como no pé do humano, e também corresponde a uma palavra que significa “suficiente” ou
“abundante”. Existem algumas contemplações e iluminações muito interessantes que podem surgir dessas
correspondências, de fato muito interessantes!

Em termos do décimo quarto Netivah, que é representado por Dalet, de acordo com os mestres da
tradição, o poder deste Netivah joga através do Sefirah Da'at, cujo nome começa com Dalet.

Quatorze naturalmente traz à mente o número de anos que Jacó trabalha para Lea e Raquel juntas, que
representam a Shekinah superior e inferior, respectivamente, e assim alude ao trabalho para a realização
da Santa Mãe e Noiva no Messias, a revelação de o Shekinah do Messias.

Talvez o mais intrigante seja o número quarenta e dois, que podemos derivar da adição de catorze anos
três vezes. Primeiro, Imma, Mãe, um título para Binah é igual a isso, mas também Yod-He-Vau soletra, e
todo o Tetragrammaton também com Yod e Vau explicados, mas não os dois Ele.

Junto com tudo isso, é claro, não podemos deixar de notar a menção da Babilônia duas vezes, e assim
recordar a visão de Ezequiel, e com ela lembrar os ensinamentos do misticismo de Merkavah e os setenta e
dois hassidim, ou setenta e dois nomes de Deus do lado de Hesed (Misericórdia), que contém. De acordo
com os mestres da tradição, o poder desses Nomes Sagrados é ativado pelo advento do Messias, e o Corpo
Místico do Messias é a manifestação da verdadeira Santa Merkavah, ou carruagem celestial.

Este é apenas um breve resumo, mas insinua alguns dos mistérios esotéricos que nossa Cabala Cristã extrai
desse verso, contemplando o que é dito junto com as associações numéricas mais óbvias.

Que possamos ser abençoados e fortalecidos para incorporar a luz do Messias em nossa geração, e assim
continuar o trabalho da colheita de almas em nossos tempos. Um homem.

Que a paz esteja com você!

Palha e Fogo

# 1 Post by Tau Malachi » seg 24 de maio de 2004 6:20
No verso 21, capítulo 25, de Gênesis, lemos "... e sua esposa Rebeca concebeu". No Baal Haturim Chumash
o número destas palavras, somos lembrados, igual a 707, que é o mesmo número que as palavras "palha e
fogo" são iguais. Assim, Rebeca concebeu palha e fogo, Esaú e Jacó. O profeta Obadias fala disso quando
escreve: "A casa de Jacó será um fogo, a casa de José uma chama e a casa de Esaú (Edom); e eles os
queimarão e os consumiriam, e ali haveria nenhum sobrevivente da casa de Esaú. " (Obadias 1:18)

Como sabemos, Esaú representa Nefesh Behamit e o Sitra Ahara (Inclinação ao Mal), e Jacob representa
Nefesh Elokit e Sitra Tov (Boa Inclinação). Assim, se Esaú é palha e Jacó é fogo, a implicação é que a
inclinação do mal é combustível para a boa inclinação, e que a boa inclinação pode se tornar mais forte e
brilhar mais intensamente pela inclinação do mal. Alguém pode perguntar: "Como isso pode ser?"

Primeiro, considere a grandeza de pessoas como Gandhi e Martin Luther King - além do mal de seus dias,
eles teriam sido capazes de se elevar a tais alturas ou a força de suas almas brilharia tão
intensamente? Não é o grande mal que eles confrontaram que criou as circunstâncias para que a grandeza
de suas almas brilhasse? De fato! Se não fosse pela inclinação ao mal, a boa inclinação desses homens não
seria conhecida hoje como é, mas eles teriam morrido na obscuridade como tantos outros na humanidade
em massa, sem nome e desconhecidos.

Se isso é verdade no coletivo, então é igualmente verdade no indivíduo. Como o meu amado tzaddik
gostava de dizer: "Uma grande capacidade para a Escuridão é uma grande capacidade para a Luz - é uma e
a mesma capacidade". Em outras palavras, se alguém tivesse apenas um pouco de capacidade para a
Escuridão, então alguém teria apenas uma pequena capacidade para a Luz! É nesse sentido que a Cabalá
diz: "Um pecador que se torna um tsadic é muito mais poderoso do que o santo que se torna um tsadic e
está estabelecido em um grau superior de Mochin Gadlut".

Verdadeiramente, o bem e o mal não estão tão separados um do outro quanto possam parecer. Só é
preciso examinar qualquer pensamento negativo ou emoção para perceber isso. Considere, por exemplo, a
ganância. A ganância é a causa de muito mal neste mundo, e é um mal claro, no entanto, dentro da
ganância está o conhecimento do que é bom compartilhar e dar. Assim, a ganância pode servir para
facilitar uma poderosa manifestação do Desejo de Compartilhar ou da Boa Inclinação. O mesmo vale para
qualquer forma de negatividade que se possa mencionar; Portanto, qualquer forma de negatividade pode
ser transformada em algo bom e positivo, e ao fazê-lo, a inclinação do mal se torna combustível para a boa
inclinação.

Da mesma forma, podemos também salientar que, quando vemos a escuridão em nós, e vemos o mal que
podemos representar, ela pode se tornar a motivação para a autotransformação: o desejo de arrepender-
se das trevas e buscar a Luz e a Verdade. Nossas loucuras e erros nos educam e podem nos motivar a
mudar e crescer; assim eles podem ser palha para o fogo.

Se ponderarmos a completa cessação da inclinação ao mal, ou a profecia de que não haverá sobreviventes
da casa de Esaú, primeiro devemos dizer que o mal é inerentemente autodestrutivo e não pode
perdurar. Mas, mais precisamente, quando sombras e sombras são trazidas para a Luz, elas desaparecem
completamente - pois, verdadeiramente, elas nunca existiram. Tal é a natureza de todas as trevas e do
mal, no final das contas. A escuridão e o mal só têm uma existência relativa, e a natureza de sua existência
é ilusória. Naturalmente, portanto, nossa alma está destinada a libertar-se das trevas e do mal; daí destine
a consciência celestial ou celeste.

Isso pode dar alguma idéia sobre declarações enigmáticas do Senhor Yeshua sobre a resposta adequada ao
mal, como quando ele diz: "Resistir não ao mal" ou "dar a outra face". Em outras palavras, não dê poder às
ilusões.

Palha e fogo - alimente a inclinação do mal à boa inclinação, e deixe a luz de compartilhar e dar,
ativamente amorosa, brilhar intensamente. Ao fazê-lo, a pessoa se aproximará do Messias, o Sol
Espiritual.

Jesus disse: "Aquele que está perto de mim está perto do fogo".

Uma contemplação para o dia ...

Bênçãos e shalom!
Última edição por Tau Malachi em Sáb 05 de março de 2011 09:36, editado 2 vezes no total.
Tau Malachi
Sophia Comunhão
Ecclesia Pistis Sophia
T
o
p
o
Rebekah
Mensagens: 61
Associou-se: Wed Oct 22, 2003 9:57 am
Contato:
Entre em contato com Rebekah


# 2 Post by Rebekah » Qui 27 de maio de 2004 6:10 am
Shalom!

"Resistir não ao mal" é uma afirmação simples, mas profunda.

Podemos ter a melhor das intenções em entreter o mal, buscando elevá-lo ou oferecer tikkune; ainda
assim, nossa energia serve para dar poder a ela, independentemente de nossas intenções. Em vez disso,
faríamos bem em lembrar que o mal é inerentemente autodestrutivo e não pode suportar, e ao invés
disso, direcionar nossa energia para a Luz!

Bênçãos,
Rebekah
Sophia Fellowship
OSG
T
o
p
o
Irmão Christopher
Administrador do site
Mensagens: 53
Juntado: Mon 03 de novembro de 2003 9:25 am
Local: Rocklin, CA


# 3 Post de Brother Christopher » Qui Jun 03, 2004 9:59 am
"Um pecador que se torna um tsadic é muito mais poderoso do que o santo que se torna um tsadic e está
estabelecido em um grau superior de Mochin Gadlut."

Eu acho essa afirmação muito interessante. O pecador que finalmente se estabelece em um grau superior
está completamente interconectado com a escuridão na qual a liberação poderia ocorrer. Por isso, há mais
para dar e, nesta oferta, há mais para receber. Quanto mais intergrado se torna com a Presença Divina,
mais e mais alguém é capaz de oferecer ... daí a base a ser estabelecida em um grau superior ... Os termos
mais alto e mais baixo neste sentido tornam-se uma interessante contemplação. ....

Bênçãos,
TheSeer
T
o
p
o
Tau Malaquias
Administrador do site
Mensagens: 5623
Registou-se: Wed Out 22, 2003 4:20 pm
Localização: Grass Valley, Ca.

O pecador que se torna tzaddik



# 4 Postado por Tau Malachi » Qui Jun 03, 2004 11:37 am
Oi Christopher!

Podemos tomar essa contemplação em outra direção também, pois, de acordo com os mestres da
tradição, a pessoa só pode ascender às alturas à medida que desce às profundezas - ela deve descer antes
de uma ascensão. Ao fazê-lo, a pessoa libera as faíscas da alma abaixo, de modo que tudo possa ser
reintegrado à alma, não deixando nenhum cordão de ligação para trás.

Da mesma forma, o pecador que se torna o tsadic está mais ligado a outras almas aqui, pois este mundo e
almas não são exatamente santos ou angelicais. Assim, o pecador que se torna o tsadic conhece mais
intimamente a saída da escravidão e como entrar na consciência de Cristo - é como um escravo fugitivo
que sabe guiar outros escravos à sua liberdade. Talvez mais significativamente, no entanto, é o elo
poderoso que um tsadic pode fazer com os outros - vendo a presença da Luz em tal pessoa, os outros
provavelmente reconhecerão e perceberão isso em si mesmos, pois tal pessoa é como eles.

De fato! "Mais alto", "mais baixo", são termos provisórios e relativos - bastante bobos, na verdade,
considerando-se que a experiência do esclarecimento não é um estado fixo ou estático, e é
completamente não-linear. Nós não tendemos a pular tanto "ano a ano", mas realmente vamos pulando
entre eles - algumas vezes experimentamos saltos radicais em picos bastante elevados. É uma corrida
constante e retornando, como o Sefer Yetzirah nos diz. Eu acho que o ponto real que está sendo feito é
quão benéfico para os outros um pecador que se torna um tsadic é - talvez mais fundamentado, de certa
maneira, e tendo uma qualidade diferente de compaixão.

É claro que, como sabemos, santo e pecador, luz e escuridão, estão unidos no tsadic e
transcendidos. Portanto, esta ideia parece estar falando algo sobre o tikkune - como se alguém tivesse sido
um pecador é um agente mais potente do tikkune.

Nesta nota, não se pode deixar de notar aqueles a quem Yeshua Messias principalmente alcança -
principalmente o pária, o inaceitável, o pecador. Tampouco se pode deixar de pensar na história de Santa
Maria Madalena na Tradição Sophiana - esse grande e santo tsadic que se levantou da escuridão para se
tornar uma Luz Brilhante!

Bênçãos e shalom!
Última edição por Tau Malachi em Sex Mar 04, 2011 3:02 pm, editada 1 vez no total.
Tau Malachi

Sophia Comunhão

Ecclesia Pistis Sophia


T
o
p
o
Mary T
Mensagens: 43
Ingressou: Fri Sep 10, 2010 1:50 pm
Localização: Virginia


# 5 Post by Mary T » Sex Mar 04, 2011 9:59 am
A ideia de quem experimentou as profundezas da escuridão como dotado de

uma qualidade diferente de compaixão

fala volumes. Aquele que andou em grande escuridão, seja a inclinação do mal ou na escuridão do grande
sofrimento, parece ter uma incrível oportunidade de se conectar poderosamente com todos os seres que
estão "no mesmo barco", por assim dizer. No meio dessa conexão, a Luz Verdadeira pode surgir para
elevar tudo.
A queima de restolho me lembra de uma vela onde a chama queima esse combustível maravilhoso por
meio do pavio. A menos que seja apagada ou contenha uma falha que desconecte o pavio, o pavio
continua a queimar até a cera desaparecer. Que possamos ser como o pavio disposto a segurar a chama
enquanto ela queima na escuridão, ancorando a Luz de Deus!
Yeshua disse a Maria: "Não procure nada saber, e procure não entender nada; não procure ser ninguém.
Desta maneira você adquirirá a perfeição da sabedoria."
T
o
p
o
Tau Malaquias
Administrador do site
Mensagens: 5623
Registou-se: Wed Out 22, 2003 4:20 pm
Localização: Grass Valley, Ca.
Meios hábeis, sabedoria de vida

# 6 Post by Tau Malachi » Ter Mar 08, 2011 10:26 am
Saudações e bênçãos à luz do Messias!

Existe uma parábola que se relaciona muito bem com esse ensinamento. É a parábola do administrador
desonesto, Lucas 16: 1-13. Vale a pena ler e contemplar à luz deste ensinamento, pois é tudo sobre trazer
a inclinação do mal para o serviço da boa inclinação, e sobre o uso desta vida, e toda a mistura nela, para o
bem do reino. do céu, a iluminação e libertação das almas.

Aqui podemos citar o que parece ser um versículo significativo quando nos unimos à nossa discussão:

“Eu lhes digo, façam amigos por meio de riquezas desonestas para que, quando eles se forem, possam
recebê-los nos lares eternos” (16: 9).

Não se pode deixar de pensar em fazer tais "amigos" que podem "recebê-lo no lar eterno", mas aqui o
ponto essencial fala sobre uma transformação do desejo de receber, unindo-o com o desejo de dar - a
inclinação do mal trazida o serviço da boa inclinação.

Ao contemplarmos essa parábola, podemos desejar lembrar como esse ciclo de ensino começa no décimo
quinto capítulo do Evangelho de Lucas, onde nos é dito: “Agora todos os coletores de impostos e pecadores
estavam chegando para ouvi-lo. E os fariseus e escribas estavam resmungando e dizendo: 'Este homem
recebe os pecadores e come com eles' ” (15: 1-2).

Parece que ele estava procurando os mensageiros mais eficazes aqui, e aqueles que poderiam usar os
meios mais hábeis na colheita de almas.

De fato, para ele diz neste ciclo de ensino, ele diz: “… porque os filhos desta época são mais perspicazes ao
lidar com sua própria geração do que os filhos da luz” (16: 8).

É claro que, na reunião de “pecadores”, também fica claro que a salvação, ou iluminação e libertação, não
está fundamentada em nossas obras, ou em qualquer coisa que façamos, mas é fundada na misericórdia
de Deus, graça - quando Divina A graça, o Espírito Santo, toma e move através de uma pessoa aqui, até
mesmo cascas de impureza, são transformadas e tornam-se radiantes, servindo ao reino dos céus.

Que possamos ser transformados em nossa imagem celestial, a imagem de nosso ser como estamos no
Messias unido ao Altíssimo. Um homem.

Que a paz esteja com você!

O Mais Alto: Elyon



# 1 Post by Elder Gideon » Dom 06 de março de 2011 10:44
Saudações do Shabat!

O que é revelado da sefiráh Keter (Coroa) é o nome Divino que significa "eu sou" ou "eu serei":
Eheieh: ‫אהוה‬

O que é revelado por "eu sou" ou "eu serei" é escondido por outro nome divino "Altíssimo":
Elyon: ‫ עליון‬. Prefixado pelo nome Divino de "Graça" ou "Bondade Amorosa", El, ‫ אל‬, temos o nome
primeiramente falado por Melquisedeque se aproximando de Abrão e Sarai no Vale dos Reis, que

trouxe pão e vinho; ele era padre de El Elyon. Abençoou-o e disse:

'Abençoado seja Abrão por El Elyon,


criador do céu e da terra;
e abençoado seja El Elyon,
que entregou seus inimigos em suas mãos!

E Abrão deu a ele um décimo de tudo. (Gênesis 14: 19-20)

A meditação sobre as cartas de Elyon se torna bastante profunda em um atributo que Rabi Simeon bar
Yohai faz de to ‫ ל‬para a Mãe Divina:

A mãe agacha-se sobre eles [seus filhos], amamentando-os, e disto está escrito: Não leve a mãe acima dos
filhos (Deuteronômio 22: 6) ... Quando os habitantes do mundo retornam, aumentando sua virtude diante
do Santo Abençoado, e a mãe volta para abrigar as crianças, então ela é chamada Teshuvá , retornando. O
que está retornando? Retorno da Mãe, que retorna com sustento. Então, uma mãe alegre de crianças -
mãe de crianças , verdadeiramente! (Zohar 1: 219a)

A palavra para a mãe do verso de Deuteronômio é ‫ על‬. Seu contexto é uma instrução sobre encontrar uma
ave mãe e seus ovos ou filhotes: eles não são todos para serem levados juntos. Não leve a mãe ( ‫ ) על‬junto
com as crianças. Onde isso instantaneamente me enviou é como o nome Divino Elyon, começando com
estas mesmas duas letras ‫ על‬de Deuteronômio 22: 6 para a mãe deve possuir uma meditação sobre os
Partzufim-personificações, do Divino. Aparentemente, Elyon de fato mantém as personificações divinas,
com fascinante questão da Daughter-Bride.

Ay _____ Ayin
‫ _____ ל‬Lamed _____ Imma (Mãe)
‫ ______ י‬Yod _______ Abba (Pai)
‫ ______ ו‬Vav _______ Ben (Filho)
‫ ______ ן‬Nun _______ Nukva (Filha)
As implicações dentro de ELYON segurando esses quatro partzufim são magníficas, pois a Grande Face, Arik
Anpin, é o seu potencial primordial escondido na sefira a qual a Grande Face é atribuída: Keter. Em outras
palavras, os ensinamentos de Arik Anpin agora me transmitem diferentemente como todas as
personificações, todas as faces, estão ocultas na Grande Face, sendo reveladas como as sefirot Abba
(Hokmah), Imma (Binah), Ben (Hesed-Yesod), e Nukva (Malkut) de Atzilut.

O que então desta filha e freira final?

A letra ‫ נ‬contém muitas contemplações e postagens próprias. Aqui, vamos simplesmente imaginar
a transformação da palavra-chave . Isso soa melhor que a morte ? O princípio é o mesmo e é representado
pelo cartão de Tarot atribuído a‫ נ‬. Da mesma forma, essa mesma experiência de mistura, crepúsculo e
sobreposição do dia em noite é a direção do Ocidente no círculo sagrado. Neste portão ocidental, nós
desenhamos esta direção cardinal em nossa arte cerimonial pelo signo de Escorpião, a porta zodiacal
para ‫ נ‬. Seu número é 50, o que fala volumes na Cabala, como as 10 Sefirot ao longo de 5 universos-
olamot. O que é mais fascinante para mim é a exemplificação dos 50 Portões da Compreensão: Elohim
Acima (Binah) alcançando Elohim Abaixo (Nukva). Como Nukva é capaz de receber e transmitir esses 50
Gates é por sua experiência em descida nas trevas, caos e matéria, como Pistis Sophia, como Nossa
Senhora Mirya de Magdala.

Aqui, o mistério de Nun final, uma carta como Qoph e outros em sua forma final (Tzaddi, Peh e Kaf) é como
ela se estende “abaixo da linha”, ou seja, para “o outro lado” de qlippot, husks: all isto é, é desintegrado e
inconsciente da Luz. Quando eu considero o valor numérico da Freira final, que é 700, minha mente está
completamente aberta e ansiosa para ouvir mais de outros como 700 pontos descrevem a transformação
da Filha para se tornar Noiva (Kallah), ancorando este mais sublime mistério da intenção do Altíssimo,
ELYON.

Seja a purificação da Luz, Santa Filha e sua recepção, Santa Noiva.


Retorne através de todos os nossos exemplos de Teshuvá.

Shabat Shalom!

Elder Gideon +
T
o
p
o
Tau Malaquias
Administrador do site
Mensagens: 5623
Registou-se: Wed Out 22, 2003 4:20 pm
Localização: Grass Valley, Ca.
Freira = Seth

# 2 Post de Tau Malachi » seg 07 de março de 2011 10:35
Saudações e bênçãos à luz do Messias!

Elyon, o Altíssimo, o Supremo, este é o Nome do Santo como o transcendente, acima de tudo, e como a
base ou fonte de tudo, o fundamento dos céus e terra - fundamento de toda a realidade.

Em Elyon é proclamado: "Deus é Deus, não há outro", e assim também é proclamado: "Nosso Deus é o
Senhor dos senhores, Rei dos reis, tendo domínio sobre todos".

Aqui podemos compartilhar um segredo aberto. Na ressurreição, quando o Messias sobe para sentar-se à
direita do Pai, ele herda este Nome do Santo, Elyon.

Se olharmos para as letras que formam este Nome de Deus, entendendo Ayn-Lamed como a Mãe (Imma),
de acordo com a ordem das cartas sagradas, ela revela a face do Pai, representada por Yod, e como ela
revela o Pai. o Filho, representado por Vau, concebido e gestado nela, e nascido dela, emanou; o Filho
aparece em plenitude, Nun como 50, e brilha em todos os reinos da criação, revelando sua perfeição, Nun
como 700.

No início, embora os profetas vislumbrem algo do Messias aqui ou ali, vendo algo da glória e do poder do
Messias em reflexão, o Messias permanece oculto, oculto - um completo mistério. Isto é Freira, o “peixe”,
em forma primária, o potencial do Messias, a intenção de Deus para o advento do Messias. Então, através
da graça e misericórdia de Deus, o advento do Messias acontece, o Messias vem, revelando Deus, a
Verdadeira Luz, e assim iluminando e libertando o mundo. Esta é Nun, o “peixe”, em forma final, a
atualização e realização do Messias, a encarnação do Humano da Luz.

700, esta é a perfeição de todos, e é Shin e Tau se juntam, Seth, o Nome do Ser Humano Perfeito, o Ungido
de Deus.

Agora, até o advento do Messias, Malkut, Nukva, alcançou, mas não alcançou, pois não havia nenhum vaso
sagrado para receber sua plenitude - somente quando o Messias apareceu, ela foi capaz de alcançar, e
alcançar ela se tornou Kallah e, finalmente, Imma. , pois a noiva que concebe e dá à luz se torna mãe.

700, a plenitude de Malkut, a plenitude das sete Sefirot da Construção em sua extensão completa,
alcançando; o Messias, o vaso sagrado que emana, recebe e, por sua vez, comunica, entrega de si mesmo
em plena salvação do mundo.

Freira final, e todas as cartas sagradas com sua "cauda abaixo da linha", todas elas, de fato, alimentam o
outro lado, o lado escuro, assim como o lado da santidade e da justiça - Koof na sua forma natural isso o
tempo todo, o resto faz, como letras finais, como Nun. Isso fala à natureza da extensão das Sefirot de
Atzilut, através de Beriyah, Yetzirah e Asiyah, compreendendo uma crescente escuridão, impureza, à
medida que a Santa Luz se torna cada vez mais restrita em cada Olam-Universo sucessor. Nukva,
começando com Nun, é claro, representa a extensão mais externa das emanações, Sefirot e, portanto, o
maior poder das trevas, a ignorância, misturado com a luz de Deus. Quando o Sol de Deus é feito para
brilhar no mundo, no entanto, naquele mesmo instante todas as sombras e sombras são dissipadas,

Um segredo foi falado por mestres cristãos sobre Nun, um que talvez devesse ser falado aqui - de acordo
com esses iluminados Nun em sua forma primária representa Cristo na primeira vinda, e Nun final
representa Cristo na segunda vinda. Assim, a realidade de Nun final é conhecida no livro do Apocalipse, a
visão de João, o Amado.

Quando a plenitude da Freira final é incorporada, é o fim dos dias.

O fim de tudo, a fruição de todos, a perfeição de todos - isto permanece em El Elyon, o Supremo,
transcendente.

Hallelu Yah! Um homem!

Que a paz esteja com você!

Soletrando o AlephBet Mystical



# 1 Mensagem do Élder Gideon » Dom Dez 19, 2010 4:47 pm
Saudações!

Em uma mentoria recente sobre as letras hebraicas, o mistério de tudo o que é, escrito pelas cartas
sagradas, levou a discussão a fascinantes contemplações de nossa própria essência. Nós fundamentamos
isso na contemplação de um nome, que é feito de letras, pelo qual uma essência é estruturada em
manifestação. Como eu quero dizer?

Para começar, aprendemos que em Gênesis 2:18

o Senhor Deus disse: 'Não é bom que o homem esteja só; Eu vou fazer dele um ajudante como seu
parceiro. 19Então, do solo, o Senhor Deus formou todos os animais do campo e todas as aves do céu, e os
trouxe ao homem para ver como ele os chamaria; e tudo o que o homem chamou a cada ser vivente, esse
era o seu nome.

O Zohar (1: 20b) explica que os animais limpos e impuros, o que pode e o que não pode ser comido, são
distinguidos por seus corpos, que vêm de seus nomes:

espíritos sem corpo, derretidos na fundição do espírito, foram incluídos Figuras vestidas em outra peça de
roupa, como figuras de animais puros: ovelhas bois, cabras, veados, gazelas, cabras-bravas, cabras, íbex,
antílopes e ovelhas da montanha (Deuteronômio 14: 4-5), que desejam se entrelaçar [ consumido] na
vestimenta do humano, carne do humano. O espírito interior dessas figuras atinge o nome aplicado ao seu
corpo, a vestimenta desse nome. Carne de boi: boi é o interior desse corpo; sua carne, uma vestimenta; e
assim com todos eles.

Essa essência de toda criatura que é invisível nesse plano, é entendida pela grafia de seu nome, o
seqüenciamento de suas letras.
Considere as mudanças radicais nas vidas de personagens bíblicos, como Abrão, Sarai e Jacó antes e depois
da mudança de seus nomes!

Quando Abroam tinha noventa e nove anos, o Senhor apareceu a Abrão e disse-lhe: 'Eu sou o Deus Todo-
Poderoso; Ande diante de mim e seja irrepreensível. 2 E farei o meu pacto entre mim e ti e fá-lo-ei
muitíssimo numeroso. 3Então Abrão caiu no seu rosto; e disse-lhe Deus: 'Como para mim, esta é minha
aliança contigo: serás o antepassado de uma multidão de nações. 5 Já não será o teu nome Abrão, mas o
teu nome será Abraão; porque te fiz o ancestral de uma multidão de nações. (Gênesis 17: 1)

Deus disse a Abraão: 'Quanto a Sarai, tua mulher, não a chamareis Sarai, mas Sara será o seu nome. 16
Abençoá-la-ei e, além disso, lhe darei um filho por ela. Eu a abençoarei e ela dará origem a nações; reis dos
povos sairão dela. 17 Abraão, então, caiu de cara no chão e riu, e disse a si mesmo: 'Pode um menino
nascer de um homem que tenha cem anos de idade? Sarah, que tem noventa anos, pode ter um
filho? (Gênesis 17:15)

Então ele [o anjo de Esaú] disse: 'Deixe-me ir, porque o dia está se quebrando'. Mas Jacó disse: 'Eu não vou
deixar você ir, a menos que você me abençoe'. 27 Disse-lhe ele: Qual é o teu nome? E ele disse:
'Jacó'. 28Então o homem disse: 'Você não será mais chamado Jacó, mas Israel, pois você tem lutado com
Elohim e com os humanos, e prevaleceu'. (Gênesis 32:26)

Fico intrigado ao ouvir como os outros se relacionam com esse mistério de que a essência de uma criatura
está presente em seu nome, uma grafia de letras sagradas.

Shabat Shalom!

Elder Gideon +
T
o
p
o
simplicidade
Mensagens: 40
Ingressou: Sabado Sáb 06 fev 2010 9:29 am
Contato:
Simplicidade de contato


# 2 Post by simplicity » Ter 21 de dezembro de 2010 12:18
Obrigado, Élder Gideon, por apresentar uma pergunta tão intrigante sobre os nomes. Sua pergunta final
pode certamente trazer muitos nomes de pessoas e animais.
Mas meus pensamentos começam onde seus exemplos terminaram, com Jacob, o Patriarca com quem eu
mais ressoo. Cerca de um mês atrás, meu pastor falou sobre Jacó, a bênção que ele recebeu e seu próprio
entendimento do nome de Jacó para expressar o ponto que ele queria fazer.

Embora o meu pastor tenha elogiado Jacob por algumas das suas qualidades - especialmente a sua
vontade de lutar - ele passou algum tempo no nome de Jacó como “enganador” e enfatizou o amor de
Deus por ele “apesar” do seu engano. "Se o Senhor está disposto a amar um enganador, você acha que ele
pode estar disposto a amar você também?", Ele perguntou no fechamento. Às vezes, meu pastor pode
inspirar insights brilhantes, mas nesta ocasião, eu balancei a cabeça para mim mesmo: “Ele não
entende. Ele não entende.

Meu pastor esqueceu: “Amei a Jacó, Esaú odiei” (Ml 1: 2; Rm 9:13). Há uma qualidade que o Senhor odeia:
uma apatia que passa uma bênção celestial por um deleite temporal terreno. Há também uma qualidade
que o Senhor ama: uma paixão pelo Senhor tão forte que está disposto a fazer qualquer coisa por isso, seja
um engano em um estado jovem (menos esclarecido) ou, em um estado mais maduro, uma luta de noite
com o divino que obriga a sacrificar sua coxa.

Desde esse sermão, tenho ponderado o nome de Jacob. É apenas "engano" ou há algo mais
nisso? Comecei com o que eu pensava ser seu nome hebraico: Yod-Kaf-Bet. Até eu descobrir que o nome
dele realmente termina com um “vav”, achei que esse nome era perfeito, pois indicava sua “palma aberta”
de Kaf para a “Casa da Bênção” de Bet, começando com a humildade iluminada da menor letra. Yod,
suspenso no ar. Então, descobri que seu nome não termina em uma “aposta”, mas um “vav” e que, como
um “vav”, me deixou pendurado! No início, eu "pendurei" frustrada porque a "aposta" parecia
precisamente o que Jacob buscava tão apaixonadamente. Mas então percebi que se agora tenho seu nome
hebraico, guematria e matemática, então seu nome representa os 36 justos tsadic: 10 + 20 + 6 = 36.

Como você pode ver, Élder Gideon, estou voltando sua pergunta de volta para você, já que comecei a
“lutar” mesmo com o nome de Jacob, quanto mais outras “criaturas” ou mesmo o novo nome poderoso
que ele recebeu, “Israel.” Então, se você ou qualquer outro puder continuar esta discussão com esses ou
outros nomes, ficarei muito intrigado para aprender mais.

Obrigado e bênçãos a todos,


Karina
"Milagres acontecem todos os dias e em todos os momentos. Quem não os vê é privado de um dos mais
justos presentes da vida" (St. Issa, os Anos Perdidos de Jesus)
T
o
p
o
Elder Gideon
Administrador do site
Mensagens: 1363
Juntou-se: Seg 10 de maio de 2004 8:41 am
O superceder

# 3 Mensagem do Élder Gideon » seg Dez 27, 2010 1:03 am
Saudações Karina!

Sua pergunta sobre o próprio Jacob é totalmente relevante para nossa conversa! Obrigado por perguntar!

Lutando para sair do útero que compartilhava com um irmão gêmeo e enganando seu irmão pelo direito
de primogenitura e seu pai pela bênção patriarcal, o "suplantador" (que significa superceder ou substituto )
teve que jogar muito duro em uma família ainda mais difícil. para o chamado dentro dele como
patriarca. Entre as provações com Labão e seus dezessete anos perdidos com seu filho mais querido, José,
todos são uma constante ação e reação em um contexto além de seu controle.

"Enganador" é uma interpretação de seu nome; entre muitos outros, como "suporte de calcanhar" ou
"supplanter", seu tom como seu nome é inteiramente dinâmico. Desde o momento do nascimento, ele
está se esforçando entre os extremos. Ao contrário de seu avô e avó Abraão e Sara, que em seu caráter e
núcleo eram arquétipos de avós doces e pacientes, nem seu próprio pai, Isaque que era severo e preferia
seu filho Esaú, o filho mais velho da WWF, Jacó viveu em um fluxo constante entre qualquer um deles.
esses pólos. Se ele tivesse sido outra coisa senão um 'portador de calcanhar' ou 'suplantador', talvez não
soubéssemos seu nome hoje nem o Messias dentro dele.

Sua vida me lembra o quanto às vezes devemos nos esforçar para produzir o que é pretendido por Deus
dentro e como nós. O wrestling que ele está sempre fazendo, desde o seu nascimento até a reunião com
Joseph, me ensina que eu tenho que querer. A este respeito, o seu nome contém este mistério:

‫ יעק‬Dividido

, Yod é a mão aberta; Ayin é o olho percebendo; Kuf é o passado animal escondido na base do nosso
cérebro; Aposta é a casa da vida de alguém. De alguma forma, essa constelação de quatro letras contém a
essência de toda a sua vida. Como você (ou qualquer um seguindo isso) encontra sua vida nesse padrão de
letras?

Elder Gideon +
T
o
p
o
Sheryl
Administrador do site
Mensagens: 881
Ingressou na: Sab 14 fev 2004 11:56 am
Local: Grass Valley, CA
Contato:
Contatar com sheryl

Israel

# 4 Post by sheryl » Ter Dez 28, 2010 11:38 am
Shalom Elder Gideon e Karina!

O que primeiro vem à mente nesta contemplação é este versículo de Gênesis:

27 Mas quando eles lhe contaram todas as palavras que José lhes havia dito, e quando ele viu as carroças
que José enviara para levá-lo, o espírito de Jacó seu pai revivido. 28 Então Israel disse: “É o suficiente. José
meu filho ainda está vivo. Eu irei vê-lo antes de morrer. ”

O nome Jacó, embora represente essa vida particular, a essência dessa vida vivida por essa alma, não é
tudo o que a alma é. A alma é também Israel, quando a conhece ou a sua Neshama.

Isto traz à mente isso do Evangelho de Filipe:

você, que possui tudo, não conhece a si mesmo?


Se você não se conhece, não desfrutará do que possui.
Mas conheça a si mesmo e o que você gosta.

Poderia Jacob, nesse contexto, ser um nome de limitação, de falta, de não conhecer a si mesmo - como
Alguém que possui tudo? E Israel é o verdadeiro Eu de Jacó, aquele que não falta, e assim pode desfrutar
de sua sorte na vida?

Então poderíamos dizer que Jacó é um nome de labuta na ignorância, enquanto Israel é um Nome de
labutar em lembrança ou iluminação, em pleno desfrute?

Mas Jacob limitado ainda é bem-vindo, aceito, autorizado a entrar e sair, a piscar entre os dois estados. O
ditado acima do Evangelho de Filipe de repente parece cheio de amor.

Shalom!
Sheryl
T
o
p
o
simplicidade
Mensagens: 40
Ingressou: Sabado Sáb 06 fev 2010 9:29 am
Contato:
Simplicidade de contato
Re: O superceder

# 5 Post by simplicity » Ter Dez 28, 2010 5:58 pm
Olá + Gideon, Sheryl e outros,

Ah, então a aposta volta! Excelente. Eu já vi algumas grafias do nome de Jacob, mas cada uma delas é
digitada em letras inglesas e eu não sabia em quem confiar, então fico feliz em ter sua ortografia e adoraria
encontrar um recurso que possa forneça a grafia hebraica de nomes e palavras bíblicos. (Se alguém souber
de um recurso agradável e acessível, passe adiante )

Obrigado por iluminar o nome de Jacob, + Gideon, e por suas percepções sobre ele, como o seguinte me
faz sorrir:

O Élder Gideon + escreveu:Sua vida me lembra o quanto às vezes precisamos nos esforçar para produzir o
que é pretendido por Deus dentro e como nós. O wrestling que ele está sempre fazendo, desde o seu
nascimento até a reunião com Joseph, me ensina que eu tenho que querer.

Fico feliz em receber a Bet de volta, pois me parece extremamente apropriado para Jacob e, mais
especialmente, como a carta final; porque “berachot” ou “bênção” é aquilo que Jacó tão fervorosamente
procura. De fato, ele procura o “berachot” dos “bayis” (casa), e não é qualquer casa que Jacob procura, é a
Casa de Abraão, a bênção da Casa dos Patriarcas de YHWH. Sim, esta é uma grande missão! E, sim, Jacó
não aceita isso no passo fácil de Abraão ou no sério caminho reto de Isaque; como você e Sheryl notam,
ele está preso nos bastões, "cintilando" na dualidade dos dois, o número de Bet.

Como a carta que começou a Criação, as bênçãos de Bet são indescritivelmente poderosas e, portanto, Bet
conclama seus buscadores a exercerem poder para suas bênçãos. Em outras palavras, eles "querem"! Isso
é mais verdadeiro quando a aposta chega no final. Percebo que o Senhor teve a bondade de abrir a Criação
com a porta aberta de Bet. Com o hebraico soletrado da esquerda para a direita, vemos a porta aberta da
Aposta "começando" a Criação. Ao meditar sobre o Bet, pensei que, se o hebraico fosse escrito como o
inglês, da direita para a esquerda, a Criação nunca poderia ter começado, já que teria atingido
imediatamente uma parede!

Então, e aquele cujo nome “fecha” com o Bet? Ele não vai bater em uma parede também? Não será ele,
como Sheryl observa, "limitado"? Que pobre alma lutadora! O nome dele deve começar com “Yod” ou ele
pode não chegar à sua bênção! Ele precisa de um começo forte: uma mão completa de 10, elevada em
direção aos céus, a leveza de uma pena para entrar e sair de suas barricadas e a humildade de um tamanho
pequeno para continuar quando os inevitáveis tropeços o derrubam.

E com certeza ajuda se ele chegar mais perto de sua busca pela Aposta com a palma aberta de Kuf para
ajudar a guiá-lo em direção à porta da Casa da Bênção de Bet. O Kuf também pode “coroá-lo” com uma
bênção maior, como a herança real de Abraão.

E, finalmente, Jacob tem um ayin - ah ha! - assim ele pode "ver" o seu caminho para esta porta indescritível
da casa de bênção de Bet! Certamente nós também podemos “ver” o ayin em Jacob, pois apenas um com
um “ayin” teria a percepção de misticamente criar ovelhas com listras para outra bênção (!) Ou se
apaixonar por uma jovem com “olhos vivos” e fique entediado com a irmã mais velha com “olhos
cansados”! Sim, o insight de ayin é necessário para alguém que deve se empenhar tanto para uma casa de
bênçãos tão ilusória e tão poderosa quanto a herança de Abraão!

Então, uma vez que ele lutou para obter essa bênção, Jacó recebeu um novo nome! Como Sheryl observa,
ele recebeu seu nome verdadeiro, e só veio depois que ele lutou a noite toda para se conhecer.

O esclarecimento contínuo sobre esse nome, ou sobre "Israel", ou sobre qualquer outro nome de
interesse, também será muito bem-vindo. Obrigado a todos pelas ideias.

Obrigado mais uma vez e muitas bênçãos de Bet,


Karina
"Milagres acontecem todos os dias e em todos os momentos. Quem não os vê é privado de um dos mais
justos presentes da vida" (St. Issa, os Anos Perdidos de Jesus)
T
o
p
o
Elder Gideon
Administrador do site
Mensagens: 1363
Juntou-se: Seg 10 de maio de 2004 8:41 am

Contendendo com Deus e prevalecendo



# 6 Post by Elder Gideon » Qua Jan 05, 2011 7:39 pm
Saudações Irmãs!

Fiery e bem na marca, vocês dois! Maravilhoso para desenhar isso como vocês dois têm, para montar o
'pico de tiro' em nosso vôlei contemplativo!

ISRAEL: ‫ישראל‬

Lexicon A Gesenius' define esse nome de Israel como 'Contender' ou 'Soldado de Deus', enquanto a
Sociedade de Publicação Judaica traduz o momento de mudança de nome de Gênesis 29:32: "Seu nome
não será mais chamado Jacó, mas Israel porque vocês lutaram com seres divinos e humanos e
prevaleceram ". As notas de rodapé do JPS: "porque contendeste com Elohim e os homens prevaleceram".

O Zohar é ainda mais selvagem. Do momento da mudança do nome [1: 154b], o rabino Eleazar proclama
hipllliteralmente:
"Venha e veja: O mundo existe apenas por causa de Jacó. Agora, você poderia dizer: 'Veja! Por causa de
Abraão como está escrito: Estas são as gerações do céu e da terra, quando eles foram criados (Gênesis 2
Não leiam quando foram criados, mas sim através de Abraão, no entanto, até mesmo Abraão suportou
apenas por causa de Jacó, como está escrito: Assim diz YHVH à casa de Jacó, que redimiu Abraão (Isaías
29:22). Anteriormente, o Santo Abençoado construiu mundos e os destruiu.Quando Jacó chegou, sobre ele
foram fundados mundos, não demolidos como antes, como está escrito: Assim diz YHVH, teu Criador, Jacó,
teu antigo Israel (Isaias 43: 1 ). "

O rabino Eleazar está derrapando blasfememente ao chamar Israel de co-criador de Elohim, tendo
resgatado esse poder do Outro Lado em sua luta, sua rivalidade, com quem? Elohim - Deus! O que de
Elohim? Deus está evoluindo? Aparentemente sim. Há de Elohim transcendente e existe de Elohim
imanente. Um é Elohim, disposto em todas as dimensões de possibilidade, do infinitamente potencial
(Binah) ao finitamente real (Malkut). Talvez os rabinos estejam intuindo Israel para ser a pessoa e obra do
Messias, que em nossa linhagem é da mesma alma sagrada neshamá de ninguém menos que
Yeshua. Louvado seja Aquele que também contendeu com Elohim e prevaleceu, entrando na casa do Baixo
Elohim não pelo sangue de touros e bodes, que nunca poderia tirar o pecado, mas pelo seu próprio
sangue, para a casa do Alto Elohim não feita com humanos mãos. Nesta casa superior, ele prometeu
muitas mansões.

Mão Aberta, Semente da Luz: ‫ י‬Presa da


Serpente, Inteligência Ardente, Shekinah: ‫ש‬
Rosto, Rosto, Realidade Mostrar: ‫ר‬
Sopro do Espírito: ‫א‬
Goad do Espírito: ‫ל‬

Concentrar-se então neste fórum de gematria e cartas sagradas, vamos imaginar o que as letras
de ‫ ישראל‬estão dizendo, para aprofundar ainda mais a contemplação! Qual é a sequência das próprias
letras narrativas?

Trabalho delicioso, irmãs!

Que nos tornemos a casa sagrada na qual entramos.

Elder Gideon +
T
o
p
o
Sheryl
Administrador do site
Mensagens: 881
Ingressou na: Sab 14 fev 2004 11:56 am
Local: Grass Valley, CA
Contato:
Contatar com sheryl

Lugar de habitação de Deus



# 7 Post by sheryl » Sex 07 de janeiro de 2011 19:34
Saudações Elder Gideon + e Karina!

Que fascinante contemplação, considerando a conexão entre Jacó e Yeshua! O rabino Eleazar parece ter
tido um vislumbre dessa santa alma-neshamá e de seu jogo neste mundo. Ou talvez ele estivesse vendo
mais ainda?

Mão Aberta, Semente da Luz: ‫ י‬Presa da


Serpente, Inteligência Ardente, Shekinah: ‫ש‬
Rosto, Rosto, Realidade Mostrar: ‫ר‬
Sopro do Espírito: ‫א‬
Goad do Espírito: ‫ל‬

Concentrar-se então neste fórum de gematria e cartas sagradas, vamos imaginar o que as letras de ‫ישראל‬
estão dizendo, para aprofundar ainda mais a contemplação! Qual é a sequência das próprias letras
narrativas?

Ao considerar a prática da União com a Virgem Mãe, poderíamos dizer que a Mão Aberta, Semente da Luz ,
é o presente da Luz que a Mãe tem de cima? A presa da Serpente, Inteligência Ardente, Shekinah é o poder
da serpente que é despertado em nós? E acrescentando a isso o semblante, o sopro do espírito e o
aguilhão do Espírito , o que vem à mente é a Nação Sagrada, a Cidade Santa, Pessoas, sobre a qual muitas
vezes se fala na Torá, como a intenção de YHVH, e também mencionada por Paulo. em Efésios 2:

Agora, portanto, vocês não são mais estrangeiros e estrangeiros, mas concidadãos com os santos e
membros da família de Deus, tendo sido edificados sobre o fundamento dos apóstolos e profetas, sendo o
próprio Messias Yeshua a principal pedra angular, em quem o todo construir, sendo encaixados, cresce em
um templo sagrado em Adonai, no qual vocês também estão sendo construídos juntos para uma morada
de Deus no Espírito.

Podemos dizer então que Israel está falando da morada de Deus na terra? E assim, quando o rabino
Eleazar fala de Israel como co-criador, ele está falando mais do que a pessoa "Jacó", assim como Israel é
mais do que uma nação, mas uma morada ou casa que é adequada para Deus. Poderíamos até dizer que o
próprio Jacob viu isso quando profetizouQuão incrível é esse lugar! Esta não é outra senão a casa de Deus,
e esta é a porta do céu!

E assim não estamos falando da manifestação das Sephirot na realidade física, o Caminho para isto se
tornando expresso em yod, shin, resh, aleph, lamed?
Muitos pensamentos adicionais estão girando na minha cabeça! Mas talvez isso seja o suficiente para
"estimular" um pouco mais a discussão!

Shalom!

Sheryl
T
o
p
o
simplicidade
Mensagens: 40
Ingressou: Sabado Sáb 06 fev 2010 9:29 am
Contato:
Simplicidade de contato


# 8 Post by simplicity » Dom Jan 09, 2011 7:35 pm
Uau! Que série de contemplações, meu irmão e minha irmã!

Gideão +, eu amo o seu "pico", e estou impressionado com o que você iluminou sobre o Jacob / Israel do
Zohar. Uau - que poder. Eu suponho que eu poderia ser como alguns dos participantes do Zohar, que têm
uma tendência a dizer algo como: "Se eu tivesse vindo apenas para isso, teria sido suficiente".

Mas não foi só por isso. . . pois então Sheryl expressou essa notável contemplação em Israel: "a morada de
Deus na terra". Suponho que eu tivesse vindo apenas para isso, também teria sido suficiente!

Além disso, se Israel expressa a noção de uma morada na terra, é uma morada poderosa. O novo nome de
Jacó mantém seu humilde mas poderoso yod. Acrescenta o "shin", que tem tal poder em seu poder
pacífico (shalom), sagrado (shabbat) (Shekinah) que foi adicionado a YHWH para formar o nome de
Yeshua. Em seguida, acrescenta o sopro poderoso de aleph e, em seguida, acrescenta ainda mais poder
com o sopro de resh em sua consciência superior do espírito santo (ruach ha-kadosh). E o lamed expressa
esse contínuo crescimento Gideon + aludido. Como rabino Munk observa, "lamed" é como "lamad": ensino
e aprendizagem. A natureza "crescente" das características do lamed poderia implicar crescimento e até a
escada no sonho de Jacob! Estes podem ainda ser pensamentos iniciais, mas eles já expressam um lugar de
moradia!

Então, sim, muito para contemplar. . .

Muitas bênçãos,
Karina
"Milagre
Et

# 1 Post by Elder Gideon » seg 15 de novembro de 2010 7:58
Shalom!

A primeira e última letra do aleph-bet hebraico é Aleph e Tau:

‫את‬

Muitos significados só existem dentro desta contemplação dessas duas letras.

Por exemplo, Grande Anjo do Messias - Hua - se declara no Apocalipse:

Eu sou o Alfa e o Ômega, o primeiro e o último, o começo e o fim. Apocalipse 22,13

Et é também uma palavra em hebraico aparecendo em toda a Torá como um artigo intraduzível
amplificando tudo o que é dito depois, como em Bereshit Bara Elohim Et ha-Shamaim ve Et ha-Aretz : No
Princípio criado Elohim, os Céus e a Terra.

Por fim, entre a primeira e a última letra de uma aleph-bet estão todas as combinações possíveis de
palavras que foram escritas, estão sendo soletradas e sempre serão soletradas, todas simultaneamente
presentes entre Aleph e Tau.

Que isso abra uma contemplação para todo e qualquer intrigado!

Elder Gideon +
Última edição por Elder Gideon em sab 20 de novembro de 2010 13:53, editado 2 vezes no total.
T
o
p
o
Damiean
Mensagens: 24
Ingressou: quinta-feira 12 de julho de 2007 13:47

Arquétipos

# 2 Post by Damiean » Sáb 20 de novembro de 2010 10:44
Shalom Elder Gideon!

Ao contemplar isso durante a semana, alguns pensamentos me vêm à mente e pensei que poderia
compartilhar.
Nós falamos de Divine Name e Partzifum, como arquétipos. E embora eu tenha ouvido isso muitas vezes ao
longo dos anos, esta manhã, ao despertar, um insight estava trovejando na mente, tendo dormido nele,
como diz o ditado. Pensamos em dizer cadeira. E o arquétipo seria explicado como todas as coisas que
poderiam parecer ou parecer que a cadeira é mantida em potencial. De visões passadas para apresentar e
para o futuro. No entanto, o que me impressionou esta manhã, foi que sim, isso é verdade, mas dentro
dessa mesma potencialidade também deve ser aquilo que é exatamente a OPOSTA da cadeira. É isso que
dá origem a tudo o que é potencialmente "cadeira". De que outra forma podemos falar de cadeira em
qualquer nível ou imaginá-la, a menos que seja mantida no interior é também o conhecimento de tudo o
que não seria aquilo que buscamos manifestar. Parece que ambos estão presentes ao mesmo tempo.

Este é o "segredo" que parece por trás da mudança entre Elohim como um Nome Divino da criação, e os
Arcanjos como poderes criativos. Dentro de Elohim encontramos essa potencialidade e sua aparente
contradição. Realizado em uma perfeita unidade. Enquanto em um arcanjo, isso não é assim. Houve uma
divisão sutil desta unidade que acontece nesta mudança do Olam de Atzilut para Beriyah, assim temos os
"poderes da luz e suas contrapartes sombrias".

Assim, com essas letras que você fala como a combinação completa de todas as palavras, dentro disso
parece também ser o espaço negativo, se quiser, isto é, sem palavras ou veículos de fala. Tal como +
Malaquias freqüentemente fala quando ele compartilha sua bela contemplação da árvore. Nós ouvimos
isso no Zohar quando fala das letras como fogo negro sobre fogo branco. Ambos estão presentes e parece
estar presente para que tal "coisa" exista. Surge como é, e tudo o que era e poderia ser sua expressão
"positiva" ", se você quiser; e o" espaço negativo "em que surge junto com todas as contradições a que
mente mental o chamaria. Seperating this a partir daí.

esta contemplação de Et parece falar muito bem a esta ideia de Unidade e ser-ness.

Há im certeza mais do que pode ser retirado a partir desta contemplação, mas mal resto aqui neste
momento.

Shalom,
Damiean
T
o
p
o
Elder Gideon
Administrador do site
Mensagens: 1363
Juntou-se: Seg 10 de maio de 2004 8:41 am

Polaridade e Dualidade

# 3 Mensagem do Élder Gideon » seg Nov 22, 2010 9:40 am
Irmão Shalom!

Seus insights sobre arquétipos, partzufim e polaridades positivas negativas são uma entrada intrigante em
Aleph e Tau. Quando estamos discutindo tais assuntos, estamos certamente indo além das meras
aparições de tudo para averiguar, para vislumbrar, como tal diversidade não é contrariada por uma
unidade subjacente.

Permita-me ajustar algo em sua contemplação com relação à mudança de Atzilut para Beriyah, para ver se
um alinhamento com outros ensinamentos facilita uma maior clareza.

Entre estudar, escutar e vislumbrar o que se entende em nossa linhagem pelas palavras Atzilut ou Partzufé
reconhecer uma gradação de Ser que é interdependente consigo mesma. Qualquer positivo ou negativo
não se separa em Atzilut como pensamos mentalmente, mas são polaridades interdependentes que se
definem mutuamente. Definição mútua e interdependência são como todos os arquétipos e
personificações da Unidade Sagrada se inter-relacionam. A sutileza dessa inter-relação é altamente
essencial, abstrata, delicada e além de definição. Esta é a Árvore da Vida, a Sagrada Sefirot de Atzilut.

Mudando desta sutileza são as palavras Beriyah e Arcanjo, marcando como Mekubalim aponta para o
aparecimento da divisão, a experiência da separação. O que era um campo de inter-relação infinita,
suspenso em um potencial puro e atemporal, quando Atzilut está mudando para o tempo, a distinção e o
devir. Tornar-se é não conhecer e ter que escolher conscientemente a própria evolução. Não escolher é
ainda uma escolha! Escolher inconscientemente deve ser igualmente possível e consequente. O próprio
sentido de um eu distinto e isolado, escolhendo a partir de qualquer possível ponto de referência com sua
experiência consequencial, é a estrutura metafísica criada pelo reino arcanélico e arquidemônico de
Beriyah. Esta é a árvore do conhecimento do bem e do mal.

Aqui, talvez seja uma ajuda semântica: o que é polaridade em Atzilut é dualidadeem Beriyah. A polaridade
conota a definição mútua, enquanto a dualidade denota oposição.

Tudo isso dito de Beriyah não é nem visível nem épico como poderíamos imaginar, mas em vez disso é a
fonte oculta de distinção e diferenciação e resistência na experiência de se tornar. Ainda não sinto a luz e a
escuridão lutando entre si em Beriyah; eles apenas são. Luz e escuridão, ignorância e consciência,
manifestam-se como uma luta ou conflito em Yetzirah propriamente dita, tornadas visíveis na história pela
imaginação de gerações de pessoas em Asiyah.

Como agora você ligaria isso de volta a Et? O que agora é Et?

Elder Gideon +
T
o
p
o
malochim
Mensagens: 86
Ingressou: Fri Jun 15, 2007 6:38 am
Localização:Gotemburgo, Suécia
Contato:
Contato malochim

Et e a manifestação do Grande Nome



# 4 Post by malochim » Qua 24 de novembro de 2010 14:25
Shalom,

Diz-se que Adam Kadmon é o Olam contendo a alma do Messias, a inteligência de energia por trás do
hebraico Aleph-Bet. As letras emanam em Atzilut o Olam de proximidade e emanação e ali formam os
nomes Divinos, permutações da combinação de inteligência energética. Além disso, os nomes Divinos se
manifestam como forças cósmicas arquetípicas e almas / neshamá no Olam Beriyah. Estas forças angélicas
arqueadas, por sua vez, emanam e cercam-se de ordens de anjos no Olam de Yetzirah, que preside o Olam
de Assiyah. Diz-se no Zohar que toda palha de grama tem um anjo associado. A Grande Árvore da Vida, que
consiste de todo o Olam, manifesta-se através de um processo de destruição e remendos, a fim de ocultar
a luz superna o suficiente para realizar a revelação.

É também a vestimenta da Shekinah, toda emanação sendo usada pelo Espírito Santo.

O processo de emanação pode ser comparado à travessia de uma árvore, começando na raiz que é única e
indivisa. Como um progresso no tronco da árvore, ele é dividido em ramos, que por sua vez são divididos
em galhos e folhas. Da unidade e singularidade, a multiplicidade emana e o Grande nome YHVH ramifica-se
na totalidade de todas as manifestações possíveis.

Deus disse a Abrão: "Vá em frente"


Deus disse a Abrão: "Vá para si mesmo, conheça-se, cumpra a si mesmo"

"Se você se conhece, você se tornará conhecido e saberá que são os filhos de o Deus Vivo. Se você não
conhece a si mesmo, você vive na pobreza e se tornou pobreza. " - Evangelho de Thomas

A queda da unidade na separação e no sono é atribuída à serpente. Como ensinado na tradição, a serpente
está associada ao Messias (Serpente, Nechash é igual a 358, assim também faz o Messias). Portanto, é o
poder do Messias que nos acalma para dormir e nos desperta.

O vaso que recebe o influxo total da luz celestial não pode receber a luz incomensurável, a menos que seja
completamente destruído e, então, consertado pelo desejo de retornar à Unidade. Como poderíamos
crescer sem movimento e experiência? Provando a árvore do conhecimento, passamos através do Da'ath e
do grande abismo para o reino do devir e, ao mesmo tempo, estamos impregnados e somos uma semente
que cresce no ventre da Virgem Mãe.

Se seguirmos nossos pensamentos para a sua fonte, a lacuna / vazio a partir de qual é questões é Et. É o
silêncio entre palavras / pensamentos. É Hayyah, o gerador supernal e são as infinitas combinações
possíveis de letras no Grande Nome, e é o silêncio entre elas. Se olharmos para o símbolo da serpente
mordendo sua própria cauda (ouroboros), vemos esse mistério. É o horizonte de eventos entre o reino do
Ser e o reino do Devir, é aqui que o poder do Messias nos traz à escravidão e é aqui que nos liberta da
escravidão.

É através da redenção de Nechash no Messias que a Shekinah pode se manifestar como nós e se mover
através de nós. É através do acesso à inteligência energética através da nossa própria consciência e
exposição de vida que experimentamos o ser humano desperto e a totalidade de Yahweh Elohim da qual
somos uma imagem. Esta é a natureza do processo de emanação, Aleph e Tau, Movimento e Repouso, Ser
e Tornar-se, a realização e reconhecimento de nosso self e Deus através da experiência, uma jornada
eterna em Ain Sof. Na verdade Et soletrado é ‫את‬, Aleph e Tau.

Bênçãos,
Jonas
"Somente o amor tem significado, eleva a menor ação ao infinito.", Santa Maria Faustina Kowalska
T
o
p
o
Elder Gideon
Administrador do site
Mensagens: 1363
Juntou-se: Seg 10 de maio de 2004 8:41 am

Você!

# 5 Mensagem do Élder Gideon » Domingo, 28 de novembro de 2010, 10h45
Saudações meus amigos!

Em relação à unidade dentro e por trás das aparências - Aleph e Tau - todas as oportunidades de
integração com o que nossa intuição sente e até mesmo vislumbra são manifestas toda vez que praticamos
explicar ou transmitir isso para outro. Eu estou achando que compartilhar da minha própria experiência
com outra pessoa é uma prática, extraindo os insights de modo a serem comunicáveis para outra
pessoa. Comunicabilidade, compreensibilidade, transmitir o que é dito com o outro é tanto um assunto
central de ‫ את‬quanto sua transmissão.

Enquanto reflito sobre uma ampla gama de contemplações no post de Jonas, que estão certamente
conectadas com o ‫ את‬, fico imaginando o que aconteceria se qualquer um desses ensinamentos fosse o
ponto focal de sua consideração‫ את‬. Eu sei, na minha experiência como educador, que se eu me reunir em
muitos exemplos ou se eu chegar longe demais de um modo não-linear, a compreensão de outra pessoa é
difusa. Em outras palavras, um exemplo focado do mistério do ‫ את‬facilitará muito mais experiência para
outro, e a experiência acima de tudo, é o que nos atraiu para essa linhagem e, por sua vez, atrairá outros
através de nós também. Em outras palavras, estou falando com um líder de círculo, cujo arco de prática
transmitindo experiência através de ensinamentos é agora um pouco mais rigoroso. A beleza nesta
prática de focar e essencializar um ensinamento para você e para aqueles que a Mãe traz para você é o
quanto mais a Ma pode transmitir onde dois ou mais estão reunidos.
Uma chave que eu recomendo para os líderes do círculo, com foco em uma explicação de‫ את‬vem por meio
da pequena palavra mais simples emergindo com uma adição da letra ‫ ה‬, uma palavra que qualquer um de
nós conhece e compreende: VOCÊ. Se você vai considerá-lo, soletrado ‫ אתה‬, como uma introdução
acessível para a vastidão do mistério do princípio e o fim, você também vai ter uma abertura excelente
para compartilhar algo da Cruz cabalística em que esta meditação começa. Abaixo está um post muito
essencial e útil de + Malachi sobre este nome Divino ‫ אתה‬, que também é um pronome simples que
sempre ouvimos.http://www.sophian.org/forum/viewtopic. ... luz = Atoh Neste, eu perguntaria como é
que ‫ אתה‬, Você, trazer esse imenso mistério de ‫את‬casa em nossa experiência?

Elder Gideon +
T
o
p
o
Sheryl
Administrador do site
Mensagens: 881
Ingressou na: Sab 14 fev 2004 11:56 am
Local: Grass Valley, CA
Contato:
Contatar com sheryl

Atoh como palavra de devoção e adoração



# 6 Pós por Sheryl » Sun novembro 28, 2010 04:35
Shabbat Shalom Elder Gideon e amigos!

Eu aprecio a explicação e discussão de ‫ את‬neste segmento. O 'et' perdido na Torá há muito tempo foi
pensado para ter um significado de profundidade não óbvio para a igreja exterior.

Quão maravilhoso isso foi amarrado em 'Atoh'!

Tau Malachi expressa maravilhosamente "Você" com estas palavras:

Tudo isso está na palavra Atoh "Você". Quando nós intonamos esta palavra na Cruz Cabalística, focamos
nossa mente no aspecto transcendental de Deus e de Deus, e de nossa inata unidade com Deus e
Divindade no Cristo-próprio; Deus dentro e além de nós. Assim, começamos com a lembrança da Unidade
Sagrada e do contínuo da Luz, e então desdobramos essa consciência sagrada e "atraímos" a Luz e
estendemos a Luz para o mundo (Malkut).

Ao ler este ensinamento, penso no eu - o ponto da consciência orando, realizando a Cruz Cabalística -
como uma interseção, ponto de conexão, entre o eu inferior e o transcendente (Self), sendo também o
ponto de intersecção entre criação e o que está além da criação.

Levando esse pensamento para as contemplações do Élder Gideon sobre Aleph-Tau, o começo e o fim,
poderíamos dizer que o início ou Aleph é transcendente ao eu, como é o fim ou Tau? E o eu, o ponto de
intersecção, é então o potencial, o potencial infinito de todas as palavras que foram escritas, estão sendo
soletradas e sempre serão soletradas?

E assim, quando penso na presença de 'et' ou ‫ את‬na Torá, tanto o que é transcendente quanto o potencial
entre o começo infinito, o começo transcendente e o fim vêm à mente.

Bênçãos de Shabat para todos!

Sheryl
T
o
p
o
Tau Malaquias
Administrador do site
Mensagens: 5623
Registou-se: Wed Out 22, 2003 4:20 pm
Localização: Grass Valley, Ca.

Um e todos

# 7 Postado por Tau Malachi » seg 29 de novembro de 2010 13:45
Saudações e bênçãos na Luz do Messias!

A contemplação de Et é sempre fascinante, e parece não ter fim, pois é a contemplação de toda a Alef-Bet,
e assim também toda a Árvore da Vida de Adam Kadmon a Asiyah - é tudo e não é nada, plenitude e vazio.

Alef é um e Tau é quatrocentos. Assim, Alef é Adam Kadmon, a singularidade primordial da qual tudo
emana e surge, e por extensão é Atzilut, que permanece na Unidade Sagrada (Alef), não tendo qualquer
dualidade. Entendendo que cada Sefirá contém todas as dez Sefirot, e que isso é verdade em todos os
quatro Olamot, Tau é a totalidade da Grande Árvore da Vida, que é o Pleroma da Luz e a totalidade, a
matriz inteira da criação. Essa multiplicidade em essência e natureza reside na Unidade Sagrada, Alef e em
Tau.
Tau, 400, também aponta para a verdade co-surgindo, que qualquer fenômeno que possa ser nomeado é
composto de tudo o que não é, todos os outros fenômenos.

Embora Nechash e Messias sejam iguais a 358 e, portanto, representam uma e a mesma força espiritual,
não posso dizer que o Messias é quem nos faz dormir, ou que nos liga à ignorância; embora possamos
dizer que "a força que liga é a força que libera", precisamos entender o que isso significa.

Em essência, a energia do desejo nos liga, e a energia do desejo nos liberta - essa é a natureza do poder da
serpente. Nechash representa este poder dirigido para baixo e para fora na ignorância, no jogo de auto-
estima, apego e aversão, enquanto o Messias representa este poder dirigido para dentro e para cima, Deus
em iluminação, auto-apego, apego e aversão.

A Luz do Messias, a Luz de cima, desperta o poder da serpente em nós, e eleva e redime o poder da
serpente.

Talvez isto tenha um lugar nesta discussão de Et, entendendo “Et”, Alef-Tau, como toda criação e a
realização da Unidade Sagrada subjacente a todos, pois toda a matriz da criação existe em prol dessa auto-
realização no mundo. Messias.

Estes foram alguns pensamentos que eu estava inclinado a compartilhar - estou muito intrigado para ver
onde esta discussão vai.

Que possamos conhecer e compreender a Boa Serpente, Tov Nechash. Um homem.

Que a paz esteja com você!


Tau Malachi
Sophia Comunhão
Ecclesia Pistis Sophia
T
o
p
o
Dennis
Mensagens: 17
Ingressou: Fri Jun 16, 2006 5:24 pm
Localização:Peterborough, Ontario, Canadá
Contato:
Entre em contato com Dennis

cruz do círculo

# 8 Post by Dennis » seg Dez 06, 2010 7:09 pm
Saudações,
Enquanto pensava sobre isso, a seguinte imagem veio a mim: se tomarmos cada um dos numerais de
"401" separadamente, então podemos dizer que 0 é um círculo, 1 é um ponto no meio do círculo e 4 é um
a Cruz. Se os colocarmos juntos, teremos uma cruz circular. Eu não tenho ideia do que fazer com isso, mas
achei interessante.

Em Luz e Presença,
Dennis
T
o
p
o
Tau Malaquias
Administrador do site
Mensagens: 5623
Registou-se: Wed Out 22, 2003 4:20 pm
Localização: Grass Valley, Ca.

Círculo sagrado, templo vivo



# 9 Post by Tau Malachi » Ter Dez 07, 2010 8:44 am
Saudações e bênçãos à luz do Messias!

Sim, essa imagem da cruz e do círculo implícito é muito intrigante. Da mesma forma, há o círculo sagrado,
o poder das quatro direções e o santo tzaddik, o “quinto elemento”. Assim, 401, ou Alef-Tau, vem
simbolizar o ser humano realizado.

Shalom,
Malaquias
T
o
p
o
Tau Malaquias
Administrador do site
Mensagens: 5623
Registou-se: Wed Out 22, 2003 4:20 pm
Localização: Grass Valley, Ca.

Essência e Quinto Elemento



# 10 Post by Tau Malachi » seg 13 de dezembro de 2010 13:13
Saudações e bênçãos à luz do Messias!

A contemplação de Et permaneceu comigo e talvez haja algo mais que possa ser compartilhado.
Em primeiro lugar, na Cabala Cristã Et muitas vezes é tomado como significando “essência”, e implica a
“essência de todos”. Ao mesmo tempo, também é tomado como significando “espaço espiritual”, o quinto
elemento, que é o “ essência de todos os elementos ”, o“ fundamento de todos ”.

Isso dá uma nova leitura do Cristo ressuscitado como Alfa e Ômega, ou Alef e Tau.

Quando Ele é adicionado, Et se torna Atoh, "você". Por um lado, isso indica a revelação de Deus através de
personificações divinas, e indica revelação por meio de ocultação, como Cristo aparecendo grande e
pequeno, como um ser humano. anjo, arconte e assim por diante, ocultos para serem revelados ou
tornados conhecidos.

Ele, é claro, é o Santo Shekinah, Malkut, que recebe todos os influxos e essências, e recebe, os comunica
aos mundos da existência senciente.

No fechamento vou compartilhar que algo me diz que um mistério de Et-Atoh pode ser encontrado em
Emmanuel… A

paz esteja com você!

Qoph e o 29º Caminho da Sabedoria



# 1 Post by Martina » Qui 13 de janeiro de 2011 13:24
Shalom Caros Amigos,

Estou curioso sobre o 29º caminho entre Netzach e Malkut. Poderia mais ser dito sobre isso, já que a
energia de Netzach não é filtrada por Yesod? Eu pensei que Malkut só pode receber energia das Sefirot
acima quando esta energia é filtrada por Yesod. A energia fluindo diretamente para Malkut parece muito
misteriosa.

Grato,
Martina
Martina
T
o
p
o
Martina
Mensagens: 629
Ingressou: Mon Jun 12, 2006 9:46 am
Localização: Alemanha
Contato:
Entre em contato com Martina

# 2 Post by Martina » Ter Jan 18, 2011 3:35 am
Saudações e Bênçãos à Luz do Santo,

contemplando o 29º caminho e também pensando no caminho entre Hod e Malkut, parece que algumas
inspirações criativas e científicas são tão diretas e poderosas que o filtro de Yesod pode não ser
necessário. Eu isso verdade? Talvez isso se aplique apenas a algumas inspirações, pois existem caminhos
entre Netzach e Yesod e Hod e Yesod também.

Estou ansioso para aprender mais sobre esse mistério.

Grato,
Martina
Martina
T
o
p
o
Tau Malaquias
Administrador do site
Mensagens: 5623
Registou-se: Wed Out 22, 2003 4:20 pm
Localização: Grass Valley, Ca.

Contemplando o arco-íris

# 3 Postado por Tau Malachi » Qui Jan 20, 2011 9:54 am
Saudações e bênçãos à luz do Messias!

As letras que correspondem ao Netivot que flui para Malkut em nossa Cabala Cristã são Koof, Shin e Tau, e
estas soletram Qeshet, que significa "arco-íris", e o Véu de Qeshest é um brilho radiante que se estende de
Yesod, embora por natureza seja um falsa luz, ilusória. Todas as emanações, incluindo as do Netivot que
fluem de Netzach e Hod para Malkut, passam por Yesod, pois Qeshet é a emanação do poder de
Yesod. Assim, o que o Zohar ensina a respeito disso permanece verdadeiro.

Na Cabala Judaica, deve ser entendido, entretanto, que há apenas uma Netivá indo para Malkut, duas
sendo adicionadas acima entre Hokmah e Gevurah, e Binah e Hesed. Assim, somente o caminho de um
canal existe entre Yesod e Malkut na Árvore da Vida na maioria das escolas judaicas, e obviamente este é o
caso na escola por trás da escrita do Zohar.

A influência de Qeshet, no entanto, é muito significativa na Cabala Cristã, pois fala da própria natureza e
processo da revelação divina e da intenção original de Deus na criação. Por um lado, podemos dizer que
Qeshet é ilusória, ilusão astral, mas, como sabemos, toda a realidade é como um sonho, uma memória
passageira, ilusória, mas relativamente real, vívida e necessária para o desenvolvimento e a evolução da
alma. . O mesmo vale para Qeshet, e em relação a Qeshet, além de ser um “véu de ilusão”, é
profundamente o poder da própria ilusão, ou melhor, a percepção equivocada da realidade que é comum
a todos os seres sencientes ligados à ignorância. .

É o poder de Yesod se manifestar no jogo da ignorância, a ilusão da separação, mas é parte integrante do
despertar e da realização das almas, embora constitua uma espécie de obstrução ou resistência.

Agora, a palavra Qeshet é muito interessante. Koof é a única letra em sua forma primária que fica abaixo
da linha de base, e como sua cauda fica abaixo da linha de base, como as das letras finais, Koof alimenta o
outro lado, ou o "lado negro", o domínio do klippot, tanto quanto servir o reino dos céus e Deus. O koof é a
“parte de trás da cabeça” e, como tal, implica a evolução, que a princípio é inconsciente, mas acaba se
tornando consciente mais e mais conforme as almas despertam. Basicamente falando, Koof representa o
crescimento e desenvolvimento que é o movimento para a frente da evolução, mas também representa
uma atração para baixo e para trás, e o princípio do ressurgimento atávico.

Shin é a carta que representa a inteligência flamejante, a Shekinah e o Espírito Santo, e sabemos que as
almas são despertadas através do dom da inteligência ardente, o dom que faz um verdadeiro ser humano
espiritual de acordo com os mestres gnósticos.

Tau, é claro, é a Santa Cruz e representa o Cristo ressuscitado ou "Ponto Ômega", a fruição da intenção
original de Deus na criação, a geração do Ser Humano de Luz, a imagem e semelhança de Yahweh Elohim.

Como se vê, Shin e Tau se juntaram para soletrar o Nome de Seth, o "Grande Seth", ou "Filho do Humano",
sendo um nome comum para o Messias - Koof precedendo Shin-Tau implica que a evolução criativa é
inspirada e guiado por esta santidade e beleza, e essa evolução criativa será redimida e culminará nesta
Iluminação Divina.

Contemplando Qeshet, não podemos esquecer a “Obtenção do Corpo do Arco-Íris”, ou o que tem sido
chamado de “o arrebatamento”, que é a exibição mais mágica de um ser realizado dando um sinal da sua
realização em prol da fé e esperança no povo. A este respeito, a plena realização de Gadol Seth, o Grande
Seth, é Qeshet, o Corpo do Arco-Íris, que é outro significado desta palavra para aqueles que se tornaram
"filhos da ilusão", ou aqueles que são "lúcidos no sonho".

Que possamos ser abençoados e capacitados para reconhecer e perceber a verdadeira natureza do
Corpo da Ressurreição e, assim, ser elevados na Grande Ascensão no Dia do Senhor. Um homem.

Que a paz esteja com você!


Tau Malachi
Sophia Comunhão
Ecclesia Pistis Sophia
T
o
p
o
Phillip
Mensagens: 498
Idade: 47 anos
Registou-se: Sáb 25 de outubro de 2003 21:46
Localização:Sacramento, CA


# 4 Post by Phillip » Sex 21 de janeiro de 2011 8:22
Ao contemplar isso, não posso deixar de considerar uma citação de um artista famoso: “A imaginação
abandonada por (consciência) produz monstros impossíveis; unida a ela, ela é a mãe das artes e uma fonte
de admiração. ”

Eu mudei a palavra“ razão ”aqui para consciência, porque é um ponto sutil que eu acho que é mais
aplicável ao ensino aqui do que talvez o artista pretendido, mas me deu grande combustível para a
contemplação deste princípio de Quoshet que você apresenta aqui.

A imaginação, quando deixada ao inconsciente, pode gerar algumas visões belas, no entanto, mais
frequentemente parece refletir desejos e medos. Em outras palavras, algo pode romper de vez em quando
devido à Graça e ao influxo da Influência Divina, mas entendemos a natureza desses influxos, e podemos
integrar o que eles estão realmente dizendo? Na maioria dos casos, parece que estamos interagindo no
mundo não um com o outro ou com o mundo como ele é, mas com a imaginação de nossas mentes, uma
projeção de nossos desejos e medos em nossa imaginação, então nos relacionando com o mundo como se
Na verdade, é o mundo que imaginamos nesse estado. Ai!

Com a consciência, parece, vem a capacidade de ver através das imagens de nossas imaginações
inconscientes, e de ver os sentimentos / motivações / auto-apreensão que impulsionam essas imaginações
que nos levam à inconsciência. Pode-se dizer que a consciência nos permite ver através do domínio do
klippot de Quoshet para ver, talvez, além do domínio dessas forças?

Nesta contemplação, não posso deixar de perguntar mais sobre a natureza das práticas de meditação
dadas na tradição, considerando que muitas delas utilizam o poder da imaginação. Eles parecem trabalhar
para nos ajudar a gerar um uso consciente da imaginação, a imaginação com consciência, no entanto,
parece haver algo ainda mais aqui. Se bem me lembro, dizem que são derivados da experiência do
Iluminismo, uma emanação dele. Então, nesse sentido, pode-se dizer que as práticas de meditação dadas
na tradição são um veículo através do qual nossos próprios poderes de imaginação podem nos levar além
deste véu de Quoshet, e ainda mais? Pode-se dizer que estas práticas de meditação são uma extensão do
Amor Divino neste véu de Quoshet em prol da Misericórdia e da libertação do domínio das forças de
klippot que tipicamente nos dominam neste reino?

Que todos sejam abençoados para ir além do véu de Quoshet e ainda além do véu de Paroket,
permanecendo no solo de seu ser.

Shalom!
Phillip
T
o
p
o
Tau Malaquias
Administrador do site
Mensagens: 5623
Registou-se: Wed Out 22, 2003 4:20 pm
Localização: Grass Valley, Ca.

Evolução Consciente

# 5 Post by Tau Malachi » Sex 21 de janeiro de 2011 12:08
Saudações e bênçãos à luz do Messias!

Sim, a consciência associada à imaginação criativa pode moldar e esclarecer o Qeshet (ou Keshet).

Fico impressionado com o princípio da evolução, que a princípio é completamente inconsciente, passando
pelos reinos mineral, vegetal e animal para o reino humano, mas que começa a se tornar consciente entre
os seres humanos, a capacidade de uma evolução consciente que surge de nossa inteligência. e
consciência. Basicamente falando, a consciência ativa nossa inteligência, e quanto maior a nossa
consciência, maior a nossa inteligência, a geração da presença da consciência levando a estados de
consciência mais elevados ou mais expandidos.

Podemos dizer o mesmo em relação a outras qualidades da consciência humana, tais como amor e
compaixão, compreensão e tolerância, e assim por diante, a consciência ativa e fortalece todas elas - e
assim, com o poder de nossa imaginação criativa ou nossa capacidade de vislumbrar e fala em ser.

Se considerarmos a Divina Encarnação e a revelação de Cristo ressuscitado, uma das bênçãos mais
significativas é que nos é dada uma imagem do nosso destino para visualizar e estabelecer como nosso
objetivo - é um importante fortalecimento para uma evolução consciente, para além por ter alguma idéia
ou imagem do ser divino ou iluminado, não seríamos capazes de visualizá-lo e expressá-lo ou representá-
lo.

As várias imagens auto-luminosas do ser divino ou iluminado que visualizamos em nossas práticas estão
todas enraizadas nessa revelação e empoderamento - elas são um esforço ativo de evolução consciente
em direção ao ser totalmente divino e iluminado, nosso verdadeiro ser.

Há outro aspecto de Koof que é interessante a esse respeito, o princípio do ressurgimento atávico, que é
nossa capacidade inata de invocar e basear-se em desenvolvimentos anteriores da evolução, como vemos
com os xamãs que podem invocar poderes animais e mudar de forma. , tocando esses espíritos e poderes
dentro de si.

É uma intrigante contemplação considerar o poder da imaginação criativa unido à consciência,


especialmente quando reconhecemos que somos continuamente co-criadores da realidade de nossa
experiência, conscientes disso ou não - a geração da presença de a consciência se torna muito importante
quando isso é entendido.

Que a bênção do Cristo ressuscitado esteja sobre todos os espíritos e almas viventes, e que todos
possam ser elevados na Grande Ascensão. Um homem.

Bênçãos e shalom!

Adão: o orando

# 1 Post by Tau Malachi » Ter 05 de maio de 2009 12:32
Adão: O Rezar

Desde o início, Adão, o Humano, era homem e mulher em um corpo, um indivíduo solitário e um indivíduo
integral - o potencial divino de toda a humanidade estava em Adam Ha-Rishon, o Primeiro Ser Humano.

Ele, ela era uma pessoa única e, no entanto, também era o coletivo inteiro da humanidade em todos os
tempos - à semelhança de Elohim, o único e muitos, ela - ele é um e muitos, todos nós.

O Humano é chamado Falando, e também é conhecido como o Doador do Nome, pois Adão nomeou todas
as criaturas - no início, como um indivíduo solitário, não havia outro ser humano para falar com Adão,
então surge a questão, “Por que o humano recebeu o poder da fala?”

A resposta está contida no nome do próprio Adam. A primeira letra é Alef, que é soletrada Alef-Lamed-
Peh, e a segunda é Dalet, soletrada Dalet-Lamed-Tau, e a terceira é Mem, soletrada Mem-Mem; quando as
três letras reais que soletram Adão são removidas, as cartas que permanecem são Lamed-Peh-Lamed-Tau-
Mem, que podem ser rearranjadas para soletrar MiTPaLeL, significando “aquele que reza”.

Assim, primeiro e acima de tudo o humano é dado o poder da fala para orar ou falar com o Santo - Yahweh
Elohim.

Como a imagem e semelhança de Yahweh Elohim, o Humano é o veículo da Santa Shekinah de Yahweh
Elohim, o canal da Divina Presença e Poder do Santo do Ser, e através da oração e meditação, a
profundidade da oração, a O Ser Humano se aproxima, cliva e une-se ao Santo, atraindo a Graça Superior
para o Jardim do Éden, a Matriz da Criação.

Através da oração, o Ser Humano cuida do Jardim, da Matriz da Criação, fazendo fluir a chuva, e todo tipo
de bênçãos para derramar, sustentando a vida de todos os reinos, mundos e universos, todos os quais
estão no corpo do Humano. Um, o orando.

Assim, também, podemos dizer que Adão fala com os santos anjos de Ha-Shem - Yahweh Elohim Tzavaot,
nossos irmãos no Continuum de Luz.

Da mesma forma, naqueles dias, no Jardim, os animais também falavam - anjos e espíritos, como sabemos
da serpente falando com Eva, a Mãe dos Vivos; então o Humano também fala com todas as relações do
Humano.
Agora, o poder da fala no Ser Humano, versus em todas as outras relações visíveis, é diferente, pois os
outros não são feitos à imagem e semelhança de Yahweh Elohim e não sabem rezar - o Ser Humano ora
por todos, com os santos anjos de Ha-Shem, nossos irmãos no Pleroma de Luz, que também oram antes de
Ha-Shem por toda a criação.

Se conhecemos e compreendemos o nome de Adão, o Humano, homem e mulher, então entendemos que,
para ser um verdadeiro ser humano, devemos orar e meditar e comungar com o Santo do Ser, Yahweh
Elohim; Nisto está nossa verdadeira humanidade e nossa divindade - falando a Yahweh e falando a Palavra
de Yahweh, como vemos nos profetas e apóstolos de El, Deus.

Há algo de um segredo aberto em oração conhecido entre os fiéis e eleitos que oram diariamente e sem
cessar - em oração, o humano, e toda a criação através do humano, está falando com o Santo, e o Santo
fala com o humano e toda a criação no humano, mas na mais profunda oração o humano e o Santo
fundem-se e são unidos, e há um discurso, a Palavra de Javé falada por Ruach Ha-Kodesh, o Espírito Santo,
manifesta como o verdadeiro Ser Humano.

Este é o poder dos verdadeiros profetas e apóstolos de El Elyon, e podemos dizer que é o propósito do
poder da fala em Adão, o Humano - o propósito é a profecia e a encarnação da Santa Shekinah, a Presença
Divina. e poder.

Em uma palavra, o propósito é a auto-realização como a imagem e semelhança de Deus - o Messias, o


Ungido.

Podemos dizer que todo o poder e glória do Discurso unidos à Inteligência Flamejante - o “Espírito no
Sangue”, que também é um significado do nome de Adão, é realizado e realizado no Messias,
corporificado; daí, o nome do Messias, "Filho do Humano", Seth.

Da mesma forma que estamos todos em Adam Ha-Rishon, estamos todos em Adonai Messias, e na medida
em que nós atualizamos o poder da fala, o poder da oração, somos ungidos como o Messias é ungido, e
todos nossas relações são ungidas conosco, visíveis e invisíveis - nesta unção, tornando-se a merkavah de
Eheieh ou El Elyon, somos exaltados acima dos anjos, pois unimos o céu e a terra como nenhum outro
irmão ou parente, sendo toda a criação elevada o Filho do Humano, o Humano da Luz.

Há grande poder na oração e, portanto, há grande poder no Ser Humano - o poder do co-criador e
redentor, o Salvador, o Revelador Gnóstico.

Se eu conheço e entendo o poder da oração, como desejarei que a oração cesse ou deseje partir da Santa
Comunhão com Deus e com todas as minhas relações? De fato, a oração será meu maior deleite - a fala de
Deus, a Palavra de Deus, a expressão do Eu Divino.

Tudo isso sabemos em nome de Adão desde o início - a profecia do nosso verdadeiro ser e destino como o
Falante, o Rezar. Hallelu Yah! Louve o Senhor!

Agora, há muito que se pode dizer de oração - pois como a imagem e semelhança de Yahweh Elohim, em
oração a alma se une aos Atributos Divinos, as Sefirot Sagradas, e estas se tornam vestes da alma, assim
como elas são vestes. do Santo do Ser, Ain Sof, e assim eles se tornam uma espécie de câmara nupcial da
alma e do Santo.

Como sabemos e entendemos, os Dez Mandamentos, quando promulgados em sua essência, são meios de
unificação com os Atributos Divinos, as Sefirot Sagradas, e assim também o conhecimento dos Nomes de
Deus, de modo a dizê-los, e o conhecimento dos arcanjos e anjos de modo a invocar sua boa companhia -
mas na união do céu e da terra, e a manifestação do céu na terra, a chave da unificação com os Atributos
Divinos está nos Mandamentos, e ainda mais está no Messias Ressuscitado.

A essência dos Mandamentos é Ahava (13), Amor, que é igual a Achad (13), Unidade - o amor de Ha-Shem
e o amor de nossos vizinhos, todos os nossos irmãos ou relações, que Luz e Amor incorporam no Messias. .

Orar e amar é a realização do Poder da Fala e do Poder da Inteligência Flamejante em nós, e nisso
extraímos todas as bênçãos e graça, e elevamos toda a criação no arrebatamento divino, o cumprimento
do amor de Deus.

Essa contemplação do nome de Adão no Espírito Materno parecia boa para compartilhar hoje.

Possamos nós ser aquele que ora e que ama, o cumprimento de Ratzon Elyon, elevando tudo no Messias
ressuscitado; um homem.

Bênçãos e shalom!
Tau Malachi
Sophia Comunhão
Ecclesia Pistis Sophia
T
o
p
o
Tau Malaquias
Administrador do site
Mensagens: 5623
Registou-se: Wed Out 22, 2003 4:20 pm
Localização: Grass Valley, Ca.

Adão: a respiração sagrada radiante



# 2 Post by Tau Malachi » Sex 15 de maio de 2009 11:41 am
Adão: Respiração Sagrada Radiante

O poder da fala, o poder da oração, no Ser Humano está enraizado não no corpo, mas na alma. Como
sabemos na história da criação do Humano, Adão é criado à imagem e semelhança de Elohim, macho e
fêmea, o corpo de Adão sendo formado do pó dos quatro cantos da terra, as quatro direções e ventos e a
alma de Adão sendo formada do sopro de Yahweh Elohim - o resplandecente santo sopro de Ha-Shem se
tornando nefesh hayyim, a alma viva em Adão.

O próprio nome de Adão reflete a entrega desta respiração, este Espírito de Deus, pois Dam em hebraico
significa literalmente “sangue”, e o Alef unido a Dam significa “ar”, “vento”, “respiração” ou “espírito” -
assim, o nome Adão significa "espírito no sangue" ou "respiração no sangue".

Da mesma forma, os nomes dos vários aspectos da alma de um ser humano também falam desse mistério -
com exceção de yechidah, “faísca” ou “essência única”, todos os nomes para os aspectos da alma estão
relacionados ao ar, vento ou respiração; com yechidá como o aspecto mais íntimo da alma, uma centelha
da Luz Infinita de Deus, a alma é uma respiração santa radiante.

Este sopro sagrado radiante que Yahweh Elohim respira no corpo de Adão é o mesmo sopro, poder, com o
qual Elohim fala toda criação em existência - a respiração sendo o poder ativo do Discurso de Elohim, a
Palavra de Deus; assim, o poder da Palavra de Deus está no Humano, o poder do Espírito, Ruach Elohim,
com o qual toda a criação vem a existir - daí, o poder de um co-criador com Deus, Elohim.

Este sopro sagrado que Elohim sopra no Humano - a exalação de Yahweh Elohim, enquanto sai de Yahweh
Elohim em Adam, permanece para sempre dentro de Yahweh Elohim, e exalando em Adam, Yahweh
Elohim também inala, a alma retornando ao Santo do Ser de onde veio.

Este resplendor sagrado radiante é a própria essência do Continuum de Luz (Yahweh), e, como foi ensinado
pelos mestres da tradição, somos uma pessoa de luz, uma alma de luz, que veio do Continuum de Luz, e
que, de fato, nunca partiu do Continuum de Luz - somos o resplendor santo radiante de Deus, saindo de
Deus e retornando a Deus, permanecendo sempre em Deus, a emanação sagrada de Ruach Elohim, o
Espírito de Deus.

Este sopro sagrado e radiante de Deus está em toda a criação - uma Inteligência e Espírito Fiery, e ainda
assim, a maior manifestação deste resplendor sagrado e radiante está em Adão, o Humano, e nas gerações
de Adão, todos os seres humanos, ao longo de todo o tempo. .

Em uma maneira de falar, pode-se dizer que o Humano recebe uma porção dupla desta Inteligência Fiery -
a ativação da qual vem através de Nechash, a Serpente, e a fruição disto vem através do Messias, o Ungido
de Deus.

Este é o poder espiritual dentro de você e de mim - um incomensurável potencial único dentro de cada um
de nós, e de todos nós, e é um poder que permeia toda a criação, todas as criaturas no céu e na terra. Este
é o poder dentro e por trás da força da vontade, mente, pensamento, fala e ação - todos os níveis da
expressão do nosso ser, seja na condição não iluminada ou na iluminação.

Esse é o poder de nossas orações.

Agora, quando nossa vontade, consciência, pensamento, fala e ações expressam nosso ser como nós
somos em Yahweh Elohim, nós nos tornamos canais, incorporações, dos Atributos Divinos, as Sefirot, o
“espírito no sangue” sendo o ruhaniyot e shefa de as Sefirot, as essências espirituais e influxos dos Nomes
de Deus, e nós trazemos um influxo maior da respiração santa radiante para a criação. Quando atraímos
esse poder espiritual de Ha-Shem, também o ativamos na criação e o extraímos da criação, elevando e
realizando toda a criação no Ser Humano.

Inversamente, quando nossa vontade, consciência, pensamento, fala e ações não expressam nosso ser
como somos em Deus, mas expressam nosso ser como somos em nós mesmos, em auto-estima, desejo e
medo, não nos tornamos o canal de os Atributos Divinos, as Sefirot, mas nos tornamos canais ou veículos
dos klippot, as cascas ou trevas ou emanações impuras - este é o “pecado que traz morte e destruição ao
mundo” porque a vida e a luz do mundo não são puxado para dentro e para fora dele.

Nisto podemos conhecer e compreender a necessidade da união de nossa inteligência e nossa fala, e nossa
necessidade de oração, o alinhamento de nossa vontade, consciência, pensamento, fala e ações com
Ratzon Elyon, a vontade ou desejo do Altíssimo. , o Supremo - nesta é a nossa salvação, nossa iluminação e
libertação, e é a iluminação e libertação do mundo, toda a criação.

Se e quando o orante não orar, o que será da criação de Deus?

Ainda mais podemos dizer, além de trazer-nos em ressonância com Yahweh Elohim, ou se tornar uma
verdadeira imagem e semelhança de Elohim, através da oração, realizamos e percebemos o poder do
nosso verdadeiro potencial divino.

Este sopro sagrado radiante em nós e o poder da fala, o poder da oração que ele traz, é como nos
apegamos a Deus e nos unificamos com Deus - é o poder de encarnar a Santa Shekinah, a presença e o
poder do Santo.

Testemunhamos isso nos santos, nos profetas e, mais ainda, testemunhamos isso em Yeshua Messias, o
Ungido de Deus, que é chamado o "Filho de Adão" e "Filho de Deus" - nele nós Veja o nosso destino, a
realização do nosso potencial divino, o cumprimento da vontade de Deus para nós.

Ele nos ensina como orar sem cessar, e como ir mais fundo ainda na oração, a fim de orar no céu na terra -
ele nos revela e ensina o Caminho, incorporando o Caminho, a Shekinah do Messias.

Aqui podemos dizer que a Alma do Messias é a plenitude do Bálsamo Sagrado Radiante de Deus,
atualizada e realizada - a alma do Humano como é em Yahweh Elohim, como é em Eheieh, Eu Sou, Serei .

A oração perfeita é a oração de Eheieh - a oração em perfeito devekut, unificação total.

No início das gerações de Adão, o Humano, Yahweh Elohim sopra em Adão, e Adão recebe nefesh hayyim,
alma viva, uma emanação de Elohim Hayyim, Deus vivo - através das gerações de Adão, de uma geração
para outra, humano os seres lutaram para realizar e realizar esse potencial divino ao máximo possível, e
podemos dizer que continuamos nessa luta de evolução consciente; mas por conta dessa luta, essa
cooperação com o Santo como co-criadores, esse potencial divino foi realizado em Adonai Yeshua e em
outros que seguiram depois dele no Caminho - o Messias Ressuscitado.

Aqui podemos considerar o resplendor sagrado radiante que Yahweh Elohim sopra em Adão desde o início
e podemos considerar, contemplar e meditar sobre Ruach Ha-Kodesh, o Espírito Santo, que o Messias
ressuscitado sopra sobre seus discípulos, que ele sopra sobre nós - este é o poder do resplendor sagrado
radiante plenamente realizado e realizado, atraindo para o sopro o poder das Sefirot Supernas, a Luz
Superna, na íntegra, a manifestação de Superna Ruach-Ha Kodesh e a Superna Shekinah.

Ruach Super Ha-Kodesh é chamado Ruach Ha-Messiah, e é o sopro sagrado e radiante que flui de Eheieh e
El Elyon, a Coroa Superna (Keter).

Quando recebemos o Espírito Santo do Messias ressuscitado, não apenas temos o resplendor sagrado e
radiante em nós que flui de Javé Elohim, mas também o resplendor sagrado e radiante que flui de El Elyon
e Eheieh, o Divino Eu Sou no Supremo. . Quando recebemos o Espírito Santo, o Crisma Superno, há um
poder maior do sopro sagrado radiante em nós, um poder maior de inteligência e fala em nós, um poder
maior de oração.

Isto corresponde às orações proferidas no Nome Abençoado do Messias Yeshua - o Santo Nome de todos
os Nomes, o santo sopro radiante em nós sendo unidos ao Nome Abençoado.

O poder desta Crisma Superna está nas orações proferidas no Nome Abençoado quando nos apegamos ao
Messias ressuscitado e unificamos nossa alma com a Alma do Messias, a Shekinah do Messias.

Aqui diremos, no Messias Ressuscitado, macho e fêmea estão unidos em um Corpo de Luz, como na
câmara nupcial, o Messias e Shekinah, Cristo e Sophia, sendo uma presença de Luz e poder de Luz
inseparáveis uns dos outros - e assim é em nossa alma quando a presença do Messias habita em nós e
recebemos o Espírito Santo.

Ao contemplarmos este santo mistério do inimaginável potencial divino em nós - o radiante santo sopro e
a Alma do Messias, deve-se dizer que existe o sopro físico no corpo, no corpo, e há o resplendor sagrado
radiante. na alma da alma; o radiante santo sopro se manifesta como uma corrente energética dentro e
por trás do sopro físico, assim como nossa alma é um ser energético dentro e ao redor do corpo - as mais
poderosas orações transparecem quando, através da graça do Espírito Santo, nos tornamos conscientes e
captamos Segure este radiante santo sopro de Deus em nós.

Ruach Elohim movendo-se sobre a superfície das profundezas primordiais, Yahweh Elohim respirando o
resplendor sagrado e radiante no Ser Humano, o Messias ressuscitado soprando sobre os discípulos,
transmitindo-lhes o Espírito Santo - estas são todas ações contínuas, uma revelação e realização divinas em
curso. Tudo acontece enquanto permanecemos e respiramos, aqui e agora, sempre.

Se e quando esta respiração cessar em nós, a respiração, o poder da alma, retorna ao Santo do Ser de
quem ela emanou - e assim também o mundo inteiro junto com ela, pelo menos como manifestado com
aquela alma; se a alma está acordada, ungida, então ela repousa, descansa, mas se não for despertada,
ungida, então permanece em movimento, o gilgulim, sem descanso ou repouso - e aqui podemos dizer que
quando a alma é despertada, essa alma não há diferença entre movimento e repouso, pois tudo
transparece em harmonia e união com o Santo, Eheieh (o Divino Eu Sou).

Nisto, talvez, possamos obter alguma percepção do grande e imensurável potencial divino em nós, e talvez
entender algo do verdadeiro poder da oração.
Esta é a contemplação de Adão que o Espírito Santo me inclina a compartilhar hoje.

Enquanto o resplendor radiante e sagrado, vida e luz, permanece neste corpo, que sejamos capacitados
a usá-lo sabiamente e lembre-se de orar, e orar, que nossa alma seja abençoada para despertar no
Messias ressuscitado, recebendo o influxo do Santo Supremo. Espírito. Um homem.

Bênçãos e shalom!
Tau Malachi

Sophia Comunhão

Ecclesia Pistis Sophia


T
o
p
o
Tau Malaquias
Administrador do site
Mensagens: 5623
Registou-se: Wed Out 22, 2003 4:20 pm
Localização: Grass Valley, Ca.

Adam: Número do nome



# 3 Postado por Tau Malachi » Sex 15 de maio de 2009 12:57
Adão: O Número do Nome

Adão equivale a quarenta e cinco, que em hebraico é Mah, implicando questões como “por que”, “o que”,
“qual” e “como”; também significa “qualquer coisa”, “tudo” ou “alguma coisa”; também indica “algo de
algo” e, como tal, é um cognome de Olam Ha-Yetzirah, o Mundo da Formação, que é o mundo dos anjos.

Isso representa um poder muito significativo dentro do Human One, o poder da inteligência ardente em
seres humanos para questionar, a curiosidade levando à exploração e descoberta, e mais especificamente,
o poder de explorar os mistérios da nossa existência, mistérios da criação e mistérios de Deus.

Devemos questionar - explorar e descobrir, e sondar a profundidade de todos os mistérios, materiais,


psíquicos e espirituais, e estamos mesmo destinados a questionar a Deus, embora com a consciência de
que Deus é Deus, com toda a humildade.

Na medida em que, como sabemos, o nome de Adão pode ser entendido como “orar”, isso implica que
grande parte da oração é questionar, buscar a revelação divina, buscar conhecimento, compreensão e
sabedoria de Deus, e buscar conhecer a vontade de Deus. , pedindo o que precisamos e confiando no
Santo, e finalmente buscando conhecimento de Deus e unificação com Deus.
Como Yeshua Messiah nos ensina, "peça e você receberá."

A correspondência de Mah com o mundo dos anjos também representa o poder do Ser Humano de ser um
participante consciente no jogo de forças espirituais dentro e por trás do que acontece, e o poder de
direcionar forças espirituais - um poder que se realiza através de o Nome Abençoado do Messias Yeshua ao
qual todas as forças espirituais estão sujeitas.

Correspondendo a um Nome Divino do mundo dos anjos, é claro, o nome Adão indica o grande poder no
humano semelhante ao dos anjos do céu - o poder de orar e de louvar e agradecer a Ha-Shem, e regozijar-
se na presença de Ha-Shem, adorando Ha-Shem em espírito e verdade, pois, principalmente, é o que os
anjos do Santo fazem no céu, assim como é o que os verdadeiros seres humanos fazem na terra.

Oração e adoração, é claro, é o poder de corrigir o grande nome do Senhor, que esta o poder de tikkune do
mundo dos anjos, mundo das almas e Mundial da Sefirot - o poder que nós eis que manifesta plenamente
no Messias ressuscitado , o tikkune ou a salvação do mundo, unificando abaixo e acima.

Este grande poder é indicado pela forma da primeira letra em nome de Adão, Alef, que é composto de um
Vau unindo dois Yod, os mundos superior e inferior, céu e terra - o poder de um (Alef), unificação .

As letras da palavra Mah falam disso, Mem-He. Mem é água, consciência, e Ele é a letra da Santa Shekinah
no Grande Nome - a consciência desperta no Ser Humano é capaz de se unir com a Santa Shekinah, capaz
de incorporar a Presença e Poder Divinos, a Consciência Divina.

Isto aponta para uma outra correspondência com o nome de Adam, para o número do nome Adam é o
“número místico do nono Netivot, que é o nono Sefirot, Yesod, chamado de Santo Tzaddik - este é o poder
do Espírito Tzaddik, a incorporação da Santa Shekinah e a unificação do céu e da terra, ou a manifestação
do reino dos céus sobre a terra.

Quando um tzaddik santo é, há também a companhia do céu, a empresa do Shekinah - como Yohanan e
Yeshua proclamar, quando um tzaddik santo permanece na Messias, o Perfeito Tzaddik, “o reino dos céus
está próximo!”

Aqui podemos dizer que, assim como os santos anjos, os maggidim, estão com os tsadikim em oração e
adoração aqui, na terra, assim também as almas dos tsadikim estão entre os santos maggidim no céu em
oração e adoração - como acima, abaixo ; como abaixo, tão acima.

A correspondência do nome de Adão com o número místico do Tzaddik Sagrado diz que você e eu estamos
destinados a ficar entre os tsadikim e magidim, a companhia da Shekinah do Messias - todos nós devemos
nos esforçar para ser um tzaddik sagrado. , um ser humano autêntico na presença de Deus.

Tornar-se um tsadic sagrado e ser como o sagrado maggidim é o propósito e destino de todos nós - o Santo
nos deu o potencial divino para isso, e nos deu tudo o que precisamos para realizar e realizar todo o nosso
potencial. ; portanto, a Torá e o Evangelho, e a Cabala, e mais especialmente a revelação e a Transmissão
de Luz transmitida pelo Messias ressuscitado.
Agora, quarenta e cinco é também a palavra Hem, que significa "eles", e nisso podemos nos lembrar do
Mandamento de amar nossos vizinhos como a nós mesmos e orar por todas as nossas relações - isso é o
que os santos tsadikim fazem, aqueles que são os fundação do mundo, a preservação e sustento do
mundo, a luz do mundo, os justos, tsadikim.

Aqui, para encerrar, podemos lembrar que o mundo dos anjos corresponde a Zer Anpin, a Pequena Face de
Ha-Shem; enquanto podemos dizer que os anjos no céu são essa carinha, assim também podemos dizer
que os verdadeiros seres humanos na terra são isto - os tsadikim.

* Se você deseja examinar o princípio do Tzaddik Sagrado em profundidade, veja a discussão em outros
lugares nos fóruns sobre o Tzaddik Sagrado como o “Quinto Elemento”.

Que possamos andar na terra como Filhas e Filhos do Ser Humano, caminhando em beleza e santidade, e
que possamos permanecer continuamente na luminosa assembléia de tsadikim e maggidim, a
companhia da Santa Shekinah, a Santa Mãe-Noiva. Um homem.

Que todas as nossas relações sejam felizes! Um homem.

Bênçãos e shalom!

Ayin Aleph Nun



# 1 Post by Ish » quarta-feira, 20 de agosto de 2008, 11h02
Eu humildemente solicito quaisquer insights ou ensinamentos que possam ser oferecidos em qualquer
significado que essas três letras possam ter em combinação uma com a outra. Recentemente ouvi a
sugestão de que isso pode ser traduzido como "cordeiro", mas não encontrei nenhuma evidência disso na
minha busca e estou interessado em insights mais profundos. Gematria não tem sido um grande foco meu
até agora. Com muito obrigado antecipadamente,

Paul Michael
T
o
p
o
Tau Malaquias
Administrador do site
Mensagens: 5623
Registou-se: Wed Out 22, 2003 4:20 pm
Localização: Grass Valley, Ca.

Três letras

# 2 Post by Tau Malachi » Qua 20 de agosto de 2008 12:45 pm
Saudações à Luz do Messias!
70 + 1 + 50 = 121; ou, 70 + 1 + 700 = 771.

Esses são os números derivados dessas letras.

Pelo que sei, esta não é uma palavra em hebraico, e nenhuma das palavras que eu conheço para
"cordeiro" em hebraico são escritas com estas letras, mas eu não sou especialista em hebraico, então
talvez é uma palavra e tem alguma associação com o cordeiro - uma palavra mais obscura.

No entanto, se você examinar essas letras - seus significados e correspondências, você poderá ver o que
elas podem representar em um nível talismânico.

Como exemplo, Ayn significa "olho" e pode implicar visão, iluminação ou desejo, entre outras coisas; Alef é
o "boi" ou "jugo de boi", mas corresponde ao vento, respiração ou espírito, implicando aquilo que sustenta
e dá vida; Freira pode significar "peixe" ou "serpente", e naturalmente tem uma associação profunda com
o poder mais profundo da consciência e com o Messias. Juntando essas idéias, você pode contemplar uma
contemplação do que essas letras podem simbolizar juntas em um nível energético.

No Tarô estas cartas são representadas pelo Diabo, Louco e Morte, respectivamente.

Dadas essas correspondências, talvez em um nível energético pode haver alguma ressonância com o
Cordeiro de Deus, o Messias; especificamente, algo do mistério da crucificação.

Naturalmente, há muito mais correspondências com essas cartas, mas isso deve dar uma idéia de como
você pode assumir a contemplação.

Vendo a situação do mundo, amarrada em tristeza e sofrimento como o Messias, que possamos tomar o
jugo do Messias, oferecendo-nos para a libertação do mundo; um homem.

Bênçãos e shalom!
Tau Malachi
Sophia Comunhão
Ecclesia Pistis Sophia
T
o
p
o
Ish
Mensagens: 14
Ingressou: Fri Sep 15, 2006 9:15 am


# 3 Post by Ish » Qui 21 de agosto de 2008 9:52
"No Tarô essas cartas são representadas pelo Diabo, Louco e Morte, respectivamente.

Dadas essas correspondências, talvez em um nível energético pode haver alguma ressonância com o
Cordeiro de Deus, o Messias; especificamente, algo do mistério da crucificação "

Sim, de fato. Muito obrigado + Malaquias.

Me deparei com a sugestão de que essas cartas eram significativas em uma palestra do Dr. Petrus Soons,
que afirma ter encontrado essas cartas sobre o que ele afirma ser um objeto que aparece na garganta do
Homem no Sudário de Turim. Dr. Petrus afirma ter feito essa descoberta usando holografia para criar
imagens 3D do sudário, e que esta palavra poderia representar qualquer gado pequeno ou jovem ou gado,
daí "cordeiro". Agora, meu interesse não está na veracidade científica ou histórica de suas descobertas; no
entanto, as correspondências que você trouxe despertaram ainda mais meu interesse. Presumo que o Dr.
Petrus saiba pouco ou nada do Tarot, mas devo admitir que senti um pouco de frio quando li o seu
post. Agora estou me perguntando que outras palavras podem ser iguais a 121 ou 771 ou quais outras
contemplações isso pode trazer. Além disso, Eu sinto que talvez possa haver uma contemplação frutífera
em conexão com a estrela da garganta? Você disse em outro post que estava interessado em que tipo de
processo energético poderia produzir algo parecido com a imagem do sudário e, em conjunto com essa
ideia, estou tentando "atrasar" o debate histórico-científico sobre o sudário para talvez " ouça "se houver
uma mensagem do Espírito Santo aqui.

Mais uma vez, muito obrigado, e estou ansioso para qualquer outra visão que possa ser oferecida.

Paul Michael
T
o
p
o
Tau Malaquias
Administrador do site
Mensagens: 5623
Registou-se: Wed Out 22, 2003 4:20 pm
Localização: Grass Valley, Ca.

O Sudário

# 4 Postado por Tau Malachi » Qui 21 de agosto de 2008 10:45
Saudações à Luz do Messias!

Quando eu contemplo o Sudário de Turim, como eu compartilhei antes, meu interesse não é o Sudário, ou
se é real ou falso, mas sim meu interesse está no processo de consciência através do qual tal fenômeno
energético pode ocorrer; portanto, o processo, a vida e a prática espirituais, através das quais uma
experiência real da ressurreição e ascensão, ou a obtenção do corpo do arco-íris, poderia ocorrer.

A esse respeito, se essas letras realmente aparecem ou não no Sudário, ou melhor, são algo parecido com
a interpretação de manchas de tinta em um exame psiquiátrico, essas letras apontam para algo do
processo pelo qual o Corpo de Luz é geração.
Ayn pode ser tomado para indicar o domínio da energia do desejo, a sublimação e a elevação do Serpent
Power; Alef pode ser tomado como o caminho disto, a entrega ativa e dinâmica ao Divino, assim como o
influxo da Luz de cima que capacita e guia este processo; A freira pode então ser tomada como a cessação
do Poder da Serpente na Coroa, o que leva ao avanço da Consciência Superna ou Messiânica.

A esse respeito, essas três letras também podem indicar a abertura da visão (ou sentidos interiores) ao
Mundo do Espírito Santo, que leva à Iluminação Divina ou à Verdadeira Gnose.

Quanto à associação com a Estrela da Garganta, como nos ensina São Tiago, ecoando o Mestre Yeshua, o
domínio da língua, a fala, é parte integrante de nossa auto-realização em Cristo; como Adonai Yeshua
diz,"Não é o que entra em sua boca que te contamina ..."

Isto implica prestar atenção ao nosso tom e vibração, nossa energia ... desenvolver nosso corpo
energético, o Corpo de Luz, isso é tudo.

Que sejamos arrebatados por Ruach Ha-Kodesh no divino arrebatamento de Hayyah Yeshua, o Messias
ressuscitado; um homem.

Bênçãos e shalom!
Tau Malachi

12 cartas únicas

# 1 Post by Leslie Kaneel » Sáb 09 de fevereiro de 2008 20:26
Shalom!

Acontecendo um interessante paragragh de informações em um livro bastante simples na biblioteca


pública falando sobre o Rosslyn Missal escrito por Irish Monks no século XII. Este Missal "mostra por si
mesmo cruzes templárias com grandes dragões e discos solares". Então ele continua, "sobre o próprio rolo
secreto é o símbolo das doze tribos de Israel, o peitoral de Aarão (que é dito que o cajado da serpente está
na Arca) com doze quadrados significando as doze tribos encimadas por uma serpente .... "
Bem, isso enviou faíscas voando por toda parte e tentando encontrar qualquer outra coisa para fazer com
este Missal e o chamado símbolo das 12 tribos, deparou-se com um escrito de David Godwin, onde ele
disse: "Doze letras únicas do alfabeto hebraico correspondem Para codificar qualquer coisa para o zodíaco
é introduzi-lo nas 12 letras únicas (heh, vau, zayin, cheth, teth, yod, lamed, freira, samekh, ayin, tzaddi,
quof) e, através delas, para qualquer outro signo do zodíaco. categoria contendo 12 itens. "
Não sei ao certo de onde isso veio, mas, no capítulo 2 de Números, onde as 12 tribos estão organizadas em
acampamentos em quatro direções, isso pareceu de algum modo produzir a imagem do Cubo do
Espaço. Apenas devido a haver direções associadas com as tribos, eu acredito. E demorou um pouco para
ver isso, mas, surpreendentemente, cada uma das doze linhas formando o Cubo do Espaço corresponde a
uma das 12 letras únicas e, portanto, a uma das doze tribos de Israel:

Heh - Áries - Tribo de Gad - Nordeste.


Vau - Taurus - Tribo de Efraim - Sudeste.
Zayin - Gêmeos - Tribo de Manassés - Leste-Acima.
Cheth - Cancer - Tribo de Issachar - East-Below.
Teth - Leo - Tribo de Judá - Norte-Acima.
Yod - Virgem - Tribo de Naftali - Norte-Abaixo.
Lamed - Libra - Tribo de Asher - Noroeste.
Freira - Escorpião - Tribo de Dan - Sudoeste.
Samekh - Sagitário - Tribo de Benjamin - Oeste-Acima.
Ayin - Capricórnio - Tribo de Zebulun - Oeste-Abaixo.
Tzaddi - Aquário - Tribo de Reuben - Sul-Acima.
Quoph - Peixes - Tribo de Simeão - Sul-Abaixo.

Se 12 Tribos de Israel, isto é, 12 únicas letras hebraicas, compõem as 12 linhas do Cubo do Espaço, então,
esta poderia ser outra maneira de mostrar / visualizar os "Doze Poderes de Luz" da "Coroa da Rainha do
Céu" em Nova Jerusalém
Talvez isso possa ser um exemplo de escritura sendo composta de inteligências energéticas que podem ser
invocadas na Oração para beneficiar as necessidades das Almas e Espíritos? Pois o Cubo do Espaço parece
bastante semelhante ao Círculo Sagrado para possivelmente ser criado da mesma forma para invocar e
banir poderes espirituais?

O Santo Espírito Materno traz o que Ela Quer!

Um homem.

Bênçãos!
Leslie
T
o
p
o
Leslie Kaneel

Espaço infinito

# 2 Post by Leslie Kaneel » Ter 11 de março de 2008 1:13 am
Shalom!

O Cubo do Espaço, uma configuração de Luz geométrica em Ain Sof Or - Infinite Light. Uma visualização
emergindo do ventre do coração da Mãe Primordial Sophia. Como dito em algum lugar nos fóruns, se os
rostos do Cubo estiverem colocados, uma Cruz de Luz é formada. As 6 faces do Cubo são conhecidas como
as Cartas Duplas Hebraicas com o 7º Duplo-Tau - como o centro do Cubo, ou Cruz. As Cartas Maternas
formam a cruz interna e reta dentro do Espaço do Cubo; eixos horizontal, vertical e superior e inferior
(eixos x, y e z).

Acima do Rosto - Aposta


Abaixo do Rosto - Face
Leste de Gimel - Face
Oeste de Dalet - Face
Sul de Kaph -
Face Norte de Resh -

Centro de Peh -

Leste-Oeste de Tau - Mem


Norte-Sul - Shin
Acima-Abaixo - Aleph

Esta é uma maneira muito intrigante de mesclar ou tecer o surgimento e a dissolução da vibração sonora,
Word, com ou no Espaço-Espírito; e como toda a criação e além está englobada no Sagrado Coração do
Messias ressuscitado. Todos os Seres, independentemente de onde eles estão no Caminho ou
aparentemente fora do Caminho, estão no Jogo Amoroso da Mãe Sagrada.

Outra possibilidade interessante é que 6 Faces multiplicadas por 12 Linhas do Cubo chegam ao número 72.
Não sei por que haveria uma multiplicação aqui, mas, tanto 6 como 12 são fatores bem conhecidos de 72.
De alguma forma, aludindo ao 72 Nomes de Deus na trama do surgimento da vibração sonora. Obrigado e
louvor ao Santo Pai-Mãe, Santo do Ser.

Bênçãos!
Leslie
T
o
p
o
Phillip
Mensagens: 498
Idade: 47 anos
Registou-se: Sáb 25 de outubro de 2003 21:46
Localização:Sacramento, CA


# 3 Post by Phillip » Qua 12 de março de 2008 7:54
Irmãs Shalom!

Você chegou a uma trilha que é bastante interessante e a Cabalá teve muito a dizer sobre essas
contemplações, e muitas das conclusões a que você chegou me ouviram nos ensinamentos tradicionais da
Cabalá.

Uma razão pela qual seis é multiplicado por doze pode ser porque as doze linhas do cubo do espaço
também correspondem aos doze signos do zodíaco, que estão localizados em um círculo ao redor da
Terra. Um círculo é de 360 graus, que é o número de graus no zodíaco. Isso significa que há trinta graus em
cada signo. Em cada signo, há seis nomes dos setenta e dois nomes de Deus atribuídos a cada cinco graus
em cada signo. Portanto, seis nomes por sinal, vezes doze, são iguais a setenta e dois. Assim, essa
multipicação das faces do cubo do espaço para as bordas do cubo pode estar apontando para esse
mistério.

Eu ouvi duas maneiras que esses seis nomes de Deus em cada signo foram atribuídos. Uma maneira que eu
ouvi que eles podem ser atribuídos é de acordo com as seis estrelas interiores dentro do corpo, a sétima
sendo o ponto de êxodo do corpo e, portanto, não incluído entre esses seis. Eu também ouvi estes seis
nomes como sendo atribuídos ao corpo de Zer Anpin e, portanto, estas seis direções.

Louvado seja o Espírito Materno que inspira Tau e dá permissão para transmitir os ensinamentos sobre
os setenta e dois nomes de Deus!

Shalom!
T
o
p
o
Leslie Kaneel

Cubo para Círculo



# 4 Post by Leslie Kaneel » Dom 16 de março de 2008 1:22 am
Shalom Irmão Phillip!

Obrigado por sua direção muito útil!

Sim, maravilhoso, isso seria como transformar ou transfigurar os Doze Poderes da forma de um cubo
geométrico espiritual para um círculo geométrico espiritual. O Círculo Sagrado é mais imediatamente
afetivo e poderoso para a Prática Espiritual. As letras únicas correspondem aos doze arcos de 30 graus de
cada signo zodiacal alinhados como se traçassem o círculo em 360 graus; as letras duplas corresponderiam,
talvez, aos seis Nomes Sagrados dentro do arco de 30 graus de cada signo - cada Nome distribuía um
segmento de arco de 5 graus do círculo com Tau no Centro (sétima letra dupla); e as cartas-mãe, talvez,
correspondem à Cruz dentro do Círculo Sagrado, traçada para cada uma das seis direções - assim como
dentro do Cubo do Espaço, com o Leste-Oeste sendo Mem, sendo o Norte-Sul Shin e Acima-Abaixo
Aleph. Isso tudo é um "mistério" fluido
Uma imagem muito bonita do Círculo Sagrado com 72 raios de Nomes de Deus penetrando
poderosamente em extensão por todos os mundos, reinos e universos na Inteira. O Sol Espiritual, o
Messias que interpenetra toda a Criação! Tiferet de Atzilut. Obrigado e Louvado seja ao Santo Mestre e ao
Santo Abençoado Nome, Adonai Yeshua Messias! Um homem.
Se Áries estiver alinhado com o posicionamento do Sol no Equinócio da Primavera, então, ao traçar este
Círculo de Nomes, podemos começar com Áries no Oriente correspondendo ao Primeiro Nome de Deus
(em ambos os gevurot e hasidim), então, provavelmente Sunwise 5 graus para o segundo nome de Deus e
assim por diante em torno do círculo. Sunwise, devido a este ser o movimento do sol ao longo do ano solar
que se move através de cada signo zodiacal. Esta seria a maneira correta de rastrear o Círculo de Nomes
72?

Que todos nós possamos conhecer e irradiar completamente o Sol Espiritual dentro e por trás do nosso
coração! um homem.

Obrigado + Malaquias por compartilhar seu profundamente perspicaz "Habad" sobre os 72 Nomes de Deus
com todos nós.

Shabat Shalom!

Bênçãos!
Leslie

EL Arcanjos

# 1 Post do Élder Gideon » seg 11 de fevereiro de 2008 10:00
Saudações à luz do EL!

Sou fascinado pela conversa de arcanjos e anjos mediando o Ser Divino em todas as manifestações,
grandes a pequenas e eternas a finitas. Quando lemos ELOHIM fala criação em ser, dizendo: "Haja", somos
guiados pelos ensinamentos de mekubalim que o ato de criar é a matriz de arcanjos e anjos. Compara
maggidim aos construtores da totalidade é apenas uma verdade parcial; eles não apenas constroem, mas
SÃO o que eles constroem e são os transformadores do Ser, encenando a intensidade do Santo como as
estações de energia recebem e transformam a eletricidade para uso nas casas. Assim, ao mesmo tempo,
YHVH, pronunciado como ELOHIM, é conhecido por nós em maggidim que são os guardiões-
transformadores da força Supernal, os portões que eles guardam e o reino de e além de seu portão.

Sabemos que essa encenação do Ser Supernal pela matriz mediadora de arcanjos e coros de anjos está em
unidade consigo mesma com a mais intrigante peça do número de letras. O sufixo predominante ligado a
cada nome arcanquélico é -el, como em Rapha-el, Michael, Gabriel e Uri-el. EL como um nome divino é a
misericórdia expansiva, onipotente e generosa de Deus. Quando manifesta como pura misericórdia
diretamente, como em Tzadkiel ou em pura Severidade, como em Kamael, ou em Bliss ou Compassion,
como em Raphael, EL é a unidade, raiz e fonte de toda essa matriz de Inteireza que flui de Chesed, Keter
abaixo do Abismo.

Agora a gemmatria de EL é mais uma unidade. Cada letra, Aleph (E) e Lamed (L) são letras hebraicas
compostas; Aleph é feito de um Vav e dois Yods e Lamed é feito de um Kaph e um Vav. Isso é fascinante
quando encontramos a soma dessas letras compostas. Aleph, composto de Vav (6) e dois Yods (10 + 10) é
26. Lamed, composto de Kaph (20) e Vau (6) é também 26. Ambas as letras, em soma soma composta 26.
O significado disso é imensa, pois 26 é também a soma do Grande Nome YHVH (10 + 5 + 6 + 5). O que isso
ilumina é maravilhoso. Cada uma das letras que soletram EL é em si a unidade de YHVH. YHVH YHVH, 26
26, é EL.

Embora haja dois outros mistérios impressionantes associados a EL (enumerando 31) como Chesed
(enumerando 72), como podemos enfocar ainda mais essa contemplação clara de YHVH, enumerando
ambas as letras de EL como sufixos de muitos nomes arcanélicos?

Felizmente, o
Élder Michael +
T
o
p
o
Brooke

El

# 2 Post by Brooke » segunda-feira, 11 de fevereiro de 2008 15:21
Saudações, Élder Michael +

Esta é uma contemplação poderosa da magnitude das letras - e das palavras que soletram, especialmente
quando se juntam para soletrar o (s) Nome (s) de Deus.

Tomando sua pergunta como ponto de partida, talvez possamos olhar para os significados de Aleph e
Lamed. Como tanto o Tudo eo som antes do discurso (antes das palavras da Criação foram ditas), pode
Aleph ser visto como o potencial ilimitado de Ain Sof Ou que flui através dos arcanjos e anjos para o
próprio ato e sendo de criação.

E Lamed nos leva a nos mover, agir, a continuar com o nosso próprio envolvimento no ato da criação. Isto
também se refere à energia inexplorado e potencial de Ain Sof Ou que pode começar com a vontade da
Luz Verdadeira, filtrando através dos anjos, e, finalmente, até nós, lembrando-nos de que o fluxo de
criação não termina com os anjos nem com a gente. Em nossa própria jornada de volta, cumprindo nosso
dever de ensinar (também um significado para Lamed) o trabalho e a vontade de Deus, nós levamos a
criação de volta a Ain Sof ou onde o ciclo (e o caminho) começa tudo de novo.

Tenho certeza de que essas idéias podem ser extraídas muito mais, mas esse é um ponto de partida.

Bênçãos!
Brooke
T
o
p
o
Tau Malaquias
Administrador do site
Mensagens: 5623
Registou-se: Wed Out 22, 2003 4:20 pm
Localização: Grass Valley, Ca.

Santidade de El

# 3 Post by Tau Malachi » segunda-feira, 11 de fevereiro de 2008 17:48
Saudações no Santo Nome de Adonai Ha-Ruachot, o Senhor dos Espíritos; vamos abençoar o Santo Nome
de Adonai e orar para que as Bênçãos Supernas de Kodesh Achad sejam derramadas sobre todos os seres -
Bendito é o Nome de Adonai; um homem.

Há, de fato, um profundo mistério no Santo Nome de El, concluindo a maioria dos nomes angélicos, e há
mistérios dentro dos mistérios neste Santo Nome de El; no que você escreveu, irmão, você apontou muitos
portais para estes santos mistérios - que aqueles que desejam contemplar essas portas sejam abençoados
para entrar nos mistérios correspondentes, os mistérios sendo iluminados para eles por Ruach Ha-Kodesh,
o Espírito Santo, amém. .

No início, podemos falar do simples segredo aberto que qualquer um pode supor sobre El como a soma da
maioria dos nomes angélicos - a emanação, criação e formação de santos anjos é uma expressão da
Misericórdia ou bondade amorosa (Hesed) de Kodesh Achad, o Santo; verdadeiramente, o Santo é
misericordioso, amoroso e compassivo - Hallelu El!

O que significa que El é igual a Yahweh? Isso significa que El, o Hesed do Santo, é o princípio de emanação
e intenção de Yahweh; portanto, El precedendo de Yah ou Yahweh no Pilar da Misericórdia, e então de El,
Yahweh Tzavaot - todas as hostes celestiais e radiantes de Yahweh, todas estabelecidas sobre a
Misericórdia Superna.

Venha! Olhe e veja! Como você sabe, Alef contém Yahweh, pois a figura de Alef é composta de dois Yod
com um Vau no meio; como a cabeça de Vau também é um Yod, há três Yod, que é igual a Lamed (30). Alef
é o Espírito Puro, Luz Pura, e juntamente com Lamed do lado da Severidade, este Espírito Puro e Luz
assume formas - os arcanjos e anjos de Deus (El); Assim também, especificamente, Lamed representa a
força motivadora e as forças da criação, as quais, como você indicou, são os arcanjos e anjos - a presença e
o poder do Santo entra e brilha na criação como os maggidim.

Agora, se você deseja contemplar este mistério de El nos nomes dos santos anjos, considere isto e medite
sobre isto:

“… você faz dos ventos os seus mensageiros e chamas de fogo vossos ministros” (Salmos 104: 4).

Aqui podemos lembrar, Alef da Carta Mãe, correspondente ao ar ou vento primordial; olhando para
Lamed, você verá que aparece como uma chama de fogo!

No entanto, mais meu amigo, juntamente com nomes angelicais que terminam com El, há aqueles que
terminam com On, que também é um Santo Nome de Deus, escrito Vau-Nun; aqueles que terminam com
El são ventos e aqueles que terminam com On são chamas de fogo - são anjos sagrados do lado da
Misericórdia e do Julgamento, respectivamente.

O Santo Nome de On está em El, porque o julgamento emana da Misericórdia; se Alef é o Grande Nome,
contado como 26, juntou-se a Lamed, que é 30, El igualmente 56, o número de Vau-Nun, quando Nun não
está gravado como final; Nisto, então, tudo pode ser rastreado até El e a Misericórdia Divina de Deus.

Podemos também dizer alguma coisa sobre o Senhor, Javé El - primeiro, isto precede a proferimento dos
treze atributos da Hesed-Misericórdia, e estes, em um nível, expressam treze modos de ação que os santos
maggidim podem tomar; em segundo lugar, de acordo com um ensinamento, a primeira menção de Javé
indica o Santo, e o segundo “Pequeno Javé”, Arcanjo Metatron e El, todos os arcanjos e ordens de anjos
que Metatron preside - também a segunda menção de Yahweh é dito para aludir ao Adonai Messias, e El
ao Absoluto Misericórdia de Deus que seria concedido por meio da Divina Encarnação, e especificamente
através do Sangue do Cordeiro de El por meio da Santa Cruz: todos os santos anjos espere em Melekh
Messiah e trabalhe para o cumprimento da salvação incorporada nele.

Podemos também falar de outro mistério: Eheieh (21) é Yod-He-Vau (21), emanando as Santo Sefirot, os
arcanjos e ordens de anjos, esta emanação do Divino Irei dar origem a Yod-He-Vau -Ele, Elohim, e tudo o
que se segue - a companhia do Santo Shekinah e todas as suas emanações que surgem e aparecem, todas
as quais têm sua raiz em El abaixo do Grande Abismo.

Para encerrar, podemos contar uma história:

Um mekubal surgiu à meia-noite para estudar e contemplar as Sagradas Escrituras, e orar em comunhão
com os tsadikim e maggidim, a grande assembléia luminosa na Suprema Shekinah - quando ele chegou a
um verso de salmos contendo o Grande Nome em seu coração e alma. entoou o Senhor, e assim os santos
anjos da terra entoaram o Senhor em sua adoração, e El (Misericórdia) derramou sobre o povo e a terra,
bênçãos sobre as bênçãos que saem da plenitude da Santa Shekinah acima e abaixo.

Agora, quando El derramou o Mekubal experimentou uma arrebatadora união com a Shekinah de El Elyon,
e quando ele subiu, encontrou Hayyah Yeshua no ar, e o Maguid de Hayyah Yeshua emanou e se ofereceu
para levá-lo à perfeição de repouso; mas o mekubal profere, “Javé Iahweh El”, dizendo: “Na misericórdia
de El, devo permanecer no corpo, pois vivo em uma época de grande escuridão e há poucas lâmpadas que
brilham no mundo - em repouso não posso sirva a Ha-Shem como eu puder no movimento dos Gilgulim, eu
ficarei com a Santa Shekinah em seu exílio e sua peregrinação até que todos estejam reunidos e tudo
esteja cumprido. ”O sagrado maggid disse ao tsadic:“ Abençoado é você irmão, para realmente eu posso
chamar-lhe nosso irmão, para você trabalha em serviço a Yahweh Elohim como nós trabalhamos e você
entende o Ratzon Elyon - abençoado é você por El Elyon, criador do céu e da terra; e abençoado é El Elyon
que ordenou que nós lhe façamos companhia onde quer que você vá - a Shekinah do Supremo está com
você, e nós estamos com você, e no Santo Nome Emmanuel você é abençoado. Um homem."

Talvez, na história desse homem santo, possamos colher alguma percepção sobre a conclusão de nomes
angélicos com o Santo Nome de El - Maio, o Santo nos abençoe com discernimento; um homem.

Bênçãos e shalom!
Tau Malachi

Relacionamentos anjo / sefirot



# 1 Post by josh » Qua 12 Set 2007 6:39 pm
Alguém se importa em discutir as associações do anjo Rafael e Miguel com as respectivas sefirot tiferet e
hod? Depois de tantos anos eu ainda acho isso misterioso. Michael nos meus olhos tendo pouco contato
aqui.
Josh
ek
T
o
p
o
Tau Malaquias
Administrador do site
Mensagens: 5623
Registou-se: Wed Out 22, 2003 4:20 pm
Localização: Grass Valley, Ca.

Michael e Raphael

# 2 Postado por Tau Malachi » Qui Set 13, 2007 8:48 am
Saudações e saúdo Josh -

Saudações à Luz do Messias!

Isto parece um tópico para o fórum da Cabalá de Christain em vez do fórum da Gematria, já que realmente
não tem nada a ver com as letras e números sagrados, mas sim com as Sefirot da Árvore da Vida no nível
da Criação de Beriyah.

Existem duas escolas básicas de pensamento com relação a Michael e Rafael - na nossa Cabala Cristã,
Michael corresponde a Hod ao nível de Beriyah e Rafael corresponde a Tiferet no nível de Beriyah, em
algumas escolas, no entanto, esses atributos são invertidos. O raciocínio por trás de ambas as escolas de
pensamento na superfície parece sadio à parte da experiência energética desses arcanjos - argumentos
perfeitos poderiam ser dados tanto em nível intelectual, embora eu seja parcial ao atributo dado em nossa
própria linhagem porque suas razões são melhores Combine minha experiência com esses seres
arcanélicos - forças em um nível real e energético.

Em primeiro lugar, o Arcanjo Miguel é o líder ou comandante das hostes do céu (Tzavaot), um guerreiro
contra as forças negras e hostis do klippot, bem como contra as forças mescladas ou titânicas do demiurgo
e dos arcontes. No Evangelho Gnóstico, intitulado Pistis Sophia, Michael é uma emanação do Ser Humano
de Luz (Cristo) enviado para defender Sophia contra a fúria das forças-seres arquônicas, junto com Gabriel,
mas talvez a mais famosa referência a Michael como um guerreiro espiritual nas Escrituras Cristãs ocorre
no livro do Apocalipse.

Após o aparecimento da Mulher de Luz, e o nascimento e ascensão arrebatadora de seu Santo Menino, no
capítulo doze, está escrito: “E irrompeu guerra no céu; Miguel e seus anjos lutaram contra o dragão. O
dragão e seus anjos reagiram, mas foram derrotados e não havia mais lugar para eles no céu. O grande
dragão foi derrubado, aquela antiga serpente, que é chamada de Diabo e Satanás, o enganador do mundo
inteiro - ele foi jogado na terra e seus anjos foram derrubados com ele ”(12: 7-8).
Hod é a base do Pilar da Severidade, e no nível de Atzilut é Elohim Tzavaot - a hoste do céu manifesta em
juízo, a face irada da Santa Shekinah; Este conto do Arcanjo Miguel do Apocalipse é exatamente isso, ele é
o líder das hostes do céu em um movimento de julgamento - daí a emanação arcanélica de Elohim Tzavaot
no nível da Criação Beriyah.

De acordo com os mestres da tradição, o conflito descrito ocorre nos céus inferiores, especificamente da
primeira até a quarta moradas do céu, e tem sido dito que o confronto entre Michael e Satanás ocorreu no
limiar do terceiro céu, Shehakim. , que é atribuído a Hod. Este midrash é inspirado no Livro de Jó onde, no
primeiro capítulo, é dito que Satanás entra na presença de Ha-Shem com os Beni Elohim que vêm se
apresentar e adorar - o Beni Elohim (filhos de Deus) sendo o ordem de anjos representando Hod ao nível
de Yetzirah.

Se olharmos para a primeira metade do capítulo doze do Apocalipse, é claramente uma imagem do * Pilar
da Severidade *, com Binah-Imma à frente, a divisão entre o bem e o mal (Gevurah), e a ação de esse
julgamento (Hod) - isso se torna a base para o atributo de São Miguel a Hod. Todas as outras associações
de Michael em Hod têm sua raiz nessa visão de Michael.

Como exemplo, o atributo celestial de Hod é Kokab-Mercury, associado a viagens, magia e ciência; São
Miguel é o guardião dos viajantes e peregrinos, e está associado ao Caminho ou Poder, com o qual magia
ou milagres normalmente correspondem. Com relação à ciência, desde os tempos antigos muitos saltos na
ciência têm sido associados ao desenvolvimento de armas, como testemunhamos no início do livro de
Gênesis; mas, mais ainda, a ciência, como um símbolo, é o epítome do uso da inteligência divina e humana,
e o auge de toda a inteligência é Deus - daí a associação de Michael com a magia e a ciência, "Um-como-a-
Deus".

Agora, em termos de correspondências de Rafael com Tiferet no nível de Beriyah - o "Poder Curativo de
Deus", isto não parece corresponder à base do Pilar da Severidade, mas sim parece muito apropriado
colocar no coração do Pilar do Meio, o "Centro de Cristo" na Árvore da Vida, este Sol de Deus. Tiferet tem
tudo a ver com a cura do tikkune, e o aspecto principal do ministério do Yeshua Messiah era a cura, o
corpo, a mente, o coração e a alma. Ensinamentos e práticas dentro da Ordem de São Rafael refletem bem
as razões da correspondência de Rafael com Tiferet em nossa tradição.

Essencialmente, toda cura tem seu fundamento na restauração de nosso relacionamento com o Divino -
nosso alinhamento e harmonia com Ratzon, a Vontade Divina (Keter), a Sefirá de Tiferet representando
isso; em muitas artes de cura espiritual, o sol e a luz desempenham um papel significativo, sendo o sol e a
luz associados a Tiferet. Da mesma forma, no trabalho de cura, encontramos um equilíbrio dinâmico entre
a Misericórdia de Hesed e a Severidade-Gevurah, isto é, a compaixão de Rehamim, outro nome para a
Sefirah Tiferet.

Também pode ser dito que o Arcanjo Rafael fica no leste do Círculo Sagrado, o lugar do sol nascente e o
Caminho do Conhecimento, e os portadores da palavra do conhecimento são os Malakim, a ordem dos
anjos representando Tiferet ao nível de Yetzirah - repetidas vezes, em um nível experiencial e energético, o
atributo de Michael e Raphael para Hod e Tiferet, respectivamente.
Talvez isso possa dar alguma idéia das correspondências dadas dentro de nossa Cabala
Cristã; Essencialmente, todas as correspondências têm suas raízes no nível experiencial e energético do
processo de auto-realização representado pela Cabalá, a Tradição.

Que possamos andar na companhia dos anjos de Deus, a companhia da Santa Shekinah; um homem.

Bênçãos e shalom!
Tau Malachi
Sophia Comunhão
Ecclesia Pistis Sophia
T
o
p
o
Josh
Mensagens: 2
Ingressou: Fri Jul 27, 2007 5:11 pm
Local: santa fe nm

ANgel sefirot

# 3 Post by josh » Qui Set 13, 2007 9:35 pm
Obrigado pela resposta informativa. As atribuições que você deu são idênticas à tradição em que eu fui
criado. E sim, eu concordo que Raphael pertence a Tiferet.
Que eu não tive nenhuma dúvida sobre ... Eu preciso de algum tempo para digerir o resto do que você
ofereceu.
De qualquer forma mal tentar abordar o fórum certo da próxima vez ...
Muita gratidão
josh

Gimmelprints no abismo

# 1 Mensagem do Élder Gideon » sab 19 de maio de 2007 às 16:25
Shalom!

Pegadas na areia

Uma noite, um homem teve um sonho. Ele sonhou


que estava andando pela praia com o SENHOR.

Por entre o céu cenas de sua vida viram em um flash.


Para cada cena ele notou dois conjuntos de
pegadas na areia: uma pertencente
a ele e a outra ao SENHOR.
Quando a última cena de sua vida passou diante dele,
ele olhou para as pegadas na areia.

Ele notou que muitas vezes ao longo do caminho de


sua vida havia apenas um conjunto de pegadas.

Ele também notou que isso aconteceu nos


momentos mais baixos e tristes de sua vida.

Isso realmente o incomodou e ele


questionou o SENHOR sobre isso:

"SENHOR, você disse que uma vez que eu decidisse segui-


lo, você andaria comigo até o fim.
Mas eu notei que durante os
momentos mais problemáticos da minha vida,
há apenas um conjunto de pegadas.
Eu não entendo porque quando
eu mais precisava de você, você me deixava. "

O SENHOR respondeu:

"Meu precioso filho,


eu te amo e nunca te deixarei.
Durante seus momentos de provação e sofrimento,
quando você vê apenas um conjunto de pegadas,
foi então que eu carreguei você".

Em um estudo recente da carta hebraica Gimmel, sou edificado por seu significado primário como
camelo. Nos tempos antigos, o camelo permitia o impossível, pois sem esse animal mais mágico, viajar
através de grandes extensões desérticas era impossível para os seres humanos. Neste contexto, o camelo
lembra a Bondade ou o Chessed do Santo, a bondade mais imediata de todos ser a consciência do eu de
Deus, a Presença de Luz que habita toda boa criatura.

Na Árvore da Vida Cristã, o caminho de Guimel se junta ao sephirot Keter (Crown) a Tipharet (Beleza)
através do Abismo. O que é esse abismo e por que é assim chamado? O Abismo é literalmente a interface
entre Ser e Tornar-se onde a Unidade Sagrada (Pleroma), sempre transcendente, se veste na dualidade,
manifestando-se como toda criatura espiritual e física que compreende a Criação (Inteira). O contexto
espiritual do Abismo é freqüentemente associado à experiência da mente entre a morte, a morte e a
reencarnação; À medida que a alma é despida do corpo, a mente experimenta seu próprio brilho, muito
parecido com um sonho, embora muito mais intenso, do qual não há despertar.

Da realidade do Abismo, a tradição sofista continua dizendo que nossa experiência que emana deste
fundamento se manifesta exatamente como esperamos. Isso é potencialmente tão beatífico quanto
incerto é um pesadelo. O que orienta e focaliza a alma em qualquer estado alterado de experiência
espiritual - acordar, sonhar ou morrer - é o que foi realizado na vida. Se o camelo permite o impossível, ou
seja, viajar em segurança por uma extensão letal e desértica, então há uma analogia íntima com o Gimmel
(Camel) como a Presença da Luz, transportando-nos integralmente através do esplendor de nossa própria
mente.

O famoso poema “Pegadas” adornando paredes de muitos lares cristãos mantém essa meditação de
Gimmel com precisão. Enquanto para alguns, o Senhor está do lado de fora e além, carregando-os, os
gnósticos sabem que ser "carregado" é a experiência de se evaporar conscientemente no Salvador
ressuscitado. Considere este movimento de ser levado e evaporado do Evangelho de Tomé, dizendo 70:

Jesus disse: "Se você trouxer o que está dentro de você, o que você tem, vai te salvar. Se você não tem isso
dentro de você, o que você não tem dentro de você vai te matar ".

Esta frase de Tomé fala imediatamente ao abismo e como perseveramos na continuidade da consciência
sem um corpo para a vida eterna. Produzir o que está dentro de nós é ter realizado a Presença da Luz,
recorrendo a essa consciência enquanto encarnado; o que temos é a gradação do Cristo Interno que
manifestamos na vida. O que nós não temos é a ignorância do Cristo Interno e a submissão da mente à Lei
e ao Julgamento; esta experiência está entrando no Abismo na dualidade para a Luz. A Luz Crística é
potencial em toda boa criatura, reencarnando repetidas vezes até que a bondade seja reconhecida dentro
da criatura e atraída para a manifestação.

Aquilo que nós temos é o Camelo, é Gimmel, carregado pela Presença da Consciência quando tudo parece
impossível.

Que possamos, de fato, extrair aquilo que está dentro de nós. Luz purificada é Luz recebida.

Shalom!

Irmão Michael +
T
o
p
o
Brooke


# 2 afixar por Brooke » segunda-feira 21 de maio de 2007 2:54 pm
Shalom, irmão Michael +!

Juntar-se a "Footprints in the Sand" com Gimmel é uma maravilhosa meditação sobre ser nutrido por Deus
- carregado sobre o abismo Gnosticamente falando e, na tradição Ortodoxa, realizado através dos períodos
mais difíceis de nossa vida. A visão gnóstica coloca mais responsabilidade em nós, não é? Em outras
palavras, somos nutridos pela Graça de Deus, mas primeiro precisamos nos esforçar para primeiro revelar
o que já existe dentro de nós. Eu acho que se há algo que aprendemos cedo neste caminho é que não
podemos simplesmente dizer "eu acredito" e então esperar que nossa "salvação" / libertação seja um
dado.
Uma de suas declarações fala ao coração da questão: Se o camelo permite o impossível, ou seja, viajar em
segurança por uma extensão letal e desértica, então há uma analogia íntima com o Gimmel (Camel)
como a Presença da Luz, transportando-nos integralmente através do esplendor de nossa própria
mente.

Em última análise, levar o "abismo" à verdadeira libertação para nós e para os outros (e aprendemos que a
libertação individual não é a meta final) requer vida e prática espiritual, uma dedicação para lembrar quem
nós - quem somos todos - somos. Confiando em Deus para levar-nos através dos períodos difíceis da nossa
vida exige fé, mas verdadeiramente " g nowing" ou experimentar o que significa ser realizada pela Luz que
vive dentro de nós é uma forma mais profunda da fé e da gnose combinados.

Elogie a Santa Shekkinah por nos guiar em direção a nossa própria Radiância da Mente para experimentar
a Plenitude de Deus como mais que um pai benevolente.

Shalom,
Brooke
T
o
p
o
Tau Malaquias
Administrador do site
Mensagens: 5623
Registou-se: Wed Out 22, 2003 4:20 pm
Localização: Grass Valley, Ca.

Geulah - Redenção

# 3 Postado por Tau Malachi » Ter Jun 12, 2007 11:28 am
Saudações Élder Michael e irmã Brooke!

Essa junção da contemplação do sonho de “pegadas na areia” e a contemplação de Gimel é perspicaz e


intrigante Irmão Michael - certamente chama minha atenção e me leva à contemplação de Gimel e do
Abismo.

No ocultismo pop, Da'at e o Abismo são, talvez, os princípios mais incompreendidos da Árvore da Vida,
cujos ensinamentos freqüentemente são carregados de todo tipo de equívocos em pura
ignorância. Frequentemente se ouve falar de indivíduos que clamam: “Eu abri as portas do Abismo” e, no
entanto, não tenho nada a dizer sobre a natureza da mente ou como o esplendor da mente surge como a
exibição mágica da realidade; mas verdadeiramente, o Abismo é a profundidade da mente, consciência ou
alma, a profundidade da Mente de Deus, se você quiser, e é o véu rasgado no reconhecimento da própria
mente e da Mente Divina como uma e a mesma - daí , o avanço para a Consciência Supramental ou
Supramental, e a experiência da união consciente com Deus e Divindade.
Se quisermos ter uma ideia do que “cruzar o abismo” pode significar que podemos considerar a resposta
de Ha-Shem a Moisés quando Moisés pediu para ver a face de Ha-Shem. Ha-Shem diz a ele: “Você não
pode ver meu rosto; porque ninguém me verá e viverá. ”E YAOHUH ULHIM prosseguiu:“ Veja, há um lugar
onde estarei sobre a rocha; e enquanto a minha glória passar, eu te porei na fenda da rocha, e te cobrirei
com a mão até que eu tenha passado; depois retirarei a minha mão e vereis as minhas costas; mas o meu
rosto não será visto ” (Êxodo 33: 20-23).

É claro que podemos contrastar esses versículos com versículos do Evangelho de São João, como quando o
Messias Yeshua diz: “Não que alguém tenha visto o Pai a não ser aquele que é de Deus; ele viu o pai
”(6:46), ou quando ele diz: "Quem me viu, viu o Pai" (14: 9).

Agora, quando se diz que "ninguém me verá e viverá", significa que tal visão ou conhecimento requer que
um desapareça - o vidente e o visível desaparecendo, de modo que haja apenas a pura consciência
radiante de ver, ouvir e conhecer. * ser puro *; quando se diz que aquele que é de Deus viu, este é aquele
que desapareceu, tornando-se completamente transparente para a Luz Divina e Superna, * permanecendo
na união *.

Aqui podemos dizer, o profeta Moisés tem uma vida própria, mas Adonai Yeshua não tem vida própria,
mas sua vida é Abba, o Pai; Moisés olha e vê através de Imma, a Mãe, mas Yeshua Messias é o ver, ouvir e
conhecer, o ser do Pai - Moisés é capaz de se aproximar muito, surgindo no pico da consciência mental,
consciência cósmica, mas Adonai Yeshua Messias permanece na união, incorporando a Consciência
Suprema ou Supramental, * Consciência Messiânica *.

Em Imma, em Elohim, há o conhecedor e o conhecido, mas em Abba o conhecedor e o conhecido


desaparecem no conhecimento, * Verdadeira Gnose * - o único é a experiência da Realidade-Verdade-
Continuum em um estado dualístico de consciência. , seja o dualismo grosseiro ou mais sutil, mas o outro é
a experiência da Realidade-Verdade-Continuum na consciência radiante pura, * Consciência Gnóstica Não-
Dupla *, o Supernal ou Supramental. "Atravessando o Abismo" é a dissolução do dualismo final, mais sutil
e sublime, passando para a Realização não-dual, Consciência Superna ou Messiânica; em outras palavras, é
a iluminação final e a liberação da mente ou da corrente da alma: a liberação do Gilgulim de modo que a
mente ou alma esteja livre da necessidade de encarnação em formas materiais, vida material.

É claro que, até que seja devido a estação, até que a alma se desenvolva e evolua até sua maturidade e
fruição na Consciência Superna ou Messiânica, o Gilgulim é o veículo através do qual se desenvolve e
evolui - assim, aquilo que pode ser dito para segurar almas. em cativeiro é também o veículo de sua
libertação, o Grande Êxodo. (Note que há dois gimels na palavra gilgulim; de acordo com os mestres da
tradição, um indica escravidão e o outro indica liberdade.)

Na verdade, Gimel, o camelo, facilita algo muito mais do que a simples passagem pelo deserto - os seres
humanos podem atravessar um deserto sem um camelo. O que o camelo facilita é o comércio e o
comércio, e uma maior troca entre culturas; o camelo facilita o desenvolvimento da civilização humana e
da cultura entre os povos do deserto do Oriente Médio nos tempos antigos - o que isso representa é a
troca de faíscas entre almas que é parte integrante dos gilgulim e é parte integrante do desenvolvimento e
evolução da alma Seres. Como os próprios gilgulim, por um lado, essa troca de faíscas é a teia cármica,
formando cordas kármicas que mantêm as almas em cativeiro; contudo, por outro lado, facilita o
desenvolvimento e a evolução da consciência para o Mais Elevado da Vida, o surgimento de uma
Humanidade Divina e Superna, o Messias de Deus. (Em conexão com as “pegadas na areia” podemos
contemplar o fenômeno do ivur - a impregnação de nossas almas por faíscas das almas dos sagrados
tzaddikim e maggidim, que servem para elevar e capacitar-nos na Grande Obra, e para facilitar nossa
tikkune da alma.)

De fato, as almas estão obrigadas a encarnações compulsórias, a geração de ruach e nefesh surgindo de
um estado inconsciente, até que a alma seja capaz de permanecer na Clear Light Union, permanecendo na
Presença da Consciência na União, não mais caindo inconsciente. esquecimento no sono sem sonhos e na
morte; essa permanência na União da Luz Clara, desperta, é “ver o Pai” e permanecer nessa Santa União
vem do Pai e é a emanação do Pai, a Luz Verdadeira - o que surge e aparece é a radiante manifestação do
Pai. elementos primordiais puros, o Corpo da Glória e o Corpo de Emanação surgindo deste Corpo da
Verdade.

Aqui deve ser dito, almas não iluminadas não “assinam contratos”, como se concordassem com as
condições de sua encarnação como alguns ensinamentos da nova era nos fazem crer - ao contrário, elas
são compelidas a encarnações por seu contínuo cármico, o jogo inconsciente de suas desejos e medos
conduzindo-os à encarnação, como se folhas caíssem das árvores sopradas pelos ventos do
outono; somente no despertar da alma há liberação da compulsão kármica inconsciente, de modo que se
pode dizer que alguém escolheu vir e vir de Deus.

No entanto, em meio a isso existe a Graça Divina, uma operação secreta do Espírito Santo, uma
Inteligência Ardente - um Impulso Divino no meio deste jogo de forças psíquicas e espirituais em direção
ao Mais Elevado da Vida, um * impulso evolucionário *; e há a Misericórdia de Deus em reencarnação, pois
passar de uma vida a outra as almas se desenvolvem e evoluem para alcançar degraus cada vez mais altos
na Escada das Luzes, gradações de consciência cada vez mais altas - ascendendo através das Sefirot da
Árvore da Vida. O gilgulim é a interação do livre arbítrio, em termos de nossos desejos e medos, e as
escolhas que fazemos, e a interação das forças cósmicas e espirituais com as nossas almas, bem como a
Intervenção Divina, a Revelação Divina; através destas almas se desenvolvem e evoluem para o Altíssimo
da Vida (Elyon), seja rápida ou lentamente, através de ciclos de progresso e regressão. Todas as almas
estão neste movimento para a frente da * Evolução Criativa *.

Aposta é o lugar do começo, o lugar da criação; mas Gimel é o ato do começo, a ação da evolução criativa -
é o movimento de Deus na criação, toda a criação fluindo de Deus e dentro de Deus ao mesmo tempo,
tudo em um movimento ondulatório progredindo para o Maior da Vida, o protótipo do qual vemos no
Messias ressuscitado.

De acordo com a abertura do Gênesis, no começo, em Bet, Ruach Elohim (o Espírito de Deus) se move
sobre a superfície das profundezas, o Grande Abismo; este é o Espírito das Supernais, e neste movimento,
que é chamado de “nenhum movimento”, a Palavra de Deus é falada, “Haja luz”, e então a Luz Divina e
Superna resplandece através de Da'at, o Raios dos quais são as sete Sefirot da Construção, os sete Dias da
Criação, que manifestam os sete céus, sete terras e sete infernos da cosmologia cabalística - tudo saindo
do que pode ser chamado de "Oitavo Céu", ou a "Estrela Secreta". ”, Que é Habad (Hokmah-Binah-Da'at).

Tudo flui de Da'at, e na medida em que Da'at é inseparável de Hokmah e Binah, Abba e Imma - Yahweh
Elohim, podemos dizer que tudo flui de Habad; A base deste derramamento e o espaço em que este
derramamento existe é o Grande Abismo, o Grande Vazio ou Vazio, que é a verdadeira natureza de tudo o
que aparece, Belimah, “sem o que”, ou Ain, “não-coisa”.

Agora, aqui podemos falar a percepção de Elyon, o Altíssimo, como é conhecido e entendido em Clear
Light Union - é a verdade de Deus e nenhum Deus, Self e Nenhum Ser, simultâneo; tal é a própria natureza
do Eu, que é também a própria natureza de Deus - Ain.

Quando Adonai Yeshua andou sobre a água e encorajou um discípulo a fazê-lo também, o que ele estava
revelando por meio de uma demonstração? Como com todas as maravilhas que ele realizou, sem dúvida,
ele revelou a realidade de nossa experiência como uma exibição radiante de mente, consciência ou
alma; mas, caminhando sobre a água, ele revela a natureza essencial de tudo o que aparece - de que todos
nós não estamos andando em coisa alguma, o Grande Abismo. Na época, como aconteceu com o profeta
Moisés, essa visão era muito avassaladora para o discípulo Pedro, e ele afundou nas águas, caindo
novamente no inconsciente contínuo cármico, o feitiço do esquecimento.

Yeshua Messiah faz o que ele vê o Pai fazendo, ele faz as obras do Pai - as obras de Deus; fazendo as obras
de Deus, ele encarna Deus e nós vemos Deus nele, e assim será conosco quando também fizermos as obras
do Pai - o Divino será incorporado ao Ser Humano (Adão). Quais são as obras do pai? Eles surgem do
desejo de encenar a bondade amorosa (Hesed), que corresponde à luz do primeiro dia da criação, esta
Misericórdia de Deus, que é a * Luz do Messias *; estas obras do Pai, como vemos no Yeshua Messias, são
* Gimilut Hasidim *, atos de bondade amorosa, ações tão generosas que Ha-Shem nem sequer pede a
todos para fazê-las - na verdade, são ações que devem ser feitas. feito por causa do amor e compaixão, e
por nenhuma outra razão, além de qualquer compulsão exterior ou qualquer desejo de receber;

Existe tal ação para toda alma executar, aquela que, na verdade, Deus não pedirá de nós, mas que nós
devemos olhar e ver por nós mesmos; este ato é o cumprimento da missão da nossa alma, a nossa parte
no grande tikkune (Gadol Tikkune), que leva a nossa alma à sua realização, conclusão (Gemara). De fato,
atos de bondade amorosa, como Adonai Yeshua demonstra e nos ensina, é a redenção da nossa alma
(Geulah). Assim, no Evangelho de São João, Adonai Yeshua encoraja seus discípulos a Gimilut Hasidim,
dizendo: “Este é o meu mandamento: amem-se uns aos outros como eu os amei. Ninguém tem maior amor
do que este, para dar a vida pelos amigos ” (15: 12-13).

Os gilgulim, as transmigrações da alma, são trazidos à fruição nisto - a Luz do Messias, o * Amor do Messias
*; atos radicais de bondade amorosa, amor incondicional, compaixão ilimitada.

É assim que as almas “atravessam o Abismo”, como testemunhamos em Yeshua, o Messias, que assume a
cruz por causa do amor, é ressuscitado dos mortos pela Graça Divina e passa para a Grande Ascensão,
abrindo o caminho para nós e estabelecendo um santuário de graça para nós - a personificação da
misericórdia de Deus ou benevolência (Hesed).

Na verdade, tais atos não são algo que fazemos - são movimentos de amor, a exibição radiante do
amor; não há realizador neles, pois no amor não há realizador, existe apenas o amor do Amado, o fazedor
desaparecendo na paixão do amor. Tal é a natureza do Puro Desejo de Dar, e é a própria natureza da
Misericórdia Superna, Graça Supernal - em tais atos de bondade amorosa é a Graça Divina que se move e
realiza a ação, trazendo-a a perfeita conclusão em El Elyon, Deus Altíssimo.

Aqui podemos dizer que a qualquer momento nos rendemos completamente, dando lugar à paixão do
amor e deixando o amor nos levar aonde quer que seja, nesse mesmo instante a Graça Divina realizará
tudo - a Graça Divina moverá com, através de nós e através de nós venha se manifestar como nós; tudo no
Messias ressuscitado. Hallelu Yah! Um homem.

Do Adonai Yeshua Messiah nós proclamamos: “AGLA - Atoh Givor Leolam Adonai; Tu és poderoso para o
mundo, ó Senhor! ”E nós oraremos: Adonai, capacita-nos para que também nós possamos ser poderosos
para o mundo e dar glória ao nome de Eheieh, El Elyon. Um homem.

Nisto nós oramos para ter o poder de tomar nossa cruz e seguir no Caminho de Yeshua Messias como
somos chamados pelo Espírito Santo; mas o que isto significa, devemos cada um olhar e ver por nós
mesmos - então, tomando a nossa cruz, entregues ao amor, a Graça Divina irá realizá-lo.

Para encerrar, podemos dizer o seguinte: embora exista um ato a ser feito que não possa ser solicitado a
nós, pois se nos pedissem, não seria uma ação de amor, mas de compulsão; no entanto, o Espírito Santo
pode nos revelar se pedirmos a Deus que nos mostre - é dessa maneira que o Mestre Yeshua sabia o que
deveria ser feito.

(BTW: Há um segredo aberto sobre Gimel. Como o número três, Gimel representa a Santíssima Trindade:
Pai, Filho e Espírito Materno!)

Bênçãos e shalom!

ovidade Antiga

# 1 Post by Elder Gideon » Ter 02 de janeiro de 2007 19:06
Shalom!

Aconteceu-me recentemente quando vi o hebraico para QDM (Qedem), que significa leste. Quando eu
adiciono as três letras, Qoph (100) + Daleth (4) + Mem (40), a palavra totaliza 144.

Esse número toca alguma coisa para os outros? Sou levado diretamente aos 144.000 eleitos espirituais
descritos no capítulo 7.4 do Apocalipse:

Então ouvi o número daqueles que foram selados: 144.000 de todas as tribos de Israel.

Agora, Leste no Círculo Sagrado marca a experiência da nova luz da Terra, pois no Sol a Terra gira,
anunciando cada novo dia. Entre as quatro Criaturas Vivas vistas na visão de Ezequiel da carruagem, a
parte oriental do círculo sagrado é a face do Humano. Na luz pré-Dawn acima e dentro do Buddha, assim
como o Salvador Ressuscitado, derrama uma grande estrela no oriente, testemunhando uma nova forma
de vida surgindo dentro da onda de vida humana.

(Para contrastar isso com a adição de mais uma letra, os pontos vocálicos mudam em palavras hebraicas
como QeDeM (Oriente), criando outras palavras como QaDMoNo, que significa "antigo". Adam Kadmon -
Adão Primordial! Que adorável! estão incorporando, a partir de nosso ponto de referência como formas de
vida em evolução não é novo, mas é realmente primordial, mesmo pré-Terra.

Essas associações de Oriente estabelecidas, o que isso está dizendo para qualquer outra pessoa com
relação aos 144.000 eleitos espirituais contemplados por São João?

Bênçãos!

Irmão Michael +
T
o
p
o
Phillip
Mensagens: 498
Idade: 47 anos
Registou-se: Sáb 25 de outubro de 2003 21:46
Localização:Sacramento, CA


# 2 Post by Phillip » Qua 03 de janeiro de 2007 20:07
Uma conexão interessante e perspicaz!

Eu me pergunto se nossa contemplação nos quatro quadrantes, como eles são ensinados como símbolos
de Aeons na evolução da humanidade, poderia caber aqui também:

No norte, com Uriel, temos o Aeon da consciência tribal e as provações da transmissão de luz que evoluem
a humanidade para poder sobreviver através da cooperação e da geração e evolução da consciência
tribal. No Ocidente, com Gabriel, temos a evolução da individualidade distinta da tribo, que pode perceber
e tornar-se consciente e evoluir a consciência individual e a individualidade. Em seguida, no sul, com
Michael, aprendemos sobre a necessidade de integrar essa consciência do indivíduo e seus poderes às
necessidades da comunidade como um todo. Essa consciência parece estar se moldando também para
incluir uma consciência global, ou uma consciência de nós mesmos como parte de uma comunidade global,
sim? Não faz

Se esta última está em andamento, então, essa palavra "Qedem", que totaliza 144, talvez implique nesse
processo evolucionário da humanidade como um todo, que é direcionado e culmina nesse "êxodo" em
massa dos 144.000?

Phillip

hofar

# 1 Post by Phillip » Qua 03 de janeiro de 2007 19:59
A palavra hebraica para “chifre” ou “trombeta” é “Shofar”, que são as letras hebraicas Shin, Peh,
Resh. Cada uma dessas letras pode ser reposicionada de maneiras diferentes para criar palavras diferentes,
cada uma com a mesma soma numerológica e as mesmas letras, mas rearranjadas.

Existem várias palavras que essas letras podem ser reorganizadas ou “permutadas” para criar. Um é um
"corcel" ou especificamente "cavalaria". Outra é "pisada". Ainda outro é "relâmpago". Cada um deles
aponta para significados interessantes implícitos no significado deste Chifre, Shofar, que é soprado no dia
da Expiação para o povo de Israel e a Terra de Israel na tradição judaica.

Quando consideramos que este chifre desempenha um papel importante para transmitir ordens para
grandes quantidades de tropas em um campo de batalha, podemos ver que esses significados se
manifestam em cada uma dessas palavras, como o Shofar é soprado, a cavalaria é dirigida, que é o
“Atropelamento” dos inimigos, e este som que grita sobre o campo de batalha é metaforicamente o
“relâmpago” dando comunicação de estratégia direcionando o “trovão” das tropas sobre o campo de
batalha, que se espalham e “trovão” pela terra em resposta. .

Mas há ainda outra palavra que essas letras podem ser permutadas, e isso é "interpretação". A
interpretação aqui contém muitas chaves para todos esses significados, e eu acho que é a raiz de todos
eles, comunicando a raiz esotérica dentro e por trás de todos eles. À medida que examinamos a natureza
da “interpretação”, vemos que toda a nossa atividade como indivíduo e como grupos segue nossas
interpretações de nosso ambiente, uns aos outros e aos eventos, palavras, atividades e contexto em que
vivemos. Nós respondemos principalmente a “interpretações” do que vemos, ouvimos e chamamos de
reais. Qual é a nossa realidade, então apenas uma interpretação? De fato, como interpretamos a realidade
inconscientemente é também como percebemos a realidade.

É interessante que o Shofar seja um instrumento de sopro, implicando ar, portanto, uma faculdade desse
pensamento mais sutil e sublime, a capacidade de interpretar em níveis conscientes e inconscientes.

O Shofar e seu som, então, também se tornam um símbolo da purificação dessas “interpretações” que
podemos ter interpretações que surgem do espaço espiritual purificado, para que possamos ser
capacitados para a realidade percebida como ela naturalmente surge, e não dessas “interpretações”
cármicas. da exibição da realidade que é "espaço espiritual impuro".

Que o shofar em nossa alma seja tocado das nossas profundezas, expulsando as trevas das pessoas e da
terra!

A letra Shin em Yeshua



# 1 Post de cristal » Sex Nov 04, 2005 7:46 am
Em uma discussão em um site da K, eu procurei uma versão em aramaico de uma passagem do NT sobre a
oração. Fiquei impressionado desta vez pelas palavras de Yeshua sendo traduzidas como "pergunte [/ i] de
dentro do meu nome". (meu itálico; o KJV traduz como em meu nome. Eu olhei para cima como Carlos
Suares explica a carta shin e ele discute a diferença na pronúncia. Como visto em Yeshua, mas
como sheen em satan. Ele também soletra Yeshua como YhWW (v Então, isso sugere à minha mente
limitada que este nome implica que Yeshua é alguém que carrega a "respiração", o agente ativo de Ale,
através do sefirot (o tetragrama).
Eu gostaria de receber qualquer pensamento sobre isso.
T
o
p
o
Tau Malaquias
Administrador do site
Mensagens: 5623
Registou-se: Wed Out 22, 2003 4:20 pm
Localização: Grass Valley, Ca.

O nome

# 2 Postado por Tau Malachi » Sex Nov 04, 2005 6:02 pm
Saudações Cristal!

Você descobrirá que o assunto do Nome Abençoado e do Shin no Nome Abençoado ocorre com frequência
em posts dentro de nossos fóruns, em nosso website e em nossos livros - é um assunto ao qual retornamos
frequentemente, pois há uma grande profundidade de espiritualidade. sabedoria no nome de Yeshua.

Aleph está associado à respiração, e Shin está associado ao esplendor da respiração - sua natureza
energética. Assim, como você diz, algo do sopro sagrado e radiante está associado a Shin; assim também é
o Poder da Serpente (Serpente de Fogo) e o Santo Shekinah (a manifestação ativa da Presença e Poder
Divinos). A letra Shin no Nome de Yeshua sugere a incorporação desta Divina Presença e Poder (Shekinah
do Messias).

Na Kabbalah Cristã, as três pontas do Shin correspondem a três modos de Ruach Ha-Kodesh, o Espírito
Santo; daí, Ruach Ha-Enoch (Espírito dos Iniciados), Ruach Ha-Elias (Espírito dos Profetas) e Ruach Ha-
Messiah (Espírito do Messias; ou, alternativamente, Ruach Ha-Melchizedek). É dito que este é o poder
tríplice da Transmissão de Luz no fluxo Cristão (Sucessão Apostólica Gnóstica).

(O espírito dos iniciados indica gnose dos mistérios; o espírito dos profetas indica gnose de profecia; o
espírito do ungido indica unificação consciente com Deus e Divindade - a essência de toda a gnose.)

Yahweh significa literalmente “Aquilo que era, é e para sempre será”, que muitas vezes chamamos de
“continuum de luz”. O Shin no nome de Yeshua implica a presença de luz (Cristo) e poder de luz (Espírito
Santo) em nós, que é uma emanação do continuum de luz. Este Nome Abençoado implica aquele que
reconhece e realiza a presença da Luz e o poder da Luz dentro de si mesmo, e reintegra a presença da Luz
no contínuo da Luz; daí, aquele que incorpora a Consciência Supernal ou Messiânica (Consciência Crística).

Yeshua significa literalmente: "Yahweh entrega" - a gnose da Luz-contínuo nos liberta !

(Em essência, o Nome Abençoado indica a experiência de iluminação, de acordo com o Gnosticismo Cristão
- portanto, somos chamados a orar de dentro da experiência Gnóstica).
Este é um breve reflexo dos mistérios conectados com Shin no Abençoado Nome e certamente há mais do
que poderia ser dito, mas talvez isso estenda um pouco mais a contemplação.

Que possamos compreender o Poder do Nome na Graça do Salvador Ressuscitado e sermos abençoados
para incorporá-lo. Amém.

Bênçãos e shalom!
Tau Malachi
Sophia Comunhão
Ecclesia Pistis Sophia
T
o
p
o
cristal
Mensagens: 21
Ingressou: sáb Oct 08, 2005 11:02 am

Visto vs Sheen

# 3 Post by crystal » Sáb 05 de novembro de 2005 4:28 am
Carlo Suares diz que a diferença está no modo como a carta é apontada. Ele também diz que Seen é como
um feixe de laser e Sheen é como uma luz difusa, de modo que a ação da luz é bem diferente; visto tem
um componente ativo que permite penetrar profundamente. Como você diz, eles são o mesmo "sopro
vital". Isto então sugere-me que a aposta ou tet (bayt ou tayt; ie recipiente para a luz e conchas que
limitam) de mim torna-se uma parte importante de como a luz interage comigo mesma.
T
o
p
o
Tau Malaquias
Administrador do site
Mensagens: 5623
Registou-se: Wed Out 22, 2003 4:20 pm
Localização: Grass Valley, Ca.

Glória do Arco-Íris

# 4 Postado por Tau Malachi » sab 05 de novembro de 2005 12:59
Saudações Cristal!

Em nossa Cabala Cristã, a inteligência energética de Bet e Tet está intimamente relacionada com essa
discussão - esses dois, como todas as letras sagradas, podem ser mencionados em um nível macrocósmico
(universal) ou microcósmico (individual).

No nível do macrocosmo, Bet, a Casa, é a Grande Matriz da Criação, que é formada por Luz, a Luz Superna
se tornando luz espiritual, luz e luz astral ligadas como matéria. Tet, a Serpente, é a Força da Luz que flui
através da Grande Matriz e, especificamente, é a Força da Luz que se manifesta como formas de Luz
(incluindo estes nossos corpos físicos).

Podemos entender o que isso significa quando consideramos Bet e Tet no nível do microcosmo. Pode-se
dizer que a aposta é a nossa vida - nossa personalidade e vida, e pode-se dizer que Tet é o Poder da
Serpente que se manifesta através dos centros do corpo sutil; a energia dentro e por trás de nossa
personalidade e vida. Naturalmente, esses dois são inseparáveis no estado encarnado. Dependendo do
grau em que nossa vida está em harmonia com a Luz Verdadeira, e do grau em que esta Energia Divina é
despertada e sublimada em nós, e nossos centros estão alinhados e abertos, somos capazes de incorporar
mais ou menos Luz Divina. Da mesma forma, a gradação de Luz que podemos acessar e incorporar também
é determinada por isso - seja luz material, luz astral, luz espiritual ou a Luz Superna (Luz do Messias).

Na Consciência Superna ou Messiânica, os níveis macrocósmico e microcósmico de Bet e Tet estão unidos -
o universal e individual são trazidos para a União; esta união abre o caminho para uma unificação
consciente com Deus e divindade - a realização da verdade suprema.

Shin, em nome de Yeshua, indica o poder dessa auto-realização em Cristo; daí a Shekinah do Messias.

Como você pode imaginar, existem muitas gradações diferentes nesse processo de auto-realização -
muitas gradações diferentes de consciência superior. Essencialmente, é uma evolução para o Um-Sem-Fim
(Ain Sof) - uma força de consciência de ser sempre em expansão, uma mente sempre em expansão; daí o
termo Mochin Gadlut (Grande Mente) usado na Cabala para a experiência de iluminação.

Se você quiser contemplar os três Letras e ensinamentos sobre o êxtase divino (ou a ascensão) Mãe,
considere a aparência de um arco-íris no céu - o ar, o céu, é Alef, ea água, as nuvens, é Mem, e a luz do sol
é Shin, e então o arco-íris aparece. Quando esses elementos retornam às suas próprias raízes, sua essência
mais íntima, o arco-íris desaparece. O que é essa essência íntima? De acordo com o Sefer Yetzirah, sua
essência mais íntima é Belimah, que literalmente significa "sem-o quê", e aponta para Ain, No-Thingness. A
essência mais íntima de todas as letras sagradas, se isto: Ain .

Tomando nossa analogia do arco-íris no céu ainda, compreender as três letras-mãe como elementos
primordiais subjacente a todas as coisas, podemos contemplar o arco-íris como o mostrador luminoso de
todas as outras letras, e a aparência de todo o visor mágico de criação fundada sobre estes - tudo no Divino
Mochin (Mente Divina).

Aparecendo, desaparecendo e cintilando no meio - tudo no Divino Mochin .

Que exibição mágica de Mochin! Que impressionante! Que maravilha!

Não é essa a realização incorporada em Adonai Yeshua, o Messias?


Shin-Tau (Seth), a Luz da Cruz +

Esta contemplação é profunda…

Que sejamos arrebatados em uma união arrebatadora e que possamos elevar todos os seres conosco na
Grande Ascensão. Amém.

Bênçãos e shalom!

ikkune e Quarenta e Dois



# 1 Mensagem do Élder Gideon » Ter Nov 01, 2005 10:11 pm
Saudações e Bênçãos do Dia de Todas as Almas!

São João liga o Christos explicitamente com a Criação, iniciando o seu evangelho com "In the
Beginning". Por meio de números, há um jogo muito mais sutil e não menos adorável sobre Quarenta e
Dois como encontrado entre Gênesis 1: 1-2 e Mateus 1:17.

De acordo com o relato de São Mateus sobre a genealogia do Yeshua Messias:

17Assim havia catorze gerações ao todo, de Abraão a Davi, catorze de Davi ao exílio a Babilônia e catorze
do exílio a Cristo.

Da mesma forma, entre os dois primeiros versículos de Gênesis, ouvimos

Quando Deus começou a criar o céu e a terra - a terra sendo informe e vazia, com trevas sobre a superfície
das profundezas e um vento de Deus varrendo a água - Deus disse , "Que haja luz";

Em hebraico, as letras traduzidas abaixo são quarenta e dois.

Quando Deus começou a criar o céu e a terra - a terra não-formada

Bet (Bereshith - Quando Deus começou) pode apostar (Bohu - sem forma). Que prazer! Eu ouço nisso como
as gerações na humanidade são o tikkune da Criação. De Abraão ao marido da Madre Miriam, um tikkune
ascendente ascendente está sendo refinado o suficiente para atrair a encarnação do Messias Yeshua. Isto é
amplificado na Torá quando Ruach Ha Qodesh (Espírito Santo) manifesta o tikkune da Criação ainda
informe e vazio, ordenando e harmonizando como o vento varrendo a água e Deus dizendo: "Haja
Luz". Claramente, a Luz do Messias é a Luz do Primeiro Dia!

Podemos dizer em nossos corações que somos este dia perfeito


e que dentro de nós vive uma luz que não falha! (Gospel of Truth)

Brothersmiley
T
o
p
o
Tau Malaquias
Administrador do site
Mensagens: 5623
Registou-se: Wed Out 22, 2003 4:20 pm
Localização: Grass Valley, Ca.

Outro nome

# 2 Post by Tau Malachi » Qua 02 de novembro de 2005 10:50 am
Saudações Irmão Michael!

É interessante que o Quarenta e Dois Nomes Com Letras seja extraído do início da Torá e que o Evangelho
de São Mateus lista quarenta e duas gerações de Adão até a vinda do Messias. Diz-se que Mateus foi
escrito especificamente para falar aos povos hebreus, assim sugestões místicas mais sutis podem ser
intencionais; contudo, mesmo à parte do que pode ou não ter sido planejado, sob a inspiração de Ruach
Ha-Kodesh (o Espírito de Santidade), uma Inteligência Divina maior brilha.

Este é um insight intrigante, que eu nunca havia contemplado antes.

Diz-se que o Nome relaciona-se com o tikkune da criação, representando o poder da Intenção Primordial
logo no começo da criação. A implicação é que o Messias, especificamente o Messias ressuscitado, é a
intenção primordial. Não posso deixar de ver o paralelo entre o início de Bereshit (Gênesis) e o início do
Evangelho de São João, e essa associação entre Bereshit e o Evangelho de São Mateus através do número
quarenta e dois. A mensagem básica parece ser a mesma.

Por um lado, podemos dizer que a Divina Encarnação preenche e completa a criação; por outro lado,
podemos dizer que uma criação completamente nova surge através da Divina Encarnação - uma nova
humanidade e um novo céu e nova terra. Naturalmente, estes não são necessariamente para separar
idéias, mas podem ser uma e a mesma Evolução Criativa.

Considere Ruach Elohim (o Espírito de Deus) movendo-se sobre a superfície das profundezas com as trevas
sobre as profundezas, e a Luz que entrou no mundo, mas as trevas não o superaram - esta dissipação da
Ignorância Primordial.

Naturalmente, indagamos sobre essa Luz Divina que aparece no início da criação, pois a luz, como
geralmente a entendemos, só aparece mais tarde na história da criação. Se entendermos as trevas como
Ignorância Primordial - Inconsciência Primordial, então esta Luz Sagrada deve ser a Luz da Consciência. O
Nome de Quarenta e Duas Cartas deve se relacionar com o alvorecer desta Presença de Consciência, que é
a Presença de Deus que chamamos de “Cristo” ou “Messias”.

Isso se reflete nos Ensinamentos Melquisedeques, a terceira qualidade da Natureza Primordial de


Deus. Mente - Consciência, que é a expressão de Ain Sof Ou (Luz Infinita). É esta qualidade que nos permite
olhar e ver a Natureza da Mente ou Consciência - daí reconhecer e realizar o Espírito da Verdade, o Espírito
Sem Nascimento.

Se eu reconheço a Natureza Ain da Mente, a qualidade vazia ou vazia, e a qualidade de Ain Sof, a
capacidade infinita de gerar formas-pensamento, isso não se assemelha a Ruach Elohim se movendo sobre
as profundezas do “vazio” e do “caos”? - A presença da consciência reconhecendo o poder de ser de Ruach
Elohim?

Esse reconhecimento é o começo da iluminação e libertação - a salvação , segundo o cristianismo


gnóstico; daqui, nosso salvador .

Quarenta e duas gerações de Adão (o Humano) representariam, assim, uma evolução em direção a essa
Auto-realização em Cristo (o Iluminado). Este parece ser o propósito da Matriz da Criação - o despertar do
Ser Humano Primordial (Adam Kadmon).

Não posso deixar de contemplar as palavras do Salvador no Evangelho, “Antes que Abraão existisse, eu
sou . ”Esta é a verdade de Cristo Melquisedeque, conforme refletida na Carta aos Hebreus.

Agora, aqui, podemos apontar para outra correspondência numérica, para o nome divino Eheieh, que
significa “Eu Sou” ou “Eu Serei”, igualmente vinte e um, metade de quarenta e dois; Assim, parece que
Eheieh e os Quarenta e Dois Nomes com Letras estão conectados, e podemos dizer que Eheieh está
implícita no início da criação - portanto, a primeira Keter-Coroa da emanação da Luz (ou Sefirah).

Esta é a contemplação que surgiu quando eu li o seu post ...

Vamos orar por esta Santa Memória, e meditar para adquirir essa auto-realização, amém.

Bênçãos e shalom!

Bereshith

# 1 Post Fri Jan 16, 2004 11:46 pmpor Phillip »
Bereshith
(no começo)

Ao analisar numericamente a primeira palavra na Torá, "Bereshith", há vários insights a serem


encontrados. Quando visto como sendo 913 numercialmente, há as associações com o sephiroth, em
primeiro lugar, começando com 9, Yesod. Yesod, como sabemos, é a sephirot da qual a realidade flui para
Malkut recebendo o influxo de todas as outras sephirot. 1 é o número de Keter, o ponto celestial de quem
todos os fluxos da existência criada e '3' Binah, a sephirot superna da qual emanam os sete sephiroth
associados aos primeiros sete dias. Já temos um tema que revela a própria natureza dessa palavra, a de
fluir para a criação.

Uma contemplação interessante que pode ser feita com qualquer palavra numericamente é olhar para
cada adição subseqüente de uma palavra como significante para cada nível dos quatro (ou cinco)
mundos. Bereshith, a palavra em si neste modelo, então seria a palavra em Assiyah, 913, é número,
Bereshith em Yetzirah, 13 (9 + 1 + 3) Bereshith em Beriyah, e 4 (1 + 3) Bereshith em Atziluth. É interessante
notar que poucas palavras hebraicas terão mais do que 2 adições antes de descobrir um número de 1
dígito, emprestando a essa contemplação muito naturalmente (e possivelmente por design?). Existem
poucas exceções, mas elas ainda se encaixariam facilmente dentro de um sistema mundial CINCO, que se
traduz perfeitamente em nosso sistema de Cabalá. No entanto, essas palavras seriam muito raras e,
portanto, seria interessante descobrir quais delas eram.

Mas independentemente disso, 13, a associação de Bereshith em Beriyah, é muito significativa, já que é o
número do Enforcado e Mem como a décima terceira carta e Atu (contando o tolo como 1, não zero). O
número de Mem é 40 e cada vez que 40 aparece, a criação está sendo 'recriada', implicando assim a
influência de Bereshith em cada caso: a Arca de Noé, os 40 anos de peregrinação no deserto pelas
Isralidades e o jejum de Jesus no deserto por 40 dias e 40 noites depois de receber a alma do Messias. É
interessante notar que, em todos os casos, a água desempenha um papel íntimo em cada situação,
enfatizando ainda mais Mem. Além disso, 13 para Bereshith é sua associação em Beriyah e Beriyah é
associado ao elemento água.

Agora, no mundo de Atziluth, Bereshith soma 4, associando-o aos quatro mundos, YHVH, respectivamente,
e Chokmah, o sephiroth associado ao primeiro dia. Não só isso, mas como se para colocar nossas dúvidas
em repouso, Atziluth está associado com Yod em YHVH, e Yod é 10: 10 x 4 = 40.

Além disso, a palavra raiz para Bereshith é "rosh" que significa "agitar" . Rosh soma 401 e, portanto, está
associado a Aleph (1) a primeira letra do alfabeto hebraico e a Tav (400) a letra final do alfabeto. Aqui
vemos a declaração de Jeshua de que é preciso olhar para o começo para ver o fim. Coincidentemente,
desde que o criamos, o nome de Eliseu chega a 401 também!
T
o
p
o
Zeke
Mensagens: 14
Ingressou: Sab 20 ago 2005 5:27 am
Localização: Hong Kong


# 2 Postado Sáb 20 de agosto de 2005 8:11 ampor Zeke »
Obrigado pela sua partilha.

Para "Bereshith" 913, a palavra hebraica "termina" em ambos os Números 34: 4 e 34: 5 tem o mesmo valor
de Gematria de 913. Como o que o Sefer Yetzirah mencionou, "Seu fim está embutido em seu começo e
começo em seu fim "; e Yeshua também ensinou no Evangelho de Tomé: "Pois onde está o princípio, lá
chegará o fim".
T
o
p
o
Phillip
Mensagens: 498
Idade: 47 anos
Registou-se: Sáb 25 de outubro de 2003 21:46
Localização:Sacramento, CA


# 3 Post Sun 28 de agosto de 2005 22h02por Phillip »
Agradável! Obrigado pela perspicácia!

Phillip

Adão aos 130



# 1 Post by Elder Gideon » Dom 27 de março de 2005 19:42
Shalom!

Como Enoque vive trezentos e sessenta e cinco anos antes de ser aceito, ou como Abraão é cem durante o
nascimento miraculoso de Isaque, há algo de mistérios mais profundos transmitidos pelo número de jogos
em anos para qualquer evento de caráter bíblico. O que é dito pelo número play pode falar como
significados, pois há personagens envolvidos! Tomemos por exemplo o número de anos da vida de Adão
quando Seth finalmente nasceu, cento e trinta; dividido por dez, o número é treze:

Esta é a lista dos descendentes de Adão. Quando Deus criou a humanidade, ele os fez à semelhança de
Deus. Macho e fêmea ele os criou, e os abençoou e os chamou de “humanidade” quando foram
criados. Quando Adão tinha cento e trinta anos, ele se tornou o pai de um filho à sua semelhança, de
acordo com sua imagem, e o nomeou Seth. (Gn 4: 25-5: 3)

Seguindo um valor de treze anos nesta contemplação, é levantada uma questão sobre a quem esse valor
se aplica, Adão ou Sete? Fico impressionado, por exemplo, com a forma como o número treze se associa
com os treze éons de evolução mencionados na Pistis Sophia. Se bem me lembro, os doze éons podem ser
compreendidos, entre muitas interpretações, para falar dos doze arquétipos zodiacais do Ser Humano,
sendo o décimo terceiro seu fundamento transcendente, fonte e totalidade.

Se Adão é entendido apropriadamente não como meramente masculino, mas compreendendo masculino e
feminino em um potencial puro, então Seth, sendo da imagem e semelhança de Adão é da mesma forma
uma união indivisa de masculino e feminino, um padrão ou ideal atualizado em maior desdobramento.
graus por personagens como Enoch, Patriarcas e Matriarcas, Profetas e Apóstolos. Parece então que este
potencial Humano, que todos os personagens bíblicos e zodiacais estão realizando progressivamente, pode
ser sinônimo do que é dito do Décimo Terceiro Éon do Salvador Ressuscitado, prefigurado por Seth,
nascido no centésimo trigésimo ano de Adão.

javascript: emoticon (': wink:')


brothersmiley
T
o
p
o
Tau Malaquias
Administrador do site
Mensagens: 5623
Registou-se: Wed Out 22, 2003 4:20 pm
Localização: Grass Valley, Ca.

O afluxo

# 2 Postado por Tau Malachi » Qui 31 de março de 2005 17:21
Esta correspondência torna-se bastante interessante se entendermos Seth como alguém que traz algo da
Verdadeira Luz do Pleroma de Luz para os Aeons superiores e inferiores, e finalmente para o
mundo. Torna-se profético da vinda do Messias.

No 13º Aeon, nos ensinamentos de Sophian, o que geralmente se entende é o Aeon conectando a parte
superior do tweve com os doze Aeons inferiores, assim como um eixo unindo duas rodas - é semelhante ao
papel que Tiferet desempenha no Glifo Árvore da Vida e é associado com a Esfera do Sol, como Tiferet
(embora às vezes outra estrela seja atribuída a ele).

Também é o Qof-Lamed, que implica e evolui do material e físico para o vital e mental, e potencialmente o
supramental - sendo fases anteriores da evolução e Lamed o impulso evolutivo ou força direcional. Pode-
se contemplar isso em conexão com o Divino Nome El, no qual Alef se une a Lamed.

Uma contemplação deliciosa ...

Bênçãos e shalom!
Tau Malachi
Sophia Comunhão
Ecclesia Pistis Sophia
T
o
p
o
Elder Gideon
Administrador do site
Mensagens: 1363
Juntou-se: Seg 10 de maio de 2004 8:41 am
Treze Atributos da Misericórdia

# 3 Post by Elder Gideon » Sex 01 Abr 2005 2:46
Shalom Malachi!

Como muito legal ver Aleph no lugar do Qoph; EL (Aleph Lamed) torna-se uma contemplação ainda mais
rica quando associada aos cento e trinta anos que Adão viveu antes do nascimento de um à sua imagem e
semelhança, Seth.

Como Seth também é conhecido como o Humano, assim como a Luz da Cruz, este EL como a sephirah
Chesed toca dinamicamente com os Treze Atributos da Misericórdia de Êxodo:

"E ele passou na frente de Moisés, proclamando:


"SENHOR, SENHOR, Deus misericordioso e compassivo, tardio em irar-se, cheio de amor e fidelidade,
conservando o amor a milhares e perdoando a impiedade, a rebelião e o pecado. Todavia, não deixa
impune o culpado; castiga os filhos e seus filhos pelo pecado dos pais até a terceira e quarta geração ". (34:
6-7)

Em Adão sendo 130 na época do nascimento de Seth, é como se estivéssemos ouvindo uma profecia não
apenas da vinda do Messias, mas da agência da benevolência (Chesed) pela qual isso virá a se manifestar.

Esta agência de profunda bondade amorosa enumera treze tanto pelas palavras ACHD (unidade) e ACHBH
(amor). Treze são os Aeons, Treze são os atributos da Misericórdia, Treze é a gemmatria tanto de
"unidade" e "amor" e há apenas mais uma associação, lançando o Zohar inteiro, onde a Comunidade de
Israel é comparada a uma rosa de treze. pétalas. Que bonito!

O potencial Humano que Adão simboliza parece, através desta contemplação, ser ativado com Seth,
tornar-se realizado e atualizado progressivamente através de Patriarcas e Matriarcas, Profetas e Apóstolos
no Cenáculo (Comunidade de Israel) como uma linhagem viva de Transmissão de Luz em nossa mesmo
dia!

Amém e amém.

Adão o Tzaddik

# 1 Post Thu 10 de fevereiro de 2005 10:43do Élder Gideon »
Shalom!

Estou impressionado com a forma como os ensinamentos se cruzam, especialmente com a gemmatria. No
Zohar, há tanta ênfase no Tzaddik, o Justo como o Yesod - Fundação da Criação.

Na conclusão do sexto dia, somos informados de que Adão é criado, quem é o Humano, sendo ambos o
corpo da Criação e sua unificação. A gemmatria de ADM é 45 (1 + 4 + 40 excluindo o valor final de Mem de
600); Isto não só é equivalente a todas as letras “soletrando” as letras de YHVH (outra contemplação em
si!), 45 também pode ser reduzida a 9.
Como Yesod, a 9ª sephirah da Árvore da Vida, pode se correlacionar com o Tzaddik pode ser encontrado
em sua própria gemmatria de 204, que é TzDYQ (90 + 4 + 10 + 100). Se 204 é reduzido para seis, então há
uma interpenetração por meio de 6 e 9, que, quando em gemmatria reduzida, juntam-se a Tzaddik com
Adam, respectivamente.

O que ambos estão compartilhando em comum, então, é a mesma sephirah Yesod-Foundation, que
significa tanto o Sexto Dia da Criação quanto a nona emanação da Árvore da Vida. Essa contemplação não
é apenas adorável, mas integra uma trama mais profunda de quão dinâmicos são os princípios do Ser
Humano, a “Vitalidade dos Mundos”.

Javascript: emoticon (': wink:')


T
o
p
o
Tau Malaquias
Administrador do site
Mensagens: 5623
Registou-se: Wed Out 22, 2003 4:20 pm
Localização: Grass Valley, Ca.

Cultivo da nossa humildade



# 2 Post Fri 11 de fevereiro de 2005 13:23por Tau Malachi ”
Saudações Irmão Michael!

A conexão do Ser Humano (Adão) e do Tzaddik parece apontar para uma simples verdade - que a justiça é
o cultivo de nossa humanidade e que é em nossa humanidade que descobrimos nossa divindade
(Cristo). Há algo curativo e profundo nessa simples contemplação - a justiça está procurando ser o primeiro
possível "Malaquias" que eu posso ser; portanto, procurando ser eu mesmo na Luz. Esta é a verdadeira
natureza da autêntica vida e prática espiritual - ser e tornar-se na vida e em Deus.

Yahweh é freqüentemente chamado de "continuum de luz" em nossos ensinamentos, e o Humano é a


pessoa de Luz em nós (ou presença de Luz) que vem da Luz-contínuo, representada pelo nome Yeshua
(Yahweh com a adição de a letra Shin). A conexão numérica de Javé é enunciada e Adão parece apontar
para essa verdade esotérica - uma verdade que reflete diretamente a contemplação acima. Que
maravilha!

6 e 9, Tiferet e Yesod; Yesod unindo Tiferet (Adam) a Malkut (Kallah) - Eu pareço estar ouvindo algum
mistério de hieros gamos nisso, a união de Bridegroom and Bride, que é a verdadeira imagem do Humano
como a imagem e semelhança de Yahweh Elohim.

6 + 9 = 15, o número de Yah (Yod-He), o Pai-Abba e Mãe-Imma. A excitação abaixo faz com que a excitação
acima, a união do noivo e da noiva abaixo traz a união do pai e da mãe acima; assim, a Graça Suprema flui
da Câmara de Noivas e a totalidade é abençoada, sendo aperfeiçoada e completa. ("E assim há chuva sobre
a terra ...") Um pouco de assunto íntimo!

Uma contemplação deliciosa ...

Bênçãos e shalom!
Tau Malachi
Sophia Comunhão
Ecclesia Pistis Sophia
T
o
p
o
Marion
Mensagens: 365
Ingressou: Dom 01/08/2004 20:41
Localização: Nepal


# 3 Post Tue 15 de fevereiro de 2005 21h16de Marion »
Shalom Michael e Malachi !,

Com relação à conexão entre o humano-Adam e Tzaddik-Yesod. a enumeração de adam é 45, que é
também a enumeração para a palavra Mah (Mem-Heh), que significa que, que por que, como, qualquer
coisa ou algo, é também um nome secreto do mundo da formação - Olam-ha- Yetzirah. Que foi
frequentemente colocado na tríade de ação sobre a árvore da vida, consistindo de Netzach, Hod e
Yesod. Também é curioso que Adam termine com Mem e Mah comece com um.

Marion
T
o
p
o
Tau Malaquias
Administrador do site
Mensagens: 5623
Registou-se: Wed Out 22, 2003 4:20 pm
Localização: Grass Valley, Ca.

Trabalhos

# 4 Post Wed 16 de fevereiro de 2005 10:42por Tau Malachi ”
Saudações!

A conexão entre Adão e Mah, e a Tríade de Ação, é interessante, pois em Bereshit diz que não havia
ninguém para cultivar o solo no jardim até que Adão fosse criado - portanto, a criação foi ativada.

Bênçãos e shalom!