Você está na página 1de 1

Há 10 anos, Paraty concorreu porem não ganhou o título, desde 2009 a cidade

de Paraty aguarda uma nova candidatura para concorrer novamente, e dez anos
depois conseguiu essa grande vitória. Dessa vez classificado na categoria de
sítio misto, cultural e natural com a participação de Ilha Grande.
O litoral de Paraty e Ilha Grande recebem o título de Patrimônio Mundial da
Unesco, no último dia 05 de julho de 2019, durante reunião em Baku,
Azerbaijão. Baseado nessa informação, é a primeira vez que o Brasil tem um
sítio misto reconhecido por sua cultura e natureza, com isso são 22 bens
brasileiros na lista de sítios de excepcional valor universal. Na prática significa
uma grande visibilidade dessas duas cidades no cenário mundial, inúmeros
investimentos, e mais responsabilidades no que diz respeito das áreas
conservadas e preservadas.
Após concebido esse título, o local agora ganha novas responsabilidades de
gestão e da população local na preservação e conservação desse patrimônio,
atualmente reconhecido como patrimônio da humanidade, com isso essa a
questão da responsabilidade com ênfase na preservação da localidade é dado
como principio e base para como um todo, acarretando em grandes
investimentos para as cidades, grande visibilidade internacional para o
desenvolvimento da economia dos municípios, além de grandes benefícios,
maiores ainda são os trabalhos e compromissos nessa nova fase.
A área abrange um território de quase 1500 km/m², Ilha Grande com as belezas
do mar e da mata atlântica e Paraty a cidade que floresceu na época do ciclo do
ouro.
As cidades de Paraty e Ilha Grande foram avaliadas junto como patrimônio
cultural e natural da humanidade. Esse título foi concedido a uma área de 149
mil há, com 4 Áreas de Preservação Ambiental (APA), comunidades caiçaras,
terras indígenas, territórios quilombolas, que precisar ser mais do que nunca
preservados. Essas áreas de proteção ambiental ao redor das duas cidades,
fazem parte da área demarcada, que também abriga 28 comunidades caiçaras,
02 territórios quilombolas e 02 aldeias indígenas. As tradições desses grupos,
foram alguns dos itens incluídos na candidatura. O titulo da Unesco, cria um
compromisso internacional de preservação do local, e o plano de gestão
compartilhada mapeia riscos e aponta ações para minimizar possíveis danos na
área.