Você está na página 1de 14

Estudo do processo de obtenção celulose Kraft

com ênfase no forno de cal1


Érica Daré Alves2
Olivert Soares Pinheiro3
Andréa Oliveira Souza da Costa4
Esly Ferreira da Costa Junior5
Resumo
O processo Kraft é a principal forma de produção de celulose por ser um processo com
cozimento contínuo. Uma de suas vantagens é o sistema de recuperação dos produtos
químicos que é associado ao processo. O sistema de caustificação objetiva a recuperação
do licor branco, a partir de produtos químicos inorgânicos oriundos da caldeira de recu-
peração e do forno de cal. Esse forno de cal é um forno rotativo que pode ser utilizado
na indústria de celulose e diversas outras. O forno de cal rotativo de fábrica de celulose
objetiva: reduzir os custos de produtos químicos, através da conversão da lama de cal (car-
bonato de cálcio) para cal (óxido de cálcio) e resolver o problema do descarte da lama de
cal. A energia do forno de cal é proveniente da queima de combustíveis fósseis, sendo que,
nas fábricas mais modernas, aplica-se gás natural. Nos demais equipamentos das fábricas
de celulose, fontes renováveis de energia são basicamente utilizadas. Nesse contexto, este
trabalho objetiva apresentar um estudo sobre o processo de obtenção de celulose Kraft,
com ênfase no forno de cal, já que a operação ótima do mesmo permite minimizar o con-
sumo de combustível e os impactos ambientais desse processo.
Palavras-chave: Processo Kraft. Caustificação. Forno de cal.

Abstract
The Kraft process is the main way to cellulose production for being a process with con-
tinuous cooking. One of its advantages is the chemical product recovery system, which is
associated to the process. The causticizing system aims the recovery of white liquor from
inorganic chemical products derived from the recovery boiler and lime kiln. This lime kiln
is a rotary kiln that can be used in the paper industry and various others. The rotary
lime kiln of pulp mill aims to: reduce chemical costs by converting the lime mud (calcium
carbonate) into quicklime (calcium oxide) and solve the problem of lime sludge disposal.
The energy of the lime kiln is from the burning of fossil fuels, so that the most modern fac-
tories use natural gas. In other equipment from pulp mills, renewable energy sources are
basically used. In this context, this paper aims to present a study on the Kraft pulp process
with emphasis on the lime kiln, since the optimum operation of this equipment allows to
minimize fuel consumption and environmental impact of this process.
Keywords: Kraft process. Causticizing. Lime kiln.

1 Artigo financiado pela Fundação de Amparo à Pesquisa do Espirito Santo (FAPES) e pelo Desenvolvimento Tecnológico e Extensão
Inovadora (DTI – CNPq).
2 Acadêmica de Engenharia Química pelo curso de Engenharia Química da Universidade Federal do Espírito Santo (UFES), Alegre, ES,
Brasil. E-mail: erica_dare2@hotmail.com.
3 Mestre em Engenharia Industrial pelo Centro Universitário do Leste de Minas Gerais (UNILESTE), Coronel Fabriciano, MG, Brasil.
Professor na Faculdade Única de Ipatinga, Ipatinga, MG e especialista em Automação e Otimização de Processos na Celulose Nipo-Brasileira
S.A. (CENIBRA), Belo Oriente, MG. E-mail: olivert.pinheiro@cenibra.com.br
4 Doutora em Engenharia Química pelo Instituto Alberto Luiz Coimbra de Pós-Graduação e Pesquisa de Engenharia. Professora da
Universidade Federal do Espírito Santo (UFES), Alegre. E-mail: andreaosc@yahoo.com.br
5 Doutor em Engenharia Química pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), Rio de Janeiro, RJ, Brasil. Professor da Universidade
Federal do Espírito Santo (UFES), Alegre. E-mail: eslyfcjr@yahoo.com.br

Artigo recebido em 25.09.2014 e aceito em 12.06.2015.


ALVES, É. D. et al.

1 Introdução O efeito positivo do novo método foi jus-


tificado com as melhorias das propriedades de
O Brasil, em 2012, teve um crescimento resistência da polpa. Os primeiros processos de
médio anual de 7,1%, na produção de celulo- utilização industrial foram realizados com ma-
se e 5,5%, na produção de papel. Isso tornou o deiras da Escandinávia, e o primeiro papel foi
País um dos líderes mundiais na produção de produzido na Suécia em 1885. O papel apresen-
celulose e papel, ocupando respectivamente, a tou propriedades de maior resistência, sendo
4ª e 9ª colocação no ranking de mercado, como conhecido como processo Kraft, pela derivação
mostrado no Anexo A. da palavra sueca para o conceito de resistência
Para essa produção, o Brasil conta com a (CORREIA, 2010).
ajuda das condições climáticas e uma enge- A partir disso, o processo Kraft passou a
nharia florestal desenvolvida. As indústrias competir com o processo sulfito. Com o desen-
de celulose alcançam, hoje, patamares ele- volvimento das operações unitárias, o proces-
vados de produção e qualidade, competindo so teve avanço nas áreas de evaporação e quei-
em níveis até mesmo superiores ao merca- ma do licor. O progresso aconteceu na década
do mundial. Desde o plantio da madeira até de 1930, através do Forno de Recuperação de
o processo de cozimento e produto final, os Tomlinson, onde a evaporação final e a queima
sistemas automatizados têm sido amplamente do licor preto, geração do vapor e recuperação
utilizados, o que gera uma alta escala produti- dos químicos de cozimento foram incorpo-
va, com custos mais baixos. rados em uma única unidade na caldeira de
Diante dessa estimativa de crescimento do recuperação química. Continuando com o de-
setor de celulose, vale ressaltar que isso não sig- senvolvimento no final das décadas de 30 e 40,
nificará impactos ambientais, pois as florestas passou-se a utilizar industrialmente o digestor
ocuparão áreas já desmatadas e ainda por vá- contínuo, a lavagem por difusão de polpa den-
rios projetos de fomento florestal. No entanto, tro do digestor, os processos de recuperação
esse crescimento é uma grande oportunidade do carbonato em fornos de cal, os processos
de novos desenvolvimentos tecnológicos nos de caustificação, tratamento de efluentes, etc.
processos de fabricação, para os sistemas que os (CORREIA, 2010).
controlam e ainda para o crescimento da eco- Uma vantagem do processo Kraft consiste
nomia do País. em sua capacidade de ter mínimas perdas quí-
O processo Kraft tem sido o processo do- micas e máxima eficiência energética. Cerca de
minante na produção de celulose por ser um 96 a 97% dos reagentes químicos utilizados na
processo com cozimento contínuo (CORREIA, polpação são recuperados (FOELKEL, 2009).
2010). Esse processo teve origem no final do Uma fábrica de celulose Kraft pode ser con-
século XIX. As primeiras patentes que tratam siderada capaz de gerar sua própria energia, a
da deslignificação de madeira, através de uma partir da fração da madeira dissolvida no licor
solução de hidróxido de sódio e sulfeto de só- preto (licor residual de cozimento), pois cerca
dio, foram obtidas por A.K. Eaton em 1870 e da metade do peso da madeira é dissolvida nes-
1871 (SJOHOLM, 1999). se processo de separação das fibras, e essa ma-
Acredita-se que o inventor do processo deira dissolvida e na forma líquida se converte
Kraft foi o químico pesquisador C.F. Dahl da em um biocombustível nas fábricas de celulose
Alemanha. Ele descobriu a possível substitui- Kraft (FOELKEL, 2009).
ção do carbonato de sódio por sulfato de só- A importância do reaproveitamento do li-
dio para reposição dos químicos de cozimen- cor preto influencia na redução do consumo de
to (CLAYTON, 1969). combustíveis fósseis, economizando energia na

206 Revista Liberato, Novo Hamburgo, v. 16, n. 26, p. 101-220, jul./dez. 2015.
Estudo do processo de obtenção celulose Kraft ...

diminuição de custos e na redução do impacto 2 Visão geral do processo Kraft


ambiental. Observa-se, no Anexo B, que o au-
O processo Kraft é a principal rota para a
mento da participação do licor preto na matriz
obtenção de celulose (MAITAM; COSTA JR.;
energética está atingindo seu máximo. Além
COSTA, 2012). Em uma moderna indústria de
da energia renovável do licor preto, as fábricas
celulose há etapas como: descascamento da ma-
de celulose geralmente empregam caldeiras de
deira, picagem de cavacos, cozimento, depura-
biomassa (folhas e galhos) que também geram
ção, lavagem, branqueamento e secagem as quais
parte da energia da fábrica. Entretanto, no for-
são indicadas na figura 1 (CORREIA, 2010).
no de cal não se utiliza essa biomassa, sendo
Basicamente, a função do processo Kraft é
necessário o emprego de combustíveis fósseis
dissolver a lignina, agente ligante das fibras na
como o óleo ou gás natural. Dessa forma, um
madeira, com o objetivo de liberar as fibras com
aumento da eficiência energética no forno de
o mínimo de degradação dos carboidratos (ce-
cal, além de possibilitar o aumento da competi-
lulose e hemicelulose). Na etapa de cozimento,
tividade da empresa, é de extrema importância são empregados o hidróxido de sódio (NaOH) e
para a diminuição dos impactos ambientais do o sulfeto de sódio (Na2S) como agentes ativos na
setor de produção de celulose. Isso porque o gás reação (D’ALMEIDA, 1988).
carbônico (CO2), liberado na queima do licor A celulose é uma substância natural presente
preto ou da biomassa, é absorvido nas florestas nos vegetais, dos quais é obtida por processos
da empresa, gerando uma emissão nula de ga- e tecnologias específicas. Essa substância carac-
ses de efeito estufa (INSTITUTO CARBONO teriza-se como um importante componente das
BRASIL, 2014). A emissão nula de gases efeito células vegetais que é usualmente chamada de fi-
estufa não ocorre com os combustíveis fósseis bra, base para a produção de papel (AZZOLINI;
que são extraídos do subsolo, porque a libera- FABRO, 2012).
ção de gás carbônico para a atmosfera, na sua A lignina é uma substância química que
queima, não é compensada pela equivalente ab- confere rigidez à parede celular, sendo respon-
sorção de gás carbônico por florestas. sável pela ligação entre as fibras da madeira.
De acordo com Green e Hough (1992), a Concluída a etapa de cozimento da madeira
viabilidade econômica de uma fábrica depende nos digestores, os residuais químicos e as subs-
da capacidade do sistema de caustificação, para tâncias dissolvidas formam a solução aquosa,
converter produtos químicos recuperados em que é chamada de licor preto, rica em lignina
um licor branco de qualidade, assim atender à e reagentes químicos utilizados na polpação. O
demanda de produção de celulose. Ressalta-se processo Kraft de recuperação processa o licor
que a cal necessária à reação de caustificação é preto fraco e regenera os produtos químicos de
produzida no forno de cal. cozimento, garantindo a viabilidade econômica
Considerando-se a importância da produ- e ambiental da indústria (MELO et al., 2011).
ção de celulose na economia nacional e especi- A evaporação é o primeiro passo para o pro-
ficamente o papel do forno de cal nessa indús- cesso de recuperação dos produtos químicos, na
tria, o objetivo deste trabalho é apresentar um qual o licor preto que sai do digestor (conhecido
estudo sobre o processo de obtenção de celulo- por licor preto fraco) é enviado a um sistema de
se Kraft com ênfase no forno de cal. A justifi- evaporadores de múltiplo efeito para elevação
cativa para este estudo é que a operação ótima do seu teor de sólidos, gerando o licor preto for-
do forno de cal permite minimizar o gasto com te (FIGUEIRÊDO, 2009).
combustível fóssil na indústria, promovendo O licor mais concentrado (licor preto forte)
redução de custos e dos impactos ambientais. é, então, queimado em caldeiras de recuperação.

Revista Liberato, Novo Hamburgo, v. 16, n. 26, p. 101-220, jul./dez. 2015. 207
ALVES, É. D. et al.

Nesse processo de queima, acontece a redução o agente redutor é carbono proveniente da pi-
do sulfato de sódio (Na2SO4) em sulfeto de sódio rólise dos compostos orgânicos (SILVA et al.,
(Na2S), sendo assim recuperado um dos agentes 2008). Os sais fundidos, resultantes desse pro-
ativos utilizados no processo de polpação. Para cesso de queima, constituem o smelt que é rico
que a redução do sulfato a sulfeto aconteça, a par- em sulfeto de sódio (Na2S) e carbonato de sódio
te inferior da caldeira é deficiente em oxigênio, e (Na2CO3) (FIGUEIRÊDO, 2009).
Figura 1 - Processo Kraft

Madeira Água

Casca, finos e over Tratamento


Preparo do
de água
cavaco

Vapor
Cozimento Turbina Caldeira a biomassa
Energia elétrica
Vapor
Rejeitos
Lavagem de
polpa marrom Evaporação Caldeira recuperação
Licor
negro Licor verde
Dregs
Depuração

Licor branco
Pré- Caustificação do
deslignificação Oxidação do licor verde
c/ oxigênio licor branco Cal

Gases odorosos
Lavagem Caustificação da
de polpa lama de cal
Água Óleo combustível
tratada
Branqueamento Oxigênio

Insumos
Químicos de branqueamento
Polpa
branqueada Produtos químicos

Celulose de
mercado Papel

Fonte: Adaptado de Correia (2010).

O smelt dissolvido gera a solução de- de cal nesse licor, acontece a reação de
nominada licor verde. Através da adição caustificação, onde o carbonato de sódio

208 Revista Liberato, Novo Hamburgo, v. 16, n. 26, p. 101-220, jul./dez. 2015.
Estudo do processo de obtenção celulose Kraft ...

(Na 2CO 3), presente no licor verde, é con- produtos químicos. A figura 2 representa
vertido em hidróxido de sódio (NaOH), uma visão geral do ciclo de recuperação
fechando assim o ciclo de recuperação dos Kraft (FIGUEIRÊDO, 2009).
Figura 2 - Visão geral do ciclo de recuperação Kraft

Vapor Água de
cavacos lavagem

Lama Celulose
de cal
Licor
branco
Licor preto
fraco
Cal

Licor
Caustificação verde Licor preto
forte

Caldeira de Evaporação
recuperação
Fonte: Figueirêdo (2009).

De acordo com Assumpção et al. (1988), o 3 Processo de caustificação


processo Kraft tem como principal vantagem,
o sistema de recuperação dos produtos quími- O sistema de caustificação, cujo objetivo
cos a ele associado. E como desvantagens: o alto é a recuperação do licor branco, a partir de
custo, as emissões de odores no ambiente, baixo produtos químicos inorgânicos, oriundos da
rendimento entre 40 a 50%, baixa alvura, após caldeira de recuperação e forno de cal, é de
o cozimento e, consequentemente, maior custo fundamental importância econômica e am-
de branqueamento. Mesmo com essas desvanta- biental para o processo Kraft de produção de
gens, esse ciclo de recuperação se torna o princi- celulose. Esse processo envolve uma reação
pal meio de geração de energia para a indústria, química simples, seguida de uma sequência
fazendo com que o processo seja ecologicamen- de processos físicos que envolvem, basica-
te correto (COSTA, 2000). mente, separação sólido/líquido.
A polpa que deixa o digestor, após a etapa Para ocorrer a reação química a cal (CaO),
de cozimento, passa por uma lavagem de mas- é dissolvida em água, formando hidróxido de
sa marrom. A mesma é branqueada, através de cálcio (Ca(OH)2), promovendo liberação de
uma série de processos químicos que utilizam energia, como apresentado na equação (1) (rea-
oxigênio, peróxido de hidrogênio, soda cáustica ção de extinção). Com isso, o produto formado
e dióxido de cloro, entre outros agentes de bran- reage com o carbonato de sódio (Na2CO3), pre-
queamento. Após esses procedimentos, a polpa sente no licor verde, para produzir soda cáustica
branqueada é enviada para as etapas de secagem (NaOH) e carbonato de cálcio (CaCO3), conhe-
e enfardamento (FIGUEIRÊDO, 2009). cido por lama de cal (equação 2). A reação de

Revista Liberato, Novo Hamburgo, v. 16, n. 26, p. 101-220, jul./dez. 2015. 209
ALVES, É. D. et al.

extinção ocorre rapidamente e com altas tempe- pelas equações (1) e (2), ocorrem de maneira
raturas, próximas a 100°C. As reações, descritas simultânea (FIGUEIRÊDO, 2009).

CaO(s) + H2O → Ca(OH)2(s) + 270 kcal/kg CaO (Reação de extinção) (1)

Na2CO3(aq) + Ca(OH)2(s) + Na2S(aq) CaCO3(s) + 2NaOH(aq) + Na2S(aq) (2)

A equação (2) pode ser descrita de ma- uma vez que o Na2S não tem participação
neira simplificada, conforme equação (3), ativa na reação:

Na 2CO 3(aq) + Ca(OH) 2(s) CaCO3 (s) + 2NaOH (aq) (3)

Tais constituintes químicos, principalmente A lama de cal é lavada para reduzir seus
carbonato de sódio e sulfeto de sódio, são mistura- constituintes químicos, antes de ser calcina-
dos com o licor fraco da área de caustificação para da para formar a cal e o licor fraco (resultado
formar o licor verde. A cal é dosada à solução de da lavagem da lama de cal) gerado é reciclado
smelt (licor verde), produzindo licor branco e car- para dissolver o smelt e produzir o licor ver-
bonato de cálcio como subproduto (lama de cal). de (FIGUEIRÊDO, 2009). Com isso, o sistema
O licor branco é separado da lama de cal e enviado de caustificação funciona como uma operação
para o digestor, onde atuará como licor de cozi- em ciclo fechado, com os sólidos envolvidos
mento. O carbonato de cálcio é calcinado no forno em uma parte do ciclo e o licor em outra, con-
de cal para produzir cal (FIGUEIRÊDO, 2009). forme figura 3.
Figura 3 - Ciclo do processo de caustificação
Digestor
co evaporação
Lic

ran caldeira
or

b
or
ve

Lic
rd
e

Clarificação do NaOH Circuito Na2CO2 Clarificação do


licor branco +Na2S do Licor +Na2S licor verde

NaOH
+Na2S
Lavagem
de dregs

Caustificação Extinção Cal

cal Ca
a de l
m
La
Lavagem da Circuito dos
CaCO2 CaCO Calcinação
lama de cal sólidos

CaCO2

Desaguamento
da lama de cal
Fonte: Adaptado de Green e Hough (1992).

210 Revista Liberato, Novo Hamburgo, v. 16, n. 26, p. 101-220, jul./dez. 2015.
Estudo do processo de obtenção celulose Kraft ...

O processo apresenta taxas relativamente sulfeto de sódio e termina com licor branco,
altas de recuperação de químicos e as reposi- sendo esse o licor de cozimento, contendo
ções ocorrem, através da soda cáustica e sulfa- hidróxido de sódio e sulfeto de sódio. O li-
to de sódio, nos tanques de licor branco, assim cor branco retorna para a operação de re-
como a cal virgem e carbonato de cálcio, nos caustificação, como licor verde, após uma
processos de caustificação (ALMEIDA, 2013). série de etapas de processamento na fábrica
O desempenho de um sistema de caustifi- (COHN; RIBEIRO, 2002).
cação pode ser afetado por vários fatores como
a qualidade e a quantidade de cal, a tempera- 3.2 Circuito de sólidos
tura e a intensidade da mistura do licor e as
O ciclo completo dentro da operação de
concentrações dos componentes no licor ver-
recaustificação é o ciclo de óxido de cálcio
de (SETHURAMAN; KRISHNAGOPALAN; (CaO). O óxido de cálcio, adicionado ao li-
KRISHNAGOPALAN, 1995). cor verde, para a caustificação, resulta na
Para atingir o máximo possível de eficiên-
formação do carbonato de cálcio (lama de
cia de caustificação, é importante o controle
cal). A lama de cal é lavada para a remoção
desse processo, produzindo licor branco com
substancial de todo o licor cáustico e, após
uma adequada concentração e pureza, evitan-
o desaguamento, é calcinado para produzir
do problemas associados a altas e baixas dosa-
óxido de cálcio (cal) novamente para uso
gens de cal (FIGUEIRÊDO, 2009). na caustificação (COHN; RIBEIRO, 2002).
3.1 Circuito de licor São denominados GRITS alguns dos ele-
mentos inertes e são removidos, após a
O circuito de licor inicia com licor operação de extinção da cal, pelo peneira-
verde, composto de carbonato de sódio e mento ou classificação.

Tabela 1 - O circuito de licor


Etapas Objetivo
Para remoção substancial de todos
Clarificação de licor verde
sólidos suspensos chamados dregs.
Para remover a soda residual dos sólidos
Lavagem de dregs
sedimentados, antes da descarga residual.
Para extinção de cal viva e sua reação
Extinção e caustificação
para produção de licor branco.
Para remoção substancial de todos os
sólidos suspensos, proporcionando um
Clarificação de licor branco
licor de cozimento de clareza adequada (50
a 100 ppm de sólidos suspensos).
Para maior remoção dos sólidos
Acabamento no licor branco
remanescentes, quando desejado.
Fonte: Cohn e Ribeiro (2002).

O circuito compreende basicamente a cal são removidas a fim de prevenir a excessiva for-
(carbonato de cálcio), ainda que existam impure- mação de elementos inertes no circuito de óxido
zas sólidas introduzidas com o licor verde. Essas de cálcio sólido (COHN; RIBEIRO, 2002).

Revista Liberato, Novo Hamburgo, v. 16, n. 26, p. 101-220, jul./dez. 2015. 211
ALVES, É. D. et al.

Tabela 2 - O circuito de sólidos


Procedimentos Objetivo
Para converter a cal viva
Extinção de cal
à forma hidratada.
Para remover a parte
Peneiramento
grossa inerte.
Para conversão do carbonato
Caustificação
de sódio a hidróxido de sódio.
Para concentrar os sólidos suspensos
Engrossador
(carbonato de cálcio e inativos).
Recuperar a soda para retorno ao
Lavagem ciclo de licor e reduzir o nível
bastante baixo da caustificação.
Concentrar a lama para
Desaguamento
alimentação do forno.
Produzir cal viva,
Calcinação
a partir do carbonato.
Fonte: Cohn e Ribeiro (2002).

4 Aplicação do forno rotativo lamas, líquidos ou qualquer mistura deles. Suas


principais funções são: aquecer a carga até a
Um equipamento industrial utilizado para temperatura desejada no processo térmico e
tratar termicamente materiais é o forno rotati- promover a adequada mistura e homogeneiza-
vo (figura 4). Os materiais podem ser proces- ção dela, para garantir a uniformidade de sua
sados sob várias formas: grãos, pós, pelotas, temperatura (HARTKE, 2007).
Figura 4 - Forno rotativo

Fonte: Celulose Riograndense (2014).

212 Revista Liberato, Novo Hamburgo, v. 16, n. 26, p. 101-220, jul./dez. 2015.
Estudo do processo de obtenção celulose Kraft ...

De acordo com Hartke (2007), as aplicações 5 Forno de cal


industriais mais comumente encontradas para
fornos rotativos são em secadores, para o pré-pro- A indústria de papel dos Estados Unidos co-
cessamento de matérias-primas industriais, em meçou a usar fornos na década de 1920. Fornos
incineradores, cuja função primária é destruir tinham dois suportes e eram relativamente pe-
resíduos sólidos e líquidos e convertê-los em ga- quenos, 1,8 - 2,4 m de diâmetro e 30 - 40 m de
ses inertes e em fornos para tratamento térmico comprimento. Eles também eram ineficientes
de materiais em alta temperatura. de energia, as taxas de consumo de combustível
Os fornos rotativos são utilizados na pro- era equivalente a 2,10.1010 J por tonelada de pro-
dução de cal, produção de cimento, secagem duto (GREEN; HOUGH, 1992).
e pré-processamento de minérios, extração e A pioneira na utilização de fornos foi a in-
reciclagem de materiais metálicos presentes dústria do cimento. Versões modernas com três
em resíduos por pirólise, redução direta de ou mais apoios, mais eficientes energeticamente
metais, processamento e gaseificação de com- e mais longos, normalmente, com 3 m de diâ-
bustíveis ricos em voláteis, processamento de metro e 85 m de comprimento. O aumento dos
coque de petróleo, entre outros. Sendo que, a custos de combustíveis fósseis levaram a eficiên-
maior parte dos processos industriais de calci- cia de combustível de 6,32.109 J por tonelada de
nação ocorre em fornos rotativos (MARTINS; produto (GREEN; HOUGH, 1992).
OLIVEIRA; FRANCA, 2001). O forno de cal rotativo tem como finalida-
Em fornos rotativos, o regime de operação des: reduzir os custos de produtos químicos,
mais utilizado é o contínuo, com sistemas de através da conversão da lama de cal (CaCO3)
alimentação e descarga automatizados, a fim de para cal (CaO), e resolver o problema do des-
garantir um fluxo constante de material. Podem carte da lama de cal.
também ser projetados para operarem em regi- A lama de cal é um resíduo sólido de colo-
me semi-contínuo, com alimentação e descar- ração cinza claro, homogêneo e sem odor carac-
ga em intervalos curtos para não interferir nos terístico, gerado no processo de clarificação do
perfis de temperatura do interior do forno ou, licor verde, no qual é processada para a recupe-
em regime intermitente, com alimentação e des- ração da cal (MAEDA; COSTA; SILVA, 2010).
carga em bateladas. Os fornos são operados com Para um bom desempenho do forno de cal,
baixo nível de preenchimento, pois o volume a qualidade da lama de cal, enviada ao forno,
ocupado pela carga tem forte influência sobre os torna-se um fator relevante. Uma das caracte-
processos de transferência de calor e de massa e rísticas da lama de cal é a drenabilidade da sua
sobre o tempo de residência da carga no interior camada. A baixa drenabilidade pode causar
do forno rotativo (HARTKE, 2007). problemas tais como: a limitação de produção
Segundo Hartke (2007), o aquecimento da do forno, o aumento de combustível e, conse-
carga processada no forno pode ser de forma quentemente, o aumento de emissões atmosfé-
direta, com queimadores para a injeção de gases ricas (CONTESSOTO, 2011).
quentes no interior do forno ou, de forma indi- O forno de cal clássico consiste em uma ex-
reta, aquecendo o forno, a partir de suas pare- tremidade aberta do cilindro, revestido de refra-
des com a utilização de resistências elétricas ou tário, sendo inclinado, a partir da extremidade
convecção com gases quentes externamente. No de alimentação para a extremidade de descarga
caso de fornos para operação em temperaturas e é rodado em torno do seu eixo longitudinal
elevadas, o interior do mesmo deve ser revesti- (WILLIAMS; HOLM, 1975).
do de material refratário para garantir a sua in- Gás natural (combustível) e ar são alimen-
tegridade estrutural. tados na extremidade do forno, e a lama de cal,

Revista Liberato, Novo Hamburgo, v. 16, n. 26, p. 101-220, jul./dez. 2015. 213
ALVES, É. D. et al.

contendo 30 - 40% de umidade, é alimentada e particulados de combustão, são transportados


na zona de secagem ou extremidade superior para fora da extremidade de secagem. Portanto,
da fornalha. Sendo assim, tem-se um fluxo em o óxido de cálcio é estocado para reutilização
contracorrente entre o combustível e material. (WILLIAMS; HOLM, 1975).
O carbonato de cálcio decompõe-se em óxido O forno de cal é dividido em quatro zonas fun-
de cálcio e dióxido de carbono. Água e dióxido cionais (figura 5), as quais representam as etapas
de carbono, juntamente com produtos gasosos de conversão de lama de cal a óxido de cálcio (cal).

Figura 5 - Forno de cal

1º Estágio 2º Estágio 3º Estágio 4º Estágio


Secagem Aquecimento Calcinação Resfriamento

Fonte: Adaptado de Green e Hough (1992).

Na fase de secagem, a água presente na lama calcário ideal é de cerca de 2 cm de diâmetro. Se


úmida, que entra no forno com um teor de 68% a lama não é bem seca e aquecida, esferas gran-
ou mais de sólidos, é evaporada. A secagem é des de cal podem se formar no forno. A tempe-
realizada, quando a lama passa por uma série de ratura é um fator importante, durante a reação
correntes de metal fixadas no interior do forno, de calcinação, visto que, uma temperatura míni-
as quais são aquecidas pelos gases de combustão ma de 815 °C é necessária para ocorrer a calci-
quentes. As correntes são utilizadas para secar nação. Temperaturas acima de 1149 °C resultam
a lama até aproximadamente 95% de sólidos. em cal, queimada com propriedades de hidrata-
As correntes também atuam como cortinas de ção pobres e também danificam o revestimento
poeira, para minimizar a quantidade de poeira refratário do forno (GREEN; HOUGH, 1992).
de cal perdida com os gases de combustão que Na etapa final, o resfriamento ocorre, quan-
saem do forno (GREEN; HOUGH, 1992). do as pelotas passam sob o queimador e vão para
Na segunda etapa, a lama seca é aqueci- a descarga do forno. As pelotas de cal quente
da por dispositivos de transferência de ca- vão esfriar, a partir da troca de calor com o flu-
lor, tais como agitadores que são ligados ao xo de ar secundário da entrada, aumentando a
corpo do forno. Esses agitadores promovem eficiência do forno (GREEN; HOUGH, 1992).
uma boa mistura do material com os gases de Os gases que saem do forno de cal passam
combustão. Em alguns fornos, escudos e bar- por um precipitador eletrostático para retenção
ras de aço estão incluídos na zona de aqueci- de material particulado, antes de serem lança-
mento para melhorar a transferência de calor dos na atmosfera (MENELLI, 2013).
(GREEN; HOUGH, 1992). O conhecimento do balanço de calor é
A calcinação ocorre na terceira zona, onde importante para a concepção de novos for-
o gás de dióxido de carbono é libertado e óxido nos e na análise dos já existentes (GREEN;
de cálcio começa a ser formado. O sedimento HOUGH, 1992).

214 Revista Liberato, Novo Hamburgo, v. 16, n. 26, p. 101-220, jul./dez. 2015.
Estudo do processo de obtenção celulose Kraft ...

A reação básica em um forno rotativo é forno rotativo como se segue:


apresentada pela equação 4:
Inerte + CaCO3 → CaO + Inerte + CO2 (5)
CaCO3 → CaO + CO2 (4)
O pó é descarregado no gás de combustão, a
Se as impurezas da alimentação e CaCO3 partir do forno e a lama de cal alimentada ao for-
residual são consideradas inertes, uma nova no, contém água. Assim, a equação final (equação
equação (equação 5) descreve o processo de 6), para um balanço dos materiais é a seguinte:
Inerte + CaCO3 + H2O → CaO + Inerte + CO2 + H2O(g) + Poeira (6)

6 Considerações finais Referências


Com um crescimento na produção de ce- ALMEIDA, V. B. Caracterização, análise e
lulose e papel, o processo Kraft tem sido o perspectivas da matriz energética do setor
de papel e celulose. 2013. 66 f. Dissertação
processo dominante na produção de celulo- (Mestrado em Agroenergia) - Escola de
se, por ser um processo com cozimento con- Economia de São Paulo, Fundação Getúlio
tínuo. As principais etapas do processo Kraft Vargas, São Paulo, 2013.
são: descascamento da madeira, picagem de ASSUMPÇÃO, R. M. V. et al. Polpação química.
cavacos, cozimento, depuração, lavagem, In: SENAI; IPT. Tecnologia de fabricação de
branqueamento e secagem. pasta celulósica. 2. ed. São Paulo: Escola SENAI
O processo Kraft possui a vantagem de Theobaldo de Nigris, 1988. v. 1, cap. 6.
ter mínimas perdas químicas e máxima efi- AZZOLINI, J. C.; FABRO, L. F.; Controle da
ciência energética, sendo que 96 a 97% dos eficiência do sistema de tratamento de efluentes de
reagentes químicos utilizados na polpação uma indústria de celulose e papel da região Meio
são recuperados. Oeste de Santa Catarina. Unoesc & Ciência –
ACET, Joaçaba, v. 3, n. 1, p. 75-90. 2012.
O forno de cal rotativo é utilizado para
converter o carbonato de cálcio (CaCO3) em BRACELPA. Dados estatísticos. 2014.
óxido de cálcio (CaO) e dióxido de carbono Disponível em: <http://www.bracelpa.org.br/
(CO 2). Tem como objetivo reduzir os custos bra2/sites/default/files/estatisticas/booklet.
pdf>. Acesso em: 25 mar. 2014.
de produtos químicos de uma indústria de
celulose, através da conversão da lama de cal CELULOSE RIO GRANDENSE. Exposição
(CaCO3) para cal (CaO) e, com isso, resol- fotográfica virtual. 2014. Disponível em:
<http://www.celuloseriograndense.com.br/
ver o problema do descarte da lama de cal. exposicao40anos/>. Acesso em: 19 mar. 2014.
Outras indústrias utilizam forno rotativo,
pois, ele trata termicamente materiais. CLAYTON, D. W. The chemistry of alcaline
pulping. In: ______. The pulping of wood. New
Assim, os fornos rotativos têm grande York: McGraw Hill, 1969. v. 1, cap. 8, p. 347-438.
importância em projetos industriais, o que
torna ainda mais incessante a busca pelo co- COHN, P. E.; RIBEIRO, R. N. Medição on
nhecimento desse processo e pelo aprimo- line do alcali total nos licores branco e verde
empregando tecnologia FT-NIR. In: Congresso
ramento do mesmo. No caso da fábrica de e Exposição Anual de Celulose e Papel, 35., São
celulose, em que a maior parte da energia Paulo, 2002. Anais... São Paulo: ABTCP, 2002.
consumida, é proveniente de fontes renová-
CONTESSOTO, V. C. Efeito de elementos
veis, o interesse no forno rotativo de cal tam- não processáveis (Si, Mg, Al, P) e dregs
bém é devido ao fato do mesmo empregar na drenabilidade da lama de cal. 2011. 21
combustíveis fósseis. f. Dissertação (Mestrado em Tecnologia de

Revista Liberato, Novo Hamburgo, v. 16, n. 26, p. 101-220, jul./dez. 2015. 215
ALVES, É. D. et al.

Celulose e Papel) - Universidade Federal de biocombustiveis/biomassa>. Acesso em: 26


Viçosa, Viçosa, 2011. mar. 2014.
CORREIA, F. M. Análise de distúrbios de MAEDA, S.; COSTA, E. R. O.; SILVA, H. D. Uso
compactação de cavacos de eucalipto em de resíduos da fabricação de celulose e papel
digestores contínuos fase vapor. 2010. 132 e da reciclagem de papel: dados eletrônicos.
f. Dissertação (Mestrado em Tecnologia de Colombo: Embrapa Florestas, 2010.
Celulose e Papel) - Universidade Federal de
Viçosa. Viçosa, 2010. MAITAM, M. V. G.; COSTA JR., E. F.; COSTA,
A. O. S. Modelagem fenomenológica e em
COSTA, A. O. S. Alternativas para o controle regime estacionário do processo de recuperação
de um sistema de evaporadores de múltiplo Kraft. Revista Enciclopédia Biosfera, Goiânia,
efeito. 2000. 164 f. Dissertação (Mestrado em v. 8, n. 15, p. 2393-2402, 2012.
Engenharia Química) - Universidade Federal
do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2000. MARTINS, M. A.; OLIVEIRA, L. S.; FRANCA,
A. S. Modeling and simulation of petroleum
D`ALMEIDA, M. L. O. Celulose e papel. In: coke calcination in rotary kilns. Fuel, v. 80, n.
SENAI; IPT. Tecnologia de fabricação de pasta 11, p. 1545-1554, 2001.
celulósica. 2. ed. São Paulo: Escola SENAI
Theobaldo de Nigris, 1988. v. 1, cap. 3. MELO, J. R. et al. Estudo das características do
licor preto. Revista de Engenharia e Tecnologia,
FIGUEIRÊDO, L. S. Modelagem matemática v. 3, n. 1, p. 1-11, 2011.
do estado estacionário de um real sistema de
caustificação em uma fábrica de celulose. 2009. MENELLI, J. C. Gestão sistêmica dos processos
71 f. Dissertação (Mestrado em Engenharia industriais de uma fábrica de celulose. 2013.
Industrial) - Centro Universitário do Leste de 57 f. Dissertação (Mestrado em Tecnologia de
Minas Gerais, Coronel Fabriciano, 2009. Celulose e Papel) - Universidade Federal de
Viçosa, Viçosa, 2013.
FOELKEL, C. Individualização das fibras
da madeira do eucalipto para a produção SETHURAMAN, J.; KRISHNAGOPALAN, J.;
de celulose kraft. 2009. Disponível em: < KRISHNAGOPALAN, G. Kinetic model for the
http://www.if.ufrrj.br/biolig/art_citados/ causticizing reaction. Tappi Journal, v. 78, n. 1,
I n d i v i d u a l i z a % C 3 % A 7 % C 3 % A 3 o % 2 0 p. 115-120, 1995.
das%20fibras%20da%20madeira%20
d o % 2 0 E u c a l i p t o % 2 0 p a r a % 2 0 a % 2 0 SILVA, W. L. et al. Reduction efficiency
p r o d u % C 3 % A 7 % C 3 % A 3 o % 2 0 d e % 2 0 prediction of Cenibra’s recovery boiler by direct
celulose%20Kraft.pdf>. Acesso em: 19 mar. 2014. minimization of gibbs free energy. Brazilian
Journal of Chemical Engineering, v. 25, n. 3,
GREEN, R. P.; HOUGH, G. Chemical recovery p. 603-611, 2008.
in the alkaline pulping processes. 3. ed.
Atlanta: Tappi, 1992. 208 p. SJOHOLM, E. Characterisation of Kraft
pulps by size-exclusion chromatography
HARTKE, R. F. Modelagem e simulação and Kraft lignin samples by capillary zone
térmica de um forno rotativo para a produção electrophoresis. 1999. 82 p. Thesis (Chemical
de agregado de argila calcinada. 2007. 108 Engineering PhD) - Royal Institute of
f. Dissertação (Mestrado em Engenharia Technology, Stockholm, 1999.
Mecânica) - Universidade Federal de Santa
Catarina, Florianópolis, 2007. WILLIAMS, T. J.; HOLM, R. A. Modeling and
control of kraft production systems for pulp
INSTITUTO CARBONO BRASIL. production, chemical recovery, and energy
Biomassa. 2014. <Disponível em <http:// conservation. Pittsburgh: Instrument Society
w w w. i n s t i t u t o c a r b o n o b r a s i l . o r g . b r / of America, 1975. 294 p.

216 Revista Liberato, Novo Hamburgo, v. 16, n. 26, p. 101-220, jul./dez. 2015.
Estudo do processo de obtenção celulose Kraft ...

ANEXOS

ANEXO A - Médias de produção de celulose e papel.


CELULOSE PAPEL
País mil toneladas País mil toneladas
1. EUA 50.351 1. China 102.500
2. China 18.198 2. EUA 74.375
3. Canadá 17.073 3. Japão 26.083
4. Brasil * 13.977 4. Alemanha 22.630
5. Suécia 11.672 5. Suécia 11.417
6. Finlândia 10.237 6. Coréia do Sul 11.333
7. Japão 8.642 7. Canadá 10.751
8. Rússia 7.519 8. Finlândia 10.694
9. Indonésia 6.710 9. Brasil 10.260
10. Chile 5.155 10. Indonésia 10.247
11. Índia 4.095 11. Índia 10.242
12. Alemanha 2.636 12. Itália 8.664
Demais 10.376 Demais 90.789

TOTAL MUNDO 166.641 TOTAL MUNDO 399.985


Fonte: BRACELPA (2014).

ANEXO B - Matriz energética da indústria de celulose e papel entre 1970 e 2012.


100% 3.9 2.7 1.7 2.1
10.0 5.3 5.5 4.0
19.0 8.0 8.7
18.3
80%
1.9 5.3 18.5 19.0
48.1
44.6
27.2 20.8
60%

40% 14.9
27.5 66.3 66.2
52.2
47.3
20%
33.1
17.9
0%
1970 1980 1990 2000 2010 2012
Licor Preto * Biomassa Gás Natural Óleo Combustível Outros
Fonte: BRACELPA (2014).

Revista Liberato, Novo Hamburgo, v. 16, n. 26, p. 101-220, jul./dez. 2015. 217