Você está na página 1de 3

Web aula 9

EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR JUIZ DE DIREITO DA ...VARA CÍVEL DA


COMARCA DO RIO DE JANEIRO.

PAULO CASTRO brasileiro, solteiro, administrador de empresas, CPF


000.000.001- na Avenida Nossa Senhora de Copacabana, n.º 245, ap.
50100. Cidade do Rio de Janeiro, Bairro Copacabana, vem atraves de seu
advogado com procuração em anexo, endereço porofissional a Rua___,
n___,bairro____,Cidade____,Estado, vem respeitosamente à presença de
Vossa Excelência propor a Ação de Reintegração de Posse contra Sílvia
Brandão (brasileira, solteira, secretária, CPF 222.222.222-22),
endereço domiciliar na Rua Ministro Viveiros de Castro, n.º 57, ap.
301,Estado do Rio de Janeiro, Bairro de Copacabana.

FUNDAMENTAÇÃO:
As ações possessórias, também denominadas de interditos
possessórios ou ações interditais, estão previstas em nosso
ordenamento jurídico, nos artigos 926 e 932 ambos do CPC, contemplando
as seguintes modalidades: manutenção de posse, a reintegração de posse
e o interdito proibitório. A ação de manutenção da posse tem por
objetivo assegurar ao possuidor, em caso de turbação (perda parcial da
posse), o exercício regular de seu direito possessório.
Pressupõe-se que o possuidor haja sofrido agressão da sua
posse, sem dela ter sido privado. Já a reintegração da posse é a ação
possessória que tem por finalidade recuperar a posse perdida, (perda
total da posse) em caso de esbulho, e requer a exclusão total da posse
do possuidor que o esbulhou.
A jurisprudência é no mesmo sentido segundo julgados que
integram a presente:
“1ª Ementa DES. LEILA MARIANO - Julgamento: 30/09/2011 - SEGUNDA
CAMARA CIVEL
APELAÇÃO CÍVEL. Ação de Reintegração de Posse. Sentença de procedência
do pedido inicial e de improcedência do pedido contraposto. Apelo da
parte ré que não merece acolhimento. Preliminar de nulidade do
decisum. Rejeição. Inexistência do alegado cerceamento de defesa.
Prova oral pretendida desinfluente para o desate da controvérsia.
Aplicação do art. 130 do CPC. Acervo probatório que revela o
desdobramento da posse, em virtude da celebração de comodato verbal,
por prazo indeterminado, sobre o imóvel objeto da ação. Denúncia do
contrato. Notificação para desocupação voluntária. Desatendimento.
Transmudação da posse justa em injusta pelo vício da precariedade.
Inteligência do art. 1.200 do CC. Esbulho possessório configurado.
Preenchimento dos requisitos insertos no art. 927 do CPC. Retomada do
imóvel que se impõe. Termo inicial da taxa de ocupação que deve
corresponder à data de exaurimento do prazo consignado na notificação
judicial. Insucesso do pretendido direito de retenção e de indenização
por benfeitorias, dada a ausência de produção de prova robusta apta a
demonstrá-las. Manutenção do decisum. NEGATIVA DE SEGUIMENTO AO
RECURSO, NOS TERMOS DO ART. 557, CAPUT DO CPC.
DA TUTELA ANTECIPADA
Estão presentes os requisitos autorizadores para concessão da tutela
antecipada, quais sejam, verossimilhança das alegações e prova
inequívoca, consubstanciados na notificação extrajudicial, bem como
dano de difícil reparação consistente no esbulho praticado pela ré, em
conformidade com o exposto no artigo 273, inciso I do CPC .
PEDIDO:
A concessão de tutela antecipada, inaudita altera pars para expedição
do mandado de reintegração de posse em favor do autor;
b) A citação da ré;
c) A procedência do pedido tornando definitiva a tutela antecipada
pleiteada;
d) A condenação aos ônus sucumbenciais.
DAS PROVAS:
Indica como provas a serem produzidas as de caráter documental,
testemunhal e depoimento pessoal, na amplitude do artigo 332 do CPC.

DO VALOR DA CAUSA: R$ ... (258 do Código de Processo Civil).


Local e data.
Advogado
OAB

Caso 12
Contestação
Lei 11101/2005 – Lei de Falências;
Código Processo Civil

Aplicação Prática Teórica


Alfa Ltda. recebeu, como ré, mandado de citação em ação falimentar
promovida por Beta Ltda., cujo pedido consiste na decretação de
falencia de Alfa ou a realização de deposito da quantia alegada como
devida, acrescida de correção monetária, juros, custas processuais e
honorários advocatícios. A demanda foi ajuizada perante a 1ª Vara de
Falências de Porto Alegre – RS.
Na inicial, consta, como causa de pedir, a falta de pagamento, no
vencimento, de três notas promissórias, respectivamente, nos valores
de R$ 500,00, R$ 1.000,00 e R$ 3.000,00, juntadas as cópias
autenticadas das referidas notas promissórias vencidas e não
protestadas, e a cópia autenticada do contrato social da sociedade
requerente, tendo sido esses os únicos documentos que acompanharam a
inicial além do instrumento de procuração.
Na qualidade de advogado de Alfa Ltda., possuidora de equilíbrio
financeiro, elabore a peça judicial mais adequada à defesa de sua
cliente contra a pretensão de Beta Ltda.

EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR JUIZ DE DIREITO DA 1ª VARA DE FALÊNCIA DE


PORTO ALEGRE.

PRELIMINARES
Carência de Ação
Inobservância da exigência do inciso I do art. 94 da lei de
Recuperação e Falências de n.º 11.101/05, qual seja, o título ou
títulos executivos de valor equivalente ou superior a 40 (quarenta)
salários mínimos e o protesto em cada um dos títulos, pois tal
ausência denota a restrita e necessária prova da insolvência jurídica
presumida com base em descumprimento de obrigação líquida
materializada em título protestado, como já dito, o § 3.º do mesmo
artigo.
DO MÉRITO:
Trata-se de ação de requerimento de falência em que o autor
alega o não pagamento de títulos de créditos extrajudiciais.
O pedido de falência deve sempre ser instaurado com base em
insolvência jurídica presumida desde que presentes os requisitos
constantes em um dos três incisos do art. 94 da Lei de Recuperação e
Falências, sendo que o inciso I (impontualidade injustificada), tendo
na mesma linha o inciso II (execução frustrada), e de forma distinta o
inciso III (atos de falência) que permite ampla matéria probatória.
O caso em tela encontra base na primeira opção do dispositivo
supracitado, a impontualidade injustificada.
A ausência de protesto por parte do autor evidencia a não
presunção jurídica de insolvência da empresa. Ademais, o § 3.º do
mesmo art. 94, traz a necessidade da instrução da Petição Inicial de
Falência com tais documentos, sendo que, por último, tal dispositivo
faz referência ao parágra