Você está na página 1de 46

SÉRIE

DIREITO
PROCESSUAL
PENAL
Diretoria Pedagógica Assistente Editorial
Evandro Guedes Tatiane Zmorzenski
Diretoria de Operações Revisão Ortográfica
Javert Falco Giancarla Bombonato e Suzana Ceccato
Diretoria de Marketing Capa
Jadson Siqueira Alexandre Rossa
Coordenação Editorial Projeto Gráfico e Diagramação
Wilza Castro Alexandre Rossa e Nara Azevedo
Supervisão de Editorial Finalização
Mariana Castro Alexandre Rossa e Nara Azevedo
Supervisão de Editoração
Alexandre Rossa
Analista de Conteúdo
Mateus Ruhmke Vazzoller

G957
R571
GUEDES, Evandro e ROCHA, Estefânia. Série Provas & Concursos
- Direito Processual Penal. Editora AlfaCon: Cascavel/PR, 2018.
544 p. 17 x 24 cm
ISBN: 978-85-8339-392-4

Direito Processual Penal. Simulados. Código Processual Penal. Provas.


Exames. Prazos Processuais. AlfaCon. Concursos Púlbicos.
CDU 343

Proteção de direitos
Todos os direitos autorais desta obra são reservados e protegidos pela Lei nº 9.610/98. É proibida a reprodução de qualquer parte deste
material didático, sem autorização prévia expressa por escrito do autor e da editora, por quaisquer meios empregados, sejam eletrônicos,
mecânicos, videográficos, fonográficos, reprográficos, microfílmicos, fotográficos, gráficos ou quaisquer outros que possam vir a ser criados.
Essas proibições também se aplicam à editoração da obra, bem como às suas características gráficas.
Atualizações e erratas
Esta obra é vendida como se apresenta. Atualizações - definidas a critério exclusivo da Editora AlfaCon, mediante análise pedagógica
- e erratas serão disponibilizadas no site www.alfaconcursos.com.br/codigo, por meio do código disponível no final do material didático
Ressaltamos que há a preocupação de oferecer ao leitor uma obra com a melhor qualidade possível, sem a incidência de erros técnicos e/
ou de conteúdo. Caso ocorra alguma incorreção, solicitamos que o leitor, atenciosamente, colabore com sugestões, por meio do setor de
atendimento do AlfaCon Concursos Públicos.

Dúvidas?
Data de Acesse: www.alfaconcursos.com.br/atendimento
fechamento Rua: Paraná, nº 3193, Centro - Cascavel/PR
27/04/2018 CEP: 85.810-010
SAC: (45) 3037-8888 (Opção 9)
Apresentação da Obra

E novamente, a série “Provas e Concursos” surpreende e, agora, traz a 2ª edição


de um dos seus melhores títulos. A obra em questão carrega, no que se refere ao Direito
Processual Penal, um apanhado de questões minunciosamente selecionadas referentes aos
temas mais comumente cobrado em provas de concursos públicos. São 1.453 questões
atualizadas e revisadas, com comentários aprofundados, todas subdivididas e organizadas
por temas específicos, o que aprimora ainda mais a experiência do aluno no momento de
resolver as questões, estas que, em grande parte, possuem o formato CERTO / ERRADO,
adotado majoritariamente pela banca Cespe/Unb.
Ainda que haja simplicidade e objetividade na linguagem dos comentários, cada um
deles foi elaborado de forma a abranger e solucionar o maior número de dúvidas possíveis.
A obra conta, ainda, com citações diretas do texto legal, o que facilita a compreensão e
fixação do conteúdo pretendido.
Aqui está mais uma ferramenta original AlfaCon, agora ao alcance de suas mãos para
auxiliá-lo nessa difícil trajetória até o tão sonhado cargo público.
“Ser reprovado é a regra universal. Sejamos a exceção então?!”.
Agora chega de “blá blá blá” e vamos ao que interessa!! Alfartanos, força!!
Índice
Questões Comentadas������������������������������� 7
PARTE I����������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������� 8
Princípios Fundamentais do Direito Processual Penal�����������������������������������������������������������������������������������������������������������8
Aplicação da Lei Processual no Tempo������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������ 14
Inquérito Policial - Noções Gerais��������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������� 27
Ação Penal����������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������86
Jurisdição e Competência do Processo Penal����������������������������������������������������������������������������������������������������������������������130
Prova������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������ 160
Do Juiz, Ministério Público, Acusado, Defensor, Assistentes e Auxiliares da Justiça, Atos de Terceiros������������211
Atos Processuais���������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������228
Prisão e Liberdade Provisória���������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������247
Processo e Julgamento dos Crimes de Responsabilidade dos Funcionários Públicos�������������������������������������������298
Habeas Corpus�������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������314
PARTE II������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������ 343
Lei nº 9.296/1996 - Interceptação Telefônica����������������������������������������������������������������������������������������������������������������������343
Lei nº 9.099/1995 – Juizado Especial Criminal – JECRIM������������������������������������������������������������������������������������������������ 357
Lei nº 11.343/2006 - Lei de Drogas����������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������� 375
Lei nº 9.807/1999 - Proteção à Vítima e à Testemunha���������������������������������������������������������������������������������������������������380

SIMULADOS����������������������������������������� 383
ANEXOS���������������������������������������������� 451
SÉRIE

T Õ E S
QUES A S
M E N TA D
CO
8
Questões Comentadas

PARTE I
Princípios Fundamentais do Direito Processual Penal
1. (Cespe) O princípio da obrigatoriedade deverá ser observado tanto na ação penal pública quanto
na ação penal privada.
Gabarito: Errado.
O princípio da obrigatoriedade determina que os órgãos envolvidos na persecução criminal são
obrigados a atuar. Neste caso, estamos falando somente das ações penais públicas, haja vista
que na ação penal privada o que vigora é o princípio da oportunidade no qual a própria vítima
ou seu representante legal escolherão dar início à persecução criminal ou não.

2. (Cespe) O princípio da verdade real vigora de forma absoluta no processo penal brasileiro.
Gabarito: Errado.
Atualmente, a doutrina determina que no Brasil vigora o princípio da verdade processual (ver-
dade aproximada ou verossimilhança), pois a verdade real seria algo inatingível e para que se
chegasse a essa exatidão, muito provavelmente, seria necessário que se cometessem diversas
infrações sobre os direitos dos homens, como a tortura. Bem sabemos que as provas ilícitas e
as derivadas são proibidas no processo penal, de acordo com o Art. 157, CPP: São inadmissíveis,
devendo ser desentranhadas do processo, as provas ilícitas, assim entendidas as obtidas em vio-
lação a normas constitucionais ou legais. §1º - São também inadmissíveis as provas derivadas das
ilícitas, salvo quando não evidencia do o nexo de causalidade entre umas e outras, ou quando as
derivadas puderem ser obtidas por uma fonte independente das primeiras.

3. (Cespe) Na ação penal pública, o princípio da igualdade das armas é mitigado pelo princípio da
oficialidade.
Gabarito: Certo.
Segundo Guilherme de Souza Nucci, o princípio da oficialidade expressa ser a persecução penal
uma função primordial e obrigatória do Estado. Assim, o acusado, na ação penal pública, litigará
contra um órgão estatal, que o demandará, valendo-se das estruturas garantidas pelo Estado.
Poderá assim, no caso concreto, haver mitigação do princípio da igualdade de armas, na medida
em que o acusado atuará no processo contando, apenas, com sua própria força.

4. (Cespe) Sendo o interrogatório um dos principais meios de defesa, que expressa o princípio do con-
traditório e da ampla defesa, é imperioso, de regra, que o réu seja interrogado ao início da audiência
de instrução e julgamento.
Gabarito: Errado.
Existe ordem para o interrogatório do acusado? Sim, em regra, o réu será o último a ser inter-
rogado, com base no Art. 400, CPP: Na audiência de instrução e julgamento, (...) proceder-se-á
à tomada de declarações do ofendido, à inquirição das testemunhas arroladas pela acusação e
pela defesa, nesta ordem, (...), bem como aos esclarecimentos dos peritos, às acareações e ao
reconhecimento de pessoas e coisas, interrogando-se, em seguida, o acusado.
5. (Cespe) A defesa técnica é o corolário do princípio da ampla defesa, exigindo a participação de
um advogado em todos os atos da persecução penal. Segundo o STF, atende integralmente a esse
princípio o pedido de condenação ao mínimo legal, ainda que seja a única manifestação jurídica da
defesa, patrocinada por DP ou dativo.
Gabarito: Errado.
A manifestação da defesa, patrocinada por defensor público ou dativo, quando limitada ao pe-
dido de condenação no mínimo legal é causa de nulidade do processo, exatamente por ausência
de defesa efetiva. (STF, HC 82.672/RJ, Rel. p/ acórdão, Min. Marco Aurélio, Informativo STF nº
325, p. 2, em 14/10/2003)

6. (Cespe) Expressamente previsto na Constituição Federal, o princípio do promotor natural garante


a todo e qualquer indivíduo o direito de ser acusado por órgão imparcial do Estado, previamente
designado por lei, vedada a indicação de acusador para atuar em casos específicos.
Gabarito: Errado.
De acordo com o princípio do promotor natural, é garantido a todo e qualquer indivíduo o direito
de ser acusado por órgão imparcial do Estado, previamente designado por lei, sendo proibida a
indicação de acusador para atuar em casos específicos. Dessa forma, o erro da questão ocorre
em relação à previsão legal desse princípio, o qual não se encontra expressamente na CF, sendo
mera construção interpretativa do texto constitucional.

7. (Cespe) Conforme o princípio constitucional da razoável duração do processo, não cabem dilações in-
devidas no processo, sendo que a demora na tramitação do feito deve ser proporcional à complexidade
do delito nele veiculado, bem como às diligências e aos meios de prova indispensáveis a seu deslinde.
Gabarito: Certo.
A razoável duração do processo não pode ser considerada de maneira isolada e descontextualizada
das peculiaridades do caso concreto. Na espécie, não está configurado o alegado excesso de prazo,
até porque a melhor compreensão do princípio constitucional aponta para o processo sem dilações
indevidas, em que a demora na tramitação do feito há de guardar proporcionalidade com a comple-
xidade do delito nele veiculado e as diligências e os meios de prova indispensáveis a seu deslinde.
(...) (STF - HC: 116029 MG, Relator: Min. ROSA WEBER, Data de Julgamento: 04/02/2014, Primeira
Turma, Data de Publicação: DJe-040 DIVULG 25-02-2014 PUBLIC 26-02-2014)

8. (Cespe) Conforme o STF, viola o princípio da presunção de inocência a exclusão de certame público
de candidato que responda a inquérito policial ou a ação penal sem trânsito em julgado de sentença
condenatória.
Gabarito: Certo.
De acordo com o recurso extraordinário julgado pelo STF: O princípio constitucional da presun-
ção de inocência impede a exclusão de certame público de candidato que responda a inquérito
policial ou a ação penal sem trânsito em julgado da eventual sentença condenatória. Preceden-
tes do Supremo Tribunal Federal (ARE-AgR nº 754.528, Rel. Min. Rosa Weber, Primeira Turma,
Dje-172; AI-AgR nº 741.101 AgR, Rel. Min. Eros Grau, Segunda Turma, Dje-099; RE-AgR nº 559.135,
Rel. Min. Ricardo Lewandowski, Primeira Turma, Dje- 107; AI-AgR nº 829.186 AgR, Rel. Min. Dias
Toffoli, Primeira Turma, Dje-123). (STF, AC 3.738/MG, Rel. Min. Luiz Fux, em 06/11/2014).

9
Evandro Guedes e Estefânia Rocha
10
Questões Comentadas

9. (Fundatec) A Constituição Federal de 1988, em seu Artigo 5º, inciso LVII, assim dispõe: “ninguém
será considerado culpado até o trânsito em julgado de sentença penal condenatória”. Em relação ao
referido princípio e direito constitucional, analise a seguinte assertiva:
Do referido princípio derivam duas regras: uma de natureza probatória e outra de tratamento.
Gabarito: Certo.
O princípio do Estado de Inocência, também conhecido como Presunção de Inocência, ou
Presunção da não culpabilidade, previsto expressamente pelo artigo 5º, inciso LVII, da Cons-
tituição Federal, preceitua que “ninguém será considerado culpado até o trânsito em julga-
do de sentença penal condenatória”. O acusado DEVE ser tratado como inocente. Incumbe à
acusação o ônus probatório, a obrigação da demonstração de eventual culpa, além do que a
prisão cautelar só pode ocorrer em situações excepcionais e de extrema necessidade.
Do princípio da inocência derivam-se duas regras:
Regra de TRATAMENTO Regra PROBATÓRIA ou de juízo in dúbio pro reo
O ônus da prova durante o processo é da acusação - O
Ninguém será considerado culpado senão depois
que é confirmado no artigo 386, VI e VII do Código de
de sentença com trânsito em julgado
Processo Penal.

10. (Fundatec) A Constituição Federal de 1988, em seu Artigo 5º, inciso LVII, assim dispõe: “ninguém
será considerado culpado até o trânsito em julgado de sentença penal condenatória”. Em relação ao
referido princípio e direito constitucional, analise a seguinte assertiva:
Considerando a jurisprudência atualizada do Supremo Tribunal Federal, pode-se dizer que em
nome do referido princípio não se pode permitir a execução provisória da pena.
Gabarito: Errado.
A jurisprudência atual do STF aponta para a admissibilidade da execução provisória de acórdão
penal condenatório proferido em grau recursal, ainda que sujeito a recurso especial ou extraor-
dinário, N Ã O compromete o princípio constitucional da presunção de inocência - ARE 964246
RG, REPERCUSSÃO GERAL, DJe-251 24-11-2016.

11. (Cespe) A disposição constitucional que assegura ao preso o direito ao silêncio consubstancia o
princípio da
a) inexigibilidade de autoincriminação.
b) verdade real.
c) indisponibilidade.
d) oralidade.
e) cooperação processual.
Gabarito: A.
O Princípio da não autoincriminação significa que ninguém é obrigado a se autoincriminar,
ou seja, a produzir prova contra si mesmo. É um princípio-garantia, que institui uma garantia
para todos os cidadãos, com densidade autêntica de uma norma jurídica determinante.
A garantia ou o direito de não autoincriminação compreende duas grandes dimensões:
a) o direito ao silêncio - O direito ao silêncio ou o direito de ficar calado, previsto consti-
tucionalmente no Art. 5º, inc. LXIII, da CF, constitui somente uma parte do direito de não
autoincriminação.
b) o direito de não colaborar para a produção de provas incriminadoras.
O direito de não autoincriminação integra a autodefesa, que faz parte da ampla defesa, que é
uma das garantias do devido processo criminal.

12. (Fundatec – Adaptada) A Constituição Federal de 1988, em seu Artigo 5º, inciso LVII,
assim dispõe: “ninguém será considerado culpado até o trânsito em julgado de sentença
penal condenatória”. Em relação ao referido princípio e direito constitucional, analise a
seguinte assertiva:
De acordo com a presunção da inocência, é possível afirmar que ao réu não incumbe o ônus de
provar a sua inocência.
Gabarito: Certo.
Está correto por força do Art.5º, LVII e LXIII, CF/88, em razão dos princípios da presunção de ino-
cência e da não autoincriminação “nemo tenetur se detegere”, que garante ao acusado a pos-
sibilidade de não produção de provas contra si. O acusado não pode ser compelido a contribuir
na apuração dos fatos, uma vez que o devido processo legal, no Art. 5º, LIV da CF/88, dá a ele o
direito de não produzir provas contra si mesmo, podendo permanecer em silêncio (Art. 5º, LXIII,
CF/88). Sem as respectivas garantias o acusado se transformaria em objeto de investigação,
quando na verdade é um sujeito processual.

13. (Fundatec) De acordo com os princípios constitucionais de processo penal, assinale a alternativa
correta.
a) Conforme entendimento do Supremo Tribunal Federal, a imparcialidade do Juiz pode ser de
natureza subjetiva ou objetiva.
b) Ao acusado que estiver sob o patrocínio da Defensoria Pública para o exercício de sua de-
fesa, não será estendida a garantia da paridade de armas.
c) O princípio do contraditório abrange apenas a ciência dos atos processuais no âmbito do
procedimento.
d) A ampla defesa é uma garantia própria do Tribunal do Júri.
e) Não existe previsão no Código de Processo Penal para o princípio da verdade real.
Gabarito: A.
Nos termos do voto do Ministro CÉZAR PELUSO, do STF, a falta da imparcialidade objetiva inca-
pacita, de todo, o magistrado para conhecer e decidir causa que lhe tenha sido submetida, em
relação à qual a incontornável predisposição psicológica nascida de profundo contato anterior
com as revelações e a força retórica da prova dos fatos o torna concretamente incompatível
com a exigência de exercício isente da função jurisdicional. Tal qualidade, (...), diz-se objetiva,
porque não provém de ausência de vínculos juridicamente importantes entre o juiz e qualquer
dos interessados jurídicos na causa, sejam partes ou não (imparcialidade dita subjetiva), mas

11
Evandro Guedes e Estefânia Rocha
12
Questões Comentadas

porque corresponde à condição de originalidade da cognição que irá o juiz desenvolver na cau-
sa, no sentido de que não haja ainda, de modo consciente ou inconsciente, formado nenhuma
convicção ou juízo prévio, no mesmo ou em outro processo, sobre os fatos por apurar ou sobre
a sorte jurídica da lide por decidir. Como é óbvio, sua perda significa falta de isenção inerente
ao exercício legítimo da função jurisdicional (in voto-vista lançado nos autos do HC 94.641/
BA – julgado em 11/11/2008, cujo acórdão foi publicado no DJ de 06/03/2009) (grifamos). O
impedimento e a suspeição visam garantir a imparcialidade do Juiz, logo, o IMPEDIMENTO diz
respeito da relação entre o julgador e o objeto da lide (causa OBJETIVA), não menos correto é
afirmar que a SUSPEIÇÃO o vincula uma das PARTES (causa SUBJETIVA).
B: Incorreta. O princípio da isonomia, paridade das armas, Igualdade ou par condictio, Art. 5º,
Caput, afirma que: “Todos são iguais perante a lei”;
C: Incorreta. O princípio do contraditório se refere ao direito que o interessado possui de
tomar conhecimento das alegações da parte contrária e contra eles poder se contrapor, po-
dendo, assim, influenciar no convencimento do julgador, é além disso direito de defesa;
D: Incorreta. O Tribunal do Júri compreende a PLENITUDE de defesa; conforme o Art. 5º,
XXXVIII da CF/88: é reconhecida a instituição do júri, com a organização que lhe der a lei,
assegurados: a) a plenitude de defesa; e
E: Incorreta. Nos termos do Art. 184 do CPP: salvo o caso de exame de corpo de delito, o juiz
ou a autoridade policial negará a perícia requerida pelas partes, quando não for necessária ao
esclarecimento da verdade.

14. (Ibade - Adaptada) Para a teoria do não prazo, a duração razoável do processo deve ser definida
pelo legislador, inclusive em atenção ao princípio da legalidade. Esta inclusive é a orientação do
Tribunal Europeu de Direitos Humanos e da Corte Interamericana de Direitos Humanos.
Gabarito: Errado.
A questão se refere à teoria do prazo fixo, o não é adotado no Brasil. Vale mencionar que o enten-
dimento da CIDH (Comissão Interamericana de Direitos Humanos) é de que a duração razoável do
processo deve ser considerada à luz do caso concreto, especialmente em razão de suas especifici-
dades e da atuação e estrutura do Poder Judiciário. A Jurisprudência do Supremo Tribunal Federal
igualmente adota a doutrina do não prazo e analisa o reconhecimento da dilação indevida do
processo à presença dos seguintes fatores: natureza e complexidade da causa (HC 116.447); con-
tribuição da defesa (HC nº 116.113); inércia do poder judiciário (HC nº 116.113). Igualmente, recen-
temente, a Lei nº 12.850/2013, passou a adotar dois dos critérios referenciados pela jurisprudência
brasileira e estrangeira para a aferição da duração razoável do processo nos casos a ela submetidos:
complexidade da causa e dilação indevida por fato procrastinatório atribuível ao réu.

15. (Fepese) É correto afirmar sobre o princípio constitucional do contraditório e da ampla defesa.
a) O contraditório é de observância obrigatória durante a investigação criminal.
b) O contraditório obriga o magistrado a sempre ouvir o Ministério Público antes de proferir
decisões contrárias ao acusado.
c) Nos crimes dolosos contra a vida, é dispensada a observância dos princípios do contraditó-
rio e da ampla defesa.
d) O princípio do contraditório é exclusivo da acusação, ao passo que o princípio da ampla
defesa deve beneficiar a defesa do acusado.
e) A ampla defesa assegura ao acusado a utilização dos meios e recursos inerentes durante o
curso da ação penal.
Gabarito: E.
Conforme entendimento doutrinário, Renato Brasileiro (2017, p. 155 e ss, CPP comentado):
Princípio do contraditório: de acordo com o Art. 5°, LV, da CF, aos litigantes, em processo
judicial ou administrativo, e aos acusados em geral são assegurados o contraditório e ampla
defesa, com os meios e recursos a ela inerentes. (...) o princípio do contraditório é entendido
como a ciência bilateral dos atos ou termos do processo e a possibilidade de contrariá-los. De
acordo com esse conceito, o núcleo fundamental do contraditório estaria ligado à discussão
dialética dos fatos da causa, devendo se assegurar a ambas as partes, e não somente à de-
fesa, a oportunidade de fiscalização recíproca dos atos praticados no curso do processo (...).
Seriam dois, portanto, os elementos do contraditório:
a) direito à informação;
b) direito de participação.
O contraditório seria, assim, a necessária informação às partes e a possível reação a atos des-
favoráveis. Como se vê, o direito à informação funciona como consectário lógico do contradi-
tório. Não se pode cogitar da existência de um processo penal eficaz e justo sem que a parte
adversa seja cientificada da existência da demanda ou dos argumentos da parte contrária.
Também deriva do contraditório o direito à participação, compreendido como a possibilidade
de a parte oferecer reação, manifestação ou contrariedade à pretensão da parte contrária. É
o que se denomina contraditório efetivo e equilibrado.
Princípio da ampla defesa: O direito de defesa está ligado diretamente ao princípio do con-
traditório. A defesa garante o contraditório e por ele se manifesta. Afinal, o exercício da am-
pla defesa só é possível em virtude de um dos elementos que compõem o contraditório - o
direito à informação. Além disso, a ampla defesa se exprime por intermédio de seu segundo
elemento: a reação. Apesar da influência recíproca entre o direito de defesa e o contraditório,
os dois não se confundem. O contraditório manifesta-se em relação a ambas as partes, ao
passo que a ampla defesa diz respeito apenas ao acusado. Por consequência, é perfeitamente
possível a violação ao contraditório sem qualquer lesão à ampla defesa. A título de exemplo,
se a realização de determinado ato processual não for comunicada ao Ministério Público (ou
ao querelante), ou se não lhe for permitido oferecer reação à determinada prova produzida
pela defesa, ter-se-á evidente violação ao contraditório, sem que se possa dizer que houve
prejuízo à ampla defesa.

16. (Fepese) Assinale a alternativa que indica corretamente o princípio processual penal, em que a
autoridade policial tem o dever legal de instaurar o inquérito policial quando da ciência da prática de
um crime que se apure mediante ação penal pública incondicionada.
a) princípio da oficialidade
b) princípio da obrigatoriedade
c) princípio do delegado natural
d) princípio da indisponibilidade
e) princípio do impulso oficial

13
Evandro Guedes e Estefânia Rocha
14
Questões Comentadas

Gabarito: B.
A autoridade policial, ao receber uma notícia de um determinado crime, fica obrigada à instaura-
ção do inquérito policial, mas há casos que dependem da provocação do ofendido para a devida
instauração deste procedimento; é o caso dos crimes de ação penal pública condicionada à repre-
sentação e da ação penal privada, nos casos de crimes contra a honra da vítima. O princípio da Ofi-
ciosidade é corolário do princípio da legalidade ou obrigatoriedade da ação penal pública. Constitui
que a atividade das autoridades policiais independe de qualquer espécie de provocação, sendo a
instauração do inquérito obrigatória diante da notícia de uma infração penal CPP, Art. 5º, I do CPP,
ressalvados os casos de ação penal pública condicionada e de ação penal privada.

17. (FCC) Os princípios constitucionais aplicáveis ao processo penal incluem


a) indisponibilidade.
b) verdade real.
c) razoável duração do processo.
d) identidade física do juiz.
e) favor rei.
Gabarito: C.
Conforme dispõe Art. 5º, LXXVIII CF/88: a TODOS, no âmbito judicial e administrativo, são asse-
gurados a razoável duração do processo e os meios que garantam a celeridade de sua tramitação.

18. (Ibade – Adaptada) A cláusula constitucional do due processoflaw - que se destina a garantir a pessoa
do acusado contra ações eventualmente abusivas do Poder Público tem, no dogma da inadmissibilidade
das provas ilícitas ou ilegítimas, uma de suas projeções concretizadoras mais expressivas, na medida em
que o réu tem o impostergável direito de não ser denúnciado, de não ser julgado e de não ser condenado
com base em elementos instrutórios obtidos ou produzidos com desrespeito aos limites impostos pelo
ordenamento jurídico ao poder persecutório e ao poder investigatório do Estado. A par de tal orientação
jurisprudencial, é possível afirmar as provas ilícitas são inadmissíveis, sendo a doutrina pacífica no sentido
de que não podem servir nem mesmo quando forem as únicas capazes de demonstrar a inocência do réu.
Gabarito: Errado.
A doutrina e a jurisprudência admitem a prova ilícita pro reo, por prevalência dos princípios da
presunção da inocência, da ampla defesa e da busca pela verdade real. a doutrina admite uma
única hipótese de aceitação de prova ilegal, que é quando esta sirva para beneficiar um deter-
minado acusado, considerando que nenhum direito reconhecido constitucionalmente pode ter
caráter absoluto, dado o Princípio do Favor Rei, que rege o processo penal.

Aplicação da Lei Processual no Tempo


19. (Cespe) A lei processual penal não admite o uso da analogia ou da interpretação extensiva, em
estrita observância ao princípio da legalidade.
Gabarito: Errado.
Segundo o Art. 3º do CPP: A lei processual penal admitirá interpretação extensiva e aplicação
analógica, bem como o suplemento dos princípios gerais de direito.
20. (Cespe) Lei processual nova de conteúdo material, também denominada híbrida ou mista, deverá
ser aplicada de acordo com os princípios de temporalidade da lei penal, e não com o princípio do
efeito imediato, consagrado no Direito Processual Penal pátrio.
Gabarito: Certo.
Na lei processual penal vigora o princípio do tempus regit actum (o princípio do efeito imediato),
no qual a nova lei processual deverá ser aplicada de imediato, ou seja, os processos em andamento
serão aplicados, sem, contudo, prejudicar os atos processuais já praticados. Porém, se a nova lei for
híbrida, isto é, caso se trate de Direito Penal Material (relacionado à liberdade da pessoa) e Direito
Penal Processual, e contiver na parte material novatio legis in mellius (lei nova mais favorável ao
réu), deverão ser aplicados de forma retroativa todos os seus dispositivos, exceto os prejudiciais.
Ademais, é estritamente proibida a combinação de Leis Penais, isto é, ou se aplica a lei inteira, ou
não se aplica (novatio legis in pejus). No entanto, os atos processuais já praticados não serão afe-
tados pela novatio legis in pejus (aqueles que forem prejudiciais – lex gravior). Entretanto, devido
à retroatividade da lei penal mais benéfica (lex mitior), gerada pelo magneto atrativo da lei híbrida,
tanto os atos processuais (mais benéficos), quanto os atos materiais (mais favoráveis), deverão ser
aplicados. Conclui-se que: 1) Lei processual mais gravosa: aplica-se no momento em que entra em
vigor, respeitando os atos já praticados (irretroatividade da lei mais maligna); 2) Lei penal material
mais gravosa: aplica-se aos fatos a partir de sua vigência (irretroatividade da lei mais maligna); 3)
Lei processual mais gravosa + Lei penal material mais benéfica: a lei híbrida deverá retroagir por
completo, porém a parte mais gravosa não se aplica aos atos já praticados; 4) Lei processual mais
benéfica + Lei penal material mais benéfica: a lei híbrida retroagirá por completo. Há na doutrina
dois sentidos acerca do conteúdo material; falaremos apenas de um, mais precisamente o que
parece ter sido adotado pela banca: as normas processuais materiais são aquelas que estabelecem
condições de procedibilidade, meios de prova, liberdade condicional, prisão preventiva, fiança, mo-
dalidades de execução da pena e todas as demais normas que produzam reflexos no ius libertatis
do agente.

21. (Cespe) A lei processual penal brasileira adota o princípio da absoluta territorialidade em relação a
sua aplicação no espaço: não cabe adotar lei processual de país estrangeiro no cumprimento de atos
processuais no território nacional.
Gabarito: Certo.
Em relação à aplicação da lei no espaço, vigora o princípio da absoluta territorialidade da lei
processual penal.

22. (Cespe) A lei processual penal não admite o uso da analogia ou da interpretação extensiva, em
estrita observância ao princípio da legalidade.
Gabarito: Errado.
De acordo com o Art. 3º do CPP: A lei processual penal admitirá interpretação extensiva e aplica-
ção analógica, bem como o suplemento dos princípios gerais de direito.

23. (Cespe) Acerca da aplicabilidade da lei processual penal no tempo e no espaço e dos princípios que
regem o inquérito policial, julgue o item a seguir: Em relação à aplicação da lei processual penal no
espaço, vigora o princípio da territorialidade.

15
Evandro Guedes e Estefânia Rocha
16
Questões Comentadas

Gabarito: Certo.
Esse princípio determina que a lei produzirá seus efeitos dentro do território nacional. Desta
maneira, o CPP é a lei aplicável ao processo e julgamento das infrações penais no Brasil. As re-
gras de aplicação da Lei Penal brasileira estão no Código Penal, mas isso não nos interessa aqui.
O que nos interessa é o seguinte: se for caso de aplicação da Lei Penal brasileira, as regras do
processo serão aquelas previstas no CPP, em todo o território nacional.

24. (Cespe) Lei processual que, de qualquer modo, altere rito procedimental, de forma a favorecer o
acusado, aplica-se aos atos processuais praticados antes de sua vigência.
Gabarito: Errado.
O erro da questão está em afirmar que a lei processual penal retroagirá para beneficiar o acu-
sado. A lei processual penal não retroage, aplicando-se desde logo aos atos processuais. Além
disso, a nova lei não gera prejuízo da validade dos atos praticados sob a lei anterior. Para confir-
mar isso, segue texto legal:

25. (Cespe) Acerca da aplicabilidade da lei processual penal no tempo e no espaço e dos princípios que
regem o inquérito policial, julgue o item a seguir: Nova lei processual que modifique determinado
prazo do recurso em processo penal terá aplicação imediata, a contar da data de sua vigência, apli-
cando-se inclusive a processo que esteja com prazo recursal em curso quando de sua edição.
Gabarito: Errado.
Segundo o Art. 2º do CPP, a lei processual penal aplicar-se-á desde logo, SEM PREJUÍZO DA
VALIDADE dos atos realizados sob a vigência da lei anterior.

26. (Cespe) Lei processual que, de qualquer modo, altere rito procedimental, de forma a favorecer o
acusado, aplica-se aos atos processuais praticados antes de sua vigência.
Gabarito: Errado.
Segundo o Art. 2º do CPP, a lei processual penal aplicar-se-á desde logo, SEM PREJUÍZO DA
VALIDADE dos atos realizados sob a vigência da lei anterior.

27. (Cespe) Diplomata de Estado estrangeiro que cometer crime de homicídio dentro do território na-
cional será processado conforme o que determina a lei processual brasileira.
Gabarito: Errado.
A aplicação da lei processual brasileira reger-se-á somente ao território nacional brasileiro (prin-
cípio da territorialidade), contudo há exceções, as quais devem ser expressamente previstas
em lei. Não se aceitando a aplicação do direito processual estrangeiro no Brasil. Segundo o Art.
1º, caput, c/c inciso I, CPP: O processo penal reger-se-á, em todo o território brasileiro, por este
Código, ressalvados: I - os tratados, as convenções e regras de direito internacional. Não se su-
jeitarão à lei (processual) penal brasileira os agentes diplomáticos, porém, aos consulares, esta
imunidade é funcional. Portanto, aos agentes diplomáticos haverá a imunidade diplomática
(tanto material: prisão; quanto formal: julgamento); já aos consulares, a imunidade é relativa ao
desempenho de suas funções, ou seja, imunidade funcional. A questão tratou de um Diplomata
de Estado estrangeiro (imunidade total), portanto, este será julgado pelo seu país de origem.
28. (Cespe) De acordo com o CPP, a analogia equivale à norma penal incriminadora, protegida pela
reserva legal, razão pela qual não pode ser usada contra o réu.
Gabarito: Errado.
No Direito Processual Penal, a analogia é aplicável tanto para beneficiar quanto para prejudicar, di-
ferentemente do que acontece no Direito Penal, que só poderá ser aplicado para beneficiar o réu e
nunca para prejudicar. Já a interpretação analógica será aplicada em ambas as matérias tanto para
prejudicar quanto para beneficiar o réu. Art. 3º, CPP: A lei processual penal admitirá interpretação
extensiva e aplicação analógica, bem como o suplemento dos princípios gerais de direito.

29. (Cespe) A lei processual penal veda a interpretação extensiva para prejudicar o réu.
Gabarito: Errado.
Ao contrário do que afirma a questão, de acordo com o Art. 3º, CPP: A lei processual penal
admitirá interpretação extensiva e aplicação analógica, bem como o suplemento dos princípios
gerais do direito.

30. (Cespe) A interpretação extensiva é um processo de integração por meio do qual se aplica a uma
determinada situação para a qual inexiste hipótese normativa própria um preceito que regula hipó-
tese semelhante.
Gabarito: Errado.
A assertiva torna-se errada ao trocar os conceitos de interpretação extensiva e de analogia. A
analogia é um processo de integração por meio do qual se aplica a uma determinada situação,
para a qual inexiste hipótese normativa própria, um preceito que regula hipótese semelhante.

31. (Cespe) Para o uso da analogia, é importante considerar a natureza do diploma de onde se deve
extrair a norma reguladora.
Gabarito: Errado.
O uso da analogia, que consiste em processo de integração por meio do qual se aplica a uma
determinada situação para a qual inexiste hipótese normativa própria um preceito que regula
hipótese semelhante. Ressalte-se, ainda, que, para o uso da analogia, não importam a natureza
da situação concreta e a natureza do diploma de onde se deve extrair a norma reguladora. A
questão cobrou o conhecimento do informativo 556 do STJ.

32. (Cespe) Acerca de aspectos diversos do processo penal brasileiro, o próximo item apresenta uma
situação hipotética, seguida de uma assertiva a ser julgada.
Alberto e Adriano foram presos em flagrante delito. O juiz que analisou a prisão em flagrante
concedeu a Alberto a liberdade provisória mediante o recolhimento de fiança arbitrada em
um salário mínimo. Quanto a Adriano, foi-lhe decretada a prisão preventiva. Antes que o au-
tuado Alberto recolhesse o valor da fiança e que a DP impetrasse habeas corpus em favor de
Adriano, entrou em vigor lei processual penal nova mais gravosa, que tratou tanto da fiança
quanto da prisão preventiva. Nessa situação, a lei processual penal nova que tratou da fiança
aplicar-se-á desde logo, sem prejuízo da validade dos atos realizados sob a vigência da lei an-
terior. Entretanto, à prisão preventiva aplicar-se-ão os dispositivos que forem mais favoráveis
ao interessado.

17
Evandro Guedes e Estefânia Rocha
18
Questões Comentadas

Gabarito: Errado.
De acordo com Nestor Távora, caso a lei traga preceitos de direito processual e material penal,
- como não pode haver cisão (separação) -, deve prevalecer o aspecto penal. Se este for bené-
fico, a lei será aplicada às infrações ocorridas antes da sua vigência. O aspecto penal retroage,
enquanto o aspecto processual terá sua aplicação imediata, preservando-se os atos praticados
quando da vigência da norma anterior. Contudo, se a parte penal for prejudicial ao agente, a
nova norma não terá incidência aos crimes ocorridos antes de sua vigência e o processo iniciado,
todo ele, será regido pelos preceitos processuais previstos na antiga lei.

33. (Cespe) Com relação à aplicação da lei processual no tempo a lei processual penal anterior à nova lei
continuará a ser aplicada nos processos que se iniciaram sob a sua vigência.
Gabarito: Errado.
O Código de Processo Penal adotou, em seu Art. 2º, o princípio tempus regit actum, ou seja, a lei
processual penal tem aplicação imediata. As normas processuais aplicam-se aos processos em
andamento, pouco importando se o fato ocorreu antes ou depois de entrar em vigor a nova da
lei, inclusive se esta lei for prejudicial ao réu.

34. (Cespe) Com relação à aplicação da lei processual no tempo a nova lei processual penal retroage
para alcançar os atos praticados na vigência da lei processual penal anterior.
Gabarito: Errado.
A lei processual penal é aplicada no tempo da sua vigência, ou seja, a partir do momento em que
ela entra em vigor. De acordo com o Art. 2º, que rege o princípio tempus regit actum, ou seja,
a lei processual penal tem aplicação imediata. No entanto, os atos processuais já praticados na
vigência da lei anterior devem ser mantidos.

35. (Cespe) Com relação à aplicação da lei processual no tempo, a nova lei processual penal tem inci-
dência imediata nos processos já em andamento.
Gabarito: Certo.
As normas processuais aplicam-se aos processos em andamento, pouco importando se o fato
ocorreu antes ou depois de entrar em vigor a nova lei, inclusive se esta lei for prejudicial ao réu.
Executa-se aqui o princípio da aplicação imediata.

36. (Cespe) Com relação à aplicação da lei processual no tempo, os atos processuais realizados sob a
vigência de lei processual penal anterior à nova lei serão considerados inválidos.
Gabarito: Errado.
Segundo o Art. 2º: A lei processual penal aplicar-se-á desde logo, sem prejuízo da validade dos
atos realizados sob a vigência da lei anterior. Ou seja, os atos processuais já realizados na vigên-
cia da lei anterior devem ser mantidos.

37. (Cespe) Com relação à aplicação da lei processual no tempo, a nova lei processual penal será aplica-
da apenas aos processos que se iniciarem após a sua publicação.
Gabarito: Errado.
O princípio tempus regit actum rege a Lei Processual Penal. Por isso, ela é aplicada enquanto
está em vigor. Caso seja revogada, a lei nova terá aplicação imediata aplicada aos processos
em curso e aos futuros atos processuais, não alcançando, dessa forma, os atos processuais
que já foram validamente praticados sob a égide da lei antiga.
Art. 2º - A lei processual penal aplicar-se-á desde logo, sem prejuízo da validade dos atos reali-
zados sob a vigência da lei anterior.

38. (Cespe) A lei processual penal não admite interpretação sistemática.


Gabarito: Errado.
A interpretação sistemática consiste em analisar normas jurídicas entre si em conjunto com outras
normas. Esse método impede que as normas jurídicas sejam interpretadas de modo isolado, devem
ser interpretadas em harmonia com as outras partes do sistema, considerando sua classificação e as
demais disposições que com ela se relacionam. No entanto, deve-se respeitar a organização hierárqui-
ca das fontes (subordinação e conexão), a qual tem como ápice a Constituição Federal.

39. (Cespe) A lei processual penal não admite aplicação analógica.


Gabarito: Errado.
De acordo com o texto legal, a lei processual penal admitirá interpretação extensiva e apli-
cação analógica.
Art. 3º - A lei processual penal admitirá interpretação extensiva e aplicação analógica, bem como
o suplemento dos princípios gerais de direito.

40. (Cespe) A lei processual penal não admite o suplemento dos princípios gerais de direito.
Gabarito: Errado.
De acordo como texto legal, a lei processual penal admitirá o suplemento dos princípios
gerais do direito.
Art. 3º: A lei processual penal admitirá interpretação extensiva e aplicação analógica, bem como
o suplemento dos princípios gerais de direito.

41. (Cespe) A lei processual penal não deve ser interpretada sempre restritivamente.
Gabarito: Certo.
A lei processual penal deve ser extensiva e não restritiva. De acordo com o Art. 3º: A lei proces-
sual penal admitirá interpretação extensiva e aplicação analógica, bem como o suplemento dos
princípios gerais de direito.

42. (Cespe) A lei processual penal não admite interpretação extensiva.


Gabarito: Errado.
A interpretação extensiva é admita, sim, de acordo com o Art. 3º, CPP: Art. 3º - A lei processual
penal admitirá interpretação extensiva e aplicação analógica, bem como o suplemento dos prin-
cípios gerais de direito.

19
Evandro Guedes e Estefânia Rocha
20
Questões Comentadas

43. (Cespe) À luz do CPP e da jurisprudência do STJ, julgue o seguinte item, relativo à prisão, aos recur-
sos, aos atos e aos princípios processuais penais.
Dado o princípio tempus regit actum, as normas processuais penais têm aplicação imediata,
não alcançando crimes ocorridos em data anterior à sua vigência.
Gabarito: Errado.
As normas processuais penais têm aplicação imediata e alcançam os crimes ocorridos antes
de sua vigência. Contudo, os atos processuais já praticados na vigência da lei anterior devem
ser mantidos.
Art. 2º - A lei processual penal aplicar-se-á desde logo, sem prejuízo da validade dos atos reali-
zados sob a vigência da lei anterior.

44. (Cespe – Adaptada) Acerca da aplicação da lei processual no tempo e no espaço e em relação às
pessoas, julgue o item a seguir.
O Brasil adota, no tocante à aplicação da lei processual penal no tempo, o sistema da unidade
processual.
Gabarito: Errado.
O Brasil adota, em relação à aplicação da lei processual penal no tempo, o princípio do tempus
regit actum, por força do disposto no Art. 2º do CPP, in verbis: a lei processual penal aplicar-se-á
desde logo, sem prejuízo da validade dos atos realizados sob a vigência da lei anterior. Logo, a
lei a ser aplicada ao caso concreto é a lei vigente ao tempo da prática do ato.

45. (Cespe) Em relação à aplicação da lei processual penal, é correto afirmar que a lei nova e mais gra-
vosa ao réu terá aplicação imediata somente para os novos processos que se tiverem iniciado depois
de sua promulgação.
Gabarito: Errado.
Nos termos do Art. 2º do CPP (Princípio da Aplicação IMEDIATA), a lei processual penal aplicar-
se-á desde logo, sem prejuízo da validade dos atos realizados sob a vigência da lei anterior.

46. (Cespe – Adaptada) Acerca da aplicação da lei processual no tempo e no espaço e em relação às
pessoas, julgue o item a seguir.
Em caso de normas processuais materiais — mistas ou híbridas —, aplica-se a retroatividade
da lei mais benéfica.
Gabarito: Certo.
As normas processuais materiais estão disciplinadas em diplomas processuais penais, dispõem
sobre o conteúdo da pretensão punitiva, tais como direito de queixa ou até mesmo de represen-
tação, prescrição, decadência, perempção etc. Assim sendo, a eficácia no tempo deverá seguir o
regramento do Art. 2º, caput e parágrafo único do Código Penal. Em se tratando de uma norma
mais favorável ao réu, deverá retroagir em seu benefício; se prejudicial, aplica-se a lei já revoga-
da, sendo esta norma processual penal mista;

47. (Cespe) Em relação à aplicação da lei processual penal, é correto afirmar que a lei nova será aplicada
sem prejuízo da validade dos atos realizados sob a vigência da lei anterior.
Gabarito: Certo.
Conforme disposto no Art. 2º do CPP, a lei processual penal aplicar-se-á desde logo, sem prejuízo
da validade dos atos realizados sob a vigência da lei anterior.

48. (Cespe – Adaptada) Acerca da aplicação da lei processual no tempo e no espaço e em relação às
pessoas, julgue o item a seguir.
Para o regular processamento judicial de governador de estado ou do Distrito Federal, é neces-
sária a autorização da respectiva casa legislativa — assembleia legislativa ou câmara distrital.
Gabarito: Errado.
Conforme o atual entendimento do Supremo Tribunal Federal, não há necessita autorização
da assembleia legislativa, para receber denúncia ou queixa, ou a instauração da respecti-
va ação penal perante o STJ, sobre crime comum cometido por governador. Sobre o tema,
existe interessante julgado o qual vale a pena consultar: STF. Plenário. ADI 5540/MG, Rel.
Min. Edson Fachin, julgado em 3/5/2017, Info. 863.
O STF entende que o Estado-membro não pode dispor sobre crime de responsabilidade,
ainda que seja na Constituição estadual. Isso porque a competência para legislar sobre crime
de responsabilidade é privativa da União.
Súmula vinculante 46-STF: São da competência legislativa da União a definição dos crimes de
responsabilidade e o estabelecimento das respectivas normas de processo e julgamento.

49. (Cespe) Em relação à aplicação da lei processual penal, é correto afirmar que a lei processual penal
não admitirá aplicação analógica.
Gabarito: Errado.
Nos termos do Art. 3º do CPP, a lei processual penal admitirá interpretação extensiva e aplicação
analógica, bem como o suplemento dos princípios gerais de direito.

50. (Cespe) Em relação à aplicação da lei processual penal, é correto afirmar que a lei processual penal
não se sujeitará a tratados, convenções ou regras de direito internacional.
Gabarito: Errado.
Conforme o Art. 1º do CPP, o processo penal reger-se-á, em todo o território brasileiro, por este
Código, ressalvados: I - os tratados, as convenções e regras de direito internacional.

51. (Cespe) Em relação à aplicação da lei processual penal, é correto afirmar que a lei nova será aplicada
aos fatos pretéritos que eram regulados pela lei revogada.
Gabarito: Errado.
Conforme o Art. 2º do CPP (Princípio da Aplicação IMEDIATA, imediatidade), a lei processual
penal aplicar-se-á desde logo, sem prejuízo da validade dos atos realizados sob a vigência da
lei anterior.

52. (Consulplan - Adaptada) Segundo o princípio tempus regt actum os atos processuais praticados
sob a égide da lei anterior são considerados válidos e as normas processuais têm aplicação imediata,
independentemente da data do fato imputado na denúncia.

21
Evandro Guedes e Estefânia Rocha
22
Questões Comentadas

Gabarito: Certo.
De acordo com o Art. 2º do CPP: A lei processual penal aplicar-se-á desde logo, sem prejuízo
da validade dos atos realizados sob a vigência da lei anterior. A lei processual, tem aplicação
IMEDIATA, ou seja, é regida pelo Princípio do efeito imediato ou da aplicação imediata, atingindo
os processos que estão em curso, não importando se traz ou não situação gravosa ao imputado.

53. (Nucepe - Adaptada) Quanto à lei processual no tempo, no Brasil é adotado no processo penal o
sistema da unidade processual, um complexo de atos inseparáveis uns dos outros, isto é, em todo o
processo apenas poderá ser aplicada uma lei processual.
Gabarito: Errado.
O Brasil adota o SISTEMA DO ISOLAMENTO DOS ATOS PROCESSUAIS. Nesse sistema, admite-se
que cada ato seja regido por uma lei, o que permite que a lei velha regule os atos já praticados,
ocorridos sob sua vigência, enquanto a lei nova terá aplicação imediata, passando a disciplinar
os atos futuros, sem as limitações relativas às fases do processo. De forma geral o sistema aplica-
do no Brasil é esse, porém com exceções em situações mais complexas. Para Gustavo Badaró, o
sistema do isolamento dos atos processuais que poderá solucionar diversos problemas de direito
intertemporal. Não se trata, porém de critério absoluto, havendo casos em que se deverá adotar
solução diversa, segundo os princípios e regras de direito intertemporal normalmente aceitos
pela doutrina.

54. (Fapems - Adaptada) Com relação às regras da lei processual no espaço e no tempo, o Código
de Processo Penal vigente adota, respectivamente, os princípios da lex fori e da aplicação imediata.
Com base nessa informação, é correto afirmar que a lei processual penal atende a regra do tempus
reígit actum, porém a repetição de atos processuais anteriores é exigida por lei em observância da
interpretação constitucional, além disso, não é possível alcançar os processos que apuram condutas
delitivas consumadas antes da sua vigência.
Gabarito: Errado.
Conforme a inteligência do Art. 2º do CPP, a lei processual penal aplicar-se-á desde logo, sem
prejuízo da validade dos atos realizados sob a vigência da lei anterior.

55. (Cespe – Adaptada) Relativamente à aplicação da lei processual penal no tempo e no espaço é
correto afirmar que a lei processual penal tem aplicação imediata e é aplicável tanto nos processos
que se iniciarem após a sua vigência, quanto nos processos que já estiverem em curso no ato da
sua vigência, e até mesmo nos processos que apurarem condutas delitivas ocorridas antes da sua
vigência.
Gabarito: Certo.
Conforme o Art. 2º do CPP, de fato, a lei processual penal aplica-se desde logo de imediato.
Abrange, assim, processos em curso, ainda que referentes a fatos cometidos antes da vigência
da lei processual penal.

56. (Cespe – Adaptada) Considerando a legislação processual penal e o entendimento jurisprudencial


pátrio, é correto afirmar que a CF prevê expressamente a retroatividade da lei processual penal quan-
do esta for mais benéfica ao acusado.
Gabarito: Errado.
O Art. 5º, XL, da CF/88 prevê que a LEI PENAL não retroagirá, salvo para beneficiar o réu. A LEI
PROCESSUAL PENAL é regida pelo principio da Aplicação IMEDIATA, conforme previsão do Art.
2º do CPP: a lei processual penal aplicar-se-á desde logo, sem prejuízo da validade dos atos
realizados sob a vigência da lei anterior.

57. (Cespe) Acerca dos princípios que regem o processo penal brasileiro, julgue o item subsequente.
A lei processual penal deverá ser aplicada imediatamente, sem que isso prejudique a validade
dos atos realizados sob a vigência da lei anterior, tampouco constitua ofensa ao princípio da
irretroatividade.
Gabarito: Certo.
No teor do Art. 2º, a lei processual penal aplicar-se-á desde logo, sem prejuízo da validade dos
atos realizados sob a vigência da lei anterior.

58. (Nucepe - Adaptada) Quanto à lei processual no tempo, marque a alternativa CORRETA.
a) Um processo que tiver sido encerrado sob a vigência da lei processual anterior deverá ser
revisto.
b) Se há um processo penal a ser iniciado, deverá ser regido pela nova lei processual, para que
seus atos se tornem válidos e eficazes.
c) Caso o processo penal já tenha sido iniciado, os atos praticados deverão ser refeitos e, todos
os posteriores deverão ser praticados conforme a nova lei.
d) Os atos processuais regidos pela lei processual penal anterior não são considerados válidos.
Gabarito: B.
Em relação à aplicabilidade da lei no tempo, dispõe o Art.2º do Código de Processo Penal que
a lei processual penal aplicar-se-á desde logo, sem prejuízo da validade dos atos realizados
sob a vigência da lei anterior. Logo, em matéria processual, a regra do tempus regit actum,
ou seja, a lei aplica-se imediatamente, não podendo, no entanto, interferir em atos jurídicos
completados e já realizados.
Neste sentido, há a Jurisprudência do STF:
A lei processual possui aplicabilidade imediata, nos termos do Art. 2º do CPP (“Art. 2º A lei
processual penal aplicar-se-á desde logo, sem prejuízo da validade dos atos realizados sob a
vigência da lei anterior”). 2. A Lei 11.689/08 é aplicada aos processos futuros e também aos
processos em curso, ainda que estes tenham como objeto fato criminoso anterior ao início
da vigência da própria Lei 11.689/09 (...). A nova norma processual tem aplicação imediata,
preservando-se os atos praticados ao tempo da lei anterior (tempus regit actum). (Passagem do
julgamento do RHC 115563, de 11/03/2014, DJe-062 27-03-2014).

59. (Cespe – Adaptada) Relativamente à aplicação da lei processual penal no tempo e no espaço é
correto afirmar:
O princípio da extraterritorialidade adotado pelo direito processual penal brasileiro não ofende
a soberania de outros Estados, já que os ordenamentos jurídicos de todas as nações convergem
para o combate às condutas delitivas.

23
Evandro Guedes e Estefânia Rocha
24
Questões Comentadas

Gabarito: Errado.
O processo penal brasileiro adota o princípio da territorialidade absoluta. A EXTRATERRITORIA-
LIDADE é matéria do Direito Penal, conforme o Art.7º, CP.

60. (IBFC – Adaptada) Sobre a aplicação da lei processual penal no tempo e no espaço, analise o item
a seguir.
Aplica-se a lei processual penal brasileira quando o crime é cometido por cidadão brasileiro no
exterior e ali o autor passa a ser processado.
Gabarito: Errado.
Nos termos do Art. 1º do CPP, observa-se que o Brasil adota o princípio da territorialidade da
lei processual penal, ou seja, por este principio o processo é regulado pelas normas do lugar
onde se desenvolve a infração penal. O principio da territorialidade vincula-se à Soberania
Estatal, só podendo ser aplicado nos limites do território em que este pode valer sua vontade.
Em razão de tal principio de obediência a soberania, os atos referentes a processos penais
que sejam realizados no exterior devem obedecer a lei processual penal do país onde devem
ser efetuados, conforme princípio da LEX FORI.
São hipóteses de exceções em que pode prevalecer as leis processuais penais brasileiras:
• Território nulo, ou seja, onde não há soberania de qualquer país;
• Em território estrangeiro, desde que com a autorização do respectivo Estado;
• Em território ocupado em caso de guerra.

61. (IBFC/TJ-PE - Adaptada) Sobre a aplicação da lei processual penal no tempo e no espaço, analise
o item a seguir.
Nos crimes cometidos em embarcações estrangeiras privadas estacionadas em portos brasilei-
ros, aplica-se a lei processual penal de seu país de origem.
Gabarito: Errado.
O Art. 89 do CPP dispõe que: os crimes cometidos em qualquer embarcação nas águas territo-
riais da República, ou nos rios e lagos fronteiriços, bem como a bordo de embarcações nacionais,
em alto-mar, serão processados e julgados pela justiça do primeiro porto brasileiro em que tocar
a embarcação, após o crime, ou, quando se afastar do País, pela do último em que houver tocado.

62. (Cespe – Adaptada) Relativamente à aplicação da lei processual penal no tempo e no espaço é
correto afirmar:
O Código de Processo Penal normatiza o processamento das relações processuais penais em
curso perante todos os juízos e tribunais brasileiros, aplicando-se, em caráter subsidiário, as
normas procedimentais que versem sobre matérias especiais.
Gabarito: Errado.
O CPP não disciplina todos os processos criminais no território nacional, conforme prevê o Art.
1º do CPP, que arrola as exceções, por exemplo, o processo penal militar é regido pelo CPPM. E o
processo penal perante as Cortes Supremas é regido pela Lei nº. 8.038/90. Subsidiariamente se
aplica o CPP nos casos do Art. 1º: o processo penal reger-se-á, em todo o território brasileiro, por
este Código, ressalvados: I - os tratados, as convenções e regras de direito internacional; II - as
prerrogativas constitucionais do Presidente da República, dos ministros de Estado, nos crimes
conexos com os do Presidente da República, e dos ministros do Supremo Tribunal Federal, nos
crimes de responsabilidade (os arts. 86, 89, § 2º, e 100 da CF/88); III - os processos da competên-
cia da Justiça Militar; IV - os processos da competência do tribunal especial (Art. 122 da CF/88);
V - os processos por crimes de imprensa.

63. (Nucepe - Adaptada) Dr. Frederico, juiz da 1ª Vara Criminal de Teresina-PI, após a denúncia do
Ministério Público e toda a sequência de atos processuais que permeiam o processo, julgará o acu-
sado. Quanto à aplicação e eficácia da lei processual no tempo e no espaço, marque a alternativa
CORRETA.
a) O Código de Processo Penal possui validade em todo território brasileiro e, também, no
estrangeiro, desde que o crime tenha sido cometido por brasileiro.
b) A lei processual penal brasileira aplica-se a todas as infrações cometidas em território bra-
sileiro ou em solo estrangeiro.
c) Os tratados e convenções internacionais sobre matéria processual não podem ser aplicadas
no Brasil, em nenhuma hipótese.
d) O processo penal da competência da Justiça Militar não será regulado pelo Código de Pro-
cesso Penal.
e) Aos crimes previstos em leis especiais não se aplica o Código de Processo Penal.
Gabarito: D.
Conforme dispõe o Art. 1º do CPP, o processo penal reger-se-á, em todo o território brasileiro,
por este Código, ressalvados:
I - os tratados, as convenções e regras de direito internacional;
II - as prerrogativas constitucionais do Presidente da República, dos ministros de Estado,
nos crimes conexos com os do Presidente da República, e dos ministros do Supremo Tribunal
Federal, nos crimes de responsabilidade (Constituição, arts. 86, 89, § 2º, e 100);
III - os processos da competência da Justiça Militar;

64. (UFMT) Quanto à eficácia temporal, a lei processual penal


a) aplica-se somente a fatos criminosos ocorridos após a sua vigência.
b) tem aplicação imediata, sem prejuízo da validade dos atos já realizados.
c) vigora desde logo, tendo sempre efeito retroativo.
d) tem aplicação imediata nos processos ainda não instruídos.
e) não tem aplicação imediata, salvo para beneficiar o acusado.
Gabarito: B.
Conforme o Art. 2º do CPP, a lei processual penal APLICAR-SE-Á DESDE LOGO, sem pre-
juízo da validade dos atos realizados sob a vigência da lei anterior. Em regra, LPP aplica-se
desde logo.
Exceção:

25
Evandro Guedes e Estefânia Rocha
26
Questões Comentadas

Norma mista (de efeito material/heterotrófica): Norma Direito Processual Penal + Direito
Penal: prevalece a norma penal benéfica. Exemplo de norma mista: Prisões, liberdade provi-
sória, FIANÇA, Liberdade Condicional. Com efeito, o Art. 5º, XL, da CF estabelece exclusiva-
mente que a lei penal não retroagirá, salvo para beneficiar o acusado, dispositivo que,
portanto, não se estende às normas de caráter processual.
ATENÇÃO:
Prazo em andamento, aplica-se a lei antiga, salvo se a lei nova tiver prazo maior (mais favorável).
O CPP adotou a teoria do isolamento dos atos processuais - cada momento processual deve
ser regulado por sua lei, ou seja, aquela vigente ao tempo em que o ato foi praticado ou deixou
de ser praticado, o que, preservados os postulados constitucionais, fornece segurança e previsi-
bilidade às partes, no processo.

65. (Ibeg – Adaptada) Acerca dos princípios aplicáveis ao direito processual penal e da aplicação da lei
processual no tempo, no espaço, analise a assertiva abaixo:
A lei processual penal tem aplicação imediata, nos termos do Art. 2º do Código de Processo Penal.
O legislador pátrio adotou o princípio do tempus reget actum, não existindo efeito retroativo.
Gabarito: Certo.
Nos termos do Art. 2º, CPP, a lei processual penal aplicar-se-á desde logo, sem prejuízo da vali-
dade dos atos realizados sob a vigência da lei anterior. Tempus regit actum: o tempo rege ato,
logo de efeito ex nunc.

66. (Faurgs – Adaptada) A lei processual penal mais nova aplica-se retroativamente, determinando a ne-
cessidade de repetição de todos os atos instrutórios já realizados sob a vigência da legislação revogada.
Gabarito: Errado.
Nos termos do Art. 2º do CPP, a lei processual penal aplicar-se-á desde logo, sem prejuízo da
validade dos atos realizados sob a vigência da lei anterior. A aplicação imediata da lei processual
leva em consideração o momento da prática do ato processual vigora o princípio do tempus
regit actum.

67. (Ibeg – Adaptada) Acerca dos princípios aplicáveis ao direito processual penal e da aplicação da lei
processual no tempo, no espaço, analise a assertiva abaixo:
A lei processual penal não admitirá interpretação extensiva e aplicação analógica, mas admitirá
o suplemento dos princípios gerais do direito.
Gabarito: Errado.
A lei processual penal admitirá interpretação extensiva e aplicação analógica, bem como o su-
plemento dos princípios gerais de direito, vide Art. 3º do CPP.

68. (FCC) A lei processual penal,


a) não admite aplicação analógica, salvo para beneficiar o réu.
b) não admite aplicação analógica, mas admite interpretação extensiva.
c) somente pode ser aplicada a processos iniciados sob sua vigência.
d) admite o suplemento dos princípios gerais de direito.
e) admite interpretação extensiva, mas não o suplemento dos princípios gerais de direito.
ATENÇÃO:
Lei Processual Penal:
• Aplica-se desde logo;
• Tem aplicação imediata;
• Não retroage (exceto normas mistas);
• Admite Interpretação Extensiva;
• Admite suplemento dos princípios gerais de direito;
• Em regra, não possui extraterritorialidade.

Inquérito Policial - Noções Gerais


69. (Cespe) Concluída a perícia do local do crime, o delegado deve restituir ao respectivo proprietário os
instrumentos do crime e os demais objetos apreendidos.
Gabarito: Errado.
A questão trata dos procedimentos que a autoridade policial deverá realizar conforme o Art. 6º
do CPP. A autoridade policial, no caso o delegado de polícia, deverá apreender os objetos que
tiverem relação com o fato, após liberados pelos peritos criminais (Art. 6, II – CPP), e não restituir
ao respectivo proprietário como afirma a questão.

70. (Cespe) O reconhecimento de pessoas no âmbito do inquérito policial poderá ser feito pessoal-
mente, com a apresentação do suspeito, ou por meio de fotografias, com idêntico valor probante,
conforme disciplinado no Código de Processo Penal.
Gabarito: Errado.
O reconhecimento de pessoas pode ser feito pessoalmente ou por meio de fotografia. No en-
tanto, o reconhecimento por fotografia deve seguir as cautelas necessárias, uma vez que a foto-
grafia pode ser antiga, a coisa ou pessoa poderão estar em um estado totalmente diferente, ou
ainda o crime e a fotografia podem ser de épocas distintas, com longo lapso temporal entre uma
e outra. Além disso, é importante ressaltar que o CPP não traz a previsão quanto ao reconheci-
mento por meio de fotografias como afirma a questão, sendo essa modalidade reconhecida no
instituto do princípio da liberdade probatória.

71. (Cespe) Acerca da aplicabilidade da lei processual penal no tempo e no espaço e dos princípios
que regem o inquérito policial, julgue o item a seguir: Por força de mandamento constitucional, o
exercício do contraditório deve ser garantido ainda no curso do inquérito policial, não obstante a sua
natureza administrativa e pré-processual.
Gabarito: Errado.
Devido à natureza inquisitorial do inquérito policial, esse não observa o contraditório nem a
ampla defesa. Essas garantias, por sua vez, somente são obrigatórias durante a ação penal. Na
fase de inquérito, não há que se falar em acusados nem litigantes, mas apenas de investigados,
o que demonstra que não há necessidade de contraditório ou ampla defesa.

27
Evandro Guedes e Estefânia Rocha
28
Questões Comentadas

72. (Cespe) O IP, um procedimento administrativo preparatório que tem por finalidade apurar os indí-
cios de autoria e materialidade, é indispensável para o início da ação penal pelo Ministério Público.
Gabarito: Errado.
De fato, o inquérito policial (IP) tem a finalidade de apurar indícios suficientes de autoria e de
materialidade, a fim de fornecer ao titular da ação penal (Ministério Público) elementos de con-
vicção para formação da opinio delicti. No entanto, conforme o Art. 12 do CPP, se o próprio
acusador tiver provas suficientes e idôneas de autoria e de materialidade, e que consigam sus-
tentar essa acusação, ele poderá dispensar o IP, e a acusação terá validade. Portanto, o IP tem a
característica de dispensabilidade.

73. (Cespe) Em razão do interesse da sociedade pelo esclarecimento dos fatos criminosos, as investiga-
ções policiais são sempre públicas.
Gabarito: Errado.
Uma das características do inquérito policial é justamente o sigilo. Convém observar que a ques-
tão está em sentido contrário ao que diz o Art. 20 do CPP: A autoridade assegurará no inquérito
o sigilo necessário à elucidação do fato ou exigido pelo interesse da sociedade. Contudo, esse
sigilo não é absoluto: Há diligências que devem ser sigilosas, sob o risco do comprometimento
do seu bom sucesso. Mas, se o sigilo é aí necessário à apuração e à atividade instrutória, a for-
malização documental de seu resultado já não pode ser subtraída ao indiciado nem ao defensor,
porque, é óbvio, cessou a causa mesma do sigilo. (STF, HC 88.190/RJ, 2ª Turma, Rel. Min. Cezar
Peluso, em 29/08/2006). Nesse sentido, o STF aprovou a Súmula Vinculante nº 14, segundo a
qual: É direito do defensor, no interesse do representado, ter acesso amplo aos elementos de
prova que, já documentados em procedimento investigatório realizado por órgão com compe-
tência de polícia judiciária, digam respeito ao exercício do direito de defesa.

74. (Cespe) Por ser o IP um procedimento extrajudicial, anterior ao início da ação penal, não há previsão
legal de se observarem os princípios do contraditório e da ampla defesa nessa fase investigativa.
Gabarito: Certo.
O inquérito policial é um procedimento administrativo, preliminar (pré-processual), inquisiti-
vo, presidido por uma única autoridade, qual seja, o delegado de polícia (Art. 2º, §1º, Lei nº
12.830/13), que é um agente público subordinado ao Chefe do Poder Executivo do ente a ele
vinculado (por isso é um procedimento administrativo; ademais, o Poder Executivo não faz atos
judiciais). Aqui não há contraditório e ampla defesa, visto que não há partes ainda nesse mo-
mento (pré-processual), há somente a figura da autoridade policial, a qual efetua as investiga-
ções preliminares a fim de buscar indícios do possível autor e da materialidade do crime. O IP
possui caráter informativo e o seu destinatário é o titular da ação penal (normalmente o MP),
que o utilizará para formar a opinio delicti. Contudo, se a justa causa provier de outra forma,
poderá ele dispensar o IP (é meramente administrativo e pré-processual). O contraditório e a
ampla defesa são princípios constitucionais garantidos aos processos em geral (processo ≠ pro-
cedimento). É importante notar que já afirmamos muitas vezes que o IP é um procedimento,
portanto o estudante não deve confundir os conceitos. Assim, é assegurado no Art. 5º, LV, CF/88:
aos litigantes, em processo judicial ou administrativo, e aos acusados em geral são assegurados
o contraditório e ampla defesa, com os meios e recursos a ela inerentes.
75. (Cespe) O relatório de IP que concluir pela ausência de justa causa para o prosseguimento das
investigações deverá ser arquivado pelo delegado.
Gabarito: Errado.
Independentemente do que for concluído ao final do IP, o delegado nunca poderá arquivar o
inquérito policial. Art. 17, CPP: A autoridade policial não poderá mandar arquivar autos de in-
quérito.

76. (Cespe) O acesso aos autos do inquérito policial por advogado do indiciado se estende, sem restri-
ção, a todos os documentos da investigação.
Gabarito: Errado.
Sem restrição!? Novamente a banca está omitindo uma das características do inquérito policial,
o sigilo! Percebe-se que as palavras de restrição absoluta normalmente tornam as questões
incorretas. Em sentido contrário, o Art. 20 do CPP afirma: A autoridade assegurará no inquérito
o sigilo necessário à elucidação do fato ou exigido pelo interesse da sociedade. Contudo, esse
sigilo não é absoluto: Há diligências que devem ser sigilosas, sob o risco do comprometimento
do seu bom sucesso. Mas, se o sigilo é aí necessário à apuração e à atividade instrutória, a for-
malização documental de seu resultado já não pode ser subtraída ao indiciado nem ao defensor,
porque, é óbvio, cessou a causa mesma do sigilo. (STF, HC 88.190/RJ, 2ª Turma, Rel. Min. Cezar
Peluso, em 29/08/2006). Nesse sentido, o STF aprovou a Súmula Vinculante nº 14, segundo a
qual: É direito do defensor, no interesse do representado, ter acesso amplo aos elementos de
prova que, já documentados em procedimento investigatório realizado por órgão com compe-
tência de polícia judiciária, digam respeito ao exercício do direito de defesa. O advogado do
investigado poderá ter acesso aos elementos de prova que digam respeito a seu cliente, contudo
somente os já documentados.

77. (Cespe) Em consonância com o dispositivo constitucional que trata da vedação ao anonimato, é ve-
dada a instauração de inquérito policial com base unicamente em denúncia anônima, salvo quando
constituírem, elas próprias, o corpo de delito.
Gabarito: Certo.
De fato, a Constituição Federal garantiu a liberdade de manifestação do pensamento, vedan-
do-se o anonimato. Contudo, atualmente, os altos índices de violência e criminalidade causam
temor à população. Esta, por represálias da marginalidade, não denúncia os delitos, o que acaba
possibilitando a impunidade de seus autores. Dessa forma, entra em cena a delação apócrifa
ou notitia criminis inqualificada (denúncia anônima). Está hoje pacificado o entendimento nos
Tribunais Superiores de que será possível iniciar inquérito policial com denúncia anônima, desde
que exista verificação de procedência das informações (Art. 5º, §3º, CPP) que atestem a veros-
similhança dos fatos noticiados ou que constitua corpo de delito. Assim, é o sentido do STF, no
Informativo nº 565: As autoridades públicas não podem iniciar qualquer medida de persecução
(penal ou disciplinar), apoiando-se, unicamente, para tal fim, em peças apócrifas ou em escritos
anônimos. É por essa razão que o escrito anônimo não autoriza, desde que isoladamente consi-
derado, a imediata instauração de ‘persecutio criminis’. Peças apócrifas não podem ser formal-
mente incorporadas a procedimentos instaurados pelo Estado, salvo quando forem produzidas
pelo acusado ou, ainda, quando constituírem, elas próprias, o corpo de delito (como sucede com
bilhetes de resgate no crime de extorsão mediante sequestro, ou como ocorre com cartas que

29
Evandro Guedes e Estefânia Rocha
30
Questões Comentadas

evidenciem a prática de crimes contra a honra, ou que corporifiquem o delito de ameaça ou que
materializem o ‘crimen falsi’ – crimes de falsidade) (STF, HC 100.042-MC/RO, 2ª Turma, Rel. Min.
Celso de Mello, em 27/10/2009).

78. (Cespe) O arquivamento de inquérito policial mediante promoção do MP por ausência de provas
impede a reabertura das investigações: a decisão que homologa o arquivamento faz coisa julgada
material.
Gabarito: Errado.
Pela literalidade da lei, a questão já está incorreta. Vejamos o Art. 18 do CPP: Depois de ordena-
do o arquivamento do inquérito pela autoridade judiciária, por falta de base para a denúncia, a
autoridade policial poderá proceder a novas pesquisas, se de outras provas tiver notícia. Além
disso, pela doutrina, o arquivamento de inquérito policial faz em regra coisa julgada formal; po-
rém, de uma forma resumida para os nossos estudos, o sentido do STJ é de que quando houver
o mérito para o seu arquivamento, ele fará coisa julgada material, excetuando apenas quando
houver falta probatória, que, por sua vez, possibilitará o desarquivamento quando existirem
novas provas (pelas mesmas provas não poderá). Informativo nº 554, STJ: (...) A decisão judicial
que define o mérito do caso penal, mesmo no arquivamento do inquérito policial, gera efeitos de
coisa julgada material. Ademais, a decisão judicial que examina o mérito e reconhece a atipia ou
a excludente da ilicitude é prolatada somente em caso de convencimento com grau de certeza
jurídica pelo magistrado. Assim, na dúvida se o fato deu-se em legítima defesa, a previsão legal
de presença de suporte probatório de autoria e materialidade exigiria o desenvolvimento da
persecução criminal. Ressalte-se que a permissão de desarquivamento do inquérito pelo surgi-
mento de novas provas, contida no Art. 18 do CPP e na Súmula nº 524/STF, somente tem incidên-
cia quando o fundamento do arquivamento for a insuficiência probatória - indícios de autoria e
prova do crime. Pensar o contrário permitiria a reabertura de inquéritos por revaloração jurídica
e afastaria a segurança jurídica das soluções judiciais de mérito, como no reconhecimento da
extinção da punibilidade, da atipia ou de excludentes da ilicitude. (STJ, REsp 791.471/RJ, Rel.
Min. Nefi Cordeiro, 18/02/2015). Ressalva-se que já é pacificado entre os Tribunais Superiores o
entendimento de que a falsidade documental que tenha possibilitado a extinção da punibilidade
(tanto para a ação penal quanto para o arquivamento do inquérito policial) não é meio legal pro-
batório para fazer coisa julgada material. Por exemplo, em caso de certidão de óbito falsa do réu
ou qualquer outra fraude que induziu a Justiça Criminal em erro, poderá ser reaberto o processo
bem como o desarquivamento do IP.

79. (Cespe) São de natureza jurídica, essenciais e exclusivas de Estado as funções de polícia judiciária e
a apuração de infrações penais pelo delegado de polícia.
Gabarito: Certo.
Cópia literal do Art. 2º da Lei nº 12.830/13: As funções de polícia judiciária e a apuração de infra-
ções penais exercidas pelo delegado de polícia são de natureza jurídica, essenciais e exclusivas
de Estado.

80. (Cespe) A decisão final sobre a realização ou não de diligencias no âmbito do inquérito policial
pertence exclusivamente ao delegado de polícia que preside os autos.
Gabarito: Errado.
Mais uma questão de restrição absoluta! Questões que dão sentido de restrição absoluta nor-
malmente estão erradas! O Art. 13, caput, c/c inciso II, do CPP, a contrario sensu, determina que
o delegado de polícia estará obrigado a cumprir as diligências solicitadas pelo MP ou Juiz:
Art. 13 - Incumbirá ainda à autoridade policial:
II - realizar as diligências requisitadas pelo juiz ou pelo Ministério Público. Ademais,
há, no mínimo, outros três artigos que excetuam a autoridade máxima do delegado
sobre as diligências do IP. Vejamos:
1ª) Exigência do MP: Art. 16 - O Ministério Público não poderá requerer a devolução do inqué-
rito à autoridade policial, senão para novas diligências, imprescindíveis ao oferecimento da
denúncia;
2ª) Exigência do Juiz: Art. 156 - A prova da alegação incumbirá a quem a fizer, sendo, porém,
facultado ao juiz de ofício: I – ordenar, mesmo antes de iniciada a ação penal, a produção
antecipada de provas consideradas urgentes e relevantes, observando a necessidade, ade-
quação e proporcionalidade da medida;
3ª) Prova técnica em infrações que deixam vestígios: Art. 6º - Logo que tiver conhecimento da
prática da infração penal, a autoridade policial deverá: (...) VII - determinar, se for caso, que se
proceda a exame de corpo de delito e a quaisquer outras perícias.
A questão tentou confundir no candidato acerca do Art. 14, CPP: O ofendido, ou seu repre-
sentante legal, e o indiciado poderão requerer qualquer diligência, que será realizada, ou não,
a juízo da autoridade, que trata de faculdade do delegado de polícia, mas já vimos diversos
casos em que ele estará obrigado a cumprir. Para complemento do estudo, vejamos outros
artigos acerca do tema:
Art. 158 - Quando a infração deixar vestígios, será indispensável o exame de corpo de delito,
direto ou indireto, não podendo supri-lo a confissão do acusado; (II) Art. 168 - Em caso de
lesões corporais, se o primeiro exame pericial tiver sido incompleto, proceder-se-á a exame
complementar por determinação da autoridade policial ou judiciária, de ofício, ou a requeri-
mento do Ministério Público, do ofendido ou do acusado, ou de seu defensor;
Art. 184 - Salvo o caso de exame de corpo de delito, o juiz ou a autoridade policial negará a pe-
rícia requerida pelas partes, quando não for necessária ao esclarecimento da verdade. Ademais,
a Lei nº 12.830/2013 nada diz acerca de diligências, basta abrir pelo seu navegador de internet e
dar um Ctrl+F e escrever diligência.

81. (Cespe) A investigação de crimes é atividade exclusiva das polícias civil e federal.
Gabarito: Errado.
O sistema de persecução processual penal adotado no Brasil é o acusatório, cuja principal caracte-
rística é a separação das funções de julgar, acusar e defender. Dessa forma, o ordenamento pátrio
estabeleceu como função privativa do Ministério Público a promoção da ação penal pública (Art.
129, I, CF/88). Portanto, seria conflitante se a justa causa (lastro probatório mínimo para iniciar a
ação penal) fosse adstrita a outro órgão que não o acusador. Portanto, a investigação de crimes
não é exclusiva das polícias (os inquéritos policiais, sim!). Nesse sentido, o Art. 4º (CPP), que trata
do inquérito policial, em seu parágrafo único, excetua tal exclusividade: A competência definida
neste artigo não excluirá a de autoridades administrativas, a quem por lei seja cometida a mesma

31
Evandro Guedes e Estefânia Rocha
32
Questões Comentadas

função. Ao fundamentar a opinio delicti para a promoção da ação penal, a justa causa poderá advir
de outros órgãos/meios, não limitando apenas para o inquérito policial, poderão ocorrer outras
formas, e por outros órgãos, de investigação preliminar, tais como: (a) Inquéritos parlamentares;
(b) Inquéritos militares; (c) Inquéritos civis; (d) Inquéritos judiciais; (e) Inquéritos por crimes pra-
ticados por magistrados ou promotores; (f) Investigações envolvendo autoridades que gozam de
foro por prerrogativa de função; (g) Investigações particulares; (h) Investigações a cargo do MP; (i)
Investigações pelos demais órgãos públicos. Corroborando, o Art. 39, §5º, CPP, afirma que: O órgão
do Ministério Público dispensará o inquérito, se com a representação forem oferecidos elementos
que o habilitem a promover a ação penal (...); Súmula nº 234, STJ: A participação de membro do
Ministério Público na fase investigatória criminal não acarreta o seu impedimento ou suspeição
para o oferecimento da denúncia. Ademais, a Lei nº 12.830/2013 nada diz acerca de Polícias Civis e
Federais, mas sim apenas sobre a investigação criminal conduzida pelo delegado de polícia, ou seja,
não é privativa dele e fala em lato sensu sobre os delegados.

82. (Cespe) Não cabe recurso administrativo aos escalões superiores do órgão policial contra decisão
de delegado que nega a abertura de inquérito policial, mas o interessado pode recorrer ao Ministério
Público.
Gabarito: Errado.
As peças inaugurais dos inquéritos policiais poderão ser:
a) Portaria (instaurada ex officio): ação penal pública incondicionada;
b) Auto de prisão em flagrante: qualquer tipo de infração penal;
c) Requisição do MP ou da Autoridade Judiciária: ação penal pública incondicionada e condi-
cionada quando acompanhada da representação;
d) Representação do ofendido (ou representante) e requerimento do Ministro da Justiça:
ação penal pública condicionada;
e) Requerimento do ofendido (ou representante): ação penal privada e ação penal pública
incondicionada.
Nos crimes de ação penal pública incondicionada, o delegado tem obrigação de investigá-los,
além das requisitadas pelo MP ou pela Autoridade Judiciária. O Requerimento do Ministro da
Justiça (AP Condicionada) é enviado ao PGR, o qual decidirá se requisita investigação ou se
requere arquivamento. Portanto, somente nas ações penais privadas e nas ações penais pú-
blicas condicionadas (exceto aquelas do Min. da Justiça), poderá o delegado ter a faculdade
de não iniciar o IP. Contudo, caberá recurso administrativo ao Chefe de Polícia, conforme o
Art. 5º, §2º, CPP: Do despacho que indeferir o requerimento de abertura de inquérito caberá
recurso para o chefe de Polícia.

83. (Cespe) Representantes de órgãos e entidades da Administração Pública direta ou indireta não
podem promover investigação de crime: deverão ser auxiliados pela autoridade policial quando
constatarem ilícito penal no exercício de suas funções.
Gabarito: Errado.
O sistema de persecução processual penal adotado no Brasil é o acusatório, cuja principal
característica é a separação das funções de julgar, acusar e defender, dessa forma, o or-
denamento pátrio estabeleceu como função privativa do Ministério Público a promoção da
ação penal pública (Art. 129, I, CF/88). Portanto, seria conflitante se a justa causa (lastro
probatório mínimo para iniciar a ação penal) fosse adstrita a outro órgão que não o acusador,
portanto, a investigação de crimes não é exclusiva das polícias (os inquéritos policiais sim!).
Nesse sentido, o Art. 4º (CPP), que trata do inquérito policial, em seu parágrafo único excetua
tal exclusividade:
Art. 4º, Parágrafo único: A competência definida neste artigo não excluirá a de autoridades
administrativas, a quem por lei seja cometida a mesma função.
Ao fundamentar a opinio delicti para a promoção da ação penal, a justa causa poderá ad-
vir de outros órgãos/meios, não limitando apenas para o inquérito policial, poderão ocorrer
outras formas, e por outros órgãos, de investigação preliminar, tais como: (a) Inquéritos par-
lamentares; (b) Inquéritos militares; (c) Inquéritos civis; (d) Inquéritos judiciais; (e) Inqué-
ritos por crimes praticados por magistrados ou promotores; (f) Investigações envolvendo
autoridades que gozam de foro por prerrogativa de função; (g) Investigações particulares;
(h) Investigações a cargo do MP; (i) Investigações pelos demais órgãos públicos. Além disso,
quando houver um PAD (processo administrativo disciplinar) e for constatado um crime,
então o processo deverá ser encaminhado ao MP para promover a ação penal.
(Art. 171, Lei nº 8.112/90: Quando a infração estiver capitulada como crime, o processo disci-
plinar será remetido ao Ministério Público para instauração da ação penal, ficando trasladado
na repartição).
Nesse mesmo sentido, corrobora a Súmula nº 234, STJ: A participação de membro do Ministério
Público na fase investigatória criminal não acarreta o seu impedimento ou suspeição para o ofe-
recimento da denúncia.

84. (Cespe) Estando o indiciado preso, o inquérito policial deverá ser concluído, impreterivelmente, em
dez dias, independentemente da complexidade da investigação e das evidências colhidas.
Gabarito: Errado.
Mais uma vez, tem-se a restrição absoluta! De fato, o Código Processual Penal determina as
regras gerais dos prazos de conclusão do inquérito policial para a Justiça Comum (Art. 10, CPP).
Se o indiciado estiver preso é de 10 dias (sem prorrogação); se solto, 30 dias (prorrogável, sem
mencionar limite de vezes). Entretanto tais prazos comportam exceções, quais sejam:
1) Lei de Drogas: Preso: 30 dias (+30) – Solto: 90 dias (+90);
2) Justiça Federal: Preso: 15 dias (+15) – Solto: 30 dias;
3) Crimes Militares: Preso: 20 dias – Solto: 40 dias (+20).

85. (Cespe) O delegado determinará o arquivamento do inquérito policial quando não houver colhido
elementos de prova suficientes para imputar a alguém a autoria do delito.
Gabarito: Errado.
O delegado nunca poderá ordenar o arquivamento do inquérito policial, conforme o Art. 17, CPP:
A autoridade policial não poderá mandar arquivar autos de inquérito.

86. (Cespe) Tratando-se de crimes de ação penal pública, o inquérito policial será iniciado de ofício
pelo delegado, por requisição do Ministério Público ou por requerimento do ofendido ou de quem
o represente.

33
Evandro Guedes e Estefânia Rocha
34
Questões Comentadas

Gabarito: Certo.
Cópia do texto do CPP:
Art. 5º - Nos crimes de ação pública o inquérito policial será iniciado:
I - de ofício.
II - mediante requisição da autoridade judiciária ou do Ministério Público, ou a requeri-
mento do ofendido ou de quem tiver qualidade para representá-lo.

87. (Cespe) Membro do Ministério Público ordenará o arquivamento do inquérito policial se verificar que
o fato investigado é atípico.
Gabarito: Errado.
É preciso lembrar que quem manda no Processo Penal é o Juiz! Nem o delegado, nem o MP
ordenam o arquivamento do IP! Portanto, o erro da questão está no verbo ORDENARÁ. O
delegado executa o IP, o MP é o destinatário e optará em oferecer a denúncia ou requerer o
arquivamento, e o Juiz é quem ordena ou não o arquivamento. A resposta para a questão
está nos Arts. 18, 28 e 17, todos do CPP:
Art. 18 - Depois de ORDENADO o arquivamento do inquérito PELA AUTORIDADE JUDICIÁRIA,
por falta de base para a denúncia, a autoridade policial poderá proceder a novas pesquisas,
se de outras provas tiver notícia.
Art. 28 - Se o órgão do Ministério Público, ao invés de apresentar a denúncia, REQUERER o
arquivamento do inquérito policial ou de quaisquer peças de informação, o juiz, no caso de con-
siderar improcedentes as razões invocadas, fará remessa do inquérito ou peças de informação
ao procurador-geral, e este oferecerá a denúncia, designará outro órgão do Ministério Público
para oferecê-la, ou insistirá no pedido de arquivamento, ao qual só então estará o juiz obrigado
a atender; Art. 17 - A autoridade policial NÃO PODERÁ MANDAR arquivar autos de inquérito.

88. (Cespe) Cabe à autoridade policial ordenar o arquivamento quando a requisição de instauração
recebida não fornecer o mínimo indispensável para se proceder à investigação.
Gabarito: Errado.
Ordenar arquivamento de inquérito!? Novamente! Quem manda no Processo Penal é o Juiz!
Delegado e MP não ordenam arquivamento! O delegado executa o IP, o MP é o destinatário e
optará em oferecer a denúncia ou requerer o arquivamento, e o Juiz é quem ordena ou não o
arquivamento. A resposta para a questão está nos Arts. 18, 28 e 17, todos do CPP:
Art. 18 - Depois de ORDENADO o arquivamento do inquérito PELA AUTORIDADE JUDICIÁRIA,
por falta de base para a denúncia, a autoridade policial poderá proceder a novas pesquisas,
se de outras provas tiver notícia.
Art. 28 - Se o órgão do Ministério Público, ao invés de apresentar a denúncia, REQUERER o
arquivamento do inquérito policial ou de quaisquer peças de informação, o juiz, no caso de
considerar improcedentes as razões invocadas, fará remessa do inquérito ou peças de infor-
mação ao procurador-geral, e este oferecerá a denúncia, designará outro órgão do Ministério
Público para oferecê-la, ou insistirá no pedido de arquivamento, ao qual só então estará o juiz
obrigado a atender.
Art. 17 - A autoridade policial NÃO PODERÁ MANDAR arquivar autos de inquérito.
89. (Cespe) Sendo o crime de ação penal privada, o arquivamento do inquérito policial depende de
decisão do juiz, após pedido do Ministério Público.
Gabarito: Errado.
Nas ações penais privadas, não há que se falar em arquivamento do inquérito policial! Assim
que a autoridade policial terminar o IP, enviará os autos para o Juiz, o qual aguardará um
pronunciamento da vítima, por meio de seu advogado, os quais estarão disponíveis em car-
tório, a fim de que possa oferecer a queixa-crime, podendo ser entregues por translado ao
requerente, conforme o Art. 19, CPP: Nos crimes em que não couber ação pública, os autos do
inquérito serão remetidos ao juízo competente, onde aguardarão a iniciativa do ofendido ou
de seu representante legal, ou serão entregues ao requerente, se o pedir, mediante traslado.
Dessa forma, o ofendido deverá acompanhar os prazos para conclusão do IP e, caso não se
pronuncie dentro de 6 meses (contados a partir da data da infração), ocorrerá a decadência
da ação (Art. 103, Código Penal). Poderá, entretanto, em situações delongadas, oferecer a
queixa-crime sem o IP para que não ocorra a decadência, solicitando ao Juiz para que inclua
o IP no processo assim que estiver concluso. Como foi dito anteriormente, não há que se falar
em arquivamento nas ações penais privadas, basta que a vítima se mantenha inerte. Caso
requeira o arquivamento do IP, na verdade, estará renunciando ao direito de ação. Tanto a
decadência quanto a renúncia são causas de extinção da punibilidade, de acordo com o Art.
107, incisos IV e V, do Código Penal:
IV - pela prescrição, decadência ou perempção.
V - pela renúncia do direito de queixa ou pelo perdão aceito, nos crimes de ação privada.

90. (Cespe) O inquérito pode ser arquivado pela autoridade policial se ela verificar ter havido a extinção
da punibilidade do indiciado.
Gabarito: Errado.
Ordenar arquivamento de inquérito!? Novamente! Quem manda no Processo Penal é o Juiz!
Delegado e MP não ordenam arquivamento! O delegado executa o IP, o MP é o destinatário e
optará em aceitar ou requerer o arquivamento, e o Juiz é quem ordena ou não o arquivamen-
to. A resposta para a questão está nos Arts. 18, 28 e 17, todos do CPP:
Art. 18 - Depois de ORDENADO o arquivamento do inquérito PELA AUTORIDADE JUDICIÁRIA,
por falta de base para a denúncia, a autoridade policial poderá proceder a novas pesquisas,
se de outras provas tiver notícia; Art. 28 - Se o órgão do Ministério Público, ao invés de apre-
sentar a denúncia, REQUERER o arquivamento do inquérito policial ou de quaisquer peças de
informação, o juiz, no caso de considerar improcedentes as razões invocadas, fará remessa do
inquérito ou peças de informação ao procurador-geral, e este oferecerá a denúncia, designará
outro órgão do Ministério Público para oferecê-la, ou insistirá no pedido de arquivamento, ao
qual só então estará o juiz obrigado a atender;
Art. 17 - A autoridade policial NÃO PODERÁ MANDAR arquivar autos de inquérito.

91. (Cespe) Sendo o arquivamento ordenado em razão da ausência de elementos para basear a denún-
cia, a autoridade policial poderá empreender novas investigações se receber notícia de novas provas.
Gabarito: Certo.

35
Evandro Guedes e Estefânia Rocha
36
Questões Comentadas

A assertiva está de acordo com o previsto no Art. 18 do CPP: Depois de ordenado o arquivamento
do inquérito pela autoridade judiciária por falta de base para a denúncia, a autoridade policial
poderá proceder a novas pesquisas, se de outras provas tiver notícia.

92. (Cespe) Ao receber uma denúncia anônima por telefone, a autoridade policial realizou diligências
investigatórias prévias à instauração do inquérito policial com a finalidade de obter elementos que
confirmassem a veracidade da informação. Confirmados os indícios da ocorrência de crime de ex-
torsão, o inquérito foi instaurado, tendo o delegado requerido à companhia telefônica o envio de
lista com o registro de ligações telefônicas efetuadas pelo suspeito para a vítima. Prosseguindo na
investigação, o delegado, sem autorização judicial, determinou a instalação de grampo telefônico no
telefone do suspeito, o que revelou, sem nenhuma dúvida, a materialidade e a autoria delitivas. O
inquérito foi relatado, com o indiciamento do suspeito, e enviado ao MP.
Nessa situação hipotética, considerando as normas relativas à investigação criminal, são nulos
os atos de investigação realizados antes da instauração do inquérito policial, pois violam o prin-
cípio da publicidade do procedimento investigatório, bem como a obrigação de documentação
dos atos policiais.
Gabarito: Errado.
Nesse caso, não há violação do princípio da publicidade, uma vez que o inquérito policial é
um procedimento sigiloso, não sendo assim regido pelo princípio da publicidade. Dessa forma,
em relação ao posicionamento majoritário atual, as denúncias anônimas não podem justificar
a imediata instauração de inquérito policial, porém devem ensejar diligências informais para a
confirmação da veracidade das informações. Diante disso, não há qualquer nulidade nos atos de
investigação realizados antes da instauração do inquérito policial.

93. (Cespe) O empresário Dimas, cuja empresa está sediada em Petrolina – PE, investigado por
crimes contra a ordem tributária e econômica em inquérito instaurado em Caruaru – PE, obteve
notícia de que sofreria ação de busca e apreensão na empresa e, minutos antes da chegada da
autoridade policial, retirou os documentos e valores, objetos da busca, e os levou para a casa
de familiares na cidade de Juazeiro – BA. Os agentes federais, após realizarem a busca na sede
da empresa, sem êxito, ouviram os empregados, em rápida diligência, e obtiveram informações
acerca do paradeiro do investigado e dos objetos da busca e imediatamente se dirigiram a
Juazeiro – BA, onde encontraram o investigado na casa de familiares, juntamente com dois
sobrinhos — uma menina de onze anos de idade e um adolescente de treze anos de idade.
Após exibirem o mandado judicial direcionado ao endereço da empresa, o investigado ofereceu
oposição ao cumprimento da ordem judicial, sob o pretexto de esta não autorizar a busca no
local, mantendo-se, assim, resistente ao cumprimento da ordem. Após todas as tentativas, sem
sucesso, de fazer que Dimas abrisse a porta, os agentes a arrombaram. Após diligência nesse
novo local, os agentes nada encontraram, contudo, desconfiaram da postura dos sobrinhos
do investigado e decidiram fazer busca pessoal nos menores, tendo a agente executora en-
contrado os documentos presos com fita adesiva aos corpos dos jovens, que confessaram ter
escondido os documentos por ordem e coação do tio. Ato contínuo, foram todos encaminhados
para a delegacia local, a fim de que fossem tomadas as devidas providências, em especial a
responsabilização do investigado pelos atos praticados.
As regras expressas do CPP chancelam o procedimento adotado pela Polícia Federal e enten-
de-se que, pelo critério da proporcionalidade, os eventuais vícios ocorridos na diligência, pelos
meios utilizados, não contaminam o objeto da prova.
Gabarito: Certo.
Façamos uma analogia: ora, se o inquérito policial é dispensável à propositura da ação penal,
eventuais vícios que possam ocorrer na diligência também serão dispensáveis, podendo ser re-
tirados do inquérito policial, não contaminando, portanto, o objeto da prova.

94. (Cespe) Conforme Súmula vinculante do STF, o defensor tem direito, no interesse do representado,
de ter acesso amplo aos elementos de prova, os quais, já documentados em procedimento investi-
gatório realizado por órgão com competência de polícia judiciária, refiram-se ao exercício do direito
de defesa, inclusive com obtenção de cópia dos autos do inquérito policial, ainda que este tramite
sob sigilo.
Gabarito: Errado.
Essa questão é capciosa e traz um erro no final ao citar ainda que este tramite sob sigilo. De
acordo com a Súmula Vinculante nº 14: É direito do defensor, no interesse do representado, ter
acesso amplo aos elementos de prova que, já documentados em procedimento investigatório
realizado por órgão com competência de polícia judiciária, digam respeito ao exercício do direito
de defesa. Então, não há o que se falar em tramitação em sigilo.

95. (Cespe) A notícia anônima sobre eventual prática criminosa, por si só, é idônea para a instauração
de inquérito policial ou a deflagração de ação penal.
Gabarito: Errado.
Segundo o STJ, a notícia anônima sobre eventual prática criminosa, por si só, não é idônea para
a instauração de inquérito policial ou deflagração da ação penal.

96. (Cespe) A incomunicabilidade do indiciado somente será permitida quando o interesse da socieda-
de ou a conveniência da investigação o exigir.
Gabarito: Errado.
De fato, o Código de Processo Penal, no Art. 21, prevê a incomunicabilidade do indiciado, no en-
tanto, esse artigo não foi recepcionado pela Constituição Federal de 1988. A doutrina majoritá-
ria, adotada nas últimas provas da banca CESPE, defende que: se, nem mesmo durante o estado
de defesa, a incomunicabilidade não é admitida, então esse instituto torna-se incompatível e,
portanto, não aplicado. Vale ressaltar que se aplica esse entendimento também ao RDD - Regi-
me Diferenciado Disciplinar.

97. (Cespe) O arquivamento do inquérito policial embasado no princípio da insignificância faz


coisa julgada material, o que impede seu desarquivamento diante do surgimento de novas
provas.
Gabarito: Certo.
Quando esse princípio é aceito e aplicado, a tipicidade do crime é afastada, logo se torna um
fato atípico. Consequentemente, essa atipicidade faz coisa julgada material. Assim, o STF tem
consolidado em seus julgados que: quando, por atipicidade do fato, e por tornar-se coisa julgada

37
Evandro Guedes e Estefânia Rocha
38
Questões Comentadas

material, o desarquivamento desse inquérito policial não será possível. O informativo do STF
367 - 3ª turma afirma: Não é possível a reabertura de inquérito policial quando este houver sido
arquivado a pedido do Ministério Público e mediante decisão judicial, com apoio na extinção da
punibilidade do indiciado ou na atipicidade penal da conduta a ele imputada, casos em que se
opera a coisa julgada material.

98. (Cespe) A autoridade policial foi informada da descoberta de um cadáver, com perfurações por
toda a região abdominal, às margens de uma rodovia. Próximo ao local, havia também uma faca
com marcas de sangue e garrafas de bebida alcoólica. Em face dessa situação, e considerando-se o
disposto no CPP, a autoridade policial deverá pedir autorização judicial para abertura do inqué-
rito policial.
Gabarito: Errado.
Não há necessidade de autorização judicial para abertura do inquérito policial, uma vez que esse é
um procedimento administrativo, informativo, prévio e preparatório da Ação Penal, o qual tem como
finalidade averiguar a materialidade e indícios de autoria de um crime. Sendo assim, possui natureza
inquisitória, a qual se justifica pelo simples fato de a polícia exercer mera função administrativa e não
jurisdicional.

99. (Cespe) Após a realização de inquérito policial iniciado mediante requerimento da vítima, Marcos
foi indiciado pela autoridade policial pela prática do crime de furto qualificado por arrombamento.
Nessa situação hipotética, de acordo com o disposto no Código de Processo Penal e na atual ju-
risprudência do Superior Tribunal de Justiça acerca de inquérito policial, embora fosse possível a
instauração do inquérito mediante requisição do juiz, somente a autoridade policial poderia indiciar
Marcos como o autor do delito.
Gabarito: Certo.
De acordo com o posicionamento tanto do STF quanto do STJ, o indiciamento é ato privativo da
autoridade policial, segundo sua análise técnico-jurídica do fato. Sendo assim, o juiz não pode
determinar que o Delegado de Polícia faça o indiciamento de alguém.

100. (Cespe) Após a realização de inquérito policial iniciado mediante requerimento da vítima, Marcos
foi indiciado pela autoridade policial pela prática do crime de furto qualificado por arrombamento.
Nessa situação hipotética, de acordo com o disposto no Código de Processo Penal e na atual
jurisprudência do Superior Tribunal de Justiça acerca de inquérito policial, o prazo legal para
que o delegado de polícia termine o inquérito policial é de trinta dias, se Marcos estiver solto,
ou de dez dias, se preso preventivamente pelo juiz, contado esse prazo, em ambos os casos, da
data da portaria de instauração.
Gabarito: Errado.
O erro da questão está em afirmar que os prazos serão contados da data da portaria, quando
na verdade serão contados a partir do dia em que se executou a ordem de prisão.
Art. 10 - O inquérito deverá terminar no prazo de 10 dias, se o indiciado tiver sido preso em
flagrante, ou estiver preso preventivamente, contado o prazo, nesta hipótese, a partir do dia em
que se executar a ordem de prisão, ou no prazo de 30 dias, quando estiver solto, mediante fiança
ou sem ela.
101. (Cespe) A incomunicabilidade do indiciado somente será permitida quando o interesse da socieda-
de ou a conveniência da investigação o exigir.
Gabarito: Errado.
A incomunicabilidade do indiciado trata-se de dispositivo não recepcionado pela Cons-
tituição e somente será permitida quando o interesse da sociedade ou a conveniência da
investigação o exigir, necessitando de despacho nos autos.
Art. 21 - A incomunicabilidade do indiciado dependerá sempre de despacho nos autos e somente
será permitida quando o interesse da sociedade ou a conveniência da investigação o exigir.

102. (Cespe) O arquivamento do inquérito policial embasado no princípio da insignificância faz coisa
julgada material, o que impede seu desarquivamento diante do surgimento de novas provas.
Gabarito: Certo.
De acordo com o STF, o princípio da insignificância tem o condão de afastar a tipicidade material
do fato, tendo como vetores para sua incidência: a) a mínima ofensividade da conduta; (b) a
ausência de periculosidade social da ação; (c) o reduzido grau de reprovabilidade do comporta-
mento; e (d) a inexpressividade da lesão jurídica. Diante disso, descaracterizando-se o aspecto
material do tipo penal, a conduta passa a ser atípica, o que impõe a absolvição do réu, não lhe
restando consequência penal alguma.

103. (Cespe) Com relação ao inquérito policial e à ação penal, julgue o item que se segue.
A doutrina e a jurisprudência majoritárias admitem o denominado arquivamento implícito, que
consiste no fato de o oferecimento de denúncia pelo Ministério Público por apenas alguns dos
crimes imputados ao indiciado impedir que os demais sejam objeto de futura ação penal.
Gabarito: Errado.
A doutrina e a jurisprudência majoritárias NÃO admitem o denominado arquivamento implícito.
Sendo assim, de acordo com Art. 28 do CPP somente será possível o arquivamento, quando re-
querido pelo MP e aceito pelo magistrado. Além disso, o MP, uma vez constatando que existem
mais crimes a serem imputados ao agente, deverá adicionar esses à denúncia.

104. (Cespe) Lavrado o auto de prisão em flagrante de crime de adulteração de produto destinado a
fins terapêuticos, a autoridade policial poderá conceder ao preso a liberdade provisória mediante o
pagamento de fiança.
Gabarito: Errado.
Como esse delito está classificado no rol dos crimes hediondos, não caberá fiança como
previsto expressamente no texto legal.
Art. 1º - São considerados hediondos os seguintes crimes, todos tipificados no Decreto-Lei nº
2.848, de 7 de dezembro de 1940 - Código Penal, consumados ou tentados: (...)
VII-B - falsificação, corrupção, adulteração ou alteração de produto destinado a fins
terapêuticos ou medicinais. (Art. 273, caput e § 1º, § 1º-A e § 1º-B, com a redação dada
pela Lei nº 9.677, de 2 de julho de 1998).
Art. 2º - Os crimes hediondos, a prática da tortura, o tráfico ilícito de entorpecentes e drogas
afins e o terrorismo são insuscetíveis de: (...)
II - fiança.

39
Evandro Guedes e Estefânia Rocha
40
Questões Comentadas

105. (Cespe) Segundo interpretação do STF, a participação de procurador da República na fase de inves-
tigação policial acarreta o seu impedimento para o subsequente oferecimento da denúncia.
Gabarito: Errado.
Segundo o Art. 129 da CF e a Súmula nº 234 do STJ, a participação de membro do MP, durante
a persecução criminal, não impede que este ofereça a eventual denúncia, tendo em vista ser da
sua atribuição zelar pelos serviços públicos.

106. (Cespe) O superior hierárquico do delegado pode determinar a redistribuição de inquérito policial
por motivo de interesse público e mediante despacho fundamentado.
Gabarito: Certo.
De acordo com a Lei nº 12.830/13, em seu Art. 2º, § 4º: O inquérito policial ou outro procedimento pre-
visto em lei em curso somente poderá ser avocado ou redistribuído por superior hierárquico, median-
te despacho fundamentado, por motivo de interesse público ou nas hipóteses de inobservância dos
procedimentos previstos em regulamento da corporação que prejudique a eficácia da investigação.

107. (Cespe) A colaboração premiada é admitida na fase policial, quando pode ser concedida pela auto-
ridade policial, e na fase processual, quando é concedida pela autoridade judicial.
Gabarito: Errado.
Somente a autoridade judicial é quem poderá conceder a colaboração premiada, conforme
previsão expressa na Lei nº 12.850/13:
Art. 4º - O juiz poderá, a requerimento das partes, conceder o perdão judicial, reduzir em até 2/3
(dois terços) a pena privativa de liberdade ou substituí-la por restritiva de direitos daquele que
tenha colaborado efetiva e voluntariamente com a investigação e com o processo criminal, desde
que dessa colaboração advenha um ou mais dos seguintes resultados.

108. (Cespe) Havendo indícios de crime praticado por organização criminosa, a autoridade policial pode-
rá autorizar, de ofício, a infiltração de seus agentes de polícia em tarefa de investigação.
Gabarito: Errado.
O erro da questão está em afirmar que a autoridade policial é responsável por autorizar a infiltra-
ção de agentes em casos de investigações criminais, quando na verdade somente a autoridade
judicial será competente para fazer tal autorização.
Lei nº 12.850/13 – Art. 10 - A infiltração de agentes de polícia em tarefas de investigação, re-
presentada pelo delegado de polícia ou requerida pelo Ministério Público, após manifestação
técnica do delegado de polícia quando solicitada no curso de inquérito policial, será precedida de
circunstanciada, motivada e sigilosa autorização judicial, que estabelecerá seus limites.

109. (Cespe) Logo que tiver conhecimento da prática de infração penal, a autoridade policial deverá de-
terminar, se for caso, a realização das perícias que se mostrarem necessárias e proceder a acareações.
Gabarito: Certo.
A assertiva está de acordo com o previsto no Art. 6º do CPP:
Art. 6º - Logo que tiver conhecimento da prática da infração penal, a autoridade policial deverá:
VI - proceder a reconhecimento de pessoas e coisas e a acareações;
VII - determinar, se for caso, que se proceda a exame de corpo de delito e a quaisquer
outras perícias.

110. (Cespe) Os atos de investigação visam à obtenção de informações que conduzam a um juízo de
probabilidade idôneo para sustentar a opinio delicti do órgão da acusação.
Gabarito: Certo.
Os atos de investigação não se referem a uma afirmação, mas a uma hipótese, a ser apreciada
pelo órgão de acusação. Sendo assim, servem à formação da opinio delicti, a fim de que seja for-
malizada a acusação ou arquivado o caso e devem ser aptos a formar um juízo de probabilidade,
e não de certeza, quanto a um fato. Além disso, não pressupõem a observância dos princípios
da publicidade, do contraditório, da ampla defesa e da imediação; e não são, necessariamente,
praticados perante uma autoridade judiciária.

111. (Cespe) Uma autoridade policial instaurou inquérito policial de ofício para a apuração de crime de
ação penal pública. Depois de concluído o inquérito, os autos foram remetidos ao juiz competente e,
em seguida, ao Ministério Público. O promotor de justiça requereu a devolução do inquérito à auto-
ridade policial para a realização de novas diligências imprescindíveis ao oferecimento da denúncia,
o que foi deferido pelo juiz. De posse novamente dos autos, a autoridade policial entendeu que não
havia mais nenhuma diligência a ser feita e determinou o arquivamento dos autos de inquérito.
Com base nessa situação hipotética, assinale a opção correta.
A autoridade policial agiu corretamente ao arquivar o inquérito policial, uma vez que não havia
mais nenhuma diligência a ser realizada.
Gabarito: Errado.
A autoridade policial agiu INCORRETAMENTE ao arquivar o inquérito policial, uma vez que o Art.
17 do CPP determina que a autoridade policial não poderá mandar arquivar autos de inquérito,
sendo essa uma competência do juiz.

112. (Cespe) Arquivado o IP, por decisão judicial, a pedido do MP, permite- se o ajuizamento da ação
penal privada subsidiária pública quando a vítima se sentir lesada pela violação de seus direitos.
Gabarito: Errado.
A ação penal privada subsidiária da pública somente é cabível quando o órgão do Ministério
Público, no prazo legal, mostrar-se inerte. No caso em tela, o representante do MP, analisando os
autos do IP, requereu o seu arquivamento. Sendo assim, não houve inércia por parte do membro
do MP, razão pela qual é incabível a ação penal privada subsidiária da pública.

113. (Cespe) No que se refere ao inquérito policial e à prova criminal, julgue o item subsequente. A au-
toridade policial poderá arquivar o inquérito policial se verificar que o fato criminoso não ocorreu.
Gabarito: Errado.
O inquérito policial NÃO será arquivado pela autoridade policial. O arquivamento deve ser ofere-
cido pelo Ministério Público e homologado pelo juiz. De acordo com o Art. 28 do CPP, caso haja
divergência do magistrado quanto ao pedido de arquivamento, deverá o magistrado remeter o
inquérito ou peças de informação ao procurador-geral, e este oferecerá a denúncia.

41
Evandro Guedes e Estefânia Rocha
42
Questões Comentadas

114. (Cespe) Julgue o item subsequente, a respeito da participação do MP no curso das investigações
criminais: Conforme jurisprudência pacificada no STJ, a participação de membro do MP na fase inves-
tigatória criminal acarreta, por esse fato, a sua suspeição para o oferecimento da respectiva denúncia.
Gabarito: Errado.
Segundo a Súmula nº 234 do STJ: A participação de membro do Ministério Público na fase inves-
tigatória criminal NÃO acarreta seu impedimento ou suspeição para o oferecimento da denúncia.

115. (Cespe) As provas produzidas no inquérito policial pelo delegado de polícia devem atender
aos princípios da publicidade e liberdade das provas, sem violar o princípio da judicialidade.
Gabarito: Errado.
As provas do Inquérito Policial se submetem ao princípio da sigilosidade.
Segundo o Art. 20 do CPP, o inquérito policial é uma peça sigilosa.
A autoridade assegurará no inquérito o sigilo necessário à elucidação do fato ou exigido pelo
interesse da sociedade.

116. (Cespe) Ao assegurar o contraditório, a ampla defesa e a publicidade aos acusados em geral, a CF
impôs a observância de tais garantias não só durante o processo penal, mas desde o inquérito policial.
Gabarito: Errado.
A assertiva está errada, pois no inquérito policial não existem contraditório e ampla defesa, ou
seja, o IP é apenas um procedimento administrativo. Portanto, não há o que se falar em contra-
ditório e ampla defesa.

117. (Cespe) Se o titular da ação penal deixa, sem expressa manifestação ou justificação do motivo, de
incluir na denúncia algum fato investigado ou algum dos indiciados e o juiz recebe a denúncia, ocorre
arquivamento indireto.
Gabarito: Errado.
Nesse caso ocorreu o arquivamento implícito, o qual ocorre quando o MP deixa de incluir na
denúncia algum fato delituoso ou algum dos investigados, sem expressa manifestação quanto
a pedido de arquivamento.

118. (Cespe) Mário foi surpreendido no momento em que praticava crime de ação penal pública condi-
cionada à representação. A partir dessa situação hipotética, julgue o item a seguir.
Mário será identificado criminalmente pelo processo datiloscópico, procedimento obrigatório e
indispensável em caso de indiciamento.
Gabarito: Errado.
Para se entender o que foi afirmado sobre esta situação hipotética, deve-se levar em conta o
Art. 6º do CPP: Logo que tiver conhecimento da infração penal, a autoridade policial deverá:
VIII - Ordenar a identificação do indiciado pelo processo datiloscópico, SE POSSÍVEL, e
fazer juntar aos autos sua folha de antecedentes.

119. (Cespe) Nos termos da legislação processual vigente, o MP não está limitado à prévia instauração
de inquéritos policiais para promover ações penais públicas, ainda que a apuração dos crimes seja
complexa.
Gabarito: Certo.
O Inquérito Policial é um procedimento administrativo preparatório da ação penal, ele é voluntário
e dispensável ao oferecimento da Denúncia visto que o Ministério Público pode embasar seu pedi-
do em peças de informação que concretizem justa causa (indícios mínimos de autoria e materiali-
dade) para iniciar a ação penal.

120. (Cespe) Decretada a prisão preventiva no curso das investigações, o prazo para conclusão do inqué-
rito policial será de dez dias, contados da data em que a autoridade policial tomar conhecimento do
cumprimento da ordem.
Gabarito: Errado.
De acordo com o Art. 10 do CPP, o prazo para a conclusão do IP será contado a partir do dia em
que se EXECUTAR a ordem de prisão.

121. (Cespe) Para a garantia da preservação das provas produzidas nos crimes de exclusiva ação penal
privada, os autos do inquérito policial devem ser remetidos ao juízo competente, onde, não havendo
manifestação no prazo decadencial para queixa, devem ser arquivados, vedada, em qualquer caso,
a sua entrega ao ofendido.
Gabarito: Errado.
Conforme expressa previsão legal, nos crimes em que não couber ação pública, os autos do
inquérito serão remetidos ao juízo competente, onde aguardarão a iniciativa do ofendido ou de
seu representante legal, ou serão entregues ao requerente, se o pedir, mediante traslado.

122. (Cespe) Em se tratando de crime de ação pública condicionada, poderá ser instaurado o inquérito
pela autoridade policial sem a representação do ofendido, que deverá ser feita até o oferecimento
da denúncia.
Gabarito: Errado.
De acordo com o Art. 5º,§ 4º do CPP, o inquérito, nos crimes em que a ação pública depender de
representação, não poderá sem ela ser iniciado.

123. (Cespe) O delegado de polícia que tomar conhecimento de crime de homicídio ocorrido em via
pública deverá dirigir-se ao local dos fatos e, encontrando a arma utilizada no crime, só poderá apre-
endê-la mediante autorização judicial.
Gabarito: Errado.
Nesse caso, não é necessário que ocorra a autorização judicial. Segundo o Art. 6º do CPP, logo
que tiver conhecimento da prática da infração penal, a autoridade policial deverá: II - apreender
os objetos que tiverem relação com o fato, após liberados pelos peritos criminais.

124. (Cespe) Durante o inquérito policial, é assegurado ao defensor amplo acesso aos elementos de
prova que, já documentados em procedimento investigatório realizado por órgão com competência
de polícia judiciária, digam respeito ao direito de defesa.

43
Evandro Guedes e Estefânia Rocha
44
Questões Comentadas

Gabarito: Certo.
Está de acordo com a previsão da Súmula nº 14 do STF: É direito do defensor, no interesse do
representado, ter acesso amplo aos elementos de prova que, já documentados em procedimen-
to investigatório realizado por órgão com competência de polícia judiciária, digam respeito ao
exercício do direito de defesa.

125. (Cespe) Acerca do inquérito policial, julgue o item seguinte:


A conclusão do inquérito policial é precedida de relatório final, no qual é descrito todo o pro-
cedimento adotado no curso da investigação para esclarecer a autoria e a materialidade. A
ausência desse relatório e de indiciamento formal do investigado não resulta em prejuízos para
persecução penal, não podendo o juiz ou órgão do Ministério Público determinar o retorno da
investigação à autoridade para concretizá-los, já que constitui mera irregularidade funcional a
ser apurada na esfera disciplinar.
Gabarito: Certo.
A ausência do relatório e de indiciamento formal do investigado não resulta em prejuízos para
persecução penal, não podendo o juiz ou órgão do Ministério Público determinar o retorno da
investigação à autoridade para concretizá-los, já que constitui mera irregularidade funcional a
ser apurada na esfera disciplinar.

126. (Cespe) Considerando as normas referentes ao inquérito policial, julgue o item a seguir:
Segundo as normas processuais penais vigentes, a autoridade policial não pode determinar o arquiva-
mento do inquérito, salvo se o MP, previamente consultado, concordar com tal determinação.
Gabarito: Errado.
O arquivamento é um ato complexo e ao mesmo tempo privativo do MP, o qual deve opinar
pelo arquivamento ou não e remeter ao juiz sua decisão. Sendo assim, a autoridade policial não
poderá mandar arquivar autos de inquérito.

127. (Cespe) Se o indiciado estiver em liberdade, o prazo para a conclusão do inquérito policial será de
trinta dias, podendo ser prorrogado por determinação da autoridade judiciária competente.
Gabarito: Certo.
De acordo com o Art. 10 do CPP: O inquérito deverá terminar no prazo de 10 dias, se o indiciado
tiver sido preso em flagrante, ou estiver preso preventivamente, contado o prazo, nesta hipóte-
se, a partir do dia em que se executar a ordem de prisão, ou no prazo de 30 dias, quando estiver
solto, mediante fiança ou sem ela.
§ 3º Quando o fato for de difícil elucidação, e o indiciado estiver solto, a autoridade poderá re-
querer ao juiz a devolução dos autos, para ulteriores diligências, que serão realizadas no prazo
marcado pelo juiz.

128. (Cespe) O delegado de polícia somente perderá a disponibilidade da iniciativa para a instauração do
inquérito policial em caso de crimes de ação penal privada.
Gabarito: Errado.
Existem outros casos em que o delegado de polícia perderá a disponibilidade da iniciativa para
a instauração do inquérito policial. Como exemplo, podemos destacar os crimes em que a ação
penal pública depende da requisição do Ministro da Justiça ou da representação do ofendido e
nos crimes de ação penal privada.

129. (Cespe) Não havendo indícios suficientes de autoria para se proceder ao ato de indiciamento nos
autos de um inquérito policial, deverá a autoridade policial competente, determinar, de ofício, o
sobrestamento do feito, comunicando o procedimento à autoridade judiciária competente.
Gabarito: Errado.
A questão trata do conceito legal do ato, uma vez que não há a necessidade de comunicação
à autoridade judiciária, pois se trata de procedimento administrativo. Logo, podemos definir o
indiciamento como um juízo de probabilidade, que não tem momento CERTO para ocorrer nem
modo definido em lei, mas sim uma formalidade a ser realizada pela autoridade policial durante
o IP. Sendo assim, não existe previsão legal para que o delegado realize o indiciamento ou não.

130. (Cespe) O princípio que rege a atividade da polícia judiciária impõe a obrigatoriedade de investigar
o fato e a sua autoria, o que resulta na imperatividade da autoridade policial de instaurar inquérito
policial em todos os casos em que receber comunicação da prática de infrações penais. A ausência
de instauração do procedimento investigativo policial enseja a responsabilidade da autoridade e dos
demais agentes envolvidos, nos termos da legislação de regência, vez que resultará em arquivamen-
to indireto de peça informativa.
Gabarito: Errado.
O delegado de polícia não tem necessidade de instaurar inquérito policial em todos os casos
que receber comunicação da prática de infrações penais. Como fundamento disso, podemos
destacar os casos de denúncia apócrifa ou anônima, em que se o delegado tomar ciência de
uma suposta infração penal, não terá obrigatoriedade de instaurar inquérito policial. Além disso,
a ausência de instauração do procedimento investigativo não gerará o arquivamento indireto,
uma vez que este somente ocorre quando existe questionamento sobre a competência do juízo
não aceita pelo magistrado.

131. (Cespe) No item abaixo, é apresentada uma situação hipotética, seguida de uma assertiva a ser
julgada em relação ao inquérito policial e suas peculiaridades, às atribuições da Polícia Federal e ao
sistema probatório no processo penal brasileiro.
Uma quadrilha, em determinado lapso temporal, realizou, em larga escala, diversos roubos de
cargas e valores transportados por empresas privadas em inúmeras operações interestaduais,
o que ensejou a atuação da Polícia Federal na coordenação das investigações e a instauração
do competente inquérito policial. Nessa situação hipotética, findo o procedimento policial, os
autos deverão ser remetidos à Justiça Estadual, pois a atuação da Polícia Federal não transfere
à Justiça Federal a competência para processar e julgar o crime.
Gabarito: Certo.
Em regra, nos crimes em que a competência é da Justiça Estadual será a polícia civil quem irá
apurar e investigar. No entanto, nas infrações penais cuja prática tenha repercussão interestadual

45
Evandro Guedes e Estefânia Rocha
46
Questões Comentadas

e exija repressão uniforme a investigação deve ser implementada pela Polícia Federal, nos termos
dispostos na Lei nº 10.446/2002 que veio implementar o Art.144, §1º, I, da Constituição Federal.
Além disso, vale ressaltar, que ainda que o inquérito tenha sido formado pelo órgão policial federal,
a competência para processar e julgar a conduta delituosa continua sendo da Justiça Estadual, não
sendo transferida para a instância federal.

132. (Cespe) No curso do inquérito policial instaurado mediante portaria, caso presentes os requisitos
que autorizam a prisão preventiva, o juiz só poderá decretá-la mediante representação da autorida-
de policial ou de requerimento do MP.
Gabarito: Certo.
A questão está de acordo com a previsão do Art. 282, § 2º do CPP: As medidas cautelares serão
decretadas pelo juiz, de ofício ou a requerimento das partes ou, quando no curso da investiga-
ção criminal, por representação da autoridade policial ou mediante requerimento do Ministério
Público.

133. (Cespe) O juiz pode requisitar de ofício novas diligências probatórias a despeito de manifestação do
promotor de justiça pelo arquivamento do inquérito policial.
Gabarito: Errado.
De acordo com o Art. 28, do CPP: Se o órgão do Ministério Público, ao invés de apresentar a
denúncia, requerer o arquivamento do inquérito policial ou de quaisquer peças de informação,
o juiz, no caso de considerar improcedentes as razões invocadas, fará remessa do inquérito ou
peças de informação ao procurador-geral, e este oferecerá a denúncia, designará outro órgão
do Ministério Público para oferecê-la, ou insistirá no pedido de arquivamento, ao qual só então
estará o juiz obrigado a atender.

134. (Cespe) O sistema acusatório em vigor no processo penal brasileiro não admite que o juiz possa
condenar o réu pelo crime de furto em face do pedido de absolvição formulado pelo MP, após regular
instrução probatória.
Gabarito: Errado.
De acordo com o Art. 385, do CPP: Nos crimes de ação pública, o juiz poderá proferir sen-
tença condenatória, ainda que o Ministério Público tenha opinado pela absolvição, bem
como reconhecer agravantes, embora nenhuma tenha sido alegada.

135. (Cespe) Nos crimes de ação penal privada, o inquérito policial só poderá ser instaurado a requeri-
mento da vítima ou do MP.
Gabarito: Errado.
Conforme expressa previsão legal do Art. 5º, § 5º do CPP: Nos crimes de ação privada, a auto-
ridade policial somente poderá proceder a inquérito a requerimento de quem tenha qualidade
para intentá-la. Por outro lado, o Art. 30, do CPP, determina que ao ofendido ou a quem tenha
qualidade para representá-lo caberá intentar a ação privada.

Você também pode gostar