Você está na página 1de 3

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO DE SÁ

CAMPUS SÃO JOSÉ


CURSO DE PSICOLOGIA

ROTEIRO DA AV2 – ESTUDO DIRIGIDO

PSICOPATOLOGIA II

Objetivos da disciplina:
 Aprofundar o conhecimento psicopatológico dos transtornos mentais;
 Proporcionar a identificação das principais funções psíquicas e suas alterações
psicopatológicas dos principais transtornos mentais do eixo I;
 Compreensão do diagnóstico diferencial.

Da atividade:
 Deve ser realizada em grupos (duplas e/ou no máximo 3);
 Deverão responder às perguntas do estudo dirigido a partir de artigos
selecionados/referenciados e discussão em sala de aula;

Dos critérios de avaliação:


 O trabalho pode ter em torno de 3 a 5 páginas;
 A escrita deve estar de acordo com as normas da ABNT;
 A escrita deve ser redigida com clareza, objetividade e argumentação
baseada em literatura científica.
1. A partir das reflexões suscitadas em sala de aula e possíveis referências, reflita
sobre a distinção entre sofrimento e adoecimento psicológico na construção da
escuta clínica e do psicodiagnóstico. Argumente, com isso, os três caminhos
possíveis de expressão do adoecimento psicológico e situe exemplos clínicos os
sustentem
R: a partir do que vimos em sala de aula, de acordo com Freud, o sofrimento no ser
humano é algo normal, em que todos nós sentimos em nossas vidas, independente de
estrutura.
O adoecer vai além do sofrimento, afeta a vida do ser humano em varias áreas, no
trabalho, no social, em casa, consigo mesmo.

2. A ansiedade e a tristeza compõe experiências afetivas da condição humana. A


partir do texto de Romero (disponível na pasta), reflita sobre a função da
ansiedade e da tristeza, sobre o objeto destas afetações e como podem
expressar tantos aspectos do campo da normalidade quando da psicopatologia
R: a tristeza representa uma perda, a algo do passado

3. De acordo com Van Der Berg (1981) existem quatro dimensões existenciais que
constituem a condição humana. Estas dimensões podem ser tanto fonte de força
para o sujeito, quando a mediação de sofrimento e até adoecimento na sua
experiência. Destaque quais são estas quatro dimensões e reflita sobre a sua
função na condição humana na compreensão em psicopatologia.
R: mudança que se produziram no mundo observável,
Mudanças em seu corpo
Alterações nas suas relações com outras pessoas e
naquelas que concernem o seu passado e futuro

4. A relação entre crise e urgência é uma linha tênue, mas importante no campo da
intervenção psicológica e da rede de saúde mental. A partir dos textos indicados
(ver no SAVA), defina o que é urgência, crise e suas diferenças. Reflita sobre
como a crise em saúde mental traz potencialidades interventivas.
R: uma urgência seria do ponto de vista médico, que corre risco iminente a saúde, é uma
crise seria uma urgência psiquiátrica com alterações de comportamentos e e que trás risco
e que se faz necessária uma intervenção.
O que acontece é que quando você está em uma urgência, eles fazem uma avaliação tanto
do grau de emergência, gravidade clínica, recursos para o tratamento, o tempo e a
valência, ou seja, valor social, então se eu tenho uma pessoa com uma perna quebrada e
uma pessoa com crise de ansiedade, depende da valência que se prevalece no hospital
para que decidam qual tem mais urgência e é tratado primeiro.

O que acontece ainda hoje é que nem todos os hospitais de pronto atendimento tem
profissionais capacitados para lidar com uma crise, uma urgência psiquiátrica. Pelo
simples fato de que uma pessoa em surto, uma pessoa que está fora do padrão de
normalidade, assusta as pessoas, logo ficamos sem saber o que fazer, medo, ..

Possíveis referências:
AMERICAN PSYCHIATRIC ASSOCIATION. DSM-5 – Manual Diagnóstico e
Estatístico de Transtornos Mentais. Porto Alegre: Artmed, 2014.
BARNHILL, J.W. Casos clínicos do DSM-V. Porto Alegre: Artmed, 2015.
CORDIOLI, A.V. Psicoterapias. Abordagens atuais. Porto Alegre: Artes Médicas,
1993.
FIGUEIREDO, A. C. A construção do caso clínico: uma contribuição da psicanálise à
psicopatologia e à saúde mental. Rev. Latinoam. Psicopat. Fund., VII, 1, 75-86, 2004.
VAN DEN BERG, J. H. O Paciente Psiquiátrico: esboço de psicopatologia
fenomenológico. São Paulo: Mestre Jou, 1981.

Você também pode gostar