Você está na página 1de 8

UNIVERSIDADE DE VASSOURAS

PRÓ-REITORIA DE INTEGRAÇÃO, CIÊNCIAS HUMANAS,

SOCIAIS APLICADAS E RELAÇÕES ESTERNAS


CURSO DE PSICOLOGIA

ALUNOS
José Roberto Pinto

1. Título
Jogos e Brincadeiras: O lúdico nas ações do bem estar da saúde mental.

2. Professor orientador
Marco Antônio Gomes

3. Apresentação

O projeto que manifestamos no momento é resultado de proposta


acadêmica, do curso de Pós-Graduação em Saúde Mental, e objetiva proporcionar
à comunidade atendida nos Centros de Atenção Psicossocial, melhor estadia,
interação social a partir do lúdico, e conforto psicológico frente às tensões sociais
causadas pelo processo de atendimento nos ambientes institucionalizados.
O projeto proposto busca responder as questões de promoção de melhor
interação social nos ambientes públicos destinados ao tratamento do desconforto
mental, seja nas relações entre adultos ou crianças, e mesmo com os profissionais
envolvidos no decorrer do atendimento aos clientes desses centros.
De forma geral, a proposta visa o envolvimento de todos os que compõem os
centros de atendimento, os atendidos, de forma a criar clima amistoso, benfazejo,
nas relações que antecedem o acolhimento, e mesmo, nas oficinas de produção da
autoestima.
Espera-se com a implementação do projeto, uma melhor estadia que
antecede o atendimento, e mesmo nesse processo, proporcionando maior interação
entre os usuários dos serviços, e seus atendentes, de forma a criar clima
confortável e amistoso no contexto institucional.
A participação no projeto será extensiva a todos da comunidade, de forma a
criar vínculos sociais e possível propagação das ideias e ideais propostos no
decorrer do projeto.
4. JUSTIFICATIVA

Nosso projeto toma por base o estudo realizado por (Pacheco & Garcez
2012), e uma vez que não houve pesquisas que pudessem comprovar a
necessidade do que estamos propondo frente a uma problemática pesquisada,
procuramos nos basear em propostas já vivenciadas, e estratégias para a
promoção da saúde mental, a partir da concepção do brincar e dos variados tipos
de jogos e brinquedos que aqui serão mostrados no correr dessa justificativa.
Como não houve pesquisas prévias que pudessem gerar estratégias a
corroborar o referido projeto, nós evidenciamos sua necessidade a partir do
entendimento de que o jogo e o brincar podem ser ferramentas simples e práticas a
promover nos Centros de Atenção Psicossocial, uma alternativa real a promoção da
saúde mental e interação social.
Assim pensando, e cientes das necessidades de maiores investimentos na
promoção da saúde mental, proposta articulada pela (OPAS) Organização Pan-
Americana da Saúde, pensamos esse projeto como estratégia simples e de baixo
custo.
Quando pensamos em saúde mental, devemos deixar claro que nossa
proposta é: “A gente não quer só remédio. A gente quer remédio, diversão e arte”. E
assim entendemos que o Projeto Terapêutico Singular é nossa base de justificativa
para contribuição à saúde mental.
O Projeto Terapêutico Singular, muitas vezes é definido como um instrumento
de potencial de cuidado aos usuários de serviços especializados de saúde mental,
além de ferramenta de organização e sustentação das atividades do Núcleo de
Apoio à Saúde da Família, baseadas nos conceitos de corresponsabilização e
gestão integrada do cuidado.
Ele surgiu a partir da luta antimanicomial em Saúde Mental, que tem como
meta a substituição progressiva dos hospitais psiquiátricos tradicionais por serviços
abertos de tratamento e formas de atenção dignas e diversificados de modo a
atender às diferentes formas e momentos em que o sofrimento mental surge e se
manifesta.
Essa substituição implica na implantação de uma ampla rede de atenção em
saúde mental que deve ser aberta e competente para oferecer atendimento aos
problemas de saúde mental da população de todas as faixas etárias e apoio às
famílias, promovendo autonomia, descronificação e desinstitucionalização.
Além dos serviços de saúde, essa rede de atenção deve se articular a
serviços das áreas de ação social, cidadania, cultura, educação, trabalho e renda, e
outros mais.
Por isso nosso projeto se adapta bem a interdisciplinaridade e mesmo as
propostas sociais preconizadas pelo (PTS) Projeto Terapêutico Singular. Pois tem
por relevância a interação social e a promoção do conforto psicossocial do indivíduo
e a produção de renda familiar.
O (PTS), é o principal instrumento de trabalho interdisciplinar dos Centros de
Atenção Psicossocial (CAPS), e possibilita a participação, reinserção e construção
de autonomia para o usuário / família em sofrimento psíquico.
Dessa forma, se considera a historia e as necessidades individuais e
peculiares de cada usuário e o contexto em que se encontra inserido. Assim, a
elaboração desse tipo de projeto acontece por meio da atuação singular do
profissional-referência do usuário / família, e desse profissional com toda a equipe,
por meio de discussões e estudo do caso.
É nesse entendimento que nossa proposta como veículo de promoção das
práticas de empreendedorismo, na produção de artefatos promotores do brincar,
bem como, a possível produção de peças para composição de renda familiar, que
nos inserimos a resgatar do indivíduo sua cidadania.
A iniciativa se justifica por criar vínculos no processo de produção dos
brinquedos, a partir de materiais reciclados, o uso desses produtos em ações
direcionadas ao brincar, seja nos centros promotores de saúde mental, e mesmo a
composição de renda familiar já mencionado.

5. OBJETIVOS
De forma ampla o projeto objetiva a promoção do bem-estar psicossocial no
contexto dos centros (CAPS), a partir do brincar, e contribuir com a formação de
empreendedores, na produção de peças de brinquedos com o uso de material
reciclado.
Em sua forma específica, o projeto se delineia por dois momentos
específicos, a saber:
O primeiro momento é o trabalho de produção das peças que serão usadas
no momento nomeado por brincar, e as peças que serão usadas para produzir renda
familiar.
Iniciamos o projeto com a supervisão das oficinas de trabalhos manuais, que
possivelmente já deve existir nos centros de atenção a saúde mental, e a partir
dessas oficinas, produzir os materiais propostos a seguir:

BOLICHE SUPORTE PARA TRECOS

CARROS GUARDA ALGODÃO

Dos produtos apresentados, são amostras do muito que se pode realizar


quando a criatividade não tem limites. Tudo, de certa forma pode ser verificado na
grande rede WEB, e com a devida orientação, ser produzido a partir do
engajamento de toda a comunidade inscrita no (CAPS).

O segundo momento é a construção de peças para uso nos centros de


atenção à saúde mental, os quais serão usados para proporcionar o brincar, a
interação entre os usuários dos centros, crianças; ficando o material em um
ambiente específico, ou mesmo, criar o cantinho do brincar.

Inicialmente, pode-se estabelecer uma unidade de atendimento para ser a


referência piloto, realizando a proposta ora mencionada, e criando métodos de
avaliação para verificar a eficácia do projeto.

6. PROCESSOS METODOLÓGICOS

Para efetivar nossa proposta, a estratégia a ser seguida é a de usar as


estruturas já existentes nos centros de atenção a saúde mental, no caso, as
oficinas, e nelas produzir o material necessário a ser usado nos CAPS, nos
cantinhos do brincar.

No objetivo mais amplo, a produção de peças para serem vendidas, e


proporcionar renda familiar, podem ser feitas, inicialmente, no CAPS, momento em
que as famílias vão aprender a confeccioná-las, e posteriormente, poderão criar
oficinas em suas residências, ou mesmo comunidades.

O CAPS, caso seja possível, pode promover eventos relacionados à saúde


mental, e nesses eventos, expor o que é produzido pelos atendidos, o que pode
contribuir com a venda dos produtos.

7. RESULTADOS ESPERADOS

O que esperamos com o projeto é uma melhor estadia no CAPS, que os


cantinhos do brincar, cumpram a função de interação social e aprendizados às
crianças. No momento mais amplo do projeto, esperamos que sirva de estratégia de
produção de renda para as famílias e seus dependentes. No universo acadêmico,
esperamos ter contribuído para promoção de melhor saúde mental para os
indivíduos envolvidos no projeto.

8. BIBLIOGRAFIA
Pacheco-Fernanda Pimentel e outros. O JOGO E O BRINCAR: UMA AÇÃO
ESTRATÉGICA NA PROMOÇÃO DA SAÚDE MENTAL - Rev. Saúde Públ. Santa
Cat., Florianópolis, v. 5, n. 1, jan./abr. 2012.

QUESTÕES PARA REFLEXÃO


1. A partir do final do século XVIII houve a transformação do hospital, antes uma
instituição religiosa/caritativa, em instituição médica, constituindo-se como
espaço fundamental para a formação do saber médico. É possível perceber a
influência dessa transformação nos dias atuais? Cite alguns exemplos.

2. Quais as consequências da institucionalização para a construção do conceito


sobre doença mental, uma vez que o saber psiquiátrico foi construído no
interior de uma instituição asilar/excludente.

3. Com base nas diferentes experiências de reforma psiquiátrica estudadas,


reflita sobre os itens que compõem o quadro abaixo:

Experiência de Reforma
Psiquiatria Clássica
Comunidade Terapêutica
Psicoterapia Institucional
Psiquiatria de Setor
Psiquiatria Preventiva
Antipsiquiatra

4. A experiência da Reforma Psiquiátrica italiana foi bastante exitosa,


demonstrando ser possível a transformação do imaginário social sobre a
loucura. Comente sobre cada um dos conceitos listados abaixo:

✓ Doença mental entre parênteses


✓ Duplo da doença mental
✓ Tomada de Responsabilidade
✓ Território
✓ Desinstitucionalização
✓ Instituição Inventada

5. Notadamente a experiência de Reforma Psiquiátrica Italiana contribuiu de


maneira estruturante para a experiência de Reforma Psiquiátrica brasileira.
1. Com base nos seus conhecimentos sobre a experiência italiana de Reforma e a
Política Nacional de Saúde Mental, reflita sobre possíveis avanços e entraves
vivenciados no Brasil.

2. Com base na experiência em saúde mental que você trabalha/conhece, faça uma
relação com os conceitos estruturantes da Reforma Psiquiátrica italiana. Cite
possíveis semelhanças e diferenças entre tais experiências.

Você também pode gostar