Você está na página 1de 114

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS

Faculdade de Engenharia Civil, Arquitetura e Urbanismo

ÉRICA DA COSTA URBANO DE OLIVEIRA

MUART, muxarabi articulável:


Elemento arquitetônico de fachada com
integração entre identidade estética e
adaptabilidade à filtragem da luz natural.

Campinas
2019
ii

ÉRICA DA COSTA URBANO DE OLIVEIRA

MUART, MUXARABI ARTICULÁVEL:


ELEMENTO ARQUITETÔNICO DE FACHADA COM
INTEGRAÇÃO ENTRE IDENTIDADE ESTÉTICA E
ADAPTABILIDADE À FILTRAGEM DA LUZ NATURAL.

Dissertação de Mestrado
apresentada à Faculdade de
Engenharia Civil, Arquitetura e
Urbanismo da UNICAMP, para
obtenção do título de Mestra em
Arquitetura, Tecnologia e Cidade, na
área de Arquitetura, Tecnologia e
Cidade.

Orientadora: Prof.ª Dra. Ana Lucia Nogueira de Camargo Harris

ESTE EXEMPLAR CORRESPONDE À VERSÃO FINAL DA


DISSERTAÇÃO DEFENDIDA PELA ALUNA ÉRICA DA COSTA
URBANO DE OLIVEIRA, E ORIENTADA PELA PROFESSORA
DOUTORA ANA LUCIA NOGUEIRA DE CAMARGO HARRIS.

ASSINATURA DA ORIENTADORA

CAMPINAS
2019
iii
iv

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS

FACULDADE DE ENGENHARIA CIVIL, ARQUITETURA E

URBANISMO

MUART, MUXARABI ARTICULÁVEL:


ELEMENTO ARQUITETÔNICO DE FACHADA COM
INTEGRAÇÃO ENTRE IDENTIDADE ESTÉTICA E
ADAPTABILIDADE À FILTRAGEM DA LUZ NATURAL.

Érica da Costa Urbano de Oliveira

Dissertação de Mestrado aprovada pela Banca Examinadora, constituída por:

Prof.ª Dra. Ana Lucia Nogueira de Camargo Harris


Presidente e Orientadora/FEC-UNICAMP

Prof.º Dr. Daniel de Carvalho Moreira


FEC-UNICAMP

Prof.ª Dra. Denise Dantas


USP

A Ata da Defesa, com as respectivas assinaturas dos membros encontra-se no


SIGA/Sistema de Fluxo de Dissertação/Tese e na Secretaria do Programa da
Unidade.

Campinas, 26 de fevereiro de 2019.


v

DEDICATÓRIA

À força Divina.
À minha filha, Ana Clara, aqui representando as
crianças, para que lembremos que após nossas vidas, as
delas continuam... e que essa continuidade seja repleta de
sonhos bons!
Dedico à nossa missão de deixar um legado positivo
para melhorar o futuro dos nossos filhos e netos... e tantas
crianças que precisam e merecem nosso esforço...
Assim como meus avós fizeram por meus pais...,
Assim como estes fazem por meu irmão e por mim...,
Assim como meu marido e eu estamos fazendo pela
nossa descendência...
Minha dedicação é fruto do Acreditar...
Acreditar que nossas Famílias podem construir um
mundo melhor, com Amor, Estudo, Educação e Fé...
Forças que nos ajudam a realizar sonhos!
vi

AGRADECIMENTOS

À Vida como presente de Deus...


À Ana Lucia, com quem tenho aprendido além dos muxarabis, por acreditar em mim
e pela amizade que construímos em paralelo à dissertação.
À minha filhinha, Ana Clara, que mesmo querendo ficar com a mamãe, entendeu que
eu precisava estudar... por me inspirar e pela colaboração...
Ao meu marido, José Alfredo, por compreender a importância do mestrado, por
trabalhar por nossa família para que eu pudesse estudar e por me tirar do computador
para não me estressar quando eu já estava no meu limite...
Ao meu irmão e eng. civil, Júnior, pelos projetos que assumiu enquanto eu estudava...
À Alessandra pelas aulas e traduções de inglês...
À Joice, Giuliam e Jorge Luís, que auxiliaram com traduções e revisões de textos...
À Sayuri, Tábata e Fábio Locilento pela colaboração com maquetes e simulações.
Ao André pelo mecanismo do modelo, Juliano, Luciano e Roberta pela fabricação.
Aos técnicos Obadias e Daniel, do LACAF/FEC (Laboratório de Conforto Ambiental
de Física Aplicada) por emprestar e ensinar a utilizar o luxímetro.
Aos professores, por terem aceito e colaborado como membros da banca do exame
de Qualificação e de Defesa, Daniel de C. Moreira, Regina C. Ruschel, Lucila C.
Labaki e Stelamaris R. Beroli, da UNICAMP, e Denise Dantas e Sérgio L. Ferreira,
da USP. Aos demais professores, alunos e aos funcionários, especialmente da
Secretaria da Pós-Graduação e da Biblioteca BAE.
À Instituição de Ensino UNICAMP e à CAPES por acreditar e financiar esta pesquisa.
Ao profº Antônio Gleber Gonçalves Tibiriçá, por ter me orientado durante a Iniciação
Científica na UFV, cujo aprendizado contribuiu tanto para este mestrado...
Aos meus pais, Dorotéa e Donisete, por serem meus melhores exemplos do quanto
é importante estudar... por tamanha Força, Fé e Determinação e por cuidarem tão
bem da minha filha... junto com a equipe que se formou para cuidar dela para eu
estudar: marido, sogros Creusa e Nelson, e família, tia Cristina, e Cleonice...

O presente trabalho foi realizado com apoio da Coordenação de Aperfeiçoamento


de Pessoal de Nível Superior – Brasil (CAPES) – Código de Financiamento 001.

Muito obrigada a todos que ajudaram e rezaram para que eu realizasse este sonho!
vii

RESUMO

Os brises-soleil e os muxarabis são elementos utilizados em fachadas de edificações


com o intuito de servirem como filtros da luz solar incidente. Os brises-soleil, em geral,
apresentam boa produtividade industrial e permitem a agregação de sistemas de
articulação e automação. Por sua vez, os muxarabis clássicos exibem maiores
possibilidades formais no desenvolvimento de padrões no design de superfície. Se
por um lado os brises-soleil articulados proporcionam boa capacidade no
acompanhamento da dinâmica da luz natural incidente na fachada, por outro, os
muxarabis, apesar de fixos, oferecem boa capacidade na inserção de uma identidade
geométrica própria. Nesta pesquisa, partiu-se do pressuposto de que seria possível
desenvolver um novo elemento de fachada capaz de integrar os aspectos positivos
de ambos. Dando continuidade à um primeiro protótipo de muxarabi dinâmico,
realizou-se um estudo sobre possibilidades para o aperfeiçoamento desse elemento
e desenvolvimento de um novo artefato. O muxarabi dinâmico tinha um sistema
modular articulado por meio de uma rotação dupla de eixos paralelos que permitiu a
implementação de um design de superfície do módulo hueso. Na pesquisa atual,
fundamentada no método de Design Science Research, os tipos de objetos de
estudos selecionados foram comparados por meio de modelagens digitais e análises
físicas de um ambiente real que contém um brise-soleil articulado. Entre os resultados,
destacam-se as vantagens no uso de unidades modulares vazadas e foi possível a
integração das qualidades de ambos, possibilitando articulações e agregação de
identidade no design de sua superfície. Obteve-se um novo artefato denominado de
Muxarabi Articulado e Artístico (MuArt), o qual se apresenta, de modo promissor, como
uma alternativa no desenvolvimento de novos elementos para fachadas.

Palavras-chave: Fachadas; Arquitetura - Detalhes; Modelos geométricos; Conforto


térmico; Percepção visual.
viii

ABSTRACT

Brises-soleil and mashrabyia are elements used in facades of buildings in order to help
control solar incidence. Brises-soleil generally have good industrial serial productivity
and allow the integration of articulation and automation systems. In turn, classical
mashrabyia presents greater shape possibilities in the development of patterns in
surface design. If in one hand articulated brises-soleil provide decent capacity in
following the dynamics of natural light incidence on the facade, on the other hand, the
mashrabyia, although fixed, offers good capacity of inserting an authentic geometric
identity. In this research, it was assumed that it would be possible to develop a new
facade element capable of integrating the positive aspects of both. Carrying on with a
first prototype of dynamic mashrabyia that has been developed, a study was made on
possibilities of improvement of this element and development of a new artifact. The
dynamic mashrabyia had a modular articulated system provided by a double rotation
of parallel axes that allowed the implementation of a hueso module surface design. In
the current research, based on the Design Science Research method, the selected
study objects types were compared through digital modeling and physical analysis of
a real environment containing an articulated brise-soleil. Among the results, we
highlight the advantages in the use of hollow units, and it was possible to integrate the
qualities of both elements, enabling joints and identity aggregation in the surface
design. A new artefact called Articulated and Artistic Mashrabyia (MuArt) was obtained,
which is promisingly presented as an alternative in the development of new facade
elements.

Key-words: Facades; Architecture - Details; Geometric patterns; Thermal comfort;


Visual perception.
ix

Lista de Figuras
Figura 1. Nassif house in Jeddah. ........................................................................................ 24
Figura 2. Brise-soleil da fachada do MESP .......................................................................... 29
Figura 3. Fachada com brise-soleil, o EF, sua vista do interior e detalhe da forma. ............. 32
Figura 4. Brise-soleil 100 da empresa Reynaers.................................................................. 32
Figura 5. Visão externa de um muxarabi no Cairo, Egito ..................................................... 33
Figura 6. Muxarabi em la Alhambra ..................................................................................... 37
Figura 7. Muxarabi de Córdoba ........................................................................................... 37
Figura 8. Sobrado nº 7 ......................................................................................................... 37
Figura 9. Sobrado nº 28 ....................................................................................................... 37
Figura 10. Muxarabis modulares compondo padrões complexos de design de superfície. .. 38
Figura 11. Operações de simetria no plano ......................................................................... 39
Figura 12. Operações de simetria no plano para a composição do desenho hueso. ............ 40
Figura 13. Composição da super unidade modular a partir da figura hueso......................... 40
Figura 14. Estudo do padrão compositivo de Alhambra. ...................................................... 41
Figura 15. Primeiros estudos para fachadas dinâmicas com padrões do hueso. ................. 41
Figura 16. Ilustração da programação dos giros duplos do muxarabi dinâmico. .................. 42
Figura 17. Primeiros testes no protótipo inicial do muxarabi dinâmico. ................................ 42
Figura 18. Desenhado de Escher do padrão identificado em Alhambra. .............................. 42
Figura 19. Exemplos de possibilidades de padrões modulares que podem ser aplicados na
estrutura física do MuArt. ..................................................................................................... 43
Figura 20. Exemplos de desenhos modulares de M. Escher, passíveis de serem
implementados no MuArt. .................................................................................................... 43
Figura 21. Estudo temático do módulo intitulado Pássaro. ................................................... 45
Figura 22. Estudo temático do módulo intitulado Pássaro Onda .......................................... 45
Figura 23. Modelo com o EF “Pássaro-Onda”. ..................................................................... 45
Figura 24. "Pássaro Onda" desenvolvido no Rinoceros e GrassHopper .............................. 45
Figura 25. Fachadas com identidade: Prada (esquerda) e Dior (direita) .............................. 46
Figura 26. Desenho kaikui apoeká, da tribo indígena Wayana............................................. 47
Figura 27. Cobogó inspirado no desenho kaikui apoeká ...................................................... 47
Figura 28. Desenvolvimento criativo do módulo “cobogós indígena”.................................... 47
Figura 29. Hueso como revestimento em parede................................................................. 48
Figura 30. Estudo com maquete física do módulo hueso em composição para fachada...... 48
Figura 31. Par de painéis compostos com as mesmas unidades modulares ....................... 49
Figura 32. Painéis com variação de módulos ....................................................................... 49
Figura 33. Painel com variação da escala da unidade modular ........................................... 49
x

Figura 34. Efeito luz e sombra de uma placa de muxarabi ................................................... 49


Figura 35. Instituto do Mundo Árabe, Paris - Ateliê Jean Nouvel ......................................... 51
Figura 36. Fachada para Al Bahr Towers - Aedas Architects ............................................... 51
Figura 37. Kiefer Technik Showroom, 2007. ........................................................................ 52
Figura 38.Exterior do SDU Campus Kolding ........................................................................ 52
Figura 39.Detalhe da persiana triangular de aço perfurado.................................................. 52
Figura 40. Eixos paralelos do Muxarabi Dinâmico ............................................................... 54
Figura 41. Simulações de utilização com movimento. .......................................................... 54
Figura 42. Detalhe da engrenagem...................................................................................... 55
Figura 43. Primeiro protótipo................................................................................................ 55
Figura 44. Possibilidades rotação dos módulos e composições geométricas ...................... 55
Figura 45. Croquis de possibilidades de tamanho do módulo, cores e transparência. ......... 55
Figura 46. Fluxograma do método Design Science Research.............................................. 57
Figura 47. Experimento DSR comparando qualidades dos objetos de estudo e do artefato 58
Figura 48. Situação do prédio da FEC/UNICAMP com fachada da sala CA25 com orientação
Leste.................................................................................................................................... 61
Figura 49. Modelagem digital da fachada Leste do bloco da FEC/UNICAMP. ..................... 61
Figura 50. Foto da fachada leste da FEC com Brise-soleil ................................................... 61
Figura 51. Maquete digital da fachada com Brise-soleil ....................................................... 61
Figura 52. Maquete digital da fachada com MuArt ............................................................... 61
Figura 53. Foto do brise-soleil existente na fachada Leste da sala CA25 do prédio da FEC.
............................................................................................................................................ 61
Figura 54. Foto da sala CA25 real e modelagem digital ....................................................... 62
Figura 55. Planta Baixa da sala CA25 com as carteiras de 1 a 15. ...................................... 62
Figura 56. Luxímetro utilizado neste estudo......................................................................... 64
Figura 57. Insolação direta dia 21 de dezembro, às 07:00, 09:00, 11:00 e 13:00hs ............. 67
Figura 58. Insolação direta dia 23 de julho, às 07:00, 09:00, 11:00 e 13:00hs ..................... 67
Figura 59. Insolação direta dia 23 de setembro, às 07:00, 09:00, 11:00 e 13:00hs .............. 67
Figura 60. Croqui da ideia para aprimorar e integrar brise-soleil com muxarabis. ................ 69
Figura 61. Composição dos submódulos nos programas AutoCad e SketchUp ................... 71
Figura 62. Simulação virtual de movimento do "Pássaro Onda" em superfície curva. .......... 71
Figura 63. Unidades modulares ........................................................................................... 72
Figura 64. Painéis geométricos modulares para aplicação em fachadas de muxarabi, ........ 72
Figura 65. Análise empírica do efeito de luz e sombra de um muxarabi num modelo do
ambiente. ............................................................................................................................. 72
xi

Figura 66. Resultado de simulação de uma fachada com identidade e efeito de luz e sombra.
............................................................................................................................................ 73
Figura 67. Luz e sombra do brise-soleil real. ....................................................................... 73
Figura 68. Luz e sombra da simulação brise-soleil .............................................................. 73
Figura 69. Luz e sombra da simulação muxarabi ................................................................. 73
Figura 70. Efeito da luz e sombra do MuArt simulado para situação fechada. ..................... 73
Figura 71. Montagem da unidade modular hueso. ............................................................... 75
Figura 72. Simulação da sala CA25 com o primeiro protótipo. ............................................. 76
Figura 73. Simulação da sala CA25 com a placa vazada .................................................... 76
Figura 74. MuArt aplicado na fachada como painel simulado na situação fechada. ............. 77
Figura 75. Módulo vazado hueso ......................................................................................... 77
Figura 76. Módulo das placas horizontais e verticais ........................................................... 77
Figura 77. Módulo horizontal................................................................................................ 77
Figura 78. Módulo vertical .................................................................................................... 77
Figura 79. MuArt fechado .................................................................................................... 78
Figura 80. MuArt aberto ....................................................................................................... 78
Figura 81. MuArt fechado com angulações diferentes ......................................................... 78
Figura 82. MuArt aberto com angulações diferentes ............................................................ 78
Figura 83. MuArt inclinado 45º ............................................................................................. 78
Figura 84. Brise-soleil – placas retangulares ....................................................................... 79
Figura 85. MuArt – placas hueso ......................................................................................... 79
Figura 86. Criação da unidade modular “Pássaro”. ............................................................ 105
Figura 87. Estudo de forma, padrões geométricos, composições do módulo "Pássaro". ... 107
Figura 88. Parte do estudo de sombra. Simulação dia 21 de dezembro de 2015, às 8:00hs
da manhã........................................................................................................................... 108
Figura 89. Composição do submódulo “Pássaro” .............................................................. 108
Figura 90. Modelo com o EF “Pássaro-Onda”. ................................................................... 109
Figura 91. Simulação virtual de movimento do "Pássaro Onda" em superfície curva. ........ 110
Figura 92. "Pássado Onda" desenvolvido no Rinoceros e GrassHopper ........................... 110
Figura 93. Evolução do desenho do módulo “Tiras” no autocad e SkechtUp ..................... 111
Figura 94. Cortadora a laser .............................................................................................. 111
Figura 95. Módulo “Tiras” para dobradura e composições ................................................. 111
Figura 96. Módulo “Tiras” em dobradura e variações ......................................................... 112
Figura 97. Composição digital do módulo “Tiras” ............................................................... 113
Figura 98. Design de superfície para uma fachada com o módulo "Tiras". ........................ 113
Figura 99. Modulo digital de poliedro em origami arquitetônico .......................................... 114
xii

Lista de Tabelas

Tabela 1. Faixas de lux na sala CA25/ FEC com medição no dia 20 de dezembro de 2018 66
Tabela 2. Faixas dos níveis de iluminação medidos no dia 20 de dezembro de 2018 na sala
CA25 conforme disposição das mesas com brises-soleil abertos e fechados ...................... 70
Tabela 3. Fachada com MuArt fechado durante a manhã dos Solstícios e Equinócio.......... 74
Tabela 4. Fachada com MuArt aberto em 45º durante a manhã dos Solstícios e Equinócio.74
Tabela 5. Fachada com MuArt aberto em 90º durante a manhã dos Solstícios e Equinócio.74
Tabela 6. Sala CA25 - FEC/Unicamp - 2² andar - Fachada Leste - Simulação sem EF ....... 79
Tabela 7.Sala CA25 - FEC/Unicamp - 2º andar – Fachada Leste ........................................ 80
Tabela 8.Simulação do MuArt Aberto (H45V45) – Hemisfério Sul........................................ 81
Tabela 9.Simulação do MuArt Fechado (H90V90) – Hemisfério Sul .................................... 82
Tabela 10.Simulação do MuArt Aberto (H0V0) – Hemisfério Sul ......................................... 82
Tabela 11.Simulação do MuArt Aberto (H90V0) – Hemisfério Sul........................................ 82
Tabela 12.Simulação do MuArt Aberto (H0V90) – Hemisfério Sul........................................ 82
Tabela 13.Simulação do MuArt Aberto (H90V45) – Hemisfério Sul...................................... 83
Tabela 14.Simulação do MuArt Aberto (H45V90) – Hemisfério Sul...................................... 83
Tabela 15.Simulação do MuArt Aberto (H45V0) – Hemisfério Sul........................................ 83
Tabela 16.Simulação do MuArt Aberto (H0V45) – Hemisfério Sul........................................ 83
Tabela 17. Grupos de simetria no plano ............................................................................ 103
xiii

SUMÁRIO

1. INTRODUÇÃO, OBJETIVOS E JUSTIFICATIVA ........................................................ 14


2. FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA ....................................................................................... 17
2.1 Fachada e Janelas: Interface e suas passagens ................................................................. 17
2.2 Luz, Vento e Proteção ....................................................................................................... 20
2.3 Elementos Arquitetônicos de Proteção de Fachada ......................................................... 23
2.4 Design de Superfície e Grupos de Simetria no Plano ........................................................ 39
2.5 Identidade e comunicação em fachadas ........................................................................... 46
2.6 Articulação & Movimento ................................................................................................. 50
2.7 Muxarabi dinâmico............................................................................................................ 53
3. MATERIAIS E MÉTODOS ................................................................................................ 56
3.1 Etapa de Conscientização .................................................................................................. 59
3.2 Etapa de Sugestão ............................................................................................................. 60
3.3 Etapa de Desenvolvimento com o contexto do ambiente interno e externo................... 60
3.4 Validação das Simulações e Resultados sobre os brises-soleil .......................................... 63
3.5 Comparações entre os Resultados .................................................................................... 65
4. RESULTADOS E DISCUSSÕES .................................................................................... 68
4.1 Adaptabilidade à filtragem da luz solar............................................................................. 69
4.2 Força de Identidade do Design de Superfície.................................................................... 71
4.3 Desenvolvimento e Avaliação do MuArt ........................................................................... 75
4.4 Comparação entre brise-soleil articulado existente na sala CA25 e a proposta do MuArt
hueso. 79
4.5 Comparações entre os principais dias do ano................................................................... 81
4.6 Análises dos resultados ..................................................................................................... 84
5. CONCLUSÃO ..................................................................................................................... 85
REFERÊNCIAS .......................................................................................................................... 87
BIBLIOGRAFIA RECOMENDADA........................................................................................... 96
APÊNDICE A............................................................................................................................. 103
APÊNDICE B............................................................................................................................. 105
APÊNDICE C ............................................................................................................................ 109
APÊNDICE D ............................................................................................................................ 111
APÊNDICE E............................................................................................................................. 114
14

1. INTRODUÇÃO, OBJETIVOS E JUSTIFICATIVA

A argumentação desse estudo teve como princípio a observação de um


problema abordando Elementos arquitetônicos de Fachadas (aqui denominados EFs),
cuja função principal é proteção contra incidência solar excessiva para os usuários no
interior. Sua aplicação também confere ao exterior potenciais para personalização,
dando determinada identidade à edificação.
Como objetos de estudo, para esta pesquisa foram escolhidos dois tipos
clássicos de sistemas para a proteção de fachadas, os brises-soleil e os muxarabis.
A proposta foi construir um artefato, a partir do aprimoramento de um sistema em fase
de protótipo inicial, que pudesse efetivar a fusão entre as qualidades dos dois sistemas
selecionados. Os muxarabis com releituras e design contemporâneo, seguindo um
caminho natural de evolução estética e formal e os brises-soleil, hoje evoluídos com
sistemas com placas articuláveis a partir de eixos paralelos.
Conferir um design de superfície esteticamente melhor elaborado ao EF o
torna mais atraente para ser desejado, comprado e aplicado nas fachadas, pois como
um produto, não basta ser funcional, é importante também ter uma forma que agrade.

Design e criatividade são quase sempre associados a questões de


estética, aparência e estilo. Porém, eles são muito mais do que isto,
pois constituem as ferramentas necessárias à manufatura de produtos
e serviços inovadores e com qualidade e valor agregado elevados.
(GOLDENSTEIN, 2014, p.125)

Ao se tratar do que é esteticamente harmonioso, não é uma questão aleatória,


há composições e estudos formais e cromáticos que auxiliam no processo criativo. Há
ferramentas e informações como grupos de simetria plana que amparam os estudos
de Design de Superfície, os quais podem ser observados há séculos, como há
registros da arte islâmica. Mesmo alguns com 600 anos, há exemplares que permitem
análises dos desenhos e suas geometrias, como em Alhambra. Existem conceitos
matemáticos e propriedades de grupos cristalográficos que foram classificados e
auxiliam no desenho da superfície do artefato aqui desenvolvido.
Nesse sentido, analisando os EF como objetos de estudo, observou-se que
ambos tiveram importante valor estético nas fachadas. Os brises-soleil se destacaram
no modernismo, mais do que os muxarabis, na era da industrialização, e vem
acompanhando a era atual evoluindo para brise-soleil com automação. Além do
15

aspecto formal, a função desses elementos de proteção solar tem sido aperfeiçoada
com possibilidades dinamismo para fachadas. A articulação das placas confere a este
sistema um maior potencial no que se refere a proteção no controle da luz solar
incidente nas fachadas, podendo acompanhar melhor o movimento solar ao longo do
dia, manualmente ou automatizado.
Os sistemas dos muxarabis, originalmente manufaturados por artesãos,
embora mais antigos do que os dos brises-soleil, tiveram sua aplicabilidade diminuída
com o desenvolvimento industrial, devido provavelmente a produção em massa.
Atualmente, com a arquitetura contemporânea, com o desenvolvimento tecnológico e,
principalmente, com as máquinas de corte por sistemas de comando numérico, os
muxarabis podem ser produzidos em larga escala.
Observa-se que, se por um lado, os brises-soleil articulados permitem um
melhor acompanhamento da luz solar incidente, por outro, os muxarabis, apresentam
um maior potencial de personalização para as fachadas, por meio de melhores
possibilidades de informação sobre design de superfície, potencializando sua
capacidade na aplicação de uma identidade. Entende-se que ambos os sistemas
foram criados a partir de necessidades humanas, especialmente na busca de
soluções confortáveis para o interior dos ambientes construídos.
Tem-se como hipótese que é possível criar um novo sistema para filtragem da
luz solar incidente em fachada, com capacidade de realizar uma fusão entre
qualidades formais e funcionais dos brises-soleil e muxarabis, com modularidade para
ser industrializado, sem necessidade de alta tecnologia, mas podendo incorporá-la.
Tais qualidades do potencial de identidade estética, existente nos muxarabis, com
estudos de design de superfície e às possibilidades de ampliação na adaptabilidade
na filtragem da luz natural dos brises-soleil dinâmicos, através da articulação por eixos
paralelos podem integrar-se em um novo artefato.
A partir desta hipótese, seguiu-se para um delineamento da pesquisa por meio
do método Design Science Research (DSR), para desenvolver uma proposta de
criação de um novo artefato, o Muxarabi Articulado e Artístico (MuArt). Esse novo EF
precisaria alcançar um resultado satisfatório nas melhorias dos objetos de estudos.
Então foi realizado um ensaio teórico sobre os brises-soleil e dos muxarabis e em
seguida, ensaios práticos.
16

A motivação para esta pesquisa foi estudar uma solução para um sistema
modular, a ser aplicado como elemento de fachada, que pudesse integrar qualidades
formais de identidade com qualidades funcionais, de filtragem da luz solar incidente
nas fachadas. Considerando uma pesquisa em andamento, o objetivo desta
dissertação foi aprimorar o primeiro protótipo de um muxarabi articulado para se
desenvolver o MuArt. Para isso foi necessário modelar digitalmente um ambiente real
para aferir se as simulações digitais eram coerentes com as situações reais do
levantamento in loco.
Com este objetivo, em conjunto com a pesquisa em fase de protótipo inicial,
decidiu-se dar andamento e evoluir para um artefato que pudesse responder aos
interesses em comum, por meio de simulações e validação.
O MuArt foi desenvolvido e avaliado como um novo e melhorado EF, capaz
de incorporar qualidades existentes nos brise-soleil e nos muxarabis. Oferece uma
solução positiva ao problema do controle solar inter-relacionado com a necessidades
de uma eventual ventilação. Proporciona dupla articulação e suas placas modulares
vazadas permitem inúmeros formatos de padrões geométricos modulares agregando
identidade e estética.
Estudar elementos arquitetônicos de proteção de fachadas é importante por
permitirem uma melhor adequação das construções ao clima local. EFs como o MuArt,
auxiliam na filtragem da luz natural indesejada e na diminuição da necessidade de
controle térmico artificial e possibilita uma filtragem do vento por ser vazado. Ou seja,
esse artefato tem qualidades capazes de contribuir com estratégias passivas para
proteção contra intempéries, o que auxiliam ao ser humano se manter confortável e
vivo. Isso porque o organismo humano, homeotérmico, busca conservar uma
temperatura adequada, para não sofrer hipotermia ou hipertermia.
17

2. FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA

2.1 Fachada e Janelas: Interface e suas passagens

Fachada é a interface da construção que agrega funções como abrigar os


usuários do interior contra as intempéries, ou seja, contém em si um fator de impacto
tanto interno quanto externo. Trata-se da parte aparente do edifício, com sua forma
vista por quem está fora e sua função protege quem está dentro.
A fachada é para a construção o que a pele ou a casca, são para os seres
vivos. Tanto fachada como pele devem reagir diante dos estímulos do meio, como
ressalta Albuquerque (2012). Fachadas poderiam ser, portanto, um elemento da
edificação para o controle climático, térmico e acústico, que controla a ação de ventos,
chuva, radiação, luz, temperatura, som, qualidade do ar, interferindo no conforto
ambiental e oferecendo segurança para o interior do edifício. Por isso, defende que
estratégias para projetar fachadas adaptáveis podem diminuir problemas de conforto
ambiental.
Ulrich et al (2014) definiram essa superfície como responsável por integrar ou
obstruir visibilidade, iluminação, ventilação, e forma de comunicação. Defendem que
forma e função de fachadas são resultados de longos processos inter-relacionados
com a história da humanidade. Descrevem que, as aberturas nas fachadas,
historicamente, foram feitas para admitir saída de fumaça e depois foram ampliadas
para permitirem a entrada de mais luz. Porém, com essa intenção, surgiram
dificuldades com ruídos e excesso de ventilação, insolação e aquecimento interno
(principalmente proporcionado pelo vidro, conhecido como “efeito estufa”). Diante de
problemas como estes, algumas das soluções foram as instalações de elementos
arquitetônicos de proteção para as fachadas (aqui denominados de EFs).
Para Harris & Castro (2013) uma das funções da fachada é sua interface entre
espaço construído e meio ambiente, que deve garantir qualidade térmica, lumínica e
energética. Referenciam Montaner (1988) por atribuir as fachadas às qualidades de
estanqueidade, hermetismo, permeabilidade e transparência, proteção ou
vulnerabilidade como suas características. Ambos ressaltam o potencial para a
transmissão de valores culturais e defendem a necessidade de incorporar tecnologias
inovadoras nos projetos com técnicas de design de superfície e criatividade para a
18

composição de elementos arquitetônicos modulares, especialmente vazados. Com


relação à identidade, Harris & Castro (2013) propõem um método que “inclui:
percepção, alfabetização, interpretação e representação para leitura visual de
fachada” a fim de extrair vantagens sobre comunicação e identidade permitindo assim
a captura gráfica da essência de novos designs de superfície.
Numa arquitetura mutável, conforme definição de Dewidar et al (2013), o tempo
e a evolução oferecem novas técnicas de projeto e de desenvolvimento de design
adaptativo. Diante da percepção de que os EFs podem permitir ventilação ao interior
enquanto contém insolação, concluiu que, fachadas devem conter painéis opacos
para servirem como dispositivo de sombreamento; painéis transparentes para painéis
de biorreatores; sistemas de abertura controlados para atenderem às necessidades
de ventilação e combinação de materiais responsivos para monitorar o recurso
cinético da pele, que define como um sistema com energia regenerativa.
Dewidar et al (2013) retratam a pele de organismos vivos inserindo algumas
das características fisiológicas na tecnologia de EFs. Acredita que o potencial
tecnológico de alto desempenho, materiais avançados, automatizados e dinâmicos
devem ser explorados pelas novas gerações de arquitetos a fim de melhorarem a
qualidade das janelas e fachadas no futuro.

As janelas são elementos que permitem a interação direta de um


ambiente interno com os diferentes elementos físicos e ambientais do
exterior (luz, calor, som etc.). Tais condições externas variam ao longo
do dia, do ano e em função da localidade considerada, influenciando
o ambiente interno. Dessa forma, as características das aberturas
podem ser pensadas em funções do desempenho desejado no
ambiente interno (LIMA, 2016).

A etimologia da palavra janela deriva do latim januella, diminutivo de jannua


(ianua), cujo significado faz referência à porta, passagem. Lima (2016) atribuiu ao
termo as situações para as quais compunham: abertura com vidro e elemento de
controle, com transparência, com ou sem fenestração. Afirma que são promissoras as
propostas que integram elementos e funções tanto para proteção de janelas quanto
de edificações. Considera-se que fachadas dinâmicas podem contribuir para se
melhorar o desempenho das janelas.
A janela foi se modificando a medida em que evidenciou funcionalidades além
do abrir ou fechar. Suas possibilidades intermediárias quanto à permeabilidade da luz
solar incidente e ventilação impulsionaram o desenvolvimento de EFs de filtragem
19

desta luz, como venezianas, persianas, brises-soleil e muxarabis. Entretanto, sujeitos


à dinâmica climática, têm limitações e potenciais que merecem ser estudados a fim
de contribuir para o desenvolvimento de EFs.
Na composição das interfaces, Pessoa et al (2013) apontam para o
desenvolvimento de janelas inteligentes como eletrocrômicas, fotoativas, isoladas a
vácuo e fotovoltaicas e ressaltam que se trata de sistemas tecnológicos caros e pouco
comuns no mercado e em pesquisas. Observam que há trabalhos disponíveis para a
construção civil que permitem aprimoramento nos EFs existentes, agregando valores
funcionais para luz solar incidente e permeabilidade de ar.
Para Addington & Schodek (2005), em alguns momentos, muitos arquitetos não
se interessavam em saber como as coisas funcionam, tendo uma atuação restrita ao
conhecimento sobres dimensões dos elementos e ao layout dos espaços desejados.
Depois, houve uma mudança: arquitetos e clientes passaram a buscar por
desenvolvimento e desempenho funcional dos materiais e da construção.

Enquanto o mantra comum é que os arquitetos projetam o espaço, a


realidade é que os arquitetos criam (desenham) superfícies. Esse
privilégio da superfície impunha o uso de materiais de duas maneiras
profundas. A primeira é que o material é identificado como a superfície:
a compreensão visual da arquitetura é determinada pelas qualidades
visuais do material. Em segundo lugar, porque a arquitetura é
sinônimo de superfície - e os materiais são essa superfície
(ADDINGTON & SCHODEK, 2005).
20

2.2 Luz, Vento e Proteção

Com as necessidades de busca por abrigo para sobrevivência humana,


desde os primórdios, a busca é constante. Os nômades procuravam cavernas para se
protegerem, posteriormente, os agricultores, por permanecerem num mesmo local,
desenvolveram habitações que possibilitaram construções que acatavam suas
necessidades, cada qual em suas condições climáticas.
Assim, a partir de materiais locais foram sendo desenvolvidas diferentes
técnicas construtivas, como os iglus em climas gelados e as ocas dos índios em climas
quentes. Esse tipo de arquitetura vernacular, adequa-se ao conceito de
sustentabilidade, uma vez que os materiais construtivos são basicamente extraídos
do local. Com a evolução tecnológica, cada vez mais globalizada, é possível um
retorno parcial às construções ecologicamente corretas por meio de minimização de
equipamentos artificiais de ar condicionado e iluminação elétrica.
Nesta direção, EFs que permitam uma melhor adequação ao clima local,
como o caso do MuArt, permite quebra da luz natural indesejada e minimiza a
necessidade de controle térmico artificial. Por ser vazado, possibilita uma filtragem do
vento. Essas estratégias passivas para proteção contra as intempéries auxiliam o ser
humano a se manter confortável e vivo. Afinal, o organismo humano, homeotérmico,
busca conservar uma temperatura adequada, para não sofrer hipotermia ou
hipertermia.
Nesse sentido, Corbella & Yannas (2003) explicam que o estado de conforto
se relaciona em estar neutro, ou seja, sem sensação de frio, nem de calor. Sobre
função, afirmam que as atividades internas e externas à habitação são diferentes,
justificando a importância de o arquiteto compreender o uso espacial para motivar ou
modificar a qualidade dos ambientes de acordo com o conhecimento da tecnologia,
cultura, estética, ética e história. Não recomendam grandes aberturas em “fachadas
expostas a ruídos intensos”, indicam paredes espessas e revestimentos porosos,
painéis absorventes e obstáculos. Alertam que o ruído não é tão desconfortável
quanto a temperatura (em clima tropical), recomendando que proteger a edificação
contra radiação seja o princípio do projeto arquitetônico.
Lamberts et al (1997) definem ‘‘Conforto Visual’’ como a existência de um
conjunto de condições, num determinado ambiente, no qual o ser humano pode
21

desenvolver tarefas visuais com o máximo de acuidade e precisão visual, com o menor
esforço, menor risco de prejuízos à visão e com reduzidos riscos acidentais. Para
alcançar tal conforto, os requisitos necessários são: iluminação suficiente com boa
distribuição de iluminâncias, ausência de ofuscamento e contrastes adequados e um
bom padrão e direção de sombras.
ABNT NBR ISSO/CIE 8995-1:2013: define ofuscamento como resultado de
“reflexões em superfícies especulares e é normalmente conhecido como reflexões
veladoras ou ofuscamento refletido”. Dentro do ambiente construído, pode ocorrer
devido à incidência solar direta que adentra em excesso pela janela, resultando em
contrastes prejudiciais à visão e ao ser humano porque pode provocar erros e até
acidentes de trabalho. Nesta norma há a recomendação de que deve ser “evitado,
através da proteção contra visão direta das lâmpadas ou por um escurecimento nas
janelas por anteparos”. Classifica estes como elementos com capacidade de reduzir
“a intensidade da luminância da superfície” como os brise-soleil para alternativa.
A luz natural permite ao homem a percepção visual do espaço-temporal no
lugar onde se encontra. Essas informações são fundamentais ao funcionamento do
relógio biológico. Enquanto a iluminação artificial permite estender as atividades.
Lamberts et al (1997) afirmam que o nível de iluminação acima de 500lux é
recomendada para leitura/escrita de documentos com fontes pequenas, conforme
explica a ABNT ISSO/CIE 8995-1:2013. Não se trata apenas de oferecer boa
visibilidade para a realização de tarefas, vai além, para que as atividades sejam
“realizadas facilmente e com conforto”. Deve-se assegurar, além do conforto visual,
desempenho e segurança visual para longos períodos, com boa distribuição da
luminância, direcionamento da luz, aspectos de cor e luz sem ofuscamento.
Enfim, a iluminação natural tem um papel importante para o conforto visual
no ambiente construído. Amorin (2002) enfatiza que o aspecto estético e funcional
está presente "desde os primórdios da arquitetura". Gutierrez (2004) complementa
que na busca por proteção, o homem pré-histórico já desenvolvia materiais e soluções
construtivas e criativas impulsionadas pelo crescente domínio sobre técnicas,
ferramentas, materiais e ciência, quando alternativas inovadoras conferiam ao espaço
capacidade de atender aos múltiplos estilos de vida. Posteriormente a arquitetura
demandou elementos de proteção para fachadas cada vez mais flexíveis e
articuláveis, como soluções às mudanças sociais e tecnológicas.
22

Corona & Lemos (1972) apud Gutierrez (2004) classificam abrigo como lugar
onde o homem se protege das intempéries, enquanto a arquitetura avança para a arte
de construir, engloba projeto com regras e proporções, refletindo as técnicas
disponíveis em cada época.
Corbella & Yannas (2003) conceituam calor como manifestação de energia
térmica, sentido pelo homem porque o corpo é sensível à mudança de temperatura
além dos 37ºC confortáveis à pele, quando começa um processo físico de febre.
Destacam que é necessário diferenciar a radiação solar que adentra na janela da que
é absorvida pela parede, porque dentro, quando os raios solares têm acesso direto ao
interior da construção, esquenta chão e paredes e se converte em energia térmica, o
que aumenta a temperatura interna. O fato é que ambos provocam aquecimento no
interior, que nos verões de climas tropicais podem ser desconfortáveis. Alertam que
se deve minimizar gastos com energia elétrica e consideram os EF como potencial
contribuinte para um ambiente sadio e agradável. Destacam como estratégias para
aplicações dos muxarabis e brises-soleil: o controle dos ganhos de calor, e a
promoção do uso da iluminação natural com o movimento de ar.
23

2.3 Elementos Arquitetônicos de Proteção de Fachada

O homem tem melhores condições de vida e de saúde quando seu


organismo pode funcionar sem ser submetido a fadiga ou estresse,
inclusive térmico. A Arquitetura como uma de suas funções, deve
oferecer condições térmicas compatíveis ao conforto térmico humano
no interior dos edifícios, sejam quais forem as condições climáticas
externas. Por outro lado, a intervenção humana, expressa no ato de
construir seus espaços internos e externos, altera as condições
climáticas locais, das quais, por sua vez, também depende a resposta
térmica da edificação. (FROTA & SCHIFFER, 2003)

A geometria da forma tem um papel fundamental no desenvolvimento de EFs.


Colin (2011) afirma que para compor formas geométricas, deve-se buscar volumetria
simples com estruturas massivas e assumir os materiais aparentes, convergindo
técnicas estruturais tradicionais com alta tecnologia. Considera que assim, integrem
tradição com tecnologia construtiva.
Segre et al (2009) exemplificam a origem das casas, desde as cabanas
primitivas, que em locais frios eram construídas em pedras grandes e pesadas,
enquanto nos trópicos foram montadas com elementos leves como vegetais, madeira,
folhas, que permitiam entrar uma brisa e certo controle da temperatura. Ressaltam
que nos Estados Unidos manteve-se uma arquitetura “historicista” que ocultou
inovações técnicas até o início do século XX, quando alcançaram, gradativamente,
liberdade na construção.
Fathy (1973) explica que não se deve copiar edifícios, por mais maravilhosos
que sejam, porque o estilo das pessoas deve ser respeitado e transcrito no projeto
arquitetônico, e isso pode ser feito através do design, das formas, dos materiais..., o
que é próprio do lugar e da cultura, sendo importante entender e até (re)descobrir o
que pode ser característico da população. Por vezes, nem os próprios moradores
conhecem ou têm dimensão do quanto a tradição pode oferecer. O arquiteto utiliza o
Gourna, no Alto Egito, para exemplificar que fachadas não são compostas só por
paredes, especialmente onde o clima é quente e árido.
Fachadas e telhados são expostos ao sol direto, aquecem durante o dia e as
janelas e portas precisam oferecer as mesmas questões de proteção contra calor e
frio excessivos. Tais aberturas podem ser o ponto fraco da edificação, diante da
dependência de entrada de ar, para que a brisa pudesse evaporar suor, que causa
tanto desconforto às pessoas. Considera essas questões como parte do programa de
24

necessidades dos clientes que por vezes não são considerados como parte da
arquitetura. Observa-se então que, quando os problemas não são percebidos por
usuários nem criadores, ou são ignorados a fim de se projetar e construir apenas,
prejudica-se o uso, o usuário e o ambiente construído.
El-Shorbagy1 (2010) conta que Hassan Fathy (1900-1989) foi um arquiteto e
mestre construtor egípcio, um dos pioneiros em fundar uma abordagem de construção
baseada em conceber e interpretar formas e volumes tradicionais. Acreditava que era
possível que o passado coexistisse com a modernidade porque, por mais que
modismos e tendências se transformem, as necessidades humanas são as mesmas,
devendo ser assistidas por elementos que funcionem de modo atemporal. Elogia o
arquiteto por ter entendido a função dos elementos da casa árabe-islâmica e sua
relação de equilibro com o meio ambiente e em todos seus projetos doméstico, inseriu
esse conhecimento. Destaca a Casa Nassif em Jeddah2 (FIGURA 1) como
representante de sua interpretação dessa tradição com vocabulários essenciais da
tipologia local.

Figura 1. Nassif house in Jeddah.


Fonte: El-Shorgagy (2010)

1
Doutor Adbel-Moniem El-Shorbagy é professor e presidente científico da Arquitetura e Urbanismo na
Universidade Effat. Escreve no site sobre Estudo da Lingua e Cultura Árabe.
(https://www.arabeegipcio.com/2012/08/arte-arabe-arquitetura-islamica-arabe.html)
2
Abd al-Rahman Nassif House (http://www.archnet.org/sites/88)
25

El-Shorbagy (2010) destaca que nas casas árabes-islâmicas, a iluminação e


estética já aplicavam princípios de sustentabilidade. Seguiam hábitos e tradições (com
diferenças regionais) que refletiam na forma e espaço das construções. Exploravam
o ambiente físico e os problemas para projetar um interior confortável, sendo um dos
melhores exemplos sobre residir em paz e pureza. Para esse arquiteto, a beleza
dessas casas tradicionais é uma forma de arte, cultura e religião. Deve-se lembrar que
privacidade é fundamental.
O pátio da arquitetura árabe era uma solução natural ao movimento do ar por
convecção, pois em zonas secas e quentes, a alta temperatura do dia aquece o ar
dentro do pátio, que sobe à noite, auxiliando o conforto nos ambientes internos. À
noite o ar resfria e ameniza a temperatura dentro do pátio até a próxima troca de ar.
Posteriormente, cobriram alguns pátios e precisaram inventar um novo sistema de
ventilação. Utilizavam também aberturas laterais e nesse sentido o muxarabi
(“mashrabiyah”) foi a proteção desenvolvida para as janelas e portas.
Ao observar a arquitetura vernacular observa-se que tinha identidade estética,
especialmente regional, podendo identificar a construção e seus elementos diante do
local construído. Cronologicamente, os projetos evoluíram, principalmente em relação
às técnicas construtivas, projetuais e diante dos novos materiais, paralelamente às
concepções das fachadas. Independentemente do que a realidade contemporânea
oferece, é importante analisar as tradições de como os povos antigos resolviam
problemas na construção civil que se mantém até os dias de hoje.
Camacho et al (2017) abordam o desenvolvimento de estratégias passivas
visando conforto ambiental como algo natural e inerente a cada cultura, de acordo
com o clima. Ou seja, não consideram tal preocupação como novidade, expondo que
o novo consiste nas tecnologias, no aprimoramento impulsionado pelo aumento do
contato entre diferentes culturas. Exemplifica com os muxarabis (de tradição islâmica),
muito aplicados na arquitetura latino-americana e moderna brasileira e classifica como
elementos vazados em tipologias, segundo origem artesanal (elaborada em madeira)
ou industrial (elaborada em cimento e/ou cerâmica).
Paulert (2012) aborda a busca por proteção para iluminação e ventilação
atribuindo importância fundamental porque esse valor faz elementos vazados serem
comuns e observados desde as tradições orientais, muçulmanas, tendo chegado e
26

permanecido no Brasil. Resgata a arquitetura chinesa, por haver portas e janelas de


ventilação como esquadrias que eram elementos de decoração, principalmente em
casas rurais e de classe com melhor poder aquisitivo, que inseriam desenhos mais
complexos e significativos. A autora alerta para as residências mais próximas às ruas,
por ser mais importante a segurança, aplicavam esses elementos como telas.
Na arquitetura islâmica os elementos vazados refletem a cultura reservada de
preservação da vida familiar ao mesmo tempo em que permite ventilar as construções
nos climas quentes que se estendeu para além do mundo árabe. Paulert (2012)
ressalta que os traçados desses EF traziam desenhos geométricos, epígrafes,
orgânicos e religiosos. Destaca a importância funcional desses elementos como
solução natural de ventilação e iluminação que mantém privacidade e valoriza cultura.
Stofella et al (2016) tratam sobre sistemas automatizados de proteção de
fachada como tendência crescente em projetos tecnológicos que visam responder as
diferenças climáticas e estímulos do meio ambiente. Consideram “a arquitetura
responsiva como sendo o produto natural da integração da computação com a
arquitetura para a produção de espaços ou estruturas otimizadas” (NEGROPONTE,
1975 apud STOFELLA et al (2016)). Há quarenta anos, ele identificou o problema da
industrialização padronizando e limitando formas, que se repetiam na arquitetura. E
havia a preocupação pelo controle para se barrar transferência de calor sem prejudicar
a qualidade de luz natural interna.
27

2.3.1 Brise-soleil / Quebra-sol

O brise-soleil descende das inúmeras formas de filtragem da luz, e


também do olhar, desenvolvidas pela arquitetura das cidades
mediterrâneas, fortemente marcada pela presença árabe: muxarabis,
rótulas, varandas, cobogós, rendilhas, treliças, ripados, dentre outros.
São elementos que Le Corbusier assimila, revelando um crescente
fascínio pelo ambiente caloroso e sensual da região. Ao adaptar sua
utilização a escala e a lógica construtiva da arquitetura moderna, cria
edifícios que diferenciam uma nova fase em seus projetos. (BARBOSA
& PORTO, 2005)

Ambientes envidraçados podem gerar efeito estufa quando não tem proteção
diante de temperaturas extremas e alta incidência solar. Os brises-soleil são
elementos protetores sobre janelas e fachadas que podem ajudar a minimizar esse
feito, podendo ser projetado de modo horizontal, vertical, ou misturando ambos.
Correia (2015) afirma que a forma do conjunto misto, dos elementos horizontais
e verticais, propiciava permeabilidade ao ar, profundidade com textura visual, e
expressividade com dinamismo. Apresenta-o como um dispositivo técnico que
complementou as fachadas num momento em que as janelas tradicionais foram
substituídas por grandes superfícies envidraçadas. Lembrando que em sua origem
eram fixos e atualmente têm sido muito utilizados com articulação, o que permite
aberturas em 90º e fechamentos em 0º.
Para Fathy (1973) brise-soleil, desde a arquitetura vernacular, era como uma
releitura das cortinas persianas, ampliando sua escala e saindo do interior para fazer
parte do exterior, com tamanho das lâminas multiplicado para cobrir até fachadas
inteiras. Vale destacar que arquitetura vernacular não incluía questões complexas de
técnicas e projetos com técnica atual e complexa... Descreve que o precursor do brise-
soleil foi definido por Le Corbusier como “placas horizontais ou verticais, móveis ou
fixas” com função de filtragem do excesso de radiação solar, luz e calor, permitindo
ventilação nos abrigos de climas muito quentes. Conta que, embora já existisse, o uso
deste elemento por Le Corbusier contribuiu com sua difusão e desenvolvimento a
partir de 1930.
Também é denominado de quebra-sol este recurso para controlar a incidência
solar de modo conciliador entre conforto ambiental e eficiência energética. Barbosa &
Porto (2005) classificam tal controle como “um dos principais desafios”. Para sua
eficiência, deve-se considerar as alterações do clima e da incidência solar ao longo
28

do dia e das estações. Salientam que o controle sazonal automático é um instrumento


interessante como mecanismo de proteção solar, sendo fundamental “conhecer as
características de eficiência geométrica dos diversos tipos de protetores”. Manter um
conforto visual necessário tanto sob iluminação natural quanto artificial requer uma
inter-relação com sistemas de proteção solar.
Gutierrez & Labaki (2005) definem brise-soleil como opção de dispositivo para
proteção solar, cuja função básica se soma na inserção da arquitetura enquanto
elemento de composição. As autoras enfatizam seu uso marcante no modernismo
como um elemento de expressão formal. Defendem que o partido da implantação
deve ser condicionado ao programa de necessidades, aos materiais e técnicas
construtivas, ao clima, e a intenção plástica. Vale salientar que o Brasil tem a maior
parte de seu território localizado entre o equador e o trópico de capricórnio, uma região
onde a radiação solar é um problema (GUTIERREZ & LABAKI, 2005).

Bruand (2008) destaca o papel do brise-soleil não somente pela sua


função de adequação ao clima local, mas principalmente do resultado
plástico formal da aplicação desse elemento nas edificações
brasileiras. A variabilidade de soluções e a expressão arquitetônica
geraram uma identidade da arquitetura contemporânea brasileira.
Extrapolou sua função e afirmou-se definitivamente como um
elemento de composição arquitetônica. (PAULERT, 2012)

Projetos emblemáticos que fizeram uso do brise-soleil se mostraram


interessantes ao agregar valor formal à fachada, e naquele momento, apresentaram
uma dimensão tecnológica inovadora. Porém, a necessidade de uma predominância
na escolha dos EFs entre soluções estéticas ou funcionais subutilizou o produto. Tais
elementos foram sendo aperfeiçoados com o desenvolvimento tecnológico,
principalmente no que se refere à articulação automatizadas.

A valorização do papel representativo da tecnologia no projeto de


arquitetura pode ser caracterizada tanto pela ênfase formal de certos
elementos de arquitetura como coberturas, planos verticais, sistemas
de proteção solar, sistema estrutural, como também pelo próprio
caráter de alguns materiais que remetem à tecnologia como metal,
vidro, entre outros. Em muitos projetos emblemáticos, nos quais o
programa remete à tecnologia, como aeroportos, edifícios industriais,
e administrativos entre outros, na conceituação dos projetos de
arquitetura o reforço do caráter tecnológico das edificações é marcado
também pela valorização do desenho do sistema de proteção solar.
O brise-soleil que tradicionalmente é remetido à sua forma tradicional
em concreto armado, pode ser um elemento de valorização e
29

dinamização compositiva valorizando o caráter tecnológico do edifício


construído. (CUNHA, 2011)

Cunha (2011) destaca que “foi surgindo uma grande resistência, por parte
dos arquitetos, à utilização dos elementos de controle de radiação solar em
decorrência da relação entre o elemento de arquitetura e sua forma tradicional de
utilização”. Mas defende que os brises-soleil são eficientes do ponto de vista
energético, afirmando que “não há dúvida quanto à importância dos mesmos como
elementos de controle seletivo de ganhos térmicos”. Complementa que foi um
elemento moderno que se integrou à paisagem brasileira a partir da aplicação na obra
do Ministério da Educação e Saúde Pública (MESP)3 (FIGURA 2).
Segre et al (2009) contextualizam o MESP como edificação contendo
inovação tecnológica adequada ao clima do Rio de Janeiro, fazendo uso dos brises-
soleil de modo inédito, oferecendo “qualidades urbanas, formais e espaciais que o
colocaram entre as primeiras obras importantes do Movimento Moderno no Brasil e
na América Latina”. Estes foram desenvolvidos por Le Corbusier, sob direção de Lúcio
Costa, cobrindo a fachada de modo original na época.

Figura 2. Brise-soleil da fachada do MESP


Fonte: Fracalossi (2013). Foto de Marina de Olanda

Corbella & Yannas (2003) mencionam o MESP como sendo um dos primeiros
exemplares de proteção solar e interação com o clima em projetos do período
Modernista Brasileiro. Apesar de seguirem conceitos europeus, os brises-soleil fixos

3Getúlio Vargas abriu um concurso para construir o novo Ministério e o vencedor do projeto foi Archimedes,
arquiteto do Edifício da Câmara Municipal e dos Deputados no RJ. Lúcio Costa, Afonso Eduardo Reidy, Ernani
Vasconsellos, Carlos Leão, Jorge Moreira e Oscar Niemeyer não venceram o concurso, mas destacaram-se
como uma geração nova e promissora, com conhecimento do funcionalismo europeu que ia ao encontro à vitória
da Revolução Constitucionalista de 1932 e anseios do novo presidente.
30

foram adequados ao clima carioca tropical permitindo visibilidade para a baía (SZABO,
2003). Conforme descreve Fracalossi (2013), foi projetada uma estrutura de malha
modular em concreto linear, esbelta, distanciada a cada um metro, onde foram
dispostas três lâminas horizontais de fibrocimento na parte superior. Tecnicamente,
as lâminas foram calculadas adotando o solstício de verão do meio-dia e de inverno.
Porém, em uma visita ao MESP, Szabo (2003) conversou com usuários que
narraram que o interior dos ambientes voltados para o brise-soleil era
“excessivamente escuro e, em compensação, o outro lado, por demais luminoso, além
de ter uma grande penetração do sol no período do verão”. O autor concluiu que
tecnicamente, não foi uma solução tão adequada como apresentada no discurso
teórico desse projeto pioneiro, que tem mérito de ter utilizado o que se conhecia
naquele momento. Todavia, a tecnologia está evoluindo desde então, e se observa
escassas análises formais, funcionais e técnicas, predominando reproduções simples
de soluções já aplicadas.
Szabo (2003) explica que, com relação aos limites do brise-soleil, por mais
que um projeto e obra sejam uma referência e modelo para outros, a necessidade de
adequação regional e climática é primordial. Destacou como problema as
consequências da simples reprodução dos brises-soleil sem respeito às necessidades
luminosas próprias de cada implantação, enfatizando um desconhecimento técnico e
falta de estudos pós-ocupacionais como motivos para o desuso do brise-soleil.
Enumera como outro motivo deste desuso o problema de o código de obras computar
os elementos arquitetônicos das fachadas como área construída nos casos em que
avançavam para fora da parede, levando construtoras e investidores a descartarem
tal EF. E ainda, a necessidade de manutenção e limpeza foi um grande problema, ao
ponto de serem retirados da fachada do Edifício Marquês de Herval, projetado pelos
irmãos Roberto em 1955, depois de dez anos de construção.
Gutierrez & Labaki (2005) atribuem o desuso dos brises-soleil ao problema
da “massificação da expressão plástica”, reprodução sem conhecimentos, nem
critério, tendo se transformado em um ornamento formal dissociado da função. Aliado
a esses fatores, houve a tendência de seguir um “international styling” que valorizava
o artificial, substituindo luz e ar natural por equipamentos. Tal solução libertou da
dependência do clima externo, mas gerou problemas de consumo maior de energia e
insalubridade do ar.
31

Maragno (2000) caracteriza o brise-soleil como um EF que deve ser estudado


independente do edifício por ele, em si, representar uma identidade construtiva, e ter
a função de controle solar, mas alerta para sua integração simultânea com o interior
das edificações com o urbano. Destaca-o como protetor do efeito estufa gerado pelo
vidro, e que há necessidade de permitir ventilação além de controlar a iluminação.
Aponta que um dos estudos mais importantes sobre proteção solar e uso do
brise-soleil (OLGYAY & OLGYAY, 1963, apud MARAGNO, 2000), explicando que é
preciso determinar quais são os períodos de sombra necessários, bem como saber
qual o percurso do posicionamento solar na fachada em questão, e então determinar
qual tipo e posição seriam mais adequados. Com tais dados, orientam projetar e
dimensionar os brises-soleil considerando a máscara de sombra.
Maragno (2000) também referencia Szokolay4 por ter analisado três tipos de
brise-soleil segundo sua funcionalidade explicando que podem ter resultados
“negativos” (só excluem o sol), “seletivos” (excluem o sol que superaquece) e
“ajustáveis” (permite liberdade para controlar as necessidades).
Paiva (2003) escreve sobre o Centro da Cultura Judaica5 (FIGURA 3) por ser
um exemplo de proteção para fachada, também devido altos níveis de ruído. Explica
que o brise-soleil é composto por dois vidros laminados fumê (um de 19mm e outro
de 16mm de espessura) em formato “L” fixados em estruturas metálicas presas em
uma pérgola de concreto armado. Foi uma solução que permitiu visibilidade e
iluminação interior, possibilitando trocas de ar pelas frestas do vidro concebendo uma
engenhosa solução ponto de vista estrutural e plástico.

4
SZOKOLAY, S. Energia Solar Y Edificacion. Barcelona: Blume, 1978, p. 63-74.
5
Obra concluída em 2002, em São Paulo, do arquiteto Roberto Loeb. AEC e Paulo Duarte
desenvolveram caixilhos e brises-soleil com consultoria acústica de Schaia Akkerman
32

Figura 3. Fachada com brise-soleil, o EF, sua vista do interior e detalhe da forma.
Fonte: Paiva (2003).

Atualmente são encontrados, cada vez mais brises-soleil articulados no


mercado da construção civil, com variações de materiais (FIGURA 4).

Figura 4. Brise-soleil 100 da empresa Reynaers


Fonte: https://www.reynaers.com/en/architects/products/bs-100
33

2.3.2 Muxarabi / Amuxarabies / Mashrabiya / Moucharabieh / Muxarabiê

Literalmente, a palavra muxarabi significa o sítio das bebidas, o local


onde se punham as bilhas a fim de refrescar a água. Maxrab quer
dizer, em árabe, “chafariz” e maxarabia significa “moringa” ou
“quartinha”. A origem comum é o verbo xarabia, “beber”. A sinédoque
a moringa em vez de o lugar da moringa é igual ao emprego da palavra
vela, em substituição à frase navio de vela. Logo, outra ideia
relacionada com o muxarabi é a de conchêgo, a de bem-estar, a de
higiene. Ou melhor, a de adaptação ao meio ambiente (PINTO, 1958).

Descrito por Klüppel (2009) o muxarabi ou muxarabiê é um balcão de origem


mourisca em balanço na fachada, inteiramente protegido por gelosias ou treliças para
resguardar o interior da luz, do calor e dos olhares da rua. No Brasil foi uma caixa de
madeira, um ‘engaiolado’ adjunto à fachada de alvenaria, fechando e cercando as
portas e sacando nas fachadas. Havia o interesse em “resolver os problemas dos
excessos de luminosidade e de temperatura consequentes do clima, ao mesmo tempo
em que preservava valores culturais, como resguardar o interior da casa e o sexo
feminino do “olhar” intruso, permitindo, no entanto, um furtivo acesso visual à rua”.
A funcionalidade do muxarabi (FIGURA 5), se refere a entrada e controle de
iluminação, ventilação e visibilidade, intrinsicamente relacionado às aberturas das
fachadas, como EF de proteção e controle térmico para a interface da construção.

Figura 5. Visão externa de um muxarabi no Cairo, Egito


Fonte: Souza (2012).
34

El-Shorgagy (2010) descreve o muxarabi como composição de pequenos


balaústres circulares de madeira, dispostos em intervalos regulares específicos, em
um padrão geométrico decorativo. Ressalta que sua forma e função mudaram para
tornar-se tela em treliça de madeira. Expõe cinco funções cumpridas por sua forma:
controle de passagem de luz e de fluxo de ar, redução da temperatura da corrente de
ar, aumento da umidade da corrente de ar e garantia de privacidade. O controle
depende do tamanho das áreas de cheios e vazios, podendo aumentar as distâncias
dos vãos afastando as peças. Essa composição de componentes respeitava
proporção, equilíbrio formal e de contraste, bem como a escala do objeto e humana.
Tornou-se tipicamente reconhecido como tendo identidade islâmica.
Fathy (1973), Gutierrez (2004), Ficarelli (2009), Souza (2012) e Camacho et
al (2017) definiram o muxarabi como telas treliçadas de madeira, instaladas em
balcões nas fachadas, cujas treliças podem ter intervalos de distâncias maiores ou
menores, dependendo da necessidade de sua função. Mas essa fase denominada por
alguns como de treliças foi posterior ao muxarabi original, que era construído em
concreto para segurança militar. Destacou-se em beleza nas formas e expandiu nos
treliçados de madeira, comunicando símbolos e identidade. Tais autores defendem a
redução da temperatura no interior como grande vantagem desse tipo de EF.

Os contornos das cercaduras dos vãos rasgados de portadas e


janelas, sacados do pano de reboco acabado, desvia as águas pluviais
das esquadrias em madeira, protegendo-as.

A utilização das treliças em rechas de madeira (gelosias, arupemas,


mouxarabiês), interpretam o sentido de proteção das aberturas ao sol
direto, especialmente no casario à poente oeste. Daí uma constatação
viva da transposição cultural adaptada.

Está a função especificada e detalhada exemplarmente – o sol pode


ser controlado, amenizado, domado. A ventilação pode entrar, vazar,
cruzar, amenizar. Vencemos! É possível viver nos trópicos! (VIEIRA et
al, 2012)

Sobre a origem e definição dos muxarabis, em um aprofundamento histórico


e resgate de sua criação Pinto (1958) explica que neste EF, inicialmente, havia uma
função de segurança e proteção, que se destacou em construções militares.
Posteriormente, foram utilizados como elemento abalcoado, descrevendo como
35

possível “parente” de balestreiros6 (machicoulis) com capacidade de adaptação ao


meio ambiente e de oferecer aconchego pela entrada lumínica de seus vãos. Resume
os muxarabis como “balcões bem salientes apoiados, quase sempre, em cachorros
de pedra, abrangendo dois ou três lanços contíguos de janelas” (PINTO, 1958).
El-Shorbagy (2010) concluiu que as casas árabes-islâmicas eram coerentes
e a unidade entre seus elementos, espaço habitável com a construção e paisagem é
harmoniosa e desejável, e há muito a aprender com as características desse EF. O
autor fala sobre exemplos equivocados de apropriação dos muxarabis, quando foram
copiados sem terem sido compreendidos em sua tradição. Diz que houve uma síntese
conceitual internacional de vanguardas e formas abstratas que até empregou,
lamentavelmente, os muxarabis como paredes de tijolo e/ou concreto.
Diante da qualidade estética e funcional, o resgate da origem e da história dos
muxabaris pesquisados por Pinto (1958), apresenta-os como elementos de valor
arquitetônico com potencial de retomada para as construções. Ensina que Elementos
materiais de cultura luso-brasileiros, luso-tropicais, muito recorrente no passado,
foram sendo extinguidos. Outros sofreram com variações, porque passaram por
aculturação.

A palavra 'aculturação' vem sendo usada pelos antropólogos em geral


a partir das últimas décadas do século XIX Ortiz sugeriu substituir esse
termo pelo de transculturação, o que foi aceito por Malinowski e outros
autores. Em 1936, o Sub-Commitee of the Social Science Researxh
Conciliar procurou definir essa expressão: a aculturação seria aquele
fenômeno resultante da interação, continua e em primeira mão, de
diferentes culturas, da qual resultariam mudanças subsequentes dos
padrões originais de um ou de ambos os grupos em contato. (PINTO,
1958)

No Brasil, com seu clima predominantemente tropical, a incidência indesejada


solar nas fachadas também pode ser minimizada com elementos arquitetônicos
vazados (SAKARAGUI e HARRIS, 2010; PAULERT, 2012). Os elementos vazados
presentes na arquitetura islâmica originalmente foram definidos como muros de
arabescos vazados que permitem a filtragem de luz. Havia a crença de que filtravam
a energia e que sua composição formal resultava internamente em um caleidoscópio,
significando transformação.

6
“Os balestreiros eram fortificações salientes, eretas, em geral, no alto das torres. Serviam para defender a
entrada dos castelos ou das praças”. (PINTO, 1958)
36

Os muxarabis foram incorporados no Brasil devido sua herança colonial. São


apresentados em chapas finas de madeira vazadas ou treliçadas, compondo balcões
sombreados numa extensão das janelas, Paulert (2012) ressalta que os traçados
desses EFs traziam desenhos geométricos, epígrafes, formatos orgânicos e símbolos
religiosos e destaca sua importância funcional como “solução que permite a ventilação
e iluminação naturais, mantendo a privacidade e valorizando seus bens culturais”. De
certo modo, a replicação dos brises-soleil diminuiu o uso dos muxarabis. Santo et al
(2016) expõem que no Brasil, a partir de 1930 começou a construção de edifícios que
utilizavam “persianas projetantes” nas janelas como elemento de proteção e controle
solar e de ventilação. Esses elementos eram os mesmo de Le Corbusier, antes de se
adotar a definição que esse arquiteto divulgou como brise-soleil.
Acredita que “a não ser talvez em Diamantina, não existe mais um só
muxarabi inteiro no Brasil. Esse elemento arquitetônico, não obstante, provavelmente
se encontrava em quase todas as principais cidades coloniais do Brasil” (PINTO,
1958). Lamenta essa perda justificando seu desuso e retirada dos existentes por
questões de segurança, pois a vantagem da proteção foi indevidamente utilizada
como “esconderijo” para criminosos. Justamente sua eficiência nessa função foi o
motivo de seu desuso. Isso, a partir de um assassinato, quando por traz de um
muxarabi atiraram em um político7. O fato amedrontou outros homens públicos, e
resultou em leis para retirada dos muxarabis.
Segawa (1997) apud Paulert (2012) para quem “a colonização foi um vetor de
investigação climática e a aclimação como processo para aliviar a inserção humana
em latitudes diferentes da origem europeia do agente colonizador”. Explica que
elementos arquitetônicos se adaptam ao clima, função e cultura como uma releitura e
adequação à realidade tecnológica e sociocultural, desde La Alhambra e Córdoba,
mesquita de San Esteban (FIGURAS 6 e 7).
Vieira et al (2012) e Klüppel, 2009 relatam que em Olinda, dois sobrados
tombados são patrimônio nacional típicos da contribuição dos mouros que utilizavam
elementos de proteção de fachada como exemplares do uso dos elementos vazados.
Trata-se das casas nº 7 da Praça de São Pedro Mártir (FIGURA 8) e nº 28 da Rua do
Amparo (FIGURA 9).

7
Na ocasião, a vítima foi o governador Sebastião de Castro e Caldas, em viagem a Recife.
37

Figura 6. Muxarabi em la Alhambra Figura 7. Muxarabi de Córdoba


Fonte: Calvert (1906) Fonte: Barrucand e Bednorz (2007)

Figura 8. Sobrado nº 7 Figura 9. Sobrado nº 28


Fonte: Vieira et al (2012)

A casa urbana brasileira herdou o “muxarabiê” ou muxarabi da tradição árabe,


uma espécie de balcão corrido, grande e saliente, destacado da prumada da
fachada, cobrindo todo o vão de abertura, cujo início de utilização no Brasil é
impossível precisar, porém, pelo que se pode observar nos registros
iconográficos, já era bastante difundido no século XVII (KLÜPPEL, 2009).

Klüppel (2009) aponta como problema quando as funções não eram


atingidas. Às vezes a radiação solar era bloqueada de modo que não permitia a
entrada necessária do sol para secar o ambiente e o proteger contra bactérias,
resultando numa umidade interna que causava problemas de insalubridade. Além
disso, a circulação do ar ficava comprometida ao comparar às aberturas sem esses
38

elementos. Entre os motivos desses problemas estava o uso do muxarabi sem


análise, como direção do vento dominante e, por vezes, havia um impedimento de
incidência solar e de permeabilidade de vento que propiciava o acúmulo de
microrganismos indesejados.
Independente das implementações equivocadas que ocasionaram problemas
de insalubridade, para Torre (2016) “a mashrabiya ofereceu proteção efetiva contra a
luz solar intensa no Oriente Médio por vários séculos. No entanto, hoje em dia, este
tradicional elemento de janela islâmica, com a sua treliça característica, é usado para
cobrir edifícios inteiros como um ornamento oriental, proporcionando identidade local”
e acrescenta que seu dispositivo de sombreamento solar é positivo para resfriamento
interno. Torre (2016) afirma que os muxarabis tradicionais mesclam “aspectos
culturais, visuais e técnicos” e apresenta imagens que contém desenhos a partir de
padrões e composições geométricas (FIGURA 10).

Figura 10. Muxarabis modulares compondo padrões complexos de design de superfície.


Fonte: Torre (2016)
39

2.4 Design de Superfície e Grupos de Simetria no Plano

O Design de superfície é uma área de conhecimento importante para


economia por interferir diretamente nos produtos comercializáveis. Embora seja
entendido no Brasil como artigo de luxo, não significa ostentação, pois envolve
conhecimento aplicável e complexo de superfícies bi e tridimensionais que auxiliam
na produção industrial e na comercialização dos produtos.
A pavimentação de uma superfície plana modular pode ter como base malhas
auxiliares, cujas mais populares são as construídas a partir dos polígonos regulares:
quadrado, triângulo e hexágono (BARBOSA, 1993). Permitem uma pavimentação
completa, com crescimento infinito, suportam módulos que se repetem e podem ser
formados a partir de operações básicas de simetria no plano. Pela classificação destes
grupos de simetria no plano, as operações podem ser de: translação, espelhamento,
rotação e espelhamento com translação (FIGURA 11).

Figura 11. Operações de simetria no plano


Fonte: As autoras.

Assim, uma unidade nuclear, sujeita a uma ou algumas operações de simetria


no plano, possibilita a construção de super unidades modulares distintas, que podem
ser utilizadas modularmente. Blanco e Harris (2011) apresentam exemplos dos 17
grupos de simetria em padrões de pavimentação em revestimentos no palácio Nazari,
em Alhambra (APÊNDICE A).
40

Neste contexto, o padrão do design de superfície selecionado do hueso, é


composto por quatro unidades nucleares compostas por duas operações ortogonais
de espelhamento ou por uma rotação de 180º e um espelhamento horizontal (FIGURA
12). Já sua super unidade modular, pode ser composta por quatro huesos,
posicionados a partir de operações de rotações a 90º (FIGURA 13).

Figura 12. Operações de simetria no plano para a composição do desenho hueso.

Fonte:

Figura 13. Composição da super unidade modular a partir da figura hueso.


Fonte: As autoras.
A super unidade modular do hueso é a geometria básica da pavimentação de
seu padrão, de modo que todos os espaços sejam preenchidos, conforme a
41

classificação P4 dos grupos de simetria no plano. Os eixos do mecanismo de rotação


são fixados dois a dois, de modo a passarem linearmente pelo centro das placas
intercaladas ente si. O padrão geométrico modular adotado, denominado de hueso é
encontrado no Salón de Comares em Alhambra, Granada (FIGURA 14).

Figura 14. Estudo do padrão compositivo de Alhambra.


Fonte: LEITE, 2007 apud BLANCO e HARRIS, 2011.

A partir do padrão hueso, considerando-se um alinhamento por eixos verticais


paralelos e equidistantes, compondo o padrão, iniciou-se uma proposta de
transferência deste tipo de desenho encontrado em revestimentos, para um elemento
arquitetônico articulável para proteção e filtragem da luz solar incidente em vãos de
fachadas e edificações. O primeiro modelo desta proposta foi construído em uma
Iniciação Científica quando Sakaragui & Harris (2012) iniciaram estudos sobre a
mecânica dos giros (FIGURA 15).

Figura 15. Primeiros estudos para fachadas dinâmicas com padrões do hueso.
Fonte: Sakaragui & Harris (2012)
42

Aprofundando na proposta de movimento por eixos e possibilidade de


automação deste padrão geométrico, desenvolveu-se um sistema de giro duplo e
iniciando com uso do Programa Arduíno. Estas pesquisas tiveram apoio de dois
bolsistas de Iniciação Científica (IC), Bruno Medina que iniciou a programação dos
giros duplos (FIGURA 16), e Gabriella Bergamini que começou os testes do primeiro
protótipo do elemento articulado com base em eixos paralelos de dupla rotação
(FIGURA 17). Nesta época foram realizados testes com outro padrão geométrico
comum encontrado em Alhambra, também desenhado por Escher (FIGURA 18).

Figura 16. Ilustração da programação dos giros duplos do muxarabi dinâmico.


Fonte: Medina (2012)

Figura 17. Primeiros testes no protótipo inicial do muxarabi dinâmico.


Fonte: Bergamini (2013)

Figura 18. Desenhado de Escher do padrão identificado em Alhambra.


Fonte: Schattschneider (2004) p.125.
43

Para o padrão de desenho e composição do design de superfície, com eixos


paralelos e superfície desenvolvida num plano, outros exemplos modulares como
placas articuláveis foram estudados (FIGURA 19). Desenhos figurativos também
podem ser utilizados nesse sistema, como borboletas e outros desenhos de artistas
como M. Escher (FIGURA 20), mostrando que é possível aplicar inúmeras formas e
cores para o MuArt a partir do hueso, além de oferecer ricas percepções visuais.

Figura 19. Exemplos de possibilidades de padrões modulares que podem ser aplicados na
estrutura física do MuArt.
Fonte: as autoras.

Figura 20. Exemplos de desenhos modulares de M. Escher, passíveis de serem implementados no


MuArt.
Fonte: Schattschneider (2004) p.96, 125 e 126.
44

A mecânica dos giros duplos dos eixos, onde são fixados os pares das placas
em posição ortogonal, funciona com independência para os dois sentidos, permitindo
um giro diferente para as placas posicionadas horizontalmente em relação às
posicionadas verticalmente. Considerando-se as análises dos resultados obtidos
pelos testes realizados no primeiro protótipo, deu-se continuidade ao seu
desenvolvimento.
A partir da mecânica e limites relacionados ao giro entre às placas no primeiro
protótipo, com o MuArt foi possível realizar testes comparativos relacionados à
filtragem da luz natural num estudo de uma sala real onde estão instalados brises-
soleil horizontais articulados. Nesta pesquisa realizou-se experimentos, tendo por
base padrão hueso, adotado nas pesquisas anteriores, evoluindo os trabalhos. Um
diferencial neste momento foi com a mudança no design da superfície, que passou de
sólido à vazado, e foram introduzidos estudos de outras possibilidades de padrões
compositivos.
Diferentes possibilidades entre desenhos, cheios e vazios, foram exploradas
em atividades de disciplinas (APÊNDICES B, C, D e E), permitindo compreender
geometria de formas, módulos e encaixes entre peças, movimentos e variações na
passagem da luz, efeitos de sombreamento no interior da edificação, observando
limites e potenciais dos design e mecanismos (FIGURAS 21 a 23).
Criou-se uma linha ondulada para oferecer dinamismo ao elemento para
analisar também a possibilidade de um EF com movimentos independentes,
apresentado na modelagem física. Foi possível experimentar simulação paramétrica
por meio do uso dos programas Rinoceros e GrassHopper (FIGURA 24) e avaliar
padrões geométricos com estudo de composições dos módulos.
Há formas que se sobrepõem e movimentos que se limitam em determinados
encontros. Observou-se no estudo virtual e visual que a formas que não fazem parte
do grupo de simetria P4 dificultam movimentação, precisando ser aprimoradas, mas
permitem desenvolver uma fachada dinâmica, provavelmente precisando fixar alguma
parte e limitar a rotação de outras em 180º, por exemplo.
Destacou-se obter um resultado de fachada dinâmica e interativa para os
usuários. O “Pássaro Onda” é uma possibilidade viável como alternativa formal e
atende o propósito de explorar a interação dos usuários em fachadas e criar
45

superfícies diferentes e com identidade. Com ele foi possível realizar análises
importantes para sequência e amadurecimento do trabalho.

Figura 21. Estudo temático do módulo intitulado Pássaro.

Figura 22. Estudo temático do módulo intitulado Pássaro Onda

Figura 23. Modelo com o EF “Pássaro-Onda”.


Fonte: As autoras na disciplina AQ100, em 2015.

Figura 24. "Pássaro Onda" desenvolvido no Rinoceros e GrassHopper


Fonte: As autoras com programação desenvolvida pelo aluno da FEC Fraderick Gorsten.
46

2.5 Identidade e comunicação em fachadas

Segundo Harris & Castro (2013), o uso conjunto e consciente de análises


Gestálticas e Semióticas no projeto dos elementos arquitetônicos, que compõe
elementos para fachadas de edificações, permite a criação de um sistema capaz de
auxiliar o projetista. As autoras enfatizam a potencialidade das fachadas em
transmitirem “valores, ideias e enfoques culturais”, sendo estes, cada vez mais
possível de serem incorporados à tecnologias inovadoras nos projetos, envolvendo
design de superfície com criatividade para a incorporação de elementos arquitetônicos
modulares. Como exemplos, apresentam duas edificações com aplicação de
identidade sobre fachadas corporativas de moda, uma da marca Prada8 e uma da
Christian Dior9, sendo esta última utilizada com efeitos de iluminação (FIGURA 25).

Figura 25. Fachadas com identidade: Prada (esquerda) e Dior (direita)


Fonte: Harris & Castro (2013)

Nota-se nestas fachadas a utilização de unidades modulares expressivas das


marcas, nas quais foram expressas suas formas e simbologias. Dondis (2015) expõe
que a interação entre símbolos deve ser harmoniosa, de fácil aprendizado, ser útil e
ter inteligência visual resumida, ou seja, um símbolo precisa ser facilmente entendido
para ser bem comunicável.
Outro exemplo pode se observar em Carvalho & Harris (2010) com o
desenvolvimento de uma proposta de elementos vazados com identidade indígena,
sistematizada a partir da seleção de símbolos expressivos que permeiam diferentes
tribos brasileiras. Como modelo de aplicação, a partir da extração de uma essência

8 Prada boutique Tokyo, Projeto 178, de Herzog & de Meuron (http://www.herzogdemeuron.com)


9
Dior foi desenhada em proporções áureas por Kumiko Inui
47

simbólica selecionada, desenvolveram um elemento vazado que poderia ser utilizado,


por exemplo, para a construção de uma fachada, no contexto de uma segunda pele,
para um museu do Índio. Para isso escolheram o motivo geométrico denominado de
kaikui apoeká (FIGURAS 26 e 27), extraído da população indígena Wayana e
observado em outras etnias.
A partir de operações de simetria no plano, criaram um elemento modular
denominado “cobogó indígena” (FIGURA 28) e exploraram diversas aplicações para
elementos vazados e de revestimento. Por vezes, contribuindo e transformaram o
motivo original de modo investigativo e experimental para uma análise formal.

Figura 26. Desenho kaikui apoeká, da Figura 27. Cobogó inspirado no desenho kaikui apoeká
tribo indígena Wayana
Fonte: Ribeiro, 1989, apud Carvalho & Fonte: Carvalho & Harris (2010)
Harris (2010)

Figura 28. Desenvolvimento criativo do módulo “cobogós indígena”

Como exemplo de incorporação da identidade em elementos de fachada


apresentado por Sakaragui & Harris (2010), mudando a função do elemento islâmico
48

hueso, comum em arte de alicatados10 como no palácio de Alhambra, (FIGURA 29),


encontrado em revestimentos de paredes, para uma primeira proposta de muxarabi
dinâmico. Este foi testado em um modelo físico reduzido de um ambiente, com uma
de suas faces exposta à luz solar direta (FIGURA 30). O estudo permitiu visualização
de possibilidades de soluções estéticas e análises empíricas sobre efeitos de luz e
sombra gerados no interior.

Figura 29. Hueso como Figura 30. Estudo com maquete física do módulo hueso em
revestimento em parede composição para fachada
Fonte: Sakaragui & Harris (2012).

Gomes & Harris (2010) apresentaram o Método 3 desenvolvido para auxiliar


projetistas a criarem unidades modulares com potencialidades gramaticais da forma
para a geração de padrões compositivos. Tal método propicia uma adequação
estética entre as unidades enquanto otimiza sua linha de produção, além de ampliar
a riqueza gráfica para fachadas.
Como exemplo de aplicação, Gomes & Harris (2010) prototiparam na forma de
painéis, com diferentes padrões, algumas unidades modulares que se destacaram por
sua versatilidade em diferentes potencialidades compositivas (FIGURAS 31 e 32).
Outros exemplos mostram efeitos de mudança de escala (FIGURA 33) e em
simulações em modelos físicos com a visualização dos efeitos de luz e sombra no
interior de um ambiente (FIGURA 34).

10
Técnica de corte, encaixe e instalação de peças que formam mosaicos presentes nos padrões de
revestimentos do Palácio Nazarí, em Alhambra, também utilizada nos dias atuais.
49

Figura 31. Par de painéis compostos com as mesmas unidades modulares


Fonte: Gomes (2010).

Figura 32. Painéis com variação de módulos


Fonte: Medina (2012) e Gomes (2010)

Figura 33. Painel com variação da escala da unidade modular


(Autoria: Jaqueline Martins, aluna de pós-graduação em ARC-UNICAMP, em uma disciplina de
férias, AQ074, 2015)

Figura 34. Efeito luz e sombra de uma placa de muxarabi


Fonte: Gomes (2010)
50

2.6 Articulação & Movimento

Um conceito que tem chamado atenção é o de arquitetura em movimento,


com células de rastreamento, paredes retráteis, automação e edifícios inteligentes.
Nesse sentido, Schumacher et al (2010) defendem que a essência da arquitetura era
construção imóvel, mas uma arquitetura flexível no que se refere ao desenvolvimento
de articulações. Dobradiças e acessórios para janelas, assim como outros elementos
móveis estratégicos evoluíram. Lembram que o movimento acontece quando existe
algo em posição estacionária, que sofre uma aceleração e se desloca até parar
novamente.
Essa situação de movimento, embora simples e até natural, recebeu
tecnologias inovadoras, abordadas na Arquitetura Interativa e Responsiva. Esse
sistema pôde ser aprimorado com a disponibilidade de novos materiais que abrem
possibilidades à uma nova expressão estética, para além do movimento de abrir uma
porta. Maia & Meyboom (2015) apontam que o futuro precisa de sistemas com
respostas diretas e concluem que a tecnologia existe e está disponível, contudo,
demanda mais teoria para servir de base para novos campos de pesquisa.
Traçando um paralelo com a arquitetura vernacular, ressalta-se que não
dependia de projetos, sendo fundamental a mão-de-obra, focando na prática.
Conforme o processo projetual foi evoluindo, somado ao acesso à informação do
mundo globalizado, aumentou a importância do desenho, dos detalhes, das
tecnologias e teorias para o registro da obra. Em paralelo, a mão-de-obra também
precisou se preparar e há empresas e profissionais treinados para execução dos
sistemas construtivos mais racionalizados.
No primeiro momento, da criação e desenvolvimento dos sistemas, estes são
muito caros. Conforme vão sendo aplicáveis e replicáveis, os custos da produção
industrial tendem a diminuir. Nesse contexto, os edifícios adaptáveis gradativamente
vão sendo mais viáveis com o desenvolvimento da tecnologia. Dewidar (2013)
defende que as novas estratégias e soluções cinéticas, responsivas e adaptáveis são
as respostas para o futuro do desempenho energético eficiente. Uma das vantagens
de fachadas dinâmicas, segundo Velasco et al (2015) é a possibilidade de se aplicar
soluções cada vez mais sustentáveis.
51

Para Vaz et al (2016) um dos primeiros casos impactantes de EF dinâmicos


foi o projeto do Instituto do Mundo Árabe (IMA), de Jean Nouvel, que criou 240 painéis
foto sensíveis que abrem e fecham em movimento de diafragma, conforme a
incidência da luz solar (FIGURA 35). Além disso, o design de superfície destes
elementos apresenta uma marcante identidade árabe e sua geometria simples e
modular, otimiza a fabricação, assim como o projeto Al Bahr Tower, do escritório
Aedas Architects (FIGURA 36), considerado grande destaque em design e tecnologia
por Velasco et al (2015). Contudo, esses projetos pioneiros são tinham experiência de
como seria a manutenção das peças. No caso do IMA, as células não funcionam bem,
pois dependem de fatores como da limpeza do vidro.

Figura 35. Instituto do Mundo Árabe, Paris - Ateliê Jean Nouvel

Figura 36. Fachada para Al Bahr Towers - Aedas Architects


Fonte: Velasco et al (2015).

Destaca-se a presença da identidade, produzida com uso de uma tecnologia


além dos padrões observados em fachadas brasileiras. Outro exemplo de fachada
com movimento, citada por Schumacher et al (2010), é a Kiefer Technik Showroom,
(FIGURA 37), onde foram instalados painéis de alumínio em forma de persianas
horizontais dobráveis ao longo da fachada sudoeste em uma superfície envidraçada.
52

A estrutura de suporte leva os trilhos guia para as persianas dobráveis e é ancorada


ao edifício por suportes de aço inoxidável. Rolos e motores de acionamento elétrico
estão integrados e permitem que os elementos sejam levantados, abaixados e
dobrados juntos ou independentes, permitindo e geração de diferentes efeitos
estéticos na fachada.
Na posição fechada, a luz adentra através de perfurações das telas dos
painéis de alumínio, um material parecido com tecido de tulle, e os motores aceleram
gradualmente e param suavemente. Cada um dos elementos tem um sistema
programável estendido ou retraído. Como resultado, a fachada ultrapassa a função de
sombreamento, assume aparência de constante mudança e pode ser coreografada.

Figura 37. Kiefer Technik Showroom, 2007.


Fonte: Photographer: Paul11

Outro exemplo é o projeto de Henning Larsen Architects (2015) para o


Campus da Universitets Parken, no centro de Kolding, Dinamarca. Em 2014 essa
fachada foi projetada com uma proteção solar que se ajusta ao clima por um sistema
de “aproximadamente 1.600 persianas triangulares de aço perfurado” cujos sensores
regulam a entrada de luz por automação (FIGURAS 38 e 39).

Figura 38.Exterior do SDU Campus Kolding


Figura 39.Detalhe da persiana triangular de aço perfurado
Fonte: Henning Larsen Architects (2015)
(Photographs: Martin Schubert, Jõrgen Weber, Jens Lindhe)

11
Photographer: Paul Disponível em <Ott https://www.architonic.com/en/project/ernst-giselbrecht-
partner-dynamic-facade-kiefer-technic-showroom/5100449> Acesso em: 08 mar. 2017.
53

2.7 Muxarabi dinâmico

Segundo Lacerda et al (2013), os artefatos são objetos caracterizáveis por


suas funções e adequações, que envolvem: o propósito, o caráter e o ambiente em
que funcionará como uma interface. O propósito dos elementos de fachadas são
auxiliar a arquitetura enquanto sua função de abrigo e proteção da edificação e seus
usuários no interior do ambiente. Enquanto um elemento arquitetônico, o design de
sua superfície cria uma percepção visual que agrega um caráter de identidade ao
exterior e comunica uma mensagem a quem observa a composição formal inserida.
Denominado aqui por Muxarabis Dinâmicos (MD), esse EF contém algumas
características, como espaços vazios que definem padrões geométricos, e permitem
movimentos de articulação mecânicos por meio de eixos paralelos (FIGURA 40). A
primeira versão foi projetada para ser fixada em fachadas de edificações, na forma de
painéis com estruturas modulares, posicionadas lado a lado de modo a compor uma
malha plana para funcionar como um elemento arquitetônico, modular, de proteção
contra a luz solar (FIGURA 41).
A proposta utilizava o padrão geométrico hueso e foi sendo desenvolvido um
sistema de rotações duplas independentes, perpendiculares a eixos paralelos para
torna-lo articulável (FIGURA 42). Foi simulada uma variação da forma hueso com
arredondamento das arestas (FIGURA 43). O primeiro MD inspirado na arte islâmica
pesquisados por Blanco e Harris (2011), foi um dos estudos que iniciaram
anteriormente e continuaram sendo aprimorados há mais de dez anos, tendo a
contribuição de muitas pesquisas. Os estudos sobre MD iniciaram com uma iniciação
científica em 2005 (TUPAN & HARRIS, 2005) e sobre grupos de geometria no plano
em 2009 (BLANCO & HARRIS, 2011).
Outras 3 iniciações científicas entre 2011 e 2013 foram realizadas no
LaForma/Fec com EFs articulados por meio de eixos de rotação paralelos, quando
resultou no primeiro protótipo articulável e culminou na execução de modelagem e o
primeiro protótipo representado por uma unidade modular que compunha todos os
elementos necessários ao EF desejado, inclusive possibilidades para automação.
Naquele momento, foram realizados testes com sensores e se mostrou promissor
como produto na área de arquitetura e construção, originando o novo artefato desta
dissertação, o MuArt (Muxarabi Articulado Artístico).
54

O protótipo e as modelagens digitais possibilitaram diferentes análises do


sistema modular proposto, permitindo a inserção de uma gama de variações das
unidades geométricas nucleares, bem como adequações nas distâncias entre os eixos
e entre as placas fixadas ao longo dos mesmos, ampliando as possibilidades
compositivas e de movimento. Esse sistema de engrenagens individuais, composto
por eixos paralelos pivotantes, permitiu um deslizamento angular gradual e
independente de pares das placas, às unidades nucleares que o compõe.
Todas as placas na posição horizontal se movimentam juntas, bem como as
verticais, porém os dois conjuntos são independentes em seus movimentos de rotação
e podem girar ao longo de uma faixa de graus suficiente para permitir um fechamento
completo da fachada, bem como possibilita opções de cheios e vazios (FIGURA 44).
Além das variáveis geométricas, observou-se potencial de mudança de materiais, os
quais podem ser poliméricos, metálicos, fibras naturais e outros, desde que tenham
qualidades para ficar expostos às intempéries.
O desenvolvimento do MuArt enquanto um EF não o impede de ser explorado
em ambientes internos e, nesse sentido, os materiais podem ser ampliados. Trata-se
de um produto que permite ser aprimorado, recriado, utilizado conforme as
necessidades e criatividade pessoal e local. Há inúmeras possibilidade de aplicação
de formas, cores, estampas, adesivos e materiais sólidos ou translúcidos, ou mistura
e composição dessas opções e tamanhos (FIGURA 45). Essas imagens foram
geradas no LaFormA-FEC, variando forma e material em 2012.

Figura 40. Eixos paralelos do Muxarabi Dinâmico

Figura 41. Simulações de utilização com movimento.


55

Figura 42. Detalhe da engrenagem.

Figura 43. Primeiro protótipo.

Figura 44. Possibilidades rotação dos módulos e composições geométricas

Figura 45. Croquis de possibilidades de tamanho do módulo, cores e transparência.


56

3. MATERIAIS E MÉTODOS

Considerando-se o objetivo de aprimorar um primeiro protótipo de Muxarabi


Dinâmico (MD) e desenvolver um artefato com respostas metodológicas satisfatórias
para um Elemento Arquitetônico para Fachadas EF, como opção para a filtragem da
luz solar incidente, selecionou-se como método de pesquisa o Design Science
Research (DSR) apresentado no fluxograma a seguir (FIGURAS 46 e 47). O novo
artefato seguiu o delineamento e experimentos deste método para ser capaz de
integrar a potencialidade da inserção de padrões geométricos e de identidade dos
muxarabis, com a articulação por eixos paralelos dos brises-soleil dinâmicos.
Deste modo, definiu-se uma sala de aula para análise, tanto in loco quanto
por recursos de simulações digitais. Esta sala está situada na Faculdade de
Engenharia Civil e Arquitetura e Urbanismo (FEC), na Universidade Estadual de
Campinas (UNICAMP), no segundo andar da edificação e é denominada de CA25
(apresentada no ítem 3.3 sobre o desenvolvimento). Sua fachada, envidraçada, está
orientada para o Leste e contém brises-soleil para proteção do excesso de luz solar
incidente, sendo um EF composto por placas sólidas metálicas e articuláveis por eixos
horizontais paralelos.
O delineamento do DSR seguiu as etapas de Conscientização (3.1)
complementada pela Fundamentação teórica (capítulo 2); Sugestão (3.2),
Desenvolvimento com o contexto do ambiente interno e externo (3.3), Validação das
Simulações e Resultados sobre os brise-soleil (3.4), Comparação entre os Resultados
(3.5), Resultados (Capítulo 4) e Conclusão (Capítulo 5).
O capítulo 4 foi subdividido em: Adaptabilidade à filtragem da luz solar (4.1)
sobre o parâmetro S, Força de Identidade do Design de Superfície (4.2) sobre o
parâmetro I, Desenvolvimento e Avaliação do MuArt (4.3), Comparação ente brise-
soleil articulado existente na sala CA25 e a proposta do MuArt hueso (4.4),
Comparações entre os principais dias do ano (4.5) e Análises dos resultados (4.6).
57

Figura 46. Fluxograma do método Design Science Research


Fonte: As autoras, resumido e adaptado (de modo figurativo e esquemático) de Vaishnavi & Kuechler (2008) e Lacerda et al (2013).
58

Figura 47. Experimento DSR comparando qualidades dos objetos de estudo e do artefato
Fonte: As autoras, resumido e adaptado (de modo figurativo e esquemático) de Vaishnavi & Kuechler (2008) e Lacerda et al (2013).
59

3.1 Etapa de Conscientização

Seguindo o delineamento do método DSR, realizou-se a etapa de


conscientização da pesquisa, iniciando com a definição do problema, caracterizando
as fronteiras do estudo, lendo referências e selecionando os objetos de estudo a
serem simulados e analisados. Buscou-se os melhores resultados entre os EF para o
processo de aprimoramento do artefato, aqui denominado de MuArt (Muxarabi
Articulável e Artístico).
A sala de aula selecionada para medições e simulações digitais foi a CA25 do
2º andar do edifício da FEC/Unicamp, por ter um brise-soleil articulado instalado na
fachada. Foram realizadas análises com e sem esse EF e, em seguida, os mesmos
processos ocorreram para proposta do novo artefato, simulando o muxarabi dinâmico
e o MuArt. Então se analisou a qualidade da iluminação com os efeitos de luz e sombra
observados.
Foram identificadas e aplicadas variáveis nos objetos de estudo selecionados,
neste caso, os brises-soleil e muxarabi, registrando e verificando os limites e
qualidades de cada um em relação aos parâmetros de adaptabilidade à filtragem da
luz solar (S) e de aplicabilidade de Identidade (I). Para fase dos parâmetros “S” e “I”,
na fase dos experimentos, foi utilizado um modelo físico da sala CA25, quando foram
observados empiricamente diferentes efeitos de luz e sombra em seu interior a partir
de mudanças nos padrões geométricos dos EF instalados e nas simulações.
Foram considerados horários e dias específicos de modo a representarem
momentos críticos da trajetória da luz solar para este local: equinócio de primavera
(21 de setembro), solstícios de inverno (21 de junho) e o solstício de verão (21 de
dezembro) no hemisfério Sul. Para a realização de uma aferição entre a modelagem
digital e a condição real da sala CA25, selecionou-se o dia de maior incidência da luz
solar na fachada ao longo do ano, o solstício de verão, por apresentar maior
quantidade de horas de incidência solar no ano (13 horas e 25 minutos),
consequentemente, uma maior necessidade de proteção na fachada.
60

3.2 Etapa de Sugestão

Na fase de Sugestão, trabalhou-se o processo criativo com os possíveis


artefatos, os quais começaram a ser analisados nas disciplinas do Mestrado
(APÊNDICES B ao E). Os objetos de estudo selecionados, muxarabis e brises-soleil,
foram pesquisados na revisão de literatura e o muxarabi dinâmico (MD) foi
compreendido ao estudar outros trabalhos realizados na UNICAMP.
O MD está apresentado neste estudo no ítem 2.7, cujos estudos iniciaram há
alguns anos, primeiramente para um painel modular fixo em fachadas de edificações,
que compunha uma malha plana, e foi sendo incorporados conhecimentos aplicáveis
e novas tecnologias, verificando assuntos sobre articulação e movimento para a filtrar
a luz solar incidente de modo controlado. Foram realizadas análises que resultaram
em uma proposta de produto para um novo EF denominado MuArt (Muxarabi
Articulado Artístico), proveniente do aprimoramento do sistema MD.

3.3 Etapa de Desenvolvimento com o contexto do ambiente


interno e externo

A etapa do Desenvolvimento foi realizada a partir da caracterização e


construção do ambiente interno/externo, além do próprio artefato, bem como do
conhecimento aplicável. Visando uma melhor contextualização do problema, segue a
caracterização do ambiente externo (FIGURAS 48 e 49) com o brise-soleil existente
(FIGURAS 50 a 53) e do ambiente interno da sala CA25 do 2º andar do edifício da
FEC/Unicamp (FIGURA 54). As fotos dos brises-soleil foram feitas no dia 20 de
dezembro de 2018, quando se registrou fotograficamente seu mecanismo aberto e
fechado a partir das 7:00 horas da manhã.
Um levantamento por meio de medições com trena e observações em
luxímetro foi realizado com o intuito de auxiliar na modelagem para as simulações
digitais do ambiente construído selecionado. A sala foi escolhida por sua abertura ao
ambiente externo à edificação estar voltada para uma fachada Leste e conter instalado
o EF do tipo brise-soleil articulado por eixos paralelos, viabilizando verificações e
análises em uma situação real (FIGURA 55).
61

Figura 48. Situação do prédio da FEC/UNICAMP com fachada da sala CA25 com orientação Leste.
Fonte: Google

Figura 49. Modelagem digital da fachada Leste do bloco da FEC/UNICAMP.

Figura 50. Foto da fachada Figura 51. Maquete digital da Figura 52. Maquete digital da
leste da FEC com Brise-soleil fachada com Brise-soleil fachada com MuArt

Figura 53. Foto do brise-soleil existente na fachada Leste da sala CA25 do prédio da FEC.
62

Figura 54. Foto da sala CA25 real e modelagem digital


Fonte: As autoras

Figura 55. Planta Baixa da sala CA25 com as carteiras de 1 a 15.


Fonte: As autoras
63

3.4 Validação das Simulações e Resultados sobre os brises-


soleil

A sala CA25 foi submetida a medição de nível de iluminação por meio do


registro dos efeitos de luz e sombra a partir de imagens fotográficas de hora em hora.
Para cada horário, os brises-soleil foram abertos e fechados registrando os níveis de
iluminação com luxímetro em cada mesa selecionada nas duas situações. Com a
coleta dos resultados das simulações realizadas, foi possível verificar o
comportamento do novo artefato, validando-o dentro do contexto para o qual foi
projetado.
Utilizou-se para as simulações digitais o software SketchUp com
renderizações feitas pelo Vray e Atlantis. O artefato e o ambiente interno da sala,
foram submetidos às medições de lux/hora em situações de céu claro e em datas
críticas, cujos desempenhos alcançados foram registrados e são apresentados como
resultados.
Após as aferições, observou-se a necessidade de se fazer alguns ajustes no
modelo, principalmente, relacionados aos detalhes físicos da sala. No dia 20 de
dezembro12 de 2018, com a maquete digital adequada e aferida, retornou-se à sala
CA25 para registrar os momentos de insolação crítica por fotografias e medições para
possibilitar a comparação com a simulação digital apresentada no item 4.5.
Foram realizadas medições com luxímetro (FIGURA 56) em 15 mesas,
alinhadas com o centro de cada janela. A medição seguiu a ordem das mesas
numeradas de 1 a 15 (FIGURA 55), nas condições dos brises-soleil com suas placas
articuladas abertas (0º), em seguida, fechadas (90º). Essa sequência foi registrada
fotograficamente por meio de um posicionamento pré-definido da câmera e do
luxímetro.
No dia da medição, 20 de dezembro de 2018, às 7 horas da manhã, a
temperatura estava em 21ºC, sem nuvens, ou seja, em condições de céu claro. Das
8 às 9 horas a temperatura subiu para 23ºC; às 10 horas para 26ºC; e entre 11 e 13
horas atingiu 29ºC. Às 12 horas apareceram poucas nuvens, manteve-se nesta
condição até o final dos testes.

12
Dia 21 de dezembro de 2018 a UNICAMP estava fechada para dedetização e por isso o dia 20 de dezembro
foi escolhido.
64

Figura 56. Luxímetro utilizado neste estudo


Fonte: As autoras

O processo de fotografar, abrir e fechar o EF, e medir com o luxímetro nas


15 carteiras em ambas as circunstâncias, durou aproximadamente 30 minutos para
cada horário. Com as medições foi possível gerar gráficos para cada situação em cada
mesa da sala CA25.
Para a construção do modelo, cada módulo nuclear de hueso foi cortado em
chapas com distâncias necessárias para a realização das movimentações desejadas.
Destaca-se que as placas são duplas, uma em frente e outra atrás do eixo de rotação,
porque o MuArt é visto por ambos os lados, tanto por quem observa a fachada de fora
do edifício, quanto de quem está em seu interior. Seus eixos são articulados por
mecanismos presentes nas laterais da armação que sustenta o painel. E esta também
é vazada e permite inúmeros tamanhos e formatos.
Com relação ao padrão geométrico, utilizou-se a figura denominada hueso que
se denominou aqui por módulo hueso, o qual foi cortado em placas com desenhos
vazados. Essas peças foram fixadas nos eixos de rotação, em posições horizontais e
verticais intercaladas, de modo a permitirem um distanciamento necessário para a
realização dos giros, conforme foi sendo observado e melhorado ao longo desta e das
pesquisas anteriores. Tais eixos são girados por mecanismos presentes nas laterais
da armação que sustenta o painel modular composto de um conjunto de eixos
paralelos.
O principal diferencial do MuArt em relação ao MD foi a simulação considerando
a superfície com padronagem vazada em suas placas, aperfeiçoando o artefato por
proporcionar melhores resultados ao EF em desenvolvimento.
65

3.5 Comparações entre os Resultados

Fechando o ciclo deste estudo do método DSR, apresenta-se a etapa de


Conclusão, com a formalização e descrição do processo de criação do MuArt, de
modo satisfatório, observando sua potencialidade de ampliação para usos como EF.
Visando uma equivalência entre as simulações digitais e reais, comparou-se os dias
testados in loco com as imagens dos brise-soleil instalados e as renderizadas do
mesmo EF. Constatou-se que as sombras eram equivalentes em ambas as situações,
validando-se assim as simulações digitais do MuArt a partir de então.
Quando realizadas as simulações, observou-se que as mesas próximas às
janelas são mais iluminadas tanto para as situações dos brises-soleil abertos, quanto
fechados. Conforme se afastam da janela, as mesas recebem menor intensidade
luminosa. Quando abertos, os níveis de lux são adequados, já para a situação fechada
as atividades visuais, de leitura, escrita e desenho, ficam comprometidas, sendo
necessário o uso de iluminação artificial, situação que também foi medida, cujos
resultados atingiram uma faixa ideal para todas as mesas uniformemente.
Para as análises foram adotadas as faixas de nível de iluminação
apresentadas por Lamberts et al (1997), cuja legenda considera “Baixa” até 200 lux,
“Média” entre 200 e 500 lux e “Alta” e desejada, principalmente para sala de aula,
acima de 500 lux. Por se tratar de faixas de iluminação, os valores numéricos lidos no
luxímetro foram traduzidos em Baixo (B), Médio (M) e Alto (A). Na situação fechada,
o nível de iluminância fica abaixo do necessário para atividades visuais de estudo,
detectando um problema para acuidade visual no ambiente.
Numericamente, o EF instalado na sala CA25, o brise-soleil articulado, na
condição de fechado, diminui a quantidade de lux e abaixa o nível de iluminação
necessária para as atividades visuais de modo a comprometer a visão do usuário. Em
comparação à situação das placas aberta, mostra uma eficiente proteção contra e
incidência solar (TABELA 1).
66

Tabela 1. Faixas de lux na sala CA25/ FEC com medição no dia 20 de dezembro de 2018

Fonte: As autoras

Legenda

Sigla Iluminação Nível de iluminação Tarefas conforme o nível de iluminação necessário


Tarefas com requisitos visuais limitados como circulação,
B Baixa < 200 lux
reconhecimento facial, leitura casual, armazenamento, refeição
Leitura e escrita de documentos com alto contraste,
M Média ente 200 a 500 lux
Participação de conferências
Alta Leitura e escrita de documentos com fontes pequenas e baixo contraste
A > 500 lux
IDEAL Desenho Técnico

Fonte: Lamberts et al (1997) adaptado pelas autoras.


67

No estudo realizado no dia 20/12/2018, in loco na sala CA25, foram tiradas


fotos a cada uma hora, das 7:00 às 13:00 horas e as simulações mostraram
significativamente próximas a partir das 11:00 horas. Foi, então, simulada a sala CA25
considerando a situação de insolação direta, para entender a sala antes da instalação
dos brises-soleil existentes (FIGURAS 57 a 59).

Figura 57. Insolação direta dia 21 de dezembro, às 07:00, 09:00, 11:00 e 13:00hs

Figura 58. Insolação direta dia 23 de julho, às 07:00, 09:00, 11:00 e 13:00hs

Figura 59. Insolação direta dia 23 de setembro, às 07:00, 09:00, 11:00 e 13:00hs

No capítulo 4, sobre os resultados, seguem as análises da sala CA25 com


uma tabela bem explicativa nos itens 4.2, 4.4 e 4.5 apresentando a comparação entre
brise-soleil existente e o MuArt, de modo comparativo também com esta simulação da
sala real em uma situação anterior à instalação do EF.
68

4. RESULTADOS E DISCUSSÕES

Após as Etapas de Conscientização, Sugestão e Desenvolvimento na fase de


Validação, observou-se para a pesquisa os seguintes itens: Adaptabilidade à filtragem
da luz solar; Força de Identidade do Design de Superfície; Desenvolvimento e
Avaliação do MuArt; Comparação entre o brise-soleil articulado existente na sala
CA25 e a proposta do MuArt hueso; Comparações entre os principais dias do ano e
Análises dos resultados.
Os resultados mostraram que os muxarabis tem maiores qualidades quanto
ao quesito de Potencialidade da Identidade (I) e os brises-soleil apresentaram
superioridade no quesito de Adaptabilidade à luz Solar incidente na fachada (S). Sob
estes aspectos, foram consideradas para a construção do MuArt as soluções
extraídas dos muxarabis potencializadas para “I”, propondo-se um padrão geométrico
modular (hueso) e vazado. Por outro lado, comparando-se aos brises-soleil, para “S”,
adotou-se um sistema capaz de uma rotação dupla e independente num mesmo eixo.
O MuArt é um artefato que permite uma gama de padrões geométricos
modulares que apresentam como diferencial o fato de suas unidades modulares,
serem passíveis de articulações independentes entre os pares de placas de mesmo
sentido (Vertical ou Horizontal), facilitando também sua manutenção. Embora não haja
movimento unitário de cada módulo, existem movimentos duplos por eixos que
garantem a possibilidade de uma articulação adequada às necessidades de filtragem
da luz solar incidente nas aberturas das fachadas para o interior do ambiente.
69

4.1 Adaptabilidade à filtragem da luz solar

A proposta do sistema de dupla articulação (descrita no item 2.7 sobre o


muxarabi dinâmico) permite uma maior adaptabilidade à adequação climática em
tempo real. Da inspiração nos muxarabis, além da diversidade dos padrões
geométricos, absorveu-se a característica de elemento vazado, um benefício
desejado nesta pesquisa, bem como o design de superfície treliçado e que permite
encaixe e movimentação. Acreditou-se que poderia criar um EF passível de compor
tais qualidades com a rotação do brise-soleil aprimorando a articulação. (FIGURA 60).

Figura 60. Croqui da ideia para aprimorar e integrar brise-soleil com muxarabis.
Fonte: As autoras

Na análise de lux que foram medidos na altura das pranchetas, cada fileira
das mesas (FIGURA 55) foi escolhida de modo que as mesas próximas à janela e aos
brises-soleil fossem agrupadas (1, 4, 7, 10 e 13), bem como as mesas do meio (2, 5,
8, 11 e 14) e as mesas do lado da parede (3, 6, 9, 12 e 15). Observou-se que é grande
a diferença entre as situações de iluminação natural dos elementos aberto ou
fechados (TABELA 2).
Diante desses resultados, aferiu-se que as placas sólidas dos brises-soleil
realmente controlam a incidência da luz do sol, e se identificou a possibilidade de um
aprimoramento com a troca das placas sólidas de hueso, perfurando-as, como nos
muxarabis. Isso porque esse controle na situação de placas fechada, diminui o nível
de iluminação de ideal para médio e baixo em todas as mesas e horários.
70

Tabela 2. Faixas dos níveis de iluminação medidos no dia 20 de dezembro de 2018 conforme
disposição das mesas na sala CA25 com brises-soleil abertos e fechados

Fonte: As autoras.
71

4.2 Força de Identidade do Design de Superfície

Para ser realizar os experimentos visando uma análise da potencialidade de


identidade dos Elementos de Fachada (EFs), utilizou-se um modelo físico da sala de
aula CA25, no qual foram instalados painéis, simulando fachadas com outros padrões
de elementos vazados modulares. Anteriormente, o EF denominado “Pássaro”,
apresentado no item 2.4, foi analisado em suas possibilidades de composições e
padrões com linhas curvilíneas para módulos quadrados. Essas composições
geraram padrões de superfícies curvos com identidade.
Foram realizados estudos 2D e 3D deste padrão para EFs. Simulou-se a
visualização deste padrão em uma fachada completa de uma edificação, cuja
extensão de 40 metros permitiu entender efeitos visuais e de escala desse desenho.
Este elemento modular composto a partir de curvas simples, confere dinamismo,
simbologia e uma estética adequada, bem como permite um sombreamento enquanto
elemento vazado, podendo ser sobreposto em outras superfícies.
O módulo “Pássaro” resultou na super unidade “Pássaro Onda”, os quais
foram simulados nos programas Autocad (Autodesk) e SkechtUp (Timble) (FIGURAS
61 e 62).

Figura 61. Composição dos submódulos nos programas AutoCad e SketchUp


Fonte: As autoras

Figura 62. Simulação virtual de movimento do "Pássaro Onda" em superfície curva.


Fonte: As autoras
72

As unidades modulares (GOMES & HARRIS; 2010) e padrões de superfície


desenvolvidos para modelos reduzidos de fachadas (FIGURA 63) evidenciam a
possibilidade de oferecer formas com força de identidade que os muxarabis podem
oferecer através da variação no design de superfície, com liberdade formal e variações
entre cheios e vazios (FIGURA 64).
Nesta pesquisa, resgatou-se peças feitas com corte a laser, em chapas de
mdf de 3 milímetros de madeira e realizou testes submetendo-as a análise por meio
de seu encaixe em uma maquete física, sujeitando-a a variação de iluminação externa
(FIGURAS 65 e 66).

Figura 63. Unidades modulares


Fonte: Gomes & Harris (2010)

Figura 64. Painéis geométricos modulares para aplicação em fachadas de muxarabi,


Fonte: Sakaragui & Harris (2010) e imagens de exercício realizado em disciplina de painéis criados
pela aluna Carolina Curi (2015) do curso de Arquitetura e Urbanismo, FEC, UNICAMP.

Figura 65. Análise empírica do efeito de luz e sombra de um muxarabi num modelo do ambiente.
73

Figura 66. Resultado de simulação de uma fachada com identidade e efeito de luz e sombra.
Fonte: As autoras
Ao se comparar a iluminação real da sala de aula CA25 com os elementos de
fachada existentes, bem como a imagem renderizada da sala virtual com os brises-
soleil versos MuArt, no mesmo horário (8:00 horas), pôde-se observar, no piso e nas
superfícies das mesas, um efeito de luz e sombra, cujo maior contraste foi obtido pelos
brises-soleil. Notou-se que o EF MuArt suavizou a diferença entre luz e sombra ao
mesmo tempo em que o contorno geométrico do padrão modular se fazia presente.
(FIGURAS 67 a 70). Estes experimentos exemplificam o potencial gramatical dos
padrões modulares no design da superfície do MuArt, bem como a uma maior força
de identidade e luz e sombra comparando ao brise-soleil, internamente e
externamente (TABELAS 3, 4 e 5).

Figura 67. Luz e sombra do Figura 68. Luz e sombra da Figura 69. Luz e sombra da
brise-soleil real. simulação brise-soleil simulação muxarabi

Figura 70. Efeito da luz e sombra do MuArt simulado para situação fechada.
Fonte: As autoras.
74

Tabela 3. Fachada com MuArt fechado durante a manhã dos Solstícios e Equinócio.
21 de dezembro 21 de junho 23 de setembro
hs
Solstício de Verão Solstício de Inverno Equinócio

11

Tabela 4. Fachada com MuArt aberto em 45º durante a manhã dos Solstícios e Equinócio.

11

Tabela 5. Fachada com MuArt aberto em 90º durante a manhã dos Solstícios e Equinócio.

11
75

4.3 Desenvolvimento e Avaliação do MuArt

A proposta de uma evolução do brise-soleil, com a introdução de um sistema


com eixos paralelos de giros duplos, traz uma solução para o aprimoramento de sua
articulação. O padrão de design de superfície denominado de hueso foi mantido por
ser esta uma figura simples e que, ao mesmo tempo, tem uma boa potencialidade
didática na geometria da forma, no que se refere à sua construção a partir de um
quadrado (FIGURA 71).
Além deste padrão foram realizados outros estudos referentes a
possibilidades de padrões geométricos apresentadas nos Apêndices de B a E.

Figura 71. Montagem da unidade modular hueso.

O primeiro protótipo do sistema MuArt, modelado digitalmente, para se


adequar a fachada de uma sala de aula, permitiu um movimento das placas de 45º ao
redor dos eixos paralelos, além dos movimentos independentes dos dois conjuntos de
placas, situadas ortogonalmente entre si. As primeiras placas do módulo hueso,
aplicadas para experimentos do MuArt eram opacas. Observou-se que reduziam
muito a iluminação interna na situação quando se encontravam fechadas, semelhante
ao que ocorreu com o brise-soleil estudado (FIGURA 72).
Considerando-se que uma solução de variação na transparência das placas
poderia minimizar o problema, porém, seu uso poderia causar um efeito estufa, optou-
se por incorporar mais uma característica dos muxarabis, a agregação de geometrias
perfuradas, oferecendo um efeito de cheios e vazios, por onde a iluminação e
ventilação poderiam passar. Outra observação foi com relação à escala utilizada
inicialmente para as simulações, com as quais se observou serem impróprias para o
76

tamanho dos vãos das janelas para a fachada, principalmente por questões de
manutenção. As placas em uma escala maior responderam melhor a estas
preocupações. (FIGURA 73).
O painel compositivo original (FIGURA 74) e suas placas podem ser
ampliador em suas dimensões. Seu padrão geométrico modular pode ter inúmeras
variações, permitindo estilizações personalizadas, com identidade, como de uma
marca, ou mesmo de uma mensagem. O importante é que as placas se encaixem de
modo a permitirem as rotações necessárias e que se adequem à modularidade da
estrutura da fachada.
No MuArt hueso, a estética original foi inspirada no treliçado do muxarabi
clássico quadriculado em posição vertical (V) e horizontal (H) (FIGURAS 75 a 78).
Essas denominações V e H são importante para se entender as tabelas com as
imagens das simulações que são apresentadas neste trabalho, com ângulos de
rotação em movimentos ao redor dos eixos paralelos.
Realizada as simulações relacionadas à geometria e articulação das placas,
foi produzido um segundo protótipo do MuArt hueso com superfície das placas em
desenhos vazados (FIGURAS 79 a 83). O qual foi confeccionado em chapas com 3 e
6 milímetros de Medium-Density Fiberboard (MDF) para os testes físicos de
articulação.

Figura 72. Simulação da sala CA25 com o primeiro protótipo.

Figura 73. Simulação da sala CA25 com a placa vazada


77

Figura 74. MuArt aplicado na fachada como painel simulado na situação fechada.
Fonte: As autoras.

Figura 75. Módulo vazado hueso Figura 76. Módulo das placas horizontais e verticais

Figura 77. Módulo horizontal Figura 78. Módulo vertical


78

Figura 79. MuArt fechado Figura 80. MuArt aberto

Figura 81. MuArt fechado com angulações Figura 82. MuArt aberto com angulações
diferentes diferentes

Figura 83. MuArt inclinado 45º


Fonte: As autoras
79

4.4 Comparação entre brise-soleil articulado existente na sala


CA25 e a proposta do MuArt hueso.

Sobre a estética, observa-se que a forma do brise-soleil se limita a placas


retangulares e solidas, dispostas horizontal e/ou verticalmente. Já no caso dos
muxarabis, estes podem ser modulares ou não e estar contidos em chapas inteiras ou
em conjuntos de módulos, permitindo uma gama de detalhes geométricos aplicáveis
em sua superfície, como ilustrado no exemplo do MuArt (FIGURAS 84).
Observou-se que o padrão geométrico aplicado no MuArt se mostrou mais
suave do que o brise-soleil com relação ao efeito de luz e sombra no interior do
ambiente e, esteticamente, com formas melhor elaboras a partir do design de
superfície dos encaixes do treliçado composto a partir do hueso (FIGURAS 83 e 84).
Os dois oferecem proteção solar para a sala, quando comparado com a simulação
sem EFs (TABELA 6), observando sua necessidade no período da manhã.

Figura 84. Brise-soleil – placas retangulares Figura 85. MuArt – placas hueso
Fonte: As autoras

Tabela 6. Sala CA25 - FEC/Unicamp - 2² andar - Fachada Leste - Simulação sem EF


Horas 21/12 23/07 23/09

11
80

Os resultados obtidos para a aferição entre a situação real e as demais


situações específicas de inclinação das placas nos sentidos V e H sobre o mesmo
eixo, simulados, são apresentadas na sequência organizada de modo a visualizar as
diferenças ente os efeitos desses EFs (TABELA 7). Observa-se que as sombras dos
brises-soleil existentes são mais contrastantes do que do MuArt.

Tabela 7.Sala CA25 - FEC/Unicamp - 2º andar – Fachada Leste


Realidade Simulação
Brise-soleil fechado Brise-soleil aberto Brise-soleil aberto MuArt aberto
7:00 horas

8:00 horas

9:00 horas

10:00 horas

11:00 horas

12:00 horas
81

4.5 Comparações entre os principais dias do ano

Considerando o início das aulas às 8:00 horas, descartou-se as simulações


das 7:00 horas. No outro extremo, a partir das 11:00 horas, o sol incidente na fachada
leste não é problema em nenhuma das três simulações. Portanto, estas foram
realizadas no intervalo entre 8:00 e 10:00 horas da manhã. A maior incidência solar
foi observada em torno das 9:00 horas. Cada uma das ocorrências foi simulada para
os dias de solstício de verão, solstício de inverno e equinócio conforme as situações
das tabelas: H45V45 (TABELA 8), H90V90 (TABELA 9), H0V0 (TABELA 10), H90V0
(TABELA 11), H0V90 (Tabela 12), H90V45 (TABELA 13), H45V90 (TABELA 14),
H45V0 (TABELA 15) e H0V45 (TABELA 16).
Observou-se que no solstício de inverno, a iluminação natural não se
apresentou como um problema. O efeito da luz no interior foi menos contrastante do
que nas outras duas condições. Entre 8:00 e 9:00 horas observou-se um momento de
maior incidência solar, mesmo assim, o contraste listrado resultante, no caso dos
brises-soleil, não foi significativo a partir das 10:00 horas. As placas do brise-soleil
instalados apresentavam a possibilidade de um giro com todos os eixos agrupados.
Já as placas do MuArt, por terem eixos duplos e um padrão geométrico, permitiram
maiores possibilidades de articulações por seus eixos com pares das placas V ou H
intercalados.

Tabela 8.Simulação do MuArt Aberto (H45V45) – Hemisfério Sul


Sala CA25 do Prédio da FEC/Unicamp - 2º andar – Fachada Leste
Horas 21 de dezembro 21 de junho 23 de setembro
Solstício de Verão Solstício de Inverno Equinócio

10
82

Tabela 9.Simulação do MuArt Fechado (H90V90) – Hemisfério Sul Tabela 11.Simulação do MuArt Aberto (H90V0) – Hemisfério Sul
21 de dezembro 21 de junho 23 de setembro 21 de dezembro 21 de junho 23 de setembro
hs hs
Solstício de Verão Solstício de Inverno Equinócio Solstício de Verão Solstício de Inverno Equinócio

8 8

9 9

10 10

Tabela 10.Simulação do MuArt Aberto (H0V0) – Hemisfério Sul Tabela 12.Simulação do MuArt Aberto (H0V90) – Hemisfério Sul
21 de dezembro 21 de junho 23 de setembro 21 de dezembro 21 de junho 23 de setembro
hs hs
Solstício de Verão Solstício de Inverno Equinócio Solstício de Verão Solstício de Inverno Equinócio

8 8

9 9

10 10
83

Tabela 13.Simulação do MuArt Aberto (H90V45) – Hemisfério Sul Tabela 15.Simulação do MuArt Aberto (H45V0) – Hemisfério Sul
21 de dezembro 21 de junho 23 de setembro 21 de dezembro 21 de junho 23 de setembro
hs hs
Solstício de Verão Solstício de Inverno Equinócio Solstício de Verão Solstício de Inverno Equinócio

8 8

9 9

10 10

Tabela 14.Simulação do MuArt Aberto (H45V90) – Hemisfério Sul Tabela 16.Simulação do MuArt Aberto (H0V45) – Hemisfério Sul
21 de dezembro 21 de junho 23 de setembro 21 de dezembro 21 de junho 23 de setembro
hs hs
Solstício de Verão Solstício de Inverno Equinócio Solstício de Verão Solstício de Inverno Equinócio

8 8

9 9

10 10
84

4.6 Análises dos resultados

O experimento realizado em uma sala de aula, com o atual brise-soleil


articulado, permitiu análises comparativas com a proposta do MuArt. Padrões
passíveis de serem personalizados, provenientes dos muxarabis clássicos, foram
incorporados a um sistema de eixos paralelos, inspirados nas articulações dos brises-
soleil. Por se tratar de um sistema de eixos com dupla rotação, ampliou-se a
versatilidade da movimentação das placas modulares e permitiu aplicação de outros
padrões geométricos modulares.
Tanto os brises-soleil quanto o MuArt hueso controlam a incidência solar
excessiva e a passagem do vento, mas o MuArt se destacou no equilíbrio entre as
duas características: Adaptabilidade aos movimentos do sol (S) e Potencialidade de
aplicação de identidades por padrões geométricos (I).
Embora a proteção à iluminação solar incidente nas fachadas seja importante,
o efeito de ofuscamento pelo alto contraste de luz e sombra pode gerar um
desconforto visual, em determinados horários críticos, aqui identificados na fachada
Leste do Hemisfério Sul, aproximadamente às 9:00 horas da manhã, no solstício de
verão, numa situação de céu claro. No entanto, para a fachada e período estudados,
o excesso de iluminação incidente a partir das 11 horas, não foi mais um problema.
A luz solar é desejada como uma iluminação necessária às atividades visuais.
Por ser natural, se filtrada adequadamente, pode contribuir com uma diminuição da
necessidade de luminosidade artificial. Nesse sentido, se os EF da sala CA25
bloquearem a superfície sem necessidade, acabam escurecendo o interior do
ambiente construído, gerando uma necessidade do uso da luz artificial.
Se as placas do MuArt forem adequadamente vazadas/perfuradas, podem
auxiliar deixando adentrar parte da luz necessária, mesmo quando o sistema estiver
fechado, potencializando a otimização energética proveniente do gasto com uma
iluminação artificial, hoje necessária para oferecer lux necessários às atividades
visuais de uma sala de aula.
85

5. CONCLUSÃO

Com esta dissertação foi possível dar continuidade ao desenvolvimento de um


muxarabi dinâmico, criando-se um artefato denominado de “Muxarabi Articulável e
Artístico” (MuArt). Este novo Elemento arquitetônico de Fachada (EF), derivado dos
dois objetos de estudo, o brise-soleil e o muxarabi, mostrou ser viável, integrando
qualidades da articulação paralela do brise-soleil com o design de superfície dos
cheios e vazios do muxarabi, bem como padrões geométricos possíveis de serem
personalizados e oferecer identidade a um edifício.
Embora semelhante no movimento em torno de eixos paralelos, um dos pontos
fortes do MuArt está na possibilidade de maior articulação do que o brise-soleil
estudado devido à sua construção composta por eixos de dupla rotação. Estas
possibilidades de posicionamento angular das placas aumentam as quantidades de
opções de aberturas e fechamentos do sistema do EF para filtragem da luz solar
indesejada na fachada da edificação mais adequada.
Comparado ao muxarabi clássico, o MuArt acrescenta uma gama de
variedades passíveis de serem incorporadas nos seus padrões de superfície,
potencializando os movimentos giratórios das unidades modulares desses formatos e
outros desenhos. Nas análises das simulações, compreendeu-se de é importante
considerar os padrões modulares, bem como o design da superfície, visando uma
adequação às necessidades de iluminação no ambiente onde serão aplicadas.
Outro ponto positivo, foi incorporar às placas modulares (as peças de hueso),
perfurações com desenhos vazados nas placas, de modo a permitirem a penetração
de um certo grau de iluminação e ventilação mesmo em sua posição fechada,
buscando auxiliar contra o efeito estufa que ambientes envidraçados podem sofrer.
O MuArt permite a composição de painéis com inúmeros tipos de padrões
geométricos modulares, que podem ser personalizados, esteticamente bem
resolvidos e compostos de identidade, quando desejada. Permite articulações
independentes entre pares de unidades nos eixos paralelos e intercalados, podendo
gerar efeitos de luz e sombra numa variedade de composições, o que além da estética
mais suave, contribui na diminuição de problemas com ofuscamento e contrastes
visuais.
Pôde-se afirmar que esse novo artefato resultou na incorporação adequada das
qualidades identificadas nos dois tipos de elementos de fachada estudados. Gerou-
86

se um tipo hibrido de EF que incorpora as possibilidades de padrões geométricos


modulares dos muxarabis com as possibilidades de articulação dos brises-soleil,
permitindo movimento manual ou automatizado.
Esta pesquisa contribuiu oferecendo à comunidade científica e à sociedade
uma solução na escolha para resolver problemas de incompatibilidade entre
elementos arquitetônicos de fachada com articulações por eixos paralelos (brise-
soleil) ou elementos de fachada fixos, modulares e vazados (muxarabi). Com o MuArt,
a integração entre as qualidades de ambos sistemas é possível.
O MuArt continua a ser desenvolvidos em pesquisas paralelas e como
pesquisas futuras, pretende-se aprofundar, como foco principal em questões de
conforto ambiental.
87

REFERÊNCIAS

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 8995-1: Iluminação de


ambientes de trabalho. Parte 1: Interior. Rio de Janeiro. 2013. 46p.

ADDINGTON, M.; SCHODEK, D. Smart Materials and New Technologies. For the
architecture and design professions. Oxford: Architectural Press, 2005. 254p.
Disponível em: <https://bintian.files.wordpress.com/2013/01/smart-materials-new-
technologies-for-the-architecture-design-professions.pdf> Acesso em: 17 jun. 2018.

ALBUQUERQUE, K. S. C. C. de. Fachada flexível para casa padronizada em


condomínios. 2012. 103 f. Dissertação (Mestrado em Conforto no Ambiente
Construído; Forma Urbana e Habitação) - Universidade Federal do Rio Grande do
Norte, Natal, 2012. Disponível em:
<https://repositorio.ufrn.br/jspui/handle/123456789/12373> Acesso em: 14 fev. 2017.

AMORIN, C. N. D. Iluminação natural e eficiência energética – Parte I: Estratégias de


Projeto para uma arquitetura sustentável. Cadernos Eletrônicos da Pós. Brasília:
FAU - UNB, 2002.

BARBOSA, E.; PORTO, M. M. Arquitetura Moderna – Permeabilidade Visual através


de Soluções de Fachada. In: VIII Encontro Nacional e IV Encontro Latino Americano
sobre Conforto no Ambiente Construído – ENCAC-ENLAC 2005, Maceió. Anais...
Maceió, 2005. p. 102-111. Disponível em: <
http://www.infohab.org.br/encac/files/2005/ENCAC05_0102_111.pdf> Acesso em: 17
jun. 2018.

BARBOSA, R. M. Descobrindo padrões em mosaicos. São Paulo: Atual, 1993.


ISBN: 85-7056-516-X

BARRUCAND, M.; BEDNORZ, A. Moorish Architecture in Andalusia. Cologne:


Taschen, 2007. 1. ed. 240 p.

BERGAMINI, G.; HARRIS, A. L. N. de C. Desenvolvimento de método para a


flexibilização de unidade modular para controle da luz natural inspirado na arte
Islâmica. XXI Congresso de Iniciação Científica. Campinas, Unicamp. 2013.
Disponível em:
88

<https://www.prp.unicamp.br/pibic/congressos/xxicongresso/paineis/106690.pdf>
Acesso em: 01 mar. 2017.

BLANCO, M. F. B.; HARRIS, A. L. N. C. Symmetry groups in the


Alhambra. VISUAL MATHEMATICS, v. 13. 2011. p. 1-42. Disponível em: <
https://www.fec.unicamp.br/~laforma/pages/laforma-pb.html> Acesso em: 01 mar.
2017.

CALVERT, A.F. The Alhambra - being a brief record of the arabian conquest of the
peninsula with a particular account of the mohammedan architecture and decoration.
London: John Lane, The Bodley Head; New York: John Lane Company, MCMVI,
1906.

CAMACHO, D. O. J.; SACHT, H. M.; VETTORAZZI, E. De los elementos perforados


al cobogó: histórico de uso en la arquitectura brasilera y consideraciones sobre su
adaptación al clima. PARC Pesquisa em Arquitetura e Construção, Campinas, v.
8, n. 3, p. 205-216, set. 2017. ISBN 1980-6809. Disponível em:
<https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/parc/article/view/8650237>. Acesso
em: 27 jan. 2018.

CARVALHO, F. S. L.; HARRIS, A. L. N. C. Do grafismo indígena ao cobogó. In: 9.


Congresso brasileiro de pesquisa e desenvolvimento em design, 2010, São Paulo. 9.
Congresso brasileiro de pesquisa e desenvolvimento em design 2010.
Disponível em: < https://www.fec.unicamp.br/~laforma/pages/laforma-pb.html>
Acesso em: 01 mar. 2007.

COLIN, S. Manual de informações sobre as formas de construir no período


colonial no Brasil – Técnicas construtivas do período colonial. 2011. 46 p.
Disponível em:
<http://imphic.ning.com/group/historiacolonial/forum/topics/arquitetura-
colonial?xg_source=activity> Acesso em: 17 jun. 2018.

CORBELLA, O.; YANNAS, S. Em busca de uma arquitetura sustentável para os


tópicos – conforto ambiental. Rio de Janeiro: Revan, 2003. 308 p.

CORREIA, S. M. Elementos de proteção solar: análise de desempenho em três


estudos de casos. In: 4º SEMINÁRIO NACIONAL DE CONSTRUÇÕES
89

SUSTENTÁVEIS. 1º Fórum Desempenho das Edificações. 4 e 5 de novembro de


2015. Passo Fundo/RS. 2015. Eficiência Energética do Ambiente Construído.
Disponível em: < https://updoc.site/download/elementos-de-proteao-solar-analise-de-
desempenho-em_pdf> Acesso em: 01 mai. 2018.

CUNHA, E. G. Brise-soleil: da estética à eficiência energética. Vitrúvius. 2011. ano


11, abr. 2011. Disponível em:
<http://www.vitruvius.com.br/revistas/read/arquitextos/11.131/3844>. Acesso em: 01
mai. 2017.

DEWIDAR, K.; MOHAMED, N; ASHOUR, Y. Living Skins: A New Concept of Self


Active Building Envelope Regulating Systems. 2013. Conference: SB 13, Dubai,
United Arab Emirates. Disponível em:
<https://www.researchgate.net/publication/290379403_Living_Skins_A_New_Conce
pt_of_Self_Active_Building_Envelope_Regulating_Systems> Acesso em: 11 jul.
2018.

DONDIS, D. A. Sintaxe da Linguagem Visual. São Paulo: Martins Fontes, 2015.

EL-SHORBAGY, A. M. Traditional Islamic-Arab House: Vocabulary And Syntax.


International Journal of Civil & Environmental Engineering. Arábia Saudita:
IJCEE-EJENS, 2010. Disponível em:
<http://citeseerx.ist.psu.edu/viewdoc/versions?doi=10.1.1.369.798> Acesso em: 14
fev. 2018.

FATHY, H. Architecture for the poor: an experiment in rural Egypt. Chicago:


University of Chicago, 1973. 172 p. Disponível em:
<http://www.arvindguptatoys.com/arvindgupta/fathy.pdf> Acesso em: 11 ago. 2017.

FICARELLI, L. The Domestic Architecture in Egypt between Past and Present: The
Passive Cooling in Traditional Construction. In: PROCEEDINGS OF THE THIRD
INTERNATIONAL CONGRESS ON CONSTRUCTION HISTORY. mai. 2009.
Polytechnic of Bari – ICAR Department, Bary, Italia: Cottbus. Disponível em:
<http://www.bma.arch.unige.it/PDF/CONSTRUCTION_HISTORY_2009/VOL2/FICAR
ELLI-Loredana_paper-revised_2_layouted.pdf> Acesso em: 11 ago. 2017.
90

FRACALOSSI, I. Clássicos da Arquitetura: Ministério de Educação e Saúde / Lúcio


Costa e equipe. Archdaily, ago. 2013. Disponível em:
<https://www.archdaily.com.br/br/01-134992/classicos-da-arquitetura-ministerio-de-
educacao-e-saude-slash-lucio-costa-e-equipe> Acesso em: 23 abr. 2018.

FROTA, A. B.; SCHIFFER, S. R. Manual de conforto térmico: arquitetura,


urbanismo. 8. ed. São Paulo: Studio Nobel, 2003. ISSN 978-85-85445-39-3.

GOMES, G. C.; HARRIS, A. L. N.C. Desenvolvimento criativo de cobogós - método


3. In: 9. CONGRESSO BRASILEIRO DE PESQUISA E DESENVOLVIMENTO EM
DESIGN _P&D 2010, São Paulo. 13-16 out, 2010. Anais eletrônicos... São Paulo:
AEND-Brasil, 2010. Disponível em:
<http://www.fec.unicamp.br/~laforma/art/2010_P&D-paper-69506.pdf> Acesso em:
23 jan. 2017.

GUTIERREZ, G. C. R., Avaliação do desempenho térmico de três tipologias de


brise-soleil fixo. 2004. 203 f. Dissertação (Mestrado em Engenharia Civil) -
Universidade Estadual e Campinas, Faculdade de Engenharia Civil, Arquitetura e
Urbanismo, Campinas, 2004. Disponível em:
<http://repositorio.unicamp.br/jspui/handle/REPOSIP/257743> Acesso em: 21 mar.
2017.

GUTIERREZ, G. C. R.; LABAKI, L. C. Considerações sobre o brise-soleil


na arquitetura moderna Brasileira. In: VIII ENCONTRO NACIONAL e IV ENCONTRO
LATINO-AMERICANO SOBRE CONFORTO NO AMBIENTE CONSTRUÍDO, 2005,
Maceió. Anais eletrônicos... ENCAC – ELACAC, 2005, Maceió: ANTAC, v. 1,
p. 874-882. Disponível em: <
http://www.infohab.org.br/encac/files/2005/ENCAC05_0864_873.pdf > Acesso em:
21 mar. 2017.

HARRIS, A. L. N.C.; CASTRO J. A. G. F. Elementos de fachada - abordagem


estética e qualitativa para soluções arquitetônicas. In: V ENCUENTRO
LATINOAMERICANO DE GESTIÓN Y ECONOMÍA DE LA CONSTRUCCIÓN
Desafíos de la Gestión de la Construcción en Iberoamérica, ELAGEC V, 2013,
Cancún. Anais eletrônicos... Nuevo León: Salvador García Rodríguez, 2013. v. 1.
91

p. 1-9. Disponível em: <http://www.fec.unicamp.br/nlaforma/art/elagec13-castro-


luharris.pdf> Acesso em: 01 mar. 2017.

HORNE, C. Geometric symmetry in patterns and tilings. England: Woodhead


Publishing Limited, Abington. Cambridge CB1 6AH, 2000. 1 ed.

KLÜPPEL, G. P. A Casa e o Clima: (Trans) Formações da Arquitetura


Habitacional no Brasil (Século XVII – Século XIX). 2009. 426 f. Tese (Doutorado
em Arquitetura e Urbanismo) - Programa de Pós-Graduação em Arquitetura e
Urbanismo da Universidade Federal da Bahia. Salvador, Bahia, 2009. Disponível
em: <https://repositorio.ufba.br/ri/handle/ri/24902> Acesso em: 11 ago. 2017

LACERDA, D. P.; DRESCH, A.; PROENÇA, A.; ANTUNES JR.; J. A. V. Design


Science Research: método de pesquisa para a engenharia de produção. Gestão
& Produção, [online]. São Carlos, v. 20, n. 4, p. 741-761. nov. 2013. ISSN 0104-
530X. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0104-
530X2013000400001&script=sci_abstract&tlng=pt>. Acesso em: 19 set. 2017.

LAMBERTS, R.; DUTRA, L.; PEREIRA, F. O. R. Eficiência Energética na


Arquitetura. 1 ed. São Paulo: PW editores, 1997, v. 1. 188 p.

LIMA, K. M. Avaliação de sistemas de janelas para suporte a decisões de


projeto quanto à iluminação e uso de energia. 2016. 186 f. Tese (Doutorado em
Arquitetura, Urbanismo e Tecnologia) – Instituto de Arquitetura e Urbanismo,
Universidade de São Paulo, São Carlos, 2016. doi: 10.11606/T.102.2016.tde-
30062016-105936. Disponível em:
<http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/102/102131/tde-30062016-105936/pt-
br.php> Acesso em: 01 mar. 2017.

MAIA, S. C.; MEYBOOM, A. Interrogating Interactive and Responsive


Architecture: The Quest of a Technological Solution Looking for an Architectural
Problem. UBC. A place of mind. The University of British Columbia Springer-Verlag
Berlin. Heidelberg, 2015. Disponível em:
<http://interacting.space/projects/Interrogating_IA_and_RA-Sara_Maia.pdf?i=1>
Acesso em: 01 mar. 2017.
92

MARAGNO, G. V. Eficiência e Forma do Brise-Soleil na Arquitetura de Campo


Grande – MS. 2000. 219 f. Dissertação (Mestrado em Arquitetura) – Programa de
Pós-graduação em Arquitetura – PROPAR – Universidade Federal do Rio Grande do
Sul, Porto Alegre, 2000. Disponível em: <
https://www.lume.ufrgs.br/bitstream/handle/10183/1699/000355447.pdf?sequence=1
> Acesso em: 14 jun. 2018.

MEDINA, B. E. Desenvolvimento de método para automação de elementos de


fachadas para controle da luz natural. Relatório Final (Iniciação Científica),
UNICAMP, Campinas, 2012. Disponível em:
<https://www.fec.unicamp.br/~laforma/poster/MEDINA_painel_pibic_2012.pdf>
Acesso em: 01 mar. 2017.

PAIVA, C. Para Barrar o Sol e o Vento. Finestra, 32. ed. 2003. Disponível em
<https://www.arcoweb.com.br/finestra/arquitetura/roberto-loeb-centro-de-cultura-
judaica-sao-paulo-01-01-03> Acesso em: 23 nov. 2018

PAULERT, R. Uso de Elementos Vazados na Arquitetura: Estudo de três Obras


Educacionais Contemporâneas. 2012. 134 f. Dissertação (Mestrado em Construção
Civil) – Programa de Pós-graduação em Construção Civil. Universidade Federal do
Paraná, Curitiba, Faculdade de Construção Civil, Curitiba, 2012. Disponível em: <
https://acervodigital.ufpr.br/bitstream/handle/1884/27454/R%20-%20D%20-
%20PAULERT%2C%20RENATA.pdf?sequence=1&isAllowed=y> Acesso em: 24 abr.
2017.

PESSOA, J. L. N.; GHISI, E.; LAMBERTS, R. Estado da arte em eficiência


energética: iluminação e envoltória. 2013. 73 p. CB3E Centro brasileiro de eficiência
energética em edificações. Florianópolis. Disponível em: <
http://cb3e.ufsc.br/sites/default/files/EstadoArteIluminacaoEnvoltoria_31072013%282
%29.pdf> Acesso em: 17 jun. 2018.

PINTO, E. Muxarabis e Balcões e outros ensaios. São Paulo: Companhia Editora


Nacional, 1958. 362 p.

SAKARAGUI, D. S.; HARRIS, A. L. N.C. Método de design de fachadas de cobogós


para a filtragem de luz natural. In: 9. CONGRESSO BRASILEIRO DE PESQUISA E
93

DESENVOLVIMENTO EM DESIGN 2010, São Paulo. Anais... São Paulo: P&D


Design. 2010. Disponível em: <https://www.fec.unicamp.br/~laforma/art/2010_P&D-
paper-69491.pdf> Acesso em: 17 fev. 2017.

SAKARAGUI, D. S. Desenvolvimento de elementos modulares para melhor


aproveitamento da luz natural em fachadas de edificações. 2012. Trabalho de
Conclusão de Curso (Graduação em Engenharia Civil) – Faculdade de Engenharia
Civil, Arquitetura e Urbanismo, Universidade Estadual de Campinas, Campinas,
2012.

SANTO, A. D.; NICO-RODRIGUES, E.; ALVAREZ, C. E. Janelas em edificações


multifamiliares e o conforto térmico. In: XVI ENCONTRO NACIONAL DE
TECNOLOGIA DO AMBIENTE CONSTRUÍDO, 2016, São Paulo. Anais... Porto
Alegre: ENTAC, 2016. Disponível em: <
http://www.infohab.org.br/entac/2016/ENTAC2016_paper_624.pdf> Acesso em: 17
fev. 2017.

SCHATTSCHNEIDER, D. M. C. Escher: Visions of Symmetry. Harry N. Abrams,


New Yourk, 2004. 2. ed.

SCHUMACHER, M.; SCHAEFFER, O.; VOGT, M. MOVE: Arquitetura em


Movimento: Componentes e Elementos Dinâmicos. Basel / Berlim / Boston, DE:
Birkhäuser: ProQuest ebrary. Rede. 2010.

SEGRE, R.; VILAS BOAS, N.; SOUZA, T.L. O Ministério da Educação e Saúde
Pública (1935-1945): As Inovações Climáticas e Tecnológicas. In: 8. SEMINÁRIO
DOCOMOMO BRASIL, 2009, Rio de Janeiro. Anais... Rio de Janeiro: Docomomo,
2009. Disponível em: <http://docomomo.org.br/wp-content/uploads/2016/01/149.pdf>
Acesso em: 17 fev. 2017.

SOUZA, H. M. P. Soluções urbanísticas e arquitetônicas islâmicas para o


conforto ambiental e sua Influência no semiárido brasileiro: o caso de Oeiras
(PI) e Icó (CE). 2012. 111 f. Dissertação (Mestrado em Ciências Ambientais) –
Departamento de Ciências Agrárias da Universidade de Taubaté, Taubaté, 2012.
Disponível em: < https://ibeipr.com.br/wp-
94

content/uploads/2018/02/solucoesurbanisticasislamicas.pdf> Acesso em: 24 abr.


2017.

STOFELLA, A; BERTOLI, L. F.; VAZ, C. E. V.; KÓS, J. R. O desenvolvimento de um


sistema de proteção de fachadas cinéticas: um protótipo responsivo ao
comportamento do usuário. In: XX CONGRESO DE LA SOCIEDAD
IBEROAMERICANA DE GRÁFICA DIGITAL [Blucher Design Proceedings, v. 3, n. 1],
2016, São Paulo. Anais... São Paulo: Blucher, 2016, p. 550-555. ISSN 2318-6968,
DOI 10.5151/despro-sigradi2016-695. Disponível em:
<www.proceedings.blucher.com.br/article-details/o-desenvolvimento-de-um-sistema-
de-proteo-de-fachadas-cinticos-um-prottipo-responsivo-ao-comportamento-do-
usurio-24848> Acesso em: 14 fev. 2018.

SZABO, L; P. Uso e desuso do brise-soleil na arquitetura brasileira. In: XVII


CONGRESSO BRASILEIRO DE ARQUITETOS, 2003, Rio de Janeiro. Anais... Rio
de Janeiro: Instituto Luzes Desenvolvimento Humano, 2009. Disponível em:
<http://www.thecnica.com/conteudo.php?ar=2&a=46&Cod=33&w=1024&op=i>
Acesso em: 17 jun. 2018.

TORRE, E. F. Mashariya adaptativo: de Mashrabiyas a fachadas dinâmicas.


2016. Disponível em:
<https://spatialexperiments.wordpress.com/2016/09/17/adaptative-mashrabiya-from-
mashrabiyas-to-dynamic-facades/> Acesso em: 17 set. 2018.

ULRICH, K.; TILLMANN, K.; MARCEL, B.; THOMAS, A. Facades Principles of


Construction. Basel – Boston – Berlin: Birkhäuser Verlag AG, 2014. Disponível em:
<http://unicampbr.summon.serialssolutions.com/advanced/#!/search?ho=t&l=br-
PT&q=facades%20 principles%20of%20construction> Acesso em: 14 fev. 2017.

VAISHNAVI, V.K.; KUECHLER, W. Design science research methods and pattern


s: innovating information and communication technology. Taylor & Francis,
2008

VAZ, C. E. V.; SOUZA, J. P. M.; PINTO, H. R. S. CARDOSO, A. R. B.; QUEIROZ, N.


O desenvolvimento de elementos de proteção de fachada responsivos –
exploração e controle de um processo. Gestão e Tecnologia de Projetos. São
95

Carlos: Gestão de Projetos, 2016. v. 11. n. 2. p. 73-87, 2016. Disponível em:


<http://www.revistas.usp.br/gestaodeprojetos/article/view/118346> Acesso em: 17
jun. 2018.

VELASCO, R.; BRAKKE, A. P.; CHAVARRO, D. Dynamic Façades and


Computation: Towards an Inclusive Categorization of High Performance Kinetic
Façade Systems. In: XVI INTERNATIONAL CONFERENCE, São Paulo. Anais…
São Paulo: CAAD Futures 2015. p. 172-191. DOI: 10.1007/978-3-662-47386-3_10.
1865-0929. Disponível em: <
https://www.researchgate.net/publication/300789373_Dynamic_Facades_and_Comp
utation_Towards_an_Inclusive_Categorization_of_High_Performance_Kinetic_Facad
e_Systems> Acesso em: 24 abr. 2017.
96

BIBLIOGRAFIA RECOMENDADA

ACHTEN, H. One and Many: An Agent Perspective on Interactive Architecture


source. 2014. In: 34º ANNUAL CONFERENCE OF THE ASSOCIATION FOR
COMPUTER AIDED DESIGN IN ARCHITECTURE, ACADIA 14_479. Los Langeles:
Design Agency, Proceedings of the Los Angeles, 2014. p. 479-486. Disponível em:
<http://papers.cumincad.org/cgi-bin/works/paper/acadia14_479> Acesso em: 17 mar.
2017.

ADORNO, T. A dialética do esclarecimento. Rio de Janeiro: Zahar, 2015.

ASSIS, R. M. C. de. Estudo e caracterização de fachadas transparentes para


uso na arquitetura: ênfase na eficiência energética. 2002. Tese (Livre-docência) -
Escola de Engenharia de São Carlos da Universidade de São Paulo, São Carlos,
2002. Disponível em: <http://bdpi.usp.br/item/001836430> Acesso em: 17 jun. 2017.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 15220-3: Desempenho


Térmico de edificações Parte 3: Zoneamento bioclimático brasileiro e diretrizes
construtivas para habitações unifamiliares de interesse social. Rio de Janeiro. 2003.
23p.

BASTOS, M. A. J., ZEIN, R. V. Brasil: arquiteturas após 1950. São Paulo:


Perspectiva, 2010.

BITTENCOURT, L.; CÂNDIDO, C. Ventilação Natural em Edificações. Rio de


Janeiro: Procel Edifica, 2010. Disponível em: <https://docplayer.com.br/17091974-
Ventilacao-natural-em-edificacoes.html> Acesso em: 17 mar. 2017.

BRAZ, F. M. Extração de módulos e releitura de composições mudéjar a partir


da gramática compositiva dos grupos de simetria no plano. Relatório Final
(Iniciação Científica) – Faculdade de Engenharia Civil, Arquitetura e Urbanismo,
Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2008.

BRUAND, Y. Arquitetura Contemporânea no Brasil. São Paulo: Perspectiva,


1981.

CAVALCANTI, L. Moderno e Brasileiro: a história de uma nova linguagem na


arquitetura (1930-60), Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed., 2006. 247 p.
97

COSTA, M. O. O Edifício Ibaté de Adolf Franz Heep, e a crítica à legislação


urbanística paulistana. 2013. Disponível em <https://www.arquivo.arq.br/franz-
heep>: Acesso em: 17 mar. 2017.

DEAK, A. Edifício Lausanne, Adolf Franz Heep. 2011. Disponível em:


<https://www.arquivo.arq.br/franz-heep>. Acesso em: 17 mar. 2017.

DURCO, B. Edifício Marquês de Herval. 2012. Disponível em:


<https://www.arquivo.arq.br/franz-heep>. Acesso em: 17 mar. 2017.

CORBELLA, O D.; CASTANHEIRA, R. G. Sobre a necessidade de proteção da


radiação solar incidente nas fachadas sul, para edifícios situados entre as latitudes
10º e 35º. In: VI ECONTRO NACIONAL E III ENCONTRO LATINO-AMERICANO
SOBRE CONFORTO NO AMBIENTE CONSTRUÍDO, 2001, Resumos... São Pedro,
SP. ENCAC, 2001.

CORONA, E.; LEMOS, C. A. C. Dicionário da arquitetura brasileira. São Paulo:


Edart, 1972.

COSTA, L. L. L. A luz como modeladora do espaço na Arquitetura. 2013. 135 f.


Dissertação (Mestrado em Arquitetura) – Universidade da Beira Interior, Covilhã.
2013. Disponível em:
<https://ubibliorum.ubi.pt/bitstream/10400.6/2154/1/Tese%20Leandra%20Costa.pd>
Acesso em 11 jul. 2018.

CORRÊA, R. L. Processo, forma e significado: Uma breve consideração. Rio de


Janeiro: Instituto Histórico e Geográfico do Rio Grande do Sul. 2009. Disponível em:
<https://www.ihgrgs.org.br/artigos/contibuicoes/Roberto%20Lobato%20Corrêa%20-
%20Processo,%20Forma%20e%20Significado.pdf> Acesso em junho de 2018.

D'AGOSTINO, M. H. S. "O olhar do artista. Problemas de estilo e forma nas artes


visuais", In. Revista Pós n. 22, 2008, pp. 160-179.

FONSECA, I. C. L.; BARBOSA, E.; CURI, C.; PORTO, M. M. Uma casa de Lucio
Costa em Laranjeiras – Aspectos ambientais observados na década de 30 e nos
dias atuais, São Paulo. Anais... São Paulo: NUTAU 2008, 2008. Disponível em: <
https://www.usp.br/nutau/CD/152.pdf> Acesso em: 21 mai. 2018.

FRANCO, J. T. As Torres Al Bahar e sua fachada sensível, por Aedas Architects.


Archdaily. 28 jan. 2013. Disponível em: <http://www.archdaily.com.br/br/01-
98

93779/as-torres-albahar-e-sua-fachada-sensivel-por-aedas-architects> Acesso em
17 mar. 2017.

GIL, A. C. Como elaborar projetos de pesquisa. 5 ed. São Paulo: Atlas, 2002.

GUALÍS, G.M. B; PARADINAS L.; GUZMÁN, R. L.; CANO-CORTÉS, M. P. Mogollón;


MARTÍNEZ, A. M.; HIGUERA, M. T. Pérez. A arte Mudéjar: A estética Islâmica na
arte Cristã. Portugal: Civilização, 2000. 316p.

HARRIS, A. L. N. C.; BRAZ, F. M. Análises compositivas de padrões


geométricos do Pavilhão Mourisco do Instituto Fiocruz. In: VIII
INTERNATIONAL CONFERENCE ON GRAPHICS ENGINEERING FOR ARTS AND
DESIGN, XIX SIMPOSIO NACIONAL DE GEOMETRIA DESCRITIVA E DESENHO
TÉCNICO GRAPHICA 2009. GRAPHICA'09 LINGUAGENS E ESTRATÉGIAS DA
EXPRESSÃO GRÁFICA: COMUNICAÇÃO E CONHECIMENTO, Bauru. Anais...
Bauru: Graphica’09, 2009. v. 1. p. 16-30. Disponível em: <
http://www.fec.unicamp.br/~laforma/art/graphica2009_luharris_braz.pdf > Acesso
em: 21 mar. 2017.

HARRIS, A. L. N.C.; MONASTÉRIO, C. M. C.T. Pavilhão Mourisco Fio Cruz -


historic, photographic survey and catalogue of the geometrical art applied to
architecture In: INTERNATIONAL CONFERENCE ON GEOMETRY AND
GRAPHICS 13th, Anais... 2008 August 4th-8th, Dresden, Germany, 2008 (cd).
LEITE, Sylvia. O simbolismo dos padrões geométricos da arte islâmica. São Paulo:
Ateliê Editorial, 2007.

HARRIS, A. L. N. C.; SCALCO, R. Aplicativo MOSAICO: desenvolvimento e


exemplos de aplicabilidade: Parte I. In: VIII INTERNATIONAL CONFERENCE ON
GRAPHICS ENGINEERING FOR ARTS AND DESIGN, XIX SIMPOSIO NACIONAL
DE GEOMETRIA DESCRITIVA E DESENHO TÉCNICO GRAPHICA 2009.
GRAPHICA'09 LINGUAGENS E ESTRATÉGIAS DA EXPRESSÃO GRÁFICA:
COMUNICAÇÃO E CONHECIMENTO, Bauru. Anais... Bauru: Graphica’09, 2009. v.
1. p. 417-427. Disponível em: <
http://www.fec.unicamp.br/~laforma/art/graphica2009_luharris_scalco.pdf > Acesso
em: 17 fev. 2017.
99

KON, N. Clássicos da Arquitetura: Parque Eduardo Guinle/Lúcio Costa. Disponível


em: <https://www.archdaily.com.br/br/01-14549/classicos-da-arquitetura-parque-
eduardo-guinle-lucio-costa>. Acesso em: 17 mar. 2017.

KRONENBURG, R. Flexible, Architecture that Responds to Change. Londres:


Laurence King, 2007.

LABAKI, L. C., CARAM, R. M.; SICHIERI, E. P. Os vidros e o conforto ambiental. In.:


III ENCONTRO NACIONAL E I ENCONTRO LATINO-AMERICANO DE CONFORTO
NO AMBIENTE CONSTRUÍDO. 1995, Gramado. Anais... Porto Alegre: ANTAC,
1995. p. 215-220.

LABAKI, L. C., KOWALTOWSKI, D. C. C. K. Bioclimatic and vernacular design in


urban settlements of Brazil. In Building And Environment. v. 33, n1, p 63-77.
London: Elsevier, 1998.

MARIANNO FILHO, J. Acerca dos copiares do nordeste brasileiro, Rio de


Janeiro: A Noite, 1942.

MARTINEZ, A. C. P. Entre máscaras e pele: a fachada-simulacro na cidade


contemporânea. Rio de Janeiro, 2013. 215 p. Tese (Doutorado em Urbanismo) –
Programa de Pós-Graduação em Urbanismo. Faculdade de Arquitetura.
Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2013.

MIANA, A. C.; ASSIS, R. M. C. de. Avaliação do desempenho térmico de brises


transparentes: ensaios em células-teste. São Paulo, 2006. 200 p. Dissertação
(Mestrado em Arquitetura e Urbanismo) Escola de Engenharia de São Carlos,
Universidade de São Paulo, São Carlos, 2006. Disponível em:
<http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/18/18141/tde-06032006-120003/pt-
br.php> Acesso em: 17 jun. 2017

MICHELL, G. La Arquitectura del mundo islamico: su historia y significado social.


Alianza Editorial, 2. Ed. 1988.

MOLONEY, J. Designing Kinetics for architectures facadas: State Change.


London; New York: Routledge, 2011. 178 p.

MORANDI, M. I. W. M.; CAMARGO, L. F. R. Revisão sistemática da literatura. In:


DRESCH, A.; LACERDA, D.P.; ANTUNES JÚNIOR, J.A V. Design science research:
100

método de pesquisa para avanço da ciência e tecnologia. Porto Alegre: Bookman, p.


141-172. 2015.

NASLAVSKY, G. Arquitetura Moderna em Pernambuco entre 1945-1970: uma


produção com identidade regional. In: 5º SEMINÁRIO DOCOMOMO Brasil, São
Carlos, 2003. Anais... São Carlos, 2003. Disponível em:
<http://docomomo.org.br/wp-content/uploads/2016/01/055R.pdf> Acesso em: 11 mai.
2018.

NEGROPONTE, N. Soft Architecture Machines. Cambridge: MIT Press. 1975.

OLGYAYA, V. & OLGYAY, A. Design with Climates: bioclimatic approach to


archtectural regionalismo. Princeton: Princeton University Press, 1963.

OLIVEIRA, N. C. F. de. Superfícies abstratas: o elemento cerâmico como textura na


arquitetura moderna brasileira. In 9º SEMINÁRIO DOCOMOMO Brasil
interdisciplinaridade e experiências em documentação e preservação do patrimônio
recente Brasilis. IV Seminário Conesul, 2013, Porto Alegre. Anais... Porto Alegre:
Docomomo, 2013. Disponível em: <https://docplayer.com.br/10598880-Superficies-
abstratas-o-elemento-ceramico-como-textura-na-arquitetura-moderna-
brasileira.html> Acesso: 01 mai. 2018.

PINTO, H. R. de S.; QUEIROZ, N.; CARDOSO, A. R. B.; SOUSA, J. P. M.


Developing a responsive system for building façade protection using the cobogó as
reference. In: 19º CONFERENCE OF THE IBEROAMERICAN SOCIETY OF
DIGITAL GRAPHICS. 2015. Florianópolis. Anais... Florianópolis: SIGRADI, 2015
ISBN: 978-85-8039-133-6, 23-27 nov. 2015, p. 519-527.

ROCHA, D. C. Desenvolvimento de estruturas articuláveis de madeira. 2010.


179 f. Dissertação (Mestrado em Engenharia Civil) – Universidade Estadual de
Campinas, Faculdade de Engenharia Civil, Arquitetura e Urbanismo, Campinas,
2010. Disponível em: <http://repositorio.unicamp.br/handle/REPOSIP/258402>.
Acesso: 01 jun 2017.

TUPAN, D.; HARRIS, A. L. N. C. Estudo da forma geométrica encontrada em


padrões arquitetônicos modulares. In: INTERNATIONAL CONFERENCE ON
GRAPHICS ENGINEERING FOR ARTS AND DESIGN, 6. SIMPOSIO NACIONAL
DE GEOMETRIA DESCRITIVA E DESENHO TÉCNICO, 17. GRAPHICA 2005.
Recife, Anais... Recife, PE, 18-21 set. 2005. Disponível em: <
101

http://www.ocw.unicamp.br/fileadmin/user_upload/cursos/au909/CDgeoHM/novavers
ao/aplicativo.htm> Acesso em março de 2017.

TUPAN, D. Estudo da influência hispano-mourisca na arquitetura mundial


contemporânea: uma análise da forma geométrica. 2004. Relatório Final (Iniciação
Científica) – Faculdade de Engenharia Civil, Arquitetura e Urbanismo, Universidade
Estadual de Campinas, Campinas, 2004.

VELASCO, R.; ROBLES, D. Eco-envolventes: A parametric design approach to


generate and evaluate façade configurations for hot and humid climates. 2011.
Bogotá, Colômbia. Universidad Piloto de Colombia, Facultad de Arquitectura y Artes.
eCAADe 29 Conference Proceedings. 2011. Disponível em:
<http://papers.cumincad.org/data/works/att/ecaade2011_080.content.pdf> Acesso
em: 17 fev. 2017.

VIEIRA, A.; BORBA, C.; RODRIGUES, J. Cobogó de Pernambuco. Recife: J.


Rodrigues, 2012.

VOLPATO, G. L. Ciência além da visibilidade. 1. Ed. Botucatu: Best Writing, 2017.


210p.

VOLPATO, G. L. Guia Prático para Redação Científica. Botucatu: Best Writing,


2015. 268p.

VOLPATO, G. L. Método Lógico para Redação Científica. Botucatu: Best Writing,


2011. 320p.

FERNÁNDEZ, R. T. Los Mosaicos de La alambra. Proyecto de Investigación


“Buscando Los Tesouros De La Alhambra”. Santa Fe. Granada. Disponível em:
<https://www.actiludis.com/wp-content/uploads/2013/01/LOS-MOSAICOS-DE-LA-
ALHAMBRA.pdf> Acesso em: 11 jul. 2017

MASCARÓ, L. Energia na Edificação: estratégia para minimizar seu consumo. São


Paulo: Projeto, 1991.

NICO-RODRIGUES, E. A. Influência da janela no desempenho térmico de


ambientes ventilados naturalmente. 2015. 202 f. Tese (Doutorado em Arquitetura
e Urbanismo) – Facultad de Arquitectura, Construcción y Diseño, Univerdidad del
Bio-bío, Concepción, 2015. Disponível em:
102

<http://lpp.ufes.br/sites/lpp.ufes.br/files/field/anexo/tese_final_nico-rodrigues_0.pdf>.
Acesso em: 17 jun. 2017.

PEREIRA, C. C. Os Irmãos Roberto e a Arquitetura Moderna no Rio de Janeiro


(1936 – 1954). 1993. 151 f. Dissertação (Mestrado em Arquitetura) – Programa de
Pesquisa e Pós-Graduação em Arquitetura, Universidade Federal do Rio Grande do
Sul, Porto Alegre, 1993. Disponível em: <
https://www.lume.ufrgs.br/bitstream/handle/10183/52585/000050525.pdf?sequence=
1>. Acesso em: 11 jul. 2017.

SIRET, D. L’illusion du brise-soleil par Le Corbusier, Langages Scientifiques et


Pensee Critique, Cerisy, 2002, Laboratoire CERMA UMR CNRS, France, 2015.
Disponível em: <https://halshs.archives-ouvertes.fr/halshs-00580040>. Acesso em:
14 fev. 2018.

STEELE, J. 1989. A coleção Hassan Fathy. Um Catálogo de Documentos Visuais


no Prêmio Aga Khan para Arquitetura. Berna, Suíça: O Fundo Aga Khan para a
Cultura, 52.
103

APÊNDICE A

Blanco & Harris (2011) apresentam exemplos da presença dos 17 grupos de


simetria no plano existentes no Palácio Nazarí em Alhambra. Doze destes grupos, por
serem mais alinhados com as possibilidades do MuArt. Para cada grupo exemplificado
é apresentada sua unidade nuclear e sua unidade modular (TABELA 17).

Tabela 17. Grupos de simetria no plano


Grupo

Paralelogramo
Exemplo Desenho
fundamental

Exemplo da figura encontrada no Patio de los Arrayanes

PM

Exemplo da figura encontrada no: Museo de La Alhambra

CM

Exemplo da figura encontrada no Salón de Comares

PG

Exemplo da figura encontrada na Puerta del Vino

P2

Exemplo da figura encontrada no Museo de La Alhambra


104

PMM

Exemplo da figura encontrada na Sala de los Reyes

CMM

Exemplo da figura encontrada no Salón de Comares

PMG

Exemplo da figura encontrada na Fuente del pátio del Cuarto Dorado

PGG

Exemplo da figura encontrada na Solería de la Sala de los ajimecese.

P4

Exemplo da figura encontrada no Patio de los Leones

P4M

Exemplo da figura encontrada na Torre de las Infantas

P4G

Exemplo da figura encontrada no Salón de Comares


105

APÊNDICE B

Neste estudo, foram exploradas diferentes possibilidades de abordagem


geométrica entre cheios, vazios e relevos, de modo a se permitir variações na filtragem
da luz incidente e seus efeitos de sombreamento no interior da edificação. Esse
Elemento de Fachada (EF) foi denominado de “Pássaro” (FIGURA 86), e foi analisado
em suas possibilidades de composições e padrões (FIGURA 87). No que se refere às
questões das formas lineares da edificação do estudo in loco, utilizou-se uma
geometria baseada em linhas curvas em elementos modulares vazados de 40 cm x
40 cm.
Com esta unidade modular foram feitos estudos bi e tridimensionais utilizou-se
para isso r o programa SketchUp (Trimble) e considerou-se como localização, uma
fachada leste do bloco 7 do prédio de aulas da FEC, simulando-se uma variação de
horários específica. Avaliou-se situações para os dias 21 de junho (o solstício
de inverno) e 21 de dezembro (solstício de verão), nos horários das 8:00h, 12:00h e
16:00h (Figura 88).
As composições dos padrões de fachada resultantes geraram diferentes
mosaicos e apresentaram um exemplo de incorporação de identidade no design da
superfície (FIGURA 89).

Figura 86. Criação da unidade modular “Pássaro”.


Fonte: As autoras
106
107

Figura 87. Estudo de forma, padrões geométricos, composições do módulo "Pássaro".


Fonte: As autoras
108

Figura 88. Parte do estudo de sombra. Simulação dia 21 de dezembro de 2015, às 8:00hs da
manhã.

Figura 89. Composição do submódulo “Pássaro”


Fonte: As autoras
109

APÊNDICE C
O estudo do módulo denominado “Pássaro” teve como objetivo atingir um
nível de síntese formal atingido com o “Pássaro Onda”. Para isso, utilizaram-se
operações de espelhamento e repetição no sentido vertical. Recortes de folha de
papel, palitos de plástico, canudos e arames, enfim, materiais para o primeiro estudo
físico (FIGURA 90). Definidas as formas e cores para análise das possibilidades de
movimento, seguiu-se para estudos digitais utilizando os programas Autocad
(Autodesk) e SkechtUp (Trimble) (FIGURAS 91). Após a fase de modelagem digital,
foi desenvolvida um modelo físico para análises reais de movimento e articulação,
simulando-o como EF. Por fim, realizaram-se simulações paramétricas utilizando os
programas Rinoceros com o Grasshopper (FIGURAS 92).
Esses estudos permitiram avaliar uma maior variedade de possibilidades de
padrões geométricos complementando os estudos. Observaram-se novas
possibilidades, de design da superfície, e da própria superfície, alcançando em
superfícies curvas. Há formas que se sobrepõem e movimentos que se limitam em
determinados encontros, com máximo de rotação de 180º para algumas posições.
A possibilidade de uma fachada dinâmica, interativa e convidativa ao usuário
foi o resultado deste estudo. Nesse sentido, além da interação humana, a evolução
desta proposta seria passível de automação com um sistema alinhado ao movimento
de algumas constantes de conforto, como iluminação e temperatura. Enfim, este
estudo do “Pássaro Onda” indicou uma possibilidade de, com este Elemento de
Fachada (EF), explorar a interação dos usuários além de desenvolves superfícies
curvas e com identidade criar superfícies diferentes e com identidade.

Figura 90. Modelo com o EF “Pássaro-Onda”.


Fonte: As autoras
110

Figura 91. Simulação virtual de movimento do "Pássaro Onda" em superfície curva.


Fonte: As autoras

Figura 92. "Pássado Onda" desenvolvido no Rinoceros e GrassHopper


Fonte: As autoras e programação desenvolvida pelo aluno da FEC Fraderick Gorsten.
111

APÊNDICE D

Para análise formal com exercício de design de superfície com padrões


geométricos trabalhando-se recortes, numa abordagem entre cheios e vazios, o
exercício de Kirigami, com dobraduras em papel sulfite ecortes realizados à laser
permitiu análises por meio de simulações digitais e físicas. Os resultados são
ilustrados a seguir (FIGURAS 93 a 98):

Figura 93. Evolução do desenho do módulo “Tiras” no autocad e SkechtUp

Figura 94. Cortadora a laser

Figura 95. Módulo “Tiras” para dobradura e


composições
Fonte: As autoras
112

Figura 96. Módulo “Tiras” em dobradura e variações


Fonte: As autoras
113

Figura 97. Composição digital do módulo “Tiras”

Figura 98. Design de superfície para uma fachada com o módulo "Tiras".
Fonte: As autoras

Com esses exercícios, foi possível observar que uma forma simples e recortada
como um mesmo módulo em “tiras dobradas, pode resultar vários padrões distintos,
passíveis de resultarem em diferentes efeitos no design de superfície de uma mesma
fachada, por exemplo.
114

APÊNDICE E

Estudou-se, conceitos geométricos de origami, kirigami e poliedros, para o


desenvolvimento de possibilidades para uso como Elementos de Fachadas (EF), nos
quais se aplicou a proposta denominada pássaro (FIGURA 99). O resultado foi um
poliedro com 18 faces com possibilidade de movimentos.

Figura 99. Modulo digital de poliedro em origami arquitetônico


Fonte: As autoras