Você está na página 1de 12

Escola dos Annales:1ª, 2ª, 3ª geração

Objetivos:
Conhecer a história da Escola de Annales e a contribuição de seus fundadores.

Analisar a proposta da revista e o contexto de sua criação.

Compreender as principais críticas feita ao grupo.


Introdução:
A Escola dos Annales foi um movimento de renovação da historiografia iniciado na
França do final da década de 1920, com a fundação, por Marc Bloch e Lucien Febvre,
da revista Anais de História Econômica e Social. Como o próprio título denuncia, os
dois historiadores, inicialmente periféricos na academia francesa e que reuniram em
torno de si pesquisadores de outras áreas das ciências humanas, propunham uma
escrita da história que privilegiasse o econômico e o social em detrimento do
político.
Se opondo diretamente à produção historiográfica predominante no século XIX, a
revista tornou-se um movimento de vanguarda na renovação do método de investigação
histórica, divulgando, entre outras coisas, a concepção de uma história total que
fosse desenvolvida a partir de uma problemática (história problema) e que
utilizasse interdisciplinaridade como estratégia importante para se chegar ao
conhecimento histórico.
A reflexão sobre o caráter das fontes históricas também é outra contribuição da
escola, a partir dela o conceito de documento histórico será relativizado, no que
tange a idéia de verdade e neutralidade, e enriquecido a partir da incorporação de
novas formas de fontes históricas, além da escrita.
A Escola dos Annales: histórias e revoluções historiográficas

Desde o encontro entre Marc Bloch e Lucien Febvre a historiografia nunca mais foi a
mesma (BURKE, 1997), no entanto, as variações de opinião acerca de como e o que
mudou com o advento da Escola dos Annales são muitas. O “montante” de paradigmas,
afirmações e direções permearam as três gerações desse movimento. Na verdade a
grande contribuição historiográfica dos Annales em sua primeira geração foi a
possibilidade de um diálogo entre a história e as ciências sociais, rompendo uma
barreira invisível e ao mesmo tempo sólida, legitimada por uma história
tradicional, factual, excessivamente preocupada com os acontecimentos advinda do
século XIX. (REIS: 2004).
A “história nova” empreendida por Febvre e Bloch com a Escola dos Annales, começa a
tecer suas redes de conhecimento em contraposição a história tradicional
“enraizada” nos grandes homens e fatos, e que dessa forma, marginalizava muitos
aspectos das experiências humanas, entretanto para a “história nova”, toda vivência
humana é portadora de uma história. Partindo desta idéia que os Annales construíram
o sentido de “História total”. A primeira geração dos Annales foi o ponto de
partida para as novas abordagens da história. Bloch em Les Reis Thaumaturges (Os
Reis de Taumaturgos) amplia o campo historiográfico sobre o estudo do mundo rural,
fazendo comparações entre a França e a Inglaterra, algo novo do ponto de vista
tradicional “acostumado” a escrever sobre temas mais restritos.
Febvre objetivava uma pesquisa interdisciplinar com uma história voltada para a
problematização, entretanto em algumas obras propunha uma homogeneidade de
pensamento praticamente “impossível”. Era preciso levar em consideração os vários
aspectos e diferenças humanas, seja ele homem, mulher, rico ou pobre. O fato é que
as diferenças existem na forma de pensar dos indivíduos, e não levá-las em
consideração é negligenciar outros campos relevantes.
Os pensamentos de Marc Bloch e Lucien Febvre se entrecruzaram na criação de uma
revista. Assim, os Annales surgiu como nova proposta no meio científico,
contrariando a história política tradicional e abrindo espaços para a história
social e econômica. Nesse período são muitas as publicações concernentes aos
referidos temas. A revista dos Annales condensou os saberes e experiências de Bloch
e Fevbre, assim como suas críticas a uma história tradicional, enraizada no modelo
positivista. Mas, no que acreditavam os positivistas? Que relação mantinham com o
objeto da história? Qual noção tinham do conhecimento histórico? Como destaca José
Carlos Reis:
"Acreditavam os ditos “positivistas”, parece, que isso era possível. Acreditavam
que, se adotassem uma atitude de distanciamento de seu objeto, sem manter relações
de interdependência, obteriam um conhecimento histórico objetivo, um reflexo fiel
dos fatos do passado, puro de toda distorção subjetiva. O historiador, para eles,
narra fatos realmente acontecidos e tal como eles se passaram. [2]"

Nessas conexões de dizeres e saberes, os positivistas “amarram” o historiador a


teias complexas e interrompem seu processo criador. Em termos historiográficos o
“cientista” positivista colhe provas de suas falas, fechando suas conclusões
objetiva e comprovadamente. Contrários a essas idéias, Bloch e Fevbre se
assemelhavam, delineando a primeira geração, aos seus modos. Com a morte dos
maiores representantes da primeira geração, Bloch e em seguida Fevbre, é Braudel o
sucessor e diretor efetivo dos Annales. Sua proposta inicial é de renovação,
conseqüência de conflitos internos ocorridos no período pós-morte de Fevbre.
Proposta: Dar relevância à exploração do saber inicial dos discentes no que se
refere ao que faz o historiador e ao que é História.
Referenciais teóricos:
FONTANA, Josef. “A reconstrução. III: a Escola dos Annales”. In:__. História:
análise do passado e projeto social. SP: EDUSC, 1998.pp.137-154.

BURKER, Peter. “Os fundadores: Lucien Febrev e Marc Bloch”. In:____.A escola de
Annales. SP: UNESP, 1997.

- A Escola de Annales: segunda geração: Fernand Braudel e a história quantitativa.

Objetivos:
Conhecer as principais contribuições do historiador Fernand Braudel para o ofício
do historiador.

Perceber a renovação historiográfica possibilitada pelo uso de documentação seriada


e desenvolvimento de método específico.
Introdução:
Ao assumir a direção da Annales, em 1959, Fernand Braudel imprimiu à revista a sua
identidade. O apreço pela geografia e pela longa duração de tempo está revelado em
sua tese “O Mediterrâneo e Felipe II”.

Braudel considerava a “história dos eventos” superficial – a história


política/militar revelada pela narrativa seria limitada. O historiador deveria
percorrer caminhos de tempo mais longo a fim de entrar em contato com a estrutura
social e econômica da sociedade em questão.

Havia, também, o privilégio da “História da Cultura Material” que deixava de lado


importante esfera da manifestação humana, o mundo simbólico, tão observado pela
Antropologia. Indo além, Braudel foi importante para a construção da geo-história.

Em sua concepção o estudo da relação entre o homem e o seu meio, seria de


fundamental importância para o entendimento de uma sociedade.

Concomitante à “Era Braudel”, houve o nascimento da história quantitativa, sentida


primeiro no campo da história econômica, com a história dos preços, e,
posteriormente absorvida pela história social, particularmente pela história
populacional.
ESCOLA DOS ANNALES – 2ª GERAÇÃO (FERNAND BRAUDEL)
A desestabilidade ameaçava a continuação de uma revista que apesar de ampla, ainda
guardava resquícios de centralidade Bloch/Fevbre. Nesse sentido, o novo “líder”
propõe renovar o Annales, para isso recruta jovens historiadores aptos a novas
propostas, entretanto, também centralidade de pensamento e discussões em torno de
Braudel, embora a segunda geração não se resuma apenas a ele. Nesse momento, a
revista com suas produções acadêmicas ganha “ares” de escola. Os jovens
“recrutados” por Braudel formam um grupo, suas perspectivas irão moldar a nova fase
dos Annales.
O fato é que Braudel influenciaria toda uma geração, os estudos que não seguiam
suas perspectivas, em parte eram influenciados. Com ou sem Braudel, a segunda
geração foi mais que um instrumento hierárquico da primeira, na realidade a
constituiu na institucionalização de uma escola, embora se conteste o que seria o
Annales, uma escola ligada a um paradigma? O próprio Braudel discorda: “Os Annales,
apesar da sua vivacidade, nunca constituíram uma escola no sentido estrito, isto é,
um modelo de pensamento fechado em si mesmo”. (Apud: REIS, 2004, p. 70).[3]
Essa amplitude de discussão permeiam a idéia ou a construção da mesma acerca da
chamada “Escola” dos Annales. Se Braudel não acreditava em modelos de pensamento
dentro do ele mesmo criou, então a idéia, as discussões, a fábrica de conclusões
são apenas lapsos do que podemos chamar de Escola dos Annales.
Se para ele a “Escola dos Annales” não ocorreu no sentido simplista do termo,
porque o recrutamento de jovens, numa alegoria denotando o conjunto, unidade e
reunião de idéias? Por que a centralidade de pensamento em torno de si? Com ele, a
segunda geração torna possível uma continuidade do projeto dos Annales, uma
experiência que produziu suas descontinuidades. No mediterrâneo, uma obra que
valoriza as mudanças econômicas e sociais ocorridas a longo prazo, está transposto
suas idéias dialogando com a geografia, constrói uma “geo-histórica”. Como afirma
Burke (1997, p. 49): “A verdadeira matéria do estudo é essa história do homem em
relação a seu meio”, uma espécie de geografia/história ou como Braudel preferia
denominar uma geo-história”[4]. Sendo assim, “objetivo é demonstrar que todas as
características geográficas, têm a sua história, ou melhor, são partes da
história”.[5]
Constrói-se uma realidade histórica de espaços, permanece o intuito e a prática da
interdisciplinaridade tão exacerbada por Fevbre. Outra importante contribuição de
Braudel foi à inovação no conceito de tempo, que para ele é manejado entre a
distinção de curta e longa duração, ou seja, os eventos históricos, podem se dar em
ampla ou restrita dimensão temporal. Neste caso, outro conceito é fundamental, a
noção de estruturas, que interage no decorrer desses eventos com a categoria
temporal.
Segundo Peter Burke (1997, p. 55), Braudel realiza um movimento de “combinar um
estudo da longa duração com o de uma complexa interação entre o meio, a economia, a
sociedade, a política, a cultura e os acontecimentos”. Todos esses aspectos
sedimentados por um controle que se tem sobre sua figura em relação a seus
discípulos. Sobre sua égide a história dialoga com outros conhecimentos, narra a
história quantitativa serial, regional, demográfica, entre outras. Uma visão do
todo, uma história global é proposta, mesmo que Braudel destine suas inquietações
para o problema da liberdade individual. Seriam as coletividades coadjuvantes de
sua escrita?
A Escola dos Annales tem na sua história o marco de uma “revolução” historiográfica
francesa (BURKE, 1997). O início do século XX tem suas particularidades, os Annales
são, portanto frutos de seu tempo. Suas maiores contribuições consistem no
implemento da história-problema, da ampliação das fontes, do enquadramento da
história como “ciência humana e social”, através de uma relação interdisciplinar,
porém tudo isso motivado ainda por um ideal de cientificidade..
-----------------------------------------------------------------------------------
-------------------------------------------
Quando a Escola dos Annales foi criada em 1929, Fernand Braudel tinha apenas 27
anos. Estudara História na Sorbone, lecionava História numa Escola da Argélia e
trabalhava em sua tese. Tese que se iniciara como um ensaio de História
Diplomática, de caráter bastante convencional, embora ambiciosa. Foi projetado
originalmente como um estudo sobre Felipe II e o Mediterrâneo, em outras palavras,
uma análise da política externa do soberano.
Era normal para Historiadores Franceses lecionarem em Escolas enquanto escrevem
suas teses, Lucien Febvre, por exemplo, ensinou em Besançon; Braudel, durante 10
anos, ensinou na Argélia, experiência que lhe permitiu ampliar seus horizontes.
Seu primeiro artigo importante publicado nesse período, tinha por tema a
presença dos espanhóis no norte da África. Era ao mesmo tempo, uma crítica a seus
predecessores no tema pela ênfase que havia atribuído aos grandes homens e às
batalhas; uma discussão sobre a "vida diária das guarnições espanhola, e também uma
demonstração da estreita relação, embora invertida, entre a História africana e
européia, isto é, quando estourava a Guerra na Europa às campanhas africanas eram
suspensas”.
A pesquisa foi interrompida quando Braudel foi contratado para lecionar na
Universidade de São Paulo, 1935-1937, período definido por ele, mais tarde, como o
mais feliz de sua vida. Foi no retorno de sua viagem ao Brasil que Braudel conheceu
Lucien Febvre, que o adotou como filho intelectual e o persuadiu, de que o título
da tese deveria ser realmente "O Mediterrâneo e Felipe II" e não ao contrário.
Com o começo da 2ª Guerra Mundial, Braudel teve, por mais irônico que possa
parecer, a oportunidade de escrever sua tese. Permaneceu quase todos os anos da
Guerra como prisioneiro num campo perto de Lubeck. Sua excelente memória compensou
em parte a impossibilidade de recorrer às bibliotecas, tendo rascunhado O
Mediterrâneo em cadernos e os remetiam a Febvre, para posteriormente os serem
devolvidos. O Mediterrâneo é um livro de grandes dimensões, fora dividido em três
partes que exemplifica logo no prefácio uma abordagem diferente do passado,
primeiramente, há a História "quase sem tempo" da relação entre o "Homem" e o
ambiente; surge então, gradativamente, a História mutante da estrutura econômica,
social e política e, finalmente, a trepidante História dos acontecimentos.
A parte mais tradicional, a terceira, parece corresponder à ideia original de
Braudel de sua tese sobre a política exterior de Felipe II.
Uma presença igualmente sentida em O Mediterrâneo, embora possa parecer
irônica, é a do homem que Febvre adorava atacar, o Geógrafo Friedrich Ratzel, cuja
ideias sobre Geopolítica ajudaram Braudel a formular as suas sobre um bom número de
temas, que variavam do império às ilhas.
Entre os Historiadores, o que influenciou mais Braudel, foi o Medievalista
Henri Pirenne, cujo famoso Mohamet et Chalemagne defendia que, para compreender a
ascensão de Carlos Magno, o fim da tradição clássica e a construção da Idade Média,
o Historiador deveria afastar-se da História da Europa, ou da Cristandade; por
outro lado, sua visão, ao estudar o Médio Oriente Muçulmano, de dois Impérios
rivais que se confrontavam através do Mediterrâneo oitocentos anos antes de
Suleiman, o Magnífico, e Felipe II, deve Ter sido uma inspiração para Braudel.
Apesar de sua aspiração d atingir o que chamava de "História Total", Braudel
muito pouco tinha a dizer sobre atitudes, valores, ou "Mentalidades Coletivas",
mesmo capítulo dedicado a "civilização". Nisso diferia enormemente de Febvre,
apesar de sua admiração pelo Le Probléme de J’incroyance.
Braudel pouco tem a dizer sobre honra, vergonha e masculinidade, embora, como
um bom número de Antropólogos demonstrou, esse sistema de valores tinha, e ainda
tem, grande importância no mundo Mediterrâneo, tanto do lado Cristão quanto ao
Muçulmano.
A insinuação de que o livro falha por não ser propor um problema seria irônica
se bem fundamentada, pois Febvre e Bloch insistiram na ênfase de uma História
voltada para problemas, e o próprio Braudel escreveu que "a região não é o alicerce
da pesquisa, esse alicerce é o problema". O único problema, segundo Braudel, "é
demonstrar que o tempo avança com diferentes velocidades".
O Mediterrâneo recebeu uma crítica radical de um crítico Britânico (J.H.
Elliott). É provavelmente revelador que Braudel use em seus escritos, mais de uma
vez, a metáfora da prisão, descrevendo o homem como "prisioneiro não somente do seu
ambiente físico, mas também de sua estrutura mental". Diferentemente de Febvre,
Braudel não percebe a dupla face das estruturas, que são, ao mesmo tempo,
estimulantes e inibidoras. Contudo, também é justo dizer que o preço pagp pela
visão olímpica braudeliana dos assuntos humanos em grandes espaços e longos
períodos, é uma tendência a apequenar os serem humanos, a tratá-los como "insetos
humanos".
Para os Historiadores, é mais significativa a maneira pela qual ele maneja o
tempo, seu intento "de dividir o tempo histórico em tempo geográfico, tempo social
e tempo individual", realçando a importância do que se tornou conhecido, desde a
publicação do famoso artigo, como a Longa Duração. A Longa Duração de Braudel pode
ser curta em relação aos padrões dos Geólogos, mas sua ênfase do "tempo geográfico"
alertou muitos historiadores. Contudo, permanece uma conquista pessoal de Braudel,
combinar um estudo na Longa Duração com o de uma complexa interação entre o meio, a
economia, a sociedade, a política, a cultura e os acontecimentos.
Segundo Braudel, a contribuição especial do Historiador às ciências sociais é a
consciência de que todas as "estruturas" estão sujeitas a mudança, mesmo que
lentas. Era impaciente com fronteiras, separassem elas regiões ou ciências.
Desejava ver as coisas em sua inteireza, integrar o econômico, o social, o político
e o cultural na História Total.
Durante quase 30 anos, da morte de Febvre em 1956 até sua própria em 1985,
Braudel foi não apenas o mais importante Historiador Francês, mas também o mais
poderoso. Em 1949, no mesmo ano em que sua tese foi publicada, tornou-se professor
do Collége de France, e passou a acumular ao lado de Febvre, a função de Diretor do
Centre Recherches, na Ècole de Hautes Études.
Com a morte de Febvre em 1956, Braudel foi seu sucessor, tornando-se o diretor
efetivo dos Annales. As relações entre os dois "filhos" de Febvre, Braudel e
Mandrou, tornaram-se progressivamente menos fraternais, e Mandrou demitiu-se de seu
cargo de Secretário executivo da Revista em 1962. Braudel decidiu recrutar jovens
Historiadores, como Jacques Le goff, Emmanuel Le Roy Ladurie, Marc Ferro, com a
finalidade de renovar os Annales, "renovar a pele", como dizia.
Braudel também sucedeu Febvre como Presidente da VI seção da École, em 1963,
criou uma nova entidade dedicada à pesquisa interdisciplinar, a maison des Sciences
de I’home.
Sendo um homem de grande respeitabilidade e de personalidade dominante, Braudel
manteve sua poderosa influência, mesmo depois de sua aposentadoria, em 1972.
A influência de Braudel sobre algumas gerações d estudantes pesquisadores
também deve ser levada em conta. Pierre Chaunu, por exemplo, descreve como as
conferências de Braudel sobre a História da América Latina, feitas logo após o seu
retorno a França depois da Guerra, produziram-lhe um "choque" intelectual que
determinou sua carreira histórica.
Muitos outros historiadores atestaram o que deviam aos conselhos e
encorajamentos de Braudel durante o tempo em que escreviam suas teses.
Logo depois da publicação de O Mediterrâneo, Lucien Febvre convidou a
participar de um outro grande projeto. A ideia era escreverem uma História da
Europa, em dois volumes, abrangendo o período de 1400 a 1800. Febvre
responsabilizar-se-ia pelo "pensamento e crença" e Braudel ficaria com a História
da vida material.. Febvre ainda não escrevera sua parte quando de sua morte em
1956, Braudel escreveu a sua parte em três volumes, entre 1967 e 1979, sob o título
Civilization Matérelle Et Capitalisme.
Sua preocupação nos três volumes está mais ou menos concentrada nas categorias
econômicas do consumo, distribuição e produção, nessa ordem, mas ele prefere
caracterizá-las de maneira diferente. A introdução ao primeiro volume descreve a
História econômica como um edifício de três andares. No andar térreo, está a
civilização material, no andar intermediário, há a vida econômica "calculada,
articulada, emergindo como um sistema de regras e necessidades quase naturais", no
andar superior para não dizer superestrutura, existe o "mecanismo capitalista", o
mais sofisticado de todos.
O primeiro volume é dedicado ao alicerce, isto é, lida como "velho regime"
econômico que permanece há quase 400 anos, esse livro exemplifica o interesse
permanente de Braudel para a Longa Duração.
Enquanto seus discípulos estudavam as tendências populacionais ao nível das
províncias ou, as vezes, de vilas, Braudel, caracteristicamente, tentava apreender
o todo.
Com relação ao espaço, Braudel em seus temas subverte as fronteiras
tradicionais da História econômica. Deixa de lado as categorias tradicionais de
"agricultura", "comércio" e "indústria", e observa, substituindo as, "a vida
diária", o povo e as coisas, "coisas que a humanidade produz ou consome",
alimentos, vestuários, habitação, ferramentas, moedas, cidades... Dois conceitos
básicos que trazem no primeiro volume, um deles, "vida diária", o outro,
"civilização material".
Como sempre, Braudel mantém um fino equilíbrio entre o abstrato e o concreto, o
geral e o particular. Interrompe, aqui e ali, seu panorama para focalizar um estudo
de caso, incluindo uma "fábrica" agrícola, como ele a denomina, no Séc. XVII. Já
ocupada por especuladores. Braudel sempre teve um bom olho para detalhes vivos.
Apesar de sua liderança carismática e de sua contribuição, o desenvolvimento da
Escola dos Annales nos tempos de Braudel, não pode ser explicado apenas em função
de suas ideias, interesses e influências. Os destinos coletivos e as tendências
gerais do movimento merecem também ser examinados. Dessas tendências, a mais
importante, de mais ou menos 1950 até 1970, ou mesmo mais, foi certamente o
nascimento da História Quantitativa. Esta revolução quantitativa, como foi chamada,
foi primeiramente sentida no campo econômico, particularmente na História dos
preços. Da economia estendia-se para História social, especialmente para História
populacional.
Um último tema de Braudel merece ser aqui analisado, a estatística. Ele recebia
com entusiasmo os métodos quantitativos empregados por seus colegas e discípulos.
Fazia uso das estatísticas ocasionalmente, especialmente na segunda edição ampliada
de seu Le Mediterranée, publicado em 1966. Contudo, não é parcial dizer que os
números são apenas decorações de seu edifício histórico e não parte de sua
estrutura. Num certo sentido, ele resistia aos métodos quantitativos da mesma
maneira que resistia à maioria das formas de História Cultural, o que o levara a
descartar o famoso livro de Burckardt, A Civilização da Renascença na Itália, por
estar suspenso no ar. Ele foi assim, de alguma maneira alheio a dois grandes
movimentos no interior da História dos Annales de seu tempo, a História
Quantitativa e a História da Mentalidade. É tempo agora de dirigirmos nossa atenção
sobre eles.
Proposta:
Dar relevância à exploração do saber inicial dos discentes no que se refere ao que
faz o historiador e ao que é História.
Referenciais teóricos:
FONTANA, Josef. “A reconstrução. III: a Escola dos Annales”. In:__. História:
análise do passado e projeto social. SP: EDUSC, 1998.pp.137-154.
BURKER, Peter. A escola de Annales. SP: UNESP, 1997.

- A Escola de Annales: terceira geração: Jacques Le Goff e a multiplicidade de


métodos.

Objetivos:
Apresentar e discutir as principais características da 3a geração da Revista de
Annales: a multiplicidade de métodos, objetos e temas de estudo.
Introdução:
Após a saída de Braudel da presidência da revista, ocupada, em seguida por Jacques
Le Goff, pode-se falar de uma fragmentação ou policentrismo do projeto de Annales.
Muitos historiadores migraram da base econômica para o estudo das manifestações
culturais, foram “do porão ao sótão”, como afirmou Peter Burker.
O uso de fontes seriais foi incorporada a essa nova proposta de história.
Desenvolveram-se, por exemplo, o estudo da alfabetização na França entre os séculos
XVI e XIX e o estudo da descristianização da França a partir do levantamento dos
rituais funerários.
Ao mesmo tempo, houve o retorno e a renovação da História Política, com a
incorporação da longa duração, do uso de fontes seriadas e do diálogo com outras
disciplinas, principalmente a Antropologia, que ajudou na construção do conceito de
cultura-política.
Houve o resgate do valor da narrativa e do estudo biográfico.
A terceira geração traz uma fase marcada pela fragmentação e por exercer grande
influência sobre a historiografia e sobre o público leitor, em abordagens que
comumente chamamos de Nova História ou História Cultural.
Proposta:
Dar relevância à exploração do saber inicial dos discentes no que se refere ao que
faz o historiador e ao que é História.
Referenciais teóricos:
FONTANA, Josef. “A reconstrução. III: a Escola dos Annales”. In:__. História:
análise do passado e projeto social. SP: EDUSC, 1998.pp.137-154.
BURKER, Peter. A escola de Annales. SP: UNESP, 1997.

A Escola dos Annales: a crítica


Objetivos:
Apresentar e discutir as principais críticas feitas à Escola de Annales: a não
incorporação do político como esfera importante para o entendimento de uma
sociedade; a defesa de uma ciência empírica; negação à filosofia da história; a
despolitização.
Introdução:
François Dosse é um dos principais críticos da supremacia da Escola de Annales na
produção historiográfica do século XX.

Em A História em migalhas, publicado no final do século XX, Dosse revela as


principais limitações desta linha historiográfica. Suas críticas recaem, por
exemplo, na deficiência gerada pela desconsideração da política e por conseqüência,
no privilégio do econômico-social e na ausência de uma proposta filosófica de
história.

Para o autor, a produção intelectual do grupo estaria prejudicada por não ser capaz
de correlacionar diferentes eventos e processos históricos. Ao se dedicar à
história das pessoas comuns, do cotidiano, das mulheres, dos imigrantes, etc,
Annales produziria uma “história em migalhas” pouco elucidativa.

Já Josef Fontana, critica duramente a despolitização da história e dos


historiadores dos Annales. O não comprometimento com a política atual e com
propostas de mudança social levaram ao desenvolvimento de uma história conservadora
e pouco reflexiva.
Ver: DOSSE, François. A história em migalhas: dos Annales à Nova História. São
Paulo: Edusc, 2003.
- A História em Migalhas de Dosse -
A História em Migalhas

A abordagem adotada pelo autor François Dosse no livro "História em Migalhas",


publicado no final do século XX (e reeditada em 2003), representou uma verdadeira
reviravolta no mundo da História.

A negação às críticas de Dosse refletiam a tentativa de supremacia da Escola dos


Annales, lançada 9 meses antes da explosão mundial representada pela quebra da
Bolsa de Nova Iorque, em 1929. Naquele momento, a Escola dos Annales se apresentava
ao mundo científico como a única e original saída para uma nova História. Toda a
teoria que embasou os Annales cai por terra na narrativa desse autor, que se
empenhou em demonstrar todas as formas mutantes que a tradicional escola apresentou
até sua 3ª geração.

A Escola dos Annales

François Dosse explicita em sua obra, de forma clara e evolutiva, as diferentes


posturas e adaptações da Escola dos Annales desde sua primeira geração, onde seus
fundadores, Marc Bloch e Lucien Febvre, propõem uma ciência empírica, sem dogmas,
uma verdadeira "guerra em movimento", com total negação à filosofia da história e
seu aspecto positivista, típico do século XIX. Mas não apenas isso, a escola se
propunha a uma abordagem que não fosse principalmente política. Dentro do contexto
histórico, os anos 30 do século XX se destacavam, a princípio, pelo aspecto
econômico, que passou a suplantar o aspecto político, levando até mesmo a se medir
o sucesso político em função do desenvolvimento econômico e não mais o inverso.

A História que nascia no berço da religiosidade da Idade Média, passa, com o


desenvolvimento das cidades, a ser escrita por monges contratados pelos reis, como
foi o caso de um monge de Saint Michel, no século XV. Posteriormente, a história
tornou-se política, permanecendo dessa forma até o século XX.

Segundo o autor, os membros da Escola dos Annales se apoderaram de todos os lugares


estratégicos de uma sociedade dominada pelos meios de comunicação de massa. Falava-
se agora do cotidiano de pessoas comuns, de mulheres, de imigrantes, etc. Havia uma
procura de identidade, pois a sociedade não desejava ser órfã e sai em busca de
suas origens.

Três tentativas: Durkheim, Vidal e Henri Berr

A proposta da Escola dos Annales conseguiu se manter ao longo do tempo, mas antes
mesmo de ser criada, aconteceram três tentativas de construção de unicidade de uma
ciência social. Entre elas encontravam-se: a Escola Durkheimiana, a Escola
Geográfica de Paul Vidal de la Blache e a Escola de Henri Berr (com o tratado de
Sigmand).

Quanto à primeira tentativa, podemos destacar que Émile Durkheim, que seria
posteriormente o relator da Escola dos Annales, foi justamente o que propôs a
submissão da história às ciências sociais, o que não foi aceito na época pelos
historiadores, já que levaria ao risco de perda da identidade da própria classe.
Não conseguindo seguir avante com suas idéias, a sociologia não se sobrepôs às
ciências tradicionais e só veio a ter seu instituto criado na França em 1924. Fato
este que foi observado por um dos fundadores dos Annales, servindo, assim, de base
para o não estabelecimento do ramo da sociologia como campo de atuação determinante
no embasamento da escola a ser criada.

No caso da escola geográfica de Vidal de la Blache, que era historiador de


formação, as noções de meio, modo de vida e cotidiano restringiram a visão ao
abordar o local geográfico. Era a ciência do concreto, do observável, antes de
tudo, a "ciência dos lugares". Apesar de não ter vingado, já que para Vidal a
compreensão se restringia a localizar e comparar, abriu caminhos para a instalação
da Escola dos Annales, já que a Geografia era bem considerada dentro do meio
científico desde o fim do século XIX.

No caso de Henri Berr, foi através da revista "Método Histórico e Ciências


Sociais", em 1903, que François Simiand convida os historiadores à passagem do
fenômeno individual para o social. Apesar de não evoluir, o programa de Simiand é
utilizado pela Escola dos Annales no instante que resolve combater a história
historicizante e promover a História Nova.

Os anos 50 e 60 do século XX
Em todos os momentos de sua evolução, a Escola dos Annales se adaptava às novas
realidades que se apresentavam, aproveitando, por exemplo, as conseqüências da
barbárie ocorrida com a Segunda Guerra Mundial, que levou à internacionalização
econômica e à necessidade de firmação de locais como o Japão, a Ásia e o Novo
Mundo.

Nos anos 50, a escola esbarrava em mais um impasse: o avanço das ciências sociais e
a tentativa de Lévi-Strauss em deshistoriarizar a história, de não mais
individualizá-la, de colocar a etnologia como a grande descoberta da forma de
funcionamento do espírito humano. Nascia a Escola do Estruturalismo. E é justo
neste contexto que a Escola dos Annales contou com a colaboração de Fernand
Braudel, que opta em fazer uma nova leitura desse enfoque, dando caráter estrutural
às linhas históricas, pretendendo a síntese, e orientando os historiadores dessa
geração a novos rumos, enfim, conferindo um papel central à História.

É importante destacar a importância do estudo da demografia e das estatísticas nos


anos 60 não se fez suficiente, numa fase em que o levantamento de dados não era
relacionado e se voltava apenas à Era Moderna (séc. XVI-XVIII), comprometendo a
leitura dos mesmos na produção histórica, além de colocar de lado os períodos
referentes à Antigüidade e à sociedade contemporânea.

A Nova História

Atualmente, os seguidores da Nova História se preocupam com a questão totalitária,


globalizante, que é recusada pelos adeptos da Escola dos Annales.

Pierre Nora, que criticou ardentemente o pensamento de François Dosse com relação
às suas críticas à escola, acabou admitindo, posteriormente, a necessidade de
renovação dos paradigmas estabelecidos em função de uma realidade diversa e da
consideração da memória já como história.

Os historiadores que se preocupam com a produção de conhecimento atual, segundo


Dosse, estariam seguindo para o caminho do futuro, enquanto os adeptos da 3ª
geração da Escola dos Annales se negam a admitir o aspecto totalitário que deve ser
enfocado na história contemporânea, insistindo em juntar "migalhas" da história sem
que sejam feitas relações entre os fatos.

A causalidade torna-se fundamental nesse momento de mudança e renovação da produção


de conhecimento que fica para a posteridade.

Sem dúvida, a Escola dos Annales, no relato de sua própria evolução revela diversos
momentos importantes para a cientificidade da História, até se chegar à importância
da duração (espaço-temporal) como ponto fundamental da escritura histórica atual.
Fases em que até mesmo a psicologia (psico-história), a etnologia, a geografia, se
enlaçaram ou não com a história para, entre convergências e divergências, chegar a
um denominador comum.

Segundo Dosse "a repetição de modelos passados, a falta de perspectiva do presente


e um futuro opaco" já levaram, em outros tempos, a mudanças significativas dentro
da própria Escola dos Annales, mas é certo que as mudanças ocorridas desde 1929 até
os dias atuais demonstram que a História correu um sério risco de perder sua
identidade, risco esse que certamente ela não deve incorrer mais uma vez.

Bibliografia:
DOSSE, François. A História em Migalhas: dos Annales à Nova História. São Paulo:
Edusc, 2003.

Proposta:
Dar relevância à exploração do saber inicial dos discentes no que se refere ao que
faz o historiador e ao que é História.
Referenciais teóricos:
FONTANA, Josef. “A reconstrução. III: a Escola dos Annales”. In:__. História:
análise do passado e projeto social. SP: EDUSC, 1998.pp.137-154.

28 comentários:

Sou?!14 de setembro de 2013 22:17


Depois de anos finalmente encontrei um texto elucidativo sobre o assunto. Muito
obrigado.

Responder

Lє ค η∂яσ Mello7 de março de 2014 06:53


Parabéns pelo texto. Está muito bem explicado e além disso, irá me ajudar em minhas
aulas da faculdade

Responder

Edianghel25 de abril de 2014 16:28


Faço minhas as palavras da colega acima, realmente estar muito bom, bem escrito, de
fácil absorção, na dose de conhecimento certa. parabéns

Responder

Kennet Tricolor2 de junho de 2014 05:19


Perfeito,ótimos recortes,um bom resumo

Responder

marcio biachi Machado21 de abril de 2015 16:19


Parabéns amigo, ficou um texto bem elaborado e bastante claro em todos aspectos,
ajudou bastante na parte do meu trabalho que é sobre a escola dos Annales. Um
grande abraço!

Responder

Gleziane5 de outubro de 2015 04:30


gente, vocês me ajudaram absurdamente,tinha tudo o que eu precisava como:gerações,
nova história Durkheim, maravilhoso resumão, valeu!!!!

Responder

Gleziane5 de outubro de 2015 04:58


gente, vocês me ajudaram absurdamente,tinha tudo o que eu precisava como:gerações,
nova história Durkheim, maravilhoso resumão, valeu!!!!

Responder

Unknown19 de novembro de 2015 00:04


excelente texto. Elucida os vários aspectos, propostas e criticas em relação ao
oficio do historiador. isso não apenas baseada na Escola dos Annales. muito
obrigado.

Responder
Daillhy Vídeo Digital16 de fevereiro de 2016 15:01
Gostei do texto

Responder

monalyza oliveira5 de março de 2016 16:34


Maravilhoso texto, ajudou-me bastante em um trabalho sobre escola dos Analles.
Parabéns!

Responder

Carlos Ribeiro3 de abril de 2016 13:07


Muito bom o texto, elucidativo, fácil entendimento e profundo nos detalhes.
Parabéns

Responder

Yamara Bastos19 de junho de 2016 16:09


Muito bom! parabéns!

Responder

Unknown1 de setembro de 2016 08:36


Este comentário foi removido pelo autor.

Responder

Hugo Figueiredo1 de setembro de 2016 08:39


Excelente texto!sem dúvidas corroborou bastante com a elucidação,de alguns pontos,
meus parabéns.

Responder

Hugo Figueiredo1 de setembro de 2016 08:46


Excelente texto!sem dúvidas corroborou bastante com a elucidação,de alguns pontos,
meus parabéns.

Responder

Unknown31 de outubro de 2016 16:57


O texto é bastante significativo, muito bom.

Responder

Unknown31 de outubro de 2016 16:57


O texto é bastante significativo, muito bom.

Responder

Roseli santos14 de novembro de 2016 04:14


Obrigada....muio bom!

Responder

Históra UfacSena9 de fevereiro de 2017 11:19


ótimo texto...

Responder
Unknown13 de fevereiro de 2017 23:08
Muito claro, objetivo. Excelente ponto inicial para uma pesquisa. parabéns.

Responder

Unknown13 de fevereiro de 2017 23:08


Muito claro, objetivo. Excelente ponto inicial para uma pesquisa. parabéns.

Responder

Joao Oliveira7 de maio de 2017 17:06


Muito bom excelente

Responder

Edson Medina9 de maio de 2017 13:23


Seu texto faz com que entendamos bem mais facil,o que grandes textos acaêmicos, não
conseguem faze-lo obrigado

Responder

larissa polceno22 de maio de 2017 06:36


Muito bom o texto, me auxiliou bastante em meus estudos. Obrigado!

Responder

jade coelho23 de março de 2018 22:05


Três meses pagando teoria, fui aprender hoje o que foi os Annales. Muito obrigada!

Responder

Unknown5 de julho de 2018 12:11


Como faço para referenciar este artigo?

Responder

Unknown23 de novembro de 2018 16:57


Muito bom o seu texto, parabéns!!!

Responder

Unknown15 de abril de 2019 08:11


Exelente.

Responder

Página inicial
Visualizar versão para a web
Tecnologia do Blogger.