Você está na página 1de 14

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS - UFSCar

CENTRO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS - CCA

DEPTO. CIÊNCIAS DA NATUREZA, MATEMÁTICA E EDUCAÇÃO - DCNME

QUÍMICA INORGÂNICA DESCRITIVA

GRUPOS 15 e 16

GRUPO DO NITROGÊNIO E CALCOGÊNIOS

Membros do Grupo:

Felipe Botelho Aparecido – RA 740796

Davi Siqueira S. de Souza – RA 745471

Jhonatas de Oliveira F. Monteiro – RA 745507

Jonatas Luiz Ramos – RA 745513

Prof.ª Dr.ª Roselena Faez

Araras/SP

Junho de 2019
Grupo 15

1. Ocorrência e Obtenção dos elementos (N, P, As, Sb, Bi)


1.1 Nitrogênio (N)

O nitrogênio constitui 78% da atmosfera terrestre, porém, não é um elemento


abundante na crosta terrestre (33º elemento em ordem de abundância). Todos os nitratos são
muito solúveis em água, não sendo comum na crosta terrestre, com exceção de depósitos
encontrados em algumas regiões desérticas. Esse elemento é muito utilizado como um gás
inerte, na produção de amônia, fertilizantes, plásticos, pigmentos e explosivos.

O N2 é obtido em escala industrial, liquefazendo-se o ar e então realizando-se a


destilação fracionada do mesmo. O N2 tem ponto de ebulição menor que o O2, saindo da
coluna de destilação antes do O2.

Pode ser obtido a partir do aquecimento do nitrito de amônio. Também é obtido na


oxidação da amônia, por exemplo, com hipoclorito de cálcio, água de bromo ou CuO.
Pequenas quantidades de N2 podem ser obtidas aquecendo-se o azoteto de sódio, NaN3 a cerca
de 300 ºC.

NH4Cl + NaNO2  NaCl + NH4NO2  N2 + H2O

4 NH3 + 3 Ca(OCl)2  2 N2 + 3 CaCl2 + 6 H2O

8 NH3 + 3 Br2  N2 + 6 NH4Br

2 NaN3  3 N2 + 2 Na

1.2 Fósforo (P)

O fósforo é o 11º elemento mais abundante na crosta terrestre, sendo essencial para a
vida animal e para o metabolismo das plantas. O fósforo ocorre como rochas fosfáticas:
Ca3(PO4)2, [3(Ca3(PO4)2)·Ca(OH)2 ] (hidroxiapatita), ([3(Ca3(PO4)2)·CaF2] (fluorapatita).
Cerca de 90% das rochas são usadas diretamente na fabricação de fertilizantes, e o restante é
usado na fabricação de fósforo e ácido fosfórico.

Esse elemento é obtido pela redução do fosfato de cálcio com C, num forno elétrico a
1400-1500 ºC. Adiciona-se SiO2 à mistura para remover o cálcio em forma de silicato de
cálcio, que se separa do fósforo na forma de P4O10, que é reduzido a fósforo elementar pelo
coque.

2 Ca3(PO4)2(s) + 6 SiO2(s)  6 CaSiO3(s) + P4O10(s)

P4O10(s) + 10 C(s)  P4(s) + 10 CO(g)

1.3 Arsênio (As)

O arsênio juntamente com o antimônio e bismuto, não são muito abundantes, porém,
são bastante comuns, porque são obtidos como subprodutos de calcinação de minérios da
classe dos sulfetos em altos-fornos. Sua principal fonte são os sulfetos, que ocorrem em
pequenas quantidades combinadas com outros minérios. Os compostos de As e Sb são
tóxicos.

O arsênio é obtido na forma de As2O3, a partir da poeira de exaustão liberadas na


calcinação de óxido de Cu, Pb, Fe, Co e Ni na presença de ar. Os minérios comuns de arsênio
são: as arsenopiritas (FeAsS) de cor branca acinzentada, o realgar (As4S4 ) de cor vermelho
alaranjada e o orpimento (As2S3 ) de cor amarela. Esse elemento é obtido industrialmente
aquecendo-se arsenetos ou arsenopiritas à cerca de 700 ºC na ausência de ar, de forma que o
As sublima.

4 FeAsS  As4 + 4 FeS

O arsênio metálico é empregado em ligas de chumbo para torná-las mais duras. É


usado também para dopar semicondutores e para fabricar o LED. Outros compostos de
arsênio são utilizados na medicina no combate à parasitas (rodenticida) e para evitar o
apodrecimento de madeira.

1.4 Antimônio (Sb)

O antimônio é obtido na forma de Sb2O3, das poeiras de exaustão provenientes da


calcinação de minérios de ZnS, em que o óxido é reduzido ao metal com carbono. O minério
de Sb mais importante é a estibinita, Sb2S3. Esse elemento é obtido por fusão com ferro.

Sb2S3 + 3 Fe  2 Sb + 3 FeS
O metal antimônio é utilizado em ligas de Sn e Pb. É usado também com camada
protetora sobre aços para impedir a ferrugem. Outros compostos de Sb são utilizados como
retardantes de chama em espuma para colchões e outros móveis.

1.5 Bismuto (Bi)

O bismuto é obtido a partir das poeiras de exaustão provenientes da calcinação de


sulfetos de Zn, Pb e Cu, e pode ser reduzido ao metal com carbono. Esse elemento ocorre na
forma dos minerais bismutinita (Bi2S3) e bismita (Bi2O3). O Bi é usado em ligas de baixo
ponto de fusão, usado na confecção de tampões de baixo P.F. para equipamentos automáticos
contra incêndios. Além disso, é utilizado em baterias, mancais, soldas e munição.

2. Propriedades periódicas do Grupo 15

Com exceção do nitrogênio, todos os elementos são sólidos em temperaturas normais.


O nitrogênio é um gás incolor, inodoro e insipido, sendo encontrada na forma de N2 (com uma
ligação tripla NN) com comprimento 1,09 Å e energia de dissociação muito alta (945 kJ
mol-1) e portanto é estável à temperatura ambiente.

Nitrogênio e fósforo são não-metais, arsênio e antimônio são metaloides e bismuto é


um metal.

Todos os elementos desse grupo possuem cinco elétrons na camada de valência. O


estado de oxidação máxima é 5. A tendência do par de elétrons s de permanecer inerte (o
efeito do par inerte) cresce com o aumento da massa atômica, em que somente os elétrons p
são utilizados para formar ligações, sendo a valência igual a três.

O raio atômico desse grupo aumenta à medida que se desce na tabela periódica, ou
seja, Bismuto possui raio atômico maior que o Nitrogênio. O caráter metálico segue essa
mesma tendência, ou seja, aumenta para baixo no grupo.

O nitrogênio também difere dos demais elementos do grupo porque forma ligações
múltiplas ππ-ππ, formando diversos compostos análogos como, por exemplo, NO3-, NO2-, N3-,
N2, N2O, NO, NO2, N2O4, N2O5, N.
3. Principais compostos
3.1 Nitrogênio

Os compostos de nitrogênio são usados desde a antiguidade, estando presentes em


alimentos, fertilizantes, veneno e explosivos, como a nitroglicerina. Obtido pela destilação
fracionada do ar liquefeito, o nitrogênio é largamente utilizado na indústria química, como
solvente e como inibidor de combustões, além de ter sua utilização na indústria alimentícia,
metalúrgica e elétrica, prevenindo a oxidação.

O elemento pode ser utilizado em seu estado líquido em sistemas de refrigeração,


sendo empregado na medicina como conservante de sangue, sêmen, tecidos e bactérias pelo
seu poder congelante.

As principais combinações nitrogenadas são: a amônia (NH3), o ácido nítrico (HNO3)


e o ácido nitroso (HNO2). A amônia é uma base fraca; um gás incolor e de forte odor é usada
na produção de vários outros compostos de nitrogênio, como a ureia e refrigerantes.

A conversão do nitrogênio para utilização industrial (processo Haber-Bosch) é um


processo difícil, pois sua molécula é formada por dois átomos com ligações químicas muito
fortes, sendo difícil inserir elétrons nessas moléculas ou retirá-los dela, além de outro fator
implicante pelo nitrogênio não ser polar, dificultando a ligação com metais.

3 H2(g) + N2(g)  2NH3(g) + calor

3.2 Fósforo

O fósforo apresenta diversas variedades alotrópicas, onde o mais comum tem


aparência de um sólido branco e no estado puro se torna incolor. Além desse, existem a
variedade vermelho e preto. A produção do pentóxido a partir desse elemento ocorre de
maneira espontânea, através do contato com o ar.

O fósforo branco apresenta uma afinidade muito grande pelos demais elementos,
podendo formar numerosos compostos com outros elementos, se caracterizando como um
redutor energético que se oxida facilmente a luz solar ou pelo aquecimento. Quando aquecido
a elevadas temperaturas (250º C a 300º C) o fósforo branco passa a sua variedade vermelha,
sendo ela muito estável e não venenosa, formada por dois tetraedros de átomos de fósforo
ligados entre si, que não queima espontaneamente e não é tão perigosa quanto a branca, no
entanto o cuidado ainda é necessário pois emite fumaças tóxicas de óxidos quando aquecidos.
Seguindo o mesmo processo de aquecimento, porém, em alta pressão, se obtém o fósforo
preto. Trata-se de uma forma polímera, constituídas de várias moléculas tetraédricas unidas
entre si formando longas cadeias.

Fosfatos tem um grande uso na área industrial, sendo largamente utilizado na


produção de fertilizantes e vidros especiais. O fósforo vermelho é usado na fabricação de
fósforos de segurança, artefatos pirotécnicos, bombas de fumaça e diversos outros materiais
incendiários. Um dos compostos desse elemento usado como produto de limpeza é o trifosfato
de sódio, que tem sua utilização na prevenção de corrosão em tubulações e caldeiras. É
importante ressaltar a importância do fosforo no sistema biológico, que abrange desde a
estrutura celular até os tecidos nervosos e ossos.

3.3 Arsênio

O arsênio é um semi-metal usado principalmente em ligas de chumbo, como eletrodos


e baterias. É um elemento considerado pesado e muito tóxico, tendo sua utilização na
indústria como clarificador do vidro, obtenção de fogos brancos e principalmente como
conservante de couro e madeira, porem sua utilização vem diminuindo devido aos efeitos
ambientais que esse elemento pode provocar.

3.4 Antimônio

O antimônio na sua forma elementar é um sólido cristalino que apresenta uma


condutividade elétrica e térmica baixa, evaporando em baixas temperaturas. O elemento tem
uma crescente importância na indústria de semicondutores para construção de detectores
infravermelhos e diodos. Os compostos de antimônio na forma de óxidos e sulfetos são
utilizados na fabricação de materiais resistentes ao fogo (trióxido de antimônio), além de
esmaltes, vidros, pinturas e cerâmica.
O antimônio é encontrado na natureza em diversos minerais, apesar de ser um
elemento pouco abundante. Embora seja possível encontrá-lo livre, normalmente está na
forma de sulfetos. O principal minério de antimônio é a antimonita (estibina), Sb2S3.

Com a queima de sulfeto de antimônio se obtém óxido de antimônio III, Sb2O3, que
é reduzido com o coque para a obtenção do antimônio:

2Sb2O3 + 3C → 4Sb + 3CO2

Também pode ser obtido por redução direta do sulfeto, com ferro:

Sb2S3 + 3Fe → 2Sb + 3FeS


3.5 Bismuto

Os principais compostos do elemento são: hidreto de bismuto (III), fluoreto de


bismuto (III), cloreto de bismuto (III), brometo de bismuto (III), sendo o produto da reação
entre o óxido de bismuto e o ácido bromídrico e iodeto de bismuto (III), um sólido na cor
cinza escuro.

Na natureza, a bismutinina (Bi2S3) e a bismita (Bi2O3) são os minerais mais


importantes. É um elemento que tem valor elevado no mercado justamente por não ter grande
abundancia, e tem sua importância comercial centralizada nas ligas com estanho e cádmio
usado em soldas, fusíveis elétricos, detectores de incêndio e extintores.

Grupo 16

4. Ocorrência e Obtenção dos elementos

Os quatro primeiros elementos desse grupo são não metais. São conhecidos como
calcogênios, ou elementos formadores de minérios, pois inúmeros minérios são óxidos ou
sulfetos de metais. Os metais dessa família possuem a tendência de perder elétrons para
estabilizar-se.
Inúmeros grupos químicos contendo elementos desse grupo têm significativa
importância econômica, como o ácido sulfúrico (H2SO4), gás oxigênio (O2), sulfato de sódio
(Na2SO3) e peróxido de hidrogênio (H2O2).
4.1 Oxigênio (O)

O Oxigênio está prontamente disponível como O2 na atmosfera. É o elemento mais


abundante da crosta terrestre (45,5%) e no mar (90%). Na atmosfera é o segundo elemento
mais abundante em massa (20%). É obtido em grande escala pela destilação do ar líquido. No
laboratório, o O2 pode ser produzido por diversos métodos, como a eletrólise da água,
decomposição do H2O2, decomposição térmica de sais de oxiácidos e redução do
permanganato (MnO4-) com H2O2.

2 H2O(l)  2 H2(g) + O2(g)

2 H2O2(aq)  2 H2O(l) + O2(g)

2 KClO3(s)  3 KCl(s) + 3 O2(g)

5 H2O2(aq) + 2 MnO4-(aq) + 6 H+(aq)  5 O2(g) + 2 Mn2+(aq) + 8H2O(l)

Na natureza, o oxigênio é produzido no processo da fotossíntese, porém, é um


processo não favorável, que necessita de uma fonte de energia externa (requer 469 kJ/mol de
energia).

CO2(g) + H2O(l)  O2(g) + {CH2O}n

4.2 Enxofre (S)

O enxofre é o 16º elemento em abundância (0,038%). Há diversos métodos para a


obtenção do enxofre: recuperação a partir do gás natural e do petróleo, mineração pelo
processo Frasch (S de alta pureza), a partir de piritas, recuperado dos gases de ustulação de
sulfetos, mineração como enxofre mineral e obtido a partir de CaSO4.

2 H2S + 3 O2  2 SO2 + 2 H2O

SO2 + 2 H2S  2 H2O + 3 S

No processo Frasch, três tubulações concêntricas são introduzidas no depósito


subterrâneo. Vapor superaquecido é introduzido pela tubulação mais externa, provocando a
fusão do enxofre. Ar comprimido é introduzido pela tubulação central, forçando o enxofre
fundido a subir pela tubulação intermediária.
O enxofre possui aplicações na indústria (vulcanização da borracha, explosivos e
produtos para ondulação do cabelo), na medicina (pomadas e sabões medicinais) e na
agricultura (açúcar refinado).

4.3 Selênio (Se), Telúrio (Te) e Polônio (Po)

Selênio e telúrio ocorrem associados ao minério do grupo dos sulfetos e são obtidos a
partir de depósitos ou sedimentos anódicos do processo de refino eletrolítico do cobre. São
também obtidos nas poeiras formadas durante calcinação de minérios como PbS, CuS e FeS2.

O selênio existe com vários polimorfos diferentes. A forma mais estável é o selênio
cinza, um material cristalino composto de cadeias helicoidais, e é usado em fotocélulas. A
forma comercial comum do elemento é o selênio preto amorfo. Uma outra forma amorfa do
Se, obtida pela deposição do vapor, é usada como fotorreceptor no processo de fotocopia
xerográfico. É um elemento essencial em pequenas quantidades para os humanos.

O Telúrio é usado na fabricação de ligas com ferro e metais não ferrosos. Quando
cristalino, o telúrio é branco-prateado, e quando na forma pura apresenta um brilho metálico.
O telúrio amorfo pode ser obtido por precipitação de uma solução de ácido teluroso ou ácido
telúrico.

O Polônio é um elemento raro na natureza, sendo encontrado nos minérios de urânio


em apenas 100 microgramas por tonelada e isolado em 1898, por Marie Currie.

5. Propriedades Periódicas do Grupo 16

Em relação às propriedades periódicas, os elementos do Grupo 16 apresentam a


tendência normal de aumento no caráter metálico ao se descer pelo Grupo, refletindo-se assim
nas suas reações, estruturas dos elementos e na crescente tendência de se formar íons M2+,
com coincidente decréscimo de íons M2-. Oxigênio (O) e Enxofre (S) são totalmente não
metálicos, sendo esse caráter menor no Selênio (Se) e Telúrio (Te), o Polônio (Po), por sua
vez, é caracteristicamente metálico, além de ser um elemento radioativo, com baixo tempo de
vida. Ademais, no geral, possuem as seguintes características:
a. Pequeno raio atômico quando comparados com os elementos dos Grupos 1 e 15,
por exemplo;
b. Elevada energia de ionização, uma vez que apresentam baixo raio atômico;
c. Elevada afinidade eletrônica e eletronegatividade, quando comparados com as
outras 15 famílias a esquerda;
d. Baixa eletropositividade, devido novamente ao baixo raio atômico e
e. São menos densos do que os elementos na região central (Metais de transição).

O oxigênio possui expressiva importância na Química Inorgânica, visto que reage com
quase todos os demais elementos, esses elemento apresenta diversas diferenças em relação aos
demais do grupo, as quais se relacionam com ao menor tamanho do oxigênio, maior
eletronegatividade – é o segundo elemento mais eletronegativo da tabela periódica, e à falta
de orbitais d adequados para formar ligações. Ele também forma ligações de hidrogênio
fortes, as quais influenciam significativamente nas propriedades da água, por exemplo. Uma
de suas características também é poder utilizar orbitais pπ para formar ligações duplas fortes.
Os demais elementos também podem realizar ligações duplas, mas elas se tornam mais fracas
à medida que se aumenta o número atômico.
S, Se e Te são moderadamente reativos e queimam ao ar formando dióxidos, eles se
combinam diretamente com a maioria dos elementos, tanto metais quanto ametais, porém com
menos facilidade que o oxigênio.
O enxofre possui maior tendência de formar cadeias e ciclos do que os demais
elementos do grupo (Variedades alotrópicas), formando uma extensa variedade de compostos
com nitrogênio.
Enquanto O e S possuem somente elétrons s e p, o Se segue logo após a primeira série
de transição e também possui elétrons d. O preenchimento do nível 3d influencia as
propriedades do Ge, As, Se e Br. Os átomos são menores e mais firmemente ligados ao
núcleo, por isso Se é oxidado com maior dificuldade ao estado de oxidação mais elevado (+
VI), em contraste com o S.
Todos os elementos do Grupo 16 tem configuração eletrônica s2p4, podendo atingir a
configuração de gás nobre ou recebendo dois elétrons, o que da origem a íons binegativos, ou
então compartilhando dois elétrons, formando duas ligações covalentes. Devido a alta
eletronegatividade do oxigênio, a maioria dos óxidos metálicos são iônicos e contêm íons O2-.
Os sulfetos, selenetos e teluretos se formam quando combinam com os elementos menos
eletronegativos dos Grupos 1 e 2 e dos lantanídeos. Esses compostos estão entre os mais
estáveis conhecidos.
O oxigênio ocorre em dois compostos não metálicos, o dioxigênio O2 e ozônio O3. O
primeiro é uma molécula estável presenta na forma de gás, além de ser uma molécula
paramagnética – deve conter elétrons desemparelhados. O ozônio é instável, diamagnético e
se decompõe a O2 e possui uma estrutura angular. Importante componente para proteção da
atmosfera uma vez que absorve os raios na região do UV entre 220-290 nm.

6. Principais compostos
6.1 Óxidos de Enxofre, Selênio, Telúrio e Polônio

Os óxidos podem se dividir em:


1. Peróxidos: apresentando uma ligação O-O, O no estado de oxidação -1. Exemplos
desse tipo de óxido são o Percarbonato, Peróxissulfatos, Perborato e,
principalmente, o Peróxido de hidrogênio (solúvel em água, ótimo agente de
oxidação, cinética de reação lenta, porém explosiva quando catalisada por metal ou
álcalis; pode atuar com agente oxidante ou redutor)
2. Superóxidos (O2-): Ligação O-O em que o estado de oxidação é -1/2.
O SO2 é produzido em larga escala, por combustão do enxofre no ar, combustão de
H2S ao ar, calcinação de vários minérios do grupo dos sulfetos na presença de ar, subproduto
da queima de carvão e combustíveis fósseis (relacionando-se com a chuva ácida). SO3 é
produzido em larga escala pelo processo de contato, reagindo cm O2 na presença de um
catalisador (Pt ou V2O5). Geralmente SO3 não é isolado, mas convertido diretamente em
H2SO4. O S2O é formado quando S e SO2 são submetidos a descarga elétrica silenciosa. É
muito reativo, atacando metais e KOH, e sofre polimerização. Existem também outros
compostos formados por enxofre e oxigênio como os íons sulfato SO42- e tiossulfato S2O32-. O
ácido sulfúrico é o ácido mais importante utilizado na indústria química, sendo um ácido forte
e moderadamente oxidante e um importante agente de desidratação.
O selênio forma os oxiácidos H2SeO3 (ácido selenioso) e H2SeO4 (ácido selênico- tão
forte quanto ácido sulfúrico). O primeiro se forma quando SeO2 é dissolvido em água. Já o
telúrio possui o oxiácidos TeO2 quase insolúvel em água, de modo que ainda não foi possível
caracterizar o ácido teluroso.

6.2 Hidretos

Todos os compostos desse grupo formam hidretos covalentes, como a água H2O,
sulfeto de hidrogênio H2S, seleneto de hidrogênio H2Se, telureto de hidrogênio H2Te e
poloneto de hidrogênio H2Po, sendo a água líquida a temperatura ambiente e os demais gases
incolores tóxicos.

7. Alótropos de S

O enxofre rômbico (α-S8) e o enxofre monoclínico (β-S8) são alótropos mais comuns
do enxofre, porem este elemento possuem outros alótropos como o S6 e S7. A maneira que os
átomos de enxofre são dispostos lhes confere uma estrutura e propriedades específicas.

Para exemplificar a correlação entre estrutura do retículo cristalino e as propriedades


físicas e químicas, pode-se comparar a densidade, o ponto de fusão, o ponto de ebulição. Ao
fazer esta comparação temos que enxofre rômbico (α-S8) possui densidade de 2,07 g/cm3 e
ponto de fusão de 112,8 °C. Já o enxofre monoclínico (β-S8) possui densidade de 1,96 g/cm3 e
ponto de fusão de 119,2 °C. Ambos possuem o mesmo ponto de ebulição (444,7 °C). Outra
característica é a alteração da viscosidade durante o aquecimento que ocorre devido o
rompimento das ligações entre S-S e uma reorganização dessas moléculas.

Figura 1. Estruturas dos alótropos comuns do enxofre (a) S6 (b) S7 (c) α-S8’

8. Principais fontes minerais de S

O enxofre é encontrado em formações rochosas vulcânicas, neste tipo de solo


apresenta-se principalmente como elemento S. É encontrado em minerais como Anídrita
(CaSO4), barita (BaSO4), gipsita (CaSO4.2H2O), disposto na forma de sulfatos nestes
minerais. Também está presente em calcopirita (CuFeS2), esfalerita (ZnFeS), galena (PbS),
pirita (FeS) e no petróleo.

9. Principais compostos

Ácido Sulfúrico: tem várias aplicações na indústria, sendo uma dessas aplicações na
produção de fertilizante, onde é usado para a produção do superfosfato triplo produzido a
partir da rocha fosfática. Ainda na indústria de fertilizante é usado na produção do sulfato de
amônia. Sua produção pode ser feita pela queima do mineral ou pela ustulação gerando SO2,
que, em seguida, é transformado em SO3 pelo catalisador de V2O5, que é colocado em solução
de H2SO4 98% formando o ácido dissulfato H2S2O7, posteriormente é acrescido água para a
formação do H2SO4.

Reações:

S + O2 SO2 queima

MxSy + O2 ySO2 + MxOy ustulação

2 SO2 + O2 SO3

SO3 + H2SO4 H2S2O7

H2S2O7 + H2O H2SO4

Ozônio: O ozônio é a camada natural de proteção de raios ultravioletas abaixo de 320


nm da atmosfera terrestre, ela limita os danos da radiação eletromagnética na superfície
terrestre. É produzido a partir da quebra de 1 molécula de O2 que atomiza tornando 2 átomos
de Oxigênio, este processo é gerado por ondas eletromagnética no comprimento de onda
menores ou iguais a 242 nm em que cada átomo reage com uma molécula de O2 dando origem
ao ozônio, O3. O uso de alguns produtos facilita a decomposição do O3 para O2 o que causa a
perda de sua função de proteção da radiação.

Peróxido de Hidrogênio: é usado como um importante agente oxidante em


laboratório, como produto clareador na produção de papel e ainda, em cosméticos. Sua
produção pode ser feita por uma reação catódica através de reação do oxigênio em água,
porém, o sistema é complexo e a literatura faz menção a quatorze rotas para esta reação.

O2 + H2O + 2 e-  HO2- + OH- ou

O2 + 2 H+ + 2 e-  H2O2
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

ATKINS, P.; SHRIVER, F. Química Inorgânica. 4 ed. Porto Alegre: Bookman, 2008.

FONSECA, D. S. & BACIC, I. R. Enxofre. In: RODRIGUES, A.F.S., ed. Economia mineral
do Brasil. 2.ed. Brasília, Departamento Nacional de Produção Mineral, 2009.

LEE, J.D. Química Inorgânica não tão Concisa. 5 ed. São Paulo: Blücher, 2000.

MIESSLER, G. L.; FISCHER, P. J.; TARR; D. A. Química inorgânica. Tradução Ana Julia
Perrotti-Garcia; revisão técnica Cid Pereira, André Luiz Bogado. 5 ed. São Paulo: Pearson
Education do Brasil, 2014.

RAGNINI, C. A. R.; DI IGLIA, R. A.; BERTAZZOLI, R. Considerações sobre a


eletrogeração de peróxido de hidrogênio. Quim. Nova, v. 24, n. 2, p. 252-256, 2001.