Você está na página 1de 3

TEORIA DO PROCESSO

PROFº. ARNALDO MARANHÃO NETO MATERIAL DE APOIO DIDÁTICO N.º 05

ALUNO (A): ________________________ conciliar e julgar os dissídios individuais e


coletivos entre trabalhadores e
Período: Turma: empregadores, tendo também
competência para reclamações
ORGANIZAÇÃO JUDICIÁRIA trabalhistas contra entes de direito
público externo e da administração
pública direita e indireta dos municípios,
Tendo em vista as classificações
dos Estados, do Distrito Federal e da
apresentadas, a organização do Poder
União. Com a EC/45 sua competência foi
Judiciário pode ser assim disposta:
ampliada, passando a englobar, inclusive,
as repercussões patrimoniais e morais
1)Jurisdição Comum – são
ocasionadas por acidentes de trabalho. Os
consideradas comuns porque conhecem
órgãos e suas composições estão
de qualquer matéria não contida na
disciplinados nos art. 111, 112, 115 e 116
competência especialmente reservada às
da CF. A divisão judiciária trabalhista é por
Justiças Especiais (acima detalhadas).
regiões, e a CF determina que haverá
Neste âmbito se encontram:
pelo menos um TRT em cada Estado
(art. 112). Pela emenda constitucional n°
A) Justiça Federal – art. 106 a 110 da CF.
24/99, os órgãos jurisdicionais de 1° grau
É composta pelos juízes federais de 1°
passam a ser as varas do trabalho,
grau (para efeito de 1° grau, o território
ocupadas por um juiz singular.
brasileiro é divido em seções judiciárias,
que são agrupadas em cinco regiões, e
B) Jurisdição Eleitoral – art. 118 a 121 da
correspondem a cada um dos TRF’s) e
CF. Compete atribuições administrativas
pelos Tribunais Regionais Federais (1ª
relativamente à organização e realização
Região: Brasília, 2ª Região: Rio de Janeiro,
de pleitos eleitorais, bem como o
3ª Região: São Paulo, 4ª Região: Porto
julgamento de lides cíveis e criminais
Alegre e 5ª Região: Recife). Competência
previstas em lei complementar. Sua
originária (art. 108, I, CF), e competência
disciplina básica é dada pela CF e pelo
recursal (art. 108, II, da CF);
Código Eleitoral e leis que o
complementam. A justiça Eleitoral
B) Justiça Estadual ordinária – art.
brasileira é composta do Tribunal
125 a 126 da CF, Códigos de
Superior Eleitoral (TSE, órgão de cúpula,
Organização Judiciária e Constituições
com sede em Brasília, cabendo o
Estaduais. É formada pelos juízes
exame, em última instância, das
estaduais (também conhecidos como
questões eleitorais), os Tribunais Regionais
Juízes de Direito) e pelos Tribunais de
Eleitorais (cada Estado tem um, com
Justiça, sendo um deles o Tribunal de
competência originária e recursal,
Justiça de Pernambuco. A Justiça
referindo-se esta aos processos já julgados
Estadual é responsável pelo
pelos juízes e juntas eleitorais, 2° grau),
julgamento de processos envolvendo
dos juízes eleitorais (são os próprios
questões de propriedade, de família, de
juízes de direito estaduais, que exercem
acidentes de trânsito, de consumo, de
jurisdição nas zonas eleitorais, que é a
sucessões, de falências e concordatas,
unidade de divisão judiciária eleitoral, tendo
relativas à infância e juventude, e
competência eleitoral civil e penal) e das
ainda, matérias criminais, dentre outras.
juntas eleitorais (tem como missão a
Na Justiça Estadual a maioria dos
apuração do pleito, competência
processos são propostos na 1ª
predominantemente administrativa, e é
Instância, onde as ações são decididas
composta durante as eleições e integradas
unicamente por um Juiz de Direito. Em
por um juiz de direito e mais dois a quatro
caso de recurso, as ações são decididas na
cidadãos de notória idoneidade);
2ª Instância, por desembargadores do
Tribunal de Justiça. Os desembargadores e
C) Jurisdição Militar – art. 122 a 124 da
os juízes fazem parte da mesma classe: a
CF. A esta justiça pertence o
dos magistrados.
julgamento dos crimes militares definidos
em lei, lei esta que é o Código Penal
2)Jurisdição especial:
Militar (causas penais fundadas no
A) Jurisdição Trabalhista – a CF deixa a
direito penal militar e na Lei de Segurança
critério do legislador ordinário a fixação da
Nacional). Atua no âmbito federal (através
competência (art. 113), mas o art. 114 diz
do STM e dos Conselhos de Justiça
que compete à Justiça do Trabalho

1
TEORIA DO PROCESSO
PROFº. ARNALDO MARANHÃO NETO MATERIAL DE APOIO DIDÁTICO N.º 05

Militar), e é exercida por juízes militares a máxima instância de


estaduais (através dos Conselhos de superposição em relação a todos
Justiça e dos Tribunais de Justiça Militar). os órgãos da jurisdição: compete-
Nos Estados em que o efetivo da Polícia lhe a última palavra na solução das
Militar não supere vinte mil integrantes, causas que lhe são submetidas.
inexiste o Tribunal de Justiça Militar (que é Exerce, principalmente, a guarda
o caso do Estado de Pernambuco), da Constituição. É tido não
cabendo os julgamentos de segunda somente como Tribunal Superior
instância ao Tribunal de Justiça de cada da Justiça Comum, mas também
Estado. A Justiça Militar do Estado de da Justiça Especial.
Pernambuco é exercida pelo auditor e
Conselho de Justiça, na 1ª instância, e Observação: Os Juizados Especiais
pelo Tribunal de Justiça, na 2ª instância Federais e Estaduais são órgãos de 1ª
(art. 133 do Código de Organização instância e seus respectivos Colégios
Judiciária do Estado de Pernambuco). Recursais também são órgãos de 1º
grau, formados por Juízes (Estaduais e
Atenção! Federais, a depender do Juizado), não
existindo o 2º grau de jurisdição, mas
• Superior Tribunal de Justiça (art. sendo garantido o 3º grau ao STF,
104 a 105 da CF/88): É um através de Recurso Extraordinário.
órgão que exerce a chamada
jurisdição comum, uma vez que Na melhor forma didática, iremos entender
somente lhe cabem causas regidas melhor a estrutura do Poder Judiciário
pelo direto comum e não as Brasileiro, a partir da visualização e
regidas por ramos jurídicos compreensão dos organogramas a seguir:
especiais. Pela competência que
a CF lhe dá, apresenta-se como
defensor da lei federal e unificador
do direito (questões federais
infraconstitucionais).
• Supremo Tribunal Federal (art. 101
a 103 da CF/88): Tem sede em
Brasília, representa o ápice da
estrutura judiciária nacional e se
relaciona tanto com a Justiça
comum como com as especiais. É

2
TEORIA DO PROCESSO
PROFº ARNALDO MARANHÃO NETO MATERIAL DE APOIO DIDÁTICO N.º 04

autônomo, uma vez que tem objeto próprio:


EXPLANAÇÃO DE NOMENCLATURAS a tutela jurisdicional.
DAS PRINCIPAIS PEÇAS Ação é o direito público, subjetivo,
PROCESSUAIS: autônomo e abstrato de provocar a
atividade jurisdicional
Terminologias das principais peças
processuais no âmbito cível, penal e QUERIDOS ALUNOS, BONS ESTUDOS!
trabalhista.

a) Cível:
-Petição Inicial
Partes: Autor (Demandante/Requerente) e
Réu (Demandado/Requerido)
- Apelação
Partes: Apelante e Apelado, podendo ser
ambos, simultaneamente.

b) Penal:
- Queixa-Crime = Ação Penal Privada ou
Subsidiária
Partes: Querelante e Querelado
- Denúncia = Ação Penal Pública
Partes: Denunciante e Denunciado(a).
- Apelação Criminal
Partes: Apelante e Apelado, podendo ser
ambos, simultaneamente.

c) Trabalho:
- Reclamação Trabalhista
Partes: Reclamante e Reclamado (a).
- Recurso Ordinário
Partes: Recorrente e Recorrido, podendo
ser ambos, simultaneamente.

DIREITO DE AÇÃO

Não basta que o titular de um interesse


pretenda subordinar o interesse de outrem
ao próprio e que este outro oponha
resistência. Será necessário, para que a
jurisdição se exerça, que o primeiro
manifeste por meio de um ato (ação) a
vontade de exigir do obrigado aquela
subordinação, isto é, de tornar efetivo o seu
direito subjetivo. “A ação é o direito de
invocar o exercício da função jurisdicional”.
A ação é o direito a um
pronunciamento estatal que solucione o
litígio, fazendo desaparecer a incerteza ou
a insegurança gerada pelo conflito de
interesses, pouco importando qual seja a
solução a ser dada pelo juiz.
O Direito de Ação é, portanto, um
direito subjetivo, pois depende de
provocação; público, pois tem como
destinatário o Estado; abstrato, porque o
direito de ação existe desvinculado do
autor ter ou não razão, e finalmente

Você também pode gostar