Você está na página 1de 244

HISTÓRIA DO

PENSAMENTO ECONÔMICO

E K . Hunt cl Howard J. Slrermon


,...............
Jt11rrH 1..v,,. ª"'~'"~

)' P-dlçio

Pccrdpoli•
1986 ~------:--.:-::--::::"'.".:-:::·
BlBt.l01r?CA OA t'~t.:UJ..OAl>P
or. clANClAS c;:mHAHrl5 ,.
01~ A0M1NlSTllACÃO Oh VAlot•
Gl)IH.A
SUMÁRIO

CAPlTU'LO 1

A llH·Ul.OOIA DA EUROPA l'K0.-CAP I fA ljSTA. \t

•1·•• 1·1&11 rn1 Hom1 e ri. Gda11 .uti.a, li I 0 r.u(l.lli•mo, 12 1 A E'.uca


1 ~ H11l1o111 • '"ta.
14 0 Carit'.r- A.nt.iaiptt•lót.I 41 llkolofi.1 fC'lubl. I li
"" JI
CAPIT\;LO U
A '"""'tCAO PARA 0 CAPrrAU~MO l:. A FL\BORACÃO
OU ~SA.'1â'TO Mt.ltCAf''TIUSTA H

W t1,••
11 hti. 1~
'"'"'~• 21 0 ~11nt11 . . do Com&do de Lonp
O .Stttt:m• Muufauan::lró Oomt.uco tt o .NPCimmto da
1 1 oi• e ·>1·l11li.11. :Z1 O Oklinit:t do Sb,«-tM> Su.horial, JO 1 Ouuu Fure-'
11 1 1po1!11r• d1 1"r1u1tklo pars b (&p1tll~mu. JJ MtttllHilu.mo: P1t!ma 4

1 ' ....1.. 1 "'" t•.nm6rdlo• do C•p11albmo. J6 I Ht•IUI~. J9

CA-PITUl.O 111
111(INIt110 t.1<TENTE NO l'liN~AMt-lN I O M IZKCA!llTILJS'íA. <li

A• ' 1 " Mr.1Uc•11l1 du Pql11k•~ ~htffaJ'IUll.,1a1, 41 A SetvJ•rlnu;lo dou


r fll .1,. l111'C'f1, 4) ~ O Surdl'IW•HO do lndh,d\U!Jlunu. 4f I O Ptmn.tan-
• ft"-il- fndlfldu.JM,u. 4,f I A.t .,o)11Ck9) t::«lftimtea1 dC' C.arikr
-"''• VI Rf:'(.'jl.lftO. S1

CAPITULO I\
C) l IUI M.A.LIS'-«> a.A:.~IC'O J. t> t KIUht-0 00
CAPITAU$M0 tl'l>USTRIAI \t

~ 1 11~ . . . lfl'-'•l\UUJ. ~V I A C•n'-•.Va\lo do 1 iber•h~f71(1 CU.~ $6 I


Ut "'d!' 1 •l<•ill'o,1tw;i" ,Ç7 I 0 Cl"C::d& F.~m~1. Otl I A fto,.. d• Pori,..l&\".aG. 6J
4J • •r1~ • f.,11111..~, 6~ 0 Llbcr1JU.m<1 C"""'U e• lnduu1~-.lll.M('IO, 6li I
, •.,.,.,... ~y
CAJ•11 ULO IX
1\ Pl(U\lll Rll>Al>I 1 C'O!'ÔMICA r O SoctAl.IS.MO
1 \ 01 ll('l0"'ÃRIO, 1)1
,......,.. ,l.t, J -''"••~ r l't•lltt1:.u 4a CI•~ Opcrlna.. IJ7 0.. \locí•h>.l,o
1 1 ...., II• 0. k~1.t.. 11tt•,. ~ /4.J 0 Oatu.o do ~Jj""'°
1 ..........Àflll, ,,~ .,..,., , ..

CAPITULO li
l'-tl'1 Nl4.W:\tD l SOCIAll\.'10 AF\()t..l;CIO~ARIO. /./"J
n 1111111'"..,..._ 1111,....•. 1.tY o
lm~ u Arnu. 151 o l"'Pff'i'
,,... \... l'r U lt1•~ri..ha.1110~onr-.-nr.:...o./S4 Olm~nathmo~
•tn ,.., t-..tu...kw!lt10. ' ' 'O l111pt-ru.Jmao Scpndo R,.. l.u.-.c"'b..ira.
t ' 41 h11o1wr1•I u~·• ~IN!ktO Un.l.11. 160 Rnunm,. 161

CAPITU LO XI
11 Okl.... 1 C01'0Mlt'A Kt:Yf'rlbSIA NA ~A V HANOE
Ol i 'IH~SSAO. 161
A 11u1111l1• llq1r~..,,Ao, /~ A ~ l rfn a Ecmilmtk.11 de Kc:ync~, 1()6 I A Teoria
~ •tt1111 0.. ••ti•
lde.llf'llill ti!t~t1c,l•n•. /71 / A J:ficicill da11 Pl)lftk11• Ec:ont11" i1.·a11
~ '' ,i..mu, 11) A l.C'O!W'1t'll• 1'8 011ier ra, /14 Re'"11r110. 110.

CAPJ I UW XLI
Ct {'APllAU!iM() AMLRICA''Ó CONTEMPORÃ,...-F.0 I<
SI L.:S 01'.!.FEN".SORF..'i, 1'19
W'll ......, C..MK_. ( •.iKt11potlMa., 182 A I~ ~klhika ~
•• \'••"'•tnf1'41l•~I-•'· /IU 1\ ~l.la Ccwpont.foa Coatnsparinea e a
........... ( ._....,..., •• 1'11 CtttKm P J~ do Capiwn.- c-~111
e-.. ltO Cnt11;•• 1. •...._.. ~ Jtl/ Crhaca.. l I~
.,.., 1•1 Rno111111 l•i

CAPITULO 'nll
U t ,\f'ífAl.l.)"-tO A'-1LMICASO Cô:OfE ~I POlitÃ.NliO l;
Sí"l.> C'RITICOS RADICAIS. 197

• f.I 1•1 11111 I"' 1.... l>ircll1~ ('nt., /9'! A Ou.ena do lli.etn!, J'N O
'''"" •! • 1h' 1.tic1tJ1<,,·AI,) •l~h MuO•tti.. at.t / Crhk•~ C'~i.tm~IK"•"' IM)
lhlh1 '" llmc!rl~l*n•l. }('() O htll)Cl'••lllm(t Notlc·uottklln<l. Jt}(; I R.11d~n19
•l•lth! .'UI Ahc11•1.)o. 1111 0-t1Ul.liç!lu An~bii!nta.l. 1 15 I C'rltiell \ uu
hi1h'""' l ltl(1.._1, c11111ra H ~llc111~. 117 I R ct..u.mo. 211.
CAPITULO!

A Ideologia da Europa
pré-capitalista

'~ liCn:" lu1mnnc).\, part sobre•,h•er. prtti.1am Of1iani.tar·MI em <,\O·


1~·~lu1I~ Ao con1rl1rlo de ola\11t1a1 c~péçks animais que, cm i5011tmenlo
1.-t111no, "i)o capo.1:c!I de viver d~ maneira razaa'ft"lmenle adequad•. 0$
n htHlli1nOft nlo fur11n <k'~~(IM ~la natureza com a aptidlo fiska
""'r,\lll'LU f1P.ra obcer, por ,J mtsmns, aJ condit;&>:s materiais de vida.
,,. '«"r"n hum11.11Ul sobml\en' e flt08ridc:m l>OrQ~. vh-cndo sempre c:m
•"'"""· apttndcnim a 11ubdivicllr ltttfas e: a 1.1-tiliut instrumentos de
1r.1t•.11lho. A drrl~o de trabalho e a acumut.c'10 de i:nstn.1~iot de
1111h.l.lho (oia caplliQ. cm quantidadlt csda " " m;ÜOf e: de qu.alidadl
a.t• wu melhor, pM.U'blbt.aram au homrm amphat nlHOfdul&riamco
tr vu padn" sobR a nat11rt"U. bnn como descn't'OPet seu poticncia& pe.n
rru.tutJ.t e ut..,u.tr u ~ades ma1c:riais dr Yicl&.
A dmnb,uc:lo do frtibalho, moc1nda pda DClilCSSid.ade. mu.ttou
1amN:m numa d1fc:ttnc\a(io dM papBs dlsempcoh.adosc pt:kl5 manbfos
ctr 11ma 'WX'tedade N0t primeiros tempOC, provavclmm\c:, essa ddercl)•
.1_.,1o Linha um carAtc:r rx'-hn.hamcntt: íundQaaJ: quando• produtivt•
1lalk: aiud• tni b1.l1t1. tc.>(k», as membros da $0Cledadt f'hiam pr6xim°'
1111 n1vcl de ~ub"ir.1encla, ina:is1lndo C'lasscs $0Ciais ou dlfcrenci~
luniirquJcu. Col\tudo, • di111ribu~10 sempre mtl$ apcrfci~o11.da d~
1.1tl'''""• C"ombi111da'4 con1 lru:trumtnlOS de trab~Jbo n\ais sofislkad0$,
'""')l)h:i11ran1 n11i1or 1)ro<h1,h•ld11dc 4ue polidbilitou, ao él)tl\OS para un111.
llC'~Utll:l l)Hrle dll. M>CICdfldC, 11'... rur·Mi do (:irdo do lrabiühO cotldianO.
AWm, t1r•~•11 o.o ~rtsclmc:nto dia r rodutividade prr c41p/Ju, umu
lall$CI o.;k>lia, uumtrlttn,tntc rtdui.l(la, pas.wu a vi.,.er à CUlta do
itfl 1111+1 ,1" 1lr111.11 11~rn1hr,111 du "º~;lcd1.cX" A1JQ'11, o 1rabalbo de lUlll
1411111.,fu rn•I• tl''lrllu ili· l>l'\"4'ª" r~:11dl11 o ~unci.t1u~ para ~u ,1t-r11 •r ll
li• 11!1bdt1 1·111 1tu ~ 1•niu111n, n1antcmOO o nin.':I h11bhuo.l dt \'ida da
wtill• • ...., .., •'• ,,.., '".,' nl"Cu. mal1 ck\·•~- ~ mon-.:nlO cm
t •11 .t.tt.: · .:v'h"'-At'aftt a o;;of~r ltDl pnltt"(~ de difettnctAil;iô
l11h111• 1•• 1ku c.•tl~n• 4, çlanci. MX'iais. A dift-Nn~Ao btc"fir;.tuka
d •I 11i,i111hm\ ~ n1 d.nM!s obcd ttl11 a r1Ltôcs ccontimk:as~ o.. ~ 1u:
ti 11.1!11lh•-11111 l>Cl'tcr11;la111 (lcraJme1u e à,. ~las5e> 1nai'C bilixas; ().'C QUC K
11 111••"' .111 f;u'do do '"•h.. lho comum 1:1enencU.m A dJUJir mais •.hL
1 ,... f'11l'õ!C'M de:<l~acb do ~de ~lo. OS mcmbrôJ cb
,... 111h 1111111 arga.ni1..••m ~ riu., ft,S..m os t"UltOll ou uttull•am
11111,·1\f, ,..,n~M:n:-s., 1.ltt\•n>as da\ quab trazendo, wn' d\1YidA, bénen-
' lo~ 1111 n1 .i i.o.;-içdade,
llrn ~l\h• 111a con1 r-1o.1i.1t11 caracttris1M:11s não poderia sobrevh·tr du·
r 1ntc- nouto tempo 1o1C • maKlril de~• membros nlo comp&Jtilh•~ -.s
n ri.nu..\ c:ipnt{ies ~ a mane;~ apropriada dr l'OOÔl,lar u qucfl6es
C'o.:\)n,·1nü1.:•t lf SOC'iaÍf. TaiJ roncepç6ce t Y~ comun~ que, cm jlrral.
p nn·ln h ~un de unia mcsm• vida do nlundo ou de llncma mttafblco, •
un1 só tempo k &hlmavfun a dl\•isão das Wrclas produll.,u e• difercnd1 ..
(30 ~da'~ oo lntult\r 6a \OCieda(k,
Empttpmois o &c-rmo f~ M\lit li\·ro com ~fttfnda h lôHa~
e CR'AÇ'.&\ q!,K' k:ndena • Jutb:ÚC9r moralmeo1e u rtl-,"On sociaif t ~
nómM:-as qut caractentn.m dtttrmjnada W>dt-dadc. A m2iorlA dOI'
1ncmbr1)" de u rnii -coc'cdade lntc-matb:• a ldeoloj.j• e pa_'óia, 4essa
rorma. 11 aer..-:tlilar na v•lldade monil da db.t.ribukln di: papéis funl."'I()·
naill e n.a Juttna do modo pelo qual a ~ck ~ane seu produto.
Essa ettnça ~rnu.m UlqfWr& a ~ e • riabllil;l.M:k da sorifdade
Qu11ndo clJ se dcSla:(, ·u.ugçm ai ill"JUl\~J ( 9"\ ç0nflitos1 cu.lm1n~ndo
c nl l'C\'Ohl\'(kw l'e as rll vcr~ndas forrm ~uí.cientcn1çnte prafunda:s.
E\I~ h.,ro prroc.u1>u•M: sobretudo t.n1 1nalis1u 11("'"4> slstcmn ee,·>1lô·
~ a tual, o ca1H1aU1n10. 1 r-....nu'K, cm linhas ftt'l'&hl, a su::i ""'il1.1i;lo,
hxollà~m~ os .seGJ; n1110i1~ e u1aeonkmos sodah.. bem como ª'
kienlogia1 1;cm q11e o d~rema çapiul"ht1& 'cntou apluar u s~'S C'Pft'"l--
slk.-s intt'<llina\ e :1ssetturat a. coc.1.llo ~1.X:laL Como piano dt fundo.
l.'OttlCçllrcmo\ t\na1isando º"'sis1tmn.s o«'nÔf"llÍCO' e b\ J<~l(!Ria• da
Europ11 f'ri-tu1lltaUsui.

10
A Escravidão em Rom11
e na Grécia Antiga
l
1·10 l4i11n•" 11• c;rí:dJ1 A111l1w. c:eru dt i;t)~t d11. popuhr,i;?lo ..-ompu•
11t llA "" df .,.. 1•\·1~ bses (')l(:ravos occuUl\aQI todo o 1rab11.lh<1 1na·
1 t '"' lu'•"'· tnndc· paJ'k ckJ tr.lbalho i.:~ bul'O("rAtiro e
,.,, "ª" ..,•._., .. lll". .ct.des 1 m troc:a. n:ccblalh tipc:N-1' • alimc1u~1o ~

" tt 1-.A1111 'l.!1!11,:knt~ fU1rA llObrnhettm Oa St-flhorcs do acrams



ll•fi·l'º"''I"\ r dts:fruta\·llm da todo o cx~"t,k n te pr()du1ldo por $e:US
Nt•••1' A r011tMn11I'* cru. fn'Cldon1inantetncn10 c111rkolo.. c><çch.11u1Clo·sc
n•• 1111•1tt••• ~ l.lli.dd onde toC localiu''ª o Jl(l~cmo 4:entn.1. Na. ttrande

C
~t•·" •Kfkt._\bi, o 1otnhor fk no-a,YOt. 'i'i& C'OcnO tti, «ttado de
1 l\t .. 11" , ........iam t.ullbfm mansões'°m Att'nuouein Rom11. AXm
O.. 1· ·••. n,111ula wmo ob,)Cto ••ÍIOSO dt -.:ua propr1tdadu, t''.\'pkM'an
tlU•t•ltll''lllf ll\ mulhieres CS('f."IH.
(Ju" t\pcde tk idcoloNh• c:conômk a v;aor11\•a nessa él>(lçc1V Sabe-se
W, _.,1i11011 dr al1un): ltatadtn.. r.obrt-lUdo no l)Crindti mn1ilOO, w b n:: 11
thfli.,, "''™in1 de plantar. 01 lmpkmeotm aa.t1colas ma.i~ cJidcnlt's. a
• ..,. . .&ir<,fllada de .-igiu. COllU'\'llar ir punir o. aç:ra~. Albn dQteS.
1 , ·11'1\ e... '11•)\ outto5 trata«. o.undo • JUShÍM:&r o ttgi:mic de &tari-
••,111 l Uln.1.lo~ brllhoul1C!t, eon.o Pl.iat$o e Atl•t61('ks, allrm•v•m \llJC u.
,,., •••nlAQ çr.n u1n fonô1neno "nillutAI.. , a \\nko &IJCt1.>ma pO<i~ht l e que
•li• .. "Cit11~·ti<1• toeri• etcrn11.. Segundo ~' fllMofm. tcriot horQcns e
t11ulhrl'd 11A"°1ant pata Stt ttttavM: cnun intd.rl~a.o1~olo lnfrtMHc,,.
Clrult•"""· rll.>ca.doi diC qualidade\ j.Upcriocn ck'4c: o ~ 111ud&m ~
.. ,,..,...., prorninirios dr """''0$. Pla.tlO < An~thb!ks AIO fUJ.am
.111•1•4•1M'ª' 1ncramc:nte TCTb;111~: cst11. c-r a • idieologla dominan1c- qut irles
,1mpl1.~rm:n 1 11 11,c.ihal•am .:omo u1n f11.to.
A 1lc:,ptho ,, "" 1 ' .__.;,,
oe :suas IJmh-,"00, • c51.·ra\'ldlo permitiu 11 con,tr\llÇD.CI
~ uu;nnrn.10 ~..... p6bll(.'ti l'•ndtos;as r pt(lipiclou o IY•~o dl cieoci.•
• 1ia adwra. Uma de suas lunh.a('6eS com.:ktia na ímposs.ibibdAdc de w
w. 11 ~'~ P'B aaQnar Uutn1ment0& de trabalho romplt1ul'S ou
1ld1~;adot. Ou11ndo nto os dn1rulam. utili.lav.m nos como •rm•~ ét11
,.,,.~ fn:"licnte) n::,·ou~. Al6n1 l.liuo, • ora•nha\"llo da a,gncuUura tinha
11u'" K:r ~ini1>lc, . Pa2ia·se apet1a§ u1na co1hcilu. e c:ulllvava·se o \Olo co11\
l1u1nuncnlot nada. Em C<"nie1.1Uênd111 delis.' Urnit~. gr1tndt) t:~kn·
"'C de lttftS fcn.:n 10ta1mcnlc anui.nada): ir v pn>duJO agrkola.
1~ "'~111tc nô.uido. A ~"''"'° deu °'"""""
também • n«iu dt
11,.t todo 11a!Mlhu era 'indi,gno. E~., oa(iO ôex~hmuJou ,. athid.ade
l11w.:-nll''ª ~. oo periudo rom11no. tlm.itou o pm!Jf\')\(l t«rl<llõsko. '-"'" tri~
huoulo, açsln1, piira a cSUI Qli ll~·ào dn cç0110111l11.

li
\,_., e.nini um ~"'° e seu sc:nbor cr&m decidida,, quase sempre. pdo
~nhut, em teu próprio (avur. No entanto. mn.mo nosb timJ~
'""'· ~t.:dnw:nlr. na lotJ•tcrn. um H:nbor pocha tmpor JançOies a
t•lro que, ntm0 t1»1Jo kU. bou~ rio&ado ~ld&mc'Rtc °'
c:oSh.J·
ft'lft no lralMW:nlO dkf)eMado ao. ttnOJ.. t.ua Ofdtm, baSit:ld;a DOS
.._'\atUmH do kudl>. difere ra.dialmr'fttf, do m.WU lotpl • Judicü.rio que
rqoe o c:1p11a.U~. O c;ap.1.a&ismó suswna·• na lmpod('IO de cootratos
r.lt:is de car,1cr unh-en.al e- obrigat6rio, ninmt:ntt amtnln:das: por
cln::uns1lndas ~u:s ou por fo~• de t'OSfUMtS., dok f1uOttS que
~cralmcn1e lnftucncia,•arn o julgamento do w:11hor nos tempos rtk...
diaalJ, ~ -'·
A\ pr1:rrogatlvas dos scohores e • cxtcmlo de sem; ..direitos"
vn.rlaran1 n1u1tc> no 1cmpo e no es,paço. A con11olid4(le> das obrigações
•mpoitll• pelo~ nobres 1 seus vassalos. a tra~J de uma longa hierarquia.
altr11n.-cn<lo uma vasta âru geogrAfica. viria Ct.>ntrlbulr p11.ra o surgi·
men10 dO" t1ta~·n11-ÇõeS modernos, ji duránle o ~riodo de transição
do fc!U.d.1.IJ;mo para o capltalismo. CG01udo. durante • m.a.ior parte da
Idade Mfdia. m-uhol 6tüts dittilOS ptt11W11C«tain lDtxptHSiotot ~
l fn.anw:nt•IO do~ polltico. ,..,
No tcudo. IMriruiÇ'lo btsit.a da •ida Nral tnedicoraJ. ~
~ dutn dkdn1u· os nobra, ou suhottl lnidab e os serros (da
palai1ra tadna svvvi. 'tKn"o'"). Na ruUda.de, M ltt"OS o•da tinham
cm comum wm 05 cst":rl\'OS.. O ~"oCl'avo era um.a propriedade como
ql.la.lqucr uuirt. pasdn~I de ser ciomprada t vtndJda l "'cUa de sua
1"0llt1&dt. O MM>, ao conuirio, nlo podt.. wr tqJ11r1do de ·• u• tamili•
ou da ICIYll que i.vrava. Quando o senhor tr111,fõri1t tt po~ do feudo
parll ov1.ro nobre, o scn-u simp1esn1ente 11.dqulrh1 ootro Knb<>r. Eshl''ª•
tio cnHa.nto. 1ubmeddo em graus vari:heis 1 obr1i•('õe' por \'t'«:S
alrc:mamen1c ()C$•das. das quais l'llnl.mc.nte se Uvn,a. Esta'·• loogt.
pol'llato. de IC'r "Livre'',
O Mnbor .-!\·ia à C:U.)ta do tnbalho 00, 'Sft'\'OI q\llCI culdva•am seus
Cbtpol e pa1-01nm 1nbubbS em apikie ou tm dtnhnro, confonne o
C6\IUl1\e dn "11cto. fm ena~ o knhor O( P"*P· uipc~
M~aottU trabalho e •dri~n ajllrtiça. tt.inbfm dt acordo com°'
ro1tumrs do kudo. A ôespcito deisas ob~ fftlptQC.l.t... 1 preciso
actattritar que a ~uaçl,O do poder ccon&nko e Polhko •as ftlio5
dl\ llt'nhor feudal e:nae:ndt'Qu um sistema no q..W. iob todof.: os pontos dt
v1\ta. o \Cf''O era tJi;ph)rado ao mbin10.
A t11~J11 Cal61ka rol, sem dúvida. jl maior prol)ricc6ria de lcrTU du·
runte n. Idade M6cll.11. Embora os bUJ>4» e abOdC'~ c1d~-ci111em no mesmo
Jll•no qmi o.1 condes.., duques 0.11. hitrnrqula fcud11I, tuavlu uma diJcn:nçn
\ignlficativ11 cnrrt os senhores eclesiástic\» e º' *Ulare~: os duques e

13
li"" l)rupord_,nou o llmrn10 m~11t l-llp.ll'f de m11n1cr t.\1',,"!11 a Eu.ropà
l·;:ud.al e 1,rx•lt'.iit'r ~crnanu~11: foi • 't'NCI m«lie•·al da ltad.içiu
)t't.l.S
J••1ku<n•tl. dt> ondr ~ ori,et:nou um tôdltt'I rt1('1ral dcaomliuickl, por
"C'h'to. ti~• de! ~lo Cfhtl.. o qlle- IO de•t' ao falo dr que a
-~tifo na ntnra4b. ('OCDO uma \anka tahcS.ck ou ~
V1un.to • t'flbb.cu oucro a.spc<"to dtt.t.e códqo m<ltll.I Juclru-~riu&o.
\'UllfonJI(' .., . ililtcrpn:udo QO ptrlodo entd~··· n& o C:l'antUtlDO!S
_...... '"'~~ dç it1101 pu.1U110Jd1" cn.stli. f:.furqimm1e. toma-w mais fãdl
rntrndl·I• C"Om,,_ru~~ a .\Odedatk a gm.-. fandh•- 05 homens qi.w:
""'iram f)Qt.i\"tin de pockr e- dccim a riqucu1 11uemelhllm·.te ao pai o u
ao pl\ltt101 d•1 fan1'1la. rinhan:i obria11"fks p11.1eri'.U1.LIJlt~ po.ra com 4)!I
ru.1rtltll\ conHUl!l, \..to !, ~ pobre- ou, p~~tuln do com :i. nô6~a
111\alu$l11, O• flJhl), , l)o homem comum, l)CH' $ua ,.,., (!~pt'ra~·a·~e que
lit't!lllt\\CI 111,1u lu11Ar na &(l(lkdadc o, ttc sobrnet~MI. de bl>n' iiraOO. i
htltran"°a cki11 rlcO'I e l'ode.rosos. da 1Ul"\:1ua 1ua1~1,.. ~ue um liJho 11«ita
• 11u1nrl(tadQ do pai.
Ch jucku• úo Andgo Te.t xmcnlo' ('Otaldtrav•M·!oe. 1i1cratnu:ntt-.
fil~ do u1u O;nico Deus e. ponazuo. irm•m A ~l 1DOMka prcacodla
iu•l•n>e"nlc muttt e•te 1ientimen&Q <k pc-ninlnn• a u111.1 Gainl e~
famlll•. Era wna fraternadadc- dt ~ adull•w. COMÓtllitt$ de su.as
obn111Çftn m11tu.ai. alllCM que a.lo romp.nilhuwM m.ak • x.us b<nJ.
,\ ('ata.:tcrhoca m..is raucaotit do c:onfw~ ...-.nu de ~ e
~lamrnt°' que rqiam a ,,ida do& jlldc\l1 a.11118'» era o p-aoôe
n-Umct'O de PNterk:°'-"s dnti.rudss a ~nlr • alhtar a pobrc;r;a, Tam~
btn1 surprcenden1c tn o 1rat11men10 tn1mano q\1c dispc~•am aos
dto.t'dur~'· Ca,1~ judeu u~ re:a.pomàvcl PtJa manu11:ni;lo ck seu l.rmlo.
Enu._, •A 1iou11t ohrl1.11~õc•. inçluia·st 1 de cuid;ir d~ 1rl11n1üi1 do vb.iuho
~Cn11lf'\\I q\1t' t'.(f~ ~·ru1a~~m o st'U caminh&' En1rclanlo, o mais impor·
htnle dr (oci~ 08 dc..-çrcs. sobreh1do 1)111 él• rk/J!I, e 1' 11 c\lida r dos
pn~rc11: 'ºAluit.1\ • mào 1n1.ra o teu lnt11lo, 11•,.. o rll'C°C)t1h11dC1, pura o
pohrt1, tu1 11.11 terra. ··• Dado si~11iRCJ1 1 ivu <k1.lc:i c:&tlfC,l l>•lf'malista «a a
prolbJt.-Au de 1.1uc. par• s.411.b..r a ,,ua dhlrh1, ., fcn-amcn1a' de traball10
do órl'tdcir lhe fos.!otni 101:11acbts: "f'\in~m te'lom•rli cm penhor u duai
m&. Mm• n'6 de ctma. porque IQCIUI cm f)C"llhor •'ida mõma•... E.m
uu1ro tr«bo. o A•U,O 1 e•u.amcoto rc11ftnnt a ftkt.ina pro..~: ··o
plodctl t111d.,_IC' e• fid.11 dos pot.fc:s; aqut-lie-quor lho tJra é honllóda"...

IS
flCril(1I\ dceorret1tei. da p.niocia. do amor U coisas malct'l&h ti dt
•qui5i-:Ao do rique1.i.~. Os hamc1n nros, ~j'.undo ele, tlnhAm uma
obrigaçio especial: ~'riam ~ncarur 11s suas riqucULS como didivas de
Dcu1. e u1il!J;6.-l.a, \'Oftl discernimctno, em pr<wtho do bcm.-i:tar de
1ai' sie:IDllM.mts.
A obt• de Ckmt'!nlt, A Sll/'i•Oflt> do Homtm Rtco. foi eteti11 rom a
finalida de de libertar M ricoi; do "d~pcru Infundado" • Q\lt leriam
r.ltlo k:,·11001 pel01 khu.,. ~ dctcrmlnad~ pu.JA,atn$ dos Evanaelhot,
1.-omo e. de: Lutts. Ocmnnc &firma lnítblme:n1c qlll'... ao <Oa-tririo do
\l'iC WfCft 4 E•aAFlho dt SIO Lucas. a.lo ~ MAbuma vinude
00

it1\'(".jJ\d ou gra.ndKJSa ''ifer 11n11,lel;ntt:n1.e ~m riqueus". O slmp~


foto de aJtcu~m se:r J)\'lbtt nào lhe ll>~gu111 Ili bênçã()(f de Deus. Para
ronqu.ist.1ar a Wva-:.IQ. o homen1 rleo nlo precisa renunciar à sua
fOft&lU. apcnu "'baalr da alma suat oe......_in.iiõn .klbre a riqucu. nto x
•JCiW • c:La. lnTV·IC do desejo «•ctS$JVO e da t•ci~ ~ que
ela iro.pira, dos t'UidadOI n.mimos. enfim. dos cormetJtó• de nosu
l.'Xi$tênda l!)r~ni. ql.)C 11~1roca.m 11. Mrnesue dll \·etdadtira ~da'' •
11

O lmJ)ClnJlnlt, JNr• Oemc111e, nAo era a ~~de riqueia.1, e sim o


nto que• lazia drl.a~ Atribub aos bomtos ricol a tt:SpOftS&Nbdade dt.
admin~lra~ suas •onunas no 1.n1nnsc dt Dt.u•. procurando 11.lmar o
r.ofrimtn1o d~ ntet:ul111ctoç e pramo1,1t!r o ~m~tar de seus lrn\los. Ao
proc:Jam11r tJUC os latulnlós dc~eri.lln1 k r a.Umtniados e os nuc. ve11tidos,
l)rus ccrt•JKntc nã\l linha c:m vbca uma sltuaç-11) em qve. por ~Mia
de ~ mawiak. ni.npém puda,w: cwnprir tab maodanwotOL
("kmtnte cMca,·a, auun, l condui.Ao dt que era vontade de Dtus que
111~m hOnlcni. deiifruU1\.."4:n1 de rht\1e'.l.11$ ê' te.1•~'4Clm, pau:mnhlti~m~n·
t..: pelo bem<C\'.11u· tlc toda• sotie~de.
Ottcn'IOlttndo um• argument9('lo .scmtlhlnle, AmbrOt.k. ~
qut. ck:sdt qut w.ad.a~ rorretamdllt. ··as riqotn.S c:m \I nlo slo
t'1lftdC°nl't~il" Usar L"Of'tt'l.amcnte ai rtqucus sl&:nlficava. para cat, que
-c1c,t"nHlf nos au1.ill1.r n1utuamtn1e, 11os rh·alLt•r u"s com°' ou1tos nó
nfi de prdtllr servi~. colocar 11 n~$ vaiUaatM. .. ao dbpor ck
-..oo. e•.. WCOFR:t o pr6s:imo''''.
A biia ~ padro da l&rtja f.(U& ~am em ddeia dai mesmas
•"has poderia Str ampliada i»m ~·m• i:nflnld,Jck dr outros nomes. O
im1>or1antc é debar .:taro que. no Inicio do pt:rloda feu(lal, a Cilc11
11.1lcrnllllsta cristA c.,ltJv• pra.furtdam<ntc C.lk.'T#"'a.da oa cvlhu• curopéia
.,..,,lcnl•I. A pr11.ftna. a atatt.t.a, o qoi.smo, a imia de acumuJ;v
t""!ur1a,, enfim. Ioda\ as moti"açtiH matrrlab'w e mdl\oidi.uli:sW
1-i~1n ..r-~eoramt'.nte c:ond.c:.nadas. O h('mcm gan11nC1Cl$oO e lndividu:tll.st~

~~Cltu.,,,.
,. ,..., ,.
.... '" ......
17
1h~1u1,11(\ «••n<1n1ka' e ~i.ais c:all'\! O"I Mnkn' cr•m ln11iipcn!>4~í'I
P"''* *-'tll'nc'l.br tal e"4'«1~lo.
Sc-.,an;).· nw raciudttid. o. 3<:Dborn. ""'°'U.,..
~u.la.rn qu.a.oto os
"'lfti.l,,1n.,,, ptttisa";im d.151)« de •buJ..otr n.qua.. rukrul pan.
nmrnmn • mm.lo q~ lhes ba' ia ~do drWnadA ptlil PfV't'idêooa. Jâ
'' wno pildi.a -..: cun1cntu rom o pou~ que hnha parw euii.-uhlr -.
tull\.)r' qui: li-.: t<r•rn pr6prib. T~ ~ homca~ dnham (» ~'er de
l'f'ó11h11r, cm diliCltlir, 4' ta~fu designad•l>' pc:I• Prll'lidênda. accit.a.r a
l"--.i••Ao '"dlll pANI a qual ha\-lJlm no.~do e nllu rotnestllr os direitos.
IJri\ il~tllt" e rrJ111hJ1~ dos que ocupav"lti poi~·1o 1o11f)t'rlor na hicr.nr quia
~ial ve.~o. 11vrh1ntCl, que a ~lk11 pn 1 crnoli~l!l e-Ili.ti 1>Ud~i a * r
\1,~dl', ~ o foi rkLlv11.t'l1cnl;, pi1r11. jusllficnr. 1.vn1n n•:nuro.b 1: j~tas, as
profu1hl.it\ ckslpaJda~s e u intensil e.xplotúÇ~\,J d«~ntcs dll. concc.n-
u11çlu 11•1\ riquc1.J1s e do podtt ~m n1ios dJl nnbrttia e da lgreJa.
Unta •~>1ll;açlo do pensa.meato ã.Vnôn1ico e .ocial ~ Idade: Média
iJn'e atnd# ln11.r Cftl 4'\tnbl o dopre-.to \.'Om q!.14! aJ popu~Ot:\ cncara••m
• •11,kl~ e o~rilu eome~ O modo de 'Ida miedit\al ~va·se­
,.. '°''"mr' e ª' ~ Su• rlabWdadir dorpmdi.a da ac:eitaçlo
~' C'O\.lunws por pane dOI meml>n.» da tOCkdaôr •. con.ttqGente-
mcntC'. ck• hapr que cabia a cada um no K1c> dtS\.I soci1rcbde. OnM
pm·aktt 1 f1ka comc:rci&1 capitaJi"ª· a •'•ta•. o C"fris:mo, a cob~a e
• ambi\:ao n111enal 01;1 !«ia.J slo coru..ider•d.fi pcll maioria dos homens
«.'<"'mo 14u.•hdadies lna.tac., C'oorudo. na ld1c'o Mfdla. lt1$ mo1Jva.çõcs
rtam re<:hl'(1tdJ1s e denunciadas como indipai. Os Kl*Y(l.5 (e. l'.lõr wn.eic,
a peque11A nobrcrn) 1t-ndi11m a~ rebelar contrn ª' ltadiç~lí t CMllllM.S
de M!U 1tn1f)O. umeaçu.ndo, desse modo. • i:..\labllidade do sistema
frudal. Nno C"4l11~.11 iufP.rcsa.. portanlQ, " dlfu.s4u d" 11:1nçbes n1or11is com
~ fJnalid11de de A1íti.:if"ou repri1ulr o.\ c:frit~ des~ t'éb.::ldia.
Um11 d.1111 ,;u~õt' rn;ai.s importu.ntcs. ~afll'm•d• ei.ausli\~mtnle no
looJll) ck;;~ ptriod..>. fn)~~u em que ~ mctndon::s f: comttt"iant~
titih<llm a obrifll('lo IDOtlll dt 'en(in u sua~ owrcadoriai pelo dla.mado
iMJl•J p~. r .. nl"Çlo ilustra o papel •~ntpttihado. na mi fcud:al.
pdo1 mt\:.lftiUDI"" de C'Oatrok social dt carálitr pat«NIÍ~lill. O ju<JIO
pm;-o tundu~r.,a-se na ideia de QUit o i..-ornt:rdAt\lt de-11• \'âtder- sua
mcttiltdcifta f'("t um Prt<'O que C'OmpcnsulC ~ fifolços fbl.OS m tra.M·
1'4.W'lt <L.> rrl'lduto e na bu\ea d< um CQ1npt•dor. e: Qtlt fosse sufkiente
a~nM parw rTrrodwJr sua rondl(lo ,radlrlunul • 4'ft$IMffl~tn1 de vida..
Vt"ndrr -11 n.erç111toria • um preço su1:.erior ••O JU(IU 11reço ~dundario.,
C1·ldentcn1cntc:, t111 nbtc11ÇAO de luC1'0i.\ e nl' a(;u1nulR\;'llO 1Je riqueza.o;
maictlnl•.
/\ l tl~ll 1'1J1tcrnlill">la i:riç1A wndc:na,.a co1n ~r\'trithu:lo • cobi<;>a e a
IM."Umul11~·1'll de rlq11C'n1s.. ;\ doulf'in:t. do ju!ltQ 1>rtoÇ<> !l.Crvla; ca1no frti1> :1

,.
,,lu: se basearia a ccononli• cupilllllsua de merendo. _e: óbvio que él.~.,
mudanoa radkal de l'ldc:ircs tornaria. :1 6-tic11 cristã. ao menl)S em sua
l'Crdu medieval, i.nadequada enquanto base p.nra a jusUfic11ç'n rnqr;&I
do no\'O sist~ma. A ~tit11. teria de sofrtr modilkG('õe$ !'lrofvrH.1!'13 ()H ser
totalmente rc}eitnd.a pana q\1e d( vAJores que lc9itimariam o siStc."rna
1..-apiu1li$tJI f()SStnl eJaboNld~. Analisarenl~ nos próximos c11pituJos a.s
lnJcia.livas dlrigidas para este objetivo.

R esumo
Os sistemas cronl>mioos organium o eston,;o humano para 1ra.ns·
formor 05 recurgos d:ulm pela 11:a1ult!i.li en1 anJgos Utcis, cm bem
ccon&nskos. As ideologias. constituem sistemas de idéias e c::rençu
rles:tinadas a justificar monilmentc as ri:lq.çôc:s ecgnúmlcall e soda.is que
tara.cterium determinado f]Jtema eoonômico.
A ética pal1!rnall.sta erisll propordonou os c:kmc:nlo• pani 11 lea,lÜ•
n1açào nloraJ da economia tcudal e. caoseqOentemente, de suas rel~ões:
\o!')C'iais e cQOnôm1ca•. Os valores em que se apoiava e:r;ta ideologia são a
antitese' daqueles que regem o funcionamento de um m1cma i:-.npitalb:ta
de 1nc~ado. N05 <:•p(tulos &ub&eqü.ml1;$, exàmln~remos u form:t.<1
11tr1wé$ du qt10Js01 homens prOC'Urarom substituir, por n<Wai ideologias,
a ~e!lho. ~tlca patemaltsta «:ris15, ou modilicâ·la. pam que dela pudei·
iÇc_m cxtralr a justificaçlo moral dQ .sb-tcm• CQOn&mko c:ap1tJ11lst11. de
mcrf;ll.dO.

21
CAPITULo U

A Transição para o Capitalismo e a


Elaboração do Pensamento
Mercantilista

A M.lCWct.de: l*:dic'ral era c:s.scnC'ialcnt1U• .,riria A hittarqub.


w"KY.I ba.K••••"C sw. rinculol. que OI lndnid1i1M mlnhnham com a
k'tt•. *'
ahvida4ks agricob.s SbSltlllA•a.ftl todo o i~1t1na social.~ J>an.
1t(u..:ln~1e, (\11UuOO, o CTCKimc:nto da produt1\14Ack •picai.a desco-
\·~~kou um• tl-M dt mud~ prolunda' que: te prolonganm por
~.lrlot: '6cul!)ll. ct.1l11nn11.ndo na dissoluc-lo do lcud•tl\n'o medieval e l'IO
'11riri11'11en10 110 ~11pltlllls:n1c.3

Mudanças Tecnol6gicas
A .1oub11d1ul(,·do do sistema de rodb.lu dt cullura em dois campos
rd1• \hlcm11. dt rod,J.io t!m trâ c:ampos foi o a...-.,,._"tl l«oolôak."O mais
•lllP\Kh.nl• ooorrido n• ldadt- ~iédi.1.. Em •e-rtLadc. embora aiacb no
-.kl1in VHI c"k ,t,1t-ma jA IÍVasc sido burochvJdo Dll Eu~ . .somente
I"'' •coita do .&ulo XI sua u.tillllçio ~ dd\111d1u
O "~tcn1a pnml:UYO coll.SiscM. rm. aalu•ar a llW'\l'U tc-rn dutan~
........ o •l'M'. o que- ti'atftla'a o dpido nJO'_ar.cnio d<t tiOlo e, paS'lôldO
•liu.m 1cn1po. • """' 1n11t1hl..açlo pua • aanruhuni. Jj no sis.tema dr
1ndit"1 cm dc:il'\ campM. rnetadc d• 1m-a. ckp<Ht de ttr- 'lide> cul~da
1111 •no arueriim'. pcomuottia em polil.lO f•Ara rttupc.rar i:ua lmílidade.
Co1n a inrrudu.çlo do 1>h1cma de rodWo cm t•~• ''ampoJ,, a tcrrn.
-11.1\d ''ª'"º" • <Set dl,.idid~ cnt ltb !1rc.11* cum 11.i n1c~ma.s: dlmen~.
~11 11v1nnl), 1>hu1111va·\oC c:cnldo oo lrigo no 1>rhndn.1 ('an1po, e nll
f'l'htl~'\'tl o u no \'cr!lo, rts.lh.ava•$CI • c.'(llhi::ila, No .egu11du <:llm()O.

23
cvomenut' dE: tfà.balh"d«n que cmipv:.m .,.,. as rida~ t: mm-
r1a1u 'IC•h \ i"'-'Ulm ''º"' a tcrrn, • prüdo~ilo de btnj manuraturado'
ttei.ccu l'Oll'i idt."f~'~lmtntci... O <k<tCll\l1hlmcnl1) d11 produçl(I m1u1uJatt1·
rdta.. da cfPf:ci.allra1;lu C(()ni)mka e dA prododvid:adc do trnh• lho
«Ntlnh1<w pan o d. ttn\'Ohil*•Uo do almtf\ ld 1t1tu--~dooaJ e de
klnt!,. cfr~1ilnria..

O Dese111>0h1imento do
Comércio de Longa Dlstlbrcia
\'àrk1, hl.n.ori11d..,.,,,, to.m1tm o (\b<fn~oJvime-n t4J do com~n: 10 como•
pl'ln~ipal ''11u"1! da clc"lr11csr1~ ll<> d• 'ocicd11(10 rnedicval, 1.i1rtkular-.
mente cl~ 1'CU r<a:imc de lroc'.f.~ e de: seus COl.l\1 ~. A imporllncla do
,"OlllQ&ào nlo pode: ~r colotada ~ dl),lda. ~ entan10, <'OOn!:m
lt!l'!tbtar que :a t1J)Jrhlo comm:11I oka QCOrtt por ~dtl'l• otm K
dcYCu • fAtore-ç "temo' da ccononl l.t europfia. como. por e~m pkl. o
intenaiflc11.Çlio dos contatos com O) Ânlbes. Pelo C()t11rA.rlo. com<- j4
•Imos •n1criormmtc 1t0 condltõt' par• o d~n.,oh·imen t n do corufrcic1
foram criadas pel&J. 1r-.mtonri.açtn «"ODÕnúU\ oavrida1i oo Interior da
Evropa.JO crncimento da ptodutnld.Mk aa:ri<'ol• proporClOIKIU um
c:<cedenlC' li~ 11.Lim:enu"' e doe mlo.<k·obn p,.r11 os rnc1tadot 1ocm e
ln1e:rnaclon"i5. A u1llh;açno mni,. radonal dn ..-ncrg in e do\ 1r11nfponC"$
tomou pou.hcl C' luC'ratha • oonc:cnlrll(IO da Indústria na\ cidades.. a
ptOdU(lo <ni. larga irsca.l.a e • '-e111d. ~ pmd1.1toa cm mtfcada m.ait
ampb e m&b dniantn. AJ; rnochfto;A(~ cxorridas na qricvUura e na
lndCBtrill i.:oiutitufnm O'I req1.lish4M n~d>sirio, pana. a np-11nalo ~
u•ocàll e do çorné.rc'°, H,.sa ex1>am1ao. por .s~• u vtA, revigc>r<'u o <k:iel1vol·
virocntc1 ~o l.ndtisuia e da~ dda~
V&na, ddacla comerciais e indutnail b-am lundadat cm dttôr"·
~ocia da C'\p;ansão do ~rclo. IM'lh-tctudo o 4.'"0mtrno dt kin3a dht.in
1.1.11. O cr"Ck'imcn t1> 11,,, centro• urb•n1». l-\lbn1(ltido\ 6 d omln u~io dos
fll<'tcadore11 capit»li~lllt, provocou urna K:rle de niuda nçu.i: hnporln.nl~
ouuo na Jndu,.tria. quanll\ 1:.a ..agrkuhu.ra. Tais mu~n("&$, iõbn:tudo a~
qw: 3ff1•ram a &&"'-ilhvni. f"C\111i.ntm no cnln1qt.atCimnio C', íma.I·
lll'l('RIC'. na dWiOh1'1o completa do'I ,taeuJos tnwht:ioftait que nr.mu+
n hõl.ln u "4X'tln da tlin•tura klefol e. econômlcll da \OCiecb~ lc1.1dõll.
J ~dt' o ir11cfn d11 Idade M~dl1. rn uhas ttatl'a da Eumi>• rru1n1i
~ra1111u•o '~iode: Mga dhtlnd.a.. Em ~mêrrio ~uln- um11
.mportla.:1• rom.&ckri\cl Ili) suJ da Europa, nM mares Mot.l111ttf1Mo ~
\ilnJucu, e no nortw- d~ Europa, AO ttlM dn NM1c e no m•t ~J\1Ct1.'

25
No• lf1th6n11t1 l--omprocnd.l..SO. entre tii;e.t doti ccntro1 6c irradiaçio, O
1u,1..tt1• lcud,1_1 !aihori&J peml.1n~u ª'~ uma fbe •'anl:'ad11 d.a ld-adt
1'.11·d ... Math111DC'ntc rmunt is U'OCti e -.ct com&du-.
.\ JNl1ir do \4!allo Xl. as CNUda\ tn\ll\ dttam uM im9Uko
,.._.,-n_, • t"\pam.io do romê:Kio ~attttanlo, nlo w podt mcari·lb
~""'° f•1~.r lk'idr-ttt.al au cxkmo ao dõcnvotrur'tn!U t:u.roptu. ?\a reaít-
tl.uk. "' (·ruiotdal a.lo foram cnrptttndJ~' (J'{lf ra1bts uclwf\11mcrnc
rth.i•~l!Q~ tampouco se ~m b P"fll<il\lL,;btl mO"ridas pt'los rurws
l'4•nlr11. Ui pcrtgrioos l-rutlilh-, Poi• ~ IUI'\:~ m11.1un-nam a politkll de
IOl<"ri\n'"ln 11dotad11 pcl<.» mt.içultnancis:. Ot f'C\C'léll w frldo:t pc~ m1.1çul·
111111'10$ cf1:livi11nwte de~•mm 8b.5nclo 01tpos11t [I, 1rlt'\1hlôe$ lnhnjg•s. o
((11e, por i:I !>Ó, tcrià .1j)t11:tlJusllfictuto o cn\IO de umll lli udu. d 1nb6llc1'
por parte do Oddcnlc. cujas rela('õe$ c:Onl Dl1indo nlCI trim harr~10~
nki\10.. A• n11 ~ fundamrntah d11.s Cru1-11d111 dt\·cm ~r procuradas no
dc-~nn1h·lmc:1110 ltuemo d.a F'ra.o~a. 011dt tf;;t(' llll"''Ín1coto cncootrou o
'li('U 1na.>r mpaldq. A fr1oç1 hl.vM •'91.julrido 8,'t•nde ai.ccnd~nda nQ
<·o•Ut-.to CMl'O!Jnl, manhoha rel.açôtt «'lmef'("IAI~ e 1nlC'.l"tSSoCS irnpon.an·
lft no ontnte: alinl dim. prttiuia ~uma ''hula dt ~para dar
'tu.lo ao ckK·<••U~ru.amento social que ,..._.,""ª
no ínll"rioc ck SU&1
froeuctn~- A\ Cnuadas ttttbcnm &JIO'O tambtm da otiprqm de
Vencu, lnWru.sad.a tm apa.ndi:r o xu comfrcio e comoüdilt a influên
da qu.- t,cn.·i.a no OrWntc~
O dtwn-u1himcoto do comén:k> rom (:IS Arabcs - e rom <» Yi.kin.as
no nulf d~ Norte - es-bmukna • pNtluçllo ck nw:n:adorl~' par.i ll
ex1>orU~çAO e a trW.çào de 1rand~ febas que Ror~t rnm do •u!Q XII
11 1 ~ o final do i.éculo X I V. Oreanizad11.1 ti>d(I!! 011 1111;.11 t1ai principais
tldlllde\ C'Oflltrdt11is c:-uõ{!f>éi3S, M. feira.\ fu nriOl\A'tA11n gerolmcntf:' duranlc
u11111 ou ,-Arl1" w11111nà~. Os mer<adott\ do 11ur1e d.11 Europa uocav-n.m
ttrcaii:. Ptbe\, li, roupas. madeira. pc-1., 1k;11rlo. s.al e ferro por
n:ptÇl•M•'· w.."Cla. brocadm. vinhOJ, fnrl11t., uuro e cnlrt' outra) ''ª'ª·
n~•.dc\fia~ PtO'Cttittlt<'S do sul da Eu:rop1•
/No~toX.V. os: Joc-&is oadc: w ~nlam •t letrD<omét•\.an:s a w
1nm.t\)flN( em pr6spc:ru ~ tontm.úb, cvfo,, mercados fuDCil>
M'Ulnt duraak todlJ o •DO. A aUt-Mbde comct\."1;\J dHie:a.-oldd.t por
~Q' dJWn tta •«-ompathcl rom as m1~ l:mpos.tu ptkis t'OStUmn
e u1d-..x) fwd•h. A m11ior pane das t'id.tdt\ ron...cguiu. apôs, intc-M..S
hlia\, ht-crtar-~ da tutela~ .1C'nbort') fcucb!J t d.l 1grcJ•. NCG «ntJI»
ro111t'tll;1I\ rt.ih1.avam·!.e opcnçõc' fi111111céln1': d(' c3mbio, ck liqu.ida·
ç~o d~ tbHda!I e de créditó. To r nou·~e ("Orrtnlc o \1\b cl•n letn!I de

' 1•..,., llm• ~·-- m•" 1•~ "'""' \! ....111wnh• "" .,•l'td•I, •li fJ11dlQ• l)Jbrd,
l ,,...,..,,i. fJ>..,.,\'I'''""' Ili/ 11., /o·.,n• AIÃMtJc C:.1.,.,owtt 1111.....1\ftf f"lllk l'I" J l'ro111(~·H•ll,
tW.11 ,, l ITft
cã.m!JICI e de uulros tn:i.lrumente» On11ncc.ihi. modottU». Um11 1~vu
leglsln,·111 con1crtl.ll foi ~l•burada l)cl"-\S f.'.omtrç,ant~ ~ dJ&des.
Ao nin1ririo do d11'\'l1o ~iteCvdlrd.rio e pattttuJau Cfl.'t' '1pao nos;
lcsi:tkn. a tcgl\l"'-'10 çon1erclaJ tc.~i definida por um rodlgy l>rNisn.
L..1m;11rnn1·jC 11Sl!lhn as bu~• d11. ki 1Je oon1r:1tos, dos ''"'"is negQl.'IAvcis.
J.ai rtpttttnl.a..,-., ro.awR:tais, das vendas c:m Jci.IAo, c:nli.rn. de wna
~ de rrottdimcrnos c.titaettrislk:O~ do c1ptt"1Jhmo modtmo. I
Na indôi.Lri• arksanal feud1I. o mestre nrtesAo e-rK, i.o nlcsruo
1c:mpu. 1) produto-r e o '~ntledor d" 1un mert11dor4i. l"4ü indú$tria.5 que
te ~n.. ot~run """ aot•t cidadH. woltadu primcuamcnk para •
~14. O produtor dina.ne;ou..lt do comprador í1n.al. Af(Vra, os
ane~IQ) 'iCndl;im, por .1111ac11do, se.a produt04 11os nu!r~·lldorcs qu", por
swi .,ç,, tr.tru:p(lrta\'à.m•not e: ft'Ytndmm·~ a ootnll$ mercadores
Outn cbltn:~-a tmJIC,llrtüot comn.tia em que • art('da.. doe fcud(n.
eran1, Jfralmctne. rambém •s:rkv1to~1. Ao emigrurtm pan 10 cldadts,
<»nlvdtJ. ~ arh:'ilo!I re1h111ci;lrarn ao ~ulLI '" d• tc.rr.o p1tr11 se dedk-ar?m
e:u.:lu~"amauc JIO w.u olkio, a.wn o q.:iaJ obunba.m tt•.cb. suftcil'ntt
para a\('Udl°ttm ai. AI.as nttCS'Sidadn.

O Sistema Ma11ufaJ111TiFO Domlstko


e o Nascimento da
Indústria Capitalista
A ne<:esslda6t de ampliar a produção e reculam.ar o abastedmctHo
de lxns mAnuta1ur.dos. hnpost11 l)C"lll txpan~io dó c:otndrclo, k!tou os
mettádotts·capU•!i,tm ll a!.w:mitt.m u.m c-on1rolt: cada \t7 m.aklr tobre
o prott1so produli"'O. A uiJúi.uia dt lipo annanal, °"*
o anoliu (".f'3..
• um só tempo, o propnc1lrio a. ofklna. dlJ!i lns1n1men10!1 de trflbalho
e dali n1111üia$·p1im:is, ~tuando C:(lll1Q pr-qutoo cmptt.\J\rio lndeP<ndea
te, fota subslih1kta em 1rande parw. no *'alo XVf. pdo d1tMte
_,.tAf.,1v1Tirv Wml:Ltlt'O f,ptllÚ~I 1)'Slt'M) nos t•~ indu\lriais:
''OltadO~ p(lra • e~ 1>0t1 a(lo. lnici:tln\cn1e o mttc:idor·C'fll)hn.IJ:o;ta !Imita·
\A·U: 11 fornecer • .., :ark:làtl iridtpenckote • ma16'ia·prl"u1. rcmuncn:n·
1lo-o ~ .qoe • tnmbmas.lC' em produ!Ol anbacb ~ modo. o
--apitalit.1a 1oma,111·.e o p~priecirio do produto ao lonao de t<>ilti ILll
r111pa~ da Pf'O(hu;A.o, tdndll que o tr•bRlbo c.n11lnua1S4t \Cndo l'tAll:rado
....,n uhdn;1s- indl!t>eodenlt1- "uma fa~ ~trrlot do sbtcm;a m=tn\ihtu
mn> domkbco. o mctt.adc>..-·eapitab>u puiiov a ler• prop~adc das
111.!\lvl111t\ e in~lrun1cn 1oi. de trab:.lhn .r, frec1tkn1cn1
t'11lc, do p~lll<1 no
hl1"ri~1r dn quul ft produ\'.ló se n:ill1a·nt... C~ntrnla•11 (14 tnbillha~loreJ

27
prosperidade entrou em decllnio, o antagonismo que se eerou entre a
riqueza e a pobreza por ela criadas deu origem, em cerca de U80. a
prolongadas e violentas lutu de classe que destnúram quase por
completo a indústria da região. No século XIV, floresceu uma indústria
tbtil capitalista em Florença. Como em Flandres, as condições econ&.
micas adversas despertaram tensões entre a classe operãria. reduzida li
mais n~ra mi~ . ~ oc op\llcotos em.pn:pdorcs capitalistas. culmi·
oando em violentas rebeliões, cm 1379 e 1382. O agravamento desses
antagOnismos de classe pl'K'ipitou o declllUo da indústria têxtil Ooren·
tina, tal como acontecera anteriormente em Flandres..
A lnglaterTa conquistou. no século X V. a hegemonia do mercado
mundial de produtos tbteis. A solução encontrada pela burguesia
inglesa para resoh·er o problema dos conflitos de classe foi ruralizar a
indústria tbtil capitalista. Em Flandres e em Florença, as indústrias
tbteis estavam centralizadas em cidades densamente povoadas, onde os
trabalhadores eram arrebanhados, o que facilitava a eclosão de mori·
mentos de resistência organiudas. Na Inglaterra, as fábricas de pisoa·
mento se dispersaram pelo campo, criando pequenos aalomerados de
trabalhadores. isolados uns dos outros, dificultando. assim. a prepara·
çllo de movimentos de resist~ncia organiudos.
Reunindo, de um lado, opulentos p ropriethios de capital e de
outro arteslos despojados de suas propriedades e transformados em
trabalhadores assalariados. o sistema manufatureiro foi um fenônemo
muito mais urbano que rural. Desde o inlcio, as empresas capitalistas
procuraram assegurar posiçõeS monop01istas a partir das qiais pudes·
sem explorar, com exclusividade, o mercado para seus produtos. A
medida que se íortalecian1 as guildas de privilegiados - associaciles de
merouf.o.P!~ capil4litLAS que c:.1nprecavam trabalho assalariado - multi·
plicavam-se as barreiras protecionísta.s destinadas a assegurar o seu
monopólio. A diferenciaçlo dos regimes de aprendiugem, a instituição
de privilégíos o lsenções especiais para os filhos dos proprietirios mais
abastAdos. a cobrança de taxas excessivamente elevadas para a admis-
slo de novos membros foram algumas das baneiras que visavam
a impedir que os artesãos ambiciosos, por6m p0bres, competissem ou
tivessem acesso às filetras da nova classe capitaluta. A imposiçlo dessas
barreiras apressou, de um modo geral. a transformaç.i\o dos artesãos
mais pobres e de seus filhos em uma classe operúia urbana constran-
gida a sobre..n·er exclush·amentc às custas da venda de sua força de
trabalho.

29
proprittlrio de &c:rf'U que YÍ\'ia ClldU>lv-a..mt:nte de ftndas. Muit~
~n horc" feudais liC tn.ntfortnarrun cm proi,rie1.triol 111.tn~etUebt•s. uns
porque preferiram se mudai para as dd.ldõ. outroit porque Hn1un
dii.tantC\. de liUAS lcrr"~ lr.tVAl'Hlt) b1udh il.S
O ro.bp'loO do ~lut.ma senhorial rol pttclphaoo pot' uma stnc- de
catls:trd•cs que con,-ubionua1n a Surop11 no tinal do siEc:ulo XIV o
dur1111tc o~culo .XV. A Ouerra cb Ce:m 1-\ n.os cnttt fr~ e: ln.1.atttT•
( 1337-1~} produ1Ju unia sltuaclo de d~tord~m e dcsrontcnl,.mento
11e11enlil.t.100 nettc.s p.:ilscl'. Oii e feitM da Peste Nt'jJl'a f0rarn iaind.a nu11b:
dcvast•dott~ As~ da Peste (13118·1).49) • popula(lo d.t. lnsl•·
1erra a.kllnça'ra ~rc• de• n1llhôes dtt habitante,, No prlnc:fJ>lo do *ulo
XV. a, ~uerres e• pt';)le ha..Mirn rtdu:ôdo a popula(lõ do ~11 :t. 2.S
nidbõct de babitanlet:. O mesmo ocorreu. com n1nior ou n1enor 1Jiten!l-
d11tlc, IKY> oulros pA.iliCS europeU$. O c:k.;.lhtio da populatlo pr'CWOC'O'*
uma e,çasw1 dese.~da de mlu·de-obra: ~ salllrios p11ra todas as
Clllcgorla11 do 1rab11ll:to cl~uan1 ·sc 11brupuuncnte. Ar. tcrrias. rcl:ativa•
~le mau •bundan1-es,, ton:laram...a;e menos rcnt!,·e11i;,
Pfc,..si'Onadn por C'31iCIS dn:un~1nncla~. a nobre~a feudal ten1ou
l'C\C>gôlr t i c:omula((les q~ ba,·ia ~ e restaurar u obrlJ&Qi)e•
t'n1 forma de trabalho que pct11vam sobro os ien•os e carnpone.es (os
c:• •up.ont~c:s eram tnti,.n kn'Oll que ti.viam Ucancado um tt110 snu
dt iockpmdfncia, libtt1ando·&e cm parH:. d~ rest~bes feudais). No
en111nto. apn:utkrlAm nci prâlJc:a que era 1.~stvcl taur retrootdc.r o
~Aógio cb. hbtória. As ~ll<'õh de mctta6o jã se ha,1a_m implant•do naJ
1.onas rurais, proporcionflndo nuüor liberdade'. fr1dependl-'ncia t' prospe·
rida.de p:i.nll OJ ean1ponct.H. ~tts 09We'nm uma re•1t:1ênda "1foros•.
por l'CL'CS s.anJttnla, à.' 1e111a1lvas de reintroduzir as. antisu11 obrlf&\,'Õell
(eud:al:1
E'li..e ch.oque df íntef'ft~ produi:iu &I f&.mo!IAS rc~·ol 1 as c.amp()ll~j
que: « IOdirnm, por toda a P.uropa, do hnaJ do 'tttulo XCV at.f o
priodpk> do ~lo XVI. Um es.crtlor fr-AJ'loC!b da Epuc.- dctM:nwcu uma
ccina que ilu\tra (1 caril1cr crucnto e brutal que 1ab l'C\lo1U('6oes dvrrarn•
.. Um btndo de c:.n1pontses matou um ~. 6U!iJ)COdeu-o cm um
opcto" usuu-a ~otire o Jogo diante de sua mulher e do!4 UI hos. ~z ou
ck•te bo1nen!i 11iolcotaram a mulher e. cm .ccuJdA. fotfan.tn ·na a come-r
d• ~do mando. l>q)or$ m•t•rant a n1ulher e o~ fllhos. E~ises brulo5
1>1.1r onde quer que pas~·hsent , destrula.n-1 u U\AS c.t. ~ntc honcsu e
1'Óli~ ('.AS!e'°'''.• Cam))(lnt:'líCS rebd•c.'°5 c-ram n1assac:-radot pela nobr~·
,,. co111 u1n111 ou nu1is c111cld:i.de e ft!toehl11dc.

JI
en1lo t0n10 pul•ns comunais, dt!idnando·ll~ à Ma-;Ja dt OYClbU,
para atender • ditmandli de Ll das indl'.i~1rlat 1lrtcd lo&)~. cujo
erurimcnto •tmai•
ptopoc\ti ~ pn:udc'nta:. H•'u duas qntagcM
u C"riai(IO dt ow.lbü! os p~ de'vadm que a ll &kuca•a no ~
e a qu.tnlkllde núnlma de mão·dH!bn que a m.&MllMÇIO dos ftN·
nhot. l'h(i.t:ri.L.
O rq:1me de tndoilan do5 umpc». atlniciu o &u~ oo fiMJ do
Kculo XV• oo •uló XVI. Em al&:uma.s 'rc.•s. t•
quartos a nove
dêclmlM dol 1rnnda1irios foram eipu.lml do c•n1po e ubrig.Mlos a
emi1r1u para as cldAdes. cm bu:sc" de mclQ.\ dt IObrevh'incl:A. O
ccrcnn1cn10 dos (lmpof. ali.lido ao crtScilnen10 PQl)uliadonaJ. acelerou a
dioolucAo dM Lni;~ feud.Als rcmnnt)"'tnl~, e deu orl~n1 a um• ''1u;ta
fort• de lrablllho ton• cuactorUtk.'il ncwo.1: lnón1erat pe:Ssoas ,·iam-se
priYJdlS de terras. dtJ,:pojadl! dO.J íerran1tfll'lli O h&litrum;alot ~
rmdu<'IO, em ('Ond~õe5 apenas ót l'tn6cr a wa força de trabalho. O
mo,·lme-n10 mitra'6rlo para as ddacks proportMlnou M\'05" ron.tingtaus
de tnbalh&dom pva as indúsuia ~ph.alluat. mais homens para os
c-:&dtoc e para ü ~ rw-&iJ. maia .otunt.irios para C'OlonitM tern.s
dü1arues e m.lilltos consumidons em potcarial para °'
prode&OJ itt-
1 dla5trial.t;
Ouuo fator de: rnocla:nç• importante foi o ~oto inttlcctval
1k:.,rrido no Kc\llo XVI. ttSPOru.l~el oc-loa PfOIM&OS dmúficos de
.111lldadc: prtuk11. Imediata, sobretudo para a na•eir.çlo. O 1ielcsc6pio e
• hij11oia PQ$S:lbilharam aos marlnhdro11 naveaar com m11lor predslo e,
11"-'1m, t>crcom:r cll•tfincW mais lona.• i. Sem e11at ln.-ençiões. teria sido
hu1lM1fvtl 11 ··era d•s grandes º"vegu,çõc1'•, Nu1n C\lrl.o pe:riodo de
1rtn1,n. °' c:1.1roi~us puderam projtlil.t cm ma.1H1s 1.t roeu ma.ótimas
""'•a lndia, • Ãfrica eu l\mf;rka1. AJ 1crra1 ~obtrt•• DCSta époc:a
tlYrram uma dupla lmportind.a. Prlmtln), ~-rult.trlm _oun1 ripido e
1111rr1.o nUJlo de mtl•is preciosos com dc:Jtino l t:.uropa: em Sll!:gundo
tupr, ln.Au.pratam o dwudo periodo colonLtl
A produ(lo $top& de ouro e prata~ ntqnM• dt
1 wu a I~. A ripidi. ap.a.nsJo do «llnltt'iO ""'t.&lo"' e• di.fw.lo do
thlrma dt awrrado ftOS cr:mros u:rbano6 e au ~ ruru pro.ocoo
um• tt(1uw.1 a.ruda de cfmheuo.. uma tt"I- q\M' o dmhclrv c:onsb:tia
ktkan\C'ni. •m moedas <k ouro e prata A c:atfnci.a desta: metais
11,111110·"'· i.'dm, critica. A lituaçlo (ol pa.rclaltnc:11te mhipda q111Uldo,
1•111 -11li1t it~ l"'50. m ponugueSC$ i.vni('X;artm ft Clltn.1r nJCtlb pttciosos
,j .. (\htA do Ouro, o.a. Ãfncu. Nó en1aruo, «•~ ptt>blei:nia li6 loi
1l"t111hh·1tmc11h.• 5oJudonado cu1 mtAd~ do 16culo XVI. A 1>~rtlr desta
•· a \lluJ1çAo se inverteu: o fluxo dt ()11M o prac•. '' rovenie.nlt das.
rAbnl do dpo moôtmo, o pau de npedatl:iaiç&o 1tln,sido pe-Jo sisiema
traduliu•se tm clcof~~ sJgaií1ta.tàvas da produtl•td.dc AWm dl~. as
~ ek:ftitat. inttodvzidu ~ C'&mpol da ~truçlo aam e da
U"P(&o pouiblhluam • redtiçiO dof aulC* de tru.t.pOIRIC-. Es.~ foi,
portaalO. •m pc:rlodo ftll que: a prodiaQ&o e o ~ upa.ndinm•
rapid&Mtntt. Pooto a pouto, a ~a daAC ctipUalh:ta (Oll claue mHia
ou, alada bt.i~ subslituhi a nobrua como a da1se «0b&n.iiea e
IOC'Íliltnentc dominante.
A fortn1çlo ckll' E1t.a.dos abl(llut°' 1.u.:lnalou o Inicio da uamiçlo
para 1 s:upr(macia de uma OO'ft. clnsc:. Os M\'Ot monarou, fttqüentt·
mcinte, bu$CAV•m o 11poki da b1.1r1uesia f)ara derrotar os a:cahOfCS
feudais rivab: e 1>a.r• unificar o Estado, tra1utorn111ul<>-o em um pócfer
l.'eflttalliado. A unllk•çlo libertou os merttuJ~ dJi teia de normas.
tt-gula.mcn10t. leis, pesos, mcdldti e p.tdrõt:I monec'tlos dt co.r!trt
re"d41J • qu~ ClltAVAm aubmccidos. Crat;•~ IO apoio do Estado. os
nlC!rc&dCM'tC pudenm lAmMm cotd()Hdu 1Mrc1ulOI tmponanles e coo~
IM c;om prok(&o militar pa.ra os seus cmprc:cadimctuõ5 romttriais. O
mon&ft'a. por liu we&. dcpcodia cb capltall.uu para a otHlmçio dol
~~para fiuncia.t. ttntralu,ac-lo do~-
Embora a laptan knha àdo ~te un:ificada bem ames.
a wufa.;Jo de fato s6 ocnrrna quando HC'DriQM VU (148$-1509}
m't1)0u, oo poder,• dinastia dOl Tudor. Hcftrl.quc Vlll 0509-1547) e.
lubt.I 1 (l.s58•1ÍJÕ3) «icW:tuíram • uoiO~&o d9 naclo ínglCA. •o apoio
do Pttl1_mc-nto, que represe-ouva u clas,;.cs mfcU•• dO!' condados e
burflOI. A• revoluçOn de J64 e 1688 wn~lldàran\, definitivamente. a
i;uprtmat1a do Patla.me:n10 oo d~ cl1ua1c!I mMlas buraveus.
Our111Uc cite pcriodo, constilulram•ie outro• ln1por1a111cs. estados·
nJl~ões capl1aU111a.1. Luls XI (1461· 1"83) ft>I o prin1tlro mooama que,
ll«de 1)1 tempos de Carlos Magno. unificou cfetl1amtntc a. Frane:L.
Ool:\ M:ontK•n~tos 1&.Uin1daram a vnUKM"lo d.t. Ei;p11nba: o casamcn~
to de f'crnando de Ara,gtoc Jsabd de Cuttla. cm 1469 e. cm ieiiuida., •
derrota dos inabts. O q\Wto e:n.do-01tÇlo mai1 hnporta11k., a RqlÓbfi.
ca ~. 16 akançul a sua iodcpc:odb.a.a em 1641 Quando.
fm1law1ttt. u f~as C"Spf.t1bolas ck ocvP9do for•• dcnoudll.
~final <li> skub XVI e no prindpio do tl.nalo XVII, as lfllOde$
dela~ da 1,_,i1tem1, França. Espanha e P&lJH Bab.04 (BElgk:a e
llulanda). haviam se 1nnffomt1do com rant ,.~. cm 00fetc'C:l'.I·
'" t'ClllM ciooMmiieos domiruidos pcloi mcrt:adorft-c:aplt•liS1as, qge
11n1111tav111n nlo u:pcn1u o coroêrdo como tambfn1 boa pane du
°''
11uu1uf111ur1t,, N06 modernos estadM·n•ç<le• ~ lb.OCs formadas por
1nnt1111'<•<1 o c11phalista-. havUm arranc•do das nllM da. nobrt1.a fieud:ll
11 pOlll"I' (111• ci~I• t •ert.ia ~m uu,1llll$ Wt lmportantcs, sobretudo nll

JS
4n:11 d;i pmdw;lh " du .:u111crdn. O 1CTmo "'~""""''"nm ~ <"lllf>~ll•do,
.-cr:1h11o111c, p:or11 tlco<ilCD•IT C!>l>ll fa~ mlciJil Jo "'"1lali.Jmo.

Mercantüismo: Paumali.smo Feudal


nos l'n'm6rdiQS do Capitalismo
.\ 11nmeira lasc du 1ucr<:.nllli•mo. dc:nommAda filu11lm<"nte- bulio-
nl•mo, n-frrc-,,.; nu pc:rindo (cll••11lldo •n""riunn~tc:I rl11mnU! o qual a
Eurnpu ~ n:'~cntiu da l!!.éll~~e:t 11.: Ol•ro e: prata cm lmgolc:1 Essll
ei.t'.n•a tur11J111 111\ufklimtr a oQU.antldAtl., de dlnhc:im cm drcuhu;JIQ
para :itt·n•l<'l n >olumc do intcrL·B111h10 ele- mc:r"'ulori~ que Sol! on•·ontr•-
rn cm rnpidu Upll.llSãu. /t.> f'l•lilk~~ li1tfü1nbUb lotam fllVJl:llldB.> C:Wll a
llnalhl.idc dt: 11111111r para cn pAi'õ QW! ·~ rolacarn.m em p1!itlc11 um
IJu~u t~>n~t~ntc ck OUhl C !JT.Sl.1 C 10 ml"SITh:I Umpo, ok prc~~í''U O
"''•"i"e lk n1cuu~ prcC'~ mt'di1mu~ • pr11ih1ç;\o de 5ua c:1:p<1rl~llo .
T!u, r••lrlç{>c:s pcrdu1anu11 cio ían~I riu ld11c~ MMia .11é "' ~~culos XVI
< X\: li
A l-.sp~nh11 para ond.i íluiJa a mninr p.utc- dn oul'tl proYC'nicn1~ da..
·"niérkas. lül o pn.h que aptirou ru; ~trW;~ buli"lllUll\ dur«nt" o
nmiN pcnmln rlC' tempo, e qi.e imp(h 1 pcnal1diulo: m11i~ SC''CTB, .a
mNlc. para nltu1 41J1: o n11ro C' ll pru.tA fo~~m npnnado~ . Elurct .. nln,
•~ llc•-c\'1,1arl~' !111 romfrdo cru.m Ulo pn:mcntC5. e .., j'lel'\llOl'lh'AS de
lu•·rn rarn os quc Joe <11:11i~11v1>m .i impon;&\;!O .1.. mcrc•dorw ~trunii~I ·
~. Ulu p/\m1hwra\ que, at~ ru~mn n., cspantui, º' nicrc1ulon:5-c11pí-
1alhh" ;1çat11m1m ron't?!i1ml<ln ,ubomar bur11<:ruta> curruptai. e c<1111n'
h~mdcar grun.te. 4unnlidada de. hnsu•~ para hm1 do p1.C\, Os mrta.11
1ltt'rn""" acumulado> pda F.sponha. cm põUL'O t.empn, 6palhara111·J.e<
1>nr 1ud.1 • Eun1pa e fora.m amplo.rnt:Nte! ~pollAÍl~-c:is pc.ln lot111n Pl"rlodo
inll.uctunirln dc'lcrito lllltcrl.>mwn lt'- .\ l:ap11nh11 $Ú leitAIi.Tou a C'xpon.a ·
ç.:to de ouru <! prata 1n1111u kmpu tlepoli 1ta ubc:diç-Ao du r~1 rlç(lo
b111íonis1..>.' nu lnj:hl.tC'rl'll .: rut Ht>l•11d1. cm mea.dci~ 110 ~ruln XVI.
Super~da • fose hullunhla , • pollli~11 u1c:rc1>nlilistn 1tdoud11 pt!l~ll'I
OOHrno~ europi:u\ r>nwiu 11 prhilc~lar .. m.1nutencAu tle uma balança
C(I01~rc-uil lnmr•\el. Su.3 fuw.lidn11c conti1rnn11 scoúo a ck mnxlminr ~·
~nu de ouro e pn1h1 rii5t~Dh!S DJI p11I~. l11r1 manter u1n~ halaitr.i
nim"rria/ /qrodi1•1·/, Oll p.1s:tuti?11lu' roi dinheiro recdliclos pelo p11.~
cic•C"ri•1m ~11pcrar o llu.lo dC' diahc1ro que nh:inrtona\'a o pa1s. Purtanro.
l111C!te)a»1 """ f!"V~rn~. pur um larlo, l.i!•orel-er a c:11pnrt1çao de
nierc111lori11~ e ~ 1,rL'Sl.açiu <lei certos ~rv~~- ~·m., • 01\·c~açD.o mur-lH·
DhJ t u• il!!'uru•, llesdc q1Jc fosM:m 1m,,lado~ por comp11trint.., t p~IJOS
1111r "'ITITif?C'ITOS Pur .. um Indo, in1~resu'11 tlc1en[or•iur a lmµon•çi\n
1lo: mercadoria\ e a, •nlratllçl1> di.-nc• m~mos .et'\'1ÇOI> Pª!IM a cstran-
• IV\, M;;nkr um:. ll..l.u!~.i romc:n:i.D.J fa\'Orávcl sipifican cnriquc~r
o 1ci.ouro do pah Amd.a que ne•te pr.xci.\O lo~sem mcYitâ\'ds crrto1
11.ag.atnC'11ln• em uurn e.' pr1tl•, para o atcrior, o inf,n:no ~ mc1a1N
prtC:k•lO• lah1lmcnle rnpenm a wda de\~• n11eta.1.••
Uma d&J poUtke.s mais importantes, que: VJS•"•
i ampll•çf.o do
valt•r tias u1"'1inçll.- e a ~duçlo d:u lonp-0n.aç~. foi • cri&(lo 005
m11t1of'Õlios comcrc:i&is. A lnal•lcrra, Pl'r eiicmpla. podt"rla iadqulrlr
111L-n.':ulúJi a' (suponhamos de uma rcgíllo atrasada), • um preç< mail
ra11111 nSti. i< 1pcn ' um mcl"\:&doT 111Qlê• barg.lnh.a"' com Oi ~tnniie!
'"" c.'n111lv11lm Ol.l ncp6c:io. 10 invé1: ~ •irios mcinclon:s IDl!~SQ
'"'m11c1tmlo t"lllf<' i.I ~ra a;.se11urar a 1ra111açlo, forçando, deste modo
• dc::va~bu dot prcç0$, De forma 1111ilop, os 11!en:•dnrn iniilc'Ct
p1111<:rlun1 Yd>iler seus produto& para 1111 asuu~lros, 1 preços bem
111 m clc•adns. se hou•'Cue apc'lliol• um nqiociantc nlcrc:cendu o proclutu,
.. . 111vts de vltl.- oftttamcs fol'\'ando • queda doa pll)ÇO• para atralr 01
(1 inpra!Wrc:,

aaJ.a lmpcdl.t que o goocmo inglb proibis.ie romc:rciAates do plÚS


1t~ t un~"rremi1 cnlre •I, t:Ju An::a• que t•lhtSSCln sujeitas ~ monoplillu.
~" entanto, aa muito mais dilicil &tutu • coocon€nch do< coma·
1"''"" lrnn°""-.e' , h,>llUlde""' '"" c•p.anhbi» Vilrio~ ~trn°' ll:.nlAram
(AChllf 11 conrorrfncia dos mercadores cstnngciros 0111anizando impé·
tln~ ,»fonla.1• cuntn:il•du~ pd• rnctrópule • wbmcti.dos at> n1cmop6lí<>
1rne 1 d~ I Alsim , u possnsõcs colonillk podenam fomce1:r matmas-
fl uuou b.11t11ta.s para a metr6floole t 11dquirir dela, 1 pl'Cl,'05 c.le~adOA,
J 111lu11tt1 manul1tur1d0t.
Jtn1 da niaçlo dos moaorólios, tod05 01 palsc1 da Europa
" 1 nud '"''""'" a H<11.tn<L1) pron1ulKJir1Un .:11011•• tt.111~la.çlu regula·
11 ando 11~ 11J•1dade• de expon çllo e ímportaçO.o. Na Jnglah:rn., 06
11 rt11!k•l'C:\ 4ue eufrenta~am Jifü:u~ades para cuinpetlr com Ili CC1-
I \lante' cnrangciroto ootinb.am a rcstituiç:t.o de imriostos ou ainda, se
• 11At1 h :1~12s"H: , r1:à!t>lani \Ub1ld1üs para • exportação Urua Jl(ltltlca
11! 1 11 m1 ack•1>R gron.va uma )Of1$11 fata de mat.!riu-primu com o
h t H• itc dUicuJIAr 1 iua c~por~ào, minimil.ando, deste modo, o
'' 111 " ' mc:rcadnr~ · faliricant" 111icl~t."'C pap•am ~ eh•~. f.m
1 rn11 1111<1a~ <~a~iõe~. quando esses produll>S ~asse.anm ao mercado
1 n•• rlTJudkanrli;i "-' mrnufaturn do pab. n F.$Uttlo lntervmha,
l 11 111 ngo~ 1ne11w a sua upon•~lo. A lndústria téxtil britlnic:a
1111a lf , lx-nchti.Lrtll\ d= Upo ck pr11tl:\'S11 , No print1p1n do r.61:ulo
\I li º' rroch111" 1't.1c11 eun1 responsãvei.) por ttrca de metade das
> in1 lcn5 O RO~mo da lnalat.,rra proibiu • uportaç!o d..
1 trtc: 1111.\ 1112titla.\· piimu e pmdult" M!ml·acabtdol, lndis-

31
guildas artesa nais. O poder cen tral assumiu o controle da aprendiza-
.l(cm dos trab alhadores industriais, das condições de emprego e da
ttlocaç1tu da força de trabalho nos diversos tipos de ocupa~'ào. O .Estado
r>romulguu. ta1ubém. Jeis que regulamenta\·an1 os salários, a qualidade
de '•â rios produtos e outros detalhes ooncementes à p rodução domés-
1ica..
O que :5igni.fi~,a .;, a.aupJu \:uut.auh:, c:xcn:i<lo pdv .E:slaôv, ~ubn: o
,;01n ércio e a produção doméstica de mercadorias? À p rimeira vista. a
4uestào parece simples: o Estado utiliza\•a·se de seus poderes para
promover os interesses específicos dos capitalistas. Esta visão é reforça-
da pelo fato de que a n1aior parte dos escritores~ vohad.oS para assuntos
1..-conômicos que se destacaram nesse período. eram tomerciantes ou
runcion ários de comerciantes. I"! inegável que n1 ui tos dos estatu1os e das
111\.-didas pro1ecionis1a.s foram respaldados por grupos de interesse que
'e bcneficia,·an1 com eles.
Entre.tanto, os mercadores e induslriais, ou seja, a classe média
c.1pi1alista eme.r gente, m uita~ vezes enco.nfl'Ou nessa teia intrincada de
ri.:!t-ulamcntos. um obstáculo ao dese.n,•oh·lmento de suas atividades e à
lthtcnção de lucros. ls!:'o explica por que os capitalistas e seus porta..
\'01es levan1aran1 argun1entos. insisten temente, ao longo desse período.
cm lnvor da liberafü.açào dos conirolcs impostos pelo Estado . Os
rq~uta n1cntos econôn1icos acabaram se transformando em uma ma1di-
\'ào p ara os capitalistas e seus porta-vozes. Efet h•nmenlc. a característi-
"'' n1ais marcante do pe.ríodo n1ereancilista foi o connito que se cstabe·
h:t..-cu entre unta ideologia econômie:a ultrapassad3, a ,·ersào medjcval
d1o1 C1icn corporntlva. cristã, e umn nova ordem c:conômic:a e 3'0Ci;d com a
l lu1d essa ideologia tornou-se incompadvet O capítulo lll discute
1w~t.in1cnte as consequências creste conOHo.

Resumo
lima série de 1nuda11ça.s profundas p rovocou o declínio do fe udatis-
1110 <.· ít e mergênda de u ma nO'<'a economia orientada para o n1ercado .
.,, º"'i' importantes dessas muda nças foram os progressos ocorridos na
h · 1u,logia :rgrícola entre o século XL e o final do século XJI 1. Os
li•• 1lt•ii_.' l'.::tmenlOS introduzidos na lct"Tlologia ag·ricola rlesencaclearam.
•11> ....~~·uhh çul.)seqüentts. uma su~são de acontecin1entos que culmi·
11uau1 n u <.."Onsolida ção do capitalismo.
( ) r~·•1>ido çr~ im cn to da população e d a concentração urb3na
f ,,th"l'rr.un o rCS)urgimento do comércio de longa distância. O sistema
111 1111f111 ur('iro estruturado nas cidades (puuing-()ut sy.ftenr ) produzia as
' " .1tloi "'' 41uc e ram inten:an1biadas no comércio de longa d istância.

39
CAPITULO III

O Conflito Latente
no Pensamento Mercantilista

A ética pacemalisrn. cristã, quando condena"ª a aquisição do..'i bcas


materiais, entra.\·a em conflito com os intercss.e.s dos comerciantes
n1edie,ais. Esse conílito agra'a,·a ...se à n1edida que crescia a in1portân..
i.-ia do con\ércio de 01ercadorias. O mercaatilisn10 inglês permaneceu
íit~I. cm i.cu de.W:n,·olvi1ncnto. a dois princípio' fundamentais.' . "O
p rimeiro rcforill-sc às prC><'.ri\-ücS blblicas para • promoção do bem-
l"\la r geral e do bea1 comum das c riaturas que habitavam o rnundo
i:orpor:tth•o de De:us. O segundo principio era a tendência :i definir.
\.'orno patrlmônio de Deus. a sociedade chil na qual os cristãos ~;.
diam'". Nesse periodo. o Esrado con1eçou a 1on1ar o lugar da Igreja.
,1'\sumindo a íunção de inte.r pretar e d e zelar pelo cunlprimento da ética
p;.1tc:ma.listu cris1à. A questão essencial , que preocupo.v3 os respQrl.Stlveis
flCla.s primeiras políticas mercantilista:,, oonsistia em saber 5.e deveriam
flt:rnliúr que a Dorescente classe dos mercadores se dedicasse à aquisi·
\--li\ de lucros. com toda a liberdade, sem considerar as conseqüências
' '"'')nômicas e sociais: desse tipo de con1portamento. A ética cristã exigia
lllll." as ntividades dos co1nercian1es fossem supervisionadas e controla·
" '" · no iulercsse do bcrn-estar de todn a comunidade.

Sc...:to ç11p(..C... f«aliu.rcm~ b~to1c o nwrea.-mo 1~'s.. por d• u railJel- aa


.-.1 '"lugar, porque o nplt.tlh.n\I) ilSdint:ial di:Y."M\'Olvtu-w., aaaa que em ql:l&lcpief OUIT'O pii$, u
1,.1 em seguod11> ~r. porq 11~ • rnaair- parte du dtW qge fonn11.m • ~· c.apltaJbta.
,,.,
11 ~. mai~ eo;l111n11t. ao cap!tulo J\'. ba. daborildas M l~tctn.
Wll.hana Appkmu With.amL Tk c-to..n li{ A.m~ HUJt.>')' iNovl Iorque: Quli.dnng:k.
·~ Jl

41
Na ,·erdnde. Henrique li procurou n1anter uma polhica de equilí-
bno enlre os intcRSses feudais e os interesses capital~•a~ Nem os
\.f!nbflrn fcudaí\ nem M capitalistas dispunham de suficiiente a.scendên·
<•"para fa1er ~ndú 1 balança em seu fa,or. O iipido crescimento da
mincraçlO e da aia('lo de º'·clhas durante o !eu reinado ttlcgou a um
"'l!Uºdo plano a produção de alimentoo. o que trouxe conicqOênciu
dõa\.trosas. Por outro lado, os excessos comcúdos pel~ comerciantes-
dcspcrtaram a hostilidade tantD das camponeies quanlo da aristocracia
•grári.t. Percebendo. tal•·ez. as implicações que isso poderia t:rv.er e em
rctribuiçào às medidas adotadas pela Corua. destinadas a amparar os
empreendimentos que realizavam no exterior. os CXlmcrciantes submete-
ram-se. ,·oluntariamcnte, às leis que regulamenta\•a1n a atr"idade ma-
nufatureiro e comercial no interior do pais.

A Secularização das Funções


da Igreja

Durante o ttinado de Henrique VUI, a Inglaterra rompeu com o


\."3lolicis.mo romano. Esse rompimiento foi bastante signlfic:ath'O porque
llSSlnalou o linal do processo de secularizaçào (ao menos na Inglaterra)
das fu~s dcsem~nhadas, até então, peb Igreja mcdic•al. Sob o
retoado de Henrique VIII, "o Estado, com-ertido em monarquia dhfaa,
a\Sllmiu o pa~I e as funções da antiiµ lgreJ& unhersal. O que
llcnrique fe~. à >ua maneira brusca, foi santificar 05 processos deste
mundo'"•. Seu reinado. assim como o de Isabel 1, Jaime 1 e úrlos 1
( 1558-1649). foi man'.ado por intenso descontentamento social, motiva·
<lo pela dcterrninaçlo. em conseqCência do desemprego. das condições
de •·ida da popul"CIO.
O regime de ~rcamen to dos campos (di5cutido no capitulo li) foi
rcsponsi\cl cn1 1rande parte, pela onda de dcsc:mprego que se espalhou
pelo pais. Outro fator foi o declinio. na segunda metnde do século XV f.
das exportações dos produtos de lã, que obrigou a mal< importante
indústria manuraturcira inglesa a dispensar grande quantidade de
mlo-de-obra Esse ~nodo foi convulsionado por freqücntM crises
'"mcn:iaís bastante semelhantes, exceto quanto à regularidade. às fases
1lc11rcss" as dos ciclos econômicoo modernoo. Altm des>es fat0tts. havia
utnda a dt.\Cmp~eo sazonal que deix3va muitos trabalhadores sem
( 1nru·cgo durante quatro meses.

.. 11-.J , .)6

43
•k" rtoJUStc< i.alariais. O estatuto é importante PQrquc Ilustra o lato de
\llM! a fli.ca paccrnaHs.ta em que se inspiravam us atos da Coroa. jamais
'-"OlldU21u a medidas dõtinadas a elm·ar a condição de "-ida das classes
t rabalhadora.s. Embora os ntonarcas dessa época se sentissem obrigados
a protetil· l•s. tal como Sl'US antecessores medae<ais. julgavam que estas
.·l"™'> dtoeriam ser m:tnúdas em seu devido lu~ar. A fuaçlo de UlXas
im.U.in1u de rea,-uste salarial beneficia_,-.,. exch.isivamente aos capitalis-·
1.n. Cb magistrados que estabeleciam esses lin1itõ e zcla,am pelo
'--umprunen10 do estatuto pertenciam à classe dos empregadores. P·r m;a·
\cimente. O:"; hmiles fixados pelo Escaruto pl'O\'ocatam a redução dos
u lários R:ais dos trabalhadores. uma 'ez que os preços qua.sc sempre
'ubmm mais ràpido que os salários.
Para combater o problema do desemprego. dn pobNu.a e cl4 mendi·
<incin. que haviam adquirido prop<>l\c'ÕCS alarmontcs no Inglaterra. o
hrndo promulaou. em 1531eem1536. a lei dos pobres. A primeir> lei
o tabcl«ia uma distinção entre os ''merecedores.. e os "nrto mer~OO.
.,,,., Somente os pobres .. merecedores.. tinham direito n mendigar. A
~(lund<l lei tronsfcria para cada paróquia da log.latcl'T'a u respon.sab1·
hd.tde pela mano.rençlo de seus pobres. autorizando-a a reunir. alra\és
de -.:ontribuiçbcs \·oluntária.s. um fundo destina.do ao suitcnto dor;
pobl'C'o. Ambu .., medidas redundaram num fracas.o total Enquanto
"'"""'· (l "problema dO"Ç indigentes.. tomava.. se e-ada ,..ez mais V&Ye.
l'an:almente. em 1572. o Estado admitiu o pnncipio de que os
r<>l>res teria m que ser sustentados por meio de fundos fiscais. Decretou.
mL\o, um .. imposto para os pobres... de caráter compulsório. Em 15~6.
101 autori1..ada a criaçlo de ..casas de correção··. onde seriam interna.dos
"' " in<h.gen1~ incorrigh~i'i". As paróquia'i rcccbcram in~truçõe~ para
Uih."lccer ~sas casas de mat~rias- primas das quais ~ ocupariam os
n•l1 ~011l c. e 1a~bundos mais d6ceis. Muitas outras leiS 1>nra os pobres
f,,, .1111 prumu lgadi~ no perlodo compreendido cn~ mc~dol!I e o rinal do
.-11luXVI.
/\ U:i do• Pobres. promulgada pelos Tudor cm 1601. representou
•• nM k nlt1 liva de integrar toda a legislação ronccrncnle no problema.
tm um ún k o arcabouço legal Dentre as suas priocipai'l duposições,
lndui.t ·~ o rcconh~cimento do direito de os pobres re«btttm assi.stén·
ti• .a 01hran~ de imposros compulsórios para os pobres a nlvel das
l'<lr/1.1111 .. e a cbfcrenciação de rratamento para cada uma da• virias
•lfK'"'" de f>obre<. O< velhos e os doentes poderiam receber auxilio
t ,.,., ,"::l, a\; a~ crianças desamparadas. exc.eui"amente nO\-.S pa..ra se
111J1u('m cont0 .-prendi.zts cm algum comércio. seriam intc-madas: os
hr 111<1'\C<'édon:. e os desempregados únbam direito a rettber lr.lba·
egoísta~ e 1n1eressc1ras con~tituíam n r:v.ão de ser básica~ ~cnào única,
das ações rtati,,.ada) pcloi; hon1cn1..
Es.sa concepção do comportamento humano íoi su.stentada por
mu.ill>!. c.k>\ tscritorn cm1ne1ne do periodo. ~1uitos ítlósof<l\ e ~ricos
\Ociais pan13m do pnncipiu de que todo ato humuno estava rcl:tcionado
<.·om a autopresef\'aç.lo e. portanto, era. cm i;uo. essência. um ª'º
egoísta. O nobre iog~ Sir Robcrl Filmer espantou-se con1 o qu:1nti<1:i ..
de de pessoas que lala-.m "da lil><rdade natural d<I gênero humano;
uni:i opinilo no"'ª· perigosa e plau.\i"cl" com unplicações: an3rquistas."
Em sua obra U\'iatü. publicada tm 1651. Thomas Hobbes dtstn>1>h'eu.
em esriln ,;goroso. uma opinião 1mplantentc diíundida: toda\ as a1oti·
"ações humanas orig.inavam-se do desejo por tudo o que pron10,·csse o
.. impulso • ital" do oraanismo (homtm). Stgundo Hobbes. todas as
motha('i)n humanas. inclusive a compaixão. não passa"am de manifesta·
\"ÔC$ dis.s1mut..das de egoísmo: ''A 1ri~tcza. que um indhiduo 'ente ante
a calan1idade que se abateu sobre o p r6ximo é ph•dade. sen1imcnto que
procede da \Uposiçào de que cala01i<lnde sc1nelhnnte pode se abater
.. *'rc ele próprio: e assim este sentimento é chamado de ••• comraixão.
·-· solidariedade ... ··o _
Excctuancl-0--se ~ pequenos grupos de intcreuc que se beneficia-
'ªn> com as restrições e regulamentnçõcs imposta~. nesse perlodo. ao
t."omércio e à manuíàtura. os capitalistas sentiam-se de um modo geral,
'-"-\agidos e tolhidos pela inten-ençlo estatal. o que os la-ou a abraçar
\·ntusiasth.·amcntc: u ftO\a.s doutrinas incfuidualhtas- A ftlosofu. indivi-
ualiua acabou por conquistar o pensamento C('Onômico, inclusive o~
;•ro1>rio) mercan 1ilista~. Um historiador. conhecido por suri~ opiniões
,·.;iiutcl<»U. afirntou que "a maioria das politicns .. . mercantilistas par..
• i..ant cio principio de que o inlb"õse próprio perna a conduta indivi·
,fú~ .. .-·•-".
Q, C'4"Titores n1cn:antilistas eram. com raras exceções, C•pitalistas
uu tunl.'ionários dns t.'T:lndcs cornpunhias ro1nerciais capitalilitas. Era
no11urnl. portanto. qt.te cncarassen1 a~ moth·ações da condutn do:. capi-
1.1lhl.1...\ cumo moti\~ unh-e.ruis. Das idéi.l\ que os capit3listas
tmlwn a rnpelto cü natureza do hontem. da necessidade de <e libcr-
tArc:m da' restriÇ'Õ6 cconômica.s que 1olhia..m a realiz.a~ào de seu~
Hl'.,_,~\1o:io\ C()tidianos originou-se a filosofia do indl\•idualhmo, que Jan-
\tlo u' bo~ do liberalismo clássico. Contestando ns ordc:nada\ conctp·

11 t 1te l~ ..., ...


u '"""'' .,,'lltt ~ittl,
o.-.. -~ n tMtt9
l<i!!-!li p. 29
,...,., ,_..., n.-..,. ,..,. "'"'*"" ~ ""'ª ~

IJ 1 11• ,_. Hany K Gll'fC'lr, TJw L-.iwm... fl/' '-*'"-'""' IN-oq l«qu.e C11llwn. 1%3>.
•1·1
11 l~u.,..,.,.._,.,, p-"

47
..1. salvação por si 1ncsmo. mas son1ente atra\·és da Igreja. Daí provirlha o
poderio d() clero. A confissão compulsória. a imposição de pe.nitêncin~ a
Ioda popufa.ção ... bem como n prerrogativa de conceder a absolvi(•ào
C<Jnferia aos clérigos um poder assustador''... O poder que o clero
1.--onccntrou em sua.s mãos dificultou o abandono das doutrioas medie·
,;1 i~ da [greja cai61ica. que mantinha o individuo .subordinado à so-
ócdade.
Segundo a doutrina pro1estan1e da justificação peb fé. as Ololi,·a·
ç~s çram mais ünportantes que <1uai.squcr atos ou rituais. A fé era
.. nada mais nada menos que a verdade do coração" 11 • Todo homem
cJc\·eria escu1ar o que lhe dizia o córação para saber se seus a tos eram
Juo1h·ados por intenções puras e pela fé em Deus. O homem era o juiz
de si p1'6prio. A confiança que esta doutrina individualista deposith•a na
'-'on.::ciência pessoal de e.ada indh·íduo depenou profundo interesse na
ºº"ªclasse média dos artesãos e pequenos con1ercitunes. "O negociante
.111 ~éculo XVI e XVJI. de Gênova, Amsterdam ou Londres. consultan·
rio \CU cora~ão . descobriu que Deus havia plan tado ali um profundo
r«:\I>Cito peJo princípio da propriedade privada... Tais homens sentiam,
"º''m honestidade e fen·or. que sua~ práticas econômica~. a.inda que
.,1ivcssem em conflito com a lei tradicional da Igreja. não constituíam
,fonsa a Deus. Pelo contrário: glorilica\'am·no.. 1• .
Influenciados pela noção insi.s1entemtnle reafinnada de que o prõ.-
11no indi~iduo intel'jl~t~I ã ã 1ont<lde de Deus. os "puritanos· quiseram
,·,pintuali1ar (os novos) processos econômicos.. , chegando jndusive a
· tt.•r que .. Deus htwia instituído o n1erc.ado e o cân1bio'"". Foi apenas
uurn questào de tc!llpo para que os protestantes expuses:sem o dogma
•fuc 1.:~pera\·am fo~sc :1cei10 por todos. Segundo o novo dogma. radical·
1uc11 tc diíercnlt das doutrinas medievais. a melhor forma de o individuo
...11hfa1er a Deus era exercer com zelo sua missão na terra. A diligência
,, llcdicaçào ao tr:lba1ho passaram a ser consideradas como grandes
unu t!es.
1\ ,·clha desconfianca com que o cristianismo e1lcara"·a os rico!'> foi
' lrilduódn.. para uma condenação à extra\-agâncla e à dissipação
1l1•\ 11ccc~c;ár-Ja de riquo,as. A ética protestan1e atribuia grancte impor·
1.uu.:i;t :.1u ascetismo, à temperança t! à frugalidade. Um tcõlogo que se
k·dicou ao estudo das relações entre a religião e o capitalismo colocou a
nos seguintes termos; "A valorização religiosa do 1rabalho
•1•1t•\l1lt1

11o t lllhroplltt Ht.11., " l'rutot.u:lnm and 11t~ Rac- o1 C'apt1.111i-.m' ', cm. O 5_ Lamk~. c:djlOt
fll~ f(111 •r1'"'1tdt.M tNO\'il l;i.riitlt': Mian1IJ•n, 1966). p. -O
I' 11.. 1
11' "'•' p . .t&-c't
IY li•+J. r 419.
F<~ modo de pen•ar - as restrições impostas il pruduç4o e ao
i.:omérdo. no ll mbito de u ma o:lção. são nocivas ao in tere~~ da
"'>lcthid3de - dilundiu·>C amplomtnte. DO linal do século XVfi e
princip"' do sé.:ulo XVIII <endo n:•f1rmado cm~... de 'ários autores
•<n<'mados como Malyn.,. Pettry, North , Law e C hild''. Sir Oudley
North (164 1· 169 1) foi. sem dúvida . o primeiro a discutir cm termos
d.a.r('ls a ética incJj\.·idualist.i. que ha\t:ria de proporcionar as bases do
hh<'rah,mo C'lá,\1co. SesunJo North, os homens eram motivad~. antes
1lc tudo. pelo intere<sc próprio. Julga•• indupcnsá>el parn a maximiZA·
'ª"do bem público deixar os homens entregues a si mesmos. competin·
19o num mercado li\--re. Nonh sustenta\--a que~ mercadores e capilalis-·
1.-. que reivindic•m leis especiais para regulamentar a produção ou o
utmérc10, " tendem geralmente a considerar stu interesse in1ediato
"'m" a Medida do Bem e do Mal, extensiva a todo<. Muitos se
pf'·ocupam unicamente em aumcnt.ar o lucro que rc1iram de seu
t ,,mércio. pouco se in1ponando com o sofrimento d~ outn». Todo
h1\ll1Cm se esforç"a para que os demais sejam obrigad0$, na condução
t' · negócios. a aa:ir subsc~ienlemente cm pfO\cito do seu Lucro. desde
~u al''bena~ pc_lo.Púbhco".Z• A melhor maneira de promO\-CT o bem
lümum. afirmava Nonh. era suprimir a maioria das leis restritivas que
'""reri:tm prh~JiiOS especiais.
1 m 1714. Bernard Mande1'ille publicou "A Fábula das Abelhas:
Vocios Pri,ados, 8endldos Públicos" (The Fable of the Bees: or
/•u1 au• Vices. l'ublick Bene/its). onde faz afirmações aparentemente
I' 11 11h)'(Ois: se todos praticnsem os \·ícios considerados mais degradan-
t 1.. ·1.-. •elbo códico moral. o bem comum sairia lucrando. SUSlcntava
11t" " CJ.!'OÍ~mo. a ova.reza e o desejo de adquirir riquc1..as toma,·nm os
111111u-11' mais ind\l.;trioso~ e faziam prosperar a economia. A lógica do
1· 11 ohno era C"\·1de.nc. nquilo que os moralistas medie'-ais considera·
,·omo 'icios constituiarn a!> forç:u motrizes que impulsionavam o
11n\ 11 \l\lcma capitalista. A filosofia cconômica. moral e religiosa favo-
'AH•I ln' capltaJi-;mo nào mais encara\·a tais n1otiva~'ÕCS corno vícios.
1>ul'lllltc todo o período mercantilisu.. as capitafutas lutaram coa-
""., h·,1riçõcs que dificulta,·am 1 oblenção de lucros. Essas ~1rições
'"'''º"'º' por leis patemnJU,ta~ eran1 os vestfgio11 d.a \·crsào med1e,·nl da
'"'• 111urmah\ta cristã. Tornou·se intpossi\êl conciliá·la com as nect:S·
b te .e.o"º'º ')istema cconômico. cujo funcionamento \C basea'a não
h rn lnc-ulo:S 1radicionoiis. mü cm obrigações estritnmen1e contra...
h tolt• pc~;a~.;.Qs n1crca.dores ccapitali~tas. que i.nve,llnm 'uh osas

lt6.l ,. '
1ll14P,_. ...,." l.tf;k~. cdiw. TAr \ar.iaH.11 (~d• ..... 1 i'""" I~
l'flllJ, ..... 11!.S.

OIBUOTRC A DA PACU~DADE
01! Cl.SNCIAS çQMTÃB~S E
SI
DR ADMINl.STIL'ÇÃ O 08 V AR·
CAPITULO IV

O Liberalismo Clássico
e o Triunfo
do Capitalismo Industrial

Há um tem• comum a todas as obras dos escrit<>tt> mcrco.ntilistas


l •nali<ada. na parte linal do capitulo un que os distinBUe dos escritores
liberais dás~icos posteriores. Os mercantilistas defrndiant a limitacão
""' re<~s • regulament~ões internas, mas eram fa•Ori•ci\ a uma
r••litica So••mameatal ath a. destinada a ampliar a participaçlo comer·
.;,,, d.t Inglaterra nos mettadas intemacion.U.. Já os b'berais cl.Usicos
pr<>pugiiaum pela liberdade de comércio tanto na esfera internacional
'luanto na esfera dom&tica. Nesse capítulo. examinamos como as
111utl.anças ocorridas na posição comercial da Inglaterra lcv~ seus
r.:onominas a ra,-orecerem o li\-,.e comércio.

A Revolução Industrial
Entre 1790~ 1ZiO. os m~r<:AQos estrangeiros di\ponheis para os
prudut0> fabricados na Inglaterra cresceram muito mais rapidamente
°'
•111c mercados domb.;ticos. No periodo comprttndido entn 1700 e
17!-0, a produção das indú>trWi que atendiam o mercado domblico
l"r.:,«cu '~• e a da> indústrias de exportaçlo, 76~. No perlodo
1750 17"0, es~s índices foram de 7% e 80%, rnpccthamc:nte. O
1A11id<> <"tt>eimcnt" das exportações de produtos manufaturados íngle"'s
l 11 ~ ,.,.~ mai> imponante de uma transformação decish a na IU>tcíria
1t1 ho-m: a R"'olução Industrial.
No .tculo XVIII. a Inglaterra já dispunha de um mercado bem
rnoMJ.>. Os pm:onccitos. atitudes. e i(j.,ologi:ls tndicionai>. hostis

53
\'egctal. Conrudo, as floresw que antes circundavam as minas ele ferro
haviam sido quase totalmente dovastacbs. A Inglaterra foi obriaada a
imponar !erro fundido de suas colônias. da Su«ia. da Alemanha e da
Espanha. Em 1-0'I, Abraham Darby de><nvoh~u um procuso que
permitia extrair do cao•ão mineral o coque. material que passou a $CT
utilil'.ado 110 prottSSO de fundi~~o. em lugar do t31"lo vegetal.
Apesnr da rclatha abundância de can.lo mineral nas proximidades
das minas de ferro. !.Omente no final do século XVIII (com a grande
npanslo da produção de armas e munições para fins militares), a
indústrio siderúrgica começou a empregar o coque em larga escala. O
crescimento da demanda favoreceu o .S-nvolvimentO do processo de
pudlagem. o q.W eliminou o excesso de carbono deuado pelo coque. A
introdução desse nO\O procHSO deu origem a uma stric de inO\ações,
entre as quais a la.minnção. o alto·fomo. o martelo a vapor e os lomos
mecânic-os para metais. O conjunto destaS invenções acelerou a upan·
'ào cbs indústrias siderúrgica. e da mineração do canão. o que
possibilitou a &fusão de máquinas fabricadas com !erro por 'ários
ramos industriais..
Em muitos outros seto~ industriais. os empresários perceberam
que. aumentando a produtiüdade e. ao mesmo tempo. reduzindo os
custos de produçio. era possh"d ampliar a sua m~m de lucros. Esse
periodo caracteriz.ou-$e por uma .. n~rdadeira explosão de ath-idadcs
in"cnti\'as" :

f>vu:w a wpruâ ..udc do sCcuJo X'\'UI, o~ pelas i:oowaçh-s tÓl.'S'UCU a.dquiriu


pmport6a extnon:b:airi.11. Nos ct:llll anos qut ~rmi 1~60. hou,·e uma Meada
nttpnOr1al cm que foram ttgi.nradas 102 patenu.•s. O número de pttcnte5 rcgistrad.u cm
tilda dkada 011cilou eatreo mJnimode 22 ( 1700-1709) e o máximo dt 92 ( 1 750-17~). E:m
ulmpcaW(lo. nos trinu. anos sc;.bsiltqkntr1, • média de pateosa tq:istradu., Cl'lit loi de
li~ aa diada dt 17o0. wbhl pua 19-4 •• dicada de 1770. e pen 477 aa dikada dr:
.~..o•

Oaç ino\•ações introduzidas neste período, a mab intportantc foi.


\c.~md1.h·ida. o desenvolvimento da mi.quina a vapor. As primeiras
m.íqu1nas a 'fapor con1eçaram a ser utilizadas industrialmente na
tl«2d• ele 1700. Contudo. eram tanias as dificuldades mednicu que
..-u """ficou restrito ao bcmbeomento de águas nas minas. Em 1769.
fome• Watt projetou uma máquina com especificações extremamente 1
prt,·1"1.), cm qu~ o impulso ~tiHneo de um pisrào podia ser con\ertklo
e111 um movimento ro1ath·o. Um fabricante de Birmingham cbantado
lh111ltvn inierCS50u-se pelo pro,e10 e associou·se a Wan. Com os rec:ur-
r
55
dominante do capitalismo'. Muitas das idéias do liberalismo <lássico
haviam deitado raltc< e mesmo conquistado ampla aceitaçlo no per1odo
mercantilista. mas foi somente no final do século XVIII e no século XIX
que o liberalismo clássico dominou definiti,..amente o pensamento poli·
tiro. econ6mico e social na Inglaterra. A ética patemalista cristl
continuou sendo ddendid2 por muilOS autores da nobttU ou a ela
aliados, bem como por muitos socialistas. mas agora enquanto perspec·
tiva de uma minorí1 d.issi<kntc.

O Credo Psicológico
O credo psicológico dos ideólogo$ do liberalismo clbsico baseava.
se em quotro pressupostos sobre a natureza humana. Todo homem,
dizi1.11n cJcs. ~ egoista, frio e calculista. essencialmente inene e atomista.
(Sobre a discuss~o da teoria de que 3 natureza hwnona 6 hurinsecn·
mente egoísta. >er capitu lo Ili). A tese sobre o egolsmo dclcndid• por
Hobbes forneceu as base• desta concepção. Os fil6solos posteriores,
sobretudo Jeremy Bentham. matizaram· na ron\ as cores do hedonismo
psirológ><O, sustentando que todas as ações são motivadas pdo desejo
de obttt prazer e evitar a dor.
"A natuttU. escm'l!u Bentham. submeteu o gênero huma.n o ao
domlnio de duas autoridades soberanas: a dor e o praur ... $otn0$ por
elas 80'U'llªdos cm tudo o que fattmOS. cm tudo o que diurnos. em
tudo o que pensamos"". Os prazeres diferem apenas quanto l intensi-
dade. não há dilere~as de qualidade: "Sendo idêntica a quantidade de
prazer. tanto fa.t. jogar boliche como fazer poesia". A teoria de que as
motiv~s humanas são essencialmente egolstas foi endossada por
muitos pensadores eminenies desse periodo. entre os quais !oh n Locke.
Bernard Mandeville. David Hartley. Abraham Tucker e Adam Smith.
A;. idéias de Smith serão examinadas com detalhes mais adiante neste
capitulo.
Os ideólogos do liberalismo clássico atribulam ao intelecto humano
um papel extremamente significativo. Embora todas as 0101ivações
tenham origem no prazer e na dor, as decisões que os indMduos tomam
qu3nto • que pra1.ettS ou dores buscar ou e\o;tar basciam~.se numa
auliaçlo fria, desapaixonada. racional. das situações. E a razão quem
d113 li. necessida~ de avalin todas as alti.mathas que determinada
J uiaçio coloca para que a ...,.,lha recaia sobre a que olerece o máximo

57
trabalhar pela própria sob""'i•ência, preferindo vncr il< roscas de ~u\
indu~triosos ,1.zmhos ... , ••
Os liberai~ clá~sicos estavam. no entanto. pen.11adidos de que: o~
homéns de "posiç~o superior" eram moú"ados pela iimbição. Essa
dií<.'renciação d~ homens em ca1cgorias diversas traía um eli tismo,
impllcito cm suas doutrinas indi..duolistas. Para assegurar a colabora·
çlo, isto é. a dcdi<açào e o cslOn,'<> da "elite" os lii,,,rais clássi,"OS
íulgaçam que o "'\tado de>"eria conttder absoluta prioridade à prutcçlo
da propriedade pri• ada. Embora o argumento "' apresentasse invaria·
\'Cln1ente como '"um argumento destinado a garantir para o crabalhador
os írutos de seu trabalho. tornou-~e uma das principais apologias da
1n<1ituição da prupriedade privada. de um modo !l"ral'".
Ouanto ao último dos quatro pressupostos. o atomi.>mo, dizia-se.
que o indi,iduo constituía uma ttalidade mais fundamental que o
IJ<rupo ou a sociedade...A prioridade ... (era) ... atribuida aos dcrradei·
ros eomponent•• de que se eompunha o agregado ou o todo; tais
componentes confiitituiam 2 rcalid3de rundamentaJ•''.Ao adot3rem estn
ncxllo. os Hberaís clássicos reJeiutv:un o conceito implkito nn éticil
paternalista cnstl. segundo o qual n sociedade era uma espé<:ie ele
família em que o todo e as relaç«s que o compunham tinham mais
1mponância que ~ indh;duos. As con\-icções indi\idualistas dos libc--
rai~ eram incompa1h·eis com o 'ator que a ética paternalista crisrl
Jlribuía aos vínculo~ humanos e pessoais. O gru(>O era nada mais nada
menos que • >Oma do• indivíduos que o compunham. As restrições
impostas pela ~iedade aos indh•iduos eram. por princ-lpio, um mal, e
..õ de>fam ser tolttada' quando um mal maior pudesse resultar de $\JO
, ' sência~
A essa psicologia atomista pode-<e opor outra (l>icologia de cunho
maís social. segundo a qual a maior parte das caracterí~ticas.. hábitos.
modos de pe1·cebcr e pensar os proces"'s relacionados A 1-ida, bem como
º' traços geraís de personalidade do~ lndh·íduos sã.o in íl ucnciado!.. cm
~rau significaú• o. quando não detcm1inados. pelas instituições e rela·
ç ""5 sociais das quais os indh iduO'l laLem parte. Já a (l>icologia
·"mista encara a formação do 1ndi' iduo como um processo exterior t
1.clcpcnôrnte. e por extensão. considera as instituições sociais ao
r1h·,mo tempo cumo instrument~ e criação do~ individuos4 Segunda
'ti1 vi~ão. a sociedade existe apcna~ pnrque é útil. pois, não foi,.:,c por
u a utilidade. o.;; índivlduos seguiri:un seus própri~ C3.miuhos. d~car·
f All:licft \J 0....- ,....., • .,,,,, h.W... O,...-""~ 1_• td.- (~ Maa.ra•,
,,~... r JIU
a Gwwq, • · nL. p SO.
• IW.. P- 'I

59
capital e.tão \Cmpre procurando o emprego que lhes ofereça o maior
retomo monetário possiffi pelo seu trabalho. Se ambos. capitalistas e
trabalh.1.dores. licassem entregues à própria sorte. o intettSSe pr6prio os
ie.am. a cmpreaar seu <>pital ou seu trabalho onde este lossc mais
produti•·o. O Interesse pelo lucro faria com que a escolha recaís.e
naturalmente sobre a produção de um bem que -=PQnderia à
n~dc da' pcuob e que elas estariam c!.i>po5tas a adquirir.
Assim. Smith e. de um modo geral. lados os liberai> dissicos se
opunham a que uma autoridade ou lei determinasse o que dc\·eria ser
prodULÍdo. "Nlo ~ da bene ..olência do açougueiro. do cervejeiro. do
padeiro que Clpcramos DOSSO jantar, mas de sua preotupoçlo com o seu
próprio interesse'"', escre•eu Smith. Os produtores dos mais variados
bens devem concorrer no mercado e disputar os d61ares dos consumido-
res. O produtor que oferecer o produto de melhor qualidade, atrairi
nulis consumidores. O interesse próprio o Jevo.J·â a aprimorar consran·
t~mente a qualidade de seu produto. O produtor poderia também
aumentar seui lucros rcdlllindo ao máximo 05 custos de produção.
Desse modo. em um mercadc liwe, no qual os produtores. movidos
pelo deseJO egob11 de ob•er mais lucros. concorreriam entre si para
airair o dinheiro dos consumidores, o capital e o trabalho seriam obriga-
toriamente, por lorça do próprio merado. investido& da lorma mais
prodllli•·a, assegurando a produção dos gêneros occnsários e desejados
pelos consumidores (o que se tradutiria nas possibilidades e na disposi-
çllo manifestada pelos consumidores de compri-los). Allm disso. o
mercado levaria os produtores a aprimorar conslaote111C11te a qualidade
etc seus produtos e a organizar a produç&o da forma mais eficiente e
mcnoo chspendiosa possível. Todas essas ações berlificas seriam a
d«orrfntia direta da concorrência entre homens egobias, cada qual
agindo cm seu próprio inieresse.
Isso nada tem em comum com o mundo "solitlrio. pobre. tOl"Jl" e
l>cstíal" imaginado por Hobbes, e que ele atribula d concorrêncin entre
º' homt.n~. A milagrosa instituição social que tornaria poss1vel o
<JUJdro concebido atim• era um mercado livre de toda e qualquer
rc\triçlo. o livre ÍOIO das forc;as da oferta e da procura. O mercado
•Miria. segundo Adam Smith. como oma "mão invislvel". canalizando
•• motl'~s egolsus e interesseiras dos homens para atividades
111utu.amt:nte complementares que promo,-eriam de forma harmoniosa o
b<n~tar de toda a liOcicdade. O luncionamento de-. mecanimios
ln1plkna a supressão das regras. <lrientações e restric-õ<s de runho
flAIC'rtWi ..ta. e nis.so res.idi.1 o seu maiclf" encanto. Em uma economia
.,,,_,,.
61
produção de determinada mercadoria. Parn que o divisão do t.rabalho
fosse levada a esse nhel , seria necessário que os trabalhadores dispusós·
sem de ferramentas e equipamentos especializados, e que todos os
estágios do processo de produção das n1ercadorias fossem reunidos em
u1n mesnto Joca1 e submetidos a um contTole, como acontece, por
exemplo, numa fábrica. ConseqOcntemeote, uma d ivisão de trabalho
cada vez mais complexa requeria acumulação de capital sob a forma de
ferramentas, equipamentos. fábricas e dinheiro. O capital proporciona·
ria também os sal!rios para a manutenção dos trabalhadores durante o
período de produção, antes de o produto de seus esforços coordenados
chegar à Iase de rea.lizaç.ão, isto é, ser vendido no mercado.
A fonte da acumulação de capital eram, evidentcrnente. os lucros
detidos com a produção. Enquanto a procura se n1antivesse suficiente·
mente elevada para absorver quantidades de produtos superiores às
quantidades produzidas, os capitalistas continuariam in~'estindo seus
lucros com a finalidade de expandir seu capital. o que resultaria numa
divisão de trabalho cada l'CZ mais complexa. O aprofundamento da
divisão de trabalho, por sua vez, possibilitaria índices mais elevados de
produtividade, maiores salã.rios, maiores lucros, maior acumulação de
capital e assim por diante1 -nun1a espiral ascendente e interminável de
progresso sociaJ. O processo s6 seri,a_interrompido caso a procura se
tomasse insuficiente para abson·er a quantidade de produtos oferecida,
paralisando assi m o processo de acumulação de capital e do aprofunda-
mento da divisão do trabalho. A regulamentação governamental da
economia, à imposição de quaisquer ·restrições que tolhessem a liberda-
de do mercado teria apenas o efeito de provocar a retração da procura e
de interromper o processo de acumulação de capital antes do tempo
devido. Definitivamente. não havia lugar para a intromiss'ão paterna-
lista do governo nos assuntos econÔmicos.

A Teoria da População

' A teoria populacional de Thomas Robert Malthus ocupa um lugar


Importante entre as dou trinas econônúcas e sociais do Hberalismo
clássico. Segundo Malthus, os: homens slo. e nl sua n\aioria, movidos
por um desejo insaciável de prazer sexual. Em conseqOênc:ia disso. a
população naturalmente, isto é, quando não estlí submetida a co11trole,
tende a crescer em proporção geomêtrica - ou seja, a cada geraç.ão, a
população cresceria oa proporÇAo 1, 2, 4, 8, 16 e assim por diante. Em
c:vmpensação, a produ~~ão de alimentos, na melhor das hipóteses, cresce

63
°'
tudo. devuta..,,_ C<*ka.ar o uso de> miedic:al'DCTltOJ opediill;oe. q_Dt. a.at.IJ:•rn tlato.
devastadons das molfsti:.u., e cmu.1niar. tamb&n ot homau ~tel. mas prolun•
duncat.c ~J'llOC&dol.. qw julp.m pruw .crudcs k"~ & bumaaida.de quudo elabo-
ram planoJ pen Ubf'S>U ckSttmi.Dadu enfe,..d.a.cties. Se, por ases e OUtftlll • u
xmdhaatiiti. oO=f rduMrM'!f êilatu • ~ dr rnort&bdade t.l:Kl.al. ~mntt qaa.J..
qua- o:m de: n6l poderia casar ainda aa puberdade. e mamo ~ pouec. ~ de
JomcU,

Malthus acreditava que as massas eram incapa:zes de respeitar


restrições morais. única soluçAo para o problema populacional, o que as
condenava a viver, para sempre, ao nfvcl de subsistência. Afirmava que
se. durante uma geração, as rendas e riquezas lossem redistnõuídas.
acabariam sendo dissipadas pelas massas. em conseqüência de sua
devassidlo e incapacidade de conter o crescimento populacional. Ao
fim desse pelioclo ,.oJtariam a ser tlo pobres e destituídos quanto eram
antes.
AS 1t1ic:iauvas puernalist&s, destinadas a remediar a silu11Çlu 00.
pobres. estavam fadadas ao fracasso. Malthus as considerava nocivas
poTque privavam de suas rendas e riquezas os homens de condiçlo
superior (e de moral mais elevada). Os homeos de condição social
superior eram responsáveis, quer por suas ações pessoais, quer pelo
apoio prestado a outros, por todas as grandes realiz.ações da sociedade.
A arte, a música. a füosofia, a literatura e todas as csplên<Udas crioções
culturais da Civilização Ocidental deviam sua existência ao bom goS1o e
l generosidade dos indivíduos, que compunham a nata da sociedade.
Tomar o dinheiro desses homens CTI o mesmo que secar a fonte dt onde
emanavam tais realizações: utilizá-lo para aliviar as condições de ,;da
dos pobres era para Malthus um exercido lútil e inconseqüente.
e 6brio que a teoria populacional de Malthus e as teorias econômi-
cas liberais cood.Wam a wna mesma conduslo: os govunos paternalis-
tas deviam renunciar a qualquer tentativa de. em 00U1e dos pobres.
intervir na economia. Moda hoje, muitos defendem as i~ias de
Malthus, Insistindo em que a pobreu t culpa dos pobres, que tem
filhos em qunntidade excessiva, e em que llJlda se pode fazer para
extenninê.·la.

O Credo Polhico
As doutrinas eamômicas e populacionais do lt1>cralismo clúsico
dadobram-se, naturalmente. num credo politico que rejeita o Estado
ou o gon:rno, considerando-o om mal tolerivcl apenas, quando nlo

0u~: I~ ·=·
.houver outra lorma de e.itar um mal maior. Essa aversão pelo Esudo
M&llbus. Ú#1 °" rH ,.,,M.,,,,_ .t ~- "f'OI. 2 (f'toq l0tq1M

6S
Sn11th. agindo e:m seu próprio interesse. prestariam os melhores serviços
à S<ldedade.
A forma como O!io liberais dássicos interptt-laram a teoria de Smith a
re<pcilo das cm
funçlles de um governo deuou claro que não hcsila•am
em endossar ~ atos de um go,emo paternalista desde que ales
beocficias.~m os capitnlbtn.$. E assim ... a dou trina do laissez·/alr-e .. .
até então entregue aos cuidados de inte lectuais como Adam Smith .. .
passou para a custódia dos hom"'1• de nci.'6cio. du indústrias e dos
porta·,·ozes que assalariavam"'...
Oe inicio. a exigência de que o governo protegesse o pais contra
ameaças externos foi estendida, no final do século XIX, de modo a
abarcar tamb~m a proteção. ou mesmo a ampliaçlo dos mercados
externos, atrués W. coerção otihtar. Em segundo lugar. a função de
proteger os ciW.dãos contra "injustiças" cometiW.s por outros cidadliOS
ganhou uma nova cono1ação: pro1cger a propriedade privada. garantir
o cumprimento dos contratos e preservar a ordem interna. P roteaer a
propriew.de pm·aW., sobretudo a propriedade de fábricas e cquipamen-
tOS. é. c:,1dentcmcnte, o mesDlO que assegurar a condiçlo sine quo non
do capit:ilismo. Por serem os proprietários dos meios de produçlo. os
capitalistas detinham o poder polltico e econ&mico. Atribuir ao governo
a fuoçlo de proicger as relaç<')es de propriedade significava atribuir-lhe
a missão de proteger a fonte de onde emanava o poder que faziA dos
capitalistas a classe política e economicamente dominante.
A funçlO de zelar pela execuçlo dos contratos era também esscn·
C1al para o bom funcionamento do capitafumo. A complexidade da
dl'isão do trabalho. da oreanizaçlo • coordenação da produçio, bem
como os in,•estimentos colossais de e.apit ai cm muitos empreendimcn1os
conlerciais. requeriam a existência de mecanismos que as.segurnsscm
aos capitalistas o cumprimento dos seus compromissos contratuais. A
noçlo medie-al de que os costumes e a.s circunstâncias particulares a
cada caso definiam as obriga,ões dos indfriduos baYu1 se tomado incom-
path·el com as necessidades do capitalismo. Em vista diss<l a execução
dos contratos, indispensi,·cl para o funcionamento do sistema capitalis·
ta transformou-se em de>·cr de Estado, eJ'en:ido por meio da coerçlo.
A presernção da ordem interna sempre foi considerada uma
lunçllo necess6ria. No final do ~culo XVIII e no principio do ~culo
XIX, contudo. a defesa da ordem interna significou na maioria das
\'C7.e5 o esmagamento brutaJ dos movimentos sindic:ais ou ao caso es~
<;lico da Ine~ltena. do mo,;mcnto cartista. que eram encarados pelos
c.-apitalistas cunlo sérias ameaç.as às suas lucrativas atividades.

67
!I'" ntt'I tlonlinante, fa10 decisi:\.·o para explicar o triunfo do liberalismo
1• 'º• 111t..logia da era inaugurada pelo capitalismo índuslrial.

Resumo
A pn"•ào da dcmanda. em rápida expansão. e a> persptttivas de
l~um <k•adoo. produziram. no final do século XVIII e no principio do
tkuto XIX. uma ..,...erdadeira explosão da athidade ln\.'t'ntha··. f\:cssc
t 110,"-1 1k profundas ino\ ações - que se convencionou chamar de
1

li wl11<;lu Industrial - a lnglatena (e. posteriormente. a Europa


l•I 1 •,J r a América do None) traosfonnou-sc numa socicdack urbana
t 111]11 .. 1.1pnr grandes cidades manufatureiras-. nas quais mulddões de
tf •l1~lt · a• hH'C\ crttm submetidas à disciplina desumaniz.ndora da pro-
l"1•· l•hril
~ , '"' rierlodo. a ideologia liberal clãsska conquistou. definitiva-
" pe nsamento económico e social. A nova ideo1ogi:a. caracteri·
homens como indivlduos essencialmente egolstas, lrios. calculi$-
•~·k ntC$ e.
de um modo geral. independentes ela sociedade a que
••m A análise de Adam Smith sob"' o mercado. concebido
n1 a .. mão in,ishel.. que can•llizava as moth·aç6e.s qoistas dos
m•n• para ati\iclacles de maior utilidade 50Cial, proporcionou os
f 011d.n1tnlo> ela doutrina do loísstt'fairr. Segundo essa filosofia compe-
• • gmcmos assumir exclusivamente as funções que ~aldassem e
""'"ª"'\C'm ti atividades h1crath·as.
t rulmcnte. a teoria populacional de Malthus concknava as medi-
IJ1 oocui• destinadas a mitigar o sofrimento dos pobre.. nlo apenas
p 1 ·n1 inúteis, mas também por suas corueqllbcias socialmente
n; .. 1, , •ccitação clessa •isão implicava renunciar ckfinithamente à
11 11 1 'il• rnah )tl cris:tà.

69
CAPITULO V

As Doutrinas Socialistas
e a Revolução Industrial

,\ l<<•oluçlo Industrial elevou a produtividade do trabalho a níveis


m ''''" dt:ntcs na história do homem. A multiplicação das fâbricas e
1 11 1opl u talb,açlo de máquinas constitulram a base mecânica dos
1 " ' "" • produtividade. Contudo. a canalização do potencial prodo·
onomia para a aiação de bens de capital CJCÍ,8.lu que uma
ll»m<ntt m•nor desse porencial fosse dedicada l produçlo
<'Onsumo. A aquisiçlo de bens de capital lcz·se, ponaoto, a
' ..ac1al ele,·ado. resultando cm grandes privações para u

Os Custos Sociais
da Revolução Industrial
A c'Cpcriência tlis16rka demonstra que scnipre que as sociedades
1111 • '''""'nt obriaar pane de seus membros a apertar os cintos e n viver
t • 111... rl d a i.ubsistência, foram os de menor poder econômico e poütico
p u• lh ·r.an\ que arcar coro os sacrifícios. Foi o que aconteceu na
l o~l •h ' ra, à época da Rcmluçlo lndustrW. Em 1750. a closse 01>0rirí•
~ 114 C"m \.:t.mdiç6ts extremamente precárias. próximas a.o nh~I de sub-
1~11• e .eu nlvel de vida (avali.ado cm termos do poder aquisiti'ro
~ ui • ..,) deteriorou· .. durante a segunda metade do s«uto XVII . A
do padrlo de -rida da dasse operiria. nas prímciru dtcada.s
• XIX . ~ obje10 de discónlia entre os historiadores. O lato de
if 111 \\ pbquis.adorcs de renome tenham encontrado provas concrc--

71
O •lstcma Cabril insraurou a tirania do relógio. A produçlo foi
mecaruuda. Sem umn absoluta regularidade. seria impossin:I coorde-
n1r • complexa interação dos processos e maxjmjz.ar O USO da.s DOY&S e
di•rendious mlquinas. O ritmo do trabalho Já nlo dependia do
honKm, e <im da máquina.
A m1q11ina 1ransformou·se ao foco «atrai do prwem prod111i'ro
ln•oncndo a situaçlo que p,,,.,.alec:iA ant~11tc: deiJ<ou de ser o
apfodk.-c: do homem para submetê-lo à sua fria, impld•·el e desp6tica
dnn11n1çlo. No final do século XVTII e no principio do skulo XIX,
«h>dirnm •Arias re-oltas espontâneas, as ..,.·oltas ludistas. conlra o
•litoma fabril: multidl)cj de trabalhadores arremetiam-se contra as
111A4ulnas e as instalações das fãbricas. destruindo o que julgavam ser a
r.u .. de seus sofrimentos. As últimas revollas. ~u!ocadas cm 1813.
,, •11ltarnm no enforcamento de muitos trabalhadores e na deportaçlo
11• tuullos outros.
NA< fábricas, o emprego de mulheres e de crianças tomou-se, por
••riu• ra<lles, muito comum. Primeiramente a divislo do trabalho
1l 111ph!kou e rotinizou de tal modo a maioria elas operações produtivas,
'l"" •• mulheres e crianças, ainda que despreparadas. estavam •m
w111llç'les de exocuti-las tio bem quanto os homens. Em segundo
furar. '" sal!rios que recebiam cnun bem illfcriores aos salinos pagos
- hornau. Al&n disso. muitas TCUS a famllia era obripda a t.r aba-
lhu para sob...,.;vcr. [)q>oís, muitos l'lJlPrcslrios preferiam aos bo-..s
•• mulh<:res e crianças pois era mais fácil reduzi-las a um estado de
ol!<'<litncU. pasoiva. Para tanto, muito contribuiu a ideologia difundida
na fpo<·a de que as mulheres Yirtuosas eram mulheres submissas.
A• <rianças csta,.am ligadas às fâbricas por contratos de aprendi·
1~-·••· de 7 anos de duraçl!o. ou até que completassem 21 anos. Em
1<1•1. ~uase nada recc:bíam como pagamento pelas lonaas horas dcdica-
cln "' trabulho sob as mais penosas condições. A Lei dos Pobres
111!rtlu •• autoridado.• poder para entregarem sob contrato, às !Abri·
••. , " filho> dos indigentes. Tal prerroga1in deu origem a " barganhas
r•wu ttt'\ . (tm que) as crianças eram ncgociaW como meras merca-
1

di,t 1• c-ntrc os flandeiros, de um lado. e as autoridades que;. e:rccuta·


01o1 a lxi dos Pobres. de outro. Lotes de cinqüenta. oitenta ou cem
rllul(ll\ c:ram en\·iados. como gado, para as fábricas. onde pennane·
am rnd.ausu.rada.s por vários anos··2 •
A• <rianças e•ta'"m submetidas à mais cruel das sc"idões. Isola·
u da•lud" a quem poderiam inspirar compaixlo. lica,am • mercê

73
\kvlo XlX; • poawçio do u- e: da la'ua.. ou u doenças iakStinaiJ e tft'Pint6r\as ... tu
.........- dai DO<U - ... .;.i,.,. oplah&daS tm - - ...- . NÍo
•"f)«10 drllotador ~ o COf"llC.lo d6qudc:$ que a aTCQ.turavam a ob.tnl..ao.,.
•A -.,.ao cpua llÜlag:d'. -..... o .....de liô<nl &a.olis de T_.m. r<luia•
•lrHc a 'ludllnlu. ..e o bomem eMfiudo n;iride quuc: ao d:tado dt ~ "''.
Entre estes roniços, ba•ia um diruito de: Glasgow que, tqul)do o
relato ck um comissário governamental, abrigava:
um. popuhçlo flutuaa11C qYe •ariava ck tS.000 • 30.000 pc$SOaL ESSt discnto compõe-se
1tt- ...rw N•.s cstrehu e pJ.lios quadrado&; tio ccotto dt cada pitio, hl uma esterqueira.
O upoc10 cx.lcrlor dcsseS loca.is era rtJl'l,1l:dvo, m1u o pÍQI' t1tava por vir. n olo ~Uiva
fl~ando para a sujeira e a m~tla Q\le cncontraria oo interior das casu. Em &lguns
4uanat de domiir que risitamos l ooilt, deparamos com m-i.tltiOõeS de a.ente •P•lhadaS
1wkt cMo. Dormiam ai de 15 a 20 homc:m e mulheres amootQa.dos., wu YUtidoc, wlrot
""•- Rans e.ram a.s mobJias e a únka ooil.a qu.e dava a c:sm ~- a ap.atfad.a de uma
ni........_ tt11 o foao a:rdmdo na lattb-a. O roubo e a prottibür;.lo OOMrirucm • pri.ndpab
f.11111n • renda diess.as posoas •.
A riolcnta destruição do modo «
•ida uadicional dos ttabalbado-
rn. a dura disciplina implantada sob o novo sistema fabril combinada
l• rondições ckplorá\""Cis de •ida nas cidades guaram muita inquietaç.l o
J••litica, econômica e social. Ln-antes, motins e rebeliões propqaram·
... numa reação em cadeia nos anos 1811·1813, 1815-1817, 1819,
111211.1829·1835. 1836-1842, 1843-1844 e 1846-1848. Em muitas resiões,
r,lit\\ sublevações tiveram um caráter puramente espontân~ e buica·
mrnte econômico. Um dos participantes dos motins de 1816, ligado aos
1 rn' exclamou: "Aqui estou entre o Qu e ã Terra. Ajudai-me Deus.
Anto perder a 1ida que retomar para casa as.sim romo estou. Plo eu
qutm. pio terei' . Em 1845, um norte· americano chamado Colman
n<·~cu a respeito dos trabalhadores «
Manchester as stguintes .
••l...-n-açl)es: "lnlelius. ckfraudados, oprimidos. naturen esmqada.
"'~" destroços sangtentos recoôrem a face da sociedade".
N!o resla dúvida que o capitafümo Industrial foi erigido à cus1a
•'~" \Ofrimeotos e das privações da classe operária, cujo acesso aos
111110• do desenvohimcnto econômico foi negado. Para ampliar a sua
llhH~rn de lucros. os capitalistas sub1netcra.m ·na aos mais degradantes
, ....,...,.. A razão fundamental dos grandes males que caraelerizavam
nw pcriodo foi "o poder absoluto e irrefrúvel dos capitalistas. Nessa
rra l1<·róica de grandes empretndimentos, W poder era reconhecido,
•1hn111do e mesmo proclamado com uma franqueza bruu.1. Nínau~m
tk»I& w: meter nos negócios do patrlo, que se sentia livre para fa.z.cr o
ti~ b m eoteodes:5e. julgando disponh-el qualquer outra justificati•a

" .......... o.. . . ai.. p. '"·68.


• e ··~ J)CM' F
11..- . t'1511).p. <i.
&ada, n.r ~ f//f ,_,. w.n..,.. a.- • &fhuwJ it JM4 ""'°'ª IClfqw.
' ( •lackl por U.....a. op. "''" p. 7.a
1 '""'· p, 75.

75
•llm"""'°
fmli(•
dc ~k> por- su1 dcu-uuwa e- sofrimt'ma. ~ ~ esperar ,..
ran.stcatc ~ obRr ama •uôíEocia c:nm. um e quando ~
ltHlWplam. cn.n1 uaudM com jmpxi!ndl e lnsul\a... St: hou'\CSM •m 1tbJD pm.-1•
1l: r'•"'-n"°' judidaii;, du aQdiê~ perante os m•trados. ~ juJs&me1nos realiza..
d·" n•it. ~ ()u no TrlbulY.I Real (OM!n of Klng'.s. Bench). as 1111.,-aotes iruustiçu. u
!111uu.. , lr1futtrlll!) eu lurf~ pun~Oe!I lnRttidas alo ntctttlanl cridtta. tnu\st«u'ticb
,.1 I'\ lln~ )C nlu es:11~ssc:· Apaiadu fUIJ pto•as mais SC&\ltat: JO.

Outra eauu pc:la qual se batiam •igorosamente os liberais dássioos


rra a ~o do sistema Spenhtlml<md de aux!bo aos pobres, criado
m 1"'95. Esse sistema (sucessor do Estatuto Elisabetano dos Artlficn)
lo• um produto tiplc:o da ética paternalista cristll. Assegurava am
11•·,r.vorccidos um padrão mlnimo de vida. esthesscm ou não empre·
~.,.k,,.. O sistema trouie reahnente séria.s desvantagens: em muitos
~ .1 ....1~. reduziu O:\ salários abaixo do nlntl de assistência (os impostos
l"l"'<luiais cobriam a diferença) e limitou drasticamente a mobilidade
d.a força de trnb3lho. numa época cm que esta mobilidade era indispen·
-'•<I
O que impona considerar. contudo. não são as deficiências do
'"'""'" Spe11/tam/011d e sim a legislaçao que os liberais promulgaram
1111•ndo conseguiram revogá-lo. cm 1834. Os liberais clissicas paniam
tJ,, ~rincípio de que os trabalhadores deviam aceitar Qualquer emprego
que lhes fosse oferecido DO mercado. independen~mcntc do salário ou
! " condições de trabalho. Quem nlo qwsesse ou n!o pudesse aceitar
1.•., merecia ..-ber apenas o suficiente para nlo morrer de fome. A
.1,\1\tência pecuni.Aria deveria ser bem inFerior ao menor sal ário ofcre-
rnlo no mercado de trabalho. para que o indMduo. temendo ser
.-ugmatizado. buse&>S<: melhores empregos.
1\ ....,. .. ln 'f"iATa r.r. to 11tiUS dq:radu e opnmãr" do que propcttlou.r auDbo aat.eril.l.
t"-.u las íoram mak clftlamana.s qve a Lei dca Pobrn de ISJ.f Esta là tor'llOl9 a
.a.nltndl. m.atcnal .. m.nm dtsc:ihd'º que u mMI baixo salino "'-""~ no mcrado.
l undteioDOll il colX't'Ulo da a.uisti::Dcail ao mtl:mamcnto dos pobf't!' nu ll'mÍ'fC1S • --'·
J-.e, ll\ilos cm tudo ~emelh.antt!s a pnsõn Sep:uoa. arbitrar\lmcnte maridos. espO\b t
M~ com a intcn(lo de p1.1-otr 05 pob.-es par 1ua pen6.ria e de dcscn c:~.i-tos da pcrigop
1mt.a<Ao de procriattm noYOJ mdiJe11tõ 1 1 •

O Patemalismo
dos ConseT'llatÚJres Radicais (T6ru)
Ao contrório do que sugerem os fatos expos10< até aqui. a êtica
p.1tcraalina cristl nSo foi totalmente eclipsada durante a Rcvoluçlo
Industrial. Entre'" abastado. aristocr•tas ou os prop,.;d.irios de terras,
'º-e-.... . . .. ,....,
ll ~
~
trl,p.tQ.-:0.

n
b~ comportamento palcmalista nào o impediu de instiluir em
<u• fábrica um:i rígida di<eiplina de trabalho. O pr6prio Ü \lo<n d<scre·
u!u um de seus métodos div:iplioa.res:
~ttih:' qwe a lomla -..is c&-.1 de cotbu condutas Udenorn aa o a:rtlfiaD de design.ar
•m m.,,,_..._"" AkM•o40 parot ~ tmprcpdo M ntabdea.mmlo. O nan11w COMtSUa c:m
umti ''~" de m;a,dtír• pt'O'id:. de quatro l1t<IQ\. com a:rea de quiitro PQolea,adas de
,·ump11mcnto e um;i df Ja.rgun1, t4>dos os latklt <.-aloridos - u111 prelo, CN11'0 u ul, o
ltrtttm a.mareio e o qaano bu:nco - lfilldo n1 pani: superior. Um•
itn i.a p.n ~orar a peç:a nuN ,a.ncho.. «Ma qlla)quer u19 cb ~ .oa\&do parã a
*"
dt •namc
h'nltc- H.nia am rl'kWt•tor wspt:ftW an loC'aJ "*'"""ª·
próximo a. cada cmprccado.. A C'OI'
c...ihidti n& frente simboluan a C'Mdut1t do i!Mlni.duo ao dia &tlttnor. Ra\'1&, pocunta,
qm1uo vrau'I « ""~h~lo. A oor preta, ou o lado a. 0 4. den olJi\'l mi condut., <.> uu.L. n. •
1. rnd1fl'.t-ença; o llm»r-c-:lo, o. 0 2. boa ronduta; o bnnco, n. 11 l , cxctknte conduta
~'"' r.....umos. c..m'Mm. ~de c.tritu pa.n c•d.a dtparummto. aos quais COMU\·am
°'
<JS nontilf\ dC' kldos. t"Mprq:adc». c-111 suttSStras coh.IAU ~ a.anal.nam, ptlot rtu.mttos.
• cvadui. d4.ária. de' cadia um. por • • perbio dC' dou tMSU. l:.sics bTI'OS era.e subw.tutdo&
~ ~·nn :io ª"° e. ~1 sqtild'I. .rqutt11dos. Gr.ç-u a cuc tll.pedientt. n m.u:tinha
lq:l~tr.111& a coaduta de cad.l individuo, conformrt º" quatro .,.au._\ de' avahJl(lo, tricrente
" c.ad11 dia d3 scmlln.., ntt10 doMingos. pel05 •nos t'm quc penn.at1ce«W como 11\eU
~p~~.do!>

Vê-se. portanto, que como todos os capitalistas d< sua. Epoca. Owen
dedk'Ou sua vida e suas obrá) à missão de maximizar ~us lucros.
Julgn\'I estúpido e irnprevidcntc a se\"Cridade de tratamento que seus
,uncorrentes diçpensa' am aos operários. Pautou suas ações na suposi·
~;,,t dt que a êtit:a paternalista cristl era rompath-e.1 oom o sistema
,·Jpi1 ~1ista.. pelo menos no âmbito da fábrica. to que podemos concluir
4uando afirma: .. Da manhà à noite. ocupava 1neu teinpo t nlinha
·. _ ~ntc cm imaginar. orientar e executar medidas dcslinadas a a primo-.
· 1r "' condi~s de ,·id.1 do pow ~. ao mesmo tempo, fmr progredir os
tt.:i.halhos e as 1náquinas de unl esta~lecimento manufatu~iro " ... 1

A Ver.são Socialista da
Etica Paternalista Cristã
E mb('lra 'iU:t 'idJ. e suas a~ões não o diferenciassem da maioria dos
r:adkal!t do panido tôri. <ncn defendeu algumas idéW originais.
<1ln'\idcr:n-a inju,.ta a sociedade em que uma classe, pre,·alecencto.se do
1•ocli:r que detinha.. explorava as clas:i.cs inrenores. A propriedade
prhud.. dos n'lci°' de produçao {fáb rica~. máquínaS:, ferran1entas) possi·
hllit.na .i uma cl.i.s~ minorH.árU. explorar economicamente a grande
m:'''-• de a~uhures e operirios.

I~ M Bctei-, edit4rl,L/ftff(R°""'10--(NanhwQl.IC KtlflPI 1'~20).p.111


•• ''"-'- · p 111

79
Ja•? A noçlo ele que todos os indivíduos er.un, e m termos abstratos.
ii.?Uais e ponadorcs dos mesmos direitos fundamentais. constitu1a ~feti­
\.tmen1e um ~tub.do radicaL Ainda que o indh·idu.alismo implicauc
il!U•ldacle no plano le0nro. na prática nada disso uontecia. A rude
'"'mpc1.i çlo por m&lS lucros eng=droo não só a miséria social descrita
an1t·rionnen1e. como também uma no,·a dirisào da soc~cbde em elas~
\õ, ck natun:u t4o in1usta e caráter tio antagónico quanto a estrutura
mcdieY'&I ele classe>. A diferença consistia em que, no sistema eapiialis-
ta. o liliaçlo à dasse dominante dependia não mais da geoealogia. e
\im da propriedade. Os capitalistas derivavam sua riqueu e seu poder
1b propriedade dos meios de p rodução.
Surg1ranl, entlo. em cena as doutrinas socialistas contestando as
<l.,.igualdades e as injustiças sociais geradas pclo capitolumo. Na
nJlinião dos icocialista.!I - dos precursores aos con temporâneos - a.s
dt'">igualdade.s sio o resultado inevitável da instituiçlo da propriedade
pri•"da dos meios de produção. Conseqüentcmentc, lutar pela justiça
'"cial significa lutar pela abolição da propriedade privada do capital.
Do ponto de •1sta teórico, as doutrinas socialista~ resultaram da
nmjuoção da t>OÇlo liberal da igualdade de lodos homciu com a °'
noção palcmati~ta e cristã de que todo homem deve se:r o mantenedor
•1e ku irm1o. Ao incorporar os ideais i.gualitirios do liberalismo
dl\'\i~-o. a ~tica tradicional cristã converteu-se numa ética ut6pica.
1•ropon:;.,.,ando cleimntos para a critica à sociedade cxistentc. Ocspo-
i•d• '"°"''"
ídcai> jaualitiri<>S, a ética cristã serviu para ICJltimar ideolo-
M•0111cntc a hierarquia de cl.asscs da ldade Média e, por - 1am~m.
• ntru1ur1 capitalista de classes. sobretudo no final do skulo XIX e no
•h1oln XX (essa questão scri retomada maís adiante).

Os Principais Socialistas Pré-marxistas


/\u conceber uma S<JCicdade ideal. cm que a propriedade privada e
o f'dndpio do lucm lieriam abolidos. Owen intcgrou·sc a uma tradição
l<•i.d" '" que j1 se havia estabelecido linnerncnlc nessa época. Uma das
11rh11dra' 'º1~ a contestar. em nome do socialismo, u ~la~ões de
lllL,•ll<<lude cap1tal1Sta foi Gern.rd Winstanley (1609-1652>. um comer·
danto do tecido< levado l falência pela deprcssio de 1643. Wmstanley
rnr••nuhiliJ.ou a "arte fraudulent.a de romprar e ~nder" pelos seus
1!111f111nk"' C m de todo O povo". Em 1649 reuniu OS KU> KSUidorâ.
unt urupu de ntran~ personagens. e condwJu-os de Londrrs a Saint
&• \.;;:,_..._..e_,.~ Waiaiu.l"blitic.J-,...,,. J'lw-/11--..C,...,_
....... " • .,.. , . ....lc:IL 1""2>. P- '3

81
U;1t>cur ocupa um lugar importante na histó ria do socialismo,
1M1rt1uc foi o pr1mt1rO n defender a tese de que a implantaçlo de um
r~l.ulo "•:iaJi\U& 1g:utilitirio requeria a derrubada do a<>._.emo CX-iSlCtllt
pela •iolêndn. A -iu~'lla ~ o socialismo pode .e realiur de modo
~dfico ou ~iolenlo cindiu o m<Wimento socialista desde os tempos de
ll•l'<'ul. Caso a conspiraçlo losse bem sucedida. o passo seguin1e saia
• m\tsuraç3o de uma ditadura. Segundo B•uf, essa forma de go>'CftlO
~·roa ind1~nJ.,t.l para e>.urpar a sobre'i'-.mcla do sistema capitalista e
lc·' ~r a cat.n a transtçlo do capitalismo para a democracia comunista..
\ 'é·\C. PQrtarno. que Babeuf foi. em muitos sentidos, o prttUrsor de
1.--cs que •iriam a ser dd<ndidas pelos bol.:hcviqucs na Rússio. Já no
....~u l o XX.
A• i~ia. contidas nas obras de William Godwin (1756·1836).
t"\critor de nocionalictade inglesa. representaram un\a contribuição
11(ualnico1e v11 liosa para o pensamento socialista. Enqunnlo os ideólogos
do liberalismo cl4s;ico deploravam a indolência e a dcprovoçlo ineren-
tes tis classes inferiores, Godwio afirmava que os defeitos da classe
t'f)erária eram conseqüência do caráter injusto e corrupto das institui..
\·ôc~ sociais capitalistas. Se-gundo ele. em uma socitttade capitalista, a
fraude e o roubo eram inmtáveis: ··s. todo homem pudesse satisfazer
...,m a menor dificuldade as suas o«essidades ck vicia ... a tentação
lletdtria a ~ua razlo de ser·~. 21 Mas nem sempre os homens conseguiam
... ti,laur suas necessidades devido às profundas desigualdades sociais
re.:radas pelo regime de propriedade prh·ada. A justiça >6 vigoraria
quando as ttlaç6cs de propriedade capitalista lossem abolidas e a
rn>pnedade entregue aos necessitados:

~ quem dcwnnlnaoa propri~. spponb_~os um pio. de""ln& lciiuawDmtc ~nrn­


n-r1 ;\qude que o dic-w)41 cem ••d ins:istfftcia. ou àqode para quem a ponc drs~ pào
u.ril m~~ bcncftaot.! Suponhamm. Q\Je aqui cs-ttjam ~ls hc:llmM famuu~. e qur: a
plo MU• cepai de: utidazcr a famt de todos. Quem 1cm o dimlO de rchindkA·ln, dr se:
tic-nefteiar dü propric:.cbdd nutnt.1v11s do pio! Tal ~ ft'ja.m todos innac.. l)C,'riill a lei da
rr1mogt.nitvn ck1"tUl&·o ~xcl ush'amcn tc ao mais ~lho. Ser& qDt a juilít• confirma es.u
dl.to.linçl.ot Ai lthl dol, ditercntõ pai~ cbspõcm d~ pn>prl-cda.de: de mil mantlrti dlfitftn-
tn. mas bl &.ptntt uma mo..nnn vcrdack:~(nlc naon•J d<: du:por cltta u,

A maneira racional a que se refere. prcs>upõe. ~ clnro. a igualdade


de: 1od0< os homens. E a quem o pobre poderia recom:r para corrigir as
injustiças do si1tema? Na opinião de GOO-'"in. certamente nlo seria ao
~erno. O poder econômico e o poder político caminh.. am de mlos
dadas. Os ricos slo "direta o u indiretamente. os legisladores do Estado:

• n -....,u1
11
hl ~ ·
"_,. 0..-1.9.. A" ht...,,. ~ ~ Jwukit.. p JJ. J<t aca... ,_ Ony,

83
.,,.parwunt•10 • um n:ú.mtto fio ,,.nde ôt ~patriota.. Eotrewno, • ~ Ôl'$..W:l
1n11ta mil _.. ..tdlos.. nloo llC'alTd;a.ria ntahua prquMo ~tico para. o Esteio'•.

Saint-Simon foi o primeiro a ressaltar a diciCncia do< grandes


l'mprttndimentos industriais. propondo. 1nclush·e-. que- o pemo inttr·
'"""' na esfera da produção. da distnbuição e do coméTcio '<isando
a promo•er o bem-estar das massas- Admitia a propriedade privada. e
'(."U\ pri'filigios. contanto que fossem usadas n0- interesse dà$ massas.
Muitos de seus seguidores as.'IUminm posições mais radicais. Dei-
xaram grande quantidade de libelos e livros denunciando os abusos do
<'1lpitalismo. atacando a propriedade privada. o direito de herança e a
c•ploraçlo ecooômica_ Engiam que o Estado assumisse a prop~adc e
u controle do processo de produçlo. e o administrasse em p~to do
pmo. De Saint-Simon e seus discipulos. o socialismo herdou a i<Mia de
<1u• cm uma economia socialista. o gottmo deveria assenhorear-se da
.dministra.çlo da prodnçio e da distribuição.
Muitos outros socialistas ti~cnm atuação destacada na primeira
metade do século XIX. O lran~s Charles Fourier popularizou a i~ia
das cooperativas (oufa/41UtÜios, como as denominou). Procurou trans-
formar a SOCledade incentivando a lonnação de falanstérios. O fracasso
de sulls experiências levou muitos socialistas à convicção de que era
1mpos.ivcl reformar o capitalismo unicamen te por força de exemplos.
~nuricr loi também um dos primeiros socialistas a prever que a
ª 'nconfncia entre os capitalistas condwiria. incvita\"'elmente. l mon~
,,1i1açlo cb economia::

1 altt u lntW.àas qu;c ~ a mmnp .. diralOI btdastria.is do hc:imas. -.doGI·


m • f('ll'JN(Jo dé cOl"PQCaç~ pnrikgi.:ad&s •~· ao monopoli:za.mn dctcnninado ramo dl
fn ,lu'\tria. fedi.a.a &rbitranamec11C N porw, • traba.lbo qu;aa.do bem ea. . . .. Os
C't•rcmc'l'l w tocun. A.mm também. quantO .... ukw.& e~ fota COlllC!Ontnda.
m .. ,., pr6;umo nli o m~ ..J••....J que ooiutitul o uuemo opo&to..• °'
monop6-
l1.:'4! . . ututndD ~ conjunto com os srlndn prvprietârios de kn'1'. redu:tido • cla.uc
mtdh1 e• dalw u-abalhadora a um.a l'OfldJÇAo de .,.u.o;alqcm comercial... OI pequem')•
t mprt\àrk>s wrlo convcrtidot C"m t'lleros aaic:ntcs a 1ervlço da coalrz.lo mcrtandl
.\u111lrcm~ . ~tio. ao reapl.ttcimt'nto do leudalitmo. às ayt:S.S&S, sustentado pdas lli&•
tntTÇiintil à Wmtthança das Ups Baronab dia ld.1uk Mfdill •.

Em uma economia capitalista. afirmava Fourier. sonwnte um


IC'l'ÇOda populaçào rcaliz.a trabalhos realmente úteis para a sooedade.
O< nutros doa terços. por força da corrupçio e das distorções geradas
l"'I" mtcma de mercado. si.o le• adM a desempenhar funções suptrfluas

25 M H Matlh.aa• .,-,... H•n C... • S•,lll~ S8«.f.ttl w,..,.... lÕSford


1 ........ 11.. t~l) . ... "2·7J.
11> CIU4e por Sfd"'J H~ c.oo.cr, Protlti.tt..,.. z..hw 1md ~ /k"'attd (<::INn. N. J ••
A1111nnn M Kdlt). t966). P~ 54..

8S
a oposação aos interesses de da..sK. manter os
homens dmdidos implica custos mais elevados
que os ganhos obtidos com a sua COOpenl(ão".

Havia consenso entre os socialistas cm tomo de certas questões de


1nrndpio: o capitalismo ronstitu1a um sistema irracional. alimentava
uni d<operdlcio. a<'rna profundas desigualdades e. por ronseguinte, t!ra
um m tcma Injusto " imoral. Discordavam. no entanto. com relação à
tátk a a seguir para levar à \'itória a lula pelo socialismo. Muitos
" "'lalistas famosos. mtrc os quais Louis Blanc (1811-1882) . julgavam
que o Estado poderia servir como instrumento para a implant&Ção de
rtf11rmas graduais e padficas que conduziriam ao socialismo. Outros,
'~'""' Auguste Blanqui (1805-1881), disclpulo de Babt!uf, partiam do
principio de que o sistema capitalista nutria uma guerra de classes
lri<'eManlo entre os proprietários do capital e os trabalhadores. Enquan-
toº' capitalistas det.ivesscm as posições de poder que a propriedade do
capital lho ~t't.11 ••a, nadil os demoveria de contin\&&t' explorando os
1rabalhadores. A função do Estado e das leis consistia justamente t!m
ª'"'ll"rar e leaitimar essa exploração. Não mm. portanto, ~nhuma
IO'perança nas ttfonnas políticas graduais. Para Blanqui e os que
pensanm como ele, a re>-oloção constitui• a única altematift CODSC·
.,,.uentc.
Pierre Joseph Proudhon (1809-1865). autor da conhecida obra O
Qvc 1 o Propricdodc1. respondeu a pergunla fonnulada no dNlo com
uma frase que o tomou célebre: ..A propriedade tum roubo... Segundo
Proudhon. a propriedade era a "mie da tirania ... O Estado tinha como
funçl.o básica assegurar os direitos de propriedade. que constituíam
" mplesmcnte em um conjunto de privilégios especiais para uma mino-
ria, e em restrições e proibições para 11 grande maioria da população. A
1nstituição e manutençlo desses direitos implicava. necessariamente. o
""' da coerção. Conseqüentcmente, a principal funçlo do Estado era
coagir.
·'Todo Estado t tirílnico... declarou Proudhon. O Estado constltuia
o braço armado da classe dominante, e Proudhon e<ortava l resist!ncia
os que a ele se submetiam serrümente: "Quem quer que ponha as mão:<
cm mim com a intenção de governar-me é um usurpador e um tirano.
Declaro-o meu inimiso' .• Só poderia ha.-cr justiça quando as rebções de
propriedade fossem abolidas e o Estado, comertldo numa instituiçlo
desne=slria:

21. l~ . ,. ss

87
lrnha1hndores e con1batia tod:t~ ns inicinüvas destinadas a melhorar a
condição de vida dos pobres. classific.aodo·as de quixotescas e incon.se·
llficntes. Dua~ correntes políticas. os radicais do panido tôri e os
"1c.:ialistas opuseran1·se co1n 'ecmênci;.1 a essa "isüo.
Os radjca.is do partido 16ri nutri:im um desprezo aristocrático pela
.. , uJg.a.ridade é avare7..a •· dos ntereadores t fabricantes da classe. média~
Apegavam-se a uma versão es~n~almCnlt reacionária da êtica pater-
u.a.lista cristã. supondo ctue podiam ignorar a ex istência do processo de
111dust:riali1ação e res:iaurnr um modo de ''ida agrário.
Os socialislas protestavam contra as desigualdades do capitalismo
< defendiam a supressão da propriedade privada _do capital como passo
necessário para a criação de uma sociedade industrial em que homens e
muJhe~s )C:fÍam tratados com dignidade. e em que os frutos da
11rvduçào seriam repartidos eqOitativamente.

89
CAPITULO VI

As Doutrinas Socialistas:
a Teoria Econômica de Marx

Karl Mane (1818-1883) foi o mais influente de todos os socialistas .


.Suas obras exerceram, e exer""m aindo profundo impacto n!o a~nas
((lb"' o ~n~amenlo socialista, como também sobre as decisões de
natureza poUtica que regem os destinos de uma grande parcela da
humanidade. Sem prtlender subestimar o valor da contribuíçlo de
~ricdrich Engels (1825-1895), com quem Mane trabalhou em estreita
ex>laboraçlo. evitamos neste capitulo abordá-lo em separado, pois nlo
n:>ta dúvida que Marx foi o líder intelectual na concepçlo da nova
<e<>nocnia poli tica.

Materialismo Histórico
Marx encarava a grande maioria dos socialistas do final do século
XVIII e principio do século XIX como lilantropos honestamente indig·
nados com a exploração desumana que acompanhou o desen,·olvimcnto
inicial do capitalismo. A despdto da admiração que mujtos lhe inspira·
n.m, qualificou-os. c::om certa ironia, de ..socialistas utópicos'". Julgava
in~nua e quixotesca a sua convicçlo de que transformariam a todedade
apelando para a racionalidade e a sensibilidade mciral da classe educa·
~. O. homens educados. na sua opinilo, pertenciam geralmente 1s
dasses dominantes e. ponanto. deviam sua posição. sua prosperidade.
'' rcfmamento de sua educação e de seus conhecimentos aos privil~gios
incrent~ ao sistema cap italista~ ConseqOentemente, fariam tudo o que
rstivessc ao seu alcance para perpetuar esse sistema. Os poucos herétl·

91
r-.1arx a idéia de que a baM! econ6mica dctem1ina. de maneira absoluta
e rígida. todas os aspectos da supen:~trutur:i é incom::r numa inexatidlo
grosseira (que infelizmen1c aconlc'CC com freqOência). No entonto,
l
Marx re1lmen1e •firmou que o modo de produç~o. tomado isoladamcn·
te. oonstituía o de.rerminante principal não só da superestrutura c~i~·
tente, como também da direçã.o para :t qual tendem as n1udan~ns
M>Cloi$.
Ao lulnT de relações de produçAo. Marx referia-se à esi rutura de
c lnsscs dn M>c1edade, o aspccto n1al ~ in1porlnnte do modo de produção.
Os anrn9onisn1os entre as da.sses sociuis consrinúam. a seu jufzo, 'l
!orça motriz. da história. "A história de toda sociedade existente nlé
hoje tem sido a história das luta.5 de classe·•.' declarou na abertura do
~fa,,í/tstu Comu11is1á. Num texto muito conhecido. Marx rc~umiu a
1mportlncia do modo de produçã o e cb antagoni~mos de classe por el4'
engendrados:
~a produç&o .ocial ck sua ciutê'ona. o« homtm contn1Cm ~ delcrm1n.Ml.u,
nca:sW.tl.u, indq>endeo\eS de sua ..-011tad~. 1'C'l14,"6t'\ doe 1>roduçllo que oorrcspon~m • um
.,..u determinai» de deJen,·ohimcnlo das forçai 1lrodutl\·as m•teri.U. O ronJ1o1.n10 iJc:1o11a)
rtl1111~0c~ de produ~lo con.Ai.uit ~ cs1rutunt oc:onPimica cl1I sociedade-, •base concreta iObre
• quttl sc clC\ll um.a supcres(ru1ur~1 1'1dlc,11 e pciU.tlca. e à qu;i.I con. es-pondc:m d. ctcrn1l1ll•
1IJ1s form•'I d~ r<>n$di':ncili. <1ocial, O modo do prr,ducli> da ''ida material condit'lonn o
1ll'"4:nvolvhnento da ''idn $0Ci.::il. po tloo -e in1ct«1ual trn BttAI. NÃo é a c::onsdôncha d~
t111m(ns que dcttrmin.a Q M!U .\~r: é o :te u 'cr sodnl que in~cr~;anicntc dctcrmJna • sua
111tt4":itnda. Ao alcançarem um ciet1o c'tA.gia de d(Senrolvime-rno. M íorçu produti"1.S
m•lcnat.S d~ 10eltdadc entram em cootr•dic'lo com as rei~ de prcxhu:lO eA.Jttcntc ®·
u~•llll t aptn•H •sua apress!oju.ddãc:a, <vm H rdaçk1; de prop~;ade no \CM> du qualt
"" nnh.am motrido at~ cntJo. formas clf< detienYQl~,mcnco das forças produ!l'Y*1 que do.
'"" n:1.,.wi tn.mlonnam-SC" ao sc.u ml,.,e. ~UffC. c:n.tlo. uma. ipoca de retolUfAo
1D1.lo1I. A tram:f0rm11;ão $ b~ ttOOÕmk-1 atea., mais ou mc:nos n.~tt. &od& a
illlle't\~ JUPC''"INUara. Ao coosadnv tais alltrt(6es.. "o~ wmpre dUtU'ljf\lir as
alkt ~ niatttbli OtWridas nu C'Ondiçtcs tcio16tnte.s de prodDÇio. e que podtot 6tr
c.1t1q•n"adh com a ua.tidàO q~ ê ~rôp-ri.a dAI c~i.l.s n.a.turais. du form» jutidkü.
lit•lhl.: n e religiosas, aníukai ou fih>t6heu. crn renuuo. as lornu.~ i.dcol6gkQ pe:1at
4111••• 111 }'ortlC'B5 tomam oc,nsciência du.c c:onmto, k\•a.nclo-o às s_..,, úJtlmiu conçe.
.. ~~lh !•!•

Mnrx Identificou qua~ro sislemo.s cconômicos. ou modos de produ·


1 Ao ilhllntn~. cuja sucessão nrnrt<Ju a C\'Oluçl'io dn civiliz.açào européin:
•li• 01t111111hmo primitivo. (2) C>Cravlsmo. (3) feudalismo e (4) capitnlis·
1 m i:"dn um destes sbtcmas econômicos. domina\'ª um único
11 •
1•• 1l• llrt)<lução c.aractcriuda por determinadas forças produtiva~ e
ti.! fl11m1ul.J.\. re:laçõe$ de produção ou uma estrutura particular d~

1 t.111 Mu• «" Frit4ridll E.p-ls. O /tl-.fo• C-11.m. (Ajo • J....,..: ?.a..
•••
... • ,. Man, c;,.,,O'W O{ Polm'Clll Cc'oMJMV. td.lllPl'HM P•n:âl!Mfltt' tftl HC!'H.rd Sdwim fl
u,,_., ..Aih·•-. HNd" i• ,Vaf'lr•Jt l'ltUoloft/fy (N0t1 l orqb~ hnemational Puhh,her'I. 1%3),
li

93
.:cdcrnm. Marx deploravo a.< prolundas disparidad"' de riqueia e
pohre1,a engendradas por es.u relaçlo de cla>SCS.
No entanto. Marx não se limitou a condenar em nome de pnnct·
pios éticos. u desigualdades gritantes produzidas pelo capitalismo. A
'>CU juiln. o sistema capitalista impedia os homens de cJcç.e:nvolYCttm
suas potenclahd'1des. de se tornarem sues plenamen1e realizndos do
pon10 de vista ~mocion al e inrelccrual. Essa roi sua mais importante
crítica moral ao capitalismo.
Parn Marx a diferença essencial entre os homens e os animais
residia cm que para satisfazer suu necessidada. os hon1ens_criavam
ferramentas e. com elas. submetiam e transformavam o n1eio ambiente.
O homem aprimorou seos_sentidos ~ seu intelecto arra"-is do trabalho e
na nolaçllo C'('lm os objetos _por ele produ1idos. conheceu o sentimento de
pra1cr e de auto-reaJiz.a.ção. Nos sistemas SQCUi) ptt-capita1ist.as. como
por ucmplo no feudalismo. o he>mtm foi capu de alcançar a auto-re..·
h,açlo no proce.so ôe lr.lbalho. a despeito ôe serem sistemas ~nta ·
do.;. na c,..plon.çâo de da.~s. O trabalho nlo ttpresenta\-a a.pena\ um
meio para obter djnheiro. poi~ a.s rel:l("ÕeS sociais. embora ro~ 1n
ttlaçôe'.s de C'CJlloração. possufom ta.n1bóm um caráter (?CSS03) e pntCr·
naliita.
O cop1L•li•mo suprimiu ""'ª
pos<ibilidadc. S<>gundo Mane:
Ondt (j'llC't que leoba oaswmido o pa&.r. a. biurpc:w.a JlÔS hm a. todas as ttbrc-l>es teudah
patriattait e lcWk•• Desln:iu hn~mtnlt Ol ,Jinos lacos feud.ats qw 111.:av~ni o
hPl'N'm a~ ··w1~ ulllnis... cktca.nJo como D11«a fnnu ck "'~ dt hr>fn.nrt a
bL•IWm o 16'o do frio inltt'CSSC'. o usi("n\á, ~J •·pqamcnto à •&U.. Afogou °' h-1.t.\Q
Wltf'&<iol do f«""!W rdtp;lso. cio enl1ZW.ti90 c.a' alliriroc:o. do .tentimea10 pequeno. burpk
AU ~' f""Ud&J . , ~ e!;CJisu_
ti:\111..a. ••'
•·a da dlpt.J.idt prs.soe:I aa ~ 'ª* de

Na socicdndc capitalista. o mercado separou e isolou o ··,alor de


troca'' ou o preço monetário, das quaJidades que configura\lnm a
n.~laçl\o do hornem com os ob.)el<>S muttrlais e com o:s out ro~ ).Cres
humuno~. lsw ocorreu de ronna particularmente dara no proccsw de
ttahnlho. Do ponto de ''ista do capit:tlir.ta. º°' salários reprcsenta,n1n
,1n11>lt"\ntente. mais uma deçpesa de produçào a ser acresccnhtd:t ao
t''-P•t(-i das moatérias-primas e da maquinaria no cômputo do lucro. O
rrnh.1Jho ("()n,crteu·se cm uma m-e~adoria como qualquer outra que o
npotahsia adquim sempre que •ia a possibilidade de ob1tr algum lucro
d<IA \s oportunidades para que o trabalhador pudesse ,..,ndcr >ua
for,·• de trab.llho e-scapaQ.111 totalmente a seu controle:: dependiam da.s
f11:a' e llllpt:\\Oais condiçõc'S de mercado. o~ rorma análoga. o produto

95
1tossa compreender a..4i ba~ em que se apoiava essa convicçlo. ê
ncu:s.úrio analisar a teoria econômica com a qual Marx procurou
OllClarecer as "leis de mo•imento" do capitalismo.

A Teoria do Ya/Qr-trtlbalho
e da Mais-valia
Partindo do prindpio de que o modo de produçlo capitali5r.a
hnscava-se na oposição capital-trabalho, Marx analisou inicialmente a
l'\'laçlo existente enttt enas duas categorias. ~ cap~ e o trabalho
mantinham entre si uma rclaçlo essencialmente de troca. O trabalha·
tl<ir vendia sua força de trabalho para o capitalista. e com o dinheiro
adquiria os elementos indispeMávcis para satis~r mas necessidades
onatcrlals de vida. Obviamente. essa relação de troca constitula apenas
um caso especial do problema mais amplo dos valores de troca no
lntbito de uma economia de mercado capitalista. Marx iniciou o t.0
"''lume do Capital com um caplt111o intitulado "As mercadorias'". no
111101 definiu m•rcadorias como os objetos destinados à troca, por
•'l'O>Íçl o aos objetos de uso pessoal e direto do produtor. Procurou,
•ntJo. analisar o que determinava o valor de trocas das mercadorias ou,
rm outras palavras. a proporçlo segundo a qual determinadas merca·
1~\na• podl.m ser trocadas po r outras. por oposição à noção de valor de
t "· que eolbliluta a medida da utilidade das mercadorias para seus
loU1dores.

Como Adam Smith. David Ricardo e a maior parte dos cconomis·


••• tlh:sicos anteriores ao marxismo. Marx acreditava que o valor de
11o1cn de oma mercadoria era determinado pelo tempo de trabalho
""'">drio para produzi-la. Por essa razão sua teoria é comumcnte
·~ t•>1ninada t«>ria do , ·a lor-trabalho. Admitia que os trabalhadores se
·lllrrencinam quanto As suas habilidades, treinamento e motivaçll.o,
·n•• julgava que o trabalho especializado podia ser cakulado corno
I• •lttrlo do trabalho desqualif"icado e. por conseguinte, todo 1cmpo de
t11halho podia ser reduzido a um denominador comum.
P,,rcebeu também que o tempo de trabalho despendido na produ-
a.1 do uma mercadoria inútil (para a qual não houvesse procura)
t l<rln uma mercadoria cujo valor de troca nlo corresponderia ao
ltotpo de trabalho enaJobado nela. No entanto, o desejo de maximlz.ar
........,.,. levaria os capitalista$ a c,,jtar a produção de mercadorias para
u 'l""" não houvesse procura. Os capitalistas produziri.om apenas
,.,. atlorias cuja procura no mercado penn.ítisse rcabz.ar, no mlnimo. os

91
que l ama de muito 1111balbo, dedkaçlo e moderação nos gastos. o
capitalista pôde acumular pouco a pouco. ccooonii:zando inicialmente
q.n11tlAS modeJtas. as gigantescas fonunas que marcaram Epoca no
século XIX. Jl os trabalhadoces. ao im~s de se dedicarem ao trabalho
com empenho e de levarem uma rida frugal, haviam esbanjado com
extravagancias as suas economi&lo.
Mar> acusou esses ideólogos do sistema capitalista de desconhece·
rcm totalmente a história. Numa passagem famosa que ilustra bem a
l'iqucLa ôc seu esblo. Marx descreveu o processo de "acumulação
primitiva" que deu origem às grandes fortunas capitalistas!
bta .cumulaçlio pnmili~·a ~ oa ccooomia potftica o .a~ pt.ptl q"" o
pendo oriflul na t~. Ao morder a maçt.. Ad&o Clfl&'CIÔ.rou o pecado e o tna1mldu
.a toda a a..m..nid&õe Prctcn~w aplica.r u orilit-m de: wu::nuàçio pnmitiw-a rc\a.taDdl)..
" C'UClllt . - . ..wdou. do passado. EN Wmpol m.ilO rê9>klC - dizem..oc:. - b.Tla,. de
u• a.do.. UNa aunona de pcssc.s UUdaalla*- ~ e $0bo~ frupk; dr
..-rolado. ... Nodo 6t ~ ~ qoc: ~"amo Qat tiah&m t: o qvc aio
tmlwa. .• AM.ftl te c:a-pb que. ~to 01 ptilnc1lros at"Umu!anm riquu.as.. OS _ , _
•c.haram o.lo ecedo n.ida ma.i!. a ~ a»m de w.u prõprias peles. Dnte pecado
··~UW Pf'O('ede • pobttU da .&J'1r.M maioria fjt.W, a.Inda bQje. a despeito do ma.to que
1rahl.lham. continuam alo wMlo nada a ~ttdcr' a1im ck mas pessoas. • a nqucu de
uma minoria q1.1e cretee mccssantcmcn'k. a.uida ~· bi muids5:imo tt.mpo .11eus propricli·
n(lll lrnham deludo de traba.lbar. Es5* puerilidade IMlpida nos é reJ)Mida todos os dias
('m ddaa da propriedadf. .. T.30 to.o w coloca o probkm11 da propritdade.. lom•·SC um
de"tt!r w .... rou•nto abri.ç.ar o ponto de vuta aa c:anJJha infantiJ como 6nko adcqu"do •
111da\ a11 5daôitt e • todos os pcdodoi. E notório (flle na história real dacmpc.ahan.m UM
1ht.rortantit papd a conquista, • C5C'l"'lf'ri.:UC'l.o. o roubo e o assuslaato; nwna palavra., a
,~. .141 •• O. tnftodos d.i acwnuleçio pnm.Jln'• fio..-m mdo menos icllkoa.

Mux analisou. um por um, os mttodos da acumulaçlo primitiva:


" rcg1me de eeJCamcoto dos campos e a expulsão das populações
•granas. a grande inflação de preços, os monopólios comerciais, as
<viamas. "a cruzada de extermínio. escraviz.açlo e sepultamento da
1>0PulaçAo aborígene nas minas. o co~o da conquista e o ..que das
1ndias Orientais, a r:ransfonnaçào do continente africano num c1mpo
de caça de escra,·os negros'.,,
Uma vel realizada a acumuluçlo inicial de c.apita1, a lnsin de
ncumular mais capital iornou·se a força motriz. do sistema capitalista.
/1. posiçlo e o prestigio social do capitalísta, bem como o seu poder
polltíco e eeonômico dependiam do volume de capiW que tinha soô seu
controle. Ele não podia .se descuidar. Acossado por todos os lados pelos
concorren~, tta pred$0 que es1i~ K111prc awmulando mais capital
e lortalcc:cndo sua capacidade de competir. caso contrário os coocorrcn-
tcs o unprensariam COG!nl a parede e o levariam à roiDA. Os concorrcn·
tcs C>1avam desenvolvendo constantemente m~odos o.a ros e melhores de
o 11#.1.. p. nJ.n•.
7. fW , • • 7St.

99
h 11ioo•un C)S.8 iniciativa. resohia-se temporariamente o problen\a dos
ulAr"~ clc"1dos.. uma vez que o exfrcito de reserva ~oitava a crescer.
omn..,.,.1., cm suas fileiras os oper6rios desalojados pelas novas tknicas
1•r.. tuh•u. A criação do desemprego iecnológico. ao mesmo tempo em
'IUC' ura,·a os capitalistas do aperto em que se achavam, inlrOduzia
"º''" pro~lemas e conttad:ições.
\ c<pan<lo industrial basca.da na poupança de trabalho resultava
'''' lrH.'l'\"nlenro da. produção total. No entanto, os salários pagos aos
1r.1h.1llrn<lores nllo crescia m na mesma proporção que a produção. Ao
""''"'" tempo em que os produtos eram despejados em quantidades
'.ul.1 \'ti maiores no me.reado, os salários dos trabalhadores e. por
( \kn\!\cl, a de:manda. dos consumidottS tendia a se restringir. Como
dm.- Man. embora os opttàrios esti•·essem produzindo mais lucros sob
a lnnna de bens. os capitalistas nlo conseguiam ttndcr esses bens e.
t""1>ntn "realizar'' os lucros, devido ao estnnguW....Oto do mercado
tt,nwn1idor
Para simplificar esse processo. Marx dividiu a economia capitalista
1·111 1k>i> setores: o primeiro produzindo bens de consumo. o segundo,
hr U\ de capita.I. Ante a insuficiência da de.manda dos Cónsumiclorcs, os
• "l'italistus do setor de bens de consumo, percebendo que não consegui·
1i.t1t1 \'tndcr toda a sua produç.Ao. seriam obrigados a reduz.ir .suas
t"\l)l"\.'.llltiva.s de lucros e a desistir de ampliar suas instalações produt.i-
\" Concelarütm, então, os planos de expansão de seu estoque de
•'lltlltal. Jll excessivamente grande. Tal decisão redw:iria coasideravel-
nK'nle. ~ daro, a procura de bens de capital. Ocorreria, assim, uma
1draçlo ct. produçk> oo setor de bens de capital. Contrananclo as
1nttf1uu•~ lf"C'\ri•< s:ubconsum.istas doti. socialistas que o ~tecedcram.
MJl'J. l\lStcn1au1 que os primeiros sinais evidentes ~ uma deprcss!o
po.Jiam manifesrar-sc no setor de be.nç de capital.
A diminuição da produção de bens de capital obrigaria as indus·
tri~s desse setor a deSpedirem trabalhadoTC$, provocando queda do
v,1lur g lobal dos salllrios. o declinio da renda nacional e a retração cio
nh·rc-odo consumidor. Em consequência disso. ha,•eria um corte na
t>n>duçno de bens de consumo e demissões cm massa de operórios nas
1thfú ~triu de:sse setor. Os salários e as rendas declinariam aind.I mais,
uy.r.;na.ndo a saruração ou o excesso de bens de consumo no mercado.
'" ~uCCS)ivas ~pe:ttU.Ssõe.s em ambos os setores culminariam em um
''"ªP'O ttanômico.
A depressJo econômica faria inchar o exército de reserva constitui-
''º d~desempregados e deprimiria o padrão de 'ida do operariado.
rcdu11n<Jo.-o ao nivelou abaixo do nhel de subsistincia. Contudo. Marx
nftu era um "estagnacionhta" is 'tatismo
Sl!tLIOTl!.C.A DA l'ACU l..OAO~ ~
oe. CIBNC:l.AS '-'.Ot'CTA.8~15 E t
nR AOMINL'ITR>.CÃO oe VAfl
h1n,uM "'dt,.,,lnna da n1is6ria crescente·-· . Marx afi.rmou que as condi·
\lln lk •ui.a d.1 classe operiria dttairiam em relaç!lo à opulência dos
ttlll'll l ll\ta\. até o dia em que os crabalhadotts d.is.,~m um basta a
"' .., Htlot't'AO. Desse momento em diante. a r'C\"Olução seria ine,·itável.
l'•• •t cti'"''ªr os rnal-.entcndidos que cercam a '"doutrina da mis6rio
1h11u 11h.• " de Marx, cilnrcmos un1 trecho de sua.~ obras cm que ele se
11 1t " c-,..;a questão:

N 11dtn• c11p.talista.. todos OI ..Cl~ dntinados a cW.t.r • produmidadc: sociaJ do


u 11b 11thi1 1m.r11itnm prqaho pan o tn.b1Jhadoc indwidu.J. t.odol: os meios desti.n..S.. 1
f1'•1.r'Q'f o dc'k'errohiatm.to da pnMt.tio tra!>Sforma.m--w t'& ...X. de domin.açlo e
•• r•w-...~ ._. produtotts.. •ut:JJ.am o tnb..thadoT ao ponto « C'OD"'tt1i--lo um fnpwn
h• ... t•"*"9. degrada.m·DO l ~lo de apênditt de: •~ m.Mro.ma. dcsuocm 1o4c)) o.
" " '"' 1lr t'ocanto que havia no tnibalbo t o ttans:tormam numa bbuui dt.tes.U.n:t;
11 •11111 d1dt u potencialidade. tntdet"tuais do proo!$SO de trabalho. na mesma propcmk
• 1 •111• ,. oênda t incorporada 1i.o prorcsso dt tr:abaJbo como um poder ind~ncknk;
.11 .rtu1n.111 as condir;6tl JOb &> quais ck trabalha.. ~ujeltam no durante o processo de
li ''""' • um despotismo 1anto mais odioso pelo que e.occrr:. ~ baixei.a: trat'lSform•m
1111 11 ''"I'º dt Vkia cm cempo de trabaJho e lançam sua mulher e seu filho sob as tu(b) do
l••• •••• .. do ca;ntaL Mas todoa- 05 m~ll)(IDS pana produtlio ck mais·Yali2 $Jí0. simulu·
"'ª"" '4U' métodos para a acwmala(io de capital: e cada aaéscUno de anmulai;lo
....urlc'-IW aoramenc. num meto para o ~ ckan mhodos.. CGOdu ...w .
f'P'M•"'· qw à medida que o c-apttal se aounala. • liOt\C doJ tn~ Que1' o 11rU
--i• ~ Ot.J reô.wdo. ~ MttSS&ri:ll"l'Wnle pionr A lei. •. iMtilui 1 .-um•
w. m.rK:ria l'!a ma.-cna pl"tlpOttlo que a aie:vmulaiçk dt capital. A acumula(I O ck
,1, ... ,. um pólo li.Jnif'JCa. "º mumo temPo. ~eumu.la(~ de mikria. á,SOfti& de
'"' 111 1 forçadn. e$CfSYidio, i.snorlnria. bnai.Jidadc (e) dcanubçào O\e.DL&l no pMo
"' 'º"
lkvc-sc atentar pata o lato de que Marx afirma nesse texto, que a
t.urt~ do trabalhador pior.uia. ainda que seu saJ6rio aumentasse. Isso
lh" d u3.S razões. lniciaJmeote. Man actedita,•a que mesmo que os
..u,,.,. cios trabalhadores crescessem. jamais c=riam tanto quanto
"' lucro< dos capitalistas. A situaçJ.o do trabalhador, comparada l do
·•f•••• lista. tendia, portanto. a se agra,•ar. En1 segundo lugar. pre,iu.
• ntt1 .aceno. que à medidn que o sistema capitalista progredi~se. a
1lh '"~º de trabalho adquiriria proporções cada ,·ez mais cornplexn.s.
Ounnio mais complexa é a divisão de tr•balbo, menos variad:u.
lh1r 1nn10 mais monótonas e tediosas as atividades do trabalhador. Nesse
ro 11<>. Marx estava de acordo com Adam Smith quando este dizia; "O
ru.i ~m que dedica toda sua vida à e.xecuçlo dr algumas poucas
11p1·raç6es simples... c-hega a.M lin1i1es da ~tupidn e d:a ignorância de
•llk é capu uma criatura humana . .-.u Levado. por fo~a das ciréUnstân-
~ '""' a um estado de estupor e profunda alienação. ..a sorte do

11' /W p. 645.
,.. : ; ~.•m Smltit. n.. W-114 o( lt•tio-1. cdiL por AadiTW Stll'ltwr (Undft$: Ptl'.lf'Wl 8ooi._,

l03
1111.11 C•'lllbtllcm o capitalismo, tra\•ando guenas para ampliar os merca·
11< tophalisw. construindo estradas, ferrovias. canais. administrando
" ..,.,.o<;o postal e realizando inúmeras outras !areias indispensáveis
I'••• o bom andamento dos negócios. Em segundo lugar. o ..,.emo
•tua etlmo irbitro das diTergências que ocorrem entre os capitalistas.
1.-i.1 capitalista zela. acima de tudo. por seus pr6prios lucros. Ê
lnr•h.hd que. "m determinados momeotOIS seus intettSSCS entrem em
ch<><iue com os de outros capilalistas. Se não hou.-esse um oreanismo
01'•' d< reMlhe-los. alguns desteS choques poderiam colocar em risco a
,.,,\pna uistenc:ia do sistema. Por isso o governo inter>~m. e ao intervir
n..-gura a •·iabilidade do sistema capitalista. Eis por que, em certas
'"•>iões. o governo vai de encontro aos interesses de pane dos capitalis-
h1,, 1nas nunca de encontro aos interesses de todos os capitalistas, isto
f. du classe cupilalista em seu conjunto.
Por essas r11.ões. Marx combateu os socialistas que confiavam em
•1uc o Estado colaboraria na transição do capilalismo para o socialismo.
A mstalll"açlo do socialismo. a seu juízo, só se faria atravb de uma
H'\'llluçi.O.

A Revolução Socialista
Numa vislo global do capitalismo, Marx tratou a ac:umulaçlo de
.:apitai como um procrsso que e1n·olve, inevita\--elmente, virias etapas.
<» cic:to. ou crises econômicas ocorreriam com resularidade, e seus
eleitos seriam tanto mais violentos quanto mais desenvolvida fosse a
.,;onomia capitalbta. A taxa de lucro tenderia a decair a longo prazo,
u~cerbando as contradições do capitalismo. As indllstrias se conoen-
crariam em um número cada vtt menor de gigantescas empresas
monopolistas e oligopolistas e, a.o mesmo tempo, a riqueza se CC1ncen··
traria em mlos de um número cada vez mais restrito de cnpilalista.s . A
•ltuação dn classe operária tenderia a se deteriorar continuamente. A
..orna dessas adversidades tomaria imposslvel a sobrevlvtnc:ia do siste·
ma. A vida sob o capitalismo seria intolerável. A classe operária se
rt,·oltaria. destruiria o sistema e em seu lugar criaria um sistema
cconômico mo.is racional. o sodalismo.
A .-.edada que dlmln.u.. Protreff1Y-*19Ntt', o númuo dr: mq::a.1.tu do capttaJ que mwpun
~ mooopoliz. . todas a nn~s deuc: processo de: tnnsbmatiO. aw:ncet.a a m.aaa de
m:iXna. • oP~ de nuaYidlo. • dtceurae:IG. de u~ pioftm. aa:mea:u.
taabaa • Rbddll dl duJlt opc:rin.a. ciuse cada ~ mais D\lmtl"QM, que 6 disdplilta:da.,
....ia • orpaiuda pelo> própno ......mm.o do - c,.Ptaas•• de ptodlo<.,. O
mooopíMIO do c:aptial C(lftvcr1~K mi grilhlo do medo de produ(lo que ~ • e l A&a
l!CCbra f1otttcc\.t A ceot.rali:raçlo dl» meios de- produçlo e a ~lo do trabalho
d~a• a um Ponto e.a que te aoru.m IQccimpadn'is tu:n. RU ~lO caplWtsta. E:uc

105
CAPITULOVIl

A Formação do Capitalismo
Corporativo e a Defesa
do Laissez-faire

O periodo compreendido entre meados da década de 1840 e 1873


l•no 4ue a.\Sinalou o inicio da Grande Depressào na Europa) ficou
"'nhrcido conio a era de ouro do capitalismo de livre concorrência•.
l uriim anos que se caracterizaram pela rápida expanslo econõmiêa em
, IOll• a l:uropa. Os modernos bens de capital. indispensá•-cis para levar
ailt#ntc o processo de industrialização. eram, em su.a grande maioria.
ln11••rtados da Inglaterra. Entre 1840 e 1860. a cxpansAo das expona-
,,;n 111glcas alçançou nh-cis sem prcccõenlell cm toda • bis16ria do
'"''' J\ par1kipaçio dos bens de capital na pauta de cxpor1~õts subiu
'" 11 •;, para 22~. Também as exportações de carvlo. ferro e aço
••P•'rimentaram um crescimento coasiderá,·el.
l nlrc 1830 e 18.50. a lnglatern atravessou uma fa..e ele boom
kmwiário. Neste pcr1odo foram construidas cerca de 6.000 milhas de
, •tr.1d:is de ferro. A construç~o de ferrovias 11crou uma grande procura
' "" !erro. cujll produção duplicou entre meados da década de 30 e
1111· •dos da década de 40. Nos 30 anos subseqOentes, a produçào
""'"'triai expondiu·se enormemente. Entre 18.50 e 1880, a produção de
lor.1 fundido aumentou de 2.250.000 para 7.750.000 toneladas anuais.
~a 11n>duçlo de aço de 49.000 para 1 .440.000 toneladas A produçào de
JOO-..
, 11-.10 cresceu atingindo a cifra de 14-.000.000 de toneladas. O
'""'cr.or BcsSoemet (criado na década de 1850). a fornalha de fogão
ah<r1o (<'fiada na década de 1860) e o desemol~imento do processo

107
•ki
U•
"'"'"º· Outras
1110
formas de associação utilizavam uma empresa financei-
truste o u uma co1npanhia (holdt'ng) - para controlar as ações
'''º' tl11c1to a 'º'º das corporações participantes. Havia ainda a
ol1r111•1lva da fusão ou amálgama de várias empresas formando uma
" 11\• 1 (orpotaçtio unificuda.

/\ l nglalerra, onde a filosofia liberal clássica do laissez-faire lançou


r'4l/1'\ nuli'\ sólidas. foi talvez. o país menos atingido pela tendência à
l•1111111çao de corporações mooopolistas. t ••erdade que os p.rocessos
•· • n•th'>glcos no campo siderúrgjco favoreceram a constituição de gran-
t. <'m1>rcsas produtoras de aço. Contudo, as importações sofreram
110111. 11~ restrições na Inglaterra... e ~ fato retardou a formação de
•OIMI\ industriais coordenados. o que só \•eio a ocorrer após as restri-
\t°\f'. comercia.is instituídas em 1932. É preciso admitir, no entanto. que
• "'" "' fabrican1es de determinados produtos siderúrgicos pesados,
,,.,, como chapas de navios ou de caldeiras, as monopólios se consti·
111lrttrn muito antes disso.
"' fusões ocorridas em outros ramos industriais resultaram na
1111 rnnç!Jo de poderosas concentrações de empresas. As ferro,iias iuglesas
•'~"'-rn.ram~se inuito cedo. constituindo quatro grandes companhias~ No
• · lt•r hancário. cinco grandes bancos comerciais. produtos de sucessivas
t1u t•rr>ornçõcs. dominavam a indltstria às vésperas da Printcira Guerra
~ l 11n d ial. Em 1896. as <inco indústrias que disputavam o controle da
lrthrknção de tecidos de algodão fundiram-se numa única empresa
ouunnp<ilista (J. & P. Coast) que passou a dominar o mercado mundial
,1,.,..., produto. obtendo regulannente lucros de 20% ou mais. A empre-
' "l.l"\cr Brothers·· após succssii,·as fusões conquistou a supremacia no
r ''º'º dtt fa bricação de sabão, não só na ln~Jaterra como em outros
rulses, Os monopólios ou os oligopólios íntimamente coordenados assu-
111lram o controle das indíistrias de borracha, petróleo, sal e papel de
rurcde. Vários outros ramos industriais foram dominados ou fone-
111on1c influenciados por um pequeno nú.mero de grandes empresas.

'"''e~
- O Caso da Alemanha
N3 Alemanha. n ideologia liberal clássica ouoca chegou n criar
profundas. Quando a Alen1anha se transformou rapidamente em
uma potência lndustriat na segunda metade do século XIX. inexistiam
t h\tdculos de natureza filosófica, ideoJógica ou legal que pudesse1n

109
l ·uumda. rcferiam·se a rorp<Jrações. As cortes determinaram que corpo--
tiUi~es deviam ser equiparadas juridicamente às pessoas, o que as
IOl<l<.'avo sob a proteção da clâusula do justo processo.
Sempre que os gol---emos estaduais lentavam colocar lintites aos
• •«..SOS e extravagãncias cometidos pelas corpor ações, promulgando
ll•I' que regulamentassem sua atuação, as cortes federa.is invalidavam-nas
111b u alegação de que violavam a cláusula do justo processo contido na
•m•nda. Desse modo, os governos estaduais foram uduzidos l impo-
IMda e afastados do caminho das gran<les corporações que, pouco a
I'"""º· consolidavam seu poderio. O deputado John A. Bingham, autor
ti• clllusula do justo processo, admitiu posteriormente tê-la redigido
"11oln..-a por palavra, silaba por silaba" com o objetim de proteger o
1llrelto de propriedade privada e os direitos das corporações. O deputa-
tlu Roscoe Conltlin, que colaborou na elaboração da emenda, declarou
""" tarde: "Na época em que a Décima Quarta Emenda foi r atificada,
h111Mduos e sociedades anónimas apelavam para o Congresso e a
l\1lministraçào solicitando proteção contra os imp05tos hostis e discri-
111ln1116rios illstimidos pelas autoridades estaduais e locais ... (a Décima
!Ju.irla Emenda encarna) a Lei de Ouro promulgada com o objetivo de
ltllflcdir que a maioria cometesse contra a minoria atos que não
lukr~triu. se fossem cometidos pela minoria contra eta•••. •
C:ientes de que podiam Jançar·sé impunemente em busca de lucros,
·" '1tuardadas do controle imposto pelos governos estaduais. as corpora·
,11<, prosperaram a olhos vistos. As corporações cresciam através de um
i\h"'c~so de expansão interna e, sobretudo, pela absorção de suas
1 onCôrrcntes. A formação de gigantescas empresas mooopolistas confe·

rlo w.rande ímpeto ao desenvoh•imento de tOda a economia norte-ame·


.1 • .~no.
N" pass11gem do século; os Estados Unidos haviam se toruado a
111111r1pal potência industrial no mundo. Em 1913. a economia norte·
MlllC'í~(U\3 produúa cerca- de wn terço do produto industrial mundial.
m•lo; tio que o dobro do ~ue produ1.ia seu concorrente mais próximo, a
-''• n1~ 11ba. A maior parte das indústrias estratégicas (ferroviasf embala-
~· 111 de carne. atividades bancárias nas grandes cidades. aço, cobre e
il11rnlnio), bem como importantes áreas de produção fabril estavam
.t .. r11lnudas por um número relativamente pequeno de corporações
41u u..,.m<:-n Le poderosas.
Noo; unos imediatamente subseqüentes à Guerra Civil, excetuando·
.. ""'ttlr rcrroviârio. prevaleciam as indústrias de pequeno porte rela·
11 .. •111c11le aiomizadas no contexto da economia. face aos padrões

• -;:;:-;: 137.

111
,,,.. "ª' referentes ao inicio desse proce>$0, ~ possírel afirmar com
ol11um• \egllrança que a concenuação da renda intensificou-se consíde-
'º"'º""'" entre 1870 e 1929. Em 1929, apenas 5% da populaçlo
1~•11rrola•·• 34"1• das rendas pessoais disponh'Cis nos Estados Unidos". O
1rnu de co11centraçào prova•·elmente já havia atingido esse nlvel em
1~ 1 l. No llnal da déêada de 20. as mais ricas fnmlllas e pe=•• flslcas
lln~ularcs que mrrespcndiam a um quinto da população, controlavam
1'C " • de 50% do total das rendas ~ais.•

RevigoramenJo do /túologia
Liberal Clássica
A imensa concentraçlo do poder econ&míco em mãos de um
1"'4ueno número de empresas gigantescas e de uma ~uena percenta·
• '"' d• população parecia contradiz.cr e tomar desatualizada a ideolo·
••• llberal clássíca. A do utrina econômica desenvolvida por Adam
\11111h e aperfeiçoada por outros economistas bl>eraís clássicos de reno-
~como David Ric'.ardo, Nassau Senior e J. B. Say, tomava como
,.,..."uposto a existência de uma economia composta por uma infinída·
1lc- de pequenas empresas. Em tais condições, nenhuma empresa iJola·
•l•ntcnte poderia exercer influência significativa sobre os preços ou
.... tire o total de mercadorias vendidas oo mercado. Cada empresa
'••tricava suas decisões pelas preferências manifestadas pelos consumi·
do~ no mercado~ e pela concorrência movida por inúmeras outras
,..-quenas eJnpresas, todas di>putando os dólares dos consumidores.
Por maior que pareça a defasagem entre os pressupostos da teoriJi
"noomica libe<al clàssica e a realidade econ&mica do final do skulo
XIX. as dou trinas sustentadas pelo liberalismo clássico não calram por
trrra. Pelo contrário, recuperaram sua atuahdade, ao conílulrem com o
uuhtarísmo de Bentham (ji implícito no modelo normativo da "mio
lo• i>ivel" . de Adam Smith) e ao gan.h arem um elaborado e berm~tico
11rcubo~o de álgebra e cAlculo. Coube assim à nova escola d05 pensa·
•lorcs econô micos. conhecidos como economistas nttX/áJ.sicos, dar "º"º
.,~or à.s doutrinas econ&.nicas liberais clw icas.

113
l u1n palavras menos ambíguas. Wulras reafU'Illou a idéia de que a
u11h1l.idc era quantificá.çel: ·•pre~umi.rei. portanto. a existência. de uma
111rolula padrlo qu• permita a• aliar a intensidade de necessidade> ou a
uuhdade intensiva, aplicável não apenas a unidades similares do mesmo
e I'" de riqueza, como !Mlbém a unidades diversas de rários tipos de
1 •lllt"t~i·· ••.
1 \tabelcciclas as magnitudes presumivelmente quantificá.-els com
" quai' pudessem trabalhar. o passo seguiníc foi elaborar í6rmulas
'1111h,·1n!1ticas gerais que possibilitassem demonstrar a existência de uma
11 l11~Ao funcional entre a utilidade obtida pelo consumidor e as quanti-
1t11I\:~ das dh·ersas mercadorias por ele consumidas. O problema consis·
1111 cm demonstrar de que modo o consumidor podia obter a mA"inu1.
11tolu:bde, dada a sua renda e os p~ das mercadorias vigentes no
fnrr~:ado.
Segundo os economistas neocli~icos. os consumidores maximi.7;1-
11111 a utilidade. quando o acréscimo na utilidade derivado da úlbma
111111Ladc consumida, expressa em termos d a relação de preço da mcrca·
.~·lia. era equivalente ao acréscimo de utilidade derindo de todas a<
""' ' ~mercadorias. Em outras palavras. o último dólar despendido na
•t•tui\tçllo de determinada mercadorin dC\'Cria propiciar ao oonsun1idor
" 111C>nlo ncn!scimo de utilidade que o últ imo dólar dcspendidoo nn
1h1t.1i\l~!lo de qualquer outra n1crcadoria. Jevons expôs a mesma teorin
11ii•1n nu l~ termos, declarando que o consun1idor maximiza a utilidade
1••r<1ue ele "obtém lai< quantidades de mercadorias que os resultados
ln·"' das utilidades de um par qualquer de mcrcodorias s:lo in•ersa·
111<nte P"'l"'rcionais às rela.çõe< de U''O<a (preços) elas mercadorias"".
Suponhamos que existisse um mercado lhre no qual O> ronsumido-
h"' pudessem trocar li,-remcntc suas rendas por mercadorias_ M ovido~
t"'·ln interesse próprio. os consumidores procurariam ma.ximiar a utili·
1l.1dc. Os ncoelãssic'OS concluíam que. dada • distribuição existente de
rlque1..a e rendas. os consumidor~. ao o.dqu irirem mercadorias. distri·
huiam suo renda de forma a maximizar o bem-estar de todos.

A Teoria Neoclássica da Produção


A teoria ncoelãssica da produçlo partia do principio de que o
'omportamento da empresa era perfeitamente simétrico ao rompo na ..
n"' nto do consumidor. lnreressada em maximizar seu<. Jueros. a emprc..
...a procuraria operar com a maior eficiência posSÍ\"Cl o que i.mplica,·a.

14 ww... .,. "'. p IJ7.


1~. '"°""· .. "''p 139.
atn1l1111,... 1t un1il '41,u.JÇlu cm ql.K c;ida 1.'1lt~.iurlà de fatore\ pTO<lubYOS
,...Hr1• i;.1111" p ,sanKnlo uma quantlla ~quh•lc:nte ao \'a.lor de -$U1.
W1At1~11 ...a.• lft.,itinaJ pant oproccsto prod1.1ti\'O. brc 1hn pa~ kro
_.lo tu\k) de dt•nribuír;lo du indas.. em que: nda u:D.id.ade dot
l•••lM• Jlfud11tr.'* ~ quuti.a cqui.-.knw ao CllM: produ:Dise. ()J
th~~ a.,.., 1.'1)ftr.cs1anun que alo w podiam t'Oll-fund.tr 11tnidadts de
l1lurf1 fU1>duth'Q5 com pessoas (pelo menos. no que l."OCK't11.'lt ã tetn.
'°' llfl.UIM" naturah e ao capit.a.U. Pan que o J•lcma fosse j?Js:10 -
t11th11am º' crlticm; - tra nect$s.6.no dàtribuir de torm1 ~üitati•·a a
l"''Pti..dadt do~ fa tores de produ~o.
NAt.1 <.->Mante essas ob~()ff. bS ccon on1~111 ncoclA:uicM conse-
•hlt•m c•trulurar uma argumenUtc,'io tc6rk·• 1:111 deft1s11 d11 polilica
llh•t•I t:lâ'\.dca do laiJSttafoin - que irnpn::ulooàYI! Ao n1t:smo tempo •
.hlf411n um IRl(.llW abismo enttt ll teorl• ....cc>nbf'l1ka e a rcaJJcS.do
a t••h•tnJta fl,futtot economistas filiodót à tradlçlo neocU1.$Ska. passa·
11111 1 ifO•Jflll' ltlt•lmcnk os probkmiu 1.'0ntl'tlO'I e ht~lhulç6c'f «O'D&-
n1lt:•• ~'Otlcn1c5 ri.a pritica. Cocúinados quina tOtft de n•arlim. ocvpa·
••Ili M t"u.1w•~ •mt'11e 4- connrut&o dt mncklot rm1mi.idto.•.• ituenni·
•ª'"" ~ ~Mlu..·.ai "ªriaç6e:s em 'oroo da.s tnll!Sm'" trivialidades.

Modi/i~ Subseqllentes
da Teoria Neoclásrica
l'cnos «:ono1nl\ta1 neocl.Asdc0~. jS ele te@unda ou l c~dra gC"raçA.o.
t•'t\1·b1:r1u11 11 ur1@ncia de mudific-3.r-' IOQl'M p;iJ'IL t'>rnA·IAmai~ adcqun-
1111 11 1\'11Jlttlntt. Ao ron1rirlo do que dl1h1t11 (l<t nooclAt;;J~)!i, o slsicma
... 011;\rnko nAll ~r• c11ractc.":ri7.ado pcl• "t-onwrrf11<IA perfeita", Era
l11f\0~1 1dml1lr que hlL\'l1t lmpcrlclçôcs n~ toodelv. Suas prhKi:p:lls
l.1!11.l\, -.c:sundo C"l-~ eoonomisw. eram as aqruinlC": ( 1) Alaun) com·
1•1.11J. 1"1:1 e "cndcckt~ 11nham o poder dt inllulr ~e 06 p~; •lém
1

W "'""· &J «on0mia-t car~dü pela prod~Jo cm 1.ug~ f$;aJ.a


Pil•cd.am '°'"'"' bso i~tá~l. (2J A prod...-&o e ttoJ.a dt dttftUliu-
lb\ rnt·rcadoria) "c0Ml:u1u<bs sociatmtnlt·· Jam1.b \ft'Um kacrathu
""ª"' «'OOOllli• capitalista de- lhw. coacanfnda. •fnda que ~
°'
nmudrradü u mah de$ejivtU; pela maioria. dos ('Mjadhi; (por Cl"Cm •
ri ... ,-,1r1.du. ncolu.. txil'f'lt0$). (3> cu1t01 de rroctuclo de detcrmi·
•1.1111.- ft'IC"t'('&doria (JUponharnot. 11utom6'·cis) poderiam dJfcrir c:ons;ide·
,.,~1n~n 1 c (I~ ('ti.n os sociais (tais c.-omo a fu1n11(•) decorttnles eh
1•nwluçAo (let!A mtiudori.ll. Neste caso. p.a.rG o .ock:dadc Cltrl -seu con·
li111to, U!I CIJ•t~ de produçào po~ l vclcuen1c cXl.'lldetlnn1 Oli bcneHckx
1 wll11nln da r1rodu~Ao da mercadoria, 1nulto cinbon. o produtor

117
O Laissez-/aire
e os Darwinistas Sociais
1•1tr.t «."'Oocluir a cx:posiçlo sobre os teóricos que argumentavam cn1
' " " " 110 4.:apitalismo de lhrc concorrência no fina l do século XIX e no
1•!111< lt>lo do século XX. caroc1erizaremos cm poucas palavras o chama
1111 J.u .. ·it1isn10 social. Os dtuwinistas sociais insistían1 lambén1 em que
.. ~. •1•~n10 não de,eria se opor a que os capitalistas concorressem
h"cotlcnte no mercado e. de um modo geral. eram fa.-oriveis a que o
lfº' 'no interviesse o mJnimo possn~e1 em todas as esfeTaS da l'ida.
,\parentemente. os argumentos que le.-..ntararn em delesa do capitalis·
rt ·• tli· livre concorrência em tudo se assen1elham aos argumentos dos
,, "''umistas aeoclâssico:.. ND realidade. há dileren~as importantes. A
l"'11i11ca que propunham baseava.se num arcabouço teórico substancial·
t••flllh.1 diferente~
O. darwitmtas sociais apropriaram-se da teoria de Oar-..in sobre a
t·\••hu.;lo das espécies, transformando-a numa teoria da evolução social
11r.11t>posição que o próprio Danrin desapro•"OU energicamente. diga-se
.i. p.usagem). A ronconfncia, segundo eles. constituía um processo
h kt•lógico em que cada geraçlo era superior l &<'ração p recedente. J;ste
1•ro~rc<;so ascensional se de• ia à eliminação dos menos aptos para
"':-hrC'\•hcr, daqueles que ernm incapaze:s de se manter e de p rocriar. A
,·.opacidade de sobrcvh-cr uaduzia tanto uma superioridade biol6gica
•1lrnnto moral.
Herbert Spencer (1820-1903). pai do darwinismo social. baseou sua
1c.. ria .-olutfra e moral no que ele chamou a ln da condu1a e da
t· ,,u~qui11eúJ. A sobrcvi,·ência da espé.cie humana s6 seria assegund•.
•hlÍa ele. se a sociedade distribulsse seus benefícios em proporção aos
n~ritos das pessoas. ou seja. conforme a capacidade de cada um ~
.1uto-su<tentnr. Toda pessoa colheria os benclkios ou sofreria as conse-
qOt!ncin~ de seus próprios atos. D este modo. prosperariam os q"ue
melhor se adaptassem ao ambiente, e os que não conseguissem se
•daptar •Criam eliminados - desde que as leis da conduta e da
'"nscqOênda fossem ob>ervadas. Se o governo toma "daquele que
rro,perar para dar àquele que ..• niio prosperouº' - com a intenção de
atenuar as desigtulcb.dcs de riqueza e de renda - 'ºestá ll'3nsgrediodo
olt. dC\erc~ que tem para com os primeiros e se excedendo aos dcn:rcs
4uc tem para com os últhnos .. ••. Spencer con~idcrava este lipo de
medido um obstáculo ao progresso social. que poderia, inclu.sivt. se
I&. C'iud~ pm S-..tnq- hne, LAwa ,..•ln IUfd , . . c;.,.."91 K-~,l/"•'f' Sktt iAaP Arbor
l ~""" el fl,f.c-hl~ heu.. l%-ft, p ~

119
11t l11d plo do século XX mescla \•a os princípios da economia neoclâssic.a
t tto 1ha,...inismo social.
() huniem de negócios encarava a acumulação de riquezas como
pto\'• ~oncrt::t.a de su perioridade evolutiva, e a pobrez.a como CYidência
111 h1 teriorjdade evolutiva. O suresso. afirmou o escritor Bcajwnin
w,,,"''· ''é nada mais nada n'lenos que realizar com determinação o q ue
.1111toi realizam com indiíerenç.a .. . Para Andrew Carnegie, o sucesso
. 1111 11i1\tia e 1n .. trabalho honesto. h&.bilidade e concentração"; outto
11u1u·csário declarou: "a riqueza sempre foi e sempre se ri a conseqüên·
•hi nn1ural da diligência, da temperança e da perse.-crança" . Segundo
\ t r. Oodd. procurador da Standard O il. a pobreza existia "po rque
.. 111.11ureta, ou taJvet. o diabo. gerou alguns homens fracos e imbecis.
101l ro·i; preguiçosos e imprest á..·eis. e nem o homem nem Deus podem
la1cr rnuito por aq_ueles que nada fazem por si mesmos.. ._..
As vanLagens que a teoria econ8mica neoclássica via na concorrên·
d11 pareciam ju stificar a validade da idéla da "sobrevivência dos inajs
~1 1H os" oa •·tuta pela sobrevivência". ' "A concorrência na economia".
"firmou Richard R. Bowker. Hequivale à lei ..• da seleção natural na
n1uurca"".
Embora algunS homens de oegócio e intelectuais comprometidos
,·om eles insistissem na validade da doutrina do laissez -/aire e fossem
•tlcptos da ideologia liberal clássic a, muitos defensores do sistema
-.·.tpitalista acreditavam que tanto uma quanto outra ha,·iam se to rnado
urndequadas para 3 n.ova era da produção em massa (caracterizada por
w 1~aint esc:a concentração de riqueza e poder em n 1ãos de um reduz.ido
nUn1cro de çorpora.~ e cttpilali$1as). Os últi n1os anos d o século Xl X
h.·,ten1unharam o ren11.scimcnto da antiga ética palernalista. No capítu·
k> Vlll. analisaremos a nova idoologin do capitalismo que, sob muitos
..-.;pectos. constit uía uma versão aproximada da êtica paternalista cristã.

Resumo
Um dos traços caractcristico.s do capitalismo no finaJ d o século
XIX . (oi a formação de gigantescas corporações. As principais indús·
11i tts fora.n'l submetidas a um con rrole cada \·ez mais centralizado.
l'"ralelamente à C<>ncentraç ão industrial, e cm p roporções igualmente
'urpreendeotes. ocorreu a concentração das rendas em n'lãos de uma
pequena percentagem da população.
Em vista desses fatos~ seria lógico supor que a ideologi3 liberal
dás.sica (calcada na análise de uma economia composta por i númeras
ta 'rodas ~ dtaçbcs amlictas. neste puigru.fo fQfa.. extnld~u dt> Fmc, op. r.it.... p , 98
19 fW. p 100:

t21
CAPITULO VIII

A Consolidação do Poder
Monopolista e a Nova
~tica Paternalista Cristã

Após a Cu<rra Civil, o processo de índustrialização nos Estados


tinidos carac1eri.zou·se, em suas etapas iniciais, por uma concorrência
lcro< entre os capitalistas industriais e financeiros. No per1odo com-
pn:cndido entre 1860 e os primeiros anos da dEada de 1880; os
cmprcslrios mais fortes e astutos coostitulram grandes impérios com os
lrut0> da conquista econômica. O aperfeiçoa.menta dos meios de trans-
1>0rte. a crescente padronização dos p rodutos industriaiJ e a enc~ncia
,-uda "º' maior dll produção em massa possibilit.a ram a criaçlo de
mercados de proporções nacionais. Eram imensos os riscos envolvidos
nesta contenda cconômica e para os que estavam implicados nela. não
h"vla misericórdia.

A Concomncia e a Guerra Industrial


Pllgíuas e pAg i na~ foram escri tas narrando episódios marcantes da
guerra que Lravnvnm as indústrias nessa época'. Por exemplo, John O.
Rockelcller e llenry M . Flagler . dois expoentes da indústria petrolífera
e ntbarcavam tamanha quan tidade de petróleo que conscguirnm arrnn·
car impartantcs <'Oncessões das companhias ferroviárias. A redução dos
custos de transparte lhes permitiu vender o petr61co a preços inferiores
ª°' de seUJ concorrentes. Desse modo, a Standard Oil Company of
Oh.io - razão social da sociedade criada par ambos em 1870 -
J \·n. pGll' "'"""*·
Mudiew Jo.c:pmoa.. De-- Ji.o6.6itr IHrotU ("'b• fONPM· ft #\'Olll"I 8nc."e
hM0"'1Ch. K~t Boob. 1'61), p&ra • • rdi.tO tasdau~ du fac'•llbu d06 <*P.ulh.l•~ «- ..,-1,

123
t1l11i,;nva a. cumprir" . As companhia.~ rerro\•iârias manipulavam tam·
hf m ronlatos com políticos para obterem do governo a doação de terras
púhhc11s. Calcula-se que tais doações perfüeram u m total de 158.293.000
.n-1es - extensão de terras que supera as dimensões de muitos paises~.
\/~..*· portanto. que. na prlltica, as '-"Onipanhias ferroviárias não Jeva·
'"º' n1uilo a sério a politica do laissez·fairP .
Os grandes e mpresário> desta época definitivamente não e ram
ho1néns de muito eS<.TÚpulo. Não foram poucos os que fizeram íortuna
à custa da Guerra Civil. Aproveitavam-se d os períodos de escassez
.tj;\lda de suprimentos para \'ender ao exército. a preços e)l'.orbitantes,
.. "obertorcs de lã inferior. cavalos doentes e rifles imprestáveis. (e)...
pnJ\·isõcs de carne de boi nun1 estado repugnante"'°'. Para eliminar seus
t...'Oncorrcntcs. não hesitavam em contratar assassinos profissionais, re-
""Orru a seqüestros e uâliz.ar dinamite. Tampouco hesitavam em lesar o
público em milhões de dólares atra•'és de manobras e operações fraudu-
lentas na bolsa. Algumas dessas ações eram legais, outras não. O
espírito com que agiam estes empresários capitalistas foi claramente
<ncamado por Cornelius Vanderbilt . Quando ad,·ertido sobre a duvido-
sa legalidade de uma inictativa que pretendia tomar. exclamou: "E o
que me importa a lei? Eu não tenho o poder?" 1 Também \Villiam
Vnnderbilt, quando lhe perguntaram o que pensava do clamor público
contra uma de suas decisões políticas, respondeu: ' 'Que se dane o
público. Eu trabalho para os meus acionistas••·.

Conluio Empresarial
e Regulamentação Governamental
Decorridos alguns a nos. as empresas que- h aviam sobrC\•ivido a essa
guerra era1n. en1 sua maioria, grandes empresas com uma boo. dose de
experiência a.cumulada. Para 1odas elas, .seria desastroso manter a
concorrência com o mesmo nh-el de a.gressh·idade. Até 1880. a concor~
rência íacultava a obtenção de vultosos lucros. Desse momento em
diante. porém. as e1npresas vitoriosas perceberam que o conluio e a
cooper-ação seriam mais proveitosos. Os pools.. t rustcs e corporações
unificadas (descritos no capítulo VII), formados em conseqllência do
processo seletivo instaurado pela concorrêocia, poderiam exercer, cm
paz, os seus poderes moaopolista.s. Ã medida que se aproxima\'ª o fim

:. lbid.. p. 7'9.
ó fb1d. p. 67.
' lbid... p. 72.
&. lbid.

125
'>111> o rnandoto do pTesidente McKmlcy, fomm regjstradas somente
llllq• oll;l~S judiei.a.is enYoh·endo. Lei Slw!rman, embora 146 combina
\"'' 1ntlu•triois de i1"p0rtânci2 lenham se formado. apenas no perlodo
rnll•J>"-'<"11dido entre 1899 e 1901. A United Suites Steel Corporation,
'º'"'ti.a\ 4:0lnpanhias que se fonnara1n.tinha sob seu rontrolc. cm lWI.
T/15 l.ibricas. cujo valor totalizava a colossal de S 1.370.000.000.
>0m1
O!i. e\ClndAJos en,~oJq.ndo as companhias ferro,i.árias - lucros
t1hu'''º~· subornos. corrupção e prltlicas discrin1inat6rias - levaram o
ll'>Vt·mo ledcral a criar o primeiro dcpannmen10 de ação reguladora. A
1 ··I 11< Comércio Interestadual. promulgada em 1887. institoiu a Comis·
"" de Comércio Interestadual (lnterstale Commerce Commission -
u·c· ) criado com a finalidade de regularizar as ferro>ias em nome do
u11cn:3rrr.Se público.
A concomncia entre as companhias ferroYiirias vinha traundo
'""\e'lnências tllo destruidoras que as pr6prias companhias foram as
rumeiras a solicitar a regulamentação federal. Poucos anos apôs a
•r•rv-.açào do. Lei de Comércio Jntc.rcsc..dual. 01.ney. P.t"'-'.unu.luT Geral
,,.,, Estados Unidos. escreveu uma ca.na para o presidente de uma
, .. mpanh.ia íerro,-ib.ria. na qual a uma certa aJrura. dectara~a: "A
1 .. missao (ICC) ... é, ou pode vir a ser, de grande utilidade para as
-... m1panhias ícrro,iárias. Sa1i.sfaz o c lamor pupu lar. que exige a super·
m.10 das fcrrO\ias pelo governo. dando. ao mesmo tempo. um caráter
1•uramcnte nominal a esta supervisão. Além disso. quanto mais »ellrn
l•car esta comi~sAo. mais predisposta estarã a partilhar do ponto de
• ..ta das empresas ferrovi.irias. .. "•.
A pi'<' isAo do Procundor C..raJ foi conf.,.mada pelos lat.,,. N°'
"'"" que se seguiram à criação da ICC, surgiram outras agências
lnlcrais com funções anâlogas. A Comissão f'cdcral de Comunicações
cl cderal Communications Comission - rcc ).
o Conselho de Acroniu·
t1<:a Civil (Chil Aeronautics Board - CAB). e a Comissão de C1ntbio e
wguros (Seouritics nnd Excllange Commission - SEC) foram algumas
1L>< agências !ederais que se uniram à ICC pnra "proteger" o interesse
1•úlllico. A maioria dos investigadores que se dedicam ao estudo êl.us
pritticas de regulamentação govemamcn1al concordam que .. o fato
poliúco mais em evidência acerca . .. das comissões de: regulamentação ê
...,e elas. de um modo geral. tornaram·:se as promotoras e as protetoras
de 1ntcrcS)CS d.u indú~trias? para cuja. rqulamcnla.çào foram coadas"••.

9 <......_rt«GrHn 'lcC'~ ~ fteplat-.. thc,di1bof ~· cm O. Mm!K.ldclli.


...... .-. ~..- ,\14ti/'Ul#ff,., R~s-" R.Jt«/Olf,,,_. ~ Ho.:M. lir<I)
(NoF-a Jorqoc:
1 ...'1',
10 /11.td. p . 199.

127
nn elite, os mngnatas da indústria e das finanças, para a qual atnl>ula a
função de zelar. paternnlisticamente. pelo bem-estar das massas.
Essa ideologia rcllelia o fato de que muitos magnatas estavam se
transformando. aos olhos do público. em heróis populares. As modifi·
'~ções econ3m1cas nas duas últimas décadas do sé<.-ulo XlX e nas três
primeiras do s~culo XX converteram o homem de neg6cios bem sucedi·
do no tipo social mais admirado. O seu Sxlto constituía uma prova
rrrevogá\•el de que possula vinudes superiu1n -1s do homem comum.
hs• mitificação do magnata bem sucedido transpMett nas biografias
c'crita> por William Mnkcpeace Thackeray e nos romonces de Horatio
Alger. Estes e outros autores de> mesmo gêncre> criaram um verdadeiro
'"-ul1o ao sucesso. Encara\am a crescente concen1ração industria) como o
produto da superioridade biológica dos empresários que se sobressaiam
n.:<>se pro..-esso. Gloriíic11,am o homem que progredia à custa do esforço
próprio. e>self·made ma11, e mantinham vivo. na imaginação popular. o
mito criado por Horatio Alger. do maltrapilho que. do dia para a noite.
"' convc:nc en1 milionário.
A mitificação dos homens de negócios aliada à hostilidade às
fonnas destruth'as de concorrência. partilhada tanto por emprcs6rios
,,uanto pelo público, criaram as ~'Ondições para que se difundisse uma
nO\·a ,-crslo da ~tica paternalisia cristã. extremamente conservadora.
ern muito semelhante à filosofia dos radicais do partido 16ri do linal tjo
<l'Culo XVlll e princípio do século XIX. Os infortúnios dos pobres"'
\\>l!Ararn a acupar um lugar de destaque na literatura desse período. A
"'luçào p3ra esse problema e também para o problema da instabilidade
<"«>nômica consistia, segundo os adeptos da nova ideologia. cm cstimu·
lnr o. cooperoçlo entre os lideres dA'C eranrle< éarporacões. A concorrên~
l'ia passou • ser encarada como um Ccnômeno anti-social. A cooperação
l•ria desaparecer as instabilidades cíclicas na economia e elevaria as
"'ndições de nda da população.
Essa nova .-ersào da ética paternalista cristã foi endossada pelo
l'•pa Leão XIII (1810·1903). Em várias e ncíclicas divulgadas entre
11\78 e 1901. o papa abordou os problemas dccorrenu:s do capiurlismo
monopolista. sugerindo algumas soluções. Na Ret11m no•ot11m ( 1891),
"firmou: "é preciso encontrar um rcmêdio... que alivie a miséria. e as
1kçgraças que afligem neste momeuto, tão durameni., a graridc maio-
ria dos pobres". Em scauida. na mesma encldica. condenou a concor·
rênc:la irrcfrei,·el:
•>li trab-alh:adore1 t.\1lo cntt'C.J1.IC$. isoJad~ e i n dcf~.
l huens.ibdidade dos ~pregado­
"-' r 1 YQracidl;de da COIM'O~ria irrdrclvel. O mal t *&r'*'-ado pela u~ura dcxnfru-
uada pratlc:ada por homcu a...a_ttn~ e <'.mbidoios.. E a isso deve KT ac~t.do o
•-11 me de lnba.Lb.ar por c:ontn.to t a CODC.Y-.unçlo de: tan105 nmos do comkcio an

129
dos e a hostilidade às formas destrutivas de conco~ncia. Andrcw
Carnegie, um dos magnatas mais bem sucedidos de seu tempo. Cl(pri-
miu o modo de pensar da maioria dos grandes financistas e empresários:
E.~ para a huma.mdadt. e olo ooc:iTa como ditta, 1 an&mut.(-lo dr riq~ pcx-
aqodcJ- qUie tfm a t.bilidadt e a energia para ptoduri-LL ••.OitpOmO!l do nrdadciro
. .ddo<o l"lr& • cles<....ldadc -porina da dism'baoiçlo de ,;q- a , _ . . , . . , do
rico e do pob~ - o m.nado da: hanoocü2 - idtal rmuto diferente. daquek que
propupam °' comuout&$. u. . t a qw: requer apenas a ~.lo das coediç~ o:i$im-
u:s. e nlo •de!~ toW ck nossa avili:uç!o. ... Sob o ttbtado da banaocMa. t.cttrt'M)I
um Estado ide-ai. no qual • riqun;a ucedtnte da minorbt se cva~ no mc:lbor sentido
da palan'a, na propriedade da ma.kwia. N.s mãos da minor~ que a admlnbcn. tm
Pf'O"'t"iro <lo beni eomurn. C1$11 riqueza torna-se um.a to~ Clpit de c~at a anndcu de
nossa rat•. o que nl.o ooorttri.a st: fosse di.suiWda, em pcqknH iõmAJ, para o próprio
povo'•
Segundo Carnegie - e essa era também a opini!o manifestada
pelos mugnntas e por seus porta·vozes - o milionãrio seria "o curador
dos pobres, sob cujos cuidados ficaria, por uma temporada. grande
parte da riqucia acrescida da comunidade. pois ele seria capu de
administrã-la com muito mais eficiência do que se a riquCU> esti,·esse
aos cuidadc,. da própria comunidade'.,•.
' O Reverendo William Lawrence deu. a essa \-islo elitista. a apro,·a-
ção religiosa: "Com o passar do tempo, a riqueza tende a se concentrar
c.clusinmente nas màos dos homens de boa moral... A dcvoçio anda
de braços dados com os ricos'"'. George F. Bacr, presidente de uma
<"Ompanh.ia ferroviária. tinha a mesma idéU. quando declarou aos
trabalhadores: "Quem protegcri e cuidari dos direitos e interesses dos
trabalh:ldores não serão os agitadores sindicais, e sim os bons cristãos a
~nem Deus, em sua infinita sabedoria, entregou o controle dos interes-
''" dn propriedade do pais'ª".

Simon Patten e os
Fundamentos Económicos
da Nova Etica
' Jalvcz o malS influente porta-voz da nova id<ologia corporativa nos
"""" acadêmicos tenha sido o Dr. Simon N. Patten , professor de
"·••lklmia da Uni>crsodadc de Pensilvtnia, de 1888 a 1917. e um dos

1 1
tccas e galerias de arte ... (recebiam) generoso apeio financeiro, dos
fundos destinados às igrejas .. . (cresciam) e missões ... (eram) formadas
no país e no exterior"". Dianle de quase todas as questões polltic:u que
agitaram sua época. Patten assumiu posições marcadamente pró-indus-
triais e capitalistas. Encarava os capitães de indústria do final do sê<:ulo
XIX como uma ellle paternalista e gene.rosa.
O c:racimcoto da prochwilo capitalista cm larp u.eala ocasioooD • d.iminaçlo doe
capitústu attd·sociafs: e a tra.nsferf'ncia. para os pupos soci&liudm, do controle de um
aúmcro cada~ maior de indústrias. .. No fundo. o $ealimmto que arUma o capitalista 6
o altnásmo. que se f.«PttS.Sa na simpa.ti• que Kait pelo trabalhador. A pTCOCVptlO&O qge
têm os ho~ da. dasst alta de melbar&.r .s cORdiçks de vida das duscl blhu c:onttitui
um feo&meoo radie&.lmeo~ diferente cS. prasio que fftq exCTttm risando a õbltt mel»
riu put -si. At classes ba.ius mobilium·K i>ara conqu:isur o controle do Estado em seu
próvrio int~sse. A c:Jauc alta mobili:u.._ coa~ as mis condiçõa unbkiiW$ que
wpedem o homt:m de npreuar sua pcr$0ftAllc.tade
Patten sugeria. como medida destinada a desestimular a concor-
rência, a tributação das empresas competitivas e a concessão de isen-
ções fiscais para os trustes e monop61ios. A eliminação dos desperdícios
das perdas causadas pela concorrência beneficiaria toda a sociedade.
Em sua obra The Stabi/Ít)I of Price.s, afirmou que a concorrêhcia era
responsável, em grande parle, pela instabilidade econômica que carac-
terizou o final do século XIX. Dwa que, quando o processo de
ll>rmação de trustes e monop6lios estivesse concluido. a produção
poderia ser submetida a formas de contr0le e planejamento suficiente--
mente rigorosas para que a instabilidade econômica fosse definitiva-
mente eliminada.
Como a ideologia liberal. a ideologia paternalista de Simon Patten
era hostil à excessiva interferência governamental nos assuntos econ&-
micM- O governo deveria intervir exclusivamente para favorecer o
desenvolvimento dos trustes e monop61ios e agora criar obs!Aculos à
concorrência. Segundo Patten. todas as reformas sociais e eeonômicas
importantes seriam realizadas voluntariamente pelos capitalistas sociali-
zados. num sistema em que as corporações coletiviz.ariam sua ação
mediante a cooperação.

O No"'° Patemalismo
e o "New Deal""
22. SLmo. ~boa PatXn, 1lw Tlwoty of hwpwiry (Nof• lorqu,c: Ma.ccniDla 190%), p. l10.
?J. Simoe ~ P•ae;o, ~ RM:otilt'l.IC'dotl ol ~OllO!ftic Tb:Ol'J"'". nl~ cm Sa.-t
~m Patt:m. Eavv~ iA E-oinir n-,.. ed.Ww R~ 0.1 T1,1pdl {Noirt Jotqr,1e: Kopl, 1924),

24. Para uma. dücws&o mais. complrtl 6u ~ ...ns..ct. ~ 1•m• .-u E.. K. HQJl.t,
:~=~:ia~i.': ~~91.ÚOl'loc:k JckdoC)' o( t!le Early Pkw e>ear. RcM.rw ~ S«W ~.

133
NIRA) funcionasse, pensa•a Tugwell, cada indústria acabaria con\11
1u1ndo .eu próprio goYCTnO à sombra do qual poderia cumprir sua
•rrdaoora finalidade (produt.ir ao inYês de competir). A NIRA poderia
ter sido aplicada - escreveu Tup'dl mais tarde - de forma a
promo~er u.m ..grande coletivismo.. que canaliza.s:se as energias america-
nas para um esforço nacional disciplinado, visando a est•bclecer bases
"'C"r&S para o bem-estar'"...
Ao expor os motivos da lei perante a A$$o<:iação Nacional de
t'abricantes (Nat.ional Association of Manufacturers). o general Huah
S. Johnson, principal dirigente da Administração de Rccu peraçlo Na·
cional (National Recovery Administration - NRA), afirmou: ··a NRA
será uatamente o que a indústria organizada cm associações comerciais
ri= dela". Decbrqu, cm seguida, que antes da cri.açlo da NRA. as
usociaç6es comerciais eram tio eficazes QU&Jlto uma "Sociedade de
Tricô para Vdbas Senhoras". Ho;e, din.JO-mc a um conjunto de asso-
o~ comerciais, ouuon cmUC"Uladas, para falar sobre uma ld que
se propõe. pela primeira .u. a outorgar·lhc> puder,....
A maior pane da literatura econômica. publicada cm 1934, admi-
tia que as reformas iniciais do N.w Dffl não haviam ampliado, cm
escala significativa, a intervenção governamental nos assuntos cconômi·
c:os. Pelo contrário, resultaram no fonalocimento das assocdções c:o-
mcrdais. que receberam apaio governamental para assumirem o con·
\role sobre toda a indústria".
As experiencias de autogoverno empresarial fracassaram. Concor·
damos com as concl\1$ÕCS a que chegou o ilustre historiador Artbur M.
SchJesinaer sobre os resultados dessa fuc inic:W do N- Dtol:
Ôaittt11Utt. . . ~ou:~~ A prochic;lo dcçaio. oaMildical09 e•
Se(.lo 7A lon.m bYttados. as~ cmpmae; foru11 ~. o pm:ideale
ior.o.-se .a-,. • crióca$ ptSSD9is ~ lf'GUCU'U. e est•~sc um grande. •trvpc1o n1
~tida 4- corrida~• por 1Kro1. A upu~ CMiuu • ROllllettlt o qiae:
o msdruo e 01 prinápiot doorrinirioa haviam casin•do a Jdfenoo e a JKbon· para
rcfonnu o capitalismo. f pttc:iso Jutar <'Olltra OI c.plt:alistas. com unhas e dimtts n .

Em pouco tempo foi abandonada a filosofia que inspirou as


reformas iniciais do Nn<1 Deal. A Lei de Recupcraçlo da Indústria
Nadona.I (NIRA) foi declarada inconstitucional. A nova ideologia pater·
nalista riria a ser interpretada em bucs mais sólidas após a Segunda

135
CAPITULO IX

A Prosperidade Econômica
e o Socialismo Evolucionário

No final do século XIX e principio do século XX. as teorias


socialistas do capitalismo foram prolundamente infiuenciadas·por duas
ordens de acontecimentos: ( 1) as conquistas políticas e econômica.s
alttnçadas pela classe operiria e (2) a partilha imperialista, pelas
principais potê:n cias capitalistas., das regiões economicamente menos
desenvolvidas. Estas duas ordens de acontecimentos cindiram o movi·
mento socialista em dois campos opostos. Uns defendiam a tomada
pacifica do governo pelos socialistas, que poderiam, assim. utilizA-lo
para promover reformas econômicas e sociais, conduzindo a uma
evolução gradual para o socialismo. A ala mais combaciva do movimen·
to continuava fiel à visão marxista da aatureza de classe dos governos
capitalistas. insistindo na necessidade da tomada do poder pela via
re,·olucionária. Este capítulo trata das conquistas econômicas e poUticas
da classe operária e das tenc:JE:ncias reformistas e conservadoras que, em
conseqüência delas. se cristafu.atam no movimento socialista. O impe-
rialismo e o socialismo revolucionário serão o tema do próximo
capitulo.

As Conquistas Económicas
e Políticas da Oasse Operária
Durante a segunda metade do século XIX, os salários reais dos
trabalhadores ele••aram-se em todos os paises capitalistas. Na lnglater-

137
afastar a atenção dos trabalhadores de sua tarefa fundamental, que
consistia em derrubar o capitalismo pela via revolucionária. As diverg€n-
cia.s entre as concepções revolucionArias e as concepções reformistas
persistiriam no seio do Partido Social .Democrata, durante 40 anos. até
que. finalmente, ocorreu o que Marx tanto rccca'o'a.: ap6s intensas lutas
intestinas, os reformistas acabaram assumiodo o controle do partido.
Em 1874, os dois grupos socialistas receberam 340.000 votos. Nas
eleições de 1877, o Partido Social Democrata Alemão, recém-fundado,
obteve mais de 500.000 votos. elegendo 12 deputados para o Reichstag.
Atemoriudo com essa demonstração de força. Bismarck conseguiu que
fosse aprovada, em 1878, uma legislação infame contra os socialistas.
Muitos dos seus lideres mais combativos foram obrigados a se exilar. O
Partido Social Democrata foi proibido de realizar assembléias e comi·
cios e de publicar jornais.
Apesar da repressão, o partido continuou a crescer. Nas eleições de
1884 obteve 549.000 votos, e nas de 1887. 763.000 votos. Em 1890. o
Partido Social Democrata obteve 1.427.000 votos, tomando-se o parti&
mais lortre do Reich. As medidas repressivas não surtiram efeito. As
leis anti-socialistas foram revogadas.
Na Inglaterra e na Alemanha, como em vários outros países da
Europa ocidental, uma facção numericamente importante do movimen-
to c.apitalista estava con~ida de que o sistema capitalista proporcio-
nava à classe operária uma via pela qual poderia avançar. gradual e
pacificamente, em direção à conquista do poder politico e do bem-estar
econômico.

Os Socialistas Fabianos
Na Inglaterra. não obstante as brilhantes realizações individuais de
marxistas como William Monis, o marxismo exerceu pouca influência
sobre o movÍlllenlo socialista. A Sociedade Fabiana, cuja ascendência
sobre o movimento socialista na Inglaterra era indiscutivel. repudiava
totalmente as concepções teóricas de Marx. Em suas análises econômi·
cas. os fabianos se valiam da teoria neoclássica e ortodoxa da utilidade.
Acreditavam que o trabalhador recebia o equivalente ao que produzi.a; os
capitalistas e proprietários de terra recebiam o valor do que era
produzido com seu capital ou sua terra. A ra:z.ào fundamental do
caráter injusto do sistema não estava na apropriação da mais-valia pelos
capitalistas e SÍlll na concentração das rendas derivadas da propriedade.
nas mãos de uma pequena minoria da população. Suprimir a injustiça
significava, portanto, redistribuir de forma eqOitativa a renda derivada

139
1usta; e elidentes. as t:1rcías administrativas e a direção pol!tica deve-
riam ficar a carso de uma minoria cspecializ.ada. Como disse um
eminente pesquisador da história do socialismo. "faltava pouco para
que Sba" admirasse os ditadores. Bastaria que dessem carta branca aos
cspeaalistas"' .
O eliu•mo de Sha" transparece claramente. por exemplo, na
• pologia que IC> do imperialismo britânico- Shaw acredita•& que:
atnh1lt'.ll """'°ou p.-. unha dttttto dt se opor- AO pleno dcscmn>IYlllknto • )CUJ tttUl'SOS
vrod•ttms. no uucrn:IC' <k 9Ddo o mundo. As tiTlàzaçõcs supc:nora. UAM.m. ponanto.
todo o dU'Cilo de 1mpoir wa ••ocuadt flObre os. poT'05 atrasados e de: i.:norar AI 1tn and~
Ç\..CS na...iona~ ou M:tor14it:, dtide Que isso result11..sse oo inercmenlO da rtqut.t.I total • kf
ót\.fnt.tad.a pda fa(I b\am~llU J ,

Em "i•ta de suas opiniões, é compreenshel que Shn"' liderasse a


lacção pró-imperialista da Sociedade Fabiana'.
Bernard Shaw foi. pro•avelmente, o fabiano mais conhecido pelo
público em geral. Contudo. no âmbito dn Sociedade Fabiana, os
teóricos mais sérios e in fluentes foram Sydney e Bcatrice Webb. ~
Webbs e>tào. sem a menor dú,-ida. entre os escritores mais prolileros da
história do >odalismo.
Em uma de suas primeiras e mais conhttidas obras, intitulada
lndu.nria/ O..m0t:ro<y. rejeitaram a idéía de que os trabalhadores
pu~sem gerir dtmocraticameoc-e suas próprias indústrias sob o soei•·
!ismo. Ahrma.am que os traballudorcs nào tinham nem a intenção
nem a capacidade de administrar empresas. Segundo eles, na futura
democracia indu<tnal socialista. as indústrias seriam controladas por
admint"tradort\ profissionais que. por sua ,-ez. suiam respons.á,·eis
perante a poputaç.lo. uma ,·ez que preslariam contas a um parlamento
de1nocrnt1ca1ncntt eleito. nos governos locais e à:. cooperativas de con·
sun1idorcs.
Rejeítuani t•mhém u idéia de que o socialismo implicaria a
trnn~ftrência dn propriedade de toda a indl1stria para o 80''Crno nncio--
nnl. A 11ropricdttdc de\~ria ser exercida tanto pelo go,·emo nacional
quanto pela., lnúnlern..ç: pequenas unidades adnlini5trnuvas locais ou
regionai<. O nlcanct da~ alhidades de cada empresa e a pan:ela da
poputacào atinJud.l p..>r e-ss.as athidades delerminariam, 'egundo clts. o
üpo de pl'QPricdade <Oeial em que se enquadraria a empresa
f'.a obra intlt\llJda A Con.s1iru1io11 for tlte Stx:ialot C1>fffn1tm ..·rulth
of Greut Bntui11. propu<eram a criação de dou
parlamentos di>lintos.
1 (,_"
1'9SW. ,,_211
l 1W p. 210
J \.ºcr~X

141
Com penonnlidades desse gabarito potrodnando a sua causa. o soda·
lismo evolucionário e reformista dos fabianos conquistou uma aura
de gnnde =peitabllidadc. Q.Wquer um podia esposar o socialismo, e
continuar a vh·er cm completa seguranç11 num nicho confoná,-el e
pequeno-burguês da 1'0Ciedade capitalista inglesa.

Os Revisionistas Alemães
Na Alermnha, a contrapartida dos labianos ingleses foram os
revisionistas. Na virada do sb:ulo, o Partido Social Democrata conti·
nuava sendo. formalmente, um partido marxista. Contudo. grande
parte de seus membros afirmava que o curso da história pronra que
Marx cometera erros com relação a muitas questões. Julgavam indls-
pensá>-el proceder a uma ··rensÍo" de suas idéias para ajustá-las à
realid.idc cwnamica e social da A'-a.nha. Eduatd Bernstein. o mais
famoso dos revis:ionistas, desenvolveu uma crttica minuciosa às idéias ~
Marz em sua obra mais conhecida, EW>lutionary Sociali.<m, publicada
em 1899. Bernstein sustentava que o ca.pitaJismo nlo estava oa iminen.
cia de sofrer uma crise ou colapso e .que, na realidade, nunca se
mostrara llo viivd. Marx enganara-se também. dizia ele. ao prever a
concentração de todas as indústrias em mlos de algumas poucas
empresas gigantescas. Afirmava que não só as empresas de grande
porte como também as pequenas prosperavam e cootinuariam prospe-
rando (a despeito do fato de que a concentração do capital e a cartcli·
z.açlo da economia fossem mais pronunciadas na Alemanha do que em
qualquer outro pais capitalista). Ainda que os grandes trustes viessem a
dominar a economia. a "pu!Yerizaçlo das ações" rransfonnaria gran.d e
parte da população, inclusive muitos trabalhadores. cm pequenos capi·
talistas. Considerava que a economia já havia avançado baslantc nessa
direçlo: "O número de membros das classes possuidoras. ao invh de
decrescer, aumentou. O enorme crescimenlo da riqueza soda! não foi
acompanhado pelo decréscimo do número de grandes capitalistas. mas
sim pelo aumento do número de capitalistas de todas as categorias'".
Até mesmo os trabalhadores que n11o recebi•m lucros, rendas,
juros ou dh'idendos viviam cm melhor situação. A melhoria das condi·
ções gerais de .xla e a democratização do governo haviam tornado a
revolução nlo apena. ínviâ»"I. como lambém moralmente indesejável. A
classe trabalhadora tinha maiores pos..ibilidades de concretizar suas

l43
ao soci.alis:mo de Mane. Do-ra•anfe. afirmou Bernstein, o socialismo
leria que assenta r em bases ~ticos e nlo cientificas.
A dlveri:ência lundamcntal entre ambos dizia respeito à natureu
do go..,mo em umA sociedade capitalista. Man partia do principio (ao
qi>al se mantiveram fiéis os ad•·crsários marxistas de Bernstein) de que
os governos capitalistas eram. antes de tudo, instrumentos da domina-
çlo de classe. A <'lasse domin1111tc devia seus privilEgios ccon6mit'Os às
relações de propriedade capitalistas. Utilizava sua riqucu para mOD<>-
polizar o processo polltico e asegurar a pcnna.Mncia de governos
dedicados, acima de tudo, i defesa e preservação dessas relações de
1>ropriedade.
Bernstein repudiou essa concepção, cLusi:ficanck>-a de "ata•ismo
político... A maneira t'Omo os marxistas encaravam o Estado. ainda que
fosse justa no passado, havia sido invalidada pela extensão do direito ao
sufrágio. Ao conferir a todos os cidad ãos as mesmas prerrogativas para
eseolhct o gO\'emo de sua prdcrfncia, o sufrágio unh-ersal eliminava os
c:onflitos ele dasse, transfonn&11do cada inc:IM.duo cm ··parceiro.. que
participa com os mesmos direitos da comunidade . .,Em uma democra-
cia. escreveu, o dirello ao voto tranform• os membros da ~"Omunid~de
cm parceiros virtuais. e esta parceria virtual & ..·e:rl condurir nec-essaria-
1

mente a uma parceria rear·.•


.Tal como os fabiAnos. Bernstein rejeitava a noçlo de que o caráter
de classe fosse incrente aos governos das sociedades capitalistas. A
democracia capitalista igualava trabalhadores e capitalistas. conferin-
cJo.lhes os mesm05 direitos e cooYertcndo-<>5 em parceiros. Nessas
condições, poderiam >tt induzidos, por apelos morais, a promover por
meios pacificas os interesses gerais de toda a comunidade.

O Destino do Socialismo Evolucionário


No período t'Ompreendido entre a publicação do Socialismo Evolu·
cionário e a eclosllo da 1 Guerra Mundial, as idlias de Bernstein
•usci taram profundas controvErsias. nAo s6 no Partido Social Dcmocra·
ta como em todo o moTimento socialista mundial. Estavam cm jogo
questões da maior imponánci.a.
Os fabianos e os revisionistas afirmavam que a luta insistente por
reloanas legislativas conduziria. mais t'edo ou mais tarde. ao socialis-
mo. NenhumA reforma isolada ameaçaria a ~tura do capitalismo,
porém o efeito rumulatJvo de muitas reformas culminaria na abdicação
pncifica da elas.se capitalista.
9. /W p.l...._

145
111 p.Hlo~ exclusivamente em conquistar maiorias eleitor a.is. ambos os
1••HtnltK roram obria.ndos a renunciar ao princípio fundameot.aJ dó
1n,:1:ili\'T110 : a socializaç-3o dos meios de produçllo.

147
CAPITUWX

Imperialismo
e Socialismo Revolucionário

A tese de que o estabelecimento de nm governo democrático em


um país capilAlista criava coodições p&11 11ma transição paci.l ica e
gradual para o socialismo. geroo profundas controv&sias e pro>-oc:ou a
cisão do movimento socialista europeu' . Este não foi, ponm, o único
motivo de desacordo entre os socialistas. A questão do imperialismo
contribuiu também decisivamente para precipitar a ruptura do movi-
mento. A expansão imperialista e~ia intensificou-se no fmal do
s«ulo XI X e no principio do sEculo XX, colocando o movimento
socialista num dilema crucial: como se posicionar diante dessa sitna-
çlo? As divergfocias em torno dessa questão persistem até hoje.

O Imperialismo Europeu
A lndia foi um dos primeiros palses a sofrer as conscqQ~as
dramáticas da expansão imperialista européia. Durante 150 anos, até a
conquista de Beagala em 1757, a Companhia das lndias Orientais
manteve intensas ~l>es comerciais com a região. A lndia era, nessa
época. um pais relativamente avançado economicamente. Seus métodos
de produçJo. bem como a sua organi.taçio industrial e comercial eram
compariveis aos que prcveleciam na Europa Ocidental. Na realidade, a
lodia já fabricava e exi>0nava mtwelinas e outros tecidos de luxo de

1~ Vuclfliht,alolX.

149
A edinbtbtraçlo britlab na la.dla empn:eodeu a denruiçlo .Mitttn.ltJca de todas as
fibru e abiccrccs da cic:onom.La mdi.an.a.. para que ern seo lupr te ~. paruat.atla-
mentt, os proprrie1.ltb de tttn e os prestamis1as. Suti poltka c.ocnerclal muhou OA
dfttrutÇ"lo do aneran.a10 .ndiaao. e dru origitm .b inf.uncs fa~u d.u dcbdes iD4iaou.,
nn qua.is 1e ......,tcnY&m milhks dr indigr::atc:s f:amimos • domtcs. Su poltb
~ cono. pela na. m ttbealOIJ de .aa desitmolri.malo l.tuWW aut6done.
b-.orcicado a proiftt-eJo dit ""'P"'' 1 cs;, peqDeDClt cwrtiuifd e Cllpatalhlea dt
toda ~ que 1cq...,.. uma TicS. miscrim ~ improd:utin us ~de ama~
ca dctadblcu.•

Os ingleses só Yicram a ocupar efetivamente o interior do território


indiano após o surto femwiãrio que teve inicio em 1857. Aos cidadlos
britlnicos que investiam dinheiro nas estradas de ferro, o governo
asscgura~a um retomo de 50/•• e prometia que, se os lucros caissem
abaixo desses 5%, o povo indiano cobriria a diferença por meio de
impostos. Assim, o povo indiano pagava impostos para propordonar
aos in vestidores britinicos meios adequados de !Tanspor1e, e para que a
exploração ccon6mlca fosse levada aos confins de seu tcrril6rio.
A despeito de todas essas iniciativas. a era do imperilllismo euro-
peu só adquiriu contornos verdadeiramente amplos e universais no
último quand do skulo XIX. Entre 1775 e 1875, os palses europeus
conquistaram mWtos territ6rios coloniais, mas perderam muitos outros
tenit6rios coloniais. As col&nias eram encaradas corno um lu10 c:xcossi·
•~ente dispendioso e pouco compensador.
Esta situaçlo modiftCOU-se de forma síibita e dristica ap6s 1875.
Em 1900, a CrS-Bretanha havia ineorporado ao seu im~rio 4.500.000
milhas quadradas: a França devorava 3.500.000 mílbas quadradas; a
Almianha UXX>.000 milhas quadradas: a Bt!Jgica, 900.000. a Rússia,
500.000; a l tJ.lia, 185.000 e os Estados Unidos, 125.000. A expansão
imperialista ia de ""nto em popa; um quano da população mundial foi
subjugada e submetida ao domínio europeu ou norte-americano.

O Imperialismo na África
Em 1800. os europeus praticamente nlo haviam ultrapassado as
terras mais próximas ao litoral africano. No principio do sttulo XX.
após um sé<:ulo orglaco de ocupação de terra e delimitação de imi*óos.
controla.-am cerca de 10 milhões de milhas quadradas, ou seja. aproú-
madamen1e 93~ do continente. Esse estupro de propoiçlles llll&Jllms
foi cometido para satisfazer a cobiça das pot&lcias curopaas que
disputavam os abundantes recursos minerais e "8ricolu do Continente
N.ogro.

l 819UOTBCA OA PACUlOADé
151
principal recurso natnral ela repo. O mais explosivo legado do impe·
rialismo britânioo e holandês slo os mecanismos discrimioa16rios ergui-
dos contra os negros q ue constituem a maioria esmagadora da popu·
lação.
O estudo do imperialismo na África n&o se esgota nos casos citados
neste capítulo. Para concluir esta curta exposição. no entanto. ~
~uflcientc mencionar que. ls v~ras ela 1 Guerra Mundial, a França
detinha cerca de 40% da África (grande parte desse terrilorio corres-
pondia ao delierto do Saara), a Inglaterra controlava 30%. e a Alema-
nha, Bélgica, Portugal e füpa.n ha repartiam entre si aproximadamente
23"- do 1crri16rio africano.
O Imperialismo na Ásia
As ronseqOlncias da p~nça britânica na lndia eram evidentes ao
se abrir o s6culo XX. Em 1901. a renda ~'capita era inferior a 10
d61ares por ano. Cerca de dois terços da população encontravam-se
suboulridos. A maior parte das manufatura• indianas fora arruinada
ou tomada pelos ingleses. Aproximadamente 90% da população luta·
vam com enormes dificuldades para prou~·r a sua subsistência cnl
aldeias onde a propriedade média era de apenas S acres e u técnicas
agricolas. extremamente primitivas. Do pouco que produziam, uma
pane substancial era apropriada pelos lll&lelcs sob a forma de imposto,
rendas e lucros. Grassavam as epidemias e reinava a fome. Em 1891. o
indiano rivia em média 26 anos para. cm Kguida.. morrer na miséria.
Boa parte da Ásia loi subjugada durante esse perlodo. Em 1878,
numa ripicla incursão militar, os ingleses submeteram o Afpnistão ao
80'-ano indiano. Em 1907, a P~rua foi rcparlicla entre a Rússia e a
1nglaterra.
Em 1858, a França, utilizando como pretexto o assassinato de um
n1issionário espanhol, invadiu Anam, estado tributllrio ela China e
criou, pouco tempo depois. uma colOOia no tHritório que corresponde
atualmente ao VietniL Tendo fincado pé nessa região. a Frarça consc-
auiu, até 1957, •tn•'é:s de guerras e intrigas. submeter ao seu domín.io
todo o território da Indochina.
A Península Malaia e o Arquipélago Malaio (que abrange uma
trea de cerca de 3.000 milhas) também caíram sob as garras do
imperialismo. A Inglaterra apossou-se de Cingapura e dos Estados
Malaios. ocupou o norte de Bornéu e o sul ela Nova Gui.M. A Alemanba
abocanhou a outra parte da Nova Guio~. A maior parle das ilhas

153
filipinos. cristianiú·las e cngrandece·los moralmente... Como era de se
esperar. os fili1>inos. que há séculos professàvam o catolicismo, resisti·
ram a essa ..cristianização" pela força. O ..en11randecimcnto moral" e a
..cduca\'lo.. dos filipinos. imposta à ponta de baionetas por 60.000 sol-
dados none-amencanos, lcz-sc ao preço de intcrminbcis atrocidades e
infame~ campos de concco tração.
Em 1901. a República da Col8mbia recusou-se a •-cnder uma laiu
de terra (na qual saia construido o canal do Panami) aos Esudos
Unidos. O presidente Roosevelt acionou as mecanismos interv-cncionis-
tas. Uma insurreiçao panamenha foi organ.i.uda com a colaboração e o
apoio norte-americano. Os navios de guerra dO'I Estad.>S Unidos foram
dispostos em pontos estrat~gicos para impedir que as tropas colombia-
nas interviessem e sufocassem a rebelifto. A revolta foi de;encadcada a 3
de no,embro de 1903. No dia 6 de 00>-embro. os Estados Un.idos
reconMccram diplomaticamente a "nova nação". No dia 18 de DOYcm-
bro. obtheram a Zona do Canal sob condi(ilcs muito mais favoriveis do
que as l,IUe haviam propos10 inicialn1cnte.
Em 1904, o presidente Roosevelt declarou que oo. Estados Unidos
respeita>am o direito à autodetemnnação dos palses que agissem "com
um mínimo de eficiência e decên.cia nas questões políticas e sociais".
Ad\'ertiu. no entanto. que "erros cometidos siste.mattcameate ou a
demon>tr3\'lQ de incapacidade que resulte no afro<uamento dos vin-
rulos que mantêm a coesão de uma sociedade civilizada podem. cm
último caso. tlinto na América como em qualquer outra parte do
mundo ju~tificar n intervenção de uma nação civilizada... " .7
Em 1909. os fuzileiroo nuais dos Estados Unidos invadiram a
:'\icarágua e depuseram o presidente José Santos Zelaya que ameaçara
suspender as concessões cconômicas feitas aos norte.. ameri.canos. Em
1912 foi o.,,-amente ocupada. Em 1915. os futllelros a.vais intervieram
no Haiu e. em 1916, ocuparam a República Dominicana e impuscnm
um goYcrno militar
Ao eclodir a 1 Guerrã Mundial. os Estados Unidos haviam se
apoderado ou exerciam controle sobre Samoa. Midway lsland. Havai.
Porto Rico. Guam. Filipinas, a ilha de Tutuila, Cuba. Slo Domingos,
Haiti, Nicarãgua e a Zona do Canal do Panamá.

O Imperialismo e o Socialismo EvolMCionário


A Guerra dos Bôers abalou profundamente a opinião pública
inglesa e pro,·ocou ~rias di~scosões entre os radicais e os socialistas. Se,
- C'WS. I*' G C. F• e- S E Roirx, A. F~ BfllvlY o( tW IJ--4 s--. t.• ed.
8oowon lteu~ Mlffli•. 19iSl. , . 412.

ISS
Olhier. de que o comité e:xecuth·o da sociedade emitisse um pronuncia~
mcnto condenando a Guerra do• Bõcrs. em particular. e o imperialis-
mo, em geral. foi rejeitada por um ,·oto. O romítê concordou.. no
entanto. com a solkitação de que a proposta fosse submetida a voto
geral.
Liderada por George Bernard Shaw, a !acção pró-imperialista
sustentava. que ()) países pequenos e atrasados eram incapazes de
conduz.ir seus próprios negócios e não deveriam ser considerados p~
priamente como naç<les. As nações curopéias avançadas tinham o de"cr
de administrar os assuntos internos desses povos para o seu prôprio
bem. O debate desenrolou-se cm tom àspero. finalmente, 45'!'• dos
membros da Sociedade Fabiana votaram em fa.-or da condenaçlo do
imperialismo inglês. e SS°'o optaram por apoiar a politica expansionista
da lngJaterra ou >implesmente ignorá-la. Imediatamente, 18 membros
da socícdadc. entre eles algumas de suas personalidades mais preemi-
nentes. entregaram seu pedido de renúncia.
O romportamento dos fC\'isionis1as akmàes foi semelhante ao dos
fabianos~ a maioria apoiou o imperialismo europeu ou con).iderou
inoportuno qualquer tomada de posição face ao problema. Bernstein.
por exemplo. escmeu: "O direito dos selvagens à terra por eles
ocupada t um direito meramente condicional. & cinliuções superiores
podem, cm úlrin10 caso, reivindicar direitos superio~ ~. Os marxll.1as 1

ortodoxo) n1anifestara.1n·se unanimen1cntc contra o lmperiohsn10 que


consideravam o último estágio do descn,olvimento hL<tórico do capita-
lismo. O aguçamento d&S contrad~ do sistema econômiro obrigava
os capitalistas a se lançarern. cm de..~spcro, à exploração econômica
das áreas ""'is a lrasadas.

O lm_peria/ismo
Segundo Rosa Luxemburg
R.,.. Lwtemburg foi uma das mais imponaoteS lidens políticas e
expoentes do marxismo ortodoxo. A análise do imperialismo que
descm·ohcu cm sua obra A AcunttdllÇào do Capital viria a exercer uma
poderosn influência sobre as ruturas gerações de socialistas.
Rosa Lux.emburg iniciou o seu estudo revendo a análise de Marx
sobre o processo de produçiio copiralista d~ mucadon'tu ", proccs'IO este
em que o capitali~ta começa' a com uma determinada quantia de

10. t:.•rd Bc:nistnn. C,,of,...,.,,,.,. SorillNPft (.NOOla lotqUit.. Schod:• 8oob.. l9'1 (publlicsdo
pela pnmrua wa dl 1199 ». p u i
IJ. v., 92.
157
mi:is a\~aoçadas proporcionavam a demanda adicional de que essas
(.."COnomias nccessila\'O.m:
ranto sob o aspecto d• realit.ação dai ma.b·-..W.. ('OlaC da obknçao do8 ekmieftUl5
m;atcrlais do ('aptlal amstanM. o Cl.lmérdo lnte:mac:ioa&l f iadÍ:lpcmlwi pan • cxk1tncU.
hn.tórica do capitalismo - «MMrao in~ qM. nas C011d;aiç6e$ atuaà. COftSisat
lu.ncb.meota.lmatte wwma troCll tn1~ modos caph:alistu r nlo CApita.listas."
Segundo Rosa L.uxcmburg. "o imperialismo é a expressão politica
da acumul•ç!o de capital, de sua luta para apodcrar·se das áreas nio
capil3lislas ainda disponlveis··u. A diminuição progressiva do ntlmero
de nogi<lcs nlo capitalistas ainda inexploradas no mundo levou a uma
siluação cm que "o intperialismo se expande po.- meio da ilegalidade e
da violência. recorrendo à agiaslo contra o mundo nlo capitalista e
gerando conRiros cada vez mais strios cnlrc os palses capitalist&s
ri•a.is" ...
Partindo desse quadro teórico, Rosa L.uxembura mostrou. alra'"és
de um.a "nAlik penetrante e lúcida. que o dctcnYolvin1c:ulu Ju çapltalls·
mo exacerbava o nacionalismo, o militarismo e o racismo. Ao abordar a
questão das despesas militares. percebeu claramente a dupla funçAo
que desempenhavam : proteger os impérios capitalistas distribuldos pelo
mundo e, ao mesmo tempo. proporcionar csllmulos à demanda 11$rtga·
da no plano doméstico.
• mult.tdio dr i~útean~ demandas indi.Yic.tttus para ul'DI ampla TallCCb.de de
tt'W'rcadoriu.., foi s:ub~titulda por uma demanda est•tal de car.ltcr bomo$fnco e abnn·
JtCftlt. O at~ndimento de3in demandai pres.mptlie um.a lnct6stria 6c sra.ru:Le pc>rtc e muito
t:fidmte:. Reqwr as c«1d1t6cs m.ai$ fa"Oriff"is pua • pn>dlJl,,"ão da ma5-nHa t para a
acwmm.;so.. Sob a lonna de: ttllllu:a.tol Softl"D2IM!l\*3 pua o abe.1~10 de: material
Wh co. o pockt •quuitivo ~ dol m.ilhltts de CIDllU9:midotts OODttOtr>• em paades
qu.:antidadrs e. ltVtt dos ~pt'idtos e n\l.tUJIÇ6es su.bjdins dos comamidotts ladrridnais.
alcança uma n:1t1la.ridade pratlcamc:nte automática e um crucimtnto ritmko. O prõprio
ctipital acaba controlando e~.: movimento au-tomi.llco e ritm.ico da produç&o militarista,
l)Qf" meio da h:snLa:tu:ra e de!: u.ma impttnY cuja fu~lo é moAdat a chamad.a ''opinilo
p6blà-a-. Elo por cpx .,.. ~ . . . - , da ..-laçlo capiWisla ........ lo
priftirira TlSI&. capu de upaadir-se inddiaioameate. Todas • outras tmta.âfts dt
•ftllllliar OIC'IUdo& e criar bases opcr•donab para o apitai dependem. grandcmemte. de
fatores histórico... sociau e políticos qUI nc:apam ao ('O{ttrolc do capital. Ji a prod:uç:ào
Plk"' fins militares constitui um.a i.rea cuja apanslt> .regular e progressiva p•~ ser
dt1ermio.ad.a fuada.rnc:nt.a.l.IMntc pelo próprio capiLaL 1
Dcsw fona.a. o capital COll.C:rte cm w wi:rmdr :i • • M.+ bistóriea !

Esse texto foi escrito em 1913. Tamanh& clareza acerca da função


dns despesas militaTCS si> seria alcançada pelo eoonomistas meio s«uio
depois, quando as forças identificadas por Rosa L.uxembucg haviam
12. tt.... La~ n., ~"°"' '1f° C.,.,,,. O'ton ~ M~ R~ ~
196-'). p . J5'.
u. lbttl•• p. ......
14. /bM,
l.S. JbM.. P• "466.

159
considerável controle sobre grande PV!C dos mais impOrtante.s cartéis
industriais. Esse controle tornou tais proporções que Lenin qualificou a
fase imperialista do caphnlisrno de a era do ..capital financeiro...
Embora O> bancos fossem capazes de mobilízar volumes giganles-
cos de c.-apital, as tendências persistent.es à queda das taxas de lucro 110
plano doméstico tornaran1 indispens1h·el encontrar zonas no exterior
onde o capital pudesse ser investido cm melhores condições. l\o contrá-
rio de Hobson. Lenin não acrcditav:i Que a_ causa econ6mica mais
importante do imperialismo fosse a ueressldadc de exportar mercado-
rias. e sint a necessidade de eKpQ~tar capital. As áreas atrasadas eram
cobiçadas porque clispunham de mão-de-obra em abundância e barata.
e ofereciam pcrspectivas lucrati\•as de investim ento.
Na época imperinlista do capitalismo, os vários go\·ernos nacionais
empenha\•am-sc: por assegurar mercados exclusi\•os e protegidos para os
monopólios e cartéis sediados no interior de suas fronteiras polhicas. Ao
mesmo tempo. esses mooopólios e cartéis nacionais busc-avarn repartir
os rnercados mundiais mediante a formação de cartéis internacionais.
No entanto. as profundas ri\•alidades e a lei jn1placávcl da conc..-orrência
acabavam prevalecendo sobre os acordos oponunistas e imediatistas.
resultando inevitavelmente ent guerras e conflitos nacionais persisten-
tes. Como disse Leoin:
A época da úhi mll etapa do opiu!ismo mostra-nos que s;ur~:iram utre ª"llS$0Cia(-ões
c..ipitafist-as derenm:nadas r~bçôes ba.setdãs na divisão econômic. do mundo; p:a.ni.lcla-
memc e ''incul11<lo • isso, sur~m entre as associações politkas, tnrre Ot> E$1&dos..
dcterm.ina4a! ~;tçõcs ba.seads.s na divisão tc:rritorfa! do nt\llldo. na tuta pelas CQ!tm.i..as.
na " tu1a Pof esferas de m:nu~ia 1•··.
Tal situação era. segundo Lenin. inerentemente instá1,·et. O impe·
rialismo conduz.iria, de n1odo inevitável, às guerras entre os paises
capitalistas avançados, e a rebeliões e revoluções nas regiões explora-
das. Contudo. enquanto pudesse suponar o í mpeto imperialista. o
sistema capitalista prolongaria sua existência. incorporando novos
mercados para dar ' 'ázlio a seus inve~'timentos de capital Os lucros
suplementares que o imperialismo proporcionava ao país de origem cio
caJ)itaJ implica\·a salários mais ele,·ados para os trabalhadores desse
país. A participação nos fruros da pilhagem 1ninaria. ao menos tempO'-
rariamente, o potencial re\'Olucionârio da classe operária. aproximan ..
do·a das lidcranç-as de direita "chamados, com razão. de sociaJ.. impe-
rialistass.··.
Se. por um lado, o imperialismo expandia a c•lera de inOuéncia do
capitalismo, prolo ngando. desse modo, a sua existência. por outro lado,
18 Jhl.. P- 69.
'Q lbid.. p. 99
161
CAPITULO XI

A Teoria Econômica
Keynesiana e
a Grande Depressão

A Guerra Chil e o ano de l900 delim1tnm um l)<Óodo de rápida


t~p(uuão econô111jca nos Estados Unidos. As realizações dessa fase
pue«:m, no entanto, insignificantes quando comparadas ao crescimen-
to ocorrido entre l'IOO e 1929. Os índices apresentados a seguir ilustram
o cre~imento percentual da. pro<hu;ão indu~trial regi~1rado em \•árias
indúslri~h·cha..·cs. enlrc 1899 e 1927 1 •

Produtos QUimc:Os. etc- 239'llo


Cou10 e artefatos 32t
Tlxteis é derlvec:fo&c 499
Produt0$ ·"'*""""
l\Oaquo\Oria
561
562
P1pel e gráfica 614
Aço e arteiatOt 7llO
Maten.ais de UeniPOf'te •bens de capflaf 9e9
Calcula-se que a riqueza dos Estados Unidos (os •alo= de merca-
do de lodos os~ativos econômicos) tenha alcançado 86 milhões de
dólares ern 1900, saltnnto para 361 bilhões de dólatts em 1929.
E.se crescimento espetacular colocou os Estados Unidos muito
adiante dos oull'"OS paí"'S capitalistas ele-ando-os à condjção de primei-
ra potência industrial do mundo. A despeito das recessões ocorridas em

163
ç\k\ faliram, e milhões de 1rabalbadores foram à rua. Uma das piores
cat.iurofes econômicas na história do pais estava em curso.
Enue 1929 e 1932. registraram·se 85.000 faltncias de empresas:
n1aú de 5.000 ban~ suspcndera:m suas operações; o \'alor das ações na
Bolsa de Nova Iorque caiu de 87 bilbões de dólares para 19 bilhõcs de
dt•l•res: 12 milhões de pe...oas Iicaram dci;cmpregadas e oerca de um
quarto da populQ('ào se ,;u privada dos meios: necessArios para garantir
a ~u• subsbt~ncia: a renda agrícola reduDu·SC a menos da metade; o
pmdutn inirtu~1ri:t.I diminuiu CCTCa 6'.: $0%-... A ma.D próspera pottocb
mundial pttripita\a.·SC numa crise sem precedentes. lançando milhões
de pessoas na mais profunda e desesperadora miséria. Particu1a.rmente
duros foram os efeitos da cruc para os negros e outros gruJ>05 miooritá·
rios. A proporção de negros entre os desempregados superava entre 60 e
400% a proporção de negros no conjua10 da popu~ilo'. Cenas áreas
8"'>Pfi<as '°freram mais que outras. O rongrcssisU George Huddles·
ton do Alabama apresentou em janeiro de 1932 o seguiale relatório:
Hi ttre2 dt 108.000 ~riad0& an meu dislrito. dol qu~I$ acrfl!itó qw no- m'-.ti»O
8_()'0 obú:m lllVS ~~tos ~ PdD l'lltDOI ?S.000 ~ esdo total..,.te:
dea1npr:qa&;._ Algum ddes nio ~ qa,Jq~ ~·trabalha hJ, mais• 12
mcs.tt.. EnITT! 60 e ?S mJ llomcru. a1lo trabalhando dt um a cirtoo dias por sem.a.a.a. e
pr1tltlimentc codos" tin:ralft se\.1$ salários dtuticamelUc ttdw:.ido6. Muitos ac:m chqaa a
gubar a média de .Sl •.SO por dla •
A maioria das cidades nlo conseguiu manter o auxilio pecuniário
ao1 desempregados por muito tempo, geralmente uma semana. Depois
diuo, as pettoas eram obrigadas a sobra;,"ff com K\IS próprios rec:ur·
sos. O diretor executfro do Welfare Council (Conselho do Bem·Estar)
do cidade de Nova Iorque narrou a situação a que estavam entregues os
desempregados:
Ou.ado o tral:t~dor perde o seu 1anhn.•plo. geralmcate - pnmt'.lra COtil que f.u ~
cx&urir sua~ «onNnlu. qiundo tc-• algumu.. Em k:pM.ta.. se f 4oao de: uma .apôl~ de
"P">· coatru nip~ a:s.é o bmil:c dit . . '"alor 808ttirio. Tcm.a chllllciro ~­
,..,,. ck --.• ..-p,n. e J*allt$. aw que estes do ~ m..t.• ucar CGm o &•s •
lllSWSt.á--1(). QbVm. <rWtio no an:nuim e oo llÇC)tl3uc: da esqus.aa. O propnetário do
im6"d onde tk h:abitt tksiste de- procu.rt lo para cobrar qo, atugufis atrasados. e
ffqt.l&nlO °'
Uso. jur(lll, e as tuas •lo tie uu-bm.io. t a!pma e-.. é pNdto $('f" lau.
Ao r... dr ........ wmpo. todos Q.wt f"tCW1iOá w: ogot&& Es:w: pc$SOllS. cpac: ~
cia.m o ClUC er1 pus.ar nec-osidadc . ..,._st:
otin.pdas • pcdlr auxUio. O espectro da fome
ronda mi.lbõc\ de fa.mUi;i( que nunca b.aviam apcrimcnt11do a realidade do ...,mprqo
por wo pcrlodo do protc.p.do t ..- cert.....aste nunca conhrcrnm o q• era a&a.I°
ttlrt..,CS a V..tN. m.tla(IO aibsokat.ancmc: ~ •

J D1dC1$ ••tnldo\ • Leui:s M ff..cttr, 11W C011T1e f//f A~ &.:>-IC' Grow1.\ . J


IJ..11•1'11"~1 (J'll;)ft
lorq'll•: Wak-f, 1in'Ot, p. ..l()().J()I
.a Ver tcAcr \.'. ~. _.._.,... ., ~I ~ (.Ncrr-• . . .e:: Hufct  tt.
IO'U.. p. 4'11
~ u. s. e~ ScM•. flc.anfll"I bdCft. ~-., tlr C-ue .. Maau:lldWa.
"l.•e-. .. i. • . . - .• .,, 2Jl9
#1 Çasadn,..,, C'h•odkr. • ru , , 41·..2.

l6S
t•1dlH~• :icontcce11do com o
\tih·~·lo. ---=-
capitulbta e 3.ec>n rnr soluçõei q~c

Keynes iniciou a sua obra analisando o processo de: produ~) Num


determinado período de produ<;ão. uma empresa pNduz cer1o volume:
pudes.sem

!lc dói ores sob a fon11a de bens. Com o que •pura nn •-enda dCS>C> lx!os.
n e mpresa paga seus cu~IO< de produção. que Incluem ...,Imos, remune·
ra~'6e1" . rencks. suprimentos e matérias-primas. bem como os juros dos
cmJ>réstimos conuaJdos. A quantin restante converte~se cm lucro.
O importante a lembrar é o seguinte: o que para a empresn é <.-usto
de produ..-ão representa renda para um indMduo ou para outra empre-
sa. O lucro wnbém é renda - a renda que se destina aos proprietários
da empresa. Ora, se o .-alor da produ<;ào esgo ta-se nos c ustos de
produçdo e o~ lucros. e se est~ itens constituem renda, conclui-se que
o ' ator do que foi produzido den. necessariamente, ser igual às rendas
geradas no decorrer da produção.
• O mesmo quadro utilizado para uma empresa isolada aplica-se à
e<:onomia em seu conjunto.(p valor de tudo aq uilo que é p rodu1ido
durante determinado periodo equivale ao total de rendas 1Uebiclas
nesse mesmo período. Conseqüentemente. para que as empresas \-CD·
dam tudo o que produziram, é necessário que a população aaste,
coletivamente. todas as suas renda>) Se a renda total distribufda na
sociedade for gasta na aquisiçAo de 6éns e seniços. o .-ator da produçJo
scn\ integralmente.~e~se caso, os lucros permanecerlo elc\'ados e os
e mpresã.rios procurarão produzir n mesma qua ntidade~ou uma quanti·
dadc maior de bens e serTiços no período subseqüente...,
@e~-nes ôenorninou eue processo /IWU> tircular: o dinheiro Oui das
empresas para o público sob a forma de salirios. remunerações, rendas.
juros e lucros: em seguida, esse d inheiro reto m a para as empresas
quando o púl>lico adquire os bens e serviços oferecidos por elu. O
procc~ perdura, enquon10 as t1np~ pudenm \.'tnder tudo o que
produzirem t obter lucros s.atisfatórlo.sJ
Mas esse proces>o não ~ automâticn. Quando o dinheiro fl ui das
cmpre•as para o público, parte dele não retorna duetamente para as
e mpresas. O fluxo circular apresenta ,·aza.m~ntos. Para começar, nem
todos despendem todas as suas rendas. Uma peroen taacm dessas IJIDdas.
é PoUJlll~ ~•\n:l.enlc cm..bincos, e portanto deixa de partidpar do
fluico de <kspesas. Esse •"UÍO pode ser prttnehido por ~
que contraem emp~tim~ancos e déSpcndem quan1i~ superiores
às s_uas rendas. Keynes constatou. no mt'ãnto. Queõõa~ da prosperi·
dadc u pÕUpança genlmente supera os empr~timos aos ronsurnidores.
Fonna·se. ponanto. uma poupança liquida ou um vazamento real no
nu~o circular rendas-despesas.

167
Con.seq{)cntemente. os in1.-esümentos teriam que crcscer em ritmo
n•ais ncelcrado que as rendas_, para que pudessem absorver continua.·
mcnlc • pQUpança~mcntc usim. as empresas conseguiriam vender
tudo o que produzissem. Porim. quaolo mais acelcn.do lor o cresci-
mento dos in\·estimentos. mais rápido será o increme'DlO da capacidade:
produfüa. Por essa razão. é indispensi,-eJ investir somos cada ve:t
maiores (WllO cm termos relatiras como absolutos) em cada perlodo
<nnsecuh\O, para que se mantenha o equillbrio. Conludo, segundo
Keynes. em qualquer econonm capitalista madura, há um limite de
oportunidades para os investimentos lucrativos. Por conseguinte, à
medida que avança o processo de crescimento ecoo&nico aarava·sc a
dificuldade de encontrar canais em nümero suficiente para dar vazão
"os investimcnios de capital.
Quando se esgotam as oportunidades de investimento, os i.nvcsti-
mentos caem abaixo da poupança, e os gastos totais em bens e sen•iços
caem abaixo do valor do conjun10 de bens e serviç05 produzidos. As
empresas nlo conseguem vender tudo o que produz.em. Crescem os
estoques de bens encalltados. Cada empresa enxerga apenu o seu
problema, e como produ~ mais do que pode ••nder, no perfodo
subsequente ela redu;io a produção. Acontece que o problema t extensivo
a toda a economia, e como a maior parte das empresas toma a mesma
derisio, ocorre, no período subseqüente. uma violenta retraÇlo da
produção. com aumento do número de desempregados e dcdínio da
renda. Em conseqílência do declínio da renda, os gastos em bens e
seniços ser&o ainda menores. Os empresários descobrem que, mesmo a
nheis inferiores de produção. nlo conseguem vender o que produz.em.
No\"amente restringem a produção, e o drculo vicioso reprodu:r:-se.
Em 1als circunstincias. as empresas encontram pouco ou nenhum
ina:ntivo para expandir seus bens de capital (pois, já estão funcionando
c:om capacidade ociosa). Os investimentos solrem, portanto, uma redu·
çlo d rástica. Citi verticalmente todo tipo de despesas. ~clinando a
renda. a poupança declina mais que proporcionulmenle. Esse processo
repete-se a1t que os sucessivos declínios da renda reduun1 a poupança
a um ponto em que ela jã não exceda o nJveJ dos investimentos
depauperados.
[!. anàlise de Ke,-nes não difere radicalmente, em seus upectos
essenciais. das anil~ de Marx (capítulo Vl) e Hobson (caphulo X).
Os três considcra,am como "' causa fundamental de uma depressão
ecooomica • inabilidade dos capitalis1as para encontrar 'IUliclentes
oportunid.a~ de in,.-eslimc-nto, tomando-ie. portanto. im~(hd coo·
trabalançar os nh-cis crescentes de poupança gerados pelo crescimento
econômico. A única ccntribuição de Keynes foi demonsll'llr que a

169
como a construção de escolas. hospitais. parques e outraS obras do
gê~ro. Admitia. no "1!tanto, que essas despesas beneficiariam muito
mais os setores de m~as e baixas rendas do que os seiores de alta
renda. Como o poder estava nas mãos dos ricos.. estes prova\elmente
insistiriam em políticas que não redundassem na re<listribuiçlo da
renda em lavor dos setores menos aquinhoados da população. Percebeu
que do ponto de vista polilico, talvez fosse necessârio canalizar essas
despesas para OS colres das grandes corporações, ainda que isso trOU·
•esse poucos b"11e.flcios diretos para a sociedade. Como ele pr6prio
es=:
Se o Tesouro mcbrs.se prraJa:s YCth.as com ddalu bl..DrinaJ., depois t'.fttttrasse u
plTalu • profwufid ade ~tt. na minas de cat"t'lo aba.ndooadas e. ttn wpida,
atierra.ut as mina$ atf a. supcrftcie com entulho& cla d-d:&dc ie dtix.asse: as emrrau
privacLu. txperienta nOiS priodp)os do .......,,.raJn:, ctitrcgut:S ao trab.a!bo de dcie"nic"ar
u notas. .. nlo h.a'fU'il. m•is delemptetO. .. Evideole.men10, seria mais $1tOS&to coostnalr
casas e coisas do afoero. mas ~ há obstilcuk:is de naturu& po1itica e pr!tk:a que
lmpouibilium isso. a.nles entctTar as OOta:S que oa,da..• //

A Grande Dcpresslo prolongau·se por toda a década de 30, a~ a


eclosão da li Guerra Mundial. De 1936 (ano da publicação da T~a
Geral de Keynes) até 1940. os ea>nomisus travaram discnssõe$ acalora·
das sobre os méritos de suas teorias e de suas proposições prâtius. Às
•isperas da guerra, quando os vários go.·crnos começaram a intensificar
a produção de armamentos, o desemprego cedeu rapidamente. Durante
a guerra. sob o estimulo de enormes despesas p·cmamentais, produ·
z.iu·St uma in\-ersào da situac:ão na maioria das economias capitalistas:
a crise do desemprego cedeu h1gar a uma HC&SSCZ de mão-de-obra.
IU fo.rças armadas nortc·americ:anas mobilizaram 14 milbõcs de
pessoas. que precisavam ser armadas, aquaneladas e alimentadas.
Entre 1939 e 1944. a produção das fábricas. minas e indústrias de
construção duplic:ou: a produtividade cresceu SO'\. A economia norte·
americana produziu 296.000 aviões, S.400 navios cargueiros, 6.500
vasos de guerra. 64.500 barcaças de desembarque, 86.000 tanques e
2.500.000 caminhões'°. O problema mais grave para a economia norte·
americana durante a guerra foi a escaJUz de trabalho, em contraste
com a taxa de desemprego de 19% que subsistiu até 1939.

~ Teoria EcollÕmica
e a lúok>gia Keynaiana
Para a maioria dos economistas, as e1peri8ncias realindas durante
a guerra comprovaram. no essencial, a eutidlo das idéias de Keynes.
9. "-'-· p. ll'9.
10. TQ!b °".._ o-traWol• Htllt'br.CiJ!. cit.. p JZS..

171
A Eficácia das Políticas
Econômicas Keynesianas "~~
Após 1945. a leOria econ8mica keynesiana comerteu-se em onodo-
''" · t:anto para os econom~tas quanto p.ara a maioria dos políticos.
"'°'".e <>no, quase 3 milhões de \Cteran.x foram desmobitiUlclos. Em
1'14b, mnis 11 milhões \'Íeram engrossar as fileiras da força de trabalho
~h;il. Q) cangressistas e economistas temian1 que o regresso desses
•vntingentes pudesse precipitar um• nora depressão. Sem perda de
tempo. puseram em prática os preceitos keynesianos.(l\ Lei do Empre·
go. aprn•·ada em 1946. transformou em obrigação leg.rdo governo usar
o poder de cobrar impostos. contrair empréstimos e despender dinlleiro
com a finalidade dc manter o pleno empre@, A lei declarava: "O
..,.crno federal tem como rcsooa.sabilidade e por programa ele ação
permanente reconer a todos os meios que csm-erem ao seu alcance. ..
com a finalidade de porporcionar e manter... oponunidadc de emprego
úul. incluindo empregos autônomos. a todos os que esth-ercm habilita-
dos. di<postos e disponi>·.,,s para o trabalho, bem como elevar o nheis
ml•i mos o emprego. a produç~o e o poder aquisitivo". Pelo primeira
'"'L o governo dos Estados Unidos assumia a responsnbilid:1de lornrnl
pe1a manutenção dos níveis de cn1pre90. o que não quer dizer que tenha
><: empenhado efetivameme em proporcionar pleno emprego n toda a
população.
As políticas tt0oômicas kqncsiunas funcionaram? A resposta a
e»a qucstlo e muito comPlêx-r.-o..df":ãn Guerra Mundial. nào se
repetiram grandes dq>reuõcs nos Estados Unidos. Regi>traram·se. no
entanto, cinco recessões (eulemi<mo empregado modernamente para
clõ1gnar depressões swm•s): em 1948-1949, com duração de 11 meses;
1953·1954, com duração de 13 meses; em 1957-1958. pro101111ando-•c
por 9 meses: em 1960-1961. também por 9 mese.; e • recessão de
1969-1971 que durou dois anos.
Oe•ido a essas recessões. o de~mpcnho da economia na década de
50 deixou muito a desejar. A taxa real de crescimento do PNB loi de
2.9% , bem inlerior. portanto. aos 4, 7% correspondentes ao pcriodo
1920-1929. ou mesmo aos 3,7% correspondentes aos periodos 1879·
1919. A fase áurea da <COllomia oonc-arr.ericana sitna·se na década de
60. quando as tuas de cnsrime1uo oscilaram em tomo de S.,•.
Ourante a dêcada de 50 e no principio dos anos 60. o lndace de
de"'mprego foi em média de 4,5.,,, caindo. em meados da década de
60. paro 3.S~o. A inflação tem sido um problema persistente desde a fl
Guerra Mundial. De l 945 a 1968. o crescimento médio anual dos

173
l:.\sas YUltosas despesas l!O'-Cmame111ais oulriram a exparulo do
(hamado complexo indu.strial·militar$ no qual se apoiou, em larga
c'ICala, a prosperidade ccon&mica do pós-guerra. Seus cocuomos esseo-
<iaio foram descritos da seguinte maneira;
o budo ~ q\11 C:OIHINlmm ao dttmso das dm.s iJnau ~ - um.a ampla
<,__ looallocla~ ...10--~aoilJtu. _ _.......
dr, cm pnmevo Npr. o Dtpuu.mmm de Odrsa do F'U"90 feôcnJ e ...ve.. como •
ClA e • NASA Os almirantes e ~ os cieatisr.as. c:sp«i&il5 e • hcmc:os dai ~
dr mkia&fada,. bcl9 como toclm os burocntas ~t.aa e~~- atiftmca.w:
CID ~ a tu.a iaflofada.. Com CIA finúd&dc. cWtP-anl boas rd.l(6e$ cmD ncgn:s-
ltltu e tcaadoftl. fixam ftt.bctoci:mc:ntc. militt.ra cm cmtriu. politicamente otra~
e di&arlbatm patr<*>I f.a~ aoi k~ Aatlp roí~ Jloo Cl1~ nuDM
ampla malha dil infkifnda. atra,·&: dr ~' rinculadas ao Ea&t.'ito e l Mtrinha ou
através c:lila orp.nls.eos de vnttanas" Os militares slo ncorados pela Yfrttnie lndl.ls1rlal
ditnc cmçkl:o. i:!to f:. pdu grandes oo~ das quais ~ndllm pan o fotnoc:iroto•
•o de: equioamceto WHco moderno. AJ.gwrlas dessas corporaç6H dndnam o OOlllO de sua
prod:iacao ~ m.i.Utues. E o cuo. por exemplo. da Non.b Amaica.n Ariadon. a l..oc:theed
Aittn.f1. a OmcrtJ DynAmict, e Md>onneU·Doualu e a Tbiokol Chem.k:al. Ouuu slo
fomu'Cldons lmPortUIU de m.a1erW bl6co. m.u vecdt:m a maior putc do qu produttm
005 mcrudos dvls. Estao lnduldas nessa catqDOria a Wcstem E'8ctrk. a Speny Ran~ a
Geoera.I EJcc-1rk o a IBM. Hl ainda u carponçõcs. como a Duponl t a OtM.or•l Moton..
que apenas oculon.almtD.te finnam oontn.:tos de kmiccimcnco cc. OI míllt.,. ''

Uma pesquisa n:aliuda recentemente comprovou o peso que tem a


produçlo para fins militareS no contexto da ecooomia nor1e-americana.
A pesquisa índicou que as cinco principais índústrias militaristas res-
pondem por 7, 9% de todos os empn:gos em Non Iorque, 12,3._ em
New Jervy. 13". no Texas. 14,5% em Massachussens, 15,7% em
Conr>ecticut, 30'. em Kaosas. 31.4% na Califómía e 38,4% em
W asJtioitoo ••.
As despesas militues desempenham exatamente o mesmo papel
que Keynes atribula l construção de pirâmides 01 economia do Egjto
Antigo. Para os generais e a maioria dos políticos. um potencial de
desttulçlo l distlnda multiplicado por dez t duas ''e:U!S melhor que o
mesmo polendal multiplicado por cinco. dois sistemas ABM (misseis
anübalisticos) valem duas veies mais que um só. e duas veus menos
que quatro sistemas. Embora srja diffciJ con>'Cncer o público disso. o
imenso volume de pesquisas financiadas pelo complexo industrial-mili·
tu impõe·se a qualquer argumento. Os argumento< e sistemas de
ataque l distlncia são rapidamerrte substituídos por novos modelos. O
público t bombardeado com histórias horrorosas para que se convença
da neceuidade de ncwas escaladas na corrida annamenfüta, e de que os
modelos "obsoletos" (que na maioria das Tezes nunca fort.m usados)
de..,m ser atirados no ferro \'Clbo_
LS. JW. •• u .
... ..... , tJ.

175
A ma1orii d~ econolllh'tas atribua o bom desempenho do capitaH<mo
rk)rlc-arn.:ricano às '-"'Ultosa.s despesas gtK~mamenta.is. Os criticos sus...
tm••m. con1udo. que o preço socw dés<a prosperidade prolonsada foi
·• cn.açlo de um complexo industrial-militar que, atualmente, coloca cm
p<nl(() a própria existência da soc~a<k americana. Se essa visiio lor
\.'"urrcta. é possk-cl concluir que as tcori:s.s de KC)nes proporcionaram i
1tkvlo1ia ntocláuica dementes para que ela enfrentasse o mais hnpor·
lante problema econômico da década de 30, mas. ao mesmo tempo .
.,h...,ureceram ou agravaram outros problemas. Alguns des- proble·
rna~ e os ideologias contemporâneas do capitalismo serão exam inadas
n<> Cuphulo XI I.
CAPITULO XII

O Capitalismo Americano
Contemporâneo
e seus Defensores

Embor.l a economia norte-americana tenha sofrido cinco ~


su&\CS desde a Segunda Cuern Mundial. o seu crescimento oeste
espaço de tempo foi, pelos padrões históricos. bastante satisfatório. O
produto nacional bruto. em dólares a preç<» constantes (1958), cresceu
de 355 bilhões em 195-0 para 727 bilhões em 1960. A renda pessoal
disponfvel. tomando novamente por base o d6lnr a preço constante
(1958). aumentou de :z..c;o bilhões para 512 bilhõcs n~e. mesmo perlo-
do.' Se em 1950 a tau de crescimento ficou um pouco abaixo da média
h1Stórica, cm 1960 ela a ultrapasoou de longe.
O capitalismo norte·amcricano reali10u progressos tecnológicos
ntraordinários. Nas décadas que antecederam a 1 Guerra Mundial. o
aumento do produto por hora·homem foi de 22% por década. Após a 11
Guerra Mundial, o produto por hora-homem crc•ceu de 35 a 40% por
d~cada.' O que tornou pMslvel esses índices de crescimento foram os
in\cslimentos maciços de~unados à pesquisa e ao dese:nvolvimcnto. que
se elevaram de 3.4 bilhilcs de dólares em 195-0 para 12 bilhôes de
dólares cm 1960. a metade dos quais proveio do• cofres do p'CrnO
fcdcTal.
O desenmhimento tccnol6gico e o crescimento da produção a~lc·
ratam a roncentraçào do poder ec.onômico nas mft~ de um reduzidh~i·

1 Uad• C)(lr:aJcb do Fftk,.,.f R4,flfln<o' (l.JJ,,rJn, apto de t•?O. p, Ao8•AlfJ.


'-'*• M. Hxtcr TM CfJIUN </ A~o ,. C-mtuc Gr111t1lll - " ~pm.t•I (N0t•
1.
J••, . .:
c,.,.....1._
WililJ, 19'JQ. p 36 °" •W,...IMCll d• pmduti1idt<le . . dfQd• . . 20 b~m: ·~ 01-1.I"\

179
°""' tendência.' De 1968 a 1970, o ,-oJume de aquisi\'ÕeS ele-ou-se
'·isivclmente. O procrsso de concentração do capilal. que se iniciou há
cem anos atrás, prossegue ainda hoje • lodo o vapor.
A prosperidade do i>6s·suerra não contnliuiu para redurir as
profundas desigualdades existentes nos Estados t.:niclos. O estudo mais
completo já realizado sobre a distribuiçllo da propriedade de riqueza•
demonstrou claramente que 1.6% da população detém mais de 80%
das ·~ de todas as corporações privadas. e praticamente todos os
bônus emitidos pelos governos estaduais e locais. A concentração da
propriedade de '"!ores que proporcionam rendas ,..,m se intensificando
continuamente desde a década de 20.
A distnouição da renda aptt.enta também profundas assimetrias.
Apesar do extraordinário dewnvolvimcnto econômico registrado nas
três últimas décadas. e da imensa campanha publicn6ria montada em
tnrnn tb luta contra a pobreu- nos WlQS 60 (que prO'lo\)11.;VU n1ai.) barulho
que conseqüências positivas), a pobn:z.a continua sendo um problema
crucial nos Estados Unidos. l:im 1970. por exemplo. 25.$ milbões de
americanos viviam em fomllias com renda anual in fcrior • 3. 900 dólares
- considerado oficialmente como "límitc de pobreui'". Segundo o
"U. S. Bureau of Labor Statistics" (Departamento de EstaUsüca.< do
Traba.Jbo dó'l Estados l!oidos) aos elenck>s preços vigentes em 1970.
uma família de quatro pessoa> precisaria de rerca de 7.100 dólares para
viver eom "dignidade pcs.oal e participação social".' Portanto, 25.5
milhões de pessoas \h·iam com menos da metade do que seria neccssá~
rio para manter a "dignidade pessoal" Oui.ras dettna< de milhões
viviam com menos de 7.100 dólares.
Em um contraste chocante con1 esse quadro de mi,.éria colcti\•a, os
5% mais ricos da população rcC'ebiam acuna de 20•,. da renda total do
pais. No ,friice da pirâmide. achan·se a pequena elite constitulda por
1.6 da população que tinha cm seu podu a maioria du ações e bônus
dos Estados Unidos. Os mais ricos desta eliie ostentavam rendas que
'aria\'3m de SO a 100 milh~ de dólares por ano {neste último caso.
cerca de 275.000 dólares por dia).
Por outro lado. os impostos pouco ou em nada contribuem para
atenuar as iniqOidades na distribuição da renda. Supõe·>• que o
sistema tribut6rio dos Estados Unidos reduza a desigualdade, ao retirar
5 T.-.~---f:IW!' ...... 11a~f~4eC~~,_.._,
Wttr.y e H#tl \C.qdoft C9 ""'1liit. MttJitt \11;1tctt1mt- 4 Sftldr m P__.. n.e MOJ1t.lô ..,_.,..._
l• ~de l'llM.' 1·5.
6. R*"' J La1t1p.m~o. TM Slf"~ llf Top IV«W1l~ · "1old<n (,, /llst.,,..I lVe.11'- lf11·1956
• ~toi.. N J Pri....._"CIGIO ~itr p,..._ l"'°"Zl·
7 L• A..,W.i. Ti11N&. • • 1:1.aiQdc 1.,..1, ~ l. J- t
lJ fW li de ckn...... • • 1~. ~ t. p.. IS.

181
primórdios do SC.:ul<> XX. A partir de J9JO, a economia neoclássica
d~~n,·oh·eu um 1n~trumental ma,emátko c:ictrcmamentc con1plexo. ía·
,.c>rt-cendo Lt elaboração de n(WQ:, intcrprcta~s teóricas 110 campo da
ciêuc-ia econômica moderna. No entanto. os pos-tulad~ bá.triiC~ cm que
u'~nta toda a teoria prestn·nm a.inda um caráter metafisico. Não
fur:un aliccrç:a~ em buo dentíflCaS. q~r em termos empíricos ou
te<>ricos. lj
A nlc:lhos )iut...: ~ Ua ec.vnomia neocl:.\sslca (.-ontemporftnea cncon·
tro·se na obra de C. E. Ferguson. The Neoelassical TJroory o/ Produc·
tion and Distributio11'º. Os raciocfnios matemáticos desen\'Oh;dos neste
Ji,·ro são tão complcx.OC>. que somente economisla$ altamen1e especi.ali-
1..ados e ,·ers.acb em mate:mitica superior .sJo capazes de compreendê~
lo~. O professor Ferguson tem, no entanto, consciência da \ ulnerabili· 1

dade de dclcrminados P<JSluludos da teoria neoclássica que, lnl como a


ideologia rcliiji<>Sa medie,al. devem ser acei1os exclusivamente pela fé.
Nho só ele admite isso. com<> proclama sua adcsio incondici<>oal;
.. Confiar na teoria econômic:a ncodâssica i uma questlo de fé. Eu .
pessoalmente, trnbc> fé; ao momento. porfm. <> melhor que posso fazer
para con\·encer os outroS é: in\·ocar a ªº.\,°rda<lf d~ -um Samuets0n..." 11
Á medido que foi se 1ornondo hern'télico, deixando de ser uma
doutrina aces.shel para os leigos como era a principio. o líberalismo
clá•sico perdeu muito de sua elicácia eoquant<> id«ilogia popular do
capitalismo. Virias organizações empenham·se. atualmente, em diluo·
dir uma 'crsào simplificada. mais acesshcl da ideologia clâssi<:a. As
organiuções norte-an1ericanas mais conhecidas que se dedicam a essa
rnrefa são a National Associacion of Manufacturers (NAM - Assoei•·
çlo '.'/acional dos Fabricanle\), a Foundati<>n for Ecooomic Education
(fun~o para a Educadn F'C"nnhnir~)_ o Commiltee for Constitu-
tional G<n1:mment (Comité para o Govemo Constitucional). a U. S.
Chamber of Commerce (Câmara de Comércio dos Estados Unidos) e a
Americao Enterpnse Associa lion (Associação Americana de Empresas).
Uma comí«lo de inqufrito do Congrcs.o apurou que, dos 33.4
milhões de dólares despendidos rom a linalidadr de "influir na legisla·
çlo". 32.J milhões de dólares prorieram dos cofres das grandes corpo-

lO. e:. E. fCfJV"" Tllt f'tdlriaJ1('4lf 'T.lritot)• Q/ Pl"etbKtj(},,


Can\bndp: Unh~nit) ~e. 1969)
ª"" Dutrtb11t«.M ll.or.d~

J 1 /l:M" p ••t..-'l"t'i4. A d.Adiid.a C!Ollfüli!o dDP""fftt0t fl,,..,#j(lll Uuprc. "'"' lkbak buta1nc
n6uco ~ 0& cco-mir.at ~- O. *'--te
rnoc1piiliJ~•t.atb~-.........1C"a.-..ahlll'*-llr
,....,U'l. • ~ ~ que- ~ c:to.
m.._..... P.an ..-~
6a"\~dcaf . . . . .,"G"E. K H ..a. '"Rdiilioe&-P.rabkVef'Md &.....- &...p- A• A.aaMt.
., '1'I ~ e.........., • vai-. C•ri1a1 .,,., DilantMlu.a '11mnrY". ,~,,.,_,,_,• ..,. ~1('
ltm-<Cldclao6e 14rt WT&&lt'IW.tik llfd10.....,4/l~ ~ dt f K Huit1rJe....,.c-
\a.lunM"l~ Lobdtti VmrkUI. 1972) -

J8J
concentração _do poder económico em mãos de uma parcela bem
inferior a 1% de todas as corporações norte-americanas. foram feitas
virias tentativas de construir uma ideologia que conciliasse. de um
lado. a importância que tem para o libttalismo clássico a livre conax·
rên<::ia e a empresa privada, e, de outro. a existência da ooncentraçlo do
poder econ8mico em mãos das corporações, A.n;i.lisarcmos duas delas:
a ideologia do .. poder de compensação.. , inspirada nas teses do econo-
mista John Ke1111dh Galbraith, e a ideologia do "capitalismo do poro''
do professor Massimo Salvadori.
Em sua famosa obra, Amuieon Capiralism. the Concept o/ Coun·
tf!TWliling Power, o professor Galbraith reconheoe a nistêru:i.a de gran-
des blocos de poder, ligados por intcnosses especiais. na economia
norte-americana. mas afirma, em seguida, que isso não tem muita
importância. uma vez que "o poder da economia privada gera o poder
de compensaç.ão daqueles que a ela estlo submetidos."•• A criação
desse poder de compensaçio resulta n.a .. ncutralizaçlo de um p61o de
poder ~lo outro.....

Desse modo, nas relações eapitaHrabalho. os sindicatos poderosos _!/


ncutralium o poder das grandes corpon.ções, assim corno as poderosas
associações de consumidores neutrafu.am as forças monopolistas e
oligopolinas dos irandes comerciantes. Instaura·~ uma espkie de
equilíbrio de mercado, como se uma mio invislvtl harmoniussc os
interesses de todos. O todo harmonioso compôe·st. agora. de um
pequeno número de gigantes neutralizados. e n!o mais de uma infinida-
de de pequenas empresas atomizadas, competindo umas com as outras."
Oulra tentativa importante de demonstrac o carlter in6cuo (ou
mesmo benéfico) da concentraçlo do poder econômico foi uita pelo
professor Salvadori. que empregou o slogan "capitalismo do pon>" para
realçar o que consíderan o aspecto mais marcante do capit.alismo
norte-americano contemporlneo: a difusão da propriedade. A ampla
• difusão da propriedade das ações. 8$$lm como de outras modalidades
de valons significa, para o professor Salvadori, que o capitali$mo
deixou de su um sistema em que nma lnlima minoria coibia a maior
parte dos privilégios, para se transformar em um sistema em que a

~. loll9 k.uaxdl Galttaicti. A-nc.. ~ dw a.citpt 4tf


(....,._,._ Hoqlnaa MilllliL 1~. p. .._
a-_,.,..... ,,,._,
J' IW . p.1.
17. Comf#I kmbtu cru• o profu,or Galbrahb. publcOll Ytdas lrv"14- após o •P9ft('i.mtnlo •
A_.....,. C.,.-4M. tltr (;o,.~p1 o/ Co"1tt-'-"10ili~ ,,,._,,., Me'8IO vma Wt.ta .t.~ dtuel
l"fOt dctbOMtn. 4u6 ele moclific:io.
idlolollado_de_ com.iderawlomtt :tUM op~_
..... __
Cotulderudo, _ . ..,. •
ni> .U•to
_
~
_
_
.
.
.
~·-.-.. .......-~.-....oarc:.ailliookitia•---..
185
cada mna dcssu ~. uin CNPO ~ m.ais rtd:DZido drtêm o podo 61umo de
dttldo. Em minha opinilo. Gta f. a maJOI' conttnt~ de poder et"OAa.uc() .iatNls
r1:g:tSUada n.1 História. CoosiMrtndo-K que a produção i.ndusutal dm .Ertadoi Unido$
n:pttSCnt.a. atualmente. pouco n1enc;:g da metade da prod~lo mundial. essa 500 a.gni·
pammtos: - cada. qual com a 11&.a pcqom.,a p&tlmide de dominl(lo inlttll.a - denundam
um anu de conttntnÇlo do podrr SiClbtt u CCIOft09lias que ru o sis.1C2!1:la llllltdirr•l ~
uma~ de: cria::lças.:à•

Ao contrário do que sugere o tom de suas considerações. Berle não


6 um critko do capitalismo, mas sim um dos principais promotores de
uma ideologia corporativa, ou coletiva. do capitalismo contemporâneo.
Outros teóricos consenadorcs admitem também que, entre os milhõe$
de acionisw, uma pequcnlssima percentagem controla a maior pane das
ações das corporações.

A fitica CorporaJiva Contemporâaea


e a Ideologia Capitalista
Os métodos de atão f,mprcgados pelos "barões ladrões" do final do
sêculo XIX inconli}àtlblJ!Uram a maior parte do poço com a ideologia
corporati>a(•ercapítulo VllO. A competição schagem, as negociatas e
acordos fmanceiros cm que se en\·oheram dificilmente poderiam con·
•'Cn""r a população a cncará·los como abnegados sen-idorcs do bem
pí1blico. A ideologia libcral·dássica não tinha argum.,ntos para justifi·
car a coo""otraçào do poder ecooômko e politico. A ética palcmalista
cristã. com a ênfase que conferia à magnanimidade cios poderosos. era
ainda a única defesa ideol6gica bem sucedida das grandes dcsigualda·
dcs na distribuição da riqueza e do poder.
Ninguém levava a sério a máscara de personagem bondoso e
paternalista que se queria vestir no capitalista do século XlX. Alguns
ideólogos du capitalismo cont«mporâneo afirmam, porém. que o capita·
!ismo so[rcu mudanças tio drásticas que os capitalistas perderam sua
importância no sis.tcm:L. sendo :-.ubstituidos por uma no,·a classe de
empresários profissionais. Essas ~eoria.s prctendenl apresentar o "novo
homem" - o cmpresirio profissional - como um senidor paternalista
do bem público.
Em 1932. A. A. Berle Ir. e G. C. Means publicaram um livro de
grnode importllncia e repercussão TI" Modern Corporotion a11d Pn»·are
Property" - no qual sustentavam que a propriedade das gigante:scu
corponções difundira· se de W modo. q"" os donos das ações haviam

187
""' que o capitalismo none-amcricano era "novo... Essa foi a linha de
raciocínio desenvolvida pelo diretor da Sean Roebuck: ··a acusaçlo
hi~órica de que as grandes empresas, os braços produtores do capilalis·
mo. exploravam a. maioria em pro\·eito de uma minoria, e privavam o
1rabalhador do produto de seu trabalho foi vâlidn para o capilnlisnw
europeu. po~m. toma-se inócua quondo dirigida ao capitalismo ameri-
boje:·u
c+.ano de
Ou1ro lema muito debatido consistia em justifJCar o gigantismo das
corporações sob a alegação de que redundava em maior eficiência e em
produtos de melhor qualidade. ··o
público americano. afirmou o
diretor da U. S. Sleel, habituou-se a conviver CQm empresas cada ve~
maiores. ejá sc con>enceu de que os grandes grupos silo os mais dignos
de confi&nça e os que oferecem produtos e seoiços de melhor qualida
de. e de que são os únicos em condições de de2nvoher a produção, a
pesquisa e o suprimemo de mathias·primas na escala necessiria para o
pais.••U
Finalmente. os empresirios foram unânimes em clas•ifJCar o gcn:n-
1e como um ••profiuional" .. tão preocupado coni os ··consumidores, os
empregados, os acionistas. os fornecedores. as instittJições educaci~
nais, as instituições de caridade. o governo e o público em geral",
quanto com as '-endas e os lucros. Todos os administradores de empn:sa
"es1llo conscientes de que um poder especial implica responsabilidades
~peciais para os ~us detentores··. disseram. A maioria dos administra·
doros aceita plenamente "a responsabilidade de zelar pelo ampliação do
bem-estar público"."
Desde 1942. o Comit~ de DesenvoMmento Econ6mico (Committee
of Ecooomic Development - CEO) cmpeoba·se em disseminar a
ideologia gereocial corporativa. O CED aceitou desde o principio. a
grande empresa e também "o fato de que o go'-emo era podero>O e
tomava-se e.ada vez mais poderoso e. portanto. não havia poSSibilidade
de regresso a um passado n1ais simples e felit. Considerava que
problema era saber não quouto mns sim o que o go,terno de,·eria
f:iur. •· "Competia ao go,-emo não só assumir todas as obrigações que
lhe eram atribuídas pela ideologia líberal-clássica, como também colo-
carem pritica politicu keyncsianas, .W.ndo a assegurar o pleno empre-
11"· Cabia ainda ao p emo cooperar com as grandes corpo~ na
~lução de seus C'Ollílitos e na manutenção do clima de ordem e

189
atdbilidadc de que elas necessitavanl para que pudessem ~xccuiar.
pa.te:rn.üisricamcn1c. a função de promO\er o bem~estar "4>Cial. a.
A idc:<>logia gcnmcial encara a exislênc:ia d<: snn~ corporações e
unl poderoso go,~emo como ine\.;tá\-el. e também indispcnú\C~I para. que
se alc(lnce o máximo de eficiência. Aceita. a existência d°' grandes
~ i ndit:alos. desde que estes reconheçnm que seus. legiti1nos in1cresses
e:'lâo e-m hãrn1onia t.-01n os da t:mpTI.!!!>a.
Oulr'.i. Jonte importante de propago.ç5o du ideologia gercncial é a
Agência de Informa~õc• dos Estados Unido• (L:. S. lnfonnation Agcney
- USIA). ag?ncia oficial do gcn·cmo incumbida de divulgar para o
ruunc.Ju u ·· Pvnlo de Vist• d& Amt-rica ••• A USlA opero om grande
escala. As emissões da '"Voz da Amênca··. peL1s quu< ela é rcsponsã-
"cl. são OU\ idas di:ariamcote em todo o mundo. em deze:n~s de- idiomas
d1 lcrcates_ Publica inúmeros jornais e revi~tas. manLém bibliotcea.s.
c:cibé filmes. dedicando·se a vi.ria~ outra~ operações de propa1.anda.
Arthur t..ar.un, ideólogo scmi-ofidal da odministToçlo Eisenhower
e antigo diretor da USlA". publicou um li•-ro intitulado What w .. Are
Far ':.no qual expõe a filosofia que norteia a atuação da USIA. Na
economia capitaJhta moderna~ diz La.rson. o go,~emo de\~e fazer apenas
aquilo que "pn:cb:a ser feito" e que • empresa. prh·ada não te:n
condições de fazer .. tio bem ..3 ' . No capttalismo modem.o, coo'i"-em
poderosos grupos de intcreue:. tau: como as grandes empres.M. os
grandes: sindicato). u1n gc.\iemo podero'u e assim por diante. cujos
interesses não f.:ãO conflitantes. pelo con1rário. complcmcn1am·se e
fonnam um todo barn101üoso. Larson reafirma a 1ese de que os
ada1injstradores de cntpres.a são mothadOlo basicamente pelo desejo de
pronK>'er o bem-estar social. e atua.m cm consonância com ai>;·ncccssi-
dadc\ íundament.;ii\, poliúcas e econômic•~. de todo o J>O""O··. Afirma
ainda que M cmpre:~ privadas opc:rnm com maior cíaciénc:ia que o
t-;ovcrao e. p0r conseguinte. a participaç-!o gõ'\·ernamenta.1 na economia
deve ser rcdU7ida ao mlnimo ..),J

Criticas às Ideologias
do Capitalismo Contemporâneo
Oc um modo ~ral. L\ criticas ao capitalismo estão associadas com
'"' rritiC":e<lõ ;.,.. ..-ua< itltt)JC\J;ias. Estas serio o tema. tratado no ttstante
211. Ver M ol"lte. Gf'· ,,, p. l:!t-29.
19 lbltL. p .u
30 \nb'-'r Lani'llll, WM O,..,...,.. For t'l(rlo• Jatq~• H.uper & Row, l'X'>I
n "'"' p. 1(1 11.
Jl:. M.t1c:1)c!t1, ~ <li P• 4.'\
JJ ....NOft . "P- "'' p •"

190
deste ca.phulo . Algumas das t"TiUca.s 1nai.s importantes ao capitalismo
nmcricano contemporâneo scr3o analisadas no capítuk> XJJJ.

Criticas à Ideologia Neoclássica


A teoria cconômica neoclássica dominou totalmente o pensamento
cconômico acadêmi<O e onodoxo desde o final do século X IX até as
primeira; década; do século XX. Contudo, a partir da década de 30,
tornou-se aJvo de critica" ('Ada "'e2 mAi~ freqüentcs. Em 1938, Ok•r
Lnnge e Fttd M. Taylor publicaram uma obra extttmamente imponan·
te. On the Ett»10mic T~ry of Soeialism ."' Lange e Taylor considera·
"am válido o postulado neocliss:iro de que uma economia de concorrên·
eia "-'pura·· e "'perfeila ·· conduzia a uma "'alocação 6tima de ttcursos··,
e ao mesmo tempO procuravam demonstrar que õsa economia não
precisava ser nea:ssariamcnte capitalista. Uma economia socialista. na
qual os meios de produção seriam propriedade coletiva. poderia tam·
bêm. segundo eles. (através de um planejamento perfeito e da dcscen·
traJizaçlo do processo de decisões) operar numa situação de "eficiência
económica ótima·· . A propriedade pri•ada não tinha absolutamente
nenhuma 1mporlincia teórica ou formal na teoria neoclássica. Além do
mais. a socializaçào da propriedade dos meios de produçAo, argumenta·
v11Jt1. suprimiria as desigualdades na distrib uição da ttnda existentes
nos sistemas capitalistas.
Após a leitura dessa obra, chegava-se à conclusão ele que a
ideologia liberal neoclássica daria os mesmos resultados (ou ttsultados
ainda nlelhores) ~e aplicada ao sociaJjsmo. Os autores qucstiona,•am
radicalmente a função ideol6sica desempenhada até então pela teoria
econômica neoclássica.
Outra crítica dirigida à 1deologla libcral·clú$ica refena·se ã sua
incapacidade de apre.sentar um quadro rcali.ia do capitalismo do século
XX. Seu postulado básico. o da concorrência pura (nenhum -endedor
e>u comprador tem suficiente poder para inOucnciar os preços) estava
em flagrante desacordo com a realidade dos fatos. Acusavam· na tam·
bém de omis§.ão ante um p roblema da mnior importincia que era o da
poluiçAo Ju Jnciu an1blente. Além <11s.so, os economistas haviam chega·
do à conclusão de que a simples aplicaçlo de pollticas anticlclica.s de

191
Tennes..:c Valley Authonty (TVA). o cerco oligopolista montado pelas
grandes empresas do tnruporte aéreo contra as empresas menores e o
desafio que rep,.,..,nta a competição estrangeira para a indústria siderúr-
gica norte-americana são citados como provas de que os verdadeiros
objetrn>!> ~ 11r.u1d~ corporações são o lucro e o poder monopolista. e
não o bem-e>tar e a eficiência social. como alegam os seus defensores.•
Argumntam. tambtm. os críticos que os adminUtradores têm
exatamente as mamas motivações que os proprietirios do capital. Para
reforçar ~ua &r11Umentação, citam um vasto estudo sobre o comporta-
mento das grandes corporações ··controladas por administradores",
comprovando que os administradores de empresa perseguem o lucro
com o mesmo empenho que os donos do capital. O autor do estudo
declarou. a cs~c respeito. o seguinte: ••temos a impressão de que os
proponentes de teorias de ação gerencial despendem tempo e esforço
considcrli>cl descre••endo um fenômeno de importancia rclativomente
pequena. As grandes corporações controladas por administradores de
empresa pare<."<m estor tão orientadas pora o lucro quanto as grandes
corporações controladas por seus proprietários:··•
Muitos cr!ticos assc\-eram que os gerentes modernos tem unta
consciEncia social ou ··alma" quanto os "barl)es ladroes" do skulo
XIX. O professor Edwin R. Sutherland, recentemente falecido, antigo
presidente da "American Sociological Associatioo" (Assodaçlo Amcri·
cana de SocioloiiaJ e conhecido como ··o ddo dos criminologistas
americanos"" condU2iu uma investigação extremamente abrangente e
erudita sobre o alcance do eID·ohi.mento dos executivos das grandes
corporações com atos criminosos. Escolheu 70 empresas entre as maiores
corporações nlo financeiras, acrescentou umas e suprimiu outras em
funçlo de círcuMtlncios especiais, e, tomando por base cl<poimentos
prestados em tribunais e o utros documentos oficiais, t~ou suas histó-
rias crilninats.";1 Constatou qu.e havia 980 decisões judiciais con1ra essas
corporaçõcs. Uma da. corporações escolhidas havia sido condenada 50
•·ezes; a m~dlo por corporação era de 14 condenações. Sessenta haviam
sido condenados por criar restrições ao comércio: 53, por lnfrações; 44,
por priticas desle"is com os trabnlhadores; 28, por propaganda de80·
nesta: 26. por conceder descontos ilícitos; e 43, por transgressões
•ariadas. Houve 307 casos individua.is de restrições ilep.b ao comhcio,
97 de prop111anda desleal. ln de infrações. 158 de priticos trabalhistas
desleais. 61> de concessão de descontos ilícitos e 130 de outras trarugres-

193
r:erchnand Luodberg reíeriu·se à impunidade que cerca os líderes e
admini\1radorcs da~ corpora~ envolvidos cm ntos impróprios ou
ilegai~. t'ntrc os ,-.iricx casos citados por ele. destacamos o scguiou.::

o Sllborwt ôt -50.C.•lO dob.res c:iie:ttodo& por 4 compaahiu de ~ro qttie ft:SOllOll aa


~de Rol.$ Pmdo-~'' 6..· fuudo dt Mll:IOUn. pMtll"riomk'nlt: pa-.._.do pelo ~'
dcntc Tnua.d Sonicnl< 10 aoos de-pois, u COn1J».t1h.w fora.m declarad.u o!Ulpadas e:
OC)n(l('u.adn' a p3pr apctlU um• niult•. Nenhum de )4:US diretorn fi>l para a .;;add:t
H01.1Yc umtiitm o c.uo dQ Juh. fcde.rtd M,aniri M•11l9". c:ondtnad<t por att:it2.T um
suborao de l:SO.CO> dõl•tt~ o!c-~ Pot emissirios do rtu que est;1q set1Jo ~do
por p.i.gat sai.;i;rios csorbi:UftkS e 5'uput0f M»S func~ cbi Acmricu Tobiti«o
Cocnpuy. o~ cio~ lai Hduído- _ ,_ _ - o - - do
ptt:Sidmte da computhi.a (Qt.K" ha'"ia plucjado 1udof foi J'f'('otnOndo. po...co 1cmpo dcpo~.
a titt·ptt,1dcntc: urn bum npu·J *
A in1<nção dos criticos da ideologia gerencial quando citam essa>
in• estiga..'ÕCS não é pro- u que lodos os home11> de negócio slo crimino-
sos. A maJoria. e\ idcntrmente. nlo é. O ponto que desejam somar claro
é que o poder do' incentivos pecuniários e a ânsia de lucros 1110,·e tanto
os administradores quan 10 os proprietários do capital. O desejo de
adquirir lucros sempre maiores arrebata-os de tal forma que. muita_<
•czcs. não 'acilam em recorrer a meios ilqais e desonestos para atingir
seus fins. Por isso. srgumentam os criticos., nlo oon,·ence a imagem que
se quer impor à sociedade dos gerentes como sen~do~ dedicados õ
tarefa de promover o bem-estar cconômico e social.

Resumo
A pnnir da 11 Guerra M11ndit1l . in!ensificou·se a concentração do
poder econõmico. As desigualdades na dislnbuiç.ã o da renda prnlica·
mente n~o se alteraram nesse período. Apes;lr disso. mui1os ideólogos
do capitali~mo cont~n1porâneo continuam a reiterar os princípios libc--
rais·cl.Usicos. Outras ideologias lundamentam a •u•
de{Qa do capitalis·
mo na ~lica corponuh•a. Dão ênfase às ... pollticns lúcidas e eficientes"
das gr•ndes corpora~~s e valorizam o lado .. prolissional··, bem como as
··prconJpaÇ(>cs ampw e bwnanistas•• de seus administr>dores. Os
críticos dc-ssas ideorogia!- sustentam que os administradores de empre-sa
são mouvados pelo mesmo intc~sc que movi& os capitalistas do século
XIX: o desejo de ampliar ao máximo os lucros.

195
V \'12.r- ' \
.,, { ,_,,.,l)
CAPITULO XIII

O Capitalismo Americano
Conte.Qiporâneo
e seus Críticos Radicais

A\: ('rhka~ radicais ao capitalismo americano difundiram·se muito


durante os ano> de depressão da década de 30. No entanto, no pcriodo
comprttndido entre me~dos da década de 40 e meados da dttada de
50. a ampla repressão aos movimentos de protesto. aliada a uma
~lath:a p~pericbde C'COOÔmica. silenciaram as cririca~ mais radicais'.
Esse silencio loi bruscamente rompido ent"' 1960 e 1970. Dois
a.con1ecimentos contribuíram decishamente para o rena.scirMnto da
critica radical: o mo,imcnto pelos direitos chis e a guerra do Vietnã.

O Movimento pelos Direitos Civis


A lutn do> negros na América CQmcwu, R!Ulmente, cm 1619.
quando chegarnn' à colÔnia as primeiras le\·as de t1Cra\'OS UÍricanos, e
desde en1no ela tem •ido quase que contínua. Nn década de 50. a luta
dos negros por scw direitos humanos elente:ntares ingressou en' uma
ºº"ª fue.
Em 17 de maio de 1954, quando estourou o ca;,o "Brown •·enus
Secretaria de Educação de T0peka''. a Suprema Cone dos Estados
Lnido\ decidiu. t><Jr unanimidade, "que, no campo da educaçlo públi·
ca. não h:\ lu~ar rara a doutrina da if(llaldodt ron1 separur-iio ·-.
maruJestuç~ de massa ou da desobediência civil. sensibílvJtrin cons-
ciências em n6mero sulicientc para que a integraçdo fosse atingida.
A despeito das pequenas vitórias conquistadas em termos de ncmu
kis de direitos ci\is. a desilusão tomou conta de muitos milittlnlcs do
movimento. tanto negros como brancos. Começaram a perceber que as
conccss6es políticas pouco alteravam as enormes des1gual<bde< eco~
micas que pesaum sobre os oegros. De que valia o direito ao .-oto, se o
homem ou a mulher negra não c:onseguiam emprego, e quando conse-
guiam. o salário nlo os tirava das condições miserheis e degradantes
em que viviam com suas famílias?
Em 1950. o saJArio mêdio de um negro equivalia a 61" do de um
branco: em 1962 essa propo[\'ào declinara para 55""•·
Ao im·ês de
melhorar, a posiçlo econômic.a relativa dos negros piorou. sem que o
mo»imcnto pelos direitos civis pudesse impedi·lo. Al6m disso, e nquanto
em 1950 a taxa de desemprego entre os negros era um pouco menos que
o dobro da taxa de desemprego entre os brancos. em 1964 p assou
a ser bem mais que o dobro. Em 1947, os negrOll constitufnm 18%
da classe mllis pobre da América; em 1962 essa perttntasem eleva·
ra·sc para 22~.
Muitos ddensores dos dimtoS ci.-is convenceram-se de que os
obsáculos mais signif.:atiYOS à igualdade dos negros eram de natun:za
econômica. Perceberam a ncces.sidade de uma anãlise critica do capita·
lismo americano que lhes permitisse compreender os mecanismos que
perpetuavam e, mesmo, aprofu.n davam as desiguaJ<bdes sofridas pelos
oearos.

A Guerra do Vietnil
Outro acontecimento que contribuiu para despertar as criticas
radicais foi a guerra no Vietnà. Ou ra nte a ~da de 50. o g<>\'erno dos
Estados Unldos combateu ativamente tooas as mudanças sociais e
políticas nos países menos desenvolvidos. A pretexto de "proteger o
mundo do comunismo", inten-""eio nos negócios internos de um sem-
n(uncro de países. Em certos casos, como na Guatemala e no l rl, os
:&g'Cntcs norte·aOMricanos rramaram a derrubada de gcn'Crnos legitimos,
substituindo-o. por regimes servis'.
Nos Estados Unidos, as •-oz.es discordantes foram emudecidas pela
represslo politica desencadeada sob o muartismo. Os estudantes da

~"' '"°" ......."°"'*'


2. P"ua •• . _ OC5St:I ~ tU O... •ue ~
......,., "°'*'" n.-.. a a... 1JN lwr..,,

." .
..,
196().

199
franceses. decretaram um cessar-fogo e a separação rempor6ria das
forças inimigas. O seguidores de Ho Chi Minh deveriam se deslocar
para o none do paralelo dezessete, e os do imperador Bao Dai ficariam
ao sul do n\es-mo paralelo. Esse arranjo vigoraria dois anos, ao fim dos
quais seria reali1ada uma eleição nacional para escolher o chefe de todo
o Vietnã. Contudo, pouco depois dessaS negociações, Ngo D inh Diem
amparado pelos americanos, expulsou Bao Dai, proclamou a "Repúbli-
ca do Vietnã·' t designou a si n1esmo o seu primeiro presidente.
Não houve eleições. Os americanos e Diem estabeleceram, arbitra~
riamente, que desse n1omento em diante ha\-eria dois Vietnàs. Em seu
livro Mandate for Chang•, o presidente E isenhower odmitiu. candida-
mente. a razão pela qual os Estados Unidos se opuseram ôs eleições:
Es1ot1 corf\.-mcido de: que os franceses nlo Poderiam ganhar a guerra porque a situação
poli1k a intcma n'l V-icmi. obsct.ml e til~ enfraquecera t'e.rrivdmentc sua posição
trt:flitar. Todas as pessou inforrruu.la) nos :t$9.U\lO!l l.ndoebinescs com quem COfl-TCnei ou
com quem ma.ntivc cmttspondênc:ia concord.uam em que. se as e~ houn:s.st:m sido
t'Cl.tizad&s ao l~mPo Çs guerra.. possh·el.tncnt.e 80% d.t p.Jpul;iiçio leriam eliejto o
comunisi~ Ho Chi Mirlh para seu l dcr. ao in,-é:s de votar oo chefe de Esuulo Bao Osi • .

Ob\iamente a substituição de Bao Dai por Diem em nada alterou a


situação.
Essa solução imposta arbitrariamente pelos americanos, foi rejei·
tada não só por Ro Chi Minh e seus seguidores no Norte, como também
pela população do Sul. A guerra de libertação nacional, travada
inicialmente contra os japoneses e O$ franceses, prosseguia. agora contra
os Estados Unidos.
à população norte-americana repetia-se, com insistência, que seu
80''erno estava empenhado em uma guerra para proteger os sul·vietna-
mitas da agressão armada do Vietnã do Norte. Acusavam-se os norte·
vieinamitas de terem violado os acordos de Genebra, com intencão de
escravizar os sui-,;etnamitas.
Os críticos da política norte-americana contestavam as interpreta·
ções oficiais sobre a natureza da guerra. Sua versão do que estava
arontece-ndo no Vietnll recebeu ampla acolhida nos círculos acadêmi-
COS- Os compus universitários tornaram-se focos de hostilidade à guer-
ra. Do inicio da década de 1960 até cerca de 1966, os movimentoo de
oposição à guerra ficaram praticamente confinados nos campus. Nos
ú1timos anos da década, porém. o movimento extravasou as universi-
dades. mobili1..ando ativamente todas as camadas da sociedlde contra a
guerra. tran.s formando-sc. assim, num m.ovimento de massas.

'4. Geado e:m íbiii.~ , 1&9~


- -------------:-:-::-::-r
818UôTECA DA t'ACUlOADe
OE CIBNClAS ~ OIC'f ABl!.IS E 201
nmencano. sent da r expticaçõe., convln cenH.~ para <iuas ações,. m!!ihtu.1.
e·m akanc;ar um3 'itória miHtar.
~ fi.'filic~ con1C\,·.aram a se perguntar se a política do gQ'\erno n.ão
Sie'ria de:1em11nada por- motivos 1nais profundos que o simplc)> ~nllmcn·
10 anucomuntsta.. Con1eça.nun :i procurar as razl'JH tt"Onômica.), da
guern e 3 repensar seriamente ~ ttorib r.adicai\" tradicionais sobre o
1mpcrial1\.n\O capitalista..

O Mo vimento de Ltbertação das Mulheres


A~~im comn o mo,·imento dos negros. o m~imcnto dns mulheres
no~ anos 60 nao SU1'8iu do nada nem repentinamente. A~ primeiras
manifestaçõ«$ polilkas lcrnininas. reunindo um número si~ni fieativo de
mulhe~' americanas. ocorreram cnire 1820 e ISJO. por ocasíJ.o da
campanha abolicionista. A experiência de luta no 1novimen10 abol i do~
msta deu ls mulheres consciência de sua prõpriu opressno e á CQnfiança
nctc!.~nd para ~nstrulre m um mo~;rnento
ent Í&\·or de sua própria
c.au~. especialmente porque eram ignoradas e desprc-1adas por muitos
abolicionl5la•. Ante> da Guerra Civil. as mulheres. além de lut&r pela
aboliç!o da escra•;dâo, rdvindicavam a supresslo das leis que confe·
rfam aos homens o controle de todas as propnedades e o poder de
ôecislo no casamento (fica•am. inclu.sh--c. com a guard• das crianças
cm CbO de >q>araçào). assim como o direito de voto. .\ .ô
Após a Guerra Civil. os negros conqui:star.im o direito ao sufrágio.
isto é~ os Jto,,,~,,J negros conquistaram o direito formal a.o sufrágio. mas
sem nenhum mennísmo que assegurasse esse direito no Sul. As mulhe-
res nesra.) ou brancas. continuaram sem di~ito ao toto. e 56 vieram a
conqui\tá·lo cm 1920. após árduas e prolongada< batalhas. Em sua
primeira ro~c. o movimento visa,·a a um amplo leque de reivindicações.
que iam desde leis .obre a pobreza e o di•6rcio ot~ as condições de
trab•lho. Depois de 1890. o movimento coacentrou as su>S forças na
rci•ind icaçAo do direito de voto. Em 1920, havia cerca de 2.000.000 de
mulherC> filiadas às organizações sufragistas. Q uando finalmente obti·
\-eram o direito de voto. a n1aioria delas deu por encerrada a batalha . O
movimen10 entrou. então. cm <.'Olapso, só se recuperando na dêcada de
1960.
A luta pelos chreitos da mulher ,.,,;surgiu. por pouco tempo,
durante a Segunda Guerra Mundial. quando milhl>ts de mulherc• \C
engararam cm >erv1ços relacionados à guerra. O <imbolo de Rone, tlw
Ri1tntr 1Ros1c. a Rebitadora) substiluiu o de Jtmt. th• Huus•,. i/I•
(Jane. a Oona·<k-ca..a). Da noite para o dia, entrou em modB a

2111
acréscimo de uma disposição banindo a discriminaçllo do sexo: sua
aprovaçlo final loi um milagre político. Mesmo após a sua aprovação,
os 6rglos responsáveis pela execuç.'lo da emenda encaravam a proibição
da discriminação de sexo como uma piada e pouco fizeram para que ela
fosse respeitada.
Em conscqOência disso, foi fundada em 1966 a Oraanizaçlo Nacio-
nal da Mulher. Trata-se de uma organização moderada que se empenha
para que a legislação sobre discriminação de sexo seja fielmente obede·
cida. e luta pela aprovação de novas leis, como a Emenda de Equipa-
ração de Direitos, para que as mulheres possam, finalmente, desfrutar
dos me•mo' direitos que os homens.
No decurso dessas lutas pelos direitos civis e contra a guerra, as
ativistas rndícals ganharam uma boa soma de experiência. Mais uma
vc,, o reconheclmenlo da opressão dos negros deu a elas consciên~ia de
sua própria oprcssno. Começaram, então, a pressionar o movimento de
esquerda para que encampasse a lu la pelos direitos civis e políticos das
mulheres e de todas as minorias. Foram, porém, rechaçadas por muitos
nülitantes radicais do sexo masculino que tinham pouca clareza sobre
os problemas das mulheres. Quando, por exemplo, esse assunto foi
trazido à baila por ativistas negras do ComitS de Coordenaçlo dos
Fstudanies Não-violentos, organização dedicada aos direitos civis. seu
lider Stokely Cannicbael declarou: "A única posição para as mulheres
dentro do Comita ~ de submissão"•-
Em 1968, muitas militantes raclicais romperam com as organiza-
~ de e1querda e organiz.aram o seu próprio movimento. O movimen-
to da~ mulheres radicais é Liderado exclusivamente Por mulheres e não
udmite o ingresso de homens, mesmo como membros. Nlo deixam. no
cnlonto, de cooperar com outras organizações de esquerda, semjlre que
nct-esslario. Em lugar de uma organização centralizndn nacionnlmcnte.
mnn1~111 centenas de organismos locais. Alguns desses organismos são
c~clu,iv(I mente feministas e encaram oo homens como seus 6nicos
lnlmlHOS. Ou1ros. de tendência socialista, encaram os capitnlistns como
' '' 1irincipais inimigos e afirmam que o socialismo é condiçllo necessária
pura u libertação da mulher. O movimento das mulheres. incluindo as
moderudas, as feministas e as socialistas. conslilui atualmente a força
mnl• allva do movimento de esquerda nos Estados Unidos.

205
econôraj_co. quer dit;er. a diferen5a entre o q~é produz.idQ..5~9~
consunúdo. a fim de mant.çr2_J?.~~utividade da economia. Essa é a
origem do capita] de investimento com o qual o país podera se indus-
(>trializar. Nas atuais condições insti tucionais a n1aioria dos países pouco
dçsenvolvidos djssipa seus excedentes ou oit perde para os p aíses capita·
listas imperialistas.
"O regin1e capitalista, ao in.,·és de oonstituir o elemento motor do
cresciniento econômico. do progresso tecnolõgico e das transformações
sociais, tem sido, nes-ses países (subdesenvolvidos) o responsável pela
estagnação econõmica, pela manutenção de u.ma tecnologia arcaica e
pelo atraso soc:ial'"º· A agricultura camponesa produz. de um modo
geral, um excedente suficientemente gran de nesses pai.ses. Baran afir-
ma, inclusive, que o excedente eleva·se. com frcqüência. a 50% da
produção total. ··os
compromissos do camponês rep resentados por
arrendamentos~ impostos e juros são bastante elevados em todos os
países subdesenvolvidos. F-reqüentemente tais encargos absorvem mais
da metade de sua diminuta renda liquida"u.
O_e.rob l~m.a está no uso q ue se faz desse excedente. _13Q.Lvai p ara
o;;_Íl]_l~iàfi:Q!,_especuladores, agjJiWl.• comerciantes - pequênos
\.11 capitalistas que não têm interesse nem d ispõen1 do capital para finan·
dar a industrialização. P_a!~!a considerável destina·se à cl~m i·
~~~ dgs pro·grjetª-._r!os ~ terra, que utiliza a_ S\l~ ~ta" par a
adquirir bens de consumo de lul<j), l~•~!!!!~!!.\fos dos p Qlses
capitalistas, e para financiar as instai.ações militares neccssãrias à
manutenção de sua dominação interna.
Para financiar a impg.ctação ® '!.~89S de lu~d!_materlajJ>.Q!ico,
os países subdesenvolvi.dos p~isam C.XP,Ortar para os yaÍ_!~ ~~stria!!;
~_9.p_§. As exportações C_2,nsist~~· na matoria das vezes, em um ou dois
produtos e:rilnários. agricolas o~ minerais. Os países capitalistas com os
qliãis comercia m in\Pôe-m. 8raças aÕSêÜ1.menso poder monopolístico de
compra, termos de troe.a cxlrema_!!!en~_desfavoráveis para os países
s~~9l'lidc>s. As grandes côíP.<!r~ multíoaéíonais 'l!'e_adq!!,iM
as matérias·primas não estão interessada.~ na industrialização desses
pa1se$~. .Os iÜvestimentos de ca pital e.dran geiro Vlª-a.IJ4 exê1usivamen:te7 à
ext.ração de recursos naturais. ~ t
A !~\!i-~~e latifun~iC(. e os capitalistas estrangeiros
alian1·Sc para proteger os seus interesses comuns, suprimir as dissi dên·
cias e manter as n1assas oprimidas e miserâYeis. Desse modo, os

10. lbld•• p. 163-104.


JI . ]biri., p. 165.

'lfJ7
'Ub\idLl.ria' e:-,tran~iras (muit~ du quai~ e.;tào. n3turalm~nte. lõenh·
iadii""cm-p3i~ subdêien•ol\idos}''. Uma obsen-açlo mah c:uidt.tdnsa
~,·da quie o t."'Omé.rc:io exterior dos paíS<-\ subdcsennllvidO!lo apre...cnta
profundas dbtorções. As maténa'·J>rim~ o.os metais ainda no primein.1
otJiio de tratamento cons111uem h.5-": da'!. exponações: O\ produt~
n1ílnufaturndos (sobretudo têxtcu), apenas 10.,•. Entretanld. cerca ~
60 .. de suas in1porlaçÕC) (."OD ..i_i.tcm em produtos rnanufo.turadm11 que.
cm "u• L!:rantk maioriu. compõcm·se de çonsumo. T31 padrllo de
con1ércio nao le\-a ao desen\·olvimcnto. apena.~ rcprodu.L continua.mente
a dependência cconômicn.
Aqueles que se opõem a eue ponto de \ri.sla (isto é. os defensores da
PQlitka cçonômica externa americana) afirmam que. embora o con1ér·
do ett.:rior e- os m,·estlmenh.~ cictemos sejam importante~ para as
rorporaçõts none-aniericana.. eles t>mbém beneficiam os panes subde-
scn,oh idos. Es'lolC argumento ortodo1a e desen"oo;oo num ti"·ro-1exh>
DlUHO con~ulta.do. ...-ar. ~ ..._
De um modo geral. justifica·\t um «rto grau de otimismo quanto
!h pe~pcc:th·as futuras que se abrem pa.ra os: países subde:.cn\·olvidos
cin suas relações comerciais co1n os pai~s dc.s.envoh·idos. O stnal mais
encorajador é o crescen1c reconhecimento, por parte dos paísc~ descn·
\'Ol>idõ\. de que a abertura de seus mercados para os produtos de
exportação dn) regiões subdesenvoh·idas constitui uma parte essencial
de \cu programa de ajuda destinado a promo"·er o desenvolvimento dos
pai\.C\ atrasados••
Esse argumento não ~pond< ditttamente às criticas radicais
diri~id.as à
poliua externa cwoômica dos Estados Unidos. Ele simples·
mente afinna q~ todos os pai"" <ubde<e11\·o!Yidos-aecessitan1- de mau.
cnmt:rcio. Outro pensador onodoxo que estudou o problema com mais
prorundidade admite que ""o aumento do fluxo de capital prindo para
O) países subdesem·oh·idos pr'O\ts\'Clmcnte requererá un1 remodela1nc:nto
dn\ palitkn~ econômka~ tanto UO) paiSts s-ubdescn,·oh ido' ron10 nos 1

pní~~ avançadosu 1 ' . Ele não chegn a analisar quais os obstãculos que
itnp.:dcnl cl.lsc "R"modelameoto da~ polític:à) econômica.s"' .
~ con.sen·adores que de-fendem as politicas.-'.mericana..\ re~onhc-­
ctm que ô$ pa~Õapilalistu dcscn•oMdos dispõem de um imenso
poder ~<>nômico. político e militar ~ utilizam para ioíluencior e
"-"<>n1tti1.tr po'os cbs mais difen::nces ~:.do D!:.undo. ~egam. J)(')rénl,
,,. ,........,_. 'li' •• ~..

17 ~Jab.Tir~4l(~J"l.dW~1'ii·-.•l(lf"QIH:M..W,~ ....... t""-\•·1' I'


'"' Ost"Cf\A S-*i.l•t"""""n.-•l•l•"tlitF_,~~ ... 1,.1.,,. IYl• b,
11~
1l.m411min H~ Fro•o,,..-; /k.t-lvr-"t 'll'lWill lorq~. ~ 1t!>Y1 r ,..,i 11Mfn.
~nt *
iotele\.'Cu.ai,. 'e é qu~ exi'1en1, ahraçant esta pos:ição. que n1.1nifes-ta·
n1cnte é Jc.:t1t..1 p~r uma minoria significativa l:..\tQ.ck)\ Unido,. "º'
Outro araiumcnto consiste cm af1TTJlar que o racismo e o ~·u,nlo sno
produtos unhcnai~ do f.in.nismo humano e nada têm a \Cr com o
capirah\mo ou rom qu:t1quer outro sistema econômko
0< crillcO'> do <-apttohsmo aponurn o fato .i., que "' <al.írios dos
negros e d.; mulhcin compõem uma parcela sigrulicatl'a d"' despesas
do> c4p1tAIÍ>t..s com salinos. Em 19~0. por exemplo. O> >aUrin> da>
n1ulherel. tqui' aliam. em mécfíL 3. ~de. 50~. dos saUrios dM
homens que exn'UH\\am os n1e~mo( serviços. Com base ncsSC'( dados,
podc·sc di1er que aproximadamente 2J•·~ de todos os lucros andus1riais
dc,cm·:.c ><» "'lúri"" mais baixos. pagos às mulheres. O. lucros
oriundos da d1scriminaçlio racial certamente são mcnon:s. mas ainda
assin1 slg_nlf·k :itivns.
Paul A. Baran e Paul "1. Sweezy. dois prestigiosos críticos socialis-
to.s afirn1aram que é necessário considerar:
~ 1 r;i.1T'c-ntc. u. lnltte"t.'td pO.-:iCSO. (11.1it .M: bcnefKi:am cum a eüitlncia de um
"u"r"•lt!t11n.a.t..1 nrcro. •1 O\ cmp~otdoR1 lu«am com ali Õ<t1.)ÕCS u forc& dt 1rab;1.lho
q1.1c lht1 J"t"'":tt'm ""'~um ~po contn o OUt.rO. enf:--aqueuodo. ddsc modo, • todos
.. tu ()( rrOl'ricl6."°' ck lmO<tcl\ n~ .guct~ podem ç_o('<rar cm t"~ e wpcrlor:a.r as
rc-~JC:ai.11n 4'nlru da.q\Wla\ iru:s. ~) Os grupos dC': tnd.t M fail..& mCJii1. e WptT'ur
bc:Drlld~·'lol' tendo 1 Ml9 dn~lo ma gnndc: $upnmca:O de: U'abaDlo diomdtico
bar..to. di ~·-~ Plt\l\j,C91a Ml!Üoos ma.rgin.aA. opocglm.an.c- llO :wwr dr: tcn~ só
pode:': f1.i"'100U lwraüu.mcntt yai;n à d1Sporubli4ack ck ara.~ t>uato. d Os
tra~dorn N~ pcw soa.'ª- bent:ficia!THIC" porqw cstlo prot.c:~ da competi.;lo
wm o nq;:ro DO loc ·•n~ ""' C:B'IJ'l'q05 a.uis bem run.an.dos e cob-.~ H

~firmam tan1Wm que. iilém de fa·••on:cc.T o aumento dos lucros, a


di~rimin.1.\ãO fonalcce a estabili<la:_de social em uma economia capita·
li'ftta . A c'tTulura tte clas~e do capitalismo. sustenlam ele<. produ7 urna
~Hu~ão cm que

ç.1~1a •fuf'l~' w11;l11;: ttm 11. Pt'tt1~ldade pslroJ6g:ta de compr~a.r O..\ xu\ 'IC'ntimcni.<K de:
1nfc:n""'"hh1ck C' de tnt"t"JI em rdaç.i("I às camadas il.tpcriorn. 111:unlti.U1t~ dc\~m e
wp~lfldildw: J1(1.a c11n111d.a,. infc:norcs. Ocorre. c:n1ào. QUC'. um iltupo <'l>«tal de pJn:1,,
""' l>iUllC: da hJC:fillfq\lt& fo.llCUl.I, fUtk"IOAl!I rom n UftU C\pt('.Jc: <11' plU.. ·f&"'-"14 J'l•U• A~ lru,tra
.,,-õc,.
e h~ht.i..111dt'i de 11K'kd. os pvpos Utundos acima dck. ~ i"'"'º • 1at1t11 .,ui.. Y'trd<ldc
qvontn m.a" rrchu110 ('>tio da b..ue. Pode-~ cfuct indushe que n Pf"úpn4 r"ll'i,t!K'la dn
J.:rupo de: plna'- io am1 c:~i<: hannoni:l:.adora ~ ~tabiILria.(l.)fa d:t t'llNIUr<1 ~,•.i •
1

tml'°l.lra c-''.i' afirm~\'Ôc'> de Bara.n e S"'tt7l d1pm respena no


rad,ntc). mui1°' crillC'f"' \u-ç1entam que o sexisn10 <ksemptnh.i a m~ma
run~ilo c:M urna '°4:1~dJ.de capitalista.. Segundo ~~' cnti«.·o,,. n c-apit:.·

1~0
l l r-t -'
p. JU.M
a..-r.. e Paal M S-.U,. ~ c,p...I '""ª ~ '-'~ R"".,... Pln&.
l-4 IW p ,Jto4-i.,~

211
;\ cx~tênc:i<i da alienação, assim como do racismo e do sc.w:ismo. é
c·a1tlknd:i por muitos dcíen,orcs do capitalismo romo um subproduto
01,d\•o. poré1n, incvit{lvel. dn ch•illzaç3o industrial. Co1ocum·na ao
1111· .. n1ll ul\'c.I de outros subprodutos. tais como as -:n odalidades: de
tr.1ha lho maçantes e perigosas. ou as personalidades estreita~ o írag-
'º' nladas de uma grande massa de burocratas. Uma emnomia socialis·
111 lr1dustriuli1:ailia. en~ndraria, afirmam el~. o mesmo tipo de aliena·
i;1'u Poucns 11esM>ns. independentemente de seu.) pontos: de vtsta poUti-
t'n'í 1:1 <.-conôn\icos. rcnuociaria.m às vantagens du industnalit.a<;ilo para se
ll1'<rh1r d" alienação. E mesmo que quisessem retomar à sociedade pró·
l111lu,trial, s.ilnplcsnicnte não h' como fazer rearcdir o tempo para uma
'ºIJMta idade do ou.ro.
Os criti<..'OS socialistas n:tnicam que, embora um certo 9rau de
11lle11u1·ão seja Inerente a ioda 5ociedade industrializada, o capitalismo
h'v11 ·11 u l!Xl1'\l111v. Elich r.ro1\1n\, ÍtintOS() psicnnalj-:ta. lilót:nfo 1>oolal e
.1u1ur de muilO"i livros. afirma que a causa mai'l imponante da aliena·
\·Ao~ o fato de que os indhiduos nio se scote1n participantes das forças
1.411t" determinam a politica soc:i.al. Sentem-nas como forças an&oimas:
\ jUC c-ocapam totalmente ao seu controle. ··o car•ter an-lnimo das rorças
~oduís". tSCTe\CU Fromm, ..~inerente à eslruturn do modo de produção
1.·npitalista"'".
l ron1m identifica vârios tipos de alienação criados pelo modo de
l'n~luçào capitalista. As conditões do trabalho alienam os trabalhado-
r<' Seus modos de •ida dependem do lucro que os <apltalistas e
empresários poden1 obter explorando-os. Assim. são dstos como meio
u1H!nns. nao con10 um finl. O trabalhador individual 6 "un1 átomo
t>i.,·1;1161llico que dança conforme a música do Cnlpresário". Os empresá-
rh•' ''tiram dos trabalhadores o direito de pensar t se movimentar
th ,..,mente. A vida e negada; a nettssidade de controle, a criatMdade. a
~ urio~dade e pensamento independente são frustrados. e o resultado. o
1nc'f'1lável re~ultudo, é a fuga ou a luta dn parte do 1.rabalhador1 a
u1rntin ou a tendência à destruição, n regressao psiquica19". O ttobalhà·
dor ~ot~ que o capitalista controla toda sua vida. Tanto os trabalha·
dl"'~S quanto os ronsu.midores (e eleitores) se sentem fracos e ins.ignifi~
<•ntes diante do colossal p<>dcr de que displ)em a. corporaç6es sobre as
n •ndições de tmbalho, os preços e mesmo a P<>litic• govemamental.
Fromm ~uslenta. ainda q,ue o ºpapel do empnsãrio ~ tantbém
""'"'"do pela nlicnação"', poi~ também ele 6 coagido pelàS forças
hu:1ut(1,·cis do cupitalismo e tc111 muito pouc:a liberdaide. E le te1n que
o homem se scntc oomo uma coisa a ser empregada. com sucesso no mercado, e oão como
um agem~ 31ivo, como() poriador de poderes h11mán~. Es1i a.tie,n tdo desses pod~ri<S, S<lu
obje'!ivo ê vcnder·st> n si próprio com sucesso no mcrc-ado, O sentido que tem de si mesmo
n~o '<'Cm de sua atkidadc com.o um l ndh•iduo que ama e: pensa. mas de seu papel
sôcfo··C<'<mômico.. , St voe:-( perg,untar a um homem: ..Quem é: você?" , ele responderá:
"Sou um lndustrial", "Sou um p:i.drc". "Sou um médico"" ' !!. que e%ll. é a m>lneira pelu
qual r!c se: scn1c. não como um h omem, com amor. modo, convicções, d\1vjdus, mas oomo
uma abstração, aticnado de su.a rt:al naturez.a. dC$Cmpenba.odo uma tt!rta fum,·ão no
shtema social. O sentido qlJ(' te·m de .seu V11Jor depende do seu rooes.so: se e le oodc ~
\'Codi;r a $l própdo em condições ''ancajosas, se pude fc't:tét d~ $i mc:1omo mais do que era
qu\&ndo com(l\"Ou, se ele é um Sl•(.;cSSQ. S<:u corpo. S\lll merilc e su;i à lma Sii<> o $eU c:ipiUil,
e ).Uil taTCfa m1 ~·fdit ~ lmesli•IO van1il,jooamcnte. tiroindc. Juc."m de ~1 mesmo, Qualidades
h\1muoo1s como ;tm.i:t:1dc. wrtel"ia e boud;ide $00 1raMtonn11d:1.s tm merc:idorln.s, em
pre<lieados d~ $Yól embalagem p~so~1. que com:h•telt'I a utn mai<:>r prtÇi) no mercado das
pc.1'$0nalid:1.des, Sa ()Individua blhâ e1n um lnves:tl me.il(() Jucr:mvo de !>1 próprio, e le seme
que é urn flllido; $t é t>ein $uce<di00. t le é um s:uees;S(), Mais claramente, $CU $!!OS<> do
prc>pri<• "'ah1r ~l!rnprc ~epende <k íatores ~u'ô\nho11 a ele, do incon,,,tante ju1ganrcnto do
mt:rcado. que d~ddc 5obrc o seu valor Cómu decide sOOn: o ''alor das mcrc.adorias. Como
Ioda.~ ai. merc:td()ri3S qoe nào podem ser vendidas COJl'll lucro oo merc:i.do, o individuo
nada Vllk enquanto seu valor de ·troca o!o 6 estipuJado, mesmo quando o seu Yalor de UliO
é oonsiderà~-el l~

As.siltt. os crí<icos s<>eiaHstas alin11an1 que o nexo impessoal de


1ncrcado capitalista pe rmeia todas as rclafr'ÕCS humanas, Faz dos lucros
e perdas o critério ú ltin10 de avaliação do valar humano, o que fttz com
que. cm uma economia de mercado capitalista. a u.lienaç.ào m arqut
profundamente a \•ida humana.

Destruição Ambiental
O capitalismo precisa experimentar um permanente crcscimcnt'o
econôrclico ou e nlão enfrentar a depressão, o d esemprego, a cstagcrnção,
e todos os outrQs proble1nas sociais. Mas o cres<:in1ento econôn1ico pode
também criar situações nas quais a busca de lucros entra em conflito
direto com o be1n ·estar p(t blico , Crhicos do capilalismo lêm suste ntado
que a procura de lucros em uma corporação ve m geraln1cntc acompa·
nhada de uma preocupa~·âo muito pequena coni a consen·ação de um
meio ambiente saudável OJlde se possa de fato \'iver.
A poluição é preocupação canto dos defensores do capitalismo
como dos seus críticos. Os defensores afirmam que esse é unl p roblema
comu tn a todali as economias industrializad as. Os c ríticos obsen1a.rin que
o prob lcnta é pjor cn1 uma econo1nia capitalista. Tambén1 SU$t.en ta1n
que seria \•ir1ualmente impossível controlar e'licazmente a poluiç.iio em
um sistema capitalista. E isso é assin1, dizem, porque a causa econô1ili·

:u , lbid. ' p . l29:· 130,

215
aconlo coa& um rtccsue eltUdo lti14 pdo FWPCA(Admitlistrld<I do Cnntn'lle de. Poluição
da Ãsua). w a ind6.t:tria qulmica rtdutls.sc: • U'l"O • poluiçJo que causa. linll ~!85
subiriam a ccn:a de 2,7 bilh6es de dôlans PCJI' õ&no. o que nchuJ.rla OI luaot l metade .

Em taís cin:unstincl8$, os critkos nlo esperam muito PnJS"'SSO na


limpeza do meio ambiente, a menos que primeiramente ocorn.m mu·
danças sociais. politicu e econômicas fundamentais.

Criticas ao Capitalismo:
Liberais contra Radicais
Os criticos lll>crais do capitalismo ·=onhecem e lamentam tanto a
distribuiçao uemendamente iniqua da riqueza, da renda o do poder
politico. quanto outros fatores como o militarismo. o imperialismo. a
discrimlnaçlo odiosa, a alienação social e a destruição do melo ambien·
te. Contudo. hã uma enorme diferença entre as posições dos liberais e
as posições dos radicais.
Os liberais tendem a ver cada um desses problemas sociais e
econômiros como se fossem separados e distintos. Acreditam que tais
problemas slo resultados de erros passados, de incapacidades e inapti·
dões pessoais ou de ca.sos esparsos de perversidade individual. Os
liberais tendem a considerar o go.emo como desinteressado. e motindo
pelo desejo de maximizar o bem-estar de todos os cidacllos. Por isso,
geralmente favõftC'em as reformas advogadas pelo ~mo, planejadas
para mitiaar os males do capitalismo. Tais reformas. conrudo, nunca
atacam as dU&$ características mais importantes do capitalismo: a
propriedade privada dos meios de produçlo e a livre con~ncia.
Os radicais, porém. v&m cada um dos problemas sociais e cronô-
micos que discutimos aqui como a c:orueqúélu:ia dinta da propriedade
privada do capital e do processo de decisão social, bem como do nexo
impessoal do mercado. Os problemas não podem ser r<Solvidos antes
que suas causas subjacentes sejam eliminadas. Mas isso significa uma
reorgunítaçlo econ&mica radical. fundamental. Caso se elimine a pro-
priedade privada do capital e se laçam significaiivas restrições nas áreas
cm que o mercado determ;na decisões sociais, o sistema resultante não
serl mais um sistema econômico capitalista. Scri algum tipo de socie·
dadc socialista.
Resumo
~ " &'-Nadt M 50 ati os primei:ros. a.aos de 70. °' mcwimeatos
pelos direitos civis. pela libertação da mulher e contra a guemi geraram
p ~"'O.Mvva Oco... 1liit "t.atillls ot a foti.doin.J.....tnaJ e.......· . - Oordaa..,. tir..

217
_.__
ht• ''""°
foi
"'" efic:ira• -
~
~
,.,,...,, - JU - .....

li,. ECffORA
V \OZES
MA'TJlllZi
PflHpoil a AIUI f"r•I Lu(s, 100
1$1119 '•!tópoJls, RJ
hl 102•1)A3-.5'12
Caflla Pcs1.i llXl23 • Elld. re1eortfk0 VOlU
C:GC 3"1 l27 3111:1l00t -OC • l.ua E.tt 10 f.47 llSO
flLJAll:
&.. 4• - .r,. ,_"" ~ o.m... us - ~· t - Cllrt0 • Cartocal
2IDCDl JUo ~ JaM ro_ RJ • 'Te' J (011.)220.l&&S
L• . . _,..,.. ~ Jol4u!Cll Palt\ates_ m - hndol • (bMie» O. 511
m2m "-lo .. hi~-o. RJ - ,.,_ (Qlt)Zn.l•
... ...... ft.- SMadar feljO. Ili •
1.:m
t•
Sklo . . . . . $? - '-'-'-~ ttit):JZ..-. . . . . . . a.229
Slit P-'• R1ioa ~ tabo, 1IO • (49 ledo . . Cd. .• SAo Wb)
01'14 Slo , . . . $? - ,.,. ('011--11, 29.0tll • 256elt
~ P...ltt-. ÃY Slo ~ d9 û... 21•
12tOI .-.ç,MÇ& ?1ufrs:;a. SP - fel Dtt).i».-Jl7S
. .._ Htitboft_I• R.- t..ciors, t5 Loi* to
JOtto .. ln Horizonte. MG • Telt (CQ1)-.-1 • DI $383
Saio ~'• "-1.1• Aiinorb., 1513 • CAo Ilido 4o ~lo O. C•bt11)
301.e& a.10 Horaonta, M G - lct1,; (831J22Z-41.R • t21 •3fl
R1.11 ,.amlro l aretloa.. 390 • Uvnto t lgr•J• S•n'• f•rt•lnM)
t()QIO Porto Aleg11J, AS • fel.: (0512)21•6$tt
Aua Rotehuelo, 1280
f()CIG .-Orta Alegre , RS - fel (0511)0·6$&4
ClR/'lklrte O 70it • 61oco A • 't· IS
10130 &r-atilia. Of • lei.: {Ol1)2n.2QI
RUI dos Coelhos .115 l b Vi•ta)
J001I A«•f• PE - Ttl (•1)Z21-4tOO
ftite lt. ,..... tb Co"Córdia, 1$7
90020 lltc1,._ PE - Tt4 mi~
c.ttrN ._,. A~ , . . , $2

ID'lll cu,,, ... "" ,.. (Olt)2:JJ.1•


,.,..._.. ,.,,, Tr..-tlO Gonc:liltllff. usa . eenc:re •
tAo ~ • ..,.•• s.. letledilo)
ll!I01S Forhlt.ua.. CE • ":'eJ (m5)2JI l:Jl1
W.-adOir ...... c.t.. Gon.n. t37 • ...,. 12 • [Ctifide k1• c..ie.
ll)Ut S.w..... IA - f.. IC'U2:411.00U