Você está na página 1de 3

01 - Sobre a produção da prova no processo civil brasileiro, disserte sobre a interpretação

harmônica entre o poder de iniciativa instrutório do juiz, previsto no art. 370 do CPC, e os critérios
de repartição do ônus da prova, previstos no art. 373 do mesmo diploma, considerando:
a) o caráter publicista do processo contemporâneo, com matiz constitucional que garanta uma
efetiva e célere prestação da tutela jurisdicional;
b) a busca da verdade substancial em superação à verdade meramente formal, como forma de
atingir uma tutela justa;
c) a amplitude da iniciativa do juiz na produção da prova para formação de seu livre convencimento
frente ao critério de distribuição do ônus da prova.
02 - Em que consiste a teoria da carga dinâmica da prova? A teoria referida tem previsão no sistema
legal vigente?
03 - Em que consiste a prova diabólica? Quando houver prova bilateralmente diabólica, como deve
o juiz proceder? A quem cabe o ônus da prova? Justifique.
04 - Atendendo à determinação do Juiz para que especificassem as provas, o autor limitou-se a
apontar a prova documental já constante dos autos e o réu requereu a produção de prova
testemunhal e o depoimento pessoal da outra parte. A cinco dias da audiência de instrução e
julgamento, o réu apresentou o rol de testemunhas.
No decorrer da audiência de instrução e julgamento, enquanto era colhido o depoimento pessoal
do autor, o réu o aparteou e noticiou diretamente ao Juiz que havia trazido uma testemunha,
independentemente de intimação e que não havia ainda sido arrolada, com a finalidade específica
de desmontar a versão factual apresentada naquela assentada. O Juiz, valendo-se de seus poderes
instrutórios e da unidade da audiência, determinou imediatamente a colheita do depoimento pessoal
do réu e também da testemunha indicada naquela oportunidade, como “provas do Juízo”.
Examine a validade dos atos processuais praticados e indique os procedimentos que devem ser
adotados para a produção do depoimento pessoal e da prova testemunhal.
Os poderes instrutórios do juiz suplantam nulidades procedimentais?
(A resposta deve ser objetivamente fundamentada).

05 - Leia o seguinte trecho de acórdão proferido recentemente pelo Tribunal de Justiça de um


Estado da Federação:
“Quanto à inversão do ônus da prova, cabe ressaltar duas questões. Primeiramente, que é
inquestionável a relação de consumo existente entre o agravante e o agravado, figurando, assim, o
agravado como parte hipossuficiente na relação consumerista, sendo possível, portanto, que lhe
seja deferida a inversão do ônus da prova, art. 6°, VIII, do CDC. Por outro lado, tem-se que, em
feitos desta natureza, apesar da inversão do ônus da prova ser regra de julgamento ou para
julgamento, não devendo ser deferida neste momento processual [recebimento da petição inicial],
mas na sentença, tal norma não se dirige às partes, mas, tão somente, ao Julgador, que como
destinatário das provas, pode determinar a instrução processual segundo as necessidades de seu
livre convencimento motivado.”
Discorra sobre o posicionamento jurídico transcrito, tomando como base os princípios
constitucionais do processo civil, a jurisprudência atual do STJ acerca da matéria e a técnica
processual que assegura a legitimidade das decisões judiciais.

06 - Atente ao seguinte excerto: “Não há mais provas de valor previamente hierarquizado no direito
processual moderno, a não ser naqueles atos solenes em que a forma é de sua própria substância.”
(Humberto Theodoro Júnior, Curso de Direito Processual Civil) O trecho em destaque remete ao
princípio processual civilista denominado
a) princípio da instrumentalidade das formas.
b) princípio da ampla defesa.
c) princípio da verdade real.
d) princípio do contraditório.

07 - Em sede de ação indenizatória movida em face do Estado do Rio de Janeiro, no âmbito de suas
fases de saneamento e de instrução, é correto afirmar que:
a) a revelia do ente público não induz à presunção de veracidade das alegações formuladas
pelo autor e, assim, incumbirá naturalmente ao autor o ônus da prova de todas as questões
fáticas que se tornarem controvertidas no processo;
b) a resposta apresentada pelo Estado do Rio de Janeiro, tornando controvertida a
fundamentação da pretensão deduzida pelo autor, afasta a possibilidade de julgamento
antecipado parcial do mérito;
c) havendo a necessidade de solução de questões técnicas que demandam perícia, e tendo o
Juízo de origem invertido o ônus da prova em desfavor do Estado do Rio de Janeiro, a
decisão somente poderá ser impugnada na apelação, notadamente porque não haveria
interesse na imediata apreciação da matéria pelo Tribunal, pois a Fazenda Pública é isenta
do ônus de adiantar as despesas com a perícia;
d) se a questão controvertida envolver a falsidade de assinatura lançada em documento
apresentado pelo autor, conforme alegação veiculada pela Fazenda Pública em sua defesa,
o ônus da prova da autenticidade recairá sobre o autor;
e) tornando-se controvertida a questão da falsidade de assinatura no documento apresentado
pelo autor, não mais será possível a sua retirada dos autos, inclusive por força de eventual
repercussão na esfera criminal.

08 - Quanto às provas no direito processual civil e os princípios aplicáveis, analise as assertivas


abaixo e indique em qual o conceito expresso não corresponde ao verdadeiro sentido do princípio
enunciado.
a) Princípio da Imediação – As provas devem ser produzidas para o juiz, destinatário da prova.
b) Princípio do Livre convencimento ou persuasão racional – O juiz deve formar o seu
convencimento mediante a livre apreciação do valor das provas contidas no caderno
processual, podendo utilizar-se, também, de elementos dos quais teve conhecimento
extrajudicialmente, desde que alegado pelas partes.
c) Princípio da Oportunidade da prova – A prova deverá ser produzida no momento processual
adequado, oportuno. Exemplificando, não será admitida, em regra, a produção de provas
em grau de recurso.
d) Princípio do Contraditório – Apresentada em juízo a prova por uma parte, tem a parte
contrária o direito de impugná-la pelos meios previstos em lei, inclusive podendo realizar
a denominada contraprova.
e) Princípio da Necessidade da prova – os fatos narrados pela parte nos autos devem ser
irrefutavelmente provados. Não basta apenas alegar, mas é preciso que a parte prove,
demonstre a veracidade de suas alegações. Fatos não provados são inexistentes no mundo
jurídico.

09 - O novo Código de Processo Civil


a) não prevê expressamente o princípio da identidade física do juiz.
b) impõe ao advogado e ao defensor público o ônus de intimar a testemunha por ele arrolada
do dia, da hora e do local da audiência designada, dispensando-se a intimação do juízo.
c) abandonou completamente o sistema de distribuição do ônus da prova diante do polo
ocupado pela parte na demanda.
d) exige para a produção antecipada de provas prova de fundado receio de que venha a tornar-
se impossível ou muito difícil a verificação de certos fatos na pendência da ação.
e) mantém o sistema de reperguntas para a produção da prova testemunhal.

10 - Considerando as regras do Código de Processo Civil de 2015:


I. É possível sentença de mérito que resolva parcialmente a lide, prosseguindo o processo quanto à
parcela não resolvida,
sendo a decisão impugnável por agravo de instrumento.
II. O rol de testemunhas deve ser apresentado no prazo de 15 dias da decisão de saneamento, se
escrita, ou na própria solenidade, se o saneamento for em audiência.
III. O juiz poderá dispensar a produção das provas requeridas pelo Ministério Público caso seu
representante, injustificadamente, não compareça à audiência de instrução.
IV. A distribuição do ônus da prova é dinâmica, fixada em princípio no próprio Código, mas
podendo ser alterada pelo juiz
diante de peculiaridades da causa relacionadas à excessiva dificuldade de cumprir o encargo
segundo a regra geral.
a) Estão corretas apenas as assertivas I e III.
b) Estão corretas apenas as assertivas II e III.
c) Estão corretas apenas as assertivas I, II e IV.
d) Estão corretas todas as assertivas.
e) Nenhuma assertiva está correta.