Você está na página 1de 50
SISTEMAS IMUNE E LINFÁTICO

SISTEMAS IMUNE E

LINFÁTICO

SISTEMAS IMUNE E LINFÁTICO
SISTEMA IMUNE  A função fisiológica do sistema imune é a defesa contra os microorganismos

SISTEMA IMUNE

A função fisiológica do sistema imune é a defesa contra os microorganismos infecciosos.

No entanto, exerce também outras funções:

“limpeza” do organismo retirada de células mortas;

renovação de determinadas estruturas;

rejeição de enxertos;

memória imunológica;

destruição de células alteradas, que surgem como resultado

de mitoses anormais se não forem destruídas, podem dar origem a tumores.

não reação ao próprio.

Ana Luisa Miranda Vilela (www.afh.bio.br)

SISTEMA IMUNE  Imunidade: reação a substâncias estranhas, incluindo microorganismos, bem como macromoléculas

SISTEMA IMUNE

Imunidade: reação a substâncias estranhas, incluindo microorganismos, bem como

macromoléculas (proteínas e polissacarídeos),

independentemente das conseqüências fisiológicas ou patológicas dessa reação.

Imunologia: estudo da imunidade e dos eventos

celulares e moleculares que ocorrem após o organismo encontrar microorganismos ou outras

moléculas estranhas.

Ana Luisa Miranda Vilela (www.afh.bio.br)

Linhas de Combate do Sistema Imune RESPOSTA INESPECÍFICA (IMUNIDADE INATA) RESPOSTA ESPECÍFICA (IMUNIDADE ADQUIRIDA)

Linhas de Combate do Sistema Imune

RESPOSTA INESPECÍFICA (IMUNIDADE INATA)

RESPOSTA ESPECÍFICA (IMUNIDADE ADQUIRIDA)

Primeira linha de combate

Segunda linha de combate

Terceira linha de combate

1- Anticorpos 2- Resposta imune celular

Barreiras Naturais

Inflamação

1- Pele e mucosas 2- Secreções 3- Flora natural 4- Peristaltismo

1- Células fagocitárias 2- Substâncias antimicrobianas

3- Complemento

4- Altas temperaturas

Ana Luisa Miranda Vilela (www.afh.bio.br)

SISTEMA IMUNE IMUNIDADE INATA OU ADQUIRIDA OU NATURAL ESPECÍFICA mecanismos existem respostas reagem sempre do

SISTEMA IMUNE

IMUNIDADE INATA OU ADQUIRIDA OU NATURAL ESPECÍFICA mecanismos existem respostas reagem sempre do estimulados pela
IMUNIDADE
INATA OU
ADQUIRIDA OU
NATURAL
ESPECÍFICA
mecanismos existem
respostas
reagem sempre do
estimulados pela exposição
aumentam a capacidade
antes da infecção
rápidas
mesmo modo
a agentes específicos
defensiva a cada espoosição
proteínas do
fagócitos,
sem
especificidade
anticorpos
linfócitos e
memória
especificidade
complemento
células NK
memória
seus produtos
imunológica
para estruturas ~ de
para antígenos
microorganismos
microbianos

Ana Luisa Miranda Vilela (www.afh.bio.br)

Imunidade inata  Proporciona as linhas iniciais de defesa contra os microorganismos.  Componentes :

Imunidade inata

Proporciona as linhas iniciais de defesa contra os microorganismos.

Componentes:

1- epitélios (pele e mucosas) e substâncias antimicrobianas produzidas

nas superfícies epiteliais; 2- células fagocitárias neutrófilos e macrófagos;

2- células fagocitárias  neutrófilos e macrófagos; Neutrófilo Ana Luisa Miranda Vilela (www.afh.bio.br)

Neutrófilo

Ana Luisa Miranda Vilela (www.afh.bio.br)

Imunidade inata  Componentes : 3- células matadoras naturais ( NK – Natural Killer );

Imunidade inata

Componentes:

3- células matadoras naturais (NK Natural Killer);

4- proteínas do sangue sistema complemento e outros mediadores de inflamação;

5- citocinas proteínas que regulam a hematopoiese (geração de células do sangue) e coordenam muitas das atividades das células da imunidade inata.

Os mecanismos são estimulados por estruturas que são comuns

a grupos de microorganismos relacionados podem não distinguir diferenças sutis entre as substâncias estranhas.

A resposta imune inata estimula as respostas imunes

adquiridas e influencia a natureza dessas respostas.

Ana Luisa Miranda Vilela (www.afh.bio.br)

Hematopoiese

Hematopoiese

Hematopoiese
Imunidade inata 1- Barreiras naturais: pele, saliva, ácido clorídrico do estômago, pH da vagina, cera

Imunidade inata

1- Barreiras naturais: pele, saliva, ácido clorídrico do estômago, pH da vagina, cera da orelha externa, muco presente nas mucosas, cílios do epitélio respiratório, peristaltismo, flora normal etc.

Ana Luisa Miranda Vilela (www.afh.bio.br)

Imunidade inata 2- Inflamação Ana Luisa Miranda Vilela (www.afh.bio.br)

Imunidade inata

2- Inflamação

Ana Luisa Miranda Vilela (www.afh.bio.br)

Imunidade Adquirida  Mecanismos mais altamente evoluídos  estimulados pela exposição aos agentes infecciosos

Imunidade Adquirida

Mecanismos mais altamente evoluídos estimulados pela exposição aos agentes

infecciosos aumentam a capacidade defensiva

a cada exposição sucessiva a um microorganismo

em particular.

Componentes: linfócitos e seus produtos.

Antígenos: substâncias estranhas que induzem respostas específicas ou são alvo dessas respostas.

Ana Luisa Miranda Vilela (www.afh.bio.br)

Imunidade Inata e Adquirida Ana Luisa Miranda Vilela (www.afh.bio.br)

Imunidade Inata e Adquirida

Imunidade Inata e Adquirida Ana Luisa Miranda Vilela (www.afh.bio.br)

Ana Luisa Miranda Vilela (www.afh.bio.br)

Imunidade Inata e Adquirida  A resposta imune adquirida utiliza muitos mecanismos efetores da imunidade

Imunidade Inata e Adquirida

A resposta imune adquirida utiliza muitos mecanismos efetores da

imunidade inata para eliminar os microorganismos.

As respostas da imunidade adquirida facilitam e melhoram a imunidade natural.

inata para eliminar os microorganismos.  As respostas da imunidade adquirida facilitam e melhoram a imunidade
Características da Imunidade Inata e da Adquirida   INATA ADQUIRIDA Especificidade Para estruturas

Características da Imunidade Inata e da

Adquirida

 

INATA

ADQUIRIDA

Especificidade

Para estruturas compartilhadas por grupos de microorganismos relacionados

Para antígenos microbianos e não microbianos

Diversidade

Limitada

Muito grande

Memória

Nenhuma

Sim

Não reação ao próprio

Sim

Sim

Ana Luisa Miranda Vilela (www.afh.bio.br)

Componentes da Imunidade Inata e da Adquirida Barreiras físicas e químicas Proteínas sangüíneas Células

Componentes da Imunidade Inata e da

Adquirida

Barreiras físicas e químicas Proteínas sangüíneas Células INATA Pele, epitélio das mucosas, substâncias químicas

Barreiras físicas e

químicas

Proteínas sangüíneas

Proteínas sangüíneas

Células

INATA

Pele, epitélio das mucosas, substâncias químicas antimicrobianas

Pele, epitélio das mucosas, substâncias químicas antimicrobianas

Complemento

Complemento

Fagócitos (macrófagos, neutrófilos), células NK

ADQUIRIDA

Linfócitos nos epitélios, anticorpos secretados nas superfícies epiteliais

Linfócitos nos epitélios, anticorpos secretados nas superfícies epiteliais

Anticorpos

(Imunoglobulinas)

Linfócitos

Ana Luisa Miranda Vilela (www.afh.bio.br)

Tipos de Respostas Imunes Adquiridas RESPOSTAS IMUNES ADQUIRIDAS IMUNIDADE HUMORAL IMUNIDADE CELULAR Mediada por

Tipos de Respostas Imunes Adquiridas

RESPOSTAS IMUNES

RESPOSTAS IMUNES

ADQUIRIDAS

ADQUIRIDAS

RESPOSTAS IMUNES ADQUIRIDAS
RESPOSTAS IMUNES ADQUIRIDAS

IMUNIDADE

HUMORAL

IMUNIDADE

CELULAR

Mediada por

linfócitos T

Contra microorganismos intracelulares
Contra microorganismos intracelulares
Contra microorganismos

Contra microorganismos

intracelulares

intracelulares
Destruição e lise das células infectadas
Destruição e lise das células infectadas
Destruição e lise das

Destruição e lise das

células infectadas

células infectadas

Linfócitos B

Mediada por

anticorpos

células infectadas Linfócitos B Mediada por anticorpos Contra microorganismos extracelulares e suas toxinas
células infectadas Linfócitos B Mediada por anticorpos Contra microorganismos extracelulares e suas toxinas
Contra microorganismos extracelulares e suas toxinas
Contra microorganismos extracelulares e suas toxinas
Contra microorganismos

Contra microorganismos

extracelulares e suas toxinas

extracelulares e suas toxinas

Podem ativar diferentes mecanismos efetores
Podem ativar diferentes mecanismos efetores
Podem ativar diferentes

Podem ativar diferentes

mecanismos efetores

mecanismos efetores
suas toxinas Podem ativar diferentes mecanismos efetores Facilitam a fagocitose Desencadeiam a liberação de
suas toxinas Podem ativar diferentes mecanismos efetores Facilitam a fagocitose Desencadeiam a liberação de
Facilitam a fagocitose
Facilitam a fagocitose
Facilitam

Facilitam

a fagocitose

a fagocitose

Desencadeiam

a liberação de

mediadores inflamatórios

Mastócitos
Mastócitos

Ana Luisa Miranda Vilela (www.afh.bio.br)

Tipos de Respostas Imunes Adquiridas Ana Luisa Miranda Vilela (www.afh.bio.br)

Tipos de Respostas Imunes Adquiridas

Ana Luisa Miranda Vilela (www.afh.bio.br)

Imunidade Ativa e Passiva  Imunidade ativa : conferida pela resposta do hospedeiro a um

Imunidade Ativa e Passiva

Imunidade ativa: conferida pela resposta do hospedeiro a um antígeno.

Imunidade passiva: conferida pela transferência adotiva de anticorpos ou linfócitos T específicos para determinado antígeno.

Ana Luisa Miranda Vilela (www.afh.bio.br)

Principais aspectos das Respostas Imunes Adquiridas  Especificidade: assegura que diferentes microorganismos

Principais aspectos das Respostas

Imunes Adquiridas

Principais aspectos das Respostas Imunes Adquiridas  Especificidade: assegura que diferentes microorganismos
Principais aspectos das Respostas Imunes Adquiridas  Especificidade: assegura que diferentes microorganismos

Especificidade: assegura que diferentes microorganismos provoquem resposta

específica.

Diversidade: possibilita ao sistema imune responder a uma grande variedade de

microorganismos.

Memória: induz respostas aumentadas às repetidas exposições ao mesmo

microorganismo.

Ana Luisa Miranda Vilela (www.afh.bio.br)

induz respostas aumentadas às repetidas exposições ao mesmo microorganismo. Ana Luisa Miranda Vilela (www.afh.bio.br)
Principais aspectos das Respostas Imunes Adquiridas  Especialização ou sensibilização: gera respostas que são

Principais aspectos das Respostas

Imunes Adquiridas

Especialização ou sensibilização:

gera respostas que são ótimas para a

defesa contra diferentes tipos de

microorganismos.

para a defesa contra diferentes tipos de microorganismos.  Autolimitação: permite ao sistema imune responder a

Autolimitação: permite ao sistema imune responder a microorganismos recém-encontrados.

Não-reatividade ao próprio: evita dano ao

hospedeiro durante as respostas aos

microorganismos.

Ana Luisa Miranda Vilela (www.afh.bio.br)

Especificidade, Memória e Auto- limitação das Respostas Imunes Ana Luisa Miranda Vilela (www.afh.bio.br)

Especificidade, Memória e Auto-

limitação das Respostas Imunes

Ana Luisa Miranda Vilela (www.afh.bio.br)

Componentes Celulares do Sistema Imune Adquirido Ana Luisa Miranda Vilela (www.afh.bio.br)

Componentes Celulares do Sistema

Imune Adquirido

Ana Luisa Miranda Vilela (www.afh.bio.br)

Macrófagos e apresentação de antígenos  Depois de fagocitar um microorganismo invasor, os macrófagos apresentam

Macrófagos e

apresentação de

antígenos

Depois de fagocitar um

microorganismo invasor, os macrófagos apresentam

amostras de seus antígenos

aos linfócitos T auxiliares. Estes, por sua vez, alertam

outros tipos de linfócitos, que

combatem os invasores.

por sua vez, alertam outros tipos de linfócitos, que combatem os invasores. Ana Luisa Miranda Vilela

Ana Luisa Miranda Vilela (www.afh.bio.br)

Ana Luisa Miranda Vilela (www.afh.bio.br)

Ana Luisa Miranda Vilela (www.afh.bio.br)

Anticorpos e Resposta Imune Humoral

Anticorpos e Resposta Imune Humoral

Anticorpos e Resposta Imune Humoral
Anticorpos e Resposta Imune Humoral
Classes de Anticorpos Ana Luisa Miranda Vilela (www.afh.bio.br)

Classes de Anticorpos

Classes de Anticorpos Ana Luisa Miranda Vilela (www.afh.bio.br)

Ana Luisa Miranda Vilela (www.afh.bio.br)

Fases das Respostas Imunes Adquiridas Ana Luisa Miranda Vilela (www.afh.bio.br)

Fases das Respostas Imunes Adquiridas

Ana Luisa Miranda Vilela (www.afh.bio.br)

1- Reconhecimento dos Antígenos Hipótese da Seleção Clonal  Todo indivíduo possui numerosos linfócitos derivados

1- Reconhecimento dos Antígenos

Hipótese da Seleção

Clonal

Todo indivíduo possui numerosos linfócitos derivados clonalmente.

Cada clone origina-se de um precursor único e é

capaz de reconhecer e

responder a um determinante antigênico distinto.

Quando o antígeno entra,

seleciona um clone específico pré-existente,

ativando-o.

antigênico distinto.  Quando o antígeno entra, seleciona um clone específico pré-existente, ativando-o.
2- Ativação dos linfócitos  Requer dois sinais distintos  Hipótese da dupla sinalização: 1-

2- Ativação dos linfócitos

Requer dois sinais distintos Hipótese

da dupla sinalização:

1- antígeno; 2- produtos

microbianos ou

componentes das respostas imunes inatas

aos microorganismos.

microbianos ou componentes das respostas imunes inatas aos microorganismos. Ana Luisa Miranda Vilela (www.afh.bio.br)

Ana Luisa Miranda Vilela (www.afh.bio.br)

Fases das Respostas dos linfócitos Ana Luisa Miranda Vilela (www.afh.bio.br)

Fases das Respostas dos linfócitos

Ana Luisa Miranda Vilela (www.afh.bio.br)

SISTEMA LINFÁTICO CAPILARES LINFÁTICOS VASOS LINFÁTICOS  Sistema paralelo ao circulatório, constituído por

SISTEMA LINFÁTICO

CAPILARES

LINFÁTICOS

VASOS LINFÁTICOS
VASOS LINFÁTICOS
VASOS

VASOS

LINFÁTICOS

LINFÁTICOS

Sistema paralelo ao circulatório, constituído por uma vasta rede de

capilares e vasos semelhantes às veias

(vasos linfáticos), que se distribuem por todo o corpo.

(vasos linfáticos), que se distribuem por todo o corpo. LINFONODOS (filtram a linfa) DUCTO TORÁCICO VEIA
LINFONODOS (filtram a linfa) DUCTO TORÁCICO VEIA CAVA SUPERIOR
LINFONODOS
(filtram a linfa)
DUCTO
TORÁCICO
VEIA CAVA
SUPERIOR

Recolhe o líquido tissular que não retornou aos capilares sangüíneos (linfa), filtrando-o e reconduzindo-o à circulação sangüínea.

É constituído pela linfa, vasos e órgãos

linfáticos.

Ana Luisa Miranda Vilela (www.afh.bio.br)

SISTEMA LINFÁTICO Ana Luisa Miranda Vilela (www.afh.bio.br)

SISTEMA LINFÁTICO

Ana Luisa Miranda Vilela (www.afh.bio.br)

SISTEMA LINFÁTICO Ana Luisa Miranda Vilela (www.afh.bio.br)

SISTEMA LINFÁTICO

Ana Luisa Miranda Vilela (www.afh.bio.br)

LINFA  Líquido que circula pelos vasos linfáticos  3 ou 4 litros diários. 

LINFA

Líquido que circula pelos vasos linfáticos 3 ou 4 litros diários.

Composição: semelhante à do sangue:

não possui hemácias;

glóbulos brancos 99%

linfócitos no sangue os

linfócitos representam cerca de 50% do total de glóbulos brancos.

Contém restos celulares e outros detritos ou substâncias estranhas.

Ana Luisa Miranda Vilela (www.afh.bio.br)

 Contém restos celulares e outros detritos ou substâncias estranhas. Ana Luisa Miranda Vilela (www.afh.bio.br)
Vasos Linfáticos  Originam-se de pequenos capilares linfáticos, situados ao lado dos capilares sangüíneos. 

Vasos Linfáticos

Originam-se de pequenos capilares linfáticos, situados ao lado dos capilares sangüíneos.

São extremamente porosos grandes partículas podem entrar e ser transportadas.

Em vários pontos ao longo dos vasos linfáticos a linfa atravessa os gânglios linfáticos:

filtração de partículas;

captura e digestão de

bactérias.

a linfa atravessa os gânglios linfáticos:  filtração de partículas;  captura e digestão de bactérias.
ÓRGÃOS LINFÁTICOS  Gânglios linfáticos (linfonodos ou nódulos linfáticos), adenóides, tonsilas palatinas
ÓRGÃOS LINFÁTICOS  Gânglios linfáticos (linfonodos ou nódulos linfáticos), adenóides, tonsilas palatinas

ÓRGÃOS LINFÁTICOS

Gânglios linfáticos

(linfonodos ou nódulos

linfáticos), adenóides,

tonsilas palatinas

(amígdalas), apêndice, placas de Peyer, baço e timo.

Ana Luisa Miranda Vilela (www.afh.bio.br)

Gânglios Linfáticos (Linfonodos)  Pequenos agregados nodulares de tecido rico em linfócitos situados ao longo

Gânglios Linfáticos (Linfonodos)

Pequenos agregados nodulares de tecido rico em linfócitos situados ao longo dos vasos linfáticos por todo o corpo inflamação = íngua.

São os sítios onde são iniciadas as respostas imunes adquiridas aos antígenos protéicos transportados pela linfa produtores de

linfócitos e anticorpos.

imunes adquiridas aos antígenos protéicos transportados pela linfa  produtores de linfócitos e anticorpos.
Gânglios Linfáticos (Linfonodos)  São de tamanho variável e se encontram distribuídos por todo o

Gânglios Linfáticos (Linfonodos)

São de tamanho variável e se encontram distribuídos por todo o organismo.

 São de tamanho variável e se encontram distribuídos por todo o organismo. Ana Luisa Miranda

Ana Luisa Miranda Vilela (www.afh.bio.br)

Gânglios Linfáticos (Linfonodos)  Em algumas regiões agrupam-se formando conjuntos  mesentério, região

Gânglios Linfáticos (Linfonodos)

Em algumas regiões agrupam-se formando conjuntos

mesentério, região pré-vertebral, pescoço, virilha, axilas.

Ana Luisa Miranda Vilela (www.afh.bio.br)

Gânglios Linfáticos (Linfonodos)  Seqüência de eventos nas respostas imunes in vivo .

Gânglios

Linfáticos

(Linfonodos)

Seqüência de eventos nas respostas imunes in vivo.

Gânglios Linfáticos (Linfonodos)  Seqüência de eventos nas respostas imunes in vivo .
Tonsilas Palatinas e Adenóides  Em certas zonas do organismo, o tecido linfático se localiza

Tonsilas Palatinas e Adenóides

Em certas zonas do organismo, o tecido linfático se localiza sob superfícies mucosas agregados numa forma distinta dos gânglios linfáticos orofaringe

(tonsilas palatinas), nasofaringe (adenóides), placas de

Peyer do intestino delgado e apêndice.

Ana Luisa Miranda Vilela (www.afh.bio.br)

Sistema Imune das Mucosas Células M (membranosas): células epiteliais especializadas localizadas abaixo das placas de

Sistema Imune das Mucosas

Células M (membranosas):

células epiteliais especializadas localizadas abaixo das placas de Peyer

carecem de vilosidades,

são ativamente pinocíticas e transportam macromoléculas

do lúmen intestinal para os

tecidos sub-epiteliais importante papel na liberação de antígenos às placas de

Peyer não funcionam

como apresentadoras de antígenos.

importante papel na liberação de antígenos às placas de Peyer  não funcionam como apresentadoras de
Baço  Órgão linfático excluído da circulação linfática, interposto na circulação sangüínea e cuja drenagem

Baço

Órgão linfático excluído da circulação linfática, interposto na circulação

sangüínea e cuja drenagem venosa passa obrigatoriamente pelo fígado.

Possui grande quantidade de macrófagos destroem micróbios, restos de

tecido, substâncias estranhas, células do sangue envelhecidas (eritrócitos e

leucócitos) e plaquetas já desgastadas .

Principal local das respostas imunes aos antígenos transportados pelo sangue considerado por alguns cientistas como um grande nódulo linfático.

Ana Luisa Miranda Vilela (www.afh.bio.br)

Baço  Principal local para a fagocitose de microorganismos opsonizados (revestidos por anticorpos)  indivíduos

Baço

Principal local para a fagocitose de microorganismos opsonizados (revestidos

por anticorpos) indivíduos sem baço

são extremamente sensíveis a bactérias

encapsuladas.

Polpa branca: cerca as arteríolas

linfócitos e macrófagos.

Polpa vermelha: capilares sinusóides grande número de eritrócitos, macrófagos, células dendríticas, linfócitos esparsos e plasmócitos fagocitose de eritrócitos

envelhecidos, restos celulares, glóbulos

brancos e plaquetas gastas.

envelhecidos, restos celulares, glóbulos brancos e plaquetas gastas. Ana Luisa Miranda Vilela (www.afh.bio.br)

Ana Luisa Miranda Vilela (www.afh.bio.br)

Timo  Órgão bilobulado situado no mediastino anterior. Ana Luisa Miranda Vilela (www.afh.bio.br)

Timo

Órgão bilobulado situado no mediastino anterior.

Timo  Órgão bilobulado situado no mediastino anterior. Ana Luisa Miranda Vilela (www.afh.bio.br)

Ana Luisa Miranda Vilela (www.afh.bio.br)

Timo Ana Luisa Miranda Vilela (www.afh.bio.br)

Timo

Ana Luisa Miranda Vilela (www.afh.bio.br)

Timo  Cada lobo é dividido em múltiplos lóbulos por septos fibrosos:  córtex externo

Timo

Cada lobo é dividido em múltiplos lóbulos por septos fibrosos:

córtex externo linfócitos T em grande densidade. medula interna:

esparsamente povoada por linfócitos;

corpúsculos de Hassal espirais

empacotadas de células epiteliais.

 esparsamente povoada por linfócitos;  corpúsculos de Hassal  espirais empacotadas de células epiteliais.
Timo  Dispersas por todo o timo  células epiteliais não- linfóides, macrófagos e células

Timo

Dispersas por todo o timo células epiteliais não-

linfóides, macrófagos e células dendríticas mielóides (derivadas da medula óssea) e linfóides (derivadas de

precursores de linfócitos T).

linfóides (derivadas de precursores de linfócitos T).  Células dendríticas Mais desenvolvido no período

Células

dendríticas

Mais desenvolvido no período pré-natal involui desde

o nascimento até a puberdade.

Ana Luisa Miranda Vilela (www.afh.bio.br)

Timo  Sítio de maturação dos linfócitos T  inicia no córtex  linfócitos migram

Timo

Sítio de maturação dos linfócitos T inicia no córtex linfócitos migram para a medula.

Somente os linfócitos T maduros saem do timo e entram

no sangue e nos tecidos linfóides periféricos.

Ana Luisa Miranda Vilela (www.afh.bio.br)