Você está na página 1de 4

Cópia não autorizada

NOV./1991 EB-1425
Carro metropolitano - Banco de
passageiro - Resina poliéster reforçada
ABNT-Associação
Brasileira de
com fibra de vidro
Normas Técnicas

Sede:
Rio de Janeiro
Av. Treze de Maio, 13 - 28º andar
CEP 20003 - Caixa Postal 1680
Rio de Janeiro - RJ
Tel.: PABX (021) 210 -3122
Telex: (021) 34333 ABNT - BR Especificação
EndereçoTelegráfico:
NORMATÉCNICA

Origem: Projeto EB-1425/83


CB-06 - Comitê Brasileiro do Equipamento e Material Ferroviário
CE-06:002.19 - Comissão de Estudo de Carro Metropolitano
EB-1425 - Metropolitan car - Passenger bank - Polyester resin reinforced with
glass fiber - Specification
Copyright © 1990, Descriptors: Metropolitan car. Polyester resin. Glass fiber
ABNT–Associação Brasileira
de Normas Técnicas
Esta Norma substitui a EB-1425/83
Printed in Brazil/
Impresso no Brasil Palavras-chave: Banco. Resina. Fibra. Poliéster 4 páginas
Todos os direitos reservados

SUMÁRIO sistência mecânica, resistente à corrosão atmosféri-


1 Objetivo ca, para usos estruturais - Especificação
2 Documentos complementares
3 Definições EB-901 - Chapas finas laminadas a frio, de aço de bai-
4 Condições gerais xa liga e alta resistência mecânica, resistente à cor-
5 Condições específicas rosão atmosférica, para usos estruturais - Especifi-
6 Inspeção cação
7 Aceitação e rejeição
EB-902 - Chapas finas laminadas a quente, de aço de
baixa liga e alta resistência mecânica, resistente à
corrosão atmosférica, para usos estruturais - Especi-
1 Objetivo ficação

1.1 Esta Norma fixa condições exigíveis para banco la- EB-1259 - Alumínio e suas ligas - Propriedades me-
minado em resina poliéster termofixa, retardante ao fogo cânicas de produtos extrudados - Especificação
e reforçada com fibra de vidro, para acomodação de
passageiro em carro metropolitano. EB-1333 - Chapa de alumínio e de ligas de alumínio -
Especificação
1.2 Esta Norma não se aplica a banco prensado.
MB-1828 - Material metálico revestido e não revesti-
2 Documentos complementares do - Corrosão por exposição à nevoa salina - Método
de ensaio
Na aplicação desta Norma é necessário consultar:
MB-1873 - Carro metropolitano - Banco de passagei-
CB-71 - Veículo ferroviário - Acomodação - Classifi- ro - Determinação da resistência mecânica ao impac-
cação to e à vibração - Método de ensaio

EB-325 - Chapas finas de aço de baixa liga e alta re- NB-309-01 - Planos de amostragem e procedimen-
sistência - Especificação tos na inspeção por atributos - Procedimento

EB-326 - Chapas grossas de aço de baixa liga e alta NB-662 - Carro ferroviário - Pega-mão - Procedimento
resistência - Especificação
PB-354 - Classificação por composição química dos
EB-564 - Chapas finas de aço de baixa liga e alta re- aços inoxidáveis - Padronização
Cópia não autorizada

2 EB-1425/1991

PB-1018 - Alumínio e suas ligas - Tolerâncias dimen- e) embalagem (ver 4.9.6);


sionais de produtos extrudados - Padronização
f) cronograma de entrega;
PB-1070 - Carro metropolitano - Banco de passagei-
ro - Resina poliéster reforçada com fibra de vidro - Pa- g) destino e transporte a utilizar;
dronização
h) referência a esta Norma.
PB-1210 - Aços inoxidáveis - Série padronizada - Pa-
dronização 4.6.2 Quando for o caso, o pedido deve conter, também:

TB-93-I - Carro ferroviário - Terminologia a) certificado (ver 4.4);

TB-93-II - Carro ferroviário - Terminologia b) ensaio facultativo a realizar (ver 6.3.3).

3 Definições 4.7 Direito

Os termos técnicos utilizados nesta Norma estão defini- O fornecedor garante o comprador toda e qualquer recla-
dos nas TB-93-I e TB-93-II. mação de terceiros, quanto aos direitos do projeto e/ou
fabricação do banco.
4 Condições gerais
4.8 Garantia
4.1 Tipo
4.8.1 O banco deve ser garantido, no mínimo, até 31 de de-
O banco deve ser classificado de acordo com a CB-71. zembro do ano N+3 ou N+5, sendo N, no primeiro caso, o
ano de início de sua utilização pelo passageiro e, no se-
4.2 Material gundo caso, o ano de fabricação, independente dos resul-
tados da inspeção e/ou dos ensaios do comprador no
4.2.1 O projeto especifica o material a ser utilizado, ob- recebimento.
servada esta Norma e mais:
4.8.2 C aso ocorra um m esm o tipo de falha em m ais de 25%
a) aço inoxidável - PB-354 e PB-1210; do fornecimento, durante o período de garantia, as peças
restantes devem ser reparadas, sem qualquer ônus ao
b) aço de baixa liga e alta resistência - EB-325, comprador, mesmo que, durante este período, não tenha
EB-326, EB-564, EB-901 e EB-902; sido constatada essa falha.

c) alumínio - EB-1259, EB-1333 e PB-1018. 4.9 Parâmetros verificáveis diretamente

4.2.2 O material deve ser imune ao ataque de microorga- 4.9.1 Geometria


nismos.
As dimensões do banco devem estar de acordo com o
4.3 Fabricação projeto aceito pelo comprador, observada a PB-1070.

O banco deve ser fabricado de acordo com o projeto 4.9.2 Acabamento


aceito pelo comprador.
4.9.2.1 A superfície visível da concha do banco é lisa ou
4.4 Certificado texturizada, homogênea, sem poro ou bolha, com brilho,
coloração e tonalidade uniformes.
Mediante entendimento entre comprador e fornecedor,
este deve dar ao primeiro um certificado que indique: 4.9.2.2 As superfícies de contato do banco com o passagei-
ro devem ser resistentes à transpiração.
a) característica da encomenda;
4.9.2.3 As superfícies do banco sujeitas à limpeza devem
b) resultados obtidos nos ensaios (ver Capítulo 7). ser resistentes ao material que vai efetuá-la, usualmente
emp~egado pelo comprador, considerando-se, basica-
4.5 Unidade mente, álcool e detergente comercial.

A unidade de compra deve ser um banco. 4.9.2.4 A superfície aparente, inclusive do pega-mão, não
deve apresentar aderência de pó, por efeito eletrostá-
4.6 Pedido tico.

4.6.1 O pedido deve conter: 4.9.3 Defeitos

a) quantidade (ver 4.5); O banco deve ser isento de:

b) tipo (ver 4.1); a) risco;

c) cor; b) bolha;

d) acabamento (ver 4.9.2); c) mancha;


Cópia não autorizada
EB-1425/1991 3

d) trinca; 4.11 Pega-mão

e) rebarba; O pega-mão deve estar de acordo com a NB-662.

f) outro defeito que possa comprometer sua apa- 5 Condições específicas


rência e seu uso.
5.1 Laminado
4.9.4 Marcação
A resina poliéster reforçada com fibra de vidro deve ter,
O banco deve ser marcado de forma permanente, na es- no mínimo, para o caso de laminado e não prensado:
trutura e/ou na concha, em local fora de alcance visual do
passageiro e nele devem constar: a) conteúdo de fibra de vidro - 25% a 30%;

a) marca do fabricante; b) dureza Barcol - 30% a 40%;

b) data de fabricação, contendo os dois últimos alga- c) temperatura de distorção térmica - 120°C;
rismos representativos do ano;
d) resistência à tração - 63 MPa;
c) série de fabricação;
e) resistência à compressão - 105 MPa;
d) tipo (ver 4.1).
f) resistência ao impacto - 4,3 MPa;
4.9.5 Segurança
g) módulo de elasticidade (flexão) - 5000 MPa;
4.9.5.1 O banco deve ser sem saliência, reentrância, borda
contundente, quina e outro detalhe que possa provocar h) espessura da camada de acabamento em gel -
dano ao passageiro. 0,3 mm a 0,8 mm;

4.9.5.2 A fixação do banco deve ser de difícil acesso ao i) carga mineral em massa - 20%.
passageiro.
5.2 Corrosão
4.9.6 Acondicionamento
As partes metálicas devem resistir à exposição salina de
4.9.6.1 O banco deve ser embalado individualmente, em 96 h.
caixa de papelão, com proteção de espuma na borda,
protegendo-o contra eventuais choques. 5.3 Resistência mecânica

4.9.6.2 Outra forma de embalagem pode ser estabelecida O banco deve resistir, sem apresentar falha ou deforma-
mediante acordo entre comprador e fornecedor. ção permanente:

4.9.6.3 A embalagem deve conter as indicações necessá- a) à força horizontal e longitudinal no encosto, nos
rias à movimentação e estocagem (ver 4.9.7) e, pelo me- dois sentidos - 195 daN/pas;
nos, o exigido em 4.9.4.
b) à força horizontal e transversal - 130 daN/pas;
4.9.7 Movimentação e estocagem
c) à força vertical no assento - 195 daN/pas;
4.9.7.1 O banco deve ser movimentado de maneira cuida-
dosa, de forma a não causar defeito no mesmo (ver 4.9.3). d) ao impacto longitudinal oscilante no encosto, nos
dois sentidos, com massa de 18 kg;
4.9.7.2 O banco tem que poder ser empilhado até, no má-
ximo, 5 caixas, em perfeito estado de conservação. e) o impacto vertical no assento, com massa de 50 kg;

4.9.7.3 O empilhamento deve estar sobre base livre de umi- f) à fibração, com um valor máximo de 65 kg e 5 Hz;
dade.
g) à força horizontal longitudinal no pega-mão, nos
4.9.7.4 A estocagem deve ser protegida contra as in- dois sentidos, de 195 daN.
tempéries.
6 Inspeção
4.9.7.5 No caso de 4.9.7, o acordo prevê os cuidados in-
dispensáveis à movimentação e estocagem, fora do pres- 6.1 Generalidades
crito nesta Norma.
6.1.1 É indispensável conceder facilidade ao comprador,
4.10 Temperatura sem prejuízo da atividade normal do fornecedor, para fa-
zer proceder à inspeção que julgar necessária, tanto na
O banco deve estar sujeito à temperatura entre 10°C a fase de fabricação, quanto na fase de controle da qualida-
90°C. de, de manipulação, de estocagem e de expedição.
Cópia não autorizada
4 EB-1425/1991

6.1.2 O fornecedor deve entregar o cronograma de produ- resultado de ensaio feito por instituição governamental ou
ção, em período previamente combinado, por ocasião da privada, escolhida de comum acordo pelas partes.
programação da inspeção.
6.3.1.4 Os critérios de amostragem e os métodos de en-
6.2 Amostragem saio não previstos nesta Norma são fixados mediante
acordo entre comprador e fornecedor.
6.2.1 Lote
6.3.2 Obrigatórios
A partida a ser verificada deve ser dividida em lotes de
mesma quantidade. Deve se proceder, obrigatoriamente, às verificações de:

6.2.2 Plano de amostragem a) forma, dimensão e aspecto, em todas as amostras


de cada lote;
6.2.2.1 O plano de amostragem deve estar de acordo com
a NB-309-01, adotando-se: b) resistência à abrasão, ao raio solar e aderência da
pintura, em nove corpos-de-prova.
a) plano de amostragem simples;
6.3.3 Facultativos
b) nível de inspeção II;
Deve-se proceder facultativamente, às verificações de:
c) regime de inspeção normal;
a) características de resina (ver 5.1);
d) nível de qualidade de aceitação (NQA):
b) resistência ao ataque de m icroorganism o (ver 4.2.2);
- 1,0% para verificação dimensional e de aspecto.
c) resistência à corrosão por exposição à névoa sali-
na (ver 5.2), de acordo com a MB-1828;
6.2.2.2 A amostra, no caso de banco, é extraída ao acaso,
de cada lote. d) resistência mecânica ao impacto e à vibração do
banco (ver 5.3), de acordo com a MB-1873.
6.3 Ensaios
7 Aceitação e rejeição
6.3.1 Generalidades
7.1 Deve ser aceito o lote que satisfaça esta Norma.
6.3.1.1 Além dos ensaios indispensáveis ao controle de
qualidade que o fabricante faz rotineiramente, o compra- 7.2 Deve ser rejeitado o lote:
dor deve efetuar ensaio de recebimento por iniciativa pró-
pria. a) nas verificações relativas à alínea a) de 6.3.2, de
acordo com 6.2.2.1;
6.3.1.2 Mediante entendimento entre comprador e forne-
cedor, o ensaio de recebimento pode ser efetuado na fá- b) que tenha um corpo-de-prova rejeitado nas verifi-
brica. cações relativas à alínea b) de 6.3.2;

6.3.1.3 Quando o fornecedor e o comprador não chegam a c) nas verificações relativas a 6.3.3, conforme acordo
um acordo quanto ao resultado de ensaio, prevalece o entre comprador e fornecedor.