Você está na página 1de 1

ESCOLA MUNICIPAL MAJOR JOSÉ TENÓRIO DE ALBUQUERQUE LINS

ALUNOS (AS) _______________________________ Nº. ____ 8º ano Turma _____


PROFESSORA: DAIANE COSTA DATA ____/____/_____

Vou-me embora pra Pasárgada


Vou-me embora pra Pasárgada Subirei no pau-de-sebo
Lá eu sou amigo do rei Tomarei banhos de mar!
Lá eu tenho a mulher que eu quero E quando estiver cansado
Na cama que escolherei Deito na beira do rio
Vou-me embora pra Pasárgada Mando chamar a mãe-d’água
Pra me conter as histórias
Vou-me embora pra Pasárgada Que no tempo de eu menino
Aqui eu não sou feliz Rosa vinha me contar
Lá a existência é uma aventura Vou-me embora pra Pasárgada
De tal modo inconseqüente
Que Joana a Louca de Espanha E quando estiver mais triste
Rainha falsa e demente Mas triste de não ter jeito
Vem a ser contraparente Quando de noite me der
Da nora que nunca tive Vontade de me matar
- lá eu sou amigo do rei -
E como farei ginásticas Terei a mulher que eu quero
Andarei de bicicleta Na cama que escolherei
Montarei em burro brabo Vou-me embora pra Pasárgada.

Manuel Bandeira, 1937.

* Pasárgada é, na verdade, uma cidade lendária da antiga Pérsia.

1. No poema, há quantos versos? E quantas estrofes?


_______________________________________________________________________
_______________________________________________________________________

2. Observa-se, no poema uma oposição entre um aqui e um lá. Qual dos dois lugares o
poeta diz que é o melhor lugar? Por quê? ______________________________________
_______________________________________________________________________

3. O poeta afirma no verso 7 que aqui ele não é feliz. Caracterize, com substantivos
abstratos, aquilo que o poeta busca em Pasárgada. ______________________________
_______________________________________________________________________

4. Pasárgada é um lugar e um tempo real ou imaginário? Justifique.


_______________________________________________________________________
_______________________________________________________________________

5. O verso “Lá eu sou amigo do rei” significa que o poeta quer fugir para um lugar e uma
época em que:
a) ( ) O regime vigente seja monárquico;
b) ( ) ele adquira o poder de fazer tudo o que desejar sem qualaqer restrição;
c) ( ) tudo seja menos moderno;
d) ( ) ele tenha um papel político a desempenhar;
e) ( ) a amizade seja bastante valorizada.

6. Nesse poema, o poeta imagina um lugar e um tempo para onde ele possa ir
quando estiver cansado dos problemas dessa vida.
Imagine um lugar e um tempo para onde você gostaria de ir quando
estivesse cansado de nosso mundo. Escreva um texto que fale sobre esse lugar,
como ele é, por que ele seria melhor que aqui, o que você faria lá.