Você está na página 1de 11

(UFU – 1999/1) Parmênides de Eléia, filósofo pré-socrático, sustentava

que:
I- o ser é.
II- o não-ser não é.
III- o ser e o não-ser existem ao mesmo tempo.
IV- o ser é pensável e o não-ser é impensável.
Assinale:
a) se apenas I, III e IV estiverem corretas.
b) se apenas I, II e III estiverem corretas.
c) se apenas II, III e IV estiverem corretas.
d) se apenas I, II e IV estiverem corretas.
e) se todas as afirmativas estiverem corretas
2) (UFSJ/2012) Sobre o princípio básico da filosofia pré-socrática, é
CORRETO afirmar que

a) Tales de Mileto, ao buscar um princípio unificador de todos os


seres, concluiu que a água era a substância primordial, a origem
única de todas as coisas.
b) Anaximandro, após observar sistematicamente o mundo natural,
propôs que não apenas a água poderia ser considerada arché desse
mundo em si e, por isso mesmo, incluiu mais um elemento: o fogo.
c) Anaxímenes fez a união entre os pensamentos que o antecederam
e concluiu que o princípio de todas as coisas não pode ser afirmado,
já que tal princípio não está ao alcance dos sentidos.
d) Heráclito de Éfeso afirmou o movimento e negou
terminantemente a luta dos contrários como gênese e unidade do
mundo, como o quis Catão, o antigo.
3) (Faculdade Baiana de Direito BA/2017)
Rousseau acreditava na seguinte tese: “O homem é bom por natureza, sendo a vida em sociedade o fator de sua
corrupção. Ou seja, ele nasce bom, mas o meio o corrompe, tornando-o mal.” Hobbes, em contrapartida, tinha por
tese que o homem é mal por natureza, apresentando três causas principais de discórdia, a saber, a competição, a
desconfiança e a glória, voltadas, respectivamente, para a obtenção de lucro, segurança e reputação.
Nessa concepção, podem-se distinguir dois momentos: o tempo em que os homens são capazes de manter um
respeito mútuo, que seria o tempo de paz; e o tempo de luta de todos contra todos, ou tempo de guerra.
A concepção de Rousseau de que o homem é bom por natureza, sendo a vida em sociedade o fator de sua
corrupção busca a compreensão sobre o indivíduo e suas relações com a sociedade.
Dentro do âmbito dessas reflexões, pode-se afirmar:
a) O Neoliberalismo percebia que a maldade é intrínseca à natureza humana, sendo que apenas um Estado forte e
interventor garantiria a preservação e a defesa da propriedade particular.
b) O Maoísmo identificava, na ideologia individualista e burguesa, um dos males da humanidade, fato que
desencadeou o autoritarismo da Revolução Cultural para depurar a sociedade chinesa de elementos considerados
capitalistas.
c) O Estado de Bem-Estar Social concebia a bondade da natureza humana, corrompida com a desigualdade social,
sendo necessárias políticas que limitassem os meios privados de produção.
d) O Liberalismo, surgido com o Iluminismo, defendia que a bondade faz parte da natureza humana e que a origem
de todos os males sociais ocorreu a partir do surgimento da propriedade privada.
e) A filosofia de São Tomás de Aquino buscava extinguir da sociedade medieval qualquer pensamento
racionalista, buscando instituir no Sacro Império Romano Germânico um Estado teocrático.
4) (UNISA SP/2009) Comparando-se as teorias de Thomas Hobbes e Jean-Jacques Rousseau, é
possível constatar que:
a) enquanto o primeiro, na obra O Leviatã, apresentou um conjunto de ideias favoráveis ao
absolutismo monárquico, o segundo, na obra O Contrato Social, desenvolveu uma crítica ao
absolutismo, visto que defendeu a tese favorável à liberdade dos homens.
b) ambos se posicionaram de forma contrária ao absolutismo monárquico, pois como legítimos
representantes do pensamento iluminista europeu eram favoráveis aos ideais de liberdade,
igualdade e fraternidade que caracterizaram o movimento.
c) ambos foram fervorosos defensores do absolutismo monárquico, pois, financiados pelos
mecenas, produziram teorias que tinham por objetivo legitimar as recém-criadas monarquias
nacionais, produtos da aliança rei-burguesia.
d) enquanto o primeiro, na obra Utopia, lançou as bases do socialismo utópico, o segundo, na
obra O Contrato Social, questionou não apenas o absolutismo monárquico, mas também os
valores da sociedade burguesa, ao se contrapor à propriedade privada.
e) enquanto o primeiro, na obra O Leviatã, defendeu os princípios do liberalismo político,
retomados anos mais tarde pela Revolução Gloriosa, o segundo, na obra Utopia, preconizava a
existência de uma sociedade perfeita a partir da extinção do Estado e da propriedade privada.
5) (UPE/2013) O pensamento de Jean-Jacques Rousseau, fruto do
Iluminismo, serve de base, até hoje, para a estrutura política de vários
países democráticos ocidentais. Sobre essa realidade, assinale a
alternativa CORRETA.
a) Os atuais regimes socialistas do ocidente condenam a propriedade
privada com base nos textos de Rousseau.
b) A teoria da tripartição do poder é herança do pensamento de
Rousseau.
c) A teoria contratualista foi desenvolvida por Rousseau na obra Origem
da desigualdade social entre os homens.
d) No pensamento de Rousseau, gesta-se a teoria do Estado
Contratualista.
e) Na obra Do contrato social, Rousseau defende a propriedade privada.
6) (UEPA/2015) Platão: A massa popular é assimilável por natureza a um animal
escravo de suas paixões e de seus interesses passageiros, sensível à lisonja,
inconstante em seus amores e seus ódios; confiar-lhe o poder é aceitar a tirania de
um ser incapaz da menor reflexão e do menor rigor. Quanto às pretensas
discussões na Assembleia, são apenas disputas contrapondo opiniões subjetivas,
inconsistentes, cujas contradições e lacunas traduzem bastante bem o seu caráter
insuficiente. Os argumentos de Platão, filósofo grego da antiguidade, evidenciam
uma forte crítica à:
a) oligarquia
b) república
c) plutocracia
d) monarquia
e) democracia
7) (UFG GO/2014)
Leia o texto a seguir.

Alexandre não tentou reorganizar a cidade, como pretendiam Platão e Aristóteles, mas inaugurou um
novo modo de governar. Nesse sentido, a sua ação contrariou profundamente as orientações que recebera
de Aristóteles.
O fragmento se refere ao governo do imperador Alexandre Magno no século IV a.C. A partir da análise
do texto e considerando o contexto a que se refere, destaca-se, como uma das características do governo
de Alexandre Magno, a:
a) ênfase na política de paz com os impérios orientais, por meio de alianças com os persas e os egípcios,
colocando fim à expansão grega.
b) valorização da filosofia como fundamento da vida cívica, utilizando o estoicismo e o epicurismo para
justificar a existência da pólis.
c) retomada do despotismo em que a autoridade do governo era inquestionável, sepultando as conquistas
de direitos que fundamentaram a democracia.
d) afirmação da cultura grega como a forma de expressão aceita, estabelecendo o sofismo como base
para o governo da pólis.
e) adoção da religião politeísta e antropomórfica, composta de vários deuses que se assemelhavam aos
homens, substituindo a adoração ao imperador.
8) (Uncisal/2011) Na Grécia Antiga, o filósofo Sócrates ficou famoso por
interpelar os transeuntes e fazer perguntas aos que se achavam conhecedores de
determinado assunto. Mas durante o diálogo, Sócrates colocava o interlocutor em
situação delicada, levando-o a reconhecer sua própria ignorância. Em virtude de
sua atuação, Sócrates acabou sendo condenado à morte sob a acusação de
corromper a juventude, desobedecer às leis da cidade e desrespeitar certos valores
religiosos. Considerando essas informações sobre a vida de Sócrates, assim como a
forma pela qual seu pensamento foi transmitido, pode-se afirmar que sua filosofia
a) baseava-se em uma contemplação passiva da realidade.
b) transmitia conhecimentos de natureza científica.
c) ficou consagrada sob a forma de diálogos, posteriormente redigidos pelo
filósofo Platão.
d) procurava transmitir às pessoas conhecimentos de natureza mitológica.
e) transmitia conhecimentos exclusivamente sob a forma escrita entre a população
ateniense.
9) (UEG GO/2011) No século V a.C., Atenas vivia o auge de sua democracia.
Nesse mesmo período, os teatros estavam lotados, afinal, as tragédias chamavam
cada vez mais a atenção. Outro aspecto importante da civilização grega da época
eram os discursos proferidos na ágora. Para obter a aprovação da maioria, esses
pronunciamentos deveriam conter argumentos sólidos e persuasivos. Nesse caso,
alguns cidadãos procuravam aperfeiçoar sua habilidade de discursar. Isso
favoreceu o surgimento de um grupo de filósofos que dominavam a arte da
oratória. Esses filósofos vinham de diferentes cidades e ensinavam sua arte em
troca de pagamento. Eles foram duramente criticados por Sócrates e são
conhecidos como
a) maniqueístas.
b) sofistas.
c) hedonistas.
d) epicuristas
e) nenhuma das alternativas
10) (Enem 2018 – Dia 1) A quem não basta pouco, nada basta.
EPICURO. Os pensadores. São Paulo: Abril Cultural,1985.
Remanescente do período helenístico, a máxima apresentada
valoriza a seguinte virtude:
Alternativas:
a) Esperança, tida como confiança no porvir.
b) Justiça, interpretada como retidão de caráter.
c) Temperança, marcada pelo domínio da vontade.
d) Coragem, definida como fortitude na dificuldade.
e) Prudência, caracterizada pelo correto uso da razão.