Você está na página 1de 1033

䔀猀

琀攀 
洀愀琀
攀爀椀
愀氀 
 琀
爀愀稀椀
搀漀 
愀琀 
瘀漀挀 
瀀漀爀

䌀愀

漀 
嘀椀
渀

椀甀
猀 
䘀愀挀攀戀漀欀㨀 

愀攀挀昀
漀琀漀最爀愀昀
椀愀昀
愀洀椀氀

愀爀

䈀氀漀最㨀
栀琀
琀瀀㨀
⼀⼀㄀
  ㄀
搀椀挀愀猀
搀攀昀漀琀漀最爀
愀昀椀
愀⸀挀漀洀⸀
戀爀

吀攀砀琀漀 攀 
䌀漀洀瀀椀 氀
愀漀㨀 
䌀愀椀
漀 嘀椀
渀挀椀
甀猀
倀爀漀樀
攀琀漀 最爀昀
椀挀漀㨀嘀椀琀
漀爀 
䌀漀攀氀
栀漀 
䐀椀愀最爀愀洀愀漀㨀 䜀甀椀氀
栀攀爀洀攀 
䴀椀漀爀愀渀搀漀 
攀 嘀椀
琀漀爀
 䌀漀攀氀
栀漀
䌀愀瀀愀㨀 嘀椀琀
漀爀 
䌀漀攀氀 栀漀

瀀爀
漀樀攀琀
漀 瘀椀
猀甀愀氀
 攀 
搀椀愀最爀
愀洀愀漀㨀

焀甀攀爀
漀爀攀渀漀瘀愀爀⸀
挀漀洀⸀戀爀
攀甀䀀焀甀攀爀漀爀攀渀漀瘀愀爀⸀
挀漀洀⸀
戀爀
Quem Sou Eu?

O i, tudo bem?
Muito obrigado por adquirir este ebook que
organizei com muito carinho. A minha intenção é
compartilhar com você as 1001 Dicas de Fotografia
que mais me ajudaram desde que descobri esta
paixão em 2009.
Meu nome é Caio Vinícius Gama da Costa, nasci
em 1978 no Rio de
Janeiro, sou casado
com a Fernanda Lima
e sou Pai das Lindas
Clara e Allice Costa.
Sou um grande apa-
ixonado por fotogra-
fia e estou envolvido
com esta arte desde
2009 mas foi de 2012
pra cá, com o nasci-
mento da minha pri-
meira filha que eu me
interessei em buscar
cursos, informações e
equipamentos mel-
hores para que eu
pudesse tirar as mel-
hores fotos possíveis
da minha filha. Queria
tirar fotos inesquec-
íveis dela, mas o
resultado que eu via
não era o esperado,
por isso resolvi cair
dentro dos estudos
desta arte e tive uma evolução muito interes-
sante, conseguindo então tirar as fotos que eu
sempre tive vontade.
De lá prá cá, colecionei uma série de dicas que
me ajudaram muito a evoluir na fotografia e
venho compartilhando com a minha página do
Facebook A&C Dicas de Fotografia e com a
minha lista de distribuição por email que hoje
conta com 19 mil contatos.
Sempre recebi um feedback ótimo dos meus
leitores sobre as dicas que enviava pra eles e a
partir deste retorno deles, resolvi reunir todas
as maiores dicas que fotografia em um único
lugar, e assim surgiu o Ebook 1001 Dicas de
Fotografia.

Como usar este livro


Neste primeiro Ebook que eu escrevo e or-
ganizo resolvi entregar bastante conteúdo,
1001 dicas para ajudar você a melhorar suas
habilidades fotográficas e para te inspirar a
construir seus próprios projetos dentro da
fotografia.
Penso que se eu ajudo as pessoas a estarem
envolvidas com as coisas que elas amam, elas
ficam mais felizes e se elas ficam mais felizes,
o mundo fica um pouco melhor.
Estas 1001 Dicas de Fotografia foram distribuí-
das em 140 artigos e você pode ler estes arti-
gos de duas maneiras:
1. Através do sumário : você localiza o
assunto que quer ler e pula direto pra página
do artigo. Todos os artigos são independentes
e você pode ir lendo de acordo com a sua ne-
cessidade, disponibilidade ou de acordo com
o assunto que você irá fotografar, por exemp-
lo: você vai fotografar uma criança para reg-
istrar seu crescimento? Vá direto pra dica que
fala sobre como fotografar crianças e pra dica
de poses para fotografar crianças.
2. Leitura corrida: Ler o livro todo, do início
ao fim, nas ordem em que os artigos são apre-
sentados.
A decisão é sua, cada artigo foi disposto e
arranjado para que possa ser lido de forma
independente, assim você pode consultar o
assunto que quiser, a hora que quiser e ler
rapidamente alguma dica para se inspirar para
um ensaio ou trabalhos fotográficos em geral.

Introdução
Vamos falar sobre fotografia? Sim? En-
tão vamos lá.
Este livro trás pra você as dicas que mais me
ajudaram a desenvolver as minhas habilidades
e as que mais me inspiraram e tenho certeza
que elas farão a mesma coisa por você. Se
você quer ter dicas rápidas para realizar aque-
le trabalho que você nunca fez ou mesmo se
inspirar para um projeto fotográfico particular
este é o lugar certo:
Temos dicas de fotografia infantil, fotografia
de casal, fotografia de casamento, fotografia
de animais, fotografia de esportes, dicas de
iluminação, etc!
Trago aqui pra você dicas de como ser um
profissional melhor e de como agir ou se reco-
nhecer como fotógrafo profissional.
Mas principalmente minha missão com este
Ebook é te inspirar, é fazer com que você que-
ria dia após dia tirar fotos melhores, tirar fotos
que deixem você e seus clientes mais satisfei-
tos e felizes. Em resumo, quero trazer felicida-
de pro mundo.
Com as dicas deste livro, percebi claramente
que as fotografias que eu tirava foram me-
lhorando com o tempo e que eu conseguia
atingir o resultado esperado de forma cada
vez mais fácil. Muitas pessoas que me leêm na
minha página do facebook e recebem minhas
dicas por email também relataram o mesmo
resultado.
Muitos bloqueios que eu tinha como “não ter
uma câmera mega profissional”, “não ter um
flash mega caro” ou “não ter uma lente perfei-
ta” foram resolvidos quando comecei a apren-
der esses conceitos e comecei a aplicar as
dicas no meu dia a dia, e é isso que eu reco-
mendo que você faça toda vez que ler alguma
dica deste livro que você goste: vá a campo e
pratique, pratique com seus vizinhos, se ofere-
ça pra tirar fotos de graça em aniversários de
parentes, fotografe o máximo que puder pois
com a prática vem a perfeição, ou pelo menos,
chegamos cada vez mais perto.
A maioria das pessoas simplesmente não tem
grandes resultados por que simplesmente não
colocam em prática muito daquilo que apren-
dem nos livros. Portanto, pratique!
Ah!! Quase que eu ia me esquecendo disso,
dê uma olhada nos depoimentos que recebi
abaixo dos meus leitores. Fico confiante de
que estas dicas terão o mesmo impacto para
vocês também! Dá uma olhada:
Bom, acho que é isso, agora vamos as dicas!
Espero que curtam muito todas as dicas e
que elas façam pela sua fotografia o que elas
fizeram pela minha! Vamos as 1001 Dicas de
Fotografia!
Capítulo 1
Dicas de Introdução a Fotografia

1-) 7 conselhos indispensáveis para fo-


tógrafos que estão começando

O momento em que começamos na fotografia


pode proporcionar uma tonelada de diversão.
É divertido aprender, conhecer novos mundos.
Mas como todo mundo desconhecido, às vez-
es a fotografia pode parecer muito complexa
e cheia de informação. Confira abaixo 7 dicas
simples para começar tranquilo esta deliciosa
descoberta.
1. Aprender primeiro, equipamentos depois

Sabe quando se diz que você deveria gastar


seu dinheiro com experiência de vida? Apesar
de a experiência ser fugaz por natureza, ela se
tornam parte de quem você é e não apenas
algo que você possui.

Esse é um ótimo conselho de vida, mas é ain-


da melhor (e subestimado) na fotografia. Na
escolha entre um novo corpo de câmera ou
lente, e um workshop com uma viagem para
um local incrível, a maioria de novatos vai es-
colher o equipamento. Não cometa esse erro.

Gastar em workshops bem avaliados ou pas-


seios fotográficos em lugares incríveis, deixan-
do para depois atualizar o corpo da câmera,
talvez seja algo absolutamente necessário. O
famoso fotógrafo da National Geographic Jim
Richardson disse uma vez: “Se você quiser ser
um fotógrafo melhor, fique na frente de coisas
mais interessantes”.
2. Fotografe para si mesmo, não para os outros

Isso é irônico vindo do site 500px, nossa fon-


te, pois eles são justamente um banco de ima-
gens que vende fotos “para os outros”. Mas, se
você está fotografando para ganhar likes ou
comentários, saiba: você está fazendo isso er-
rado. Aliás, isso se aplica a toda arte. Mas,
especialmente para um fotógrafo iniciante, há
apenas um público para quem ele deve foto-
grafar: para si mesmo.

Fotografe o que você ama, sinta prazer no


que faz, capture coisas que o inspiram e o
movam. E certifique-se, principalmente, que
aquilo que você está fotografando lhe dá
alegria. Se a fotografia se tornar um trabalho
para toda vida, é preciso gostar do que se faz.
Quanto mais você gosta de seu trabalho, é
bem provável que ele se torne cada vez me-
lhor.
3. Limite-se a um propósito

Uma das melhores maneiras de se aprimorar


sendo um iniciante é criar algo que limite
você.

Isto aplica-se ao tipo da fotografia, mas aqui


vamos falar sobre outra limitação: o equipa-
mento.

Fotografe apenas com um smartphone por


um mês inteiro e veja o que acontece com a
sua capacidade de visualizar uma composição
boa quando você sabe que a qualidade da
imagem não é tudo aquilo; ou limite-se a uma
única lente para dois ou três meses e note a
sua apreciação e compreensão desse equipa-
mento.
4. Encontre seu nicho

Esta é uma extensão do ponto anterior. O pri-


meiro conselho para iniciantes, embora eles
raramente queiram ouvi-lo. Todo novato tem
sonhos de ser Jimmy Chin, Steve McCurry,
Henri Cartier Bresson e Paul Nicklen – e tudo
ao mesmo tempo. Mas você não pode dom-
inar fotos de aventura, viagem, rua e a vida
selvagem de uma só vez.

Experimente com diferentes tipos de fotogra-


fia, sim. Não estamos dizendo para você partir
para o nicho imediatamente. Mas uma vez que
você tiver encontrado algo que gosta mesmo,
o seu foco deve ser fazer aquilo. Você ficará
surpreso com o quão mais rápido vai melhorar
em alguma coisa quando deixar de lado a
necessidade compulsiva de fazer tudo. Espe-
cialize-se.

Encontre o seu nicho e foque nisso.


5. Vá devagar

Uma das coisas que perdemos com a ex-


plosão da fotografia digital é a apreciação do
tempo.

Aprenda a respirar, desacelerar, explorar ad-


equadamente o quadro (e de forma lenta),
fazer a preparação completa e, só então, fo-
tografar. E fotografar pacientemente.

Pressionar o botão do obturador deve ser o


culminar de preparação e pensamento. Você
está esboçando as composições que você go-
staria de capturar? Quando você não está
fotografando, você está olhando no seu LCD o
tempo todo? A fotografia digital é ótima, mas
tente fotografar como se você só tivesse 36
cliques a sua disposição. Vá devagar, vale a
pena.
6. Conecte-se, participe de um grupo de fotógrafos

Há muitas comunidades de fotógrafos no


Facebook, sobre todo tipo de fotografia. Bas-
ta você digitar “fotografia” ou “fotógrafo” na
busca da rede social para encontrar ótimos
grupos de discussão.

Fotografar isolado pode ser interessante, mas


fazer parte de um grupo de amantes da
fotografia para apontar erros ou oferecer per-
spectivas que você pode nunca ter pensado é
incrivelmente útil. Além disso, conectar-se
com outros fotógrafos e compartilhar seu
amor pelafotografia com o mundo em geral é
extremamente gratificante.
7. Prática, prática e mais prática!

O último conselho é o mais importante. Músi-


cos praticam, estrelas do esporte praticam.
Não importa o que você escolhe fazer na sua
vida: você tem que praticar para chegar lá.
Então, por que na fotografia vai ser diferente?
Se você quiser que o seu dedo no obturador
esteja completamente sincronizado com seu
pensamento, vai ter que treiná-lo pouco a
pouco para que isso aconteça. E, lembre-se
sempre: não desista. Você nunca vai saber
onde pode chegar se desistir no início do
caminho. “O caminho se aprende caminhando”
(Moisés Esagui).
2-) 5 verdades sobre a fotografia

A fotografia é um hobby que atualmente con-


quista cada vez mais apaixonados. As facili-
dades tecnológicas são uma grande influência
para este fenômeno, já que quase todo mundo
tem hoje uma câmera no celular.

Porém, a questão é: para a maioria a fotogra-


fia é nada mais que um hobby. O problema é
que às vezes há uma certa confusão entre ter
equipamentos fotográficos e ser um fotógrafo
profissional. Nem tudo são rosas no mundo da
fotografia. Vamos falar sobre isso através das
dicas do fotógrafo David Shaw, originalmente
publicadas no Digital Photographer Review.

1. Mais equipamento fotográfico não faz de você


um melhor fotógrafo.

É difícil encontrar quem não ame adquirir


um novo equipamento fotográfico. Câmeras,
lentes, acessórios... Mas não é essa a questão.
Comprar uma nova câmera não irá torná-lo
um grande fotografo. Para ser um fotógrafo
melhor, você precisa aprender como encontrar
suas imagens.

A câmera pode ajudar a capturá-las, mas a


visão do que e como capturar é com você.

“Sempre que eu estou pensando em com-


prar um novo equipamento, eu me pergunto:
Será que o meu equipamento atual está me
prendendo?”, diz David Shaw. E para ele, a
resposta geralmente é sim. Mas por motivos
específicos. Pode ser que a lente usada para
fotografianoturna é muito lenta para obter
os detalhes necessários, ou as limitações do
corpo da câmera estão o impedindo de conse-
guir o tamanho e detalhe da fotografia exigida
pelo cliente (ou por você mesmo). Nesse caso,
sim, é interessante pensar em adquirir novos
equipamentos fotográficos.

O que acontece é que muitas vezes o motivo


para comprar um novo equipamento é só por-
que aquele equipamento é legal, bonito, inte-
ressante, último lançamento. Não porque você
realmente precisa dele.
2. Não existe um “dom”

Algumas pessoas aprendem a fotografia rapi-


damente, outras mais lentamente, mas todo
mundo tem que aprender. A fotografia é uma
arte, não uma dádiva. Muitas pessoas cos-
tumam dizer que alguns fotógrafos têm um
“dom” e que elas nunca conseguirão fazer
fotos daquele
tipo. Enquanto isso, o fotógrafo passou 10 ou
20 anos estudando e praticando para conse-
guir aquele tipo de foto.

A fotografia pode ser aprendida. Com a práti-


ca você aprende a ver as linhas e luz interagin-
do em um local para criar uma imagem inte-
ressante. Ou como esses elementos podem se
misturar de forma que resultarão em uma foto
ruim. Com o tempo e com esforço, você fica
melhor em reconhecer a diferença. É um pro-
cesso de aprendizado diário.
3. Você tem que ter paciência

Sim, muita e muita paciência. O fotógrafo


David Shaw guia passeios para fotógrafos em
locais selvagens. Às vezes, chegam ao local
e a luz está perfeita, ou a vida selvagem está
esperando no lugar perfeito para fazer a ima-
gem. “Mas raramente é o caso”, diz. “Frequen-
temente temos que esperar, esperar e espe-
rar”.

As páginas de revistas estão repletas de ima-


gens espetaculares, cronometradas com per-
feição.

Mas elas não aconteceram por acaso. As ima-


gens foram feitas porque o fotógrafo soube
ser paciente. As melhores imagens exigem
tempo e esforço.

“Esta é uma realidade dura de engolir para


muitos dos meus alunos”, conta Shaw. “Eles
só querem que a foto esteja lá, embora isso
raramente acontece. Para ser honesto, eu não
sou muito bom em paciência. Eu gosto de me
mover e explorar, mas é quando me obrigam a
esperar e sentar em silêncio que, muitas vezes,
eu vou embora com algo de bom.
4. Não há nada de errado em ser
um fotógrafo amador

Ser um amador não significa


que você é menos talentoso
do que um fotógrafo profis-
sional. Na verdade, em muitos
casos, pode ser exatamente o
oposto. Os profissionais gas-
tam muito tempo fazendo o
trabalho sujo: faturamento,
marketing, negociações, e
muito menos tempo realmen-
te trabalhando com imagens.
As imagens que profissionais
fotografam muitas vezes são
aquelas feitas para os clientes,
e não aquelas que fazemos
para nós mesmos.

“Inerentemente, fotos feitas


para os outros não são tão
boas como aquelas pelas
quais somos apaixonados”,
diz David Shaw. Amadores
podem fotografar o que qui-
serem, e isso significa que eles
estão fazendo fotos que são
importantes para eles. Habili-
dade e sensibilidade artística
não são qualidades apenas
dos profissionais.
5. Pós-processamento é uma ferramenta, não
uma muleta

Se sua imagem for ruim, quando ele for para o


Photoshop ou o Lightroom vai continuar sen-
do ruim, não importa o quanto você vai cor-
tá-la, adicionar contraste ou saturação. Talvez
até piore um pouco mais.

No final, o que realmente importa sobre a fo-


tografia não é a imagem final, mas o processo
de cria-la. Então seja paciente, preste atenção
na cena, nos elementos, na iluminação e tente
fazer a melhor imagem direto da câmera.
3-) O que é uma câmera DSLR?

DSLR significa “Digital Single Lens Reflex”. Em


linguagem simples, DSLR é uma câmera digi-
tal que usa espelhos para direcionar a luz da
lente para o visor, que é um buraco na parte
de trás da câmera em que você olha através
para ver a foto que está tirando.

1.Do que consistem as câmeras DSLR?

Dê uma olhada na seguinte imagem de uma


secção transversal SLR (Imagem cortesia do
Wikipedia):
2.Como é que as câmeras DSLR trabalham?

Quando você olha através do visor na parte


traseira da câmera, o que você vê é exatamen-
te o que você irá obter na fotografia. A cena
que você está fotografando passa através da
lente de em forma de luz por um espelho de
reflexo (# 2) que fica em um ângulo de 45
graus no interior da câmera, que, em seguida,
encaminha a luz verticalmente para um ele-
mento óptico chamado de “pentaprisma” (#
7). O pentaprisma, em seguida, converte a luz
vertical para horizontal, redirecionando a luz
através de dois espelhos separados, para a
direita no visor (# 8).

Quando você tira uma foto, o espelho de re-


flexo (# 2) oscila para cima, bloqueando a via
vertical e deixando a luz atravessar diretamen-
te. Em seguida, o obturador (# 3) abre-se e a
luz atinje o sensor de imagem (# 4). O obtura-
dor (# 3) permanece aberto por tanto tempo
quanto necessário para que o sensor de ima-
gem (# 4) grave a imagem, então o obturador
(# 3) se fecha e o espelho de reflexo (# 2) cai
de volta para o ângulo de 45 graus para conti-
nuar reorientando a luz para o visor.

Obviamente, o processo não para por aí. Em


seguida, uma grande quantidade de proces-
samento de imagem complicado acontece na
câmara. O processador da câmera leva a infor-
mação do sensor de imagem, converte-a em
um formato adequado, em seguida, grava a
imagem em um cartão de memória. Todo o
processo leva muito pouco tempo e algumas
DSLRs profissionais pode fazer isso 11 vezes
em um segundo!

Legal né? Muito interessante sabermos o fun-


cionamento básico de uma câmera para nos
habituarmos ao linguajar e entendermos como
as imagens são formadas. Fotografar não é só
clicar.
4-) Entendendo o ISO

1) O que é ISO?

Em termos muito básicos, ISO é o nível de


sensibilidade da câmera à luz disponível.
Quanto menor o número ISO, menos sensível
é para a luz, enquanto um número ISO mais
alto aumenta a sensibilidade da câmera. O
componente dentro de sua câmera que pode
alterar a sensibilidade é chamado de “sensor
de imagem”, ou simplesmente “sensor”. É a
parte mais importante (e mais cara) de uma
câmera e é responsável por captar a luz e
transformá-la em uma imagem. Com o aumen-
to da sensibilidade, o sensor da câmera pode
capturar imagens em ambientes com pouca
iluminação sem ter que usar um flash. Mas
maior sensibilidade vem com uma despesa -
acrescenta grãos ou “ruídos” as imagens.

Dê uma olhada na imagem a seguir:


A diferença é clara - a imagem no lado direito
na ISO 3200 tem muito mais ruído nele, do
que o da esquerda em ISO 200.

Cada câmera tem uma coisa chamada “Base


ISO”, que normalmente é o número ISO mais
baixo do sensor que pode produzir a mais alta
qualidade de imagem, sem adicionar ruído à
imagem. Na maioria das novas câmeras Nikon,
como a Nikon D5100, a ISO base é normal-
mente 200, enquanto a maioria das câmeras
digitais da Canon tem a base ISO de 100.

Então, de forma ideal, você deve sempre


tentar manter a base ISO para obter a maior
imagem qualidade. No entanto, nem sempre
é possível fazê-lo, especialmente quando se
trabalha em condições de pouca luz.

Normalmente, números ISO começam entre


100-200 (ISO base) e vão incrementando seu
valor em progressão geométrica (potência de
dois). Assim, a sequência é ISO: 100, 200, 400,
800, 1600, 3200, 6400 e etc.

A coisa importante a se compreender, é que


cada passo entre os números duplica efetiva-
mente a sensibilidade do sensor. Então, ISO
200 é duas vezes mais sensível que ISO 100,
enquanto ISO 400 é duas vezes mais sensível
que ISO 200. Isso faz com que o ISO 400 seja
quatro vezes mais sensível à luz do que o ISO
100 e o ISO 1600 seja dezesseis vezes mais
sensível à luz do que ISO 100, assim por diante
e assim por diante. O que significa que um
sensor seja dezesseis vezes mais sensível à
luz? Isso significa que ele precisa de dezesseis
vezes menos tempo para capturar uma ima-
gem!

Exemplos de Velocidade do ISO:

ISO 100 - 1 segundo

ISO 200 - 1/2 de um segundo

ISO 400 - 1/4 de um segundo

ISO 800 - 1/8 de um segundo

ISO 1600 - 1/16 de segundo

ISO 3200 - 1/32 de segundo

Nos exemplos de velocidade do ISO acima, se


o sensor da câmera precisava exatamente 1
segundo para capturar uma cena em ISO 100,
simplesmente mudando para ISO 800, você
pode capturar a mesma cena em 1/8 de um
segundo ou em 125 milissegundos! Isso pode
significar um mundo de diferença em uma fo-
tografia, uma vez que pode ajudar a congelar
o movimento.

Dê uma olhada nesta foto:


Esta foto foi capturada em velocidade 1/2000
de segundo com ISO 800. O sensor da câme-
ra só precisava de 1/2000 de segundo para
capturar totalmente a esta fotografia. Agora
o que teria acontecido o ISO estivesse em
100 na câmera? Seria necessário 8 vezes mais
tempo para captar a mesma cena, que é 1/250
de um segundo. A essa velocidade, teria sido
introduzido o motion blur na imagem, porque
com certeza estas aves estavam se movendo
mais rápido do que isso. Em suma a imagem
teria sido arruinada.
2) Quando usar ISO baixo

Como exposto acima, você deve sempre ten-


tar ficar com o menor ISO (base ISO) de sua
câmera, que é tipicamente ISO 100 ou 200,
sempre que possível. Quando há muita luz,
você deve usar sempre o menor ISO, para re-
ter o máximo de detalhes e ter a melhor quali-
dade de imagem.

Existem alguns casos em que você pode que-


rer usar ISO baixo em ambientes escuros ou
em penumbra - por exemplo, se você tem sua
câmera montada num tripé ou montada sobre
uma superfície plana. Nesse caso, tenha em
mente que a sua câmera provavelmente irá
precisar de
mais tempo para capturar a cena e qualquer
coisa que se move é provavelmente vai pare-
cer um fantasma.
Nesta fotografia o rapaz é assunto de um
teste de exposição longa. A câmara foi confi-
gurada para o menor ISO para manter o de-
talhe, o que também resultou em uma longa
exposição de 5 segundos. O rapaz sentado
ficou imóvel, enquanto o seu amigo entrou em
cena por um breve momento para introduzir o
efeito fantasma :)

3) Quando a aumentar ISO

Você deve aumentar o ISO quando não há luz


suficiente para a câmera ser capaz de capturar
rapidamente uma imagem. Sempre que foto-
grafamos em interiores sem flash, o ISO deve
ser definido para um número maior e assim a
câmera ser capaz de capturar o momento sem
introduzir borrão na imagem. Outros casos em
que você pode querer aumentar o ISO é quan-
do você precisa efetuar disparos ultra-rápidas,
como a imagem do pássaro que ilustra este
texto acima. Mas antes de aumentar o ISO,
você deve pensar se realmente isso deve ser
feito pois será introduzido ruídos na imagem.

Em muitas das DSLRs mais recentes, há uma


configuração para “Auto ISO”, que funciona
muito bem em ambientes de pouca luz. A
beleza desta configuração é que você pode
definir o máximo de ISO para um determinado
número, então quando o ISO é automatica-
mente aumentado com base na quantidade
de luz, ela não ultrapassa a barreira configura-
da. Então, se você quiser limitar a quantidade
de grãos nas suas fotos, normalmente defina o
ISO máximo em 800.
5-) Entendendo a Abertura

A abertura é um dos três pilares da fotografia,


sendo os outros dois ISO e a velocidade do
obturador. Sem dúvida, é o mais falado dos
pilares porque acrescenta uma dimensão a
fotografia desfocando o seu fundo, ou magi-
camente traz tudo em foco, dependendo de
como se configura a mesma na câmera. Neste
artigo, vou tentar explicar tudo o que sei so-
bre a abertura em linguagem muito simples.

1) O que é Abertura?

Simplificando, a abertura é o buraco dentro


da lente através do qual a luz passa para den-
tro do corpo da câmera. É mais fácil entender
o conceito, se você pensar em nossos olhos.
Cada câmera que conhecemos hoje é projeta-
da como os olhos humanos. A córnea em nos-
sos olhos é como o elemento frontal da lente
- reúne toda a luz externa, para, em seguida,
dobra-a e passá-la para a íris. Dependendo da
quantidade de luz, a íris pode aumentar ou di-
minuir, controlando o tamanho da pupila, que
é um furo que permite que a luz passe mais
para dentro do olho. A pupila é essencialmen-
te o que nos referimos como a abertura na
fotografia. A quantidade de luz que entra na
retina (que funciona como sensor da máquina)
está limitada ao tamanho da pupila - quanto
maior for a pupila, mais luz que entra na reti-
na.

Assim, a maneira mais fácil de lembrar aber-


tura é associando-a com a sua pupila. Quanto
maior for o tamanho da pupila maior é a aber-
tura e quanto menor for o tamanho da pupila
menor é a abertura.

2) Tamanho da Abertura – Abertura Grande Vs


Abertura Pequena

A “íris” da lente que controla o tamanho (diâ-


metro) da abertura é chamada de “diafragma”.
A única finalidade do diafragma é bloquear
ou parar toda a luz, com a exceção de a luz
que passa através da abertura. Na fotografia, a
abertura é expressa em números f (por exem-
plo, f / 5.6).

Estes números f, que são conhecidos como


“f-stops”, são uma maneira de descrever o ta-
manho da abertura, ou quão aberta ou fecha-
da a abertura é. A menor f-stop significa uma
abertura maior, enquanto uma maior f-stop
significa uma abertura menor. A maioria das
pessoas acham isso estranho, já que estamos
acostumados a ter números maiores represen-
tam valores maiores, mas não neste caso. Por
exemplo, f / 1.4 é maior do que f / 2.0 e
muito maior do que f / 8.0.

Dê uma olhada neste gráfico (imagem cortesia


da Wikipedia):

O tamanho do círculo representa o tamanho


da abertura da lente - quanto maior o número
f, menor é a abertura.

3) O que é a profundidade de campo?

Uma coisa importante lembrar aqui, o ta-


manho da abertura tem um impacto directo
sobre a profundidade de campo, que é a área
da imagem que aparece nítida. Um grande
número f como f / 32, (o que significa uma
abertura menor) vai trazer todos os objectos
de primeiro plano e fundo no foco, quando um
pequeno número f como f / 1.4 vai isolar o pri-
meiro plano do fundo, fazendo primeiro plano
objetos pontiagudos eo fundo desfocado.
Como você pode ver, apenas mudando a
abertura de f / 2.8 ef / 8.0 tem um grande
efeito sobre a quantidade de WALL-E está em
foco e como visível ao fundo fica. Se eu tives-
se usado uma abertura muito menor, como f
/ 32 neste tiro, o fundo seria tão visível como
WALL-E.

Outro exemplo:

No exemplo acima, devido à profundidade de


campo, apenas a palavra “Cougar” aparece
nítida, enquanto todo o resto na frente e por
trás dessa palavra está desfocada. Se no mo-
mento da captura da foto fosse usada uma
abertura maior, como f/1.4 e focada em uma
das caixas de cartas, provavelmente, só esta
caixa teria sido focada, enquanto todo o resto
teria sido desfocado. Quanto maior for a aber-
tura, menor é a área em foco (profundidade
de campo).

4) Abertura da Lente: Máximo e Mínimo

Cada lente tem um limite de quão grande ou


pequeno a abertura pode ser. Se você der
uma olhada no manual de especificações da
sua lente, ele deve dizer qual é a abertura
máxima (menor número f) e aberturas] míni-
ma (maior número f) da sua lente. A abertura
máxima da lente é muito mais importante do
que a mínima, porque mostra a velocidade
da lente. Uma lente que tem uma abertura de
f/1.2 ou f/1.4 como a abertura máxima é con-
siderada como sendo uma lente rápida, uma
vez que pode passar mais luz através dela do
que, por exemplo, uma lente com uma aber-
tura máxima de f/4.0. É por isso que as lentes
com grandes aberturas são mais adequados
para fotografia com pouca luz.

A abertura mínima não é tão importante, por-


que quase todas as lentes modernas podem
proporcionar, pelo menos f/16 como a aber-
tura mínima, que normalmente é mais do que
suficiente para as necessidades de fotografia
diárias.
Existem dois tipos de lentes: “fixa” (também
conhecida como “prime”) e “zoom”. Enquanto
as lentes zoom te dão a flexibilidade de fazer
zoom in e out sem ter que se deslocar para
mais perto ou longe do assunto, lentes fixas
ou prime só tem um comprimento focal. De-
vido àcomplexidade de desenho óptico para
lentes de zoom, estas lentes têm aberturas
variáveis. O que isto significa, é que quando
a lente está com o zoom mínimo, a abertura
é um número, e enquanto o zoom vai se am-
pliando, aumenta-se o número f. Por exemplo,
a lente Nikon 18- 200 mm tem uma abertura
máxima variável de f/3,5 - f/5.6. Quando o
zoom esta no mínimo, em 18 milímetros, a len-
te tem uma abertura de f/3.5, enquanto que,
quando o zoom está totalmente ampliado, em
200 mm, a lente tem uma abertura de f/5.6.
As lentes de zoom profissional, por outro lado,
normalmente têm aberturas fixas. Por exem-
plo, a Nikon 70-200 mm f/2.8 tem a mesma
abertura máxima de f/2.8 em todas as distân-
cias focais entre 70 milímetros e 200 milíme-
tros.

Por que isso é importante? Porque abertura


máxima maior significa que pode passar mais
luz pela lente e, portanto, sua câmera pode
capturar imagens mais rapidamente em situa-
ções de pouca luz. Tendo uma abertura máxi-
ma maior significa também uma melhor capa-
cidade de isolar sujeitos do fundo.
6-)Entendendo a Velocidade do Obturador

A velocidade de obturação é um dos três pila-


res da fotografia, sendo os outros dois ISO e a
abertura do diafragma. A velocidade do obtu-
rador é onde o outro lado da magia acontece,
é responsável pela criação de efeitos dramáti-
cos por ação congelamento ou borrar o movi-
mento. Neste artigo, vou tentar explicar tudo
o que sei sobre a velocidade do obturador em
linguagem muito simples.

1) O que é o obturador da câmera?

Antes de ler este artigo, eu recomendo a lei-


tura sobre o que uma DSLR(Dica 3) é do que
ela consiste. Simplificando, o obturador da
câmera é uma cortina na frente do sensor da
que permanece fechada até se dispare o click.
Quando a fotografia é clicada, o obturador
abre e expõe totalmente o sensor da câmera
à luz que passa através da abertura da lente.
Após isso o sensor coleta a luz e logo em se-
guida o obturador fecha imediatamente, im-
pedindo que a luz atinja o sensor. O botão que
aciona a câmera, o botão do click, também é
chamado de “obturador” ou “botão do obtu-
rador”, porque ele dispara o obturador para
abrir e fechar.

2) O Que é Velocidade do Obturador?

A velocidade do obturador, também conhe-


cida como “tempo de exposição”, represen-
ta o período de tempo em um obturador da
câmera é aberto para expor a luz para o sen-
sor da câmera. Se a velocidade do obturador
é rápida, ele pode ajudar a congelar a ação
completamente, como se vê na foto acima
do golfinho. Se a velocidade do obturador
for lenta, pode criar um efeito chamado de
“motion blur”, em que objetos em movimento
aparecem borrados ao longo da direção do
movimento. Este efeito é usado um pouco em
anúncios de carros e motos, onde uma sensa-
ção de velocidade e movimento é transmitida
ao espectador, borrando intencionalmente as
rodas em movimento.
Velocidades lentas do obturador também
são utilizadas para fotografar relâmpagos ou
outros objetos durante a noite ou em am-
bientes escuros com um tripé. Fotógrafos de
paisagem usam intencionalmente velocidades
lentas do obturador para criar uma sensação
de movimento em rios e cachoeiras, manten-
do todo o resto da imagem em foco, como na
imagem da cachoeira abaixo.
Movimento também pode ser congelado com
um flash, mesmo com baixas velocidades do
obturador. Dê uma olhada neste exemplo:
Estava ficando escuro e mesmo depois de au-
mentar a sensibilidade do sensor de ISO 800,
a câmera ainda precisava de pelo menos 1/250
de um segundo para expor adequadamente
este pássaro. Se o fotógrafo tivesse disparado
a foto do pássaro a essa velocidade, ela teria
ficado escura, uma vez que se moveu mais
rápido do que 1/250 de segundo. Foi utilizado
um flash externo que disparou a câmera em 1
/ 250 de um segundo e, como você pode ver,
isso ajudou a congelar o movimento, apesar
de ter uma baixa velocidade do obturador
para um pássaro em vôo.

Todos os exemplos acima foram conseguidos


simplesmente controlando a velocidade do
obturador. Em resumo, a alta velocidades do
obturador gera ação de congelamento, en-
quanto a baixa velocidade do obturador criar
um efeito de movimento.

3) Como a velocidade do obturador é medida

As velocidades do obturador são tipicamente


medidas em frações de segundo. Por exemplo
1/4 significa um quarto de segundo, enquanto
1/250 significa um duzentos e cinqüenta avos
de um segundo ou quatro milissegundos. A
maioria das DSLRs modernos podem lidar
com velocidades do obturador de até 1/4000
de segundo, enquanto algumas outras podem
lidar com velocidades muito mais altas de
1/8000 de segundo. A velocidade do obtura-
dor mais longa, na maioria das DSLRs, é tipi-
camente 30 segundos (sem usar disparadores
remotos externos).
4) Velocidades do obturador rápidas, lentas e
longas

A velocidade rápida do obturador é tipica-


mente a velocidade que é for precisa para
congelar a ação. Para mim, é tipicamente
acima de 1/500 de segundo para fotografia
em geral e, acima de 1/1000 de segundo para
fotografia de aves.

Uma velocidade lenta do obturador é consi-


derada a velocidade do obturador mais lenta
que você pode manipular sem a introdução
de vibração da câmara. Algumas lentes mais
recentes da Nikon, como a Nikon 70-200mm
VR II têm tecnologias especiais de “redução
de vibração”, mecanismos dentro da lente que
podem lidar com velocidades do obturador de
até 1/10 de um segundo (dependendo da téc-
nica do fotógrafo) com a câmera nas mãos.
Quando as velocidades do obturador são con-
sideradas longas? Velocidades do obturador
são consideradas tipicamente longas quando
são acima de 1 segundo, quando você tem que
usar um tripé para obter imagens com nitidez
aceitável (fotografias com luz baixa / noite ou
para capturar o movimento de cachoeira por
exemplo).

5) Como definir a velocidade do obturador

A maioria das câmeras define as velocidades


do obturador automaticamente através de
medições na própria câmera. Quando a câ-
mera está definida para o modo “Auto”, tanto
a velocidade do obturador e a abertura são
selecionadas automaticamente pela câmera.

Quando você fotografa no modo “Prioridade


de Abertura”, você define a abertura da lente,
enquanto a câmera ajusta automaticamente a
velocidade do obturador.

Existem duas maneiras de configurar manual-


mente a velocidade do obturador:

a) Ao definir a câmera para o modo “Priorida-


de de Obturador”, onde você define a veloci-
dade do obturador e a câmera seleciona auto-
maticamente a abertura.

b) Ao definir a câmara para o modo “Manual”,


onde você define a velocidade do obturador e
a abertura manualmente.
Eu recomendo que você deixe, em algumas
situações, a câmera definir, a melhor veloci-
dade de acordo com a situação que você irá
fotografar. Eu, pessoalmente, fotografo no
modo “Prioridade de Abertura” 99% do tempo
e deixo minha câmera calcular a velocidade do
obturador para mim.

6) Como encontrar a velocidade do obturador

Você sabe como fazer para descobrir em qual


velocidade de obturador a câmera está defini-
da?

É geralmente muito fácil encontrar a veloci-


dade do obturador. Nas DSLRs que têm um
painel superior, a velocidade do obturador
esta geralmente localizada no canto superior
esquerdo:
Se você olhar através do visor, ele também
deve ser o número no lado inferior esquerdo
da tela. Na maioria das DSLRs, você não vai
ver a velocidade do obturador como uma fra-
ção de segundo - será tipicamente um núme-
ro regular. Quando a velocidade do obturador
é menordo que ou igual a um segundo, você
vai ver algo como 1 “ou 5” (o “sinal indica um
segundo).

Se você ainda não conseguiu encontrar a ve-


locidade do obturador, ajuste a câmera para o
modo “Prioridade de Abertura”, em seguida,
olhe para o visor e aponte para uma área mui-
to escura. Memorize os números na tela, em
seguida, mude para uma área muito brilhante
e veja as mudanças que numéricas. O número
que muda é a velocidade do obturador.
7-) Qual Câmera Comprar?

Essa com certeza é a dúvida que mais respon-


do por Inbox na minha Fanpage do Facebook
e pela minha lista de E-mails. Fotógrafos ini-
ciantes tem muita dúvida em relação às quais
os tipos de câmeras existentes e qual comprar
para iniciar uma carreira na fotografia ou mes-
mo dar um upgrade na qualidade das suas
fotos, no caso dos hobbistas.

Apesar da maioria de nós sabermos que o eq-


uipamento não é o elemento decisivo, quan-
do se trata de qualidade e beleza nas fotos,
para o iniciante, ter um bom equipamento que
responda rápido e de forma automática aos
seus comandos é um bom começo.

Existem basicamente seis tipos de câmeras:

1-)Cameraphones: câmeras que vem embutidas


nos celulares atuais e servem para fotografias
variadas do dia a dia, sem muitos recursos e
mais voltadas para compartilhamento em re-
des sociais;

2-)Câmeras de bolso ou compactas: muito utiliza-


das em viagens, passeios, festas, aniversários
e encontros. Possuem mais qualidade e mais
recursos do que as câmeras de celular e pos-
suem qualidade de imagem que possibilita
boas impressões. Estas são as câmeras re-
sponsáveis por
popularizar a fotografia digital;

3-)Câmeras Bridge ou Superzoom: Estas são


câmeras consideradas no meio termo entre as
câmeras de bolso e as profissionais. Apesar de
possuírem maiores controles sobre o resultado
final ainda não é possível a troca de lentes e
seus sensores não produzem boas fotografias
quando a situação é de pouca luz;

4-)Câmeras DSLR’s: São câmeras digital que


permitem o total controle das suas configu-
rações garantindo que seja atingido o resul-
tado esperado caso o seu dono domine suas
funções.

Dentro desta categoria existem as câmeras de


entrada, que são mais baratas até as câmeras
full frame que tem sensores maiores e são lar-
gamente utilizadas pelos profissionais.

5-)Câmeras Mirroless: Um meio termo entre as


compactas e as DSLR’s. possuem qualidade
superior com um tamanho mais compacto.
Muitos profissionais já utilizam este tipo de
câmera nos seus trabalhos, por serem mais
práticas.

6-)Câmeras Médio Formato: São câmeras que


usam sensores muito grandes e produzem
fotografias de extrema qualidade. Este fator as
torna muito caras, custando em alguns casos,
dezenas de milhares de dólares. Não sei se é
o seu caso pensar em ter uma câmera des-
sas, visto que provavelmente você ainda está
começando e quer saber qual câmera com-
prar, mas o meu não é, portanto, não vou me
estender sobre este tipo de câmera.
Minha Recomendação: Para quem está iniciando
na fotografia e quer aprender a ajustar uma
câmera, quer ter imagens de qualidade e já
quer iniciar uma carreira, realizando trabalhos
iniciais como fotografia de aniversários, en-
saios externos simples e eventos em geral,
recomendo que adquira uma DSLR de entra-
da. Elas têm um valor bem em conta frente
ao que oferecem e podem ser adquiridas
em quase todas as lojas de eletrônicos e nos
grandes portais brasileiros, podendo ter seu
pagamento dividido sem juros. Encare como
um investimento para iniciar os estudos que
te ajudaram a começar a sua carreira na fo-
tografia. Seguem abaixo os modelos que eu
recomendo tendo como referencia as marcas
mais utilizadas pelos fotógrafos profission-
ais e amadores. As câmeras abaixo entregam
basicamente a mesma qualidade com poucas
diferenças entre elas.

O principal benefício de uma câmera de entra-


da é a possibilidade de poder configurar man-
ualmente os três pilares da fotografia digital,
que abordarei nas próximas dicas: O ISO, a
velocidade do obturador e a abertura do dia-
fragma!

Observação: Comprar uma câmera usada é


uma ótima opção para quem está começando.

Lembre-se sempre de testar todos os coman-


dos, de preferencia leve um amigo ou amiga
que entenda um pouco mais para te ajudar.
- Linha de Entrada da Canon:

• Canon T5
• Canon T5i
• Canon T6i

-Linha de Entrada da Nikon

• Nikon D3100
• Nikon D3200
• Nikon D5100

Figura 1:
Câmeras de
entrada da
Nikon e Canon
8-) Qual Lente Comprar?

A pergunta da dica número 2 em 99,9% das


vezes acompanha a pergunta da dica número
1.

Essa é fácil de responder.

A maioria das câmeras DSLR novas já vem


com uma lente na caixa, na maioria das vezes
a lente é a 18-55mm e em alguns casos vem
com a lente 18-135mm. Pra quem está come-
çando ou mesmo para quem já tem certo co-
nhecimento, dá pra “brincar” muito com essas
lentes, elas tem uma qualidade muito boa e
com o tempo você vai aprender a fazer fotos
ótimas utilizando estas duas meninas!

Caso sua câmera DLSR não venha com lente


(existe a opção de se comprar só o corpo)
você vai precisar adquirir uma lente, siga a or-
dem abaixo conforme você for evoluindo que
não tem erro. Estas lentes tem um valor baixo
e são perfeitas para quem está aprendendo ou
no início da carreira. Nas próximas dicas você
conhecerá mais como funciona uma lente e
quem sabe decidirá adquirir alguma outra
mais arrojada.

• Primeira Lente: 18-55mm


• Segunda Lente: 50mm 1.8
• Terceira Lente: 18-135mm ou 10-105mm
Figura 2:
Lentes de
entrada da
Canon
9-) Esqueça os “Megapixels”

Quando as câmeras digitais começaram a


se popularizar entre as pessoas as empresas
produtoras começaram a empregar o termo
Megapixel como forma de definir que uma
câmera tinha mais qualidade fotográfica do
que a outra, o que na verdade é um grande
mito. Não necessariamente quanto mais
megapixels uma câmera tem, mais qualidade
de imagem ela vai produzir. O que faz dif-
erença na qualidade da fotografia é o seu sen-
sor, uma plaquinha que fica dentro da câmera
e capta a luz para gerar a imagem.

Quanto maior o sensor, melhor a imagem.


Uma câmera com muitos megapixels mas com
um sensor ruim produz imagens ruins. A quan-
tidade de megapixels define apenas o taman-
ho da imagem e não a qualidade da mesma.
Portanto: esqueça os megapixels! :-)

Figura 3: As
diferenças de
tamanho de
acordo com a
quantidade de
megapixels
10-) O Sensor. O que é, quais os tipos e as
diferenças entre eles

O sensor é uma pequena placa que fica dentro


da câmera. Através do sensor é que as ima-
genssão captadas, processadas e gravadas.
Dessa forma, fica simples entender que quan-
to maior o sensor de uma câmera, mais luz ele
irá captar e mais qualidade será acrescentada
a fotografia.

Figura 4:
Exemplos de
sensores de
vários
tamanhos.

Figura 5:
Localização
do sensor
dentro de uma
câmera.
Como você pode notar, na figura 4, existem
vários tamanhos de sensores e cada tipo de
câmera possui um sensor adequado ao seu
uso. Para quem está começando, é importan-
te saber que as câmeras DSLR, aquelas que
trocam lente, podem ter dois tipos de sensor
e elas são divididas a partir dos sensores que
elas tem e que podem ser Sensores Full Fra-
me ou Sensores ASP-C.

Full Frame é o nome dos sensores com ta-


manho maior, que equipam câmeras mega
profissionais com valor bem caro, já os senso-
res ASP-C equipa as câmeras de entrada que
sugeri pra você na Dica 1. Eles produzem ima-
gens com bastante qualidade e normalmente
são escolhidos por quem está começando a
fotografar.

Existem outros tamanhos de sensores, maio-


res, para câmeras de médio formato para fins
específicos e bem menores, que equipam
câmeras compactas e celulares. Se você real-
mente está querendo aprender fotografia a
sério, aprender para se profissionalizar, co-
mece com câmeras com sensor ASP-C pois
o preço das câmeras com esse sensor é bem
mais em conta e as câmeras são mais leveis e
fáceis de manejar. Comece com câmeras equi-
padas com este tipo de sensor, você não se
arrependerá. Palavra de Escoteiro!
11-) Formatos de Arquivo – RAW x JPEG

Quando uma fotografia é clicada em uma


câmera digital um arquivo é gerado e arma-
zenado no cartão de memória. Existem vários
formatos de arquivos, dentre eles o mais con-
hecido: O JPEG, o formato padrão da maioria
das câmeras digitais e celulares conhecidos.
Quando a câmera gera um arquivo JPEG um
processo interno comprime este arquivo para
que ele fique mais “leve” o que leva a perda
de informações da fotografia, às vezes imper-
ceptíveis em umprimeiro momento, mas que
podem fazer diferença depois, caso a foto
seja processada e editada em softwares como
Adobe Photoshop e Lightroom.

Além do formato JPEG existe outro formato,


muito utilizado por fotógrafos profissionais e
mesmo por alguns amadores já avançados,
que é o formato RAW. Este formato de arqui-
vo permite que se tenha mais controle sobre
suas fotografia e também garante uma quali-
dade melhor no arquivo gerado. Nas câmeras
mais avançadas você tem a opção de fotogra-
far em formato RAW, que quer dizer “CRÚ”
em inglês, ou seja, a imagem não é processada
e o arquivo gerado contém todas as infor-
mações capturadas.

Entenda: a diferença entre o formato RAW


e o Formato JPEG é que em formato RAW a
imagem que é gravada no cartão de memória
é exatamente a imagem que a câmera vê,
como se fosse a imagem a olho nu, com to-
dos os seus detalhes de cores, texturas, luzes,
etc. Dessa forma, na edição, você tem mais
liberdade de processar a imagem do jeito que
quiser.

Podemos pensar da seguinte forma, imagine


que o RAW é o negativo da foto, com este
negativo você pode revelar a imagem de
várias maneiras, fazer ampliações, aumentar
o contraste, gerar uma imagem em preto e
branco, mais puxada para o vermelho, mais
puxada para o azul, etc. O resultado desta rev-
elação, deste processamento, é o JPEG. Sendo
assim A dica aqui é a seguinte: sempre prefira
fotografar em RAW para que você tenha a
imagem original e a revele quantas vezes você
quiser. :-)

Mas como tudo na vida, o RAW também tem


as suas desvantagens, basicamente duas.
Como o arquivo tem bem mais informação do
que um JPEG normal o seu tamanho é mais
ou menos 3X o tamanho de uma fotografia em
JPEG, além disso o RAW não é uma imagem
processada, ou seja, você vai precisar abrir o
arquivo com um programa de edição de ima-
gens e “revelar” a foto e gerar um JPEG – En-
sinarei isso nos próximos capítulos, só depois
disso você pode postar em seu blog ou redes
sociais.

Quais câmeras possuem o formato RAW?

Todas as câmeras DSLR podem ser configu-


radas para capturar em modo RAW, de forma
simples, pelo menu de qualidade da imagem,
confira no manual da sua câmera como re-
alizar essa configuração, é algo bem simples
de se fazer. Outras câmeras também possuem
esse formato, mas é mais comum em DSLR’s.

Figura 6:
Selecionan-
do modo de
captura RAW
em câmeras
Canon

Figura 7:
Diferença
entre JPEG e
RAW

Figura 8:
Diferença
entre JPEG x
RAW
12-) Entenda o que é o Zoom

Zoom é uma palavra quase constante quando


falamos de fotografia e lentes, sempre falamos
sobre isso, mas as vezes não temos o conheci-
mento completo sobre o que se trata na reali-
dade muito menos sobre a forma em que isso
pode impactar e influenciar as nossas fotogra-
fias mais do que simplesmente aumentar ou
diminuir a distância de um determinado tema
que desejamos fotografar.

O zoom deve ser sempre usado com cautela


já que ele influencia todos os outros parâme-
tros da câmera, por exemplo, quanto maior for
o zoom, maior deve ser também a velocidade
do obturador, já que fica mais fácil essa foto-
grafia sair tremida.

Você já deve ter reparado que os fotógrafos


profissionais quando usam lentes com grande
distância focal (grande capacidade de zoom)
geralmente tem a lente ou a câmera apoiados
em um tripé ou monope, isso não é apenas
pelo peso da lente, mas também para que te-
nha mais estabilidade e não trema na hora de
fotografar. Por isso, se você for usar um zoom
muito elevado, tenha sempre em mente que
usar um apoio para sua câmera é essencial ou
as chances da sua fotografia sair tremida são
grandes.
Figura 9:
Fotografo
com lente
zoom e
monope

Outro detalhe a se atentar quando for adqui-


rir uma câmera é em relação ao zoom digital,
que é muito inferior ao zoom ótico, já que
funciona através do sistema da câmera, que
apenas amplia a área desejada perdendo mui-
ta qualidade. Sempre que puder evite o zoom
digital.

Uma aplicação muito comum de zoom digital


é o zoom das câmeras de celulares, simples-
mente não faz diferença nenhuma dar zoom
nas câmeras dos celulares ao tirar uma foto,
na verdade o que o software da câmera faz é
ampliar e não aproximar a imagem.

A distancia focal, ou zoom, de uma lente se


mede em mm (milímetros) e as lentes apre-
sentam este valor escrito na parte de fora. Al-
gumas lentes, como a lente 50 mm, apresenta
apenas um valor, ou seja, são lentes fixas e não
fazem zoom. Outras apresentam dois valores,
por exemplo, 18-55mm, estas são lentes de
distância focal variável também conhecidas
como lentes zoom. De uma forma simplificada
quanto maior for o segundo valor em milíme-
tros de uma lente, maior é o seu zoom. Exem-
plo: uma lente 24-70 mm tem um zoom maior
que uma lente 18-55 mm.

Figura 10:
Lente Zoom
e Lente sem
Zoom(Fixa)

Figura 11:
Comparação
das distâncias
Focais(Zoom)

Figura 12:
Quanto maior
o Zoom mais
“fechado” o
ângulo do
assunto.
13-) O Que é Temperatura de Cor ou Balan-
ço de Branco

Sempre vamos fotografar alguma coisa, exis-


te uma fonte de luz que incide sobre o que
iremoscapturar, seja a luz do sol, seja a luz de
uma lâmpada, seja a luz de um flash, etc. Cada
fonte deluz dessa tem uma temperatura di-
ferente e isso influencia no resultado final da
foto, por exemplo a foto pode ficar amarelada
ou pode ficar azulada, dependendo da fonte
luz.

Para que isso não aconteça, precisamos infor-


mar a câmera sob qual luz nós estamos foto-
grafando, dessa forma ela consegue se ajustar
e faz com que as cores sejam registradas com
a sua aparência real.

Veja um exemplo da figura abaixo. Na foto


da esquerda temos uma temperatura de cor
fria, na foto do centro temos uma temperatu-
ra de cor normal, e na foto da direita temos
uma temperatura de cor quente. Quer saber
se uma fotografia está com a temperatura de
cor ou balanço de branco correto? É só olhar
as partes brancas da foto, se o “branco estiver
realmente branco”, então a foto está com a
temperatura correta.

Figura 13:
Diferenças de
balanço de
branco
Existem duas formas para garantir que você
tenha um balanço de branco correto:

1-)Fotografar em RAW: Quando você fotografa


em RAW, você guarda todas as informações
dacena fotografada e pode ajustar a tempe-
ratura quase com perfeição no software de
edição como o Lightroom, por exemplo, por-
tanto, mais um motivo para você fotografar
em RAW.

2-)Dizer pra câmera, através das suas configu-


rações, qual é a luz ambiente que está incidin-
do no momento que você está fotografando.
Procure no manual da sua câmera a forma de
mudar o balanço de branco ou temperatura
de cor. Normalmente você encontra todas as
opções que precisa como luz do sol, sombra,
tungstênio, luz de flash, etc. A opção Auto
também é apresentada e você pode usa-la
para a maioria dos casos.

O mais importante é ir testando, tirando a


mesma foto do mesmo lugar com várias con-
figurações de balanço de cor diferente, assim
você vai aprendendo qual opção mais correta
a fazer de acordo com cada situação de luz.
Faça alguns testes de campo, faça a mesma
fotografia mudando o balanço de branco e
você verá que as diferenças são bem percep-
tíveis!

Figura 14:
Exemplo de
configuração
de balanço de
branco em
câmeras
Canon
Figura 15:
Opções de
ajustes de
balanço de
branco
presente
na maioria
das câmeras
atuais.

Figura 16:
Mais um
exemplo de
fotografia com
balanço de
branco mais
frio, normal e
mais quente,
respectiva-
mente.
14-) Conheça sua Câmera e Suas Funções

Hoje em dia muitas pessoas que compram


um anova câmera nunca olham e nem leem o
manual, limitando-se a usar o botão do dispa-
rador no modo automático, ignorando que a
câmera possui muitos outros botões e funções
que devem ser conhecidos para que possam
ser usados em situações que assim o exijam.

O conhecimento de todas as funcionalidades


da sua câmera ira ajuda-lo a fazer melhores
fotografias e a tirar todo proveito da sua câ-
mera em qualquer situação. É importante você
reconhecer o significado de todos os símbolos
e todas as funcionalidades e a forma de aces-
so as essas funcionalidades através dos menus
para altera-las de acordo com o resultado que
você deseja para a sua fotografia.

Além da câmera, o flash também tem símbo-


los e diversas funcionalidades e modos, deve
igualmente conhece-los para usar de acordo
com o momento e com o efeito pretendido.

Acesse este site abaixo sempre que quiser


saber o significado de um símbolo ou de algu-
ma sigla da sua câmera ou flash. Este pequeno
dicionário é muito útil e rápido de acessar e
pode ser uma mão na roda em momentos de
dúvida.

Acesso clicando Aqui neste link: http://resour-


ces.photomart.co.uk/common-camera-sym-
bols/
Seguem abaixo alguns exemplos de símbolos
e suas explicações que são encontrados nesse
dicionário. Os termos estão em inglês mas são
de linguagem bem simples e podem ser facil-
mente traduzidos no google chrome ou utili-
zando o google translator.
15-) Explore o mundo da fotografia manu-
al em 12 dicas

Confira estas dicas para conseguir bons re-


sultados no modo manual com uma câmera
DSLR.

Neste artigo são explicados conceitos como


sensibilidade, abertura e velocidade para
quem está dando os primeiros passos na fo-
tografia manual.

Figura 17:
Câmeras DSLR
configuradas
no modo
manual

Dispensar a ajuda das configurações au-


tomáticas siginifca que você está disposto a
entender mais sobre a sua câmera e os funda-
mentos da fotografia. Parabéns!

Quem possui uma câmera intermediária (su-


perzoom, por exemplo) também pode aprove-
itar nossas dicas, pois elas também oferecem
controles manuais para ajuste de velocidade,
abertura e ISO.

1.O que é uma câmera DSLR?

A DSLR é uma câmera digital avançada, com


vários ajustes manuais e lentes intercam-
biáveis, ou seja, que podem ser trocadas. Den-
tre outros diferenciais, é possível ver a imagem
captada pela lente no visor da câmera (“view-
finder”).

E qual a vantagem disso, se o monitor LCD


é maior? A imagem que vem direto da lente
não sofre nenhum tipo de interferência, e a
imagem exibida no monitor LCD é gerada pela
câmera.

Então o “viewfinder ótico” oferece mais fideli-


dade à imagem real.

Figura 18:
Comparação
entre os dife-
rentes siste-
mas de pré-vi-
sualização de
fotografia

Outra vantagem de se acostumar com o visor


(“viewfinder”) é que você fica mais concen-
trado na fotografia, eliminando distrações do
ambiente. Aproximar a câmera do rosto pode
parecer desconfortável no início, mas você vai
notar a melhoria de suas fotos com o passar
do tempo fotogrando deste jeito.
Figura 19:
Imagem da
parte traseira
de uma câ-
mera DSLR e
as maneiras
corretas de se-
gurar a câmera
na horizontal,
no meio, e
na vertical à
direita

2. Ativando o modo manual da câmera

Para ativar o modo manual, gire o seletor de


modo para “M”.

Figura 20:
Imagem de
câmeras com
destaque para
o indicador
“M” do modo
manual no
seletor

3. Entendendo “Exposição”

A exposição é um dos mais importantes ter-


mos na fotografia manual e seus elementos
são: sensibilidade (ISO), abertura (“aperture”)
e velocidade do obturador (“shutter speed”).

O esquema abaixo mostra resumidamente os


efeitos das diferentes configurações destes
elementos.
Figura 21:
Esquema mos-
tra os efeitos
obtidos com
diferentes
configurações
da velocidade,
abertura e ISO
da câmera

A sigla “EV”, significa Valor de Exposição


(“EV – Exposition Value”). Com o indicador do
nível de exposição de sua câmera é possível
conferir se a composição está subexposta
(muito escura), equilibrada ou superexposta
(muito clara).

Os valores negativos indicam uma imagem


subexposta, e você deve fazer com que o
sensor capte mais luz. Os valores positivos
indicam que sua fotografia está superexposta,
ou seja, você deve diminuir a quantidade de
luz captada pelo sensor.
Figura 22:
Comparativo
entre imagens
subexposta à
esquerda, com
boa exposição
no meio, e
superexposta
à direita

Fique atento! Sua câmera não sabe o que sua


mente criativa está planejando. Assim sendo,
níveis de exposição negativos e positivos nem
sempre resultam em fotografias ruins. As vez-
es a sombra ou luz em excesso é intencional.

Figura 23:
Fotografia de
uma rosa com
a técnica low
key à esquer-
da, e de um
bebê com a
técnica high
key à direita

4.Entendendo as medidas de abertura, velocidade


e ISO

Inicialmente, há uma definição importante


que você deve entender: imagem é luz. Enx-
ergamos porque a luz é refletida no ambiente
e nos objetos e esta luz refletida chega em
nossos olhos. Se não há luz alguma, não enx-
ergamos nada. Por isso quando o assunto é
fotografia, medidas e configurações sempre
estão relacionadas de alguma maneira à luz.
5.Entendendo as medidas: Abertura (“Aperture”)

Toda lente possui uma espécie de “barreira”


com um orifício que aumenta e diminui. A
unidade de medida da abertura é simboliza-
da pelo “F”. Para aumentar o tamanho deste
orifício diminua o valor “F”, e para diminuir o
orifício aumente o valor “F”.

No esquema abaixo, mostramos os efeitos


de uma pequena abertura (F/16) e de uma
grande abertura (F/2.8).

Figura 24:
Esquema
ilustrado que
mostra os
efeitos das
pequenas e
grandes
aberturas

Uma grande profundidade de campo resulta


uma fotografia nítida em toda sua área. En-
quanto que uma pequena profundidade de
campo resulta uma fotografia parcialmente
nítida.

6.Entendendo as medidas: Velocidade (“Shutter


Speed”)
A captura de uma imagem em câmeras dig-
itais é feita por um sensor. Este sensor fica
escondido atrás de uma “cortina” (obturador)
que tampa a luz.

Quando disparamos a foto, esta “cortina” abre,


permanece aberta durante X segundos, e de-
pois fecha. Este valor X é a velocidade (“shut-
ter speed”).

Na câmera, os valores da velocidade são


definidos por frações. Por exemplo, “4/1 =
4 segundos”, e “1/125 = 0,008 de segundo”.
Pode parecer insignificante, mas frações de
segundo fazem uma grande diferença nas im-
agens. Confira o esquema abaixo.

Figura 25:
Esquema
mostra o
funcionamento
do obturador
e como suas
diferentes
velocidades
afetam a
fotografia
7.Entendendo as medidas: ISO (Sensibilidade)

A sensibilidade do sensor da câmera é medida


em “ISO”. Quanto maior o valor ISO, o sensor
fica mais sensível à luz (capta mais luz). Quanto
menor o valor ISO, menos sensível (capta menos
luz). Este tipo de medição é uma herança das
câmeras tradicionais de filmes, pois o sensor
simula a sensiblidade dos padrões dos filmes.

Para ambientes escuros, devemos utilizar


ISOs maiores para captar mais luz (ISO 400
a 6400), enquanto que em ambientes bem
iluminados, devemos utilizar valores menores
(ISO 50 a 400).

Observe na imagem da ponte, que a imagem


obtida com ISO 3.200 apresentou granulação.
Garanta a qualidade de suas imagens optando
por valores menores.
8.Preparando para fotografar

O que devo configurar primeiro: sensibilidade


(ISO), abertura ou exposição? Isso vai de-
pender do seu objetivo. Caso a fotografia seja
esportiva, você precisa primeiro configurar a
velocidade do obturador e então avaliar quan-
to de ISO e abertura utilizar. Se a fotografia
for de pessoas em um ensaio de gestante, por
exemplo, você deve definir a abertura e depois
ajustar ISO e Velocidade de acordo com a sua
escolha.

Confira a seguir, dicas de como definir a con-


figuração prioritária para cada tipo de sessão.

9.Prioridade – Velocidade do obturador

Vamos considerar que haja movimento em


uma cena. Se você deseja captar o movimento
na imagem, com uma leve “mancha” no objeto
que está se movendo, você deverá optar por
velocidades menores (tempos de exposição
mais longos).

Figura 26:
Esquema para
fotografar
objetos em
movimento,
com priorida-
de para
velocidade

E para captar uma imagem congelada, você


deverá utilizar velocidades maiores (tempos
de exposição mais curtos), como a velocidade
1/125 de segundo.

E quando não há movimento na cena? Se os


objetos não estão se movendo, você poderá
usar velocidades menores e ainda obter im-
agens nítidas, contando com a liberdade de
aumentar a profundidade de campo, diminuin-
do a abertura.

Depois de configurar a velocidade, ajuste a


sensiblidade (ISO) e a abertura.

10. Prioridade - abertura

Use aberturas menores (diafragma mais fecha-


do) para obter imagens com maior profundi-
dade de campo, ou seja, captar nitidamente os
objetos que estão perto e longe.

Figura 27:
Esquema para
fotografias
com maior
profundidade
de campo, uti-
lizando aber-
turas menores

Utilize aberturas maiores (diafragma mais


aberto) para fotografias com menor profundi-
dade de campo. Neste tipo de imagem o que
está mais perto fica mais nítido, e o que está
mais longe menos nítido.
Figura 28:
Esquema
didático para
fotografias
com menor
profundidade
de campo

Após definir a abertura, configure a sensibli-


dade (ISO) e a velocidade.

11.Prioridade – Sensibilidade (ISO)

Valores ISO maiores que 400 devem ser evita-


dos. Até esse valor é possível obter boas ima-
gens com baixo nível de ruído (granulação).

Mas porque as câmeras têm sensores com ISO


maiores que 6400, se as fotografias com alto
ISO ficas granuladas? Quando a iluminação é
precária, utilizar sensibilidade (ISO) alta pode
ser o único recurso para obter boas imagens,
principalmente quando você não pode di-
minuir a velocidade nem aumentar a abertu-
ra para captar mais luz. Além disso, câmeras
avançadas permitem fotografar com ISO su-
perior a 1.600 com excelente qualidade.

Figura 29:
Esquema para
fotografar
em condições
precárias de
iluminação
utilizando alta
sensibilidade
Primeiro, configure sua câmera para a ISO 400
e configure a abertura e a velocidade. Se a
imagem ainda ficar escura (subexposta), au-
mente a ISO e teste novamente, optando pela
menor sensibilidade que conseguir, para evitar
a granulação (ruído).

12.Balanceamento da abertura e da velocidade

É possível obter um mesmo valor de ex-


posição, balanceando a abertura (F) e a ve-
locidade do obturador, proporcionalmente, de
acordo com a tabela abaixo.

Figura 30:
Tabela de ba-
lanceamento
entre abertura
e velocidade,
de um deter-
minado valor
de exposição

Duas configurações diferentes, mesmo com


valores de exposição iguais, resultarão em
duas imagens diferentes. Isto porque veloci-
dades mais rápidas deixam a fotografia com
o aspecto “congelado” e aberturas maiores
diminuem a profundidade de campo.

Por outro lado, velocidades menores dão o


aspecto de movimento e aberturas menores
com maior profundidade de campo.
Na prática, basta ter noção desta relação, não
é preciso decorar. Fique de olho no medidor de
exposição de sua câmera e opte pela configu-
ração que melhor atende a sua necessidade.

Testando seus conhecimentos!

Acesse agora mesmo o simulador SLR Cam-


eraSim para testar seus conhecimentos sobre
sensibilidade, abertura e velocidade.

Na primeira coluna, você escolha as condições


de iluminação (“Lighting”), distância do obje-
to (“Distance”) e distância focal/zoom (“Focal
Length”). Na coluna do meio escolha o Modo
Manual! E na coluna da direita, configure a
sensibilidade (“ISO”), abertura (“Aperture”) e
velocidade do obturador (“Shutter”).

Figura 31:
Simulador
de fotografia
com ajus-
tes manuais
de abertura,
sensibilidade e
velocidade
Não se esqueça de verificar o nível de ex-
posição de sua imagem. Para fotografar clique
no botão “Snap photo”. Divirta-se!

Simulador de fotografia com ajustes manuais


de abertura, sensibilidade e velocidade

O momento que você decide fotografar no


modo manual é um divisor de águas. Você
deixa de aceitar o que sua câmera “faz por
conta própria” e passa a ter domínio sobre os
resultados.

Investir em conhecimento e estudo é tão


importante quanto investir no equipamento
correto.

E agora que você já possui uma DSLR, faça


sua aquisição valer a pena!
16-)6 dicas para saber se você é um bom
fotógrafo

Como você define um bom fotógrafo? Alguém


que faça fotos que você jamais imaginaria
fazer? Alguém que já tem a imagem pronta na
cabeça muito antes de sair para fotografar?

Alguém que tenha um equipamento fotográfi-


co mais caro que um carro?

Para saber se você é um bom fotógrafo, confi-


ra se você se enquadra nas descrições abaixo:

1. VOCÊ DELETA MENOS FOTOS POR RAZÕES TÉCNI-


CAS

Há uma grande diferença entre ser um bom


fotógrafo e ser um fotógrafo tecnicamente
proficiente. Você pode conhecer todas as
funções da câmera, mas saber se posicionar
para pegar a melhor luz e a melhor com-
posição é outra coisa.
Dito isso, bons fotógrafos geralmente tem o
lado técnico menos aflorado no sentido de
que aqueles que fazem boas fotos geralmente
ajustam as funções do equipamento automati-
camente. Eles sabem, sem precisar pensar e
analisar, qual é a melhor abertura e velocidade
para determinado momento, por exemplo.

Quando você se torna um bom fotógrafo,


você começa a excluir menos fotos por causa
de tremor de câmera digital, má iluminação,
foco ruim...

Ao lugar disso, você vai começar a rejeitar


imagens por questões mais estéticas, seja
por uma má composição, pela a expressão do
modelo, ou pelo timing do disparo.

2. VOCÊ NÃO SE IMPORTA COM QUAL CÂMERA VAI


FOTOGRAFAR

Só para corrigir: é claro que você provavel-


mente tem interesse em usar um bom equi-
pamento, afinal, você precisa das ferramentas
certas para o seu trabalho.

Mas apesar de comprar as melhores DSLRs


que você pode comprar, um bom fotógrafo já
fica feliz em registrar imagens de uma câmera
de celular, por exemplo.

É clichê dizer isso, mas é verdade: se você der


uma DSLR profissional a um fotógrafo ruim, ele
vai continuar fazendo fotos ruins, mas se der
uma câmera simples e barata a um bom fo-
tógrafo, as imagens vão continuar interessantes.
3. VOCÊ FICA COM RAIVA QUANDO NÃO TEM UMA
CÂMERA COM VOCÊ

Não estamos sugerindo que você tenha prob-


lemas temperamentais, mas sim das chances
que você pode perder de fazer uma imagem
incrível e não ter uma câmera em mãos.

Todos nós já passamos por isso um dia: estar


no caminho para o trabalho, ou para a aula e
o mundo te dá condições de iluminação per-
feitas para uma foto que você só pode fazer
se tiver uma câmera à disposição. Caso con-
trário, a situação pode ser bem frustrante.
Felizmente a maioria de nós tem câmeras nos
celulares que nos permitem essa facilidade.

4. VOCÊ SE PREOCUPA COM A ILUMINAÇÃO

Um bom fotógrafo se preocupa com a luz


durante todo o tempo. Qual é a qualidade
dela, qual é a cor, a temperatura, de onde está
vindo e qual a intensidade...
Se a iluminação não está em uma qualidade
boa o suficiente, como melhorar as condições?

Quais ajustes eu posso dar à minha câmera


para que a exposição seja mais útil para a ima-
gem que eu quero?

Esses são alguns dos questionamentos feitos


por bons fotógrafos.

5. VOCÊ SELECIONA MELHOR AS IMAGENS QUE VAI


MOSTRAR ÀS PESSOAS

Ter a capacidade de editar a própria coleção


de fotos e selecionar as melhores das medi-
anas pode ser difícil.

Os fotógrafos, como pessoas, não estão na


melhor posição para olhar o próprio trabalho
com objetividade e é difícil separar as imagens
das emoções vividas no momento do ensaio,
por exemplo.
Compartilhar quase todas as imagens que
você faz quando está começando na carreira
pode ajudar a te desenvolver como um profis-
sional, desde que as críticas que você receba
sejam construtivas e úteis para o futuro.

Mas quando você se torna um bom fotógrafo,


você vai ter um senso crítico mais apurado e
vai saber separar melhor as imagens que vão
entrar no seu portfólio.

Você vai ter mais habilidades para filtrar as


fotos realmente boas e criativas daquelas que
são apenas agradáveis.

Na verdade, bons fotógrafos geralmente tiram


mais fotos de um objeto específico do que
fotógrafos medianos, mas ficam mais insatis-
feitos também.

6. VOCÊ DEMORA MAIS PARA FAZER UMA FOTO

Paciência e persistência são dois dos traços


presentes na maioria dos bons fotógrafos. Seja
por esperar pela luz certa, ou elementos para
uma boa composição, até a pesquisa para es-
colher a melhor posição – há várias coisas que
podem fazer você demorar mais tempo para
fazer as fotos.

Um fotógrafo inexperiente provavelmente não


vai ter tanta paciência assim e vai querer fazer
as imagens o mais rápido possível.

Mas já dizia o ditado “boas coisas aparecem


para aqueles que esperam” e não é diferente
com os fotógrafos. Dedique seu tempo para
fazer com que seu trabalho valha à pena.

Enquanto isso, fotógrafos inexperientes se


contentam em fazer fotos em situações pre-
cárias de luz pensando que um flash pode
resolver todos os problemas.
17-)3 dicas para você conhecer de vez a
escala f-stop

Já sabemos que antes de disparar a câmera


para fazer uma imagem, o fotógrafo deve
pensar em diversos fatores, como o enquadra-
mento, a iluminação e a quantidade de luz que
deve entrar na lente para atingir o resultado
fotográfico desejado. Um erro fácil de ser
cometido é deixar a cena iluminada de mais, o
que resulta em uma fotografia branca, enco-
brindo detalhes importantes da imagem.

Felizmente, as câmeras vêm preparadas para


contornar esse tipo de “erro” com a configu-
ração chamada de “F-Stop”. Esse ajuste pode
ser um pouco difícil para fotógrafos amadores
e iniciantes. Por isso vamos fazer uma expla-
nação desse ajuste para clarear a mente dess-
es profissionais e amadores da fotografia.

1. NÚMEROS F: O QUE SÃO?

De forma resumida, o ajuste F-Stop é uma


configuração que faz com que a câmera con-
trole a quantidade de luz que entra através da
lente. Para fazer esse “movimento”, a câmera
digital possui estruturas que imitam o com-
portamento do olho humano para registrar
uma foto com iluminação adequada. Esses
mecanismos são a íris, que vai definir a quanti-
dade de luz permitida, e a abertura, que é por
onde a luz entre de fato.

Quando a abertura está muito grande, a lente


da câmera capta muita luz. E ao contrário,
quando ela está pequena, entra pouca luz. O
número F, então, vai definir o quanto ela deve
estar aberta de acordo com a iluminação do
ambiente.

Com a escala F, é possível aumentar ou di-


minuir a quantidade de luz que será usada
parafazer a fotografia. Quando a abertura
possui um diâmetro de 20 mm, por exemplo,
significa que a área total de captura de luz é
de 314 mm2. Dessa forma, o próximo valor da
escala teria área de 628 mm2 e diâmetro de
28 mm (diâmetro anterior multiplicado pela
raiz quadrada de 2).

Pode-se pensar que caso um fotógrafo queira


muita luz, basta usar o diâmetro de 40 mm. Se
ele quiser pouca luz, é só usar a de 20 mm, ou
até mais baixo. No entanto, a escala F não fun-
ciona da mesma maneira em todas as lentes
fotográficas. As fotografias tiradas com aber-
tura de 20 mm, por exemplo, podem ter quan-
tidades diferentes de luz capturadas. Tudo vai
depender da lente utilizada.
2. COMO ACONTECE A ALTERAÇÃO DOS NÚMEROS F
DE ACORDO COM A LENTE?

A abertura vai depender da distância focal da


lente, que é o comprimento necessário entre
o sensor da câmera DSLR e a lente propria-
mente dita para focar a imagem corretamente.

Ao utilizar uma lente com distância focal de


40 mm, o fotógrafo vai precisar de uma aber-
tura de 20 mm. Se ele for aumentar esse últi-
mo valor para 40 mm, ele vai precisar de uma
lente maior, com distância focam de 80 mm.
Aí já vemos que o tamanho da abertura não é
o único fator que vai determinar a quantidade
de luz a ser capturada por uma câmera.

Vale lembrar que diferentes configurações de


distância focal e abertura podem decorrer na
mesma quantidade de luz capturada.

A escala F, então, possui três valores difer-


entes: o diâmetro da abertura (D), a distância
focal (F) e o F-Stop, que é a quantidade de luz
capturada pela relação entre os dois primeiros
valores. Uma fórmula matemática que repre-
sentaria bem essa escala seria F/D = x. Com
essa fórmula é possível calcular o diâmetro:
com a distância focal de uma lente e com a
quantidade de luz que se quer capturar, po-
demos aplicar esses valores à fórmula F/x = D.

3. COMO MEMORIZAR A ESCALA F-STOP

A escala F-Stop é apresentada nas câmeras


da seguinte maneira: f/2, f/1.4 e assim por di-
ante...

É importante compreender que quanto menor


for o valor do F-Stop, maior é o diâmetro de
abertura de uma lente. Sendo assim, quanto
menor for o F-Stop, mais luz a lente vai captu-
rar.

Continua difícil de memorizar a escala? Há um


truque! Primeiro, escreve só os valores inteiros
da escala, como por exemplo: 1, 2, 4, 8, 16 e
32. Depois, a fim de definir os valores inter-
mediários, é só repetir o primeiro número e
dobrar o segundo, dessa forma: entre o 1 e 2,
fica 1.4. Entre o 2 e o 4, fica 2.8...

Dessa forma, podemos ver que quando se


desce na escala F-Stop, aumenta a abertura.
Já ao subir na escala, a abertura diminui. É de
acordo com essas funções que se estabelece
o que chamamos de lente rápida, que é quan-
do a lente permite uma grande abertura. Da
mesma forma que uma lente lenta usa abertu-
ras pequenas, o que diminui a entrada de luz.

A velocidade do obturador pode ser rápida


ao usar lentes rápidas, já que mais luz entra
pela lente e, por isso, não é necessário deixar
o obturador aberto durante muito tempo. Nas
lentes lentas, a velocidade do obturador deve
ser maior, por exemplo, porque pouca luz está
sendo capturada por mais tempo e, assim, a
foto não fica escura.
Capítulo 2
Dicas de Segurança para sua câmera,
imagens e etc

18-) Faça Backup das Suas Fotografias,


SEMPRE!

Com a rápida transição da fotografia analó-


gica(em filme) para a digital temos perdido o
costume de imprimir as fotografias, montar ál-
buns, etc. Normalmente a maioria das fotogra-
fias ou está armazenada em celulares, ou nos
HD´s dos computadores e nos últimos tempos
a maioria apenas armazena nas redes sociais.

Acontece que todos estes modelos de arma-


zenamentos são falhos, podem ocorrer panes
e você perder todas as suas imagens e as
redes sociais comprimem as imagens e derru-
bam a qualidade delas tornando a impressão
de imagens baixadas de péssima qualidade.
Para guardar as suas memórias e garantir que
você guarde com segurança as suas fotogra-
fias e as transmita aos seus entes queridos e
descendentes você precisa realizar backups
recorrentes. Em se tratando de profissionais
da fotografia, este processo é obrigatório, o
profissional deve ter pelo menos 4 cópias de
segurança, imagine a gravidade de se perder
as fotografias de um casamento ou de um ani-
versário de um ano, não dá né?
Os métodos de backup mais recomendados:

Você pode realizar backups de duas formas:


de forma local ou de forma remota.

Um exemplo de backup local é o HD Exter-


no, que você pluga no computador e copia
pra lá as suas imagens e então guarda esse
HD Externo na sua casa ou, se você é pro-
fissional e tem um escritório, guarda nele.
Minha recomendação é que você tenha pelo
menos 2 HD´s externos, um para ficar só em
casa e outro para você transportar, caso você
saia muito com seu equipamento. No limite,
você precisa de pelo menos um, então faça o
backup das suas fotografias neste HD e não
saia com ele de casa. Os maiores portais de
comercio eletrônico do Brasil comercializam
estes HD´s a um preço bem em conta, que
vale o benefício da segurança de ter as suas
fotos protegidas.

Figura 32:
HD Externo
Samsung
Para Backups Remotos você pode usar sites
específicos pra esse fim, existem alguns como
o Dropbox – www.dropbox.com e o Google
Fotos – fotos.google.com . Com isso, as suas
imagens ficam armazenadas no seu compu-
tador e nos servidores destes sites, que são
gigantescos e confiáveis em relação a não
saírem do ar. Sempre existe a questão de se-
gurança e privacidade, ou seja, as suas senhas
podem ser quebradas e alguém pode aces-
sar os seus arquivos, é raro de acontecer mas
já ocorreu, portanto, evite fotos particulares,
você me entendeu :-) !

Para backups remotos, recomendo que se use


o Google Fotos(photos.google.com ) pois é
um sistema de um site gigantesco e que difi-
cilmente, eu diria nunca, sairá do ar. Ele ofe-
rece 15GB de espaço para upload de fotos e
você pode criar várias contas e utilizar para
fins diferentes como (fotosdefamilia@gmail.
com, fotosdefestas@gmail.com, fotosdeges-
tante@gmail.com, etc.).

A forma de utilizar este sistema é muito fácil,


você simplesmente seleciona as fotografias
e manda carregar e ele possui um App para
celulares IOS e Android para fazer backup das
fotos que você tira no celular. Através deste
APP você pode tanto fazer backup das fotos
do seu celular como pode ver as fotos que
você carregou do seu computador e pode
compartilhar diretamente do aplicativo para
enviar por e-mail, postar nas redes sociais, etc.
Link App Android: https://play.google.com/
store/apps/details?id=com.google.android.
apps.photos

Link App IOS: https://itunes.apple.com/


us/app/google-photos-store-search/
id962194608?mt=8

Outro serviço conhecido é o FLICKR – www.


flick.com , que hoje em dia já disponibiliza 1
Terabyte que dá para guardar centenas de
milhares de fotografias na sua qualidade origi-
nal, e o melhor é que é um serviço totalmente
gratuito.

Dica: O ideal é que você use os dois métodos


de backup para aumentar a segurança das
suas fotos, assim, em caso de roubo, incêndio,
perda do HD, perda do HD Externo, etc., você
sempre terá uma opção para resgatar as suas
fotos. Se você é um profissional ou quer se
tornar um profissional um dia você é OBRIGA-
DO a fazer estes dois métodos, pelo menos!
Outra dica quente é: Imprima suas fotografias!
Fotografias impressas e guardadas com cui-
dado podem durar séculos! Ou seja, se você
perder suas fotografias depois das dicas que
dei hoje você mereceu perde-las! :-(

Figura 33:
Logotipo do
Google Fotos

FAÇAM SEUS BACKUPS AGORA E NÃO CHOREM


DEPOIS!
19-)Cuidados com a Limpeza da Sua Câ-
mera

A fotografia externa na maioria das vezes gera


um ambiente bem extremo e nocivo para as
câmeras fotográficas. Ambientes úmidos com
pó e poeira, quentes ou muito frios, podem
comprometer o funcionamento da câmera,
especialmente as DSLR´s que tem a sua lente
trocada constantemente.

Algumas dicas são essenciais para manter a


“saúde” da sua câmera. Evite deixar a câmera
dentro de carros quando estiverem sob o sol
forte ou no verão, mesmo na sombra, o calor
pode danifica-la definitivamente e você não
quer isso, certo?

Sempre que não estiver usando a sua câme-


ra, guarde-a em uma gaveta ou armário bem
seco, de preferencia, compre aqueles produtos
que vendem no supermercado para absorver
a umidade e mofo de armários e guarde junto
na mesma gaveta.

Figura 34:
Produto anti
mofo e umida-
de, vendidos
em supermer-
cados.
De vez em quando é necessário realizar a
limpeza da sua câmera e lentes. Você pode
adquirir conjuntos de limpeza para câmeras
em qualquer loja do ramo ou na internet (bem
mais fácil). As vezes, dependendo do kit de
câmera que você compra, estes acessórios de
limpeza já vem incluídos. Os kits são seme-
lhantes aos das figuras abaixo e tem um preço
bem acessível.

Figura 35:
Kits de Limpe-
za para câme-
ras digitais.

Basta procurar no mercado livre por “Kits de


limpeza de câmeras” que vocês poderão con-
ferir uma variedade de marcas e preços, sem-
pre variando entre R$25,00 e R$45,00.

Figura 36:
Kits de limpe-
za a venda no
Mercado Livre

Limpeza da Parte Externa da Câmera:


Você deve começar a limpeza pelo “Puff”
que é a bombinha que sopra ar e vem nos kits
acima. Com este pufe você remove todas as
impurezas mais grossas e pesadas das lentes
e da câmera com o sopro do pufe ao apertá-
-lo. Depois você vai utilizar o pincel pra reti-
rar toda a poeira das juntas e cantinhos mais
difíceis de acessar.

Depois disso você utiliza o liquido de limpe-


za e a flanelinha que vem no kit para finalizar
a limpeza da parte externa da câmera. Este
liquido de limpeza geralmente é comporto por
álcool com 0% de água.

Figura 37:
Kit de Limpeza
e Limpeza Ex-
terna da Lente

Limpeza da Parte Interna da Câmera:


Para a limpeza interna, em relação ao sensor,
não faça nada, limpeza de sensor só deve ser
feita por técnicos especializados por se tratar
do componente mais caro de uma câmera e
caso alguma coisa aconteça como um arra-
nhão, etc. você pode perder ou comprometer
a sua câmera, portanto, busque um técnico
especialista neste tipo de procedimento.

No caso das lentes, deve-se seguir a mesma


forma explicada para a parte externa da câ-
mera, comece a limpar o corpo da lente por
fora e depois passe a limpar o interior, quando
limpar os elementos óticos, o “vidro” da len-
te em si, você deve usar a toalhinha seca que
vem com o kit de limpeza ou com uma camur-
ça, nunca use lenços de papel ou outros teci-
dos, NUNCA, pois eles arranham as lentes.

Outra coisa importante quando você guarda a


câmera e não a utiliza por mais de uma sema-
na é remover as baterias e pilhas, se por al-
guma desgraça elas romperem e começarem
a vazar aquele líquido venenoso dentro da
câmera o risco de avaria definitiva é enorme,
muito grande mesmo.

E por último, caso você tenha investido alto


valor em lentes, é importante que você com-
pre filtros transparentes, daqueles que você
enrosca na frente da lente, assim você protege
a lente de riscos, poeira, umidade, etc. Existem
várias marcas e modelos de acordo com o
tamanho da câmera, procure um que seja do
tamanho adequando para sua lente.
20-) Como Recuperar Fotografias Apaga-
das

Por vezes, sem querer, apagamos fotografias


ou formatamos um cartão de memória e só de-
pois percebemos que não deveríamos ter feito
isso, imagine o desespero de perceber que
você acabou de formatar 15 dias de fotografias
de uma viagem a Disney, aterrorizante, certo?

A maior parte das pessoas não sabe, mas


mesmo depois de apagar todas as fotografias
de um cartão de memória é sempre possível
recuperá-las, ou até mesmo depois de forma-
tar algum cartão digital da sua câmera isso é
igualmente possível.

No caso de apagar fotografias diretamente na


câmera, por engano, que queria voltar a recu-
perar, o primeiro passo é retirar de imediato o
cartão digital da sua câmera e não o usar mais
para fazer outras fotografias, caso contrario a
recuperação fica mais difícil ou mesmo impos-
sível. Retire o cartão da câmera e guarde-o
sem voltar a usa-lo.

Vá a um computador, desktop ou notebook,


faça o download e instale um dos softwares
listados abaixo(clique nas imagens) e faça a
recuperação total das fotografias que tinha
apagado. Os três são totalmente gratuitos e
de uso ilimitado. Lembrando que, esse proces-
so deve ser realizado logo após a fotografia
ter sido apagada ou o cartão ter sido formata-
do, senão a recuperação poderá ser compro-
metida.
21-) Formate Sempre o Seu Cartão de Me-
mória

Sempre que baixar as fotografias da câmera


ou cartão de memória a para o seu computa-
dor você deve fazer a formatação do cartão
de memória para que este fique vazio para
que possam ser tiradas mais fotografias.

A formatação deve ser feita após mover to-


das as fotografias para o seu computador e
deve ser feita sempre através do menu da
sua câmara na opção “formatar”, nunca apa-
gue as fotografias do seu cartão de memoria
através do computador, nem nunca o formate
no computador, caso o faça o resultado pode
ser erros nas fotografias quando o utilizar ou
alguma avaria permanente do próprio cartão
de memória.

Figura 38:
Formate
sempre seus
cartões de me-
mória a partir
da sua câmera
22-) Guarde os arquivos Originais, Não
Guarde as Alterações

Uma grande parte das pessoas quando baix-


am as fotografias da sua câmera para o com-
putador as abre em algum editor de imagem
para efetuar alguma edição ou tratamento,
gravam estas alterações sobre o arquivo orig-
inal. Nada poderia ser mais errado do que isso
pois, se você fez alguma alteração ou edição
que depois percebeu que não gostou ou não
ficou das melhores, você não conseguira recu-
perar o arquivo original.

Portanto, guarde sempre seus arquivos origi-


nais no seu backup no HD Externo ou HD do
próprio computador em uma pasta específica,
depois, faça uma cópia dessa pasta e então
trabalhe as fotografias que estão dentro des-
sa pasta cópia, assim, caso aconteça alguma
edição errada ou você queira recuperar os
originais, você sempre pode busca-la na pasta
que inicialmente criou e copiá-la de novo.

Essa é uma das vantagens de se trabalhar


com fotos em formato RAW, você não con-
segue nunca alterar o arquivo original RAW,
para toda edição que você faz em cima de
um RAW você precisa exportar no aplicativo
de edição para formato JPEG, tendo sempre
o original para editar e reeditar quantas vezes
achar necessário.
23-) Não Use os Efeitos da Câmera, Edite
Depois

Muitas câmeras compactas possuem hoje em


dia diversos efeitos que podem ser aplicados
diretamente no momento em que se faz a
fotografia, por exemplo preto e branco, sépia,
cores alteradas, escala de cinza, entre muitos
outros efeitos.

Um exemplo disso são as inúmeras app’s dos


smartphones que permitem aplicação direta
de filtros no momento em que faz a fotografia,
como instagram, etc. Pela minha experiência
percebi que a aplicação de filtros nas fotogra-
fias deve ser sempre ser sempre feita poste-
riormente a captura da foto.

Faça sempre as fotografias com cores normais


e aplique depois os filtros e efeitos que dese-
jar através de algum software de tratamento
de fotografia, assim poderá usar mais tarde a
mesma fotografia para aplicar diferentes filtros
e efeitos, algo que não poderá fazer caso faça
a fotografia já com um filtro ou efeito de ori-
gem aplicado no momento em que faz a foto-
grafia na sua câmera.

Figura 39:
Opções de
filtros para se-
rem aplicados
diretamente
na câmera
Figura 40:
Opções de
filtros para se-
rem aplicados
diretamente
na câmera
24-) 6 razões para você imprimir suas
fotos

A impressão de fotografias era praticamente


uma obrigação na era do negativo, pois sem
impressão não se via a foto. Hoje, com a fo-
tografia digital, pouquíssimo se imprime de
fotos, ficando nossos álbuns e memórias em
redes sociais. Mas será que existe ainda algum
bom motivo para imprimir fotos?

1.Faz de você um editor melhor


Quando você imprime uma foto e segura ela
em suas mãos, você começa a perceber de-
talhes que talvez não tenha notado no seu
computador ou na tela da câmera (ou celular).
Manchas no céu ou poeira não ficarão legais
na imagem impressa (o que pode passar
batido na digital). Você começa a perceber
o benefício dar zoom em sua imagem para
inspecionar as áreas problemáticas. Também
começa a prestar mais atenção ao seu histo-
grama, e assim por diante.
2.Faz você um fotógrafo melhor
Quando você imprime, especialmente em
grandes tamanhos, todos os problemas técni-
cos com as suas fotografias serão amplifica-
dos. Postar fotos no Instagram nos dá muita
margem de manobra, e às vezes coisas impor-
tante não ficam visíveis. Telas pequenas não
permitem que todos os detalhes sejam revela-
dos. Pode ser um detalhe bonito ou problemá-
tico. Isso vai aparecer na impressão.

A próxima vez que você pegar sua câmera,


você estará pensando “vou tentar conseguir
isso direito aqui na câmera”. Porque arrumar
seus problemas mais tarde no Photoshop nem
sempre será tarefa fácil. Às vezes não é possí-
vel, então é melhor não dar uma de preguiçoso.

O Photoshop é uma ferramenta incrível e


alguns artistas usam-na como um meio para
criar obras de arte incríveis, mas se você esti-
ver usando como uma muleta para polir coisa
ruim, você está fazendo isso errado.
3.Isso te inspira
Imprimir uma foto, depois de cuidadosa sele-
ção, libera endorfinas. Deixando toda a ciên-
cia de lado, isso te faz sorrir. Faz querer sair e
criar mais imagens que você possa imprimir
em tamanhos grandes e se orgulhar.
Fotografar, editar, imprimir, repetir – é sempre
um novo ciclo de felicidade.

4.Faz você rever boas fotos antigas


Especialmente se você está apenas começan-
do na impressão e tem um enorme catálogo
de imagens, é muito divertido rever antigos ar-
quivos. Quando você se depara com uma joia
rara de 5 anos atrás e, finalmente, a imprime, é
uma grande satisfação.
5.Imprimir traz suas fotos à vida – para sempre
Antes de começar a imprimir, há todo um ri-
tual: fazer as fotos, editar, postar no Facebook,
Instagram, qualquer coisa que seja, talvez no
blog, e então fim: as imagens ficam no esque-
cimento depois do show online.

Depois de tanto trabalho duro, paciência e de


ter sair por um bom tempo perseguindo a me-
lhor luz do sol e, finalmente, conseguindo o sol
perfeito no local perfeito, apenas para deixar a
foto guardada no HD… Isso é meio triste. Im-
prima o que você mais gosta para sempre ter
à mão.

6.Em última análise: é uma satisfação


Quando você vê todo o trabalho duro e dedi-
cação no papel impresso, você se sente bem.
E com o tempo isso se torna um vício… “O que
irei imprimir depois?”. É muito divertido.

Estas fotos são coisas tangíveis e você pode


dar aos parentes, vender para os clientes, ou
pendurar em sua parede. Vemos pixels todos
santo dia. É delicioso olhar para uma fotogra-
fia impressa.
25-)5 dicas para proteger sua câmera em
climas intensos

Sim, fotografia ao ar livre depende do humor


da natureza. Claro que é possível fazer boas
(ótimas!) fotos na rua, na chuva, na fazenda
ou numa casinha de sapê. Mas e a câmera?
Como fica no meio de tudo isso?

Alguns componentes da câmera são extrema-


mente sensíveis e é preciso tomar cuidados.
Tanto água, quanto areia e também tempe-
raturas extremas podem danificar o equipa-
mento. Seguem abaixo 5 dicas de como me-
lhor proteger os equipamentos em diferentes
ambientes climáticos.

1. Umidade
Tanto com chuva ou com umidade do ar in-
tensa, condições de umidade são o inimigo
número 1 de sua câmera. E também de flashes,
lentes e outros acessórios. E o mofo adoram
umidade. Tenha uma capa de chuva e prote-
ção para sua câmera. Há versões descartáveis
e reutilizáveis. Se pressa, um saco plástico de
mercado, que não seja biodegradável, ajudará.

Certifique-se de todas as portas de borracha co-


brindo entradas da câmera (como entrada para
cabos de transmissão, etc) são seladas. Mante-
nha um pano limpo e seco à mão para enxugar
a água que se condensa no lado de fora da
câmera. Mantenha pacotinhos de sílica gel onde
você guarda sua câmera (assim como produtos
antimofo que vem em potes fechados). Isso vai
reduzira a umidade e o risco de mofo.
2. Chuva
Pior cenário: se cair água dentro da câmera, aí
todo cuidado é pouco. Remova a lente e ten-
te observar quais as peças molharam. Retire
a bateria e cartão de memória, abra todas as
portas e demais dobras. Coloque a câmera
virada para cima e as lentes viradas para baixo
perto de uma fonte de calor (não muito quen-
te, é claro) para permitir que a água se eva-
pore através das aberturas. Acessórios menos
sensíveis (como a tampa da lente, alça de te-
cido) podem ser colocados num saco de arroz
seco que vai absorver o excesso de umidade.
O quanto antes você puder levar a câmera ao
técnico, melhor.
3. Calor ou frio intenso
A maioria das câmeras trabalham entre -10 e
40°C. Isso é por causa das baterias – os pro-
dutos químicos dentro delas deixam de fun-
cionar corretamente quando chegam a tem-
peraturas extremas. Para evitar esse problema,
manter uma bateria extra num local com
temperatura controlada. Se você está foto-
grafando num lugar muito frio, mantenha uma
em seu bolso para ser aquecida pelo calor de
seu corpo. Já no calor, a bolsa da câmera deve
proporcionar sombra adequada para manter
uma bateria fria o suficiente para funcionar.
Nunca mantenha a câmera virada para cima
na luz solar direta. A lente pode agir como
uma lupa e concentrar os raios do Sol em sua
câmera, queimando um furo no obturador e,
eventualmente, no sensor de imagem.

4. Areia
Esta é provavelmente a causa mais comum
de mau funcionamento de um equipamento,
mais ainda que a umidade. Todo mundo quer
levar sua câmera para a praia (ou talvez para
o deserto). Mas saiba: a areia chega em todos
os lugares. Na melhor das hipóteses, ela pode
ficar presa dentro da lente e causar imagens
manchadas. Na pior das hipóteses, ela vai ficar
dentro das engrenagens e severamente danifi-
car peças móveis, tais como o obturador ou o
motor de autofoco; ou riscar a lente, o sensor,
etc. A areia é uma inimiga perigosa das câme-
ras. De todas elas, profissionais e compactas.

Certifique-se que as juntas de borracha na sua


câmera são muito bem fechadas e sempre
guarde seu equipamento dentro de um saco
fechado, afastado da areia, quando não esti-
ver em uso. A capa de chuva como proteção
também pode ajudar a manter sua câmera
livre de detritos. Se a areia ficar dentro ou fora
do equipamento, não limpe com um pano.
Isso pode piorar a situação e arranhar os com-
ponentes (ou a lente). Em vez disso, use uma
bombinha de ar de mão. Evite ar comprimido
que é muito fortes e contêm produtos quími-
cos que podem causar danos. Se você não
tem outra opção, você pode assoprar, mas
tenha muito cuidado para não acabar atirando
partículas de saliva.

5. Vento
Um vento forte, além de trazer o item anterior
– a areia – pode soprar um tripé e jogar sua
câmera cair no chão, causando danos incalcu-
láveis. Em um dia com ventanias, que precisar
do uso do tripé, utilize pesos para manter ele
estável. Pode ser desde um peso de chumbo,
um saco de areia bem fechado, um saco de
pedras, etc. No mau tempo, é possível fazer
boas fotografias. Apenas certifique-se que
você está cuidando de seu equipamento ao
mesmo tempo em que fotografa.
Capítulo 3
Dicas de Inspiração

26-) 5 exercícios para você se apaixonar


pela fotografia

No meio da rotina, na correria do dia a dia,


pode ser que o fotógrafo habitual perca um
pouco aquela paixão do início na fotografia.
Pode haver também aqueles que estão des-
confiados, que não sabem se vão gostar de
fotografar. O site 500px listou 5 dicas de fo-
tografia para se apaixonar pelo fazer fotográf-
ico. As dicas são ilustradas com belíssimas
fotos de Luis Valadares, fotógrafo de Portugal
que tem o projeto de 365 dias chamado “Love
Photography”.
1. Leve a sua câmera em todos os lugares por 1
semana, sem enganação
Quando dizemos em todos os lugares, quere-
mos dizer em todos os lugares. A menos que
você esteja no chuveiro ou dormindo, a ideia
é não ficar sem sua câmera por uma semana
inteira.

Quantas vezes você foi testemunha de um


momento bonito (ou simplesmente uma luz
bonita enquanto andava na rua), mas você
decidiu não fotografar, porque você só tinha
o seu smartphone com você? Durante uma
semana – ou um mês, se você for corajoso –
não fique sem sua câmera. Quando aparecer a
luz perfeita, quando o momento decisivo ou a
inspiração chegar, você terá suas ferramentas
com você.

2. Faça uma foto do mesmo assunto todos os dias


durante um mês
Essa dica de fotografia é ótima, pois pode
até se transformar numa série. Tente fotogra-
far o mesmo assunto todos os dias durante
o tempo que você preferir. O desafio inicial é
no mínimo uma semana. Mas o ideal seria um
mês. Fotografando o mesmo assunto todos os
dias você se força a ser mais criativo e ir além
das composições padrão e ângulos manjados.

3. Trocar de câmera/sistema
Na fotografia existe algo que pode ser chama-
do de Síndrome da Aquisição de Equipamen-
tos. Quando você está com pouco dinheiro,
aquele pequeno sobressalto de excitação que
vem com a compra de uma nova câmera, lente
ou acessório pode fazer falta.

A ideia aqui é tentar usar outra marca ou


sistema. Por exemplo, trocar a Canon pela
Sony. Ou uma analógica Pentax por uma Fuji.
Ou mesmo fotografar com o smartphone. Um
novo sistema de câmera vai fazer você apren-
der novas coisas, criar a fotografia de uma
forma diferente.
4. Fotografe com smartphones ou câmera point-
and-shoot apenas por um mês – e compartilhe
uma foto por dia
Os benefícios de limitar-se usando sistemas
automáticos não são exagerados, óbvio. Mas,
durante um mês, faça o exercício de fotogra-
far usando apenas o seu smartphone ou um
câmera compacta de baixo custo. Mas não é
apenas isso. Desafie-se a capturar algo bom o
suficiente para ser compartilhado a cada dia
do mês.

Você vai se perceber recorrendo muito mais


fortemente à composição, luz, cor, forma,
textura – e as coisas que realmente importam
na fotografia quando você não pode confiar
em longas exposições, filtros sofisticados ou
truques de pós-processamento pesado.
5. Imite um fotógrafo diferente a cada semana
durante um ano
Dizem que a imitação é a forma mais sincera
de elogio. E essa dica de fotografia fala disso,
mas vamos deixar bem claro: é pra imitar o es-
tilo do fotógrafo, não plagiar a foto, ok? Todas
as semanas durante um ano, escolha um fo-
tógrafo diferente que você admira e tente co-
piar o estilo de captura dele, a forma de olhar.
Será um exercício intenso de criatividade e um
aumento considerável da sua referência visual.
Até o final do ano, você terá capturado e com-
partilhado 52 imagens em 52 estilos e, além
do mais, pode acabar descobrindo muito mais
do seu próprio estilo.
27-)7 dicas para encontrar inspiração fo-
tografando perto de casa

Não é preciso viajar para aprender a apreciar


os lugares. Com um olhar de observador você
pode encontrar coisas incríveis na sua própria
cidade. Às vezes o local onde você mora ou
proximidades podem ser fotograficamente
muito ricos. Lugares onde você poderia fazer
aquele mesmo tipo de foto que faz você pen-
sar “ah, como eu queria viajar para lá”.

1.O que você recomendaria a um visitante?


Se outro fotógrafo estava vindo para sua ci-
dade e quer saber lugares para ir, o que você
recomendaria? Talvez seja este o mesmo local
onde você poderia fotografar. Tente olhar para
sua localidade a partir do ponto de vista de
um visitante.

2. Como encontrar um lugar legal para fotografar


Deve haver algo único ou diferente onde você
mora. Observe a história da sua cidade ou sua
região. Veja se você pode descobrir mais so-
bre um evento que aconteceu lá. Use a história
como a sua motivação para a fotografia.

3. Edifícios e casa abandonadas


A maioria da cidade tem construções muito
antigas que podem dar ótimas fotos. Tanto
clicadas de fora quanto se pudermos entrar lá.
E podem ser lugares abandonados também.
Lugares que tem uma história para contar.
Pense nos lugares que você acha comuns, até
mesmo chatos por que passa por lá todos os
dias: estes podem se tornar interessantes ape-
nas mudando a forma de percebê-los.
4.Até onde você está disposto a viajar?
Marque um círculo no mapa planejando para
onde você estaria disposto a viajar por um dia.
Pense, por exemplo, você pode está prepara-
do para viajar por duas horas para chegar a al-
gum lugar – como a zona rural da sua cidade.
Ou você também pode viajar 15 minutos para
qualquer direção. Com esse simples planeja-
mento, você terá o foco no que irá fotografar
e tirar o máximo do local.

5.Descubra a história do lugar


Localidades podem ter histórias que não
conhecemos. Às vezes, uma conversa com
comerciantes locais ou vizinhos pode revelar
para você coisas que não estão nos livros de
história. O que torna aquele lugar importante
para as pessoas que vivem lá? Por que eles
ficaram? Ou mesmo: por que você vive lá? As
respostas a todas estas perguntas irão ajudá-
lo a encontrar alguma história, o que pode
colaborar muito para sua fotografia.
6. Você pode tirar fotos com a melhor luz do dia
Uma vantagem é poder fotografar no melhor
tempo do dia para o tipo de imagem que você
quer fazer, escolher a iluminação perfeita para
a foto que quer criar. Você mora perto, então
pode voltar quantas vezes precisar.
7. Experimente diferentes técnicas
Você pode tentar um monte de diferentes
técnicas para tirar as fotos. Outros ângulos ou
em outras condições de tempo. Você pode
tentar tipos mais experimentais da fotografia;
está livre para criar e explorar tanto o local
quanto as possibilidades da sua câmera. Toda
vez que for ao mesmo lugar, tente fotografar
de uma forma diferente.
28-)5 dicas para começar na Fotografia
Macro

A fotografia macro traz aos olhos pequenos


mundos que estão a nossa volta, mas não te-
mos o costume de observar. A ideia deste tipo
de fotografia é ampliar, como quando usamos
uma lupa, e mostrar detalhes nítidos de coi-
sas muito pequenas – como insetos e plan-
tas. Uma aranha pequenina pode parecer um
grande monstro se fotografada de perto.

Qualquer câmera pode fazer fotografia macro.


Se você gosta de câmeras de filme, é possível
fazer a tentativa inclusive com elas. No mundo
digital, até mesmo as câmeras compactas e
as de smartphone tem um modo macro. Mas
o interessante mesmo é fotografar no modo
manual, possível em câmeras como DSLR e
mirrorless, entre outras. Vamos às dicas:
1.Use um f-stop de no máximo f/16. Isto irá
manter o assunto principal em foco.

2.Fotografar macro significa captar uma pro-


fundidade de campo rasa. O fundo ficará fora
de foco. Isso chamará a atenção para o assun-
to, além de criar um atraente efeito de fundo.
3.A fotografia macro, especialmente na natu-
reza, é sobre o objeto. Para insetos, é preciso
registrar os olhos, corpo e pernas. Para flores,
o foco é o centro. Para capturar uma imagem
ao ar livre, tente achar um local onde haja me-
nos influencia do vento. Use a velocidade do
obturador mais rápida possível.
4. Fotografia macro ao ar livre é melhor em
dias claros ou nublados. Especialmente nos
dias nublados, a iluminação é uniforme graças
à difusão das nuvens. Se a iluminação não for
ideal, você pode considerar um flash dedicado
ou acessórios para iluminar o objeto.

5. Não conte sempre com foco automático.


Alguns fotógrafos recomendam apenas usar
o foco manual. Suas imagens ficarão cada vez
mais nítidas o quanto mais você praticar o
foco manual. Quanto mais prática, maior con-
trole sobre o foco.
29-) 10 Dicas Para Tirar Fotografias Muito
Melhores de Animais

Como faço para tirar fotos de animais? Esta


é, muitas vezes, uma das primeiras pergun-
tas que fotógrafos iniciantes querem saber. A
maioria das pessoas têm animais de estima-
ção ou pássaros em seu quintal, por isso, não
há necessidade de se aventurar muito longe
de casa para encontrar um animal adequado
para fotografar.

Isso faz dos animais um dos melhores temas


para um fotógrafo iniciante, afinal, ele pode
aprender como usar sua câmera DSLR e con-
seguir fotos de animais incríveis. Aqui estão
as nossas melhores dicas para fotografar ani-
mais.

Quer se trate do animal de estimação da famí-


lia, animais no zoológico ou em estado sel-
vagem, a técnica para fotografá-los é basica-
mente a mesma.
1. QUAL É A MELHOR LENTE PARA FOTOS DE ANI-
MAIS?
Você definitivamente vai precisar de uma lente
zoom telefoto para suas fotos de animais. O
zoom in e out para se adequar ao movimento
do animal é indispensável para este estilo fo-
tográfico, algo que não pode faltar na mochila
de um fotógrafo animal, sem dúvida.

Lentes prime que ajustam o comprimento fo-


cal, podem ser utilizadas para conseguir fotos
de animais de estimação, no entanto, você
precisará mover-se fisicamente, o que torna
mais difícil para você fotografá-los.

Se você está fotografando um animal de esti-


mação da família, pássaros em seu quintal, ou
animais no zoológico que estão perto de você,
uma lente que estende de 70 a 300 mm de
distância focal é suficiente.

Uma lente não profissional favorita para o


trabalho é a Lente Canon EF 70-300mm f /
4-5.6 IS USM. Com ela você conseguirá fotos
de animais super nítidas, além de ser ideal
para viajar também, já que não é muito grande
nem muito pesada quando comparada com
outras opções dos modelos L.

Uma alternativa Nikon pode ser a Lente Nikon


70-300mm f / 4.5-5.6G ED IF AF-S VR Nik-
kor Zoom. Sigma e Tamron também construí-
ram lentes dentro da faixa de comprimento de
Lente 70-300 mm.

É importante para os iniciantes entender que


muitas fotos de animais que aparecem on-line
feita a 300 mm de distância focal, são nor-
malmente cortadas no pós processamento.
Alguns novatos ficam desapontados quando
sua nova lente zoom telefoto não tem tanto
alcance como esperavam e acabam desistin-
do de suas fotos de animais antes mesmo de
começar.

Enquanto uma lente de 300 milímetros de dis-


tância focal lhe deixa confortável por um bom
tempo, atualizar sua lente para uma distância
focal de 400 milímetros será mais adequado
para fotografar pássaros ou animais do jardim
zoológico, geralmente, quando o animal esta-
rá a uma distância mais considerável de você.
Entretanto, você ainda vai precisar cortar a
imagem, apesar de ela ficar maior que as fotos
de animais capturadas com uma 300 mm,
também conseguirá melhor detalhe.

Lembre-se que os pontos mais importantes


para decidir qual lente escolher para tirar fotos
de animais, são a qualidade da imagem, zoom,
tamanho e peso. Mas, de acordo com sua
necessidade estes fatores podem mudar um
pouco.
1. EXTENSORES DE LENTE SÃO BONS PARA FOTOS
DE ANIMAIS?
Nas vezes que o fotógrafo já possui uma lente
mais curta, com uma distância focal de 200
mm, é definitivamente recomendo o uso de
extensores para a lente. No entanto, é impor-
tante compreender que as fotos tiradas com
extensores nunca são tão nítidas do que as
fotografadas sem eles.

Portanto, se você estiver pensando em usar


extensores de lente, eu recomendo comprar
lentes profissionais combinando com extenso-
res da mesma marca. Desta forma, você terá
certeza que o extensor foi criado especifica-
mente para uma lente de alta qualidade.
Ao comprar extensores para capturar suas
fotos de animais, você também deve ter certe-
za de que ele é compatível com o sistema de
focagem automática de suas lentes. Faça sua
pesquisa!

Não presuma automaticamente que, se você


possui uma lente Canon um extensor do mes-
mo fabricante será totalmente compatível.
Alguns fotógrafos descobrem isso da maneira
mais difícil no momento que estão capturando
suas fotos de animais. Com certeza, a última
coisa que você quer é ter de focar manual-
mente a sua câmera em um animal em movi-
mento.
3. CONFIGURAÇÕES DA CÂMERA PARA FOTOS DE
ANIMAIS
Pessoalmente eu uso duas configurações da
câmera diferentes para fotos de animais. Em
suma, se o animal está parado escolha a Prio-
ridade de Abertura, mas se estiver em movi-
mento, a mais adequada será a Prioridade de
Obturador.

Nas fotos de animais sem movimento, como


em seu sono profundo ou um pássaro empo-
leirado em uma árvore, configure sua câmera
digital para a Prioridade de Abertura, uma
configuração que também é válida para fotos
de animais no zoológico. Raramente os ani-
mais do zoológico se deslocam rapidamente,
o espaço na maioria das vezes não permite
isso.

Nestes casos, a Prioridade de Abertura per-


mite-lhe escolher quanto do animal e seus ar-
redores vão aparecer em foco nítido nas fotos
de animais.
Definir a abertura para f/8 ao usar uma dis-
tância focal de 400 mm, garante que as fotos
de animais mostrem rosto inteiro em foco, a
partir do seu nariz ou bico, de volta para seus
olhos. Se você definir um número f menor, não
vai ter este mesmo efeito que, particularmen-
te, parece muito incrível para fotos de animais.

Ao usar uma lente de distância focal de 300


milímetros, defina a abertura para f/5.6. Esta
configuração tem o mesmo efeito como f / 8
em um comprimento focal 400 milímetros que
vimos no parágrafo acima.

Contudo, para conseguir fotos de animais em


movimento, por exemplo, um cão de estima-
ção correndo ou um pássaro voando, defina
sua câmera para a Prioridade do obturador.
Alguns modelos iniciantes podem ter um
modo com nome diferente, mas que funciona-
rá semelhante à Prioridade do Obturador.

A Prioridade do obturador permite-lhe esco-


lher a velocidade de sua câmera para cap-
turar as fotos de animais, em cada tiro. Para
animais de estimação comece com 1 / 60 para
velocidade do obturador, faça alguns disparos
de teste, se seu animal de estimação parece
desfocado tente uma velocidade mais rápida
até encontrar a configuração correta. Para
pássaros em voo e outros animais de movi-
mento rápido, comece com 1/1000 de veloci-
dade do obturador.

Durante a captura das fotos de animais man-


tenha as configurações ISO da câmera a não
mais do que 400 para os modelos iniciantes,
ou 800 para todos os outros. Isso irá garantir
que os olhos dos animais permaneçam agra-
dáveis e afiados em suas fotos de animais. Às
vezes, se você definir um ISO maior do que
essas configurações, o olho dos animais pode
parecer nebuloso.

Dito isto, se você está fotografando em situa-


ções de pouca luz aumente a configuração
ISO da câmera para acima de 800. Às vezes
é melhor capturar fotos de animais granula-
das do que perder uma imagem em busca da
perfeição.

4. A REGRA DOS TERÇOS


Você também quer prestar atenção à regra
dos terços, de modo que obtenha o globo
ocular mais próximo do quadrante superior ou
inferior do quadro para dar-lhe uma composi-
ção agradável.
Além de foco e composição, você precisa se
preocupar com a sua exposição; se a exposi-
ção for muito escura ou muito brilhante, ajuste
a compensação da exposição. Se você tem
bom foco e exposição, você está muito per-
to da meta de obter fotos de animais muito
imponentes.

5. FIQUE ATENTO AOS ITENS DE FUNDO


Em fotos de animais sempre olhe para o fundo
antes do animal propriamente dito.

Assim que você prestar atenção no visor da


câmera, olhe o plano de fundo primeiro. O
fundo visto em qualquer imagem pode ser
determinante para o seu sucesso ou fracasso
e, ainda, mudar a maneira como o espectador
percebe as fotos de animais.

Na minha experiência, qualquer foto tem o


potencial para ser grande, se o fotógrafo levar
mais em conta os elementos de fundo. Pro-
blemas de fundo são árvores, ramos, fios, ou
quaisquer objetos que podem “cortar” a cabe-
ça de animais ou corpo.

Você quer evitar esses tipos de objetos em


seus fundos e pode ser tão fácil como sim-
plesmente mudar a sua posição física. Em
vez de fotografar a cabeça do animal, captu-
re suas fotos de animais a partir do lado, por
exemplo.

6. EXPERIMENTE DIFERENTES ESTILOS DE IMAGEM


Acho que o estilo Neutral Picture é a melhor
definição para fotos de animais de cor casta-
nha ou terra. Se você fotografar em formato
de imagem RAW, sempre pode alterar essa
configuração no pós-processamento. Isso é
muitas vezes a melhor maneira de aprender
qual Picture Style que você deve usar, para
cada situação.
7.AJUSTE DIFERENTES MODOS DE MEDIÇÃO
A alteração do seu modo de medição da câ-
mera pode resultar em maior detalhe visto na
pele dos animais ou penas. Eu recomendo a
leitura do manual de sua câmera para obter
mais detalhes sobre como alterar os modos de
medição e configura-los para fazer seus tes-
tes.

8. COMO FOTOGRAFAR SEU CÃO DE ESTIMAÇÃO?


Não poderíamos falar sobre fotos de animais
sem citar a fotografia de seu melhor amigo.
As famílias amam fotos de seus filhos e ani-
mais de estimação, de preferência em con-
junto. Um dos melhores conselhos que me foi
dado por um fotógrafo profissional pet era
para aprender a latir!

Sim, vai parecer ridículo, mas as chances são


de que a criança irá, naturalmente, rir e que o
cão vai olhar inquisitivo diretamente para você
com a cabeça inclinada e uma orelha no ar. É
uma situação perfeita para chamar a atenção
para você e sua lente. Especialmente se você
fizer enquanto está atirando. Você precisa
capturar esse momento exato da reação do
cão ao ver você latindo.

Para o máximo impacto desça ao nível dos


olhos do animal, sem a parte dos tiros a partir
da cabeça. Esta perspectiva é de tirar o fôlego
em suas fotos de animais. No entanto, prepa-
re-se para ser atropelado por um animal de
estimação animado com certa frequência.
9. COMO FOTOGRAFAR ANIMAIS NO ZOOLÓGICO?
Minha melhor dica para fotografar animais no
zoológico é pegar algumas fotos de animais
se alimentando neste ambiente. Você vai des-
cobrir que é o momento em que os animais
do zoológico estão mais ativos. Os animais em
cativeiro são animais treinados, eles sabem a
hora do dia que serão alimentados e este mo-
mento é fantástico para eles.

Fotos de animais do zoológico também são


muito parecidas com os seres humanos. Uma
vez que eles tiveram sua alimentação diária
eles gostam de enrolar e dormir. Este não é o
melhor momento para fotografar animais no
zoológico. 9 de cada 10 das melhores fotos do
jardim zoológico foram tomadas na parte da
manhã, quando os animais estão no seu perío-
do mais ativo.

As melhores fotos de animais do jardim zoo-


lógico são aquelas em que o animal está
olhando diretamente para a câmera. Conheço
fotógrafos que sentam-se por vários dias em
frente a um cativeiro esperando pelo olhar
perfeito de cada animal.

Fotografar animais recém-nascidos no zoo-


lógico é um espetáculo a parte. É o melhor
momento para capturar fotos de animais em-
baraçosas e peculiares. Fotografá-los rodeado
pela família, animais bebês vigiados por seus
pais e assim por diante, são sempre fotos de
animais campeãs neste quesito.

10. PRÁTICA EM FOTOS DE ANIMAIS


Se você está planejando sua primeira viagem
para as florestas para tirar fotos de animais, é
uma boa ideia praticar em primeiro lugar.

O zoológico é um lugar ideal, porque normal-


mente você vai encontrar os mesmos tipos
de criaturas lá. Estude seu comportamento e
você terá uma ideia do que esperar quando
você enfrentá-los em um ambiente natural.
Nenhum zoológico nas redondezas? Visite
uma fazenda ou rancho, e tire algumas fotos
de animais lá. Pode parecer bobagem, mas
para alguém com absolutamente nenhuma
experiência com grandes animais, a fazenda
é um bom lugar para começar com suas pri-
meiras fotos de animais selvagens ou menos
domesticados.

A biblioteca e a internet também são bons


lugares. Leia sobre os animais específicos que
você pode encontrar, assim estará armado
com o conhecimento, e, claro, leia as nossas
dicas sobre fotografia de animais selvagens
neste artigo.

CONCLUSÃO SOBRE FOTOS DE ANIMAIS


A fotografia animal é um desafio devido a mo-
vimentos bruscos dos seus assuntos. Mas com
um pouco de paciência e as configurações da
câmera certas, você pode capturar momen-
tos fugazes de expressão quase semelhante à
emoção humana.

Você pode ter algumas excelentes fotos de


animais aplicando as dicas que falamos neste
artigo, provavelmente, tão boas ou melhores
do que muitas que você encontra por aí. O
resto é tempo, prática e um pouco de sorte.
Você pode até ter uma dica ou sugestão sobre
fotos de animais que não incluímos aqui, e nós
ficaríamos felizes em recebê-la para que ela
possa ser compartilhada com os outros. En-
tão, deixe o seu comentário no campo abaixo.
30-)6 dicas para contar melhor uma his-
tória através da fotografia

Enquanto muitos fotógrafos conseguem fazer


fotografias individuais ótimas, criar uma histó-
ria completa com imagens é um pouco mais
difícil. Mesmo assim, você não precisa ser um
fotojornalista, ou um fotodocumentarista para
conseguir essa proeza. Você pode criar uma
história com as fotografias que você faz no
dia-a-dia mesmo, sejam elas de paisagens, de
animais, de pessoas…

Dito isso, vamos dar algumas dicas para você


contar histórias melhores através da fotografia.

1.ENCONTRE UM ASSUNTO FORTE PARA A SUA HIS-


TÓRIA FOTOGRÁFICA
Isso é muito importante, especialmente se
você estiver trabalhando com os assuntos do-
cumentários ou viagem. Quase tudo no mun-
do já foi fotografado hoje em dia, mas ainda
é possível encontrar novos ângulos e visões
surpreendentes.

Então, ao invés de tentar fazer uma reporta-


gem fotográfica muito óbvia e ampla, como
“Paris é muito linda na primavera”, por exemplo,
tente registrar uma história em um novo ângulo
e perspectiva, não apenas fotográfica, mas algo
que seja forte, marcante e inesquecível.
2. FAÇA PESQUISAS E CONTATOS
Uma vez que você teve uma ideia, você preci-
sa fazê-la acontecer. Voltando ao nosso exem-
plo de Paris, você não quer desperdiçar tempo
tentando encontrar os melhores lugares para
ir quando você chegar lá quando tudo isso
pode ser feito de antemão.

A internet é uma ferramenta de pesquisa fan-


tástica. Você pode fazer contato com perso-
nagens online antes de fotografá-los, o que vai
fazer com que tudo seja bem mais fácil quan-
do você chegar ao local para fotografar uma
história através das fotos.

Mais importante, você também pode verificar


que tipo de imagens já foram tiradas antes
do assunto que você escolheu fotografar; isso
pode te inspirar, ou te motivar a fazer algo
diferente.
3. O QUE COLOCAR NA MALA?
Cada história fotográfica é diferente e isso
depende do seu gênero, mas para viagens
e fotografia documental, muitas vezes você
precisa se mover rapidamente para manter a
ação. Então, alguns zooms “rápidos” são úteis,
já que você não precisa mudar a lente da câ-
mera com frequência.

Uma lente 24-70 mm f/2.8 é um ótimo equipa-


mento fotográfico de trabalho, especialmente
se ela tiver o mecanismo de redução de vibra-
ção para melhores resultados. Enquanto isso,
uma 70-200 mm, ou 300 mm é ótima para tra-
balhos à distância e para isolar detalhes, como
rostos no meio de uma multidão.
Uma lente rápida de 85 mm é ótima para re-
tratos também. Também é útil levar um tripé
na viagem; quando você for fotografar eventos
grandiosos, por exemplo, uma fotografia de
longa exposição que “borre” as pessoas pode
dar um ótimo senso de movimento à história.
4.SOBRE O FOCO
Se você estiver engajado em criar histórias fo-
tográficas você precisar estar focado. Não ten-
te combinar a sessão de fotografia com pas-
seios – todo mundo pode sair frustrado nessa.

Em vez disso, coloque um tempo de lado para


trabalhar com a fotografia e certifique-se que
você será realista sobre quanto tempo vai
demorar para conseguir a história fotográfica
perfeita.

Enquanto profissionais têm de trabalhar sob


pressão intensa, você pode trabalhar com um
pouco mais de calma se você se mantiver or-
ganizado.

5.TENTE SEGUIR UMA NARRATIVA BÁSICA


A menos se você quiser ser artístico e elíptico,
uma narrativa linear simples deve funcionar
bem. Então, pense em estabelecer algumas
poses que definam a história e a cena, o corpo
principal da narrativa e, em seguida, uma con-
clusão. Não esqueça dos detalhes, já que eles
podem dizer muito.

6.REGISTRE MOMENTOS DECISIVOS E UM CONTEXTO


Um dos maiores fotógrafos do mundo era
mestre em congelar momentos especiais:
Cartier-Bresson. E foi com ele que a expressão
“momento decisivo” ganhou força no mundo
da fotografia.

Esteja preparado para fazer várias fotogra-


fias, procure pelas personagens de destaque
com rostos interessantes e fique sempre pre-
parado para congelar alguma ação repentina
e importante.

É importante também criar um senso de lugar.


Registre elementos que deixem claro em qual
lugar a história que você registrou se passa.
31-)6 dicas para estimular sua criatividade

Seja você um fotógrafo ou quer ser um, ser


criativo pode fazer a diferença na sua carreira
profissional, independente da área que você
atue seja fazendo ensaios, eventos, fotografia
autoral, vídeo, etc. Qualquer uma das áreas exi-
ge que o profissional tenha um olhar cuidadoso
e diferenciado, para conseguir captar imagens
singulares das de seus concorrentes e assim
atingir o mercado desejado. Separei algumas
dicas para te estimular a ser mais criativo e de-
senvolver cada vez trabalhos melhores.

1. Escolha um local em que você se sinta confortá-


vel e pratique sua observação. Faça fotografias
ou vídeos diferentes do mesmo lugar, tente
fazer isso sem mover seus pés, assim você vai
estimular sua capacidade de raciocínio além
da observação.

2. Crie restrições artificiais durante seu exercício


criativo no final de semana. Nessas restrições
você pode incluir: não usar sua lente principal,
um local, fotografar somente em PB, espaço
negativo, ou preencher totalmente uma ima-
gem, ache uma restrição para te estimular em
outros sentidos, assim você vai estar se adap-
tando as milhares de possibilidades na criação
de imagens.

3. Tente fotografar com uma câmera analógica,


ou imagine que na sua digital existe um rolo
de câmera com 24 ou 36 poses, assim você
vai pensar mais sobre cada imagem que for
registrar, afinal você não quer perder nenhuma
pose do filme.

4. Saia da sua zona de conforto por um dia e faça


imagens em um estilo diferente do qual você
está habituado. Você é um fotógrafo de estú-
dio? Tente fotografia de rua por um dia ou fim
de semana. Você faz vídeos de casamento?
Tente captar imagens de esporte, todo exercí-
cio estimula mais o seu cérebro criativo.
5. Crie uma sequência de ideias e vá até um local
de sua preferência, pare em um ponto e pro-
cure fazer imagens que revelam: Luz, sombra,
linhas, formas, texturas, cor, tamanho, profun-
didade, reflexos.

6. Saia sem sua câmera por um dia, mas com a


intenção de registrar imagens somente no seu
imaginário. Seja observador e fique atento,
estimule sua perspectiva em 180graus. Esses
tipos de exercícios não deve ser um desafio,
ele deve ser divertido.
32-)4 dicas para fotografar no inverno

Há quem ame o inverno. Mas há também


quem deteste. Porém, independente do senti-
mento, é verdade que o inverno proporciona
cenas impares que não são vistas no verão.
“Mas poxa, cadê a luz do Sol nesse dia cinza?”.
Já penso que, justamente por estar cinza, esse
dia é único?

Seguem algumas dicas para aproveitar essa


estação com sua câmera em mãos. Confira:

1.Janelas
No inverno, é normal que a gente passe mais
tempo dentro de casa. Por causa do frio ou da
chuva. Ou dos dois. “As janelas ficam muito in-
teressantes quando chove, porque as gotas de
água que ficam no vidro podem dar textura,
movimento e outros efeitos interessantes para
suas fotos”. A dica é usar um número de aber-
tura da lente acima de f/4, assim tanto o fundo
quanto as gotas ficam em foco.
2.Bokeh com chuva
As gotas de chuva também podem ser usadas
para criar efeitos luminosos que adicionam
charme à foto. A ideia aqui é escolher apenas
um objeto para focar: ou as gotas, ou o fundo.
“Esse efeito fica muito interessante quando
você tem luzes do outro lado do vidro, porque
elas se tornam círculos luminosos, que são
também conhecidos por bokeh”. Nesse caso,
podemos usar o diafragma abaixo do f/4 ou
até mais claro se sua lente permitir, abaixo de
f/2, assim a profundida de campo é menor,
focando menos coisas na imagem.
3.Roupas da estação
Luvas, cachecol e touca são uma forma de
dizer, com uma imagem, que estava mesmo
muito frio naquele dia, pois a maioria das ve-
zes que usamos estas roupas é quando está
frio. “Nada passa uma sensação de conforto
e calor tão intensa quando um copo de café
quente sendo segurado por luvas de lã”.

4.Fumaça do café ou chá


Com a temperatura fria no ambiente, mesmo
dentro de casa é possível captar a fumaci-
nha que sai de uma xícara de café ou chá. Ou
mesmo de um prato de comida quentinha.
Para esse tipo de foto, uma luz que incida la-
teralmente, por exemplo de uma janela, ajuda
a iluminar melhor esse tipo de objeto tão sutil
que é a fumaça. “Janelas semiabertas em dias
nublados produzem efeitos semelhantes”, ex-
plica do blog.
33-)8 razões para você trabalhar com a
fotografia documental

Trabalhar com a fotografia documental, onde


você fotografa uma história lá fora, no mundo
real, com certeza traz algum trabalho. Mas, as
recompensas tem um potencial enorme para
a sua visão, suas habilidades, seus níveis de
energia, o seu negócio, e muito mais. São tan-
tas vantagens que não faz sentido você não
iniciar agora mesmo na fotografia documental.

Veja os motivos para trabalhar com a fotografia


abaixo:

1.REFLETIR SOBRE SUA FOTOGRAFIA


Escolher um tema para sua fotografia docu-
mental força-o a pensar profundamente sobre
seu trabalho. Você vai precisar determinar
quais ideias são importantes, e o que você
deseja para a filmagem. É fácil apenas flutuar,
atirar o que você costuma fazer, sem pensar
muito sobre isso. Ao comprometer-se com a
fotografia documental, você cria espaço para
pensar cuidadosamente sobre o seu traba-
lho, seus valores e suas habilidades.

2. MELHORAR SUAS HABILIDADES TÉCNICAS


Quando você inicia um projeto de fotografia
documental, você não pode realmente saber
como as coisas vão ficar, ou simplesmente os
desafios que irá enfrentar lá na frente. A luz, o
ritmo de ação, e configuração da câmera digi-
tal pode estar fora de seu controle.

Na primeira oportunidade, você pode pensar


que executar o seu projeto de fotografia do-
cumental é impossível, principalmente, se for
novato no mundo de fotografia. Mas, quando
chegar no local escolhido para sua fotografia
documental, e sua adrenalina começar a bom-
bear, as coisas ficarão mais animadas.

Você vai ver que será totalmente capaz de


mudar suas configurações rapidamente ou
compor fotos interessantes. Ao colocar-se em
uma nova situação desafiadora, você vai pegar
novas habilidades que são capazes de ajudá-lo
com qualquer tipo de fotografia no futuro.

3. SER CRIATIVO
Com determinados estilos fotográficos, você
não pode sempre assumir riscos criativos.
Mas, quando você atirar algo que está fora do
escopo do seu trabalho regular, você meio que
tem a obrigação de ser criativo. As lições e
truques que você pegou como um fotógrafo
de casamento, por exemplo, não vai contribuir
significativamente em uma fotografia docu-
mental sobre a vida secreta dos gatos domés-
ticos. Com os riscos de experimentação baixos
na fotografia tradicional, é o momento perfei-
to para experimentar coisas novas!
4. IMPULSIONAR SUA ENERGIA E PAIXÃO
Vamos ser honestos: Às vezes, a edição de fo-
tos e responder e-mails podem ficar um pou-
co maçante.

Fotografar um assunto que fascina totalmente,


por outro lado, pode ser incrivelmente ener-
gizante. E quando você está animado com o
que está acontecendo na sua frente, você vê
o mundo de uma maneira diferente. Os seus
olhos estão abertos aos pequenos e grandes
detalhes, e as suas fotografias ficam melhor
como resultado. A coisa toda é uma receita
para impulsionar o seu amor pela fotografia
documental.

Claro, e-mails ainda precisam ser respondi-


dos e seus trabalhos anteriores editados. Mas,
fazer uma pequena pausa e adicionar a foto-
grafia documental em sua rotina pode trazer o
ânimo de volta as veias e tornar todo o traba-
lho mais fácil.

5. COMPARTILHAR UMA HISTÓRIA QUE IMPORTA


As pessoas adoram histórias, particularmente
histórias com imagens. Desta forma, a fotogra-
fia documental é uma ótima maneira de com-
partilhar com o mundo uma história ou uma
ideia que realmente importa e valha a pena
para você. As possibilidades são muitas e você
é capaz de influenciar outras pessoas com as
suas fotos, o que deixa qualquer artista satis-
feito, não é mesmo?
6. APRENDER A CONTAR HISTÓRIAS
Como já dissemos antes, a fotografia docu-
mental quer dizer tudo sobre contar histórias.
Você precisa resolver quais cenas e detalhes
capturar, e como requisitar suas imagens
para tornar a história clara. Parece fácil, mas é
preciso planejamento e foco para manter suas
imagens e sua história em mente quando você
está gravando.

Afiar essa habilidade irá ajudá-lo não só com a


fotografia documental, como em qualquer ou-
tro estilo fotográfico. Por exemplo, seus clien-
tes vão ficar maravilhados quando você
entregar-lhes não apenas imagens de sua fa-
mília, mas as fotos que contam uma história
sobre sua família?

7. DESTACAR A SUA EMPRESA DE FOTOGRAFIA


A fotografia documental pode torná-lo memo-
rável, fazer de você e seu negócio de fotogra-
fia mais conhecidos. Outros clientes potenciais
irão surgir, você não será apenas outro fotó-
grafo, mas o fotógrafo que fez esse projeto
legal. E em um negócio competitivo, ser lem-
brado é uma coisa boa.

Você também vai mostrar que é capaz de


trabalhar em diferentes estilos de fotografia,
o que pode abrir a porta a projetos pagos em
novos mercados.

8. CONECTAR E INSPIRAR AS PESSOAS


As pessoas são criaturas sociais, e quando
elas se identificam com sua história, prova-
velmente vão querer dizer isso a você. Com
isso você não só se sentirá bem, mas também
pode ajudá-lo a expandir suas redes profissio-
nais e sociais.

Compartilhe com as pessoas que você é ca-


paz de contar uma história, você vai inspirá-
-los para tentar o mesmo. Isso é bem legal!

Agora compartilhe conosco a sua opinião so-


bre este artigo, ou as suas próprias vantagens
e sacadas para trabalhar com a fotografia do-
cumental. Sua opinião no campo de comentá-
rios abaixo é importante para enriquecer esta
discussão e nos manter motivados!
34-)12 dicas para começar na fotografia
documental e as suas vantagens

Na minha opinião, fotografia documental e


seu primo próximo, fotojornalismo, são as
formas mais difíceis de fotografia. Pela própria
natureza do trabalho, você tem pouco ou ne-
nhum controle sobre as suas fotos. Você deve
pensar e compor na mosca, através de um
meio visual, contar histórias que são normal-
mente reservadas para palavras. Geralmente,
não há segundas oportunidades, os momen-
tos adequados são fugazes. Com isto dito,
nós esperamos que este artigo possa ajudá-lo
a começar com a fotografia documental da
melhor forma possível.

A fotografia documental conta histórias ex-


clusivamente através de fotos.

1. INVESTIGANDO SEU ASSUNTO


A primeira coisa que você precisa fazer, antes
mesmo de pensar em pegar uma câmera, é
se familiarizar com o assunto que você vai
capturar em sua fotografia documental. Isto
não só irá ajudá-lo a antecipar o que esperar
durante as filmagens, mas também irá prepa-
rá-lo na compreensão de como representar o
assunto envolvido. Certifique-se de todos os
equipamentos necessários para o tiro, particu-
larmente se você precisa viajar, seus equipa-
mentos fotográficos devem permiti-lo ser tão
móvel quanto possível.
2. INSPIRE-SE
Assim que tiver sua pesquisa feita, é hora de
começar a pensar sobre como fotografar e
sempre é útil obter alguma inspiração de al-
guns dos grandes nomes da fotografia do-
cumental, pesquise um pouco para conferir o
trabalho de grandes personalidades neste tipo
de fotografia.

Observar o trabalho de grandes especialistas


vai incentivar e treinar o seu olho fotográfico
a ser vigilante e ver a profundidade extra den-
tro de uma cena, a fim de capturar os momen-
tos que definem a sua história.
3. COMO REPRESENTAR O SEU TEMA?
A peça final de preparação antes das filma-
gens é considerar como você deseja capturar
o tema de sua fotografia documental. Pen-
se sobre por que você originalmente queria
trabalhar com ele, o que te inspirou? Como
você vê a cena? Como alguém em uma posi-
ção diferente iria ver o tema de sua fotografia
documental?

Tome algumas decisões sobre como você de-


seja representar o assunto antes de começar
a pressionar o obturador de sua câmera. Isto
irá ajudar a começar, mas lembre-se, você está
documentando algo. A palavra “documento”
implica numa certa verdade e objetividade.
Portanto, se a situação não é o que você espe-
rava não deve tentar representá-la como sua
noção preconcebida.

4.REPRESENTANDO A REALIDADE
Trabalhar com fotografia documental exige
certa quantidade de responsabilidade. Tudo
começa com um planejamento, conhecer o
tema, decidir como vai retratá-lo em suas fo-
tos e assim por diante.

A audiência está confiando em você para


retratar com precisão a verdade do que está
acontecendo, por isso, ao compor um tiro,
você precisa se lembrar de que às vezes o que
você deixa de fora da imagem, é tão impor-
tante quanto o que você coloca em sua foto-
grafia documental.

Pode ser muito difícil de trabalhar de forma


objetiva. Na verdade, alguns argumentam que
é impossível todos nós encararmos a vida com
certas perspectivas e mentalidades pré-condi-
cionadas. No entanto, é importante que você
trabalhe de maneira tão objetiva quanto pos-
sível, estabelecendo um relato fiel do assunto
sem preconceitos ou inclinação política.
5. A GRANDE IMAGEM
Ao fotografar, é essencial capturar uma varie-
dade de fotografias, a fim de dar o seu público
uma perspectiva equilibrada do assunto. Ima-
gine que alguém está andando em torno de
um mercado, ele não iria gastar a duração do
tempo com os seus rostos tão perto dos ar-
tefatos na venda quanto possível, e assim, de
uma forma similar, você não gostaria de sim-
plesmente ter um ensaio fotográfico preen-
chida com fotos macro, porque os tiros não
teriam qualquer contexto.

Certifique-se de que você tenha algum ângulo


mais amplo, que estabelece tiros, e talvez leva
algum tempo longe da ação para visualizar
a cena a partir de uma perspectiva diferente.
Isso ajudará a definir o cenário para o especta-
dor e permitir-lhes colocar o resto dos dispa-
ros em perspectiva.
6. DETALHES E FACES
Ao lado da foto grande angular, é essencial
escolher detalhes interessantes que podem
ter sido de outra forma não atendida por um
espectador casual. Texturas, cores e padrões
para fazer close-ups atraentes. Esteja vigilan-
te e mantenha o seu olho nas oportunidades
para complementar a sua história. Também
é importante capturar os rostos de quaisquer
pessoas envolvidas.

Isso pode exigir um monte de confiança por


parte do fotógrafo, mas se aproximar das pes-
soas e perguntar se você pode tomar sua foto
realmente não é tão assustador como se po-
deria pensar. Um público vai se envolver com
rostos, as reações e expressões das pessoas
envolvidas é uma ótima maneira para ajudar a
contar a história do melhor jeito.
7. RELAÇÕES COM TEMAS
Se o assunto está focado nas pessoas, então
você tem duas opções com base na sua abor-
dagem. Pode ser que você não queira que nin-
guém saiba que você está lá, então pretende
misturar-se no fundo e disparar tiros inteira-
mente naturais. A outra opção é interagir com
as pessoas, neste caso, é importante que você
construa um relacionamento com elas.

Apresente-se e tenha conversas, isso vai que-


brar todas as barreiras e garantir que as pes-
soas sintam-se confortáveis com você por
perto, como fotógrafo. Este relacionamento
também contribui com fotos muito mais natu-
rais, já que as pessoas estarão mais felizes e à
vontade em frente a sua lente fotográfica.

8. SEJA PACIENTE
A fotografia documental pode ser um proces-
so penoso quando envolve pessoas. Você não
pode deixá-las esperando muito tempo ou até
mesmo realizar várias visitas, a fim de conse-
guir as imagens que você deseja. Se este for
o caso, é importante ser paciente e não ficar
frustrado se as coisas levarem mais tempo do
que você imaginava.

Em alguns casos, na maioria deles por sinal, a


espera se resume a poucos minutos extras. No
entanto, uma vez ou outra, horas ou dias po-
dem realmente fazer a diferença em sua foto-
grafia documental. Se você está encontrando
dificuldades para conseguir as imagens que
você quer, então talvez você precise reavaliar
sua visão. Não tenha medo de mudar o foco
por um tempo para dar tempo para estabele-
cer sua abordagem novamente.

9. AS REGRAS DO JOGO
Eu sei que as restrições não são ideia de nin-
guém como diversão, mas é importante que,
dentro deste contexto você jogue pelas re-
gras e não empurre os limites do que você é e
não está autorizado a fotografar.

Algumas áreas têm restrições fotográficas


colocadas sobre elas, por isso, não capture
nesses locais onde não é permitido e se soli-
citado, abstenha-se de tirar fotos, faça-o edu-
cadamente. Se necessário, garanta que você
obtenha permissão para fotografar em de-
terminadas áreas. Da mesma forma, algumas
pessoas não desejam ter sua foto tirada ou um
estranho a tirar fotos de seus filhos, portanto,
por favor, respeite os seus pedidos.

10. ESQUEÇA A PÓS-PRODUÇÃO


Fotografia documental é tudo sobre a repre-
sentação da realidade. Muitos fotógrafos estão
preocupados em filmar rapidamente, esperan-
do pelo melhor e contando com a pós-produ-
ção para salvar os seus tiros. Com a fotografia
documental, você não pode se esconder atrás
da pós-produção.

É essencial manter a realidade e verdade den-


tro das imagens. Portanto, é importante obter
a melhor foto em quanto captura a cena. Co-
nheça os seus ajustes e tome o tempo neces-
sário para a composição adequada, garanta
que você está recebendo as fotografias que
você quer e precisa.

11. COMPILANDO UM ENSAIO FOTOGRÁFICO


Agora você tem essa vasta coleção de tiros, é
hora de selecionar aqueles que melhor repre-
sentam o acontecimento. Muitas vezes é útil
pensar nisso como contar uma história.
Quando a cena tem um processo natural, você
vai encontrá-lo fácil e construir uma coleção
de fotos que captura cada elemento nessa
ordem natural.

No entanto, se o assunto é menos ordenado,


então cabe a você construir com responsa-
bilidade a história e criar a cena através da
seleção e ordem das imagens que capturou.
A tentação pode ser simplesmente selecionar
as fotos que você acha que são as melhores
e colocá-las a frente, deixando os tiros mais
fracos para o final, mas isso é prejudicial para
a história.

É mais importante contar a história de forma


precisa e isso pode envolver incluir tiros que
você não acredita que sejam os mais fortes,
mas podem adicionar aquele pedaço vital do
contexto em sua fotografia documental.
12. APRESENTANDO O SEU TRABALHO
Uma vez que você refinou sua coleção de
fotos e estabeleceu a ordem, é importante
considerar como você deseja apresentar o
trabalho. Se escolheu uma publicação on-line,
você pode querer considerar um slideshow de
imagens que exibe cada tiro um por um, de
modo que o espectador possa enxergar cada
imagem individualmente durante um tempo
para construir a história.

Também é importante pensar sobre a inclusão


de legendas abaixo das imagens. A legenda
pode colocar uma fotografia em contexto e
adicionar profundidade e significado conside-
rável para uma imagem.
35-)10 dicas para se tornar um campeão
em concursos de fotografia

Todos os anos são criados um número infind-


ável de concursos de fotografia, em diversos
gêneros, estilos fotográficos, modalidades, lo-
cais e assim por diante. Se você é um daque-
les fotógrafos concurseiros sabe muito bem
do que estou falando. A melhor parte de um
concurso de fotografia é que você pode sem-
pre aprender novas técnicas, conhecer novas
pessoas e melhor o seu trabalho sempre que
possível, contudo, o seu maior objetivo é venc-
er, não é mesmo?

Por outro lado, quase todo o concurso de


fotografia tem o seu julgamento trancado a
sete chaves, ou seja, você quase nunca sabe o
porquê de sua imagem não chegar as finais
e ainda menos quais os fatores que levaram
a escolha dos vencedores. Na maioria deles,
você só recebe uma resposta quando faz
parte dos vencedores, caso contrário perman-
ece a deriva sem nenhuma orientação ou dica
para aperfeiçoar o seu trabalho.

Além disso, toda vez que sua imagem é sele-


cionada para a próxima etapa recebe apenas
um parabéns e nada mais. Por conta disso,
você pode coçar a cabeça e se perguntar por
que sua foto foi selecionada ou por que ela
não foi. Essa dúvida pode ser frustrante, espe-
cialmente, se você pretende entrar em outro
concurso de fotografia. Não saber onde você
errou ou seus melhores pontos pode ser com-
plicado para apostar em novos desafios.

Pensando nisso, abaixo vou partilhar algumas


indicações como um meio de fornecer alguns
insights sobre como as fotos são seleciona-
das ou eliminadas em um concurso de fo-
tografia e como você pode se preparar men-
talmente para novas competições e aumentar
as suas chances de ganhar o grande prêmio.
Apenas lembre-se que os pensamentos a se-
guir são pessoais, coisas que fazem parte de
uma pesquisa própria sobre o que mais afeta
o poder de decisão dos juízes de concurso de
fotografia. Então, algumas coisas podem ser
diferentes para cada pessoa.

1. COMECE PELO ÓBVIO


A melhor dica para vencer em qualquer con-
curso de fotografia é começar pelo óbvio,
estou me referindo a coisas como imagens
fora de foco, fotos mal iluminadas, tiros borra-
dos (não intencionalmente), e outras questões
básicas das técnicas e mecânicas de fotogra-
fia. Em muitas competições, os organizadores
realizam uma triagem das fotos participantes
do concurso de fotografia antes de levá-las
até os juízes, neste momento, as imagens que
não são aprovadas nesta pré seleção são des-
cartadas.

Para ter chances concretas em um concurso


de fotografia descente, você precisa ser o
seu pior crítico, dizer a si mesmo quando a
sua imagem é inútil ou simplesmente não vale
a pena participar dessas competições. Caso
tenha dificuldades em ser o seu próprio juiz,
encontre alguém que possa fazer está analise
para você sem ferir os seus sentimentos, e dar
o maior número de dicas e sugestões para que
possa melhor o seu trabalho constantemente.

2. UMA COMPOSIÇÃO ADEQUADA


Quando falamos em concurso de fotografia
um pequeno detalhe em sua imagem pode
acabar com todo o seu esforço em vencer
a competição. Desta maneira, garanta que
a composição de sua fotografia seja a mais
qualificada possível e mantenha o sentido de
sua imagem em dia.

O que quero dizer é que dependendo da con-


corrência a sua foto precisa ser impecável
para chegar até as finais, caso contrário ela
pode ser descartada logo na primeira fase. O
maior problema com os fotógrafos de concur-
so de fotografia é pensar que qualquer foto
pode participar da competição e levá-lo até
o prêmio, dedique o tempo necessário para
compor a sua foto vencedora e não hesite em
refazê-la quando necessário.

Outro ponto interessante é ficar atento aos


pequenos detalhes de sua imagem, às vezes
uma pequena coisa fora do lugar leva toda a
sua composição por água abaixo e ainda elim-
ina todas as suas chances de vencer o concur-
so de fotografia. Em outras palavras, cuidado
com o enquadramento de seu tema, pequenas
manchas irritantes, olhos vermelhos e assim
por diante, você não quer estragar o seu con-
curso de fotografia por descuido.
3. REGISTRE SUA IMAGEM NA CATEGORIA ADEQUADA
Às vezes uma excelente fotografia tem o seu
fim determinado no concurso de fotografia
por ser registrada na categoria errada. Pes-
soalmente, já vi muitas vezes em que isso
aconteceu em um concurso de fotografia e fez
o fotógrafo perder suas chances de vencer na
competição.

Tenha certeza que quando digo que os juízes


não deixarão passar, estou falando totalmente
a verdade. Se eles não sentirem que sua foto
transmite exatamente aquilo que você sugeriu,
provavelmente, vão desclassificá-lo. Uma fo-
tografia precisa acima de tudo transmitir uma
mensagem de maneira que qualquer pessoa
entenda o seu significado sem explicação.

A melhor forma para evitar isso é conhecer


todo o regulamento do concurso de fotogra-
fia, e dar uma atenção extra para a descrição
de cada categoria a fim de garantir que reg-
istrou a sua foto corretamente. Outra forma é
entender a sua própria mensagem, você não
consegue explicar nada a ninguém se não
souber o que quer dizer.
4. NÃO FAÇA CÓPIAS
Eu não quero dizer em nenhum momento que
você não pode se inspirar no trabalho de out-
ros fotógrafos, é possível conseguir excelentes
imagens usando de um mesmo estilo fotográf-
ico que outro artista. No entanto, há uma dif-
erença tênue entre imitar o estilo fotográfico
de alguém, de simplesmente copiá-lo.

A maioria dos juízes experientes de concurso


de fotografia, já visualizou muitas imagens,
principalmente, quando participam de in-
úmeras competições de fotografia. Isso quer
dizer que irão perceber um plágio de longe
e não deixarão passar para o próximo nível e
quando se deparam com uma cópia, certa-
mente irão descartá-la rapidamente.

Você pode estudar outras imagens sem nenhum


problema, na verdade essa é a melhor maneira
de aprender e aperfeiçoar as suas técnicas, mas
se você quiser vencer o concurso de fotografia
e receber o reconhecimento de direito precisa
ter bom senso, evitando fazer cópia de qualquer
tipo. Não se esqueça que fotografia é arte e
como tal precisa ter criatividade!
5. EVITE MODISMOS
Tendências e modas vêm e vão. Eu ode-
io modismos de todos os tipos, não apenas
aqueles que pertencem à fotografia. Modis-
mos podem ser sujeitos, técnicas e lugares.
Mas em todos os casos, modismos são fáceis
de reconhecer, e são ruins para quem deseja
participar de um concurso de fotografia.

Com a facilidade de comunicação e o fluxo


facilitado de informação pela internet nos dias
de hoje, é particularmente fácil conhecer a úl-
tima tendência. Não há nada de errado em se
manter antenado, ir para o mais recente desti-
no, fotografar o animal popular ou tentar usar
a câmera digital recém-lançada, mas basta
ter em mente que, quando todo mundo está
visitando o mesmo lugar, fotografando o mes-
mo animal, ou usando a mesma ferramenta é
difícil sua imagem se destacar da multidão,
porque por definição modismos não são origi-
nais, apenas cópias de algo que deu certo.

Não adianta pegar uma ferramenta e usá-la


exaustivamente em suas imagens ou aprove-
itar de um local para fazer milhares de fotos.
Todas as suas fotografias terão a mesma cara
e fatalmente não serão aprovadas em um con-
curso de fotografia, experimentar é a chave
para o sucesso, então o faça!

6. SENTIMENTO É A CHAVE!
Não é fácil despertar um sentimento em seu
espectador, mas se puder fazer isso com cer-
teza terá grandes resultados em seu concurso
de fotografia. Foto é sentimento, então, tudo
o que você faz com elas precisa transmitir
emoção e despertar o melhor das pessoas.

Alguns fotógrafos transformam a sua imagem


em preto e branco apenas porque a imagem
original ficou ruim, não faça isso. Só mude
o tom de sua imagem, a composição, ou
qualquer outra coisa se fizer sentido e adicio-
nar emoção a sua imagem, caso contrário a
mantenha original.

Ousar nem sempre vai render o primeiro lugar


no concurso de fotografia, a menos que tra-
ga algum diferencial lotado de emoções para
a sua fotografia. Faça o que fizer, adicione
emoção a suas imagens sempre que puder
para emplacar qualquer concurso de fotogra-
fia em seu caminho.

7. QUALIDADE DA FOTO
Concurso de fotografia quer dizer, acima de
tudo, fotos de qualidade. Quando não puder
oferecer imagens com qualidade, simples-
mente não vale a pena se inscrever em nen-
hum concurso de fotografia. Claramente, isso
parece um clichê sobre concurso de fotogra-
fia, ou como você deve ter tirar fotos, mas,
não poderíamos deixar esta dica de fora.

Algumas fotografias parecem que foram ti-


radas pensando apenas no tema da imagem,
mas a qualidade da foto não foi importante
para o fotógrafo. Fotos de animais de grande
porte se encaixam nessa descrição, mas isso
também se aplica a fotos de animais raros ou
eventos surpreendentes.

Os animais grandes têm carisma e presença,


assim como a maioria dos temas para fo-
tografia, eles se destacam. Mas pessoas não
podem se relacionar com tubarões e baleias,
tal como com os crustáceos pequenininhos,
por exemplo. Mas não há uma hierarquia au-
tomática que determina que animais grandes
sejam melhores do que os pequenos.
Ao invés de colocar uma foto de animal impo-
nente, dê preferência por uma imagem surreal,
impactante e acima de tudo, com qualidade
suficiente para atrair a atenção do espectador
e dos juízes do concurso de fotografia.

8. PROCURE ORIGINALIDADE
Até agora os critérios eram de entrada, e as
fotos que não correspondiam a eles foram re-
movidas por cada juiz. A partir deste momen-
to, os críticos devem escolher um vencedor
para o concurso de fotografia, então, as coisas
ficaram um pouco mais sérias.

Já falamos sobre a importância da origina-


lidade de suas fotos. Mas, de certa forma, é
o inverso da dica 4 que falamos acima. Não
há nenhuma maneira fácil de definir origina-
lidade, mas toda vez que você vê-lo saberá
identificar uma foto com originalidade. Olhe
para as fotos vencedoras do último concurso
de fotografia que participou ou qualquer foto
decente, e haverá um quociente de alta origi-
nalidade.

Em poucas palavras, originalidade na fotogra-


fia, é colocar sobre a imagem uma perspec-
tiva diferente. Outros fotógrafos até podem
fazer a mesma foto, mas não podem ter o
mesmo olhar para a cena que você teve.

9. PROCURE O DIFERENCIAL!
É totalmente difícil descrever este atributo,
nenhum juiz é capaz de definir o que é o difer-
encial que procuram nas fotos para concurso
de fotografia. Porém, este talvez seja o único
ingrediente mais importante em uma foto
premiada.

A qualidade de uma imagem faz você parar,


dar uma segunda olhada, e murmurar “uau”
cada vez que admira a foto. O diferencial de
uma imagem de concurso de fotografia, mui-
tas vezes é uma qualidade intangível, não
imputável a qualquer um dos outros fatores, é
algo que transmite pela totalidade da foto em
questão.

Mais uma vez, dê uma olhada nos vencedores


de qualquer concurso de fotografia, e você
deve experimentar uma série de momentos
com puro diferencial nas imagens e entenderá
o que estou dizendo.

10. O DEBATE
Você tem que levar em consideração que
cada concurso de fotografia possui diversos
juízes, cada um deles terá um ponto de vista
diferente para sua imagem. Provavelmente,
cada um deles fará uma seleção diferente das
imagens vencedoras para o seu concurso de
fotografia.

Isso acontece porque as pessoas são difer-


entes entre si, por isso, tem opiniões distintas
sobre um mesmo assunto, é normal. Final-
mente, isso se resume a escolha pessoal.

Em razão disso, em um concurso de fotografia


os juízes têm a oportunidade de conversar em
grupo / discutir com os demais críticos, o que
é útil e divertido, pois permite trocar pontos
de vista e compartilhar observações sobre as
fotos que merecem reconhecimento.

Ouvindo as razões pelas quais alguém gosta


de uma foto pode mudar a perspectiva em
alguns casos. Tal como acontece com muitos
aspectos da vida, escutar é tão importante
quanto falar em um concurso de fotografia, se
não mais.

CONCLUSÃO
Então é isso. Não há todos os pontos de
concurso de fotografia cobertos neste artigo,
mas escrever sobre algumas das dicas vão
ajudar a lançar um pouco de luz sobre o que
acontece nos bastidores de um concurso de
fotografia em geral.
Embora a lista acima não tenha o mesmo
impacto para todos os juízes, a maioria dos
críticos passa por um processo mental semel-
hante. Você já pode ter apanhado sobre isso,
mas o processo de seleção é muitas vezes
para eliminação, pois é sobre escolher os
vencedores.

Então, quando você está decidindo quais fo-


tos vai inserir em um concurso de fotografia,
pode ser uma boa ideia fazer como se você
fosse um juiz, e editar, cortar ou selecionar
fotos em conformidade.

Uma última nota é sempre ter em mente que,


se sua foto não foi escolhida, isso não signifi-
ca necessariamente que a sua fotografia não
era boa, ou mesmo excelente. Os melhores
concursos são os que recebem um grande
número de entradas alucinantes, o que muitas
vezes torna impossível dar o reconhecimento
a cada foto que merece.
36-)7 dicas para tirar fotos deslumbran-
tes de surf

Algumas pessoas podem dizer que tirar fotos


de surf pode ser relativamente mais simples
que qualquer outro tipo de fotografia. Não há
nenhum estilista tentando consertar a roupa,
ou o cabelo da modelo. Nenhum proprietário
de estúdio fotográfico a lhe chatear para pa-
gar sua conta e liberar logo a sala, não precisa
de computadores ou equipamentos de luzes
e, muito menos, meninas bêbadas pedindo-lhe
para tirar outra foto.

Mas, para tirar fotos de surf você tem que


lidar com uma infinidade de pranchas subin-
do rapidamente em sua direção a cem milhas
por hora. As ondas podem ser tão grande que
fica difícil equilibrar a si mesmo e todos os
seus equipamentos de fotos de surf. Se não
bastasse, algumas águas podem ter água-vi-
va, tubarões e recife para rasgar sua carne em
pedaços.

Ainda existem milhares de outros fotógrafos


que tentam obter as mesmas fotos de surf, da
mesma onda, do mesmo surfista e do mesmo
momento que você. Uma concorrência bem
acirrada que pode tornar muito difícil conse-
guir excelentes fotos de surf.

1. CONHEÇA O OCEANO
Quando falamos em fotos de surf não basta
conhecer apenas as técnicas de fotografia,
você precisa conhecer o oceano também. Isso
é mais importante do que tirar a foto em si, se
você não conhecer as águas vai ser difícil con-
seguir fotos de surf maravilhosas.

Qualquer pessoa que dispõe de um pequeno


conhecimento do oceano terá bons resulta-
dos com as fotos de surf, poderá pegar os
equipamentos fotográficos e capturar ima-
gens deslumbrantes. Aos iniciantes até pode
parecer exagero e amplo demais, mas em
fotos de surf é a pura verdade, a experiência e
conhecimento são fundamentais nesta profis-
são.

Então, se você é um fotógrafo ansioso para


entrar na água e disparar fotos de surf louca-
mente, não se coloque em uma situação que
você não pode manipular. Pesquisa, tempo
e paciência são a chave para fotos de surf
grandiosas.
2. CUIDE DE SEU CORPO
Os profissionais de fotos de surf precisam
ter em mente que irão enfrentar ondas for-
tes e posições apertadas dentro da água e
você tem que saber lidar com cada uma des-
sas situações. Um fotógrafo de surf é muitas
vezes atingido violentamente por uma onda
gigantesca, ser arremessado ao encontro de
um recife e assim por diante. Para conseguir
posições privilegiadas e enfrentar as ondas,
qualquer pessoa que deseja capturar fotos de
surf deve manter seu corpo em dia.

A primeira coisa é colocar sua natação nos


eixos, já que vai precisar muito disso nas fotos
de surf. Lembre-se que é muito difícil nadar
com uma câmera, especialmente no ocea-
no. Em quanto, os surfistas vão estar sobre
uma prancha de fibra, o fotógrafo não pode
simplesmente flutuar, você tem que manter a
natação o tempo todo.

Uma câmera digital SLR combinada com uma


caixa subaquática pode pesar até sete quilos,
nadar em uma piscina calma com todo este
equipamento pode ser preocupante, no mar,
as ondas, o vento e as correntes vão traba-
lhar contra você, então força e resistência são
cruciais.

Um ponto importante a lembrar é que você


precisa mesmo de conservar energia para
nadar de volta. Um surfista pode facilmente
virar e pegar uma onda para a praia, mas para
você que deseja conseguir as fotos de surf
deve nadar com apenas um braço e um par de
barbatanas através das correntes para chegar
a terra.

Tenha em mente que todo mundo tem suas


limitações, então, comece lentamente, com
poucos desafios e vá aumentando com o pas-
sar do tempo. A sua mentalidade é tão impor-
tante como o fitness nas fotos de surf, tem
que ser capaz de relaxar, não pode entrar em
pânico, ou pode acabar afogado.

A fim de melhorar a sua técnica de natação,


apneia e fitness, há treinos e exercícios que
você pode fazer em uma piscina. Alguns per-
sonal trainers fornecem treinamentos específi-
cos para estes tipos de profissionais. Além de
frequentar a academia diariamente, analise a
possibilidade de praticar natação.

Além disso, pratique exercícios para fortalecer


os músculos das coxas, que são cruciais para
natação com os pés de pato e levantar-se
para fora da água com a câmera para tirar as
fotos de surf.
3. EQUIPAMENTOS PARA FOTOS DE SURF

FOTOS DE SURF PARA PROFISSIONAIS


Em primeiro lugar, adquira uma caixa de surf
para sua câmera DLSR, ela é capaz de forne-
cer estabilidade e segurança para sua câmera.
A maioria das caixas é construída sob enco-
menda e se a empresa não possui o seu mo-
delo, você terá que enviar a sua câmera para
eles.

Cada lente da câmera vai exigir um encaixe e


função específico, algumas oferecem algum
tipo de customização a esse respeito, muitas
vezes, vêm com uma porta de lente ajustável.
Além disso, cada porta vai lhe custar um valor
extra para a confecção, o melhor é que tenha
uma porta universal, que pode caber em vá-
rias lentes diferentes.

Depois se preocupe com um disparador por-


tátil, o que permite que você segure a câmera
fora da água e dispare o obturador. Este re-
curso pode vir de forma fixa ou desmontável
e também é encontrada na opção universal
como a tampa de lentes.

Um ponto importante a lembrar é que, se algo


der errado com o seu equipamento, você vai
ter que enviá-lo ao fabricante para reparar. Se
o fabricante não tem suporte e representantes
nas proximidades do local onde vai tirar fotos
de surf, você terá que enviar o equipamento a
algum lugar mais distante. Portanto, esta deve
ser alguma das coisas a se levar em conta na
hora de comprar o seu equipamento.

Os equipamentos certos são fundamentais


para as suas fotos de surf, por isso, precisa
que eles estejam funcionando corretamen-
te. Ter de enviar para o fabricante há alguns
quilômetros de você pode levar muito tempo
para resolver o seu problema.

Um último ponto que deve levar em conside-


ração referente a equipamentos de fotos de
surf profissionais é que mesmo as caixa es-
tanque para câmera, mesmo que ela não pos-
sa ser submersas em grandes profundidades
de água. Elas apenas protegem o seu equipa-
mento de alguns respingos de água.

FOTOS DE SURF PARA INICIANTES


Um fotógrafo profissional que deseja tirar fotos
de surf não terá nenhum problema em investir
alguns milhares de reais em seu equipamento
profissional. Contudo, para um aspirante pode
ser difícil tomar esta decisão corretamente.
Para começar, há algumas opções mais sim-
ples, mais econômicas. Elas não terão o fator
versatilidade ou qualidade de um pacote pro-
fissional DSLR, mas lhe permitirá experimen-
tar a fotografia de surf e decidir se você quer
levar a coisa adiante.

Já as câmeras de ação GoPros são fantásticas


e usadas por esportistas de todo o mundo,
são pequenas, leves e acessíveis para qualquer
um que pretende tirar fotos de surf. Elas são
projetadas especificamente para pessoas que
querem disparar em ação para se divertir e um
excelente ponto de partida para ver se você
gosta de tirar fotos de surf.

As especificações das câmeras GoPro Surf


Edition, incluem:
• 11 megapixel
• vídeo de 1080 pixels
• Submergível até 60 metros de profundidade
• Lente grande angular
• 120 quadros por segundo
• 10 imagens por segundo
• Flutua com o anexo backdoor incluído
• 2 montagens para pranchas

Você também pode adicionar uma infinidade


de acessórios GoPro, o mais recomendado
para fotos de surf, seria um pólo de extensão
para pegar sua câmera fora da água.

Outra opção é o motor de arranque acessível


Powershot da Canon com caixa de proteção.
As Powershots são ótimas câmeras compac-
tas, proporcionando fotos de surf muito fan-
tásticas para modelos não DLSR. Elas também
costumam ser mais baratas do que os mode-
los anteriores e também possui o modelo de
caixas de surf.

A Ikelite faz grandes caixas para Powershots.


Elas são mais caras do que as standard forne-
cidas pela Canon, mas permite-lhe mais con-
trole sobre as configurações da câmera e têm
grandes acessórios.

Iniciar com equipamentos mais baratos e


simples vai ajudar a identificar rapidamente se
as fotos de surf são para você. O ponto prin-
cipal é entender como o oceano funciona e as
dificuldades que um fotógrafo de surf pode
enfrentar, antes de adquirir o seu kit completo
de ferramentas para fotos de surf.
4. ESCOLHA UM BOM LOCAL
Você deve concordar comigo que não é as-
sim tão fácil conseguir um bom lugar para
tirar fotos de surf. Então, comece pequeno,
teste as águas e, principalmente, procure por
surfistas incríveis para ajudá-lo em tudo isso.
Apesar de isso levar tempo, será ótimo contar
com pessoas com experiência plena para con-
seguir melhores fotos de surf.

Mesmo se você tiver experiência no oceano,


nadar em mar aberto com um kit de câmera
de 5 kg e contar com um par de barbatanas
para ajudar nesta tarefa, provavelmente, vai
encurtar sua expectativa de vida profissional.
Experimente como vai se sair em um ambien-
te conhecido antes de se aventurar de verda-
de, vai prevenir acidentes e evitar riscos des-
necessários.

Familiarize-se com as águas e conheça os


surfistas. Veja as ondas e estude as correntes,
olhe para picos tranquilos onde os surfistas
locais costumam frequentar. Lembre-se tam-
bém, que nem todos os surfistas serão capa-
zes de dividir uma onda com alguém próximo
para tirar fotos de surf. Um surfista profissional
será capaz de navegar facilmente em torno de
você, mas alguém não tão acostumado a um
fotógrafo pode achar muito difícil evitá-lo em
quanto “pega” a onda.

5. QUE TAL FOTOS DE SURF A PARTIR DA PRAIA?


Para começar, por que não fotografar da
praia? Com um pouco de criatividade, você
pode obter algumas ótimas fotos de surf e
surfistas. A coisa mais importante a lembrar
quando for tirar fotos de surf a partir da praia é ficar
versátil.

Pense em algo totalmente fora daquilo que


outros profissionais de fotos de surf já fizeram.
Quase tudo já foi feito, mas sempre é possível
colocar a mente para funcionar e criar algo
novo e criativo. Não pare no mesmo local ou
nível, movimente-se em busca das melhores
fotos de surf.

A parte crucial para o sucesso é fotografar o


que a maioria das pessoas nunca vê. A princi-
pal razão pela qual as fotos de surf são bem
sucedidas é quando você consegue dar as
pessoas uma perspectiva e uma visão que não
podiam sequer imaginar. Capture o que eles
não esperam, obtenha um ponto de vista di-
ferente, com profundidade de campo, ângulo
e posição diferenciada e capture a atenção de
cada um deles.

6. PENSE EM BARCOS E JET SKIS


Barcos são uma alternativa prática e segura
para tirar boas fotos de surf. Os fotógrafos são
capazes de fotografar grandes ondulações
e momentos de cair o queixo em segurança.
No entanto, a maioria dos espectadores pode
perceber quando uma imagem é de um barco,
e quando se trata de fotos de surf tiradas di-
reto da água e quando o fotógrafo precisa se
molhar ele aparenta ter mais coragem.

Os barcos podem ser necessários em alguns


momentos, especialmente, quando as ondas
estão muito grandes, as correntes fortes, e as
condições da água muito traiçoeiras. Já os jet
skis também são outra opção, porque você
pode chegar mais perto da ação e ficar de
fora das águas perigosas.

7. NÃO SE ESQUEÇA DE SEU EQUIPAMENTO PESSOAL

Dependendo de onde você mora, provavel-


mente, vai vestir uma roupa de mergulho para
manter o frio longe durante a sessão de fotos
de surf. Uma roupa de mergulho significa que
você vai economizar energia e pode ficar na
água por muito mais tempo. Ela também ofe-
rece uma camada de proteção dos recifes e
outros objetos pontiagudos, como as barbata-
nas de prancha, que podem acabar cortando
a sua pele.

Como as roupas de mergulho são vendidas


com base na espessura e design, o modelo
curto deixa o pescoço e braços livres, enquan-
to um modelo grande vai preencher totalmen-
te o seu corpo. Uma roupa de mergulho de
6 milímetros irá mantê-lo muito mais quente
do que uma roupa de 3 mm, no entanto, tam-
bém será menos flexível, ou seja, limitar os
seus movimentos quando estiver na água para
tirar fotos de surf. Faça algumas visitas a lojas
especializadas em mergulho para encontrar a
melhor roupa de acordo com sua necessidade.

Muitos fotógrafos de surf também usam ca-


pacetes para protegê-los durante as sessões
de fotos de surf, o que ajuda a proteger de
recife e algumas surpresas que podem atingir
sua cabeça. No entanto, os capacetes não são
para todos, algumas pessoas tentaram usar
por várias vezes, mas pode tornar o mergulho
entre as ondas difícil e atrapalhar na hora de
tirar fotos de surf. Deste modo, os capacetes
são realmente uma escolha pessoal.

Um fotógrafo de surf sempre usa um par


de barbatanas na água para auxiliar a nadar
quando for capturar fotos de surf. Entretanto,
cada um deles pode ser fabricado de mate-
riais diferentes, uns são mais finos outros mais
grossos, mas ajudam você a nadar rápido.
Apenas um alerta, sem barbatanas você não
será capaz de nadar com uma câmera no mar
aberto de forma eficaz.

Para garantir segurança e praticidade, muitos


fotógrafos de surf profissional usam de jet
skis. Eles são algo para pensar agora, especial-
mente para garantir a segurança e agilidade
para tirar as fotos de surf. Uma coisa legal
é que você sempre será capaz de encontrar
alguém para conduzir o jet ski em quanto foca
em suas fotos de surf.

As fotos de Surf não querem dizer apenas


com a leitura de manuais e estudar grandes
fotógrafos de surf. Você precisa estar lá e
correr atrás de suas próprias fotos de surf, em
outras palavras, trata-se de tenacidade, tra-
balho duro, persistência e seriedade. As me-
lhores fotos de surf podem vir de chances e
surpresas que não costumam se repetir muito.
Então, jamais esqueça que o oceano é total-
mente imprevisível.

Como eu mencionei antes as fotos de surf é


tudo questão de tempo. É preciso muita práti-
ca para chegar à posição certa e ligar-se com
o surfista. Isso vai ser algo que você realmente
á aprender, mais você precisa sair e fotogra-
far. Com o boom da fotografia digital, é muito
barato ter um monte de fotos de surf em seu
cartão de memória.

Volte e critique seu trabalho, tome nota do


que você fez certo e errado, sem dúvida este
é o grande caminho para aprender e melhorar
a suas fotos de surf. A última dica é ser segu-
ro, conhecer os seus limites, o mar pode ser
muito perigoso e não esqueça que precisa se
divertir acima de tudo.
37-)5 canais brasileiros de fotografia para
seguir no Youtube

O Youtube é uma fonte (quase) inesgotável de


conhecimento sobre todas as áreas. E, espe-
cialmente na fotografia, temos ótimos canais
brasileiros que ensinam técnicas, dão dicas e
publicam reviews de equipamentos. Reunimos
aqui alguns deles para vocês. Tem dica de
mais algum canal? Deixe nos comentários.

1.Begginers Fotografia - https://www.youtube.


com/user/BeginnersFotografia
Este canal é literalmente para iniciantes na
fotografia, como diz o nome em inglês. Desde
dicas de fotografia práticas explicando sobre
obturador da câmera, diafragma e ISO, até
mesmo como fazer um “efeito aveludado” na
água, o apresentador Bruno, do Begginers
Fotografia, explora várias dúvidas que podem
pintar na cabeça de quem está começando
.

2. Letra na Foto - https://www.youtube.com/


user/Letranafoto
O canal Letra na Foto, do fotógrafo de casa-
mentos Américo Esperandio, explora dicas de
fotografia mais complexas, para fotógrafos
com um pouco mais de experiência. Mas não
impede, é claro, que iniciantes também apren-
dam e vão um pouco mais além dos as dicas
nos vídeos. São vídeos sobre direção de fo-
tografia, Lightroom, iluminação, entre outros.

3.Mundo de Luli - https://www.youtube.com/


channel/UCTNoWSAdVuY0are9xolk8nw
O canal Mundo de Luli aborda desde assun-
tos do mundo da fotografia, como objetivas,
contratos até mesmo dicas de maquiagem, o
que pode ser muito prático para as fotógrafas
que assistem. Quem apresenta é a fotógrafa
de casamento Luiza Marques, que fala dos
assuntos de uma forma descontraída. Confira
o vídeo sobre os “Críticos de fotografia” cli-
cando na imagem abaixo:
4.Zona da Fotografia - https://www.youtube.
com/user/ZonaDaFotografia
Além de trazer ótimas dicas de fotografia, o
canal Zona da Fotografia, do fotógrafo Marcos
Fraresso, também tem reviews de produtos
bem legais para quem quer comprar aquele
novo flash ou lente. As dicas são abrangentes
e podem servir tanto para fotógrafos profis-
sionais quanto para amadores e iniciantes.
Um dos vídeos interessantes para quem usa
flash dedicado é este abaixo “Para que serve o
grip”. Confira:
5. iPhoto Editora - https://www.youtube.com/
user/iphotoeditoratv
O canal do Youtube da iPhoto Editora traz
semanalmente o drops de notícias sobre fo-
tografia iPhoto News, além de sempre trazer
vídeos sobre novos livros sobre fotografia.
Também traz grandes fotógrafos do Brasil
para dar dicas de fotografia especificas da
área em que cada um atua. Um dos vídeos
de grande sucesso você pode conferir clican-
do na imagem abaixo, o tutorial de fotografia
sensual de Glauber Silva:
Capítulo 4
Dicas de Iluminação

38-) Como Fotografar Objetos Sem Reflexo


Muitas pessoas, quando querem fotografar
algum objeto ou produto, colocam esse objeto
em alguma área externa, janela, etc. e utili-
zam a luz exterior ou simplesmente utilizam o
flasha quando querem fotografar em ambiente
Interno. Fotografando assim, os objetos refle-
tem muita luz e o resultado final não fica tão
bonito e com aspecto pouco profissional.

Figura 41:
Diferença de
luz incidindo
diretamente
e com
suavização.

No entanto existem alguns truques que você


pode usar para que seu objeto fique com uma
aparência mais profissional, semelhante ao
que a gente vê nas propagandas.

Uma das técnicas é bem simples, veja no


exemplo a seguir, as fotografias das taças
abaixo foram feitas com iPhone sem grandes
recursos mas a diferença entre elas é obvia e
exemplifica bem o que queremos tratar aqui.
Figura 42:
Exemplo de
caixa de luz
para fotogra-
fia de objetos

Na primeira imagem o copo foi fotografado


próximo a uma janela e aparece com diversos
reflexos. Na segunda imagem, feita no mesmo
local, foi colocada uma folha de papel vege-
tal entre o copo e a luz externa, o que faz um
efeito de caixa de luz, suavizando a luz e re-
movendo todos os reflexos que o copo tinha.
Esta folha de papel vegetal tem um valor
muito acessível e pode ser adquirida em pape-
larias comuns.

Figura 43:
Copo foto-
grafado sem
a utilização
do papel ve-
getal e com a
utilização
de papel
vegetal.
Figura 44:
Exemplos
de marca de
papel vegetal
para repro-
duzir esta
técnica.

Esta é uma técnica simples e ao alcance de


todos para que suas fotografias de objetos
tenham um aspecto profissional, sobretudo se
você pretende inserir suas fotografias na Inter-
net para venda.

Para câmeras com flash externo, você pode


remover o flash da câmera e capturar a foto-
grafia com o flash posicionado na lateral do
produto, na mesma direção da luz que entraria
por uma janela, utilizando um sistema de dis-
paro remoto, usando na frente do flash a folha
de papel vegetal que citei acima a uma dis-
tancia de mais ou menos 30 cm. Quanto mais
distante o flash ficar da folha de papel vege-
tal, que não deve ficar muito longe do objeto,
mais suavizada fica a iluminação.

Figura 45:
Flash externo
com dispara-
dor remoto.
39-) Evite Tirar Fotografias Com Sombras
Há a ideia, generalizada na maior parte das
pessoas que estão começando a fotografar,
que o flash só pode ser usado em condições
de luminosidade baixa ou em interiores e que
não é recomendado o uso em ambientes exte-
riores, nada mais errado. O flash pode e deve
ser utilizado durante o dia claro, se as condi-
ções exigirem.

Por exemplo, em fotografias externas, em que


pessoas são fotografadas ao sol de meio dia
é recomendável utilizar o flash para que suas
fotografias fiquem iluminadas e sem sombras.
Veja os dois exemplos abaixo da mesma fo-
tografia, uma foi feita sem flash e a outra foi
feita com flash da própria câmera. Note que a
diferença é notória. Por isso, se fizer fotogra-
fias em ambiente externo e achar que os ros-
tos estão com sombra ou escuros, use o flash
e veja como as sombras desaparecem.

Figura 46:
Fotografias
em ambiente
externo cap-
turadas sem
flash e com
flash.

Esta técnica é conhecida também como fill


flash ou flash de preenchimento, pois você uti-
liza a luz do flash para preencher as sombras
da fotografia.
Figura 47:
Fotografias
sem flash
de preen-
chimento e
com flash
de preen-
chimento. A
diferença
é clara.

Obviamente existem outras técnicas avança-


das de iluminação para ambientes externos
mas isso já é assunto para outras dicas. Tam-
bém, em alguns gêneros fotográficos como
fotografia artística, fotografia documental ou
fotojornalismo o uso do flash é visto como
algo a se evitar, pois perturba a iluminação ori-
ginal e deve ser evitado, devendo-se sempre
utilizar iluminação natural nesses casos.

Figura 48:
Mais um
exemplo de
utilização
de flash de
preenchi-
mento
40-) Como Evitar Sombras e Reflexos do
Flash
Alguns fotógrafos, tanto profissionais como
amadores, cometem um grande erro quando
fotografam em ambientes fechados e precisam
utilizar iluminação do flash montado na câmera.

O resultado disso é uma iluminação ruim nas


fotografias capturadas pois não houve um cui-
dado específico com isso. As fotografias apre-
sentam uma sombra de recorte muito feia na
parte de trás dos objetos ou pessoas fotografa-
das. Isso acontece na maioria das vezes quan-
do se usa o flash na posição vertical apontando
diretamente para o tema fotografado.

Este problema pode ser resolvido de maneira


bem simples e existem muitos fotógrafos que
não sabem resolve-lo e mostram ou vendem o
seu trabalho com esse problema nas suas foto-
grafias.

Existem algumas maneiras de se contornar


esse problema, mas aqui vamos nos ater a
apenas uma, que é a mais óbvia e simples, que
é a utilização de flash rebatido ou de um cartão
branco preso ao flash e que pode fazer esse
papel, quando o teto não for branco.

Na imagem abaixo, vejam que na fotografia


da esquerda, na figura abaixo, foi utilizado um
flash direto, montado na câmera, o que origina
uma sombra feia e negra projetada atrás do
tema. Na segunda foto foi utilizado um cartão
montado no flash, o que vai atenuar bastan-
te a sombra. Na terceira fotografia a sombra
desaparece por completo, utilizando apenas o
flash na vertical, rebatido no teto branco. Uma
solução simples que faz diferença em qualquer
fotografia.

A iluminação na primeira fotografia ficou bas-


tante dura e contrastada e o modelo apre-
senta vários reflexos. Na segunda fotografia a
iluminação fica bastante suavizada e menos
contrastada embora ainda apresente pouca
sombra e alguns reflexos. Na terceira fotografia
passamos a ter uma iluminação muito suave,
pouco contrastada e todos os reflexos desapa-
recem. Nenhuma das três fotografias apresenta
qualquer tratamento em editores de imagem).

Figura 49:
Posições do
Flash e a di-
ferença entre
as sombras
e reflexos
gerados na
imagem.
41-) Dicas de iluminação: um furo no meio
do rebatedor para ótimos retratos
Você é do tipo de fotógrafo que adora in-
ventar gambiarras para fazer suas fotos? En-
tão vai gostar dessa. Ela chega a ser até um
pouco engraçada, mas é bastante funcional.
O fotógrafo Nick Fancher bolou uma dica de
fotografia inusitada para; uma forma diferente
de usar o rebatedor, confira abaixo:

1.Esta gambiarra fotográfica é uma das mais


eficazes e mais em conta. Passo um: obtenha
um rebatedor circular. Passo dois: faça um
buraco do tamanho de lente no meio do reba-
tedor. Passo três: lucre.
2.Não há motivo para você não utilizar essa
técnica. Primeiro de tudo, o tecido refletor é
realmente firme, o que significa que o buraco
não vai se rasgar mais. Em segundo lugar, o
rebatedor ainda poderá ser usado tradicio-
nalmente, apenas terá um buraco no meio. O
único problema será utilizá-lo para bloquear
o sol, justamente por causa deste buraco de
deixará luz passar.

3.A lente da câmera fica no buraco, no meio


do rebatedor, segurando ele na posição. Com
a mão que não está segurando a câmera, você
arruma o ângulo do rebatedor. Você pode
usar um flash para ajudar a iluminar a cena, é
claro, ou também fazer as fotos em luz natu-
ral. Antes de tudo, você precisa saber como o
que quer conseguir e como fazer a exposição
adequada com sua câmera.
4.A lente usada nos testes por Nick Fanches
é uma Canon 85mm f/1.2L II, o que permite
fotografar a uma profundidade de campo rasa
e ainda obter uma imagem nítida. No exemplo
abaixo, ele usou um flash rebatido na parede
atrás da modelo (parede com cor neutra) e o
rebatedor em frente a câmera serve como luz
de preenchimento.
Figura 49:
Outro exem-
plo com o
flash rebati-
do na parede
de cor
neutra:

Figura 50:
A luz do
ambiente
Figura 51:
A foto com
flash rebati-
do na parede
e rebatedor
em frente à
câmera

5.Já no próximo exemplo, Nick usou apenas


a luz disponível no local; especialmente a luz
natural. Colocou a modelo entre duas janelas
e rebateu a luz para o rosto da modelo. Nes-
se caso, o retrato fica com um aspecto mais
suave.
Figura 53:
Figura 52: A mesma
A foto direto foto após
da câmera alguns
retoques

6. Essa técnica pode ser usada também para


trabalhar a luz solar em contextos específicos.
No caso abaixo, ele usou o rebatedor para
criar uma luz solar falsa, já que o dia estava
nublado. “Eu coloco um flash em uma posição
atrás do meu assunto e o levanto até um ân-
gulo que seria semelhante ao local onde o sol
estaria. Então eu uso o rebatedor para jogar
uma iluminação suave no rosto da modelo”.
Figura 54:
Setup para
luz natural.
Note como o
flash está lá
no alto.
42-)5 dicas de iluminação de estúdio us-
ando apenas uma luz
A iluminação de estúdio algo bastante versátil.
Além de ter em mãos uma fonte de luz de
qualidade, não importa se chova ou se faça
sol, o fotógrafo pode usar um grande número
de acessórios, modificadores e técnicas para
moldar esta luz.

As dicas abaixo, do fotógrafo inglês John


McIntire, podem ser adaptadas de acordo
com seu equipamento, sendo realizadas usan-
do um softbox ou um beauty dish, por exem-
plo. Claro que cada acessório provocará um
tipo de suavidade na luz, mas mesmo assim é
possível ter bons resultados. Algumas técnicas
também utilizam um rebatedor de prata.

Por exemplo, você poderia trocar um softbox


por um prato de beleza. Isso irá alterar a for-
ma e a suavidade da luz, mas você ainda vai
ter bons resultados. Algumas das técnicas
também utilizar um refletor de prata, daqueles
redondos, Vamos às dicas:

CONFIGURAÇÃO 1
Simplicidade na técnica é o objetivo desta
primeira imagem. A fonte de luz é um es-
troboscópio equipado com um softbox de
tamanho médio. Ele está posicionado aproxi-
madamente um metro e meio de distância do
assunto, elevado aproximadamente um metro
acima e apontou para baixo em um ângulo de
45 graus. A câmera está abaixo a softbox (isso
é chamado de iluminação borboleta).
Figura 55:
Diagrama da
configura-
ção 1

CONFIGURAÇÃO 2
Para criar uma iluminação dramática em suas
fotos, tente iluminar o assunto por trás. A
imagem do cão foi iluminada por um softbox
colocado em um ângulo de 45 graus atrás
dele e a câmera ficou à esquerda. O softbox
está ao lado esquerdo do quadro, mas muito
perto do assunto. Porque o cachorro é preto
e branco, há uma enorme quantidade de con-
traste na cena. Isso deixou as áreas de sombra
muito escuras. Para corrigir isso, você usará
um rebatedor. O rebatedor também está fora
da moldura, mas ao lado direito. Trazê-lo perto
permite aumentar a quantidade de luz refleti-
da no preenchimento das partes escuras.

Figura 56:
Diagrama da
configuração
2

CONFIGURAÇÃO 3
Para maior versatilidade, você pode combinar
as duas técnicas anteriores. Esta imagem é
iluminada por uma softbox dois metros e meio
atrás de alimento e elevado aproximadamente
um metro e meio acima. Em vez de apontar a
fonte de luz no salgado, a luz é refletida por
um rebatedor a frente. Assim é possível criar
uma luz suave.

Figura 57:
Diagrama da
configuração
3

Se você quiser usar a luz desta forma, preci-


sa estar ciente de que você iluminará a cena
com uma apenas uma pequena fração de luz
produzida por seu flash. Para compensar, você
vai precisar alterar o seu ISO, aumentando a
potência do flash ou alterar a sua abertura.
Para preencher as sombras criadas pela luz de
fundo, utilize o refletor de prata.

CONFIGURAÇÃO 4
Se você quiser criar imagens com mais con-
traste em sua luz do que uma softbox fornece,
tente usar um beauty dish. A fonte de luz nes-
ta foto é ligeiramente para a direita da câmera
e está há um metro de distância do assunto.
A borda inferior do beauty dish está alinhada
com a parte superior da cabeça do modelo,
mais uma vez criando o efeito de difusão. Para
preencher as sombras, peça ao seu modelo
para segurar o refletor, apontado para o que-
ixo e deixando fora do quadro.

Figura 58:
Diagrama da
configuração
4
CONFIGURAÇÃO 5
Se preferir uma luz realmente suave, você pre-
cisa aumentar o tamanho de sua fonte de luz
em relação ao seu assunto. As maneiras óbvias
para fazer isso são mover a sua fonte de luz
mais perto de seu assunto ou usar um modifi-
cador maior. Alternativamente, você pode atirar
sua luz em uma parede ou um teto, converten-
do a superfície destes locais em sua fonte de
luz. Para imitar a iluminação na imagem acima,
aponte o softbox para o canto próximo da sala.
De preferência, parede branca.

Figura 59:
Diagrama da
configuração
5
43-)6 dicas para utilizar a luz do Sol em
retratos
Um dos pontos mais importantes para fo-
tógrafos é desenvolver a compreensão sobre a
luz. A iluminação natural irregular pode muitas
vezes ser uma distração. Porém, é justamente
a luz que permite ao espectador se concentrar
no assunto da imagem. A iluminação correta
pode tornar a foto visualmente mais atraente.
Listei abaixo alguns passos práticos para uti-
lizar a iluminação ao seu favor. A técnica do
relógio é bastante simples e criativa. A dica é
exercitar com alguém conhecido, assim você
poderá “alugar” a pessoa. São experiências
com a luz do Sol que podem ser feitas no meio
da tarde ou da manhã – de preferência longe
do meio dia, onde o Sol está em um ângulo
muito alto. Confira:

1. Distância apropriada
Tenha seu modelo a sua frente, a uma distân-
cia apropriada para qualquer comprimento
focal que você vá utilizar. Pense em vocês dois
como sendo um relógio: você está na posição
central enquanto seu assunto está às 12 horas,
com o sol atrás. Também nesta configuração,
no horário que o Sol se põe – a chamada
Golden Hour -, você pode aproveitar esta “luz
de cabelo”.

2. Movimentação
Neste segundo passo, você continua no centro
e move seu modelo para as 3 horas do relógio.
Aqui vocês continuam um em frente ao out-
ro, mas a luz iluminará apenas uma parte do
sujeito.
3. Iluminação intensa
Nesse passo, o sujeito ficará às 6 horas. Como
o modelo estará frente a frente com o Sol, se
você achar esta iluminação interessante para a
foto, é importante pedir que o modelo abra os
olhos apenas na hora do clique. Isso colabora
com a expressão do modelo, que não ficara
franzindo o rosto como na foto acima.

4. Luz contrária
Agora com o modelo às 9 horas, a iluminação
fica do lado contrário ao item 2, porém semel-
hante ao gerar sombras no rosto do assunto.
5. Revisão das imagens
Reveja as quatro fotos que você acabou de
tirar e decida qual deles oferece a iluminação
mais adequada para o olhar que você está
tentando alcançar. A menos que você está fo-
tografando ao meio-dia com o sol diretamente
acima de você, você provavelmente vai notar
que a iluminação irá variar drasticamente en-
tre cada uma das quatro fotos, com algumas
sendo muito mais visualmente atraentes do
que outras. Isto lhe dá um excelente ponto de
partida para ser capaz de “ver” a luz e de-
terminar rapidamente em qual direção você
gostaria que o seu modelo esteja para criar
ótimos retratos.

6.Dica Bônus
Como podemos observar, a luz na posição 12
horas é muito forte. Se a luz não está colab-
orando com a imagem que você quer conse-
guir: mexa-se! Pense que o truque do relógio
pode funcionar ao contrário, com o assunto
ficando parado ao centro e você se mexendo
ao redor, tentando encontrar o melhor ângulo.
É importante praticar, e praticar muito. Quan-
do mais você exercitar seu cliques, mais rápi-
do você conseguirá ver a luz de forma intuiti-
va. Assim você treina seu olho a ver a luz de
forma cada vez mais rápida.
44-)Saiba mais sobre flash portátil, flash
de preenchimento e iluminação natural
Imagem é luz em suas diversas complexi-
dades, cores e contrastes, conheça um pouco
mais sobre o flash portátil, o flash de preen-
chimento e o melhor horário do dia para tirar
suas fotografias sem usar flash.

1. Flash Portátil
Um bom Flash é investimento e não gasto.
Mesmo que a sua câmera digital tenha flash
embutido, vale a pena comprar um extra. Isto
lhe dará muito mais flexibilidade quando se
trata de imagens claras, com profundidade e
sem sombras.

O ideal é um flash que pode ser removido da


câmara e colocado ao lado do sujeito para
produzir um realce, ou colocados em outras
posições para criar diferentes efeitos de ilu-
minação. Se sua câmera não tem essa opção,
plugue o conector do flash na câmera através
de um cabo extra.
Existem dispositivos que se encaixam na
câmera e pode então ser conectado através
de um cabo ou sincronização automático.
Há também pequenos dispositivos de baixo
custo que é ativado pelo disparo de um Flash
portátil, ligados à unidade de flash externo,
eles disparam quando acionado pelo flash de
outra unidade.

Se a sua câmera tem flash embutido, ele pode


ser usado como uma segunda fonte de ilumi-
nação, colocando em qualquer lugar que você
quiser. Com uma lente de câmera sem fio você
pode contar com uma automação completa
sem a necessidade de cabos. Usado desta for-
ma o flash fora da câmera pode fornecer um
destaque, ou a iluminação chave para adiciona
uma profundidade extra para a sua fotografia.
2. Flash de preenchimento
Às vezes o sol pode causar problemas em re-
tratos ao ar livre. A luminosidade do sol pode
causar muita variação entre luzes e sombras.
As imagens podem ter iluminação desigual. É
ai que você precisa usar o flash de preenchi-
mento. O flash de preenchimento é simples-
mente usar um flash portátil para fornecer
mais luz para as sombras. Esta técnica produz
uma imagem uniforme, iluminando onde os
destaques são mais equilibrados com as som-
bras.

Para usar o flash de preenchimento, primeiro é


preciso saber a que velocidade que a câmera
DSLR sincroniza com o flash. Se o flash é não
sincronizado, ela terá pouco efeito. A maioria
das câmeras DSLR têm uma velocidade de
sincronização de 1/60 de segundo, embora
algumas câmeras mais caras contam com uma
velocidade de sincronização de 1/250 se-
gundos. As velocidades relativamente baixas
usadas pela maioria das câmeras para sincron-
izar com o flash significa que, para alcançar a
exposição correta é preciso definir a sensibili-
dade CCD, em muito menor classificação ISO
ou toda a imagem terá uma exposição exces-
siva.

Uma vez que a velocidade do obturador for


definido na sincronização correta da veloci-
dade, o próximo passo é tomar uma leitura
global de exposição. Vamos dizer que nós
temos uma leitura de 1/60 segundo em f / 11 a
100 ISO ; tudo o que precisamos fazer agora
é definir o flash para a definição de distância
de f / 8 (uma paragem menos do que a leitura
global da exposição). Isto irá produzir o sufici-
ente poder de “encher” as sombras, mas com-
pletamente não vai removê-las.

Preto e branco
A maioria das câmeras digitais tem a funcio-
nalidade para permitir que você tire suas fotos
em preto e branco. Embora essa seja uma
opção, é ideal que você capture suas imagens
em cor e converte-as para preto e branco mais
tarde, em seu computador, usando um soft-
ware de imagem. Isto não só lhe dá a opção
de reproduzir suas imagens em qualquer cor
além do preto e branco, mas também capturar
a imagem em cores e convertê-las mais tar-
de produz mais detalhes nas sombras do que
seria em uma imagem capturada inicialmente
em preto e branco.
3. Melhor horário para fotografar sem flash
Muitas vezes as pessoas se perguntam: “Qual
é o melhor momento para tirar fotos, sem usar
o flash?” Esta é uma questão que não tem
realmente uma resposta, há muitas opiniões.
No entanto, uma das grandes habilidades
em fotografia é ser capaz de perceber a ilu-
minação dos diferentes momentos do dia e
aplicá-las em suas fotos.
Os tempos ideais para a fotografia são geral-
mente no final à tarde ou no início da manhã.

Mesmo que a posição do sol seja baixo no céu


durante esses dois períodos do sia, o proces-
so da fotossíntese cria uma enorme paleta
de cores naturais no planeta. A fotossíntese
é o produto químico que mantém as folhas e
grama verde em reação ao sol, mas as partícu-
las de poeira no ar também reagem à luz do
sol, tornando-se uma cor mais escura, em vez
de invisível, como eles são na parte da manhã.

Aqui estão algumas dicas básicas, em resumo:

• No início da manhã , quando o sol ainda está


baixo no céu, a luz é limpa e branca. Este é um
bom momento para fotografia de paisagem,
porque o comprimento extra das sombras adi-
ciona um efeito tridimensional para suas fotos.
• Ao meio-dia , quando o sol está diretamente
acima , as sombras são curtas e profundas e a
luz pode ter muito mais contraste. A fotografia
do retrato é especialmente difícil porque você
deve empregar um flash de preenchimento ou
refletores para suavizar o efeito das sombras.
• O final da tarde traz uma luz difusa, quente,
com longas sombras suaves. É o momento
ideal do dia para a maioria dos tipos de fo-
tografia sem precisar usar o flash.
• A luz é dinâmica. Planeje a sua fotografia
ao redor da luz, se possível. Se você ver uma
imagem linda, mas a luz é demasiada áspera,
espere uma hora para ver se as condições
melhorarem .
• “Tempo ruim” não significa necessariamente
ruim. Dias nublados suavizam a luz e reduzem
o contraste, enquanto as tempestades podem
criar raros efeitos surreais, que pode trans-
formar uma cena normal em uma fotografia
incrível.
45-)4 dicas para encontrar a melhor fonte
de luz natural
Com a internet ficou muito mais fácil procurar
por inspirações. Estude e pesquise trabalhos
de artistas e fotógrafos que se especializaram
em fotografia de ação e observe os traços
e as técnicas usadas por eles. Você pode
aperfeiçoá-las e usá-las em seu trabalho até
você consegue dominar tudo e criar as suas
próprias técnicas e traços.

Você provavelmente já¡ ouviu falar que a luz


natural que vem de uma janela pode criar
lindas fotografias, mas saiba que isso tem um
lado negativo: ela poder mudar durante a sua
sessão de fotos. Para conseguir a fotografia
que você quer o ideal é entender suas opin-
iões de iluminação e encontrar a melhor fon-
te de luz natural para você no momento do
disparo da câmera digital.

1. QUAIS SÃO AS MINHAS OPÇÕES DE JANELA?


Você também já¡ ouviu dizer que a melhor
fonte de luz natural é aquela que vem de
janelas grandes ao norte, ou sul de um prédio?
Isso é verdade… Em partes. Essas janelas pro-
duzem ótimas luzes, mas não são as Únicas
opções. Você pode criar belas imagens no
interior de algum lugar com qualquer abertura
ao exterior. Portas, portões de garagem, por-
tas de vidro… Todas essas alternativas podem
ser fontes de luz natural para suas fotografias.
Qualquer abertura de um espaço irá¡ funcionar
desde que a luz que entra tenha uma direção
singular.

Para testar e saber se a abertura que você tem


a disposição o vai funcionar, fique na frente
dela e veja se você produz sombra no lugar.
Se a resposta for afirmativa, você sabe que
a sua fonte de luz vai produzir sombra em
qualquer que seja o elemento a ser fotografa-
do. Controlar e modificar essas sombras pode
fazer com que sua imagem fique mais criativa,
complexa e interessante.

2. A LUZ VAI MUDAR


Se você gostou da luz natural que a sua jane-
la permite em sua foto, tenha em mente que
ela não vai ser sempre assim. À medida que
o sol se move no céu, ele vai afetar a maneira
em que a luz que vem através de sua janela se
parece. Isso significa que você não ver ter uma
luz sensacional para fotografar durante todo
o dia. Para saber qual é melhor momento para
fotografar usando a luz da sua janela, confira
como essa fonte de iluminação age em difer-
entes momentos do dia para você entender
melhor como a luz muda e como essa mu-
dança pode afetar suas fotografias.
3. MODIFICANDO SUA LUZ
Há uma razão pela qual a luz das janelas ao
norte e ao sul é ideal. Nessas janelas, você
nunca vai ter o brilho do sul entrando direta-
mente por elas. Se a sua janela está¡ para o
leste, ou oeste, a luz natural do sol vai incid-
ir diretamente para dentro do ambiente no
começo, ou fim do dia.

Tenha em mente que certos obstáculos, como


edifícios e Árvores, por exemplo, também
podem afetar a forma como a luz natural vem
através de sua abertura. Se a luz é muito dura
e as linhas de sombra são muito proeminentes
para o seu gosto, você pode adicionar uma
fonte de difusão em frente da janela.

4.A LUZ NATURAL DURANTE O DIA


A luz natural evolui da seguinte maneira du-
rante o dia: ela começa com uma tonalidade
quase azul. À medida que a manhã avança, a
cor da luz se aquece. No final do dia, ela volta
para o aspecto azul, mais frio. Se você for fo-
tografar por um longo período, a temperatura
da luz vai mudar diversas vezes. Lembre-se de
ajustar o seu balanço de branco para compen-
sar essa mudança na sua fotografia.

Se você tiver várias janelas, ou áreas abertas


para fotografar usando a luz natural, saiba que
você não precisa fotografar de apenas um
lugar durante o dia todo. Se você sabe que a
luz em uma janela é especialmente boa para
fotografar durante a manhã, fique lá nesse
período. Se ela fica melhor durante a tarde
em outra janela, então mude a sua posição no
período vespertino. Com um pouco de plane-
jamento, você pode assegurar que sempre
terá¡ a melhor luz natural à sua disposição em
um determinado ambiente.

Se o local que você estiver não tiver opções


viáveis de iluminação, ou se você for fotogra-
far durante a noite, então a luz artificial é a sua
melhor escolha.
46-)9 dicas de iluminação para fotografar
melhor pessoas e objetos
De fotos casuais a profissionais, a relação
entre o fotógrafo e os pontos de iluminação
é sempre um desafio. Conheça técnicas, con-
figurações e truques para obter boas imagens
mesmo quando a luz não ajuda.

O importante é testar as possibilidades do seu


equipamento e utilizar a configuração ideal
para cada clique, já que nem sempre pode-
mos controlar a iluminação do ambiente onde
estamos.

1. Ajuste a sensibilidade (ISO) em ambientes escuros


No modo “easy”, a câmera aumenta automa-
ticamente a sensibilidade ISO do sensor para
captar mais detalhes da imagem, de acordo
com a luz do ambiente.

Mas o ideal é que você conheça as possibili-


dades de sua câmera e use a ISO que permite
captar imagens sem perda de qualidade, pois,
quanto maior a sensibilidade, maior é o risco
de obter ruído na imagem.

Figura 60:
Comparativo
de imagens
capturadas
usando dife-
rentes ISSO
Vale lembrar que quanto maior a sensibilida-
de, maior será a velocidade que você poderá
atribuir ao obturador, evitando imagens tre-
midas.

Conforme observamos na imagem acima, com


ISO 100 (uma baixa sensibilidade) a imagem
ficou “tremida”, pois a câmera precisou de
mais tempo para registrar a imagem e a mo-
delo se movimentou. Por outro lado, a imagem
capturada com ISO 6400 (uma sensibilidade
alta) a câmera registrou a imagem muito rapi-
damente (imagem “congelada”), mas apresen-
tou ruído. Neste situação o melhor seria conti-
nuar a fotografar com sensibilidade ISO entre
800 e 1600.

2. A iluminação ideal para objetos pequenos


Para obter imagens impecáveis de objetos
pequenos com fundos neutros (branco, preto
ou colorido), profissionais utilizam a “tenda de
luz”, também chamada de “barraca de luz” ou
“barraca difusora”.

O termo “difusor” é atribuído pelo fato das


laterais e topo serem feitos de material trans-
lúcido. Isto permite suavizar a luz que entra na
tenda, iluminando o objeto de maneira mais
uniforme, suavizando as sombras.

Figura 61:
Comparativo
de imagens
capturadas
usando dife-
rentes ISSO
As versões profissionais menores (30 x 30 x
30 cm) podem ser encontradas a partir de
R$ 100, mas improvisando com materiais com
uma caixa de papelão, você não gastará mui-
to. Utilizando uma caixa de papelão, tecido e
fita adevisa, é possível construir sua própria
tenda. Em outro exemplo, o fotografo utilizou
apenas um balde branco translúcido.

Em nossa dica sobre como fotografar objetos


que refletem, ensinamos algumas técnicas
para fotografar este tipo de objeto sem que
o reflexo do ambiente e do próprio fotógrafo
interfira na imagem.

3.Usando flash em fotos macro


Quem já tentou usar o flash embutido da câ-
mera em fotos macro deve ter percebido que
os resultados não são nada legais. O equipa-
mento indicado para esta situação é o flash
circular (“ring flash”).

Figura 62:
Exemplos de
uso do flash
circular

Flash circulares podem ser encontrados a partir


de aproximadamente R$ 200, e as versões
mais avançadas custam mais de R$ 2.000. Mas
também é possível improvisar um difusor que
pode te ajudar a obter resultados razoáveis.
Você deve utilizar materiais translúcidos, fazer
um orifício que permita encaixar na lente, e o
“anel” irá distribuir a luz ao redor da lente.

Figura 63:
Difusor feito
de material
translúcido
pode ajudar
a obter fotos
macro com
melhor
iluminação

4.Improvisando iluminação com difusores


O “softbox” é um equipamento profissional
utilizado em conjunto com refletores (lâmpa-
da) para iluminar objetos e pessoas. O softbox
é como uma a armação de um abajur, com um
tecido translucido na frente para suavizar a
luz. E o refletor seria a parte elétrica, onde se
encaixa a lâmpada.

Profissionais usam refletores com softbox,


presos a um tripé que possibilita ajuste de
direção a altura. Caso deseje adquirir este tipo
de equipamento, fique atento, pois estas par-
tes são vendidas separadas.

Figura 64:
Comparativo
entre a ilumi-
nação de ob-
jeto feito por
luz direta, e
equipamento
com difusor
Você pode improvisar um difusor com uma
simples folha de papel enrolada e fixada com
clipes sobre um abajur de mesa.

Figura 65:
Difusor im-
provisado de
papel preso a
um abajur de
mesa

As luminárias com braços flexíveis são ideais


para você direcionar a luz para onde deseja,
e fotografar pessoas, ambientes e objetos
como desejar.

No exemplo abaixo, observe que a sombra


projetada é bem mais suave quando usamos
o difusor. Além disso, as cores do objeto são
melhores retratadas, pois as áreas brancas
provocadas pelo excesso de luz se amenizam
(algo semelhante acontece com rostos).

Figura 66:
Comparati-
vo de duas
imagens
fotografadas
sem difusor,
à esquerda, e
com difusor,
à direita

5.Ajuste a potência do flash


Quando câmera ajusta automaticamente a
potência do flash, geralmente os resultados
não agradam. Este é um dos motivos que leva
muitas pessoas a criarem certa resistência ao
uso de flash.

Acredite, o flash é seu amigo. É possível ajus-


tar sua potência para evitar a “cara de susto” e
a formação de sombras muito fortes. A dife-
rença entre os resultados usando a potência
incorreta e a ideal é absurda.

Figura 67:
Objeto foto-
grafado com
diferentes
potências do
flash

O sistema de medição da luz do ambiente


em câmeras avançadas geralmente acerta na
configuração da potência do flash. Mas esta é
uma questão de gosto e percepção de cada
pessoa. Se você não está usando um equipa-
mento profissional e o ambiente está escuro,
não há problemas se a imagem ficar um pou-
co escura. Não é preciso aumentar a intensi-
dade do flash a ponto de deixar as pessoas
com “cara de susto”.

6.Conheça os difusores de flash


O flash é uma luz muito potente, que promete
ser útil para fotografar ambientes e objetos.
Por isso, ele pode parecer excessivo quando
fotografamos pessoas e objetos quando estão
próximos. Se diminuir a potência do flash não
é suficiente, você pode usar o difusor de flash
para suavizar seus “efeitos colaterais”.

Há modelos para câmeras compactas que


possuem sapata, onde o difusor ficará à fren-
te do flash. Pode parecer desajeitado, mas os
resultados valem a pena.

Figura 68:
Difusor de
flash para
câmeras
compactas, e
que possuem
sapata (en-
caixe) para
flash

Também existem modelos de difusores que


se encaixam no próprio “flash pop-up” (aque-
les que se abrem) de câmeras superzoom e
DSLR. Estes modelos que podem ser encon-
trados por cerca de R$ 70.

Figura 69:
Difusor para
flash pop-up
de câmeras
DSLR e su-
perzoom

Os modelos “caseiros” são bem fáceis de fazer.


Você pode utilizar desde uma simples folha de
papel, até embalagens de plástico translúcido.
Com este tipo de acessório, a luz a distribuída
pelo ambiente e incide com menos voracidade
nos objetos mais próximos.
A quantidade de luz que atravessa o difusor e
“rebate” pelo ambiente vai depender do grau de
transparência do material. No exemplo acima, foi
usado um cartão de visitas, e como ele é mais
espesso, parte da luz é filtrada e boa parte se
espalha pelo ambiente a capta a cena sem “ex-
cessos” e “explosões” de pontos iluminados.

Figura 70:
Cartão de
visita trans-
formado em
rebatedor
difusor, fixa-
do em flash
embutido de
câmera

No exemplo abaixo, utilizamos um difusor com


papel sulfite em volta do flash embutido. A
diferença na imagem pode ser sutil, mas com
o difusor percebemos mais naturalidade nas
feições.

Figura 71:
Compara-
tivo entre
fotografias
sem o uso
de difusor,
à esquerda,
e com o uso
de difusor
para flash, à
direita
7.Passo a passo para obter uma boa imagem em
condições adversas sem apelar para o flash

Este é um guia para obter boas imagens no


modo manual.

Passo 1. Aumente o ISO até a sensibilidade que


sua câmera aguenta sem gerar “ruído”. Alguns
modelos suportam captar imagens com ISO
3200 apresentando um ruído mínimo.

Passo 2. Ajuste a velocidade para 1/50 s. Esta é


uma boa velocidade para capturar momentos
espontâneos, evitando imagens “tremidas”.

Passo 3. Aumente a abertura ao máximo. Len-


tes “claras” como a famosa 50 mm permite
abertura de f/1.8, mas o fundo ficará desfo-
cado. Avalie se o efeito gerado te agrada, ou
não. Se preferir o fundo nítido, utilize abertu-
ras menos. As lentes mais comuns das DSLR,
as 18 ~ 55 mm geralmente possuem abertura
máxima de f/3.5.

Passo 4. Teste sua imagem.

Passo 5. Se a imagem ficou escura, você pode


diminuir a velocidade (correndo o risco da
imagem ficar tremida) ou aumentar a sensi-
bilidade ISO (correndo o risco de obter uma
imagem com ruído).

Bem, melhor ter uma imagem com ruído do


que “borrada”. Se você mudar de ideia, acione
o flash, ajustando sua potência para a mínima
possível.
8. Crie cliques criativos
Depois de aprender um pouco sobre estes
truques de iluminação e configuração do seu
equipamento, experimente. Tente reproduzir
em casa os “ambientes hostis” para fotografia
e treine.

Simule em escala reduzida, cenas que você


gostaria de clicar, e teste todas as config-
urações indicadas e as não indicadas pelo
modo automático da sua câmera.

Figura 71:
Montagem
de cena com
objetos

Questione tudo o que o modo “easy” diz pra


você fazer, e tente obter resultados semelhan-
tes usando configurações diferentes. Os modos
de cena também podem ser boas fontes para
análise. Veja as diferenças das configurações
dos modos “fogos de artífício”, “praia” e “neve”.

Figura 72:
Imagem de
uma mesma
pessoa foto-
grafada com
pontos de luz
de diferentes
ângulos Observe que diferentes ângulos do objeto em
relação ao ponto de iluminação, podem re-
sultar em diferentes percepções. No exemplo
abaixo, apesar da modelo manter a mesma
posição e expressão, cada imagem “comunica”
sentimentos diferentes. Explore este conceito
nos seus próximos cliques!

É através de testes que você imprime cada


vez seu próprio estilo na fotografia, e para te
ajudar nesta experimentação, sugerimos que
você confira nossas dicas sobre como fotogra-
far o por do sol, como fotografar estrelas e
como fotografar usando longa exposição que
constam nesse livro.

9.Dicas importantes
Equipamentos fotográficos profissionais não
deixarão de ter seu valor. Se você fotografa
profissionalmente, tenha equipamentos profis-
sionais. Clientes podem estranhar “gambiar-
ras” e materiais improvisados.

Não utilize colas e fitas adesivas aplicados


diretamente na câmera. Você pode emperrar
partes móveis e danificar seu equipamento.
Ao utilizar papéis e plásticos sobre lâmpadas
e materiais elétricos, certifique-se que eles não
estão em contato direto. Lâmpadas esquen-
tam e há risco de tudo pegar fogo.

Pesquise sobre flash externo. As limitações


do flash embutido são análogas às limitações
da “lente 18 ~ 55 mm do kit”. Com o tempo,
você percebe isso. Alguns até dizem que “não
é possível fazer nada com o flash embutido”.
Pode parecer exagero, mas o flash externo
dá ao fotógrafo uma nova experiência to-
talmente diferente com a luz. E como todos
sabem, luz é imagem.
47-)5 dicas para fotografar objetos que
refletem improvisando equipamentos
Fotografar objetos que refletem exige conheci-
mento do fotógrafo sobre iluminação, equipa-
mentos apropriados e uma dose de improviso.
Confira nossas dicas para obter boas imagens
de objetos metálicos e polidos.

Figura 73:
Fotografia
de talheres e
prato sobre
mesa

Mesmo na fotografia artística, você pode es-


tudar o objeto com antecedência e observar
como ele reage aos diferentes níveis de ilumi-
nação. Tenha em mente que imagens em am-
biente externo sofrerão influências diretas das
condições climáticas e iluminação.

Figura 74:
Fotografia
de monu-
mento em
praça pública
à esquerda,
e de balões
metalizados
à direita
Na fotografia comercial, além de estudar o
objeto, você deverá estar atento ao briefing da
imagem, ou seja, onde e como ela será utili-
zada. Desta maneira, você terá uma melhor
noção para a composição da cena e escolher
o melhor fundo para ela. Isto porque as cores
do ambiente influenciam nas cores do objeto
fotografado, e caso haja divergência o resulta-
do será artificial.

Em catálogos ou tabloides de ofertas, a ima-


gem geralmente é recortada e aplicada em fun-
do branco. Caso a imagem final tenha muitas
partes brancas, o objeto pode “desaparecer”
quando aplicado no layout, causando um efeito
indesejado.

Por outro lado, o fotógrafo pode ter a liberdade


de produzir boas imagens utilizando seu co-
nhecimento de composição, capturando belas
imagens que podem ser utilizadas tanto em
impressos publicitários, quanto em capas de
revista onde há mais liberdade para criar.

1. Equipamento
Mesmo contando com equipamentos profis-
sionais, a criatividade ajuda muito na hora de
improvisar e encontrar a melhor solução para
os desafios fotográficos do dia a dia.

O equipamento ideal é uma tenda. Dependen-


do do nível de reflexibilidade do objeto e da
resolução da câmera, até simples marcas de
dobras no tecido podem ser visualizados no
reflexo. Para evitar este tipo de contratempo,
deixe a tenda esticada um dia antes da sessão.
Você também pode improvisar uma tenda,
utilizando uma caixa de papelão recortada com
folhas de papel ou tecido nos orifícios laterais,
no fundo, na parte superior e também revestin-
do seu interior. É um processo trabalhoso, mas
que gera resultados profissionais.

O tripé é outro aliado neste tipo de fotografia.


A estabilidade proporcionada pelo uso tripé
permite captar mínimos detalhes com nitidez e
perfeição. Caso você não disponha de um, pro-
cure apoiar a câmera em uma superfície plana.

Figura 75:
Tenda com
iluminação
profissional
à esquerda, e
caixa luz fei-
ta com pape-
lão e tecido à
direita

Para objetos minúsculos recomendamos a


utilização de lentes macro. Caso você não tra-
balhe com uma DSLR, procure na sua câmera
o modo Macro, simbolizado por uma pequena
flor, que ajusta automaticamente os recursos
da câmera para obter boas fotos. Detalhes de
joias pequenas, por exemplo, podem ser captu-
rados somente desta forma.

2.Iluminação
O preto é uma boa opção de cor para compor
o reflexo no objeto. Para isto, o ambiente deve
estar completamente escuro. Caso contrário, o
ambiente (e tudo está a sua volta) será refleti-
do no objeto.

Figura 76:
Anéis e caixa
de luz pro-
fissional à
esquerda, e
anel com cai-
xa de luz fei-
ta de pratos
descartáveis
à direita

O flash embutido deve estar desativado, pois


ele é refletido no objeto. A utilização de outras
fontes de luz, como abajures, gera contrastes
intensos, quando iluminam diretamente. Uma
saída é usar um softbox. Com ele é possível
obter uma iluminação mais distribuída na
cena, suavizando contrastes e evitando que a
iluminação direta da lâmpada sobre o objeto
gere pontos brancos “estourados”. Provavel-
mente este é um equipamento que você en-
contrará em todos os estúdios de fotografia.

Figura 77:
Objeto
iluminado
por lâmpa-
da comum
à esquerda,
por softbox
no meio, e
imagem de
um softbox à
direita
3.Nível de reflexibilidade
Existem vários níveis de reflexibilidade, e o
que os define é o material do revestimento.
Objetos como bolas de bilhar refletem menos
e os objetos cromados refletem mais. Quanto
maior o nível da reflexibilidade, maior o desa-
fio para obter uma boa fotografia.

4.Objetos com baixa reflexibilidade


Fotografar objetos com superfície polida,
como bolas de bilhar, exige alguns cuidados
extras. Observe no exemplo abaixo que o
formato do ponto de luz é refletido no obje-
to. Por isso o uso do “guarda-chuva” deve ser
evitado neste tipo de fotografia.

Com o softbox retangular, podemos suavizar


e distribuir a luz de maneira mais uniforme,
ao mesmo tempo que aumentamos a área da
fonte de luz.

Figura 78:
Bola de
bilhar com
o reflexo
do flash da
câmera à
esquerda, da
lâmpada de
um abajur no
meio, e de
um softbox à
direita
Fotógrafos profissionais costumam usar uma
mesa para still com o softbox e difusores para
ampliar e distribuir ainda mais o ponto de luz.
Lâmina de papel utilizada como difusor à es-
querda, e painel difusor à direita

Figura 79:
Lâmina de
papel utili-
zada como
difusor à
esquerda, e
painel difu-
sor à direita

Confira o resultado com a utilização do difusor


posicionado entre o objeto e o softbox. Ob-
serve que o formato retangular, com sua devi-
da distorção esférica, continua sendo refletido
na bola de bilhar, mas suavemente.

Figura 80:
Bola de
bilhar ilumi-
nada pelo
softbox com
painel difusor
à esquerda e
imagem final
produzida à
direita

Confira abaixo alguns testes feitos pelo fo-


tógrafo Robert Grant mostrando fotografias
feitas com diferentes configurações de câme-
ra para uma mesma composição. Aqui, foram
modificados apenas a posição do difusor e da
iluminação.
Figura 81:
Imagem do
controle
de seleção
de cena à
esquerda,
chave seleto-
ra no modo
foco manual
no meio e
display à
direita
Figura 82:
Bolas de
bilhar sobre
mesa, ilumi-
nadas por
lâmpada em
diferentes
posições
com lâmina
difusora de
papel

5.Fotografando objetos metálicos


O nível de reflexibilidade dos objetos metálicos
é maior em comparação aos demais tipos de
objetos. Sempre haverá duas composições que
devemos planejar: a composição da cena e a
composição da imagem refletida no objeto.

O reflexo do branco da tenda e do preto do


ambiente escuro ajudam na composição. Porém,
a imagem da câmera ou do próprio fotógrafo
refletida no objeto são problemáticas. Uma das
soluções é apagar todas a luzes do ambiente,
iluminar o objeto apropriadamente e fotografar.

Figura 83:
Imagem
de pincéis
sobre mesa
iluminados
por softbox
à esquerda,
e fotografia
dos pincéis à
direita

Outra solução é utilizar uma cartolina branca,


preta ou da cor do ambiente, e fazer um pe-
queno orifício, por onde será possível captar
a imagem.

Figura 84:
À esquerda,
câmera atrás
de lâmina de
papelão com
orifício, pers-
pectiva inter-
na da cena
no meio, e
fotografia
do objeto à
direita

Utilize difusores para diminuir a intensidade dos


contrastes, valorizando as formas do objeto. Veja
no comparativo abaixo, a diferença do resultado
entre fotografias com e sem o difusor.
Figura 85:
Talheres e
prato sobre
uma mesa
fotografados
sem a lâmina
difusora à
esquerda, e
com a lâmi-
na difusora
no meio e à
direita

Talheres e prato sobre uma mesa fotografados


sem a lâmina difusora à esquerda, e com a
lâmina difusora no meio e à direita

Veja a configuração da câmera utilizada para


fotografar os talheres e o prato acima.

Figura 85:
Imagem do
seletor de
cena à es-
querda, cha-
ve seletora
do foco ma-
nual no meio,
e display da
câmera à
direita
Agora é sua vez de fotografar e aprimorar
suas técnicas para fotografar objetos que re-
fletem. Assista ao vídeo que mostra o proces-
so de confecção de uma caixa de luz a partir
de materiais simples, como caixa de papelão,
cola e tecido de camiseta branca.
48-)Os 6 tipos de flash para serem usa-
dos com câmeras
Compreender a iluminação é talvez a parte
mais importante da fotografia. Hoje quase to-
das as DSLR – e as digitais comuns, vem com
um flash embutido. Infelizmente, esses dispo-
sitivos podem produzir fotos surpreendente-
mente extravagantes… considerando que eles
deveriam estar lá para ajudá-lo. Existem vários
tipos de unidades de flash que você pode – e
deve, dominar para obter as melhores imagens
possíveis em praticamente qualquer condição
de iluminação. Que tal darmos uma olhada.

1. Flash embutido ou incorporado


Os flashes embutidos ou incorporados à câme-
ra são construídos dentro do corpo principal
dela. Eles estão no mesmo eixo que a lente, en-
tão quando você dispara essas unidades, a luz
ilumina em uma única direção – diretamente no
assunto. Isso geralmente é problemático, por-
que a luz no eixo cria contrastes duros e som-
bras grosseiras, para não mencionar que fazem
o fundo ficar excessivamente escuro.

Nós todos já vimos este problema em fotos,


geralmente naquelas que nossos amigos tiram
à noite, ou dentro de clubes e festas. Você
pode evitar este efeito desagradável, equili-
brando o flash com a luz ambiente da cena.
Para fazer isso, meça a cena – sem flash – e,
em seguida, vire-o para tirar a foto.

2. Flash Dedicado
O flash dedicado é uma unidade que se encai-
xa na sapata da câmera – onde há uma fenda
na parte superior do corpo dela. Este flash é
uma grande peça de um mecanismo que se
comunica com a câmera. Juntos, eles obtêm
informações sobre a utilização do compri-
mento da lente, a sensibilidade ISO, a abertura
(f), e a velocidade do obturador, para deter-
minar a luz ideal que deve ser emitida. Este
dispositivo é preferível ao flash embutido ou
ao incorporado por muitas razões, mas uma
das melhores é que você pode evitar os olhos
vermelhos dobrando-o e passando a luz por
sobre o assunto.

Além disso, muitos flashes dedicados têm um


pré-flash, fazendo com que as pupilas de seu
objeto se contraiam, e evitando os olhos ver-
melhos. Ele também é uma ferramenta muito
melhor do que o flash embutido por causa da
versatilidade que proporciona. Ainda mais ver-
sátil será, se ele vier com um cabo, o que lhe
permite separar a unidade de flash e posicio-
ná-la em qualquer ângulo para a melhor foto
possível … e acredite, você ficará impressiona-
do com a liberdade.
3. Flash anelar para macro
Um flash anelar se encaixa na lente, ajustan-
do-o nas roscas de fixação. Ele fornece uma
fonte de luz suave e difusa que é ideal para
a fotografia macro. Os frágeis parâmetros de
uma macro impedem o uso do flash embutido,
e uma unidade de flash dedicado não tem a
capacidade de direção exigida para iluminar
adequadamente esse tipo de assunto.

O flash anelar permite que comece o mais


próximo possível de seu assunto-foco, e ilu-
mine-o com uma fonte de luz, que não criará
o contraste duro ou sombras. Em vez disso,
você terá uma iluminação macia e uniforme
que acentuará os detalhes.

4. Flash cabeça de martelo


Um flash ‘cabeça de martelo’ – ou flash exter-
no, é uma unidade separada e não é ligado à
sapata, é parafusado ao tripé. Ele fica ao lado
da câmera e fora do eixo apenas o suficien-
te para limitar o efeito de olhos vermelhos
nos seus assuntos. Essa é uma das unidade
favoritas da imprensa e de fotógrafos de ca-
samento, porque tem uma saída de luz alta, e
fornece um melhor ângulo e aderência do que
outros tipos de flashes.

5. Flash de preenchimento
O flash de preenchimento não é uma unidade
separada, mas sim uma técnica utilizada quan-
do o fundo é muito mais brilhante do que o
seu assunto; ou a iluminação é tanta que você
tem altos níveis de contraste sobre o objeto.
Como sugere o nome, você pode usá-lo para
adicionar luz de preenchimento ao sujeito e
registrar uma exposição mais satisfatória. Isto
é útil quando a iluminação do ambiente não
favorece, e normalmente resulta em algum
nível de silhueta.

Você deve ligar o flash quando estiver em área


externa, e medir a parte fundamental do que
você quer fotografar que aparece sob “som-
bra” em comparação com o resto da cena.
Assim a imagem ficará mais equilibrada e
agradável
6. Bounced flash (Flash rebatido)
O flash rebatido também é uma técnica, não
uma unidade – conhecida pelo nome em in-
glês ‘bounce flash’. Você tem imagens esteti-
camente mais agradáveis quando rebate a luz
em uma superfície para iluminar o assunto, ao
invés de usar a iluminação direta que se ob-
tém na maioria dos flashes.

É preciso uma unidade de flash dedicado para


lançar a luz no teto, ou numa parede próxima.
Esta técnica abre um mundo totalmente novo
de excelentes fotografias, especialmente se o
flash for preso à câmera com um cabo.

Conclusão
Há muitas maneiras diferentes para obter
iluminação adicional com as várias unidades
de flash descritas. O verdadeiro truque para
utilizá-las de forma eficaz, é compreender os
parâmetros que o flash pode fazer, entender
a dinâmica de iluminação da situação em que
você está, e então usar a criatividade! Cada
uma das unidades de flash especiais funciona
bem com aquilo para a qual foi projetada, e
melhorará imensamente suas fotografias, prin-
cipalmente com a prática!
49-)6 padrões de iluminação de retratos
que todo fotógrafo deve conhecer
No retrato clássico existem várias coisas que
você precisa controlar e observar para fazer uma
foto lisonjeira de seus assuntos, incluindo: a pro-
porção da luz, a iluminação padrão, a visão do
rosto, e o ângulo de visão. Eu sugiro que comece
a conhecer estes princípios de dentro para fora,
e como a maioria das coisas então, você poderá
até quebrar suas regras. Mas se puder apreender
esta pequena informação, estará no caminho
exato para obter ótimas fotos de pessoas.

Neste artigo vamos olhar para o padrão de ilu-


minação: o que é, por que é importante, e como
usá-lo. Talvez em outro artigo futuro, se gostar
deste aqui, eu vou falar sobre os outros aspectos
a se considerar para fazer bons retratos.

O que eu defino como padrão de iluminação é


o modo como a luz e a sombra atuam por todo
o rosto para criar diferentes formas. Em termos
simples, é a forma que a sombra tem na face.
Existem quatro padrões de iluminação comuns
em retratos, são eles:

• iluminação dividida
• iluminação curva
• iluminação de Rembrandt
• iluminação borboleta

Há também a iluminação ampla e a curta, que


são mais do que um estilo, e podem ser usa-
das com a maioria dos padrões acima. Vamos
olhar para cada um deles individualmente.
1. Iluminação dividida
A Iluminação dividida ou ‘split’, é exatamente
como o nome indica – ela divide o rosto exata-
mente em duas metades iguais, com um lado
sob a luz, e o outro na sombra. Ele é frequen-
temente usado para criar imagens dramáticas
para as coisas, como um retrato de um músi-
co ou de um artista. Este padrão tende a ser
mais masculino e, como tal, é geralmente mais
adequado, ou aplicável, em homens do que
nas mulheres. No entanto, tenha em mente,
que não há regras rígidas e simples, então eu
sugiro que você use a informação que eu for-
necer aqui como um ponto de partida, ou uma
diretriz. Até que aprenda isso e possa fazê-lo
com naturalidade, use essa orientação como
padrão quando não estiver muito seguro.
Para alcançar a iluminação dividida simples-
mente posicione a fonte de luz em ângulo
de 90º à esquerda, ou à direita de quem será
retratado, e possivelmente até mesmo um
pouco atrás de sua cabeça. Onde você colo-
ca a luz em relação ao assunto vai depender
do rosto da pessoa. Observe como ela incide
sobre ele e ajuste em conformidade. Na ver-
dadeira iluminação dividida, o olho do lado do
rosto que está na sombra recebe apenas um
leve toque de luz. Se ao girar a face, incidir um
pouco mais de luz sobre a bochecha, é possí-
vel que o formato do rosto não seja ideal para
usar este padrão de iluminação.

NOTA: qualquer padrão de iluminação pode


ser criado para qualquer ponto de vista facial
– vista frontal, mostrando ambos os ouvidos,
ou rosto ¾, e mesmo de perfil. Basta lembrar
que a sua fonte de luz deve seguir o rosto
para manter o padrão. Se virar a cabeça ele
vai mudar. Então você pode usar isso a seu fa-
vor, gire apenas um pouco a cabeça do assun-
to, e ajuste-o facilmente.
O que afinal de contas é um “refletor”?
Observe na foto acima, que os olhos do bebê
têm um reflexo da origem da luz em si. Ele
aparece como uma pequena mancha bran-
ca, mas se olharmos mais de perto, podemos
realmente ver a forma da luz que usei neste
retrato.
Vê como o ponto brilhante é realmente um
hexágono com um centro escuro? Essa é a
luz que foi usada, que nada mais era que uma
pequena caixa em forma hexagonal sobre o
flash de uma Canon.

Isto é o que conhecemos como o “refletor”.


Se os olhos do sujeito não captarem essa luz,
parecerão escuros, mortos e sem vida. Você
precisa se certificar de que pelo menos um
dos olhos tenha um refletor para dar vida ao
assunto. Observe também que ele ilumina a
íris e os olhos em geral. Isso também aumenta
a sensação de vida e dá-lhes brilho.

2. Iluminação curva
A iluminação curva ou ‘loop’ é feita através da
criação de uma pequena sombra do nariz do
assunto sobre as suas bochechas. Para criá-la,
a fonte de luz deve estar levemente mais alta
do que o nível dos olhos, e a cerca de 30º –
45º da câmera – isso depende de cada pessoa,
você tem que aprender a ler os rostos delas.
Olhe para essa imagem para ver onde as som-
bras caem, e verá uma pequena sombra de
seus narizes no lado esquerdo de seus rostos.

Neste tipo de iluminação, as sombras do na-


riz e da bochecha não se tocam. Mantenha a
sombra pequena e apontando ligeiramente
para baixo, mas esteja ciente de que se a fonte
de luz ficar muito alta criará sombras estra-
nhas e causará perda da luz no olhar. Este é
provavelmente o padrão de iluminação mais
comum ou popular, pois é fácil de criar e elo-
gia a maioria das pessoas.

Neste diagrama o pano de fundo preto repre-


senta o banco de árvores atrás deles. O sol
está vindo sobre as árvores, mas eles estão
completamente na sombra. Um refletor bran-
co é usado à esquerda da câmera para rebater
a luz de volta para os rostos dos sujeitos. O
refletor pode ou não estar no sol, mas você
ainda poderá pegar luz, mesmo se não estiver.

Basta jogar com os ângulos, alterando o po-


sicionamento dele, para alterar o padrão de
iluminação. Para fazer a iluminação curva o
refletor deverá estar em torno de 30º – 45º da
câmera. Ele também precisa estar um pouco
acima do nível dos olhos para que a sombra, ou
a curva do nariz, crie um ângulo para baixo, na
direção do canto da boca. Um erro que muitas
vezes os iniciantes cometem com refletores, é
colocá-los embaixo e definir o ângulo virando-
-os para cima. Isso ilumina o fundo do nariz do
seu assunto e não cria um padrão lisonjeiro.

3. A iluminação de Rembrandt
A iluminação de Rembrandt é assim chama-
da porque Rembrandt, o pintor, muitas vezes
usou esse padrão de luz em suas pinturas,
como você pode ver em seu autorretrato aqui.
Ela é identificada pelo triângulo de luz no
rosto. Ao contrário da iluminação curva, onde
a sombra do nariz e a da bochecha não se
tocam, na iluminação de Rembrandt, elas se
encontram, o que cria esse pequeno triângulo
de luz, fixo no centro da face.
Para criá-lo de forma adequada, certifique-se
que o olho do lado do rosto que está na som-
bra, tem uma ponta iluminada e que há luz no
olhar, caso contrário, ele vai ficar “morto”, e
não terá um bom brilho. Este padrão é mais
dramático, e assim como a iluminação dividi-
da, ele cria mais clima e uma sensação mais
escura à sua imagem. Use-o quando for real-
mente apropriado.

Para criar a iluminação de Rembrandt, o as-


sunto deve virar ligeiramente para longe da
luz. Esta deve estar acima do topo de sua
cabeça para que a sombra de seu nariz caia
na direção da face. Nem todo rosto é ideal
para esse tipo de iluminação. Se for alguém
com ossos altos ou proeminentes, ele prova-
velmente funcionará. Quando se tem um na-
riz achatado, ou pequeno, pode ser difícil de
conseguir criá-lo.
Novamente, lembre-se que não tem de usar
exatamente esse ou outro padrão, contanto
que a pessoa se sinta elogiada, e o estado de
espírito que você quer mostrar apareça, então
a iluminação está funcionando. Se utilizar luz
da janela, e ela for até o chão, você pode ter
que bloquear a parte inferior com um globo,
ou um cartão, para conseguir este efeito.

4. Iluminação borboleta
A iluminação borboleta é assim chamada,
apropriadamente, pois cria uma sombra em
forma de borboleta sob o nariz, ao se colocar
a principal fonte de luz acima, e logo atrás da
câmera. O fotógrafo basicamente tira a foto
de sob a fonte de luz neste padrão. Ele é mais
frequentemente usado em fotografias de estilo
glamouroso e para criar sombras sob as boche-
chas e o queixo. Ele também é lisonjeiro com
indivíduos mais velhos, uma vez que enfatiza
menos as rugas do que a iluminação lateral.

Este padrão é criado por ter a fonte de luz


diretamente por trás das câmeras, e um pou-
co acima do nível dos olhos, ou da cabeça do
sujeito – depende da pessoa. Às vezes é com-
plementado pela colocação de um refletor di-
retamente sob seu queixo, com o assunto se-
gurando-o por si mesmo! Ele é lisonjeiro para
com indivíduos que têm ossos da face proemi-
nentes e bem definidos e um rosto magro.

Alguém com um rosto redondo e largo ficaria


melhor com a iluminação curva, ou mesmo
a dividida, para afinar o rosto. Este padrão é
mais difícil de criar usando a luz de uma janela
ou um refletor sozinho. Muitas vezes, uma fon-
te de luz mais forte como o sol ou um flash é
necessário para produzir a sombra mais defini-
da sob o nariz.

5. Iluminação ampla
A iluminação ampla ou ‘Broad’ não é tanto
um padrão específico, mas um estilo de ilu-
minação. Qualquer um dos seguintes padrões
de luz pode ser ampla ou curta: curva, Rem-
brandt, dividida.
Se diz que ela é ampla quando o rosto da pes-
soa se afastou um pouco do centro e fica com
o lado da face que está voltado para a câmera
– o lado mais amplo, sob a luz. Isto produz uma
maior área de iluminação no rosto, e um lado
sombreado, que parece menor. A iluminação
ampla às vezes é usada em retratos “high-key“.

Este tipo de iluminação faz com que a face de


uma pessoa pareça mais ampla, ou mais lar-
ga – daí o nome, e pode ser usado em alguém
com um rosto muito magro para aumentá-lo.

A maioria das pessoas, porém, quer parecer


mais magra, não maior, de modo que esse pa-
drão não seria apropriado para alguém que é
mais pesado ou que tem o rosto redondo.

Para criar este padrão, o rosto deve estar vol-


tado para longe da fonte de luz. Observe como
o lado que está virado para a câmera tem mais
luz sobre ele, e as sombras estão caindo do ou-
tro lado da face, que está mais distante. Ilumi-
nação ampla, simplificando, significa iluminar a
maior parte do rosto, mostrando-o.

6. Iluminação curta
A iluminação curta é o oposto da ampla.
Como você pode ver pelo exemplo aqui, ela
coloca o lado da face virado para a câme-
ra – o que parece maior, mais à sombra. Ele é
frequentemente usado no estilo “low-key”, ou
em retratos mais escuros. Este padrão coloca
mais do rosto na sombra, é mais escultural,
adiciona qualidades 3D, e afina os traços, e é
mais lisonjeiro para a maioria das pessoas.

Na iluminação curta, a face está voltada para a


fonte de luz neste momento. Observe como a
parte do rosto que se afastou da câmera tem
mais luz sobre ele, e as sombras estão caindo
sobre o lado que está mais próximo. De modo
geral, este padrão tem sombras na maior par-
te da face que está à mostra.

Juntando tudo
Uma vez que você aprender a reconhecer e
criar cada um dos diferentes padrões de ilu-
minação, poderá então, começar a entender
como e quando aplicá-los. Ao estudar o rosto
do seu assunto, você vai perceber que padrão
de iluminação será melhor para ele, e para o
tipo de retrato e para o clima desejado. Al-
guém com um rosto muito redondo que quer
parecer mais magro em um retrato de forma-
tura, será iluminado de forma muito diferente
do que alguém que quer uma foto promocio-
nal para a sua banda, que quer que pareçam
malvados ou com raiva. Uma vez que você
conheça todos os padrões, saiba como reco-
nhecer e dominar a qualidade, a direção e a
proporção da luz (vamos discutir isso em um
artigo futuro), então você estará bem equipa-
do para lidar com o desafio. Claro que é muito
mais fácil de mudar o padrão de iluminação
se puder mover a fonte de luz. No entanto, se
a principal fonte for o sol, ou uma janela – fica
bem mais difícil. Então, o que você precisa
fazer ao invés de mover a luz, é fazer o assun-
to girar em relação a ela para mudar a direção
em que esta cai sobre ele. Ou mudar a posição
da sua câmera. Ou alterar a sua posição. Por-
tanto, basicamente, mude as coisas que pode
mover em relação à iluminação se não for pos-
sível mover a fonte de luz em si.
Exercício Prático
Enquadre um sujeito – uma pessoa real, ao
vivo, não o seu cão, e pratique a criação de
cada um dos padrões de iluminação que aca-
bamos de discutir, incluindo:

• iluminação borboleta
• iluminação curva
• iluminação de Rembrandt
• iluminação dividida

Lembre-se de testar tanto a iluminação ampla


quanto a curta – para cada um dos diferen-
tes padrões, onde forem aplicáveis. Não se
preocupe com qualquer outro aspecto – pro-
porção, luz de preenchimento, etc.; por agora,
apenas concentre-se em obter primeiro, ape-
nas os padrões descritos aqui.

Use a luz de uma janela, uma luminária com


uma lâmpada nua – retire a proteção, ou o sol
– mas tente usar uma fonte de luz com a qual
possa ver o que está acontecendo. Eu sugiro
que não tente usar o flash até que tenha mais
experiência, é mais difícil de aprender com ele,
porque você não pode vê-lo até depois de a
foto ter sido tirada. Também funciona melhor
começar com o assunto voltado diretamente
de frente para a câmera, sem se virar a não ser
para criar o padrão amplo ou o curto.
50)6 Dicas para Fotografar na Hora Dou-
rada e como aproveitar a luz do Sol
Existem momentos que pedem, ou melhor,
imploram por um registro fotográfico. A Hora
Dourada é provavelmente um dos melho-
res momentos para você capturar em fotos e
filmes. Para capturar um dos momentos mais
bonito do dia com fotografias que realmente
tiram tudo que pode da câmera às vezes são
necessários alguns conhecimentos específicos,
que talvez você não conheça, pois não são tão
comuns ou que não precisam ser usadas em
outras situações.

Para tirar uma boa fotografia é sempre bom


saber um pouco das especificidades do mo-
mento que você está fotografando. Alguns
desses melhores momentos para fazer aque-
la fotografia de sua vida têm um nome e
sobrenome: A Hora Dourada.

A Hora Dourada produz algumas das mais


belas condições de iluminação para filmar ou
fotografar, mas os resultados não são sempre
automáticos.
Esse momento logo após o nascer do sol e
pouco antes do anoitecer, também conhecido
como “hora de ouro” ou “hora mágica”, pode
ser um pouco complicado para capturar, espe-
cialmente por que o tempo desempenha um
fator enorme. Mas para ajudá-los nessa em-
preitada fotográfica nos reunimos cinco dicas
para fotografar belos momentos durante a
Hora Dourada e uma dica de como aproveitar
todo o potencial do Sol nas suas fotos.

FOTOGRAFIA DO FIM DE TARDE OU COMEÇO DA


MANHÃ: A HORA DOURADA
Tirar boas fotos é uma mistura de treinamento
e sorte. Tem momentos que iluminação está
perfeita, porém você não tem o equipamento
necessário para fazer jus ao que os seus olhos
estão vendo. E tem outros momentos que
você tem todos os equipamentos fotográficos
possíveis, porém o mundo não favorece os
seus esforços e alguma coisa acontece, como
por exemplo, uma chuva inesperada. Para
ajudar você a aproveitar cada momento para
tirar as melhores fotografias reunimos algu-
mas dicas que com certeza lhe ajudará a fazer
belas fotos da Hora Dourada.

Aqui estão as 5 dicas para você tirar belas fotos


da Hora Dourada:

1. Não defina o seu balanço de branco para o


automático: Sua câmera irá neutralizar os tons
de pele, inserindo mais azul na imagem, derro-
tando a finalidade de filmagem durante a Hora
Dourada.

2. Planeje com antecedência: Hora Dourada


não dura para sempre, o que significa que
se você tem uma cena complicada para foto-
grafar: algo com muitas pessoas ou que de-
pendem de muitas partes, etc., então você vai
querer dar a você, ao seu elenco e a equipe
tempo suficiente para que eles não se sintam
muito pressionados a trabalhar. Dê a todo
mundo um espaço de algumas horas para
arrumar todo o set. Configure cada equipa-
mento e acessório fotográfico de antemão,
certifique-se de que a cena foi bem planejada,
e descubra exatamente quanto tempo a sua
Hora Dourada vai durar.

3. Use um refletor: sugerimos utilizar um re-


fletor para refletir essa luz suave e quente do
sol sobre o objeto da foto: no entanto, você
vai perder seu objeto se o expuser completa-
mente para o sol e para o céu, assim traga um
refletor de Led ou de Quartzo com alguém
para segurá-lo para que você possa colocar o
sol de volta para o foco da foto.
4. Use flares para a sua vantagem: não só
Hora Dourada vai lhe dar lindas cores para
trabalhar, mas a luz é tão difusa que a cap-
tura flares de luz não vai acabar com seus
highlights, midtones ou sombras.

5. Fotografe com uma lente grande angu-


lar: Você pode não estar pensando em usar
uma lente grande angular para sua cena em
Hora Dourado, mas você pode querer obter
pelo menos uma foto com uma lente grande
angular de qualquer maneira. Por quê? Sim-
plesmente porque é a Hora Dourada, um mo-
mento mágico que faz uma pintura belamente
original para você todos os dias.

6.O SOL: Como aproveitar o poder da sua


maior ferramenta de iluminação

Este é um dos sinais evidentes de cinema ou


fotografia amadora: fotos exteriores durante
um dia de muito Sol que ficam com uma ilu-
minação terrível. Isso geralmente se manifesta
na forma de muitas áreas duras normalmente
nas faces dos modelos, que são colocadas
fora de foco. Ou, o que é muito comum tam-
bém, as imagens ficam excessivamente planas
em que não há nenhuma separação entre a
parte da frente com o plano de fundo.

No entanto evitar esses maus uso da ilumina-


ção exterior – nosso querido Sol – não requer
uma compreensão geral e irrestrita de como
funciona a luz. Só é necessário ter um conhe-
cimento básico de alguns conceitos simples
que são fáceis de colocar em prática. Neste
post vamos falar um pouco sobre esses con-
ceitos. Então, leia mais para descobrir o que
estes conceitos são e como começar a incor-
porá-los em seu trabalho.
O SOL COMO SUA PRINCIPAL FERRAMENTA DE
ILUMINAÇÃO
Antes de começar esse post para valer, vamos
usar um pouco da nossa imaginação. Se fon-
tes de iluminação fossem armas quais armas
eles seriam? Bom, um refletor provavelmente
seria um rifle sniper, uma china ball seria uma
granada e o nosso querido Sol seria uma
arma nuclear tática.

Aproveitar o poder impressionante do Sol


pode ser um pouco complicado, porque, bem,
está é uma bola de plasma quente com uma
massa trezentas mil vezes a da Terra. Então,
com certeza, você vai precisar de um pouco
de finesse – e paciência – e reverência, por-
que o Sol está apenas lá fora, fazendo o seu
trabalho; você é o único a tentar controlar seu
poderoso brilho para criar a iluminação de seu
pequeno projeto, terráqueo.

Então vamos ver como usar a iluminação do


Sol em três pequenos objetivos:
Objetivo nº 1: Acompanhe os movimentos do Sol
O sol é um inimigo astuto, de modo que ficar
um passo à frente pode possibilitar que você
planeje seu ataque e entre em posição, antes
que o Sol esteja em cima de você. Felizmente,
você pode fazer um pouco de reconhecimento
para descobrir onde ele vai estar e como será
a iluminação quando você começar a filmar.
Ajuda Ideal: aplicativos que mostra posições
do Sol

Objetivo nº 2: “Conheça o teu inimigo”


Está é uma das máximas do general chinês
Sun Tzu sobre táticas de guerra que ele co-
locou em seu famoso livro A Arte da Guerra.
Este pode ser um conselho para guerras, po-
rém ele também funciona na iluminação. Até
porque saber com o que você está lidando vai
certamente ajudá-lo a utilizar a tática certa
para lidar eficazmente com uma iluminação
usando o Sol. Esteja bastante atento, pois o
Sol é uma fonte de iluminação diferente de-
pendendo de onde ele está no céu, o tempo, e
sua localização.
Ajuda Ideal: Educar-se sobre os efeitos do Sol
e sua iluminação durante o pôr do sol, meio-
-dia, e hora dourada.

Objetivo nº 3: Prepare-se para improvisar e mudar


de estratégia
Você nunca vai ser capaz de controlar o Sol,
isso é fato. Mas você pode usar seu poder
contra ele. Isto significa encontrar uma manei-
ra de refletir a luz de volta para o seu objeto
exatamente onde você precisar de iluminação.
Ao meio-dia, por exemplo, é um dos momen-
tos mais difíceis do dia para fotografar ao
ar livre, porque o sol está emitindo luz dura
diretamente acima de seu objeto resultando
em sombras duras, “olhos de guaxinim”, e um
monte de outras questões.
Ajuda Ideal: refletores, lençóis brancos, etc.
Em resumo, fotografar ou filmar em locações
exteriores é uma tarefa difícil, mas isso não
deve assustá-lo e tirá-lo da luta. Venha pre-
parado: saiba onde o Sol vai estar, entenda os
efeitos de iluminação que vai ter em momen-
tos diferentes, etc.
Capítulo 5
Dicas de Composição

51-) Enquadrando de forma correta


O Enquadramento é algo que sempre deve ser
considerado para produzir uma ótima fotogra-
fia tanto pelo aspecto estético quanto pelo
aspecto técnico. O Enquadramento depende
de três elementos: o plano, a altura do ângulo
e o lado do ângulo.

Um enquadramento cuidadoso e correto tem


diversas vantagens mas a principal é que
depois, você não precisará fazer cortes na
foto, utilizando algum editor, para ajustar o
enquadramento, perdendo assim um pouco
da qualidade do arquivo original, visto que um
corte é um pedaço da foto e não a foto toda.

Outra vantagem é aprender a pensar a fo-


tografia no momento em que você vai tirá-la
e assim já saber qual será o resultado final
que você quer conseguir. Enfim, um bom
enquadramento é meio caminho andado pra
uma foto memorável e economiza muito tra-
balho na hora de editar.

Existem diversas regras que vem sendo apli-


cada ao longo dos anos, mesmo antes da
fotografia, estas regras eram aplicadas aos
quadros pintados a mão, ali nascia o conceito
de enquadramento.
Aqui, como a proposta é termos dicas rápidas
e fáceis de aplicar, falarei apenas da Regra dos
Terços. Esta regra é simples de aplicar e trará
resultados imediatos e visíveis para a quali-
dade das suas fotografias. A Regra dos Terços
é uma regra de composição simples e usada
para obter bons resultados quando se trata
de composição de uma imagem. A regra con-
siste basicamente em dividir o retângulo em
9 partes iguais através de 2 linhas imaginarias
horizontais e 2 linhas verticais, conforme figu-
ra abaixo.

Figura 86:
Regra dos
Terços ao
compor uma
fotografia.

Os pontos formados pelo cruzamento destas


linhas são chamados de Seção Aurea, isto
quer dizer que qualquer se você posicionar o
tema principal da foto nestes pontos ou nas
linhas que unem estes pontos, este tema terá
uma força muito maior e destaque visual do
restante da imagem.

O ângulo também é muito importante na


composição de uma imagem. Você pode
optar por ângulos baixos ou altos, no entan-
to, dependendo da lente, isso pode provocar
distorções na imagem, sobretudo em figuras
humanas. Não que isso seja ruim, dependendo
do resultado que você queria para a fotografia
você pode usar a distorção a seu favor. Todas
as regras de composição podem ser quebra-
das se a situação produzir uma fotografia com
bom resultado criativo e estético.

Figura 87:
Exemplos de
fotografias
com Ângu-
lo baixo e
Ângulo alto,
respectiva-
mente.

Boas fotografias são sempre boas fotografias


independente de cumprirem alguma regra de
composição ou de planos. Outra dica impor-
tante em relação a fotografia de paisagens. Se
quiser ter uma fotografia mais equilibrada e
mais criativa, evite colocar a linha do horizonte
no meio da imagem, coloque o horizonte em
uma das linhas do terço, mais acima ou mais
abaixo do centro da foto, caso você pretenda
mostrar mais o céu ou mais outros motivos
que estejam abaixo da linha do horizonte. A
linha do horizonte também nem sempre pre-
cisa ficar reta, paralela a linha dos terços, você
pode testar inclinações, desde que isso traga
um bom resultado estético na foto, como sim-
ular que um carro esteja subindo uma ladeira,
etc. Use a criatividade aqui.

Dica: muitas câmeras já possuem a função


de dividir a tela de acordo com a Regra dos
Terços, o que facilita muito o enquadramento
pois você pode utilizar as linhas como guia
para posicionar o tema que você vai fotogra-
far. Esta opção é muito fácil de habilitar, con-
sulte o manual da sua câmera para saber
como habilitar.

Figura 88:
Exemplo de
linhas guia
para a Regra
dos Terços
em câmeras
digitais.

Pequenas dicas ao enquadrar pessoas que po-


dem ser bem úteis e trazem um resultado bem
agradável aos olhos:

- Ao fazer fotografias do rosto de alguém,


evite cortar o topo da cabeça ou exatamente
no queixo, se for fazer um corte próximo,
chegue bem perto, se for uma fotografia mais
afastada, mostre pelo menos o pescoço.

- Se você ira mostrar os cotovelos na fotogra-


fia, mostre também as mãos. Se for mostrar os
joelhos, mostre os pés também.

- Evite cortar as pessoas nas partes do corpo


que dobram como cotovelos e joelhos, torno-
zelo, cintura, pulsos, etc..
Figura 89:
Aonde você
não deve e
aonde deve
cortar as
pessoas nas
fotos.
52-) Aprenda a Identificar os Planos Foto-
gráficos Quando Fotografa Pessoas
Se você pretende que a suas fotografias co-
mecem a ter um aspecto mais profissional é
importantíssimo que comece a dar atenção
aos detalhes e a forma de como você enqua-
dra e compõe a cena dentro do retângulo do
seu visor. Um dos primeiros passos é aprender
a distinguir e conhecer os planos existentes.

Os planos fazem parte da linguagem visual e


são tão importantes e básicos para a fotogra-
fia quanto são para o cinema ou vídeo.
Obviamente, como já vimos em varias dicas
deste livro, na fotografia não existem regras
tão rígidas e não quer dizer que você não
possa fotografar de outra forma se isso resul-
tar em um melhor ponto de vista visual, basta
você acompanhar o trabalho de grandes fotó-
grafos e comparar com os planos citados aqui
para você perceber quem nem sempre eles
são usados desta forma rígida, no entanto, até
para quebrar as regras você precisa conhecê-
-las bem.

É preciso ter atenção para que não se corte


braços, pernas ou cabeças nos locais erra-
dos, mas como já vimos, estas regras não são
rígidas e você deve levar em consideração
principalmente a sua criatividade, essa sim,
deve estar acima de qualquer regra ou norma,
sobretudo se isso resultar numa imagem ou
plano com criatividade, força visual e equilí-
brio. Veja abaixo os diferentes tipos de plano e
seus respectivos nomes.
a)Plano Geral ou Plano Inteiro

b)Plano Americano

c)Plano Médio

d)Plano Médio Curto

e)Primeiro Plano

f)Primeiríssimo Plano

g)Plano Detalhe

Dessa forma, quando algum cliente ou amigo


te pedir uma fotografia em “Plano Americano”
ou “Primeiro Plano” você agora já sabe do que
se trata e pode aplicar. Assim como pode su-
gerir quando for realizar algum trabalho, seja
profissional ou como hobby mesmo.
53-) 5 elementos que ajudam a criar boas
fotos
Uma boa fotografia surge da combinação de
diversos fatores. Mas são raras as ocasiões
que estes elementos se apresentam por obra
do acaso em perfeita harmonia. Na maior
parte do tempo, o fotógrafo precisa pesquisar,
planejar e se esforçar para capturar a melhor
imagem. Confira abaixo 5 elementos que aju-
dam a criar boas fotos.

1.O Assunto
Sem dúvida, o elemento mais importante da
foto é o próprio sujeito (isto é, o que você está
fotografando). Uma grande foto por vezes
pode funcionar se não é tecnicamente perfeita,
mas raramente funciona se o assunto não é in-
teressante o suficiente para capturar a atenção
do espectador. Você precisa treinar para ser
capaz de ver essas oportunidades únicas, onde
um sujeito pode oferecer a base de uma gran-
de foto. É preciso prática, mas com o tempo
você vai começar a notar imediatamente estas
oportunidades em todos os lugares.
2.A Composição
Um bom assunto apenas funciona se a foto for
criada aproveitando ao máximo todos os ele-
mentos de composição disponíveis. Espaço em
excesso e o assunto pode ficar perdido. Muito
de perto e o espectador pode perder os arre-
dores, se forem interessante (e que são funda-
mentais para o contexto da foto). A chave é
realmente pensar sobre a composição e como
aproveitar ao máximo a cena. Obviamente,
haverá momentos em que você precisa reagir
rapidamente, mas quanto mais prática você
tiver, mais rápido você tomará as decisões cer-
tas para sua foto.

3.Iluminação
Em tudo o que você fotografar, mesmo que
seja em ambientes fechados ou ao ar livre, a
iluminação será a chave para capturar uma
grande foto. Você precisa pensar sobre como
quer utilizar a luz natural se ao ar livre, ou a
luz artificial se dentro de casa. Por exemplo, se
você estiver usando luz natural, em diferentes
momentos do dia a luz vai ser completamente
diferente e dar as suas fotos um olhar e senti-
mento diferente também. Mas você também
precisa considerar a direção da luz, porque,
mais uma vez, isto terá um enorme impacto em
como ficará sua foto. Se você estiver trabalhan-
do dentro de casa ou em um estúdio, o lugar
pode exigir que você configure a iluminação ou
manipule a luz disponível usando coisas como
refletores ou um flash.

4.Elementos técnicos
Não é legal ter um grande tema bem composto
e bem iluminado, mas capturar a foto borra-
da ou fora de foco (a não sei que a intenção
SEJA essa). Assim, para capturar grandes fotos
você também precisa dominar os elementos
técnicos da fotografia, tais como a focagem, a
profundidade de campo, velocidade do obtu-
rador, e assim por diante. Esta parte se resume
a aprendizagem e prática suficientes para que
isto se torne uma segunda natureza para você.
É como dirigir um carro: você não pensa em
qual marcha trocar, você simplesmente faz.
Além de garantir que suas fotos estão tecnica-
mente corretas, conhecimento técnico também
permite que você tenha mais controle criativo
sobre o resultado final. Por exemplo, ao usar
uma velocidade mais lenta para capturar o
movimento, conseguindo um olhar diferente da
cena, ou ao congelar a ação usando uma velo-
cidade rápida do obturador. Dominar os ele-
mentos técnicos da fotografia é uma obrigação
se você quer capturar grandes fotos.
5.Originalidade
Com a fotografia cada vez mais na moda, es-
tamos todos cada vez mais acostumados a ver
coisas que se repetem, fotos de lugares, ani-
mais, viagens, pessoas, etc. Você precisa mos-
trar algo único e diferente do que já se vê por
aí. Isso inclui todos os elementos, desde a ilu-
minação ou composição, para que você possa
realmente mostrar uma perspectiva diferente
de algo que as pessoas já tenham visto antes.

A chave é não ter medo de correr riscos com a


foto. Então, da próxima vez que você estiver fa-
zendo uma foto, pare e pense sobre como você
pode fazê-la parecer diferente do que já existe.

Grandes fotos não são fáceis de encontrar, mas


quanto mais você praticar e treinar os diferen-
tes aspectos acima, melhor e mais rápido você
conseguirá ver e aplicar os diferentes elemen-
tos necessários.
54-)5 dicas para usar linhas principais na
composição fotográfica
As linhas principais em uma fotografia trazem,
com naturalidade, os olhos para o ponto onde
você deseja. Muitas vezes, compomos nossas
fotos a partir das linhas principais sem saber.
Um exemplo simples é quando fotografamos a
paisagem de dentro de uma estrada. A própria
estrada cria as linhas principais.

1.O que é
A linha principal é o que leva você de um
ponto a outro em uma imagem. Nossos olhos
naturalmente seguem as linhas. Seu olho co-
necta os pontos inconscientemente. Você faz
uma linha, um triângulo e/ou um quadrado.
Esse é o poder da linha na fotografia.
Ao usar esta técnica para compor sua fotogra-
fia, você pode forçar o espectador a seguir a
linha, levando-o a uma viagem visual. É uma
das mais simples e mais poderosas técnicas
de composição fotográfica usadas na fotogra-
fia de paisagem. Os fotógrafos de paisagem
sempre olham para as linhas principais na
natureza, criando uma sensação de profundi-
dade na imagem, e também para levar o es-
pectador para o assunto principal.

2. Como funciona
A ideia é levar o espectador para a cena com
a ajuda de linhas literais, ou imaginárias/ im-
plícitas, na cena. A fotografia se torna muito
mais interessante quando esta linha leva o
espectador para o assunto principal, ou um
ponto de ancoragem.
O ponto mais importante é usar as linhas
principais para guiar o espectador na cena.
Não faria muito sentido, se ela levar o especta-
dor para fora da cena.

3.Principais aspectos
Alguns dos aspectos importantes do uso de
linhas em sua composição fotográfica são:
– Guiar o espectador pela fotografia;
– Guiar o espectador de um ponto a outro;
– Guiar o espectador para o assunto principal

Especificamente na fotografia de paisagem,


criar a ilusão de profundidade é muito ne-
cessário. A fotografia se torna mais atraente
combinando a técnica das linhas principais
com a regra dos terços. Abaixo, o espectador
é guiado a partir do primeiro plano, e através
de todo o caminho até ao fundo. Além disso,
o horizonte está no terço superior do quadro,
seguindo a Regra dos Terços, e criando uma
fotografia da paisagem dinâmica.

4.Na fotografia de paisagem


Na natureza, há muitos elementos que podem
ser usados como linhas principais: Estradas;
Vias férreas; Calçadões; Caminhos; Cachoei-
ras; Riachos; Beira da praia; Série de árvores
ou postes; Seixos ou pedras no litoral; etc. A
lista pode continuar. É incrivelmente simples
de usar linhas principais a partir de paisagens,
você apenas tem que olhar ao redor com
atenção.

5.Tipos de linhas principais


As linhas principais podem ser retas ou cur-
vas, e linhas retas também podem ser horizon-
tais, verticais ou diagonais. A linha horizontal
induz uma sensação de calma, enquanto que
uma linha vertical representa a força. As linhas
diagonais podem ser muito interessantes uma
vez que representam energia. Se usadas cor-
retamente, as linhas diagonais pode fazer uma
imagem sem brilho tornar-se mais atraente.

A linha curva torna uma composição fotográfi-


ca interessante, uma vez que espirais em torno
do quadro pedem mais atenção. O espectador
acabará por observar mais partes da imagem.
Uma curva em S é a preferida por muitos
fotógrafos de paisagens pela sua capacidade
de se conectar a muitas partes da imagem. Dá
uma sensação de tranquilidade no expectador.
Uma curva mais apertada, no entanto, pode
induzir a sensação de perigo.
55-) 9 dicas de composição para melhorar
suas fotos
Fazer melhores fotografias é uma busca diária
tanto para fotógrafos iniciantes quanto para
profissionais. O portal The Cooperative of
Photography criou um vídeo (clique aqui para
assistir) com ótimas dicas sobre composição
fotográfica, usando dicas e fotos de Steve Mc-
Curry, lendário fotojornalista. Cada uma das 9
dicas são ilustradas com exemplos impressio-
nantes do trabalho de McCurry.

1.Regra dos terços: Coloque pontos de interes-


se nas interseções e elementos importantes
ao longo das linhas

2.Linhas principais: Utilize as linhas naturais


para trazer os olhos para a foto
3.Diagonais: As linhas diagonais criam grande
movimento

4.Quadros: Use quadros naturais como janelas


e portas

5. Da figura ao chão: Encontre um contraste


entre o objeto da foto e o fundo
6.Preencher o quadro: Aproxime-se de seus
assuntos

7. Olho dominante ao centro: Coloque o olho


dominante no centro da foto
8.Padrões e repetição: Padrões são estetica-
mente agradáveis, mas o melhor é quando o
padrão é interrompido

9.Simetria: A simetria é agradável aos olhos


56-)7 dicas para sessões fotográficas ex-
ternas
Achar um lugar para uma sessão de fotos pa-
rece ser o drama de vários fotógrafos. O lugar
tem que combinar com o tema que será foto-
grafado seja ele um editorial, look book ou até
um ensaio pessoal. Deve oferecer uma estru-
tura mínima de conforto para troca de roupa,
segurança e até alimentação.

1.Um lugar inóspito


Algumas vezes, o nosso ensaio pede exata-
mente por uma locação inóspita, no meio do
nada. Depois de controlar o transporte da
equipe e modelos, a dica é levar um lençol ou
lona para jogar em cima do carro e fazer dele o
camarim de troca de roupas. Leve também um
guarda sol ou guarda chuva para se proteger e
proteger o equipamento caso o tempo mude e
não se esqueça de levar um garrafão de água.
2.Lanches e comidinhas
Só se o ensaio ultrapassar 3 horas. É simpático
oferecer frutas e biscoitos para a equipe. Além
de agradecidos, todos irão ter mais energia
para cumprir a sessão de fotos.

3.Segurança
Seja em lugar público como parques, praia e
cidade ou em lugares desertos, é muito impor-
tante cuidar da segurança do seu equipamento,
modelos e equipe. Não tem coisa mais inconve-
niente do que ser surpreendido por incidentes,
pessoas estranhas e situações constrangedo-
ras. Procure pesquisar com outros profissio-
nais como é fotografar naquele local, caso não
tenha muitas informações, reserve um tempo
para ir até o local e pesquisar quem frequenta,
vizinhos e ficar atento a qualquer situação sus-
peita, antes de agendar o seu ensaio.

4.Pousadas, casas e apartamentos de temporada


Outra dica para quem dispõe de orçamento
é negociar com uma pousada ou alugar uma
casa ou apartamento em sites de temporada.
Observe as regras do imóvel, alguns restringem
o acesso de pessoas estranhas, principalmente
se ficam dentro de condomínios.

5.Parques, ruas e praias


Se você não tem muito orçamento, procure um
parque ou rua movimentada para fotografar.
6.Autorizações
Informe-se, alguns lugares exigem autorização
prévia e pagamento de taxas para o governo.
7-)21 dicas de poses para fotografar casais
Você vai adorar estas dicas, pois fotografar
pessoas individualmente, seja um homem,
uma mulher ou uma criança, é algo bem dife-
rente de fotografar casais. No geral, a foto é
sobre a pessoa e sua personalidade. Quando
comparados estes dois tipos de fotografias, a
de casal deve comunicar conexão, interação, e,
acima de tudo, sentimentos profundos e apai-
xonados entre duas pessoas, o que faz elas
serem tão agradáveis e positivas.

No geral, é bem fácil de envolver um casal em


uma sessão de fotos. Se em um primeiro mo-
mento eles parecerem um pouco tímidos ou
desconfortáveis, apenas peça para que eles
mostrem como se sentiram no primeiro olhar
ou quando se encontraram pela primeira vez.
Você vai invocá-los em um nível emocional,
proporcionando-lhe expressões naturais e
amorosas em seus retratos.

A seguir, reuni 21 poses bem legais para você


aprimorar suas técnicas ao fotografar casais.
O resultado definitivamente vai ser muito
legal. Lembre-se que estes são apenas exem-
plos de poses que servirão de partida para
suas fotos. Esta é a razão dos exemplos serem
apenas desenhos em vez de fotos reais, pois
a ideia é ser original e não repetir as poses
exatamente como elas são. Vale aquela dose
de criatividade extra para ajustar a pose com
o ambiente e cenário.

1. Pose inicial fácil, face-a-face (mas olhan-


do para a câmera) e ela com o braço apoiado
sobre o tórax dele. Tire fotos verticais e hori-
zontais:

2. Peça aos apaixonados para ficarem bem


próximos para registrar closes mais íntimos.
Não tenha medo de usar o zoom e fazer um
corte bem fechado:
3. Pose muito fácil e cordial com ele a abra-
çando por trás. O casal pode olhar diretamen-
te para a câmera ou um para o outro. Para um
registro mais emotivo, um beijo cai muito bem:

4. Pose divertida e romântica, com ela o


abraçando pelas costas e ombros. Muita aten-
ção na posição das mãos: ela deve ser simples
e natural:
5. Uma variação da foto anterior (ela abra-
çando por trás). Lembrando que o casal não
precisa necessariamente estar olhando para a
câmera. Para melhores resultados, peça para
eles interagirem através de conversas, olhares
de flerte, risadas, etc:

6. Uma atmosfera bem romântica. Funcio-


na bem em fotos externas com bom espaço
aberto ao fundo. Lembrando que você deve
estar bem posicionado e em uma distância
apropriada para capturar os olhos mais próxi-
mos de cada pessoa, caso contrário, você terá
uma foto impessoal e ‘vazia’:

7. Encontre um local mais alto e fotografe de


cima. Uma pose comum fotografada de um
ângulo inusitado é sempre criativo e pode te
recompensar com resultados surpreendentes:
8. Outra pose romântica que funciona bem
em fotos externas, com bom espaço aberto
ao fundo. Também serve para uma silhueta em
um fundo bem iluminado, frente a um pôr-do-
-sol, por exemplo:
9. Pose extremamente fácil de fotografar,
própria para uma foto de corpo inteiro. Cria
uma atmosfera calma e afetiva:

10. Uma pose divertida. Não presuma que ela


seja apropriada somente para casais jovens.
Se um casal de mais idade se sentir confortá-
vel com a cena, esteja certo de que a fotogra-
fia ficará excelente com eles também. Tente
enquadramentos diferentes, de corpo inteiro,
metade ou closes:

11. Uma boa maneira de mostrar afeição é


quando eles vão de encontro um ao outro.
Isso funciona muito bem em locais movimen-
tados, algum lugar famoso da cidade, metrôs,
etc:
12. Uma pose com uma boa dose de diver-
são. A parte crucial é a posição das pernas
dela, pois elas devem estar dobradas em ân-
gulos diferentes. Enquanto ele ainda a estiver
levantando, aproveite para realizar alguns
closes também:

13. Tire fotos do casal andando de mãos


dadas e se aproximando a partir de uma de-
terminada distância. Fotografe apenas em
modo sequencial. Entretanto, a maioria das
fotos ficará estranha por conta da posição das
pernas. Mas fique tranquilo: a segunda parte
do trabalho nesta modalidade é justamente
escolher as fotos com as melhores posições
de pernas e do corpo em geral:

14. Outra variação caminhando. Desta vez o


casal caminha mais próximo, quase se abra-
çando. Novamente: tire fotos sequenciais e
escolha as melhores e mais elegantes poses:
15. Lembre-se de que há sempre ótimas
oportunidades para registrar ao fotografar o
casal de costas:
16. O casal deitado no chão, bem próximos
um do outro. Peça-os para levantar sutilmente
o tronco, utilizando os braços como suporte.
Ele pode a abraçar gentilmente. Fotografe de
um ângulo bem baixo:

17. Outra variação do casal deitado no chão.


Desta vez com um pouco mais de espaço en-
tre os dois:
18. Um bom exemplo para mostrar como duas
pessoas podem ficar bem mesmo se posicio-
nadas assimetricamente:

19. Deitados para cima: maneira informal e


divertida para posar:

20. Nesta pose cordial, peça para o casal sen-


tar confortavelmente no sofá preferido:
21. Fotografar um casal muitas vezes pode
significar uma foto maternal. Muitas das po-
ses listadas acima funcionam bem para este
tipo de foto. Simplesmente ajuste o enquadra-
mento de forma que mostre o sentimento e
interação do casal com a vida que nascerá:
58-)8 Dicas rápidas para melhorar suas
fotos de detalhes arquitetônicos
Quando você está fotografando arquitetura, é
fácil se perder na grandeza de alguns prédios.
Isso não é algo ruim, apesar de parecer. Eles
foram projetados para serem assim: um espe-
táculo.

Catedrais, palácios, casas de opera e arranha-


-céus são exemplos de arquiteturas que foram
feitas para impressionar.

Essa é a ideia geral. Em termos de fotografia,


no entanto, talvez seja melhor você se afastar
das coisas grandes e procurar oportunidades
nos detalhes. Todos os prédios e estruturas
são feitos de partes menores e são essas par-
tes que podem gerar fotografias interessantes.

Fotografar esses detalhes requer algumas


considerações. É por isso que esse texto vai
apontar algumas coisas que você precisa dar
atenção enquanto você estiver procurando
por detalhes em obras majestosas, além de
oito dicas para melhorar suas fotografias de
detalhes arquitetônicos.

1. ILUMINAÇÃO DE BAIXO CONTRASTE


Se o clima não favorece e o céu está sem
graça, de um cinza sem cor, pode parecer
que essa não é uma oportunidade para foto-
grafar. Esse pode ser o caso de alguns temas
fotográficos, no entanto, esses dias nublados
promovem uma iluminação suave incrível que
combina muito bem com os detalhes arqui-
tetônicos. Essa suavidade permite que você
capture elementos com detalhes finos, que
normalmente seriam perdidos no contraste.

Da mesma maneira, fique de olho em oportu-


nidades fotográficas em áreas com sombras.
Você pode precisar de um tripé para te auxi-
liar nesse caso, mas o esforço extra vai valer a
pena.

2. ILUMINAÇÃO LATERAL
Para fotografias ousadas, procure por cenas
com uma iluminação forte vinda da lateral.
Esse tipo de iluminação vai aumentar o con-
traste, especialmente na textura, e vai ajudar e
enfatizar a forma do elemento arquitetônico.
3.TEXTURAS EM LUZ E SOMBRA
Preste atenção na maneira em como a luz atin-
ge os vários elementos da fotografia. Quando
você está fotografando detalhes arquitetôni-
cos, sombras e focos de luz podem se tornar
um importante elemento composicional.

4. TEXTURAS
Uma das melhores partes de se fotografar
detalhes arquitetônicos é a riqueza de possibi-
lidades composicionais. Essas estruturas feitas
por homens são repletas de texturas e formas
que podem ser exploradas nas fotografias.
Tire vantagem disso ajustando a composição
da sua foto para dar a ela uma sensação e
visual abstrato.

5. REFLEXOS
Para toda a arquitetura magnífica do mundo,
há também os prédios e construções que são
tão feios que parecem não poder dar nada de
interessante a fotógrafos. Porém, na verdade,
eles quase sempre têm algo, por mínimo que
seja, que valha a pena capturar, mas pode te
custar um tempo até descobrir o que é. Uma
maneira de adicionar interesse nesses elemen-
tos é procurar por reflexos. Os reflexos podem
adicionar um interesse visual e cor a prédios
que, em um primeiro momento, eram tediosos.
6. TEXTURAS EXTERNAS
A fotografia de detalhes arquitetônicos não
precisa ficar concentrada apenas nos prédios.
As texturas externas podem ser procuradas
no cenário e podem adicionar uma qualidade
visual extra na sua fotografia. Quando você
escolher um cenário, procure por placas, sinais
luminosos, outdoors, câmeras de segurança
e postes que possam ser interessantes para a
sua composição fotográfica.

7. ESTÁTUAS E MONUMENTOS
Quando você pensa em arquitetura, as está-
tuas provavelmente são uma das últimas coi-
sas que passam pela sua cabeça. No entanto,
elas podem ser um elemento chave para vá-
rios prédios e monumentos. Por exemplo, a
Ponte Charles, em Praga, possui 30 grandes
e bem detalhadas estátuas que praticamente
imploram para serem fotografadas.
8. DETALHES ARQUITETÔNICOS EM PRETO E BRANCO
Essa última dica é para quando você já estiver
em casa. Se as suas fotografias estão cheias
de textura e padrões fortes, considere conver-
tê-las ao preto e branco. Retirar o elemento
da cor dessas fotos pode ajudar a enfatizar
os seus elementos composicionais e deixar as
imagens muito mais fortes e interessantes.
EXPERIMENTE
Todas essas dicas são muito fáceis de serem
executadas, já que não são cansativas e só
abordem a superfície de todas as possibilida-
des disponíveis de quando você vai fotografar
detalhes arquitetônicos.

Se há algo que o homem fez, há algo nisso


que merece ser fotografado. Basta você pro-
curar, explorar e experimentar as suas possibi-
lidades até você encontrá-las.
59-)10 dicas para conseguir fotos arrasa-
doras de cachoeiras
Cachoeiras são obras admiráveis da natureza
e seu registro, ao longo do tempo e da evo-
lução da fotografia, tem arrancado milhares
de suspiros de todos os observadores desta
arte que, muitas vezes, é registrada através de
rápidas e concisas fotos.

As melhores fotos de cachoeira são resultado


de muito empenho, técnica e tentativas de
alcançar o enquadro ideal a que o fotógrafo
busca continuamente. Além disso, os profis-
sionais precisam estar sempre se aperfeiçoan-
do, conhecendo os avanços de seus equipa-
mentos e procurando por oportunidades para
fazer um belo e, por que não, surreal registro.

O Brasil é um país rico em fauna e flora, com


uma vasta gama de cachoeiras e quedas
d’água por todo seu extenso território. Algu-
mas das paisagens mais admiráveis do mun-
do estão nas terras brasileiras, uma excelente
oportunidade para os fotógrafos locais.

E se você quer aproveitar para explorar o uni-


verso das fotos de cachoeira, capturando cada
linda imagem que é formada pelos incríveis
“véus de noivas”, prepare-se para conhecer al-
gumas das principais dicas de como conseguir
fotos arrasadoras!

1.CONHEÇA SUA CÂMERA E SEUS EQUIPAMENTOS


O trabalho do fotógrafo começa, essencial-
mente, pelo estudo e conhecimento de cada
uma das partes que compõem e integram sua
câmera fotográfica. Cada uma das configura-
ções e dos ajustes conferem a foto um toque
especial assim como cada equipamento foto-
gráfico e recurso disponível para uso também
enriquecem o resultado final do trabalho.
Um bom profissional conhece todas as verten-
tes de seus equipamentos!

Para tirar as melhores fotos de cachoeira o


primeiro, e mais importante passo, é saber
tudo o que sua câmera pode produzir, afinal,
os conhecimentos técnicos, também, contri-
buem muito com o trabalho.

É importante que o profissional saiba, por


exemplo, qual a capacidade de armazenamen-
to da câmera e quantos cartões de memória
estão em mãos para o desenvolvimento de
um maravilhoso trabalho fotográfico. Quais
os indicadores de qualidade de sua máquina,
quais lentes você tem disponível para levar até
a cachoeira?
Tudo isso conta para quem quer tirar uma
espetacular foto de cachoeira! Quanto mais
informações, mais preparado o profissional
estará para este momento único.

Vale ressaltar, portanto, que todo preparo do


momento da captura contribui com um me-
lhor alcance nos resultados observados no tra-
balho, posteriormente. Por isso, gaste tempo
buscando aprimorar-se nestes detalhes!

2. DEFINA O LUGAR QUE SERÁ FOTOGRAFADO


Para que o preparo seja mais eficiente, é neces-
sário saber para qual lugar seu equipamento
está sendo arrumado para fotografar. Lugares
diferentes exigem, sim, equipamentos e recur-
sos diferentes para que o registro das paisa-
gens seja feito com uma qualidade assegurada.

E, por mais que sair por aí, sem destino para


fotografar, seja um convite atrativo para mui-
tos profissionais, não é o ideal para aqueles
que já possuem um objetivo preestabelecido
e que precisam de foco durante a execução
de seus trabalhos.

Se você quer fotos de cachoeira, deve escolher


dentre todas as opções uma que mais lhe agra-
de para lhe direcionar todo o seu planejamento.

Desde o caminho a ser percorrido, que geral-


mente é feito através de trilhas, algumas só
podem ser alcançadas de carro e outras ape-
nas a pé, as condições que cercam a cachoei-
ra, tipo de mata e de animais que ali vivem e
assim por diante.
Tudo deve ser pensado previamente, para que
nenhum tipo de imprevisto acabe por prejudi-
car a execução do trabalho.

3. PREPARE-SE PARA FOTOGRAFAR


Não permita que a omissão de algum detalhe
estrague sua programação completa. Antes de
sair para ir à cachoeira, faça um checklist para
ter certeza de que nada está ficando para trás.

Câmera, lentes, tripé, cartões de memória,


tudo está dentro da bolsa que o acompanhará
durante o trajeto e a sessão fotográfica?

Por tratar-se de locais mais longínquos e de


difícil acesso, visto que é mais comum que as
cachoeiras estejam a quilômetros das cidades,
pense também em levar água e algum tipo de
alimento para você e para os demais que o
acompanharão, se for o caso.
Não se esqueça que detalhes fazem toda
diferença! Um bom profissional da fotografia
não tem medo de se sujar nem de se molhar
enquanto busca o ângulo ideal para a foto
perfeita. Certifique-se de vestir roupas leves e
que garantam sua agilidade, assim como sapa-
tos confortáveis e bem seguros.

Lugar definido, caminho mapeado e estudado,


materiais conferidos e checados, temos o ter-
ceiro, e último, passo dos preparativos finali-
zado. Agora é só focar na foto, propriamente
dita.

4. CAPTURE O MOVIMENTO
Uma das coisas mais impressionantes e be-
las nas fotos de cachoeira deve-se ao fato de
como a água se move magnificamente para
o contexto externo da imagem. Imponente,
sinuosa, cheia de energia e animação, o flu-
xo de uma cachoeira bem fotografada serve
como um maravilhoso convite para uma mes-
ma dança.
O desafio do fotógrafo é, justamente, capturar
o movimento das águas, registrando tamanha
majestade num quadro que será visto por muitas
pessoas, em muitos tempos.

Há muitas maneiras de se capturar fotos de ca-


choeira e tudo depende e varia de acordo com o
ponto de vista do profissional que está por trás
da câmera, bem como de seu objetivo final.

É bastante comum que os fotógrafos prezem


por registrar os véus de noiva formados pelas
quedas d’águas, mas há aqueles que prefiram
capturar, com maior nitidez, cada gota. Para
objetivos diferentes, configurações diferentes
e específicas.

São necessários alguns ajustes para que o tra-


balho seja desenvolvido de acordo com o que
foi preestabelecido. Lembrando, ainda, que é
possível tirar várias fotos, com focos diferen-
tes, num mesmo ângulo.
5.TESTE A VELOCIDADE DO OBTURADOR
A configuração mais elementar e fundamen-
tal para uma boa foto de cachoeiras e quedas
d’água é, sem dúvida alguma, a velocidade
selecionada para uso no obturador.

Antes de qualquer coisa, é preciso ressaltar,


neste passo, que não existe uma velocidade
correta ou uma errada para fazer fotos de ca-
choeira. Tudo depende, e varia, de acordo com
o ambiente e com a paisagem que está sendo
fotografada naquele momento.

O mais ideal, no caso, para registro do movimen-


to da água, é o uso do obturador com velocida-
de lenta, algo em torno de 1/8. A regra padrão
indica que o mais indicado é fazer um teste com
velocidade inicial de 1/15, adaptando as configu-
rações de acordo com a finalização desejada.

Vale destacar que baixas velocidades, ou seja,


a lentidão na captura da imagem fará com
que prevaleça o registro de fotos de cachoei-
ra com o efeito “véu de noiva”, enquanto que
com altas velocidades de registro, como por
exemplo, 1/500, uma maior nitidez no quadro.
6. USE SEMPRE O TRIPÉ
O tripé será essencial para casos em que a
velocidade do obturador deva ser estabele-
cida como lenta, visto que é extremamente
difícil manter as mãos imóveis por até vários
segundos.

Para que as fotos não sofram trepidações e


perca da qualidade, é necessário contar com
este aparato, recurso fundamental no dia a
dia fotográfico.

E, devido ao ambiente e a dificuldade, mui-


tas vezes, de alcançá-lo, pode ser que o
uso do tripé seja mais complicado, servindo
como dica a possibilidade de que o fotógra-
fo encontre, então, algo que sirva de apoio,
visando, apenas, que a câmera não fique em
suas mãos.

Pode ser uma pedra, uma árvore. Use da


criatividade para encontrar este apoio caso
não seja possível fazer uso do próprio tripé.

Um lembrete importante, tratando-se da es-


tabilização da câmera para que a qualidade
da foto se mantenha intacta, é que se você
estiver fazendo fotos com um estabilizador
de imagem, não se esqueça de desligá-lo se
a máquina já estiver estabilizada. Essa dupla
função pode gerar um movimento indeseja-
do que prejudicará o resultado final da pai-
sagem registrada.
7.FOTOGRAFE SEMPRE NA HORA CERTA
Um dos passos mais importantes, também,
para se conseguir fotos de cachoeira arrasa-
doras e que ainda faz parte do planejamento
da sessão fotográfica, é a hora em que as
fotos serão capturadas.

Um bom profissional da fotografia conhece


cada um dos recursos naturais, dando supre-
ma importância a cada um também. A luz,
vinda do sol, tem uma influência magnífica na
qualidade e na realidade de qualquer foto.
Podendo ajudar, ou prejudicar o resultado
final, é importante estabelecer o quanto sua
presença será de utilidade para o trabalho a
ser desenvolvido.

Há paisagens que se ajustam perfeitamente


ao pôr do sol enquanto que outras dão mais
certo com o seu nascer ou com o horário de
seu pique.
A hora certa é estabelecida pelos critérios
pessoais do fotógrafo que as define de acordo
com as especificidades de cada lugar.

Uma dica interessante, para aqueles que se


dispõe de algum tempo livre, é aproveitar a
paisagem por algumas horinhas, fotografando
a paisagem em diferentes horários.

8.COMPONDO O QUADRO DA FOTOGRAFIA


Ao capturar uma foto da cachoeira, você deve
preocupar-se com todo o contexto e fundo da
paisagem. O que cerca a cachoeira? Há pes-
soas ou algum tipo de construção?

Muitos dos mais admirados trabalhos fotográ-


ficos que envolvem paisagens são compostos
por comparações entre pessoas e objetos
frente à natureza tão suprema e magnânima.

Por isso, ao estabelecer quais os elementos


que estarão presentes no quadro observado
pelo visor LCD de sua câmera, repare quais
podem agregar mais valor a paisagem, pro-
priamente dita. Talvez uma pessoa nadando
no deságue da cachoeira? Ou um carro para-
do próximo a própria queda d’água?

Sem dúvida alguma a criatividade será o gran-


de diferencial neste passo!

Cada fotógrafo deverá, portanto, compor sua


foto de cachoeira da maneira mais adequada
e agradável que lhe parecer. Alguns preferirão,
inclusive, fazer uso apenas da própria natureza
que cerca o local. Fica a critério de cada olhar
elencar os elementos fundamentais a cena.

O importante é fugir da normalidade, dando


um novo ponto de vista para a paisagem que,
mesmo que já tenha sido fotografada outras
inúmeras vezes, precisará chamar atenção por
algum detalhe diferenciado.

Sobre o ponto de vista único e intransferível


de fotógrafo para fotógrafo, vamos falar um
pouco mais no próximo passo!
9. INVISTA EM PONTOS DE VISTA INCOMUNS
As quedas d’água de Foz do Iguaçu são mun-
dialmente conhecidas, tendo sido fotografas
milhares de vezes e, num contexto assim, pode
parecer difícil, ou até mesmo impossível, fazer
um trabalho novo e revolucionador, certo? Não,
está totalmente errado!

Cada profissional tem um olhar único e exclusi-


vo, sendo impossível de ser copiado ou recriado.
Sendo assim, um novo fotógrafo sempre agre-
gará novidades para a paisagem, mesmo que o
foco principal, no caso determinada cachoeira,
seja o mesmo em vários tipos de trabalho.

Se fizéssemos um concurso, com muitos profis-


sionais da fotografia, passando-lhes a missão de
fazer fotos de cachoeira, sendo esta uma prees-
tabelecida e igual para todos, dificilmente obte-
ríamos fotos iguais ou semelhantes.

Isto acontece porque cada captura é diferencia-


da.

Saber investir em pontos de vista incomuns po-


derá ser o destaque principal do seu trabalho, o
que, com certeza, renderá boas críticas aos seus
projetos.

Siga, sempre, sua percepção do ambiente e con-


fie nos seus instintos profissionais.

10. CUIDADO COM OS EQUIPAMENTOS FOTOGRÁ-


FICOS!
O último passo é mais um lembrete, um aviso
simples, que mesmo sendo óbvio, vale a pena
ser recordado: Cuidado com seus equipamentos!

Câmeras, lentes, cartões, tripés, monopé e todos


os demais equipamentos de uso fotográfico cos-
tumam ser um pouco caros.

Além disso, estes investimentos são extrema-


mente necessários para qualquer profissional
que busque entregar bons serviços para seus
clientes e, por sorte, estes recursos são compra-
dos uma única vez, sendo que seus valores são
pagos ao longo da execução dos trabalhos.

Estes equipamentos possuem uma longa vida


útil, desde que sejam bem cuidados!

Fazer fotos de cachoeira requer atenção do-


brada no manejo de sua câmera e de suas
lentes, por exemplo, já que a umidade pode
prejudicar a qualidade e a funcionalidade do
equipamento, que ainda por cima, poderá ser
danificado também.

Cuidado para não molhar as mãos ao fazer as


fotos, preste atenção na direção do vento, para
que as quedas d’água não prejudiquem seu
material de trabalho e, sempre que possível, faça
uso de capas de proteção.
Todo cuidado é pouco!

FOTOGRAFE, FOTOGRAFE
Passos seguidos é hora de por tudo em prática e
trabalhar em fenomenais trabalhos fotográficos!

Você já fez alguma foto de cachoeira antes?


Quais foram as experiências? E, se ainda não
colocou tudo em prática, que tal seguir, agora
mesmo, este passo a passo e colocar?
60-)7 Dicas para melhorar suas fotogra-
fias de viagem
Não volte para casa de viagens com as mes-
mas fotos que todo mundo faz. As dicas
a seguir sobre fotografia de viagens vão te
ajudar a pensar de forma diferente quando for
fotografar.

Fotografia de viagem é completa – com ela,


você pode explorar possibilidades criativas da
sua câmera em locais fascinantes. Mas esse
tipo de fotografia também é mais do que ir a
lugares incríveis para fotografar. Ela exige ha-
bilidade, preparação e técnicas apuradas as-
sim como qualquer outro gênero fotográfico.

Como você faz para que a sua fotografia de


um lugar turístico popular se destaque das ou-
tras? Como você faz para que ela seja mais do
que uma fotografia de cartão postal? Preparei
algumas dicas para você:
1.GUARDE O VISUAL CLÁSSICO PARA DEPOIS
Não há nada de errado em um visual simples
que afirma que você esteve em um lugar que
todo mundo deseja estar, mas encontrar o seu
próprio visual, a sua própria identidade, pode
te dar ainda mais satisfação no seu trabalho,
sem contar nos resultados mais interessantes
nas suas fotografias. Nós recomendamos que
você tire o clássico e o clichê do seu pensa-
mento assim que você chegar em um local
conhecido. Caso contrário, esse visual pode
bloquear a sua mente para resultados mais
criativos.

2. VÁ ALÉM
Acordar cedo, pular refeições, enfrentar tem-
peraturas extremas, longas caminhadas – isso
tudo está presente na rotina de um fotógrafo
de viagens dedicado. Haverá poucos mo-
mentos em que você poderá fotografar o seu
objeto principal em uma sala com ar condicio-
nado, ou registrar uma cena de dentro de um
táxi. Como diz o ditado, você nunca consegue
uma boa foto estacionado.
Se você quer registrar fotografias de viagens
memoráveis, você precisa estar preparado
para andar bastante. Pode ser possível chegar
a um ponto histórico sem andar muito, mas se
você andar um pouco mais, pode encontrar
um local ainda mais incrível.

3. ENCONTRE UM NOVO PONTO DE VISTA


Quando você estiver em frente a um ponto
turístico famoso, se mova um pouco e procu-
re por maneiras de mostrá-lo em um contex-
to diferente do que já é conhecido. Procurar
elementos naturais para serem usados como
moldura, ou usar uma velocidade de obtura-
dor mais devagar para aplicar um efeito de
blur em determinados elementos da imagem
são algumas das opções que podem ser feitas
para mudar o aspecto de uma cena já famosa.

4. COMPROMETA-SE A UM PROJETO DE FÉRIAS


Às vezes, as inúmeras possibilidades de fotogra-
fias em potencial durante uma viagem pode te
deixar mais sobrecarregadas do que inspirado.
Para evitar chegar em casa com as mãos vazias,
prepare um miniprojeto fotográfico.

Essa é uma ótima maneira de focar o seu


cérebro e de te ajudar a priorizar em o que
você vai apontar a sua lente. Você não preci-
sa inventar a roda aqui; seu projeto pode ser
algo tão simples quanto uma porta, sombras,
crianças, ou algo ambicioso, como a religião.
Tudo vale, contanto que ilumine a sua imagi-
nação. Uma vez que você conseguir as primei-
ras boas fotografias de viagens, nada pode te
parar.

5. FIQUE ALERTA E PREPARADO


Eventos, personagens, ou composições inte-
ressantes costumam aparecer quando você
menos espera no cotidiano e também durante
viagens. Então, certifique-se de que a sua câ-
mera esteja fora da bolsa e ligada sempre.
Para aumentar as suas chances de dominar
essas fotografias “oportunistas”, prepare o
seu equipamento fotográfico com antece-
dência e acostume-se a mudar as configura-
ções de exposição com rapidez.

6. PASSE LONGE DO ÓBVIO


Pode ser tentador trabalhar apenas com as
cores e formas de objetos novos que você
encontra em suas viagens, mas tente trabalhar
mais com a luz para criar algo dramático e não
com o objeto, ou elemento em si.

Tente fotografar algumas cenas em direção ao


sol, por exemplo. Use o flash para iluminar ob-
jetos que estão na sombra contra um plano de
fundo muito claro. Essa é uma ótima técnica
para fotografar pessoas, animais e placas de
transito, que brilham quando são iluminadas
pelo flash.
7. DÊ ZOOM NOS DETALHES
Cenas completas, diferentes e arrasadoras que
podem aparecer no seu caminho durante as
viagens são ótimas, mas pequenos detalhes
podem dizer mais quando o assunto é foto-
grafar lugares e pessoas em viagens.

Use uma lente macro e foque em detalhes ar-


quitetônicos, placas, comidas típicas do local
que você visita… Escolha cores e formas fortes
para retratar dessa maneira e chamar ainda
mais a atenção.
61-)7 Dicas para tirar fotos de arco-íris de
maneira eficaz
Arco-íris é raro na natureza, uma série de
eventos tem que acontecer ao mesmo tempo
para que eles apareçam no céu. Em primeiro
lugar, tem de haver umidade, por isso um dia
chuvoso ou uma tempestade rápida é o pri-
meiro pré-requisito.

Em segundo lugar, o sol tem de estar posicio-


nado no horizonte com um ângulo baixo, cer-
ca de 42 graus em relação ao observador. Ter-
ceiro, a parte do céu onde o sol está, precisa
ficar livre de nuvens e obstruções, enquanto a
parte do céu onde o arco-íris aparece deve ter
contínua chuva ou umidade.

Quando todas estas condições forem cum-


pridas, os raios do sol vão refletir as gotas de
água no céu, criando a ilusão de ótica que
nos referimos como arco-íris. Na realidade, ver
um arco-íris é apenas um evento natural que
você provavelmente vai querer capturar com
sua câmera fotográfica.

Afinal de contas, quem não gostaria de captu-


rar essa beleza que contém o espectro de co-
res visíveis aos nossos olhos? E se acontecer
de você estar no lugar certo, as fotos de arco-
-íris podem transformar uma imagem comum
em algo verdadeiramente extraordinário. Mes-
mo uma cena chata poderia ser transformada
em algo completamente diferente, com fotos
de arco-íris completas.

1.TIPOS DE ARCO-ÍRIS
Embora todos os arco-íris são formados de
modo semelhante e não devem ser classifica-
dos em diferentes tipos, podem ser formados
em várias condições e aparecer parcialmente
ou totalmente no céu.

Por exemplo, o arco-íris podem aparecer com


raios de sol diretos, ou raios refletindo na
superfície da lua. Conhecido como um “Moon-
bow”, tal fenômeno pode ser verdadeiramente
surpreendente para capturar com sua câmera
e render fotos de arco-íris de tirar o fôlego.

Logicamente, os tipos de arco-íris podem


diferenciar de um local para outro, ou seja, um
moonbow, por exemplo, não pode ser cap-
turado em qualquer lugar. Entretanto, uma
pesquisa rápida na internet pode render bons
locais para conseguir fotos de arco-íris mais
diferenciadas.

Lembre-se, não é porque se está fotografando


um aspecto natural, que ele precisa ser captu-
rado sempre do mesmo modo, não é mesmo?

Muitas vezes os arco-íris completos são acom-


panhados por um secundário, criando um
duplo arco-íris, e algumas pessoas falam até
mesmo em um triplo ou quádruplo arco-íris.
Apesar de todos eles serem extremamente
raros, vale a pena se dedicar a esta caçada e
conseguir fotos de arco-íris que não são vistas
a todo o momento.

2. CONDIÇÕES METEOROLÓGICAS
Como já apontado acima, arco-íris naturais só
ocorrem quando existe umidade na atmosfe-
ra e o sol ou a lua está em um ângulo de 42
graus em relação ao espectador ou, no caso
de fotos de arco-íris, a câmera.

Isto significa que quando há um potencial para


um dia muito nublado com trovoadas, uma
chuva esporádica é quase evidente e aí está
uma grande oportunidade para conseguir
fotos de arco-íris!

Naqueles dias em que parte do céu está clara


e outra parte coberta de nuvens escuras, olhe
para a posição do sol, veja onde ele irá apare-
cer. Então siga para a área das chuvas e espe-
re o sol romper as nuvens.

Apesar do ponto acima ser uma ótima dica


para o planejamento de suas fotos de arco-
-íris, a verdade é que isto pode se tornar rapi-
damente frustrante, porque você nunca pode
vê-lo a partir de um único ponto, por isso pro-
vavelmente será melhor dirigir em um dia tem-
pestuoso para encontrar um arco-íris. Ao olhar
para um arco-íris, certifique-se de que você
está olhando para a direção oposta do sol!

Fotografar na chuva não é algo que deve ser


feito sem compreender os riscos potenciais
para seus equipamentos de fotografia e, es-
pecialmente, a sua câmera. Se a sua câmera e
lente não possuem uma proteção contra chu-
va e umidade já integrada, eu recomendo usar
uma boa proteção para impedir a água de
entrar na engrenagem.

Um guarda-chuva simples pode ajudar, mas


se você precisar usar as duas mãos para dar
estabilidade ao equipamento, uma boa capa
protetora pode ser uma escolha melhor. Há
muitas capas de chuva diferentes disponíveis
no mercado, não tenha pressa e escolha a me-
lhor delas para o seu equipamento.
3. ENCONTRAR UM ARCO-ÍRIS
Depois de encontrar um arco-íris, mesmo que
seja muito fraco na cor, é hora de capturar as
fotos de arco-íris que você deseja. Algumas
vezes, o arco-íris começa muito fraco e fica
mais intenso em cor e forma em questão de
minutos.

Então você tem duas opções: esperar até que


o arco-íris se forme completamente ou pegar
a sua câmera e começar a capturar as fotos
de arco-íris, mesmo se você só vê um arco-íris
parcial.

Como a tarefa de encontrar um arco-íris não


é nada fácil, eu recomendaria que você come-
çasse a tirar fotos o quanto antes, afinal, você
pode perder o evento em questão de segun-
dos e ter de tomar a caçada novamente.

Mesmo que as fotos de arco-íris ainda não es-


tejam como você deseja, capturar alguns pa-
res delas pode render em alguma imagem que
pode ser aproveitada, ou quem sabe, utilizar
o pós processamento para dar mais sentido a
ela.

O ponto fundamental é não perder a opor-


tunidade esperando o melhor momento. Na
maioria das vezes, a hora perfeita tende a
ocorrer em meio as capturas que você já está
fazendo e assim você não perde nenhuma
chance.

4. LENTES PARA FOTOS DE ARCO-ÍRIS


A escolha das lentes para conseguir fotos de
arco-íris mais eficazes, vai depender do tipo
de imagem que você deseja capturar. Fotos
de arco-íris completos ou duplos, por exem-
plo, abrangem uma grande área da imagem,
então uma lente grande-angular é a melhor
escolha.
Uma lente 24mm em uma câmera full-frame
pode capturar um arco-íris cheio, mas não
vai ter um resultado suficiente para fotos de
arco-íris duplos. Se você deseja capturar um
arco-íris duplo, uma lente entre 16-35mm seria
melhor.

A princípio, você não precisa se incomodar


com uma lente teleobjetiva, a menos que você
queira se concentrar em fotografar apenas
uma parte do arco-íris.

Para uma abertura ideal em suas fotos de


arco-íris, você obviamente vai precisar maxi-
mizar a profundidade de campo, de modo que
todos os elementos do primeiro plano apa-
reçam nítidos em sua foto. Por causa disso, a
gama de f-stop ideal seria entre f / 8 e f / 11.
Você também pode utilizar de aberturas me-
nores, como f / 22, mas tenha em mente que a
difração terá impacto sobre a nitidez geral de
suas fotos de arco-íris.
5. FILTRO POLARIZADOR
Se você quiser realmente fotos de arco-íris
com este fenômeno natural fantástico em ên-
fase, use um filtro polarizador!

Sim, um filtro polarizador pode fazer uma


enorme diferença para reforçar as cores do
céu, o arco-íris e outros elementos de primeiro
plano ou fundo da cena. Mas, tenha cuidado
ao usar um filtro polarizador, uma posição
polarizada normal poderia fazer um arco-íris
desaparecer completamente, bloqueando es-
sas reflexões.

Portanto, não basta usar o visor ou a tela LCD


traseira de sua câmera ao fotografar um arco-
-íris, olhe de vez em quando para o céu e veja
se o arco-íris aparece mais vivo, neste caso
gire o filtro um pouco mais.

6.TRIPÉ
Fotos de arco-íris ocorrem frequentemente
em situações de pouca luz, o que traz a ne-
cessidade de usar pequenas aberturas para
maximizar a profundidade de campo, princi-
palmente ao trabalhar com objetos de fundo.
Assim, um tripé seria uma ferramenta essen-
cial para capturar fotos de arco-íris mais bo-
nitas, com o mínimo de ruído. Opte por com-
prar um bom tripé, confiável que irá reduzir as
chances de vibração da câmara.

Se você não quiser comprar um tripé de ime-


diato, veja nossas outras dicas para combater
a trepidação da câmera neste artigo.
7.COMPOSIÇÃO DAS FOTOS DE ARCO-ÍRIS
Composição é obviamente importante quando
se trata das fotos de arco-íris. Quando você
começar a ver um arco-íris completo, procure
localizar rapidamente um tema interessante
que você pode colocar no centro do arco-íris.
Uma árvore solitária, um pequeno edifício ou
um belo pico de uma montanha são excelen-
tes candidatos para composição de suas fotos
de arco-íris. Não se esqueça das regras típicas
de composição, usar a regra dos terços, linhas
principais e outras pode fazer a cena parecer
mais equilibrada e interessante.

Leve estes pontos em consideração na com-


posição de suas fotos de arco-íris:

Posicionamento – como você posiciona o


arco-íris e o resto da paisagem em suas fotos
de arco-íris é importante. Regras como a regra
dos terços podem ser úteis quando se pensa
em pontos focais e atrair os olhos do especta-
dor para a área da foto que mais importa.

Pontos finais do arco-íris – o ponto em que um


arco-íris bate no chão ou horizonte é um pon-
to importante em quaisquer fotos de arco-íris.
Este é um ponto natural de interesse que você
deve pensar cuidadosamente sobre onde vai
colocá-lo em suas fotos de arco-íris. Você pode
querer aumentar o zoom neste local ou mesmo
alterar rapidamente sua posição para que ele
se alinhe com algum outro objeto na cena.

Zoom ou perspectiva grande-angular – ex-


perimente rapidamente diferentes distâncias
focais, em especial, se você tiver diferentes
lentes ou zoom. Uma lente grande-angular
captura um arco-íris completo, o que pode
dar-lhe algumas maravilhosas vistas, mas não
se esqueça que o zoom direto em uma parte
do arco-íris também pode levar a resultados
espetaculares.

Agora que já conferiu algumas de nossas me-


lhores dicas para tirar fotos de arco-íris de
maneira eficaz, chegou a sua vez de colocá-las
em prática em seu trabalho de fotografia e as-
sim conseguir imagens realmente fantásticas
deste espetáculo natural, igualmente raro.

Como tudo na fotografia, as fotos de arco-íris


também exigem prática e aperfeiçoamen-
to com o passar do tempo. No entanto, este
é um evento um pouco mais raro do que os
outros que você conhece, então, a dica bônus
é aproveitar o máximo de oportunidade que
surgirem a sua frente.
62-)21 dicas de poses para fotografar
grupos de pessoas
Há três tipos de fotografias de grupos. O
primeiro é o clássico com um grande número
de pessoas. O segundo é mais informal com
grupos de amigos. E, finalmente, fotografias
de familiares. E essa será a ordem das dicas e
exemplos de poses a seguir. Espero que elas
sirvam de inspiração para que você faça fotos
ainda mais criativas.

1. Quando fotografamos um grupo com


muitas pessoas, é bastante difícil controlar
cada pose ou expressão corporal. Tudo bem,
contanto que você preste bastante atenção
na composição em geral. Tente imaginar o
grupo como se fosse um único objeto a ser
fotografado. E, claro, muito importante: tenha
certeza de não ter deixado alguém de fora,
enquadrando a turma toda.
2. Na grande maioria dos casos, quando
fotografamos grupos grandes, a única com-
posição que permite que todos apareçam na
foto é aquela clássica de corpo inteiro, o que
comumente resulta em fotografias formais e
documentais. Novamente, o objetivo primário
aqui é fazer com que todos apareçam no en-
quadramento.

3. Se possível, busque lugares altos para faz-


er uma foto vista por um ângulo elevado. Uma
varanda ou uma árvore podem funcionar bas-
tante bem e vale o esforço, pois ao contrário
de uma fotografia comum de grupo, você vai
obter uma perspectiva bastante interessante e
convidativa.

4. Há ocasiões em que fotografar as pessoas


do grupo mais afastadas seja mais apropriado
do que todo mundo junto. Pode não ser a mel-
hor forma de registrar um “grupo amigável”,
mas pode funcionar muito bem se a ideia é
fotografar um pequeno time, como por ex-
emplo: bandas musicais, equipes empresariais
ou mesmo colaboradores de um projeto. Se o
grupo tem um líder, colocá-lo diante do time
pode dar ainda mais força à composição.

5. Essa é provavelmente uma pose mui-


to tradicional para fotografar um grupo de
amigos. Muito fácil de fazer, bastante comum
e funciona super bem. Então… por que não?
6. Uma composição divertida que resulta em
uma foto bastante amigável. Peça para que
todos fiquem bem juntinhos, peça para aprox-
imarem as cabeças um pouco e inclinar em
direção da câmera.

7. Peça ao grupo para fazer um círculo en-


quanto deitam na grama ou no chão. Faça o
registro de cima.
8. Bastante divertida e recompensante ma-
neira de organizar um grupo pequeno de
pessoas. Escolha o líder da foto e peça para
que ele fique na frente. Os demais vão atrás
um a um, cada um se apoiando no que estiver
na frente, se inclinando em direção da câmera,
por cima do ombro… Ao pedir para que se
apoiem na pessoa que estiver na frente, adi-
ciona um componente de cordialidade e am-
izade na composição.
9. Uma variação da anterior. Conceito pare-
cido: escolha uma pessoa para ser a líder da
foto e a coloque na frente. Os demais, vão
aparecer logo atrás, um a um. Faça fotos com
diferentes focos e escolha depois se você
prefere a primeira pessoa em foco ou todas
do grupo.

10. Divertida maneira de registrar uma ima-


gem informal de um grupo de amigos. Para
melhores resultados, peça para que eles deem
um pulo após uma breve corrida.
11. Muito interessante essa composição de
pessoas enfileiradas. Confira se estão todos
visíveis e fotografe de uma distância próxima
e mantenha o foco na primeira pessoa. Mes-
mo que as demais fiquem desfocadas, é bem
provável que concordem que o resultado ficou
bastante interessante e uma maneira diferente
de registrar um grupo.

12. Agora, vamos para as fotografias famili-


ares. O estilo mais comum nesse tipo de reg-
istro é com os membros sentados em um sofá
na sala. Não é a foto mais criativa mas sempre
funciona muito bem. A maneira mais fácil de
aprimorar essas composições tão comuns
é simplesmente fechar bem o close, mesmo
que aquele amado sofá fique de fora da foto.
Ele não precisa mesmo aparecer! Preencha a
imagem apenas com todos os membros da
família.
13. Outra ideia boa para fotos familiares é
ir para o ar livre. Sentados na grama, em um
parque próximo ou mesmo na praia. Esses são
lugares ótimos para fazer fotos com a família.
Apenas lembre-se: quando as pessoas estiver-
em sentadas no chão, não as fotografe de pé.
Agache-se e faça o registro bem na altura dos
olhos.
14. Os membros da família deitados no chão.
Peça para que elevem o tronco usando os
braços como suporte. Faça o registro de um
ângulo baixo.

15.Uma linda composição para fotografar a


família. Funciona bem ao ar livre ou em uma
cama. Super legal para fazer com qualquer
número de filhos!
16. Pose confortável com a família sentando
no sofá favorito.

17. Para uma foto incomum e interessante,


faça a foto por trás do sofá. Simplesmente
isso! Você vai ver como as fotos ficam difer-
entes e interessantes.
18. Apenas uma variação da anterior, por trás
do sofá.

19. Uma das mais lindas formas de capturar


momentos em família. Também bastante sim-
ples, peça para as crianças subirem nas costas
dos adultos.

20. Uma bastante fácil de fazer é a clássi-


ca de corpo inteiro. E funcionará bem com
qualquer número de pessoas.
21. Faça fotos da família caminhando com
as mãos dadas. Faça os registros em modo
contínuo e escolha as fotos com os melhores
movimentos e posições das pernas. Lem-
bre-se de controlar o foco, visto que as pes-
soas estarão se aproximando de você. 😉
63-)21 dicas de poses para fotografar
crianças
Os pequeninos são sempre muito divertidos
e bastante positivos para fotos. Capturar as
emoções reais e autênticas e depois exibir em
fotografias todo o prazer de ser criança, definiti-
vamente proporcionará um sentimento acolhe-
dor e sincero.

No entanto, não pense você que é uma tarefa


fácil, pois algumas crianças são bastante enérgi-
cas e às vezes pode ser mais desafiador do que
imagina. É necessário ter consciência de que eles
terão, com frequência, seus próprios pensamen-
tos e atitudes, o que requer paciência para adap-
tar-se aos seus comportamentos naturais. Não
espere que eles irão escutá-los cuidadosamente
e seguir suas orientações à risca. Provavelmente
não será possível seguir ao pé da letra as dicas
do post, mas definitivamente elas servirão como
inspiração e referência para ideias para difer-
entes momentos e cenários fotográficos.

1. Ao fotografar uma criança, lembre-se de


fazer o registro na altura de seus olhos. No
que se trata da pose, entretanto, deixe-a bem à
vontade, “como ela é”, e tente capturar suas ex-
pressões naturais, emoções e comportamento.
2. Uma linda pose para crianças. Peça para ela
deitar e faça o registro de um ângulo bem baixo.

3. Uma outra variação deitada.

4. Uma pose bem engraçadinha para fotogra-


far bebês. Coloque a criança na cama e cu-
bra-a com um cobertor. Para melhores resulta-
dos, combine as cores de todas as roupas de
cama para que formem uma boa combinação.
O branco também funciona muito bem neste
caso.
5. Para que as crianças fiquem mais descon-
traídas, tente capturar o momento em que
elas estão abraçando ou brincando com seus
bichinhos favoritos ou quaisquer outros brin-
quedos que elas gostem.

6. Tente capturar o momento em que elas es-


tejam em seu ambiente diário, por exemplo,
jogando os jogos preferidos, fazendo o dever
de casa, ou, como no exemplo, desenhando.
Mantê-las ocupadas em um ambiente familiar
pode ser uma boa forma delas cooperarem e
fazerem aquelas poses tão especiais que você
deseja.

7. É realmente uma boa ideia organizar tudo


para que a criança esteja ocupada com seus
próprios pertences, sem mesmo notar suas
ações. A leitura de um livro favorito é apenas
um bom exemplo de mantê-las “posando”
para você.
8. Esteja atento para não perder as gargal-
hadas e os gritos. Tais situações sempre pro-
porcionam fotos carregadas de emoção. No
entanto, não peça um sorriso artificial e evite,
a todo custo, emoções falsas.

9. Use quitutes gostosos como “adereços. É


bem provável que você consiga capturar mo-
mentos muito interessantes quando elas estão
comendo bolos, sorvetes, frutas…
10. Bolhas de sabão são bastante simples e
indispensáveis para fotografar os pequenos.
Primeiro que eles se divertem com elas, se-
gundo, elas permitem que você trabalhe cria-
tivamente ao buscar um cenário perfeito com
boa luz para que elas fiquem iluminadas e col-
oridas, o que dará um visual incrível nas fotos.

11. Quanto fotografar em áreas externas,


procure envolver a criança em uma brincadei-
ra de pique-esconde. Quando ela reaparecer
do esconderijo, que pode ser uma árvore, uma
coluna ou algum objeto grande, é a hora per-
feita para fazer o registro.
12. Brincadeiras na areia são perfeitas para
serem fotografadas. As crianças brincam e fi-
cam ocupadas enquanto você apenas observa
e tira as fotos sem as incomodar.

13. Tente algumas fotos em ação. Uma bola


é excelente para isso. Procure fazer o registro
com uma perspectiva interessante, a partir
do solo, introduzindo a bola como um objeto
dominante no primeiro plano.
14. Quando fotografar crianças e até mes-
mo a família, lembre-se que os animais de
estimação também são membros da família.
Envolva-os em suas fotos e você perceberá
a tamanha emoção que eles são capazes de
transmitir.

15. Parques e playgrounds são excelentes lo-


cais para fotos externas, permitindo variações
praticamente infinitas para poses em ação.
16. Se ele ou ela praticam algum esporte, você
pode fazer um retrato especial com algum
acessório correspondente.
17. Uma linda cena de mãe e bebê. A mamãe
deitada no chão com a criança em seu colo.
Alternativamente, se a criança for bem
pequena, ela pode segurá-la e levantá-la com
ambas as mãos, deixando-a elevada e por
cima. A pose também é valida para os papais,
é claro. Lembre-se de envolver pai e mãe nas
fotos.

18. Uma pose bem simples e natural: mãe (ou


pai) segurando o filho no colo. Tente difer-
entes ângulos e veja qual o melhor.
19. Uma pose cativante. Peça para a cri-
ança abraçar a mãe ou o pai. Capturar suas
emoções naturais rende ótimas fotos.

20. Uma pose fácil, divertida e cativante, que


é, no entanto, bastante incomum e original.
Peça para a mãe (ou o pai) deitar no chão e
diga para a criança sentar ou deitar em suas
costas.
21. Uma configuração absolutamente linda
para retratos de família. Pode ser em algum
lugar da casa, em cima da cama, ou em ambi-
entes externos, no chão. Funciona muito bem
com diferentes combinações e com diferentes
integrantes da família, adultos ou crianças.
64-)42 dicas de poses para fotografar
mulheres
Desta vez o guia as dicas são 42 poses bem
legais para fotografar mulheres. Seja você um
fotógrafo, seja você a modelo, as dicas servem
para aprimorar o olhar e ampliar seus horizontes
quando a criatividade der aquela estagnada.

Você pode usar cada uma delas como um guia,


mas a ideia é que elas sejam apenas pontos de
partida para as variações que vierem depois.
Discuta com a pessoa a ser fotografada quais
as poses que ela acha legal fazer e combinem
alguns pontos importantes antes de começarem
a sessão. Desta forma é mais produtivo e envol-
verá tanto fotógrafo quanto fotografado.

1. Uma pose bem simples para começar. Peça


para a modelo olhar sobre os ombros e per-
ceba o quão incomum e interessante o retrato
pode ficar, apenas mudando o ângulo da foto.
2. Em retratos, mãos geralmente não ficam
visíveis. No entanto, use a criatividade e peça
para a modelo brincar com as mãos, seja pelo
rosto ou pelo cabelo. Lembre-se do seguinte:
elas devem estar relaxadas (nada de mãos
duras) e mostrando apenas os lados.

3. Pode ser que você seja familiar com com-


posição e regra dos terços. De maneira simi-
lar, você pode criar efeitos bastante agradá-
veis usando diagonais. Lembre-se que nem
sempre você precisa enquadrar e fazer a foto
toda certinha e plana. Não tenha medo de
inclinar a câmera, pode ser que você obtenha
algumas perspectivas interessante e inco-
muns!

4. Uma pose muito legal e amável com a mo-


delo sentada. Os joelhos devem tocar-se e a
foto feita ligeiramente de cima.
5. Outra pose aberta e convidativa é com a
modelo deitada no chão. Abaixe-se e faça o
disparo próximo do nível do chão.

6. Apenas uma variação da pose com a mo-


delo deitada. As mãos também podem estar
apoiadas no chão. Funciona bem em externas,
em um gramado ou em um campo florido, por
exemplo.

7. Uma pose simples e fácil, mas que no


entanto é deslumbrante. Deite-se e fotogra-
fe próximo ao nível do chão. Mova-se gra-
dualmente para fotografar diferentes ângulos
e pontos de vista. Vale pedir para a modelo
mudar a posição da cabeça e das mãos.
8. Outra bem simples porém muito bonita
e que funciona para todos os tipos físicos.
Experimente diferentes posições das mãos e
pernas, lembrando sempre de focar nos olhos
da modelo.

9. Uma pose extremamente amável e que


funciona bem em diferentes configurações
de superfície: a modelo, por exemplo, pode
deitar-se em uma cama, no chão, no gramado,
na areia da praia… Fotografe de um ângulo
bem baixo e foco nos olhos!

10. Linda e fácil: sentada no chão.

11. Outra bem simples e amigável com a mo-


delo sentada no chão. Tente diferentes ângu-
los e direções.
12. Uma linda maneira de mostrar a beleza
física da modelo. Fica bem legal com o fundo
iluminado para destacar apenas a silhueta.

13. Simples e casual. Busque pelo maior nú-


mero possível de variações. Peça a modelo
para brincar com as poses, experimentando
diferentes posições das mãos e inclinações da
cabeça.
14. Elegância e simplicidade com a modelo
levemente de lado e com as mãos nos bol-
sos.
15. Inclinar-se para a frente pode render uma
pose bastante atraente. É uma maneira sutil
de dar ênfase às formas superiores do corpo.

16. Sensualizando! Ao segurar as mãos por


cima da cabeça, as curvas são destacadas.
17. Infinitas variações são possíveis em uma
pose de corpo inteiro. O exemplo abaixo é
apenas um ponto de partida. Peça para a mo-
delo virar sutilmente o corpo, mudar a posição
das mãos, direção da cabeça, olhos, etc.

18. Pose relaxada com a modelo em pé e


apoiando as costas em uma parede ou co-
luna. Lembre-se que a modelo pode usar a
parede não apenas para apoiar as costas, mas
também para apoiar as mãos ou uma das per-
nas.
19. A configuração desta é bem simples:
corpo arqueado em formado de S, mãos rela-
xadas e o corpo apoiando-se apenas em uma
das pernas.

20. Variações diversas nesta pose. Para en-


contrar a melhor postura, diga a modelo para
mover as mãos lentamente e mexer o corpo
constantemente. Quando encontrar uma boa
variação, peça para a modelo ficar paradinha e
registre algumas fotos. Repita o procedimento
para outras fotos.
21. Romântica e delicada, qualquer tipo de
tecido – até mesmo uma cortina – pode ser
usado. Note que as costas não precisam estar
completamente despidas. Em alguns casos,
deixar apenas um ombro visível pode resultar
em uma foto muito bacana.

22. Ótima para fazer a modelo parecer um


pouquinho mais magra. Ela deve projetar o
queixo para frente, inclinando a cabeça leve-
mente para baixo, ao mesmo tempo em que
o ombro eleva um pouco, mas sem exageros.
Deve existir um pequeno vão entre o queixo e
o ombro.
23. As mais simples são, na maioria dos ca-
sos, as melhores. Peça para a modelo apoiar
o corpo em apenas uma das pernas e curvar o
corpo em forma de S.

24. Linda pose para retrato apoiando-se so-


bre uma parede ou objeto. A modelo deverá
tocar sutilmente a superfície vertical com as
mãos.
25. Se a modelo tem cabelos longos, que tal
fotografá-los em movimento? Peça para ela
mover a cabeça rapidamente para uma posi-
ção desejada de forma a fazer com mo que o
cabelo continue o movimento. É válido experi-
mentar diferentes velocidades de disparo para
capturar ou evitar rastros do movimento. Em
geral, estas são fotos muito positivas e recom-
pensantes.

26. Muito adequada quando a modelo está


sentada em um sofá ou na cama. Para dar
profundidade temática, peça para a mode-
lo segurar uma xícara de café em ambas as
mãos, dando a impressão de que está esquen-
tando os dedos.
27. Confortável e agradável, muito adequada
em fotografias externas com a modelo sen-
tando em um sofá.

28. Outra variação legal com a modelo sen-


tada no sofá.

29. Uma pose visualmente bonita para a mo-


delo sentada no chão. Tente diferentes ângu-
los. Um exemplo: mova-se gradualmente ao
redor da modelo ou mude a altura da foto.

30. Outro grande exemplo de corpo inteiro


para começar. Polegares ou as mãos parcial-
mente nos bolsos pode dar um charme extra.
31. Linda pose para o verão. Peça para a mo-
delo soltar os sapatos e peça para ela andar
lentamente. Caminhe e fotografe-a ligeiramen-
te por trás.

32. Mãos por trás são incomuns mas rendem


fotos bem interessantes. Fica legal também
fazer uma variação apoiando na parede.
33. Linda e fácil para um retrato formal. A
modelo deve virar-se sutilmente de lado com
a cabeça levemente para baixo e em direção
da câmera.

34. Colocar ambas as mãos na cintura é bem


legal. Funciona bem em fotos de corpo inteiro
ou só da cintura pra cima.
35. Se disponível, um móvel alto ou qual-
quer outro objeto com altura suficiente pode
ajudar para apoiar o braço e dar suporte ao
corpo. Isso vai proporcionar uma pose formal
mas ao mesmo tempo aberta e positiva.

36. Sentada parcialmente em algum objeto é


uma excelente configuração para uma foto.
Funciona bem tanto em internas quanto em
externas.
37. Um belíssimo exemplo de uma pose femi-
nina e elegante para uma fotografia de corpo
inteiro.

38. Essa pose é bastante exigente pois não é


fácil sugerir movimento nas fotos. No entan-
to, se feita corretamente, renderá fotos ele-
gantes e com muita atitude.
39. Muito amável se feita dentro das confi-
gurações corretas: a modelo está se apoian-
do em uma grade, ponte ou qualquer apoio
similar. Fotografar de lado com uma grande
abertura de lente, proporcionará boas oportu-
nidades para registrar com diferentes profun-
didades e desfoques de fundo.

40. Posições sentadas não ficam limitadas


ao casual. Não acanhe-se em tentar diferentes
poses para fotos menos formais.
41. De acordo com algumas regras populares
comumente exploradas sobre a comunicação
gestual, cruzar os braços e pernas significa
fechar-se, colocar barreiras, etc. Mesmo que
tal crença seja mundialmente aceita, não sig-
nifica que estejam corretas. Em fotografias,
cruzar os braços e as pernas não significa,
necessariamente, comunicar qualquer tipo de
introversão ou barreira. Pelo contrário! Cruzar
pernas e/ou braços de diferentes formas pode
render uma bela fotografia.

42. A modelo não precisa necessariamente


colocar as mãos em algum lugar específico.
É absolutamente aceitável deixá-las soltas ao
lado do corpo. O mesmo vale para as pernas:
uma delas suporta o peso do corpo, e é a úni-
ca regra que você precisa. =)
Bom, este já é um bom material para começar
a brincar. É fato que isso não vai fazer de você
um fotógrafo profissional, mas só o fato de
ter um pouco mais de parâmetros para posar
e enquadrar, isso já vai fazer você obter fotos
ainda melhores.

Lembre-se que as fotos são apenas pontos de


partida. Use sua criatividade para alterar e fa-
zer registros que fujam da regra. Cada um dos
exemplos pode render inúmeras fotos… logo,
experimente, tente e divirta-se fotografando!
=)
65-)8 dicas super para fotografar casais
apaixonados
Não só de casamento é feita da fotografia de
casais. Na verdade, para celebrar o amor, a
foto de namorados pode ser uma ótima pedi-
da. E o melhor dia para falarmos desse assun-
to é, com certeza, o Dia dos Namorados.

Separamos 8 dicas preciosas para fotografar


casais apaixonados. As dicas foram prepara-
das por um casal de fotógrafos, Thiago e Ca-
mila, de Joinville/SC. “Dizemos que somos um
casal que fotografa amor com amor e esse é
o lema que nos move”. Abaixo das fotos, está
liberado o EXIF de imagem para conhecermos
as configurações e equipamentos utilizados.
1. Antes de sair clicando
É importante criar um relacionamento com o
casal, conhecer um pouco dos seus gostos,
conversar sobre o cenário e principalmen-
te sobre a sua história. De imediato, muitos
casais acham que suas histórias não são tão
interessantes e por isso acabam desprezan-
do detalhes que podem ser utilizados. Por
isso, é importante marcar uma reunião prévia
e conversar bastante, principalmente sobre
seu cotidiano, buscando extrair o máximo de
informação nas entrelinhas. Muitos desses
casais deixam escapar pequenos aconteci-
mentos que nos ajudam a criar um roteiro.
Alguns gostam de acampar, enquanto outros
são urbanos… E são essas individualidades que
devem ser exploradas ao máximo.

2.A escolha do cenário


Gostamos de criar uma identidade entre o ca-
sal e o cenário. Se eles possuem um local que
faz parte da história deles, aproveitamos para
o ensaio. Além de criar essa identidade, o ca-
sal se sente mais à vontade em um local que
já conhecem. É importante perceber se o casal
é tímido ou não, um casal tímido certamente
não ficará à vontade em um local cercado por
pessoas. Já um casal desinibido se deixará
fotografar em meio a uma multidão.

Na maioria dos casos, sugerimos locais de


acordo estilo do casal, variando entre campo,
litoral e centro urbano. Independente do ce-
nário, é importante ficar atento à posição do
sol para aproveitar a luz natural disponível. Por
exemplo, no centro de uma cidade onde há
muitos prédios, é comum que a luz dure pou-
co tempo. Já em locais mais abertos, é possí-
vel explorar o nascer ou o pôr-do-sol.

3.Roupas e objetos
Sugira que o casal se vista de uma forma
natural, que não fuja muito do seu dia-a-dia.
Roupas confortáveis que se adequem à tem-
peratura e ao cenário. Não adianta em nada
roupas belas que não permitam mobilidade ou
que façam os fotografados sentir calor ou frio
demasiado.

O importante é que estejam confortáveis e


seguros. Quanto a objetos, sempre sugerimos
que levem o mínimo possível para que não
interfira na naturalidade. Objetos normalmente
limitam e interferem nas ações dos fotografa-
dos, tirando a atenção do que realmente im-
porta: as pessoas.

4.Deixando o casal à vontade


É importante que o fotógrafo obtenha a per-
missão do casal. Essa permissão não é verbal
e surge a partir do momento que existe uma
conexão entre o casal e o fotógrafo. Para isso,
durante o ensaio, é necessário conversar e
interagir bastante.

Sugira que o casal se toque, converse e se sin-


ta através de desses gestos. Peça a eles que
mantenham o contato visual um com o outro.
Assim, o casal deixa de olhar para a câmera,
se distrai e permite que fotógrafo capture ce-
nas com pouca intervenção.

5.Dirija cenas, não o casal


Observe tudo a seu redor, note como a luz se
comporta e controle sua ansiedade por clicar.
É importante pensar bastante no posiciona-
mento e, só depois de tudo pronto, provocar
o casal para criar uma interação. Sendo assim,
quando um momento legal acontecer, você já
estará preparado para o clique mágico.

Quando falamos em dirigir cenas e não o


casal, sugerimos que o fotógrafo deixe que
se movimentem com naturalidade, não inter-
ferindo em seus movimentos. Alguns casais
são mais ativos e permitem a criação de cenas
com ação, correndo, caminhando e até pu-
lando, outros se sentem melhor sentados no
chão, bancos, ou seja, poses mais estáticas.
Aproveite esses traços únicos para a criação
de um ensaio com a cara deles.
6.Ouse
Os ensaios normalmente seguem um padrão:
um lindo cenário e uma bela luz são a receita
para belas imagens, porém, são quase uma
regra. Então, aproveite aqueles casais que per-
mitem ousar: sugira fotografar à noite, apro-
veitando estrelas, luzes da cidade e outros ele-
mentos pouco comuns em ensaios. Você pode
também utilizar técnicas não muito utilizadas,
como dupla ou longa exposição, dando um ar
mais artístico ao seu trabalho.
7.Equipamento
Como nosso estilo envolve basicamente luz na-
tural e cenários externos. Por isso, gostamos de
utilizar equipamentos simples e rápidos. Lentes
fixas ajudam a aproveitar um a luz ambiente
por possuírem grandes aberturas, permitindo o
abandono de luz artificial. Flashes e rebatedores
limitam o movimento e a dinâmica do ensaio e,
de alguma forma, acabam criando uma depen-
dência do fotógrafo pelo equipamento.

Configure o disparo para o modo sequencial, as-


sim, se alguém piscar, a chance de perder a foto
é menor. Em cenas de ação, utilize o foco em
AI SERVO para que a câmera mantenha o foco
acompanhando o movimento do casal. Prefira
lentes leves para que você não perca mobilidade
e, por fim, tente utilizar pelo menos duas distân-
cias focais: uma grande-angular e uma teleob-
jetiva permitem que você crie uma variedade
entre imagens, aproveitando o cenário e retratos
com ângulos mais fechados. Se for escolher
apenas uma lente, opte pela 50mm, que é muito
versátil e produz lindos resultados.
8. Utilize o acaso a seu favor
Durante o deslocamento até o local do en-
saio, muitas vezes nos deparamos com cenas
lindas, paisagens que poderiam passar des-
percebidas. Aproveite esses acasos para criar
planos de fundos diferentes. Esse tipo de im-
proviso acaba surpreendendo o casal e permi-
te capturar imagens ainda mais autênticas.
Os fotógrafos Thiago e Camila finalizam expli-
cando por que fotografar casais é um desafio.
“Envolve emoção e principalmente interação.
Lembre-se sempre que você é uma testemu-
nha e que, para capturar imagens que transmi-
tam sentimento, você deve interferir o mínimo
possível, sempre ajudando na direção da cena
e aproveitando a história que já existe. Cabe a
você mostrar o seu ponto de vista sobre eles
de uma forma única e autêntica”.
66-)5 dicas para fotografar retratos cria-
tivos de modelos
O trabalho do fotógrafo de retratos Alessio
Albi traz imagens impressionantes criadas
com elementos muito simples. São fotos eté-
reas e misteriosas, que quebram o molde típi-
co do retrato em muitas formas. Confira cinco
dicas baseadas nos retratos de Albi, assim
como várias imagens do fotógrafo para apre-
ciar e se inspirar.

1.Brinque com padrões de sombra e luz


Uma das formas que Alessio usa para adicio-
nar drama a um retrato de mulher é a utiliza-
ção de padrões de luz e sombra. Podem ser
os padrões coloridos de uma lâmpada nas
proximidades de um vidro, a sombra dura a
partir de uma folha caindo no rosto de seu
assunto, ou um padrão de luz distinto traçan-
do a estrutura óssea. Cada um acrescenta que
algo extra que tantas vezes procuramos em
retratos.
2.Coberta por qualquer coisa
A menos que você esteja no estúdio, poderá
usar arbustos e objetos ao seu entorno para
adicionar elementos à sua fotografia. Essa é
uma variação da dica número 1, aqui usando
de fato os objetos dentro da cena, não ape-
nas os padrões de luz e sombra criados por
eles. Grama, plantas, flores silvestres ou mes-
mo próprio cabelo da modelo podem criar o
efeito.
3.Emoldurada por qualquer coisa
Se você quiser capturar o rosto completo de
sua modelo, pode fazer isso também. Use flo-
res, arbustos, plantas pitorescas ou até mesmo
adereços assustadores. como as mãos em um
dos retratos abaixo. para trazer outra dimen-
são criativa em seu retrato. E nunca subestime
o uso de fechaduras, cabelos coloridos longos
e outros detalhes como uma forma de chamar
a atenção para o rosto no meio.
4.Introduza animais à cena
Acrescentar alguma coisa com a qual sua mo-
delo interaja é sempre uma boa ideia. Pode ser
um objeto inanimado ou até um animal do-
méstico (ou, com um instrutor profissional nas
proximidades, um animal exótico).
5.Molhe-se
Não tenha medo de usar a água nem de se
molhar (com os devidos cuidados de não
estragar seu equipamento, é claro). E se isso
significa colocar sua modelo debaixo de uma
cachoeira, submergindo parcialmente o rosto
dela, ou integrando com adereços como um
guarda-chuva no chuveiro, ou um espelho em
um rio, arrisque-se. O fotógrafo Alessio é um
mestre em integrar o poder sensual da água
em seus misteriosos retratos.
67-)4 dicas para fazer fotos de paisagens
perfeitas
Você se deparou com um lugar incrível e quis
fotografá-lo, mas a imagem saiu bem sem
graça? Não se preocupe! Esse é um risco que
todo mundo corre ao fazer fotos de paisagens.
É normal que a beleza de uma paisagem não
seja retratada com fidelidade em um pedaço
de papel já que tem tantos outros elementos
envolvidos naquela atmosfera. Felizmente há
algumas técnicas que podem ajudar na hora
de fotografar belos lugares.

Antes de começar, tenha na cabeça os três


fatores que determinam se uma foto de paisa-
gem é boa, ou não: enquadramento da ima-
gem, fator surpresa e tratamento final.

1. FAZENDO O RECORTE DA PAISAGEM


A essência da beleza de uma paisagem se
perde em uma foto porque na fotografia, nós
limitamos o olhar das pessoas que vão apre-
ciá-la. Elas não vão ver todo o cenário que es-
tava a frente de nossos olhos no momento da
captura e, por isso, saber recortar a paisagem
é essencial.

Quando for fazer isso, não se esqueça da regra


dos terços. Ela vai determinar o que inserir no
quadro, quais são os elementos mais importan-
tes, como fazer o enquadramento perfeito, se
você vai fotografar mais céu, mais chão…

É importante não pensar na paisagem da ma-


neira como você vê sem a câmera. Ela, quan-
do for impressa na fotografia, vai ficar muito
diferente. Por isso tente sempre observar a
cena através do visor do equipamento. Dessa
maneira, você tem uma ideia melhor de como
as fotos de paisagens vão ficar no papel.
Para determinar a proporção céu/chão da sua
foto, leve em considerações fatores como as
nuvens. Um céu com grandes nuvens fofinhas
vai pedir mais destaque do que um céu limpo.
As nuvens vão fazer com que a imagem não
fique tão “sem graça”.
2. O FATOR SURPRESA NAS FOTOS DE PAISAGENS
Se não tiver o fator surpresa, as fotos de pai-
sagens podem ser enfadonhas. É esse elemen-
to que vai fazer com que a sua foto impacte e
chame a atenção. Não há uma regra para criar
isso, você precisa pensar em algo que pode
fazer com que sua imagem surpreenda os
outros.

Há diversos fatores surpresa possíveis: uma


iluminação diferente, ondas do mar, objeto
incomum, neblina, nuvens simétricas, um avião
ou algum outro elemento voador no céu, as
próprias cores da cena, o lens flare, entre tan-
tos outros.

A regra dos terços pode ser aplicada aqui


novamente para chamar a atenção para esse
fator e deixá-lo em maior destaque. Se essas
técnicas não forem utilizadas, a câmera digi-
tal tende a chapar o detalhe interessante com
o resto da cena e isso pode fazer com que o
fator surpresa desapareça.

É claro que isso não te impede de fazer uma


foto de paisagens que não tenham nada que
possa chamar a atenção. Quando for assim,
invista no enquadramento e no ângulo não-
-padrão. Inove!

3. O HORÁRIO CONTA
O melhor de uma paisagem é capturado em
foto ao amanhecer e ao entardecer. Quando
o sol está muito alto, a iluminação não ajuda
muito e uma boa iluminação pode melhorar
muito a cena que será fotografada.
Por isso a dica é que você acorde cedo – o
sol do início da manhã é o mais indicado para
esse tipo de fotografia de paisagens – e ex-
plore o ambiente. Quanto mais você conhecer
o local que você vai fotografar, maiores são
as chances de você fazer uma boa foto, já
que você vai estar familiarizado com o local e
conhecer cada cantinho interessante para ser
registrado.

4. EDIÇÕES FINAIS
Uma vez que você já fez a fotos de paisagens,
há dois ajustes de edição que podem elevar
o nível dela: os ajustes dos níveis e das cores
seletivas.

NO PHOTOSHOP
O ajuste de cores seletivas vai mexer com
cada canal de cor da sua imagem separada-
mente. Desse modo, você tem controle de
pequenas partes da imagem, sem precisar
mudar a cor da imagem inteira.
É só seguir os seguintes passos:
1. Abra a imagem no Photoshop

2. Vá a Image > Adjustements >Selective Colors

3. Escolha um canal entre os nove disponí-


veis: “Reds” (vermelhos), “Yellows” (amarelos),
“Greens” (verdes), “Cyans” (cianos, os azuis
mais claros), “Blues” (azuis mais escuros e fe-
chados), “Magentas” (tons de rosa), “Whites”
(brancos, as áreas claras da foto), “Neutrals”
(tons neutros) e “Blacks” (pretos, as áreas
mais escuras da foto). Em cada canal você
pode adicionar, ou retirar o tom em questão.
Cada canal, na verdade, engloba todas as
outras cores. O que você vai fazer é escolher a
quantidade de cada cor em cada canal.

Vale lembrar que os canais de Pretos, Brancos


e Neutros, quando mexidos, alteram a cor de
toda a imagem, por isso deve ser manuseado
com cuidado. Eles funcionam como um ajuste
de níveis, clareando e escurecendo a foto, mas
com foco na cor e não no brilho.

Depois de ajustar as cores da maneira que


preferir, abre o controle de níveis (Levels) com
o comando Ctrl + L e faça os ajustes finais
para equilibrar as cores com os brilho e con-
traste da imagem.

Você ainda pode usar a ferramenta de corte


para selecionar melhor o seu enquadramento
e ter certeza de que todos os elementos im-
portantes estão nas suas fotos de paisagens.
68-)6 dicas para fazer lindas fotografias
de casal
As fotografias de casal são bastante comuns
em ensaios pré-casamento, aniversários de
namoro, ou simplesmente uma comemoração e
recordação do amor. As vantagens de produzir
esses ensaios é que, geralmente, os casais pos-
suem química e muita afinidade, o que deixa o
trabalho do fotógrafo mais fácil. Não será difí-
cil tirar sorrisos e rostos brilhantes para serem
impressos no papel.

Sendo assim, para melhorar ainda mais o resul-


tado e experiência de fotografar casais, confira
algumas dicas do Blog Emania para esse tipo
de ensaio fotográfico:

1. COMO ESCOLHER O LOCAL DO ENSAIO


A opinião do casal em relação ao local do en-
saio fotográfico é importante e deve ser levada
em consideração. No entanto, um lugar que
marque a vida deles como casal pode não ser
apropriado para boas fotografias de casal, por
isso, deves se levar em consideração a escolha
dos modelos, mas o olhar do fotógrafo tam-
bém deve intervir.

Os profissionais preferem locais públicos para


esse tipo de ensaio, que permitem poses mais
espontâneas e uma maior interação com o am-
biente. Esses locais costumam ser mais visados
que um estúdio para books de casais.

A escolha do ambiente de fundo também


deve ser pautada de acordo com o estilo do
ensaio, se ele será formal, casual, romântico,
ou despojado…

2. MANTER UM DIÁLOGO COM OS MODELOS


Manter uma conversa com o casal que será
fotografado antes e durante o ensaio é funda-
mental. Independe se o fotógrafo já os conhe-
ce, manter um diálogo informal e não necessa-
riamente sobre as fotos pode ser importante
para a própria composição das fotos de casal.
É nessa conversa que algumas histórias inspi-
radoras podem aparecer para complementar o
trabalho artístico e que podem compor a cena.

Busque informações sobre lugares, objetos,


pessoas e músicas que tenham marcado a vida
deles. Pergunte sobre as músicas e filmes pre-
feridos. Se esse trabalho for feito antes do en-
saio, esses elementos podem ser incorporados
como detalhes da foto e vão deixar o trabalho
ainda mais significativo para o casal.

3. NÃO DEIXE DE FOTOGRAFAR NADA


Um segredo para fazer as fotos de casal é não
perder nenhum momento. Geralmente casais
demonstram afeto nos intervalos das poses e
capturar esses momentos espontâneos pode
deixar o ensaio ainda mais especial. Portanto,
não espere o casal posar para que a câmera di-
gital seja acionada. Capture qualquer sorriso que
para você possa parecer insignificante, mas que
depois de revelado fica muito interessante.

Se o momento for muito rápido e a imagem


perder o foco, utilize recursos artísticos como
o motion blur para dar a impressão de movi-
mento. Se o ensaio for em um local público,
incorpore os “figurantes anônimos” na cena
também, assim como elementos urbanos e
naturais.

4. COMO USAR A ILUMINAÇÃO


A iluminação, nesse caso, deve ser usada para
criar uma atmosfera de romance, necessária
para esse tipo de ensaio. Além de se preocupar
só com a iluminação necessária para deixar a
cena nítida, procure explorar efeitos como o
flare para dar um toque sensível.

De maneira resumida, temos uma dica neste


ebook que já explicou com detalhes esse efeito,
o chamado Lens Flare são aqueles reflexos que
aparecem na fotografia quando a luz consegue
entrar na lente da câmera frontalmente. Antes, o
efeito era considerado um defeito, mas hoje em
dia, ele pode ser usado como um recurso artístico.

Outra dica para a iluminação atingir uma at-


mosfera romântica é fotografar nos horários
de “luz de janela”, que são quando o sol não
está muito alto. A preferência é para os fins de
tarde, quando o sol emite uma luz mais quente
e mais “aconchegante”.

5. COMO DIRIGIR UM ENSAIO DE FOTOS DE CASAL


Não tenha medo de falar para os modelos
como eles devem agir e o que eles devem
fazer. Esse é o trabalho do fotógrafo. Sugira
movimentos, escolha o enquadramento e diga
aos modelos com quais elementos eles podem
interagir durante as poses.
Vale lembrar que poses muito forçadas não
geram um resultado legal, mas é preciso que
o fotógrafo defina as diretrizes do ensaio para
atingir um resultado bacana.

Procure brincar com elementos do ambiente


que está servindo de fundo para criar moldu-
ras, use a profundidade de campo para desta-
car o casal no meio da multidão e prefira cores
quentes para criar o clima romântico. Tenha
todas essas ideias em mente antes de fotogra-
far alguém para que não haja a perda de foco
durante os cliques das fotos de casal.

6.COMO EDITAR AS FOTOS DE CASAL


Não tenha medo de editar as fotografias. A
edição posterior é fundamental para um bom
resultado final e satisfação dos modelos. É
claro que não vale descaracterizar as pessoas,
nem o ambiente retratado. A edição aqui se
trata de correção de cor, contraste e brilho, por
exemplo.
Tome cuidado ao mudar a cor para não des-
caracterizar também as cores de iluminação
usadas no dia das fotos para criar a atmosfera
romântica citada anteriormente.

Fotografias de casal devem passar sensibili-


dade, amor, carinho, conforto e cumplicidade
depois de prontas. Colocando todas as dicas
em prática, esses sentimentos serão retratados
facilmente.
Capítulo 6
Dicas de Carreira

69-) 7 hábitos dos fotógrafos que atingem


o sucesso na carreira
Existem coisas básicas que fazem de alguém
um grande fotógrafo. Fazer ótimas fotos é
apenas uma delas. Em qualquer profissão, não
é possível ir muito longe sem que se tenha
continuidade. E a continuidade é produto do
hábito. Criar um hábito, então, é algo muito
bom a se fazer. Confira abaixo 7 hábitos dos
fotógrafos que atingem o sucesso, listados por
Ugo Cei para o 500px.

1.Conheça sua câmera como a palma da sua mão


Para obter o melhor de cada clique, é essen-
cial estar tão familiarizado com sua câmera
quanto possível, assim você muda rapidamen-
te a configuração da câmera sem nem mesmo
precisar olhar para ela.

Além de adquirir esse conhecimento atra-


vés da prática fotográfica, uma forma útil de
conhecer sua câmera “de olhos fechados” é
colocá-la dentro de uma sacola plástica e, em
seguida, tentar ajustar as configurações com a
mão lá dentro. Repita esse procedimento até
ter acertado a configuração que você havia
escolhido mentalmente.
2.Prática, prática e mais prática
Esta faz parte da clássica frase: a prática leva
à perfeição. E não é praticar de vez em quan-
do, é praticar sempre, exaustivamente. E uma
nota importante: muitas vezes você vai achar
seu trabalho ruim. Mas fique tranquilo, isso faz
parte do processo de aprendizagem (e de au-
tocrítica, só não exagere). Henri Cartier-Bres-
son já dizia: “Suas primeiras 10.000 fotografias
são as piores”.

3.Vá além da sua própria expectativa e rotina


Você quer se tornar um fotógrafo eficaz?
Bom. Basta ter em mente que há sacrifícios a
fazer, como se levantar muito (muito!) cedo
para conseguir aquela luz do nascer do sol
ou ficar lá fora durante a noite enquanto todo
mundo já foi dormir.

4.Seja um mestre de pós-processamento


A dura realidade é que uma fotografia não
está terminada até que seja desenvolvida e
processada. “Era uma vez… Eu teria dito que
uma fotografia não está terminada até que
seja impressa, mas os tempos mudaram”, diz
Ugo Cei. Até mesmo uma fotografia tirada
direto da câmera já foi minimamente proces-
sada pela própria câmera.

Qualquer pessoa hoje em dia pode fazer um


trabalho decente no pós-processamento gra-
ças a grande quantidade de softwares bons,
além dos materiais didáticos disponíveis para
aprender pós-processamento. Para se desta-
car do resto, você precisa se tornar realmente
bom no que faz. E não há substituto para a
vontade de aprender e muita prática.

5.Inspire-se com seus pares


Nenhum artista cresce no vácuo. Você não
pode crescer sem olhar o trabalho de seus
colegas, seja em livros, exposições ou online.
Olhar para grandes imagens, no entanto, é só
mais uma das coisas a fazer. Se você quiser
ser um fotógrafo de sucesso, você precisa
olhar para o que os outros fotógrafos estão fa-
zendo, trabalhos que sejam também eficazes.
Inspirar-se no que é realmente bom.

6.Compartilhe seu conhecimento


“Crie o hábito de doar livremente o que você
aprendeu e você vai colher o que semeou mil
vezes”, diz o fotógrafo Ugo Cei. De fato, não é
legal ter tudo guardado a sete chaves como o
maior segredo do Universo. Compartilhando
conhecimento você ajuda outros fotógrafos a
crescerem e cresce junto também.

7.Saber trabalhar seu marketing na internet e


redes sociais
Muitas pessoas vivem sob a ilusão de que a
vida de um fotógrafo profissional é composta
de uma longa sequência de sessões fotográ-
ficas (e talvez com um pouco de pós-proces-
samento no meio disso). A realidade é que
a fotografia em si toma entre 10% e 20% do
tempo de um fotógrafo profissional. O resto
é dedicado aos negócios e uma grande parte
para o marketing.
A boa notícia é que as redes sociais nos dão
um grande conjunto de canais de marketing
e são grátis em boa parte. É essencial que o
fotógrafo aprenda como vender seu negócio.
70-) Dicas de fotografia para iniciantes: o
briefing com o cliente
Depois de todos os artigos e reflexões ante-
riores, estamos prontos para falar agora sobre
algo não menos importante, aliás, arriscaria di-
zer que é um dos primeiros itens mais impor-
tantes em qualquer trabalho fotográfico, pois
é um trabalho que antecede todos os outros
itens que já conversamos: O Briefing com o
cliente.

Sentar e procurar entender o que o seu clien-


te deseja é a alma de qualquer trabalho, seja
ele fotográfico ou não, afinal quando fazemos
algo para outra pessoa, queremos que aqui-
lo seja bem feito e bem aceito, e raramente
( para não dizer nunca) queremos ter o tão
temido retrabalho, já sabendo inclusive que
algumas áreas na fotografia não permitem
erros, o que só faz aumentar a nossa respon-
sabilidade. Portanto esteja sempre atento ao
que o seu cliente espera de você, e mesmo
que ele já conheça e confie no seu trabalho de
olhos fechados, não deixe passar em branco
um bom atendimento.

1º Sente com o cliente quantas vezes for


necessário para que você e ele consigam ter
uma comunicação fina, e ambos consigam en-
tender e perceber o que irão fazer. É também
esse o momento de falar sobre prazos, preços
e assinatura de contrato. Sim, não deixe passar
em branco nenhum desses itens para se certi-
ficar de que não haverão problemas posterio-
res atrelados a você e a sua marca, acredite,
não há nada pior do que ter muito trabalho
para depois precisar apagar tudo. Portanto
não esqueça: contrato sempre!

2º Depois de entender o que o seu cliente


deseja, não poupe em mandar referências
fotográficas para ele. Tenha o habito saudável
de estar sempre vendo imagens, pesquisando,
estudando, colecionando poses, referencias,
assistindo filmes. Não hesite em compartilhar
também referencias de looks, combinação de
cores e texturas com o seu cliente, faça uma
seleção de imagens específicas que você acre-
dita que se encaixam nas expectativas dele, e
claro, que você tenha a capacidade técnica de
realizar (nunca prometa algo que você não vai
conseguir fazer!).

Figura 90:
Foto que
pode ser en-
viada como
referência
para planejar
ensaio mas-
culino

Um site muito bacana para criar bancos de


referências de todos os tipos e estilos que
você possa imaginar e sobre qualquer tema é
o Pinterest. Se você ainda não conhece, corra
lá e crie uma conta no Pinterest, é muito sim-
ples e fácil, o difícil mesmo é não ficar viciado
nos painéis.
71-)7 dicas para ter um negócio de foto-
grafia
Qual o melhor conselho para alguém que está
começando no mercado e deseja investir pe-
sado na fotografia? Talvez não exista apenas
um, mas vários conselhos. Aqui estão 8 dicas
interessantes da fotógrafa Missy Mwac, publi-
cadas originalmente no site DIY Photography,
para quem quer abrir (e ter sucesso em) um
negócio de fotografia.

1.Você é apenas um de muitos


As pessoas vão perguntar o que você faz para
viver. Quando você responder ”Eu sou fotógra-
fo”, 9 em cada 10 pessoas vão dizer: “Ah! Eu sou
fotógrafo também”. Ou então vão responder di-
zendo que uma das seguintes pessoas que eles
conhecem também é fotógrafo: marido, esposa,
filho, filha, irmão, irmã, primo, sobrinho, sobrinha,
vizinho, colega de trabalho, carteiro, médico, car-
pinteiro, parteira, farmacêutico, avó, etc.

“Poxa, o meu ex cunhado também é fotógra-


fo!”. Então prepare-se. Isso vai acontecer. Muito.
A única coisa que resta para você é ter paciên-
cia. Apenas sorria e finja que se importa.
2.Se você está fazendo DINHEIRO, NÃO É UM HOBBY
Um negócio legitimo precisa ser legitimado.
Ou seja, exigirá pedir e receber toda a do-
cumentação necessária para se conduzir um
negócio: alvará de funcionamento, CNPJ, nota
fiscal, pagamento de impostos estaduais e
locais, registrar o nome de seu negócio, etc…
Se você aceitar dinheiro para os seus serviços,
é preciso que isso esteja registrado.

3.Ser seu próprio patrão é uma bênção e uma


maldição
Quando você é seu próprio patrão, ninguém
vai mandar você fazer qualquer coisa. Isto é
tão bom quanto ruim. Quando você possui
seu próprio negócio, você é o chefe. Isso signi-
fica que se você não fizer algo acontecer, nada
acontecerá. Você vai ter que se esforçar para
ser organizado e motivado. Parece fácil? Não
é. Você tem que aprender a ser pró ativo ao
invés de reativo.
4.VOCÊ DEVE VENDER
Não importa quão grande fotógrafo você é, se
você não consegue vender seu trabalho, você
não vai ganhar dinheiro. Isso não quer dizer
que você não deva se esforçar para realizar o
trabalho de qualidade que deseja – artístico
ou não. Aliás, é muito mais fácil vender uma
bela obra do que tentar vender o trabalho que
precisa ser explicado.

A capacidade de vender sua fotografia para os


clientes é fundamental para seu sucesso finan-
ceiro. E não diga que você não pode ou não
consegue vender. Se você estiver com uma
criança mal-humorada e convence-la a comer
legumes, você vendeu. Se você persuadir seu
cônjuge a comprar um novo móvel para a
sala de estar, você vendeu. Se você conversou
com um cliente e mostrou conhecimento bem
embasado, e então eles decidiram marcar um
horário, você vendeu.

5. A m**** vai bater no ventilador


Em seu negócio, haverá coisas que vão dar
tão espetacularmente errado; situações para
as quais de nenhuma maneira você poderia se
preparar. E porque irão ocorrer situações
inesperadas, você precisará começar seu ne-
gócio o mais preparado possível. A única coisa
que resta é enfrentar com coragem o que esti-
ver pela frente.

6.Chegarão dias em que você não vai gostar de ser


um fotógrafo
Isso vai acontecer. Haverá dias em que você
não sentirá entusiasmo pelo que faz. Zero.
Nada. Haverá dias em que você vai estar mais
animado sobre um novo episódio de “The
Walking Dead” do que para fazer uma nova
sessão fotográfica. Haverá dias em que você
vai suspirar. Muito.

Sim, haverá dias como estes. E sabe o que


mais? Está tudo bem. Isso não faz de você
uma pessoa má ou um fotógrafo ruim. Isso faz
de você humano. Isso não significa que você
deva jogar a toalha ou se desaguar em uma
poça de lágrimas, declarando ao mundo “Eu
não posso fazer isso”. Na verdade, você con-
seguirá superar isso. Lembre-se que isso acon-
tece com todo mundo, uma hora ou outra.
7. NÃO ACREDITE NO FACEBOOK
Você está trabalhando duro. Você está lutan-
do todos os dias. Você se sente muito bem
sobre si mesmo e, em seguida… Você abre o
Facebook. E você é atingido com um soco no
estomago pelas histórias de sucesso dos fotó-
grafos. Elas estão por toda parte. Sua timeline
está cheia delas. Histórias de felicidade abso-
luta em que cada venda é enorme, calendários
lotados com 3 meses de antecedência, wor-
kshops em todos os lugares.

Então você olha para si mesmo, sentado com


suas calças de ioga, sentindo-se como se você
estivesse indo mal. E você se sente derrotado.
Desencorajado. Pronto para jogar a toalha.
Você vê uma foto que recebe 4K de curtidas,
e você quer saber o que está fazendo errado.
E aqui está o que você está fazendo de erra-
do: o mais errado nisso é estar acreditando
em tudo o que se diz e se mostra no Face-
book. Sabe por quê? Porque qualquer um
pode ser qualquer coisa no Facebook. Lem-
bre-se disso.

Portanto, aproveite os vídeos de gatinhos,


as fotos legais, os gráficos bem-humorados
e as histórias reconfortantes. Torça para que
seus amigos se deem bem no que fazem. Mas
quando se tratar de avaliar a sua vida baseada
na dos outros no Facebook, cuidado. O único
lugar onde um negócio é perfeito é num sta-
tus do Facebook.

Agora, pegue sua câmera e vá fotografar.


72-)5 dicas para se tornar um fotógrafo
freelancer
Muitos fotógrafos levam a vida como free-
lancer. E muitos outros desejam engatar sua
carreira num bom fluxo de trabalho freela. A
liberdade e flexibilidade para escolher a pró-
pria rotina de trabalho são realmente tentado-
ras. Mas não ter um chefe demanda algumas
responsabilidades extras. Certifique-se de que
você tem o compromisso de fazer o trabalho
para você mesmo, sem ninguém te cobrando.
E de que você não está apenas tentado fazer
esta mudança porque odeia seu chefe, ou por-
que lhe falta motivação. Veja a seguir algumas
dicas para ter sucesso como freelancer.

1.Ponha as engrenagens para funcionar


Se você não quer cortar seus laços completa-
mente com o seu empregador, mas está farto
de fazer malabarismos em seu emprego o
tempo inteiro para conseguir fazer os freelas
que aparecem, existem algumas opções. Você
pode solicitar horários de trabalho flexíveis de
seu empregador. Não é garantido que isso vá
ser permitido, mas é possível negociar. Fora
isso, você pode tentar um contrato de tem-
po parcial. Novamente, não é garantia, mas
alguns empregadores podem estar abertos à
ideia de modificações no ritmo de trabalho ou
redução do horário. Tudo depende de tentar
negociar primeiro.

2.Como construir uma base de clientes


Para ser um fotógrafo freelancer bem suce-
dido, você tem que gastar um bom tempo à
procura de trabalho. Há muitos sites que anun-
ciam trabalho freelancer, como o Trampos.

Agências de emprego também podem ter


oportunidades para freela, assim como grupos
de emprego no Facebook. É preciso estar liga-
do em todas as oportunidades.

Tenha sempre um cartão de visita para qual-


quer trabalho que pintar. Nunca se sabe…
Você pode estar num bar, numa festa e al-
guém comentar que precisa de um trabalho
fotográfico que você poderia realizar. E não
basta dizer o que você faz, você precisa mos-
trar como pode ser útil para seus clientes. Por
exemplo, vender seu peixe dizendo que “como
fotógrafo, eu ajudo empresas a parecerem
mais profissionais através de sua imagem bem
trabalhada, tornando assim possível de a em-
presa atrair mais clientes”.
Você vai precisar garantir que os clientes
possam encontrá-lo. Tenha seu portfólio em
seu site e inclua depoimentos de outros clien-
tes para mostrar melhor suas competências
através do olhar externo. Tenha redes sociais
como Instagram, Facebook e Twitter, mas
certifique-se de que as pessoas consigam
encontrar fácil seu contato e site para pedirem
orçamentos e outras informações.

3.É tudo sobre o dinheiro


Você já decidiu o quanto você vai cobrar? É
fácil descobrir. Tente verificar alguns dos sites
dos seus concorrentes. Será que eles exibem
o quanto cobram? Se não, peça um orçamen-
to como se você fosse um cliente interessado.
Não parece completamente ético, mas essa
é uma prática de vendedores e negociadores
em todo o mundo.

É possível também perguntar antes para seu


cliente quanto ele poderá gastar, para então
decidir se este valor é ou não suficiente para
o serviço que você irá prestar. E se você pre-
cisa de capital inicial para começar sua vida
de freelancer, há também empréstimos para
pequenos empresários. Mas certifique-se que
esse empréstimo será suficiente para você
conseguir fazer mais dinheiro (e pagar o pró-
prio empréstimo, assim como ter o lucro além
deste valor para se manter). Sempre vá com
cautela na hora de fazer um empréstimo, pen-
se bem, calcule bem.

4.Faça coisas não-fotográficas


De acordo com o 500px, em um estudo re-
cente se descobriu que a maioria dos freelan-
cers são mais felizes do que os empregados.
Mas é preciso ficar atento, pois o seu trabalho
e sua vida podem se misturar em um só. É im-
portante para você manter alguma separação
entre os dois.

Pela qualidade do seu trabalho (e sua própria


sanidade), é bom criar limites para que ambos
os aspectos de sua vida tenham tempo de res-
pirar. Planeje as férias com antecedência, caso
contrário você nunca vai tirar férias. Exercite-
-se. Quando você se exercita, seu corpo libe-
ra endorfinas, que provocam um sentimento
positivo e diminuem o stress.

5.Sábio conselho
O ícone empreendedor James Caan disse uma
vez que “o maior erro que eu já vi em inician-
tes é a relutância em registrar as transações
do fluxo de negócios. Deixar de manter um
registro deste dobrará sua carga de trabalho,
porque você vai ter que se lembrar da data
de cada recibo, nota fiscal e verificar para que
serviam”.

Para muitos freelancers, a contabilidade é


vista como uma tarefa cansativa ao invés de
uma função-chave na gestão de um peque-
no negócio (o que é, na realidade). E, como
resultado, o processo de apresentação e ge-
renciamento de contas do negócio são muitas
vezes deixados de lado, afetando seriamente
o empreendimento mais tarde. Uma falha para
resolver a sua papelada em tempo hábil pode
resultar em você pagar mais impostos do que
o necessário ou, pior ainda, ser penalizados
por atraso pela Receita Federal.
73-)5 ideias de estratégias de venda para
fotógrafos
Neste artigo temos 5 ideias de estratégias de
venda para fotógrafos, baseadas em recen-
tes pesquisas com centenas de fotógrafos
para saber quais os maiores problemas que
os profissionais encontram no mercado atual-
mente. A maioria dos fotógrafos não possuem
estratégias de venda ou pós-venda para o seu
negócio.

Pensando nisto, decidi dar 5 ideias de estraté-


gias de venda para fotógrafos e assim, incen-
tivar você a criar mais estratégias para o seu
negócio se tornar ainda melhor. Obviamente
que estas estratégias de venda precisam em
alguns casos, serem adaptadas ao negócio de
cada fotógrafo, mercado e público-alvo que se
pretende atingir.

1.Estratégia – Dê sempre mais do que foi combinado


O fator surpresa de uma negociação é sem
dúvida alguma um ponto forte e importante.
Quem não gosta de pagar por um produto e
descobrir que depois de estar tudo certo ain-
da ganhou um bônus? O bônus pode ser:
• uma lâmina extra no álbum;
• o ensaio do casal;
• uma garrafa de um bom vinho (antes, você
deve descobrir se eles bebem);
• uma carta de agradecimento pelo fecha-
mento do contrato, escrita a mão por você;
• na reunião, prepare um slideshow com as
fotos que irá mostrar para o casal, com o
nome deles na tela;
• torne seu atendimento personalizado, com
xícaras de café com os nomes do casal.
Pode ser feito com adesivos para reduzir
custos, ou até mesmo impresso para dar de
brinde ao casal pela reunião.
O importante nesta estratégia de venda é
surpreender sempre. Você precisa lembrar que
as pessoas antes de comprar produtos e servi-
ços, compram pessoas. Você deve ter passado
por isto, quando retorna em algum estabeleci-
mento que era um pouco mais caro, mas que
o atendimento era sensacional e fez a diferen-
ça na sua compra.

2.Estratégia – Não discuta preço, fale de valores.


O maior erro que qualquer profissional em
qualquer área pode cometer é a de entrar na
guerra pelo preço, ainda mais no mercado da
fotografia, onde o cliente precisa enxergar o
valor e não o preço. Talvez você conheça a
história de que uma pessoa não compra uma
furadeira, ela compra o furo. Este é o exemplo
clássico que o cliente tem um problema e o
vendedor precisa auxiliar ele da melhor forma,
mais rápida e barata que conseguir.

O cliente precisa de um furo, (este é o proble-


ma) e necessita de uma solução, a furadeira.
Como convencer o cliente que a furadeira X
é melhor que a Y sendo que as duas fazem
um furo? A resposta está na percepção que
o cliente tem sobre determinada marca e de
como o vendedor se posiciona diante da es-
colha do cliente. Trazendo isto para o mercado
da fotografia, se o cliente está em uma reunião
com você, nesta altura ele já viu suas fotos, co-
nhece sua fotografia, fuçou seu blog ou site por
inteiro, ele só esta procurando saber qual será
o preço (raramente ele pensa no valor) que ele
terá que pagar pelo “problema” dele.

Não se assuste se ele trouxer orçamentos


da concorrência para fazer leilão com o seu
trabalho, aliás a culpa é do profissional que
aceita o cliente fazer isso e muitas vezes o
incentiva desta forma. O fotógrafo deve ter
em mente e acreditar que o seu trabalho é
diferenciado (e deve estudar e praticar muito
pra que realmente seja) dos demais concor-
rentes, pois se o cliente não enxerga valor na
sua fotografia, estrutura física, nos conceitos,
a comunicação está completamente errada
para o público que você está alcançando.
3.Estratégia – Crie emoções
Antes de qualquer conversa com o cliente ou
até mesmo por telefone, sorria. Pessoalmen-
te essa regra é mais do que obrigatória, mas
estenda a atitude aos contatos por telefone e
até e-mail (isso mesmo!). Estudos já mostraram
que as pessoas transmitem uma energia positi-
va quando sorriem ao telefone. No email, mes-
mo sem usar a voz, você também irá escrever
com essa mentalidade se estiver agindo dessa
forma na realidade. Mostre que é sempre um
prazer atender o consumidor. As fotografias
devem passar emoções, contar histórias.

A mediada que o cliente for folheando seus


álbuns, desperte a mente dele com histórias
engraçadas, emocionantes que ocorreram no
momento daquelas fotografias, faça eles se iden-
tificarem com aquelas fotos. Não faça eles verem
o papel, o tamanho do álbum, a gramatura, isto
é o que todos vendem. Quando oferecer seu
produto e o seu serviço, em vez de “empurrá-
-los” para o cliente e falar das características, do
número de páginas no álbum, da capa, mostre o
que você pode fazer por ele para tornar aquele
momento especial, algo inesquecível, citando os
benefícios de te contratar.
Eles estão ali dispostos a ver como você fala,
age, se comporta, como trata os seus “ex-
-clientes”, é o tempo da vida deles que eles
reservaram para entregar a você, por isso, não
desperdice-o falando mal dos seus concorren-
tes,ex-clientes ou até mesmo das más qualida-
des deles. Saiba que o bem mais precioso que
o seu cliente pode te dar é o tempo dele, pois
o tempo não volta mais, dinheiro vai e vem ;)

4.Estratégia – Ouvir é melhor do que falar


Procure ouvir atentamente o seu cliente, não dei-
xe nada passar em branco, você precisa enten-
der que tudo pode se tornar motivo para venda.
Se o cliente é apaixonado por futebol, descubra
qual o time dele e descontraia com ele sobre o
assunto. Ouvir é mais importante do que falar,
porque ouvindo, você irá ter tempo de encontrar
afinidades entre vocês e fazer os elos de ligação
até a venda se concretizar. Por isso, Deus nos
deu duas orelhas e uma boca ;)

Deixe seu cliente a vontade, peça pra que eles


contem a história de como se conheceram, onde
se viram, como foi que chegaram até aquela
decisão tão importante? Você poderá usar todas
estas informações como estratégia de venda,
basta estar atento a todos os detalhes.

Na maioria das vezes o cliente não está inte-


ressado em como você fez tal foto, que iso
uso, qual foi a abertura do diafragma, nada
disso, ele está afim de saber como foi a festa ,
a dança, a chegada do casal até a festa, as fo-
tos no lugar lindo que eles viram no seu álbum
fotográfico. Ninguém melhor do que o próprio
cliente para dizer o que ele gosta ou não e
nesta conversa você pode se tornar uma peça
fundamental para eles.

5. Estratégia – Formulário de contato


Você sabe que muitos clientes procuram seus
profissionais através da internet, até mesmo
pela facilidade que ela proporciona. Deste
modo você deve potencializar o seu site ou
blog de maneira que em todo o seu conteúdo
o cliente tenha nas mãos a opção de entrar em
contato com você, seja para tirar uma dúvida
ou principalmente solicitar um orçamento.

Transforme cada post em seu blog em uma


página de captura de orçamentos, ou seja,
coloque um formulário de contato ao final de
cada postagem, incentivando o seu cliente a
solicitar um orçamento. Com as ferramentas
Dos blogs Wordpress você pode facilmente
transformar esta tarefa em algo fácil.

O formulário de contato é a porta de entrada


para uma conversa mais íntima e o tão espera-
do fechamento do contrato com o cliente. Ela
é o passo inicial de tudo, mas na maioria das
vezes, os fotógrafos não dão a devida aten-
ção que os formulários merecem. Está é uma
estratégia básica em sites, mas poucos profis-
sionais da fotografia fazem uso dela. Prepare
seu site como se fosse sua casa, e não como
um cartão de visitas.

Ele deve receber bem os seus “convidados” e


não apenas dizer que você é um fotógrafo. O
seu site ou blog, precisam “conversar” com o
seu cliente.

6. Estratégia – BÔNUS – Transforme seu “Sobre”


em vídeo
A forma mais criativa de falar para o seu clien-
te sobre quem é você, não é através de um
texto (que na maioria das vezes não é lido),
mas sim, mostrar pra ele quem você é de ver-
dade, como você fala, trabalha, sua aparência,
os seus gostos. Você precisa humanizar a co-
municação com o seu público, e nada melhor
do que transformar a parte do seu site/blog
que fala de você em um vídeo bem humorado
ou mais profissional de quem você é.

A estratégia de mostrar como você trabalha,


como você conversa e até mesmo como você
“se vende” em um vídeo, é mais forte do que
meras palavras em uma página que ninguém
mais tem paciência pra ler. Você pode até
pensar: Mas eu não sei falar na frente de uma
câmera, então fica a pergunta: Como você vai
falar na frente do seu cliente sobre você, se
não consegue nem falar de você pra câmera
onde existe a possibilidade de errar, refazer e
postar somente se gostou? Diferente de quan-
do estiver frente a frente com ele, certo?

Perca o medo de falar frente a câmera e com


certeza perderá ainda mais o medo de falar
com o seu cliente. Deixe o seu “Sobre” muito
mais atraente além é claro de usar esta ferra-
menta como divulgação do seu trabalho e de
como você é. Se você realmente não conse-
guir falar, peça para que seus clientes falem
algo sobre você, peça para darem um teste-
munho sobre como você é, porque contra-
taram você? O que você fez por eles? Como
ajudou em um momento tão especial?

Não há nada mais forte do que um testemu-


nho de uma outra pessoa falando se gostou
ou não de um produto ou serviço.
74-)11 erros que os fotógrafos cometem
na carreira
Através de uma pesquisa de mercado realiza-
da pelo grupo iPhoto Channel, foi descoberto
que muitos fotógrafos em início de carreira (e
até mesmo alguns com um tempo na profis-
são) cometem os mesmos erros. Por isso trou-
xe essas dicas para ajudar você a não cometer
os mesmos erros na sua caminhada no merca-
do da fotografia.

Resolvi listar os 10 erros mais comuns que os


fotógrafos praticam durante o início da sua car-
reira e ao longo dela. Alguns destes erros podem
ser cruciais para o sucesso ou o fracasso nesse
mercado cada vez mais disputado.

1. Não ter um domínio com seu próprio nome


Sem dúvida alguma esse é um dos principais er-
ros que o fotógrafo comete no início de sua car-
reira. Não ter um domínio próprio com o nome
da sua empresa é, com certeza, perder dinheiro
e credibilidade com os seus futuros clientes.

Esqueça emails como gmail, hotmail ou live.


Estes tipos de email são utilizados por amadores
ou pessoas “normais”, não por profissionais. Se
você quer passar confiança para os seus clientes,
você pode começar tendo no mínimo um site e
um email com o seu nome, #ficaadica.

Você pode estar pensando neste momento: “É


tão caro ter um domínio próprio, tem que pagar
várias coisas, além do mais não sei mexer com
isso tudo”. Você precisa pensar como um em-
preendedor que vai gerar renda em cima da sua
empresa, portanto, ela precisa ser tratada com
todo carinho e em todos os detalhes.

Para ter um domínio próprio é muito simples,


rápido e relativamente barato. Relativamente
se compararmos a qualquer negócio físico que
precisa de investimentos altos, exemplo: se você
for montar uma empresa para vender cachorro
quente, você aluga um lugar ou investe em um
carrinho, e este é só o investimento inicial.

Se você não pode investir cerca de R$300,00


no ano (isso dividido em 12 meses fica
R$25,00 reais por mês) em seu próprio ne-
gócio, você precisa rever se realmente está
disposto a continuar nesta profissão que exi-
ge investimentos em equipamentos, cursos,
etc. Para ter um domínio e um email com seu
nome é muito fácil e prático, basta seguir os
passos abaixo:

1º passo: Registre seu domínio


Você deve acessar o site registro.br para do-
mínios .com.br por exemplo (que são os mais
indicados) e pesquisar o domínio que deseja,
caso ele esteja livre é só pagar R$30,00 reais
por ano e pronto você já tem o domínio em
seu nome.

2º passo: escolha o servidor de hospedagem


O servidor de hospedagem, como próprio
nome já diz, serve para hospedar o conteúdo
do seu site/blog, além de ser o responsável
por receber e enviar emails. Caso você não
conheça nenhum bom servidor, indicamos os
serviços da Kinghost, com planos a partir de
R$18,42 mensais, você terá um excelente ser-
vidor. E para ter seu site ou blog, você pode
contratar empresas especializadas ou você
mesmo pode montar um blog em WordPress.

2. Não ter um blog


Outro erro que os fotógrafos cometem é de
não possuir um blog, que é diferente de ter
um site. O site é usado como portfólio e uma
apresentação do fotógrafo. Apesar disso, aqui
no Brasil o que mais se popularizou no mer-
cado da fotografia foi o formato de blog, pois
com ele você pode ter tudo o que o site tem e
ainda contar com as atualizações de conteúdo
que ele pode oferecer.
O blog serve para você mostrar aos seus
clientes os seus trabalhos atuais, e ter sempre
novidades através dos posts, onde você pode
contar a história de cada trabalho e postar
suas fotos.

Muitos são adeptos somente de postar suas fo-


tos e seus trabalhos em sites como Facebook,
Flickr ou 500px, o que é um grande erro, pois
esquecem que, se a política destes sites mu-
dam, o fotógrafo é obrigado a aceitar. Além de
ficar preso a eles, você deve ter em mente que
eles podem deixar de existir daqui alguns me-
ses ou anos (o orkut é a prova disso :P )

A melhor forma de se ter um blog é fazê-lo


em WordPress, uma plataforma incrível (gra-
tuita) que possui muitas ferramentas para
auxiliar o fotógrafo nesta jornada através da
internet, existem vários templates gratuitos
na internet que você pode usar ou pagos com
preços muito em conta.

3. Não dar importância ao seu orçamento


Um dos erros mais fáceis de se cometer na
carreira é não tratar os orçamentos fotográfi-
cos com o devido cuidado e de não dar muita
atenção a eles. O péssimo hábito de respon-
der por e-mail, no próprio corpo do pedido, ou
in box na fanpage do Facebook, pode desa-
creditar seu trabalho e fazê-lo perder vendas.

Ter orçamentos bem feitos, com um design


clean, é a chave para fechar bons e mais con-
tratos, pois o orçamento tem um papel muito
importante na apresentação do seu serviço.
Ele é uma das primeiras oportunidades que
você tem para vender seu trabalho e mostrar
suas fotografias. Os detalhes cativam as pes-
soas, e ao receber um orçamento bem feito o
cliente vai notar o cuidado que você teve para
fazer o seu orçamento. Ele irá notar o profis-
sionalismo e qualidade de seu serviço

Os fotógrafos muitas vezes esquecem que, na


maioria das vezes, o orçamento fotográfico
chega primeiro que a reunião e agem como se
fosse apenas responder mais um email.

Se você não sabe como fazer um bom orça-


mento fotográfico, clique no link em seguida
para baixar 20 templates editáveis em pho-
toshop que irão atrair a atenção dos seus
clientes. São templates completos para você
se diferenciar dos seus concorrentes. No pa-
cote você encontra: 10 templates de casamen-
to, 5 templates de festa infantil, 5 templates de
Newborn.

4. Não ter estratégias de preço certa


No artigo 49-)5 ideias de estratégias de vendas
para fotógrafos, nós falamos da importância de
se criar estratégias para vender os seus servi-
ços, afinal, ter um site/blog ou uma página no
Facebook e esperar que chova clientes na sua
caixa de emails é no mínimo utópico, quase
um devaneio, certo?

Não é porque você está presente nas redes


sociais e agora possui um blog (espero que já
tenha registrado domínio e comprado um ser-
vidor :P), ou porque agora você já possui uma
proposta de orçamento linda(item anterior)
que as coisas vão começar a acontecer e os
serviços vão começar a aparecer.

Ter ideias de preços e estratégias de venda re-


quer planejamento e dedicação. Você precisa
entender que, além de fotógrafo(a), é também
um(a) empresário(a) e que todo o processo
de captura de clientes depende de você e de
mais ninguém.

Você deve fazer perguntas a si mesmo do


tipo: onde quero atuar? Quem são as pessoas
que podem comprar meus serviços? Onde
elas estão? Como elas enxergam meu trabalho
ou como deveriam enxergar?
5. Não estudar
É quase impossível você permanecer em
qualquer profissão sem conhecer e estudar a
fundo como trabalhar com ela. Por que então
na fotografia muitos ainda acreditam que ape-
nas comprando uma câmera eles já se tornam
fotógrafos? Você não se torna fotógrafo ape-
nas por ter uma câmera, como um médico não
é médico por ter um bisturi, certo?

Sabemos que o mercado está competitivo,


fácil de entrar – o difícil aqui é permanecer.
Porém, é preciso se destacar na multidão e fa-
zer algo novo, diferenciado, e para isso é pre-
ciso muito estudo. Faça cursos, workshops, vá
em congressos de fotografia, assista vídeos na
internet, leia o manual da sua câmera ou flash,
ouça podcasts, adquira livros, aprenda sobre
marketing digital para fotógrafos, mas NUNCA
pare de estudar. Como já diziam seus pais “es-
tude para ser alguém na vida”, isso vale muito
para a fotografia.
Vemos muitos fotógrafos comprando equi-
pamentos sem saber ao certo o que e como
comprar, além de não pesquisarem ou até
mesmo perguntarem para outros profissionais,
muitos perdem dinheiro pela falta de estudo e
conhecimento. Por isso o estudo é tão impor-
tante. Ele dá a direção certa a seguir e abre
sua mente. “Não existe marketing bom para
fotografia ruim” – Raul Vargas

6. Achar que vai ganhar muito dinheiro de forma


rápida
Muitos se enganam ao pensar que farão fortu-
nas ou “dinheiro fácil” ao entrar na fotografia.
E fazem um cálculo simples, porém errado: se
eu fotografar 2 casamentos por mês e cobrar
R$1.500,00 vou ganhar R$3.000,00, imagina se
eu fotografar 4? Caro colega, não é tão simples
assim e muito menos tão fácil.

Como qualquer outro negócio, a fotografia


precisa de um planejamento. Este planejamento
envolve o período de plantar a semente e, como
a natureza é perfeita, existe tempo para colher.
O período mínimo para se começar a ter lucro
com a fotografia é de 1 ano (se for muito bem
planejado). Por isso, é preciso ter em mente que
você precisa investir em conhecimento, equi-
pamento, portfólio impresso, cartões de visita,
blog/site, então já viu para onde vai os supostos
“R$3.000,00″ do nosso exemplo?

Se levar em consideração o período que você


ainda não é conhecido e precisa fotografar de
graça ou cobrar um preço “simbólico” para ter
material, o tempo para ter lucro com certeza é
maior. Tenha em mente que não é porque agora
seu Facebook está como Fulano Photographer
que vai chover pedidos de orçamento e você
sairá fotografando horrores. Muito pelo contrário,
na maioria dos casos até para conseguir alguém
para ter um bom portfólio é difícil.

Pense que a fotografia encanta, é maravilhosa,


o seu amor por ela pode ser extraordinário,
mas que ela vai exigir tempo, dinheiro e princi-
palmente paciência e dedicação.

7. Não pensar em estratégias de marketing digital


A grande maioria dos profissionais do merca-
do fotgráfico não possui muita intimidade com
o marketing digital. Sabemos que é algo muito
“novo” no meio da fotografia. Mas ter estraté-
gias para divulgar o seu trabalho na internet
é, sem dúvida alguma, um dos diferenciais de
qualquer fotógrafo nos dias de hoje.

Quando falamos em marketing digital, não


tem nada a ver com criar uma FanPage no
Facebook ou um perfil no twitter e divulgar
seu trabalho, marketing digital é muito mais
que isso. É você envolver o seu cliente onde
quer que ele vá, é fazer com que ele veja o seu
nome quando for procurar algo relacionado à
fotografia ou ao evento que ele quer realizar,
é estar presente na internet de forma com-
pleta sem ser mais um pedindo likes ou men-
digando comentários. Ter uma boa presença
na internet faz a diferença entre você e a sua
concorrência.

8. Atirar para todos os lados


Um erro clássico da maioria das empresas e
não seria diferente com a fotografia é a falta
de foco. E como fotógrafo você sabe que o
foco é extremamente importante. :P

O que mais vemos no mercado são fotógra-


fos que fazem tudo e, na maioria das vezes
por querer agregar valores, acabam caindo no
erro de “atirar para todos os lados”.

O que você fotografa? Bodas, casamento, ani-


versário infantil, 15 anos, newborn, Trash The
Dress, esporte, publicidade, moda, velórios
(sim, existe isso), nu artístico e não artístico…
Hummm e você faz fotografia de gestante?
Nunca fiz, mas faço também….

Se especializar em um segmento e vender a


ideia de que você é um especialista em uma
certa área agrega muito mais valor a sua mar-
ca. Então quer dizer que se eu fotografo casa-
mento não posso mais fotografar nada? Não!
Você pode fotografar outras coisas, mas qual
área você vai se tornar um especialista e o que
você quer vender em seu site?

É comum fotógrafos de casamento fotografa-


rem suas noivas no período de gestação, ma-
ternidade e até acompanhar o crescimento dos
filhos do casal. Isso chama-se confiança. Porém,
você não precisa divulgar que faz tanta coisa
assim. Se especialize e dedique seu tempo e
dinheiro no que você gosta e naquilo que irá te
trazer um retorno financeiro. Afinal, não existe
refeição grátis, alguém paga por ela, certo?

9. Não investir em portfólio impresso


Se você trabalha com fotografia, os portfólios
impressos são a conclusão e o acabamento
final do seu trabalho. Através dos portfólios,
você vende sua fotografia e se diferencia dos
seus concorrentes. Me relacionando com vá-
rios fotógrafos, vi que a maioria dos fotógra-
fos possui um portfólio online e não impresso.
Em contra partida, um dos maiores problemas
deles é justamente na hora de vender o seu
trabalho. Imagine a seguinte situação:

O cliente te achou pela internet (ponto para


você), entrou em seu site (ponto para você) e
se encantou com seu site (ponto para você) e
decide te chamar para uma reunião (dois pon-
tos para você) e na reunião você leva seu Ipad
com todas as fotos que ele já viu no seu site e
algumas novas, então os seus clientes pedem
para ter uma ideia de como você finaliza o seu
trabalho e você pede para ele IMAGINAR um
álbum mais ou menos quadrado, que tem uma
capa fotográfica com a fotos deles e não tem
“vinco” e possui “30 lâminas”. Imaginou o nó
na cabeça dos clientes? Você acaba de perdê-
-los e o seu dinheiro também.
10. Não fazer networking
Quem tem Q.I (Quem Indique) sabe que pode
chegar mais longe. Não é de hoje que os re-
lacionamentos são a base para qualquer ne-
gócio. E sim, eles trazem muitos resultados.
Fazer networking é, sem dúvida alguma, es-
sencial nos dias de hoje. E se você pensa que
relacionamento é ter que ficar puxando-saco
ou bajulando, está enganado.

É comum ouvir fotógrafos dizerem que não que-


rem ficar “puxando-saco” de cerimoniais, casas
de eventos, organizadores, agências, decorado-
ras, etc; mas o fato é que quando você cria uma
rede de relacionamento, as chances de você
conquistar um cliente são muito maiores.

Pense na seguinte hipótese: os clientes vão


até uma cerimonial e ouvem falar bem de
você, depois vão até a decoradora e ela fala
do seu trabalho, logo após, procuram o ce-
lebrante, padre ou pastor, e estes dizem que
você é um excelente profissional e que sabe
se portar durante a cerimônia. Nesta altura do
campeonato, os clientes estão doidos para te
conhecer porque tiveram ótimas referências
suas. Entendeu a rede de relacionamento?

É obvio que os seus clientes do passado são


ótimas referências para o seu trabalho, mas
não podemos esquecer que existe uma gama
de profissionais que gostam de trabalhar com
quem não traz nenhuma complicação para o
trabalho deles. Ou vai dizer que você não pre-
fere trabalhar com aquela equipe de filmagem
que sabe que não vai te atrapalhar, ou aquela
cerimonial que não vai fazer o papel de fotó-
grafa e dar palpite em tudo?

É uma questão de ter somente os melhores


profissionais a sua volta, então faça muito net-
working e saiba manter sua rede de relacio-
namentos. Não se trata de fazer “panelinhas”,
mas sim de ter pessoas ao seu lado em quem
você confia, pode indicar e vice-versa.

11. Não conhecer o mercado em que pretende atuar


Não conhecer o público que quer atingir e o
mercado que deseja atuar é, no mínimo, uma
perda de tempo e dinheiro. Você sabe que
quer fotografar casamentos ou até mesmo
nascimento de bebês, mas onde estas pessoas
estão? O que elas consomem? Quanto estão
dispostas a pagar por um serviço de fotogra-
fia? Qual a classe você quer atuar? Como eles
se comportam? Quem busca pelo serviço é o
mesmo que irá pagar por ele?

São perguntas como estas que precisam de


respostas. Para isso, você pode criar uma
“persona” do seu público, com todas as carac-
terísticas que você pode conseguir sobre ela,
por exemplo: Vou fotografar gestantes, então
minha persona é da seguinte forma:

• O nome dela é Cláudia


• Tem entre 22 e 35 anos
• Visita lojas de bebês com frequência
• Gosta de ir ao shopping
• Tem uma renda familiar entre R$2.000,00 e
R$5.000,00
• Gosta de tecnologia
• Faz pesquisas em blogs sobre gravidez

Só com estas informações já podemos visua-


lizar algumas estratégias para vender o seu
serviço em blogs de gestantes, lojas de bebês,
etc. Conhecer as pessoas para quem quere-
mos vender é o mínimo para se ter sucesso
nas vendas, por isso as empresas investem
tanto em pesquisas de mercado. Tudo isso
para fechar o cerco no maior número de po-
tenciais clientes.
75-)5 erros que fotógrafos iniciantes co-
metem ao compartilhar fotos na internet
Existe aquele ditado: quem não é visto, não é
lembrado. No mercado fotográfico, esse dita-
do é ainda mais contundente, pois trabalha-
mos com imagens. Mas quando é que estou
me expondo demais? Ou de menos?

No começo, é difícil saber qual caminho seguir.


E com tantos absurdos que ocorrem na inter-
net diariamente, é normal ter um pouco de re-
ceio ao compartilhar suas fotos na web. Porém,
compartilhar é preciso. Confira 5 erros comuns
que acontecem no dia a dia da internet e reflita
como melhor mostrar seu trabalho.

1.Ser superprotetor
Há pessoas que têm tanto medo de ser rouba-
das que nem mostram seu trabalho. Isso é sé-
rio. Ou, quando mostram, desfiguram tanto o
trabalho que era melhor mesmo nem mostrar.
Por exemplo, quando o fotógrafo compartilha
suas imagens com uma marca d’água gigan-
tesca. Isso dificulta a visão da foto, a aprecia-
ção da imagem.

Dá pra usar marca d’água sim, mas com maior


opacidade e em tamanhos menores. Tenha
bom senso. Outro problema são os arquivos
minúsculos. É decepcionante ver uma bela
foto na internet, clicar para que ela abra em
tamanho maior e não acontecer quase nada. A
foto continua pequena. O tamanho completo
de 1000px é ideal. Se você quiser algo menor,
que não seja menos que 700px; senão fica
difícil, principalmente em telas grandes.

2.Usando o perfil de cor errado


Um erro simples, fácil de corrigir. Quando você
está se preparando para compartilhar uma
foto online e está exportando do Lightroom
ou do Photoshop, exporte como sRGB. A
exportação usando o perfil de cor AdobeRGB
ou ProPhotoRGB pode parecer boa para você
em primeiro lugar, pois funciona para material
impresso. Porém, dependendo do navegador/
dispositivo onde a foto está sendo vista, as
cores podem ficar fora de sintonia, distorcidas.

3. Ser um Mestre de Nada


Não há absolutamente nada de errado em
tentar diferentes gêneros de fotografia, encon-
trar o seu nicho e experimentar. É importante
no início. Mas se você está tentando fazer o
seu trabalho notado, é legal seguir uma linha,
um estilo, algo que ligue visualmente uma foto
sua à outra.

Não há mesmo nada errado em ter um pouco


de paisagem, um pouco do retrato e um pou-
co de macro (entre outras coisas) no seu port-
fólio. É bom praticar de tudo no início. Mas é
importante, depois disso, achar o gênero que
você mais gosta e estudar sobre ele, praticar
em cima dessa vertente e dar o melhor de ti
em um assunto.
4. Compartilhar tudo
Você fotografou um pôr do sol incrível ontem?
Ou encontrou o local perfeito para fotografar
a Via Láctea e tirou fotos verdadeiramente
surpreendentes? Ok, mas você não precisa
compartilhar toda e qualquer foto que fizer.
60 fotos do mesmo sol deixam de ser novi-
dade, de gerar curiosidade. É o equivalente
moderno de forçar seus amigos para sentar
e ficar vendo uma apresentação de slides de
suas fotos de férias da família. Isso é chato.

Compartilhe sua melhor foto do pôr do sol, ou


as 5 melhores se elas são únicas e diferentes
umas das outras. Uma foto por dia, por exem-
plo, ajuda a manter a curiosidade e interesse
dos seus amigos e espectadores.

5.Não compartilhar nada


Este erro acontece uma de duas maneiras: 1.
Você se inscreve em 60 sites de compartilha-
mento de fotos e aos poucos não compartilha
nem três fotos por mês, pois são muitos sites
para alimentar; 2. Você fica intimidado na hora
de compartilhar qualquer coisa (por motivos
variados, como o julgamento das pessoas, ou
a insegurança em si mesmo, ou o medo de ter
suas fotos roubadas) e toda vez que o botão
“Publicar” aparece, o medo vem à tona.

A solução para o primeiro problema é esco-


lher algumas poucas comunidades para com-
partilhamento (Facebook, Instagram, 500px e
Flickr, por exemplo). Assim é possível dar uma
melhor continuidade semanal para a publica-
ção de suas fotos. Isso leva tempo e dedica-
ção se você quiser qualidade.

A solução para o segundo problema é se


forçar a superar seu medo da publicação, do
compartilhamento, de se expor, colocando-se
em um cronograma de tolerância zero con-
sistente. Uma grande (e muitas vezes trans-
formadora) maneira de fazer isso é começar
um projeto de 365 dias. Isso irá forçá-lo a sair
e tirar fotos a cada dia, mas mais importante:
ele irá forçar você a compartilhar uma dessas
fotos todos os dias também.
76-)10 passos para se tornar um fotógrafo
melhor
Existem momentos em nosso aprendizado
que nos sentimos um pouco perdidos. Prin-
cipalmente para quem está começando, às
vezes é difícil distinguir o melhor caminho à
seguir. O fotografo Sean von Tagen listou 10
passos que podem fazer do iniciante um me-
lhor fotógrafo.

“Esse passos vêm das minhas próprias expe-


riências nos últimos 3 anos, onde me apaixo-
nei por fotografia e tentei aprender tudo o que
eu consegui para me tornar o melhor fotógra-
fo que eu pudesse ser”, diz o fotógrafo Sean
von Tagen.

1.Admita que você ama fotografia


Admita que você ama fotografia, permita que
a fotografia entre na sua vida de vez, assim as
coisas fluirão com mais naturalidade. “E às ve-
zes a gente não consegue nem acreditar que
é pago pra fazer algo que ama tanto fazer”,
brinca Tagen.
2.Aprenda tudo o que puder sobre sua câmera e lente
Não importa se você tem uma câmera barata
ou uma DSLR super profissional. Independen-
te de seu equipamento, é muito importante
que você conheça ele. Afinal, é a ferramenta
que você usa para criar suas imagens, você
precisa saber tudo o que esta ferramenta faz.
E o que ela não faz também.

3. Entenda os três componentes da exposição e


fotografe no manual
Abertura, obturador e ISO: são os três com-
ponentes que você precisa aprender quando
fotografar em modo manual. E fotografar no
modo manual é imprescindível. Assim que
você aprender estes detalhes, será você man-
dando o que a câmera deve registrar e não o
inverso. “Isso resultará em mais controle da
sua fotografia e, por fim, melhores imagens”,
explica Sean von Tagen.

4.Estude e conheça seu assunto


É comum no início fotografarmos todo tipo de
coisa. Mas em algum momento você precisa
descobrir o que realmente você ama fotografar.
Aquilo em que você é naturalmente bom, algo
que atraia seu olhar. Assim que você descobrir
o seu assunto principal dentro da fotografia,
aprenda tudo o que você pode sobre ele.

5. Invista em uma DSLR e nas melhores lentes que


você puder comprar
Hoje em dia existem vários tipos de câmeras,
como mirrorless e compactas, mas as DSLRs
ainda são as mais populares, com mais opções
no mercado. Câmeras e lentes de alta qualida-
de realmente fazem a diferença. Além do que,
com uma DSLR, você pode trocar a lente, o
que lhe dá uma gama maior de possibilidades
dentro da fotografia.

6. Encontre e estude fotógrafos que você admira


O interessante aqui é encontrar fotógrafos
na mesma área em que você quer fotografar.
Por exemplo, se você quer ser fotógrafo de
casamentos, encontre algum fotografo deste
ramo que já possua ótimos trabalhos na área e
estude como este fotógrafo conseguiu chegar
àquelas imagens.

7. Se torne um estudioso da luz


Estamos falando aqui literalmente de luz, da-
quela que é emitida pelo Sol, pelas lâmpadas,
entre outros. A fotografia é, literalmente, es-
crever com a luz. É preciso entender as cores
e temperaturas da luz (que são várias). “Se
você está na rua a cor da luz é uma, dentro de
casa já é outra cor diferente”, explica Tagen.
8. Fotografe em RAW e tenha um com software
para edição
Este é um modo que a maioria das câmeras
compactas não possui, mas é encontrado em
DSLRs. A partir de um arquivo RAW, você
pode fazer com maior fidelidade de imagem
os primeiros ajustes básicos em uma foto. Ba-
lanço de branco, exposição e contrate são os
mais básicos ajustes na edição de fotos.

9.Nunca pare de aprender


Há sempre mais informações para se aprender,
tanto em livros quanto na prática. Há muitas
formas diferentes de aprender fotografia (Dica
55). Quanto mais você aprender ao longo do
tempo, melhor é seu entendimento sobre foto-
grafia, melhor fotógrafo você se torna.

10.Pratique
“Este é o mais importante de todos os pas-
sos”, diz o fotógrafo Sean von Tagen. Tentativa
e erro é provavelmente o melhor professor
que você pode ter na vida, então tente e fo-
tografe o máximo que puder, em situações
variadas. Aprenda com seus erros: se a foto fi-
cou ruim, descubra o por quê, deixando nessa
hora o ego de lado. E se por acaso a foto ficou
muito boa, entenda como isso ocorreu.
77-) 6 maneiras de aprender fotografia
Talvez você seja um iniciante e já teve a ex-
periência de baixar e-books grátis online que
prometem te ensinar fotografia e, na maioria
dos casos, não são nada didáticos. Ou já este-
ve perdido procurando vídeos sobre fotografia
no Youtube.

A verdade é que, para aprender algo novo, um


pouco de organização nos conteúdos é neces-
sária, seja ela feita por uma escola, por exemplo,
ou por você mesmo. Focar é preciso. Mas não se
desespere: um passo de cada vez. Como diria o
escritor americano Ralph Waldo Emerson: “Cada
artista era primeiramente um amador”.

1.Descubra seu estilo de aprendizagem


Existem três maneiras diferentes que você
pode aprender uma nova atividade. A maioria
das pessoas aprender por todos esses meios,
mas pode acabar tendo uma “quedinha” por
determinada forma, o que facilita e agiliza o
aprendizado.
A pessoa visual vai aprender melhor vendo
algo sendo demonstrado e olhando para fotos,
mapas e diagramas. Assistir vídeos e ler livros
apoiará seu estilo de aprendizagem.

Pessoas auditivas aprendem através de ouvir


palestras ou apresentações com áudio; conver-
sar sobre coisas e ouvir o que as outras pessoas
têm a dizer também é uma forma de aprender.
Ouvir podcasts e áudio-livros é outra maneira de
apoiar seu estilo de aprendizagem.

Aqueles que sãos sinestésicos gostam de


aprender na prática. Preferem experimentar as
coisas e descobrir como elas funcionam. Fazer
oficinas práticas, assim como aulas se adequa
a este estilo.
2.Aprenda em uma Universidade
Este é o caminho tradicional, que muitas pes-
soas tomam. Você vai aprender uma grande
variedade de estilos fotográficos em um am-
biente estruturado, com professores experien-
tes e especialistas do setor. Você também terá
acesso a estúdios equipados com tecnologias
recentes. Algumas universidades também
oferecem aulas de fotografia analógica, com
estúdios de revelação.

3.Aprenda sendo um ajudante


Ser um aprendiz é uma forma tradicional, mas
muitas vezes esquecida, de estudar uma pro-
fissão. Sendo um ajudante de fotógrafo, você
estará convivendo com alguém especialista no
assunto, aprendendo na prática. Você pode ser
um ajudante também enquanto faz uma facul-
dade ou curso técnico, por exemplo. Estágios
voluntário, se a intenção for aprender, também é
válido. Muitas vezes um estágio voluntário pode
culminar em uma contratação ou indicação. O
empenho do aprendiz conta muito.

4.Workshops
Workshops e palestras são uma ótima ma-
neira de refinar e aprimorar suas habilidades.
Existem workshops desde o básico da foto-
grafia até áreas especificas, como fotografia
de modelos, de casamento, newborn, etc.
Além de receber conhecimento de profissio-
nais experientes da área, selecionando aqui-
lo que você quer aprender, nesses eventos
também existe a oportunidade de conhecer
outras pessoas que estão ali para aprender e
trocar conhecimento.
5. Cursos on-line e DVDs
Curso online, assim como em DVD, são óti-
mos para aprender no seu próprio ritmo e no
conforto da sua casa. Procure cursos que são
ministrados por profissionais que você res-
peita, criados por empresas comprometidas
com o ensino da fotografia, e em um estilo
que você pode se relacionar. Um dos maio-
res fotógrafos de moda e de eventos sociais
brasileiros, Rodolfo Corradin, desenvolveu um
curso que ajuda a fotógrafos amadores a se
profissionalizar e a começar a sua carreira na
fotografia, e como é um projeto pessoal dele
para ajudar esses fotógrafos a começarem, o
custo benefício é espetacular, o curso custa
apenas R$67,00. Clique aqui para saber mais:
http://conafotografia.com.br/CursoFotografia-
Profissional
6.Mentores
Um mentor pode ser qualquer pessoa que
tenha realizado as metas que você deseja al-
cançar. Isso inclui tanto os amigos que podem
ajudá-lo a compreender algumas das suas
configurações da câmera, por exemplo, quan-
to profissionais com muitos anos de experiên-
cia. Um ótimo lugar para começar a procurar
mentores está no seu círculo de amizade e nas
redes sociais.

Siga os fotógrafos e profissionais da imagem


que você admira nas redes sociais, relacionan-
do-se com os conteúdos. Retweet seus posts,
comente as fotos, compartilhar seu trabalho,
indique clientes, etc. Dê tempo para desenvol-
ver o relacionamento antes de pedir-lhes para
orientá-lo. Isso vai aumentar a chance de que
eles topem te orientar.
78-)5 dicas importantes antes de fotogra-
far o primeiro casamento da carreira
Não é só a noiva que fica nervosa no dia de
seu tão sonhado casamento. É bem provável
que o fotógrafo, principalmente se for inician-
te, esteja tremendo nas bases antes do grande
momento. Confira 5 dicas importantes que
você precisa saber antes de fotografar o pri-
meiro casamento de sua carreira.

As dicas são do fotógrafo australiano de ca-


samentos Chris Garbacz. “Eu gostaria que
alguém tivesse me dito estas dicas quando
eu fotografei o meu primeiro casamento, mas
infelizmente eu tive que aprender da maneira
mais difícil”, diz Garbacz.

1.Conheça o seu equipamento


Uma das partes mais importantes é conhecer
o próprio equipamento. Pegue sua câmera e
certifique-se que você sabe todas as configura-
ções, compreende os modos; também deve co-
nhecer as configurações que estão disponíveis
em suas lentes (estabilizador de imagem, por
exemplo). Exercite todas as opções disponíveis
no seu flash. O set do fotógrafo Chris Garbacz
pode ser conferido aqui (em inglês).

Uma vez que você acha que conhece seu ma-


terial, pegue um amigo ou amiga e pratique
para obter imagens perfeitamente expostas, de
forma rápida e em um monte de locais diferen-
tes. “Eu costumava torturar minha pobre na-
morada na época (agora esposa!) tirando fotos
dela por toda a casa”, diverte-se o fotógrafo.
Figura 91:
As fotos da
namorada de
Chris à es-
querda, que
foram usadas
como “co-
baia” para
testar o equi-
pamento.
As fotos da namorada de Chris à esquerda,
que foram usadas como “cobaia” para testar o
equipamento.

2. Explore os locais
Você deve explorar o local do casamento
antes do evento para estar preparado. Você
provavelmente não terá a chance de ver a
casa dos noivos ou noivas casa antes do dia,
mas você pode presumir como seria a casa.
Enquanto houver luz na sala de estar e quarto
principal, tudo bem. A igreja e locais de recep-

ção podem ser acessíveis antes do casamento,


é uma boa ideia fazer testes prévios de foto
nestes locais.

3. Faça uma lista de fotografias e memorize


Faça uma lista de exatamente que tipo de
imagem você vai fazer em cada local. Sinta-se
livre para ser o mais específico possível e, em
seguida, tente memorizar a lista. Escrever com
papel e caneta ajuda a memorizar melhor do
que apenas digitando. Aqui um exemplo:
- Cobertura do Noivo com amigos;

Detalhes:
o Flor
o Gravata
o Abotoaduras
o Alianças
o Perfume
o Perguntar ao noivo se há qualquer outra coi-
sa que ele queira

Meninos se arrumando:
o Meninos ajudando o noivo com abotoaduras
o Meninos ajudando o noivo com a gravata
o Todos os meninos colocando os coletes
o Todos os meninos ajudando a ajustar a parte
de trás de cada colete
o Tapa na bunda um do outro
o Todos os meninos pegam seus casacos
o Todos os meninos colocam seus casacos
o Imagem heroica de todos os meninos total-
mente vestidos e parecendo impressionantes
o Sérios e gangsters
o Grandes sorrisos
o Abraçando o noivo

Cobertura da Noiva:
o Parte de trás do vestido
o Noiva olhando para flores
o Noiva olhando para longe
o Noiva, olhar, câmera

Cobertura do Casal:
o Noivo com mãos nos bolsos, olhando para a
câmera
o Olhando a distância
o Olhando para sua noiva o Sério e sorrindo
para a câmera o Noiva e noivo juntos (corpo
inteiro)
o Olhando um para o outro o Beijos o Noiva
abraça o noivo por trás (close up)
o Ambos olhando para câmera
o Olhando na distância juntos
o Noiva que beija o noivo na bochecha
o Noiva enfiando a língua na orelha noivo (ob-
ter a reação!)

4. Trabalhe antes como assistente


É ideal encontrar alguém a quem você possa
ajudar como assistente assim que você reser-
var o seu primeiro casamento ou até mesmo
antes disso. Quanto mais cedo você começar,
mais preparado você estará. Isso vai lhe dar
a experiência em primeira mão com um pro-
fissional, sabendo exatamente o que se passa
nos bastidores de um casamento. Experimen-
te e coloque-se no lugar o fotógrafo e imagine
as fotos que ele vai fazer a seguir. Imagine as
configurações que você usaria em sua câmera
e como você iria de um local para outro.
5.Fotografe um casamento falso
Uma das melhores maneiras de se preparar
para o casamento real é fotografar um casa-
mento falso. Chame alguns amigos ou um ca-

Figura 92:
As fotos do
“casamento
falso” e a
conseguida
após, no ca-
samento real.
sal que você conhece e tentar imitar algumas
das fotos que você realmente vai fazer no dia
do casamento.

Vá às localizações reais que você vai usar para


o seu primeiro casamento e faça todas as
imagens que você faria para o dia real. Não há
pressão fazendo desta forma, por isso tome o
seu tempo e faça tudo corretamente, até que
fotografar se torne natural.
79-)4 dicas para melhorar suas fotos no
Instagram
Já é avançada, há algum tempo, a qualidade
das fotografias que os celulares de smartpho-
nes podem produzir. Porém, até com a facili-
dade de apps para fotografar dentro das suas
limitações e corrigir erros de iluminação, é
preciso tomar cuidados na hora de fotografar.
Confirma abaixo algumas dicas de como me-
lhorar as fotos feitas com smartphone:

1. Mantenha a lente limpa


O acúmulo de gorduras e sujeira na lente da
câmera por causa do manuseio do celular atra-
palha muito mais do que se imagina. Um simples
pano, ou camiseta resolve o problema. A nitidez
que a lente oferece depende de sua limpeza.
2. Conheça os atalhos para acessar a câmera
Aquela grande foto pode surgir de uma hora pra
outra em frente aos seus olhos. Por isso, para
não perder nenhuma cena, saiba como acessar
rapidamente a câmera em seu smartphone.

3. Evite o zoom
Ao contrário das câmeras convencionais, que
têm zoom óptico, o zoom do celular é digital e,
por isso, ele apenas amplia a cena que já está
sendo visualizada na qualidade máxima. No
caso, diminui a qualidade da foto quando mais
você usa o zoom, deixando a imagem pixelizada.
4. No iPhone: use as duas mãos e o botão de vo-
lume para capturar
A maioria das pessoas segura o celular em
apenas uma mão e usa o clique na tela para
capturar. Pois o iPhone tem um segredo: você
pode usar o botão de volume para tirar a
foto. Nesse caso, é possível segurar o celular
com as duas mãos, dando mais estabilidade,
e então fotografar.
80-) 5 Hábitos que vão te tornar um fotó-
grafo melhor
A fotografia pode vir naturalmente para algu-
mas pessoas, mas muitos de nós precisamos
de um pouco de prática. Adotar os seguintes
hábitos pode te ajudar na missão de se tornar
um fotógrafo melhor:

1. USE O MODO MANUAL DE EXPOSIÇÃO


Com o risco de estarmos citando o óbvio,
quando você usa o modo manual de exposi-
ção, você tem o total controle da abertura do
diafragma e da velocidade do obturador no
momento em que você vai fazer a imagem.
Isso significa que, para fazer boas imagens,
você vai precisar considerar se quer uma ima-
gem desfocada, ou um movimento congelado
e qual é a profundidade de campo que você
deseja em cada fotografia.

E se você ajustar configurações específicas de


sensibilidade ao invés de usar o ISO automá-
tico, você também pode determinar o quanto
de ruído quer nas suas fotos.
Muitos fotógrafos experientes entendem o
princípio da exposição manual, mas eles usam
os modos semi-automáticos de prioridade de
abertura por conveniência.

Usar o modo manual faz você analisar e pen-


sar sobre a exposição e como você quer que
suas imagens saiam, com mais cuidado – o
que pode ser algo bom e mostrar que você
é um fotógrafo melhor do que era antes de
fazer isso.

super exposta – normal – sub exposta


2.CHEQUE O HISTOGRAMA
Checar a visão do histograma da sua câmera
para cada imagem é uma ótima maneira de
entender melhor o brilho e a exposição que
vão ser registrados. Esse gráfico simples indi-
ca o número de pixels com valores de brilho
que vão de 0 (preto) a 255 (branco).

Se você perceber um pico muito destoante


na extrema direita da escala, é porque a sua
imagem pode sair estourada. Por outro lado,
um pico do lado oposto indica grandes áreas
escuras, com grandes chances de deixar algu-
mas áreas da imagem pretas.

Se você verificar o histograma de cada ima-


gem que fizer, você pode construir uma óti-
ma fotografia, com a consciência de como as
áreas claras e escuras se transformam em uma
imagem e como elas alteram o impacto da
exposição em um histograma.

Com o tempo, você vai aprender a interpretar


o que você vê e transformar esses dados em
configurações de exposição.

3. USE A MEDIÇÃO PONTUAL DA SUA CÂMERA


Assim como a visualização do histograma,
usar a medição pontual da sua câmera pode
te ajudar a entender como a exposição de luz
se desenvolve.

Considerando que o sistema de avaliação, ma-


triz e de medição de uma câmera é projetado
para dar as configurações de exposição que
funcionam na imagem como um todo, a opção
de medição pontual ajusta essas configura-
ções para um ponto bem específico.

A função serve para sugerir as configurações


de exposição que podem deixar a área especí-
fica selecionada em um tom médio. Isso signi-
fica que você precisa usá-la com muito cuida-
do. Se ela estiver em cima de um ponto muito
claro, ou de um ponto muito escuro, a imagem
ficará super, ou sub exposta.

4. DEFINA UM BALANÇO DE BRANCO PERSONALIZADO


Muitos fotógrafos confiam no balanço de
branco automático para fazer com que as co-
res fiquem certas e que as condições de ilumi-
nação fiquem o mais natural possível, porém,
essa é uma aposta segura demais.

Alguns poucos fotógrafos usam os valores


pré-determinados para lidar com condições
específicas de iluminação, e menos ainda con-
fiam na possibilidade de poder corrigir o ba-
lanço do branco com a edição no computador.

No entanto, se você usar suas opções perso-


nalizadas, ou manuais de balanço de branco
da sua câmera digital todas as vezes que for
fotografar, você vai desenvolver um maior sen-
so de conhecimento sobre cores e brancos.
Você também vai conseguir ver o resultado
final logo depois de fotografar, sem precisar
esperar para passar ao computador e vê-lo
através da tela dele. Assim, você terá uma
ideia melhor do que corrigir para ter a foto-
grafia que você busca.
5. FOTOGRAFE COM APENAS UMA DISTÂNCIA FOCAL
As lentes de zoom deixam a vida de fotógrafo
muito mais fácil porque, ao invés de carregar
uma mala cheia de lentes diferentes, você
consegue aproximar uma imagem com apenas
um, ou dois equipamentos.

O lado negativo das lentes de zoom, no entan-


to, é que elas fazem você ficar “preguiçoso”.
Ao invés de se aproximar do objeto que você
deseja fotografar, você tende e usar o zoom.
Se deslocar enquanto fotografa pode fazer
com que você se torne um fotógrafo melhor,
pois vai possibilitar a descoberta de novos ân-
gulos e perspectivas – que podem resultar em
fotografias muito mais interessantes.

Uma maneira de te forçar a explorar mais os


lugares e personagens é restringir a distân-
cia focal da sua Câmera DSLR a apenas uma.
Além de te ajudar a encontrar novos ângulos,
isso também vai desenvolver um melhor sen-
so de controle de profundidade de campo em
você, que estará a caminho de se tornar um
fotógrafo melhor.
81-)8 sites para criar seu portfolio online
Independente da área que você atua na foto-
grafia, manter um portfólio online e atualizado
atrai novos clientes.

Suas fotografias merecem um site em que


você ganhe maior visibilidade e assim consi-
ga atrair novos clientes. Além de divulgar seu
trabalho nas redes sociais, invista seu tempo
em criar uma plataforma online que tenha as
ferramentas certas para você. Existem muitas
opções para você pesquisar, e cada uma delas
oferece variadas opções de ferramentas, bas-
ta você encontrar uma que se adapte. Segue
abaixo uma lista com 10 dessas opções de site,
confira:

1. Squarespace
Este site tem sido uma opção para indivíduos
e empresas criarem sites mais elegantes. Para
ter um site nessa plataforma você deve de-
sembolsar de começo US$8,00, em um site
com até 20 páginas, galerias e blogs. Também
inclui espaço ilimitado de armazenamento de
imagens e tem a opção de venda por e-com-
merce.

2. Kawek
Com este portfólio online, além de publicar os
trabalhos é possível escrever sobre eles, per-
sonalizar sua página, definindo as cores, edi-
tando o plano de fundo, organizando a diagra-
mação dos itens etc., e obter estatísticas com
a sua conta Google Analytics.
3. 500px
500px expandiu muito além de ser uma rede
social para os aficionados por fotografia, hoje
a empresa oferece um portfólio de serviços
pago, além de uma loja online Prime para os
membros venderem fotografias. O site tem
temas que são destinadas diretamente para
fotógrafos, não existe uma grande quantidade
deles, porém os que eles oferecem funcionam
bem, além de que você também pode perso-
nalizar o seu. Manter um site nessa plataforma
sair US$6,62 por mês, que será cobrado como
uma taxa anual de US$75,00.

4.SmugMug
Muito popular esse site é cheio de estilo, ao con-
trário de outros sites, SmugMug não usa temas
prontos, mas opta por ‘estilos’ personalizáveis
que permitem manipular uma página web exa-
tamente como você quer. As opções incluem o
famoso estilo de SmugMug, bem como Journal,
Colagem, e visualizações em miniatura.
Você pode arrastar e soltar as caixas de mídia e
de texto em torno do seu site para se adequar
ao seu estilo individual e gosto. Os preços para
SmugMug é dividido em categorias e seus valo-
res começar a partir de US$5,00 mensais, quan-
do maior o valor, maiores as opções.

5. Wix
Outro site bastante usado é o Wix, que come-
ça já disponibilizando um vídeo com passo a
passo de como criar a sua página juntamen-
te com o “Editor Grátis Wix”, você consegue
montar portfólios com praticidade, assim
como construir galerias, adicionar quantas
páginas quiser. Caso esteja disposto a investir
além do seu tempo, existe ainda a versão paga
do Wix denominada “Premium” para aprimo-
rar os serviços oferecidos.
6. Format
Se você está procurando um portfólio que
se destaca no celular e integra bem com o
Adobe Creative Suite, então Format pode ser
uma excelente opção para as suas necessida-
des.

Com temas movidos dinamicamente, Format


mantém seu portfólio de grande procura em
cada dispositivo. Com uma gama de temas
personalizáveis, você pode usar as ferramen-
tas internas do sistema para alterar a sua pá-
gina ao seu gosto. O site oferece três planos
diferentes a partir de US$ 6,00 por mês.

7. PhotoShelter
É uma opção confiável por fotógrafos profis-
sionais famosos, incluindo Zack Arias e Joe
McNally. Você pode escolher exatamente
como você quer seu portfólio para exibir: uma
única imagem, foto parede ou apresentação
de slides também pode usar livremente o seu
próprio nome de domínio, logotipo e marca
d’água. Permite o upload de imagens ilimitado
e quase todos os tipos de arquivos populares,
incluindo RAW, PSD, TIF, PDF e JPG. Com esse
site todos os seus metadados EXIF e IPTC são
mantidos intactos e importados automatica-
mente para o seu site.

O plano básico de PhotoShelter pode ser ad-


quirido por US$ 10,00 por mês, e fornece nove
modelos personalizáveis, quatro GB de arqui-
vamento de imagem e armazenamento em
nuvem. Um plano Pro também está disponível
por US $ 50,00 por mês e permite o arquiva-
mento ilimitado nuvem para suas imagens.

8. Flickr
Muitos podem vê-lo apenas como um site
para publicação de fotos, mas o Flickr tam-
bém pode ser uma boa forma de divulgar
trabalhos fotográficos, e também peças publi-
citárias, logos,

ilustrações e basicamente tudo que envolve


imagem. Assim, muitos profissionais aprovei-
tam o reconhecimento do site para apresentar
projetos aos vários visitantes e usuários que o
Flickr possui, visando alavancar a carreira.
82-)26 coisas que seus concorrentes podem
lhe ensinar sobre fotografia de casamento
A fotografia de casamento é uma das mais im-
portantes lembranças que pode fornecer a seus
clientes. Um momento especial como esse me-
rece muita atenção do fotógrafo e um trabalho
extraordinário com as fotos de casamento.

Provavelmente, você já leu muitas dicas sobre


fotografia de casamento por aí, mas acredi-
te, buscamos montar um super artigo com 27
coisas que seus concorrentes podem lhe ensi-
nar sobre fotografia de casamento. Uma lista
imensa de dicas, sugestões, técnicas e truques
para melhorar os seus resultados com a foto-
grafia de casamento. Está preparado?

1. USE SAPATOS CONFORTÁVEIS


Há um motivo muito forte para citarmos está
como a primeira dica de fotografia de casa-
mento, nesse evento você irá andar como um
louco, de um lado para outro, em busca do me-
lhor momento para capturar com sua câmera.
Lembre-se que os convidados estão lá para
prestigiar os noivos e se divertir, então, eles
não vão ficar parados esperando você mon-
tar a sua fotografia de casamento. Na maioria
das vezes, alguns estão no Buffet, no salão
de dança e por aí vai. Desta maneira, ter um
sapato confortável vai evitar alguns calos em
seus pés e fazê-lo resistir durante toda a ceri-
mônia e festa para conseguir realizar uma boa
sessão de fotografia de casamento.

2. TOME O COMANDO DA FOTOGRAFIA DE CASA-


MENTO
Em qualquer cerimônia ou festa de casamento
há dezenas de parentes, amigos e conhecidos.
Por isso, é relativamente comum ter aquela pes-
soa tentando monitorar e levar tudo nas costas,
até mesmo na fotografia de casamento.

Para os fotógrafos de casamento mais experien-


tes, sabem exatamente do que estou falando.
Ao menos uma vez, você já deparou com aquele
convidado tentando dizer a todos como devem
se comportar, ou as poses que devem tomar
durante a fotografia de casamento.

Infelizmente, isso pode se tornar um grande pro-


blema para você, afinal, ninguém gosta de ouvir
o quem de fazer a todo o momento. Por outro
lado, como fotógrafo de casamento deve tomar
o controle da sessão e mostrar, educadamente,
quem manda no seu trabalho. Peça ao intrometi-
do que deixe a sessão de fotografia de casamen-
to com você, diga que está tentando fazer algo
diferente e ficaria feliz se pudesse contar com a
ajuda e confiança de todos neste processo.
3. ANTECIPE A SESSÃO DE FOTOS DOS NOIVOS
Alguns casais são muito firmes sobre a tradi-
ção do noivo não ver a noiva antes do dia do
casamento. Porém, para o bem da fotografia
de casamento, sente com o casal e explique
que precisa de pelo menos uma hora apenas
com os dois, a fim de obter um álbum de ca-
samento decente.

Uma vez que eles percebem que precisam se


comprometer com isso e que pode levar al-
gum tempo, impossível de encaixar nos planos
do dia do casamento, normalmente, eles vão
aceitar fazer uma sessão de fotografia de
casamento um dia antes da cerimônia total-
mente vestidos.

4. EVITE A QUEIXA NÚMERO UM DE NOIVAS SOBRE


OS FOTÓGRAFOS
A reclamação campeã das noivas sobre os
fotógrafos de casamento é que o fotógrafo
perdeu uma determinada foto, como os noi-
vos a dizer sim na hora da cerimônia, sua irmã
mais nova em um vestido rosa, etc.

A melhor maneira de evitar isso é simples-


mente reunir-se com a noiva antes e criar uma
lista de fotografia de casamento obrigatória.
Você pode até mesmo trazer algumas fotos
de amostra para a reunião e selecionar algu-
mas poses que ela realmente quer. Anote em
sua lista as fotos que a noiva deseja e priorize-
-as no dia da fotografia de casamento real.

Além disso, conheça todo o cronograma do


evento, como a hora de cortar o bolo, jogar o
buque, assim vai capturar as cenas mais impor-
tantes para a fotografia de casamento e para a
noiva. Defina com ela como e quando tudo irá
acontecer e crie seu próprio planejamento de
como ira levar as coisas, apresente isso para os
noivos para deixá-los mais tranquilos.

Quer evitar reclamações? Participe do ensaio


para conhecer como tudo vai acontecer e qual
o seu papel na cerimônia e festa. É a melhor
maneira para conseguir uma fotografia de
casamento de sucesso.
5. FIQUE LONGE
Durante a fotografia de casamento pode ser
complicado reunir os noivos naturalmente, exis-
tem muitas coisas para que eles se preocupem
e muitas pessoas ao seu redor. Um fotógrafo
de casamento com sua câmera focada no casal
o tempo só vai piorar a situação.

Experimente usar uma lente de câmera com


um grande zoom, ao ficar mais longe, eles se
sentem como se estivessem sozinhos e podem
se acostumar com a câmera à distância, já você
pode continuar a sua luta pela melhor fotogra-
fia de casamento sem nenhum problema.

Os casais querem um fotógrafo agradável e


alegre, mas o dia é sobre eles e não você. Faça
a fotografia de casamento uma parte divertida,
mas fique invisível sempre que possível. Isto é
especialmente verdadeiro durante a cerimônia
e o brinde. Dê-lhes algum espaço e aposte em
lentes longas para estes momentos.
6. VEJA OS NOMES!
Quando você encontrar com a noiva para ob-
ter sua lista de filmagem, peça o nome e nú-
mero de telefone celular da dama de honra e
padrinhos. Eles fazem parte do planejamento
e são pessoas importantes para você conhe-
cer e chamar pelo nome durante a sessão de
fotografia de casamento.

Uma dessas pessoas também pode ajudá-lo a


identificar cada convidado da festa, de forma
a facilitar a comunicação e contribuir para
uma fotografia de casamento de sucesso.
Converse com os noivos para ver quem é o
mais indicado para esta atividade e faça ques-
tão em conhecê-lo e se tornar amigo.

7. VESTIDOS DE NOIVA SÃO BRANCOS!


Os vestidos de noiva têm sido brancos há
mais de 150 anos e precisam continuar assim
na fotografia de casamento. Quando a sua câ-
mera enxerga o vestido de noiva pode achá-lo
brilhante demais e tentar compensar meca-
nicamente, fator que apresenta uma roupa
escura demais.

Você pode contornar este problema ajustando


essas configurações manualmente e deixando
a sua câmera se preocupar com outra coisa
durante a fotografia de casamento.

8. TENHA UMA CÂMERA RESERVA


Acredite em mim, você não quer planejar tudo
na fotografia de casamento e depois ver tudo
ir por água a baixo, porque sua câmera foto-
gráfica quebrou. Tenha um corpo de câmera e
algumas lentes de reserva para evitar proble-
mas durante o evento, não esqueça que é um
evento muito especial e único para os noivos e
você não quer estragar tudo, estou certo?

Ter um corpo reserva não só é útil como um


seguro contra falha, mas também permite que
você tenha uma lente diferente em cada cor-
po. Desta forma, você pode mudar muito rapi-
damente de uma lente teleobjetiva para zoom
standard em quanto à festa de casamento
acontece naturalmente a sua volta.

9. CONTRATE UM AJUDANTE
A maioria dos novos fotógrafos de casamento
pula a contratação de um segundo fotógrafo
para apoiá-lo no dia do casamento. Se você
pode fazer isso em sua fotografia de casamento,
esteja certo que irá valer a pena. As fotos vão ser
melhores, você vai ter um segundo conjunto de
equipamentos em caso de desastre e será im-
provável que perca alguma cena importante.

Experimente fazer uma parceria com outro


fotógrafo de casamento, tire algumas fotos
para ele e peça que faça o mesmo por você.
Deste modo, pode sair mais barato e compen-
sador para ambos os lados e mesmo assim
manter a qualidade e confiança em sua foto-
grafia de casamento.

10. FIQUE DE OLHO EM SUA BATERIA E MEMÓRIA


É importante levar em conta que as baterias
de sua câmera DSLR não são eternas. Por esta
razão, quando falamos em fotografia de ca-
samento em ambientes externos você deve
levar baterias de câmeras reservas e carrega-
dores suficientes, se tiver onde usá-los, para
manter os seus equipamentos fotográficos
funcionando durante todo o evento, uma óti-
ma opção é o uso de um Baterry Grip.
Na fotografia de casamento é interessante
usar uma câmara com slots para cartões du-
plos, porque permitem guardar um número de
fotos maior e fazer um backup de cada uma
das imagens.

Além de manter as fotos de casamento segu-


ra, você também usa um monte de cartões de
memória durante um casamento. Carregue
cartões de memória de câmera com capaci-
dade muito maior, algo em torno 30GB, no
mínimo. Fazer isso vai evitar o pânico de ter
todos os cartões lotados e perder imagens
interessantes da fotografia de casamento.

11. NÃO PERCA OS DETALHES!


Tire uma foto do anel da noiva sobre a Bíblia, um
quadro dos botões do vestido da noiva, um re-
trato do bolo, e por aí vai. A noiva passou meses
na preparação de cada pequeno detalhe e ela
vai apreciar fotos de cada uma dessas coisas.

Eu sei que com a chagada dos convidados e


execução da cerimônia isso pode ser complica-
do. Ao invés disso, procure capturar estes deta-
lhes durante a montagem do salão, em quanto
não há nenhum convidado para atrapalhá-lo. De
igual modo, as luzes estarão todas acessas o que
irá contribuir para a fotografia de casamento
dos detalhes da festa e cerimônia.

Adicione sempre os momentos inesperados à


sua fotografia de casamento. As noivas adoram
quando você consegue capturar um momento
especial com seus pais ou com seu novo ma-
rido. Estas cenas trazem mais naturalidade e
emoção para o evento e tornam a sua fotogra-
fia de casamento mais real e impactante.

Deixe as crianças serem crianças! Algumas das


melhores fotos de casamentos são quando
as crianças estão fazendo as coisas adoráveis
em vez de serem colocadas como um boneco
na cena. Estes momentos também podem ser
especiais para os noivos.

12. SEJA CLARO SOBRE O QUE ESTÁ INCLUÍDO NO


PACOTE
Antes do evento, comunique claramente aos
noivos quais serviços você está oferecendo para
o preço que pagam. Você cede arquivos digitais?
Quantas horas de trabalho? A recepção também
está inclusa na fotografia de casamento? Existe
um custo de viagem? Quais impressões estão
incluídas? Você vai fazer um álbum?

Apresente todos estes detalhes e os deixe o


mais claro possível para evitar discussões e
briga com os seus clientes depois. Você não
quer dores de cabeça, mantenha todos os
pontos bem claros para conseguir uma boa
fotografia de casamento.

Tantas coisas podem dar errado com a foto-


grafia de casamento que não custa nada ter
um contrato para protegê-lo de processos
judiciais e definir claramente as expectativas
do casal com o seu trabalho.

13. DEVAGAR E SEMPRE


Uma coisa fundamental a se levar em conta
na fotografia de casamento está na qualida-
de das fotos e não na quantidade. De nada
adianta ter milhares de fotos em seu cartão de
memória e depois passar um grande tempo na
escolha e pós processamento delas.

Quando ocorre o contrário, pode significar


que você dedicou um bom tempo durante a
sessão de fotografia de casamento para con-
seguir as melhores imagens. Tenha paciência
para compor cada foto e não se preocupe
com a quantidade delas, desde que tenha es-
paço para armazená-las.
14. CAPTURE A PAISAGEM DO LOCAL ANTES DO
EVENTO
Os noivos escolheram aquele local porque
gostam dele, ou possuem alguma conexão
especial. Chegue cedo e faça algumas fotos
deslumbrantes do local para incluir na foto-
grafia de casamento.

Essas pequenas ações podem fazer uma


grande diferença para os seus clientes e com
certeza vão adorar muito a sua atitude. Você
também pode aproveitar essas fotos para for-
necer ao dono do estabelecimento, ele pode
comprá-las de você e gerar um lucro extra.

15. PLANEJE PARA FOTOGRAFAR A FAMÍLIA


Inevitavelmente, você tem duas grandes famí-
lias para capturar na fotografia de casamento.
Para evitar transtorno e não se esquecer de
ninguém na foto, planeje como isso vai aconte-
cer efetivamente.

Reserve um tempo para cada uma das famí-


lias, programe direitinho e dê preferência para
quem chegar primeiro, assim não ficam espe-
rando muito tempo. Não esqueça que a família
é a parte muito importante na fotografia de
casamento, então, faça isso do jeito certo.

16. TRAGA UM LENÇOL BRANCO


Fotógrafos muitas vezes querem a noiva e o
noivo próximo a canteiros de flores, da água,
e em outros lugares inesperados. Noivas não
gostam de fazer isso porque estão preocupa-
das com seu vestido, não querem sujá-lo no
dia de seu casamento.

Uma solução simples é o fotógrafo trazer um


lençol branco que a noiva possa usar para
proteger o vestido. Ela pode dobrá-lo e pôr
em seu colo ou usar como acento para não
manchar sua roupa. A melhor parte é que
ninguém irá perceber este acessório na ima-
gem, já que é da mesma cor do vestido da
noiva. Acredite, um lençol pode salvar sua foto-
grafia de casamento.
17. USE O AMBIENTE COMO ALIADO DA SUA FOTO-
GRAFIA DE CASAMENTO
O ambiente e arquitetura podem ser gran-
des aliados de sua fotografia de casamento.
Através deles, por exemplo, você pode inserir
os noivos em um cenário cotidiano e mantê-
-los em foco da mesma forma.

Capture algumas fotos a partir do vidro, em


locais comuns e transmita aos espectadores
a percepção de que os noivos fazem parte
daquele cenário, tirando o aspecto artificial
de sua fotografia de casamento.

18. OLHE POR TODOS OS ÂNGULOS


Use de seu instinto de fotógrafo de casa-
mento para conseguir a melhor imagem. Em
alguns momentos pode ser necessário se
agachar para capturar as alianças, em outro
você precisa ficar em pé para fotografar o
beijo dos noivos, por exemplo.

Veja qual ângulo valoriza mais a cena que


pretende capturar e abuse dele. A fotografia
de casamento é tudo sobre inovação e ex-
perimentos, cabe a você colocar a sua imagi-
nação e câmera para funcionar!

19. CONHEÇA AS POLÍTICAS DA IGREJA


Quando a captura de imagens da cerimônia
estiver inclusa em seu pacote de fotografia
de casamento, garanta que conhece todas as
políticas da igreja ou casa de cerimônia.

Cada um desses estabelecimentos pode ter


uma abordagem diferente com os fotógrafos
de casamento, conheça-as para evitar estres-
se. Para ter um ideia, algumas igrejas proíbem
o uso de flash da câmera dentro do estabe-
lecimento, outras demarcam uma área espe-
cífica para os fotógrafos e assim por diante.
Conheça a instituição onde será realizada a
cerimônia e garanta uma fotografia de casa-
mento sem dor de cabeça!

Além disso, o tipo de cerimônia de casamen-


to que você está acostumado pode ser com-
pletamente diferente em outras religiões. Por
exemplo, o fotógrafo de um casamento judai-
co precisa saber que não pode perder a noiva
quebrando um copo.

Todas as religiões fazem coisas de forma


diferente e você deve estar familiarizado com
a forma como o casamento vai ser levado, e
respeitar as diferenças religiosas para garan-
tir uma boa fotografia de casamento.

20. RETRATE O PONTO DE VISTA DOS NOIVOS


Pergunte aos noivos por três palavras para
descrever o dia, em seguida, mantenha es-
sas palavras em mente em quanto captura as
imagens.

Se eles disseram “diversão”, aproveite todas


as oportunidades para “documentar” um
momento divertido. Se a resposta foi “român-
tico”, fixe a iluminação em mente e encaixe
cada momento doce para compartilhar os
recém-casados apaixonados. Faça a sua arte
refletir o sentimento do casal neste dia!
21. CAPTURE SORRISOS NA FOTOGRAFIA DE CASA-
MENTO
Antes da cerimônia certifique-se de dizer as
damas de honra e aos convidados mais impor-
tantes para sorrir durante as fotos, especial-
mente, quando as damas de honra entram na
igreja juntamente com a noiva.

Lembre a todos que o casamento é um mo-


mento feliz e será ótimo retratar esta felici-
dade no olhar e sorriso das pessoas fotogra-
fadas. Às vezes, eles acabam esquecendo que
estão sendo fotografados e isso não ajuda em
sua fotografia de casamento.

22. BEIJO EM CÂMERA LENTA


Dizer que você deve capturar o primeiro beijo
dos noivos após o sim em uma fotografia de
casamento parece clichê, todos sabem que
não podem perder esse momento. Entretan-
to, este evento é muito rápido para conseguir
fotos e poses e diferenciadas.

Converse com os noivos para beijar mais len-


tamente, eles não vão se importar com isso e
em troca, você conseguirá algumas opções in-
críveis para compor a fotografia de casamento
selada por um beijo, assim como deve ser.

23. FESTA DE CASAMENTO EM PRETO E BRANCO


Há algo sobre fotos em preto e branco que a
maioria dos fotógrafos de casamento desco-
nhece, ela dá um olhar muito elegante e sen-
timental para a sua fotografia de casamento.

Praticamente, todas as fotos de casamento se


encaixam perfeitamente em preto branco, mas
você não vai entregar um álbum sem cor para
o casal. Contudo, capture algumas cenas em
P&B e veja a reação do casal, você pode se
surpreender com o resultado!

24. NÃO PERCA O TREM!


Você até pode achar conservador demais,
mas existem algumas cenas obrigatórias
para a fotografia de casamento, o tradicional
trem puxado pela noiva e o corte da gravatá
são algumas delas. Não desperdice estes, ou
quaisquer outros momentos de diversão e ale-
gria do evento. Seus clientes vão adorar a sua
abordagem extrovertida!

25. SEJA ESPONTÂNEO COMO FOTÓGRAFO


Enquanto você precisa ser organizado e pre-
parado para fazer uma boa fotografia de casa-
mento, você também pode obter um monte de
grandes tiros por ser espontâneo e aproveitar as
oportunidades e as ideias que vêm à sua mente.

Não se atenha ao planejamento da cerimônia ou


ao seu próprio. Fique livre para experimentar e
conseguir fotos inéditas, elas podem se tornar
grandes tiros de sua fotografia de casamento.

26. APROVEITE O MOMENTO PERFEITO PARA RELAXAR


Permita-se um momento para relaxar quan-
do todo mundo está comendo, ninguém quer
fotos nesta circunstância na maioria das vezes.
Analise algumas das fotos na sua câmera e ex-
clua aquelas realmente ruins para dar espaço
no cartão de memória.
Aproveite este tempo para cuidar de suas ne-
cessidades fisiológicas também, alongar-se e
relaxar um pouco. Afinal de contas, a fotogra-
fia de casamento é um evento que pode durar
muitas horas e o seu corpo precisa estar pre-
parado para resistir até o fim, você não quer
acordar amanhã com dores, estou certo?

Para finalizar, tenha em mente que você não


precisa de muitas coisas além do que foi abor-
dado neste artigo. Apenas, seja você mesmo
e gentil. A maioria das pessoas vai gostar de
você muito bem se for você mesmo.

Como um último conselho, pense em cada


sessão de fotografia de casamento como se
fosse o seu próprio casamento. Será mais fá-
cil entender a situação, identificar o que deve
ser capturado se ter um pouco de empatia
com o momento especial do casal.
Capítulo 7
Dicas de Equipamentos

83-)8 razões para você ter uma lente


50mm f/ 1.8
Constantemente fotógrafos inciantes se per-
guntam quais lentes eles precisam ter no início
da carreira: uma delas é a 50mm f/1.8, ou a fa-
mosa cinquentinha. O fotógrafo Laya Gerlock
listou para o 8 ótimas razões para ter uma lente
50mm, esta pequena porém poderosa objetiva.

1.Baixo custo e leve


Se você tem uma Nikon ou Canon, a 50mm é
uma das lentes mais baratas que você pode
comprar. É também uma ótima lente para se
levar por aí porque não pesa quase nada
.
2.É ótima para condições de baixa luminosidade
Por causa de sua grande abertura f/1.8, ela é
uma ótima lente para fotografar à noite ou em
quaisquer situações de pouca luz.

3.O “olhar SLR”


Muitas pessoas compram uma DSLR porque
querem o olhar, ou o aspecto, de fotografias
que se vê em revistas ou on-line. O que, ba-
sicamente, trata-se da profundidade de cam-
po muito rasa. Mas podem não conseguir a
aparência que querem por estar usando uma
lente kit. Para conseguir esse tipo de profundi-
dade de campo nas fotos abaixo, a resposta é
usar uma 50mm.
4.Muito nítida
Para uma lente pequena e barata, ela é real-
mente muito nítida.
5.O Bokeh
Se você deseja criar bokeh suave e cremoso,
esta lente é ótima.

6. Macro
A 50mm não é uma lente própria para macro,
mas ela é versátil o suficiente e você pode
usá-la para isso também. É possível fazer da
seguinte forma (com muito cuidado, é claro):
retire a lente do corpo da câmera, inverta a len-
te e segure-a em frente ao corpo da câmera.
Exemplo de fotos macro feitas dessa forma:

7.A parede de Bokeh


Uma configuração muito rápida ao fotografar
produtos usada pelo fotógrafo Laya Gerlock: o
que ele chama de “Bokeh Wall”, parede de Boke
em inglês. Basta você ter uma folha de alumínio
amassada e coloca no fundo, na parede. No caso
da foto, Gerlock usou um flash com gel amarelo
e colocou abaixo da mesa, apontando para o
fundo, para a folha de alumínio, para acendê-la.
Além disso, ele usou um pequeno softbox no
lado direito do tema para a luz principal e um
pequeno flash na parte traseira esquerda para
a luz de contorno. A foto foi feita com abertura
f/1.8 para criar este efeito.

Setup para a “parede de bokeh”


8. Bokeh com formatos
Normalmente as formas bokeh são redondas
(como na dica 5), mas se você simplesmente
colocar em frente à lente um papel preto com
um formato cortado no meio (por exemplo,
um buraco em forma de coração), você pode
mudar a forma do bokeh.

Papel preto com buraco de formato “coração”.


84-)5 coisas para comprar antes de ad-
quirir sua próxima câmera
Um novo ano sempre significa, no mundo da
fotografia, novos lançamentos. Especialmente
de câmeras. Mas será que você precisa mes-
mo de uma nova câmera? Ou consegue ainda
estender o uso dela apenas comprando novos
acessórios? Estas dicas são especialmente
para aqueles que possuem câmeras com lente
intercambiável. Confira abaixo alguns equi-
pamentos interessantes de comprar antes de
investir em uma nova câmera.

1.Novas lentes
Pode dar uma coceirinha caso a marca que
você usa tenha acabado de lançar uma câme-
ra ligeiramente melhor que a sua. Mas talvez
essas novas “features” do recente lançamen-
to não sejam tão importantes comparadas a
aquisição de uma nova lente.
E se caso você esteja começando mesmo e só
tenha uma lente, tá aí a dica de ouro: compre
outra. Se você já esgotou as possibilidades do
equipamento que tem, muito possivelmente
uma nova lente abrirá uma nova gama cria-
tiva de ideias para você. Para os experientes,
a dica é pesar bem se a câmera nova vai me-
lhorar seu trabalho. Porque, como sabemos,
certas lentes são muito caras. Às vezes é o
caso de comprar aquela lente especial que é o
preço da nova câmera.

2.Cartões de Memória
Cartão de memória nunca é demais. E se você
possui uma câmera com dois slots de cartão,
melhor ainda. Para os novatos, vale a pena
investir em um cartão novo e rápido. No caso
do SD (ou microSD), se você tiver um cartão
classe 10, já está ótimo. A classe é aquele nu-
merozinho pequeno dentro de um circulo que
vem anotado nos cartões. Para o CF (Com-
pact Flash) este número deve estar acima de
60MB/s; sendo 90MB/s uma boa velocidade.
Você pode usar cartões grandes caso faça
vídeos ou fotos com muitos megapixels, como
16GB e 32GB. Mas o melhor seria repartir essa
capacidade em vários cartões. Assim você se
forçará a trocar o cartão (caso tenha só um
slot na câmera) e isso pode até lhe salvar. Às
vezes os cartões podem falhar e nada pior do
que perder muitas horas de trabalho difíceis
de recuperar depois.

3.Case e Leitor de cartão de memória


Se você comprou vários cartões e deixar eles
jogados dentro de sua bolsa, não vai adiantar
muito. O melhor é deixar seus cartões de me-
mória guardados em um case especial. Evita
que peguem sujeira e amassem. Outra dica é
ter um leitor de cartão de memória. Hoje em
dia, a maioria dos computadores já vem pelo
menos com a entrada SD. É o caso de ter o
leitor se você usar outro tipo de cartão, como
o Compact Flash.
Mas, mesmo que seu laptop já possua entrada
de cartão, é interessante ter na necessidade
de usar vários cartões ao mesmo tempo ou de
transferir arquivos para outro computador que
não tenha esse tipo de entrada. Fora que mui-
tas vezes a entrada do cartão em um laptop
não é muito acessível, o que pode danificar
seu cartão com o tempo. O leitor de cartão é
móvel, fácil de visualizar e colocar os cartões.

4.Alça ergonômica de câmera


A maioria das marcas já enviam com a câme-
ra sua própria alça padrão. O problema é que
elas não são muito ergonômicas e deixam a
câmera pendurada no pescoço. Isso pode cau-
sar dor e, depois de um tempo de uso contí-
nuo, até mesmo problemas de saúde.

Existem alças que podem ser presas na cintu-


ra, que são as mais recomendadas. Outra op-
ção é a correia que prende a câmera ao pulso,
mas que pode levar o peso para outro lugar
sensível e também causar dor.
5.Software de edição
Sabemos que, pelo menos aqui no Brasil, mui-
ta gente usa software pirata. Se você é fotó-
grafo profissional e ainda faz isso, já passou
da hora de regularizar essa parte. Hoje exis-
tem planos flexíveis, como o Adobe Creative
Cloud, que oferecem toda a gama de software
para edição, como Photoshop e Lightroom
para fotógrafos.
85-)6 motivos para NÃO usar a “cinquen-
tinha”
Ela é quase uma unanimidade. A maioria ama
e costuma recomendar sem contraindicações.

De fato, a objetiva 50 milímetros – a popular


“cinquentinha” – é uma das lentes mais que-
ridas pela comunidade fotográfica e aplicada
nas mais diferentes situações: pelo desfoque
atraente e nitidez é usada em retratos, repor-
tagens e ensaios diversos.

Isso posto, pode parecer uma heresia levantar


a voz contra essa verdadeira instituição da boa
fotografia. Rodrigo Jordy, do blogue Foto Fácil,
fez isso. Abaixo, as considerações de Rodrigo:

1.“Não consigo acionar o zoom da minha cinquenti-


nha, parece que ela está com defeito”:
Ela não está com defeito, ela simplesmente
não tem zoom. É uma 50mm, não uma 18-
55mm que vai de 18mm até 55mm, totalizando
aproximadamente 3x de zoom. Típico erro de
quem comprou sem nem saber para que ser-
ve essa lente (muitas vezes baseado em indi-
cações de foristas que diziam ser uma lente
obrigatória), ainda não leu nada sobre distân-
cia focal e nem conhece as nomenclaturas e
os números existentes em cada lente.

2.“Está muito difícil fazer o foco, tanto manual


quanto automático”:
Tomando por base a 50mm f/1.8 (a mais co-
mum), a profundidade de campo é muito rasa
e isso torna o foco mais difícil. Essa lente não
possui apenas a abertura f/1.8, possui outras,
geralmente até f/16. Explore a lente! Se ficar
preso apenas ao f/1.8 (como 80% dos usuá-
rios fazem) estará subutilizando a lente e não
aproveitando o máximo de nitidez que ela
pode oferecer, que fica geralmente entre as
aberturas f/2,8 e f/4.0; use-as também. Con-
forme as lentes forem mais claras (como f/1.4
e f/1.2), menor será a profundidade de campo
e maior será a dificuldade em focar.

3.Minha cinquentinha não faz autofoco, deve estar


com defeito (para usuários Nikon):
Provavelmente você não se informou sobre
o famigerado motor de foco. Algumas Nikon
não possuem motor de foco e necessitam de
objetivas AF-S para tal. A cinquentinha mais
barata da Nikon é AF e só fará autofoco nas
reflex Nikon dotadas de motor de foco. Deve-
ria ter pesquisado mais antes de comprar.

4.“Pretendo fazer eventos só com a cinquentinha”:


Pode até fazer, mas não sentirá falta de uma
grande-angular em momento algum? E aquela
foto da família reunida lado a lado? Para fazer
todo mundo caber em uma 50mm de ângu-
lo um pouco fechado vai ter que dar muitos
passos para trás, ainda mais se estiver usando
uma câmera com sensor APS-C, que vai ser
equivalente a uma 75 ou 80mm. E pode faltar
espaço, dependendo do local…

5.“Quero fotografar aves à distância e me indica-


ram a cinquentinha”:
Provavelmente quem indicou acha que a
50mm faz tudo. Mas não faz, vai ficar faltando
alcance, para isso existem as teles, que che-
gam a 200mm, 250mm, 300mm e nem são
tão caras assim, se for comprar aquelas com
zoom que começam com 50, 55 ou 70mm.

6.“Estou tentando fazer fotos noturnas com a


50mm porque disseram que ela resolveria, mas
não está adiantando”:
Resolver não, mas ajuda muito se a pessoa
souber usar os controles manuais e tiver um
bom tripé. Só ter a lente não resolve nada,
nunca resolveu.

“Não quero dizer que uma objetiva 50mm é


ruim, longe disso, ela é excepcional! Ainda
mais pelo pouco que custa. A mensagem que
eu quero passar é que vocês devem pesquisar
bastante antes de comprar qualquer equipa-
mento fotográfico”, conclui Jordy.
86-)11 ideias de objetos para o fotógrafo
ter em sua bolsa
Muitos acessórios fotográficos podem ser real-
mente muito caros e inacessíveis. Mas utilizan-
do a criatividade, você pode descobrir objetos
cotidianos para acrescentar em seus trabalhos
fotográficos. 11 deles que podem ser encontra-
dos em casa ou em lojas por um preço baixo,
veja abaixo também sugestões de como utili-
zá-los. Confira:

1. Espelho:
Pequenos espelhos são excelentes refletores
para todos os tipos de foto ao ar livre, incluin-
do retratos e close-ups. Espelhos acrílicos são
relativamente leves e vão durar mais na mochi-
la do fotógrafo. Dá pra encontrar até em far-
mácia, caso você já não tenha um em casa. Os
espelhos são refletores super eficientes e alta-
mente direcionais, bons para suavizar de uma
área de sombra intensa ou a criação de um
preenchimento em um retrato, por exemplo.
2. Sacolas de mercado:
Digamos que, de acordo com o fabricante, sua
mochila ou bolsa fotográfica é à prova d’água.
Caso você não queira colocar isso a prova,
arriscando danificar equipamentos, pode usar
sacolas plásticas, daquelas que encontramos
em mercado, para guardar pequenos equipa-
mentos ou até uma câmera em caso de chuva.
Ou mesmo para fotografar na chuva, prote-
gendo a câmera. Você pode usá-las também
como guarda-chuva improvisado e até blo-
queador (ou refletor) de luz, dependendo a
espessura da sacola. O interessante é ter mais
do que uma sempre, só por garantia. Elas não
pesam nem ocupam espaço na mochila, se
bem dobradinhas.

3. Lanterna:
Uma lanterna barata pode salvar seu dia (ou
da noite, se for o caso). Lanternas pequenas
são muito divertidas quando se trata de criar
light-paintings de contorno, enquanto luzes
maiores podem ser usadas para pintar interes-
santes padrões de fundo (em uma parede de
tijolos em um retrato, por exemplo). Um feixe
ajustável é ainda melhor se você pode pagar
o custo extra. Laternas são ótimas para des-
cobrir acessórios pequenos perdidos no fundo
de uma bolsa fotografia preta.

4. Sacos plásticos Ziplock:


Sacos Ziplock são bons amigos do fotógrafo e
é bom nunca viajar sem eles. Os grandes po-
dem ser ótimos para cobrir a câmera em dias
de chuva ou vento com poeira. Eles também
são ótimos para manter os documentos, bilhe-
tes de avião, passaportes, horários de ônibus e
mapas limpos, secos e organizados.
5. Mini corda de Bungee Jump:
Você vai encontrá-las nos corredores de cam-
ping das lojas de departamento ou esportivas,
ou mesmo na internet, por volta de R$ 30,00.
Essas pequenas cordas são de grande ajuda
na hora de fazer amarrações das pernas do
tripé para fixa-lo em algum terreno (em caso
de vento, por exemplo, ou inclinação do terre-
no). Bom para uma solução rápida no caso de
uma alça da câmera quebrada também. Com
várias cordinhas, é possível prendê-las umas
às outras, aumentando a extensão da corda se
for necessário.

6. Fita isolante:
Materiais se estragam nos piores momentos
– alças de câmera arrebenta, mochila rasga,
aqueles confortáveis tênis velhos também. A
fita isolante não é a coisa mais elegante do
mundo, mas pode ser de grande ajuda para
imprevistos. Ela tem a maioria das qualidades
de fita adesiva, mas vem em rolos menores
e mais baratos (e costuma ser mais durável).
Você provavelmente tem um rolo de fita iso-
lante em alguma gaveta.
7. Garrafa de Spray:
Pingos de chuva ou algumas gotas de orvalho
da manhã pode fazer maravilhas para fotos de
close-ups em flores e plantas. Mas você não
vai precisar se levantar antes do galo cantar
ou esperar que o orvalho esteja lá naturalmen-
te. Em vez disso, levar uma garrafa de água
pequena com spray pode ajudar.

Ajustando o bocal ou a distância de pulveri-


zação, é possível ajustar o tamanho e quan-
tidade das gotículas também. Combine isso
com um conta-gotas e você tem controle gota
final. Este truque funciona com modelos se
você quiser um olhar brilhante ou molhado.
Apenas certifique-se de avisá-los antes de
usar o spray (e com certa distância). Também
funciona com fotografia de produtos como
cervejas gelada ou outros que precisem de
aparência molhada.
8. Conta-gotas + glicerina:
Se você planeja chegar muito perto do seu as-
sunto ou apenas quer controle total sobre o po-
sicionamento gota, esta configuração vai servir
melhor do que a garrafinha de spray. Aqui está
um truque que vai poupar tempo: preencher um
conta-gotas com glicerina e colocar as gotas
precisamente onde você quer que elas fiquem (a
pétala da flor, um galho, etc).

As gotas pegajosas de glicerina vão esperar


pacientemente enquanto você compõe a ma-
cro perfeita. Você pode até mesmo coloca-las
no lugar com um palito. Serve também para
fotografia de alimentos.
9. Copos de papel:
Hoje em dia em muitos eventos encontramos
copos de papel, biodegradáveis, que substi-
tuem os tradicionais de plástico. Se você cor-
tar a parte inferior do copo de papel pode fa-
zer um acessório para seu flash. Dessa forma,
você conseguirá mais facilmente direcionar a
luz, por exemplo, para criar um feixe.

Você também pode usá-lo com a sua fita


isolante preta e montá-lo em sua lente crian-
do uma espécie de parassol. Você geralmente
não terá que se preocupar muito com o exte-
rior do copo, caso seja desenhado. O impor-
tante é que o interior é branco, sendo assim
você não deve ter nenhum efeito esquisito no
seu padrão de luz (a não ser que você queira).

10. Prato de papel como refletor:


Da mesma forma que o copo, você pode colo-
car o prato em volta da lente da câmera, criando
um ótimo refletor para retratos ou close-ups. E
a partir daí você pode cortar o prato e transfor-
má-lo em cone para afinar a reflexão da luz ou
mesmo usá-lo como um pequeno rebatedor de
luz, colando papel alumínio no prato. A ideia é
ser mesmo o MacGyver da fotografia!

11. Mini chave de fenda:


Esperamos que a sua câmera não vá começar
a perder partes por aí, mas outros equipa-
mentos mecânicos podem precisar de uma
apertadinha no parafuso: tripés, óculos de sol,
entre outros com parafusos muito pequenos.
Por menor que seja, um parafuso solto em
uma cabeça de tripé pode arruinar um ensaio
fotográfico. Um kit de chaves de fenda pode
custar menos de R$ 10.
87-)6 funções da sua câmera pouco utili-
zadas e muito úteis
Depois de um tempo de experiência todo
fotógrafo desvenda os segredos da sua DSLR
e descobre como mais gosta de usá-los. Ape-
sar disso, existem algumas funções de câmera
fotográfica que ainda são subestimadas, por
isso reuni 6 funções úteis que não são muito
usadas pelos fotógrafos e explico porque elas
merecem mais atenção, olha aí:

1. Compensação da exposição do flash


O flash pop-up pegou uma má reputação, e
isso é péssimo, pois é realmente uma ferra-
menta muito útil quando configurado correta-
mente, que fornece muita luz, resultando em
uma aparência desbotada e brilhante.

O truque é ajustar a compensação de exposi-


ção do flash para uma saída reduzida. Para co-
meçar, coloque para baixo a -2. Isso cria uma
qualidade suave de flash de preenchimento
que é imediatamente mais agradável. Se você
precisar de ainda menos luz, você pode re-
duzir ainda mais o flash para -3. Embora rara-
mente seja necessário, você pode até mesmo
adicionar intensidade para o flash, elevando-o
até ficar positivo. Basta lembrar, o uso efetivo
do flash é para suavizar, não eliminar sombras
.

2. Temporizador de dois segundos


Essa configuração é usada raramente e pode
abrir um novo mundo de possibilidades criativas
para você. É normalmente encontrada no menu
drive, junto com o disparo único, vários disparos
e modo burst. Se você está em um lugar que
não permite tripés, ainda é possível tirar fotos
nítidas, mesmo com longo tempo de exposição.

Selecione dois segundos no temporizador e


deixe a câmera em uma cadeira ou no chão.
Você pode usar a alça da câmera dobrada
para mover o ângulo para cima, se precisar.

Quando você pressiona o botão do obturador,


a câmera se move, e esse é o problema. Mas
não se preocupe, você tem dois segundos
para deixar ela parada até que ela realmente
dispare. Isso também é útil para tripés que não
são tão estáveis.

3. Histograma
Pense no histograma como uma ferramenta
de ideias para fotografar tons brilhantes. Para
tornar um objeto branco de verdade, você
quer que os dados no lado direito estejam tão
perto da borda do gráfico quanto for possível.
Isso vai indicar uma exposição viva, ao invés
de uma aparência barrenta ou cinzenta. No
que você muda a exposição para deixar entrar
mais luz, o histograma irá um pouco para a
direita. Continue ajustando as configurações
até que literalmente vire um fio de cabelo na
parede exterior.
Você agora está maximizando todas as di-
nâmicas maravilhosas de que sua câmera é
capaz. Uma vez que os seus dados colidem
com a parede à direita do histograma, você
tecnicamente tem uma parte da cena superex-
posta. Isso significa que não há detalhes em
destaque, mas sim um ponto de acesso que é
impossível de recuperar, mesmo com um soft-
ware sofisticado. Embora esses dados sejam
valiosos, não te contam exatamente onde está
o problema da sua cena. E é aí que o “alerta
destaque” se torna uma ajuda muito útil.

4. Alerta destaque
Por um padrão, muitos modelos de câmera
tem o “highlight alert” desligado, então você
precisará habilitar isso no menu. Esta carac-
terística alerta-o para a localização exata que
está superexposta. Com esse conhecimento,
você consegue fazer um ajuste rápido na ex-
posição, ou então mudar a composição para
eliminar uma área que você não quer mais.
Isso se traduz em exposições mais consisten-
tes sem áreas desbotadas. Você também será
recompensado com menos tempo na edição,
tentando resolver problemas que poderiam ter
sido resolvidos no ato da foto.

5. Visualização ao vivo
Se você já se esforçou para conseguir focar
automaticamente durante a noite, ou desejou
mais precisão na foto macro, a visualização
ao vivo será o seu novo modo favorito. Com
ele, você pode aplicar zoom em uma pequena
porção do objeto em 5 e 10 vezes. Esse extre-
mo “close-up” te dá a habilidade de micro-fo-
car cuidadosamente naquilo que é mais im-
portante para a sua cena. Apenas observe que
a visão ampliada na sua tela não representa a
distancia focal efetiva da sua lente. Ao pressio-
nar o botão do obturador, a cena inteira será
capturada em detalhes nítidos. Você ficará
maravilhado com o nível de precisão possível.
Para o máximo de controle, use esse recurso
com foco manual e um tripé resistente.
A visualização ao vivo não é só útil para o
foco, mas para a composição também. Por
exemplo, se a sua DSLR não tem uma tela de
inclinação ou giro, fotografar no nível do chão
pode realmente ser um desafio. Com uma
imagem ao vivo no seu visor, não há nenhuma
necessidade de torcer o pescoço para ver a
cena. A mesma ideia vai ser aplicada naquelas
situações de multidão, quando você preci-
sa levantar a câmera sobre a sua cabeça. Ao
invés de disparar às cegas, você pode usar o
“live view” para compor melhor a cena.
6. Ponto único do foco automático
Permitir que a câmera escolha automatica-
mente o ponto de foco é uma das maiores
causas de fotos borradas. Você ainda pode
usar focagem automática, mas funciona bem
melhor quando você define manualmente o
ponto de focagem automática.

Caso contrário, a câmera vai escolher incor-


retamente, deixando seu objeto principal fora
de foco. Enquanto algumas câmeras oferecem
conjuntos de pontos de foco, uma abordagem
mais simples, muitas vezes, pode trabalhar a
seu favor. Ao colocar um único ponto ativo no
foco automático do que você quer deixar mais
nítido, você elimina o trabalho de adivinhação.
Capítulo8
Dicas de Fotografia com Celular

88-)10 dicas para tirar fotos pefeitas com


seu iPhone
Com o crescimento dos smartphones, tirar fotos
passou a fazer para do nosso dia-a-dia. Tira-
mos fotos porque vamos passear, tiramos fotos
porque fazemos esporte, tiramos fotos porque
comemos e por aí vai. Porém, existe uma grande
diferença entre tirar fotos e tirar boas fotos! Se
você sente que aquela sua amiga (ou inimiga..)
tira sempre melhores fotos que você, então está
no texto certo! Ao longo deste artigo, vamos en-
sinar como pode tirar melhores fotografias com
o seu iPhone e assim conseguir deixá-las foto-
grafias radiantes!

1. Utilize o atalho da câmera do iPhone


Aproveitar o momento é fundamental numa
fotografia e por isso a utilização do atalho para
tirar uma fotografia é a nossa primeira dica. O
iPhone permite que você utilize outros aplicati-
vos e com eles as suas fotografias ganham outra
qualidade, mas a verdade é que existem mo-
mentos em que é impossível utilizá-los! Até você
desbloquear o celular, encontrar o aplicativo de
fotos, abri-lo e entre outras coisas, o seu mo-
mento perfeito já passou!
Para fazê-lo é muito simples. Em primeiro lugar
você precisa encontrar o seu atalho do iPhone,
que está logo abaixo na sua tela.

Depois, puxe ele para cima e voilá! A sua câmera


está aberta e pronta a ser utilizada.

2. Utilização de aplicativos externos


A app nativa do iPhone para tirar fotografias é
excelente mas…poderia ser melhor! Para resolver
algumas desses problemas, existem outros apps
muito interessantes. E você vai precisar utili-
zá-los caso pretenda tirar a fotografia perfeita!
Atualmente existem inúmeros aplicativos para
isso, mas logo abaixo deixamos uma lista das
melhores opções do mercado:

• Proshot: Clique aqui para fazer o download


• VSCO Cam: Clique aqui para fazer o down-
load
• Pro Camera 8 + HDR: Clique aqui para fazer
o download
• Camera +: Clique aqui para fazer o download
• Manual: Clique aqui para fazer o download

3. Dê uma boa margem para o seu centro


Quando disparar a sua fotografia, tente dar sem-
pre alguma margem do seu ponto principal. O
motivo é muito simples: quando no futuro você
quiser cortar ou modificar o tamanho para ficar
melhor enquadrado, você terá margem para fa-
zê-lo. Por outro lado, se não existir distância para
outros pontos, você poderá ter que jogar a sua
foto para o “lixo”.

Para ajudá-lo nessa tarefa, o iPhone dá 3 opções


de disparo: A foto normal, o quadrado ou a ver-
são panorâmica. Utilize cada uma delas de acor-
do com o seu objetivo final.

4. Siga a regra dos terços


Muitos usuários de iPhone não sabem, mas o
smartphone da Apple dá a opção de dividir a
tela em 9 partes. Para fazer isso, basta que vá
até aos ajustes.
Depois clique em Fotos e Câmera.

E dê permissão para aparecer a Grade.


Ao ativar esta opção, verá que a tela fica divi-
dida em 9. Mas para que serve isto afinal? Na
verdade, a regra dos terços não é exclusiva do
iPhone. Ela já é utilizada há muitos anos pelos
fotógrafos e o que a Apple fez foi introduzir
essa técnica aos seus usuários. Segundo a
regra dos terços, o(s) elemento(s) mais impor-
tante(s) da sua fotografia deve(m) estar sem-
pre na intersecção das linhas.

Veja alguns exemplos onde isso acontece:


5. Desligue o Flash do iPhone
O Flash é excelente, mas nada supera a luz
natural. Então, se você for tirar fotografias
durante o dia, o Flash deve estar desligado.
Se você quiser alguma ajuda de luz, aconse-
lho que confira o The Pocket Spotlight. Obvia-
mente, terá sempre que transportar um ma-
terial extra, mas certamente a qualidade das
suas fotografias agradecem.

6. Use o Burst Mode


Outra funcionalidade interessante da app do
iPhone é que você pode tirar várias fotogra-
fias de forma consecutiva. Esta opção é ex-
celente para situações em movimento como
esportes, fotos de carros em movimento, lan-
çamento de objetivos, etc. Desta forma, você
tira várias fotos e fica mais fácil encontrar a
“foto perfeita”. Para fazer isso, basta pressio-
nar e não soltar o botão central de tirar foto-
grafias e o iPhone automaticamente dispara
várias fotos em simultâneo.

7. Ligue o HDR
O HDR pode ser uma excelente ajuda na hora
de tirar fotografias. O que o HDR faz é tirar
2 fotos em simultâneo, ficando depois com
a melhor qualidade de ambas. Para ativar o
HDR basta abrir o app nativa de fotografias
do iPhone e clicar em “Sem HDR”. Depois, vai
aparecer no mesmo local a frase “Com HDR”,
que significa que ele está ativo.
8. Toque para aumentar o foco
Se você está tirando uma fotografia que
contém uma grande quantidade de objetos,
é normal que o iPhone tente focar em todos
eles. Porém, você pode focar-se apenas num.
Para fazer, basta pressionar na parte da ima-
gem que quer focar. Faça isso até aparecer
um aviso que diz AE/AF Lock. Isso significa
que o Foco Automático foi bloqueado e que
agora o foco da fotografia está no local onde
você clicou.
9.Utilize os filtros
Com a chegada do Instagram, a utilização de
filtros foi uma das principais novidades que
surgiu na app de fotografia da Apple. Para ir
até aos filtros basca clicar na opção que mos-
tramos abaixo.

Depois, escolha o filtro que quer utilizar.


E depois é só ver o resultado final!

10. Tire fotos com o botão do volume


Esta é uma dica que muitos desconhecem mas
que é extremamente útil. O iPhone permite que
você tire fotos com o botão do volume. Para
isso, basta ter a app da câmera aberta e clicar no
botão do volume.

Bônus
Além destas 10 dicas para tirar fotografias fan-
tásticas com o seu iPhone, ainda existem outras
que você pode utilizar, tais como:
• Tire fotos com o botão do volume do seu
fone de ouvido do iPhone. Ele faz o mesmo
efeito que a nossa dica número 10.
• Tire fotografias de uma posição mais baixa.
A tendência natural é que tire fotografias à
mesma altura do objetivo que quer fotogra-
far, mas muitas vezes uma posição mais baixa
permite melhor ângulos.
• Se for possível, não utilize o zoom. O Zoom
de todas as câmeras retiram qualidade à
fotografia. Se puder, aproxime-se do objeto
caminhando.
89-)10 dicas para tirar fotos de qualidade
de comida com seu smartphone
As pessoas mudaram e se adaptaram as diver-
sas modernidades que foram inventadas e tra-
zidas pelas tecnologias e hoje é bem comum
passar vontade ao “ziguezaguear” por grande
parte das redes sociais.

Talvez você mesmo já tenha postado fotos de


comida nas suas páginas pessoais. Com toda
certeza, você já viu e curtiu outras centenas
que foram compartilhadas por seus amigos.

A modinha de tirar fotos de comida já está na


rede há um bom tempo. Com muitos adeptos
e praticantes deste costume, que requer, basi-
camente, um celular com câmera e uma deli-
ciosa refeição, postar o prato do dia ou a dieta
do mês virou a febre do mundo virtual.

E com tantas fotos de comida rolando na


internet, tornou-se evidente o fato de que os
detalhes na hora da captura podem garantir
o sucesso ou o fracasso da imagem postada,
medição esta feita através das curtidas e dos
compartilhamentos.

Encontrar o melhor ângulo tornou-se uma ne-


cessidade elementar para os apaixonados pela
fotografia real, que é justamente aquela do dia
a dia, capturada através de aparelhos celulares,
que estão constantemente em nossas mãos.

Vale lembrar que uma foto de comida impen-


sada ou mal tirada pode acabar, inclusive, com
o apetite da pessoa que for vê-la, acabando,
ainda, com a reputação de um bom restauran-
te, por exemplo.

Pensando em tudo isso, vamos ver algumas


das principais dicas de fotografia para que
você garanta uma foto, de qualidade, da sua
refeição, com seu smartphone.

1. MONTE SEU PRATO


Antes de qualquer coisa, você precisa mon-
tar um prato bem bonito e atrativo, que seja
apresentado de maneira harmoniosa, para con-
seguir obter a melhor foto de comida, que é
justamente aquela de dar água na boca, sabe?

Não se esqueça que, essencialmente, uma foto


de comida deve sempre despertar a vontade e
o desejo dos internautas de plantão nas redes
sociais. Poste apenas aquilo que despertaria o
seu interesse!

Há uma dica infalível para a composição do seu


prato: Opte sempre por números ímpares na
hora de organizar o espaço da sua alimentação.

Por exemplo, se você for fotografar uma deli-


ciosa sobremesa de morango, dê preferência
por capturar imagens que enquadrem três ao
invés de quatro, cinco ao invés de seis moran-
gos e assim por diante. Simetricamente falan-
do, a foto ficará bem mais atrativa aos olhos
das outras pessoas.
2. APLICATIVOS E APARELHOS
Outro ponto importantíssimo antes de sair por
aí fotografando todas as deliciosas receitas a
que você tiver contato no dia a dia, é conhe-
cer seu aparelho smartphone, sua capacida-
de de captura e armazenamento e, também,
todos os aplicativos de fotos nele instalado.

Algumas redes sociais, como o Instagram,


oferecem opções de edição de imagem antes
de seu compartilhamento, o que torna atrati-
vo para a vinculação de fotos de comida, que
são rápidas e, geralmente, momentâneas, sem
grande preparo ou planejamento.

Porém, existem alguns Apps que foram de-


senvolvidos exclusivamente para melhorar a
qualidade da imagem, corrigir possíveis erros de
iluminação e otimizar, de maneira geral, a foto-
grafia de comida antes de sua publicação.
É interessante, sempre que possível, fazer uso
destes recursos para alcançar um número
maior de curtidas!

Conhecer cada detalhe do aparelho que fará


as fotos, também é um fator essencial para
obter boas fotos de comida e um bom jeito de
saber tudo sobre as configurações da câmera
é, sem dúvida alguma, treinar bastante.

3. ENCONTRE O MELHOR ÂNGULO


Pensar em cada um dos possíveis ângulos an-
tes de bater a foto fará toda a diferença no re-
sultado final da imagem, por isso, sempre que
dúvidas surgirem, é aconselhável que sejam
feitos vários “cliques” de um mesmo prato.
Tratando-se de fotos de comida, explorar
ângulos que aproximem o alimento da lente,
tanto através da proximidade real do smart-
phone com o prato quanto através do zoom,
pode ser o toque a mais esperado para tornar
a comida mais suculenta.

Há, também, casos em que o prato como um


todo, sendo que pode ser até mesmo orna-
mental, às vezes, vale a pena ser fotografado e
publicado.

O melhor ângulo, ainda, é influenciado pelo


lugar, pela direção da luz e outros fatores que
diminuem a qualidade da imagem.

Por fim, a grande carta na manga para todos


os tipos de fotos de comida é sempre fazê-las
de cima, “overhead”. Isto simplificará muitas
de suas dúvidas sobre a escolha do ângulo e
ainda garantirá um bom resultado.
4. PREOCUPE-SE COM O FUNDO
Uma dica válida para todo e qualquer tipo de
foto, seja de objetos, pessoas ou paisagens, é
estar sempre atento ao fundo que aparecerá
nas imagens registradas.

Um fundo que passe de forma despercebi-


da pode, e vai em alguns casos, arruinar sua
fotografia!

E, pensando mais especificamente nas fotos


de comida feitas a partir de celulares smart-
phones, em que a postagem mais dinâmica
não permite edição aprofundada em Pho-
toshop, por exemplo, tomar alguns cuidados
básicos pode garantir muitos likes.

Garanta que a mesa, onde a refeição está sen-


do feita, esteja limpa, sem sujeiras, manchas
indesejadas ou um monte de guardanapo sujo
e amassado, repare nos demais objetos que
cercam o prato.
Cuidado para não expor, por exemplo, cartões
de crédito e documentos pessoais que, cor-
riqueiramente vão para o canto da mesa da
lanchonete ou do restaurante.

Atenção especial para as pessoas que podem


ser fotografadas no fundo. Pessoas mastigando
podem não parecer bonitas neste tipo de regis-
tro. Tente, portanto, não constranger ninguém.

5. DEIXE O FLASH DE LADO


Fotos de comida são melhor fotografadas sem
a utilização do flash do aparelho celular, por isso
dê preferência, sempre, a luz natural dos am-
bientes em que os pratos estão sendo servidos.

Escolha sentar-se próximo a janelas, nas refei-


ções feitas durante o dia. A luz do sol é difusa
e colabora com o registro de imagens mais
naturais, com cores vivas e realistas, distan-
ciando os feixes amarelos, vindo das lâmpadas
instaladas nos tetos.

Já para fotos feitas à noite, prefira luzes de


velas ou holofotes que estejam na vertical,
elas conferirão um pouco mais de realidade e
sabor ao alimento.

Fuja, em todos os casos, do flash da câmera


do smartphone. Sua luz, tida como dura, dimi-
nuirá a qualidade da foto, prejudicando todo o
resultado final do trabalho.

6. GARANTA FOCO
Saber direcionar o olhar daquele que verá sua
foto ditará o alcance, ou não, do seu objetivo.
O foco é um recurso incrível, que garante este
direcionamento automático para o visualizador
da imagem e que está disponível em pratica-
mente todas as câmeras existentes, desde as
de celulares até as queridinhas profissionais.

Em alguns smartphones é possível encontrar


as funções AE (auto exposição) ou AF (auto
focus). Se seu aparelho faz parte do grupo
que oferece estes recursos, use-os! Eles per-
mitem que, ao toque na tela, determinada área
da imagem a ser capturada fique mais focada,
dando um efeito especial na foto.

Uma grande dica para quem quer tirar boas


fotos de comida é aproximar o celular do ali-
mento ao invés de usar o zoom, visto que este
recurso diminui a capacidade de dar foco para
uma parte da imagem.

Vale lembrar, também, que saber trabalhar o


foco de uma foto diferencia profissionais de
amadores. Se você gosta de fotografar e ainda
não sabe usar bem este recurso, procure por
mais informações já!
7. ESTABILIZE O SMARTPHONE E FUJA DAS TREPI-
DAÇÕES
É claro que ninguém gosta de fotos tremidas,
e isso independente do assunto a ser explora-
do pela imagem.

Em fotos de comida, não seria diferente. A tre-


pidação pode arruinar qualquer foto do prato,
por mais que bem elaborado, sendo assim, é
imprescindível atentar-se para que as fotos
não padeçam com este erro gravíssimo.

Sempre que possível use objetos de apoio,


coloque o modo de disparo automático por
tempo ou, simplesmente, segure o aparelho
com as duas mãos bem firmes para garantir a
qualidade na imagem a ser registrada.

Quanto mais nítida for a foto, mais saborosa e


tentadora será a comida, despertando, assim,
a vontade e, por que não, a “lombriguinha”,
dos seus amigos internautas em comer a mes-
ma refeição que você.

8. MODIFIQUE COR E CONTRASTE QUANDO NECES-


SÁRIO
Após tomar todos os cuidados com a arruma-
ção do prato a ser fotografado, ter ajustado a
luz e arrumado o fundo da imagem que será
registrada, é hora de fazer a captura e editar
alguns pontos para que, então, a foto seja pu-
blicada nos seus murais pessoais.

Os smartphones, de modo geral, possuem


algumas opções básicas de edição. É comum
que você consiga modificar brilho, contraste,
temperatura e saturação da foto sem fazer
uso de aplicativos específicos.

Por mais que o ambiente e a luz natural co-


laborem com a composição do quadro a ser
fotografado, é normal que um reajuste seja fei-
to antes da finalização e publicação. A dica é
usar dos próprios mecanismos do celular para
este primeiro passo.

Lembre-se apenas de que fotos de comida


não devem ser alteradas, mas sim ajustadas.
De nada adiantará criar um falso retrato do
alimento, a não ser que esta seja a intenção
principal do fotógrafo.

9. ABUSE DOS FILTROS


Hoje em dia as pessoas não vivem mais de re-
gistros crus, ou seja, não conseguem publicar
uma única foto sem os magníficos efeitos dis-
ponibilizados pelas redes sociais e pelos apli-
cativos. Tem gente que já tira uma foto saben-
do, ao certo, qual o filtro que será utilizado.

É óbvio que os filtros, principalmente os do


estilo do Instagram, vieram para modificar as
imagens que são diariamente publicadas.
Alguns são mais impactantes, outros mais
naturais, neutralizam ou aumentam a luz e o
contraste, intensificam ou retraem as cores,
enfim, são muitas as opções!

No compartilhamento de fotos de comida pre-


fira usar os filtros que não modificam a cor do
alimento!
Prefira, sempre, optar por edições de imagens
que aproximem o arquivo virtual da realidade
visual, assim os visualizadores da foto se sen-
tirão mais tentados a ir à busca do alimento
compartilhado por você, uma excelente estra-
tégia para donos e marketeiros de restauran-
tes, por exemplo.

Use e abuse dos filtros, porém, não se esque-


ça de uma dica super importante, citada no
próximo item.

10. USE DO BOM SENSO


E a última dica, que serve como um nada sutil
toque, diz respeito ao uso do bom senso na hora
de fotografar ou compartilhar fotos de comida!

Assim como em muitos outros assuntos, com-


partilhar todo e qualquer tipo de conteúdo,
nem sempre é o ideal e mais sensato. Fotos
com uma mordida, por exemplo, podem ser
charmosas, mas ossos de frangos mordidos
são desnecessários!
Outro grande pecado no dia a dia das redes so-
ciais refere-se ao grande número de postagens
de pratos de comida. Você, como amador que
publica as fotos em página pessoal, não precisa
publicar as três refeições diárias, afinal, isso pode
cansar seus amigos virtuais e as fotos podem
parar de ter o impacto desejado.

Diminua a quantidade de postagens e melhore


a qualidade deles! Isso renderá muitas curti-
das, com toda certeza.

Agora, se você for profissional da área, que


divulga pratos comercialmente falando, o foco
muda, pedindo por mais requinte. Blogs de
alimentação saudável, alinhada a dietas ricas
em proteína, são bons modelos de sucesso
de compartilhamento de fotos de comida.

SEU SMARTPHONE, SUA CRIATIVIDADE!


Quantas pessoas que você conhece possuem
celular? Perguntinha difícil, você deve ter pen-
sado que é um número gigantesco, certo? Mas
e se a pergunta fosse: Quantas pessoas que
você conhece não possuem um smartphone?
Provavelmente seria mais fácil encontrar a res-
posta já que o número, se não fosse zero, seria
bem pequeno, facilitando bastante seu cálculo.

O amplo acesso e uso de aparelhos smartpho-


nes mudou a realidade mundial, isso é um fato
concreto e visivelmente aceito pela população
do planeta.

Estes aparelhos celulares, mais do que falar


com pessoas distantes, possibilitam um mun-
do de oportunidades que são renovadas cons-
tantemente com novos lançamentos e me-
lhorias, e isso tanto na estrutura física quanto
interna, nos processadores e aplicativos.

Um smartphone possibilita uma gama gig


antesca de variedade para quem sabe usar a
criatividade!

No ramo da fotografia, com a intensificação da


qualidade das câmeras dos aparelhos celulares e
a criação de apps que revolucionam a imagem
capturada, o impacto não poderia ser diferente.

Sejam fotos de pessoas, “selfies”, paisagens ou


fotos de comida, sabendo usar as opções do
aparelho mais a criatividade pessoal de cada
fotógrafo momentâneo ou de carreira, os re-
sultados podem ser incríveis!

Invista em experimentar as opções!


Capítulo 9
Dicas de Fotografias com Animais

90-)10 dicas para fotografar gatinhos


Quem é usuário do Instagram sabe como o feed
está entulhado de fotografias de gatinhos. Todo
dono de gato parece ter um book completo de
fotos do seu felino no smartphone e não hesita
em compartilhá-lo com os seus seguidores. O
fotógrafo de pet Zoran Milutinovic também é
apaixonado por felinos e especialista nessa área.
Ele busca clicar esses bichanos em seus ambien-
tes naturais, capturando todas as suas peculiari-
dades, hábitos e expressões.
Suas fotos já foram publicadas em diversas
revistas, galerias virtuais, cartões comemorati-
vos, calendários, aplicativos de celular, planos de
fundo, pôsteres e capas de livros. Em um tutorial,
Milutinovic compartilha algumas de suas táticas
para conseguir fotografias fascinantes de felinos.
“A minha paixão na vida são gatos. Quando você
os está fotografando, lembre de tratá-los como
amigos, e a suas fotos serão cheias de emoções.

Seja paciente e respeite o seu assunto, nunca


force um gato a fazer algo contra a sua vonta-
de”, ensina. Abaixo, segue uma série de dicas do
especialista:

1.Carregue a sua câmera com você para todos os


lugares: é a única forma de estar no lugar certo,
na hora certa. Você não quer perder todas as si-
tuações inesperadas em que os gatos se metem.
Nunca se sabe quando você vai encontrar um
gato fazendo algo realmente engraçado ou legal.

2. Chame a atenção deles com brincadeiras. Os


gatos têm diferentes temperamentos e traços,
todos eles reagem de forma diferente a situa-
ções semelhantes, mas uma coisa que eles têm
em comum é a sua curiosidade natural. Use isso
a seu favor, é uma das formas de fazer um gato
ir aonde você quer e fazer o que você quer que
ele faça. Estalar os dedos, amassar papéis ou
folhas secas ou jogar bolinhas são ótimas formas
de conseguir a atenção deles. Atire na direção
em que você deseja direcioná-los e a curiosidade
deles fará o resto. Os gatos irão verificar o que
está lá e, se você quiser que ele volte para você,
basta fazer barulho com algum objeto.

3. Seja paciente. As chances de você conseguir


que um gato faça o que você quer são de 50%,
então não se preocupe se não conseguir de
primeira. Lembre-se: se eles não te seguirem,
não tente forçá-los. Apenas espere até que eles
estejam prontos.

4. Sempre planeje o que você quer capturar, mas


aceite o fato de que você não vai conseguir logo
de primeira. Aceite que os gatos, algumas vezes,
não vão cooperar porque essa é a sua natureza.
5.Para fotografar poses estáticas, é recomenda-
do o ajuste manual, mas, se você quiser fotogra-
far os felinos correndo ou pulando, use as confi-
gurações automáticas da câmera. Não importa
sua rapidez ao configurar a câmera, o gato
sempre estará um passo à frente de você e você
pode perder o momento perfeito.

Configurações ideais para fotografia de ação:


-Rastreamento de foco 3D e modo contínuo
-Velocidade do obturador 1/1000 ou maior
-Abertura do diafragma f/5.6

Para o especialista, fotografar com lente 105mm


f/2.8 é uma das melhores para fotografia de
ação. Se o gato se sentir confortável perto de
você e deixá-lo se aproximar dele, as lentes
35mm f/1.8 e 50mm f/1.8 podem ser muito úteis
também. Outra dica para tirar fotos de gatos (ou
animais em geral) em ação é não alimentá-los
antes da foto, porque geralmente depois de co-
mer eles ficam preguiçosos e com sono
.
6. Use luz natural ao fotografar gatos subindo
em árvores ou saltando pela grama. O melhor
horário para a luz perfeita é quando o sol está
baixo, assim você consegue ter uma luz quente
e suave, sem sombras na cara ou nos pelos do
gato.

7. O uso do flash frequentemente distrai os ani-


mais, e algumas vezes os assusta. Se você tem
que usar um flash, tire-o da câmera ou o coloque
em um ângulo mais alto. Se você tem um sof-
tbox, use-o. Assim, você vai se livrar das sombras
e obter uma luz muito suave.
8. Quando as pessoas veem fotos de um gato
bocejando, elas sempre pensam que o fotó-
grafo teve sorte em conseguir o clique, mas,
na experiência de Zoran Milutinovic, quando
um gato acorda, ele boceja cerca de 34 vezes.
Então esse é o momento certo para tirar uma
foto bocejando.

9. Para capturar momentos engraçados duran-


te o sono do bichano, não faça barulho. Gatos
dormem em vários lugares e em diferentes
posições. Mesmo que pareça que nada vai acor-
dá-los, o menor barulho pode perturbar o sono
deles, então seja discreto e não faça movimentos
repentinos. Depois que eles acordam, é muito
difícil que eles voltem à mesma posição em que
estavam.

10. Experimente fotografar de diferentes ângulos,


faça cada foto diferente da anterior, procure si-
tuações interessantes e prepare-se para escorre-
gar em lugares estranhos, rolar na grama e subir
em árvores. Dê o seu melhor para obter a foto
que deseja.
91-) 5 dicas para fazer ótimas fotos de
seu cão e gato
Seja você fotógrafo profissional, amador ou de
fim de semana, uma coisa é certa: se na sua
casa tem um bicho de estimação, esse animal-
zinho também é seu modelo. Quem não gosta
de tirar fotos de seu cão ou de seu gatinho?
O Instagram, pelo menos, está recheado de
fotografias de animais.

Essas dicas aqui são bem legais para quem


admira esses ótimos modelos. Elas foram origi-
nalmente criadas pelo fotógrafo Jason Checkla.
São especiais para quem gosta, quem tem ou
que quer ter animais de estimação.

1.Conheça o seu animal de estimação


É meio óbvio, mas é super importante conhe-
cer o seu animal ou o bichinho que você vai
fotografar. Porque muitas das melhores fotos
acontecem naqueles momentos em que o seu
gato ou cão estão mostrando a personalidade.
E pra isso você precisa, obviamente, conhecê-
-lo. Se você tem um animal preguiçoso, consi-
dere fotografá-lo durante o sono.

Se o seu animal de estimação é brincalhão,


você pode jogar o brinquedo favorito dele e
fotografá-lo em ação. O momento mais fácil
de obter boas fotos do cão em ação é quando
ele está correndo de volta com o brinquedo
que você jogou. Outro ótimo momento é logo
que você pega de volta o brinquedo.
2.Entre na perspectiva do seu animal
“A maioria dos meus retratos favoritos de
animal de estimação foram feitos quando eu
estou deitado no chão”, diz Jason Checkla.
Isso coloca você no nível do seu bichano e dá
uma nova perspectiva sobre quem seu gato
ou seu cão é. Um bônus para essa perspectiva
é que eles tendem a olhar você de uma forma
engraçada também. Pode ser que você se suje
um pouco, mas o resultado vale a pena.
3.Use a Iluminação e configurações corretas
A mesma iluminação que é agradável para os
seres humanos é agradável para animais. “Na
maioria das vezes quando eu estou fotogra-
fando gatos, a fonte de luz é uma janela. Com
cães, é o sol da tarde”, explica o fotógrafo. Na
luz do meio-dia você vai ter dificuldade em
lidar com o contraste, especialmente fotogra-
fando cães pretos. Flashes e outras ilumina-
ções artificiais podem irritar o olho do animal
e ele vai automaticamente ficar desconfortável
com a fotografia.

“Se seu animal de estimação não está dormin-


do, é uma boa ideia usar uma velocidade do
obturador tão rápida quanto for prático para
a situação. Quando dentro de casa, eu tento
usar 1/125s ou mais rápido e compensar a falta
de luz fotografando com diafragma bem aber-
to, ou aumentando o ISO. Com a Canon 6D,
posso fotografar em ISO 10.000 e limpar de-
pois o ruído. Nunca comprometa a velocidade
do obturador com animais de estimação em
movimento rápido, porque isso pode compro-
meter a nitidez. Minha lente favorita para gato
(se vamos chamar assim) é a Sigma Art 35mm
f/1.4. Minha lente favorita do cão é a Canon
85mm f/1.8.

Quando um cão está a toda a velocidade, eu


estou disparando geralmente entre 1/1250s
e 1/2500s. Acho que ambas velocidades do
obturador são aceitáveis para o congelamen-
to de um cão em movimento. Minha abertura
será f/2.8-f/5.6 e meu ISO em torno de 1000.
É bom usar o autofoco modo servo (foto
contínuo) se o animal está se movendo. Geral-
mente eu uso o ponto de focagem central. Ele
vai ser o mais rápido em processamento. Se
você usar a velocidade do obturador um pou-
co mais elevada (1/3000 ou 1/4000), vai co-
meçar a congelar as coisas como sujeira que
está sendo jogada para cima, a água que está
sendo espirrada ou chuva que cai, o que fica
também impressionante.

4. Seja paciente
Você pode fotografar muitos quadros por se-
gundo para tentar obter o tiro certo. Mas o
quanto mais você praticar a fotografia de ani-
mais, menos vai precisar fazer um montão de
fotos. Vale mais a pena ser paciente e esperar o
momento certo. A observação ajuda a antecipar
o que seu animal de estimação vai fazer a seguir
e capturar isso em 2 ou 3 cliques seguidos. Não
espere obter a foto perfeita na primeira tentati-
va. E não desanime se não conseguir em algum
momento. Tente de novo em outra hora.
5. Seja criativo e divirta-se
Parece muito óbvio, mas as melhores fotos
virão quando você colocar mais esforço em ser
criativo e em se divertir. Esta é outra dica que
se aplica também à fotografia como um todo.
Criar circunstâncias com brinquedos e gulo-
seimas, o uso de primeiro plano e objetos de
fundo para criar interesse na cena, variar sua
distância do seu animal de estimação, brin-
car com a iluminação, etc. Você vai querer ter
guloseimas junto com você, nem que seja para
fazer o animal chegar mais perto. Se você está
fotografando o animal de estimação de al-
guém, pergunte qual a melhor maneira de cha-
mar a atenção do animal. Melhor ainda, peça às
pessoas que brinquem com o cão ou gato.
92-)9 dicas para tirar fotos melhores de
pássaros
Fotografar pássaros tem sido uma grande
paixão para muitos fotógrafos, até mesmo os
iniciantes, apaixonados por fotografia de na-
tureza. Mas embora seja fácil se encantar por
eles, nem sempre é tranquilo conseguir foto-
grafá-los com qualidade. Pensando nisso, os
especialistas do Photography Talk separaram
9 dicas importantíssimas para quem quer se
aventurar nesta atividade, dicas que trago em
primeira mão aqui pra você:

1) Equipamento
Como acontece com a maioria dos animais sel-
vagens, você não conseguirá ficar muito perto
sem afastar o animal. É por isso que você precisa
de lentes de longo alcance. A sugestão do site é
que você parta para a natureza munido de, pelo
menos uma 70-200 f2.8 (preferencialmente com
um teleconversor). Se for possível, dizem eles,
o ideal seria 300mm or 400mm, mas o investi-
mento neste caso é altíssimo para quem tem a
atividade apenas como um hobby. Outro tópico
importante é optar por uma câmera com pelo
menos 5 frames por segundo: pássaros podem
voar incrivelmente rápido e uma câmera lenta
vai te fazer voltar pra casa muito frustrado.

2) Camuflagem
Tomar cuidado e agir delicadamente é funda-
mental. Não que seja necessário vestir trajes
militares, mas cores fortes também não são
uma boa ideia. Vista-se com cores naturais e,
se possível, opte por verde, marrom e outros
tons mais neutros.
3) Foco
Tente focar no olho do pássaro, pois é lá o
centro de atenção da sua foto. Toda vez que
alguém olhar pra sua imagem, vai naturalmen-
te procurar primeiro o olho do animal, então
certifique-se de que os olhos estão nítidos.

4) Procure por muita luz


Fotografar no sol é, geralmente, uma má ideia,
mas aqui estamos falando sobre animais rápi-
dos e, consequentemente, vamos precisar de
uma velocidade bem alta para um bom clique.
Para conseguir uma boa foto em 1/500 ou
mais, você vai precisar de bastante luz e se o
sol estiver bem forte você não precisa com-
prometer a qualidade com um ISO muito alto.

5) Tenha (muita) paciência

6) Escolha uma espécie


Fotografar pássaros requer um pouco de pes-
quisa. Não é apenas partir para o campo com
uma boa câmera e lentes de longo alcance
para sair fotografando o que aparecer. Co-
nheça algumas espécies, estude seus hábitos
e onde podem ser encontrados. Assim você
saberá o que está fazendo e tem mais chance
de trazer fotos boas pra casa.

7) Nada de movimentos bruscos


Pássaros se assustam muito mais facilmente
que outros animais. Se você precisar se movi-
mentar, faça isso bem devagar. Com um pou-
co de prática você vai conseguir passar
despercebido e aí os pássaros vão se apro-
ximar até que você encontre a hora certa de
pressionar seu disparador.

8) Acompanhe o voo
É claro que você pode fazer fotografias incrí-
veis dos pássaros descansando nos galhos,
mas algumas das imagens mais incríveis que já
vi são quando os animais estão em pleno voo.
Com um pouco de prática e a ajuda de um tri-
pé (ou monopé), você rapidamente consegue
se tornar um mestre neste tipo de clique.
9) Procure um fundo limpo e neutro
Antes de escolher a sua posição, tenha cer-
teza de que nada no background vai atrapa-
lhar a sua composição. Aposte no bokeh ou
desfoque das lentes de longo alcance e tome
um cuidado especial se estiver fotografando
pássaros perto da água: é preciso estar no
nível deles ou você não terá boas fotos se eles
forem vistos de cima.
Capítulo 10
Dicas de Edição e Pós-Proces-
samento

93-)23 Apps de Fotografia Que Você Deve Usar


No ano de 2007, um aparelho que prometia
aliar os recursos de um telefone celular às fun-
cionalidades de um computador pessoal, foi
lançado no mercado, resultando numa revolu-
ção tecnológica que, inexoravelmente, acaba-
ria por afetar segmentos, como o da fotogra-
fia. Esse aparelho era o smartphone.

A partir desse instante, a arte da fotografia


não seria mais a mesma, graças aos avanços
cada vez maiores da tecnologia móvel, per-
mitindo a captura de imagens através desses
aparelhos, com praticamente a mesma quali-
dade das câmeras fotográficas tradicionais.

Estima-se que hoje sejam mais de 250 mi-


lhões de smartphones espalhados pelo mun-
do, totalizando mais de 50 % de todos os
aparelhos de telefonia móvel em atividade
que, graças aos seus sistemas operacionais
IOS e Android, têm causado uma verdadeira
transformação na arte de capturar imagens.
Em grande parte, devido aos inúmeros APPS
de fotografia suportados por esses sistemas.

Segue, portanto, uma lista com os melhores


APPS de fotografias da atualidade. Muitos
destes, utilizados pelos mais experientes e
talentosos profissionais da fotografia.

1. Câmera +
Considerado um dos melhores APPS de foto-
grafia da atualidade, é uma espécie de editor
de imagens, ideal para pós-produção, pois
permite o ajuste de cenas, efeitos, cores; além
de filtros para a transformação digital da ima-
gem capturada.

Criado por profissionais em fotografia custa


atualmente $ 0,99 centavos de dólar; e está
disponível para os sistemas IOS e Android.

2.Instagram
Totalmente gratuito, é considerado, por mui-
tos, o APP de fotografia responsável pela fe-
bre da captura de fotografias em celulares, fun-
cionando como uma rede social que permite
o compartilhamento de situações através de
uma linha do tempo formada por imagens.
Além de permitir o seu compartilhamento em
redes sociais, possui recursos para a aplicação
de filtros nas imagens, postagem de vídeos;
muito em função dos diversos sistemas ope-
racionais em que está disponível, como: IOS,
Android e Windows Phone.
3. Polamatic
O APP de fotografia Polamatic, também funcio-
na como um aplicativo de edição de imagens
fotográficas, só que com o diferencial de ser uti-
lizado por grandes profissionais em fotografia.

Ideal para câmeras Polaroid, é considerado um


aplicativo semi profissional, totalmente gratuito e
também disponível para o sistema IOS.

Seus recursos permitem corrigir imperfei-


ções, desvios; além de várias outras funções
para o trabalho de pós-produção de imagens
fotográficas.

4. Snapseed
Um dos melhores APPS de fotografia da atua-
lidade foi eleito o melhor em 2012 pela TIPA
(Technical Image Press Association).

Um editor de fotos, que transforma uma ima-


gem simples em algo quase profissional, gra-
ças aos seus recursos que permitem corrigir
imperfeições, bordas, luz, além de várias ou-
tras correções.

Totalmente gratuito, está disponível para IOS


e Android, sendo, portanto, um dos mais sim-
ples, porém completos, aplicativos de fotogra-
fia existentes no mercado.

5. Afterlight
O Afterlight, é um APP de fotografia, consi-
derado quase completo pela maioria dos seus
usuários. Permite a edição das imagens, adi-
ção de filtros, texturas e demais acabamentos,
com o objetivo de tratar a imagem em um
processo de pós-produção.

Está disponível para IOS, Android, e é um dos


APPS de fotografia mais utilizados em smar-
tphones para o tratamento de imagens foto-
gráficas. Além de ser simples, intuitivo e ao
custo de $ 0,99 centavos de dólar.

6. Cortex Cam
Esse é um APP de fotografia, considerado um
dos melhores quando o assunto é a captura de
imagens em ambientes com pouca iluminação.

Ele funciona através do controle do tempo de


exposição da imagem, velocidade do disparo,
configuração dos mais diversos efeitos, medi-
ção de luz; tudo isso para que a imagem tenha
a melhor qualidade possível quando tirada em
ambientes mal iluminados. Totalmente gratui-
to, foi criado especialmente para ser utilizado
em um IPhone.

7. Path On
O Path On é, basicamente, um APP de foto-
grafia para a introdução de efeitos nas ima-
gens, através do método da escrita em locais
específicos da foto.

Com ele, você irá criar espaços para escrever


pequenos textos e, com isso, personalizar as
imagens obtidas por intermédio de uma câ-
mera fotográfica.

E mais, irá escolher o tamanho das fontes, pla-


no de fundo, tipos de caracteres; além de po-
der compartilhar o resultado através das redes
sociais. Está disponível para IOS e Android.

8.Aviary
Também considerado um dos melhores APPS
de fotografia da atualidade, o Aviary possibili-
ta um processo de edição das imagens, sobre-
posição de filtros (que modificam sua aparên-
cia), emolduração, cortes, colagens; além de
vários outros recursos.
Está disponível para IOS e Android, tendo a
vantagem de ser totalmente gratuito, sim-
ples e um dos mais intuitivos do mercado de
APPS de fotografia.

9.Facetune
Disponível basicamente para IOS, o APP de
fotografia Facetune, é considerado bastante
especial, por ser simples e ao mesmo tempo
um dos que oferecem um resultado mais pro-
fissional de todos.

Sua função é agir como uma espécie de Pho-


toshop, corrigindo imperfeições, escondendo
rugas, espinhas, marcas na pele; resultando
numa qualidade fotográfica que supera as
expectativas.

Além disso, possui uma interface considerada


uma das melhores, devido à sua simplicida-
de e organização; favorecendo a filtragem,
configuração de bordas, tons e definição do
plano de fundo. Ideal para ser utilizado em um
Iphone, quase como um programa profissional
para correção e melhoramento de fotografias.

10.VSCO Cam
O APP de fotografia VSCO Cam, é um dos
aplicativos mais vendidos nesse segmento de
edição de imagens fotográficas.

Entre os seus recursos, podemos citar: adição


de filtros básicos ou mais abrangentes (que
podem ser comprados pela APP Store), con-
figuração do brilho, cor e ISO; além de vários
outros recursos que possibilitam a transforma-
ção de uma fotografia digital.

O VSCO Cam está disponível para IOS e An-


droid, é totalmente gratuito e, por isso, consi-
derado um dos melhores APPS de fotografia da
atualidade.

11. Retrica
Semelhante ao aplicativo Instagram, em suas
funcionalidades básicas, o Retrica é basica-
mente um APP para a criação de efeitos so-
bre a imagem fotográfica captada.

Sua grande vantagem é a quantidade incom-


parável de filtros que possui, para serem utili-
zados nas fotos e criar uma aparência o mais
original possível.

Possui entre 70 e 80 filtros (alguns deles pa-


gos), além da possibilidade de efetuar mon-
tagens com várias fotos, criando um efeito
artístico e quase profissional. Permite, ainda,
o compartilhamento dos resultados, além de
estar disponível para IOS e Android.

12.Lenka
O APP de fotografia, Lenka, é considerado um
dos mais originais e modernos da atualidade,
entre outros motivos, pela possibilidade de
compartilhar os resultados da transformação
da fotografia através de vários outros aplicati-
vos de redes sociais.

Sua função básica é transformar uma foto


colorida em uma imagem em preto e branco,
com a ajuda dos seus mais diversos recursos
que permitem, entre outras coisas, ajustar a
temperatura da cor, o brilho, o contraste e cor-
rigir imperfeições. Está disponível para IOS e
Android; além de ser totalmente gratuito.

13.Stúdio Design
Com uma capacidade de ser um editor de
imagem e um APP para o design das fotos,
o Studio Design, configura-se como um dos
APPS de fotografia mais originais do mercado.
Os seus recursos possibilitam ampliar a qua-
lidade da iluminação da foto, trabalhar cores,
efeitos, texturas; além de permitir a introdução
de textos em espaços específicos da imagem,
que podem ser, inclusive, compartilhados via
rede social.

Permite a elaboração artística da foto, através


de emoldurações, formas, linhas, e demais re-
cursos disponíveis para IOS e Android.

14.Perfect 365
O Perfect 365 é considerado um dos APPS de
fotografia mais originais existentes no merca-
do, muito em função dos seus recursos que
permitem um trabalho de melhoramento da
imagem fotográfica captada.

Seus recursos permitem uma espécie de ma-


quiagem digital da foto, ao efetuar a limpeza
da pele, escondendo espinhas, olheiras, mar-
cas de expressão; e, finalmente, aplicando uma
maquiagem na foto, que pode ser guardada
para servir como modelo para outras. Disponí-
vel para IOS e Android.

15.Face Fusion
Um dos APPS de fotografia mais divertidos
do mercado, possibilita a captura da própria
imagem que, mesclada à foto de outra pessoa,
resulta numa terceira imagem proveniente da
combinação das duas anteriores.

O objetivo é fazer com que a terceira foto saia


o mais semelhante possível às outras duas;
o que garante toda a diversão do aplicativo.
Além disso, é totalmente gratuito e disponível
para os sistemas operacionais IOS e Android.

16.PhotoSynth
O PhotoSynth, é um dos mais originais APPS
de fotografia da atualidade. Ele permite a cor-
reção automática da imagem captada, que
será representada de forma panorâmica e em
todos os seus mínimos detalhes.

Além disso, reúne toda a profundidade e am-


plitude da imagem, e os expõem com toda a
sua magnitude na fotografia captada; propor-
cionando a observação de toda a paisagem,
inclusive, as que permaneceriam ocultas em
condições normais. Está disponível para IOS e
Android; além de ser totalmente gratuito.

17.Procollage
Esse aplicativo funciona, basicamente, para
criar um efeito artístico na imagem fotográ-
fica captada, através do processo de colagem
de várias fotos em um só registro fotográfico.
Apesar de não fazer a edição das imagens, é
bastante utilizada por pessoas comuns que
querem apenas brincar e se divertir em mo-
mentos de lazer e entretenimento.

Está disponível para o sistema operacional


IOS, basicamente; além de permitir a intera-
ção com outros vários aplicativos que fazem
edição e todo o trabalho de pós-produção das
imagens. Pode ser baixado ao valor de $ 1,99.
18.Fast Camera
Considerado um dos mais simples e originais
APPS de fotografia que existem, é ideal para
quem pretende apenas se divertir com as pos-
sibilidades de um smartphone ou um IPhone.
Sua função é, basicamente, captar inúmeras
fotos no espaço de 1 segundo, permitindo, com
isso, o registro de todos os pormenores de
uma imagem em movimento, que passariam
despercebidos através de uma captura tradi-
cional.

Uma partida de tênis, o lançamento de um


foguete, e tudo mais que tenha a ver com
movimento, terá os seus mínimos detalhes
registrados, graças às inúmeras fotos que esse
aplicativo permite registrar em apenas alguns
poucos segundos. Disponível para IOS e An-
droid; além de totalmente gratuito.
19.360 Panorama
Uma das novidades da APP Store, o aplicativo
de fotografia 360 Panorama, é específico para
o Iphone 6, com todas as suas inúmeras fun-
cionalidades.

Sua função principal é realizar uma captura


panorâmica de uma imagem, que é registrada
em um ângulo de 360 graus, porém com qua-
lidade quase profissional.

Em um processo de fusão de várias fotos cap-


turadas, semelhantemente a um registro em
vídeo, proporciona uma imagem que abrange
todos os aspectos da paisagem, como: pro-
fundidade, espessura, amplitude, etc.

Em um processo de fusão de várias fotos cap-


turadas, semelhantemente a um registro em
vídeo, proporciona uma imagem que abrange
todos os aspectos da paisagem, como: pro-
fundidade, espessura, amplitude, etc.

20.Ipiccy
Um dos melhores APPS de fotografia, além da
sua potência (incomparável), oferece um de-
sign organizado, simples; ideal para fotógrafos
amadores ou entusiastas.

O APP de fotografia Ipiccy, promete editar,


manipular e compartilhar o resultado via rede
social, através de qualquer plataforma (smart-
phones, tablets, PCS, etc.).

Um aplicativo totalmente gratuito, simples e


prático e, por isso, um dos mais procurados
por pessoas comuns, e que não possuem qua-
se nenhum conhecimento técnico sobre a arte
da fotografia.

21. Picasa
Um dos mais populares APPS de fotografia
do mercado, tem a função de editar imagens
fotográficas semelhantemente a um Pho-
toshop; corrigindo imperfeições, marcas de
expressão, rugas, etc.

Famoso por ser um dos aplicativos preferidos


por amadores e pessoas comuns que buscam
registrar momentos marcantes da sua vida, é,
por isso mesmo, um dos mais indicados para o
uso no dia a dia.

É totalmente gratuito e, basicamente, criado


para PC; funcionando através dos sistemas
Windows e Mac.
22.Pixrl Express
Semelhante ao APP de fotografia Instagram, o
Pixrl Express, tem a vantagem de ter inúmeras
funções desconhecidas daquele; além de ser
compatível com todos os tipos de celulares, des-
de os tradicionais, até os smartphones e IPhones.

Suas funções são, basicamente, adicionar


filtros, texturas e demais recursos, em foto-
grafias tiradas no dia a dia, e compartilhadas
como se fosse uma espécie de mural ou linha
do tempo, devidamente registrada e editada
da forma mais pessoal possível.

23.Docscan
Escanear qualquer tipo de documento a
qualquer hora e em qualquer lugar, é o que
promete o Docscan, um dos melhores APPS
de fotografia para ser usado profissionalmen-
te, mas por pessoas comuns.

O processo é simples: você deverá captar a foto


de um documento, logo depois escaneá-lo e en-
viá-lo para qualquer dispositivo Iphone.

É considerado, por muitos, o melhor aplicati-


vo para escaneamento de documentos, devi-
do à sua simplicidade, praticidade e qualida-
de dos resultados.

Eis, portanto, a nossa lista com os APPS de fo-


tografia mais populares da atualidade! Porém,
gostaríamos de saber a sua opinião sobre esse
artigo, em forma de um comentário, logo abai-
xo, que será de vital importância para futuros
trabalhos sobre o tema.
94-) 30 dicas para ações rápidas no
Adobe Photoshop
O Adobe Photoshop é o editor de fotos mais
popular do mundo e oferece diversos recur-
sos que seus concorrentes não possuem. Com
centenas de ferramentas e possíveis combina-
ções de funcionalidades, o programa sempre
reserva grandes surpresas aos seus usuários.
Por isso, é sempre bom ter por perto dicas e
tutoriais de Photoshop para iniciantes ou mes-
mo usuários avançados.

Veja a seguir 30 dicas de como usar o Pho-


toshop, que vão revelar a você alguns truques,
comandos secretos e ferramentas pouco
conhecidas que estão presentes no editor de
imagens. Entre as opções estão mover ca-
madas, clarear dentes, alterar opacidades de
objetos e outras funções.

1. Clareamento rápido de dentes


Abra a foto e vá em Camada, clique na opção
Nova Camada de Ajuste e depois escolha a
opção Vibratilidade. Defina o valor de Vibratili-
dade em -60;
Em seguida, clique duas vezes sobre a minia-
tura da máscara e, no Painel de Propriedades,-
selecione o botão Inverter;

Pressione a letra B no teclado para selecionar


a Ferramenta Pincel, escolha a cor branca e
defina a opacidade do pincel em 50%, aplique
sobre os dentes da modelo.
2. Mesclar todas as camadas em uma nova camada
Para mesclar muitas camadas uma única ca-
mada preservando as originais, clique na layer
que estiver no topo do Painel de Camadas e
pressione Ctrl+Shift+Alt+E;
3. A ferramenta Girar Visualização
Caso você precise girar uma imagem para
melhorar seu trabalho durante uma edição
pressione a letra R no teclado para selecionar
a ferramenta Girar Visualização;

Agora basta clicar e arrastar para girar a ima-


gem, para voltar ao ponto de origem basta
selecionar Redefinir Visualização na barra de
opções da ferramenta;
4. Altere a opacidade de camadas usando o teclado
Para alterar a opacidade de qualquer camada
utilizando o teclado basta selecionar a Ferra-
menta Mover, por meio da tecla V, e depois di-
gitar o valor numérico desejado. Por exemplo,
ao definir em 50 a camada irá ficar com 50%
de opacidade, e assim por diante.
5. Escolha de camadas com teclado
Pressione a tecla Alt no PC (Windows), ou Op-
tion no Mac OS, e clique no colchete esquerdo
para selecionar a camada que estiver no topo,
ou colchete direito para selecionar a camada
que está no final do painel de camadas.

6. Mover camadas
Pressione a letra Ctrl no PC, ou Command no Mac,
e clique no colchete direito para subir a camada ou
colchete esquerdo para descer a camada.
7. Mude as unidades de medida
Ative as Réguas em Visualizar e depois clique
em Réguas.

Com o botão direito do mouse sobre uma das


réguas, escolha a nova unidade de medida.
Alterando as medidas

8. Retroceder mais passos


Vá em Photoshop e clique em Preferências no
Mac ou Editar e depois Preferências no Win-
dows. Aumente o valor de Estados de Históri-
co para aumentar a capacidade de retroceder
dentro de trabalhos.

Vale lembrar que é possível definir até 1000


estados de histórico porém quanto maior o
número mais lento o Photoshop ficará.
9. Aplicar padrão em um demarcador
Pressione a letra P para selecionar a Ferra-
menta Caneta e crie um demarcador, pres-
sione a letra A para selecionar a Ferramenta
Seleção Direta, clique com o botão direito do
mouse sobre o demarcador e escolha a opção

Em Conteúdo escolha a opção Padrão, es-


colha o padrão que será utilizado, Marque a
opção Script e depois escolha a opção Locali-
zação ao Longo da Demarcação.

Aplicação de padrão Aplique as opções dese-


jadas e clique em Ok
10. Aplique máscara de camada
Para adicionar uma máscara em preto mante-
nha a tecla Alt no PC ou Option no Mac pres-
sionadas e clique no ícone de Adicionar Más-
cara de Camada.

11. Encontre o centro de um documento no Pho-


toshop
Vá em Visualizar e clique na opção Novo
Layout de Guias. Defina o número dois para
Colunas e dois para Linhas, clique em Ok.
Clique no menu Predefinição e escolha a op-
ção Salvar Predefinição, dê um nome para a
nova Predefinição e clique em Salvar.

12. Mudança de cor rápida


Abra uma imagem qualquer, crie uma nova
camada e com a Ferramenta Pincel pinte a
nova cor sobre a superfície que trocará de cor.
Mude o modo de mesclagem da camada para
Matiz ou Cor.
13. Como pintar uma seleção
Pressione a letra Q no teclado ou clique duas
vezes no ícone do Modo de Máscara Rápida para
abrir a caixa de Modo de Máscara Rápida, esco-
lha a opção Áreas Selecionadas e clique em Ok.

Pressione a letra B do teclado para selecionar


a Ferramenta Pincel e pinte sobre a área que
deseja criar a seleção, pressione a letra Q do
teclado para sair do Modo de Máscara Rápida
e criar a seleção.
16. Redimensione estilo de camada com camadas
Vá em Camada, clique em Estilo de Camada
e depois em Redimensionar Efeitos. Defina o
valor da Escala e clique em Ok.
Mudando a escala do estilo de camada Pres-
sione Ctrl+T para abrir a caixa de transforma-
ção, na barra de opções da ferramenta defina
o valor de 200% para L e para A, pressione
Enter para finalizar a transformação.

17. Pintura precisa com a Ferramenta Pincel


Entre em Photoshop e clique em Preferências
no Mac ou em Editar> Preferências no PC, cli-
que na opção Cursores. Marque a opção Usar
Modo de pintura precisa

18. Duplique qualquer coisa no Photoshop


Pressione a letra V para selecionar a Ferra-
menta Mover, com a tecla Alt no PC ou Option
no Mac pressionadas clique e arraste que você
desejar duplicar.
19. Preview de Antes e Depois
Com a tecla Alt no PC ou Option no Mac pres-
sionada clique sobre o ícone do olho do lado
da camada para retirar ou ativar a visibilidade
de todas as outras camadas.

20. Corrija o alinhamento de fotos no Photoshop


Pressione a letra I do teclado para selecionar
a Ferramenta Régua e crie uma linha acom-
panhando o horizonte da imagem, clique no
botão Corrigir Camada para corrigir o alinha-
mento da imagem.
21. Birds Eye View
Dê zoom em alguma imagem e depois mante-
nha a tecla H pressionada para ativar o Birds
Eye View e navegar dentro da imagem.
22. Texto com máscara de corte
Insira uma nova camada com imagem sobre a
camada de texto.

Ative a visibilidade da camada com a imagem


e vá em Camada e clique na opção Criar Más-
cara de Corte

23. Efeito Fade do Instagram


Abra a imagem no Photoshop, vá em Camada
e clique na opção Nova Camada de Ajuste.
Escolha a opção Cor Seletiva, clique no menu
de cores e escolha a opção Neutros, defina o
valor de Preto em -20. Clique novamente no
menu de Cores e desta vez escolha a opção
Pretos, defina o valor de Pretos para -15.

24. Mova seleções de local


Crie uma nova seleção, sem tirar o dedo do
mouse pressione a barra de espaço do teclado
e mova a seleção livremente.

25. Efeito de cor retrô rápido


Abra uma imagem qualquer no Photoshop,
crie uma nova camada e preencha com azul.
Mude o modo de mesclagem da camada para
Exclusão e defina a opacidade em 20%.
26. Extraia grupos de imagens
Selecione as camadas, clique com o botão
direito do mouse e escolha a opção Exportar
como. E então, defina o formato de exporta-
ção e clique em Exportar.
27. Múltiplos estilos de camada
Adicione um estilo de camada e logo em se-
guida clique no sinal de + ao lado do nome do
estilo para adicionar múltiplos estilos de ca-
mada em uma única camada.

28. Easter Egg no Photoshop


Vá em Photoshop e clique em Preferências no
Mac ou em Editar e depois em Preferências
no PC. Clique em Interface e deixe as teclas
Command+Shift+Option no Mac ou Ctrl+Shif-
t+Alt no PC pressionadas enquanto clica nas
opções de cor.
29. Mude o modo de mesclagem da camada usan-
do o teclado
Para alterar entre os modos de mesclagem de
uma camada pressione a letra V para selecio-
nar a Ferramenta Mover e depois pressione
Shift+ + para avançar na lista de modos de
mesclagem ou Shift+ – para retroceder a lista.
30. Adicione uma camada abaixo de outra camada
automaticamente
Clique no botão de Adicionar uma Nova Cama-
da com a tecla Command, no Mac ou Ctrl no
PC pressionada, assim sua camada será criada
abaixo ao invés de acima da camada atual
95-)6 dicas para deixar suas imagens
mais nítidas com Photoshop
Fazer fotos mais nítidas é um objetivo bus-
cado por todos os fotógrafos. A não ser que
ele queira criar o efeito embaçado para algum
trabalho artístico que peça isso.

Dependendo da situação, deixar uma cena


completamente congelada na fotografia pode
ser um desafio: imagens em movimento e em
condições de iluminação desfavoráveis reque-
rem bastante experiência da parte do fotógra-
fo para ficarem nítidas.

Felizmente, se esse resultado não for atingi-


do, alguns softwares de edição, como o Pho-
toshop, podem amenizar o borrado das ima-
gens com o objetivo de tornar as fotos mais
nítidas e é isso que o esse artigo vai te ensinar
a fazer. Mas antes, confira algumas dicas bási-
cas para não precisar usar técnicas de edição
para isso:

1. FIQUE EM UMA POSIÇÃO CONFORTÁVEL QUE DÊ


PARA SEGURAR A CÂMERA FIRMEMENTE
Se você não tem um tripé, ou vai fazer uma
imagem que esse equipamento fotográfico
atrapalhe, ou não te dê liberdade de movi-
mentos, é preciso fotografar em uma posição
confortável que permita que você segure bem
a câmera para evitar fotos borradas.

O modo mais correto para fazer com que as


fotos fiquem mais nítidas é segurar o corpo
da câmera digital com a mão direita e a lente
com a esquerda.
2. USE O TRIPÉ
O tripé para câmera é um dos maiores alia-
dos do fotógrafo e é, talvez, o melhor meio de
obter nitidez nas imagens. A estabilidade que
esse equipamento dá à câmera não é nada
comparada à mão humana, já que a gente
pode tremer, ou fazer qualquer movimento,
por menor que seja, que pode arruinar as ima-
gens. Na superfície reta e firme o tripé, é pra-
ticamente impossível que o sensor da câmera
sofra qualquer movimento.

O tripé é indicado para fotógrafos profissio-


nais e até para amadores que fazem fotogra-
fias por hobby. Se ele estiver fora do seu or-
çamento, procure apoiar a câmera fotográfica
em alguma superfície reta e estável, como
uma mesa, ou um banco.

3. USE O DISPARO AUTOMÁTICO


Aliado à estabilidade do equipamento foto-
gráfico, o disparo automático pode ajudar
muito na hora de obter imagens mais nítidas.
Quando se dispara manualmente as câmeras
DSLR, o equipamento pode se movimentar
na hora de empurrar o botão do disparo para
baixo e esse movimento pode ser impresso na
imagem, principalmente quando a velocidade
do obturador estiver mais baixa.

Para evitar esse “defeito”, programe a câme-


ra para disparar automaticamente através do
timer, ou compre um disparador remoto com-
patível com seu equipamento.
COMO DEIXAR AS FOTOS MAIS NÍTIDAS COM O
PHOTOSHOP
Você tomou todos os cuidados para suas
fotos não saírem tremidas e mesmo assim
algumas acabaram borradas, ou embaçadas?
Provavelmente a cena retratada estava em
movimento e a iluminação estava muito baixa,
que são as condições perfeitas para tirar a ni-
tidez das fotografias. Ainda bem que softwa-
res de edição de imagem, como o Photoshop,
podem corrigir esse tipo de erro com apenas
alguns cliques. Saiba como:

4.UNSHARP MASK
O Photoshop possui vários filtros e ferramen-
tas que podem melhorar a nitidez das fotogra-
fias, mas nem todos são indicados para serem
usados em qualquer situação. O Unsharp
Mask, no entanto, pode ser a escolha ideal
independente do caso. Ele funciona em três
parâmetros:

1. Amount: Define o quão aparente o efeito de


sharpening (efeito que aumenta a nitidez) será
na imagem.

2. Radius: Regula a forme que o filtro vai se


espalhar na imagem.

3. Threshold: Idem ao segundo.

Como qualquer outro efeito do Photoshop,


é difícil especificar exatamente como usar o
Unsharp Mask para deixar as fotos mais nítidas.
O uso desse efeito vai depender da experimen-
tação do usuário e da foto a ser modificada.
O efeito vai ficar mais ou menos aparente
dependendo do tamanho da imagem que está
sendo utilizada. Quando uma foto tem muitos
megapixels, vai ser preciso aumentar o parâ-
metro Radius de modo que ele fique equilibra-
do com o Amount.

O Threshold, no caso, funciona melhor com va-


lores baixos, dependendo de quantos detalhes
existem na imagem que tem de ficar mais nítida.

5. SMART SHARPEN
O Smart Sharpen é considerado um Unsharp
Mask evoluído, já que além do Amonunt e do
Radius, ele possui outras opções para tipos
diferentes de desfoque para deixar as fotos
mais nítidas.

No menu Remove, do Smart Sharpen, você


pode escolher entre as opções Gaussian Blur,
Lens Blur e Motion Blur, todas elas tentam cor-
rigir problemas de foco e recuperar imagens
com leves tremores causados pelo movimento
da câmera fotográfica.

Essas opções funcionam mais ou menos como


o Unsharp Mask na correção das imagens, mas
elas também recuperam a nitidez das fotogra-
fias com problemas mais específicos.

6. SHARPEN COM HIGH PASS


O filtro High Pass vai pedir um pouco mais de
tempo e dedicação do fotógrafo na hora de
editar as imagens, mas também pode ser mais
eficiente. Veja o passo-a-passo de como utili-
zar essa ferramenta do Photoshop:

1. Duplique a camada com a foto que você


quer que fique mais nítida. Existem duas ma-
neiras de fazer isso: clicar com o botão direito
e escolher a opção “Duplicate Layer” ou usar
o atalho Ctrl+J para usuários do Windows ou
Command+J no Mac.
2. Com a camada recém-criada selecionada,
entre no menu Filter, Other e selecione High
Pass. Apenas o Radius pode ser alterado. A
dica usar valores bem baixos, algo em torno
de 0,3 ou 0,4. Clique em Ok.

3. Feito isso, escolha a camada já com o filtro


aplicado e mude o Blend Mode de Normal
para Hard Light. Automaticamente as cores da
imagem voltarão e seus detalhes estarão mais
nítidos.

4. Se você não estiver satisfeito com o re-


sultado, basta refazer os passos anteriores,
escolhendo um valor mais alto no parâmetro
Radius durante o uso do High Pass.
96-)4 dicas para deixar suas fotos em
preto e branco no Photoshop
O Adobe Photoshop possui vários meios para
que você deixe uma foto em preto e branco
(P&B). Confira quatro maneiras para converter
suas fotos, tirando o colorido das imagens. Há
diversos recursos para este fim como cama-
das de ajustes e simples atalhos de teclado.

Utilizando uma camada de ajuste você preserva


sua imagem original enquanto aplica o efeito em
uma camada dedicada. Outros métodos, mo-
dificam o arquivo principal. Veja como editar as
fotos de quatro formas diferentes no editor.

1. Mapa de Degradê
Abra sua foto no Photoshop, pressione a letra
D do teclado para resetar as cores para pre-
to e branco. Vá em Camada, clique em Nova
Camada de Ajustes e escolha a opção Mapa
de Degradê.
2. Matiz e Saturação
Com a foto aberta no Photoshop vá em Ca-
mada, clique na opção Nova Camada de Ajus-
tes e escolha a opção Matiz/Saturação;
Caminho para Matiz e Saturação
Arraste o slider de Saturação para a esquerda.

3.Preto e Branco
Abra sua foto e vá em Camada, clique na
opção Nova Camada de Ajuste e depois em
Preto e Branco.
4.Atalho de Teclado
Com a foto aberta no Photoshop pressione
Ctrl+Shift+U para retirar a saturação de sua
imagem.

Escolha a maneira que mais lhe agrada e


transforme suas fotos coloridas em preto e
branco usando o Adobe Photoshop.
97-)4 dicas para realizar limpeza de ima-
gem no Photoshop
Este artigo fala das principais ferramentas
utilizadas para limpeza da imagem, seja limpe-
za de pele ou geral. São elas: O Spot Healing
Brush, Healing Brush, Patch Tool e o Clone
Stamp. Muito importante também, além de
saber utilizá-las, é saber descrever a ação que
cada uma realiza.

Muitos já sabem utilizar essas ferramentas e


sabem o quão eficiente elas são dependendo,
claro, do contexto. Para aqueles que ainda têm
alguma dúvida, confira as dicas:

1. Spot Healing Brush (atalho J):


Elimina sujeiras e imperfeições na imagem
apenas clicando em cima do local desejado,
sem precisar indicar uma amostra. O Spot
Healing Brush calcula áreas próximas e trans-
forma o local selecionado o mais parecido
possível do resto das áreas ao redor.
O pincel possui formas distintas de realizar
esse cálculo, que se encontram na parte supe-
rior do Photoshop, pelo nome de “Type”:

Types:
Proximity Match: Procura a melhor textura ao
redor da área selecionada e aplica essa textura
no local indicado.

Create Texture: Calcula a média de texturas e


simula uma parecida na área selecionada.

Content-Aware (disponível em versões mais


atuais do Photoshop): Calcula as texturas ao
redor e preenche a área selecionada com a
mistura proveniente desse cálculo.

A opção que eu mais utilizo é a Content-Awa-


re, pois acredito que seja mais eficiente, mas
essa escolha depende muito do seu objetivo
para cada imagem.
2.Healing Brush:
Muito parecido com o Spot Healing Brush,
com a diferença que com esse pincel você
indica uma área que deseja para servir de
modelo à área selecionada para limpeza. Bas-
ta selecionar essa opção, apertar e segurar
a tecla “alt” e clicar na área desejada como
modelo, depois é só soltar a tecla “alt” e clicar
normalmente na área que deseja reparar.

O Healing Brush possui a opção “Sources” na


parte superior, onde são encontradas as op-
ções “Sample” e “Pattern”.

“Sample” é justamente o processo que expli-


quei de selecionar uma amostra para realizar
a limpeza, enquanto a opção “Pattern” possi-
bilita a escolha de uma das texturas disponibi-
lizadas pelo programa para preencher a área
selecionada.
Raramente eu utilizo a opção “Pattern”, porém
vale a pena testar e saber o que é possível
fazer com essa alternativa.

3.Patch Tool:
Praticamente a mesma função que o Healing
Brush, porém realizado através de seleção
(como o laço, por exemplo) e não de um pin-
cel como os outros dois vistos anteriormente.
Com o Patch Tool é possível selecionar áreas
maiores para correção.

Também possui várias opções na parte supe-


rior: “Source”, “Destination” e “Transparent”.

Source: Remenda a origem, ou seja, circula-se o


problema e arrasta-se para a área de amostra.

Destination: Remenda o destino, ou seja, circula-


-se a área de amostra e arrasta-se para o pro-
blema.

Transparent: Se essa opção estiver selecionada,


o Patch Tool irá aplicar a textura da amostra
sobre a textura já existente na área circulada,
permanecendo ambas as texturas. Se a opção
estiver desligada, a textura será substituída.
4. Clone Stamp (Atalho S):
Ferramenta do carimbo, que substitui comple-
tamente uma área pela outra. Funciona exata-
mente como o Healing Brush, porém ao invés
de calcular as texturas da área indicada pela
pessoa, é realizada uma clonagem da amos-
tra na área com problema. Essa ferramenta
deve ser utilizada com mais cuidado visto que
copia uma textura em várias áreas. Uma dica
é utilizar o pincel com bastante suavidade
(hardness) e, dependendo do caso, com uma
opacidade menor, assim é possível disfarçar e
alcançar o resultado desejado.
Utilizei aqui apenas exemplos de limpeza de
pele, porém o mesmo é válido para qualquer
limpeza em imagens, seja pela, céu, ambiente
ou objetos. O que vale é treinar muito essas
ferramentas em fotos para saber utilizá-las da
melhor maneira possível em qualquer situação.
98-)Os 5 melhores aplicativos android
para editar fotos vintage
A mania do vintage nesta era digital é mui-
to fascinante – fotógrafos modernos querem
fazer seus tiros com um olhar atemporal.
Felizmente, você não tem que gastar horas na
câmara criando estas fotos, esses aplicativos
acessíveis são tudo que você precisa para re-
criar as fotografias dos velhos tempos.

1. RETRICA
Retrica é um aplicativo bem conhecido e acla-
mado pela crítica para edição de fotos vinta-
ge. Com mais de 100 filtros, você está certo
de encontrar um punhado de ajuda para criar
suas fotos vintage de maneira mais fácil. O
que é grande com este aplicativo é que você
pode visualizar imagens com o filtro escolhi-
do antes mesmo de tirar a foto, você também
pode adicionar uma borda para suas imagens,
que podem aumentar o efeito do vintage que
você está tentando criar.
2. XNRETRO
XnRetro possui todos os recursos para a cria-
ção de fotos vintage. Cada filtro tem um efeito
de envelhecimento e até mesmo exibe texturas
como arranhões ou dobras de papel falso de
foto. Filtros como Lomo, Holga e Toy Camera
são exemplos de especialidade deste aplicativo.
Além dos filtros, você também pode adicionar
beiras do vintage e efeitos especiais.

3. PIXLR-O-MATIC
Pixlr-o-matic não só apresenta filtros de fotos
bonitas, mas a interface do aplicativo em si é
também um prazer de usar. Depois de aplicar
um filtro, você pode adicionar sobreposições
como vazamentos de luz e bokeh. Você tam-
bém pode adicionar uma borda ou deixar a
foto como é. Embora os filtros de fotos não
sejam tão diversos, a capacidade de adicionar
sobreposições interessantes, como brilhos ou
luzes de néon faz o app uma escolha única.

4. RETRO CAMERA
Se você não quer gastar muito tempo esco-
lhendo filtros e aplicação de efeitos, Retro
Camera torna simples para você. Você só tem
cinco filtros predefinidos para escolher, com-
pletos com efeitos de foto e sobreposições.
Escolha um e atire sem confusão. O que você
recebe são fotos vintage impressionantes que
você pode compartilhar instantaneamente.

5. INSTAGRAM
É definitivamente a escolha óbvia, como Ins-
tagram foi um dos primeiros aplicativos para
fazer fotos vintage mais popular. Com sua
recente atualização, não só você pode aplicar
filtros de qualidade, mas também ajustar o
brilho e o contraste. Aplicando efeitos obscu-
ros como bokeh e tilt-shift permitem adicionar
alguns toques finais únicos.

CONCLUSÃO SOBRE AS FOTOS VINTAGE


Software de edição de fotos como o Pho-
toshop ainda é a maneira mais fácil de criar
suas próprias fotos vintage. Ao assistir um
dos inúmeros tutoriais on-line, você pode
começar a adicionar efeitos impressionantes
para todas as suas fotos.

Com um pouco de prática, você será capaz de


brincar com as configurações de exposição e
correção de cores. Você ainda vai aprender a
“borrar” as suas fotos usando as inúmeras op-
ções de filtro disponíveis. Certifique-se de tirar
suas fotos em formato RAW e não em JPEG
para evitar afetar a sua qualidade.
Por último, não se esqueça que você deve co-
meçar com uma fotografia de boa qualidade,
não basta olhar para o tema principal de suas
fotos vintage, tem de levar em conta todo o
ambiente para ter certeza de que tudo pode
ser editado e dar uma melhor qualidade as
suas fotos vintage.
Capítulo 11
Dicas de Fotografia Infantil

99-)24 dicas para fotografar bebês e crianças


Seus filhos ou filhos dos seus clientes estão
crescendo e você não quer perder nada: des-
de a saída da maternidade até os primeiros
passinhos, a primeira visita à praia, primei-
ro dia na escola, tudo exige uma câmera de
prontidão. O problema é que muitas vezes fica
difícil tirar boas fotografias porque crianças
estão sempre agitadas ou não se preocupam
em posar para seus pais.

Para ajudar nessa tarefa inglória – mas emo-


cionante – o site Bebê, da Editora Abril, com-
partilhou 24 dicas de profissionais especializa-
dos para ajudar a gente a captar os melhores
momentos dos pequenos:
1. Deixe a criança à vontade
A fotógrafa Luciana Prado, de São Paulo,
sugere: “Converse com ela, brinque, pergunte
sobre suas atividades. Dessa forma, você vai
atrair a atenção e a criança vai olhar natural-
mente para a câmera. E nunca peça para o
pequeno sorrir. O resultado será sempre força-
do. Crie condições para que o sorriso apareça
naturalmente. Faça graça, cante, brinque e ele
virá lindo e natural”.

2. Libere seu espírito infantil


Relaxar, soltar a imaginação e fazer as fotos
com calma é o segredo da fotógrafa Rebeca
Picazio: “Para fotografar crianças, é preciso ter
um pouco do espírito infantil. É preciso voltar
no tempo e resgatar dentro de si um pouco
daquela criança que você foi um dia”.

3. Só clique quando a criança estiver bastante


disposta
Para que os sorrisos e as poses saiam facil-
mente, a dica da fotógrafa Angela Sayuri é
aproveitar quando a criança estiver disposta.
“Fotografe bem antes do horário do soninho
ou das refeições”.

4. Busque a espontaneidade
Esse é o segredo da fotógrafa Bianca Macha-
do na hora de clicar os pequenos. “Deixe a
criança brincar à vontade sem perceber que
está sendo fotografada. Apenas fique atento
para enquadrar o momento certo”.

5. A composição deve ser simples


Para Luciana Prado, observar o que está em
torno da criança é bem importante – nada
deve tirar o foco da fotografia e o excesso de
elementos pode estragar a composição. “Pro-
cure lugares mais neutros para que o desta-
que seja a criança. Da mesma forma, evite
roupas cheias de detalhes. Quanto mais sim-
ples, melhor”.

6. Respeite os limites do pequeno


“Seja registro em eventos, seja ensaios, o im-
portante é deixar a criança à vontade. Devemos
respeitar o limite e o ritmo dela e, com isso,
conseguimos fotografá-la sem maiores proble-
mas”, explica Rebeca Picazio, de São Paulo.

7. A melhor hora para fotografar um recém-nasci-


do é…
…quando ele estiver dormindo, diz a fotógrafa
Luciana Prado: “Você conseguirá as expressões
mais tranquilas e relaxadas e até um sorriso”.

8. Distraia a meninada
Uma boa dica é colocar músicas para tocar,
brincar e deixá-los livres, leves e soltos. “O
melhor é permitir que ele se distraia e esqueça
que está sendo fotografado”, explica Bianca
Machado.

9. Não espere apenas sorrisos


Luciana Prado chama a atenção para uma op-
ção interessante: “Faça fotos do rosto do seu
bebê bem de pertinho, aproveitando as várias
expressões. Não fique apenas em busca dos
sorrisos. Quando a criança está séria, os olhos
dominam a fotografia e causam um grande
impacto”.

10. Não fuja do dia a dia dos pequenos


Para o fotógrafo Paulo Ivo, dar tempo e ser
paciente é a chave, pois em locais estranhos ou
com pessoas desconhecidas, eles não ficarão à
vontade: “Respeite as atividades que a criança
está acostumada a realizar diariamente”.

11. No colo
“Um excelente ângulo para fotografar bebês
que ainda não sentam é no colo dos pais, quan-
do estão apoiados em seu ombro. Dessa forma,
conseguimos evitar aquele efeito de ‘amassadi-
nho’, quando a criança não se sustenta e afun-
da no colo ou na cadeira”, lembra Luciana.

12. Nas festinhas de aniversário


Para a fotógrafa Rebeca Picazio, foto posada
é a melhor opção nessas ocasiões. Na mesa
do bolo, com pais, avós e padrinhos, logo no
início. “Depois a criança vai brincar e ficará de-
sarrumada, suada e sem um pingo de disposi-
ção para ficar parada, sorrindo”, explica.

13. Nada de fotografar criança com fome ou sono


Espere que ela esteja alimentada e descansa-
da para posar. Senão, sua pequena estrela vai
ficar irritada, chorona e, no final das contas,
se recusar a posar. O fotógrafo Paulo Ivo, de
Recife, ensina: “O melhor momento é após o
soninho. Temos que ter paciência e saber es-
perar”, afirma.

14. Fotos em família


Fotos em família ficam bonitas e naturais
quando há interação. O segredo de Luciana
Prado é: “Não faça pose. Aproveite as brin-
cadeiras para fazer retratos que mostram a
família se divertindo”.

15. Participe das fotos


A maioria das crianças fica desconfiada quan-
do vai ser fotografada em estúdio. “Uma boa
sugestão é a participação dos pais: o pequeno
se sente mais confiante e seguro durante a
sessão”, diz Bianca Machado.
16. Invente brincadeiras
Brincar é a forma mais eficiente de fazer uma
criança de soltar. “Bebês adoram brincar de
voar. Eis uma ótima ocasião para registrar
grandes sorrisos”, sugere Luciana Prado.

17. Na altura da criança


“Abaixe-se e fotografe a criança na sua altura.
Quando necessário, use um adulto para apoiá-
-la”, explica a fotógrafa Luciana Prado. Tam-
bém fica interessante para mostrar o contraste
entre o tamanho do adulto e o do bebê.

18. Para criar intimidade antes dos cliques


Caso o fotógrafo seja alguém que seu filho
não conheça, paciência é essencial. “Caso seja
usada a iluminação profissional, ela deve ser
mostrada primeiramente como uma forma de
brincadeira para que a criança não tenha medo
do objeto desconhecido”, explica Paulo Ivo.

19. No parque ou na praça


Aproveitar o passeio para tirar fotografias é
outra dica de Luciana Prado: “Crianças com-
binam com a natureza. Aproveite o passeio no
parque ou na praça para fazer lindas imagens”.

20. Linha do olhar


“Procure sempre manter a mesma linha do
olhar da criança, ou seja, vale se agachar, dei-
tar, sentar”, ensina a fotógrafa Angela Sayuri.

21. Cada criança tem seu ritmo


“Portanto, paciência é a palavra-chave para
registrarmos os melhores momentos”, diz An-
gela Sayuri.

22. Use brinquedos


Quando o bebê está na fase de engatinhar ou
começando a andar, não costuma parar quieto.
“Aproveite brinquedos como cavalinhos, balan-
ços e carrinhos para que ele fique alguns minu-
tos se divertindo sentado e aproveite para fazer
muitas fotos”, sugere Luciana Prado.
23. Close nos pés, nas orelhas…
Luciana Prado chama a atenção para os de-
talhes: “Não se esqueça de fotografar cada
detalhe do bebê, bem de perto. Pés, mãos,
orelhas, tudo merece um close!”.

24. Atenção à luz


Essa dica merece destaque especial. “Desli-
gue o flash automático da câmera. Ele é útil
para registrar algum acontecimento quando
não se tem outra opção de iluminação, como
uma festinha de aniversário à noite em casa.
Mas, para fazer um retrato que revele beleza
e emoção, procure uma janela. A hora do dia
não importa desde que não entre luz direta
do Sol no cômodo. O que precisamos é da-
quela luz indireta, que traz claridade. Deixe o
bebê ou a criança perto da janela e observe o
efeito da luminosidade em seu rosto. Perceba
o brilho que dá vida aos olhos. E faça muitas
fotos, sempre brincando e conversando com
o pequeno, para garantir expressões naturais”,
finaliza Luciana Prado.
100-)5 dicas para tirar as melhores fotos
de seus filhos
Para fotógrafas mães ou fotógrafos pais, uma
situação que se torna quase rotineira com
certeza é fotografar os filhos. Mas não como
as pessoas comuns fazem: essa brincadeira se
profissionaliza e os filhos se tornam pratica-
mente modelos oficiais.

Elena Shumilova, uma mãe e fotógrafo da Rússia,


que se tornou uma sensação viral online depois
de compartilhar suas fotos notáveis de seus fi-
lhos. Suas fotos já foram visualizadas mais de 60
milhões de vezes por pessoas de todo o mun-
do. A fotógrafa recentemente contou sobre sua
experiência ao portal PetaPixel, dando 5 dicas de
como melhor fotografar os pequenos.

1. Como conseguir os seus filhos para olhar natu-


ral, não posado.
Você nota aquela cena linda, seus filhos se
divertindo, você pega a câmera e… Eles veem
a câmera! Então ficam tímidos, começam a
posar e o momento é perdido. O que fazer?

Ao fotografar crianças, a coisa mais importan-


te é a fotografá-los frequentemente – todos
os dias. Dessa forma, eles vão se sentir con-
fortáveis das próximas vezes que verem uma
câmera ao redor.

2. Os tipos de roupas que funcionam melhor


A fotógrafa Elena conta que segue uma regra
muito simples: “a roupa não deve ser uma dis-
tração”. Parece uma regra simples, mas é mais
difícil de seguir do que você imagina. Roupas
de criança hoje em dia são projetadas para
chamar atenção, com cores brilhantes, perso-
nagens de desenhos animados. Nas fotogra-
fias, tudo isso desvia a atenção de seus filhos.

3. Como tirar melhores fotografias de crianças


em diferentes idades
Os recém-nascidos (Newborn) “Muitos pais
têm me perguntado sobre essa foto – como
você conseguiu de seu filho de um mês um
olhar tão calmo? Os recém-nascidos são no-
toriamente difíceis de fotografar porque eles
estão muitas vezes chorando ou se remexen-
do. Aqui você vai ter uma vantagem como um
pai. Eu sou sua mãe e estou perto dele 24
horas por dia, e eu sei quando ele chora ou
não”, diz Elena. Deixe seu instinto materno (ou
paterno) escolher o momento certo.
Idade de Ouro: de 2 à 4 anos
“Algo que eu notei fotografando muitas crian-
ças, incluindo as minhas, é que parece haver
uma idade universal em que as crianças são as
mais fotogênicas”, explica a fotógrafa. Ela diz
que essa idade é por volta dos dois aos quatro
anos, pois as crianças se comportam muito
naturalmente, não se importando se alguém
está olhando para eles, por exemplo.
5 anos e mais velhos
Com a idade aumentando, a dificuldade tam-
bém aumenta. “Tão cedo quanto aos cinco
anos de idade eles começam a tornar-se mais
autoconscientes quando a câmera aparece.
Eles começam a representar”, conta a mãe e
fotógrafa Elena. Ela diz que a chave nesse mo-
mento é a paciência. Deixar as crianças brin-
cando, assim se distraem e você “desaparece”.
“Minhas melhores imagens estão sempre no
final de uma sessão de fotos, quando meus
filhos se esqueceram da câmera”, explica.
4. Filhos e animais de estimação
Assim como as pessoas, cada animal é dife-
rente. Alguns animais de estimação gostam
de ser fotografados, outros não. Não há uma
fórmula mágica para fazer isso. “Passei horas
observando os nossos animais de fazenda,
descobrindo como eles se movem e quais
ângulos funcionar melhor para eles – assim
como eu faria para as pessoas”, relata Elena. A
fotógrafa explica que já tentou convencer os
animais com comida, mas não costuma fun-
cionar, pois então durante a foto eles estarão
mastigando e não ficará legal. A regra para
fotografar a duplinha animais e criança é ter
paciência constante.

5. Não desista
“Esta é a foto mais famosa que eu tirei. Já foi
vista mais de 10 milhões de vezes – mas eu
quase não levei minha câmera naquele dia”,
relata Elena Shumilova. Ela conta que antes
de fazer a foto acima, sua confiança estava
um pouco abalada. Havia acabado de tentar
uma foto entre o filho e o cão 14 vezes antes.
Mas não 14 fotos, na verdade 14 sessões, todas
deram errado! “Este nosso cão agora é famo-
so – mas ele não é fotogênico na maioria dos
ângulos. Ele é, na verdade, um cão muito difícil
de se trabalhar”. Porém, depois de ter feito 14
sessões com o mesmo cão, ela acabou apren-
dendo os ângulos e composições corporais
para trabalhar com o animal.

O conselho final da fotógrafa não deixa dúvi-


das do motivo de seu sucesso: a persistência.
“Não desista. Não desanime. E ao invés de
fazer grande pressão a em mesmo criar se-
tups elaborados, observe seus filhos em situa-
ções simples do cotidiano. Faça isso todos os
dias. Traga sua câmera junto. E então, quando
o momento certo vier, você estará pronto”.
Confira mais do trabalho de Elena Shumilova
clicando aqui.
101-)13 dicas de fotografia newborn que
você precisa saber
Receber um novo integrante na família é um
dos momentos mais incríveis e maravilhosos
da vida! Os dias destes recém nascidos são
muito preciosos, mas passam de forma tão
rápida, que da a impressão que os anos voam.

Para manter guardada toda a lembrança do


melhor momento para qualquer mãe, ela pode
recorrer à fotografia newborn. Com o intuito
de capturar e guardar tais lembranças, alguns
pais optam por contratar um profissional de
fotografia, se você deseja atender este exi-
gente público, precisa garantir que sua sessão
de fotos newborn seja a melhor possível.

Este tipo especifico de fotos é especializado


em registrar momentos incríveis de recém
nascidos. Muito comum nos EUA e Austrália
e crescendo nos últimos anos aqui no Brasil,
pode trazer muitas surpresas, especialmente,
se o fotógrafo responsável pela sessão ainda
não tem filhos.

Abaixo, segue uma lista de dicas para essa


fotografia que será útil para qualquer pessoa
interessada em aprender mais sobre fotografia
newborn. É claro, que cada artista terá uma
forma ou um estilo diferente de fazer as coi-
sas, mas estas são apenas algumas das princi-
pais coisas que você pode usar para melhorar
as suas fotos de bebes recém nascidos.
1. TIPOS DE FOTOGRAFIA NEWBORN
Existem dois tipos de fotografia newborn, a
primeira é conhecida como pose/ estúdio e
o outro, estilo de vida. Ambas são excelentes
para obter fotos de recém nascidos arrasa-
doras e você pode investir em qualquer uma
delas em sua carreira de fotógrafo newborn.
No entanto, é importante se certificar que seu
cliente conheça as diferenças e saber exata-
mente qual delas ele deseja.

Sessões de estúdio ou pose – Neste estilo de


fotografia newborn, o principal objetivo é
capturar cenas perfeitas do bebê da melhor
forma possível. Por esse motivo, o fotógrafo
profissional precisa preparar todo o cenário,
figurino e as poses, daí o nome, para obter as
melhores fotos do recém nascido.

Além disso, dedica-se um tempo considerável


na pós produção dessas fotografias. Usando
programas de computador, como o Photoshop,
o fotógrafo realiza pequenos ajustes para um
resultado final mais controlado e bonito.

Normalmente deve ser feito nas 2 primeiras


semanas do recém nascido, quando o bebê
ainda está muito sonolento, o que facilita
moldá-lo em qualquer posição para as fotos.
Juntamente com este estilo de fotografia ne-
wborn, usamos cobertores, colchas, roupinhas
de bebes, chapéus e outros acessórios.

Estilo livre – Esta é uma abordagem um pouco


mais casual para a fotografia newborn. A inten-
ção é capturar imagens mais naturais do bebê
em seu estilo de vida normal, em sua casa,
junto dos pais, fazendo o que os recém nasci-
dos costumam fazer. Estas sessões podem ser
feitas até 6 semanas depois do nascimento e,
geralmente, duram 1 ou 2 horas, no máximo. O
ponto mais interessante deste estilo de foto-
grafia de recém nascido é o fotógrafo profissio-
nal fica mais livre para tirar as fotos.

Novamente, o fator determinante sobre qual das


duas deve escolher, vai depender do gosto de
seu cliente. Entretanto, você pode sugerir o me-
lhor estilo de acordo com o resultado esperado
por seu cliente. Como regra geral, se ele deseja
fotografias de recém nascido mais controladas,
as poses são recomendadas, mas, caso o foco
esteja na liberdade, sugira o estilo livre.

2. ESTEJA PREPARADO
A fotografia newborn exige a mesma pre-
paração que as fotos para casamento. Você
precisa ter uma série de coisas, principalmen-
te, para realizar a sessão de fotos fora de um
estúdio. A fim de evitar o esquecimento de
algum equipamento ou acessório fotográfico,
faça uma lista de tudo o que necessita ter em
mãos, repasse este check list horas antes de
iniciar a sessão de fotografia newborn.

A seguir, há uma pequena lista do que levar


para a sua sessão de fotografia newborn, veja
só:
• Câmera fotográfica profissional e uma re-
serva
• Cartões de memória livre
• Lentes de câmera extras
• Alguns brinquedos para recém nascido
• Acessórios, como pufes e almofadas, por
exemplo
• Aquecedor
• Escadinha
• Uma muda de roupa para você, quando
algo sai errado
• Cestos, caixas, etc .
• Cobertores ou mantas para usar como pla-
no de fundo
• Prendedores para fixar o pano
• Uma barra de ferro ou PVC para manter o
plano de fundo esticado
• Uma música de fundo

Uma vez que as sessões podem ser de até 4


horas, certifique-se de comer muito antes de
começar a sessão de fotografia newborn, ou
então, realize pequenas paradas para o lanche
(recomendado). Como irá usar aquecedores
para manter o recém nascido confortável, as
coisas podem ficar um pouco quentes para
você, por isso, use roupas leves e frescas.

As poses para a fotografia newborn, pode


exigir que o fotógrafo fique muito tempo de
maneira não agradável. Carregar um tapete,
ou algumas almofadas para o seu repouso em
quanto tira as fotos vai ajudar a mantê-lo con-
fortável e não comprometer os resultados das
imagens do recém nascido.
3.FIQUE CALMO!
Não importa quanto controle você acredita
ter, na fotografia newborn o bebê manda. Se
ele não estiver interessado em fazer uma foto
dormindo agora, não há nada que você pos-
sa fazer. Quando isso acontecer mantenha a
calma e não seja tão exigente quanto à rotina
da sua sessão de fotografia newborn. Faça as
outras fotos primeiro e quando o bebê estiver
disposto volte para aquelas fotografias que
não deram certo na primeira tentativa.

Sempre que algo der errado respire fundo e


mantenha a calma. A fotografia newborn não
traz apenas imagens do bebê dormindo, por
isso, pode ser um pouco mais difícil de con-
seguir fotos mais elaboradas. Contudo, posso
garantir que todo o esforço será recompensa-
do no resultado final.

4.PREPARE OS PAIS DO RECÉM NASCIDO


A forma para garantir o sucesso de sua foto-
grafia newborn é manter os pais do recém nas-
cido preparados para a sessão. Você pode criar
um texto preparatório com essas dicas e entre-
gar no formato impresso para cada cliente, ou
quem sabe, mandar por email assim que eles
fazem o cadastro para fotografar o seu bebê.

Essas dicas ajudam o pai do bebê a ficarem


tranqüilos e colaborar ao máximo com o su-
cesso da sessão de fotos. Com isso, também
é possível tranqüilizá-los sobre tudo o que irá
acontecer e mantê-los cientes das coisas que
irão conseguir.

Algumas dicas para os pais, podem incluir:


1.Alimentação – peça a mãe do recém nascido
para alimentá-lo o mais próximo possível do
inicio da sessão. Ela pode fazer isso, por exem-
plo, em quanto você faz os preparativos ini-
ciais de seu equipamento e do cenário, assim,
você garante que o bebê só voltará a ficar
com fome 3 horas depois, em média, evitando
muitas interrupções.

2.Serenidade – os recém nascidos são muito


sensíveis ao ambiente externo e, especialmen-
te, ao sentimento dos pais. Isso quer dizer que
eles precisam ficar calmos e transmitir esta
serenidade para o bebê, para deixá-lo mais
tranqüilo antes e durante a sessão de fotogra-
fia newborn.

3.Roupas – apesar do fotógrafo geralmente


possuir as roupas que serão usadas na sessão,
os pais devem deixar o recém nascido confor-
tável e preparado para substituir as roupas de
forma mais fácil possível.
4.Brinquedos – todo recém nascido pode ter
os seus brinquedos favoritos, solicite que os
pais levem estes acessórios para integrá-los
na fotografia newborn. Geralmente, o bebê se
sentirá mais confortável se estiver na presença
de brinquedos que ele já conhece. Um ursinho
de pelúcia, o cheirinho, ou o travesseiro da
criança são ótimos para isso.

5.Soneca – se os pais do recém nascido dese-


jam tirar fotos com ele dormindo, algo que
acontece muito, recomende que eles não
deixem o bebe dormir algumas horas antes da
sessão, ou procurem cansá-lo mais para que
quando ele chegar ao estúdio seja mais fácil
cair no sono.

5.DEIXE O BEBÊ INSPIRAR VOCÊ


Você pode pesquisar exemplos de fotografia
newborn na internet, no Pinteret há uma de-
zena delas, para ter idéias de como construir
a sua sessão de fotos. Porém, deixar as coisas
acontecerem naturalmente também podem
render fotos incríveis.

A verdade é que nem todos os recém nasci-


dos são iguais, eles possuem características
físicas e de comportamento individuais. Em
razão disso, nem todas as fotos que você vê
na internet poderão ser replicadas com qual-
quer bebê, da mesma forma, um gesto da
criança pode lhe trazer uma fotografia news-
born muita boa.

Deixe o bebê mexer, bocejar, e alongar-se. Os


recém nascidos têm movimentos maravilho-
sos, doces, não se estresse sobre ter que criar
a pose para foto perfeita em cada frame, apro-
veite a forma natural que ele se expressa.

6. CAPTURE AS PEQUENAS COISAS!


Além de fotografar no estilo livre, mostrando
exatamente como o recém nascido age no dia
a dia, fique atento aos pequenos detalhes, que
muitas vezes passam despercebidos aos nos-
sos olhos, até mesmo para os pais mais corujas.

Fotografar as mãozinhas pequenas do recém nas-


cido, os pezinhos, as expressões do rosto, qual-
quer pequeno movimento pode não parecer, mais
rendem várias edições de fotografia newborn.
Estas cenas carregam muita emoção e são extre-
mamente valorizadas pelos pais do bebê.

Além de fotografar no estilo livre, mostrando


exatamente como o recém nascido age no dia
a dia, fique atento aos pequenos detalhes, que
muitas vezes passam despercebidos aos nos-
sos olhos, até mesmo para os pais mais corujas.

Fotografar as mãozinhas pequenas do recém nas-


cido, os pezinhos, as expressões do rosto, qual-
quer pequeno movimento pode não parecer, mais
rendem várias edições de fotografia newborn.
Estas cenas carregam muita emoção e são extre-
mamente valorizadas pelos pais do bebê.

7. INSIRA A MAMÃE NA FOTOGRAFIA NEWBORN


Pode ser difícil convencer a mamãe participar
da fotografia newborn, ela acabou de sair de
uma pequena cirurgia, pode estar indisposta e
até com dores. Talvez, ela não queira ser foto-
grafada logo depois de ter um filho, lembre-se
que durante nove meses o corpo dela veio
passando por mudanças e isto pode não dei-
xá-la tão à vontade com a câmera digital.

Por outro lado, ter um pouco de paciência e


mostra – lá o quanto isto pode ser importante
pode ajudar nisso. Mas, você precisa entender
primeiramente a importância disso. Instin-
tivamente, os recém nascidos possuem um
vínculo muito maior com suas mães, sentem-
-se mais a vontade com elas, você pode usar
deste relacionamento para deixar o bebê mais
a vontade e obter ótimas fotografias.

8. OS IRMÃOS TAMBÉM!
Quando o recém nascido tem irmão pode ser
uma excelente oportunidade para conseguir
alguma fotografia newborn diferenciada. Cap-
tar um pouco do relacionamento do bebê com
seus irmãos mais velhos atribui uma infinidade
de sentimentos familiares para as suas fotos.
Entretanto, os irmãos não tem tanta paciên-
cia quanto os pais. O ideal é fazer estas fotos
logo no inicio da sessão para deixá-los livres
para fazer o que quiserem depois. Em seguida,
volte toda a sua atenção para o personagem
principal da fotografia newborn, o bebê. De-
pois de algum tempo, quando a sessão estiver
próxima de terminar, chame os irmãos nova-
mente para fazer outras fotos.
9. A ILUMINAÇÃO É TUDO!
Assim como em qualquer outra, na fotogra-
fia newborn, a iluminação é muito importante
para conseguir um bom resultado. Um dos er-
ros mais comuns de profissionais e amadores
é a iluminação inadequada.

Para você conseguir uma fotografia newborn


ótima, não importa se é para você mesmo
ou um cliente, precisa ter uma boa ilumina-
ção. Além de transmitir tudo o que precisa na
imagem, a iluminação decente também vai lhe
poupar muitas horas na frente do computador
na pós produção.

Você não precisa de nenhum equipamento de


estúdio fotográfico para conseguir uma boa
iluminação de estudio. A luz simples do am-
biente ou uma janela, já são suficientes para
conseguir imagens ótimas. Mas, uma regra de
ouro para obter sombras suaves agradáveis e
destaques é colocar o recém nascido em uma
posição que a luz flua a partir do topo da ca-
beça em direção ao seu corpo, elevado em um
ângulo de aproximadamente 45 graus.

Sinta-se livre para experimentar, brinque com


a iluminação e o sombreamento. Divirta-se jo-
gando com diferentes ângulos e perspectivas,
mas não coloque a luz de baixo para cima. Na
natureza, ninguém recebe este tipo de luz.

10.MANTENHA O BEBÊ FELIZ E CONFORTÁVEL


Há algumas coisas simples que você pode fa-
zer para deixar o bebê feliz e receber em troca
uma sessão de fotos produtiva. A primeira
coisa a fazer, é manter o local onde a fotogra-
fia newborn será tirada em uma temperatura
confortável, nem muito quente, ou frio demais.
Além da temperatura, o som do ambiente
também influencia muito no humor do recém
nascido. Você pode baixar em seu smartphone
alguns aplicativos que oferecem músicas cal-
mas, isto pode ajudar o bebê pegar no sono
em quanto você tira as fotos.

A saúde do bebê também é muito importante.


Verifique com os pais se está tudo certo com
ele e se não há nenhuma restrição para parti-
cipar de uma longa sessão de fotos. Garanta
também, que o recém nascido esteja bem
alimentado antes de começar a fotografar.

11.MANTENHA O BEBÊ SEGURO


Esse o tipo de coisa que nem precisa dizer, se
você está trabalhando com recém nascidos
conhece a fragilidade destes pequeninos. Mas,
por favor, certifique-se que a segurança do
bebê é a prioridade número 1 enquanto estiver
tirando as fotos.

Quando a pose for muito difícil, ou precisar de


adereços para compor a cena, chame os pais
do pequeno para ajudá-lo a segurar o bebê. A
fotografia newborn mais orgânica, com poses
naturais, não tem esse problema. Mas, para as
fotos mais elaboradas contar com a ajuda dos
pais pode ser muito bom.

12.FOTOGRAFIA NEWBORN AO AR LIVRE


Quem disse que você não pode levar o bebê
para fora também? Se o tempo permitir, colo-
que o recém nascido em contato direto com
a natureza, você pode obter belas fotos desta
forma. Alguns fotógrafos ficam entediados
rapidamente com as fotos sobre cobertores e
pufes, levar o recém nascido para outro ce-
nário pode evitar o desapontamento com a
fotografia newborn.

Estar fora na natureza abre toda uma nova


área de possibilidades e liberdade criativa
que você não precise fotografar apenas em
ambientes fechados. Traga alguns adereços
simples para colocar no bebê e se divertir, não
esqueça de levar um tripé fotográfico para te
auxiliar em suas fotografias. Esta tranqüilida-
de, também, pode fazer o bebê dormir mais
facilmente do que aconteceria dentro de casa,
ou estúdio fotográfico, por exemplo.

13.IMPRIMA AS FOTOS
Não adianta tirar a melhor fotografia newborn
e deixá-la guardada no disco rígido do com-
putador ou no cartão de memória de seus
clientes. Eu sei que o formato digital parece
muito mais prático, especialmente, porque
eles podem compartilhá-las facilmente nas
redes sociais.

Porém, você pode montar um álbum épico


com essas fotografias e manter um registro
impresso de todas as fotos. Experimente ofe-
recer este diferencial para seus clientes, entre-
gue junto com o CD das fotos uma versão das
fotos impressa, ou ofereça este serviço sepa-
radamente. Tenho certeza absoluta que eles
irão adorar, afinal, quem não gosta de folhar o
álbum de seu bebê com as visitas em casa?

CONCLUSÃO SOBRE A FOTOGRAFIA NEWBORN


Em resumo, a fotografia newborn pode ser um
desafio, mas também muito gratificante. Os
recém nascidos são ótimos modelos e nos lem-
bram das coisas mais lindas que costumamos
esquecer com o passar do tempo. Não esqueça
que estas fotografias são muito mais especiais
do que qualquer outra, elas carregam a me-
mória dos pais sobre os primeiros dias de seu
bebê, então capriche neste trabalho.

O ponto fundamental para uma fotografia ne-


wborn de sucesso é conferir se o recém nas-
cido está se divertindo com o processo. Se ele
estiver chorando, incomodado demais, talvez,
seja melhor interromper a sessão com alguns
intervalos para quebrar a monotonia.

As crianças costumam ser bem hiperativas,


mesmo com poucas semanas de vida, ficar na
mesma mesmice pode fazer com ela se sinta
entediada e comece a chorar. Entreter o re-
cém nascido com alguns brinquedos atrás da
câmera pode deixá-lo mais alerta e, ao mesmo
tempo, conseguir algum sorriso ou movimento
dos olhos muito bonitos.

Por último, procure se divertir! Esquecemos


de alguma coisa? Deixe seu comentário no
campo de comentários abaixo para enriquecer
este artigo.
102-)14 dicas para que a fotografia ne-
wborn na maternidade de certo
A fotografia newborn tornou-se um sucesso
nos últimos anos, afinal de contas, todas as
mamães e papais corujas desejam ter recor-
dações da melhor época de seus pequeninos:
em quanto ainda são recém-nascidos.

Entretanto, para quem acredita que a fotogra-


fia newborn só pode ser feita depois da alta
da maternidade, em um estúdio fotográfico ou
no quarto do bebê, está redondamente enga-
nado. O fotógrafo profissional pode conseguir
excelentes imagens de fotografia newborn na
maternidade e, com isso, gerar lembranças
incríveis do horário exato do nascimento e
primeiros momentos do bebê.

Capturar todos os detalhes das primeiras horas


do recém-nascido na maternidade é uma téc-
nica interessante, pois, os pais do bebê podem
estar muito emocionados e não conseguir
visualizar tudo o que acontece, assim, um fo-
tógrafo profissional pode ser um grande aliado
para trazer outra perspectiva a essas imagens.

Além disso, a mamãe também não consegue


aproveitar todo esse momento. Ela está em
uma maternidade recebendo cuidados e pre-
parações para que possa ter alta e isso pode
atrapalhar um pouco a experiência mãe-filho
nas primeiras horas. Com a fotografia newborn
na maternidade ela poderá recapitular esses
momentos, especialmente, quando o recém-
-nascido estiver longe de seu alcance.
1. NÃO PERCA O PRIMEIRO OLHAR
O momento mais importante da fotografia
newborn na maternidade é, sem dúvida, o pri-
meiro olhar da mãe para o bebê. Nessa hora é
transmitida uma série de emoções e traduzido
todos os sentimentos de um para o outro.

Lembre-se que a mamãe esperou nove meses


para conhecê-lo, isto se resume em ansiedade,
luta, desconforto e toda a emoção que uma
gravidez pode trazer. Embora, esse ponto pos-
sa parecer semelhante em todas as gestações,
o primeiro olhar é diferente para cada mulher.

Capture o cruzamento dos olhares da mamãe


e do recém-nascido, uma imagem imperdível e
tocante para qualquer espectador. Da mesma
forma, está é uma foto obrigatória se deseja
agradar os seus clientes.

2. O PRIMEIRO TOQUE É IMPORTANTE


Assim como o primeiro olhar, o toque também
resume uma série de emoções com apenas
uma imagem. Como será essa foto pode mu-
dar, algumas mães querem logo abraçar o seu
bebê, outras são paradas por um breve mo-
mento de observação e assim por diante.
Apenas certifique-se que este momento deve
ser quente, doce, suave e verdadeiro. Deixe
claro nesta fotografia newborn o toque da
mamãe em seu bebê, o contato da pele, todo
o amor do momento, beijos, alegria, ou seja, a
felicidade pura.

Talvez, para este tipo de fotografia newborn


você necessite de alguma autorização extra
da maternidade, verifique antecipadamente
com a direção e o próprio médico se está ima-
gem poderá ser capturada. Se for necessário,
oriente seus clientes para conseguir junto ao
hospital a liberação necessária para você fazer
seu trabalho tranquilo.

3. TUDO É NOVO
A fotografia newborn na maternidade é tão
especial, pois permite registrar os primeiros
momentos do recém-nascido, o primeiro olhar,
toque, choro, grito, gestos, etc. No entanto,
você só terá uma oportunidade para registrar
cada uma dessas coisas, por isso, deve apro-
veitar ao máximo.

Registre os momentos completos do bebê,


especialmente, o contato da criança com os
enfermeiros, o cuidado que o recém-nascido
precisa, afinal ele é extremamente vulnerável.
Estes são os primeiros contatos, gestos, então,
capture-os!

4. NÃO CAPTURE O PRIMEIRO BANHO


Enquanto a fotografia newborn pretende cap-
turar as primeiras reações do recém-nascido,
o primeiro banho não é uma das coisas mais
atraentes para ficar em sua mente. O bebê
acaba de sair da barriga da mamãe para um
local totalmente novo e o primeiro banho não
é algo muito agradável para ele.

Da mesma forma, vão existir milhares de ou-


tras oportunidades para gravar esse momento
e também tudo acontecerá muito rápido, as-
sim será quase impossível capturar este mo-
mento de forma adequada.

Sendo assim, só é recomendado capturar o


primeiro banho se os pais do bebê insistirem,
caso contrário não o faça. Esta pode ser uma
daquelas imagens de fotografia newborn que
não fazem nenhum sentido e só ocupa espaço
no book de fotos.
5. OS PÉS JAMAIS SERÃO TÃO PEQUENOS
Os dedos do pé do bebê são tão bonitos que
é a primeira coisa que chama atenção de
qualquer pessoa. Em razão disso, você precisa
aproveitar esse momento, pois, nunca serão
tão pequenos quanto hoje.

Por outro lado, a tarja de identificação cos-


tuma ser colocada nesta região do corpo do
bebê, serve para relacioná-lo com a sua mãe.
Porém, em uma visão mais filosófica é o pri-
meiro distintivo que esta criança recebe na
vida, sua primeira conquista após os 9 meses
de gestação.

Tenha certeza que isto é algo que os pais de-


sejam recordar para sempre e deixar guardado
em seu álbum de fotografia newborn. Então,
registre estes momentos incríveis que deixam
claro as diferenças de tamanho e sensação de
proporcionalidade para os futuros espectado-
res de sua fotografia newborn.
6. HÁ DETALHES ÚNICOS NESTA FASE
Os primeiros registros do bebê na maternida-
de também podem render excelentes imagens
para sua fotografia newborn. Quero dizer, o
cartão com seu nome é uma parte de sua his-
tória e diz tudo o que há para saber sobre ele,
como seu currículo.

Muito provavelmente os pais do bebê vão


querer manter isso em seu livro de bebê. Seu
peso, comprimento, data de nascimento, mé-
dico, e como ele gosta de suas bebidas será
escrito na ficha anexada ao berço, outra peça
para a história de seu nascimento. Capture-os
também para compor a sua fotografia ne-
wborn na maternidade.

7. NÃO ESQUEÇA O PAPAI


Por algum motivo a fotografia newborn sem-
pre diz respeito a mamãe e seu bebê, se o
fotógrafo não tiver cuidado pode acabar dei-
xando o pai de lado e isso não é interessante.
A única maneira de evitar isso é dedicar algum
tempo para capturar fotos do pai orgulhoso.

Lembre-se que a mamãe não passou pela gra-


videz sozinha, na maioria das vezes, o pai este-
ve ao seu lado, apoiando-a e lidando com uma
série de fatores ligados a gestação. Até agora
ele tem sido forte e ainda não acabou, então,
seria interessante conectá-lo ao bebê logo ao
nascimento através da fotografia newborn.

Não se surpreenda se ele ficar emocionado


a qualquer momento, pegue a câmera digital
simplesmente e capture estes momentos de
ternura.

8. FUJA DA BAGUNÇA DO QUARTO


Um nascimento é sempre foco de comemora-
ção para qualquer família, isso quer dizer que
o quarto receberá inúmeras visitas, médicos,
familiares e assim por diante. Apesar disto
fazer parte da fotografia newborn em alguns
momentos, seria bom você capturar algumas
fotos mais tranquilas do bebê.

Para tal, aproveite os horários mais calmos da


maternidade, geralmente à tarde, quando o sol
está radiante na sala. O bebê está satisfeito,
feliz, e dormindo, fotografe essa visão.

9. OS IRMÃOS ESTÃO ORGULHOSOS


Se o recém-nascido tem a sorte de ter um
irmão ou uma irmã mais velha, certifique-se
de capturar a sua primeira reação também.
Quando falamos em crianças um pouco maio-
res, eles ouvem a notícia deste novo irmão
por meses, mas algumas vezes não entendem
muito bem o que isso quer dizer, o primeiro
contato, no entanto, vai ajudá-los a compreen-
der tudo. O irmão mais velho também pode
surpreendê-lo com seu olhar terno e sensível.

10. O PARTO É UM MILAGRE


A única coisa que pode ser dito sobre o traba-
lho de parto é que não há duas experiências
exatamente iguais. Para a mãe em trabalho
de parto, o tempo pode ficar parado, já para
outras pessoas ele pode ser muito rápido.

A verdade, no entanto, é que as memórias


são um borrão. A contração, dores, mudanças
no corpo, nervosismo, ansiedade e a própria
anestesia dificultam a recordação completa do
momento para a mamãe.

Cabe ao fotógrafo profissional registrar este


momento completamente, desde que esteja
preparado para isso. Cada gesto, expressão
da mamãe, equipe médica e o nascimento do
bebê pode render uma fotografia newborn de
tirar o fôlego, você só precisa estar atento e
aproveitar cada oportunidade.

Para a maioria das mulheres este é o momen-


to mais importante de sua vida, então, ajude-
-as a documentá-lo e guardar recordações
valiosas desse momento fotografando tudo o
que puder. Não se esqueça de registrar o pon-
to de vista da mamãe na hora do parto, afinal
ela quer preservar as suas próprias memórias.
Posicione-se atrás dos ombros da mamãe,
fotografe o que está acontecendo na sala. A
partir desta perspectiva, você vê a mãe e a
entrega da equipe, também irá capturar o nas-
cimento real.

11. CRIE UMA HISTÓRIA


Todas as fotos desejam contar alguma história,
não será diferente com a fotografia newborn
na maternidade. Transforme cada imagem em
uma parte da história, como uma quebra ca-
beça que ao final transmite todo o sentimento
do momento.

A fotografia newborn na maternidade tem


muitas imagens que podem ser aproveitadas,
para além das fotos do nascimento. Observe
o que está acontecendo ao redor e não se
esqueça de capturar os detalhes que contam
toda a história.

Olhe para a cena, capture toda a sala para


dar um senso do lugar. Em seguida, comece
a se concentrar nos detalhes do quarto e vá
chegando cada vez mais perto. Fazendo isso,
você cria uma história, dá uma sensação de
continuidade, de algo conectado. Abuse disto!

12.COLOQUE AS COISAS EM ORDEM


Se concordarmos que você irá contar uma his-
tória, precisa fazer do jeito certo. As histórias
costumam ter uma direção cronológica para
cada evento, informando a data e horário em
que cada coisa ocorreu.
Por isso, em sua fotografia newborn na mater-
nidade, tenha em mente os seguintes fatores:
• Tire uma foto do relógio quando chegou á
maternidade;
• Grave o horário de inicio do trabalho de
parto;
• Capture uma foto do jornal, certificando-se
de incluir a data;
• Fotografe o carro que a levou para a ma-
ternidade;
• Guarde uma imagem do sinal para o centro
hospitalar / parto; e
• Quando o bebê nascer tire outra foto do
relógio.

13. NÃO VAI PRECISAR DO FLASH (NA MAIORIA DAS


VEZES) !
Em fotografia, o flash é a luz mais feia conhe-
cida pela humanidade, cria sombras distor-
cidas e um efeito demasiadamente artificial,
acredite ninguém vai agradecer por isso! Ten-
te usar a luz disponível ao invés de acionar o
flash de sua câmera na fotografia newborn na
maternidade, pois os olhos do bebê são muito
sensíveis a esta explosão de luz.

Se for dia, abra uma cortina, deixe entrar um


pouco de luz solar na sala. À noite, tente usar
o máximo de luz ambiente possível. Às vezes
você não tem escolha, mas dada a escolha,
desligue o flash!

14. EXISTEM REGRAS!


Como já mencionamos em outro momento
neste artigo, algumas maternidades costumam
ter regras específicas para a fotografia ne-
wborn, então, procure conhecer cada uma de-
las e esclarecê-las para os pais do bebê, assim
eles tomarão conhecimento de suas limitações
e oportunidades naquele ambiente, evitando
problemas futuros.

Seguir as regras também é importante para


que seu trabalho possa ser feito sem interrup-
ções, além de deixar os seus clientes satisfeitos
e proporcionar futuros negócios de fotografia
newborn na maternidade. Se você fizer tudo
certo é bem provável que a própria clinica mé-
dica lhe procure para uma parceria, afinal, não
é interessante ter um fotógrafo diferente em
cada nascimento, não é mesmo?

Antes de partir para uma sessão de fotografia


newborn na maternidade, faça como em qual-
quer outro estilo de fotografia, conheça o local,
as pessoas, os regulamentos e tudo o que for
interessante para o seu trabalho. Assim, você
ficará mais confiante e a vontade para capturar
as fotos de forma eficaz.

Este artigo pretendeu reunir 14 motivos para


tornar a fotografia newborn na maternidade
possível, como você pode ver nenhuma delas
disse que isto será fácil. No entanto, as chances
de capturar fotografias deslumbrantes neste
momento é um dos maiores motivos para você
adotar este estilo fotográfico.

Incorpore estas dicas e você irá capturar todos


os momentos que contam a história da foto-
grafia newborn arrasadora. Um documentário
que capta a beleza e a emoção do nascimento
da criança único de sua experiência, um tesou-
ro a ser valorizado por toda a sua vida.
103-)10 dicas sobre fotografia infantil que
você não sabia
A fotografia infantil às vezes pode ser uma
tarefa desafiadora, uma vez que as crianças
normalmente não gostam de posar para a câ-
mera, especialmente, quando elas estão muito
ocupadas, fazendo algo que gostam. Tudo
acontece muito rápido, tornando extrema-
mente complicado para o fotógrafo capturar o
momento de forma adequada.

Por causa disso, muitos de nós acabamos com


um par de fotografias infantis borradas e fora
de foco. Por conta disto, talvez, você esteja se
perguntando: como posso melhorar minhas
habilidades em fotografia infantil para obter
resultados satisfatórios?

Depois de percorrer toda a internet em busca


de dicas sobre fotografia infantil e tirar fotos
feito um louco de todas as crianças que atra-
vessam o seu caminho, você precisa encontrar
um artigo claro e específico que reúna todas
as dicas para conseguir uma fotografia infantil
deslumbrante.

Mas, antes deve compreender que a foto-


grafia infantil vai muito além do que apenas
pedir às crianças que olhem para a câmera
e deem um sorriso. Um verdadeiro retrato
irá refletir a personalidade, a energia de uma
criança e singularidade que cada uma delas
tem e suas alegrias.

Aqui está o resumo dos fatores mais impor-


tantes na fotografia infantil que você deve
levar sempre em consideração:
• Planejar o processo, conhecer a sua câmera
e obter o equipamento certo
• Conheça as crianças e aprenda a interagir e
se conectar com elas
• Seja criativo, imaginativo e divertido para
tornar tudo mais agradável
• Tenha os adereços para entreter a criança
ou para melhorar o humor para a sessão de
fotos
• Descubra ângulos diferenciados ficando na
altura dos pequenos
• Escolha o local certo, roupas e horários
adequados
• Verifique se os pais da criança estão na
mesma sintonia que você
• Seja paciente e esteja pronto para mudan-
ças de humor
• Tire muitas fotos
• Por fim, use o pós-processamento e reto-
ques nas imagens com cautela
1. PLANEJE O PROCESSO DE SUA FOTOGRAFIA IN-
FANTIL
Mesmo que as coisas podem ficar um pouco
fora de mão na fotografia infantil, tente plane-
jar a sessão de fotos, tanto quanto você puder.
Primeiro você precisa conhecer que tipo de
equipamento será necessário para essa sessão
de fotos em particular.

Se você está planejando filmar em ambien-


tes fechados, mantenha todo o equipamento
necessário com você. A luz dentro da casa ou
do edifício não pode ser tão grande como ao
ar livre e você pode precisar de equipamento
fotográfico extra para fazer as coisas funcio-
narem. Quando estiver usando uma câmera de
apontar e disparar, não é recomendado foto-
grafar com ela dentro de casa, simplesmente
porque essas câmeras produzem muito ruído
em ambientes de pouca luz.
Para ter imagens de qualidade dentro de casa,
você vai precisar de uma boa fonte de luz
para iluminar as crianças e todo o ambiente.
Capturar a fotografia infantil por uma grande
janela ou uma sala bem iluminada pode ajudar
muito. Mas, você também pode contar com o
seu flash, e outros equipamentos de ilumina-
ção profissional se a luz natural estiver longe
de seu alcance.

Já para a fotografia infantil ao ar livre, você deve


conhecer as técnicas básicas de luz. Lembre-se
que capturar imagens de encontro ao sol não
é agradável, especialmente, se você não sabe
como controlar manualmente a câmera.

Quais as configurações da câmera que você deve-


ria usar?
Uma vez que as crianças são rápidas, dinâmi-
cas e espontâneas, é praticamente impossível
comandá-las a fazer o que você deseja. Confi-
gure sua câmera para um ambiente onde você
será capaz de controlar o processo facilmente.
O modo Prioridade de Abertura é extrema-
mente recomendado para fotografia infantil,
uma vez, que você será capaz de jogar com
a profundidade de campo, alterar a abertura
e deixar sua câmera escolher a velocidade do
obturador mais indicada.

Em ambientes de pouca luz, você provavel-


mente terá de definir a sua abertura para o
menor número possível, porém, uma lente
rápida com uma abertura grande, como f / 1.4
ajuda muito a ter uma velocidade de obtura-
dor razoavelmente rápida. Se as imagens fica-
rem mais escuras e a luz começar a esgotar,
aumente a sua configuração ISO um pouco.

Mesmo que as imagens fiquem um pouco gra-


nuladas, você pode capturar uma imagem que
pode valer a pena por toda a sessão de fotos.
Lembre-se, é melhor ter uma imagem nítida
com mais ruído do que uma imagem livre de
ruído, mas embaçada! Se sua câmera tem uma
funcionalidade Auto ISO ative-a. Um pouco de
ruído não é um grande negócio, no entanto,
você pode se livrar dele no Lightroom ou Pho-
toshop, por exemplo.

Quais são as melhores câmeras e lentes para a


fotografia infantil?
Qualquer câmera vai funcionar bem, embora
uma Câmera DSLR com uma lente de abertura
rápida é altamente recomendado. Você não
precisa o topo caro das DSLRs para isso, qual-
quer câmera digital SLR vai trabalhar muito
para a fotografia infantil, afinal, a parte mais
importante é a lente.
Lentes rápidas é uma obrigação, porque elas
trabalham muito bem em ambientes escuros e
fazem um trabalho fantástico ao isolar indiví-
duos e criar uma bela desfocagem do fundo,
também conhecido como “bokeh“.

Existem milhares de opções de lentes para


sua câmera DSLR, o seu orçamento disponível
é que determinará sua aquisição. Entretanto,
lembre-se que este é o ponto fundamental
para tornar a sua fotografia infantil um suces-
so, então, não economize neste aspecto.

Qual equipamento de iluminação devo usar para


fotografar em ambientes fechados com pouca luz?
Excelente pergunta! Se você não tem uma
fonte grande e poderosa de luz para iluminar
o quarto, como uma grande janela, sua única
opção, infelizmente, será a utilização de um
flash fotográfico / iluminação externa. Só não
se esqueça que você não deve usar um flash
embutido para qualquer tipo de retrato. O flash
embutido na câmara cria sombras feias tanto
na face como atrás das crianças, de modo que
você não deve tentar usá-lo.
Para as salas com teto branco e não muito alto,
uma boa maneira de iluminar o quarto é usar
um flash externo montado na parte superior da
câmera, com a cabeça do flash apontada para
cima. O que isto significa, é que conduz a luz
para o teto, dando sombras mais suaves.

Quando usar um flash, defina-o para o modo


“TTL”, configure a sua câmera para o modo “Ma-
nual“, em seguida, ajuste a abertura para algo
entre f / 2.8 e f / 5.6, a velocidade do obturador
a 1/200 a 1/250 de segundo e o ISO para o me-
nor número (ISO 100 ou ISO 200).

No modo “TTL”, a câmera determina auto-


maticamente a potência do flash e dispara a
quantidade certa para expor adequadamente
a imagem. Fazer isso vai deixá-lo livre de pro-
blemas, funciona muito bem e oferece gran-
des resultados.

Para as câmeras DSLRs da Nikon, você deve


olhar para os flashes SB-600 e SB-900, en-
quanto, que para as DSLRs da Canon, verifi-
que os flashes externos 430 EXII e 580 EXII.

2. CONHEÇA AS CRIANÇAS E APRENDA A INTERAGIR


E SE CONECTAR COM ELAS
Quando você tiver tempo, tente conhecer a
criança antes da sessão de fotos. Tente determi-
nar o que a criança gosta, encontrar um terreno
comum, ser seu amigo. Não seja outro adulto
para lhe ditar o que fazer. Atenha-se ao seu nível
de inocência, lúdico e torne a sessão de fotogra-
fia infantil mais agradável para os pequenos, faça
os rir e mostre que podem confiar em você.
Ao contrário do que a maioria dos fotógrafos
pensa, não há absolutamente nenhuma neces-
sidade de pedir que a criança sorria para a câ-
mera. Além de ter imagens maçantes e falsas,
você não vai obter qualquer coisa de extraor-
dinária, pois, a maioria dos álbuns de fotogra-
fia infantil tem uma imagem semelhante.

Deixe a criança brincar e se divertir, ser ela mes-


ma, enquanto você faz o seu trabalho de fotó-
grafo infantil. Peça aos pais para ficar bem atrás
de você, então, quando estiver tudo pronto,
chame a criança você mesmo ou peça aos pais
para fazer isso. Assim que a criança olhar para a
câmera, ajuste o foco instantaneamente o mais
próximo do olho e tire uma foto. Lembre-se,
mesmo sem um sorriso você pode ter algumas
imagens emocionantes, sensíveis e tocantes,
mas, é importante construir um vínculo com a
criança para obter os melhores resultados.
3. SEJA CRIATIVO, IMAGINATIVO E DIVERTIDO
Storyboard: Para capturar realmente a perso-
nalidade da criança, a fotografia infantil deve
estar no seu aspecto mais puro, capturando
a criança enquanto ela está em movimento e
brincando. Com isso, você terá, pelo menos, 3
a 4 grandes imagens com apenas 15 minutos
para criar uma série de imagens em um quadro.
Esta série de imagens cheias de ação conta
uma história maior do que uma única imagem e
também adiciona uma variedade ao seu produ-
to final. Os pais amam estes tipos de tiros!

Tente mostrar o recurso emocional, sensibi-


lidade e espontaneidade em suas imagens.
Deixe a criança se conectar com você. Permita
que a criança toque na parte de trás da sua
câmera e mostre suas imagens no LCD. Os
pequenos possuem uma curiosidade natural,
aproveite isso para deixá-los mais a vontade
com a sessão de fotografia infantil.
4. TENHA OS ADEREÇOS PARA ENTRETER A CRIANÇA
Assim como os adultos, as crianças tendem a
ficar nervosas depois de ver uma sala cheia de
equipamentos ou uma pessoa estranha na fa-
mília. Enquanto nós já sabemos que a ligação
com a criança é essencial, ela também é útil
para ajudá-los a ficar relaxados.

Dê-lhes algo para brincar, uma pessoa pode


ter inúmeras opções para entreter as crianças.
O primeiro passo é consultar os pais e desco-
brir o que seus filhos gostam de fazer, em se-
guida, certifique-se de que é você quem traz o
material para fins de ligação com a criança.

Mantenha alguns brinquedos como bolas,


balões, doces, frutas sempre à mão. Enquanto
você pode perfeitamente utilizar estes ade-
reços em seus retratos, o principal objetivo é
fazer com que a criança fique relaxada e dis-
traia a sua mente durante a sessão de fotogra-
fia infantil.
5. DESCUBRA NOVOS ÂNGULOS E PERSPECTIVAS
Embora seja uma regra comum você descer
até ao nível dos olhos da criança com a sua
câmera, a fim de obter imagens mais fantás-
ticas, você também pode tentar um par de
coisas contra essas regras comuns.

Tire algumas fotos de diversas perspectivas,


capture os brinquedos e objetos da criança,
experimente ângulos variados e, até mesmo,
inusitados. Lembre-se, a criatividade é sua ami-
ga, por isso, trabalhe com ela. Tenha em mente,
que você está criando memórias para os próxi-
mos anos, em decorrência disto, a sensibilida-
de é uma grande parte da fotografia infantil e
precisa estar evidente em suas imagens.

6. ESCOLHA O LOCAL CERTO, ROUPAS E HORÁRIO


Local – A localização é muito importante para
criar grandes imagens e você já deve ter lido
isso em outro momento, mas, na fotografia
infantil é especialmente verdade. Alguns pais
deixam o fotógrafo escolher o local, outros
querem fazer parte desta escolha.
De qualquer forma, apenas certifique-se de
escolher a área com antecedência, não des-
perdice a oportunidade de viajar, se tiver
tempo e meios para isso. Dessa forma, você
vai conhecer melhor a região, identificar os
melhores pontos para a sua fotografia infantil
e, por fim, planejar melhor a fotografia infantil.

Planos de fundo – Ao tirar fotos, certifique-se


de que não há distrações no fundo. Idealmen-
te, a criança deve ser isolada do plano fundo,
que deve aparecer agradavelmente macio e
borrado. Preste atenção aos objetos ásperos
e cores feias, tanto no fundo quanto nos arre-
dores do cenário para a fotografia infantil ser
mais eficaz.

Roupas – Eu aconselho a vestir a criança com


algo que realmente combina com a sua perso-
nalidade. É o seu trabalho ser criativo e tentar
coisas diferentes para ver se uma abordagem
funciona melhor do que outra, então, diga aos
pais para trazer roupas adicionais e outros
itens, como chapéus, óculos de sol, etc. para
fazer experimentos durante a sessão de foto-
grafia infantil. Se você acreditar que a roupa
não é muito atraente ou apropriada para o
ambiente, converse com os pais e peça-lhes,
gentilmente, para mudar a roupa, se for o
caso, atribua algumas sugestões baseadas em
sua experiência como fotógrafo infantil.

Horário – O horário é outro grande fator para


imagens bem-sucedidas. Para evitar sombras
e vários problemas de exposição, tente foto-
grafar no início da manhã ou final da tarde.
Dias nublados contribuem para um grande
trabalho também, porque as nuvens ajudam a
suavizar a luz.

7. VERIFIQUE SE OS PAIS DA CRIANÇA ESTÃO NO


MESMO BARCO COM VOCÊ
Não presuma que os pais da criança com-
preendem e compartilham com as suas táticas
e com a forma como você está tratando os
seus filhos. Tire um tempo para explicar seus
planos e sua abordagem para eles. Uma vez
que eles estão confortáveis e confiantes com
o seu estilo e ideia, podem ajudá-lo muito du-
rante todo o tempo de fotografia infantil.

Algumas crianças tendem a responder melhor


ao fotógrafo se notarem que seus pais simpa-
tizam com o profissional, ou seja, conquiste
aos pais primeiramente para a simpatia da
criança vir na sequência. Além disso, os pais
podem atuar como intermediadores entre
você e o pequeno, ajudando-os a interagir um
com o outro e deixando tudo mais natural.
Outro ponto que você não pode negar é que
os pais conhecem o seu próprio filho melhor
do que ninguém, a dica deles pode ser indis-
pensável na hora de compor uma fotografia
infantil de sucesso sem muito trabalho.

8. SEJA PACIENTE E ESTEJA PRONTO PARA MUDAN-


ÇAS DE HUMOR
Ser um fotógrafo infantil não é uma tarefa
fácil. As crianças são muito imprevisíveis, você
não consegue sequer prever o comportamen-
to dos seus filhos, se os tem, o que dirá de
uma criança que acabou de conhecer.

Seja paciente, dê-lhes algum tempo para se


acostumar com você e sua presença. Tran-
quilizar os pais e a criança principalmente irá
tornar os seus investimentos em fotografia
infantil mais fáceis e se você estiver pacien-
te as coisas tendem a fluir melhor. Uma coisa
especial em relação as crianças é que elas
são muito sensíveis, com isso, podem notar o
mínimo de estresse em seu comportamento e
ficarem desconfortáveis por conta disto.

As crianças podem ficar muito temperamen-


tais durante a sessão de fotografia infantil
se elas estão cansadas ou entediadas. Uma
vez ou outra vão querer se levantar e ter sua
atenção aprisionada, mesmo que temporaria-
mente, por alguma coisa mais alegre em outro
cômodo da casa.

Quando você perceber que está perdendo a


atenção da criança, tente mudar a sua aborda-
gem e atraí-lo de novo para a sessão de foto-
grafia infantil. Alguns subornos do bem ajudam,
mas, veja com os pais se permitem usar eles.
Em último caso, se não conseguir capturar to-
das as imagens que precisa, marque uma ses-
são em outro dia, ou então, para mais tarde.

9. TIRE MUITAS FOTOS


Sim, tirar muitas fotos é extremamente impor-
tante na fotografia infantil. Não basta sentar lá
e esperar o melhor momento para pressionar
o obturador da câmera, porque ele pode nun-
ca aparecer. Tire muitas fotos, mude ângulos e
capture ainda mais imagens, aproxime-se, afas-
te-se e continue disparando! Muito provavelmen-
te, você terá uma abundância de imagens para
selecionar a melhor delas a fim de fazer parte do
resultado final de sua fotografia infantil.

Ah, e quando a criança estiver colaborando


aproveite este momento para conseguir o
máximo de fotos possíveis, afinal, você nunca
sabe quando o humor dela mudará e a sessão
de fotografia infantil chegará ao fim.

10. PÓS-PROCESSAMENTO E RETOQUE DE IMAGEM


Geralmente, recomendamos que não faça
muito pós-processamento em suas imagens,
principalmente, quando o seu trabalho render
fotos bem compostas, que raramente preci-
sam ser processadas.
A melhor parte da fotografia infantil é que as
crianças não têm manchas ou imperfeições
em qualquer parte, o que ajuda a descartar a
edição de suas fotos, por isso, tente manter a
imagem o mais natural possível.

Não há nada de errado em adicionar alguns


retoques em sua fotografia infantil, mas, não
fazê-lo pode poupar algumas horas de traba-
lho e, ao mesmo, o excesso de processamen-
to será capaz de mudar a personalidade da
criança e você não quer isso, estou certo?

Você pode precisar cortar a imagem, corrigir o


ângulo e adicionar um pouco de vinhetas para
destacar o tema no centro, neste caso, fique a
vontade para editar as imagens. Mas, se puder
deixar a fotografia infantil intacta é melhor!

É evidente, que em decorrência da impaciên-


cia das crianças será complicado ajustar a
sua câmera adequadamente, algumas vezes,
a configuração pode ser corrigida no pós-
-processamento. No entanto, quando puder
conseguir a melhor composição na captura da
imagem, o faça!

As dicas acima ajudam você a criar uma exce-


lente fotografia infantil, como o protagonista
da foto pode ser muito volátil, a última reco-
mendação é tornar tudo o melhor possível
para o seu astro.
Capítulo 12
Dicas de Técnicas Fotográficas

104-)Como congelar a imagem


104-) Como Congelar a Imagem
Sabe aquelas fotos de jogadores de futebol
pulando pra cabecear, bem nítidas? E aquele
ciclista passando na maior velocidade? Aquele
passar voando com a asa aberta que parecia
estar parado no ar?

Todas essas fotos só foram possíveis por que


foram tiradas com a velocidade do obturador
alta o que dá a aparência de congelamento de
uma imagem. Caso a velocidade tivesse sido
baixa as fotografias teriam saído borradas.

Sendo assim, e o seu objetivo for congelar o


movimento das coisas (como um jato de água,
por exemplo), você quer prestar muita aten-
ção na VELOCIDADE DO OBTURADOR.

Bom, agora veja abaixo uma definição que é


quase senso comum em relação as configura-
ções da sua câmera que indicam que ela esta
operando em modo de alta velocidade do ob-
turador ou baixa velocidade do obturador.

O princípio aqui é super básico: quanto maior


a velocidade do obturador, mais estáticos os
objetos da sua foto ficarão. Logo, quanto me-
nor a velocidade, mais borrados os mesmos
objetos sairão nas fotos.

De novo, para saber como alterar a velocidade


do obturador da sua câmera, consulte o ma-
nual, esta é uma configuração bem simples de
se fazer e o manual explica direitinho como
fazer no seu modelo de câmera:

Velocidade do Obturador entre 1/6 e 1/50 = Veloci-


dade Lenta
• Chance considerável de fotos borradas ou
tremidas quando a pessoa, animal ou obje-
to estiver em movimento.
• Pode ser uma boa faixa de velocidades
para fotos artísticas, tipo cachoeiras com
efeito de véu, faróis de carros à noite, e etc.
• Sugiro uso do tripé ou apoiar a câmera em
algum lugar. Principalmente nas velocida-
des próximas a 1/6, fotografar segurando a
câmera com as mãos pode ser desafiador,
qualquer movimento na câmera afeta a
nitidez da foto!

De 1/60 a 1/125 = Velocidade Média


• As fotos costumam ser mais nítidas, mes-
mo sem uso de tripé, mas dificilmente vão
congelar movimentos mais rápidos.
• Faixa bacana para fotos de pessoas e ani-
mais; tem grande chance de ficarem níti-
das (desde que não estejam se movimen-
tando muito)

De 1/200 a 1/800 = Rápida


• Velocidades legais para congelar objetos/
pessoas/animais que estejam se movimen-
tando rapidamente.
• Bacana para congelar água corrente, carros
em movimento, esportes e etc.
• De 1/1000 em diante = Super rápida
• Grande chance de fotos bem nítidas e com
movimentos congelados.

Para começar a praticar, os modos semi ma-


nuais (como o modo TV nas câmeras Canon)
podem ser uma boa quando. Você só escolhe
a velocidade do obturador e a câmera calcula
os outros pilares por você. É uma forma legal
de treinar e fixar bem a ideia :)
105-) Como Evitar Fotografias Tremidas
Para fazer fotografias ao entardecer ou mes-
mo a noite, não basta simplesmente pegar a
sua câmera na mão e fazer a fotografia. Este
procedimento não é correto e mesmo que a
imagem fique legal no visor da câmera quan-
do você for olhar em uma tela maior, como a
do computador ou quando for imprimir, você
perceberá que ela vai estar tremida e com
poucos detalhes.

Por que as fotografias ficam tremidas? A


explicação é bem simples, todas as câmeras
tem um obturador, uma pequena “cortina” que
sobe toda vez que você tira uma fotografia,
dessa forma o sensor consegue “ver” a ima-
gem e registrar no cartão de memória o que
ele “viu”. Dependendo da sua câmera, o obtu-
rador pode abrir com mais ou menos veloci-
dade, quando existe muita luz, como num dia
de muito sol, a velocidade do obturador é alta,
fazendo com que a fotografia não fique tremi-
da devido ao tempo de abertura que nesses
casos leva centésimos de segundos.
Caso a luz não seja suficiente a velocidade do
obturador irá baixar podendo passar para dé-
cimos de segundos ou mesmo alguns segun-
dos, dependendo da situação, e assim deixar
entrar mais luz. Quando o obturador demora
mais pra fechar o sensor fica mais sensível e
qualquer micro movimento da câmera pro-
voca o tremido tão detestável na imagem. A
forma de contornar este problema é apenas
uma e todos os profissionais e a maioria dos
amadores mais experientes sabem qual é: O
uso de um Tripé ou de iluminação artificial
(refletores, flashs embutidos, flashs externos,
etc.) quando for possível.

Se você for fotografar elementos estáticos


como um prédio, uma estátua, uma paisagem,
um ponto turístico, uma casa, etc. o uso de um
tripé resolverá esse problema e por mais lon-
ga que a exposição(velocidade do obturador)
seja, isso fará com que ela não fique tremida e
apresente um bom nível de detalhes, além dis-
so, você poderá usar ISO´s mais baixos, o que
produzirá imagens com pouquíssimo ruído e
com muito mais qualidade. Existem hoje em
dia muitos modelos de tripé(ver no Mercado-
livre.com.br) que se adequam a todo tipo de
câmera, mesmo para smartphones existem tri-
pés de tamanho reduzido e mais leves e você
ficaria impressionado com a melhoria da qua-
lidade das fotos tiradas com celular utilizando
tripé, faz toda a diferença.

Se você for fotografar pessoas à noite ou em


algum ambiente mais escuro, como festas, re-
uniões noturnas, etc. o mais correto será você
utilizar um flash ou alguma iluminação artificial
que seja suficiente, dessa forma, a velocidade
do obturador não baixa e as fotografias não
saem tremidas e as pessoas ficam iluminadas.

Outros motivos que também influenciam a


nitidez da fotografia é a velocidade com que o
motivo, pessoa, etc. se movem e o tipo de len-
te que você usa, todos esses fatores influen-
ciam a qualidade final de uma fotografia e a
prática faz com que você consiga harmonizar
essas técnicas.
106-) Como Fotografar a Lua, as Estrelas
e Fogos de Artifícios
Essa dica é ótima para réveillons e festas em
geral, muita gente deixa de fazer fotos sensa-
cionais simplesmente por que não configuram
de forma correta a sua câmera para realizar
essas fotos.

Já observei muitas pessoas em festas e outras


ocasiões que, no momento dos fogos de arti-
ficio, pegam suas câmeras e começam a foto-
grafar, inclusive usando o flash da câmera, o
que não gera fotos com o resultado esperado.

Obviamente que os fogos não serão captados


e a fotografia irá sair quase preta. Para fazer
boas fotografias de fogos de artificio é neces-
sário uma longa exposição e sobretudo um tri-
pé, mesmo que pequeno, para que durante a
captura da foto a câmera se mantenha imóvel
e estas fotos não saiam tremidas. Não use len-
tes com aberturas grandes, deve-se usar len-
tes com aberturas médias ou pequenas, como
a velha conhecida lente padrão 18-55mm.
Para fotografar a lua é necessário possuir uma
lente tele-objetiva de 200mm ou 400mm ou
mesmo mais. Estas fotos também podem ser
feitas com uma câmera bridge ou superzoom,
já abordadas nas dicas anteriores, essas câ-
meras normalmente possuem zoom máximo
variando entre 20x e 36x o que é o bastante
para tirar fotos da lua. Neste caso, basta pegar
a câmera e fotografar normalmente, apontan-
do pra Lua, muitas vezes nem é necessário um
tripé, já que a iluminação da lua é bastante
semelhante a de um objeto iluminado pelo sol,
por isso o tempo de exposição\velocidade do
obturador pode ficar em 1/250 ou mais, princi-
palmente quando é lua cheia com o céu livre.
Para Fotografar um céu estrelado de forma
simples é apenas necessário que você esteja
em um local escuro, sem qualquer iluminação
à volta, um tripé e configurar a sua câmera
para longa exposição\velocidade do obtura-
dor, pode ser 5 segundos pra cima e sua câ-
mera voltada para o céu, é claro. Assim você
consegue captar bem a luz das estrelas.

Fotografias de corpos celestes e outras re-


giões do céu requerem a utilização de um
telescópio e de conhecimentos mais avança-
dos em muitas áreas da fotografia, mas não é
impossível, caso seja esse o nicho que te atrai.
A fotografia noturna não é uma área fácil e re-
quer bastante prática, o que gera experiência
e bastante persistência e paciencia, pois não é
comum acertar o jeito nas primeiras fotos!
107-)5 dicas para fazer boas fotos de nas-
cer e pôr do sol
Fotos de pôr do sol (e também de nascer do
sol) são muito famosas nas redes sociais. Espe-
cialmente no Instagram, o número desse tipo
de foto é imenso.

As dicas a seguir se aplicam especialmente


para quem usa câmera fotográfica no manual,
mas alguns macetes também podem ser feitos
com celular.

1.Coloque o sol no fundo


Esta dica é a mais óbvia. O pôr do sol cria belos
fundos, mas raramente será um belo assunto
principal. fazem grandes assuntos. O jogo de
luz e sombra de objetos em primeiro plano,
devido a grande quantidade de luz direcional
emitida quando o sol está mais baixo no céu,
ajuda a criar interesse na foto.

A melhor maneira de fazer isso é encontrar


algo de interesse na frente de você. Use uma
lente grande angular, como o 16-35mm ou algo
parecido e coloque o seu primeiro plano em
alguns metros na sua frente. Defina a sua aber-
tura em f/11 ou menor, e se concentre em seu
objeto de primeiro plano para garantir que ele
fique focado.

Um aspecto a ter em mente é que a exposição


no seu assunto de primeiro plano e a exposi-
ção fundo são provavelmente muito diferentes.
Você tem algumas opções aqui. A primeira
seria para expor para o primeiro plano, depos
para o fundo, e em seguida misturar as duas
fotos em um programa de edição.

Outra opção é a utilização de um filtro de den-


sidade neutra graduado para tentar escurecer
o céu brilhante no fundo, de modo que fique
equilibrado com o objeto de primeiro plano. A
última e mais fácil opção, é criar uma silhueta
dos objetos em primeiro plano, enquanto ex-
põe corretamente o céu colorido e sol no fun-
do. Isso funciona melhor com um objeto singu-
lar que tenha uma forma distinta, tal como uma
ponte, uma árvore, um edifício ou uma pessoa
em uma pose.
2.Fotografe com o sol ao seu lado
Neste caso, o próprio sol não estará em sua
cena. A magia do pôr do sol ou nascer do sol
é a luz morna direcional que esses momentos
criam. Rochas, troncos, árvores, gramas, ondu-
lações ou padrões no chão e outros detalhes
vão criar, graças a esse momento da luz solar,
sombras e texturas interessantes e destaques
que atraem os olhos do espectador na cena.
Neste caso, muitas vezes é melhor colocar o sol
do seu lado, de modo que deixe as sombras e
destaques num movimento de um lado para o
outro, um tipo de degrade da sombra.

3.Mantenha o sol nas suas costas


Ao amanhecer ou no pôr do sol, a luz suave
e quente também é intensa por trás de você.
Isso ajudará a criar uma luz frontal suave em
sua cena, iluminando todos os detalhes. Esta é
provavelmente a exposição mais fácil das três
situações porque a luz parecerá mais homogê-
nea, sem postos fortes de destaque (como o
próprio sol na dica 1). É provável que você ob-
tenha cores pastel mornas se existem nuvens
ou neblina no céu para refletir a luz do sol.
Tenha cuidado ao compor sua imagem, como o
sol está atrás de você ele vai lançar uma som-
bra longa, e você pode acabar com a sombra,
que pode não ficar legal na foto. Para minimizar
isso, tente agachar-se e colocar o seu tripé tão
baixo quanto possível para ajudar a encurtar a
sombra. Além disso, caso faça exposições mais
longas em câmera DSLR com visor ópticos, o
sol pode entrar na câmera da parte traseira,
afetando a sua exposição. Tome cuidado para
cobrir seu visor nestes casos.
4.Chegue cedo, fique até mais tarde
Você vai querer chegar cedo para ver o nascer
do sol. A cor no céu pode começar meia hora
ou mais antes que o sol realmente apareça.
Nesse meio tempo, você pode capturar nuvens
mostrando traços sutis de rosa e roxo antes do
vermelho, laranja e amarelo aparecem quando
o sol surge no horizonte. Você vai querer ter
sua câmera configurada e pronta quando isso
acontecer, o que significa estar lá antes.

O mesmo se aplica ao pôr do sol, mas em


sentido inverso. De um modo geral, as cores
vão continuar a mudar durante cerca de 30
minutos após o sol se pôr. Muitos fotógrafos
vão embora antes que isso aconteça. A paciên-
cia irá recompensá-lo com mudanças de cores
mais sutis, tais como vermelhos para roxos e
azuis, em vez dos amarelos vibrantes e laranjas
durante as fases iniciais do pôr do sol.
5.Fotografe em RAW
Essa é especialmente para quem fotografa em
câmera, apesar de que já existem smartphones
que fotografam em RAW. O pôr do sol ou nas-
cer do sol criam cores dramáticas e um jogo
fantástico entre luz e sombra. Por isso, pode
ser difícil tentar capturar os detalhes nas som-
bras ou destaques, dependendo da maneira
que você fizer sua exposição.

Um arquivo RAW contém muito mais informa-


ção do que um JPEG, o que lhe permitirá tra-
zer para a imagem mais detalhes na sombra e
destacar as áreas que podem ser perdidas com
disparo em arquivos JPEG. Além disso, fotogra-
far arquivos RAW permite ajustar seu balanço
de branco no processamento para ter um me-
lhor controle sobre o tom geral da imagem.
108-) Colorido ou P&B? 4 dicas para deci-
dir melhor sobre sua fotografia
Essa é uma dúvida cruel. A foto ficou fantás-
tica colorida, mas também fica fantástica em
preto e branco. E agora? Há muitas opiniões
diferentes quando se trata de fotografia em
preto e branco. Alguns fotógrafos inclusive
amam fotografar apenas dessa forma mono-
cromática. Por outro lado, outros preferem
apenas colorido.

1.A cor tem um grande impacto sobre a imagem?


Isto pode parecer um julgamento fácil de
fazer, mas nem sempre é tão simples. A cor
pode adicionar ou prejudicar o interesse por
uma fotografia de forma inconstante. Pergun-
te a si mesmo: “Essa imagem depender exclu-
sivamente da cor ou existem outros aspectos
interessantes que podem ser enfatizados?”.

Às vezes, as cores de uma imagem não estão


dizendo tantas coisas quanto se você omitir
essa informação da foto, valorizando as for-
mas, linhas e outros detalhes da composição.
Nesta imagem das girafas, a original com co-
res era uma imagem comum, com nada muito
importante acontecendo. Tirando as cores e
trabalhando mais no contraste foi possível
trazer a tona um sentimento de carinho entre
os animais.

2.Existe luz ou contraste interessante?


Este é o lugar onde novos fotógrafos tendem a
encontrar um pouco de dificuldade, porque ver
uma boa luz ou contraste geralmente requer um
pouco de pré-visualização. Mas não se preocupe.
Treine “olhar em preto e branco” com sua imagi-
nação a cena que você está vendo, o objeto, etc.
É um exercício fácil e divertido.
Quando você remove a cor da equação foto-
gráfica, você é deixado apenas com diferenças
de tom; luzes e obscuridades. Então, quan-
do você vê que uma determinada cena ou o
assunto apresenta a oportunidade de explorar
contrastes e iluminação ou sombra, pode ser
uma grande oportunidade para tentar preto e
branco. Isso ajuda até mesmo a fazer melho-
res fotos coloridas. O grande Ansel Adam já
dizia que poderia transmitir um maior senso
de cores com imagens em preto e branco bem
executadas usando apenas luz, sombra e suti-
lezas na textura.

3.Existem texturas interessantes?


Quando pensamos em textura, podemos facil-
mente descrever em termos de como as coi-
sas que se sentir fisicamente, do tato. Textura
na fotografia, no entanto, pode ser um pouco
mais difícil de colocar em palavras. Textura
em uma fotografia tem de ser percebida com
os nossos olhos e, em seguida, determinar se
é lisa, áspera ou grosseira. Transformar o tátil
tangível em uma imagem visualmente tangível
requer prática e olho treinado.
É aí que trabalhar em preto e branco pode ser
a melhor escolha. Exemplos de texturas que
funcionam bem para fotos em preto e branco
são madeira, metais e pedras, plantas e até
mesmo a pele humana. Iluminação direcional
(luz que venha de lado, diagonal, de uma fon-
te só) ajuda a enfatizar as texturas.

4.Qual é o humor que você pretende criar?


Sabe aquele momento em que você olha para
uma foto e é imediatamente surpreendido
pela emoção que ela passa? Isso é muitas
vezes referido como o “estado de espírito” de
uma foto. Poderia ser uma cena de rua som-
bria e chuvosa, ou uma imagem de um por do
sol morno e acolhedor. Em qualquer caso, usar
preto e branco é uma boa maneira de transmi-
tir uma sensação de humor em sua fotografia.

Ok, preto e branco normalmente transmite


algo escuro, desolado, sombrio ou um tom
etéreo a uma fotografia. Mas isso não significa
que ele não funcione bem para imagens mais
otimistas. Converta algumas de suas fotos de
paisagens para preto e branco e veja como
clima pode mudar. Retratos em preto e branco
podem capturar uma parte mais pensativa da
pessoa.
109-)Como fotografar reflexos em poças
d’água
Todos sabem que fotógrafos sempre buscam
apresentar o inusitado, e muitos deles tentam
capturar impressionantes fotografias de refle-
xos na água. Alguns, porém, podem achar o
processo um pouco complicado.

Poças são incrivelmente úteis para reflexos,


embora muitas vezes elas sejam esquecidas.
E podem ser encontradas em muitos lugares
diferentes, proporcionando uma grande varie-
dade de opções para as composições.

O truque para capturar fotos incríveis de re-


flexão usando poças, é se abaixar bastante.
A câmera tem que chegar o mais perto da
superfície da poça possível. Isso fará com que
uma poça, mesmo que seja pequena, pareça
maior em sua imagem final. A professora reco-
menda colocar a mão ou um dedo embaixo da
câmera para firmá-la e mantê-la fora do con-
tato direto com a água.

Esta técnica funciona em uma DSLR, mas para


esse tipo de fotografia é mais fácil usar uma
compacta, por ser muito mais prático se incli-
nar e segurar a câmera.
Para essas fotografias as poças não preci-
sam ser muito grandes, mas o ideal é que
elas tenham no mínimo 30 centímetros de
comprimento e largura. Poças que se formam
naturalmente em estradas proporcionam um
melhor reflexo do objeto que as poças que
são cercadas por um meio-fio, por exemplo.
Você também pode pensar além das poças
tradicionais e tentar a mesma técnica em vá-
rias outras superfícies que se tornam reflexivas
quando molhadas.
110-)10 técnicas para melhorar seus re-
tratos
Quando você já está acostumado a fotografar
em tempo integral, fica bastante fácil cair na
mesmice quando o assunto é retratos. Parece
que todas as possibilidades já foram esgo-
tadas mesmo com novas poses, cenários e
composições, certo? Para ajudá-lo a manter as
ideias frescas, compartilho aqui as técnicas do
fotógrafo de casamentos Wayne Yuan.

1. Use lentes maiores


Muitos fotógrafos dizem que a lente de 50mm
é essencial para a fotografia de retrato, mas
uma objetiva normal oferece uma perspectiva
muito familiar, que estamos acostumados a
ver o tempo todo. Uma alternativa para fugir
do comum é usar lentes de 85 a 200mm, o
que reduz a área de corte da imagem, elimi-
nando elementos desnecessários, algo que
uma “cinquentinha” não seria capaz de fazer.

Usar lentes maiores em uma distância focal


maior também irá criar um fundo desfocado e
mais próximo do seu assunto.
2. Encontre ângulos que não estejam ao nível dos
olhos
Muitas vezes ficamos presos e vemos só o que
está bem à nossa frente. Desafie-se a encon-
trar um ângulo diferente acima ou abaixo do
nível dos olhos para trazer uma nova perspec-
tiva para a imagem. Fazendo isso, você valo-
riza a beleza de diferentes tipos de corpos e
alturas. Na foto abaixo, foi pedido que a noiva
sentasse no chão para dar enfoque em seu
rosto e enfeite de cabelo, enquanto o resto do
corpo ficou desfocado. Essa técnica resulta
em uma fotografia pré-nupcial um pouco mais
interessante e menos típica.

3. Use um flash externo


Use o flash externo para iluminar o assunto e
o que está em volta. Com isso, podemos criar
uma maior gama de luzes, realçando os deta-
lhes da imagem.

4. Potencialize o sol usando o flash


Fotografar ao meio-dia não é uma tarefa fácil
usando a luz natural, mas, com algumas luzes
artificiais (como um par de flashes dedicados),
pode-se diminuir a força do Sol e escurecer
a imagem para uma melhor exposição. Para
criar essa quantidade de luz artificial, temos
que usar de dois a quatro flashes sem difusor,
a fim de gerar luz suficiente para complemen-
tar a claridade necessária para fazer a foto.
Geralmente é necessário um flash que tenha a
função de sincronismo a alta velocidade.
5. Encontre a luz de fundo
É preciso tempo e prática para encontrar a luz
perfeita. Uma vez que você aprender a “en-
contrar a luz” em qualquer situação, isso vai
ajudá-lo a fazer retratos incríveis. A iluminação
é, afinal, a essência das imagens fotográficas.
Se você usar o Sol, uma janela ou uma lâmpa-
da comum por trás do seu assunto, elas po-
dem criar um contorno muito bonito.

6. Procure por silhuetas e reflexos


Olhar para superfícies que refletem ou visuali-
zar oportunidades para gerar silhuetas irá me-
lhorar muito suas imagens, tanto visualmente
quanto em profundidade. Para silhuetas, o
truque é encontrar uma fonte de luz forte e
posicionar o assunto à frente. Para os refle-
xos, tente ser criativo com os diferentes tipos
de superfícies. Às vezes, os melhores reflexos
estão em lugares inesperados como pisos,
vidros, poças e paredes.
7. Fotografe através de objetos
Tire proveito dos objetos e use-os para encon-
trar elementos para colocar no primeiro pla-
no da imagem. Aprenda a encontrar buracos
entre galhos de árvores, objetos abstratos ou
mesmo itens domésticos comuns. São coi-
sas simples que ajudarão a melhorar as suas
imagens, trazendo um algo a mais para a sua
composição.
8. Utilize o Sol como fonte de luz
É comum para fotógrafos amadores evitar o
Sol e correr para a sombra aberta para conse-
guir uma exposição melhor e mais fácil. Nós
falamos acima sobre utilizar o flash para foto-
grafar na luz solar dura, mas também pode ser
usado como um foco de luz direta sobre o as-
sunto. Ao expor áreas diretamente em contato
com o Sol, o fundo e as sombras escurecem
de forma dramática.

9. Use luz de vídeo (LED) para fotografia noturna


LEDs são muito úteis quando nenhuma fonte
de luz está disponível para iluminar seu assun-
to em situações escuras. A melhor coisa sobre
esse tipo de iluminação é que elas são fonte
de luz contínua e você pode ver na câmera
uma imagem semelhante a que você está ven-
do com os seus olhos.

10. Use gelatina no seu flash


Adicionar gelatina CTO (laranjas) ou CTB
(azuis) nos seus Speedlights vai mudar o clima
da sua imagem. Às vezes, fotografando em
um ambiente que está nublado e muito azul,
usar uma gelatina CTO vai aquecer todo o
ambiente se você ajustar o balanço de branco
corretamente. O mesmo acontece quando a
iluminação está muito amarelada. Essas gelati-
nas também pode ser utilizadas para simular a
luz solar.
111-) Como Fazer Fotos Com o Fundo Des-
focado
Sabe aquelas fotografias em que a pessoa,
cachorrinho, gatinho, ou qualquer outra coisa
aparece nítido na frente e o fundo fica todo
desfocando, dando um efeito muito bonito
nas fotos? Este efeito é muito admirado e
muito pessoas acham que a foto fica com um
ar “mais profissional” desse jeito. Esse efeito é
um dos que a gente consegue exclusivamente
no momento da fotografia, desfocar o fundo
da foto na edição não funciona, o efeito fica
muito pouco natural.

Para conseguir uma fotografia com o fundo


desfocado você precisa estar atento a alguns
aspectos:
- Distância focal: Quanto maior a distancia fo-
cal (zoom), maior será o desfoque do fundo,
portanto se você estiver usando uma lente 18-
55mm faça a foto em 55mm, se estiver usando
uma lente 17-70mm, faça a foto em 70mm. Re-
sumindo, utilize todo o zoom da sua lente para
fazer a foto, chegue você para frente ou pra
trás para enquadrar a pessoa, ou outro tema
que você for fotografar.

- Distância entre o assunto e a lente: Quanto


mais você se aproxima do que quer fotografar,
mais próximo é o foco, mais próximo da lente
e dessa forma mais desfocado ficará o fundo,
portanto, aproxime-se o máximo possível do
que você deseja fotografar.

- Abertura do diafragma: Atenção a esse aspec-


to, a abertura é a grande responsável pela pro-
fundidade de campo e é isso que faz com que
o fundo das fotos fique desfocado. Como a
profundidade do foco é menor, menos coisas
ficam focadas na imagem. Use a maior aber-
tura que a sua lente permitir para conseguir o
máximo de desfoque possível. Uma abertura
f/1.8 vai desfocar muito mais o fundo do que
uma abertura f/5.6. Procure no manual da sua
câmera como selecionar o modo “Prioridade
de Abertura” e como alterar. Aqui vale a se-
guinte regra, quanto menor o número mostra-
do no visor, maior a abertura.

- Distância estre o tema e o fundo: Procure posi-


cionar a pessoa ou se posicionar de forma que
o tema a ser fotografado fique o mais distante
possível do fundo, dessa forma, quanto mais
distante o fundo estiver do ponto que você
quer fotografar, mais o fundo ficará desfocado.

Estes aspectos as vezes não acontecem todos


ao mesmo tempo mas se você conseguir apli-
car parte deles ao capturar a sua fotografia
você provavelmente vai conseguir os resulta-
dos que você deseja, que é a pessoa nítida e o
fundo totalmente desfocado.
Agora vai lá e pratica!
112-)6 dicas para fotografar alimentos
congelados
A fotografia de objetos (publicitária ou still)
engloba muitos temas de fotografia, dentre
eles a de alimentos. E, dentro da própria foto-
grafia de alimentos, podemos considerar algu-
mas subdivisões e peculiaridades. Uma delas,
talvez a mais complicada, é capturar alimentos
congelados. E hoje em dia estão em alta as
paletas mexicanas, ou seja, mais trabalho para
fotógrafos de alimentos.

Segue abaixo um passo-a-passo, explicando a


melhor forma de fotografar picolés, sorvetes,
entre outros. Confira:

1. Derretimento
Alimentos congelados são um pouco mais di-
fíceis de fotografar, justamente pela sua con-
dição física. Os picolés geralmente demoram
mais para derreter do que o sorvete. Picolés
de fruta (base de água) são os que demoram
mais para derreter. Já os picolés a base de
leite derretem mais rápido.
2. Preparando a cena antes
Então antes de tirar o picolé do congelador,
é preciso planejar a cena a ser fotografada,
testar a luz e já prever onde o picolé entrará
em cena. Depois de tudo testado e já confe-
rido, é que se leva o picolé p/ cena. Em geral,
para alimentos, uma iluminação contra-luz é
mais interessante, pois ressalta os relevos dos
alimentos – combinado com iluminação frontal
de preenchimento.

3. Casting: é preciso ser rápido!


Escolher os picolés que tiverem o melhor
formato, e sem cristais de gelo por cima. Caso
o picolé apareça esbranquiçado na foto, po-
de-se borrifar água nele (mas cuidado, pois a
água depois cristaliza e volta a ficar esbran-
quiçado). Pode-se pegar uma faca lisa ou
espátula para raspar os cristais de gelo (cui-
dando para não marcar o picolé).
4. Hora do clique principal
Já com a câmera fixa no tripé (visão aérea),
traga os picolés escolhidos para a cena, e você
terá pouco tempo antes que comecem a der-
reter, em geral se tem até 3 minutos. Posiciona-
dos os picolés, faz-se a primeira foto superior.

5. Cliques secundários devem ser rápidos


Após garantida e conferida a foto principal, eu
retiro a câmera do tripé e faço algumas fotos
de ângulo mais baixo, com vários enquadra-
mentos (horizontal, vertical, inclinada, plano
geral, close), rodeando a cena. Em geral, eu
faço em média 30 fotos em outros ângulos.
Isso tudo sendo muito rápido.

6. Pós-produção
O tratamento das fotos geralmente não é
muito complicado. Exceto fotos still em fundo
branco, essas por serem fotografadas em clo-
se, exigem um tratamento mais minucioso.
113-)6 dicas para os amantes de P&B
Graças à tecnologia, a fotografia monocro-
mática é mais fácil hoje do que nunca. Confira
seis dicas para obter melhores resultados nas
fotografias em preto e branco.

1. Fotografe em RAW+JPEG
As melhores conversões monocromáticas são
feitas editando arquivos brutos que têm uma
informação completa de cor, mas se você
fotografar em RAW e JPEG simultaneamente
e definir a câmara para o estilo monocromáti-
co Imagem / Modo de imagem de Controle /
Simulação de filme você começa uma simula-
ção de como a imagem vai parecer em preto
e branco. Como muitos fotógrafos lutam para
visualizar uma cena em preto e branco, estes
modos monocromáticos são uma ferramenta
valiosa que vai ajudar com a composição e
avaliação de cena.

Hoje em dia muitas câmeras também são capa-


zes de produzir imagens monocromáticas de-
centes. Experimente os parâmetros da imagem
(contraste, nitidez, efeitos de filtro e tonifica-
ção) para encontrar um olhar que você gosta.
2.Procure formas, contrastes e texturas
As cores complementares que trazem uma
imagem a vida são todas reduzidas a tons de
preto e branco ou cinza em uma imagem mo-
nocromática. Para fazer a imagem se destacar
você precisa focar no contraste das cores. Na
fotografia a cores, por exemplo, o seu olho será
imediatamente atraído para um objeto verme-
lho em um fundo verde, mas na fotografia mo-
nocromática estas duas áreas são suscetíveis a
ter o mesmo brilho, para que a imagem parece
plana e sem brilho direto da câmera.

Felizmente, é possível ajustar o brilho destas


duas cores separadamente para introduzir
um pouco de contraste. No entanto, um bom
ponto de partida é olhar para cenas com con-
traste tonal. Isto pode ser obtido pela luz ou
pelo brilho dos objetos na cena, bem como as
configurações de exposição que você usa. O
brilho da casca de uma árvore por exemplo,
poderia injetar um pouco de contraste em
uma cena da floresta.
3. Tente longa exposição
Longa exposição em imagens monocromá-
ticas podem funcionar muito bem, especial-
mente em cenários onde há água ou nuvens
em movimento. Durante a exposição os des-
taques da água, por exemplo, são registrados
em uma área mais ampla do que seria com
uma exposição de curta e isso pode ajudar a
melhorar o contraste.

A indefinição do movimento também acres-


centa contraste textural com qualquer objeto
sólido no quadro. Se necessário, use um filtro
de densidade neutra para reduzir a exposição
e estender a velocidade do obturador (por 10
e 4 pontos respectivamente).
4.Use filtros
Graduado de densidade neutra (ND grad AKA)
e filtros polarizadores são úteis tanto na foto-
grafia monocromática quanto na colorida. Na
verdade porque eles manipulam o contraste da
imagem que são indiscutivelmente mais úteis.

Um graduado ND é útil quando você quer


manter detalhes em um céu brilhante, enquan-
to um filtro polarizador pode ser usado para
reduzir os reflexos e aumentar o contraste.
Como alternativa, considere tomar dois ou mais
disparos com exposições diferentes para criar
um composto de alta faixa dinâmica (HDR).

Se o céu for mais brilhante do que o primeiro


plano em uma foto de longa exposição não
tenha medo de usar um graduado ND com um
filtro de densidade neural padrão.
Filtros coloridos, que são ferramentas essen-
ciais para fotógrafos de analógicas, também
podem ser úteis para a manipulação de con-
traste em imagens digitais. Eles trabalham es-
curecendo objetos de sua cor oposta enquan-
to iluminam seus próprios objetos. Um filtro
laranja, por exemplo, vai escurecer o azul do
céu, enquanto um verde irá clarear folhagem.

5. Controle a graduação de cores


Apesar dos filtros coloridos ainda serem usa-
dos para manipular contrastes ao fotografar
imagens digitais em preto e branco, é mais
comum poupar este trabalho para a fase de
pós processamento.

Até poucos anos atrás o Channel Mixer do


Photoshop foi o meio preferido de transformar
imagens em preto e branco, mas agora Adobe
Camera Raw tem ferramentas mais poderosas
(na aba / Tons de Cinza HSL) que permitem
ajustar o brilho de oito cores individuais que
compõem uma imagem.

No entanto, é importante ficar de olho em


toda a imagem ao ajustar uma cor específica,
como gradações sutis podem se tornar an-
tinatural. E o ajuste do brilho de uma camisa
vermelha ou rosa, por exemplo, terá um im-
pacto sobre a pele do modelo, especialmente
os lábios.

6. Dodge e Burn
Dodge e burn é uma técnica que vem da câ-
mara escura tradicional e normalmente é usada
para queimar ou escurecer destaques e iluminar
sombras. Isso significa que você pode usar a fer-
ramenta Burn para escurecer destaques quando
eles são muito brilhantes, ou a ferramenta Dod-
ge para iluminá-las para aumentar o contraste
local. É uma ótima maneira de dar um sentido de
maior nitidez e melhorar a textura.

Além disso, você pode definir a opacidade das


ferramentas, construindo o seu efeito gradual-
mente, de modo que o impacto seja sutil e
não existam arestas duras.

Assista a este vídeo, em inglês, mas bem tran-


quilo de entender, e saiba como executar a
técnica de dodge and burn no photoshop:
https://www.youtube.com/watch?v=7CsyS2G-
d9lY.
114-)7 dicas para retratos de rua
Fotografia de rua é um prazer que cobra
muito pouco. Você precisa de uma câmera
apenas, e um olhar atento. Se estiver olhando
para o lugar certo, poderá obter um flagrante
e tanto. Mas muitos fazem disso um exercício
um pouco mais sofisticado e se põem a viajar
com o objetivo de desvendar outros mundos
– mesmo que o limite dessa nova realidade
seja o limiar da porta de um desconhecido.

Viajante ou não, quem fotografa na rua en-


contra nas pessoas um motivo fascinante
para fotografar. E você pode ficar à distância,
amparado pelo conforto de um belo zoom,
“surrupiando” fragmentos da vida alheia, ou
pode olhar as pessoas de frente. Olho no
olho. Se assim o fizer, poderá dizer: “Sim, eu
sou um retratista”.

Mas fazer retratos ao natural, na rua, não é


algo desprovido de regras. Não é como dar
um disparo ao acaso e sumir, feito um apache
em filme de faroeste. Pois um retrato clássi-
co exige o calor humano, a interação com o
outro, o alvo da sua foto. Exige troca.

O fotógrafo retratista Luciano Moreira, pa-


raibano de 23 anos, faz um projeto de do-
cumentação pelo interior do Brasil, funda-
mentado no bom e velho retrato em preto e
branco. Veja abaixo quais são as “sete regras”
de Luciano Moreira:
1. Vestir-se para fotografar:
A dica número um está voltada à forma de se
vestir ao sair para fotografar. Quando você vai
fotografar na rua, fotografar pessoas que você
não conhece, é sempre interessante apresen-
tar uma boa aparência, tendo em vista que
você precisa demonstrar credibilidade. Não
quero citar o que você deve ou não vestir, isso
é algo muito pessoal e varia de acordo com o
local onde você se encontra, mas ter bom sen-
so com relação a isso é fundamental.
2. Ser visto ou não ser visto:
Temos duas possibilidades ao fazermos “re-
tratos de rua”: podemos fazer retratos sendo
vistos ou tentando não sermos vistos. Minha
preferência é fazer retratos sendo visto. Nes-
tes eu percebo mais força e expressividade, o
focar nos olhos traz maior realismo e emoção
para a imagem.

3. Não ter medo do “não”:


Quando estamos fotografando nas ruas e
queremos fotografar alguém que nos chamou
a atenção, não podemos ter medo de levar
um “não”. Eu sempre penso que teremos duas
possíveis respostas: ou nós teremos um “sim”
ou teremos um “não”. O que não podemos é
deixar de abordar alguém que se encaixa den-
tro do que estamos buscando para fotografar
pelo simples medo de levar um “não”.

4. Abordagem:
Ao abordar alguém que você deseja fotografar,
tente ser direto, não faça rodeios, mostre obje-
tividade e segurança. Normalmente as pessoas
perguntam o motivo pelo qual você está que-
rendo fotografá-las. Seja claro em sua resposta,
afirme ser fotógrafo e exponha o objetivo que
o levou a querer fazer aquele retrato.

5. Observar a luz:
Antes de fazer o retrato, sempre observe as
condições de luz do ambiente e posicione a
pessoa a ser fotografada nos lugares de me-
lhor luz que você tiver à disposição naquele
momento.

6. Lente:
A lente usada ao fazer retratos pode influen-
ciar muito no resultado final. Lentes com
maior abertura nos trazem belos efeitos, tendo
em vista que uma maior abertura nos propor-
ciona uma menor profundidade de campo e,
assim, um belo bokeh [desfoque] em segun-
do plano, o que ressalta a imagem da pessoa
fotografada.
7. Amor, coragem e entusiasmo:
Fotografia é amor, dedicação, vontade de bus-
car a melhor imagem. Os “retratos de rua” não
podem ser diferentes disso. Precisamos ter
amor, coragem e entusiasmos para buscá-los.
Os resultados sempre nos surpreendem.
115-)5 Passos para aumentar a nitidez das
suas fotos
Aqui estão cinco passos que você pode seguir
e que irão te ajudar a aumentar a nitidez das
suas fotografias:

1.Mantenha o seu lentes, filtros e sensor da câme-


ra limpa
Esse é um ponto meio óbvio, mas muito im-
portante. Se as suas lentes e /ou filtros têm
poeira ou restos neles, ainda que pequenos
e imperceptíveis a olho nu, eles podem criar
pontos feios em sua fotografia. Inúmeras
vezes eu estava com tanta pressa para ir foto-
grafar que eu não verifiquei o vidro para ver se
ele precisava de uma boa limpeza. Isto é espe-
cialmente válido se a lente que estou usando
está sem uso por um tempo, juntando poeira.

Mesmo se lente estiver guardada em uma bol-


sa fechada, ela ainda pode acumular poeira no
elemento exterior.
É por isso que é uma boa ideia manter um
filtro protetor sobre suas lentes quando estão
guardadas em uma prateleira ou quando você
está viajando. Junto com a tampa da lente da
frente, um filtro de proteção ajuda a manter
a poeira fora do vidro da lente. Se por acaso
acontecerem marcas de riscos ou sujeira no
filtro de proteção barato, quem se importa?
Mas se o elemento exterior da lente for risca-
do, é caro para consertar.

Isso é facilmente evitável se você tem uma rotina


de limpar o vidro antes de sair para fotografar.

2.Fotografe com o menor ISO possível


Quanto maior o ISO, mais ruído que você intro-
duz na imagem.

Às vezes, você absolutamente não tem escolha


a não ser fotografar em um ISO mais elevado.
Por exemplo, se você estiver em um ginásio mal
iluminado fotografando um jogo de futebol do
seu filho (a), você vai precisar de um ISO relati-
vamente alto para congelar a ação, mesmo com
uma lente rápida. Câmeras mais recentes miti-
gam um pouco este problema, porque eles são
capazes fotografar em ISOs mais altos sem uma
quantidade significativa de ruído.

Além disso, se você está só exibe fotografias


de baixa resolução no Facebook ou em ou-
tros lugares na internet, ou imprime pequenas
fotos em 10x15 , você pode aceitar com algum
ruído na foto. Mas, se você for usar impressões
maiores, ou estará apresentando as imagens
na internet com uma resolução elevada, você
quer suas imagens bem nítidas, e ISOs mais
baixos, sem dúvida, ajudam. Há todos os tipos
de programas de software que podem aju-
dar a reduzir o ruído em uma fotografia, mas
quanto mais ruído que você está corrigindo
nos aplicativos, mais suave será a imagem,
perdendo a naturalidade.

Isto leva muito para o próximo passo, porque,


se você diminuir ISO, a velocidade do obtura-
dor é reduzida (assumindo abertura é cons-
tante). Uma maneira de tirar fotografias bem
nítidas em velocidades lentas do obturador é
usar um tripé resistente.
3. Use um tripé bem firme e resistente
Em um tripé, você pode fotografar em qual-
quer velocidade do obturador e a câmera e
lente (idealmente) ficarão imóveis. Isso pres-
supõe que a câmera está firmemente presa à
cabeça do tripé, e a os pés do tripé estão bem
ancorados e equilibrados no chão. Não tome
isso como garantido - só porque você está em
um tripé não significa que tudo vai ficar imó-
vel no local. Certifique-se de os pés do tripé
estão firmes no chão antes de configurar a
câmera (eu costumo pressionar o tripé para
baixo para garantir que o terreno cederá e isso
é especialmente importante em terreno fofo
como lama, pedras molhadas, ou areia).

Então, uma vez que sua composição é defini-


da, verifique se o tripé está travado na posição.
Além disso, se o tripé tem um gancho abaixo
da coluna central, pendure algo com um pouco
de peso sobre ele para travar ainda mais para
baixo o tripé (normalmente penduram-se mo-
chilas no gancho centro). Mesmo uma rajada
suave de vento ou a vibração de um carro nas
proximidades de passagem, podem introduzir
movimento na câmera em um tripé.
4) Cuidado com a velocidade do obturador
Se você segurando a câmera com as suas
mãos, é provável que você escolha uma ve-
locidade de obturador que é pelo menos tão
rápido quanto o inverso da distância focal que
você está usando. Por exemplo, se você está
atirando com uma lente de 50mm, então você
vai querer a velocidade do obturador para ser,
pelo menos, 1 / 50, ou mais rápido, para obter
nitidez aceitável.Com qualquer velocidade mais
lenta e corre o risco de borrar o movimento.

Se você está fotografando com uma teleob-


jetiva 500 mm, então você deve configurar
a velocidade em, pelo menos, 1/500 ou mais
rápida, e assim por diante. A única ressalva
a esta fórmula é se sua câmera ou lente tem
algum tipo de estabilização adicional, como a
Vibration Reduction da Nikon (VR - chamado
de Estabilização de Imagem ou IS nas câme-
ras Canon). Isto irá te permitir fotografar com
velocidades de obturação mais lentas, geral-
mente por várias paradas, sem a introdução
de borrão de movimento significativo.

5) Trave espelho antes de clicar


Quando você está olhando através do visor
de uma DSLR, o que você vê é a luz que passa
através da lente, mas você realmente não vê
a imagem a ser fotografada até que o espelho
interno da câmera suba e libere a luz para que
ela entre no sensor.

Assim, a fim de que a exposição a seja feita, o


espelho em frente do sensor tem de levantar-
-se, em seguida, o obturador abre para permi-
tir que a luz de atingir o sensor. Se o espelho
vira para cima ao mesmo tempo que o obtura-
dor se abre, a possibilidade desta ação movi-
mentar da câmara, devido às vibrações causa-
das pelo espelho virando para cima.

A maioria das DSLRs modernas dão a opção


de travamento do espelho antes que da expo-
sição ser feita. A Nikon D810, por exemplo, lhe
dá a opção de bloquear o espelho em qual-
quer lugar entre um e três segundos antes de
o obturador abrir (a Nikon chama isso Modo
de Atraso da Exposição). Sempre escolha três
segundos, a menos que haja uma necessidade
para atirar mais rápido.
Nota: se você estiver usando uma câmera
mirrorless você não precisa se preocupar com
esta etapa!

Isso também é útil se você se esqueceu de


trazer um obturador remoto. Pressionando
liberação do obturador da câmera quase sem-
pre provoca um ligeiro movimento na câme-
ra. Mas, se a câmera espera alguns segundos
após o espelho virar para cima, dá o tempo
de preparação para se tornar completamente
imóvel novamente.
116-) 7 dicas para conseguir fotos fantás-
ticas da Lua
Se você possui uma Câmera DSLR ou um pon-
to perfeito para capturar com um zoom ópti-
co, tenho certeza de que de vez em quando
você vê uma lua linda e pensa em tomar uma
foto dela, especialmente quando a lua está
cheia e bela.

Contudo capturar a lua não é tão fácil quan-


to parece. Em alguns momentos você vê um
anúncio sobre um Eclipse Lunar e deseja mui-
to fotografar o momento, mas na maioria das
vezes, não sabe como fazer isso direito.

Outras vezes, você deseja capturar a lua junta-


mente com um objeto em primeiro plano, como
uma casa ou uma árvore, mas a imagem não
está saindo bem no visor LCD da câmera, por-
que a lua parece muito menor e se retrata como
uma mancha branca em suas fotos da lua.

Se você estiver em qualquer uma dessas situa-


ções, ou simplesmente deseja descobrir como
tirar fotos da lua com uma câmera digital,
então as dicas abaixo são para você:
1. POR QUE A LUA PARECE MENOR NAS FOTOS?
Antes de começar a falar sobre como tirar
uma foto da lua fascinante, vamos primeiro
responder a algumas perguntas básicas. Tenho
certeza que se você já tentou tirar uma foto
da lua, provavelmente enfrentou um problema
onde a lua parece pequena em comparação
com o que viu ao tirar a foto.

Desta forma, a pergunta mais comum neste


tipo de fotografia é, sem dúvida, por que a lua
parece muito menor ao ser fotografada?

A resposta é simples, você provavelmente está


capturando uma foto da lua com uma lente
grande angular. Tenha em mente que seus
olhos são como uma lente fixa de 50 milíme-
tros, isso quer dizer que ao capturar uma foto
da lua com uma lente grande angular, menor
do que 50mm, consequentemente a lua vai
ser capturada em tamanho menor!

Deste modo, para capturar uma grande ár-


vore, por exemplo, ou uma casa com a lua
no fundo da imagem, você precisa ficar mais
longe e fotografar a cena para tentar igualar a
imagem real percebida pelos seus olhos.

No entanto, até mesmo tirar fotos da lua com


uma lente 50mm pode fazê-la parecer menor
na imagem, principalmente quando a lua esti-
ver perto do horizonte. Isso também acontece
por causa de um fenômeno chamado ilusão
de ótica, onde a lua parece maior para seus
olhos, quando na verdade não é.
2. POR QUE A LUA PARECE UMA GOTA BRANCA NAS
IMAGENS?
Comumente, após capturar fotos da lua ela
pode aparecer na imagem como um objeto
circular branco em vez da lua ficar visível de
fato, isto acontece porque as suas fotos da lua
estavam superexpostas nestes momentos.

Quando você tira uma foto da lua com outros


objetos ao seu redor, sua câmera por padrão
irá medir, ou calcular a exposição, com base
em toda a cena, mas vai deixar a lua de lado
durante está medição de exposição. Isso
acontece porque a lua é muito pequena em
comparação com os objetos ao seu redor e
um único ponto de luz não deve afetar a ex-
posição global da imagem percebida pela sua
câmera DSLR.

Pense nisso como uma lâmpada ao capturar


uma foto de uma sala mal iluminada. Com uma
lâmpada de luz visível, a sala vai ficar exposta
normalmente, enquanto a lâmpada terá uma
exposição excessiva. Agora, se invertemos a
situação e a câmara medir a exposição consi-
derando a luminosidade da lâmpada, o quarto
iria aparecer completamente escuro, enquanto
a lâmpada seria a única coisa visível na cena.

A mesma coisa acontece com a lua, ela fun-


ciona exatamente como a lâmpada no quarto,
conforme o exemplo que foi citado anterior-
mente. A lua parece uma lâmpada gigante à
noite e sempre será superexposta em suas
fotos da lua.

Durante o dia, no entanto, isto não é um pro-


blema, porque a quantidade de luz proveniente
da lua não é muito diferente em comparação
com os objetos em torno dela, incluindo o céu.

Mas, por que os nossos olhos veem tudo nor-


malmente, enquanto uma câmera digital não?
Isso acontece porque os nossos olhos e cére-
bro podem ver uma gama muito mais ampla
de luz, o que chamamos em fotografia de
alcance dinâmico.
3. ONDE E QUANDO CAPTURAR FOTOS DA LUA?
Obviamente, você deve capturar fotos da lua
em uma noite clara, sem nuvens no céu. Mesmo
uma fina camada de nuvens fará com que seja
impossível obter uma imagem clara da lua.

A poluição nas grandes cidades, especial-


mente em dias quentes de verão, também vai
desempenhar um grande papel na hora de
obter as suas fotos fantásticas da lua. Então
eu recomendo que você saia da cidade e viaje
para um local remoto, sem luz ou poluição, de
preferência a uma altitude mais elevada.

Além disso, quanto menor a distância entre


você e a lua, melhores serão as suas fotos da
lua. Em termos de quando fotografar dê uma
olhada nos calendários das fases da lua, exis-
tem até mesmo aplicativos móveis para esta
finalidade. Com isso, você poderá descobrir
em que fase da lua está atualmente e também
calcular a melhor data para trabalhar em seu
projeto de fotos deslumbrantes da lua.

Já em relação a melhor hora do dia, bom,


qualquer momento funciona bem para captu-
rar fotos da lua. Desde que a lua esteja visível
para ser capturada por sua câmera, você não
terá nenhum problema em conseguir a foto
perfeita da lua.

4. EQUIPAMENTO NECESSÁRIO PARA FOTOS DA LUA


Uma câmera DSLR com uma lente de 200
milímetros telefoto ou uma câmera compac-
ta que tem uma capacidade de zoom óptico
(câmeras superzoom) são totalmente capazes
de render fotos da lua muito boas. Contudo,
quanto mais recursos a sua câmera e lente pu-
derem oferecer, melhores serão os resultados
de suas fotos da lua.

Um tripé também pode ser muito útil para


manter as suas fotos da lua sempre estáveis.
Um disparador remoto pode ser conectado a
câmera, se você estiver verdadeiramente preo-
cupado com a estabilização, mas, na ausência
de um, o temporizador de sua câmera é capaz
de fazer o mesmo trabalho.

Um truque interessante é ampliar a lua e mostrar


os detalhes de sua superfície. Neste caso, uma
boa lente telefoto, com mais de 200 milímetros é
indispensável para produzir este efeito.

A melhor configuração para a fotografia da lua


é um telescópio com uma câmara de monta-
gem. Basicamente, você monta uma câmera
digital a um telescópio, que funciona como
uma lente telefoto longa. Mas, essas configu-
rações podem ficar muito caras e são adequa-
das apenas para os fotógrafos especializados
em astrofotografia.

5. COMO FOTOGRAFAR APENAS A LUA?


Para fotografar apenas a lua, por si só, sem
quaisquer objetos em primeiro plano, você vai
precisar de uma lente de telefoto longa, como
explicado acima, para ampliar a lua e tentar
preencher o máximo da estrutura possível.
Mesmo com uma boa lente teleobjetiva, você
provavelmente terá de cortar a imagem final,
simplesmente porque só um telescópio seria
capaz de fornecer ampliação suficiente para
preencher todo o quadro.

Com sua lente telefoto montada em sua câ-


mera, prenda-a em um tripé e aponte para a
lua. Certifique-se de que o tripé é bom e está-
vel o suficiente para acomodar e manter sua
lente e sua câmera totalmente estáveis.
Quando se trata de velocidade do obturador,
abertura e ISO, aqui estão as coisas que você
precisa considerar:
Modo da Câmera: Defina o modo de sua câ-
mera para Manual.

ISO: Ajuste a configuração ISO de sua câmera


para 100 se você tem Canon e 200 para uma
DSLR Nikon. Para a maioria das outras marcas,
o ISO de base também é 100, apenas certifi-
que-se que a opção “Auto ISO” está desligada.

Abertura: Abertura para f / 11.

Velocidade de obturação: A velocidade do


obturador em 1/125 em câmeras com base de
ISO 100, e 1/250 em Nikon DSLRs com ISO
base 200.

Foco da lente: Comece pela focagem manual


de sua lente, o que pode ser acionado através
de um interruptor na lente ou na câmera, em
seguida, defina o seu foco para infinito. Tenha
cuidado ao definir o foco para o infinito, utilize
do live view da câmera para conferir o resulta-
do após a captura com foco infinito, pois em al-
guns modelos de lente isto pode ser frustrante.

As velocidades de abertura e obturador acima


são derivadas de uma regra f / 11, que não é
necessariamente muito precisa para as fotos
da lua. Eu recomendo começar com as con-
figurações acima e ajustar a velocidade do
obturador com base no brilho da lua.

Outra coisa importante é o pós processamento


de suas fotos da lua. Algumas vezes pode ser
difícil expor adequadamente todas as áreas
da lua, então você pode tomar vários tiros, em
seguida, fundi-los em HDR no Photoshop. O
resultado pode ser melhor do que o esperado!

Finalmente, para aqueles que têm lentes de


telefoto longas com mais de 400 milímetros,
você pode ser capaz de usar o modo Priorida-
de de Abertura em vez do manual, contanto
que você defina a sua medição para pontual.

6. COMO TIRAR UMA FOTO DA LUA COM UM OBJETO


EM PRIMEIRO PLANO?
Vamos agora passar para como você pode
tirar uma foto da lua, juntamente com um ob-
jeto em primeiro plano, como uma árvore, uma
casa ou uma grande rocha.

Como explicado aqui, a lua vai sempre pare-


cer superexposta em comparação com todo
o resto. A única maneira de capturar a cena
com uma exposição adequada é efetuar dois
disparos separados da cena: um com o pri-
meiro plano em exposição adequada e a lua
superexposta, e outro com a lua com exposi-
ção adequada e os objetos em primeiro plano
fortemente subexpostos.

Em seguida, basta você combinar as duas fo-


tos da lua para gerar uma imagem final muito
mais atraente e equilibrada.

7. POR QUE TIRAR FOTOS DA LUA?


Então, por que alguém iria querer fotografar
a lua? Com certeza, os fotógrafos que costu-
mam fazer este tipo de imagem frequente-
mente, recebem esta pergunta várias vezes
durante seus trabalhos.

A resposta para esta pergunta é simples (ou


não)! A lua é bonita e imponente, um dos
melhores espetáculos que a natureza tem
para oferecer para todos nós. A fotografia, por
sua vez, é responsável por retratar momentos
inesquecíveis na imagem, então, por que não
aliarmos estas duas artes?
Em contra partida, a lua também torna o céu
noturno mais interessante e pode adicionar uma
sensação de enigma para uma imagem. Enquan-
to fotografar a lua, por si só pode ser um pouco
chato, incluir a lua como um elemento de com-
posição pode produzir grandes resultados.

Além disso, existem as fases da lua (crescen-


te e cheia, por exemplo) que dão ainda mais
oportunidades para várias composições. E,
por último, por que não experimentar algo
novo e aprender a fotografar objetos brilhan-
tes durante a noite?

Todos nós costumamos aprender que a foto-


grafia diz muito sobre superação e aprendi-
zado, as fotos da lua são uma excelente opor-
tunidade para quem deseja aprender novas
coisas e conhecer de fato todas as funcionali-
dades de seu equipamento.
Ir à busca de suas fotos da lua também é mui-
to divertido, sendo assim, saia e capture algu-
mas fotos da lua! Aproveite para deixar o seu
comentário abaixo sobre este artigo, ou quem
sabe, listar as suas próprias dicas sobre como
tirar fotos fantásticas da lua.
117-)9 Dicas de como pedir permissão
para fotografar pessoas
Vamos considerar a seguinte hipótese: você
comprou uma câmera nova e quer sair ex-
plorando os ambientes e pessoas com o seu
novo equipamento fotográfico. Seja em uma
viagem, na cidade em que mora, ou na própria
rua de casa, as chances de você trombar pes-
soas interessantes e que possam ser fotogra-
fadas são grandes. Se a sua maior dúvida é se
deve pedir permissão para fotografá-las, ou se
pode simplesmente retratar as múltiplas faces
de uma população, não se preocupe: esse é
um dos principais questionamentos de muitos
fotógrafos.

Saber as “regras” nesse sentido é muito im-


portante para você não se envolver em ne-
nhum problema, principalmente se estiver a
viagem em uma localização longe de onde
você está acostumado a sair.

A palavra “regras” ficou entre parênteses


porque não há leis que determinem regras
específicas para o trabalho do fotógrafo nesse
sentido. Sendo assim, selecionamos algumas
boas condutas para você não sofrer nenhuma
represália, ou desconforto na sua missão foto-
gráfica.

1. SEMPRE PEÇA PERMISSÃO SE A PESSOA FOR O


ASSUNTO PRINCIPAL DA SUA FOTOGRAFIA
Sempre é bom se colocar no lugar da outra
pessoa. Se você fosse ter um destaque em
uma fotografia que pode ser mostrada a to-
dos, você gostaria de saber, não é mesmo?
Então faça isso com o seu modelo, mesmo se
você encontrá-lo na rua na hora da fotografia.
Explique quais são as suas intenções e se ele
se importaria em posar para a sua câmera fo-
tográfica. Se estiver tudo bem, é só disparar!

2. SE OS MODELOS FOREM COADJUVANTES, NÃO


HÁ NECESSIDADE DE PEDIR PERMISSÃO PARA FO-
TOGRAFAR AS PESSOAS
Não nos parece muito lógico pedir permissão
para cada pessoa que for aparecer em uma
fotografia. Se você fosse tirar uma fotografia
turística, por exemplo, é inevitável que alguns
personagens apareçam como coadjuvantes.
3. PEDIR PERMISSÃO PARA FOTOGRAFAR PESSOAS
PODE SIGNIFICAR COISAS DIFERENTES EM SITUA-
ÇÕES DIFERENTES
Na maioria das vezes, preparar a câmera e
sorrir para a pessoa que será fotografada já
basta. Em outras situações, você vai precisar
conversar com o possível modelo e tentar
convencê-lo. Vai ter situações que será preciso
até preparar um documento escrito. Qual des-
ses tipos de permissões você vai precisar, vai
depender do momento e do feeling que você
tiver com a pessoa que será fotografada – mas
nada que uma boa conversa e tentar conhecer
os personagens da foto não resolvam.

4. O QUE FAZER SE EU NÃO TIVER A PERMISSÃO?


Se você não tiver a permissão de fotografar
alguém, ou se você sentir que essa pessoa não
está confortável para ser retratada, só lhe res-
ta parar, agradecer e partir para outra.

Em algumas culturas, as pessoas apenas dizem


“sim” para serem educadas e não necessaria-
mente porque aceitam fazer algo. Se você sentir
isso, respeite e procure a próxima personagem.

5. EM CASO DE VIAGENS, PESQUISE E SAIBA O QUE


É ACEITÁVEL NA DETERMINADA CULTURA
É muito comum ver várias pessoas de fora sem
noção nenhuma da cultura do lugar em que
elas estão. Como resultado, elas geralmente
se vestem e agem de maneira inapropriada,
chegando até a irritar os moradores locais por
quebrarem alguns dos tabus da comunidade.

Apesar de isso não estar diretamente ligado ao


mundo da fotografia, agir inapropriadamente
pode gerar um impacto negativo naqueles que
você conhece no meio do caminho, acabando
até com as chances de fotografar alguém que
você considere interessante.

6. SORRIA E MANTENHA CONTATO VISUAL


Sorrir e manter um forte contato visual com a
pessoa que você vai fotografar – antes, duran-
te e depois da sessão de fotos – pode fazer
maravilhas. Essas pequenas ações podem te
ajudar a conseguir a permissão para fotografar
pessoas, além de ajudá-las a relaxar no mo-
mento o disparo da câmera.

Demonstre um interesse genuíno na vida da pes-


soa, no que ela faz e em sua personalidade em si
– assim você pode até arrumar um novo amigo.

7. SE VOCÊ ESTIVER ASSISTINDO A UMA PERFOR-


MANCE NA QUAL FOTOGRAFAR É PERMITIDO…
Não peça permissão para fotografar pessoas
que estejam lá. Se elas estão em um evento no
qual a fotografia é permitida, elas, teoricamen-
te, sabem que cor