Você está na página 1de 6

63

FACULDADE KURIOS – FAK


METODOLOGIA CIENTÍFICA – TEXTO 02

A IMPORTÂNCIA DOS ARTIGOS CIENTÍFICOS PARA O


DESENVOLVIMENTO DA CIÊNCIA

RESUMO

Esta pesquisa pretende identificar a importância artigo científico para a ciência, problematizando
o conhecimento humano e científico, apontando alguns caminhos necessários para uma
investigação e pesquisa acadêmica relevante, buscando também identificar os métodos
desenvolvidos para a investigação científica como forma de desenvolver atividades e metodologias
que favoreçam a reflexão científica, educacional e acadêmica. A atividade de pesquisa se efetiva
com o propósito de construção do conhecimento, considerando que os artigos científicos não
podem ser elaborados de qualquer forma, mas deve seguir métodos rigorosos e procedimentos
específicos para sua realização.

Palavras-Chaves: Conhecimento. Pesquisa científica. Artigo.

1 INTRODUÇÃO

O artigo científico torna-se de suma importância, pois ao longo da trajetória acadêmica se


faz necessário documentar as diversas reflexões e pesquisas conforme a exigência de cada um.
Assim, a ciência configura-se como um método de pesquisa baseado na inteligência do ser humano
e na comprovação experimental daquilo que está sendo pesquisado.
O que se espera do artigo científico é que leve o acadêmico a compreender não somente os
métodos da investigação científica, mas também a relação que a sociedade desenvolve com o
avanço da ciência. No entanto, há uma premissa básica que direciona o pesquisador ao método de
como se faz ciência. Ao aprender como se faz ciência, os acadêmicos compreendem como ocorre o
desenvolvimento do conhecimento científico e constrói sentido para todos os conteúdos a serem
estudados.
Esta pesquisa tem como objetivo de identificar a importância artigos científicos para o
desenvolvimento da ciência, problematizando o conhecimento humano e científico, apontando
alguns caminhos necessários para uma investigação e pesquisa acadêmica relevante, visando o
alcance de melhores resultados frente às metodologias da educação atual.
Identifica-se a relevância deste estudo ao enfocar a importância do artigo científico dentro
dos vários contextos da construção humana, buscando identificar os métodos desenvolvidos para a
64
investigação científica como forma de desenvolver atividades e metodologias que favoreçam a
reflexão científica, educacional e acadêmica.
Este estudo é caracterizado como uma pesquisa descritiva no que diz respeito aos seus
objetivos, quanto aos procedimentos de coleta esta pesquisa será caracterizada como pesquisa
bibliográfica e qualitativa segundo a sua natureza.

2 ENTENDENDO O CONCEITO DE CIÊNCIA

A palavra ciência é originária do latim scientia e do grego episteme e faz referência a


conhecimento. Ao longo da história, pensadores que se ocupavam do tema propuseram diversas
explicações para o termo, levando em conta os conhecimentos da época, as descobertas e o modo de
fazer ciência.
A ciência está ligada a alguns nomes celebres devido ao conceito pensado e defendido por
eles ao longo da história. Assim, na Grécia antiga, Parmênides (530-460 a.C.) afirmava que ciência
é a busca e a identificação daquilo que permanece, que não se modifica, ou seja, daquilo que é o ser.
Ainda na Grécia antiga, para Platão (428-347 a.C.) ciência só se relaciona ao mundo das ideias,
imutável e perfeito. O mundo sensível tem a ver com os movimentos e com a imperfeição
(BELTRAN; SAITO, 2012).
Para o filosofo italiano Tomás de Aquino (1225-1274) toda ciência está subordinada à
teologia. Mas, para Francis Bacon (1561-1626), filosofo e político inglês, a ciência é descritiva, sua
elaboração é um empreendimento coletivo e deve ser fruto de um método indutivo. Por outro lado,
o filosofo francês Auguste Comte (1798-1857) afirmava que a ciência é como um corpo de
conhecimento que descreve a natureza. Ela se desenvolve por etapas sucessivas e a base do
conhecimento é a observação pura de fatos (BELTRAN; SAITO, 2012).
Karl Popper (1902-1994), filósofo austríaco naturalizado britânico, defende que a ciência é
um conjunto de teorias e leis que explicam e preveem fenômenos. As teorias são hipóteses e o
experimento não é critério de verificação, só corrobora uma teoria (BELTRAN; SAITO, 2012).
Hoje existe mais um conceito: ciência é a busca do conhecimento e a compreensão do
mundo natural e social por meio de uma metodologia sistemática baseada em evidencias. A
preocupação não é construir um conceito definitivo, mas destacar pontos de vista e divulgar o
pensamento científico.
O modo de conceber a ciência incide no modo de como se fazer ciência através da produção
de artigos científicos. A apropriação desse conhecimento sistematizado deve ser o foco da
investigação científica. Os pesquisadores constroem o conhecimento ao longo do tempo, visto que
65
na ciência não faz sentido apresentar uma explicação pronta, proporcionando ao acadêmico o acesso
ao fazer científico, como se organiza, os porquês e os resultados deles.

3 A IMPORTANCIA DO ARTIGO CIENTÍFICO PARA A CIÊNCIA

O artigo científico é sempre um esforço para observar, delinear e construir uma pesquisa que
responda a alguma questão, tema ou possibilidade que seja importante para a comunidade
educacional e científica ou para toda a sociedade. É preciso que tenha efetividade e relevância nos
estudos acadêmicos e no fazer de cada pesquisador.
Como estratégia de investigação identifica-se a investigação de um tópico empírico,
seguindo-se de um conjunto de procedimentos pré-especificados. Não existe definição objetiva,
nem muito menos neutra, daquilo que é ou não a ciência. Este tanto pode ser uma procura metódica
do saber, quanto um modo de interpretar a realidade; tanto pode ser uma instituição com seus
grupos de pressão seus preconceitos, suas recompensas oficiais, quanto um oficio subordinado a
instancias administrativas, políticas ou ideológicas; tanto uma aventura intelectual conduzido a um
conhecimento teórico (pesquisa) quanto um saber realizado e tecnizado.
Os artigos científicos não podem ser elaborados de qualquer forma. Com a metodologia os
alunos passam a conhecer as diversas etapas pelas quais precisam passar para realizar as pesquisas.
É fundamental a organização do tempo e ambiente de estudo, é preciso dedicação. Para o
acadêmico a metodologia funciona não apenas como método para a elaboração de trabalhos, mas
como instrumento de busca pelo conhecimento.
O artigo científico deve atender à necessidade de publicidade relativa ao processo de
conhecimento. A pesquisa realizada a ideia concebida ou a dedução feita perecem senão vierem a
público; por esse motivo existem diversos canais de publicidade, e a virtual um deles. A
demonstração do conhecimento é necessidade na comunidade acadêmica, onde esse conhecimento é
o critério de mérito e acesso. Assim existem as provas, concursos e diversos outros processos de
avaliação pelos quais se constata a construção ou transmissão do saber.
Difundir o conhecimento às esferas externas à comunidade acadêmica é uma atividade cada
vez mais presente nas instituições de ensino, pesquisa e extensão, e a pesquisa correspondente a
essa prática tem característica própria sem abandonar a maior parte dos critérios de cientificidade.

4 O DESENVOLVIMENTO DA CIÊNCIA NA ESCOLA

A importância do artigo científico na atualidade em relação à formação docente está


relacionada com alguns princípios como: reconhecer a importância da metodologia no processo
66
ensino-aprendizagem, como instrumento teórico - pratico, envolvendo a pesquisa, extensão e a
prática de ensino na escola ou outras instituições; interagir em diferentes contextos organizacionais
e sociais; ser flexível e adaptar-se em função da resolução de problemas; articular o conhecimento
sistematizado com ação profissional; analisar interpretar e relacionar conceitos; ler, avaliar, afirmar,
posições no contexto.
A aproximação que a escola traz acerca do fazer ciência está preconizada no PCN (BRASIL,
1998; 1999; 2001), enfatizando que o estudo de Ciências sem interação direta com os fenômenos
naturais ou tecnológicos deixa enorme lacuna na formação dos estudantes. Diferentes métodos
ativos com a utilização de observações, experimentação, jogos, diferentes fontes textuais para obter
e comparar informações, por exemplo, despertam o interesse dos estudantes pelos conteúdos e
conferem sentido à natureza e à ciência.
Dentro desse processo, se faz necessário incentivar a pesquisa no espaço educativo a fim de
que os educandos construam um conhecimento científico, baseado nas suas próprias descobertas
num processo contínuo de construção e reconstrução do conhecimento.
Vale salientar, que o professor além de estimular a criatividade e a motivação em seu espaço
docente, deve esta em sintonia com os avanços tecnológicos. É preciso ser também pesquisador
para que não fique à margem do saber científico e saiba da importância da comunicação e expressão
no processo educativo, assegurando assim uma aprendizagem eficaz.
Segundo Hoffmann (2000), para que ocorra a construção do conhecimento, é preciso haver
uma vinculação dos objetivos propostos pelo educador com o desenvolvimento máximo possível
dos educandos. Dentro deste enfoque, cabe ao educador estabelecer uma relação dialógica em sala
de aula, de compreensão, questionamento, participação, interação no fazer pedagógico.
No entanto, alguns princípios para uma ação mediadora precisam ser considerados como:
oportunizar aos alunos muitos momentos de expressar suas ideias, oportunizar discussão entre os
alunos a partir de situações desencadeadoras: realizar várias tarefas individuais, menores e
sucessivas investigando teoricamente, procurando entender as razões para as respostas apresentadas
pelo educando; transformar os registros de avaliação em anotações significativas sobre o
acompanhamento dos alunos em seu processo de construção do conhecimento.
O aluno é o agente de sua própria aprendizagem. Nenhum professor sabe tudo, ele deve ser
grato as perguntas que o levam a descobrir as respostas juntamente com seus alunos (MARTINS,
2009). Portanto, o processo de construção de conhecimento na parceria do professor com seu aluno,
devem visar uma proposta avaliativa, entendida como reflexão da prática pedagógica para a tomada
de decisões durante a aprendizagem.
LOBAN (1978), assim como PIAGET (1984), observou os avanços da ciência, no estudo
dos organismos vivos e da matemática orgânica em geral, verificando que a manutenção de coesão
67
do tecido vivo é resultado de uma harmonia que se repete, de certa maneira, constantemente, pois a
cada instante a integridade do organismo necessita de ação conjunta do todo e de suas partes.
Daí, a construção de ciência a partir do senso comum, no olhar Piagetiano, revela que o
processo educacional é, no mais das vezes, tido como a aplicação de técnicas de transformação de
comportamento, as quais levam à aquisição de habilidades específicas para o desempenho produtivo
do indivíduo. Nesses momentos de troca e reflexão, é que a equipe se aproximará do objeto
centralizador dos trabalhos realizados – e os objetivos, metas, rumos e linhas por onde a pesquisa se
desenvolver começará a tomar corpo.
Não é possível preparar alunos capazes ensinando conceitos científicos desvinculados da
realidade, ou que se mostrem sem significado para eles, e ainda esperar que eles saibam como
utilizá-los no futuro. Por isso, faz-se necessário tornar o conhecimento cientifico uma ferramenta
capaz de preparar os alunos para a participação ativa dentro da sociedade, pois os conhecimentos
construídos devem estar sempre voltados para os avanços da ciência e o bem-estar da comunidade.
Por isso, Hernández (1998) propõe uma metodologia de trabalho que contribua para o
aluno pensar criticamente, dar significado à informação, analisá-la, planejar ações e resolver
problemas. A organização do trabalho docente precisa ser problematizada e desafiada a contribuir
para o desenvolvimento do raciocínio do aluno na formulação de suas hipóteses, elaborando suas
próprias conclusões.

5 CONSIDERAÇÕES FINAIS

Com isso, a pesquisa para o artigo científico se caracteriza como um instrumento de


superação do saber passivo e fragmentado. A adoção de uma metodologia de pesquisa cria um
ambiente propício à construção do conhecimento, formando cidadãos capazes de atuar
competentemente no espaço vivido, atuando criticamente sobre a realidade com ética e justiça.
Alguns princípios para a elaboração do artigo científico precisam ser considerados como:
oportunizar ao pesquisador/acadêmico expressar suas ideias, oportunizar discussão a partir de
situações desencadeadas por provocações científicas e acadêmicas; transformar os registros de
avaliação em anotações significativas para processo de construção do conhecimento. Considera-se,
portanto, que o artigo científico serve para avaliar a capacidade do pesquisador/acadêmico em
relacionar diversos conhecimentos em volta de um tema.
Assim, somente através de uma prática de constantes reflexões é que se pode construir um
artigo científico adequado ao meio científico, acadêmico e educacional. Frente a estas colocações, o
pesquisador/acadêmico deve levar em consideração que o conhecimento é dinâmico, com verdades
68
provisórias e sumárias, que se movimentam a um ritmo cada vez maior, assemelhando-se às
situações que se enfrenta na vida.

REFERÊNCIAS

BATISTA, Maria do Socorro Xavier. Fundamentos Sócio Histórico da Educação. DFE\CE\UFPB Tutora
de EAD Curso de Matemática UFPBVIRTUAL. 2014. Disponível em
<http://www.ebah.com.br/content/ABAAAAMIwAG/fundamentos-socio-historico-educacao>. Acesso em
18 de maio de 2017.

CHAUÍ, Marilena. Convite à Filosofia. São Paulo: Ática, 2000.

BELTRAN, Maria Helena. SAITO, Fumikazu. A Ciência e alguns nomes célebres. Revista Nova Escola.
Ministério da Educação. Jan/fev 2012. p.80-85.

BRASIL. PCN – Parâmetros Curriculares Nacionais: terceiro e quarto ciclos: Apresentação dos temas
transversais. Brasília: MEC/ SEF, 1998.

BRASIL. PCN – Parâmetros Curriculares Nacionais: 5ª a 8ª série. Ministério da Educação. Brasília: 1999.

BRASIL. PCN – Parâmetros curriculares nacionais: Meio ambiente saúde. Brasília: A secretaria, 2001.

HERNÁNDEZ, F. Transgressão e mudança na educação: os projetos de trabalho. Porto Alegre: ArtMed,


1998 .

HOFFMANN, Jussara Maria Lerch. Avaliação Mediadora: uma prática em construção da pré-escola à
universidade. 18 ed. Porto Alegre: Mediação, 2000.

LDB. Lei de Diretrizes e Bases, 9394/96. Disponível em


http://portal.mec.gov.br/seesp/arquivos/pdf/lei9394_ldbn2.pdf. Acesso em 17 de março de 2017.

LOBAN, Rudolt. O Domínio do Movimento. São Paulo: Summes, 1978.

MARTINS, Isabel. NASCIMENTO, Tatiana Galieta. ABREU, Teo Bueno. Clonagem na sala de aula: um
exemplo do uso didático de um texto de divulgação científica. Investigações em Ensino de Ciências –
V9(1), pp.95-111, 2004.

NASCIMENTO, Tatiana Galieta. O Discurso da Divulgação Científica no Livro Didático de Ciências:


Características, adaptações e funções de um texto sobre Clonagem. 2014. Disponível em:
http://www.if.ufrgs.br/public/ensino/vol9/n1/v9_n1_a4.htm. Acessado em 20 de maio de 2017.

PIAGET, Jean. Biologia e Conhecimento. Petrópolis: Vozes, 1973.

SOARES, Berenice Nunes. Metodologia Científica e Pesquisa. 2014. Disponível em:


http://www.fenord.com.br/revista2011/revista_topicos/MetodologiaCientificapag22.pdf. Acesso em 18 de
maio de 2017.