Você está na página 1de 73

CAPITULO 1

Bosquejo Histórico – Suas possíveis origens

Buscar as origens do Tarô é uma tarefa bastante


complexa, visto que suas origens perdem-se nas noites do tempo. Mas, pelo que
sabemos, o Tarô foi criado pelos sacerdotes egípcios, com a finalidade de preservar
seus conhecimentos iniciáticos das mãos de invasores.
Sabendo que o homem gosta de jogos, inseriram seus conhecimentos em
vinte e duas laminas e as distribuirão ao povo, que através dos jogos de cartas
mantiveram até nossos dias os conhecimentos intactos, assim nos diz a Tradição.

Os egípcios o conheciam como livro de Thoth, o deus egípcio da


sabedoria. Segundo a Tradição, neste livro estaria resumida toda a cosmogonia do
iniciado, sob a proteção e véu dos símbolos.
É interessante notarmos que Tarô indica um movimento de rotação e
neste caso poderíamos ler Torá que é o livro das leis judaicas.
Existe também uma outra versão que nos é propalada por de uma origem
templária. Seus adeptos contam que as lâminas do Tarô foram criadas para
esconder seus ensinamentos da perseguição que sofreram durante a inquisição da
igreja.
O que realmente importa é que o fascínio e o encanto das lâminas do Tarô
são mantidos não apenas em livros de ocultismo bem intencionados e
corretamente formulados, mas também pelo grande interesse das pessoas em
geral que buscam em suas lâminas resposta para as suas ansiedades e em 90%
dos casos, conseguem obter respostas corretas contrariando as centenas de
tentativas por parte de críticos e céticos que incansavelmente tentam dar ao Tarô
uma linguagem caricatural, relegando-o aos planos mais baixos e cômicos da
adivinhação, comparando-o à bola de cristal ou à leitura do baralho cigano que é
lido em feiras e circos.
De qualquer forma, as lâminas do Tarô vêm prendendo a atenção dos
homens há pelo menos quinhentos anos, e possivelmente, prenderão ainda por
muito mais tempo, pois não acredito que o mesmo possa desaparecer do mundo
assim tão facilmente. Na verdade, as primeiras lâminas de Tarô de que temos
dados históricos, são da metade do século XV, onde aparecem duas séries de
lâminas pintadas conhecidas como:

- Baralho de Carlos VIº


- Baralho de Visconti Sforza

A existência de apenas dois baralhos não faz com que deixem de ser
válidas as informações sobre sua possível origem, porque a renascença italiana
teve como objetivo o reflorescimento do pensamento grego clássico, o que nos leva
a crer que o conhecimento das lâminas era comum aos gregos, que por sua vez,
sabidamente, aprenderam com os egípcios.
Vários magos e filósofos da idade média até a contemporânea,
acreditaram nas lendas e afirmações que o Tarô é a chave mestra para descerrar
todos os mistérios práticos da Sabedoria Arcana.
Contudo, o interesse no Tarô como sistema mágico e compendio simbólico
só seu aparecimento para o publico em 1773, quando Sir Anthony Court Gebelin
publicou o ultimo volume de sua obra LE MONDI PRIMITIF ANALYSE ET COMPARÉ
AVEC MUNDE MODERNE.
Examinando as lâminas de forma detalhada, Gebelin declarou
publicamente que o Tarô era de origem egípcia e que tinha um significado arcano e
hieroglífico. Ele afirmou que a palavra Tarô provinha da língua egípcia:
- TAR que significa caminho e estrada
- RO que significa real
Ficando desta forma Tarô igual a Caminho Real.
A primeira pessoa a fazer uso deste ensinamento em publico foi um
tarólogo que se dizia ser discípulo de Saint Germain, e que tinha como nome
Alliette. Sob o pseudônimo de Etteilla (seu nome invertido) escreveu diversos livros
e fez desenhos de novos baralhos. Também desenvolveu vários métodos de leitura,
mostrando eventos passados, presentes, futuros, inimigos, processos, etc.
Também imprimiu um Tarô com um significado mais profundo,
modificando a ordem das lâminas e de seus desenhos.
Bem mais tarde novas informações vêm à tona. Eliphaz Levi Zahed, mago
e cabalista francês cujo nome real era Alphonse Louis Constant um padre que saíra
da igreja para se dedicar apenas à magia e ocultismo, revelou a ligação do Tarô
com a cabala. Ele correlacionou os vinte e dois arcanos maiores às vinte e duas
letras do alfabeto hebreu, os quatro naipes ao Tetragrammaton (nome sagrado de
Deus, pelo qual se ordenam os quatro elementos) e os dez números dos arcanos
menores às formas de manifestação divina.
Mais tarde, um dos discípulos de Eliphaz Levi, Paul Christian, revelou a
ligação do Tarô com a astrologia. Mostrou-nos também no seu livro, A História da
Magia, como eram realizadas as iniciações no antigo Egito e o papel do Tarô nas
mesmas.
Já em 1889, Oswald Wirth, redesenhou um Tarô com base nos
ensinamentos que recebera de seu mestre, Stanislas de Guaita. Este Tarô foi
publicado juntamente com o seu livro LES TARÔ DES IMAGIERS. Este livro foi
publicado em uma edição limitada de apenas 100 cópias, que foram naquela época
distribuídas apenas entre iniciados.
As lâminas redesenhadas por Oswald Wirth foram utilizadas mais tarde por um
outro famoso mago francês, o médico Gerard Encausse, conhecido por seu nome
místico PAPUS.

Em 1890, agora na Inglaterra, a Ordem Hermética do Amanhecer Dourado


(Hermetic Order of Golden Dawn), uma renomada escola de Magia da qual faziam
parte grandes nomes da Coroa Britânica, além de vários escritores e artistas da
época, deu grande importância ao Tarô. O que ela revelou e ensinou a respeito do
Tarô influenciou praticamente todas as interpretações posteriores. Eles revelaram a
verdadeira ordem das letras hebraicas, a qual Eliphaz Levi por razões de votos não
quis revelar em seus livros. A Ordem revelou completamente o sistema original que
englobava cabala, astrologia, alquimia, meditação, rituais mágicos e a própria
divinação com o Tarô.

Em 1910, um discípulo desta mesma Ordem chamado Arthur Edward Waite,


publicou o livro THE PICTORAL, KEY TO THE TAROT onde relatava em detalhes que
além da relação dos quatro naipes com os quatro elementos, o mesmo mostrava
por seus desenhos as quatro “armas mágicas” utilizadas por magos em seus
rituais, o bastão ou paus, a espada, a taça e o pentáculo, moeda ou ouros.

Em 1914, Aleister Crowley, outro membro da Golden Dawn, voltando de


sua longa estadia na Índia onde foi ensinado por diversos sábios daquele local em
Yoga, Tantrismo, etc. Lançou o livro chamado Livro de Thoth. Mais tarde em
conjunto com a famosa artista plástica Freidda Harris que de 1938 a 1943, sob
instrução direta de Aleister Crowley, recriou um Tarô onde inseriu um vasto
conhecimento tântrico no mesmo.

Existem ainda vários ocultistas, astrólogos, magos e filósofos que


redesenharam lâminas de Tarô, mas para o propósito deste curso os autores
citados serão suficientes haja vista que a totalidade do simbolismo original foi
trabalhada por estes, sendo justamente este simbolismo o que nos permite ter uma
profunda consciência das dimensões do Tarô. Não que o outros não sejam bom,
mas é que eles acrescentaram suas próprias linguagens místico e psicológicas,
sendo que o que nos interessa aqui é mesmo a Tradição.
Como curiosidade é válido lembrar que hoje temos cerca de 1800 Tarôs
diferentes.

CAPITULO 2

SIMBOLISMO, CORES, LETRAS HEBRAICAS E SUA RELAÇÃO ASTROLÓGICA.

Como vimos no capitulo anterior, o Tarô é um instrumento simbólico das relações


entre o homem e o universo que o rodeia. O conhecimento de suas infinitas
possibilidades exige, principalmente, trabalho direto, atento e minucioso de suas
lâminas, seus grafismos, cores, relações astrológicas e numerológicas. Isso nos
dará uma poderosa chave para o seu melhor entendimento e compreensão das leis
naturais e cósmicas que estarão atuando sobre as questões propostas por seu
consulente.
Portanto, iremos agora fazer uma pequena viagem através dos principais símbolos
do Tarô, antes de estudarmos os significados gerais de cada lâmina.

Encontramos vários símbolos no Tarô, os principais são:

1º - O PONTO: Geralmente ele representa o Espírito. O ponto é a origem de todos


os outros símbolos e é também a sua essência mais intima. É um símbolo que
mostra e representa o poder criativo e gerador da natureza.

2º - O CIRCULO: Sem começo e sem fim, o circulo mostra a unidade, é o símbolo de


Deus e da Eternidade, também representa o espírito humano e a individualidade do
homem.

3º - A CRUZ: Este símbolo é constituído por dois outros símbolos. O traço vertical
que forma-se de cima para baixo e representa a Vontade de Deus lançando-se
sobre a terra ou o homem e o traço horizontal que representa a própria terra ou
homem recebendo a influência da Vontade Divina.

A cruz representará então Deus e a terra ou Deus e o homem combinando-se em


harmonia. Esta harmonia produz o equilíbrio material personificado pelos quatro
elementos, ou seja, pelos quatro braços da cruz.

4º - O CUBO OU O QUADRADO: É o emblema do mundo e da matéria, aqui utilizada


no sentido de natureza criada. Como quadrado, encontramos os quatro elementos
em pleno funcionamento, representando também os quatro pontos cardeais,
significando de forma geral a matéria e o plano físico. Já como cubo temos também
o símbolo de influencias cósmicas e emocionais agindo na matéria, uma vez que o
cubo têm altura e profundidade.

5º - O LEMINISCATO OU CHIFRES: o leminiscato por sua representação gráfica de


oito deitado evoca a lembrança de duas serpentes entrelaçadas, símbolo do
equilíbrio e da eternidade. O leminiscato também representa o poder espiritual do
iniciado, pela idéia de que sua kundalini esta devidamente desperta harmonizando
e fortalecendo os chakras. Simboliza também o infinito e as energias cíclicas que se
renovam. Como chifres representam o poder lunar e da alma em suas sublimes e
sutis pautas emocionais.

6º - O TRIÂNGULO: Com o vértice para cima representa o masculino, a meditação


dinâmica e ígnea. É espiritual e cósmico. Com o vértice para baixo é feminino,
lunar, calmo e sereno, representa a busca intuitiva e refrescante, como a água,
símbolo da ânsia pelo o que é elevado.

7º - O HEXAGRAMA: aqui os dois triângulos se entrelaçam trazendo o equilíbrio


perfeito entre o ativo e o passivo, representa também o amor sexual transcendente
que possui fortíssimos eflúvios alquímicos regenerativos representando o
Matrimonio Perfeito.

8º - O PENTAGRAMA: com uma única ponta para cima o pentagrama representa as


forças ativas da consciência humana sobre os elementos, dando desta forma
continuidade à evolução. Mostra também o homem perfeito. Com uma ponta para
baixo representa que estas forças ainda não foram controladas pelo homem,
deixando-o à mercê de seus desejos.

Vamos passar ao simbolismo das cores:

VERMELHO: Em geral representa atividade, vitalidade, energia, excitação, sexo,


sangue, agressividade, perigo e elemento fogo.

LARANJA: É a cor da alegria e do dinamismo. Encerra em si energia, vitalidade,


porém diferindo do vermelho, pois aqui estas forças são principalmente atribuídas
ao mental.

AMARELO: Representa o intelecto, a razão e a sabedoria. Está ligado ao elemento


ar.

VERDE: É a cor da natureza, do equilíbrio, da regeneração, da renovação da vida,


do nascimento, do frescor. O verde oliva está associado ao elemento terra.

AZUL: É a cor da espiritualidade, da introspecção, do silêncio, da quietude, da fé


direcionada pela reflexão, da transcendência. Está relacionada ao elemento água.

VIOLETA: É a cor da mais alta espiritualidade, da meditação, da intuição. É também


a cor do luxo, da pompa, e da realeza. É refinamento.

BRANCO: É a mistura de todas as cores enquanto vibrações, portanto é a cor da


magia, da pureza, candura e inocência. Possui também seu lado negativo que é a
inércia.

PRETO: A terra fértil, o útero, aquilo que está oculto. Em seu aspecto negativo
representa a ignorância, a maldade e o caos. Também como o branco, possui seu
lado positivo: atividade, enquanto o preto é a mistura de todas as cores.

Estes são os simbolismos gerais das cores, passaremos agora a correspondência


astrológica e planetária das mesmas:

ZODIACOS

A ARIES: sua cor é o vermelho


B TOURO: sua cor é o vermelho-alaranjado
C GÊMEOS: sua cor é o laranja
D CÂNCER: sua cor é o laranja-avermelhado
E LEÃO: sua cor é o amarelo
F VIRGEM: sua cor é o amarelo-esverdeado
G LIBRA: sua cor é o verde
H ESCORPIÃO: sua cor é o verde-azulado
I SAGITÁRIO: sua cor é o azul
J CAPRICÓRNIO: sua cor é o azul-violeta
K AQUÁRIO: sua cor é o violeta
L PEIXES: sua cor é o violeta-avermelhado

PLANETAS

R LUA: suas cores são o prata, cinza claro e azul.


Q SOL: suas cores são as laranjas e as amarelas
S MERCÚRIO: sua cor é o amarelo
T VENUS: suas cores são o verde, rosa claro.
U MARTE: sua cor é o vermelho-escarlate
V JUPITER: sua cor é o violeta-escuro
W SATURNO: sua cor é o anil
X URANO: sua cor é o amarelo-claro
Y NETUNO: sua cor é o azul
Z PLUTÃO: sua cor é o escarlate
AS 22 LETRAS HEBRAICAS E SEUS SIGNIFICADOS

No Tarot as vinte e duas letras hebraicas representam aptidões e capacidades que


são desenvolvidas por aqueles que, de maneira diligente, entendem e praticam
todos os seus ensinamentos. Estes ensinamentos são comumente chamados de
“Vantagens ou Poderes” sendo que estão divididos em três setenários, mais um
ponto de apoio ou “poder” extra.

Daí temos a expressão matemática:

7x3= 21
+ 01
____
22

Vamos a eles então:

AS SETE VANTAGENS MAIORES

1. Vantagem ALEPH (0): o Mago vê Deus face-a-face, estando ainda em


vida e conversa de modo natural, com os Sete Gênios Planetários.

2. Vantagem BETH (1): o Mago permanece além de todas as tristezas e


de todos os temores.

3. Vantagem GIMEL (2): o Mago reina juntamente com as forças do Céu;


o Inferno (Mundo interior) o serve.

4. Vantagem DALETH (3): o Mago rege sua vida e sua saúde e, também,
a vida e saúde de outros.

5. Vantagem HEH (4): o Destino não pode tomar de surpresa o Adepto, o


infortúnio não pode abalá-lo nem os inimigos vence-los.

6. Vantagem VAU (5): o Adepto conhece o ratio legis do passado, do


presente e do futuro.

7. Vantagem ZAYIN (6): o Mago conhece o mistério da ressurreição dos


mortos e possui a chave da imortalidade.

AS SETE VANTAGENS MÉDIAS

1. Vantagem CHETH (7): o Adepto domina o mistério da Pedra Filosofal,


isto é, ele domina o Arcano XIX nos três campos do Ternário Filosófico.

2. Vantagem LAMED (8): o Mago tem poder sobre os animais (além do


sentido literal, isto também se refere ao domínio sobre os elementais e ao
poder de expulsar as larvas astrais).

3. Vantagem YOD (9): o Adepto realiza o perpetuum mobile e a


quadratura do círculo, isto é, ele tem o poder de criar turbilhões bipolares e de
fazer girar a Roda Elementar.

4. Vantagem KAPH (10): o Adepto transforma em ouro não apenas os


metais, mas também qualquer refugo, isto é, pelo conhecimento da Verdade
Absoluta ele chega às verdades relativas e aos erros alheios; e que, no plano
astral, pode não apenas rematar as formas incompletas, mas tem também o
poder de utilizar as ferramentas refletidas, isto é, ele tem o poder de terminar
o corretamente iniciado como também tem o poder de utilizar o erroneamente
começado.

5. Vantagem TETH (11): o Adepto possui o poder da terapêutica universal, isto é,


ele tem a capacidade de crítica absoluta no plano mental, a capacidade de
desfazer o enfeitiçamento no plano astral e a capacidade de curar pelo
magnetismo no plano físico.

6. Vantagem MEM (12): o Adepto domina a arte do Notarikon que lhe


revela todos os mistérios, isto é, domina a Cabala.
7. Vantagem NUN (13): o Adepto possui o dom de falar com sabedoria e
convicção sobre todos os temas, sem preparação.

AS SETE VANTAGENS MENORES

1. Vantagem SAMEKH (14): o Mago avalia um ser humano à primeira


vista (intuição, adivinhação).

2. Vantagem AYIN (15): o Mago possui poder sobre a Natureza (Magia


Cerimonial e ciências naturais).

3. Vantagem PEH (16): o Mago prevê os acontecimentos que dependem


do Destino.

4. Vantagem TZADDI (17): o Mago pode consolar a todos e a respeito de


tudo, assim como dar bons conselhos em todos os casos na vida.

5. Vantagem QOPH (18): o Mago tem a capacidade de superar todas as


dificuldades.

6. Vantagem RESH (19): o Mago controla em si o amor e a ira.

7. Vantagem SHIN (20): o Mago conhece o Mistério da Riqueza; sabe ser


seu Senhor, nunca é seu escravo. Pode mesmo escolher a Pobreza sem jamais
cair na insignificância.

A VIGÉSIMA-SEGUNDA VANTAGEM

Vantagem TAU (21): o Mago impressiona todos os profanos por seu poder de
dominar os elementos e de ‘curar’ as pessoas, ampliando-lhes seu nível de
consciência.
..........................

Como veremos cada uma das vinte e duas lâminas têm seu próprio significado e
atribuições astrológicas, que nos permitem uma série ilimitada de interpretações.
As correspondências que usamos neste curso são as tradicionais anteriormente
citadas. Vamos a elas:

• O LOUCO – correspondência astrológica: URANO-AR


• O MAGO – correspondência astrológica: MERCURIO
• A SACERDOTISA – correspondência astrológica: LUA
• A IMPERATRIZ – correspondência astrológica: VÊNUS
• O IMPERADOR – correspondência astrológica: ÁRIES
• O HIEROFANTE – correspondência astrológica: TOURO
• ENAMORADOS – correspondência astrológica: GÊMEOS
• A CARRUAGEM – correspondência astrológica: CÂNCER
• A FORÇA – correspondência astrológica: LEÃO
• O EREMITA – correspondência astrológica: VIRGEM
• RODA DA FORTUNA – correspondência astrológica: JUPITER
• A JUSTIÇA – correspondência astrológica: LIBRA
• ENFORCADO – correspondência astrológica: NETUNO-ÁGUA
• A MORTE – correspondência astrológica: ESCORPIÃO
• A TEMPERANÇA – correspondência astrológica: SAGITÁRIO
• O DIABO – correspondência astrológica: CAPRICÓRNIO
• A TORRE – correspondência astrológica: MARTE
• A ESTRELA – correspondência astrológica: AQUÁRIO
• A LUA – correspondência astrológica: PEIXES
• O SOL – correspondência astrológica: SOL
• O AEON - correspondência astrológica: PLUTÃO-FOGO
• O UNIVERSO – correspondência astrológica: SATURNO

Assim completamos a descrição dos Arcanos Maiores do Tarô e suas


correspondências simbólicas e astrológicas. Existe também uma descrição
astrológica dos Arcanos Menores que serão exaustivamente detalhados no segundo
módulo do nosso curso.

As 56 lâminas que compõem os Arcanos Menores foram divididas em quatro grupos


pelos antigos, a saber:

- PAUS: corresponde ao elemento fogo


- COPAS: corresponde ao elemento água
- ESPADAS: corresponde ao elemento ar
- OUROS: corresponde ao elemento terra

Todos os quatro naipes são formados por 14 lâminas que correspondem aos
números de um ao dez, mais quatro figuras assim denominadas:

- PAGEM
- CAVALEIRO
- DAMA ou RAINHA
- REI

Existe ainda uma profunda descrição destas quatro figuras que será abordado no
segundo módulo, onde nos é possível descrever o temperamento de cada pessoa,
seu tipo físico, etc.
CAPITULO 3

OS ARCANOS MAIORES

Abordaremos agora as vinte e duas lâminas com a totalidade de suas


correspondências, mais suas significações em previsões.
Começaremos o estudo pela lâmina zero e, depois, iremos
sistematicamente estudar as outras vinte e uma.
ARCANO Nº0 – O LOUCO
Neste arcano, O Louco, temos a figura de um jovem que caminha
tranquilamente sem olhar para traz, ele carrega em sua mão um bastão onde se
encontra dependurado uma sacola ou saco. Dentro desta mochila ou saco estão os
símbolos dos quatros elementos, porém ele não tem conhecimento do que está
carregando e muito menos do que poderia fazer se utilizasse do seu potencial. Suas
roupas estão esfarrapadas ou então são roupas folgadas, não ajustadas, como as
de um bufão. Um cachorro, às vezes um gato ou mesmo um tigre, mordisca e
brinca com sua perna, o que não parece desviar sua desatenção de quem caminha
despreocupadamente para um abismo. Essa figura com algumas modificações é
descrita em todos os tipos de Tarôs conhecidos.
O Louco é a imagem daquele que parte para coisas novas, porém sem
nenhuma experiência e contando apenas com a boa sorte. Sua autoconfiança é
inocente e beira mesmo a ingenuidade.
O Louco representa a impulsividade da juventude que parte em busca de
seus ideais sem saber exatamente o que são e como encontrá-los!
Psicologicamente, O Louco configura a imagem do impulso misterioso dentro de
nós que nos impele em busca do desconhecido.
Esse impulso pode ser confirmado pela relação do Arcano com o planeta
Urano e pelo elemento Ar.
Os antigos magos caldeus nos ensinaram que Urano é o responsável pelas
mudanças onde o desejo de liberdade e individualidade é realçada por uma
conexão intuitiva com a inconsciência coletiva ou mente universal. É o impulso da
mudança rumo ao novo, ao que está se estabelecendo ainda em regiões superiores
da mente, e por isso mesmo, não pode ser percebido ainda pelo coletivo.
Nosso lado conservador e protetor, prefigurado pelo ego, fica cauteloso e
horrorizado com esse ímpeto jovem e indomado, que confia na providencia, e
preparasse para saltar no abismo, símbolo da troca do velho pelo novo, isso, sem
um mínimo de hesitação. Contudo, a impulsividade do Louco parece fora de
propósito apenas para um lado de nós mesmos. Aquele lado que é preso às formas,
fatos e a ordem lógica das coisas; de uma maneira mais profunda, isso não é
loucura! É o impulso inexorável em direção à mudança, à abertura de caminhos e à
ampliação dos horizontes travando contato direto com o desconhecido que quase
sempre nos assusta. Assim, O Louco, denota o inicio de uma viagem pelo ciclo de
evolução dos Arcanos Maiores do Tarô.
Os Magos lhe acrescentaram um símbolo que não nos foi ainda descrito, a
letra hebraica Aleph (pronuncia-se alei), que corresponde ao numero 1, ou seja,
aquilo que se inicia.
No nível divinatório temos duas interpretações, a saber:

1º Positiva: Inconsciência, alienação, impulsividade, passividade, inocência,


despreocupação, instintividade, inconstância.

2º Negativa: Loucura, desequilíbrio, incapacidade de dirigir suas energias mentais


para algo positivo, automatismo, extravagância, remorso, autodestruição,
aniquilação da capacidade criativa.

ARCANO Nº1 – O MAGO

No inicio de nossa jornada, conhecemos O Louco com toda a sua


irreverência e confiança na providencia divina. Agora, O Louco, com o acumulo do
conhecimento dos símbolos que estavam em sua mochila, mais a experiência de
seus acertos e decepções transformasse em O MAGO, aquele que tem domínio
sobre a situação, pelo conhecimento adquirido, pelo tempo e pela dor dos fracassos
que lhes revelaram a formula para o acerto.
Vemos na lâmina de O MAGO, um homem já com alguma idade e seguro
de seus atos. Diante dele está uma mesa, altar, ou cubo onde se encontro sobre a
mesma os objetos que ele antes carregava em sua mochila, a copa, a espada, o
bastão e o pentáculo. Tradicionalmente ele é descrito como a mão direita erguendo
sua espada ou bastão, enquanto que toca com sua mão esquerda a mesa-altar.
Com isso, conseguimos compreender através do símbolo que ele já consegue
canalizar a energia criativa que antes o impulsionava a esmo pela vida, para a
matéria. Tornou-se um construtor, um cristalizador de suas idéias. Normalmente ele
é desenhado com um leminiscato acima de sua cabeça, seja estilizado na forma de
um chapéu, coroa, ou oito deitado brilhando com certo dourado, denotando que o
mesmo está em sintonia com a energia criativa do eterno.
Psicologicamente, O MAGO representa o guia, aquela parte dentro de nós
que não obstante o quanto esteja perdido ou confuso sempre nos mostra um
vislumbre das profundezas de nosso inconsciente para indicar-nos um caminho,
uma posição e as escolhas que poderemos tomar. O MAGO, contudo, não vem
quando é chamado, porque o MAGO tem suas próprias idéias do que seja
importante ou não.
Astrologicamente, O MAGO esta atribuído ao planeta Mercúrio que é o
regente do processo do pensamento, é a lente focalizadora pela quais os poderes
criativos do ser são orientados. Esse planeta determina nossa capacidade de tomar
decisões e transmitir as suas idéias aos outros. Mercúrio tem muito a nos dizer
pelas influencias que se encontram perto dele, assim é sempre útil nos lembrarmos
de ver aonde O MAGO aparece em uma jogada e quais as lâminas que estão ao seu
lado, pois isso nos indicará qual a mensagem que o mesmo tem para nós.
A letra do alfabeto hebraico atribuída a esta lâmina é a letra BETH, que
corresponde ao Nº2.

A nível divinatório O MAGO pode representar o próprio consulente, quando


a questão é pessoal.

1º POSITIVO: Inteligência criadora, discernimento e compreensões elevadas,


presença de espírito, capacidade de negociar, autocontrole, força de vontade,
autoconfiança, honestidade, domínio sobre os acontecimentos, capacidade
diplomática e política, capacidade persuasiva.

2º NEGATIVO: Insegurança no trato com os negócios, falta de determinação e


vontade, individuo mentiroso, politiqueiro e charlatão, impostor, intriguista e
arrivista, pessoa de capacidade mental forte, porém utilizada para fins negativos.

ARCANO Nº2 – A SACERDOTISA


No Arcano nº. 2, A SACEROTISA, encontramos a figura de uma linda
mulher exibindo com toda a naturalidade seus seios, e em suas mãos segura um
rolo de pergaminho. Está sentada sobre uma pedra cúbica ou um trono, entre as
duas colunas do templo, não se pode ver o que há por trás das colunas, porque
uma grossa cortina azul (símbolo do Inconsciente) esconde o que existe para ser
mostrado. Em algumas lâminas um camelo estilizado é desenhado. A Sacerdotisa
trás em sua cabeça ou em algum lugar da lâmina o símbolo da Lua, o que
demonstra toda a sua feminilidade.
Psicologicamente, A Sacerdotisa, é a imagem do elo misterioso e
insondável mundo interior, que a psicologia denomina inconsciente. É como se por
trás e por baixo do mundo diário, sob a luz do dia, e que na psicologia chamamos
de mundo objetivo, e para nós o mundo real, existe outro mundo profundo e denso,
cheio de riquezas ocultas e misteriosas a serem desvelados. Sendo seus
governadores invisíveis.
Esse Universo contem nossos potenciais a serem desenvolvidos, bem
como as facetas sombrias e mais primitivas da nossa personalidade.
Lá também está guardado o destino do indivíduo, que permanece em
estado germinativo e embrionário, até o momento de estar maduro e pronto para
ser manifestado.
A Sacerdotisa representa aquela parte de nós, que conhece os segredos
do Mundo Interior. Entretanto, ela só conseguirá ter uma vaga noção das coisas,
com o despertar da consciência, e que irá aparecer por meio de fragmentos de
sonhos ou por meio das estranhas coincidências da vida, que, por sua vez, nos
fazem questionar da existência de um padrão oculto de procedimento, que opera
dentro de nós.
Os antigos magos lhe atribuíram o signo da LUA que indica que esta
lâmina nos traz as reações emocionais imediatas às situações da vida. Ela carrega
também as emoções instiladas pela família no individuo ainda em sua infância,
indicando algumas vezes, dependendo do teor destas experiências, o como essa
pessoa irá reagir às influencias externas e ações dos outros.
A SACERDOTISA é uma figura sedutora e fascinante, porém, jamais fala de
seus segredos. Da mesma forma o mundo Oculto da Inconsciência penetra nos
sonhos, nas fantasias e nas Intuições, o que também é sedutor e fascinante.
Algumas vezes em uma jogada, essa lâmina pode marcar o consulente se
a mesma for mulher, ou se a pergunta é a respeito de seus familiares.

Esta lâmina traz a letra Gimel, H, que significa camelo e corresponde ao número 3.

1º POSITIVO: Reserva prudência, discrição, silêncio, meditação, fé e espera sentido


religioso, intuição e sensibilidade, mistério, acontecimentos futuros e favoráveis.

2º NEGATIVO: Intenções ocultas, dissimulação, hipocrisia, falsidade, inação,


omissão, falta de iniciativa, rancores, atitudes hostis e indiferentes.

ARCANO Nº. 3 - A IMPERATRIZ

Nesta lâmina, o Arcano 3, A Imperatriz, vemos a figura de uma mulher


semi-nua, coberta apenas com um tecido transparente de cor verde e algumas
vezes verde claro e rosa, ela está sentada sobre a pedra cúbica, empunhando seu
cetro de poder, na outra mão segura o brasão alquímico e seus pés repousam sobre
a Lua crescente. Acima de sua cabeça o firmamento, confirma a sua herança
divina. Quanto ao tecido que cobre o seu corpo, traz a seguinte mensagem.
“Só quem tem um olhar puro pode vislumbrar minha natureza”!
A nível psicológico, A Imperatriz, reflete a experiência da maternidade,
que não esta restrita aos processos físicos da gestação, nascimento e aleitamento,
mas também a experiência interior da grande Mãe, ou seja: A descoberta do corpo
como algo mais valioso e precioso, e que requer muita atenção.
É a conscientização de sermos parte da natureza, e de estarmos ligados à
vida natural. É a apreciação de todos os prazeres simples da natureza. Se não
tivermos a Grande Mãe dentro de nós, não poderemos gerar nada, e não seremos
capazes de dar frutos, pois esse é o aspecto da natureza humana que sabe ter
paciência e sabe esperar com tranqüilidade, até o momento em que as coisas
estejam maduras, quando então teremos condições de agir. Sem ela, não
poderemos gostar de nosso corpo e estaremos desligados do sentimento natural,
nos colocando num plano puramente intelectual e fantasioso, não respeitando os
limites da realidade. A experiência de uma criança com a mãe está ligada à
sensação de segurança à sensação de segurança interna e de proteção de cada ser
humano.
Esta lâmina corresponde à letra Daleth, e tem como valor numérico o
número 4.
A nível divinatório, A Imperatriz, representa em seu aspecto positivo:
- Compreensão, inteligência, afabilidade, instrução, elegância e polidez.
- Fineza de espírito, civilização, cultura e refinamento.
- Felicidade, bem estar material, abundância e riqueza.
No sentido negativo:
- Afetação, posse, vaidade, pretensão, desdém, frivolidade, falta de refinamento,
comportamento indecoroso, perigo de ser mãe prematuramente.

ARCANO Nº 4 - O IMPERADOR

Nesta lâmina vemos a figura de um homem visto de perfil mostrando para nós o
seu lado direito. Segura em sua mão o cetro que simboliza seu poder, sua mão
esquerda repousa sobre a pedra cúbica mostrando que o seu poder se estende
sobre toda a terra, trazendo à mesma sua benção e proteção. Sua perna está
cruzada mostrando que nada se consegue sem esforço.
A nível psicológico, O Imperador, é a imagem da experiência da
paternidade. É o pai que incorpora os nossos ideais espirituais, nosso código de
ética e a auto-suficiência com a qual conseguimos sobreviver no mundo. É a
autoridade e a ambição que nos impulsionam a conseguir o que queremos, bem
como a disciplina e a antevisão que precisamos para completar nossos objetivos. É
o princípio masculino dentro de cada um de nós, que difere do protecionismo e do
amor incondicional da mãe, que encontramos na lâmina anterior. Nesse momento o
Imperador é o espírito, enquanto mente, e não o corpo que prevalece nas
instituições de valores, ao invés da intuição natural requisitada em situações
anteriores. O pai dentro de nós implica no auto-respeito, pois é exatamente esse
aspecto de nossa personalidade que pode fazer uma escolha, ou estabelecer um
princípio, para depois aceitar os desafios da vida. Para se relacionar com o pai
interior é preciso saber de cada indivíduo, de realizarem planos ou ideais e de
concretizá-los.
Então após ter descoberto os prazeres físicos do próprio corpo, O Louco
deve agora procurar os princípios morais e éticos que o guiarão pela vida, pois sem
O Imperador, somos meros joguetes da vida, guiados pelo instinto cego e sem
rumo, colocando nossos erros e fracassos sob a responsabilidade de outras pessoas
ou da sociedade, porque não somos capazes de perceber a força interior que
carregamos junto com o Grande Pai dentro de nós.
Esta lâmina tem como representação gráfica, a letra Hé do alfabeto
hebreu. Sua correspondência numérica é o 5.
Representa positivamente:
- Energia, poder, concentração, certeza absoluta em decisões perigosas,
constância, firmeza, exatidão e equidade.
- Realização, energia perseverante, vontade inquebrantável, execução do que é
planejado.
No aspecto negativo, divinatoriamente, representa:
- Oposição tenaz, adversário temível e poderoso, empreendimento contrariado,
oposição governamental, tirania, absolutismo.
- Probabilidade de insucesso, ruptura de equilíbrio, impotência, falta de ambição é
obstinação auto-destrutiva.

ARCANO Nº 5 - O HIEROFANTE
Nesta lâmina vemos um sacerdote sentado sobre duas colunas que
configuram o bem e o mal, em sua mão direita segura o cajado do poder espiritual,
este homem já está na condição de mestre, pronto para ensinar. Dois aprendizes
estão em posição de súplica diante dele, por sua vez ele os abençoa. Sua roupa se
tornou branca símbolo de sua natureza espiritual.
A nível psicológico O Hierofante, representa a parte do ser humano que se
eleva às questões do espírito, para compreender o que Deus deseja de nós. Ele
simboliza o mestre espiritual, que fica dentro de cada um de nós, o intermediário
entre a consciência terrena e o conhecimento intuitivo da Lei divina.
Enquanto o Mundo da SACERDOTISA é escuro, denso, misterioso e não
pode ser compreendido pelo intelecto, o Mundo do Hierofante pode ser elucidado e
interpretado pela mente humana.
A palavra pontífice, do original pontifix, significa construtor de pontes,
uma vez que o papel do padre, do pastor, do guia interno e externo é o de servir
como guia espiritual, estabelecendo uma relação entre Deus e o Homem.
É o interprete que esclarece a natureza das leis que devemos seguir para
entrar em sintonia com o indivíduo.
As Leis do Imperador caracterizam a influência do Pai sobre a terra, dizem
respeito à conduta digna e a firmeza de caráter do homem dentro do mundo.
Porém, as leis do Hierofante dizem respeito à boa conduta do homem aos
olhos de Deus.
Esta lâmina se relaciona a letra Vov e tem como valor numérico o 6.
Divinatoriamente o Hierofante simboliza, a nível positivo:
- Sentido do dever, consciência moral, convicções arraigadas, sentimentos fortes.
- Autoridade moral, sacerdócio social, observação das conveniências,
respeitabilidade, ensino, conselhos úteis, generosidade, indulgência, paternalismo,
conservadorismo.
Em seus caracteres negativos:
-Professor autoritário, pregador enfático, pontífice sentencioso, teórico estreito,
moralista, metafísico dogmático, conselheiro desprovido de senso prático.

ARCANO Nº 6 - OS ENAMORADOS

Nesta lâmina podemos ver um jovem entre duas mulheres, uma vestida
com muita delicadeza e pudor (representando a castidade) e a outra vestida como
uma meretriz, ambas tentam conduzir o jovem para fora da estrada. A escolha de
qualquer uma implica no aniquilamento da outra. Acima dos três vemos Eros o
deus do amor, apontando a flecha para o dedo do homem.
A nível psicológico O Enamorado, representa o primeiro grande desafio da
vida, para o desenvolvimento pessoal: o problema da escolha do amor. O dilema
não se restringe apenas em decidir entre duas mulheres ou entre dois homens.
Representa também nossos valores, uma vez que nossa escolha nos remete ao tipo
de pessoa que queremos nos tornar. Sua escolha está vinculada a seus desejos e
não à sua pessoa.
Estamos aqui diante de um dilema: livre arbítrio versus compulsão
instintiva.
As conseqüências das escolhas amorosas sãs inúmeras, pois afetam todos
os níveis da vida. O fato de desejar uma ou outra pessoa força o indivíduo a
desenvolver seus próprios valores e a aprimorar o seu próprio conhecimento por
meio dos conflitos que resultam da escolha.
E essa situação não pode ser evitada, simplesmente porque é Arquetípica.
Assim, O Enamorado é aquela parte de nós que, governada pela ânsia
incontida do desejo e da satisfação, não consegue ver que todas as escolhas
conduzem a conseqüências e somos inevitavelmente responsáveis por elas.
A esta lâmina se atribui à letra Zain, e como correspondência numérica o
7.
Divinatoriamente representa no âmbito positivo:
-Amor, encantamento, sedução e beleza;
-Desejo, afeição e atração física;
-Empatia, determinismo voluntário, escolha, voto e aspirações;
-Livre arbítrio, exame, deliberação e responsabilidade.
No âmbito negativo:
-Prova, dúvida e irresolução;
-Tentação, risco de sedução, leviandade e infidelidade;
-Escolha amorosa, conflito de consciência e sentimento de culpa;
-Fraqueza, falta de vontade e indecisão.

ARCANO Nº 7 - O CARRO

Vemos um guerreiro poderoso conduzindo um carro de guerra, nesta


lâmina; O Carro é puxado por um cavalo branco e um preto. Cada um puxa para
um lado, mas, mesmo com esse empecilho o forte guerreiro conduz O Carro com
segurança pelo caminho já revirado pelo galope de outros guerreiros.
A nível psicológico representa a imagem dos instintos agressivos guiados
pela vontade consciente. Os cavalos que puxam O Carro em direções diferentes
simbolizam as ânsias animais e selvagens em conflito em nós mesmos, repletas de
vitalidade, e ao mesmo tempo sem a menor vontade de operar em harmonia.
Devem ser trabalhadas com força e firmeza, mas nunca reprimidas ou anuladas,
pois se o forem, perderemos toda firmeza e potência para sobreviver aos
obstáculos da vida. Assim, O Carro representa algumas vezes a agressividade
natural e o instinto de competição do ser humano, pois não tem o espírito
arquetípico do pai, para lhe oferecer o código de ética ou uma visão adequada da
situação. Porém, sua vontade de ferro e sua coragem imensurável são uma
dimensão necessária à personalidade humana, pois a visão espiritual não é apenas
suficiente para a sobrevivência neste mundo altamente competitivo e difícil. Após
ter invocado o conflito como resultado das escolhas do amor, O Louco deve agora
se deparar com a segunda grande lição da vida:
A manipulação e utilização dos instintos violentos e turbulentos do instinto
natural.
Corresponde em valor ao 8, e a letra hebraica Cheth.
A nível divinatório, O Carro representa em seu sentido positivo:
-Vitória, triunfo, sucesso legítimo, avanço merecido, talento, capacidade, aptidões
bem aproveitadas;
-Habilidade política e diplomática, competência profissional;
-Conciliação dos Antagonismos;
-Progresso e mobilidade, viagens por terra;
No aspecto negativo:
-Insucesso, derrota, situação usurpada;
-Ambições injustificadas, falta de talento, incapacidade;
-Concessões prejudiciais, governo ilegítimo, oportunismo exagerado;
-Preocupação, hiperatividade;
-Desgaste físico e emocional.

ARCANO Nº 8 - A JUSTIÇA

Na Justiça, vemos a figura de uma mulher, já de meia idade, sentada


sobre um cubo de pedra, em sua mão esquerda segura a espada da justiça e na
mão direita a balança com a qual pesa os atos da humanidade. Carrega em seu
peito o símbolo da terra, mostrando que sua justiça se faz na terra.
A nível psicológico representa a imagem do julgamento reflexivo e da
racionalização. Para os gregos essa faculdade era divina, porque diferenciava o
homem do animal. Desta forma a justiça não tem por base o sentimento pessoal,
mas a avaliação impessoal e objetiva de todos os fatores contidos numa situação.
Seu julgamento se estrutura nos princípios éticos que servem de parâmetros
rígidos para sua escolha. Sua característica é ensinar as artes da civilização que
também reflete a capacidade da mente em conter a natureza indomável em
questão e transforma-la em planejamento objetivo por meio da clareza. Representa
o desejo de lutar por princípios, ao invés de paixões, vem da capacidade da mente
em fazer escolhas refletidas, mantendo os instintos sob controle. A lâmina da
justiça é a primeira das quatro lâminas dos Arcanos Maiores, conhecida
tradicionalmente como as Quatro Lições Morais. Essas lâminas são:
A Justiça; O Eremita; A Força e a Temperança.
Todas elas são intimamente ligadas ao desenvolvimento daquelas
faculdades individuais necessárias, para que o homem possa atuar efetivamente na
vida.
Todas contribuem para aquilo que a psicologia denomina formação do
ego, que indica o “sentimento do eu” que cada um de nós deve ter.
Esta lâmina tem sua representação gráfica na letra hebraica Teth, que
tem como valor numérico o número 9.
A nível divinatório, A justiça, representa em seu aspecto positivo:
-Justiça, equidade, equilíbrio, virtude, ponderação, rigor e precisão, integridade;
-Senso comum, estabilidade, ordem, regularidade, método e organização, lei;
-Disciplina, lógica, adaptação às necessidades, comedimento, obediência.
A nível negativo:
-Injustiça, iniqüidade, abuso, prevaricação, desvio de lei, conservadorismo,
favorecimento, injusto, submissão aos costumes, falta de iniciativa, interpretação
estreita das leis, burocracia, processos e contestações legais, exploração por parte
dos agentes da lei, tráfico de influência e corrupções.

ARCANO Nº 9 - O EREMITA
Nesta lâmina vemos a figura de um ancião que caminha sossegadamente
sobre um monte, segura em sua mão direita uma lamparina com a qual ilumina seu
caminho. Na mão esquerda segura um bastão de madeira, está se cobrindo com
um manto com capuz para não demonstrar a idade.
A nível psicológico, O Eremita, é a imagem da quarta e última lição moral
que O Louco deve aprender: A lição do Tempo e das Limitações da vida mortal.
Nada pode ir além do âmbito da própria vida e nada permanece inalterado. Essa é
uma faceta óbvia e simples da vida que a despeito da simplicidade e do óbvio, nos
causa sofrimento durante o aprendizado e que só nos chega com a idade e com a
experiência.
Por isso o velho está só, porque deve aprender a solicitude e no silêncio
da própria dor. Representa o corpo em muitos aspectos, pois, envelhece de
maneira inexorável, ao mesmo tempo em que se rebela contra o destino fatal. O
problema da solicitude e da descoberta de que se está realmente sozinho na vida,
constitui o dilema que todos os homens precisam enfrentar. A aceitação da própria
condição é também, de uma misteriosa forma, a separação real dos pais e da
infância, porque significa o sacrifício da fantasia que em alguma época, em algum
lugar, alguém virá e num piscar de olhos transformará a aridez da existência em
aconchego perpétuo.
Esta lâmina tem como representação gráfica a letra Hebraica Iod, que tem
como valor o 10.
A nível divinatório, o eremita, representa positivamente:
-Sabedoria conquistada pelo sacrifício, austeridade, continência, sobriedade,
discrição;
-Prudência, reserva restrição, abstinência;
-Solidão, isolamento, concentração, mergulho em si mesmo;
-Silêncio, aprofundamento, meditação;
-Estudos ocultos, o ocultista que guarda o segredo, médico astral,
-Magnetizador, adepto da ciência oculta.
A nível negativo:
-Misantropia, timidez, circunspeção, imaturidade;
-Mutismo, misóginia, celibatário, castidade;
-Pobreza, avareza e falta de sociabilidade.

ARCANO Nº 10 – A RODA DA FORTUNA

Nesta lâmina vemos uma roldana encimada por uma esfinge, que está
protegendo-a de dois seres que tentam escala-la. Um ser tem aspecto de larva, o
outro parece um homem, mas tem cabeça de cachorro. O centro da roda está
brilhando com uma estrela de oito pontas.
A nível psicológico A RODA DA FORTUNA representa a misteriosa e
insofismável lei, que atua dentro do individuo. Essa mesma lei desconhecida e
invisível que determina as súbitas mudanças e que, por sua vez, altera os padrões
pré-estabelecidos pela vida. A esfinge que está por cima da Roda, vigia a mesma,
enquanto vemos a larva que foi abatida. O homem ou símio que encontramos à
direita parece estar sendo auxiliado por esta mesma força invisível que abateu a
larva.
A experiência da RODA DA FORTUNA é a vivência daquele outro dentro de
nós, aquela figura que costumeiramente projetamos no mundo visível, para assim,
podermos culpar aos outros ou às circunstâncias, pelas mudanças repentinas em
nossa vida. As mudanças representadas pela RODA DA FORTUNA são os fatores
que nos fazem entender este “outro”, como sendo um movimento inteligente por
traz de tudo – o destino que carregamos gravado em nosso DNA. A imagem da
FORTUNA propriamente dita é muito profunda e diversos Qabbalistas modernos
esconderam diversas metas e ensinamentos nesta lâmina.
O destino não vem ao nosso encontro, mas nós vamos ao encontro dele.
Nesta lâmina encontramos como simbolismo gráfico a letra hebraica KAF,
que tem como valor numérico o 20.
A nível divinatório a Roda da Fortuna, significa em seu aspecto positivo:
- fortuna, sorte, destino, felicidade, sagacidade, presença de espírito.
- senso de oportunidade, ganhos em jogos.
- influências benéficas da lei cármica, recompensa por boas ações.
- espontaneidade, felicidade inesperada, bom humor, descontração.
No aspecto negativo:
- revezes perdas, situação instável, negligência, despreocupação.
- insegurança, especulação, falta de seriedade, imprevidência, falta de controle nos
gastos, acontecimentos desagradáveis gerados pelo próprio individuo em função de
leis cármicas.

ARCANO Nº 11 – A FORÇA

Nesta lâmina vemos uma linda mulher acariciando um leão como um


gatinho de estimação, que está com a boca aberta. Ela está vestida de vermelho e
branco, as cores da paixão e da pureza.
A nível psicológico, a Força representa o eterno problema de contermos a
fera que mora dentro de nós, ao mesmo tempo em que tentamos preservar suas
características primitivas, o instinto vital e criativo.
O leão é um animal especial e representa um aspecto diferente da psique
humana, se comparado aos cavalos fogosos da lâmina do Carro.
O leão na mitologia sempre esteve associado à realeza, mesmo quando
em sua forma destrutiva, e esse rei dos animais é a imagem do princípio infantil,
egocêntrico, e totalmente selvagem desde o início da formação de uma
personalidade. Dessa maneira, o leão não pode ser uma a completamente má
porque possui uma pele mágica, a prova de qualquer arma, que lhe garante
invencibilidade. Essa invencibilidade está ligada ao sentido da permanência interior
que surge a partir do reconhecimento do próprio-eu-.
Entretanto, por mais promissora que possa parecer à pele do leão, não
devemos nos esquecer que ele é um animal selvagem e que tem vícios próprios da
natureza animal. É o aspecto evidente de uma pessoa mal conduzida de forma
inadequada, é exatamente o impulso do -eu primeiro- , que irá destruir qualquer
um ou qualquer coisa que se interponha em seu caminho, contanto que sua própria
satisfação esteja garantida.
A raiva é uma das manifestações desse impulso, mas não a raiva sadia
que pode muito bem ser dirigida em situações específicas, mas aquela ira
incontida, furiosa e sanguinária que nos acomete sempre que não conseguimos o
que queremos.
Nesta lâmina, encontramos a representação gráfica da letra hebraica
LAMED, que tem como valor numérico o 30.
A nível divinatório, a Força representa em seu aspecto positivo:
- força da convicção, coragem, virtude, energia moral, calma, intrepidez.
- poder anímico, domínio das paixões.
- o espírito dominando a matéria. A inteligência vencendo a brutalidade, sucesso
nos empreendimentos.
No aspecto negativo:
- cólera, impaciência, agressividade, ardor imoderado, insensibilidade, crueldade.
- discórdia, disputa, luta, conquista violente, derrota, brutalidade, incêndio, cirurgia.

ARCANO Nº 12 – O ENFORCADO

Nesta lâmina vemos um homem pendurado pelos pés. Suas mãos estão
amarradas para trás o que impossibilita-o de soltar-se. Com sua perna faz o mesmo
gesto misterioso do Imperador.
A nível psicológico, o Enforcado é a imagem do sacrifício voluntário em
benefício de um bem maior. O sacrifício tanto pode ser visível como uma atitude
interior, porém é feito conscientemente, com total aceitação do sacrifício que
poderá ser requerido. Na lâmina da Roda da Fortuna, o Louco se defronta comas
súbitas mudanças de sorte.
E nós, assim como o Louco, podemos reagir a tais mudanças de várias
formas. Algumas pessoas não conseguem se adaptar, e se agarram ao passado
perdido. Outros tornam-se amargas, desiludidas, culpam a vida, a sociedade e até
mesmo Deus pelos seus fracassos.
Assim, o Enforcado é o símbolo daquilo que dentro de nós consegue
antever e compreender que tais mudanças, talvez sejam necessárias para o
desenvolvimento de algum desígnio superior que ainda não se manifestou. Assim,
esta lâmina representa uma atitude voluntária ao eixo misterioso por trás do qual
se realizam as voltas da Roda.
O Enforcado indica a aceitação da espera na escuridão. O homem está
suspenso e torturado pelo medo de que o seu sacrifício seja em vão. Sob muitos
aspectos significa que tem que abrir mão do controle para que uma vida melhor
possa surgir – uma espécie de espírito visionário dentro de cada um e nós, que
consegue enxergar as possibilidades maiores e que está disposto a abandonar tudo
o que já conseguiu anteriormente para uma consciência maior das coisas. Como
conseqüência, no princípio ficamos vulneráveis, pois se estamos preparados para
tal sacrifício em confiança, então nos abrimos demais para a vida e ela pode nos
machucar.
Esta lâmina tem como representação gráfica a letra hebraica MEM, que
tem o valor numérico 40.
A nível divinatório, o Enforcado representa em seus aspectos positivos:
- sacrifício, renúncia, abnegação.
- desinteresse, devoção, submissão ao dever, patriotismo.
- dedicação a uma causa superior, apostolado, filantropia.
Em seu aspecto negativo temos:
- falta de dedicação, promessas não cumpridas, projetos irrealizados.
- amor não compartilhado, bons sentimentos explorados.
- incapacidade de realização, fraquezas e perdas.

ARCANO Nº 13 - A MORTE
Nesta lâmina vemos a figura mitológica de Hades, o Senhor da Morte. Em
suas mãos está o alfanje simbólico, com o qual extermina os seres que já
cumpriram seu papel no grande palco da vida. A morte não reconhece e não
perdoa reis, nobres. Seja de onde forem ela simplesmente executa sua missão que
é levá-los no seu devido tempo.
A nível psicológico, Hades simboliza a finalização definitiva de um ciclo.
Sempre que mudamos uma atitude, novas circunstâncias podem ocorrer. Morre a
postura antiga que jamais voltará a sua forma original. Dessa maneira, Hades é o
símbolo daquilo que experimentamos com todos os finais. Além disso, seu
esqueleto indica o luto, a dor que sempre acompanha o término, tão necessário
para começarmos um novo ciclo. Na lâmina do Enforcado encontramos a
experiência da submissão voluntária às leis invisíveis da psique – a decisão de abrir
mão de algo na esperança de que uma nova fase possa surgir.
Agora, Hades representa aquele estágio intermediário onde somos
colocados face a face com a total irrevogabilidade de nossa perda, antes de termos
a sensação de que algo novo está para acontecer.
A lâmina da Morte não significa necessariamente uma finalização ruim. A
experiência inevitável pode estar relacionada a fatos completamente agradáveis,
como casamento ou nascimento de uma criança, porque tais fatos não apenas
indicam o indício de algo novo, como também indicam a morte de alguma forma
antiga de vida, e assim a perda deve ser reconhecida e lamentada. As despedidas
de solteiro representam bem essa situação, onde durante uma comemoração
alegre, se lamenta a perda do estado de solteiro para aquisição de outro, ou seja,
casado.
Por isso se justifica também a depressão especialmente das mulheres,
que acompanha o nascimento de uma criança, exatamente pelo reconhecimento
de uma fase da vida que está morta, enquanto a outra está nascendo.
Esta lâmina tem sua representação gráfica na letra hebraica NUM, cujo
valor numérico é 50.
A nível divinatório, a Morte significa em seu aspecto positivo:
- transformação, mudança inesperada, profundidade, penetração intelectual.
- metafísica discernimento agudo, sabedoria, resignação, estoicismo, desapego,
realismo, ceticismo.
Em seus aspectos negativos:
- ruptura, fim necessário, prazo fatal, fracasso inevitável,
- pessimismo, desilusão, desencanto.

ARCANO Nº. 14 A TEMPERANÇA

Nesta lâmina vemos um anjo de formas femininas jogar um jarro de para outro
um arco íris, suas asas tocam o céu e a ponta de seus pés a terra. Ela está semi-
nua o que demonstra sua inocência diante das coisas terrenas.
A nível psicológico A TEMPERANÇA represente a segunda lição que o LOUCO deve
aprender para construir uma personalidade estável, ou seja, o coração
equilibrado. Enquanto na lâmina Nº8 temos A JUSTIÇA, fria e objetiva, A
TEMPERANÇA representa, boa e misericordiosa, muito embora sua bondade não
seja piegas ou simplesmente sentimental. Está intimamente ligada aquilo que
chamamos de sentimento, que é diferente da emoção, pois a emoção é reação
visceral a uma situação, ao passo que o sentimento é a constante variação entre
os opostos, uma cuidadosa percepção das necessidades de uma situação
especifica, com objetivo de harmonia e relacionamento no final. Por isso, o anjo
derrama sem cessar a água de um jarro para outro, porque o sentimento precisa
fluir constantemente para se renovar de acordo com as necessidades de cada
momento. Enquanto o projeto da lamina da JUSTIÇA são rígidos, estáticos e
universais, o objetivo da TEMPERANÇA requer um ajuste contínuo e fluido, às
vezes positivo às vezes negativo.
Assim, tanto ela pode servir de uma forma amorosa como despejar sua vingança.
Entretanto, sua finalidade principal serve aos propósitos do âmago feminino, mais
que o masculino, e qualquer que sejam as reações mutantes do fluxo e até
mesmo a raiva e o conflito, a meta será sempre a cooperação a harmonia e um
relacionamento melhor.
Encontramos nesta lâmina, a letra hebraica SAMEK, cuja atribuição numerológica
é 60.

A nível divinatório, A TEMPERANÇA significa em sues aspectos positivos:


- Harmonia dos opostos, acomodações de interesses, praticidades
- Paciência, moderação, serenidade capacidade de composição.
-Adaptabilidade, sociabilidade
- Aceitação dos acontecimentos

A parte negativa desse ARCANO é:


-Indiferença, inação, omissão.
-Falta de personalidade, inconstância, humor cambiante, tendência a se deixar
levar pela circunstancia, passividade.
-Submissão à moda, aos costumes, e aos preconceitos..
-Resultados não conforme as aspirações, incapacidade de influir nos
acontecimentos

ARCANO Nº. 15 O DIABO

Nesta lamina vemos a figura mais conhecida dos últimos séculos O DIABO, esta
sentado em um cubo de pedra onde encontramos uma corrente que prende um
casal que esta sem roupa e com as mãos atadas. A mão esquerda O DIABO
aponta para cima mostrando a lua minguante e sua mão direita aponta para terra
onde vemos a lua crescente.

A nível psicológico, O DIABO, representa a servidão aos instintos da natureza.


Uma vez que este deus era dourado em grutas e cavernas que causavam
medo ,sua imagem nos sugere que tanto podemos temer como nos encantar ,
ou ,seja os impulsos sexuais e animais , que consideramos maus , justamente
por causa de sua natureza instintiva e compulsiva . Desde a era cristã, a figura
do deus Pã foi associado à figura do DIABO, representados por chifres de bode e
olhar malicioso, tendo sido desprezado por todos os seguimentos religiosos da
mesma forma que APOLO o desprezou na mitologia.

Entretanto, a presença desta lamina entre As ARCANOS MAIORES do TAROT,


indica da mesma forma que o mito, ou seja, o DIABO foi relegado, aos confins de
nosso inconsciente , representado tudo aquilo que tememos,odiamos e
desprezamos em nós mesmo e que na realidade nos escraviza por meio destes
temores e desgostos. A questão da vergonha do próprio corpo e dos impulsos
sexuais , especialmente aqueles que a psicanálise tanto se empenha a trazer a
luz nestes últimos 100 anos,fantasias incestuosas , taras com relação aos
excrementos e funções fisiológicas,complexo de inferioridade por causa da
aparência ,etc.,é a questão que a lamina do DIABO personifica .Até mesmo a
pessoa mais liberada sexualmente pode sentir esta secreta vergonha do próprio
corpo. A lamina do DIABO implica em bloqueios e inibições quase sempre de
ordem sexual que surgem de nossa falta de conhecimento e compreensão.

Nesta lamina, temos como representação gráfica a Letra Hebraica AYN, que tem
como valor numérico 70.

A nível divinatório O DIABO significa em sua parte positiva:

- Paixão, desejo. Atração sexual, magnetismo.


- Ação mágica, taumaturga fluídica, poder oculto.
-Influencia misteriosas, proteção contra feitiçaria.

Em seu aspecto negativo O DIABO significa:

-Concupiscência, super-excitação ,perturbação ,luxuria


-Conflitos, intrigas, problemas.
-Enfeitiçamento, fascinação, o individuo que é escravo das paixões.
-Fraqueza, egoísmo, degenerado sexual, onanismo, etc.

ARCANO Nº16 A TORRE


Nesta lâmina vemos uma torre sendo destruída por um raio, ao mesmo tempo
duas pessoas são arremessadas fora da torre e cai em direção ao chão.

A nível psicológico, A TORRE, retrata a queda dos antigos padrões.


A TORRE é a única estrutura construída pelo homem nos ARCANOS MAIORES e
exatamente por isso representa tanto as estrutura internas quanto externas do
homem, que construímos para servirem de defesa contra a vida e como
esconderijo para os aspectos negativos e menos agradáveis de nossa
personalidade. De um modo geral, A TORRE é a imagem das fachadas
socialmente aceitáveis que adaptamos para esconder nossa fera interior. Assim,
nos utilizamos de nossa profissões, nossas condições favoráveis, nossas filiações
às instituições respeitáveis e ótimas companhias, nossos sorrisos afáveis e
maneiras diplomáticas, nossa aparência bem cuidada, e nossa rígida moral
familiar. Tudo isso para tentar esconder o segredo vergonhoso que na carta do
DIABO espera O LOUCO na escuridão.
A TORRE é a estrutura dos falsos valores, ou daqueles já superados, daquela
postura diante da vida que não se origina de um personagem de uma peça,
apenas para impressionar a platéia. Da mesma forma A TORRE também
representa as estruturas que construímos no mundo externo para completar
nosso “EU” incompleto. Assim quando O LOUCO se depara com O DIABO, no
coração do labirinto interior, ele se modifica com o encontro, Fica mais humilde,
mais completo, mais ideal e mais real.
Vemos nessa lâmina o grafismo da Letra Hebraica PEI, cujo valor numérico
correspondente é 80.
A nível divinatório, A TORRE significa em seu aspecto positivo:
-Temeridade, desconfiança
-Mede de empreendimentos arriscados, experiência adquirida com o erro dos
outro.
-Bom senso, comedimento , timidez, piedade, humildade.
-Materialismo religioso, crise de saúde.
-Parto.

Em seu aspecto negativo:


-Ruína, catástrofe, provocada por imprudência.
-Erro punido, doença, maternidade clandestina, escândalo.
-Hipocrisia desmascarada, abusos, exageros.
-Presunção, orgulho, megalomania, empreendimentos quiméricos, auto ilusão

ARCANO Nº 17 A ESTRELA

Nesta lamina vemos a figura de uma mulher nua despejando água de dois jarros
que começam a formar um rio. Em cima de sua cabeça vemos sete estrelas
brilhando. Temos a impressão de que a natureza flui.

A nível psicológico a lamina da ESTRELA, significa que e uma parte do ser que
apesar das frustrações e desapontamento, da depressão de perdas, ainda tem
forças para se agarrar ao sentido da vida e ao futuro que pode superar a
infelicidade do passado. A ESTRELA não representa a convicção dos planos
futuros , ou a solução dos problemas individuais , ou somente a guia . Tal como
as laminas do ERMITÃO e do ENFORCADO, A ESTRELA e uma lamina de espera,
pois a esperança e uma tênue luz que brilha e nos guia, porem não dissipa a
escuridão da vida. A esperança e retratada por uma mulher principalmente por
ser aquela parte irracional do individuo (a intuição) que se apodera da estrela no
momento crucial do exame dos males que a afligem. A ESTRELA não espanta os
males, nem consegue desfazer uma vingança. Entretanto de alguma forma
misteriosa, ela oferece a fé e, consequentemente, na imagem apresentada, os
olhos da mulher estão fixos não na infelicidade da condição humana, mas na
certeza irracional e inexplicável de que em breve uma nova luz brilhara. Esse
ângulo de esperança não tem nenhuma ligação com as expectativas
programadas. Esta na verdade ligado a algo profundo dentro de nos que muitas
vezes chamamos de forca para viver e que (a despeito de ser uma experiência
subjetiva sem nenhum motivo aparente) quase sempre mostra a diferença entre
a vida e a morte. O s médicos pode comprovar essa afirmação com muita
facilidade, pois muitas vezes seus pacientes desenganados sobrepujam a doença
que os levaria a morte e saem vitoriosos da batalha ainda cheios de vida.

Esta lamina esta atribuída a Letra Hebraica TZADDI, cujo valor numérico e 90.

A nível divinatório A ESTRELA, significa em seu aspecto positivo:

-Esperança, otimismo, confiança no destino, candura, pureza, inocência.


-Sensibilidade pratica contemplação estética, romantismo, beleza.
-Inspiração, bondade, compaixão, sentimentos elevados idealismo e amor.
-Influencia astrológica favorável, amor à natureza.

Em seu aspecto negativo:

-Ilusões, irrealidade, espírito perdido em fantasias decepções.


-Falta de espontaneidade, artificialidade, despudor, imoralidade, leviandade.

ARCANO Nº18 A LUA

Nesta lâmina vemos a imagem de uma lua minguante entre as duas torres, do
meio destas surge um caminho onde os dois cachorros uivam desesperadamente
para ela, o caminho termina em um córrego onde vemos um caranguejo.
A nível psicológico, a lamina da LUA representa as profundezas fluidas do
inconsciente. Já nos deparamos anteriormente com este reino misterioso e denso
em duas outras laminas dos ARCANOS MAIORE: A SACERDOTIZA e a RODA DA
FORTUNA.Essas três laminas estão muitos associadas e representam um
progresso no aprofundamento da compreensão e experimentação do mundo
inconsciente.
Por intermédio, DA SACERDOTIZA, O LOUCO conscientizou-se de sua intuição e da
extensão da sua realidade interior, o sei “EU” secreto que habita sua pessoa, por
traz da personalidade assumida diante do cotidiano da vida. Por meio da RODA
DA FORTUNA, O LOUCO pode experimentar a força daquilo que chamamos de
destino, através de súbitas mudanças da vida que servem para revelar uma lei
invisível, ou mesmo um padrão interno pré-determinado. Agora da lamina da LUA,
encontramos a imagem de Hécate, a e experiência do imenso oceano do
inconsciente coletivo, do qual não apenas o individuo, mas toda a vida veio à
tona. A LUA é muito mais do que a configurações das profundezas pessoais. Ela
encarna o principio da vida propriamente dito, e suas três fases refletem o poder
multifacetado sobre o céu, a terra e sobre as trevas. Esse é um mundo caótico
sem fronteiras onde o individuo em sua viagem pessoal na busca da identidade,
representa uma pequena parte apenas.
O encontro com A LUA, é o confronto com um mundo transpessoal onde os limites
individuais estão diluídos, onde o sentimento e o ego de direção ficam perdidos, é
como se tivéssemos de esperar, submerso nas águas desse mundo, até que
nossos potenciais possam emergir é que por sua vez, se transformaram em nosso
futuro.
Nesta lâmina, temos com representação gráfica, a letra hebraica PEI que tem
como valor numérico 80.

A nível divinatório, A LUA, significa em seu aspecto positivo:


-Objetividade , mundo sensível, as experiências da vida.
-O sentimento elevado do espírito, o trabalho, as tarefas impostas, atividades
enfadonhas mas necessárias.
-Vidência passiva, lucidez, influencia materna, o lar, as recordações de infância, o
passado.
Em seu aspecto negativo, A LUA, significa:
-Imaginação, aparências, ilusões erro do sentido, falsa suposições.
-Teorias falaciosas, visionarismo, alucinações, desvarios, fantasias.
-Sensibilidade e adulações, ameaças e chantagens, apego ao passado

ARCANO N º 19 o SOL
Nesta Lamina vemos duas crianças brincarem de mãos dadas em um jardim,
por trás vemos o sol brilhar de uma forma muito bonita, ele esta nascendo.

A nível psicológico, o SOL, e a imagem as ânsia pela conscientização presente


na vida de todos, consequentemente, é o complemento natural e antítese da lua.
Durante muitos séculos e através da ascensão e queda da muitas CIVILIZAÇOES
cultura e desejo de saber a vontade de romper as amarras da ignorância,
levavam a humanidade a alturas perigosas, contudo majestosas. O sol então,
representa o espírito da sede de conhecimento, da inquietação intelectual,
aliadas a uma visão do futuro que abrange um ideal de perfeição. E assim o
LOUCO, se encontra com SOL para obter dele a esperança e a lucidez da lua do
dia após uma longa noite de espera no ventre da LUA.
Através das muitas perdas e dos muitos julgamentos a que foi submetido, O
LOUCO perde, tanto confiança em si mesmo, como poder de ação. Então surge O
SOL para dissipar suas duvidas, todo medo e angustia, e com seus raios.

As sombras da LUA representam o medo infantil da noite quando nos sentimos


diminuídos e sem importância diante da vastidão do desconhecido, ameaçados
pelas formas gigantescas que surgem não apenas da luta individual, mas de
todos nos á herança da nobreza humana e a determinação que pode restaurar a
fé do LOUCO em si mesmo, justamente porque essa fé, é o grande objetivo da
viagem de todos os homens.

A esta lamina esta atribuída à letra hebraica REISH, cujo valor numérico é 200.

A nível divinatório, O SOL, representa em seus aspectos positivos:

- LUZ, inteligência discernimento límpido, clareza de expressão e de julgamento.


- Talento literário e artístico, inspiração reputação, gloria e celebridade, talento
reconhecido, harmonia, compreensão, entendimento.
- Felicidade conjugal, almas gêmeas, fraternidade, predomínio da razão.
Em seus aspectos negativos:

- Orgulho, vaidade, amor próprio, posse, cabotinismo =, apego a aparências.


- miséria dissimulada, blefe, artista incompreendido medíocre.

ARCANO Nº. 20 O JULGAMENTO

Nesta lamina, vemos um anjo tocando uma trombeta para despertar os mortos. O
céu esta tingido de púrpura e violeta mostrando que o toque desperta os homens
para o mundo espiritual.

A nível psicológico, a lamina do JULGAMENTO reflete certos momentos críticos da


vida, ou seja, uma somatória de experiências passadas que se juntam para
compor um grande mosaico. Representa também as conseqüências daquelas
experiências e a necessidade de compreende-las e de aceita-las . Essa somatória
não é uma função intelectual propriamente dita, mas uma espécie de cozimento
de amadurecimento dos ingredientes turvos do inconsciente. E o chamado para
que o morto desperte para as varias ações e decisões que realizamos para
juntarmos todos os frutos e procedermos a
Colheita. O artista consegue experimentar este processo quando após muitas
horas ,semanas ,meses, e até anos de trabalho a fio na tentativa de formular
,pesquisar e colocar em pratica alguma técnica ,dando forma a uma idéia ou a
um projeto. Subitamente algo surge como que nada e assim ,faz nascer
uma nova obra. Processo semelhante acontece na psicoterapia ,onde o individuo
se empenha durante meses e meses na tarefa de montar as peças da memória
e as frações de sentimentos do passado e do presente aparentemente
bloqueadas e paralisadas.De repente consegue liberar um momento ,quando
ocorre um INSIGHT e o mosaico finalmente se encaixa e faz sentido.Esse
processo pode acontecer em qualquer plano da vida , onde permanecemos
cegos como toupeiras canalizando todos os esforços para algo que permanece
vago durante muito tempo para finalmente,sermos recompensados com a
síntese do processo e com uma nova proposta de desenvolvimento.Assim , a
figura do anjo conduzindo as almas dos mortos para o JULGAMENTO ,indica na
realidade o processo de nascimento.O nascimento de uma personalidade mais
completa,que surge de uma forma não racional a partir das experiências do
passado,entrelaçada pelo INSIGH e com a sensação de que os fatos e
circunstancias aparentemente causais estão , na verdade ,secretamente ligados
uns aos outros .

Nesta lamina a Letra Hebraica SHIN, cujo valor numérico é 300.

A nível divinatório, o JULGAMENTO, significa em seu aspecto positivo:


- Entusiasmo, exaltação anímica, espiritualidade, sopro redentor, ressurreição,
inspiração, julgamento, decisão, missão, apelo místico, profetismo, apostolado,
pregação mística.

Em seu sentido negativo

-Messianismo, fanatismo, falso profeta, baixa espiritualidade.


- Confusões, barulhos, agitação das massas..

ARCANO Nº21 O MUNDO

Nesta lâmina vemos uma figura segurando dois bastões e cercado por uma coroa
de flores, nos quatro cantos da lamina encontram-se os animais simbólicos dos
elementos.
a nível psicológico, O MUNDO, é a imagem da experiência de seremos inteiros e
completos. Masculino e feminino representam as grande polaridades que
circundam todos os oposto na vida. O ser bissexual, que nasceu numa visão
mitológica e se realizou em outra, é símbolo da integração em potencial dos
opostos dentro de uma só personalidade. A partir do instante em que o
hermafrodita nasce, o potencial de integração está inerente a cada um de nós.
Por outro lado, o hermafrodita realiza-se, em razão das varias experiências dessa
viagem dos ARCANOS MAIORES, que conduziram o individuo a totalização do
próprio ser. As qualidades do cuidado maternal e do código de ética paternal, da
intuição e da solicitude, do conflito e da harmonia, do espírito e da matéria, todos
estes opostos que continuamente lutam dentro de nós e que, ju8stamente por
causa dessa grande batalha, conseguem aperfeiçoar nossa personalidade, então
contidos na lamina DO MUNDO, unido, convivendo harmonicamente dentro do
circulo de flores que simboliza a vida eterna.
A imagem de complementação, de integração total, conforme é descrita na
lamina? É o objetivo ideal, é algo muito mais importante do que qualquer coisa
que possamos adquirir na vida. Entretanto somos humanos, e por isso mesmo
imperfeitos, e a divina androgenia está além do alcance de um ser humano sem
treino, mas tudo é possível.
Entretanto existem momentos em que podemos percebê-la, ao nos
conscientizarmos muitas vezes, que elementos conflitantes de nossa própria
personalidade finalmente se aquietaram, onde ocorrem uma resolução interna
para a trégua e a paz serem sentidas.
A nível divinatório a lamina DO MUNDO, significa em sue aspecto positivo:
-Fortuna maior, sucesso completo, coroamento de uma obra, realização de um
projeto.
-Circunstancias extremamente propicias, ambiente favorável, absorção
contemplativa, êxtase, integridade absoluta.
Em seu aspecto negativo:
-Obstáculo considerável, distração, falta de concentração e aplicação, grande
revés, ruína, fracasso, desconsideração social, desprestigio

Espero que esta pequena explanação sirva para guiar que em verdade, buscam o
conhecimento e o profundo saber do TAROT.

Que o profundo conhecimento deste livro O TAROT possa se manifestar


revelando todos os seus segredos. E por favor, entenda que este conhecimento
não me pertence, mas sim a todo aquele deseja a se dedica ao estudo de suas
laminas, escavando assim, seu saber ancestral.

CAPITULO Nº. 4 - ARCANOS MENORES

Admite-se geralmente que as lâminas eram uma classificação ou mapa do


universo. O universo material sempre foi dividido da primeira à quarta instância,
e o número quatro é à base do Tarot.
Há quatro naipes correspondentes aos quatro elementos, quatro pontos cardeais,
quatro posições do sol, quatro estações do ano e assim por diante. Disto derivam
diretamente os outros números envolvidos nesta classificação.

1 + 2 + 3 + 4 = 10
_
1+2=3 |
3+4=7 |-- 22
3 x 4 = 12 _|

O número dos Trunfos (22) está de acordo com o dos Atus, ou Casas, ou Chaves.
O tema das cartas e do livro (o Tarô é chamado o livro de Thoth ou Tahuti, o
Mercúrio Egípcio) refere-se à influência dos 10 números e das 22 letras sobre o
homem, e o melhor método para que este manipule as forças daqueles.

Parece, a partir da classificação, que o sistema do Tarô é o da Qabbalah hebraica.


Qabbalah significa “recebido (a)”, isto é, uma tradição recebida por meio da
iniciação. A Qabbalah hebraica sustenta ser baseada na Qabbalah egípcia.
Supunha-se que Moisés, o grande magista dos hebreus, havia sido iniciado pelos
hierofantes daquele país. Esta teoria é confirmada pelos traços fortemente
marcados de figuras e idéias egípcias nos próprios desenhos tradicionais, mas há
também uma múltipla expressão da influência das religiões indianas. Em
particular, o Deus indiano Ardha-nari é representado com quatro armas dos
quatro naipes, Bastões, Taças, Espadas e Discos. Parece, portanto, provável que
os adeptos egípcios e indianos tenham sido os responsáveis pela forma primitiva
do baralho, atualmente perdida. O que é inegável é que o maço deve ter sido
reunido, em sua forma medieval, pelos cabalistas hebreus.

Os arcanos menores se dividem em quatro grupos

- PAUS - Empreendimento e gloria


- COPAS - Amor e felicidade
- ESPADA - Ódio e infelicidade
- OUROS - Dinheiro e o interesse

Empreendimentos, Amor, Ódio e fortuna são os quatro grandes princípios que são
preciso conhecer em primeiro lugar.

Cada serie esta formada por quatorze laminas, das quais quatro são figuras:

- O REI representa um homem.


- A RAINHA representa uma mulher.
- O CAVALEIRO representa o jovem.
- O PAGEM representa a criança.
O homem representa o criador, aquele que é responsável pelos
empreendimentos; a mulher caracteriza o amor, o cavaleiro representa os
combates, as lutas, as rivalidades, o ódio; a criança representa a neutralidade
absoluta, representa qualquer valor, segundo caso, a fortuna que se dirigem a
todos e se aplica a tudo, a transmissão universal. Homem, Mulher, Cavaleiro e
criança, aplicados á família correspondem aos quatro grandes princípios aplicados
á humanidade.

Resumindo poderemos dizer que o primeiro elemento representa o positivo, o


segundo o negativo, o terceiro a oposição entre os dois e, finalmente, o ultimo, a
neutralidade absoluta. Estes elementos estão simbolizados pelas figuras de cada
um dos ARCANOS MENORES.

Do mesmo modo em que as laminas se dividem em duas cores básicas, vermelho


e preto, a humanidade divide-se em menores e Loiros.

As quatro figuras de paus e as quatro figuras de espadas.


Representam os morenos; as de copas e ouros os loiros.

Igualdade as figuras de paus e copas serão boas e as figuras de espadas e ouro


serão más.

Alem das quatro figuras, é preciso considerar ainda, as dez lâminas numeradas.
Divida as dez laminas (um naipe de cada vez) em quatro montes, três montes de
três laminas e, um de uma lamina a décima.

Feito isso, diremos que:

- O primeiro monte formado pelas laminas ás, 2 e 3 terá o mesmo sentido que o
homem e significando os empreendimentos, o começo, o inicio de um assunto
qualquer (amor, empreendimentos, ódio e dinheiro).
- O segundo monte, com 4, 5, e 6 representa a mulher, antítese, ou seja, o
contrario do homem, o antagonismo, a oposição a um negocio qualquer.

- O terceiro monte, com o 7, 8, e 9 significa síntese resultante da interjeição dos


opostos, o equilíbrio representado pelo jovem.
Finalmente a décima lamina, a criança, que representa a neutralidade absoluta.
Cada uma das três laminas de cada monte terá o mesmo sentido. A primeira
indicara o principio. A segunda indicara a oposição, a terceira o equilíbrio
resultante para as dez laminas as seguintes teremos as series:

CHAVE DO TAROT ADIVINATORIO

• principio
• oposição do principio
• equilíbrio
• principio
• oposição da oposição
• equilíbrio

• principio
• oposição do equilíbrio
• equilíbrio
• Indeterminado só poderá ser explicado pela lamina seguinte.

Seguindo esta explanação, só me resta agora dar o significado de cada


lamina dos arcanos menores. Porem não será dada à interpretação psicológica,
astrológica e cabalísticas, que deixaremos para o próximo Curso, por se tratar de
um assunto muito extenso e de significado mais apropriado para aqueles que já
entenderam a jornada do LOUCO pelos Arcanos maiores.

É bom reavivarmos a memória para as seguintes questões:

1º as laminas que tem como significado um homem, podem representar a mente


consciente do consulente ou da outra pessoa e acordo com o grupo de laminas
que estiverem a sua volta.

2º a mulher pode representar o inconsciente ou questões que ainda não vieram


ao mundo objetivo.

AS CARTAS MENORES E AS CARTAS DA CORTE

BASTÕES

Ás de Bastões: representa a essência do elemento Fogo em seu começo. As


chamas são Yods, arrumados na forma da Árvore da Vida. É a energia primordial
manifestada na matéria.
Significado Divinatório: Força natural e não invocada. Força, Poder, Ímpeto, vigor,
energia.

Dois de Bastões = Domínio. Chokmah no naipe do Fogo. Marte em Áries. Há,


aqui, dois dorjes cruzados. O dorje é o símbolo tibetano da destruição. Mas a
destruição pode ser vista como o primeiro passo no processo criativo.
Significado Divinatório: Domínio, Ousadia, Coragem, Impetuosidade, Firmeza de
Animo, Influência sobre os outros.

Três de Bastões = Virtude. Binah no naipe do Fogo. Sol em Áries. Os Bastões


tomam a forma do Lótus, representando o estabelecimento da energia primordial.
Significado Divinatório: Poder estabelecido, Concretização de uma esperança,
Sucesso na luta, Orgulho e Arrogância.

Quatro de Bastões = Conclusão. Chesed no naipe do Fogo. Vênus em Áries. Os


Bastões têm, numa ponta, o Carneiro sagrado de Áries e, na outra, as pombas de
Vênus. A Vontade original de Dois foi transmitida através de Três, e é agora
erigida num sólido sistema de ordem, lei e governo.
Significado Divinatório: Descanso depois do trabalho, Término de algo que exigiu
muito trabalho. Preparativos concluídos.

Cinco de Bastões = Disputa. Geburah no naipe do Fogo. Saturno em Leão. Estes


Bastões são o do Chefe Adepto (ou Caduceus), segundo Adepto (ou Fênix) e
terceiro Adepto (ou Lótus). Cinco chamas duplas demonstram energia
balanceada. Isto é puramente força ativa.
Significado Divinatório: Conflito, Desentendimento, Luta Disputa Violenta.

Seis de Bastões = Vitória. Tiphareth no naipe do Fogo. Júpiter em Leão. Os três


Bastões dos três adeptos, dispostos em ordem. Nove chamas queimam como
lâmpadas. A energia, com sua recepção e reflexão pelo Feminino, é tipificada.
Significado Divinatório: Vitório após a luta, Ganho e Sucesso através de energia e
esforço.

Sete de Bastões = Valor. Netzach no naipe do Fogo. Marte em Leão. Os Bastões


dos Adeptos são afastados para o fundo; na frente, está uma clava cru e áspera;
as chamas são dispersas. Isto demonstra a degeneração da Energia inicial e a
perda do equilíbrio.
Significado Divinatório: Oposição, às vezes coragem, possível vitória dependendo
da energia e coragem empregada; bravura, obstáculos e dificuldades.

Oito de Bastões = Rapidez. Hod no naipe do Fogo. Mercúrio em Sagitário. Esta


carta apresenta os Bastões de Luz transformados em raios elétricos, constituindo
a matéria com sua energia. Acima desse Universo restaurado, está o Arco-íris,
representando interação e correlação. Também demonstra energia de alta
velocidade.
Significado Divinatório: Rapidez, Comunicação Rápida. Carta, Mensagem, Excesso
de Força demasiado súbita. Ímpeto muito rápido, mas logo ultrapassado e
dissipado. Violento mas não permanente.

Nove de Bastões = Força. Yesod no naipe do Fogo. Lua em Sagitário. Os


Bastões de tornaram flechas, em número de oito, e uma flecha Mestra, que tem a
Lua como ponta e, acima, o Sol como a força impulsora. Esta carta dá o mais
completo desenvolvimento da Força em sua relação com as Forças acima dela.
Significado Divinatório: Grande Força, Poder, Saúde. Cura de doença. Força
espantosa e inabalável que não pode ser combatida. Força hercúlea, ainda que às
vezes aplicada de forma cientifica.

Dez de Bastões = Opressão. Saturno em Sagitário. Malkuth no naipe do Fogo.


Os Bastões estão cruzados, mostrando os poderes das energias aperfeiçoadas do
Fogo, mas perderam suas patentes de nobreza. Na frente, estão dois dorjes
alongados como barras. Esta carta mostra a Força desligada de suas fontes
espirituais.
Significado Divinatório: Crueldade e malevolência em relação aos outros.
Opressão. Vingança. Injustiça. Força e Energia cruéis e dominadoras aplicadas
com propósitos materiais e egoístas.

Cavaleiro de Bastões (rege de 20º Escorpião a 20º Sagitário, incluindo parte de


Hércules) = parte ígnea do Fogo. Esta carta apresenta um guerreiro em armadura
completa. No seu elmo, como crista, ele tem um cavalo negro. Em sua mão, ele
carrega uma tocha ardente; há uma flama, também, em sua capa; e ele cavalga
sobre as chamas. Seu corcel é negro e está saltando.
Significado Divinatório: Um homem loiro ou ruivo com olhos azuis ou castanho-
claros. Ativo, Generoso, Ardente, rápido e impetuoso. Mal posicionado, ele é
maldoso, cruel, intolerante e brutal.

Rainha de Bastões (rege de 20º Peixes a 20º Áries) = parte aquosa do Fogo,
sua fluidez e cor. A carta mostra uma Rainha com a coroa do globo alado. Ela está
sentada num trono de chamas, ordenadas em luz geométrica por seu poder
material. Ela carrega um Bastão com um cone de pinho no topo, sugestivo dos
mistérios de Baco.
Significado Divinatório: Mulher loira ou ruiva de olhos azuis ou castanhos. Firme e
resoluta com poder de atração, generosa quando não contrariada. Mal
posicionada pode virar-se contra alguém e se tornar tirana.

Príncipe de Bastões (rege de 20º Câncer a 20º Leão) = parte aérea do Fogo,
com sua faculdade de expansão e volatilidade. Ele está sentado numa Carruagem
de Chamas e segura o Bastão da Fênix, de Poder e Energia.
Significado Divinatório: Jovem loiro de olhos azuis ou cinzentos, rápido, forte,
justo e generoso. Mal posicionado indica crueldade.

Princesa de Bastões (rege um quadrante dos céus em torno do Pólo Norte) = a


parte térrea do Fogo, ou a atração química irresistível da substância combustível.
Ela tem as plumas da Justiça saindo da sua sobrancelha e segura um Bastão
coroado pelo Sol.
Significado Divinatório: Jovem loira ou ruiva de olhos azuis. Coragem, beleza
Força, ou cólera, deseja de poder que se manifestam subitamente.

TAÇAS

Ás de Taças = o elemento da Água, em sua forma secreta e original. É o


complemento feminino do Ás de Bastões. Esta é a carta primordial na forma
essencial do Santo Graal.
Significado Divinatório: Fertilidade, Produtividade, Beleza. Prazer. Felicidade.

Dois de Taças = Amor. Chokmah no Naipe da Água. Vênus em Câncer. A carta


apresenta duas taças transbordando sobre um mar calmo. Elas são preenchidas a
partir de um Lótus, flutuando sobre o mar, unido a dois golfinhos, demonstrando a
harmonia do macho e da fêmea, interpretada no mais alto e amplo sentido.
Significado Divinatório: Amor, Casamento. Prazer. Afetuosa Amizade. Masculino e
feminino unidos harmoniosamente.

Três de Taças = Abundância. Binah no Naipe da Água. Mercúrio em Câncer. As


Taças são romãs, generosamente transbordando num mar calmo, tipificando o
cumprimento da Vontade de Amar.
Significado Divinatório: Abundancia hospitalidade, comer, beber, prazer, dança,
roupas novas e divertimento. Fartura, Amor, Contentamento.

Quatro de Taças = Luxúria. Chesed no Naipe da Água. Lua em Câncer. As quatro


Taças estão sobre o mar, já não mais estável, mas sim encrespado. O Lótus tem
uma haste múltipla. A energia do elemento, apesar de ordenada, perdeu a pureza
original da concepção.
Significado Divinatório: Mistura de prazer e sucesso chegando perto do fim,
período estável de felicidade que pode ou não ter continuidade. É um símbolo
passivo demais, não representando sempre a felicidade completa.

Cinco de Taças = Desapontamento. Geburah no Naipe da Água. Marte em


Escorpião. As Taças estão vazias. Elas estão dispostas como um pentagrama
invertido. Simbolizam o triunfo da matéria sobre o espírito.
Significado Divinatório: Desapontamento no amor, casamento rompido,
tratamento indelicado. Perda de amizade, perda e pesar. Tristeza.

Seis de Taças = Prazer. Tiphareth no naipe da Água. Sol em Escorpião. As hastes


do Lótus estão agrupadas num movimento elaborado. A água jorra, através das
flores, para dentro das Taças; estas estão cheias, mas não transbordando. Isto
mostra a influência do Sol sobre a Água. Sua força ígnea, mas balanceada, opera
sobre um tipo de putrefação que é à base da fertilidade.
Significado Divinatório: Sucesso, Felicidade, Começo de um constante aumento,
Começo de ganho e prazer.

Sete de Taças = Deboche. Netzach no naipe da Água. Vênus em Escorpião. Os


Lótus se tornaram venenosos; lodo verde escorre deles. Eles estão dispostos em
dois triângulos descendentes, com uma taça embaixo, muito maior do que as
demais. Isto demonstra esplendor externo e corrupção interna.
Significado Divinatório: Mentira, promessa não cumprida, Falsidade, possível
vitória neutralizada pela indolência da pessoa, ilusão. Fornicação e luxuria.

Oito de Taças = Indolência. Hod no naipe da Água. Saturno em Peixes. Os Lótus


murcharam; as Taças são rasas e velhas, estando ordenadas em três fileiras. A
fileira de cima está vazia.
Significado Divinatório: Sucesso abandonado, declínio do interesse por tudo,
coisas postas de lado, nada é duradouro, às vezes sem causa.

Nove de Taças = Felicidade. Yesod no naipe da Água. Júpiter em Peixes. As nove


Taças estão perfeitamente arranjadas em um retângulo. Elas estão cheias e
transbordando de água. Este é o aspecto mais benéfico da água.
Significado Divinatório: Sucesso completo, prazer, felicidade, desejo realizado,
felicidade quase perfeita.

Dez de Taças = Saciedade. Malkuth no naipe da Água. Marte em Peixes. As


Taças são arranjadas como na Árvore da Vida, mas estão instáveis e derramam a
água do grande Lótus que está acima delas. Isto tipifica a força desordenada e
violenta que, inevitavelmente, ataca toda suposta perfeição.
Significado Divinatório: Sucesso e felicidade permanentes e duradouros. Questões
resolvidas e arranjadas como se desejava.

Cavaleiro de Taças (rege de 20º Aquário a 20º Peixes, incluindo grande parte de
Pégaso.) = parte ígnea da Água, ou o poder de solubilidade da água. A carta o
apresenta como um guerreiro numa armadura negra, com asas brancas, sobre
um cavalo branco. Em sua mão, ele carrega uma Taça, da qual sai um
Caranguejo, símbolo da agressividade d’água. O pavão simboliza o brilho da
água.
Significado Divinatório: Homem de cabelo claro e olho azul, elegante, venusiano,
numa posição ruim ele é indigno de confiança.

Rainha de Taças (rege de 20º Gêmeos a 20º Câncer) = parte aquosa da Água,
ou o seu poder de reflexão e recepção. Ela está entronada sobre a água parada e
carrega uma Taça em forma de concha, contendo uma lagosta. Na sua outra mão,
ela segura o Lótus de Ísis.
Significado Divinatório:

Príncipe de Taças (rege de 20º Libra a 20º Escorpião) = parte aérea da Água, ou
sua elasticidade e volubilidade, e a energia do vapor. Nesta carta, ele está
sentado numa carruagem, cercado por nuvens e puxado por uma águia. Ele
carrega um Lótus e uma Taça, da qual sai uma serpente espiral.

Princesa de Taças (rege outro quadrante) = parte térrea da Água, ou a sua


faculdade de cristalização; também, sua faculdade de dar substância à idéia, de
suportar a Vida e de formar a base da combinação química. Ela é representada
como uma figura dançante e possui, na crista, um cisne com as asas abertas. Ela
carrega uma Taça com uma tartaruga. O golfinho simboliza o poder de criação.

ESPADAS

Ás de Espadas. Esta carta representa o primeiro dos elementos misturados,


sendo o resultado da União da Água com o Fogo. No centro, está uma espada,
implicando realeza, que atravessa uma coroa com doze pontas, os doze signos do
Zodíaco.

Dois de Espadas = Paz. Chokmah no naipe do Ar. Lua em Libra. Nesta carta, há
duas espadas cruzadas, unidas por uma rosa azul com cinco pétalas, que emite
raios brancos, produzindo um padrão geométrico que sugere uma energia além
da luta da perturbação do intelecto.

Três de Espadas = Dor. Binah no naipe do Ar. Saturno em Libra. A carta


representa a Grande Espada do Magista, com a ponta para cima, cortando a
junção das duas espadas curtas. O fundo mostra cristalização e tempestade. Esta
é a escuridão do Grande Mar.

Quatro de Espadas = Trégua. Chesed no naipe do Ar. Júpiter em Libra. As


quatro espadas nesta carta estão nos cantos de uma Cruz de Santo André. Suas
pontas estão embainhadas numa rosa de quarenta e nove pétalas. Isto
representa o estabelecimento de dogma e convenção no reino do intelecto.

Cinco de Espadas = Derrota. Geburah no naipe do Ar. Vênus em Aquário. Os


punhos das espadas formam um pentagrama invertido e são diversos, as lâminas
estão quebradas e tortas, tipificando intelecto enfraquecido pelo sentimento.

Seis de Espadas = Ciência. Tipharet no naipe do Ar. Mercúrio em Aquário. Os


punhos ornamentais das Espadas formam um hexágono na carta. Suas pontas
tocam as pétalas externas de uma rosa vermelha sobre uma Cruz Dourada de
seis quadrados. O equilíbrio perfeito das faculdades mentais e morais,
dificilmente obtido e impossível de se manter, interpreta a idéia da Ciência.

Sete de Espadas = Futilidade. Netzach no naipe do Ar. Lua em Aquário. A carta


mostra seis Espadas com seus punhos em crescente formação. Suas pontas se
chocam com uma Espada muito maior, movendo-se para cima. Aqui, vacilação e
compromisso são retratados.

Oito de Espadas = Interferência. Hod no naipe do Ar. Júpiter em Gêmeos. O


centro da carta contém duas longas Espadas apontando para baixo, enquanto
seis menores, sugerindo armas orientais, as cruzam, três de cada lado. A carta
sugere falta de persistência em matérias intelectuais e interferência acidental.

Nove de Espadas = Crueldade. Yesod no naipe do Ar. Marte em Gêmeos. As


nove Espadas são de tamanhos diferentes, apontando para baixo; sangue pinga
de suas pontas irregulares. O fundo é cravejado de lágrimas e formas de cristal.
Nesta carta, o intelecto é substituído por paixão cruel.

Dez de Espadas = Ruína. Malkuth no naipe do Ar. Sol em Gêmeos. As Espadas


são ordenadas sobre a Árvore da Vida, mas as pontas de um a cinco e de sete a
nove racham a Espada central, que representa o Sol, o Coração. O fundo é
inflamado com destruição explosiva. Esta carta mostra a razão enlouquecida e
um excesso de mecanismos desalmados.

Cavaleiro de Espadas (rege de 20º Touro a 20º Gêmeos) = a parte ígnea do Ar,
vento e tempestade; o poder violento do movimento aplicado a um elemento
manejável. Ele é representado como um guerreiro com um elmo que tem uma
asa giratória, montando um corcel enlouquecido. Ele carrega uma Espada e um
Punhal.

Rainha de Espadas (rege de 20º Virgem a 20º Libra) = a parte aquosa do Ar,
isto é, sua elasticidade e seu poder de transmissão. Ela está entronada sobre as
nuvens, e seu elmo leva a cabeça de uma criança. Em uma mão, uma espada; na
outra, a cabeça de um homem. Representa a percepção clara de uma idéia, a
Libertadora da mente.

Príncipe de Espadas (rege de 20º Capricórnio a 20º Aquário) = a parte aérea do


Ar. Esta carta tipifica o intelecto. O Príncipe está sentado numa carruagem
puxada por fadas semelhantes a crianças.

Princesa de Espadas (rege um terceiro quadrante) = a parte térrea do Ar; a


fixação do volátil, ou a materialização da idéia. Ela aparece nesta carta defronte a
um altar estéril, tendo um elmo de Medusa sobre sua cabeça.

DISCOS

O Ás de Discos representa o último dos símbolos femininos; é a irmã gêmea do


Ar, e sua noiva. Não é apenas a Terra, mas a própria matéria. Per contra, o Disco
é o símbolo rodopiante do Espaço. O Disco é alado para indicar a sua origem
espiritual.

Dois de Discos = Mudança. Chockmah no elemento da Terra. Júpiter em


Capricórnio. A carta apresenta dois pantáculos, um acima do outro, que são os
símbolos chineses do yang e yin. A sua volta está uma Serpente verde, formando
a figura 8. Esta carta representa a doutrina: “a Mudança é o suporte da
estabilidade”.

Três de Discos = Trabalho. Binah no elemento da Terra. Marte em Capricórnio.


Esta carta representa uma pirâmide vista de cima. A base é formada de três
rodas, representando Mercúrio, Enxofre e Sal; sattvas, rajas e tamas; aleph, shin
e mem. Isto significa o estabelecimento material da idéia do universo.

Quatro de Discos = Poder. Chesed no naipe da Terra. Sol em Capricórnio. Os


Discos são muito grandes e sólidos, sugerindo uma fortaleza. Esta carta simboliza
a Lei e a Ordem, mantidas pela constante vigilância.

Cinco de Discos = Preocupação. Geburah no naipe da Terra. Mercúrio em Touro.


Esta carta mostra cinco discos num pentagrama invertido. O efeito geral é o de
tensão, embora o símbolo seja o de uma longa continuidade de inação. Seu
significado natural é o da inteligência aplicada ao labor.

Seis de Discos = Sucesso. Tipharet no naipe da Terra. Lua em Touro. Os Discos


estão num hexagrama. Os planetas estão arrumados em sua atribuição usual; no
Centro está o Sol como Rosa e Cruz. Isto representa o estabelecimento
harmonioso da energia dos Elementos.

Sete de Discos = Fracasso. Netzach no naipe da Terra. Saturno em Touro. Os


Discos estão arrumados como na figura geomântica Rubeus. Esta carta
representa enfraquecimento e influências nefastas.
Oito de Discos = Prudência. Hod no naipe da Terra. Sol em Virgem. Os Discos
estão arranjados como a figura geomântica Populus, e representam o fruto de
uma grande árvore. Significa inteligência aplicada a questões materiais.

Nove de Discos = Ganho. Yesod no naipe da Terra. Vênus em Virgem. Os Discos


estão dispostos como três triângulos equiláteros, ápice para cima, envolvidos por
um anel. Seis Discos maiores formam um hexágono. Isto significa a multiplicação
do Mundo original, a mistura de boa sorte e boa administração.

Dez de Discos = Riqueza. Malkuth no naipe da Terra. Mercúrio em Virgem. Os


Discos se tornaram moedas, e estão dispostos sobre a Árvore da Vida, sendo o
décimo Disco maior que os outros. A imagem indica a futilidade do ganho
material.

Cavaleiro de Discos (rege de 20º Leão a 20º Virgem) = a parte ígnea da Terra.
Montanhas, terremotos, assim como gravitação e a atividade da Terra como a
criadora da Vida. Ele está vestido como um guerreiro, e seu elmo tem um cervo
na crista. Ele está armado com um mangual, carrega um Disco excepcionalmente
sólido e está montado num cavalo de trato.

Rainha de Discos (rege de 20º Leão a 20º Virgem) = a parte aquosa da Terra,
ou fertilidade. Ela está entronada em meio à vegetação e é coroada com os
chifres espirais de Markhor. Seu cetro é coroado por um cubo, e ela segura seu
próprio Disco - uma esfera de círculos e laços. Ela representa a ambição da
matéria quanto a tomar parte no trabalho da criação.

Príncipe de Discos (rege de 20º Áries a 20º Touro) = parte aérea da Terra, ou a
florescência e frutificação desse elemento. Ele está sentado numa carruagem
puxada por um touro. Seu elmo é coroado por um touro, e ele carrega um Disco
que se assemelha a um globo marcado com símbolos matemáticos. Na outra
mão, ele carrega um cetro coroado por uma cruz. A carta simboliza a função de
fazer surgir, da terra, a vegetação, que é a substância do próprio Espírito.

Princesa de Discos (rege um quarto quadrante dos céus em torno de Kether) =


parte térrea da Terra, ou o elemento à beira da Transfiguração. Ela está de pé;
sua crista é a cabeça do carneiro; seu cetro desce pela terra, onde sua ponta se
torna um diamante. Atrás, há um bosque de árvores e um altar semelhante a um
molho de trigo. Ela carrega um Disco, em cujo centro está o ideograma chinês
que denota a dupla força espiral da Criação em perfeito equilíbrio.

Com isto concluímos nossa jornada pelos ARCANOS MENORES do TAROT.


Jornada esta incompleta, pois existe nestes arcanos toda uma gama de
conhecimento de fundo psicológico e metafísico, que deixaremos para abordá-los
em um próximo curso.

CAPITULO Nº. 5
A IMPORTANCIA DE UMA ENERGIA EQUELIBRADA PARA A LEITURA DO TAROT

Como diz o titulo deste capitulo, trataremos da importância da energia


bem equilibrada para um bom aproveitamento da intuição, ferramenta
fundamental para a interpretação e sinterização dos agrupamentos de laminas
em uma jogada. Muitas vezes, vemos pessoas interpretando de uma forma não
cientifica, e por isso mesmo falha. Estas pessoas alegam que não precisão de um
conhecimento pratico e teórico sobre circulação e canalização de energia psíquica
para um melhor aproveitamento de sua potencialidade natural.

Como disse no inicio deste opúsculo sobre o Tarot, este não se trata de
uma simples carta de adivinhação, mas resume todo um universo psicológico,
místico e esotérico em sua composição.

Portanto, vamos tratar neste capitulo, essencialmente pratico, da


circulação de energia Psiquica e da manipulação consciente da intuição,
canalizando para a interpretação das laminas. Todos os exercícios serão
acompanhados de gravuras demonstrativas, de como ocorre à circulação de
energia durante o exercício ministrado.

Todos nós temos em maior grau, de acordo com nosso desenvolvimento


pessoal, forças que em nada são sobrenaturais, e que nas ultimas décadas vem
sendo pesquisadas pela parapsicologia.

Estes exercícios que serão dados farão com que estas energias entrem
em atividade e no caso de já estarem ativas, proporcionará maior controle,
facilitando o seu direcionamento.

São exercícios sem contra indicação e podem ser realizados sem


nenhum receio dentro dos tempos estabelecidos.

Este exercício que será dado agora, o 1º desta serie, é um exercício


básico e devera ser feito pelo menos quatro vezes por semana. Sendo ideal que
se realizem todos os dias. Ele tem por finalidade renovar as energias dentro de
nos, e é notável como nos sentimos revigorados quando terminamos este
exercício. Aqui no Brasil, é comum encontrar – mos pessoas com um tipo de
energia chamada pela parapsicologia de Psigama, estas pessoas quando não
utilizam esta energia entram com facilidade em depressão e podem ate mesmo
chegar à loucura (este ultimo caso é muito raro de ocorrer) devido a um
“envelhecimento” desta modalidade de energia, este exercício fortalecera todas
as energias incluindo a Psigama.
EXERCICIO Nº. 1

Neste exercício, vamos utilizar uma cadeira de espaldar reto.


Duração máxima inicial 40 min.
Ideal que se realizem todos os dias ou sempre que se sentirem
cansados.

Sente – se com as costas bem apoiada, para que desta forma fiquem
com a coluna ereta. Comecem a inspirar profunda e lentamente durante uns 3
minutos. Após este tempo comece a contar as batidas do coração (pode – se
contar pelo pulso).

Respire durante quatro batidas, segure o ar nos pulmões durante dois


batida, solte o ar durante quatro batida, mantenha os pulmões sem ar durante
duas batidas, renove o processo. Faça esta respiração durante 10 minutos
aproximadamente. Quando estiver consciente do ritmo de sua respiração, relaxe
e comece a imaginar uma energia de cor branca entra pelo alto da cabeça e
impregnar todo seu corpo (Lembre – se você esta energia com sua, mente),

Procure sentir como é benéfica esta energia, que pouco a pouco renova
todas as células de seu corpo. Quando seu corpo estiver formigando. Ordene
mentalmente ou em voz alta se o lugar permitir, que todas as impurezas de seu
corpo deverão sair empurradas por esta energia, que prontamente ao seu
comando elimina estas impurezas pela sola de seus pés. Não se preocupe se no
começo não conseguir manter a imagem por muito tempo, basta que tenha
certeza de sua eficiência.

EXERCICIO N° 2

Este exercício elimina a ansiedade.

Sente – se como no exercício anterior e sinta sua respiração, veja como


ela se torna mais profunda conforme você a observa. Sinta sua respiração, mas o
alento que mantém seu ser vivo. Sinta a paz que a respiração transmite. Pouco a
pouco a você esquece de seus problemas e só consegue sentir sua respiração.

Agora veja uma luz branca entrar junto com o alento que te sustenta, ele
entra e se aloja no seu coração. Sinta a paz que invade todo seu ser. Não existe
mais, o tempo e o espaço, só a sensação de unidade a totalidade do seu ser.
Agora abra os olhos e termine o exercício.

Veja como está relaxado e seus músculos descontraídos.


EXERCICIO N º 3

Este exercício tem como objetivo a energização do corpo e das mãos.


Trata-se de uma variante do exercício nº. 1.
A duração máxima inicial de quarenta minutos.

Sente-se confortavelmente com a coluna bem apoiada e ereta,


Mantenha os pés ligeiramente separados e bem firmes ao solo. Coloque as mãos
sobre as coxas e comece a respirar profundamente. Permaneça nesta posição
durante alguns minutos quando estiver com o corpo bem relaxado levante os
braços para o alto como se eles fossem galhos de uma arvore bonita e frondosa.
Quando acomodar bem os músculos nesta posição, comece a visualizar uma luz
branca pequena que entra pelo alto de sua cabeça e pelas suas mãos fazendo
uma pequena pressão ao entrar, esta energia se acomoda no coração e depois
percorre todo o corpo saindo pelos pés.
Quando se sentir suficientemente energizado, deixe que a imagem se
desvaneça, abaixe os braços e medite um pouco sobre o que acabou de realizar,
sinta a importância de sua efetuação.
EXERCICIO Nº. 4

Este exercício tem como objetivo a defesa psíquica. Deverá ser realizada todos os
dias, pela manha e ao deitar.
Após ter realizado o exercício nº. 1, veja uma esfera de luz se formar uns dez
centímetros acima de sua cabeça, durante varias respirações reforce essa
imagem, quando estiver bem acostumado com a presença da esfera da luz,
deseje que ela o proteja de todas as influencias negativas do dia-dia. Esta esfera
de luz simboliza seu EU SUPERIOR, portanto deseje com a maior pureza de
intenção possível. Quando terminar de manifestar seu desejo, veja uma serie de
raios brancos saírem da esfera como uma cachoeira de luz em toda sua volta.

Mantenha essa imagem durante o tempo que quiser. Quando achar ou


sentir que esta com deixe que a imagem desaparecer, mas tenha certeza de que
ela estará ali durante todos os momentos de sua vida.

Lembre-se também que a esfera de luz representa seu EU SUPERIOR, ou


seu ANJO DE GUARDA, portanto, tenha certeza de que cada exercício esta
comunicação se tornara mais forte, e, portanto, mais eficiente.
Lembre-se também que a visualização é um processo demorado e requer
tempo e muita forca de vontade, portanto, não se desespere por não conseguir
ver logo nas primeiras vezes, mas tenha a certeza de que todas as vezes que
desejar, ou melhor, que comandar esta energia, mesmo que não esteja vendo ela
estará ali da forma como desejou moldar. Outro detalhe importante é que não
verá a energia com os olhos físicos e sim com os olhos da mente, ou seja, trata-se
de um processo mental e não físico.

EXERCICIO Nº. 5

Este exercício é uma variante e como complemento do exercício nº. 4.

Sente-se como o recomendado e comece a respirar de forma profunda e


compassada, sinta todo seu corpo a cada respiração feita. Quando estiver bem
relaxado, comece a visualizar em volta de seu corpo uma forma oval de intensa
luz azul que protege seu corpo por todos os lados acima e abaixo do solo, esta
forma oval ficara aproximadamente uns 20 centímetros distante de seu corpo e
40 centímetros acima de sua cabeça e abaixo dos seus pés. Procure tornar a cada
inspiração, este ovo cada vez mais azul e real. Faça esse exercício todos os dias,
durante duas semanas.
EXERCICIO Nº. 6

Este exercício é a forma definitiva e a fusão dos exercícios 4 e 5.


Sente-se como e comece a respirara de forma profunda e
compassada, sinta todo seu corpo, veja como ele se relaxa, após senti-lo relaxado
a ainda mantendo a respiração profunda e compassada veja da mente o ovo de
luz azul ser formada e sinta a cada inspiração que ele se torna mais azul e real,
veja a esfera de luz acima de sua cabeça e dentro do ovo de luz se formando e
brilhando com muita intensidade.

Quando tiver obtido de forma satisfatória a imagem do conjunto,


deseje com todas as suas forcas o pedido de proteção à esfera de luz que
imediatamente devera responder de forma igual ao exercício nº4, ou seja, com
formação de raios de luz prateada, formando uma cachoeira, só que desta vez
dentro do ovo, formando uma cortina esfumaçada no ovo.

Este exercício é conhecido nos círculos esotéricos como exercícios


do globo azul e tem um poder de proteção enorme, podendo ser usado nos
momentos de oração e estudos porque nenhuma forca incompatível consegue
atravessar este escudo e qualquer será dissolvida pela luz azul, que em
cromoterapia é usada para limpeza energética do paciente.

Espero que com esses exercícios, que tenho certeza serão


suficientes, o estudante encontre uma forma de equilibrar suas energias e
proteger-se de qualquer influencia perturbadora que tente atrapalhar o bom
andamento da consulta a ser realizada.

Com esta serie termino o nosso quinto capitulo deste corso de tarot.

CAPITULO nº. 6

METODOS DE CONSULTA E PREVISOES

Antes de começarmos a tocar nas laminas do tarot, o leitor deve incutir


no espírito do consulente a necessidade de uma atitude séria; gracejos e
brincadeiras, diminuem a vibração do lugar e prejudicam a leitura realizada.
Todos os desejos e pensamentos que não digam respeito às perguntas, deverão
ser afastados de ambas as mentes.

Em seguida discute-se a pergunta a ser realizada com a maior exatidão


possível. Isso, geralmente tem que ser esclarecido. Porque muitas das perguntas
são formuladas de forma incorreta. O leitor estimulara o consulente a falara de
seu problema. Depois revelar-se a uma visão do segundo plano do problema dos
possíveis motivos, etc.

O conhecimento de alguma coisa do subconsciente do cliente ajudara o


leitor a escolher a expressão chave apropriada a cada lamina que sair na
consulta.

Enquanto o leitor presta atenção à estória de segundo plano do


consulente, sentir-se a motivado a escolher o tipo de leitura que melhor responda
a pergunta do cliente. As perguntas podem pertencer a três planos ou categorias:

• PERGUNTAS PESSOAIS
• PERGUNTAS MUNDANSA DE INTERESSE PUBLICO
• PERGUNTAS ESPIRITUAIS.

Por via de regras, as perguntas podem ser respondidas por qualquer forma
de leitura, mas certos assuntos se prestam melhor a formas especificas de
leitura. Por exemplo; se a simples consulta do sim ou não responder a
pergunta, escolha-a. Entretanto, um problema complexo exige uma
consulta mais abrangente. Por tanto, daremos uma tabela para dar uma
idéia de como ser escolhido este ou aquele método de consulta.
Perguntas pessoais como:

- fulano me ama?
- que medidas devo tomar para melhorar meu negocio?
- eu gostaria de saber como poder aumentar o meu poder de
compras?
- eu devo me mudar daquela casa?
Podem ser mais bem esclarecidas pelos métodos de tiragem rápida,
consulta do sim ou não, consulta ao "sete mágico", consulta as "Sefirot".
Perguntas de interesse publico:

- fulano de tal será eleito?


- a lei que elimina o imposto será votada pelo congresso?
- os seqüestradores serão apanhados?
- irão mexer novamente nas cadernetas de poupança?

Serão esclarecidos pelo sim ou não, consulta à pirâmide, ao sete


mágico, consulta do desejo.
Perguntas espirituais:

- que posso fazer para melhorar meu caráter?


- qual é a minha missão cósmica?
- estou mentalmente preparado para fazer viagem astral?

Será respondida pela consulta do três sete, consulta à cruz céltica,


consulta à vida.
Com esses exemplos creio ter dado uma idéia de como preceder
diante de todas as perguntas.
Neste ponto parece aconselhável inculcar no leitor das laminas do
tarot a importância de treinar a mente subconsciente. Plástico o subconsciente se
inclina a cada pensamento ou idéia que lhe é apresentado. Portanto, para
focalizá-lo faz-se mister o controle. E se forem emitidas ordens com firmeza,
apoiadas pela força de vontade, resultara a relação requerida. Uma clara
abordagem permite ao subconsciente conhecer o que dele se espera.
Essa abordagem se baseia na clara definição da pergunta, na escolha de uma
distribuição apropriada e no embaralhamento e corte das lâminas todas às vezes
da mesma maneira.

Tais providências ajudam à mente e qualquer criatura psíquica por ventura


presente, a saber, exatamente como as lâminas serão manuseadas.

Por intermédio dos movimentos à mente e qualquer inteligência presentes são


alertadas a fazer o arranjo apropriado das lâminas de modo que proporcione uma
leitura mais exata. Faz-se necessário lembrar que o subconsciente não pergunta
por quê. Simplesmente limita-se a obedecer a ordens. Porque o subconsciente é
bombardeiro a todo o momento, como uma estimulação múltipla. física e mental,
a atenção espontânea e a reflexão fantasiosa desfazem ou alteram, com extrema
facilidade os padrões de pensamento. Daí que a mente precise ser exercitada na
arte do pensamento dirigido e da emoção induzida. Cumpre que isso se faça a fim
de que a mente não sintonize material irrelevante. Para controlar a direção do
pensamento e a atividade intramuscular resultante, tanto o leitor quanto o
consulente devem concentrar-sena pergunta, a idéia de que a verdade será
revelada independente do resultado almejado pelo consultante.

Em seguida o leitor lhe entregara as lâminas pedindo-lhe que as embaralhe e


corte três vezes. As lâminas serão embaralhadas três ou sete vezes de acorda
com a vontade do leitor e cortada uma ou três vezes.

Feito isso se junta os três montes em um só maço, o consulente estende o maço


para o leitor, e não tornara a tocar mais nele até o fim do jogo. Porém, antes o
leitor espalha as lâminas em forma de leque e pede que o consulente tire o
número de lâminas a serem reveladas na leitura. Algumas podem sair invertidas,
durante o processo de em baralhamento ou no corte. Isto pode ser feito ao sabor
da intuição ou segundo um modelo pré-estabelecido.

Como deitar as lâminas

A mão direita é positiva como o sol e a esquerda e negativa como a lua. Assim
sendo, para cristalizar o fluxo magnético positivo para a corrente negativa, as
lâminas são esparramadas da direita para a esquerda, a menos que, se usem
modelos específicos. Nesse caso deitam-se as lâminas no sentido em que serão
lidas. O leitor as colocará viradas para baixo, uma de cada vez, no arranjo
previamente decidido. Em seguida porá de lado as não usadas. A leitura das
lâminas serão tomadas de acordo com a visão do leitor. Isso é importante quando
se toma a posição invertida de uma lâmina. As lâminas são sempre viradas de
cima para baixo, uma por vez, e são lidas, de acordo com o seguimento dado na
instrução.

Para uma melhor compreensão desta forma se dispor as lâminas, basta lembrar
do simbolismo da linha vertical.

Isto impede que a mente se desvie para a posição de outras lâminas, e permite
melhor concentração de cada lâmina na seqüência dada.

Uma lâmina na posição correta é ligeiramente mais favorável que em sua


significação comum, semelhante a um planeta que em um horóscopo, receba, ou
melhor, esteja em um aspecto ligeiramente harmonioso.

Uma lâmina invertida recebe por sua vez, um aspecto menos harmonioso, como
um planeta desarmônico ou retrogrado. Depois de ter sido virada cada lâmina
será considerada como um evento ou seqüência a ultima lâmina lida. Dessa
maneira, se mantem uma continuidade do principio ao fim à medida que uma
leitura progride de uma lâmina para outra.

Em alguns diagramas que serão dados, exemplos da leitura de um tarot usam-se


lâminas chaves, que costumam designar divisões do tempo como passado,
presente e futuro. Se um arcano maior sair na posição de uma lâmina chave, o
período que ele representará está fortemente envolvido no tópico da leitura.
Finalmente cumpre não esquecer que o alcance de uma leitura é sempre limitado
pelas circunstancia e pelo condicionamento passado do consulente. Com os
princípios básicos e com o desenvolvimento da postura mental necessária você
está preparado para empreender a leitura das lâminas do tarot que distribuiu.
Onde ler as lâminas de tarot

Nossa consideração seguinte é onde ler as lâminas do tarot. Qualquer superfície


lisa e plana, como uma mesa, servira. Se for possível o melhor é ter um lugar
especifico para a leitura das lâminas aonde ninguém venha realizar outra
atividade, mas como os tempos em que vivemos são difíceis, o melhor é ter uma
mesa só para isto, ou um quadrado de pinho branco e macio reservado única e
exclusivamente para a leitura das lâminas. Se você usar uma mesa ou tabua só
para a leitura das lâminas, nenhuma vibração estranha interferirá na leitura.

Quando o leitor se vê obrigado a ler em lugar onde foi palco de muitas brigas, as
vibrações discordantes impõem uma condição estática ao tipo especial de relação
psíquica requerida. As vibrações inferiores resultantes de uma briga ou de
lamentações atraem entidades inferiores que interferem nas mentes
inconscientes, não só do leitor como também do consulente. Para cortar este tipo
de influência indesejável, se faz necessário uma postura seria e totalmente
voltada para o bem e pensamentos elevados. É verdade que com o tempo uma
pessoa com pratica na leitura do tarot, saberá se safar de qualquer força
indesejável e conseguira ler em qualquer lugar. Mesmo assim, as condições ideais
preponderam no lugar onde existam vibrações de paz e harmonia.
Outro detalhe importante em uma leitura, é que a pessoa que está consultando
deverá sentar-se de frente para o leitor. Também é importante que se estabeleça
uma relação positivo-negativo entre o consulente e o leitor, portanto faça com
que o consulente sente-se ao norte e o leitor ao sul, ou então, o consulente, se
estiver ausente o leitor deverá sentar-se a oeste e realizar a leitura para o
consulente distante. Esclarecidos os detalhes da leitura. Poderemos finalmente
passar a leitura.

1. MÉTODO DE TIRAGEM RÁPIDA

Neste processo se faz necessário que separemos as lâminas maiores das lâminas
menores. Tendo separado, proceda da seguinte forma:

-De as lâminas para que o consulente embaralhe-as. Primeiro os arcanos maiores


depois os arcanos menores. Tendo tomado esta procedimento, peça ao
consulente para que corte os arcanos maiores três vezes depois os arcanos
menores só um vez. Feito isto, o leitor juntara primeiro os arcanos maiores em
um só maço, depois farão o mesmo com os arcanos menores.

Tendo feito este procedimento, peça ao consulente que tire sete lâminas dos
arcanos maiores e das sete escolher três. Com os arcanos menores o leitor ira
pedir que se escolha apenas 4 lâminas. Tendo tomado este procedimento,
disponha no sentido das agulhas do relógio as lâminas dos arcanos menores,
formando com elas uma forma quadrangular (veja desenho nº. 1), depois tomará
os arcanos maiores e ainda no sentido horário disporá um triângulo.
A leitura será feita no sentido anti-horário, ou seja, direito-esquerda de acordo
com as explicações fornecidas.

2. MÉTODO DO TIPO SIM OU NÃO

Se você quiser uma resposta rápida a uma pergunta, (do tipo sim - não) esta
distribuição servira ao seu propósito. Devem ser usadas cinco lâminas para esta
tiragem. A lâmina do meio, ou seja, a de nº. 3 vale dois pontos e cada uma das
outras vale um ponto. Quando a maioria das lâminas estiver no sentido positivo, a
resposta será sim, mas se a maioria estiver no sentido negativo à resposta será
não. Se o numero de pontos estiver divididos igualmente a resposta é invalidada.
Existem diversas condiçôes que levam os pontos a saírem divididos por igual
entre o positivo e o negativo.

• Falta de concentração na pergunta durante o embaralhamento e o corte.


• Desejo não suficiente forte para conhecer a resposta.
• O desejo de se escutar o que se quer é maior do que o de escutar a
verdade.
• Indecisão durante a pergunta.

Às vezes não se requer mais que uma resposta de sim ou não, entretanto se
desejam por menores lê-se a lâmina chave como presente, as colocadas à direita
como passado, as colocadas à esquerda como futuro do problema (veja diagrama
nº. 2).
Neste método usam-se as lâminas em seu conjunto, ou seja, arcanos maiores e
menores todos juntos.

3.MÉTODO DE LEITURA DA CRUZ CÉLTICA

Neste método utilizam-se todos os arcanos embaralhados de forma conjunta (veja


com atenção o diagrama nº. 3 e siga a disposição pré-estabelecida nele para
colocar as lâminas). Após o consulente ter embaralhado e cortado como de
praxe, peça que ele retire de cima do monte 10 lâminas. Feito isto, coloque as
lâminas de acordo com o diagrama formando a cruz. Neste método cada casa
tem uma significação que será dada a seguir:
1º - A posição nº.1 é chamada de lâmina significadora, porque reflete a situação
externa em que o individuo se encontra naquele momento.

2º - A posição nº. 2 é chamada de Lâmina cruzada que descreve a situação


externa ou interna, que gera o conflito do presente imediato. É o que cruza o
caminho do consulente e indica a natureza aparente do seu problema. Entretanto
a lâmina cruzada não é necessariamente negativa em seu significado, mas
simplesmente representa a situação que está gerando o conflito e atrapalhando o
andamento dos assuntos.

De certo modo esta lâmina impede a perfeita expressão da lâmina significadora.

3º - a posição nº. 3 é chamado de lâmina de cabeça. É uma lâmina visual


bastante simples e descreve o clima e a situação que paira sobre imediato do
consulente. Por isso mesmo a lâmina reflete o que está aparente, na superfície do
problema.

4º A posição nº.4 é chamada de base da questão e descreve a condição real do


problema, justamente por isso, muitas vezes essa posição mostra uma lâmina
que surpreende o consulente, que pode ainda não ter se dado conta da real
situação em que se encontra.

5º A posição nº.5 é chamada de influência do passado e mostra como seu nome


indica, aquilo que já ocorreu na vida-questão do consulente. Normalmente é
aquela postura que o consulente precisa abrir mão para atingir seu objetivo
futuro.

6º A posição nº.6 é chamada de influência do futuro. Ela mostra o que irá se


manifestar interna ou externamente na vida do consulente.

7º A posição nº.7 é chamada de posição atual e, ela amplifica e explica a posição


nº.1.

8º A posição nº.8 é chamada de fatores ambientais e ela mostra a imagem que os


outros fazem do consulente ou a situação externa circundante da questão.

9º A posição nº.9 é chamada de esperanças e temores pois, revela tanto as


esperanças quanto os temores envolvidas na questão, uma vez que esta é uma
casa de duplo significado.

10º A posição nº.10 é chamada de resultado final. A palavra final pode ser
facilmente mal interpretada aqui,pois, nada é absolutamente imutável nessa
vida. Assim interpretamos essa casa como o resultado de todas as ações
anteriores relacionadas e reveladas, envolvidas na consulta.

4. MÉTODO DE CONSULTA À PIRÂMIDE

Neste método utilizam-se todas as lâminas do Tarot. Embaralhe e corte da


maneira habitual, ou peça para que o consulente o faça. Tendo feito este
procedimento, peça ao consulente que separe vinte e uma lâminas. Arrume-as da
seguinte maneira:

- Da direita para a esquerda, coloque oito lâminas em seqüência, e depois 6 (seis)


logo acima da primeira, depois 4 (quatro), depois 2 (duas) e por ultimo 1 (uma).
(Veja a figura do diagrama nº. 4).
Para entender a seqüência da leitura, observe que cada lâmina-chave é também
considerada a primeira de um grupo de cinco lâminas-chave (veja o diagrama).
As quatro primeiras lâminas da direita da lâmina-chave representam eventos
passados, esta é sempre importante, mas, se o arcano maior sair nesta posição, o
período de tempo que ele representa assumirá ainda maior importância. Nesta
seqüência de lâminas-chave cada uma tem sua significação:

1º - Chave nº. 1 presente.


2º - Chave nº. 2 futuro imediato.
3º - Chave nº. 3 giro seguinte dos acontecimentos.
4º - Chave nº. 4 futuro distante.
5º - Chave nº. 5 fim da história.

Portanto, temos aqui um método bastante curioso para estudarmos .

5. MÉTODO DE CONSULTA AO SEFIROT


Para fazer este módulo de consulta, tire os Arcanos Maiores e os quatro Ases do
baralho. Essas vinte e seis laminam são as únicas na consulta aos Sefirot.

OS QUATRO ASES

Os Ases de Paus, Copas, Espadas, e Ouros, representam os quatro reinos astrais,


porque harmonizam toda a seqüência e são, portanto mais importantes do que
qualquer outra lamina nessa disposição. Depois de embaralhar e cortar três vezes
deita-se as laminas com na ilustração nº. 5. Coloca-se o primeiro AS no reino que
tem por marca Asc; o segundo AS no M.C.; e terceiro AS no Desc.; e o quarto AS
no N.C.
As quatro estações ou reinos astrais são comparáveis aos quatro ângulos do
horóscopo, astrologicamente Asc. Quer dizer Ascendente, ou primeira casa,
M.Cquer dizer Meio do Céu, ou décima cãs, Desc. quer dizer descendente, ou
sétima casa, e N.Cquer dizer nadir ou quarta casa.

OS QUATR REINOS ASTRAIS


ASC.

A leitura dos ASES neste reino tem o significado de:

-1º) AS DE OUROS – Vigor, Força e Vitalidade.


-2º) AS DE PAUS – Favorável, denota trabalho e responsabilidade.
-3º) ?AS DE COPAS – O amor ao prazer pode esvaziar a vitalidade.
-4º) AS DE ESPADAS- Doença ou morte.

O segundo reino marcado por M.C significa Honra e Negócios. O significado das
laminas é:
-1º) AS de Paus – Grande Poder.
-2º) AS de Ouros- Favorável requer muito esforço.
-3º) AS de Copas- Honra manchada pela busca excessiva do prazer.
-4º) AS de Espadas- Fracasso.

O terceiro reino tem como marca Desc. , e abrange o amor e a guerra.

A seqüência que cai nesse período lê-se:


- 1º) AS de Espadas – Final favorável.
-2º) AS de Copas – Resultados agradáveis.
-3º) AS de Ouros – Desafortunado
-4º) AS de Paus – Luta dura, resultados inadequados.

Se a questão pela qual as laminas foram deitadas se relaciona com a vida,


comece a leitura por Asc. Se a questão é relacionada ao amor e guerra, principie
por Desc. Se for relacionado com honra e negócio comece por M.C. Se for
relacionado com resultados secretos principie por N.C.

OS VINTE E DOIS ARCANOS MAIORES


Consultando o diagrama, você notara que existem dez tronos. Designados por
algarismos romanos. Cada trono tem duas laminas. Os vinte e dois Arcanos
Maiores são embaralhados, cortados, e em seguida, dispostos em dez tronos de
um a dez - colocando-se uma lamina de acordo com a numeração. Depois o resto
das laminas é colocado de volta, do dez ao um. As duas laminas que faltam são
postas à direita da seqüência em caso de uma leitura se mostrar contraditória.
Neste caso, as duas laminas revelarão, o porquê não era eminente uma resposta
clara.

6. METODO DE CONSULTA AO DESEJO

Usa-se a consulta ao desejo quando o consulente quer saber se algo que o


consulente deseja muito se concretizará. Este método se aplica de forma
satisfatória para consultas sobre trabalho, política, amores, saúde, enfim,
questões pessoais e de interesse publico.

Para isso você deve escolher a lâmina que represente a questão formulada para
representar o consulente. (Por exemplo, se a questão é amor, escolhemos o dois
de copas para representar a questão) Após isso, as lâminas restantes são
embaralhadas e cortadas como de praxe. Então pedimos que o consulente tire de
parte superior do monte, quinze lâminas e mais uma vez pensado na questão
embaralha as mesmas entregando-as para que a disponhamos da seguinte
maneira:
Lâminas 1,2,3, - Fatores que cercam a questão
Lâminas 4,5,6 - Descrevem o desejo
Lâminas 7,8,9 – O que se opõem ao seu desejo
Lâminas 10,11,12 – O que vêm à sua casa ou a questão (favorece)
Lâminas 13,14,15 - O que você realizará

7. MÉTODO DE CONSULTA AO SETE MÁGICO

As pontas da estrela imaginária de seis pontas formam sete estações que


representam o presente, passado e futuro da questão formulada.

Embaralhe, corte e distribua de acordo com as seqüências numéricas do


diagrama. Significado das sete estações:

- 1º) O passado do assunto que causou a situação atual.


- 2º) O presente causado pelo passado como indica a lamina nº1
- 3º) O futuro imediato combinado pelas situações passadas e presentes.
- 4º) Esta lamina mostra que tipo de vibração o consulente tem que aprender a
lidar a fim de controlar com as suas iniciativas e esforços.
- 5º) O efeito do ambiente circundante sobre a questão.
- 6º) Forças e oposição
- 7º) Resultado da pergunta, provocada pela maneira em que o individuo reagiu
as influencias simbolizadas pelas seis laminas anteriores.

Com esta ultima seqüência terminamos o Curso sobre Tarot Cabalístico, módulo
I.

*.*.*.*.*.*.*.*.*.*.*.*.*.*.*

Você também pode gostar