Você está na página 1de 299

Caderno Judiciário do Tribunal Superior do Trabalho

DIÁRIO ELETRÔNICO DA JUSTIÇA DO TRABALHO


PODER JUDICIÁRIO REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL

Nº2774/2019 Data da disponibilização: Sexta-feira, 26 de Julho de 2019. DEJT Nacional

Tribunal Superior do Trabalho 60.2018.5.23.0007, processo que se encontra em fase de agravo de

instrumento em recurso de revista, cujo efeito suspensivo é


Ministro João Batista Brito Pereira
requerido na presente demanda.
Presidente

Ministro Renato de Lacerda Paiva Trata-se de pedido de Tutela Cautelar Antecedente apresentado

Vice-Presidente pelo SINDICATO DOS OFICIAIS DE JUSTIÇA/AVALIADORES DO

ESTADO DE MATO GRASSO - SINDOJUS, visando à concessão


Ministro Lelio Bentes Corrêa de efeito suspensivo ao agravo de instrumento em recurso de
Corregedor-Geral da Justiça do Trabalho
revista, a fim de que "o SINDOJUS-MT prossiga na

representatividade da categoria dos Oficiais de Justiça e


Setor de Administração Federal Sul (SAFS) Quadra 8 - Lote 1
Zona Cívico-Administrativa Avaliadores do Mato Grosso" até o trânsito em julgado (ID. d3a225f
Brasília/DF - Pág. 6).
CEP: 70070943

O requerente sustenta a alta probabilidade de êxito do agravo de


Telefone(s) : (61) 3043-4300
instrumento em recurso de revista, reiterando a nulidade do acórdão

regional por negativa de prestação jurisdicional, a incompetência

material do Judiciário do Trabalho, além da existência de


Presidência
litisconsórcio necessário com a União, o que defende não teria sido
Decisão Monocrática
sequer examinado no acórdão alvo do recurso de revista.
Decisão Monocrática
Processo Nº TutCautAnt-1000531-83.2019.5.00.0000
Relator RENATO DE LACERDA PAIVA
Sobre a questão de fundo, defende a licitude da criação do
REQUERENTE SINDICATO DOS OFICIAIS DE
JUSTICA / AVALIADORES DO Sindicato dos Oficiais de Justiça Avaliadores do Estado do Mato
ESTADO DE MATO GROSSO
ADVOGADO LEONARDO MARTINS OLIVEIRA Grosso, por desmembramento do Sindicato dos Funcionários
CAVALCANTE(OAB: 18554/DF)
Públicos do Poder Judiciário de Mato Grosso – SINDOMAT,
REQUERIDO SINDICATO DOS SERV DO PODER
JUD DO EST DE MATO GROSSO salientando que a atual jurisprudência é no sentido de prestigiar o
CUSTOS LEGIS MINISTÉRIO PÚBLICO DO
TRABALHO fracionamento dos entes sindicais mais abrangentes, com a criação

de sindicatos específicos, que atendam a categoria dissidente.


Intimado(s)/Citado(s):
- SINDICATO DOS OFICIAIS DE JUSTICA / AVALIADORES DO
ESTADO DE MATO GROSSO Aponta violação aos artigos 8º, caput e incs. I e II, 93, inc. IX, e 114,

incs. I e III, da Constituição da República, 832 da CLT e 114, 489, §

1º, e 1.022, inc. II, do CPC.

Ao final, argumenta estar presente o requisito da urgência para o

deferimento do efeito suspensivo, aduzindo que o Tribunal de


DECISÃO Justiça determinou o sobrestamento de todas as ações e

procedimentos conduzidos pelo SINDOJUS, ora requerente,

implicando na deficiência da representação dos interesses

específicos dos Oficiais de Justiça.


De plano, reautue-se o feito, a fim de excluir do polo passivo a

União, por não ser parte na Reclamação Trabalhista nº 00000034-

Código para aferir autenticidade deste caderno: 137896


2774/2019 Tribunal Superior do Trabalho 2
Data da Disponibilização: Sexta-feira, 26 de Julho de 2019

Acrescenta que a demora no deslinde da controvérsia “tem

provocado deficiência na representatividade dos interesses

específicos dos Oficiais de Justiça em mesa de negociações, na

condução de ações e tratativas de interesses inerentes à categoria”. RENATO DE LACERDA PAIVA

Relatado, decido. Ministro Vice-Presidente do TST no exercício da Presidência

Preliminarmente, ressalte-se que caso demonstrada a plausibilidade

jurídica do recurso pendente de julgamento no TST (fumus boni Decisão Monocrática


Processo Nº TutCautAnt-1000531-83.2019.5.00.0000
iuris) e o fundado receio de dano irreparável (periculum in mora), é Relator RENATO DE LACERDA PAIVA
possível deferir o pedido de tutela de urgência, nos termos do artigo REQUERENTE SINDICATO DOS OFICIAIS DE
JUSTICA / AVALIADORES DO
300 do CPC. ESTADO DE MATO GROSSO
ADVOGADO LEONARDO MARTINS OLIVEIRA
CAVALCANTE(OAB: 18554/DF)
Ocorre que no presente caso o requerente não logra demonstrar o REQUERIDO SINDICATO DOS SERV DO PODER
JUD DO EST DE MATO GROSSO
perigo da demora. CUSTOS LEGIS MINISTÉRIO PÚBLICO DO
TRABALHO

Isso porque em juízo perfunctório, próprio das liminares, vê-se que Intimado(s)/Citado(s):
os oficiais de justiça avaliadores permanecerão assistidos pelo - SINDICATO DOS SERV DO PODER JUD DO EST DE MATO
GROSSO
SINDICATO DOS SERVIDORES DO PODER JUDICIÁRIO DO

ESTADO DO MATO GROSSO, não tendo o requerente indicado

qualquer aspecto fático ou jurídico a evidenciar o prejuízo alegado.

A propósito, o argumento de que teria o Tribunal de Justiça local

determinado o sobrestamento de todas as ações e procedimentos


DECISÃO
conduzidos pelo Sindicato requerente, longe de demonstrar o

periculum in mora, reforça a ideia de que não há dano aos

trabalhadores caso continuem sendo representados pelo sindicato

requerido até o julgamento do AIRR nesta Corte.


De plano, reautue-se o feito, a fim de excluir do polo passivo a

União, por não ser parte na Reclamação Trabalhista nº 00000034-


Assim, não demonstrado o efetivo risco ao resultado útil do
60.2018.5.23.0007, processo que se encontra em fase de agravo de
processo ou dano irreparável, avulta a convicção sobre a ausência
instrumento em recurso de revista, cujo efeito suspensivo é
de requisito essencial para a concessão da tutela provisória.
requerido na presente demanda.

Do exposto, indefiro o pedido.


Trata-se de pedido de Tutela Cautelar Antecedente apresentado

pelo SINDICATO DOS OFICIAIS DE JUSTIÇA/AVALIADORES DO


Findas as férias coletivas dos Senhores Ministros, distribua-se o
ESTADO DE MATO GRASSO - SINDOJUS, visando à concessão
feito no âmbito das Turmas deste Tribunal (arts. 11 e 79, inc. III, do
de efeito suspensivo ao agravo de instrumento em recurso de
RITST).
revista, a fim de que "o SINDOJUS-MT prossiga na

representatividade da categoria dos Oficiais de Justiça e


Publique-se.
Avaliadores do Mato Grosso" até o trânsito em julgado (ID. d3a225f

- Pág. 6).

O requerente sustenta a alta probabilidade de êxito do agravo de


Brasília, 26 de julho de 2019.
instrumento em recurso de revista, reiterando a nulidade do acórdão

regional por negativa de prestação jurisdicional, a incompetência

material do Judiciário do Trabalho, além da existência de

Código para aferir autenticidade deste caderno: 137896


2774/2019 Tribunal Superior do Trabalho 3
Data da Disponibilização: Sexta-feira, 26 de Julho de 2019

litisconsórcio necessário com a União, o que defende não teria sido conduzidos pelo Sindicato requerente, longe de demonstrar o

sequer examinado no acórdão alvo do recurso de revista. periculum in mora, reforça a ideia de que não há dano aos

trabalhadores caso continuem sendo representados pelo sindicato

Sobre a questão de fundo, defende a licitude da criação do requerido até o julgamento do AIRR nesta Corte.

Sindicato dos Oficiais de Justiça Avaliadores do Estado do Mato

Grosso, por desmembramento do Sindicato dos Funcionários Assim, não demonstrado o efetivo risco ao resultado útil do

Públicos do Poder Judiciário de Mato Grosso – SINDOMAT, processo ou dano irreparável, avulta a convicção sobre a ausência

salientando que a atual jurisprudência é no sentido de prestigiar o de requisito essencial para a concessão da tutela provisória.

fracionamento dos entes sindicais mais abrangentes, com a criação

de sindicatos específicos, que atendam a categoria dissidente. Do exposto, indefiro o pedido.

Aponta violação aos artigos 8º, caput e incs. I e II, 93, inc. IX, e 114, Findas as férias coletivas dos Senhores Ministros, distribua-se o

incs. I e III, da Constituição da República, 832 da CLT e 114, 489, § feito no âmbito das Turmas deste Tribunal (arts. 11 e 79, inc. III, do

1º, e 1.022, inc. II, do CPC. RITST).

Ao final, argumenta estar presente o requisito da urgência para o Publique-se.

deferimento do efeito suspensivo, aduzindo que o Tribunal de

Justiça determinou o sobrestamento de todas as ações e

procedimentos conduzidos pelo SINDOJUS, ora requerente,

implicando na deficiência da representação dos interesses Brasília, 26 de julho de 2019.

específicos dos Oficiais de Justiça.

Acrescenta que a demora no deslinde da controvérsia “tem

provocado deficiência na representatividade dos interesses

específicos dos Oficiais de Justiça em mesa de negociações, na

condução de ações e tratativas de interesses inerentes à categoria”. RENATO DE LACERDA PAIVA

Relatado, decido. Ministro Vice-Presidente do TST no exercício da Presidência

Preliminarmente, ressalte-se que caso demonstrada a plausibilidade

jurídica do recurso pendente de julgamento no TST (fumus boni Decisão Monocrática


Processo Nº TutCautAnt-1000460-81.2019.5.00.0000
iuris) e o fundado receio de dano irreparável (periculum in mora), é Relator RENATO DE LACERDA PAIVA
possível deferir o pedido de tutela de urgência, nos termos do artigo REQUERENTE JEFFERSON FERREIRA SANTOS
ADVOGADO HUMBERTO MARCIAL
300 do CPC. FONSECA(OAB: 55867/MG)
ADVOGADO NASSER AHMAD ALLAN(OAB:
28820/PR)
Ocorre que no presente caso o requerente não logra demonstrar o REQUERIDO BANCO DO BRASIL SA
perigo da demora.
Intimado(s)/Citado(s):
- JEFFERSON FERREIRA SANTOS
Isso porque em juízo perfunctório, próprio das liminares, vê-se que

os oficiais de justiça avaliadores permanecerão assistidos pelo

SINDICATO DOS SERVIDORES DO PODER JUDICIÁRIO DO

ESTADO DO MATO GROSSO, não tendo o requerente indicado

qualquer aspecto fático ou jurídico a evidenciar o prejuízo alegado.

DECISÃO
A propósito, o argumento de que teria o Tribunal de Justiça local

determinado o sobrestamento de todas as ações e procedimentos

Código para aferir autenticidade deste caderno: 137896


2774/2019 Tribunal Superior do Trabalho 4
Data da Disponibilização: Sexta-feira, 26 de Julho de 2019

Trata-se de Tutela Cautelar Antecedente requerida por "Súmula 634 - Não compete ao Supremo Tribunal Federal conceder

JEFFERSON FERREIRA SANTOS, visando a concessão de efeito medida cautelar para dar efeito suspensivo a recurso extraordinário

suspensivo ao Recurso de Revista interposto contra acórdão que ainda não foi objeto de juízo de admissibilidade na origem."

proferido pelo Tribunal Regional do Trabalho da 3ª Região nos

autos da Reclamação Trabalhista nº 0010148-73.2018.5.03.0085. "Súmula 635 - Cabe ao Presidente do Tribunal de origem decidir o

pedido de medida cautelar em recurso extraordinário ainda

Sustenta que deve ser concedido efeito suspensivo ao Recurso de pendente do seu juízo de admissibilidade."

Revista, a fim de "determinar a manutenção do contrato de trabalho

do autor na função de gerente geral". Em ordem sucessiva, requer Na mesma linha é a norma contida no art. 1.029, § 5º, incs. I e III,

"o pagamento de salário de gerente geral (cargo que o autor do Código de Processo Civil, verbis:

exerceu desde janeiro de 2.012 e exercia no ato de demissão); "(...)

a expressa determinação de retirada do bloqueio na ficha funcional "Art. 1.029. O recurso extraordinário e o recurso especial, nos casos

do autor, via sistema ODI do banco (...); participar de processo previstos na Constituição Federal, serão interpostos perante o

seletivo interno; participar de ações de desenvolvimento profissional presidente ou o vice-presidente do tribunal recorrido, em petições

(...); elevar sua remuneração mensal, ou participar de processos distintas que conterão:

seletivos do banco; receber o PDG (remuneração variável que

considera as metas pessoais e dos colegas de agência); participar (...)

de bolsas de ensino, e custeio de cursos a distâncias com

participação do Banco; participar de processos seletivos na mesma § 5º O pedido de concessão de efeito suspensivo a recurso

agência para quaisquer CARGOS/COMISSÕES; participar em extraordinário ou a recurso especial poderá ser formulado por

CERTIFICAÇÕES INTERNAS (...); participar de BOLSA para requerimento dirigido:

LINGUAS ESTRANGEIRAS, com apoio financeiro do banco." (ID.

20a693c) I - ao tribunal superior respectivo, no período compreendido entre a

publicação da decisão de admissão do recurso e sua distribuição,

Pois bem. ficando o relator designado para seu exame prevento para julgá-lo;

O exame dos autos revela a existência de informação prestada pela (...)

Secretaria de Recurso de Revista do Tribunal Regional do Trabalho

da 3ª Região, indicando que no processo matriz, objeto da tutela III - ao presidente ou ao vice-presidente do tribunal recorrido, no

cautelar antecedente, constam dois recursos de revista interpostos período compreendido entre a interposição do recurso e a

simultaneamente por reclamante e reclamado, ainda pendentes de publicação da decisão de admissão do recurso, assim como no

admissibilidade. caso de o recurso ter sido sobrestado, nos termos do art. 1.037".

O aspecto assume especial relevância no exame da presente Traga-se à colação, por similitude temática, os seguintes julgados:

demanda. Isso porque a ausência do juízo de admissibilidade do

recurso de revista cujo efeito suspensivo é requerido afasta a "AGRAVO REGIMENTAL. MEDIDA CAUTELAR QUE BUSCA

competência funcional desta Corte. CONFERIR EFEITO SUSPENSIVO A RECURSO ESPECIAL.

JUÍZO DE ADMISSIBILIDADE PENDENTE. DESCABIMENTO.

Efetivamente, a apreciação, por esta Corte, do pedido de concessão SÚMULAS N. 634 E 365 DO STF. 1. A teor da jurisprudência

de feito suspensivo a recurso de revista pressupõe a comprovação sedimentada desta Corte Superior, não cabe ao STJ atribuir efeito

do juízo de admissibilidade prévio por parte do Tribunal a quo, sem suspensivo a recurso raro ainda pendente de admissibilidade pelo

o qual não fica delimitada a competência jurisdicional do Tribunal Tribunal a quo, salvo quando evidenciada a excepcionalidade do

Superior do Trabalho. caso, o que não se verifica, de imediato, na hipótese. 2. Nos termos

dos enunciados sumulares n. 634 e 635 do STF, aplicáveis por

Este é o entendimento consagrado nas Súmulas 634 e 635 do STF: analogia, a competência para analisar a medida cautelar ainda não

Código para aferir autenticidade deste caderno: 137896


2774/2019 Tribunal Superior do Trabalho 5
Data da Disponibilização: Sexta-feira, 26 de Julho de 2019

submetida a juízo de admissibilidade é do Presidente do Tribunal de apreciar, liminarmente, em sede de ação cautelar, pedido de efeito

origem respectivo. 3. Agravo regimental a que se nega provimento suspensivo a recurso: antes e depois de efetuado o juízo de

(STJ-AgRg na MC 20856 GO 2013/0104992-6, 5ª Turma Rel. Min. admissibilidade. Se já admitido o recurso interposto no Tribunal a

Relator Jorge Mussi, DJe de 12/2/2014)" quo, a competência para o exame do pedido liminar incumbe ao

Tribunal ad quem; pendendo o recurso do juízo de admissibilidade,

AÇÃO CAUTELAR. Pretensão de conferir efeito suspensivo em por parte do Tribunal de origem, a este incumbe a concessão ou

recurso extraordinário. 1. Não tendo sido realizado, ainda, o juízo de não do efeito pretendido. Reclamação julgada improcedente. (TST-

admissibilidade do recurso extraordinário, pelo Tribunal de origem, R-1665616 -21.2006.5.00.0000, Tribunal Pleno, Rel. Min. Rosa

não é cabível a ação cautelar perante o Supremo Tribunal Federal. Maria Weber Candiota da Rosa, DJ de 9/2/2007)

Súmula 634/STF. 2. Competência do Presidente do Tribunal de

origem - no caso, do Tribunal de Justiça do Estado do Acre - para AGRAVO EM AÇÃO CAUTELAR INOMINADA. AÇÃO EXTINTA. A

decidir o pedido cautelar em recurso extraordinário ainda pendente autora não consegue demonstrar o desacerto do despacho que

de juízo de admissibilidade. Súmula 635/STF. Extinção do processo julgou extinto o processo, sem resolução de mérito, pois a ação

sem julgamento do mérito. (STF-AC 3438 TA DF, Rel. Min. Roberto cautelar foi ajuizada antes do juízo primeiro de admissibilidade do

Barroso, DJe de 30/08/2013) recurso de revista, no qual requer o efeito suspensivo da ação

principal. (TST-AgR-CauInom-13007-49.2014.5.00.0000, 7ª Turma,

PROCESSUAL CIVIL. AGRAVO DE INSTRUMENTO. EFEITO Rel. Min. Cláudio Mascarenhas Brandão, DEJT de 28/11/2014)

SUSPENSIVO. AGRAVO REGIMENTAL INTERPOSTO DE

DECISÃO QUE NEGA ATRIBUIÇÃO DE EFEITO SUSPENSIVO. Ante o exposto, julgo extinto o feito, sem resolução do mérito, nos

CONSTITUCIONAL. TRIBUTÁRIO. CONTRIBUIÇÃO SOCIAL termos do art. 485, inc. IV, do CPC de 2015.

SOBRE O LUCRO LÍQUIDO (CSLL). IMPOSTO SOBRE A RENDA.

ALEGADO DIREITO À DEDUÇÃO DOS VALORES DEVIDOS A Transcorrido in albis o prazo recursal, arquive-se.

TÍTULO DE CSLL DA BASE DE CÁLCULO DE AMBOS OS

TRIBUTOS. LEI 9.316/1996. VIOLAÇÃO DOS ARTS. 145, § 1º E Publique-se.

153, III DA CONSTITUIÇÃO. 1. Consoante precedentes da Corte, a

atribuição de efeito suspensivo ou tutela recursal a recurso

extraordinário pressupõe a inauguração da jurisdição cautelar da

Corte, com o juízo de admissibilidade positivo pelo tribunal de RENATO DE LACERDA PAIVA

origem ou o provimento do respectivo agravo de instrumento de

despacho denegatório. 2. Excepcionalmente, o Tribunal admite a Vice-Presidente no exercício da Presidência do TST

concessão de medidas cautelares em situações extraordinárias,

marcadas por inequívoco risco de perecimento, irreversível, do

direito alegado (cf., v.g., a AC 1.114-AgR, rel. min. Gilmar Mendes,

Segunda Turma, DJ de 23.06.2006). Mas tal circunstância não está

caracterizada nos autos, pois a simples afirmação de que o

contribuinte passará a se sujeitar às consequências do

inadimplemento, por si só, é insuficiente para firmar o periculum in Decisão Monocrática


Processo Nº TutCautAnt-1000460-81.2019.5.00.0000
mora (...). Agravo regimental conhecido, mas ao qual se nega Relator RENATO DE LACERDA PAIVA
provimento.- (STF-AC 1338 MC-AgR, 2ª Turma, Rel. Min. Joaquim REQUERENTE JEFFERSON FERREIRA SANTOS
ADVOGADO HUMBERTO MARCIAL
Barbosa, DJe de 20/6/2008) FONSECA(OAB: 55867/MG)
ADVOGADO NASSER AHMAD ALLAN(OAB:
28820/PR)
RECLAMAÇÃO. PRESERVAÇÃO DA COMPETÊNCIA DO TST. REQUERIDO BANCO DO BRASIL SA
RECURSO ORDINÁRIO. AÇÃO CAUTELAR. EFEITO
Intimado(s)/Citado(s):
SUSPENSIVO CONCEDIDO NO TRT. A jurisprudência do TST
- BANCO DO BRASIL SA
adota de forma analógica, as Súmula nº 634 e 635 do STF,

distinguindo dois momentos na aferição do órgão competente para

Código para aferir autenticidade deste caderno: 137896


2774/2019 Tribunal Superior do Trabalho 6
Data da Disponibilização: Sexta-feira, 26 de Julho de 2019

de feito suspensivo a recurso de revista pressupõe a comprovação

do juízo de admissibilidade prévio por parte do Tribunal a quo, sem

o qual não fica delimitada a competência jurisdicional do Tribunal

DECISÃO Superior do Trabalho.

Este é o entendimento consagrado nas Súmulas 634 e 635 do STF:

Trata-se de Tutela Cautelar Antecedente requerida por "Súmula 634 - Não compete ao Supremo Tribunal Federal conceder

JEFFERSON FERREIRA SANTOS, visando a concessão de efeito medida cautelar para dar efeito suspensivo a recurso extraordinário

suspensivo ao Recurso de Revista interposto contra acórdão que ainda não foi objeto de juízo de admissibilidade na origem."

proferido pelo Tribunal Regional do Trabalho da 3ª Região nos

autos da Reclamação Trabalhista nº 0010148-73.2018.5.03.0085. "Súmula 635 - Cabe ao Presidente do Tribunal de origem decidir o

pedido de medida cautelar em recurso extraordinário ainda

Sustenta que deve ser concedido efeito suspensivo ao Recurso de pendente do seu juízo de admissibilidade."

Revista, a fim de "determinar a manutenção do contrato de trabalho

do autor na função de gerente geral". Em ordem sucessiva, requer Na mesma linha é a norma contida no art. 1.029, § 5º, incs. I e III,

"o pagamento de salário de gerente geral (cargo que o autor do Código de Processo Civil, verbis:

exerceu desde janeiro de 2.012 e exercia no ato de demissão); "(...)

a expressa determinação de retirada do bloqueio na ficha funcional "Art. 1.029. O recurso extraordinário e o recurso especial, nos casos

do autor, via sistema ODI do banco (...); participar de processo previstos na Constituição Federal, serão interpostos perante o

seletivo interno; participar de ações de desenvolvimento profissional presidente ou o vice-presidente do tribunal recorrido, em petições

(...); elevar sua remuneração mensal, ou participar de processos distintas que conterão:

seletivos do banco; receber o PDG (remuneração variável que

considera as metas pessoais e dos colegas de agência); participar (...)

de bolsas de ensino, e custeio de cursos a distâncias com

participação do Banco; participar de processos seletivos na mesma § 5º O pedido de concessão de efeito suspensivo a recurso

agência para quaisquer CARGOS/COMISSÕES; participar em extraordinário ou a recurso especial poderá ser formulado por

CERTIFICAÇÕES INTERNAS (...); participar de BOLSA para requerimento dirigido:

LINGUAS ESTRANGEIRAS, com apoio financeiro do banco." (ID.

20a693c) I - ao tribunal superior respectivo, no período compreendido entre a

publicação da decisão de admissão do recurso e sua distribuição,

Pois bem. ficando o relator designado para seu exame prevento para julgá-lo;

O exame dos autos revela a existência de informação prestada pela (...)

Secretaria de Recurso de Revista do Tribunal Regional do Trabalho

da 3ª Região, indicando que no processo matriz, objeto da tutela III - ao presidente ou ao vice-presidente do tribunal recorrido, no

cautelar antecedente, constam dois recursos de revista interpostos período compreendido entre a interposição do recurso e a

simultaneamente por reclamante e reclamado, ainda pendentes de publicação da decisão de admissão do recurso, assim como no

admissibilidade. caso de o recurso ter sido sobrestado, nos termos do art. 1.037".

O aspecto assume especial relevância no exame da presente Traga-se à colação, por similitude temática, os seguintes julgados:

demanda. Isso porque a ausência do juízo de admissibilidade do

recurso de revista cujo efeito suspensivo é requerido afasta a "AGRAVO REGIMENTAL. MEDIDA CAUTELAR QUE BUSCA

competência funcional desta Corte. CONFERIR EFEITO SUSPENSIVO A RECURSO ESPECIAL.

JUÍZO DE ADMISSIBILIDADE PENDENTE. DESCABIMENTO.

Efetivamente, a apreciação, por esta Corte, do pedido de concessão SÚMULAS N. 634 E 365 DO STF. 1. A teor da jurisprudência

Código para aferir autenticidade deste caderno: 137896


2774/2019 Tribunal Superior do Trabalho 7
Data da Disponibilização: Sexta-feira, 26 de Julho de 2019

sedimentada desta Corte Superior, não cabe ao STJ atribuir efeito

suspensivo a recurso raro ainda pendente de admissibilidade pelo RECLAMAÇÃO. PRESERVAÇÃO DA COMPETÊNCIA DO TST.

Tribunal a quo, salvo quando evidenciada a excepcionalidade do RECURSO ORDINÁRIO. AÇÃO CAUTELAR. EFEITO

caso, o que não se verifica, de imediato, na hipótese. 2. Nos termos SUSPENSIVO CONCEDIDO NO TRT. A jurisprudência do TST

dos enunciados sumulares n. 634 e 635 do STF, aplicáveis por adota de forma analógica, as Súmula nº 634 e 635 do STF,

analogia, a competência para analisar a medida cautelar ainda não distinguindo dois momentos na aferição do órgão competente para

submetida a juízo de admissibilidade é do Presidente do Tribunal de apreciar, liminarmente, em sede de ação cautelar, pedido de efeito

origem respectivo. 3. Agravo regimental a que se nega provimento suspensivo a recurso: antes e depois de efetuado o juízo de

(STJ-AgRg na MC 20856 GO 2013/0104992-6, 5ª Turma Rel. Min. admissibilidade. Se já admitido o recurso interposto no Tribunal a

Relator Jorge Mussi, DJe de 12/2/2014)" quo, a competência para o exame do pedido liminar incumbe ao

Tribunal ad quem; pendendo o recurso do juízo de admissibilidade,

AÇÃO CAUTELAR. Pretensão de conferir efeito suspensivo em por parte do Tribunal de origem, a este incumbe a concessão ou

recurso extraordinário. 1. Não tendo sido realizado, ainda, o juízo de não do efeito pretendido. Reclamação julgada improcedente. (TST-

admissibilidade do recurso extraordinário, pelo Tribunal de origem, R-1665616 -21.2006.5.00.0000, Tribunal Pleno, Rel. Min. Rosa

não é cabível a ação cautelar perante o Supremo Tribunal Federal. Maria Weber Candiota da Rosa, DJ de 9/2/2007)

Súmula 634/STF. 2. Competência do Presidente do Tribunal de

origem - no caso, do Tribunal de Justiça do Estado do Acre - para AGRAVO EM AÇÃO CAUTELAR INOMINADA. AÇÃO EXTINTA. A

decidir o pedido cautelar em recurso extraordinário ainda pendente autora não consegue demonstrar o desacerto do despacho que

de juízo de admissibilidade. Súmula 635/STF. Extinção do processo julgou extinto o processo, sem resolução de mérito, pois a ação

sem julgamento do mérito. (STF-AC 3438 TA DF, Rel. Min. Roberto cautelar foi ajuizada antes do juízo primeiro de admissibilidade do

Barroso, DJe de 30/08/2013) recurso de revista, no qual requer o efeito suspensivo da ação

principal. (TST-AgR-CauInom-13007-49.2014.5.00.0000, 7ª Turma,

PROCESSUAL CIVIL. AGRAVO DE INSTRUMENTO. EFEITO Rel. Min. Cláudio Mascarenhas Brandão, DEJT de 28/11/2014)

SUSPENSIVO. AGRAVO REGIMENTAL INTERPOSTO DE

DECISÃO QUE NEGA ATRIBUIÇÃO DE EFEITO SUSPENSIVO. Ante o exposto, julgo extinto o feito, sem resolução do mérito, nos

CONSTITUCIONAL. TRIBUTÁRIO. CONTRIBUIÇÃO SOCIAL termos do art. 485, inc. IV, do CPC de 2015.

SOBRE O LUCRO LÍQUIDO (CSLL). IMPOSTO SOBRE A RENDA.

ALEGADO DIREITO À DEDUÇÃO DOS VALORES DEVIDOS A Transcorrido in albis o prazo recursal, arquive-se.

TÍTULO DE CSLL DA BASE DE CÁLCULO DE AMBOS OS

TRIBUTOS. LEI 9.316/1996. VIOLAÇÃO DOS ARTS. 145, § 1º E Publique-se.

153, III DA CONSTITUIÇÃO. 1. Consoante precedentes da Corte, a

atribuição de efeito suspensivo ou tutela recursal a recurso

extraordinário pressupõe a inauguração da jurisdição cautelar da

Corte, com o juízo de admissibilidade positivo pelo tribunal de RENATO DE LACERDA PAIVA

origem ou o provimento do respectivo agravo de instrumento de

despacho denegatório. 2. Excepcionalmente, o Tribunal admite a Vice-Presidente no exercício da Presidência do TST

concessão de medidas cautelares em situações extraordinárias,

marcadas por inequívoco risco de perecimento, irreversível, do

direito alegado (cf., v.g., a AC 1.114-AgR, rel. min. Gilmar Mendes,

Segunda Turma, DJ de 23.06.2006). Mas tal circunstância não está

caracterizada nos autos, pois a simples afirmação de que o

contribuinte passará a se sujeitar às consequências do

inadimplemento, por si só, é insuficiente para firmar o periculum in

mora (...). Agravo regimental conhecido, mas ao qual se nega Secretaria-Geral Judiciária
provimento.- (STF-AC 1338 MC-AgR, 2ª Turma, Rel. Min. Joaquim Despacho
Barbosa, DJe de 20/6/2008)

Código para aferir autenticidade deste caderno: 137896


2774/2019 Tribunal Superior do Trabalho 8
Data da Disponibilização: Sexta-feira, 26 de Julho de 2019

Processo Nº AIRR-0011026-96.2014.5.15.0119 RAIMUNDO SOUZA DE ALMEIDA, por meio da Petição nº


Complemento Processo Eletrônico 194261/2016-9 (doc. seq. 05), pede a reconsideração da decisão
Relator Min. Douglas Alencar Rodrigues que determinou o sobrestamento do recurso extraordinário.
Agravante PILKINGTON BRASIL LTDA. Alega que "o reclamante está passando por grandes dificuldades
Advogado Dr. Luiz Vicente de Carvalho(OAB: financeiras, é hipossuficiente e as verbas tratadas é de natureza
39325/SP)
alimentar"[sic].
Agravado ADRIANO DOS SANTOS ROSA
Sustenta, ainda, que a análise do recurso extraordinário interposto
Advogado Dr. Roberto Silva Stuer Brison(OAB:
124249/SP) pela CONAB demanda o reexame de fatos e provas.
Decido.
Intimado(s)/Citado(s): O Supremo Tribunal Federal de fato examinou o mérito da questão
- ADRIANO DOS SANTOS ROSA jurídica espelhada nas razões recursais, por ocasião do julgamento
- PILKINGTON BRASIL LTDA. do RE 760.931/DF, erigido à condição de leading case (Tema 246).
Ocorre que foram opostos embargos de declaração, ainda
ADRIANO DOS SANROS ROSA apresenta requerimento de pendentes de julgamento, e cuja redistribuição foi determinada em
concessão de tutela de evidência para liberação de seu crédito, 02/02/2018, de modo que não se operou o trânsito em julgado,
aduzindo que a execução provisória na origem está garantida (seq. tornando, portanto, inviável o pleito deduzido na petição, por
08). Alega que a atuação da reclamada é manifestamente injunção do artigo 1.030, III, do CPC.
protelatória, o que autorizaria a tutela na forma do art. 311, I, do A propósito, não é demais registrar que a matéria contida no Tema
CPC. 246 envolve o maior volume de processos sobrestados da história
A interposição de Agravo de Instrumento de Recurso de Revista do Judiciário do Trabalho, cujos desdobramentos não se acham
cuida de faculdade processual assegurada pelo ordenamento contemplados na tese por ora firmada pela Suprema Corte, tal como
jurídico, não sendo o mero exercício desse direito apto para a definição do onus probandi frente à alegação da culpa in vigilando
configuração de abuso do direito de defesa ou manifesto propósito da Administração Pública.
protelatório. Equivale dizer que há inegável expectativa de que o STF, no
Ante o exposto, INDEFIRO a tutela de evidência requerida. julgamento dos embargos de declaração, estabeleça referencial
Publique-se. definitivo a ser utilizado em decisões levadas a efeito no TST, pelo
Brasília, 25 de julho de 2019. que a prudência aconselha a manutenção do sobrestamento do
recurso extraordinário até o trânsito em julgado do RE 760.931/DF.
Do exposto, indefiro o pedido.
Firmado por assinatura digital (MP 2.200-2/2001) À Coordenadoria de Recursos - CREC para as providências.
RENATO DE LACERDA PAIVA Publique-se.
Ministro Vice-Presidente do TST, no exercício da Presidência Brasília, 24 de julho de 2019.

Coordenadoria de Recursos Firmado por assinatura digital (MP 2.200-2/2001)


Despacho RENATO DE LACERDA PAIVA
Ministro Vice-Presidente do TST
Processo Nº AIRR-0057640-66.2005.5.08.0121
Processo Nº AIRR-00576/2005-121-08-40.0 Processo Nº ED-AIRR-0100029-48.2016.5.01.0227
Complemento Processo Eletrônico
Complemento Processo Eletrônico Relator Desemb. Convocada Cilene Ferreira
Amaro Santos
Relator Min. Fernando Eizo Ono
Embargante LIGHT SERVIÇOS DE
Agravante COMPANHIA NACIONAL DE ELETRICIDADE S.A.
ABASTECIMENTO - CONAB
Advogado Dr. Lycurgo Leite Neto(OAB: 1530-
Advogado Dr. Nilton da Silva Correia(OAB: A/DF)
1291/DF)
Embargado(a) ANIZIO BITTENCOURT DA SILVEIRA
Agravado FÊNIX AUTOMÓVEIS LTDA. FILHO
Advogado Dr. André Augusto da Silva Advogada Dra. Vanda Pereira de Carvalho(OAB:
Nogueira(OAB: 10373/PA) 161986/RJ)
Agravado PROTECT SERVICE - SERVIÇOS Embargado(a) TCM SERVIÇOS DE LIMPEZA E
ESPECIALIZADOS DE SEGURANÇA CONSERVAÇÃO LTDA.
LTDA.
Advogado Dr. Saulo Ferreira da Silva Júnior(OAB:
Advogado Dr. Agnaldo Borges Ramos 90521/SP)
Júnior(OAB: 11634/PA)
Embargado(a) PROVIDER SOLUÇÕES
Agravado RAIMUNDO SOUZA DE ALMEIDA TECNOLÓGICAS LTDA (EM
Advogado Dr. Marcelo Pereira e Silva RECUPERAÇÃO JUDICIAL)
Advogado Dr. Antônio Emílio Caporali(OAB:
Intimado(s)/Citado(s): 80714/RJ)

- COMPANHIA NACIONAL DE ABASTECIMENTO - CONAB


Intimado(s)/Citado(s):
- FÊNIX AUTOMÓVEIS LTDA.
- ANIZIO BITTENCOURT DA SILVEIRA FILHO
- PROTECT SERVICE - SERVIÇOS ESPECIALIZADOS DE
SEGURANÇA LTDA. - LIGHT SERVIÇOS DE ELETRICIDADE S.A.
- RAIMUNDO SOUZA DE ALMEIDA - PROVIDER SOLUÇÕES TECNOLÓGICAS LTDA (EM
RECUPERAÇÃO JUDICIAL)

Código para aferir autenticidade deste caderno: 137896


2774/2019 Tribunal Superior do Trabalho 9
Data da Disponibilização: Sexta-feira, 26 de Julho de 2019

- TCM SERVIÇOS DE LIMPEZA E CONSERVAÇÃO LTDA. para atender a demandas especiais de mercado, bem como ao
processo de horizontalização do modelo de empresa, a
Trata-se de recurso extraordinário contra acórdão proferido pela terceirização de mão de obra, sendo certo que seu campo de
egrégia Sexta Turma deste Tribunal. incidência é restrito: limpeza e conservação, vigilância e específicas
A parte recorrente suscita preliminar de repercussão geral da funções ligadas à atividade meio do tomador de serviço. Neste
matéria e aponta violação aos dispositivos da Constituição da sentido, o disposto nos incisos I, II e III, da Súmula nº 331, do c.
República que especifica nas razões recursais. TST.
A Vice-Presidência deste Tribunal Superior, por despacho, Porém, e isso deve ser ressaltado, a prestação de serviços, por
determinou o sobrestamento do recurso extraordinário por envolver interposta pessoa, continua sendo exceção à regra, ao menos à luz
o Tema nº 739 do ementário de Repercussão Geral do Supremo do direito posto. Competia, portanto, à ré comprovar os fatos
Tribunal Federal. obstativos alegados, isto é, que o reclamante prestou serviços à
Considerando que a matéria foi julgada na Sessão do Tribunal tomadora em sua atividade meio, ônus do qual não se desincumbiu.
Pleno do STF em 11/10/2018, com fixação da tese de mérito e que Ao revés, do exame das alegações das partes e da prova oral, tem-
o acórdão foi publicado no Diário Eletrônico de Justiça de se que o reclamante laborava na atividade fim da tomadora, LIGHT,
06/03/2019, com trânsito em julgado, passo ao exame de na função de leiturista revisor e de leiturista motorizado, durante
admissibilidade do recurso sobrestado. todo o período apontado na petição inicial, mediante os contratos de
É o relatório. trabalho firmados com a PROVIDER (id. nº 04e496f - pág. 1) e,
Decido. após, com a TCM (id. nº d63ca5f - pág. 1).
Consta do acórdão recorrido: Consta do depoimento da testemunha Fabiano Ferreira de Freitas
que:
" (...) "trabalhou prestando serviços para a LIGHT de junho de 2012 a
Na minuta do Agravo de Instrumento, sustenta a reclamada que seu janeiro de 2015; que trabalhou só para a PROVIDER, que por sua
recurso de revista deveria ter sido admitido, pois demonstradas vez prestava serviços para a LIGHT; que o depoente era leiturista;
violações a dispositivos legais e contrariedade à Súmula Vinculante que quem fiscalizava o trabalho do depoente era o revisor e o fiscal;
do c. STF e porque preenchidos os pressupostos legais da medida. que a base do autor era de BELFORD ROXO, o Município inteiro;
Diz ter demonstrado o prequestionamento das matérias discutidas, que o autor era uma espécie de fiscal, verificando possível erro na
bem como que a análise do direito não pode ser dissociada dos leitura, erro de código; que o depoente tinha o autor como fiscal, e
fatos. Renova sua insurgência quanto ao tema "terceirização. não como supervisor, porque era muito confuso na PROVIDER
vínculo empregatício", indicando violação ao artigo 25, §1º, da Lei essa questão de supervisor e fiscal; que ninguém tinha intervalo de
8.987/95 e aos artigos 5º, II, 97, da Constituição Federal, 818, da uma hora para refeição" (id. nº a4d428f)."
CLT; 373, I, do CPC/2015, assim como contrariedade à Súmula Com relação ao labor em BELFORD ROXO, apontou a testemunha
Vinculante n.º 10 do c. STF. Colaciona arestos. ouvida a rogo da TCM, Rita De Cássia Doria Dos Reis,
De início cumpre registrar que a parte não renova sua insurgência "que BELFORD ROXO também é perigoso; que o autor sofreu um
quanto aos temas "responsabilidade subsidiária", "horas extras", assalto, que não se recorda o local; que levaram a moto, que a
"intervalo intrajornada", "aplicabilidade de acordo coletivo. auxílio moto era da empresa; que a moto foi recuperada; que o autor era
alimentação", o que, diante do princípio da delimitação recursal leiturista motorizado; que o autor fazia leitura em área rural".
inviabiliza o exame de tais matérias por essa Corte. Dessa forma, ficou demonstrada a terceirização ilícita perpetrada
Quanto ao tema "TERCEIRIZAÇÃO ILÍCITA" a reclamada alega nas pelas reclamadas, em razão da qual o reclamante prestou serviços
razões recursais que não há provas de que a terceirização realizada diretamente na atividade fim da tomadora, como leiturista revisor.
é ilícita. Diz que o reclamante não era seu empregado, não tendo Oportuno notar que a norma prevista no §1º, do artigo 25, da Lei
recebido ordens da tomadora ou estando submisso juridicamente à 8.987/95, não possui o alcance pretendido pela LIGHT, visto que
segunda reclamada. Afirma que o STF tem decido favoravelmente dela não se extrai a possibilidade de terceirização ampla, fora das
às tomadoras de serviço mesmo quando o empregado da situações definidas pela Súmula nº 331, do c. TST.
prestadora trabalha em função referente à atividade-fim de tais Passo ao exame dos pedidos veiculados na inicial, nos termos do
empresas. Afirma ter celebrado contrato de prestação de serviços §3º, do artigo 1.013, do NCPC.
com a primeira reclamada conforme previsto na Lei 8.987/95 e que Nesses termos, dou parcial provimento ao recurso para declarar a
o reclamante não exercia função ligada à atividade-fim da nulidade dos contratos firmados com a 1ª e a 2ª rés e a existência
reclamada, mas que de todo modo há previsão legal que possibilita de vínculo de emprego entre o reclamante e a LIGHT, terceira
a terceirização de atividades inerentes, acessórias ou reclamada, durante o período de 02/01/2012 a 01/04/2015,
complementares ao serviço oferecido pelas concessionárias. Por condenando a 3ª ré a registrar o contrato na CTPS, como postulado
fim, aduz que a Súmula 331, I do c. TST é inaplicável ao presente nos itens "2", "3" e "4" (id. nº 151cb81 - pág. 19). A despeito da
caso e que não foram preenchidos os requisitos necessários à fraude demonstrada nos autos, deixo de impor responsabilidade à
caracterização da relação de emprego. Aponta violação ao artigo PROVIDER e à TCM, por ausência de pedido para tanto".
25, §1º, da Lei 8.987/95, ao artigo 5º, II e 97, da Constituição (destaques pela parte)
Federal, 818, da CLT e 373, I, e 492 do CPC/2015, assim como
contrariedade à Súmula Vinculante n. 10, do c. STF.
Eis o trecho transcrito nas razões do Recurso de Revista: De início, cumpre registrar, que a reclamada não renova, na minuta
do agravo de instrumento, a alegada violação ao artigo 492, do
"Em regra, empregador é aquele que, quando satisfeitos os Código de Processo Civil/2015, não podendo ser analisada tal
pressupostos caracterizadores da relação de emprego, beneficia-se Ofensa.
da força de trabalho alheia, constituindo exceção à contratação de O art. 5º, II, da CR consagra o princípio da legalidade. Não há no
empregados por empresa ou pessoa interposta". Tornou-se viável, acórdão debate sobre o princípio da legalidade, logo, não há

Código para aferir autenticidade deste caderno: 137896


2774/2019 Tribunal Superior do Trabalho 10
Data da Disponibilização: Sexta-feira, 26 de Julho de 2019

prequestionamento que autorize sua análise. De toda sorte, se para SERVIÇOS. ENTE PÚBLICO. FRAUDE. RESPONSABILIDADE
analisar a violação do dispositivo referido for necessária a incursão SOLIDÁRIA. PREVISÃO NO ARTIGO 942 DO CC. PROVIMENTO.
sobre matéria infraconstitucional, a violação não será direta, mas 1. Segundo a jurisprudência desta Corte Superior, o artigo 25, § 1º,
reflexa, o que não autoriza o processamento do recurso de revista. da Lei nº 8.987/95 não autoriza a terceirização de serviços
Aplicação da Súmula 636 do STF. relacionados às atividades precípuas das concessionárias de
Quanto à terceirização de atividade-fim das concessionárias e energia elétrica. Ressalva de entendimento contrário do Relator. 2.
suposta violação do artigo 25. §1º, da Lei 8.987/95, extrai-se do Na hipótese vertente, da leitura do v. acórdão turmário, depreende-
trecho transcrito, que o eg. TRT consignou ilícita a terceirização de se que a concessionária de serviços de energia elétrica (CELG)
serviços realizada pela recorrente, ao constatar que o reclamante foi terceirizou atividades essenciais ao seu objeto, o que acarretou o
contratado pela primeira reclamada, para prestar serviços à reconhecimento de sua ilicitude. 3. Por outro lado, segundo a
segunda reclamada, concessionária de energia elétrica, na função jurisprudência deste colendo Tribunal Superior, a contratação
de "leiturista revisor" e "leiturista motorizado". irregular de trabalhador por meio de empresa interposta não gera
Ao ressaltar as atividades do reclamante em tais funções, o eg. TRT vínculo de emprego com órgão da administração pública, em face
registrou que a prestação de serviços se deu na atividade-fim da do óbice contido no artigo 37, II e § 2º, da Constituição Federal. 4.
tomadora, pelo que, ao ressaltar que o disposto no art. 25 da Lei Uma vez configurada a fraude na terceirização, todavia, o ente
8.987/95 não a autoriza, manteve a decisão que consignou pela sua público tomador de serviços deve ser responsabilizado de forma
ilicitude, em razão da fraude perpetrada. solidária pelos créditos trabalhistas do empregado, com fulcro no
Desse contexto, não se vislumbra a invocada violação do artigo 25, artigo 942 do CC, segundo o qual todos aqueles que violam direito
§1º, da Lei 8.987/95, e tampouco invasão de competência legislativa de outrem responderão solidariamente pela reparação. Precedentes
da União, não havendo afronta à cláusula de reserva de plenário desta egrégia SBDI-1. 5. Recurso de embargos de que se conhece
(art. 97 da CF e Súmula Vinculante 10 do STF). e ao qual se dá provimento." Processo: E-RR - 11623-
O entendimento desta c. Corte é no sentido de que, diversamente 36.2013.5.18.0016 Data de Julgamento: 01/12/2016, Redator
do que alega a reclamada, o disposto no art. 25, §1º, da Lei Ministro: José Roberto Freire Pimenta, Subseção I Especializada
8.987/95 não autoriza a terceirização, pela concessionária de em Dissídios Individuais, Data de Publicação: DEJT 27/01/2017.
energia elétrica, de atividade precípua, tal como a de eletricista,
exercida pelo reclamante. AGRAVO DE INSTRUMENTO. RECURSO DE REVISTA.
Assim, verificada a terceirização em atividade-fim, o RECLAMADA. DA LEI Nº 13.015/2014. TERCEIRIZAÇÃO ILÍCITA.
reconhecimento de sua ilicitude e o consequente reconhecimento CONCESSIONÁRIA DE ENERGIA ELÉTRICA. ELETRICISTA.
de vínculo de emprego com a tomadora, não afronta os dispositivos ATIVIDADE-FIM. VÍNCULO DE EMPREGO. ANTERIOR À LEI Nº
invocados, estando a decisão em consonância com o item I da 13.429/2017. 1 - Foram preenchidas as exigências do art. 896, § 1°-
Súmula 331 desta c. Corte. A, da CLT. 2 - Na hipótese, conforme o quadro fático apresentado
Nesse sentido, os seguintes precedentes desta c. Corte: pelo Tribunal Regional, o reclamante exercia a função de eletricista
em atividade-fim da empresa tomadora de serviços, o que evidencia
EMBARGOS. RECURSO DE REVISTA. INTERPOSIÇÃO NA a contratação fraudulenta, nos termos do art. 9º da CLT, e permite o
VIGÊNCIA DA LEI Nº 13.015/2014. TERCEIRIZAÇÃO. reconhecimento do vínculo de emprego diretamente com a empresa
CONCESSIONÁRIA DE ENERGIA ELÉTRICA. ELETRICISTA. tomadora, nos termos da Súmula nº 331, I, do TST. Decisão
ATIVIDADE PRECÍPUA. VÍNCULO DE EMPREGO COM A regional em consonância com esse entendimento. Caso anterior à
TOMADORA DOS SERVIÇOS. NÃO CONHECIMENTO. 1. lei 13.429/2017 (ED-E-ED-RR-1144-53.2013.5.06.0004). 3 - Agravo
Segundo a jurisprudência desta egrégia SBDI-1, o artigo 25, § 1º, da de instrumento a que se nega provimento. Processo: AIRR - 63-
Lei nº 8.987/95 não autoriza a terceirização de serviços 32.2014.5.06.0005 Data de Julgamento: 23/08/2017, Relatora
relacionados às atividades precípuas das concessionárias de Ministra: Kátia Magalhães Arruda, 6ª Turma, Data de Publicação:
energia elétrica, entre as quais se inclui a função de eletricista. DEJT 25/08/2017.
Precedentes desta egrégia SBDI-1. Ressalva de entendimento AGRAVOS REGIMENTAIS EM AGRAVOS DE INSTRUMENTO EM
contrário do Relator. 2. Na hipótese vertente, uma vez consignado RECURSOS DE REVISTA INTERPOSTOS PELA TENCEL
pela egrégia Oitava Turma deste Tribunal que a segunda reclamada ENGENHARIA EIRELI E CELG DISTRIBUIÇÃO S.A.. LEI
(ESCELSA), concessionária de serviços de energia elétrica, 13.015/14. MATÉRIA COMUM. ANÁLISE CONJUNTA. EMPRESA
terceirizou atividade inerente ao serviço concedido - de eletricista -, CONCESSIONÁRIA DE ENERGIA ELÉTRICA. TERCEIRIZAÇÃO
impõe-se o reconhecimento da ilicitude da terceirização e, ILÍCITA. ATIVIDADE-FIM. ELETRICISTA. ISONOMIA SALARIAL. 1.
consequentemente, do vínculo de emprego entre o reclamante e a Prevalece nesta Corte Superior o entendimento de que a Lei nº
tomadora dos serviços. Inteligência do item I da Súmula nº 331. 3. 8.987/95, que trata do regime de concessão e permissão de
Considerando, pois, que o v. acórdão turmário está em prestação de serviços públicos, não autoriza a terceirização de
conformidade com a atual e iterativa jurisprudência desta colenda atividade-fim das empresas concessionárias de serviços públicos. 2.
Corte Superior, o conhecimento do recurso de embargos encontra Nos termos da OJ/SbDI-1/TST nº 383 do c. TST, "a contratação
óbice no artigo 894, § 2º, da CLT. 4. Recurso de embargos não irregular de trabalhador, mediante empresa interposta, não gera
conhecido. Processo: E-ED-RR - 162500-70.2012.5.17.0009 Data vínculo de emprego com ente da Administração Pública, não
de Julgamento: 22/09/2016, Relator Ministro: Guilherme Augusto afastando, contudo, pelo princípio da isonomia, o direito dos
Caputo Bastos, Subseção I Especializada em Dissídios Individuais, empregados terceirizados às mesmas verbas trabalhistas legais e
Data de Publicação: DEJT 30/09/2016.(grifou-se) normativas asseguradas àqueles contratados pelo tomador dos
serviços, desde que presente a igualdade de funções. Aplicação
EMBARGOS REGIDOS PELA LEI Nº 13.015/2014. analógica do art. 12, "a", da Lei nº 6.019, de 03.01.1974.". No caso,
TERCEIRIZAÇÃO ILÍCITA. CONCESSIONÁRIA DE ENERGIA o Regional consignou, textualmente, que o autor exercia a função
ELÉTRICA. ATIVIDADE PRECÍPUA DO TOMADOR DOS de eletricista, atividade essencial inserida na dinâmica de

Código para aferir autenticidade deste caderno: 137896


2774/2019 Tribunal Superior do Trabalho 11
Data da Disponibilização: Sexta-feira, 26 de Julho de 2019

distribuição de energia elétrica. Registra a ilicitude na contratação texto do referido dispositivo sem observar a cláusula de reserva de
do empregado, em nítida fraude à legislação trabalhista, nos termos Plenário. AGRAVO PROVIDO.
do art. 9º da CLT, para prestar serviços intimamente ligados à 4. O PLENÁRIO DA CORTE declarou parcialmente inconstitucional
atividade-fim da Celg D, atuante no feito como tomadora dos a SÚMULA 331/TST e proclamou a licitude da terceirização de toda
serviços, bem como a igualdade de funções entre o ex-empregado e qualquer atividade, meio ou fim; para afirmar a inexistência de
e aqueles diretamente contratados pela Celg D. Logo, a decisão relação de emprego entre a contratante e o empregado da
que reconheceu a paridade de direitos trabalhistas se coaduna com contratada. RECURSO EXTRAORDINÁRIO PROVIDO.
os termos da OJ/SBDI-1 nº 383 do c. TST. Óbice do art. 896, § 7º, 5. Agravo conhecido e recurso extraordinário provido para
da CLT, descabendo cogitar de violação de dispositivo de lei e da restabelecer a sentença de primeiro grau, com a fixação da seguinte
Constituição Federal. Agravos regimentais conhecidos e tese no TEMA 739: "É nula a decisão de órgão fracionário que se
desprovidos. Processo: AgR-AIRR - 2598-92.2013.5.18.0082 Data recusa a aplicar o art. 94, II, da Lei 9.472/1997, sem observar a
de Julgamento: 22/08/2017, Relator Ministro: Alexandre de Souza cláusula de reserva de Plenário (CF, art. 97), observado o artigo
Agra Belmonte, 3ª Turma, Data de Publicação: DEJT 25/08/2017. 949 do CPC." (ARE 791932/DF, Rel. Min. Alexandre de Moraes,
DJe 06/03/2019)
Por fim, não se cogita da apontada ofensa dos artigos 818, da CLT
e 373, I, do CPC/2015, uma vez que a questão a respeito da Logo, versando o acórdão recorrido sobre questão atinente a tema
ilicitude da terceirização foi dirimida com base nas provas dos cuja repercussão geral foi reconhecida, com tese de mérito firmada
autos, especificamente das provas testemunhais, e não nas regras pelo Supremo Tribunal Federal, determino o dessobrestamento do
de distribuição do ônus da prova. recurso e o encaminhamento dos autos ao órgão fracionário prolator
Incide o disposto no art. 896, §7º, da CLT, a afastar a divergência da decisão recorrida nestes autos, a fim de que se manifeste, nos
jurisprudencial colacionada. termos do art. 1.030, II do CPC, sobre a necessidade ou não de
Diante do exposto, nego provimento ao Agravo de Instrumento. exercer eventual juízo de retratação da decisão então proferida por
aquele colegiado.
ISTO POSTO À Coordenadoria de Recursos - CREC - para as providências
pertinentes.
ACORDAM os Ministros da Sexta Turma do Tribunal Superior do Publique-se.
Trabalho, por unanimidade, conhecer do Agravo de Instrumento e, Brasília, 24 de julho de 2019.
no mérito, negar-lhe provimento."

O Supremo Tribunal Federal, ao julgar o ARE 791.932/DF fixou a Firmado por assinatura digital (MP 2.200-2/2001)
seguinte tese: "É nula a decisão de órgão fracionário que se recusa RENATO DE LACERDA PAIVA
a aplicar o art. 94, II, da Lei 9.472/1997, sem observar a cláusula de Ministro Vice-Presidente do TST
reserva de Plenário (CF, art. 97), observado o artigo 949 do CPC".
Eis o teor da ementa do julgado: Processo Nº ARR-0000002-23.2013.5.06.0001
EMENTA: CONSTITUCIONAL E TRABALHISTA. NULIDADE DO Complemento Processo Eletrônico
ACÓRDÃO RECORRIDO POR DESRESPEITO A CLÁUSULA DE Relator Min. Ives Gandra Martins Filho
RESERVA DE PLENÁRIO (CF, ART. 97 E SV 10). NEGATIVA Agravante e Recorrido CSU CARDSYSTEIM S.A.
PARCIAL DE VIGÊNCIA E EFICÁCIA AO INCISO II, DO ART. 94 Advogado Dr. Henrique Dowsley de
Andrade(OAB: 16953/PE)
DA LEI 9.472/1997 (LEI GERAL DE TELECOMUNICAÇÕES) POR
Agravado e Recorrente TIM CELULAR S.A.
ÓRGÃO FRACIONÁRIO COM BASE NA SÚMULA 331/TST.
Advogado Dr. Carlos Roberto de Siqueira
IMPOSSIBILIDADE. LICITUDE DE TERCEIRIZAÇÃO DE TODA E Castro(OAB: 20015/DF)
QUALQUER ATIVIDADE, MEIO OU FIM, NÃO SE Agravado e Recorrido ELISÂNGELA DE JESUS AFONSO
CONFIGURANDO RELAÇÃO DE EMPREGO ENTRE A Advogado Dr. Marco Jácome Valois Tafur(OAB:
CONTRATANTE E O EMPREGADO DA CONTRATADA (ADPF 324 24073/PE)
E RE 958.252). AGRAVO CONHECIDO. RECURSO PROVIDO.
1. A inconstitucionalidade de lei ou ato normativo estatal só pode Intimado(s)/Citado(s):
ser declarada pelo voto da maioria absoluta da totalidade dos - CSU CARDSYSTEIM S.A.
membros do tribunal ou, onde houver, dos integrantes do respectivo - ELISÂNGELA DE JESUS AFONSO
órgão especial, sob pena de absoluta nulidade da decisão emanada - TIM CELULAR S.A.
do órgão fracionário (turma, câmara ou seção), em respeito à
previsão do art. 97 da Constituição Federal. Trata-se de recurso extraordinário contra acórdão proferido pela
2. A cláusula de reserva de plenário atua como condição de eficácia egrégia Quarta Turma deste Tribunal.
jurídica da própria declaração jurisdicional de inconstitucionalidade A parte recorrente suscita preliminar de repercussão geral da
dos atos do Poder Público, aplicando-se para todos os tribunais, via matéria e aponta violação aos dispositivos da Constituição da
difusa, e para o SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL, também no República que especifica nas razões recursais.
controle concentrado (CF, art. 97 e SV 10). A Vice-Presidência deste Tribunal Superior, por despacho,
3. É nula a decisão de órgão fracionário que, ao negar a aplicação determinou o sobrestamento do recurso extraordinário por envolver
do inciso II, do art. 94 da Lei 9.472/1997, com base na Súmula o Tema nº 739 do ementário de Repercussão Geral do Supremo
331/TST, e declarar ilícita a terceirização e atividade-fim, reconhece Tribunal Federal.
a existência de vínculo trabalhista entre a contratante e o Considerando que a matéria foi julgada na Sessão do Tribunal
empregado da contratada, pois exerceu controle difuso de Pleno do STF em 11/10/2018, com fixação da tese de mérito e que
constitucionalidade, declarando a parcial nulidade sem redução de o acórdão foi publicado no Diário Eletrônico de Justiça de

Código para aferir autenticidade deste caderno: 137896


2774/2019 Tribunal Superior do Trabalho 12
Data da Disponibilização: Sexta-feira, 26 de Julho de 2019

06/03/2019, com trânsito em julgado, passo ao exame de reconhecimento da licitude da terceirização os conceitos de
admissibilidade do recurso sobrestado. atividade-fim, atividade-meio e subordinação estrutural entre
É o relatório. empresas, não há de se aguardar a revisão da Súmula 331 para
Decido. apreciação dos casos pendentes, quer por depender da discussão
Consta do acórdão recorrido: prévia sobre a constitucionalidade do art. 702, I, "f", e § 3º, da CLT,
quer por ser possível decidir de pronto a matéria, sem tisnar a
"I) RECURSO DE REVISTA DA RECLAMADA TIM CELULAR S.A. - Súmula 331, quando se reconhecer o caráter de atividade-meio
TERCEIRIZAÇÃO - SERVIÇOS DE CALL CENTER - LICITUDE - desenvolvida pela prestadora de serviços em relação à tomadora de
ADPF 324 E RE 958.252 - APLICAÇÃO DA SÚMULA 331 DO TST serviços, como são os casos típicos de call center, em que a
À LUZ DOS PRECEDENTES DO STF. atividade é desenvolvida por empresa que presta o mesmo serviço
1. A Súmula 331 do TST constituiu, por mais de 2 décadas, o marco para inúmeros setores produtivos, como meio de venda de seus
regulatório por excelência do fenômeno da terceirização na seara produtos ou recebimento de reclamações quanto aos serviços
trabalhista, editada que foi em atenção a pedido formulado pelo prestados (cfr. TST-E-ED-RR-876-84.2011.5.01.0011, Rel. Min.
MPT, em 1993, de revisão da Súmula 256, que era Aloysio Corrêa da Veiga, SBDI-1, DEJT de 03/08/18).
superlativamente restritiva da terceirização, limitando-a às hipóteses 7. In casu, como se trata de terceirização de serviços de call center,
de vigilância (Lei 7.102/83) e trabalho temporário (Lei 6.019/74). em que a Autora, admitida pela 1ª Reclamada, CSU CARDSYSTEM
2. Revisada por duas vezes (2000 e 2011), em função da questão S.A., passou a prestar serviços de atendimento ao cliente em prol
acessória da responsabilidade subsidiária da administração pública da 2ª Reclamada, TIM Celular S.A., sem que se tenha notícia de
nos casos de inadimplemento das obrigações trabalhistas por parte subordinação direta da Trabalhadora terceirizada à Tomadora de
das empresas terceirizadas (incisos IV e V), o STF, ao pacificar tal serviços, tem-se que o recurso de revista merece conhecimento, por
questão periférica, deu também sinalização clara quanto à violação do art. 94, II, da Lei 9.472/97, e provimento, para,
fragilidade e imprecisão conceitual da distinção entre atividade-fim e reformando o acórdão regional no aspecto, afastar a ilicitude da
atividade-meio para efeito de fixação da licitude da terceirização de terceirização e, por conseguinte, o reconhecimento do vínculo de
serviços (cfr. RE 760.931-DF, Red. Min. Luiz Fux, julgado em emprego com a 2ª Reclamada, bem como os benefícios
30/03/17). convencionais concedidos especificamente aos seus empregados e
3. O que condenou finalmente a Súmula 331 do TST, em seu a condenação solidária a ela subjacente, permanecendo a
núcleo conceitual central do inciso III, sobre a licitude da responsabilidade subsidiária, nos moldes da Súmula 331, IV e VI,
terceirização apenas de atividades-meio das empresas tomadoras deste Tribunal, quanto à condenação remanescente.
de serviços, foram os excessos no enquadramento das atividades Recurso de revista da Reclamada TIM Celular S.A. provido.
das empresas, generalizando a ideia de atividade-fim, (...)
especialmente quanto aos serviços de call center prestados para
bancos (cfr. TST-RR-1785-39.2012.5.06.0016) e concessionárias de ISTO POSTO
serviços de telecomunicações (cfr. TST-E-ED-RR-2707-
41.2010.5.12.0030) e energia elétrica (cfr. TST-RR-574- ACORDAM os Ministros da Quarta Turma do Tribunal Superior do
78.2011.5.04.0332), ao arrepio das Leis 8.987/95 (art. 25, § 1º) e Trabalho, por unanimidade: I - conhecer do recurso de revista da 2ª
9.472/97 (art. 94, II), além dos casos de cabistas (cfr. TST-E-ED-RR Reclamada, TIM Celular S.A. quanto à ilicitude da terceirização, por
-234600-14.2009.5.09.0021), leituristas (cfr. TST-E-ED-RR-1521- violação do art. 94, II, da Lei 9.472/97, e, no mérito, dar-lhe
87.2010.5.05.0511) e vendedores no ramo de transporte rodoviário provimento, para, reformando o acórdão regional, no particular,
(cfr. TST-E-RR-1419-44.2011.5.10.0009), apenas para citar os mais afastar a ilicitude da terceirização e, por conseguinte, o
comuns. reconhecimento do vínculo de emprego com a Tomadora, bem
4. No intuito de combater o fenômeno econômico da terceirização, como os benefícios convencionais concedidos especificamente aos
caracterizado pela cadeia produtiva horizontal, para forçar o retorno seus empregados e a condenação solidária a ela subjacente, e
ao modelo de empresa vertical, em que a quase totalidade das reconhecer a sua responsabilidade subsidiária pelo pagamento das
atividades é exercida pelos seus empregados contratados demais parcelas deferidas à Obreira na reclamação trabalhista, na
diretamente e não por empresas terceirizadas e seus empregados, esteira do entendimento consubstanciado na Súmula 331, IV e VI,
a jurisprudência majoritária do TST levou o STF a reconhecer a do TST; II - em face do provimento conferido ao recurso de revista
repercussão geral dos Temas 725 e 739, sobre terceirização, cujo da TIM Celular S.A., julgar prejudicada a análise do agravo de
deslinde em 30/08/18, com o julgamento do RE 958.252 e da ADPF instrumento da 1ª Reclamada, CSU CARDSYSTEM S.A."
324 resultou na fixação da seguinte tese jurídica de caráter
vinculante: "é lícita a terceirização ou qualquer outra forma de
divisão do trabalho entre pessoas jurídicas distintas,
independentemente do objeto social das empresas envolvidas, O Supremo Tribunal Federal, ao julgar o ARE 791.932/DF fixou a
mantida a responsabilidade subsidiária da empresa contratante". seguinte tese: "É nula a decisão de órgão fracionário que se recusa
5. Assim, a partir de 30/08/18, passou a ser de aplicação aos a aplicar o art. 94, II, da Lei 9.472/1997, sem observar a cláusula de
processos judiciais em que se discute a terceirização a tese jurídica reserva de Plenário (CF, art. 97), observado o artigo 949 do CPC".
fixada pelo STF no precedente dos processos RE 958.252 e ADPF Eis o teor da ementa do julgado:
324, mormente em face da rejeição da questão de ordem relativa a EMENTA: CONSTITUCIONAL E TRABALHISTA. NULIDADE DO
eventual perda de objeto dos processos, diante da edição da Lei ACÓRDÃO RECORRIDO POR DESRESPEITO A CLÁUSULA DE
13.429/17, uma vez que se reconheceu que esta passou a regular a RESERVA DE PLENÁRIO (CF, ART. 97 E SV 10). NEGATIVA
matéria para o futuro, enquanto o julgamento do STF dispôs sobre PARCIAL DE VIGÊNCIA E EFICÁCIA AO INCISO II, DO ART. 94
os casos do passado. DA LEI 9.472/1997 (LEI GERAL DE TELECOMUNICAÇÕES) POR
6. Por outro lado, a par de não mais subsistirem, para efeito do ÓRGÃO FRACIONÁRIO COM BASE NA SÚMULA 331/TST.

Código para aferir autenticidade deste caderno: 137896


2774/2019 Tribunal Superior do Trabalho 13
Data da Disponibilização: Sexta-feira, 26 de Julho de 2019

Procurador Dr. Geraldo Wilames Fonseca e Silva


IMPOSSIBILIDADE. LICITUDE DE TERCEIRIZAÇÃO DE TODA E
Embargado(a) JOSÉ NETO SOARES DA SILVA
QUALQUER ATIVIDADE, MEIO OU FIM, NÃO SE
Advogado Dr. Adilar Daltoé(OAB: 543/TO)
CONFIGURANDO RELAÇÃO DE EMPREGO ENTRE A
Embargado(a) MAXXI SERVICE ADMINISTRADORA
CONTRATANTE E O EMPREGADO DA CONTRATADA (ADPF 324 DE SERVIÇOS TERCEIRIZADOS
E RE 958.252). AGRAVO CONHECIDO. RECURSO PROVIDO. LTDA.
1. A inconstitucionalidade de lei ou ato normativo estatal só pode
ser declarada pelo voto da maioria absoluta da totalidade dos Intimado(s)/Citado(s):
membros do tribunal ou, onde houver, dos integrantes do respectivo - INSTITUTO CHICO MENDES DE CONSERVACAO DA
órgão especial, sob pena de absoluta nulidade da decisão emanada BIODIVERSIDADE
do órgão fracionário (turma, câmara ou seção), em respeito à - JOSÉ NETO SOARES DA SILVA
previsão do art. 97 da Constituição Federal. - MAXXI SERVICE ADMINISTRADORA DE SERVIÇOS
TERCEIRIZADOS LTDA.
2. A cláusula de reserva de plenário atua como condição de eficácia
jurídica da própria declaração jurisdicional de inconstitucionalidade
JOSÉ NETO SOARES DA SILVA, por meio das Petições nºs
dos atos do Poder Público, aplicando-se para todos os tribunais, via
246553/2018-7 e 253663/2018-5 (docs. seqs. 48 e 49), pede a
difusa, e para o SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL, também no
reconsideração da decisão que determinou o sobrestamento do
controle concentrado (CF, art. 97 e SV 10).
recurso extraordinário.
3. É nula a decisão de órgão fracionário que, ao negar a aplicação
Alega que, em processos semelhantes, os recursos extraordinários
do inciso II, do art. 94 da Lei 9.472/1997, com base na Súmula
interpostos pelo ICMBIO não foram admitidos, estando atualmente
331/TST, e declarar ilícita a terceirização e atividade-fim, reconhece
em liquidação nas Varas do Trabalho de origem.
a existência de vínculo trabalhista entre a contratante e o
Decido.
empregado da contratada, pois exerceu controle difuso de
O Supremo Tribunal Federal de fato examinou o mérito da questão
constitucionalidade, declarando a parcial nulidade sem redução de
jurídica espelhada nas razões recursais, por ocasião do julgamento
texto do referido dispositivo sem observar a cláusula de reserva de
do RE 760.931/DF, erigido à condição de leading case (Tema 246).
Plenário. AGRAVO PROVIDO.
Ocorre que foram opostos embargos de declaração, ainda
4. O PLENÁRIO DA CORTE declarou parcialmente inconstitucional
pendentes de julgamento, e cuja redistribuição foi determinada em
a SÚMULA 331/TST e proclamou a licitude da terceirização de toda
02/02/2018, de modo que não se operou o trânsito em julgado,
e qualquer atividade, meio ou fim; para afirmar a inexistência de
tornando, portanto, inviável o pleito deduzido na petição, por
relação de emprego entre a contratante e o empregado da
injunção do artigo 1.030, III, do CPC.
contratada. RECURSO EXTRAORDINÁRIO PROVIDO.
A propósito, não é demais registrar que a matéria contida no Tema
5. Agravo conhecido e recurso extraordinário provido para
246 envolve o maior volume de processos sobrestados da história
restabelecer a sentença de primeiro grau, com a fixação da seguinte
do Judiciário do Trabalho, cujos desdobramentos não se acham
tese no TEMA 739: "É nula a decisão de órgão fracionário que se
contemplados na tese por ora firmada pela Suprema Corte, tal como
recusa a aplicar o art. 94, II, da Lei 9.472/1997, sem observar a
a definição do onus probandi frente à alegação da culpa in vigilando
cláusula de reserva de Plenário (CF, art. 97), observado o artigo
da Administração Pública.
949 do CPC." (ARE 791932/DF, Rel. Min. Alexandre de Moraes,
Equivale dizer que há inegável expectativa de que o STF, no
DJe 06/03/2019)
julgamento dos embargos de declaração, estabeleça referencial
definitivo a ser utilizado em decisões levadas a efeito no TST, pelo
Logo, versando o acórdão recorrido sobre questão atinente a tema
que a prudência aconselha a manutenção do sobrestamento do
cuja repercussão geral foi reconhecida, com tese de mérito firmada
recurso extraordinário até o trânsito em julgado do RE 760.931/DF.
pelo Supremo Tribunal Federal, determino o dessobrestamento do
Do exposto, indefiro o pedido.
recurso e o encaminhamento dos autos ao órgão fracionário prolator
À Coordenadoria de Recursos - CREC para as providências.
da decisão recorrida nestes autos, a fim de que se manifeste, nos
Publique-se.
termos do art. 1.030, II do CPC, sobre a necessidade ou não de
Intime-se.
exercer eventual juízo de retratação da decisão então proferida por
Brasília, 24 de julho de 2019.
aquele colegiado.
À Coordenadoria de Recursos - CREC - para as providências
pertinentes.
Firmado por assinatura digital (MP 2.200-2/2001)
Publique-se.
RENATO DE LACERDA PAIVA
Brasília, 24 de julho de 2019.
Ministro Vice-Presidente do TST

Processo Nº AIRR-0293400-32.2010.5.03.0000
Firmado por assinatura digital (MP 2.200-2/2001)
Complemento Processo Eletrônico
RENATO DE LACERDA PAIVA
Relator Min. Walmir Oliveira da Costa
Ministro Vice-Presidente do TST
Agravante UNIÃO (PGU)
Procuradora Dra. Helia Maria de Oliveira Bettero
Processo Nº ED-AIRR-0003251-76.2010.5.10.0000 Agravado MICHELE FERREIRA DE ANDRADE
Complemento Processo Eletrônico
Advogado Dr. Ricardo da Silva Castro(OAB:
Relator Desemb. Convocado José Pedro de 108319/MG)
Camargo Rodrigues de Souza
Agravado ZL AMBIENTAL LTDA.
Embargante INSTITUTO CHICO MENDES DE
CONSERVACAO DA Advogado Dr. Germano Augusto Serafim
BIODIVERSIDADE Cota(OAB: 98049/MG)

Código para aferir autenticidade deste caderno: 137896


2774/2019 Tribunal Superior do Trabalho 14
Data da Disponibilização: Sexta-feira, 26 de Julho de 2019

Intimado(s)/Citado(s): que determinou o sobrestamento do recurso extraordinário com


- MICHELE FERREIRA DE ANDRADE fundamento no Tema 246 da Tabela de Temas de Repercussão
- UNIÃO (PGU) Geral do STF.
- ZL AMBIENTAL LTDA. Alega que o acórdão recorrido indica a ausência de fiscalização das
obrigações legais por parte da Administração Pública.
MICHELE FERREIRA DE ANDRADE, por meio da Petição nº Sustenta que a matéria impugnada demanda o reexame de provas.
216727/2017-0 (doc. seq. 33), pede o imediato juízo negativo de Requer, por fim, o regular andamento do feito.
admissibilidade do recurso extraordinário, ao argumento de que a Decido.
Suprema Corte já teria examinado o mérito da questão relativa à O Supremo Tribunal Federal de fato examinou o mérito da questão
responsabilidade subsidiária do ente público tomador de serviços jurídica espelhada nas razões recursais, por ocasião do julgamento
pelo pagamento de créditos reconhecidos em favor de trabalhador do RE 760.931/DF, erigido à condição de leading case (Tema 246).
terceirizado. Ocorre que foram opostos embargos de declaração, ainda
Decido. pendentes de julgamento, e cuja redistribuição foi determinada em
O Supremo Tribunal Federal de fato examinou o mérito da questão 02/02/2018, de modo que não se operou o trânsito em julgado,
jurídica espelhada nas razões recursais, por ocasião do julgamento tornando, portanto, inviável o pleito deduzido na petição, por
do RE 760.931/DF, erigido à condição de leading case (Tema 246). injunção do artigo 1.030, III, do CPC.
Ocorre que foram opostos embargos de declaração, ainda A propósito, não é demais registrar que a matéria contida no Tema
pendentes de julgamento, e cuja redistribuição foi determinada em 246 envolve o maior volume de processos sobrestados da história
02/02/2018, de modo que não se operou o trânsito em julgado, do Judiciário do Trabalho, cujos desdobramentos não se acham
tornando, portanto, inviável o pleito deduzido na petição, por contemplados na tese por ora firmada pela Suprema Corte, tal como
injunção do artigo 1.030, III, do CPC. a definição do onus probandi frente à alegação da culpa in vigilando
A propósito, não é demais registrar que a matéria contida no Tema da Administração Pública.
246 envolve o maior volume de processos sobrestados da história Equivale dizer que há inegável expectativa de que o STF, no
do Judiciário do Trabalho, cujos desdobramentos não se acham julgamento dos embargos de declaração, estabeleça referencial
contemplados na tese por ora firmada pela Suprema Corte, tal como definitivo a ser utilizado em decisões levadas a efeito no TST, pelo
a definição do onus probandi frente à alegação da culpa in vigilando que a prudência aconselha a manutenção do sobrestamento do
da Administração Pública. recurso extraordinário até o trânsito em julgado do RE 760.931/DF.
Equivale dizer que há inegável expectativa de que o STF, no Do exposto, indefiro o pedido.
julgamento dos embargos de declaração, estabeleça referencial À Coordenadoria de Recursos - CREC para as providências.
definitivo a ser utilizado em decisões levadas a efeito no TST, pelo Publique-se.
que a prudência aconselha a manutenção do sobrestamento do Intime-se.
recurso extraordinário até o trânsito em julgado do RE 760.931/DF. Brasília, 26 de julho de 2019.
Indefiro o pedido.
À Coordenadoria de Recursos - CREC para as providências
cabíveis. Firmado por assinatura digital (MP 2.200-2/2001)
Publique-se RENATO DE LACERDA PAIVA
Intime-se. Ministro Vice-Presidente do TST
Brasília, 25 de julho de 2019.
Processo Nº RR-0001449-89.2011.5.03.0004
Complemento Processo Eletrônico
Firmado por assinatura digital (MP 2.200-2/2001) Relator Min. Maria Helena Mallmann
RENATO DE LACERDA PAIVA Recorrente TELEMAR NORTE LESTE S.A.
Ministro Vice-Presidente do TST Advogado Dr. José Alberto Couto Maciel(OAB:
513/DF)
Advogado Dr. Décio Freire(OAB: 56543-A/MG)
Processo Nº AIRR-0002373-42.2015.5.02.0084
Complemento Processo Eletrônico Recorrente TELEMONT ENGENHARIA DE
TELECOMUNICAÇÕES S.A.
Relator Min. Lelio Bentes Corrêa
Advogado Dr. Manoel de Souza Guimarães
Agravante FAZENDA PÚBLICA DO ESTADO DE Júnior(OAB: 50762/MG)
SÃO PAULO
Recorrido RODRIGO ANTÔNIO MEDEIROS
Procuradora Dra. Renata Viana Neri
Advogado Dr. Hudson Leonardo de
Agravado ANA LÚCIA OLIVEIRA DA SILVA Campos(OAB: 75761/MG)
Advogado Dr. Doglas Batista de Abreu(OAB:
235001/SP) Intimado(s)/Citado(s):
Agravado ATLÂNTICO SUL SEGURANÇA E
VIGILÂNCIA EIRELI - RODRIGO ANTÔNIO MEDEIROS
- TELEMAR NORTE LESTE S.A.
Intimado(s)/Citado(s): - TELEMONT ENGENHARIA DE TELECOMUNICAÇÕES S.A.
- ANA LÚCIA OLIVEIRA DA SILVA
- ATLÂNTICO SUL SEGURANÇA E VIGILÂNCIA EIRELI Trata-se de recursos extraordinários contra acórdão proferido pela
- FAZENDA PÚBLICA DO ESTADO DE SÃO PAULO egrégia Quinta Turma deste Tribunal.
As partes recorrentes suscitam preliminar de repercussão geral da
ANA LÚCIA OLIVEIRA DA SILVA, por meio da Petição nº matéria e apontam violação aos dispositivos da Constituição da
177437/2018-7 (doc. seq. 17), pede a reconsideração da decisão República que especificam nas razões recursais.

Código para aferir autenticidade deste caderno: 137896


2774/2019 Tribunal Superior do Trabalho 15
Data da Disponibilização: Sexta-feira, 26 de Julho de 2019

A Vice-Presidência deste Tribunal Superior, por despacho, Telemont prestadora e Telemar tomadora, entende aplicar-se o item
determinou o sobrestamento do recurso extraordinário por envolver I da Súmula 331, de maneira que, 3) estando o acórdão da Eg.
o Tema nº 739 do ementário de Repercussão Geral do Supremo Terceira Turma em consonância com iterativa, atual e notória
Tribunal Federal. jurisprudência desta Corte, aplica-se o óbice da segunda parte do
Considerando que a matéria foi julgada na Sessão do Tribunal art. 894, II, da CLT. 2. O Colegiado Turmário, quanto à ilicitude da
Pleno do STF em 11/10/2018, com fixação da tese de mérito e que terceirização empreendida, não conheceu do recurso de revista das
o acórdão foi publicado no Diário Eletrônico de Justiça de reclamadas, ao registro de que -os serviços desempenhados pelo
06/03/2019, com trânsito em julgado, passo ao exame de empregado estão diretamente ligados à atividade-fim da tomadora-,
admissibilidade do recurso sobrestado. razão pela qual o reconhecimento do vínculo de emprego
É o relatório. diretamente com a tomadora dos serviços -está em conformidade
Decido. com a Súmula 331, I, do TST-. 3. A decisão regional está em
Consta do acórdão recorrido: harmonia com a jurisprudência desta Subseção, firme no sentido de
que o art. 94, II, da Lei 9.472/97 não autoriza a terceirização dos
"(...) serviços de instalação de linhas telefônicas pelas empresas de
telefonia, porquanto inseridos em sua atividade-fim, sendo devido,
No tocante à terceirização, segundo a jurisprudência do TST, com nesses casos, o reconhecimento do vínculo de emprego
base nos princípios que norteiam o Direito do Trabalho, a diretamente com o tomador dos serviços, nos moldes do item I da
interpretação do art. 94, II, da Lei nº 9.472/1997, não autoriza Súmula 331 do TST (-A contratação de trabalhadores por empresa
concluir que o legislador ordinário conferiu a possibilidade de interposta é ilegal, formando-se o vínculo diretamente com o
terceirização ampla e irrestrita das atividades-fim das empresas de tomador dos serviços, salvo no caso de trabalho temporário-). 4.
telecomunicações. Nesse contexto, efetivamente não há como se admitir o recurso de
Nesse contexto, a terceirização das atividades-fim das empresas de embargos, a teor da parte final do art. 894, II, do TST. Agravo
telecomunicações, dentre as quais estão inseridas as execuções de regimental conhecido e não provido." (Ag-E-RR - 19700-
serviços de instalação e reparação de linhas telefônicas, é ilícita e 09.2008.5.03.0022, Relator Ministro: Hugo Carlos Scheuermann,
implica o reconhecimento do vínculo empregatício diretamente com Data de Julgamento: 13/11/2014, Subseção I Especializada em
o tomador dos serviços, conforme o item I da Súmula n.º 331 do Dissídios Individuais, Data de Publicação: DEJT 21/11/2014)
TST. (destaquei)
Cito precedentes desta 5ª Turma e da SBDI-1 desta Corte:
Na hipótese dos autos, verifica-se que a reclamada, empresa de
"AGRAVO. EMPRESAS DE TELECOMUNICAÇÕES. telecomunicação, terceirizou sua atividade de manutenção e
TERCEIRIZAÇÃO. INSTALAÇÃO E REPARAÇÃO DE LINHAS instalação de linhas telefônicas. Impõe-se, portanto, a manutenção
TELEFÔNICAS. ATIVIDADE FIM. IRREGULARIDADE. VÍNCULO do reconhecimento da ilicitude da terceirização e,
DE EMPREGO. A terceirização de atividade-fim da empresa consequentemente, do vínculo de emprego entre o reclamante e a
concessionária, relativa à execução de serviços de instalação e tomadora dos serviços.
reparação de linhas telefônicas, os quais são indispensáveis para o Assim, observa-se que a decisão da Corte Regional está em
desempenho dos serviços de telefonia, demonstra a ilicitude da consonância com a jurisprudência pacífica do TST,
terceirização. Segundo se infere da delimitação do Tribunal de consubstanciada na Súmula n.º 331, I, não havendo que se falar em
origem, a atividade contratada pela primeira reclamada e violação legal ou constitucional ensejadora do recurso de revista,
desempenhada pelo reclamante está diretamente ligada à atividade- nem divergência jurisprudencial, nos termos da Súmula n.º 333 do
fim da empresa tomadora de serviços, o que caracteriza TST e do art. 896, §4.º, da CLT.
terceirização ilícita, explicitamente repudiada pelo ordenamento
jurídico. Precedentes. Agravo a que se nega provimento." (Ag-RR - (...)
1390-56.2010.5.09.0041, Relator Ministro: Emmanoel Pereira, Data
de Julgamento: 25/03/2015, 5ª Turma, Data de Publicação: DEJT
31/03/2015) TELEMAR. ILICITUDE DA TERCEIRIZAÇÃO. INSTALAÇÃO E
"AGRAVO REGIMENTAL EM RECURSO DE EMBARGOS. MANUTENÇÃO DE LINHAS TELEFÔNICAS. ATIVIDADE-FIM.
TELEMONT ENGENHARIA DE TELECOMUNICAÇÕES. VÍNCULO DE EMPREGO COM O TOMADOR DOS SERVIÇOS
CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS COM TELEMAR Quanto à terceirização, reporto-me aos fundamentos utilizados na
NORTE LESTE S.A.. VÍNCULO EMPREGATÍCIO RECONHECIDO análise do recurso de revista da TELEMAR, com relação ao mesmo
DIRETAMENTE COM O TOMADOR DOS SERVIÇOS. tema em referência para não conhecer do recurso de revista.
RECLAMANTE INSTALADOR DE EMPRESA DE TELEFONIA. Acrescento apenas que não há contrariedade à Súmula Vinculante
APLICAÇÃO DA SÚMULA 331, I, DO TST. DESPACHO n.º 10 do STF ou violação do art. 97 da Constituição Federal, já que
DENEGATÓRIO MANTIDO. 1. No presente caso, a decisão não houve declaração de inconstitucionalidade do art. 94, II, da Lei
monocrática proferida com fulcro no art. 557, caput, do CPC e art. nº 9.472/97, mas apenas interpretação sistemática e consentânea
106, X, do RITST, denegou seguimento ao recurso de embargos da com os princípios e regras que norteiam o Direito do Trabalho.
primeira reclamada, prestadora de serviços, porque 1) não cabível
referido recurso por violação do art. 94, II, da Lei 9.472/97, art. 25, (...)
§1º, da Lei 8.987/95, art. 5º, II e art. 7º XXVI e art. 8º, III, da
Constituição, à luz da redação do art. 894 da CLT imprimida pela ISTO POSTO
Lei 11.496/2007, 2) porque os arestos paradigmas eram antigos e
restaram superados pela evolução da jurisprudência desta Colenda ACORDAM os Ministros da Quinta Turma do Tribunal Superior do
SBDI-1, que, em casos tais como o presente, de atividade meio da Trabalho, por unanimidade, não conhecer dos recursos de revista

Código para aferir autenticidade deste caderno: 137896


2774/2019 Tribunal Superior do Trabalho 16
Data da Disponibilização: Sexta-feira, 26 de Julho de 2019

das reclamadas." Brasília, 25 de julho de 2019.

O Supremo Tribunal Federal, ao julgar o ARE 791.932/DF fixou a Firmado por assinatura digital (MP 2.200-2/2001)
seguinte tese: "É nula a decisão de órgão fracionário que se recusa RENATO DE LACERDA PAIVA
a aplicar o art. 94, II, da Lei 9.472/1997, sem observar a cláusula de Ministro Vice-Presidente do TST
reserva de Plenário (CF, art. 97), observado o artigo 949 do CPC".
Eis o teor da ementa do julgado: Processo Nº RR-0066400-29.2009.5.10.0017
EMENTA: CONSTITUCIONAL E TRABALHISTA. NULIDADE DO Complemento Processo Eletrônico
ACÓRDÃO RECORRIDO POR DESRESPEITO A CLÁUSULA DE Relator Min. José Roberto Freire Pimenta
RESERVA DE PLENÁRIO (CF, ART. 97 E SV 10). NEGATIVA Recorrente UNIÃO (PGU)
PARCIAL DE VIGÊNCIA E EFICÁCIA AO INCISO II, DO ART. 94 Procuradora Dra. Helia Maria de Oliveira Bettero
DA LEI 9.472/1997 (LEI GERAL DE TELECOMUNICAÇÕES) POR Recorrido ELISABETH SALES DA SILVA
ÓRGÃO FRACIONÁRIO COM BASE NA SÚMULA 331/TST. Advogado Dr. Jonas Duarte José da Silva(OAB:
6083/DF)
IMPOSSIBILIDADE. LICITUDE DE TERCEIRIZAÇÃO DE TODA E
Recorrido CONSERVO BRASÍLIA EMPRESA DE
QUALQUER ATIVIDADE, MEIO OU FIM, NÃO SE SEGURANÇA LTDA.
CONFIGURANDO RELAÇÃO DE EMPREGO ENTRE A
CONTRATANTE E O EMPREGADO DA CONTRATADA (ADPF 324 Intimado(s)/Citado(s):
E RE 958.252). AGRAVO CONHECIDO. RECURSO PROVIDO. - CONSERVO BRASÍLIA EMPRESA DE SEGURANÇA LTDA.
1. A inconstitucionalidade de lei ou ato normativo estatal só pode - ELISABETH SALES DA SILVA
ser declarada pelo voto da maioria absoluta da totalidade dos - UNIÃO (PGU)
membros do tribunal ou, onde houver, dos integrantes do respectivo
órgão especial, sob pena de absoluta nulidade da decisão emanada
ELISABETH SALES DA SILVA, por meio da Petição 156711/2016-7
do órgão fracionário (turma, câmara ou seção), em respeito à
(doc. seq. 18), pede a reconsideração da decisão que determinou o
previsão do art. 97 da Constituição Federal.
sobrestamento do recurso extraordinário e o imediato juízo negativo
2. A cláusula de reserva de plenário atua como condição de eficácia
de admissibilidade, sob o argumento de que "o TST não examinou o
jurídica da própria declaração jurisdicional de inconstitucionalidade
mérito da demanda por não estar preenchidos os requisitos de
dos atos do Poder Público, aplicando-se para todos os tribunais, via
admissibilidade". Também alega que a matéria discutida é de cunho
difusa, e para o SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL, também no
infraconstitucional e que "a hipótese dos autos se amolda ao Tema
controle concentrado (CF, art. 97 e SV 10).
246 da Tabela de Repercussão Geral do STF, mas no sentido de já
3. É nula a decisão de órgão fracionário que, ao negar a aplicação
estar solucionado pelo Pretório Excelso em direção contrária à
do inciso II, do art. 94 da Lei 9.472/1997, com base na Súmula
pretensão recursal".
331/TST, e declarar ilícita a terceirização e atividade-fim, reconhece
Do exame dos autos vê-se que o acórdão alvo do recurso
a existência de vínculo trabalhista entre a contratante e o
extraordinário inclui debate sobre responsabilidade subsidiária do
empregado da contratada, pois exerceu controle difuso de
ente público tomador de serviços pelo pagamento de créditos
constitucionalidade, declarando a parcial nulidade sem redução de
reconhecidos em favor de trabalhador terceirizado, na forma
texto do referido dispositivo sem observar a cláusula de reserva de
referida na Súmula 331, V, do TST, o que revela inegável similitude
Plenário. AGRAVO PROVIDO.
com o debate contido no RE 760.931/DF (Tema 246), ainda
4. O PLENÁRIO DA CORTE declarou parcialmente inconstitucional
pendente de trânsito em julgado.
a SÚMULA 331/TST e proclamou a licitude da terceirização de toda
A respeito do referido tema, embora a Suprema Corte tenha
e qualquer atividade, meio ou fim; para afirmar a inexistência de
examinado o mérito da questão jurídica, foram opostos embargos
relação de emprego entre a contratante e o empregado da
de declaração, ainda pendentes de julgamento, e cuja redistribuição
contratada. RECURSO EXTRAORDINÁRIO PROVIDO.
foi determinada em 02/02/2018, de modo que não se operou o
5. Agravo conhecido e recurso extraordinário provido para
trânsito em julgado, tornando, portanto, inviável o pleito deduzido na
restabelecer a sentença de primeiro grau, com a fixação da seguinte
petição, por injunção do artigo 1.030, III, do CPC.
tese no TEMA 739: "É nula a decisão de órgão fracionário que se
A propósito, não é demais registrar que a matéria contida no Tema
recusa a aplicar o art. 94, II, da Lei 9.472/1997, sem observar a
246 envolve o maior volume de processos sobrestados da história
cláusula de reserva de Plenário (CF, art. 97), observado o artigo
do Judiciário do Trabalho, cujos desdobramentos não se acham
949 do CPC." (ARE 791932/DF, Rel. Min. Alexandre de Moraes,
contemplados na tese por ora firmada pela Suprema Corte, tal como
DJe 06/03/2019)
a definição do onus probandi frente à alegação da culpa in vigilando
da Administração Pública.
Logo, versando o acórdão recorrido sobre questão atinente a tema
Equivale dizer que há inegável expectativa de que o STF, no
cuja repercussão geral foi reconhecida, com tese de mérito firmada
julgamento dos embargos de declaração, estabeleça referencial
pelo Supremo Tribunal Federal, determino o dessobrestamento do
definitivo a ser utilizado em decisões levadas a efeito no TST, pelo
recurso e o encaminhamento dos autos ao órgão fracionário prolator
que a prudência aconselha a manutenção do sobrestamento do
da decisão recorrida nestes autos, a fim de que se manifeste, nos
recurso extraordinário até o trânsito em julgado do RE 760.931/DF.
termos do art. 1.030, II do CPC, sobre a necessidade ou não de
Indefiro o pedido.
exercer eventual juízo de retratação da decisão então proferida por
À Coordenadoria de Recursos - CREC para as providências
aquele colegiado.
cabíveis.
À Coordenadoria de Recursos - CREC - para as providências
Intime-se.
pertinentes.
Publique-se.
Publique-se.

Código para aferir autenticidade deste caderno: 137896


2774/2019 Tribunal Superior do Trabalho 17
Data da Disponibilização: Sexta-feira, 26 de Julho de 2019

Brasília, 25 de julho de 2019. a Lei nº 6.019/74, não se aplica às relações de emprego regidas e
extintas sob a égide da lei velha, sob pena de afronta ao direito
adquirido do empregado a condições de trabalho muito mais
Firmado por assinatura digital (MP 2.200-2/2001) vantajosas. 2. Quanto aos contratos de trabalho celebrados e findos
RENATO DE LACERDA PAIVA antes da entrada em vigor da Lei nº 13.429/2017, prevalece o
Ministro Vice-Presidente do TST entendimento jurisprudencial firmado à luz da Súmula nº 331, I, do
TST, amparado na anterior redação da Lei nº 6.019/74. 3.
Processo Nº AIRR-0000268-33.2016.5.06.0121 Embargos de declaração a que se dá provimento para prestar
Complemento Processo Eletrônico esclarecimentos." (ED-E-ED-RR - 1144-53.2013.5.06.0004 , Relator
Relator Min. Dora Maria da Costa Ministro: João Oreste Dalazen, Data de Julgamento: 03/08/2017,
Agravante COMPANHIA ENERGÉTICA DE Subseção I Especializada em Dissídios Individuais, Data de
PERNAMBUCO - CELPE
Publicação: DEJT 10/08/2017)
Advogado Dr. Erick Wilson Pereira(OAB:
20519/DF)
Agravado ERLANDIO GALDINO DE OLIVEIRA "EMBARGOS DE DECLARAÇÃO. FATO SUPERVENIENTE. NOVA
Advogado Dr. Everaldo Marques dos Santos LEI DE TERCEIRIZAÇÃO (LEI Nº 13.429/2017). APLICAÇÃO
Junior(OAB: 34540/PE) IMEDIATA. DIREITO INTERTEMPORAL. APLICAÇÃO DA LEI Nº
Agravado ABF - ENGENHARIA, SERVIÇOS E TEMPO (TEMPUS REGIT ACTUM). I - Muito embora a alegação de
COMÉRCIO LTDA.
fato superveniente não caracterize vício de omissão (art. 897-A da
Advogado Dr. Amanda Abreu Mota Gomes(OAB:
29311/PE) CLT), não deve o Julgador furtar-se do exame da matéria, para que
não se alegue negativa de prestação jurisdicional. II - É pacífico na
Intimado(s)/Citado(s): doutrina e na jurisprudência o entendimento de que a lei, de regra,
regula tão-somente o futuro, e não o passado, nem se aplica aos
- ABF - ENGENHARIA, SERVIÇOS E COMÉRCIO LTDA.
casos pendentes. A irretroatividade é a regra, e a retroatividade, a
- COMPANHIA ENERGÉTICA DE PERNAMBUCO - CELPE
exceção (art. 6º da LINDB). III - Em tal contexto, a nova lei de
- ERLANDIO GALDINO DE OLIVEIRA
terceirização (Lei nº 13.429, de 31.03.2017) não incide sobre os
fatos anteriores à sua vigência, prejudicando, assim, o direito
Trata-se de recurso extraordinário contra acórdão proferido pela
adquirido do reclamante à solução do litígio sob o império do
egrégia Oitava Turma deste Tribunal.
regramento normativo anterior, conforme defende a embargante.
A parte recorrente suscita preliminar de repercussão geral da
Embargos de declaração a que se nega provimento." (ED-RR-
matéria e aponta violação aos dispositivos da Constituição da
10615-60.2013.5.18.0004 , Relator Ministro: Walmir Oliveira da
República que especifica nas razões recursais.
Costa, Data de Julgamento: 28/06/2017, 1ª Turma, Data de
A Vice-Presidência deste Tribunal Superior, por despacho,
Publicação: DEJT 30/06/2017)
determinou o sobrestamento do recurso extraordinário por envolver
o Tema nº 739 do ementário de Repercussão Geral do Supremo
Em relação à terceirização de atividade fim das empresas
Tribunal Federal.
concessionárias de serviços públicos de energia elétrica, a
Considerando que a matéria foi julgada na Sessão do Tribunal
Subseção I Especializada em Dissídios Individuais, ao analisar o
Pleno do STF em 11/10/2018, com fixação da tese de mérito e que
processo nº TST-E-RR-586341-05.1999.5.18.5555, concluiu que o
o acórdão foi publicado no Diário Eletrônico de Justiça de
artigo 25 da Lei nº 8.987/95 não autoriza a referida terceirização.
06/03/2019, com trânsito em julgado, passo ao exame de
Referida decisão está assim ementada:
admissibilidade do recurso sobrestado.
É o relatório.
"RECURSO DE EMBARGOS - AÇÃO CIVIL PÚBLICA -
Decido.
TERCEIRIZAÇÃO EM ATIVIDADE-FIM - EMPRESA DO RAMO DE
Consta do acórdão recorrido:
ENERGIA ELÉTRICA - EXEGESE DO ART. 25 DA LEI Nº 8.987/95
- INTELIGÊNCIA DA SÚMULA Nº 331 DO TRIBUNAL SUPERIOR
"(...)
DO TRABALHO - VIOLAÇÃO DO ART. 896 DA CLT. A Lei nº 8.987,
de 13 de fevereiro de 1995, que dispõe sobre o regime de
Inicialmente, conforme consignado pelo Regional, a Lei nº
concessão e permissão de prestação de serviços públicos, ostenta
13.429/2017 não se aplica aos fatos anteriores à sua vigência -
natureza administrativa e, como tal, ao tratar, em seu art. 25, da
caso dos autos, em que o contrato de trabalho teve vigência em
contratação com terceiros de atividades inerentes, acessórias ou
período anterior à edição da Lei nº 13.429/2017.
complementares ao serviço concedido, não autorizou a
Nesse sentido, colhem-se os seguintes julgados:
terceirização da atividade-fim das empresas do setor elétrico. Isso
porque, esse diploma administrativo não aborda matéria trabalhista,
"EMBARGOS DE DECLARAÇÃO. EMBARGOS.
nem seus princípios, conceitos e institutos, cujo plano de eficácia é
ESCLARECIMENTOS. VÍNCULO DE EMPREGO.
outro. A legislação trabalhista protege, substancialmente, um valor:
TERCEIRIZAÇÃO ILÍCITA. TELEMARKETING. INSTITUIÇÃO
o trabalho humano, prestado em benefício de outrem, de forma não
FINANCEIRA PRIVADA. ATIVIDADE-FIM. SÚMULA Nº 331, I, DO
eventual, oneroso e sob subordinação jurídica, apartes à já
TST. CONTRATO DE TRABALHO CELEBRADO NA VIGÊNCIA DA
insuficiente conceituação individualista. E o protege sob o influxo de
ANTIGA REDAÇÃO DA LEI Nº 6.019/74. SUPERVENIÊNCIA DA
outro princípio maior, o da dignidade da pessoa humana. Não se
LEI Nº 13.429/2017 (LEI DA TERCEIRIZAÇÃO). EFEITOS 1. A
poderia, assim, dizer que a norma administrativista, preocupada
entrada em vigor da Lei nº 13.429/2017 (Lei da Terceirização),
com princípios e valores do Direito Administrativo, viesse derrogar o
geradora de profundo impacto perante a jurisprudência consolidada
eixo fundamental da legislação trabalhista, que é o conceito de
do Tribunal Superior do Trabalho, no que alterou substancialmente
empregado e empregador, jungido que está ao conceito de contrato

Código para aferir autenticidade deste caderno: 137896


2774/2019 Tribunal Superior do Trabalho 18
Data da Disponibilização: Sexta-feira, 26 de Julho de 2019

de trabalho, previsto na CLT. O enunciado da Súmula nº 331 do SOLIDÁRIA. PREVISÃO NO ARTIGO 942 DO CC. PROVIMENTO.
Tribunal Superior do Trabalho guarda perfeita harmonia com 1. Segundo a jurisprudência desta Corte Superior, o artigo 25, § 1º,
princípios e normas constitucionais e trabalhistas e trouxe um marco da Lei nº 8.987/95 não autoriza a terceirização de serviços
teórico e jurisprudencial para o fenômeno da terceirização nas relacionados às atividades precípuas das concessionárias de
relações de trabalho no Brasil, importante para o desenvolvimento energia elétrica. Ressalva de entendimento contrário do Relator. 2.
social e econômico do País, já que compatibilizou os princípios da Na hipótese vertente, da leitura do v. acórdão turmário, depreende-
valorização do trabalho humano e da livre concorrência e equilibrou se que a concessionária de serviços de energia elétrica (CELG)
a relação entre o capital e o trabalho. Recurso de embargos terceirizou atividades essenciais ao seu objeto, o que acarretou o
conhecido e parcialmente provido." (E-RR-586341- reconhecimento de sua ilicitude. 3. Por outro lado, segundo a
05.1999.5.18.5555, Redator Ministro Luiz Philippe Vieira de Mello jurisprudência deste colendo Tribunal Superior, a contratação
Filho, SDI-1, DEJT 16/10/2009) irregular de trabalhador por meio de empresa interposta não gera
vínculo de emprego com órgão da administração pública, em face
Conforme se verifica, entendeu-se que o referido dispositivo legal do óbice contido no artigo 37, II e § 2º, da Constituição Federal. 4.
não tem o condão de permitir a terceirização da atividade fim das Uma vez configurada a fraude na terceirização, todavia, o ente
empresas concessionárias de serviços públicos, sob pena de se público tomador de serviços deve ser responsabilizado de forma
conflitar com o eixo fundamental da legislação trabalhista, na solidária pelos créditos trabalhistas do empregado, com fulcro no
medida em que, no conceito de empregado e empregador, artigo 942 do CC, segundo o qual todos aqueles que violam direito
vinculadas as atividades daquele às atividades essenciais deste, de outrem responderão solidariamente pela reparação. Precedentes
sempre se teria uma pessoa interposta. Assim, não se teria mais desta egrégia SBDI-1. 5. Recurso de embargos de que se conhece
uma relação bilateral, mas sim trilateral ou plurilateral, em e ao qual se dá provimento. [...]" (E-RR-11623-36.2013.5.18.0016,
detrimento da legislação trabalhista que protege o trabalho e a Redator Ministro José Roberto Freire Pimenta, Subseção I
dignidade da pessoa humana. Especializada em Dissídios Individuais, DEJT 27/1/2017)
Ademais, ressaltou-se que a edição da Súmula nº 331 por este
Tribunal Superior do Trabalho, em conformidade com princípios e "EMBARGOS EM EMBARGOS DE DECLARAÇÃO EM RECURSO
normas constitucionais e trabalhistas, representa um marco DE REVISTA - REGÊNCIA PELA LEI Nº 13.015/2014 -
jurisprudencial para o fenômeno da terceirização nas relações de TERCEIRIZAÇÃO DE SERVIÇOS. CONCESSIONÁRIA DE
trabalho no Brasil, na medida em que compatibilizou os princípios ENERGIA ELÉTRICA. ATIVIDADE-FIM. Inviável a admissão do
da valorização do trabalho humano e da livre concorrência e recurso de embargos quando constatada a conformidade do
equilibrou a relação entre o trabalho e o capital. acórdão turmário com a jurisprudência deste Tribunal, firme no
Convém registrar, ainda, que a SDI-1/TST reiterou esse sentido de que o artigo 25, § 1º, da Lei nº 8.987/1995 não autoriza a
entendimento no julgamento de outros processos, conforme terceirização de serviços relacionados às atividades precípuas das
demonstram os seguintes julgados: concessionárias de energia elétrica. Incidência do óbice do artigo
894, § 2º, da CLT. Recurso de embargos não conhecido." (E-ED-RR
"EMBARGOS. RECURSO DE REVISTA. INTERPOSIÇÃO NA -417-43.2013.5.06.0312, Relator Ministro Márcio Eurico Vitral
VIGÊNCIA DA LEI Nº 13.015/2014. TERCEIRIZAÇÃO. Amaro, Subseção I Especializada em Dissídios Individuais, DEJT
CONCESSIONÁRIA DE ENERGIA ELÉTRICA. ELETRICISTA. 28/10/2016)
ATIVIDADE PRECÍPUA. VÍNCULO DE EMPREGO COM A
TOMADORA DOS SERVIÇOS. NÃO CONHECIMENTO. 1. No caso, consignou o Regional que, da análise do conjunto
Segundo a jurisprudência desta egrégia SBDI-1, o artigo 25, § 1º, da probatório, constata-se que o reclamante, embora tenha sido
Lei nº 8.987/95 não autoriza a terceirização de serviços formalmente contratado pela reclamada ABF - Engenharia, Serviços
relacionados às atividades precípuas das concessionárias de e Comércio Ltda., prestava serviços à CELPE em sua atividade fim,
energia elétrica, entre as quais se inclui a função de eletricista. motivo pelo qual entendeu pela nulidade do ajuste em razão da
Precedentes desta egrégia SBDI-1. Ressalva de entendimento intermediação fraudulenta de mão de obra, incidindo no caso o
contrário do Relator. 2. Na hipótese vertente, uma vez consignado entendimento consubstanciado na Súmula nº 331, I, do TST.
pela egrégia Oitava Turma deste Tribunal que a segunda reclamada Com efeito, depreende-se do acórdão regional que o reclamante
(CELPE), concessionária de serviços de energia elétrica, terceirizou desempenhava a função de eletricista, a qual constitui atividade fim
atividade inerente ao serviço concedido - de eletricista -, impõe-se o da empresa concessionária de serviço público de energia elétrica.
reconhecimento da ilicitude da terceirização e, consequentemente, Logo, tem-se por efetivamente ilícita a terceirização, na forma
do vínculo de emprego entre o reclamante e a tomadora dos decidida pelo Tribunal a quo.
serviços. Inteligência do item I da Súmula nº 331. 3. Considerando, Ressalte-se, para que não reste dúvida, que a decisão recorrida não
pois, que o v. acórdão turmário está em conformidade com a declarou a inconstitucionalidade do art. 25, § 1º, da Lei nº 8.987/95,
iterativa e notória jurisprudência desta colenda Corte Superior, o tampouco negou vigência ao aludido dispositivo, mas apenas
conhecimento do recurso de embargos encontra óbice no artigo interpretou a sua incidência no caso concreto, razão pela qual não
894, § 2º, da CLT. 4. Recurso de embargos não conhecido." (E-ED- há falar em afronta à cláusula de reserva de plenário
RR-446-93.2013.5.06.0312, Relator Ministro Guilherme Augusto consubstanciada no art. 97 da CF, nem em contrariedade à Súmula
Caputo Bastos, Subseção I Especializada em Dissídios Individuais, Vinculante nº 10 do STF. (negritos acrescidos)
DEJT 24/3/2017) Nesse sentido, o Regional ressaltou que adotou como razão de
decidir os fundamentos que embasaram a tese vitoriosa no
"EMBARGOS REGIDOS PELA LEI Nº 13.015/2014. Incidente de Uniformização de Jurisprudência (IUJ) nº 0000217-
"TERCEIRIZAÇÃO ILÍCITA. CONCESSIONÁRIA DE ENERGIA 31.2015.5.06.0000, no qual prevaleceu a tese jurídica de que,
ELÉTRICA. ATIVIDADE PRECÍPUA DO TOMADOR DOS "constatada a fraude na terceirização de mão-de-obra, por estar ela
SERVIÇOS. ENTE PÚBLICO. FRAUDE. RESPONSABILIDADE dirigida à atividade-fim do empreendimento, não se cogita, sequer,

Código para aferir autenticidade deste caderno: 137896


2774/2019 Tribunal Superior do Trabalho 19
Data da Disponibilização: Sexta-feira, 26 de Julho de 2019

de condenação subsidiária ou solidária, formando-se o vínculo e qualquer atividade, meio ou fim; para afirmar a inexistência de
diretamente com a empresa tomadora de serviços", conforme relação de emprego entre a contratante e o empregado da
ementa reproduzida na decisão recorrida. contratada. RECURSO EXTRAORDINÁRIO PROVIDO.
Diante desse contexto, tem-se que a decisão regional, ao 5. Agravo conhecido e recurso extraordinário provido para
reconhecer o vínculo de emprego diretamente com a recorrente, restabelecer a sentença de primeiro grau, com a fixação da seguinte
encontra-se em harmonia com o item I da Súmula n° 331 do TST, tese no TEMA 739: "É nula a decisão de órgão fracionário que se
segundo o qual "A contratação de trabalhadores por empresa recusa a aplicar o art. 94, II, da Lei 9.472/1997, sem observar a
interposta é ilegal, formando-se o vínculo diretamente com o cláusula de reserva de Plenário (CF, art. 97), observado o artigo
tomador dos serviços, salvo no caso de trabalho temporário (Lei nº 949 do CPC." (ARE 791932/DF, Rel. Min. Alexandre de Moraes,
6.019, de 03.01.1974)". DJe 06/03/2019)
Dessa forma, o processamento do recurso de revista não se
viabiliza, nos termos do artigo 896, § 7º, da CLT e da Súmula nº 333 Logo, versando o acórdão recorrido sobre questão atinente a tema
do TST, tendo em vista que o acórdão regional foi prolatado em cuja repercussão geral foi reconhecida, com tese de mérito firmada
consonância com a iterativa, notória e atual jurisprudência deste pelo Supremo Tribunal Federal, determino o dessobrestamento do
Tribunal Superior do Trabalho. recurso e o encaminhamento dos autos ao órgão fracionário prolator
Nego provimento. da decisão recorrida nestes autos, a fim de que se manifeste, nos
termos do art. 1.030, II do CPC, sobre a necessidade ou não de
(...) exercer eventual juízo de retratação da decisão então proferida por
aquele colegiado.
ISTO POSTO À Coordenadoria de Recursos - CREC - para as providências
pertinentes.
ACORDAM os Ministros da Oitava Turma do Tribunal Superior do Publique-se.
Trabalho, por unanimidade, conhecer do agravo de instrumento e, Brasília, 25 de julho de 2019.
no mérito, negar-lhe provimento."

O Supremo Tribunal Federal, ao julgar o ARE 791.932/DF fixou a Firmado por assinatura digital (MP 2.200-2/2001)
seguinte tese: "É nula a decisão de órgão fracionário que se recusa RENATO DE LACERDA PAIVA
a aplicar o art. 94, II, da Lei 9.472/1997, sem observar a cláusula de Ministro Vice-Presidente do TST
reserva de Plenário (CF, art. 97), observado o artigo 949 do CPC".
Eis o teor da ementa do julgado: Processo Nº ARR-0207600-41.2009.5.03.0042
EMENTA: CONSTITUCIONAL E TRABALHISTA. NULIDADE DO Complemento Processo Eletrônico
ACÓRDÃO RECORRIDO POR DESRESPEITO A CLÁUSULA DE Relator Min. Augusto César Leite de Carvalho
RESERVA DE PLENÁRIO (CF, ART. 97 E SV 10). NEGATIVA Agravante e Recorrido EDSON JOSÉ VERI
PARCIAL DE VIGÊNCIA E EFICÁCIA AO INCISO II, DO ART. 94 Advogada Dra. Selma Gomes Marçal Belo(OAB:
16200/GO)
DA LEI 9.472/1997 (LEI GERAL DE TELECOMUNICAÇÕES) POR
Agravante e Recorrido BAURUENSE TECNOLOGIA E
ÓRGÃO FRACIONÁRIO COM BASE NA SÚMULA 331/TST. SERVIÇOS LTDA.
IMPOSSIBILIDADE. LICITUDE DE TERCEIRIZAÇÃO DE TODA E Advogado Dr. Ricardo André Zambo(OAB:
QUALQUER ATIVIDADE, MEIO OU FIM, NÃO SE 138476/SP)
CONFIGURANDO RELAÇÃO DE EMPREGO ENTRE A Agravado e Recorrente FURNAS - CENTRAIS ELÉTRICAS
S.A.
CONTRATANTE E O EMPREGADO DA CONTRATADA (ADPF 324
Advogado Dr. Cledson Franco de Oliveira(OAB:
E RE 958.252). AGRAVO CONHECIDO. RECURSO PROVIDO. 4049/RO)
1. A inconstitucionalidade de lei ou ato normativo estatal só pode
ser declarada pelo voto da maioria absoluta da totalidade dos Intimado(s)/Citado(s):
membros do tribunal ou, onde houver, dos integrantes do respectivo - BAURUENSE TECNOLOGIA E SERVIÇOS LTDA.
órgão especial, sob pena de absoluta nulidade da decisão emanada - EDSON JOSÉ VERI
do órgão fracionário (turma, câmara ou seção), em respeito à - FURNAS - CENTRAIS ELÉTRICAS S.A.
previsão do art. 97 da Constituição Federal.
2. A cláusula de reserva de plenário atua como condição de eficácia
FURNAS - CENTRAIS ELÉTRICAS S.A., por meio da Petição nº
jurídica da própria declaração jurisdicional de inconstitucionalidade
162637/2017-1 (doc. seq. 19), pede a reconsideração da decisão
dos atos do Poder Público, aplicando-se para todos os tribunais, via
que determinou o sobrestamento do recurso extraordinário.
difusa, e para o SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL, também no
Alega que, no julgamento do RE nº 760.931, em 30/03/2017, o
controle concentrado (CF, art. 97 e SV 10).
Supremo Tribunal Federal declarou a constitucionalidade do artigo
3. É nula a decisão de órgão fracionário que, ao negar a aplicação
71, § 1º, da Lei nº 8666/93.
do inciso II, do art. 94 da Lei 9.472/1997, com base na Súmula
Requer, em suma, o afastamento de sua responsabilidade
331/TST, e declarar ilícita a terceirização e atividade-fim, reconhece
subsidiária, bem como a declaração de carência da ação do
a existência de vínculo trabalhista entre a contratante e o
reclamante em relação à recorrente, ora peticionante.
empregado da contratada, pois exerceu controle difuso de
Decido.
constitucionalidade, declarando a parcial nulidade sem redução de
O Supremo Tribunal Federal de fato examinou o mérito da questão
texto do referido dispositivo sem observar a cláusula de reserva de
jurídica espelhada nas razões recursais, por ocasião do julgamento
Plenário. AGRAVO PROVIDO.
do RE 760.931/DF, erigido à condição de leading case (Tema 246).
4. O PLENÁRIO DA CORTE declarou parcialmente inconstitucional
Ocorre que foram opostos embargos de declaração, ainda
a SÚMULA 331/TST e proclamou a licitude da terceirização de toda

Código para aferir autenticidade deste caderno: 137896


2774/2019 Tribunal Superior do Trabalho 20
Data da Disponibilização: Sexta-feira, 26 de Julho de 2019

pendentes de julgamento, e cuja redistribuição foi determinada em É o relatório.


02/02/2018, de modo que não se operou o trânsito em julgado, Decido.
tornando, portanto, inviável o pleito deduzido na petição, por Consta do acórdão recorrido:
injunção do artigo 1.030, III, do CPC.
A propósito, não é demais registrar que a matéria contida no Tema "(...)
246 envolve o maior volume de processos sobrestados da história
do Judiciário do Trabalho, cujos desdobramentos não se acham Cinge-se a controvérsia sobre a licitude da terceirização de
contemplados na tese por ora firmada pela Suprema Corte, tal como instalação e reparação de linhas telefônicas por empresas de
a definição do onus probandi frente à alegação da culpa in vigilando telecomunicações.
da Administração Pública. É incontroverso que a segunda Reclamada exerce suas atividades
Equivale dizer que há inegável expectativa de que o STF, no no ramo das telecomunicações, submetendo-se à disciplina das
julgamento dos embargos de declaração, estabeleça referencial normas inscritas na Lei nº 9.472/97, denominada Lei Geral das
definitivo a ser utilizado em decisões levadas a efeito no TST, pelo Telecomunicações.
que a prudência aconselha a manutenção do sobrestamento do A Subseção 1 da Seção Especializada em Dissídios Individuais,
recurso extraordinário até o trânsito em julgado do RE 760.931/DF. órgão uniformizador de jurisprudência interna corporis, em
Do exposto, indefiro o pedido. 28/6/2011, em sua composição plena, por intermédio do julgamento
À Coordenadoria de Recursos - CREC para as providências. do Processo E-RR-134640-23.2008.5.03.0010, de Relatoria da
Publique-se. Ministra Maria de Assis Calsing, concluiu que as empresas de
Brasília, 23 de julho de 2019. telecomunicações se encontram igualmente sujeitas às diretrizes da
Súmula nº 331, itens I e III; aplicando-lhes, portanto, a vedação à
terceirização das suas atividades-fim.
Firmado por assinatura digital (MP 2.200-2/2001) Acrescente-se que esta Eg. Corte tem decidido que os serviços de
RENATO DE LACERDA PAIVA instalação e manutenção das linhas telefônicas enquadram-se como
Ministro Vice-Presidente do TST atividade-fim de empresa de telefonia, sendo ilícita a terceirização
perpetrada. Nesse sentido, os recentes julgados de todas as
Processo Nº RR-0001394-12.2015.5.17.0004 Turmas desta Corte:
Complemento Processo Eletrônico
Relator Min. Maria Cristina Irigoyen Peduzzi RECURSO DE REVISTA INTERPOSTO SOB A ÉGIDE DA LEI Nº
Recorrente e Recorrido TELEMONT ENGENHARIA DE 13.015/2014 - (...) TERCEIRIZAÇÃO - ATIVIDADE-FIM -
TELECOMUNICAÇÕES S.A.
MANUTENÇÃO E INSTALAÇÃO DE LINHAS TELEFÔNICAS -
Advogado Dr. Sérgio Carneiro Rosi(OAB:
71639/MG) IMPOSSIBILIDADE A jurisprudência desta Corte Superior considera
Advogado Dr. José Alberto Couto Maciel(OAB: que as atividades de instalação e manutenção de linhas telefônicas
513-A/DF) são essenciais (atividade-fim) às empresas de telecomunicações/
Recorrente e Recorrido TELEMAR NORTE LESTE S.A. telefonia, desautorizando a prática da terceirização. (...) (RR-10440-
Advogado Dr. Décio Flávio Gonçalves Torres 95.2013.5.01.0018, 8ª Turma, Relatora Ministra Maria Cristina
Freire(OAB: 12082/ES)
Irigoyen Peduzzi, DEJT 15/8/2016)
Advogado Dr. Bruno La Gatta Martins(OAB:
14289-S/ES)
Advogado Dr. José Alberto Couto Maciel(OAB: RECURSO DE REVISTA. ILICITUDE DA TERCEIRIZAÇÃO.
513-A/DF) EMPRESA DE TELECOMUNICAÇÕES. INSTALAÇÃO E
Recorrido WELINGTON RODRIGUES NUNES MANUTENÇÃO DE LINHAS TELEFÔNICAS. ATIVIDADE FIM. A
Advogada Dra. Marcela Melo Darrouy(OAB: jurisprudência desta Corte Superior adota entendimento de que as
20119/ES)
atividades de instalação e manutenção de linhas telefônicas e
operação de redes de acessos, cabos ópticos, serviço de
Intimado(s)/Citado(s):
comunicação de dados e serviço ADSL são consideradas atividades
- TELEMAR NORTE LESTE S.A. fim das empresas concessionárias dos serviços de
- TELEMONT ENGENHARIA DE TELECOMUNICAÇÕES S.A. telecomunicações, desautorizando a prática da terceirização.
- WELINGTON RODRIGUES NUNES Ressalva de entendimento desta Relatora. Recurso de revista
conhecido e provido. (RR-10976-56.2013.5.18.0011, 8ª Turma,
Trata-se de recurso extraordinário contra acórdão proferido pela Relatora Ministra Dora Maria da Costa, DEJT 28/10/2016)
egrégia Oitava Turma deste Tribunal.
A parte recorrente suscita preliminar de repercussão geral da I - RECURSO DE REVISTA DA 2ª RECLAMADA (OI S/A). (...)
matéria e aponta violação aos dispositivos da Constituição da EMPRESA DE TELEFONIA. RESPONSABILIDADE SUBSIDIÁRIA
República que especifica nas razões recursais. DA TOMADORA. SÚMULA 331/IV/TST. 1. Na hipótese, o Tribunal
A Vice-Presidência deste Tribunal Superior, por despacho, regional reformou a sentença para afastar o reconhecimento de
determinou o sobrestamento do recurso extraordinário por envolver vínculo de emprego diretamente com a tomadora de serviços, Brasil
o Tema nº 739 do ementário de Repercussão Geral do Supremo Telecom, remanescendo sua responsabilidade subsidiária,
Tribunal Federal. consoante entendimento consubstanciado no item IV, da Súmula nº
Considerando que a matéria foi julgada na Sessão do Tribunal 331, do TST. Reputou lícita a terceirização perpetrada entre a
Pleno do STF em 11/10/2018, com fixação da tese de mérito e que tomadora de serviços e a contratada Pampapar S.A. para prestar
o acórdão foi publicado no Diário Eletrônico de Justiça de serviços de instalação e manutenção de redes de acesso. Registrou
06/03/2019, com trânsito em julgado, passo ao exame de que os serviços prestados pela autora - de auxílio por telefone aos
admissibilidade do recurso sobrestado. instaladores e reparadores de linhas telefônicas, sem atendimento

Código para aferir autenticidade deste caderno: 137896


2774/2019 Tribunal Superior do Trabalho 21
Data da Disponibilização: Sexta-feira, 26 de Julho de 2019

aos consumidores -retratam atividades meramente técnicas, de Relator Ministro Alexandre de Souza Agra Belmonte, DEJT
operação e manutenção, que não estão vinculadas à atividade-fim 21/10/2016)
da empresa, mas constituem meios para a exploração de seu
objeto. 2. À luz da jurisprudência desta Corte, o art. 94, II, da Lei AGRAVO DE INSTRUMENTO EM RECURSO DE REVISTA DA
9.472/97 não autoriza a terceirização dos serviços de instalação de RECLAMADA TELEMONT ENGENHARIA DE
linhas telefônicas pelas empresas de telefonia, o que, naturalmente, TELECOMUNICAÇÕES S.A. (...) RECURSO DE REVISTA DA
abrange o auxílio concedido por telefone, porquanto inseridos em RECLAMADA TELEMAR NORTE LESTE S.A. APELO
sua atividade-fim, reconhecendo-se o vínculo empregatício com a INTERPOSTO NA VIGÊNCIA DO NOVO CPC (LEI N.º
empresa tomadora de serviços, nos moldes do item I da Súmula 13.105/2015). EMPRESA DE TELECOMUNICAÇÕES.
331/TST, cumpre manter a condenação subsidiária em respeito ao TERCEIRIZAÇÃO ILÍCITA. MANUTENÇÃO E INSTALAÇÃO DE
princípio da non reformatio in pejus, destacando-se que a LINHAS TELEFÔNICAS. ATIVIDADE-FIM. LEI N.º 9.472/1997. A
reclamante no recurso de revista interposto, não se insurgiu no interpretação sistemática dos arts. 25 da Lei n.º 8.987/1995 e 94, II,
tema do vínculo de emprego. 3. Nesse contexto, a decisão da Lei n.º 9.472/1997 com os princípios constitucionais que
recorrida, que atribuiu responsabilidade subsidiária à tomadora dos norteiam o Direito do Trabalho não autoriza concluir que o legislador
serviços, foi proferida em conformidade com o item IV da Súmula ordinário conferiu às empresas de telecomunicações a possibilidade
331/TST. 4. Óbice do art. 896, §7º (§4º vigente à época), da CLT e de terceirização ampla e irrestrita, inclusive quanto às suas
aplicação da Súmula 333/TST. Recurso de revista não conhecido, atividades-fim. Dessarte, as referidas empresas encontram-se
no tema. (...) (RR-1303300-81.2006.5.09.0004, 1ª Turma, Relator igualmente sujeitas às diretrizes insertas na Súmula n.º 331, I e III,
Ministro Hugo Carlos Scheuermann, DEJT 7/10/2016 - destaquei) deste Tribunal Superior, que somente considera lícita a
terceirização no caso de trabalho temporário, serviços de vigilância,
RECURSO DE REVISTA INTERPOSTO ANTES DA LEI Nº conservação e limpeza e outros especializados, ligados à atividade-
13.015/2014. EMPRESA DE TELECOMUNICAÇÕES. meio do tomador, desde que inexistentes a pessoalidade e a
TERCEIRIZAÇÃO DA ATIVIDADE-FIM. O Tribunal Regional subordinação direta. Esse entendimento permanece firme, mesmo
consignou que o reclamante prestava serviços à recorrente, após os amplos debates encetados quando da audiência pública
empresa de telecomunicações, exercendo a função de instalador de sobre o assunto. Recurso de Revista não conhecido. (ARR-500895-
linhas telefônicas. Segundo a jurisprudência do TST, com base nos 79.2014.5.17.0141, 4ª Turma, Relatora Ministra Maria de Assis
princípios que norteiam o Direito do Trabalho, a interpretação do art. Calsing, DEJT 4/11/2016)
94, II, da Lei nº 9.472/1997 não autoriza concluir que o legislador
ordinário conferiu a possibilidade de terceirização ampla e irrestrita AGRAVO DA PRIMEIRA RECLAMADA. EMPRESA DE
das atividades-fim das empresas de telecomunicações. Nesse TELECOMUNICAÇÕES. ATIVIDADES DE INSTALAÇÃO E
contexto, a terceirização das atividades-fim das empresas de REPARAÇÃO DE LINHAS TELEFÔNICAS. TERCEIRIZAÇÃO.
telecomunicações, entre as quais estão inseridas as execuções de ALEGAÇÕES: VIOLAÇÃO DOS ARTIGOS 94, II, DA LEI Nº
serviços de instalação, manutenção e reparo de linhas telefônicas, é 9.472/97, 5º, LIV, 97, 170, III, E 175 DA CONSTITUIÇÃO
ilícita e implica o reconhecimento do vínculo empregatício FEDERAL; CONTRARIEDADE À SÚMULA VINCULANTE Nº 10 DO
diretamente com o tomador dos serviços, conforme o item I da STF; DIVERGÊNCIA JURISPRUDENCIAL. NÃO
Súmula nº 331 do TST. Contudo, diante da impossibilidade de DEMONSTRAÇÃO. NÃO PROVIMENTO. Na hipótese, negou-se
reformatio in pejus, mantém-se a responsabilidade subsidiária seguimento ao agravo de instrumento, em razão de a matéria ter
declarada pelo Tribunal Regional. Recurso de revista não sido decidida à luz da jurisprudência pacificada desta Corte
conhecido. (...) (RR-3791100-59.2008.5.09.0010, 2ª Turma, Superior, cujo entendimento se orienta no sentido de que o
Relatora Ministra Maria Helena Mallmann, DEJT 28/10/2016) exercício da função de técnico de instalação e reparação de linhas
telefônicas integra o rol de atividades precípuas das empresas de
RECURSO DE REVISTA. TERCEIRIZAÇÃO ILÍCITA. telecomunicações. Logo, a terceirização dessa atividade é ilícita,
CONTRATAÇÃO POR EMPRESA INTERPOSTA. ATIVIDADE-FIM. acarretando o reconhecimento do vínculo de emprego diretamente
VÍNCULO EMPREGATÍCIO DIRETAMENTE COM A TOMADORA com o tomador dos serviços. Ressalva de entendimento contrário
DOS SERVIÇOS. INSTALADOR DE LINHAS TELEFÔNICAS. Nos do relator. Agravo a que se nega provimento. (...) (Ag-AIRR-1345-
termos da Súmula 331, I, do c. TST, a contratação de trabalhadores 24.2014.5.03.0059, 5ª Turma, Relator Ministro Guilherme Augusto
por empresa interposta é ilegal, formando-se o vínculo diretamente Caputo Bastos, DEJT 4/11/2016)
com o tomador dos serviços. No caso dos autos, a Corte Regional
consignou que o empregado foi contratado pela prestadora de RECURSO DE REVISTA. INTERMEDIAÇÃO DE MÃO DE OBRA.
serviços Construções Consultoria e Obras - COO Ltda. para exercer EMPRESA DE TELECOMUNICAÇÕES. ATIVIDADE FIM DA
a função deinstalador de linhas telefônicas, que está EMPRESA TOMADORA DE SERVIÇOS. MANUTENÇÃO DE
intrinsecamente ligada à atividade-fim da Global Village Telecom LINHAS TELEFÔNICAS.VÍNCULO DE EMPREGO. Trata-se de
Ltda., atuante no polo da relação processual como tomadora dos contratação de empregado por empresa interposta, para prestação
serviços. Evidenciada, portanto, a terceirização ilícita, materializada de serviços na Brasil Telecom S.A., em atividades de instalação e
na contratação irregular do empregado, por empresa interposta, reparação de linhas telefônicas. Sob o fundamento de existência de
para prestar serviços inerentes à atividade-fim do tomador dos intermediação de mão de obra, o Tribunal Regional manteve a
serviços, em nítida burla à legislação trabalhista, nos termos do art. sentença que reconheceu o vínculo de emprego diretamente com a
9º da CLT. Desse modo, o reconhecimento do vínculo empregatício Brasil Telecom S.A., ante a constatação do exercício de tarefas
diretamente entre a GVT e o autor se coaduna com a atual, iterativa relacionadas à atividade fim da tomadora de serviços. Não se
e notória jurisprudência desta Corte Superior.Óbice do art. 896, § viabiliza a pretensão de reforma do julgado, para reconhecer válido
4º, da CLT ao conhecimento do recurso de revista. Recurso de contrato de terceirização e a consequente aplicação da Súmula 331,
revista não conhecido. (...) (RR-1039-78.2011.5.09.0872, 3ª Turma, IV, do TST. A questão da terceirização de serviços evidencia-se de

Código para aferir autenticidade deste caderno: 137896


2774/2019 Tribunal Superior do Trabalho 22
Data da Disponibilização: Sexta-feira, 26 de Julho de 2019

forma incontestável no cenário social da atualidade, gerando serviços de telefonia em suas singularidades, e, em seu art. 94, II, §
inúmeros debates a respeito de sua conveniência e de seus 2º, da Lei nº 9.472/97, dispõe que a concessionária do serviço
resultados, sociais e econômicos. O tema foi objeto de intensa poderá contratar com terceiros o desenvolvimento de atividades
reflexão nesta Corte trabalhista, nos dias 4 e 5 de outubro de 2011, inerentes, acessórias ou complementares ao serviço. A leitura
na primeira audiência pública de sua história. Sob a perspectiva atenta do dispositivo mencionado permite inferir que não houve
jurídica, emergiu a discussão acerca da licitude da terceirização da autorização do legislador para a intermediação de mão de obra,
atividade inerente aos serviços de telefonia. Houve, a propósito, a mas apenas a previsão de contratação com terceiros (e não "de
necessária interpretação dos termos da Lei 9.472/97, a qual, em terceiros") para o desenvolvimento de atividades inerentes,
rigor, é omissa quanto à matéria trabalhista, pois importou ao acessórias ou complementares ao serviço. A norma não tratou do
legislador regulamentar os serviços de telefonia no tocante à trabalho humano e, por consequência, não afasta o regramento
relação entre as empresas que os executariam e dois de seus justrabalhista das situações envolvendo empresas do ramo de
interlocutores: a agência reguladora e os consumidores. Havendo telecomunicações. O trabalho desenvolvido pelo instalador de linhas
conflito de ordem puramente consumerista ou econômica, os telefônicas está intimamente relacionado à atividade fim das
usuários (ou consumidores) e a Agência estariam protegidos, pois empresas do ramo de telecomunicações. Assim, a terceirização
poderiam atribuir responsabilidade à concessionária, sem demandar havida revela-se ilícita, dando ensejo ao reconhecimento do vínculo
necessariamente contra a prestadora dos serviços. Havendo, empregatício com o tomador de serviços, nos termos da Súmula nº
porém, conflito de ordem laboral, a lei seria omissa quanto à 331, I, do TST. Precedentes. Recurso de revista não conhecido. (...)
obrigação de a concessionária honrar igualmente os haveres (RR-71200-12.2006.5.01.0032, 7ª Turma, Relator Ministro Luiz
trabalhistas e assim se poderia intuir que os trabalhadores poderiam Philippe Vieira de Mello Filho, DEJT 28/10/2016)
cobrar seus créditos de natureza alimentar somente das empresas
interpostas. Em decisão emblemática (E-RR-586.341/1999.4), a No caso dos autos, o reconhecimento de ilicitude da terceirização
SBDI-1 do TST repeliu a adoção por reflexo da citada lei para que realizada pelas Reclamadas impõe a manutenção do
se imunizasse a empresa concessionária das obrigações reconhecimento do vínculo empregatício com a tomadora de
trabalhistas que derivariam, segundo a jurisprudência antes serviços. Inteligência da Súmula nº 331, I, do TST.
consolidada, de seu vínculo direto com os empregados envolvidos Afastam-se as contrariedades e violações apontadas.
em sua atividade fim. Embora não se pretenda que o direito do Os arestos transcritos estão superados pela jurisprudência desta
trabalho engesse ou paralise a atividade econômica, cabe-lhe por Corte, com fulcro na Súmula nº 333 e no art. 896, § 7º, da CLT.
certo estabelecer os parâmetros que viabilizam a progressão da Não conheço.
economia - inclusive na perspectiva da geração de emprego e renda
- sem aviltamento da dignidade humana. Os sistemas econômico e (...)
jurídico-trabalhista não se excluem, antes devendo interagir. E se há
um princípio regente do direito do trabalho, resultante da ISTO POSTO
ponderação levada a efeito pelos agentes da jurisdição trabalhista,
a exegese do art. 94, II, da Lei 9.472/97 a ele deve moldar-se, ACORDAM os Ministros da Oitava Turma do Tribunal Superior do
interpretando-se a autorização de "contratar com terceiros o Trabalho, por unanimidade, não conhecer dos Recursos de Revista
desenvolvimento de atividades inerentes" sem apego em demasia das Reclamadas."
ao léxico, que conduziria à imunização do setor de
telecomunicações quanto à norma a que estariam sujeitos todos os O Supremo Tribunal Federal, ao julgar o ARE 791.932/DF fixou a
outros setores de produção. Os depoimentos e dados colhidos seguinte tese: "É nula a decisão de órgão fracionário que se recusa
durante a audiência pública retratam ainda a precarização do setor a aplicar o art. 94, II, da Lei 9.472/1997, sem observar a cláusula de
terceirizado mediante incidência desproporcional de acidentes de reserva de Plenário (CF, art. 97), observado o artigo 949 do CPC".
trabalho, desigualdade salarial e descolamento da categoria Eis o teor da ementa do julgado:
profissional representada pelo sindicato que congrega os EMENTA: CONSTITUCIONAL E TRABALHISTA. NULIDADE DO
trabalhadores afetos à atividade fim, como se as leis de organização ACÓRDÃO RECORRIDO POR DESRESPEITO A CLÁUSULA DE
sindical cuidassem da terceirização como uma atividade econômica RESERVA DE PLENÁRIO (CF, ART. 97 E SV 10). NEGATIVA
per si. Assim, proscreve-se a terceirização da atividade fim, vale PARCIAL DE VIGÊNCIA E EFICÁCIA AO INCISO II, DO ART. 94
dizer, ao titular da empresa tomadora dos serviços deve ser DA LEI 9.472/1997 (LEI GERAL DE TELECOMUNICAÇÕES) POR
imputada a qualidade de empregador, para efeitos trabalhistas. São ÓRGÃO FRACIONÁRIO COM BASE NA SÚMULA 331/TST.
essas as razões pelas quais subsiste a Súmula 331, I, do TST, IMPOSSIBILIDADE. LICITUDE DE TERCEIRIZAÇÃO DE TODA E
atribuindo-se à concessionária dos serviços de telefonia a condição QUALQUER ATIVIDADE, MEIO OU FIM, NÃO SE
de empregadora. Incidência da Súmula 333 do TST e do art. 896, CONFIGURANDO RELAÇÃO DE EMPREGO ENTRE A
§§ 4º e 5º, da CLT, conforme redação vigente na data da publicação CONTRATANTE E O EMPREGADO DA CONTRATADA (ADPF 324
da decisão recorrida Recurso de revista não conhecido. (...) (RR- E RE 958.252). AGRAVO CONHECIDO. RECURSO PROVIDO.
8200-86.2007.5.04.0010, 6ª Turma, Relator Ministro Augusto César 1. A inconstitucionalidade de lei ou ato normativo estatal só pode
Leite de Carvalho, DEJT 21/10/2016) ser declarada pelo voto da maioria absoluta da totalidade dos
membros do tribunal ou, onde houver, dos integrantes do respectivo
RECURSO DE REVISTA - (...) TELEMAR NORTE LESTE S.A. - LEI órgão especial, sob pena de absoluta nulidade da decisão emanada
GERAL DE TELECOMUNICAÇÕES - INSTALAÇÃO E do órgão fracionário (turma, câmara ou seção), em respeito à
REPARAÇÃO DE LINHAS TELEFÔNICAS - TERCEIRIZAÇÃO EM previsão do art. 97 da Constituição Federal.
ATIVIDADE FIM - EMPRESA DO RAMO DE 2. A cláusula de reserva de plenário atua como condição de eficácia
TELECOMUNICAÇÕES - VÍNCULO EMPREGATÍCIO. A Lei Geral jurídica da própria declaração jurisdicional de inconstitucionalidade
de Telecomunicações, em seus diversos dispositivos, cuida dos dos atos do Poder Público, aplicando-se para todos os tribunais, via

Código para aferir autenticidade deste caderno: 137896


2774/2019 Tribunal Superior do Trabalho 23
Data da Disponibilização: Sexta-feira, 26 de Julho de 2019

difusa, e para o SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL, também no a matéria tratada neste caderno processual seria totalmente diversa
controle concentrado (CF, art. 97 e SV 10). da discutida no Tema nº 246.
3. É nula a decisão de órgão fracionário que, ao negar a aplicação Do exame dos autos vê-se que o acórdão alvo do recurso
do inciso II, do art. 94 da Lei 9.472/1997, com base na Súmula extraordinário, ainda que à luz do exame da alegação de violação
331/TST, e declarar ilícita a terceirização e atividade-fim, reconhece ao artigo 37, II, da CF, inclui debate sobre responsabilidade
a existência de vínculo trabalhista entre a contratante e o subsidiária do ente público tomador de serviços pelo pagamento de
empregado da contratada, pois exerceu controle difuso de créditos reconhecidos em favor de trabalhador terceirizado, o que
constitucionalidade, declarando a parcial nulidade sem redução de revela inegável similitude com o debate contido no RE 760.931/DF
texto do referido dispositivo sem observar a cláusula de reserva de (Tema 246), ainda pendente de trânsito em julgado.
Plenário. AGRAVO PROVIDO. A respeito do referido tema, embora a Suprema Corte tenha
4. O PLENÁRIO DA CORTE declarou parcialmente inconstitucional examinado o mérito da questão jurídica, foram opostos embargos
a SÚMULA 331/TST e proclamou a licitude da terceirização de toda de declaração, ainda pendentes de julgamento, e cuja redistribuição
e qualquer atividade, meio ou fim; para afirmar a inexistência de foi determinada em 02/02/2018, de modo que não se operou o
relação de emprego entre a contratante e o empregado da trânsito em julgado, tornando, portanto, inviável o pleito deduzido na
contratada. RECURSO EXTRAORDINÁRIO PROVIDO. petição, por injunção do artigo 1.030, III, do CPC.
5. Agravo conhecido e recurso extraordinário provido para A propósito, não é demais registrar que a matéria contida no Tema
restabelecer a sentença de primeiro grau, com a fixação da seguinte 246 envolve o maior volume de processos sobrestados da história
tese no TEMA 739: "É nula a decisão de órgão fracionário que se do Judiciário do Trabalho, cujos desdobramentos não se acham
recusa a aplicar o art. 94, II, da Lei 9.472/1997, sem observar a contemplados na tese por ora firmada pela Suprema Corte.
cláusula de reserva de Plenário (CF, art. 97), observado o artigo Equivale dizer que há inegável expectativa de que o STF, no
949 do CPC." (ARE 791932/DF, Rel. Min. Alexandre de Moraes, julgamento dos embargos de declaração, estabeleça referencial
DJe 06/03/2019) definitivo a ser utilizado em decisões levadas a efeito no TST, pelo
que a prudência aconselha a manutenção do sobrestamento do
Logo, versando o acórdão recorrido sobre questão atinente a tema recurso extraordinário até o trânsito em julgado do RE 760.931/DF.
cuja repercussão geral foi reconhecida, com tese de mérito firmada Indefiro o pedido.
pelo Supremo Tribunal Federal, determino o dessobrestamento do À Coordenadoria de Recursos - CREC para as providências
recurso e o encaminhamento dos autos ao órgão fracionário prolator cabíveis.
da decisão recorrida nestes autos, a fim de que se manifeste, nos Publique-se.
termos do art. 1.030, II do CPC, sobre a necessidade ou não de Brasília, 25 de julho de 2019.
exercer eventual juízo de retratação da decisão então proferida por
aquele colegiado.
À Coordenadoria de Recursos - CREC - para as providências Firmado por assinatura digital (MP 2.200-2/2001)
pertinentes. RENATO DE LACERDA PAIVA
Publique-se. Ministro Vice-Presidente do TST
Brasília, 25 de julho de 2019.
Processo Nº RR-0000396-39.2013.5.03.0025
Complemento Processo Eletrônico
Firmado por assinatura digital (MP 2.200-2/2001) Relator Min. Breno Medeiros
RENATO DE LACERDA PAIVA Recorrente ARIANE MAGALHÃES DA FONSECA
Ministro Vice-Presidente do TST Advogado Dr. Paulo Roberto Bedete da
Silva(OAB: 108971/MG)
Recorrido CONTAX S.A.
Processo Nº AIRR-0011128-97.2014.5.18.0002
Advogado Dr. José Alberto Couto Maciel(OAB:
Complemento Processo Eletrônico 513/DF)
Relator Min. Kátia Magalhães Arruda Recorrido TNL PCS S.A.
Agravante CELG DISTRIBUIÇÃO S.A. - CELG D Advogado Dr. José Alberto Couto Maciel(OAB:
Agravado WELLINGTON FERREIRA DE 513/DF)
CARVALHO
Advogado Dr. Fábio Barros de Camargo(OAB: Intimado(s)/Citado(s):
23525/GO)
Agravado EVOLUTI TECNOLOGIA E SERVIÇOS - ARIANE MAGALHÃES DA FONSECA
LTDA. - CONTAX S.A.
Advogada Dra. Mércia Aryce da Costa(OAB: - TNL PCS S.A.
3309/GO)

Trata-se de recurso extraordinário contra acórdão proferido pela


Intimado(s)/Citado(s):
egrégia Quinta Turma deste Tribunal.
- CELG DISTRIBUIÇÃO S.A. - CELG D
A parte recorrente suscita preliminar de repercussão geral da
- EVOLUTI TECNOLOGIA E SERVIÇOS LTDA.
matéria e aponta violação aos dispositivos da Constituição da
- WELLINGTON FERREIRA DE CARVALHO
República que especifica nas razões recursais.
A Vice-Presidência deste Tribunal Superior, por despacho,
WELLINGTON FERREIRA DE CARVALHO, por meio da Petição determinou o sobrestamento do recurso extraordinário por envolver
199182/2016-8 (doc. seq. 17), pede a reconsideração da decisão o Tema nº 739 do ementário de Repercussão Geral do Supremo
que determinou o sobrestamento do recurso extraordinário e o Tribunal Federal.
imediato juízo negativo de admissibilidade, sob o argumento de que Considerando que a matéria foi julgada na Sessão do Tribunal

Código para aferir autenticidade deste caderno: 137896


2774/2019 Tribunal Superior do Trabalho 24
Data da Disponibilização: Sexta-feira, 26 de Julho de 2019

Pleno do STF em 11/10/2018, com fixação da tese de mérito e que Este não é, todavia, o entendimento da maioria que compõe esta
o acórdão foi publicado no Diário Eletrônico de Justiça de egrégia Corte Superior. Com efeito, a egrégia SBDI-1, no
06/03/2019, com trânsito em julgado, passo ao exame de julgamento do Processo E-ED-RR-2938-13.2010.5.12.0016, em
admissibilidade do recurso sobrestado. 08.11.2012, decidiu que os serviços de call center encontram-se
É o relatório. relacionados às atividades precípuas das empresas de
Decido. telecomunicações. Por conseguinte, concluiu ser ilícita a
Consta do acórdão recorrido: terceirização das referidas atividades que, quando levada a efeito,
gera vínculo de emprego diretamente com o tomador dos serviços.
"(...) Nesse sentido, os seguintes precedentes:
1.1. TERCEIRIZAÇÃO LÍCITA. EMPRESA DE
TELECOMUNICAÇÕES. SERVIÇO DE CALL CENTER. "RECURSO DE EMBARGOS INTERPOSTO SOB A ÉGIDE DA LEI
POSSIBILIDADE. VÍNCULO DE EMPREGO. N° 11.496/2007. EMBARGOS DE DECLARAÇÃO EM RECURSO
DESCARACTERIZAÇÃO. DE REVISTA. EMPRESA DE TELECOMUNICAÇÕES. SERVIÇOS
DE CALL CENTER. ATIVIDADE FIM. TERCEIRIZAÇÃO.
O egrégio Tribunal Regional, ao julgar o recurso ordinário da ILICITUDE. 1. Esta Subseção Especializada, no dia 8/11/2012, em
reclamante decidiu manter a r. sentença que julgou improcedentes sua composição Plena, por intermédio do julgamento do Processo E
os pleitos formulados na inicial de declaração de fraude na -ED-RR- 2938-13.2010.5.12.0016, Redator Ministro José Roberto
contratação e de ilicitude da terceirização, com o reconhecimento Freire Pimenta, concluiu que o serviço denominado call center se
de vínculo de emprego com a segunda reclamada e de deferimento relaciona à atividade fim das concessionárias dos serviços de
dos tíquetes refeição, auxílio creche e participação nos lucros e telecomunicações, sendo ilícita a terceirização e imperioso o
resultados. reconhecimento de vínculo de emprego direto com a tomadora dos
Inconformada, a reclamante interpõe recurso de revista, ao serviços. 2. In casu, o acórdão turmário não conheceu do recurso
argumento de que o egrégio Tribunal Regional, ao assim decidir, de revista interposto pela reclamante, ao fundamento de que o
teria contrariado a Súmula nº 331, I, violado os artigos 170, VIII, da serviço de call center somente pode ser entendido como atividade
Constituição Federal, 94, II, da Lei n.º 9.472/97, 942 do CC 3º e 9º meio da concessionária de telefonia, afigurando-se, portanto,
da CLT, e suscitado divergência jurisprudencial. passível de terceirização. 3. Por conseguinte, os presentes
Alega que a autora que executou atribuições relativas à atividade- embargos merecem provimento, no sentido declarar a ilicitude da
fim da empresa tomadora de serviços, restando tipificada a terceirização e, consequentemente, reconhecer o vínculo de
terceirização ilícita, razão pela qual pugna pelo reconhecimento de emprego diretamente com a Claro S.A. Recurso de embargos
vínculo de emprego com o tomador de serviços. conhecido e provido." (E-ED-RR - 2276-07.2010.5.12.0030,
O recurso alcança conhecimento. Relatora Ministra: Dora Maria da Costa, Data de Julgamento:
Cinge-se a controvérsia em saber se é possível às empresas de 06/06/2013, Subseção I Especializada em Dissídios Individuais,
telecomunicação terceirizarem atividades de call center. Data de Publicação: 14/06/2013). (sem grifos no original).
Pois bem.
Entendo que é perfeitamente possível ocorrer a terceirização, "RECURSO DE EMBARGOS INTERPOSTO SOB A ÉGIDE DA LEI
independentemente de os serviços estarem relacionados às N.º 11.496/2007. VÍNCULO DE EMPREGO. TERCEIRIZAÇÃO
atividades precípuas da tomadora, tendo em conta que a Lei nº ILÍCITA. CALL CENTER. ATIVIDADE-FIM. 1. -A contratação de
9.472/97, expressa e especificamente, autoriza as empresas de trabalhadores por empresa interposta é ilegal, formando-se o
telecomunicação a terceirizar, de forma ampla, a execução de seus vínculo diretamente com o tomador dos serviços, salvo no caso de
serviços, sejam eles afetos às atividades essenciais ou às trabalho temporário (Lei n.º 6.019, de 03.01.1974)- (Súmula n.º 331,
acessórias. Confira-se: I, desta Corte superior). 2. A colenda SBDI-I deste Tribunal Superior
do Trabalho, em sua composição plena, consagrou entendimento
"Art. 94. No cumprimento de seus deveres, a concessionária no sentido de que o serviço prestado na área de call center se
poderá, observadas as condições e limites estabelecidos pela insere na atividade-fim das empresas concessionárias de serviços
Agência: de telecomunicações(ED-RR-2938-13.2010.5.12.0016, redator
(...) designado para o acórdão o Exmo. Ministro José Roberto Freire
II - contratar com terceiros o desenvolvimento de atividades Pimenta, julgado em 08/11/2012, DEJT de 26/03/2013). 3. Nesse
inerentes, acessórias ou complementares ao serviço, bem como a contexto, merece reforma a decisão proferida pela Turma para,
implementação de projetos associados." (grifei) restabelecendo o acórdão prolatado pela Corte de origem quanto ao
reconhecimento do vínculo de emprego diretamente com a empresa
Ora, é importante lembrar que, nos casos em que esta Corte tomadora dos serviços, em face da caracterização da terceirização
responsabilizou subsidiariamente a Administração Pública pelas ilícita, determinar o retorno dos autos ao douto Órgão fracionário, a
obrigações trabalhistas não adimplidas pela empresa prestadora de fim de que prossiga no exame dos temas reputados prejudicados
serviços, o excelso STF entendeu que se estava deixando de quando do julgamento do recurso de revista empresarial. 4. Recurso
aplicar o disposto no artigo 71, § 1º, da Lei nº 8.666/93, o qual veda, de embargos conhecido e provido." (E-RR - 151240-
de forma expressa, a transferência dos encargos trabalhistas das 89.2008.5.03.0020 , Relator Ministro: Lelio Bentes Corrêa, Data de
empresas contratadas para o ente público, sem que, contudo, Julgamento: 04/04/2013, Subseção I Especializada em Dissídios
tivesse sido observado o procedimento previsto para a declaração Individuais, Data de Publicação: 19/04/2013). (sem grifos no
de inconstitucionalidade de lei (artigos 480 a 482 do CPC e Súmula original).
Vinculante nº 10 do STF). A adoção, na hipótese, do mesmo
procedimento, desaguará inevitavelmente, a meu ver, em similares "EMBARGOS DE DECLARAÇÃO DAS RECLAMADAS.
conflitos junto ao STF. INTERMEDIAÇÃO DE MÃO DE OBRA. EMPRESA DE

Código para aferir autenticidade deste caderno: 137896


2774/2019 Tribunal Superior do Trabalho 25
Data da Disponibilização: Sexta-feira, 26 de Julho de 2019

TELECOMUNICAÇÕES. ATIVIDADE FIM. ATENDENTE DE CALL CONFIGURANDO RELAÇÃO DE EMPREGO ENTRE A


CENTER. ILICITUDE. Constatada a necessidade de CONTRATANTE E O EMPREGADO DA CONTRATADA (ADPF 324
esclarecimentos acerca da interpretação conferida aos arts. 25, § E RE 958.252). AGRAVO CONHECIDO. RECURSO PROVIDO.
1º, da Lei nº 8.987/95 e 94, II, da Lei 9.472/97, no tocante à 1. A inconstitucionalidade de lei ou ato normativo estatal só pode
declaração de ilicitude da terceirização dos serviços de call center ser declarada pelo voto da maioria absoluta da totalidade dos
por empresa de telecomunicações. Interpretação sistemática membros do tribunal ou, onde houver, dos integrantes do respectivo
fundamentada na ponderação com os arts. 1º, III e IV, e 170 da órgão especial, sob pena de absoluta nulidade da decisão emanada
Constituição Federal, 2º e 511, § 1º, da CLT e com a diretriz da do órgão fracionário (turma, câmara ou seção), em respeito à
Súmula 331, item I, do TST. Embargos de declaração acolhidos previsão do art. 97 da Constituição Federal.
para prestar esclarecimentos, sem atribuir efeito modificativo ao 2. A cláusula de reserva de plenário atua como condição de eficácia
julgado." (ED-E-RR - 134640-23.2008.5.03.0010, Relator Ministro: jurídica da própria declaração jurisdicional de inconstitucionalidade
Augusto César Leite de Carvalho, Data de Julgamento: 07/02/2013, dos atos do Poder Público, aplicando-se para todos os tribunais, via
Subseção I Especializada em Dissídios Individuais, Data de difusa, e para o SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL, também no
Publicação: 15/02/2013) controle concentrado (CF, art. 97 e SV 10).
3. É nula a decisão de órgão fracionário que, ao negar a aplicação
Por todo o exposto, ressalvado o meu entendimento pessoal, por do inciso II, do art. 94 da Lei 9.472/1997, com base na Súmula
disciplina judiciária e em observância ao princípio da celeridade 331/TST, e declarar ilícita a terceirização e atividade-fim, reconhece
processual, curvo-me à jurisprudência majoritária da SBDI-1, a existência de vínculo trabalhista entre a contratante e o
aplicando-a aos casos que versem sobre a matéria. empregado da contratada, pois exerceu controle difuso de
Na hipótese, sendo inconteste que a empresa de telecomunicação constitucionalidade, declarando a parcial nulidade sem redução de
reclamada terceirizou sua atividade de call center, impõe-se o texto do referido dispositivo sem observar a cláusula de reserva de
reconhecimento da ilicitude da terceirização e, consequentemente, Plenário. AGRAVO PROVIDO.
do vínculo de emprego entre a reclamante e a tomadora dos 4. O PLENÁRIO DA CORTE declarou parcialmente inconstitucional
serviços. a SÚMULA 331/TST e proclamou a licitude da terceirização de toda
Diante do exposto, conheço do recurso de revista por contrariedade e qualquer atividade, meio ou fim; para afirmar a inexistência de
à Súmula nº 331, I. relação de emprego entre a contratante e o empregado da
contratada. RECURSO EXTRAORDINÁRIO PROVIDO.
2. MÉRITO. 5. Agravo conhecido e recurso extraordinário provido para
restabelecer a sentença de primeiro grau, com a fixação da seguinte
Conhecido o recurso de revista por contrariedade à Súmula nº 331, tese no TEMA 739: "É nula a decisão de órgão fracionário que se
I, dou-lhe provimento para reconhecer a ilicitude da terceirização recusa a aplicar o art. 94, II, da Lei 9.472/1997, sem observar a
dos serviços e, consequentemente, o vínculo de emprego da cláusula de reserva de Plenário (CF, art. 97), observado o artigo
reclamante diretamente com a tomadora dos serviços, 949 do CPC." (ARE 791932/DF, Rel. Min. Alexandre de Moraes,
determinando o retorno dos autos à Vara do Trabalho de origem DJe 06/03/2019)
para que prossiga no exame dos pedidos formulados na inicial,
como entender de direito. Logo, versando o acórdão recorrido sobre questão atinente a tema
cuja repercussão geral foi reconhecida, com tese de mérito firmada
ISTO POSTO pelo Supremo Tribunal Federal, determino o dessobrestamento do
recurso e o encaminhamento dos autos ao órgão fracionário prolator
ACORDAM os Ministros da Quinta Turma do Tribunal Superior do da decisão recorrida nestes autos, a fim de que se manifeste, nos
Trabalho, por unanimidade, conhecer do recurso de revista por termos do art. 1.030, II do CPC, sobre a necessidade ou não de
contrariedade à Súmula nº 331, I e, no mérito, dar-lhe provimento exercer eventual juízo de retratação da decisão então proferida por
para reconhecer a ilicitude da terceirização dos serviços e, aquele colegiado.
consequentemente, o vínculo de emprego da reclamante À Coordenadoria de Recursos - CREC - para as providências
diretamente com a tomadora dos serviços, determinando o retorno pertinentes.
dos autos à Vara do Trabalho de origem para que prossiga no Publique-se.
exame dos pedidos formulados na inicial, como entender de direito." Brasília, 25 de julho de 2019.

O Supremo Tribunal Federal, ao julgar o ARE 791.932/DF fixou a Firmado por assinatura digital (MP 2.200-2/2001)
seguinte tese: "É nula a decisão de órgão fracionário que se recusa RENATO DE LACERDA PAIVA
a aplicar o art. 94, II, da Lei 9.472/1997, sem observar a cláusula de Ministro Vice-Presidente do TST
reserva de Plenário (CF, art. 97), observado o artigo 949 do CPC".
Eis o teor da ementa do julgado: Processo Nº ED-RR-9950300-68.2006.5.09.0010
EMENTA: CONSTITUCIONAL E TRABALHISTA. NULIDADE DO Processo Nº ED-RR-99503/2006-010-09-00.6
ACÓRDÃO RECORRIDO POR DESRESPEITO A CLÁUSULA DE
RESERVA DE PLENÁRIO (CF, ART. 97 E SV 10). NEGATIVA Complemento Processo Eletrônico
PARCIAL DE VIGÊNCIA E EFICÁCIA AO INCISO II, DO ART. 94 Relator Min. Cláudio Mascarenhas Brandão
DA LEI 9.472/1997 (LEI GERAL DE TELECOMUNICAÇÕES) POR Embargante ANDREIA PICHORIM
ÓRGÃO FRACIONÁRIO COM BASE NA SÚMULA 331/TST. Advogado Dr. Christian Marcello Mañas(OAB:
29190/PR)
IMPOSSIBILIDADE. LICITUDE DE TERCEIRIZAÇÃO DE TODA E
Embargado(a) BANCO DO BRASIL S.A.
QUALQUER ATIVIDADE, MEIO OU FIM, NÃO SE

Código para aferir autenticidade deste caderno: 137896


2774/2019 Tribunal Superior do Trabalho 26
Data da Disponibilização: Sexta-feira, 26 de Julho de 2019

Advogado Dr. Igor D'Moura Cavalcante(OAB: Tribunal Federal reconheceu a constitucionalidade do aludido
24343/GO)
preceito, mas também admitiu a possibilidade de se atribuir
Embargado(a) DATACOMPANY INFORMÁTICA
LTDA. responsabilidade trabalhista subsidiária ao ente público, nas
Advogado Dr. Luiz Daniel Rodrigues Haj hipóteses em que tenha agido com culpa, nos termos acima
Mussi(OAB: 35266/PR) referidos.
Pois bem.
Intimado(s)/Citado(s):
Do exame dos autos, vê-se que o acórdão alvo do recurso
- ANDREIA PICHORIM extraordinário inclui debate sobre responsabilidade subsidiária do
- BANCO DO BRASIL S.A. ente público tomador de serviços pelo pagamento de créditos
- DATACOMPANY INFORMÁTICA LTDA. reconhecidos em favor de trabalhador terceirizado, na forma
referida na Súmula nº 331, item V, do TST, o que revela inegável
ANDREIA PICHORIM, por meio das Petições nºs 228011/2017-5, similitude com o debate contido no RE 760.931/DF (Tema 246).
35380/2018-9 e 17061/2019-0 (docs. seqs. 30, 32 e 35), pede a Ressalte-se que, embora o STF tenha apreciado o mérito do Tema
reconsideração da decisão que determinou o sobrestamento do 246 em acórdão publicado em 12/09/2017, foram opostos embargos
recurso extraordinário e o imediato juízo negativo de de declaração, ainda pendentes de julgamento, e cuja redistribuição
admissibilidade. foi determinada em 02/02/2018, de modo que não se operou o
Alega que o recurso envolve matéria diversa da constante no RE trânsito em julgado, razão pela qual se impõe a manutenção do
760.931/DF, classificada como Tema nº 246 na tabela de temas do sobrestamento do presente recurso.
Supremo Tribunal Federal. Ante essas considerações, impõe-se a manutenção do
Os fundamentos do acórdão recorrido, quanto à responsabilidade sobrestamento por injunção do artigo 1.030, III, do CPC, já que
subsidiária, acham-se sintetizados no seguinte trecho do julgado: pendem de julgamento no STF os embargos de declaração opostos
No mais, em relação à extensão e os efeitos da responsabilidade nos autos do multicitado RE 760.931/DF - Tema 246.
subsidiária, o Tribunal Regional encontra-se em consonância com a Do exposto, indefiro o pedido.
Súmula nº 331 do TST. À Coordenadoria de Recursos - CREC para as providências.
De fato, a contratação de empresa prestadora de serviços, por meio Publique-se.
de regular licitação, não basta para excluir a responsabilidade Brasília, 23 de julho de 2019.
trabalhista do ente público.
O tomador dos serviços que opta por essa forma de contratação
tem o dever de averiguar a idoneidade financeira da prestadora, no Firmado por assinatura digital (MP 2.200-2/2001)
que se refere à possibilidade de solvência das obrigações RENATO DE LACERDA PAIVA
trabalhistas. Também deve fiscalizar continuamente o cumprimento Ministro Vice-Presidente do TST
das obrigações contratuais assumidas pela empresa contratada,
conforme preveem os artigos 58, III, e 67 da Lei nº 8.666/93: Processo Nº ED-AIRR-0000933-95.2017.5.10.0802
"Art. 58. O regime jurídico dos contratos administrativos instituído Complemento Processo Eletrônico
por esta Lei confere à Administração, em relação a eles, a Relator Min. Alberto Luiz Bresciani de Fontan
prerrogativa de: Pereira
(...) Embargante ENERGISA TOCANTINS
DISTRIBUIDORA DE ENERGIA S.A.
III - fiscalizar-lhes a execução;
Advogado Dr. Victor Russomano Júnior(OAB:
(...) 3609/DF)
Art. 67. A execução do contrato deverá ser acompanhada e Advogado Dr. Mozart Victor Russomano
fiscalizada por um representante da Administração especialmente Neto(OAB: 29340-A/DF)
designado, permitida a contratação de terceiros para assisti-lo e Embargado(a) DIONATAN ALBUQUERQUE
PANTOJA
subsidiá-lo de informações pertinentes a essa atribuição.
Advogado Dr. Sérgio Fontana(OAB: 701/TO)
§ 1º O representante da Administração anotará em registro próprio
Advogado Dr. Maximiliano Nagl Garcez(OAB:
todas as ocorrências relacionadas com a execução do contrato, 27889/DF)
determinando o que for necessário à regularização das faltas ou Embargado(a) COSERVICE SERVIÇOS LTDA.
defeitos observados."
Ao negligenciar no cumprimento dos seus deveres contratuais, o Intimado(s)/Citado(s):
ente público permite que o empregado trabalhe em proveito de seus - COSERVICE SERVIÇOS LTDA.
serviços essenciais, sem que haja o cumprimento dos direitos - DIONATAN ALBUQUERQUE PANTOJA
decorrentes do contrato laboral. Sob esse aspecto, em razão das - ENERGISA TOCANTINS DISTRIBUIDORA DE ENERGIA S.A.
culpas in eligendo e in vigilando, responde, ainda que de forma
subsidiária, pelas obrigações contraídas pela prestadora perante o Trata-se de recurso extraordinário contra acórdão proferido pela
empregado. egrégia Terceira Turma deste Tribunal.
Em que pese o artigo 71 da Lei nº 8.666/93 prever a ausência de A parte recorrente suscita preliminar de repercussão geral da
responsabilidade da Administração Pública pelo pagamento dos matéria e aponta violação aos dispositivos da Constituição da
encargos trabalhistas, previdenciários, fiscais e comerciais, República que especifica nas razões recursais.
resultantes da execução do contrato, a eficácia de tal dispositivo A Vice-Presidência deste Tribunal Superior, por despacho,
não é absoluta, porquanto se encontra em escala valorativa determinou o sobrestamento do recurso extraordinário por envolver
hierarquicamente inferior aos princípios constitucionais que tutelam o Tema nº 739 do ementário de Repercussão Geral do Supremo
o trabalho humano. Tribunal Federal.
Instado a se manifestar sobre o tema, na ADC nº 16/DF, o Supremo Considerando que a matéria foi julgada na Sessão do Tribunal

Código para aferir autenticidade deste caderno: 137896


2774/2019 Tribunal Superior do Trabalho 27
Data da Disponibilização: Sexta-feira, 26 de Julho de 2019

Pleno do STF em 11/10/2018, com fixação da tese de mérito e que da Lei nº 8.987/95 e 3º, II, da Lei nº 9.427/96, além de contrariedade
o acórdão foi publicado no Diário Eletrônico de Justiça de à Súmula vinculante nº 10 do STF. Colaciona arestos.
06/03/2019, com trânsito em julgado, passo ao exame de A teor da Súmula 331, I, do TST, a contratação de trabalhadores
admissibilidade do recurso sobrestado. por empresa interposta é ilegal, formando-se o vínculo diretamente
É o relatório. com o tomador dos serviços.
Decido. No entanto, a situação peculiar dos presentes autos refoge à
Consta do acórdão recorrido: simples aplicação da Súmula 331/TST, uma vez ser incontroverso
que o reclamante foi contratado pela primeira reclamada para
"(...) prestar serviços em atividade-fim, junto à ENERGISA.
TERCEIRIZAÇÃO ILÍCITA. TRABALHO EM ATIVIDADE-FIM. É o que se depreende do seguinte trecho do acórdão regional, não
VÍNCULO DE EMPREGO. CONFIGURAÇÃO. transcrito pela parte (fls. 332/333):
O Regional negou provimento ao recurso ordinário da segunda
reclamada sob os seguintes fundamentos, transcritos nas razões de "O reclamante foi admitido na função de "montador eletricista de
revista, nos termos do art. 896, § 1º-A, I, da CLT (fls. 495/496): rede", conforme documentos juntados ao id d0e30ba.
Segundo o artigo 3º do Estatuto Social da ENERGISA, a sociedade
"Ora, estamos cuidando de uma terceirização irregular. A tem por objeto (fl. 149):
Reclamada ENERGISA decidiu terceirizar serviços na sua atividade a) a produção, distribuição, transmissão e transformação de energia
-fim. elétrica, destinada a qualquer fim, nos termos da legislação em
A legislação que trata da matéria não autoriza a terceirização em vigor, para uso público e particular;
tais condições (Leis 7.102/83 e 6019/74), pois restrita aos serviços b) o desenvolvimento de atividades de aproveitamento de energia
temporários e de vigilância, conservação e limpeza... elétrica de qualquer origem ou natureza, construindo e operando os
A contratação de trabalhadores, via empresa terceirizada, para o respectivos sistemas;
trabalho temporário e para atividade-meio, constitui modalidade c) a colaboração no gerenciamento da utilização dos recursos
excepcional de arregimentação de mão de obra, somente admitida hídricos situados no território do Estado do Tocantins.
para atender à necessidade transitória de substituição de pessoal É incontroverso, nos autos, o fato de que o reclamante prestou
regular da empresa tomadora para acréscimo extraordinário de sua serviços à ENERGISA TOCANTINS DISTRIBUIDORA DE
demanda produtiva e para atividades de limpeza, segurança e ENERGIA S.A, empresa que detém o monopólio na distribuição de
conservação... energia elétrica no Estado no Tocantins, privatizada logo no início
(...) do primeiro governo Siqueira Campos, nos anos 1990 do século
Em tal contexto, mesmo sob a ótica moderada da jurisprudência do passado.
TST (Súmula nº 331), houve terceirização ilícita porque alcançou o Em primeiro lugar, nota-se que o reclamante, como eletricista,
serviço delegado a atividade-fim da segunda reclamada laborava indiscutivelmente na atividade-fim da ENERGISA (segunda
(ENERGISA). Cabe então, o reconhecimento direto do vínculo de reclamada), apontada como tomadora de serviços. Trata-se de
emprego entre o reclamante e a ENERGISA, como preconiza o item atividade essencial da segunda reclamada, indispensável para o
I da citada Súmula. desenvolvimento de suas funções."
Com relação à alegação da reclamada de que a terceirização
perpetrada encontraria respaldo nas Leis 8.987/1995 e 9.427/96, Nesse sentido, não há como afastar o fundamento da ilicitude da
transcrevo precedente do TST, citado pela Exma. Desembargadora terceirização operada.
Maria Regina Machado Guimarães, no julgamento do RO 00956- Já o § 1º do art. 25 da Lei nº 8.987/95 autoriza as empresas
2013.812.10.00.5 (...) concessionárias a terceirizar suas atividades-meio (respeitados os
...Com efeito, a Lei nº 8.987/95, que disciplina a atuação das limites da Súmula nº 331, III, do TST).
empresas concessionárias ou permissionárias de serviço público O dispositivo está assim redigido:
em geral, e a Lei nº 9.427/97, que regula as telecomunicações, são
normas de Direito Administrativo e, como tal, não foram "Art. 25. Incumbe à concessionária a execução do serviço
promulgadas para regular matéria trabalhista... concedido, cabendo-lhe responder por todos os prejuízos causados
Por via de consequência, não se pode mesmo interpretar o § 1º do ao poder concedente, aos usuários ou a terceiros, sem que a
artigo 25 da Lei nº 8987/95 e o artigo 94, inciso II, da Lei nº fiscalização exercida pelo órgão competente exclua ou atenue essa
9.472/97, de que a autorização por eles dada à concessionária ... responsabilidade.
para contratar, com terceiros, o desenvolvimento de atividades § 1º Sem prejuízo da responsabilidade a que se refere este artigo, a
inerentes ao serviço tornaria lícita a terceirização de suas atividades concessionária poderá contratar com terceiros o desenvolvimento
-fim... de atividades inerentes, acessórias ou complementares ao serviço
... deve ser reconhecida a existência, por todo o período laborado, concedido, bem como a implementação de projetos associados.
do vínculo de emprego diretamente com a concessionária... nos
exatos moldes do item I da Súmula 331 do TST." Em que pese a redação do dispositivo transcrito, não se pode
estender o entendimento no sentido de que a empresa
Inconformada, alega a segunda ré que não houve fraude, uma vez concessionária pode contratar com terceiros serviços ligados à sua
que a terceirização de atividades de concessionária de energia atividade-fim.
elétrica possui autorização legal. Sustenta que não existe vínculo de Nesse sentido, peço vênia para transcrever as observações do
emprego com o reclamante. Insiste na inaplicabilidade, ao caso, da eminente Ministro Mauricio Godinho Delgado, quanto à
Súmula 331 do TST. Aponta violação dos arts. 1º, IV, 5º, II, XIII, interpretação do art. 25, § 1º, da Lei nº 8.987/95, lançadas no
XXVII e LIV, 21, XII, 22, I, 397, 170, caput, II, III, IV e parágrafo âmbito do processo AIRR-358-83.2011.5.06.0002, julgado em
único, e 175 da Constituição Federal, 480 e 481 do CPC, 25, § 1º, 29.8.12012 por esta Eg. Terceira Turma:

Código para aferir autenticidade deste caderno: 137896


2774/2019 Tribunal Superior do Trabalho 28
Data da Disponibilização: Sexta-feira, 26 de Julho de 2019

difusa, e para o SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL, também no


"Contudo, não se pode interpretar a expressão contida nesse controle concentrado (CF, art. 97 e SV 10).
dispositivo legal de poder a concessionária contratar com terceiros o 3. É nula a decisão de órgão fracionário que, ao negar a aplicação
desenvolvimento de atividades-fim, já que tal exegese confrontaria do inciso II, do art. 94 da Lei 9.472/1997, com base na Súmula
com o texto da Súmula 331/TST. Esta delimita as hipóteses de 331/TST, e declarar ilícita a terceirização e atividade-fim, reconhece
terceirização lícita: situações empresariais que autorizem a existência de vínculo trabalhista entre a contratante e o
contratação de trabalho temporário (art. 331, I), atividades de empregado da contratada, pois exerceu controle difuso de
vigilância (Súmula 331, III, ab initio), atividades de conservação e constitucionalidade, declarando a parcial nulidade sem redução de
limpeza (Súmula 331, III) e serviços especializados ligados à texto do referido dispositivo sem observar a cláusula de reserva de
atividade-meio do tomador. Plenário. AGRAVO PROVIDO.
Estender o sentido do termo -inerente- nessa peculiar hipótese para 4. O PLENÁRIO DA CORTE declarou parcialmente inconstitucional
compreendê-lo como análogo à atividade-fim, aceitando a a SÚMULA 331/TST e proclamou a licitude da terceirização de toda
transferência do desenvolvimento de serviços essenciais a e qualquer atividade, meio ou fim; para afirmar a inexistência de
terceiros, significaria um desajuste em face dos clássicos objetivos relação de emprego entre a contratante e o empregado da
tutelares e redistributivos que sempre caracterizaram o Direito do contratada. RECURSO EXTRAORDINÁRIO PROVIDO.
Trabalho ao longo de sua história. O fenômeno da terceirização, por 5. Agravo conhecido e recurso extraordinário provido para
se chocar com a estrutura teórica e normativa original do Direito do restabelecer a sentença de primeiro grau, com a fixação da seguinte
Trabalho, sofre restrições da doutrina e jurisprudência tese no TEMA 739: "É nula a decisão de órgão fracionário que se
justrabalhistas, que nele tendem a enxergar uma modalidade recusa a aplicar o art. 94, II, da Lei 9.472/1997, sem observar a
excetiva de contratação de força de trabalho." (Sublinhei) cláusula de reserva de Plenário (CF, art. 97), observado o artigo
(...) 949 do CPC." (ARE 791932/DF, Rel. Min. Alexandre de Moraes,
Na presença de situação moldada ao art. 896, § 7º, da CLT e à DJe 06/03/2019)
Súmula 333/TST, impossível pretender-se o processamento do
recurso de revista, com base em divergência jurisprudencial. Logo, versando o acórdão recorrido sobre questão atinente a tema
Pela mesma razão, não se vislumbra ofensa aos preceitos da cuja repercussão geral foi reconhecida, com tese de mérito firmada
Constituição Federal e de Lei evocados. pelo Supremo Tribunal Federal, determino o dessobrestamento do
Mantenho o r. despacho agravado. recurso e o encaminhamento dos autos ao órgão fracionário prolator
Em síntese e pelo exposto, conheço do agravo de instrumento e, no da decisão recorrida nestes autos, a fim de que se manifeste, nos
mérito, nego-lhe provimento. termos do art. 1.030, II do CPC, sobre a necessidade ou não de
exercer eventual juízo de retratação da decisão então proferida por
ISTO POSTO aquele colegiado.
À Coordenadoria de Recursos - CREC - para as providências
ACORDAM os Ministros da Terceira Turma do Tribunal Superior do pertinentes.
Trabalho, por unanimidade, conhecer do agravo de instrumento e, Publique-se.
no mérito, negar-lhe provimento." Brasília, 24 de julho de 2019.

O Supremo Tribunal Federal, ao julgar o ARE 791.932/DF fixou a Firmado por assinatura digital (MP 2.200-2/2001)
seguinte tese: "É nula a decisão de órgão fracionário que se recusa RENATO DE LACERDA PAIVA
a aplicar o art. 94, II, da Lei 9.472/1997, sem observar a cláusula de Ministro Vice-Presidente do TST
reserva de Plenário (CF, art. 97), observado o artigo 949 do CPC".
Eis o teor da ementa do julgado: Processo Nº ED-RR-0001805-87.2011.5.03.0003
EMENTA: CONSTITUCIONAL E TRABALHISTA. NULIDADE DO Complemento Processo Eletrônico
ACÓRDÃO RECORRIDO POR DESRESPEITO A CLÁUSULA DE Relator Min. Alexandre Luiz Ramos
RESERVA DE PLENÁRIO (CF, ART. 97 E SV 10). NEGATIVA Embargante LIQ CORP S.A.
PARCIAL DE VIGÊNCIA E EFICÁCIA AO INCISO II, DO ART. 94 Advogado Dr. José Alberto Couto Maciel(OAB:
513/DF)
DA LEI 9.472/1997 (LEI GERAL DE TELECOMUNICAÇÕES) POR
Embargado(a) DAIANA SILVA DE MELO
ÓRGÃO FRACIONÁRIO COM BASE NA SÚMULA 331/TST.
Advogado Dr. José Osvaldo da Silva(OAB:
IMPOSSIBILIDADE. LICITUDE DE TERCEIRIZAÇÃO DE TODA E 69343/MG)
QUALQUER ATIVIDADE, MEIO OU FIM, NÃO SE Embargado(a) TELEMAR NORTE LESTE S.A.
CONFIGURANDO RELAÇÃO DE EMPREGO ENTRE A Advogado Dr. José Alberto Couto Maciel(OAB:
CONTRATANTE E O EMPREGADO DA CONTRATADA (ADPF 324 513/DF)
E RE 958.252). AGRAVO CONHECIDO. RECURSO PROVIDO.
1. A inconstitucionalidade de lei ou ato normativo estatal só pode Intimado(s)/Citado(s):
ser declarada pelo voto da maioria absoluta da totalidade dos - DAIANA SILVA DE MELO
membros do tribunal ou, onde houver, dos integrantes do respectivo - LIQ CORP S.A.
órgão especial, sob pena de absoluta nulidade da decisão emanada - TELEMAR NORTE LESTE S.A.
do órgão fracionário (turma, câmara ou seção), em respeito à
previsão do art. 97 da Constituição Federal. Trata-se de recurso extraordinário contra acórdão proferido pela
2. A cláusula de reserva de plenário atua como condição de eficácia egrégia Quarta Turma deste Tribunal.
jurídica da própria declaração jurisdicional de inconstitucionalidade As partes recorrentes suscitam preliminar de repercussão geral da
dos atos do Poder Público, aplicando-se para todos os tribunais, via matéria e apontam violação aos dispositivos da Constituição da

Código para aferir autenticidade deste caderno: 137896


2774/2019 Tribunal Superior do Trabalho 29
Data da Disponibilização: Sexta-feira, 26 de Julho de 2019

República que especificam nas razões recursais. julgar ilícita a terceirização, a Corte Regional reconheceu o vínculo
A Vice-Presidência deste Tribunal Superior, por despacho, de emprego da Reclamante diretamente com a segunda Reclamada
determinou o sobrestamento do recurso extraordinário por envolver (Telemar).
o Tema nº 739 do ementário de Repercussão Geral do Supremo A decisão regional foi proferida em conformidade com o
Tribunal Federal. entendimento que tem prevalecido nesta Corte Superior, no sentido
Considerando que a matéria foi julgada na Sessão do Tribunal de que é ilícita a terceirização operada com o fim de contratar,
Pleno do STF em 11/10/2018, com fixação da tese de mérito e que mediante empresa interposta, empregados para prestação de
o acórdão foi publicado no Diário Eletrônico de Justiça de serviços de vendas e atendimento de clientes via call center, em
06/03/2019, com trânsito em julgado, passo ao exame de favor das empresas de telecomunicações, por tais funções
admissibilidade do recurso sobrestado. configurarem atividade-fim da tomadora de serviços.
É o relatório. Os seguintes precedentes ilustram o posicionamento sedimentado
Decido. nesta e em outras Turmas desta Corte Superior:
Consta do acórdão recorrido: "AGRAVO DE INSTRUMENTO - SUMARÍSSIMO - EMPRESA DE
TELEFONIA - TERCEIRIZAÇÃO - SERVIÇOS DE CALL CENTER -
"(...) ATIVIDADE-FIM. A jurisprudência desta Corte tem se manifestado,
A primeira Reclamada (Contax) requer a reforma do acórdão de forma reiterada, no sentido de que os serviços de call center
regional, para "afastar o vínculo empregatício reconhecido e, estão entre as atividades-fim das empresas de telecomunicações.
consectário lógico, julgando improcedentes os demais pedidos, Diante disso, correta a decisão que, reconhecendo a ilicitude da
notadamente benefícios do ACT da Telemar Norte Leste S.A. e terceirização, declarou o vínculo de emprego diretamente com a
retificação de CTPS" (fl. 705), bem como afastar a condenação reclamada tomadora dos serviços, estando em conformidade com
solidária das Reclamadas. Inicialmente, alega que "o Ministério os termos da Súmula 331, I, desta Corte. Agravo de instrumento
Público do Trabalho ajuizou contra a Telemar Norte Leste S.A. Ação não provido" (AIRR - 1692-53.2010.5.03.0138, Relator Ministro José
Civil Pública, cujo objeto era para que esta se abstenha de contratar Pedro de Camargo Rodrigues de Souza, 1ª Turma, DEJT
empresas para mera intermediação de mão-de-obra e de absorver 08/06/2012).
por meio de empresa interposta nas suas atividades", que a referida
ação "foi julgada improcedente", julgando "lícita a terceirização tanto "AGRAVO DE INSTRUMENTO EM RECURSO DE REVISTA. RITO
nas atividades secundárias quanto principais" (fl. 672), configurando SUMARÍSSIMO. TERCEIRIZAÇÃO ILÍCITA. EMPRESA DE
coisa julgada, nos termos do art. 16 da Lei nº 7.347/85. Defende ser TELECOMUNICAÇÕES. CALL CENTER. ATIVIDADE FIM DA
lícita a terceirização promovida pelas empresas. Afirma que a RECLAMADA TOMADORA DE SERVIÇOS. INTERPRETAÇÃO
atividade terceirizada (atendimento de clientes via call center) não DOS ARTIGOS 25, § 1º, DA LEI Nº 8.987/95 E DO ARTIGO 94,
está compreendida na atividade-fim da Reclamada Telemar INCISO II, DA LEI Nº 9.472/97 E APLICAÇÃO DA SÚMULA Nº 331,
(tomadora de serviço), a qual consiste em empresa de ITENS I E III, DO TST. VÍNCULO DE EMPREGO ENTRE A
telecomunicações. Alega primar pelas boas condições do trabalho e TOMADORA DE SERVIÇOS E O TRABALHADOR TERCEIRIZADO
que a terceirização levada a efeito não significou a supressão de RECONHECIDO. 1. Discute-se nestes autos a possibilidade de
direitos trabalhistas. Aduz que a atividade-fim dessas empresas terceirização das atividades de call center e a incidência ou não,
está descrita no § 1º do art. 60 da Lei nº 9.472/1997 e que todas as nesses casos, do item I da Súmula nº 331 do TST. Embora o
demais atribuições não incluídas nesse dispositivo são periféricas e entendimento consagrado nesta Súmula tenha sido no sentido de
passíveis de regular terceirização. Argumenta que, mesmo que se se admitir a licitude da terceirização de forma bem mais ampla e
considerasse incluído na atividade-fim da empresa tomadora o generalizada que a Súmula nº 256 desta Corte que antes tratava da
serviço de atendimento de clientes em call center, não haveria matéria, isso não significou considerá-la lícita em todo e qualquer
ilegalidade, porque, no seu entender, as Leis nos 8.987/1995 e caso. Levando-se em conta a finalidade da terceirização, que é
9.472/1997 admitem a terceirização de serviços ligados também à permitir a concentração dos esforços da empresa tomadora de
atividade-fim das empresas de telecomunicações. Aponta ofensa serviços em suas atividades essenciais por meio da contratação da
aos arts. 1º, IV, 5º, II e XXXVI, 97 e 170 da CF/88, 2º e 3º da CLT, prestação de serviços especializados por terceiros nas suas demais
265 do CC, 25, § 1º, da Lei nº 9.472/1997 e 94, II, da Lei nº atividades, consagrou-se, no item III da citada Súmula nº 331, a
9.472/1997 e contrariedade à Súmula nº 331, III, desta Corte e à autorização para a contratação de serviços especializados ligados à
Súmula Vinculante nº 10 do STF, bem como transcreve arestos atividade-meio do tomador, ou seja, a contrario sensu, a
para confronto de teses. terceirização, continuou sendo considerada ilícita, sob pena de
No que diz respeito à extensão, à Reclamante, dos benefícios formação do vínculo de emprego dos trabalhadores terceirizados
previstos nas normas coletivas aplicáveis aos demais empregados com o tomador dos serviços, nos termos de seu item I, toda e
da Telemar, sustenta que a Reclamante não foi empregada da qualquer terceirização das atividades-fim das empresas. 2. Esse
Reclamada Telemar e não tem direito às vantagens pactuadas limite deve também ser observado, por identidade de motivos, nas
coletivamente para os demais empregados da Telemar. Indica atividades das empresas concessionárias ou permissionárias dos
ofensa aos arts. 5º, XXXVI, e 7º, XXVI, da CF/88 e 511, 516 e 611 ramos de energia elétrica e de telecomunicações. Com efeito, a Lei
da CLT e contrariedade à Súmula nº 374 desta Corte, bem como nº 8.987/95, que disciplina a atuação das empresas concessionárias
transcreve arestos para confronto de teses. e permissionárias de serviço público em geral, e a Lei nº 9.472/97,
Como se observa do acórdão recorrido, a Corte Regional consignou que regula as telecomunicações, são normas de Direito
que a segunda Reclamada (Telemar) contratou a Reclamante Administrativo e, como tais, não foram promulgadas para regular
mediante empresa interposta (primeira Reclamada - Contax) para a matéria trabalhista, devendo a questão da licitude e dos efeitos da
consecução de serviços (atendimento de clientes via call center), terceirização ser decidida exclusivamente pela Justiça do Trabalho,
que julgou estarem diretamente relacionados à atividade-fim da com base nos princípios e nas regras que norteiam o Direito do
empresa tomadora (oferta de serviços de telecomunicações). Por Trabalho, de forma a interpretar e, eventualmente, aplicá-las, de

Código para aferir autenticidade deste caderno: 137896


2774/2019 Tribunal Superior do Trabalho 30
Data da Disponibilização: Sexta-feira, 26 de Julho de 2019

modo a não esvaziar de sentido prático ou a negar vigência e que aquela decisão da SBDI-1 foi proferida antes da realização da
aplicação às normas trabalhistas, que, em nosso País, disciplinam a Audiência Pública ocorrida nos dias 04 e 05 de outubro de 2011 e
prestação de trabalho subordinado, em especial os artigos 2º e 3º convocada pela Presidência desse Tribunal, nos termos do artigo
da CLT. 3. Por via de consequência, não se pode mesmo interpretar 35, inciso XXXVI, do seu Regimento Interno, e que implicou a oitiva
o § 1º do artigo 25 da Lei nº 8.987/95 e o artigo 94, inciso II, da Lei de quase cinquenta especialistas e integrantes da sociedade civil,
nº 9.472/97, de que a autorização por eles dada a empresa com o objetivo de obter subsídios e esclarecimentos acerca das
concessionária dos serviços de telecomunicações para contratar, questões fáticas, técnicas, científicas, econômicas e sociais
com terceiros, o desenvolvimento de atividades inerentes ao serviço relativas à subcontratação de mão de obra por meio de interposta
tornaria lícita a terceirização de suas atividades-fim, o que, em pessoa. No entanto, os elementos trazidos à consideração dos
última análise, acabaria por permitir que elas desenvolvessem sua Ministros do TST, naquela oportunidade, não se mostraram capazes
atividade empresarial sem ter em seus quadros nenhum de alterar o já citado entendimento recentemente consagrado pela
empregado, e sim, apenas, trabalhadores terceirizados. 4. Assim, SBDI-1 do TST, em sua sessão de 28/06/2011, no desempenho de
quando os órgãos fracionários dos Tribunais trabalhistas seu papel legal e regimental precípuo. Com efeito, extrai-se do
interpretam preceitos legais como os ora examinados, de forma a conjunto de manifestações aduzidas na referida Audiência Pública
não produzir resultados absurdos e incompatíveis com o Direito do que a alegação, feita pelos defensores da terceirização em geral (e,
Trabalho e mediante a aplicação de outras normas inclusive, das atividades-fim empresariais), de que, por seu
infraconstitucionais existentes no ordenamento jurídico, não estão, intermédio, é possível atingir-se maior eficiência e produtividade e a
em absoluto, infringindo o disposto na Súmula Vinculante nº 10, geração de mais riqueza e mais empregos, foi amplamente refutada
tampouco violando o artigo 97 da Constituição Federal, referente à pelos vastos dados estatísticos e sociológicos apresentados por
cláusula de reserva de Plenário, pois não se estará utilizando aqueles que sustentaram, ao contrário, que a terceirização das
critérios constitucionais, nem mesmo de forma implícita. 5. Por outro atividades-fim é um fator de precarização do trabalho,
lado, não se pode considerar que a prestação dos serviços de call caracterizando-se pelos baixos salários dos empregados
center no âmbito das empresas de telecomunicação caracterize terceirizados e pela redução indireta do salário dos empregados das
atividade-meio, e não atividade-fim. É que o aumento desses empresas tomadoras, pela maior instabilidade no emprego e
serviços nos últimos anos ocorreu em razão da consolidação do ausência de estímulo à maior produtividade dos trabalhadores
Código de Defesa do Consumidor, que levou as empresas a terceirizados, pela divisão e desorganização dos integrantes da
disponibilizarem os Serviços de Atendimento do Consumidor (SAC), categoria profissional que atua no âmbito das empresas tomadoras,
a fim de dar efetividade aos princípios da transparência, da com a consequente pulverização da representação sindical de todos
confiança e da boa-fé objetiva, norteadores do direito do os trabalhadores interessados e, por fim, pelos comprovadamente
consumidor. E, diante da exigência legal de manutenção de uma maiores riscos de acidente de trabalho. 8. Assim, diante da ilicitude
relação direta entre fornecedor e consumidor, o serviço de call da terceirização do serviço de call center prestado pela reclamante
center tornou-se essencial às concessionárias dos serviços de no âmbito da empresa de telecomunicações reclamada, deve ser
telefonia para possibilitar o necessário desenvolvimento de sua reconhecida a existência, por todo o período laborado, de vínculo de
atividade. Isso, porque é por meio dessa central de atendimento emprego diretamente com a concessionária de serviços de
telefônico que o consumidor solicita serviços de manutenção de sua telefonia, nos exatos moldes do item I da Súmula nº 331 do TST,
linha telefônica, nos casos de mau funcionamento, obtém com o pagamento de todos os seus consectários legais objeto do
informações acerca dos serviços oferecidos pela empresa e faz pedido inicial, exatamente como já decidido pelo acórdão regional
reclamações, dentre tantas outras demandas decorrentes do recorrido. Agravo de instrumento desprovido" (AIRR - 521-
serviço público de telefonia prestado pela concessionária. Não é 26.2011.5.03.0009, Relator Ministro José Roberto Freire Pimenta,
possível, portanto, distinguir ou desvincular a atividade de call 2ª Turma, DEJT 01/06/2012).
center da atividade fim da concessionária de serviços de telefonia. (...)
6. Esta questão da legalidade ou ilegalidade da terceirização dos A decisão regional foi proferida em conformidade com a
serviços de call center foi recentemente objeto de decisão da jurisprudencial desta Corte Superior. Logo, o processamento do
Subseção I da Seção Especializada em Dissídios Individuais (SBDI- recurso por divergência jurisprudencial encontra óbice na Súmula nº
1) deste Tribunal Superior do Trabalho, em 28/06/2011, em sua 333 desta Corte e no § 4º do art. 896 da CLT.
composição completa, no julgamento do Processo E-RR-134640- Com relação à afirmativa de que as empresas de telecomunicações
23.2008.5.03.0010, que teve como Relatora a Ministra Maria de estão autorizadas por lei a terceirizar serviços relacionados à sua
Assis Calsing, em que, por expressiva maioria (nove votos a favor e atividade-fim, observa-se que o art. 94, II, da Lei nº 9.472/1997
cinco contra), entendeu-se que as empresas de telecomunicações enuncia genericamente ser permitido à concessionária, "observadas
se encontram igualmente sujeitas às diretrizes insertas na Súmula as condições e limites estabelecidos pela Agência [Nacional de
nº 331, itens I e III, e que os serviços das centrais de atendimento - Telecomunicações], contratar com terceiros o desenvolvimento de
call center - se inserem nas atividades-fim da empresa de telefonia, atividades inerentes, acessórias ou complementares ao serviço,
fato esse que impossibilita o reconhecimento da legalidade dessa bem como a implementação de projetos associados".
modalidade de terceirização. Ao assim decidir, a SBDI-1 nada mais Assim, ao contrário do que defende a Recorrente, não há ofensa ao
fez do que exercer sua função precípua, legal e regimental: dirimir a art. 94 da Lei nº 9.472/1997, pois o genérico e vago texto deste
divergência jurisprudencial entre as Turmas desta Corte, até então dispositivo legal não pode ser interpretado como autorização para a
existente, sobre a matéria, consagrando a tese a ser observada dali irrestrita terceirização. A invocação ao art. 25, § 1º, da Lei nº
por diante pelos órgãos fracionários deste Tribunal Superior, nos 8.987/95 tampouco lhe aproveita, pois tal preceito legal também não
termos e para os efeitos do artigo 894, inciso II, da CLT, do artigo autoriza a terceirização ampla e irrestrita de suas atividades-fim.
3º, inciso III, alínea "b", da Lei nº 7.701/88 (ambos na redação que Há de ser lembrado ainda que as normas trabalhistas consolidadas
lhes foi dada pela Lei nº 11.496/2006), bem como do artigo 71, têm como regra geral a contratação direta do empregado, admitindo
inciso II, alínea "a", do Regimento Interno desse Tribunal. 7. É certo -se apenas em casos especiais a contratação de mão de obra por

Código para aferir autenticidade deste caderno: 137896


2774/2019 Tribunal Superior do Trabalho 31
Data da Disponibilização: Sexta-feira, 26 de Julho de 2019

intermédio de empresas especializadas. Eis o teor da ementa do julgado:


Nesse contexto e levando em conta o princípio da proteção do EMENTA: CONSTITUCIONAL E TRABALHISTA. NULIDADE DO
trabalhador que informa o direito do trabalho, a terceirização ampla ACÓRDÃO RECORRIDO POR DESRESPEITO A CLÁUSULA DE
e irrestrita, cujo reconhecimento pretende a Recorrente, só poderia RESERVA DE PLENÁRIO (CF, ART. 97 E SV 10). NEGATIVA
ocorrer diante de expressa e clara previsão legal nesse sentido. PARCIAL DE VIGÊNCIA E EFICÁCIA AO INCISO II, DO ART. 94
Ausente tal normatização, há de prevalecer a construção DA LEI 9.472/1997 (LEI GERAL DE TELECOMUNICAÇÕES) POR
jurisprudencial consagrada na Súmula nº 331, I, desta Corte, no ÓRGÃO FRACIONÁRIO COM BASE NA SÚMULA 331/TST.
sentido de não se admitir a contratação de trabalhadores por IMPOSSIBILIDADE. LICITUDE DE TERCEIRIZAÇÃO DE TODA E
interposta pessoa para a execução de serviços ligados à atividade- QUALQUER ATIVIDADE, MEIO OU FIM, NÃO SE
fim do tomador. CONFIGURANDO RELAÇÃO DE EMPREGO ENTRE A
Logo, a declaração de vínculo empregatício direto entre a CONTRATANTE E O EMPREGADO DA CONTRATADA (ADPF 324
Reclamante e a segunda Reclamada (Telemar) não viola os arts. E RE 958.252). AGRAVO CONHECIDO. RECURSO PROVIDO.
94, II, da Lei nº 9.472/1997 e 2º e 3º da CLT, uma vez que foi 1. A inconstitucionalidade de lei ou ato normativo estatal só pode
demonstrada a ilicitude da terceirização promovida para a execução ser declarada pelo voto da maioria absoluta da totalidade dos
de tarefas ligadas à atividade-fim da empresa tomadora de serviços. membros do tribunal ou, onde houver, dos integrantes do respectivo
A indicação de violação do art. 97 da CF/88 e de contrariedade à órgão especial, sob pena de absoluta nulidade da decisão emanada
Súmula Vinculante nº 10 do Supremo Tribunal Federal não viabiliza do órgão fracionário (turma, câmara ou seção), em respeito à
o conhecimento do recurso de revista, porque este órgão fracionário previsão do art. 97 da Constituição Federal.
não está deixando de aplicar o art. 94, II, da Lei nº 9.472/1997 por 2. A cláusula de reserva de plenário atua como condição de eficácia
considerá-lo inconstitucional, mas sim afastando a interpretação jurídica da própria declaração jurisdicional de inconstitucionalidade
gramatical e literal que a Recorrente defende. Quanto à alegação de dos atos do Poder Público, aplicando-se para todos os tribunais, via
que o STF teria concedido liminar na reclamação trabalhista nº difusa, e para o SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL, também no
6749/2007, observa-se que seus efeitos estão limitados àquele controle concentrado (CF, art. 97 e SV 10).
processo e não vinculam a presente demanda. 3. É nula a decisão de órgão fracionário que, ao negar a aplicação
Não há ofensa ao art. 5º, II, da CF/88, pois a decisão regional do inciso II, do art. 94 da Lei 9.472/1997, com base na Súmula
encontra respaldo no art. 9º da CLT e na Súmula nº 331, I, desta 331/TST, e declarar ilícita a terceirização e atividade-fim, reconhece
Corte Superior. Portanto, a Corte de origem decidiu a controvérsia a existência de vínculo trabalhista entre a contratante e o
com base na interpretação e aplicação da legislação empregado da contratada, pois exerceu controle difuso de
infraconstitucional que trata do tema. constitucionalidade, declarando a parcial nulidade sem redução de
A indicação de violação dos arts. 1º, IV, e 170 da CF/88 não texto do referido dispositivo sem observar a cláusula de reserva de
viabiliza o conhecimento do recurso de revista, pois os referidos Plenário. AGRAVO PROVIDO.
dispositivos constitucionais não tratam especificamente da matéria 4. O PLENÁRIO DA CORTE declarou parcialmente inconstitucional
discutida nos presentes autos (ilicitude da terceirização de serviços a SÚMULA 331/TST e proclamou a licitude da terceirização de toda
ligados à atividade-meio da empresa tomadora). e qualquer atividade, meio ou fim; para afirmar a inexistência de
Não se verifica ofensa ao art. 265 do Código Civil de 2002, porque a relação de emprego entre a contratante e o empregado da
responsabilidade solidária das Reclamadas foi atribuída em razão contratada. RECURSO EXTRAORDINÁRIO PROVIDO.
da fraude trabalhista e tem fundamento legal no art. 9º da CLT. 5. Agravo conhecido e recurso extraordinário provido para
Estão prejudicados o exame dos pedidos de exclusão da extensão, restabelecer a sentença de primeiro grau, com a fixação da seguinte
à Reclamante, dos benefícios previstos nas normas coletivas tese no TEMA 739: "É nula a decisão de órgão fracionário que se
aplicáveis aos demais empregados da Telemar e de exclusão da recusa a aplicar o art. 94, II, da Lei 9.472/1997, sem observar a
determinação para anotação da CTPS da Reclamante, uma vez que cláusula de reserva de Plenário (CF, art. 97), observado o artigo
os referidos pleitos foram condicionados ao provimento do pedido 949 do CPC." (ARE 791932/DF, Rel. Min. Alexandre de Moraes,
recursal principal (afastamento do vínculo empregatício direto DJe 06/03/2019)
declarado entre a Reclamante e a segunda Reclamada - Telemar),
o que não ocorreu. Logo, versando o acórdão recorrido sobre questão atinente a tema
Não conheço do recurso de revista. cuja repercussão geral foi reconhecida, com tese de mérito firmada
pelo Supremo Tribunal Federal, determino o dessobrestamento do
ISTO POSTO recurso e o encaminhamento dos autos ao órgão fracionário prolator
da decisão recorrida nestes autos, a fim de que se manifeste, nos
ACORDAM os Ministros da Quarta Turma do Tribunal Superior do termos do art. 1.030, II do CPC, sobre a necessidade ou não de
Trabalho, à unanimidade, não conhecer integralmente do recurso de exercer eventual juízo de retratação da decisão então proferida por
revista interposto pela primeira Reclamada (Contax S.A.), em que aquele colegiado.
foi abordado o seguinte tema: "Empresa de telecomunicações. À Coordenadoria de Recursos - CREC - para as providências
Atendimento de clientes via call center. Terceirização. Atividade-fim. pertinentes.
Ilicitude. Vínculo de emprego. Vantagens coletivas Publique-se.
correspondentes"." Brasília, 25 de julho de 2019.

O Supremo Tribunal Federal, ao julgar o ARE 791.932/DF fixou a Firmado por assinatura digital (MP 2.200-2/2001)
seguinte tese: "É nula a decisão de órgão fracionário que se recusa RENATO DE LACERDA PAIVA
a aplicar o art. 94, II, da Lei 9.472/1997, sem observar a cláusula de Ministro Vice-Presidente do TST
reserva de Plenário (CF, art. 97), observado o artigo 949 do CPC".

Código para aferir autenticidade deste caderno: 137896


2774/2019 Tribunal Superior do Trabalho 32
Data da Disponibilização: Sexta-feira, 26 de Julho de 2019

serviços especializados por terceiros nas suas demais atividades,


Processo Nº ED-AIRR-0001764-04.2014.5.03.0137 consagrou-se, em seu item III, a autorização para a contratação de
Complemento Processo Eletrônico serviços especializados ligados à atividade-meio do tomador, ou
Relator Min. José Roberto Freire Pimenta seja, a contrario sensu continuou sendo considerada ilícita, sob
Embargante TELEFÔNICA BRASIL S.A. pena de formação do vínculo de emprego dos trabalhadores
Advogada Dra. Elisabeth Regina Venâncio(OAB: terceirizados com o tomador dos serviços nos termos de seu item I,
19387/PR)
toda e qualquer terceirização das atividades-fim das empresas.
Advogado Dr. José Alberto Couto Maciel(OAB:
513-A/DF) 2. Este limite deve também ser observado, por identidade de
Embargado(a) HUGO ROCHA VIEIRA motivos, nas atividades das empresas concessionárias ou
Advogado Dr. Ramiro Marques Alcântara(OAB: permissionárias do ramo de energia elétrica. Com efeito, a Lei nº
95276/MG) 8.987/95, que disciplina a atuação das empresas concessionárias e
Advogado Dr. Adalberto Santos Capanema(OAB: permissionárias de serviço público em geral, constitui norma de
108614/MG)
Direito Administrativo e, como tal, não foi promulgada para regular
Embargado(a) ENGESET ENGENHARIA E
SERVIÇOS DE matéria trabalhista, devendo a questão da licitude e dos efeitos da
TELECOMUNICAÇÕES S.A. terceirização ser decidida exclusivamente pela Justiça do Trabalho
Advogada Dra. Melyssandra Martins Costa(OAB: com base nos princípios e regras que norteiam o Direito do
48612/MG)
Trabalho, de forma a interpretar e a eventualmente aplicar as
Advogada Dra. Patrícia Correa de Lima(OAB:
128788/MG) primeiras de modo a não esvaziar de sentido prático ou a negar
vigência e aplicação às normas trabalhistas que, em nosso país,
Intimado(s)/Citado(s): disciplinam a prestação de trabalho subordinado, em especial os
artigos 2º e 3º da CLT.
- ENGESET ENGENHARIA E SERVIÇOS DE
TELECOMUNICAÇÕES S.A. 3. Por via de consequência, não se pode mesmo interpretar o § 1º
- HUGO ROCHA VIEIRA do artigo 25 da Lei nº 8.987/95 no sentido de que a autorização por
- TELEFÔNICA BRASIL S.A. ele dada à empresa concessionária dos serviços de energia elétrica
para contratar com terceiros o desenvolvimento de atividades
Trata-se de recurso extraordinário contra acórdão proferido pela inerentes ao serviço tornaria lícita a terceirização de suas atividades
egrégia Segunda Turma deste Tribunal. -fim, o que, em última análise, acabaria por permitir que as mesmas
A parte recorrente suscita preliminar de repercussão geral da desenvolvessem sua atividade empresarial sem ter em seus
matéria e aponta violação aos dispositivos da Constituição da quadros qualquer empregado, e sim, apenas, trabalhadores
República que especifica nas razões recursais. terceirizados.
A Vice-Presidência deste Tribunal Superior, por despacho, 4. Assim, quando os órgãos fracionários dos Tribunais trabalhistas
determinou o sobrestamento do recurso extraordinário por envolver interpretam preceitos legais, como os ora examinados de forma a
o Tema nº 739 do ementário de Repercussão Geral do Supremo não produzir resultados absurdos e incompatíveis com o Direito do
Tribunal Federal. Trabalho e mediante a aplicação de outras normas
Considerando que a matéria foi julgada na Sessão do Tribunal infraconstitucionais existentes no ordenamento jurídico, não estão,
Pleno do STF em 11/10/2018, com fixação da tese de mérito e que em absoluto, infringindo o disposto na Súmula Vinculante nº 10,
o acórdão foi publicado no Diário Eletrônico de Justiça de tampouco violando o artigo 97 da Constituição Federal, referente à
06/03/2019, com trânsito em julgado, passo ao exame de cláusula de reserva de Plenário, pois não se estará utilizando
admissibilidade do recurso sobrestado. critérios constitucionais, nem mesmo de forma implícita.
É o relatório. 5. Por outro lado, não se pode considerar que a prestação dos
Decido. serviços de manutenção de linhas e redes de distribuição de
Consta do acórdão recorrido: energia elétrica caracterize atividade-meio, e não atividade-fim das
empresas do setor elétrico. Se a concessão pública para prestação
" (...) de serviço de energia elétrica tem como objetivo precípuo a sua
distribuição à população com qualidade, é inadmissível entender
TERCEIRIZAÇÃO ILÍCITA. EMPRESA CONCESSIONÁRIA DE que a manutenção das linhas e redes de transmissão e de
SERVIÇO DE ENERGIA ELÉTRICA. ELETRICISTA. ATIVIDADE- distribuição de energia elétrica possa ser dissociada da atividade
FIM DA RECLAMADA TOMADORA DE SERVIÇOS. prestada pela empresa do setor elétrico.
INTERPRETAÇÃO DO ARTIGO 25, § 1º, DA LEI Nº 8.987/95 E 6. A questão da legalidade ou ilegalidade da terceirização da
APLICAÇÃO DA SÚMULA Nº 331, ITENS I E III, DO TST. atividade-fim das tomadoras de serviços foi recentemente objeto de
VÍNCULO DE EMPREGO RECONHECIDO NA SENTENÇA E decisão da Subseção I da Seção Especializada em Dissídios
MANTIDO PELO REGIONAL. Individuais (SbDI-1) deste Tribunal Superior do Trabalho em
1. Discutem-se a possibilidade de terceirização das atividades-fim 28/6/2011, em sua composição completa, no julgamento do
das concessionárias de energia elétrica e a incidência ou não do processo E-RR - 1346/2008-010-03-40.6, ao analisar a questão dos
item I da Súmula nº 331 do TST. Embora o entendimento serviços de call center, e que teve como Relatora a Ministra Maria
consagrado nessa súmula tenha sido no de se admitir a licitude da de Assis Calsing e onde, por expressiva maioria (nove votos a favor
terceirização de forma bem mais ampla e generalizada que a e cinco contra), entendeu-se que as empresas de telecomunicações
Súmula nº 256 desta Corte, que antes tratava da matéria, isto não encontram-se igualmente sujeitas às diretrizes insertas na Súmula
significou considerá-la lícita em todo e qualquer caso. Levando-se nº 331, itens I e III, do TST e que os serviços das centrais de
em conta a finalidade da terceirização, que é permitir a atendimento - call center - inserem-se nas atividades-fim da
concentração dos esforços da empresa tomadora de serviços em empresa de telefonia, fato esse que impossibilita o reconhecimento
suas atividades essenciais por meio da contratação da prestação de da legalidade dessa modalidade de terceirização. Ao assim decidir,

Código para aferir autenticidade deste caderno: 137896


2774/2019 Tribunal Superior do Trabalho 33
Data da Disponibilização: Sexta-feira, 26 de Julho de 2019

a SbDI-1 nada mais fez do que exercer sua função precípua, legal e PARCIAL DE VIGÊNCIA E EFICÁCIA AO INCISO II, DO ART. 94
regimental: dirimir a divergência jurisprudencial entre as Turmas DA LEI 9.472/1997 (LEI GERAL DE TELECOMUNICAÇÕES) POR
desta Corte, até então existente, sobre a matéria, consagrando a ÓRGÃO FRACIONÁRIO COM BASE NA SÚMULA 331/TST.
tese a ser observada dali por diante pelos órgãos fracionários deste IMPOSSIBILIDADE. LICITUDE DE TERCEIRIZAÇÃO DE TODA E
Tribunal Superior, nos termos e para os efeitos dos artigos 894, QUALQUER ATIVIDADE, MEIO OU FIM, NÃO SE
inciso II, da CLT e 3º, inciso III, "b", da Lei nº 7.701/88 (ambos na CONFIGURANDO RELAÇÃO DE EMPREGO ENTRE A
redação que lhes foi dada pela Lei nº 11.496/2006), bem como do CONTRATANTE E O EMPREGADO DA CONTRATADA (ADPF 324
artigo 71, inciso II, "a", do Regimento Interno desse Tribunal. E RE 958.252). AGRAVO CONHECIDO. RECURSO PROVIDO.
7. É certo que aquela decisão da SbDI-1 foi proferida antes da 1. A inconstitucionalidade de lei ou ato normativo estatal só pode
realização da Audiência Pública ocorrida nos dias 4 e 5 de outubro ser declarada pelo voto da maioria absoluta da totalidade dos
de 2011 e convocada pela Presidência desse Tribunal nos termos membros do tribunal ou, onde houver, dos integrantes do respectivo
do artigo 35, inciso XXXVI, do seu Regimento Interno e que implicou órgão especial, sob pena de absoluta nulidade da decisão emanada
a oitiva de quase cinquenta especialistas e integrantes da do órgão fracionário (turma, câmara ou seção), em respeito à
sociedade civil, com o objetivo de obter subsídios e esclarecimentos previsão do art. 97 da Constituição Federal.
acerca das questões fáticas, técnicas, científicas, econômicas e 2. A cláusula de reserva de plenário atua como condição de eficácia
sociais relativas à subcontratação de mão de obra por meio de jurídica da própria declaração jurisdicional de inconstitucionalidade
interposta pessoa. No entanto, os elementos trazidos à dos atos do Poder Público, aplicando-se para todos os tribunais, via
consideração dos Ministros do TST naquela oportunidade não se difusa, e para o SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL, também no
mostraram capazes de alterar o já citado entendimento controle concentrado (CF, art. 97 e SV 10).
recentemente consagrado pela SbDI-1 do TST em sua sessão de 3. É nula a decisão de órgão fracionário que, ao negar a aplicação
28/6/2011, no desempenho de seu papel legal e regimental do inciso II, do art. 94 da Lei 9.472/1997, com base na Súmula
precípuo. Com efeito, extrai-se do conjunto de manifestações 331/TST, e declarar ilícita a terceirização e atividade-fim, reconhece
aduzidas na referida Audiência Pública que a alegação, feita pelos a existência de vínculo trabalhista entre a contratante e o
defensores da terceirização em geral (e, também, das atividades-fim empregado da contratada, pois exerceu controle difuso de
empresariais), de que, por seu intermédio, é possível atingir-se constitucionalidade, declarando a parcial nulidade sem redução de
maior eficiência e produtividade e a geração de mais riqueza e mais texto do referido dispositivo sem observar a cláusula de reserva de
empregos, foi amplamente refutada pelos vastos dados estatísticos Plenário. AGRAVO PROVIDO.
e sociológicos apresentados por aqueles que sustentaram, ao 4. O PLENÁRIO DA CORTE declarou parcialmente inconstitucional
contrário, que a terceirização das atividades-fim é um fator de a SÚMULA 331/TST e proclamou a licitude da terceirização de toda
precarização do trabalho, caracterizando-se pelos baixos salários e qualquer atividade, meio ou fim; para afirmar a inexistência de
dos empregados terceirizados e pela redução indireta do salário dos relação de emprego entre a contratante e o empregado da
empregados das empresas tomadoras, pela maior instabilidade no contratada. RECURSO EXTRAORDINÁRIO PROVIDO.
emprego e ausência de estímulo à maior produtividade dos 5. Agravo conhecido e recurso extraordinário provido para
trabalhadores terceirizados, pela divisão e desorganização dos restabelecer a sentença de primeiro grau, com a fixação da seguinte
integrantes da categoria profissional que atua no âmbito das tese no TEMA 739: "É nula a decisão de órgão fracionário que se
empresas tomadoras, com a consequente pulverização da recusa a aplicar o art. 94, II, da Lei 9.472/1997, sem observar a
representação sindical de todos os trabalhadores interessados, e, cláusula de reserva de Plenário (CF, art. 97), observado o artigo
por fim, pelos comprovadamente maiores riscos de acidente de 949 do CPC." (ARE 791932/DF, Rel. Min. Alexandre de Moraes,
trabalho. DJe 06/03/2019)
8. Assim, diante da ilicitude da terceirização das atividades de
eletricidade pelas empresas concessionárias de serviço de energia Logo, versando o acórdão recorrido sobre questão atinente a tema
elétrica, nas quais se insere aquela exercida pelo reclamante, cuja repercussão geral foi reconhecida, com tese de mérito firmada
eletricista, deve ser mantido o acórdão regional. pelo Supremo Tribunal Federal, determino o dessobrestamento do
Agravo de instrumento desprovido. recurso e o encaminhamento dos autos ao órgão fracionário prolator
(...) da decisão recorrida nestes autos, a fim de que se manifeste, nos
termos do art. 1.030, II do CPC, sobre a necessidade ou não de
ISTO POSTO exercer eventual juízo de retratação da decisão então proferida por
aquele colegiado.
ACORDAM os Ministros da Segunda Turma do Tribunal Superior do À Coordenadoria de Recursos - CREC - para as providências
Trabalho, por unanimidade, negar provimento ao agravo de pertinentes.
instrumento." Publique-se.
Brasília, 25 de julho de 2019.

O Supremo Tribunal Federal, ao julgar o ARE 791.932/DF fixou a Firmado por assinatura digital (MP 2.200-2/2001)
seguinte tese: "É nula a decisão de órgão fracionário que se recusa RENATO DE LACERDA PAIVA
a aplicar o art. 94, II, da Lei 9.472/1997, sem observar a cláusula de Ministro Vice-Presidente do TST
reserva de Plenário (CF, art. 97), observado o artigo 949 do CPC".
Eis o teor da ementa do julgado: Processo Nº RR-0109100-37.2009.5.03.0042
EMENTA: CONSTITUCIONAL E TRABALHISTA. NULIDADE DO Complemento Processo Eletrônico
ACÓRDÃO RECORRIDO POR DESRESPEITO A CLÁUSULA DE Relator Min. Pedro Paulo Manus
RESERVA DE PLENÁRIO (CF, ART. 97 E SV 10). NEGATIVA

Código para aferir autenticidade deste caderno: 137896


2774/2019 Tribunal Superior do Trabalho 34
Data da Disponibilização: Sexta-feira, 26 de Julho de 2019

Recorrente MARCOS ALVES DOS REIS Advogado Dr. José Alberto Couto Maciel(OAB:
513/DF)
Advogado Dr. Antônio de Lourdes Blanco(OAB:
44862/MG) Embargado(a) KOERICH ENGENHARIA E
TELECOMUNICACOES S.A.
Recorrido FURNAS - CENTRAIS ELÉTRICAS
S.A. Advogada Dra. Daniela Fontes e Silva Vieira
Couto(OAB: 48783/PR)
Advogada Dra. Isabel das Graças Dorado(OAB:
29409/MG) Embargado(a) FRANCISCO HAMILTON LOPES DA
SILVA
Advogado Dr. Lycurgo Leite Neto(OAB: 1530/DF)
Advogado Dr. Waldomiro Ferreira Filho(OAB:
Advogado Dr. Cledson Franco de Oliveira(OAB: 5961/PR)
4049/RO)
Recorrido GARDINER MG SEGURANÇA LTDA.
Intimado(s)/Citado(s):

Intimado(s)/Citado(s): - FRANCISCO HAMILTON LOPES DA SILVA


- KOERICH ENGENHARIA E TELECOMUNICACOES S.A.
- FURNAS - CENTRAIS ELÉTRICAS S.A.
- OI S.A.
- GARDINER MG SEGURANÇA LTDA.
- MARCOS ALVES DOS REIS
Trata-se de recurso extraordinário contra acórdão proferido pela
egrégia Terceira Turma deste Tribunal.
FURNAS - CENTRAIS ELÉTRICAS S.A., por meio da Petição nº
A parte recorrente suscita preliminar de repercussão geral da
192232/2017-3 (doc. seq. 4), pede a reconsideração da decisão que
matéria e aponta violação aos dispositivos da Constituição da
determinou o sobrestamento do recurso extraordinário.
República que especifica nas razões recursais.
Alega que, no julgamento do RE 760.931/DF, o Supremo Tribunal
A Vice-Presidência deste Tribunal Superior, por despacho,
Federal declarou a constitucionalidade do artigo 71 da Lei nº
determinou o sobrestamento do recurso extraordinário por envolver
8.666/93.
o Tema nº 739 do ementário de Repercussão Geral do Supremo
Requer o prosseguimento do feito para afastar qualquer forma de
Tribunal Federal.
responsabilidade da recorrente, bem como seja declarada a
Considerando que a matéria foi julgada na Sessão do Tribunal
carência da ação do reclamante em relação à recorrente, ora
Pleno do STF em 11/10/2018, com fixação da tese de mérito e que
peticionante.
o acórdão foi publicado no Diário Eletrônico de Justiça de
Decido.
06/03/2019, com trânsito em julgado, passo ao exame de
O Supremo Tribunal Federal de fato examinou o mérito da questão
admissibilidade do recurso sobrestado.
jurídica espelhada nas razões recursais, por ocasião do julgamento
É o relatório.
do RE 760.931/DF, erigido à condição de leading case (Tema 246).
Decido.
Ocorre que foram opostos embargos de declaração, ainda
Consta do acórdão recorrido:
pendentes de julgamento, e cuja redistribuição foi determinada em
02/02/2018, de modo que não se operou o trânsito em julgado,
"(...)
tornando, portanto, inviável o pleito deduzido na petição, por
injunção do artigo 1.030, III, do CPC.
Nesse quadro, a terceirização de atividade-fim - exceto quanto ao
A propósito, não é demais registrar que a matéria contida no Tema
trabalho temporário - é vedada pela ordem jurídica, conforme
246 envolve o maior volume de processos sobrestados da história
interpretação assentada pela jurisprudência (Súmula 331, III),
do Judiciário do Trabalho, cujos desdobramentos não se acham
independentemente do segmento econômico empresarial e da área
contemplados na tese por ora firmada pela Suprema Corte, tal como
de especialidade profissional do obreiro. Locação de mão de obra
a definição do onus probandi frente à alegação da culpa in vigilando
em atividade-fim é medida excepcional e transitória, somente
da Administração Pública.
possível nos restritos casos de trabalho temporário, sob pena de
Equivale dizer que há inegável expectativa de que o STF, no
leitura interpretativa em desconformidade com preceitos e regras
julgamento dos embargos de declaração, estabeleça referencial
constitucionais decisivas, como a dignidade da pessoa humana, da
definitivo a ser utilizado em decisões levadas a efeito no TST, pelo
valorização do trabalho e do emprego, além da subordinação da
que a prudência aconselha a manutenção do sobrestamento do
propriedade à sua função socioambiental.
recurso extraordinário até o trânsito em julgado do RE 760.931/DF.
Esclareça-se que a subordinação jurídica, como elemento
Do exposto, indefiro o pedido.
componente da relação de emprego (arts. 2ª e 3ª da CLT), pode se
À Coordenadoria de Recursos - CREC para as providências.
evidenciar quer em sua dimensão subjetiva (intensidade de ordens),
Publique-se.
quer em sua dimensão objetiva (realização de um dos fins do
Brasília, 23 de julho de 2019.
empreendimento do tomador), quer em sua dimensão estrutural
(integração do obreiro na organização, dinâmica e cultura do
tomador de serviços).
Firmado por assinatura digital (MP 2.200-2/2001)
Configurada a irregularidade do contrato de fornecimento de mão de
RENATO DE LACERDA PAIVA
obra, determina a ordem jurídica que se considere desfeito o vínculo
Ministro Vice-Presidente do TST
laboral com o empregador aparente (entidade terceirizante),
formando-se o vínculo justrabalhista do obreiro diretamente com o
Processo Nº ED-ARR-0001396-59.2010.5.09.0010
Complemento Processo Eletrônico tomador de serviços (empregador oculto ou dissimulado). Enfatize-
Relator Min. Mauricio Godinho Delgado se que o TST realizou na primeira semana de outubro de 2011
Embargante OI S.A. audiência pública sobre o tema, em que se evidenciou o risco social
Advogado Dr. Indalécio Gomes Neto(OAB: 23465 de se franquear a terceirização sem peias, quer em face das perdas
-A/PR) econômicas para os trabalhadores terceirizados, quer em face da
exacerbação dos malefícios à saúde e segurança no ambiente

Código para aferir autenticidade deste caderno: 137896


2774/2019 Tribunal Superior do Trabalho 35
Data da Disponibilização: Sexta-feira, 26 de Julho de 2019

laborativo, em contraponto às regras e princípios insculpidos na Constituição Federal de 1988 e prever a exploração daqueles
ordem jurídica legal e constitucional. serviços por meio de autorização, concessão ou permissão, nos
Na presente hipótese, consignou-se nos autos que o Reclamante termos da lei que disporia sobre -a organização dos serviços, a
exercia atividades de implantação de redes de acesso de criação de um órgão regulador e outros aspectos institucionais-.
telecomunicação. Tal atividade, segundo a jurisprudência desta Pois bem, a lei referida pela Emenda Constitucional nº 8 veio a ser
Corte, encaixa-se no conceito de atividade-fim das empresas de editada em 1997 (Lei nº 9.472/97), e em seu artigo 94 estipula que,
telefonia, o que enseja o reconhecimento do vínculo empregatício -no cumprimento de seus deveres, a concessionária poderá,
diretamente com a tomadora de serviços (Súmula 331, I, do TST). observadas as condições e limites estabelecidos pela Agência, (...)
Nesse sentido, os seguintes precedentes desta Corte Superior: contratar com terceiros o desenvolvimento de atividades inerentes,
acessórias ou complementares ao serviço, bem como a
"RECURSO DE REVISTA. ACORDO FIRMADO PERANTE A implementação de projetos associados-, e que -em qualquer caso, a
COMISSÃO DE CONCILIAÇÃO PRÉVIA. EFICÁCIA concessionária continuará sempre responsável perante a Agência e
LIBERATÓRIA. FRAUDE. MATÉRIA FÁTICA. Tendo sido registrado os usuários- (destacamos). Ora, a possibilidade prevista pelo
que o acordo celebrado perante a Comissão de Conciliação Prévia dispositivo supramencionado de -contratar com terceiros o
foi fraudulento, não é possível lhe conferir a eficácia liberatória geral desenvolvimento de atividades inerentes, acessórias ou
pretendida pela reclamada. Incidência da Súmula nº 126 desta complementares ao serviço-, não corresponde à autorização
Corte. Recurso de revista de que não se conhece. ATIVIDADE DE legislativa para a terceirização da atividade-fim das empresas
TELECOMUNICAÇÕES. SERVIÇOS DE prestadoras do serviço de telefonia. Afinal, é importante jamais
INSTALADOR/REPARADOR DE LINHAS TELEFÔNICAS. LEI Nº perder de vista que tanto a Lei em exame quanto a própria Emenda
9.472/97. TERCEIRIZAÇÃO. IMPOSSIBILIDADE. VÍNCULO Constitucional nº 8/1995 em nada alteraram os artigos 1º, IV, e 170,
DIRETO COM A TOMADORA DOS SERVIÇOS. A tarefa dos caput, da Constituição Federal - e nem poderiam, diga-se de
instaladores/reparadores de linhas telefônicas está ligada à passagem, por força do artigo 60, § 4º, da própria Constituição,
atividade-fim da empresa autorizada de Serviço Móvel Pessoal, combinado com o entendimento do excelso STF acerca da
tomadora de serviços, e, por isso, é vedada a terceirização, sob abrangência das chamadas cláusulas pétreas da Constituição (v.g.,
pena de precarização das relações trabalhistas. A Lei nº 9.472/97 STF-ADPF-33-MC, voto do Rel. Min. Gilmar Mendes, julgamento
não autoriza tal procedimento sem que sejam garantidos aos em 29-10-2003, Plenário, DJU de 6-8-2004; grifos não constantes
terceirizados os mesmos direitos e garantias concedidos aos do original). Acrescente-se que a interpretação do artigo 94 da Lei
trabalhadores da empresa contratante. Na verdade, a permissão nº 9.472/97 que leva à conclusão de que há nele autorização para a
para a terceirização de atividades inerentes tem aplicação terceirização da atividade-fim das empresas prestadoras de serviço
meramente administrativa, destinada a possibilitar a contratação de corresponde não apenas a uma inconstitucional prevalência da livre
outras empresas, sem afronta ao pacto de concessão firmado com iniciativa sobre o valor social do trabalho como também à
o poder público. Assim, em face da diretriz contida na Súmula nº prevalência até mesmo das relações de consumo sobre esse último
331, I, do TST, deve ser mantido o acórdão regional que declarou o - quando é certo que a Constituição Federal adotou um eloquente
vínculo de emprego diretamente com a tomadora de serviços e silêncio acerca de tais relações nos principiológicos artigos 1º, IV, e
determinou a aplicação das normas coletivas desta empresa. 170, caput. Com efeito, o próprio legislador ordinário estabeleceu no
Recurso de revista de que não se conhece. HORAS EXTRAS E § 1º do artigo 94 que, para os usuários, a eventual contratação de
REFLEXOS. CONTROLE DE JORNADA. O Tribunal Regional, terceiros na forma do inciso II não gera efeito algum, pois a
soberano na análise do conjunto probatório, deliberou que o empresa prestadora de serviços permanece sempre responsável;
reclamante estava submetido a controle de horários. Nesse não há como negar, portanto, essa mesma responsabilidade
contexto, não houve afronta ao artigo 62, I, da Consolidação das perante os trabalhadores, senão tornando-a inferior à relação de
Leis do Trabalho. Incide ao caso, o óbice da Súmula nº 126 desta consumo. Por fim, é entendimento pacífico deste c. Tribunal que
Corte. Recurso de revista de que não se conhece. (RR - 102600- não é lícita a terceirização dos serviços de instalação e manutenção
28.2009.5.01.0068; Data de Julgamento: 25/02/2014, Relator de linhas telefônicas pelas empresas operadoras de telefonia, por
Ministro: Cláudio Mascarenhas Brandão, 7ª Turma, Data de se tratar de atividade-fim dessas últimas. Recurso de revista
Publicação: DEJT 07/03/2014). conhecido e não provido. (?)" (RR - 106300-12.2007.5.03.0008;
Data de Julgamento: 23/05/2012; Relator Ministro: Horácio
"RECURSO DE REVISTA. VÍNCULO DE EMPREGO. EMPRESA Raymundo de Senna Pires, 3ª Turma; Data de Publicação: DEJT
PRESTADORA DE SERVIÇOS DE TELEFONIA. 25/05/2012, grifos nossos)
TERCEIRIZAÇÃO. REPARAÇÃO E MANUTENÇÃO DE LINHAS
TELEFÔNICAS. IMPOSSIBILIDADE. A Constituição Federal, viga "RECURSO DE REVISTA. EMPRESA CONCESSIONÁRIA DOS
mestra do Estado Democrático de Direito implantado na República SERVIÇOS DE TELECOMUNICAÇÕES. INSTALAÇÃO DE LINHAS
Federativa do Brasil desde 1988, prevê tanto em seu artigo 1º, IV TELEFÔNICAS. TERCEIRIZAÇÃO DE ATIVIDADE-FIM.
(que versa sobre os fundamentos da República), quanto no artigo RESPONSABILIDADE SOLIDÁRIA. Reconhecida a
170, caput (que elenca os princípios gerais da atividade responsabilidade solidária das rés, com fulcro nos arts. 9º da CLT e
econômica), a coexistência principiológica do valor social do 942 do CCB, ao fundamento de que o reclamante sempre trabalhou
trabalho com a livre iniciativa, não sendo de forma alguma possível na atividade-fim da recorrente, que incorreu em ato ilícito ao
cogitar-se de prevalência de uma sobre a outra. Fixada essa proceder a intermediação de mão-de-bra, em fraude à legislação
premissa, impõe-se a origem histórica da controvérsia. Em razão de trabalhista, não há falar em ofensa aos arts. 60, § 1º, e 94, II, da Lei
questões econômicas e ideológicas predominantes no Poder 9.472/1997 e 265 do Código Civil. Aplicação das Súmulas 23 e
Executivo Federal, em 1995 foi promulgada a Emenda 296/TST em relação aos arestos paradigmas coligidos. Revista não
Constitucional nº 8, que abriria caminho para a privatização das conhecida, no tema. (?)" (RR - 291700-18.2009.5.09.0023; Data de
telecomunicações no Brasil, ao alterar o artigo 21, XI, da Julgamento: 15/02/2012, Relator Juiz Convocado: Flavio Portinho

Código para aferir autenticidade deste caderno: 137896


2774/2019 Tribunal Superior do Trabalho 36
Data da Disponibilização: Sexta-feira, 26 de Julho de 2019

Sirangelo, 3ª Turma, Data de Publicação: DEJT 24/02/2012, grifos 2. A cláusula de reserva de plenário atua como condição de eficácia
nossos). jurídica da própria declaração jurisdicional de inconstitucionalidade
dos atos do Poder Público, aplicando-se para todos os tribunais, via
Portanto, as referidas atividades de implantação, retirada e difusa, e para o SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL, também no
manutenção de redes de acesso de telecomunicação, segundo a controle concentrado (CF, art. 97 e SV 10).
jurisprudência desta Corte, enquadram-se no conceito de atividade- 3. É nula a decisão de órgão fracionário que, ao negar a aplicação
fim das empresas de telefonia, o que ensejaria o reconhecimento do do inciso II, do art. 94 da Lei 9.472/1997, com base na Súmula
vínculo empregatício diretamente com a tomadora de serviços 331/TST, e declarar ilícita a terceirização e atividade-fim, reconhece
(Súmula 331, I, do TST). a existência de vínculo trabalhista entre a contratante e o
empregado da contratada, pois exerceu controle difuso de
(...) constitucionalidade, declarando a parcial nulidade sem redução de
texto do referido dispositivo sem observar a cláusula de reserva de
TERCEIRIZAÇÃO ILÍCITA. ATIVIDADE-FIM. INSTALAÇÃO DE Plenário. AGRAVO PROVIDO.
CABOS. EMPRESA DE TELEFONIA. VÍNCULO DE EMPREGO 4. O PLENÁRIO DA CORTE declarou parcialmente inconstitucional
DIRETO COM O TOMADOR DE SERVIÇOS. 2) JORNADA a SÚMULA 331/TST e proclamou a licitude da terceirização de toda
EXTERNA. CONTROLE DE JORNADA - ART. 62, I, DA CLT. e qualquer atividade, meio ou fim; para afirmar a inexistência de
HORAS EXTRAS. 3) ADICIONAL DE PERICULOSIDADE. BASE relação de emprego entre a contratante e o empregado da
DE CÁLCULO. SÚMULA 191/TST contratada. RECURSO EXTRAORDINÁRIO PROVIDO.
5. Agravo conhecido e recurso extraordinário provido para
Quanto aos temas em epígrafe, reporto-me aos fundamentos restabelecer a sentença de primeiro grau, com a fixação da seguinte
utilizados para negar provimento ao agravo de instrumento tese no TEMA 739: "É nula a decisão de órgão fracionário que se
interposto pela Reclamada OI S.A. recusa a aplicar o art. 94, II, da Lei 9.472/1997, sem observar a
Não se constata haver a demonstração, no recurso de revista, de cláusula de reserva de Plenário (CF, art. 97), observado o artigo
jurisprudência dissonante específica sobre o tema, de interpretação 949 do CPC." (ARE 791932/DF, Rel. Min. Alexandre de Moraes,
divergente de normas regulamentares ou de violação direta de DJe 06/03/2019)
dispositivo de lei federal ou da Constituição da República, nos
moldes das alíneas "a", "b" e "c" do art. 896 da CLT. Logo, versando o acórdão recorrido sobre questão atinente a tema
Pelo exposto, NÃO CONHEÇO do recurso de revista quanto a cuja repercussão geral foi reconhecida, com tese de mérito firmada
esses temas. pelo Supremo Tribunal Federal, determino o dessobrestamento do
recurso e o encaminhamento dos autos ao órgão fracionário prolator
(...) da decisão recorrida nestes autos, a fim de que se manifeste, nos
termos do art. 1.030, II do CPC, sobre a necessidade ou não de
ISTO POSTO exercer eventual juízo de retratação da decisão então proferida por
aquele colegiado.
ACORDAM os Ministros da Terceira Turma do Tribunal Superior do À Coordenadoria de Recursos - CREC - para as providências
Trabalho, por unanimidade: I) negar provimento ao agravo de pertinentes.
instrumento da Reclamada OI S.A.; II) não conhecer do recurso de Publique-se.
revista da Reclamada KOERICH ENGENHARIA E Brasília, 25 de julho de 2019.
TELECOMUNICAÇÕES S.A."

O Supremo Tribunal Federal, ao julgar o ARE 791.932/DF fixou a Firmado por assinatura digital (MP 2.200-2/2001)
seguinte tese: "É nula a decisão de órgão fracionário que se recusa RENATO DE LACERDA PAIVA
a aplicar o art. 94, II, da Lei 9.472/1997, sem observar a cláusula de Ministro Vice-Presidente do TST
reserva de Plenário (CF, art. 97), observado o artigo 949 do CPC".
Eis o teor da ementa do julgado: Processo Nº E-ED-RR-0001682-86.2011.5.03.0004
EMENTA: CONSTITUCIONAL E TRABALHISTA. NULIDADE DO Complemento Processo Eletrônico
ACÓRDÃO RECORRIDO POR DESRESPEITO A CLÁUSULA DE Relator Relator do processo não cadastrado
RESERVA DE PLENÁRIO (CF, ART. 97 E SV 10). NEGATIVA Embargante CONTAX S.A.
PARCIAL DE VIGÊNCIA E EFICÁCIA AO INCISO II, DO ART. 94 Advogado Dr. José Alberto Couto Maciel(OAB:
513/DF)
DA LEI 9.472/1997 (LEI GERAL DE TELECOMUNICAÇÕES) POR
Embargado(a) RACHEL DE VASCONCELOS
ÓRGÃO FRACIONÁRIO COM BASE NA SÚMULA 331/TST. PEREIRA ESTEVES
IMPOSSIBILIDADE. LICITUDE DE TERCEIRIZAÇÃO DE TODA E Advogado Dr. Paulo Henrique Rezende(OAB:
QUALQUER ATIVIDADE, MEIO OU FIM, NÃO SE 136643-A/MG)
CONFIGURANDO RELAÇÃO DE EMPREGO ENTRE A Embargado(a) TELEMAR NORTE LESTE S.A.
CONTRATANTE E O EMPREGADO DA CONTRATADA (ADPF 324 Advogado Dr. José Alberto Couto Maciel(OAB:
513/DF)
E RE 958.252). AGRAVO CONHECIDO. RECURSO PROVIDO.
1. A inconstitucionalidade de lei ou ato normativo estatal só pode
Intimado(s)/Citado(s):
ser declarada pelo voto da maioria absoluta da totalidade dos
- CONTAX S.A.
membros do tribunal ou, onde houver, dos integrantes do respectivo
- RACHEL DE VASCONCELOS PEREIRA ESTEVES
órgão especial, sob pena de absoluta nulidade da decisão emanada
- TELEMAR NORTE LESTE S.A.
do órgão fracionário (turma, câmara ou seção), em respeito à
previsão do art. 97 da Constituição Federal.

Código para aferir autenticidade deste caderno: 137896


2774/2019 Tribunal Superior do Trabalho 37
Data da Disponibilização: Sexta-feira, 26 de Julho de 2019

Trata-se de recursos extraordinários contra acórdão proferido pela matéria, isso não significou considerá-la lícita em todo e qualquer
egrégia Quarta Turma deste Tribunal. caso. Levando-se em conta a finalidade da terceirização, que é
As partes recorrentes suscitam preliminar de repercussão geral da permitir a concentração dos esforços da empresa tomadora de
matéria e apontam violação aos dispositivos da Constituição da serviços em suas atividades essenciais por meio da contratação da
República que especificam nas razões recursais. prestação de serviços especializados por terceiros nas suas demais
A Vice-Presidência deste Tribunal Superior, por despacho, atividades, consagrou-se, no item III da citada Súmula nº 331, a
determinou o sobrestamento do recurso extraordinário por envolver autorização para a contratação de serviços especializados ligados à
o Tema nº 739 do ementário de Repercussão Geral do Supremo atividade-meio do tomador, ou seja, a contrario sensu, a
Tribunal Federal. terceirização, continuou sendo considerada ilícita, sob pena de
Considerando que a matéria foi julgada na Sessão do Tribunal formação do vínculo de emprego dos trabalhadores terceirizados
Pleno do STF em 11/10/2018, com fixação da tese de mérito e que com o tomador dos serviços, nos termos de seu item I, toda e
o acórdão foi publicado no Diário Eletrônico de Justiça de qualquer terceirização das atividades-fim das empresas. 2. Esse
06/03/2019, com trânsito em julgado, passo ao exame de limite deve também ser observado, por identidade de motivos, nas
admissibilidade do recurso sobrestado. atividades das empresas concessionárias ou permissionárias dos
É o relatório. ramos de energia elétrica e de telecomunicações. Com efeito, a Lei
Decido. nº 8.987/95, que disciplina a atuação das empresas concessionárias
Consta do acórdão recorrido: e permissionárias de serviço público em geral, e a Lei nº 9.472/97,
que regula as telecomunicações, são normas de Direito
"(...) Administrativo e, como tais, não foram promulgadas para regular
2. MÉRITO matéria trabalhista, devendo a questão da licitude e dos efeitos da
terceirização ser decidida exclusivamente pela Justiça do Trabalho,
2.1. EMPRESA DE TELECOMUNICAÇÕES. ATENDIMENTO DE com base nos princípios e nas regras que norteiam o Direito do
CLIENTES VIA CALL CENTER. TERCEIRIZAÇÃO. ATIVIDADE- Trabalho, de forma a interpretar e, eventualmente, aplicá-las, de
FIM. ILICITUDE. VÍNCULO DE EMPREGO modo a não esvaziar de sentido prático ou a negar vigência e
Nesta Corte Superior, tem prevalecido o entendimento de que é aplicação às normas trabalhistas, que, em nosso País, disciplinam a
ilícita a terceirização operada com o fim de contratar, mediante prestação de trabalho subordinado, em especial os artigos 2º e 3º
empresa interposta, empregados para prestação de serviços de da CLT. 3. Por via de consequência, não se pode mesmo interpretar
vendas e atendimento de clientes via call center, em favor das o § 1º do artigo 25 da Lei nº 8.987/95 e o artigo 94, inciso II, da Lei
empresas de telecomunicações, por tais funções configurarem nº 9.472/97, de que a autorização por eles dada a empresa
atividade-fim da tomadora de serviços. O atendimento ao concessionária dos serviços de telecomunicações para contratar,
consumidor é atividade indispensável à viabilidade e continuidade com terceiros, o desenvolvimento de atividades inerentes ao serviço
do empreendimento econômico, porquanto é o setor responsável tornaria lícita a terceirização de suas atividades-fim, o que, em
pela venda e promoção dos serviços ofertados pela empresa. última análise, acabaria por permitir que elas desenvolvessem sua
Os seguintes precedentes ilustram o posicionamento sedimentado atividade empresarial sem ter em seus quadros nenhum
nesta e em outras Turmas desta Corte Superior: empregado, e sim, apenas, trabalhadores terceirizados. 4. Assim,
"AGRAVO DE INSTRUMENTO - SUMARÍSSIMO - EMPRESA DE quando os órgãos fracionários dos Tribunais trabalhistas
TELEFONIA - TERCEIRIZAÇÃO - SERVIÇOS DE CALL CENTER - interpretam preceitos legais como os ora examinados, de forma a
ATIVIDADE-FIM. A jurisprudência desta Corte tem se manifestado, não produzir resultados absurdos e incompatíveis com o Direito do
de forma reiterada, no sentido de que os serviços de call center Trabalho e mediante a aplicação de outras normas
estão entre as atividades-fim das empresas de telecomunicações. infraconstitucionais existentes no ordenamento jurídico, não estão,
Diante disso, correta a decisão que, reconhecendo a ilicitude da em absoluto, infringindo o disposto na Súmula Vinculante nº 10,
terceirização, declarou o vínculo de emprego diretamente com a tampouco violando o artigo 97 da Constituição Federal, referente à
reclamada tomadora dos serviços, estando em conformidade com cláusula de reserva de Plenário, pois não se estará utilizando
os termos da Súmula 331, I, desta Corte. Agravo de instrumento critérios constitucionais, nem mesmo de forma implícita. 5. Por outro
não provido" (TST, 1ª Turma, AIRR - 1692-53.2010.5.03.0138, lado, não se pode considerar que a prestação dos serviços de call
Relator Ministro José Pedro de Camargo Rodrigues de Souza, center no âmbito das empresas de telecomunicação caracterize
DEJT 08/06/2012). atividade-meio, e não atividade-fim. É que o aumento desses
serviços nos últimos anos ocorreu em razão da consolidação do
"AGRAVO DE INSTRUMENTO EM RECURSO DE REVISTA. RITO Código de Defesa do Consumidor, que levou as empresas a
SUMARÍSSIMO. TERCEIRIZAÇÃO ILÍCITA. EMPRESA DE disponibilizarem os Serviços de Atendimento do Consumidor (SAC),
TELECOMUNICAÇÕES. CALL CENTER. ATIVIDADE FIM DA a fim de dar efetividade aos princípios da transparência, da
RECLAMADA TOMADORA DE SERVIÇOS. INTERPRETAÇÃO confiança e da boa-fé objetiva, norteadores do direito do
DOS ARTIGOS 25, § 1º, DA LEI Nº 8.987/95 E DO ARTIGO 94, consumidor. E, diante da exigência legal de manutenção de uma
INCISO II, DA LEI Nº 9.472/97 E APLICAÇÃO DA SÚMULA Nº 331, relação direta entre fornecedor e consumidor, o serviço de call
ITENS I E III, DO TST. VÍNCULO DE EMPREGO ENTRE A center tornou-se essencial às concessionárias dos serviços de
TOMADORA DE SERVIÇOS E O TRABALHADOR TERCEIRIZADO telefonia para possibilitar o necessário desenvolvimento de sua
RECONHECIDO. 1. Discute-se nestes autos a possibilidade de atividade. Isso, porque é por meio dessa central de atendimento
terceirização das atividades de call center e a incidência ou não, telefônico que o consumidor solicita serviços de manutenção de sua
nesses casos, do item I da Súmula nº 331 do TST. Embora o linha telefônica, nos casos de mau funcionamento, obtém
entendimento consagrado nesta Súmula tenha sido no sentido de informações acerca dos serviços oferecidos pela empresa e faz
se admitir a licitude da terceirização de forma bem mais ampla e reclamações, dentre tantas outras demandas decorrentes do
generalizada que a Súmula nº 256 desta Corte que antes tratava da serviço público de telefonia prestado pela concessionária. Não é

Código para aferir autenticidade deste caderno: 137896


2774/2019 Tribunal Superior do Trabalho 38
Data da Disponibilização: Sexta-feira, 26 de Julho de 2019

possível, portanto, distinguir ou desvincular a atividade de call Pimenta, DEJT 01/06/2012).


center da atividade fim da concessionária de serviços de telefonia.
6. Esta questão da legalidade ou ilegalidade da terceirização dos "AGRAVO DE INSTRUMENTO EM RECURSO DE REVISTA. RITO
serviços de call center foi recentemente objeto de decisão da SUMARÍSSIMO. EMPRESA CONCESSIONÁRIA DE SERVIÇOS
Subseção I da Seção Especializada em Dissídios Individuais (SBDI- DE TELECOMUNICAÇÕES. TERCEIRIZAÇÃO DE ATIVIDADE-
1) deste Tribunal Superior do Trabalho, em 28/06/2011, em sua FIM. FORMAÇÃO DO VÍNCULO DE EMPREGO COM A
composição completa, no julgamento do Processo E-RR-134640- TOMADORA. Assentado pelo Tribunal de origem que os serviços
23.2008.5.03.0010, que teve como Relatora a Ministra Maria de desempenhados pelo autor - esclarecimento de dúvidas dos clientes
Assis Calsing, em que, por expressiva maioria (nove votos a favor e e venda de produtos da concessionária - estão ligados à atividade-
cinco contra), entendeu-se que as empresas de telecomunicações fim do tomador de serviço, aplicável ao caso o entendimento
se encontram igualmente sujeitas às diretrizes insertas na Súmula consubstanciado na Súmula 331, I, do TST ("a contratação de
nº 331, itens I e III, e que os serviços das centrais de atendimento - trabalhadores por empresa interposta é ilegal, formando-se o
call center - se inserem nas atividades-fim da empresa de telefonia, vínculo diretamente com o tomador dos serviços, salvo no caso de
fato esse que impossibilita o reconhecimento da legalidade dessa trabalho temporário"). Não configurada contrariedade à Súmula 331,
modalidade de terceirização. Ao assim decidir, a SBDI-1 nada mais III, do TST. Agravo de instrumento conhecido e não provido" (TST,
fez do que exercer sua função precípua, legal e regimental: dirimir a 3ª Turma, AIRR - 109041-21.2009.5.03.0019, Relatora Ministra
divergência jurisprudencial entre as Turmas desta Corte, até então Rosa Maria Weber, DEJT 26/11/2010).
existente, sobre a matéria, consagrando a tese a ser observada dali
por diante pelos órgãos fracionários deste Tribunal Superior, nos "EMPRESA DE TELEFONIA. CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE
termos e para os efeitos do artigo 894, inciso II, da CLT, do artigo SERVIÇOS. NULIDADE. VÍNCULO EMPREGATÍCIO
3º, inciso III, alínea "b", da Lei nº 7.701/88 (ambos na redação que RECONHECIDO DIRETAMENTE COM O TOMADOR DOS
lhes foi dada pela Lei nº 11.496/2006), bem como do artigo 71, SERVIÇOS. 2.1. Não se pode considerar o atendimento em call
inciso II, alínea "a", do Regimento Interno desse Tribunal. 7. É certo center como atividade-meio de empresas de telefonia. Sendo a via
que aquela decisão da SBDI-1 foi proferida antes da realização da única de contato com a clientela, viabiliza a atividade econômica e a
Audiência Pública ocorrida nos dias 04 e 05 de outubro de 2011 e sustenta. A subordinação jurídica qualifica o empregado como tal e
convocada pela Presidência desse Tribunal, nos termos do artigo o vincula à real empregadora. 2.2. O recurso de revista se
35, inciso XXXVI, do seu Regimento Interno, e que implicou a oitiva concentra na avaliação do direito posto em discussão. Assim, em tal
de quase cinquenta especialistas e integrantes da sociedade civil, via, já não são revolvidos fatos e provas, campo em que remanesce
com o objetivo de obter subsídios e esclarecimentos acerca das soberana a instância regional. Diante de tal peculiaridade, o
questões fáticas, técnicas, científicas, econômicas e sociais deslinde do apelo considerará apenas a realidade que o acórdão
relativas à subcontratação de mão de obra por meio de interposta atacado revelar. Esta é a inteligência das Súmulas 126 e 297 do
pessoa. No entanto, os elementos trazidos à consideração dos TST. 2.3. Por outro lado, a decisão manifesta perfeita harmonia com
Ministros do TST, naquela oportunidade, não se mostraram capazes a Súmula 331, I, do TST, esbarrando a revista no óbice do § 4° do
de alterar o já citado entendimento recentemente consagrado pela art. 896 da CLT" (TST, 3ª Turma, AIRR - 940-16.2011.5.03.0019,
SBDI-1 do TST, em sua sessão de 28/06/2011, no desempenho de Relator Ministro Alberto Luiz Bresciani de Fontan Pereira, DEJT
seu papel legal e regimental precípuo. Com efeito, extrai-se do 01/06/2012).
conjunto de manifestações aduzidas na referida Audiência Pública
que a alegação, feita pelos defensores da terceirização em geral (e, "RECURSO DE REVISTA DAS RECLAMADAS. ANÁLISE
inclusive, das atividades-fim empresariais), de que, por seu CONJUNTA. TERCEIRIZAÇÃO. ATIVIDADES DE CALL CENTER.
intermédio, é possível atingir-se maior eficiência e produtividade e a EMPRESA DE TELECOMUNICAÇÃO. ATIVIDADE-FIM. VÍNCULO
geração de mais riqueza e mais empregos, foi amplamente refutada EMPREGATÍCIO. CARACTERIZAÇÃO. Cinge-se a controvérsia em
pelos vastos dados estatísticos e sociológicos apresentados por se estabelecer a possibilidade ou não de terceirização, por parte
aqueles que sustentaram, ao contrário, que a terceirização das das empresas de telecomunicações, de serviços que sejam
atividades-fim é um fator de precarização do trabalho, considerados atividade-fim da empresa, ante os termos dos arts. 25
caracterizando-se pelos baixos salários dos empregados da Lei n.º 8.987/95 e 94, II, da Lei n.º 9.472/97. Ao contrário da
terceirizados e pela redução indireta do salário dos empregados das interpretação conferida pelas empresas aos indigitados dispositivos
empresas tomadoras, pela maior instabilidade no emprego e legais, inexiste autorização legislativa para a terceirização ampla e
ausência de estímulo à maior produtividade dos trabalhadores irrestrita. Desse modo, a terceirização levada a efeito pelas
terceirizados, pela divisão e desorganização dos integrantes da empresas de telecomunicações deve, necessariamente, atender às
categoria profissional que atua no âmbito das empresas tomadoras, disposições insertas na Súmula n.º 331, I e III, deste Tribunal
com a consequente pulverização da representação sindical de todos Superior, que somente considera lícita a terceirização no caso de
os trabalhadores interessados e, por fim, pelos comprovadamente trabalho temporário, serviços de vigilância, conservação e limpeza e
maiores riscos de acidente de trabalho. 8. Assim, diante da ilicitude outros especializados, ligados à atividade-meio do tomador, desde
da terceirização do serviço de call center prestado pela reclamante que inexistentes a pessoalidade e a subordinação direta. Este
no âmbito da empresa de telecomunicações reclamada, deve ser entendimento permanece firme, mesmo após os amplos debates
reconhecida a existência, por todo o período laborado, de vínculo de encetados quando da audiência pública sobre o assunto. Nesse
emprego diretamente com a concessionária de serviços de contexto, não podendo haver a terceirização de atividade-fim pelas
telefonia, nos exatos moldes do item I da Súmula nº 331 do TST, empresas de telecomunicações, correta a decisão que atendeu ao
com o pagamento de todos os seus consectários legais objeto do pleito do Obreiro, no sentido de ver reconhecido o vínculo
pedido inicial, exatamente como já decidido pelo acórdão regional empregatício diretamente com a tomadora dos serviços. Recursos
recorrido. Agravo de instrumento desprovido" (TST, 2ª Turma, AIRR de Revista não conhecidos" (TST, 4ª Turma, RR - 100-
- 521-26.2011.5.03.0009, Relator Ministro José Roberto Freire 21.2011.5.03.0111, Relatora Ministra Maria de Assis Calsing, DEJT

Código para aferir autenticidade deste caderno: 137896


2774/2019 Tribunal Superior do Trabalho 39
Data da Disponibilização: Sexta-feira, 26 de Julho de 2019

01/06/2012). 22.2010.5.03.0103, Relator Ministro Renato de Lacerda Paiva,


DEJT: 15/02/2013).
"RECURSO DE REVISTA. EMPRESAS DE
TELECOMUNICAÇÕES. SERVIÇO DE CALL CENTER. "EMBARGOS REGIDOS PELA LEI Nº 11.496/2007.
TERCEIRIZAÇÃO ILÍCITA. ATIVIDADE-FIM. LEI N.º TERCEIRIZAÇÃO ILÍCITA. EMPRESA DE TELECOMUNICAÇÕES.
9.472/1997.DECISÃO DE ACORDO COM O ENTENDIMENTO DA CALL CENTER. ATIVIDADE-FIM DA RECLAMADA TOMADORA
SÚMULA N.º 331, I, DO TST. RECURSO NÃO CONHECIDO. A DE SERVIÇOS. INTERPRETAÇÃO DOS ARTIGOS 25, § 1º, DA
interpretação sistemática dos arts. 25 da Lei n.º 8.987/1995 e 94, II, LEI Nº 8.987/95 E DO ARTIGO 94, INCISO II, DA LEI Nº 9.472/97 E
da Lei n.º 9.472/1997 com os princípios constitucionais que APLICAÇÃO DA SÚMULA Nº 331, ITENS I E III, DO TST.
norteiam o Direito do Trabalho não autoriza concluir que o legislador VÍNCULO DE EMPREGO ENTRE A TOMADORA DE SERVIÇOS E
ordinário conferiu às empresas de telecomunicações a possibilidade O TRABALHADOR TERCEIRIZADO RECONHECIDO.
de terceirização ampla e irrestrita, inclusive quanto às suas INEXISTÊNCIA DE VIOLAÇÃO DA SÚMULA VINCULANTE Nº 10
atividades-fim. Ademais, esta Corte tem firmado o entendimento de DO STF. MATÉRIA INFRACONSTITUCIONAL. 1. O serviço de call
que o vínculo de emprego do empregado que trabalha em serviço center é atividade-fim - e não atividade-meio - das empresas
de central de atendimento (call center), junto a empresa de concessionárias de serviço de telecomunicações. Assim, em
telefonia, faz-se diretamente com a concessionária, por representar observância à Súmula nº 331, itens I e III, do TST, que consagrou o
fraude na relação de trabalho, já que se trata de atividade-fim, entendimento de que a terceirização só se justifica quando implicar
sendo ilícita a terceirização. Não se conhece do Recurso de na contratação da prestação de serviços especializados por
Revista, pela aplicação do art. 896, § 4º, da CLT. Recurso de terceiros em atividades-meio, que permitam a concentração dos
Revista não conhecido" (TST, 4ª Turma, RR - 162400- esforços da empresa tomadora em suas atividades precípuas e
19.2009.5.03.0007, Relatora Ministra Maria de Assis Calsing, DEJT essenciais, tem-se que a terceirização desses serviços de
19/08/2011). teleatendimento pelas empresas telefônicas configura
intermediação ilícita de mão de obra, devendo ser reconhecido o
"RECURSO DE REVISTA. CONCESSIONÁRIA DE SERVIÇOS DE vínculo de emprego desses trabalhadores terceirizados diretamente
TELECOMUNICAÇÕES. ATIVIDADE-FIM. TERCEIRIZAÇÃO com os tomadores de seus serviços. 2. Com efeito, o aumento
ILÍCITA. VENDA DE PRODUTOS DA EMPRESA DE TELEFONIA. desses serviços nos últimos anos ocorreu em razão da
A atividade desenvolvida pela reclamante era de vendedora de consolidação do Código de Defesa do Consumidor, que levou as
produtos da empresa de telefonia que, ao teor do art. 60, caput, da empresas a disponibilizarem os Serviços de Atendimento do
Lei nº 9.472/97, é inerente à atividade-fim de uma empresa de Consumidor (SAC). E, diante dessa exigência legal de manutenção
telecomunicações. Por outro lado, o art. 94, II, da Lei nº 9.472/97, de uma relação direta entre fornecedor e consumidor, o serviço de
ao declarar que as empresas de telecomunicações podem call center tornou-se essencial às concessionárias dos serviços de
"contratar com terceiros o desenvolvimento de atividades inerentes, telefonia para possibilitar o necessário desenvolvimento de sua
acessórias ou complementares ao serviço, bem como a atividade, pois é por meio dessa central de atendimento telefônico
implementação de projetos associados", não está autorizando a que o consumidor, dentre tantas outras demandas, obtém
terceirização de serviços inerentes à atividade-fim dessas informações, solicita e faz reclamações sobre os serviços oferecidos
empresas. Precedentes. Decisão de acordo com a Súmula n.º 331, pela empresa. Não é possível, portanto, distinguir ou desvincular a
I, do TST. Recurso de revista de que não se conhece" (TST, 5ª atividade de call center da atividade fim da concessionária de
Turma, RR - 996-16.2010.5.03.0106, Relatora Ministra Kátia serviços de telefonia. 3. Por outro lado, a Lei nº 8.987/95, que
Magalhães Arruda, DEJT 18/05/2012). disciplina a atuação das empresas concessionárias e
permissionárias de serviço público em geral, e a Lei nº 9.472/97,
que regula as concessões e permissões no setor das
"ILICITUDE DA TERCEIRIZAÇÃO - CALL CENTER - VÍNCULO DE telecomunicações, são normas de Direito Administrativo e, como
EMPREGO COM A TOMADORA. O vínculo de emprego daquele tais, não foram promulgadas para regular matéria trabalhista e não
que trabalha em serviço de "central de atendimento", junto à podem ser interpretadas e aplicadas de forma literal e isolada, como
empresa de telefonia, faz-se diretamente com a concessionária, por se operassem em um vácuo normativo. Por isso mesmo, a questão
representar fraude na relação de trabalho, já que se trata de da licitude e dos efeitos da terceirização deve ser decidida pela
atividade-fim, sendo ilícita a terceirização. Precedentes. Ressalva Justiça do Trabalho exclusivamente com base nos princípios e nas
do Relator. Recurso de Revista conhecido e provido" (TST, 6ª regras que norteiam o Direito do Trabalho, de forma a interpretá-las
Turma, RR - 2641-42.2010.5.12.0004, Relator Ministro Aloysio e, eventualmente, aplicá-las de modo a não esvaziar de sentido
Corrêa da Veiga, DEJT 08/06/2012). prático ou a negar vigência e eficácia às normas trabalhistas que,
em nosso País, disciplinam a prestação do trabalho subordinado,
Na SBDI-1 desta Corte Superior, o entendimento que ora se adota com a aniquilação do próprio núcleo essencial do Direito do
também tem prevalecido, conforme demonstram os seguintes Trabalho - o princípio da proteção do trabalhador, a parte
precedentes: hipossuficiente da relação de emprego, e as próprias figuras do
"RECURSO DE EMBARGOS. TERCEIRIZAÇÃO - ATIVIDADE empregado e do empregador. 4. Assim, não se pode mesmo, ao se
INERENTE - EMPRESA DE TELEFONIA - SERVIÇOS DE CALL interpretar o § 1º do artigo 25 da Lei nº 8.987/95 e o artigo 94, inciso
CENTER - IMPOSSIBILIDADE. A jurisprudência majoritária desta II, da Lei nº 9.472/97, que tratam da possibilidade de contratar com
SBDI-1 entende que o artigo 94, II, da Lei nº 9.472/97 não autoriza terceiros o desenvolvimento de -atividades inerentes- ao serviço,
a terceirização de serviços na atividade-fim das empresas de expressão polissêmica e marcantemente imprecisa que pode ser
telefonia, sendo aplicável o entendimento contido nos itens I e III da compreendida em várias acepções, concluir pela existência de
Súmula/TST nº 331 (com ressalva de entendimento). Recurso de autorização legal para a terceirização de quaisquer de suas
embargos conhecido e provido" (TST, SBDI-1, E-RR - 65- atividades-fim. Isso, em última análise, acabaria por permitir, no

Código para aferir autenticidade deste caderno: 137896


2774/2019 Tribunal Superior do Trabalho 40
Data da Disponibilização: Sexta-feira, 26 de Julho de 2019

limite, que elas desenvolvessem sua atividade empresarial sem ter interessados. 9. A questão da ilicitude da terceirização dos serviços
em seus quadros nenhum empregado e sim, apenas, trabalhadores de call center no âmbito das empresas concessionárias dos
terceirizados. 5. Ademais, quando os órgãos fracionários dos serviços públicos de telecomunicações foi novamente objeto de
Tribunais trabalhistas interpretam preceitos legais como os ora deliberação por esta Subseção I Especializada em Dissídios
examinados, não estão eles, em absoluto, infringindo o disposto na Individuais (SBDI-1), em 08/11/2012, em sua composição completa,
Súmula Vinculante nº 10 e, nem tampouco, violando o artigo 97 da no julgamento do Processo E-ED-RR-2938-13.2010.5.12. 0016
Constituição Federal, que estabelece a cláusula de reserva de (aguardando publicação), em que fiquei como Redator designado, a
plenário para a declaração de inconstitucionalidade das leis em qual, por sua maioria (oito votos contra seis) reafirmou e consolidou
sede de controle difuso, pois não se estará, nesses casos, nem o entendimento pela ilicitude dessa terceirização de serviços. 10. É
mesmo de forma implícita, deixando de aplicar aqueles dispositivos importante ressaltar, por fim, que decisões como a esta não
legais por considerá-los inconstitucionais. 6. A propósito, apesar da acarretam o desemprego dos trabalhadores terceirizados, pois não
respeitável decisão monocrática proferida em 09/11/2010 no âmbito eliminam quaisquer postos de trabalho. Essas apenas declaram que
do Supremo Tribunal Federal, da lavra do ilustre Ministro Gilmar a verdadeira empregadora desses trabalhadores de call center é a
Mendes (Rcl 10132 MC/PR - Paraná), na qual, em juízo sumário de empresa concessionária tomadora de seus serviços que, por outro
cognição e em caso idêntico a este, por vislumbrar a possibilidade lado, continua obrigada a prestar tais serviços ao consumidor em
de ter sido violada a Súmula Vinculante nº 10 daquela Corte, deferiu geral - só que, a partir de agora, exclusivamente na forma da
-se o pedido de medida liminar formulado por uma empresa legislação trabalhista, isto é, por meio de seus próprios
concessionária dos serviços de telecomunicações para suspender, empregados. 11. Assim, diante da ilicitude da terceirização do
até o julgamento final da reclamação constitucional, os efeitos de serviço de call center prestado pela reclamante no âmbito da
acórdão proferido por uma das Turmas do TST, que adotou o empresa de telecomunicações reclamada, deve ser reconhecida a
entendimento de que aqueles preceitos legais não autorizam, por si existência, por todo o período laborado, de seu vínculo de emprego
sós, a terceirização de atividades-fim por essas concessionárias de diretamente com a concessionária de serviços de telefonia, nos
serviços públicos, verifica-se que essa decisão, a despeito de sua exatos moldes do item I da Súmula nº 331 do TST, com o
ilustre origem, é, data venia, isolada. Com efeito, a pesquisa da consequente pagamento, pela verdadeira empregadora e por sua
jurisprudência daquela Suprema Corte revelou que foi proferida, litisconsorte, coautora desse ato ilícito, de todos os direitos
mais recentemente, quase uma dezena de decisões monocráticas trabalhistas assegurados pela primeira a seus demais empregados.
por vários outros Ministros do STF (Ministros Carlos Ayres Britto, Embargos conhecidos e desprovidos" (TST, SBDI-1, E-ED-RR - 810
Dias Toffoli, Ricardo Lewandowski, Cármen Lúcia Antunes Rocha, -06.2010.5.03.0037, Redator Ministro José Roberto Freire Pimenta,
Joaquim Barbosa e Luiz Fux) em que, em casos idênticos ao este, DEJT: 15/02/2013).
decidiu-se, ao contrário daquele primeiro precedente, não ter havido
violação da Súmula Vinculante nº 10, mas mera interpretação "RECURSO DE EMBARGOS INTERPOSTO NA VIGÊNCIA DA LEI
dessas mesmas normas infraconstitucionais e nem, muito menos, 11.496/2007. EMPRESAS DE TELECOMUNICAÇÕES. CALL
violação direta (mas, se tanto, mera violação oblíqua e reflexa) de CENTER. TERCEIRIZAÇÃO ILÍCITA. ATIVIDADE-FIM. LEI N.º
qualquer preceito constitucional pelas decisões do TST pelas quais, 9.472/1997. A interpretação sistemática dos arts. 25 da Lei n.º
ao interpretarem aqueles dispositivos das Leis 8.987/95 e 9.472/97, 8.987/1995 e 94, II, da Lei n.º 9.472/1997 com os princípios
consideraram que essas não autorizam a terceirização das constitucionais que norteiam o Direito do Trabalho não autoriza
atividades-fim pelas empresas concessionárias dos serviços concluir que o legislador ordinário conferiu às empresas de
públicos em geral e, especificamente, na área de telecomunicações, telecomunicações a possibilidade de terceirização ampla e irrestrita,
negando-se, assim, provimento aos agravos de instrumento inclusive quanto às suas atividades fins. Dessarte, as referidas
interpostos contra as decisões denegatórias de seguimento dos empresas encontram-se igualmente sujeitas às diretrizes insertas
recursos extraordinários daquelas empresas. 7. O entendimento na Súmula n.º 331, I e III, deste Tribunal Superior, que somente
aqui adotado já foi objeto de reiteradas decisões, por maioria, desta considera lícita a terceirização no caso de trabalho temporário,
SBDI-1 em sua composição completa (E-ED-RR-586341- serviços de vigilância, conservação e limpeza e outros
05.1999.5.18.5555, Redator designado Ministro Vieira de Mello especializados, ligados à atividade-meio do tomador, desde que
Filho, Data de Julgamento: 29/05/2009 - DEJT de 16/10/2009; E-RR inexistentes a pessoalidade e a subordinação direta. Recurso de
-134640-23.2008.5.03. 0010, Relatora Ministra Maria de Assis Embargos conhecido e provido" (TST, SBDI-1, E-RR - 134640-
Calsing, Data de Julgamento: 28/06/2011, DEJT de 10/08/2012). 8. 23.2008.5.03.0010, Relatora Ministra Maria de Assis Calsing, DEJT
Aliás, esse posicionamento também não foi desautorizado e nem 10/08/2012).
superado pelos elementos trazidos à consideração dos Ministros do
TST na Audiência Pública ocorrida no TST nos dias 04 e 05 de Com relação à tese de que as empresas de telecomunicações estão
outubro de 2011 e convocada pela Presidência desse Tribunal, os autorizadas por lei a terceirizar inclusive os serviços relacionados à
quais foram de grande valia para a sedimentação do entendimento sua atividade-fim, observa-se que o art. 94, II, da Lei nº 9.472/1997
ora adotado. Os vastos dados estatísticos e sociológicos então enuncia genericamente ser permitido à concessionária, "observadas
apresentados corroboraram as colocações daqueles que as condições e limites estabelecidos pela Agência [Nacional de
consideram que a terceirização das atividades-fim é um fator de Telecomunicações], contratar com terceiros o desenvolvimento de
precarização do trabalho, caracterizando-se pelos baixos salários atividades inerentes, acessórias ou complementares ao serviço,
dos empregados terceirizados e pela redução indireta do salário dos bem como a implementação de projetos associados".
empregados das empresas tomadoras, pela ausência de estímulo à Não há no acórdão recorrido nenhum registro de que a Anatel tenha
maior produtividade dos trabalhadores terceirizados e pela divisão e autorizado a primeira Reclamada (Telemar Norte Leste) a contratar
desorganização dos integrantes da categoria profissional que atua empresa prestadora de serviços para executar tarefas e atribuições
no âmbito das empresas tomadoras, com a consequente típicas de sua atividade-fim, nem de que a contratação da empresa
pulverização da representação sindical de todos os trabalhadores interposta tenha observado as condições e limites estabelecidos

Código para aferir autenticidade deste caderno: 137896


2774/2019 Tribunal Superior do Trabalho 41
Data da Disponibilização: Sexta-feira, 26 de Julho de 2019

pela referida agência reguladora. divergência jurisprudencial, e, no mérito, dar-lhe provimento, (a)
Assim, o genérico e vago texto do art. 94, II, da Lei nº 9.472/1997 para restabelecer a sentença, na parte em que se declarou a
não deve ser interpretado como autorização para a irrestrita ilicitude da terceirização promovida pelas Reclamadas, foi
terceirização. A norma do art. 25 da Lei nº 8.987/1995 tampouco reconhecido o vínculo empregatício direto entre a Reclamante e a
aproveita às Reclamadas, pois tal preceito também não autoriza a Reclamada Telemar Norte Leste S.A. (tomadora de serviços) e se
terceirização ampla e irrestrita de suas atividades-fim. atribuiu responsabilidade solidária às Reclamadas (sentença - fls.
Há de ser lembrado ainda que as normas trabalhistas consolidadas 491/497) e (b) para determinar o retorno dos autos ao Tribunal
têm como regra geral a contratação direta do empregado, admitindo Regional de origem, a fim de que prossiga no julgamento das
-se apenas em casos especiais a contratação de mão de obra por matérias dos recursos ordinários patronais que foram indeferidas
intermédio de empresas especializadas. por consequência do afastamento do vínculo empregatício direto da
Nesse contexto e levando em conta o princípio da proteção do Reclamante com a empresa tomadora de serviços, como entender
trabalhador que informa o direito do trabalho, a terceirização ampla de direito."
e irrestrita, cujo reconhecimento pretendem as Recorridas, só
poderia ocorrer diante de expressa e clara previsão legal nesse
sentido. O Supremo Tribunal Federal, ao julgar o ARE 791.932/DF fixou a
Ausente tal normatização, há de prevalecer a construção seguinte tese: "É nula a decisão de órgão fracionário que se recusa
jurisprudencial consagrada na Súmula nº 331, I, desta Corte, no a aplicar o art. 94, II, da Lei 9.472/1997, sem observar a cláusula de
sentido de não se admitir a contratação de trabalhadores por reserva de Plenário (CF, art. 97), observado o artigo 949 do CPC".
interposta pessoa para a execução de serviços ligados à atividade- Eis o teor da ementa do julgado:
fim do tomador. Sendo ilícita a terceirização efetuada pelas EMENTA: CONSTITUCIONAL E TRABALHISTA. NULIDADE DO
Reclamadas, o vínculo empregatício é formado diretamente entre a ACÓRDÃO RECORRIDO POR DESRESPEITO A CLÁUSULA DE
trabalhadora e a primeira Reclamada (Telemar Norte Leste - RESERVA DE PLENÁRIO (CF, ART. 97 E SV 10). NEGATIVA
tomadora de serviços). PARCIAL DE VIGÊNCIA E EFICÁCIA AO INCISO II, DO ART. 94
A declaração de vínculo empregatício direto entre a Reclamante e a DA LEI 9.472/1997 (LEI GERAL DE TELECOMUNICAÇÕES) POR
primeira Reclamada (Telemar Norte Leste) não viola o art. 94, II, da ÓRGÃO FRACIONÁRIO COM BASE NA SÚMULA 331/TST.
Lei nº 9.472/1997, porquanto foi demonstrada a ilicitude da IMPOSSIBILIDADE. LICITUDE DE TERCEIRIZAÇÃO DE TODA E
terceirização, promovida para a execução de tarefas ligadas à QUALQUER ATIVIDADE, MEIO OU FIM, NÃO SE
atividade-fim da empresa tomadora de serviços. Tampouco se CONFIGURANDO RELAÇÃO DE EMPREGO ENTRE A
aplica à hipótese o entendimento consagrado no item III da Súmula CONTRATANTE E O EMPREGADO DA CONTRATADA (ADPF 324
nº 331 do TST, porque esse item trata da terceirização de serviços E RE 958.252). AGRAVO CONHECIDO. RECURSO PROVIDO.
ligados à atividade-meio da empresa tomadora, o que não é o caso 1. A inconstitucionalidade de lei ou ato normativo estatal só pode
dos autos. ser declarada pelo voto da maioria absoluta da totalidade dos
No caso dos autos, a primeira Reclamada (Telemar Norte Leste) membros do tribunal ou, onde houver, dos integrantes do respectivo
terceirizou à segunda Reclamada (Contax S.A.) o serviço de órgão especial, sob pena de absoluta nulidade da decisão emanada
atendimento em call center e a Reclamante foi contratada pela do órgão fracionário (turma, câmara ou seção), em respeito à
Contax para trabalhar no atendimento telefônico dos clientes da previsão do art. 97 da Constituição Federal.
Telemar (tomadora de serviços). 2. A cláusula de reserva de plenário atua como condição de eficácia
O entendimento consolidado por esta Corte Superior é no sentido jurídica da própria declaração jurisdicional de inconstitucionalidade
de que se aplica à hipótese a Súmula nº 331, I, deste Tribunal, dos atos do Poder Público, aplicando-se para todos os tribunais, via
segundo a qual "a contratação de trabalhadores por empresa difusa, e para o SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL, também no
interposta é ilegal, formando-se o vínculo diretamente com o controle concentrado (CF, art. 97 e SV 10).
tomador dos serviços, salvo no caso de trabalho temporário". 3. É nula a decisão de órgão fracionário que, ao negar a aplicação
Ante o exposto, dou provimento ao recurso de revista, para do inciso II, do art. 94 da Lei 9.472/1997, com base na Súmula
restabelecer a sentença, na parte em que se declarou a ilicitude da 331/TST, e declarar ilícita a terceirização e atividade-fim, reconhece
terceirização promovida pelas Reclamadas, foi reconhecido o a existência de vínculo trabalhista entre a contratante e o
vínculo empregatício direto entre a Reclamante e a Reclamada empregado da contratada, pois exerceu controle difuso de
Telemar Norte Leste S.A. (tomadora de serviços) e se atribuiu constitucionalidade, declarando a parcial nulidade sem redução de
responsabilidade solidária às Reclamadas (sentença - fls. 491/497). texto do referido dispositivo sem observar a cláusula de reserva de
Devem os autos retornar ao Tribunal Regional de origem, a fim de Plenário. AGRAVO PROVIDO.
que prossiga no julgamento das matérias dos recursos ordinários 4. O PLENÁRIO DA CORTE declarou parcialmente inconstitucional
patronais que foram indeferidas por consequência do afastamento a SÚMULA 331/TST e proclamou a licitude da terceirização de toda
do vínculo empregatício direto da Reclamante com a empresa e qualquer atividade, meio ou fim; para afirmar a inexistência de
tomadora de serviços, como entender de direito. relação de emprego entre a contratante e o empregado da
contratada. RECURSO EXTRAORDINÁRIO PROVIDO.
5. Agravo conhecido e recurso extraordinário provido para
ISTO POSTO restabelecer a sentença de primeiro grau, com a fixação da seguinte
tese no TEMA 739: "É nula a decisão de órgão fracionário que se
ACORDAM os Ministros da Quarta Turma do Tribunal Superior do recusa a aplicar o art. 94, II, da Lei 9.472/1997, sem observar a
Trabalho, à unanimidade, conhecer do recurso de revista interposto cláusula de reserva de Plenário (CF, art. 97), observado o artigo
pela Reclamante quanto ao tema "Empresa de telecomunicações. 949 do CPC." (ARE 791932/DF, Rel. Min. Alexandre de Moraes,
Atendimento de clientes via call center. Terceirização. Atividade-fim. DJe 06/03/2019)
Ilicitude. Vínculo de emprego. Responsabilidade solidária", por

Código para aferir autenticidade deste caderno: 137896


2774/2019 Tribunal Superior do Trabalho 42
Data da Disponibilização: Sexta-feira, 26 de Julho de 2019

Logo, versando o acórdão recorrido sobre questão atinente a tema O Supremo Tribunal Federal de fato examinou o mérito da questão
cuja repercussão geral foi reconhecida, com tese de mérito firmada jurídica espelhada nas razões recursais, por ocasião do julgamento
pelo Supremo Tribunal Federal, determino o dessobrestamento do do RE 760.931/DF, erigido à condição de leading case (Tema 246).
recurso e o encaminhamento dos autos ao órgão fracionário prolator Ocorre que foram opostos embargos de declaração, ainda
da decisão recorrida nestes autos, a fim de que se manifeste, nos pendentes de julgamento, e cuja redistribuição foi determinada em
termos do art. 1.030, II do CPC, sobre a necessidade ou não de 02/02/2018, de modo que não se operou o trânsito em julgado,
exercer eventual juízo de retratação da decisão então proferida por tornando, portanto, inviável o pleito deduzido na petição, por
aquele colegiado. injunção do artigo 1.030, III, do CPC.
À Coordenadoria de Recursos - CREC - para as providências A propósito, não é demais registrar que a matéria contida no Tema
pertinentes. 246 envolve o maior volume de processos sobrestados da história
Publique-se. do Judiciário do Trabalho, cujos desdobramentos não se acham
Brasília, 25 de julho de 2019. contemplados na tese por ora firmada pela Suprema Corte, tal como
a definição do onus probandi frente à alegação da culpa in vigilando
da Administração Pública.
Firmado por assinatura digital (MP 2.200-2/2001) Equivale dizer que há inegável expectativa de que o STF, no
RENATO DE LACERDA PAIVA julgamento dos embargos de declaração, estabeleça referencial
Ministro Vice-Presidente do TST definitivo a ser utilizado em decisões levadas a efeito no TST, pelo
que a prudência aconselha a manutenção do sobrestamento do
Processo Nº AIRR-0002467-61.2012.5.02.0062 recurso extraordinário até o trânsito em julgado do RE 760.931/DF.
Complemento Processo Eletrônico Do exposto, indefiro o pedido.
Relator Min. Guilherme Augusto Caputo À Coordenadoria de Recursos - CREC para as providências.
Bastos
Publique-se.
Agravante EMPRESA BRASILEIRA DE
CORREIOS E TELÉGRAFOS - ECT Brasília, 23 de julho de 2019.
Advogado Dr. Raphael Ribeiro Bertoni(OAB:
259898/SP)
Advogado Dr. Maury Izidoro(OAB: 135372/SP) Firmado por assinatura digital (MP 2.200-2/2001)
Advogado Dr. Marlei Rocha de Souza Rees(OAB: RENATO DE LACERDA PAIVA
41464/DF)
Ministro Vice-Presidente do TST
Agravado MARCIO AUGUSTO
Advogado Dr. Edvandro Marcos Mario(OAB:
162915/SP) Processo Nº AIRR-0001900-51.2013.5.09.0013
Complemento Processo Eletrônico
Agravado AIR BRASIL LINHAS AÉREAS LTDA.
Relator Min. Márcio Eurico Vitral Amaro
Agravado CHINA CONSTRUCTION BANK
(BRASIL) BANCO MÚLTIPLO S.A. Agravante EMPRESA BRASILEIRA DE
CORREIOS E TELÉGRAFOS - ECT
Advogado Dr. Filipe Eduardo de Lima
Ragazzi(OAB: 180953/SP) Advogada Dra. Sionara Pereira(OAB: 17118/PR)
Agravado JOÃO ARISTON PESSOA DE Advogado Dr. Antonio José Nogueira
ARAÚJO FILHO E OUTRO Santana(OAB: 28817/DF)
Advogado Dr. Carlos Henrique da Rocha Agravado JOSÉ ALMIR DE SOUZA
Cruz(OAB: 5496/CE) Advogado Dr. Raul Aniz Assad(OAB: 15388/PR)
Agravado LYNX VIGILÂNCIA E SEGURANÇA
Intimado(s)/Citado(s): LTDA.
- AIR BRASIL LINHAS AÉREAS LTDA. Advogada Dra. Mariana Linhares
Waterkemper(OAB: 56844/PR)
- CHINA CONSTRUCTION BANK (BRASIL) BANCO MÚLTIPLO
S.A.
- EMPRESA BRASILEIRA DE CORREIOS E TELÉGRAFOS - Intimado(s)/Citado(s):
ECT - EMPRESA BRASILEIRA DE CORREIOS E TELÉGRAFOS -
- JOÃO ARISTON PESSOA DE ARAÚJO FILHO E OUTRO ECT
- MARCIO AUGUSTO - JOSÉ ALMIR DE SOUZA
- LYNX VIGILÂNCIA E SEGURANÇA LTDA.
MARCIO AUGUSTO, por meio da Petição nº 195802/2018-9 (doc.
seq. 20), pede a reconsideração da decisão que determinou o JOSÉ ALMIR DE SOUZA, por meio da Petição nº 201490/2016-3
sobrestamento do recurso extraordinário. (doc. seq. 17), pede a reconsideração da decisão que determinou o
Alega que "O Tema 246 já foi julgado, o acórdão já foi publicado, sobrestamento do recurso extraordinário e o imediato juízo negativo
tendo sido mantida a posição do Tribunal Superior do Trabalho, ou de admissibilidade.
seja, a ECT-Correios pode e deve ser condenada de forma Alega que o recurso envolve matéria diversa da constante no RE
subsidiária nos processos que que figure como devedora 760.931/DF, classificada como Tema nº 246 na tabela de temas do
subsidiária, não cabendo nessa Instância rediscussão de Supremo Tribunal Federal.
provas"[sic]. Afirma que não houve análise do mérito do tema no agravo de
Sustenta que "Já se pacificou nas Cortes Superiores o instrumento.
entendimento de que a ausência de trânsito em julgado dos Sustenta, ainda, que restou configurada a conduta culposa da
recursos representativos de controvérsia não inviabiliza a aplicação tomadora de serviços.
da tese ao caso concreto". Os fundamentos do acórdão recorrido, quanto à responsabilidade
Decido. subsidiária, acham-se sintetizados no seguinte trecho do julgado:

Código para aferir autenticidade deste caderno: 137896


2774/2019 Tribunal Superior do Trabalho 43
Data da Disponibilização: Sexta-feira, 26 de Julho de 2019

A controvérsia gira em torno da responsabilidade subsidiária de Ministro Vice-Presidente do TST


ente público.
Registre-se que as entidades estatais têm responsabilidade Processo Nº ED-RR-0002241-83.2011.5.03.0023
subsidiária pelos encargos trabalhistas e previdenciários das Complemento Processo Eletrônico
empresas terceirizadas que contratam quando revelada sua culpa in Relator Min. Alexandre Luiz Ramos
vigilando no que concerne ao cumprimento da legislação trabalhista Embargante LIQ CORP S.A.
e previdenciária por parte da empresa contratada. Nesse sentido, Advogado Dr. José Alberto Couto Maciel(OAB:
513/DF)
aliás, dispõe o item V da Súmula 331 do TST, a seguir reproduzido:
Embargado(a) TELEMAR NORTE LESTE S.A.
"Os entes integrantes da administração pública direta e indireta
Advogado Dr. José Alberto Couto Maciel(OAB:
respondem subsidiariamente, nas mesmas condições do item IV, 513/DF)
caso evidenciada a sua conduta culposa no cumprimento das Embargado(a) NEYVITON HENRIQUE MARTINS
obrigações da Lei n. 8.666/93, especialmente na fiscalização do COSTA
cumprimento das obrigações contratuais e legais da prestadora de Advogado Dr. Jair Souza Leal(OAB: 129479/MG)
serviço como empregadora. A aludida responsabilidade não decorre
de mero inadimplemento das obrigações trabalhistas assumidas Intimado(s)/Citado(s):
pela empresa regularmente contratada." - LIQ CORP S.A.
No presente caso, verifica-se que o Tribunal Regional deixou - NEYVITON HENRIQUE MARTINS COSTA
evidenciada a conduta culposa da segunda Reclamada no - TELEMAR NORTE LESTE S.A.
cumprimento das obrigações da Lei nº 8.666/1993, porquanto não
fiscalizou adequadamente a execução do contrato de prestação de Trata-se de recursos extraordinários contra acórdão proferido pela
serviços firmado com a empresa contratada. egrégia Quarta Turma deste Tribunal.
Assim, restando evidenciada essa culpa nos autos, incide a As partes recorrentes suscitam preliminar de repercussão geral da
responsabilidade subjetiva prevista nos artigos 186 e 927, caput, do matéria e apontam violação aos dispositivos da Constituição da
Código Civil. República que especificam nas razões recursais.
Nos estritos limites do Recurso de Revista (art. 896 da CLT), não é A Vice-Presidência deste Tribunal Superior, por despacho,
viável reexaminar a prova dos autos a respeito da efetiva conduta determinou o sobrestamento do recurso extraordinário por envolver
fiscalizatória do ente estatal (Súmula 126 do TST). o Tema nº 739 do ementário de Repercussão Geral do Supremo
Logo, a decisão regional encontra-se em perfeita harmonia com a Tribunal Federal.
Súmula 331, V, desta Corte, razão pela qual resta superada Considerando que a matéria foi julgada na Sessão do Tribunal
qualquer possibilidade de processamento do Recurso de Revista, Pleno do STF em 11/10/2018, com fixação da tese de mérito e que
nos termos do artigo 896, § 7º, da CLT e da Súmula 333 do TST. o acórdão foi publicado no Diário Eletrônico de Justiça de
Pois bem. 06/03/2019, com trânsito em julgado, passo ao exame de
Do exame dos autos, vê-se que o acórdão alvo do recurso admissibilidade do recurso sobrestado.
extraordinário inclui debate sobre responsabilidade subsidiária do É o relatório.
ente público tomador de serviços pelo pagamento de créditos Decido.
reconhecidos em favor de trabalhador terceirizado, na forma Consta do acórdão recorrido:
referida na Súmula nº 331, item V, do TST, o que revela inegável
similitude com o debate contido no RE 760.931/DF (Tema 246). "(...)
Ressalte-se que, embora o STF tenha apreciado o mérito do Tema A segunda Reclamada (Contax) defende ser lícita a terceirização
246 em acórdão publicado em 12/09/2017, foram opostos embargos promovida pelas empresas. Afirma que a atividade terceirizada
de declaração, ainda pendentes de julgamento, e cuja redistribuição (atendimento de clientes via call center) não está compreendida na
foi determinada em 02/02/2018, de modo que não se operou o atividade-fim da primeira Reclamada (Telemar - tomadora de
trânsito em julgado, razão pela qual se impõe a manutenção do serviço), a qual consiste em empresa de telecomunicações.
sobrestamento do presente recurso. Argumenta que, mesmo que se considerasse incluído na atividade-
Registre-se, por fim, que o fato de a responsabilidade subsidiária ter fim da empresa tomadora o serviço de atendimento de clientes em
sido reconhecida em razão da culpa in vigilando, longe de viabilizar call center, não haveria ilegalidade, porque, no seu entender, as
o propalado distinguishing, corrobora a identidade com a questão Leis nos 8.987/1995 e 9.472/1997 admitem a terceirização de
jurídica retratada precedente, cuja essência cinge-se à aplicação ou serviços ligados também à atividade-fim das empresas de
não do artigo 71, § 1º, da Lei nº 8.666/93 em terceirização de telecomunicações. Ao final, requer a exclusão da responsabilidade
serviços promovida pela administração pública. solidária atribuída às Reclamadas. Aponta violação dos arts. 1º, IV,
Ante essas considerações, impõe-se a manutenção do 5º, II e XXXVI, 170 e 175 da CF/88, 2º, 3º, e 818 da CLT, 333, I, do
sobrestamento por injunção do artigo 1.030, III, do CPC, já que CPC, 265 do CC, 25, § 1º da Lei nº 8.987/1995 e 60 e 94, II, da Lei
pendem de julgamento no STF os embargos de declaração opostos nº 9.472/199 e contrariedade à Súmula no 331, III, desta Corte.
nos autos do multicitado RE 760.931/DF - Tema 246. Apresenta arestos para demonstração de divergência
Do exposto, indefiro o pedido. jurisprudencial.
À Coordenadoria de Recursos - CREC para as providências. Como se observa do acórdão recorrido, a Corte Regional consignou
Publique-se. que a primeira Reclamada (Telemar) contratou a Reclamante
Brasília, 23 de julho de 2019. mediante empresa interposta (segunda Reclamada - Contax) para a
consecução de serviços (atendimento de clientes via call center),
que julgou estarem diretamente relacionados à atividade-fim da
Firmado por assinatura digital (MP 2.200-2/2001) empresa tomadora (oferta de serviços de telecomunicações). Por
RENATO DE LACERDA PAIVA julgar ilícita a terceirização, a Corte Regional manteve o

Código para aferir autenticidade deste caderno: 137896


2774/2019 Tribunal Superior do Trabalho 44
Data da Disponibilização: Sexta-feira, 26 de Julho de 2019

reconhecimento do vínculo de emprego da Reclamante diretamente infraconstitucional que trata do tema.


com a primeira Reclamada (Telemar). A indicação de violação dos arts. 1º, IV, e 175 da CF/88 não
A decisão regional foi proferida em conformidade com o viabiliza o conhecimento dos recursos de revista, pois os referidos
entendimento que tem prevalecido nesta Corte Superior, no sentido dispositivos constitucionais não tratam especificamente da matéria
de que é ilícita a terceirização operada com o fim de contratar, discutida nos presentes autos (ilicitude da terceirização de serviços
mediante empresa interposta, empregados para prestação de ligados à atividade-meio da empresa tomadora).
serviços de vendas e atendimento de clientes via call center, em Não se verifica ofensa ao art. 265 do Código Civil de 2002, porque a
favor das empresas de telecomunicações, por tais funções responsabilidade solidária das Reclamadas foi atribuída em razão
configurarem atividade-fim da tomadora de serviços. da fraude trabalhista e tem fundamento legal no art. 9º da CLT.
(...) Não conheço do recurso de revista.
A decisão regional foi proferida em conformidade com a
jurisprudencial desta Corte Superior. Logo, o processamento do ISTO POSTO
recurso por divergência jurisprudencial encontra óbice na Súmula nº
333 desta Corte e no § 4º do art. 896 da CLT. ACORDAM os Ministros da Quarta Turma do Tribunal Superior do
Com relação à afirmativa de que as empresas de telecomunicações Trabalho, à unanimidade não conhecer integralmente do recurso de
estão autorizadas por lei a terceirizar serviços relacionados à sua revista interposto pela segunda Reclamada (Contax S.A.), em que
atividade-fim, observa-se que o art. 94, II, da Lei nº 9.472/1997 foram abordados os seguintes temas: "Nulidade processual por
enuncia genericamente ser permitido à concessionária, "observadas negativa de prestação jurisdicional", "Multa por oposição de
as condições e limites estabelecidos pela Agência [Nacional de embargos de declaração considerados protelatórios, aplicada pelo
Telecomunicações], contratar com terceiros o desenvolvimento de Juízo de primeiro grau", "Ilegitimidade passiva ad causam da
atividades inerentes, acessórias ou complementares ao serviço, primeira reclamada (Telemar Norte Leste S.A.)" e "Empresa de
bem como a implementação de projetos associados". telecomunicações. Atendimento de clientes via call center.
Assim, ao contrário do que defende a Recorrente, não há ofensa ao Terceirização. Atividade-fim. Ilicitude. Vínculo de emprego.
art. 94 da Lei nº 9.472/1997, pois o genérico e vago texto deste Responsabilidade solidária"."
dispositivo legal não pode ser interpretado como autorização para a
irrestrita terceirização. A invocação aos arts. 60 da Lei nº 9.472/97 e
25, §1º, da Lei nº 8.987/95 tampouco lhe aproveita, pois tais O Supremo Tribunal Federal, ao julgar o ARE 791.932/DF fixou a
preceitos legais também não autoriza a terceirização ampla e seguinte tese: "É nula a decisão de órgão fracionário que se recusa
irrestrita de suas atividades-fim. a aplicar o art. 94, II, da Lei 9.472/1997, sem observar a cláusula de
Há de ser lembrado ainda que as normas trabalhistas consolidadas reserva de Plenário (CF, art. 97), observado o artigo 949 do CPC".
têm como regra geral a contratação direta do empregado, admitindo Eis o teor da ementa do julgado:
-se apenas em casos especiais a contratação de mão de obra por EMENTA: CONSTITUCIONAL E TRABALHISTA. NULIDADE DO
intermédio de empresas especializadas. ACÓRDÃO RECORRIDO POR DESRESPEITO A CLÁUSULA DE
Nesse contexto e levando em conta o princípio da proteção do RESERVA DE PLENÁRIO (CF, ART. 97 E SV 10). NEGATIVA
trabalhador que informa o direito do trabalho, a terceirização ampla PARCIAL DE VIGÊNCIA E EFICÁCIA AO INCISO II, DO ART. 94
e irrestrita, cujo reconhecimento pretende a Recorrente, só poderia DA LEI 9.472/1997 (LEI GERAL DE TELECOMUNICAÇÕES) POR
ocorrer diante de expressa e clara previsão legal nesse sentido. ÓRGÃO FRACIONÁRIO COM BASE NA SÚMULA 331/TST.
Ausente tal normatização, há de prevalecer a construção IMPOSSIBILIDADE. LICITUDE DE TERCEIRIZAÇÃO DE TODA E
jurisprudencial consagrada na Súmula nº 331, I, desta Corte, no QUALQUER ATIVIDADE, MEIO OU FIM, NÃO SE
sentido de não se admitir a contratação de trabalhadores por CONFIGURANDO RELAÇÃO DE EMPREGO ENTRE A
interposta pessoa para a execução de serviços ligados à atividade- CONTRATANTE E O EMPREGADO DA CONTRATADA (ADPF 324
fim do tomador. E RE 958.252). AGRAVO CONHECIDO. RECURSO PROVIDO.
Logo, a declaração de vínculo empregatício direto entre a 1. A inconstitucionalidade de lei ou ato normativo estatal só pode
Reclamante e a primeira Reclamada (Telemar) não viola o art. 94, ser declarada pelo voto da maioria absoluta da totalidade dos
II, da Lei nº 9.472/1997 e 2º e 3º da CLT, uma vez que foi membros do tribunal ou, onde houver, dos integrantes do respectivo
demonstrada a ilicitude da terceirização promovida para a execução órgão especial, sob pena de absoluta nulidade da decisão emanada
de tarefas ligadas à atividade-fim da empresa tomadora de serviços. do órgão fracionário (turma, câmara ou seção), em respeito à
O Tribunal Regional não emitiu tese sobre a matéria tratada nos previsão do art. 97 da Constituição Federal.
arts. 818 da CLT e 333, I, do CPC, que disciplinam a distribuição do 2. A cláusula de reserva de plenário atua como condição de eficácia
encargo probatório entre as partes no processo. Caracteriza-se a jurídica da própria declaração jurisdicional de inconstitucionalidade
afronta aos referidos dispositivos legais, se o juiz decidir mediante dos atos do Poder Público, aplicando-se para todos os tribunais, via
atribuição equivocada desse ônus probatório, o que não ocorreu no difusa, e para o SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL, também no
caso dos autos. controle concentrado (CF, art. 97 e SV 10).
Note-se que o julgador regional nem adotou tese explícita a respeito 3. É nula a decisão de órgão fracionário que, ao negar a aplicação
da matéria, o que atrai a incidência do entendimento consagrado na do inciso II, do art. 94 da Lei 9.472/1997, com base na Súmula
Orientação Jurisprudencial nº 62 da SBDI-1 deste Tribunal e na 331/TST, e declarar ilícita a terceirização e atividade-fim, reconhece
Súmula nº 297 desta Corte, nem proferiu julgamento com base no a existência de vínculo trabalhista entre a contratante e o
critério do ônus da prova. empregado da contratada, pois exerceu controle difuso de
Não há ofensa ao art. 5º, II, da CF/88, pois a decisão regional constitucionalidade, declarando a parcial nulidade sem redução de
encontra respaldo no art. 9º da CLT e na Súmula nº 331, I, desta texto do referido dispositivo sem observar a cláusula de reserva de
Corte Superior. Portanto, a Corte de origem decidiu a controvérsia Plenário. AGRAVO PROVIDO.
com base na interpretação e aplicação da legislação 4. O PLENÁRIO DA CORTE declarou parcialmente inconstitucional

Código para aferir autenticidade deste caderno: 137896


2774/2019 Tribunal Superior do Trabalho 45
Data da Disponibilização: Sexta-feira, 26 de Julho de 2019

a SÚMULA 331/TST e proclamou a licitude da terceirização de toda jurídica espelhada nas razões recursais, por ocasião do julgamento
e qualquer atividade, meio ou fim; para afirmar a inexistência de do RE 760.931/DF, erigido à condição de leading case (Tema 246).
relação de emprego entre a contratante e o empregado da Ocorre que foram opostos embargos de declaração, ainda
contratada. RECURSO EXTRAORDINÁRIO PROVIDO. pendentes de julgamento, e cuja redistribuição foi determinada em
5. Agravo conhecido e recurso extraordinário provido para 02/02/2018, de modo que não se operou o trânsito em julgado,
restabelecer a sentença de primeiro grau, com a fixação da seguinte tornando, portanto, inviável o pleito deduzido na petição, por
tese no TEMA 739: "É nula a decisão de órgão fracionário que se injunção do artigo 1.030, III, do CPC.
recusa a aplicar o art. 94, II, da Lei 9.472/1997, sem observar a A propósito, não é demais registrar que a matéria contida no Tema
cláusula de reserva de Plenário (CF, art. 97), observado o artigo 246 envolve o maior volume de processos sobrestados da história
949 do CPC." (ARE 791932/DF, Rel. Min. Alexandre de Moraes, do Judiciário do Trabalho, cujos desdobramentos não se acham
DJe 06/03/2019) contemplados na tese por ora firmada pela Suprema Corte, tal como
a definição do onus probandi frente à alegação da culpa in vigilando
Logo, versando o acórdão recorrido sobre questão atinente a tema da Administração Pública.
cuja repercussão geral foi reconhecida, com tese de mérito firmada Equivale dizer que há inegável expectativa de que o STF, no
pelo Supremo Tribunal Federal, determino o dessobrestamento do julgamento dos embargos de declaração, estabeleça referencial
recurso e o encaminhamento dos autos ao órgão fracionário prolator definitivo a ser utilizado em decisões levadas a efeito no TST, pelo
da decisão recorrida nestes autos, a fim de que se manifeste, nos que a prudência aconselha a manutenção do sobrestamento do
termos do art. 1.030, II do CPC, sobre a necessidade ou não de recurso extraordinário até o trânsito em julgado do RE 760.931/DF.
exercer eventual juízo de retratação da decisão então proferida por Do exposto, indefiro o pedido.
aquele colegiado. À Coordenadoria de Recursos - CREC para as providências.
À Coordenadoria de Recursos - CREC - para as providências Publique-se
pertinentes. Intime-se.
Publique-se. Brasília, 25 de julho de 2019.
Brasília, 25 de julho de 2019.

Firmado por assinatura digital (MP 2.200-2/2001)


Firmado por assinatura digital (MP 2.200-2/2001) RENATO DE LACERDA PAIVA
RENATO DE LACERDA PAIVA Ministro Vice-Presidente do TST
Ministro Vice-Presidente do TST
Processo Nº AIRR-0000663-31.2016.5.06.0313
Processo Nº ED-Ag-AIRR-0002019-03.2011.5.15.0114 Complemento Processo Eletrônico
Complemento Processo Eletrônico Relator Min. Dora Maria da Costa
Relator Min. Hugo Carlos Scheuermann Agravante e Agravado COMPANHIA ENERGÉTICA DE
PERNAMBUCO - CELPE
Embargante BANCO DO BRASIL S.A.
Advogado Dr. Alvaro Van Der Ley Lima
Advogado Dr. Moisés Vogt(OAB: 30215/RS) Neto(OAB: 15657-A/PE)
Advogado Dr. Leonardo Gauland Magalhães Agravante e Agravado COMPANHIA ELETROMECÂNICA E
Bortoluzzi(OAB: 18056/DF) GERENCIAMENTO DE DADOS S.A. -
Advogado Dr. Arnor Serafim Júnior(OAB: CENEGED
79797/SP) Advogado Dr. Antônio Cleto Gomes(OAB: 5864-
Advogado Dr. Flávio Renato Fanchini A/CE)
Terrasan(OAB: 227304/SP) Agravado MARCOS VITAL SALVADOR DE
Embargado(a) FAZENDA PÚBLICA DO ESTADO DE CARVALHO
SÃO PAULO Advogada Dra. Luciana Cabral de Gouveia
Procurador Dr. Luiz Gustavo Andrade dos Santos Machado(OAB: 16488/PE)
Embargado(a) JOÃO PAULO DE SOUZA
Advogado Dr. Paulo Roberto Marcucci(OAB: Intimado(s)/Citado(s):
80715/SP)
- COMPANHIA ELETROMECÂNICA E GERENCIAMENTO DE
Embargado(a) GSV SEGURANÇA E VIGILÂNCIA DADOS S.A. - CENEGED
LTDA. (EM RECUPERAÇÃO
JUDICIAL) - COMPANHIA ENERGÉTICA DE PERNAMBUCO - CELPE
- MARCOS VITAL SALVADOR DE CARVALHO
Intimado(s)/Citado(s):
- BANCO DO BRASIL S.A. Trata-se de recurso extraordinário contra acórdão proferido pela
- FAZENDA PÚBLICA DO ESTADO DE SÃO PAULO egrégia Oitava Turma deste Tribunal.
- GSV SEGURANÇA E VIGILÂNCIA LTDA. (EM A parte recorrente suscita preliminar de repercussão geral da
RECUPERAÇÃO JUDICIAL) matéria e aponta violação aos dispositivos da Constituição da
- JOÃO PAULO DE SOUZA República que especifica nas razões recursais.
A Vice-Presidência deste Tribunal Superior, por despacho,
JOÃO PAULO DE SOUZA, por meio da Petição nº 145833/2016-5 determinou o sobrestamento do recurso extraordinário por envolver
(doc. seq. 34), pede a reconsideração da decisão que determinou o o Tema nº 739 do ementário de Repercussão Geral do Supremo
sobrestamento do recurso extraordinário com fundamento no Tema Tribunal Federal.
246 da Tabela de Temas de Repercussão Geral. Considerando que a matéria foi julgada na Sessão do Tribunal
Decido. Pleno do STF em 11/10/2018, com fixação da tese de mérito e que
O Supremo Tribunal Federal de fato examinou o mérito da questão o acórdão foi publicado no Diário Eletrônico de Justiça de

Código para aferir autenticidade deste caderno: 137896


2774/2019 Tribunal Superior do Trabalho 46
Data da Disponibilização: Sexta-feira, 26 de Julho de 2019

06/03/2019, com trânsito em julgado, passo ao exame de não tem o condão de permitir a terceirização da atividade fim das
admissibilidade do recurso sobrestado. empresas concessionárias de serviços públicos, sob pena de se
É o relatório. conflitar com o eixo fundamental da legislação trabalhista, na
Decido. medida em que, no conceito de empregado e empregador,
Consta do acórdão recorrido: vinculadas as atividades daquele às atividades essenciais deste,
sempre se teria uma pessoa interposta. Assim, não se teria mais
"(...) uma relação bilateral, mas sim trilateral ou plurilateral, em
detrimento da legislação trabalhista que protege o trabalho e a
Inicialmente, cumpre registar que, dados os termos do art. 1.035, § dignidade da pessoa humana. (negritos acrescidos).
5°, do CPC/2015, mesmo quando reconhecida a repercussão geral Ademais, ressaltou-se que a edição da Súmula nº 331 por este
quanto à questão controversa nos autos, somente há a previsão do Tribunal Superior do Trabalho, em conformidade com princípios e
sobrestamento processual na fase de recurso extraordinário para o normas constitucionais e trabalhistas, representa um marco
STF, o que autoriza o julgamento dos presentes recursos, razão jurisprudencial para o fenômeno da terceirização nas relações de
pela qual não há falar em sobrestamento do feito. trabalho no Brasil, na medida em que compatibilizou os princípios
Outrossim, a mera alegação de ofensa à Lei nº 13.429/2017, sem da valorização do trabalho humano e da livre concorrência e
indicação expressa do artigo tido como violado, não atende ao equilibrou a relação entre o trabalho e o capital.
disposto na Súmula nº 221 deste Tribunal Superior do Trabalho. Se Convém registrar, ainda, que a SDI-1 reiterou esse entendimento no
não bastasse, a superveniência da referida lei não autoriza a sua julgamento de outros processos, conforme demonstram os
aplicação retroativa para os fatos ocorridos anteriormente à sua seguintes julgados:
vigência, hipótese dos autos.
Por outro lado, a Subseção Especializada em Dissídios Individuais, "EMBARGOS. RECURSO DE REVISTA. INTERPOSIÇÃO NA
ao analisar o processo nº TST-E-RR-586341-05.1999.5.18.5555, VIGÊNCIA DA LEI Nº 13.015/2014. TERCEIRIZAÇÃO.
concluiu que o artigo 25 da Lei nº 8.987/95 não autoriza a CONCESSIONÁRIA DE ENERGIA ELÉTRICA. ELETRICISTA.
terceirização de atividade fim da empresa concessionária de serviço ATIVIDADE PRECÍPUA. VÍNCULO DE EMPREGO COM A
público de energia elétrica. (negritos acrescidos) TOMADORA DOS SERVIÇOS. NÃO CONHECIMENTO. 1.
Referida decisão está assim ementada: Segundo a jurisprudência desta egrégia SBDI-1, o artigo 25, § 1º, da
Lei nº 8.987/95 não autoriza a terceirização de serviços
"RECURSO DE EMBARGOS - AÇÃO CIVIL PÚBLICA - relacionados às atividades precípuas das concessionárias de
TERCEIRIZAÇÃO EM ATIVIDADE-FIM - EMPRESA DO RAMO DE energia elétrica, entre as quais se inclui a função de eletricista.
ENERGIA ELÉTRICA - EXEGESE DO ART. 25 DA LEI Nº 8.987/95 Precedentes desta egrégia SBDI-1. Ressalva de entendimento
- INTELIGÊNCIA DA SÚMULA Nº 331 DO TRIBUNAL SUPERIOR contrário do Relator. 2. Na hipótese vertente, uma vez consignado
DO TRABALHO - VIOLAÇÃO DO ART. 896 DA CLT. A Lei nº 8.987, pela egrégia Oitava Turma deste Tribunal que a segunda reclamada
de 13 de fevereiro de 1995, que dispõe sobre o regime de (CELPE), concessionária de serviços de energia elétrica, terceirizou
concessão e permissão de prestação de serviços públicos, ostenta atividade inerente ao serviço concedido - de eletricista -, impõe-se o
natureza administrativa e, como tal, ao tratar, em seu art. 25, da reconhecimento da ilicitude da terceirização e, consequentemente,
contratação com terceiros de atividades inerentes, acessórias ou do vínculo de emprego entre o reclamante e a tomadora dos
complementares ao serviço concedido, não autorizou a serviços. Inteligência do item I da Súmula nº 331. 3. Considerando,
terceirização da atividade-fim das empresas do setor elétrico. Isso pois, que o v. acórdão turmário está em conformidade com a
porque, esse diploma administrativo não aborda matéria trabalhista, iterativa e notória jurisprudência desta colenda Corte Superior, o
nem seus princípios, conceitos e institutos, cujo plano de eficácia é conhecimento do recurso de embargos encontra óbice no artigo
outro. A legislação trabalhista protege, substancialmente, um valor: 894, § 2º, da CLT. 4. Recurso de embargos não conhecido." (E-ED-
o trabalho humano, prestado em benefício de outrem, de forma não RR-446-93.2013.5.06.0312, Relator Ministro Guilherme Augusto
eventual, oneroso e sob subordinação jurídica, apartes à já Caputo Bastos, Subseção I Especializada em Dissídios Individuais,
insuficiente conceituação individualista. E o protege sob o influxo de DEJT 24/3/2017)
outro princípio maior, o da dignidade da pessoa humana. Não se
poderia, assim, dizer que a norma administrativista, preocupada "EMBARGOS REGIDOS PELA LEI Nº 13.015/2014.
com princípios e valores do Direito Administrativo, viesse derrogar o "TERCEIRIZAÇÃO ILÍCITA. CONCESSIONÁRIA DE ENERGIA
eixo fundamental da legislação trabalhista, que é o conceito de ELÉTRICA. ATIVIDADE PRECÍPUA DO TOMADOR DOS
empregado e empregador, jungido que está ao conceito de contrato SERVIÇOS. ENTE PÚBLICO. FRAUDE. RESPONSABILIDADE
de trabalho, previsto na CLT. O enunciado da Súmula nº 331 do SOLIDÁRIA. PREVISÃO NO ARTIGO 942 DO CC. PROVIMENTO.
Tribunal Superior do Trabalho guarda perfeita harmonia com 1. Segundo a jurisprudência desta Corte Superior, o artigo 25, § 1º,
princípios e normas constitucionais e trabalhistas e trouxe um marco da Lei nº 8.987/95 não autoriza a terceirização de serviços
teórico e jurisprudencial para o fenômeno da terceirização nas relacionados às atividades precípuas das concessionárias de
relações de trabalho no Brasil, importante para o desenvolvimento energia elétrica. Ressalva de entendimento contrário do Relator. 2.
social e econômico do País, já que compatibilizou os princípios da Na hipótese vertente, da leitura do v. acórdão turmário, depreende-
valorização do trabalho humano e da livre concorrência e equilibrou se que a concessionária de serviços de energia elétrica (CELG)
a relação entre o capital e o trabalho. Recurso de embargos terceirizou atividades essenciais ao seu objeto, o que acarretou o
conhecido e parcialmente provido." (E-RR-586341- reconhecimento de sua ilicitude. 3. Por outro lado, segundo a
05.1999.5.18.5555, Redator Ministro Luiz Philippe Vieira de Mello jurisprudência deste colendo Tribunal Superior, a contratação
Filho, SDI-1, DEJT 16/10/2009) irregular de trabalhador por meio de empresa interposta não gera
vínculo de emprego com órgão da administração pública, em face
Conforme se verifica, entendeu-se que o referido dispositivo legal do óbice contido no artigo 37, II e § 2º, da Constituição Federal. 4.

Código para aferir autenticidade deste caderno: 137896


2774/2019 Tribunal Superior do Trabalho 47
Data da Disponibilização: Sexta-feira, 26 de Julho de 2019

Uma vez configurada a fraude na terceirização, todavia, o ente a aplicar o art. 94, II, da Lei 9.472/1997, sem observar a cláusula de
público tomador de serviços deve ser responsabilizado de forma reserva de Plenário (CF, art. 97), observado o artigo 949 do CPC".
solidária pelos créditos trabalhistas do empregado, com fulcro no Eis o teor da ementa do julgado:
artigo 942 do CC, segundo o qual todos aqueles que violam direito EMENTA: CONSTITUCIONAL E TRABALHISTA. NULIDADE DO
de outrem responderão solidariamente pela reparação. Precedentes ACÓRDÃO RECORRIDO POR DESRESPEITO A CLÁUSULA DE
desta egrégia SBDI-1. 5. Recurso de embargos de que se conhece RESERVA DE PLENÁRIO (CF, ART. 97 E SV 10). NEGATIVA
e ao qual se dá provimento. [...]" (E-RR-11623-36.2013.5.18.0016, PARCIAL DE VIGÊNCIA E EFICÁCIA AO INCISO II, DO ART. 94
Redator Ministro José Roberto Freire Pimenta, Subseção I DA LEI 9.472/1997 (LEI GERAL DE TELECOMUNICAÇÕES) POR
Especializada em Dissídios Individuais, DEJT 27/1/2017) ÓRGÃO FRACIONÁRIO COM BASE NA SÚMULA 331/TST.
IMPOSSIBILIDADE. LICITUDE DE TERCEIRIZAÇÃO DE TODA E
No caso, depreende-se do acórdão regional que o reclamante QUALQUER ATIVIDADE, MEIO OU FIM, NÃO SE
desempenhava a função de eletricista, a qual constitui atividade fim CONFIGURANDO RELAÇÃO DE EMPREGO ENTRE A
da empresa concessionária de serviço público de energia elétrica, CONTRATANTE E O EMPREGADO DA CONTRATADA (ADPF 324
logo, tem-se por efetivamente ilícita a terceirização e correto o E RE 958.252). AGRAVO CONHECIDO. RECURSO PROVIDO.
reconhecimento do vínculo de emprego diretamente com ela e dos 1. A inconstitucionalidade de lei ou ato normativo estatal só pode
consectários legais e normativos, na forma decidida pelo Tribunal a ser declarada pelo voto da maioria absoluta da totalidade dos
quo. membros do tribunal ou, onde houver, dos integrantes do respectivo
Registre-se, para que não reste dúvida, que o acórdão recorrido não órgão especial, sob pena de absoluta nulidade da decisão emanada
declarou a inconstitucionalidade do art. 25, § 1º, da Lei nº 8.987/95, do órgão fracionário (turma, câmara ou seção), em respeito à
tampouco negou vigência ao aludido dispositivo, mas apenas previsão do art. 97 da Constituição Federal.
interpretou a sua incidência no caso concreto, razão pela qual não 2. A cláusula de reserva de plenário atua como condição de eficácia
há falar em afronta à cláusula de reserva de plenário jurídica da própria declaração jurisdicional de inconstitucionalidade
consubstanciada no art. 97 da CF, nem em contrariedade à Súmula dos atos do Poder Público, aplicando-se para todos os tribunais, via
Vinculante nº 10 do STF. (negritos acrescidos) difusa, e para o SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL, também no
Dessa forma, o processamento do recurso de revista não se controle concentrado (CF, art. 97 e SV 10).
viabiliza a teor da Súmula nº 333 do TST e do artigo 896, § 7º, da 3. É nula a decisão de órgão fracionário que, ao negar a aplicação
CLT, tendo em vista que o acórdão regional foi prolatado em do inciso II, do art. 94 da Lei 9.472/1997, com base na Súmula
consonância com a jurisprudência deste Tribunal Superior do 331/TST, e declarar ilícita a terceirização e atividade-fim, reconhece
Trabalho, consubstanciada nos julgados supratranscritos e na a existência de vínculo trabalhista entre a contratante e o
Súmula nº 331, I, do TST. empregado da contratada, pois exerceu controle difuso de
Por fim, impende ressaltar que, constitucionalmente, tem o Poder constitucionalidade, declarando a parcial nulidade sem redução de
Judiciário a competência privativa para interpretar e aplicar a texto do referido dispositivo sem observar a cláusula de reserva de
legislação vigente, estando obrigado, por lei, a uniformizar as suas Plenário. AGRAVO PROVIDO.
decisões. Assim, quando sumulam a jurisprudência, os Tribunais 4. O PLENÁRIO DA CORTE declarou parcialmente inconstitucional
Superiores nada mais fazem do que sedimentar a interpretação e a a SÚMULA 331/TST e proclamou a licitude da terceirização de toda
aplicação do preceito de lei aos casos que se identifiquem com os e qualquer atividade, meio ou fim; para afirmar a inexistência de
precedentes firmados. O verbete sumulado nada mais é do que a relação de emprego entre a contratante e o empregado da
síntese do trabalho. contratada. RECURSO EXTRAORDINÁRIO PROVIDO.
Ante o exposto, nego provimento. 5. Agravo conhecido e recurso extraordinário provido para
restabelecer a sentença de primeiro grau, com a fixação da seguinte
(...) tese no TEMA 739: "É nula a decisão de órgão fracionário que se
recusa a aplicar o art. 94, II, da Lei 9.472/1997, sem observar a
Entretanto, pelos mesmos fundamentos adotados na análise do cláusula de reserva de Plenário (CF, art. 97), observado o artigo
idêntico tópico do agravo de instrumento em recurso de revista 949 do CPC." (ARE 791932/DF, Rel. Min. Alexandre de Moraes,
interposto pela segunda reclamada, aos quais me reporto, não se DJe 06/03/2019)
viabiliza o processamento do recurso de revista interposto pela
primeira reclamada em relação à mesma insurgência. Logo, versando o acórdão recorrido sobre questão atinente a tema
Ante o exposto, nego provimento. cuja repercussão geral foi reconhecida, com tese de mérito firmada
pelo Supremo Tribunal Federal, determino o dessobrestamento do
(...) recurso e o encaminhamento dos autos ao órgão fracionário prolator
da decisão recorrida nestes autos, a fim de que se manifeste, nos
ISTO POSTO termos do art. 1.030, II do CPC, sobre a necessidade ou não de
exercer eventual juízo de retratação da decisão então proferida por
ACORDAM os Ministros da Oitava Turma do Tribunal Superior do aquele colegiado.
Trabalho, por unanimidade, conhecer dos agravos de instrumento e À Coordenadoria de Recursos - CREC - para as providências
negar-lhes provimento. Retifique-se a autuação para constar as pertinentes.
devidas grafia e denominação da parte agravante e agravada Publique-se.
COMPANHIA ENERGÉTICA DE PERNAMBUCO - CELPE." Brasília, 25 de julho de 2019.

O Supremo Tribunal Federal, ao julgar o ARE 791.932/DF fixou a Firmado por assinatura digital (MP 2.200-2/2001)
seguinte tese: "É nula a decisão de órgão fracionário que se recusa RENATO DE LACERDA PAIVA

Código para aferir autenticidade deste caderno: 137896


2774/2019 Tribunal Superior do Trabalho 48
Data da Disponibilização: Sexta-feira, 26 de Julho de 2019

Ministro Vice-Presidente do TST (...)"

Processo Nº AIRR-0000665-87.2015.5.20.0008 Ante o exposto, estando a decisão recorrida em harmonia com a


Complemento Processo Eletrônico jurisprudência pacificada nesta Corte Superior, descabe cogitar de
Relator Min. Dora Maria da Costa ofensa aos artigos 2º e 3º da CLT e 94, II, da Lei nº 9.472/97.
Agravante TELEFÔNICA BRASIL S.A. (negritos acrescidos)
Advogada Dra. Letícia Francisco Silva da Por outro lado, verifica-se que o Regional dirimiu a controvérsia com
Costa(OAB: 171320/SP)
base nas provas efetivamente produzidas e valoradas nos autos, e
Advogado Dr. José Alberto Couto Maciel(OAB:
513-A/DF) não pela ótica da distribuição do ônus da prova. Assim, incólumes
Agravado CARLOS EDUARDO DO os artigos 818 da CLT e 373 do CPC/15.
NASCIMENTO SANTOS Por fim, os arestos trazidos a cotejo desservem ao fim colimado. O
Advogado Dr. William de Oliveira Cruz(OAB: 3º aresto à fl. 337 revela-se inespecífico, à luz da Súmula nº 296 do
2355/SE)
TST, já que nem sequer trata de terceirização ilícita.
Agravado TRESPONTOUM
REPRESENTAÇÕES E SERVIÇOS Os demais, à fl. 337, indicam fonte de publicação - o sítio eletrônico
DE TELECOMUNICAÇÕES LTDA. www.jusbrasil.com.br - que não consubstancia repositório
autorizado de jurisprudência desta Corte, incidindo no óbice da
Intimado(s)/Citado(s): Súmula nº 337, IV, do TST.
- CARLOS EDUARDO DO NASCIMENTO SANTOS Já o aresto às fls. 338/339 é oriundo de Turma desta Corte, órgão
- TELEFÔNICA BRASIL S.A. não elencado no art. 896, "a", da CLT.
- TRESPONTOUM REPRESENTAÇÕES E SERVIÇOS DE Nego provimento.
TELECOMUNICAÇÕES LTDA.

(...)
Trata-se de recurso extraordinário contra acórdão proferido pela
egrégia Oitava Turma deste Tribunal. ISTO POSTO
A parte recorrente suscita preliminar de repercussão geral da
matéria e aponta violação aos dispositivos da Constituição da ACORDAM os Ministros da Oitava Turma do Tribunal Superior do
República que especifica nas razões recursais. Trabalho, por unanimidade, conhecer do agravo de instrumento e,
A Vice-Presidência deste Tribunal Superior, por despacho, no mérito, negar-lhe provimento."
determinou o sobrestamento do recurso extraordinário por envolver
o Tema nº 739 do ementário de Repercussão Geral do Supremo O Supremo Tribunal Federal, ao julgar o ARE 791.932/DF fixou a
Tribunal Federal. seguinte tese: "É nula a decisão de órgão fracionário que se recusa
Considerando que a matéria foi julgada na Sessão do Tribunal a aplicar o art. 94, II, da Lei 9.472/1997, sem observar a cláusula de
Pleno do STF em 11/10/2018, com fixação da tese de mérito e que reserva de Plenário (CF, art. 97), observado o artigo 949 do CPC".
o acórdão foi publicado no Diário Eletrônico de Justiça de Eis o teor da ementa do julgado:
06/03/2019, com trânsito em julgado, passo ao exame de EMENTA: CONSTITUCIONAL E TRABALHISTA. NULIDADE DO
admissibilidade do recurso sobrestado. ACÓRDÃO RECORRIDO POR DESRESPEITO A CLÁUSULA DE
É o relatório. RESERVA DE PLENÁRIO (CF, ART. 97 E SV 10). NEGATIVA
Decido. PARCIAL DE VIGÊNCIA E EFICÁCIA AO INCISO II, DO ART. 94
Consta do acórdão recorrido: DA LEI 9.472/1997 (LEI GERAL DE TELECOMUNICAÇÕES) POR
ÓRGÃO FRACIONÁRIO COM BASE NA SÚMULA 331/TST.
"(...) IMPOSSIBILIDADE. LICITUDE DE TERCEIRIZAÇÃO DE TODA E
QUALQUER ATIVIDADE, MEIO OU FIM, NÃO SE
Nessa senda, concluiu que os serviços desempenhados pelo CONFIGURANDO RELAÇÃO DE EMPREGO ENTRE A
reclamante - venda de serviços da concessionária - estão ligados à CONTRATANTE E O EMPREGADO DA CONTRATADA (ADPF 324
atividade-fim do tomador de serviços, sendo aplicável ao caso o E RE 958.252). AGRAVO CONHECIDO. RECURSO PROVIDO.
entendimento consubstanciado na Súmula nº 331, I, do TST. 1. A inconstitucionalidade de lei ou ato normativo estatal só pode
Assim, constatada a fraude à legislação trabalhista e a ilicitude da ser declarada pelo voto da maioria absoluta da totalidade dos
terceirização, em face da contratação do obreiro por meio de membros do tribunal ou, onde houver, dos integrantes do respectivo
empresa interposta, prescinde de reparos a decisão regional, que órgão especial, sob pena de absoluta nulidade da decisão emanada
se encontra em sintonia com a Súmula nº 331, I e III, do TST, in do órgão fracionário (turma, câmara ou seção), em respeito à
verbis: previsão do art. 97 da Constituição Federal.
2. A cláusula de reserva de plenário atua como condição de eficácia
"CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS. LEGALIDADE jurídica da própria declaração jurisdicional de inconstitucionalidade
I - A contratação de trabalhadores por empresa interposta é ilegal, dos atos do Poder Público, aplicando-se para todos os tribunais, via
formando-se o vínculo diretamente com o tomador dos serviços, difusa, e para o SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL, também no
salvo no caso de trabalho temporário (Lei nº 6.019, de 03.01.1974). controle concentrado (CF, art. 97 e SV 10).
(...) 3. É nula a decisão de órgão fracionário que, ao negar a aplicação
III - Não forma vínculo de emprego com o tomador a contratação de do inciso II, do art. 94 da Lei 9.472/1997, com base na Súmula
serviços de vigilância (Lei nº 7.102, de 20.06.1983) e de 331/TST, e declarar ilícita a terceirização e atividade-fim, reconhece
conservação e limpeza, bem como a de serviços especializados a existência de vínculo trabalhista entre a contratante e o
ligados à atividade-meio do tomador, desde que inexistente a empregado da contratada, pois exerceu controle difuso de
pessoalidade e a subordinação direta. constitucionalidade, declarando a parcial nulidade sem redução de

Código para aferir autenticidade deste caderno: 137896


2774/2019 Tribunal Superior do Trabalho 49
Data da Disponibilização: Sexta-feira, 26 de Julho de 2019

texto do referido dispositivo sem observar a cláusula de reserva de República que especifica nas razões recursais.
Plenário. AGRAVO PROVIDO. A Vice-Presidência deste Tribunal Superior, por despacho,
4. O PLENÁRIO DA CORTE declarou parcialmente inconstitucional determinou o sobrestamento do recurso extraordinário por envolver
a SÚMULA 331/TST e proclamou a licitude da terceirização de toda o Tema nº 739 do ementário de Repercussão Geral do Supremo
e qualquer atividade, meio ou fim; para afirmar a inexistência de Tribunal Federal.
relação de emprego entre a contratante e o empregado da Considerando que a matéria foi julgada na Sessão do Tribunal
contratada. RECURSO EXTRAORDINÁRIO PROVIDO. Pleno do STF em 11/10/2018, com fixação da tese de mérito e que
5. Agravo conhecido e recurso extraordinário provido para o acórdão foi publicado no Diário Eletrônico de Justiça de
restabelecer a sentença de primeiro grau, com a fixação da seguinte 06/03/2019, com trânsito em julgado, passo ao exame de
tese no TEMA 739: "É nula a decisão de órgão fracionário que se admissibilidade do recurso sobrestado.
recusa a aplicar o art. 94, II, da Lei 9.472/1997, sem observar a É o relatório.
cláusula de reserva de Plenário (CF, art. 97), observado o artigo Decido.
949 do CPC." (ARE 791932/DF, Rel. Min. Alexandre de Moraes, Consta do acórdão recorrido:
DJe 06/03/2019)
(...)
Logo, versando o acórdão recorrido sobre questão atinente a tema
cuja repercussão geral foi reconhecida, com tese de mérito firmada 3 - EMPRESA DE TELECOMUNICAÇÕES. TERCEIRIZAÇÃO.
pelo Supremo Tribunal Federal, determino o dessobrestamento do CABIMENTO. ATIVIDADE-FIM E ATIVIDADE-MEIO. SÚMULA 331
recurso e o encaminhamento dos autos ao órgão fracionário prolator DO TST. INTERPRETAÇÃO DO ART. 25, § 1º, DA LEI Nº 8.987/95
da decisão recorrida nestes autos, a fim de que se manifeste, nos E DO ART. 94, INCISO II, DA LEI Nº 9.472/97. INSTALAÇÃO E
termos do art. 1.030, II do CPC, sobre a necessidade ou não de MANUTENÇÃO DE LINHAS TELEFÔNICAS. INSERÇÃO NA
exercer eventual juízo de retratação da decisão então proferida por ATIVIDADE-FIM EMPRESARIAL. RELAÇÃO DE EMPREGO.
aquele colegiado. CONFIGURAÇÃO.
À Coordenadoria de Recursos - CREC - para as providências 3.1 - CONHECIMENTO.
pertinentes. Assim decidiu a Eg. Corte de origem, conforme os seguintes
Publique-se. fundamentos, parcialmente transcritos nas razões de recurso de
Brasília, 25 de julho de 2019. revista (art. 896, § 1º-A, I, da CLT):

"O reclamante insurge-se contra a decisão que não reconhece ser


Firmado por assinatura digital (MP 2.200-2/2001) de natureza empregatícia o vínculo entre ele e a OI S.A. Afirma que
RENATO DE LACERDA PAIVA os serviços prestados por ele estão inseridos na atividade-fim da
Ministro Vice-Presidente do TST Brasil Telecom. Sustenta que a terceirização nesses moldes serve
apenas para desvirtuar o instituto, tendo em vista que reduz custos
Processo Nº E-ED-ARR-0001261-39.2011.5.04.0305 da tomadora suprimindo direitos dos trabalhadores que passam a
Complemento Processo Eletrônico vincular-se a empresas com menor solidez e que, não raras às
Relator Min. Cláudio Mascarenhas Brandão vezes, oferece condições mais precárias de trabalho. Entende que,
Embargante ETE - ENGENHARIA DE em se tratando de terceirização de atividade-fim, deve ser declarada
TELECOMUNICOES E
ELETRICIDADE LTDA a nulidade da intermediação, com o consequente reconhecimento
Advogado Dr. Andersson Virgínio Dall'agnol(OAB: do vínculo diretamente com a tomadora, com fundamento no art. 9º
48538/RS) da CLT e na Súmula nº 331, I, do TST. Salienta que a Lei Geral de
Embargado(a) OI S.A. Telecomunicações em nada altera esse entendimento, tendo em
Advogada Dra. Maria Clara Sampaio Leite(OAB: vista regular matéria administrativa e, não trabalhista. Aduz que a
4019/DF)
terceirização, nos moldes em que praticada pela primeira
Advogado Dr. José Alberto Couto Maciel(OAB:
513/DF) reclamada, viola princípios constitucionais como o da valorização do
Advogado Dr. Walter Dantas Baía(OAB: trabalho e da dignidade humana. Assevera ter demonstrado a
85352/RS) presença dos requisitos previstos nos arts. 2º e 3º da CLT.
Embargado(a) JOCELI DOS SANTOS Sucessivamente, busca a aplicação, por analogia, do disposto na
Advogado Dr. Fernando Arndt(OAB: 48018/RS) Lei nº 6.019/74, com a condenação da primeira reclamada ao
Advogado Dr. Roberto de Figueiredo pagamento de diferenças salariais, conforme postulado nos itens
Caldas(OAB: 5939/DF)
2.3 a 2.1.3 da inicial.
Advogada Dra. Rafaela Possera Rodrigues(OAB:
33191/DF) O reclamante foi admitido em 24 de agosto de 2006 pela segunda
reclamada (ETE - Engenharia de Telecomunicações e Eletricidade
Intimado(s)/Citado(s): Ltda.) para exercer o cargo de Encarregado, tendo sido dispensado
sem justa causa em 31 de março de 2010, conforme TRCT (fl. 12).
- ETE - ENGENHARIA DE TELECOMUNICOES E
ELETRICIDADE LTDA O Juízo de origem indeferiu o pedido consignando que:
- JOCELI DOS SANTOS [...] Diante da licitude da terceirização havida, e restando
- OI S.A. caracterizado que o autor não esteve diretamente subordinado aos
prepostos ou encarregados da primeira reclamada, não há falar em
Trata-se de recurso extraordinário contra acórdão proferido pela configuração de vínculo de emprego [...] (fl. 549).
egrégia Terceira Turma deste Tribunal. Os documentos juntados nas fls. 98-101 evidenciam que as
A parte recorrente suscita preliminar de repercussão geral da reclamadas mantiveram entre si uma relação de natureza
matéria e aponta violação aos dispositivos da Constituição da civil/comercial, por meio de um "contrato de manutenção de rede

Código para aferir autenticidade deste caderno: 137896


2774/2019 Tribunal Superior do Trabalho 50
Data da Disponibilização: Sexta-feira, 26 de Julho de 2019

externa", sendo a segunda reclamada fornecedora de mão de obra ramo das telecomunicações é questão a ser dirimida com base nas
e a primeira tomadora de serviços. normas e princípios que norteiam o Direito do Trabalho.
O contrato firmado entre as demandadas tem como objeto a A terceirização implica na transferência de determinadas atividades
execução, pela CONTRATADA, dos serviços de engenharia, do empreendimento econômico às empresas especializadas com o
elaboração de projetos, implantação, manutenção e operação das intuito de que estas possam realizar o trabalho com uma maior
redes de acessos, rotas de cabos ópticos, serviços de comunicação eficiência a um menor custo, permitindo, dessa forma, a
de dados, serviços ADSL e serviço Vídeo Link da CONTRATANTE, concentração dos esforços da empresa tomadora de serviços em
bem como o fornecimento de todos os materiais e equipamentos de suas atividades essenciais. Não se prestam, portanto, para suprimir
responsabilidade da CONTRATADA, necessários à execução de a necessidade de empregados em uma empresa.
tais serviços [...] (fl. 98-v). Nesse sentido, entendo ser lícita a terceirização em apenas quatro
Assim, incontroversa a terceirização da mão de obra, resta perquirir hipóteses, quais sejam: trabalho temporário (Lei nº 6.019/74),
acerca da sua legalidade. serviços de vigilância (Lei nº 7.102/83), atividades de conservação e
Em se tratando de uma empresa de telecomunicação, entendo que limpeza e serviços ligados à atividade-meio da tomadora (Súmula nº
não se está diante de mera intermediação de mão de obra, mas sim 331, III, do TST). Assim, evidente a sujeição das empresas de
de um caso típico de terceirização de atividade-fim. telecomunicação às orientações insertas na Súmula antes referida.
Nesse sentido, importa destacar o depoimento do preposto da A contrario sensu, admitindo-se a licitude da terceirização nesses
primeira reclamada: casos, estar-se-ia admitindo que empresas de telecomunicação
[...] que eles fazem trabalho de rua atendendo os clientes quanto funcionassem sem empregados, implicando em flagrante
aos serviços de instalação nova ou conserto da linha telefônica por precarização dos direitos dos trabalhadores, bem como em afronta
exemplo; que não há nenhum empregado da Brasil Telecom aos princípios da dignidade humana e da busca do pleno emprego,
fazendo esse serviço de rua, mas apenas fiscais [...] (fl. 454-v, previstos nos arts. 1º, III e 170, VII da CF.
grifei). Na mesma linha, decisão pelo TST no processo nº 0000040-
Relevante também mencionar o depoimento do preposto da 24.2011.5.03.0021, da relatoria do Ministro José Roberto Freire
segunda reclamada: Pimenta, publicada em 05 de outubro de 2012:
[...] que os funcionários da segunda reclamada apresentavam-se TERCEIRIZAÇÃO ILÍCITA. EMPRESA DE TELECOMUNICAÇÕES.
aos clientes como empregados desta empresa a serviço da Brasil CALL CENTER. ATIVIDADE-FIM DA RECLAMADA TOMADORA
Telecom; que o uniforme utilizado pelos empregados era da DE SERVIÇOS. INTERPRETAÇÃO DOS ARTIGOS 25, § 1º, DA
segunda reclamada; e mais para o final (três ou quatro meses antes LEI Nº 8.987/95 E DO ARTIGO 94, INCISO II, DA LEI Nº 9.472/97 E
do final do contrato) os empregados utilizavam uma camiseta onde APLICAÇÃO DA SÚMULA Nº 331, ITENS I E III, DO TST.
havia o emblema da OI; que no veículo utilizado pelos empregados VÍNCULO DE EMPREGO ENTRE A TOMADORA DE SERVIÇOS E
da segunda reclamada havia os dizeres: à serviço da Brasil O TRABALHADOR TERCEIRIZADO RECONHECIDO. 1. Discute-
Telecom (fl. 456). se nestes autos a possibilidade de terceirização das atividades de
Cabe esclarecer que os depoimentos acima referidos foram call center e a incidência ou não, nesses casos, do item I da Súmula
extraídos, respectivamente, dos processos de nº 0000940- nº 331 do TST. Embora o entendimento consagrado nesta Súmula
31.2011.5.04.0102 e 0000369-93.2012.5.04.0403, cuja utilização tenha sido no sentido de se admitir a licitude da terceirização de
como prova emprestada restou convencionada pelas partes, forma bem mais ampla e generalizada que a Súmula nº 256 desta
conforme ata de audiência juntada na fl. 453 dos autos. Corte que antes tratava da matéria, isso não significou considerá-la
Em audiência, o preposto da segunda reclamada requer a lícita em todo e qualquer caso. Levando-se em conta a finalidade da
retificação do depoimento antes mencionado para fazer constar, em terceirização, que é permitir a concentração dos esforços da
vez de "a serviço da OI", "que constava o emblema da OI" (fl. 453). empresa tomadora de serviços em suas atividades essenciais por
Não restam dúvidas de que a primeira reclamada utilizou-se da mão meio da contratação da prestação de serviços especializados por
de obra ofertada pela segunda em atividade-fim da empresa, terceiros nas suas demais atividades, consagrou-se, no item III da
inclusive, no que diz respeito ao atendimento direto aos clientes da citada Súmula nº 331, a autorização para a contratação de serviços
OI S.A. especializados ligados à atividade-meio do tomador, ou seja, a
A primeira reclamada aduz, em contestação, tratar-se o caso em contrario sensu, a terceirização, continuou sendo considerada ilícita,
exame de terceirização de atividade meio e, não atividade-fim como sob pena de formação do vínculo de emprego dos trabalhadores
reclama o autor. Invocando o disposto nos arts. 60 e 94 da Lei nº terceirizados com o tomador dos serviços, nos termos de seu item I,
9.472/97, salienta ser lícita a terceirização pactuada entre as toda e qualquer terceirização das atividades-fim das empresas.
reclamadas (fl. 86). O dossiê realizado em setembro de 2011 pelo DIEESE e pela CUT
Da mesma forma, a segunda reclamada (fl. 150) defende ser lícita sobre o impacto da terceirização sobre os trabalhadores registra
esta contratação baseando-se no art. 94 da Lei 9.427/97 que dispõe que:
sobre a possibilidade de contratações nas empresas de Do ponto de vista econômico, as empresas procuram otimizar seus
telecomunicação, in verbis: lucros, em menor grau pelo crescimento da produtividade, pelo
II - contratar com terceiros o desenvolvimento de atividades desenvolvimento de produtos com maior valor agregado, com maior
inerentes, acessórias ou complementares ao serviço, bem como a tecnologia ou ainda devido à especialização dos serviços ou
implementação de projetos associados. produção. Buscam como estratégia central, otimizar seus lucros e
Cumpre destacar que a Lei nº 8.987/95, que disciplina a atuação reduzir preços, em especial, através de baixíssimos salários, altas
das empresas concessionárias e permissionárias de serviço público jornadas e pouco ou nenhum investimento em melhoria das
em geral, bem como a Lei nº 9.472/97, que regula as condições de trabalho. Do ponto de vista social, podemos afirmar
telecomunicações são normas de Direito Administrativo e, como que a grande maioria dos direitos dos trabalhadores é
tais, não servem para disciplinar matéria trabalhista. Assim, a desrespeitada, criando a figura de um "cidadão de segunda classe"
licitude das terceirizações de serviços ligados à atividade-fim no com destaque para as questões relacionadas à vida dos

Código para aferir autenticidade deste caderno: 137896


2774/2019 Tribunal Superior do Trabalho 51
Data da Disponibilização: Sexta-feira, 26 de Julho de 2019

trabalhadores(as), aos golpes das empresas que fecham do dia Assim, por todo o exposto, dou provimento parcial ao recurso
para a noite e não pagam as verbas rescisórias aos seus ordinário do reclamante para, reconhecendo o vínculo de emprego
trabalhadores empregados e às altas e extenuantes jornadas de diretamente com a primeira reclamada (OI S.A), determinar o
trabalho (www. sinttel. org.br/downloads/dossie_ terceirização_ retorno dos autos à origem para apreciação das demais questões
cut.pdf). suscitadas" (fls. 600-v/605).
Relevante consignar o entendimento da Juíza do Trabalho Valdete
Souto Severo, acerca do projeto de lei (PL nº 4330/04) que Alega a recorrente, em síntese, que não há que se falar em
permitiria a terceirização mesmo em atividades diretamente ligadas reconhecimento de relação empregatícia, uma vez que não houve
à finalidade social da empresa: intermediação ilícita de mão de obra. Indica ofensa aos arts. 60, §
Precisamos ter a coragem de retroceder nesse movimento de 1º, 61, §§ 1º e 2º, e 94, I e II, da Lei nº 9.472/97, 2º e 3º da CLT e
precarização que parece haver contaminado todos os âmbitos das 265 do Código Civil, além de contrariedade à Súmula 331, III, do
relações de trabalho. Não se trata de modificar o projeto de lei, mas TST. Transcreve paradigmas de divergência.
de rechaçá-lo, resgatando a centralidade da relação de emprego e a Em bom momento, firme nos mais relevantes dogmas do Direito do
condição de empregador, afastando de uma vez por todas a Trabalho, esta Corte editou a Súmula 331, assim redigida:
pleonástica expressão "tomador de trabalho"
(www.trt4.jus.br/portal/portal/trt4/comunicacao/noticia/info/noticiawi "CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS. LEGALIDADE
ndow?cod=743128&action2&destaque=false&filtros- Artigo "Não à (nova redação do item IV e inseridos os itens V e VI à redação) -
terceirização", publicado em 24 de junho de 2013). Res. 174/2011, DEJT divulgado em 27, 30 e 31.05.2011
Assim, restou comprovado que houve, no caso em exame, a I - A contratação de trabalhadores por empresa interposta é ilegal,
terceirização de serviços ligados à atividade-fim da tomadora de formando-se o vínculo diretamente com o tomador dos serviços,
serviços configurando, dessa forma, ilegalidade e impondo o salvo no caso de trabalho temporário (Lei nº 6.019, de 03.01.1974).
reconhecimento do vínculo de emprego diretamente com a II - A contratação irregular de trabalhador, mediante empresa
tomadora, nos termos do item I, da Súmula nº 331 do TST, verbis: interposta, não gera vínculo de emprego com os órgãos da
A contratação de trabalhadores por empresa interposta é ilegal, Administração Pública direta, indireta ou fundacional (art. 37, II, da
formando-se o vínculo diretamente com o tomador dos serviços, CF/1988).
salvo no caso de trabalho temporário (Lei nº 6.019, de 03.01.1974). III - Não forma vínculo de emprego com o tomador a contratação de
A decisão ora adotada encontra supedâneo em outros julgados serviços de vigilância (Lei nº 7.102, de 20.06.1983) e de
deste Tribunal, conforme ementas a seguir transcritas: conservação e limpeza, bem como a de serviços especializados
ligados à atividade-meio do tomador, desde que inexistente a
OI S.A. E ETE LTDA. CONTRATAÇÃO POR INTERPOSTA pessoalidade e a subordinação direta.
PESSOA. FRAUDE AOS DIREITOS TRABALHISTAS. IV - O inadimplemento das obrigações trabalhistas, por parte do
RECONHECIMENTO DE VÍNCULO DE EMPREGO empregador, implica a responsabilidade subsidiária do tomador dos
DIRETAMENTE COM O BENEFICIÁRIO DA PRESTAÇÃO DE serviços quanto àquelas obrigações, desde que haja participado da
SERVIÇOS. Presentes os elementos caracterizadores da relação relação processual e conste também do título executivo judicial.
de emprego, em especial a subordinação do reclamante à OI S.A. V - Os entes integrantes da Administração Pública direta e indireta
na forma objetiva (integração na atividade-fim da empresa respondem subsidiariamente, nas mesmas condições do item IV,
tomadora), impõe-se reconhecer o vínculo de emprego diretamente caso evidenciada a sua conduta culposa no cumprimento das
com esta, tendo-se como ilegal a contratação efetuada por meio de obrigações da Lei n.º 8.666, de 21.06.1993, especialmente na
interposta pessoa. Recurso ordinário do reclamante parcialmente fiscalização do cumprimento das obrigações contratuais e legais da
provido. (TRT da 4ª Região, 1a. Turma, 0000157-62.2012.5.04.0471 prestadora de serviço como empregadora. A aludida
RO, em 21/08/2013, Desembargadora Laís Helena Jaeger Nicotti - responsabilidade não decorre de mero inadimplemento das
Relatora. Participaram do julgamento: Desembargadora Ana Luiza obrigações trabalhistas assumidas pela empresa regularmente
Heineck Kruse, Desembargador Marcelo José Ferlin D Ambroso) contratada.
VI - A responsabilidade subsidiária do tomador de serviços abrange
VÍNCULO DE EMPREGO. Situação em que se reconhece o vínculo todas as verbas decorrentes da condenação referentes ao período
de emprego, porquanto demonstrado que o reclamante exercia da prestação laboral".
atividade-fim da reclamada Oi. (TRT da 4ª Região, 9a. Turma,
0000339-34.2012.5.04.0023 RO, em 02/05/2013, Desembargador O verbete veda a "contratação de trabalhadores por empresa
João Alfredo Borges Antunes de Miranda - Relator. Participaram do interposta", "formando-se o vínculo diretamente com o tomador dos
julgamento: Desembargadora Carmen Gonzalez, Desembargador serviços", ressalvados os casos de trabalho temporário, vigilância,
Marçal Henri dos Santos Figueiredo) conservação e limpeza, bem como de "serviços especializados
ligados à atividade-meio do tomador, desde que inexistente a
OI S.A. ETE ENGENHARIA. INTERMEDIAÇÃO DE MÃO DE pessoalidade e a subordinação direta" (itens I e III). Delimita, como
OBRA. VÍNCULO DE EMPREGO. A prestação de serviços resta evidente, exaustivamente, os casos em que se tolera
inerentes à atividade-fim da empresa torna presumível a existência terceirização em atividade-fim.
do vínculo empregatício, na forma do item I da Súmula 331 do TST A terceirização gera, diversamente do modelo tradicional,
(TRT da 4ª Região, 11a. Turma, 0000285-55.2012.5.04.0771 RO, relacionamento no qual envolvidos trabalhador e duas empresas,
em 08/08/2013, Desembargador Ricardo Hofmeister de Almeida uma delas a arregimentar a mão de obra, que põe a serviço da
Martins Costa - Relator. Participaram do julgamento: outra. Trata-se de ambiente de grande repercussão para os
Desembargadora Flávia Lorena Pacheco, Desembargador Herbert princípios regentes do Direito do Trabalho, podendo, não raro, fazer
Paulo Beck) nada de toda a construção que erigiu esse ramo jurídico.
Efetivamente, a entender-se pela absoluta liberdade de

Código para aferir autenticidade deste caderno: 137896


2774/2019 Tribunal Superior do Trabalho 52
Data da Disponibilização: Sexta-feira, 26 de Julho de 2019

terceirização, breve seria extenso o número de empresas sem


empregados, desprotegidos então das garantias que o sistema "RECURSO DE EMBARGOS - AÇÃO CIVIL PÚBLICA -
sindical e de categorias lhes proporciona. TERCEIRIZAÇÃO EM ATIVIDADE-FIM - EMPRESA DO RAMO DE
Não parece difícil extremar atividade-fim de atividade-meio, sendo ENERGIA ELÉTRICA - EXEGESE DO ART. 25 DA LEI Nº 8.987/95
esta de possível assimilação a bom número de empreendimentos, - INTELIGÊNCIA DA SÚMULA Nº 331 DO TRIBUNAL SUPERIOR
enquanto aquela guarda visceral liame com o objetivo empresarial DO TRABALHO - VIOLAÇÃO DO ART. 896 DA CLT. A Lei nº 8.987,
em concreto. de 13 de fevereiro de 1995, que dispõe sobre o regime de
Tem-se debruçado o Tribunal Superior do Trabalho, reiteradamente, concessão e permissão de prestação de serviços públicos, ostenta
sobre a compreensão que merecem o art. 25, § 1º, da Lei nº natureza administrativa e, como tal, ao tratar, em seu art. 25, da
8.987/95, e o art. 94, inciso II, da Lei nº 9.472/97, conquanto, à contratação com terceiros de atividades inerentes, acessórias ou
primeira e apressada leitura, possam oferecer a ilusória aparência complementares ao serviço concedido, não autorizou a
de ampla franquia para a absoluta e ilimitada terceirização nos seus terceirização da atividade-fim das empresas do setor elétrico. Isso
campos de regência. porque, esse diploma administrativo não aborda matéria trabalhista,
O art. 25 da Lei nº 8.987/95 tem a seguinte redação: nem seus princípios, conceitos e institutos, cujo plano de eficácia é
outro. A legislação trabalhista protege, substancialmente, um valor:
"Art. 25. Incumbe à concessionária a execução do serviço o trabalho humano, prestado em benefício de outrem, de forma não
concedido, cabendo-lhe responder por todos os prejuízos causados eventual, oneroso e sob subordinação jurídica, apartes à já
ao poder concedente, aos usuários ou a terceiros, sem que a insuficiente conceituação individualista. E o protege sob o influxo de
fiscalização exercida pelo órgão competente exclua ou atenue essa outro princípio maior, o da dignidade da pessoa humana. Não se
responsabilidade. poderia, assim, dizer que a norma administrativista, preocupada
§ 1º Sem prejuízo da responsabilidade a que se refere este artigo, a com princípios e valores do Direito Administrativo, viesse derrogar o
concessionária poderá contratar com terceiros o desenvolvimento eixo fundamental da legislação trabalhista, que é o conceito de
de atividades inerentes, acessórias ou complementares ao serviço empregado e empregador, jungido que está ao conceito de contrato
concedido, bem como a implementação de projetos associados. de trabalho, previsto na CLT. O enunciado da Súmula nº 331 do
§ 2º Os contratos celebrados entre a concessionária e os terceiros a Tribunal Superior do Trabalho guarda perfeita harmonia com
que se refere o parágrafo anterior reger-se-ão pelo direito privado, princípios e normas constitucionais e trabalhistas e trouxe um marco
não se estabelecendo qualquer relação jurídica entre os terceiros e teórico e jurisprudencial para o fenômeno da terceirização nas
o poder concedente. relações de trabalho no Brasil, importante para o desenvolvimento
§ 3º A execução das atividades contratadas com terceiros social e econômico do País, já que compatibilizou os princípios da
pressupõe o cumprimento das normas regulamentares da valorização do trabalho humano e da livre concorrência e equilibrou
modalidade do serviço concedido". a relação entre o capital e o trabalho. Recurso de embargos
conhecido e parcialmente provido" (E-ED-RR- 586341-
Já o art. 94 da Lei nº 9.472/97 tem estas feições: 05.1999.5.18.5555, Redator designado Min. Luiz Philippe Vieira de
Mello Filho, SBDI-1, DEJT 16.10.2009).
"Art. 94. No cumprimento de seus deveres, a concessionária
poderá, observadas as condições e limites estabelecidos pela Do lapidar acórdão, convém extrair as seguintes reflexões:
Agência:
I - empregar, na execução dos serviços, equipamentos e infra- "Postulado fundamental da Consolidação das Leis do Trabalho é a
estrutura que não lhe pertençam; definição do contrato individual de trabalho. Dos arts. 2º e 3º da CLT
II - contratar com terceiros o desenvolvimento de atividades emerge um espírito institucional, além de um conceito prévio e
inerentes, acessórias ou complementares ao serviço, bem como a básico, que é o conceito de empregado. Foi deliberado o propósito
implementação de projetos associados. de se reconhecer a correspondência e a equivalência entre a
§ 1° Em qualquer caso, a concessionária continuará sempre relação de emprego e o contrato de trabalho, para os efeitos da
responsável perante a Agência e os usuários. legislação social, correspondência essa não prevista na escola
§ 2° Serão regidas pelo direito comum as relações da contratualista italiana, que exige expressa pactuação. Esse
concessionária com os terceiros, que não terão direitos frente à elemento distintivo é fundamental. O nosso fundamento do contrato
Agência, observado o disposto no art. 117 desta Lei". é o acordo tácito, daí porque a relação de emprego constitui ato
jurídico suficiente para provocar a incidência das medidas de
Direito não é gota, ensinava Pontes de Miranda. Com efeito, o proteção que se contêm no direito do trabalho. Este conceito
ordenamento jurídico há de ser compreendido em seu conjunto, firmado na Consolidação é tanto mais justo e relevante quanto o é o
posta em foco a pluralidade de situações que o convívio social gera que se evidencia em face de contratos formalmente nulos ou
em todas as suas cada vez mais extensas faces. Daí a necessidade substancialmente contrários à ordem pública dos preceitos da
de interpretação e do manejo de técnicas específicas capazes de legislação de proteção ao trabalho, daí a razão de ser do art. 9º
autorizar a ponderação entre valores que partem da matriz consolidado.
constitucional para a particularidade de cada caso objetivo. A legislação trabalhista protege, substancialmente, um valor: o
Pois bem, a SBDI-1, após vastos e profundos debates, já decidiu trabalho humano, prestado em benefício de outrem, de forma não
que os preceitos de Lei antes transcritos guardam pertinência com o eventual, oneroso e sob subordinação jurídica, apartes à já
Direito Administrativo. Vale rememorar os termos da ementa do insuficiente conceituação individualista. E o protege sob o influxo de
Processo E-ED-RR-586341-05.1999.5.18.5555, em que o tema, outro princípio maior, o da dignidade da pessoa humana.
envolvendo, com o mesmo quadro jurídico, empresa do ramo de (...)
energia elétrica, foi desbravado com a habitual argúcia pelo Não se poderia, assim, dizer que a norma administrativista,
eminente Ministro Luiz Philippe Vieira de Mello Filho: preocupada com valores do Direito Administrativo, viesse derrogar o

Código para aferir autenticidade deste caderno: 137896


2774/2019 Tribunal Superior do Trabalho 53
Data da Disponibilização: Sexta-feira, 26 de Julho de 2019

eixo fundamental da legislação trabalhista, que é o conceito de dela extrair o sentido que lhe parecer o melhor, à luz do conjunto do
empregado e empregador, jungido que está ao conceito de contrato sistema jurídico no qual ela está inserida, mesmo que esse sentido
de trabalho, previsto na CLT. Seria a interdisciplinariedade às não seja o desejado pela parte, que, equivocadamente, invocar a
avessas, pois a norma geral administrativa estaria a rejeitar a norma Súmula Vinculante nº 10 do STF.
especial trabalhista e seu instituto fundamental. O instituto que lhe Nessa linha de raciocínio, necessário se faz reiterar que a
dá feição característica e autonomia científica, pois, no conceito de interpretação dos preceitos legais anteriormente indicados se dá
empregado e empregador, vinculadas as atividades daquele às exclusivamente em sede infraconstitucional, em que se procede ao
atividades essenciais e primordiais deste, teríamos uma interposta cotejo dessas normas de Direito Administrativo (e, se se quiser, de
pessoa, sempre. Não teríamos mais uma relação bilateral, haja vista Direito Econômico) com as normas de Direito do Trabalho,
que para a consecução das atividades primaciais do empregador exatamente como fez recentemente o Supremo Tribunal Federal,
haveria sempre uma dízima periódica de empregadores, habilitando quando, ao julgar a ADC nº 16-DF, proclamou a possibilidade de se
uma relação trilateral ou plurilateral, em detrimento da legislação responsabilizar o ente público tomador dos serviços de empregados
social e seus preceitos cogentes." terceirizados quando estiver comprovado que esse agiu com culpa
ao não fiscalizar o fornecedor de mão de obra terceirizada quanto
A igual resultado chegou-se no julgamento do Processo E-ED-RR- ao pleno e oportuno adimplemento de suas obrigações trabalhistas,
2938-13.2010.5.12.0016, envolvendo a situação específica das a despeito do disposto no artigo 71, § 1º, da Lei nº 8.666/93. Nesse
empresas de telecomunicações e dos trabalhadores aplicados a caso, houve, também, a aplicação de outras normas
"call center". Aqui, recorro à pena erudita do Ministro José Roberto infraconstitucionais, que autorizam essa responsabilização - os
Freire Pimenta, redator designado: artigos 186 e 927 do Código Civil Brasileiro e as demais normas da
Lei de Licitações, que também estabelecem a obrigação desse ente
"... a Lei nº 8.987/95, referente às concessionárias e público de fiscalizar - sem que se possa concluir que o citado artigo
permissionárias de serviço público, e a Lei nº 9.472/97, que regula 71 tenha sido implicitamente considerado inconstitucional ou, de
as telecomunicações em geral, tratam exclusivamente, na verdade, qualquer modo, descumprido.
da relação entre as empresas concessionárias ou permissionárias e Vale ressaltar, quanto àquele julgamento, que a Corte Suprema
as agências reguladoras e os consumidores, não tendo, em salientou, expressamente, que a declaração de constitucionalidade
absoluto, a natureza de normas de Direito do Trabalho, nada do § 1º do artigo 71 da Lei nº 8.666/93 não impede que seja ele
dispondo a respeito do tema da terceirização trabalhista, cabendo interpretado de forma sistemática com outros dispositivos de leis e
precipuamente a esta Justiça Especializada a análise da da Constituição Federal. Ou seja, entendeu o Supremo Tribunal
compatibilidade entre essas normas infraconstitucionais de Direito Federal, naquela ocasião, não haver empecilho a que determinado
Administrativo e os princípios que norteiam o Direito do Trabalho, de texto legal possa ser interpretado de modo não literal para, sem ser
forma a interpretá-las e, eventualmente, aplicá-las, de modo a não considerado inconstitucional, não ser aplicável a certas situações
esvaziar de sentido prático ou a negar vigência e aplicação às fáticas, ante a incidência simultânea de outras normas do
normas trabalhistas, que, em nosso País, disciplinam a prestação ornamento jurídico - exatamente a situação que ocorre neste caso,
de trabalho subordinado, terceirizado ou não. em relação aos dispositivos em exame da Lei nº 8.987/95, que
Na esteira desse entendimento, é forçoso concluir que, por força da dispõe sobre o regime de concessão e permissão de prestação de
incidência e da aplicação de outras normas infraconstitucionais serviços públicos, e da Lei nº 9.472/97, que é a Lei Geral de
(mormente os artigos 2º, 3º e 9º da CLT), não se pode mesmo Telecomunicações.
interpretar o § 1º do artigo 25 da Lei nº 8.987/95 e o artigo 94, inciso Com efeito, no caso dos autos, o Supremo Tribunal Federal, em
II, da Lei nº 9.472/97, no sentido de que a autorização por elas dada recentes decisões proferidas em sede liminar de Reclamações
à empresa concessionária dos serviços de telecomunicações para Constitucionais ajuizadas por empresas concessionárias de
contratar com terceiros o desenvolvimento de atividades inerentes serviços públicos dos Setores de Energia Elétrica e das próprias
ao serviço significaria uma autorização para as empresas de Telecomunicações, nas quais se alegava a negativa de aplicação
telecomunicações terceirizarem suas atividades-fim, entendimento da Súmula Vinculante nº 10 do STF pelo Tribunal Superior do
que, repita-se, levado às suas últimas consequências, acabaria por Trabalho e por Tribunal Regional do Trabalho, igualmente entendeu
permitir que as essas desenvolvessem sua atividade empresarial não haver vulneração a essa súmula vinculante ou à cláusula de
sem ter em seus quadros nenhum empregado, e sim, apenas, reserva de Plenário prevista no artigo 97 da Constituição da
trabalhadores terceirizados". República, adotando o entendimento de que a interpretação do
preceito legal do § 1º do artigo 25 da Lei nº 8.987/95 e dos preceitos
Em tal quadro, a atividade de interpretação deverá levar em conta trabalhistas, sobretudo os artigos 2º e 3º da CLT, ocorre no âmbito
os princípios e normas que possam afetar o deslinde do caso, sem infraconstitucional, em que se procede ao cotejo dessas normas de
que tal leve ao desrespeito à Súmula Vinculante nº 10 do Supremo Direito Administrativo com as normas de Direito do Trabalho".
Tribunal Federal. Permito-me, pela pertinência, regressar aos
fundamentos do eminente Ministro José Roberto Freire Pimenta, no Exemplificativamente, a decisão seguinte:
julgamento do processo destacado:
"RECTE.(S): TELEMAR NORTE LESTE S/A
"Quando esse julgador, no exercício de seu precípuo mister, optar ADV.(A/S): DÉCIO FLAVIO GONÇALVES TORRES FREIRE
por uma das várias alternativas exegéticas de determinada norma RECDO.(A/S): WALTER MARQUES FERNANDES
infraconstitucional, evidentemente, não estará ele negando ADV.(A/S): JAIRO EDUARDO LELIS
validade, vigência ou incidência a esse preceito de lei, na dicção da RECDO.(A/S): GARRA TELECOMUNICAÇÕES E ELETRICIDADE
Súmula Vinculante nº 10, nem, muito menos, declarando, sequer LTDA
implicitamente, a inconstitucionalidade da lei. Estará ele, muito ao ADV.(A/S): CLÁUDIO AUGUSTO FIGUEIREDO NOGUEIRA
contrário, aplicando-a, pura e simplesmente, após interpretá-la e Decisão

Código para aferir autenticidade deste caderno: 137896


2774/2019 Tribunal Superior do Trabalho 54
Data da Disponibilização: Sexta-feira, 26 de Julho de 2019

Trata-se de agravo contra decisão que negou seguimento a recurso LEWANDOWSKI, DJe-151 8.8.2011).
extraordinário interposto de acórdão, cuja ementa segue transcrita,
no que importa: No mesmo sentido: Rcl 11329 MC/PB, Rel. Min. Ayres Britto; Rcl
"RECURSO DE REVISTA. CONCESSIONÁRIA DE SERVIÇOS DE 12068 MC/RO, Rel. Min. Dias Toffoli; Rcl 14378 MC/MG, Rel. Min.
TELECOMUNICAÇÕES. MANUTENÇÃO E REPARO DE LINHAS Dias Toffoli; AI 839685/MG, Rel. Min. Ricardo Lewandowski; AI
TELEFÔNICAS. TERCEIRIZAÇÃO DE ATIVIDADE-FIM. ART. 94, 828518/MG, Rel. Min. Cármen Lúcia; AI 791247/MG, Rel. Min.
II, DA LEI 9.472/97. SÚMULA 331, I, DO TST. FORMAÇÃO DO Cármen Lúcia; ARE 647479/MG, Rel. Min. Joaquim Barbosa; ARE
VÍNCULO DE EMPREGO COM A TOMADORA. A interpretação 646825/MG, Rel. Min. Luiz Fux.
sistemática do art. 94, II, da Lei 9.472/97 - a chamada Lei Geral de Para o caso dos autos, é fato incontroverso que o reclamante, por
Telecomunicações - atenta aos fundamentos constitucionais da intermédio da segunda reclamada, prestou serviços à primeira ré,
República, à polissemia da palavra -inerente-, à natureza da norma exercendo atividade específica de instalação e manutenção de
em exame, ao princípio da isonomia, à necessidade de observância linhas telefônicas.
do objeto social da pessoa jurídica e da função social da empresa, Tratar-se-ia de atividade-fim?
bem como à luz do conceito de subordinação objetiva e dos Ora, o consumidor somente terá acesso aos serviços contratados
princípios informadores do Direito e, em especial do Direito do da empresa de telefonia, se instalada e em funcionamento a linha
Trabalho, e à própria compatibilização que entre eles se impõe, telefônica. Trata-se de setor que viabiliza a iniciativa econômica e,
conduz à conclusão de que o dispositivo não autoriza a assim, sustenta-a. Tal constatação, de pronto, assimila-a, sem
terceirização no pertinente à atividade-fim das concessionárias de sombra de dúvidas, à atividade-fim.
telecomunicações. Assentado pelo Tribunal de origem que o Vale rememorar que a vida contemporânea já não aceita o conceito
reclamante prestava serviços de manutenção e reparo de linhas monolítico de subordinação jurídica, calcado na submissão do
telefônicas, inafastável a aplicação do item I da Súmula 331 do TST, empregado à direta influência do poder diretivo patronal. Com
segundo o qual -a contratação de trabalhadores por empresa efeito, aderem ao instituto a visão objetiva, caracterizada pelo
interposta é ilegal, formando-se o vínculo diretamente com o atrelamento do trabalhador ao escopo empresarial, e a dimensão
tomador dos serviços, salvo no caso de trabalho temporário (Lei nº estrutural, pela qual há integração obreira no processo produtivo do
6.019, de 3.1.74) (...)" (fls. 1.178). tomador de serviços.
Relembre-se a doutrina exata de Mauricio Godinho Delgado
No RE, interposto com base no art. 102, III, a, da Constituição, ("Constituição da República e direitos fundamentais", São Paulo:
alegou-se violação aos arts. 5º, II, e 170 da mesma Carta. LTr, 2012, p. 115-116):
O agravo não merece acolhida. Isso porque, para dissentir do
acórdão recorrido, seria necessária a análise da legislação "A conjugação dessas três dimensões da subordinação - que não se
infraconstitucional (Lei 9.472/97 e Consolidação das Leis do excluem, evidentemente, mas se completam com harmonia -
Trabalho), bem como o reexame do conjunto fático-probatório dos permite superar as recorrentes dificuldades de enquadramento dos
autos, o que atrai a incidência da Súmula 279 do STF. Incabível, fatos novos do mundo do trabalho ao tipo jurídico da relação de
portanto, o recurso extraordinário. Nesse sentido: AI 751.904/MG, emprego, retomando-se o clássico e civilizatório expansionismo do
Rel. Min. Menezes Direito; AI 791.291/RJ, Rel. Min. Ellen Gracie; Direito do Trabalho. Na essência, é trabalhador subordinado desde
808.217/MG; e AI 791.247-AgR/MG, Rel. Min. Cármen Lúcia, sendo o humilde e tradicional obreiro que se submete à intensa pletora de
que deste último extraio a ementa: ordens do tomador ao longo de sua prestação de serviços
(subordinação tradicional ou clássica), como também aquele que
"AGRAVO REGIMENTAL NO AGRAVO DE INSTRUMENTO. realiza, ainda que sem incessantes ordens diretas, no plano manual
TRABALHISTA. TERCEIRIZAÇÃO. CONTROVÉRSIA SOBRE A ou intelectual, os objetivos empresariais (subordinação objetiva), a
EXISTÊNCIA DE RELAÇÃO EMPREGATÍCIA E SOBRE A par do prestador laborativo que, sem receber ordens diretas das
NATUREZA DA ATIVIDADE PRESTADA. IMPOSSIBILIDADE DA chefias do tomador de serviços, nem exatamente realizar os
ANÁLISE DA LEGISLAÇÃO INFRACONSTITUCIONAL. OFENSA objetivos do empreendimento (atividades-meio, por exemplo),
CONSTITUCIONAL INDIRETA. PRECEDENTES. AGRAVO acopla-se, estruturalemte, à organização e dinâmica operacional da
REGIMENTAL AO QUAL SE NEGA PROVIMENTO" empresa tomadora, qualquer que seja sua função ou
especialização, incorporando, necessariamente, a cultura cotidiana
Ademais, cumpre destacar que este Tribunal entende não ser empresarial ao longo da prestação de serviços realizada
cabível a interposição de RE por contrariedade ao art. 5º, II, da (subordinação estrutural)".
Constituição Federal, quando a verificação da ofensa envolva o
reexame de interpretação dada a normas infraconstitucionais pelo Não parece difícil compreender que, laborando na instalação de
Tribunal a quo (Súmula 636 do STF). linhas telefônicas, a favor da empresa de telecomunicações
Por fim, quanto à Súmula Vinculante nº 10, verifico que não há tomadora de serviços, o empregado se insere na relação jurídica a
violação ao princípio da reserva de plenário (art. 97 da Constituição) que aludem os arts. 2º e 3º da CLT, assim se fazendo impositiva a
porque o acórdão recorrido não declarou a inconstitucionalidade da incidência da compreensão da Súmula 331, I, do TST.
lei 9.472/94 ou afastou a sua aplicação, mas apenas interpretou a No mesmo sentido, alinho julgados desta Corte:
legislação infraconstitucional aplicável à espécie, concluindo pela
ilicitude na terceirização. Assim, não há qualquer violação ao art. "RECURSO DE REVISTA. (...) VÍNCULO DE EMPREGO.
97, da Constituição. EMPRESA DE TELECOMUNICAÇÕES. SERVIÇOS DE
Isso posto, nego seguimento ao recurso. INSTALAÇÃO E MANUTENÇÃO DE LINHAS TELEFÔNICAS.
Publique-se." TERCEIRIZAÇÃO. ILICITUDE. A controvérsia diz respeito à
(ARE 646831/ MG - MINAS GERAIS, RECURSO possibilidade, ou não, de terceirizar serviços de instalação e
EXTRAORDINÁRIO COM AGRAVO, Rel. Min. RICARDO manutenção de linhas telefônicas das empresas de

Código para aferir autenticidade deste caderno: 137896


2774/2019 Tribunal Superior do Trabalho 55
Data da Disponibilização: Sexta-feira, 26 de Julho de 2019

telecomunicações. O entendimento deste c. Tribunal é no sentido telecomunicação. Tais atividades, segundo a jurisprudência desta
de que é ilícita a terceirização dos serviços de instalação e Corte, enquadram-se no conceito de atividade-fim das empresas de
manutenção de linhas telefônicas, quando destinados ao telefonia, o que enseja o reconhecimento do vínculo empregatício
desenvolvimento de atividade-fim das empresas de diretamente com a tomadora de serviços (Súmula 331, I, do TST).
telecomunicações, como no caso em concreto, acarretando a Portanto, há de ser mantido o acórdão recorrido, nesses tópicos,
contratação por empresa interposta o reconhecimento do vínculo de tendo em vista que, de seu detido cotejo com as razões de recurso,
emprego diretamente com o tomador dos serviços. Tudo em conclui-se não haver a demonstração de jurisprudência dissonante
conformidade com a Súmula 331, I, do TST. Precedentes. Recurso específica sobre o tema, de interpretação divergente de normas
não conhecido. (...)" (RR-38700-04.2009.5.03.0137, Rel. Min. regulamentares ou de violação direta de dispositivo de lei federal ou
Alexandre de Souza Agra Belmonte, 3ª Turma, DEJT 11.12.2015). da Constituição da República, nos moldes das alíneas -a-, -b- e -c-
do art. 896 da CLT. Recurso de revista não conhecido, nos temas.
"RECURSO DE REVISTA. 1) PRELIMINAR. ACORDO FIRMADO (...)" (RR-12300-36.2012.5.17.0014, Rel. Min. Mauricio Godinho
PERANTE COMISSÃO DE CONCILIAÇÃO PRÉVIA - CCP. Delgado, 3ª Turma, DEJT 8.8.2014).
ARESTOS INESPECÍFICOS. SÚMULA 296/TST. 2) PRELIMINAR.
AÇÃO CIVIL PÚBLICA. COISA JULGADA. 3) TERCEIRIZAÇÃO "I. AGRAVO DE INSTRUMENTO EM RECURSO DE REVISTA. (...).
ILÍCITA. ATIVIDADE-FIM. INSTALAÇÃO DE CABOS. EMPRESA RECURSO DE REVISTA. 1. TERCEIRIZAÇÃO ILÍCITA. SERVIÇOS
DE TELEFONIA. VÍNCULO DE EMPREGO DIRETO COM O DE MANUTENÇÃO DE REDES TELEFÔNICAS. ATIVIDADE-FIM.
TOMADOR DE SERVIÇOS. ANOTAÇÃO DA CTPS. 4) RESPONSABILIDADE DO TOMADOR DE SERVIÇOS. Esta Corte
COMISSÕES. SÚMULA 126/TST. 5) ADICIONAL DE pacificou o entendimento de que a Lei Geral de Telecomunicações
PERICULOSIDADE. OJ 347/SBDI-I/TST. 6) HONORÁRIOS (Lei 9.472/97), ao prever, no seu artigo 94, II que "no cumprimento
PERICIAIS. 7) HORAS EXTRAS. TRABALHO EXTERNO. de seus deveres, a concessionária poderá, observadas as
CONTROLE DE JORNADA. ART. 62, I, DA CLT. SÚMULA condições e limites estabelecidos pela Agência: (...) contratar com
126/TST. 8) INTERVALO INTRAJORNADA. NATUREZA JURÍDICA terceiros o desenvolvimento de atividades inerentes, acessórias ou
SALARIAL. SÚMULA 437, III, DO TST. 9) ALUGUEL DE VEÍCULO. complementares ao serviço, bem como a implementação de
SÚMULA 126/TST. 10) GRATUIDADE DE JUSTIÇA. Segundo a projetos associados", não permite que a tomadora de serviços
Súmula 331, I/TST, a contratação de trabalhadores por empresa contrate trabalhadores para o desenvolvimento de tarefas inerentes
interposta é ilegal, formando-se o vínculo com o tomador dos à atividade-fim, sob pena de restar configurada terceirização ilícita
serviços, salvo nos casos elencados nos incisos I (trabalho de mão-de-obra, afastando-se a aplicação do entendimento
temporário) e III (conservação e limpeza, vigilância, atividades-meio consagrado na Súmula 331, III, do TST. No caso, o Tribunal
do tomador) da referida súmula (desde que não havendo Regional concluiu, com amparo no conjunto fático-probatório dos
pessoalidade e subordinação direta nos casos do inciso III, autos, que o Reclamante executava atividades relacionadas à
acrescente-se). Nesse quadro, a terceirização de atividade-fim - manutenção da rede de acesso de telefonia, tarefas que se inserem
exceto quanto ao trabalho temporário - é vedada pela ordem na atividade-fim da tomadora de serviços. Conforme a
jurídica, conforme interpretação assentada pela jurisprudência jurisprudência sedimentada no âmbito desta Corte Superior, a
(Súmula 331, III), independentemente do segmento econômico constatação de fraude, como no caso em análise, afasta a
empresarial e da área de especialidade profissional do obreiro. incidência da Súmula 331, IV, do TST, não havendo que se
Locação de mão de obra em atividade-fim é medida excepcional e considerar a empresa Recorrente como responsável subsidiária,
transitória, somente possível nos restritos casos de trabalho mas sim responsável direta e, por isso, solidária pelos créditos
temporário, sob pena de leitura interpretativa em desconformidade trabalhistas sonegados pela empresa prestadora de serviços, a teor
com preceitos e regras constitucionais decisivas, como a dignidade do art. 9º da CLT, e 942 do CC. Na hipótese, contudo, embora
da pessoa humana, da valorização do trabalho e do emprego, além reconhecida a ilicitude da terceirização, o Regional condenou a
da subordinação da propriedade à sua função socioambiental. segunda Reclamada apenas de forma subsidiária. Assim, em
Esclareça-se que a subordinação jurídica, como elemento respeito ao princípio da non reformatio in pejus, impõe-se manter a
componente da relação de emprego (arts. 2ª e 3ª da CLT), pode se decisão recorrida no particular. Recurso de revista não conhecido.
evidenciar quer em sua dimensão subjetiva (intensidade de ordens), (...)" (RR-76-41.2010.5.09.0020, Rel. Min. Douglas Alencar
quer em sua dimensão objetiva (realização de um dos fins do Rodrigues, 7ª Turma, DEJT 4.12.2015).
empreendimento do tomador), quer em sua dimensão estrutural
(integração do obreiro na organização, dinâmica e cultura do Ressalte-se que eventual reforma da decisão, a fim de se afastar o
tomador de serviços). Configurada a irregularidade do contrato de vínculo empregatício reconhecido pelo Regional, para acolher-se
fornecimento de mão de obra, determina a ordem jurídica que se razões diversas e extravagantes daquelas expostas pela Corte de
considere desfeito o vínculo laboral com o empregador aparente origem, demandaria o reexame do conjunto probatório dos autos,
(entidade terceirizante), formando-se o vínculo justrabalhista do situação que, obviamente, esbarra no óbice da Súmula 126.
obreiro diretamente com o tomador de serviços (empregador oculto Na presença de situação moldada ao art. 896, § 7º, da CLT e à
ou dissimulado). Enfatize-se que o TST realizou, na primeira Súmula 333/TST, impossível o conhecimento do apelo com alicerce
semana de outubro de 2011, audiência pública sobre o tema, em em divergência jurisprudencial.
que se evidenciou o risco social de se franquear a terceirização sem Pelo mesmo motivo, incólumes os dispositivos indicados.
peias, quer em face das perdas econômicas para os trabalhadores Não conheço.
terceirizados, quer em face da exacerbação dos malefícios à saúde (...)
e segurança no ambiente laborativo, em contraponto às regras e
princípios insculpidos na ordem jurídica legal e constitucional. Na ISTO POSTO
presente hipótese, verifica-se que o Reclamante exercia atividades
de instalação e manutenção de rede de acesso de ACORDAM os Ministros da Terceira Turma do Tribunal Superior do

Código para aferir autenticidade deste caderno: 137896


2774/2019 Tribunal Superior do Trabalho 56
Data da Disponibilização: Sexta-feira, 26 de Julho de 2019

Trabalho, por unanimidade, conhecer do agravo de instrumento do pertinentes.


reclamante e, no mérito, negar-lhe provimento. Por unanimidade, Publique-se.
não conhecer do recurso de revista da primeira reclamada." Brasília, 23 de julho de 2019.

O Supremo Tribunal Federal, ao julgar o ARE 791.932/DF fixou a Firmado por assinatura digital (MP 2.200-2/2001)
seguinte tese: "É nula a decisão de órgão fracionário que se recusa RENATO DE LACERDA PAIVA
a aplicar o art. 94, II, da Lei 9.472/1997, sem observar a cláusula de Ministro Vice-Presidente do TST
reserva de Plenário (CF, art. 97), observado o artigo 949 do CPC".
Eis o teor da ementa do julgado: Processo Nº AIRR-0005724-46.2010.5.06.0000
EMENTA: CONSTITUCIONAL E TRABALHISTA. NULIDADE DO Complemento Processo Eletrônico
ACÓRDÃO RECORRIDO POR DESRESPEITO A CLÁUSULA DE Relator Min. Alexandre de Souza Agra
Belmonte
RESERVA DE PLENÁRIO (CF, ART. 97 E SV 10). NEGATIVA
Agravante MUNICÍPIO DO RECIFE
PARCIAL DE VIGÊNCIA E EFICÁCIA AO INCISO II, DO ART. 94
Procurador Dr. Antônio Henrique Cavalcanti
DA LEI 9.472/1997 (LEI GERAL DE TELECOMUNICAÇÕES) POR Wanderley
ÓRGÃO FRACIONÁRIO COM BASE NA SÚMULA 331/TST. Agravado FÁBIO ALEXANDRE DA SILVA
IMPOSSIBILIDADE. LICITUDE DE TERCEIRIZAÇÃO DE TODA E Advogada Dra. Maria Tenório de Moura(OAB:
QUALQUER ATIVIDADE, MEIO OU FIM, NÃO SE 16174/PE)
CONFIGURANDO RELAÇÃO DE EMPREGO ENTRE A Agravado FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE DE
PERNAMBUCO - UPE
CONTRATANTE E O EMPREGADO DA CONTRATADA (ADPF 324
Advogado Dr. Ênio Lustosa Cantarelli
E RE 958.252). AGRAVO CONHECIDO. RECURSO PROVIDO. Júnior(OAB: 18776/PE)
1. A inconstitucionalidade de lei ou ato normativo estatal só pode Agravado EMPROTEG - PROTEÇÃO E
ser declarada pelo voto da maioria absoluta da totalidade dos SEGURANÇA LTDA.
membros do tribunal ou, onde houver, dos integrantes do respectivo
órgão especial, sob pena de absoluta nulidade da decisão emanada Intimado(s)/Citado(s):
do órgão fracionário (turma, câmara ou seção), em respeito à - EMPROTEG - PROTEÇÃO E SEGURANÇA LTDA.
previsão do art. 97 da Constituição Federal. - FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE DE PERNAMBUCO - UPE
2. A cláusula de reserva de plenário atua como condição de eficácia - FÁBIO ALEXANDRE DA SILVA
jurídica da própria declaração jurisdicional de inconstitucionalidade - MUNICÍPIO DO RECIFE
dos atos do Poder Público, aplicando-se para todos os tribunais, via
difusa, e para o SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL, também no MUNICÍPIO DO RECIFE, por meio da Petição nº 200487/2018-2
controle concentrado (CF, art. 97 e SV 10). (doc. seq. 33), pede a reconsideração da decisão que determinou o
3. É nula a decisão de órgão fracionário que, ao negar a aplicação sobrestamento do recurso extraordinário.
do inciso II, do art. 94 da Lei 9.472/1997, com base na Súmula Alega que "o sobrestamento foi mantido mesmo após a publicação
331/TST, e declarar ilícita a terceirização e atividade-fim, reconhece do acórdão do RE 760.931, que julgou o tema 246".
a existência de vínculo trabalhista entre a contratante e o Sustenta que "Inexiste qualquer previsão de que o sobrestamento
empregado da contratada, pois exerceu controle difuso de seja mantido até o trânsito em julgado do recurso extraordinário
constitucionalidade, declarando a parcial nulidade sem redução de afetado".
texto do referido dispositivo sem observar a cláusula de reserva de Requer "a aplicação do decidido Recurso Extraordinário 760.931 em
Plenário. AGRAVO PROVIDO. ordem a ser afastada o reconhecimento automático da
4. O PLENÁRIO DA CORTE declarou parcialmente inconstitucional responsabilidade subsidiária do Município do Recife nos presentes
a SÚMULA 331/TST e proclamou a licitude da terceirização de toda autos".
e qualquer atividade, meio ou fim; para afirmar a inexistência de Decido.
relação de emprego entre a contratante e o empregado da O Supremo Tribunal Federal de fato examinou o mérito da questão
contratada. RECURSO EXTRAORDINÁRIO PROVIDO. jurídica espelhada nas razões recursais, por ocasião do julgamento
5. Agravo conhecido e recurso extraordinário provido para do RE 760.931/DF, erigido à condição de leading case (Tema 246).
restabelecer a sentença de primeiro grau, com a fixação da seguinte Ocorre que foram opostos embargos de declaração, ainda
tese no TEMA 739: "É nula a decisão de órgão fracionário que se pendentes de julgamento, e cuja redistribuição foi determinada em
recusa a aplicar o art. 94, II, da Lei 9.472/1997, sem observar a 02/02/2018, de modo que não se operou o trânsito em julgado,
cláusula de reserva de Plenário (CF, art. 97), observado o artigo tornando, portanto, inviável o pleito deduzido na petição, por
949 do CPC." (ARE 791932/DF, Rel. Min. Alexandre de Moraes, injunção do artigo 1.030, III, do CPC.
DJe 06/03/2019) A propósito, não é demais registrar que a matéria contida no Tema
246 envolve o maior volume de processos sobrestados da história
Logo, versando o acórdão recorrido sobre questão atinente a tema do Judiciário do Trabalho, cujos desdobramentos não se acham
cuja repercussão geral foi reconhecida, com tese de mérito firmada contemplados na tese por ora firmada pela Suprema Corte, tal como
pelo Supremo Tribunal Federal, determino o dessobrestamento do a definição do onus probandi frente à alegação da culpa in vigilando
recurso e o encaminhamento dos autos ao órgão fracionário prolator da Administração Pública.
da decisão recorrida nestes autos, a fim de que se manifeste, nos Equivale dizer que há inegável expectativa de que o STF, no
termos do art. 1.030, II do CPC, sobre a necessidade ou não de julgamento dos embargos de declaração, estabeleça referencial
exercer eventual juízo de retratação da decisão então proferida por definitivo a ser utilizado em decisões levadas a efeito no TST, pelo
aquele colegiado. que a prudência aconselha a manutenção do sobrestamento do
À Coordenadoria de Recursos - CREC - para as providências recurso extraordinário até o trânsito em julgado do RE 760.931/DF.

Código para aferir autenticidade deste caderno: 137896


2774/2019 Tribunal Superior do Trabalho 57
Data da Disponibilização: Sexta-feira, 26 de Julho de 2019

Do exposto, indefiro o pedido. RECURSOS DE REVISTA INTERPOSTOS PELAS RECLAMADAS.


À Coordenadoria de Recursos - CREC para as providências. MATÉRIA COMUM. ANÁLISE CONJUNTA. SERVIÇOS DE
Publique-se. TELEFONIA. INSTALAÇÃO E MANUTENÇÃO DE LINHAS
Intime-se. TELEFÔNICAS. ATIVIDADE-FIM. TERCEIRIZAÇÃO ILÍCITA.
Brasília, 25 de julho de 2019. RECONHECIMENTO DE VÍNCULO DE EMPREGO. Na hipótese, a
Corte Regional, ao reconhecer o vínculo de emprego diretamente
com a tomadora dos serviços, deslindou a controvérsia em plena
Firmado por assinatura digital (MP 2.200-2/2001) sintonia com a jurisprudência desta Corte Superior, segundo a qual
RENATO DE LACERDA PAIVA configura terceirização ilícita a contratação de empregado por
Ministro Vice-Presidente do TST empresa interposta para prestar serviços de instalação e
manutenção de linhas telefônicas, por se tratar de atividade-fim da
Processo Nº RR-0001808-13.2010.5.03.0024 concessionária do serviço de telecomunicações. Assim, em face da
Complemento Processo Eletrônico fraude perpetrada à legislação do trabalho, forma-se o vínculo de
Relator Min. Walmir Oliveira da Costa emprego diretamente com a tomadora dos serviços, nos termos da
Recorrente EMPRESA BRASILEIRA DE Súmula nº 331, I, do TST, com a qual se harmoniza o acórdão
TELECOMUNICAÇÕES S.A. -
EMBRATEL regional. Recursos de revista de que não se conhece. (TST-RR-
Advogado Dr. José Alberto Couto Maciel(OAB: 557-08.2010.5.03.0008, Relator Ministro Walmir Oliveira da Costa,
513/DF) 1ª Turma, DEJT 23/06/2017).
Advogado Dr. Roberto Márcio Tamm de
Lima(OAB: 51755/MG)
TERCEIRIZAÇÃO ILÍCITA. EMPRESA DE TELECOMUNICAÇÕES.
Recorrido WESLEI RODRIGUES PEREIRA
SERVIÇO DE INSTALAÇÃO E MANUTENÇÃO DE LINHAS
Advogada Dra. Lair Rennó de Figueiredo(OAB:
71861/MG) TELEFÔNICAS (CABISTA). INTERPRETAÇÃO DOS ARTIGOS 25,
Recorrido CONSTRUTORA PREMIUM LTDA. § 1º, DA LEI Nº 8.987/95 E 94, INCISO II, DA LEI Nº 9.472/97 E
Advogado Dr. Márcio Valério Marques APLICAÇÃO DA SÚMULA Nº 331, ITENS I E III, DO TST.
Ferraz(OAB: 118220/MG) VÍNCULO DE EMPREGO ENTRE A TOMADORA DE SERVIÇOS E
O TRABALHADOR TERCEIRIZADO RECONHECIDO.
Intimado(s)/Citado(s): INEXISTÊNCIA DE VIOLAÇÃO DA SÚMULA VINCULANTE Nº 10
- CONSTRUTORA PREMIUM LTDA. DO STF. MATÉRIA INFRACONSTITUCIONAL. 1. O serviço de
- EMPRESA BRASILEIRA DE TELECOMUNICAÇÕES S.A. - instalação e manutenção de linhas telefônicas é atividade-fim, e não
EMBRATEL atividade-meio, das empresas concessionárias de serviço de
- WESLEI RODRIGUES PEREIRA telecomunicações. Assim, em observância à Súmula nº 331, itens I
e III, do TST, que consagrou o entendimento de que a terceirização
Trata-se de recurso extraordinário contra acórdão proferido pela só se justifica quando implicar a contratação da prestação de
egrégia Primeira Turma deste Tribunal. serviços especializados por terceiros em atividades-meio, que
A parte recorrente suscita preliminar de repercussão geral da permitam a concentração dos esforços da empresa tomadora em
matéria e aponta violação aos dispositivos da Constituição da suas atividades precípuas e essenciais, tem-se que a terceirização
República que especifica nas razões recursais. desses serviços de instalação e manutenção de linhas telefônicas
A Vice-Presidência deste Tribunal Superior, por despacho, pelas empresas de telecomunicações configura intermediação ilícita
determinou o sobrestamento do recurso extraordinário por envolver de mão de obra, devendo ser reconhecido o vínculo de emprego
o Tema nº 739 do ementário de Repercussão Geral do Supremo desses trabalhadores terceirizados diretamente com os tomadores
Tribunal Federal. de seus serviços. 2. Com efeito, considerando que o serviço de
Considerando que a matéria foi julgada na Sessão do Tribunal telecomunicações, consoante o artigo 60, § 1º, da Lei nº 9.472/1997
Pleno do STF em 11/10/2018, com fixação da tese de mérito e que (Lei Geral de Telecomunicações), é o conjunto de atividades que
o acórdão foi publicado no Diário Eletrônico de Justiça de possibilita a oferta de telecomunicações por intermédio de
06/03/2019, com trânsito em julgado, passo ao exame de transmissão, emissão ou recepção de símbolos, caracteres, sinais,
admissibilidade do recurso sobrestado. escritos, imagens, sons ou informações de qualquer natureza, tem-
É o relatório. se que a prestação de serviços vinculados à implantação e
Decido. manutenção de redes de acesso, equipamentos e sistemas de
Consta do acórdão recorrido: telecomunicações está inserida nas atividades essenciais da
empresa, circunstância que desautoriza a prática da terceirização
"(...) no setor. Assim, extrai-se do referido dispositivo que o intuito
primordial das empresas de telecomunicação não é somente a
Pontue-se, ainda, que a jurisprudência desta Corte é firme no telecomunicação propriamente dita, definida no parágrafo primeiro,
sentido de que o art. 94, II, da Lei nº 9.472/97 não autoriza a mas, sobretudo, o oferecimento dos serviços de telecomunicação à
terceirização dos serviços inseridos em atividade-fim de empresa de sociedade, o que é possibilitado pela atividade de instalação e
telecomunicações, destacando-se que as funções descritas no manutenção de linhas telefônicas. 3. Por outro lado, a Lei nº
acórdão recorrido - instalação e reparação de linhas telefônicas - se 8.987/95, que disciplina a atuação das empresas concessionárias e
inserem na atividade-fim das empresas concessionárias de permissionárias de serviço público em geral, e a Lei nº 9.472/97,
telecomunicações. que regula as concessões e permissões no setor das
A corroborar o entendimento, os seguintes precedentes deste telecomunicações, são normas de Direito Administrativo e, como
Tribunal Superior, verbis: tais, não foram promulgadas para regular matéria trabalhista e não
podem ser interpretadas e aplicadas de forma literal e isolada, como

Código para aferir autenticidade deste caderno: 137896


2774/2019 Tribunal Superior do Trabalho 58
Data da Disponibilização: Sexta-feira, 26 de Julho de 2019

se operassem em um vácuo normativo. Por isso mesmo, a questão requisito de admissibilidade dos recursos extraordinários, consoante
da licitude e dos efeitos da terceirização deve ser decidida pela o artigo 543-A do CPC, o qual sinalizou pela inexistência de
Justiça do Trabalho exclusivamente com base nos princípios e nas repercussão geral, por não haver sequer questão constitucional a
regras que norteiam o Direito do Trabalho, de forma a interpretá-las ser dirimida. É o que se constata dos julgamentos dos ARE-
e, eventualmente, aplicá-las de modo a não esvaziar de sentido 646.825, de relatoria do Ministro Luiz Fux, transitado em julgado em
prático ou a negar vigência e eficácia às normas trabalhistas que, 19/12/2011, e ARE-646.831, de relatoria do Ministro Ricardo
em nosso País, disciplinam a prestação do trabalho subordinado, Lewandowski, transitado em julgado em 18/8/2011. A Vice-
com a aniquilação do próprio núcleo essencial do Direito do Presidência do Tribunal Superior do Trabalho, a propósito,
Trabalho - o princípio da proteção do trabalhador, a parte amparada nessas decisões do Supremo, tem reiteradamente
hipossuficiente da relação de emprego, e as próprias figuras do denegado seguimento aos recursos extraordinários com matéria
empregado e do empregador. 4. Assim, não se pode mesmo, ao se idêntica, em direta aplicação dos artigos 543, § 5º ("negada a
interpretar o § 1º do artigo 25 da Lei nº 8.987/95 e o artigo 94, inciso existência da repercussão geral, a decisão valerá para todos os
II, da Lei nº 9.472/97, que tratam da possibilidade de contratar com recursos sobre matéria idêntica, que serão indeferidos liminarmente,
terceiros o desenvolvimento de "atividades inerentes" ao serviço, salvo revisão da tese, tudo nos termos do Regimento Interno do
expressão polissêmica e marcantemente imprecisa que pode ser Supremo Tribunal Federal"), 543-B, § 2º ("negada a existência de
compreendida em várias acepções, concluir pela existência de repercussão geral, os recursos sobrestados considerar-se-ão
autorização legal para a terceirização de quaisquer de suas automaticamente não admitidos"), ambos do CPC, e 326 e 327 do
atividades-fim. Isso, em última análise, acabaria por permitir, no Regimento Interno do STF. Acrescente-se que tais decisões
limite, que elas desenvolvessem sua atividade empresarial sem ter monocráticas são perfeitamente válidas para a produção desses
em seus quadros nenhum empregado e sim, apenas, trabalhadores efeitos, nos termos do § 2º do artigo 324 do citado Regimento
terceirizados. 5. Ademais, quando os órgãos fracionários dos Interno, que, nos casos como este, ora em exame, em que o
Tribunais trabalhistas interpretam preceitos legais como os ora Relator declara que a matéria é infraconstitucional, dispõe que a
examinados, não estão eles, em absoluto, infringindo o disposto na falta de manifestação contrária dos demais integrantes da Corte
Súmula Vinculante nº 10, tampouco, violando o artigo 97 da Suprema após delas terem sido comunicados por meio eletrônico
Constituição Federal, que estabelece a cláusula de reserva de "será considerada como manifestação de inexistência de
plenário para a declaração de inconstitucionalidade das leis em repercussão geral, autorizando a aplicação do art. 543-A, § 5º, do
sede de controle difuso, pois não se estará, nesses casos, nem Código de Processo Civil". 8. O entendimento aqui adotado já foi
mesmo de forma implícita, deixando de aplicar aqueles dispositivos objeto, também, de reiteradas decisões, por maioria, da SBDI-1
legais por considerá-los inconstitucionais. 6. A propósito, apesar da desta Corte em sua composição completa (E-ED-RR-586341-
respeitável decisão monocrática proferida em 9/11/2010 no âmbito 05.1999.5.18.5555, Redator designado Ministro Vieira de Mello
do Supremo Tribunal Federal, da lavra do ilustre Ministro Gilmar Filho, Data de Julgamento: 29/05/2009 - DEJT de 16/10/2009; E-RR
Mendes (Rcl 10132 MC/PR - Paraná), na qual, em juízo sumário de -134640-23.2008.5.03. 0010, Relatora Ministra Maria de Assis
cognição e em caso semelhante a este, por vislumbrar a Calsing, Data de Julgamento: 28/06/2011, DEJT de 10/08/2012). 9.
possibilidade de ter sido violada a Súmula Vinculante nº 10 daquela Aliás, esse posicionamento também não foi desautorizado nem
Corte, deferiu-se o pedido de medida liminar formulado por uma superado pelos elementos trazidos à consideração dos Ministros do
empresa concessionária dos serviços de telecomunicações para TST na Audiência Pública ocorrida no TST nos dias 04 e 05 de
suspender, até o julgamento final da reclamação constitucional, os outubro de 2011 e convocada pela Presidência desse Tribunal, os
efeitos de acórdão proferido por uma das Turmas do TST, a qual quais foram de grande valia para a sedimentação do entendimento
adotou o entendimento de que aqueles preceitos legais não ora adotado. Os vastos dados estatísticos e sociológicos então
autorizam, por si sós, a terceirização de atividades-fim por essas apresentados corroboraram as colocações daqueles que
concessionárias de serviços públicos, verifica-se que essa decisão, consideram que a terceirização das atividades-fim é um fator de
a despeito de sua ilustre origem, é, data venia, isolada. Com efeito, precarização do trabalho, caracterizando-se pelos baixos salários
a pesquisa da jurisprudência daquela Suprema Corte revelou que dos empregados terceirizados e pela redução indireta do salário dos
foi proferida, mais recentemente, quase uma dezena de decisões empregados das empresas tomadoras, pela ausência de estímulo à
monocráticas por vários outros Ministros do STF (Ministros Carlos maior produtividade dos trabalhadores terceirizados e pela divisão e
Ayres Britto, Dias Toffoli, Ricardo Lewandowski, Cármen Lúcia desorganização dos integrantes da categoria profissional que atua
Antunes Rocha, Joaquim Barbosa e Luiz Fux) em que, em casos no âmbito das empresas tomadoras, com a consequente
idênticos a este, decidiu-se, ao contrário daquele primeiro pulverização da representação sindical de todos os trabalhadores
precedente, não ter havido violação da Súmula Vinculante nº 10, interessados. 10. A questão da ilicitude da terceirização das
mas mera interpretação dessas mesmas normas atividades-fim no âmbito das empresas concessionárias dos
infraconstitucionais nem, muito menos, violação direta (mas, se serviços públicos de telecomunicações foi novamente objeto de
tanto, mera violação oblíqua e reflexa) de qualquer preceito deliberação pela Subseção I Especializada em Dissídios Individuais
constitucional pelas decisões do TST pelas quais, ao interpretarem (SBDI-1), em 08/11/2012, em sua composição completa, no
aqueles dispositivos das Leis 8.987/95 e 9.472/97, consideraram julgamento do Processo E-ED-RR-2938-13.2010.5.12. 0016 (DEJT
que essas não autorizam a terceirização das atividades-fim pelas de 26/03/2013), em que fiquei como Redator designado, a qual, por
empresas concessionárias dos serviços públicos em geral e, sua maioria (oito votos contra seis) reafirmou e consolidou o
especificamente, na área de telecomunicações, negando-se, assim, entendimento pela ilicitude dessa terceirização de serviços. 11. É
provimento aos agravos de instrumento interpostos contra as importante ressaltar, por fim, que decisões como esta não
decisões denegatórias de seguimento dos recursos extraordinários acarretam o desemprego dos trabalhadores terceirizados, pois não
daquelas empresas. 7. Ressalta-se, aliás, que essa questão já foi eliminam quaisquer postos de trabalho. Essas apenas declaram que
igualmente decidida pelo Supremo Tribunal Federal no âmbito do a verdadeira empregadora desses trabalhadores cabistas é a
exame de repercussão geral de matéria constitucional, erigida como empresa concessionária tomadora de seus serviços que, por outro

Código para aferir autenticidade deste caderno: 137896


2774/2019 Tribunal Superior do Trabalho 59
Data da Disponibilização: Sexta-feira, 26 de Julho de 2019

lado, continua obrigada a prestar esses serviços ao consumidor em TV a cabo promove terceirização ilícita em atividade-fim. 2.
geral - só que, a partir de agora, exclusivamente na forma da Consoante a diretriz perfilhada na Súmula nº 331, I, do TST, impõe-
legislação trabalhista, isto é, por meio de seus próprios se, como consequência lógica, o reconhecimento da relação de
empregados. 12. Por outro lado e depois de se superar a errônea emprego entre o empregado terceirizado e a empresa tomadora de
alegação da reclamada de que os artigos 25 da Lei nº 8.987/95 e 94 serviços. 3. Agravos de instrumento das Reclamadas de que se
da Lei nº 9.472/97, ao permitirem a terceirização de todos os conhece e a que se nega provimento. (TST-AIRR - 51-
serviços inerentes à sua atividade de concessionária, estariam 35.2015.5.03.0015, Relator Ministro João Oreste Dalazen, 4ª
autorizando a terceirização de suas atividades-fim, é preciso Turma, DEJT 31/03/2017).
também proclamar que o Tribunal Regional corretamente registrou,
de forma expressa, que a atividade do reclamante como instalador e TERCEIRIZAÇÃO ILÍCITA. ATIVIDADE-FIM. INSTALAÇÃO E
reparador de linhas telefônicas era diretamente relacionada com o MANUTENÇÃO DE CABOS DE TV POR ASSINATURA. EMPRESA
objeto social (ou seja, com a atividade-fim) da reclamada. 13. DE TELEFONIA. VÍNCULO DE EMPREGO DIRETO COM O
Assim, diante da ilicitude da terceirização do serviço de instalação e TOMADOR DE SERVIÇOS. POSSIBILIDADE. AUSÊNCIA DE
manutenção de linhas telefônicas prestado pelo reclamante no PEDIDO. MANUTENÇÃO DA RESPONSABILIDADE SOLIDÁRIA
âmbito da empresa de telecomunicações reclamada, deve ser DECLARADA NA ORIGEM EM OBSERVÂNCIA AO PRINCÍPIO
reconhecida a existência, por todo o período laborado, de seu PROCESSUAL DO NON REFORMATIO IN PEJUS. I - É sabido não
vínculo de emprego diretamente com a concessionária de serviços haver lei regulamentando a terceirização de serviços, qualificada
de telefonia, nos exatos moldes do item I da Súmula nº 331 do TST, como instrumento de natureza econômica, engendrado pelas
com o consequente pagamento, pela verdadeira empregadora e por empresas com o declarado objetivo de minimizar custos
sua litisconsorte, coautora desse ato ilícito, de todos os direitos operacionais, notadamente os custos decorrentes da contratação de
trabalhistas assegurados pela primeira a seus demais empregados. mão de obra. II - Exatamente por conta desse vazio legislativo é que
Recurso de revista não conhecido. (ARR-941-41.2010.5.03.0114, esta Corte fora chamada a traçar critérios que pudessem nortear a
Relator Ministro José Roberto Freire Pimenta, 2ª Turma, DEJT utilização dessa nova ferramenta, tendo por norte as suas
11/3/2016). implicações sociais na seara do direito do trabalho, com vistas à
preservação da valorização do trabalho humano e à busca do pleno
AGRAVO DE INSTRUMENTO. RECURSO DE REVISTA. emprego, conforme preconizado no caput e no inciso VIII do artigo
PROCESSO SOB A ÉGIDE DA LEI 13.015/2014.TERCEIRIZAÇÃO 170 da Constituição. III - Daí a razão de ter sido editada a Súmula
TRABALHISTA - CONFIGURAÇÃO. ILICITUDE . ATIVIDADE-FIM. nº 331 do TST cujo item I consagra a regra da ilegalidade da
LIMITE DO PEDIDO E RESPEITO AO PRINCÍPIO DA NON contratação de trabalhadores por empresa interposta, com as
REFORMATIO IN PEJUS. RESPONSABILIDADE SUBSIDIÁRIA. exceções ali elencadas, referentes à Lei nº 6.019/74, ao artigo 37,
MATÉRIA FÁTICA. SÚMULAS 126 E 331/TST. A hipótese dos inciso II, da Constituição e à Lei nº 7.112/83, tudo coroado com a
autos, tal como delineada no acórdão regional, atrai o entendimento admissibilidade da terceirização de serviços especializados ligados
consubstanciado no item I da Súmula 331/TST, que preceitua que a à atividade meio do tomador de serviço. IV - Vê-se dessa
contratação por empresa interposta é ilegal, formando-se o vínculo construção jurisprudencial que, afora aquelas exceções, a licitude
diretamente com o tomador de serviços. Conforme se observa da da intermediação de serviços acha-se jungida à comprovação de
decisão recorrida, "o objeto do contrato de representação comercial esses não se inserirem na atividade fim e sim na atividade meio da
firmado entre as reclamadas era de intermediação de venda de empresa tomadora. V - Com essa diretriz, observa-se dos
assinatura ViaEmbratel ,instalação , distribuição e retirada de parágrafos primeiro do artigo 60 e do inciso II do artigo 94 da Lei nº
equipamentos ViaEmbratel e serviços de assistência técnica ao 9.472 não haver disposição expressa regulamentando a
assinante ViaEmbratel ", tendo o TRT afirmado expressamente que admissibilidade de terceirização de serviços integrantes da atividade
"o referido contrato previa prestação de serviços e não fim das empresas de telecomunicações, não se prestando a tanto a
simplesmente representação". Com efeito, diante do quadro fático ilação que se tem extraído do conceito de serviço de
exposto pelo Órgão a quo, restou comprovado que a Autora, como telecomunicação ser o conjunto de atividades que possibilita a
vendedora dos produtos da 2ª e 3ª Reclamadas (TV a cabo), oferta de telecomunicação ("transmissão, emissão ou recepção, por
prestou serviços que se inserem na atividade-fim dessas empresas. fio, radioeletricidade, meios ópticos ou qualquer outro processo
Contudo, mantém-se a decisão regional, que condenou apenas eletromagnético, de símbolos, caracteres, sinais, escritos, imagens,
subsidiariamente as Recorrentes, nos termos do item IV da Súmula sons ou informações de qualquer natureza") e da suposta
331 desta Corte, em observância ao limite do pedido e em respeito permissão de contratar "com terceiros o desenvolvimento de
ao princípio da non reformatio in pejus. Outrossim, para divergir da atividades inerentes, acessórias ou complementares ao serviço,
conclusão adotada pelo Tribunal Regional, seria necessário o bem como a implementação de projetos associados" ali contidas. VI
revolvimento de fatos e provas, o que é vedado nesta instância - É que além de a norma em pauta se distinguir por sua extremada
extraordinária (Súmula 126/TST). Agravo de instrumento desprovido ambiguidade, tal ilação deduzida de mera interpretação gramatical
(TST-AIRR - 1000022-55.2014.5.02.0362, Relator Ministro Mauricio dos dispositivos legal não se sustenta a partir da interpretação
Godinho Delgado, 3ª Turma, DEJT 26/08/2016). sistemática em consonância com a norma imperativa do caput e do
inciso VIII do artigo 170 da Constituição, visto que a pretensa
AGRAVOS DE INSTRUMENTO. RECURSOS DE REVISTA licitude de intermediação de serviço em área fim das empresas de
INTERPOSTOS NA VIGÊNCIA DA LEI Nº 13.015/2014. telecomunicações, sem prévia definição em lei, culminaria na
TERCEIRIZAÇÃO ILÍCITA. EMPRESA DE TELECOMUNICAÇÕES. desvalorização ou precarização do trabalho humano e no
INSTALAÇÃO E MANUTENÇÃO DO SERVIÇO DE TV A CABO. comprometimento da busca do pleno emprego, assim entendida a
ATIVIDADE-FIM. 1. Concessionária exploradora de serviços de inserção do trabalhador na empresa para a qual efetivamente
telecomunicações que contrata empresa interposta para a prestara serviços. VII - O Tribunal Regional reconheceu a
realização das atividades de instalação e manutenção do serviço de responsabilidade solidária da agravante em razão da ilicitude da

Código para aferir autenticidade deste caderno: 137896


2774/2019 Tribunal Superior do Trabalho 60
Data da Disponibilização: Sexta-feira, 26 de Julho de 2019

terceirização perpetrada, haja vista que as funções realizadas pelo EMPREGATÍCIO. RESERVA DE PLENÁRIO. Trata-se de
reclamante se encontravam voltadas à atividade-fim da tomadora de contratação de empregado por empresa interposta para prestação
serviços. VIII - Da decisão recorrida extrai-se o registro de que o de serviços na Embratel em atividades de instalação/reparação de
contrato firmado entre a primeira e a segunda reclamadas traz, transmissão de dados. Sob o fundamento de existência de
como objeto, a prestação de serviços de instalação de pontos de TV intermediação de mão de obra, a Turma reconheceu o vínculo de
por assinatura nas residências dos assinantes, pessoas físicas ou emprego com a agravante, ante a constatação do exercício de
jurídicas, em unidades comerciais ou residenciais, na rede de tarefas relacionadas à atividade fim da tomadora de serviços. Não
distribuição de sinais de televisão da NET, os quais se traduzem em se viabiliza a pretensão de reforma do julgado, para reconhecer
atividade essencial ao cumprimento do objetivo social da segunda válido contrato de terceirização . A questão da terceirização de
ré. IX - Nesse cenário, concluiu o Tribunal Regional, com amparo no serviços evidencia-se de forma incontestável no cenário social da
conjunto fático-probatório dos autos, que o reclamante executava atualidade, gerando inúmeros debates a respeito de sua
tarefas próprias da atividade-fim da tomadora de serviços conveniência e de seus resultados, sociais e econômicos. O tema
(instalação e manutenção de cabos de serviços de TV por foi objeto de intensa reflexão nesta Corte trabalhista, nos dias 4 e 5
assinatura). X - Nesse sentido, não se tratando da exceção prevista de outubro de 2011, na primeira audiência pública de sua história.
no referido item da Súmula nº 331 do TST, tem-se que o Sob a perspectiva jurídica, emergiu a discussão acerca da licitude
procedimento praticado pela agravante deve ser considerado ilícito da terceirização da atividade inerente aos serviços de telefonia.
e, consequentemente, implica fraude à legislação trabalhista, nos Houve, a propósito, a necessária interpretação dos termos da Lei
termos do artigo 9º da CLT, pelo que se poderia cogitar de 9.472/97, a qual, em rigor, é omissa quanto à matéria trabalhista,
responsabilizá-la solidariamente ou ainda reconhecer o vínculo pois importou ao legislador regulamentar os serviços de telefonia no
empregatício direto com o reclamante, como consequência jurídica tocante à relação entre as empresas que os executariam e dois de
máxima da terceirização ilícita de atividade-fim. XI - Esta Corte tem seus interlocutores: a agência reguladora e os consumidores.
decidido, inclusive, que as atividades de instalação de cabos de Havendo conflito de ordem puramente consumerista ou econômica,
telefone e TV enquadram-se como atividade-fim da empresa de os usuários (ou consumidores) e a Agência estariam protegidos,
telefonia, sendo ilícita a terceirização perpetrada, o que enseja o pois poderiam atribuir responsabilidade à concessionária, sem
reconhecimento do vínculo empregatício diretamente com a demandar necessariamente contra a prestadora dos serviços.
tomadora de serviços (Súmula nº 331, item I, do TST). Precedentes Havendo, porém, conflito de ordem laboral, a lei seria omissa
do TST. XII - Na hipótese dos autos, o Tribunal Regional quanto à obrigação de a concessionária honrar igualmente os
reconheceu a responsabilidade solidária da agravante, uma vez que haveres trabalhistas e assim se poderia intuir que os trabalhadores
não há pedido de reconhecimento de vínculo empregatício, motivo poderiam cobrar seus créditos de natureza alimentar somente das
pelo qual, em atenção ao princípio do non reformatio in pejus, empresas interpostas. Em decisão emblemática (E-RR-
mantem-se a responsabilidade solidária decretada. XIII - Em face 586.341/1999.4), a SBDI-1 do TST repeliu a adoção por reflexo da
das premissas fáticas do acórdão recorrido, extraídas do contexto citada lei para que se imunizasse a empresa concessionária das
probatório, emblemáticas da configuração de terceirização ilícita, obrigações trabalhistas que derivariam, segundo a jurisprudência
sabidamente intangíveis em sede de cognição extraordinária, a teor antes consolidada, de seu vínculo direto com os empregados
da Súmula 126 do TST, sobrevém a certeza de o Regional não ter envolvidos em sua atividade fim. Embora não se pretenda que o
se orientado pelas regras do ônus subjetivo da prova, mas pelo direito do trabalho engesse ou paralise a atividade econômica, cabe
princípio da persuasão racional do artigo 371 do CPC de 2015, em -lhe por certo estabelecer os parâmetros que viabilizam a
que se acha explicitado o fenômeno da despersonalização da progressão da economia - inclusive na perspectiva da geração de
prova, a indicar a impertinência temática das normas dos artigos emprego e renda - sem aviltamento da dignidade humana. Os
818 da CLT e 373, inciso I, do CPC/2015, infirmando a sua sistemas econômico e jurídico-trabalhista não se excluem, antes
pretendida vulneração literal e direta, nos termos do artigo 896, devendo interagir. E se há um princípio regente do direito do
alínea "c", da CLT. XIV - Quanto à propalada vulneração ao artigo trabalho, resultante da ponderação levada a efeito pelos agentes da
5°, inciso II, do texto constitucional, também vale destacar o jurisdição trabalhista, a exegese do art. 94, II, da Lei 9.472/97 a ele
entendimento sedimentado na Súmula nº 636/STF, que estabelece deve moldar-se, interpretando-se a autorização de -contratar com
que "não cabe recurso extraordinário por contrariedade ao princípio terceiros o desenvolvimento de atividades inerentes- sem apego em
constitucional da legalidade, quando a sua verificação pressuponha demasia ao léxico, que conduziria à imunização do setor de
rever a interpretação dada a normas infraconstitucionais pela telecomunicações quanto à norma a que estariam sujeitos todos os
decisão recorrida". XV - No mais, acresça-se que, uma vez outros setores de produção. Os depoimentos e dados colhidos
caracterizada a ilicitude da terceirização empreendida na atividade- durante a audiência pública retratam ainda a precarização do setor
fim da agravante, é irrelevante averiguar a presença dos elementos terceirizado mediante incidência desproporcional de acidentes de
configuradores do vínculo empregatício. XVI - Despicienda, assim, a trabalho, desigualdade salarial e descolamento da categoria
alegação acerca da ausência de comprovação dos requisitos profissional representada pelo sindicato que congrega os
previstos no artigo 3º da CLT. XVII - Agravo de instrumento a que se trabalhadores afetos à atividade fim, como se as leis de organização
nega provimento. (TST-AIRR - 77-11.2013.5.09.0088, Relator sindical cuidassem da terceirização como uma atividade econômica
Ministro Antonio José de Barros Levenhagen, 5ª Turma, DEJT per si. Assim, proscreve-se a terceirização da atividade fim, vale
10/03/2017). dizer, ao titular da empresa tomadora dos serviços deve ser
imputada a qualidade de empregador, para efeitos trabalhistas. São
AGRAVO DE INSTRUMENTO DA EMBRATEL . PRELIMINAR DE essas as razões pelas quais subsiste a Súmula 331, I, do TST,
NULIDADE POR NEGATIVA DE PRESTAÇÃO JURISDICIONAL. atribuindo-se à concessionária dos serviços de telefonia a condição
INSTALADOR E REPARADOR DE TRANSMISSÃO DE DADOS. de empregadora. Incidência da Súmula 333 do TST e do § 4º do art.
ATIVIDADE FIM DA EMPRESA TOMADORA DE SERVIÇOS. 896 da CLT. Agravo de instrumento não provido.
EMPRESA DE TELECOMUNICAÇÕES. VÍNCULO

Código para aferir autenticidade deste caderno: 137896


2774/2019 Tribunal Superior do Trabalho 61
Data da Disponibilização: Sexta-feira, 26 de Julho de 2019

AGRAVO DE INSTRUMENTO DA BRASIL INSTALAÇÕES. FINANCEIRA PRIVADA. ATIVIDADE-FIM. SÚMULA Nº 331, I, DO


PRELIMINAR DE NULIDADE POR NEGATIVA DE PRESTAÇÃO TST. CONTRATO DE TRABALHO CELEBRADO NA VIGÊNCIA DA
JURISDICIONAL. TERCEIRIZAÇÃO ILÍCITA. APLICAÇÃO DA ANTIGA REDAÇÃO DA LEI Nº 6.019/74. SUPERVENIÊNCIA DA
CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO. Confirmada a ordem de LEI Nº 13.429/2017 (LEI DATERCEIRIZAÇÃO). EFEITOS. 1. A
obstaculização do recurso de revista, na medida em que não entrada em vigor da Lei nº 13.429/2017 (Lei daTerceirização),
demonstrada a satisfação dos requisitos de admissibilidade, geradora de profundo impacto perante a jurisprudência consolidada
insculpidos no artigo 896 da CLT. Agravo de instrumento não do Tribunal Superior do Trabalho, no que alterou substancialmente
provido (TST-AIRR - 1671-05.2012.5.03.0010, Relator Ministro a Lei nº 6.019/74, não se aplica às relações de emprego regidas e
Augusto César Leite de Carvalho, 6ª Turma, DEJT 14/03/2014). extintas sob a égide da lei velha, sob pena de afronta ao direito
adquirido do empregado a condições de trabalho muito mais
AGRAVO DE INSTRUMENTO EM RECURSO DE REVISTA EM vantajosas. 2. Quanto aos contratos de trabalho celebrados e findos
FACE DE DECISÃO PUBLICADA A PARTIR DA VIGÊNCIA DA LEI antes da entrada em vigor da Lei nº 13.429/2017, prevalece o
Nº 13.015/2014. ATIVIDADE DE TELECOMUNICAÇÕES. entendimento jurisprudencial firmado à luz da Súmula nº 331, I, do
INSTALADOR DE TV A CABO. LEI Nº 9.472/97. TERCEIRIZAÇÃO. TST, amparado na anterior redação da Lei nº 6.019/74. 3.
IMPOSSIBILIDADE. VÍNCULO DIRETO COM A TOMADORA DOS Embargos de declaração a que se dá provimento para prestar
SERVIÇOS. OBSERVÂNCIA AO PRINCÍPIO DA NON esclarecimentos. (TST-ED-E-ED-RR- 1144-53.2013.5.06.0004,
REFORMATIO IN PEJUS. A tarefa dos instaladores, examinadores Relator Ministro João Oreste Dalazen, Subseção I Especializada em
e reparadores de linhas de TV a cabo está ligada à atividade-fim Dissídios Individuais, DEJT 10/08/2017).
das empresas de telecomunicações, tomadora de serviços, e, por
isso, é vedada a terceirização, sob pena de precarização das Assim, a pretensão recursal não prospera, a teor do art. 896, § 7º,
relações trabalhistas. A Lei nº 9.472/97 não autoriza tal da CLT. Ilesos, portanto, os arts. 5º, II, XXII e XXXVI, 37, caput, e
procedimento sem que sejam garantidos aos terceirizados os 175 da Constituição Federal e 94, II, da Lei nº 9.472/97.
mesmos direitos e garantias concedidos aos trabalhadores da Registre-se, conforme o entendimento consolidado em precedentes
empresa contratante. Na verdade, a permissão para a terceirização da SBDI-1 desta Corte, em sua composição completa (E-ED-RR-
de atividades inerentes tem aplicação meramente administrativa, 586341- 05.1999.5.18.5555, Redator designado Ministro Vieira de
destinada a possibilitar a contratação de outras empresas, sem Mello Filho, DEJT de 16/10/2009; E-RR-134640-23.2008.5.03.
afronta ao pacto de concessão firmado com o poder público. Assim, 0010, Relatora Ministra Maria de Assis Calsing, DEJT de
em face da diretriz contida na Súmula nº 331, I, do TST, deveria ter 10/8/2012), a aplicação da jurisprudência uniforme desta Corte
sido declarado o vínculo de emprego diretamente com a tomadora Superior, consubstanciada na Súmula nº 331, I, do TST, não implica
de serviços e determinada a aplicação das suas normas coletivas. ofensa ao art. 97 da Constituição Federal, tampouco contrariedade
Todavia, em observância ao princípio da vedação da reforma que à Súmula Vinculante 10 do STF.
agrave a situação do recorrente, mantém-se a condenação NÃO CONHEÇO do recurso de revista.
subsidiária da agravante, por não ter havido recurso do autor, no
particular. Agravo de instrumento a que se nega provimento. (TST- ISTO POSTO
AIRR - 251-58.2015.5.12.0058, Relator Ministro Cláudio
Mascarenhas Brandão, 7ª Turma, DEJT 06/03/2017). ACORDAM os Ministros da Primeira Turma do Tribunal Superior do
Trabalho, por unanimidade, não conhecer do recurso de revista."
RECURSO DE REVISTA. ILICITUDE DA TERCEIRIZAÇÃO.
EMPRESA DE TELECOMUNICAÇÕES. INSTALAÇÃO E O Supremo Tribunal Federal, ao julgar o ARE 791.932/DF fixou a
MANUTENÇÃO DE EQUIPAMENTOS DE TV A CABO. ATIVIDADE seguinte tese: "É nula a decisão de órgão fracionário que se recusa
FIM. A jurisprudência desta Corte Superior adota entendimento de a aplicar o art. 94, II, da Lei 9.472/1997, sem observar a cláusula de
que as atividades de instalação e manutenção de linhas telefônicas reserva de Plenário (CF, art. 97), observado o artigo 949 do CPC".
e operação de redes de acessos, cabos ópticos, serviço de Eis o teor da ementa do julgado:
comunicação de dados e serviço ADSL são consideradas atividades EMENTA: CONSTITUCIONAL E TRABALHISTA. NULIDADE DO
fim das empresas concessionárias dos serviços de ACÓRDÃO RECORRIDO POR DESRESPEITO A CLÁUSULA DE
telecomunicações, desautorizando a prática da terceirização. RESERVA DE PLENÁRIO (CF, ART. 97 E SV 10). NEGATIVA
Ressalva de entendimento desta Relatora. Recurso de revista PARCIAL DE VIGÊNCIA E EFICÁCIA AO INCISO II, DO ART. 94
conhecido e provido. (TST-RR - 462-16.2014.5.06.0020, Relatora DA LEI 9.472/1997 (LEI GERAL DE TELECOMUNICAÇÕES) POR
Ministra Dora Maria da Costa, 8ª Turma, DEJT 31/03/2017). ÓRGÃO FRACIONÁRIO COM BASE NA SÚMULA 331/TST.
IMPOSSIBILIDADE. LICITUDE DE TERCEIRIZAÇÃO DE TODA E
Sinale-se, ainda, serem inaplicáveis as inovações introduzidas pela QUALQUER ATIVIDADE, MEIO OU FIM, NÃO SE
Lei n° 13.429, de 31 de março de 2017, em face do princípio da CONFIGURANDO RELAÇÃO DE EMPREGO ENTRE A
irretroatividade, visto que a relação jurídica objeto da presente CONTRATANTE E O EMPREGADO DA CONTRATADA (ADPF 324
demanda ocorreu em período anterior. E RE 958.252). AGRAVO CONHECIDO. RECURSO PROVIDO.
Nesse sentido, a SBDI-1 já se manifestou expressamente sobre a 1. A inconstitucionalidade de lei ou ato normativo estatal só pode
questão relacionada à aplicação retroativa da Lei nº 13.429/2017 ser declarada pelo voto da maioria absoluta da totalidade dos
(Lei da Terceirização), consoante se infere do julgado reproduzido a membros do tribunal ou, onde houver, dos integrantes do respectivo
seguir: órgão especial, sob pena de absoluta nulidade da decisão emanada
do órgão fracionário (turma, câmara ou seção), em respeito à
EMBARGOS DE DECLARAÇÃO. EMBARGOS. previsão do art. 97 da Constituição Federal.
ESCLARECIMENTOS. VÍNCULO DE EMPREGO. 2. A cláusula de reserva de plenário atua como condição de eficácia
TERCEIRIZAÇÃO ILÍCITA. TELEMARKETING. INSTITUIÇÃO jurídica da própria declaração jurisdicional de inconstitucionalidade

Código para aferir autenticidade deste caderno: 137896


2774/2019 Tribunal Superior do Trabalho 62
Data da Disponibilização: Sexta-feira, 26 de Julho de 2019

dos atos do Poder Público, aplicando-se para todos os tribunais, via sobrestamento do recurso extraordinário.
difusa, e para o SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL, também no Alega que, em recente julgamento, o Supremo Tribunal Federal
controle concentrado (CF, art. 97 e SV 10). confirmou a responsabilidade subsidiária da administração pública
3. É nula a decisão de órgão fracionário que, ao negar a aplicação quando configurada a culpa in vigilando do ente público.
do inciso II, do art. 94 da Lei 9.472/1997, com base na Súmula Sustenta, ainda, que a Lei nº 13.429/2017 supriu a lacuna legislativa
331/TST, e declarar ilícita a terceirização e atividade-fim, reconhece no tocante à responsabilidade subsidiária da contratante de mão-de
a existência de vínculo trabalhista entre a contratante e o -obra terceirizada ou temporária.
empregado da contratada, pois exerceu controle difuso de Decido.
constitucionalidade, declarando a parcial nulidade sem redução de Do exame dos autos vê-se que o acórdão alvo do recurso
texto do referido dispositivo sem observar a cláusula de reserva de extraordinário inclui debate sobre responsabilidade subsidiária do
Plenário. AGRAVO PROVIDO. ente público tomador de serviços pelo pagamento de créditos
4. O PLENÁRIO DA CORTE declarou parcialmente inconstitucional reconhecidos em favor de trabalhador terceirizado, na forma
a SÚMULA 331/TST e proclamou a licitude da terceirização de toda referida na Súmula 331, V, do TST, o que revela inegável similitude
e qualquer atividade, meio ou fim; para afirmar a inexistência de com o debate contido no RE 760.931/DF (Tema 246), ainda
relação de emprego entre a contratante e o empregado da pendente de trânsito em julgado.
contratada. RECURSO EXTRAORDINÁRIO PROVIDO. A respeito do referido tema, embora a Suprema Corte tenha
5. Agravo conhecido e recurso extraordinário provido para examinado o mérito da questão jurídica, foram opostos embargos
restabelecer a sentença de primeiro grau, com a fixação da seguinte de declaração, ainda pendentes de julgamento, e cuja redistribuição
tese no TEMA 739: "É nula a decisão de órgão fracionário que se foi determinada em 02/02/2018, de modo que não se operou o
recusa a aplicar o art. 94, II, da Lei 9.472/1997, sem observar a trânsito em julgado, tornando, portanto, inviável o pleito deduzido na
cláusula de reserva de Plenário (CF, art. 97), observado o artigo petição, por injunção do artigo 1.030, III, do CPC.
949 do CPC." (ARE 791932/DF, Rel. Min. Alexandre de Moraes, A propósito, não é demais registrar que a matéria contida no Tema
DJe 06/03/2019) 246 envolve o maior volume de processos sobrestados da história
do Judiciário do Trabalho, cujos desdobramentos não se acham
Logo, versando o acórdão recorrido sobre questão atinente a tema contemplados na tese por ora firmada pela Suprema Corte, tal como
cuja repercussão geral foi reconhecida, com tese de mérito firmada a definição do onus probandi frente à alegação da culpa in vigilando
pelo Supremo Tribunal Federal, determino o dessobrestamento do da Administração Pública.
recurso e o encaminhamento dos autos ao órgão fracionário prolator Equivale dizer que há inegável expectativa de que o STF, no
da decisão recorrida nestes autos, a fim de que se manifeste, nos julgamento dos embargos de declaração, estabeleça referencial
termos do art. 1.030, II do CPC, sobre a necessidade ou não de definitivo a ser utilizado em decisões levadas a efeito no TST, pelo
exercer eventual juízo de retratação da decisão então proferida por que a prudência aconselha a manutenção do sobrestamento do
aquele colegiado. recurso extraordinário até o trânsito em julgado do RE 760.931/DF.
À Coordenadoria de Recursos - CREC - para as providências Por fim, cumpre destacar que o argumento do reclamante de que a
pertinentes. Lei nº 13.429/2017 supriu a lacuna legislativa, no tocante à
Publique-se. responsabilidade subsidiária da contratante de mão-de-obra
Brasília, 25 de julho de 2019. terceirizada ou temporária, é questão afeta ao próprio mérito do
recurso extraordinário, não cabendo a esta Vice-Presidência, em
juízo precário de admissibilidade do apelo extremo, dizer se incide
Firmado por assinatura digital (MP 2.200-2/2001) ou não a novel legislação ao caso.
RENATO DE LACERDA PAIVA Do exposto, indefiro o pedido.
Ministro Vice-Presidente do TST À Coordenadoria de Recursos - CREC para as providências.
Intime-se.
Processo Nº AIRR-0001786-68.2011.5.10.0009 Publique-se.
Complemento Processo Eletrônico Brasília, 25 de julho de 2019.
Relator Min. Márcio Eurico Vitral Amaro
Agravante EMPRESA BRASILEIRA DE
CORREIOS E TELÉGRAFOS - ECT
Firmado por assinatura digital (MP 2.200-2/2001)
Advogado Dr. André Nogueira de Miranda Pereira
Pinto(OAB: 34459/DF) RENATO DE LACERDA PAIVA
Agravado EDIVÃ ABADIO BARBOSA Ministro Vice-Presidente do TST
Advogado Dr. Pedro Pereira de Souza(OAB:
35460/DF) Processo Nº AIRR-0000723-41.2015.5.06.0312
Agravado BEIT TERCEIRIZAÇÃO DE Complemento Processo Eletrônico
SERVIÇOS LTDA. Relator Min. José Roberto Freire Pimenta
Agravante COMPANHIA ENERGÉTICA DE
Intimado(s)/Citado(s): PERNAMBUCO
- BEIT TERCEIRIZAÇÃO DE SERVIÇOS LTDA. Advogado Dr. Alexandre José da Trindade Meira
Henriques(OAB: 17472/PE)
- EDIVÃ ABADIO BARBOSA
Agravante CENEGED - COMPANHIA
- EMPRESA BRASILEIRA DE CORREIOS E TELÉGRAFOS - ELETROMECÂNICA E
ECT GERENCIAMENTO DE DADOS S.A.
Advogado Dr. Antônio Cleto Gomes(OAB: 5864-
EDIVÃ ABADIO BARBOSA, por meio da Petição nº 94274/2017-9 A/CE)
(doc. seq. 20), pede a reconsideração da decisão que determinou o

Código para aferir autenticidade deste caderno: 137896


2774/2019 Tribunal Superior do Trabalho 63
Data da Disponibilização: Sexta-feira, 26 de Julho de 2019

Agravado ELINALDO SEVERINO PEREIRA DA


SILVA
ISTO POSTO
Advogado Dr. Vanderley Caetano da Silva(OAB:
28642/PE)
ACORDAM os Ministros da Segunda Turma do Tribunal Superior do
Intimado(s)/Citado(s): Trabalho, por unanimidade, negar provimento aos agravos de
- CENEGED - COMPANHIA ELETROMECÂNICA E instrumento."
GERENCIAMENTO DE DADOS S.A.
- COMPANHIA ENERGÉTICA DE PERNAMBUCO O Supremo Tribunal Federal, ao julgar o ARE 791.932/DF fixou a
- ELINALDO SEVERINO PEREIRA DA SILVA seguinte tese: "É nula a decisão de órgão fracionário que se recusa
a aplicar o art. 94, II, da Lei 9.472/1997, sem observar a cláusula de
Trata-se de recurso extraordinário contra acórdão proferido pela reserva de Plenário (CF, art. 97), observado o artigo 949 do CPC".
egrégia Segunda Turma deste Tribunal. Eis o teor da ementa do julgado:
A parte recorrente suscita preliminar de repercussão geral da EMENTA: CONSTITUCIONAL E TRABALHISTA. NULIDADE DO
matéria e aponta violação aos dispositivos da Constituição da ACÓRDÃO RECORRIDO POR DESRESPEITO A CLÁUSULA DE
República que especifica nas razões recursais. RESERVA DE PLENÁRIO (CF, ART. 97 E SV 10). NEGATIVA
A Vice-Presidência deste Tribunal Superior, por despacho, PARCIAL DE VIGÊNCIA E EFICÁCIA AO INCISO II, DO ART. 94
determinou o sobrestamento do recurso extraordinário por envolver DA LEI 9.472/1997 (LEI GERAL DE TELECOMUNICAÇÕES) POR
o Tema nº 739 do ementário de Repercussão Geral do Supremo ÓRGÃO FRACIONÁRIO COM BASE NA SÚMULA 331/TST.
Tribunal Federal. IMPOSSIBILIDADE. LICITUDE DE TERCEIRIZAÇÃO DE TODA E
Considerando que a matéria foi julgada na Sessão do Tribunal QUALQUER ATIVIDADE, MEIO OU FIM, NÃO SE
Pleno do STF em 11/10/2018, com fixação da tese de mérito e que CONFIGURANDO RELAÇÃO DE EMPREGO ENTRE A
o acórdão foi publicado no Diário Eletrônico de Justiça de CONTRATANTE E O EMPREGADO DA CONTRATADA (ADPF 324
06/03/2019, com trânsito em julgado, passo ao exame de E RE 958.252). AGRAVO CONHECIDO. RECURSO PROVIDO.
admissibilidade do recurso sobrestado. 1. A inconstitucionalidade de lei ou ato normativo estatal só pode
É o relatório. ser declarada pelo voto da maioria absoluta da totalidade dos
Decido. membros do tribunal ou, onde houver, dos integrantes do respectivo
Consta do acórdão recorrido: órgão especial, sob pena de absoluta nulidade da decisão emanada
do órgão fracionário (turma, câmara ou seção), em respeito à
"(...) previsão do art. 97 da Constituição Federal.
2. A cláusula de reserva de plenário atua como condição de eficácia
No caso dos autos, conforme expressamente consignado no jurídica da própria declaração jurisdicional de inconstitucionalidade
acórdão regional, trata-se de terceirização ilícita, haja vista que ficou dos atos do Poder Público, aplicando-se para todos os tribunais, via
comprovado nos autos (de forma incontroversa) que o autor exercia difusa, e para o SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL, também no
atividades de eletricista, função essencial ligada à atividade-fim da controle concentrado (CF, art. 97 e SV 10).
tomadora de serviços. 3. É nula a decisão de órgão fracionário que, ao negar a aplicação
Diante do contexto, não há falar em violação dos artigos 97 e 175 do inciso II, do art. 94 da Lei 9.472/1997, com base na Súmula
da Constituição Federal e 25, § 1º, da Lei nº 8.987/95, tampouco 331/TST, e declarar ilícita a terceirização e atividade-fim, reconhece
contrariedade à Súmula nº 331 do TST ou à Súmula Vinculante nº a existência de vínculo trabalhista entre a contratante e o
10 do STF. empregado da contratada, pois exerceu controle difuso de
Como a decisão do Regional se encontra em consonância com a constitucionalidade, declarando a parcial nulidade sem redução de
notória, reiterada e atual jurisprudência do Tribunal Superior do texto do referido dispositivo sem observar a cláusula de reserva de
Trabalho, esgotada se encontra a função uniformizadora desta Plenário. AGRAVO PROVIDO.
Corte, o que afasta a possibilidade de eventual configuração de 4. O PLENÁRIO DA CORTE declarou parcialmente inconstitucional
divergência jurisprudencial, ante a aplicação do teor da Súmula nº a SÚMULA 331/TST e proclamou a licitude da terceirização de toda
333 do TST e do § 7º do artigo 896 da CLT. e qualquer atividade, meio ou fim; para afirmar a inexistência de
Assim, diante da ilicitude da terceirização das atividades de relação de emprego entre a contratante e o empregado da
eletricidade pelas empresas concessionárias de serviço de energia contratada. RECURSO EXTRAORDINÁRIO PROVIDO.
elétrica, nas quais se insere aquela exercida pelo reclamante, que 5. Agravo conhecido e recurso extraordinário provido para
exercia a função de eletricista, deve ser mantido o acórdão regional, restabelecer a sentença de primeiro grau, com a fixação da seguinte
também no tocante a responsabilidade solidária, pois, ao tese no TEMA 739: "É nula a decisão de órgão fracionário que se
desvirtuarem o disposto no art. 2º da CLT, ambas as reclamadas recusa a aplicar o art. 94, II, da Lei 9.472/1997, sem observar a
cometeram um ato ilícito, violando os direitos do autor. Não se cláusula de reserva de Plenário (CF, art. 97), observado o artigo
cogita, portanto, de ofensa aos artigos 611 da CLT e 265 do Código 949 do CPC." (ARE 791932/DF, Rel. Min. Alexandre de Moraes,
Civil, diante da constatação de fraude. DJe 06/03/2019)
Salienta-se que a invocação genérica de violação do artigo 5º,
inciso II, da Constituição Federal de 1988, em regra e como ocorre Logo, versando o acórdão recorrido sobre questão atinente a tema
neste caso, não é suficiente para autorizar o processamento do cuja repercussão geral foi reconhecida, com tese de mérito firmada
recurso de revista com base na previsão da alínea "c" do artigo 896 pelo Supremo Tribunal Federal, determino o dessobrestamento do
da CLT, visto que, para sua constatação, seria necessário concluir, recurso e o encaminhamento dos autos ao órgão fracionário prolator
previamente, ter havido ofensa a preceito infraconstitucional. da decisão recorrida nestes autos, a fim de que se manifeste, nos
termos do art. 1.030, II do CPC, sobre a necessidade ou não de
(...) exercer eventual juízo de retratação da decisão então proferida por

Código para aferir autenticidade deste caderno: 137896


2774/2019 Tribunal Superior do Trabalho 64
Data da Disponibilização: Sexta-feira, 26 de Julho de 2019

aquele colegiado. do Judiciário do Trabalho, cujos desdobramentos não se acham


À Coordenadoria de Recursos - CREC - para as providências contemplados na tese por ora firmada pela Suprema Corte, tal como
pertinentes. a definição do onus probandi frente à alegação da culpa in vigilando
Publique-se. da Administração Pública.
Brasília, 25 de julho de 2019. Equivale dizer que há inegável expectativa de que o STF, no
julgamento dos embargos de declaração, estabeleça referencial
definitivo a ser utilizado em decisões levadas a efeito no TST, pelo
Firmado por assinatura digital (MP 2.200-2/2001) que a prudência aconselha a manutenção do sobrestamento do
RENATO DE LACERDA PAIVA recurso extraordinário até o trânsito em julgado do RE 760.931/DF.
Ministro Vice-Presidente do TST Do exposto, indefiro o pedido.
À Coordenadoria de Recursos - CREC para as providências.
Processo Nº AIRR-0143100-56.2009.5.03.0012 Publique-se.
Complemento Processo Eletrônico Brasília, 25 de julho de 2019.
Relator Min. Renato de Lacerda Paiva
Agravante BANCO DO NORDESTE DO BRASIL
S.A. - BNB
Firmado por assinatura digital (MP 2.200-2/2001)
Advogado Dr. Paulo César Gomes
Albuquerque(OAB: 36165/DF) RENATO DE LACERDA PAIVA
Agravado ITAÚ UNIBANCO S.A. Ministro Vice-Presidente do TST
Advogada Dra. Cristiana Rodrigues Gontijo(OAB:
6930-A/DF) Processo Nº Ag-AIRR-0011433-19.2016.5.03.0038
Advogado Dr. Mozart Victor Russomano Complemento Processo Eletrônico
Neto(OAB: 29340-A/DF) Relator Min. Kátia Magalhães Arruda
Agravado EDUARDO TERENZI DE MELO Agravante TELEMONT ENGENHARIA DE
Advogado Dr. Álvaro Ferraz Cruz(OAB: TELECOMUNICAÇÕES S.A.
67437/MG) Advogado Dr. Sérgio Carneiro Rosi(OAB:
Agravado BANCO NOSSA CAIXA S.A. 71639/MG)
Advogado Dr. Luiz Emiraldo Eduardo Marques Advogado Dr. José Alberto Couto Maciel(OAB:
513-A/DF)
Agravado ATP TECNOLOGIA E PRODUTOS
S.A. Agravado AYRTON APARECIDO DOS REIS
Advogada Dra. Carolina Carsalade Von Gossler Advogado Dr. José Geraldo Lage Batista(OAB:
Kubitz(OAB: 113504/MG) 56134/MG)
Agravado TELEMAR NORTE LESTE S.A. (EM
Intimado(s)/Citado(s): RECUPERAÇÃO JUDICIAL)
Advogado Dr. Kiara Michele Lopes de Oliveira
- ATP TECNOLOGIA E PRODUTOS S.A. Bezerra(OAB: 132337/MG)
- BANCO DO NORDESTE DO BRASIL S.A. - BNB Advogado Dr. José Alberto Couto Maciel(OAB:
- BANCO NOSSA CAIXA S.A. 513-A/DF)
- EDUARDO TERENZI DE MELO
- ITAÚ UNIBANCO S.A. Intimado(s)/Citado(s):
- AYRTON APARECIDO DOS REIS
EDUARDO TERENZI DE MELO, por meio das Petições nºs - TELEMAR NORTE LESTE S.A. (EM RECUPERAÇÃO
JUDICIAL)
258370/2016-0 e 258369/2016-8 (docs. seqs. 41 e 43), pede a
- TELEMONT ENGENHARIA DE TELECOMUNICAÇÕES S.A.
reconsideração da decisão que determinou o sobrestamento do
recurso extraordinário.
Trata-se de recurso extraordinário contra acórdão proferido pela
Alega que o reconhecimento da repercussão geral no Tema 246
egrégia Sexta Turma deste Tribunal.
não pode retroagir para regular casos passados.
A parte recorrente suscita preliminar de repercussão geral da
Sustenta, ainda, que a questão tratada no recurso extraordinário é
matéria e aponta violação aos dispositivos da Constituição da
"sobre a responsabilidade subsidiária do ente público na relação
República que especifica nas razões recursais.
trabalhista, sendo que é questão de menor importância ao feito,
A Vice-Presidência deste Tribunal Superior, por despacho,
mormente, quando a condenação dos reclamados foi solidária,
determinou o sobrestamento do recurso extraordinário por envolver
podendo o ora peticionante direcionar seu crédito para um s ó deles
o Tema nº 739 do ementário de Repercussão Geral do Supremo
a seu bem entender".
Tribunal Federal.
Requer o regular andamento do feito.
Considerando que a matéria foi julgada na Sessão do Tribunal
Decido.
Pleno do STF em 11/10/2018, com fixação da tese de mérito e que
O Supremo Tribunal Federal de fato examinou o mérito da questão
o acórdão foi publicado no Diário Eletrônico de Justiça de
jurídica espelhada nas razões recursais, por ocasião do julgamento
06/03/2019, com trânsito em julgado, passo ao exame de
do RE 760.931/DF, erigido à condição de leading case (Tema 246).
admissibilidade do recurso sobrestado.
Ocorre que foram opostos embargos de declaração, ainda
É o relatório.
pendentes de julgamento, e cuja redistribuição foi determinada em
Decido.
02/02/2018, de modo que não se operou o trânsito em julgado,
Consta do acórdão recorrido:
tornando, portanto, inviável o pleito deduzido na petição, por
injunção do artigo 1.030, III, do CPC.
"(...)
A propósito, não é demais registrar que a matéria contida no Tema
2.2. TERCEIRIZAÇÃO ILÍCITA ANTERIOR À LEI Nº 13.429/2017.
246 envolve o maior volume de processos sobrestados da história

Código para aferir autenticidade deste caderno: 137896


2774/2019 Tribunal Superior do Trabalho 65
Data da Disponibilização: Sexta-feira, 26 de Julho de 2019

CONCESSIONÁRIA DE SERVIÇOS DE TELECOMUNICAÇÕES. insere na atividade fim das empresas de telecomunicações...".


ATIVIDADE-FIM (REPARADOR E INSTALADOR DE LINHAS Dessa forma, afirma que não deve ser reconhecido o vínculo
TELEFÔNICAS). RECONHECIMENTO DO VÍNCULO DE empregatício com o reclamante. Sustenta ainda que não devem ser
EMPREGO COM A TELEMAR deferidos os benefícios previstos nas normas coletivas da categoria.
Por meio de decisão monocrática foi negado seguimento ao agravo Aponta violação dos arts. 60, § 1º, e 94, II, da Lei nº 9.472/97. Diz
de instrumento da primeira reclamada. Foram consignados os que foram contrariadas as Súmulas nºs 191 e 331, I e III, do TST e
seguintes fundamentos: a Súmula Vinculante nº 10 do STF. Transcreve arestos para o
"Foram transcritos no recurso de revista os seguintes fragmentos confronto de teses.
do acórdão do TRT: Ao exame.
"Não há dúvida de que as atividades do Reclamante fazem parte do Atendidos os requisitos do art. 896, § 1º-A, da CLT.
universo da atividade-fim da TELEMAR, tratando-se de atribuições Caso anterior à Lei nº 13.429/2017 (ED-E-ED-RR-1144-
que possibilitam a oferta de telecomunicação, através da instalação 53.2013.5.06.0004).
e reparação de suas linhas. Não se discute nos autos a terceirização da atividade de call center
De fato, a atividade aqui terceirizada não é de suporte, mas sim de (suspensão de processos determinada pelo STF no ARE 791932
concentração de esforços naquilo que é vocação principal da RG/DF), mas a terceirização de atividade de reparador e instalador
segunda Demandada, ou seja, os seus serviços de telefonia. de linha telefônica, que se insere na atividade-fim da tomadora.
Inaplicáveis, portanto, os artigos 85 e 94, inciso II, da Lei 9.472/97, De acordo com o art. 60, §§ 1º e 2º, da Lei nº 9.472/97, a instalação
em razão de a atividade obreira não ser acessória, estando as e reparação de linhas telefônicas são serviços ligados à atividade
atividades desenvolvidas pela prestadora inseridas naquelas permanente, essencial e nuclear das empresas de
empresariais da tomadora de serviços, já que esta empresa, para a telecomunicações.
consecução de seus objetivos, repita-se, está obrigada a colocar à Partindo da premissa de que o reclamante laborava na atividade-fim
disposição dos usuários serviços de manutenção das linhas. da empresa tomadora dos serviços, é aplicável ao caso dos autos o
A Lei 9.472/97 não obsta a configuração do vínculo empregatício item I da Súmula nº 331 do TST, que dispõe:
entre o Reclamante e a tomadora (TELEMAR), sendo certo que "Súmula nº 331 do TST CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE
este entendimento não configura infringência à referida lei e ao art. SERVIÇOS. LEGALIDADE (nova redação do item IV e inseridos os
5º, inciso II, da CR/88, em razão de se aplicar ao caso vertente o itens V e VI à redação) - Res. 174/2011, DEJT divulgado em 27, 30
entendimento sedimentado na Súmula 331, inciso I, do C. TST. Em e 31.05.2011.
outras palavras, a situação regulada na citada legislação é I - A contratação de trabalhadores por empresa interposta é ilegal,
totalmente diversa da retratada no processado, já que no presente formando-se o vínculo diretamente com o tomador dos serviços,
feito restou caracterizada a ilicitude da terceirização, sendo salvo no caso de trabalho temporário (Lei nº 6.019, de 03.01.1974)."
reconhecida a fraude na contratação do Reclamante. Observe-se que, nos termos da jurisprudência desta Corte, a
Desse modo, não há se falar em vulneração ao art. 25 da Lei contratação de trabalhadores por empresa interposta (ou seja,
8.987/95 e aos arts. 94, II e 117, II, ambos da Lei 9.472/97, pois as trabalhadores para a execução da atividade-fim da empresa
citadas leis foram levadas em conta pela Súmula 331/TST, sem que tomadora dos serviços) é ilegal, pois evidencia a intenção de se
houvesse sido aberta exceção para as empresas de eximir da responsabilidade pelo cumprimento das obrigações
telecomunicações, como foi feito em relação à impossibilidade de trabalhistas.
estabelecimento de vínculo com os órgãos públicos, mesmo quando Nos termos do art. 9º da CLT, são nulos os atos praticados com o
terceirizada a atividade-fim. objetivo de desvirtuar, impedir ou fraudar a aplicação dos preceitos
Há, pois, evidente demonstração de fraude à legislação trabalhista, estabelecidos nesse dispositivo. Assim, há o reconhecimento de
caracterizada pela contratação de empregado por empresa vínculo empregatício diretamente com a empresa tomadora dos
interposta, no intuito de se obter mão de obra menos onerosa, serviços, ainda que as provas dos autos não demonstrem que
frustrando o princípio protetor inerente ao Direito do Trabalho, o que ficaram configuradas a subordinação jurídica e a pessoalidade.
não encontra respaldo na norma legal trabalhista e, por Sob outro prisma, não se pode concluir que o art. 94, II, da Lei nº
conseguinte, não pode merecer amparo do Poder Judiciário, 9.472/97, ao dispor que a concessionária poderá "contratar com
devendo-se reconhecer a isonomia de direitos entre os empregados terceiros o desenvolvimento de atividades inerentes, acessórias ou
da segunda Reclamada e o Reclamante. complementares ao serviço, bem como a implementação de
Melhor sorte não assiste às recorrentes quanto à matéria referente projetos associados", esteja autorizando a terceirização de serviços
à Súmula Vinculante nº 10 do STF, não havendo que se falar em inerentes à atividade-fim das empresas de telecomunicações, sob
sua violação, uma vez que, em momento algum, se declarou a pena de ferir o disposto no art. 170, caput, VIII, da Constituição da
inconstitucionalidade da Lei Geral de Telecomunicações, sendo a República, pois a intermediação de serviço em área-fim das
questão da terceirização nesse setor exaustivamente debatida empresas de telecomunicações culminaria na desvalorização do
nesta Especializada. trabalho humano e no comprometimento da busca do pleno
Assim, reconhecida a ilicitude da terceirização praticada pelas emprego.
partes, a responsabilização subsidiária requerida na exordial deve A análise da legislação infraconstitucional não pode destoar dos
ser atribuída à segunda Ré (artigo 9º da CLT). princípios e regras albergadas pela Constituição Federal,
Com base nesse entendimento foi editada a Súmula 331 do TST, a especialmente os previstos nos arts. 1º, III e IV, 7º, 8º, 170 e 173,
qual, indubitavelmente, abrange todas as hipóteses de que compõem o núcleo socioeconômico norteador do estado
terceirização, pois, consoante o princípio geral que rege o instituto democrático brasileiro.
da responsabilidade civil, a ninguém é dado ferir direitos alheios, Vê-se, pois, que, quando a legislação ordinária traz a possibilidade
sem responder por eles. de as empresas tomadoras de serviços, em especial as
Desprovejo, pois, o apelo." concessionárias de serviços públicos, contratarem terceiros para o
A agravante alega que "... a atividade de instalação de cabos não se desenvolvimento de atividades "inerentes, acessórias ou

Código para aferir autenticidade deste caderno: 137896


2774/2019 Tribunal Superior do Trabalho 66
Data da Disponibilização: Sexta-feira, 26 de Julho de 2019

complementares ao serviço", faz uma correlação entre a atividade serviço mediante delegação do Poder Público, se fizesse substituir
desenvolvida pela empresa, nos limites do que se entende em suas atividades por outras empresas, ficando como o papel de
conceitualmente por terceirização. mera administradora do serviço que lhe incumbia executar.
O vocábulo "terceirizar", segundo o Dicionário Aurélio, significa Nesse sentido, cito julgados da SBDI-1 desta Corte:
"transferir a terceiros atividade ou departamento que não faz parte "RECURSO INTERPOSTO SOB A ÉGIDE DA LEI Nº 11.496/2007.
de sua linha principal de atuação". Ou se entende que o conceito de VÍNCULO DE EMPREGO. TERCEIRIZAÇÃO ILÍCITA. ATIVIDADE-
terceirização implica atividades de terceiros, portanto, não alcança a FIM. EMPRESA DE TELEFONIA. INSTALADOR DE VELOX. 1. "A
atividade primária e finalística da empresa tomadora dos serviços, contratação de trabalhadores por empresa interposta é ilegal,
ou se entende pela sua ampliação e, por consequência, amplia-se a formando-se o vínculo diretamente com o tomador dos serviços,
responsabilidade da contratante, que passaria a ser solidária com a salvo no caso de trabalho temporário (Lei n.º 6.019, de 03.01.1974)"
empresa de intermediação. Carece, data vênia, de lógica formal ou (Súmula n.º 331, I, desta Corte superior). 2. A colenda SBDI-I deste
jurídica a autorização irrestrita da "terceirização", inclusive para a Tribunal Superior do Trabalho, em sua composição plena,
atividade-fim, sem a extensão da responsabilidade da empresa. interpretando o disposto no artigo 94, II, da Lei n.º 9.472/97,
Outro aspecto a destacar, inclusive debatido na audiência pública consagrou entendimento no sentido de que o referido texto legal
sobre "terceirização", realizada pelo Tribunal Superior do Trabalho, não autoriza a terceirização de serviços inseridos na atividade-fim
é que uma legislação genérica dirigida às empresas das empresas concessionárias de serviços de telecomunicações (E-
concessionárias (telefonia, eletricidade, entre outras), não revoga ou ED-RR 2938-13.2010.5.12.0016, redator designado para o acórdão
substitui o Direito do Trabalho, referindo-se, em geral, à regulação o Exmo. Ministro José Roberto Freire Pimenta, julgado em
entre as concessionárias e consumidores e à organização dos 08/11/2012, DEJT de 26/03/2013). 3. Nesse contexto, afigura-se
serviços sob sua responsabilidade. irretocável a decisão embargada, mediante a qual se negou
Tratando-se de questão de índole trabalhista, é aplicável o "princípio provimento ao recurso de revista empresarial - amparado no quadro
da norma mais favorável", em sua dimensão interpretativa, fático delineado pela Corte de origem, no sentido de que o
conforme esclarece Maurício Godinho Delgado: reclamante, na função de auxiliar técnico, trabalhava na atividade-
"Princípio da Norma Mais Favorável - O presente princípio dispõe fim da empresa de telefonia reclamada, efetuando instalação e
que o operador do Direito do Trabalho deve opta pela regra mais reparação de produto da tomadora de serviços denominado Velox -,
favorável ao obreiro em três situações ou dimensões distintas: no confirmando o acórdão prolatado pelo Tribunal Regional, que
instante de elaboração da regra (princípio orientador da ação declarou a nulidade da contratação por empresa interposta e
legislativa, portanto) ou no contexto de confronto entre regras reconheceu o vínculo de emprego diretamente com a TELEMAR. 4.
concorrentes (princípio orientador do processo de hierarquização de Recurso de embargos conhecido e não provido." (E-RR-8800-
normas trabalhistas) ou, por fim, no contexto de interpretação das 50.2007.5.03.0038, Relator Ministro: Lelio Bentes Corrêa, Subseção
regras jurídicas (princípio orientador do processo de revelação do I Especializada em Dissídios Individuais, DEJT 30/04/2015);
sentido da regra trabalhista). "RECURSO DE EMBARGOS INTERPOSTO PELO RECLAMANTE.
(...) RECURSO DE REVISTA COM AGRAVO. INSTALAÇÃO E
Como princípio de interpretação do Direito, permite a escolha da REPARAÇÃO DE LINHAS TELEFÔNICAS. TERCEIRIZAÇÃO.
interpretação mais favorável ao trabalhador, caso antepostas ao SÚMULA N° 331, I, DO TST. ILICITUDE. 1. É indubitável que o
intérprete duas ou mais consistentes alternativas de interpretação objeto social da Telemar engloba as atividades ligadas ao serviço
em face de uma regra jurídica enfocada. Ou seja, informa esse de telefonia, pelo que se impende concluir que o labor desenvolvido
princípio que, no processo de aplicação e interpretação do Direito, o pelo reclamante, na condição de instalador e reparador de linhas
operador jurídico, situado perante um quadro de conflito de regras telefônicas, estava inserido na atividade fim da tomadora dos
ou de interpretações consistentes a seu respeito, deverá escolher serviços, ensejando o reconhecimento do vínculo empregatício em
aquela mais favorável ao trabalhador, a que melhor realize o sentido razão da ilicitude da terceirização. 2. Com efeito, a Súmula nº 331, I,
teleológico essencial do Direito do Trabalho." (in Curso de Direito do desta Corte disciplina que -a contratação de trabalhadores por
Trabalho, 6ª ed., São Paulo: LTr, 2007, p. 199-200) empresa interposta é ilegal, formando-se o vínculo diretamente com
Assim, cabível o reconhecimento de que o art. 94, II, da Lei nº o tomador dos serviços, salvo no caso de trabalho temporário-. 3.
9.472/97 não autoriza a terceirização das atividades-fim das Dentro deste contexto, tem-se que as concessionárias de telefonia
concessionárias dos serviços de telecomunicações. não podem terceirizar a instalação e a reparação das linhas, pois,
E, de fato, embora a livre iniciativa seja um dos princípios se é certo que a transmissão de voz e dados se dá por meio das
fundamentais da República Federativa do Brasil, no mesmo linhas telefônicas, não pairam dúvidas de que a instalação e a
patamar encontram-se os valores sociais do trabalho e a dignidade reparação dessas linhas são atividades diretamente ligadas ao
da pessoa humana, que se materializam, entre outras, nas diversas serviço de telecomunicações, que não podem ser terceirizadas, pois
normas de proteção ao trabalhador, como aquelas relacionadas no integram a dinâmica das referidas empresas. Precedente desta
art. 7º da Constituição Federal. Assim, devem ser apreciados com Subseção Especializada. Recurso de embargos conhecido e
reserva dispositivos que aparentemente venham a enfraquecer o provido." (E-ARR-931-21.2010.5.03.0009, SBDI-1, Rel.ª Min.ª Dora
arcabouço jurídico de proteção ao trabalhador. Maria da Costa, DEJT 14/3/2014);
O ordenamento jurídico pátrio, conforme consagrado na Súmula nº "EMBARGOS. TERCEIRIZAÇÃO ILÍCITA. AGENTE DE
331 do TST, repele a intermediação de mão de obra, salvo em COBRANÇA. EMPRESA DE ENERGIA ELÉTRICA. A c. SDI firmou
casos muito específicos, considerando-se que essa prática o entendimento de que o vínculo de empregado que trabalha em
dificultaria ou inviabilizaria a proteção do hipossuficiente em face da atividade-fim, de empresa de concessão pública de serviços, se
empresa que usufruiu a sua força de trabalho. Sob outro prisma, a forma diretamente com a concessionária, quando não for possível
terceirização da própria atividade empresarial, no caso de distinguir ou desvincular essa atividade da atividade-fim de
concessionárias de serviço público, implicaria aceitar-se que uma prestação dos serviços e, ainda, porque a interpretação sistemática
empresa que recebeu a incumbência de prestar determinado dos arts. 25 da Lei n.º 8.987/1995 e 94, II, da Lei n.º 9.472/1997 não

Código para aferir autenticidade deste caderno: 137896


2774/2019 Tribunal Superior do Trabalho 67
Data da Disponibilização: Sexta-feira, 26 de Julho de 2019

autoriza concluir que o legislador ordinário conferiu às empresas estudo se situa entre as disposições atinentes ao contrato de
concessionárias a possibilidade de terceirização ampla e irrestrita, concessão de serviços públicos - regulamentação conferida por lei
inclusive quanto às suas atividades fins. (E-ED-RR-2938-13-2010-5- de caráter manifestamente administrativo e que em nenhum
12-0016, julgado em 8.11.2012.) Ressalva do Relator. Recurso de momento explicita a intenção de imiscuir-se na senda laboral -, a
embargos conhecido e desprovido." (E-ED-RR-36600- qual sucumbiria, de todo modo, diante de uma interpretação
21.2011.5.21.0003, SBDI-1, Rel. Min. Aloysio Corrêa da Veiga, coerente com o ordenamento jurídico pátrio.
DEJT 27/9/2013). Assumindo-se, pois, o viés da interpretação sistemática, pode-se,
E ainda o seguinte aresto: inclusive, cogitar da incompatibilidade da compreensão da
"RECURSO DE REVISTA. COOPERATIVA. FRAUDE. terceirização em atividade-fim com o princípio da isonomia e com as
TERCEIRIZAÇÃODE ATIVIDADE-FIM. ART. 94, II, DA LEI noções de objeto social e da função social da empresa, a se
9.472/97. SÚMULA 331, I, DO TST. FORMAÇÃO DO VÍNCULO DE entender pudesse o legislador autorizar a terceirização da atividade-
EMPREGO COM A TOMADORA. (...) 2. A interpretação sistemática fim apenas às concessionárias de serviços públicos (a propósito, o
do art. 94, II, da Lei 9.472/97 ' a chamada Lei Geral de art. 25, § 1º, da Lei 8.987/95), em discriminação desprovida de
Telecomunicações' atenta aos fundamentos constitucionais da razoabilidade em relação a todas as demais pessoas físicas e
República, à polissemia da palavra 'inerente', à natureza da norma jurídicas que oferecem serviços no mercado. O fato de uma
em exame, ao princípio da isonomia, à necessidade de observância empresa ser concessionária de serviço público, ou seja, de ter
do objeto social da pessoa jurídica e da função social da empresa, obtido a concessão para a exploração de serviço de titularidade de
bem como à luz do conceito de subordinação objetiva e dos um ente público, após submissão a processo licitatório, não parece
princípios informadores do Direito e, em especial do Direito do constituir fator de discrímen hábil, lógico e razoável para tratamento
Trabalho, e à própria compatibilização que entre eles se impõe, diferenciado em relação aos demais empresários ou sociedades
conduz à conclusão de que o dispositivo não autoriza a empresárias.
terceirização no pertinente à atividade-fim das concessionárias de Assim, à luz do princípio da isonomia, previsto no caput do art. 5º da
telecomunicações. (...) Recurso de revista integralmente não Magna Carta, tenho que apenas duas opções são possíveis: a)
conhecido." (RR-66600-64.2009.5.03.0103, 3ª Turma, Rel.ª Min.ª entender que os arts. 25, § 1º, da Lei 8.987/95 e 94, II, da Lei
Rosa Maria Weber, DEJT 26/8/2011). 9.472/97 autorizam o fenômeno terceirizante de forma plena, e
Digna de transcrição a fundamentação desse último acórdão: estender tal permissão a todas as pessoas físicas e jurídicas; e b)
"(...) interpretar que o marchandage em atividade-fim da tomadora de
Diante da dicção legal autorizadora da terceirização para o serviços segue vedado na ordem jus trabalhista pátria, inclusive
desenvolvimento de atividades inerentes, indaga-se se o diploma quanto às concessionárias de serviço público.
em debate, rompendo com a tradição de vedação ao instituto do Como já antecipei, sou adepta da segunda vertente, qual seja, a de
marchandage na atividade-fim, introduziu novo paradigma no que a terceirização de atividade-fim segue como prática sem
ordenamento jurídico nacional. respaldo legal. Aliás, a adoção de corrente contrária significaria
A propósito, faço breve digressão para recordar que, informada pela conferir interpretação ampliativa a norma restritiva de direitos
constante preocupação com a mercantilização e precarização do sociais, pois, como é notório, alguns dos efeitos nocivos da
trabalho humano, esta Corte sempre se pautou pela cautela na terceirização, potencialmente ampliados no caso de sua adoção no
admissão do fenômeno terceirizante, em virtude, justamente, da tocante à atividade-fim, são a impossibilidade de acesso ao quadro
inexistência de diploma legal que regulamente o instituto em sua de carreira da empresa tomadora e o esfacelamento da categoria
inteireza. profissional, com todas as implicações sindicais correspondentes.
(...) De outra parte, consabido que a existência da pessoa jurídica tem
Traçado tal panorama, volto ao cerne da controvérsia para dizer início com a inscrição do ato constitutivo no respectivo registro (art.
que, a meu juízo, a autorização legal para a terceirização de 45 do CC) e que o registro tem como requisito essencial a
atividades inerentes das concessionárias do serviço de declaração de seu objeto social, ou seja, da finalidade da pessoa
telecomunicações não representa admissão de terceirização de jurídica (art. 46, I, do CC), não há dúvida de que o ente moral
atividade-fim, prática que, salvo na hipótese de trabalho temporário, somente se justifica na medida em que tenha uma finalidade e a
remanesce no campo do ilícito, pelo que encerra de aviltante à busque, por intermédio de seus prepostos.
dignidade da pessoa humana e ao valor social do trabalho, ambos A este respeito, cabe recordar que a pessoa jurídica concessionária
erigidos à condição de fundamentos da República (art. 1º, III e IV, de serviço público, na qualidade de sociedade empresária, submete
da Lei Maior). -se também à exigência de inscrição no Registro Público das
Em abono da tese, registro a polissemia própria ao vocábulo Empresas Mercantis (art. 967 do CC), da qual igualmente deve
'inerente', que tem as seguintes expressões como sinônimas: constar o seu objeto social (art. 968, IV, do CC).
atinente, dependente, específico, inseparável, intrínseco, ligado, Assim, e tendo em vista que a empresa consiste na atividade
peculiar, pertinente, próprio, relativo e subjetivo. econômica organizada exercida de forma profissional e voltada à
Nessa esteira, mesmo sob o enfoque da interpretação gramatical ou produção ou circulação de bens ou de serviços (art. 966 do CC),
literal - consabido a mais pobre de todas -, inúmeras as acepções sem dúvida que a sociedade empresária não pode terceirizar a sua
que a palavra 'inerente' comporta, que não correspondem própria ratio essendi, sob pena de haver o esvaziamento do seu
necessariamente ao conceito de atividade-fim. Até mesmo a objeto social e o desvirtuamento de sua função social.
atividade-meio de limpeza e conservação, v.g., é 'inerente' à Nessa linha, tenho por inviável cogitar da existência de pessoa
atividade das empresas concessionárias, desde que seja jurídica sem mão de obra apta à promoção de sua finalidade social,
compreendida na acepção dos sinônimos 'ligado' ou 'pertinente'. mormente quando se considera que a empresa envolve a
É dizer, a ambiguidade do termo não permite a ilação de que se organização dos fatores de produção, quais sejam, força de
está a tratar de permissivo legal à terceirização de atividade trabalho, matéria-prima, capital e tecnologia.
finalística do setor de telecomunicações, até porque a previsão em Em acréscimo, registro que outra dificuldade para a terceirização de

Código para aferir autenticidade deste caderno: 137896


2774/2019 Tribunal Superior do Trabalho 68
Data da Disponibilização: Sexta-feira, 26 de Julho de 2019

atividade-fim repousa no moderno conceito de subordinação ACORDAM os Ministros da Sexta Turma do Tribunal Superior do
objetiva, estrutural ou integrativa, que não se vincula à visão Trabalho, por unanimidade, negar provimento ao agravo e aplicar
clássica de submissão ao poder diretivo do empregador - multa de 2% sobre o valor atualizado da causa, nos termos do art.
fiscalização e controle -, mas, sim, à inserção do empregado no 1.021, § 4º, do CPC de 2015."
padrão corporativo, com a 'standardização' do serviço prestado,
dentro da regular e permanente dinâmica que caracteriza a
atividade da tomadora. O Supremo Tribunal Federal, ao julgar o ARE 791.932/DF fixou a
(...) seguinte tese: "É nula a decisão de órgão fracionário que se recusa
Assim, adotado o conceito de subordinação objetiva, estrutural ou a aplicar o art. 94, II, da Lei 9.472/1997, sem observar a cláusula de
integrativa, tenho como absolutamente inviável a terceirização de reserva de Plenário (CF, art. 97), observado o artigo 949 do CPC".
atividade-fim, sem formação de vínculo direto com o tomador dos Eis o teor da ementa do julgado:
serviços, pois, sob tal perspectiva, em tais situações sempre haverá EMENTA: CONSTITUCIONAL E TRABALHISTA. NULIDADE DO
a presença dos requisitos do art. 3º da CLT a conectar o suposto ACÓRDÃO RECORRIDO POR DESRESPEITO A CLÁUSULA DE
empregado da prestadora de serviços à tomadora. RESERVA DE PLENÁRIO (CF, ART. 97 E SV 10). NEGATIVA
(...)" PARCIAL DE VIGÊNCIA E EFICÁCIA AO INCISO II, DO ART. 94
Os julgados citados trazem teses que levam em conta situações DA LEI 9.472/1997 (LEI GERAL DE TELECOMUNICAÇÕES) POR
similares à examinada no caso concreto, demonstrando o ÓRGÃO FRACIONÁRIO COM BASE NA SÚMULA 331/TST.
entendimento desta Corte Superior sobre a matéria, o qual também IMPOSSIBILIDADE. LICITUDE DE TERCEIRIZAÇÃO DE TODA E
deve ser aplicado neste processo. QUALQUER ATIVIDADE, MEIO OU FIM, NÃO SE
Por fim, como a terceirização havida entre as partes era ilícita CONFIGURANDO RELAÇÃO DE EMPREGO ENTRE A
(porque o reclamante exercia atividade-fim da tomadora) e, em CONTRATANTE E O EMPREGADO DA CONTRATADA (ADPF 324
consequência, foi reconhecido o vínculo empregatício diretamente E RE 958.252). AGRAVO CONHECIDO. RECURSO PROVIDO.
com a tomadora, o reclamante passou a ter direito às mesmas 1. A inconstitucionalidade de lei ou ato normativo estatal só pode
verbas trabalhistas legais e normativas asseguradas àqueles ser declarada pelo voto da maioria absoluta da totalidade dos
contratados pela tomadora dos serviços. membros do tribunal ou, onde houver, dos integrantes do respectivo
Incidência do art. 896, § 7º, da CLT. órgão especial, sob pena de absoluta nulidade da decisão emanada
(...) do órgão fracionário (turma, câmara ou seção), em respeito à
Desse modo, sendo manifesta a inadmissibilidade do recurso de previsão do art. 97 da Constituição Federal.
revista, o que atrairia o disposto no art. 932, III, do CPC de 2015, 2. A cláusula de reserva de plenário atua como condição de eficácia
bem como o art. 896, § 14, da CLT, nego provimento ao agravo de jurídica da própria declaração jurisdicional de inconstitucionalidade
instrumento, com amparo nos arts. 932, VIII, do CPC de 2015 c/c dos atos do Poder Público, aplicando-se para todos os tribunais, via
118, X, do RITST." difusa, e para o SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL, também no
controle concentrado (CF, art. 97 e SV 10).
A agravante insurge-se contra a decisão monocrática que 3. É nula a decisão de órgão fracionário que, ao negar a aplicação
reconheceu o vínculo empregatício diretamente com a tomadora. do inciso II, do art. 94 da Lei 9.472/1997, com base na Súmula
Sustenta que "... foi celebrado regular contrato de prestação de 331/TST, e declarar ilícita a terceirização e atividade-fim, reconhece
serviços de natureza civil, não havendo base para a extensão da a existência de vínculo trabalhista entre a contratante e o
condenação estipulada no caso concreto." Aponta violação dos arts. empregado da contratada, pois exerceu controle difuso de
1º, IV, 2º, 5º, II, 22, I, 48, 97, 170, III, 175 e 179, caput, da constitucionalidade, declarando a parcial nulidade sem redução de
Constituição Federal; 60, § 1º, e 94, I e II, da Lei nº 9.472/97. Diz texto do referido dispositivo sem observar a cláusula de reserva de
que foi contrariada a Súmula nº 331, III, do TST. Plenário. AGRAVO PROVIDO.
À análise. 4. O PLENÁRIO DA CORTE declarou parcialmente inconstitucional
De início, sinale-se que a responsabilidade das reclamadas é a SÚMULA 331/TST e proclamou a licitude da terceirização de toda
solidária. e qualquer atividade, meio ou fim; para afirmar a inexistência de
Na decisão monocrática, concluiu-se, com base no entendimento relação de emprego entre a contratante e o empregado da
desta Corte Superior sobre a matéria que, tratando-se de contratada. RECURSO EXTRAORDINÁRIO PROVIDO.
terceirização ilícita, como no caso dos autos, em que o reclamante 5. Agravo conhecido e recurso extraordinário provido para
trabalhava com atividade-fim (reparador e instalador de linhas restabelecer a sentença de primeiro grau, com a fixação da seguinte
telefônicas), deve ser reconhecido o vínculo empregatício com a tese no TEMA 739: "É nula a decisão de órgão fracionário que se
tomadora. Esse entendimento está assentado na Súmula nº 331 recusa a aplicar o art. 94, II, da Lei 9.472/1997, sem observar a
deste Tribunal. cláusula de reserva de Plenário (CF, art. 97), observado o artigo
Assim, a decisão está pautada no entendimento deste Tribunal 949 do CPC." (ARE 791932/DF, Rel. Min. Alexandre de Moraes,
sobre a matéria, tanto que foi aplicado o art. 896, § 7º, da CLT. DJe 06/03/2019)
Dessa forma, a decisão monocrática fundamentou adequadamente
os motivos, com base no entendimento do TST sobre a matéria, Logo, versando o acórdão recorrido sobre questão atinente a tema
para negar provimento ao agravo de instrumento. Nesse contexto, cuja repercussão geral foi reconhecida, com tese de mérito firmada
ela deve ser mantida. pelo Supremo Tribunal Federal, determino o dessobrestamento do
Nego provimento. recurso e o encaminhamento dos autos ao órgão fracionário prolator
(...) da decisão recorrida nestes autos, a fim de que se manifeste, nos
termos do art. 1.030, II do CPC, sobre a necessidade ou não de
ISTO POSTO exercer eventual juízo de retratação da decisão então proferida por
aquele colegiado.

Código para aferir autenticidade deste caderno: 137896


2774/2019 Tribunal Superior do Trabalho 69
Data da Disponibilização: Sexta-feira, 26 de Julho de 2019

À Coordenadoria de Recursos - CREC - para as providências prevista na Resolução Administrativa 147/2010, deste Tribunal
pertinentes. (DEJT de 14/10/2010), pelo período de 07/01/2011 a 14/01/2011,
Publique-se. inclusive.
Brasília, 24 de julho de 2019. Regular a representação processual, fl(s). 194.
Satisfeito o preparo (fls. 302-verso, 361, 360, 393 e 482). Aplica-se
ao presente apelo a dicção da Súmula 128, item III/TST.
Firmado por assinatura digital (MP 2.200-2/2001) PRESSUPOSTOS INTRÍNSECOS
RENATO DE LACERDA PAIVA DIREITO PROCESSUAL CIVIL E DO TRABALHO / FORMAÇÃO,
Ministro Vice-Presidente do TST SUSPENSÃO E EXTINÇÃO DO PROCESSO / DECISÃO E SUA
EFICÁCIA.
Processo Nº ED-AIRR-0000050-29.2010.5.03.0014 Alegação(ões):
Complemento Processo Eletrônico - violação do(s) art(s). 128, 286 e 460 do CPC.
Relator Min. Delaíde Miranda Arantes Consta do v. acórdão (f. 394-verso):
Embargante GESILVA REPRESENTAÇÕES LTDA. "Aponta a recorrente a ocorrência de julgamento extra petita, ao
Advogado Dr. César Augusto Lima argumento de que não houve pedido expresso de reconhecimento
Sampaio(OAB: 74551/MG)
do vínculo empregatício diretamente com a 2ª reclamada, tampouco
Advogada Dra. Rayanne Neves Rocha(OAB:
35319/DF) de pagamento de diferenças salariais.
Embargado(a) ÁLVARO BRUNO OLIVEIRA VIANA No tocante ao reconhecimento do vínculo de emprego diretamente
Advogado Dr. Ivan Fernando Oliveira(OAB: com a segunda reclamada, ao contrário do alegado, observa-se que
63730/MG) o reclamante apresentou causa de pedir expressa em tal sentido no
item 3 da inicial (f. 03/04), sendo certo que, ao postular a
Intimado(s)/Citado(s): condenação solidária da NET BELO HORIZONTE na letra "k" do rol
- GESILVA REPRESENTAÇÕES LTDA. de pedidos (f. 06), ele se reportou à narração dos fatos, requerendo
- ÁLVARO BRUNO OLIVEIRA VIANA a declaração de unicidade contratual com aquela empresa, o que
autoriza a condenação imposta, não se havendo falar em
ÁLVARO BRUNO OLIVEIRA VIANA, por meio da Petição nº julgamento extra petita.
261167/2018-7 (doc. seq. 45), requer o regular andamento do feito, Quanto às diferenças salariais, constam da inicial duas causas de
a fim de que seja dada maior celeridade e assegurada a razoável pedir distintas. A primeira no item 2 (f. 03), no sentido de que "(...) O
duração do processo. reclamante como Instalador, recebia além do salário, em média, o
Decido. valor mensal de R$800,00, o qual era pago "por fora" não sendo
O então Vice-Presidente deste Tribunal Superior, por despacho, lançado em seu contra-cheque (devendo, portanto, a empresa
determinou o sobrestamento do recurso extraordinário por envolver juntar aos autos, as OS - Ordem de Serviço e a tabela de produção,
o Tema nº 739 do ementário de Repercussão Geral do Supremo sob pena de confesso)", daí o requerimento para que fosse
Tribunal Federal. realizada perícia contábil a fim de apurar as diferenças salariais a
Efetivamente, cumpre dar andamento ao feito, uma vez que a seu favor, conforme postulado na alínea A de f. 05.
matéria foi julgada, com fixação da tese de mérito, na Sessão do Já a segunda causa de pedir, relativa às diferenças salariais pelo
Tribunal Pleno do STF em 11/10/2018, e o acórdão foi publicado no exercício da função de Instalador, encontra-se no item 04 da inicial
Diário Eletrônico de Justiça de 06/03/2019. (f. 04), tendo sido afirmado que apesar de o autor ter exercido a
Assim, considerando que se operou o trânsito em julgado do referida função, não teve em sua CTPS a classificação do cargo e
processo erigido à condição de leading case, passo ao exame de nem o salário compatível com ela. Diante disso, ele requereu que a
admissibilidade do recurso sobrestado. reclamada juntasse aos autos a evolução salarial relativa ao cargo
Passo, portanto, a fazê-lo. mencionado (Instalador), sob pena de confesso, além de pagar as
Trata-se de recurso extraordinário interposto contra acórdão deste diferenças salariais advindas da função indicada. Veja-se que o
Tribunal que negou provimento ao agravo de instrumento em pedidoas diferenças salariais advindas da função indicada. Veja-se
recurso de revista em todos os seus temas e desdobramentos. que o pedido correspondente a esta causa de pedir específica
A recorrente suscita preliminar de repercussão geral, apontando consta da letra "J" do rol de pedidos e não da letra "A", como
violação aos dispositivos constitucionais que especifica nas razões afirmado na decisão de embargos, nos seguintes termos: "Requer,
do apelo. conforme item 04 da inicial, o pagamento da diferença entre a
Examino. função de auxiliar de instalador e instalador com incidência no aviso
Consta do acórdão recorrido: prévio, as férias e terço constitucional, 13º salários, FGTS + 40%,
[...] RSR de todo período laborado" (f. 06).
2 - MÉRITO Logo, encontrando-se devidamente formulados os pedidos de
O recurso de revista da reclamada Gesilva Representações LTDA. reconhecimento do vínculo de emprego diretamente com a 2ª
teve seu seguimento denegado pelo juízo primeiro de reclamada e de diferenças salariais pelo exercício da função de
admissibilidade, aos seguintes fundamentos: instalador, não há falar em julgamento extra petita."
Inviável o seguimento do recurso neste tópico, diante da conclusão
"PRESSUPOSTOS EXTRÍNSECOS da d. Turma no sentido de que os pedidos de reconhecimento do
Tempestivo o recurso (decisão publicada em 17/12/2010 - fl. 401; vínculo de emprego diretamente com a 2ª reclamada e de
recurso apresentado em 24/01/2011 - fl. 449), tendo em vista o diferenças salariais pelo exercício da função de instalador
recesso de 20/12/2010 a 06/01/2011 (Lei n. 5.010/66), o qual encontram-se devidamente formulados, não havendo, por
suspende a fluência do prazo recursal (inteligência do item II da conseguinte, que se falar em julgamento extra petita .
Súmula 262/TST), bem como a suspensão dos prazos processuais REMUNERAÇÃO, VERBAS INDENIZATÓRIAS E BENEFÍCIOS /

Código para aferir autenticidade deste caderno: 137896


2774/2019 Tribunal Superior do Trabalho 70
Data da Disponibilização: Sexta-feira, 26 de Julho de 2019

ADICIONAL / PERICULOSIDADE. embargos de declaração reconhecesse a existência de vícios na


Alegação(ões): decisão embargada e, mesmo assim, não os sanasse, o que não
- contrariedade à(s) Súmula(s) 191/TST. ocorreu. Portanto, falta especificidade ao modelo válido reproduzido
- divergência jurisprudencial. (Súmula 296/TST).
A transcrição da decisão revisanda acerca do tópico em exame já CONCLUSÃO
se encontra anexada no apelo anteriormente analisado, tornando DENEGO seguimento ao recurso de revista."
desnecessária a sua reprodução. No agravo de instrumento, a reclamada pugna pela reforma da
A argumentação exposta nas razões de recurso de revista, decisão denegatória, renovando o debate em torno dos temas
relativamente ao Anexo do Decreto n. 93.412/86, é impertinente, "Julgamento extra petita", "Adicional de periculosidade", "Adicional
pois tal dispositivo não se encontra inserido nas hipóteses de de periculosidade. Base de Cálculo", "Terceirização. Ilicitude" e
cabimento do recurso de revista (alíneas "a" e "c" do artigo "Multa por embargos de declaração protelatórios".
896/CLT). À análise.
A douta Turma julgadora decidiu em sintonia com a OJ 347/SDI- Em primeiro lugar, no que tange ao tema "Julgamento extra petita",
I/TST, o que torna superados os arestos válidos colacionados que a reclamada sustenta que o juízo de origem extrapolou os limites da
adotam tese diversa e afasta as violações apontadas, por não ser lide ao reconhecer a ilicitude da terceirização, ao declarar o vínculo
razoável supor que o Col. TST fosse sedimentar sua jurisprudência empregatício com a segunda reclamada (Net Belo Horizonte Ltda.)
amparando-se em decisões que ofendem o direito positivo (artigo e ao deferir diferenças salariais, porquanto não houve pedido nesse
896, parágrafo 4º, da CLT e Súmula 333/TST). sentido. Renova a violação dos arts. 128, 286 e 460 do CPC.
Por sua vez, inviável o seguimento do recurso quanto a base de Conforme se extrai da petição inicial, o autor expressamente
cálculo do adicional de periculosidade, diante do entendimento requereu, já em sua causa de pedir (item 3 da exordial), o
exarado pela d. Turma, no sentido de que o referido adicional deve reconhecimento do vínculo empregatício diretamente com a
ser calculado sobre a totalidade das parcelas de natureza salarial tomadora de serviços, em razão da ilicitude da terceirização.
pagas ao reclamante, a teor do entendimento já pacificado por meio O fato desse requerimento não ter constado expressamente do rol
da Súmula 191 do TST. numerado de pedidos feitos ao final daquela peça processual não
Assim, não se verifica a suposta contrariedade ao verbete acima impede que o juiz decida a seu respeito, sobretudo por não constar
aludido, ao contrário, o julgado com ele se harmoniza. da lei (art. 840 da CLT) determinação expressa de que todos os
RESPONSABILIDADE SOLIDÁRIA / SUBSIDIÁRIA / TOMADOR pedidos feitos pelo autor conste de capítulo especial da inicial
DE SERVIÇOS / TERCEIRIZAÇÃO. trabalhista.
Alegação(ões): Por outro lado, quanto às diferenças salariais, a condenação ao
- violação do(s) art(s). 94, inciso II, da Lei n. 9472/97. pagamento de diferenças entre o salário recebido e o efetivamente
- divergência jurisprudencial. devido, com reflexos em férias + 1/3, 13.º salários, aviso prévio e
O entendimento perfilhado pelo v. acórdão revisando já se encontra FGTS + 40%, se deu nos estritos limites da pretensão formulada na
transcrito no apelo anteriormente examinado, tornando letra "J" do rol de pedidos enumerados da peça inaugural.
desnecessária a sua reprodução neste momento. Nesse passo, não se vislumbra ofensa aos arts. 128, 286 e 460 do
A pretensão da parte recorrente, assim como exposta, importaria, CPC.
necessariamente, no reexame de fatos e provas, o que encontra Relativamente ao tema "Adicional de periculosidade", a agravante
óbice na Súmula 126/TST. insiste na tese de que ao autor não faz jus a tal verba, porquanto ele
Inviável o seguimento do recurso neste tópico, diante da conclusão não se ativava nas atividades nem nas áreas de risco previstas no
da d. Turma no sentido de que o conjunto probatório produzido Decreto 93.412/86. Renova a violação do art. 1.º do Decreto
revelou que o obreiro executava função ligada à atividade-fim da 93.412/86 e a divergência jurisprudencial.
tomadora, impondo-se o reconhecimento da fraude na contratação No caso, a prova (testemunhal e pericial) transcrita pelo TRT no
por empresa interposta. acórdão evidencia que o reclamante, no desempenho de suas
O aresto trazido à colação, proveniente de Turma do Colendo TST, atividades de instalador de TV a cabo, internet e telefone, tinha de
revela-se inservível ao confronto de teses, por se tratar de órgão subir em postes da rede elétrica de distribuição (sistema elétrico de
não elencado na alínea "a" do art. 896 da CLT. potência) da CEMIG, tendo o expert nomeado pelo juízo concluído
DIREITO PROCESSUAL CIVIL E DO TRABALHO / ATOS que o trabalho exercido em tais condições é considerado como de
PROCESSUAIS / NULIDADE / NEGATIVA DE PRESTAÇÃO risco, nos termos do Decreto 93.412/86.
JURISDICIONAL. Presente esse contexto, verifica-se que a decisão que concedeu o
Alegação(ões): adicional em comento se deu de acordo com a jurisprudência
- violação do(s) art(s). 93, inciso IX da CF. consolidada na Orientação Jurisprudencial 347 da SBDI-1 do TST,
- violação do(s) art(s). 832 da CLT. assim redigida:
- divergência jurisprudencial. "ADICIONAL DE PERICULOSIDADE. SISTEMA ELÉTRICO DE
Como se observa, não se verifica a alegada nulidade por negativa POTÊNCIA. LEI Nº 7.369, DE 20.09.1985, REGULAMENTADA
de prestação jurisdicional, uma vez que a douta Turma julgadora PELO DECRETO Nº 93.412, DE 14.10.1986. EXTENSÃO DO
examinou todas as questões que lhe foram submetidas a DIREITO AOS CABISTAS, INSTALADORES E REPARADORES
julgamento, fundamentando como prescreve a lei (art. 832 da CLT), DE LINHAS E APARELHOS EM EMPRESA DE TELEFONIA (DJ
com a independência que esta lhe faculta (art. 131 do CPC), não 25.04.2007)
restando violados os dispositivos constitucional e/ou legal É devido o adicional de periculosidade aos empregados cabistas,
apontados, pertinentes à ausência de tutela judicante (OJ 115/SDI- instaladores e reparadores de linhas e aparelhos de empresas de
I/TST). telefonia, desde que, no exercício de suas funções, fiquem expostos
Registre-se que só se conseguiria veicular o apelo, por divergência a condições de risco equivalente ao do trabalho exercido em
de julgados, quanto à prefacial suscitada, se a v. decisão de contato com sistema elétrico de potência."

Código para aferir autenticidade deste caderno: 137896


2774/2019 Tribunal Superior do Trabalho 71
Data da Disponibilização: Sexta-feira, 26 de Julho de 2019

Logo, em relação a essa matéria, a processamento do recurso de diretamente da penalidade em questão, a qual está regulamentada
revista encontra óbice no art. 8796, § 4.º, da CLT e na Súmula 333 pelo já mencionado art. 538, parágrafo único, do CPC.
do TST. No mesmo passo, os arestos indicados pela recorrente não prestam
Quanto ao tema "Adicional de periculosidade. Base de Cálculo", a ao conflito de teses. O primeiro não traz a fonte oficial de
empresa ré sustenta, em síntese, que a referida parcela incide publicação, conforme exige a Súmula 337, I, desta Corte. O
apenas sobre o salário básico, porquanto o reclamante não é segundo é inespecífico, nos moldes da Súmula 296, I, do TST, já
eletricitário. Renova a contrariedade à Súmula 191 desta Corte. que nem mesmo trata da multa por embargos de declaração
Sem razão, contudo. Constatado que o reclamante exercia suas protelatórios. O terceiro e último deles, por sua vez, é oriundo de
atividades em condições de risco equivalentes ao do sistema Turma do TST, fonte não autorizada pelo art. 896, "a", da CLT.
elétrico de potência, nos termos da Orientação Jurisprudencial 347 Por todos esses motivos, NEGO PROVIMENTO ao agravo de
da SBDI-1 do TST, o adicional deve ser calculado sobre a totalidade instrumento. (grifos nossos)
das parcelas de natureza salarial, nos moldes da parte final da O Supremo Tribunal Federal, ao julgar o ARE 791.932/DF fixou a
Súmula 191 do TST, in verbis: seguinte tese: "É nula a decisão de órgão fracionário que se recusa
a aplicar o art. 94, II, da Lei 9.472/1997, sem observar a cláusula de
"ADICIONAL. PERICULOSIDADE. INCIDÊNCIA (nova redação) - reserva de Plenário (CF, art. 97), observado o artigo 949 do CPC".
Res. 121/2003, DJ 19, 20 e 21.11.2003 Eis o teor da ementa do julgado:
O adicional de periculosidade incide apenas sobre o salário básico e EMENTA: CONSTITUCIONAL E TRABALHISTA. NULIDADE DO
não sobre este acrescido de outros adicionais. Em relação aos ACÓRDÃO RECORRIDO POR DESRESPEITO A CLÁUSULA DE
eletricitários, o cálculo do adicional de periculosidade deverá ser RESERVA DE PLENÁRIO (CF, ART. 97 E SV 10). NEGATIVA
efetuado sobre a totalidade das parcelas de natureza salarial." - PARCIAL DE VIGÊNCIA E EFICÁCIA AO INCISO II, DO ART. 94
Grifei DA LEI 9.472/1997 (LEI GERAL DE TELECOMUNICAÇÕES) POR
Em relação ao tema "Terceirização. Ilicitude", a reclamada sustenta ÓRGÃO FRACIONÁRIO COM BASE NA SÚMULA 331/TST.
a legalidade da contratação do autor efetuada por meio de empresa IMPOSSIBILIDADE. LICITUDE DE TERCEIRIZAÇÃO DE TODA E
prestadora de serviços. Renova a divergência jurisprudencial e a QUALQUER ATIVIDADE, MEIO OU FIM, NÃO SE
violação do art. 94, II, da Lei 9.472/97. CONFIGURANDO RELAÇÃO DE EMPREGO ENTRE A
Ao analisar a matéria, o Colegiado a quo, após destacar que os CONTRATANTE E O EMPREGADO DA CONTRATADA (ADPF 324
serviços prestados pelo obreiro (instalação de tv a cabo, internet e E RE 958.252). AGRAVO CONHECIDO. RECURSO PROVIDO.
telefone) em favor da segunda reclamada (Net Belo Horizonte Ltda.) 1. A inconstitucionalidade de lei ou ato normativo estatal só pode
inseriam-se na atividade fim desta última, reconheceu a ilicitude da ser declarada pelo voto da maioria absoluta da totalidade dos
terceirização e declarou o vínculo empregatício diretamente com membros do tribunal ou, onde houver, dos integrantes do respectivo
ela. órgão especial, sob pena de absoluta nulidade da decisão emanada
Essa decisão, tal como proferida, está em sintonia com a do órgão fracionário (turma, câmara ou seção), em respeito à
jurisprudência desta Corte, a qual se firmou no sentido de previsão do art. 97 da Constituição Federal.
considerar ilícita a terceirização dos serviços de instalação e 2. A cláusula de reserva de plenário atua como condição de eficácia
manutenção de linhas telefônicas efetuada por empresa de jurídica da própria declaração jurisdicional de inconstitucionalidade
telefonia, com fundamento na Súmula 331, I, do TST. Nesse dos atos do Poder Público, aplicando-se para todos os tribunais, via
sentido, destacam-se os seguintes precedentes da SBDI-1: E-ARR- difusa, e para o SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL, também no
931-21.2010.5.03.0009, Rel. Min. Dora Maria da Costa, DEJT controle concentrado (CF, art. 97 e SV 10).
14/3/2014 e E-RR-127240-39.2006.5.03.0135, Rel. Min. Alexandre 3. É nula a decisão de órgão fracionário que, ao negar a aplicação
de Souza Agra Belmonte, DEJT 19/12/2013. do inciso II, do art. 94 da Lei 9.472/1997, com base na Súmula
No tópico sob análise, portanto, o processamento do recurso de 331/TST, e declarar ilícita a terceirização e atividade-fim, reconhece
revista também esbarra no óbice contido no art. 896, § 4.º, da CLT e a existência de vínculo trabalhista entre a contratante e o
na Súmula 333 do TST. empregado da contratada, pois exerceu controle difuso de
Por fim, no tocante ao tema "Multa por embargos de declaração constitucionalidade, declarando a parcial nulidade sem redução de
protelatórios", a recorrente afirma ser indevida a penalidade imposta texto do referido dispositivo sem observar a cláusula de reserva de
pelo juízo de origem, uma vez que os embargos de declaração à Plenário. AGRAVO PROVIDO.
sentença por ela opostos não tiveram por objetivo postergar o 4. O PLENÁRIO DA CORTE declarou parcialmente inconstitucional
desfecho da lide, mas apenas sanar vício no julgado. Renova a a SÚMULA 331/TST e proclamou a licitude da terceirização de toda
divergência jurisprudencial e a violação dos arts. 5.º, XXXV e LV, e e qualquer atividade, meio ou fim; para afirmar a inexistência de
93, IX, da Constituição Federal, assim como contrariedade à relação de emprego entre a contratante e o empregado da
Súmula 297 do TST. contratada. RECURSO EXTRAORDINÁRIO PROVIDO.
De início, observa-se que a penalidade aplicada pelo juízo de 5. Agravo conhecido e recurso extraordinário provido para
origem no julgamento dos embargos de declaração foi a multa por restabelecer a sentença de primeiro grau, com a fixação da seguinte
embargos de declaração protelatórios, prevista no art. 538, tese no TEMA 739: "É nula a decisão de órgão fracionário que se
parágrafo único do CPC, e não a multa por litigância de má-fé, recusa a aplicar o art. 94, II, da Lei 9.472/1997, sem observar a
assim impropriamente denominada pela reclamada em suas razões cláusula de reserva de Plenário (CF, art. 97), observado o artigo
recursais. 949 do CPC." (ARE 791932/DF, Rel. Min. Alexandre de Moraes,
Pois bem, prestado esse esclarecimento, verifica-se que o recurso DJe 06/03/2019)
de revista da reclamada não alcança conhecimento por violação Logo, versando o acórdão recorrido sobre questão atinente a tema
direta e literal à Constituição nem por contrariedade a súmula do cuja repercussão geral foi reconhecida, com tese de mérito firmada
TST, uma vez que nenhum dos dispositivos legais indicados nas pelo Supremo Tribunal Federal, determino o dessobrestamento do
razões recursais tampouco o verbete objeto de transcrição tratam recurso e o encaminhamento dos autos ao órgão fracionário prolator

Código para aferir autenticidade deste caderno: 137896


2774/2019 Tribunal Superior do Trabalho 72
Data da Disponibilização: Sexta-feira, 26 de Julho de 2019

da decisão recorrida nestes autos, a fim de que se manifeste, nos À Coordenadoria de Recursos - CREC para as providências.
termos do art. 1.030, II do CPC, sobre a necessidade ou não de Publique-se.
exercer eventual juízo de retratação da decisão então proferida por Intime-se.
aquele colegiado. Brasília, 23 de julho de 2019.
À Coordenadoria de Recursos - CREC para as providências.
Publique-se.
Brasília, 25 de julho de 2019. Firmado por assinatura digital (MP 2.200-2/2001)
RENATO DE LACERDA PAIVA
Ministro Vice-Presidente do TST
Firmado por assinatura digital (MP 2.200-2/2001)
RENATO DE LACERDA PAIVA Processo Nº AIRR-0001917-52.2011.5.10.0006
Ministro Vice-Presidente do TST Complemento Processo Eletrônico
Relator Min. Delaíde Miranda Arantes
Processo Nº ED-AIRR-0082540-05.2005.5.02.0017 Agravante EMPRESA BRASILEIRA DE
CORREIOS E TELÉGRAFOS - ECT
Processo Nº ED-AIRR-00825/2005-017-02-40.2
Advogado Dr. Normando Delgado dos
Santos(OAB: 9701/PB)
Complemento Processo Eletrônico
Advogado Dr. Agnaldo Nunes da Silva(OAB:
Relator Min. Emmanoel Pereira 11336/DF)
Embargante UNIÃO (PGU) Agravado HILDEMAR BISPO CALDEIRA
Procuradora Dra. Marcela Paes Barreto Lima Advogado Dr. Pedro Pereira de Souza(OAB:
Marinho 35460/DF)
Embargado(a) FÁBIO MENDONÇA GUEDES Agravado BEIT TERCEIRIZAÇÃO DE
Advogado Dr. Fernanda de Cássia Moretti(OAB: SERVIÇOS LTDA.
135292/SP)
Embargado(a) POI - SERVIÇOS GERAIS LTDA. Intimado(s)/Citado(s):
- BEIT TERCEIRIZAÇÃO DE SERVIÇOS LTDA.
Intimado(s)/Citado(s): - EMPRESA BRASILEIRA DE CORREIOS E TELÉGRAFOS -
- FÁBIO MENDONÇA GUEDES ECT
- POI - SERVIÇOS GERAIS LTDA. - HILDEMAR BISPO CALDEIRA
- UNIÃO (PGU)
HILDEMAR BISPO CALDEIRA, por meio da Petição nº 94272/2017-
FÁBIO MENDONÇA GUEDES, por meio da Petição nº 158036/2016 0 (doc. seq. 19), pede a reconsideração da decisão que determinou
-9 (doc. seq. 13), pede a reconsideração da decisão que determinou o sobrestamento do recurso extraordinário.
o sobrestamento do recurso extraordinário. Alega que, em recente julgamento, o Supremo Tribunal Federal
Alega que "os autos já se encontram em 1ª instância na fase de confirmou a responsabilidade subsidiária da administração pública
cálculos, tendo inclusive a União concordado com os valores do quando configurada a culpa in vigilando do ente público.
crédito devido ao recorrido, estando, portanto, precluso qualquer Sustenta, ainda, que a Lei nº 13.429/2017 supriu a lacuna legislativa
recurso interposto". no tocante à responsabilidade subsidiária da contratante de mão-de
Decido. -obra terceirizada ou temporária.
O Supremo Tribunal Federal de fato examinou o mérito da questão Decido.
jurídica espelhada nas razões recursais, por ocasião do julgamento Do exame dos autos vê-se que o acórdão alvo do recurso
do RE 760.931/DF, erigido à condição de leading case (Tema 246). extraordinário inclui debate sobre responsabilidade subsidiária do
Ocorre que foram opostos embargos de declaração, ainda ente público tomador de serviços pelo pagamento de créditos
pendentes de julgamento, e cuja redistribuição foi determinada em reconhecidos em favor de trabalhador terceirizado, na forma
02/02/2018, de modo que não se operou o trânsito em julgado, referida na Súmula 331, V, do TST, o que revela inegável similitude
tornando, portanto, inviável o pleito deduzido na petição, por com o debate contido no RE 760.931/DF (Tema 246), ainda
injunção do artigo 1.030, III, do CPC. pendente de trânsito em julgado.
A propósito, não é demais registrar que a matéria contida no Tema A respeito do referido tema, embora a Suprema Corte tenha
246 envolve o maior volume de processos sobrestados da história examinado o mérito da questão jurídica, foram opostos embargos
do Judiciário do Trabalho, cujos desdobramentos não se acham de declaração, ainda pendentes de julgamento, e cuja redistribuição
contemplados na tese por ora firmada pela Suprema Corte, tal como foi determinada em 02/02/2018, de modo que não se operou o
a definição do onus probandi frente à alegação da culpa in vigilando trânsito em julgado, tornando, portanto, inviável o pleito deduzido na
da Administração Pública. petição, por injunção do artigo 1.030, III, do CPC.
Equivale dizer que há inegável expectativa de que o STF, no A propósito, não é demais registrar que a matéria contida no Tema
julgamento dos embargos de declaração, estabeleça referencial 246 envolve o maior volume de processos sobrestados da história
definitivo a ser utilizado em decisões levadas a efeito no TST, pelo do Judiciário do Trabalho, cujos desdobramentos não se acham
que a prudência aconselha a manutenção do sobrestamento do contemplados na tese por ora firmada pela Suprema Corte, tal como
recurso extraordinário até o trânsito em julgado do RE 760.931/DF. a definição do onus probandi frente à alegação da culpa in vigilando
Ressalte-se, por fim, que eventual concordância com os valores da Administração Pública.
calculados na fase executiva não implica em preclusão lógica de Equivale dizer que há inegável expectativa de que o STF, no
eventual recurso pendente de julgamento na fase cognitiva. julgamento dos embargos de declaração, estabeleça referencial
Do exposto, indefiro o pedido. definitivo a ser utilizado em decisões levadas a efeito no TST, pelo
que a prudência aconselha a manutenção do sobrestamento do

Código para aferir autenticidade deste caderno: 137896


2774/2019 Tribunal Superior do Trabalho 73
Data da Disponibilização: Sexta-feira, 26 de Julho de 2019

recurso extraordinário até o trânsito em julgado do RE 760.931/DF. do Judiciário do Trabalho, cujos desdobramentos não se acham
Por fim, cumpre destacar que o argumento do reclamante de que a contemplados na tese por ora firmada pela Suprema Corte, tal como
Lei nº 13.429/2017 supriu a lacuna legislativa, no tocante à a definição do onus probandi frente à alegação da culpa in vigilando
responsabilidade subsidiária da contratante de mão-de-obra da Administração Pública.
terceirizada ou temporária, é questão afeta ao próprio mérito do Equivale dizer que há inegável expectativa de que o STF, no
recurso extraordinário, não cabendo a esta Vice-Presidência, em julgamento dos embargos de declaração, estabeleça referencial
juízo precário de admissibilidade do apelo extremo, dizer se incide definitivo a ser utilizado em decisões levadas a efeito no TST, pelo
ou não a novel legislação ao caso. que a prudência aconselha a manutenção do sobrestamento do
Do exposto, indefiro o pedido. recurso extraordinário até o trânsito em julgado do RE 760.931/DF.
À Coordenadoria de Recursos - CREC para as providências. Do exposto, indefiro o pedido.
Intime-se. À Coordenadoria de Recursos - CREC para as providências.
Publique-se. Publique-se.
Brasília, 25 de julho de 2019. Brasília, 25 de julho de 2019.

Firmado por assinatura digital (MP 2.200-2/2001) Firmado por assinatura digital (MP 2.200-2/2001)
RENATO DE LACERDA PAIVA RENATO DE LACERDA PAIVA
Ministro Vice-Presidente do TST Ministro Vice-Presidente do TST

Processo Nº AIRR-0014671-46.2010.5.04.0000 Processo Nº ED-AIRR-0011218-50.2015.5.03.0047


Complemento Processo Eletrônico Complemento Processo Eletrônico
Relator Min. Luiz Philippe Vieira de Mello Filho Relator Min. Mauricio Godinho Delgado
Agravante BANCO DO ESTADO DO RIO Embargante TELEMONT ENGENHARIA DE
GRANDE DO SUL S.A. - BANRISUL TELECOMUNICAÇÕES S.A.
Advogada Dra. Susana Maria Vacilotto Advogado Dr. Bruno Machado Colela
Tapia(OAB: 27356/RS) Maciel(OAB: 16760/DF)
Advogado Dr. José Alberto Couto Maciel(OAB: Advogado Dr. Sérgio Carneiro Rosi(OAB:
513/DF) 71639/MG)
Agravado CLAUDECI PRATES FRANCISCO Embargado(a) SERGIO ABDIAS DE CASTRO
Advogada Dra. Ana Paula Ferreira Advogado Dr. Welisson Gomes Miranda(OAB:
Machado(OAB: 60293/RS) 126581/MG)
Agravado SEGURANÇA E TRANSPORTE DE Embargado(a) TELEMAR NORTE LESTE S.A.
VALORES PANAMBI LTDA. Advogado Dr. Bruno Machado Colela
Maciel(OAB: 16760/DF)
Intimado(s)/Citado(s): Advogado Dr. Décio Flávio Gonçalves Torres
Freire(OAB: 56543/MG)
- BANCO DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL S.A. -
BANRISUL
- CLAUDECI PRATES FRANCISCO Intimado(s)/Citado(s):
- SEGURANÇA E TRANSPORTE DE VALORES PANAMBI - SERGIO ABDIAS DE CASTRO
LTDA. - TELEMAR NORTE LESTE S.A.
- TELEMONT ENGENHARIA DE TELECOMUNICAÇÕES S.A.
CLAUDECI PRATES FRANCISCO, por meio da Petição nº
257132/2018-6 (doc. seq. 11), pede a reconsideração da decisão Trata-se de recurso extraordinário contra acórdão proferido pela
que determinou o sobrestamento do recurso extraordinário. egrégia Terceira Turma deste Tribunal.
Alega que houve revelia e confissão do recorrente. A parte recorrente suscita preliminar de repercussão geral da
Sustenta que "a presente ação não pode - em face de suas matéria e aponta violação aos dispositivos da Constituição da
particulares circunstâncias - ser abrangida por qualquer que seja a República que especifica nas razões recursais.
tese afetada para julgamento com efeitos para os demais casos A Vice-Presidência deste Tribunal Superior, por despacho,
relativos à matéria "responsabilidade subsidiária da Administração determinou o sobrestamento do recurso extraordinário por envolver
Pública por encargos trabalhistas gerados pelo inadimplemento de o Tema nº 739 do ementário de Repercussão Geral do Supremo
empresa prestadora de serviço"". Tribunal Federal.
Requer, por fim, o imediato juízo negativo de admissibilidade do Considerando que a matéria foi julgada na Sessão do Tribunal
recurso extraordinário. Pleno do STF em 11/10/2018, com fixação da tese de mérito e que
Decido. o acórdão foi publicado no Diário Eletrônico de Justiça de
O Supremo Tribunal Federal de fato examinou o mérito da questão 06/03/2019, com trânsito em julgado, passo ao exame de
jurídica espelhada nas razões recursais, por ocasião do julgamento admissibilidade do recurso sobrestado.
do RE 760.931/DF, erigido à condição de leading case (Tema 246). É o relatório.
Ocorre que foram opostos embargos de declaração, ainda Decido.
pendentes de julgamento, e cuja redistribuição foi determinada em Consta do acórdão recorrido:
02/02/2018, de modo que não se operou o trânsito em julgado,
tornando, portanto, inviável o pleito deduzido na petição, por "(...)
injunção do artigo 1.030, III, do CPC. MÉRITO
A propósito, não é demais registrar que a matéria contida no Tema TERCEIRIZAÇÃO ILÍCITA - FORMAÇÃO DO VÍNCULO DE
246 envolve o maior volume de processos sobrestados da história EMPREGO DIRETAMENTE COM A TOMADORA DOS SERVIÇOS

Código para aferir autenticidade deste caderno: 137896


2774/2019 Tribunal Superior do Trabalho 74
Data da Disponibilização: Sexta-feira, 26 de Julho de 2019

- RETIFICAÇÃO DA CTPS Note-se que tal função está relacionada ao objeto da Telemar, que
A sentença declarou a ilegitimidade da terceirização, a nulidade do consiste na exploração de serviços de telecomunicações e
vínculo de emprego formalizado pela 1ª reclamada (Telemont) e a atividades necessárias ou úteis à execução desses serviços (artigo
formação direta do vínculo diretamente com a 2ª reclamada 2º do Estatuto Social).
(Telemar), com aplicação dos ACT´s firmados por esta e o Assim, tem-se que as tarefas executadas pelo reclamante são
SINTTEL/MG, bem como a responsabilidade solidária de ambas ao indispensáveis ao desenvolvimento da atividade principal da
adimplemento da obrigação. Telemar, das quais ela não poderia prescindir para operar e atender
Discordam as reclamadas da condenação, sustentando, em síntese, às suas finalidades, razão pela qual integram a sua atividade
que se trata de terceirização lícita. econômica principal (atividade-fim), não podendo, portanto, ser
A reclamada Telemar alega que não mantém no quadro atual de objeto de terceirização.
funcionários a função exercida pelo recorrido, qual seja, Nesse caso, a relação de emprego com a primeira reclamada
cabista/instalador/reparador, não havendo dúvidas, pois, de que a representa apenas intermediação irregular de mão-de-obra, com o
empresa optou por terceirizar o setor e que a terceirização nada intuito de evitar a obtenção de direitos assegurados à categoria
mais é do que um reflexo do permissivo contido no art. 170 da profissional dos empregados da tomadora de serviços.
Constituição Federal, que consagra a livre iniciativa como um dos Relativamente ao aspecto legal invocado nas razões recursais, o
fundamentos da ordem econômica, refletindo assim, a tendência art. 60 da Lei 9.472/97, que dispõe sobre a organização dos
atual das grandes empresas, como é o caso da reclamada, não serviços de telecomunicações, também chamada de Lei Geral de
havendo qualquer ingerência entre o referido artigo e a súmula 331, Telecomunicação, preconiza, em seu , que serviço de
do TST. telecomunicações caput é o conjunto de atividades que possibilita a
A reclamada Telemont, por sua vez, sustenta a tese de que a oferta de telecomunicação. Ora, as atividades desenvolvidas pelo
Telemar atua na área de telefonia móvel, prioritariamente, ofertando reclamante, inegavelmente, inseriam-se nesse conjunto.
os serviços de telecomunicação aos diversos consumidores desses É certo que a mesma lei permite, no art. 94, inciso II, à
serviços, não sendo as atividades de instalação e manutenção de concessionária contratar com terceiros o desenvolvimento de
antenas diretamente ligadas à sua atividade-fim, que a simples atividades inerentes, acessórias e complementares ao serviço, bem
instalação e manutenção das antenas é mera atividade acessória, e como a implementação de projetos associados. Este dispositivo
que o reclamante, na função que exercia na primeira reclamada, legal, todavia, não pode se sobrepor aos princípios basilares do
prestava serviços especializados à tomadora, e cuja terceirização é Direito do Trabalho.
permitida pelo art. 25, §1º da Lei 8.987/95 e, mais especificamente, Aqui, há que ser entendido que a autorização de terceirização
o art. 94, inciso II, da Lei 9.472/97, que regula a organização dos prevista em tal dispositivo não implica a amplitude interpretativa que
serviços de telecomunicações. lhe querem dar as reclamadas, ao ponto de estendê-la à atividade-
Examina-se. fim. Etimologicamente, "inerente" significa "estar ligado a", o que
Constitui fraude aos princípios norteadores do Direito do Trabalho a não significa que a recorrente possa contratar empregados em
dissimulação de verdadeira intermediação de mão-de-obra, sob a todas as atividades que explora.
forma de contrato de prestação de serviços que tenha por objeto a E nem poderia ser diferente, pois a mencionada lei não poderia
realização de tarefa ínsita à atividade-fim do tomador. estabelecer regra específica e discriminatória em favor das
Não se descuida da assertiva de que é certo que a terceirização dos empresas de telecomunicações, que firam os princípios protetores
serviços, figura jurídica importante e verdadeira necessidade de do Direito do Trabalho.
sobrevivência no mercado, traduz realidade inegável e não Na situação verificada, frisa-se, não resta dúvida de que foi
evidencia prática ilegal, por si só, devendo ser apreciado o caso terceirizada atividade ínsita ao objeto de uma empresa de telefonia,
concreto. situação que implica evidente fraude à legislação trabalhista,
Assim é que a terceirização é admitida na contratação de empresa incidindo o disposto no art. 9º da CLT.
especializada em atividades paralelas ou de suporte, desde que não A Lei n° 9.472/1997 (Lei Geral de Telecomunicações) não traz rol
haja distorção em sua essência e finalidade, com a substituição dos taxativo da atividade-fim das empresas concessionárias dos
empregados próprios por outros oriundos de empresa interposta. serviços de telecomunicações, mas apenas define, em seu artigo
Quando se verifica que os serviços terceirizados estão 60, caput, o serviço de telecomunicações como sendo o conjunto de
intrinsecamente ligados à atividade-fim da tomadora dos serviços, o atividades que possibilita a oferta de telecomunicação, e, em seu §
instituto da terceirização fica desvirtuado, situação que não se §1°, caracteriza a telecomunicação como (...) a transmissão,
admite no Direito do Trabalho, porquanto esse instituto não deve emissão ou recepção, por fio, meios ópticos ou qualquer outro
servir de instrumento para alijar o empregado do melhor crédito processo eletromagnético, de símbolos, caracteres, sinais, escritos,
trabalhista normalmente ofertado pela empresa tomadora dos imagens, sons ou informações de qualquer natureza.
serviços. Igual sorte reserva ao artigo 94, inciso II, do referido diploma,
Nessa hipótese, o vínculo empregatício se forma diretamente com o porque cuida da relação dessas empresas com terceiros à luz do
tomador dos serviços, salvo nas hipóteses de trabalho temporário - direito comum, não afastando a possibilidade de reconhecimento do
item I da Súmula 331 do C. TST, precedente que supre a lacuna vínculo empregatício diretamente com o tomador dos serviços no
existente no ordenamento jurídico trabalhista, como autoriza caso de terceirização ilícita, inexistindo, pois, ofensa ao princípio da
expressamente o art. 8º da CLT. legalidade (art. 5º, II, da Constituição Federal)
Aqui, o cerne da controvérsia a ser dirimida nos presentes autos diz Portanto, à toda evidência, a Telemar Norte Leste S.A., mediante
respeito principalmente à natureza da atividade desempenhada pelo empresa interposta (Telemont) admitiu indiretamente o reclamante
reclamante. para a execução de atividade essencial ao seu fim econômico,
No caso, é incontroverso que o reclamante, embora contratado pela quando, nesse caso, a contratação deveria ter-se dado de forma
primeira reclamada, prestava serviços exclusivamente para a direta, nos termos do entendimento já preconizado na súmula 331
segunda, na função de instalador-reparador de linhas telefônicas. do C. TST.

Código para aferir autenticidade deste caderno: 137896


2774/2019 Tribunal Superior do Trabalho 75
Data da Disponibilização: Sexta-feira, 26 de Julho de 2019

Por se tratar de terceirização de atividade-fim é irrelevante o fato do encaixa-se no conceito de atividade-fim das empresas de telefonia,
reclamante ter ou não recebido ordens diretas dos prepostos da o que enseja o reconhecimento do vínculo empregatício diretamente
tomadora, pois a subordinação direta só é exigível para com a tomadora de serviços (Súmula 331, I, do TST).
configuração do vínculo com a tomadora em caso de terceirização Nesse sentido, citem-se os seguintes julgados desta Corte Superior:
de atividade-meio (Súmula 331 do C. TST). A subordinação, neste
caso, se apresenta pela correspondência dos serviços prestados à AGRAVO DE INSTRUMENTO. RECURSO DE REVISTA.
atividade-fim do tomador e pela inserção da atividade laboral na PROCESSO SOB A ÉGIDE DA LEI 13.015/2014. TERCEIRIZAÇÃO
dinâmica empresarial, ou seja, a subordinação revela-se do ponto ILÍCITA. ATIVIDADE-FIM. INSTALADOR DE TV A CABO.
de vista estrutural. VÍNCULO DE EMPREGO DIRETO COM O TOMADOR DE
Por todo o exposto, deve ser mantida a sentença que, em razão da SERVIÇOS. SÚMULA 331, I/TST. CARACTERIZAÇÃO.
fraude trabalhista na contratação do reclamante, declarou a RESPONSABILIDADE SOLIDÁRIA. MATÉRIA FÁTICA. SÚMULA
nulidade do contrato de trabalhão firmado entre reclamante e 126/TST. Segundo a Súmula 331, I, do TST, a contratação de
primeira reclamada (Telemont) e, por corolário, reconheceu a trabalhadores por empresa interposta é ilegal, formando-se o
existência de vínculo de emprego diretamente com a segunda vínculo com o tomador dos serviços, salvo nos casos elencados nos
reclamada (Telemar). Mero corolário é a determinação de incisos I (trabalho temporário) e III (conservação e limpeza,
retificação da CTPS do reclamante pela segunda reclamada, sua vigilância, atividades-meio do tomador) da referida súmula (desde
real empregadora. que não haja pessoalidade e subordinação direta nos casos do
Provimento que se nega. inciso III, acrescente-se). Nesse quadro, a terceirização de atividade
(...) -fim - exceto quanto ao trabalho temporário - é vedada pela ordem
Em relação à "terceirização ilícita", registre-se que, segundo a jurídica, conforme interpretação assentada pela jurisprudência
Súmula 331, I, do TST, a contratação de trabalhadores por empresa (Súmula 331, III), independentemente do segmento econômico-
interposta é ilegal, formando-se o vínculo com o tomador dos empresarial e da área de especialidade profissional do obreiro.
serviços, salvo nos casos elencados nos incisos I (trabalho Locação de mão de obra em atividade-fim é medida excepcional e
temporário) e III (conservação e limpeza, vigilância, atividades-meio transitória, somente possível nos restritos casos de trabalho
do tomador) da referida súmula (desde que não havendo temporário, sob pena de leitura interpretativa em desconformidade
pessoalidade e subordinação direta nos casos do inciso III, com preceitos e regras constitucionais decisivas, como a dignidade
acrescente-se). da pessoa humana, da valorização do trabalho e do emprego, além
Nesse quadro, a terceirização de atividade-fim - exceto quanto ao da subordinação da propriedade à sua função socioambiental.
trabalho temporário - é vedada pela ordem jurídica, conforme Esclareça-se que a subordinação jurídica, como elemento
interpretação assentada pela jurisprudência (Súmula 331, III), componente da relação de emprego (arts. 2º e 3º da CLT), pode se
independentemente do segmento econômico empresarial e da área evidenciar quer em sua dimensão tradicional (intensidade de
de especialidade profissional do obreiro. Locação de mão de obra ordens), quer em sua dimensão objetiva (realização de um dos fins
em atividade-fim é medida excepcional e transitória, somente do empreendimento do tomador), quer em sua dimensão estrutural
possível nos restritos casos de trabalho temporário, sob pena de (integração do trabalhador na organização, dinâmica e cultura do
leitura interpretativa em desconformidade com preceitos e regras tomador de serviços). Configurada a irregularidade do contrato de
constitucionais decisivas, como a dignidade da pessoa humana, da fornecimento de mão de obra, determina a ordem jurídica que se
valorização do trabalho e do emprego, além da subordinação da considere desfeito o vínculo laboral com o empregador aparente
propriedade à sua função socioambiental. (entidade terceirizante), formando-se o vínculo justrabalhista do
Esclareça-se que a subordinação jurídica, como elemento trabalhador diretamente com o tomador de serviços (empregador
componente da relação de emprego (arts. 2ª e 3ª da CLT), pode se oculto ou dissimulado). Na presente hipótese, o Reclamante
evidenciar quer em sua dimensão tradicional (intensidade de realizava a instalação de equipamentos e reparação de TV a cabo.
ordens), quer em sua dimensão objetiva (realização de um dos fins Tais atividades, segundo a jurisprudência desta Corte, enquadram-
do empreendimento do tomador), quer em sua dimensão estrutural se no conceito de atividade-fim das empresas de telefonia, o que
(integração do obreiro na organização, dinâmica e cultura do enseja o reconhecimento do vínculo empregatício diretamente com
tomador de serviços). a tomadora de serviços (Súmula 331, I, do TST). Agravo de
Configurada a irregularidade do contrato de fornecimento de mão de instrumento. (AIRR - 1933-68.2013.5.09.0004 , Relator Ministro:
obra, determina a ordem jurídica que se considere desfeito o vínculo Mauricio Godinho Delgado, Data de Julgamento: 26/04/2017, 3ª
laboral com o empregador aparente (entidade terceirizante), Turma, Data de Publicação: DEJT 28/04/2017)
formando-se o vínculo justrabalhista do obreiro diretamente com o
tomador de serviços (empregador oculto ou dissimulado). Enfatize- AGRAVO DE INSTRUMENTO EM RECURSO DE REVISTA.
se que o TST realizou, na primeira semana de outubro de 2011, RECURSO DE REVISTA INTERPOSTO NA VIGÊNCIA DA LEI Nº
audiência pública sobre o tema, em que se evidenciou o risco social 13.015/2014. TERCEIRIZAÇÃO ILÍCITA. EMPRESA DE
de se franquear a terceirização sem peias, quer em face das perdas TELECOMUNICAÇÕES. SERVIÇO DE INSTALAÇÃO E
econômicas para os trabalhadores terceirizados, quer em face da MANUTENÇÃO DE LINHAS TELEFÔNICAS (CABISTA).
exacerbação dos malefícios à saúde e segurança no ambiente INTERPRETAÇÃO DOS ARTIGOS 25, § 1º, DA LEI Nº 8.987/95 E
laborativo, em contraponto às regras e princípios insculpidos na 94, INCISO II, DA LEI Nº 9.472/97 E APLICAÇÃO DA SÚMULA Nº
ordem jurídica legal e constitucional. 331, ITENS I E III, DO TST. VÍNCULO DE EMPREGO ENTRE A
Na presente hipótese, foi consignado pelo Tribunal Regional que "o TOMADORA DE SERVIÇOS E O TRABALHADOR TERCEIRIZADO
reclamante, embora contratado pela primeira reclamada, prestava RECONHECIDO. INEXISTÊNCIA DE VIOLAÇÃO DA SÚMULA
serviços exclusivamente para a segunda, na função de instalador- VINCULANTE Nº 10 DO STF. MATÉRIA INFRACONSTITUCIONAL.
reparador de linhas telefônicas". 1. O serviço de instalação e manutenção de linhas telefônicas é
Tal atividade, segundo a jurisprudência desta Corte Superior, atividade-fim, e não atividade-meio, das empresas concessionárias

Código para aferir autenticidade deste caderno: 137896


2774/2019 Tribunal Superior do Trabalho 76
Data da Disponibilização: Sexta-feira, 26 de Julho de 2019

de serviço de telecomunicações. Assim, em observância à Súmula monocrática proferida em 9/11/2010 no âmbito do Supremo Tribunal
nº 331, itens I e III, do TST, que consagrou o entendimento de que a Federal, da lavra do ilustre Ministro Gilmar Mendes (Rcl 10132
terceirização só se justifica quando implicar a contratação da MC/PR - Paraná), na qual, em Juízo sumário de cognição e em
prestação de serviços especializados por terceiros em atividades- caso semelhante a este, pela possibilidade de ter sido contrariada a
meio, que permitam a concentração dos esforços da empresa Súmula Vinculante nº 10 daquela Corte, deferiu-se o pedido de
tomadora em suas atividades precípuas e essenciais, tem-se que a medida liminar formulado por uma empresa concessionária dos
terceirização desses serviços de instalação e manutenção de linhas serviços de telecomunicações para suspender, até o julgamento
telefônicas pelas empresas de telecomunicações configura final da reclamação constitucional, os efeitos de acórdão proferido
intermediação ilícita de mão de obra, devendo ser reconhecido o por uma das Turmas do TST, a qual adotou o entendimento de que
vínculo de emprego desses trabalhadores terceirizados diretamente aqueles preceitos legais não autorizam, por si sós, a terceirização
com os tomadores de seus serviços. 2. Com efeito, considerando de atividades-fim por essas concessionárias de serviços públicos,
que o serviço de telecomunicações, consoante o artigo 60, § 1º, da verifica-se que essa decisão, a despeito de sua ilustre origem, é,
Lei nº 9.472/1997 (Lei Geral de Telecomunicações), é o conjunto de data venia, isolada. Com efeito, a pesquisa da jurisprudência
atividades que possibilita a oferta de telecomunicações por daquela Suprema Corte revelou que foi proferida, mais
intermédio de transmissão, emissão ou recepção de símbolos, recentemente, quase uma dezena de decisões monocráticas por
caracteres, sinais, escritos, imagens, sons ou informações de vários outros Ministros do STF (Ministros Carlos Ayres Britto, Dias
qualquer natureza, tem-se que a prestação de serviços vinculados à Toffoli, Ricardo Lewandowski, Cármen Lúcia Antunes Rocha,
implantação e manutenção de redes de acesso, equipamentos e Joaquim Barbosa e Luiz Fux) em que, em casos idênticos a este,
sistemas de telecomunicações está inserida nas atividades decidiu-se, ao contrário daquele primeiro precedente, não ter havido
essenciais da empresa, circunstância que desautoriza a prática da contrariedade à Súmula Vinculante nº 10, mas mera interpretação
terceirização no setor. Assim, extrai-se do referido dispositivo que o dessas mesmas normas infraconstitucionais, nem, muito menos,
intuito primordial das empresas de telecomunicação não é somente violação direta (mas, se tanto, mera ofensa oblíqua e reflexa) a
a telecomunicação propriamente dita, definida no parágrafo qualquer preceito constitucional nas decisões do TST pelas quais,
primeiro, mas, sobretudo, o oferecimento dos serviços de ao se interpretarem aqueles dispositivos das Leis 8.987/95 e
telecomunicação à sociedade, o que é possibilitado pela atividade 9.472/97, considerou-se que essas não autorizam a terceirização
de instalação e manutenção de linhas telefônicas. 3. Por outro lado, das atividades-fim pelas empresas concessionárias dos serviços
a Lei nº 8.987/95, que disciplina a atuação das empresas públicos em geral e, especificamente, na área de telecomunicações,
concessionárias e permissionárias de serviço público em geral, e a negando-se, assim, provimento aos agravos de instrumento
Lei nº 9.472/97, que regula as concessões e permissões no setor interpostos contra as decisões denegatórias de seguimento dos
das telecomunicações, são normas de Direito Administrativo e, recursos extraordinários daquelas empresas. 7. Ressalta-se, aliás,
como tais, não foram promulgadas para regular matéria trabalhista e que essa questão já foi igualmente decidida pelo Supremo Tribunal
não podem ser interpretadas e aplicadas de forma literal e isolada, Federal no âmbito do exame de repercussão geral de matéria
como se operassem em um vácuo normativo. Por isso mesmo, a constitucional, erigida como requisito de admissibilidade dos
questão da licitude e dos efeitos da terceirização deve ser decidida recursos extraordinários, consoante o artigo 543-A do CPC, o qual
pela Justiça do Trabalho exclusivamente com base nos princípios e sinalizou pela inexistência de repercussão geral, por não haver
nas regras que norteiam o Direito do Trabalho, de forma a interpretá sequer questão constitucional a ser dirimida. É o que se constata
-las e, eventualmente, aplicá-las de modo a não esvaziar de sentido dos julgamentos do ARE-646.825, de relatoria do Ministro Luiz Fux,
prático ou a negar vigência e eficácia às normas trabalhistas que, transitado em julgado em 19/12/2011, e do ARE-646.831, de
em nosso País, disciplinam a prestação do trabalho subordinado, relatoria do Ministro Ricardo Lewandowski, transitado em julgado
com a aniquilação do próprio núcleo essencial do Direito do em 18/8/2011. A Vice-Presidência do Tribunal Superior do Trabalho,
Trabalho - o princípio da proteção do trabalhador, a parte a propósito, amparada nessas decisões do Supremo, tem
hipossuficiente da relação de emprego, e as próprias figuras do reiteradamente denegado seguimento aos recursos extraordinários
empregado e do empregador. 4. Assim, não se pode mesmo, ao se com matéria idêntica, em direta aplicação dos artigos 543, § 5º
interpretarem o § 1º do artigo 25 da Lei nº 8.987/95 e o artigo 94, ("negada a existência da repercussão geral, a decisão valerá para
inciso II, da Lei nº 9.472/97, que tratam da possibilidade de contratar todos os recursos sobre matéria idêntica, que serão indeferidos
com terceiros o desenvolvimento de "atividades inerentes" ao liminarmente, salvo revisão da tese, tudo nos termos do Regimento
serviço, expressão polissêmica e marcantemente imprecisa que Interno do Supremo Tribunal Federal"), 543-B, § 2º ("negada a
pode ser compreendida em várias acepções, concluir pela existência de repercussão geral, os recursos sobrestados
existência de autorização legal para a terceirização de quaisquer de considerar-se-ão automaticamente não admitidos"), ambos do CPC,
suas atividades-fim. Isso, em última análise, acabaria por permitir, e 326 e 327 do Regimento Interno do STF. Acrescente-se que tais
no limite, que elas desenvolvessem sua atividade empresarial sem decisões monocráticas são perfeitamente válidas para a produção
ter em seus quadros nenhum empregado, e sim, apenas, desses efeitos, nos termos do § 2º do artigo 324 do citado
trabalhadores terceirizados. 5. Ademais, quando os órgãos Regimento Interno, que, nos casos como este, ora em exame, em
fracionários dos Tribunais trabalhistas interpretam preceitos legais que o Relator declara que a matéria é infraconstitucional, dispõe
como os ora examinados, não estão eles, absolutamente, que a falta de manifestação contrária dos demais integrantes da
infringindo o disposto na Súmula Vinculante nº 10, tampouco Corte Suprema após delas terem sido comunicados por meio
violando o artigo 97 da Constituição Federal, que estabelece a eletrônico "será considerada como manifestação de inexistência de
cláusula de reserva de plenário para a declaração de repercussão geral, autorizando a aplicação do art. 543-A, § 5º, do
inconstitucionalidade das leis em sede de controle difuso, pois não Código de Processo Civil". 8. O entendimento aqui adotado já foi
se estará, nesses casos, nem mesmo de forma implícita, deixando objeto, também, de reiteradas decisões, por maioria, da SBDI-1
de aplicar aqueles dispositivos legais por considerá-los desta Corte em sua composição completa (E-ED-RR-586341-
inconstitucionais. 6. A propósito, apesar da respeitável decisão 58.1999.5.18.0001, Redator designado Ministro Vieira de Mello

Código para aferir autenticidade deste caderno: 137896


2774/2019 Tribunal Superior do Trabalho 77
Data da Disponibilização: Sexta-feira, 26 de Julho de 2019

Filho, data de Julgamento: 29/5/2009 - DEJT de 16/10/2009; E-RR- ATIVIDADE-FIM. CONCESSIONÁRIA DE SERVIÇOS DE
134640-23.2008.5.03. 0010, Relatora Ministra Maria de Assis TELECOMUNICAÇÕES. RESPONSABILIDADE SOLIDÁRIA.
Calsing, data de Julgamento: 28/6/2011, DEJT de 10/8/2012). 9. VÍNCULO DE EMPREGO. 1 - Os argumentos da parte não
Aliás, esse posicionamento também não foi desautorizado nem conseguem desconstituir os fundamentos da decisão agravada. 2 -
superado pelos elementos trazidos à consideração dos Ministros do Não se discute nos autos a terceirização da atividade de call center
TST na Audiência Pública ocorrida no TST nos dias 4 e 5 de (suspensão de processos determinada pelo STF no ARE 791932-
outubro de 2011 e convocada pela Presidência desse Tribunal, os DF). 3 - O TRT, soberano na análise do conjunto fático-probatório,
quais foram de grande valia para a sedimentação do entendimento descaracterizou o contrato civil entabulado entre as reclamadas,
ora adotado. Os vastos dados estatísticos e sociológicos então consignando que o reclamante foi contratado para prestar serviços
apresentados corroboraram as colocações daqueles que vinculados à atividade-fim da empresa tomadora (CLARO S.A.).
consideram que a terceirização das atividades-fim é um fator de Constou ainda no acórdão recorrido que a empresa interposta era a
precarização do trabalho, caracterizando-se pelos baixos salários Adouble Instalações Eletroeletronicas - Eireli e que o reclamante foi
dos empregados terceirizados e pela redução indireta do salário dos contratado como "instalador". Sob o enfoque fático-probatório, não
empregados das empresas tomadoras, pela ausência de estímulo à há como se chegar a conclusão contrária nesta esfera recursal, nos
maior produtividade dos trabalhadores terceirizados e pela divisão e termos da Súmula nº 126 do TST. 4 - Por outro lado, as alegações
desorganização dos integrantes da categoria profissional que atua da reclamada CLARO S.A. no seu recurso de revista demonstram
no âmbito das empresas tomadoras, com a consequente não se tratar da hipótese de call center, mas de "atividades
pulverização da representação sindical de todos os trabalhadores desenvolvidas pelo autor, na qualidade de instalador, tratam-se de
interessados. 10. A questão da ilicitude da terceirização das serviços indispensáveis à segunda reclamada (CLARO), não
atividades-fim no âmbito das empresas concessionárias dos havendo como se concluir que tais atividades estivessem
serviços públicos de telecomunicações foi novamente objeto de dissociadas da atividade-fim desta, haja vista que tal função era
deliberação pela Subseção I Especializada em Dissídios Individuais essencial à obtenção da finalidade a que se propuseram". 5 - Feitos
(SBDI-1), em 8/11/2012, em sua composição completa, no os esclarecimentos, observa-se que, sob o enfoque eminentemente
julgamento do Processo E-ED-RR-2938-13.2010.5.12. 0016 (DEJT de direito, o reconhecimento do vínculo de emprego pelo TRT, uma
de 26/3/2013), em que este Relator foi designado Redator, a qual, vez configurada a ilicitude da terceirização da atividade-fim do
por sua maioria (oito votos contra seis) reafirmou e consolidou o tomador de serviços, está em consonância com a Súmula nº 331, I,
entendimento pela ilicitude dessa terceirização de serviços. 11. É do TST, segundo a qual: "I - A contratação de trabalhadores por
importante ressaltar, por fim, que decisões como esta não empresa interposta é ilegal, formando-se o vínculo diretamente com
acarretam o desemprego dos trabalhadores terceirizados, pois não o tomador dos serviços, salvo no caso de trabalho temporário (Lei
eliminam postos de trabalho alguns. Essas apenas declaram que a nº 6.019,de 03.01.1974)". 6 - Agravo a que se nega provimento. (Ag
verdadeira empregadora desses trabalhadores cabistas é a -AIRR - 320-43.2014.5.09.0015 , Relatora Ministra: Kátia Magalhães
empresa concessionária tomadora de seus serviços, que, por outro Arruda, Data de Julgamento: 28/06/2017, 6ª Turma, Data de
lado, continua obrigada a prestar esses serviços ao consumidor em Publicação: DEJT 30/06/2017)
geral - só que, a partir de agora, exclusivamente na forma da
legislação trabalhista, isto é, por meio de seus próprios AGRAVO DE INSTRUMENTO EM RECURSO DE REVISTA
empregados. 12. Por outro lado e depois de se superar a errônea INTERPOSTO NA VIGÊNCIA DA LEI 13.015/2014.
alegação da reclamada de que os artigos 25 da Lei nº 8.987/95 e 94 TERCEIRIZAÇÃO ILÍCITA. ATIVIDADE-FIM. TÉCNICO EM
da Lei nº 9.472/97, ao permitirem a terceirização de todos os TELEFONIA, INSTALADOR E REPARADOR DE LINHAS
serviços inerentes à sua atividade de concessionária, estariam TELEFÔNICAS, DE INTERNET E TV A CABO. VÍNCULO DE
autorizando a terceirização de suas atividades-fim, é preciso EMPREGO. Esta Corte pacificou o entendimento de que a Lei Geral
também proclamar que o Tribunal Regional corretamente registrou, de Telecomunicações (Lei 9.472/97), ao prever, no seu artigo 94, II,
de forma expressa, que a atividade do reclamante como instalador e que "no cumprimento de seus deveres, a concessionária poderá,
reparador de linhas telefônicas era diretamente relacionada com o observadas as condições e limites estabelecidos pela Agência: (...)
objeto social (ou seja, com a atividade-fim) da reclamada. 13. Desse contratar com terceiros o desenvolvimento de atividades inerentes,
modo, diante da ilicitude da terceirização do serviço de instalação e acessórias ou complementares ao serviço, bem como a
manutenção de linhas telefônicas prestado pelo reclamante no implementação de projetos associados", não permite que a
âmbito da empresa de telecomunicações reclamada, deve ser tomadora de serviços contrate trabalhadores para o
reconhecida a existência, por todo o período laborado, de seu desenvolvimento de tarefas inerentes à sua atividade-fim, sob pena
vínculo de emprego diretamente com a concessionária de serviços de restar configurada terceirização ilícita de mão-de-obra, afastando
de telefonia, nos exatos moldes do item I da Súmula nº 331 do TST, -se a aplicação do entendimento consagrado na Súmula 331, III, do
com o consequente pagamento, pela verdadeira empregadora e por TST. Precedentes. Nesse cenário, concluindo o Tribunal Regional,
sua litisconsorte, coautora desse ato ilícito, de forma solidária, nos com amparo no conjunto fático-probatório dos autos, que o
termos do artigo 942 do Código Civil, de todos os direitos Reclamante executava tarefas próprias da atividade-fim da
trabalhistas assegurados pela primeira a seus demais empregados. tomadora de serviços (instalação e manutenção de TV a cabo,
Agravo de instrumento desprovido. (AIRR - 1414-14.2014.5.09.0019 internet e telefone), imperiosa se torna a declaração de ilicitude da
, Relator Ministro: José Roberto Freire Pimenta, Data de terceirização e decretação de vínculo de emprego direto com a
Julgamento: 05/04/2017, 2ª Turma, Data de Publicação: DEJT tomadora de serviços. Acórdão em consonância com o item I da
11/04/2017) Súmula 331/TST. Agravo de instrumento não provido. (AIRR - 1260-
66.2014.5.12.0001 , Relator Ministro: Douglas Alencar Rodrigues,
AGRAVO. AGRAVO DE INSTRUMENTO. RECURSO DE Data de Julgamento: 05/10/2016, 7ª Turma, Data de Publicação:
REVISTA. LEI Nº 13.015/2014. RECLAMADA. SOBRESTAMENTO DEJT 14/10/2016)
DO FEITO. TERCEIRIZAÇÃO ILÍCITA DE SERVIÇOS LIGADOS À

Código para aferir autenticidade deste caderno: 137896


2774/2019 Tribunal Superior do Trabalho 78
Data da Disponibilização: Sexta-feira, 26 de Julho de 2019

Harmonizando-se, portanto, a decisão recorrida com a cuja repercussão geral foi reconhecida, com tese de mérito firmada
jurisprudência consolidada desta Corte, o apelo revisional não se pelo Supremo Tribunal Federal, determino o dessobrestamento do
viabiliza, restando incólumes os dispositivos tidos por violados e recurso e o encaminhamento dos autos ao órgão fracionário prolator
irrelevantes os arestos colacionados. Inteligência do § 7º do art. 896 da decisão recorrida nestes autos, a fim de que se manifeste, nos
da CLT e da Súmula 333/TST. termos do art. 1.030, II do CPC, sobre a necessidade ou não de
(...) exercer eventual juízo de retratação da decisão então proferida por
aquele colegiado.
ISTO POSTO À Coordenadoria de Recursos - CREC - para as providências
pertinentes.
ACORDAM os Ministros da Terceira Turma do Tribunal Superior do Publique-se.
Trabalho, por unanimidade, negar provimento ao agravo de Brasília, 25 de julho de 2019.
instrumento."

O Supremo Tribunal Federal, ao julgar o ARE 791.932/DF fixou a Firmado por assinatura digital (MP 2.200-2/2001)
seguinte tese: "É nula a decisão de órgão fracionário que se recusa RENATO DE LACERDA PAIVA
a aplicar o art. 94, II, da Lei 9.472/1997, sem observar a cláusula de Ministro Vice-Presidente do TST
reserva de Plenário (CF, art. 97), observado o artigo 949 do CPC".
Eis o teor da ementa do julgado: Processo Nº ED-RO-0020867-56.2015.5.04.0000
EMENTA: CONSTITUCIONAL E TRABALHISTA. NULIDADE DO Complemento Processo Eletrônico
ACÓRDÃO RECORRIDO POR DESRESPEITO A CLÁUSULA DE Relator Min. Alexandre de Souza Agra
Belmonte
RESERVA DE PLENÁRIO (CF, ART. 97 E SV 10). NEGATIVA
Embargante FUNDAÇÃO DOS ECONOMIÁRIOS
PARCIAL DE VIGÊNCIA E EFICÁCIA AO INCISO II, DO ART. 94 FEDERAIS FUNCEF
DA LEI 9.472/1997 (LEI GERAL DE TELECOMUNICAÇÕES) POR Advogado Dr. Dino Araújo de Andrade(OAB:
ÓRGÃO FRACIONÁRIO COM BASE NA SÚMULA 331/TST. 20182/DF)
IMPOSSIBILIDADE. LICITUDE DE TERCEIRIZAÇÃO DE TODA E Embargado(a) IRINÊS BOSCHETTI SUSIN
QUALQUER ATIVIDADE, MEIO OU FIM, NÃO SE Advogado Dr. Régis Eleno Fontana(OAB:
27389/RS)
CONFIGURANDO RELAÇÃO DE EMPREGO ENTRE A
Advogado Dr. Daisson Flach(OAB: 36768/RS)
CONTRATANTE E O EMPREGADO DA CONTRATADA (ADPF 324
Autoridade Coatora JUIZ TITULAR DA 4ª VARA DO
E RE 958.252). AGRAVO CONHECIDO. RECURSO PROVIDO. TRABALHO DE CAXIAS DO SUL
1. A inconstitucionalidade de lei ou ato normativo estatal só pode
ser declarada pelo voto da maioria absoluta da totalidade dos Intimado(s)/Citado(s):
membros do tribunal ou, onde houver, dos integrantes do respectivo - FUNDAÇÃO DOS ECONOMIÁRIOS FEDERAIS FUNCEF
órgão especial, sob pena de absoluta nulidade da decisão emanada - IRINÊS BOSCHETTI SUSIN
do órgão fracionário (turma, câmara ou seção), em respeito à - JUIZ TITULAR DA 4ª VARA DO TRABALHO DE CAXIAS DO
previsão do art. 97 da Constituição Federal. SUL
2. A cláusula de reserva de plenário atua como condição de eficácia
jurídica da própria declaração jurisdicional de inconstitucionalidade FUNDAÇÃO DOS ECONOMIÁRIOS FEDERAIS FUNCEF, por meio
dos atos do Poder Público, aplicando-se para todos os tribunais, via da Petição nº 151066/2019-0 (seq. 42), requer o "desentranhamento
difusa, e para o SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL, também no do recurso extraordinário interposto em 14/06/19, pois protocolado
controle concentrado (CF, art. 97 e SV 10). equivocadamente".
3. É nula a decisão de órgão fracionário que, ao negar a aplicação Tendo em vista o exposto, determino o desentranhamento da
do inciso II, do art. 94 da Lei 9.472/1997, com base na Súmula petição de seq. 38.
331/TST, e declarar ilícita a terceirização e atividade-fim, reconhece Considerando ainda a não interposição efetiva de recurso contra o
a existência de vínculo trabalhista entre a contratante e o acórdão da SbDI-2, seq. 35, determino à Coordenadoria de
empregado da contratada, pois exerceu controle difuso de Recursos - CREC que certifique o trânsito em julgado, procedendo,
constitucionalidade, declarando a parcial nulidade sem redução de em seguida, à baixa dos autos à origem.
texto do referido dispositivo sem observar a cláusula de reserva de Intime-se.
Plenário. AGRAVO PROVIDO. Publique-se.
4. O PLENÁRIO DA CORTE declarou parcialmente inconstitucional Brasília, 25 de julho de 2019.
a SÚMULA 331/TST e proclamou a licitude da terceirização de toda
e qualquer atividade, meio ou fim; para afirmar a inexistência de
relação de emprego entre a contratante e o empregado da Firmado por assinatura digital (MP 2.200-2/2001)
contratada. RECURSO EXTRAORDINÁRIO PROVIDO. RENATO DE LACERDA PAIVA
5. Agravo conhecido e recurso extraordinário provido para Ministro Vice-Presidente do TST
restabelecer a sentença de primeiro grau, com a fixação da seguinte
tese no TEMA 739: "É nula a decisão de órgão fracionário que se Processo Nº AIRR-2390540-56.2007.5.09.0651
recusa a aplicar o art. 94, II, da Lei 9.472/1997, sem observar a Processo Nº AIRR-23905/2007-651-09-40.0
cláusula de reserva de Plenário (CF, art. 97), observado o artigo
949 do CPC." (ARE 791932/DF, Rel. Min. Alexandre de Moraes, Complemento Processo Eletrônico
DJe 06/03/2019) Relator Min. Augusto César Leite de Carvalho
Agravante ELETROSUL CENTRAIS ELÉTRICAS
S.A.
Logo, versando o acórdão recorrido sobre questão atinente a tema

Código para aferir autenticidade deste caderno: 137896


2774/2019 Tribunal Superior do Trabalho 79
Data da Disponibilização: Sexta-feira, 26 de Julho de 2019

Advogada Dra. Caroline Campos de Relator Min. Fernando Eizo Ono


Oliveira(OAB: 21050/SC) Embargante TELEMONT ENGENHARIA DE
Agravado CLAUDIO CEZAR RAFAEL DE TELECOMUNICAÇÕES S.A.
CARVALHO Advogado Dr. José Alberto Couto Maciel(OAB:
Advogado Dr. Álvaro Eiji Nakashima(OAB: 513/DF)
9759/PR) Advogado Dr. Bruno Machado Colela
Agravado CONSERLIMPE PRESTADORA DE Maciel(OAB: 16760/DF)
SERVIÇOS GERAIS LTDA. Embargado(a) FAGNER SOUZA DIAS
Advogado Dr. José Geraldo Lage Batista(OAB:
Intimado(s)/Citado(s): 56134/MG)
- CLAUDIO CEZAR RAFAEL DE CARVALHO Embargado(a) TELEMAR NORTE LESTE S.A.
- CONSERLIMPE PRESTADORA DE SERVIÇOS GERAIS LTDA. Advogado Dr. Bruno Machado Colela
Maciel(OAB: 16760/DF)
- ELETROSUL CENTRAIS ELÉTRICAS S.A.
Advogado Dr. José Alberto Couto Maciel(OAB:
513-A/DF)
CLAUDIO CEZAR RAFAEL DE CARVALHO, por meio da Petição nº
83345/2017-8 (doc. seq. 20), pede a reconsideração da decisão que Intimado(s)/Citado(s):
determinou o sobrestamento do recurso extraordinário. - FAGNER SOUZA DIAS
Sustenta que a Lei nº 13.429/2017 regulamentou a terceirização de - TELEMAR NORTE LESTE S.A.
atividade, especificamente quanto à responsabilidade subsidiária do - TELEMONT ENGENHARIA DE TELECOMUNICAÇÕES S.A.
tomador de serviços em relação às obrigações trabalhistas não
cumpridas pela prestadora de serviços. Trata-se de recurso extraordinário contra acórdão proferido pela
Afirma, ainda, que "A novel norma a respeito da terceirização de egrégia Quarta Turma deste Tribunal.
serviços prevalece sobre o disposto no artigo 71, da Lei A parte recorrente suscita preliminar de repercussão geral da
8.666/1993". matéria e aponta violação aos dispositivos da Constituição da
Decido. República que especifica nas razões recursais.
O Supremo Tribunal Federal de fato examinou o mérito da questão A Vice-Presidência deste Tribunal Superior, por despacho,
jurídica espelhada nas razões recursais, por ocasião do julgamento determinou o sobrestamento do recurso extraordinário por envolver
do RE 760.931/DF, erigido à condição de leading case (Tema 246). o Tema nº 739 do ementário de Repercussão Geral do Supremo
Ocorre que foram opostos embargos de declaração, ainda Tribunal Federal.
pendentes de julgamento, e cuja redistribuição foi determinada em Considerando que a matéria foi julgada na Sessão do Tribunal
02/02/2018, de modo que não se operou o trânsito em julgado, Pleno do STF em 11/10/2018, com fixação da tese de mérito e que
tornando, portanto, inviável o pleito deduzido na petição, por o acórdão foi publicado no Diário Eletrônico de Justiça de
injunção do artigo 1.030, III, do CPC. 06/03/2019, com trânsito em julgado, passo ao exame de
A propósito, não é demais registrar que a matéria contida no Tema admissibilidade do recurso sobrestado.
246 envolve o maior volume de processos sobrestados da história É o relatório.
do Judiciário do Trabalho, cujos desdobramentos não se acham Decido.
contemplados na tese por ora firmada pela Suprema Corte, tal como Consta do acórdão recorrido:
a definição do onus probandi frente à alegação da culpa in vigilando
da Administração Pública. "(...)
Equivale dizer que há inegável expectativa de que o STF, no
julgamento dos embargos de declaração, estabeleça referencial A decisão do Tribunal Regional diverge do modelo de fls. 1.019,
definitivo a ser utilizado em decisões levadas a efeito no TST, pelo oriundo do Tribunal Regional do Trabalho da Sexta Região, a seguir
que a prudência aconselha a manutenção do sobrestamento do transcrito:
recurso extraordinário até o trânsito em julgado do RE 760.931/DF.
Por fim, cumpre destacar que o argumento do reclamante de que a "PROC. N° TRT - 0148700-86.2009.5.06.0008.
Lei nº 13.429/2017 prevalece sobre o artigo 71 da Lei nº ÓRGÃO JULGADOR: TERCEIRA TURMA
8.666/1993, no tocante à responsabilidade subsidiária da RELATORA: JUÍZA ANA CRISTINA DA SILVA FERREIRA LIMA
contratante de mão-de-obra terceirizada, é questão afeta ao próprio RECORRENTE: PAULA CRISTINA BATISTA
mérito do recurso extraordinário, não cabendo a esta Vice- RECORRIDAS: TNL CONTAX S.A e TELEMAR NORTE. LESTE
Presidência, em juízo precário de admissibilidade do apelo extremo, S.A.
dizer se incide ou não a novel legislação ao caso. ADVOGADOS: SILVANA RIBEIRO E FONSECA MELO, ÉRIKA
Do exposto, indefiro o pedido. BARRETO GONÇALVES DE OLIVEIRA E JAIRO CAVALCANTI DE
À Coordenadoria de Recursos - CREC para as providências. AQUINO E OUTROS (3)
Publique-se. PROCEDÊNCIA: 8ª VARA DO TRABALHO DO RECIFE
Brasília, 23 de julho de 2019. RECURSO ORDINÁRIO. EMPRESA DE TELECOMUNICAÇÕES.
TERCEIRIZAÇÃO. ILICITUDE. SÚMULA N° 331 DO TST - A
Súmula n° 331, item III, do TST, reputa como terceirização lícita
Firmado por assinatura digital (MP 2.200-2/2001) somente as situações que autorizem a contratação de trabalho
RENATO DE LACERDA PAIVA temporário, nas atividades de vigilância, conservação e limpeza,
Ministro Vice-Presidente do TST bem como nos serviços especializados ligados à atividade-meio do
tomador. Noutro compasso, tem-se por ilícita a contratação de
Processo Nº ED-RR-0001425-31.2012.5.03.0035 trabalhadores mediante empresa interposta, em serviços ligados à
Complemento Processo Eletrônico
atividade-fim do tomador, ou quando verificada a pessoalidade e

Código para aferir autenticidade deste caderno: 137896


2774/2019 Tribunal Superior do Trabalho 80
Data da Disponibilização: Sexta-feira, 26 de Julho de 2019

subordinação direta na execução dos serviços. Nesse contexto, não pelo reclamante, na condição de instalador e reparador de linhas
há como acolher a tese de que a Lei n°. 6.472/97 (Lei Geral de telefônicas, estava inserido na atividade fim da tomadora dos
Telecomunicações) prevê a terceirização de atividades inerentes ao serviços, ensejando o reconhecimento do vínculo empregatício em
setor de telecomunicações, em vista que também existe razão da ilicitude da terceirização . 2. Com efeito, a Súmula nº 331,
impedimento legal para a terceirização de serviços relacionados I, desta Corte disciplina que -a contratação de trabalhadores por
com a atividade-fim da empresa, quando, evidenciado o objetivo de empresa interposta é ilegal, formando-se o vínculo diretamente com
burlar a legislação trabalhista, em detrimento do hipossuficiente que o tomador dos serviços, salvo no caso de trabalho temporário-. 3.
se vê à margem do mercado oficial de trabalho, em verdadeira Dentro deste contexto, tem-se que as concessionárias de telefonia
afronta ao artigo 9º da CLT, sendo certo que o art. 94, II, da Lei n° não podem terceirizar a instalação e a reparação das linhas, pois,
9.472/97 não autoriza essa conclusão. Recurso provido". se é certo que a transmissão de voz e dados se dá por meio das
linhas telefônicas , não pairam dúvidas de que a instalação e a
Assim, dou provimento ao agravo de instrumento, por divergência reparação dessas linhas são atividades diretamente ligadas ao
jurisprudencial, para determinar o processamento do recurso de serviço de telecomunicações, que não podem ser terceirizadas, pois
revista, observando-se o disposto na Resolução Administrativa nº integram a dinâmica das referidas empresas. Precedente desta
928/2003. Subseção Especializada. Recurso de embargos conhecido e
provido" (E-ARR - 931-21.2010.5.03.0009, Relatora Ministra Dora
(...) Maria da Costa, Subseção I Especializada em Dissídios Individuais,
DEJT 14/03/2014).
Contudo, a jurisprudência desta Corte é no sentido de ser ilegal a
contratação, por meio de empresa interposta, de trabalhadores para "EMBARGOS EM RECURSO DE REVISTA. VÍNCULO DE
prestação de serviços de implantação e manutenção de redes de EMPREGO. EMPRESA DE TELECOMUNICAÇÕES. SERVIÇOS
telefones, em favor das empresas de telecomunicações. (negritos DE INSTALAÇÃO E MANUTENÇÃO DE LINHAS TELEFÔNICAS.
acrescidos) TERCEIRIZAÇÃO. ILICITUDE. SÚMULA Nº 331, I, DO TST. A
Nesse sentido, os seguintes precedentes da SBDI-1 desta Corte possibilidade prevista pelo artigo 94, II, da Lei n.º 9472/97 de
Superior: "contratar com terceiros o desenvolvimento de atividades inerentes,
acessórias ou complementares ao serviço", não corresponde à
"AGRAVO REGIMENTAL EM RECURSO DE EMBARGOS. autorização legislativa para a terceirização da atividade-fim das
TELEMONT ENGENHARIA DE TELECOMUNICAÇÕES. empresas prestadoras do serviço de telefonia. Assim, é ilícita a
CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS COM TELEMAR terceirização dos serviços de instalação e manutenção de linhas
NORTE LESTE S.A.. VÍNCULO EMPREGATÍCIO RECONHECIDO telefônicas, porque se inserem no desenvolvimento da atividade-fim
DIRETAMENTE COM O TOMADOR DOS SERVIÇOS. das empresas de telefonia. Nesse contexto, o vínculo empregatício
RECLAMANTE INSTALADOR DE EMPRESA DE TELEFONIA. do trabalhador que presta serviços de instalação e manutenção de
APLICAÇÃO DA SÚMULA 331, I, DO TST. DESPACHO linhas telefônicas é formado diretamente com a empresa de
DENEGATÓRIO MANTIDO. (...) 2. O Colegiado Turmário, quanto à telefonia, tomadora dos serviços nos termos da Súmula 331, I, do
ilicitude da terceirização empreendida, não conheceu do recurso de TST. Precedentes de todas as e. Turmas deste c. Tribunal. Recurso
revista das reclamadas, ao registro de que -os serviços de embargos conhecido por contrariedade à Súmula nº 331, I, do
desempenhados pelo empregado estão diretamente ligados à TST e provido" (E-RR - 127240-39.2006.5.03.0135, Relator Ministro
atividade-fim da tomadora-, razão pela qual o reconhecimento do Alexandre de Souza Agra Belmonte, Subseção I Especializada em
vínculo de emprego diretamente com a tomadora dos serviços -está Dissídios Individuais, DEJT 19/12/2013).
em conformidade com a Súmula 331, I, do TST-. 3. A decisão
regional está em harmonia com a jurisprudência desta Subseção, Assim, ao contrário do entendimento externado pela Corte Regional,
firme no sentido de que o art. 94, II, da Lei 9.472/97 não autoriza a as atividades desenvolvidas pelo Reclamante (manutenção de
terceirização dos serviços de instalação de linhas telefônicas pelas linhas telefônicas) estão relacionadas à atividade-fim da tomadora
empresas de telefonia, porquanto inseridos em sua atividade-fim, dos serviços.
sendo devido, nesses casos, o reconhecimento do vínculo de Além disso, consta do acórdão regional que foi comprovada a
emprego diretamente com o tomador dos serviços, nos moldes do subordinação do Autor ao poder diretivo da Telemar, "em especial
item I da Súmula 331 do TST (-A contratação de trabalhadores por pelo depoimento das testemunhas ouvidas na assentada de f.
empresa interposta é ilegal, formando-se o vínculo diretamente com 460/464".
o tomador dos serviços, salvo no caso de trabalho temporário-). 4. Conclui-se, dessa forma, que a decisão recorrida contraria a
Nesse contexto, efetivamente não há como se admitir o recurso de Súmula nº 331, I, desta Corte Superior, já que a segunda
embargos, a teor da parte final do art. 894, II, do TST. Agravo Reclamada (tomadora de serviços) contratou indiretamente o
regimental conhecido e não provido" (Ag-E-RR - 19700- Reclamante, por meio de empresa interposta, para executar
09.2008.5.03.0022, Relator Ministro Hugo Carlos Scheuermann, serviços ligados à sua atividade-fim, sob a sua subordinação.
Subseção I Especializada em Dissídios Individuais, DEJT Diante do exposto, dou provimento ao recurso de revista interposto
21/11/2014). pelo Reclamante, para (a) reconhecer o vínculo de emprego
diretamente com a segunda Reclamada (TELEMAR) e (b)
"RECURSO DE EMBARGOS INTERPOSTO PELO RECLAMANTE. determinar que os autos retornem ao Tribunal Regional de origem, a
RECURSO DE REVISTA COM AGRAVO. INSTALAÇÃO E fim de que prossiga na apreciação do recurso ordinário quanto aos
REPARAÇÃO DE LINHAS TELEFÔNICAS. TERCEIRIZAÇÃO. temas decorrentes do reconhecimento de vínculo de emprego
SÚMULA N° 331, I, DO TST. ILICITUDE. 1. É indubitável que o diretamente com a tomadora dos serviços, como entender de
objeto social da Telemar engloba as atividades ligadas ao serviço direito.
de telefonia, pelo que se impende concluir que o labor desenvolvido

Código para aferir autenticidade deste caderno: 137896


2774/2019 Tribunal Superior do Trabalho 81
Data da Disponibilização: Sexta-feira, 26 de Julho de 2019

(...) jurídica da própria declaração jurisdicional de inconstitucionalidade


dos atos do Poder Público, aplicando-se para todos os tribunais, via
ISTO POSTO difusa, e para o SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL, também no
controle concentrado (CF, art. 97 e SV 10).
ACORDAM os Ministros da Quarta Turma do Tribunal Superior do 3. É nula a decisão de órgão fracionário que, ao negar a aplicação
Trabalho, à unanimidade, (a) conhecer do agravo de instrumento do inciso II, do art. 94 da Lei 9.472/1997, com base na Súmula
interposto pelo Reclamante e, no mérito, dar-lhe provimento, por 331/TST, e declarar ilícita a terceirização e atividade-fim, reconhece
divergência jurisprudencial, para determinar o processamento do a existência de vínculo trabalhista entre a contratante e o
recurso de revista, observando-se o disposto na Resolução empregado da contratada, pois exerceu controle difuso de
Administrativa nº 928/2003; (b) conhecer do recurso de revista constitucionalidade, declarando a parcial nulidade sem redução de
interposto pelo Reclamante quanto ao tema "Empresa de texto do referido dispositivo sem observar a cláusula de reserva de
Telecomunicações. Contrato de Prestação de Serviços. Ligador de Plenário. AGRAVO PROVIDO.
Distribuição Geral. Ilicitude. Reconhecimento de Vínculo de 4. O PLENÁRIO DA CORTE declarou parcialmente inconstitucional
Emprego diretamente com a tomadora dos serviços", por a SÚMULA 331/TST e proclamou a licitude da terceirização de toda
divergência jurisprudencial, e, no mérito, dar-lhe provimento, para e qualquer atividade, meio ou fim; para afirmar a inexistência de
reconhecer o vínculo de emprego diretamente com a segunda relação de emprego entre a contratante e o empregado da
Reclamada (TELEMAR) e determinar que os autos retornem ao contratada. RECURSO EXTRAORDINÁRIO PROVIDO.
Tribunal Regional de origem, a fim de que prossiga na apreciação 5. Agravo conhecido e recurso extraordinário provido para
do recurso ordinário quanto aos temas decorrentes do restabelecer a sentença de primeiro grau, com a fixação da seguinte
reconhecimento de vínculo de emprego diretamente com a tese no TEMA 739: "É nula a decisão de órgão fracionário que se
tomadora dos serviços, como entender de direito; (c) conhecer do recusa a aplicar o art. 94, II, da Lei 9.472/1997, sem observar a
agravo de instrumento interposto pela primeira Reclamada cláusula de reserva de Plenário (CF, art. 97), observado o artigo
(Telemont), quanto ao tema "Nulidade. Negativa de prestação 949 do CPC." (ARE 791932/DF, Rel. Min. Alexandre de Moraes,
jurisdicional", por possível violação do art. 93, IX, da Constituição DJe 06/03/2019)
Federal, para determinar o processamento do recurso de revista,
observando-se o disposto na Resolução Administrativa nº 928/2003; Logo, versando o acórdão recorrido sobre questão atinente a tema
(d) não conhecer do recurso de revista interposto pela primeira cuja repercussão geral foi reconhecida, com tese de mérito firmada
Reclamada em relação às matérias "Horas extras. Registros de pelo Supremo Tribunal Federal, determino o dessobrestamento do
ponto invariáveis" e "Expedição de ofícios"; e (e) conhecer do recurso e o encaminhamento dos autos ao órgão fracionário prolator
recurso de revista interposto pela primeira Reclamada quanto ao da decisão recorrida nestes autos, a fim de que se manifeste, nos
tema "Nulidade. Negativa de prestação jurisdicional", por violação termos do art. 1.030, II do CPC, sobre a necessidade ou não de
do art. 93, IX, da Constituição Federal, e, no mérito, dar-lhe exercer eventual juízo de retratação da decisão então proferida por
provimento, para reconhecer a negativa de prestação jurisdicional aquele colegiado.
na decisão proferida pelo Tribunal Regional no exame dos À Coordenadoria de Recursos - CREC - para as providências
embargos de declaração e determinar o retorno dos autos à Corte pertinentes.
de origem, a fim de que se pronuncie sobre a matéria "tíquetes- Publique-se.
alimentação e vales-transportes referentes aos sábados Brasília, 25 de julho de 2019.
trabalhados"."

O Supremo Tribunal Federal, ao julgar o ARE 791.932/DF fixou a Firmado por assinatura digital (MP 2.200-2/2001)
seguinte tese: "É nula a decisão de órgão fracionário que se recusa RENATO DE LACERDA PAIVA
a aplicar o art. 94, II, da Lei 9.472/1997, sem observar a cláusula de Ministro Vice-Presidente do TST
reserva de Plenário (CF, art. 97), observado o artigo 949 do CPC".
Eis o teor da ementa do julgado: Processo Nº ED-RR-0002127-80.2010.5.02.0000
EMENTA: CONSTITUCIONAL E TRABALHISTA. NULIDADE DO Complemento Processo Eletrônico
ACÓRDÃO RECORRIDO POR DESRESPEITO A CLÁUSULA DE Relator Min. João Batista Brito Pereira
RESERVA DE PLENÁRIO (CF, ART. 97 E SV 10). NEGATIVA Embargante UNIÃO (PGU)
PARCIAL DE VIGÊNCIA E EFICÁCIA AO INCISO II, DO ART. 94 Procuradora Dra. Helia Maria de Oliveira Bettero
DA LEI 9.472/1997 (LEI GERAL DE TELECOMUNICAÇÕES) POR Embargado(a) JOSÉ ROBERTO CUBA PEREIRA
BUENO
ÓRGÃO FRACIONÁRIO COM BASE NA SÚMULA 331/TST.
Advogado Dr. Vera Lúcia Lacerda(OAB:
IMPOSSIBILIDADE. LICITUDE DE TERCEIRIZAÇÃO DE TODA E 241299/SP)
QUALQUER ATIVIDADE, MEIO OU FIM, NÃO SE Embargado(a) SEND SERVIÇOS DE VIGILÂNCIA E
CONFIGURANDO RELAÇÃO DE EMPREGO ENTRE A SEGURANÇA LTDA.
CONTRATANTE E O EMPREGADO DA CONTRATADA (ADPF 324
E RE 958.252). AGRAVO CONHECIDO. RECURSO PROVIDO. Intimado(s)/Citado(s):
1. A inconstitucionalidade de lei ou ato normativo estatal só pode - JOSÉ ROBERTO CUBA PEREIRA BUENO
ser declarada pelo voto da maioria absoluta da totalidade dos - SEND SERVIÇOS DE VIGILÂNCIA E SEGURANÇA LTDA.
membros do tribunal ou, onde houver, dos integrantes do respectivo - UNIÃO (PGU)
órgão especial, sob pena de absoluta nulidade da decisão emanada
do órgão fracionário (turma, câmara ou seção), em respeito à JOSÉ ROBERTO CUBA PEREIRA BUENO, por meio da Petição nº
previsão do art. 97 da Constituição Federal. 192828/2018-0 (doc. seq. 57), pede a reconsideração da decisão
2. A cláusula de reserva de plenário atua como condição de eficácia que determinou o sobrestamento do recurso extraordinário.

Código para aferir autenticidade deste caderno: 137896


2774/2019 Tribunal Superior do Trabalho 82
Data da Disponibilização: Sexta-feira, 26 de Julho de 2019

Alega que "o reconhecimento judicial da responsabilidade matéria e aponta violação aos dispositivos da Constituição da
subsidiária da Administração Pública, nas hipóteses em que restar República que especifica nas razões recursais.
evidenciada conduta omissiva culposa, como, in casu, opera-se não A Vice-Presidência deste Tribunal Superior, por despacho,
somente em perfeita harmonia à tese da repercussão geral fixada determinou o sobrestamento do recurso extraordinário por envolver
no bojo do RE 760.931, como também ao quanto decidido na ADC o Tema nº 739 do ementário de Repercussão Geral do Supremo
16, e, nesse sentido, em estrita conformidade com o ordenamento Tribunal Federal.
jurídico (Lei nº 8.666/93)". Considerando que a matéria foi julgada na Sessão do Tribunal
Requer o imediato juízo negativo de admissibilidade do recurso Pleno do STF em 11/10/2018, com fixação da tese de mérito e que
extraordinário. o acórdão foi publicado no Diário Eletrônico de Justiça de
Decido. 06/03/2019, com trânsito em julgado, passo ao exame de
O Supremo Tribunal Federal de fato examinou o mérito da questão admissibilidade do recurso sobrestado.
jurídica espelhada nas razões recursais, por ocasião do julgamento É o relatório.
do RE 760.931/DF, erigido à condição de leading case (Tema 246). Decido.
Ocorre que foram opostos embargos de declaração, ainda Consta do acórdão recorrido:
pendentes de julgamento, e cuja redistribuição foi determinada em
02/02/2018, de modo que não se operou o trânsito em julgado, (...)
tornando, portanto, inviável o pleito deduzido na petição, por
injunção do artigo 1.030, III, do CPC. Nesse contexto, conforme consignado na decisão agravada, o
A propósito, não é demais registrar que a matéria contida no Tema acórdão regional está em consonância com a jurisprudência pacífica
246 envolve o maior volume de processos sobrestados da história desta Corte, consubstanciada na Súmula 331, I, do TST, de
do Judiciário do Trabalho, cujos desdobramentos não se acham seguinte teor:
contemplados na tese por ora firmada pela Suprema Corte, tal como
a definição do onus probandi frente à alegação da culpa in vigilando A contratação de trabalhadores por empresa interposta é ilegal,
da Administração Pública. formando-se o vínculo diretamente com o tomador dos serviços,
Equivale dizer que há inegável expectativa de que o STF, no salvo no caso de trabalho temporário (Lei nº 6.019, de 03.01.1974).
julgamento dos embargos de declaração, estabeleça referencial
definitivo a ser utilizado em decisões levadas a efeito no TST, pelo Desse modo, tendo em vista que o autor atuou na atividade-fim da
que a prudência aconselha a manutenção do sobrestamento do tomadora de serviços, a configuração do vínculo de emprego direto
recurso extraordinário até o trânsito em julgado do RE 760.931/DF. com a concessionária está em sintonia com a jurisprudência firmada
Do exposto, indefiro o pedido. nesta Corte, na supracitada Súmula 331, I, atraindo o óbice do
À Coordenadoria de Recursos - CREC para as providências. artigo 896, § 7º, da CLT ao processamento do recurso de revista.
Publique-se. Além disso, convém registrar que o Tribunal Regional não incorreu
Intime-se. em violação às diretrizes referentes à indigitada cláusula de reserva
Brasília, 23 de julho de 2019. de plenário, prevista no artigo 97 da Constituição Federal e
ratificada pelo Supremo Tribunal Federal, por meio da Súmula
Vinculante nº 10, tendo em vista que não afastou a incidência do
Firmado por assinatura digital (MP 2.200-2/2001) artigo 25 da Lei nº 8.987/1995 nem declarou expressamente a sua
RENATO DE LACERDA PAIVA inconstitucionalidade, mas apenas lhe emprestou a interpretação
Ministro Vice-Presidente do TST adequada ao caso concreto, de acordo, inclusive, com o
entendimento perfilhado pelo TST, que culminou com a edição da
Processo Nº ED-AgR-AIRR-0003334-43.2012.5.10.0802 Súmula nº 331. (negritos acrescidos)
Complemento Processo Eletrônico Assim, tendo em vista que a parte não trouxe, nas razões de agravo
Relator Min. Alexandre de Souza Agra regimental, nenhum argumento capaz de infirmar a decisão
Belmonte
denegatória do agravo de instrumento, há que ser mantida a
Embargante ENERGISA TOCANTINS
DISTRIBUIDORA DE ENERGIA S.A. decisão.
Advogado Dr. Lycurgo Leite Neto(OAB: 1530- Ante o exposto, NEGO PROVIMENTO ao agravo regimental.
A/DF)
Embargado(a) ELTON ALMEIDA OLIVEIRA ISTO POSTO
Advogado Dr. Lucywaldo do Carmo Rabelo(OAB:
2331/TO)
ACORDAM os Ministros da Terceira Turma do Tribunal Superior do
Embargado(a) SELVAT SERVIÇOS DE
ELETRIFICAÇÃO LTDA. Trabalho, por unanimidade, conhecer e negar provimento ao agravo
Advogado Dr. Eliânia Alves Faria Teodoro(OAB: regimental."
1464/TO)

Intimado(s)/Citado(s): O Supremo Tribunal Federal, ao julgar o ARE 791.932/DF fixou a


- ELTON ALMEIDA OLIVEIRA seguinte tese: "É nula a decisão de órgão fracionário que se recusa
- ENERGISA TOCANTINS DISTRIBUIDORA DE ENERGIA S.A. a aplicar o art. 94, II, da Lei 9.472/1997, sem observar a cláusula de
- SELVAT SERVIÇOS DE ELETRIFICAÇÃO LTDA. reserva de Plenário (CF, art. 97), observado o artigo 949 do CPC".
Eis o teor da ementa do julgado:
Trata-se de recurso extraordinário contra acórdão proferido pela EMENTA: CONSTITUCIONAL E TRABALHISTA. NULIDADE DO
egrégia Terceira Turma deste Tribunal. ACÓRDÃO RECORRIDO POR DESRESPEITO A CLÁUSULA DE
A parte recorrente suscita preliminar de repercussão geral da RESERVA DE PLENÁRIO (CF, ART. 97 E SV 10). NEGATIVA

Código para aferir autenticidade deste caderno: 137896


2774/2019 Tribunal Superior do Trabalho 83
Data da Disponibilização: Sexta-feira, 26 de Julho de 2019

Embargante OI S.A. (EM RECUPERAÇÃO


PARCIAL DE VIGÊNCIA E EFICÁCIA AO INCISO II, DO ART. 94 JUDICIAL)
DA LEI 9.472/1997 (LEI GERAL DE TELECOMUNICAÇÕES) POR Advogado Dr. José Alberto Couto Maciel(OAB:
ÓRGÃO FRACIONÁRIO COM BASE NA SÚMULA 331/TST. 513-A/DF)
IMPOSSIBILIDADE. LICITUDE DE TERCEIRIZAÇÃO DE TODA E Embargado(a) FABIANO DA SILVA
QUALQUER ATIVIDADE, MEIO OU FIM, NÃO SE Advogada Dra. Geórgia Ribar(OAB: 54116/RS)
CONFIGURANDO RELAÇÃO DE EMPREGO ENTRE A Embargado(a) SEREDE - SERVIÇOS DE REDE S.A.
CONTRATANTE E O EMPREGADO DA CONTRATADA (ADPF 324 Advogado Dr. Francisco Queiroz Caputo
Neto(OAB: 11707/DF)
E RE 958.252). AGRAVO CONHECIDO. RECURSO PROVIDO.
Advogado Dr. Rafael Reis Proença(OAB:
1. A inconstitucionalidade de lei ou ato normativo estatal só pode 49635/RS)
ser declarada pelo voto da maioria absoluta da totalidade dos
membros do tribunal ou, onde houver, dos integrantes do respectivo Intimado(s)/Citado(s):
órgão especial, sob pena de absoluta nulidade da decisão emanada
- FABIANO DA SILVA
do órgão fracionário (turma, câmara ou seção), em respeito à
- OI S.A. (EM RECUPERAÇÃO JUDICIAL)
previsão do art. 97 da Constituição Federal.
- SEREDE - SERVIÇOS DE REDE S.A.
2. A cláusula de reserva de plenário atua como condição de eficácia
jurídica da própria declaração jurisdicional de inconstitucionalidade
Trata-se de recurso extraordinário contra acórdão proferido pela
dos atos do Poder Público, aplicando-se para todos os tribunais, via
egrégia Terceira Turma deste Tribunal.
difusa, e para o SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL, também no
A parte recorrente suscita preliminar de repercussão geral da
controle concentrado (CF, art. 97 e SV 10).
matéria e aponta violação aos dispositivos da Constituição da
3. É nula a decisão de órgão fracionário que, ao negar a aplicação
República que especifica nas razões recursais.
do inciso II, do art. 94 da Lei 9.472/1997, com base na Súmula
A Vice-Presidência deste Tribunal Superior, por despacho,
331/TST, e declarar ilícita a terceirização e atividade-fim, reconhece
determinou o sobrestamento do recurso extraordinário por envolver
a existência de vínculo trabalhista entre a contratante e o
o Tema nº 739 do ementário de Repercussão Geral do Supremo
empregado da contratada, pois exerceu controle difuso de
Tribunal Federal.
constitucionalidade, declarando a parcial nulidade sem redução de
Considerando que a matéria foi julgada na Sessão do Tribunal
texto do referido dispositivo sem observar a cláusula de reserva de
Pleno do STF em 11/10/2018, com fixação da tese de mérito e que
Plenário. AGRAVO PROVIDO.
o acórdão foi publicado no Diário Eletrônico de Justiça de
4. O PLENÁRIO DA CORTE declarou parcialmente inconstitucional
06/03/2019, com trânsito em julgado, passo ao exame de
a SÚMULA 331/TST e proclamou a licitude da terceirização de toda
admissibilidade do recurso sobrestado.
e qualquer atividade, meio ou fim; para afirmar a inexistência de
É o relatório.
relação de emprego entre a contratante e o empregado da
Decido.
contratada. RECURSO EXTRAORDINÁRIO PROVIDO.
Consta do acórdão recorrido:
5. Agravo conhecido e recurso extraordinário provido para
restabelecer a sentença de primeiro grau, com a fixação da seguinte
"(...)
tese no TEMA 739: "É nula a decisão de órgão fracionário que se
No tocante ao tema terceirização - vínculo empregatício, segundo a
recusa a aplicar o art. 94, II, da Lei 9.472/1997, sem observar a
Súmula 331, I, do TST, a contratação de trabalhadores por empresa
cláusula de reserva de Plenário (CF, art. 97), observado o artigo
interposta é ilegal, formando-se o vínculo com o tomador dos
949 do CPC." (ARE 791932/DF, Rel. Min. Alexandre de Moraes,
serviços, salvo nos casos elencados nos incisos I (trabalho
DJe 06/03/2019)
temporário) e III (conservação e limpeza, vigilância, atividades-meio
do tomador) da referida súmula (desde que não haja pessoalidade e
Logo, versando o acórdão recorrido sobre questão atinente a tema
subordinação direta nos casos do inciso III, acrescente-se).
cuja repercussão geral foi reconhecida, com tese de mérito firmada
Nesse quadro, a terceirização de atividade-fim - exceto quanto ao
pelo Supremo Tribunal Federal, determino o dessobrestamento do
trabalho temporário - é vedada pela ordem jurídica, conforme
recurso e o encaminhamento dos autos ao órgão fracionário prolator
interpretação assentada pela jurisprudência (Súmula 331, III),
da decisão recorrida nestes autos, a fim de que se manifeste, nos
independentemente do segmento econômico empresarial e da área
termos do art. 1.030, II do CPC, sobre a necessidade ou não de
de especialidade profissional do obreiro. Locação de mão de obra
exercer eventual juízo de retratação da decisão então proferida por
em atividade fim é medida excepcional e transitória, somente
aquele colegiado.
possível nos restritos casos de trabalho temporário, sob pena de
À Coordenadoria de Recursos - CREC - para as providências
leitura interpretativa em desconformidade com preceitos e regras
pertinentes.
constitucionais decisivas, como a dignidade da pessoa humana, da
Publique-se.
valorização do trabalho e do emprego, além da subordinação da
Brasília, 25 de julho de 2019.
propriedade à sua função socioambiental.
Esclareça-se que a subordinação jurídica, como elemento
componente da relação de emprego (arts. 2º e 3º da CLT), pode se
Firmado por assinatura digital (MP 2.200-2/2001)
evidenciar quer em sua dimensão tradicional (intensidade de
RENATO DE LACERDA PAIVA
ordens), quer em sua dimensão objetiva (realização de um dos fins
Ministro Vice-Presidente do TST
do empreendimento do tomador), quer em sua dimensão estrutural
(integração do obreiro na organização, dinâmica e cultura do
Processo Nº ED-AIRR-0020225-98.2015.5.04.0771
tomador de serviços).
Complemento Processo Eletrônico
Configurada a irregularidade do contrato de fornecimento de mão de
Relator Min. Mauricio Godinho Delgado
obra, determina a ordem jurídica que se considere desfeito o vínculo

Código para aferir autenticidade deste caderno: 137896


2774/2019 Tribunal Superior do Trabalho 84
Data da Disponibilização: Sexta-feira, 26 de Julho de 2019

laboral com o empregador aparente (entidade terceirizante), Delgado). 8. Laborando na instalação e manutenção de linhas
formando-se o vínculo justrabalhista do obreiro diretamente com o telefônicas, a favor da empresa de telecomunicações tomadora de
tomador de serviços (empregador oculto ou dissimulado). Enfatize- serviços, o empregado se insere na relação jurídica a que aludem
se que o TST realizou, na primeira semana de outubro de 2011, os arts. 2º e 3º da CLT, assim se fazendo impositiva a incidência da
audiência pública sobre o tema, em que se evidenciou o risco social compreensão da Súmula 331, I, do TST. 9. Apelos que esbarram na
de se franquear a terceirização sem peias, quer em face das perdas trava imposta pelo art. 896, § 7º, da CLT. Recurso de revista não
econômicas para os trabalhadores terceirizados, quer em face da conhecido. III - RECURSO DE REVISTA DA ETE - ENGENHARIA
exacerbação dos malefícios à saúde e segurança no ambiente DE TELECOMUNICAÇÕES E ELETRICIDADE LTDA.
laborativo, em contraponto às regras e princípios insculpidos na INTERPOSTO SOB A ÉGIDE DA LEI Nº 13.015/2014.
ordem jurídica legal e constitucional. TERCEIRIZAÇÃO ILÍCITA. TRABALHO EM ATIVIDADE-FIM.
Na presente hipótese, é incontroverso que o Reclamante executava SUBORDINAÇÃO ESTRUTURAL. VÍNCULO DE EMPREGO.
atividades ligadas à instalação e manutenção de linhas telefônicas. CONFIGURAÇÃO. AUSÊNCIA DE INTERESSE RECURSAL DA
Tais atividades, segundo a jurisprudência desta Corte, encaixam-se EMPRESA PRESTADORA DE SERVIÇOS. A segunda reclamada,
no conceito de atividade-fim das empresas de telefonia, o que prestadora de serviços, insurge-se em seu apelo contra o
enseja o reconhecimento do vínculo empregatício diretamente com reconhecimento do vínculo de emprego do autor com a primeira
a tomadora de serviços (Súmula 331, I, do TST). reclamada. Para tal matéria, entretanto, falta-lhe interesse recursal,
Nesse sentido, o seguinte julgado desta Corte Superior: por ausência de sucumbência. Recurso de revista não conhecido.
IV - AGRAVO DE INSTRUMENTO DO RECLAMANTE. RECURSO
RECURSO DE REVISTA DA OI S.A. INTERPOSTO SOB A ÉGIDE DE REVISTA ADESIVO. O agravo de instrumento tem por objeto o
DA LEI Nº 13.015/2014.2. EMPRESA DE TELECOMUNICAÇÕES. processamento do recurso de revista adesivo. Tendo em vista o não
TERCEIRIZAÇÃO. CABIMENTO. ATIVIDADE-FIM E ATIVIDADE- conhecimento do apelo principal, bem como o disposto no art. 500
MEIO. SÚMULA 331 DO TST. INTERPRETAÇÃO DO ART. 25, § do CPC/73, está prejudicado o exame do agravo de instrumento.
1º, DA LEI Nº 8.987/95 E DO ART. 94, INCISO II, DA LEI Nº Processo: ARR - 1173-94.2012.5.04.0101 Data de Julgamento:
9.472/97. INSTALAÇÃO E MANUTENÇÃO DE LINHAS 19/04/2017, Relator Ministro: Alberto Luiz Bresciani de Fontan
TELEFÔNICAS. INSERÇÃO NA ATIVIDADE-FIM EMPRESARIAL. Pereira, 3ª Turma, Data de Publicação: DEJT 28/04/2017.
RELAÇÃO DE EMPREGO. CONFIGURAÇÃO. 1. Resultado de bem
-vinda evolução jurisprudencial, o Tribunal Superior do Trabalho Assim, a decisão se apresenta em conformidade com a
editou a Súmula 331, que veda a "contratação de trabalhadores por jurisprudência consolidada do TST, o que torna inviável o exame
empresa interposta", "formando-se o vínculo diretamente com o das indicadas violações de dispositivo legal e/ou constitucional, bem
tomador dos serviços", ressalvados os casos de trabalho como superada a eventual divergência jurisprudencial (Súmula 333
temporário, vigilância, conservação e limpeza, bem como de do TST e art. 896, §7º, da CLT).
"serviços especializados ligados à atividade-meio do tomador, Além do mais, registre-se que o acórdão recorrido ainda ressalta a
desde que inexistente a pessoalidade e a subordinação direta" existência de subordinação jurídica clássica, direta, com o tomador
(itens I e III). 2. O verbete delimita, exaustivamente, os casos em de serviços.
que se tolera terceirização em atividade-fim. 3. Em função Para que se pudesse chegar, se fosse o caso, a conclusão fática
uniformizadora, a Corte já definiu que o art. 25 da Lei nº 8.987/95 e diversa, seria necessário o revolvimento do conteúdo fático-
o art. 94, inciso II, da Lei nº 9.472/97, veiculam normas de Direito probatório, o que fica inviabilizado nesta instância recursal (Súmula
Administrativo, que não podem deixar de receber interpretação 126/TST).
ponderada em relação ao Direito do Trabalho (Processo-E-ED-RR- Reconhecido o vínculo empregatício com o empregador
586341-05.1999.5.18.5555, Redator designado Min. Vieira de Mello dissimulado, correta se mostra a decisão do Tribunal Regional que
Filho; Processo E-ED-RR-2938-3.2010.5.12.0016, Redator enquadra o Reclamante como empregado da Recorrente e lhe
designado Min. José Roberto Freire Pimenta). 4. O cotejo entre defere todos os direitos correspondentes, inclusive aqueles oriundos
esses preceitos de lei, de modo a emprestar-lhes incidência de normas coletivas.
adequada a cada caso concreto, não desafia a Súmula Vinculante Ressalte-se que as vias recursais extraordinárias para os tribunais
nº 10, como, em casos pertinentes, vem decidindo o Supremo superiores (STF, STJ, TST) não traduzem terceiro grau de
Tribunal Federal (Rcl 11329 MC/PB, Rel. Min. Ayres Britto; Rcl jurisdição; existem para assegurar a imperatividade da ordem
12068 MC/RO, Rel. Min. Dias Toffoli; Rcl 14378 MC/MG, Rel. Min. jurídica constitucional e federal, visando à uniformização
Dias Toffoli; ARE 646831/MG, Rel. Min. Ricardo Lewandowski; AI jurisprudencial na Federação. Por isso seu acesso é notoriamente
839685/MG, Rel. Min. Ricardo Lewandowski; AI 828518/MG, Rel. restrito, não permitindo cognição ampla.
Min. Cármen Lúcia; AI 791247/MG, Rel. Min. Cármen Lúcia; ARE De todo modo, não se constata haver a demonstração, no recurso
647479/MG, Rel. Min. Joaquim Barbosa; ARE 646825/MG, Rel. Min. de revista, de jurisprudência dissonante específica sobre o tema, de
Luiz Fux). 5. O consumidor somente terá acesso aos serviços interpretação divergente de normas regulamentares ou de violação
contratados da empresa de telefonia, se instalada e em direta de dispositivo de lei federal ou da Constituição da República,
funcionamento a linha telefônica. Trata-se de setor que viabiliza a nos moldes das alíneas "a", "b" e "c" do art. 896 da CLT.
atividade econômica e, assim, sustenta-a. 6. Tal constatação, de Pelo exposto, NEGO PROVIMENTO ao agravo de instrumento.
pronto, assimila-a à atividade-fim. 7. A vida contemporânea já não
aceita o conceito monolítico de subordinação jurídica, calcado na ISTO POSTO
submissão do empregado à direta influência do poder diretivo
patronal. Com efeito, aderem ao instituto a visão objetiva, ACORDAM os Ministros da Terceira Turma do Tribunal Superior do
caracterizada pelo atrelamento do trabalhador ao escopo Trabalho, por unanimidade, negar provimento ao agravo de
empresarial, e a dimensão estrutural, pela qual há "a inserção do instrumento."
trabalhador na dinâmica do tomador de serviços" (Mauricio Godinho

Código para aferir autenticidade deste caderno: 137896


2774/2019 Tribunal Superior do Trabalho 85
Data da Disponibilização: Sexta-feira, 26 de Julho de 2019

O Supremo Tribunal Federal, ao julgar o ARE 791.932/DF fixou a Firmado por assinatura digital (MP 2.200-2/2001)
seguinte tese: "É nula a decisão de órgão fracionário que se recusa RENATO DE LACERDA PAIVA
a aplicar o art. 94, II, da Lei 9.472/1997, sem observar a cláusula de Ministro Vice-Presidente do TST
reserva de Plenário (CF, art. 97), observado o artigo 949 do CPC".
Eis o teor da ementa do julgado: Processo Nº ED-AIRR-0001399-35.2012.5.24.0007
EMENTA: CONSTITUCIONAL E TRABALHISTA. NULIDADE DO Complemento Processo Eletrônico
ACÓRDÃO RECORRIDO POR DESRESPEITO A CLÁUSULA DE Relator Min. Kátia Magalhães Arruda
RESERVA DE PLENÁRIO (CF, ART. 97 E SV 10). NEGATIVA Embargante BRASIL TELECOM CALL CENTER
S.A. E OUTRA
PARCIAL DE VIGÊNCIA E EFICÁCIA AO INCISO II, DO ART. 94
Advogado Dr. José Alberto Couto Maciel(OAB:
DA LEI 9.472/1997 (LEI GERAL DE TELECOMUNICAÇÕES) POR 513/DF)
ÓRGÃO FRACIONÁRIO COM BASE NA SÚMULA 331/TST. Advogada Dra. Renata Gonçalves Tognini(OAB:
IMPOSSIBILIDADE. LICITUDE DE TERCEIRIZAÇÃO DE TODA E 11521/MS)
QUALQUER ATIVIDADE, MEIO OU FIM, NÃO SE Embargado(a) MICHELI DA SILVA LIDORIO
CONFIGURANDO RELAÇÃO DE EMPREGO ENTRE A Advogada Dra. Débora Bataglin Coquemala de
Sousa(OAB: 5410/MS)
CONTRATANTE E O EMPREGADO DA CONTRATADA (ADPF 324
E RE 958.252). AGRAVO CONHECIDO. RECURSO PROVIDO.
Intimado(s)/Citado(s):
1. A inconstitucionalidade de lei ou ato normativo estatal só pode
- BRASIL TELECOM CALL CENTER S.A. E OUTRA
ser declarada pelo voto da maioria absoluta da totalidade dos
- MICHELI DA SILVA LIDORIO
membros do tribunal ou, onde houver, dos integrantes do respectivo
órgão especial, sob pena de absoluta nulidade da decisão emanada
do órgão fracionário (turma, câmara ou seção), em respeito à Trata-se de recurso extraordinário contra acórdão proferido pela
previsão do art. 97 da Constituição Federal. egrégia Sexta Turma deste Tribunal.
2. A cláusula de reserva de plenário atua como condição de eficácia A parte recorrente suscita preliminar de repercussão geral da
jurídica da própria declaração jurisdicional de inconstitucionalidade matéria e aponta violação aos dispositivos da Constituição da
dos atos do Poder Público, aplicando-se para todos os tribunais, via República que especifica nas razões recursais.
difusa, e para o SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL, também no A Vice-Presidência deste Tribunal Superior, por despacho,
controle concentrado (CF, art. 97 e SV 10). determinou o sobrestamento do recurso extraordinário por envolver
3. É nula a decisão de órgão fracionário que, ao negar a aplicação o Tema nº 739 do ementário de Repercussão Geral do Supremo
do inciso II, do art. 94 da Lei 9.472/1997, com base na Súmula Tribunal Federal.
331/TST, e declarar ilícita a terceirização e atividade-fim, reconhece Considerando que a matéria foi julgada na Sessão do Tribunal
a existência de vínculo trabalhista entre a contratante e o Pleno do STF em 11/10/2018, com fixação da tese de mérito e que
empregado da contratada, pois exerceu controle difuso de o acórdão foi publicado no Diário Eletrônico de Justiça de
constitucionalidade, declarando a parcial nulidade sem redução de 06/03/2019, com trânsito em julgado, passo ao exame de
texto do referido dispositivo sem observar a cláusula de reserva de admissibilidade do recurso sobrestado.
Plenário. AGRAVO PROVIDO. É o relatório.
4. O PLENÁRIO DA CORTE declarou parcialmente inconstitucional Decido.
a SÚMULA 331/TST e proclamou a licitude da terceirização de toda Consta do acórdão recorrido:
e qualquer atividade, meio ou fim; para afirmar a inexistência de
relação de emprego entre a contratante e o empregado da (...)"2. MÉRITO
contratada. RECURSO EXTRAORDINÁRIO PROVIDO. As reclamadas requerem que "seja suspenso o presente feito em
5. Agravo conhecido e recurso extraordinário provido para razão da existência de liminares concedidas, nos últimos dias, por
restabelecer a sentença de primeiro grau, com a fixação da seguinte vários Ministros do Eg. STF em reclamações contra acórdãos do
tese no TEMA 739: "É nula a decisão de órgão fracionário que se Eg. Órgão Especial TST, que entendem em obstar o seguimento de
recusa a aplicar o art. 94, II, da Lei 9.472/1997, sem observar a diversos recursos extraordinários, por entender que o STF havia
cláusula de reserva de Plenário (CF, art. 97), observado o artigo afastado a repercussão geral da matéria em debate." Argumenta
949 do CPC." (ARE 791932/DF, Rel. Min. Alexandre de Moraes, que "as normas legais citadas permitem a terceirização na atividade
DJe 06/03/2019) -fim, pelo que a decisão recorrida violou o art. 94 da Lei 9.472/97,
bem como o artigo 25 da Lei 8.987/1995 e, em conseqüência, os
Logo, versando o acórdão recorrido sobre questão atinente a tema artigos 5º, II e 170, III da Constituição Federal, como também
cuja repercussão geral foi reconhecida, com tese de mérito firmada confronta com a Súmula Vinculante nº 10." Alega que "a atividade
pelo Supremo Tribunal Federal, determino o dessobrestamento do do reclamante nada mais representa do que uma atividade meio,
recurso e o encaminhamento dos autos ao órgão fracionário prolator que até pode ser inerente ao serviço de telefonia, mas que nada
da decisão recorrida nestes autos, a fim de que se manifeste, nos tem com a atividade precípua da reclamada." Por fim, sustenta que
termos do art. 1.030, II do CPC, sobre a necessidade ou não de "merecem exames os fatos em confronto com às violações literais
exercer eventual juízo de retratação da decisão então proferida por aos artigos 60, § 1º, 85 e 94 da Lei nº 9.472/97 e 5º, II, XXXV e
aquele colegiado. XXXVI, e 97, 170 e 175, da Constituição Federal."
À Coordenadoria de Recursos - CREC - para as providências Inicialmente, diga-se que, quanto à suspensão do processo, não há
pertinentes. o sobrestamento do feito, ainda que reconhecida a repercussão
Publique-se. geral da questão no STF, situação restrita aos recursos que venham
Brasília, 24 de julho de 2019. a ser alçados ao STF, em grau extraordinário, ao teor do art. 543-B
do CPC. Ademais, já foi assinalado no acórdão embargado que "o

Código para aferir autenticidade deste caderno: 137896


2774/2019 Tribunal Superior do Trabalho 86
Data da Disponibilização: Sexta-feira, 26 de Julho de 2019

pedido de suspensão do processo, em razão do reconhecimento de terceirização da própria atividade empresarial, no caso de
repercussão geral da matéria, não foi renovado no agravo de concessionárias de serviço público, implicaria aceitar-se que uma
instrumento, razão por que não foi aqui analisado." empresa que recebeu a incumbência de prestar determinado
No acórdão embargado, além de serem adotados os fundamentos serviço mediante delegação do Poder Público, se fizesse substituir
do despacho denegatório do recurso de revista, foi acrescentado: em suas atividades por outras empresas, ficando como o papel de
"(...) O TRT consignou que "é incontroverso que a autora foi mera administradora do serviço que lhe incumbia executar. Nesse
contratada pela primeira ré para desenvolver a função de agente de sentido está assentada a reiterada jurisprudência desta Corte.
atendimento em favor da segunda reclamada" (fls. 182), atividade Intactos, pois, os dispositivos da Constituição Federal apontados
relevante e crucial na dinâmica da empresa e também que "não se pelas recorrentes. Superados os arestos.
pode desvincular a atividade de call center da atividade fim da Não se constata que foi contrariada a Súmula Vinculante nº 10 do
concessionária de serviços de telefonia" (fls. 182). STF, como alegado, pois não foi declarada a inconstitucionalidade
Com efeito, os serviços de tele atendimento se enquadram como do art. 94, II, da Lei n.º 9.472/97, mas lhe foi conferida interpretação
atividade-fim da segunda reclamada, ao teor do art. 60, caput, da conforme a Constituição Federal.
Lei nº 9.472/97, que dispõe: Por fim, ressalto que o pedido de suspensão do processo, em razão
"Art. 60. Serviço de telecomunicações é o conjunto de atividades do reconhecimento de repercussão geral da matéria, não foi
que possibilita a oferta de telecomunicação." renovado no agravo de instrumento, razão por que não foi aqui
analisado. "
Partindo da premissa de que a reclamante laborava na atividade-fim
da empresa Brasil Telecom S.A., não se aplica o item III da Súmula Como se vê, estão expressos no acórdão embargado os motivos
nº 331 desta Corte Superior, a qual afasta o reconhecimento de pelos quais esta Turma entende que o serviço de call center é
vínculo de emprego com a empresa tomadora de serviços no caso inerente a atividade-fim da reclamada e as razões de não
de terceirização de sua atividade-meio, desde que não configuradas reconhecimento da violação dos dispositivos de lei e da
a pessoalidade e a subordinação direta. É aplicável ao caso dos Constituição Federal indicados no recurso de revista e renovados
autos o item I da mencionada súmula, que dispõe: no agravo de instrumento.
"A contratação de trabalhadores por empresa interposta é ilegal, Ultrapassado isso, constata-se que não ficaram demonstrados os
formando-se o vínculo diretamente com o tomador dos serviços, vícios de procedimento previstos nos arts. 535 do CPC e 897-A da
salvo no caso de trabalho temporário (Lei n.º 6.019, de CLT.
03.01.1974)." As alegações da embargante dizem respeito a suposto erro de
Observe-se que, nos termos da jurisprudência desta Corte, a julgamento, e não de procedimento. Contudo, o acerto ou
contratação de trabalhadores por empresa interposta (ou seja, desacerto da decisão embargada não pode ser discutido mediante
trabalhadores para a execução da atividade-fim da empresa embargos de declaração.
tomadora dos serviços) é ilegal, pois evidencia a intenção da Por fim, cabe esclarecer que, mesmo para fim de
empresa tomadora dos serviços de se eximir da responsabilidade prequestionamento, são infundados embargos de declaração que
pelo cumprimento das obrigações trabalhistas. não objetivem sanar obscuridade, contradição, omissão e erro
Nos termos do art. 9º da CLT, são nulos os atos firmados com o material, nos termos dos artigos 535 do CPC e 897-A da CLT, vícios
objetivo de desvirtuar, impedir ou fraudar a aplicação dos preceitos que efetivamente não ficaram caracterizados no caso dos autos.
estabelecidos nesse dispositivo. Assim, há o reconhecimento de Pelo exposto, rejeito os embargos de declaração.
vínculo empregatício diretamente com a empresa tomadora dos
serviços, ainda que as provas dos autos não demonstrem que ISTO POSTO
ficaram configuradas a subordinação jurídica e a pessoalidade em
relação a essa empresa. ACORDAM os Ministros da Sexta Turma do Tribunal Superior do
Sob outro prisma, não se pode concluir que o art. 94, II, da Lei nº Trabalho, por unanimidade, rejeitar os embargos de declaração.".
9.472/97, ao dispor que a concessionária poderá "contratar com
terceiros o desenvolvimento de atividades inerentes, acessórias ou
complementares ao serviço, bem como a implementação de O Supremo Tribunal Federal, ao julgar o ARE 791.932/DF fixou a
projetos associados", esteja autorizando a terceirização de serviços seguinte tese: "É nula a decisão de órgão fracionário que se recusa
inerentes à atividade-fim das empresas de telecomunicações, sob a aplicar o art. 94, II, da Lei 9.472/1997, sem observar a cláusula de
pena de ferir o disposto no art. 170, caput, VIII, da Constituição da reserva de Plenário (CF, art. 97), observado o artigo 949 do CPC".
República, pois a intermediação de serviço em área-fim das Eis o teor da ementa do julgado:
empresas de telecomunicações culminaria na desvalorização do EMENTA: CONSTITUCIONAL E TRABALHISTA. NULIDADE DO
trabalho humano e no comprometimento da busca do pleno ACÓRDÃO RECORRIDO POR DESRESPEITO A CLÁUSULA DE
emprego. RESERVA DE PLENÁRIO (CF, ART. 97 E SV 10). NEGATIVA
A análise da legislação infraconstitucional não pode destoar dos PARCIAL DE VIGÊNCIA E EFICÁCIA AO INCISO II, DO ART. 94
princípios e regras albergadas pela Constituição Federal, DA LEI 9.472/1997 (LEI GERAL DE TELECOMUNICAÇÕES) POR
especialmente os previstos nos art. 1º, III e IV, 7º, 8º, 170 e 173, ÓRGÃO FRACIONÁRIO COM BASE NA SÚMULA 331/TST.
que compõem o núcleo socioeconômico norteador do estado IMPOSSIBILIDADE. LICITUDE DE TERCEIRIZAÇÃO DE TODA E
democrático brasileiro. QUALQUER ATIVIDADE, MEIO OU FIM, NÃO SE
O ordenamento jurídico pátrio, conforme consagrado na Súmula nº CONFIGURANDO RELAÇÃO DE EMPREGO ENTRE A
331 do TST, repele a intermediação de mão de obra, salvo em CONTRATANTE E O EMPREGADO DA CONTRATADA (ADPF 324
casos muito específicos, considerando-se que essa prática E RE 958.252). AGRAVO CONHECIDO. RECURSO PROVIDO.
dificultaria ou inviabilizaria a proteção do hipossuficiente em face da 1. A inconstitucionalidade de lei ou ato normativo estatal só pode
empresa que usufruiu a sua força de trabalho. Sob outro prisma, a ser declarada pelo voto da maioria absoluta da totalidade dos

Código para aferir autenticidade deste caderno: 137896


2774/2019 Tribunal Superior do Trabalho 87
Data da Disponibilização: Sexta-feira, 26 de Julho de 2019

Intimado(s)/Citado(s):
membros do tribunal ou, onde houver, dos integrantes do respectivo
órgão especial, sob pena de absoluta nulidade da decisão emanada - EMPRESA BRASILEIRA DE CORREIOS E TELÉGRAFOS -
ECT
do órgão fracionário (turma, câmara ou seção), em respeito à
- ROSANGELA MARCOS DA SILVA
previsão do art. 97 da Constituição Federal.
- W.A. INFORMÁTICA LTDA.
2. A cláusula de reserva de plenário atua como condição de eficácia
jurídica da própria declaração jurisdicional de inconstitucionalidade
ROSANGELA MARCOS DA SILVA, por meio das Petições nºs
dos atos do Poder Público, aplicando-se para todos os tribunais, via
40629/2016-1 e 116239/2018-3 (docs. seqs. 04 e 07), pede a
difusa, e para o SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL, também no
reconsideração da decisão que determinou o sobrestamento do
controle concentrado (CF, art. 97 e SV 10).
recurso extraordinário.
3. É nula a decisão de órgão fracionário que, ao negar a aplicação
Decido.
do inciso II, do art. 94 da Lei 9.472/1997, com base na Súmula
O Supremo Tribunal Federal de fato examinou o mérito da questão
331/TST, e declarar ilícita a terceirização e atividade-fim, reconhece
jurídica espelhada nas razões recursais, por ocasião do julgamento
a existência de vínculo trabalhista entre a contratante e o
do RE 760.931/DF, erigido à condição de leading case (Tema 246).
empregado da contratada, pois exerceu controle difuso de
Ocorre que foram opostos embargos de declaração, ainda
constitucionalidade, declarando a parcial nulidade sem redução de
pendentes de julgamento, e cuja redistribuição foi determinada em
texto do referido dispositivo sem observar a cláusula de reserva de
02/02/2018, de modo que não se operou o trânsito em julgado,
Plenário. AGRAVO PROVIDO.
tornando, portanto, inviável o pleito deduzido na petição, por
4. O PLENÁRIO DA CORTE declarou parcialmente inconstitucional
injunção do artigo 1.030, III, do CPC.
a SÚMULA 331/TST e proclamou a licitude da terceirização de toda
A propósito, não é demais registrar que a matéria contida no Tema
e qualquer atividade, meio ou fim; para afirmar a inexistência de
246 envolve o maior volume de processos sobrestados da história
relação de emprego entre a contratante e o empregado da
do Judiciário do Trabalho, cujos desdobramentos não se acham
contratada. RECURSO EXTRAORDINÁRIO PROVIDO.
contemplados na tese por ora firmada pela Suprema Corte, tal como
5. Agravo conhecido e recurso extraordinário provido para
a definição do onus probandi frente à alegação da culpa in vigilando
restabelecer a sentença de primeiro grau, com a fixação da seguinte
da Administração Pública.
tese no TEMA 739: "É nula a decisão de órgão fracionário que se
Equivale dizer que há inegável expectativa de que o STF, no
recusa a aplicar o art. 94, II, da Lei 9.472/1997, sem observar a
julgamento dos embargos de declaração, estabeleça referencial
cláusula de reserva de Plenário (CF, art. 97), observado o artigo
definitivo a ser utilizado em decisões levadas a efeito no TST, pelo
949 do CPC." (ARE 791932/DF, Rel. Min. Alexandre de Moraes,
que a prudência aconselha a manutenção do sobrestamento do
DJe 06/03/2019)
recurso extraordinário até o trânsito em julgado do RE 760.931/DF.
Do exposto, indefiro o pedido.
Logo, versando o acórdão recorrido sobre questão atinente a tema
À Coordenadoria de Recursos - CREC para as providências.
cuja repercussão geral foi reconhecida, com tese de mérito firmada
Publique-se.
pelo Supremo Tribunal Federal, determino o dessobrestamento do
Brasília, 23 de julho de 2019.
recurso e o encaminhamento dos autos ao órgão fracionário prolator
da decisão recorrida nestes autos, a fim de que se manifeste, nos
termos do art. 1.030, II do CPC, sobre a necessidade ou não de
Firmado por assinatura digital (MP 2.200-2/2001)
exercer eventual juízo de retratação da decisão então proferida por
RENATO DE LACERDA PAIVA
aquele colegiado.
Ministro Vice-Presidente do TST
À Coordenadoria de Recursos - CREC - para as providências
pertinentes.
Processo Nº ARR-0020532-08.2015.5.04.0333
Publique-se.
Complemento Processo Eletrônico
Brasília, 24 de julho de 2019.
Relator Min. Maria de Assis Calsing
Agravante e Recorrente RGE SUL DISTRIBUIDORA DE
ENERGIA S.A.
Firmado por assinatura digital (MP 2.200-2/2001) Advogado Dr. Marcelo Vieira Papaleo(OAB:
RENATO DE LACERDA PAIVA 62546/RS)
Ministro Vice-Presidente do TST Agravante e Recorrente CONECTA EMPREENDIMENTOS
LTDA.
Advogado Dr. Fernando Teixeira Abdala(OAB:
Processo Nº AIRR-0029440-91.2009.5.03.0139 24797/DF)
Complemento Processo Eletrônico Advogado Dr. Daniel Meinhardt(OAB: 56576/RS)
Relator Desemb. Convocada Maria Doralice Advogada Dra. Kariane Tereza da Silva(OAB:
Novaes 103499/RS)
Agravante EMPRESA BRASILEIRA DE Agravado e Recorrido ALECSANDRE DA SILVA
CORREIOS E TELÉGRAFOS - ECT
Advogado Dr. Júlio César Lima Frainer(OAB:
Advogada Dra. Ana Virgínia Batista Lopes de 93241/RS)
Souza(OAB: 16660/DF)
Agravado ROSANGELA MARCOS DA SILVA
Intimado(s)/Citado(s):
Advogada Dra. Genoveva Martins de
Moraes(OAB: 56904/MG) - ALECSANDRE DA SILVA
Agravado W.A. INFORMÁTICA LTDA. - CONECTA EMPREENDIMENTOS LTDA.
Advogada Dra. Roberta Jacqueline Gomes(OAB: - RGE SUL DISTRIBUIDORA DE ENERGIA S.A.
82918/MG)

Trata-se de recurso extraordinário contra acórdão proferido pela

Código para aferir autenticidade deste caderno: 137896


2774/2019 Tribunal Superior do Trabalho 88
Data da Disponibilização: Sexta-feira, 26 de Julho de 2019

egrégia Quarta Turma deste Tribunal. parte das empresas concessionárias de serviço público, de serviços
A parte recorrente suscita preliminar de repercussão geral da que sejam considerados sua atividade-fim, ante os termos da Lei n.º
matéria e aponta violação aos dispositivos da Constituição da 8.987/1995.
República que especifica nas razões recursais. A consideração que deve ser feita na análise dos temas
A Vice-Presidência deste Tribunal Superior, por despacho, relacionados à terceirização diz respeito à lacuna legislativa sobre a
determinou o sobrestamento do recurso extraordinário por envolver questão e ao grande uso do referido instituto como uma forma de
o Tema nº 739 do ementário de Repercussão Geral do Supremo fraudar a legislação trabalhista.
Tribunal Federal. Diante das inúmeras questões que se apresentaram, esta Corte,
Considerando que a matéria foi julgada na Sessão do Tribunal com lastro em vários princípios constitucionais, entre os quais o da
Pleno do STF em 11/10/2018, com fixação da tese de mérito e que dignidade da pessoa humana e o da valorização do trabalho
o acórdão foi publicado no Diário Eletrônico de Justiça de humano, editou a Súmula n.º 331, fixando as diretrizes básicas para
06/03/2019, com trânsito em julgado, passo ao exame de a terceirização e seus efeitos, in verbis:
admissibilidade do recurso sobrestado.
É o relatório. "CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS. LEGALIDADE
Decido. I - A contratação de trabalhadores por empresa interposta é ilegal,
Consta do acórdão recorrido: formando-se o vínculo diretamente com o tomador dos serviços,
salvo no caso de trabalho temporário (Lei n.º 6.019, de 03.01.1974).
"(...) II - A contratação irregular de trabalhador, mediante empresa
EMPRESA DE ENERGIA ELÉTRICA - TERCEIRIZAÇÃO ILÍCITA - interposta, não gera vínculo de emprego com os órgãos da
ATIVIDADE-FIM - EMPREGADO QUE DESEMPENHA A FUNÇÃO administração pública direta, indireta ou fundacional (art. 37, II, da
DE ELETRICISTA - ART. 25 DA LEI N.º 8.987/95 CF/1988).
As Reclamadas não se conformam com a manutenção do III - Não forma vínculo de emprego com o tomador a contratação de
entendimento de que, no caso dos autos, há terceirização ilícita, serviços de vigilância (Lei n.º 7.102, de 20.06.1983) e de
fato que culminou no reconhecimento do vínculo de emprego conservação e limpeza, bem como a de serviços especializados
diretamente com a empresa tomadora dos serviços. ligados à atividade-meio do tomador, desde que inexistente a
A Reclamada "Conecta Empreendimentos Ltda." sustenta que o pessoalidade e a subordinação direta."
posicionamento adotado pelo Regional viola o teor dos artigos 5.º,
II, e 170 da CF/88, 25, § 1.º, da Lei n.º 8.987/95, 2.º, 3.º e 818 da Da exegese do referido verbete sumular, firmou-se um
CLT e 373, I, do CPC/2015. Afirma que a Lei n.º 8.987/95 autoriza a entendimento fundamental sobre a terceirização: exceto nos casos
contratação de terceiros para "o desenvolvimento de atividades de trabalho temporário, é vedada a terceirização das atividades-fim
inerentes, acessórias ou complementares ao serviço concedido", da empresa, sob pena de reconhecimento do vínculo de emprego
não havendo de se falar em fraude. Alega que as atividades diretamente com a empresa tomadora de serviços.
executadas pelo Reclamante não se inserem entre as atividades-fim (...)
da Empresa Distribuidora de Energia Elétrica, sendo certo, ademais, Nessa senda, evidencia-se que o entendimento predominante nesta
que não houve o labor exclusivo em prol da segunda Reclamada. Corte é de que não pode haver a terceirização de atividade-fim
Colaciona arestos. pelas empresas concessionárias de serviços públicos, porquanto tal
A Reclamada "RGE Sul Distribuidora de Energia S.A.", por sua vez, hipótese não encontra arrimo no art. 25 da Lei n.º 8.987/95.
basicamente renova as razões lançadas no Apelo da segunda Ora, sendo incontroverso que o Reclamante desempenhava a
Reclamada, inclusive quanto às violações apontadas. atividade de instalação e manutenção das redes elétricas
(...) destinadas à distribuição de energia aos clientes da segunda
Ao exame. Reclamada, a decisão regional, ao considerar ilícita a terceirização
Pontue-se que as Recorrentes observaram os novos parâmetros de dos serviços e reconhecer o vínculo de emprego diretamente com a
admissibilidade do artigo 896, § 1.º-A, da CLT, na medida em que empresa tomadora de serviços - RGE SUL DISTRIBUIDORA DE
indicaram o trecho do acórdão regional no exame da controvérsia, ENERGIA S.A., acabou por deslindar a controvérsia em
apontaram afronta a norma legal e impugnaram o fundamento consonância com a Súmula n.º 331, I a III, do TST.
jurídico adotado pelo Juízo a quo como razões de decidir. Assim, Diante do exposto, estando a decisão regional em consonância com
passo ao exame do cerne da questão. a jurisprudência iterativa e atual desta Corte, a revisão ora
Cinge-se a controvérsia a estabelecer a possibilidade, ou não, de pretendida encontra-se obstada pela Súmula n.º 333 do TST e pelo
terceirização, por parte das empresas concessionárias de energia art. 896, § 7.º, da CLT. Afastam-se as violações dos preceitos legais
elétrica, de serviços relacionados à sua atividade-fim, no caso, o e constitucionais invocados no Apelo e a divergência jurisprudencial
serviço de "instalação e manutenção das redes elétricas destinadas colacionada.
à distribuição de energia aos clientes da segunda ré", em período Nego provimento.
anterior à vigência da Lei n.º 13.429/2017. (...)
De início, cumpre registrar que, por força do princípio da
irretroatividade da lei, insculpido no art. 6.º da LINDB, a Lei n.º ISTO POSTO
13.429, de 31/3/2017, que regulamentou a terceirização no
ordenamento jurídico brasileiro, não tem aplicação à hipótese dos ACORDAM os Ministros da Quarta Turma do Tribunal Superior do
autos, visto que a relação contratual entre a empresa prestadora de Trabalho, por unanimidade: I - conhecer dos Agravos de
serviços, a empresa tomadora de serviços e o Reclamante foi Instrumento das Reclamadas e, no mérito, negar-lhes provimento; II
firmada antes do seu advento. - conhecer parcialmente do Recurso de Revista da primeira
A primeira questão a ser apreciada diz respeito à possibilidade, ou Reclamada (CONECTA EMPRRENDIMENTOS), apenas quanto ao
não, de terceirização, em período anterior à Lei n.º 13.429/2017, por tema "honorários advocatícios", por violação do art. 14 da Lei n.º

Código para aferir autenticidade deste caderno: 137896


2774/2019 Tribunal Superior do Trabalho 89
Data da Disponibilização: Sexta-feira, 26 de Julho de 2019

5.584/70, e, no mérito, dar-lhe provimento para excluir da aquele colegiado.


condenação o pagamento dos honorários advocatícios; II - julgar À Coordenadoria de Recursos - CREC - para as providências
prejudicado o Recurso de Revista da segunda Reclamada (RGE pertinentes.
SUL DISTRIBUIDORA DE ENERGIA), em razão do provimento do Publique-se.
Apelo da primeira Reclamada." Brasília, 25 de julho de 2019.

O Supremo Tribunal Federal, ao julgar o ARE 791.932/DF fixou a Firmado por assinatura digital (MP 2.200-2/2001)
seguinte tese: "É nula a decisão de órgão fracionário que se recusa RENATO DE LACERDA PAIVA
a aplicar o art. 94, II, da Lei 9.472/1997, sem observar a cláusula de Ministro Vice-Presidente do TST
reserva de Plenário (CF, art. 97), observado o artigo 949 do CPC".
Eis o teor da ementa do julgado: Processo Nº AIRR-0004204-51.2010.5.06.0000
EMENTA: CONSTITUCIONAL E TRABALHISTA. NULIDADE DO Complemento Processo Eletrônico
ACÓRDÃO RECORRIDO POR DESRESPEITO A CLÁUSULA DE Relator Min. Guilherme Augusto Caputo
Bastos
RESERVA DE PLENÁRIO (CF, ART. 97 E SV 10). NEGATIVA
Agravante MUNICÍPIO DO RECIFE
PARCIAL DE VIGÊNCIA E EFICÁCIA AO INCISO II, DO ART. 94
Procurador Dr. Antônio Henrique Cavalcanti
DA LEI 9.472/1997 (LEI GERAL DE TELECOMUNICAÇÕES) POR Wanderley
ÓRGÃO FRACIONÁRIO COM BASE NA SÚMULA 331/TST. Agravado RUBENILDO BARBOSA DA SILVA
IMPOSSIBILIDADE. LICITUDE DE TERCEIRIZAÇÃO DE TODA E Advogada Dra. Mirtes Rodrigues Silva(OAB:
QUALQUER ATIVIDADE, MEIO OU FIM, NÃO SE 9434/PE)
CONFIGURANDO RELAÇÃO DE EMPREGO ENTRE A Agravado ESSENCIAL SERVIÇOS DE
VIGILÂNCIA LTDA.
CONTRATANTE E O EMPREGADO DA CONTRATADA (ADPF 324
E RE 958.252). AGRAVO CONHECIDO. RECURSO PROVIDO.
Intimado(s)/Citado(s):
1. A inconstitucionalidade de lei ou ato normativo estatal só pode
- ESSENCIAL SERVIÇOS DE VIGILÂNCIA LTDA.
ser declarada pelo voto da maioria absoluta da totalidade dos
- MUNICÍPIO DO RECIFE
membros do tribunal ou, onde houver, dos integrantes do respectivo
- RUBENILDO BARBOSA DA SILVA
órgão especial, sob pena de absoluta nulidade da decisão emanada
do órgão fracionário (turma, câmara ou seção), em respeito à
previsão do art. 97 da Constituição Federal. MUNICÍPIO DO RECIFE, por meio da Petição nº 94743/2018-8
2. A cláusula de reserva de plenário atua como condição de eficácia (doc. seq. 30), pede a reconsideração da decisão que determinou o
jurídica da própria declaração jurisdicional de inconstitucionalidade sobrestamento do recurso extraordinário com fundamento no Tema
dos atos do Poder Público, aplicando-se para todos os tribunais, via 246 da Tabela de Temas de Repercussão Geral do STF.
difusa, e para o SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL, também no Afirma que o STF já julgou o mérito do Tema 246.
controle concentrado (CF, art. 97 e SV 10). Alega que "Consoante se infere do teor dos artigos 1.039 e 1.040 do
3. É nula a decisão de órgão fracionário que, ao negar a aplicação CPC, publicado o acórdão paradigma que gerou o sobrestamento,
do inciso II, do art. 94 da Lei 9.472/1997, com base na Súmula não há mais que se falar em recurso sobrestado. Inexiste, em
331/TST, e declarar ilícita a terceirização e atividade-fim, reconhece qualquer texto normativo, a exigência do trânsito em julgado para
a existência de vínculo trabalhista entre a contratante e o que o sobrestamento seja encerrado".
empregado da contratada, pois exerceu controle difuso de Decido.
constitucionalidade, declarando a parcial nulidade sem redução de O Supremo Tribunal Federal de fato examinou o mérito da questão
texto do referido dispositivo sem observar a cláusula de reserva de jurídica espelhada nas razões recursais, por ocasião do julgamento
Plenário. AGRAVO PROVIDO. do RE 760.931/DF, erigido à condição de leading case (Tema 246).
4. O PLENÁRIO DA CORTE declarou parcialmente inconstitucional Ocorre que foram opostos embargos de declaração, ainda
a SÚMULA 331/TST e proclamou a licitude da terceirização de toda pendentes de julgamento, e cuja redistribuição foi determinada em
e qualquer atividade, meio ou fim; para afirmar a inexistência de 02/02/2018, de modo que não se operou o trânsito em julgado,
relação de emprego entre a contratante e o empregado da tornando, portanto, inviável o pleito deduzido na petição, por
contratada. RECURSO EXTRAORDINÁRIO PROVIDO.