Você está na página 1de 2

Procuras de desejos perdidos

PUBLICIDADE

No fim de semana, assisti a dois filmes que dialogam na minha cabeça.

Primeiro, vi "Um Divã para Dois", de David Frankel. Após 30 anos de


casamento, Kay e Arnold, sexagenários, vivem uma rotina miserável. Faz
quatro anos que eles não têm relações sexuais, mal se falam e mal se tocam.
Talvez eles tenham se amado no passado, mas pouco ou nada disso aparece.
Um dia, Kay não aguenta mais e decide recorrer a um terapeuta de casal que
propõe terapias intensivas de uma semana no Maine, longe do Nebraska onde
eles moram. Arnold acha bobagem e dinheiro posto fora, mas acaba seguindo a
mulher até lá.

Quis ver o filme porque a história do casamento de Kay e Arnold é, ao mesmo


tempo, trivial e raramente contada. Também me interessava o terapeuta, que,
segundo alguns críticos, era um extravagante.

Bom, o terapeuta do filme não é extravagante. Alguns dos exercícios que ele
sugere ao casal são extremos (e cômicos, como sexo oral num cinema), mas,
no conjunto, não há nada de heterodoxo em pedir que os cônjuges se esforcem
para voltar a se abraçar e tocar ou que revelem suas fantasias sexuais ao
outro.

Uma vez instalada a distância na vida de um casal, "discutir a relação" não é


suficiente (quando não piora o caso): é preciso romper, de entrada,
diretamente, os hábitos constituídos do isolamento.

Em geral, nos dois membros de um casal que não se fala e não se toca, mas se
obstina a conviver, há uma tremenda vergonha de estar traindo um grande
desejo de parar com a palhaçada do afastamento e reencontrar o parceiro.

Mas trair o próprio desejo da gente é confortável. E, para muitos, o casamento


serve para isso: é um pretexto para descansar da tarefa de desejar e de
inventar a vida. Assim: casei, nada depende mais de mim, ele (ou ela) me
prende nesta rotina e me impede de me tornar o que eu tanto queria ser --boa
desculpa, hein?

O segundo filme, "A Vida de Outra Mulher", de Sylvie Testud, conta a história
de Marie, que, num dia de 2011, aos 41, acorda para descobrir que ela
esqueceu tudo o que aconteceu nos últimos 15 anos de sua vida. Ela tem um
filho, que ela "nunca" conheceu, e está se divorciando do homem por quem,
pelo que ela se lembra, ela acaba de se apaixonar (só que isso foi 15 anos
antes). Marie tentará reconquistar o marido que ela ama como o amava na
época em que se apaixonou por ele.

A amnésia repentina de Marie (pouco provável clinicamente) é uma ótima


parábola. Por que pessoas que se lançam na vida com paixão um pelo outro,
com planos e apostas comuns, podem acordar um dia no rancor de uma
separação?

Kay e Arnold, na hora de tentar entender o que foi que os afastou, estão tão
perdidos quanto Marie. Mas Marie tem sorte: ela não pode transformar o que
aconteceu nos últimos anos em tema de debate (Quem está com razão? Quem
deixou de amar? Quem não soube cuidar? Quem traiu quem?). Ela não se
lembra de nada e só pode voltar para sua última lembrança: o momento
mágico do encontro e da primeira noite.

Para os mortais comuns, como Kay e Arnold, que podem até se calar, mas se
lembram de tudo o que deu errado, o caminho é mais complicado.

Alguém dirá que, se Marie retomar seu casamento sem poder sequer refletir
sobre os caminhos pelos quais ele se degradou (ela só pode supor, imaginar),
então, inelutavelmente, nada mudará, e, alguns anos depois, Marie e o marido
acabarão se separando numa repetição do mesmo divórcio.

Não sei se isso é verdade. A degradação de um casal é feita de um acúmulo de


pequenas palavras e condutas, que parecem insignificantes na hora e mesmo
depois, na memória: não liguei naquele dia, cheguei atrasado no outro, preferi
dormir quando você queria outra coisa, não disse o que eu queria porque tanto
faz... Nada precisa ser drástico e, no fundo, tudo é contingente: se eu estivesse
apenas menos cansado, naquela noite, não teria dormido enquanto você
falava... Conclusão: mesmo recomeçando sem poder recorrer às ditas "lições"
do passado, talvez o desfecho não seja necessariamente o mesmo.

Além disso, mesmo se Marie retomar seu casamento (que, para ela, mal
começou) na ignorância do que deu errado na primeira vez e se por isso, anos
depois, ela divorciar novamente, qual é o problema? Aos poucos, eles
cometerão os mesmos erros que cometeram no passado, e o casal não será
para sempre? E daí, quem disse que só vale a pena o que for para sempre?