Você está na página 1de 12

3º Trim.

de 2019: TEMPO, BENS E TALENTOS: sendo mordomo fiel e prudente com as coisas que Deus nos tem dado

PORTAL ESCOLA DOMINICAL


3º Trimestre de 2019 - CPAD
TEMPO, BENS E TALENTOS: sendo mordomo fiel e prudente com as coisas que Deus
nos tem dado
Comentários da revista da CPAD: Elinaldo Renovato de Lima
Comentário: Ev. Caramuru Afonso Francisco

LIÇÃO Nº 5 – A MORDOMIA DA IGREJA LOCAL


Devemos pertencer a uma igreja local.

INTRODUÇÃO
- Na continuidade do estudo sobre a mordomia cristã, analisaremos hoje o nosso dever de pertencer a uma
igreja local.

- O servo de Jesus Cristo necessariamente precisa pertencer a uma igreja local.

I – CONCEITOS DE IGREJA E SUA ORIGEM

- Na continuidade do estudo sobre a mordomia cristã, analisaremos a mordomia da igreja local, ou seja,
nosso dever de pertencer a uma igreja local enquanto estivermos nesta peregrinação terrena, rumo
aos céus.

- A palavra “igreja” surge, pela vez primeira, nas Escrituras, no evangelho segundo Mateus (Mt.16:18),
quando é declarada pelo próprio Jesus que, assim, revela o “mistério de Cristo”, como o apóstolo Paulo
chamou a “igreja” na epístola aos efésios. É a palavra grega “ekklesia” (εκκλησια), cujo significado é
“reunidos para fora”, “chamados para fora”.

- A palavra “ekklesia”, porém, já havia sido utilizada na Versão Grega do Antigo Testamento (a chamada
Septuaginta) para traduzir a palavra hebraica “’edhah” (‫)עֵדׇ ה‬, que as nossas versões em língua portuguesa
costumam registrar como “congregação”, nome pelo qual era conhecida a reunião do povo de Israel,
principalmente no tempo da peregrinação no deserto, quando Moisés costumava chamar todo o povo para
algumas reuniões solenes à frente do tabernáculo que, por isso mesmo, era denominada de “tenda da
congregação” (Nm.10:1-3).

- Notamos, pois, de início, que a palavra “igreja” fala de uma “reunião”, ou seja, um grupo de pessoas.
Igreja não é um indivíduo, não é uma pessoa solitária, mas, sim, um grupo de pessoas, um conjunto de
pessoas. Desta forma, ficamos sabendo, já pela etimologia da palavra, que a salvação proporcionada por
Jesus Cristo cria um novo grupo de pessoas, um novo povo. Não se pode, pois, biblicamente falando, ser
salvo e permanecer isolado, solitário na vida sobre a face da Terra. Este novo povo, esta “igreja”, vem,
portanto, realizar, concretizar aquilo que Israel, a “propriedade peculiar de Deus dentre todos os povos”
(Ex.19:5,6) era apenas uma figura, um símbolo, uma sombra (Hb.10:1).

- Mas “igreja” não é apenas uma “reunião”, mas é o conjunto dos “reunidos para fora”, ou seja,
daqueles que foram chamados, convocados, para sair do lugar onde estavam, da sua habitação, como,
aliás, acontecia toda vez que Moisés tocava as duas trombetas de prata no deserto, sinal de que todo o povo
deveria sair das suas habitações e comparecer até a frente do tabernáculo. A “igreja”, pois, não é um povo
que se formou por vontade própria, mas que foi resultado de um chamado, de uma ação divina. Por isso,
Jesus diz que edificaria a Sua igreja e o apóstolo Paulo a denomina de “lavoura de Deus” e “edifício de
Deus” (I Co.3:9). A igreja não é uma criação humana, mas, sim, divina, é algo que se construiu pela vontade
do Senhor. É uma “reunião” que não é obra de homem algum, mas do próprio Deus.

Portal Escola Dominical – www.portalebd.org.br


Ajude a manter este trabalho – Deposite qualquer valor em nome de: Associação para promoção do Ensino Bíblico – Banco
do Brasil Ag. 1815-5 c/c 135720-4
3º Trim. de 2019: TEMPO, BENS E TALENTOS: sendo mordomo fiel e prudente com as coisas que Deus nos tem dado

- A igreja não é uma reunião a esmo, sem propósito nem tampouco lugar. A igreja é o conjunto dos
“reunidos para fora”, ou seja, é um povo que está “fora”, que se encontra em um lugar distinto e
diferente do dos demais povos. Ora, sabemos que a humanidade, por causa do pecado, encontra-se longe
de Deus (Pv.15:29; Is.46:12; Mc.7:6), mas, quando aceita o chamado do Senhor, crendo em Jesus como seu
único e suficiente Senhor e Salvador, pelo sangue de Cristo deixa de ficar longe e passa a estar perto do
Senhor (Dt.30:14; Sl.145:18; At.2:39; Ef.2:13,14). Por isso, a igreja é formada por aqueles que estão “fora”
do pecado, “fora” do mundo, “fora” das trevas. Há, portanto, uma verdadeira oposição entre a “igreja” e o
“mundo”.

- Não é por outra razão que a “igreja” é denominada pelos estudiosos como a “agência do reino de Deus
na Terra”, precisamente porque é se distinguindo dos demais homens, saindo para “fora do mundo” que se
passa a pertencer a ela, o que nos faz lembrar as palavras de Jesus a Nicodemos a respeito do novo
nascimento, sem o qual não se pode ver nem entrar no reino de Deus (Jo.3:3,5). A igreja é um povo que se
encontra na face da Terra mas que pertence a um reino que não é deste mundo (Jo.18:36 “in initio”).

- São aqueles que atenderam ao chamado altissonante da “Suprema Sabedoria” que “clama de fora”
(Pv.1:20,21) e que saíram da cidade para habitar seguramente e estar descansado do temor do mal (Pv.1:33).

- Este primeiro significado de “igreja” é o que se chama, também, de “igreja universal”, entendida esta
como a reunião de todos os homens que creram em Cristo em todos os tempos, a partir da obra redentora na
cruz do Calvário, a “universal assembleia e igreja dos primogênitos, que estão inscritos nos céus”
(Hb.12:23a), ao “corpo de Cristo” (I Co.12:27; Ef.4:12), a “a geração eleita, o sacerdócio real, a nação santa,
o povo adquirido” (I Pe.2:9), o conjunto de todos os que creram em Jesus Cristo ao longo da história e que
se reunirá, pela vez primeira, quando do arrebatamento da Igreja, os quais serão apresentados ao Pai pelo
Filho com as seguintes palavras: “Eis-me aqui a mim e aos filhos que Deus me deu.”(Hb.2:13 “in fine”).

- Mas, além deste significado primeiro da palavra “igreja”, também encontramos um outro significado nas
Escrituras, notadamente a partir do livro de Atos dos Apóstolos, quando nos deparamos com a chamada
“igreja local”, ou seja, a igreja que se encontra em um determinado lugar, significado este que surge,
pela vez primeira, em At.8:1, quando se fala na perseguição que se iniciou contra “a igreja que estava em
Jerusalém”, para, logo em seguida, dizer que os membros desta igreja foram dispersos, com exceção dos
apóstolos, passando a pregar a Cristo em todos os lugares, começando a narrativa por Samaria, para onde
fora Filipe. Neste significado, encontramos a palavra “igreja” no plural, como se lê, por exemplo, em
At.9:31, que fala das “igrejas em toda Judeia, e Galileia, e Samaria”.

- A “igreja local” nada mais é que um conjunto de pessoas que dizem crer em Jesus Cristo e que
professam a Sua doutrina e que se encontram numa determinada localidade. É uma reunião de pessoas
que, chamadas por Deus, passam a obedecer às Escrituras e aos ensinos do Senhor Jesus, e, por isso mesmo,
pregam a Cristo e ensinam a Palavra de Deus a todos quantos vivem naquele determinado lugar. A “igreja
local”, portanto, é um grupo social, uma reunião de pessoas, uma partícula da “igreja universal”, do “corpo
de Cristo”.

- O crescimento da igreja, a evangelização, o cumprimento do “ide” de Jesus fez com que a igreja, o corpo
de Cristo, passasse a ser maior do que a “igreja local”, que, era, então, restrita a Jerusalém (ainda que, em
verdade, desde o dia de Pentecostes, que é o início da evangelização desta dispensação, já tenhamos pessoas
que tenham aceitado a Cristo e não tenham ficado em Jerusalém, vez que estavam na cidade apenas para
aquela festividade). Passou a haver muitas “igrejas”, cada uma em um local, em um lugar, mas todas unidas
espiritualmente pela comunhão com o único e verdadeiro Deus, pelo Espírito Santo que os mantinha em
unidade com o Pai e o Filho.

- Tem-se, portanto, na Igreja, que é o Corpo de Cristo, a reprodução da própria dupla natureza que
encontramos em Cristo Jesus. Assim como Jesus é homem e Deus simultaneamente, sendo uma unidade e

Portal Escola Dominical – www.portalebd.org.br


Ajude a manter este trabalho – Deposite qualquer valor em nome de: Associação para promoção do Ensino Bíblico – Banco
do Brasil Ag. 1815-5 c/c 135720-4
3º Trim. de 2019: TEMPO, BENS E TALENTOS: sendo mordomo fiel e prudente com as coisas que Deus nos tem dado

uma diversidade a um só tempo, também o Seu corpo, isto é, a Igreja, por Ele edificada, é, ao mesmo
tempo, uma unidade, vez que se trata de o corpo de Cristo, o povo adquirido, a nação santa, mas também é
uma pluralidade, pois são várias as igrejas, cada uma em um determinado lugar, em um determinado local.

- O único povo de Deus apresenta-Se sob muitas formas, demonstrando que o único Deus (Rm.16:27; I
Tm.1:17; Jd.25) é, também, multiforme (Ef.3:10; Hb.1:1; I Pe.4:10).

- Deus, que criou o homem como um ser social (Gn.2:18), providenciou para que esta unidade espiritual
desde já instaurada pelo perdão dos pecados e pela salvação em Cristo Jesus não se mantivesse apenas como
uma nação espiritual, pois isto seria insuficiente para a obra da evangelização e do aperfeiçoamento dos
santos, tratando de estabelecer que a vida espiritual sobre a face da Terra, até a chamada individual de cada
um para a eternidade, ou o arrebatamento da Igreja, com o término desta dispensação, se desse por meio da
criação de um grupo social, onde os homens pudessem uns aos outros ajudar na dura e espinhosa jornada da
fé: a “igreja universal” depende, pois, da “igreja local” para chegar, em bom termo, à sua “inauguração”, o
que se dará no dia do arrebatamento da Igreja.

- Vistos estes dois conceitos de igreja, resta-nos ver o que a Bíblia tem a dizer sobre a origem da Igreja.
Quando ela surgiu? Quando ela foi concebida? Pois bem, assim como a salvação estava prevista desde antes
da fundação do mundo, de igual modo a igreja já estava estabelecida por Deus ainda antes que o mundo
existisse. A igreja foi o “…mistério de Cristo, o qual noutros séculos não foi manifestado aos filhos dos
homens, como agora tem sido revelado pelo Espírito aos Seus santos apóstolos e profetas, a saber, que os
gentios são coerdeiros e de um mesmo corpo, e participantes da promessa em Cristo pelo evangelho.”
(Ef.3:4-6). A igreja era o grande mistério de Cristo que só foi revelado pelo próprio Senhor quando fez a
famosa “declaração de Cesareia”, quando afirmou que edificaria a Sua igreja e as portas do inferno não
prevaleceriam contra ela (Mt.16:18).

- A igreja, portanto, é um projeto exclusivamente divino, concebido, executado e sustentado por Deus.
É por isso que podemos ter a certeza, e a história tem demonstrado isto, que nada pode destruir a Igreja.
Durante estes quase dois mil anos em que a igreja tem participado da história da humanidade, muitos
homens poderosos se levantaram contra a Igreja, tentaram destruí-la e não foram poucas as vezes em que se
proclamou que a Igreja estava vencida. No entanto, todos estes homens passaram, mas a Igreja se manteve
de pé, vencedora, demonstrando que não se trata de obra humana, mas de algo que é divino e contra o qual
todos os poderes das trevas não têm podido prevalecer.
OBS: Diante de tantos exemplos históricos, relatemos dois episódios elucidativos desta realidade. O imperador romano Juliano (331-363,
imperador de 361 a 363) perseguiu impiedosamente os cristãos, depois que os cristãos já haviam sido reconhecidos por Roma, tendo ele mesmo
abandonado o Cristianismo. Pouco antes de morrer, numa campanha militar em 363, é dito que exclamou em alta voz: “venceste, ó Galileu”. Na
China comunista, os cristãos foram impiedosamente perseguidos e toda obra missionária naquele país foi impedida totalmente. Com a abertura
do regime a partir de 1979, pensou-se que o Cristianismo estaria dizimado naquele país e, para surpresa de todos, o número de cristãos no
período difícil do governo de Mão-Tsé-Tung (1947-1979), dobrou naquele país. Ninguém pode prevalecer contra a igreja do Senhor Jesus!

- Concebida ainda antes da fundação do mundo, como primeiro momento da congregação de tudo em Cristo
Jesus (Ef.1:10), a Igreja foi revelada por Jesus na famosa “declaração de Cesareia”. No entanto, somente
teria existência própria a partir do instante em que Jesus subiu aos céus, assentando-Se à direita de Deus,
visto que a igreja é “o corpo de Cristo”. Enquanto Jesus não ascendeu aos céus, não poderia haver uma
verdadeira “igreja”, visto que Jesus ainda estava com os discípulos.

- A partir do instante, porém, em que ascendeu aos céus, passamos a ter a Igreja, Igreja que iniciaria a Sua
missão evangelizadora a partir da descida do Espírito Santo, no dia de Pentecostes, ato inicial da
dispensação da graça e de apresentação da Igreja ao mundo. Assim, podemos dizer que a Igreja começa
efetivamente no dia de Pentecostes, visto que a Igreja nada mais é que “…a geração eleita, o sacerdócio real,
a nação santa, o povo adquirido, para que anuncieis as virtudes daquele que vos chamou das trevas para a
sua maravilhosa luz” (I Pe.2:9) e isto só se deu a partir do dia de Pentecostes.
OBS: O fato de o início da atividade da Igreja ter se dado no dia de Pentecostes, não quer dizer que ela tenha sido inaugurada neste dia, como
bem atesta o pastor Osmar José da Silva, cujo pensamento ora transcrevemos: ““…A Igreja de Jesus Cristo é composta de bilhões vezes bilhões

Portal Escola Dominical – www.portalebd.org.br


Ajude a manter este trabalho – Deposite qualquer valor em nome de: Associação para promoção do Ensino Bíblico – Banco
do Brasil Ag. 1815-5 c/c 135720-4
3º Trim. de 2019: TEMPO, BENS E TALENTOS: sendo mordomo fiel e prudente com as coisas que Deus nos tem dado

de almas, uma multidão que homem algum jamais poderá calcular. Com certeza, a Igreja será inaugurada quando todos os remidos, de todos os
tempos, juntamente com os santos que morreram desde o princípio da geração, e foram evangelizados por Cristo após a ressurreição, estiverem
reunidos em número incalculável, liderados pelo Senhor Jesus Cristo, que irá adiante da grande multidão e nos apresentará ao Pai, dizendo:
Hebreus 2.12:’…Eis-Me aqui, e aos filhos que Deus Me deu.’ Então haverá festa nos céus, todas as hostes celestiais se alegrarão juntamente com
todos os seus servos.…” (SILVA, Osmar José da. Reflexões filosóficas de eternidade a eternidade, v.6, p.110).

II – A ESTRUTURA DA IGREJA

- Jesus, ao revelar o Seu mistério, isto é, a Igreja, disse que a edificaria. Assim, logo após a revelação deste
novo povo de Deus, Jesus nos indica que se tratava de algo que era organizado, ordenado, de algo que tinha
uma estrutura, sem o que não se trataria de uma “edificação”. A Igreja é o “edifício de Deus”, é a “lavoura
de Deus”, o “corpo de Cristo”, “a coluna e firmeza da verdade” (I Tm.3:15), a “nação santa”, expressões
todas que indicam haver uma ordenação, uma estrutura, uma ordem nesta entidade criada pelo próprio Deus,
que, como sabemos, é um Deus de ordem, não de confusão (I Co.14:33).

- A primeira coisa que observamos com relação à ordem, à estrutura da Igreja é de que o edificador é o
próprio Jesus. “Edificarei a Minha Igreja”, disse o Senhor Jesus. Vemos, pois, que a igreja não é algo que
deva ser estruturado e moldado segundo os caprichos, as habilidades, palpites, experiências ou sabedoria
humanos, mas, sim, segundo o modelo traçado pelas Escrituras Sagradas. Nos dias em que vivemos, onde
tem tido grande avanço a ciência da administração, muitos têm sido tentados a implantar e criar “modelos”,
“visões”, “estratégias” e tantas outras “inovações” para que se tenha uma igreja bem sucedida, exitosa e que
sempre cresça. Tenhamos muito cuidado com tudo isto, pois a Bíblia nos ensina que a Igreja tem como
edificador a Jesus Cristo e a Ele só. Ele não disse que a igreja era d’Ele e de todos os Seus discípulos. Sua
expressão é bem clara: “Edificarei a Minha igreja”.

- Neste contexto, aliás, entende-se porque estamos a tratar da “mordomia da igreja local”, ou seja, a igreja
local é uma realidade a ser administrada pelos homens, mas que a eles não pertence, pois a igreja é do
Senhor Jesus. Não somente a “igreja universal”, mas, também, cada expressão geográfica deste “corpo de
Cristo”, que é a “igreja local”.

- A segunda observação a ser feita é a de que, além de ser o Edificador, Jesus é o fundamento da Igreja.
Na própria “declaração de Cesareia”, Jesus nos mostra que Ele é o fundamento da Igreja, ao dizer que “sobre
esta pedra edificarei a Minha Igreja” (Mt.16:18). Quem é esta pedra? Esta pedra é o próprio Cristo, como
nos indicam o texto, o contexto interno e a correlação com os demais textos bíblicos. Senão vejamos.

- O texto refere-se a um diálogo entre Jesus e Pedro, logo após Pedro ter dito que Jesus era o Cristo, o Filho
do Deus vivo. Diante desta declaração, Jesus disse que aquilo havia sido uma revelação do Pai a Pedro e,
acrescentando a revelação, disse que Seu discípulo era Pedro, ou seja, o nome que Jesus havia dado a Pedro
tinha como significado “pedra”, mas que sobre “esta” pedra, ou seja, Jesus Se refere a Si próprio, pois usa o
pronome demonstrativo “esta”, que indica a coisa ou a pessoa mais próxima da pessoa que fala (e a pessoa
mais próxima de Jesus naquele instante, que era quem estava a falar, não era ninguém a não ser o próprio
Jesus). Assim, o próprio texto indica-nos que Jesus Se referia a Si mesmo quando indica qual seria a pedra
fundamental da Igreja.

- Mas, fora a interpretação gramatical do versículo, temos o próprio contexto interno, ou seja, a relação com
os demais versículos da passagem bíblica. Toda a passagem gira em torno da identidade de Jesus. Jesus
pergunta a Seus discípulos quem os homens dizem ser o Filho do homem. Depois dos relatos advindos da
população contemporânea de Jesus, o Senhor quer saber a opinião dos discípulos e Pedro, então, declara que
Jesus é o Cristo, o Filho do Deus vivo. Jesus, então, adverte que aquilo não era algo que Pedro tivesse obtido
pela sua própria inteligência, mas uma revelação divina e a complementa dizendo que o nome “Pedro” que
Ele mesmo havia dado ao Seu discípulo era também um símbolo, uma indicação, revelando, então, que a
verdadeira pedra, que era Ele próprio, além de ser o Cristo, seria o fundamento de um novo povo, a Igreja,
“o mistério de Cristo”. O contexto fala-nos da identidade de Cristo e, portanto, esta pedra só pode ser o
próprio Jesus, pois é este o assunto que está sendo tratado na passagem bíblica.

Portal Escola Dominical – www.portalebd.org.br


Ajude a manter este trabalho – Deposite qualquer valor em nome de: Associação para promoção do Ensino Bíblico – Banco
do Brasil Ag. 1815-5 c/c 135720-4
3º Trim. de 2019: TEMPO, BENS E TALENTOS: sendo mordomo fiel e prudente com as coisas que Deus nos tem dado

- Mas não bastassem estas evidências textuais, o fato é que as Escrituras, mesmo, em outros textos, mostram
que o fundamento da Igreja é Jesus Cristo e nunca o apóstolo Pedro. O primeiro a nos indicar isto é o
próprio Pedro, que, por ser quem estava dialogando com Jesus, é o mais apropriado intérprete das palavras
do Mestre. Pedro, bem ao contrário dos romanistas, tendo ouvido o que Jesus falou, ensinou, anos depois,
que o fundamento da Igreja é Jesus: “E chegando-vos para Ele — pedra viva, reprovada, na verdade, pelos
homens, mas para com Deus eleita e preciosa, vós, também, como pedras vivas, sois edificados casa
espiritual e sacerdócio santo, para oferecer sacrifícios espirituais agradáveis a Deus por Jesus Cristo…” (I
Pe.2:4,5). Pedro, portanto, confirma que a pedra, o fundamento da Igreja é Jesus.

- O apóstolo Paulo também caminha no mesmo sentido, ao mostrar que o fundamento da Igreja é Jesus:
“Porque ninguém pode pôr outro fundamento, além do que já está posto, o qual é Jesus Cristo.” (I Co.3:11).
Dúvida alguma, pois, pode haver quanto ao verdadeiro fundamento da Igreja. A verdadeira Igreja, pois, não
tem outro fundamento a não ser Jesus Cristo.

- Mas, além de fundamento, Jesus é, também, a cabeça da Igreja, ou seja, o Seu governante, o Seu rei, o
Seu comandante (Ef.1:22; 5:23). Jesus foi constituído Senhor sobre todas as coisas (Mt.28:18; Rm.14:9) e
não deixaria de sê-lo com relação à Sua Igreja, que Ele comprou com o Seu próprio sangue (At.20:28).
Tendo criado a Igreja, nada mais natural que seja o seu Senhor, o seu Rei, o seu Governante. Por isso, todos
os membros da Igreja, por maior autoridade que tenham, não passam de ministros de Jesus, ou seja, de Seus
servidores (Mt.20:25-28; Mc.10:34-37; Jo.13:13-17;Ef.3:7).
OBS: As versões mais novas das Escrituras em língua portuguesa têm utilizado a expressão “o cabeça da Igreja” ao invés da expressão “a
cabeça da Igreja” que constava das versões mais antigas. Deploramos esta modificação, pois não corresponde a uma correta tradução. A
expressão “o cabeça” tem a conotação de “líder rebelde”, de “líder de revolta” e, evidentemente, não é este o significado que as Escrituras
trazem a respeito de Jesus diante da Igreja. Ele é o líder legítimo e natural da Igreja. Além do mais, a expressão “a cabeça” está em perfeita
consonância com a figura da Igreja como “corpo”, que é encontradiça e predominante na epístola aos efésios, onde aparecem as duas referências
de Cristo como “cabeça da Igreja”.

- Por ser a cabeça da Igreja, é nas mãos do Senhor Jesus que está o governo da Igreja, o comando, a palavra
final. Por isso mesmo a Bíblia nos diz que é Ele quem constitui os ministros na Igreja (Ef.3:7; 4:11), sendo
este, aliás, o sentido do ensinamento de que os ministros são “chamados por Deus”, constituídos por
“vocação” e não por “formação acadêmica”, ensino este, aliás, que foi deturpado para um anti-
intelectualismo que, durante muitos anos, foi o principal e equivocado “diferencial” entre os pentecostais e
os evangélicos ditos tradicionais.

- Evidentemente que não tem qualquer respaldo bíblico o ensino de que o ministro é fruto de uma formação
acadêmica, de que os “seminários teológicos formam ministros”, mas, também, não há qualquer amparo
bíblico para se dizer que o ministro não deve ter formação alguma, pois é um “chamado de Deus”. Quando
alguém tem chamada de Deus, é vocacionado para o ministério, deve, sim, aprimorar seus conhecimentos e
melhor se preparar para exercer o ministério. Deus não só chamou como bem preparou Moisés e Paulo, por
exemplo.

- Jesus não delegou a pessoa alguma a liderança da Igreja. Diz a Escritura que Ele é a cabeça da Igreja.
Mandou-nos o Espírito Santo, Deus como Ele, para estar conosco e em nós, sendo esta Divina Pessoa
responsável pela importante tarefa de não nos deixar esquecer o que foi anunciado pelo Senhor Jesus
(Jo.16:13,14). É, pois, na condição de Revelador de tudo quanto o Filho quer fazer na Sua Igreja, que o
Espírito seleciona homens para o ministério (At.13:2) ou prescreve orientações para a Igreja (At.15:28).
Assim, se nem a uma Pessoa Divina é dada autonomia para dirigir a Igreja do Filho do Deus vivo, como
ousam alguns homens querer arrogar para si a liderança da Igreja?
OBS: Não falemos do Papado, que se arroga o direito de ser “a cabeça visível da Igreja”, como se fosse possível a Igreja ter mais de uma
cabeça, ou dos Presidentes mórmons, que se arrogam o título de Profetas e detentores atuais do Sumo Sacerdócio, ou, ainda, do Corpo
Governante das Testemunhas de Jeová. Falemos dos “pastores-presidentes”, “apóstolos”, “querubins”, “anjos de fogo” e “bispos” que têm
querido dominar o rebanho de Deus nos nossos dias, misturando suas vaidades, lascívias, ambições políticas e tantas outras coisas com a Palavra
de Deus e buscando uma autoridade sobrenatural para impor suas sandices por sobre os servos do Senhor. Vigiemos, estamos nos últimos dias,
onde proliferam estes falsos cristos, falsos apóstolos e falsos profetas a tentar nos levar com eles para o fogo do inferno.

Portal Escola Dominical – www.portalebd.org.br


Ajude a manter este trabalho – Deposite qualquer valor em nome de: Associação para promoção do Ensino Bíblico – Banco
do Brasil Ag. 1815-5 c/c 135720-4
3º Trim. de 2019: TEMPO, BENS E TALENTOS: sendo mordomo fiel e prudente com as coisas que Deus nos tem dado

- Jesus estabeleceu na Igreja um governo, de modo que a existência de um governo na igreja (e tal governo
só pode ser na igreja local) não se constitui em invenção humana nem em distorção doutrinária, mas no
estrito cumprimento do modelo bíblico prescrito pela cabeça da Igreja. Por isso, se o “mandonismo humano”
não tem respaldo das Escrituras, também não tem guarida na Palavra de Deus outras iniciativas dos nossos
tempos de um verdadeiro “anarquismo cristão”, que defende um modelo de igreja onde não haja governo
algum, onde “todos são iguais”, onde “não haja ministério” nem qualquer disciplina ou ordem de qualquer
natureza. Isto nada mais é que afronta à Palavra de Deus, verdadeira rebeldia, rebeldia esta que as Escrituras
dizem ser do mesmo valor que o pecado de feitiçaria (I Sm.15:23).
OBS: Por isso, sem qualquer sentido o “localismo” defendido por Watchmann Nee, que tem angariado tantos adeptos na atualidade e cuja
literatura perniciosa tem encontrado guarida em nossas livrarias e editoras. Também se encontram dentro desta distorção iniciativas como o
gedozismo e suas variações no movimento celular.

- Neste governo, tem papel principal os apóstolos (Ef.4:11), que foram os “enviados” por Jesus para iniciar
a pregação do Evangelho em todo o mundo, após o devido revestimento de poder. As Escrituras dão a estes
homens uma posição de proeminência. O apóstolo Paulo afirma que os crentes são edificados sobre o
fundamento dos apóstolos e dos profetas, sendo Jesus Cristo a principal pedra da esquina (Ef.2:20). Na visão
que teve da santa cidade, João revela que o muro da cidade tinha doze fundamentos e os nomes deles eram
os doze apóstolos do Cordeiro (Ap.21:14). Em Atos, vemos que a igreja primitiva perseverava na doutrina
dos apóstolos (At.2:42).

- Verificamos, portanto, que o papel dos apóstolos foi muito importante, porque foram eles quem
transmitiram aos convertidos os ensinos de Jesus, quem ensinaram a Palavra (At.6:4), ensinos estes que
acabaram, por inspiração do Espírito Santo, complementando as Escrituras, com o Novo Testamento. Daí a
sua proeminência na estrutura da Igreja e, ainda que entendamos que continuou a haver apóstolos ao longo
da história da Igreja, o papel destes sempre foi o de ensinar a Palavra, expondo-a ao povo e de organizar as
igrejas locais, tendo muito mais autoridade espiritual geral do que propriamente o governo das igrejas locais,
o que bem difere estes homens dos “apóstolos” de hoje em dia, que são muito mais “chefões” e
“empresários da fé” do que qualquer outra coisa.

- Além dos apóstolos, encontramos os profetas (Ef.4:11), que são servos do Senhor aquinhoados com o
ministério profético, que é o de exposição da Palavra de Deus com unção e graça de Deus para a sua
aplicação ao caso concreto. Os profetas, assim como os apóstolos, não têm uma atuação circunscrita a uma
igreja local ou a um conjunto de igrejas locais, mas são revestidos de uma autoridade espiritual, que
transcende os limites das igrejas locais. São porta-vozes do Senhor para o corpo de Cristo e que dão as
devidas orientações e prescrições ao povo de Deus com vistas à sua edificação, consolação e exortação,
como vemos, por exemplo, nos casos de Ágabo (At.11:28; 21:10) e das filhas de Filipe (At.21:9).

- Mas Jesus também constitui na Sua Igreja pastores (Ef.4:11), denominação que, em o Novo Testamento,
equivale a de bispos, anciãos e presbíteros, que são, propriamente, aqueles que governam as igrejas locais,
“apascentando o rebanho de Deus, que está entre vós, tendo cuidado dele, não por força, mas,
voluntariamente, nem por torpe ganância, mas de ânimo pronto, nem como tendo domínio sobre a herança
de Deus, mas servindo de exemplo ao rebanho” (I Pe.5:2,3). Os pastores têm o dom de presidência
(Rm.12:8) e o de governos (I Co.12:28), devendo, pois, estar à frente das igrejas locais, cuidando do povo de
Deus e não, como infelizmente hoje acontece, tão somente das finanças ou da própria sobrevivência,
preferindo o ouro do templo ao templo, a oferta do altar ao altar (Mt.23:16-21).

- Os pastores, porém, não podem ficar solitários à frente da igreja. Jesus constitui junto a eles mestres, para
auxiliá-los no ensino da Palavra (Ef.4:11); evangelistas, para auxiliá-los na pregação do Evangelho(Ef.4:11);
diáconos, para cuidar da assistência social e material na igreja local(At.6:1-3); membros portadores de dons
espirituais, para exortação, consolação e edificação da igreja(I Co.12,14); músicos, para o louvor e adoração
nas reuniões eclesiásticas(I Co.14:26;Cl.3:16); membros portadores de dons assistenciais, para a ajuda
material e espiritual aos necessitados(Rm.12:6-8). A igreja é aquinhoada pelo seu Senhor com tudo o que é

Portal Escola Dominical – www.portalebd.org.br


Ajude a manter este trabalho – Deposite qualquer valor em nome de: Associação para promoção do Ensino Bíblico – Banco
do Brasil Ag. 1815-5 c/c 135720-4
3º Trim. de 2019: TEMPO, BENS E TALENTOS: sendo mordomo fiel e prudente com as coisas que Deus nos tem dado

necessário tanto para a evangelização dos pecadores quanto para o aperfeiçoamento dos santos, pois a obra é
dEle e não de cada um dos integrantes da igreja local. É ele quem dá os talentos para que os Seus servos
com ele negociem e possam ser achados fiéis e aptos a entrar no gozo do seu Senhor (Mt.25:14-30).

III – A FUNÇÃO DA IGREJA

- Após termos visto a estrutura da Igreja, é importante vermos para que serve a igreja, para que Deus
constituiu a Igreja. Muito nos preocupa a realidade atual em que muitos têm perdido a noção do propósito de
Deus ao constituir a Igreja.

- O apóstolo Paulo afirmou que o eterno propósito de Deus feito em Cristo Jesus nosso Senhor é o
conhecimento da multiforme sabedoria de Deus pelos principados e potestades nos céus, anunciando entre
os gentios, por meio do Evangelho, as riquezas incompreensíveis de Cristo (Ef.3:8-11).

- A primeira razão de ser da Igreja, portanto, é a pregação do Evangelho aos judeus e aos gentios, ou seja, a
anúncio da boa-nova, da boa notícia de que Deus enviou o Seu Filho ao mundo para que todo aquele que
nEle crê não pereça mas tenha a vida eterna (Jo.3:16). Jesus deixou isto bem claro ao determinar aos
discípulos que pregassem o Evangelho a toda a criatura por todo o mundo (Mc.16:15).

-A Igreja existe para pregar o Evangelho, para continuar a pregação de Jesus (Mc.1:14,15). Este, aliás, é
um dos motivos pelos quais a Igreja é chamada de “o corpo de Cristo”, pois deve continuar a fazer o que
Jesus fez. Enquanto esteve em Seu ministério terreno, o Senhor ia por todas as partes de Israel pregando o
Evangelho, mas, agora, já que os Seus não o receberam, mandou que a Igreja prosseguisse este Seu trabalho,
continuando a pregar o Evangelho, só que agora a todas as nações, inclusive aos judeus.

- Igreja existe para pregar o Evangelho, mas, infelizmente, os nossos dias, dias de multiplicação da
iniquidade (Mt.24:12), o amor de muitos, de quase todos está a esfriar e, por isso, muitos são os integrantes
das igrejas locais que não mais evangelizam, que não mais pregam o Evangelho. A propósito, muitas igrejas
locais têm hoje “departamentos de evangelismo”, o que é uma verdadeira aberração, pois não pode uma
parte da igreja local se dispor a evangelizar. Isto não é tarefa de uma parte da igreja, mas de toda a igreja.
Igreja que não evangeliza é como hospital que não aceita doentes, escola que não tem professores nem
alunos, uma completa inutilidade.
OBS: Os “departamentos de evangelismo” deveriam ser um grupo que ordenasse, organizasse a atividade evangelística de toda a igreja local e
não, como hoje em dia, um grupo de abnegados que ainda está a cumprir o “ide” de Jesus.

- Quando os discípulos foram dispersos de Jerusalém, aonde quer que chegavam imediatamente passavam a
pregar o Evangelho. Não viam sentido algum em sua existência sem pregar a Cristo. Todo salvo é um
integrante da Igreja e, portanto, tem o dever de pregar o Evangelho. Verdade é que não são todos os que têm
o dom da eloquência, da oratória, não é de todos a exposição da Palavra, mas todos devem viver de modo
digno, honesto, sincero, não perdendo a oportunidade de com seus atos, gestos, palavras e atitudes levar os
homens a glorificar a Deus. Quantos não perdemos tempo em tantas atividades com as pessoas que estão à
nossa volta sem nunca lhes falarmos do amor de Deus, sem nunca mostrarmos para eles que somos
diferentes e felizes porque temos Jesus em nossas vidas? Quantas vezes não gastamos horas e horas dando
conselhos e opiniões a estas pessoas sem aproveitarmos a ocasião para convidá-las a ir a um culto em nossa
igreja local?

- Mas a Igreja não serve apenas para pregar o Evangelho. Tem ela também uma tarefa
importantíssima que é a do aperfeiçoamento dos santos (Ef.4:11-16). O crescimento espiritual do salvo
somente se dá na igreja local. Este é o modelo bíblico, de modo que sem qualquer respaldo nas Escrituras o
falso ensino do “self-service”, tão em voga nos nossos dias, segundo o qual se pode servir a Deus “sozinho”,
pois “antes só do que mal acompanhado”. Muitos têm se decepcionado com escândalos, intrigas e injustiças
nas igrejas locais, que, como todo grupo social de seres humanos, têm defeitos e problemas (que o digam as
igrejas que receberam epístolas dos apóstolos…) e, em meio a estas decepções, não vigiam e se deixam

Portal Escola Dominical – www.portalebd.org.br


Ajude a manter este trabalho – Deposite qualquer valor em nome de: Associação para promoção do Ensino Bíblico – Banco
do Brasil Ag. 1815-5 c/c 135720-4
3º Trim. de 2019: TEMPO, BENS E TALENTOS: sendo mordomo fiel e prudente com as coisas que Deus nos tem dado

enganar por esta doutrina demoníaca. Precisamos uns dos outros para crescermos espiritualmente, para
perseverarmos na fé.

- A Bíblia ensina-nos que devemos nos amar uns aos outros (Jo.13:35), preferirmo-nos em honra uns aos
outros (Rm.12:10), recebermo-nos uns aos outros (Rm.15:7), saudarmo-nos uns aos outros (Rm.16:16),
servimo-nos uns aos outros pela caridade (Gl.5:13), suportarmo-nos uns aos outros em amor (Ef.4:2;
Cl.3:13), perdoarmo-nos uns aos outros (Ef.4:32; Cl.3:13), sujeitarmo-nos uns aos outros no temor de Deus
(Ef.5:21), ensinarmos e admoestarmo-nos uns aos outros (Cl.3:16; Hb.10:25), não mentirmos uns aos outros
(Cl.3:9), consolarmo-nos uns aos outros (I Ts.4:18), exortamo-nos e edificarmo-nos uns aos outros (I
Ts.5:11; Hb.3:13), considerarmo-nos uns aos outros para nos estimularmos à caridade e às obas obras
(Hb.10:24), confessarmos as culpas uns aos outros (Tg.5:16). Diante de tantas recomendações bíblicas,
como podemos crer na doutrina do “self-service”, também chamada de “doutrina dos desigrejados”?

- A igreja local, portanto, deve ser o lugar onde os santos se aperfeiçoam. Ora, sabemos que o
crescimento espiritual deve ser feito na graça e no conhecimento de Jesus Cristo (II Pe.3:18). Desta maneira,
a igreja local deve se estruturar de tal maneira que os seus integrantes venham a ter o mencionado
crescimento espiritual, aumentando na graça e no conhecimento de Jesus. Por isso, são atividades
indispensáveis em uma igreja local a oração e o ensino da Palavra, precisamente o que tinha a prioridade na
vida dos apóstolos (At.6:4).

- No entanto, é com tristeza que vemos, atualmente, nas igrejas locais, um sem-número de atividades, mas
cada vez menos oração e ministério da Palavra. As reuniões menos frequentadas são, precisamente, as de
oração e de ensino (a frequência dos cultos de oração e doutrina, dos poucos cultos de vigília ainda
existentes e da Escola Bíblica Dominical é cada vez mais menor). As reuniões mais frequentadas, por sua
vez, têm dado cada vez menos espaço à exposição da Palavra de Deus e à oração. Desta forma, as igrejas
locais estão muito mais parecidos com clubes sociais, suas reuniões são muito mais confraternizações do que
um instante de adoração a Deus e de louvor.
OBS: Dois episódios chamaram-nos a atenção. Num deles, ficamos espantados porque chegamos a uma pequena igreja da periferia da Grande
São Paulo e, faltando quinze minutos para o início do culto, encontramos praticamente todos os crentes orando. O espanto que isto nos causou
revela quão distantes estamos do modelo bíblico (nem é preciso dizer que o culto foi uma bênção…). No outro, ficamos a saber que uma
determinada igreja comemorou seu aniversário e foram tantas as atividades previstas, que, no final da reunião, como ainda havia a previsão de
“comes e bebes” pelo aniversário, entendeu-se por bem dizer que, naquela reunião, não haveria ministração alguma da Palavra. O culto terminou
sem que nem sequer uma saudação tivesse sido feita. A igreja faz aniversário e, para comemorar, corta integralmente o tempo da Palavra! Triste
realidade a que vivemos…

- Igreja existe para evangelizar os perdidos e aperfeiçoar os santos. Temos lembrado disto em nossas igrejas
locais? Nossas igrejas locais têm levado pecadores ao encontro de Jesus? Nossos crentes têm crescido
espiritualmente? Ou as igrejas locais têm se voltado tão somente para si mesmas, transformando suas
reuniões em encontros de confraternização, em momentos de emocionalismo, onde não há mais conversões
nem demonstração do poder de Deus? Se esta é a realidade, então não estamos diante de uma genuína e
autêntica igreja.

- Além da evangelização dos pecadores e do aperfeiçoamento dos santos, a Igreja também tem a
função de ajudar os necessitados, tanto material como espiritualmente. Jesus cuidava dos pobres, tinha
uma bolsa especialmente para eles (Jo.12:6,8) e os Seus discípulos, desde os primórdios da Igreja,
demonstraram ser este um importante negócio (At.6:1-3). Por isso, a igreja local deve ter um serviço de
assistência social, primeiramente voltado aos seus próprios integrantes, mas que também deve se estender a
todos os demais (Gl.6:9,10). No entanto, apesar de ser uma tarefa indispensável para a Igreja, pois é
demonstração concreta de que possui o amor de Deus em seu coração (Tg.1:27; 2:14-17; I Jo.3:17,18),
jamais permitamos que as igrejas locais se transformem tão somente em associações de benemerência, em
entidades assistenciais, onde a assistência social toma o lugar da pregação do Evangelho e do
aperfeiçoamento dos santos. Devemos, sempre, dar prioridade ao reino de Deus e a sua justiça (Mt.6:33).
OBS: Infelizmente, muitas igrejas locais têm se notabilizado na ação social, mas este ativismo social tem sufocado a evangelização e o
aperfeiçoamento dos santos.

Portal Escola Dominical – www.portalebd.org.br


Ajude a manter este trabalho – Deposite qualquer valor em nome de: Associação para promoção do Ensino Bíblico – Banco
do Brasil Ag. 1815-5 c/c 135720-4
3º Trim. de 2019: TEMPO, BENS E TALENTOS: sendo mordomo fiel e prudente com as coisas que Deus nos tem dado

- Como a Igreja tem por finalidade o crescimento espiritual do cristão, temos que é sua tarefa a
disciplina. Cabe à igreja local o julgamento dos seus integrantes, poder que lhe foi outorgado pelo próprio
Senhor (I Co.5:12). Na convivência que os integrantes da igreja local mantêm, temos, sim, condições, como
vimos na lição sobre a doutrina da salvação, de verificarmos se alguém está, ou não, produzindo frutos
dignos de arrependimento e, portanto, se mantém, ou não, a comunhão com o Senhor (Mt.7:15-20; Ap.2:2).
Por isso, como é sua tarefa promover a pregação do Evangelho, apregoar a salvação e propiciar o
crescimento espiritual, a igreja tem o dever de disciplinar a todos quantos não estão de acordo com a sã
doutrina, porquanto a correção é uma demonstração de amor (Hb.12:5-11).

- A finalidade da disciplina é a de “ganhar o irmão” (Mt.18:15; II Tm.2:25). A disciplina, embora cause


tristeza de imediato, deve ser exercida de modo a levar o irmão em Cristo a se arrepender do seu pecado e a
retornar à comunhão com Cristo e com a igreja. Por isso, é antes de tudo uma demonstração de amor, não
sendo disciplina qualquer atitude que não leve em conta a dignidade da pessoa humana, como,
lamentavelmente, costuma ocorrer em muitos lugares.

- A disciplina é necessária porque a igreja local deve manter a santidade no seu meio, pois é um povo que
está “fora do mundo”, faz parte de uma “nação santa”, de um povo que não está nas trevas, mas na luz do
Senhor, onde, portanto, todas as obras são manifestas. Ademais, cada integrante da igreja local é “templo do
Espírito Santo”(I Co.6:19), “membro em particular do corpo de Cristo” (I Co.12:27). Na verdadeira e
autêntica igreja de Cristo, há uma real e concreta distinção entre os salvos e os ímpios (At.5:13). Sem
santidade, sem obediência à Palavra do Senhor, não há a operação de sinais e maravilhas, que confirmem a
pregação do Evangelho (At.5:15,16).

IV – A MORDOMIA DA IGREJA LOCAL

- Por tudo o que vimos a respeito do conceito, da estrutura e da função da Igreja, vemos, por primeiro, que é
imperioso que cada servo de Cristo Jesus pertença a uma igreja local. Não é possível servir a Deus de
modo solitário, pois quis o Senhor que Seus servos estivessem “reunidos’ e esta reunião se dá, enquanto
estivermos nesta peregrinação terrena, numa igreja local, já que o “corpo de Cristo” somente se reunirá, por
completo, no dia do arrebatamento da Igreja.

- O crescimento em Cristo dá-se mediante o bom ajuste e ligação do auxílio de todas as juntas, segundo a
justa operação de cada parte, no seguimento da verdade, pois só assim se fará o aumento do corpo para sua
edificação em amor (Ef.4:15,16).

- Não há outro meio de crescermos espiritualmente senão através da convivência com os irmãos numa
igreja local, onde poderemos manter a vida recebida na nossa conversão. Acima, já vimos como não é
possível adotar-se a ideia do “desigrejamento”.

- A Igreja é o corpo de Cristo e nós, seus membros em particular (I Co.12:27). O salvo é membro do corpo
de Cristo e sabemos que nenhum membro do corpo sobrevive se se mantiver apartado do corpo.

- Deste modo, é imprescindível para nossa vida espiritual que tenhamos esta dimensão coletiva da salvação,
até porque a vida eterna possui tanto a dimensão individual, simbolizada pela “pedra branca com um novo
nome escrito, o qual ninguém conhece senão aquele que o recebe” (Ap.2:17), quanto a dimensão coletiva,
evidenciada no fato que, na cidade celeste, teremos “o tabernáculo de Deus com os homens, pois com eles
habitará, e eles serão o Seu povo, e o mesmo Deus estará com eles, e será o seu Deus” (Ap.21:3).

- Muitos, hoje em dia, andam iludidos com a pregação dos “desigrejados”, que defendem a possibilidade de
uma vida espiritual solitária, sem qualquer pertencimento a uma igreja local, algo que deve ser repudiado,
pois se trata de uma nítida artimanha satânica para promover a morte espiritual de muitos que cristãos se
dizem ser.

Portal Escola Dominical – www.portalebd.org.br


Ajude a manter este trabalho – Deposite qualquer valor em nome de: Associação para promoção do Ensino Bíblico – Banco
do Brasil Ag. 1815-5 c/c 135720-4
3º Trim. de 2019: TEMPO, BENS E TALENTOS: sendo mordomo fiel e prudente com as coisas que Deus nos tem dado

- Quem deixar a sua igreja local, estará fadado ao insucesso espiritual, estará condenado à morte.
Quando retiramos um membro do nosso corpo, ele inevitavelmente morre, se ficar isolado. Assim ocorre
com todos aqueles que se “desigrejarem”. Tomemos cuidado, amados irmãos!

- Nenhuma igreja local é perfeita, nem o pode ser. Trata-se de um grupo que se encontra em constante
luta contra o mundo, a carne e o pecado. Quando o Senhor Jesus mandou Suas cartas às igrejas da Ásia
Menor, todas tinham problemas a enfrentar (Ap.2,3).

- Alguém poderá dizer. Não, isto não está certo. Duas igrejas locais não receberam senão algum do Senhor:
Esmirna e Filadélfia. Isto é verdade. Entretanto, a igreja de Esmirna sofria cruel perseguição, que levaria
muitos à morte (Ap.2:10), sofrendo, assim como a igreja de Filadélfia, a pressão da chamada “sinagoga de
Satanás” (Ap.2:9; 3:9).

- Em ambas estas igrejas, portanto, havia a presença da “sinagoga de Satanás”, mas isto não fez com que o
Senhor Jesus mandasse que Seus servos saíssem da igreja, mas que perseverassem e fossem fiéis, dentro da
igreja local, até a morte.

- Uma vez estando os servos do Senhor em uma igreja local, como é necessário, sendo Cristo, como o é, o
edificador, o fundamento e a cabeça da Igreja, não podem os Seus servos, numa igreja local, ter outra
conduta senão a de exaltar a Cristo, anunciá-l’O e segui-l’O.

- Como Cristo é o edificador da Igreja, na igreja local, temos, precipuamente, de verificar se o Senhor Jesus
deseja que tal igreja local exista, se se trata de “uma porta aberta por Deus”. Nenhuma igreja local deve
nascer, portanto, senão da ação salvífica de Cristo, senão através da salvação de almas, fruto de um
trabalho de evangelização que seja dirigido e orientado pelo Espírito Santo.

- Nenhuma igreja local pode ter seu nascimento de contendas, invejas ou quaisquer outros objetivos
espúrios, como, inclusive, a vaidade humana ou a ganância, como temos visto tristemente cada vez mais
intensamente. Há aqueles, inclusive, que dizem, parafraseando algo que teria sido dito pelo presidente
brasileiro Getúlio Vargas, que sempre é melhor que se abra uma igreja do que um boteco, mas, na verdade,
muitas vezes a abertura de uma “igreja” é muito mais perniciosa ao reino de Deus do que a existência de um
bar, já que pode gerar escândalos que, além de não levar almas para Cristo, ainda causa a morte espiritual de
alguns que estavam a servir ao Senhor.

- Quando, porém, a igreja local é consequência da pregação genuína do Evangelho, como vemos ocorrer no
livro de Atos dos Apóstolos, vemos que há uma perfeita edificação, consoante os princípios divinos e, deste
modo, está-se a cumprir a mordomia da igreja local, pois, cumprindo-se o dever da evangelização, forma-se
a igreja local, mais uma expressão geográfica da igreja universal.

- Quando vemos a história já centenária das Assembleias de Deus, percebemos nitidamente que a fase mais
intensa de crescimento se deu precisamente quando se seguiu este modelo bíblico, que hoje se encontra um
tanto quanto invertido, pois, do trabalho evangelístico é que, depois, se partia para a formação das
congregações, enquanto que, atualmente, primeiramente se alugam salões para então se iniciar a
evangelização. É bom que repensemos isto, até porque é este o sentido da mordomia da igreja local.

- Mas o Senhor Jesus não é apenas edificador, mas, também, o fundamento da Igreja. Neste passo, como
meros administradores daquilo que pertence ao Senhor, não podem os servos de Cristo tomarem outra
atitude senão pregarem as Escrituras, pois são elas que testificam de Cristo (Jo.5:39). A mensagem da Igreja
há de ser, portanto, somente a Bíblia Sagrada, que, por sinal, é cristocêntrica. Não pode, portanto, deixar a
igreja local de pregar o Evangelho, a Palavra de Deus. Afinal de contas, não é a igreja a “coluna e firmeza da
verdade” (I Tm.3:15) e não é a verdade a Palavra de Deus (Jo.17:17)?

Portal Escola Dominical – www.portalebd.org.br


Ajude a manter este trabalho – Deposite qualquer valor em nome de: Associação para promoção do Ensino Bíblico – Banco
do Brasil Ag. 1815-5 c/c 135720-4
3º Trim. de 2019: TEMPO, BENS E TALENTOS: sendo mordomo fiel e prudente com as coisas que Deus nos tem dado

- A igreja local é o ambiente próprio da Palavra de Deus. É ela que tem de ser pregada na evangelização
aos incrédulos (I Pe.1:25), é ela que tem de ser ensinada aos salvos (Mt.28:19,20).

- Cumprimos a mordomia da igreja local quando ela se torna um local de anúncio da Palavra de Deus,
quando ela se faz uma divulgadora das Escrituras, um arauto do Evangelho. Lamentavelmente, porém,
muitas igrejas locais já deixaram há muito de cumprir este papel, desvirtuando-se para ser um local de
encontros sociais, um ambiente de entretenimento, onde as Escrituras são um mero detalhe.

- Jesus também é a cabeça da Igreja e isto significa que Ele é o governante da igreja local, que todos os
demais incumbidos da administração são isto mesmo, ou seja, administradores, ministros do Senhor.
Como ministros, somente podem fazer aquilo que lhes for ordenado pela cabeça, pelo Sumo Pastor (I
Pe.5:4).

- A separação de pessoas ao ministério, a designação para as funções na igreja local, tudo deve ser feito
segundo a orientação do Espírito Santo, como vemos no livro de Atos dos Apóstolos, devendo apenas serem
separados aqueles que atenderem estritamente aos requisitos bíblicos. A mordomia da igreja local impõe o
atendimento dos parâmetros e mandamentos constantes da Palavra, não as simpatias e desejos pessoais de
quem está à frente da organização.

- Nos dias em que vivemos, há uma proliferação desmedida de obreiros que foram separados completamente
fora dos requisitos bíblicos, sem falar daqueles que foram guindados a certas funções em virtude de motivos
completamente alheios à espiritualidade, gerando um sem-número de problemas e prejuízos à igreja local.
Que cada ministro seja achado como fiel despenseiro dos mistérios de Deus (I Co.4:1,2).

- Ainda levando em conta o ministério, na igreja local há de se desenvolver os cinco dons ministeriais,
quais sejam, os dons de apóstolo, profeta, evangelista, pastor e doutor (Ef.4:11), pois o Senhor os
estabeleceu na igreja para promover o aperfeiçoamento dos santos.

- A mordomia da igreja local impõe que se permita o exercício destes dons pois são todos eles necessários e
não somente deles mas de todos os demais dons deixados à disposição da Igreja, como os dons assistenciais
e os dons carismáticos. Não se pode, pois, extinguir o Espírito (I Ts.5:19).

- Entretanto, como já apontou algumas vezes em suas ricas exposições o pastor Luiz Henrique de Almeida
Silva, pioneiro das videoaulas de EBD na internet, não é raro encontrar-se hoje igrejas locais onde o
ministério pastoral impede o desenvolvimento de outros ministérios e o exercício de outros dons, com a
implantação de um sistema que não corresponde ao modelo bíblico e que, portanto, está em desacordo com a
mordomia da igreja local.

- A dinâmica da igreja local exige todos os cinco ministérios. O apóstolo organiza a igreja local; o
profeta, traz a Palavra, a devida orientação divina para o grupo; o evangelista proporciona o crescimento da
igreja local implantada, levando o anúncio do Evangelho aos incrédulos; o pastor, apascenta o rebanho
criado pelo Espírito Santo e o doutor auxilia o crescimento contínuo da membresia ensinando a Palavra.

- Enquanto os dons ministeriais vão sendo exercidos, os dons assistenciais complementam esta ação,
suprindo as necessidades materiais e espirituais do povo, enquanto os dons carismáticos vão confirmando a
presença, o poder e a ciência do Espírito Santo juntamente com aquele grupo de salvos.

- Por fim, a mordomia da igreja local exige que toda igreja local cumpra as tarefas cometidas pelo
Senhor à Igreja, notadamente a evangelização dos incrédulos e o ensino dos salvos, sem falar na ação
social. São atividades que jamais podem faltar à igreja local, sob pena de ela se ver reduzida a apenas um
clube social, sem qualquer relevância, como, lamentavelmente, muitas têm sido.

Portal Escola Dominical – www.portalebd.org.br


Ajude a manter este trabalho – Deposite qualquer valor em nome de: Associação para promoção do Ensino Bíblico – Banco
do Brasil Ag. 1815-5 c/c 135720-4
3º Trim. de 2019: TEMPO, BENS E TALENTOS: sendo mordomo fiel e prudente com as coisas que Deus nos tem dado

- A membresia da igreja local tem crescido quantitativa e qualitativamente? É a igreja local um referencial
em nosso bairro, vila ou povoado, um local que se reconhece como sendo uma “embaixada do céu”, como
um local frequentado por homens e mulheres de Deus? Temos a mesma reputação que tinham os crentes de
Jerusalém (At.5:13)?

- Diante de tudo isto, temos cumprido a mordomia da igreja local? Pensemos nisto!

Colaboração para o Portal Escola Dominical – Ev. Caramuru Afonso Francisco

Portal Escola Dominical – www.portalebd.org.br


Ajude a manter este trabalho – Deposite qualquer valor em nome de: Associação para promoção do Ensino Bíblico – Banco
do Brasil Ag. 1815-5 c/c 135720-4