Você está na página 1de 2

O que é Poder:

Poder é o direito de deliberar, agir, mandar e, dependendo do contexto, exercer sua


autoridade, soberania, a posse de um domínio, da influência ou da força.

Poder é um termo que se originou a partir do latim possum, que significa “ser capaz de”, e é
uma palavra que pode ser aplicada em diversas definições e áreas.

Segundo a sociologia, poder é a habilidade de impor a sua vontade sobre os outros, e existem
diversos tipos de poder: o poder social, o poder econômico, o poder militar, o poder
político, entre outros.

Alguns autores importantes que estudaram a questão de poder foram Michel Foucault, Max
Weber, Pierre Bourdieu.

As principais teorias sociológicas relacionadas ao poder são a teoria dos jogos, o feminismo, o
machismo, o campo simbólico e etc.

Para a política, poder é a capacidade de impor algo sem alternativa para a desobediência.
O poder político, quando reconhecido como legítimo e sancionado como executor da ordem
estabelecida, coincide com a autoridade, mas há poder político distinto desta, como acontece no
caso das revoluções ou nas ditaduras.

O poder se expressa nas diversas relações sociais, e onde existem relações de poder, existe
política, e a política se expressa nas diversas formas de poder.

Poder judiciário: administração da Justiça na sociedade, através do cumprimento de normas e


leis judiciais e constitucionais.
Poder executivo: governar o povo e administrar os interesses públicos, de acordo com a
Constituição do país.
Poder legislativo: elaboração de leis que regulem o Estado, assim como a conduta dos
cidadãos e as organizações privadas e públicas.

Se definirmos poder com o que aprendemos nas enciclopédias, as definições são muitas e
variadas como, por exemplo:
- Estar capacitado,
- juntar condições para fazer o que se expressa;
- faculdade para fazer alguma coisa;
- domínio ou influencia que se tem sobre alguma coisa;
- possessão o pertencia de uma coisa;
- força, capacidade, eficácia;
- capacidade para provocar alguns efeitos;
- autorização para fazer alguma coisa devido a que se possui autoridade para executar algo.

SINOPSE E DETALHES
O jovem Stephen Myers (Ryan Gosling) é um idealista. Dedicado, obsessivo e apaixonado por
política, trabalha como assessor de imprensa de Mike Morris (George Clooney) governador
democrata, candidato a corrida presidencial nos Estados Unidos. Morris conta ainda com a ajuda
do experiente Paul (Philip Seymour Hoffman), para derrotar o concorrente, assessorado pelo
igualmente experiente Tom Duffy (Paul Giamatti). Durante a briga para definir quem sairá
vencedor nas eleições primárias, o staff dos candidatos trava um intenso jogo de poder, onde a
sujeira não vai para debaixo do tapete e sim para os noticiários. No meio de batalha pelo poder,
Myers ainda encontra tempo para ser pressionado por duas mulheres e razões diferentes: a
jornalista Ida (Marisa Tomei) e a estagiária Molly (Evan Rachel Wood).
Stephen Myers (Ryan Gosling) é um idealista e dedicado assessor de imprensa do governador
Mike Morris (George Clooney). Apaixonado por política, ele faz parte do time de Paul Zara (Philip
Seymour Hoffman), uma verdadeira raposa política que toca a campanha pela indicação à
presidência. Só que ambos têm pela frente o desafio de derrubar o candidato concorrente,
defendido pelo igualmente astuto Tom Duffy (Paul Giamatti). E nessa batalha pelo poder, vale
tudo, o que está escrito e - principalmente - aquilo que não se escreve.
Bem vindo ao jogo sujo do poder, onde reza a lenda que "quem erra não pode mais jogar", mas
se nem todas as cartas estão na mesa, quem garante que uma surpresa não sairá de alguma
manga?

Essa ficção cinematográfica nos convida a pensar historicamente sobre o campo da política.
Aparentemente, o tema central do filme são as disputas entre os candidatos do Partido
Democrata e Republicano à presidência dos Estados Unidos da América, em tempos recentes.
Está direcionada às traições, chantagens e acordos espúrios, elementos que dão o tom a uma
trama de reviravoltas. O verdadeiro protagonista é Stephen Meyers (Ryan Gosling), gerente de
campanha do democrata Mike Morris (Clooney). A transformação pela qual passa a
personagem Stephen é sem dúvidas um duro golpe no idealismo utópico de quem ainda hoje
mantém a integridade de relações políticas como horizonte de expectativas. A relação
de Stephen com a estagiária Molly Stearns (Evan Woody) desencadeia uma avalanche de
fragmentos de vidas públicas e revelações íntimas que, entremeados, compõem um perigoso
jogo político.

Uma grande questão trabalhada por Clooney parece a mesma que animou o imaginário de
muitos pensadores ao longo de séculos, como Nicolau Maquiavel (1469-1527) e William
Shakespeare (1564-1616).

Com Maquiavel, podemos pensar a alegoria fílmica a partir da pergunta sobre os limites das
ações políticas à conquista e manutenção do poder: os fins, ainda que considerados justos,
justificam os meios (um assassinato)?

Shakespeare, por sua vez, em torno de 1599, curiosamente enquanto lia Maquiavel, escreveu
uma peça teatral chamada A Tragédia de Júlio César. Mas não é César a personagem
principal, e sim Marco Bruto, mais conhecido pela famosa frase "Até tu, Bruto?". É possível
afirmar que essa peça é uma aula de Ciência Política. Aqui, importa dizer que essas referências
históricas estão implícitas ao roteiro do filme Tudo pelo Poder. Bastaria pensarmos a partir da
observação atenta dos atos da personagem interpretada por Gosling, Stephen Meyers.

Alguém morre na ficção política imaginada por George Clooney. As ações de todas as
personagens, a partir desse acontecimento, tomam uma direção evidentemente não
determinada. Em vista de certos fins, tornam-se sórdidos os meios. Diante desse cenário é que
cabe a pergunta: vale tudo em Política? Finalmente, o filme sugere que pensemos suas várias
questões historicamente, a contar da alusão ao ditador Júlio César feita pelo título em inglês.
Mas podemos também atualizar essas questões numa tentativa de pensar com o filme, a partir
do nosso presente. No atual cenário político do Brasil, em que vivemos tempos sombrios
de conservadorismos extremos e de luta a todo custo pelo poder, quais os meios estamos
realmente dispostos a cunhar para alcançar determinados fins?

Você também pode gostar