Você está na página 1de 4

DEPARTAMENTO DE ANTROPOLOGIA

PROGRAMA DE DISCIPLINA
DISCIPLINA: ANTROPOLOGIA I
Créditos: 04 - Carga horária: 60 horas

PROFESSORA:
Ana Gretel Echazú Böschemeier
gretigre@gmail.com

“Quando a nossa experiência vivida da teorização está fundamentalmente ligada a processos de auto-
recuperação, de libertação coletiva, não existe brecha entre a teoria e a prática. Com efeito, o que essa
experiência evidencia é o elo entre as duas, um processo que, em última análise, é recíproco, onde uma
capacita à outra. A teoria não é intrinsecamente curativa, libertadora e revolucionária. Só cumpre essa
função quando lhe pedimos que o faça e dirigimos nossa teorização para esse fim”.
bel hooks, A teoria como prática libertadora. 1993.

“O Cânone, palavra religiosa em suas origens, tornou-se uma escolha entre textos que lutam uns com os
outros pela sobrevivência, quer se interprete a escolha como sendo feita por grupos sociais dominantes,
instituições de educação, tradições de crítica, ou (...) por autores que vieram depois e se sentem
escolhidos por determinadas figuras ancestrais”.
Harold Bloom, O cânone Ocidental. 1995.

EMENTA
A historicidade da constituição do saber antropológico: campo e objeto da antropologia. Etnocentrismo e
relativismo. Evolucionismo. Etnografia/funcionalismo. A perspectiva moderna do conceito de cultura.
Cultura, corpo e saúde. A diversidade temática da antropologia.

OBJETIVOS
A disciplina procura familiarizar xs estudantes com as teorias que marcaram o desenvolvimento da
antropologia a partir de meados do século XIX até meados do século XX. Em primeiro lugar,
problematiza-se a noção de teoria, genealogia, cânone e autor(a), trazendo para a discussão ferramentas
críticas na análise dos textos considerados clássicos da disciplina. A partir da seleção de alguns textos,
discutiremos as principais contribuições de alguns/algumas autorxs e examinaremos criticamente suas
teorias à luz de seus contextos de produção e dos debates que elas suscitaram. As tradições intelectuais da
antropologia se confrontarão com os nacionalismos, trazendo para a reflexão o papel dxs intelectuais na
construção de linhagens não só teóricas, mas também geopolíticas. Dessa maneira, se propõe uma
problematização das condições de produção da ciência social em geral e da antropologia em particular
levando em consideração origem nacional, gênero, raça e outras identidades dxs intelectuais ou grupos de
intelectuais que fazem parte do cânone antropológico contemporâneo. As linhagens teóricas que
estruturam o programa são: (1) Evolucionismo, (2) Difusionismo, (3) Particularismo histórico (4) Cultura
e personalidade, (5) Funcionalismo e (6) Estrutural – funcionalismo.

Procura-se introduzir xs alunxs na discussão das bases mais gerais do pensamento antropológico,
privilegiando a reflexão sobre a construção da ciência, o gênero dos clássicos, os usos da noção de cultura
e dos conceitos a ela associados a partir de uma perspectiva interdisciplinar. Busca-se abordar a
antropologia como conhecimento crítico e mediador, que possibilite o diálogo com outros campos do
conhecimento.

METODOLOGIA:
Aulas expositivas; discussão pautada de textos; exercícios escritos, exibição e discussão de produtos
audiovisuais; seminários temáticos, ensaios críticos.
AVALIAÇÃO:
Será privilegiada a participação em sala de aula através da construção de exercícios escritos de forma
grupal. PRIMEIRA AVALIAÇÃO: Será realizada uma prova escrita presencial e individual ao término da
Unidade I; b) SEGUNDA AVALIAÇÃO: Consistirá na apresentação de um seminário onde um grupo de
alunxs ficará responsável pela apresentação oral de um tema previamente combinado, sendo
imprescindível a sistematização da pesquisa sobre a temática escolhida; c) TERCEIRA AVALIAÇÃO:
Consistirá em um exercício ensaístico oral e escrito sobre algum problema antropológico escolhido dentro
de uma monografia etnográfica considerada clássica. Observação: será definido o caráter individual ou
grupal desse terceiro exercício avaliativo. As três notas terão o mesmo peso. A leitura prévia dos textos é
obrigatória e fundamental para um bom aproveitamento da disciplina. Alguns textos podem ser trocados
ao longo da disciplina conforme a dinâmica da turma.

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO:
Unidade I: Para que serve a teoria antropológica? Algumas ferramentas para compreendé-la. Conceitos
chave: cânone, clássico, autor, biografia.

Unidade II: Uma leitura crítica das linhagens e principais construções teóricas de uma primeira
antropologia: Séc. XIX – Meados do Séc. XX.

Unidade III: Os problemas da antropologia na produção etnográfica: análise teórico de monografias


clássicas.

BIBLIOGRAFIA:
ASAD, Talal. 1973. Antropologia e o encontro colonial. Tradução de: Anthropology and the colonial
encounter. Atlantic Highlands, NJ: Humanities.
ANDERSON, Benedict. Comunidades Imaginadas. São Paulo: Companhia das Letras. 2008.
BOAS, Franz. "As limitações do método comparativo da antropologia, 1896". In CASTRO, Celso (Org.)
Antropologia Cultural. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2004. [16 p.]
BENEDICT, Ruth. “Cap 8 - O indivíduo e o padrão de cultura”. In Padrões de Cultura. Lisboa: Edição
Livros do Brasil.
BOURDIEU, Pierre. A ilusão biográfica. In: AMADO, Janaína e FERREIRA, Marieta de Moraes. Usos e
abusos da história oral. (8ª edição) Rio de Janeiro: Editora FGV, 2006, p. 183-191.
CALVINO, Ítalo. 1993. “Por que ler os clássicos”. In: Por que ler os clássicos. São Paulo: Companhia das
Letras. Págs. 09-16.
CARDOSO DE OLIVEIRA, Roberto. 1988. “Tempo e tradição: interpretando a antropologia”. In: Sobre
o Pensamento Antropológico, Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, MCT, CNPq. Págs. 13-25.
CORREA, Mariza. Antropólogas & Antropologia. Belo Horizonte: Editora da UFMG, 2003.
DA MATTA, Roberto. “Você tem cultura?” in: Explorações: ensaios de antropologia interpretativa. Ed.
Rocco: Rio de Janeiro, 1986.
DA MATTA, Roberto. “A Antropologia no Quadro das Ciências” (itens 1 a 5). In: Relativizando.
Petrópolis: Vozes. 1984: pgs 17-47.
ERIKSEN, Thomas e Finn NIELSEN. Historia da Antropologia. Petropolis: Vozes.
FOUCAULT, Michel. "O que é um autor?", Bulletin de la Societé Française de Philosophic, 63o ano, no
3, julho-setembro de 1969, ps. 73-104.
FRAZER, James G. 1982 [1890]. “A magia simpática” e “Nossa dívida para com o selvagem”. In: O
ramo de ouro. São Paulo: Círculo do livro. Págs. 34-52; 97-98.
FRAZER, James G. 2005 [1908]. “O Escopo da Antropologia Social” In: CASTRO, Celso.
Evolucionismo Cultural – Textos de Morgan, Tylor e Frazer. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor. Págs.
101-27;
GEERTZ, Clifford. “O impacto do Conceito de Cultura sobre o Conceito de Homem”. In: A Interpretação
das Culturas. Rio de Janeiro. Zahar Editores. 1978.
GOLDMAN, Márcio e NEIBURG, Federico. 1999. “Antropologia e política nos estudos de caráter
nacional”. Anuário Antropológico 97. Págs. 103-138.
GROSSI, Miriam Pilar. Antropólogas no século XX: uma história invisível. In: DIÁLOGOS
TRANSVERSAIS EM ANTROPOLOGIA, 2010, Florianópolis.
HARDT, Michael e NEGRI, Antonio. 2001. Imperio. Rio de Janeiro: Record.
HARAWAY, Donna. “Saberes localizados: a questão da ciência para o feminismo e o privilégio da
perspectiva parcial”. Cadernos Pagu (5), 1995 (pp. 07-42).
hooks, bel. “A teoria como prática libertadora”. Em: Ensinando a transgredir. A educação como prática de
liberdade. 2013. São Paulo: Martins Fontes. Pp 83-104.
KUPER, Adam. Antropólogos e antropologia. Rio de Janeiro: Francisco Alves, 1978.
LANGDON, Esther; WIIK, Flávio. Antropologia, saúde e doença: uma introdução ao conceito de cultura
aplicado às ciências da saúde. Rev. Latino-Am. Enfermagem 18(3):[09 telas] mai-jun 2010.
LAPLANTINE, François. Aprender antropologia. São Paulo: Brasiliense, 1995.
LARAIA, Roque de Barros. Cultura: um conceito antropológico. Rio de Janeiro: Zahar Editora, 1986.
MALINOWSKI, Bronislaw. 1976. “Introdução: Tema, método e objetivo desta pesquisa". In.: ____
Argonautas do Pacífico ocidental. Coleção Os Pensadores. São Paulo: Abril Cultural.
MALINOWSKI, Bronislaw. 1989. Um diário no sentido estrito do termo. Rio de Janeiro: Record.
MAZOLA, Renan. “A formação dos cânones literários e visuais”. Em: O cânone visual: as belas-artes em
discurso [online]. São Paulo: Editora UNESP; Cultura Acadêmica, 2015, pp. 29-42.
MEAD, Margareth. “Introdução” p. 19-27 + “Conclusão” p. 293-303. In.: ____ Sexo e Temperamento.
São Paulo: Editora Perspectiva, 1969. [18p]
MEAD, Margareth. “O Inadaptado”. In.: ____ Sexo e Temperamento. São Paulo: Editora Perspectiva,
1969.
PEIRANO, Mariza. 1995. “Os antropólogos e suas linhagens”. Em: A favor da etnografia. Rio de Janeiro:
Relume-Dumará. Págs. 13-30.
RADCLIFFE-BROWN, A. R. Do conceito de função nas ciências sociais. In _______ . Estrutura e
função na sociedade primitiva. Petrópolis, Vozes, 1973 (1940).
REIS, Roberto. Canon. Em: JOBIM, J.L. (ORG). Palavras da crítica. Tendências e conceitos no estudo da
literatura. Rio de Janeiro: Imago. 1992. PP 65 – 92.
ROCHA, Everaldo. O que é etnocentrismo? São Paulo: Brasiliense, 1998.
ROCHA, Everardo e Marina FRID (Org.). Os antropólogos. Editora PUC-Vozes, 2014
SAID, Edward. 1990. Orientalismo, O oriente como invenção do Ocidente. São Paulo: Companhia das
Letras.
SARDENBERG, Cecília. 2000. “Um diálogo possível entre Margaret Mead e Simone de Beauvoir”.
Trabalho apresentado no V Simpósio Baiano de Pesquisadoras (es) Sobre Mulheres e Relações de
Gênero, Salvador, BA.
SOUSA SANTOS, Boaventura et al. 2004. Para ampliar o cânone da ciência: a diversidade
epistemológica do mundo. Em: ________ Semear outras soluções. Os caminhos da biodiversidade e dos
conhecimentos rivais. Porto: Edições Afrontamento.
STOCKING, George. A Formação da Antropologia Americana 1883-1911. Rio de Janeiro:
Contraponto/Editora UFRJ, 2004.

BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR:

BLANCO, LOUISE et al. A escrita feminina nos clássicos antropológicos do sul: uma reflexão
anticânone. Epistemologias do Sul. Foz do Iguaçu: Universidade da Integração Latino-Americana. 2018
vol.2 n°1. p66 - 100. . eissn 2526-7655
BOAS, Franz. "Os métodos da etnologia, 1920". In CASTRO, Celso (Org.) Antropologia Cultural. Rio de
Janeiro: Jorge Zahar, 2004. [12 p.]
BRAHMS, Flemming. 1995. “Entering Our Own Ignorance: Subject-Object Relations in Commonwealth
Literature”. Em: ASHCROFT, Bill et al. The postcolonial studies reader. London: Routledge. Pp 66 – 70.
COMAROFF, Jean e COMAROFF, John. Etnografia e imaginação histórica. Revista Proa, n° 02, vol. 01,
2010.
CORRIGAN Phillip, Derek SAYER. 1985. The Great Arch: English State Formation as Cultural
Revolution. Oxford, UK: Blackwell.
DA COL, Giovanni et al. “Why do we read the classics?”. Em: Hau: Journal of Ethnographic Theory 7
(3): 1–7.
DE LA CRUZ, Soror Juana Inés. [1691] 2006. Carta Respuesta a Sor Filotea. Disponível em:
http://www.bdigital.unal.edu.co/39758/1/132027.pdf. Acesso em 01-08-2018.
ECHAZÚ BÖSCHEMEIER, Ana Gretel et al. “Feminizing the Canon: Classics in Anthropology from
the Perspective of Female Authors”. Em: Teaching Anthropology – Royal Anthropological Institute.
Oxford. Disponível em: https://www.teachinganthropology.org/resources/. Acesso em 01-08-2018.
ESCOBAR, Arturo. “Otras antropologías y antropologías de otro modo: Elementos para una red de
antropologías del mundo”. Em: _______, Más allá del Tercer Mundo: Globalización y diferencia. Bogotá:
Universidad del Cauca. Pp. 231 – 256.
FLORESTA, Nísia. 2010. “Direitos das mulheres e injustiça dos homens”. Em: DUARTE, Constancia
Lima, Nisia Floresta. Recife: Editorial Massangana. Pp 81 – 107.
FONSECA, Claudia. 2010. Que ética? Que ciência? Que sociedade? Em: FLEISCHER, Soraya e
SCHUCH, Patrice (orgs). Ética e regulamentação na pesquisa antropológica. Brasília: Letras Livres.
HOBSBAWM Eric, Terence RANGER (eds). 1983. The Invention of Tradition. Cambridge UK:
Cambridge Univ. Press.
LARSON, Charles. “Heroic ethnocentrism: the idea of universality in literature”. Em: ASHCROFT, Bill
et al. The postcolonial studies reader. London: Routledge. Pp 62 – 66.
LEWIN, Ellen. 2006. Feminist anthropology: a reader. Madison: Blackewell publishing.
LUTZ, Catherine, The Gender of Theory (1995). Ruth Behar and Deborah Gordon, eds., Women Writing
Culture/Culture Writing Women, Berkeley: University of California Press, 1995.
NORMENT JR. Nataniel. 2007. “Introduction”. Em: The African American Studies Reader. North
Carolina: Carolina Academic Press.
PAZ, Octavio. 2017. Sor Juana Inés de la Cruz, ou as Armadilhas da Fé. São Paulo: Ubu Editora.
RAMSEY, William. 2007. “The Compelling Ambivalence of Zora Neale Hurston’s Their Eyes Were
Watching God”. Em: BLOOM, Harold, Zora Neale Hurston – New Edition. New York: Bloom´s Literary
Criticism. P 51 – 64.
SCHWARCZ, Lilia . Uma História de “Diferenças e Desigualdades” As doutrinas raciais do século XIX.
In _____ . O espetáculo das raças. São Paulo: Companhia das Letras, 2000.
TYLOR, Edward. “A ciência da cultura”. In Celso Castro (Org.) Evolucionismo Cultural: textos de
Morgan, Tylor e Frazer. Rio de Janeiro: Zahar, 2005.
WALKER, Alice [1972] 1994. “In search of our mother´s garden”. Em: MITCHELL, Angelyn. Within the
cycle: an anthology of African American Criticism from the Harlem Renaissance to the Present. Durham
& London: Duke University Press.