Você está na página 1de 12

Índice

Carta de Herman Voorwald aos professores do estado de São Paulo............................................2


Orientação sobre os conteúdos do volume.......................................................................................2
Conhecimentos priorizados...............................................................................................................3
Competências e habilidades...............................................................................................................4
Metodologia e estratégias...................................................................................................................4
Avaliação..............................................................................................................................................5
SITUAÇÃO DE APRENDIZAGEM 1: O PROCESSO DE DESNATURALIZAÇÃO
OU ESTRANHAMENTO DA REALIDADE...............................................................5
SITUAÇÃO DE APRENDIZAGEM 2: O SER HUMANO É UM SER SOCIAL......5
Roteiro para aplicação da situação de aprendizagem.....................................................................5
Proposta 1 – leitura da obra Robinson Crusoé, de Daniel Defoe...................................................5
Sondagem e sensibilização.................................................................................................................5
Etapa 1 – leitura da obra Robinson Crusoé.....................................................................................6
Etapa 2 – Aula dialogada sobre a leitura..........................................................................................6
Proposta 2 – Discussão sobre trechos do filme Náufrago, de Robert Zemeckis...........................6
..............................................................................................................................................................6
Sondagem e sensibilização.................................................................................................................6
Etapa 1 – Primeira análise dos trechos selecionas de Náufrago.....................................................6
Etapa 2 – Aula dialogada sobre o filme............................................................................................6
Avaliação da situação de aprendizagem...........................................................................................7
Proposta de situação de recuperação................................................................................................7
SITUAÇÃO DE APRENDIZAGEM 3: A SOCIOLOGIA E O TRABALHO DO
SOCIÓLOGO................................................................................................................7
Sondagem e sensibilização.................................................................................................................7
Etapa 1 – O contexto de surgimento da Sociologia.........................................................................7
Avaliação da situação de aprendizagem...........................................................................................8
Proposta de situação de recuperação................................................................................................8
SITUAÇÃO DE APRENDIZAGEM 4: A SOCIALIZAÇÃO......................................9
Sondagem e sensibilização.................................................................................................................9
Etapa 1 – Quem somos?.....................................................................................................................9
Etapa 2 – o que aprendemos..............................................................................................................9
Etapa 3 – Como pensamos...............................................................................................................10
Avaliação da situação de aprendizagem.........................................................................................10
Proposta de recuperação..................................................................................................................10
SITUAÇÃO DE APRENDIZAGEM 5: RELAÇÕES E INTERAÇÕES SOCIAIS NA
VIDA COTIDIANA (ESTA SITUAÇÃO DE APRENDIZAGEM ESTÁ
EXTREMAMENTE MALFEITA, POR ISSO EU PULO ELA E ENSINO
SOCIOLOGIA CLÁSSICA NO LUGAR)..................................................................11
Sondagem e sensibilização...............................................................................................................11
Etapa 1 – Representando papéis sociais.........................................................................................11
Etapa 2 – Relações e interações sociais na prática cotidiana........................................................11
Avaliação da situação de aprendizagem.........................................................................................11
Proposta de recuperação..................................................................................................................11
SITUAÇÃO DE APRENDIZAGEM 6: A CONSTRUÇÃO SOCIAL DA
IDENTIDADE.............................................................................................................11

1
Sondagem e sensibilização...............................................................................................................11
Os processos de construção da identidade......................................................................................11
Avaliação da situação de aprendizagem.........................................................................................12
Proposta de situação de recuperação..............................................................................................12

SÃO PAULO (Estado). Material de apoio ao currículo do Estado de São Paulo: caderno do
professor; sociologia/1a série. São Paulo: SE, 2014. v. 1, 80p.

Carta de Herman Voorwald aos professores do estado de São Paulo

A breve menção aos professores do Estado começa os agradecendo por serem colaboradores
na nova edição dos Cadernos do professor e do aluno, como de praxe, a Secretaria do Estado de
São Paulo destaca a participação dos professores em abstrato, pois não sabemos quem foram tais
“colaboradores”. Outro aspecto importante é a ressalta à importância da parceria entre a Secretaria
da Educação, professores coordenadores e professores da rede, parceria esta que, na realidade,
consiste em um adestramento mecânico, arbitrário e impositivo do trabalho dos Cadernos em sala
de aula. Tal imposição segue uma lógica hierárquica que passa do governo para a secretaria, da
secretaria para as diretorias de ensino, destas para os coordenadores e diretores até, por fim,
concentrar-se nos professores. Não vamos nos aprofundar neste aspecto que gostaria que
posteriormente nomearei como ciclo vicioso educacional. Outro aspecto importante que a carta de
Herman nos traz é a referência da origem dos Cadernos, isto é, o programa Educação –
Compromisso de São Paulo (parceria público-privado para “melhoria” da educação para que se
adapte as demandas empresariais do capital – pesquisar mais a respeito). Analisando os detalhes, a
carta deixa claro que os materiais fornecidos pelo estado de São Paulo são apenas instrumentos de
apoio ao ensino (chamados materiais do programa São Paulo Faz Escola). Contudo, voltando a
questão do círculo vicioso educacional, estes materiais acabam impostos aos professores da rede a
fim de se garantir um bom desenvolvimento na avaliação externa do Sistema de Avaliação do
Rendimento Escolar do Estado de São Paulo (SARESP) e o aumento do Índice de desenvolvimento
da Educação Básica (IDEB). Por fim, é ressaltado que os materiais disponibilizados pelo São Paulo
Faz Escola foram elaborados tomando como base o Currículo Oficial do estado de São Paulo, a
Matriz Curricular do estado e a concepção de educação por meio do desenvolvimento de
competências e habilidades (pesquisar mais sobre).

Orientação sobre os conteúdos do volume

Segundo as instruções inciais d’O caderno do professor, seu objetivo é introduzir a


sociologia aos estudantes do ensino médio, porém afirmar que não pretende começar pelos

2
chamados “pais fundadores” (leia-se Karl Marx, Émile Durkheim e Max Weber), em vez disso,
retoricamente, defende que prefere contextualizar o surgimento da sociologia e abarcar temas que
são do interesse dela, tais como a oposição entre indivíduo e sociedade e as interações sociais
dentro de grupos, por exemplo, na família, na escola, no trabalho, entre outros. Reitero a retórica
desta escolha, pois a contextualização do surgimento da sociologia é incompatível com a
apresentação dos problemas que cada sociólogo clássico teve de enfrentar em sua época e as
soluções e conceitos que construíram para encará-los. Afinal de contas, ninguém aprende qualquer
disciplina das ciências naturais sem estudar, ainda que sucintamente, os cientistas que as teorizaram.

Conhecimentos priorizados

O foco deste volume é introduzir aos estudantes o que é sociologia o que faz o sociólogo na
realidade. O sistema de ensino dos cadernos é dividido em situações de aprendizagens (pesquisar
mais a respeito desta concepção de ensino) as quais devem ser trabalhadas até o fim de cada
semestre (por isso foram produzidos dois volumes para cada ano do ensino médio). Na situação de
aprendizagem 1, se espera que os professores diferenciem a sociologia das demais ciências
humanas, bem como distingam o olhar sociológico do olhar do senso comum, mostrando que a
sociologia se embasa em métodos científicos (que métodos são estes? A que escola de pensamento
pertencem? Isto não fica claro nos cadernos – aprofundar). Também é nessa situação de
aprendizagem que é trabalhado o contexto de surgimento da sociologia.
Na situação de aprendizagem 2, há uma preocupação de demostrar aos estudantes que o ser
humano é um ser social, isto é, é um produto produtor das relações sociais nas quais está inserido. A
partir de uma obra cinematográfica ou de um texto literário, o professor deve mostrar que o ser
humano, ao lutar por sua sobrevivência, transforma a natureza, produz leis, dá sentido a sua vida em
conjunto com outros seres vivos.
Na situação de aprendizagem 3 o foco está concentra do no trabalho do sociólogo e nas
relações entre indivíduo e sociedade. Aqui há um texto do sociólogo José de Souza Martins sobre o
linchamento para ser trabalhado com a sala.
Na situação de aprendizagem 4 a discussão gira em torno do problema da socialização, a
partir do ponto de vista da escola sociológica estadunidense (segundo o Caderno do professor, em
especial em Erving Goffman), ou seja, questionando quais papéis sociais os indivíduos interiorizam
em sociedade.
Na situação de aprendizagem 5 são estudadas as interações sociais entre os indivíduos.

3
E, por fim, na situação de aprendizagem 6 o foco está concentrado na questão da construção
social da identidade, isto é, por mais que a identidade pareça ser um problema específico dos
indivíduos, apenas construímos a ideia de quem somos por meio da ideia do que não somos, ou
melhor, do que os outros são.

Competências e habilidades

No primeiro ano do ensino médio o Caderno do professor procura desenvolver a


“capacidade de estranhamento1” dos estudantes em relação a realidade que o cerca, a partir do qual
será possível desenvolver o pensamento crítico. Por isso as seguintes habilidades dever ser
desenvolvidas: “leitura e interpretação de textos e imagens; análise crítica de obras literárias e
cinematográficas; capacidade de observação e prática de pesquisa de campo; associação de temas,
ideias e conteúdos apreendidos em sala de aula à cotidiana.

Metodologia e estratégias

Segundo os cadernos do professor a metodologia do ensino de sociologia nos três anos do


ensino médio devem se pautar no desenvolvimento do estranhamento nos estudantes, ou seja (agora
a ideia de estranhamento fica menos obscura), mostrar que o olhar sociológico de análise é afastado
do seu objeto de estudo, bem como tentar conceber a realidade como algo que não é natural,
definitivo e imutável. Nesse sentido, é também importante o fato de ser a partir desta postura que a
sociologia consegue explicar a causa e os efeitos dos fenômenos sociais. Assim o “estranhamento”
acompanha a desnaturalização do olhar. Os cadernos do professor propõe o ensino de sociologia
de forma lúdica, criativa e equilibrada, lançando mão de aulas expositivas e dialogadas (aqui o
termo “dialogada” suscita, implicitamente, a ideia – tosca – de que a aula expositiva, por si só, é
maçante e pouco instrutiva), trabalho de campo (este aspecto precisa ser desenvolvido com mais
clareza nos Cadernos do professor, pois mandar o estudante ir em algum lugar da cidade e pedir pra
analisar o comportamento das pessoas não é bem um trabalho de campo), leitura de textos e
imagens, debate de filmes, entre outros.

1 Não acho que seja estranhamento que deva ser desenvolvido no estudante, mesmo porque este termo já
aparecer para descrever o problema da alienação. Em contraponto, uma “habilidade” que deveria ser
desenvolvida no primeiro ano do ensino médio é a desnaturalização da realidade que nos cerca.

4
Avaliação

Os Cadernos do professor sugerem sempre a elaboração de textos dissertativos, seminários,


trabalho em grupo. Embora possa as provas escritas possam estar, implicitamente, incluídas dentro
da exigência de “elaboração de textos dissertativos”, não há nos materiais nenhuma menção ou
recomendação para a avaliação a partir de provas, o que eu acho um equívoco básico. As clássicas
provas podem ser detestáveis, mas, ainda assim, são formas de se treinar a memória e a dissertação
em pouco tempo, bem como são exigidas em vários âmbitos da sociedade, tais como: provas de
concurso público, vestibulares, provas admissionais diversas, entre outras. Nesse sentido, cabe o
questionamento: que tipo de formação o estado pretende oferecer as novas gerações?

SITUAÇÃO DE APRENDIZAGEM 1: O PROCESSO DE DESNATURALIZAÇÃO


OU ESTRANHAMENTO DA REALIDADE

Não achei necessário fichar.

SITUAÇÃO DE APRENDIZAGEM 2: O SER HUMANO É UM SER SOCIAL

O objetivo desta Situação de Aprendizagem é apresentar aos alunos a ideia de que


o ser humano é um ser social que se encontra inserido em um conjunto de redes
sociais mais amplas (família, amigos, comunidade religiosa, vizinhança, colegas de
trabalho etc.). É como parte integrante desses grupos sociais que o ser humano
adquire sua identidade e os meios fundamentais para sua sobrevivência (SÃO
PAULO, 2014, p. 20).

Roteiro para aplicação da situação de aprendizagem

[…] selecionamos para as duas primeiras etapas desta Situação de Aprendizagem


duas propostas de atividades […] a) leitura da obra Robinson Crusoé (de trechos
e/ou na íntegra), de Daniel Defoe; b) exibição de trechos do filme Náufrago (de
trechos e/ou na íntegra), de Robert Zemeckis (Ibid. p. 20).

Proposta 1 – leitura da obra Robinson Crusoé, de Daniel Defoe

Não achei necessário fichar.

Sondagem e sensibilização

Não achei necessário fichar.

5
Etapa 1 – leitura da obra Robinson Crusoé

Não achei necessário fichar.

Etapa 2 – Aula dialogada sobre a leitura

[…] Nesta etapa, buscaremos, a partir de uma discussão mais aprofundada da obra,
realizar com os alunos uma reflexão a respeito da questão central desta Situação de
Aprendizagem: o ser humano é um ser social. […] Você pode perguntar à turma:
[…] Vocês acham que conseguiriam sobreviver se dispusessem exatamente dos
mesmos recursos que Robinson? […] Aproveite para questionar essa resposta,
atentando para o fato de que Robinson Crusoé: ► era marinheiro, portanto, estava
habituado a trabalhar com madeira, cordas, barcos e velames (conjunto de velas
que ajudam a impulsionar o navio com a força do vento), que faziam parte do seu
dia a dia no navio; ► tinha conhecimentos sobre o uso de armas de fogo com
pólvora (mosquete); […] ► vivera em contato com indígenas no Brasil e conhecia
melhor a natureza do que muitos de nós, que vivemos em cidades e não estamos
habituados a cultivar a terra e a caçar animais. […] Vocês acham que é possível
identificar a origem de Crusoé (onde, quando e como ele vivia), observando o seu
modo de vida? Sim, pois os seres humanos são tanto produtores de cultura como
produtos de sua própria cultura. É observando os artefatos deixados pelos povos
do passado que os arqueólogos, por exemplo, procuram entender de que
maneiras diferentes grupos humanos viviam no passado (Ibid. p. 24 – 5).

Proposta 2 – Discussão sobre trechos do filme Náufrago, de Robert Zemeckis

Não achei necessário fichar.

Sondagem e sensibilização

Não achei necessário fichar.

Etapa 1 – Primeira análise dos trechos selecionas de Náufrago

Não achei necessário fichar.

Etapa 2 – Aula dialogada sobre o filme

[…] a questão de número 11 teve por objetivo destacar a importância dos


conhecimentos que ele [Chuck Noland] detinha no episódio da tentativa de fazer
fogo. Saber que para iniciar um processo de combustão é preciso combinar
oxigênio, combustível e calor é um conhecimento adquirido a partir da
convivência com outros grupos sociais, mostrando a importância da interação
com os outros para a sobrevivência do ser humano. […] O que importa é enfatizar
que ele combinou seus conhecimentos com sua criatividade, buscando alternativas,

6
a partir de sucessivas tentativas e erros, para encontrar soluções para um problema.
O comportamento do ser humano, como ser racional, caracteriza-se pela
combinação destes dois fatores: a união dos conhecimentos herdados dos seus
grupos sociais de origem e sua própria capacidade de raciocinar, questionar,
criar e resolver problemas (Ibid. p. 28 – 30).

Avaliação da situação de aprendizagem

Não achei necessário fichar.

Proposta de situação de recuperação

Não achei necessário fichar.

SITUAÇÃO DE APRENDIZAGEM 3: A SOCIOLOGIA E O TRABALHO DO


SOCIÓLOGO

“O objetivo desta Situação de Aprendizagem é apresentar aos alunos o que é a Sociologia e


qual foi o contexto histórico de sua formação, além de discutir a atuação do sociólogo na sociedade
contemporânea” (Ibid. p. 33).

Sondagem e sensibilização

Não achei necessário fichar.

Etapa 1 – O contexto de surgimento da Sociologia

Neste momento você já pode expor para os alunos quando surgiu a Sociologia, o
contexto da época e como os sociólogos se distinguem dos profissionais de outras
áreas. […] A Sociologia nasceu no século XIX, um século marcado por dualidades:
► de um lado, a ideia de progresso. Difunde-se a ideia de que a história da
humanidade não apenas caminha em uma direção, como também aponta para uma
evolução […] ► por outro lado, muitos viam as mudanças em curso como um
sinal de desordem, e não de evolução (GAY, 1998; MARTINS, 2003). […] Uma
das características do século XIX é que a própria natureza das mudanças se alterou,
elas tornaram-se muito mais rápidas. Não só ocorreram as grandes imigrações para
a América, como a migração do campo para a cidade. A presença de grandes
avanços de um lado, e de miséria, fome e exploração de outro, fez com que as
pessoas começassem a ter um sentimento generalizado de desordem […] a
Sociologia surge como ciência preocupada em construir explicações a respeito da
sociedade e de suas transformações. A palavra “Sociologia” nasceu por volta de
1830, na França, cunhada por Augusto Comte. Assim como outros homens de sua
época, Comte considerava que a sociedade estava em crise e achava que a função
da Sociologia seria a de resolver a crise do mundo moderno, isto é, fornecer um

7
sistema de ideias científicas que presidiria a reorganização social. […] Achava-se
que o mundo moderno estaria em crise, devido ao contexto da época, da Revolução
Industrial e da rápida urbanização. A Revolução Industrial havia começado no
século XVIII, mas suas consequências para a vida das pessoas se fizeram sentir
com mais força somente no século XIX. Ela está relacionada ao desenvolvimento
de um sistema fabril mecanizado, que produz quantidades tão grandes e a um custo
tão rapidamente decrescente, que não precisa mais depender da demanda existente,
pois ela cria o seu próprio mercado (SÃO PAULO, 2014, p. 36).

Nos grandes centros urbanos, a Revolução Industrial disseminou a miséria e o


descontentamento entre operários e pequenos comerciantes. No início da
Revolução Industrial, um dos fatores que atraíram os trabalhadores e os fizeram
deixar os campos eram os salários mais altos e a liberdade que a cidade trazia. Karl
Marx mostra que um fator importante para essa migração para a cidade foi a
concentração da propriedade com o objetivo de aumentar as pastagens para a
criação de ovelhas, para a produção da lã destinada às manufaturas. A
redução da margem de lucro, ocasionada pela competição, fazia com que o
preço dos produtos caísse e muitos empresários, para diminuir os custos de
produção, passaram a contratar mulheres e crianças, cujos salários eram
muito mais baixos do que os dos homens. A Revolução Industrial alterou o modo
de vida das pessoas, trouxe novos costumes, novos hábitos, novos valores. Ela
mudou também o ritmo de vida das pessoas. Este sempre fora dado pela luz diurna,
fazendeiros e artesãos começavam e terminavam o seu dia, em geral, com o
amanhecer e o crepúsculo. Com a disseminação da energia elétrica, o dia passou a
ser encompridado artificialmente […] O tempo passou a ser controlado,
curvando-se à vontade dos homens. […] As fábricas passaram a funcionar em
turnos e os operários começaram a trabalhar à noite. Um último ponto a
respeito da industrialização: ela trouxe consigo a disciplina fabril, ou seja, o
indivíduo não trabalhava mais de acordo com o clima e estações do ano. Agora
deveria aprender a trabalhar de maneira adequada à indústria, ou seja, em
um ritmo regular de trabalho diário ininterrupto e inteiramente diferente dos
altos e baixos provocados pelas diferentes estações no trabalho agrícola (Ibid.
p. 36 – 7).

Não achei necessário fichar.

Avaliação da situação de aprendizagem

Não achei necessário fichar.

Proposta de situação de recuperação

Não achei necessário fichar.

8
SITUAÇÃO DE APRENDIZAGEM 4: A SOCIALIZAÇÃO

O primeiro processo fundamental ao qual todo ser humano é submetido desde


o nascimento é a socialização. […] O propósito desta Situação de Aprendizagem é
sensibilizar os alunos para a ideia de como, onde e quando passamos a viver em
sociedade […] O objetivo é evidenciar que o comportamento diante do outro não é
natural, mas culturalmente construído a partir de um conjunto de informações que
interiorizamos à medida que convivemos com o outro (familiares, amigos,
professores etc.), e salientar que esse comportamento é também condicionado pelas
expectativas que nutrimos em relação ao modo como queremos ser aceitos e
integrados em sociedade (Ibid. p. 39).

Sondagem e sensibilização

Não achei necessário fichar.

Etapa 1 – Quem somos?

“[…] o que faz de nós o que somos? Em grande parte, o lugar onde nascemos, quando
nascemos e a maneira como aprendemos a viver e a conviver com os outros” (Ibid. p. 41).

Etapa 2 – o que aprendemos

[…] O aprendizado da linguagem, das formas de convivência, das regras, constitui


o que denominamos socialização. Do ponto de vista da Sociologia, a socialização
constitui um processo, ou seja, um desenvolvimento pelo qual todos nós passamos
no decorrer da vida e que possui diversas fases. A socialização pode ser definida,
em linhas gerais, como a imersão dos indivíduos no “mundo vivido”, que é, ao
mesmo tempo, um “universo simbólico e cultural” e “um saber sobre esse mundo”.
Em outras palavras, trata-se do processo de aprendizado de tudo aquilo que nos
permite viver em sociedade. Desse modo, dizemos que nenhuma pessoa nasce
membro de uma sociedade, mas precisa ser gradualmente introduzida nela por
meio da interiorização de normas, regras, valores, crenças, saberes, modos de
pensar e tantos outros elementos que compõem a herança cultural de um grupo
social humano. O bebê, ao nascer, ainda não detém esse conhecimento. À medida
que cresce e se desenvolve, a criança absorve o mundo em que vive como o único
que existe, pois é a única realidade que conhece. Ela faz isso por meio de um saber
básico que lhe fornece toda a estrutura a partir da qual ela percebe o mundo ao
redor, incluindo a linguagem que a ajuda a organizar o que apreende como
realidade. […] Desse modo, os saberes básicos incorporados pelas crianças
dependerão muito das relações entre sua família e os adultos encarregados de sua
socialização. Chamamos de socialização primária a primeira fase da vida, em
que aprendemos a falar, a brincar e a conviver com as outras pessoas, muitas
vezes imitando o que nossos pais e as outras crianças fazem (Ibid. p. 44 – 55).

9
“A socialização primária é a primeira socialização que o indivíduo experimenta na infância,
e em virtude da qual torna-se membro da sociedade” (BERGER; LUCKMANN, 2003 apud Ibid.
45).

Durante a socialização primária, não escolhemos as pessoas responsáveis por este


processo. Em outras palavras, não escolhemos a família em que nascemos. […] Por
essa razão, tendemos a reproduzir hábitos e costumes dos locais em que nascemos
ou fomos criados. Somente mais tarde, quando entramos em contato com pessoas
de origens diferentes, percebemos as diferenças entre nosso modo de pensar e agir
e o dos outros (Id. Ibid.).

Etapa 3 – Como pensamos

[…] é importante destacar o mundo da escola como outro espaço de socialização,


diferente do espaço familiar. […] O propósito dessa atividade é levar ao
questionamento sobre a continuidade dos processos de socialização em outros
espaços fora do âmbito em que se deu a socialização primária. Uma sugestão para
finalizar esta Situação de Aprendizagem é promover a leitura compartilhada ou
comentada dos textos reproduzidos a seguir […], de modo a explorar […]
socialização secundária (Ibid. 46).

“A socialização secundária é qualquer processo subsequente que introduz um indivíduo já


socializado em novos setores do mundo objetivo de sua sociedade” (BERGER; LUCKMANN,
2003 apud Id. Ibid.).

Um exemplo de processo de socialização secundária é a incorporação de


saberes profissionais que preparam o indivíduo para o mundo do trabalho.
Isso pode ser feito no interior de uma instituição educacional, como uma faculdade,
por exemplo, ou no próprio ambiente de trabalho, à medida que o funcionário
aprende, na convivência com os colegas e por meio das instruções de seus
superiores, o que é preciso para desenvolver suas atividades (Id. Ibid.).

Avaliação da situação de aprendizagem

Não achei necessário fichar.

Proposta de recuperação

Não achei necessário fichar.

10
SITUAÇÃO DE APRENDIZAGEM 5: RELAÇÕES E INTERAÇÕES SOCIAIS NA
VIDA COTIDIANA (ESTA SITUAÇÃO DE APRENDIZAGEM ESTÁ
EXTREMAMENTE MALFEITA, POR ISSO EU PULO ELA E ENSINO
SOCIOLOGIA CLÁSSICA NO LUGAR)

Não achei necessário fichar.

Sondagem e sensibilização

Não achei necessário fichar.

Etapa 1 – Representando papéis sociais

Não achei necessário fichar.

Etapa 2 – Relações e interações sociais na prática cotidiana

Não achei necessário fichar.

Avaliação da situação de aprendizagem

Não achei necessário fichar.

Proposta de recuperação

Não achei necessário fichar.

SITUAÇÃO DE APRENDIZAGEM 6: A CONSTRUÇÃO SOCIAL DA


IDENTIDADE

Não achei necessário fichar.

Sondagem e sensibilização

Não achei necessário fichar.

Os processos de construção da identidade

11
Não achei necessário fichar.

Avaliação da situação de aprendizagem

Não achei necessário fichar.

Proposta de situação de recuperação

Não achei necessário fichar.

12

Você também pode gostar