Você está na página 1de 17

PROF.

CARLOS LION
CURSO MANUTENÇÃO DE MICRO

Professor: Carlos Lion

Peças (nomenclatura)
 Placa mãe
 Processador
 Memória
 Interfaces

Configuração
Instalação
 S.O. (sistema operacional)
 Drives

 Desmontagem e Montagem
 Simulação de erros
 Otimizar o PC
Setup
 Configuração

2
Computador
Máquina eletrônica programável de processar e armazenar dados.
É alimentada por uma tensão de 5 V (componentes: placas de circuito,
etc) e 12 V (motores dos drives).

Divisão
Hardware: parte física (equipamentos)
Software: parte lógica (programas)

Como são medidos os dados

A forma como a arquitetura de um Processador foi elaborada faz com que


ele se comunique apenas através de “chaves” positivas e negativas, assumindo
valores 0 (zero) e 1 (um). Isso significa que para cada ordem que mandamos o
Processador executar, ele realiza milhares de operações apenas usando as
“chaves” 0 e 1.
A menor unidade de informação que um computador pode armazenar então,
é este binômio 0 (zero) ou 1 (um). À este tipo de informação chamamos Código
Binário ou Bit (do inglês Binary Digit), que é a Linguagem de Máquina usada
pelos computadores. Para cada informação, o computador utiliza diversos 0 e 1
seguidos: 0011010101001011.
Entretanto, utilizar o Bit como padrão para uma medida de tamanho de
informação seria um tanto cansativo, pois as informações seriam medidas em
milhares de bits.
Por isso, a unidade padrão de medida na informática é o Byte (Bynary Term,
ou Termo Binário), que é o conjunto de 8 (oito) Bits. A um caractere, como uma
letra, associamos um Byte.
Exemplo:
CARACTER OU CÓDIGO BINÁRIO
LETRA OU BIT

1 BYTE

G 01011101

Essa arquitetura não parou aí, pois a medida em que os dados iam ficando
maiores, era necessário aumentar os padrões de medida.
Utilizou-se, então, a base 2 (as possibilidades 0 ou 1) e o expoente 10 para
os próximos padrões métricos de dados no computador. Assim, as grandezas
variam sempre a cada 210 ou 1024 bytes:

MEDIDA: REPRESENTA O MESMO QUE:


Bit 0 ou 1 - menor unidade de dado
Byte conjunto de 8 bits ou 1 caractere

3
Kilobyte (Kb) 210 ou 1024 bytes
Megabyte (Mb) 210 ou 1024 Kilobyte
Gigabyte (Gb) 210 ou 1024 Megabyte
Terabyte (Tb) 210 ou 1024 Gigabyte

Hardware
 CPU — Processador “processa as informações” (unidade central de
processamento).
 MEMÓRIA — Armazenamento fixo ou temporário dos dados.

 ROM — Contém os dados do fabricante e o mais importante: faz toda


a checagem do equipamento ao ser ligado, emitindo um sinal de
“BIP” quando está tudo 0K.
 RAM — É chamada de memória do usuário para leitura e escrita,
funcionando como a uma mesa de trabalho, mantendo todos os
programas abertos, enquanto se trabalha. Não armazena nada, porém,
é ela que mantém todos os dados visíveis desde o momento em que o
computador é ligado até ser desligado.

 CACHE --- O processador é um dispositivo muito mais rápido do que a


memória. Embora isso não preocupasse no início do surgimento dos
PC’s, passou a ser inconveniente a partir do processador. Para poder
trabalhar, o processador tinha que esperar um tempo, até que os
dados ficassem disponíveis na memória , ficando assim, muito tempo
ocioso. Uma solução foi a utilização de um pequena quantidade de
memória RAM de alto desempenho, chamada memória estática. Como
intermediária na escrita e leitura de dados na memória RAM. Com isso
o micro ganha mais velocidade, pois o processador pode trocar os
dados com a memória estática em sua velocidade total.
 AUXILIAR — É a responsável pelo armazenamento fixo de todas as
informações que julgarmos necessárias, através do HD, CD-DVD e
Memória USB Flash Drive.

 PERIFÉRICOS — É todo equipamento ligado ao computador e que


permite a entrada e a saída de informações. Eles tanto podem funcionar
só como entrada, ou só como saída ou ainda como entrada e saída.

Software
 Básico — S.O. - Controla o fluxo de dados entre a memória e os
periféricos. Ex.: MS-DOS, LINUX, UNIX, WINDOWS XP, 7, 8, FreeBSD,
MacOS, BeOS, etc.

4
 Aplicativos — Executam determinada tarefa. Ex.: WORD, EXCEL,
COREL, etc.
 Linguagem — Desenvolvimento de sistemas. Ex.: VISUAL BASIC,
DELPHI, CLIPPER, PASCAL, COBOL, C, C++, etc.

Fonte de alimentação
Transforma a tensão 110/220V em 3,3/5/12V e retfica a corrente
alternada em contínua.

Conectores
 Maior — HD, CD-DVD
 Menor — drive 1.44 (3 ½ “)
 ATX —20 pinos (conecta na placa mãe)
 BTX – 24 pinos ( “ )

Potência: 180W, 200W, 250W, 280W, 300W, 400W, 500W, etc

Cores:
Vermelho - +5V
Amarelo - +12V
Preto – 0V (neutro)

Tensão Contínua: DCV


Tensão Alternada: ACV

Placa mãe (mother board)

O computador é na verdade uma placa de circuitos impressos denominada placa-


mãe (motherboard). É nessa placa que encontramos o processador, memória,
barramento, circuitos de apoio e todos os outros componentes para o encaixe de
placas periféricas, contendo funções indisponíveis originalmente na placa-mãe.
 Principal placa do computador

5
Componentes Básicos

Os componentes que serão comentados a seguir podem variar de acordo


com o modelo da placa-mãe, mas basicamente são esses:
 Slots: Através dos slots você é capaz de instalar placas periféricas
 Chipset: São os circuitos de apoio da placa-mãe
 ROM: Na memória ROM da placa-mãe estão escritos 3 programas – BIOS,
POST, Setup. Todos os ajustes feitos através dele são armazenados em uma
memória de configuração, chamada CMOS.
 Bateria: Responsável por alimentar a memória de configuração (memória
CMOS) e também alimentar o relógio de tempo real.
 Soquete de memória: Onde a RAM é instalada. Atualmente as placas-mãe
aceitam módulo de memórias SIMM, DIMM ou RIMM.
 Controlador do teclado: Como o nome diz, esse circuito é responsável pelo
controle do teclado.
 Soquete do processador: Onde o processador é instalado. Esse soquete pode
variar conforme o processador. As placas-mãe são classificadas conforme o
soquete que utiliza.
 Conector da fonte: Onde os fios provenientes da fonte de alimentação devem
ser instalados. O formato desse conector varia de acordo com o formato da
placa-mãe
 Conector do teclado: Onde o teclado deve ser encaixado.
 Conector do mouse: Algumas placas-mãe possuem um conector para o mouse
de barramento, também chamado de PS/2.
 Periféricos integrados (on board): quase todas as placas-mãe atualmente vêm
com alguns periféricos integrados: conectores sata, usb, rede, vídeo e áudio.

Slots
Os slots são conectores que permitem a conexão de placas que não são
fabricadas com a placa-mãe. Eles se localizam na placa-mãe. A utilização de slots
de expansão foi um outro fator do sucesso do padrão PC, pois permite a utilização
de placas desenvolvidas para micros mais antigos em micros mais modernos,
mantendo a compatibilidade de hardware. Além disso, a utilização de slots com
arquitetura aberta permitiu que qualquer fabricante pudesse entrar no mercado de
periféricos para PC, produzindo o seu próprio tipo de periférico.
 Slots de expansão — encaixe das placas controladoras (placas
controladoras são as placas que controlam determinados dispositivos).
 Tipos: PCI 32 ou 64 bits, 66MHz
AGP (placa de vídeo) 32 bits, 66MHz
PCI –E (Express) 64 Bits, 133Mhz

Barramentos
De maneira geral, poderíamos dizer que um barramento é uma via de
comunicação, e em um micro temos vários barramentos.
O principal barramento existente em um micro é o barramento local, que faz
a comunicação entre o processador e os dispositivos da placa-mãe (memória RAM,
cache, chipset). Este tipo de barramento é o mais rápido, pois o circuitos se

6
comunicarão com o processador em seu potencial máximo. Entretanto este tipo de
barramento não é padronizado, e é por isso que cada tipo de processador necessita
de um modelo de placa-mãe diferente.
Outro tipo de barramento existente em um micro, é o barramento de
expansão, que serve para conectar dispositivos independentemente do processador
instalado.
 Barramento — vias de comunicação utilizadas pelos circuitos
eletrônicos.
• Possui uma velocidade de transmissão (processador)
• Possui uma quantidade de BITS que são transmitidos (memória)

 Interface IDE — conexão de HD’s, CD-DVD (no padrão IDE<40


pinos>, através de um FLAT CABLE.
• SCSI (scuzi) — Small Computer System Interface - 50 pinos
• IDE 1 — primary
• IDE 2 — secondary .
OBS: orientação dos pinos: lado vermelho do cabo voltado para o nº 1 da placa
 Interface FDD, FDC, FLOPPY(+comum) conexão do drive 1.44 através
do Flat Cable de 34 vias.
 Interface Serial ATA - SATA
 Soquete do processador encaixe na placa mãe para o processador
Modelos ZIF, LGA (com alavanca)

Barramento PCI (Peripheral Component Interconnect)


O barramento PCI, é um barramento criado pela Intel, e substituiu
os barramentos EISA e VLB. Ao contrário do que muita gente pensa, ele não é
conectado diretamente ao barramento local, ele é um barramento independente de
qualquer processador, o que dá a segurança para que todos os processadores o
utilizem sem maiores problemas.
Para a interligação do barramento local com o PCI, é utilizada uma
ponte (bridge) barramento local – PCI (ponte norte). No caso da interligação do
barramento PCI com o ISA, há uma ponte ISA – PCI (ponte sul).
Existem vários modelos de barramento PCI (32 ou 64 bits), mas o
mais comum são os slots de 32 bits, trabalhando a freqüência de 33 MHz (o que dá
uma taxa de transferência de 132 MB/s).
Uma ponte é um dispositivo capaz de converter sinais e protocolos
de um barramento para outro.

Barramento USB (Universal Serial Bus)


O USB é uma idéia fantástica para o PC: um barramento para
periféricos onde, através de um único plug na placa-mãe, todos os periféricos
externos podem ser encaixados.

Conectores

A placa-mãe apresenta diversos conectores, por onde conectamos os


componentes de entrada e saída, também conhecidos como periféricos. Veja
alguns deles:

• Conector PS/2: Para mouses e teclados

7
• Conector USB: vários dispositivos desde mouses até impressoras,
passando pelos famosos pendrives

• Conectores multimídia: São de três cores, rosa (microfone), verde


(caixas de som) e azul (entrada de audio)

• Conector Serial: para impressoras mais antigas

Dentro da placa-mãe existem também conectores internos, são eles

• Conetor SATA: onde encaixamos os HD’s

• Conector IDE: em geral usado para alguns modelos de HD antigos e


drivers de DVD.

Clock
Tudo no computador tem um momento certo de acontecer. Entre todos de
controle no barramento, o mais importante chama-se clock. O clock faz o incronismo
entre todos os circuitos que constituem o computador. Todos os circuitos trocaram
informações no momento em que o clock permitir. É ele “quem diz:- Agora!” fazendo
com que todos os circuitos trabalhem em sincronismo e harmonia. E todos os
circuitos se basearam no “agora” do clock.
Como os circuitos eletrônicos são rápidos, a freqüência com que o clock fica ativo
(ou seja, fica dizendo “Agora!”) é alta. Ela é medida em GHz (GigaHertz – bilhões de
vezes por segundo).
Overclock — processo que ultrapassa a freqüência do processador
recomendada pelo fabricante. Usa-se para aumentar a capacidade da máquina,
porém a tendência é queimar o processador por excesso de calor.
Quem gera a freqüência que o processador vai trabalhar é a placa mãe.

Reset
Outro sinal bastante importante presente no barramento de controle do micro
chama-se reset, responsável por reinicializar o micro. Há basicamente duas
formasde dar um reset no micro: através da chave Reset no gabinete do micro (feito
pelo hardware), ou pressionando simultaneamente as teclas Ctrl + Alt + Del (feito
pelo software – S.O.).

Dispositivos de Entrada e Saída (Periféricos)

8
Um computador não teria utilidade nenhuma se ele não tivesse meios de
interagir com o usuário, por isso existem diversos dispositivo de entrada e saída de
dados (periféricos) com a finalidade de fazer a interface entre o computador e o
mundo real. Por exemplo, teclado, mouse monitor de vídeo, impressoras...

Circuitos de Apoio (Chipset)


Na placa-mãe existem diversos circuitos que auxiliam o processador nas
tarefas, esse circuitos são denominados chipset. O chipset é responsável por
auxiliar o processador no gerenciamento do micro, por exemplo, no controle de
interrupção e no aceso direto à memória.

Módulos de Memória (Pente de Memória).


Os módulos de memória são plaquetinhas onde os circuitos integrados já
vem soldados, bastando ao usuário, somente encaixar esses módulos de memória
na placa-mãe do micro.

Memória ROM
 Bios — sistema básico de entrada e saída. Checa os itens básicos
da inicialização, que são: processador, memória e placa de vídeo.
Responsável pelo BEEP que indica está tudo ok.
 Post — Checagem dos demais circuitos.
 Setup — Programa para configuração de determinados dispositivos
que pertencem à placa mãe. Ao ligar o computador, pressiona-se “DEL”
e tem-se acesso ao programa.
 Cmos — Armazena as configurações realizadas no Setup. Muitas
vezes o cliente protege o Setup com uma senha e no momento da
manutenção informa que a esqueceu e a única maneira de se conseguir
ter acesso é retirando a pilha que alimenta o Cmos, donde todas as
informações serão perdidas, sendo necessário uma posterior
reconfiguração de toda a máquina.
 Boot Strap — Faz a chamada para o S.O. (é como se ele fosse o
responsável pela caderneta de chamada em uma sala de aula).

Memória RAM
 SDRAM (Synchronous Dynamic Random Access Memory) — DIMM
SDR 168 vias. 66 MHZ, 100 MHZ, 133 MHZ 64 bits
 SDRAM – DIMM DDR (Double Data Rate) - PC1600=DDR200,
PC2100=DDR266, PC2700=DDR333, PC4000=DDR500,
PC3200=DDR400, PC4200=DDR533
2,5V
 RDRAM – RIMM (Rambus Inline Memory Modules) - Rambus - 800
MHz – 16Bits – 1,6 Gigabytes/s
 SDRAM – DDR2
400MHz, 533MHz, 667MHz, 750MHz, 800MHz e 1066MHz – consumo
menor de energia – 1,8V
 SDRAM – DDR3
800MHz, 1066MHz, 1333MHz e 1600MHz – 1,5V
Capacidade:
DIMM: 1GB, 2GB, 4GB
DDR Dual Channel – 128 Bits
9
Instalação de Módulos DIMM
1. Afaste as presilhas laterais do soquete, no sentido de dentro para fora. Elas
deverão ficar em um ângulo de 45º em relação ao soquete.
2. Insira o módulo verticalmente sobre o soquete, verificando se ele está em sua
posição correta, isto é, se os chanfrados existentes estão sendo encaixados
corretamente sobre os chanfrados delimitadores do soquete. Empurre o módulo
até o final do soquete. As presilhas laterais se fecharão automaticamente.
3. Pronto o módulo está corretamente encaixado.
4. Para retira o módulo, basta afastar as presilhas laterais do soquete no sentido de
dentro para fora. O módulo sairá automaticamente do soquete.

10
Armazenamento de Dados

Disco Rígido
O Disco Rígido, cujo nome em inglês é Hard Disk (HD), serve para armazenar
dado permanentemente ou até estes serem removidos. Fisicamente, os HDs,
são constituídos por discos. Estes são divididos em trilhas e estas são formadas
por setores. Um agrupamento de setores em relação a outros discos é chamado de
cilindros. Os Hds podem armazenar até centenas de gigabytes.
Winchester - Nome código do projeto que o criou
HD - Hard Disk
HDD - Hard Disk Drive
A velocidade de acesso às informações dos discos depende da velocidade em que
estes giram. Os padrões mais comuns são de 5.400 rpm (rotações por minuto),
7.200 rpm e 10.000 rpm.
Para serem usados pelo computador, os HDs precisam de uma interface de
controle. As existentes são a IDE (Intergrated Drive Electronics), SCSI (Small
Computer System Interface) e SATA (Serial ATA). Um pequeno detalhe: os HDs
também podem ser chamados de "Winchester", porém esta é uma antiga
denominação.

Formatação
O sistema de armazenamento de dados utiliza um sistema de endereçamento
para que o sistema operacional possa localizar os dados armazenados, a esse
sistema de endereçamento damos o nome de formatação.
Todos os discos magnéticos são divididos magneticamente em círculo
concêntricos chamados trilhas. As trilhas por sua vez são divididas em setores. Em
cada setor cabem 512 bytes de informação (esse valor é fixo).
Dependendo do disco, ele poderá ter uma formatação com um maior número de
trilhas e setores. Quanto maior esse número, mais dados o disco poderá armazenar.
A capacidade de um disco não é um valor aleatório, mas sim definido pelo seu
padrão de formatação. Chamamos o padrão de formatação de um disco de
geometria.

Formatar: Preparar o disco para receber informações, dividindo-o em trilhas e


setores.

Esquema para sistema.

11
Quando salvamos alguma informação no disco, ela fica espalhada por toda a
superfície, pois as mesmas chegam aos poucos através dos bits e a medida que
vão chegando e estando o disco a girar em alta velocidade, não coincide de ficarem
todas no mesmo “cluster”. Desta forma, uma boa opção, é usar o desfragmentador
de disco, uma vez que, este programa tem a capacidade de agrupar o mais próximo
possível uma das outras, tomando a consulta mais rápida.
Esquema:

Objetivo:
• Organizar em estruturas de pastas
• Back up
• Colocar mais de um S.O.

Partição Primária (C:) — principal área estendida (inicialização)


Áreas divididas entre as unidades lógicas

Trabalhando com 2 hd’s

HD sem jumper assume o lugar de escravo.


Se for utilizar o HD só por alguns instantes é recomendável que
instale na IDE 2 , sem necessidade de jumper.

12
Instalação de drivers

Iniciar — painel de controle — sistema — gerenciamento de


dispositivos
Outros dispositivos:
PCI multimedia audio device = som
PCI ethernet controller = rede
PCI universal serial bus = USB

Bluetooth
Bluetooth é um protocolo padrão de comunicação primariamente projetado
para baixo consumo de energia com baixo alcance, (dependendo da potência: 1
metro, 10 metros, 100 metros) baseado em microchips transmissores de baixo custo
em cada dispositivo.
O Bluetooth possibilita a comunicação desses dispositivos uns com os outros
quando estão dentro do raio de alcance. Os dispositivos usam um sistema de
comunicação via rádio, por isso não necessitam estar na linha de visão um do outro,
e podem estar até em outros ambientes, contanto que a transmissão recebida seja
suficientemente potente.
Lista de aplicações
As aplicações mais prevalentes do Bluetooth incluem:

 Controle sem fio e comunicação entre celulares e fones de ouvido sem fio ou
sistemas viva voz para carros. Essa foi uma das mais antigas aplicações da
tecnologia a se tornar popular
 Comunicação sem fio entre PCs em um espaço pequeno onde pequena
banda é necessária.
 Comunicação sem fio entre PCs e dispositivos de entrada e saída,
como mouse,teclados e impressoras.
 Comunicação sem fio entre telefones celulares e estações de telefonia fixa,
para funcionar como um telefone sem fio dentro da área de cobertura e
economizar em tarifas de serviço telefônico.
 Transferência de arquivos entre dispositivos usando OBEX.
 Transferência de contatos, anotações e eventos de calendário e lembretes
entre dispositivos com OBEX.
 Substituição de dispositivos seriais tradicionais com fio em equipamentos de
teste, receptores GPS, equipamentos médicos, leitores de código de barras e
dispositivos de controle de tráfego.
 Para controles onde o infravermelho era tradicionalmente utilizado.
 Enviar pequenas propagandas para dispositivos ativados por Bluetooth.
 Consoles de videogames da nova geração – Wii e Play Station 3 usam
Bluetooth para seus respectivos controles sem fio.
 Acesso dial-up à internet em um computador pessoal ou PDA usando um
celular compatível com dados como modem.
 Receber conteúdo comercial (Spam) via um quiosque, como em um cinema
ou lobby.

13
Wi-Fi
Wi-Fi é mais parecido com conexões Ethernet tradicionais, e requer configuração
para instalar recursos compartilhados, transmitir arquivos, e configurar links de
áudio (por exemplo, fones de ouvido e dispositivos hands-free). Essa tecnologia usa
a mesma freqüência de transmissão que o Bluetooth, porém com alta potência,
resultando em uma conexão de rádio mais forte. Wi-Fi é às vezes chamada de
"Wireless Ethernet". Essa descrição é correta e também provê uma indicação da
suas relativas forças e pontos fracos. Wi-Fi requer mais configurações, porém é
melhor para operar redes de alta-escala pelo fato de suportar conexões rápidas e
seguras e com melhor potência de transmissão e recepção da estação-base do que
o Bluetooth.

IRQ — Interrupção — Recursos dos dispositivos para interromper o processador,


avisando que tem uma nova instrução (ex.: comunicação e/rede)

Conflito — Quando o processador recebe duas interrupçôes com a mesma IRQ.


Tomando como exemplo a IRQ 5 que serve para som e rede, cada uma com seu
endereço na memória. Então, o processador não sabe a quem atender primeiro.
Para solucionar, da um clic na exclamação, dentro do gerenciador de dispositivo, no
item “desempenho”.

Trilha 00(zero,zero) — Ficam os arquivos de sistema. As vezes ficam sujeiras e é


preciso dar um, “C:\>fdisk/mbr”, para limpar o setor mestre de gravação. As vezes,
particionamos, formatamos e instalamos o S.0. e não se conseguimos inicializar.

Limpeza de registro — (system.dat — regedit “editor”) — Remover entradas e


chamadas inválidas. Programa para fazer limpeza de registro. Para excluir
programas, não se deve selecionar e deletar, pois ficam registros na raiz, o que
deixa a máquina lenta. O correto é desinstalar.

Para otimizar a máquina:


- desinstalar programas
- limpar registro
- desfragmentar disco
- passar antivírus

Sistemas de alocação de arquivos

FAT (file alocation tabel)


FAT 16— msdos (só reconhece partição de 2 giga)
FAT 32 — Windows 95, 98, Me, XP
NTFS - Windows Vista, Windows7, Windows 8
Ext, Reiser — Linux

14
Chipset — Auxilia o processador controlando também os slots de expansão. Possui
características da placa mãe (barramento, velocidade). Controla dispositivo on-
board que não tenham o seu controlador.
Os slots de expansão podem não operar em virtude do chipset responsável por ele,
estar com problema e neste caso, a placa mãe é condenada.
Quanto maior o chipset, maior a sua função.
Quando é lançada uma nova placa mãe, fala-se muito no seu chipset. Ele se integra
com todo o sistema da placa dando uma boa performance. Atualmente algumas
placas-mãe só estão vindo com 1 chipset, pois os slot’s ISA, estão deixando de
existir.
Placa mãe com vídeo on-board, vem com o próprio chipset.
As placas off-board, já vem com o seu próprio chipset, liberando o da placa mãe,
para controlar a memória ROM
A grande maioria das placas mãe possui 2 chipset.
Dispositivos controlados pelo Chipset:
 Memória do sistema – DRAM
 Barramento IDE
 Barramento de sistema
 Barramento PCI-E
 PCI Bridge
 Canais de DMA
 Teclado
 Mouse padrão PS/2
 CMOS SRAM
 Gerenciamento de energia

USB – Universal Serial Bus – Barramento Serial Universal


 Permite conexão física de novos periféricos sem a necessidade de
acessar os slots internos do PC;
 Evita o uso de placas controladoras adicionais;
 Permite a conexão ou desconexão a quente, ou seja, não é
necessáriodesligar ou reiniciar o PC e/ou periféricos;
 Permite a conexão de até 127 periféricos em cascata ao PC;
 Os periféricos são automaticamente detectados e configurados como
Plug and Play (PnP);
 Custo reduzido para instalação/desinstalação de periféricos;
 Único tipo de conector para todos os tipos de periféricos
(padronização);
 Viabiliza que os periféricos operem em tempo real;
 Barramento disponibiliza uma tensão de +5V, evitando assim o uso de
fontes externas para alimentação de periféricos;
 Taxa de transferência: 1,5 a 12 Mb/s.
FIREWIRE – também conhecido por IEEE1394. suporta “apenas” 63 periféricos.
Taxas de transferência entre 100 e 400Mb/s. Menos difundido que USB.

15
Unidades & bobagens
 Herz = ciclos p/segundo
 KHz = 1.000 ciclos p/segundo
 500MHz = 500 milhões de ciclos p/segundo
 3 GHz = 3 bilhões de ciclos/ segundo
 COOLER ventilador que fica em cima do processador
 FANCOOLER (Ventoinha) = ventilador da fonte
 ON BOARD — as placas são soldadas na placa mãe — esquentam mais
 OFF BOARD - as placas são separadas — tudo que é encaixado nos Slots
de Expansão (considerada a melhor)
 Para melhor segurança, é melhor desligar o micro do que resetar.
 UPGRADE — troca de processador para melhorar o desempenho da
máquina
 DEFAULT — configuração padrão
 Teste Básico — primeira alternativa para identificar algum problema no micro,
que consiste em retirar todos os itens desnecessários para o seu
funcionamento, ou seja, só fica o processador, a memória, a placa de vídeo e
o SPEAKER que é o responsável pela emissão de sons em forma de beep’s,
o que muito auxilia no processo.

Manuseio de componentes
Usuários o técnicos inexperientes podem, ao invés de consertar, estragar mais o
PC se não o manusearem corretamente. Devemos lembrar que estamos lidando
com computadores, que são equipamentos extremamente delicados. Apesar de
muitas placas, drive e componentes serem baratos, mesmo assim são sensíveis e
necessitam dos mesmos cuidados dispensados aos equipamentos caros.
O mais importante cuidado a ser tomado por quem manuseia equipamentos é o
seguinte:
Antes de fazer ou desfazer qualquer conexão, seja ela de chips, placas,
cabos, conectores, periféricos e drives de qualquer tipo, todos os
equipamentos devem estar desligados.
A maioria dos chips e placas ficam danificados permanentemente caso sejam
removidos ou colocados com o computador ligado. O mesmo se aplica a periféricos.
Quando uma impressora, mouse, teclado, scanner é conectada ou desconectamos,
devemos desligar o computador e o periférico, caso este possua alimentação
própria. Se esta regra não for respeitada e mesmo assim nada for danificado, trata-
se simplesmente de uma questão de sorte.
Uma outra boa prática é desligar o computador para fazer também
conexões mecânicas. Para aparafusar ou desparafusar drive’s de disquetes,
discos rígidos e drive de CD-ROM, fonte, conectores seriais ou qualquer outra peça
presa por parafusos, o computador deve ser antes desligado. Uma peça metálica

16
qualquer, como por exemplo, um parafuso, ao cair sobre uma placa pode causar
um curto-circuito caso o computador esteja ligado, causando danos irreversíveis.
Igualmente importante é o correto manuseio de cabos. Ao retirar qualquer tipo de
cabo, devemos puxar sempre pelo conector, e não pelo cabo. Puxando pelo
cabo,as ligações elétricas entre o cabo e o conector são desfeitas, causando mal
contato. Essa regra é aplicada para qualquer tipo de cabo.

17