Você está na página 1de 3

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE

CURSO DE GRADUAÇÃO EM COMUICAÇÃO SOCIAL –


PUBLICIDADE E PROPAGANDA

Alessandra Caroline Araújo Peregrino

Resenha crítica: O que é cultura?

Natal/RN

2019
Alessandra Caroline Araújo Peregrino

Resenha crítica: O que é cultura?

Resenha apresentada para a disciplina Cultura


Brasileira, no curso de Comunicação social –
Publicidade e Propaganda da Universidade
Federal do Rio Grande do Norte - UFRN

Prof. Maria das Graças Galvão Pinto Coelho

Natal/RN
2019
Resenha crítica: O que é cultura?
SANTOS, José Luiz dos. O que é cultura? São Paulo: Editora Brasiliense.

Um dos grandes desafios atuais é encontrar uma definição para a palavra "Cultura".
Com o avanço dos meios de comunicação, isso não se tornou uma tarefa mais simples, pelo
contrário, novos conceitos distintos surgiram. No livro "O que é cultura?", de José Luiz dos
Santos, o autor apresenta duas concepções da palavra, a primeira delas diz respeito a “tudo
aquilo que caracteriza a existência social de um povo ou nação”, já a segunda considera
cultura como o conhecimento, crenças e costumes de um povo.
O livro traz uma indagação que guia todo o decorrer da obra. A pergunta levantada
pelo autor diz respeito às variações culturais na sociedade mundial. Como surgem? Por que
surgem? Desse modo, José Luiz afirma que a cultura diz respeito à história particular de
cada sociedade. Falando sobre o assunto baseado no conceito de cultura como “tudo o que
caracteriza uma população humana”, o livro levanta a discussão sobre evolução cultural e a
visão europeia desse conceito.
Estando associada ao processo histórico das civilizações, torna-se inviável classificar
uma cultura como mais ou menos desenvolvida que outra, ou relativizá-las com base nos
critérios do observador, ignorando a existência de diferentes interações entre culturas.
Nesse ponto, também é possível apontar os pensamentos do sociólogo Karl Marx (1818 -
1883) sobre as classes sociais e perceber a influência das classes dominantes enquanto
agentes influenciadores no relativismo de uma cultura.
Outro conceito importante apresentado é o de realidades culturais internas a uma
sociedade, conceito esse que deixa clara a inexistência de uma homogeneização cultural,
visto que em um espaço territorial, ainda que vivendo sobre as mesmas regras, alguns
grupos desenvolvem costumes e interações sociais diferentes do resto da sociedade, como
é o exemplo das sociedades indígenas no território brasileiro, ou grupos de pessoas que
vivem no campo. Desse modo, é trazido à tona a concepção de diversidade cultural. Para o
autor, não é possível estudar a cultura de uma sociedade sem considerar as diferentes
formas culturais nela existentes ou o fato de que as culturas estão sempre em
transformação.
Considerando que a cultura está associada ao processo histórico de uma sociedade,
é possível perceber que ela está em constante estado de mutação. As grandes evoluções
tecnológicas, que tornam cada vez mais fácil a interação entre as culturas é prova disso. O
conhecimento é produzido mais rápido e a sociedade está em constantemente em
adaptação a ele. Sendo assim, não é viável considerar uma determinada cultura como algo
fechado. O estudo da cultura serve então para entender os rumos tomados por uma
civilização com base na sua história, no seu conhecimento e nos seus costumes.
A obra busca apresentar o conceito de cultura e a importância da apreensão dela
pelo indivíduo. A cultura é parte do processo social de um povo e, dessa forma, é a partir
dela que surgem as mudanças e se compreende a realidade social das sociedades. O tema
se faz de maior importância no momento de globalização vivido pela sociedade mundial. A
importância da resistência cultural enquanto instrumento de luta contra o avanço da
imposição cultural das civilizações dominantes só pode ser efetiva a partir do momento em
que o indivíduo entende o seu papel enquanto ser cultural e da influencia dessa cultura
como identidade de um povo.