Você está na página 1de 72

INTRODUÇÃO A PRATICA INTEGRATIVA

Todos os direitos reservados. Proibida a reprodução sem autorização, por escrito, da autora.
INTRODUÇÃO A PRATICA INTEGRATIVA
Sumário
Introdução a Visão Integrativa e Holística:................................................................................................. 4
Definição de saúde e a doença na visão Integrativa ........................................................................................................................................................... 5
Fatores externos e internos que podem causar doenças:.................................................................................................................................................. 6
Saúde emocional....................................................................................................................................................................................................................... 7
Saúde física: o corpo tem suas razões .................................................................................................................................................................................. 9
Psicossomática e Metafísica da Saúde .................................................................................................... 10
Técnicas Integrativas: introdução .............................................................................................................. 19
Aromaterapia: .......................................................................................................................................................................................................................... 19
Cronobiologia ........................................................................................................................................................................................................................... 23
Cromoterapia ........................................................................................................................................................................................................................... 26
Medicina Preventiva Ayurveda.............................................................................................................................................................................................. 33
Medicina Tradicional Chinesa ............................................................................................................................................................................................... 40
Meditação: ................................................................................................................................................................................................................................ 45
Terapia Ortomolecular ............................................................................................................................................................................................................ 51
Antroposofia ............................................................................................................................................................................................................................. 55
Técnica de Respiração Orientada ........................................................................................................................................................................................ 62
Reflexões finais ............................................................................................................................................ 71

Todos os direitos reservados. Proibida a reprodução sem autorização, por escrito, da autora.
INTRODUÇÃO A PRATICA INTEGRATIVA
“Dizem que tudo que buscamos também nos busca”. Clarissa Pínkola Estés
Seja bem-vinda ao Curso “Introdução à Prática Integrativa”.

Este curso pretende, através de uma visão holística e integrativa e das técnicas de recomendações naturais para equilíbrio do corpo
e da mente apresentadas, lhe oferecer ferramentas para:

 a busca do autoconhecimento
 o gerenciamento do stress
 reestabelecer o equilíbrio físico, mental, emocional e energético

Na visão integrativa, se tivermos consciência de nossas qualidades, defeitos, limites e emoções, teremos melhores condições de
nos relacionar com as pessoas e com o mundo em que vivemos. E, consequentemente, poderemos cuidar do outro com mais
respeito, consciência, sabedoria e segurança.

Quando as pessoas acreditam que não podem mudar, correm o risco de se avaliar e de serem avaliadas como fracassadas. E, por
mais inteligentes e talentosas que sejam o fracasso pode defini-las de maneira permanente e prejudica-las de usar seus recursos
naturais de reação.

Já quando as pessoas acreditam que suas qualidades básicas podem ser desenvolvidas, os fracassos podem ser dolorosos, mas
não vão defini-las. Assim terão recursos para expandir as capacidades, para mudar e evoluir.

É importante mencionar que:

1. A prática Integrativa se constitui um cuidado natural, holístico e adicional a tratamentos alopáticos.


2. Não substitui nenhum tratamento médico ou psiquiátrico
3. Não indica ao cliente deixar de utilizar os medicamentos prescritos por profissionais da área da saúde.

Todos os direitos reservados. Proibida a reprodução sem autorização, por escrito, da autora.
INTRODUÇÃO A PRATICA INTEGRATIVA
Introdução a Visão Integrativa e Holística:

O termo holismo origina-se do grego “holos”, significa todo. No século VI a.C. o filósofo Heráclito de Éfeso já dizia "A parte é diferente
do todo, mas também é o mesmo que o todo. A essência é o todo e a parte". A terapia Holística, integrativa, não é uma ciência, nem
uma filosofia. Não é uma religião nem uma disciplina mística. A holística é uma atitude diante da realidade, uma forma de ver e
compreender o mundo. É a visão do todo: aspectos físicos, emocionais, mentais e sutis do próprio ser humano e de tudo que está
a sua volta.

O pensamento holístico, entendido como uma atitude diante da vida, uma forma de compreender e de estar no mundo, permeia
todos os níveis de atuação do indivíduo. Admite todas as religiões. Admite todos os sistemas filosóficos. Mas não os mistura.
Respeita o que cada um tem de importante e entende que a diversidade é essencial para a riqueza e a fertilização do pensamento.

Hoje já sabemos que vários fatores influenciam nossa saúde, tais como: o relacionamento no meio familiar e no trabalho, o local em
que se vive e o estado emocional e espiritual de cada pessoa. Se tudo isso não estiver em harmonia, o indivíduo fica doente com
mais facilidade. Então, para ter uma vida saudável é necessário encontrar um ponto de equilíbrio nos aspectos físico, mental, social
e espiritual.

Vale ressaltar que o autoconhecimento que a prática Integrativa oferece torna-se uma possibilidade de saber quais são os hábitos
saudáveis que devem ser praticados para manter a saúde, entender a importância de ter um sono adequado para facilitar a
regeneração do corpo físico e mental e aprender a manter a saúde e o bem-estar e desta forma prevenir a instalação das doenças.

Todos os direitos reservados. Proibida a reprodução sem autorização, por escrito, da autora.
INTRODUÇÃO A PRATICA INTEGRATIVA
Definição de saúde e a doença na visão Integrativa:

Definição de Saúde:

 Organização Mundial de Saúde – OMS (1946): “A saúde é um estado de completo bem-estar físico, mental e social, e não
consiste apenas na ausência de afecções ou enfermidade”.

 Terapia Integrativa: equilíbrio entre o corpo, a mente, as emoções e a adaptação social; harmonia entre o modo de ser,
estar e agir no mundo que em que se vive.

Definição de doença:

 Organização Mundial de Saúde (OMS): “falta ou perturbação da saúde”. É um “distúrbio das funções de um órgão, da
psique ou do organismo como um todo, que está associado a sinais e sintomas específicos”.

 Terapia Integrativa e complementar: “Desequilíbrio entre o corpo e a mente”.

Na concepção ocidental da saúde, existem 5 sinais vitais que representam um estado de saúde perfeita: temperatura do corpo,
batimentos cardíacos, frequência respiratória, pressão arterial e dor.

Na concepção oriental da saúde, as condições básicas para ter saúde são: ausência de fadiga, vontade de viver, capacidade
amorosa de compreender e aceitar, bom apetite por alimentos e sexo, sono profundo e reparador, boa memória, bom humor e
capacidade de sentir alegria e rapidez de raciocínio e execução.

A medicina ocidental considera 4 pilares da saúde: física (alimentação e atividade física), mental (sono e stress e relaxamento),
emocional (autoestima, autoconfiança, doenças psicossomáticas) e social (família e amigos, trabalho e diversão).

Na 8ª Conferência Nacional de Saúde ampliou-se o conceito de saúde (1986): “saúde é a resultante das condições de alimentação,
educação, renda, meio ambiente, trabalho, transporte, emprego, lazer, liberdade, acesso e posse da terra, acesso a serviços de
saúde... resultado de formas de organização social de produção, as quais podem gerar profundas desigualdades nos níveis de
saúde”. A saúde passou a ser entendida como um valor coletivo, um bem de todos e não só do indivíduo. É um direito fundamental
de toda pessoa e deve ser assegurada sem distinção de raça, de religião, ideologia política ou condição socioeconômica.

Todos os direitos reservados. Proibida a reprodução sem autorização, por escrito, da autora.
INTRODUÇÃO A PRATICA INTEGRATIVA
É importante compreender que os indivíduos não são saudáveis ou doentes, mas apresentam diferentes graus de saúde ou doença
de acordo com suas condições de vida. A percepção de saúde e doença é única e está relacionada com a forma de perceber, agir
e reagir aos acontecimentos. É um processo dinâmico que se modifica de acordo as diferenças culturais, sociais, econômicas e
individuais levando em conta também os momentos históricos e do desenvolvimento científico da humanidade.

Fatores externos e internos que podem causar doenças:


1. Biológicos: bactérias, vírus, fungos;
2. Físicos: radiação, impactos;
3. Químicos: drogas, gases, fumo, álcool;
4. Genéticos: alterações genéticas;
5. Psíquicos: doenças autoimunes e do stress
6. Ambientais: falta de saneamento básico, poluentes do ar e da água;
7. Estilo de vida: hábitos do dia-a-dia.

É necessário também que possamos refletir e buscar modificar nossa percepção quanto aos 3 erros que cometemos e que podem
atrapalhar nosso processo de recuperar a saúde:

1. O médico ou o remédio curam: o que cura é a mudança de hábitos aliada ao seu poder de autocura.
2. Acreditar que a cura vem de fora, de algo externo: a cura deve vir de dentro para fora.
3. Separar a saúde das emoções: todos os sistemas são integrados.

Importante: Todas as agressões ao nosso organismo se iniciam por alterações celulares, sejam elas ferimentos em nossa pele ou
nas mucosas (boca, estômago, intestino, bexiga, útero, pulmão), invasões virais ou bacterianas, intoxicações ou deficiências
nutricionais ou ainda stress emocional.

Todos os direitos reservados. Proibida a reprodução sem autorização, por escrito, da autora.
INTRODUÇÃO A PRATICA INTEGRATIVA
Saúde emocional
A forma como nos sentimos acerca de nós mesmos é algo que afeta profundamente todos os aspectos da nossa existência: desde
a maneira como agimos com familiares, colegas de trabalho, no amor e no sexo até o modo como atuamos como pais ou o sucesso
profissional e pessoal que teremos na vida. Além disso, nossas reações aos acontecimentos do cotidiano são determinadas por
quem e pelo que pensamos que somos. Os dramas da nossa vida são reflexos das visões mais íntimas que temos de nós mesmos.

Você sabe por que é importante aprender a ouvir a si mesma?

De acordo com Ana Beatriz Vieira Pinheiro, para a Medicina Tradicional Chinesa, “as doenças e sintomas são a possibilidade de
percebermos que estamos no caminho errado”. São um sinal de alerta que nosso corpo dá para mostrar que precisamos rever
hábitos. Temos a chance de mudá-los.

Mudar hábitos não é fácil (mesmo que a gente saiba que nos fazem mal). Toda mudança, por mais simples que seja, pode causar
insegurança, gerar certa angústia e exige dedicação e perseverança. Nem sempre temos condições de fazer isso. Não adianta
apenas ir ao médico e ele nos dizer o que fazer, é preciso estar aberto, receptivo, pronto para desapegar de velhos hábitos
enraizados para então poder seguir em direção à cura.

Quem é o responsável por sua saúde? Você é claro! É você quem deve decidir se pode e como vai colocar em prática as
orientações e receitas de médicos e terapeutas. Segundo Luciana Ayres (fisioterapeuta e acupunturista), “só a pessoa pode cuidar
de si. O médico e o terapeuta são apenas os orientadores, eles dão sugestões do que pode ser feito para melhorar a saúde”.

Você percebe que cuidar da saúde significa mais do que ir ao médico/terapeuta, fazer exames regulares e seguir recomendações e
receituários? É preciso conhecer a si mesma, ouvir o que o próprio corpo diz, reconhecer os próprios limites e possibilidades.

O Dr. João Curvo acrescenta: “Todos nós guardamos uma intuição em relação ao que nos faz bem ou mal, mas quando estamos
mais profundamente desequilibrados, costumamos fazer o que nos faz mal”. Da mesma forma “nossas escolhas iniciam-se a partir
da nossa capacidade de auto-organização”, ou seja, da nossa capacidade de estar atento e de ouvir o próprio corpo.

Todos os direitos reservados. Proibida a reprodução sem autorização, por escrito, da autora.
INTRODUÇÃO A PRATICA INTEGRATIVA
A Psicoterapia e a Psicanálise nos proporcionam essa escuta de si mesmo. Escuta que nos permite conhecer nossos limites,
perceber nossas repetições, reconhecer nossas resistências internas, nossos medos e desejos. Ao mesmo tempo ela também nos
mostra a possibilidade de reorganizar a vida diariamente. Não somos, estamos sempre sendo.

Sendo assim, saúde é uma busca constante, não se tem alta. É um compromisso vitalício consigo mesma que se renova diariamente
com as escolhas que você faz.

“Nenhuma circunstância exterior substitui a experiência interna. E só à luz dos acontecimentos


internos que entendo a mim mesmo. São eles que constituem a singularidade da minha vida.”
Carl Jung
Porque é importante acolher as emoções?

 Porque fazendo isso estamos em contato com o momento presente, com a realidade.
 Porque este movimento diário de reconhecer e vivenciar as emoções impede a fixação nos aspectos sombrios da nossa
existência
 Porque a cura e a transformação são caminhos individuais e intrasferíveis, frutos do merecimento e do investimento e da
persistência pessoal de cada um.
 Porque reconhecer e enfrentar nossas emoções nos liberta, nos legitima, nos torna autêntica.

Além disso, as respostas comportamentais que ocorrem logo no início de uma emoção (diretamente correlacionadas com um
estímulo disparador) podem se tornar crônicas seja porque os estímulos disparadores permanecem ou por que o indivíduo apresenta
um distúrbio afetivo. Nesse caso ocorrem respostas prolongadas, geralmente mantidas com o envolvimento de hormônios e do
sistema imunitário. É o que acontece na ansiedade ou no estresse, uma situação de tensão ou medo crônico que quando intensos
e prolongados podem causar sérios danos à saúde física e mental.

Todos os direitos reservados. Proibida a reprodução sem autorização, por escrito, da autora.
INTRODUÇÃO A PRATICA INTEGRATIVA
Na enxaqueca, por exemplo, mesmo indo ao médico, tomando a medicação prescrita e praticando todas as técnicas
complementares para sanar a dor você também pode buscar analisar a sua personalidade, a forma de ver e ser perante a vida ou
ainda onde uma repressão da raiva, a irritação com a falta da perfeição atua como facilitadores ou geradores da enxaqueca crônica.

OBS: não se refira a enxaqueca (ou qualquer outra disfunção que tiver) como: “eu tenho enxaqueca” ou “minha enxaqueca”. Esta
condição não faz parte de você! Então, por favor, mude seu foco: refira-se a “estou com enxaqueca” e “estou buscando soluções
para me livrar da enxaqueca”.

Lembre-se: é importante perceber que somos responsáveis pela forma que passamos por uma situação de doença ou conflito e que
podemos atuar efetivamente diante do problema. Podemos aprender que temos total condição de sermos “cientistas” do nosso
mundo interior, que temos condições de investigar, identificar, testar, modificar, adequar, re-significar, reaprender, transformar,
buscar o equilíbrio e até curar.

Saúde física: o corpo tem suas razões


Segundo Thérèse Bertherat, “O corpo nunca esquece o que aconteceu”. Na rigidez, retração e dores dos músculos das costas,
membros, diafragma, feições do rosto, está escrita toda a sua história: do nascimento até os dias de hoje. Sem perceber, porém,
desde o nascimento você reagiu a pressões: “fique assim”, “fique quieto” ou” não mexa”. Você fez o que pode para seguir a
programação, inclusive se deformou, enrijeceu, seu corpo deixou de ser harmonioso, dinâmico, equilibrado e autônomo. O corpo
em desarmonia gasta mais energia. Ouvir as mensagens do seu corpo permite usar apenas a energia apropriada para cada gesto.

Através da escuta dos sinais do corpo, você poderá:

 Deixar cair às máscaras, disfarces, poses, fantasias e passar a ter a coragem de ser autêntico;
 Livra-se da insônia, prisão de ventre, distúrbios digestivos e passar a ajudar o seu corpo a desempenhar bem suas funções;
 Despertar seus 5 sentidos, aguçar suas percepções, ter e saber projetar uma imagem de si mesma que lhe traga satisfação;
 Afirmar sua individualidade, reencontrar sua capacidade de iniciativa e a confiança em si mesma;
 Aumentar sua criatividade e sua capacidade intelectual (atenção, concentração e memória);

Todos os direitos reservados. Proibida a reprodução sem autorização, por escrito, da autora.
INTRODUÇÃO A PRATICA INTEGRATIVA
 Desaprender (ou desapegar) de maus hábitos, das couraças e dos automatismos que a levaram a sentir dores crônicas
(fibromialgia, artrite reumatoide, por exemplo), a desenvolver doenças autoimunes ou a deformar sua coluna (escoliose,
cifose, lordose).
 Reencontrar um corpo harmônico, espontâneo, equilibrado e, finalmente encontrar no seu corpo a sua morada, começar a
comandar sua vida e tornar-se sujeito em sua própria história. Que seu corpo seja uma casa acolhedora!

Psicossomática e Metafísica da Saúde

Desde o nascimento, o ser humano se relaciona com o mundo e vai aprendendo, se adaptando e construindo sua relação com o
outro e com o meio em que vive. Nosso bem-estar psíquico e físico dependerá sempre da forma como nós nos relacionamos com
este mundo e da maneira como reagiremos à realidade que se apresenta. Aprendemos e nos construímos enquanto sujeitos na
relação com o outro e com o mundo. Neste sentido o outro funciona como um espelho no qual a pessoa pode se ver (o outro é
nosso reflexo). Este é o processo natural de desenvolvimento humano e o espaço terapêutico é um espaço preparado para facilitar
este movimento.

Todos os direitos reservados. Proibida a reprodução sem autorização, por escrito, da autora.
INTRODUÇÃO A PRATICA INTEGRATIVA
O estudo da Psicossomática e da Metafisica da saúde pode nos dar pistas do que pode estar nos causando dor e sofrimento. Elas
nos levam a refletir sobre a relação da doença orgânica com os sentimentos, crenças, medos e possíveis traumas e nos dão
ferramentas para buscar o entendimento necessário para podermos operar as mudanças primordiais para promover a nossa
autocura.

Segundo os estudos da Psicologia a Psicossomática é um termo que se refere a interdependência dos aspectos psicológicos,
biológicos e sociais do ser humano. A forma de ver, sentir e se relacionar com o mundo, as crenças, valores, pré-conceitos, a
percepção de seus limites e possibilidades e a maneira de lidar com o próprio corpo definirão o equilíbrio ou a harmonia, a saúde
ou a doença. As doenças ditas psicossomáticas não têm uma causa definida pela medicina tradicional. Na doença psicossomática
identifica-se apenas o mecanismo de funcionamento da mesma e a partir daí são recomendados os tratamentos. Porém não se
identifica a causa da doença, o porquê de, em algum momento, o organismo começar a trabalhar de forma irregular.

Neste sentido, uma doença só se desenvolve de forma psicossomática se a origem for inconsciente, já que cada emoção tem o seu
padrão característico de manifestações fisiológicas, que são respostas dadas pelo sistema nervoso neurovegetativo (simpático e
parassimpático). As respostas autonômicas e comportamentais que ocorrem logo no início de uma emoção, estão diretamente
correlacionadas com um estímulo disparador, são respostas emocionais imediatas. As emoções podem se tornar crônicas seja
porque os estímulos disparadores permanecem ou por que o indivíduo apresenta um distúrbio afetivo. Nesse caso ocorrem
respostas prolongadas, geralmente mantidas com o envolvimento de hormônios e do sistema imunitário. É o que acontece na
ansiedade ou no estresse, uma situação de tensão ou medo crônico que quando intensos e prolongados podem causar sérios danos
físicos.

Na situação de estresse crônico, por exemplo, uma vez inibido uma satisfação (seja da ordem instintiva ou vegetativa ou por conta
de uma situação social criada) se estabelece um conflito interno que gera uma tensão emocional (angústia, por exemplo, neste
caso) ocasionando sintomas também em nível físico como taquicardia, por exemplo. Embora a taquicardia tenha sido produzida a
partir de uma elaboração mental, pode levar o indivíduo a pensar que está tendo um ataque cardíaco, o que vai aumentar a tensão
emocional e que pode aumentar também a pressão arterial.

Na figura abaixo você verá o mecanismo de formação de sintomas. Tem-se o processo em duas vias (devido a possibilidade de
remissão e caso seja feito o caminho contrário - superando as barreiras que inibem a satisfação). A partir deste quadro você pode

Todos os direitos reservados. Proibida a reprodução sem autorização, por escrito, da autora.
INTRODUÇÃO A PRATICA INTEGRATIVA
ir visualizando de forma ampla como se dão determinadas situações em que o psiquismo provoca alterações no corpo e vice e
versa.

Para Sergio Areias somos “arquitetos do nosso mundo”, ou seja, o mundo que enxergamos é o mundo como desejamos enxergar
de acordo com as crenças e valores que criamos ao longo de nossa vida. “Somos responsáveis por nós mesmos e pelos caminhos
que nossas vidas seguem, com nossas doenças, nossas mazelas e todos os obstáculos físicos, mentais e espirituais que
percorremos”.

Dr. Marco Aurélio (autor do livro “Quem ama não adoece”), ressalta que “o que nos ameaça à vida e a saúde, não são os perigos
que vem de fora e sim aqueles que trazemos dentro de nós. É a forma pela qual reagimos aos acontecimentos da vida e a maneira
como os interpretamos e sentimos (mais que o acontecimento em si) que nos provoca stress”. Ele também acredita “que nos seres
humanos, a grande determinante do potencial nocivo do stress é um estado interior de insatisfação consigo mesmo e com a vida”.

Neste sentido, sentimentos de raiva, medo, dor, ansiedade, são encarados por nosso corpo como desequilíbrio, como geradores de
stress. Se estes sentimentos permanecerem presos (se não forem descarregados quer seja na atividade física, na meditação, na
terapia, ou no choro – um dos meios mais eficazes que dispomos para restabelecer nosso equilíbrio interior), eles poderão se
descarregar no estomago, no intestino, no fígado, nos vasos sanguíneos, causando sintomas e doenças (seja um stress crônico,
uma síndrome metabólica ou uma artrite reumatoide, por exemplo).

Todos os direitos reservados. Proibida a reprodução sem autorização, por escrito, da autora.
INTRODUÇÃO A PRATICA INTEGRATIVA
Segundo a medicina energética (quântica, vibracional) os corpos são padrões dinâmicos de auto-organização que possuem: fluxo,
flutuação, vibrações, ritmo, ressonância e sincronicidade. O desequilíbrio sempre aparece nos campos sutis do indivíduo refletindo-
se em uma mudança nos padrões de pensamento, sentimentos e emoções. Os padrões sutis não restaurados promovem
instabilidade e desequilíbrio até materializarem-se no nível físico (sintomas/doenças). A doença é, então, consequência do
desequilíbrio e da desarmonia, da falta de integração, é um produto de padrões internos dissociados.O grande desafio é desenvolver
uma atenção interna capaz de libertar do ciclo do apego. Curar, neste sentido, é desapegar, é processar a informação,
desbloqueando padrões negativos de memórias passadas (de sentimentos e hábitos) - única possibilidade para evitar escolhas
internas que predisponham a novas perdas de energia que levam a desequilíbrios e a doença.

A psicanálise também nos ensina que “toda a doença é psicossomática”. A neurose ou o apego ao sofrimento é o que nos impede
de buscar a felicidade e ter saúde. O apego ao sofrimento (neurose) gera no nível da consciência aprisionamento e estagnação,
perda da capacidade de percepção, de escolha e de vontade (desejo), paralisa o fluxo de energia (tanto no aspecto psíquico,
emocional como no celular). Aqui a incapacidade que a pessoa tem de exprimir seus sentimentos e emoções faz do corpo o palco
para a expressão de sua angústia, ou seja, o sintoma físico ou o órgão doente é uma forma inconsciente de o indivíduo falar do seu
sofrimento. Sendo assim, a doença é uma válvula de escape dos conflitos intrapsíquicos e está diretamente ligada ao estilo de vida
e as escolhas que fazemos diariamente. De acordo com a psicanálise, o que torna possível desapegar-se do que lhe impossibilita
encontrar a felicidade e também o que traz a possibilidade de cura é o retorno ao sintoma (falar sobre o que lhe traz sofrimento para
reelaborar, dar um novo sentido).

É muito interessante conhecer a relação da doença orgânica com os sentimentos, crenças, medos e possíveis traumas, pois assim
podemos aumentar nosso autoconhecimento e buscar recursos para operar as mudanças necessárias para promover a autocura.
É importante perceber que somos responsáveis pela forma que passamos por uma situação de doença ou conflito e que temos total
condição de ser um “cientista” do nosso mundo interior: investigar, identificar, testar, modificar, adequar, re-significar e buscar o
caminho do equilíbrio.

“Estar cheio de vida é respirar profundamente, mover-se livremente e sentir com intensidade.”
Alexander Lowen

Todos os direitos reservados. Proibida a reprodução sem autorização, por escrito, da autora.
INTRODUÇÃO A PRATICA INTEGRATIVA
O que você pode fazer para ser mais feliz, melhorar sua saúde e prevenir ou tratar suas disfunções?

 Desapegar-se de velhos hábitos, crenças, padrões de comportamento sentimentos.


 Permitir-se viver o novo, mudar seu estilo de vida, seus pensamentos.
 Aceitar que precisa de ajuda e confiar em quem está lhe ajudando; de nada adiante ir ao médico ou terapeuta se você não
seguir suas recomendações e fizer as mudanças necessárias no melhorar seu estilo de vida.
 Aceitar suas limitações.
 Parar de se culpar, recriminar ou punir porque cometeu um erro. Errou, reflita sobre o que podia ter feito diferente, aprenda
com seu erro e siga em frente. Você pode recomeçar a cada novo dia, pode escolher fazer diferente a cada novo despertar.
 Vivenciar e expressar seus sentimentos (tanto de alegria e amor como tristeza, medo, ansiedade, raiva e dor).

 Não ser perfeita! A vida não é perfeita e tranquila o tempo todo e ninguém consegue fazer tudo com perfeição. Então não dá
pra ficar usando isso como desculpa. Não tem dia certo para começar a mudar os hábitos que lhe impedem de ter saúde e
de ser feliz.

A Metafísica da saúde demonstra que a raiz dos problemas físicos está na atitude interior frente as situações do cotidiano e a postura
da pessoa determina a saúde do corpo ou desencadeia disfunções e doenças. Ela pesquisa as condições internas responsáveis
pela preservação da saúde do corpo assim como as desencadeadoras dos distúrbios do corpo. Ela busca responder “Porque ficamos
doentes”? Ou ainda porque temos disfunção do estômago e não do fígado, por exemplo. No Brasil temos três autores conhecidos
que são: Cristina Cairo, Luís Gasparetto e Val Cappelli.

Na visão da Metafísica da Saúde:

 Doença é a manifestação dos conflitos interiores.

 Dor é uma sensação exagerada com o objetivo de despertar a consciência para as nossas inadequações. A dor promove um
estado de reflexão e tem o poder de transformar o indivíduo.

 Cura é uma combinação do tratamento físico com o reposicionamento interior (causas emocionais).

Todos os direitos reservados. Proibida a reprodução sem autorização, por escrito, da autora.
INTRODUÇÃO A PRATICA INTEGRATIVA
A consciência metafísica acelera o processo de recuperação da saúde, pois indica o que está mal resolvido e deve ser reformulado
e que podem estar lhe causando dor e sofrimento. Ela não tem respostas prontas. Apenas sugere o que pode estar por trás de um
sintoma ou uma doença. Serve como ponto de partida para a reflexão do que pode estar acontecendo e o que deve ser modificado.

Como já vimos anteriormente, saber sobre as suas condições físicas e emocionais implica em saber como você se relaciona com o
mundo (trabalho, compromissos, poluição, violência urbana) e consigo mesma (autoestima, relações afetivas, relações familiares,
relações sociais). Implica em saber como você se relaciona com o trânsito caótico das ruas, com as perdas, com os compromissos
do cotidiano, com os poluentes aos quais está exposto, com seus vícios e suas dependências, com a sua saúde e a dos seus
familiares, com sua autoestima e assim por diante.

“Não é sinal de saúde estar bem adaptado a uma sociedade doente.” J. Krishnamurti
O que podemos fazer para ser feliz, ter saúde e prevenir nossas disfunções?
Você pode começar se permitindo:

 Desapegar-se de velhos hábitos e velhos sentimentos;


 Viver o novo, mudar nosso estilo de vida, os pensamentos;
 Aceitar que precisamos ajuda e confiar em quem está nos ajudando; de nada adiante ir ao médico ou terapeuta se não
seguirmos suas recomendações e fizermos as mudanças necessárias no nosso estilo de vida.
 Aceitar nossas limitações.
 Errar sem se culpar, sem se recriminar nem punir. Podemos recomeçar a cada novo dia, podemos escolher fazer diferente e
recomeçar a cada novo despertar.
 Vivenciar e expressar nossos sentimentos (tanto de alegria e amor como tristeza, medo, ansiedade, raiva e dor).

Na minha busca pessoal por autoconhecimento e saúde aprendi que sempre vale a pena investir em si mesma. Isso porque a gente
vai se construindo inteira, vai se tornando plena, vai aprendendo que a vida é movimento, que podemos rever conceitos, atitudes,
que podemos recomeçar sempre, afinal percebemos que não somos, estamos sendo o tempo todo.

Todos os direitos reservados. Proibida a reprodução sem autorização, por escrito, da autora.
INTRODUÇÃO A PRATICA INTEGRATIVA
Além disso, uma pessoa que tem consciência de si mesma reconhece seus sentimentos e emoções, vivencia os mesmos e fazendo
isso gerencia melhor a ansiedade e o stress. Uma pessoa que está bem consigo mesma tem um brilho que irradia felicidade no
olhar, tem um sorriso fácil e sincero em seu rosto, tem luz própria e, principalmente, tem paz interior, pois ela simplesmente é, ela
vive intensamente, plenamente, ela é sujeito na sua história de vida (independentemente de sua forma física e seu peso). Da mesma
forma, uma pessoa que aceita seus limites, ouve os sinais que seu corpo envia e realiza as mudanças necessárias para recuperar
o bem-estar, terá mais vitalidade, energia e saúde.

7 Ladrões de energia vital segundo os ensinamentos de Dalai Lama:

1. Resistir e brigar contra uma situação que você não pode mudar: aceite, perdoe e deixe ir. Não é resignação deixar ir uma
situação que está te causando sofrimento. Resistir e brigar contra uma situação que você não pode mudar pode gerar stress,
depressão e doenças. Da mesma forma, afaste-se daquelas pessoas que só chegam para compartilhar queixas e problemas.
2. Não cumprir as suas promessas: se você não cumprir alguma promessa, pergunte-se o porquê desta resistência. Lembre-se
que você tem o direito de mudar de opinião, de se desculpar, de compensar, de renegociar e de oferecer uma alternativa
diante de uma promessa não cumprida. A forma mais fácil de evitar o não cumprimento de algo que você não quer fazer é
dizer “NÃO” desde o começo.
3. Não eliminar e/ou delegar tarefas que você prefere não fazer: dentro do possível delegue tarefas e dedique o seu tempo
àquilo que você desfruta fazer e também para relaxar.
4. Não descansar: dê permissão a você mesma para um descanso e permita-se também agir, se você está em um momento de
oportunidades.
5. Ter um ambiente desorganizado: jogue fora, limpe, recolha e organize… nada tira mais energia que um espaço desordenado
e cheio de coisas do passado que você já não necessita.
6. Não cuidar da sua saúde: dê prioridade à sua saúde, sem a máquina do corpo trabalhando bem, você não pode fazer muito.
Preste atenção ao que seu corpo está lhe dizendo.
7. Não enfrentar os problemas e/ou as situações tóxicas que você está tolerando: enfrente, converse e tente resolver a situação,
aceite, perdoe e deixe ir se não tiver jeito. Resistir e não enfrentar uma situação pode gerar stress, depressão e doenças.

Todos os direitos reservados. Proibida a reprodução sem autorização, por escrito, da autora.
INTRODUÇÃO A PRATICA INTEGRATIVA
Neste momento você pode estar pensando que não tem tempo para fazer as mudanças necessárias na sua vida. Provavelmente
está se perguntando: como vou arrumar tempo para fazer o que preciso?

Para refletir:
1. Você realmente não tem tempo?
2. Quantas vezes você já usou esta desculpa na sua vida?
3. Quantas vezes você já ouviu esta desculpa de outras pessoas?

Dica para organizar o seu tempo: tenha uma agenda. Ela ajuda a organizar melhor sua rotina e ter noção de como será o seu dia.
Isso diminui o stress e o gasto de energia. Além disso, sobra mais tempo para cuidar da saúde e para fazer outras atividades que
dão prazer.

Mas como organizar nosso tempo? Afinal temos tanto que fazer: trabalhar, se manter atualizado, ir ao supermercado, levar e buscar
os filhos na escola, cuidar da casa, ir ao médico, ao dentista, comprar um presente para uma festa de aniversário,... sem levar em
conta as horas que perdemos no trânsito (em grandes centros perde-se muito tempo). Você percebeu que eu só mencionei
“obrigações”? Normalmente, ao pensarmos em organizar o nosso tempo, pensamos em organizar as nossas “obrigações” e não as
nossas prioridades diárias.

Mas e o prazer? E o lazer? E ir ao cinema com a família? E sair com amigos para tomar um café ou simplesmente bater papo? E
ter um tempo só para você? Que tal ficar o dia todo em casa sem fazer nada, apenas descansando o dia todo. Você se permite
fazer isso?

Lembre-se que você é a única responsável por organizar o seu tempo e o uso que quer fazer dele. Afinal o dia de todo mundo tem
24h (ou 16h se considerarmos que dormimos por 8h). Cada um, dentro de suas possibilidades, pode escolher o que quer fazer neste
período.

Em nossas reflexões e observações percebemos que normalmente as pessoas não tem tempo para aquilo que não tem interesse
em fazer (que não escolheram como importante para sua vida, não é sua prioridade). Percebemos, também, que a justificativa ou

Todos os direitos reservados. Proibida a reprodução sem autorização, por escrito, da autora.
INTRODUÇÃO A PRATICA INTEGRATIVA
desculpa “não tenho tempo” geralmente é aceita sem questionamentos pela maioria das pessoas. Por isso que deve ser tão utilizada
por todos.

Então lhe pergunto:


1. Será que você realmente não tem tempo? Ou será que está apenas dando um desculpa para a falta de vontade ou de
interesse?
2. Que uso você quer fazer do seu tempo?
3. O que vale a pena priorizar na sua vida?
4. O que você vai fazer para gerenciar melhor o seu tempo?
5. Quando você vai arrumar tempo para cuidar da sua saúde?

Todos os direitos reservados. Proibida a reprodução sem autorização, por escrito, da autora.
INTRODUÇÃO A PRATICA INTEGRATIVA
Técnicas Integrativas: introdução

Aromaterapia: é uma parte específica da fitoterapia. Utiliza plantas aromáticas (que produzem óleos voláteis essenciais) com ação
terapêutica por via olfativa ou tópica. É um sistema terapêutico natural e holístico que visa reestabelecer o equilíbrio e a harmonia
do corpo e da mente.

Podemos classificar 4 tipos de prática terapêutica da Aromaterapia:

AROMATERAPIA CLÍNICA: foca o tratamento nos sintomas físicos que o paciente apresenta (ex: náusea, dores, dispepsia, insônia,
TPM, cólicas menstruais, entre outros) e utiliza as plantas aromáticas Óleos essenciais como veículo de resgate e manutenção da
saúde. É praticada por médicos. Não é permitida no Brasil. O terapeuta que se apresentar dizendo que utiliza óleos essenciais com
objetivo de curar doenças pode ser acusado de “exercício ilegal da medicina”.

AROMATERAPIA ESTÉTICA: o óleo essencial é utilizado pelo prazer do seu aroma ou aliado a técnica de beleza e ao uso de
cosméticos (shampoo, creme, gel, argila). Os óleos essenciais são usados em massagens, reflexologia, banho aromático,
compressas, escalda pés, inalação. Podem ser utilizados para relaxar, drenar, aliviar um dor muscular entre outros. Utilizada por
massoterapeutas e esteticistas.

AROMATERAPIA HOLÍSTICA: busca integrar corpo, mente e espírito. É uma terapia natural que atua de forma integrada,
equilibrando o corpo físico, mental, emocional, energético e espiritual. Baseada nos princípios holísticos de atendimento, valoriza o

Todos os direitos reservados. Proibida a reprodução sem autorização, por escrito, da autora.
INTRODUÇÃO A PRATICA INTEGRATIVA
vínculo terapeuta/cliente e o cuidado personalizado e integral de crianças, adolescentes, adultos, gestantes e idosos. A escolha dos
OEs tem por objetivo o resgate e/ou a manutenção do bem-estar e deve ser feita levando-se em conta os compostos químicos
aromáticos das plantas com seus diversos efeitos terapêuticos nos âmbitos químico, fisiológico e psicológico do organismo humano.
Na pratica da aromaterapia holística o profissional prepara sinergias de OEs com o objetivo de energizar, reduzir o estresse e a
ansiedade, revigorar, tranquilizar, relaxar, melhorar o sono, melhorar a qualidade de vida e fortalecer o organismo debilitado por
outras formas mais invasivas e agressivas de tratamentos. A Aromaterapia holística também promove e facilita o autoconhecimento
do interagente. Para tanto poderá associar o uso dos óleos essenciais a MTC, Ayurveda ou qualquer outra área que tenha
habilitação. É uma prática complementar, que deve ser realizada por um profissional capacitado que tenha noções de fisiologia,
anatomia, química orgânica, psicologia e ética profissional.

PSICOAROMATERAPIA: tem como objetivo harmonizar o ser humano em nível de sua alma, através do uso dos aromas com os
seus efeitos psicológicos emocionais e mentais relacionados sobre a consciência do ser humano. Avalia as emoções associadas
aos órgãos. A forma de uso pode ser inalador pessoal, perfume pessoal com atributos bem específicos, que atuam melhorando a
autoestima das pessoas, dando-lhes a sensação de liberdade, sensualidade, poder e autoconfiança. Muito utilizada por Psicanalistas
Integrativos e Psicoterapeutas Holísticos.

Cabe mencionar que os Óleos Essenciais (OEs) atuam simultaneamente nas áreas:

 Fisiológica: a escolha dos OEs é de acordo com suas propriedades químicas (anti-inflamatórios, analgésicos, antifúngicos,
expectorantes...).

 Psicológica: o aroma do OE desencadeia reações no sistema límbico, responsável pela regulação das emoções. Este trabalho
se dá a partir de sensações que são estimuladas pelos aromas de cada óleo que acionam as memórias olfativas.

 Energética: utiliza a frequência e a energia da planta trazida pelo OE e sua atuação no corpo como um todo.

A escolha dos OEs ocorre pela observação dos distúrbios físicos, mentais, psicológicos e energéticos e do relato do cliente. A forma
de aplicação será indicada levando em conta a queixa, o sintoma e o tempo de uso.

OBS: não gostar do aroma de um óleo essencial significa que não precisa deste OE ou que não tem condições de acessar o
conteúdo que ele pode trazer à tona, neste momento.

Todos os direitos reservados. Proibida a reprodução sem autorização, por escrito, da autora.
INTRODUÇÃO A PRATICA INTEGRATIVA
Portas de entrada para os OEs chegarem a corrente sanguínea:

1. Uso externo: inalação (pessoal e ambiental) e via cutânea (pele)

2. Uso interno: ingestão oral, sublingual, aplicação retal e vaginal.

3 Formas de uso:

Inalação: método rápido e seguro para a introdução dos óleos essenciais na corrente sanguínea. Dá-se através da troca gasosa
nos pulmões: quando inalados, seus componentes viajam para os pulmões, chegando aos alvéolos, de onde são facilmente
transportados para a corrente sanguínea. As substâncias aromáticas podem ser inaladas de forma direta ou indireta: em inalador
pessoal ou no difusor de ambiente. Esta forma de uso favorece o acesso direto dos OE às células cerebrais.

Tópica (pele): os OEs são solúveis em gordura e seu peso e tamanho molecular facilita sua penetração na pele (vai para a corrente
sanguínea através dos poros, das glândulas sudoríparas e dos folículos pilosos). De acordo com Jane Buckle existem dois processos
de que envolvem a absorção tópica:

1. Penetração - as substâncias aromáticas atingem a camada córnea/Epiderme


2. Permeação - as substâncias aromáticas atingem a derme

A absorção ocorre quando as substâncias atingem a corrente sanguínea.

De acordo com Robert Tisserand os compostos químicos dos OEs são capazes de atravessar a barreira da pele podendo ficar
estocados nesta área por 72 horas, ou, chegar a derme e daí então, acessar a corrente sanguínea e entregar suas propriedades
terapêuticas para o todo o organismo.

Ingestão: é a forma que mais pode causar problemas e danos ao corpo. Os órgãos mais afetados são estômago (pode irritar a
mucosa e causar gastrite) e fígado. Também pode causar intoxicação, interação medicamentosa e morte.

OBS: apesar dos OEs serem usados na gastronomia e na indústria de alimentos, sua ingestão é desaconselhada, pois eles são
muito concentrados: 1 gota de OE equivale a 20 sachês do chá, por exemplo.

Todos os direitos reservados. Proibida a reprodução sem autorização, por escrito, da autora.
INTRODUÇÃO A PRATICA INTEGRATIVA
Na França, onde a ingestão é prescrita por médicos e enfermeiros, a regra básica é: Nunca ingerir OE puro. Sempre usar diluído
em óleo vegetal, azeite extravirgem, óleo de coco orgânico, ghee, manteiga orgânica ou capsula oleaginosa.

Aromaterapia pode ajudar a:


 Aliviar dores

 Aliviar os sintomas da TPM e da Menopausa

 Controlar o estresse

 Amenizar a ansiedade e a depressão

 Prevenir e reduzir marcas de expressão, manchas e rugas.

 Ativar o organismo e todos os seus sistemas.

Se quiser aprofundar o estudo da Aromaterapia e dos óleos essenciais:

http://uniabrath.org.br/aromaterapeuta/

http://uniabrath.org.br/aromaterapia-oleos-essenciais-na-pratica-integrativa/

http://uniabrath.org.br/aromaterapia-e-disfuncoes-na-aprendizagem/

Todos os direitos reservados. Proibida a reprodução sem autorização, por escrito, da autora.
INTRODUÇÃO A PRATICA INTEGRATIVA
Cronobiologia ou o estudo dos Ritmos Circadianos:

Pesquisas recentes têm demonstrado que o relógio biológico não se reduz a uma questão fisiológica apenas, mas que está
relacionado também às marés, ao ciclo lunar e à dinâmica climática da Terra através das correntes eólicas e marítimas. As atividades
dos órgãos estão divididas da seguinte forma:

Quem controla o ciclo circadiano é o núcleo supraquiasmático (NSQ), localizado no hipotálamo na base do cérebro e acima das
glândulas pituitárias. O ritmo circadiano regula os ritmos fisiológicos bem como muitos dos ritmos psicológicos do corpo humano,
com influência sobre, por exemplo, a digestão, o estado de vigília, o sono, a renovação das células e o controle da temperatura do
organismo. Quando ritmo do corpo está desregulado, o sistema endócrino também fica desregulado. Se uma glândula endócrina
produzir uma quantidade muito grande ou muito pequena de hormônio, podem ocorrem disfunções e doenças. Por exemplo: a
produção insuficiente de hormônios pela glândula tireoide (hipotireoidismo) ou insônia (impede que o organismo libere o hormônio
do crescimento - substância essencial para renovar os tecidos e produzir novas células ósseas e glóbulos vermelhos). O hábito de
dormir mal acelera o envelhecimento das células.

Todos os direitos reservados. Proibida a reprodução sem autorização, por escrito, da autora.
INTRODUÇÃO A PRATICA INTEGRATIVA
O Relógio Biológico funciona como uma verdadeira fábrica organizada por horários e turnos. Dependendo da hora do dia, o corpo
irá produzir substâncias químicas que melhoram o humor, a atenção, o desejo sexual ou o sono.
A Cronobiologia também ensina o melhor horário de:

DESPERTAR entre 7h e 8h: Quem gosta de acordar tarde já começa o dia em desvantagem. A partir das 6h, o corpo produz o
hormônio cortisol e entre 7h e 8h, a taxa de cortisol no corpo atinge a concentração máxima. Essa faixa horária é ideal para acordar
com facilidade e disposição. Voltar a dormir é um erro, pois por volta das 9h o corpo começa a produzir endorfinas (analgésicos
naturais) que encorajam um sono pesado do qual será difícil levantar sem dor de cabeça ou mau-humor.

TER PRAZER entre 9h e 10h: A hora é certa para as folias amorosas, já que a taxa de serotonina (neurotransmissor ligado ao
prazer) está em seu apogeu. Pode ser também uma boa hora para marcar uma consulta ao dentista já que as endorfinas (que
também estão em alta nesse horário) funcionam como anestésicos naturais.

TRABALHAR entre 10h e 12h: O estado de vigilância atinge seu pico e a memória de curto prazo está mais ativa. Depois que as
endorfinas presentes entre 9 e 10h desaparecem, o organismo atinge sua velocidade ideal. É o momento certo para refletir, discutir
ideias, fazer reuniões e encontrar inspiração.

DESCANSAR entre 13h e 14h: a moleza depois do almoço não se deve unicamente à digestão, mas também a uma queda de
adrenalina que acelera o ritmo cardíaco. Para retomar a disposição, basta uma cochilada de 20 minutos.

MOVIMENTAR-SE entre 15h e 16h: A forma física encontra seu apogeu no meio da tarde, ao mesmo tempo em que a capacidade
intelectual diminui. A partir das 18h o corpo fica particularmente vulnerável à poluição e ao monóxido de carbono. Convém então
limitar o consumo de cigarros e evitar, se possível, os engarrafamentos. O intelectual e o estado de vigilância atingem um novo pico.
Hora certa de mandar as crianças fazerem lição de casa, por exemplo.Entre 20h e 21h: É o momento em que as enzimas do fígado
estão menos ativas. Cuidado isso também faz com que você fique bêbado bem mais rápido.

DESCANSAR a partir de 20h: a melatonina (hormônio do sono) invade progressivamente o corpo a partir das 18h. Mas, é só às 20h
que aparece o primeiro momento ideal para dormir, sucedido por outros iguais a cada duas horas.

Todos os direitos reservados. Proibida a reprodução sem autorização, por escrito, da autora.
INTRODUÇÃO A PRATICA INTEGRATIVA
A REGENERAÇÃO entre 22h e 1h: esta fase do sono é muito importante porque coincide com o pico da produção do hormônio do
crescimento, favorecendo a recuperação física. Esse hormônio também permite que os conhecimentos adquiridos na véspera sejam
armazenados no cérebro.

Como você pode observar a Cronobiologia, também é um instrumento de autoconhecimento. Sendo assim e levando em conta que
cada órgão tem seu horário de maior função, quem sofre de asma, por exemplo, encontra-se mais vulnerável no período de 3 a 5
da manhã e quem tem hipertensão ou cardiopatia deve evitar comer muito e fazer atividade física no horário de 11h a 13h.

Também podemos ficar atentas e analisar o funcionamento do nosso corpo buscando observar disfunções ou desequilíbrios
frequentes ou não que ocorrem no mesmo período entre as 24 horas do ciclo. Além disso, aprendemos que podemos utilizar este
aprendizado para desgastarmos menos nossos órgãos e, ao mesmo tempo, ajudar nosso corpo a fazer seu trabalho de regeneração
celular e de reter nosso aprendizado. Cabe lembrar que é durante o sono que nossa mente “digere” as emoções que tivemos durante
o dia e que nosso organismo assimila os nutrientes e elimina as toxinas.

E, finalmente, respeitar o ritmo de nosso relógio orgânico respeitando o ciclo de dia e noite nos conecta com a natureza.

Todos os direitos reservados. Proibida a reprodução sem autorização, por escrito, da autora.
INTRODUÇÃO A PRATICA INTEGRATIVA
Cromoterapia ou Tratamento através das cores:

A Cromoterapia pode ser definida como o tratamento que, por intermédio das cores, estabelece o equilíbrio e a harmonia entre
corpo, mente e emoções. Cada cor tem sua função terapêutica específica e atua em um chacra ou um órgão do corpo humano.
Sendo assim, ao serem acionadas, as cores impactam fortemente nessas áreas, restabelecendo ou energizando o que está
bloqueado ou em desequilíbrio no corpo. O método é baseado nas sete cores do arco-íris (amarelo, azul, laranja, índigo, verde,
violeta ou lilás e vermelho), além do rosa. Cada cor possui uma vibração energética diferente e, à medida que se propagam em
algum ambiente, causam efeitos curativos ou calmantes nesse espaço. Por exemplo, o vermelho possui uma frequência mais
intensa, enquanto o violeta é uma cor fria, menos intensa.

O tratamento de doenças por meio das cores vem sendo feito desde 2800 a.C nos povos da antiguidade, como gregos, egípcios,
chineses e indianos. Essas culturas utilizavam pedras preciosas e flores para curar os doentes. Atualmente, hospitais de vários
lugares do mundo já utilizam a Cromoterapia em bebês prematuros, com o uso da luz ultravioleta. Além disso, a técnica que usa as
cores é reconhecida desde 1976 pela Organização Mundial de Saúde (OMS) como uma das principais terapias complementares.

Todos os direitos reservados. Proibida a reprodução sem autorização, por escrito, da autora.
INTRODUÇÃO A PRATICA INTEGRATIVA
No Brasil, quem divulgou a Cromoterapia foi René Nunes, jornalista, conferencista e professor. O especialista se dedicou à pesquisa
e aplicação da Cromoterapia em mais de dez mil pessoas, obtendo grande índice de recuperação. Foi o grande divulgador da
Terapia das Cores como ciência médica-energética no Brasil.

OBS: Apesar de a Cromoterapia trabalhar basicamente com essas sete cores, existem cerca de outras 5.000 cores diferentes. E
cada uma delas oferece um benefício: o rosa, por exemplo, trabalha afetividade, amor, harmonia e união, além de ajudar no equilíbrio
dos relacionamentos pessoais e profissionais; já o verde limão (mistura do amarelo com o verde) é excelente para fortalecer os
ossos, prevenindo doenças como a osteoporose.

Porque funciona:
 Todos os seres e todos os órgãos corporais possuem frequência de vibrações.
 A doença é uma mudança de frequência (um aumento ou diminuição da vibração que pode ser provocado por um fator químico,
mecânico ou térmico). As células selecionam as vibrações benéficas e rejeitam os raios ou vibrações maléficos.
 A aplicação da cor/frequência correta transformará a função alterada.

Todos os direitos reservados. Proibida a reprodução sem autorização, por escrito, da autora.
INTRODUÇÃO A PRATICA INTEGRATIVA
Como agem as cores no tratamento:

Vermelho: Cor quente que estimula o sangue e dá mais vitalidade e energia. Utilizada em casos de anemia, baixa de energia vital,
bronquite, tuberculose, pneumonia, prisão de ventre, entre outras. O excesso pode conduzir à irritabilidade, insônia e hipertensão.
Também usada em crise de identidade, medo, remorso, reserva, timidez, tormento, inferioridade, agressividade, impaciência,
intolerância, desânimo e depressão. É possível também vestir roupas vermelhas em casos de depressão, impotência sexual e
insuficiência cardíaca. Não é aconselhável para quem tem pressão alta. É a cor das paixões, conquistas e sexualidade. Cuidado ao
aplicá-la no quarto, pois pode tirar o sono, deixando a pessoa agitada.

Verde: é calmante e traz equilíbrio. O verde tem a capacidade de melhorar qualquer condição física negativa e energiza o corpo e
a alma. É a única cor que não possui nenhuma contraindicação. Trata exaustão, taquicardia, síndrome do pânico, cólicas, doenças
venéreas, hemorroidas, insônia, laringite, sinusite, úlcera e mais. Usada também em casos de extrema sensibilidade emocional e
pânico

Azul: traz paciência e serenidade, ajudando a tranquilizar o corpo e a mente. Ajuda a equilibrar as energias e trabalha a intuição,
além de contribuir para a limpeza e purificação de ambientes Utilizada para tratar infecções bacterianas, resfriados, coqueluche,
febres, dor de cabeça, catarata, icterícia, insônia, herpes, queimaduras e outras patologias. É indicada nos casos de insônia e
estresse, pois ajuda a melhorar a qualidade do sono. Também é usada para tratar ausência de concentração, desperdício de energia
criativa, frustração e mágoa oculta ou reprimida.

Violeta: é uma cor muito espiritual e mística, ajudando quem está desequilibrado emocionalmente e descrente. Quando usada em
casa, ela limpa e isola os ambientes da má vibração. É usada para tratar desordens no sistema nervoso, insônia, histeria,
inquietação, gagueira, câimbras, desarranjos da bexiga, doenças do couro cabeludo, epilepsia, perturbações nervosas, tumores e
outras. Auxilia também em casos de ataque psíquico, desorientação, pensamentos negativos, fobias e paranoias.

Rosa: traz afeto, amor e união. Pertence ao chacra cardíaco. Ajuda particularmente no equilíbrio emocional dos relacionamentos
pessoais e profissionais. É a afeição e o amor. Indica compaixão e pureza, sociabilidade, alegria e um sentimento de compartilhar
o que a vida tem de bom. Necessidade de sentir que à sua volta tudo e todos se sintam bem.

Todos os direitos reservados. Proibida a reprodução sem autorização, por escrito, da autora.
INTRODUÇÃO A PRATICA INTEGRATIVA
Branco: Representa pureza, paz e virtude. É o somatório de todas as cores. É usada para a limpeza da mente e do campo
energético. O organismo, ao receber a luz branca, afasta as vibrações pesadas que o órgão doente emana.

Amarelo: é ativadora e dinâmica, age sobre os processos mentais. O amarelo afasta as ideias fixas e aumenta a capacidade de
raciocínio. É a cor da inteligência, do estudo e da criatividade e do otimismo. O amarelo é a capacidade e a clarividência, pode
considerar-se como o despertar do ser para formas evoluídas de faculdades psíquicas e de uma elevada sensibilidade.

Laranja: é restauradora e regeneradora, ajudando na recuperação emocional. É a cor da coragem, da reconstrução e da autocura.

Preto: Indicados nos estados extremos de exaustão e desgaste psicossomático. O excesso atrai vibrações e influências negativas,
levando à negação da vida, ao caos e à destruição.

Aplicando no dia a dia:

Cada cor atrai um tipo de energia fundamental para o funcionamento de nosso organismo. Para trazer as boas vibrações para sua
vida, é possível trabalhar com as cores na meditação, fazendo visualização de feixes de luz entrando em seu corpo, ingerindo
alimentos de todas as cores, colocando cor em ambientes e escolhendo suas roupas e acessórios para atrair energia vital, relaxar
ou equilibrar o corpo e a mente. O ideal é que cada emoção ou parte do corpo seja trabalhada com um tipo específico de cor, de
acordo com a necessidade de cada uma - assim, tanto o aspecto emocional quanto a parte física podem sair do desequilíbrio e
voltar a funcionar de maneira natural. Vale lembrar que os efeitos da Cromoterapia dependem da intensidade com que as cores são
utilizadas.

Água solarizada: é muito simples e fácil de fazer. Basta colocar água mineral em uma garrafa de vidro transparente e depois envolvê-
la com papel colorido, como o celofane. Outra possibilidade é comprar uma garrafa colorida ou pintá-la da cor desejada. O próximo
passo é expor a garrafa ao sol da manhã, durante 30 minutos. A luz solar, filtrada pelo vidro ou papel colorido, energiza a água, que
adquire as propriedades da cor selecionada. Depois disso, tome dois copos dessa água durante o dia - o primeiro ainda em jejum,
pela manhã, e o outro à noite, antes de dormir. Se preferir, também é possível tomar pequenos goles da água ao longo do dia. Isso
pode ser feito diariamente. Ao ingerir a água mineral energizada, você irá usufruir todos os benefícios de determinada cor.

Todos os direitos reservados. Proibida a reprodução sem autorização, por escrito, da autora.
INTRODUÇÃO A PRATICA INTEGRATIVA
Meditação das cores: ajuda a reequilibrar as energias do corpo bioenergético, proporcionando o auto-alinhamanto dos chacras e a
conexão com o EU.

Escolha um ambiente tranquilo. Você pode colocar uma musica ou aroma de sua preferencia. Sente-se confortavelmente, feche os
olhos, respire calmamente e acalme seus pensamentos. Então visualize:

 um quadrado azul, aproxime-se dele devagar e vá entrando nele aos poucos e relaxe.
 um triangulo verde, aproxime-se dele devagar e vá entrando nele aos poucos. Respire profundamente perceba o ritmo de
sua respiração e libere o pensamento. Permita-se desconectar-se do pensamento consciente.
 um retângulo amarelo, aproxime-se dele devagar e vá entrando nele aos poucos. Sinta a cor amarela passar por você 3 vezes
e entre em uma concentração profunda.
 um circulo vermelho, aproxime-se dele devagar e vá entrando nele aos poucos. O vermelho representa o inconsciente.
Permita-se o silencio e o relaxamento profundo.
Quando se sentir revigorado, respire profundamente, deixe que a imagem se desfaça e abra os olhos. Dê uma boa espreguiçada e
aproveite a sensação.

Técnica de energização diária: fazer ao acordar, se possível ao ar livre.

Ficar em pé, pés paralelos e bem apoiados no chão, braços ao longo do corpo. Fechar os olhos e prestar atenção na respiração.
Imaginar uma luz dourada do sol nascente atingindo seu corpo e impregnando seu campo de energia e tornando seu corpo dourado.
Respirar calmamente e quando se sentir revigorado (a) deixe que a imagem se desfaça e abra os olhos.

Banho de sol e predominância de radiações:


 Início da manha: predominam as radiações da faixa azul-violeta com bastante ultravioleta.
 Meio da manhã: predomina o verde.
 Final da manhã e início da tarde: pico da radiação vermelha, amarela e laranja além da infravermelha.
 Ao entardecer: o vermelho e o infravermelho (bem mais fracos) se misturam as radiações da faixa do violeta.

Todos os direitos reservados. Proibida a reprodução sem autorização, por escrito, da autora.
INTRODUÇÃO A PRATICA INTEGRATIVA
Se expor gradativamente até chegar a 20’. Cuidado com horários de radiação ultravioleta prejudicial (entra 10h e 15h), pois podem
provocar queimadura, degenerações da pele e câncer de pele.

Como nesta técnica o corpo será atingido por uma radiação que combina luz e calor, convém ter os seguintes cuidados:

 Gestantes: não usar cores quentes na região pélvica para não corre risco de aborto ou hemorragia.

 Crânio: não aplicar luz focal direta na área do crânio, pois pode provocar dor de cabeça ou até um derrame.

OBS: Antes de iniciar o trabalho, o cromoterapeuta deve usar técnicas de autodiagnostico e energização. Seja na cromoterapia ou
em outro tipo de cura que trabalhe com aura e chacras, o terapeuta tende a perder energia e a ficar com o próprio campo
desequilibrado. Assim, é necessário ter o hábito de prevenção e utilizar as técnicas de energização pessoal.

As cores na alimentação: a cor dos alimentos revela parte da sua composição nutricional, assim quanto maior a variedade de cor
no seu prato, maior a quantidade de nutrientes que você está ingerindo. As 7 cores da saúde são:

1. Branco: favorece a regeneração celular. Fontes de cálcio e potássio contribuem para a formação e manutenção dos ossos e
músculos. É a soma de todas as cores por isso garantem o bom funcionamento do organismo. Alimentos: aipo, nabo, cebola,
alho, banana, feijão branco, leite, iogurte, couve-flor.
2. Laranja: fortalece o sistema imunológico devido ao betacaroteno. São ricos em vitamina B3, previnem o câncer de mama e
mantem o Sistema Nervoso saudável. Alimentos: mamão, laranjas, cenoura, manga, milho, tangerina, pêssego, batata-doce,
abóbora, damasco.
3. Amarelo: ajuda a manter o sistema nervoso saudável. Dá segurança e aumenta a criatividade. Alimentos: manteiga, gema de
ovos, milho, melão, limão siciliano e hortaliças de cor amarela.
4. Marrom: efeito rejuvenescedor devido a vitamina E, além de vitaminas do complexo B. Melhoram o funcionamento intestino,
combatem a ansiedade e previnem doença cardiovascular. Associada a terra e a estabilidade, gera organização e
persistência. Alimentos: castanhas, nozes, cereais integrais.
5. Vermelho: efeito desintoxicante devido ao licopeno. Possuem também vitaminas A, C, E, complexo B e os minerais potássio
e cálcio. Previne o envelhecimento precoce, a depressão, o cansaço e estimula a circulação sanguínea. Alimentos: carne,

Todos os direitos reservados. Proibida a reprodução sem autorização, por escrito, da autora.
INTRODUÇÃO A PRATICA INTEGRATIVA
frutas de casca vermelha, tomate, rabanete, cereja, morango, caqui, pimentão vermelho, páprica, maçã vermelha, goiaba e
melancia.
6. Verde: limpa o organismo devido a clorofila. Contém vitamina A, inibe os radicais livres (devido a presença de luteína e
zeaxantina) e protegem a pele e o coração. Acalma a agitação. Alimentos: suco de clorofila, alface, brócolis, pimentão verde,
kiwi, abacate, salsinha, cebolinha, manjericão, couve, limão, uva verde, hortelã, maçã verde.
7. Roxo: protege o coração devido a antocianina. Ajuda a equilibrar o Sistema Nervoso, retarda o envelhecimento e neutraliza
as substâncias cancerígenas antes delas alterarem o código genético. Alimentos: ameixa fresca, uva roxa, figo, beterraba,
repolho roxo, amora preta.
Vibrações coloridas: um prato colorido garante equilíbrio, saúde e nutrição para o corpo e a mente. Veja: alimentos na cor vermelha,
laranja e amarela tem efeito alcalino; alimentos verdes são neutros (nem ácidos nem alcalinos) e alimentos na cor azul, índigo e
violeta tem efeito ácido.

Todos os direitos reservados. Proibida a reprodução sem autorização, por escrito, da autora.
INTRODUÇÃO A PRATICA INTEGRATIVA
Medicina Preventiva Ayurveda

Ayurveda é o nome dado ao conhecimento médico desenvolvido na Índia há cerca de 7 mil anos. É conhecida como a mãe da
medicina. Seus princípios e estudos foram a base para o desenvolvimento da medicina tradicional chinesa, árabe, romana e grega.
Em sânscrito significa: ciência/conhecimento (veda) da vida (ayur), ou seja, é o conhecimento ou a ciência da vida.

Na Ayurveda saúde é o estado dinâmico de equilíbrio entre mente, corpo e o ambiente. Já a doença é muito mais que a manifestação
de sintomas desagradáveis ou perigosos à manutenção da vida. Ela inicia-se muito antes de chegar à fase em que ela finalmente
pode ser percebida. Assim, pequenos desequilíbrios tendem a aumentar com o passar do tempo e, se não forem corrigidos, originam
a enfermidade muito antes de podermos percebê-la. O objetivo desta ciência é estudar as influências destes elementos na natureza
(o macrocosmo) e no ser humano (“o Homem é um microcosmo do universo”). Sua teoria afirma que tudo no universo é formado
pelos 5 elementos básicos da natureza, inclusive a mente e o corpo humano. São eles: éter (espaço ou céu), ar, fogo, água e terra.

O corpo de cada indivíduo é composto pelos 5 elementos que influenciam na fisiologia orgânica: na saúde ou produção de doença.
Os elementos se unem para formar os doshas (humores biológicos) que influenciam nas funções físico, químicas, fisiológicas e na
formação dos desequilíbrios psicofísicos mantendo (ou não) a saúde do corpo e da mente equilibradas.

Todos os direitos reservados. Proibida a reprodução sem autorização, por escrito, da autora.
INTRODUÇÃO A PRATICA INTEGRATIVA
O sistema tridosha: Vata, Pitta e Kapha são elementos funcionais ou princípios vitais responsáveis por todos os fenômenos físicos
químicos e fisiológicos do organismo. O dosha tanto pode definir um princípio funcional e vital como significar impurezas e toxinas,
pois quando equilibrados geram e mantem a saúde e quando desequilibrados destroem a saúde do corpo. São eles:
 Dosha Vata: predominância dos elementos Éter e Ar.
 Dosha Pitta: predominância do elemento Fogo com uma participação do elemento Água.
 Dosha Kapha: constituído predominantemente pelos elementos Água e Terra.

Os doshas estão presentes em cada célula do corpo. Tem quantidades, qualidades e funções diferentes. Quando equilibrados eles
mantem o funcionamento harmônico do corpo. Se desequilibrados, sofrem um aumento ou diminuição em sua quantidade, qualidade
ou função e podem alterar ou intoxicar os órgãos, tecidos e sistemas orgânicos.

Doshas ou biótipos ou tipos psicofísicos: são determinados na gestação. São derivados dos 5 elementos (terra, água, vento,
fogo e éter). Governam os processos físicos e mentais e mudam em função dos nossos pensamentos, emoções, ações, estações
do ano e alimentos ingeridos. Agravamos um dosha com alimentos ou práticas com caraterísticas semelhantes e equilibramos com
os opostos. Exemplo: pitta se agrava com stress e pimenta e vata se agrava com alimentos fermentados que geram gases e
ambientes com muitos estímulos.

Descrição dos Doshas ou biótipos:

Vata (éter + ar). Significa movimento e sensação de estímulo. É responsável por todos os movimentos e percepção de sensações
no corpo. É a energia do movimento e a força que governa toda a atividade biológica. É frio, leve, seco, móvel e rápido, atua
principalmente nas funções excretora e nervosa. É considerado o rei dos doshas, pois controla o funcionamento dos outros dois.
Governa a respiração, a fala, a circulação sanguínea e linfática, a assimilação de nutrientes, a digestão, os movimentos peristálticos
dos intestinos (eliminação dos resíduos e toxinas), a pulsação, os movimentos articulares, a transmissão de impulsos nervosos, o
movimento nos músculos e tecidos, a micção e menstruação, a percepção das sensações pelo sistema nervoso, o movimento do
pensamento. Desequilibrado gera um quadro clínico relacionado ao aumento de espaço e ar (movimento) no nosso corpo físico:
secura, frio, pele seca, perda de peso, inquietação, gases, prisão de ventre, ansiedade, medo, depressão e insônia, dificuldades de
memória e foco, agitação mental.

Todos os direitos reservados. Proibida a reprodução sem autorização, por escrito, da autora.
INTRODUÇÃO A PRATICA INTEGRATIVA
Pitta: (fogo + água = transformação). É o mediador e catalizador de todas as funções do corpo com o auxílio das enzimas. Atua
principalmente na função metabólica (ácidos, enzimas, hormônios e bile) e digestiva. Fornece ao corpo calor e energia através da
absorção dos nutrientes dos alimentos. É quente, moderado e oleoso (úmido). Governa a digestão e o metabolismo. Desequilibrado
promove um quadro clínico relacionado ao aumento de fogo e água (calor e umidade) no nosso corpo físico: azia, queimação
abdominal, fezes soltas, calor no corpo, aumento da sudorese (suor), pele sensível e vermelha, olhos vermelhos, irritabilidade e
agressividade, infecção, inflamação, erupção cutânea, acne, azia, ulcera, febre.

Kapha: (água + terra = energia de construção e lubrificação). Governa toda a forma e estrutura física do organismo humano fazendo
a coesão, construindo a base fundamental para o bom funcionamento de todas as suas partes e promovendo a adesão e a
estabilidade dos diferentes órgãos do corpo. É pesado, oleoso (úmido), frio e lento. Governa a na função estrutural e de lubrificação
dos tecidos. Desequilibrado gera um quadro clínico relacionado ao aumento de água e terra no nosso corpo físico: peso corporal
aumentado, lentidão, preguiça, oleosidade, secreções, embotamento mental, sinusite, obesidade e doenças que geram muco.

Por exemplo: Pitta se desequilibra em ambientes quentes e secos e se reequilibra em ambientes frios e úmidos. Tem capacidade
de liderança, mas se desequilibrado fico mal-humorado e com problemas relacionados ao fígado (excessos causam diarreia). Já
Vata tem facilidade de se comunicar, mas precisa trabalhar e viver em ambientes tranquilos para não sobrecarregar sua
sensibilidade. O desequilíbrio pode afetar o intestino grosso (causa fermentações).

Os desequilíbrios podem ser causados por fatores internos ou externos. Quando ocorrem, elas interrompem ou prejudicam a
circulação ocorrendo acúmulo de substâncias tóxicas afetando o metabolismo do tecido correspondente. Assim, é fundamental
conhecer as causas e sintomas de intoxicação dos diferentes canais do corpo quando não se observam os cuidados necessários
para a manutenção e desintoxicação destes canais.

Dentre as orientações para manter a energia vital circulando estão: manter horários regulares para alimentação e eliminação das
excreções (fezes), prestar atenção às necessidades fisiológicas (fome, sede, sono) e praticar exercícios físicos regulares e
moderados.

A saúde de uma pessoa é medida também pela força de seu agni (fogo ou poder digestivo ou enzimas digestivas). Um "bom agni"
é capaz de extrair os nutrientes dos alimentos ingeridos, necessários para formar tecidos fortes. Quando o agni está diminuído ou é
irregular (menor capacidade digestiva) a nutrição dos tecidos fica comprometida e pode afetar a saúde e a integridade estrutural do

Todos os direitos reservados. Proibida a reprodução sem autorização, por escrito, da autora.
INTRODUÇÃO A PRATICA INTEGRATIVA
organismo. Costuma-se ouvir muito que "você é o que você come", mas podemos concluir que a medicina indiana vai além: "você
é o que você consegue digerir". O agni pode ser usado como sinônimo de Pitta, pois engloba todas as funções digestivas e
metabólicas do corpo, ou seja: é responsável pela quebra, absorção, assimilação do alimento ingerido e pela transformação e
eliminação de substâncias. Quando os 3 doshas estão em equilíbrio, o agni ou as enzimas funcionam normalmente.

Cabe mencionar que a eliminação de resíduos também é muito importante para a saúde do corpo já que nas fezes são eliminadas
as toxinas que podem tirar a força do organismo; pela urina é eliminado o excesso de umidade (água) do corpo; sendo que no suor
ocorre a retenção da umidade do corpo (através do equilíbrio da temperatura corporal).

A Ayurveda utiliza diversas ferramentas terapêuticas para equilibrar os doshas: massagem Ayurvédica, óleos medicinais, dieta,
rotina diária de hábitos saudáveis, oleação e sudação (purvakarma), fitoterapia (uso terapêutico das plantas medicinais), terapias
purificadoras (panchakarma), medicamentos com metais, minerais e pedras preciosas (rasa shastra), recomendação de atividade
física, prática de yoga e meditação.

“Não nos libertamos de um hábito, atirando-o pela janela; é preciso fazê-lo descer a escada, degrau a degrau.” (Mark Twain)

Centros Energéticos ou Chacras:

A palavra chacra é de origem sânscrita e significa roda de luz. Os chacras ou Centros Energéticos podem ser entendidos como
rodas de energia que giram em alta velocidade. Os chacras são centros de energia que representam os diferentes aspectos da
natureza sutil do ser humano. São capazes de influenciar energeticamente a nossa saúde e as nossas emoções. Cada chacra vibra
em uma frequência diferente e por isso apresenta uma cor específica (seguem as cores do arco-íris), um som (uma nota musical e
um mantra) e se relaciona com um elemento natural (água, fogo, terra, ar ou éter). O perfeito funcionamento dos chacras é sinônimo
de saúde e a abertura deles de evolução e iluminação. Quando os chacras estão em equilíbrio, a energia vital circula livremente e
isso reflete no nosso exterior. Sentimo-nos bem, alegres e cheios de energia. Mas quando os chacras ficam desequilibrados ou até
bloqueados, nos sentimentos sem vitalidade, desenvolvemos problemas de saúde, desequilíbrios emocionais, distúrbios psíquicos
ou em outros níveis. Como todos são interligados, o mau funcionamento de um deles afeta todos os demais. Ao alinhar ou
desbloquear os chacras, permite-se o reestabelecimento da livre circulação de energia pelo corpo, o que é a condição essencial
para a saúde e perfeita harmonia com o Universo.

Todos os direitos reservados. Proibida a reprodução sem autorização, por escrito, da autora.
INTRODUÇÃO A PRATICA INTEGRATIVA
Os Centros energéticos principais são especializados e transformadores. Eles captam as energias sutis e as distribuem para as
principais glândulas, centros nervosos e órgãos do corpo. Sua função está relacionada com diversos aspectos da consciência
especialmente com as emoções que afetam o fluxo de energia através desses centros. Quando o corpo emocional do indivíduo
apresenta uma perturbação em seu campo, relacionada com problemas emocionais, esse problema é traduzido na forma de uma
alteração no fluxo de energia sutil através de um determinado centro energético.

Cada um dos sete centros energéticos está relacionado com uma determinada questão emocional e espiritual e pode vir a apresentar
disfunções. Essas disfunções prejudicam o fluxo de energia sutil que visa nutrir a região do corpo, os órgãos e glândulas supridas
pelo centro energético desequilibrado. Se o desequilíbrio for crônico, poderão ocorrer também desequilíbrios celulares e a
manifestação de doenças. A produção de alterações no fluxo energético sutil através dos diversos centros energéticos é um dos
mecanismos pelos quais as tensões crônicas podem afetar negativamente o corpo físico.

Conhecer a própria individualidade, prestar atenção aos detalhes do seu dia a dia, da sua rotina e de seus hábitos de vida é essencial
para conseguir aperfeiçoar a própria saúde.

1° Chacra: Centro energético de base ou de Raiz ou do Cóccix – ligação ao mundo físico. Este chacra refere-se às questões de
sobrevivência, de segurança pessoal, autopreservação. É importante em relação à vitalidade geral do organismo, pois estimula os
outros centros energéticos. Estando em equilíbrio a pessoa sente-se aterrada, estável, segura e conectada a seu corpo físico.
Quanto mais vitalizado maior a energia física. É a sede do inconsciente coletivo. Está localizado no final da coluna, entre o cóccix e
o períneo. Ligado a suprarrenal, sistema geniturinário, ossos, dentes, coluna vertebral, unhas, intestino grosso, próstata, sangue,
construção celular, olfato e elemento terra.

Função: trazer vitalidade para o corpo físico.


Harmonia: vitalidade, atividade, estabilidade, coragem, individualidade, paciência, segurança, saúde.
Desequilíbrio: medo de tudo, ansiedade, egocentrismo, frustração sexual, insegurança, raiva, tensão, culpa, vergonha, vícios,
impaciência, materialismo.
2° Chacra: Centro Energético Esplênico ou umbilical ou da reprodução. Este chacra é o centro das emoções, da energia sexual
(reprodução) e das forças criativas primitivas. Está relacionado com elemento água. Refere-se à sexualidade, a sensualidade, a
busca do prazer. É responsável pela expressão e libertação das emoções decorrentes de choques e traumas, como também raiva

Todos os direitos reservados. Proibida a reprodução sem autorização, por escrito, da autora.
INTRODUÇÃO A PRATICA INTEGRATIVA
e agressividade. Quando em equilíbrio seus sentimentos fluem livremente e se expressam sem perceber. Está localizado na região
situada entre o umbigo e o osso púbico. Ligado as Gônadas, ovários, próstata, testículos (estrogênio e testosterona), sistema
reprodutor, paladar e elemento água. Controla a parte inferior do intestino grosso, intestino delgado, rins, bexiga, doenças do sangue,
linfa, sucos digestivos, esperma, crises emocionais e depressão.
Função: força e vitalidade física
Harmonia: assimilação de novas ideias, dar e receber, desejo, emoções, mudanças, prazer, saúde e tolerância, adaptabilidade, boa
circulação.
Desequilíbrio: confusão, ciúme, impotência, problemas de bexiga e sexuais, má circulação, problemas renais, solidão.
3° Chacra: Centro energético do Plexo solar ou da ligação com outras pessoas. Está localizado na região do abdômen entre o final
do esterno e o umbigo. Relacionado ao pâncreas, sistema digestório, sistema nervoso vegetativo (controla a temperatura corporal),
visão e elemento fogo. Refere-se à identidade pessoal, a autoconfiança, autoestima. É nele que encontram os padrões mentais,
como a pessoa vê a si mesma, ao mundo e as outras pessoas. Rege a capacidade de “digestão e assimilação”.
Função: digestão, emoções e metabolismo.
Harmonia: autocontrole, autoridade, energia, poder pessoal de transformação, coragem, criatividade, independência e força.
Desequilíbrio: medo, ódio, raiva, olhos, arrogância e ansiedade.
4° Chacra: Centro energético Cardíaco ou do Coração ou do amor. Está localizado no centro do peito sobre o osso esterno.
Relacionado ao Timo (imunidade), sistema circulatório e imunológico, tato e elemento ar. Tem relação com os desequilíbrios
emocionais e psicológicos que envolvem o stress e o recalque das emoções e sentimentos. Refere-se à capacidade de sentir, de
expressar de dar e receber amor. Em equilíbrio está relacionado com a autoestima e autoaceitação. A capacidade de unir e doar-
se ao outro. Sede do amor incondicional. Centro energético ligado ao perdão.
Função: energiza o sangue e o corpo físico.
Harmonia: amor incondicional, compaixão, paz, generosidade, romance.
Desequilíbrio: instabilidade emocional, problemas cardíacos e circulatórios, respiração curta, avareza, egocentrismo.

Todos os direitos reservados. Proibida a reprodução sem autorização, por escrito, da autora.
INTRODUÇÃO A PRATICA INTEGRATIVA
5° Chacra: Centro energético Laríngeo ou da garganta ou da comunicação. Está localizado no centro da garganta. Relacionado
com a Tireoide (regula o Cálcio e produz T3 e T4) e paratireoide, sistema respiratório, audição, comunicação, capacidade de
expressar os pensamentos e sentimentos e elemento éter. Rege a autoexpressão da individualidade. É através do equilíbrio deste
centro que expressamos o que somos, sentimos, pensamos e assumimos a responsabilidade por isso.
Função: som, vibração e comunicação.
Harmonia: comunicação e expressão de si, criatividade, conhecimento, honestidade, integração, lealdade.
Desequilíbrio: depressão, problemas de comunicação e expressão, ignorância, medo, insegurança, auto-reprovação, submissão.
6° Chacra: Centro energético Frontal ou do 3° olho - ligação ao mundo espiritual. Está localizado na região do centro da testa, entre
as sobrancelhas. Relacionado com a Hipófise ou pituitária, Sistema Nervoso Autônomo, intuição (todos os sentidos) e percepção
extra-sensorial e todos os elementos. Favorece a introspecção. Rege a visão transcendental do mundo. Possibilita ver o mundo e
as pessoas a partir de um ponto de vista superior. Também conhecido como: Olho da sabedoria, Olho interior ou terceiro olho.

Função: revitalizar o SN e a visão.


Harmonia: concentração, devoção, intuição, imaginação, realização da alma, sabedoria, ética, clareza mental.
Desequilíbrio: dores de cabeça, dificuldades de concentração, distúrbios da visão, pesadelos, tensão, insatisfação e alienação.
7° Chacra: Centro energético Coronário Ou da coroa ou da iluminação. Está localizado no topo da cabeça. Relacionado a Pineal
ou epífise (produz serotonina e melatonina), sistema nervoso central e todos os elementos. Possibilita uma profunda busca interior,
filosófica, religiosa ou espiritual., o propósito da vida e a identidade espiritual. Está conectado com o divino. Integra o ser humano
em todos os aspectos: físico, mental, emocional e sutil. Traz o sentido de unicidade, de totalidade e estimula o desenvolvimento de
uma identidade espiritual e uma consciência cósmica e universal.
Função: revitalizar o cérebro.
Harmonia: integrado a vida, iluminado.
Desequilíbrio: gula, loucura, indisciplina, fobias, desorientação, neuroses, sentimento de abandono, desamparo. Fora de sintonia
com a espiritualidade, provoca depressão. Faz sentir separado do todo e desconectado da unidade.

Todos os direitos reservados. Proibida a reprodução sem autorização, por escrito, da autora.
INTRODUÇÃO A PRATICA INTEGRATIVA

Medicina Tradicional Chinesa (MTC)

“O corpo é o nosso maior patrimônio material: ele espelha o cuidado e a sorte de cada um. A cada despertar, nascemos de novo:
nada está pronto, nem ficará. A vida brota em volta e também por dentro da célula de cada ser vivo, de modo que a renovação
ocorre até o ultimo dia: os tecidos se regeneram, as células mortas cedem lugar as novas, de tempos em tempos o esqueleto se
refaz. A vida é dinâmica e pode mudar o curso da nossa história.” João Curvo (RJ/2013).

Na arte de cuidar de si mesma, podemos aprender muito com a MTC e sua maneira de lidar com a saúde fundamentada no
reconhecimento das leis fundamentais que governam o funcionamento do organismo humano e sua interação com o ambiente
segundo os ciclos da natureza. O objetivo da MTC é prevenir e promover a saúde. O diagnóstico é feito através da observação e
escuta do pulso, do corpo, dos canais, pontos e meridianos de energia.

Os principais métodos de tratamento da Medicina Tradicional Chinesa são:


1. Fitoterapia chinesa e Dietoterapia (terapia alimentar chinesa)
2. Acupuntura
3. Tuina ou Tui Ná (massagem e osteopatia chinesa)
4. Auriculoterapia (tratamento pela orelha)
5. Moxabustão, Ventosaterapia
6. Qi Gong – exercícios terapêuticos integrados de respiração e circulação de energia, e meditação como: Chi Kung e Tai Chi
Chuan.

Todos os direitos reservados. Proibida a reprodução sem autorização, por escrito, da autora.
INTRODUÇÃO A PRATICA INTEGRATIVA
Teoria Yin – Yang:

A teoria do Yin-Yang explica a dinâmica dos objetos físicos através de uma consideração de relações contraditórias, de dependência
mútua, de aumento-consumo e de transformação. As atividades fisiológicas humanas normais são entendidas como o equilíbrio e
harmonização entre o yang e yin. Quando o yin e yang perdem o seu equilíbrio e coordenação, as doenças aparecem. As teorias
Yin-Yang e dos 5 elementos são usadas em conjunto como um guia para a avaliação e tratamento.

Teoria dos 5 elementos ou 5 energias ou 5 movimentos: Madeira, Fogo, Terra, Metal e Água. Podem ser entendidos como fases
ou movimentos das energias Yin e Yang. Representam as forças naturais que juntas formam um ciclo dinâmico. Estão em constante
mudança de atividade, nutrindo e controlando uma a outra para que haja um constante movimento de transformação do Yin para o
Yang. Simbolicamente agregam qualidades, as quais, sensações e situações estão associadas, permitindo um rico diagnóstico a
partir do comportamento, da observação física, dos odores, da umidade no corpo, da respiração, do pulsar do punho e do aspecto
da língua do cliente.

Todos os direitos reservados. Proibida a reprodução sem autorização, por escrito, da autora.
INTRODUÇÃO A PRATICA INTEGRATIVA
A teoria dos 5 Elementos possui 3 Ciclos:

Ciclo de Geração: os elementos se estimulam e nutrem uns aos outros. Metaforicamente, esta relação é explicada pela relação
“mãe e filho”, na qual um elemento dá origem a outro ou a “mãe que nutre o filho”. Assim:
 a Madeira alimenta o Fogo;
 o Fogo produz cinza que se transforma em Terra;
 a Terra dá origem ao Metal formando os minerais;
 o Metal nutre a água fornecendo substâncias vitais para a sua função de dar vida;
 e a Água estimula o crescimento da Madeira.

Ciclo de Controle ou inibição: os elementos representados por um Pentagrama (estrela composta por cinco retas e cinco pontas).
Desta forma, manifesta-se a capacidade da natureza em manter os elementos em harmonia. Assim:
 O fogo faz o metal maleável, brando e condutor; o metal corta a madeira e dá-lhe forma permitindo o seu uso;
 Quando a semente germina, rompe a terra atravessando-a e quando as raízes consolidam o solo, o controla, extraindo os
seus nutrientes.
 As árvores produzem ecossistemas que mantêm o equilíbrio da terra, controla os cursos de água (dando-lhe sentido e
direção);
 A água com sua natureza úmida e refrescante mantém a temperatura do fogo dentro do equilíbrio.

Ciclo de Invasão ou contra inibição: os elementos entram numa dinâmica de desequilíbrio caso algum deles se manifeste de forma
excessiva. Isto ocorre, por exemplo, quando um determinado órgão deixa de controlar o seu elemento correspondente produzindo
um desequilíbrio. Assim: madeira afeta o metal; fogo afeta a água, terra afeta a madeira; metal afeta o fogo; água afeta a terra.

Os 5 elementos e os Órgãos: a MTC considera que cada um dos 5 movimentos é associado a um elemento e um órgão.
Fisiologicamente, a Teoria dos Cinco Elementos representa a unidade do relacionamento mútuo entre os órgãos e os tecidos
corporais, bem como, entre o corpo humano e a natureza. É importante notar que cada pessoa tem os 5 Elementos e que eles

Todos os direitos reservados. Proibida a reprodução sem autorização, por escrito, da autora.
INTRODUÇÃO A PRATICA INTEGRATIVA
podem estar em excesso (fortalecidos), em deficiência (enfraquecidos) ou equilibrados. Quando se diz que uma pessoa é Fogo,
significa que o elemento Fogo pode apresentar sinais de excesso energético ou de um tipo de deficiência que gera um excesso
relativo.

Elemento Movimento Órgão

Madeira Expansão Fígado e Vesícula biliar

Fogo Aquecimento Coração e Intestino Delgado

Terra Crescimento, Transformação Baço e Estômago

Metal Limpeza Pulmão e Intestino Grosso

Água Armazenar a essência Rim e Bexiga

Órgãos:

FÍGADO – órgão Zang: é o centro do metabolismo. Coordena e determina o ritmo de atividade dos outros órgãos do organismo. É
um órgão de eliminação de toxinas e resíduos a todos os níveis: físico, mental e psíquico. Pode acumular tensões provenientes de
raiva e aborrecimentos. O meridiano comanda as múltiplas funções do fígado, especialmente as relacionadas com o metabolismo,
a sexualidade, a musculatura e a acuidade visual. Age sobre as dores no fígado e estômago. Atual nos problemas da parte inferior
do corpo.

VESÍCULA BILIAR – órgão Fu: comanda a função biliar total: sistema excretor e secretor, intra e extra-hepático; é um órgão de
eliminação. É denominado o ―meridiano dos hipocondríacos‖. É indicado no tratamento de doenças psicossomáticas; age sobre a
coragem e o espírito de determinação, sobre as dores nos olhos, dificuldades de audição, tonturas, depressão, enxaquecas. Pode
acumular disfunções provenientes de muitas dúvidas.

CORAÇÃO – órgão Zang: faz circular os produtos do metabolismo. Representa o centro do amor e segurança. O meridiano comanda
a função cardíaca. Atua sobre a temperatura corporal e numa parte do psiquismo: a coragem moral. Atua sobre a boca e garganta,
dor ou frio no braço esquerdo.

Todos os direitos reservados. Proibida a reprodução sem autorização, por escrito, da autora.
INTRODUÇÃO A PRATICA INTEGRATIVA
CIRCULAÇÃO – SEXO: representa uma função reguladora da sexualidade e das secreções sexuais internas e externas; atua sobre
o coração, a circulação e os órgãos sexuais. Relaciona-se com a atividade parassimpática e com o transporte de hormônios, enzimas
e produtos do metabolismo intermediário, através da circulação sanguínea. Atua sobre axilas inchadas, cãibras, peito inchado,
sensação geral de melancolia.

INTESTINO DELGADO – órgão Fu: órgão de eliminação e transformação da energia dos alimentos. Representa a libertação dos
desperdícios. O meridiano atua sobre o intestino delgado e na sua função de absorção dos alimentos transformados no estômago.
Atuam na surdez, olhos amarelados, dor no cotovelo, na nuca e rosto inchado.

TRIPLO-AQUECEDOR: representa uma função reguladora de equilíbrio térmico; é responsável pela produção de calor no animal
resultante da transformação energética dos alimentos. Relaciona-se com: respiração; digestão: auxilia-a do Intestino Delgado;
sistema geniturinário (excreção de detritos).

BAÇO - PÂNCREAS – órgão Zang: retém energia de reserva. É o órgão de resistência a mudanças. O meridiano atua sobre a
função combinada dos órgãos: o baço regula o sangue e o pâncreas regula as reservas de glicogênio (depositado no fígado) através
da secreção de insulina. Atua sobre o desenvolvimento mental, moral e intelectual; sobre o sistema genital e seu psiquismo. Atuam
nos enjoos, soluços, indigestão, diarreia, indisposição geral. Atua também nos problemas centrais do corpo.

ESTÔMAGO– órgão Fu: recebe alimentos e prepara-os para o metabolismo. É a relação administrativa de ideias e dos
pensamentos. O meridiano atua sobre o estômago e duodeno nas suas funções digestivas transformadoras dos alimentos; relaciona-
se coma digestão física, mental e psíquica (a habilidade de digerir a vida). Atua nas dores de cabeça, calafrios e flatulência. Atua
também nos problemas da parte frontal do organismo.

PULMÃO – órgão Zang: recebe o oxigênio para o metabolismo; é um órgão de reserva de energia vital e da habilidade de aceitar a
vida. O meridiano atua sobre os pulmões e as vias respiratórias na sua função de absorção e eliminação de substâncias gasosas;
estimulado, age sobre todas as deficiências respiratórias.

INTESTINO GROSSO – órgão Fu: expele o desnecessário para o metabolismo; órgão de eliminação que afeta toda a eliminação
através do organismo (pele, muco, etc.…). O meridiano atua sobre o intestino grosso e sobre as suas funções de absorção líquida
e eliminação de resíduos pesados. Atuar nos problemas da parte superior do corpo.

Todos os direitos reservados. Proibida a reprodução sem autorização, por escrito, da autora.
INTRODUÇÃO A PRATICA INTEGRATIVA
RINS – órgão Zang: expele os subprodutos do metabolismo. É o órgão do desapontamento, da tristeza e melancolia. O meridiano
atua sobre os rins e as glândulas suprarrenais, contribuindo para a purificação do sangue e para a regulação de todos os líquidos
do corpo. Relaciona-se diretamente com a energia sexual e problemas genitais, apetite sexual, medo, insegurança, determinação.

BEXIGA – órgão Fu: faz a eliminação de toxinas líquidas e emoções negativas (Yin). Está relacionado com o medo extremo, negação
da própria vida. O meridiano comanda toda a função de eliminação renal e atua diretamente sobre o psiquismo. Ação sobre os olhos
doloridos, hemorroidas, rupturas, dedos dos pés duros, dores de articulações e de cabeça.

Meditação: ser observadora de seu conteúdo psíquico.

A meditação tem sido praticada há milhares de anos. Foi originalmente concebida para ajudar a aprofundar a compreensão das
forças sagradas e místicas da vida. É considerada uma técnica de medicina complementar para o corpo, a mente e o espírito.
Atualmente é usada para o relaxamento e redução do estresse. Ela pode lhe dar uma sensação de paz, calma e equilíbrio que
beneficia tanto o seu bem-estar emocional e sua saúde geral, pois quando você medita, limpa o excesso de informação que contribui
para o estresse que se acumula a cada dia. A meditação produz um estado de relaxamento profundo e uma mente tranquila. Durante
a meditação, você focaliza sua atenção e eliminar o fluxo de pensamentos desordenados que podem ser causadores do estresse.
Ela nos ajuda a perceber quem somos e como o nosso comportamento interfere na forma em que os obstáculos do dia a dia se
apresentam em nossas vidas. Assim, ela é uma ferramenta de autoconhecimento e que nos permite o desapego.

Todos os direitos reservados. Proibida a reprodução sem autorização, por escrito, da autora.
INTRODUÇÃO A PRATICA INTEGRATIVA
Qualquer pessoa pode praticar a meditação. É simples, não requer nenhum equipamento especial e você pode praticar a meditação
onde quer que esteja - se você está fora para uma caminhada, andando de ônibus, esperando no consultório do médico ou até
mesmo no meio de uma reunião de negócios difícil.

Meditação e doença: pode ser útil se você tiver uma condição médica que pode ser agravada pelo estresse. Algumas pesquisas
sugerem que a meditação pode ajudar a condições tais como: alergias, asma, câncer, depressão, doença cardíaca, fadiga, insônia,
obesidade, pressão alta e transtornos de ansiedade.

OBS: A meditação não é um substituto para o tratamento médico tradicional. Mas pode ser um complemento para o seu tratamento.

Preparo para a meditação:


1. Faça da meditação uma prática diária e essencial;
2. Prefira o mesmo horário todos os dias e programe-se para segui-lo;
3. Antes de meditar não ingira alimentos, apenas tome água, ou água com limão ou um suco;
4. Mantenha uma postura confortável;
5. Escolha um ambiente tranquilo, calmo e livre de distrações;
6. Ouça uma musica ou mantra 5 minutos antes de começar;
7. Procure aplicativos para ajudar no inicio. Sugestões: Yoga relax, 5 Minutos e medita!

Tipos de meditação: a meditação é um termo geral para as muitas maneiras de um estado relaxado de ser. Existem muitos tipos
de meditação e técnicas e todos compartilham o mesmo objetivo: alcançar a paz interior.

1. Meditação guiada ou imaginação guiada ou visualização: com este método de meditação, você formar imagens mentais de
lugares ou situações que você encontra relaxantes. Você tenta usar imaginando muitos sentidos; como cheiros, imagens,
sons e texturas. Você pode ser levado por esse processo por um terapeuta, guia ou professor.

2. Mantra meditação: você silenciosamente (com os olhos fechados) vai repetir um mantra, palavra ou frase. Deixe seus
pensamentos passarem e volte sempre sua atenção para o som, não se fixe em nenhum pensamento perturbador.

Todos os direitos reservados. Proibida a reprodução sem autorização, por escrito, da autora.
INTRODUÇÃO A PRATICA INTEGRATIVA
3. Meditação em um foco: feche os olhos, traga a atenção para o ponto entre as sobrancelhas. Visualize um dos elementos a
seguir: chama de uma vela, sol brilhante, um símbolo de sua preferencia ou um triangulo. Deixe os pensamentos passarem
e volte sempre sua atenção para o elemento escolhido.

4. Meditação do observador ou da respiração: fechar os olhos e ficar atento a sua respiração abdominal. Deixe os pensamentos
passarem e volte sempre sua atenção para a respiração. Você ampliar sua consciência, ter uma maior aceitação de viver no
momento presente. Você pode também observar os seus pensamentos e emoções, mas deixe-os passar, sem julgamento.
Você pode repetir mentalmente seu mantra: inspire e exale.

5. Qi- Gong ou Chi kung: combina exercícios de meditação, relaxamento, movimento físico e a respiração para restaurar e
manter o equilíbrio. Qi gong (tchi-fu) faz parte da medicina tradicional chinesa.

6. Tai chi: é uma forma de suaves artes marciais chinesas. No tai chi (TIE-chee), você executa uma série de posturas ou
movimentos de forma lenta e graciosa ao praticar a respiração profunda.

7. Meditação transcendental: você usa um mantra, como uma palavra, som ou frase várias vezes silenciosamente, para restringir
a sua consciência e eliminar todos os pensamentos de sua mente. Você se concentra exclusivamente em seu mantra para
alcançar um estado de perfeita quietude e da consciência.

8. Yoga: você executar uma série de posturas e exercícios respiratórios controlados para promover um corpo mais flexível e
uma mente calma. Como você se mover através de poses que exigem equilíbrio e concentração, você é encorajado a se
concentrar menos no seu dia ocupado e mais no momento.

Elementos da meditação

a) Atenção concentrada ou plena: focar a sua atenção geralmente é um dos elementos mais importantes da meditação; é o que
ajuda a liberar a sua mente das muitas distrações que causam estresse e preocupação. Você pode concentrar sua atenção
em coisas como um objeto específico, uma imagem, um mantra, ou até mesmo sua respiração.

Todos os direitos reservados. Proibida a reprodução sem autorização, por escrito, da autora.
INTRODUÇÃO A PRATICA INTEGRATIVA
b) Respiração relaxada: envolve profunda, respiração mesmo ritmo usando o músculo diafragma para expandir seus pulmões.
O objetivo é retardar a sua respiração, absorver mais oxigênio, e reduzir o uso de músculos do peito do pescoço, ombros e
parte superior, enquanto a respiração para que possa respirar de forma mais eficiente.

c) Ambiente tranquilo e calmo: ter um local calmo com poucas distrações. Sem televisão, rádios ou telefones celulares. Como
você for mais hábil em meditação, você pode ser capaz de fazê-lo em qualquer lugar, especialmente nos de alto estresse,
situações em que mais beneficiam com a meditação, como um engarrafamento, uma reunião de trabalho estressante ou em
uma longa fila no supermercado.

d) Posição confortável: sentado, deitado, andando ou em outras atividades. Basta estar confortável para que você possa tirar o
máximo proveito de sua meditação.

Maneiras para praticar a meditação

I. Respire profundamente. Esta técnica é boa para iniciantes, pois a respiração é uma função natural. Concentre toda a atenção
na sua respiração. Concentre-se sentir e ouvir como você inspira e expira através de suas narinas. Respire profunda e
lentamente. Quando sua atenção divagar, gentilmente volte seu foco para sua respiração.

II. Analisar o seu corpo. Ao usar essa técnica, focar a atenção em diferentes partes do seu corpo. Conscientize-se de várias
sensações do seu corpo, se sente dor, tensão, calor ou relaxamento. Combine essa observação focal do corpo com exercícios
de respiração e imaginar respirando calor ou relaxamento dentro e fora de diferentes partes do seu corpo.

III. Repetir um mantra. Você pode criar o seu próprio mantra, seja religiosa ou secular. Exemplos de mantras religiosos incluem
a oração de Jesus na tradição cristã, o santo nome de Deus no judaísmo, ou o mantra om de hinduísmo, budismo e outras
religiões orientais.

IV. Andar e meditar. Combinando uma caminhada com a meditação é uma forma eficiente e saudável para relaxar. Você pode
usar esta técnica em qualquer lugar que você está andando - numa floresta tranquila, em uma calçada da cidade ou no
shopping. Quando você usa este método, abrandar o ritmo de caminhar para que você possa se concentrar em cada
movimento de suas pernas ou pés. Não se concentre em um determinado destino. Concentre-se em suas pernas e pés,

Todos os direitos reservados. Proibida a reprodução sem autorização, por escrito, da autora.
INTRODUÇÃO A PRATICA INTEGRATIVA
repetindo palavras de ação em sua mente, como a elevação, movendo-se e colocando como você levantar cada pé, mover
a perna para a frente e coloque o pé no chão.

V. Envolver-se em oração. A oração é o exemplo mais conhecido e praticado de meditação. Orações faladas e escritas são
encontradas em tradições mais fé. Você pode orar usando suas próprias palavras ou ler orações escritas por outros. Consulte
a seção de autoajuda ou de 12 passos de recuperação de sua livraria local para ver exemplos. Converse com seu rabino,
padre, pastor ou outro líder espiritual sobre os recursos.

VI. Ler e refletir. Muitas pessoas que se beneficiam de ler poemas ou textos sagrados, e tendo alguns momentos de silêncio
refletir sobre seu significado. Você também pode ouvir a música sacra, as palavras faladas ou qualquer música que você
encontrar relaxante ou inspirador. Você pode querer escrever suas reflexões em um diário ou discuti-las com um amigo ou
um líder espiritual.

VII. Concentrar-se o seu amor e gratidão. Neste tipo de meditação, você concentre sua atenção em um objeto sagrado ou de ser,
tecendo sentimentos de amor e gratidão em seus pensamentos. Você também pode fechar os olhos e use a sua imaginação
ou a olhar representações sobre o objeto.

3 Dicas:

1. Não julgue as suas habilidades de meditação, isso pode aumentar seu estresse. A meditação requer prática.

2. Tenha em mente, por exemplo, que é comum para a sua mente a vagar durante a meditação, não importa quanto tempo você
está praticando a meditação.

3. Se você está meditando para acalmar sua mente e sua atenção divaga, volte lentamente para o objeto, sensação ou
movimento que você está focando.

Experimente e você provavelmente vai descobrir que tipos melhores de trabalho de meditação para você e o que você gosta de
fazer. Adaptar meditação às suas necessidades no momento. Lembre-se

Todos os direitos reservados. Proibida a reprodução sem autorização, por escrito, da autora.
INTRODUÇÃO A PRATICA INTEGRATIVA
A mente é a grande assassina do real: por ela registra a fantasia, a percepção do que foi vivido. Para ter acesso ao conteúdo
inconsciente é preciso passear por 3 salas:

 Ignorância = trazer a consciência

 Aprendizagem = aprender com as lições da vida

 Sabedoria = aplicar o que aprendeu ao longo da existência

Meditar é uma habilidade que pode ser construída. Não há maneira certa ou errada para meditar. O que importa é começar a praticar
e investir nesta técnica que pode ajuda-la na redução do stress e a sentir-se melhor em todos os aspectos de sua vida.

Todos os direitos reservados. Proibida a reprodução sem autorização, por escrito, da autora.
INTRODUÇÃO A PRATICA INTEGRATIVA
Terapia Ortomolecular

“Mais importante do que saber que doença o indivíduo tem é saber que indivíduo tem a doença”. William Ösler

A Terapia Ortomolecular ou Oligoterapia ou Terapia Bio.Ortomolecular ou Terapia dos Oligoelementos é uma terapia holística,
preventiva e de manutenção da saúde que oferece ao organismo as condições para restabelecer, por si próprio, o equilíbrio biológico
e energético. Ela também possibilita conhecer melhor o funcionamento do próprio corpo, assim como rever e modificar hábitos
diários com o objetivo de alcançar um estilo de vida mais saudável e equilibrado. Surgiu na década de 60 com Linus Pauling.

É uma nova maneira de equilibrar os minerais e vitaminas em nosso organismo através da alimentação, de suplementos nutricionais
e com o uso dos oligoelementos catalíticos, tendo como regra básica a prevenção. Ela visa à preservação e o restabelecimento do
equilíbrio das moléculas que compõe nosso organismo, aumentando as defesas imunológicas, equilibrando os minerais e,
consequentemente combatendo o stress físico e emocional.

Ela se diferencia da medicina tradicional, pois estuda o terreno desequilibrado ou com tendência para determinadas morfologias e,
por acréscimo, trata os sintomas. Já na medicina tradicional o tratamento é determinado de acordo com os sintomas apresentados
pela doença. A medicina apenas controla os sintomas que indicam má alimentação.

Além disso, a Lei de Hering nos mostra que “a cura deve ocorrer de cima para baixo, de dentro para fora e na ordem inversa ao
aparecimento dos sintomas”. De cima para baixo quer dizer do mental para o físico (o primeiro órgão a ser afetado pelos radicais

Todos os direitos reservados. Proibida a reprodução sem autorização, por escrito, da autora.
INTRODUÇÃO A PRATICA INTEGRATIVA
livres é o cérebro); de dentro para fora significa dos órgãos mais importantes para os menos vitais (é preferível que as manifestações
aconteçam na pele que nos pulmões).

A doença pode resultar de duas causas: uma geral em que há diminuição da autodefesa e outra específica em que há um ataque
ou uma agressão contra certos órgãos. Sendo assim, existem, duas formas para se prevenir ou atacar a doença e, por vezes, ter-
se-á de usar as duas:
1. Atacar a doença por remédio ou vacina: na medicina clássica o médico irá diagnosticar a doença e indicará o tratamento;
2. Tornar o terreno impróprio para a instauração da doença: deixar o organismo organizar a sua defesa entendendo que, se o
organismo adoece é porque já não estava bem, senão a doença não teria se instalado.
A Terapia biomolecular tem por objetivo:
• Tratar do indivíduo que gera doenças e não a doença;
• Tratar do indivíduo como um todo (visão holística);
• Tratar o indivíduo de dentro para fora (Lei de Hering);
• Reativar o mecanismo de defesa natural do organismo que podem estar bloqueados ou desequilibrados;
• Corrigir predisposições genéticas;
• Preservar o equilíbrio metabólico de cada um e resgatar a energia do corpo;
• Utilizar vitaminas, oligoelementos, minerais e aminoácidos para tratar as doenças do corpo e da mente a nível molecular.

4 vantagens que ela apresenta sobre outras terapêuticas, temos:


1. Permite corrigir os transtornos funcionais que não tratados evoluirão para patologias orgânicas (doenças);
2. Atende aos doentes da vida moderna, do ruído, da poluição, do stress;
3. Não apresenta contraindicações;
4. Pode ser prescrita por longos períodos sem que o organismo se habitue.

Todos os direitos reservados. Proibida a reprodução sem autorização, por escrito, da autora.
INTRODUÇÃO A PRATICA INTEGRATIVA
Como técnica credível deve-se ao Dr. Jacques Ménétrier, que a aplicou em seu estudo das diáteses. Após anos de pesquisa
determinou a existência de 4 agrupamentos e sintomas que ele classificou como Diáteses funcionais que podem ser influenciadas
pelo estilo de vida e pelas situações traumáticas do meio em que se vive. Segundo Ménétrier, a Oligoterapia é usada na prevenção
e no tratamento de terrenos desequilibrados visando melhorar e prolongar a vida humana. Ela pretende equilibrar o indivíduo através
dos alimentos (através da orientação nutricional para repor substancias que estão em falta no organismo) e dos oligoelementos
(através do gel quelante com EDTA para repor minerais em falta e eliminar substancias toxicas).

Diátese: Ménétrier nos mostrou através das avaliações das diáteses que, muito antes de uma doença ser percebida por meio dos
sintomas, já existe um desequilíbrio bioquímico que é demonstrado pelo grau de acidez do organismo. Os terrenos, as
receptividades, as predisposições genéticas, no entanto, não podem tornar-se álibis ou desculpas para justificar as nossas más
escolhas. A Diátese avalia:
 Qual o terreno do cliente e sua predisposição a doenças;
 Qual o órgão que está desequilibrado e necessitam de cuidados para reestabelecer suas funções.
 Que enzimas de que órgãos estão bloqueadas ou desequilibradas.
 Se o organismo está ácido ou alcalino.

Menétriér descreve 4 Diáteses ou Terrenos Biológicos e uma síndrome: a Síndrome da desadaptação endócrina ou do stress.
I. Alérgico
II. Hipostênico
III. Distônico
IV. Anérgico

Os Oligoelementos para equilibrar o terreno podem ser usados via sublingual, no gel de EDTA, no mel (catalizador) + chá (ionizador),
nos pontos de Digitopuntura (parassimpático = sega e simpático = estimula) e em bandagens.A eliminação de toxinas é feita através
da: Pele, Pulmão/respiração, Intestino, Rins.

Bloqueadores de micro minerais/oligoelementos e das reações enzimáticas: excesso de cálcio, industrializados (conservantes,
corantes), antibióticos e agrotóxicos.

Todos os direitos reservados. Proibida a reprodução sem autorização, por escrito, da autora.
INTRODUÇÃO A PRATICA INTEGRATIVA
Os Oligoelementos podem ser indicados para:
 Restituir o terreno biológico
 Equilibrar o pH do corpo
 Reestabelecer o órgão que está bloqueado e/ou desequilibrado
 Fortalecer os sistemas corporais
 Prevenir a formação de Radicais Livres
 Ativar o metabolismo e os canais de eliminação de toxinas
 Eliminar as toxinas e metais pesados do organismo
 Controlar o stress físico e emocional
 Equilibrar o corpo e a mente.

A Terapia Bio.Ortomolecular ou Oligoterapia ou Biomolecular é uma forma de ser, estar e agir, é um estilo de vida, é um exercício
diário de escolhas. Ela nos ensina que devemos ter uma alimentação nutritiva, encontrar maneiras de gerenciar o stress, praticar
exercícios físicos regulares a fim de controlar a formação dos radicais livres e buscar ter uma vida mais saudável e equilibrada.

P.S. para aprofundar o conhecimento nesta técnica veja: http://uniabrath.org.br/aromaterapia-ortomolecular-oligoterapia/

Todos os direitos reservados. Proibida a reprodução sem autorização, por escrito, da autora.
INTRODUÇÃO A PRATICA INTEGRATIVA
Antroposofia ou Teoria dos Setênios do corpo ou dos Ciclos da Vida: “Cada ciclo de 7 anos traz lições importantes para o corpo, a
mente e o espirito”. A Antroposofia foi desenvolvida pelo filósofo austríaco Rudolf Steiner no início do século 20. De acordo com
Steiner: “o ser humano precisa conhecer a si mesmo, a fim de compreender o universo, visto que todos nós integramos e
participamos dele”. Esta teoria divide a vida em fases ou ciclos de sete anos. Por que 7 anos? Deus criou o mundo em sete dias;
são sete dias na semana, sete planetas relacionados ao homem (Sol, Lua, Mercúrio, Vênus, Marte, Júpiter, Saturno) e sete metais
(ouro, prata, mercúrio, cobre, ferro, estanho e chumbo); o número sete é um número místico dotado de muito poder em quase todas
as culturas conhecidas.

Há também uma subdivisão desses ciclos:

1. Os três primeiros ciclos, de 0 a 21 anos, são denominados “Setênios do corpo”. É o ciclo do crescimento e do amadurecimento
físico, do corpo e também da formação da personalidade. Fase de preparação para a vida.

2. Os três ciclos de 21 a 42 anos, são os Setênios da alma. É a fase em que, superadas as experiências básicas da vida, nos
inserimos na sociedade fazendo as escolhas como casar ou não, trabalhar em uma área específica, conviver mais ou menos
com a família.

3. E de 42 a 63 anos, vivenciamos os últimos Setênios, desenvolvemos o crescimento interior e estamos prontos para viver a
vida com maturidade, profundidade e espiritualidade.

Todos os direitos reservados. Proibida a reprodução sem autorização, por escrito, da autora.
INTRODUÇÃO A PRATICA INTEGRATIVA
A teoria dos Setênios nos ajuda a compreender que cada ciclo acrescenta conhecimentos adquiridos e nos leva a buscar novos
desafios. Nossa vida é construída de uma forma cíclica. Nossa energia vital circula pelas diversas fases da nossa vida. Nossa mente
tem diferentes estágios de aprendizado e nossa espiritualidade pode estar mais ou menos aberta conforme cada ciclo de nossa
existência. Em resumo: compreender as fases ou ciclos da vida vai nos permitir aprender mais sobre nós mesmas e também sobre
o outro (nossos filhos, cônjuge, familiares, amigos, clientes).

Descrição dos 7 Setênios:

Primeiro Setênio: 0 a 7 anos. “O mundo é bom”. Intercâmbio entre o individual e o hereditário (herdado). Fase da imitação,
individuação, construção e estruturação do corpo físico. Fase do mundo imaginário (fadas, duendes, super-heróis). Nesta fase os
sonhos são realidades. A presença da mãe é necessária. Pela Medicina Tradicional Chinesa (MTC) as forças herdadas ficam nos
rins por toda vida e se mostram na fisionomia da pessoa. Aprendizagem: andar, falar, pensar, vestir-se, controle dos esfíncteres.
Crise: troca dos dentes e doenças infantis (sarampo, rubéola, infecções de garganta e de ouvido, por exemplo). Esta fase não
vivenciada na sua plenitude pode trazer comportamentos obsessivos. Esta fase define a constituição física.

Segundo Setênio: 7 a 14 anos. “O mundo é belo”. Esta fase é a base para o amadurecimento psicológico do indivíduo. Perdemos
a inocência e ganhamos o domínio do mundo (correr, pular, jogar). Aprendemos sobre a autoridade do outro e o convívio em grupo
através da troca de experiências. A presença do pai é necessária. Fase dos dentes permanentes e amadurecimento do coração e
pulmão. A autoridade de pais e professores é importante para orientar a conduta da criança e a forma como ela verá o mundo.
Aprendizagem: aprender a lidar com regras, limites, autoridade e se relacionar com o grupo (família, escola e sociedade) equilibrando
seu espaço (interioridade, individualidade) como o espaço do outro (respeitar o outro na sua individualidade e diferenças). Aqui se
constrói o senso de justiça e se consolidam os costumes e hábitos aprendidos e incorporados. Crise: a ausência de autoridade do
Pai ou o excesso de cobrança podem causar asma, problemas respiratórios, perturbações do ritmo cardíaco (ansiedade, respiração
rápida e ineficiente) e digestivo (má digestão, diarreia, prisão de ventre), fobia social, insônia e/ou pesadelos e baixa da imunidade
(Timo). Define-se o temperamento.

Terceiro Setênio: 14 a 21 anos. “O mundo é verdadeiro. “Fase do amadurecimento social do indivíduo. Ocorre a primeira crise de
identidade. Necessidade de conquistar. Dúvidas e experimentações físicas e emocionais da puberdade/adolescência (primeira
paixão, lidar com decepções, construção da identidade, ídolos e ideologias). Tudo é intenso e dramático, não está pronto, tudo “pode
ser”. É como um terceiro nascimento. A mulher menstrua e o homem entra na fase fértil. Fase de querer ser reconhecido como

Todos os direitos reservados. Proibida a reprodução sem autorização, por escrito, da autora.
INTRODUÇÃO A PRATICA INTEGRATIVA
indivíduo e ser aceito pelo seu grupo. Questionamento: “Quem sou eu”? “O que quero fazer”?Aprendizagem: fazer escolhas (onde
estudar, que profissão seguir), lidar com o meio em que vive (tem vergonha de mostrar-se como é, sua personalidade) normalmente
se inicia a vida profissional. Crise: aparece na acne e no comportamento (anorexia, bulimia, uso excessivo de álcool e drogas).

Quarto Setênio: 21 a 28 anos. “Crise dos talentos”. É a 1ª crise existencial da vida adulta. Quer provar que sabe fazer, que tem
autonomia para tomar as decisões na sua vida. Fase das sensações e emoções e do auge da fertilidade. Momento de se perguntar
se escolheu a profissão correta, se deixou de aprimorar alguma aptidão e se está em harmonia com o mundo, família e consigo. O
“Eu” ainda está em fase de formação, porém, quer aparecer e brilhar. O trabalho é muito importante para esta formação. Não atingir
os objetivos causa frustrações. Questionamento: “Como eu vivencio o mundo”? Aprendizagem: aprender a lidar com os papeis
sociais sem perder sua identidade. Segundo Jung, a mulher terá de desenvolver seu animus (seu lado masculino) e o homem sua
anima (seu lado feminino). Crise: se tudo correu bem, os relacionamentos serão baseados no companheirismo e reciprocidade. Se
não, fará parte da crise a formação das couraças (Jung), relacionamentos dependentes e com emaranhamentos e disfunções do
sistema respiratório.

Quinto Setênio: 28 a 35 anos. “Busca de estabilidade”: fase da organização e estruturação da vida (casa – família – filhos, grupo
de amigos, ter uma profissão estabelecida, investir na carreira e ganhar dinheiro). Está é a fase da “crise dos 30” que traz
questionamentos sobre qual é nosso lugar no mundo e nos leva a conhecer nossos limites. Nesta fase, os homens passam a ser
mais sensíveis e nós mulheres mais fortes e racionais. Aprendizagem: ser mais amoroso e tolerante consigo mesmo (e com o outro),
reconhecer os próprios limites, se adaptar ao início do declínio físico. Crise: insônia, ansiedade, fadiga crônica, são algumas das
disfunções desta fase.

Sexto Setênio: 35 a 42 anos. “Crise de autenticidade” e da “Consciência da Alma”: ser autentica com relação a si mesma, fazer
suas escolhas de acordo com o que é importante para si mesma: recriar-se a partir de seus desejos. Esta fase é da “desmistificação
dos sonhos”, de deixar de viver em função de papéis e máscaras, de agir com consciência e agir de acordo com seus próprios
valores. Aprendizagem: autoconhecimento para ter mais qualidade de vida, reconhecer os próprios limites, aceitar a si mesma
(limites e potenciais). Crise: medo de perder a juventude e de não dar conta de tudo, angustia, sensação de vazio interior e/ou de
fracasso. O fígado merece atenção.

Sétimo Setênio: 42 a 49. “Qual o sentido de existir?” e “Qual a minha missão?”. A crise existencial ocorre devido ao fato de
reconhecer que está só e que apenas ela pode mudar sua vida e o que lhe causa sofrimento (mesmo que esteja bem casada, tenha

Todos os direitos reservados. Proibida a reprodução sem autorização, por escrito, da autora.
INTRODUÇÃO A PRATICA INTEGRATIVA
um bom emprego e ótimos colegas de trabalhos, tenha amigos e tenha alcançado o sucesso que buscava). Busca pela legitimidade,
ser representante de si mesma, assumir sua vida e suas escolhas. Fase do climatério e menopausa (das ondas de calor e de
emoções) na mulher e Andropausa no homem. Para a mulher, esta fase marca o fim da capacidade reprodutora (menopausa).
Questionamentos: sobre o relacionamento do casal e com os filhos são comuns, assim como mudar de profissão ou os
relacionamentos. Aprendizagem: ser autêntica, fazer escolhas baseadas no que realmente acredita e importa para si mesma,
aprender a ouvir os sinais do corpo, adaptar-se a ele e cuidar dele. Crise: declínio da vitalidade física. Prestar atenção a capacidade
do pulmão de oxigenar o sangue, a digestão, ao metabolismo e as doenças metabólicas (dislipidemia e diabetes).

Oitavo Setênio: 49 a 56 anos. “Fase da sabedoria”, da liberdade criativa e generosa – “eu me permito”: harmonia e equilíbrio interno
decorrente do entendimento de que “sou livre e vou fazer o que é bom para mim”. Questionamento: “O que é preciso modificar na
minha vida para ter mais saúde e energia?” Aprendizagem: priorizar o ritmo biológico para ter uma rotina saudável. Crise: atenção
aos rins e fígado e sua capacidade de eliminar toxinas.

Nono Setênio: 56 a 63“. Fase mística ou Intuitiva” e da integração (olhar de águia): introspecção, paciência e visão integral de tudo
(por ter aprendido com as experiências vividas). O corpo mostra os sinais do tempo: visão e audição diminuem e a memória não é
mais a mesma, a energia do coração, baço-pâncreas, rins e fígado estão em queda. Aprendizagem: ter paciência consigo mesma
e com os outros, aceitação e desapego. Crise: osteoporose, doenças crônicas e degenerativas.

Décimo Setênio: 63 a 70: “Fase do Mestre” (olhar através): conhecimento adquirido ao longo da vida que pode ser passado adiante.
Passamos a ocupar um lugar de nutrição e inspiração para o sistema. Tornamo-nos “gurus”, ou seja, nos colocamos disponíveis
aos que vierem até nós – não respondendo as questões que ainda não foram feitas.

OBS:

 Esther Harding, aluna de Jung, compara nossa vida com as 4 estações do ano: a primavera do nascimento até a maturidade;
o verão a maturidade; o outono a fase de 40 a 60 anos; a velhice, o inverno.
 Os Setênios são uma espécie de renascimento, pois a cada 7 anos, temos a oportunidade de aprender mais sobre nós
mesmas e nos renovar, já que as crises são entendidas como indicações de novos caminhos para o nosso desenvolvimento
pessoal.

Todos os direitos reservados. Proibida a reprodução sem autorização, por escrito, da autora.
INTRODUÇÃO A PRATICA INTEGRATIVA
10 – Trofoterapia e Trofobiose: Trofo = alimento Biose = existência de vida

Através da Teoria da Trofobiose aprendemos que: “todo ser vivo só sobrevive se houver alimento adequado e disponível para ele".

No caso da planta, ela só será atacada por um inseto, ácaro, nematoide ou microrganismo (fungos e bactérias), quando tiver na sua
seiva o alimento de que eles precisam (principalmente aminoácidos). Um vegetal saudável e equilibrado, dificilmente será atacado
por pragas e doenças. O uso de agrotóxicos e fertilizantes químicos adoece as plantas e as torna suscetíveis a pragas e patógenos.
A agricultura faz, então, um “controle biológico”. Assim percebe-se a importância de se ingerir alimentos da época (tem menos
agrotóxicos) e orgânicos.

De acordo com Heloisa Bernardes, “o ser humano só será atacado por vírus ou bactérias quando tiver no sangue exatamente as
condições de que necessitam” (sangue ácido). Uma pessoa saudável e equilibrada dificilmente ficará doente.

Todos os direitos reservados. Proibida a reprodução sem autorização, por escrito, da autora.
INTRODUÇÃO A PRATICA INTEGRATIVA
Trofoterapia ou Alimentação inteligente:

A Trofoterapia é um sistema eficaz de tratamento com a seleção de alimentos naturais, orgânicos e integrais. Consiste na utilização
dos alimentos na prevenção e tratamento de doenças, bem como na manutenção da saúde. Seu objetivo é regular as funções do
indivíduo com o uso de alimentos simples e naturais.

Trofo = alimentação ou nutrição e Terapia = tratamento.

A Trofoterapia facilita o aumento da consciência a respeito da importância da alimentação saudável e da sua capacidade em prevenir
e tratar os desequilíbrios. Ela mantém o funcionamento dos tecidos, músculos e órgãos, regula suas funções, ajuda todo o sistema
orgânico sem produzir os efeitos colaterais causados por métodos terapêuticos rápidos, como o tratamento com medicamentos
químicos, que muitas vezes se faz necessário, por falta, exatamente de uma alimentação balanceada, saudável e harmônica. Ela
propõe uma análise qualitativa dos alimentos, considerando aspectos de integridade, vitalidade e ausência de toxicidade e de
resíduos de contaminantes sintéticos. O alimento integral orgânico surge, assim, como uma opção e uma necessidade.

Alimentos integrais são, basicamente, grãos e cereais que não passaram por nenhum processo de refinamento e, por isso,
conservam todos seus componentes originais, incluindo cascas e películas protetoras, não descartando, assim, as partes ricas em
nutrientes. Os alimentos orgânicos são produzidos em solo balanceado em nutrientes e não apresentam resíduos de agrotóxicos e
fertilizantes sintéticos, de hormônios e drogas veterinários usadas na produção animal e de aditivos químicos, vitaminas e minerais
sintéticos e substâncias radioativas resultantes da irradiação dos alimentos. São alimentos com maior valor nutricional, equilibrados
no seu teor de fibras, fitoquímicos, vitaminas e minerais, de sabor e cor mais intensos, cascas mais firmes e com maior durabilidade.
Por fim, são alimentos ricos em vitalidade; proveniente de uma forma de produção em consonância com a natureza.

4 pilares da alimentação saudável:


1. Equilíbrio entre os nutrientes (proteína, carboidratos, lipídios, vitaminas, minerais, água).
2. Qualidade do alimento (deve ser fresco, natural, nutritivo, rico em vitaminas, minerais, fibras e aminoácidos).
3. Variedade: ter um prato colorido (cada cor indica a presença de vitaminas e minerais diferentes).
4. Quantidade: não deve exceder o número de calorias gastas para desempenhar as atividades do dia a dia.

Todos os direitos reservados. Proibida a reprodução sem autorização, por escrito, da autora.
INTRODUÇÃO A PRATICA INTEGRATIVA
Recomendações da Trofoterapia:

 Alimentos refinados e/ou cultivados com produtos químicos SUBSTITUIR POR alimentos de origem integral e orgânica

 Frituras SUBSTITUIR POR grelhados e cozidos à vapor ou no forno

 Refrigerantes, bebidas alcoólicas, sucos de tetra pack e engarrafados SUBSTITUIR POR água mineral e suco de frutas
frescas.

 Alimentos cozidos SUBSTITUIR POR alimentos crus.

 Margarina SUBSTITUIR POR manteiga e fibras (Pães e cereais integrais, frutas e verduras).

 Açúcar refinado SUBSTITUIR POR mel, melado ou açúcar mascavo.

 Doces e bolachas recheadas SUBSTITUIR POR frutas secas, nozes e bolachas integrais.

 Sal refinado comum SUBSTITUIR POR sal marinho, ervas aromáticas, shoyo.

 Massas, pães e arroz branco SUBSTITUIR POR farinhas, pães e arroz integrais, aveia, fubá.

 Carnes e frangos de granja SUBSTITUIR POR carnes e frangos caipira, laticínios fermentados (Iogurte e coalhada), cereais
integrais e leguminosas.

 Café e chá preto SUBSTITUIR POR chás de ervas medicinais.

 Leite longa vida e queijos gordurosos SUBSTITUIR POR leite fresco, iogurte, coalhada e ricota.

 Gorduras hidrogenadas SUBSTITUIR POR óleos vegetais a frio, adicionados após o cozimento, como azeite de oliva.

 Conservas, congelados e embalagens longa vida SUBSTITUIR POR alimentos frescos.

Quando o alimento é errado, o remédio é inútil. Quando o alimento é certo, o remédio é desnecessário. Flávio Passos

Todos os direitos reservados. Proibida a reprodução sem autorização, por escrito, da autora.
INTRODUÇÃO A PRATICA INTEGRATIVA
Técnica de Respiração Orientada:

Fonte: http://g1.globo.com/bemestar/noticia/2013/12/entenda-importancia-da-respiracao-adequada-durante-atividade-fisica.html

A base da sua saúde é um sistema circulatório saudável. Ele é o responsável por transportar oxigênio e nutrientes para todas as
células do seu corpo. Já todos os resíduos dos processos celulares que passam por ele devem ser eliminados pelo sistema linfático.

Você sabe como é possível ter um bom sistema circulatório? Através da respiração profunda. pois ela permite a oxigenação das
células e controla o fluxo do fluído linfático.

Como isso acontece? O sangue é bombeado do coração, através das artérias, até os finos e porosos capilares. Ele carrega para os
capilares o oxigênio e nutrientes, difusos dentro desse fluido, chamado linfa, que circunda as células. As células, reconhecendo
aquilo de que precisam, retiram o oxigênio e os nutrientes necessários à sua saúde e então eliminam as toxinas, algumas das quais
voltam para os capilares. Mas as células mortas, proteínas de sangue e outros materiais tóxicos devem ser removidos do corpo pelo
sistema linfático. As células do corpo têm no sistema linfático seu único meio de drenar os muitos materiais tóxicos e excesso de
fluido que restringem a quantidade de oxigênio.

OBS: A corrente sanguínea tem uma bomba: seu coração. Mas o sistema linfático não tem nenhuma. A única maneira de a linfa
mover-se é pela respiração profunda e pelo movimento muscular. Assim, se você quiser ter uma corrente sanguínea saudável, com

Todos os direitos reservados. Proibida a reprodução sem autorização, por escrito, da autora.
INTRODUÇÃO A PRATICA INTEGRATIVA
sistema linfático e imunológico eficientes, precisa respirar profundamente e produzir movimentos que os estimulem (exercícios
aeróbicos como caminhada, corrida e natação, por exemplo).

Você sabia que uma respiração lenta e profunda, pode gerar alterações significativas em seu corpo? Respirando profundamente é
possível diminuir o ritmo cardíaco, a pressão arterial, relaxar os músculos, diminuir da ansiedade, melhorar a qualidade da digestão
e também dormir melhor. Infelizmente, no decorrer dos anos, esquecemos a forma correta de respirar e assim comprometemos todo
o funcionamento do nosso corpo, já que ele não pode funcionar adequadamente sem a quantidade adequada de oxigênio. Como
consequências surgem: fadiga, stress, retenção de líquidos, prisão de ventre, problemas digestivos, desequilíbrios, doenças e
inclusive alguns estudos indicam que o câncer se desenvolve em um ambiente ácido e deficiente em oxigênio.

A respiração é importante para várias culturas e cada uma tem uma técnica específica para sua utilização. A Ayurveda, por exemplo,
utiliza a respiração para ativar e equilibrar os chacras. Já a Yoga ensina a Pranayama (exercício de respiração com o objetivo de
criar, distribuir e manter a energia vital) para conseguir um corpo saudável, acalmar a mente e equilibrar as emoções.

A técnica de respiração consciente e orientada pode ajudar:


 A diminuir a ansiedade e a irritação, acalmar e liberar a tensão acumulada e a fadiga do corpo e da mente.
 A limpar os canais de energia bloqueados no corpo, que por sua vez vão acalmar sua mente.
 A prestar atenção na sua respiração, torna-la consciente: você traz sua atenção ao momento presente.
 Relaxar: a conscientização dos movimentos respiratórios, inspirar e expirar o ar lentamente induz ao relaxamento e à
introspeção.
 Estabilizar o pH sanguíneo
 Bloquear o automatismo da crise.

Segundo Marcos Rojo Rodrigues - PhD em Ciência do Yoga (Índia) e professor do Centro de Práticas Esportivas da Universidade
de São Paulo (USP): "A inspiração está mais conectada com o lado ativo do sistema nervoso autônomo simpático, enquanto a
expiração está mais conectada com o lado calmante do sistema nervoso autônomo parassimpático". É importante saber que a

Todos os direitos reservados. Proibida a reprodução sem autorização, por escrito, da autora.
INTRODUÇÃO A PRATICA INTEGRATIVA
respiração deve ser feita usando a musculatura do diafragma, ou seja, movimentando o abdômen e não o tórax (peito). Assim, a
respiração deve ser mais lenta e profunda, ter pausas inspiratórias e expiratórias, ser livre, leve, solta e natural.

Antes de realizar a técnica de respiração orientada, realize o exercício respiratório a seguir: deite-se numa esteira. Com os braços
acima da cabeça, alongue seus braços e pernas (para cima e para baixo como se quisesse crescer além do corpo). Em seguida,
coloque os braços esticados ao lado dos quadris com a palma das mãos virada para cima, deixe os pés um pouco afastados um do
outro e tente unir as omoplatas nas costas. O queixo aponta levemente para o peito. Os olhos estão fechados e os glóbulos oculares
relaxados. Acompanhando a crescente sensação de peso nos braços e pernas, na cabeça e no tronco, observe sua respiração. Não
interfira no acontecimento natural; apenas o observe. A boca deve estar fechada.

Postura: os ossos da bacia estão na vertical, a coluna vertebral reta, os ombros descontraídos. Abaixa-se um pouco em direção ao
peito, de tal modo que o alto da cabeça parece estar sendo puxado para cima por uma força invisível.

 A postura de lótus - sentado com as pernas cruzadas: as plantas dos pés voltadas para cima, o dorso de cada um dos pés
repousa sobre a barriga da perna oposta. Variante: apenas uma das plantas dos pés voltada para cima, o Outro pé é colocado
na dobra entre as coxas.
 Assento indonésio: as pernas não estio cruzadas, mas dobradas e deitadas uma para cada lado no chão.
 No assento de lótus e no indonésio, coloca-se uma almofada firme ou um cobertor dobrado sob as nádegas para que os
joelhos se apoiem bem no chão, formando uma base firme.
 Assento diamantino ou japonês: de joelhos, sentar-se sobre as pernas, usando eventualmente uma pequena almofada entre
os pés e o chão, ou entre as nádegas e os calcanhares. Variante: enquanto os joelhos ainda estão muito rígidos, usa-se um
cobertor firmemente enrolado e senta-se o cavaleiro nesse rolo. Nessa postura, as costas permanecem retas, sem distender
dolorosamente os tendões.
 Assento num pequeno banco: a parte inferior das pernas é enfiada sob o banquinho, de modo que é fácil manter as costas
retas.
 Sentar numa cadeira: as pernas dobram-se em ângulo reto, os joelhos não devem ficar muito altos. As plantas dos pés
apoiam-se no chão ou em cima de um cobertor dobrado. Caso o assento da cadeira tenha uma inclinação para trás, coloca-
se um apoio (um livro ou uma almofada) sob o cóccix. As coxas devem ter contato com o assento, mas a coluna não deve
encostar-se ao espaldar da cadeira.

Todos os direitos reservados. Proibida a reprodução sem autorização, por escrito, da autora.
INTRODUÇÃO A PRATICA INTEGRATIVA
Observação: As duas primeiras posturas na posição sentada são difíceis para o homem ocidental, mas vale a pena praticá-las.
Nessas posturas, nossa base está firmemente ancorada, é fácil manter a coluna e a bacia na vertical, e a energia flui livremente por
elas.

Respiração Dividida e Completa Deitado: lembre-se: sempre expirar completamente.

a) Respiração abdominal: Esta respiração serve para fortalecer a nossa base, coisa frequentemente negligenciada. Colocar ambas
as mãos sobre o abdômen e, devagar, de modo consciente, encher a parte inferior dos pulmões. O abdômen se eleva, abaulando-
se. Após ter inspirado, reter um pouco o ar; em seguida, expirar vagarosamente, deixando o abdômen se contrair. Sempre, em todos
os exercícios, deve-se tentar prolongar a respiração o máximo possível! Ao expirar, dirigir conscientemente a energia para todos os
órgãos abdominais e para os pés, acalmando a circulação. A parte inferior do tecido pulmonar é a mais vigorosa. Fazer o exercício
de cinco a sete vezes.

b) Respiração torácica: Colocar ambas as mãos sobre as costelas, com os polegares apontando para trás. Inspirar, enchendo
conscientemente a parte média dos pulmões e distendendo bem as costelas. Dessa forma, as costas também se alargam (ficamos
"redondos como um barril"). De pulmões cheios, fazer uma pequena pausa e, depois, expirando, dirigir conscientemente a energia
para o coração e para os pulmões. Fazer o exercício de cinco a sete vezes.

c) Respiração das extremidades dos pulmões: colocar os três dedos médios de ambas as mãos sobre a caixa torácica, debaixo das
clavículas e sentir a pequena cavidade. Ali está a extremidade dos pulmões, atualmente muito negligenciada (má postura com o
peito encolhido), embora sejam muito úteis à atividade cerebral. Agora - dentro do possível, sem muita participação do abdômen e
do peito - encher lentamente a extremidade dos pulmões, indo ao encontro dos dedos, sem forçar, apenas até o ponto em que seja
agradável. Ao expirar, imaginar a tireoide e o cérebro, dirigindo-lhes a energia, ficando bem desperto. Fazer o exercício de cinco a
sete vezes.

d) Respiração completa: juntar as três fases respiratórias anteriores numa única inspiração e expiração. Começar pelo abdômen,
passar para as costelas e, por fim, encher a extremidade dos pulmões. Tudo isso, portanto, corre de baixo para cima. Respirar lenta
e comodamente como em "câmara lenta" e, de pulmões cheios, reter o alento. Para começar, recomenda-se o seguinte ritmo:
inspirar em cinco tempos, que correspondem aproximadamente à batida cardíaca; suspender o alento por três tempos; expirar em
cinco tempos; suspender a respiração por três tempos. Neste exercício, pode-se dirigir toda a energia assimilada conscientemente

Todos os direitos reservados. Proibida a reprodução sem autorização, por escrito, da autora.
INTRODUÇÃO A PRATICA INTEGRATIVA
para todo o corpo, desde o vértice até a planta dos pés. Fazer o exercício de cinco a sete vezes. Efeito: aumento da vitalidade.
Imaginar: "Em cada respiração, recolho energia." "De momento a momento, sinto-me cada vez melhor".

Exercícios básicos para treinamento da respiração:

Respiração Alternada: sentada, para melhorar o desempenho do nariz O polegar e o indicador estão prontos para fechar o lado
correspondente do nariz. Agora, bem rápida e superficialmente, inspirar por ambas as narinas e, alternando, expirar pela narina
esquerda ou pela direita. Fazer o exercício durante meio minuto. Efeito: ativação das células nervosas do terço superior do nariz, a
quem cabe, antes de tudo, a assimilação do prana. Arejamento e limpeza do nariz. Imaginar: "Vivo e desperto no cérebro”.

Respiração "Fole": sentado - para o abdômen e o peito. Efeito: ativa e estimula os órgãos da digestão, produz calor e combate o
cansaço. Imaginar: "Força e profunda confiança."

a) pôr as mãos sobre o abdômen. Agora, com simples respiração abdominal, inspirar e expirar pelo nariz, de maneira bem vigorosa
e audível, como se se quisesse, com a ajuda de um fole, acender o fogo numa lareira.

b) fazer o mesmo, com simples respiração torácica. Fazer isso durante trinta a sessenta segundos.

Respiração “Hara”: essa respiração se refere ao abdômen como suporte principal do ponto energético a ser procurado cerca de 3
centímetros abaixo do umbigo. "Hara” e a palavra japonesa que significa "abdômen". Segundo a concepção oriental, um homem
sem Hara é um homem inconstante.
c) Colocar as mãos sobre o abdômen e inspirar lentamente até estar agradavelmente cheio de ar. Fazer uma pequena pausa e, em
seguida, expirar de boca entreaberta e com a ajuda de um prolongado "ffff". Enquanto isso, o abdômen deverá estar totalmente
descontraído, só retornando à sua posição inicial no fim da expiração. Durante a expiração, imaginar que se está sendo libertado
de uma carga pesada. Ter a consciência do abdômen alivia o cansaço do homem ocidental. Efeito: libertação do medo, eliminação
de cólicas no baixo ventre, no estômago e na vesícula biliar, e combate às dores menstruais. Imaginar: "Firme e inatacável como
uma rocha."

Respiração do Bocejo Sentado: a boca deve ficar bem aberta. Com a ajuda da vogal “a”, provocamos um autêntico ato de bocejar,
durante o qual nos esticamos como um gato que acorda do sono. Como bocejar é contagioso, será mais fácil fazer a respiração do

Todos os direitos reservados. Proibida a reprodução sem autorização, por escrito, da autora.
INTRODUÇÃO A PRATICA INTEGRATIVA
bocejo em grupo. Expirar pela boca aberta. Fazer o exercício cinco vezes. Efeito: aprofundamento da respiração, descontração,
relaxamento de tensões e medos, ampliação dos brônquios. Imaginar: "Desperto e sadio."

"Soprar a Sopa": sentado - fazer "um bico" com a boca, como se fosse assobiar; inspirar pelo nariz e expirar pelos lábios em forma
de bico, imaginando que quer esfriar uma colher cheia de sopa quente. Para controlar a respiração, colocar a palma da mão direita
diante da boca. Efeito: desperta o centro energético entre as sobrancelhas, aumenta a memória e a clareza de espírito. Imaginar:
"Estou bem desperto e com a cabeça lúcida."

"Soprar a Vela": sentar diante de uma vela acesa e com os lábios em forma de bico soprar na direção da chama, mas apenas o
bastante para fazê-la curvar-se, sem apagá-la. Aos poucos, com o tempo, distanciar cada vez mais da vela. Assim, soprar cada vez
com mais força e com melhor pontaria, o que aumenta o efeito. Fazer o exercício sete vezes. Efeito: o mesmo do exercício 6 -
"soprar a sopa". Imaginar: "Visando o alvo e concentrado, trabalho cada vez melhor."

"Leão" Deitado ou Sentado nos Calcanhares: na postura de "meia-vela" esticar a língua para fora e inspirar e expirar suavemente
pelo nariz. Em seguida, recolher a língua e pressionar firmemente o lado inferior dela contra o céu da boca, continuando, enquanto
isso, a respirar pelo nariz. Voltar a esticar a língua para fora e repetir o processo umas cinco vezes. Na postura de “meia-vela” a
garganta recebe melhor irrigação sanguínea, de modo que o efeito aumenta. Efeito: combate resfriados incipientes e doenças das
vias respiratórias. Imaginar: "De momento a momento, estou me sentindo cada vez melhor."

Respiração Lateral: em pé ou deitado - deitar a mão esquerda sobre o lado direito das costelas; depois, inspirando, levantar o braço
esquerdo, com o indicador esticado, por cima da cabeça. Esticar o máximo possível o lado direito, apalpando interiormente o pulmão
direito. Expirar e deixar cair o braço. Em seguida, esticar o lado esquerdo, tratando de sentir o coração e o pulmão esquerdo. Expirar
novamente. Fazer o exercício três vezes de cada lado. Efeito: conscientização e ampliação dos dois pulmões e libertação de
bloqueios. Combate problemas de postura e escoliose. Imaginar: "O coração e os pulmões trabalham de maneira sadia e normal."

Respiração Dorsal ou de Quatro "Corcunda de Gato": apoiar nas mãos e nos joelhos, durante a inspiração, arredondar as costas
como faz o gato, enchendo especialmente a região dorsal dos pulmões com bastante ar fresco. Reter o ar um pouco e, em seguida,
expirar, retraindo a espinha dorsal em direção ao chão e levantando a cabeça. Fazer o exercício sete vezes. Efeito: Arejamento total
dos pulmões, saúde para a pleura. Imaginar: "Tenho uma espinha dorsal."

Todos os direitos reservados. Proibida a reprodução sem autorização, por escrito, da autora.
INTRODUÇÃO A PRATICA INTEGRATIVA
Respiração com Ênfase no Olfato (Aromaterapia): sentado. Fechar uma das narinas com o indicador e inspirar com a outra narina,
como se estivesse "farejando". Enquanto isso, imaginar intensamente um aroma que deve ter um determinado efeito, como, por
exemplo, café moído na hora (faz despertar), menta, limão (refrescantes), lavanda, sálvia (calmantes). Em seguida, expirar pela
mesma narina. Você pode também por 1 gota de óleo essencial em uma das mãos e aspirar o aroma pelo nariz. Fazer o exercício
três vezes para cada lado. Efeito: o acima descrito. Imaginar: "Estou desperto e vivo." "Estou tranquilo e descontraído." "Estou à
altura da minha tarefa."

Respiração Refrescante (Aromaterapia): a língua, enrolada no sentido longitudinal, é esticada bem para fora; através dessa espécie
de tubo, sorvemos suave e gostosamente o ar; detendo-nos um pouco e, em seguida, expirar normalmente pelo nariz. Ao mesmo
tempo, imaginar um aroma refrescante (por exemplo, de limão, laranja ou menta) ou pôr uma gota de óleo essencial sobre uma das
mãos. Fazer o exercício de três a cinco vezes. Efeito: frescor, quando o ar está muito quente; combate à agitação, à ira e ao
aborrecimento. Imaginar: "Sinto-me refrescado e distante das coisas."

Exercícios para expiração completa

Expiração com "fft" - a "Locomotiva":

1) Sentado em postura reta, deixar o ar entrar lentamente. Quando os pulmões estiverem bem cheios, fazer com os lábios um
movimento de "fft, fft, fft", deixando de esse modo sair o alento pela abertura estreitada da boca, como se fosse através de uma
válvula entreaberta, até que não haja mais nada nos pulmões. Perceba-se dentro de si mesma até o fundo da bacia. Fazer o
exercício sete vezes. Efeito: inspiração mais profunda, aumento do volume respiratório; combate à asma e à anorexia. Imaginar:
“Tomando-me vazio, vivo a mim mesmo."

2) Expirar Deitado:

a) deitado no chão, com o queixo apontado para o peito. Junto com a inspiração, levar os braços por cima da cabeça, até o chão.
Fazer uma pequena pausa. Acompanhando a expiração, erguer lenta e concentradamente toda a parte superior do corpo, dobrando
o tronco para frente e segurando as articulações dos pés com as mãos. Inclinar a testa na direção dos joelhos. Segurar o tempo que
for possível. Em seguida, encher os pulmões, e erguer a metade do corpo, voltando lentamente ao decúbito dorsal. As mãos estão
novamente ao lado dos quadris. Fazer o exercício três vezes.

Todos os direitos reservados. Proibida a reprodução sem autorização, por escrito, da autora.
INTRODUÇÃO A PRATICA INTEGRATIVA
b) deitado no chão; levar as mãos às costelas, os polegares apontados para as costas, e inspiramos profundamente. Fazer uma
pequena pausa. Em seguida, erguer a cabeça e, junto com a expiração, apertar firmemente as costelas, como se quisesse espremer
uma esponja. Inspirar novamente e levar a cabeça de volta ao chão. Fazer o exercício três vezes.

 Efeito: o aprofundamento do processo respiratório, a ativação do diafragma e dos órgãos abdominais. Combate à asma e à
bronquite.

 Imaginar: “O vazio é o ventre materno de todas as coisas”.

Exercícios de suspensão da respiração e de expansão

Suspensão da Respiração - Exercício 1:

Sentado. Inspirar até que os pulmões tenham se enchido por completo. Em seguida prender a respiração (baixando o queixo sobre
o peito) por 10 a 20 segundos. Fazer o exercício três vezes, intercalando com pausas. Efeito: o fortalecimento dos pulmões e do
fígado; a concentração de oxigênio; a redução do açúcar (combate à diabete); a purificação do corpo com eliminação dos detritos e
a renovação celular. Imaginar: “Inteiramente no Aqui-e-Agora “. “Forte e inatacável.”

Respiração de Expansão - “O Pássaro Alça Voo”. Em pé ou andando imaginar estar no alto de uma montanha, observando. Inspirar
e expirar. Em seguida, inspirar e expirar por dois, três e quatro tempos erguendo os braços como se quisesse voar; depois, andando,
inspirar no primeiro passo e expirar no passo seguinte. Efeito: fortalecimento da autoconfiança, sensação bem-estar, combate à
timidez e ao nervosismo. Imaginar: "Eu posso, eu posso." "Estou livre”.

Exercícios respiratórios para purificação dos pulmões e do sangue.

Respiração Purificadora Leve: Deitado. Na posição deitada, puxar os joelhos de encontro ao peito e abraçá-los. Ao inspirar soltar
os joelhos, deixando-os soltos, e ao expirar comprimi-los com força de encontro ao corpo, como se estivesse espremendo uma
esponja. Repetir o exercício várias vezes. Efeito: ativa a atividade linfática, o que elimina as toxinas. Reanima e aprofunda a
inspiração, o que é bom para a asma, a mania de emagrecimento, a bronquite crônica, além de melhorar a ortostática da coluna.
Imaginar: “Fresco e puro."

Todos os direitos reservados. Proibida a reprodução sem autorização, por escrito, da autora.
INTRODUÇÃO A PRATICA INTEGRATIVA
Respiração "HÁ" Deitada ou em Pé. Em decúbito dorsal, esticar os braços por cima da cabeça e ao mesmo tempo inspirar
profundamente, enchendo todos os espaços pulmonares. Em seguida, libertando-nos com um "há" sem ruído, pela boca aberta,
expulsamos vigorosamente todo o ar, valendo-nos para isso também de algumas retrações do diafragma. Ao mesmo tempo em que
expirar recolher e abraçar os joelhos com os braços. Respirar pelo abdômen, e pressionar as vértebras lombares contra o chão.
Esticar as pernas e repetir o exercício três vezes. Efeito: arejamento e purificação dos lóbulos pulmonares, fortalecimento da
atividade cardíaca. Imaginar: "Fresco e sadio."

O mesmo exercício em pé: Com uma profunda inspiração, esticar os braços para cima da cabeça. Em seguida, ao expirar "há", sem
ruído, inclinar o corpo, sem dobrar os joelhos. Dentro do possível, a palma das mãos ou a ponta dos dedos tocam o chão. Pressionar
o diafragma para cima e inspirar enquanto se ergue. Levantar os braços para cima da cabeça e repetir o exercício três vezes. Efeito:
purificam-nos de substâncias tóxicas, inclusive as do meio ambiente. Ver acima. Imaginar: "Fresco e sadio."

Respiração para carregamento de energia

Exercício Simples de Carregamento: Posição: deitada. Efeito: sensível aumento da vitalidade corporal e psíquica. Imaginar: "Estou
pleno de energia vital." "Estou à altura de qualquer situação."

a) esfregar as palmas das mãos, uma contra a outra e, em seguida, o dorso das mesmas. Massageamos os dedos de uma das
mãos com o polegar e o indicador da outra. Depois, entrecruzar os dedos das duas mãos esticando-as lentamente, afastando-as
sob resistência. Em seguida, esfregamos mais uma vez as mãos, até que fiquem quentes.

b) Carregamento dos pés. Com a mão direita, girar os cinco dedos do pé esquerdo, várias vezes, em ambos os sentidos. Depois,
com a mão esquerda, fazemos o mesmo com os dedos do pé direito. Então, massageamos o dorso dos pés até o metatarso e,
finalmente, as plantas dos pés, até que esquentem.

c) União das palmas das mãos e das plantas dos pés. Unimos agora as palmas das mãos e as plantas dos pés, levantando um
pouco os joelhos. Em seguida, inspiramos e expiramos calma, porém conscientemente, com respiração completa. Em cada
expiração, dirigimos toda a energia assimilada para o corpo inteiro. Dessa forma, a parte da energia que normalmente se esvai das
palmas das mãos e das plantas dos pés para o ambiente permanece no corpo e se potencializa a cada nova respiração. Fazer o
exercício de três a cinco minutos.

Todos os direitos reservados. Proibida a reprodução sem autorização, por escrito, da autora.
INTRODUÇÃO A PRATICA INTEGRATIVA
Reflexões finais:

Existem várias formas para buscar a felicidade e vários tratamentos para prevenir e até tratar algumas doenças. Você pode buscá-
las através da análise pessoal, da alimentação que equilibra e nutre o corpo, da meditação, da atividade física, aprendendo a
controlar o stress, fazendo exames médicos regulares, através das terapias naturais (florais e aromaterapia, por exemplo), seguindo
as recomendações do médico ou terapeuta ou fazendo várias destas coisas ao mesmo tempo.
Qualquer que seja o caminho que você escolher para buscar e cuidar da sua saúde física e emocional, o mais importante é não
desistir. Mesmo quando for difícil, quando você escorregar ou quando achar que não tem mais forças para prosseguir, não desista,
acredite em si mesma! Se permita experimentar, errar, reavaliar, recomeçar, se readaptar, se desapegar do que não lhe serve mais
(tanto sentimentos, quanto desculpas ou alimentos e hábitos que lhe prejudicam a saúde física e emocional).
As pessoas saudáveis e felizes, não vivem buscando a felicidade. Elas simplesmente vivem a vida e a aproveitam por inteiro. Elas
conseguem extrair da vida prazeres e recompensas que somente elas conseguem ver e sentir. Elas gostam de viver porque se
gostam e aceitam como são, são autênticas, estão em paz consigo mesmas e se aproximam das outras pessoas de forma honesta
e desarmada, sem esperar nada em troca.
Invista no que lhe deixa feliz, arrisque mudar o que lhe causa sofrimento, desapegue dos maus hábitos que lhe impedem de ter
saúde, de viver plenamente, de ser feliz.

Desejo que as reflexões, os conhecimentos e as ferramentas que você adquiriu até este momento lhe possibilitem ter:

 Coragem para mostrar e assumir quem você é verdadeiramente;

 Perseverança para seguir em frente e para recomeçar quando for preciso;

 Foco, atenção e disponibilidade para aproveitar as novas oportunidades que aparecerem;

 Habilidade e confiança para realizar seus desejos.

Viva intensamente cada instante desta rica oportunidade que é existir.

“Todo dia traz uma nova chance para recomeçar e mudar o seu estilo de vida.”

Todos os direitos reservados. Proibida a reprodução sem autorização, por escrito, da autora.
INTRODUÇÃO A PRATICA INTEGRATIVA
O conteúdo apresentado nesta apostila é resultado de estudos e pesquisas do Autor. O mesmo não tem a intenção de diagnosticar
nem substituir as prescrições ou recomendações do seu profissional de saúde. Este material também não se presta para
desautorizar os tratamentos ou medicamentos prescritos pelo seu profissional de saúde assistente. Antes de iniciar qualquer tipo de
dieta você deve consultar o seu médico e o seu nutricionista.

Bibliografia:

BERNARDES, Heloísa. O que a dieta Ortomolecular pode fazer por você. São Paulo: Editora Academia de Inteligência, 2012.

COSTA, Eronita de Aquino. Manual de Nutrientes: prevenção das doenças através dos alimentos. Rio de Janeiro: Editora Vozes,
2002.

COSTEIRA, Osíris. Terapias naturais e holísticas. Curitiba, Editora Appris Ltda, 2015.

DALE, Cyndi. Manual Prático do Corpo Sútil. São Paulo, Editora Cultrix, 2017.

D'DADAMO, P. Viva melhor com a Dieta do Tipo Sanguíneo: um programa individualizado para maximizar a sua saúde - como
alcançar o equilíbrio emocional e combater o envelhecimento. Rio de Janeiro, Elsevier Editora Ltda, 2001.

FARRER-HALLS, Gill. A Bíblia da Aromaterapia. São Paulo, Editora Pensamento, 2016.

HOARE, Joanne. Guia Completo de Aromaterapia. São Paulo, Editora Pensamento, 2010.

KELEMAN, Stanley. Anatomia emocional. São Paulo, Editora Summus, 1992.

MÉNÉTRIER, Jacques. A Medicina das Funções. São Paulo, Editora Organon Biopress, 2000.

NINIVAGGI, Frank. Saúde integral com Medicina Ayurvédica. São Paulo, Editora Pensamento, 2015.

VALCAPELI e GASPARETO. Metafísica da Saúde volumes 1, 2, 3, 4, 5. São Paulo, Editora Vida e Consciência, 2013.

TEIXEIRA, Sérgio. Manual de Sobrevivência do Ser humano. Rio de Janeiro: Editora de Publicações Biomédicas Ltda, 2004.

Todos os direitos reservados. Proibida a reprodução sem autorização, por escrito, da autora.