Você está na página 1de 28

ESTRUTURA E FUNÇÃO

DO SISTEMA
CARDIOVASCULAR

Profa. Fernanda Soares


FUNÇÃO DO APARELHO
CARDIOVASCULAR

GERAR PRESSÃO

DISTRIBUIÇÃO DO
SANGUE

TROCAS DE
GASES E
NUTRIENTES

COLETA DE
SANGUE
ESTRUTURAS DO APARELHO
CARDIOVASCULAR

SISTEMA CORAÇÃO
ARTERIAL

SISTEMA
VENOSO
MICROCIRCULAÇÃO

SISTEMA
LINFÁTICO
SISTEMA ARTERIAL
SISTEMA VENOSO DOS MEMBROS
INFERIORES
ESTRUTURA DO CORAÇÃO
CIRCULAÇÃO CORONARIANA

VISÃO ANTERIOR VISÃO POSTERIOR


CIRCULAÇÃO CORONARIANA
CIRCULAÇÃO SISTÊMICA E
PULMONAR
MÚSCULO CARDÍACO: SINCÍCIO
FISIOLÓGICO

MÚSCULO ESTRIADO CARDÍACO


PROPRIEDADES ELETROFISIOLÓGICAS
DA FIBRA CARDÍACA

• AUTO-EXCITAÇÃO (= AUTOMATISMO)
• RITMICIDADE (= CRONOTROPISMO)
• EXCITABILIDADE (= BATMOTROPISMO)
• CONDUTIBILIDADE (= DROMOTROPISMO)
• CONTRATILIDADE (= INOTROPISMO)
• TONICIDADE (= TONOTROPISMO)
SISTEMA EXCITO-CONDUTOR DO
CORAÇÃO

NODO SA

MIOCÁRDIO ATRIAL

NODO AV

FEIXE DE HIS E RAMOS

REDE DE PURKINJE

MIOCÁRDIO VENTRICULAR
ELETROCARDIOGRAMA (ECG)

• Onda P  Despolarização Atrial


• Complexo QRS 
Despolarização Ventricular
• Onda T  Repolarização
Ventricular
• Intervalo PR- Início da
despolarização atrial ao início
da despolarização ventricular
ESTRUTURA E FISIOLOGIA DO
SISTEMA VASCUALR
ESTRUTURA E FISIOLOGIA DO
SISTEMA VASCUALR
 Artérias Elásticas
• - A túnica média é mais rica em elastina
• - Tem uma quantidade de colágeno adequada
• - Expandem e recebem o volume de sangue ejetado
• - Artérias mais calibrosas

 Artérias Musculares
• - Art. De tamanho médio
• - A túnica média é mais espessa em relação ao diâmetro do lúmen
• - Contém mais músculo liso
• - Agem como condutores de baixa resistência
• - Ajudam a prevenir o colapso em regiões angulares
 Vasos de Resistência
• - São as menores artérias e arteríolas
• - Tem parede espessa em relação ao lúmen
• - São ricamente inervadas
• - Aumentam a resistência ao fluxo de sangue regional

 Vasos de Trocas
- São os capilares
- Apresentam uma fina camada de células endoteliais
- Sua espessura facilita a troca de metabólicos entre o sangue e os tecidos

 Vasos de Capacitância
- Veias e vênulas
- Parede fina → Intima
Média fina ( músculo liso e colágeno)
Adventícia
- Nos membros a íntima possui pares de válvulas semilunares
- São facilmente distendidas e colapsadas
- Agem como reservatório de volume de sangue.
REPRESENTAÇÃO DA
MICROCIRCULAÇÃO
O CICLO CARDÍACO
• Definição: è o intervalo de tempo e os eventos que
ocorrem desde o início de uma contração cardíaca até o
início da contração seguinte.

• FC = 75 bpm Ciclo cardíaco = 0.8 seg

FASES DO CICLO CARDÍACO


-Sístole - contração
-Diástole - relaxamento
SEQÜÊNCIA DE EVENTOS DO
CICLO CARDÍACO

• Sístole Auricular
• Sístole Ventricular
1-Contração Isométrica
2-Ejeção – Ejeção Rápida
Ejeção Lenta
Diástole
1-Relaxamento isométrico
2- Enchimento – Rápido
Lento
DÉBITO CARDIACO
O débito cardíaco representa a quantidade de sangue que
cada ventrículo lança na circulação (pulmonar ou
sistêmica) em determinada unidade de tempo.

• - Débito sistólico – quantidade de sangue ejetada pelo


ventrículo em cada contração
DS = 70 a 80 ml/sangue

Cálculo do DC
DC=DS x FC
DÉBITO CARDIACO

Determinante do DC
- Freqüência cardíaca   DC com  FC (inicialmente)
- Debito sistólico   DC as custas da FC até certo ponto.
 FC adicionais  ↓ DS  ↓ DC

Regulação do DC
- Retorno venoso ( Lei de Regulação de FranK-Starling)
- Contratilidade miocárdica ( estimulação simpática e
parassimpática) aumentando ou diminuindo o Ca ++ mioplasmático.
- Resistência a ejeção (pós-carga)
CIRCULAÇÃO DO SANGUE
• P = Q x R Q = P/r (lei de Ohm)

1 – Fluxo Sanguínio
É a quantidade de sangue que passa por determinado ponto
da circulação, em dado período de tempo.

Q = 5.000 ml/min

- Fluxo laminar do sangue nos vasos:


O sangue flue em camadas ao longo do vaso
A velocidade do fluxo no centro é maior
Perfil parabólico da velocidade do fluxo sanguíneo
• 2 – Pressão Sanguínea
Força exercida pelo sangue contra qualquer unidade de
área da parede vascular.
P = mmHg

• 3 – Resistência ao Fluxo Sanguíneo


É o impedimento ao fluxo sanguíneo por um vaso
FS = ml/s
Resistência Periférica total (1URP)
Resistência Vascular Pulmonar ( 0,14 URP)

Condutância = 1/ resistência

- Lei de Poiseuille

• Q =  Pr4 / 8nl
MECANISMOS REGULADORES
CARDIOVASCULARES
• OBJETIVO: controle do volume sangüíneo e a pressão
circulatória.

•Os mecanismos reguladores podem ser


-Remotos: quando atuam à distância das estruturas
cardiovasculares reguladas,
-Local: quando as influências reguladores se processam
localmente na intimidade dos órgãos para ajuste do fluxo
sangüíneo exigido pelos mesmos, independentemente da
regulação do fluxo sangüíneo global
REGULAÇÃO DA ATIVIDADE
CARDÍACA
1 – Frequência Cardíaca
2 – Força de Contração do coração

Regulação da FC

A FC é automaticamente determinada pelo número de vezes


em que ocorre despolarização do tecido marcapasso.
- Inervação simpática  estimulação →  FC
- Inervação parassimpática  inibição - ↓ FC
REGULAÇÃO DA ATIVIDADE
CARDÍACA

Regulação da força de contração cardíaca

• Dois mecanismos envolvidos:

1 – Lei do coração ou lei de Frank – Starling


A cada sístole cardíaca a força de contração é proporcional
ao grau de estiramento das fibras cardíacas durante a
diástole.

2 – Mecanismo de regulação Nervoso


As ações nervosas, principalmente simpática aumenta a
força de contração cardíaca.
PRÉ-CARGA

• Representa o final do
enchimento do VDF
ventrículo esquerdo=
Volume Diastólico
Final

• É determinada pela
Pressão Venosa
Central
PÓS-CARGA

• Representa a ejeção
ventricular pela aorta

• É determinada pelas
Pressões Intraventricular
Aórtica

Você também pode gostar