Você está na página 1de 4

Quebranto - Cuti Seu Zé, conhecido popularmente como marido de

D. Margarida,
às vezes sou o policial que me suspeito uma flor que descansa plena, em outra dimensão,
me peço documentos isso porque sempre foi justa nunca abusou da sua
e mesmo de posse deles autoridade.
me prendo Precavida, desde cedo nos ensinou a detestar a
e me dou porrada escravidão,
por conta disso, nossa primeira lição de casa foi:
às vezes sou o porteiro nunca sair de canelas russas e nem esconder cabelos
não me deixando entrar em mim mesmo por debaixo dos panos
a não ser e ouvidos bem apurados.
pela porta de serviço Quilombola que se presa não ri à toa
não aceita provocação e olha firme
às vezes sou o meu próprio delito no fundo dos olhos daqueles que possuem
o corpo de jurados nariz arrebitado e andam sempre aprumados.
a punição que vem com o veredicto Já dizia meu avô!

às vezes sou o amor que me viro o rosto EFEITOS COLATERAIS – Jamu Minka
o quebranto
o encosto Na propaganda enganosa
a solidão primitiva paraíso racial
que me envolvo com o vazio hipocrisia faz mal
nosso futuro num saco
às vezes as migalhas do que sonhei e não comi sem fundo
outras o bem-te-vi com olhos vidrados a gente vê
trinando tristezas e finge que não vê
a ditadura da brancura
um dia fui abolição que me lancei de supetão no Negros de alma negra se inscrevem
espanto naquilo que escrevem
depois um imperador deposto mas o Brasil nega
a república de conchavos no coração negro que não se nega.
e em seguida uma constituição
que me promulgo a cada instante

também a violência dum impulso


que me ponho do avesso
com acessos de cal e gesso
chego a ser

às vezes faço questão de não me ver


e entupido com a visão deles
sinto-me a miséria concebida como um eterno
começo

fecho-me o cerco
sendo o gesto que me nego
a pinga que me bebo e me embebedo
o dedo que me aponto
e denuncio
o ponto que me entrego

às vezes...

Cuidado, não vai esquecer a lição... - Ana Cruz

Nasci filha de seu Zé que muito pouco tinha de José


carpinteiro de Nazaré, a não ser
a determinação e o gosto pelo trabalho.
ZUMBI - [ABELARDO RODRIGUES] De mim
parte um canto guerreiro
As palavras estão como cercas um voo rasante, talvez rumo norte
em nossos braços caminho trilhado da cana-de-açúcar
Precisamos delas. ao trigo crescido, pingado de sangue
Não de ouro, do corte do açoite. Suor escorrido
mas da Noite da briga do dia
do silêncio no grito que os ventos do sul e o tempo distante não podem
em mão feito lança ocultar.
na voz feito barco De mim
no barco feito nós parte um abraço feroz
no nós feito eu. um corpo tomado no verde do campo
No feto beijado no negro da boca da noite
Sim, amado na relva, gemido contido
20 de novembro calado na entranha
é uma canção oculto do medo da luz do luar.
guerreira. De mim
parte uma fera voraz
CABELOS QUE NEGROS - [OLIVEIRA SILVEIRA] (com sede, com fome)
Cabelo carapinha, de garras de tigre
engruvinhado, de molinha, pisar de elefante correndo nas veias
que sem monotonia de lisura je fogo queimando vermelho nas matas
mostra-esconde a surpresa de mil Frugir de leões bailando no ar.
espertas espirais, De mim
cabelo puro que dizem que é duro, parte de um pedaço de terra
cabelo belo que eu não corto à zero, semente de vida com gosto de mel
não nego, não anulo, assumo, criança parida com cheiro de luta
assino pixaim, com jeito de briga na areia da praia
cabelo bom que dizem que é ruim de pele retinta, deitada nas águas
e que normal ao natural sugando os seios das ondas do mar.
fica bem em mim, De mim
fica até o fim parte NEGRITUDE
porque eu quero, um golpe mortal
porque eu gosto, negrura rasgando o ventre da noite
porque sim, punhal golpeando o colo do dia
porque eu sou um punho mais forte que as fendas de aço
pessoa negra e vou das portas trancadas
ser mais eu, mais neguim da casa da história.
e ser mais ser
assim.

NEGRITUDE - [CELINHA]
Para Jorge Henrique Gomes da Silva
O negro Todos devemos discutir
Nos velhos tempos, Acabar com o preconceito
Muito o negro sofreu, Que possa existir
Mas o negro foi forte e guerreiro, Seja branco ou negro
Superou e venceu, não importa sua cor
Porque nunca foi fraco. Somos todos Brasileiros
Ao contrario, Com raça e fervor
ergueu a cabeça, Devemos lutar
E em frente seguiu, Pela igualdade
Com força e perseverança, Acabar com o preconceito
És tu, negro, o guerreiro do Brasil, A favor da liberdade
As vezes ficam tristes, Brasil um Pais
As vezes felizes, Mas cheio de preconceito
Os pobres racistas, Seja homem ou mulher
Não sabem o que pensam, Devemos rever nossos conceitos
pior o que dizem.
RACISMO
O RACISMO ALUNAS: KATIANE ARAUJO, MARIA APARECIDA
ALUNAS: Antonia Silva, Ramone e Sidelha
A luta contra o racismo
Racismo é um preconceito começou já muitos anos atrás
Que precisa acabar já faz muito tempo que os
Vamos todos se unir negros lutam pra viver em paz
Para a vida melhorar Zumbi dos Palmares
Essa historia de racismo teve grande contribuição
É um preconceito que você tem lutou desde o principio
Tira essa idéia da cabeça pra acabar com a discriminação
Siga sua consciência também Dia 20 de novembro está chegando
Como são belos os dias devemos nos conscientizar
Como perfumes e flor que o racismo no mundo
Se você não é racista deve acabar
É por que existe amor Dos negros devemos nos orgulhar
Vamos colaborar, sem essa de racismo construíram a nossa historia
Todos nós somos irmãos isso não podemos negar
E se você é nosso amigo não existe motivo pro racismo continuar
Traga paz no Coração para o Racismo diga não Queremos viver livres
livres de opressão, livres de dominação
brancos ou negros
somos todos uma nação
Vamos continuar lutando
pra acabar com a desigualdade
não vamos desistir
um dia vamos conseguir
viver na igualdade.

O RACISMO NO BRASIL
ALUNAS: ALANE, JEOVANIA e MARIA

O racismo no Brasil
O RACISMO NO BRASIL Sou negro
Ciro, Rafael, Jerferson e Evandro. meus avós foram queimados
pelo sol da África
Hoje o negro no Brasil minh`alma recebeu o batismo dos tambores
É um fato nacional atabaques, gongôs e agogôs
Por que todos os brasileiros Contaram-me que meus avós
Tem preconceito racial. vieram de Loanda
Hoje o negro é importante como mercadoria de baixo preço
Além de afro-descendente plantaram cana pro senhor de engenho novo
Um exemplo desse drama e fundaram o primeiro Maracatu
É o negro presidente.
Todos nós temos uma mistura Depois meu avô brigou como um danado
Cada um com a sua cor nas terras de Zumbi
Tanto o negro como o branco Era valente como quê
Tem preconceito de cor. Na capoeira ou na faca
Existem no Brasil escreveu não leu
Vários preconceitos o pau comeu
Que agravam nosso povo Não foi um pai João
Com diversos defeitos. humilde e manso
Ainda hoje no Brasil Mesmo vovó
Os negros são criticados não foi de brincadeira
Vamos acabar com isso Na guerra dos Malês
Deixando o preconceito de lado. ela se destacou
O preconceito racial
É uma coisa vergonhosa Na minh`alma ficou
Que assusta muita gente o samba
Deixando o povo descontente. o batuque
O racismo é um mal o bamboleio
Que devemos combater e o desejo de libertação
Com respeito e humildade
Conseguiremos vencer. Sorriso Negro – Dona Ivone Lara

Um sorriso negro, um abraço negro


Traz....felicidade
Negro sem emprego, fica sem sossego
Negro é a raiz da liberdade

..Negro é uma cor de respeito


Negro é inspiração
Negro é silêncio, é luto
negro é...a solidão

Negro que já foi escravo


Negro é a voz da verdade
Negro é destino é amor
Negro também é saudade..
(um sorriso negro !)

Sou Negro – Solano Trindade