Você está na página 1de 27

Orientação

Profa. Dra. Rúbia Gomes Morato


Prof. Dr. Reinaldo Paul Pérez Machado
Pontos Cardeais

N = Norte
S = Sul
E = Leste
W = Oeste
Pontos Cardeais
Pontos Colaterias

– NW = Noroeste
– NE = Nordeste
– SE = Sudeste
– SW = Sudoeste
Pontos Colaterais
Pontos Subcolaterais

• Norte Nordeste (NNE) entre o norte e


o nordeste
Este Nordeste (ENE) entre o leste e o
nordeste
Este Sudeste (ESE) entre o leste e o
sudeste
Sul Sudeste (SSE) entre o sul e
sudoeste
Sul Sudoeste (SSO) entre o sul e
sudoeste
Oeste Sudoeste (OSO) entre o oeste e
sudoeste
Oeste Noroeste (ONO) entre o oeste e
o noroeste
Norte Noroeste (NNO) entre o norte e
o noroeste
Pontos Subcolaterais
Bússola
• Uma bússola pode ser
descrita, em poucas
palavras, como um pequeno
imã em forma de agulha
que gira sobre uma rosa-
dos-ventos. Afastada de
qualquer imã, é um
eficiente instrumento de
orientação, uma vez que
aponta sempre para o pólo
norte terrestre.
Bússola
• Quando sob a ação de um imã colocado em
suas proximidades, aponta para a resultante
da composição dos dois campos, o terrestre e
o do imã. Se o último está muito perto, então
passa a predominar sobre o campo terrestre e
a bússola praticamente "sente" somente a
presença do campo criado pelo magneto.
Norte Geográfico e Norte Magnético

• O Norte Geográfico é definido pela direção


dos meridianos geográficos e o Norte
Magnético é definido pela direção da agulha
da bússola.
Norte Geográfico e Norte Magnético

• O Pólo Norte Magnético descreve um lento


movimento, aproximadamente circular e de
período secular, em torno do Pólo Norte
Geográfico considerado fixo. Existe portanto,
um ângulo entre o Norte da bússola e o Norte
Geográfico. A magnitude deste ângulo
depende da localização do observador na
Terra.
Deslocamentos dos pólos nortes e sul com o passar dos anos

http://www.ufrgs.br/museudetopografia/Artigos/Onde_e_o_Polo_Norte_Magnetico.pdf
Deslocamentos do Equador Magnético no Brasil
http://www.ufrgs.br/museudetopografia/Artigos/Onde_e_o_Polo_Norte_Magnetico.pdf
Declinação Magnética
• É o ângulo formado entre os vetores Norte
Geográfico e o Norte Magnético associado a um
ponto.

• É importante ressaltar que o Norte magnético sofre


perturbações, é impreciso e as melhores bússolas
fornecem medidas com erro, de pelo menos, meio
grau, portanto as bússolas só se prestam para
orientações aproximadas.
Declinação Magnética
Atualização da declinação magnética
• Carta Jaboticabal • Carta Ipauçu
• 14° 32’ em 1971 • 12° 18’ em 1970
• Cresce 9’ anualmente • Cresce 8’ anualmente

• Em 2016 (45 anos): • Em 2016 (46 anos):


• 14° 32’ + (45 * 9’) • 12° 18’ + (46 * 8’)
• 14° 32’ + (405’) • 12° 18’ + (368’)
• 14° 32’ + (6° 45’) • 12° 18’ + (6° 8)
• 21° 17’ • 18° 26’
Rumos e Azimutes
Azimute
É o ângulo formado entre a direção Norte-Sul e a direção considerada,
contado a partir do Pólo Norte, no sentido horário. O Azimute varia
de 0º a 360º e dependendo do Norte ao qual esteja a referenciado
podemos ter:

• Azimute Verdadeiro ou de Gauss ( Az G AB )


• Azimute da Quadrícula ( Az Q AB )
• Azimute Magnético ( Az M AB )

Contra-azimute: Contra-Azimute de uma direção é o Azimute da


direção inversa.
Azimute
Rumo
É o menor ângulo que uma direção faz com a Direção
Norte- Sul. Após o valor do rumo deve ser indicado o
quadrante geográfico a que o mesmo pertence, ou
seja: NO, NE, SO ou SE.

OBS: Como os azimutes, os rumos, dependendo do


norte ao qual são referenciados podem ser: Rumo
verdadeiro, da quadrícula ou magnético.
Rumo
Exemplos
Conversão entre rumo e azimute

Sempre que possível é


Colocar gráfico aqui
recomendável a transformação dos
rumos em azimutes, tendo em vista
a praticidade nos cálculos de
coordenadas, e também para a
orientação de estruturas em
No Primeiro quadrante:
R1 = Az1 campo. Para entender melhor o
No Segundo quadrante:
processo de transformação,
R2 = 180º - Az2
No Terceiro quadrante: observe a seqüência indicada.
R3 = Az3 - 180º
No Quarto quadrante:
R4 = 360º - Az4
Rumo e Azimute N

NE
NW

Rumo= 360°- Azimute Rumo= Azimute

W E

Rumo= Azimute – 180° Rumo= 180°- Azimute

SW
SE

S
Exemplo de memorial descritivo 1
Modelo de memorial descritivo para retificação de área, desmembramento, unificação, etc.

MEMORIAL DESCRITIVO

Proprietário: __________________________
CPF: ________________
Situação: RUA __________________, N__________
CEP: ____________
BAIRRO - CIDADE - ESTADO

MATRÍCULA: N.________ – LIVRO: Nº ______ – FLS: _____ – ANO: ______


INSCRIÇÃO IMOBILIÁRIA: ____________________
Área: _____________ m²
Perímetro: _____________ m

LIMITES E CONFRONTAÇÕES
NORTE:
SUL:
LESTE :
OESTE:
Exemplo de memorial descritivo 2
DESCRIÇÃO DO PERÍMETRO:

Partindo do marco V1, situado no limite com VILSON GUIMARÃES, com Datum SIRGAS-2000
e pela coordenada plana UTM xxxxxxxxxxxxm Norte e xxxxxxxxxxxxm Leste, referida ao
meridiano central -51º00’00”; deste, confrontando neste trecho com xxxxxxxxxxxx, seguindo
com distância de 111,5955 m e azimute plano de 101°31'26" chega-se ao marco V13PI ,
deste confrontando neste trecho com xxxxxxxxxxxx, seguindo com distância de 98,913 m e
azimute plano de 191°09'31" chega-se ao marco V14 , deste confrontando neste trecho com
xxxxxxxxxxxx, seguindo com distância de 145,015 m e azimute plano de 191°20'14" chega-
se ao marco V15 , deste confrontando neste trecho com xxxxxxxxxxxx, seguindo
com distância de 223,521 m e azimute plano de 188°25'06" chega-se ao marco V16 , deste
confrontando neste trecho com xxxxxxxxxxxx, seguindo com distância de 10,848 m e
azimute plano de 286°11'40" chega-se ao marco V1, ponto inicial da descrição deste
perímetro.

Cidade, __de ___________de _________

_______________________________
NOME DO PROFISSIONAL
Profissão
Crea - XX – _________

Você também pode gostar