Você está na página 1de 12

CONSELHO DA MAGISTRATURA

COJE Art. 106, §2º - recurso do Art. 106 - Aos Escrivães incumbe:
indeferimento de certidões [...]
§ 2º - As certidões, nos casos enumerados no inc. 12, somente
Atenção – Na CNJ, o recurso é para a CGJ serão fornecidos mediante petição deferida pelo Juiz
competente. § 3º - Do indeferimento, sempre fundamentado,
caberá recurso voluntário para o Conselho da Magistratura.
CNJ Art. 288, parágrafo único – Autorização Art. 288 - A Central de Mandados é um sistema racionalizador da
da criação da central de mandados atividade dos Oficiais de Justiça e destina-se ao recebimento,
distribuição, controle e devolução dos mandados judiciais.
Parágrafo único - A criação da Central de Mandados somente
ocorrerá nas Comarcas de grande porte servidas por sistema
informatizado, mediante solicitação do Diretor do Foro, dirigida
ao Conselho da Magistratura, ouvida a Corregedoria sobre a
conveniência e efetiva necessidade.
CNJ Art. 371, §1º - Autorização de horário Art. 371 - O expediente forense, em todas as Comarcas do Estado,
exclusivo para expediente interno salvo quanto aos Juizados Especiais, que obedecerão também a
horário noturno, é o seguinte:
[...]
§ 1º - O Juiz pode determinar a prorrogação do expediente de
qualquer Cartório ou Ofício, quando a necessidade do serviço
assim o exigir. A determinação de horário exclusivo para serviços
internos dependerá de autorização do Conselho da Magistratura.
CNJ Art. 377 XIX – Autorização de atividades Art. 377 - O Serviço de Plantão em Comarcas do interior, que se
especiais no serviço de plantão destina a prestar jurisdição de caráter urgente, iniciará às
17h30min (dezessete horas e trinta minutos) de quarta-feira,
estendendo-se até as 17h30min (dezessete horas e trinta
minutos) da quarta-feira seguinte (artigo 1º da Resolução n.º
54/92-CM com a redação dada pela Resolução
[...]
XIX - Para o cumprimento de projetos especiais da Corregedoria-
Geral da Justiça, ou nas Comarcas de entrância final, quando a
necessidade de serviço exigir, o Conselho da Magistratura poderá
autorizar, excepcionalmente, a designação de mais de 2 (dois)
servidores para o atendimento das atividades em regime de
plantão (parágrafo único do art. 4º da Lei Estadual n.º
14.974/2017 e § 13, do artigo 6º da Resolução n.º 54/92-CM,
acrescentado pela Resolução n.º 1173/2017- COMAG);

CORREGEDORIA-GERAL DE JUSTIÇA
COJE Art. 106, 11 – Remessa de Art. 106 - Aos Escrivães incumbe:
demonstrativo do movimento forense [...]
11 - remeter à Corregedoria-Geral da Justiça, ao fim de cada
bimestre, demonstrativo do movimento forense do seu cartório;
COJE Art. 109, III – Modelos dos livros de Art. 109 - Aos Distribuidores incumbe a distribuição dos feitos,
distribuição observadas as seguintes normas:
[...]
III - os livros dos Distribuidores obedecerão aos modelos
estabelecidos pela Corregedoria-Geral da Justiça.
COJE Art. 150 – Disposição dos Magistrados Art. 150 - O Magistrado que, por motivo de incompatibilidade,
ficar impedido de exercer as suas funções poderá ser posto à
disposição da Corregedoria-Geral da Justiça, até ser aproveitado,
consoante o disposto no Estatuto da Magistratura,
COJE Art. 174, § único – Atuorização do Art. 174 - As audiências dos Juízes realizar-se-ão em todos os dias
registo de audiências, taquigrafia e de expediente, sempre que o exigir o serviço, sem outra
estenotipia interrupção que a resultante das férias forenses.
Parágrafo único - Os atos ocorridos nas audiências, inclusive as
sentenças prolatadas, poderão ser registrados em aparelhos de
gravação ou mediante taquigrafia ou estenotipia, para posterior
transcrição, precedendo autorização do Corregedor-Geral da
Justiça.
CNJ Art. 229 §1º Recurso do indeferimento Art. 229 - Aos Escrivães, privativos ou não, incumbe:
de certidão (NO COJE É PRA COMAG) [...]
§ 1º - Do indeferimento das certidões referidas nas alíneas do inc.
XIII caberá recurso ao corregedor geral.
CNJ Art. 246-C, §2º – Condicionar a remoção Art. 246-C - Na hipótese de deferimento de remoção de Oficial de
de OJ para após cumprimento de mandados, Justiça, a definição da data inicial do trânsito fica condicionada à
por solicitação da direção do foro apresentação de relatório de mandados em carga.
[...]
§2º - O relatório será submetido à apreciação da Direção do Foro
que avaliará o critério de vinculação de mandados e, sendo o
caso, solicitará à Corregedoria-Geral da Justiça, condicionar o
início do trânsito do Oficial de Justiça ao efetivo cumprimento do
resíduo de mandado em carga com excesso de prazo.
CNJ Art. 246-C, §3º – Apreciação do resíduo Art. 246-C - Na hipótese de deferimento de remoção de Oficial de
de mandados do OJ na remoção Justiça, a definição da data inicial do trânsito fica condicionada à
apresentação de relatório de mandados em carga.
[...]
§3º - O eventual resíduo de mandados deixados por Oficial de
Justiça, será apreciado pela Corregedoria- Geral da Justiça
considerando, principalmente, a urgência do provimento do cargo
na comarca pretendida.
CNJ Art. 250, §1º - Dever de comunicação do Art. 250 - Aos servidores ou pessoas designadas ou nomeadas
Juiz de nomeação de depositário depositários incumbe a guarda, conservação e administração dos
bens que lhes forem confiados, observando as disposições da
legislação processual, regulamentos e provimentos.
§ 1º - O Juiz da causa, ao nomear depositário judicial pessoa que
não seja o credor, o devedor, o possuidor do bem ou depositário
designado pelo Presidente do Tribunal de Justiça, deverá
comunicar tal nomeação ao Corregedor-Geral.
CNJ Art. 250, §1º - Organização das Art. 250 - Aos servidores ou pessoas designadas ou nomeadas
comunicações de depositário depositários incumbe a guarda, conservação e administração dos
bens que lhes forem confiados, observando as disposições da
legislação processual, regulamentos e provimentos.
[...]
§ 2º - A Corregedoria-Geral da Justiça organizará arquivo com
essas comunicações, que será periodicamente revisado e
atualizado.
CNJ Art. 250 §4º - Proposta para atribuir a Art. 250 - Aos servidores ou pessoas designadas ou nomeadas
servidor a função de Depositário e Avaliador depositários incumbe a guarda, conservação e administração dos
Judicial bens que lhes forem confiados, observando as disposições da
legislação processual, regulamentos e provimentos.
[...]
§ 4º - Quando o movimento da Comarca o exigir, o Juiz de Direito
Diretor do Foro, através da Corregedoria, encaminhará proposta
fundamentada à Presidência do Tribunal de Justiça, indicando
servidor judicial para exercer a função gratificada de Depositário
e Avaliador Judicial.
CNJ Art. 288, parágrafo único – opinar sobre Art. 288 - A Central de Mandados é um sistema racionalizador da
a conveniência e necessidade de criação de atividade dos Oficiais de Justiça e destina-se ao recebimento,
central de mandados distribuição, controle e devolução dos mandados judiciais.
Parágrafo único - A criação da Central de Mandados somente
ocorrerá nas Comarcas de grande porte servidas por sistema
informatizado, mediante solicitação do Diretor do Foro, dirigida
ao Conselho da Magistratura, ouvida a Corregedoria sobre a
conveniência e efetiva necessidade.
CNJ Art. 371, §2º - Dever do Diretor do Foro Art. 371 - O expediente forense, em todas as Comarcas do Estado,
de comunicar CGJ sobre fechamento salvo quanto aos Juizados Especiais, que obedecerão também a
extraordinário do Foro horário noturno, é o seguinte:
[...]
§ 2º - Excepcionalmente, por motivo de ordem pública, o Juiz
poderá determinar o fechamento extraordinário do Foro,
justificando a necessidade perante a Corregedoria-Geral da
Justiça e assegurando restituição dos prazos aos interessados
atingidos.
CNJ Art. 373, §1º - Dever do Diretor do Foro Art. 373 - São considerados feriados para os serviços judiciários
de comunicar os feriados municipais à CGJ de 1º grau os civis declarados em lei federal (1º de janeiro, 21 de
abril, 1º de maio, 07 de setembro, 12 de outubro, 15 de
novembro e 25 de dezembro), os religiosos declarados em lei
municipal, em número não superior a quatro, e os forenses
declarados na Lei nº 1.408 (terça-feira de carnaval, sexta-feira da
paixão e 08 de dezembro), e os declarados em Ato do Tribunal de
Justiça. § 1º - Os Juízes Diretores dos Foros do interior
comunicarão à Corregedoria-Geral da Justiça os feriados
religiosos declarados por lei do Município da sede da Comarca.
CNJ Art. 374, § único – Dever de o Juiz Art. 374 - Os Juízes são obrigados a cumprir expediente diário no
comunicar os horários em que prestará Foro, pelo menos durante um dos turnos, designando horário
atendimento ao público para atendimento das partes. Parágrafo único - Ao assumir o
exercício de suas funções em Comarca ou Vara, o Juiz anunciará,
por edital, a hora de seu expediente, procedendo da mesma
forma, com antecedência de 30 (trinta) dias, sempre que
entender alterála, comunicando, em ambos os casos, ao
Corregedor-Geral da Justiça.
CNJ Art. 377, I – remessa da escala de Art. 377 - O Serviço de Plantão em Comarcas do interior, que se
plantão destina a prestar jurisdição de caráter urgente, iniciará às
17h30min (dezessete horas e trinta minutos) de quarta-feira,
estendendo-se até as 17h30min (dezessete horas e trinta
minutos) da quarta-feira seguinte (artigo 1º da Resolução n.º
54/92-CM com a redação dada pela Resolução 1036/2014-
COMAG).
I - Nas Comarcas com vara única, o plantão será exercido pelo Juiz
que a estiver jurisdicionando. Em Comarcas com duas ou mais
varas, o Juiz de Direito Diretor do Foro elaborará escala
trimestral, ouvido(s) o(s) outro(s) colegas(s), observada, em
princípio, a ordem de antiguidade descendente, devendo ser
remetida cópia da escala à Corregedoria-Geral da Justiça no
mínimo 15 (quinze) dias antes do início do trimestre, e
comunicada qualquer posterior alteração no prazo de 5 (cinco)
dias (artigo 2º da Resolução n.º 54/92-CM com redação dada pela
Resolução n.º 939/2013-COMAG);
CNJ Art. 377, XXII – Envio do celular do Art. 377 - O Serviço de Plantão em Comarcas do interior, que se
plantão e das alterações, pelas comarcas destina a prestar jurisdição de caráter urgente, iniciará às
17h30min (dezessete horas e trinta minutos) de quarta-feira,
estendendo-se até as 17h30min (dezessete horas e trinta
minutos) da quarta-feira seguinte (artigo 1º da Resolução n.º
54/92-CM com a redação dada pela Resolução 1036/2014-
COMAG).
[...]
XXII - Será divulgado no site no Tribunal de Justiça e afixado no
átrio do Fórum apenas o número do telefone celular
disponibilizado pelo Poder Judiciário para o contato com o
servidor plantonista, respeitando-se a impessoalidade dos atos.
Será enviada à Corregedoria-Geral da justiça somente a
informação de alteração do número do telefone de atendimento
do plantão da Comarca, para atualização na página do tribunal de
justiça, quando esta ocorrer (artigo 7º da Resolução n.º 54/1992,
com a redação dada pela Resolução n.º 756/2009- COMAG);
CNJ Art. 378, §8º - competências da CJG no Art. 378 - O Serviço de Plantão da Comarca de Porto Alegre terá
regime de plantão – Porto Alegre funcionamento autônomo em relação às unidades jurisdicionais e
ficará situado junto ao Foro Central, devendo constar no site do
Tribunal de Justiça o endereço para o acesso e o telefone para
contato.
[...]
§ 8º - Caberá à Corregedoria-Geral da Justiça:
A) organizar a escala com Juízes de Direito Substitutos de
entrância final, propondo a designação ao Presidente do Tribunal
de Justiça;
B) dispor sobre a distribuição dos turnos e processos das varas e
comarcas em regime de exceção, para o efeito do art. 3º, IV,
supra.
CNJ 395, III – Modelos dos livros de Art. 395 - Na distribuição, serão observadas as seguintes normas:
distribuição [...]
III - os livros dos Distribuidores obedecerão aos modelos
estabelecidos pela Corregedoria-Geral da Justiça.
CNJ Art. 501-A, §3º - Aprovação do valor da Art. 501-A - Na comarca de Porto Alegre, o Juiz Diretor do Foro
despesa de condução em URC. poderá fixar até três valores como parâmetros para fins de
antecipação de despesa de condução do Oficial de Justiça: o 1º
em relação à zona urbana; o 2º em relação à zona de expansão
urbana ou periferia da cidade; e o 3º em relação à zona rural do
Município, adotando a devida ao relacionar quais os distritos,
bairros ou vilas que integram cada zona, sendo o caso.
[...]
§ 3º - O Juiz de Direito Diretor do Foro da Capital expedirá
portaria fixando, em URCs, tais valores, a qual será submetida à
aprovação pela Corregedoria-Geral da Justiça.
CNJ Art. 721 – Corregedor resolve casos Art. 721 - O Corregedor-Geral da Justiça resolverá os casos
omissos – comunicação via postal, cartórios omissos e as dúvidas na execução da Resolução 1122/2016-
criminais COMAG, que trata da comunicação dos atos processuais pelo
correio.
CNJ Art. 748 – Cópia de escala plantão crime Art. 748 - Cópias dessas escalas deverão ser enviadas, em o prazo
de 15 (quinze) dias, à Corregedoria- Geral da Justiça.
CNJ Art. 749 – Organizar diferentes escalas Art. 749 - A Corregedoria-Geral da Justiça poderá disciplinar
diretamente a organização das diferentes escalas de
atendimento, inclusive suas alterações e designações de
substitutos.
CNJ Art. 953, § único – Dever de comunicar o Art. 953 - O juiz da Infância e Juventude, na hipótese de
excesso de prazo em internação do ECA À encaminhamento de adolescente infrator para cumprimento de
CGJ medida e meio fechado numas das unidades da fase, adotará as
seguintes providencias:
[...
IV - Em caso de internação provisória, rigorosa observância dos
prazos estabelecidos nos artigos 108 e 183 do ECA para a
definição da situação jurídica do adolescente.
Parágrafo único - Excedido o prazo, o Juiz Regional da Infância e
Juventude comunicará o fato ao juiz do processo e, não havendo
pronto atendimento, comunicará a Corregedoria-Geral da Justiça.
JUIZ DIRETOR DO FORO
COJE Art. 102 – Proposta de FG de Art. 102 - As funções gratificadas de Depositário Judicial e de
Depositário e Avaliador Avaliador Judicial serão exercidas por servidor judicial, designado
pelo Presidente do Tribunal de Justiça, sob proposta
fundamentada do Juiz de Direito Diretor do Foro.
COJE Art. 108 – Matérias atendidas Art. 108 - O expediente administrativo do Diretor do Foro, as
cartas rogatórias, as precatórias para citação, notificação,
intimação e para inquirição das pessoas a quem a lei confere o
privilégio de indicar local e hora para serem inquiridas, bem como
a expedição de Alvará de folha-corrida, serão atendidos na
Comarca de Porto Alegre pelo Escrivão da Vara da Direção do
Foro, e, nas do interior do Estado, pelo Escrivão designado.
COJE Art. 119 – Designação de OJ substituto Art. 119 - Em suas faltas e impedimentos, os Oficiais de Justiça
em caso de faltas e impedimentos serão substituídos, segundo escala ou designação do Diretor do
Foro e, não sendo isso possível, por quem o Juiz do feito nomear
“ad hoc”.
CNJ Art. 231 – Matérias atendidas Art. 231 - O expediente administrativo do Diretor do Foro, as
cartas rogatórias, as precatórias para citação, notificação,
intimação e para inquirição das pessoas a quem a lei confere o
privilégio de indicar local e hora para serem inquiridas, bem como
a expedição de alvará de folha-corrida, serão atendidos na
Comarca de Porto Alegre pelo Escrivão da Vara da Direção do
Foro e, nas do interior do Estado, pelo Escrivão designado.
CNJ Art. 246 – Designação de OJ substituto Art. 246 - Em suas faltas e impedimentos, os Oficiais de Justiça
em caso de faltas e impedimentos. serão substituídos segundo escala ou designações do Diretor do
Foro, por outros Oficiais de Justiça. Não sendo possível a
substituição de Oficial de Justiça por outro, o juiz do feito
nomeará, preferencialmente, Oficial de Justiça da Infância e da
Juventude, ou, na falta deste, outro servidor ad hoc para
cumprimento de determinado ato, neste caso mediante
compromisso específico.
CNJ Art. 246-C, §2º – Solicitar à CGJ vincular Art. 246-C - Na hipótese de deferimento de remoção de Oficial de
a remoção ao cumprimento de mandados. Justiça, a definição da data inicial do trânsito fica condicionada à
apresentação de relatório de mandados em carga.
[...]
§2º - O relatório será submetido à apreciação da Direção do Foro
que avaliará o critério de vinculação de mandados e, sendo o
caso, solicitará à Corregedoria-Geral da Justiça, condicionar o
início do trânsito do Oficial de Justiça ao efetivo cumprimento do
resíduo de mandado em carga com excesso de prazo.
CNJ Art. 250, §4º - Indicar servidor para FG Art. 250 - Aos servidores ou pessoas designadas ou nomeadas
de Depositário e Avaliador Judicial depositários incumbe a guarda, conservação e administração dos
bens que lhes forem confiados, observando as disposições da
legislação processual, regulamentos e provimentos.
[...]
§ 4º - Quando o movimento da Comarca o exigir, o Juiz de Direito
Diretor do Foro, através da Corregedoria, encaminhará proposta
fundamentada à Presidência do Tribunal de Justiça, indicando
servidor judicial para exercer a função gratificada de Depositário
e Avaliador Judicial.
CNJ Art. 251 – Envio, pelo depositário, da Art. 251 - O Depositário Judicial tem o dever de enviar
relação de bens sob sua guarda trimestralmente ao Juiz de Direito Diretor do Foro a relação dos
bens que possua em sua guarda ou depósito, informando sobre a
situação em que se encontram.
CNJ Art. 251, § único – Comunicação em Art. 251 - O Depositário Judicial tem o dever de enviar
caso de dificuldade de conservação trimestralmente ao Juiz de Direito Diretor do Foro a relação dos
bens que possua em sua guarda ou depósito, informando sobre a
situação em que se encontram.
Parágrafo único - Eventual dificuldade na conservação ou
administração do bem deverá ser imediatamente comunicada ao
Juiz de Direito Diretor do Foro.
Art. 288, § único – Solicitar criação da Art. 288 - A Central de Mandados é um sistema racionalizador da
Central de Mandados atividade dos Oficiais de Justiça e destina-se ao recebimento,
distribuição, controle e devolução dos mandados judiciais.
Parágrafo único - A criação da Central de Mandados somente
ocorrerá nas Comarcas de grande porte servidas por sistema
informatizado, mediante solicitação do Diretor do Foro, dirigida
ao Conselho da Magistratura, ouvida a Corregedoria sobre a
conveniência e efetiva necessidade.
Art. 289 – A central de mandados é órgão Art. 289 - Tratando-se de órgão auxiliar da Direção do Foro,
auxiliar da direção do foro compete à Central zelar pelo efetivo cumprimento dos mandados,
mantendo estatísticas e relatórios de produção, no mínimo,
mensais.
Art. 289, §1º - Escala de distribuição de OJ Art. 289 - Tratando-se de órgão auxiliar da Direção do Foro,
no território, quando central de mandados compete à Central zelar pelo efetivo cumprimento dos mandados,
mantendo estatísticas e relatórios de produção, no mínimo,
mensais.
§ 1º - Para efeitos da distribuição dos mandados, os Oficiais de
Justiça ficarão lotados junto à Central e serão designados por
zona territorial, segundo escala determinada pela Direção do
Foro.
Art. 289, §2º - manifestar-se Art. 289 - Tratando-se de órgão auxiliar da Direção do Foro,
sobredesignação de OJ para atuar em compete à Central zelar pelo efetivo cumprimento dos mandados,
determinadas varas exclusivamente, quando mantendo estatísticas e relatórios de produção, no mínimo,
central de mandados mensais.
[...]
§ 2º - A Direção do Foro poderá manifestar-se sobre a designação
de Oficiais de Justiça para atuarem exclusivamente em
determinadas Varas ou sobre a exclusão de Varas do sistema
centralizado.
Art. 290 – Indicação de servidor para a Art. 290 - Reputando necessário, o Juiz de Direito Diretor do Foro
chefia da central de mandados indicará servidor para exercer a chefia da Central de Mandados, a
ser designado pelo Presidente do Tribunal de Justiça.
Art. 290, §único, I - comunicação, pelo chefe Art. 290 - Reputando necessário, o Juiz de Direito Diretor do Foro
da central de mandados, de faltas e atrasos indicará servidor para exercer a chefia da Central de Mandados, a
ser designado pelo Presidente do Tribunal de Justiça.
Parágrafo único - Ao Chefe da Central incumbirão todas as
atribuições previstas no art. 289, competindo-lhe ainda:
I - fiscalizar o comparecimento obrigatório dos Oficiais de Justiça
e demais funcionários que atuem no órgão, comunicando à
Direção do Foro os casos de faltas e atrasos;
Art. 290, § único, II – estipular prazo para Art. 290 - Reputando necessário, o Juiz de Direito Diretor do Foro
devolução de mandados não cumpridos indicará servidor para exercer a chefia da Central de Mandados, a
tempestivamente ser designado pelo Presidente do Tribunal de Justiça
Parágrafo único - Ao Chefe da Central incumbirão todas as
E 388, §2º atribuições previstas no art. 289, competindo-lhe ainda:
[...]
II - proceder a verificação e a periódica cobrança dos mandados
não cumpridos tempestivamente, efetuando intimações para a
sua devolução no prazo estipulado pela Direção do Foro ou
determinado especificamente pelo juízo de origem;
Art. 338 - O escrivão deve efetivar o controle do cumprimento
dos mandados e das precatórias em carga com os Oficiais de
Justiça mediante consulta do relatório de mandados não
devolvidos disponível no sistema de informática.
[...]
§ 2º - Nas comarcas onde houver central de mandados, o chefe
da central promoverá a cobrança dos mandados não cumpridos
tempestivamente, efetuando intimação para a sua devolução no
prazo estipulado pela direção do foro ou determinado
especificamente pelo juízo de origem.
Art. 291 – normas complementares sobre a Art. 291 - À Direção do Foro caberá, através de provimento,
Central de Mandados baixar normas complementares, em especial no que se refere ao
prazo regular de cumprimento dos mandados, substituições em
razão de férias e afastamentos, definição e delimitação de zonas
no território da Comarca com a respectiva lotação dos Oficiais de
Justiça, escala e exercício do plantão, além de outras
especificações que visem à execução do disposto nesta seção.
Art. 371, § 5º - Regular horário diferente Art. 371 - O expediente forense, em todas as Comarcas do Estado,
para serviços notariais e de registro salvo quanto aos Juizados Especiais, que obedecerão também a
horário noturno, é o seguinte:
[...]
§ 5º - Para os Serviços Notariais e de Registros, o Juiz de Direito
Diretor do Foro poderá regulamentar, através de portaria, com
prévia e ampla divulgação, o horário de funcionamento,
diferentemente do previsto no caput, atendidas as peculiaridades
da Comarca e respeitado o horário mínimo entre todos os
serviços, entre 10 e 17 horas, ficando à opção do titular a adoção
de horário ininterrupto, preservados os limites fixados em lei e
provimento administrativo, bem como o regime de plantão do
Registro Civil das Pessoas Naturais.
Art. 373, §1º - Comunicar à CGJ os feriados Art. 373 - São considerados feriados para os serviços judiciários
municipais de 1º grau os civis declarados em lei federal (1º de janeiro, 21 de
abril, 1º de maio, 07 de setembro, 12 de outubro, 15 de
novembro e 25 de dezembro), os religiosos declarados em lei
municipal, em número não superior a quatro, e os forenses
declarados na Lei nº 1.408 (terça-feira de carnaval, sexta-feira da
paixão e 08 de dezembro), e os declarados em Ato do Tribunal de
Justiça.
§ 1º - Os Juízes Diretores dos Foros do interior comunicarão à
Corregedoria-Geral da Justiça os feriados religiosos declarados
por lei do Município da sede da Comarca.
Art. 377 – Elaborar a escala do plantão dos Art. 377 - O Serviço de Plantão em Comarcas do interior, que se
magistrados destina a prestar jurisdição de caráter urgente, iniciará às
17h30min (dezessete horas e trinta minutos) de quarta-feira,
estendendo-se até as 17h30min (dezessete horas e trinta
minutos) da quarta-feira seguinte (artigo 1º da Resolução n.º
54/92-CM com a redação dada pela Resolução 1036/2014-
COMAG).
I - Nas Comarcas com vara única, o plantão será exercido pelo Juiz
que a estiver jurisdicionando. Em Comarcas com duas ou mais
varas, o Juiz de Direito Diretor do Foro elaborará escala
trimestral, ouvido(s) o(s) outro(s) colegas(s), observada, em
princípio, a ordem de antiguidade descendente, devendo ser
remetida cópia da escala à Corregedoria-Geral da Justiça no
mínimo 15 (quinze) dias antes do início do trimestre, e
comunicada qualquer posterior alteração no prazo de 5 (cinco)
dias (artigo 2º da Resolução n.º 54/92-CM com redação dada pela
Resolução n.º 939/2013-COMAG);
Art. 377, IX – designar servidores para atuar Art. 377 - O Serviço de Plantão em Comarcas do interior, que se
no plantão destina a prestar jurisdição de caráter urgente, iniciará às
17h30min (dezessete horas e trinta minutos) de quarta-feira,
estendendo-se até as 17h30min (dezessete horas e trinta
minutos) da quarta-feira seguinte (artigo 1º da Resolução n.º
54/92-CM com a redação dada pela Resolução 1036/2014-
COMAG).
[...]
IX - Os Juízes de Direito Diretores do Foro designarão para atuar
no plantão, por escala, sempre que possível, mediante critério de
revezamento e por meio de Portaria, servidores de todas as
categorias funcionais disponíveis na Comarca, excluídos apenas os
auxiliares de serviços gerais, os servidores celetistas e os
assessores de Magistrados (caput, do art. 6º da Resolução n.º
54/92-CM, com a redação dada pela Resolução n.º 1173/2017-
COMAG);
Art. 377, XI – Critérios para servidores Art. 377 - O Serviço de Plantão em Comarcas do interior, que se
usufruírem folga decorrente do plantão destina a prestar jurisdição de caráter urgente, iniciará às
17h30min (dezessete horas e trinta minutos) de quarta-feira,
estendendo-se até as 17h30min (dezessete horas e trinta
minutos) da quarta-feira seguinte (artigo 1º da Resolução n.º
54/92-CM com a redação dada pela Resolução 1036/2014-
COMAG).
[...]
XI - Em Comarcas onde não houver serviço autônomo de plantão
forense, a escala poderá ser diária de forma que cada semana de
atuação do servidor no plantão seja compensada pela posterior
dispensa de um dia de trabalho, folga a ser usufruída a critério da
Direção do Foro, devendo ser concedida tão logo possível,
evitando-se o acúmulo de folgas do plantão. A fruição da folga
deverá obedecer ao lapso de menos de um ano da realização do
plantão, sob pena de perecimento do direito, vedada a
indenização (§§ 3º e 4º do art. 6º da Resolução n.º 54/92- CM
com redação dada pela Resolução n.º 991/2014-COMAG e
Resolução 939/2013-COMAG);
Art. 377, XX – Servidores comunicar direção Art. 377 - O Serviço de Plantão em Comarcas do interior, que se
do foro da escolha entre folga ou dinheiros destina a prestar jurisdição de caráter urgente, iniciará às
17h30min (dezessete horas e trinta minutos) de quarta-feira,
estendendo-se até as 17h30min (dezessete horas e trinta
minutos) da quarta-feira seguinte (artigo 1º da Resolução n.º
54/92-CM com a redação dada pela Resolução 1036/2014-
COMAG).
[...]
XX - O servidor designado para o cumprimento das atividades em
regime de plantão poderá optar, mediante manifestação escrita
dirigida à respectiva direção do foro, pela dispensa de 1 (um) dia
de trabalho para cada semana de atuação no plantão, observado
o disposto nos §§ 3º e 4º do art. 6º da Resolução n.º 54/92-CM (§
14, do artigo 6º da Resolução n.º 54/92-CM, acrescentado pela
Resolução n.º 1173/2017- COMAG). A opção pela dispensa de 1
(um) dia de trabalho é irretratável e implica renúncia ao
recebimento da gratificação prevista no § 5º do artigo 6º da
Resolução n.º 54/92-CM (§ 15, do artigo 6º da Resolução n.º
54/92-CM, acrescentado pela Resolução n.º 1173/2017- COMAG);
Art,. 377, XXI – Registro dos plantões e das Art. 377 - O Serviço de Plantão em Comarcas do interior, que se
folgas destina a prestar jurisdição de caráter urgente, iniciará às
17h30min (dezessete horas e trinta minutos) de quarta-feira,
estendendo-se até as 17h30min (dezessete horas e trinta
minutos) da quarta-feira seguinte (artigo 1º da Resolução n.º
54/92-CM com a redação dada pela Resolução 1036/2014-
COMAG).
[...]
XXI - A Direção do Foro deve manter registro e rigoroso controle
dos plantões exercidos, bem como do gozo das folgas ou do
pagamento da gratificação, sendo aconselhável a regulamentação
da matéria por ato administrativo (§ 16, do artigo 6º da Resolução
n.º 54/92-CM, acrescentado pela Resolução n.º 1173/2017-
COMAG);
Art. 409 – competência para julgar AJG Art. 409 - Os pedidos de assistência judiciária formulados antes de
proposta a ação independem de distribuição, cabendo ao Juiz
Diretor do Foro deles conhecer e decidir.
Art. 410 – competência para cartas de Art. 410 - Na Comarca de Porto Alegre, as cartas rogatórias,
quando a pessoa pode escolher quando e precatórias ou de ordem para citação, notificação e intimação e
onde ser ouvida para inquirição das pessoas às quais a lei confere o privilégio de
indicar local e hora para serem ouvidas serão distribuídas ao Juiz
Diretor do Foro e respectivo Cartório.
Art. 411 – competência para jurisdição Art. 411 - Nas Comarcas dotadas de 06 (seis) ou mais Varas, onde
voluntária de registros públicos, criado “Cartório da Direção do Foro”, serão distribuídos
privativamente a ele os procedimentos de jurisdição voluntária
relativos a registros públicos, de justificações, protestos,
notificações e interpelações, de abertura e registro de
testamentos e processamento das precatórias de citação e
intimação cíveis e criminais.
Art. 414, §1º – Visto para encerramento da Art. 414 - A distribuição dos processos novos nas Comarcas
distribuição servidas pelo sistema JUSMICRO, a partir da data da
informatização, será feita “zerando-se” os pesos de todas as
classes e séries.
§ 1º - Os livros manuais serão encerrados com visto do Juiz de
Direito Diretor do Foro.
Art. 414, §2º - Distribuição de processos Art. 414 - A distribuição dos processos novos nas Comarcas
mais complexos servidas pelo sistema JUSMICRO, a partir da data da
informatização, será feita “zerando-se” os pesos de todas as
classes e séries.
[...]
. § 2º - Excepcionalmente, no casos dos processos mais
complexos, o Juiz de Direito Diretor do Foro, provocado ou de
ofício, poderá determinar a continuidade da distribuição manual,
direcionado, então, o processo no sistema informatizado, para a
Vara a qual caberia o feito, procedendo-se as devidas
compensações.
Art. 501-A – Em POA, determinar custas de Art. 501-A - Na comarca de Porto Alegre, o Juiz Diretor do Foro
condução pelos bairros poderá fixar até três valores como parâmetros para fins de
antecipação de despesa de condução do Oficial de Justiça: o 1º
em relação à zona urbana; o 2º em relação à zona de expansão
urbana ou periferia da cidade; e o 3º em relação à zona rural do
Município, adotando a devida ao relacionar quais os distritos,
bairros ou vilas que integram cada zona, sendo o caso.
Art. 501, § 3º - Expedição de Portaria Art. 501-A - Na comarca de Porto Alegre, o Juiz Diretor do Foro
poderá fixar até três valores como parâmetros para fins de
antecipação de despesa de condução do Oficial de Justiça: o 1º
em relação à zona urbana; o 2º em relação à zona de expansão
urbana ou periferia da cidade; e o 3º em relação à zona rural do
Município, adotando a devida ao relacionar quais os distritos,
bairros ou vilas que integram cada zona, sendo o caso.
[...]
§ 3º - O Juiz de Direito Diretor do Foro da Capital expedirá
portaria fixando, em URCs, tais valores, a qual será submetida à
aprovação pela Corregedoria-Geral da Justiça
Art. 564 – Autorização no exame dos livros Art. 564 - Eventuais exames pretendidos por terceiros nos livros e
do cartório documentos pertencentes ao Cartório somente ocorrerão com
autorização do Juiz da Vara ou da Direção do Foro.
Art. 600-A, §2º – Vedação de devolução de Art. 600-A - Nas hipóteses excepcionais tratadas no inciso V do
mandado pelo OJ, mas com destaque para a artigo 599 e na parte final dos artigos 716 e 960- b, o mandado
Direção do Foro conterá a indicação de que sua expedição foi determinada em
razão de decisão que definiu o mandado como modo de
comunicação
[...]
§ 2º - É vedado ao oficial de justiça devolver mandados
exclusivamente em razão de dúvida acerca de situação
excepcional a justificar a sua utilização antes do envio de
correspondência, ressalvando-se o destaque ao final da certidão
lançada após o cumprimento e o requerimento perante a Direção
do Foro.
Art. 720 – Comunicação via postal Art. 720 - A postagem da correspondência será efetuada através
da Direção do Foro, que regrará por meio de portaria a forma de
recolhimento das correspondências nos cartórios e remessa à
Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos - EBCT.
Art. 745 – Designação do cartório do plantão Art. 745 - Nos dias úteis, no horário das 11h30min às 13h30min, e
fora do expediente normal, os pedidos serão encaminhados ao
Cartório de plantão designado previamente pelo Diretor do Foro,
com remessa de cópia à Chefia de Polícia. · Provimento nº 32/94-
CGJ.
Art. 746 – Organização da escala dos juízes Art. 746 - Caberá à Direção do Foro organizar escala dos Juízes,
dispor sobre suas alterações e substituições, para atender os
pedidos referidos no artigo anterior, no horário ali mencionado.
Art. 747§3º – Escalas de atendimento - Art. 747 - Nas Comarcas do interior, onde houver um único Juiz,
magistrados cumpre a este atender os pedidos a qualquer hora, sem prejuízo
de outros que reclamem urgência.
[...]
§ 3º - Nas Comarcas dotadas de mais de uma Vara, incumbirá ao
Diretor do Foro elaborar escala de atendimento, ouvidos os
demais Juízes.

JUIZ DA VARA/JUIZ DA CAUSA/MAGISTRADO


Art. 564 – Autorização para exame dos Art. 564 - Eventuais exames pretendidos por terceiros nos livros e
papeis do cartório documentos pertencentes ao Cartório somente ocorrerão com
autorização do Juiz da Vara ou da Direção do Foro.
Art. 715 – Autorização do escrivão para Art. 715 - O Escrivão poderá fazer as intimações, certificando-as
assinar intimações nos autos.
Parágrafo único - Os mandados de intimação de partes e
testemunhas poderão ser firmados pelo Escrivão, declarando que
o faz por ordem judicial, mediante expedição de Ordem de
Serviço pelo Juiz da Vara.
Art. 564-A – Carga e cópias Art. 564-A - Os autos de processos CÍVEIS e JECCÍVEL poderão ser
retirados do Cartório para extração de cópias, sendo
responsabilidade do requerente a seleção das peças a serem
copiadas, bem como a devolução, nas condições em que foram
recebidos. Poderão retirar os autos de cartório para extração de
cópia:
[...]
§ 4º - As situações não previstas neste artigo deverão ser
submetidas ao juiz da causa para deliberação.
Art. 250, §1º - Nomear depositário e Art. 250 - Aos servidores ou pessoas designadas ou nomeadas
comunicar a CGJ depositários incumbe a guarda, conservação e administração dos
bens que lhes forem confiados, observando as disposições da
legislação processual, regulamentos e provimentos.
§ 1º - O Juiz da causa, ao nomear depositário judicial pessoa que
não seja o credor, o devedor, o possuidor do bem ou depositário
designado pelo Presidente do Tribunal de Justiça, deverá
comunicar tal nomeação ao Corregedor-Geral.
Art. 564-B – Busca e apreensão dos autos Art. 564-B - Os autos retirados para extração de cópias deverão
ser restituídos a cartório no prazo máximo de 4 (quatro) horas,
mesmo quando houver prazo comum às partes (art. 107, § 3º do
CPC).
[...]
§ 2º Não ocorrendo a devolução, o Escrivão comunicará o fato ao
Juiz de Direito que determinará a imediata busca e apreensão dos
mesmos.
Art. 338 – Adotar as providências cabíveis Art. 338 - O escrivão deve efetivar o controle do cumprimento
quando OJ não entregar os mandados dos mandados e das precatórias em carga com os Oficiais de
Justiça mediante consulta do relatório de mandados não
devolvidos disponível no sistema de informática.
[...]
D) Em não havendo devolução da totalidade dos mandados no
prazo de cinco (05) dias, se certifique a respeito e se façam os
autos conclusos, quando o magistrado determinará e adotará as
providências cabíveis, inclusive de caráter administrativo, se for o
caso
Art. 173 – Permitir que menores Art. 173 - Nenhum menor de dezoito anos poderá assistir à
acompanhem audiência audiência ou sessão de Juiz ou Tribunal, sem permissão do
Magistrado que a presidir.
Art. 229 – Escolha de escrivão em cartório Art. 229 - Aos Escrivães, privativos ou não, incumbe:
privatizado [...]
§ 4º - Os titulares de serventias privatizadas, deverão dispor de
Escrevente qualificado para atuar nas audiências e para
datilografar ou digitar as sentenças e demais decisões lançadas
pelos respectivos Juízes, exceto se, consideradas eventuais
peculiaridades do ofício judicial ou da própria metodologia de
trabalho adotada no Juizado, o magistrado expressar diversa
orientação através de provimento administrativo
Art. 245 – Veda aos magistrados o Art. 245 - Fica vedado aos magistrados determinarem aos Oficiais
transporte de presos, doentes e de Justiça que efetuem o transporte de presos, doentes ou
adolescentes infratores em veículo adolescentes infratores em ônibus ou em seus veículos
particular particulares.
Art. 377 – Acessar a caixa do plantão Art. 377 - O Serviço de Plantão em Comarcas do interior, que se
diariamente destina a prestar jurisdição de caráter urgente, iniciará às
17h30min (dezessete horas e trinta minutos) de quarta-feira,
estendendo-se até as 17h30min (dezessete horas e trinta
minutos) da quarta-feira seguinte (artigo 1º da Resolução n.º
54/92-CM com a redação dada pela Resolução
[...]
XXIV - O servidor e o Magistrado plantonista deverão acessar
diariamente a caixa de correio setorial do serviço de plantão, por
meio de senha obtida junto ao departamento de informática
(Provimento n.º 11/2007-CGJ)
Art. 385-C – Poder de determinar a Art. 385-C - O magistrado, quando for de sua preferência pessoal,
degravação dos áudios e vídeos poderá determinar que os servidores que estão afetos a seu
gabinete ou secretaria procedam à degravação, observando,
nesse caso, as recomendações médicas quanto à prestação desse
serviço.
Art. 490, §7º - Autorizar pagamento de Art. 490 - As despesas de condução dos Oficiais de Justiça
condução em dobro para diversos previstas no artigo 500 desta Consolidação serão antecipadas,
deslocamentos mediante prévio recolhimento através da Guia Única do Poder
Judiciário ou da Guia de Condução Intermediária.
[...]
§7º - Quando a parte requerer o cumprimento de diversos atos
judiciais num mesmo endereço (unidade autônoma) o depósito
deve equivaler ao valor da prática de um único ato.
Excepcionalmente, provada a necessidade de diversos
deslocamentos do Oficial de Justiça até o local para o efetivo e
integral cumprimento da ordem judicial, o magistrado poderá
autorizar o pagamento em dobro daquele valor.