Você está na página 1de 16

Cônica Engraçada

Minha mulher e eu temos o segredo para fazer um casamento durar: Duas vezes por
semana, vamos a um ótimo restaurante, com uma comida gostosa, uma boa bebida e um bom
companheirismo.
Ela vai às terças-feiras e eu, às quintas.
Nós também dormimos em camas separadas: a dela é em Fortaleza e a minha, em SP.
Eu levo minha mulher a todos os lugares, mas ela sempre acha o caminho de volta.
Perguntei a ela onde ela gostaria de ir no nosso aniversário de casamento, “em algum lugar
que eu não tenha ido há muito tempo!” ela disse. Então, sugeri a cozinha.
Nós sempre andamos de mãos dadas…Se eu soltar, ela vai às compras!
Ela tem um liquidificador, uma torradeira e uma máquina de fazer pão, tudo elétrico. Então, ela
disse: “nós temos muitos aparelhos, mas não temos lugar pra sentar”. Daí, comprei pra ela uma
cadeira elétrica.
Lembrem-se: o casamento é a causa número 1 para o divórcio. Estatisticamente, 100 % dos
divórcios começam com o casamento.
Eu me casei com a “senhora certa”. Só não sabia que o primeiro nome dela era “sempre”.
Já faz 18 meses que não falo com minha esposa. É que não gosto de interrompê-la.
Mas, tenho que admitir: a nossa última briga foi culpa minha.
Ela perguntou: “O que tem na TV?”
E eu disse: “Poeira”

EXIGÊNCIAS DA VIDA MODERNA


Dizem que todos os dias você deve comer uma maçã por causa do ferro. E uma banana pelo
potássio. E também uma laranja pela vitamina C.
Uma xícara de chá verde sem açúcar para prevenir a diabetes.
Todos os dias deve-se tomar ao menos dois litros de água. E uriná-los, o que consome o
dobro do tempo.
Todos os dias deve-se tomar um Yakult pelos lactobacilos (que ninguém sabe bem o que é,
mas que aos bilhões, ajudam a digestão).
Cada dia uma Aspirina, previne infarto.
Uma taça de vinho tinto também. Uma de vinho branco estabiliza o sistema nervoso.
Um copo de cerveja, para… não lembro bem para o que, mas faz bem.
O benefício adicional é que se você tomar tudo isso ao mesmo tempo e tiver um derrame,
nem vai perceber.
Todos os dias deve-se comer fibra. Muita, muitíssima fibra. Fibra suficiente para fazer um
pulôver.
Você deve fazer entre quatro e seis refeições leves diariamente.
E nunca se esqueça de mastigar pelo menos cem vezes cada garfada. Só para comer, serão
cerca de cinco horas do dia… E não esqueça de escovar os dentes depois de comer.
Ou seja, você tem que escovar os dentes depois da maçã, da banana, da laranja, das seis refeições e
enquanto tiver dentes, passar fio dental, massagear a gengiva, escovar a língua e bochechar com
Plax.
Melhor, inclusive, ampliar o banheiro e aproveitar para colocar um equipamento de som,
porque entre a água, a fibra e os dentes, você vai passar ali várias horas por dia.
Há que se dormir oito horas por noite e trabalhar outras oito por dia, mais as cinco
comendo são vinte e uma. Sobram três, desde que você não pegue trânsito.
As estatísticas comprovam que assistimos três horas de TV por dia. Menos você, porque
todos os dias você vai caminhar ao menos meia hora (por experiência própria, após quinze minutos
dê meia volta e comece a voltar, ou a meia hora vira uma).
E você deve cuidar das amizades, porque são como uma planta: devem ser regadas
diariamente, o que me faz pensar em quem vai cuidar delas quando eu estiver viajando.
Deve-se estar bem informado também, lendo dois ou três jornais por dia para comparar as
informações.
Também precisa sobrar tempo para varrer, passar, lavar roupa, pratos e espero que você
não tenha um bichinho de estimação.
Na minha conta são 29 horas por dia. A única solução que me ocorre é fazer várias dessas
coisas ao mesmo tempo!
Por exemplo, tomar banho frio com a boca aberta, assim você toma água e escova os dentes.
Chame os amigos junto com os seus pais.
Beba o vinho, coma a maçã e a banana junto com a sua mulher… na sua cama.
Ainda bem que somos crescidinhos, senão ainda teria um Danoninho e se sobrarem 5
minutos, uma colherada de leite de magnésio.
Agora tenho que ir.
É o meio do dia, e depois da cerveja, do vinho e da maçã, tenho que ir ao banheiro. E já que
vou, levo um jornal… Tchau!
Viva a vida com bom humor!!!

\
BRINCADEIRA
Começou como uma brincadeira. Telefonou para um conhecido e disse:
– Eu sei de tudo.
Depois de um silêncio, o outro disse:
– Como é que você soube?
– Não interessa. Sei de tudo.
– Me faz um favor. Não espalha.
– Vou pensar.
– Por amor de Deus.
– Está bem. Mas olhe lá, hein?
Descobriu que tinha poder sobre as pessoas.
– Sei de tudo.
– Co- como?
– Sei de tudo.
– Tudo o quê?
– Você sabe.
– Mas é impossível. Como é que você descobriu?
A reação das pessoas variava. Algumas perguntavam em seguida:
– Alguém mais sabe?
Outras se tornavam agressivas:
– Está bem, você sabe. E daí?
– Daí nada. Só queria que você soubesse que eu sei.
– Se você contar para alguém, eu…
– Depende de você.
– De mim, como?
– Se você andar na linha, eu não conto.
– Certo.
Uma vez, parecia ter encontrado um inocente.
– Eu sei de tudo.
– Tudo o quê?
– Você sabe.
– Não sei. O que é que você sabe?
– Não se faz de inocente.
– Mas eu realmente não sei.
– Vem com essa.
– Você não sabe de nada.
– Ah, quer dizer que existe alguma coisa pra saber, mas eu é que não sei o que é?
– Não existe nada.
– Olha que eu vou espalhar…
– Pode espalhar que é mentira.
– Como é que você sabe o que eu vou espalhar?
– Qualquer coisa que você espalhar será mentira.
– Está bem. Vou espalhar.
Mas dali a pouco veio um telefonema.
– Escute. Estive pensando melhor. Não espalha nada sobre nada daquilo.
– Aquilo o quê?
– Você sabe.
Passou a ser temido e respeitado. Volta e meia alguém se aproximava dele e sussurrava:
– Você contou para alguém?
– Ainda não.
– Puxa. Obrigado.
Com o tempo, ganhou uma reputação. Era de confiança. Um dia, foi procurado por um amigo com
uma oferta de emprego. O salário era enorme.
– Por que eu? – quis saber.
– A posição é de muita responsabilidade – disse o amigo. – Recomendei você.
– Por quê?
– Pela sua descrição.
Subiu na vida. Dele se dizia que sabia tudo sobre todos, mas nunca abria a boca para falar de
ninguém. Além de bem-informado, um gentleman. Até que recebeu um telefonema. Uma voz
misteriosa que disse:
– Sei de tudo.
– Co- como?
– Sei de tudo.
– Tudo o quê?
– Você sabe.
Resolveu desaparecer. Mudou-se de cidade. Os amigos estranharam o seu desaparecimento
repentino. Investigara. O que ele estaria tramando? Finalmente foi descoberto numa praia remota.
Os vizinhos contam que a voz que uma noite vieram muitos carros e cercaram a casa. Várias
pessoas entraram na casa. Ouviram-se gritos. Os vizinhos contam que mais se ouvia era a dele,
gritando:
– Era brincadeira! Era brincadeira!
Foi descoberto de manhã, assassinado. O crime nunca foi desvendado. Mas as pessoas que o
conheciam não têm dúvidas sobre o motivo.
Sabia demais.
APRENDA A CHAMAR A POLÍCIA

Eu tenho o sono muito leve, e numa noite dessas notei que havia alguém andando
sorrateiramente no quintal de casa. Levantei em silêncio e fiquei acompanhando os leves ruídos
que vinham lá de fora, até ver uma silhueta passando pela janela do banheiro. Como minha casa era
muito segura, com grades nas janelas e trancas internas nas portas, não fiquei muito preocupado,
mas era claro que eu não ia deixar um ladrão ali, espiando tranquilamente.
Liguei baixinho para a polícia, informei a situação e o meu endereço.
Perguntaram-me se o ladrão estava armado ou se já estava no interior da casa.
Esclareci que não e disseram-me que não havia nenhuma viatura por perto para ajudar, mas que
iriam mandar alguém assim que fosse possível.
Um minuto depois, liguei de novo e disse com a voz calma:
— Oi, eu liguei há pouco porque tinha alguém no meu quintal. Não precisa mais ter pressa.
Eu já matei o ladrão com um tiro da escopeta calibre 12, que tenho guardada em casa para estas
situações. O tiro fez um estrago danado no cara!
Passados menos de três minutos, estavam na minha rua cinco carros da polícia, um
helicóptero, uma unidade do resgate , uma equipe de TV e a turma dos direitos humanos, que não
perderiam isso por nada neste mundo.
Eles prenderam o ladrão em flagrante, que ficava olhando tudo com cara de assombrado.
Talvez ele estivesse pensando que aquela era a casa do Comandante da Polícia.
No meio do tumulto, um tenente se aproximou de mim e disse:
— Pensei que tivesse dito que tinha matado o ladrão.
Eu respondi:
— Pensei que tivesse dito que não havia ninguém disponível.
: A ALIANÇA

Esta é uma história exemplar, só não está muito claro qual é o exemplo. De qualquer jeito,
mantenha-a longe das crianças. Também não tem nada a ver com a crise brasileira, o apartheid, a
situação na América Central ou no Oriente Médio ou a grande aventura do homem sobre a Terra.
Situa-se no terreno mais baixo das pequenas aflições da classe média. Enfim. Aconteceu com um
amigo meu. Fictício, claro.
Ele estava voltando para casa como fazia, com fidelidade rotineira, todos os dias à mesma
hora. Um homem dos seus 40 anos, naquela idade em que já sabe que nunca será o dono de um
cassino em Samarkand, com diamantes nos dentes, mas ainda pode esperar algumas surpresas da
vida, como ganhar na loto ou furar-lhe um pneu. Furou-lhe um pneu.
Com dificuldade ele encostou o carro no meio-fio e preparou-se para a batalha contra o
macaco, não um dos grandes macacos que o desafiavam no jângal dos seus sonhos de infância, mas
o macaco do seu carro tamanho médio, que provavelmente não funcionaria, resignação e
reticências… Conseguiu fazer o macaco funcionar, ergueu o carro, trocou o pneu e já estava
fechando o porta-malas quando a sua aliança escorregou pelo dedo sujo de óleo e caiu no chão. Ele
deu um passo para pegar a aliança do asfalto, mas sem querer a chutou.
A aliança bateu na roda de um carro que passava e voou para um bueiro. Onde desapareceu
diante dos seus olhos, nos quais ele custou a acreditar. Limpou as mãos o melhor que pôde, entrou
no carro e seguiu para casa. Começou a pensar no que diria para a mulher. Imaginou a cena. Ele
entrando em casa e respondendo às perguntas da mulher antes de ela fazê-las.
— Você não sabe o que me aconteceu!
— O quê?
— Uma coisa incrível.
— O quê?
— Contando ninguém acredita.
— Conta!
— Você não nota nada de diferente em mim? Não está faltando nada?
— Não.
— Olhe.
E ele mostraria o dedo da aliança, sem a aliança.
— O que aconteceu?
E ele contaria. Tudo, exatamente como acontecera. O macaco. O óleo. A aliança no asfalto. O
chute involuntário. E a aliança voando para o bueiro e desaparecendo.
— Que coisa – diria a mulher, calmamente.
— Não é difícil de acreditar?
— Não. É perfeitamente possível.
— Pois é. Eu…
— SEU CRETINO!
— Meu bem…
— Está me achando com cara de boba? De palhaça? Eu sei o que aconteceu com essa aliança.
Você tirou do dedo para namorar. É ou não é? Para fazer um programa. Chega em casa a esta
hora e ainda tem a cara-de-pau de inventar uma história em que só um imbecil acreditaria.
— Mas, meu bem…
— Eu sei onde está essa aliança. Perdida no tapete felpudo de algum motel. Dentro do ralo
de alguma banheira redonda. Seu sem-vergonha!
E ela sairia de casa, com as crianças, sem querer ouvir explicações. Ele chegou em casa sem
dizer nada. Por que o atraso? Muito trânsito. Por que essa cara? Nada, nada. E, finalmente:
— Que fim levou a sua aliança? E ele disse:
— Tirei para namorar. Para fazer um programa. E perdi no motel. Pronto. Não tenho
desculpas. Se você quiser encerrar nosso casamento agora, eu compreenderei.
Ela fez cara de choro. Depois correu para o quarto e bateu com a porta. Dez minutos depois
reapareceu. Disse que aquilo significava uma crise no casamento deles, mas que eles, com bom-
senso, a venceriam.
— O mais importante é que você não mentiu pra mim.
E foi tratar do jantar.

Amigo da onça

Numa entrevista de emprego:


- Muito bem meu rapaz!...Eu até que gostei de você, achei você bastante simpático. Vamos
fazer um último teste:
- Vamos dizer que você está no pantanal e de repente aparece uma onça enorme, o que você
faz? Perguntou a entrevistadora.
- Se eu tiver uma arma eu atiro nela. Disse o entrevistado.
- E se o senhor não tiver uma arma?
- Aí eu pego uma faca e vou pra cima dela. Cheio de valentia respondeu o entrevistado.
- E se você não tiver uma faca? Continuou a entrevistadora.
- Aí eu saio correndo.
- E se o senhor não puder correr?
- Tem certeza que a senhora gostou de mim?
Tudo vai melhorar!

Numa feira de agropecuária, um fazendeiro do Mato Grosso do Sul encontrou-se com um


Fazendeiro do estado do Tocantins:
O Fazendeiro do Mato Grosso do Sul perguntou:\
.- Cumpadre! Se o senhor não se importa deu perguntar, Qual é o tamanho da sua fazenda?
O Fazendeiro do Tocantins respondeu:
- Oía cumpadre! Acho que deve di dar aí uns quatrocentos hectare é piquinina! E a sua?
Como o fazendeiro do Mato Grosso do Sul era daquele tipo meio arrogante e cheio de
mania de grandeza ele foi logo esnobando o outro fazendeiro dizendo:
- Cumpadre! O senhor sabe que eu nunca me interessei de contá eu só sei que eu saio de
manhã bem cedinho e quando é meio dia eu ainda nem cheguei na metade da propriedade.
Respondeu o fazendeiro do Mato Grosso.
O fazendeiro do Tocantins, comovido, deu uns tapinhas nas costas do fazendeiro do Mato
Grosso e disse:
- Eu sei cumpadre!...Eu sei! No começo eu também andava de carroça...Squenta não!...Guenta
firme cumpadre! Tenho certeza que tudo vai melhorar!

Edilson Rodrigues Silva


Alta Velocidade

Já fazia um bom tempo que aquele policial estava de olho naquele motorista apressadinho. Ele
pensou:
Amanhã esse cara não vai me escapar. Vou pará-lo e lhe darei uma multa daquelas bem salgadas. O
engraçadinho não perde por esperar.
No dia seguinte o policial fez o sinal para que o motorista infrator parasse. O motorista atendeu
prontamente e parou o veículo. Sem perder tempo o policial foi logo dizendo:
- hãm!...hãm! Bonito heim! Até que enfim nos encontramos. Por acaso o senhor sabia que já faz um
bom tempo que eu estava a sua espera.
- Puxa vida seu policial! Sinceramente, sinto muito! Eu juro que eu não sabia, só fiquei sabendo
disso há alguns minutos atrás e, como o senhor mesmo viu, eu vim o mais rápido que pude...
Edilson Rodrigues Silva

Policia, Um Salto Muito Azarado - Cronicas Engraçadas e Textos Engraçados

O ladrão já estava preso há mais de cinco anos numa penitenciária do interior do Estado de São
Paulo e, pela primeira vez, ele havia recebido a oportunidade de ficar em casa por conta do
beneficio do indulto de páscoa.
Assim que o criminoso saiu da cadeia, ele resolveu viajar para uma pequena cidade do interior.
Alí, não resistindo à tentação, na primeira oportunidade que ele teve roubou a carteira e o celular
de uma garota.
Depois do roubo à moça começou a gritar muito alto pedindo socorro. Logo apareceu um policial
para ajudá-la. Prontamente, o policial saiu em perseguição ao rapaz. Depois de correr atrás do
gatuno por mais de quatro quarteirões o policial ficou muito impressionado com a atitude do
esperto ladrão.
O Bandido, correndo em altíssima velocidade , estava fugindo do policial, assim que ele entrou
numa rua ele viu um grande muro e, pensando ser a área de uma empresa ou outra propriedade
qualquer, ele rapidamente escalou o paredão e saltou para o outro lado.
O policial, ao ver aquilo parou de correr imediatamente. Meio atônito e bastante surpreso com a
atitude do picareta, o policial, ainda não acreditando no que estava acontecendo, foi até o portão
daquela propriedade onde o marginal havia pulado para ver o que é que estava acontecendo lá
dentro.
Ao chegar, a primeira coisa que o policial viu foi que o assaltante já havia sido completamente
imobilizado por outro homem, que não por acaso, era outro policial, pois aquele ladrão pra lá de
azarado, pra não dizer outra coisa, havia pulado justamente dentro do Batalhão da Policia Militar
daquela pequena cidade do interior.

Edilson Rodrigues Silva

Aventura no Deserto - Cronicas Pequenas - Historias Engraçadas

Três amigos de além mar resolveram fazer uma incrível aventura pelo deserto do Saara.
Eles marcaram de se encontrar na casa de um amigo em comum.
- O primeiro amigo apareceu com uma caixa cheia de sorvete de tudo quanto era tipo. O
segundo amigo apareceu com algumas garrafas de água mineral e o terceiro amigo apareceu com
um controle remoto de última geração.
O amigo que não ia viajar com o grupo perguntou:
- Por que você vai levar essa caixa de sorvete?
- Quando estiver calor vou me refrescar e me deliciar com estes maravilhosos sorvetes.
Respondeu o primeiro viajante.
- E você? Por que está levando estas garrafas de água?
- Quando eu tiver sede eu terei o que beber, posso ainda tomar um banho e também dar
água para os camelos. Respondeu o segundo viajante.
- E você? Um controle remoto? Os outros eu até entendo, mas por que um controle remoto?
- O controle remoto? Eu é que não vou levantar a noite para mudar de canal. Detesto pisar na
areia! Justificou o terceiro e sábio viajante.

Edilson Rodrigues Silva


Enquanto isso No Teatro... - Crônicas mais Engraçadas e Divertidas - Histórias Engraçadas

Já fazia alguns dias que a garotinha estava pedindo para que os pais dela a levassem para assistir a
uma peça de teatro infantil que estava passando na cidade. A peça era a mesma que a Mariana, a
amiguinha dela de escola, havia assistido e não parava de falar da dita cuja: “ A Bela Adormecida
“. Depois da garotinha tanto insistir, no domingo de manhã, os pais dela resolveram levá-la ao
teatro.
O espetáculo era bem montadinho os atores ótimos, o cenário muito bem feito, a iluminação
perfeita, som...Enfim, tudo estava maravilhoso. No entanto, num dos momentos mais esperados da
peça, a parte em que o príncipe ia beijar a Bela Adormecida para que ela pudesse despertar do
sono enfeitiçado e assim viver um amor verdadeiro, uma vida cheia de momentos mágicos e felizes
ao lado do lindo príncipe, eis que inesperadamente ouve-se lá da plateia:

"Pamonhas! Pamonhas! Pamonhas! Pamonhas de Piracicaba é o puro creme do milho, venha provar
minha senhora...".

Isso mesmo! De lá da palteia tocou um celular com esse maravilhoso e criativo toque. O distraído
dono do telefone havia se esquecido de desligar o inconveniente aparelho.

Edilson Rodrigues Silva


Cuidado cão bravo - Histórias engraçadas

À noite, aqueles dois assaltantes resolveram entrar naquela casa de praia que estava em reforma.
Logo na entrada o primeiro ladrão notou um grande cartaz onde estava escrito:
“Cuidado! Cão corintiano e anti-social”
- Você não falou que à noite não tinha cachorro aqui. Disse o primeiro marginal.
- Eu disse! Foi o que deu para perceber durante o dia. O dono trás os cães com ele e depois ele os
leva de volta para a cidade. Pode ficar tranqüilo. Não tem perigo. Olha! Eu vou por aqui e você vai
pelos fundos Ok! Disse o segundo bandido.
- Ok! Concordou o primeiro ladrão.
Assim que eles se separaram o primeiro ladrão foi até os fundos da casa e depois de uns minutos o
meliante voltou correndo mais rápido que The flash. Ele passou pelo segundo ladrão e disse:
- Corre mano!...Corre!...Corre!
E saiu correndo mais que raio em direção a rua.
O segundo bandido, atônito, e sem saber o que fazer também começou a correr na mesma direção.
Depois, mais calmos, os dois marginais se encontraram:
- Cara! O que foi que aconteceu? Você viu alguma coisa? Era gente? Era um cachorro? Ele te
mordeu? Perguntou o segundo bandido.
- Não, não era gente não. Eu sai correndo foi por causa do cachorro. Disse o primeiro meliante.
- Cachorro! você viu o cachorro. Perguntou o segundo bandido.
- Sorte minha que eu não vi o cachorro não. Mano, eu vi foi o prato dele. Cara nós tivemos muita
sorte. Só pelo tamanho do prato em que ele come deu pra ver que se ele tivesse nos encontrado nós
estaríamos fritos, não ia sobrar nada para contar história. Disse aliviado o primeiro ladrão.
No dia seguinte, na casa em reforma:
- Ôxente! Ô Juca! Cê viu o que aconteceu com a caixa de massa de cimento? Ela está cheia de marca
de pé de gente. Será que entrou ladrão aqui? Perguntou um dos operários.

Edilson Rodrigues Silva


Fugindo da Cadeia

- O Manoel foi preso numa cela em frente à de um leproso.


- Dia após dia, ele observava o leproso cuidando de suas feridas.
- Até que certa vez, caiu um dedo do leproso.
- Este o pegou e o atirou pela janela.
- Uma semana depois, caiu outro dedo e o leproso atirou-o pela janela.
- Algum tempo depois, caiu uma orelha, o leproso atirou-a pela janela.
- Uma semana depois, caiu o pé, o leproso atirou-o pela janela.
- Aí, o Manoel não agüentou mais e pediu uma audiência com o Diretor.
- Olha, senhor diretor, eu não quero ser chamado de dedo duro, mas o gajo que está na cela
em frente a minha está fugindo aos pouquinhos...

Táxi

Dois amigos, que como bons portugas se chamavam Joaquim e Manuel, resolveram comprar
um táxi em sociedade. Depois de rodarem dia e noite pela cidade, durante um ano, sem pegar um
único passageiro, decidiram desfazer o negócio, inconformados com o prejuízo. Fazem as contas e
dividiram as perdas. Mas foi só o Joaquim descer do táxi que, já no primeiro quarteirão, o Manuel
conseguiu o seu primeiro passageiro...
Depois de deixar a sociedade no táxi, o Joaquim, se achando um azarado, estava meio
deprimido. Como ele era muito tímido, comprou um carro para ver se arrumava alguma namorada.
Alguns dias depois conseguiu convencer uma bela morena a ir até a praia. Pensou consigo
mesmo, "esta eu pego!”
No dia combinado, botaram o carro na estrada. Depois de rodar cinqüenta quilômetros,
Joaquim ganhou coragem e colocou uma mão no joelho da moça. Percebendo as intenções dele, pra
facilitar, ela falou:
-Se quiser, pode ir mais adiante.

A animação bateu no coração do Joaquim, ele tirou a mão do joelho da garota, agarrou o
volante, pisou fundo no acelerador e...
... dirigiu por mais 100 Km!

O Boletim Escolar - Cronicas Engraçadas e Textos Engraçados

Uma garota tinha que entregar o boletim escolar dela para os seus pais e, as notas ali, não
eram as notas do sonho de nenhuma mãe muito menos de nenhum pai. Ela usou a criatividade para
contar essa maravilhosa notícia.
Oi papai! Oi mamãe!
É com o coração partido, mas muito feliz da vida. Que eu digo para vocês que eu sai fora com
o Dudu, ele é o homem da minha vida. Ele é tudo de bom.
Estou absolutamente fascinada com as suas tatuagens, com aquele cabelo moicano, com
aqueles ferros e piercings que ele coloca naquele corpinho maravilhoso. Entretanto. Tenho que lhes
contar que não é só isso. O Douglas, aquele menino que vocês não gostam dele de jeito nenhum, ele
está com a gente.
Portanto não se preocupem comigo. Já tenho 15 anos e sei muito bem me virar sozinha tá.
Com amor e carinho da sua querida filhinha.

Ah! Pai, mãe, isso é só uma brincadeirinha viu! Estou na casa da Mariana, só queria mostrar para
vocês que há coisas bem piores na vida que estas notas que estão aí no boletim. Não se estressem
Ok!. No ano que vem eu me recupero. Beijinhos!

Resposta dos pais:

Querida filhinha,
Quando a sua mãe leu a sua carinhosa cartinha, ela passou muito mal e foi parar no pronto
socorro. Imediatamente você foi retirada do nosso testamento e sua parte da herança será do seu
irmão. Todas as coisas do seu quarto foram doadas para o pessoal do orfanato, cancelamos o seu
celular e o seu cartão de crédito. Todos os seus Cd’s do NX0, do Justin Bieber, do Restart, do Cine, do
Jonas Brothers, do Fiuk e do Luan Santana nós doamos para a Karina do segundo andar, aquela
mesma garota que você acha insuportável. Lembra, ela é aquela garota super legal que no ano
passado roubou o Rafinha, aquele seu namorado gatinho que até hoje você não esqueçe. Pode ir
arrumando um bom emprego porque dinheiro daqui de casa nem em sonho viu.
Enfim, espero que você seja muito feliz na sua nova vida.
Nota! Filha querida, claro que tudo isso não passa de uma brincadeirinha da nossa parte. A
sua mãe está aqui comigo assistindo Eu a Patroa e as Crianças e tudo está bem.
Só queríamos lhe mostrar que há coisa bem piores do que passar as próximas cinco
semanas sem sair de casa, sem celular, sem Internet, sem vídeo game, sem televisão e,
principalmente, sem ir à casa da Camila. Tudo isso por causa dessas notas ridículas e, dessa
brincadeira idiota que você fez com agente.

Edilson Rodrigues Silva


A aula de desenho –

- Lucas você está gostando das aulas? Perguntou a mãe do garoto.


- Eu estou mãe. Só não gosto muito é das aulas de desenho. Eu não consigo fazer o que a
professora pede. Hoje ela pediu para eu desenhar um cavalo. É muito difícil! Resmungou o
garotinho.
- Filhinho não se preocupe. É só você se concentrar e imaginar o cavalo que tudo vai ser bem
mais fácil. Deixe-me ver o seu caderno quem sabe eu não posso ajudá-lo com o desenho. Disse a
mãe do garotinho.
- Não vai dar mãe. Disse o menino.
- Porque não vai dar? Perguntou a mãe.
- Porque o Valter, o meu colega lá da escola pediu o meu caderno emprestado.
- Emprestado? Para quê?
- Para assustar o irmãozinho dele.

Edilson Rodrigues Silva

Interesses relacionados