Você está na página 1de 2

RESENHA IBF

Nome: Robson da Costa Martins - COD 425107

Curso: Engenharia de Automação e Eletrônica


Industrial

Disciplina: Automação Industrial

Automação Industrial

PLC: Teoria e Aplicações


A obra que será relatada, se trata de um assunto que vem crescendo com
bastante destaque nas indústrias, a Automação Industrial, e com a o aumento da
demanda foram introduzidos alguns aparelhos que são responsáveis por fazer os
mecanismos se movimentarem. E um dos principais que funciona como cérebro
de muitos sistemas automatizados, o PLC, muito abordado na obra junto com
suas variadas funções.

O sistema para ser considerado automatizado ele tem que executar várias
funções de acordo com variáveis existentes no na estrutura, porem assim como
todo corpo tem um cérebro o sistema automatizado também tem o seu, que é o
PLC, no entanto ele necessita dos outros periféricos para executar determinadas
tarefas, e para não haver intervenção humana, a cada tarefa executada os
periféricos vão mandando sinais de entrada ou saída para o cérebro da máquina.
Os periféricos são os que vão dar status de todas as tarefas e são eles, sensores,
motores, atuadores, sinalizadores visuais ou sonoros, IHM’s, transdutores,
chaves eletromecânicas e outros diversos que podem ser acionados através de
uma sequência lógica. Todo o processamento das ações a serem tomadas vem de
dentro do PLC onde pode ser encontrado microprocessadores, memorias, e fonte
de alimentação, tendo em vista que é necessário também ter uma programação
onde será inserida a lógica de funcionamento do processo. De acordo com a
aplicação, o PLC pode ser modularizado para atender a demanda de dados do
processo, dentre eles tem módulos de controle de posicionamento (aceleração e
desaceleração, sentido, acionamento e parada), temporização, comunicação, PID
e também os módulos de entrada e saída remotos. Por trás de toda estrutura dos
componentes físicos, existe também a necessidade de se conciliar com uma boa
sequência lógico que pode ser executada através de 2 tipos de linguagem que são
a gráfica e a textual. Essas duas linguagens tem a mesma funcionalidades porém
com estruturas diferentes a linguagem gráfica se divide em 3 (diagrama ladder,
diagrama de blocos funcionais e sequenciamento gráfico de funções), já
linguagem textual se divide em 2 (Lista de instruções, texto estruturado),
geralmente a sua escolha é feita pela sintonia por parte do programador e a
facilidade que se pode ter em manipular variáveis de acordo com cada linguagem

A obra pode trazer uma boa explicação de como funciona um dos


protagonistas dos sistemas automatizados e que mesmo tendo um equipamento
principal que é o PLC, ele não consegue atuar sozinho sem um conjunto de
periféricos e bases de comunicação entre eles. A automação de processos chega
ao seu ponto máximo, obrigando a indústria a se modernizar e acompanhar o
futuro e os equipamentos que foram apresentados nesta obra faz parte desse
processo transitório.

Você também pode gostar