Você está na página 1de 52

Geografia e História

Prepare-se bem e conquiste sua vaga!

Edicão
27
44
GEOGRAFIA
E HISTORIA

ATUALIZADA

Questões
para praticar

Geografia
ambiental e
humana
caem nas provas
Temas que mais

Mudanças na
natureza

História do Brasil
História Geral Segundo Reinado, Era
Vargas e República
Iluminismo, Velha
Revolução Francesa
e Industrial

Um intensivo completo de estudo!


Direção Geral
Joaquim Carqueijó

Gestão de Canais
Vanusa Batista
e Wellington Oliveira

Gestão Administrativa Financeira


Elisiane Freitas, Vanessa Pereira,
e Pedro Moura

Mídias Digitais
Clausilene Lima e Sergio Laranjeira

Distribuição em Bancas e Livrarias


Total Express Publicações (Grupo Abril)

Sócia-gerente
Adriana Andrade:

Geografia Física
geral@edicase.pt

Aborda os elementos que


Publisher
Joaquim Carqueijó compõem a Terra como relevo,
Gestão de Processos Editoriais
Gabriela Magalhães clima, vegetação e hidrografia
Redação
Matilde Freitas (MTB 67769/SP)
e Saula Lima (MTB 82535/SP)

Direção de Arte
Tami Oliveira

Design
Julio Cesar Prava e Felipe Pradi
Cartografia
Imagens:Adobe Stock / Shutterstock
Preocupa-se em interpretar e analisar os mapas geográficos
Atendimento ao Leitor em suas diversas origens (representação gráfica, fotografias aé-
Redação
atendimento@caseeditorial.com.br reas ou sensoriamento remoto por satélite) e abordagens: relevo,
Edições Anteriores vegetação, clima, hidrografia, temáticos (demográfico, extrativis-
http://loja.caseeditorial.com.br
mo, histórico, econômico, político, etc). Saiba ler, interpretar e se
Vendas no Atacado
vanusa@edicase.com.br
localizar nos mapas.
(11) 3772-4303 - ramal 209

Coordenadas Geográficas
Produto desenvolvido por: Editora Filiada

É a estrutura de linhas imaginárias, traçadas paralelamente


entre si nos sentidos norte-sul e leste-oeste - pelo qual se lo-
Fabio Goulart Maldonado caliza tudo nos mapas. É o endereço para cada ponto do mundo.
A Linha do Equador divide a Terra horizontalmente (paralelos
NOS SIGA NAS REDES SOCIAIS!
ou latitude): parte de cima onde fica o polo norte e de baixo o polo
sul. Já o Meridiano de Greenwich (acordado como ponto central
/edicasepublicacoes /edicasepublic
/edicasepublicacoes /edicasepublicacoes
em 1884) divide verticalmente (meridianos ou longitude): parte à
esquerda sendo oeste e à direita o leste. Essas duas linhas são o
PROIBIDA A REPRODUÇÃO marco inicial da contagem das latitudes e das longitudes medidas
em graus de -90º até 90º (latitude) e -180º até 180º (longitude).
total ou parcial sem prévia autorização da editora.

PRESTIGIE O JORNALEIRO:
compre sua revista na banca

Imagem
http://loja.caseeditorial.com.br/ 3 Enem | Geografia e História
tradas, exploração mineral e agrícola, etc.
Relevo Como essa erosão é mais severa e acelerada,
torna-se tema preferido para as questões de
É como as formas se apresentam na su- exames por causar vários problemas socioam-
perfície da Terra. Agentes internos e externos bientais abordadas de diversas maneiras como
influenciam seu estado. Entre as principais for- enchentes, morte ou migração de espécies da
mas apresentadas pelo relevo terrestre, temos flora e fauna, redução da biodiversidade en-
os tipos a seguir: tre outros. O tema aponta o estudo de meios
Montanhas: tem altitude maior (não defini- de preservação ecológica (sempre em pauta)
da) que seu relevo vizinho, de inclinação acentu- como reflorestamento, preservação do solo,
ada e com sobreposição de relevos. Uma sequ- técnicas menos agressivas de agricultura, cur-
ência de montanhas é definida como cordilheira. vas de nível, etc.
Planalto: superfície irregular, com altitude Pluvial: desgaste pela ação das chuvas,
acima de 300 metros e produto de erosão. onde o solo é menos protegido pela vegeta-
Planície: área plana, formada pelo acúmulo
ção. É subdividida conforme o efeito e impacto:
recente de sedimentos.
splash (impacto das gotas de chuva), laminar
Depressão: com inclinação suave, entre 100
(escoamento superficial da chuva), sulcos (es-
e 500 metros de altitude, mais plana que o pla-
coamento intenso da chuva), ravinas (escoa-
nalto e formada por processo de erosão.
mento severo da chuva, criando cavidades em
área de decline).
Solo Fluvial: desgaste pela ação do leito dos rios
nas enchentes, principalmente quando a vege-
O solo é formado basicamente pelo desgas- tação ao redor é removida.
te/decomposição (físico e químico) e movimen- Por gravidade: desgaste das rochas em áre-
tação das rochas Dentre os principais agentes as montanhosas e com declive acentuado.
temos a seguir: Eólica: desgaste pela ação dos ventos, es-
Agentes internos: criadores do relevo. Tec- culpindo as rochas.
tonismo (movimento das placas tectônicas), Marinha: desgaste pela ação da água das
abalos sísmicos (tremor de terra) e vulcanismo ondas do mar.
(magma que modela a superfície). Glacial: desgaste pela ação do gelo, tanto
Agentes externos: modeladores do relevo da neve quanto das geleiras.
(normalmente desgastando ou movimentan- Antrópica: desgaste pela ação do homem.
do partículas com o tempo). Ventos, chuvas, Dois problemas do solo são bastante explo-
neve, mudança de temperatura (intemperis- rados nos exames chamando a atenção para a
mo), seres vivos. sustentabilidade do planeta, entenda-os:
Salinização: processo que normalmente
Erosão ocorre em áreas de clima árido e semiárido com
altos índices de evaporação e poucas chuvas
É o processo de desgaste, transporte e se- anuais. É o acúmulo excessivo de sais minerais
dimentação das rochas e, principalmente, dos na superfície e na estrutura interior do solo uti-
solos. Ela pode ocorrer por processos natu- lizado para o plantio. Causa a perda da fertili-
rais, mais lentos e de menor impacto, e pela dade e intensifica o processo de desertificação.
ação do homem (antrópicos), com erosões Pode ser causado pelo homem com métodos
aceleradas. incorretos de irrigação.
Atualmente o homem é o principal res- Desertificação: ocorre nas zonas áridas,
ponsável pela modificação do relevo com o semiáridas e subúmidas secas. É o processo
uso ou degradação de diversas formas como de degradação total da terra. Pode ter origem
desmatamentos, queimadas, urbanização, natural (variações climáticas), mas na gran-
impermeabilização do solo, drenagem de es- de maioria, origina-se das atividades huma-

EdiCase Publicações 4
nas como desmatamento, uso intenso do solo
(agricultura, pecuária e mineração) e práticas
inadequadas de irrigação. O fenômeno afeta Imagem
mais de 60.000 km2 de terras/ano em mais de
110 países, prejudicando a vida de mais de 250
milhões de pessoas. No Brasil, por existir clima
semiárido, cerca de 13% do território é vulnerá-
vel à desertificação. Atinge a região Nordeste, o
cerrado tocantinense, o norte de Mato Grosso e
os pampas gaúchos. Desértico: muito quente durante o dia (30°C)
e muito frio durante a noite (15°C). Chuvas são
raras e a umidade do ar é muito baixa (15%).
Clima Mediterrâneo: verões quentes (25°C) e inver-
É como se comporta a temperatura e umi- nos brandos (0~15°C). Chuvas no inverno e ve-
dade na Terra tendo em sua variação a junção rão seco, com médias anuais de 500 a 1.000 mm.
de vários fatores: localização (latitude, longi- Equatorial: próximo à linha do Equador,
tude e altitude), relevo, massas de ar, pressão quente e úmido o ano todo, temperatura anual
atmosférica e correntes marítimas. perto de 25°C e chuvas acima de 2.000 mm anual.
Para entender o clima dois fatores são fun- Semiárido: quente durante o dia (25°C).
damentais: o movimento de rotação da Terra Chuvas escassas com média anual de 300 mm.
(gira em torno de si mesma) e a forma esférica Umidade do ar baixa (40%).
em que os raios solares incidem de formas forte Tropical: entre os trópicos de Câncer e Ca-
ou fraca. pricórnio, quente com variações de umidade,
A partir das zonas térmicas traçadas pela podendo ser tropical seco (mais seco) ou tropi-
Linha do Equador, Trópicos (de Câncer e de Ca- cal úmido (mais chuvoso). Temperatura anual
pricórnio) e Círculos Polares podemos preesta- de 20°C e chuvas de 1.000 a 2.000 mm distri-
belecer a existência de elevadas, baixas e mé- buídas durante o ano, com maior concentração
dias temperaturas dispersas em toda extensão no verão.
do planeta. Subtropical: quente e frio com estações de-
finidas, verão quente (20~25°C) e inverno rigo-
Imagem roso (0~10°C). Chuvas de 1.000 mm a 1.500 mm
ao longo do ano.
Temperado: invernos frios (-5°C) e verões
amenos (15°C). Chuvas com médias anuais de
1.000 a 2.000 mm.
Frio de montanha ou de altitude: frio duran-
te o ano (0°C e abaixo), com neve em altitudes
elevadas. Chuvas médias anuais de 1.500 mm.
Polar: temperaturas abaixo de 0°C com
umidade do ar muito alta. Neve o ano todo.
Círculo Polar Ártico
Trópico de Câncer
Linha do Equador Meio Ambiente
Trópico de Capricórnio
Círculo Polar Antártico Os problemas ambientais ganham destaque
na temática dos exames (interdisciplinares com
Com essas linhas imaginárias definimos as Biologia e Química) pela grande preocupação
zonas térmicas (tropical/intertropical, tempe- global no futuro de nossa espécie e preserva-
radas e polares) e as características dos climas ção do meio ambiente natural. A busca de uma
de todo o planeta. forma equilibrada do convívio homem versus

5 Enem | Geografia e História


ambiente traz os temas reciclagem, recursos Para o clima tropical, subtropical e equa-
naturais não-renováveis, biodiesel, etc. Esteja torial: florestas tropicais e equatoriais que
atualizado com esses assuntos, principalmente apresentam muitas folhas verdes e enorme
com suas causas e consequências: variedade de árvores que emitem grandes per-
Efeito estufa: do total de raios solares que centuais de umidade para a atmosfera como a
atingem o planeta, quase 50% ficam retidos na Floresta Amazônica.
atmosfera. Outros 50% alcançam a superfície Para o clima tropical semiúmido: cerra-
terrestre, aquecendo e irradiando calor. É uma do ou savana, plantas rasteiras e árvores com
camada de gases (principalmente o dióxido de caule torto que sobrevivem no período de seca.
carbono-CO2) que funciona como uma capa Para o clima temperado: estepe, campos
protetora controlando o fluxo de raios retidos e ou pradarias, vegetação gramínea e arbustos
liberados. Esse é um evento natural. O proble- de pequeno porte que nascem onde há pouca
ma ocorre com o aumento de emissão de gases umidade formando um tapete que cobre o solo;
(CO2) através da queima de combustíveis fós- florestas temperadas como árvores de carvalho.
seis (veículos automotores, queimadas de flo- Para o clima polar: tundra (extremo norte),
restas, pastagens e lavouras) que ficam retidos vegetação de capim e junco; florestas de coní-
na atmosfera impedindo que o calor absorvido feras, com árvores de folhas em forma de agu-
escape para o espaço. Altera o equilíbrio térmi- lha como o pinheiro para não acumular neve.
co natural da proteção causando o aquecimen- Para o frio de montanha: vegetação de
to global. montanha comum em pontos elevados, pouco
Aquecimento global: aumento da tempera- diversificada.
tura média da Terra nos últimos anos relaciona- Para o clima mediterrâneo: vegetação me-
das, na maioria das teses, às práticas humanas diterrânea composta por árvores de pequeno
realizadas de maneira não sustentável. Proble- porte como oliveiras e sobreiros.
ma climático gerado pela degradação do meio
natural, poluição, queimadas, desmatamento e Imagem
intensificado, principalmente, pelo efeito estu-
fa anteriormente descrito. Pode causar degelo
nas calotas polares, elevação do nível dos oce-
anos, maior ocorrência de secas em períodos
mais prolongados prejudicando o fornecimento
de água potável e, consequentemente, os seres
vivos e sua saúde além de anomalias climáticas
como o El Niño, entre outras ocorrências.

Tundra e vegetação de montanha


Vegetação Floresta temperada ou de coníferas
Pradarias
O planeta Terra apresenta diversos tipos de Vegetação mediterrânea
vegetações, que variam de acordo com o relevo Semideserto e estepe
diretamente ligadas ao clima que favorecem os Deserto
tipos a seguir. Além de influenciar a composição Savana
climática, contribuem diretamente no solo, fer- Floresta equatorial ou tropical
tilizando naturalmente (folhas, galhos e frutos) Calota glacial
pela decomposição transformando matéria
orgânica em nutrientes e ajudando a impedir a
erosão através de suas raízes. Hidrografia
Para o clima árido e semiárido: caatinga
(espécie de cacto), plantas que apresentam es- Ramo que estuda as águas abrangendo rios,
pinhos para diminuir a perda de umidade. mares, oceanos, lagos, geleiras, água do subsolo

EdiCase Publicações 6
e da atmosfera. A grande concentração de água Oceano / Mar Área (km²)
é dos oceanos e mares (mais de 97%) sendo
que pouco mais de 2% são águas continentais. Oceano Pacífico 179.700.000
O que se aborda nos exames é a relação en- Oceano Atlântico 106.100.000
tre potencial e aproveitamento (energia, irriga- Mar Glacial Ártico 14.090.000
ção e transporte) ligada ao impacto ambiental.
Logicamente, as regiões tropicais com área Mar do Caribe 2.754.000
sedimentar e grandes bacias hidrográficas de Mar Mediterrâneo 2.505.000
relevo irregular são vistas como áreas estraté-
gicas para produzir e fornecer: energia (hidre-
Bacia Local Área (km²)
létricas), irrigação (aproveitamento em áreas
secas) e transporte beneficiando os países que Bacia Amazônica Brasil 7.050.000
os possuem. Bacia do Congo Zaire 3.690.000
Bacia do Mississippi EUA 3.328.000
Imagem
Bacia do Rio da Prata Brasil 3.140.000
Bacia do Obi Russia 2.975.000

Fontes de energia
É de fundamental importância na atualida-
As águas continentais transportam sedi- de o estudo de substâncias que são submetidas
mentos de processos erosivos, ação do desgas- a um processo de transformação para propor-
te das rochas pela água, fenômeno natural que cionar ao homem energia para iluminar, aque-
origina o assoreamento (acúmulo de sedimen- cer, locomover, etc.
tos) nas áreas de relevo mais baixo. Entretanto, A humanidade se torna cada vez mais de-
alterar o meio ambiente através da retirada de pendente de energia sendo divididas em reno-
mata ciliar (nas margens dos rios), solo imper- váveis e não renováveis. A maioria da energia é
meabilizado, exploração (mineração e agricul- produzida pela queima de combustíveis fósseis
tura), construção de barragens e metrópoles é que alimentam o funcionamento de máquinas
um tipo de intervenção do homem que intensi- (automotivas) que poluem a atmosfera com a
fica erosões gerando problemas como enchen- liberação de gases tóxicos causando problemas
tes, água contaminada e destruição de ecossis- ambientais. A busca de fontes alternativas é
temas prejudicando a flora, fauna e até mesmo necessária para a sobrevivência e é assunto que
a própria humanidade. Observe as localidades domina a maioria dos exames na temática que
e dimensões: "o petróleo ainda é o combustível mais usado
do planeta".
Rio/País Extensão Foz Energias não renováveis: usam recursos
naturais que se esgotam como queima de com-
Amazonas Oceano
6.868 km bustíveis fósseis (carvão, gás natural, petróleo)
Brasil Atlântico
e energia nuclear (urânio). Seu impacto polui o
Nilo Mar
6.671 km meio ambiente
Egito Mediterrâneo
Energias renováveis: fontes limpas capazes
Xi-Jiang de se renovar durante muito tempo como ener-
5.800 km Mar da China
China gia solar, energia eólica (ventos), energia das
Mississippi- marés (correntes marítimas), biomassa (maté-
5.620 km Golfo do México
Missouri - EUA ria orgânica), hídrica (das águas), entre outras,
Obi são encontradas na natureza e geram menos
5.410 km Golfo de Obi
Federação Russa impactos ambientais.

7 Enem | Geografia e História


Geografia do Brasil
Características da geografia física do quinto
maior país do mundo em termos territoriais

O Brasil, localizado na América do Sul é um no inverno na maior parte do país), Semi-Árido


dos maiores países com 8.514.876 km² de área (chuvas irregulares e mal distribuídas no ser-
(só perde para Rússia, Canadá, China e Estados tão do nordeste), Subtropical (mais quente no
Unidos) constituída por 26 Estados e o Distri- verão, mais frio no inverno com chuvas o ano
to Federal. Possui, portanto, uma diversificada todo na região Sul e Sudeste) e Litorâneo (úmi-
gama de relevo, clima, vegetação e hidrografia. do desde o Rio Grande do Norte até São Paulo).
Vejamos um pouco mais.

O relevo brasileiro Imagem

O solo brasileiro tem formação muito anti-


ga e está situado sobre uma grande placa tec-
tônica (dobramentos modernos) tendo assim,
fraco impacto com colisões entre placas (tec-
tonismo). Seu desenho resulta de vários ciclos
climáticos e caracteriza-se por baixas altitudes.
Equatorial
Imagem Tropical
Semi-Árido
Subtropical
Litorâneo
Tropical de Altitude

Não podemos deixar de mencionar as mas-


sas de ar que mais influenciam o clima brasilei-
ro como a Massa Equatorial Atlântica (quente
e úmida), Massa Tropical Atlântica (quente e
úmida) e a Massa Polar Atlântica que incide na
Planaltos subdivisão do clima Tropical gerando o Tropical
Depressões de Altitude em que, devido à ação dessa última
Planícies nas partes mais elevadas (entre 800 e 1000 me-
tros de altitude), intensifica o verão e o inverno.
O clima brasileiro
A vegetação brasileira
Devido à grande extensão do território bra-
sileiro, temos as variações entre a Linha do Tem uma vegetação bastante rica e diversi-
Equador até um pouco abaixo do Trópico de ficada podendo ser dividida em:
Capricórnio com os climas Equatorial (quente Floresta Amazônica: floresta equatorial
e úmido na Amazônia), Tropical (quente e se- em sua grande maioria. Em função de sua bio-
miúmido com estação chuvosa no verão e seca diversidade e importância, foi apelidada de o

EdiCase Publicações 8
"pulmão do mundo". O ecossistema é frágil e Vegetação litorânea distribuída na extensa
a floresta vive de seu próprio ciclo com am- costa do Brasil - cerca de 8.000 km - possui
biente úmido e chuvas abundantes. É cortado uma grande diversidade de paisagens, como
pela maior bacia hidrográfica do mundo, o Rio dunas, ilhas, recifes, costões rochosos, baías,
Amazonas. Em contraste com tanta riqueza da estuários, brejos e falésias predominando os
fauna e flora, as estatísticas mostram que mais mangues como extrativismo.
de 12% da área original da Floresta Amazônica
já foram destruídos pelo desmatamento ilegal. Imagem
Problema que pode provoca, em pouco tempo,
um desequilíbrio no ecossistema.
Caatinga: com enorme biodiversidade, co-
bre solos relativamente férteis com plantas
espinhosas e com pouco nutrientes. Contrasta
com o colorido das flores emergentes no perí-
odo das chuvas. Floresta
Cerrado: composto basicamente por árvores Amazônica
típicas relativamente baixas e de casca grossa Caatinga
além do tapete formado por gramíneas e ar- Cerrado
bustos cobriam originalmente 25% do território Mata Atlântica
brasileiro que perde espaço para a agricultura e Pampa
pecuária. Pantanal
Mata Atlântica: a floresta latifoliada tropi-
cal com rica biodiversidade foi a mais devastada A hidrografia brasileira
nos últimos anos pela a extração de madeira,
poluição e plantio de cana-de-açúcar. Restam O Brasil tem um dos maiores complexos hi-
apenas 7% de sua cobertura original e mais de drográficos do mundo destacando assim um
70% da população vive nesta região. gigantesco potencial hídrico. Rios com grandes
Pantanal: ecossistemas com a maior área extensões, larguras e profundidades. Possui 8%
alagada do planeta com rica biodiversidade. de toda a água doce da superfície da Terra e a
Também há interferência do homem com des- maior bacia fluvial mundial: a bacia Amazônica.
truição com a implantação de pastagens artifi- Embora pouco explorados, os rios de pla-
ciais e a exploração das áreas de mata. nalto são os que apresentam rupturas de decli-
Pampas: vegetação rasteira e de pequenos ve, vales encaixados, entre outras característi-
arbustos, distantes uns dos outros que se esten- cas que propiciam geração de energia elétrica.
dem na região sul como um tapete verde por mais Como esses rios de solo muito acidentado e
de 200.000 km², formando os Pampas Gaúchos. irregular - com muitas quedas-d'água em sua
A erosão se dá nesta área pela má utilização extensão - dificultam a navegabilidade, cha-
do solo pela agricultura e pecuária muitas ve- mam a atenção de todo o planeta para o apro-
zes tendo como consequência a desertificação. veitamento hídrico. Os principais rios são o São
Em menor dimensão com relação às outras Francisco e o Paraná.
vegetações do Brasil, ainda temos a Mata dos Os rios de planície - com poucos declives - são
Cocais com menos de 3% da área total do país mais utilizados para a navegação fluvial e pesca.
produzindo babaçu (principal atividade econô- Os principais rios são o Amazonas e o Paraguai.
mica), carnaúba, oiticica e buriti nos estados do Entende-se como bacia hidrográfica um
Maranhão, Piauí e norte do Tocantins; Mata das conjunto de um rio principal, seus afluentes e
Araucárias ou Mata dos Pinhais uma floresta subafluentes que drenam as águas de determi-
subtropical onde predomina a Araucária (árvore nado território.
totalmente aproveitável) encontrada na região Bacia do Amazonas: maior bacia do mun-
do Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul; do, abrangendo países vizinhos (Bolívia, Peru,

9 Enem | Geografia e História


Colômbia, Venezuela, Guiana, Guiana Francesa Bacia do Paraguai: sua navegabilidade tem
e Suriname) com o rio Amazonas como princi- importância para integrar países do Mercosul
pal. Abrange área de 7.050.000 km², nascendo com o transporte de carga entre Brasil, Para-
no Peru e entrando no Brasil como rio Solimões. guai e Argentina.
Quando encontra o rio Negro (Manaus) fica co-
nhecido como rio Amazonas.
Bacia do Amapá: agrupamento de diver-
sos rios que se destacam pela sua importância
econômica: Araguari, Oiapoque, Pedreira, Gu-
rijuba, Cassiporé, Vila Nova, Matapi, Maracapú
entre outros.
Bacia do Nordeste: agrupamento de diver- Bacia do:
sos rios como: Acaraú, Jaguaribe, Piranhas, Po- Amazonas
tengi, Capibaribe, Una, Pajeú, Turiaçu, Pindaré, Amapá
Grajaú, Itapecuru, Mearim e Parnaíba. Apresen- Nordeste
tam papel importante no transporte de produ- Tocantins
tos agrícolas. São Francisco
Bacia do Tocantins: maior bacia hidrográfica Leste
inteiramente no Brasil, englobando o rio Tocan- Sudeste
tins (Goiás) e o rio Araguaia (Mato Grosso). Abri- Uruguai
ga a usina de Tucuruí (Pará) para a extração de Paraná
ferro e alumínio.
Bacia do São Francisco: de grande impor- Fontes de Energia do Brasil
tância política, econômica e social para a região
nordeste, tem como principal o rio São Francisco Petróleo: ainda é a principal fonte de ener-
- navegável por grande extensão - que abas- gia usada em veículos automotores e em usinas
tece a região metropolitana de Belo Horizonte. termoelétricas (gasolina, diesel e querosene),
Bacia do Leste: agrupamento de diver- o que fomenta a preferência das questões em
sos rios: Pardo, Jequitinhonha, Paraíba do Sul, exames para os assuntos ligados à exploração,
Vaza-Barris, Itapicuru, das Contas, Paraguaçu, degradação e equilíbrio da natureza.
entre outros. Hidrelétrica: apesar do imenso potencial
Bacia do Sudeste: agrupamento de rios: Ja- hídrico, o Brasil usa apenas 25% deste na cap-
cuí, Itajaí e Ribeira do Iguape, entre outros. Pos- tação de energia elétrica sendo a produção da
suem importância regional com o transporte, maior usina (Itaipu, a segunda maior do mundo),
abastecimento e geração de energia. dividida com o Paraguai.
Bacia do Uruguai: o principal rio, Uruguai, di- Carvão mineral: de baixa qualidade, alimen-
vide os estados de Santa Catarina e Rio Grande ta as indústrias siderúrgicas, mas é comple-
do Sul além de fronteira entre Brasil e Argentina mentado com importação de carvão mineral de
e Argentina e Uruguai. Apresenta grande po- alta qualidade que produz poucas cinzas.
tencial hidrelétrico e uma das maiores relações Biocombustíveis: são renováveis com ori-
energia/km² do mundo. gem vegetal como a cana-de-açúcar (para o
Bacia do Paraná: industrializada e urbani- etanol, álcool).
zada, nessa bacia está quase um terço da po- Gás natural: derivado do petróleo, mas em
pulação brasileira além da maior hidrelétrica do menor escala e utilização, usado em gás de co-
mundo: usina de Itaipu (Paraná). Abrange as me- zinha, indústrias e usinas termoelétricas.
trópoles populacionais de São Paulo, Campinas Energia nuclear: pouco usada no país devi-
e Curitiba. O rio Paraná é o mais importante com do a pressão do risco de contaminação tanto de
os afluentes e formadores: rio Grande, Parana- vazamentos como do lixo tóxico: Angra I (desa-
íba, Tietê, Paranapanema, Iguaçu, entre outros. tivada), Angra II (Rio de Janeiro).

EdiCase Publicações 10
Geografia Humana
Corresponde ao estudo das relações do homem
com o meio físico, modificando o meio ambiente

O homem é um agente transformador da compreensão de seu ciclo: natalidade, mortali-


Terra. Apesar de muito discutido - e principal- dade, migração, nível médio de renda, distribui-
mente abordado nos exames - é responsável ção, entre outros fatores.
por diversos problemas atuais que tanto ouvi- A população mundial atingiu, em 2013, 7,2
mos falar (atualidades). Essas transformações bilhões de habitantes segundo pesquisa do
pelo homem acontecem em razão das necessi- Fundo de População das Nações Unidas (FNU-
dades sociais. Influenciam a economia, o fluxo AP). A distribuição da população é desigual nos
de migração, o meio-ambiente, as indústrias, a continentes e países, veja as tabelas:
tecnologia, o turismo, a agropecuária, os con-
flitos no campo, as atividades sociais, políticas 1° China (Ásia) 1.357.380.000
e culturais, enfim todas as relações humanas
2° Índia (Ásia) 1.252.139.596
com o globo terrestre. Vejamos como relacio-
nar isso. 3° Estados Unidos 316.128.839
4° Indonésia (Ásia): 249.865.631
Demografia 5° Brasil (América): 202.409.273
6° Paquistão (Ásia): 182.142.594
Área do conhecimento que estuda o com- 7° Bangladesh (Ásia): 156.594.962
portamento e transformações da população 8° Nigéria (África): 173.615.345
através da pesquisa e estatística. A população
9° Rússia (Europa): 143.499.861
é o número de pessoas que habitam um espa-
ço ou território. É levado em consideração para 10° Japão (Ásia): 127.338.621

11 Enem | Geografia e História


para que houvesse um equilíbrio entre natureza
África 1,111 bilhão de habitantes
e população. Tal teoria, mais tarde, contribuiria
América 953,7 milhões de habitantes para as políticas efetivas de "planejamento fa-
Ásia 4,427 bilhões de habitantes miliar" evitando outros males como a pobreza e
o desemprego.
Europa 742,5 milhões de habitantes
Oceania 40 milhões de habitantes Urbanização
De acordo com pesquisas demográficas, a Significa a aglomeração populacional nas
tendência é de redução de crescimento, algo cidades em virtude dos pólos industriais, circu-
em torno de mais 80 milhões de habitantes a lação de mercadorias, pessoas e os fluxos de
cada ano (0,2% ao ano). Entretanto, o desen- capitais gerando uma série de implicações.
volvimento tecnológico ligado à medicina, cui- A urbanização torna a paisagem tipicamen-
dados com a saúde, saneamento básico, entre te marcada pelos prédios, pavimentação, obras
outros, têm aumentado a expectativa de vida. estruturais e iluminação, acompanhada por
Sobre as migrações (movimentos da popu- uma série de problemas sociais e ambientais
lação) veja os principais conceitos. como falta de saneamento básico, enchentes,
Imigração: entrada de população. violência, favelização, falta de infraestrutura,
Emigração: saída de população. poluição de várias modalidades, degradação
Crescimento horizontal: diferença entre ambiental, sistema de transporte ineficiente,
imigrações e emigrações. aumento da informalidade etc.
Crescimento Vegetativo: diferença entre as Segundo a ONU, em 2008 a população ur-
taxas de natalidade (nascimentos) e de morta- bana mundial ultrapassou a rural. Atualmente,
lidade (mortes). a população urbana corresponde a 52,1 %. Nos
Transição demográfica: passagem de uma países desenvolvidos (industrializados), essa
situação de alta taxa de natalidade e mortali- média é de 77,7%, contra 46,5 % nos países sub-
dade para uma situação de estabilidade. desenvolvidos. No Brasil, 84,4 % da população
Migrações pendulares: são sazonais quan- é urbana (190 milhões, segundo o Censo 2010).
do acontecem em determinado período do ano
por fatores naturais ou econômicos. Chamados Veja a urbanização por continente:
de transumância quando relacionado aos pas-
toreios migratórios de acordo com as necessi- África 38% urbana
dades de água e pastagens. Diário, quando fei-
tos por movimentos do tipo cidades-dormitório, Ásia 39,8% urbana
urbano-rural, recreação e turismo. América Latina 77,4% urbana
América do Norte 80,7% urbana
População X Natureza Europa 72,2% urbana
A partir dos anos 60, houve um eleva- Oceania 70,8% urbana
do crescimento demográfico que retomou as
ideias de Thomas Malthus, um economista in- As megalópoles superam 10 milhões de ha-
glês que relacionou o crescimento demográfi- bitantes em uma cidade:
co e a produção de alimentos. Adaptado à si-
tuação da época, ficou conhecida como Teoria Cidade (País) Habitantes
Neomalthusiana. Para Malthus, a população
Tóquio (Japão) 35,2 milhões
iria crescer tanto que seria impossível produzir
alimentos suficientes para alimentá-la. Pro- Cantão (China) 25,4 milhões
punha uma política de controle de natalidade Seul (Coreia do Sul) 25,2 milhões

EdiCase Publicações 12
Xangai (China) 24,9 milhões Poluição visual e sonora: propagandas ex-
cessivas e o barulho alto dos grandes centros
Delhi (Índia) 23,5 milhões (indústria, comércio e veículos).
Mumbai (Índia) 23,2 milhões
Cidade do México (México) 23,0 milhões Transportes
Nova Iorque (EUA) 22,0 milhões
São Paulo (Brasil) 21,0 milhões Possuem três elementos:
Infraestrutura: malha de transporte rodo-
Manila (Filipinas) 20,4 milhões
viário, férreo, aéreo, fluvial, tubular.
Veículos: automóveis, bicicletas, ônibus,
Dos problemas das metrópoles, citamos: trens e aeronaves, que utilizam essa malha.
Poluição do ar: causada pela emissão de Operações: formas como os veículos utili-
gases poluentes no ar, principalmente o monó- zam a rede, como leis, diretrizes, códigos, de fim
xido de carbono (CO), dióxido de carbono (CO2) comercial, particular, etc.
e dióxido de enxofre (SO2) prejudicial à saúde e Nos centros urbanos, o transporte de pesso-
ao meio ambiente. Produção pelas indústrias e as divide-se em dois grupos: transporte público
veículos automotores. (para qualquer pessoa) e o privado (particular).
Poluição das águas: grande quantidade de Os meios de transporte ainda podem ser di-
lixo e esgoto jogada nos rios, afetando a saú- vididos em:
de da população. Contribuem para a poluição a Terrestre: carros, ônibus, trem, etc.
falta de coleta de lixo e tratamento de esgoto Aquático: navios, canoa, barcos, etc.
adequado. Aéreos: aviões, helicópteros, etc.
Ilha de calor: aumento da temperatura em Tubular: gasoduto, oleoduto, etc.
determinadas partes de uma cidade, pela con-
centração de concreto (prédios, asfalto, vidros). Brasil
Inversão térmica: a poluição do ar impede
1º Rodoviário 61,82%
a troca normal de temperatura do ar na super-
fície: o ar frio e pesado fica em baixo (com as 2º Ferroviário 19,46%
partículas da poluição) e o ar quente e mais leve 3º Aquaviário 13,83%
fica em cima. 4º Dutoviário 4,58%
Efeito estufa: aumento da temperatura no 5º Aéreo 0,31%
planeta em virtude dos gases poluentes emiti-
dos pelas cidades. É chamado de estufa, pois o
planeta mantém a temperatura aquecida. Agricultura
Erosão: uso e ocupação irregular de áreas
como encostas, margens de rios, excesso de Agricultura tradicional: cultivo de determi-
peso das edificações, compactação do solo, etc. nada cultura sem utilização de defensivos agrí-
Chuva ácida: os gases poluentes reagem colas, sementes não selecionadas, sem corre-
com a água da umidade do ar, ocasionando ção do solo, com técnicas rudimentares como
chuvas com componentes ácidos e prejudican- arado de tração animal. Com essas caracterís-
do plantações, edificações, automóveis e o ser ticas a produção é baixa.
humano. Agricultura moderna: cultivo intensivo em
Enchentes e desmoronamento: chuvas que pouco espaço cultivado. Com modernas técni-
não têm para onde escoar causando enchentes cas e máquinas (tratores e colheitadeiras), cor-
e desmoronamentos, destruindo e matando em reção do solo (química), sementes selecionadas
razão da urbanização. (transgênicos), fertilizantes, estudo do tempo
Falta de áreas verdes: áreas urbanas des- para executar o plantio na época certa. Com
providas de matas causando o aumento da essas características garantem alta produtivi-
temperatura e poluição do ar. dade.

13 Enem | Geografia e História


Revolução Verde: foi uma evolução biotec- mal, com a qualidade das pastagens, os animais
nológica no meio rural (década de 60) para au- são criados soltos em grandes áreas sem receber
mentar a oferta de alimentos a fim de combater maiores cuidados e com baixa produtividade.
a fome. Não conseguiu eliminar o problema da Pecuária moderna: é a criação a partir de
fome e provocou uma aceleração da desigual- cuidados com a genética, analisando as van-
dade fundiária, pequenas (tradicionais) e gran- tagens da criação de uma determinada raça,
des (modernas) propriedades rurais. utilização de medicamentos, além de acompa-
Agrossistemas Alternativos: forma de nhamento de um veterinário. Nesse sistema de
produção ecologicamente correta (produtos criação a área pastoril é de pastagens de qua-
orgânicos, sem agrotóxico) para amenizar os lidade e com elevado índice de produtividade.
problemas sociais e ambientais. Não há adição Na agropecuária é onde a contaminação
de substâncias químicas, mas o produto final química é mais evidente em razão da utiliza-
(saudável) é pequeno em quantidade (se com- ção de insumos agrícolas como fertilizantes,
parado com a população) e fica pouco acessível inseticidas e herbicidas com objetivo de alcan-
devido ao alto preço. çar uma produção de melhor qualidade e assim
Para a harmonia do Homem com o Meio obter melhores lucros e aceitação no mercado.
Ambiente, uma prática está muito atual para
conservar os recursos naturais e fornecer pro-
dutos saudáveis: a agricultura sustentável.
Transgênicos
Diferente do que se pratica desde o primeiro
plantio pelo homem (poluição, queimada, des- São organismos geneticamente modifica-
truição), a sustentável é idealizada em diversos dos para produzir plantas que são adaptadas a
círculos intelectuais, científicos e políticos so- climas, solos e outros elementos diferentes dos
frendo pressão global para ser implantada na so- naturalmente encontrados.
ciedade como um todo, considerando que a agri- Para favorecer a rentabilidade na agricultu-
cultura permanece sendo a atividade humana ra, o desenvolvimento de pesquisas e estudos
que mais relaciona a sociedade com a natureza. recombina genes (preservando a essência atra-
vés da engenharia genética) e insere genes de
outros organismos. O objetivo é fazer um pro-
Poluição Química duto capaz de obter aspectos mais rústicos e de
extrema produtividade.
É provocada por dois tipos de poluentes:
Propicia a versatilidade de produtos diferen-
biodegradáveis (detergentes, inseticidas, fer-
ciados como, por exemplo, carne suína com me-
tilizantes) e persistentes (DDT-Dicloro-Difenil-
nos colesterol. No caso dos vegetais, a intenção
-Tricloroetano, mercúrio) que causam sérios
é obter uma quantidade maior de nutrientes
problemas a partir da contaminação.
e, ao mesmo tempo, mais resistente a pragas.
A contaminação acontece quando os fertili-
A polêmica dos transgênicos continua atu-
zantes e os agrotóxicos são transportados pe-
al uma vez que trata de alimentos destinados
las águas da chuva. Parte penetra no solo, que
a humanos. Apesar de aparentemente não ofe-
atinge o lençol freático e contamina o aquífero;
recer nenhum tipo de risco, pode ocasionar sé-
outra parte é levada até os mananciais, como
rias complicações, pois pouco se conhece sobre
córregos, rios e lagos. Com a contaminação,
esse assunto. Não se sabe que consequências
toda a cadeia é afetada, inclusive o homem que
podem ocorrer caso haja rejeição de um orga-
utiliza a água que ficou sujeita à poluição pela
nismo que recebe um gene estranho.
produção agrícola.

Agropecuária Industrialização
Pecuária tradicional: criação de gado sem A industrialização é um dos principais fato-
preocupação com a genética, com a saúde ani- res transformadores do meio ambiente. Provo-

EdiCase Publicações 14
ca efeitos no movimento populacional, geração
de metrópoles, interfere no interesse de produ- Crise Hídrica
tos, entre outros. É a transformação de maté-
rias-primas em produtos por meio do trabalho Em nosso planeta azul, mais de 97% da
e uso de máquinas, sinônimo de modernidade e água é salgada (oceanos e mares). Do restante,
evolução. São divididas em três tipos básicos de apenas 0,4% está na superfície territorial (água
indústrias: doce). Com esses dados não é difícil perceber
Indústrias de base: que fabricam os bens de que a preservação deste bem está em alta. Mu-
consumo (duráveis - não perecíveis - e não du- danças climáticas, contaminação das fontes, o
ráveis - perecíveis), consumidos por pessoas ou mau gerenciamento dos recursos hídricos e o
por outras indústrias para a fabricação de mer- crescimento demográfico são os principais vi-
cadorias mais específicas. Exemplo: máquinas lões para a crise dos próximos anos.
industriais, alumínio, ferro, petróleo, alguns ex- Temos 132 mil km3 de água que pode ser re-
trativismos, etc. almente usada e esse número não mudou muito
desde a origem do planeta. O que mudou foi a
Indústrias de bens duráveis: que fabricam
quantidade de humanos: a população cresceu.
os produtos de extensa vida útil: eletroeletrô-
Em 1950, a população era de 2,5 bilhões. A estima-
nicos, automóveis, etc.
tiva da ONU é que em 2050, sejamos 9,3 bilhões.
Indústrias de bens não duráveis: que pro-
Não pense só na água para consumo. Jun-
duzem mercadorias perecíveis, de rápido con-
to com o aumento populacional, aumenta a
sumo: alimentos em geral, vestuário, etc.
demanda por mais energia, mais comida, mais
Com o crescimento das indústrias ocor-
roupa, mais indústria, mais tudo (que também
re uma mudança no poder socioeconômico de
necessita de água: hidrelétricas, agricultura,
uma cidade, que passa a se modernizar e con-
pecuária, indústrias). Só a indústria e a agrope-
sequentemente evoluir em todos os sentidos
cuária consomem 90% da água do mundo.
com o aumento de pessoas residindo em um
O aquecimento global intensifica a chuva
mesmo local (crescimento populacional), pro-
em algumas regiões e castiga outras com lon-
curando por mais espaço (transformando a pai-
gos períodos de seca. As geleiras derretem, o
sagem com a urbanização), gerando maior pro-
nível dos oceanos sobe e o mundo inteiro aque-
cura pela atividade comercial (lojas) e serviços
ce. No Brasil, a seca atinge quase 10 milhões
(profissionais qualificados), que se expandem e
de pessoas. São 3,6 bilhões de reais em perdas
produzem mais empregos.
de lavouras e mais de 16% do gado nordestino
morto pela seca. O governo teve de intensificar
os programas de assistência técnica e social,
G8+5 até Rio+20 como o financiamento da produção agropecu-
ária, venda subsidiada de milho e distribuição do
Muito se discute sobre os problemas mun- Bolsa Estiagem, (auxílio financeiro para famílias
diais sobre todos os aspectos. Em 2007, aconte- de agricultores em municípios em emergência).
ceu uma reunião entre as oito principais potên- Com o panorama de chuvas abaixo da mé-
cias econômicas (EUA, Canadá, Japão, França, dia, os reservatórios que abastecem as grandes
Itália, Alemanha, Reino Unido e Rússia) e as cin- cidades chegaram a níveis críticos, como em
co principais economias chamadas emergentes São Paulo. Uma das alternativas estudadas são
(Brasil, México, Índia, África do Sul e China) para os aquíferos (reservas de águas subterrâneas)
discutir acerca do aquecimento global, na qual como o Guarani, que ocupa uma área de 1,2 mi-
ficou confirmado que todas as alterações são lhão de km² (70% sob o Brasil). Água doce su-
causadas pelo homem. Embora o intuito seja ficiente para abastecer a população brasileira
sempre de estabelecer cooperação entre as por 2,5 mil anos, mas, como implica em alto in-
economias para o desenvolvimento sustentá- vestimento do governo, a opção mais imediata
vel (no Brasil: Eco-92, Rio+10, Rio+20), pouco foi para a falta de planejamento é o racionamento
feito até agora. e rodízio do fornecimento de água à população.

15 Enem | Geografia e História


Geografia Econômica
Analisa a lógica da produção e distribuição das
atividades econômicas sobre o espaço e o meio

É o ramo do conhecimento que procura Soviética e Estados Unidos, destacando a im-


explicar a influência de manifestações pro- portância do Estado nas decisões estratégi-
dutivas sobre o espaço geográfico (pelo ho- cas e definição de valores e padrões sociais.
mem) e as interferências que o meio realiza Após essa época as maiores discussões agora
sobre elas. O meio urbano e o meio rural são são o combate ao terrorismo, a questão nu-
produzidos pelas práticas humanas relacio- clear, as constantes redefinições de frontei-
nadas, quase sempre, às condutas financeiras ras nos países africanos e do Oriente Médio,
e tecnológicas que irão desencadear impacto o crescimento econômico chinês, a formação
sobre o planeta. dos blocos econômicos, os conflitos interna-
cionais e os problemas socioambientais.
Geopolítica
Revolução Industrial
Não se pode falar em economia sem fa-
lar em política. O conceito de geopolítica foi A evolução no modo de produzir mercado-
desenvolvido a partir da segunda metade do rias, principalmente do setor industrial, acele-
século XIX pela redefinição de fronteiras na rou o desenvolvimento do sistema capitalista
Europa e do expansionismo das nações eu- que originou o que chamamos de Revolução
ropeias (imperialismo ou neocolonialismo). A Industrial, em três momentos:
Guerra Fria expressou muitos dos princípios Primeira Revolução Industrial: final do
da geopolítica, pois envolveu uma grande século XVIII e início do XIX, Inglaterra. Logo
disputa ideológica e territorial entre União depois outros países como França, Bélgica,

EdiCase Publicações 16
Holanda, Rússia, Alemanha e Estados Unidos Em muitos casos, produtos industriali-
em um novo modelo de produção industrial zados têm seus processos produtivos des-
em que se descobriu a utilização do carvão centralizados em várias partes do mundo.
como fonte de energia: máquina a vapor e a É o caso das multinacionais que procuram
locomotiva. Modernizaram o setor de trans- a melhor relação benéfica (para a empresa)
porte (matéria-prima, pessoas e distribuição de diminuição dos custos (mão de obra mais
de mercadorias) dando enorme alavancada barata nos países subdesenvolvidos), siste-
às indústrias, aumentando a produtividade e o ma capitalista (relação lucro x trabalho não
êxodo rural formando grandes centros urba- pago), reduzindo assim o preço final. Exemplo
nos com bairros de classe trabalhadora. das indústrias automobilísticas que fragmen-
Segunda Revolução Industrial: a par- tam a produção em muitas regiões em que
tir de 1870, com maior exploração do uso da as várias partes de um carro são produzidas
energia elétrica e do petróleo em motores em diferentes lugares do mundo para obter
à explosão. Aceleraram o ritmo industrial na maiores vantagens e a máxima geração de
fabricação de produtos em escalas cada vez lucro.
maiores com o marco da criação da lâmpada Notadamente é a era da informação pela
(1879 com sistemas de iluminação), o telégra- diminuição das distâncias e do tempo, graças
fo (comunicação), métodos mais rápidos de ao avanço da comunicação (principalmente
produção de ferro, aço e alumínio (ferrovias a internet), permitindo a transmissão de no-
e automóveis) que aceleraram o desenvolvi- tícias e conhecimentos em tempo real pelo
mento do capitalismo. mundo. Formou Blocos Econômicos e as or-
Terceira Revolução Industrial: meados ganizações mundiais, unindo a economia de
do século XX, revolução técnico-científi- vários países (Alca, Nafta, União Europeia,
ca-informacional. Avanço da informática, Mercosul, Tigres Asiáticos, OMC, OEA, OPEP).
química, robótica, genética voltadas para o Difundiu o conhecimento da língua inglesa
mercado. Ainda atual, desenvolve os meios (segunda língua obrigatória no aprendizado
de comunicação e transporte, diminuindo mundial) e atua constantemente em avanços
distâncias acelerando a globalização e suas científicos e do saber.
consequências: avanço da Ciência e Tecno- Nas desvantagens da Globalização pode-
logia, consolidação do capitalista financeiro, mos citar a desigualdade generalizada bene-
expansão das multinacionais, descentrali- ficiando, quase sempre, os lugares economi-
zação industrial, flexibilização do trabalho camente mais desenvolvidos que conseguem
(toyotismo: produção por demanda) e tercei- se expandir facilmente enquanto que os
rização da economia. menos desenvolvidos ficam marginalizadas,
Podemos concluir que as transformações a centralização das grandes empresas que
tecnológicas transformam não só as indústrias passam a controlar o mercado mundial (mul-
e os meios de produção, mas também o pró- tinacionais), redução dos salários médios,
prio espaço geográfico e as relações humanas. crises econômicas especulativas e a questão
Nas últimas décadas, a preocupação com os ambiental com exploração acelerada dos re-
impactos ambientais demarcou uma fase iné- cursos naturais.
dita: a busca de fontes limpas de energia, uma
resposta aos problemas ambientais.
Blocos econômicos
Globalização São classificados conforme o nível de pro-
ximidade e a qualidade da integração entre
É o processo de internacionalização e am- seus países-membros. Aspecto mais caracte-
pliação da capacidade produtiva. Relaciona- rístico do mundo globalizado e da atual or-
-se diretamente com novas tecnologias, eco- dem mundial. Possuem distintos e diferentes
nomia e capitalismo. objetivos econômicos:

17 Enem | Geografia e História


Zona de preferências tarifárias: integra- acelerado crescimento, promovendo a desi-
ção entre os países adotando apenas algu- gualdade social.
mas tarifas para alguns produtos, tornando-
-os mais baratos em relação aos países não América
participantes. Brasil, Argentina e México
Latina
Zona de livre comércio: eliminação ou di-
minuição das tarifas alfandegárias dos pro- Coreia do Sul, Taiwan, Hong Kong,
Ásia
dutos comercializados entre os países-mem- Cingapura, Tailândia e Indonésia, Índia
bros. África África do Sul
União Aduaneira: zona de livre comércio
com Tarifa Externa Comum (TEC), que taxa
produtos de países não membros tornando- Tigres Asiáticos
-os mais caros e menos procurados.
Mercado Comum: bloco econômi- Cingapura, Hong Kong, Coreia do Sul e
co com um avançado nível de integra- Taiwan ficaram conhecidos como os Tigres
ção econômica, envolvendo a livre circu- Asiáticos na década de 1970, pela alta indus-
lação de produtos, pessoas, bens, capital trialização e administração agressiva com
e trabalho, tornando as fronteiras entre modelo industrial voltada para a exportação
os seus membros quase que inexistentes. através das indústrias transnacionais com
União Política e Monetária: mercado co- forte apoio do governo, que proporcionou
mum que ampliou seu nível de integração, infraestrutura (transporte, comunicações e
englobando o campo monetário. Adota-se energia), financiou instalações industriais e
uma moeda comum que substitui as moedas política de incentivos (isenção de impostos e
locais ou passa a valer comercialmente em doação de terrenos) investiu em educação e
todos os países-membros. qualificação profissional.
A União Europeia é hoje considerada o Seguindo o sucesso dos Tigres Asiáticos,
mais importante bloco econômico em razão os países vizinhos, Indonésia, Vietnã, Malásia,
do seu avançado nível de integração de mer- Tailândia e Filipinas também iniciaram seu
cado comum, de união política e monetária. processo de industrialização e passaram a
Relaciona-se com o Brasil desde 1992 com fazer parte da rede de negócios das empresas
uma política de cooperação, com investimen- de países desenvolvidos, mas com mão de
to no mais importante país do Mercosul. obra menos qualificada, porém, muito barata.
Produzem mercadorias sob encomenda, cria-
das e planejadas em outros países do mundo:
Países emergentes indústrias têxteis, de calçados, de alimentos,
de brinquedos e produtos eletrônicos.
Correspondem às economias do mundo
subdesenvolvido que apresentam melhorias
sociais e perspectivas de crescimento. São os Petróleo
países em desenvolvimento, uma espécie de
“subgrupo” dentro dos países subdesenvol- Principal fonte energética da atualidade,
vidos. Apresentam economias de industria- essa substância oleosa de coloração preta é
lização recente, pela entrada de indústrias formada pela decomposição da matéria or-
estrangeiras vindas quase sempre de países gânica (resto de animais e vegetais), que ficou
desenvolvidos em busca de mão de obra ba- durante milhões de anos submetida a altas
rata e outras vantagens. temperaturas, pressão da terra, pouca oxi-
Esses países mencionados tem uma esca- genação, entre outros fatores, formando as
la produtiva diversificada, além de altas ta- jazidas de petróleo nas bacias sedimentares
xas de urbanização e progressiva terceirização em camadas abaixo da superfície, normal-
de suas economias que geram os desafios do mente oceânicas. Para extrair o precioso óleo,

EdiCase Publicações 18
perfura-se o solo - em diversas profundida- bientais. Considere que a geografia estuda a
des - e, através das plataformas petrolíferas, Terra como um "sistema" e adora as questões
são armazenadas e transportadas (oleodutos ambientais. Isso implica que sempre abordará
ou navios petroleiros) às refinarias: estruturas as ações que a humanidade faz e como im-
para processar o petróleo e obter uma grande pactam na sociedade e no meio ambiente.
variedade de derivados como gasolina, óleo Exemplo: problemas ambientais decorrentes
diesel, gás liquefeito, querosene, solventes, de nossos padrões de consumo (dejetos in-
lubrificantes, tintas, parafinas, etc. Para re- dustriais, aumento de lixo não orgânico etc).
duzir os custos com deslocamento do produ-
tor ao consumidor, a maioria das refinarias se
localiza próximas das cidades mais industria-
lizadas e dos centros mais populosos.
Representa cerca de 35% do total de con-
sumo de energia do mundo tornando-se,
além de fonte de renda, certo tipo de poder
político para os países que detém esse bem
não renovável. É importante sabermos o modo de pro-
No Brasil, o petróleo está mais presente no dução agropecuária ou exploração da terra
litoral onde uma espécie de bolsão acumula como mineração (conceitos fundamentais
hidrocarbonetos como petróleo e gás me- como latifúndio, minifúndio, cultivos perma-
tano, localizado logo abaixo da “camada de nentes, sistemas intensivos e extensivos, mo-
sal” em regiões de bacias sedimentares. Re- nocultura, policultura, extração de petróleo e
centemente descoberta, a “camada pré-sal” minérios etc) para refletirmos sobre a quali-
está entre os litorais do Espírito Santo e Santa dade dos produtos que chegam a nossa mesa.
Catarina em uma extensão de cerca de 800 Entenda bem as fases do capitalismo pois
quilômetros abrangendo a região de três ba- geralmente é relacionado a temas como a in-
cias sedimentares: do Espírito Santo, Campos dústria, o comércio e até mesmo abordagens
e Santos. Se as estimativas estiverem corre- históricas como os efeitos da Guerra Fria, in-
tas, o Brasil será autossuficiente em petróleo fluência na economia e no poder de países
em 2016 e entrará para um dos dez maiores como Estados Unidos e antiga União Soviética
produtores do mundo. assim como a urbanização que aborda os pro-
O petróleo está mais presente em nos- blemas das cidades (crescimento desordena-
sa vida do que pensamos. Hoje é empregado do, transporte, habitação e desemprego). En-
para produzir cosméticos (80% com óleos, tenda as relações comerciais entre diferentes
perfumes e ceras), borracha sintética (substitui países ou regiões, e, claro, aos impactos na
o látex em artigos esportivos, tênis e pneus), economia mundial e a atual formação de blo-
remédios (contêm benzeno: analgésicos e ho- cos econômicos, a globalização da economia
meopáticos), produtos de limpeza (base para e os efeitos de escolas de pensamento. Não
esses produtos), asfalto (derivado semi-sólido basta apenas estudar os aspectos globais, é
de petróleo), tecidos sintéticos (náilon, acrílico, muito importante pensar em como se efetua
spandex e poliéster), comida (corantes, flavo- a economia em nosso país (balança comercial
rizantes e conservantes) e plástico (inclusive o do Brasil, exportações e parcerias com outras
isopor, composto sintético). partes do mundo).
Outro tópico sempre atual, principalmente
pela imigração de refugiados de outros paí-
Geografia multidisciplinar ses com problemas para o Brasil é a Migra-
ção. Saber os motivos e como são recebidos
O Enem gosta de questões multidisciplina- ou conseguem sobreviver são indispensáveis.
res, relaciona fenômenos físicos, bióticos, so- Acontecem nos mais variados contextos e no
cioeconômicos, bem como os impactos am- mundo todo.

19 Enem | Geografia e História


História Geral
Acontecimentos que mostram a trajetória do
homem no mundo com o passar do tempo

A ciência que estuda as ações dos humanos em calendários - normalmente baseados no


no tempo e espaço ajuda a compreender as ciclo solar. Tempo histórico é relacionado às
transformações que ocorreram e quais influ- mudanças que ocorrem na sociedade, inde-
ências ou reflexos causaram em nossa atua- pendente do tempo cronológico.
lidade. Estudar o passado é uma busca para o A linha do tempo a seguir traz os principais
entendimento do presente. acontecimentos de história geral em ordem
O tempo é usado para situar os fatos e con- cronológica enfatizando períodos em que são
textualizá-los. Tempo cronológico é aplicado divididos.

Pré-história Tempos históricos


a.C. Jesus d.C.

3500 476 1453 1789

Pré-História Antiguidade Idade Média Idade Moderna Idade Contemporânea


Paleolítico Oriental: Bárbaros Mercantilismo Napoleão
Neolítico Egípcios Igreja Católica Expansão Marítima Independência da
Idade dos Metais Mesopotâmicos Império dos América América Espanhola
Escrita

Revolução
Constantinopla

Hebreus Francos Renascimento União Alemanha


de Roma

Francesa
Queda

Fenícios Islamismo Reforma e Itália


Queda de

Persas Império Bizantino Protestante Socialismo


Clássica: Feudalismo Absolutismo Imperialismo
Gregos Cruzadas Iluminismo 1ª Guerra Mundial
Romanos Independência EUA Revolução Russa
Revolução Francesa 2ª Guerra Mundial
Revolução Industrial Guerra Fria
Capitalismo

EdiCase Publicações 20
mil a.C.) até a queda do Império Romano (476
Pré-História d.C.). Tão grande trecho da história inclui a
formação de muitas civilizações importantes.
Corresponde ao período de cerca de 3,6 a 4 Começamos pela Antiguidade Oriental do
milhões de anos - datas ainda em discussão - Crescente Fértil.
finalizando com o surgimento da escrita.
Origem do homem: de debate entre a re-
ligião (Criacionismo da igreja, onde o ser hu- Imagem
mano foi criado por um ser divino) e a ciência
(Evolucionismo de Charles Darwin, onde o ser
humano evoluiu de outras espécies animais),
a história concentra-se na ideia de evolução
humana e não sobre a incógnita e crença de
sua origem.
Paleolítico: primeiro período (idade da Pe-
dra Lascada) - de 4 milhões a 10 mil anos - em
que os humanos eram nômades (se desloca- Egípcios: localizados no nordeste da Áfri-
vam em busca de alimentos) e caçavam com ca, desenvolveram-se às margens do rio Nilo.
utensílios de lascas de pedras (cortantes). As enchentes desse rio proporcionavam terras
Abrigavam-se em cabanas rusticas de galhos férteis propícias para a agricultura (algodão,
e folhas ou cavernas, reproduzindo cenas do linho, trigo) e pesca. O excedente de produ-
cotidiano com pinturas nas paredes (arte ru- ção era comercializado nos desertos até o Mar
pestre). Mediterrâneo. Quando não havia mais traba-
Neolítico: segundo período (idade da Pedra lho, os camponeses trabalhavam para o fa-
Polida) - de 10 mil anos a 5 mil anos - os huma- raó - soberano sagrado - em obras públicas,
nos passaram a ser sedentários (moravam em canais de irrigação e templos. O faraó exercia
um só lugar formando aldeias e comunidades) poder político-religioso, tudo girava em torno
e desenvolveram a agricultura e a criação de da religião (politeísta) que acreditava na vida
animais. A descoberta do fogo teve importan- após a morte, resultando em megaconstru-
te papel nessa época para aquecer-se do frio, ções de pirâmides e outros templos em que
afastar animais selvagens, iluminar, cozinhar o faraó (mumificado) e seus ricos pertences
alimentos, cozer o barro (cerâmica) e fundir eram confinados para a outra parte da vida
metais. O conjunto dessas mudanças culturais, (pós-morte). A civilização deixou importante
sociais, econômicas e políticas foi denominado legado: na escrita, na ciência (aritmética, as-
Revolução Agrícola. tronomia, medicina e química) e nas artes (ar-
Idade dos Metais: terceiro período - de 6 quitetura, escultura e pintura).
mil a 4 mil a.C. - os humanos deram os pri- Mesopotâmicos: uma estreita faixa de
meiros passos para a metalurgia, inicialmente terra entre os rios Tigre e Eufrates formou as
com o cobre (martelado a frio), depois fundin- civilizações mesopotâmicas: sumérios, babi-
do (fogo) e moldado (fôrmas de cerâmica e lônios, hititas, assírios, caldeus. Também po-
pedra) a liga de cobre e estanho (bronze). De- liteístas, eram divididos em várias cidades-
sencadeou a fabricação de espadas, armadu- -estado com governos próprios e seu próprio
ras, ferramentas e outros objetos chegando ao rei religioso que protegia e regia a economia
aprimoramento com o ferro. através da agricultura e comércio. Desenvol-
veram a irrigação, tecelagem, fabricação de
armas, joias entre outros.
Antiguidade Hebreus: também chamados de israelitas
ou judeus, habitavam as margens do rio Jor-
Antiguidade uu História Antiga é o perío- dão. Monoteístas (judaísmo: Jeová), deixaram
do que compreende a invenção da escrita (4 registros que influenciaram o atual cristianis-

21 Enem | Geografia e História


mo e o islamismo. Essa região (Canaã, Israel ou (retorno de Ulisses) marcando fase em que
Palestina) foi liderada por Patriarcas (Abraão, as grandes famílias eram a base. Surgindo
Moisés), Juízes (Josué) e Reis (Saul, Davi, Salo- as cidades-estado ou pólis (Atenas, Espar-
mão) terminando invadida por diversos povos ta, Tebas, Corinto) com organização social e
(Assírios, Babilônios, Romanos). Os conflitos política próprias, geraram desenvolvimento
nessa região (Terra Santa onde nasceu Jesus) estratégico, religioso e comercial. No período
se estendem até hoje. Arcaico, entre 700 e 500 a.C., o aumento po-
Fenícios: por volta de 3 mil a.C., na cos- pulacional e o poder na mão da aristocracia
ta oriental do Mar Mediterrâneo - principal fez a política passar por várias transições até
rota comercial - desenvolveram a navegação, surgir a democracia. Surgiram então os Le-
construção naval, astronomia, produção têxtil gisladores atenienses - Drácon e Sólon - que
e metalurgia. Politeístas, eram governados por criaram leis para limitar poderes resultando
um rei, mas era dividido em cidades-estado in-
no apogeu da democracia com Péricles. Con-
dependentes (Biblos, Tiro, Sídon).
Persas: atingiram seus maiores domínios siderando cidadãos (menos crianças, escra-
em 550 a.C. com a fundação do Império Per- vos, mulheres e estrangeiros) limitada parte
sa por Ciro que agrupou a Ásia Menor e toda da população (grupos de elite), podiam votar
a Mesopotâmia; Cambises que conquistou o em leis ou assuntos de forma direta (e não re-
Egito; Dario I que dominou a Ásia e parte da presentativa como hoje). No período Clássico,
Europa. Acabaram derrotados em 330 a.C. por entre 500 e 338 a.C., Atenas se tornou a cida-
Alexandre, o Grande. Desenvolveram reforma de-estado mais importante: venceu os per-
administrativa: a grande extensão foi dividida sas (Guerras Médicas), valorizava o homem
em Satrápias e os povos eram obrigados a pa- completo (físico, intelecto e artístico) e reu-
gar impostos garantindo o desenvolvimento niu outras cidades formando a Liga de Delos.
da economia baseada no comércio das cida- Esparta não concordava com a liderança e
des englobadas. Zoroastro marcou a religião reuniu outras cidades formando a Liga do Pe-
criando um dualismo religioso entre o bem loponeso. O caráter de formação espartano
(Ormuz) e o mal (Arimã). era militar: valorizava o homem com perfei-
Na Antiguidade Clássica temos: ção física, coragem e disciplina para ganhar
guerras. Com a Guerra do Peloponeso (contra
Liga Delos), Esparta saiu vitoriosa e a Grécia
Imagem continuou com lutas internas facilitando para
o rei da Macedônia (Felipe) conquistar tudo e
seu filho (Alexandre Magno, o Grande) esten-
der o império até a Índia. Tamanha conquista
serviu para difundir a cultura grega para todo
o oriente, entre 338 e 30 a.C., conhecido como
período Helenístico.

Gregos: chamados de helenos em seu ter- Imagem


ritório (Hélade), posteriormente de gregos
(na Grécia) pelos romanos. Preocupavam-se
com o ser humano desenvolvendo a filosofia,
democracia e valorizando a história. Entre 2
mil e 900 a.C. (Pré-Homérico) aqueus, jônios,
eólios e dórios povoaram a Grécia forman-
do as civilizações micênica e minóica. Entre
900 e 700 a.C., o período do poeta Homérico
narra Ilíada (guerra Grécia e Tróia) e Odisseia

EdiCase Publicações 22
Romanos: entre 753 e 509 a.C., Roma foi tura, escultura, direito e atividade militar para
dominada pelos etruscos e marcada pela Mo- a humanidade.
narquia e política do Pão e Circo: distraiam o
povo com comida e diversão. Os reis constru-
íam templos, esgotos e drenavam pântanos.
Idade Média
A sociedade dividia-se entre patrícios (pro- Ou História Medieval é o período de quase
prietários de terras), plebeus (população de 1000 anos que compreende a queda do Impé-
agricultores, artesãos, pastores e comercian- rio Romano Ocidental (476 d.C.) até a queda
tes) e escravos (os mais fortes: gladiadores). de Constantinopla (1453 d.C.). Esse período -
Entre 509 e 25 a.C. o período Republicano embora denominado de Idade das Trevas pelo
foi governado por dois cônsules auxiliados medo geral e baixo desenvolvimento cultural
por senadores. Os patrícios continuavam (doenças, pobreza, violência, poder da igreja)
comandando as instituições e a luta com os - foi importante pelas invenções, desenvolvi-
plebeus por quase dois séculos resultou em mento agrário e renascimento comercial.
leis: das Doze Tábuas (direitos e deveres dos Bárbaros: não romanos que viviam além
plebeus) e da Canuléia (casamento entre pa- do império romano e não falavam latim eram
trícios e plebeus com cargos políticos). Roma também chamados povos germânicos que
conquistou toda península itálica, disputou o viviam em torno do rio Reno (Germânia). No
Mar Mediterrâneo nas Guerras Púnicas (264 início, romanos e bárbaros viviam pacifica-
a 146 a.C.) e concentrou grande número de mente (até se casavam) durante três séculos.
escravos gerando desequilíbrio econômico Com a invasão e destruição de Roma (Impé-
e social. Lutas políticas se sucederam até o rio Romano Ocidental) passaram a criar rei-
governo de Triunviratos (três governadores: nos independentes no território romano entre
Crasso, Pompeu e Júlio César). Quando Crasso os séculos V e VI (anglos, saxões, lombardos,
morreu, Pompeu e César disputaram o poder suevos, burgúndios, vândalos, ostrogodos,
e este último tornou-se ditador perpétuo de visigodos, francos).
Roma, diminuindo o poder do senado. César Igreja Católica: teve grande poder duran-
assassinado, o 2º Triunvirato (Lépido, Otávio te essa época, possuía dois terços da terra na
e Marco Antônio) seguiu com disputas. Lépido Europa. Dirigida pelos papas e bispos, for-
afastado, Otávio vence Marco Antônio e foi mavam enormes feudos através de mostei-
proclamado imperador de Roma. Neste perí- ros e abadias que mais pareciam uma cidade
odo Imperial, 27 a.C. a 476 d.C. dividiu-se em com importante papel religioso: converter o
Alto Império (Augusto, Calígula, Nero, Tito, povo germânico ao cristianismo; econômico:
Marco Aurélio, Cômodus) em que os cristãos desenvolvimento agrícola; cultural: conser-
foram duramente perseguidos por recusa- vação do conhecimento (bibliotecas). Depois
rem o culto aos deuses oficiais e ao impera- das Cruzadas, a igreja enfraquecida buscou
dor. Constantino deu liberdade de culto aos formas violentas de reagir e dominar por meio
cristãos (Édito de Milão) e Teodósio proibiu da Inquisição: um tribunal religioso que julga-
cultos pagãos tornando o cristianismo ofi- va e condenava os hereges (que tinham dog-
cial em Roma. No Baixo Império (declínio), mas ou costumes estranhos ao catolicismo,
foi dividido em Ocidental (Roma) e Oriental heresia) a queimarem em fogueiras.
(Constantinopla). Com os altos gastos mili- Império dos Francos: reinado de grande
tares em manter a extensa divisa, altos im- duração e forte ligação com a igreja católica,
postos, corrupção, falta no fornecimento de instituído em 496 d.C. com o rei cristão Clóvis.
escravos (fim das guerras de expansão) entre Foi dividido em duas dinastias (Merovíngia e
outros fatores fizeram com que os povos bár- Carolíngia) em que Carlos Martel (Merovín-
baros (não romanos) migrassem para Roma gio) venceu os árabes na Batalha de Poitiers
(Ocidental) e derrubasse o Império. Romanos impedindo a invasão muçulmana na Europa
deixaram rica herança na literatura, arquite- e Carlos Magno (Carolíngio) sendo o mais fa-

23 Enem | Geografia e História


moso rei franco que conquistou terras na Eu- 527 e 565 d.C. reconquistando a maior parte
ropa Ocidental e Oriental. Dividiu as regiões da antiga parte Ocidental (Roma). Após sua
em condados administrados pelos condes e morte começou o declínio com a alta dos im-
fiscalizados pelos missi dominici. Essa situ- postos, invasões árabes até ser tomado pelo
ação provocou a ruralização da Europa e a sultão Maomé II em 1453 conquistando Cons-
concentração de poder nas mãos dos senho- tantinopla e marcando o fim da Idade Média.
res da terra, posteriormente, determinante Feudalismo: sistema político-social-eco-
para o surgimento do Feudalismo. nômico em que um proprietário de grande
Islamismo: religião monoteísta fundada extensão de terra (senhor feudal ou susera-
pelo profeta Maomé em 610 d.C., que reuniu no) concedia parte de suas terras a um nobre
seus ensinamentos no Alcorão, tornando-se (vassalo) estabelecendo um vínculo de prote-
muito difundido entre as tribos árabes que vi- ção e servidão. Abaixo dos vassalos estavam
viam desde a Ásia até a África. Orar cinco ve- os camponeses (servos) que trabalhavam na
zes ao dia, jejuar, fazer caridade, ir à Meca (ci- unidade de produção (feudo) recebendo em
dade santa dos muçulmanos) ao menos uma troca moradia e proteção. Formou-se assim a
vez na vida e fazer a guerra santa (contra os sociedade com papéis definidos: clero - rezar
infiéis de todo o mundo) são alguns dos pre- e assegurar salvação; nobreza - lutar para
ceitos que o adepto deve seguir. Os templos defender a população; camponeses - tra-
são chamados de Mesquita. A expansão ocor- balhar para sustentar a todos. Bom lembrar
reu após a morte de Maomé (632 d.C.) onde que nesta época 90% da população vivia no
os califas (chefes político-religiosos conside- campo e a igreja católica detinha dois terços
rados sucessores de Maomé) coordenavam das terras medievais. O declínio do feudalis-
ataques aos povos politeístas implantando mo ocorreu com o renascimento comercial e
a nova religião islâmica. O império islâmico urbano (Baixa Idade Média) motivado princi-
durou quase duzentos anos graças à religião palmente pelas Cruzadas.
e à língua árabe. Declinou a partir do século Cruzadas: foram movimentos militares da
VIII com a retomada cristã, desentendimen- Europa para livrar a Terra Santa e Jerusalém
tos políticos com o governo central, ambição das mãos dos muçulmanos. Cerca de 200
e rivalidade dos califas e conquista dos turcos anos com oito cruzadas, os voluntários usa-
no Oriente Médio. vam o artifício da guerra religiosa para fugir
Império Bizantino: após a crise no Ociden- da pobreza, buscar aventuras, trabalho ou
te (Roma), a parte Oriental (Constantinopla fortuna que não havia em suas terras. Ape-
- hoje Istambul na Turquia) e seu imperador sar de não cumprir seu objetivo, provocou in-
Constantino manteve viva a cultura e as tra- tensas mudanças como a reabertura do Mar
dições romanas durante muito tempo: Impé- Mediterrâneo à navegação, ressurgimento do
rio Bizantino ou Império Romano do Oriente. comércio europeu e a crise do feudalismo.
Tinha seu caráter urbano (estável e rico) fa-
bricando artigos de luxo, construindo impo- Idade Moderna
nentes edifícios públicos e estabilizando sua
moeda (ouro bizantino). A sociedade era uma Ou Tempos Modernos, compreende o pe-
hierarquia: imperador, nobreza (assessores do ríodo entre 1453 (século XV, queda de Cons-
rei), aristocracia (comerciantes, banqueiros, tantinopla) até 1789 (Século XVIII, Revolução
grandes proprietários de terra), servos (liga- Francesa). Esse período foi marcado como
dos à terra onde nasciam) e escravos. Forte- uma época de transição em que o comércio foi
mente dirigida pelo cristianismo - herdado de priorizado e, aos poucos, substituindo o modo
Roma - exercia atividades (rituais) em tudo na de produção feudal (troca agrária) pelo capi-
vida dos bizantinos: festejos, arquitetura, ati- talismo (dinheiro). Profundas transformações
vidades cotidianas, pinturas e esculturas, etc. sociais e culturais também ocorreram nessa
O império teve seu auge com Justiniano, entre época: crenças, formas de trabalho, grupos

EdiCase Publicações 24
sociais, formas de poder, visão do mundo. (liberdade do indivíduo) e racionalismo (ex-
Mercantilismo: conjunto de práticas eco- perimentação e observação da natureza). Es-
nômicas pelo rei absolutista, buscando de- sas características iam contra os valores me-
senvolvimento através do acúmulo de rique- dievais que geralmente eram baseados na fé
zas. Conquistar novas terras (colônias) era de algum deus negando os desejos humanos.
sinônimo de riqueza, assim como acumular Destacaram-se na literatura e filosofia: Eras-
metais preciosos como ouro e prata (metalis- mo de Roterdã, Michel de Montaigne, William
mo) além de manter a balança comercial fa- Shakespeare, Miguel de Cervantes e Nicolau
vorável (importação e exportação) através do Maquiavel. Na pintura destacaram-se Le-
controle de impostos e de taxas alfandegá- onardo da Vinci, Michelângelo e Botticelli.
rias (intervenção do estado e protecionismo). A Itália foi o berço do Renascimento devido
Expansão marítima: a partir do século à herança direta do Império Romano e forte
XV um dos fatores que levaram o Ocidente a desenvolvimento econômico que financiava
lançar suas embarcações no tenebroso oce- os artistas (mecenato ou patrocínio) durante
ano Atlântico foi a conquista de novas terras os séculos XV e XVI.
(colônias): base do mercantilismo europeu. Reforma Protestante: movimento cris-
A busca por especiarias caras (cravo, canela, tão do século XVI (Alemanha) que propunha
pimenta-do-reino) era cada vez mais cons- uma reforma no catolicismo, abalado pelas
tante e ajudou no avanço de alguns inven- transformações econômicas e culturais. Os
tos como a bússola, a caravela e o astrolá- abusos e luxo da igreja que pregava ideias
bio. Portugal e Espanha foram pioneiros nas contrárias à que praticava (pecado do lucro,
navegações pelo Atlântico sendo que ambos venda de indulgências/perdões) prejudica-
chegaram na América (Novo Mundo): 1492 - vam especialmente a burguesia, que estava
Cristóvão Colombo (Espanha) e 1500 - Pedro em ascensão. Esse conjunto instalou as refor-
Álvares Cabral (Portugal). mas Luterana (Alemanha, Martinho Lutero,
América: na disputa entre Portugal, Es- contra a venda de indulgências em nome do
panha, França e Inglaterra por novas terras, Papa), Calvinista (Suíça, João Calvino encora-
todos chegaram à América formando colô- java o trabalho e o lucro como sinais divinos
nias: na América do Norte, França, Espanha e e salvação da alma. Huguenotes, na França;
Inglaterra; na América do Sul, Portugal e Es- puritanos na Inglaterra e presbiterianos, na
panha. Estipulados os limites pelo Tradado de Escócia) e Anglicana (Inglaterra, rei Henrique
Tordesilhas (1494), a colônia de povoamento VII brigou com o papa e separou a igreja da
(norte) tinha o trabalho livre, policultura (cli- Inglaterra de Roma causando a migração dos
ma temperado e mercado interno) e liberdade puritanos para a América). Para combater os
econômica para se desenvolver. Na colônia protestantes: Contra-Reforma com o Concí-
de exploração (sul) havia o trabalho escravo lio de Trento (livros proibidos), o Tribunal da
negro, monocultura (clima subtropical e mer- Inquisição (prática de tortura e morte aos he-
cado externo) e dependência da metrópole. reges) e a Companhia de Jesus (jesuítas con-
Na América do Norte (hoje, EUA) houve ainda vertendo outros povos).
a divisão das Treze Colônias pelo Pacto Colo- Absolutismo: prática política europeia a
nial (norte, centro e sul) sendo que a parte sul partir do século XV com poder total na mão
foi colônia de exploração. Eram administra- dos reis. Após a Idade Média existia uma só
das pelo centro político da Inglaterra. língua e moeda beneficiando burgueses e
Renascimento: movimento cultural de reis no comércio. As monarquias nacionais
resgate ao pensamento greco-romano por (países) praticavam o mercantilismo buscan-
considerar um conhecimento mais amplo da do desenvolvimento econômico através do
vida. Foi marcado pelo humanismo ou antro- acúmulo de riquezas. O marketing político
pocentrismo (homem como centro das aten- se difundia por meio dos teóricos pensado-
ções), hedonismo (prazer), individualismo res (Nicolau Maquiavel, Thomas Hobbes, Jean

25 Enem | Geografia e História


Bodin, Jacques Bossuet) que convenciam o da França de 1789 a 1799. Regida pelos pen-
povo (entre outras ideias) de que o poder do samentos iluministas, rompeu com o Antigo
rei era de origem divina, sendo assim pecado Regime iniciando a Idade Contemporânea
desobedecê-lo. com reformas em vários outros países e a in-
Iluminismo: movimento intelectual do sé- dependência das colônias. Luís XV convocou
culo XVII na Europa que defendia o uso da a Assembleia dos Estados Gerais para ten-
razão para promover mudanças. O Antigo tar fazer o clero e a nobreza pagar impostos.
Regime, com sua sociedade estamental (1º Sem conseguir o concílio, a burguesia exigiu
- Clero, 2º - Nobreza, 3º - Burguesia, cam- a criação de uma constituição movimentan-
poneses e operários) em que somente os dois do o povo para a Tomada da Bastilha (prisão
primeiros tinham privilégios e direitos políti- política da monarquia). Com a Assembleia
cos era criticado pelos iluministas que tinham Nacional Constituinte (1789) criou-se uma
o pensamento de "duvidar e refletir". John Lo- constituição que aboliu o regime feudal, a
cke, Montesquieu, Voltaire, Rousseau e Dide- sociedade estamental e separou igreja e Es-
rot defendiam o liberalismo (contra o absolu- tado. A burguesia se dividia em girondinos
tismo) com a igualdade de todos, limitação do (alta burguesia) e jacobinos (pequena e mé-
poder, liberdade de expressão, livre mercado, dia burguesia) que logo tiveram o controle da
ideias republicanas, constitucionais e direito França. O fato de girondinos sentarem à direi-
ao voto. O iluminismo influenciou a Revo- ta e os jacobinos à esquerda nas assembleias
lução Francesa, Independência dos Estados originou os termos políticos "de esquerda" e
Unidos e a Inconfidência Mineira no Brasil. "de direita". Convenção Nacional era o nome
Independência dos EUA: colonizada pe- das assembleias para decretar o fim da mo-
los puritanos ingleses ao norte, em minoria, narquia e promover mudanças como aboli-
esta elite era antenada com o que ocorria na ção dos escravos, ensino primário e obriga-
Europa (iluminismo) e inspiraram reformas tório, entre outras. A luta de interesses entre
entre os colonos. A disputa de terras entre alta e média burguesia desencadeou o Ter-
Norte (colônia de povoamento) e Sul (colônia ror em que a violência em "eliminar oposito-
de exploração) gerou a Guerra dos Sete Anos res" matou aproximadamente 45 mil pessoas
(Inglaterra e França) em que a Inglaterra vi- com perseguições, julgamentos e execuções
toriosa aumentou os impostos (através de (assassinatos e guilhotina). Luís XV e esposa
leis) desagradando os colonos que passaram foram para a guilhotina em 1793 (liderança
a lutar por sua independência, concluída em jacobina com o líder Robespierre). Entretanto
4 de julho por Thomas Jefferson. George Wa- girondinos retomaram o controle da revolu-
shington foi o comandante (com apoio mili- ção e em 1794 Robespierre foi para a guilho-
tar da França e Espanha) da tropa contra os tina. Em 1975 foi criado o Diretório com cin-
ingleses decidindo a vitória dos colonos. For- co membros de poder executivo e a França
mou-se então os Estados Unidos da América imersa em corrupção, fome, ataques internos
com republicanos (autonomia para os esta- e externos. A burguesia articulou manobra
dos) e federalistas (poder central) em que se para um jovem general, influente e poderoso,
equilibrou as tendências com a Constituição governar a França: Napoleão Bonaparte.
de 1787 estabelecendo os três poderes (Exe- Revolução Industrial: conjunto de mu-
cutivo, Legislativo e Judiciário, do iluminismo) danças tecnológicas com forte impacto na
e a autonomia regional. George Washington economia e nas relações de trabalho e pro-
se tornou o primeiro presidente (federalista) dução. Implantou o sistema capitalista. A
e todo esse movimento inspirou a Revolução expansão do comércio, acúmulo de capital
Francesa na Europa, independência das colô- (burguesia), crescimento do mercado con-
nias espanholas e do Brasil. sumidor exigiu novos produtos e desenca-
Revolução Francesa: conjunto de eventos deou interesses por novas descobertas (ciên-
que alterou a política, economia e sociedade cia tecnológica). A produção passou da fase

EdiCase Publicações 26
artesanal (uma pessoa) para a manufatura de propriedade privada (donos, burgueses).
(várias pessoas) e mais tarde para a meca- Os trabalhadores (proletariado ou popula-
nização (máquinas) no decorrer da história. ção) vendem sua força de trabalho em troca
A 1ª Revolução Industrial (Inglaterra, 1750) de salários, sistema esse, usado até hoje.
foi marcada pelo uso do carvão, do ferro e da
máquina a vapor estreitando fronteiras com
as ferrovias e instalando indústrias em outros
Idade Contemporânea
países como Estados Unidos, Japão, França, É o período atual de nossa história desde
Alemanha, Bélgica e outros (2ª Revolução In- a Revolução Francesa que se abrange para
dustrial), desta vez com o aço e derivados do nosso período com reflexos muito presentes
petróleo (química). O surgimento das fábricas como o capitalismo e as disputas das grandes
foi um verdadeiro símbolo onde substituiu o potências por territórios, matérias-primas e
trabalhador artesanal e aumentou o tama- mercados consumidores.
nho da produção principalmente metalurgia Napoleão: com a indicação dos burgueses,
e têxtil. Houve então a evolução nos meios de a França foi governada por Napoleão em três
transporte e comunicação, maior divisão do fases: Consulado (1799 a 1804) onde derru-
trabalho, concentração de população urbana bou o Diretório que o elegeu, criou o Banco
(êxodo rural), novas classes sociais (burgue- da França, censurou a imprensa, estreitou re-
sia industrial e proletariado/trabalhadores) lações com a igreja católica, instituiu o Código
além da expansão do colonialismo em bus- Civil Napoleônico com direitos de casamento
ca de matéria-prima e novos mercados con- civil, à liberdade individual e igualdade pe-
sumidores pelo mundo. Com o proletariado rante a lei. Entretanto, proibiu greves e pa-
cada vez mais numeroso, refletiu em exces- ralisações sindicais. Na fase Império, Napo-
siva mão-de-obra disponível, baixos salários, leão se tornou imperador da França (1804 a
péssimas condições com muitas horas traba- 1815) e conquistou grande parte da Europa e
lhadas e desemprego acarretando em movi- levantou monumentos de exaltação como o
mentos operários e sindicalistas dessa desi- Arco do Triunfo. Quando invadiu a Inglaterra
gualdade e vários pensamentos opositores em 1805 foi derrotado pela marinha (supe-
ao liberalismo econômico. O Ludismo e Car- rior) e decretou o Bloqueio Continental que
tismo surgiram na Inglaterra contra os avan- ordenava a todos os países a fecharem seus
ços da máquina e o direito do voto. Perde- portos para os produtos industriais ingleses
ram força com os sindicatos e suas greves. O para enfraquecer a economia. Portugal deso-
Anarquismo defendia qualquer forma de au- bedeceu ao bloqueio e, temendo ser atacado,
toridade, forma do capitalismo, propriedade o rei D. João VI e família fugiram para o Brasil.
privada e do Estado. O Socialismo (Científi- A Rússia também desobedeceu ao bloqueio e
co) apareceu na Alemanha no século XIX com foi invadida em 1812, entretanto com o forte
Karl Marx. Ao contrário do Socialismo Utópi- inverno e a estratégia de terra arrasada (sem
co não se preocupavam em imaginar a socie- água e mantimentos) o exército napoleôni-
dade ideal. A ideia era de que o capitalismo co foi derrotado levando o imperador (entre
seria substituído pelo socialismo (à medida outros conflitos) a abdicar do trono em 1814
que os trabalhadores percebessem a explo- sendo exilado na ilha de Elba (Itália). Napo-
ração) e este seria uma etapa intermediária leão surpreendeu os inimigos fugindo da ilha
para o comunismo: a sociedade não estaria (1815) e conseguiu retomar o poder no Gover-
mais dividida em classes com uma completa no dos 100 dias em que foi definitivamente
igualdade entre os humanos. Influenciaram a derrotado na Batalha de Waterloo (ingle-
Revolução Russa. ses e prussianos). Com o Congresso de Viena
Capitalismo: sistema sócioeconômico que (Áustria, 1815) foram devolvidos os territó-
surgiu com o fim do Feudalismo em que os rios conquistados pela França e restauradas
meios de produção e o capital (dinheiro) são as monarquias criando o exército da Santa

27 Enem | Geografia e História


Aliança para impedir manifestações contra o ar com a França. Na chamada guerra franco-
Antigo Regime. -prussiana, os franceses foram derrotados e
Independência da América Espanhola: Guilherme I (rei da Prússia) foi o imperador da
desde a colonização as práticas de exploração Alemanha (império alemão ou Reich). Pelo
faziam surgir ideias de independência política Tratado de Frankfurt, a França teve que de-
(junto ao iluminismo). Os criollos eram uma volver a província de Alsácia-Lorena (rica em
elite (filhos de espanhóis nascidos na Améri- ferro e carvão) que foi um dos motivos da 1ª
ca) que tinham esse ideal da Revolução Fran- Guerra Mundial.
cesa para assumir o governo. Foram organi- Imperialismo: movimento de expansão
zados a Nova Espanha, Nova Granada, Peru e territorial, cultural e econômico das nações
Rio da Prata (vice-reinos) além das capitanias europeias a partir do século XIX. Estimulada
gerais: Guatemala, Cuba, Venezuela e Chile. pela busca de matérias-primas para abas-
Tiveram independência no começo do sécu- tecer as indústrias pós Revolução France-
lo XIX, porém, com características diferentes. sa além de novos mercados consumidores e
No México (Nova Espanha), a independência mão-de-obra barata, as potências (Inglater-
da Espanha veio pelo criollo Agustin Iturbide ra, França, Bélgica, Alemanha, Itália, Rússia e
(1821) defendendo a elite burguesa. Na Amé- Japão) recorreram à África e Ásia. O Neoco-
rica Central, as colônias seguiram o exemplo lonialismo com a Missão Civilizadora em que
mexicano e a Confederação das Províncias a vantagem econômica era: os povos mais
Unidas da América Central desmembrou em evoluídos (ricos) exploravam os menos evo-
1838: Nicarágua, Guatemala, Honduras, El luídos (pobres). A disputa pelas terras na Áfri-
Salvador e Costa Rica; em 1844, independên- ca foi um dos motivos da 1ª Guerra Mundial.
cia da República Dominicana. O Haiti foi o pri- 1ª Guerra Mundial: entre 1914 e 1918, vá-
meiro em 1804 (primeira república negra). Na rias causas levaram à guerra entre a Tríplice
América do Sul ocorreu através de movimen- Aliança (Áustria-Hungria, Alemanha e Itália)
tos de San Martin e Simón Bolivar. San Mar- e a Tríplice Entente (Rússia, Inglaterra e Fran-
tin participou da independência Chile, Peru ça). O clima de tensão da ultranacionalidade
e Argentina. Simón Bolívar contribuiu para (após tantas invasões e separações), a corrida
a independência da Colômbia, Venezuela e armamentista (fabricação de armas), o impe-
Equador. rialismo e seus interesses em territórios en-
União Alemanha e Itália: esses dois ti- tre outros. Na 1ª etapa (1914) grandes exérci-
nham seus territórios divididos em várias mo- tos ganhavam e eram derrotados mostrando
narquias e precisava criar estados fortes com equilíbrio entre as forças. Na 2ª etapa (1915 e
a unificação dos territórios com interesse eco- 1916) o equilíbrio resultou em guerra de trin-
nômico pelos burgueses. A Itália ainda sofria cheiras, disputados palmo a palmo até que
com dominação da Áustria e guerreou com o a Itália rompeu com a Alemanha e foi para o
apoio da França (Napoleão) saindo vitorio- lado da França e Inglaterra. Na 3ª etapa (1917
sa. Aos poucos, várias regiões foram se uni- e 1918) a Rússia saiu da guerra devido à ins-
ficando (ao norte, Piemonte) tornando Roma talação do regime socialista pela Revolução
a capital (1870). A igreja teve grandes perdas, Russa e os Estados Unidos entrou para a Trí-
domínio e influência sendo indenizada por plice Entente. Derrotadas, a Áustria-Hungria
Benito Mussolini com a Praça de São Pedro e Alemanha assinaram o armistício ou acordo
em 1929 (Vaticano, em Roma). A Alemanha pelo fim da guerra. Pelo Tratado de Versalhes
tinha a confederação Germânica (estados) e a a Alemanha foi responsabilizada e teve que
reunificação foi liderada pela Prússia que ten- ceder territórios além de pagar indenização
tou reunir uma associação econômica sendo aos vencedores. Enquanto isso EUA lucrava
negada pela Áustria. Prússia vence a Áustria com os juros de empréstimos aos países de-
em guerra conquistando os territórios do nor- vastados tornando-se a nova potência mun-
te. Para os territórios do sul, teve que guerre- dial.

EdiCase Publicações 28
Revolução Russa: revolução que insta- Alemanha conquistou Bélgica, Holanda, No-
lou o socialismo (científico) de Karl Marx em ruega, Dinamarca e, em 1940, a França. Não
1917. Antes dessa data a Rússia era governada teve sucesso ao atacar a Inglaterra, portanto
por um imperador (Czar) e tinha a sociedade concentrou-se na União Soviética. No oceano
predominante agrícola numa pirâmide: fa- Pacífico as batalhas envolviam Japão e Esta-
mília imperial, governantes, clero, militares, dos Unidos em ataques aéreos e porta-aviões
burgueses, camponeses e operários. Como a nas inúmeras ilhas. Após três batalhas (Stalin-
maioria vivia em condições de pobreza, o des- grado na União Soviética, El Alamein no Egi-
contentamento se agravou com a entrada na to e Midway no pacífico) mostrarem que os
1ª Guerra Mundial aumentando a crise econô- exércitos do Eixo não eram indestrutíveis, em
mica contra o imperialismo. O czar Nicolau II 1944 (Dia D) os Aliados dominaram totalmen-
saiu do governo para a guerra e acabou ab- te a Europa. Já em 1945, a bomba atômica de
dicando. Sob protestos, surgiram os partidos Hiroxima e Nagasaki fez o Japão assinar sua
democráticos, os mencheviques e bolche- rendição. Alemanha já havia se rendido e Hitler
viques sendo este último responsável pelas cometeu suicídio. Essa guerra mostrou duas
ideias de confiscar grandes propriedades de novas potências (quebrando a superioridade
terra e do controle operário das fábricas. Com europeia): EUA e Japão; acabou com o impe-
liderança de Lenin, uma série de mudanças rialismo e marcou início da era atômica. A Or-
ocorreu implantando, aos poucos, o mode- ganização das Nações Unidas (ONU) foi criada
lo do regime socialista. Formou a União das para resolver conflitos.
Repúblicas Socialistas Soviéticas (URSS). Com Guerra Fria: terminada a 2ª Guerra, o mundo
a morte de Lenin, Stalin e Trotski disputaram se dividiu em torno da União Soviética (socia-
o poder. Stalin queria fortalecer o socialismo lismo ou comunismo) e Estados Unidos (capi-
para depois exportá-lo. Trotski achava que talista). A Guerra Fria foi uma disputa silenciosa
o socialismo não poderia viver isolado, tinha (fria), pois não houve conflito direto entre as
que ocorrer em todo o mundo. Stalin ganhou potências. Novamente EUA financia a recons-
a disputa e governou como uma ditadura im- trução da Europa (capitalista, com o Plano
placável e transformou a União Soviética em Marshall) para conter o avanço do socialismo
uma potência industrial, usava a violência e alianças políticas foram criadas dos dois la-
para forçar a coletivização da terra. dos: OTAN (capitalista) e COMECON (socialista).
2ª Guerra Mundial: ocorreu de 1939 a 1945 Ambas com espionagem: CIA (capitalista) e KGB
quando o Tratado de Versalhes (1ª Guerra Mun- (socialista). A própria Alemanha ficou dividida
dial) incomodava muito povo alemão. Hitler e pelo muro de Berlin entre o capitalismo e so-
seu movimento nazista idealizava a conquis- cialismo. Para demonstrar poderio, as duas po-
ta de novos territórios através de um plano tências desenvolveram armamentos (corrida
de expansão. Com a Áustria anexada (1938), o armamentista) e tecnologia (corrida espacial).
estopim veio em setembro de 1939 quando in- A Guerra da Coreia e do Vietnã, novamente de
vadiu a Polônia. Inglaterra e França, aliadas da socialismo contra capitalismo, só aumentou no
Polônia declararam guerra à Alemanha. Insta- mundo os protestos contra guerras. A partir de
lada a 2ª Guerra Mundial, a Itália e o Japão que 1950, movimentos sociais jovens defendiam a
tinham fortes ligações imperialistas se uniram liberdade e igualdade ocorrendo o mesmo na
na guerra. Inglaterra perdeu o apoio da Fran- defesa dos direitos iguais entre brancos e ne-
ça quando invadida pelos nazistas e os Esta- gros. O socialismo entrou em crise e o muro de
dos Unidos entrou quando a base americana Berlim foi derrubado em 1989 marcando o re-
de Pearl Harbor foi atacada (1941). Hitler rom- flexo dessa crise. União Soviética acelerou o fim
peu o pacto de não-agressão à União Sovié- do socialismo com reformas econômicas (pe-
tica, formando assim o Eixo (Alemanha, Itália restroika) e acordos com EUA. Em 1991 o socia-
e Japão) contra os Aliados (Inglaterra, Estados lismo (e a Guerra Fria) chegou ao fim tornando
Unidos e União Soviética). Em pouco tempo a vitorioso o capitalismo.

29 Enem | Geografia e História


História do Brasil
Aspectos da descoberta e acontecimentos que
marcaram o desenvolvimento de nosso país

Com o fim da Idade Média e o início dos Tem- Cruz, depois Santa Cruz e, finalmente, Brasil, a
pos Modernos, o panorama na Europa era de nova terra foi explorada a princípio em função
expansão comercial e de descobrimentos ma- da extração do pau-brasil, madeira de cor ver-
rítimos. melha usada em tinturarias na Europa, da ex-
tração pelos povos índígenas que aqui viviam.
Período Pré-colonial
Período Colonial
Povos indígenas: a descoberta do Brasil, em
22 de abril de 1500, pela esquadra comandada Administração: a colônia estava subor-
por Pedro Álvares Cabral, com destino às Índias, dinada à metrópole portuguesa, que, para
integra o ciclo da expansão marítima portu- mais facilmente ocupá-la, adotou, em 1534,
guesa. Inicialmente denominada Terra de Vera o sistema de capitanias hereditárias. Consis-

1500 1530 1822 1889

Pré-Colonial Colonial Imperial Republicano


Povos indígenas Capitanias Hereditárias Primeiro Reinado República Veha
Extração de Governo Geral Período Regencial Era Vargas
pau-brasil Ciclo do Açúcar Segundo Reinado Período Democrático
Descobrimento

Independência

da República
Tordesilhas

Proclamação

Invasões estrangeiras
Colonização

Ditadura Militar
Tratado de

Início da

Escravidão Africana Nova República


do Brasil
do Brasil

Expansão territorial Anos mais recentes


Ciclo do ouro
Vinda da Família Real

EdiCase Publicações 30
tia na doação de terras pelo rei de Portugal a tentavam fugir ou se rebelar e formavam co-
particulares, que se comprometiam a explo- munidades chamadas quilombos.
rá-las e povoá-las. Apenas duas capitanias Expansão territorial: durante o século 16,
prosperaram: São Vicente e Pernambuco. As foram organizadas algumas entradas (expe-
capitanias hereditárias somente foram extin- dições armadas ao interior), de caráter oficial,
tas em meados do século 18. em busca de metais preciosos. No século se-
Ciclo do Açúcar: a partir de 1530, tem iní- guinte, expedições particulares, conhecidas
cio a colonização efetiva, com a expedição de como bandeiras, partiram especialmente de
Martim Afonso de Sousa, cujos efeitos foram São Paulo, com três objetivos: a busca de ín-
o melhor reconhecimento da terra, a introdu- dios para escravizar; a localização de agru-
ção do cultivo da cana-de-açúcar e a criação pamentos de negros fugidos (quilombos),
dos primeiros engenhos, instalados na recém- para destruí-los; e a procura de metais pre-
-fundada cidade de São Vicente, no litoral de ciosos. As bandeiras de caça ao índio (Antônio
São Paulo, que no século 16 chegou a ter treze Raposo Tavares, Sebastião e Manuel Preto)
engenhos de açúcar. A economia açucareira, atingiram as margens do rio Paraguai, onde
entretanto, vai se concentrar no Nordes- arrasaram as missões jesuíticas (reduções,
te, principalmente em Pernambuco. Estava os padres eram os únicos responsáveis pela
baseada no sistema plantation: latifúndio- educação brasileira nessa época). Em 1695,
-monocultura-escravidão. A cana-de-açú- depois de quase um século de resistência, foi
car, no Nordeste, era cultivada e beneficiada destruído Palmares, o mais célebre quilombo
em grandes propriedades, que empregavam do Brasil, em que o mais famoso escravo fo-
mão-de-obra dos negros africanos trazidos ragido (Zumbi) foi morto por tropas coman-
como escravos, e destinava-se à exportação dadas pelo bandeirante Domingos Jorge Ve-
pelos senhores de engenho. lho.
Invasões estrangeiras: na prosperidade Ciclo do ouro: do final do século 17 as pri-
da cana-de-açúcar, o Brasil foi alvo de várias meiras descobertas de jazidas auríferas no in-
incursões estrangeiras, sobretudo de fran- terior do território, nas chamadas Minas Ge-
ceses, ingleses e holandeses. Os franceses rais (Antônio Dias Adorno, Manuel de Borba
chegaram a fundar, em 1555, uma colônia, a Gato), em Goiás (Bartolomeu Bueno da Silva,
França Antártica, na ilha de Villegaignon, na o Anhangüera) e Mato Grosso (Pascoal Mo-
baía de Guanabara. Somente foram expul- reira Cabral), onde foram estabelecidas vilas
sos em 1567, em combate do qual participou e povoações. Mais tarde, foram encontrados
Estácio de Sá, fundador da cidade do Rio de diamantes em Minas Gerais. O ciclo da mine-
Janeiro (1565). Mais tarde, entre 1612 e 1615, ração dinamizou a sociedade pois a riqueza
novamente os franceses tentaram estabele- proveniente do ouro não ficava concentrada
cer uma colônia no Brasil, desta vez no Mara- nas mãos de um único grupo social. Muitos
nhão, chamada França Equinocial. Os holan- escravos conquistaram o direito à liberdade
deses (nas Antilhas) logo superaram o Brasil (carta de alforria) comprando-a com lucros
na produção e exportação de açúcar pondo dos minérios. Um dos mais célebres bandei-
fim ao ciclo e abrindo caminho ao ciclo do rantes foi Fernão Dias Pais, o caçador de es-
ouro. meraldas. Como as riquezas passaram a se
Escravidão Africana: os portugueses tra- concentrar na região sudeste, Rio de Janeiro
ziam os negros da Angola. Moçambique, Con- e São Paulo ganharam importante destaque.
go e Guiné em péssimas condições de viagem Vinda da Família Real: em 1808, ocorreu a
(muitos morriam). Vendidos como animais, chamada “inversão brasileira”, isto é, o Brasil
trabalhavam exaustivamente nas lavouras tornou-se a sede da monarquia portuguesa,
ou em outras funções chegando a sobreviver com a transferência da família real e da cor-
por no máximo dez anos devido às condições te para Salvador e, mais tarde, Rio de Janeiro,
de maus tratos e má-alimentação. Muitos fugindo da invasão napoleônica na península

31 Enem | Geografia e História


ibérica. Ainda na Bahia, o príncipe regente D.
João VI assinou o tratado de abertura dos por- Período Imperial
tos brasileiros ao comércio das nações ami-
gas, beneficiando principalmente a Inglater- A partir de 1821, com a volta do rei e da corte
ra. Terminava assim o monopólio português para Portugal, o Brasil passou a ser governa-
sobre o comércio com o Brasil e tinha início do pelo príncipe regente D. Pedro. Atendendo
o livre-cambismo, que perduraria até 1846, principalmente aos interesses dos grandes pro-
quando foi estabelecido o protecionismo. prietários rurais, contrários à política das Cor-
tes portuguesas, que desejavam recolonizar o
Imagem Brasil, bem como pretendendo libertar-se da
tutela da metrópole, que visava diminuir-lhe
a autoridade, D. Pedro proclamou a indepen-
dência do Brasil, em 7 de setembro de 1822, às
margens do riacho do Ipiranga, na província de
São Paulo. Destaque para o papel de José Boni-
fácio de Andrada e Silva, à frente do chamado
Ministério da Independência, na articulação do
movimento separatista.
Primeiro Reinado: aclamado imperador
do Brasil, D. Pedro I tratou de dar ao país uma
constituição, outorgada em 1824. No início do
seu reinado, ocorreu a chamada “guerra da in-
dependência”, contra as guarnições portugue-
sas sediadas principalmente na Bahia. Em 1824,
Eventos importantes: 1534 - Criação das
em Pernambuco, a confederação do Equador,
capitanias hereditárias, que dividem a co-
movimento revoltoso de caráter republicano e
lônia em 14 faixas de terra. 1548 - Capitania
separatista, questionava a excessiva centrali-
da Bahia transformada em capitania da Co-
zação do poder político nas mãos do imperador,
roa e capital da colônia. Criação do govemo-
mas foi derubado. Em 1828, depois da guer-
-geral. 1630-1654 - Invasão holandesa em
ra contra as Províncias Unidas do Rio da Prata
Pernambuco. 1684 - Revolta dos Beckman,
(Guerra da Cisplatina), o Brasil reconheceu a in-
no Maranhão. 1695 - Morte do líder negro
dependência do Uruguai.
Zumbi. 1708-1709 - Guerra dos Emboabas:
conflito pela posse das minas de ouro. 1710-
Imagem
1712 - Guerra dos Mascates: conflito ocorrido
quando da separação do Recife e Olinda. 1759
- Extinção das capitanias hereditárias, por
ordem do marquês de Pombal. 1789 - Incon-
fidência Mineira: movimento separatista pela
independência de Minas Gerais (e o Brasil de
Portugal). 1792 - Tiradentes, líder da Inconn-
fidência Mineira, é enforcado e esquartejado
no Rio de Janeiro. 1798 - Conjuração Baiana
(Revolta dos Alfaiates): tentativa de se esta-
belecer uma república na Bahia e o fim da es-
cravidão. 1808 - Transferência da Corte por-
tuguesa para o Rio de Janeiro e abertura dos
portos às nações amigas. 1817 - Revolução
Pernambucana: proclamação da República e
organização de um govemo independente.

EdiCase Publicações 32
Período Regencial: em 1831, o reinado de houve uma grande imigração para o Brasil,
D. Pedro II (então com 5 anos) teve início com sobretudo de alemães e italianos fazendo
um período regencial, que durou até 1840, crescer a industrialização.
pois não podia governar até ter completa- Eventos importantes: 1822 - 7 de setem-
do 18 anos. Durante as regências, ocorreram bro, proclamação da Independência do Brasil.
intensas lutas políticas em várias partes do 12 de outubro - Dom Pedro é aclamado impe-
país, quase sempre provocadas pelos cho- rador e, em dezembro, coroado com o título
ques entre os interesses regionais e a concen- de dom Pedro I. Inicia-se o Primeiro Reinado.
tração do poder no Sudeste (Rio de Janeiro). 1825-1828 - Guerra da Cisplatina: indepen-
A mais importante foi a guerra dos farrapos dência do Uruguai. 1831 - Abdicação de dom
ou revolução farroupilha, movimento repu- Pedro I e partida para o exílio. 1835-1840 -
blicano e separatista ocorrido no Rio Grande Rebelião no Pará: a Cabanagem. 1835-1845
do Sul, em 1835, e que só terminou em 1845. - Bento Gonçalves lidera a Revolução Far-
Além dessa, ocorreram revoltas na Bahia (Sa- roupilha, no Rio Grande do Sul. 1837-1838 - A
binada), no Maranhão (Balaiada) e no Pará Sabinada eclode na Bahia. 1838-1841 - Re-
(Cabanagem). volta da Balaiada, no Maranhão. 1840 - Gol-
Segundo Reinado: diante de inúmeras re- pe da Maioridade: o príncipe dom Pedro assu-
voltas, houve o golpe de maioridade em 1840, me o trono, com apenas 14 anos. 1848-1850
quando foi proclamado D. Pedro II imperador - Revolta Praieira: a última revolta armada
(tinha cerca de catorze anos). D. Pedro II co- do Segundo Reinado (Pernambuco). 1850 -
meçou com intensas campanhas militares, a Lei Eusébio de Queirós: extinção do tráfico de
cargo do general Luís Alves de Lima e Silva escravos. 1851-1852 - Guerra contra Oribe e
(futuro duque de Caxias), com a finalidade de Rosas (Guerra do Prata). 1864-1870 - Guerra
estabelecer calmaria às revoltas provinciais. do Paraguai. 1871 - Lei do Ventre Livre. 1885 -
A partir daí, a política interna do império bra- Lei Saraiva-Cotegipe (Lei dos Sexagenários).
sileiro viveu uma fase de relativa estabilidade, 1888 - 13 de maio, assinada a Lei Áurea, ex-
até 1870. A base da economia era a agricul- tinguindo a escravidão no Brasil.
tura cafeeira, desenvolvida a partir de 1830,
no Sudeste, inicialmente nos morros como o
da Tijuca e a seguir no vale do Paraíba flumi- Período Republicano
nense (província do Rio de Janeiro), avançan-
do para São Paulo (vale do Paraíba e oeste A partir de 1870, a monarquia brasileira
paulista). Até 1930, o ciclo do café constituiu enfrentou sucessivas crises (religiosa, militar
o principal gerador da riqueza brasileira. A e da abolição), que culminaram com o mo-
partir da década de 1850, graças aos empre- vimento militar, liderado pelo marechal De-
endimentos de Irineu Evangelista de Sousa, o odoro da Fonseca, que depôs o imperador
barão de Mauá, entre os quais se destaca a proclamando a república (15 de novembro de
construção da primeira estrada de ferro bra- 1889).
sileira. Ocorreu um primeiro surto de indus- República Veha: estendeu-se de 1889 até
trialização no país. A base social do império 1930. Marechal Deodoro instalou um gover-
era a escravidão. Desde o período colonial, no provisório, que convocou uma assembleia
os negros escravos constituíam a principal, constituinte para elaborar a primeira consti-
e quase exclusiva, mão-de-obra no Brasil. tuição republicana, promulgada em 1891. Os
As restrições ao tráfico negreiro começaram governos do marechal Deodoro, e, depois, do
por volta de 1830, por pressões da Inglater- marechal Floriano Peixoto foram plenos de
ra, então em plena revolução industrial. Fi- conflitos com o Legislativo e rebeliões, como
nalmente, em 1888, após intensa campanha as duas revoltas da Armada. Com a eleição
abolicionista, a chamada Lei Áurea declarava de Prudente de Morais, tem início a chamada
extinta a escravidão no país. Nesse período, “política do café com leite”, segundo a qual

33 Enem | Geografia e História


os presidentes da República seriam escolhi- -se a industrialização, inclusive com a fun-
dos dentre os representantes dos estados dação da Companhia Siderúrgica Nacional,
mais ricos e populosos - São Paulo e Minas foi estabelecida uma legislação trabalhista,
Gerais - prática que foi seguida, quase sem reorganizou-se o aparelho administrativo do
interrupções, até 1930. A economia agrário- Estado, com a criação de novos ministérios, e
-exportadora continuou dominante. O café cuidou-se da previdência social, entre outros
representava a principal riqueza brasileira, e melhoramentos.
os fazendeiros paulistas constituíam a oligar-
quia mais poderosa (República Oligárquica). Imagem
As classes médias eram pouco expressivas e
começava a existir um embrião de proleta-
riado. Por ocasião da primeira guerra mundial
(1914-1918), ocorreu um surto de industriali-
zação, em função da substituição de impor-
tações europeias por produtos fabricados no
Brasil.
A partir da década de 1920, o desconten-
tamento dos militares explodiu em uma série
de revoltas, destacando-se a marcha da co-
luna Prestes, entre 1924 e 1927, que percorreu
grande parte do Brasil. As oligarquias aliadas
do poder central também se mostravam in-
satisfeitas. Quando ocorreu a crise de 1929 −
iniciada com o crash da bolsa de Nova York
− com seus reflexos negativos sobre os preços
do café, a desorganização da economia, as di- Período Democrático: as eleições de 1945
vergências político-eleitorais das oligarquias apontaram o general Eurico Gaspar Du-
dominantes e as aspirações de mudança de tra como o novo presidente da República.
amplos setores da sociedade provocaram a Em seu governo, o Brasil ganhou uma nova
deflagração da revolução de 1930, que levou constituição, foi modernizada a estrada de
Getúlio Vargas ao poder. rodagem entre o Rio de Janeiro e São Paulo
Era Vargas: sob a chefia de Getúlio Vargas, (rodovia Presidente Dutra) e começou o apro-
foi instaurado um governo provisório que du- veitamento hidrelétrico da cachoeira de Pau-
rou até 1934. Embora vitorioso sobre a revo- lo Afonso. Nesse período, firmaram-se os três
lução constitucionalista de 1932, ocorrida em grandes partidos que tiveram importância na
São Paulo, Vargas viu-se obrigado a convocar vida política brasileira até a deflagração do
uma assembleia constituinte, que deu ao país movimento militar de 1964: o Partido Traba-
uma nova constituição (1934), de caráter libe- lhista Brasileiro (PTB), o Partido Social Demo-
ral. Em 1935, a Aliança Nacional Libertadora crático (PSD) e a União Democrática Nacional
(ANL) promoveu uma revolta militar, conhe- (UDN). O Partido Comunista Brasileiro (PCB)
cida como intentona comunista. Aproveitan- foi posto na ilegalidade e Getúlio cometeu
do-se de uma conjuntura favorável, Vargas suicídio. A eleição de Juscelino Kubitschek
deu um golpe de estado, em 1937, fechando (PSD), inaugurou a era do desenvolvimen-
o Congresso e estabelecendo uma ditadura tismo. Durante seu governo, orientado pelo
de cunho corporativo-fascista, denominada Plano de Metas, construiu-se a nova capital
Estado Novo, regida por uma carta outorga- (Brasília, 1960); foram abertas numerosas es-
da, de caráter autoritário. Vargas governou tradas, ligando a capital às diversas regiões
até 1945, quando foi deposto por novo gol- do país (Belém-Brasília); implantou-se a in-
pe militar. Durante seu governo, incentivou- dústria automobilística; e foi impulsionada a

EdiCase Publicações 34
construção das grandes usinas hidrelétricas Em seguida à anistia, veio o fim do bipartida-
de Três Marias e Furnas. A sucessão presi- rismo, e foram criados vários partidos políti-
dencial coube a Jânio Quadros, apoiado pela cos. No final da década de 1970, o movimen-
UDN, que, após sete meses de governo, re- to popular e sindical tomou um novo alento,
nunciou. A subida de João Goulart ao poder o que levaria, nos primeiros anos da década
contrariou as classes conservadoras e altos seguinte, ao movimento das “diretas já”, que,
chefes militares. No início de seu governo, o embora não fosse vitorioso, permitiu em 1985
Brasil viveu uma curta experiência parlamen- a eleição indireta pelo Congresso de Tancredo
tarista, solução encontrada para dar posse a Neves, do Partido do Movimento Democrá-
Goulart. Foi um período marcado por greves e tico Brasileiro (PMDB), para a presidência da
intensa agitação sindical. O presidente termi- República. Com a morte de Tancredo, na vés-
nou sendo deposto pelos militares, com apoio pera da posse, assumiu seu vice-presidente,
da classe média, em 1964. José Sarney.
Ditadura Militar: os governos militares Nova República: o governo Sarney teve
preocuparam-se sobretudo com a segurança como fato econômico mais importante a im-
nacional. Editaram vários atos institucionais e plantação do Plano Cruzado, com vistas a
complementares, promovendo modificações combater a inflação pelo congelamento de
no funcionamento do Congresso e tomando preços e da troca da moeda. O fato político
medidas de caráter econômico, financeiro e marcante do período foi a eleição de uma
político. Os partidos políticos tradicionais fo- assembleia nacional constituinte, que em
ram extintos, e criadas duas novas agremia- 1988 deu ao Brasil uma nova constituição. O
ções políticas, a Aliança Renovadora Nacional fracasso do plano econômico e a corrupção
(Arena) e o Movimento Democrático Brasilei- generalizada contribuíram para polarizar as
ro (MDB).Com o crescimento da agitação es- preferências eleitorais em 1989 em torno das
tudantil e operária, foi editado o Ato Institu- candidaturas de Fernando Collor de Mello,
cional nº 5, que fechou o Congresso )proibia apoiado por poderosas forças políticas, e Luís
manifestações políticas e vetava o "habeas Inácio Lula da Silva, do Partido dos Trabalha-
corpus"). O Ato Institucional nº 1 (1964) deu ao dores. A vitória de Fernando Collor provocou
governo o poder de alterar a Constituição. Em uma euforia momentânea, logo dissipada
1967, promulgou-se nova constituição, que pelo fracasso dos sucessivos planos econômi-
estabeleceu um poder executivo forte. No cos e pelas denúncias de corrupção que atin-
campo do desenvolvimento econômico, as giam figuras próximas ao presidente. Depois
atenções dos governantes e dos tecnocratas de intensa movimentação popular, Collor foi
voltaram-se prioritariamente para o com- afastado do governo, em 1992, pelo processo
bate à inflação, que atingira níveis alarman- de impeachment, conduzido pelo Congresso
tes; para a construção de obras de infra-es- Nacional. Itamar Franco, sucessor de Fer-
trutura, sobretudo nas áreas de transportes nando Collor, contou com apoio parlamen-
- como a rodovia Transamazônica e a ponte tar e popular. Seus objetivos principais eram
Rio-Niterói (oficialmente, ponte Presiden- combater a inflação, retomar o crescimento
te Costa e Silva) - de comunicações - com a econômico e diminuir a pobreza do povo bra-
implantação do sistema de comunicação por sileiro. O sucesso das medidas econômicas
satélite - e de energia, com a construção da permitiu a eleição do criador do Plano Real,
usina hidrelétrica de Itaipu - por meio de um Fernando Henrique Cardoso, que conquistou
convênio com o Paraguai - e com acordo da a Presidência da República, e foi presidente
Alemanha para a construção de usinas nu- por dois mandatos, de 1995 a 2002. Em outu-
cleares. O governo Geisel iniciou um proces- bro de 2002, Luiz Inácio Lula da Silva é eleito
so de abertura democrática, lenta e gradual, Presidente do Brasil e, em outubro de 2006 é
desembocando na anistia política, que per- reeleito. Em outubro de 2010, Dilma Rousse-
mitiu a volta ao país de numerosos exilados. ff foi eleita presidente do Brasil, cargo a ser

35 Enem | Geografia e História


ocupado pela primeira vez na história do país tucionalista. 1935 - Intentona Comunista por
por uma mulher. Em 2014 Dilma é reeleita Carlos Prestes. 1937-1945 - Estado Novo. 1942
mas enfrenta descontentamento da popula- - Brasil na 2ª Guerra Mundial contra a Alema-
ção e denúncias de corrupção generalizada. nha e a Itália. 1946 - Posse do general Euri-
2016 - Impeachment de Dilma, o vice - Mi- co Gaspar Dutra, após a renúncia de Vargas.
chel Temer - assume a presidência. Em 2018 1946-1951 - O Plano Salte. 1951-1954 - O na-
é eleito Jair Bolsonaro, interrompendo 16 anos cionalismo econômico: criação da Petrobrás e
de PT no poder. Com pouco tempo de campa- do Banco Nacional de Desenvolvimento Eco-
nha e com discurso polêmico de "defensor da nômico (BNDE). 1955 - Juscelino Kubitschek é
Constituição, da democracia e da liberdade", o eleito presidente. 1956-1961 - Plano de Me-
atual presidente tem como meta o combate à tas. 1961 - Jânio Quadros assume a Presidên-
corrupção e retomar a economia do país com cia, renuncia oito meses depois, assumindo o
reformas liberais. vice, João Goulart. O Congresso é fechado e
é decretado o AI-5, que suspende os direitos
Imagem políticos e cassa mandatos. 1969 - general
Emílio Garrastazu Médici assume a presidên-
cia. A ditadura militar atinge o período mais
duro: censura, prisões, torturas, mortes e de-
saparecimentos. 1974 - Assume a Presidência
o general Ernesto Geisel. Início da abertura
política. 1984 - O movimento popular Diretas
Já promove comícios por todo o país. 1985-
Tancredo Neves é eleito pelo Colégio Eleitoral
(eleição indireta) mas morre antes de assumir,
José Sarney (vice de Tancredo) assume a Pre-
sidência. Restabelecida a eleição direta para a
Presidência da República e a legalização dos
partidos políticos. 1986 - Plano Cruzado, com
a criação da nova moeda nacional: o cruza-
do (Cz$). 1989 - Fernando Collor de Mello é
eleito presidente da República. 1992 - Im-
peachment Collor assumindo Itamar Franco.
1994 - Estabilização econômica: contenção
dos gastos públicos e abertura às importa-
Eventos importantes: 1889 - 15 de no- ções. Lançamento do Plano Real, pelo então
vembro, Proclamação da república e bani- ministro da Fazenda, Fernando Henrique Car-
mento da família imperial brasileira. 1893- doso. 1995 - Assume a Presidência Fernando
1895 - Revolta Federalista no Rio Grande Henrique Cardoso, eleito por maioria no pri-
do Sul e Segunda Revolta da Armada. 1894 meiro turno da eleição do ano anterior. Priva-
- Eleito Prudente de Morais, primeiro presi- tização das estatais e abertura da economia
dente civil do Brasil. 1898 - funding loan, Re- ao capital estrangeiro. 1998 - Reeleição de
pública das Oligarquias (Café com Leite). 1922 Fernando Henrique Cardoso. 2003 - Assume
- Revolta dos "18 do Forte” de Copacabana. a Presidência Luiz Inácio Lula da Silva. Os dois
1924-1927 - Coluna Prestes. 1930-1945 - Era primeiros anos do governo Lula foram mar-
Vargas: nacionalismo econômico, trabalhis- cados pela busca da governabilidade e, os
mo, substituição de importações e fomento à dois últimos, por instabilidade política gerada
indústria de base. 1932 - Novo Código Eleito- por denúncias de corrupção que atingiram os
ral institui o voto secreto e estende o direito principais nomes do governo e do Partido dos
de voto para as mulheres. Revolução Consti- Trabalhadores.

EdiCase Publicações 36
Questões
01 - ENEM 2018 QUESTÃO 46 Resp: C ou em outro lugar. A militarização do Hospital
de Jerusalém não diminuiu a vocação caritativa
No Segundo Congresso Internacional de Ci- primitiva, mas a fortaleceu.
ências Geográficas, em 1875, a que comparece- DEMURGER, A. Os Cavaleiros de Cristo.
Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2002 (adaptado).
ram o presidente da República, o governador
de Paris e o presidente da Assembleia, o discur- O acontecimento descrito vincula-se ao fe-
so inaugural do almirante La Roucière-Le Nou- nômeno ocidental do(a)
ry expôs a atitude predominante no encontro:
“Cavalheiros, a Providência nos ditou a obriga- A - surgimento do monasticismo guerreiro,
ção de conhecer e conquistar a terra. Essa ordem ocasionado pelas cruzadas.
suprema é um dos deveres imperiosos inscritos B - descentralização do poder eclesiástico,
em nossas inteligências e nossas atividades. produzida pelo feudalismo.
A geografia, essa ciência que inspira tão bela C - alastramento da peste bubônica, provo-
devoção e em cujo nome foram sacrificadas cado pela expansão comercial.
tantas vítimas, tornou-se a filosofia da terra". D - Afirmação da fraternidade mendicante,
SAID, E. Cultura e política. São Paulo: Cia. das Letras, 1995. estimulada pela reforma espiritual.
No contexto histórico apresentado, a exal- E - criação das faculdades de medicina, pro-
tação da ciência geográfica decorre do seu uso movida pelo renascimento urbano.
para o(a)
03 - ENEM 2018 QUESTÃO 48 Resp: C
A - preservação cultural dos territórios ocu-
pados. A tribo não possui um rei, mas um chefe que
B - formação humanitária da sociedade eu- não é chefe de Estado. O que significa isso? Sim-
ropeia. plesmente que o chefe não dispõe de nenhuma
C - catalogação de dados úteis aos propósitos autoridade, de nenhum poder de coerção, de
colonialistas. nenhum meio de dar uma ordem. O chefe não
D - desenvolvimento de técnicas matemáti- é um comandante, as pessoas da tribo não têm
cas de construção de cartas. nenhum dever de obediência. O espaço da che-
E - consolidação do conhecimento topográfi- fia não é o lugar de poder.
co como campo acadêmico. Essencialmente encarregado de eliminar
conflitos que podem surgir entre indivíduos, fa-
02 - ENEM 2018 QUESTÃO 47 Resp: A mílias e linhagens, o chefe só dispõe, para res-
tabelecer a ordem e a concórdia, do prestígio
A existência em Jerusalém de um hospital que lhe reconhece a sociedade. Mas evidente-
voltado para o alojamento e o cuidado dos pe- mente prestígio não significa poder, e os meios
regrinos, assim como daqueles entre eles que que o chefe detém para realizar sua tarefa de
estavam cansados ou doentes, fortaleceu o elo pacificador limitam-se ao uso exclusivo da pa-
entre a obra de assistência e de caridade e a lavra.
Terra Santa. Ao fazer, em 1113, do Hospital de Je- CLASTRES, P. A sociedade contra o Estado.
Rio de Janeiro: Francisco Alves, 1982 (adaptado).
rusalém um estabelecimento central da ordem,
Pascoal II estimulava a filiação dos hospitalá- O modelo político das sociedades discuti-
rios do Ocidente a ele, sobretudo daqueles que das no texto contrasta com o do Estado liberal
estavam ligados à peregrinação na Terra Santa burguês porque se baseia em:

Enem
em | Geografia
em Geo
ograf
g ia e História
Históri
t a
37
7
A - Imposição ideológica e normas hierárqui- o que existe na realidade e no pensamento é
cas. maior do que o que existe apenas no pensa-
B - Determinação divina e soberania monár- mento. Donde se segue que o objeto designado
quica. pela palavra “Deus”, que existe no pensamen-
C - Intervenção consensual e autonomia co- to, desde que se entenda essa palavra, também
munitária. existe na realidade. Por conseguinte, a existên-
D - Mediação jurídica e regras contratualistas. cia de Deus é evidente.
E - Gestão coletiva e obrigações tributárias. TOMÁS DE AQUINO. Suma teológica. Rio de Janeiro: Loyola, 2002.

O texto apresenta uma elaboração teórica


04 - ENEM 2018 QUESTÃO 49 Resp: D de Tomás de Aquino caracterizada por

O filósofo reconhece-se pela posse inse- A - reiterar a ortodoxia religiosa contra os he-
parável do gosto da evidência e do sentido da réticos.
ambiguidade. Quando se limita a suportar a B - sustentar racionalmente doutrina alicer-
ambiguidade, esta se chama equívoco. Sempre çada na fé.
aconteceu que, mesmo aqueles que pretende- C - explicar as virtudes teologais pela de-
ram construir uma filosofia absolutamente po- monstração.
sitiva, só conseguiram ser filósofos na medida D - flexibilizar a interpretação oficial dos tex-
em que, simultaneamente, se recusaram o direi- tos sagrados.
to de se instalar no saber absoluto. O que carac- E - justificar pragmaticamente crença livre de
teriza o filósofo é o movimento que leva inces- dogmas.
santemente do saber à ignorância, da ignorância
ao saber, e um certo repouso neste movimento. 06 - ENEM 2018 QUESTÃO 50 Resp: D
MERLEAU-PONTY, M. Elogio da filosofia.
Lisboa: Guimarães, 1998 (adaptado).
Figura 1
O texto apresenta um entendimento acerca
dos elementos constitutivos da atividade do
filósofo, que se caracteriza por

A - reunir os antagonismos das opiniões ao


método dialético.
B - ajustar a clareza do conhecimento ao ina-
tismo das ideias.
C - associar a certeza do intelecto à imutabili-
dade da verdade. Disponível em: www.thehenryford.org. Acesso em: 3 maio 2018.
D - conciliar o rigor da investigação à inquie-
tude do questionamento. Figura 2
E - compatibilizar as estruturas do pensa-
mento aos princípios fundamentais.

05 - ENEM 2018 QUESTÃO 51 Resp: B

Desde que tenhamos compreendido o sig-


nificado da palavra “Deus”, sabemos, de ime-
diato, que Deus existe. Com efeito, essa palavra
designa uma coisa de tal ordem que não po-
demos conceber nada que lhe seja maior. Ora, Disponível em: www.abc.net.au. Acesso em: 3 maio 2018.

EdiCase Publicações 38
Esse ônibus relaciona-se ao ato praticado, C - tradição epistemológica.
em 1955, por Rosa Parks, apresentada em foto- D - condição original.
grafia ao lado de Martin Luther King. O veículo E - vocação política.
alcançou o estatuto de obra museológica por
simbolizar o(a) 08 - ENEM 2018 QUESTÃO 53 Resp: D

A - impacto do medo da corrida armamentista. Foi-se o tempo em que era possível mostrar
B - democratização do acesso à escola pública. um mundo econômico organizado em camadas
C - preconceito de gênero no transporte co- bem difinidas, onde grandes centros urbanos se
letivo. ligavam, por si próprios, a economias adjacen-
D - deflagração do movimento por igualdade tes “lentas”, com o ritmo muito mais rápido do
civil. comércio e das finanças de longo alcance. Hoje
E - eclosão da rebeldia no comportamento tudo ocorre como se essas camadas sobrepos-
juvenil. tas estivessem mescladas e interpermeadas.
Interdependências de curto e longo alcance não
07 - ENEM 2018 QUESTÃO 52 Resp: D podem mais ser separadas umas das outras.
BRENNER, N. A globalização como reterritorialização.
Cadernos Metrópole, n. 24, jul.-dez. 2010 (adaptado).
TEXTO I
A maior complexidade dos espaços urbanos
Tudo aquilo que é válido para um tempo de contemporâneos ressaltada no texto explica-
guerra, em que todo homem é inimigo de todo -se pela
homem, é válido também para o tempo duran-
te o qual os homens vivem sem outra seguran- A - expansão de áreas metropolitanas.
ça senão a que lhes pode ser oferecida por sua B - emancipação de novos municípios.
própria força e invenção. C - consolidação de domínios jurídicos.
HOBBES, T. Leviatã. São Paulo: Abril Cultural, 1983. D - articulação de redes multiescalares.
E - redefinição de regiões administrativas.
TEXTO II
09 - ENEM 2018 QUESTÃO 54 Resp: E
Não vamos concluir, com Hobbes que, por
TEXTO I
não ter nenhuma ideia de bondade, o homem
seja naturalmente mau. Esse autor deveria di-
zer que, sendo o estado de natureza aquele em E pois que em outra cousa nesta parte me
que o cuidado de nossa conservação é menos não posso vingar do demônio, admoesto da
prejudicial à dos outros, esse estado era, por parte da cruz de Cristo Jesus a todos que este
conseguinte, o mais próprio à paz e o mais con- lugar lerem, que deem a esta terra o nome que
veniente ao gênero humano. com tanta solenidade lhe foi posto, sob pena
ROUSSEAU, J.-J. Discurso sobre a origem e o de a mesma cruz que nos há de ser mostrada
fundamento da desigualdade entre os homens. no dia final, os acusar de mais devotos do pau-
São Paulo: Martins Fontes, 1993 (adaptado).
-brasil que dela.
Os trechos apresentam divergências concei- BARROS, J. In: SOUZA, L. M. Inferno atlântico: demonologia e
colonização: séculos XVI-XVIII. São Paulo: Cia. das Letras, 1993.
tuais entre autores que sustentam um enten-
dimento segundo o qual a igualdade entre os
homens se dá em razão de uma TEXTO II

A -predisposição ao conhecimento. E deste modo se hão os povoadores, os


B - submissão ao transcendente. quais, por mais arraigados que na terra estejam

Enem | Geografia e História


39
e mais ricos que sejam, tudo pretendem levar a 11 - ENEM 2018 QUESTÃO 56 Resp: C
Portugal, e, se as fazendas e bens que possuem
souberam falar, também lhes houveram de en- Anamorfose é a transformação cartográfica
sinar a dizer como os papagaios, aos quais a pri- espacial em que a forma dos objetos é distorci-
meira coisa que ensinam é: papagaio real para da, de forma a realçar o tema. A área das uni-
Portugal, porque tudo querem para lá. dades espaciais às quais o tema se refere é alte-
SALVADOR, F. V. In: SOUZA, L. M. (Org.). História da vida privada rada de forma proporcional ao respectivo valor.
no Brasil: cotidiano e vida privada na América portuguesa.
GASPAR, A. J. Dicionário de ciências cartográficas.
São Paulo: Cia. das Letras, 1997.
Lisboa: Lidel, 2004.
As críticas desses cronistas ao processo de A técnica descrita foi aplicada na seguinte
colonização portuguesa na América estavam forma de representação do espaço:
relacionadas à
A-
A - utilização do trabalho escravo.
B - implantação de polos urbanos.
C - devastação de áreas naturais.
D - ocupação de terras indígenas.
E - expropriação de riquezas locais. B-

10 - ENEM 2018 QUESTÃO 55 Resp: C

Os soviéticos tinham chegado a Cuba muito


cedo na década de 1960, esgueirando-se pela C-
fresta aberta pela imediata hostilidade norte-
-americana em relação ao processo social re-
volucionário. Durante três décadas os sovié-
ticos mantiveram sua presença em Cuba com
bases e ajuda militar, mas, sobretudo, com todo
o apoio econômico que, como saberíamos anos
mais tarde, mantinha o país à tona, embora nos
deixasse em dívida com os irmãos soviéticos – D-
e depois com seus herdeiros russos – por cifras
que chegavam a US$ 32 bilhões. Ou seja, o que
era oferecido em nome da solidariedade socia-
lista tinha um preço definido.
PADURA, L. Cuba e os russos. E-
Folha de São Paulo, 19 jul. 2014 (adaptado).

O texto indica que durante a Guerra Fria as


relações internas em um mesmo bloco foram
marcadas pelo(a) 12 - ENEM 2018 QUESTÃO 57 Resp: E

A - busca da neutralidade política. A poetisa Emília Freitas subiu a um palan-


B - estímulo à competição comercial. que, nervosa, pedindo desculpas por não pos-
C - subordinação à potência hegemônica. suir títulos nem conhecimentos, mas orgulhosa
D - elasticidade das fronteiras geográficas. ofereceu a sua pena que “sem ser hábil, é, em
E - compartilhamento de pesquisas científi- compensação, guiada pelo poder da vonta-
cas. de”. Maria Tomásia pronunciava orações que

EdiCase Publicações 40
levantavam os ouvintes. A escritora Francisca E - incrementar o processo de desestatização
Clotilde arrebatava, declamando seus poemas. para diminuir a pressão da opinião pública.
Aquelas “angélicas senhoras”, “heroínas da
caridade”, levantavam dinheiro para comprar 14 - ENEM 2018 QUESTÃO 59 Resp: E
liberdades e usavam de seu entusiasmo a fim
de convencer os donos de escravos a fazerem A rebelião luso-brasileira em Pernambuco
alforrias gratuitamente. começou a ser urdida em 1644 e explodiu em
MIRANDA, A. Disponível em: www.opovoonline.com.br. 13 de junho de 1645, dia de Santo Antônio. Uma
Acesso em: 10 jun. 2015.
das primeiras medidas de João Fernandes foi
As práticas culturais narradas remetem, his- decretar nulas as dívidas que os rebeldes ti-
toricamente, ao movimento nham com os holandeses. Houve grande ade-
são da “nobreza da terra”, entusiasmada com
A - feminista. esta proclamação heroica.
B - sufragista. VAINFAS, R. Guerra declarada e paz fingida na
restauração portuguesa. Tempo, n. 27, 2009.
C - socialista.
D - republicano. O desencadeamento dessa revolta na Amé-
E - abolicionista. rica portuguesa seiscentista foi o resultado
do(a)
13 - ENEM 2018 QUESTÃO 58 Resp: D
A - fraqueza bélica dos protestantes batavos.
B - comércio transatlântico da África ociden-
A democracia que eles pretendem é a demo-
tal.
cracia dos privilégios, a democracia da intole-
C - auxílio financeiro dos negociantes fla-
rância e do ódio. A democracia que eles querem
mengos.
é para liquidar com a Petrobras, é a democracia
D - diplomacia internacional dos Estados ibé-
dos monopólios, nacionais e internacionais, a
ricos.
democracia que pudesse lutar contra o povo.
E - interesse econômico dos senhores de en-
Ainda ontem eu afirmava que a democracia ja-
genho.
mais poderia ser ameaçada pelo povo, quando
o povo livremente vem para as praças – as pra-
ças que são do povo. Para as ruas – que são do 15 - ENEM 2018 QUESTÃO 60 Resp: E
povo.
Disponível em: www.revistadehistoria.com.br/secao/artigos/ Em Beirute, no Líbano, quando perguntado
discurso-de-joao-goulart-no-comicio-da-central. sobre onde se encontram os refugiados sírios,
Acesso em: 29 out. 2015.
a resposta do homem é imediata: “em todos os
Em um momento de radicalização política, a lugares e em lugar nenhum”. Andando ao aca-
retórica no discurso do presidente João Goulart, so, não é raro ver, sob um prédio ou num canto
proferido no comício da Central do Brasil, bus- de calçada, ao abrigo do vento, uma família re-
cava justificar a necessidade de fugiada em volta de uma refeição frugal pos-
ta sobre jornais como se fossem guardanapos.
A - conter a abertura econômica para conse- Também se vê de vez em quando uma tenda
guir a adesão das elites. com a sigla ACNUR (Alto Comissariado das Na-
B - impedir a ingerência externa para garantir ções Unidas para Refugiados), erguida em um
a conservação de direitos. dos raros terrenos vagos da capital.
C - regulamentar os meios de comunicação JABER, H. Quem realmente acolhe os refugiados?
Le Monde Diplomatique Brasil, out. 2015 (adaptado).
para coibir os partidos de oposição.
D - aprovar os projetos reformistas para aten- O cenário descrito aponta para uma crise
der a mobilização de setores trabalhistas. humanitária que é explicada pelo processo de

Enem | Geografia e História


41
A - migração massiva de pessoas atingidas 17 - ENEM 2018 QUESTÃO 62 Resp: B
por catástrofe natural.
B - hibridização cultural de grupos caracteri- A situação demográfica de Israel é muito par-
zados por homogeneidade social. ticular. Desde 1967, a esquerda sionista afirma
C - desmobilização voluntária de militantes que Israel deveria se desfazer rapidamente da
cooptados por seitas extremistas. Cisjordânia e da Faixa de Gaza, argumentando
D - peregrinação religiosa de fiéis orientados a partir de uma lógica demográfica aparente-
por lideranças fundamentalistas. mente inexorável. Devido à taxa de nascimento
E - desterritorialização forçada de popula- árabe ser muito mais elevada, a anexação dos
ções afetadas por conflitos armados. territórios palestinos, formal ou informal, acar-
retaria dentro de uma ou duas gerações uma
16 - ENEM 2018 QUESTÃO 61 Resp: E maioria árabe “entre o rio e o mar”.
DEMANT, P. Israel: a crise próxima. História, n. 2, jul.-dez. 2014.

TEXTO I A preocupação apresentada no texto revela


um aspecto da condução política desse Estado
Programa do Partido Social Democrático identificado ao(à)
(PSD)
Capitais estrangeiros A - abdicação da interferência militar em con-
É indispensável manter clima propício à en- flito local.
trada de capitais estrangeiros. A manutenção B - busca da preeminência étnica sobre o es-
desse clima recomenda a adoção de normas paço nacional.
disciplinadoras dos investimentos e suas ren- C - admissão da participação proativa em
das, visando reter no país a maior parcela pos- blocos regionais.
sível dos lucros auferidos. D - rompimento com os interesses geopolíti-
cos das potências globais.
TEXTO II E - compromisso com as resoluções emana-
das dos organismos internacionais.
Programa da União Democrática Nacional
(UDN) 18 - ENEM 2018 QUESTÃO 63 Resp: C
O capital
Apelar para o capital estrangeiro, necessário Trajetória de ciclones tropicais
para os empreendimentos da reconstrução na-
cional e, sobretudo, para o aproveitamento das Imagem
nossas reservas inexploradas, dando-lhe um
tratamento equitativo e liberdade para a saída
dos juros.
CHACON, V. História dos partidos brasileiros: discurso e práxis dos
seus programas. Brasília: UnB, 1981 (adaptado).

Considerando as décadas de 1950 e 1960 no


Brasil, os trechos dos programas do PSD e
UDN convergiam na defesa da

A - autonomia de atuação das multinacionais. Disponível em: http://globalwarmingart.com.


Acesso em: 12 jul. 2015 (adaptado).
B - descentralização da cobrança tributária.
C - flexibilização das reservas de ganhos. Qual característica do meio físico é condição
D - liberdade de remessa de ganhos. necessária para a distribuição espacial do fenô-
E - captação de recursos do exterior. meno representado?

EdiCase Publicações 42
A - Cobertura vegetal com porte arbóreo. um conjunto de fatores que vão desde a sua lo-
B - Barreiras orográficas com altitudes elevadas. calização privilegiada frente a extensas hinter-
C - Pressão atmosférica com diferença acen- lândias, passando por sua conectividade com
tuada. modernas redes de transportes que garantam
D - Superfície continental com refletividade acessibilidade, associados, no atual momento,
intensa. à tecnologia, que os transformam em pontas de
E - Correntes marinhas com direções conver- lança de uma economia globalizada que com-
gentes. prime o tempo em nome da produtividade e da
competitividade.
19 - ENEM 2018 QUESTÃO 64 Resp: E ROCHA NETO, J. M.; CRAVIDÃO, F. D. Portos no contexto do meio
técnico. Mercator, n. 2, maio-ago. 2014 (adaptado).

Outra importante manifestação das crenças Uma mudança que permitiu aos portos ade-
e tradições africanas na Colônia eram os obje- quarem-se às novas necessidades comerciais
tos conhecidos como “bolsas de mandinga”. A apontadas no texto foi a
insegurança tanto física como espiritual gerava
uma necessidade generalizada de proteção: das A - intensificação do uso de contêineres.
catástrofes da natureza, das doenças, da má B - compactação das áreas de estocagem.
sorte, da violência dos núcleos urbanos, dos rou- C - burocratização dos serviços de alfândega.
bos, das brigas, dos malefícios de feiticeiros etc. D - redução da profundidade dos atracadouros.
Também para trazer sorte, dinheiro e até atrair E - superação da especialização dos cargueiros.
mulheres, o costume era corrente nas primeiras
décadas do século XVIII, envolvendo não apenas 21 - ENEM 2017 QUESTÃO 46 Resp: C
escravos, mas também homens brancos.
CALAINHO, D. B. Feitiços e feiticeiros. In: FIGUEIREDO, L. História
do Brasil para ocupados. Rio de Janeiro: Casa da Palavra, 2013
No império africano do Mali, no século XIV,
(adaptado). Tombuctu foi centro de um comércio interna-
cional onde tudo era negociado — sal, escravos,
marfim etc. Havia também um grande comér-
A prática histórico-cultural de matriz africa- cio de livros de história, medicina, astronomia
na descrita no texto representava um(a) e matemática, além de grande concentração
de estudantes. A importância cultural de Tom-
A - expressão do valor das festividades da po- buctu pode ser percebida por meio de um velho
pulação pobre. provérbio: “O sal vem do norte, o ouro vem do
B - ferramenta para submeter os cativos ao sul, mas as palavras de Deus e os tesouros da
trabalho forçado. sabedoria vêm de Tombuctu”.
C - estratégia de subversão do poder da mo- ASSUMPÇÃO, J. E. África: uma história a ser reescrita. In: MACEDO,
narquia portuguesa. J. R. (Org.). Desvendando a história da África.
Porto Alegre: UFRGS, 2008 (adaptado).
D - elemento de conversão dos escravos ao
catolicismo romano. Uma explicação para o dinamismo dessa
E - instrumento para minimizar o sentimento cidade e sua importância histórica no período
de desamparo social. mencionado era o(a)

20 - ENEM 2018 QUESTÃO 65 Resp: A A - isolamento geográfico do Saara ocidental.


B - exploração intensiva de recursos naturais.
Os portos sempre foram respostas ao co- C - posição relativa nas redes de circulação.
mércio praticado em grande volume, que se D - tráfico transatlântico de mão de obra servil.
dá via marítima, lacustre e fluvial e sofreram E - competição econômica dos reinos da re-
adaptações, ou modernizações, de acordo com gião.

Enem | Geografia e História


43
22 - ENEM 2017 QUESTÃO 47 Resp: D B - convenção social de orientação normativa.
C - transgressão comportamental religiosa.
Após a Declaração Universal dos Direitos D - racionalidade de caráter pragmático.
Humanos pela ONU, em 1948, a Unesco publi- E - inclinação de natureza passional.
cou estudos de cientistas de todo o mundo que
desqualificaram as doutrinas racistas de todo o 24 - ENEM 2017 QUESTÃO 49 Resp: E
a unidade do gênero humano. Desde então, a
maioria dos próprios cientistas europeus pas- Fala-se muito nos dias de hoje em direitos
sou a reconhecer o caráter discriminatório da do homem. Pois bem: foi no século XVIII — em
pretensa superioridade racial do homem bran- 1789, precisamente — que uma Assembleia
co e a condenar as aberrações cometidas em Constituinte produziu e proclamou em Paris a
seu nome. Declaração dos Direitos do Homem e do Cida-
SILVEIRA, R. Os selvagens e a massa: papel do racismo científico dão. Essa Declaração se impôs como necessá-
na montagem da hegemonia ocidental.
Afro-Ásia, n. 23, 1999 (adaptado). ria para um grupo de revolucionários, por ter
sido preparada por uma mudança no plano das
A posição assumida pela Unesco, a partir de ideias e das mentalidades: o Iluminismo.
1948, foi motivada por acontecimentos então FORTES, L. R. S. O iluminismo e os reis filósofos. São Paulo: Brasi-
recentes, dentre os quais se destacava o(a) liense, 1981 (adaptado).

Correlacionando temporalidades históricas,


A - ataque feito pelos japoneses à base militar o texto apresenta uma concepção de pensa-
americana de Pearl Harbor. mento que tem como uma de suas bases a
B - desencadeamento da Guerra Fria e de no-
vas rivalidades entre nações. A - modernização da educação escolar.
C - morte de milhões de soldados nos comba- B - atualização da disciplina moral cristã.
tes da Segunda Guerra Mundial. C - divulgação de costumes aristocráticos.
D - execução de judeus e eslavos presos em D - socialização do conhecimento científico.
guetos e campos de concentração nazistas. E - universalização do princípio da igualdade
E - lançamento de bombas atômicas em Hi- civil.
roshima e Nagasaki pelas forças norte-ame-
ricanas. 25 - ENEM 2017 QUESTÃO 50 Resp: C

23 - ENEM 2017 QUESTÃO 48 Resp: D Art. 231. São reconhecidos aos índios sua or-
ganização social, costumes, línguas, crenças e
A moralidade, Bentham exortava, não é uma tradições, e os direitos originários sobre as ter-
questão de agradar a Deus, muito menos de fi- ras que tradicionalmente ocupam, competindo
delidade a regras abstratas. A moralidade é a à União demarcá-las, proteger e fazer respeitar
tentativa de criar a maior quantidade de felicida- todos os seus bens.
de possível neste mundo. Ao decidir o que fazer, BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil de 1988.
deveríamos, portanto, perguntar qual curso de Disponível em: www.planalto.gov.br. Acesso em: 27 abr. 2017.

conduta promoveria a maior quantidade de fe- A persistência das reivindicações relativas


licidade para todos aqueles que serão afetados. à aplicação desse preceito normativo tem em
RACHELS, J. Os elementos da filosofia moral. vista a vinculação histórica fundamental entre
Barueri-SP: Manole, 2006.

Os parâmetros da ação indicados no texto A - etnia e miscigenação racial.


estão em conformidade com uma B - sociedade e igualdade jurídica.
C - espaço e sobrevivência cultural.
A - fundamentação científica de viés positi- D - progresso e educação ambiental.
vista. E - bem-estar e modernização econômica.

EdiCase Publicações 44
26 - ENEM 2017 QUESTÃO 51 Resp: A 27 - ENEM 2017 QUESTÃO 54 Resp: E

Imagem % de chuva
Tipologia de área retida no
escoada
local
Bacias naturais/flo-
80 a 100 0 a 20
restas
Bacias com ocupação
40 a 60 40 a 60
agrícola/cultivos
Bacias com ocupação
40 a 50 50 a 60
residencial
Bacias com ocupação
0 a 10 90 a 100
urbana pesada
MACHADO, P. J. O.; TORRES, F. T. P. Introdução à hidrogeografia.
São Paulo: Cengage Learning, 2012 (adaptado).

A leitura dos dados revela que as áreas com


maior cobertura vegetal têm o petencial de in-
tensificar o processo de

A - erosão laminar.
B - intemperismo físico.
Fotografia de Augusto Gomes Leal e da ama C - enchente nas cidades.
de leite Mônica, cartão de visita de 1860. D - compactação do solo.
KOUTSOUKOS, S. S. M. Amas mercenárias: o discurso dos douto-
res em medicina e os retratos de amas - Brasil, segunda metade E - recarga dos aquíferos.
do século XIX. História, Ciência, Saúde-Manguinhos, 2009. Dispo-
nível em: http://dx.doi.org. Acesso em: 8 maio 2013.
28 - ENEM 2017 QUESTÃO 55 Resp: A
A fotografia, datada de 1860, é um indício da
cultura escravista no Brasil, ao expressar a O desgaste acelerado sempre existirá se o
agricultor não tiver o devido cuidado de comba-
A - ambiguidade do trabalho doméstico exer- ter as causas, relacionadas a vários processos,
cido pela ama de leite, desenvolvendo uma tais como: empobrecimento químico e lixiviação
relação de proximidade e subordinação em provocados pelo esgotamento causado pelas
relação aos senhores. colheitas e pela lavagem vertical de nutrientes
B - integração dos escravos aos valores das da água que se infiltra no solo, bem como pela
classes médias, cultivando a família como pi- retirada de elementos nutritivos com as colhei-
lar da sociedade imperial. tas. Os nutrientes retirados, quando não repos-
C - melhoria das condições de vida dos escra- tos, são comumente substituídos por elementos
vos observada pela roupa luxuosa, associan- tóxicos, como, por exemplo, o alumínio.
do o trabalho doméstico a privilégios para os LEPSCH, I. Formação e conservação dos solos. São Paulo: Oficina
de Textos, 2002 (adaptado).
cativos.
D - esfera da vida privada, centralizando a fi- A dinâmica ambiental exemplificada no tex-
gura feminina para afirmar o trabalho da mu- to gera a seguinte consequência para o solo
lher na educação letrada dos infantes. agricultável:
E - distinção étnica entre senhores e escravos,
demarcando a convivência entre estratos so- A - Elevação da acidez.
ciais como meio para superar a mestiçagem. B - Ampliação da salinidade.

Enem | Geografia e História


45
C - Formação de voçorocas. Nesse contexto, o fenômeno descrito tem
D - Remoção da camada superior. como um de seus resultados a
E - Intensificação do escoamento superficial.
A - saturação do setor secundário.
29 - ENEM 2017 QUESTÃO 56 Resp: B B - ampliação dos direitos laborais.
C - bipolarização do poder geopolítico.
Os maiores consumidores da infraestrutura D - consolidação do domínio tecnológico.
logística para exportação no Brasil são os pro- E - primarização das exportações globais.
dutos a granel, dentre os quais se destacam o
minério de ferro, petróleo e seus derivados e 31 - ENEM 2017 QUESTÃO 58 Resp: B
a soja, que, por possuírem baixo valor agre-
gado, e por serem movimentados em grandes Muitos países se caracterizam por terem po-
volumes, necessitam de uma infraestrutura de pulações multiétnicas. Com frequência, evolu-
grande porte e baixos custos. No caso da soja, íram desse modo ao longo de séculos. Outras
a infraestrutura deixa muito a desejar, resul- sociedades se tornaram multiétnicas mais rapi-
tando em enormes filas de navias, caminhões damente, como resultado de políticas incenti-
e trens, que, por ficarem grande porte do tempo vando a migração, ou por conta de legados co-
ociosos nas filas, têm seu custo majorado, one- loniais e imperiais.
GIDDENS, A. Sociologia. Porto Alegre: Penso, 2012 (adaptado).
rando fortemente o exportador, afetando sua
margem de lucro e ameaçando nossa compe- Do ponto de vista do funcionamento das de-
titividade internacional. mocracias contemporâneas, o modelo de so-
FLEURY, P. F. A infraestrutura e os desafios logísticos das ex- ciedade descrito demanda, simultaneamente,
portações brasileiras. Rio de Janeiro: CEL; Coppead; UFRJ, 2005
(adaptado).
A - defesa do patriotismo e rejeição ao hibri-
No contexto do início do século XXI, uma dismo.
ação para solucionar os problemas logísticos B - universalização de direitos e respeito à di-
da soja apresentados no texto seria a versidade.
C - segregação do território e estímulo ao au-
A - isenção de impostos de transportes. togoverno.
B construção de terminais atracadouros. D - políticas de compensação e homogenei-
C diversificação dos parceiros comerciais. zação do idioma.
D contratação de trabalhadores portuários. E - padronização da cultura e repressão aos
E intensificação do policiamento das rodovias. particularismos.

30 - ENEM 2017 QUESTÃO 57 Resp: D 32 - ENEM 2017 QUESTÃO 59 Resp: E

A diversidade de atividades relacionadas ao Figura 1


setor terciário reforça a tendência mais geral de
desindustrialização de muitos dos países de-
senvolvidos sem que estes, contudo, percam o
comando da economia. Essa mudança implica
nova divisão internacional do trabalho, que não
é mais apoiada na clara segmentação setorial
das atividades econômicas.
RIO, G. A. P. A espacialidade da economia. In: CASTRO, I. E.;
GOMES, P. C. C.; CORRÊA, R. L. (Org.). Olhares geográficos: modos
de ver e viver o espaço. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2012
(adaptado).

EdiCase Publicações 46
Figura 2 A - incremento da indústria e atuação no mer-
cado financeiro.
B - criação de programas assistencialistas e
controle de preços.
C - elevação da renda média e arrecadação de
impostos.
D - garantia da cidadania e ascensão econô-
mica.
E - ajuste de políticas econômicas e incentivos
fiscais.
Disponível em: https://pt.climate-data.org. Acesso em: 12 maio
2017 (adaptado).
34 - ENEM 2017 QUESTÃO 61 Resp: A
As temperaturas médias mensais e as taxas
de pluviosidade expressas no climograma A primeira Guerra do Golfo, genuinamente
apresentam o clima típico da seguinte apoiada pelas Nações Unidas e pela comunida-
cidade: de internacional, assim como a reação imediata
ao Onze de Setembro, demonstravam a força
A - Cidade do Cabo (África do Sul), marcado da posição dos Estados Unidos na era pós-so-
pela reduzida amplitude térmica anual. viética.
HOSBSBAWN, E. Globalização, democracia e terrorismo. São
B - Sydney (Austrália), caracterizado por pre- Paulo: Cia. das Letras, 2007.
cipitações abundantes no decorrer do ano.
C - Mumbai (Índia), definido pelas chuvas Um aspecto que explica a força dos Estados
monçônicas torrenciais. Unidos, apontada pelo texto, reside no(a)
D - Barcelona (Espanha), afetado por massas
de ar seco. A - poder de suas bases militares espalhadas
E - Moscou (Rússia), influenciado pela locali- ao redor do mundo.
zação geográfica em alta latitude. B - alinhamento geopolítico da Rússia em re-
lação aos EUA.
33 - ENEM 2017 QUESTÃO 60 Resp: D C - política de expansionismo territorial exer-
cida sobre Cuba.
D - aliança estratégica com países produtores
Procuramos demonstrar que o desenvol-
de petróleo, como Kuwait e Irã.
vimento pode ser visto como um processo de
E - incorporação da China à Organização do
expansão das liberdades reais que as pessoas
Tratado do Atlântico Norte (Otan).
desfrutam. O enfoque nas liberdades humanas
contrasta com visões mais restritas de desen-
35 - ENEM 2017 QUESTÃO 62 Resp: E
volvimento, como as que identificam desenvol-
vimento com crescimento do Produto Nacional O New Deal visa restabelecer o equilíbrio
Bruto, ou industrialização. O crescimento do entre o custo de produção e o preço, entre a
PNB pode ser muito importante como um meio cidade e o campo, entre os preços agrícolas e
de expandir as liberdades. Mas as liberdades os preços industriais, reativar o mercado interno
dependem também de outros determinantes, — o único que é importante —, pelo controle de
como os serviços de educação e saúde e os di- preços e da produção, pela revalorização dos
reitos civis. salários e do poder aquisitivo das massas, isto é,
SEN, A. Desenvolvimento como liberdade.
São Paulo: Cia. das Letras, 2010. dos lavradores e operários, e pela regulamen-
tação das condições de emprego.
A concepção de desenvolvimento proposta CROUZET, M. Os Estados perante a crise. In: História geral das
no texto fundamenta-se no vínculo entre civilizações. São Paulo: Difel, 1977 (adaptado).

Enem | Geografia e História


47
Tendo como referência os condicionantes Isto é, trata-se de uma sociedade na qual to-
históricos do entreguerras, as medidas gover- dos aceitam, e sabem que os outros aceitam, o
namentais descritas objetivavam mesmo princípio de justiça.
RAWLS, J. Uma teoria da justiça.
A - flexibilizar as regras do mercado financeiro. São Paulo: Martins Fontes, 1997 (adaptado).

B - fortalecer o sistema de tributação regressiva. A visão expressa nesse texto do século XX re-
C - introduzir os dispositivos de contenção mete a qual aspecto do pensamento moderno?
creditícia.
D - racionalizar os custos da automação in- A - A relação entre liberdade e autonomia do
dustrial mediante negociação sindical. Liberalismo.
E - recompor os mecanismos de acumulação B - A independência entre poder e moral do
econômica por meio da intervenção estatal. Racionalismo.
C - A convenção entre cidadãos e soberano do
36 - ENEM 2017 QUESTÃO 63 Resp: C Absolutismo.
D - A dialética entre indivíduo e governo auto-
E venham, então, os alegres incendiários de
crata do Idealismo.
dedos carbonizados! Vamos! Ateiem fogo às
E - A contraposição entre bondade e condição
estantes das bibliotecas! Desviem o curso dos
selvagem do Naturalismo.
canais, para inundar os museus! Empunhem as
picaretas, os machados, os martelos e deitem
38 - ENEM 2017 QUESTÃO 65 Resp: E
abaixo sem piedade as cidades veneradas!
MARINETTI, F. T. Manifesto futurista. Disponível em: www.sibila.
com.br. Acesso em: 2 ago. 2012 (adaptado). A representação de Demócrito é semelhante
à de Anaxágoras, na medida em que um infini-
Que princípio marcante do Futurismo e co-
tamente múltiplo é a origem; mas nele a deter-
mum a várias correntes artísticas e culturais das
minação dos princípios fundamentais aparece
primeiras três décadas do século XX está des-
de maneira tal que contém aquilo que para o
tacado no texto?
que foi formado não é, absolutamente, o as-
A - A tradição é uma força incontornável. pecto simples para si. Por exemplo, partículas
B - A arte é expressão da memória coletiva. de carne e de ouro seriam princípios que, atra-
C - A modernidade é a superação decisiva da vés de sua concentração, formam aquilo que
história. aparece como figura.
HEGEL, G. W. F. Crítica moderna. In: SOUZA, J. C. (Org.). Os pré-so-
D - A realidade cultural é determinada econo- cráticos: vida e obra. São Paulo: Nova Cultural, 2000 (adaptado).
micamente.
E - A memória é um elemento crucial da iden- O texto faz uma apresentação crítica acerca
tidade cultural. do pensamento de Demócrito, segundo o qual
o “princípio constitutivo das coisas” estava re-
37 - ENEM 2017 QUESTÃO 64 Resp: A presentado pelo(a)

Uma sociedade é uma associação mais ou A - número, que fundamenta a criação dos
menos autossuficiente de pessoas que em suas deuses.
relações mútuas reconhecem certas regras de B - devir, que simboliza o constante movi-
conduta como obrigatórias e que, na maioria mento dos objetos.
das vezes, agem de acordo com elas. Uma so- C - água, que expressa a causa material da
ciedade é bem ordenada não apenas quando origem do universo.
está planejada para promover o bem de seus D - imobilidade, que sustenta a existência do
membros, mas quando é também efetivamente ser atemporal.
regulada por uma concepção pública de justiça. E - átomo, que explica o surgimento dos entes.

EdiCase Publicações 48
39 - ENEM 2017 QUESTÃO 66 Resp: B C - suspensão do princípio geral dos freios e
contrapesos.
Uma conversação de tal natureza transfor- D - judicialização de questões próprias da es-
ma o ouvinte; o contato de Sócrates paralisa fera legislativa.
e embaraça; leva a refletir sobre si mesmo, a E - profissionalização do quadro de funcioná-
imprimir à atenção uma direção incomum: os rios da Justiça.
temperamentais, como Alcibíades, sabem que
encontrarão junto dele todo o bem de que são 41 - ENEM 2017 QUESTÃO 68 Resp: A
capazes, mas fogem porque receiam essa influ-
ência poderosa, que os leva a se censurarem. É Ao destruir uma paisagem de árvores de
sobretudo a esses jovens, muitos quase crian- troncos retorcidos, folhas e arbustos ásperos
ças, que ele tenta imprimir sua orientação. sobre os solos ácidos, não raro laterizados ou
BRÉHIER, E. História da filosofia. São Paulo: Mestre Jou, 1977 tomados pelas formas bizarras dos cupinzeiros,
essa modernização lineariza e aparentemente
O texto evidencia características do modo
não permite que se questione a pretensão mo-
de vida socrático, que se baseava na
dernista de que a forma deve seguir a função.
HAESBAERT, R. "Gaúchos" e baianos no "novo" Nordeste: entre a
A - contemplação da tradição mítica. globalização econômica e a reinvenção das identidades territo-
riais. In: CASTRO, I. E.; GOMES, P. C. C.; CORRÊA, R. L. (Org.). Brasil:
B - sustentação do método dialético. questões atuais da reorganização do território. Rio de Janeiro:
C - relativização do saber verdadeiro. Bertrand Brasil, 2008.
D - valorização da argumentação retórica.
O processo descrito ocorre em uma área bio-
E - investigação dos fundamentos da natureza.
geográfica com predomínio de vegetação
40 - ENEM 2017 QUESTÃO 67 Resp: D A - tropófila e clima tropical.
B - xerófila e clima semiárido.
A grande maioria dos países ocidentais de- C - hidrófila e clima equatorial.
mocráticos adotou o Tribunal Constitucional D - aciculifoliada e clima subtropical.
como mecanismo de controle dos demais po- E - semidecídua e clima tropical úmido.
deres. A inclusão dos Tribunais no cenário po-
lítico implicou alterações no cálculo para a im- 42 - ENEM 2017 QUESTÃO 69 Resp: E
plementação de políticas públicas. O governo,
além de negociar seu plano político com o Par- A instalação de uma refinaria obedece a di-
lamento, teve que se preocupar em não infringir versos fatores técnicos Um dos mais importan-
a Constituição. Essa nova arquitetura institucio- tes é a localização, que deve ser próxima tan-
nal propiciou o desenvolvimento de um am- to dos centros de consumo como das áreas de
biente político que viabilizou a participação do produção. A Petrobras possui refinarias estrate-
Judiciário nos processos decisórios. gicamente distribuídas pelo país. Elas são res-
CARVALHO, E. R. Revista de Sociologia e Política, n. 23, nov. 2004 ponsáveis pelo processamento de milhões de
(adaptado).
barris de petróleo por dia, suprindo o mercado
O texto faz referência a uma importante com derivados que podem ser obtidos a partir
mudança na dinâmica de funcionamento dos de petróleo nacional ou importado.
Estados contemporâneos que, no caso brasilei- MURTA, A. L. S. Energia: o vício da civilização; crise energética e
alternativas sustentáveis. Rio de Janeiro: Garamond, 2011
ro, teve como consequência a
A territorialização de uma unidade produti-
A - adoção de eleições para a alta magistra- va depende de diversos fatores locacionais. A
tura. partir da leitura do texto, o fator determinante
B - diminuição das tensões entre os entes fe- para a instalação das refinarias de petróleo é a
derativos. proximidade a

Enem | Geografia e História


49
A - sedes de empresas petroquímicas. C - padronização dos impostos locais.
B - zonas de importação de derivados. D - uniformização do processo produtivo.
C - polos de desenvolvimento tecnológico. E - desconcentração da estrutura fundiária.
D - áreas de aglomerações de mão de obra.
E - espaços com infraestrutura de circulação. 44 - ENEM 2017 QUESTÃO 71 Resp: A

43 - ENEM 2017 QUESTÃO 70 Resp: B Imagem

Mas era sobretudo a lã que os compradores,


vindos da Flandres ou da Itália, procuravam por
toda a parte. Para satisfazê-los, as raças foram
melhoradas através do aumento progressivo
das suas dimensões. Esse crescimento prosse-
guiu durante todo o século XIII, e as abadias da
Ordem de Cister, onde eram utilizados os méto-
dos mais racionais de criação de gado, desem- Tudo sobre a batalha de Belo Monte. Disponível em: http://arte.
folha.uol.com.br. Acesso em: 10 jan. 2014.
penharam certamente um papel determinante
nesse aperfeiçoamento. Comparando os dados das hidrelétricas,
DUBY, G. Economia rural e vida no campo no Ocidente medieval. uma característica territorial positiva de Belo
Lisboa: Estampa, 1987 (adaptado).
Monte é o(a)
O texto aponta para a relação entre aperfei-
çoamento da atividade pastoril e avanço téc- A - reduzido espaço relativo inundado.
nico na Europa ocidental feudal, que resultou B - acentuado desnível do relevo local.
do(a) C - elevado índice de urbanização regional.
D - presença dos grandes parques industriais.
A - crescimento do trabalho escravo. E - proximidade de fronteiras internacionais
B - desenvolvimento da vida urbana. estratégicas.

Gabarito
01 C 12 E 23 D 34 A
02 A 13 D 24 E 35 E
03 C 14 E 25 C 36 C
04 D 15 E 26 A 37 A
05 B 16 E 27 E 38 E
06 D 17 B 28 A 39 B
07 D 18 C 29 B 40 D
08 D 19 E 30 D 41 A
09 E 20 A 31 B 42 E
10 C 21 C 32 E 43 B
11 C 22 D 33 D 44 A

EdiCase Publicações 50
Edicão
ATUALIZADA

Geografia e História

Língua Portuguesa Geografia e História


Ĉ+VEQ¢XMGE: visão ampla e Ĉ+ISKVEJME%QFMIRXEPI,YQERE
relacionada aos problemas sociais. mudanças na natureza.
Ĉ-RXIVTVIXE¨¤S: tirinhas, obras, Ĉ,MWX´VME+IVEP: Iluminismo,
poemas e canções para refletir. Revolução Francesa e Industrial.
Ĉ0MRKYEKIQinterdisciplinar com ĈHistória do Brasil: 2º Reinado,
atualidades globais Era Vargas e República Velha.
Ĉ4VEXMUYI questões recentes do
Enem e de vestibulares.

Matemática e Biologia Física e Química


Ĉ1EXIQ¢XMGE aprenda tudo Ĉ5Y®QMGE geral, físico-química,
WSFVINYVSWĈ)GSPSKME conceitos orgânica e atomística Ĉ*®WMGE
essenciais e os biomas brasileiros. conceitos essenciais da mecânica
Ĉ:MHE%RMQEPclassificação dos IHE´TXMGEĈEletricidade:
seres vivos, reinos, vírus e citologia. resistores, potência, circuitos
elétricos simples.

Simuladão completo Modelos de Redação

Ĉ4VSZEWaprenda como funcionam. Ĉ'VMXªVMSWo que é avaliado


Ĉ4SRXYE¨¤S: valores para você se e como não cometer os erros
HEVFIQĈCorrida contra o relógio: GSQYRWĈ1ERYEP como fazer
EHQMRMWXVIWIYXIQTSĈ'LYXµQIXVS
uma boa redação.
como funciona o “peso” de cada
Ĉ4EWWSW roteiro completo das
UYIWX¤SĈ+EFEVMXEHEWquestões
reais que já cairam no Enem. redações nota 1000.

Teoria 4V¢XMGE
Resumos dos temas que Dezenas de questões
mais caem nas provas para você praticar

Prepare-se bem e conquiste sua vaga!