Você está na página 1de 8

http://dx.doi.org/10.15446/ideasyvalores.v64n158.

49443

Nietzsche e biopolítica: quatro leituras


de Nietzsche como um pensador
biopolítica

Nietzsche e Biopolítica: quatro leituras de


Nietzsche como uma biopolítica
pensador

Vanessa Lemm *
Universidade de Nova Gales do Sul - Sydney - Austrália / Universidad Diego Portales

- Santiago - Chile

Artigo recebido: 22 de fevereiro de 2015; Aceito: 11 maio de 2015.


* v .lemm @ UNSW .edu .au

Nota do editor: o artigo foi traduzido para o espanhol por Vicente Matias Bascuñán e Montenegro de um
artigo inédito escrito em Inglês.

Como citar este artigo: MLA: Lemm, V. "Nietzsche e biopolítica: quatro leituras de Nietzsche como
pensador bio-política". Ideias e valores 64158 (2015): 223-248.

APA: Lemm, V. (2015). Nietzsche e biopolítica: quatro leituras de Nietzsche como pensador bio-política. Idéias
e valores, 64 (158), 223-248.
CHICAGO: Vanessa Lemm. "Nietzsche e biopolítica:. Quatro leituras de Nietzsche como pensador
bio-política" Ideias e valores 64, n ° 158 (2015). 223-248.

Este trabalho licenciado por Creative Commons é


Attribution-NoDerivatives 4.0 Licença Internacional.

ideias e valores · vol. LXIV · n. ou 158 • • ISSN 0120-0062 agosto 2015 (impressão) 2011-3668 (online) • Bogotá, Colômbia • pp. 223-248
[224] Vanessa Lemm

resumo
Recepção durante o século XX se perguntou se a filosofia nietzschiana era a-, im- ou anti-política,
ou seja, se pudesse ser assimilada pela democracia, ou se era anti-moderna, elitista e reacionário.
Italiano Roberto Esposito propôs a ler como treinamento e informar o paradigma da biopolítica.
como formando o paradigma da imunidade, como thanatopolítica como biopolítica liberal e liberal, e
como afirmativa: quatro leituras que biopolítica discutidos.

Palavras chave: F. Nietzsche, R. Esposito, biopolítica, imunidade,


thanatopolítica.

abstrato
os leitores do século XX se perguntou se a filosofia nietzschiana era apolítico, imprudente, ou anti-política;
Isto é, se pudesse ser assimilada pela democracia ou se era antimoderno, elitista e reacionário. O filósofo
italiano Robert Esposito tem a leitura filosofia de Nietzsche Proposto como formando e informando o
paradigma biopolítico. Quatro leituras da biopolítica Estes são discutidos: como parte do paradigma da
imunidade, como thanatopolítica, liberais e neoliberais como, e como biopolítica afirmativas.

palavras-chave: F. Nietzsche, R. Esposito, biopolítica, imunidade,

thanatopolítica.

• Departamento de Filosofia da Faculdade de Letras • Universidade Nacional da Colômbia


Nietzsche e biopolítica [225]

introdução
Ao longo do século XX, recebendo idéias políticas de Nietzsche tem se
concentrado principalmente na questão de saber se a filosofia é a-, im- ou
anti-política; isto é, se o seu pensamento pode ser assimilado com a democracia
moderna, ou se, em vez disso, seu pensamento é anti-moderna, elitista e reacionário
( cf. Siemens e Rodt 2008). Em contraste com estas leituras tradicionais, o filósofo
italiano Roberto Esposito propôs recentemente a tese de que a filosofia de Nietzsche
deve ser lido dentro do paradigma da biopolítica ( cf. 2006 137). Nos últimos debates
sobre a relação de Nietzsche e este paradigma para- podemos distinguir pelo menos
quatro sentidos diferentes do termo "biopolítica" e, consequentemente, de quatro
diferentes leituras de Nietzsche como um pensador da biopolítica. 1 Primeiro, encon-
lendo seções Esposito, segundo a qual Nietzsche que descobriu o paradigma
imunitário: 2 "Nietzsche [...] leva o léxico imune a plena maturidade" (2006 125), ou, em
outras palavras, o paradigma imunitário "representa a figura peculiar do biophilosophy
nietzschiana" ( id. 137). A noção de imunidade é crucial para Esposito, uma vez que
resolve o "enigma de política", isto é, a questão de como uma política de vida pode
tornar-se um política de tanato, ou seja, uma política de morte . Em segundo lugar,
encontramos a ideia de que Nietzsche é um representante da ca. política ou biopolíti-
tanato-totalitária Esta ideia está associada com a noção de Nietzsche sobre um
grande política, entendida como uma forma de racismo que visa produzir uma nova
humanidade ( cf. Balke Esposito 2006 e 2003). Em terceiro lugar, Nietzsche poderia
ser interpretado como um precursor para biopolítica liberal e liberal. De acordo com
esta leitura, crítica do Estado moderno de Nietzsche anda de mãos dadas com sua
defesa do individualismo, em que a figura nietzschiana Übermensch Ele reflete a
incorporação de uma espécie de superempresario, concebido como um sujeito
econômico ativo. Finalmente, Esposito apresenta Nietzsche como um pensamento
biopolítica afirmativa. Aqui, a concepção nietzschiana da vida como vontade de poder
reflete uma tendência para a comunidade cia e justiça. Esta é também a posição que
tenho vindo a defender em meu trabalho sobre Nietzsche, animalidade e filosofia
política contemporânea. 3

1 planeja as várias singificados da biopolítica em Foucault, ver Lemke (2007). em


Foucault, a biopolítica e neoliberalismo, ver Lemm (2010a). 2 Esposito trabalho é conhecido por
desconstruir as categorias do pensamento
político moderno com base no que ele chama o problema da imunidade. A este respeito, ver Lemm (2012:
1-13).
3 Ver Lemm (2013 171-194, 195-216, 137-170; 2010b; 2011; 2012). Este artigo desenvolve
algumas idéias do meu trabalho anterior.

ideias e valores · vol. LXIV · n. ou 158 • • ISSN 0120-0062 agosto 2015 (impressão) 2011-3668 (online) • Bogotá, Colômbia • pp. 223-248
[226] Vanessa Lemm

A vantagem de se considerar o pensamento político de perspectiva da


biopolítica Nietzsche un é que devemos levar em conta o conceito provavelmente o
mais importante de sua filosofia; ou seja, sua concepção de vida. Nos debates atuais
sobre biopolítica, podemos distinguir pelo menos três áreas-chave de discussão e
gação investi-: estudos de governamentalidade, totalitarismo e biophilosophy. Leia
Nietzsche a partir da perspectiva da biopolítica con- aprofundizar contribui para a
pesquisa eixo último, cobrindo a relação entre a vida ea filosofia. Portanto, não é
surpreendente que os quatro discursos sobre Nietzsche como um pensador da
biopolítica refletem diferentes leituras da concepção nietzschiana de vida. No final do
prefácio O nascimento da tragédia, Nietzsche argumenta que seu trabalho como
filósofo foi, desde o princípio ", ver a ciência com o artista óptico, e da arte com a vida
[...] "( NT 2 fazer prefácio). 4 projeto filosófico de Nietzsche reconsidera, de perspectica de
vida, as múltiplas dimensões da cultura humana: ciência, cultura, história, moral,
política, filosofia. 5 A "perspectiva de vida" são os críticos da Torre de Vigia e projetos
filosóficos Nietzsche afirmativas. Mas o que significa isso, considere a cultura
humana a partir da perspectiva de vida? E, o que é mais importante para os fins
deste é- I Crito, quais são as implicações das considerações bio-política Nietzsche
sobre a cultura humana são a partir da perspectiva de vida?

4 As referências aos escritos inéditos de Nietzsche são padronizados,


sempre que possível, para se referir à edição mais acessível de livros e publicações Nietzsche, Kritische
Studienausgabe ( KSA), compilados sob a edição geral da Giorgio Colli e Mazzino Montinari. Quando
KSA são citados, referências fazer mencionar o número do volume, seguido do número do fragmento
relevante e qualquer aformismo relevante ( por ex., KSA 10 12 [1] 37, referem-se ao fragmento de
volume de 10 12 [1] 37 aforismo). escritos de Nietzsche para as seguintes abreviaturas, seguido do
número de aforismo são utilizados: EA = Anticristo; OSV = várias opiniões e julgamentos; MBM =
Beyond Good and Evil; NT = O nascimento da tragédia; CW = Wagner caso; A = Aurora; EH = Ecce ( seciones
abreviados "sábio", "Smart", "Livros", "Destino"; quando pertinente, as abreviaturas dos títulos incluídos
na "Livros" em vez de "livros") são indicados; GM = Na Árvore genealógica de moral ( em referências o
número da peça, seguida pelo número da secção relevante) é indicada;

GC = A ciência Jovial ( "Scienza Gaya '); HH = Humano, demasiado humano HV = sobre os usos e
desvantagens da história para a vida; SE = Schopenhauer como professor; ídolos CI = (crepúsculo seções
abreviados "Máximas", "Sócrates", "Razão", "World", "Moral", "Erro", "melhoradores", "alemão",
"incursões", "velho", "martelo"); VM = On Verdade e mentiras no sentido extramoral; COI = Prematura ( quando
o compromisso como um todo); CS = Walker e sua sombra; Z = Zaratustra (em referências o número
de peça e a título capítulo indicado seguido, conforme adequado, pelo número da secção relevante); PF
= fragmentos Póstumas ( em referências o volume, seguido pelo fragmento) indicado. 5 Ver também
Lemm (2014).

• Departamento de Filosofia da Faculdade de Letras • Universidade Nacional da Colômbia


Nietzsche e biopolítica [227]

Este artigo está dividido em cinco seções. O primeiro, "Nietzsche, imunidade e comunidade", Esposito

apresenta lendo sobre a biopolítica de Nietzsche inscritos na dialética da imunidade e da comunidade. A segunda

seção, "hyperimmunity, o racismo ea tanato-política" desenvolve vários elementos da biopolítica de política tanato

leitura Nietzsche. A terceira parte, "Nietzsche, biopolítica liberais e neoliberais" apresenta as principais

características do liberais e neoliberais biopolítica leituras de Nietzsche, a partir de sua crítica do poder do Estado,

até que sua defesa do individualismo exacerbado. Esta seção também apresenta a maneira pela qual a biopolítica

afirmativas reúne essas características. A quarta seção, "sim e poshumanismo biopolítica" desenvolve as ideias

centrais por trás lendo Nietzsche como um filósofo de uma biopolítica afirmativas, e como essa leitura é

responsável pela interpretação da biopolítica Nietzsche como tanato-política e racista. Na última seção,

"biopolítica afirmativas anima- e direitos a eles", concluiu apresentando algumas idéias sobre a relevância da

biopolítica afirmativas para estudos sobre a animalidade; ou seja, sua crítica e superar a noção de lei (animal),

com vista à criação de um modo de vida em comum. "Biopolítica afirmativas Anima- e direitos a eles", concluiu

apresentando algumas idéias sobre a relevância da biopolítica afirmativas para estudos sobre a animalidade; ou

seja, sua crítica e superar a noção de lei (animal), com vista à criação de um modo de vida em comum.

"Biopolítica afirmativas Anima- e direitos a eles", concluiu apresentando algumas idéias sobre a relevância da

biopolítica afirmativas para estudos sobre a animalidade; ou seja, sua crítica e superar a noção de lei (animal),

com vista à criação de um modo de vida em comum.

I. Nietzsche, imunidade e comunidade


De acordo com Esposito, Nietzsche estava pensando a dimensão política da bios,
Quando você define a vida como vontade de poder. Do ponto de vista de Esposito, a
vida Niezsche é sempre e política, onde a política significa "o modo original em que
os vivos isto é ou que ser vidas "(2006 130). Para Esposito, a política em Nietzsche
não é um personagem, uma lei ou de destino sempre algo já dado. Pelo contrário, é o
poder que informa a vida desde o seu início à sua extensão, constituição e
intensidade ( cf. id. 130). Como tal, a vida eo poder não pode pensar de forma
independente, uma vez que eles estão ligados inseparavelmente, alterando e
continuamente trocado em uma relação constitutiva que não cristaliza em uma base
legal da política. É esta relação antifundacional entre a vida e poder, levando
Nietzsche para refutar ambas as categorias jurídicas e políticas da sociedade
moderna

- tais como liberdade e igualdade, bem como o seu discurso autolegitimador no


contrato social de acordo com o qual o poder é o resultado de indivíduos livres que
concordam em fazer uma fundante- pacto. A partir desta perspectiva, a biopolítica de
Nietzsche avança para uma crítica radical da sociedade democrática moderna e suas
ideologias

ideias e valores · vol. LXIV · n. ou 158 • • ISSN 0120-0062 agosto 2015 (impressão) 2011-3668 (online) • Bogotá, Colômbia • pp. 223-248
[228] Vanessa Lemm

Os liberais. 6 Em contraste com esta posição, o genealógica discurso Nietzsche


levanta a dissolução do início, a ideia de que a "origem" só encontrou a luta em curso
entre as forças da vida, um confronto que inerentemente define a relação entre a vida
ea poder, em que nenhum desses elementos pode ser considerado retirado da luta,
conflito e guerra.

Esposito reconhece que o papel fundamental da luta e guerra, o


estabelecimento de ordens legais e institucionais Nietzsche já havia sido tomada por
reflexões de Foucault sobre biopolítica. No entanto, Esposito argumenta que não é
um aspecto da biopolítica de Nietzsche que ainda não foi definido por Foucault; ou
seja, que o que Esposito chamado de "paradigma de imunização" ( cf. 2006 73-124 e
2009a). Do ponto de vista de Esposito, a idéia de imunidade está profundamente
inscrita na concepção da vida de Nietzsche. Esposito argumenta que, para Nietzsche,
a vida é um irresistível desejo de tornar-se mais, para superar e ir além de si mesmo,
"algo vivo quer, acima de tudo, dar livre curso sua força própria vida -a é vontade de
poder: o autoconsevación é apenas um dos impacto in- direta e mais frequentes neste
"( MBM 13). Esta é a razão pela qual Nietzsche rejeita a teoria da evolução de Darwin,
que vê a vida como uma auto-preservação e assimilação, motivado pela chamada
luta pela sobrevivência do mais apto:

Esta é desconhecida [ verkannt] a essência da vida, a sua vontade de poder; assim


esquecido a supremacia de princípio têm as forças espontâneas, agressivos, invasivos,
criando novas interpretações, novas instruções e formas [ spontanen, angreifenden,
übergreifenden, neu-auslegenden, neu-richtenden Kräfte und gestaltendend], sob a
influência do que vem depois de "adaptação"; assim, ele se recusa a si o papel de
dominador das autoridades supremas, em que a vontade da vida parece dora ativos e
conformações organismo. ( GM II: 12)

Contra a idéia darwiniana de que se adaptar e assimilação como um movimento


de fora para dentro ( FP IV: 7 [9]; KSA
12: 7 [9]), Nietzsche sustenta que a vida está em uma razão de formação activa ( forma-doação)
com o exterior, ao ponto de que não mais concebida como o pue- se alimentava um
interior ou uma identidade que requer para ser preservada. A vida como vontade de
poder é a expressão de um poder criativo e formativo da vida, pelo qual um organismo
ativamente cria e recria seu modo de vida. A vida é uma externalidade

6 Na crítica à democracia de Nietzsche, consulte Hatab (1995), que defende uma


concepção nietzschiana pós-moderna e anti-fundacional da democracia.

• Departamento de Filosofia da Faculdade de Letras • Universidade Nacional da Colômbia


Nietzsche e biopolítica [229]

radical tornando-se constantemente; como força de vontade tende incessantemente


para fora, que cotinuamente alterada e excede os limites do seu próprio ser. Como
apontado por Esposito, a vida é superar a si mesmo e do outro.

A vida é superada e auto-aperfeiçoamento, porque estruturada é relações de


poder, que Nietzsche normalmente descritos como de comando e obediência, por
exemplo, dispostos no curso de Zaratustra "Na superação si "" Mas em todos os
lugares que eu encontrei nos seres vivos, eu ouvi também falam de obediência. Cada
coisa viva é um ser obediente. E esta é a segunda: Você dar ordens que não sabem
obedecer a si mesmo. Essa é a natureza da vida "( Z

II "superar-se"). De acordo com as interpretações de Nietzsche como anti-moderna,


elitista e reacionário, como passagens que acabamos de citar perceber o fato de que
Nietzsche é a favor de uma política de dominação, que promove ordenaimento uma
sociedade hierárquica. 7 Em contraste com essas leituras, Esposito, de acordo com
Foucault, e tem cuidado sobre a distinção entre, por um lado, uma política de
dominação, por outro lado, uma política de poder: a "política de vida ( biopotere) "E
uma" política da vida ( Potenza bio) "( cf. Esposito 2006 53-72). Enquanto que no
primeiro caso, é um domínio sobre o outro, através da incorporação do outro, na
segunda é para reconhecer a afinidade entre a potência e resistência, que se reflecte
na definição Nietzsche de vida como:

Uma forma durável processo de determinação da força


[ Kraftstellungen], em que os vários lutadores voltar a crescer de forma desigual. Até que
ponto também em obediência houver alguma resistência [ Widerstreben]; forçá-se [ Eigenmacht]
Ele não desistiu completamente. Também no comando é dado que potência absoluta
para o adversário não expirou ou incorporados dissolvido. "Obedecendo" e "enviar" são
formas de luta [ Kampfspiel]. (FP III: 36 [22]; KSA 11: 36 [22])

A idéia de resistência é central para a concepção nietzschiana da vida como


vontade de poder: o último "[...] só pode exteriorizada a resistência; procura o que
resiste "( FP IV: 9 [151]; KSA 12: 9 [151]). Importante resistência em Nietzsche, não
serve apenas como um suporte e de uma afirmação estabelecido e potência, mas
também contribui para a transformação contínua e alteração desta mesma potência. 8 A
manutenção de um elevado nível de resistência e reconhecida,

7 já discutido em pormenor estas leituras em Lemm (2013 65-92). 8 agradecer ao leitor anônimo Ideias e
valores para destacar este ponto. em
Nietzsche como pensador antifundacionalista, ver também Hatab (1995).

ideias e valores · vol. LXIV · n. ou 158 • • ISSN 0120-0062 agosto 2015 (impressão) 2011-3668 (online) • Bogotá, Colômbia • pp. 223-248
[230] Vanessa Lemm

consequentemente, o valor de todos os impulsos da vida, da alteridade e diferença,


torna-se a marca registrada do indivíduo superior:
O homem superior seria mais pluralidade de instintos [ Triebe], e também na
relativamente maior intensidade que pode sopor- tarse. Na verdade: onde a planta é o
homem forte, são os instintos [ Instinkte] que dirige o outro poderosamente ( p.

e., Shakespeare), mas domado. ( FP III: 27 [59]; KSA 11: 27 [59])

A vida como "jogo competitivo" tende a aumentar pluralização e diversificação


da vida. É a partir disso que Esposito argumenta que a vida de Nietzsche não é
idêntico a si mesmo, porque ele se recusa e continuamente destrói sua tendência
autoalteradora.
Em Nietzsche, a luta de vida a favor e contra si é jogado no campo de batalha
do corpo, por isso Esposito conclui que Nietzsche: "Antes de ser em si, o corpo é
sempre contra até mesmo de si mesmo "(2006, 135). Esposito argumenta que as
concepções de Nietzsche da vida e do corpo fornecem a base para uma nova
compreensão da política. Esposito confirmada com a aprovação que, pelo menos
desde Nietzsche, "não é só política de corpos, em

corpos, através corpos "( id. 134). Nietzsche não só recomenda a seguir "o segmento
do corpo ( Leitfaden des Leibes) "Em todos os assuntos de pesquisa científica ( FP III:
26 [432]; KSA 11: 26 [432]), mas também e acima de tudo, é em e através de
formações e transformações do corpo que ideologias morais, religiosas e políticas
são realizadas e superadas. 9

Esposito enfatiza que a vida de Nietzsche é excedente, plenitude e


superabundância "vida não É a situação de necessidade, a fome, mas sim riqueza,
exuberância, mesmo prodigalidade absurdo, onde você luta, lutar pela poder [...] "( CI "incursões"
14). Para Esposito, este impulso de vida para transcender-se, com vista à criação de
um modo de vida, é também uma tendência vida HA cia juntos, ou que o que ele
chama communitas ( 2007). Para Esposito, figuras nietzschianos de Dionísio eo
dionisíaco reflexões janeiro a ideia do comum ou munus. vida dionysian é excessiva
excedente, desperdício de vida, na qual a relação com o mesmo e o outro tem a
forma de presente. É "presença puro", "ausência [p] relação ura e, por conseguinte,
ou implosão de sujeitos em relação relacionamento sem sujeito" (Esposito 2006
142-43). Esta ideia pode já estar em O nascimento da tragédia, onde Nietzsche
introduz o dionisíaco SIACO como uma força de vida dissolvendo princípio apolíneo

9 Para uma discussão alargada sobre o problema da imunidade e incorporação


Nietzsche e Esposito, consulte Lemm (2013 195-216).

• Departamento de Filosofia da Faculdade de Letras • Universidade Nacional da Colômbia