Você está na página 1de 15

A ORIGEM DA TRINDADE: DO PAGANISMO A CONSTANTINO

por Hagensick L. Cher-El

A voz profunda do nosso Rabi ecoa através do crepúsculo,' Ouve, ó Israel: Adonai, nosso
Deus, Adonai é UM!"

Quão distante o cristianismo está de sua origem no judaísmo com sua crença na Trindade!
Enquanto a maioria do mundo cristão considera o conceito de Trindade vital para o
Cristianismo, muitos historiadores e estudiosos da Bíblia concordam que a Trindade do
Cristianismo deve mais a filosofia grega e ao politeísmo pagão do que ao monoteísmo judaico
e do Yeshua judaico.

A busca pelas origens da Trindade começa com os primeiros escritos do homem. Registros da
Mesopotâmia antiga e civilizações mediterrâneas revelam religiões politeístas, embora muitos
estudiosos afirmam que mais cedo o homem acreditava em um deus. O estudioso do século 19
e pastor protestante, Alexander Hislop, dedica vários capítulos de seu livro As Duas Babilônias
para mostrar como essa crença inicial em um deus foi substituída pelas tríades de paganismo
que acabaram por ser absorvidos dogmas da Igreja Católica. Um egiptólogo mais recente,
Erick Hornung, refuta o monoteísmo original do Egito: "[O monoteísmo é] um fenômeno restrito
aos textos Sabedoria ', que foram escritos entre 2600 e 2530 aC (50-51), mas não há dúvida de
que o homem antigo acreditava em um 'Todo-Poderoso Criador, e infinito supremo sobre todos
"(Hislop 14), e em uma infinidade de deuses em um momento posterior. Nem há qualquer
dúvida de que o agrupamento mais comum dos deuses era UMA TRÍADE.

A maior parte da teologia antiga é perdida sob as areias do tempo. No entanto, expedições
arqueológicas na antiga Mesopotâmia descobriram a fascinante cultura dos sumérios, que
floresceram mais de 4.000 anos atrás. Embora a Suméria foi derrubada primeiramente pela
Assíria, e depois por Babilônia, seus deuses viviam nas culturas daqueles que conquistaram. O
historiador SH Hooke conta em detalhes da antiga trindade Suméria: Anu era o deus principal
do céu, o 'Pai', e o 'rei dos deuses "; Enlil, o" vento-deus "era o deus da terra, e um deus
criador, e Enki era o deus das águas e do "senhor da sabedoria" (15-18). O historiador, HWF
Saggs, explica que a tríade da Babilônia consistiu em "três deuses de categoria mais ou menos
igual ... cuja inter-relação é a essência de sua natureza "(316). Hislop promove a comparação:
"Na unidade de que um Deus único dos babilônios, havia três pessoas, e para simbolizar a
[sic]doutrina da Trindade, empregaram ... o triângulo equilátero, assim como é bem conhecido
da Igreja Romana no dia de hoje "(16).

A história do Egito é semelhante à Suméria na antiguidade. Em seus mitos egípcios, George


Hart, professor do Museu Britânico e professor de hieróglifos do antigo Egito, na Universidade
de Londres, mostra como o Egito também acreditava em um deus "transcendental, acima da
criação, e preexistente", o deus Amon. Amun era realmente TRÊS DEUSES EM UM. Re era o
seu rosto, seu corpo Ptah e Amun sua identidade escondida (24). O conhecido historiador Will
Durant concorda que Ra, Amon e Ptah foram "combinados como três formas de realização ou
aspectos de uma divindade suprema e trino" (Oriental Heritage 201). Além disso, um hino a
Amon escrito no século 14 aC define a trindade egípcia: "Todos os deuses são três: Amon, Ré,
Ptah, pois eles não tem igual. Seu nome está oculto como Amun, ele é novamente ... antes [os
homens], e seu corpo é Ptah "(Hornung 219).

Durant afirma que "do Egito vieram as idéias de uma TRINDADE DIVINA ..." (César 595). Dr.
Gordon Laing, Deão aposentado do Departamento de Humanidades da Universidade de
Chicago, concorda que "o culto da tríade egípcia Ísis, Serapis, e que a criança Horus"
provavelmente acostumados os teólogos da igreja primitiva com a idéia de um Deus trino, e era
influente "na formulação da doutrina da Trindade, conforme estabelecido em Nicéia e credos
Athanasianos" (128-129).

Estas não foram as trindades apenas a que os primeiros cristãos foram expostos. O palestrante
histórico, Jesse Bento Carter, diz-nos dos etruscos. À medida que lentamente passou da
Babilônia, através da Grécia e passou a Roma (16-19), trouxeram com eles a sua trindade de
Tinia, Uni, e Menerva. Esta trindade era uma "nova idéia para os romanos", e ainda tornou-se
tão "típico de Roma", que rapidamente se espalhou por toda a Itália (26). Até mesmo os nomes
da trindade romana: Júpiter, Juno e Minerva, refletem a ascendência. Que o cristianismo não
tinha vergonha de pedir emprestado a cultura pagã é amplamente demonstrado por Durant: "O
CRISTIANISMO NÃO DESTRUIU O PAGANISMO; ELE O ADOTOU" (César 595).

Laing dedica suas convincentes "Sobrevivências", livro inteiro dos deuses romanos para a
comparação do paganismo romano e a Igreja Católica Romana. Dr. Jaroslav Pelikan, um
estudioso católico e professor na Universidade de Yale, confirma o respeito da Igreja de idéias
pagãs, quando afirma que os apologistas e outros pais da igreja primitiva usado e citou o
[pagão] Oráculos sibilinos romanos tanto que eles foram chamados de 'Sibillistas' pelo crítico
do século 2, Celsus. Houve até um hino medieval, "Dies irae", que predisse a vinda do dia de
ira 'com base na "autoridade dupla de "David e da Sibila "(Surgimento 64-65). A atitude da
Igreja para com o paganismo é mais bem resumida em Papa Gregório, o Grande, em suas
palavras a um missionário: "Você não deve interferir com qualquer crença ou prática religiosa
tradicional que pode ser harmonizado com o Cristianismo" (qtd. em Laing 130).

Em contraste, o Judaísmo é fortemente monoteísta sem nenhum indício de uma trindade. A


Bíblia hebraica (Velho Testamento) é preenchido com escrituras como "Antes de mim não foi
formado nenhum Deus, nem ninguém depois de mim" (Is 43:10), e "não há outro Deus. .. Eu
sou o Senhor e não há outro » (Is 45:14,18). Um comentário judaico afirma que "[não] existem
outros deuses, para declarar esta seria uma blasfêmia ..." (Chumash 458). Mesmo que
'Palavra', 'Espírito' Presença ',' e 'Sabedoria' são usados como personificações de Deus, os
estudiosos da Bíblia concordam que a Trindade não é mencionado nem a intenção dos autores
do Antigo Testamento (Lonergan 130; Fortman xv; queimaduras 2).

Podemos concluir sem muita dificuldade que o conceito da Trindade NÃO veio do judaísmo.
Nem Yeshua fala de uma trindade. A mensagem de Yeshua era do reino vindouro, era uma
mensagem de amor e perdão. Quanto à sua relação com o Pai, Yeshua disse: '... Eu não busco
a minha própria vontade, mas a vontade do Pai que me enviou ', {# Jo 5:30} e em outro lugar
"minha doutrina não é minha, mas daquele que me enviou"; {# Jo 7:16 } e suas palavras de
meu Pai é maior do que eu '{# João 14:28} não deixam dúvidas quanto ao seu relacionamento.

"Trindade" Esta palavra não foi cunhada até Tertuliano, mais de 100 anos após a morte de
Yeshua, e as palavras-chave (substância significado) a partir do debate de Nicéia, homousis e
ousis, não são bíblicas, mas de pensamento estóico. Em nenhum lugar na Bíblia é a Trindade
mencionada. Segundo Pelikan, "Uma das conclusões mais amplamente aceitas da história do
século 19 do dogma era a tese de que o dogma da Trindade não era uma doutrina explícita do
Novo Testamento, menos ainda do Antigo Testamento, mas evoluíram do Novo Testamento
até o século 4. (Teologia Histórica 134)

Se a Trindade não se originou com a Bíblia, de onde ele vem? Para encontrar as origens da
Trindade no cristianismo, é preciso dar uma olhada nas circunstâncias em que os primeiros
cristãos se encontravam.

Até mesmo a Igreja do tempo dos Apóstolos estava longe de ser unificado. O apóstolo Paulo
escreveu aos tessalonicenses que "o mistério da iniqüidade já opera". {# 2 Tessalonicenses
2:07} todo o seu livro Ortodoxia e Heresia na Cristandade Primitiva, o estudioso do Novo
Testamento alemão, lexicógrafo e historiador da Igreja primitiva, Walter Bauer , efetivamente
comprova que muitos dos primeiros cristãos foram influenciados pelo GNOSTICISMO. Ele
acredita ser possível que certas '[heresias gravadas pelos primeiros Pais da Igreja] não tinha
sido originalmente consideradas assim, mas, pelo menos aqui e ali ... eram simplesmente
"cristianismo" (xxii). Bauer vai ainda mais longe, como ele prova que os primeiros cristãos em
Edessa parecem ter sido seguidores de crenças do Marcião (considerado herético hoje), com
visões 'ortodoxas' sendo tão fortemente aceitas na minoria que "cristão" se referiria a alguém
com crenças de Marcião, e 'Palutian "para alguém com a visão "ortodoxa" de hoje (pelos
padrões de hoje)(21-38). Em sua obra Os Pais Gregos, James Marshall Campbell, professor de
grego, confirma o grande medo do gnosticismo prevalente na igreja primitiva.

Com o Gnosticismo sendo tão predominante neste período inicial, cabe a nós saber o que eles
acreditavam, porque muitos escritos da igreja primitiva eram defesas contra o gnosticismo. O
Gnosticismo copiou muito de sua filosofia e religião a partir do mitraísmo, misticismo oriental,
astrologia, magia, e Platão. Ele considerava a matéria a ser maligna e em oposição à
Divindade, dependia fortemente de visões, e procurou a salvação através do conhecimento. O
falecido professor Arthur Cushman McGiffert interpreta alguns dos pais dos primeiros cristãos
como acreditando que o gnosticismo sendo "idêntico em [sic] todas as intenções e propósitos,
com o politeísmo grego» (50). Gnosticismo teve uma influência clara sobre os antigos
escritores cristãos: como o pêndulo influencia um relógio, alguns foram influenciados pelo
pensamento gnóstico, enquanto outros oscilaram para o extremo oposto.

O Conhecimento era também o desejo dos filósofos gregos. Nós devemos muito a estes sábios
da antiguidade. JND Kelly, professor e diretor da St. Edward Hall, Oxford University, afirma que
«[os conceitos da filosofia], forneceu aos pensadores ... uma estrutura intelectual para
expressar suas idéias "(9) na medida em que ela se tornou a" religião mais profunda da maioria
das pessoas inteligentes "(9). O eminente teólogo Adolf Harnack considerou a filosofia grega e
da cultura como fatores na formação do 'modo eclesiástico do pensamento "(1: 127). De acordo
com McGiffert, os conceitos de filosofia predominante durante o tempo da igreja primitiva eram
estoicismo, que foi "ético em seus interesses e monistas em sua ontologia 'e platonismo, que
era" dualista e predominantemente religioso »(46).

Que essas filosofias afetaram o cristianismo é um fato histórico. O que esses filósofos ensinam
sobre Deus? Em Timeus de Platão, "A Suprema Realidade aparece na forma TRINITÁRIA do
Bem, a Inteligência e a Alma do Mundo" (qtd. em Laing 129). Laing mostra os atributos
trinitários das teorias elaboradas pelos os neoplatônicos, e considera as idéias neoplatônicas
como "um dos fatores geradores do desenvolvimento da teologia cristã" (129).

Em uma comparação entre a Igreja do século III e a de 150-200 anos antes, o teólogo alemão,
Adolf Harnack, encontra "pouca influência judaica, mas muitas características greco-romanas, e
... o espírito filosófico dos gregos "(1: 45). Além disso, os laços que Durant observa entre a
filosofia e o cristianismo, quando afirma que o segundo século de Alexandria Igreja, da qual
tanto Clemente e Orígenes vieram ", cristianismo apegada à FILOSOFIA" (César 613) e,
finalmente, Durant escreve sobre o famoso filósofo pagão, Plotino, que "o cristianismo aceita
quase todas as linhas dele ..." (César 611).

As condições do mundo dificilmente eram propícias para a fundação de uma nova e diferente
religião. Os deuses pagãos ainda eram os deuses do Estado e o governo romano era muito
supersticioso. Todas as calamidades foram considerados no desagrado dos deuses. Quando o
governo romano dissoluto começou a ruir, não era visto como um resultado de corrupção
dentro, mas como a ira dos deuses, e assim houve perseguições fortes contra os cristãos para
aplacar os deuses.
No tempo quando o cristianismo nasceu. De um lado estavam PERSEGUIÇÕES; e do outro
estava a sedução da FILOSOFIA. Permanecer fiel à crença de Yeshua, o Messias significava
sofrimento e se expor ao ridículo. Era só para os pobres e os ricos simples na fé. Foi um tempo
difícil se converter ao cristianismo a partir do paganismo relativamente mais seguro. No desejo
de crescer, a Igreja comprometia a verdade, o que resultou em confusão quando os pagãos se
tornaram cristãos e misturaram crenças e tradições. Em seu Aparecimento da Tradição
Católica, Pelikan discute o conflito na Igreja depois de 70 dC e ao declínio da influência judaica
dentro do cristianismo. Como os pagãos entrando mais e mais no cristianismo, eles
encontraram a ofensiva influência judaica. Alguns até chegaram ao ponto de rejeitar o Antigo
Testamento (13-14).

Com este pano de fundo, o crescimento e a evolução da Trindade pode ser vista claramente.
Como foi referido anteriormente, a Bíblia não menciona a Trindade. Harnack afirma que a visão
da igreja primitiva de Yeshua era o Messias, e depois de sua ressurreição, ele foi "elevado à
direita de Deus", mas não é considerado como Deus (1: 78). Bernard Lonergan, um padre
católico e estudioso da Bíblia, concorda que os cristãos educados dos primeiros séculos
acreditavam em um único Deus supremo (119). Quanto ao Espírito Santo, McGiffert nos diz
que os primeiros cristãos consideravam o Espírito Santo "não como um ser individual ou
pessoa, mas simplesmente como o Espírito de Deus trabalhando no mundo e particularmente
na igreja" (111). Durant resume cristianismo primitivo assim: "No Messias e em Pedro, o
cristianismo era judeu; em Paulo tornou-se meio grego, no catolicismo tornou-se meio romano"
(César 579).

Assim como os apóstolos morreram, vários escritores assumiu a tarefa de defender o


cristianismo contra as perseguições dos pagãos. Os escritores de esses 'Desculpas' são
conhecidos por nós como os 'defensores'. Estados Pelikan que "foi pelo menos parcialmente
em resposta às críticas pagã das histórias da Bíblia que os apologistas cristãos ... assumiu e
adaptou os métodos e até mesmo do vocabulário de alegorismo pagão "(Emergência 30).
Campbell concorda quando afirma que "os apologistas emprestado pesadamente, e às vezes
de forma inadequada, a partir dos recursos pagãs na mão» (23). Eles começaram o "processo
de acomodação" entre o cristianismo ea filosofia comum, e utilizado motivo para "justificar o
cristianismo ao mundo pagão" (22-23).

O mais famoso desses apologistas foi Justino Mártir (c.107-166). Ele nasceu de um pagão,
tornou-se um filósofo pagão, então um cristão. Ele acreditava que o cristianismo ea filosofia
grega foram relacionados. Quanto à Trindade, McGiffert afirma, "Justin insistiu que Cristo veio
de Deus, ele não identificá-lo com Deus" (107). Deus Justin era "um ser transcendente, que
não poderia entrar em contato com o mundo dos homens e das coisas" (107).
Não só foi a Igreja dividida pelo gnosticismo, atraído pela filosofia, e levado por paganismo,
mas houve uma divisão geográfica também. O Oriente (centrado em Alexandria) eo Ocidente
(centrada em Roma) cresceu ao longo de duas linhas diferentes. Kelly mostra como o Oriente
era intelectualmente aventureira e especulativa (4), um reflexo da cultura circundante grego. O
desenvolvimento teológico do Oriente é melhor representado em Clemente e Orígenes.

Clemente de Alexandria (c.150-220) era do 'Escola Catequética "de Alexandria. Suas opiniões
foram influenciados pelo gnosticismo (Bauer 56-57), e McGiffert afirma, "Clemente insiste em
que a filosofia veio de Deus e foi dado pelos gregos como um professor para trazê-los para
Cristo como a lei era um professor para os hebreus" ( 183). McGiffert afirma ainda que
Clemente considerado "Deus, o Pai revelado no Antigo Testamento 'separada e distinta do
Filho de Deus encarnado em Cristo," com quem ele identificou o Logos (206). Campbell resume
que "[com o Clemente] espírito filosófico entra francamente a serviço da doutrina cristã, e com
ele começa ... a ciência teológica do futuro "(36). No entanto, foi seu aluno, Orígenes, que
"alcançou a união da filosofia grega e cristianismo» (39).

Orígenes (c.185-253) é considerada por Campbell para ser o "fundador da teologia» (41), o
maior estudioso da igreja primitiva eo maior teólogo do Oriente (38). Durant acrescenta que
"com [Orígenes] o cristianismo deixou de ser só uma fé consoladora, tornou-se uma filosofia
completa, reforçada com a escritura, mas com orgulho de repouso em razão" (César 615).
Orígenes era um homem brilhante. Aos 18 anos ele conseguiu Clement como presidente da
escola de Alexandria. Mais de 800 títulos foram atribuídos a ele por Jerome. Ele viajou muito e
começou uma nova escola em Cesarea.

Em Orígenes encontramos um elo importante na visão mudando de Deus. De acordo com a


Teologia Histórica da Pelikan, Orígenes foi o "professor de tais fiéis ortodoxos como os Padres
da Capadócia" (22), mas também o "professor de Ário (22) e" autor de muitas heresias '(22).
Séculos após sua morte, foi condenado pelos conselhos, pelo menos, cinco vezes, no entanto,
tanto Atanásio e Eusébio tinha grande respeito por ele.

Enquanto ele tentava contar o "Deus incompreensível", tanto com a filosofia estóica e platônica,
Orígenes apresentados pontos de vista que poderiam apoiar ambos os lados do argumento
Trindade. Ele acreditava que o Pai eo Filho estavam separados "em relação a hipóstase"
(substância), mas "um por harmonia e da concórdia e da identidade de vontade" (qtd. em
Lonergan 56). Ele afirmou que o Filho era a imagem de Deus.
Na forma em que, de acordo com a história da Bíblia, podemos dizer que Seth é a imagem de
seu pai, Adão. Pois assim está escrito: '. E Adão gerou a Sete de acordo com sua própria
imagem e semelhança "de imagem, neste sentido, implica que o Pai eo Filho têm a mesma
natureza e substância. (Qtd. em Lonergan 58)

Ele também sustentou que houve uma diferença entre o Deus e Deus quando disse: "_ _ß
&hibar; 2, __ é realmente a Deus [Deus] .... Qualquer outra coisa, diferente daquele que é
chamado _ß _ &hibar; 2, __, também é Deus, é endeusado pela participação, através da
partilha da sua divindade, e é mais adequada a ser chamado não de Deus, mas simplesmente
Deus "(qtd. em Lonergan 61).

Como a influência grega e gnosticismo tornou-se introduzido na igreja oriental, tornou-se mais
místico e filosófico. As doutrinas simples que Jesus ensinou para os ignorantes cedeu aos
argumentos complexos e sofisticados de Orígenes.

Como Clemente e Orígenes representado desenvolvimento teológico no Oriente, por isso


Tertuliano teve uma tremenda influência no Ocidente. Kelly explica que o Ocidente, centrado
em Roma, deu maior credibilidade ao papel tradicional de fé do que à filosofia, e era mais apto
a expor na escritura (4).

Foi Tertuliano (c.160-230) quem primeiro cunhou o termo Trinitas de que "trindade" do Inglês
palavra é derivada. Ele esclarece, assim, o mistério "da economia divina ... qual a unidade faz
uma trindade, colocando a três, a fim não de qualidade, mas de sequência, diferente, não em
substância, mas no aspecto, e não no poder, mas na manifestação "(qtd. em Lonergan 46). Em
outras ocasiões ele usou outras imagens para mostrar seu ponto de vista, como a monarquia:
"... Se ele que é o monarca tem um filho, e se o filho é dado uma parte da monarquia, isso não
significa que a monarquia é automaticamente dividida, deixando de ser uma monarquia "(qtd.
em Lonergan 47). Mais uma vez, Tertuliano explica o conceito de ser levado por diante: "Como
a raiz traz a filmagem, como a primavera traz o fluxo, como o sol produz o feixe" (qtd. em
Lonergan 45).
Tertuliano não considerou o Pai eo Filho co-eterno: "Houve um tempo quando não havia nem
pecado fazer de Deus um juiz, nem o filho a fazer de Deus um Pai" (qtd. em Lonergan 48); nem
ele considerá-los co-igual: "Porque o Pai é toda a substância, enquanto que o Filho é algo
derivado dele" (qtd. em Lonergan 48). Em Tertuliano encontramos uma base sobre a qual um
conceito trindade pode ser fundada, mas ainda não evoluiu para essa trindade do Credo de
Nicéia.

O mundo em torno da Igreja primitiva estava mudando. O império romano começou a ruir e
Constantino chegou ao poder. Ele desejava unificar o Império, e escolheu o cristianismo a fazê-
lo. Mas o cristianismo estava longe de ser unificado.

Constantino convidou os bispos do Oriente e do Ocidente para se juntar a ele na pequena


aldeia costeira de Nicéia para um conselho para unificar a igreja. McGiffert resume o conselho:
três grupos principais estiveram presentes a esse conselho: Eusébio de Nicomédia
apresentando a visão ariana da Trindade, Alexandre de Alexandria apresentar a versão de
Atanásio, e um muito grande "partido do meio" liderada por Eusébio de Cesaréia, cuja várias
opiniões teológicas não interferiu com o seu desejo de paz (259). Eusébio de Nicomédia
apresentou o credo Arian primeiro e foi rejeitada. Em seguida, Eusébio de Cesaréia apresentou
a cesariana credo batismal. Em vez de apresentar um credo próprio, os arianos anti-modificado
Eusébio, assim, obrigando-o a assiná-lo e fechar completamente os arianos fora. Esses arianos
que não assinaram foram deposto e exilado (261-263).

Assim, Constantino teve a sua Igreja unificada, que não era muito unida. McGiffert afirma que
Eusébio de Cesaréia não foi totalmente satisfeito com o credo porque estava muito perto de
Sabelianismo (Pai, Filho e Espírito Santo são três aspectos de um único Deus). Eusébio era
desconfortável o suficiente com o credo Niceno que ele sentiu expediente para justificar-se a
seu próprio povo em uma longa carta em que afirma que ele resistiu até o último minuto "até
que as palavras foram examinados e foi explicado que as palavras "não quis dizer tudo o que
parecia significar, mas foram destinados simplesmente afirmar a divindade real do Filho ..."
(264-265). McGiffert passa a mostrar que um "dupla interpretação [foi autorizada pelos líderes]
para ganhar Eusébio e seus seguidores." (266).

Lonergan mostra o quanto do Eusébio credo tomou a exceção de que as palavras foram
explicados. "Fora da substância do Pai" foi agora interpretado para mostrar que o Filho é "fora
do Pai", mas "não faz parte da substância do Pai '." Não nasce feito ", porque" feito "refere-se a
todas as criaturas de outros que vêm a ser por meio do Filho "e" consubstancial "significa
realmente que o Filho sai do Pai e como ele é (75). É claro que o conselho fortemente faltou
unidade de pensamento. Lonergan passa a explicar que a linguagem do debate sobre a
consubstancialidade do Pai e do Filho, fez muita gente pensar que a Igreja em Nicéia tinha
abandonado a genuína doutrina cristã, que era religioso por completo, a fim de abraçar algum
tipo da ontologia helenístico "(128). Ele conclui que o dogma de Nicéia marcou a transição "do
oráculo profético do Senhor ... Católica de dogma "(136-7).

O resultado final foi muito menos do que Constantino esperava. Que ele, pessoalmente, nunca
foi verdadeiramente seduzidos para Atanásio vista é amplamente demonstrado por Durant:
Constantino convidou Arius para uma conferência de seis anos mais tarde, não interferiu com
Atanásio expulsão dos bispos orientais, havia um bispo ariano, Eusébio de Nicomédia, batizá-lo
, e teve seu filho e sucessor, Constâncio, criado como um ariano (Idade 7-8).

A Nicéia não era um credo popular quando foi assinado. Durant afirma que a maioria dos
bispos orientais do lado de Ário em que eles acreditavam que Cristo era o Filho de Deus "nem
consubstancial, nem co-eterno" com o seu Pai (Idade 7). Arianismo nunca foi realmente extinta.
Enquanto o Ocidente aceitou a visão de Atanásio da Trindade, e no Oriente aceitaram o
Trindade dos pais capadócios, o arianismo vive na Igreja Unitária, Testemunhas de Jeová, e
em muitas religiões menores.

Há um lado triste para todo o debate Atanásio / Arian. Campbell não encontrou paralelo nos
tempos medievais, nem moderno na intensidade do debate (49). Historicamente, essa "doutrina
de Deus" provou ser uma doutrina sangrenta que não tem relação com o verdadeiro Deus de
amor, nem o Seu Filho Jesus Cristo. Durant detalhes os problemas que surgiram a partir do
Conselho de Nicea e resume esse período com um terrível veredicto: "Provavelmente mais
cristãos foram massacrados pelos cristãos nestes dois anos (342-3) do que por todas as
perseguições de cristãos pelos pagãos na história da Roma (Idade 8). Assim, eles perverteram
os ensinamentos de Cristo: "Ama o teu próximo como a ti mesmo ', {# Mt 19:19} e dos seus
apóstolos:." Se nos amarmos mutuamente, Deus permanece em nós, e Seu amor em nós é
perfeito' { # 1Jo 4:12}

A evolução da Trindade pode ser bem visto nas palavras do Credo dos Apóstolos, o Credo
Niceno, eo Atanasiano Creed.2 Como cada um dos credos tornou-se mais prolixo e
complicado, a fé simples e pura da igreja apostólica se perdeu no uma névoa. Ainda mais
interessante é o fato de que, como os credos tornou-se mais específico (e menos bíblica) a
adesão a elas tornou-se mais rigorosa, ea pena para a descrença mais dura.
Em resumo, a cultura comum do dia foi preenchido com um deuses trinas. De antiga Suméria
de Anu, Enlil, Enki e trindades e dupla do Egito de Amon-Rá-Ptah e Isis, Osíris e Horus a
Júpiter de Roma, Juno e Minerva todo o conceito de paganismo girava em torno do número
mágico de três. Na filosofia grega, também, vimos como o número três foi usado como uma
trindade não especificado de inteligência, mente, razão e.

Em contraste, é a unidade simples do Deus hebraico. Jesus era um judeu da tribo de Judá. Ele
alegou ser enviadas para o "ovelhas perdidas da casa de Israel". {# Mt 15:24} Seus apóstolos
eram todos judeus. Seu deus era o deus judaico. Ele chamou a si mesmo o Filho de Deus e
reconhecido o seu papel como o Cristo, Mt 16:15-17 {#} e Messias. {# Jo 4:25-26} Sua
mensagem foi de amor, justiça e salvação, e desprezava o dogma religioso da tradição. Que
contraste com os trabalhos do Concílio de Nicéia e os assassinatos que se seguiram! Ele deu a
boa notícia vinda de seu reino para os pobres e mansos, os humildes deste mundo. Ele não
exige crenças dogmáticas que tiveram de ser acreditado para a palavra, mas disse: 'Siga-me ".
{# Mt 09:09}

Não pode haver dúvida: Jesus era um estranho para todos os lados do processo político em
Nicéia. Ele nunca afirmou ser Deus, mas se contentou em ser filho de Deus. Seu credo não era
de palavras que devem ser seguidas ao pé da letra, mas sim de espírito: "Bem-aventurados os
puros de coração, porque verão a Deus '{# Mt 04:08} Ele não exigem bispos ricos e aprendeu
a. misturam filosofia e politeísmo pagão com a sua verdade simples, mas abençoou o 'pobre' e
'manso'. {# Mt 4:1-12} Não, não era de Jesus que o dogma da Trindade veio.

É este uma prova positiva de que a Trindade deve-lhe origens ao paganismo e da filosofia? As
evidências da história deixam poucas dúvidas. O conceito da Trindade encontra suas raízes na
teologia pagã e filosofia grega: é um estranho para o Jesus judeu eo povo hebreu de onde ele
surgiu.

Notas de referência
1. Hislop dedica as primeiras 128 páginas de seu livro As Duas Babylons para provar que a
Trindade cristã é descendente direto do antigo babilônico trindade. Em particular, ele prova que
de forma convincente a origem da trindade babilônica foi a tríade de Cush (o neto de Noé),
Semiramis (sua esposa), e Nimrod (seu filho). Com a morte de Cush, Semiramis se casou com
seu filho, Nimrod, e assim começou a confusão entre o pai eo filho tão prevalente no
paganismo cedo.

É interessante notar que os gnósticos considerado o Espírito Santo para ser o 'mistério
maternal de Deus, "com base em seus atributos. Também é interessante notar que uma
controvérsia moderna quer trazer de volta o lado feminino da Trindade, fazendo o feminino
Espírito Santo. (Este é um argumento muito fraco com base nos atributos do Espírito Santo
como Paracleto (comforter) eo fato de que, na gramática hebraica, a palavra espírito, Ruach, é
feminino.)

2. Os três mais famosos credos cristãos são os Apóstolos ", Nicene, e Atanásio (ou trinitário).
As palavras desses três credos nos mostrar muito sobre a evolução da teologia trinitária. Os
credos são impressos abaixo como foi traduzido no Livro de Oração Comum da Igreja da
Inglaterra, e citado em páginas 18-20 de um trabalho inédito de estudioso da Bíblia, Eugene
Burns.

O "Apóstolos ou Unitária Creed foi o credo utilizado durante a AD dois primeiros séculos. Ele
não foi escrito pelos apóstolos, embora leva o nome deles:

Creio em Deus Pai todo-poderoso, Criador do céu e da terra:

E em Jesus Cristo, seu único filho, nosso Senhor: que foi concebido pelo Espírito Santo
(espírito), nascido da Virgem Maria, padeceu sob Pôncio Pilatos, foi crucificado, morto e
sepultado, ele desceu ao inferno (a sepultura); ao terceiro dia ressuscitou dentre os mortos,
subiu aos céus e está sentado à mão direita de Deus Pai todo-poderoso: A partir daí, ele deve
vir para julgar os vivos e os mortos:
Creio no Espírito Santo (espírito), a Santa Igreja Católica (geral), a comunhão dos santos, na
remissão dos pecados, na ressurreição do corpo, e na vida eterna. Amen.

O de Nicéia, ou Semi-trinitária Credo, como é comumente usado hoje, é uma revisão do credo
original assinado em Nicéia em 325 AD. Foi revisto no Concílio de Constantinopla em 381.

Eu acredito em um Deus, Pai Todo-Poderoso, Criador do céu e da terra, e de todas as coisas


visíveis e invisíveis.

E em um só Senhor Jesus Cristo, o Filho unigênito de Deus, gerado do Pai antes de todos os
mundos, Deus (ou de) Deus, Luz de (ou de) Luz, Deus muito de (ou de) Verdadeiro Deus,
gerado , não feito; consubstancial com o Pai; por quem todas as coisas foram feitas; que para
nós homens e para nossa salvação, desceu dos céus e se encarnou pelo Espírito Santo, da
virgem Maria e se fez homem , e foi crucificado por nós sob Pôncio Pilatos, padeceu e foi
sepultado e ao terceiro dia ressuscitou, segundo as Escrituras, e subiu aos céus e está sentado
à mão direita do Pai: e virá novamente com glória para julgar os vivos e os mortos; cujo reino
não terá fim.

E eu creio no Espírito Santo, (o Senhor e Doador da vida, que procede do Pai (o Filho); que é
com o Pai eo Filho é adorado e glorificado: Ele que falou pelos profetas).

E eu acredito [em] um católico e apostólico [sic] da igreja: Professo um só baptismo para a


remissão dos pecados, e espero a ressurreição dos mortos, ea vida do mundo vindouro. Amen.

O Atanasiano, credo ou trinitária foi provavelmente escrito por volta do século quinto. Apesar de
ostentar o nome de Atanásio, não foi escrito por ele.

Todo aquele que [sic] será salvo, antes de tudo é necessário que ele mantenha a fé católica;
que a fé de cada um, exceto se manter íntegra e inviolada, sem dúvida perecerá eternamente.
E a fé católica é esta: Que nós adoramos um Deus em Trindade, ea Trindade na Unidade, nem
confundindo as Pessoas, nem dividir a substância.

Amen.

Trabalhos Citados

Trans. Ed. 1979.

np

1963.

1972.

1935. Vol.

1944. Vol.

Vol.
História do Dogma. Trans. 3 vols. 1961.

1990.

1959.

Trans. 1982.

Ed.

New York: Harper. 1959

1963.

Trans. Trans.
Vol. 1.

Vol. 5 vols.

1968.

2 ª ed.