Você está na página 1de 23
Formação de Professores em Estágio Probatório 1
Formação de Professores em Estágio Probatório 1
Formação de Professores em Estágio Probatório 1
Formação de Professores em Estágio Probatório 1
Formação de Professores em Estágio Probatório 1
GOVERNO DO ESTADO DE GOIÁS Ronaldo Ramos Caiado SECRETÁRIA DA EDUCAÇÃO Aparecida de Fatima Gavioli
GOVERNO DO ESTADO DE GOIÁS Ronaldo Ramos Caiado SECRETÁRIA DA EDUCAÇÃO Aparecida de Fatima Gavioli

GOVERNO DO ESTADO DE GOIÁS

Ronaldo Ramos Caiado

SECRETÁRIA DA EDUCAÇÃO

Aparecida de Fatima Gavioli Soares Pereira

SUPERINTENDENTE DE GESTÃO DE PESSOAS

Giordani dos Santos Lima

NÚCLEO DE MODULAÇÃO E REGISTROS FUNCIONAIS

Célia Maria Lopes Araújo Martins

GERENCIA DE CAPACITAÇÃO E FORMAÇÃO

Ádima Rocha de Abreu

Módulo 2 Formação de Professores em Estágio Probatório

Projeto Gráfico e Diagramação Marcos Lopes Laura Maria Corrêa Sarah Marciano Cassio Silva Lays Mendes Núbia Maia

Texto Rosally Brasil Pereira Suzete Faria Lamaro Vânia Maria de Carvalho Honorato

Professores Formadores Jussiara Moema Ramos de Oliveira Rosally Brasil Pereira Suzete Faria Lamaro Vânia Maria de Carvalho Honorato Fábio Júlio Alves Borges

Revisão Linguística Rosally Brasil Pereira Suzete Faria Lamaro Eduardo Soares

Secretaria de Estado da Educação de Goiás. Saberes e experiências de trabalho para os professores em Estágio Probatório da Rede Estadual de Goiás. Goiânia, 2019.

Material de uso exclusivo em formações dos profissionais da Rede Estadual de Educação de Goiás.

GOIÂNIA – MARÇO DE 2019

Todos os direitos reservados

Sumário Serviço Público e Servidor (a) Público (a) 5 Lei nº 10.460, de 22 de

Sumário

Serviço Público e Servidor (a) Público (a)

5

Lei nº 10.460, de 22 de fevereiro de 1988

6

Lei nº 13.909, de 25 de setembro de 2001 - O Estatuto e o Plano de Cargos e

Vencimentos do Pessoal do Magistério

7

Lei nº 18.846, de 10 de junho de 2015 - O Conflito de Interesse

8

Lei Complementar nº 77, de 22 de janeiro de 2010 – O Regime Próprio de Previdência

dos Servidores – RPPS

9

Decreto nº 7926, de 11 de julho de 2013 - A Atualização Cadastral Anual

11

Lei nº 19.145, de 29 de dezembro de 2015 - Os Exames Médicos Periódicos

12

O

Instituto de Assistência aos Servidores do Estado de Goiás (Ipasgo)

15

A

Modulação e a Carga Horária dos Professores da SEDUC

17

O

Sindicato dos Trabalhadores em Educação de Goiás (SINTEGO)

18

O

Comprovante de Rendimentos

19

A

Avaliação Especial de Desempenho

20

Término

21

Referências

22

UNIDADE DE ESTUDOS 2 AS DIRETRIZES E ORIENTAÇÕES LEGAIS PARA A EDUCAÇÃO E O TRABALHO

UNIDADE DE ESTUDOS 2

AS DIRETRIZES E ORIENTAÇÕES LEGAIS PARA A EDUCAÇÃO E O TRABALHO DOS PROFISSIONAIS DA EDUCAÇÃO PÚBLICA ESTADUAL DE GOIÁS

Na Unidade de Estudos 2, vocês encontrarão nas produções as principais normas e princípios que regem o serviço público e a atuação dos profissionais da educação, a fim de subsidiá-los no exercício qualitativo de suas funções docentes. Como vocês, professores, agora fazem parte do quadro efetivo dos professores (do Magistério) da Rede Estadual de Goiás, é oportuno que conheçam também seus direitos e responsabilidades para com o serviço e a educação pública.

SERVIÇO PÚBLICO E SERVIDOR (A) PÚBLICO (A) A vida pública é regida por princípios e

SERVIÇO PÚBLICO E SERVIDOR (A) PÚBLICO (A)

A vida pública é regida por princípios e normas que precisam ser seguidas pelos seus agentes para assegurar a organização e a qualidade da gestão pública. Já o “serviço público é todo aquele prestado pela Administração ou por seus delegados, sob normas e controles estatais, para satisfazer necessidades essenciais ou secundárias da coletividade, ou simples conveniências do Estado” (MEIRELLES, 1999 apud COIMBRA, 2018, p.1). Entendida a principal diferença entre vida pública e serviço público, faz-se necessário destacar as principais Leis que regulamentam o serviço público no Estado de Goiás relacionadas com a profissão docente:

Lei n° 10.460, de 22 de Fevereiro de 1988 Trata dos Funcionários Públicos Civis do

Lei n° 10.460, de 22 de Fevereiro de 1988

Trata dos Funcionários Públicos Civis do Estado de Goiás, e define o funcionário público como “pessoa legalmente investida em cargo, de provimento efetivo ou em comissão, com denominação, função e vencimento próprios, número certo e remunerado pelos cofres públicos” (GOIÁS, 1988, ART. 3). Para aprofundar os conhecimentos dos preceitos legais que fundamentam as funções dos servidores públicos, bem como as atribuições e reponsabilidades para com o serviço público em Goiás, acesse o link abaixo:

http://www.gabinetecivil.goias.gov.br/leis_ordinarias/198

8/lei_10460.htm

Lei nº 13.909, de 25 de Setembro de 2001 – O Estatuto e o Plano

Lei nº 13.909, de 25 de Setembro de 2001 – O Estatuto e o Plano de Cargos e Vencimentos do Pessoal do Magistério

O Estatuto do Magistério é regido pela Lei nº 13.909, de 25 de setembro de 2001, onde encontramos as formas de provimento do quadro do professor, as normas direcionadas para o quadro permanente do magistério e sua estrutura apontando para professor Nível I, Nível II, Nível III e Nível IV, de acordo com formação e os cursos de pós-graduação. No Estatuto estão definidos também os conceitos sobre a vacância, a posse, o exercício e a frequência, a remoção, a disposição e a readaptação. Destaca ainda a questão dos direitos e vantagens, além dos vencimentos, como a gratificação, a indenização e os adicionais por tempo de serviço e trabalho. Trata ainda da retribuição do trabalho, perdas salariais, e acrescenta as normas sobre as gratificações pelo eventual desempenho do magistério, de dedicação exclusiva e as de titularidade e progressão. O Plano contempla outros benefícios como o auxílio-saúde, auxílio funeral, décimo terceiro salário, licenças, jornada de trabalho, acumulação de cargos, tempo de serviço, aposentadoria, previdência, deveres, transgressões disciplinares e outras questões de interesse do professor.

Lei n° 18.846, de 10 de Junho de 2015 – O Conflito de Interesses De

Lei n° 18.846, de 10 de Junho de 2015 – O Conflito de Interesses

De acordo com a Lei nº 18.846, de 10 de junho de 2015, existem algumas situações que podem ser configuradas como conflito de interesses no exercício do cargo ou emprego. Podemos destacar como principais: a divulgação de informações privilegiadas; manter relação de negócio com pessoa física ou jurídica sobre a qual tenha interesse em decisão; exercer atividades que em razão da sua natureza seja incompatível com as atribuições do cargo; prestar serviços para empresa que seja controlada pelo agente público.

Lei Complementar n° 77, de 22 de Janeiro de 2010 – O Regime Próprio de

Lei Complementar n° 77, de 22 de Janeiro de 2010 – O Regime Próprio de Previdência dos Servidores – RPPS

O Regime Próprio de Previdência dos Servidores Públicos de

Goiás, foi instituído pela Lei Complementar nº 77, de 22 de janeiro

de 2010. Essa Lei define critérios, procedimentos e requisitos para a concessão, manutenção, pagamento e benefícios previdenciários. Regulamenta a condição de segurados e dependentes, do recadastramento, das fontes de custeio, da contribuição, e das situações dos servidores como cedido, à disposição ou afastado.

A Lei considera como base de cálculo das contribuições a

remuneração do cargo composta por vencimento, acrescido por seus adicionais e vantagens pecuniárias, gratificações e vantagens permanentes, além dos proventos e pensões. Os benefícios previdenciários concedidos pelo RPPS estão relacionados à aposentadoria por invalidez, aposentadoria compulsória, aposentadoria voluntária, aposentadoria especial, auxílio-doença, salário-família, salário-maternidade, pensão por morte e auxílio- reclusão. A concessão e o pagamento de benefícios previdenciários são remetidos ao Tribunal de Contas do Estado para controle e registro, pois os atos de concessão dos benefícios carecem de fundamentação legal, como no caso de solicitação de aposentadoria, que após sua concessão é encaminhado para a Goiás Previdência (GOIASPREV)

para os procedimentos consequentes. À GOIASPREV cabe a edição dos atos de concessão de aposentadoria,

para os procedimentos consequentes. À GOIASPREV cabe a edição dos atos de concessão de aposentadoria, fixação dos proventos, pensão, pagamentos e manutenção. Poderão ser descontados dos benefícios previdenciários: o imposto de renda, a pensão de alimentos por decisão judicial, as mensalidades de associações e entidades legalmente reconhecidas, autorizadas pelo beneficiário, as contribuições de valores ao RPPS e outras consignações. Os direitos e benefícios decorrentes desta Lei poderão ser requeridos a qualquer tempo com prescrição dos últimos 5 anos da data anterior ao requerimento. Esta Lei, ainda trata do tempo de contribuição e da averbação para computar o tempo contribuído na administração pública direta e indireta e iniciativa privada, observada a comprovação por meio de Certidão de Tempo de Contribuição – CTC – em original, expedida pelo órgão gestor do regime de previdência a que o segurado esteve filiado. Após cumprir a exigência legal que trata os Artigos 51 e 57 e o Artigo 3º da Emenda Constitucional nº 41/2003, e que faça opção expressa por permanecer em atividade, fará jus ao abono de permanência.

por permanecer em atividade, fará jus ao abono de permanência. Formação de Professores em Estágio Probatório

Formação de Professores em Estágio Probatório

10

Decreto n° 7926, de 11 de Julho Atualização Cadastral Anual de 2013 – A O

Decreto n°

7926,

de

11 de Julho

Atualização Cadastral Anual

de 2013

A

O Decreto nº 7926, de 11 de julho de 2013, institui o Programa de Atualização Cadastral Anual do Pessoal Civil do Estado de Goiás, tendo como objetivo a melhoria da gestão dos recursos humanos. Anualmente, o servidor no mês da data de seu aniversário deve realizar o recadastramento. A não realização do recadastramento implicará o bloqueio do pagamento do servidor a partir do terceiro mês subsequente ao do respectivo aniversário, até que o mesmo atualize as informações solicitadas. O recadastramento pode ser

realizado

http://www.recadastramento.go.gov.br/recad/login.xhtml, e seguir as orientações necessárias.

através

do

site:

Lei n° 19.145, de 29 de Dezembro de 2015 – Os Exames Médicos Periódicos A

Lei n° 19.145, de 29 de Dezembro de 2015 – Os Exames Médicos Periódicos

A Lei nº 19.145, de 29 de dezembro de 2015, instituiu os exames médicos periódicos como parte do Programa de Saúde Ocupacional, além de dispor sobre a Política de Segurança e Saúde no Trabalho dos Servidores Públicos do Poder Executivo de Goiás, dentre outras providências. Os exames médicos visam identificar possíveis alterações em função dos riscos existentes no ambiente de trabalho e de agravos à saúde relacionados com a atividade laborativa e/ou com o ambiente de serviço. Também possibilitarão a adoção de medidas de prevenção, vigilância aos ambientes de trabalho e promoção à saúde. Os exames serão realizados em ciclos, conforme o seguinte cronograma:

Em anos pares: deverão realizar os exames médicos periódicos os servidores nascidos nos meses ímpares: janeiro, março, maio, julho, setembro e novembro. Em anos ímpares: deverão realizar os exames médicos periódicos os nascidos em meses pares: fevereiro, abril, junho, agosto, outubro e dezembro A Secretaria de Estado de Gestão e Planejamento (Segplan) e o Ipasgo definiram alguns passos que devem ser seguidos para a realização dos exames:

Formação de Professores em Estágio Probatório 13
Formação de Professores em Estágio Probatório 13
Formação de Professores em Estágio Probatório 13
A Superintendência da Central de Administração de Pessoal e o Ipasgo já repassaram aos representantes

A Superintendência da Central de Administração de Pessoal e o Ipasgo já repassaram aos representantes das Gerências de Gestão de Pessoas da Seduce e de todos os órgãos governamentais as orientações sobre como serão realizados os exames médicos periódicos.

sobre como serão realizados os exames médicos periódicos. Formação de Professores em Estágio Probatório 14
O INSTITUTO DE ASSISTÊNCIA AOS SERVIDORES DO ESTADO DE GOIÁS (IPASGO) O Instituto de Previdência

O INSTITUTO DE ASSISTÊNCIA AOS SERVIDORES DO ESTADO DE GOIÁS (IPASGO)

O Instituto de Previdência e Assistência dos Servidores do Estado de Goiás (IPASGO) foi criado pela Lei nº 4.190, de 22 de outubro de 1962, com a finalidade de assegurar aos servidores do Estado de Goiás um regime de previdência e assistência social. Desta forma, os servidores são caracterizados como segurados obrigatórios, como define a legislação. Já os segurados facultativos são inscritos mediante petição.

Além disso, de acordo com a Lei 4.190 de 1962, Art.6ª, Parágrafo único, “O segurado que exercer mais de um cargo, subordinado ao regime de outras instituições de previdência social, não está excluído da obrigatoriedade de contribuição para o IPASGO”.

Acrescenta ainda, que perdem a qualidade de segurado, os obrigatórios que cessarem sua relação de trabalho, ou interrompê-la por mais de seis meses consecutivos, além de outras situações constantes no documento legal.

A contribuição mensal recairá sobre os vencimentos, remuneração, salário ou provento dos servidores seguindo uma

A contribuição mensal recairá sobre os vencimentos, remuneração, salário ou provento dos servidores seguindo uma tabela de faixa etária, de alíquota para o plano básico ou especial.

Atualmente, de acordo com a Instrução Normativa nº 149- 2018/PR, que reajusta os valores das mensalidades dos serviços assistenciais dos titulares e dependentes do IPASGO, a alíquota do Plano Básico é de 6,81% sobre a remuneração do titular, tendo como limite mínimo R$ 77,91 e máximo de R$ 473,16. No Plano Especial a alíquota é de 12,48%, tendo limite mínimo de 121,04 e máximo de R$ 704,02.

Para

http://www.ipasgo.go.gov.br/

maiores

informações

consulte

o

site:

A MODULAÇÃO E A CARGA PROFESSORES DA SEDUC HORÁRIA DOS De acordo com os editais

A

MODULAÇÃO

E

A

CARGA

PROFESSORES DA SEDUC

HORÁRIA

DOS

De acordo com os editais de concursos, organizados para os profissionais que ingressarão na Rede Estadual de Educação de Goiás, são atribuições dos professores:

1.Participar de todo o processo de ensino e aprendizagem, ministrando aulas na educação básica;

2. Elaborar, acompanhar e avaliar os planos, programas e projetos de

que necessite a unidade escolar, ou sistema de ensino;

3. Zelar pela aprendizagem dos alunos;

4. Estabelecer estratégias de recuperação para os alunos de menor

rendimento, entre outras.

A jornada de trabalho dos professores poderá ocorrer em três turnos, durante os períodos matutinos, vespertino e noturno, com carga horária de 20 (vinte), 30 (trinta) ou 40 (quarenta) horas semanais.

O SINDICATO DOS TRABALHADORES EM EDUCAÇÃO DE GOIÁS (SINTEGO) O SINTEGO é uma instituição de

O SINDICATO DOS TRABALHADORES EM EDUCAÇÃO DE GOIÁS (SINTEGO)

O SINTEGO é uma instituição de direito privado, criado pelo

Congresso Unificado dos Trabalhadores da Educação de Goiás, em

1988. (ESTATUTO, Art. 1º, 2016).

O Sindicato atua em defesa do interesse dos trabalhadores da

educação de Goiás, com prerrogativas conforme orientações dos artigos 511, 512, 558 e 561 da Consolidação das Leis do Trabalho (CLT).

A filiação ao Sindicato não é obrigatória, de acordo com a

Constituição Federal de 1988, Art. 8º: “É livre a associação profissional ou sindical, observado o seguinte: V - ninguém será obrigado a filiar-se ou a manter-se filiado a sindicato” (CF/1988).

Para filiar-se ao Sindicato é necessário peticionar por meio de uma ficha de sindicalização fornecida pelo SINTEGO, e ao assiná-la o sindicalizado autoriza a Secretaria da Educação a proceder os descontos no vencimento e/ ou remuneração a importância de 1%, através da consignação em folha de pagamento.

Para

http://sintego.org.br/

saber

mais

sobre

o

SINTEGO

acesse

o

site:

O Comprovante de Rendimentos O comprovante de rendimentos e a ficha financeira, onde constam os

O Comprovante de Rendimentos

O comprovante de rendimentos e a ficha financeira, onde constam os dados dos recebimentos poderão ser acessados pelo site da Secretaria de Estado de Gestão e Planejamento (Segplan). No final da página do site, seguem as orientações sobre o contracheque, através do site: http://www.segplan.go.gov.br/ Para maiores informações são também disponibilizados os telefones: (62) 3201-3000 / 3070 (Seduc-Goiás).

A Avaliação Especial de Desempenho A Avaliação de Desempenho é uma ferramenta que acompanha e

A Avaliação Especial de Desempenho

A Avaliação de Desempenho é uma ferramenta que acompanha

e avalia o contínuo crescimento e o desenvolvimento de cada

professor que está ingressando no serviço público por meio de concurso. O Estágio Probatório é de três anos, e neste período a administração pública avalia o servidor por meio dos requisitos:

iniciativa, assiduidade, pontualidade, relacionamento interpessoal,

eficiência e comprometimento com o trabalho. Após o período estabelecido e a aprovação na avaliação do Estágio Probatório, o servidor adquire a estabilidade no serviço público. Outras orientações são disponibilizadas na Cartilha de

orientações através do site da Segplan, no ícone “Gestão de pessoas”

e, depois em “Servidor”.

Formação de Professores em Estágio Probatório 21
Formação de Professores em Estágio Probatório 21
Referências Bibliográficas Estatuto e o Plano de Cargos e Vencimentos do Pessoal do Magistério. Lei

Referências Bibliográficas

Estatuto e o Plano de Cargos e Vencimentos do Pessoal do Magistério. Lei nº 13.909, de 25 de setembro de 2001. Disponível em:

http://www.gabinetecivil.go.gov.br/pagina_leis.php?id=2015

Acesso em 25/01/2019

Cadastramento. – Decreto 7.926, de 23 de agosto de 2013. Disponível em:

http://www.gabinetecivil.goias.gov.br/decretos/numerados/2

013/decreto_7926.htm

Acesso em 25/01/2019.

Exames Médicos Periódicos. Lei nº 19.145, de 29 de dezembro de

em:

http://www.gabinetecivil.goias.gov.br/leis_ordinarias/2015/lei

2015.

Disponível

_19145.htm

Acesso em: 25/01/2019.

Exames Médicos Periódicos. Instrução normativa. Disponível em:

http://www.segplan.go.gov.br/images/Instrucao_Normativa_ Exames_Medicos.pdf Acesso em 25/01/2019.

Diretrizes Educacionais. Resolução nº 03, de fevereiro de 2018.

em: https://cee.go.gov.br/wp-

Disponível

content/uploads/2018/03/2018-03-cp-resolucao.pdf

Acesso em 30/01/2019.

Formação de Professores em Estágio Probatório 23
Formação de Professores em Estágio Probatório 23
Formação de Professores em Estágio Probatório 23
Formação de Professores em Estágio Probatório 23
Formação de Professores em Estágio Probatório 23
Formação de Professores em Estágio Probatório 23
Formação de Professores em Estágio Probatório 23
Formação de Professores em Estágio Probatório 23
Formação de Professores em Estágio Probatório 23