Você está na página 1de 24
1
1
1
1
1
1
1
1
GOVERNO DO ESTADO DE GOIÁS Ronaldo Ramos Caiado SECRETÁRIA DA EDUCAÇÃO Aparecida de Fatima Gavioli
GOVERNO DO ESTADO DE GOIÁS Ronaldo Ramos Caiado SECRETÁRIA DA EDUCAÇÃO Aparecida de Fatima Gavioli

GOVERNO DO ESTADO DE GOIÁS

Ronaldo Ramos Caiado

SECRETÁRIA DA EDUCAÇÃO

Aparecida de Fatima Gavioli Soares Pereira

SUPERINTENDENTE DE GESTÃO DE PESSOAS

Giordani dos Santos Lima

NÚCLEO DE MODULAÇÃO E REGISTROS FUNCIONAIS

Célia Maria Lopes Araújo Martins

GERENCIA DE CAPACITAÇÃO E FORMAÇÃO

Ádima Rocha de Abreu

Módulo 3 Formação de Professores em Estágio Probatório

Projeto Gráfico e Diagramação

Marcos Lopes

Laura Maria Corrêa

Sarah Marciano

Cassio Silva

Lays Mendes

Núbia Maia

Texto

Rosally Brasil Pereira

Suzete Faria Lamaro

Vânia Maria de Carvalho Honorato

Professores Formadores

Jussiara Moema Ramos de Oliveira

Rosally Brasil Pereira

Suzete Faria Lamaro

Vânia Maria de Carvalho Honorato

Fábio Júio Avles Borges

Revisão Linguística

Rosally Brasil Pereira

Suzete Faria Lamaro

Secretaria de Estado da Educação de Goiás. Saberes e experiências de trabalho para os professores em Estágio Probatório da Rede Estadual de Goiás. Goiânia, 2019.

Material de uso exclusivo em formações dos profissionais da Rede Estadual de Educação de Goiás.

GOIÂNIA – MARÇO DE 2019 Todos os direitos reservados

Sumário O Regimentos Escolar 6 O Projeto Político Pedagógico (PPP) 7 O Plano de Desenvolvimento

Sumário

O

Regimentos Escolar

6

O

Projeto Político Pedagógico (PPP)

7

O

Plano de Desenvolvimento da Escola (PDE)

9

Sistema Administrativo e Pedagógico

10

O

Conselho Escolar

17

O

Conselho de Classe

18

Encerramento

20

Avaliação do Curso

22

Referências Bibliográficas

23

UNIDADE DE ESTUDOS 3 CONHECIMENTOS E EXPERIÊNCIAS QUE ESTRUTURAM AS PRÁTICAS TÉCNICO-PEDAGÓGICAS ESCOLARES A escola

UNIDADE DE ESTUDOS 3

CONHECIMENTOS E EXPERIÊNCIAS QUE ESTRUTURAM AS PRÁTICAS TÉCNICO-PEDAGÓGICAS ESCOLARES

A escola definida como um dos locais onde a aprendizagem acontece, tem toda uma organização que prioriza a construção gradual de conhecimentos. Neste espaço, destacamos a importância do educador ao ter suas concepções teóricas e metodológicas bem definidas, possuindo a clareza sobre as formas de apropriação dos conhecimentos dos estudantes e das inúmeras possibilidades de saberes e experiências. Para que a escola exerça sua função social e garanta o direito constitucional de acesso e permanência dos alunos na escola pública e gratuita, é necessário que todos os seus integrantes estejam imbuídos do mesmo propósito e envolvidos com o processo de ensino e aprendizagem. Para tanto, existem documentos gerenciais, organizados em contextos democráticos que fazem parte da rotina escolar. São eles:

O Regimentos Escolar O Regimento estabelece parâmetros para as relações tanto administrativas quanto pedagógicas que

O Regimentos Escolar

O Regimento estabelece parâmetros para as relações tanto administrativas quanto pedagógicas que se dão no ambiente educacional escolar. É um instrumento de democratização das relações, uma vez que define os limites, os compromissos e as possibilidades de participação de cada segmento, de cada função e de cada indivíduo na definição dos rumos da educação desenvolvida na escola. Neste documento devem constar as normas gerais que regulam as práticas escolares disciplinares e pedagógicas da comunidade educativa, observadas as consonâncias com a legislação da educação nas esferas federal, estadual e municipal. De posse do documento, o professor terá orientações sobre a composição das notas, os casos de aprovação, reprovação e a recuperação, além dos procedimentos disciplinares que devem ser adotados na unidade escolar.

O Projeto Político Pedagógico (PPP) O Projeto Político Pedagógico é um documento da escola que

O Projeto Político Pedagógico (PPP)

O Projeto Político Pedagógico é um documento da escola que proporciona a vivência democrática necessária, que privilegia a participação de todos os membros da comunidade escolar com vistas à permanente reflexão educativa, discussão dos problemas da escola e busca conjunta de soluções. Fundamenta-se nos artigos da Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996, que estabelece as Diretrizes e Bases da Educação Nacional:

Art. 12 Os estabelecimentos de ensino, respeitadas as normas comuns e as do seu sistema de ensino, Os estabelecimentos de ensino, respeitadas as normas comuns e as do seu sistema de ensino, terão a incumbência de:

I - Elaborar e executar sua proposta pedagógica;( ) VII - Informar os pais e responsáveis sobre a frequência e o rendimento dos alunos, bem como sobre a execução de sua proposta pedagógica.

Art.I

I

 

13.

Os

docentes

incumbir-se-ão

de:

-

Participar

da

elaboração

da

proposta

pedagógica

do

estabelecimento

II - Elaborar e cumprir plano de trabalho, segundo a proposta pedagógica do estabelecimento de ensino;

ensino;

de

Art. 14. Os sistemas de ensino definirão as normas da gestão democrática do ensino público na educação Os sistemas de ensino definirão as normas da gestão democrática do ensino público na educação básica, de acordo com as suas peculiaridades e conforme os seguintes princípios:

I - Participação dos profissionais da educação na elaboração do projeto pedagógico da escola;

Art. 15. Os sistemas de ensino assegurarão às unidades escolares públicas de educação básica que os integram Os sistemas de ensino assegurarão às unidades escolares públicas de educação básica que os integram progressivos graus de autonomia pedagógica e administrativa e de gestão financeira, observadas as normas gerais de direito financeiro público (LDB, 1996).

Assim, é na participação da elaboração e na significativa efetivação do PPP, realizadas por todos

Assim, é na participação da elaboração e na significativa efetivação do PPP, realizadas por todos os segmentos da comunidade escolar, que se torna possível a concretização das práticas emancipatórias, que incidem na formação de um sujeito crítico, solidário e compromissado com meio social, político, econômico e educativo.

na formação de um sujeito crítico, solidário e compromissado com meio social, político, econômico e educativo.
O Plano de Desenvolvimento da Escola (PDE) O PDE Escola é um Programa de apoio

O Plano de Desenvolvimento da Escola (PDE)

O PDE Escola é um Programa de apoio à gestão escolar baseado no planejamento participativo, destinado a auxiliar as escolas públicas a melhorar a sua gestão. Para as escolas priorizadas pelo Programa, o Ministério da Educação (MEC) repassa recursos financeiros visando apoiar a execução de todo ou de parte do seu planejamento.

realizar

planejamento é o PDDE Interativo (pddeinterativo.mec.gov.br).

A

ferramenta

utilizada

pelas

escolas

para

o

seu

Para aprofundar os conhecimentos sobre o PDE, acesse o link:

http://pdeescola.mec.gov.br/index.php/o-que-e-pde-escola

O Sistema Administrativo Pedagógico (SIAP) O SIAP é um sistema voltado aos processos administrativos e

O Sistema Administrativo Pedagógico (SIAP)

O SIAP é um sistema voltado aos processos administrativos e

pedagógicos. Auxilia o professor nas atividades cotidianas da sua profissão, como planejamento das aulas, diário de classe, dentre outros. O SIAP foi criado em 2013, e a sigla significa Sistema Administrativo e Pedagógico. Esse sistema surgiu para atender à necessidade de informatização dos processos escolares, colaborando

com o cotidiano escolar de professores, funcionários administrativos e gestores. A principal contribuição que o SIAP trouxe para os professores foi o desenvolvimento do diário eletrônico, uma ferramenta que possibilita, por exemplo, o cadastro, lançamento e acompanhamento de notas.

A SEDUC, Coordenadorias e Unidades Escolares também

possuem um importante papel na manutenção do sistema, já que são elas as responsáveis pelas configurações iniciais que antecedem o

trabalho do professor.

O sistema apresenta funções diferentes para cada tipo de usuário. Temos usuários com perfil de

O sistema apresenta funções diferentes para cada tipo de usuário. Temos usuários com perfil de administração, perfil de coordenação e perfil docência.

Veremos agora um breve resumo das principais funções exercidas por cada perfil. FUNÇÕES DA SECRETARIA (CENTRALIZADA):

1) Criar o calendário da Rede, que será referência para todos os outros calendários; 2) Aprovar ou reprovar os Calendários Municipais e Escolares; 3) Cadastrar o Currículo Referência; 4) Aprovar ou reprovar as solicitações de Reagrupamentos das escolas de Tempo Integral; 5) Deferir ou indeferir a Revisão de Bônus do Programa Reconhecer.

FUNÇÕES DAS COORDENAÇÕES:

1) Criar os Calendários Municipais, aprovar ou reprovar os Calendários Escolares; 2) Acompanhar e registrar situações de crise nas unidades escolares; 3) Realizar o cadastro e acompanhar as Boas Práticas dos alunos; 4) Deferir ou indeferir a Revisão de Bônus do Programa Reconhecer; 5) Aprovar ou reprovar as solicitações de Reagrupamentos das escolas de Tempo Integral.

FUNÇÕES DOS GESTORES DAS UNIDADES ESCOLARES: 1) Criar o Calendário Escolar de sua unidade; 2)

FUNÇÕES DOS GESTORES DAS UNIDADES ESCOLARES:

1) Criar o Calendário Escolar de sua unidade;

2) Cadastrar o horário de aula;

3) Criar Planos Anuais das disciplinas;

4) Criar o quadro de Horários de Aulas;

5) Realizar funções de acompanhamento.

FUNÇÕES DOS PROFESSORES:

1) Cadastrar e administrar o plano de aula por turma; 2) Administrar o seu diário (notas, frequências, avaliações e conteúdo trabalhado).

O SIAP trabalha em conjunto com o SIGE, Sistema de Gestão Escolar. Vários dados informados no SIGE são também enviados para o SIAP, como o cadastro dos professores, cadastro de turmas e disciplinas da matriz curricular.

O SIAP evita a sobrecarga do trabalho das escolas, pois o lançamento das notas e faltas são responsabilidade do professo e migram automaticamente para o SIGE, tornando o trabalho unificado.

As notas e faltas inseridas pelo professor no diário eletrônico vão também para os boletins

As notas e faltas inseridas pelo professor no diário eletrônico vão também para os boletins escolares, para o aplicativo dos alunos, Palma da Mão, e demais documentos gerados no SIGE. Através do SIAP os coordenadores pedagógicos acompanham o planejamento dos professores e os dados lançados nos diários.

Para o professor, o sistema facilita o planejamento por turma, já que o plano anual das disciplinas por série já estará no sistema e o plano de aula de uma mesma série e disciplina poderá ser replicado para outra turma. Além disso, no Diário Eletrônico, o sistema somará as notas e faltas dos alunos, facilitando assim o trabalho. Para os gestores da SEDUC, o sistema ajuda na coleta de dados, que contribuirá para a geração de dados estatísticos e também no acompanhamento pedagógico desses dados.

da

Superintendência de Integração Tecnológica da Informação, a

SITI.

O

SIAP

foi

desenvolvido

pela

SEDUC,

por

meio

No começo, a intenção era atender principalmente aos professores, mas se tornou uma ferramenta importante para a gestão escolar. Hoje o principal objetivo é organizar as atividades pedagógicas e administrativas que envolvem dados referentes às aulas, rendimento dos alunos e atividades dos docentes

Quem pode ter acesso a este sistema?  Servidores da Secretaria de Educação (Centralizada) que

Quem pode ter acesso a este sistema?

Servidores da Secretaria de Educação (Centralizada) que

atuam com o Programa Reconhecer, Calendário Escolar,

Acompanhamento Pedagógico, Currículo Referência dentre outras

atividades que requerem acompanhamento diário na escola;

Servidores das Coordenadorias (Regionais de Ensino);

Servidores das Secretarias das Escolas;

Professores.

Sistemas que se relacionam com o SIAP

Para que o SIAP funcione, ele necessita de informações de

outros Sistemas, são eles:

Sistema de Gestão Escolar:

Utilizado pelas escolas na gestão de suas atividades.

Sistema de Gestão de Unidades – SGU:

Tem como finalidade a gestão dos dados referentes aos prédios escolares, incluindo suas extensões e dependências.

Reordenamento:

Sistema de Reordenamento de Matrícula – NSRM, usado pelas escolas, regionais de ensino e centralizada para realizar o reordenamento da matrícula.

MDL.

Também chamado de Modulação, o MDL serve para gerenciar

dados e informações referentes às modulações.

Como o sistema é dividido? O SIAP é composto por três menus , são eles:

Como o sistema é dividido?

O SIAP é composto por três menus, são eles:

Configurações: Onde estão as funções iniciais, usadas pelos

usuários nas primeiras definições do sistema;

Operações: São as atividades e cadastros realizados dentro

do sistema;

Relatórios: São os dados gerados a partir dos cadastros e

demais operações realizadas no sistema.

Esses menus estão em todos os perfis do sistema. Para cada tipo de usuário, existe um perfil diferente que vai determinar quais as funções que serão disponibilizadas:

Perfil Secretaria

Perfil Coordenação

Perfil Escola

Perfil Professor

O perfil secretaria é destinado aos usuários de sistema da unidade centralizada que trabalham diretamente na organização dos dados iniciais que serão usados por toda a rede estadual de ensino. Esses dados são referentes ao calendário da rede e ao currículo referência das disciplinas ministradas pelos professores. Outras funções nesse perfil são utilizadas também por áreas pedagógicas específicas. Elas dizem respeito à autorização e ao acompanhamento de algumas

atividades realizadas pela escola e pelo professor como: revisão de bônus e reagrupamento. O perfil

atividades realizadas pela escola e pelo professor como: revisão de bônus e reagrupamento.

O perfil coordenação é destinado aos usuários do sistema que trabalham nas coordenações regionais de educação e são responsáveis pela liberação, autorização e acompanhamento das atividades realizadas pela escola e pelos professores.

No perfil escola serão inseridos os dados iniciais para que as funções realizadas pelo professor fiquem disponíveis. O perfil também permite o acompanhamento das atividades realizadas pelos professores.

No perfil do professor, o educador pode realizar os planejamentos por turma, utilizar o diário escolar, enviar seus planos de aula para o programa Reconhecer, acompanhar as tarefas e atividades dos alunos, controlar o reforço ministrado para o aluno e, ainda, solicitar a revisão de bônus do programa reconhecer.

O Conselho Escolar O Conselho Escolar é definido como um “órgão colegiado composto por representantes

O Conselho Escolar

O Conselho Escolar é definido como um “órgão colegiado composto

por representantes das comunidades escolar e local, que tem como

atribuição deliberar sobre questões político-pedagógicas,

administrativas, financeiras, no âmbito da escola” (MEC, 2004, p. 34).

A LDB 9.394 de 1996, definiu junto com a implantação da gestão

democrática, a participação das comunidades escolar e local nos Conselhos Escolares ou equivalentes, além da participação dos profissionais da educação nos processos de organização do projeto pedagógico escolar (Art. 14) e a construção dos Conselhos na gestão da educação (Arts. 14 e 15). Para aprofundar os Conhecimentos sobre o Conselho Escolar, acesse o link:

http://portal.mec.gov.br/seb/arquivos/pdf/Consescol/ce_cad1.pdf

O Conselho de Classe O Conselho de Classe é um órgão colegiado, de natureza consultiva

O Conselho de Classe

O Conselho de Classe é um órgão colegiado, de natureza consultiva e deliberativa em assuntos didático-pedagógicos, fundamentado no Projeto Político Pedagógico da escola e no Regimento Escolar. Segundo Dalben (1995) o Conselho de Classe “guarda em si a possibilidade de articular os diversos segmentos da escola e tem por objeto de estudo o processo de ensino que é o eixo central em torno do qual desenvolve-se o processo de trabalho escolar” (DALBEN, 1995, p.

16).

É certo que as normativas que definem a organização das instituições são fundamentais nos direcionamentos dos processos e ações educativas. Entretanto, as pessoas que compõem o quadro da educação e da escola merecem nossas maiores atenções. Mais do que exigir os conhecimentos acerca dos pressupostos legais e pedagógicos, acreditamos que a competente atuação dos professores nos processos formativos de ensino pode transformar para melhor a vida de seus alunos e de outras pessoas, e com certeza, mudam qualitativamente os rumos da educação e da escola. E, na perspectiva de engajamento dos professores em estágio probatório nos processos decisivos da educação, enfatizamos a relevância da competência deste profissional na formação integral dos sujeitos que produzem cultura e história.

De posse dessa compreensão, a SEDUC trabalha incisivamente para que os profissionais da educação encontrem,

De posse dessa compreensão, a SEDUC trabalha incisivamente para que os profissionais da educação encontrem, nos espaços educativos, todas as condições necessárias ao bom desempenho de suas funções, de modo que consigam identificando-se com seus pares, participar ativamente das políticas e práticas que se estruturam pelos documentos legais, administrativos e pedagógicos referenciados.

Encerramento Chegamos ao término do nosso primeiro encontro e, em breve, iniciaremos os outros momentos

Encerramento

Chegamos ao término do nosso primeiro encontro e, em breve, iniciaremos os outros momentos de estudos.

Entraremos em contato para maiores informações e emissão de certificados.

Aguardem!

Um forte abraço e o nosso reconhecimento pela sua opção pela educação.

21
21
Referências Bibliográficas Trabalho escolar e Conselho de Classe. 3 ed. Campinas. Papirus,1995 GOIÁS. Regime Próprio

Referências Bibliográficas

Trabalho escolar e Conselho de Classe. 3 ed. Campinas. Papirus,1995 GOIÁS. Regime Próprio de Previdência dos Servidores – RPPS - Lei complementar nº 77, de 22 de janeiro de 2010. – Disponível em:

http://www.gabinetecivil.goias.gov.br/pagina_leis.php?id=9258

Acesso em 25/01/2019

23
24
24
24
24
24
24
24
24
24