Você está na página 1de 31

OMS / SDE / WSH / 05.08 / 86

apenas inglês

Clorito e clorato na água potável

documentodocumento dede basebase parapara oo desenvolvimentodesenvolvimento dada OMSOMS DiretrizesDiretrizes

para a qualidade da água potável

©© OrganizaçãoOrganização MundialMundial dada SaúdeSaúde 20052005

Este documento pode ser livremente comentado, resumido, reproduzido e traduzido, em parte ou no seu todo, mas não para venda ou para uso em conjunto com fins comerciais. As solicitações devem ser enviadas para:

permissions@who.int.

As designações empregadas ea apresentação do material neste documento não implicam a expressão de qualquer opinião por parte da Organização Mundial de Saúde sobre o estatuto jurídico de qualquer país, território, cidade ou área ou de suas autoridades, nem sobre o delimitação de suas fronteiras ou limites. A menção de empresas específicas ou de certos produtos manufaturados não implica que eles sejam aprovados ou recomendados pela Organização Mundial da Saúde em detrimento de outros de natureza similar que não são mencionados. Erros e omissões, os nomes de produtos patenteados são diferenciados por letras iniciais maiúsculas.

Prefácio

Um dos principais objetivos de seus Estados membros da OMS e é que “todas as pessoas, independentemente da sua fase de desenvolvimento e suas condições sociais e económicas, têm o direito de ter acesso a um abastecimento adequado de água potável.” Um dos principais OMS funcionar para atingir tais objetivos é a responsabilidade “de ”

propor

regulamentos, e fazer recomendações com relação a questões de saúde internacionais

O primeiro documento da OMS que trata especificamente da qualidade da água potável pública foi publicado

ememem 195819581958 comocomocomo NormasNormasNormas InternacionaisInternacionaisInternacionais paraparapara águaáguaágua potável.potável.potável. Posteriormente,Posteriormente,Posteriormente, foifoifoi revistorevistorevisto ememem 196319631963 eee ememem 1971,1971,1971, sobsobsob

ooo mesmomesmomesmo título.título.título. EmEmEm 1984-1985,1984-1985,1984-1985, aaa primeiraprimeiraprimeira ediçãoediçãoedição dadada OMSOMSOMS DiretrizesDiretrizesDiretrizes paraparapara aaa qualidadequalidadequalidade dadada águaáguaágua potávelpotávelpotável ((( GDWQ)GDWQ)GDWQ) foi publicado em três volumes: Volume 1, Recomendações; Volume 2, critérios de saúde e outras informações de apoio; e Volume 3, vigilância e controle de abastecimento da Comunidade. Segunda edição de estes volumes foram publicados, em 1993, 1996 e 1997, respectivamente. Adendas aos Volumes 1 e 2 da segunda edição foram publicados em produtos químicos selecionados em 1998 e em aspectos microbiológicos em 2002. A terceira edição do GDWQ foi publicado em 2004, eo primeiro aditamento à terceira edição foi publicada em 2005.

O GDWQ estão sujeitos a um processo de revisão de rolamento. Através desta aspectos radiológicos de água potável processo, microbiológica, química e estão sujeitos a revisão periódica, e documentação relacionada com aspectos de proteção e controle da qualidade da água potáveis ​​público está em conformidade preparados e atualizados.

Desde a primeira edição do GDWQ, a OMS publicou informações sobre critérios de saúde e outras informações de apoio ao GDWQ, descrevendo as abordagens utilizadas na derivação de valores de referência e apresentação de comentários críticos e avaliações dos efeitos na saúde humana das substâncias ou contaminantes de potencial problema de saúde na água potável. Na primeira e segunda edições, estes Volume 2 do GDWQ constituído. Desde a publicação da terceira edição, eles compreendem uma série de monografias posição livre, incluindo este.

Para cada contaminante químico ou substância considerada, uma instituição líder preparou um documento avaliando os riscos para a saúde humana decorrentes da exposição à substância química particular na água potável. Instituições do Canadá, Dinamarca, Finlândia, França, Alemanha, Itália, Japão, Holanda, Noruega, Polónia, Suécia, Reino Unido e Estados Unidos da América preparou os documentos para a terceira edição e adendos.

Sob a supervisão de um grupo de coordenadores, cada um dos quais era responsável por um grupo de produtos químicos considerados no GDWQ, os documentos de critérios projecto de saúde foram submetidos a uma série de instituições científicas e especialistas para revisão por pares seleccionados. Os comentários foram tidos em consideração pelos coordenadores e autores. Os projectos de documentos também foram liberados para o domínio público para comentários e submetido à avaliação final por reuniões de peritos.

Durante a preparação de documentos de base e nas reuniões de peritos, a consideração cuidadosa foi dada a informação disponível em anteriores avaliações de risco realizadas

pelo Programa Internacional de Segurança Química, nas suas monografias critérios de saúde ambiental e Documentos Concise Avaliação International Chemical, a Agência Internacional para Pesquisa sobre Câncer, as Reuniões Conjuntas da FAO / OMS sobre Resíduos de Pesticidas e do Comité Misto FAO / OMS de Peritos em Aditivos Alimentares (que avalia os contaminantes tais como o chumbo, o cádmio, nitrato e nitrito, além de aditivos alimentares).

Além disso up-to-date informações sobre o GDWQ eo processo de seu desenvolvimento está disponível no site da internet da OMS e na edição atual do GDWQ.

Agradecimentos

OO primeiroprimeiro esboçoesboço dede cloritoclorito ee cloratoclorato nana águaágua potável,potável, documentodocumento dede basebase parapara oo desenvolvimentodesenvolvimento dada OMSOMS DiretrizesDiretrizes parapara aa qualidadequalidade dada águaágua potável,potável, foifoi preparadopreparado pelopelo Dr.Dr. S.S. Grant-Trusdale,Grant-Trusdale, HealthHealth Canada,Canada, aa quemquem graçasgraças especiais são devidos.

O trabalho dos seguintes coordenadores dos grupos de trabalho foi crucial para o desenvolvimento deste documento e outros que contribuem para o primeiro aditamento à terceira edição:

Dr.Dr. J.J. Cotruvo,Cotruvo, J.J. CotruvoCotruvo Associates,Associates, EUAEUA (( MateriaisMateriais ee produtosprodutos químicos)químicos)

Sr.Sr. JKJK Fawell,Fawell, ReinoReino UnidoUnido (( queque ocorreocorre naturalmentenaturalmente ee industrialindustrial

contaminantes)

MsMs M.M. Giddings,Giddings, HealthHealth CanadaCanada (( DesinfetantesDesinfetantes ee desinfecçãodesinfecção subprodutos)subprodutos)

P.P. Jackson,Jackson, WRC-NSF,WRC-NSF, ReinoReino UnidoUnido (( ChemicalsChemicals -- aspectosaspectos práticos)práticos)

Prof.Prof. Y.Y. Magara,Magara, UniversidadeUniversidade dede Hokkaido,Hokkaido, JapãoJapão (( exequibilidadeexequibilidade analítica)analítica)

Dr.Dr. E.E. Ohanian,Ohanian, EnvironmentalEnvironmental ProtectionProtection Agency,Agency, EUAEUA (( desinfetantesdesinfetantes ee

desinfecção subprodutos)

O projecto de texto foi discutido na reunião do Grupo de Trabalho para o primeiro aditamento à terceira edição do GDWQ, realizada em 17-21 maio de 2004. A versão final do documento leva em consideração os comentários de ambos os revisores e ao público. A entrada daqueles que forneceram comentários e dos participantes da reunião é reconhecido agradecimento.

O coordenador da OMS foi o Dr. J. Bartram, coordenador, Saneamento Programa de Água e Saúde, Sede da OMS. Ms C. Vickers forneceu uma ligação com o Programa de Segurança Química International, sede da OMS. Sr. Robert Bos, Água e Saneamento Programa de Saúde, Sede da OMS, desde a entrada em pesticidas adicionado à água potável para fins de saúde pública.

Ms Penny Ward forneceu apoio administrativo inestimável na reunião do Grupo de Trabalho e em todo o processo de revisão e publicação. Ms Marla Sheffer de Ottawa, Canadá, foi responsável pela edição científica do documento. Muitos indivíduos de vários países contribuíram para o desenvolvimento do GDWQ. Os esforços de todos os que contribuíram para a elaboração deste documento e, em particular, aqueles que forneceram ponto ou de domínio público revisão comentário são muito apreciados.

Siglas e abreviaturas utilizadas no texto

CAS

Chemical Abstracts Service

CI

intervalo de confiança

FAO

Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura

GAC

carvão activado granular

GDWQ

Diretrizes para a qualidade da água potável

IPCS

Programa Internacional de Segurança Química

LDLD 5050

dose letal mediana

LOAEL

nível de efeito adverso mais baixo observado

NOAEL

nível de efeito adverso não observado

OU

odds ratio

TDI

ingestão diária tolerável

THM

trihalometanos

QUEM

Organização Mundial da Saúde

Índice

1. DESCRIÇÃO GERAL

1

1.1 Identidade

1

1.2 Propriedades fisico

1

1.3 Propriedades organolépticas

1

1,4 usos principais e fontes de água potável

1

1.5 Destino ambiental

2

2. níveis ambientais e exposição humana

2

2.1 Água

2

2.2 Alimentos

2

2,3 estimado exposição total e a contribuição relativa de água potável

2

3. cinética e do metabolismo em animais e humanos LABORATÓRIO

2

4.4.4. EFEITOSEFEITOSEFEITOS SOBRESOBRESOBRE animaisanimaisanimais dedede laboratóriolaboratóriolaboratório eee EMEMEM VITROVITROVITRO SistemasSistemasSistemas dedede testetesteteste

333

4.1

O dióxido de cloro

3

4.1.1

Exposição a curto prazo

3

4.1.2

A exposição a longo prazo

4

4.1.3

toxicidade reprodutiva e desenvolvimento

4

4.1.4

mutagenicidade e afins pontos finais

6

4.1.5

Carcinogenicidade

7

4,2 Clorito

7

 

4.2.1

A exposição aguda

7

4.2.2

Exposição a curto prazo

7

4.2.3

A exposição a longo prazo

8

4.2.4

toxicidade reprodutiva e desenvolvimento

8

4.2.5

mutagenicidade e afins pontos finais

11

4.2.6

Carcinogenicidade

11

4,3 clorato

12

 

4.3.1

A exposição aguda

12

4.3.2

Exposição a curto prazo

12

4.3.3

Carcinogenicidade

12

4.3.4

toxicidade reprodutiva e desenvolvimento

13

4.3.5

mutagenicidade e afins pontos finais

13

5. efeitos no ser humano

13

5.1

O dióxido de cloro

13

5.2 Chlorite

15

5,3 clorato

15

6. ASPECTOS PRÁTICOS

16

6.1 Métodos analíticos e exequibilidade analítica

6.2 Tratamento de controlo e métodos de tratamento e exequibilidade

7. Os valores de referência PROVISÓRIAS

16

16

18

7,2 Clorito

18

7.3 Chlorate

8. Referências

19

19

1. DESCRIÇÃO GERAL

1.1 Identidade

Composto CAS No. Fórmula molecular Dióxido de cloro 10049-04-4 ClOClO 22 Clorito (sal de sódio)
Composto
CAS No.
Fórmula molecular
Dióxido de cloro
10049-04-4
ClOClO 22
Clorito (sal de sódio)
7758-19-2
NaClONaClO 22
Clorato de (sal de sódio)
7775-09-0
NaClONaClO 33

1.21.2 PropriedadesPropriedades fisicofisico (( NAS,NAS, 1987;1987; BudavariBudavari etet al.,al., 1989;1989; Meister,Meister, 1989)1989)

Propriedade DióxidoDióxido dede clorocloro 11 Clorito de sódio clorato de sódio Ponto de ebulição (°
Propriedade
DióxidoDióxido dede clorocloro 11
Clorito de sódio
clorato de sódio
Ponto de ebulição (° C)
11
-
> 300 (decompõe-se)
Ponto de fusão (° C)
- 59
180-200 (decompõe-se)
248
Densidade a 0 ° C (g /
cmcm 3)3)
1,64 (líquido)
-
2,5
pressão de vapor a 25 °
-
desprezível
-
C
A solubilidade em água
(g / litro)
3,01 (25 ° C)
390 (17 ° C)
-

1.3 Propriedades organolépticas

O limiar do sabor e o odor para o dióxido de cloro em água é de 0,4 mg / litro (NAS,

1987).

1,4 usos principais e fontes de água potável

Clorito e clorato são os subprodutos da desinfecção resultantes da utilização de dióxido de cloro como desinfectante e para controle de odor / sabor na água. O dióxido de cloro também é usado como um agente de branqueamento de celulose, polpa de papel, farinha e óleos e para a limpeza e detanning couro. O clorito de sódio é usado em no local de produção de dióxido de cloro; como um agente de branqueamento para a produção de papel, produtos têxteis e de palha; e no fabrico de ceras, shellacs e vernizes. O clorato de sódio é usado na preparação de dióxido de cloro; na fabricação de corantes, partidas e explosivos; para apanhar sol e acabamento de couro; e em herbicidas e desfolhantes (NAS, 1987;. Budavari et ai, 1989; Meister, 1989).

iões clorato e cloreto são também formados durante a decomposição lenta de soluções de hipoclorito de sódio (Adam et al, 1992;. Hutchison et al., 1994). Com o envelhecimento da solução e as diminuições de concentração de cloro disponíveis, é necessário dosear mais produto para atingir a concentração de cloro residual desejada, com um consequente aumento na quantidade de clorato adicionado à água tratada. A decomposição de

111 factorfactorfactor dedede conversãoconversãoconversão nonono ar:ar:ar: 111 ppmppmppm === 2,82,82,8 mgmgmg /// mmm 3.3.3.

1

O clorito e clorato na água potável

o hipoclorito de cálcio sólido é muito mais lento, e, consequentemente, a contaminação com clorato é menos provável de ser

significativo. No entanto, se as soluções de hipoclorito de cálcio são preparados e armazenados antes da utilização, em

seguida,seguida, aa decomposiçãodecomposição parapara formarformar cloratoclorato tambémtambém iriairia ocorrer.ocorrer.

1.5 Destino ambiental

O dióxido de cloro decompõe-se rapidamente em iões clorito, clorato e cloreto na água tratada, clorito sendo a espécie predominante. Esta reacção é favorecida por condições alcalinas.

2. níveis ambientais e exposição humana

2.1 água

Clorito ocorre em água potável quando o dióxido de cloro é usado para fins de purificação. Os níveis de clorito em água relatados em um estudo de valores entre 3,2 e 7,0 mg / litro (Michael et al., 1981).

2.2 Alimentação

O dióxido de cloro, clorito e clorato pode ocorrer em produtos alimentares como um resultado da sua utilização no processamento de farinha, tal como um agente descorante para carotenóides e outros pigmentos naturais (dióxido de cloro), como um agente de branqueamento para a preparação de alimento de amido modificado (cloreto de sódio) , como um aditivo indirecta em papel e cartão produtos utilizados para a embalagem de alimentos (cloreto de sódio) e como desfolhante, dessecante e fungicida na agricultura (clorato de sódio) (US EPA, 1983; CMA, 1989; FDA dos EUA, 1990).

2.3 estimado exposição total ea contribuição relativa de água potável

A principal via de exposição ambiental a dióxido de cloro, clorito e o clorato é por meio de água potável.

3. cinética e do metabolismo em animais e humanos LABORATÓRIO

O dióxido de cloro é rapidamente absorvido a partir do tracto gastrointestinal. Nenhum órgão particular parece concentrar-se selectivamente a dose seguinte exposição (Abdel-Rahman,

1985). Após a ingestão por via oral por macacos, de dióxido de cloro foi rapidamente convertido em iões cloreto e, em menor grau, o clorito e clorato (Bercz et al., 1982). Excreção é principalmente através da urina, quantidades menores sendo excretada nas fezes (Abdel- Rahman et al., 1982).

Clorito foi prontamente absorvida quando administrada a ratos, em seguida, distribuído aleatoriamente ao longo dos tecidos (Abdel-Rahman et al., 1982). Foi transformado principalmente em

2

O clorito e clorato na água potável

cloreto em ratos, quantidades menores que aparecem clorito como inalterada. Excreção foi principalmente através

da urina, seguido por fezes (Abdel-Rahman et al., 1985). Clorato foi rapidamente absorvido e distribuído de forma

aleatória ao longo dos tecidos de ratos (Abdel-Rahman et al., 1982). Foi excretada, principalmente na forma de

cloreto na urina, quantidades menores que aparecem como clorito e clorato (Abdel-Rahman et al.,

1985).

4. EFEITOS em animais de laboratório e in vitro testar sistemas

dióxido de cloro 4.1

exposição 4.1.1 Curto Prazo

Seis macacos foram tratados durante 8 semanas, com água potável contendo dióxido de cloro a

Seis macacos foram tratados durante 8 semanas, com água potável contendo dióxido de cloro a 100 mg / litro, o que corresponde a uma dose medida média de cerca de 4,6 mg / kg de peso corporal por dia (Harrington et al., 1986). De acordo com IPCS (2002), não houve mudanças consistentes visto em níveis de tiroxina. No mesmo estudo, de água potável contendo dióxido de cloro, a 0, 100 ou 200 mg / litro foi administrado a ratos do sexo masculino (12 por dose) (equivalente a 0, 10 ou 20 mg / kg de peso corporal por dia). Uma diminuição dependente da dose nos níveis de tiroxina foi observada após 8 semanas de tratamento; não havia nenhum rebote. De acordo com PISQ (2002), não é possível retirar quaisquer conclusões firmes a partir deste estudo, dado o grau limitado de observações (por exemplo, não histopatologia foi relatado) e o facto de que alterações nos níveis da hormona da tiróide estavam dentro da gama de valores de controle .

Beber-água contendo 0, 10 ou 100 mg de dióxido de cloro por litro (equivalente a cerca de 0, 1,5 ou 15 mg / kg de peso corporal por dia) foi administrada a ratinhos (10 por dose) durante 30 dias, sem efeitos aparentes sobre parâmetros sanguíneos. O NOAEL para este estudo foi de 15 mg / kg de peso corporal por dia (Moore & Calabrese, 1982). Doze macacos verdes africanos foram expostos a água contendo dióxido de cloro em concentrações de 0, 30, 100 ou 200 mg / litro (correspondendo a doses de 0, 3,5, 9,5 e 11 mg / kg de peso corporal por dia) utilizando um-dose crescente protocolo durante até 8 semanas. Cada dose foi mantida por 30-60 dias (Bercz et al., 1982). Uma revisão por PISQ (2002) referiram que as duas concentrações mais elevadas eram equivalentes a cerca de 9 mg / kg de peso corporal por dia, devido à palatabilidade prejudicada levando a ingestão de água reduzida. O tratamento com a dose mais elevada foi interrompida após 1 semana devido a sinais de desidratação. Embora os autores afirmaram que houve um efeito significativo tireotóxico reversível após 4 semanas de administração de 100 mg de dióxido de cloro por litro, PISQ (2002) determinaram que os poucos dados não claramente apoiar esta. No geral, em 200 mg de dióxido de cloro por litro, havia indicações claras sobre a irritação da cavidade oral, que conduzem a problemas de palatabilidade. A 100 mg / litro (cerca de 9 mg / kg de peso corporal por dia) ou menos, não se observaram efeitos claros entre estes primatas mais de um período de exposição de 8 semanas (PISQ, 2002). IPCS (2002) determinou que os poucos dados não claramente suportar isto. No geral, em 200 mg de dióxido de cloro por litro, havia indicações claras sobre a irritação da cavidade oral, que conduzem a problemas de palatabilidade. A 100 mg / litro (cerca de 9 mg / kg de peso corporal por dia) ou menos, não se observaram efeitos claros entre estes primatas mais de um período de exposição de 8 semanas (PISQ, 2002). IPCS (2002) determinou que os poucos dados não claramente suportar isto. No geral, em 200 mg de dióxido de cloro por litro, havia indicações claras sobre a irritação da cavidade oral, que conduzem a problemas de palatabilidade. A 100 mg / litro (cerca de 9 mg / kg de peso corporal por dia) ou menos, não se observaram efeit

3

O clorito e clorato na água potável

Ratos Sprague-Dawley (10 por sexo por dose) foram expostas a dióxido de cloro na água potável durante 90 dias em doses de 0, 25, 50, 100 ou 200 mg / litro (correspondendo a 0, 2, 4, 6 ou 12 mg / kg de peso corporal por dia para os machos e 0, 2, 5, 8 ou 15 mg / kg de peso corporal por dia para mulheres). O consumo de água foi diminuída em ambos os sexos nos três níveis de doses mais elevadas, muito provavelmente devido a palatabilidade reduzida. O consumo de alimento foi diminuída em machos que receberam a dose mais alta. hiperplasia de culas caliciformes foi significativamente aumentada nos turbinados nasais de fêmeas dadas 8 ou 15 mg / kg de peso corporal por dia e os machos em todas as doses. A inflamação da cavidade nasal foi observada em homens com 2 mg / kg de peso corporal por dia e em ambos os sexos em doses mais elevadas. As lesões foram provavelmente causada por inalação de vapores de dióxido de cloro no tubo Sipper de água potável ou a partir de gaseificação off- dos vapores depois de beber, em vez de por ingestão de água potável. Os autores concluíram que a dose mais baixa (2 mg / kg de peso corporal por dia) era um NMEAO (Daniel et al.,

1990).

Os autores concluíram que a dose mais baixa (2 mg / kg de peso corporal por

exposição 4.1.2 longo prazo

Num estudo de água potável, de dióxido de cloro foi administrada a ratos (sete por
Num estudo de água potável, de dióxido de cloro foi administrada a ratos (sete por

Num estudo de água potável, de dióxido de cloro foi administrada a ratos (sete por sexo por dose) em concentrações de 0, 0,5, 1, 5, 10 ou 100 mg / litro (a mais elevada dose equivalente a cerca de 13 mg / kg de peso corporal por dia) durante 2 anos. Na dose mais elevada, a taxa de sobrevivência foi substancialmente reduzida em ambos os sexos, e significa tempo de vida foi reduzida em comparação com o que para os animais de controlo. Não se observou qualquer correlação entre o tratamento e histopatológicos. Neste estudo, um NOAEL de 10 mg / litro (1,3 mg / kg de peso corporal por dia) foi identificado (Haag, 1949), embora deva ser notado que este estudo 1949 tem sérias limitações.

corporal por dia) foi identificado (Haag, 1949), embora deva ser notado que este estudo 1949 tem
corporal por dia) foi identificado (Haag, 1949), embora deva ser notado que este estudo 1949 tem

4.1.3 Reprodutiva e toxicidade para o desenvolvimento

Em um estudo de uma geração realizado com ratos Long-Evans, dióxido de cloro foi administrada

Em um estudo de uma geração realizado com ratos Long-Evans, dióxido de cloro foi administrada por gavagem, em doses de 0, 2,5, 5 ou 10 mg / kg de peso corporal por dia para homens (12 por grupo) durante 56 dias antes da e durante o acasalamento de ratos fêmeas (24 por grupo) que foram doseados (o mesmo que os machos) a partir de 14 dias antes do acasalamento e durante a gravidez até ao desmame aos 21 dias de lactação. medidas de fertilidade não foram significativamente diferentes entre os grupos de dose. Não foram observadas alterações relacionadas com a dose nos parâmetros de esperma (isto é, concentração, motilidade, movimento progressivo ou morfologia). níveis de hormona da tiróide foram alteradas de forma significativa, mas não em um padrão consistente (Carlton et al., 1991).

ratas foram expostas a 0, 1, 10 ou 100 mg de dióxido de cloro por litro em água potável (equivalente a 0, 0,1, 1 ou 10 mg / kg de peso corporal por dia) durante 2,5 meses antes do acasalamento e durante a gestação. Na dose mais elevada houve uma ligeira redução no número de implantes e nascimentos vivos por gravidez. sem efeitos

4

O clorito e clorato na água potável

foram observadas a 1 mg / kg de peso corporal por dia, o qual foi identificado como sendo o NOAEL (Toth et al.,

1990).

Ratos Sprague-Dawley fêmeas (13-16 por dose) foram alimentadas com água potável contendo 0, 2, 20 ou 100 mg de dióxido de

cloro por litro para 2 semanas antes do acasalamento e em todo o período de lactação, até que as crias foram desmamados no dia

pós-natal 21. observou-se efeito n significativo no peso corporal de qualquer das barragens ou os filhotes em qualquer dose

testada. A 100 mg / litro (14 mg / kg de peso corporal por dia para a barragem grávida), uma depressão significativa da tiroxina no

soro e um aumento na triiodotironina soro foram observadas nos filhotes ao desmame, mas não nas barragens. actividades

exploratórias e locomotoras neurocomportamentais foram diminuídos em crias nascidas de mães expostas a 100 mg / litro, mas

não para aqueles expostos a 20 mg / litro (a 3 mg / kg de peso corporal por dia), que foi considerada o NOAEL (Orme et al. , 1985).

Numa segunda experiência, crias de rato foram expostos directamente (por gavagem) com 14 mg de dióxido de cloro por kg de

peso corporal por dia (equivalente à dose recebida por uma barragem de água potável grávida contendo 100 mg de dióxido de

cloro por litro) nos dias pós-natais 5-20. Neste estudo, os níveis séricos de tiroxina foram deprimida, uma demora um pouco maior

e mais consistente no desenvolvimento de actividade exploratória e locomotora foi visto e ganho de peso corporal das crias foi

reduzida. A diminuição dos níveis séricos de triiodotironina não foi estatisticamente significativa. Com base na diminuição do

desenvolvimento das crias e diminuição dos níveis de hormonas da tiróide, um NMEAO de 14 mg / kg de peso corporal por dia (a

única dose testada) foi identificado (Orme et al., 1985). O número de células foi significativamente reduzido no cerebelo de filhotes

de rato com 21 dias de idade nascidos de fêmeas fornecidos durante a gestação e lactação com água contendo 100 mg de dióxido

de cloro por litro (cerca de 14 mg / kg de peso corporal por dia para a barragem). Um grupo de 12 crias de ratos doseados

directamente por meio de sonda com 14 mg / kg de peso corporal por dia tinham números de células deprimidas em ambos o

cerebelo e cérebro anterior em dia pós-natal 11 e exibidos diminuição da actividade roda de corrida voluntária no dia pós-natal

50-60, apesar da fato de que os tratamentos com dióxido de cloro foram terminadas aos 20 dias de idade. Estes dados sugerem

que o dióxido de cloro é capaz de influenciar o desenvolvimento do cérebro em ratos recém-nascidos. Neste estudo, um NMEAO

de 14 mg / kg de peso corporal por dia, a única dose testada, foi identificada (Taylor & Pfohl, 1985). Um grupo de 12 crias de ratos

doseados directamente por meio de sonda com 14 mg / kg de peso corporal por dia tinham números de células deprimidas em

ambos o cerebelo e cérebro anterior em dia pós-natal 11 e exibidos diminuição da actividade roda de corrida voluntária no dia

pós-natal 50-60, apesar da fato de que os tratamentos com dióxido de cloro foram terminadas aos 20 dias de idade. Estes dados

sugerem que o dióxido de cloro é capaz de influenciar o desenvolvimento do cérebro em ratos recém-nascidos. Neste estudo, um

NMEAO de 14 mg / kg de peso corporal por dia, a única dose testada, foi identificada (Taylor & Pfohl, 1985). Um grupo de 12 crias

de ratos doseados directamente por meio de sonda com 14 mg / kg de peso corporal por dia tinham números de células deprimidas

em ambos o cerebelo e cérebro anterior em dia pós-natal 11 e exibidos diminuição da actividade roda de corrida voluntária no dia

O potencial neurotóxico desenvolvimento de dióxido de cloro foi avaliada num estudo em que foi administrado a filhotes de ratos por intubação oral a 14 mg / kg de peso corporal por dia nos dias pós-natais 1-20. a proliferação de células do cérebro anterior foi diminuída no dia p-natal 35, e houve diminuições no peso do cérebro anterior e teor de proteína no dia pós-natal 21 e 35. A proliferação celular nos bulbos olfativos cerebelo e foi comparável à que nos controlos não tratados, como o foram a migração e a agregação de natureza neuronal células do córtex cerebral. O exame histopatológico do tronco do cérebro anterior, cerebelo e do cérebro não revelou quaisquer lesões ou alterações nestes tecidos. Neste estudo, um NMEAO de 14 mg / kg de peso corporal por dia (a única dose testada) foi identificado (Toth et al., 1990).

pós-natal 50-60, apesar da fato de que os tratamentos com dióxido de cloro foram terminadas aos 20 dias de idade. Estes dados sugerem que o dióxido de cl

5

O clorito e clorato na água potável

O clorito e clorato na água potável Ratos Sprague-Dawley do sexo feminino receberam dióxido de cloro
O clorito e clorato na água potável Ratos Sprague-Dawley do sexo feminino receberam dióxido de cloro

Ratos Sprague-Dawley do sexo feminino receberam dióxido de cloro em cerca de 0, 0,07, 0,7 ou 7 mg / kg de peso corporal por dia na água potável. Depois de aproximadamente 10 semanas de exposição, as fêmeas foram acasalados com machos não tratados e continuaram a receber o dióxido de cloro ao longo da gestação. No dia 20 da gestação, as barragens foram sacrificados, os seus úteros foram removidos e pesados, e os fetos foram examinados; metade dos fetos foram examinados para esquelético e meia para anormalidades viscerais. Não havia sinais clínicos de toxicidade e não há mortalidades-relacionadas com a exposição entre as barragens. Houve um ligeiro, mas estatisticamente não significativo, a redução no ganho de peso corporal em barragens de 0,7 e 7 mg / kg de peso corporal por dia durante a gravidez (redução de aproximadamente 14% em comparação com controlos). Houve uma ligeira redução no número médio de implantes por barragem nos dois maiores grupos de dose, o que foi estatisticamente significativo a 7 mg / kg de peso corporal por dia (10,3 por represa em comparação com 12,3 por represa em controlos). Uma mudança semelhante no número de fetos vivos também foi observada nas duas doses mais elevadas. Estes efeitos podem ter sido relacionados com a toxicidade materna, como houve uma ligeira redução no ganho de peso corporal entre as duas barragens de níveis mais elevados de exposição. A incidência de ninhadas com fetos anómalas não foi afectada pelo tratamento (5/6, 4/6, 6/6 e 7/8 entre os animais que receberam 0, 0,07, 0,7 e 7 mg / kg de peso corporal por dia, respectivamente) (Suh et al., 1983). Uma mudança semelhante no número de fetos vivos também foi observada nas duas doses mais elevadas. Estes efeitos podem ter sido relacionados com a toxicidade materna, como houve uma ligeira redução no ganho de peso corporal entre as duas barragens de níveis mais elevados de exposição. A incidência de ninhadas com fetos anómalas não foi afectada pelo tratamento (5/6, 4/6, 6/6 e 7/8 entre os animais que receberam 0, 0,07, 0,7 e 7 mg / kg de peso corporal por dia, respectivamente) (Suh et al., 1983). Uma mudança semelhante no número de fetos vivos também foi observada nas duas doses mais elevadas. Estes efeitos

4.1.4 Mutagenicidade e pontos finais relativos

OOO dióxidodióxidodióxido dedede cloroclorocloro foifoifoi mutagénicamutagénicamutagénica

OOO dióxidodióxidodióxido dedede cloroclorocloro foifoifoi mutagénicamutagénicamutagénica SalmonellaSalmonellaSalmonella typhimuriumtyphimuriumtyphimurium TA100TA100TA100 estirpeestirpeestirpe nanana ausênciaausênciaausência dedede umumum sistemasistemasistema dedede activaçãoactivaçãoactivação

metabólico (Ishidate et al., 1984). Não há anormalidades de cabeça de esperma foram observados em ratos do sexo

masculino a seguir gavagem dióxido de cloro (Meier et al., 1985). Não há anormalidades cromossómicas foram

observadas tanto no teste do micronúcleo ou um ensaio citogenético em células de medula óssea de ratinho após a

dosagem por gavagem com dióxido de cloro (Meier et al., 1985). em um em vitro citogenética ensaio, células de ovário de

dosagem por gavagem com dióxido de cloro (Meier et al., 1985). em um em vitro citogenética ensaio, células de ovário de

dosagem por gavagem com dióxido de cloro (Meier et al., 1985). em um em vitro citogenética ensaio, células de ovário de

hamster Chinês foram tratados com 0, 2,5,

5, 10, 15, 30 ou 60? G de 0,2% de dióxido de cloro por ml em solução salina tamponada com fosfato sem activação metabólica (-S9). A segunda experiência foi realizada com células de ovário de hamster chineses tratados a 0, 6, 13, 25, 50 ou 75? G / ml com activação metabólica (+ S9). Na primeira experiência, a toxicidade celular foi observada a 60? G / ml, e houve uma ausência de células mitóticas em 30 ug / ml. No 2,5-15 ug / mL, houve uma dose-relacionado, o aumento estatisticamente significativo no número de células em metafase com aberrações cromossómicas. Na segunda expericia (com activação metabólica), a toxicidade celular e a ausência de células mitóticas foram observados em 75 ng / ml. Um aumento estatisticamente significativo no número de células em metafase com aberrações cromossómicas foi observado em 50 ug / ml (ivett & Myhr, 1986).

Num ensaio de mutação progressiva de linfoma de rato (TK +/- usando L5178Y), as células foram tratadas com 0-65? G de dióxido de cloro por ml em solução salina tamponada com fosfato com e sem activação metabólica (S9). Sem S9, marcada toxicidade foi observada na concentração mais elevada utilizada, 37 ug / ml. O crescimento relativo as próximas duas concentrações (15 e 24 ug / ml) foi de 13-18%. Houve um aumento relacionado com a dose na frequência de mutação. Com S9, toxicidade marcado foi observada com a maior

6

O clorito e clorato na água potável

concentração, 65 ug / ml, e houve também um aumento relacionado com a dose na frequência de mutante, o que indica resultados positivos tanto com e sem activação metabólica, neste sistema teste (Cifone & Myhr, 1986).

o que indica resultados positivos tanto com e sem activação metabólica, neste sistema teste (Cifone &

4.1.5 Carcinogenicidade

teste (Cifone & Myhr, 1986). 4.1.5 Carcinogenicidade Os tumores não foram observadas em ratos a seguir

Os tumores não foram observadas em ratos a seguir a exposição de 2 anos de dióxido de cloro na água potável, embora deva notar-se que este estudo é mais de 50 anos de idade e tem sérias limitações (Haag, 1949).

4,2 Clorito

idade e tem sérias limitações (Haag, 1949). 4,2 Clorito 4.2.1 A exposição aguda UmUmUm LDLDLD bucalbucalbucal

4.2.1 A exposição aguda

UmUmUm LDLDLD bucalbucalbucal 505050 dedede 105105105 mgmgmg /// kgkgkg dedede pesopesopeso corporalcorporalcorporal foifoifoi avaliadoavaliadoavaliado ememem ratosratosratos (Musil(Musil(Musil etetet al.,al.,al.,

1964).1964).1964). CodornizCodornizCodorniz foramforamforam maismaismais resistentesresistentesresistentes dododo quequeque ososos ratos;ratos;ratos; aaa LDLDLD 505050 foifoifoi dedede 493493493 mgmgmg /// kgkgkg dedede pesopesopeso corporalcorporalcorporal (Fletcher,(Fletcher,(Fletcher, 1973).1973).1973).

exposição 4.2.2 Curto Prazo

Doses únicas de clorito de sódio administrado por via oral a gatos methaemoglobinaemia produzidos (Heffernan et ai., 1979). Uma dose de 20 mg de cloreto por litro (equivalente a aproximadamente 1,5 mg de clorito por kg de peso corporal) causou até 32% da hemoglobina para estar no estado meta-hemoglobina e foi considerado o NMEAO. Um aumento dependente da dose na methaemoglobinaemia e anemia foi observada em 12 macacos verdes africanos tratadas com clorito de sódio a 0, 25, 50, 100 ou 400 mg / litro em água potável que utilizam um protocolo de dose crescente. As doses de clorito foram de aproximadamente 0, 3, 6, 13 e 50 mg / kg de peso corporal por dia, e cada dose foi mantida por 30-60 dias (Bercz et al., 1982).

Um

estudo de doses mais recentes empregues de clorito de sódio administrado por sonda esofágica para Crl masculino e feminino:

CD

ratos (SD) Br (15 por sexo por grupo). As doses de 0, 10, 25 ou 80 mg de clorito de sódio por kg de peso corporal por dia foram

administradas diariamente por sonda esofágica durante 13 semanas (equivalente a 0, 7,4, 18,6 ou 59,7 mg de clorito por kg de peso corporal por dia). Este estudo é importante porque inclui muitos dos parâmetros normais de estudos toxicológicos

subcrónicos, enquanto que estudos anteriores tinham focado quase que inteiramente em parâmetros sanguíneos. Uma dose de gavagem a 80 mg / kg de peso corporal por dia morte produzido em um certo número de animais. É também resultou em

mudanças morfológicas nos eritrócitos e reduções significativas das concentrações de hemoglobina. A 80 mg / kg de peso corporal

por dia, a contagem de glóbulos vermelhos em ambos os sexos eram significativamente menos do que os valores de controlo. Nos

machos somente, os níveis de hematócrito e hemoglobina foram significativamente inferiores aos valores de controle e nível de

meta-hemoglobina e contagem de neutrófilos foram significativamente maiores do que os valores de controle. Um ligeiro aumento na contagem de reticulócitos foi observada a 80 mg / kg de peso corporal por dia nos machos, mas o aumento não foi estatisticamente significativo. Essas mudanças foram devido a alterações marcadas em dois machos individuais, que morreu pouco depois de o sangramento de 13 semanas. A 80 mg / kg de peso corporal por Essas mudanças foram devido a alterações marcadas em dois machos individuais, que morreu pouco depois de o sangramento de 13 semanas. A 80 mg / kg de peso corporal

por Essas mudanças foram devido a alterações marcadas em dois machos individuais, que morreu pouco depois de o

sangramento de 13 semanas. A 80 mg / kg de peso corporal por

7

O clorito e clorato na água potável

dia, os níveis de meta-hemoglobina em fêmeas foram significativamente inferiores aos valores de controlo. Um teste de tendência estatística indicou uma tendência de queda relacionada com a dose para a contagem de glóbulos vermelhos em fêmeas a 25 mg / kg de peso corporal por dia e, em machos em 10 mg / kg de peso corporal por dia. A significância estatística não foi confirmada por comparação directa com o grupo de controlo, e o grupo significa valores estavam dentro da gama de fundo; por conseguinte, uma associação directa com o tratamento pode não ser estabelecida de forma conclusiva. Como seria de esperar, onde está ocorrendo a hemólise, pesos esplénicas foram aumentadas. pesos adrenais foram aumentadas nas fêmeas com 25 e 80 mg / kg de peso corporal por dia, enquanto que as alterações estatisticamente significativos foram observados apenas a 80 mg / kg de peso corporal por dia em machos. O exame histopatológico de tecidos necropsiados revelaram hiperplasia epitelial escamosa célula, hiperqueratose, ulceração, inflamação crónica e edema no estômago de 7 de 15 machos e 8 fêmeas de 15 dados 80 mg / kg de peso corporal por dia de doses. Este efeito foi observado em apenas 2 dos 15 animais aos 25 mg / kg de peso corporal por dia de dose e não em toda a 10 mg / kg de peso corporal por dia dose. avaliação histológica foram feitas em 40 tecidos adicionais, mas não há anormalidades relacionadas com o tratamento foram encontrados. O NOAEL para este estudo foi determinado como sendo 7,4 mg / kg de peso corporal por dia por lesões de estômago e aumenta em baço e adrenais pesos (Harrington et al., 1995a). Os ratos foram expostos a clorito de iões a 0, 10, 50, 100, 250 ou 500 mg / litro em água potáveis ​​(equivalente a 0, 1, 5, 10, 25 ou 50 mg / kg de peso corporal por dia) durante 30-90 dias. Os parâmetros hematológicos foram monitorizados, e as três concentrações mais elevadas

produzido a anemia transiente. Aos 90 dias, os níveis de glutationa de glóbulos vermelhos no grupo de 100 mg / litro foram 40% inferiores aos dos controlos; houve pelo menos uma redução de 20% nos ratos que receberam 50 mg / litro. Neste estudo, um NOAEL de 1 mg / kg de peso corporal por dia, foi identificada (Heffernan et ai., 1979).

exposição 4.2.3 longo prazo

O

efeito de clorito de sódio em água potável a 0, 1, 2, 4, 8, 100 ou 1000 mg / litro na sobrevivência

e

na patologia post-mortem de ratos albinos (sete por sexo por dose) foi examinado num estudo de

2 anos . O tempo de vida dos animais não foi significativamente afectada em qualquer dose. Nenhum efeito foi observado em animais expostos a 8 mg / litro (0,7 mg / kg de peso corporal por dia) ou menos. Os animais expostos a 100 ou 1000 mg / litro (9,3 ou 81 mg / kg de peso corporal por dia) exibiram patologia renal relacionado com o tratamento; o autor concluiu que este era o resultado de um efeito sal não específica. Com base nos efeitos renais, este estudo identifica um NOAEL de 8 mg / litro (0,7 mg / kg de peso corporal por dia) e um NMEAO de 100 mg / litro (9,3 mg / kg de peso corporal por dia). Este estudo tem um valor limitado, uma vez que havia um número insuficiente de animais testados por grupo,

4.2.4 Reprodutiva e toxicidade para o desenvolvimento

ratinhos fêmea (10 por dose) foram tratados com cloreto de sódio a 0 ou 100 mg / litro em água potável (equivalente a 0 e 22 mg / kg de peso corporal por dia) (US EPA,

2000) desde o dia 1 de gestação e na lactação. A taxa de concepção foram de 56%

8

O clorito e clorato na água potável

para os controlos e 39% para os ratinhos tratados. Os pesos corporais dos filhotes ao desmame foram reduzidos (14% abaixo dos controlos) em ratinhos tratados relativamente aos controlos, de modo a que 22 mg / kg de peso corporal por dia é o NMEAO para este estudo (Moore & Calabrese,

1982).

Em uma série de três experiências, de clorito de sódio foi administrado a ratos do sexo masculino (12 por dose) em água potável durante 66-76 dias a concentrações de 0, 1, 10, 100 ou 500 mg / litro (equivalente a 0, 0,1, 1, 10 e 50 mg / kg de peso corporal por dia). Não há anormalidades relacionadas com compostos foram observados no exame histopatológico do trato reprodutivo. morfologia dos espermatozóides anormal e diminuição da motilidade do esperma foram vistos nas duas doses mais elevadas, mas não há efeitos de esperma foram observadas a 1 mg / kg de peso corporal por dia, que pode ser identificado como sendo o NOAEL. Em uma outra parte do mesmo estudo, os ratos machos foram criados com ratas tratadas, a 0, 0,1, 1,0 ou 10 mg de clorito de sódio por kg de peso corporal por dia, os níveis de dose. Os machos foram expostas durante 56 dias e fêmeas durante 14 dias antes da reprodução e ao longo do período de criação de 10 dias. As fêmeas também foram expostas durante toda a gestação e lactação, até que as crias foram desmamados no dia 21. Não houve nenhuma evidência de quaisquer efeitos adversos sobre a taxa de concepção, o tamanho de ninhada, do dia da abertura do olho ou dia da abertura vaginal. Da diminuição das concentrações de triiodotironina e tiroxina no sangue foram observados no dia pós-natal 21 e 40 em crias machos e fêmeas expostos a 100 mg / litro. Com base nos efeitos na reprodução, um NOAEL de 10 mg / kg de peso corporal por dia, a dose mais elevada testada nesta experiência, foi identificada (Carlton et al., 1987). Da diminuição das concentrações de triiodotironina e tiroxina no sangue foram observados no dia pós-natal 21 e 40 em crias machos e fêmeas expostos a 100 mg / litro. Com base nos efeitos na reprodução, um NOAEL de 10 mg / kg de peso corporal por dia, a dose mais elevada testada nesta experiência, foi identificada (Carlton et al., 1987). Da diminuição das concentrações de triiodotironina e tiroxina no sangue foram observados no dia pós-natal 21 e 40 em crias machos e fêmeas expostos a 100 mg / litro. Com base nos efeitos na reprodução, um NOAEL de 10 mg / kg de peso corporal por d

Os fetos de ratos Sprague-Dawley maternos expostas durante 2,5 meses antes do acasalamento e durante a gestação em clorito de iões através de água potável em níveis de 1 ou 10 mg / litro foram examinados. Houve um aumento na incidência de anomalias nas duas concentrações; no entanto, porque os grupos de tratamento eram pequenos (6-9 fêmeas por grupo), os efeitos não foram considerados estatisticamente significativos (Ishidate et al., 1984). Grupos de ratos Sprague-Dawley do sexo feminino (12 por grupo) foram expostas durante 9 semanas para beber-água contendo 0, 20 ou 40 mg de clorito de sódio por litro (0, 3 ou 6 mg de clorito por kg de peso corporal por dia) começando 10 dias antes do acasalamento com machos não tratados e até os filhotes foram sacrificados aos 35-42 dias pós-concepção. Filhotes foram abatidos ao nascimento a oito filhotes por ninhada (todos os homens se possível). Dos dias 31-42 pós-concepção, seis litros de cada grupo de tratamento foram avaliadas para o desenvolvimento da actividade exploratória. Filhotes expostos a uma dose de 6 mg / kg de peso corporal por dia exibiram uma depressão consistente e significativa no comportamento exploratório nos dias pós-concepção 36-39, mas não no dia 40. actividade exploratória foi comparável entre os grupos tratados e de controlo após pós -conception dia 39. com base nos efeitos comportamentais, o NOAEL foi identificado como 3 mg / kg de peso corporal por dia (Mobley et ai., 1990).

Em um estudo de duas gerações, ratos Sprague-Dawley (30 por sexo por dose) recebido em água potável contendo 0, 35, 70 ou 300 mg de clorito de sódio por litro, durante 10 semanas e foram depois emparelhado para o acasalamento. Os machos foram expostos no período de acasalamento, então sacrificado. Exposição para as fêmeas continuou através de acasalamento, gravidez, lactação e até seguir desmame necropsia de suas ninhadas. Vinte e cinco machos e fêmeas

9

O clorito e clorato na água potável

a partir de cada uma das primeiras 25 ninhadas de ser desmamados num grupo de tratamento foram escolhidos para produzirproduzirproduzirproduzirproduzir ooooo FFFFF 11111 geração.geração.geração.geração.geração. ooooo FFFFF 11111 filhotesfilhotesfilhotesfilhotesfilhotes continuaramcontinuaramcontinuaramcontinuaramcontinuaram comcomcomcomcom ooooo mesmomesmomesmomesmomesmo regimeregimeregimeregimeregime dedededede tratamentotratamentotratamentotratamentotratamento quequequequeque seusseusseusseusseus pais.pais.pais.pais.pais. EmEmEmEmEm aproximadamenteaproximadamenteaproximadamente 141414 semanassemanassemanas dedede idade,idade,idade, quequeque foramforamforam cruzadascruzadascruzadas paraparapara produzirproduzirproduzir ooo FFF 2a2a2a geração.geração.geração. PorPorPor causacausacausa dedede umumum númeronúmeronúmero reduzidoreduzidoreduzidoreduzido dededede ninhadasninhadasninhadasninhadas nononono 70707070 mgmgmgmg //// litrolitrolitrolitro FFFF 1111 -F-F-F-F 2a2a2a2a

F 0 os animais foram de 0, 3,0, 5,6 ou 20,0 mg de clorito por kg de peso corporal por dia para homens e 0, 3,8, 7,5 ou

F 0 os animais foram de 0, 3,0, 5,6 ou 20,0 mg de clorito por kg de peso corporal por dia para homens e 0, 3,8, 7,5 ou

F 0 os animais foram de 0, 3,0, 5,6 ou 20,0 mg de clorito por kg de peso corporal por dia para homens e 0, 3,8, 7,5 ou

28,6 mg de clorito por kg de peso corporal por dia para o sexo feminino. Para o F 1 animais, as doses foram de 0, 2,9,

28,6 mg de clorito por kg de peso corporal por dia para o sexo feminino. Para o F 1 animais, as doses foram de 0, 2,9,

28,6 mg de clorito por kg de peso corporal por dia para o sexo feminino. Para o F 1 animais, as doses foram de 0, 2,9,

5,9 ou 22,7 mg de clorito por kg de peso corporal por dia para homens e 0, 3,8, 7,9 ou 28,6 mg de clorito por kg de

peso corporal por dia para o sexo feminino. Houve reduções no consumo de água, consumo de alimento e ganho de

peso corporal em ambos os sexos, em todas as gerações em vários momentos ao longo da experiência,

principalmente nos grupos de 70 e 300 mg / litro; estes foram atribuídos à falta de palatabilidade da água. A 300 mg

/

litro, reduziu a sobrevivência das crias, redução do peso corporal no nascimento e ao longo da lactação em F 1 e F 2,

litro, reduziu a sobrevivência das crias, redução do peso corporal no nascimento e ao longo da lactação em F 1 e F 2,

litro, reduziu a sobrevivência das crias, redução do peso corporal no nascimento e ao longo da lactação em F 1 e F 2,

litro, reduziu a sobrevivência das crias, redução do peso corporal no nascimento e ao longo da lactação em F 1 e F 2,

litro, reduziu a sobrevivência das crias, redução do peso corporal no nascimento e ao longo da lactação em F 1 e F 2,

baixos pesos de timo e de baço em ambas as gerações, incidência reduzida de crias que apresentam um reflexo de

endireitamento normal, atrasos no desenvolvimento sexual em machos e fêmeas em F 1 e F 2 e parâmetros de células

endireitamento normal, atrasos no desenvolvimento sexual em machos e fêmeas em F 1 e F 2 e parâmetros de células

endireitamento normal, atrasos no desenvolvimento sexual em machos e fêmeas em F 1 e F 2 e parâmetros de células

endireitamento normal, atrasos no desenvolvimento sexual em machos e fêmeas em F 1 e F 2 e parâmetros de células

endireitamento normal, atrasos no desenvolvimento sexual em machos e fêmeas em F 1 e F 2 e parâmetros de células

vermelhasvermelhasvermelhas dododo sanguesanguesangue maismaismais baixosbaixosbaixos ememem FFF 111 foramforamforam anotados.anotados.anotados. reduçõesreduçõesreduções significativassignificativassignificativas nonono pesopesopeso dododo fígadofígadofígado absolutosabsolutosabsolutos eee

relativosrelativosrelativosrelativos emememem FFFF 0000 fêmeasfêmeasfêmeasfêmeas eeee FFFF 1111

machos e fêmeas, reduzidos pesos absolutos cerebrais em F 1 e F 2 e uma diminuição da resposta máxima ao estímulo sobressalto

machos e fêmeas, reduzidos pesos absolutos cerebrais em F 1 e F 2 e uma diminuição da resposta máxima ao estímulo sobressalto

machos e fêmeas, reduzidos pesos absolutos cerebrais em F 1 e F 2 e uma diminuição da resposta máxima ao estímulo sobressalto

machos e fêmeas, reduzidos pesos absolutos cerebrais em F 1 e F 2 e uma diminuição da resposta máxima ao estímulo sobressalto

machos e fêmeas, reduzidos pesos absolutos cerebrais em F 1 e F 2 e uma diminuição da resposta máxima ao estímulo sobressalto

auditivo no dia p-natal 24 mas não no dia p-natal 60 foram observados nos 300 e 70 mg / litro grupos. pequenas alterações nos

parâmetrosparâmetrosparâmetros dedede glóbulosglóbulosglóbulos vermelhosvermelhosvermelhos ememem FFF 111 geraçãogeraçãogeração foramforamforam vistosvistosvistos ememem 353535 eee 707070 mgmgmg /// litro,litro,litro, masmasmas estesestesestes pareciapareciaparecia estarestarestar dentrodentrodentro dedede gamasgamasgamas

normais com base em dados históricos. O NOAEL neste estudo foi de 35 mg / litro (2,9 mg / kg de peso corporal por dia), com

basebasebasebasebase nanananana maismaismaismaismais baixabaixabaixabaixabaixa amplitudeamplitudeamplitudeamplitudeamplitude dododododo sobressaltosobressaltosobressaltosobressaltosobressalto auditivo,auditivo,auditivo,auditivo,auditivo, diminuiçãodiminuiçãodiminuiçãodiminuiçãodiminuição dododododo pesopesopesopesopeso cérebrocérebrocérebrocérebrocérebro absolutaabsolutaabsolutaabsolutaabsoluta nonononono FFFFF 11111 eeeee FFFFF 22222 geraçõesgeraçõesgeraçõesgeraçõesgerações eeeee pesopesopesopesopeso dododododo fígadofígadofígadofígadofígado

alteradas em duas gerações (CMA, 1997; TERA, 1998). A toxicidade para o desenvolvimento de clorito foi examinada em coelhos

Nova Zelândia brancos. Os coelhos (16 por grupo) foram tratados com 0, 200, 600 ou 1200 mg de clorito de sódio por litro na sua

água potável (equivalente a 0, 10, 26 ou 40 mg de clorito por kg de peso corporal por dia) a partir de dia 7 ao dia 19 de gravidez.

Os animais foram autopsiados no dia 28. O consumo alimentar foi deprimido nas duas primeiras doses, e o consumo de água foi

deprimido em todas as doses, mas mais notavelmente nos dois primeiros grupos de dose. pesos fetais médios foram ligeiramente

inferiores aos dois doses máximas, bem como, com uma incidência ligeiramente maior de ossificação incompleta de algumas

ossos. Não houve aumentos relacionados com a dose em defeitos identificados. anomalias esqueléticas menores foram

observadas como a concentração do clorito em água foi aumentado e consumo de alimentos foi deprimido. Um NOAEL de 200 mg

/ litro (10 mg / kg de peso corporal por dia) e um NMEAO de 600 mg / litro (26 mg / kg de peso corporal por dia) foram identificados

com base em um decréscimo no peso do feto e retardada ossificação, diminuiu o consumo de comida e água de barragens e

diminuiu o ganho de peso corporal em barragens. Houve alguma incerteza quanto à interpretação dos resultados por causa de

informação inadequada do número e tipos de anomalias e variações específicas. Além disso, havia alguma incerteza quanto ao

facto das diminuições nos alimentos e o consumo de água e ganho de peso corporal em barragens foram causadas pela alteração

de sabor ou um efeito tóxico directo do clorito (Harrington et al., 1995b). Um NOAEL de 200 mg / litro (10 mg / kg de peso corporal

por dia) e um NMEAO de 600 mg / litro (26 mg / kg de peso corporal por dia) foram identificados com base em um decréscimo no

peso do feto e retardada ossificação, diminuiu o consumo de comida e água de barragens e diminuiu o ganho de peso corporal em

barragens. Houve alguma incerteza quanto à interpretação dos resultados por causa de informação inadequada do número e tipos

de anomalias e variações específicas. Além disso, havia alguma incerteza quanto ao facto das diminuições nos alimentos e o

consumo de água e ganho de peso corporal em barragens foram causadas pela alteração de sabor ou um efeito tóxico directo do

clorito (Harrington et al., 1995b). Um NOAEL de 200 mg / litro (10 mg / kg de peso corporal por dia) e um NMEAO de 600 mg / litro

(26 mg / kg de peso corporal por dia) foram identificados com base em um decréscimo no peso do feto e retardada ossificação,

geração, o F 1 animais foram Remated seguinte desmame do F 2a geração para produzir o F 2b geração. As doses para o

geração, o F 1 animais foram Remated seguinte desmame do F 2a geração para produzir o F 2b geração. As doses para o

geração, o F 1 animais foram Remated seguinte desmame do F 2a geração para produzir o F 2b geração. As doses para o

geração, o F 1 animais foram Remated seguinte desmame do F 2a geração para produzir o F 2b geração. As doses para o

geração, o F 1 animais foram Remated seguinte desmame do F 2a geração para produzir o F 2b geração. As doses para o

geração, o F 1 animais foram Remated seguinte desmame do F 2a geração para produzir o F 2b geração. As doses para o

geração, o F 1 animais foram Remated seguinte desmame do F 2a geração para produzir o F 2b geração. As doses para o

mais

mais

mais

mais

mais

diminuiu o consumo de comida e água de barragens e diminuiu o ganho de peso corporal em barragens. Houve alguma incerteza quanto à interpretação dos

10

O clorito e clorato na água potável

4.2.5 Mutagenicidade e pontos finais relativos

cloritocloritoclorito dedede sódiosódiosódio produziuproduziuproduziu umumum aumentoaumentoaumento nanana colóniascolóniascolónias comcomcom mutaçãomutaçãomutação reversareversareversa ememem SalmonellaSalmonellaSalmonella typhimuriumtyphimuriumtyphimurium TA100TA100TA100 estirpeestirpeestirpe tanto na presença como na ausência de activação metabólica (Ishidate et al., 1984). Não há anormalidades cromossómicas foram observadas tanto no teste de micronúcleos de ratinho ou um ensaio citogenético em células de medula óssea de ratinho seguinte gavagem dosagem com clorito (Meier et al., 1985).

Em um teste de micronúcleos em medula óssea de ratos ddY machos após uma única injecção intraperitoneal dede cloritoclorito dede sódiosódio aa 0,0, 7,5,7,5, 15,15, 3030 ouou 6060 mgmg // kgkg dede pesopeso corporal,corporal, umauma respostaresposta estatisticamenteestatisticamente positivapositiva foifoi observada em 15 e 30 mg / kg de peso apenas corpo: 0,38% e 1,05%, respectivamente, em comparação com 0,18% para o controlo grupo (Hayashi et al., 1998).

com 0,18% para o controlo grupo (Hayashi et al., 1998). 4.2.6 Carcinogenicidade Em um estudo de

4.2.6 Carcinogenicidade

Em um estudo de longo prazo, os ratos F344 recebido clorito de sódio em água potável em doses de 300 ou 600 mg / litro (correspondendo a 18 e 32 mg / kg de peso corporal por dia para homens e 28 e 41 mg / kg de corpo peso por dia para as fêmeas) durante 85 semanas. Todos os grupos de ratos foram infectadas com o vus Sendai. Observou-se um decréscimo relacionado com a dose em ligeiro ganho de peso corporal, menos de 10% do que a do grupo de controlo. No entanto, não foram observados efeitos adversos sobre a sobrevivência ou aumentos relacionados com o clorito na incidência de tumores (Hayashi et al., 1998).

OOO cloritocloritoclorito dedede sódiosódiosódio foifoifoi administradoadministradoadministrado ememem concentraçõesconcentraçõesconcentrações dedede 0,0,0, 250250250 ououou 500500500 mgmgmg /// litrolitrolitro paraparapara B6C3FB6C3FB6C3F 111 ratinhosratinhosratinhos (50(50(50 porporpor sexosexosexo porporpor grupo) durante 80 semanas, seguido por água destilada apenas para um período adicional de 5 semanas. As concentrações correspondem a doses de cerca de 0, 38,1 e 59,3 mg / kg de peso corporal por dia para as fêmeas e 0, 43 e 68,6 mg / kg de peso corporal por dia para os machos. Todos os animais foram sacrificados após 85 semanas. A incidência de animais portadores de tumores foi de 32% (controlo), 34% (dose baixa) e 26% (dose elevada) em murganhos do sexo feminino e 46% (controlo), 57% (dose baixa), e 53% (dose elevada ) em ratinhos macho. O tipo e a incidência de neoplasias que ocorreram frequentementefrequentemente emem cadacada grupogrupo dede ambosambos osos sexossexos foramforam semelhantessemelhantes aosaos observadosobservados espontaneamenteespontaneamente emem B6C3FB6C3F 11 ratos. A incidência de linfomas / leucemia encontrado no grupo de dose elevada foi menor do que no grupo de controlo: 2% versus 15%, respectivamente. A incidência de adenomas pulmonares no grupo de dose elevada para o sexo masculino (12%) foi mais elevada do que a incidência nos controlos (0%). Os autores sugeriram que ou a maior incidência de adenomas do pulmão no grupo de dose elevada podia ser atribuída a uma variação estatística resultante da baixa incidência adenoma em machos de controlo ou que não havia um forte argumento para mais estudos sobre a carcinogenicidade de clorito de sódio. Em geral, não foram observados aumentos relacionados com a dose de adenoma ou adenocarcinoma incidências, e não houve evidência clara de potencial carcinogénico de cloritocloritoclorito dedede sódiosódiosódio ememem B6C3FB6C3FB6C3F 111 ratinhosratinhosratinhos (Kurokawa(Kurokawa(Kurokawa etetet al.,al.,al., 1986).1986).1986).

11

O clorito e clorato na água potável

4.3 Chlorate

O clorito e clorato na água potável 4.3 Chlorate 4.3.1 A exposição aguda Um estudo de

4.3.1 A exposição aguda

Um estudo de doseamento oral aguda em cães demonstraram letalidade em níveis de clorato de sódio tão baixas como 600 mg de iões de clorato por kg de peso corporal (Sheahan et al., 1971).

exposição 4.3.2 Curto Prazo

cães da raça Beagle (quatro por sexo por dose) foram expostos por gavagem a clorato de sódio, em doses de 0, 10, 60 ou 360 mg / kg de peso corporal por dia durante 3 meses. Não houve efeito significativo em qualquer nível de dose no peso corporal, consumo de alimentos, de química clínica, peso dos órgãos, efeitos oftálmicas, necropsia grosseira ou histopatologia do tecido. alterações hematológicas foram limitados a uma pequena elevação no nível de metahemoglobina em animais mais alta da dose, mas este parecia estar dentro dos limites normais, e não foi considerado relacionado com o tratamento. Neste estudo, um NOAEL de 360 ​​mg / kg de peso corporal por dia em cães foi identificado (Bio / dinâmica, Inc., 1987a).

Ratos Sprague-Dawley (14 por sexo por dose) foram expostos por gavagem a clorato de sódio, em doses de 0, 10, 100 ou 1000 mg / kg de peso corporal por dia durante até 3 meses. Não se observaram quaisquer efeitos relacionados com o tratamento na mortalidade, aparência física ou comportamento, peso corporal, consumo de alimentos, de química clínica, necropsia grosseira ou histopatologia de órgãos. Na dose mais elevada, alterações hematológicas indicativos de anemia incluem diminuição na contagem de eritrócitos, hemoglobina e concentração de fracção de volume de eritrócitos (o hematócrito). Neste estudo, um NOAEL de 100 mg / kg de peso corporal por dia, foi identificada (Bio / dinâmica, Inc., 1987b).

Num estudo de 90 dias, em concentrações de clorato de 3, 12 ou 48 mmol / litro em água potáveis ​​foi fornecida ao grupo de ratos Sprague-Dawley do sexo masculino e do sexo feminino. Estas concentrações correspondem a 250, 1000 e 4000 mg de clorato por litro, o que equivale a 30, 100 ou 510 mg / kg de peso corporal por dia em machos e 42, 164 ou 800 mg / kg de peso corporal por dia em mulheres, baseado sobre o consumo de água medido de cada grupo. ganho de peso corporal foi drasticamente reduzida em ambos os sexos na concentração mais elevada. Estes efeitos foram geralmente em paralelo com os menores pesos de órgãos (excepto para cérebro e testículos). Alguns diminuições na hemoglobina, hematócrito e contagem de células vermelhas do sangue foram observados nesta mesma dose. lesões pituitárias (vacuolização no citoplasma de pars distalis) e depleção colóide glândula tiróide foi observada em ambos os grupos de dose média e alta de ambos os sexos.

em ambos os grupos de dose média e alta de ambos os sexos. 4.3.3 Carcinogenicidade Não

4.3.3 Carcinogenicidade

Não existem estudos sobre o potencial carcinogênico de clorato sozinho. De sódio e cloreto de potássio foramforamforamforam avaliadosavaliadosavaliadosavaliados comocomocomocomo promotorespromotorespromotorespromotores dededede tumorestumorestumorestumores renaisrenaisrenaisrenais N-N-N-N- etilo-etilo-etilo-etilo- N-N-N-N- hidroxietil-nitrosamina-iniciado ratos F344. clorato de sódio resultou em um aumento

12

O clorito e clorato na água potável

no número de tumores renais, mas o efeito não foi estatisticamente significativo devido ao pequeno número de animais utilizados (Kurokawa et al., 1985).

4.3.4 Reprodutiva e toxicidade para o desenvolvimento

Não há estudos estavam disponíveis examinando o potencial reprodutivo ou embriotóxico de clorato. O clorato de sódio foi administrado a ratos CD grávidas por gavagem na dose de

0, 10, 100 ou 1000 mg / kg de peso corporal por dia nos dias 6-15 de gestação. Não houve mortes maternas em animais tratados ou efeitos relacionados com o tratamento sobre o ganho de peso corporal materno, consumo de alimentos, observações clínicas, número de implantações ou necropsia bruta. O exame dos fetos no dia 20 revelou nenhum efeito sobre o peso do feto ou proporção entre os sexos, e não há anormalidades externas, viscerais ou esqueléticas foram detectados. Neste estudo, um desenvolvimento NOAEL de 1000 mg / kg de peso corporal por dia em ratos foi identificado (Bio / dinâmica, Inc., 1987c).

4.3.5 Mutagenicidade e pontos finais relativos

Clorato tem sido desde há muito conhecido para seleccionar mutantes redutase deficiente em nitrato de

AspergillusAspergillus nidulansnidulans (( Cove,Cove, 1976).1976). NoNo entanto,entanto, demonstrou-sedemonstrou-se queque háhá tambémtambém umum efeitoefeito mutagénicomutagénico dede

estirpeestirpeestirpe BA-13BA-13BA-13 dedede SalmonellaSalmonellaSalmonella typhimurium.typhimurium.typhimurium. OsOsOs efeitosefeitosefeitos mutagénicosmutagénicosmutagénicos positivospositivospositivos foramforamforam separadasseparadasseparadas aaa partirpartirpartir dedede simples selecção de mutantes de nitrato redutase por incubação das células em meio isento de azoto. Falta dede azotoazoto evitaevita aa divisãodivisão celularcelular durantedurante oo períodoperíodo dede tratamento.tratamento. NoNo casocaso dede C.C. reinhardtii,reinhardtii,

aumentos significativos nos mutantes foram observados a concentrações de 4-5 mmol / litro e superiores (Prieto & Fernandez, 1993).

Não há anormalidades cromossómicas foram observadas tanto no teste do micronúcleo ou um ensaio citogenético em células de medula óssea de ratinho seguinte gavagem dosagem com clorato (Meier et al., 1985).

clorato em Chlamydomonas reinhardtii e capsulatus Rhodobacter. Clorato não conseguiu induzir mutações na

clorato em Chlamydomonas reinhardtii e capsulatus Rhodobacter. Clorato não conseguiu induzir mutações na

clorato em Chlamydomonas reinhardtii e capsulatus Rhodobacter. Clorato não conseguiu induzir mutações na

clorato em Chlamydomonas reinhardtii e capsulatus Rhodobacter. Clorato não conseguiu induzir mutações na

clorato em Chlamydomonas reinhardtii e capsulatus Rhodobacter. Clorato não conseguiu induzir mutações na

5. efeitos em seres humanos

dióxido de cloro 5.1

Seis diferentes doses de dióxido de cloro (0,1, 1, 5, 10, 18 ou 24 mg / litro) em água potáveis ​​foram administradas a cada um dos 10 voluntários do sexo masculino, utilizando um protocolo de dose crescente. quica do soro, contagem de sangue e parâmetros de análise de urina foram monitorizados. Uma alteração relacionada com o tratamento em grupo os valores médios de ácido úrico no soro foi observado, que os autores concluíram não era f isiologicamente prejudicial. A dose mais elevada testada, 24 mg / litro (cerca de 0,34 mg / kg de peso corporal por dia), pode ser identificado como uma única dose NOAEL (Lubbers et al., 1981).

Os mesmos voluntários do sexo masculino beberam 0,5 litros de água que continha 5 mg de dióxido de cloro por litro por dia, durante cerca de 12 semanas e foram depois mantidos sob observação durante 8 semanas. quica do soro, contagem de sangue e urina não revelou anormalidades, excepto para uma ligeira alteração no azoto da ureia no sangue, que os autores

13

O clorito e clorato na água potável

concluiu era de significado fisiológico ou toxicológicas duvidosa. Esta exposição, equivalente a 36 ug / kg de peso corporal por dia, pode ser considerada o NOAEL (Lubbers et al., 1981).

Num estudo prospectivo de 197 pessoas, uma porção da população de uma vila exposta durante 12 semanas a um fornecimento de água tratada cloro-dióxido de (contendo 0,25-1,1 mg de dióxido de cloro por litro e 0.45-0.91 mg de cloro livre por litro ) não apresentaram mudanças significativas nos parâmetros hematológicos, a creatinina no soro ou bilirrubina total (Michael et al., 1981).

Um estudo transversal foi realizada de 548 nascimentos do Hospital Galliera em Génova, Itália, e 128 nascimentos do Hospital Chiavari em Chiavari, Itália, durante 1988-1989 para mães que residem em cada cidade. As mulheres em Génova foram expostas à água filtrada desinfectados com dióxido de cloro (poços Brugneto rio, água do reservatório e a água de superfície) e / ou cloro (Val Noci reservatório). Mulheres residentes em Chiavari usado poço de água não tratada. Atribuição de uma fonte de água e o tipo de desinfectante foi com base no endereço da mãe (undisinfected poço de água, cloro, dióxido de cloro ou ambos). registros municipais foram usados ​​para determinar a renda familiar, e registros hospitalares foram usados ​​para obter informações sobre os resultados idade, tabagismo, consumo de álcool e nível de educação e de nascimento da mãe - baixo peso ao nascernascer (≤2500(≤2500 g),g), partoparto prematuroprematuro (≤37(≤37 semanas),semanas), oo corpocorpo comprimentocomprimento (≤49.5(≤49.5 cm),cm), icteríciaicterícia neonatalneonatal foifoi quasequase duas vezes mais probabilidades (OR = 1,7; 95% CI = 1,1-3,1) em crianças cujas mães residiam na área onde a água potável a partir de fontes de água de superfície foi desinfectado com dióxido de cloro como em crianças cujas mães utilizada água bem undisinfected . água superfície clorado não produziu um efeito semelhante. Grandes riscos aumentados de menor comprimento circunferência e corpo craniana foram associados com água a partir de fontes de água de superfície desinfectada com cloro ou dióxido de cloro. Os riscos para a circunferência do crânio menor para crianças de mães que residem em áreas com cloro das águas de superfície tratada com dióxido de, em comparação com crianças de mães que residem em áreas com água de poço não tratado, foram como se segue: OR = 2,2; IC 95% = 1.4-

3.9. Para menor comprimento do corpo, os riscos eram como se segue: OR = 2,0; 95% CI = 1,2-3,3. Riscos de baixo peso ao nascer foram também aumentadas para crianças de mães que residem em áreas com água potável desinfectados com cloro ou dióxido de cloro, mas que não foram estatisticamente significativas. Para parto prematuro, foram pequenos, mas não significativos riscos aumentados associados com a desinfecção com cloro ou dióxido de cloro. Este estudo sugere possíveis riscos associados com água superfície desinfectada com cloro ou dióxido de cloro, mas os resultados devem ser interpretados muito cautelosamente. Os níveis foram baixos THM em ambos os tratados com cloro (8-16? G / litro) e Dióxido de cloro tratadas água de superfície (1-3? G / litro), por isso, parece improvável que eles podem ser os agentes causais. Nenhuma informação foi recolhida para avaliar o consumo de água das mães ou hábitos alimentares, e a distribuição etária das mães não foi considerada. É possível que o consumo de água engarrafada poderia ter confundido os resultados, particularmente se as mães em áreas com água tratada com dióxido de cloro ou cloro eleito para beber água engarrafada mais do que aqueles na área servida por poço de água não tratada. Além disso, existem preocupações sobre averiguação incompleto de nascimentos e se as populações pode ser diferente em outras do que as diferenças do sistema de água estudados aspectos. Por outro lado, se as associações observadas com fonte de água particularmente se as mães em áreas com água tratada com dióxido de cloro ou cloro eleito para beber água engarrafada mais do que aqueles na área servida por poço de água não tratada. Além disso, existem preocupações sobre averiguação incompleto de nascimentos e se as populações pode ser diferente em outras do que as diferenças do sistema de água estudados aspectos. Por outro lado, se as associações observadas com fonte de água particularmente se as mães em áreas com água tratada com dióxido de cloro ou cloro eleito para beber água engarrafada mais do que aqueles na área servida por poço de água não tratada. Além disso, existem preocupações s

14

O clorito e clorato na água potável

e desinfecção não são espúrias, uma pergunta é levantada sobre o que contaminantes da água pode ser responsável. Exposições para fontes de água e água subterrânea de superfície são comparados neste estudo, e nenhuma informação é apresentada sobre outros possíveis diferenças de qualidade da água (Kanitz et al., 1996).

5.2 Chlorite

Os efeitos de clorito de sódio em seres humanos, foram avaliados em 10 voluntários do sexo masculino em um protocolo de dose crescente. doses únicas de 0,01, 0,1, 0,5, 1,0, 1,8 e 2,4 mg de ião de clorito, por litro, em 1 litro de água potável foram ingeridos por cada sujeito. Alterações no grupo os valores médios para o azoto de ureia no soro, a creatinina e o rácio / creatinina azoto de ureia foram observadas, que os autores concluíram não estavam efeitos fisiológicos adversos. A dose mais elevada testada, 2,4 mg / litro (0,034 mg / kg de peso corporal por dia), pode ser identificado como uma única dose NOAEL (Lubbers et al., 1981).

Os mesmos voluntários ingeriram 0,5 litros de água por dia, contendo 5 mg de clorito de sódio por litro, durante cerca de 12 semanas e foram depois mantidos sob observação durante 8 semanas. O tratamento foi associada com uma alteração no grupo de hemoglobina corpuscular média; no entanto, como não havia nenhuma tendência ao longo do tempo para esta mudança e os valores estavam dentro dos limites normais, os autores estavam relutantes em atribuir um significado fisiológico para a observação. A dose testada, equivalente a 36 ug / kg de peso corporal por dia, foi identificado como sendo o NOAEL (Lubbers et al., 1981).

5,3 clorato

Devido à sua utilização como um herbicida, um grande número de casos de envenenamento clorato têm sido relatados (NAS, 1987). Os sintomas incluem methaemoglobinaemia, anúria, dor abdominal e insuficiência renal. Para um ser humano adulto, a dose letal oral é estimada para ser tão baixa quanto 20 g de clorato de sódio (230 mg de clorato por kg de peso corporal) (NAS, 1980).

Dez voluntários do sexo masculino receberam seis doses separadas de clorato de sódio seguindo um protocolo de dose crescente, doses únicas de 0,01, 0,1, 0,5, 1,0, 1,8 e 2,4 mg de iões de clorato por litro em 1 litro de água potável a ser ingerida por cada voluntário . Muito pequenas alterações na média do grupo foram observados bilirrubina, ferro e methaemoglobin, mas os autores concluíram que eles não eram efeitos fisiológicos adversos. A dose mais elevada testada, 2,4 mg / litro (34 ug / kg de peso corporal por dia), pode ser identificado como uma única dose NOAEL (Lubbers et al., 1981).

Os voluntários também ingerida 0,5 litros de água por dia, contendo 5 mg de clorato de sódio por litro (36 ug / kg de peso corporal por dia) durante cerca de 12 semanas e foram depois mantidos sob observação durante 8 semanas. O tratamento foi associada com ligeiras alterações na média do grupo de azoto da ureia sérica, e hemoglobina corpuscular média, mas os autores concluíram que estes não eram fisiologicamente significativo, como valores permaneceram dentro do intervalo normal para cada parâmetro. O NOAEL foi de 36 ug / kg de peso corporal por dia (Lubbers et al., 1981).

15

O clorito e clorato na água potável

6. ASPECTOS PRÁTICOS

6.1 Métodos analíticos e exequibilidade analítica

Métodos estão disponíveis para a determinação de dióxido de cloro, clorito e clorato e cloro total disponível (APHA et al., 1995a, b). Os limites de detecção para estes métodos são 8 mg / litro de dióxido de cloro, 10 ug / litro para clorito e clorato e 4? G / litro de cloro total.

6.2 Tratamento de controlo e métodos de tratamento e exequibilidade

de controlo e métodos de tratamento e exequibilidade Onde a formação de clorito é uma preocupação,

Onde a formação de clorito é uma preocupação, o controlo de processos de tratamento para reduzir a procura de desinfectante e o controlo de processos de desinfecção para reduzir os níveis de dióxido de cloro são recomendadas (US EPA, 2003). Se o dióxido de cloro e clorito de iões não são removidas antes da pós-cloro desinfecção, que irá reagir com o cloro livre para formar ião clorato. Uma vez ião clorato está presente na água, que é muito persistente e muito difícil de remover (Gallagher et ai, 1994;. US EPA, 1999).

Existem quatro opções disponíveis para o tratamento de diminuição da concentração de ião de clorito em água potável na escala municipal: carvão activado, agentes de redução de enxofre, agentes de reduo de ferro, e ajuste do gerador de dióxido de cloro.

carvão activado vai remover o ião clorito através de adsorção e a redução química. Cedo break-through

tem sido relatada em filtros de carvão activado granular (GAC), quando os sítios de adsorção ter sido

esgotado, talvez competindo compostos orgânicos, e apenas o mecanismo de redução continua. O

desempenho dos filtros para remoção GAC clorito é ainda mais complicada pela oxidação de clorito para

clorato, o que pode ocorrer se o cloro livre está presente na água de alimentação. vida curta cama, altos

custos operacionais, e o potencial para a formação de clorato de fazer GAC uma escolha impraticável para

a remoção de clorito na escala municipal (Dixon & Lee, 1991). agentes de enxofre, como sulfito,

metabissulfito, tiossulfato e irá reduzir o dióxido de cloro e de ião de clorito, diminuindo assim as suas

concentrações na água. Na presença de oxigénio dissolvido, sulfito metabissulfito e irá reduzir de clorito

para formar o ião cloreto e o ião clorato indesejável e, como tal, não é recomendado para a remoção de

cloreto na água de beber. Tiossulfato é eficaz na redução de dióxido de cloro e clorito e não formar clorato

como um sub-produto, mas que exige um tempo de contacto longo e é dependente do pH, o que pode

limitar a sua eficácia (Griese et al.,

1991).

FerrousFerrousFerrous ferroferroferro (Fe(Fe(Fe 2+)2+)2+) iráiráirá reduzirreduzirreduzir quimicamentequimicamentequimicamente ooo iãoiãoião clorito,clorito,clorito, diminuindodiminuindodiminuindo assimassimassim aaa suasuasua concentraçãoconcentraçãoconcentração ememem água.água.água. ião clorato vai formar apenas se o pH cai abaixo de 5, o que pode ocorrer em pontos de aplicação localizadas onde agentes redutores ácidos, tais como cloreto ferroso são adicionados à água. Boa aplicação e mistura rápida e / ou ajuste de pH para pH neutro 7 pode impedir a ocorrência de micro-regiões de baixo pH e a subsequente formação de clorato (Griese et al., 1992). Quando o pH for superior a 7, a reacção subsequente do clorito e formas ferro ferroso hidróxido férrico insolúvel,

16

O clorito e clorato na água potável

o que pode ser benéfico por auxiliando clarificação (Iatrou & Knocke, 1992). No entanto, se o pH for superior a 9, elevado de oxigénio dissolvido e níveis de carbono orgânico dissolvido impedir a eficácia de ferro ferroso e exigem uma maior dosagens ferrosos para atingir a remoção adequada de clorito (Hurst & Knocke, 1997). Qualquer clorito residual irá reagir com o cloro para formar clorato e deve ser removido antes da pós-cloro desinfectante é aplicado. Ferro ferroso ou tiossulfato de sódio, quando usado como opções de tratamento para a remoção de clorito, pode ser alimentado em excesso da demanda e pode complicar desinfecção pós-(US EPA,

2001).

desenho do gerador de dióxido de cloro e de desempenho tem um grande impacto sobre a quantidade de ião de clorito formado durante a produção de dióxido de cloro. operação precisa ( “afinação”), a manutenção adequada, e a tecnologia de geração de empregues com o gerador de dióxido de cloro tem uma grande influência sobre a eficiência da produção de dióxido de cloro e a taxa em que o clorito e outros subprodutos indesejáveis, tais como clorato, peróxido de hidrogénio, e perclorato são formados. geradores de dióxido de cloro comerciais actuais podem ser amplamente classificados como clorito de base, clorato de base, ou sistemas electroquímicos.

sistemas baseados em ião de clorito confiar-se na oxidação do ião de clorito de clorito mediante a utilização de um ácido,

o

que pode atingir um máximo de eficiência de conversão de 80% por estequiometria; ou através do uso de gás de cloro,

o

que pode resultar em reporte clorito através se a alimentação de gás de cloro é muito baixa e a formação de clorato, se

a

alimentação de gás de cloro é muito alta.

sistemas baseados em iões clorato recentemente desenvolvidos dependem tipicamente a redução de iões clorato, através da reacção de clorato de sódio com um ácido peróxido e de hidrogénio. O produto pode ser bastante ácido, e o risco de peróxido e perclorato níveis elevados de hidrogénio na água pode prejudicar a viabilidade do presente método. sistemas electroquímicos podem directamente ou indirectamente gerar dióxido de cloro. O método envolve a electrólise directa de ião clorito a dióxido de cloro no ânodo, e o método indirecto, é a produção de um ácido ou de gás cloro como um precursor químico, resultando na formação de dióxido de cloro, de novo no ânodo. Quando o dióxido de cloro é formado no ânodo, tem de ser extraída como um gás a partir da solução por colunas, edutores / venturis, o fluxo de ar de baixa pressão de extracção de gás sobre um leito empacotado, ou perstraction, que envolve o uso de uma membrana hidrofóbica permeável ao gás. equilíbrio e de controlo adequado são necessários com estes sistemas para prevenir a formação e carregam-através de impurezas, tais como ácido, ião clorato, ião perclorato, cloro e (Gordon, 2001).

Actualmente, não há nenhum tratamento conhecido disponível para remover iões clorato, uma vez que tenha sido formada em água potável. Tanto quanto 35% da concentração de clorato encontrado num sistema de distribuição pode ser atribuída ao tipo e desempenho (sintonização) do gerador de dióxido de cloro. Se o ião clorito está presente na água e não é removido, ele irá reagir com qualquer cloro livre aplicada para produzir iões clorato e cloreto. A fim de controlar a desinfecção persistente formação de produtos secundários, é importante

17

O clorito e clorato na água potável

minimizar a produção de ião clorato no processo de geração de dióxido de cloro e para remover o ião clorito antes da adição pós-cloro (Gallagher et al., 1994).

7. Os valores de referência PROVISÓRIAS

dióxido de cloro 7.1

O dióxido de cloro tem sido mostrado para prejudicar o desenvolvimento neurocomportamentais e neurológico em ratazanas expostas perinatal. Estudos experimentais com ratos e macacos expostas a dióxido de cloro na água potável mostraram alguma evidência de toxicidade da tiróide; no entanto, devido às limitações dos estudos, é difícil tirar conclusões firmes desenhadas.

Um valor de referência não tiver sido estabelecido para o dióxido de cloro por causa da sua rápida hidrólise em clorito e porque o valor de referência provisório clorito (ver abaixo) é adequadamente de protecção para o potencial de toxicidade a partir de dióxido de cloro. O limiar do sabor e o odor para este composto é de 0,4 mg / litro.

7,2 Clorito

IARC (1991) concluiu que o clorito não é classificável quanto à sua carcinogenicidade para seres humanos (Grupo 3).

A descoberta principal e mais consistentes, resultantes da exposição a clorito é o estresse oxidativo, resultando em alterações nas células vermelhas do sangue (Heffernan et ai, 1979;. Harrington et al., 1995a). Este ponto final é visto em animais laboratoriais e, por analogia com clorato, em pessoas expostas a doses elevadas em casos de envenenamento. Não há dados disponíveis suficientes para estimar um TDI para humanos expostos em clorito, incluindo estudos de toxicidade crónica e um estudo de toxicidade reprodutiva em duas gerações. Estudos em voluntários humanos para até 12 semanas não identificou qualquer efeito sobre os parâmetros sanguíneos na dose mais elevada testada, 36 ug / kg de peso corporal por dia (Lubbers et al., 1981). Como este estudo não identificou um nível de efeito, não é informativo para estabelecer uma margem de segurança.

Em um estudo de duas gerações, em ratos, um NOAEL de 2,9 mg / kg de peso corporal por dia foi identificado com base em menormenor amplitudeamplitude dodo sobressalto,sobressalto, diminuiçãodiminuição dodo pesopeso cérebrocérebro absolutaabsoluta nono FF 11

eee FFF 222 geraçõesgeraçõesgerações eee pesopesopeso dododo fígadofígadofígado alteradasalteradasalteradas ememem duasduasduas geraçõesgeraçõesgerações (CMA,(CMA,(CMA, 1997;1997;1997; TERA,TERA,TERA,

1998). Aplicação de um factor de incerteza de 100 a esta NOAEL (10 para cada variação inter e intra-espécies) dá um TDI de 30 ug / kg de peso corporal. Este TDI é apoiada por estudos com voluntários humanos.

Usando o TDI de 30 ug / kg de peso corporal, de um peso corporal humano típico de 60 kg, a suposição de que a água potável contribui com 80% do total da exposição e um consumo típico de 2 litros de água por dia, o valor de referência provisório é calculada como 0,7 mg / litro (Figura arredondado). Este valor de referência é designado como provisório porque o uso de dióxido de cloro como desinfectante pode resultar na orientação clorito

18

O clorito e clorato na água potável

valor ser ultrapassado, e dificuldades em cumprir o valor de referência não deve nunca ser uma razão para

comprometer a desinfecção adequada.

7.3 Chlorate

Como clorito, a principal preocupação com clorato é dano oxidativo a células vermelhas do sangue. Além disso, como clorito, 36? G de clorato por kg de peso corporal por dia durante 12 semanas não provocou quaisquer efeitos adversos em voluntários humanos (Lubbers et al., 1981). Embora a base de dados para clorato é menos extensa do que a de clorito, um estudo de 90 dias recente bem conduzido em ratos está disponível, que identificou um NOAEL de 30 mg / kg de peso corporal por dia, com base na tiróide depleção glândula colóide na próxima maior dose de 100 mg / kg de peso corporal por dia (McCauley et al., 1995). Aplicação de um factor de incerteza de 1000 a este NOAEL (10 para cada variação inter e intra-espécies e 10 para o curto período de duração do estudo) dá um TDI de 30 ug / kg de peso corporal. Este TDI também é apoiada pelos estudos com voluntários humanos. Usando o TDI de 30 ug / kg de peso corporal, de um peso corporal humano típico de 60 kg, a suposição de que a água potável contribui com 80% do total da exposição e um consumo típico de 2 litros de água por dia, o valor de referência provisório é calculada como 0,7 mg / litro (Figura arredondado). Este valor de referência é designado como provisório porque o uso de dióxido de cloro como desinfectante pode resultar no valor de referência de clorato seja excedida, e dificuldades quanto a este valor de referência não deve nunca ser uma razão para comprometer a desinfecção adequada.

Um estudo de longo prazo está em andamento que devem fornecer mais informações sobre os efeitos da exposição crônica ao clorato.

8. Referências

Abdel-Rahman, MS (1985) Farmacocinética de cloro obtida a partir do dióxido de cloro, cloro, cloramina e cloreto. Em:

JolleyJolleyJolley RLRLRL etetet al.,al.,al., Eds.Eds.Eds. cloraçãocloraçãocloração dadada água:água:água: ImpactoImpactoImpacto ambientalambientalambiental eee efeitosefeitosefeitos nanana saúde.saúde.saúde. Vol.Vol.Vol. 5.5.5. Chelsea,Chelsea,Chelsea, MI,MI,MI, LewisLewisLewis Publishers,Publishers,Publishers, pp. 281-293.

HealthHealth Perspectives,Perspectives, 46:46: 19-23.19-23.

Abdel-RahmanAbdel-Rahman MS,MS, CouriCouri D,D, BuliBuli RJRJ (1985)(1985) AA cinéticacinética dede cloritoclorito ee clorato,clorato, emem ratos.ratos. JournalJournal ofof EnvironmentalEnvironmental Patologia,Patologia,

Inorgânica,

31: 3534-3541.

APHA, AWWA, FEM (1995a) Método 4500, cloro. Em: métodos padrão para o exame de água e de águas residuais, 19th ed.

APHA, AWWA, FEM (1995a) Método 4500, cloro. Em: métodos padrão para o exame de água e de águas residuais, 19th ed.

APHA, AWWA, FEM (1995a) Método 4500, cloro. Em: métodos padrão para o exame de água e de águas residuais, 19th ed.

Washington, DC, American Public Health Association, trabalhos de água Associação Americana, Água Environment

Federation,Federation, pp.pp. 4,45-4,67.4,45-4,67. APHA,APHA, AWWA,AWWA, FEMFEM (1995b)(1995b) MétodoMétodo 4500,4500, dióxidodióxido dede cloro.cloro. Em:Em: métodosmétodos padrãopadrão parapara oo exameexame

de água e de águas residuais, 19th ed. Washington, DC, American Public Health Association, trabalhos de água Associação

de água e de águas residuais, 19th ed. Washington, DC, American Public Health Association, trabalhos de água Associação

Americana, Água Environment Federation, pp. 4,75-4,83.

Abdel-Rahman MS, Couri D, Buli RJ (1982) do metabolismo e farmacocinética de desinfectantes de água potável alternados. Environmental

Abdel-Rahman MS, Couri D, Buli RJ (1982) do metabolismo e farmacocinética de desinfectantes de água potável alternados. Environmental

Toxicologia e Oncologia, 6 (1): 97-103. Adam LC et al. (1992) decomposição de ácido hipocloroso em 5-8 região do pH. Química

Toxicologia e Oncologia, 6 (1): 97-103. Adam LC et al. (1992) decomposição de ácido hipocloroso em 5-8 região do pH. Química

Toxicologia e Oncologia, 6 (1): 97-103. Adam LC et al. (1992) decomposição de ácido hipocloroso em 5-8 região do pH. Química

19

O clorito e clorato na água potável

Bercz JP et al. (1982) a toxicidade subaguda de dióxido de cloro e compostos relacionados em água potável na primata não

oraloral nono cãocão porpor viavia gavagemgavagem comcom cloratoclorato dede sódio.sódio. AA lesteleste Millstone,Millstone, NJNJ (Relatório(Relatório No.No. 86-311486-3114 parapara TaskTask ForceForce cloratoclorato dede sódio,sódio,

OklahomaOklahoma City,City, OK).OK). BioBio // dinâmica,dinâmica, Inc.Inc. (1987b)(1987b) UmUm subcrónicosubcrónico (3(3 meses)meses) estudoestudo dede toxicidadetoxicidade oraloral dede cloratoclorato dede sódiosódio nono ratorato

porpor meiomeio dede sonda.sonda. AA lesteleste Millstone,Millstone, NJNJ (Relatório(Relatório No.No. 86-311286-3112 parapara TaskTask ForceForce cloratoclorato dede sódio,sódio, OklahomaOklahoma City,City, OK).OK).

BioBioBio /// dinâmica,dinâmica,dinâmica, Inc.Inc.Inc. (1987c)(1987c)(1987c) UmUmUm estudoestudoestudo dedede teratogenicidadeteratogenicidadeteratogenicidade ememem ratosratosratos comcomcom cloratocloratoclorato dedede sódio.sódio.sódio. AAA lestelesteleste Millstone,Millstone,Millstone, NJNJNJ (Relatório(Relatório(Relatório No.No.No. 86-311786-311786-3117 paraparapara

Task Force clorato de sódio, Oklahoma City, OK). Budavari S, O'Neill M, Smith A, eds. (1989) O índice Merck. Uma enciclopédia de produtos

Task Force clorato de sódio, Oklahoma City, OK). Budavari S, O'Neill M, Smith A, eds. (1989) O índice Merck. Uma enciclopédia de produtos

químicos,químicos, medicamentosmedicamentos ee produtosprodutos biológicos,biológicos, 11a11a ed.ed. Rahway,Rahway, NJ,NJ, Merck.Merck.

Ambiental,Ambiental, 42:42: 238-245.238-245.

Carlton BD et ai. (1991) efeitos reprodutivos em ratos Long-Evans expostas a dióxido de cloro.

PesquisaPesquisa Ambiental,Ambiental, 56:56: 170-177.170-177.

humano. Environmental Health Perspectives, 46: 47-55. Bio / dinâmica, Inc. (1987a) Um subcrónico (3 meses) estudo de toxicidade

humano. Environmental Health Perspectives, 46: 47-55. Bio / dinâmica, Inc. (1987a) Um subcrónico (3 meses) estudo de toxicidade

humano. Environmental Health Perspectives, 46: 47-55. Bio / dinâmica, Inc. (1987a) Um subcrónico (3 meses) estudo de toxicidade

humano. Environmental Health Perspectives, 46: 47-55. Bio / dinâmica, Inc. (1987a) Um subcrónico (3 meses) estudo de toxicidade

Carlton BD et ai. administração clorito (1987) de sódio em ratos Long-Evans: efeitos reprodutivos e endócrinos. Pesquisa

Carlton BD et ai. administração clorito (1987) de sódio em ratos Long-Evans: efeitos reprodutivos e endócrinos. Pesquisa

CifoneCifoneCifone H,H,H, MyhrMyhrMyhr BBB (1986)(1986)(1986) avaliaçãoavaliaçãoavaliação mutagenicidademutagenicidademutagenicidade dedede dióxidodióxidodióxido dedede cloroclorocloro nonono ensaioensaioensaio dedede mutaçãomutaçãomutação progressivaprogressivaprogressiva dedede linfomalinfomalinfoma dedede rato.rato.rato. Kensington,Kensington,Kensington,

MD, Litton Bionetics Inc. (Relatório No. 20989).

CMACMA (1989)(1989) UmaUma revisãorevisão dosdos efeitosefeitos utilizações,utilizações, químicaquímica ee dede saúdesaúde dede dióxidodióxido dede clorocloro ee oo iãoião dede clorito.clorito. Washington,Washington, DC,DC, ChemicalChemical ManufacturersManufacturers Association.Association. CMACMA (1997)(1997) cloritoclorito dede sódio:sódio: ratorato dede águaágua dede duasduas geraçõesgerações estudoestudo dede

toxicidade reprodutiva potável.

Washington, DC, Chemical Manufacturers Association (Quintiles Relatório CMA / 17/96). Cove DJ (1976) a toxicidade em

cloratocloratocloratocloratoclorato AspergillusAspergillusAspergillusAspergillusAspergillus nidulans:nidulans:nidulans:nidulans:nidulans: EstudosEstudosEstudosEstudosEstudos dedededede mutantesmutantesmutantesmutantesmutantes alteradosalteradosalteradosalteradosalterados ememememem assimilaçãoassimilaçãoassimilaçãoassimilaçãoassimilação dododododo nitrato.nitrato.nitrato.nitrato.nitrato. MolecularMolecularMolecularMolecularMolecular eeeee Genética,Genética,Genética,Genética,Genética, 146:146:146:146:146: 147-159.147-159.147-159.147-159.147-159.

DanielDaniel FBFB etet al.al. (1990)(1990) OsOs estudosestudos dede toxicidadetoxicidade subcrónicossubcrónicos ComparativosComparativos dede trêstrês desinfectantes.desinfectantes. JournalJournal ofof thethe AmericanAmerican WaterWater WorksWorks

Association,Association, 82:82: 61-69.61-69.

DixonDixon K,K, LeeLee RGRG (1991)(1991) OO efeitoefeito dosdos agentesagentes redutoresredutores àà basebase dede enxofreenxofre ee filtraçãofiltração GACGAC emem dióxidodióxido dede clorocloro subprodutos.subprodutos. JournalJournal

ofof thethe AmericanAmerican WaterWater WorksWorks Association,Association, 83:83: 48-55.48-55.

FletcherFletcherFletcher DDD (1973)(1973)(1973) EstudoEstudoEstudo dedede toxicidadetoxicidadetoxicidade oraloraloral aguda,aguda,aguda, comcomcom cloritocloritoclorito dedede sódiosódiosódio ememem codornizes.codornizes.codornizes. relatóriorelatóriorelatório industrialindustrialindustrial Bio-TestBio-TestBio-Test dododo LaboratórioLaboratórioLaboratório dedede

Olin Corporation (IBT No. J2119).

GallagherGallagher DL,DL, HoehnHoehn RC,RC, DietrichDietrich AMAM (1994)(1994) Fontes,Fontes, aa ocorrência,ocorrência, ee oo controlocontrolo dede dióxidodióxido dede clorocloro dede sub-produtossub-produtos residuaisresiduais

nana águaágua potável.potável. Denver,Denver, CO,CO, WaterWater WorksWorks AssociationAssociation AmericanAmerican FoundationFoundation Research.Research.

GordonGordonGordon GGG (2001)(2001)(2001) ééé tudotudotudo ooo dióxidodióxidodióxido dedede cloroclorocloro criadoscriadoscriados iguais?iguais?iguais? JournalJournalJournal ofofof thethethe AmericanAmericanAmerican WaterWaterWater WorksWorksWorks Association,Association,Association, 93:93:93: 163-173.163-173.163-173.

GrieseGriese MHMH etet al.al. (1991)(1991) usandousando agentesagentes redutoresredutores parapara eliminareliminar osos resíduosresíduos dede dióxidodióxido dede clorocloro ee cloritoclorito dede iõesiões nana águaágua potável.potável. JournalJournal

ofof thethe AmericanAmerican WaterWater WorksWorks Association,Association, 83:83: 56-61.56-61. GrieseGriese MH,MH, KaczurKaczur JJ,JJ, GordonGordon LL (1992)(1992) AA combinaçãocombinação dede métodosmétodos parapara aa

reduçãoreduçãoredução dedede resíduosresíduosresíduos oxychlorineoxychlorineoxychlorine ememem águaáguaágua potável.potável.potável. JournalJournalJournal ofofof thethethe AmericanAmericanAmerican WaterWaterWater WorksWorksWorks Association,Association,Association, 84:84:84: 69-77.69-77.69-77.

20

O clorito e clorato na água potável

aos Mathieson alcalinos Obras do Medical College of Virginia. Harrington RM, Shertzer HG, Bercz JP (1986) Efeitos de

dióxidodióxidodióxido dedede cloroclorocloro ememem funçãofunçãofunção dadada tiróidetiróidetiróide nonono macacomacacomacaco verdeverdeverde AfricanoAfricanoAfricano eee ooo rato.rato.rato. JournalJournalJournal ofofof ToxicologiaToxicologiaToxicologia eee SaúdeSaúdeSaúde Ambiental,Ambiental,Ambiental, 19:19:19:

235-242. Harrington RM et al. (1995a) toxicidade subaguda de clorito de sódio na ratazana. Journal of the American College

235-242. Harrington RM et al. (1995a) toxicidade subaguda de clorito de sódio na ratazana. Journal of the American College

ofof Toxicology,Toxicology, 14:14: 21-33.21-33.

Harrington RM, Romano RR, Irvine G (1995b) toxicidade para o desenvolvimento de clorito de sódio no coelho.

JournalJournalJournal ofofof thethethe AmericanAmericanAmerican CollegeCollegeCollege ofofof Toxicology,Toxicology,Toxicology, 14:14:14: 108-118.108-118.108-118. HayashiHayashiHayashi MMM etetet al.al.al. (1998)(1998)(1998) TestesTestesTestes micronúcleosmicronúcleosmicronúcleos ememem ratinhosratinhosratinhos comcomcom 393939

aditivosaditivosaditivos alimentaresalimentaresalimentares eee produtosprodutosprodutos químicosquímicosquímicos 888 variado.variado.variado. FoodFoodFood andandand ChemicalChemicalChemical Toxicology,Toxicology,Toxicology, 262626 (6):(6):(6): 487-500.487-500.487-500.

HeffernanHeffernan WP,WP, GuionGuion C,C, BuliBuli RJRJ (1979)(1979) OO danodano oxidativooxidativo parapara aa eritrócitoseritrócitos induzidainduzida porpor cloritoclorito dede sódio,sódio, nana Vivo.Vivo. JournalJournal ofof

PathologyPathology AmbientalAmbiental ee Toxicologia,Toxicologia, 2:2: 1487-1499.1487-1499. HurstHurst GH,GH, KnockeKnocke WRWR (1997)(1997) AvaliaçãoAvaliação dede ferroferro ferrosoferroso parapara aa remoçãoremoção

Haag HB (1949) O efeito em ratos da administração crónica de clorito de sódio e dióxido de cloro na água potável. Denunciar

Haag HB (1949) O efeito em ratos da administração crónica de clorito de sódio e dióxido de cloro na água potável. Denunciar

Haag HB (1949) O efeito em ratos da administração crónica de clorito de sódio e dióxido de cloro na água potável. Denunciar

dododo iãoiãoião clorito.clorito.clorito. JournalJournalJournal ofofof thethethe AmericanAmericanAmerican WaterWaterWater WorksWorksWorks Association,Association,Association, 89:89:89: 98-105.98-105.98-105.

89:89:89: 98-105.98-105.98-105. Hutchison J, Mole N, Fielding M (1994) e bromato de clorato

Hutchison J, Mole N, Fielding M (1994) e bromato de clorato em água: o papel de hipoclorito. Em:

Anais do I Simpósio Internacional de Pesquisa sobre Tratamento de Água subprodutos.

Organizado por Groupement de Recherche sur les Universitaire Técnicas de Traitement et d'Epuration des Eaux (GRUTTEE),

Poitiers, 29-30 de Setembro.

IARC (1991) Clorada de água potável; cloração subprodutos; alguns outros compostos halogenados; compostos de cobalto e de

IARC (1991) Clorada de água potável; cloração subprodutos; alguns outros compostos halogenados; compostos de cobalto e de

cobalto.cobalto. Lyon,Lyon, AgênciaAgência InternacionalInternacional dede InvestigaçãoInvestigação dodo Cancro,Cancro, pp.pp. 45-35945-359 (IARC(IARC monografiasmonografias sobresobre aa avaliaçãoavaliação dosdos riscosriscos dede cancro nos seres humanos, Vol. 52).

UmUm Iatrou,Iatrou, KnockeKnocke WRWR (1992)(1992) RemoçãoRemoção cloritoclorito pelapela adiçãoadição dede ferroferro ferroso.ferroso. JournalJournal ofof thethe AmericanAmerican WaterWater WorksWorks

Association,Association, 84:84: 63-68.63-68.

IPCSIPCSIPCS (2002)(2002)(2002) OOO dióxidodióxidodióxido dedede cloroclorocloro (gasoso).(gasoso).(gasoso). Genebra,Genebra,Genebra, OrganizaçãoOrganizaçãoOrganização MundialMundialMundial dedede Saúde,Saúde,Saúde, ProgramaProgramaPrograma InternacionalInternacionalInternacional dedede SegurançaSegurançaSegurança QuímicaQuímicaQuímica (Concise Internacional Documento de Avaliação Chemical 37).

Ishidate M et al. (1984) de mutagenicidade primária de aditivos alimentares actualmente utilizada no Japão.

FoodFood andand ChemicalChemical Toxicology,Toxicology, 22:22: 623-636.623-636.

IvettIvett J,J, MyhrMyhr BB (1986)(1986) avaliaçãoavaliação mutagenicidademutagenicidade dede dióxidodióxido dede clorocloro numnum ensaioensaio citogenéticocitogenético inin vitro.vitro.

Kensington, MD, Litton Bionetics Inc. (Relatório No. 20990).

Kanitz S et al. (1996) Associação entre a desinfecção de água potável e parâmetros somáticas no nascimento.

EnvironmentalEnvironmental HealthHealth Perspectives,Perspectives, 104104 (5):(5): 516-520.516-520.

Kurokawa Y et al. (1985) A falta de efeito promotor de clorato de sódio e clorato de potássio em duas carcinogénese renal em

fase de rato. Journal of the American College of Toxicology, 4: 331-337. Kurokawa Y et al. (1986) de longo prazo na Vivo testes de

fase de rato. Journal of the American College of Toxicology, 4: 331-337. Kurokawa Y et al. (1986) de longo prazo na Vivo testes de

fase de rato. Journal of the American College of Toxicology, 4: 331-337. Kurokawa Y et al. (1986) de longo prazo na Vivo testes de

fase de rato. Journal of the American College of Toxicology, 4: 331-337. Kurokawa Y et al. (1986) de longo prazo na Vivo testes de

fase de rato. Journal of the American College of Toxicology, 4: 331-337. Kurokawa Y et al. (1986) de longo prazo na Vivo testes de

carcinogenicidadecarcinogenicidade dede bromatobromato dede potássio,potássio, hipocloritohipoclorito dede sódiosódio ee cloritoclorito dede sódiosódio realizadorealizado nono Japão.Japão. EnvironmentalEnvironmental HealthHealth

Perspectives,Perspectives, 69:69: 221-235.221-235. LubbersLubbers JR,JR, ChauhanChauhan S,S, JRJR BianchineBianchine (1981),(1981), ControlledControlled avaliaçõesavaliações clínicasclínicas dede dióxidodióxido dede cloro,cloro,

cloritocloritoclorito eee cloratocloratoclorato nonono homem.homem.homem. FundamentalFundamentalFundamental andandand AppliedAppliedApplied Toxicology,Toxicology,Toxicology, 1:1:1: 334-338.334-338.334-338.

21

O clorito e clorato na água potável

185-199.

Meier, JR et ai. (1985) Avaliação dos produtos químicos utilizados para a desinfecção de água potável para a produção de lesões

cromossómicas e anormalidades de esperma de cabeça em ratos. Mutagênese Ambiental, 7: 201-211. Meister R, ed. (1989) manual agrícolas

cromossómicas e anormalidades de esperma de cabeça em ratos. Mutagênese Ambiental, 7: 201-211. Meister R, ed. (1989) manual agrícolas

cromossómicas e anormalidades de esperma de cabeça em ratos. Mutagênese Ambiental, 7: 201-211. Meister R, ed. (1989) manual agrícolas

cromossómicas e anormalidades de esperma de cabeça em ratos. Mutagênese Ambiental, 7: 201-211. Meister R, ed. (1989) manual agrícolas

produtosprodutos químicos.químicos. Willoughby,Willoughby, OH,OH, MeisterMeister PublishingPublishing Co.Co. MichaelMichael GEGE etet al.al. (1981)(1981) OO clorocloro desinfecçãodesinfecção dada águaágua dede dióxidodióxido de:de: umum estudoestudo

prospectivo epidemiologia.

ArquivosArquivosArquivosArquivos dededede SaúdeSaúdeSaúdeSaúde Ambiental,Ambiental,Ambiental,Ambiental, 36:36:36:36: 20-27.20-27.20-27.20-27. MobleyMobleyMobleyMobley SASASASA etetetet al.al.al.al. (1990)(1990)(1990)(1990) OOOO dióxidodióxidodióxidodióxido dededede clorocloroclorocloro deprimedeprimedeprimedeprime tttt 3333 captaçãocaptaçãocaptaçãocaptação eeee atrasosatrasosatrasosatrasos dededede

desenvolvimentodesenvolvimento dada atividadeatividade locomotoralocomotora emem ratosratos jovens.jovens. In:In: JolleyJolley RL,RL, CondieCondie LW,LW, JohnsonJohnson JD,JD, eds.eds. cloraçãocloração dada água:água:

Química, impacto ambiental e efeitos na saúde. Vol. 6. Ann Arbor, MI, Lewis Publishers, pp. 347-360. Moore GS, Calabrese EJ

Química, impacto ambiental e efeitos na saúde. Vol. 6. Ann Arbor, MI, Lewis Publishers, pp. 347-360. Moore GS, Calabrese EJ

(1982)(1982)(1982) efeitosefeitosefeitos toxicológicostoxicológicostoxicológicos dedede cloritocloritoclorito nonono mouse.mouse.mouse. EnvironmentalEnvironmentalEnvironmental HealthHealthHealth Perspectives,Perspectives,Perspectives, 46:46:46: 31-37.31-37.31-37.

da Água, 8: 327-346. NAS (1980) Água potável e saúde. Vol. 4. Washington, DC, National Academy of Sciences, National

da Água, 8: 327-346. NAS (1980) Água potável e saúde. Vol. 4. Washington, DC, National Academy of Sciences, National

da Água, 8: 327-346. NAS (1980) Água potável e saúde. Vol. 4. Washington, DC, National Academy of Sciences, National

da Água, 8: 327-346. NAS (1980) Água potável e saúde. Vol. 4. Washington, DC, National Academy of Sciences, National

AcademyAcademyAcademy Press.Press.Press. NASNASNAS (1987)(1987)(1987) ÁguaÁguaÁgua potávelpotávelpotável eee saúde.saúde.saúde. Vol.Vol.Vol. 7.7.7. Washington,Washington,Washington, DC,DC,DC, NationalNationalNational AcademyAcademyAcademy ofofof Sciences,Sciences,Sciences, NationalNationalNational

Academy Press.

Orme J et al. (1985) Efeitos de dióxido de cloro em função da tiróide em ratos recém-nascidos. Journal of Toxicologia e Saúde

Orme J et al. (1985) Efeitos de dióxido de cloro em função da tiróide em ratos recém-nascidos. Journal of Toxicologia e Saúde

Ambiental,Ambiental, 15:15: 315-322.315-322.

A A

experimental em cães.

PesquisaPesquisa emem CiênciasCiências Veterinárias,Veterinárias, 12:12: 387-389.387-389.

Suh D, Abdel-Rahman H, Buli R (1983) Efeito de dióxido de cloro e os seus metabolitos na água potável no desenvolvimento fetalfetalfetal ememem ratos.ratos.ratos. JournalJournalJournal ofofof AppliedAppliedApplied Toxicology,Toxicology,Toxicology, 333 (2):(2):(2): 75-79.75-79.75-79. TaylorTaylorTaylor DH,DH,DH, PfohlPfohlPfohl RJRJRJ (1985)(1985)(1985) EfeitosEfeitosEfeitos dedede dióxidodióxidodióxido dedede cloroclorocloro sobresobresobre ooo desenvolvimentodesenvolvimentodesenvolvimento dedede neuroneuroneuro ratos.ratos.ratos. Em:Em:Em: JolleyJolleyJolley RLRLRL etetet al.,al.,al., Eds.Eds.Eds. cloraçãocloraçãocloração dadada água:água:água: ImpactoImpactoImpacto ambientalambientalambiental eee efeitosefeitosefeitos nanana saúde.saúde.saúde. Vol.Vol.Vol. 5.5.5.

Chelsea,Chelsea, MI,MI, LewisLewis Publishers,Publishers, pp.pp. 355-364.355-364. TERATERA (1998)(1998) riscorisco parapara aa saúdesaúde dede avaliaçãoavaliação // caracterizaçãocaracterização dada desinfecçãodesinfecção dede

águaágua potávelpotável por-produtospor-produtos dede dióxidodióxido dede clorocloro ee clorito.clorito. Cincinnati,Cincinnati, OH,OH, ToxicologiaToxicologia excelênciaexcelência parapara RiskRisk AssessmentAssessment (8W-0766-(8W-0766- NTLX).

TothToth GPGP etet al.al. (1990)(1990) EfeitosEfeitos dede dióxidodióxido dede clorocloro nono cérebrocérebro dodo ratorato emem desenvolvimento.desenvolvimento. JournalJournal ofof ToxicologiaToxicologia ee SaúdeSaúde

Ambiental,Ambiental, 31:31: 29-44.29-44.

Register,Register,Register,Register, 48:48:48:48: 19028.19028.19028.19028. AAAA EPAEPAEPAEPA (1999)(1999)(1999)(1999) desinfetantesdesinfetantesdesinfetantesdesinfetantes alternativosalternativosalternativosalternativos eeee oxidantesoxidantesoxidantesoxidantes manualmanualmanualmanual dededede orientação.orientação.orientação.orientação. Washington,Washington,Washington,Washington, DC,DC,DC,DC, EUAEUAEUAEUA

McCauley PT et ai. (1995) Os efeitos da exposição de clorato subcrónico em ratos Sprague-Dawley. Drogas and Chemical Toxicology, 18:

McCauley PT et ai. (1995) Os efeitos da exposição de clorato subcrónico em ratos Sprague-Dawley. Drogas and Chemical Toxicology, 18:

McCauley PT et ai. (1995) Os efeitos da exposição de clorato subcrónico em ratos Sprague-Dawley. Drogas and Chemical Toxicology, 18:

toxicidade e a mutagénese por clorato Prieto R, Fernandez E (1993) são independentes de redutase do nitrato em Chlamydomonas

toxicidade e a mutagénese por clorato Prieto R, Fernandez E (1993) são independentes de redutase do nitrato em Chlamydomonas

reinhardtii. Molecular e Genética, 237: 429-438. Sheahan BJ, Pugh DM, Winstanley EW (1971) envenenamento por clorato de sódio

reinhardtii. Molecular e Genética, 237: 429-438. Sheahan BJ, Pugh DM, Winstanley EW (1971) envenenamento por clorato de sódio

reinhardtii. Molecular e Genética, 237: 429-438. Sheahan BJ, Pugh DM, Winstanley EW (1971) envenenamento por clorato de sódio

US EPA (1983) clorato de sódio: isenção da obrigação de uma tolerância. Agência de Proteção Ambiental dos EUA. Federal

US EPA (1983) clorato de sódio: isenção da obrigação de uma tolerância. Agência de Proteção Ambiental dos EUA. Federal

Musil J et al. (1964) aspectos toxicológicos de aplicação de dióxido de cloro para o tratamento de água contendo fenóis. Tecnologia

Musil J et al. (1964) aspectos toxicológicos de aplicação de dióxido de cloro para o tratamento de água contendo fenóis. Tecnologia

Ambiental

Protection Agency,

Escritório

de água,

abril

(EPA 815-R-99-014,

http://www.epa.gov/safewater/mdbp/alternative_disinfectants_guidance.pdf).

22

O clorito e clorato na água potável

AA EPAEPA (2000)(2000) avaliaçãoavaliação toxicológicatoxicológica dede dióxidodióxido dede clorocloro ee dede clorito,clorito, emem apoioapoio dede informaçõesinformações resumidasresumidas sobresobre oo SistemaSistema dede

InformaçãoInformação IntegradaIntegrada dede RiscosRiscos (IRIS).(IRIS). Washington,Washington, DC,DC, AgênciaAgência dede ProteçãoProteção AmbientalAmbiental dosdos EUA,EUA, SetembroSetembro (EPA(EPA // 636636 //

R-00/007).

AA EPAEPA (2001)(2001) ControlandoControlando osos subprodutossubprodutos dada desinfecçãodesinfecção ee contaminantescontaminantes microbianosmicrobianos nana águaágua potável.potável.

Washington, DC, Agência de Proteção Ambiental dos EUA, Dezembro

(EPA / 600 / R-01/110;

http://www.epa.gov/ordntrnt/ORD/NRMRL/Pubs/600R01110/600r01110completedocument.pdf). US EPA (2003) Regras

propostas.propostas. AgênciaAgência dede ProteçãoProteção AmbientalAmbiental dosdos EUA.EUA. FederalFederal Register,Register,

68 (159): 49665.

FDA dos EUA (1990) Alimentos e medicamentos. Vol. 21, Peças 170-179. Washington, DC, US Food and Drug Administration, Gabinete

FDA dos EUA (1990) Alimentos e medicamentos. Vol. 21, Peças 170-179. Washington, DC, US Food and Drug Administration, Gabinete

FDA dos EUA (1990) Alimentos e medicamentos. Vol. 21, Peças 170-179. Washington, DC, US Food and Drug Administration, Gabinete

do Federal Register.

23